Você está na página 1de 16
Métodos e Técnicas IV Matriz de Harris
Métodos e Técnicas IV
Matriz de Harris

Segunda metade do século XX

Arqueologia fortemente marcada por duas

preocupações:

  • Os aspectos arquitetônicos;

  • Os aspectos estratigráficos.

  • Tiziano Mannoni – “Arqueologia Global” – consiste no conhecimento histórico-arqueológico multidisciplinar formado por três grandes áreas: cada uma delas foi definida em função da cota em que são desenvolvidos os estudos.

    • 1. Cota zero (nível do solo)- arqueologia de indicadores ou arqueologia de prospecções estuda os sistemas produtivos sociais;

  • 2. Cotas negativas (subsolo) escavações arqueológicas lida com os artefatos;

  • 3. Cotas positivas (acima do solo) Arqueologia da arquitetura lida com superfícies verticais.

  • Neste

contexto

reflexão

sobre

os

sítios

históricos,

os

monumentos

arquitetônicos

e

outros, é que Harris propõe uma metodologia

que

visa

facilitar

a

visualização

e,

consequentemente,

a

compreensão

dos

diferentes momentos de formação do registro

arqueológico.

  • A matriz de Harris tem como esforço central, transformar as relações físicas existentes entre as unidades estratigráficas (cobertura, cova, etc) em um esquema de relações temporais (anterior, posterior, contemporâneo) de uma maneira que todas as unidades estratigráficas possam ser

Leis de estratigrafia

  • Lei da superposição

Em uma série de estratos e elementos interfaciais, em seu estado original, as unidades de estratificação superiores são mais recentes e as inferiores são mais antigas. A lei da superposição é a constatação da ordem de deposição entre dois estratos quaisquer.

  • Lei da horizontalidade original

Qualquer estrato arqueológico depositado de forma

não sólida tenderá a fazê-lo de forma horizontal. Os estratos com superfícies inclinadas foram depositados originalmente assim, ou estão assim

devido a forma da bacia existente.

  • A lei da continuidade original

Todo depósito arqueológico ou todo elemento interfacial estará delimitado originalmente por

uma bacia de deposição ou sua espessura irá diminuindo progressivamente nas laterais até

acabar em uma bacia. Portanto, se qualquer

extremo de um depósito ou elemento interfacial apresenta uma face vertical, significa que parte

de sua extensão original foi perdida, seja por

escavação ou por erosão.

  • A lei da sucessão estratigráfica

Uma unidade de estratificação arqueológica ocupa seu lugar exato na sequência estratigráfica de

um sítio, entre a mais baixa (ou mais antiga) e a

mais alta (ou mais recente) de todas as unidades

  • UEA - Unidades de estratificação arqueológica

O conceito de UEA difere de estrato ou camada geológica porque

inclui, para além dos vários tipos de depósito arqueológico, as interfacies, correspondendo este a uma atividade humana, ainda que de tipo subtrativo.

Segundo Harris (1979 apud Bicho, 2011), existem três tipos de depósitos arqueológicos:

1.

Camadas

de

material

horizontalmente;

depositado ou acumulado

  • 2. Estruturas (negativas) do tipo dos buracos de poste ou de fossos, que cortam as camadas;

  • 3. Estruturas (positivas) construídas, como por exemplo, muros ou paredes, e à volta das quais as camadas se depositam.

 O método de Harris só reconhece três tipos de relações entre UEA:  A) as
O método de Harris só reconhece três tipos de relações entre
UEA:
A) as unidades não tem conexão estratigráfica direta; B) as
unidades se sobrepõem; C) as unidades se interelacionam como
partes separadas de um todo.
  • Mais recentemente, alguns arqueólogos tem feito grandes revisões sobre o método proposto por Harris.

  • Martin Carver e Steve Roskams são os principais críticos.