P. 1
Como calcular o preço de um produto - PARTE 1 - custos

Como calcular o preço de um produto - PARTE 1 - custos

4.2

|Views: 66.359|Likes:
Publicado porWILSON GIGLIO
Saiba mais detalhes deste curso e de muitos outros em:
http://www.portaldosempreendedores.com.br
e aproveite para conhecer: http://mentordenegocios.com.br

Temos muito a oferecer para voce e sua empresa.
Saiba mais detalhes deste curso e de muitos outros em:
http://www.portaldosempreendedores.com.br
e aproveite para conhecer: http://mentordenegocios.com.br

Temos muito a oferecer para voce e sua empresa.

More info:

Published by: WILSON GIGLIO on Jul 25, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial No-derivs

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPS or read online from Scribd
See more
See less

12/01/2014

original

Como calcular o preço de um produto ?

Parceiro dos Empresários Assessoria Gerencial Ltda. Click em cima de cada slide para assistir todo o curso.

Como calcular o preço de um produto ?

É lógico que isto será apenas um pequeno exemplo de: -Contabilidade de Custos -Formação de Preço de Venda -Ponto de Equilíbrio -Controles de Estoques

O que pretendemos é que com este pequeno painel você consiga fazer o Gerenciamento de Custos da sua empresa. Para isto você precisará estudar e analisar todo este curso, várias vezes, e colocá-lo em prática na sua empresa. Independente do seu ramo de atividade.

Como calcular o preço de um produto ?

Iremos tomar como base inicial o cálculo do preço de custo de uma pizza de muzzarela. Poderá parecer simples, à princípio, mas vocês irão perceber que existe muita complexidade por trás deste simples cálculo. Poderão ver, também, como chegar ao ponto de equilíbrio, mensurar os gastos mensais, o que importa no lucro liquido de cada pizza para se chegar ao prazo de retorno do investimento. Este é um demonstrativo completo que irá percorrer caminhos e te mostrar alguns fatores que você pode não ter visto antes. É apenas uma base, uma ferramenta, onde você poderá aprender como calcular o preço de venda de um produto, mercadoria ou serviço. Faz parte integrante do curso COMO CALCULAR O PREÇO DE UM PRODUTO (MARKUP) www.empreenderparatodos.com.br

Como calcular o preço de um produto ?

Em primeiro lugar precisamos de uma receita simples (verdadeira): - Ingredientes e Preparo: 250 gramas de farinha de trigo 1 e 1/2 copo (americano) de leite; 1 tablete ou 3 colheres de fermento; 3 colheres (sopa) de azeite de oliva; 3 tomates grandes para o molho; Pimenta, sal e orégano a gosto e 1 colher (chá) de margarina. 300 gramas de queijo mussarela 1 tomate grande em fatias e 8 azeitonas verdes (ou pretas) Preparo da massa: Misture a farinha de trigo no leite. Dissolva o fermento, o sal e azeite. Amasse até a massa ficar lisa, depois, deixe descansar por 1 hora.

Como calcular o preço de uma pizza ?

Preparo do recheio: Pique os 3 tomates ou passe no liquidificador. Tempere com pimenta, orégano e sal a gosto. Montagem: Estenda a massa e coloque em fôrma untada (com margarina), espalhe o molho por cima, e cubra com fatias de queijo mussarela, coloque os tomates fatiados, tampe e leve ao forno por 10 minutos. Tire do forno e sirva colocando azeite de oliva e as azeitonas. Pronto. Bem fácil não é ? Para completar sirva um bom vinho, ou um gostoso refrigerante ou uma boa cerveja ! Puxa, me deu água na boca!

Como calcular o preço de uma pizza ?

Até aqui, tudo bem não é mesmo ? Mas em nosso caso teremos que acrescentar algumas coisas a mais pois temos uma EMPRESA que fabrica PIZZAS !!!

Então teremos outros custos, tais como: -Funcionários mais encargos -Despesas operacionais (aluguel, fone, fax, energia, agua, pro labore, etc.) -Lenha / material de limpeza / material de embalagem / pézinho / etc. -Impostos (neste caso EPP) / taxas / contador / higienização / etc..

Já que temos todos estes dados vamos fazer o custo total ?

Como calcular o preço de uma pizza ?
MATÉRIA PRIMA Farinha de Trigo Leite Fermento Sal Tomate ( para colocar em cima da pizza ) 300 gramas de mussarela Molho de tomate Azeite Azeitona MATERIAL COMPLEMENTAR Pézinho MATERIAL DE EMBALAGEM Acondicionamento do Produto Propaganda anexa MATERIAL AUXILIAR Lenha Alcool CUSTO TOTAL DO PRODUTO 1 pizza 0,35 0,06 0,41 6,76 3,73% 61,45% 1,00 0,10 1,10 10,00% 0,05 0,45% 0,80 0,30 0,20 0,05 0,22 2,40 0,80 0,30 0,43 5,50 47,27% a 8,00 o kilo

Como calcular o preço de uma pizza ?
DESPESAS FIXAS Salários Encargos sociais ( todos 42% ) Aluguel Energia / Telefone / Agua Assistência Contábil Material de Escritório Depreciação Despesas Bancárias Material de Limpeza Material de higiene funcionários Taxas diversas ( IPTU TLFF) Pró - Labore ( 2 sócios ) INSS s/ pró-labore Despesas com veículo Manutenção de equiptos. Cartões de Crédito - mensal 1.800,00 756,00 1.100,00 700,00 350,00 100,00 250,00 210,00 150,00 150,00 80,00 2.000,00 400,00 300,00 62,50 40,00 8.448,50 25.000,00 10% AA 2,82 25,64% 25.000,00 10% AA 3 colaboradores

CONSIDERANDO 3.000 PIZZAS / MÊS ( 100 Por / DIA – todos os dias !!! )

11,00

33.000,0 0

Como calcular o preço de uma pizza ?

IMPOSTO DA EPP ( ME SÓ ATÉ 20.000,00 MÊS ) = 5%

1.650,00

0,55

5%

CUSTO TOTAL

10,13

92,09%

VALOR DE VENDA NO BALCÃO

11,00

100%

LUCRO LIQUIDO POR PIZZA LUCRO LIQUIDO NO MÊS

0,87 2.610,00

7,91% 7,91%

Veja que após todo o trabalho de vender 100 pizzas por dia, durante 30 dias, o lucro liquido é de 7,91%, o que, neste caso, é razoável. Mas, em contrapartida o pró-labore dos dois sócios é somente de R$ 1.000,00 para cada um. Perguntamos: isto é o suficiente para ambos ?

Como calcular o preço de uma pizza ?

Neste caso somos obrigados a levar em conta outros fatores:

Investimento inicial de R$ 40.900,00. Prazo de retorno 18 meses. Colaboradores podem ficar doentes e faltar ao serviço A entrega de pizzas deverá ser feita por moto boy e cobrado a parte Em dias de chuva o movimento diminui e o moto boy falta O controle de estoque (de matéria prima e lenha) deve ser constante Existirá um software para controle e cadastro de clientes ? E muitas outras questões poderão ser formuladas neste caso.

Como calcular o preço de uma pizza ?

Na sua empresa as questões podem não mudar muito... Os controles que você deverá fazer, basicamente são os mesmos. O cálculo do preço de venda irá obedecer a mesma fórmula, independente do seu produto. Tudo o que você tem na empresa deve ser considerado. Desta forma iremos ver, a partir de agora, será como você vai GERENCIAR O CUSTO da sua empresa. Iremos passar para você, desde o início, tudo a respeito de custos. Esperamos que você possa, com este espírito, conhecer melhor os custos e poder, ao final, implantar tudo o que sugerimos aqui para a sua empresa.

12

Contabilidade de Custos - Abordagem
 ORIGEM E CARACTERÍSTICAS  TERMINOLOGIA BÁSICA DE CUSTO  CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS  MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE ESTOQUES  SISTEMAS DE ACUMULAÇÃO DE CUSTOS  CUSTOS NAS EMPRESAS  CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO  CUSTO PADRÃO  MÉTODOS DE CUSTEIO (ABSORÇÃO, VARIÁVEL E ABC)

13

Contabilidade de Custos - Origem
 SURGIU COM A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL  ERA MERCANTILISTA = CONTABILIDADE FINANCEIRA (cálculo pela diferença) : Estoque Inicial (+) Compras (-) Estoque Final (=) Custo das Mercadorias Vendidas  VOLTADO PARA ATENDER AS EMPRESAS COMERCIAIS

14

Contabilidade de Custos - Origem
APURAÇÃO DO RESULTADO :

 VENDAS  (-) CMV  (=)LUCRO BRUTO  (-) DESPESAS Comerciais Administrativas Financeiras  RESULTADO LÍQUIDO XXX XXX XXX XXX XXX XXX

XXX XXX XXX XXX XXX XXX

XXX XXX XXX XXX

15

Contabilidade de Custos - Origem
 REVOLUÇÃO INDUSTRIAL - APARECIMENTO DE NOVOS MÉTODOS DE CUSTEIO - MEDIÇÃO MAIS COMPLEXA  APÓS A 1ª GUERRA MUNDIAL, AUMENTO DA CONCORRÊNCIA EMPRESARIAL  NECESSIDADE DE MAIOR PLANEJAMENTO E CONTROLE (Contabilidade de Custos como informações Gerenciais = grande subsídio).  EXPERIÊNCIAS DO SETOR SECUNDÁRIO FOI ADOTADA PELO TERCIÁRIO  PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS - IMPORTÂNCIA FUNDAMENTAL.

Contabilidade Custos, Financeira e Gerencial
 CONTABILIDADE GERENCIAL

16

MENSURA E RELATA INFORMAÇÕES FINANCEIRAS SUBSÍDIOS A TOMADA DE DECISÕES; ESTRATÉGIAS DE LONGO PRAZO (NOVOS PRODUTOS E INVESTIMENTO EM ATIVOS); DECISÕES P/ALOCAÇÃO DE RECURSOS (PRODUTO, CLIENTE, PREÇO), COM RELATÓRIOS DE RENTABILIDADE; PLANEJAMENTO E CONTROLE DOS CUSTOS DE ÁREAS E DE OPERAÇÕES; MENSURAÇÃO DA PERFORMANCE (REAL X ORÇADO; INDICADOR FINANCEIRO OU NÃO); É VOLTADO PARA DENTRO DA EMPRESA.

17

Contabilidade Custos, Financeira e Gerencial
 CONTABILIDADE FINANCEIRA

PUBLICAÇÃO DE DEMONSTRATIVOS CONFORME NORMAS E ESTATUTOS LEGAIS. DEMONSTRATIVOS VOLTADOS AO PÚBLICO EXTERNO (PRINCÍPIOS CONTÁBEIS GERALMENTE ACEITOS);

18

Contabilidade Custos, Financeira e Gerencial
 CONTABILIDADE DE CUSTOS

RELATA DADOS DE AQUISIÇÃO E CONSUMO DE RECURSOS; FORNECE INFORMAÇÃO PARA AS CONTABILIDADES FINANCEIRA E GERENCIAL; DETERMINA CUSTO E MARGEM P/UM PERÍODO; CALCULA VALORES DE INVENTÁRIO (PARA SUBSÍDIO DE CUSTO E PREÇO); APOIA A CONFECÇÃO DE ORÇAMENTOS; ESTABELECE MÉTODOS DE CONTROLE DE CUSTOS (REDUÇÃO E/OU MELHORIA); FORNECE SUBSÍDIOS (ANÁLISE) PARA A ESCOLHA OU DECISÃO ENTRE DOIS OU MAIS CURSOS ALTERNATIVOS.

19

Terminologia Básica
 ESQUEMA BÁSICO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS :

Separação entre Custos e Despesas; Apropriação dos Custos Diretos aos produtos; Apropriação dos Custos Indiretos aos Departamentos (isolando os Gerais); Rateio dos Custos Indiretos Gerais; Definição da seqüência de Rateios apropriada (dos Deptos Serviços aos Deptos de Produção); Apropriação dos Custos Indiretos da Produção aos Produtos.

 DESTA FORMA, TORNA-SE POSSÍVEL A APURAÇÃO DO “CUSTO DO PRODUTO”.

20

Terminologia Básica
 MAS QUAL É O CONCEITO DA PALAVRA “CUSTO”? E DESPESA?

CUSTO : É o valor do bem ou serviço consumido na produção de outros bens e serviços. (Ex. Matéria Prima);

DESPESA : É o valor do bem ou serviço consumidos “direta ou indiretamente” na produção de outros bens e serviços num determinado período. (Ex: Comissão de Vendas).

 DE FORMA SIMPLISTA, TODOS OS GASTOS REALIZADOS DENTRO DA FÁBRICA COM O PRODUTO É CUSTO. O RESTO É DESPESA.  E “GASTO”, O QUE SERIA ?

21

Terminologia Básica

GASTO : Sacrifício financeiro, na forma de entrega ou promessa de entrega de ativos (normalmente dinheiro) que a empresa assume, para a obtenção de bens ou serviços. Só existe o gasto no momento que existe o reconhecimento contábil da dívida. O gasto implica desembolso e pode ser um custo, despesa ou investimento;

DESEMBOLSO : Pagamento resultante das compras de bens ou serviços. Pode ocorrer antes, durante ou depois da compra;

INVESTIMENTO : São gastos "ativados" em função da utilidade futura de bens ou serviços obtidos. Ex. Matéria-Prima (inicialmente um investimento circulante), Máquina (investimento permanente);

22

Terminologia Básica

PERDA : Valor dos bens ou serviços consumidos de forma anormal e ‘involuntária’. As perdas decorrentes de fatores externos = Despesas, e a de fatores da atividade produtiva = Custos.

DESPERDÍCIO : É o consumo ‘intencional’, que por alguma razão não foi direcionado à produção de um bem ou serviço.

 Um gasto pode transformar-se de investimento para custo ou despesa, ou diretamente para custo ou despesa. Ex. Aquisição de Computador = Investimento. Se utilizado na fábrica, Depreciação = Custo. Se utilizado na administração, Depreciação = Despesa.

23

Terminologia Básica (Exercício)
Cu o st Aquisição de Móveis e Utensílios Utilização de Alum p/Fabricação de Panela ínio Pagam ento Com issões de Vendas de Autônom os Depreciação dos Micros do Marketing da Fábrica Aluguel do Prédio da Fábrica Mat.Prim deteriorada p/longo tem de Estocagem a po Pagam ento pela Prestação Serviços de Recrutam ento Pagam ento da Fatura de com de Matéria Prim pra a Com de Cam pra inhão para Frota Consum de Tintas na Pintura de Bicicletas o Dispêndio p/Conserto da Seladora por curto circuito Vazam ento nas Tubulações por falta de Manutenção Quitação das Prestações por aquisição Maquinário Reparos na fábrica devido ao umIncêndio ocorrido D s- In st e ve iD se e m D sp re e Ga o st Pe a rd p sa m n o e et b olso d ício

X

X X X

X X X

X X

X X

X X X

X X

X

X X

X

X X

X

X

X

X

24

Classificação e Nomenclatura dos Custos
 OBJETOS DE CUSTO : Qualquer coisa para a qual se deseja uma mensuração de custo (um bem, um processo ou um serviço). ESTÁGIOS BÁSICOS DE CUSTOS (considerados num Sistema) :  ACUMULAÇÃO DE CUSTOS : Compilação de dados de custos de maneira organizada através de um sistema contábil (ex. materiais, mão-de-obra, aluguéis, seguros, etc);  APROPRIAÇÃO DE CUSTOS : Abrange tanto a apropriação (direta) como a alocação (indireta) dos custos acumulados ao objeto de custo;  Ex. Compra de Tomate para fabricação de Lasanha (conta materiais = acumulação; objetos de custo ‘molho’ e ‘lasanha’ = apropriação).

25

Classificação dos Custos
APROPRIAÇÃO AOS OBJETOS DE CUSTO

CUSTO DIRETO : Custos que estão relacionados e ‘identificados’ a um objeto de custo específico, através de uma medida clara de consumo. Ex. A qtde de alumínio usado na fabricação de 1 panela.

CUSTO INDIRETO : Custos que estão relacionados mas ‘não identificados’ a um objeto de custo específico através de uma medida objetiva, necessitando de estimativas (algumas arbitrárias) como forma de alocá-lo ao objeto de custo (rateio). Ex. O custo com aluguel da fábrica de panelas.

26

Classificação dos Custos
Alumínio Apropriação Direta de Custo Panela de Pressão Aluguel da Fábrica
Rateio de Custo

A ‘apropriação direta de custo’ é o processo de transferência dos custos ‘diretos’ a um objeto de custo desejado. O ‘rateio de custo’ é o processo de transferência dos custos ‘indiretos’ a um objeto de custo desejado. Para ambos os casos, damos o nome de apropriação de custos.

27

Classificação dos Custos (Exercício)
Itemde Custo Aluguel de um prédio da fábrica Madeira empregada na fabricação de camas Salário do diretor de produção Energia elétrica p/o funcionamento das máquinas de um produto Depreciação do equipto de ar condicionado da fábrica Custo de MDO dos funcionários da montagem de computadores Maçãs utilizadas na produção de suco Salários da segurança Lubrificante para as máquinas de montagem de calçados Imposto Predial da fábrica Conservantes empregado na produção de refrigerantes Custo de MDO dos empregados na pintura de esquadrias Depreciação da máquina de café da fábrica Seguro do prédio da fabrica Auto-Falantes dos aparelhos de som Emrelação as "unidades do produto" D IRETO IN IRETO D

X X X X X X X X

X X X X X X X

28

Classificação dos Custos
COMPORTAMENTO

CUSTO VARIÁVEL : O custo ‘se altera’ na proporção direta ao volume total produzido. Ex. Matéria-prima.

CUSTO FIXO : O custo se mantém constante, ou seja, 'não se altera' diretamente na proporção ao volume total produzido. Ex. Seguro.
Custo Total $ 1500

Custo Variável

$ 1000

Custo Fixo
$ 500

Unidades Produzidas 1000 2000 3000

29

Classificação dos Custos

INTERVALO RELEVANTE : Quando o nível de atividade ou volume produzido tem uma relação determinada com o custo em questão. Um custo fixo só é fixo em relação a uma determinada faixa de produção e num determinado período de tempo.
Desp Aluguel

$ 25000

$ 15000 Unidades Produzidas 1000 5000 8000

30

Classificação dos Custos (Exercício)
Itemde Custo Aluguel de um prédio da fábrica Madeira empregada na fabricação de camas Salário do diretor de produção Energia elétrica p/o funcionamento das máquinas de um produto Depreciação do equipto de ar condicionado da fábrica Custo de MDO dos funcionários da montagem de computadores Maçãs utilizadas na produção de suco Salários da segurança Lubrificante para as máquinas de montagem de calçados Imposto Predial da fábrica Conservantes empregado na produção de refrigerantes Custo de MDO dos empregados na pintura de esquadrias Depreciação da máquina de café da fábrica Seguro do prédio da fabrica Auto-Falantes dos aparelhos de som Com portam ento do Custo V ARIÁV EL FIX O

X X X

X X X X X X X X X X

X

X

31

Custo Unitário e Total
 O CUSTO UNITÁRIO, também conhecido como Custo Médio, é obtido através da divisão de uma qtde total de custos por um nº de unidades (horas trabalhadas, itens produzidos, embalagens transportadas, etc.) Ex. Os Custos Totais de uma empresa p/produzir 1000 panelas foram : Custo Variável Custo Fixo = = $ 30,00 $ 15.000 $ 45.000 $ 45,00

Custo Total ($ 30 x 1000 + $ 15.000) = Custo Unitário ($ 45.000 ÷ 1000) =

32

Custo Unitário e Total
$ 45000

Custo Total
Custo Variável

$ 30000 Custo Fixo $ 15000 Unidades Produzidas 500 1000

 Custos Unitários devem ser utilizados e interpretados “com cautela”, uma vez que se tratam de ‘médias’. Para tomada de decisão, o melhor é se utilizar sempre dos ‘Custos Totais’.

33

Custo Unitário e Total
A empresa decidiu fazer um orçamento para o próximo período, com estimativa de produção de 800 panelas e quer utilizar o Custo Unitário do último período p/prever seus Custos Totais de produção: Custo Total ($ 45,00 x 800) = $ 36.000

Ao final do período, a apuração dos Custos Totais realizados foram : Custos Variáveis ($ 30 x 800) Custos Fixos Custos Totais = = = $ 24.000 $ 15.000 $ 39.000

Resultará portanto num Custo Total ‘subestimado’ em $ 3.000. Novo Custo Unitário ($ 39.000 ÷ 800) = $ 48,75

34

Custo Unitário e Total (Exercício I)
Custo do Palestrante para um Seminário :

Proposta 1 - $ 15.000 Proposta 2 - $ 3.000 fixos mais $ 70 por participante Proposta 3 - $ 100 por participante

Calcular o Custo Unitário e Total de cada proposta, com os seguintes números de participantes, indicando qual a + viável economicamente : a) 80 Pessoas b) 120 Pessoas c) 200 Pessoas

35

Custo Unitário e Total (Exercício I)
Custo Total a) 80 Pessoas - Proposta 01 - Proposta 02 107,50 - Proposta 03 b) 100,00 120 Pessoas - Proposta 01 - Proposta 02 95,00 - Proposta 03 $ 15.000 $ 187,50 $ $ $ 125,00 $ Custo Unitário

$ 8.600 ($ 3.000 + $ 70 x 80) $ 8.000 ($ 100 x 80) $ 15.000

$ 11.400 ($ 3.000 + $ 70 x 120) $ 12.000 ($ 100 x 120)

$ 100,00

36

Custo Unitário e Total (Exercício I)
(continuação) Custo Total c) 200 Pessoas - Proposta 01 - Proposta 02 85,00 - Proposta 03 $ 15.000 $ 75,00 $ Custo Unitário

$ 17.000 ($ 3.000 + $ 70 x 200) $ 20.000 ($ 100 x 200)

$ 100,00

37

Custo Unitário e Total (Exercício II)
A empresa CSA atua na pesca de camarões em alto mar no litoral norte do estado. Para tanto, incorre nos seguintes custos :

Paga $ 240 por tonelada ao Ajudante de Pesca; Paga $ 90 por tonelada as autoridades locais como Taxa de licença para pesca; Paga $ 15.000 por mês de Frete (caminhão frigorífico) para transporte dos camarões até a capital, sendo que a capacidade de transporte de 01 caminhão é de 04 toneladas e o acordo é de apenas 01 viagem/dia por caminhão.

Sendo o volume pescado por mês (25 dias úteis) de 180 toneladas de camarões, pede-se :

38

Custo Unitário e Total (Exercício II)
a) Qual o custo total da empresa ? E o custo unitário por tonelada ?

Custos Variáveis = ($ 240 + $ 90) x 180 Custos Fixos = 180 ÷ (4 x 25) = 1,8 2 x $ 15.000

= $ 59.400 = $ 30.000 --------------

Custo Total Custo Unitário = $ 89.400 ÷ 180

= $ 89.400 = $ 496,67

39

Custo Unitário e Total (Exercício II)
b) Qual será o custo unitário por tonelada se o volume mensal pescado cair para 70 toneladas? E se aumentar para 220 toneladas ? b1) 70 Ton : - CV = ($ 240 + $ 90) x 70 = $ 23.100

- CF = 70 ÷ (4 x 25) = 0,7 1 x $ 15.000 = $ 15.000 $ 38.100 ÷ 70 = $ 544,29 b2) 220 Ton : - CV = ($ 240 + $ 90) x 220 = $ 72.600

- CF = 220 ÷ (4 x 25) = 2,2 3 x $ 15.000 = $ 45.000 $ 117.600 ÷ 220 = $ 534,55

40

Métodos de Avaliação de Estoques
 MATERIAIS DIRETOS (M.PRIMA, EMBALAGENS) SÃO APROPRIADOS AO PRODUTO PELO VALOR HISTÓRICO DE AQUISIÇÃO;  OUTROS GASTOS INCORRIDOS, TAIS COMO FRETES, IMPOSTOS NÃO RECUPERÁVEIS (EX. IMPORTAÇÃO), OU OUTROS ENCARGOS ADICIONAIS, DEVEM INCORPORAR SEU CUSTO;  DA MESMA FORMA, DESCONTOS COMERCIAIS E/OU ABATIMENTOS DEVEM SER CONSIDERADOS COMO REDUÇÃO DO CUSTO;  NO CASO DE AQUISIÇÕES DE MATÉRIAS PRIMAS COM CUSTOS UNITÁRIOS DISTINTOS (FORNECEDORES E/OU DATAS DIFERENTES), SURGEM ALTERNATIVAS DE CUSTEIO, A SABER:

41

Métodos de Avaliação de Estoques
CUSTO MÉDIO
 CRITÉRIO MAIS UTILIZADO PELAS EMPRESAS NO PAÍS;  ATUALIZAÇÃO CONSTANTE DO PREÇO MÉDIO A CADA COMPRA.
Data 30/06 10/07 14/07 22/07 25/07 31/07 550 $ 5.021 $ 9,13 200 $ 2.000 $ 10,00 250 $ 2.396 $ 9,58 300 $ 2.700 $ 9,00 300 $ 2.625 $ 8,75 Entrada Valor Custo Unit Qtde Saída Saldo em Estoque Valor Custo Unit Qtde Valor Custo Unit 100 400 100 300 50 50 $ 800 $ 3.500 $ 875 $ 2.875 $ 479 $ 479 $ 8,00 $ 8,75 $ 8,75 $ 9,58 $ 9,58 $ 9,58

Qtde

42

Métodos de Avaliação de Estoques
PEPS (ou FIFO)

 MATERIAL UTILIZADO É CUSTEADO PELO PREÇO MAIS ANTIGO;  ENTRADAS MAIS RECENTES PERMANECEM EM ESTOQUE;  FAVORECE O RESULTADO (CUSTO MATERIAL SUB-AVALIADO).

43

Métodos de Avaliação de Estoques
PEPS (ou FIFO)
Data 30/06 10/07 14/07 22/07 25/07 31/07 550 $ 5.000 $ 9,09 200 $ 2.000 $ 10,00 100 150 $ 900 $ 9,00 $ 1.500 $ 10,00 Qtde 300 Entrada Valor Custo Unit Qtde $ 2.700 $ 9,00 100 200 $ 800 $ 1.800 $ 8,00 $ 9,00 Saída Saldo em Estoque Valor Custo Unit Qtde Valor Custo Unit 100 100 300 100 100 200 50 50 $ 800 $ 800 $ 2.700 $ 900 $ 900 $ 2.000 $ 500 $ 500 $ 8,00 $ 8,00 $ 9,00 $ 9,00 $ 9,00 $ 10,00 $ 10,00 $ 10,00

44

Métodos de Avaliação de Estoques
UEPS (ou LIFO)

 MATERIAL UTILIZADO É CUSTEADO PELO PREÇO MAIS ATUAL;  ESTOQUE SE MANTÉM SUB-AVALIADO;  NÃO É ACEITO PELA LEGISLAÇÃO DO IR BRASILEIRO;

45

Métodos de Avaliação de Estoques
UEPS (ou LIFO)
Data Qtde 30/06 10/07 14/07 22/07 25/07 31/07 550 $ 5.100 $ 9,27 300 Entrada Valor Custo Unit Qtde $ 2.700 $ 9,00 300 200 $ 2.000 $ 10,00 200 50 $ 2.000 $ 10,00 $ 400 $ 8,00 $ 2.700 $ 9,00 Saída Saldo em Estoque Valor Custo Unit Qtde Valor Custo Unit 100 100 300 100 100 200 50 50 $ 800 $ 800 $ 2.700 $ 800 $ 800 $ 2.000 $ 400 $ 400 $ 8,00 $ 8,00 $ 9,00 $ 8,00 $ 8,00 $ 10,00 $ 8,00 $ 8,00

46

Métodos de Avaliação de Estoques (Exercício)
Considere as seguintes situações para o produto 'Maçã' num período :
 

Estoque Inicial Compras :

01/08 10/08 15/08 27/08

200 un à $100 300 un à $165 400 un à $240 250 un à $155 400 un 400 un 300 un

Saídas :

16/08 21/08 28/08

Pede-se : Calcule o Estoque Final em 31/08 (Qtde, Valor Total e Custo Unitário) pelos métodos do Custo Médio, PEPS e UEPS.

47

Métodos de Avaliação de Estoques (Exercício)
CUSTO MÉDIO :
Data Qtd e 01/08 10/08 15/08 16/08 21/08 27/08 28/08 31/08 300 $ 165 $ 0,55 Entrada Valor Cu Un Qtd sto it e Saída Saldo em Estoque Valor Cu Un Qtd sto it e Valor Cu Un sto it

200 500 900 400 400 250 $ 155 $ 0,62 300 $ 181 $ 0,60 $ 224 $ 224 $ 0,56 $ 0,56 500
100

$ 100 $ 265 $ 505 $ 281
$ 56

$ 0,50 $ 0,53 $ 0,56 $ 0,56
$ 0,56

400

$ 240

$ 0,60

350 50 50

$ 211 $ 30 $ 30

$ 0,60 $ 0,60 $ 0,60

48

Métodos de Avaliação de Estoques (Exercício)
PEPS :
Data Qtd e 01/08 10/08 15/08 Entrada Valor Cu Un Qtd sto it e Saída Saldo em Estoque Valor Cu Un Qtd sto it e Valor Cu Un sto it

200 300 400 $ 165 $ 240 $ 0,55 $ 0,60 200 300 200 300 400 200 200 100 300 250 $ 155 $ 0,62 100 200 $ 60 $ 124 $ 0,60 $ 0,62 $ 100 $ 110 $ 55 $ 180 $ 0,50 $ 0,55 $ 0,55 $ 0,60 100 400 100 100 250 50
50

$ 100 $ 100 $ 165 $ 100 $ 165 $ 240 $ 55 $ 240 $ 60 $ 60 $ 155 $ 31
$ 31

$ 0,50 $ 0,50 $ 0,55 $ 0,50 $ 0,55 $ 0,60 $ 0,55 $ 0,60 $ 0,60 $ 0,60 $ 0,62 $ 0,62
$ 0,62

16/08 21/08 27/08 28/08 31/08

49

Métodos de Avaliação de Estoques (Exercício)
UEPS :
Data Qtd e 01/08 10/08 15/08 Entrada Valor Cu Un Qtd sto it e Saída Saldo em Estoque Valor Cu Un Qtd sto it e Valor Cu Un sto it
200 $ 100 $ 100 $ 165 $ 100 $ 165 $ 240 $ 100 $ 165 $ 50 $ 50 $ 155 $ 25 $ 25 $ 0,50 $ 0,50 $ 0,55 $ 0,50 $ 0,55 $ 0,60 $ 0,50 $ 0,55 $ 0,50 $ 0,50 $ 0,62 $ 0,50 $ 0,50 200 300 200 300 400

300 400

$ 165 $ 240

$ 0,55 $ 0,60

16/08 21/08 27/08 28/08 31/08

400 300 100 250 $ 155 $ 0,62 250 50

$ 240 $ 165 $ 50

$ 0,60 $ 0,55 $ 0,50

200 300 100 100 250

$ 155 $ 25

$ 0,62 $ 0,50

50 50

50

Aspectos Tributários no Custo dos Produtos
ICMS :
 INCIDE NA COMPRA DE MATERIAIS, NÃO CUMULATIVO, PODENDO A EMPRESA SE RECUPERAR CASO HAJA A INCIDÊNCIA DE ICMS SOBRE OS PRODUTOS VENDIDOS;  É COBRADO 'POR DENTRO', OU SEJA, SEU VALOR ESTÁ EMBUTIDO NO PREÇO DO PRODUTO ADQUIRIDO E/OU COMERCIALIZADO;  TEM COMO PRINCIPAIS ALÍQUOTAS : 18% (ESTADUAL), 12% (INTERESTADUAL), 7% (ZONA FRANCA), 25% (LUZ E TELEFONE).

51

Aspectos Tributários no Custo dos Produtos
IPI:
 MAIOR INCIDÊNCIA SOBRE MATERIAIS ADQUIRIDOS DE EMPRESAS INDUSTRIAIS;  NÃO CUMULATIVO, PODENDO, A EXEMPLO DO ICMS, A EMPRESA SE RECUPERAR CASO HAJA A INCIDÊNCIA DE IPI SOBRE SEUS PRODUTOS VENDIDOS  EMPRESAS COMERCIAIS NÃO POSSUEM O BENEFÍCIO DA RECUPERAÇÃO. NO CASO DE INCIDÊNCIA DO IPI NA AQUISIÇÃO DE MATERIAIS, CONSIDERAR COMO CUSTO;  É COBRADO 'POR FORA', DESTACADO DO PRODUTO, TENDO COMO INCIDÊNCIA O PREÇO DA VENDA TOTAL;  POSSUI ALÍQUOTAS VARIADAS CONFORME O PRODUTO.

52

Aspectos Tributários no Custo dos Produtos
PIS E COFINS :
 INCIDEM SOBRE O RECOLHIMENTO DA RECEITA DE VENDA DE PRODUTOS E SERVIÇOS PELO PRINCÍPIO DA COMPETÊNCIA.  POSSUÍAM CARÁTER CUMULATIVO, ATÉ AS LEIS 9.718 (DEZ/02 PIS) E 10.637 (FEV/04 - COFINS) TRANSFORMAREM AMBOS EM NÃO CUMULATIVOS, POSSIBILITANDO A RECUPERAÇÃO SOBRE OS CUSTOS DOS PRODUTOS (CUSTOS DIRETOS E INDIRETOS).  AS ALÍQUOTAS PARA O BENEFÍCIO DA RECUPERAÇÃO SÃO : 7,6% COFINS E 1,65% PIS.

53

Departamentalização
DEPARTAMENTO :  UNIDADE MÍNIMA ADMINISTRATIVA, COMPOSTA POR HOMENS E/OU MÁQUINAS, QUE DESENVOLVEM ATIVIDADES SIMILARES. EX. MONTAGEM, ALMOXARIFADO, EXPEDIÇÃO, ADMINISTRAÇÃO, ETC;  NA MAIORIA DAS VEZES SÃO “CENTROS DE CUSTO”;  DIVIDIDOS EM ‘PRODUTIVOS’ (ATUAM NO PRODUTO), E DE ‘SERVIÇOS’ (PRESTAM SERVIÇOS A OUTROS DEPTOS);  A DEPARTAMENTALIZAÇÃO É NECESSÁRIA P/ UMA ‘APURAÇÃO EFICIENTE’ DOS CUSTOS DOS PRODUTOS OU SERVIÇOS;

54

Departamentalização
 FATORES A SEREM CONSIDERADOS PARA DEFINIÇÃO QUANTO A DEPARTAMENTALIZAÇÃO DE UMA EMPRESA :

SIMILARIDADE E LOCALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES, PROCESSOS E MAQUINARIA;

RESPONSABILIDADES PELA PRODUÇÃO E CUSTO; AFINIDADES DAS OPERAÇÕES PARA FLUXO DO PRODUTO; NÚMERO DOS DEPARTAMENTOS OU CENTROS DE CUSTO.

55

Empresas dos Setores da Economia
 EMPRESAS DE SERVIÇOS :

Fornecem serviços ou produtos intangíveis aos seus clientes; Ex. escritórios de Consultoria, agências de Publicidade, etc; Não possuem ao final do período contábil um estoque tangível. Gastos mais significativos são basicamente os de Mão-de-Obra.

 EMPRESAS COMERCIAIS :

Fornecem produtos tangíveis, na sua grande maioria, nas mesmas condições em que foram adquiridos, sem sofrer transformações; Ex. Magazines, lojas de Materiais de Construção, etc. A mercadoria comprada junto aos fornecedores e não comercializada dentro de um período contábil é considerado estoque.

56

Empresas dos Setores da Economia
 EMPRESAS INDUSTRIAIS :

Oferecem produtos que sofreram algum tipo de transformação, diferentemente daqueles que foram adquiridos inicialmente; Tem como funções não apenas transformar, mas também desenvolver, projetar, comercializar e distribuir os produtos. Podem existir neste setor até três tipos de estoques, a saber :  Estoque de Materiais Diretos : Materiais adquiridos inicialmente, prontos para sofrerem algum tipo de transformação;  Estoque de Materiais em Processo : Produtos que já sofreram um processo de transformação parcial, mas não totalmente acabado;  Estoque de Produtos Acabados : Produtos totalmente finalizados, prontos para comercialização, mas que não os foram ainda.

57

Custos das Empresas
EMPRESAS DE SERVIÇOS :
 NÃO EXISTE UM ESTOQUE DE MATERIAL TANGÍVEL, PORTANTO NÃO HÁ UM CUSTO DE PRODUTO VENDIDO;  O QUE EXISTE É CUSTO DO SERVIÇO PRODUZIDO, ENGLOBANDO TODAS AS DESPESAS INCORRIDAS DENTRO DO EXERCÍCIO CONTÁBIL;  PODEM SER SALÁRIOS E ENCARGOS, DESPESA COM ALUGUEL, MATERIAIS DE ESCRITÓRIO, DEPRECIAÇÃO, ETC.

CSP = Mão-de-Obra + Materiais + Gastos Diversos

58

Custos das Empresas
Demonstrativo de Resultado de Exercício EMPRESA SERVIÇOS - 01.Jan.03 à 31.Dez.03 - em $ 0.000 VENDAS BRUTAS (-) DEDUÇÕES DE VENDAS Devoluções de Vendas Pis Cofins Iss (=) VENDAS LÍQUIDAS (-) CUSTO DOS SERVIÇOS PRESTADOS (=) LUCRO BRUTO (-) DESPESAS OPERACIONAIS Despesas Comerciais Despesas Administrativas Encargos Financeiros Líquidos Variações Monetárias (=) RESULTADO OPERACIONAL (+/-) OUTRAS RECEITAS / DESPESAS NÃO OPERACIONAIS (=) LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA (-) PROVISÃO DE IR (=) LUCRO LÍQUIDO 500.000 (81.250)
(10.000) (8.250) (38.000) (25.000)

418.750 (200.000) 218.750 (190.000)
(50.000) (100.000) (30.000) (10.000)

28.750 20.000 48.750 (21.000) 27.750

59

Custos das Empresas
EMPRESAS COMERCIAIS:
 POSSUEM UM ESTOQUE DE MERCADORIA NA SUA FORMA ORIGINAL DE COMPRA;  CUSTO DA MERCADORIA VENDIDA É O CUSTO DE AQUISIÇÃO DA MERCADORIA, AJUSTADA AS VARIAÇÕES DO ESTOQUE DA MESMA.  INCLUEM NA APURAÇÃO DO CMV DEMAIS CUSTOS DE AQUISIÇÃO JÁ VISTOS (FRETES, IMPOSTOS IRRECUPERÁVEIS, ENCARGOS, DESCONTOS, ABATIMENTOS, ETC)

CMV = Estoque Inicial + Compras - Estoque Final

60

Custos das Empresas
Demonstrativo de Resultado de Exercício Empresa Comercial - 01 Jan 03 à 31 Dez 03 - em $ 0.000 VENDAS BRUTAS (-) DEDUÇÕES DE VENDAS Devoluções de Vendas Pis Cofins Icms (=) VENDAS LÍQUIDAS (-) CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS (=) LUCRO BRUTO (-) DESPESAS OPERACIONAIS Despesas Comerciais Despesas Administrativas Encargos Financeiros Líquidos Variações Monetárias (=) RESULTADO OPERACIONAL (+/-) OUTRAS RECEITAS / DESPESAS NÃO OPERACIONAIS (=) LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA (-) PROVISÃO DE IR (=) LUCRO LÍQUIDO 2.000.000 (475.000)
(50.000) (33.000) (152.000) (240.000)

1.525.000 (800.000) 725.000 (550.000)
(300.000) (200.000) (40.000) (10.000)

175.000 10.000 185.000 (70.000) 115.000

61

Custos das Empresas
EMPRESAS INDUSTRIAIS:
 PODEM VIR A POSSUIR MAIS DE UM TIPO DE ESTOQUE, DE FORMA A ARMAZENAR AS FASES DE TRANSFORMAÇÕES DOS PRODUTOS (CASO OCORRAM);
Matéria Prima -> Produtos em Processo -> Produtos Acabados

 PARA APURAÇÃO DO CUSTO DOS PRODUTOS ACABADOS, TERÍAMOS QUE CONSIDERAR OS DIVERSOS CUSTOS QUE INCORREM EM CADA UMA DESTAS SITUAÇÕES;  TODOS OS CUSTOS ENVOLVIDOS EM CADA SITUAÇÃO SÃO CHAMADOS DE CUSTOS DE PRODUÇÃO;

62

Custos das Empresas
EMPRESAS INDUSTRIAIS:
 A COMPOSIÇÃO E OS TERMOS MAIS USADOS DESTES CUSTOS DE PRODUÇÃO SÃO :

MATERIAIS DIRETOS - MATÉRIA-PRIMA, EMBALAGENS E OUTROS ITENS A SEREM AGREDADOS AO PRODUTO (ACABADOS OU NÃO) TORNANDO PARTE DO OBJETO DE CUSTO.

MÃO-DE-OBRA DIRETA - REMUNERAÇÃO DO PESSOAL IDENTIFICADO DIRETAMENTE COM O PRODUTO EM PROCESSO DE FABRICAÇÃO, E QUE PODE SER ALOCADO AO OBJETO DE CUSTO, DE FORMA 'DIRETA, CLARA E OBJETIVA'

63

Custos das Empresas
EMPRESAS INDUSTRIAIS:

CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO - CUSTOS CONSIDERADOS COMO 'PARTE' DO OBJETO DE CUSTO, MAS NÃO PERMITEM UM ACOMPANHAMENTO ECONÔMICO DIRETO (NÃO HÁ IDENTIFICAÇÃO INDIVIDUAL CLARA), NECESSITANDO DE ESTIMATIVAS OU CRITÉRIOS DE RATEIO, PARA APROPRIAÇÃO AO OBJETO DE CUSTO.
ESTOQUE ESTOQUE PRODUTOS ACABADOS

Compra

MATÉRIA PRIMA

PRODUÇÃO (MOD + CIF)

Venda

64

Custos das Empresas
EMPRESAS INDUSTRIAIS:
 A PARTIR DAÍ, TORNA-SE POSSÍVEL A APURAÇÃO DO CUSTO DO PRODUTO VENDIDO, CUMPRINDO AS SEGUINTES ETAPAS :
MP = Estoque Inicial + Compras – Estoque Final

PP = Est Inicial + Mat Diretos + MO Direta + Custos Indir Fabric – Est Final

PA = Estoque Inicial + Custo Produtos Fabricados – Estoque Final

65

Custos das Empresas
EMPRESAS INDUSTRIAIS:

Estoque de Matéria Prima Estoque Inicial Compras Estoque Final Matéria Prima Consumida

Estoque de de Estoque Estoque de de Estoque Produtos em Processo Produtos em Processo Produtos Acabados Produtos Acabado Estoque Inicial MP MDO CIF Estoque Final Custo dos Produtos Fabricados Estoque Inicial CPF Estoque Final Custo dos Produtos Vendidos

(MP)

(CPF)

(CPV)

Custos de Produção

66

Custos das Empresas
Demonstrativo de Resultado de Exercício Empresa Industrial - 01 Jan 03 à 31 Dez 03 - em $ 0.000 VENDAS BRUTAS (-) DEDUÇÕES DE VENDAS Devoluções de Vendas Pis Cofins Icms Ipi (=) VENDAS LÍQUIDAS (-) CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS (=) LUCRO BRUTO (-) DESPESAS OPERAC IONAIS Despesas Comerciais Despesas Administrativas Encargos Financeiros Líquidos Variações Monetárias (=) RESULTADO OPERACIONAL (+/-) OUTRAS RECEITAS / DESPESAS NÃO OPERACIONAIS (=) LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA (-) PROVISÃO DE IR (=) LUCRO LÍQUIDO 4.000.000 (1.000.000)
(50.000) (66.000) (304.000) (480.000) (100.000)

3.000.000 (1.500.000) 1.500.000 (1.030.000)
(500.000) (400.000) (100.000) (30.000)

470.000 10.000 480.000 (160.000) 320.000

67

Custos das Empresas
CUSTEIO NA CONTABILIDADE :
AUA O P R ÇÃ D S CU T S O SO
Matéria-Prima Mão-de-Obra Direta
Compra

BA BA N LA ÇO ÇO N LA P T IMT IAO IA A RP OR L N L A NIM
Estoque de Matéria-Prima Matéria-Prima
MP consumida na Produção

D O EM A O EMD ST STRAÇÃO N ONÇÃ R D RD U A O O E ES RESU S S E LT D LTAD

Custos Indiretos de Fabricação

Estoque de Produtos Estoque de Produtos em Processo em Processo
Produtos Acabados

RECEITAS (-)
Venda

Estoque de Produtos Estoque de Produtos Acabados Acabados

CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS (= MargemBruta ) (- )

Outras Despesas

Gastos n Pe o o ríod Gastos no Período

Despesas Incorridas Despesas Incorridas (= Resultado Operacional )

68

Custos das Empresas (Exercício)
Dados de Custos e Vendas da empresa KWR ref ao último exercício :
Estoque Inicial de Produtos Acabados Estoque Final de Produtos Acabados Depreciação da Fábrica Despesas Administrativas Serviços de Utilidade Pública Consumidos Manutenção da Fábrica Suprimentos da Fábrica Seguros da Fábrica Aquisição de Matérias-Primas Estoque inicial de Matérias-Primas Estoque Final de Matérias-Primas Mão-de-Obra Direta Mão-de-Obra Indireta Estoque Inicial de Produtos Semi-Acabados (em Processo) Estoque Final de Produtos Semi-Acabados (em Processo) Vendas Despesas de Vendas 12.000 24.000 16.000 45.000 5.000 25.000 4.000 2.500 75.000 6.000 4.000 40.000 9.000 10.000 18.000 300.000 50.000

69

Custos das Empresas (Exercício)
A) Elaborar a planilha de custos dos Produtos Acabados :
Materiais Diretos Estoque Inicial de Matéria-Prima (+) Aquisição de Matéria-Prima (=) MP disponível para consumo (-) Estoque Final de Matéria-Prima MP Consumida na produção Mão-de-Obra Direta Custos Indiretos de Fabricação Depreciação da Fábrica Serviços de Utilidade Pública Manutenção da Fábrica Suprimentos de Fábrica Seguros da Fábrica Mão-de-Obra Indireta CIF Total Custos de Produção do Período (+) Estoque Inicial de Produtos em Processo (-) Estoque Final de Produtos em Processo Custo dos Produtos Fabricados (Acabados)

6.000 75.000 81.000 4.000
77.000 40.000 16.000 5.000

25.000 4.000 2.500 9.000
61.500 178.500 10.000 18.000

170.500

70

Custos das Empresas (Exercício)
B) Elaborar a Demonstração de Resultado do Exercício :
Empresa KWR Demonstração de Resultados Exercício findo em 31/Dezembro/XX Receita de Vendas Custo dos Produtos Vendidos Estoque Inicial de Produtos Acabados (+) Custos dos Produtos Fabricados Produtos Disponíveis p/Venda (-) Estoque Final de Produtos Acabados Lucro Bruto Despesas Operacionais Despesas Administrativas Despesas de Vendas Lucro Operacional
45.000 50.000 95.000 46.500 12.000 170.500 300.000

182.500
24.000 158.500 141.500

71

Custos Indir. Fabricação - Critérios de Rateio
 A APROPRIAÇÃO DOS CUSTOS INDIRETOS A UM PRODUTO SÓ É FEITA ATRAVÉS DE ESTIMATIVAS, CRITÉRIOS DE RATEIO, COMPORTAMENTO DOS CUSTOS, ETC;  TRATAM-SE PORTANTO DE MÉTODOS ARBITRÁRIOS, VISTO QUE SÃO ACOMPANHADOS DE UM CERTO GRAU DE SUBJETIVIDADE;  ALGUNS EXEMPLOS DE BASE DE RATEIO UTILIZADOS SÃO :

HORAS MÁQUINA HORAS DE MÃO DE OBRA DIRETA ÁREA OCUPADA QUANTIDADE DE MATERIAIS DIRETOS

72

Custos Indir. Fabricação - Critérios de Rateio
COMPOSIÇÃO CIFs -Depreciação Máquinas -Aluguel -Energia Elétrica -Salários -Encargos -Benefícios RELEVÂNCIA Uso das Máquinas na Produção Supervisão dos Funcionários da Fábrica BASE DE RATEIO Número de Horas-Máquina Nº de Horas de Mão-de-Obra Direta

 É POSSÍVEL A UTILIZAÇÃO DE MAIS DE UMA BASE DE RATEIO (ex. Materiais Direto + MDO Direta), PARA UMA MAIOR PRECISÃO.  É NECESSÁRIO A ANÁLISE DE CADA DESPESA QUE COMPÕEM OS CIFs, P/ ESTABELECER O MELHOR CRITÉRIO DE RELAÇÃO (Despesa x Produto), PARA UMA AVALIAÇÃO CONSISTENTE DO CUSTO.

73

Taxa Predeterminada dos Custos Indir. Fabr.
 A APROPRIAÇÃO DOS CIFs AOS PRODUTOS SÓ SE EFETIVA APÓS A PRODUÇÃO REALIZADA, NO ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO;  MAS, E SE OS GESTORES QUISEREM ACOMPANHAR OS CUSTOS DURANTE O MÊS, APÓS UMA PRODUÇÃO PARCIAL ?  UMA ALTERNATIVA É A TAXA PREDERMINADA DE CUSTO INDIRETO, OU TAXA CIF;  BASEIA-SE EM ESTIMATIVAS E É CALCULADA ANTES DO PERÍODO P/ APLICAR OS CUSTOS INDIRETOS AS ORDENS DE PRODUÇÃO;  OS CRITÉRIOS MAIS UTILIZADOS SÃO :
 

HORAS DE MÃO-DE-OBRA DIRETA HORAS MÁQUINA

74

Taxa Predeterminada dos Custos Indir. Fabr.
Taxa Predeterminada de Custo Indireto

=

Total estimado do Custo Indireto de Fabricação Quantidade Total Estimada do Critério de Alocação

 UMA FÁBRICA ESTIMA PARA O ANO UM MONTANTE DE CUSTOS INDIRETOS DE $ 30.000 E UMA QTDE DE HORAS-MÁQUINA DE 2.000 HORAS. DESTA FORMA, A SUA TAXA CIF SERIA : Taxa CIF

=

$ 30.000 2.000

=

$ 15,00 H/M

 ASSIM SENDO, BASTA APLICAR ESTA TAXA A UMA ORDEM DE PRODUÇÃO, CUJO PRODUTO SE UTILIZE DE ‘X’ HORAS NUMA MÁQUINA DURANTE SUA CONFECÇÃO.

75

Taxa Predeterminada dos Custos Indir. Fabr.
 APÓS A APURAÇÃO DO CUSTO REAL, ALGUMAS DIFERENÇAS OCORRERÃO, RESULTANDO NUM CUSTO “SUB-APLICADO” (REAL > ESTIMADO) OU “SUPER-APLICADO” (REAL < ESTIMADO), OCASIONANDO SALDOS DEVEDORES OU CREDORES NA CONTA CIF. NESTE CASO, EXISTEM DUAS FORMAS DE TRATAMENTO:

ENCERRAMENTO, CONSIDERANDO EM CPV; RATEIO ENTRE CUSTOS PP, PA E CPV, NA PROPORÇÃO DOS CIFs INCORRIDOS EM CADA UM (MAIS INDICADO POR ASPECTOS FISCAIS).

76

Taxa Predeterminada CIF (Exercício I)
Abaixo, o custo estimado de duas empresas, bem como seus dados operacionais, como expectativa para o próximo ano :
Empresas TW MX Custos Indiretos de Fabricação Horas de Mão-de-Obra Direta Horas-Máquina $ 570.000 $ 70.000 25.000 441.000 42.000 18.000

As Taxas Predeterminadas de Custo Indireto de ambas as empresas são calculadas utilizando-se as seguintes bases :
Empresa TW MX Taxa Indireta c/Base em : Horas-Máquina Horas de Mão-de-Obra Direta

77

Taxa Predeterminada CIF (Exercício I)
A) Calcule a taxa predeterminada que cada empresa utilizará durante o próximo ano. Empresa TW : Empresa MX :
$ 570.000 25.000 = $ 22,80

$ 441.000 42.000

= $ 10,50

B) Suponhamos que ambas executem apenas duas ordens de produção durante o próximo ano e que o registro das horas de cada ordem de produção seja a seguinte : TW MX - Ordem 1 : 10.000 horas 21.000 horas - Ordem 2 : 13.000 horas 24.000 horas

78

Taxa Predeterminada CIF (Exercício I)
B1) Qual o será Custo Indireto estimado que ambas aplicarão aos produtos? = $ 22,80 x (10.000 + 13.000) = $ 524.400 Empresa TW :

= $ 10,50 x (21.000 + 24.000) = $ 472.500
Empresa MX : B2) Se os Custos Indiretos 'Reais' apurados ao final do próximo ano forem de $ 550.000 da TW e de $ 450.000 da MX, os CIFs serão SubAplicado ou Super-Aplicado ? CIF Estimado Empresa TW : Empresa MX : $ 524.400 $ 472.500 CIF Real $ 550.000 $ 450.000 variação ($ 25.600) - Sub-Aplicado $ 22.500 - Super-Aplicado

79

Taxa Predeterminada CIF (Exercício II)
A empresa CKL fabrica produtos por encomenda. O Custo Indireto de Fabricação é aplicado às obras com base no custo da mão-de-obra direta. No início do período foram feitas as seguintes estimativas :
Estamparia Mão de Obra Direta Custo Indireto de Fabricação $ $ 100.000 160.000 Departamentos Pintura $ $ 70.000 250.000 Montagem $ $ 180.000 40.000 Total $ 350.000 $ 450.000

Durante o período, ela recebeu uma encomenda da empresa TPO, que teriam os seguintes custos de fabricação :
Estamparia Materiais Diretos Mão de Obra Direta Custo Indireto de Fabricação $ $ 2.500 2.000 ? Departamentos Pintura $ $ 100 200 ? Montagem $ $ 1.200 3.000 ? $ $ Total 3.800 5.200 -

80

Taxa Predeterminada CIF (Exercício II)
Pede-se : 1) Prevendo que a CKL aplica uma taxa de Custo Indireto p/toda a fábrica : a) Calcule a taxa CIF do ano em curso. $ 1,29 $ 450.000 --------------- = $ 350.000

Taxa CIF =

b) Determine o valor do CIF que deveria ser aplicado a TPO. CIF da TPO = $ 1,29 x $ 5.200 = $ 6.708

81

Taxa Predeterminada CIF (Exercício II)
2) Imagine que ao invés de utilizar uma taxa única, a CKL empregasse uma taxa para cada departamento. Desta forma determine : a) A taxa de cada departamento do ano em curso.
Estamparia Custo Indireto de Fabricação Mão de Obra Direta $ 160.000 $ 100.000 Departamentos Pintura $ 250.000 $ 70.000 Montagem $ 40.000 $ 180.000

TAXA CIF :

b) O valor do CIF que deveria ser aplicado a TPO.
Estamparia TAXA CIF (x) Mão de Obra Direta $ 1,60 $ 2.000 Departamentos Pintura $ 3,57 $ 200 Montagem $ 0,22 $ 3.000 Total

Custo Ind Fabric - TPO

82

Taxa Predeterminada CIF (Exercício II)
Análise das diferenças entre o custo indireto que deveria ser aplicado empregando as taxas dos itens 1(b) e 2(b). 1b) CIF - Toda Fábrica = $ 6.708

2b) CIF - Por Depto = $ 4.574

83

Taxa Predeterminada CIF (Exercício II)
3) Considerando que sobre o Custo Total de Fabricação a CKL utiliza uma margem de +40% para definir o preço de venda, qual seria o valor da encomenda para a TPO ? E se a CKL utilizasse as taxas Interdepartamentais, qual seria o valor da encomenda ? a) ($ 3.800 + $ 5.200 + $ 6.708) = $ 15.708 X (1+40%) = $ 21.991
(MD) (MDO) (CIF)

b) ($ 3.800 + $ 5.200 + $ 4.574) = $ 13.574 X (1+40%) = $ 19.004 4) No final do ano, a CPO reuniu os seguintes dados de custo real, referentes a todos os produtos fabricados durante o período :
Estamparia Materiais Diretos Mão de Obra Direta Custo Indireto de Fabricação $ $ $ 110.000 94.000 170.000 Departamentos Pintura $ $ $ 30.000 58.000 190.000 Montagem $ $ $ 50.000 158.000 35.000 Total $ 190.000 $ 310.000 $ 395.000

84

Taxa Predeterminada CIF (Exercício II)
Calcule o Custo Indireto do período sub- ou super-aplicado, considerando o emprego da taxa de custo indireto : a) Toda a fabrica :

CIF Aplicado = $ 1,29 X $ 310.000 (-) CIF Incorrido

= $ 399.900 = $ 395.000

b) Por departamento :
Estamparia Pintura Montagem Total

CIF Ap d = $ 1,60 x $ 94.000 + $ 3,57 x $ 58.000 + $ 0,22 x $ 158.000 lica o (-) CIF In corrid o

= $3 2 2 9 .2 0 = $3 5 0 9 .0 0

85

Sistemas de Acumulação de Custos
 AS INDUSTRIAS E AS EMPRESAS DE SERVIÇOS, TENDO EM VISTA SEU PRODUTO OU SERVIÇO PRODUZIDO, NORMALMENTE POSSUEM DUAS CARACTERÍSTICAS DISTINTAS : - HOMOGÊNEAS : ONDE APENAS UM TIPO DE PRODUTO OU SERVIÇO É PRODUZIDO (PRODUÇÃO EM MASSA) - HETEROGÊNEAS : ONDE VÁRIOS PRODUTOS DIVERSIFICADOS SÃO PRODUZIDOS EM CADA PERÍODO.  EM CADA UMA DESSAS SITUAÇÕES, O CÁLCULO DO CUSTO DO PRODUTO OU SERVIÇO VAI POSSUIR UM MÉTODO ESPECÍFICO DEPENDENDO DA NATUREZA DO PROCESSO ENVOLVIDO.  PARA TANTO, DOIS SISTEMAS DE ACUMULAÇÃO DE CUSTOS SÃO COMUMENTE UTILIZADOS :

86

Sistemas de Acumulação de Custos
CUSTEIO POR PROCESSO
 É NORMALMENTE EMPREGADO QUANDO A EMPRESA UTILIZA-SE DE UMA PRODUÇÃO EM MASSA, OU SEJA, VÁRIAS UNIDADES DE UM 'MESMO PRODUTO', OU AINDA POR ETAPAS DE FABRICAÇÃO, PORÉM MANTENDO A HOMOGENEIDADE;  O PROCEDIMENTO BÁSICO DESTE SISTEMA É O DE ACUMULAR OS CUSTOS INCORRIDOS DE UM PERÍODO INTEIRO DE UM DETERMINADO DEPTO OU OPERAÇÃO E, NA SEQÜÊNCIA DIVIDIR PELO TOTAL DE UNID. PRODUZIDAS NESTE MESMO PERÍODO.  A SEGUIR, UM EX. DE FLUXO DO CUSTEIO POR PROCESSO DE UMA PRODUÇÃO DE BATATAS FRITAS :

87

Sistemas de Acumulação de Custos
CUSTEIO POR PROCESSO
Custos do Processamento

Com de pra Matériaprim a (Batatas)
Custos do Processamento

Produtos Departamento parcialm ente de Produção concluídos (Preparação (batatas descasdas Batatas)

cadas e cortadas)

Custos do Processamento

Produtos Departamento parcialm ente de Produção concluídos (Fritura)
(batatas fritas)

Departamento de Produção (Embalagem)

Produtos Acabados
(batatas fritas empacote)

88

Sistemas de Acumulação de Custos
CUSTEIO POR ORDEM DE PRODUÇÃO
 TAMBÉM CHAMADO DE CUSTO POR ENCOMENDA, É UTILIZADO QUANDO SÃO FABRICADOS VÁRIOS PRODUTOS DIFERENCIADOS EM CADA PERÍODO.  OS CUSTOS SÃO APROPRIADOS E APLICADOS AS ORDENS DE PRODUÇÃO E, EM SEGUIDA DIVIDIDOS PELO Nº DE UNIDADES PRODUZIDAS, PARA APURAÇÃO DO CUSTO UNITÁRIO MÉDIO.  FORMA DE CUSTEIO MAIS COMPLEXA, POIS SE OS PRODUTOS SÃO DIFERENTES, GERALMENTE OS CUSTOS TAMBÉM O SÃO.  BASTANTE APLICADOS TANTO EM INDUSTRIAS HETEROGÊNEAS, COMO EM EMPRESAS DE SERVIÇOS (HOSPITAIS, CONSULTORIAS)  A SEGUIR, O FLUXO DO CUSTEIO POR ORDEM DE PRODUÇÃO :

89

Sistemas de Acumulação de Custos
CUSTEIO POR ORDEM DE PRODUÇÃO
Umpedido de v enda é preparado, com o base da em issão da... Um ordemde a produção dá início as operações da ordem , onde serão alocados os respectivos custos.. Requisição de Materiais Tempo de Mão-deObra Direta Taxas Predeterminadas de CIFs

Pedido de venda

Ordem de Produção

Estes Cu stos d Fab e ricação são acu m lad em u os u con m trole, con ecid h o com o...

Registro de Custo

O registro de custo constitui a base do cálculo dos custos do produto e unitário, utilizados na avaliação dos estoques finais e na determ inação do custo dos produtos vendidos

90

Sistemas de Acumulação de Custos
CUSTEIO POR PROCESSO X ORDEM PRODUÇÃO
Custeio por Processo
Um único produto é fabricado continuamente ou por vários períodos. Todas as unidades fabricadas são iguais. Os custos são acumulados por departamento.

Custeio por Ordem de Produção
Diversas Ordens de Produção são executadas a cada período, cada qual com especificações diferentes. Os custos são acumulados por ordem, individualmente. O Registro de Custo é o controle fundamental de acumulação dos custos de uma ordem.

O relatório da produção do depto é o controle fundamental que apresenta a acumulação e o destino dos custos de um depto. Os custos unitários são calculados 'por departamento' no respectivo relatório de produção.

O custo unitário é calculado 'por ordem' no respectivo controle de registro de custo.

91

Custo Padrão
 É DERTERMINADO C/BASE EM ESTUDOS E PESQUISAS, FIXANDO COMO META PARA O PRÓXIMO PERÍODO AO PRODUTO OU SERVIÇO;  SÃO CONSIDERADOS OS FATORES DE PRODUÇÃO EXISTENTES, (MAQUINÁRIO, QUALIDADE MDO) ALIANDO METAS DE EFICIÊNCIA;  EMPRESAS DE SERVIÇO E PRODUÇÃO SÃO AS QUE MAIS SE UTILIZAM;  ESTABELECEM PADRÕES DE MATERIAIS, MDO E CIFs, APURADOS DETALHADAMENTE P/ CADA PRODUTO, REGISTRANDO NUM QUADRO DE CUSTO PADRÃO, P/USO DOS GESTORES, CONFORME EXEMPLO A SEGUIR:

92

Custo Padrão
 PRODUTO : ESQUADRIA DE ALUMÍNIO

(A) Qtde ou Horas Padrões

(B) Custo ou Taxa Padrão

Custo Padrão (A) X (B)

Materiais Diretos Mão de Obra Direta Custo Indireto de Fabricação Custo Padrão total p/Unidade

5,0 quilos 4,0 horas 3,0 horas

$ 5,00 $ 10,00 $ 4,00

$ 25,00 $ 40,00 $ 12,00 $ 77,00

93

Custo Padrão
 ENTRETANTO É COMUM EXISTIR VARIAÇÕES ENTRE PADRÕES ESPERADOS E OS EFETIVAMENTE APURADOS, QUE PODEM SER :
     

VARIAÇÃO DE PREÇOS DE MATERIAIS; VARIAÇÃO DE QUANTIDADE DE MATERIAIS; VARIAÇÃO DA TAXA SALARIAL DA MOD; VARIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA MOD; VARIAÇÃO DE VOLUME DO CIF; VARIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO CIF.

 O OBJETIVO PRINCIPAL DO CUSTO PADRÃO É O CONTROLE DE CUSTOS. UMA VEZ IMPLANTADO, POSSIBILITA AOS GESTORES TER UMA BASE DE COMPARAÇÃO ENTRE O REAL E O QUE DEVERIA TER OCORRIDO.

94

Custo Padrão
CUSTO INCORRIDO (Real)
Volume de produção real Quantidade de insumo real Custo (preço) do insumo real
DADOS REAIS

X

CUSTO ORÇADO (Previsto)
Volume de produção previsto Quantidade de insumo padrão Custo (preço) do insumo padrão
DADOS ORÇADOS

 É IMPRESCINDÍVEL A NECESSIDADE DA EMPRESA POSSUIR UMA BOA APURAÇÃO DO REAL, PARA UM EFICIENTE COMPARATIVO FRENTE AO PREVISTO.

95

Custo Padrão
REAL Variação do Orçamento
 VARIAÇÃO “FAVORÁVEL”

PREVISTO

AUMENTA OS LUCROS OPERACIONAIS EM RELAÇÃO AO VALOR ORÇADO.

 VARIAÇÃO “DESFAVORÁVEL”

REDUZ OS LUCROS OPERACIONAIS EM RELAÇÃO AO VALOR ORÇADO.

96

Custo Padrão
ANÁLISE DAS VARIAÇÕES REAL Variação do Orçamento PREVISTO

VARIAÇÃO DE PREÇO OU DE TAXA

VARIAÇÃO DE QUANTIDADE OU DE EFICIÊNCIA

97

Custo Padrão
ANÁLISE DAS VARIAÇÕES
VARIAÇÃO DE PREÇO OU DE TAXA VARIAÇÃO DE QTDE OU DE EFICIÊNCIA

QUANTIDADE REAL X PREÇO/TAXA REAL

(-)
QUANTIDADE REAL X PREÇO/TAXA PADRÃO

QTDE PADRÃO P/O NÍVEL DE PRODUÇÃO REALIZADA X PREÇO/TAXA PADRÃO

(-)
QUANTIDADE PADRÃO X PREÇO/TAXA PADRÃO

98

Custo Padrão
ANÁLISE DAS VARIAÇÕES
QTDE REAL X PREÇO/TX REAL QR X PR QTDE REAL X PREÇO/TX PADRÃO QR X PP

(-)

QTDE PADRÃO P/O NÍVEL DE PRODUÇÃO QTDE REAL REALIZ. X X PREÇO/TX PADRÃO PREÇO/TAXA PADRÃO (-) QR X PP QP X PP

(PR - PP) X QR
VARIAÇÃO DE PREÇO OU DE TAXA

(QP - QR) X PP

(+)

VARIAÇÃO DE QTDE OU DE EFICIÊNCIA

Variação do Orçamento

99

Custo Padrão (Exercício I)
Utilizando-se do exemplo anterior, tomemos como base os dados padrões de Materiais Diretos de uma suposta empresa, conforme abaixo :
(A) Qtde ou Horas Padrões (B) Custo ou Taxa Padrão Custo Padrão (A) X (B)

Materiais Diretos

5,0 quilos

$ 5,00

$ 25,00

Imaginemos agora que a empresa tenha registrado no encerramento do período as seguintes atividades : - Foram utilizados 390 quilos de materiais, adquiridos ao custo de R$ 4,90; - Foram produzidos 80 unidades do produto. Determine quais foram as variações de preço e quantidade dos materiais no período.

100

Custo Padrão (Exercício I)
MATERIAIS DIRETOS :
Qtde Re l de Insum a Taxa a os Re l (A) a
Qt

Qtde Re l de Insum a Taxa a os Pa rã (B) d o
Qt

Qtde Pa rã de Insum p/ Prod o os dução Real a Taxa Pa rã (C) d o
Qt ( 5,0 x ) 80 $ Total

390

$

4,90

390

$

5,00

$ Total

1.911
$

$ Total

1.950
$

5,00 400 2.000

$

39
V ria o d Pre (B - A) a çã e ço
$

50
V ria o d Q d (C - B) a çã e t e
FAVORÁVEL

V ria o Tot l a çã a

101

Custo Padrão (Exercício II)
A Empresa TJR fabrica um alimento para cães conhecido como Nuky. Os materiais diretos e mão-de-obra direta padrões de uma unid. do Nuky são:
Qtde ou Horas Padrões Custo ou Taxa Padrão Custo Padrão

Materiais Diretos Mão de Obra Direta

0,8 quilo 0,1 hora

$ 2,00 $ 9,00

$ 1,60 $ 0,90

No último mês, registrou-se a seguinte atividade: - Foram comprados 5.000 quilos de materiais, ao custo de $ 2,15 o quilo - Todo o material comprado foi utilizado na produção de 6.000 unid.do Nuky. - Foram registradas 580 horas de mão-obra direta, ao custo total de $ 5.162. Pede-se: a) Determine as variações de preço e de quantidade dos materiais por mês. b) Determine as variações de taxa e eficiência da mão-obra direta por mês.

102

Custo Padrão (Exercício II)
A) MATERIAIS DIRETOS :
Qtde Re l de Insum a Taxa a os Re l (A) a
Qt

Qtde Re l de Insum a Taxa a os Pa rã (B) d o
Qt

Qtde Pa rã de Insum p/ Prod o os dução Real a Taxa Pa rã (C) d o
Qt ( 0,8 x 6.000 )

5.000

$

2,15

5.000

$

2,00

4.800

$

2,00

$ Total

10.750
$

$ Total

10.000
$

$ Total

9.600

-750
V ria o d Pre (B - A) a çã e ço
$

-400
V ria o d Q d (C - B) a çã e t e
DESFAVORÁVEL

V ria o Tot l a çã a

103

Custo Padrão (Exercício II)
B) MÃO-DE-OBRA DIRETA :
Horas Re is de MDO a Taxa a Re l (A) a
Qt $ Total

Horas Re is de MDO a Taxa a Pa rã (B) d o
Qt $ Total

Qtde Pa rã de MDO p/ Prod o dução Real a Taxa Pa rã (C) d o
Qt $ Total
( 0,1 x 6.000 )

580

$

8,90

580

$

9,00

600

$

9,00

5.162
$

5.220
$

5.400

58
V ria o d Ta (B - A) a çã e xa
$

180
V ria o d Eficiê cia(C - B) a çã e n
FAVORÁVEL

V ria o Tot l a çã a

104

Métodos de Custeio
CUSTEIO POR ABSORÇÃO
 HABITUALMENTE EMPREGADO PARA EFEITO DE DIVULGAÇÃO DE RELATÓRIOS FINANCEIROS EXTERNOS (PUBLICAÇÃO E FISCO);  PARTE DA PREMISSA QUE TODOS OS CUSTOS DE FABRICAÇÃO (VARIÁVEIS E FIXOS) SÃO CONSIDERADOS CUSTOS DOS PRODUTOS (INVENTARIÁVEIS);  DESTA FORMA, O ESTOQUE ABSORVE TODOS ESTES CUSTOS, QUE MAIS TARDE SE TRANSFORMARÃO EM DESPESAS, QUANDO DA VENDA DO PRODUTO;  NO CUSTEIO INTEGRAL DO PRODUTO, POR VEZES CRIA UMA IMPRESSÃO ERRÔNEA DE QUE O CUSTO DO PRODUTO É 'VARIÁVEL';  NA SEQÜÊNCIA, UMA APRESENTAÇÃO DE RESULTADO PELO MÉTODO DE ABSORÇÃO:

105

Métodos de Custeio
CUSTEIO POR ABSORÇÃO
Demonstração de Resultados Modelo Tradicional - (Custeio por ABSORÇÃO) Receita de Vendas (-) Custo dos Produtos Vendidos Lucro Bruto Despesas Operacionais Despesas de Vendas Despesas Administrativas Despesas Gerais Lucro Operacional $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$

106

Métodos de Custeio
CUSTEIO VARIÁVEL
 CONSIDERA, COMO O PRÓPRIO NOME DIZ, 'APENAS OS CUSTOS VARIÁVEIS' (QUE VARIAM CONFORME A PRODUÇÃO) COMO CUSTO INVENTARIÁVEIS (O ESTOQUE NÃO POSSUI QUALQUER ELEMENTO DE CUSTO FIXO);  OS CUSTOS FIXOS DE FABRICAÇÃO SÃO PORTANTO EXCLUÍDOS DOS CUSTOS DO PRODUTO, ENTRANDO DEPOIS NO RESULTADO COMO DESPESAS INCORRIDAS NO PERÍODO.  BOA ALTERNATIVA P/ RELATÓRIOS INTERNOS (O FISCO NÃO PERMITE O USO EM D.R.), PERMITINDO AOS GESTORES AS SEGUINTES VISUALIZAÇÕES :

107

Métodos de Custeio
CUSTEIO VARIÁVEL

MANTIDAS TODAS AS VARIÁVEIS, OS LUCROS VARIAM NA MESMA PROPORÇÃO DAS VENDAS, TORNANDO-SE FÁCIL NOVAS ESTIMATIVAS DE LUCRATIVIDADE;

SUPÕE-SE QUE O CUSTO UNITÁRIO DO PRODUTO É VARIÁVEL, DIFERENTEMENTE DO CUSTO POR ABSORÇÃO, EM QUE POSSUI UM MISTO DE FIXOS E VARIÁVEIS;

É VISÍVEL O IMPACTO DOS CUSTOS FIXOS SOBRE O LUCRO, VISTO QUE SÃO DEMONSTRADOS EXPLICITAMENTE.

 NA SEQÜÊNCIA, UMA APRESENTAÇÃO DE RESULTADO PELO MÉTODO VARIÁVEL :

108

Métodos de Custeio
CUSTEIO VARIÁVEL
Demonstração de Resultados Modelo de Contribuição - (Custeio VARIÁVEL) Receita de Vendas (-) Custos Variáveis Custos Variáveis de Fabricação Despesas Variáveis Margem de Contribuição (-) Custos Fixos Custos Fixos de Fabricação Despesas Fixas Lucro Operacional $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$ $$$.$$$

109

Métodos de Custeio (Exercício I)
 A empresa XYZ fabricou 3.000 unidades de seu único produto e vendeu 2.500, ao preço unitário de $ 40,00. Seus custos incorridos no período foram:
Custos Variáveis por Unidade Materiais Diretos Mão-de-Obra Direta Custo Indireto de Fabricação Comissão de Vendas Despesas Administrativas Custos Fixos no Período Custo Indireto de Fabricação Despesas Gerais

$ $ $ $ $ $ $

5,00 8,00 3,00 1,00 2,00 30.000 20.000

110

Métodos de Custeio (Exercício I)
Pede-se : 1) Qual foi o custo unitário do produto calculando pelos métodos de Custeio por Absorção e Custeio Variável ?

Custo Unitário do Produto Materiais Diretos Mão-de-Obra Direta Custo Indireto de Fabricação CIF (Fixos) = $ 30.000 ÷ 3.000

Absorção

Variável

$ 5,00 $ 8,00 $ 3,00 $ 10,00
$ 26,00

$ 5,00 $ 8,00 $ 3,00 $ 16,00

111

Métodos de Custeio (Exercício I)
2) Confeccionar a Demonstração de Resultado do Período calculando pelos métodos de Custeio por Absorção e Custeio Variável.
a) Método Custeio por Absorção Receita de Vendas = 2.500 X $ 40 (-) CPV Estoque Inicial Produtos Acabados (+) CPF = 3.000 X $ 26 (=) Disponível p/Venda (-) Estoque Final = (3000 - 2500) X $ 26 (=) Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais Comissões = 2.500 X $ 1 Administrativas = 2.500 X $ 2 Gerais Lucro Operacional

$ 100.000 0 $ 78.000 $ 78.000 $ 13.000 $ 65.000 $ 35.000 $ 2.500 $ 5.000 $ 20.000 $ 27.500 $ 7.500

112

Métodos de Custeio (Exercício I)
b) Método Custeio Variável Receita de Vendas = 2.500 X $ 40 (-) CPV EI Produtos Acabados (+) CPF = 3.000 X $ 16 (=) Disponível p/Venda (-) EF = (3000 - 2500) X $ 16 (-) Despesas Variáveis Comissões = 2.500 X $ 1 Administrativas = 2.500 X $ 2 (=) Margem de Contribuição (-) Custos Fixos Custo Indireto de Fabricação Despesas Gerais Lucro Operacional
$ 30.000 $ 20.000 $ $ 50.000 2.500 $ 2.500 $ 5.000 $ 7.500 $ $ 47.500 52.500 0 $ 48.000 $ 48.000 $ 8.000 $ 40.000 $ 100.000

113

Métodos de Custeio (Exercício I)
 Observa-se uma diferença em termos de Lucro Operacional apresentada entre ambos os métodos.  Como já foi citado, pelo método do Custeio por Absorção o produto ‘absorvia’ todos os custos de fabricação (fixos e variáveis). Assim sendo os produtos mantidos em estoque ficaram onerados por estes custos. Assim sendo, custos menores = resultado maior (por este método);  Pelo método do Custeio Variável, onde considera-se apenas os custos variáveis de fabricação dos produtos, os itens estocados ficam subavaliados, já que os custos indiretos de fabricação 'fixos' são despesas do período. Assim sendo, custos maiores = resultado menor; Resultado
 

Estoque Final $ 13.000 $ 8.000 $ 5.000

Custeio p/Absorção : Custeio Variável : Diferença

$ 7.500 $ 2.500 $ 5.000

114

Métodos de Custeio (Exercício II)
 A empresa CTV fabrica um único produto, que ela comercializa ao preço unitário de $ 75,00. Os dados de custos e produção apurados no período foram :
Custos Variáveis por Unidade Materiais Diretos Mão-de-Obra Direta Custo Indireto de Fabricação Comissão de Vendas Despesas Administrativas Custos Fixos no Período Custo Indireto de Fabricação Despesas Gerais Produto Acabado - Quantidades Produzidas Estoque Final 5.500 1.000 $ $ $ $ $ 9,00 14,00 7,00 2,00 3,00

$ $

55.000 35.000

115

Métodos de Custeio (Exercício II)
Pede-se : 1) Qual foi o custo unitário do produto calculando pelos métodos de Custeio por Absorção e Custeio Variável ?
Custo Unitário do Produto Materiais Diretos Mão-de-Obra Direta Custo Indireto de Fabricação CIF (Fixos) Absorção Variável

$ 9,00 $ 14,00 $ 7,00 $ 10,00 $ 40,00

$ 9,00 $ 14,00 $ 7,00 $ 30,00

$ 55.000 ÷ 5.500

116

Métodos de Custeio (Exercício II)
2) Confeccione a Demonstração de Resultado do Período calculando pelos métodos de Custeio por Absorção e Custeio Variável.
a) Método Custeio por Absorção Receita de Vendas ( 5.500 - 1.000) X $ 75 (-) CPV EI Produtos Acabados (+) Custo Produtos Fabricados (=) Disponível p/Venda (-) EF Produtos Acabados (=) Lucro Bruto (-) Despesas Operacionais Comissões Administrativas Gerais Lucro Operacional
-

$ 337.500

$ 220.000
$ 220.000 $ 40.000 $ 180.000 $ 157.500 $ 9.000 $ 13.500 $ 35.000 $ 57.500 $ 100.000

117

Métodos de Custeio (Exercício)
b) Método Custeio Variável Receita de Vendas (-) CPV EI Produtos Acabados (+) CPF (=) Disponível p/Venda (-) EF (-) Despesas Variáveis Comissões Administrativas (=) Margem de Contribuição (-) Custos Fixos Custo Indireto de Fabricação Despesas Gerais Lucro Operacional

$ 337.500 $ 165.000 $ 165.000 $ 30.000 $ 9.000 $ 13.500 $ 22.500 $ 157.500 $ 180.000 $ 55.000 $ 35.000 $ $ 90.000 90.000 $ 135.000

118

Custeio Baseado em Atividades - ABC
 UM MÉTODO DE CUSTEIO, JÁ UTILIZADO POR MUITAS EMPRESAS É O CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES (ABC - ACTIVITY BASED COSTING), QUE TEM ENTRE OUTROS BENEFÍCIOS, PERMITIR UMA GESTÃO DAS ATIVIDADES, TANTO EM TERMOS DE CUSTO COMO EM TERMOS DE DESEMPENHO (MELHORIA CONTÍNUA).  O ACTIVITY BASED COSTING - OU SISTEMA ABC - É UMA ABORDAGEM QUE ANALISA O COMPORTAMENTO DOS CUSTOS POR ATIVIDADE, ESTABELECENDO RELAÇÕES ENTRE AS ATIVIDADES E O CONSUMO DE RECURSOS;  PERMITE A IDENTIFICAÇÃO DOS FATORES QUE LEVAM A EMPRESA A INCORRER EM CUSTOS EM SEUS PROCESSOS DE OFERTA DE PRODUTOS E SERVIÇOS E DE ATENDIMENTO A MERCADOS E CLIENTES;

119

Custeio Baseado em Atividades - ABC
 POSSIBILITA AINDA IDENTIFICAR AS ATIVIDADES MAIS ONEROSAS EM CADA PROCESSO, FACILITANDO O ACOMPANHAMENTO GERENCIAL E GARANTINDO A MELHOR PERFORMANCE DOS CUSTOS;  O SISTEMA ABC NA VERDADE FUNCIONA COMO COMPLEMENTO DOS SISTEMAS ATUAIS, E NÃO UM SUBSTITUTO DELES;  COM AMPLA UTILIZAÇÃO EM RELATÓRIOS GERENCIAIS, ELE AUXILIA NO MELHOR CONHECIMENTO DO 'CUSTO INDIRETO' E RENTABILIDADE DOS PRODUTOS E CLIENTES;  AS ETAPAS DE IMPLANTAÇÃO DO CUSTEIO POR ATIVIDADES SÃO:

120

Custeio Baseado em Atividades - ABC

IDENTIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES, BEM COMO DE SEUS RESPECTIVOS CENTROS DE CUSTOS (ONDE ELAS OCORREM); IDENTIFICAÇÃO DAS TAXAS DE ATIVIDADE, CHAMADOS DE DIRECIONADORES DE CUSTOS, (MÉTRICAS P/MEDIÇÃO E ALOCAÇÃO DOS CUSTOS DA ATIVIDADE): – Atividade : Atendim. Cliente -> Direcionador : Nº Chamadas – Atividade : Distribuição -> Direcionador : Nº de Clientes;

IDENTIFICAÇÃO DOS OBJETOS DE CUSTO; IDENTIFICAÇÃO E APROPRIAÇÃO DOS CUSTOS (DIRETOS E INDIRETOS) AOS OBJETOS DE CUSTO (PRODUTOS OU CENTROS DE ATIVIDADES), VIA DIRECIONADORES DE CUSTOS.

121

Custeio Baseado em Atividades - ABC
Modelo de Custeio Baseado em Atividades - ABC Materiais Diretos MDO Direta Custos Indiretos de Fabricação - - - Prim Estágio de Alocação - - eiro Pedidos Montagem Embalagem

Diretam ente Identificado

$/HMDO

- - - Segundo Estágio de Alocação - - $/Pedido $/HMDO $/Unid

Objetos de Custo : Produtos, Pedidos, Clientes, etc..

122

Custeio Baseado em Atividades - ABC
EM RESUMO, NA ELABORAÇÃO DE UM SISTEMA ABC AS EMPRESAS SELECIONAM UM CONJUNTO DAS ATIVIDADES QUE ABSORVAM A MAIOR PARTE DO TRABALHO REALIZADO NOS CENTROS CUSTO INDIRETO. ENTÃO OS CUSTOS INDIRETOS SÃO APROPRIADOS AOS CENTROS DAS ATIVIDADES ATRAVÉS DA TAXA DE ATIVIDADE APURADA. A PARTIR DAÍ, ESSAS TAXAS SÃO ENTÃO UTILIZADAS PARA CUSTEAR OS OBJETOS DE CUSTO.

123

Custeio Baseado em Atividades - ABC
CIF:
Salários e Encargos Indiretos da Fábrica : Centros Custo Pedidos Montagem Embalagem Direcionador Custo Nº Pedidos Nº Horas-MDO Nº Unid Fabricadas Distribuição das Atividades 20% 70% 10% Total Incorrido no Período 1.000 1.000 5.000 $ 10.000 Alocação aos Centros $ $ $ 2.000 7.000 1.000

Custo p/Unidade $ $ $ 2,00 7,00 0,20

Produto : Montagem de 01 Microcomputador
Qtde Incorrida Pedidos Montagem Embalagem 1 4 1 Pedido Horas-MDO Caixa

$ $ $ $

2,00 28,00 0,20 30,20

Total CIF - Salários e Encargos

124

CONTABILIDADE DE CUSTOS

Dúvidas: suporte@parceirodosempresarios.com.br
Esta apresentação faz parte integrante do curso COMO CALCULAR O PREÇO DE UM PRODUTO. AUTOR: WILSON GIGLIO Pedidos: wilson@parceirodosempresarios.com.br Nosso portal: www.empreenderparatodos.com.br

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->