Você está na página 1de 3

SINOPSE

O filho adolescente de Michael Hunter (Andy Garcia) acaba de cometer


suicídio. Michael está arrasado: afinal é psicólogo e sequer conseguiu ajudá-lo.
Ele abandona a família e o trabalho até que uma assistente social lhe pede que
cuide de Tommy, um rapaz que, quando criança, viu o pai matar a mãe.
Tommy lhe recorda o filho perdido e, por isso, o Dr. Hunter aceita o caso. Só
que Tommy não quer o tratamento e decide agredir o doutor, seduzindo sua
filha adolescente, Shelley. A menina se apaixona e concorda em fugir com ele.
O médico tenta impedir Tommy, mas a mal resolvida morte de seu filho se
interpõe entre os dois. 12 anos.

HISTÓRIA
A história começa de forma promissora. Michael Hunter (Andy Garcia)
chega em sua casa e encontra seu filho brincando na porta da garagem, algo
bem sereno, que é corrompido por uma relação angustiante. A família é de
classe alta e aparentemente ideal, formada por marido, esposa e um casal de
filhos. No entanto, algo não deixa o filho caçula de 16 anos de o casal ser feliz,
e ele vive recluso em sua casa, não gosta de viver em contato com outras
pessoas, o que faz com que ele rejeite a possibilidade de assistir um show
musical da irmã.
Em uma noite chuvosa (como não poderia ser diferente) o casal vai
conferir o espetáculo da filha e deixa o garoto que vive uma depressão juvenil
sozinho em casa. Para conter essa depressão do garoto, a mãe sugeriu
remédios, porém o pai preferiu (como qualquer psicólogo que se preze faria),
deixá-los aos cuidados de um psicólogo, no caso aqui um amigo seu. Contudo,
nesta noite o garoto por alguma razão resolveu por um fim em tudo isso; tomou
alguns remédios da mãe, fechou a garagem e liberou um gás. Quando a família
retorna, encontra o garoto morto.
Isso modifica completamente a vida de todos os envolvidos. Michael se
separou da mulher, ambos consumidos por culpa. Enquanto isso, a filha do
casal largou a música e começou a andar com vagabundos pelas raves que
rolam na noite. Michael é procurado por uma estudante de psicologia, que lhe
apresenta Thomas Caffey (Vincent Kartheiser), um garoto que vive preso em
um orfanato, que tem um grave trauma de infância: viu o pai matar a mãe.
Michael encontra em Thomas muitas características que existiam em seu filho,
e passa a conviver com ele.

A discussão que o roteiro tenta imprimir é bem interessante: a falta de


atenção dada aos jovens, que não são ouvidos e acabam guardando dentro de
si mágoas e desilusões. Até antes da meia-hora final, o roteiro funciona
perfeitamente, apenas o diretor Tom McLoughlin (que fez uma porrada de
filmes para Tv, mas nada de importante para o cinema) parece perdido no meio
de toda a história. Ao invés de dar maiores ângulos para o drama interno dos
personagens que é profundo e melancólico, o diretor segue um rumo de
cinema de suspense ação. Ao final, fica banal.

PERSONAGENS

Michael Hunter
Thomas Caffey
Shelly Hunter
Detective Hannah
Joseph Caffey
Troy Pasternak
Penny Hunter
Barbara Lonigan
Kyle Hunter
University Chairman
Background Extra
Counselor
Raymond
Deputy
David Millburn
Harry Quinlan
Reporter
Young Tommy
Flashback Cop
Diana Caffey
Gina
Shelly's Girlfriend
Graduate Student
Barbara's Neighbor
TV Reporter
Chloe
Troy's Girlfriend
Graduate Student

FICHA TÉCNICA

Título Original: The Unsaid


Gênero: Suspense
Tempo de Duração: 109 minutos
Ano de Lançamento (EUA): 2001
Estúdio: Eagle Pictures / CineSon Entertainment / Kandu Entertainment / Minds
Eye Pictures / New Legend Media / Reynolds Entertainment
Distribuição: Global Cinema Group / ArtFilms
Direção: Tom McLoughlin
Roteiro: Miguel Tejada-Flores e Scott Williams, baseado em estória de
Christopher Murphey
Produção: Tom Berry, Matthew Hastings e Kelley Feldsott Reynolds
Música: Don Davis
Fotografia: Lloyd Ahern II
Desenho de Produção: Gregory Bolton
Figurino: Jodie Lynn Tillen
Edição: Charles Bornstein

AMBIENTAÇÃO

Onde vivia a família do Dr. Michael. A garagem, o local onde Kyle


cometeu o suicídio, a universidade onde foi dada a palestra, e também onde foi
convidado para tratar do paciente Tommy orfanato lugar onde Tommy vivia.

Ferrovia local da festa onde Tommy mata Chloe e conhece Shelly.


Presídio onde ficou preso o pai de Tommy.

CURIOSIDADES
No começo ele puxa para um drama que você acha que já viu 2000 iguais, mas
a partir do momento que o menino começa a mostrar suas paranóias o filme
engata e te prende até o fim. O final é fantástico!"

Interesses relacionados