Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett

Aspectos Fundamentais

Frei Luís de Sousa, Almeida Garrett - Notas
O estudo de uma obra literária obedece, em primeira instância, à observação da estrutura externa e interna. Ao falarmos de estrutura externa, referimo-nos à divisão por capítulos, actos; enquanto ao nível da estrutura interna estamos a pensar no desenvolvimento da acção e de todos os aspectos com ela relacionados.
Estrutura externa Exposição O passado das personagens. Acto I (12 cenas) Cenas I a IV Estrutura Interna Conflito Intenção dos governadores de se mudarem para a casa de Manuel de Sousa Coutinho e decisão deste de incendiar o palácio. Cenas V a VIII Ida de Manuel de Sousa Coutinho a Lisboa, deixando D. Madalena sozinha (apenas com Frei Jorge). Cenas IV a VIII Preparação do desenlace. Cenas II a IX

Desenlace Incêndio do palácio.

Cenas IX a XII Chegada de D. João de Portugal, na figura do Romeiro.

Acto II (15 cenas)

O que se passou depois do incêndio.

Cenas I a III Acto III (12 cenas)

Cenas IX a XV

A solução escolhida. Cenas I a IV

Desenlace. Cenas X a XII

1. 1.1

ESPAÇO ESPAÇO FÍSICO Espaço Descrição Sucinta Palácio de Manuel de Sousa Coutinho, em Elegante, luxuoso, com largas janelas Almada. abertas sobre o Tejo. Palácio de D. João de Portugal, em Almada. Antigo, melancólico, escuro. Sala dos retratos. Parte baixa do Palácio de D. João de Espaço interior, austero e sem Portugal, com ligação à capela da Senhora da ornamentos. Artefactos religiosos. Piedade.

ACTO I ACTO II ACTO III

Conclusão: os diferentes espaços em que a acção da peça decorre vão diminuindo gradativamente , anunciando, assim, o desenlace trágico. 1.2 ESPAÇO SOCIAL

Segundo alguns críticos literários há uma aproximação entre o drama narrado e a vida do autor, uma vez que também ele tivera uma filha ilegítima. Haveria assim uma vontade intencional de criticar a sociedade da época deste escritor que, à semelhança da do século XVII, continuava carregada de preconceitos em

Português 11º ano

1

alta noite (Acto III). João de Portugal.1 Manuel de Sousa Coutinho y Fidalgo português. fim da tarde e noite (Acto I). Português 11º ano 2 . sexta-feira. sucede vinte e um anos depois da batalha. com o aparecimento do romeiro. um patriota exemplar. situa-se no final do século XVI e início do século XVII. condenando-os a uma vergonha desmedida. AS PERSONAGENS 3. y Regressa vinte anos depois. y Personagem viril.1 TEMPO TEMPO HISTÓRICO A acção de Frei Luís de Sousa. sedento de vingança pela dor vivida na ausência da sua amada que o abandonou. à sexta-feira dá-se o regresso de D. Madalena e pai de Maria.2 TEMPO DA ACÇÃO/TEMPO SIMBÓLICO DATA 28 de Julho de 1599 4 de Agosto de 1599 4 de Agosto de 1599 DIA DA SEMANA Sexta-feira Sexta-feira Sexta-feira Momento do dia Fim da tarde Tarde Madrugada ACTO I ACTO II ACTO III Em Frei Luís de Sousa. Madalena casou pela primeira vez. sofrimento seria indescritível. A numerologia parece ter sido escolhida intencionalmente. 3. Madalena. o tempo dos principais momentos da acção sugerem o dia aziago: sexta-feira. depois humaniza-se aparecendo inicialmente como um anjo vingador. y Insensível às inquietações e desassossego da esposa. y Cavaleiro de Malta. y Personagem que maior transformação sofre ao longo da peça.Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett Aspectos Fundamentais relação aos filhos nascidos fora do casamento que estavam condenados a uma discriminação social cujo . não só a representada como os seus antecedentes. y Representa o Portugal de outrora e a desmistificação do sebastianismo. homem de coragem e bravura Telmo define-o como um português às direitas. ilustre e valente. a desgraça. João ter desaparecido na batalha de Alcácer Quibir. y Feito cativo em Alcácer Quibir e prisioneiro durante vinte anos. Sebastião. 2. y Fidalgo honrado.2 D. para depois querer remediar o mal causado salvando a família da sua amada. João de Portugal y Primeiro marido de D. vinte e um anos atrás. casado com D. 3. à sexta-feira. sob o disfarce de Romeiro. foi a uma sexta-feira que D. 2. Madalena casou sete anos depois de D. y Homem íntegro e consciente das suas decisões. há catorze que vive com Manuel de Sousa Coutinho. viu Manuel pela primeira vez. 2. primeiro como se de um fantasma se tratasse. y É uma presença constante ao longo da obra. à sexta-feira morreu D.

um símbolo de protecção. à morte. ao esquecimento.4 Telmo y Personagem de incontornável importância ao longo da obra . 3. Português 11º ano 3 . mostra-se receptiva aos agouros e outros sinais. y Pressente o seu destino. a quem respeita como um pai. está votada à ruína. 3. 3. y Personagem jovem. y Assume a função do coro na tragédia grega ao comentar criticamente o comportamento de D. adesão ao mito Sebastianista. uma vez que a morte deste nunca fora confirmada. NOTA: Nesta obra. Madalena. torna-se difícil a definição da personagem principal. pela segunda vez. Madalena y Casada pela primeira vez com D. mas com grande maturidade psicológica. dilacerada pelo remorso de ter começado a amar o segundo marido ainda casada com o primeiro receando o seu regresso. Manuel de Sousa Coutinho.6 Maria y Filha de D. casa. y Personagem que impõe um certo equilíbrio e racionalidade no seio da família ao longo de toda a obra. à perda. y Vive permanentemente dominada pelas emoções que a inibem de ser feliz.Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett Aspectos Fundamentais 3. à divisão. simboliza o passado. Madalena e as fantasias de Maria por quem sente um afecto imenso. crença em agouros e profecias. Madalena que vê nele um pai. amigo e confidente de D. y Marcada pela presença constante da Morte: doença. y Alimenta os receios de D. após o desaparecimento do seu primeiro Marido na Batalha de Alcácer Quibir. uma vez que a totalidade das personagens que evoluem em cena. mostrando permanentemente uma desconfiança pela morte do seu amo. y Vive aterrorizada. Madalena e D. y Escudeiro. y Não é uma personagem estática uma vez que a sua perspectiva pessoal se vai modelando em função dos acontecimentos (muda de atitude em relação a Manuel de Sousa Coutinho passando a admirá-lo. Manuel de Sousa Coutinho a quem ama perdidamente. y Personagem sebastianista. não se podendo afirmar com razão qual delas é a mais desafortunada e olvidada pelo destino. com D.3 Frei Jorge y Irmão de Manuel de Sousa Coutinho. João de Portugal. à exc epção de Frei Jorge. y Dotada de grande humanidade enquanto mulher e mãe.5 D.

pela doença e pela vergonha de sua ilegitimidade (Maria). Tratamento literário de uma época da história de Portugal (acção situada no século XVII). João muda subitamente a situação transformando em ilegítimos o casamento de Madalena e Manuel e a filha deles. João de Portugal. por vezes multidões. unidade de acção. y Tem apenas 3 actos. Manuel e Madalena separam-se e morrem para o mundo ao professarem. mistura de classes sociais diferentes. pelo sentimento de culpa (Madalena e Manuel Sousa). Confronto permanente entre o indivíduo e a sociedade. Português 11º ano 4 . pelo esquecimento a que foi votado (D. ausência de unidade. Drama Romântico y É escrita em prosa. que tem lugar em diferentes momentos pelas diferentes personagens. João). embora reconheça as influências do mais nobre dos géneros (tragédia clássica). y Personagens em número reduzido e de classe elevada.Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett Aspectos Fundamentais 4. y Celebra o individualismo e o sentimento. no seu texto de apresentação da obra Frei Luís de Sousa. o herói é romântico. Valorização da identidade nacional. Assim. y Grande número de personagens. excepto. desequilibrado. y Tem 5 actos. O sofrimento atinge todas as personagens pelas suas incertezas (Madalena). Maria morre. presença de Coro.1 Marcas da Tragédia Clássica em Frei Luís de Sousa Acção trágica Peripéteia (peripécia. em ruptura com a sociedade. Tragédia? Drama? Almeida Garrett. O reconhecimento do Romeiro como D. não escondeu a sua intenção de afirmar o carácter inovador (drama romântico) da sua peça. Pathos (sofrimento) Clímax Katastrophé (catástofre) 4. y Apresenta marcas de realismo (linguagem. Manuel desafia os deuses quando desobedece aos governadores e incendeia o seu palácio.2 Marcas do Drama Romântico em Frei Luís de Sousa: y y y y Relação entre a problemática política e os problemas individuais. y Mistura de tons: sublime e grotesco. é importante um olhar atento às principais características de cada um destes subgéneros literários de modo a que se possa encetar uma reflexão mais profunda nesta área. y Tem carácter historicista. 4. João de Portugal. a da acção). pela divisão interior (Telmo). atinge-se o ponto máximo no final do Acto II. alteração) Anagnorisis (conhecimento) Hybris (desafio) Frei Luís de Sousa O aparecimento de D. y Visa a Purificação das Paixões (a cartase). y Obedece à lei das unidades: unidade de tom (sublime e elevado). na globalidade. normalmente. ausência de Coro. cor local). tempo e espaço. Tragédia Clássica y É escrita em verso. Madalena desafia o destino ao amar Manuel de Sousa quando ainda estava casada com D. A tensão emocional aumenta progressivamente dentro de cada uma das cenas.

Português 11º ano 5 .Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett y Aspectos Fundamentais Referência constante ao cristianismo (vide páginas 189 e 190 do manual ).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful