Função Sintática

Conceitos essenciais
Em uma análise sintática podemos ter: 1- Frase É a reunião de palavras que expressam uma idéia completa, constitui o elemento fundamental da linguagem, não precisa necessariamente conter verbos. Ex.:"Final de ano, início de tormento". ( Revista Nova Escola, 11/00) 2- Oração É idéia que se organiza em torno de um verbo. Ex.: "Tudo começa com o pagamento da dívida." ( Revista Vida Pessoal, 12/99, p.07) 3- Período É o conjunto de orações. Ele pode ser constituído por uma ou mais orações. O período pode ser: simples- constituído por apenas uma oração Ex.: "Macunaíma é o herói com muita preguiça e sem nenhum caráter". (Época, 24.05.99, p.7) composto- constituído por mais de uma oração. Ex.: "Nós não podemos fingir /que as crianças não têm inconsciente". (Nova Escola, 11/00) Termos da oração:

Sujeito->termos ligados ao nome Predicado->termos ligados ao verbo Vocativo Período Composto
Conjunto de orações constituído por mais de uma oração O período composto pode ser:

Período composto por coordenação
No período composto por coordenação, as orações se ligam pelo sentido, mas não existe dependência sintática entre elas. As orações coordenadas de subdividem em: y y Assindéticas- Não são introduzidas por conjunção. Ex.: Trabalhou, sempre irá trabalhar. Sindéticas- São introduzidas por conjunção. Esse tipo de oração se subdivide em:

1- Aditiva: idéia de adição, acréscimo. Principais conjunções usadas: e, nem, (não somente) ...como também. Ex.: O professor não somente elaborou exercícios como também uma extensa prova. 2- Adversativa: idéia de contraste, oposição. Principais conjunções usadas: mas, contudo, entretanto, porém... Ex.: O professor elaborou um exercício simples, mas a prova foi bastante complexa. 3- Alternativa: idéia de alternativa, exclusão. Principais conjunções usadas: quer...quer, ora...ora, ou...ou. Ex.: Ou o professor elabora o exercício ou desiste de aplicar a prova. 4- Conclusiva: idéia de dedução, conclusão. Principais conjunções usadas: portanto, pois, logo... Ex.: O professor não elaborou a prova, logo não poderá aplicá-la na data planejada.

: Escolheram a hora adequada. sujeito.Atrativa ± é a adequação do determinante : a) a apenas um dos vários elementos determinados. O verbo (faltaram) concordou com o substantivo (professores) que não é o núcleo do sujeito. indireto. O verbo (aplaudiram) concorda com a idéia da palavra povo (plural) e não com sua forma (singular). O verbo (faltou) concordou com o núcleo do sujeito (maioria) Ex.As orações subordinadas desempenham a função sintática que falta na principal: objeto direto.. porque ficou doente. c) a outro termo da oração que não é o determinado: Tudo são flores. Principais conjunções usadas: pois.: A maioria dos professores faltou. Período composto subordinado No período subordinado. .Explicativa: idéia de explicação. 3 . Ex. existem pelo menos uma oração principal e uma subordinada.: O rapaz gostava / de que todos olhassem para ele.Lógica ou gramatical ± é a mais comum no português e consiste em adequar o determinante(acompanhante) à forma gramatical do determinado(acompanhado) a que se refere. ou seja. falta objeto indireto para o verbo gostar. O adjetivo (adequada) e o artigo (a) concordaram com o substantivo (hora).:O professor não elaborou a prova. extasiado com sua fala. motivo.A oração principal é sempre incompleta. complemento nominal. A concordância pode ser feita de três formas: 1 . predicativo. 2 . As orações subordinadas se subdividem em: Substantivas Adjetivas Adverbiais Concordância É o mecanismo pelo qual as palavras alteram sua terminação para se adequarem harmonicamente na frase. aplaudiram. Ex.consiste em adequar o vocábulo determinante ao sentido do vocábulo determinado e não à forma como se apresenta: O povo. alguma função sintática está faltando. Ex. escolhendo-se aquele que está mais próximo: Escolheram a hora e o local adequado. o oração subordinada desempenha a função de objeto indireto da principal. Oração principal: O rapaz gostava Oração subordinada: de que todos olhassem para ele.5.Ideológica ou silepse. A oração principal está incompleta.. O adjetivo (adequado) está concordando com o substantivo mais próximo (local) b) a uma parte do termo determinado que não constitui gramaticalmente seu núcleo: A maioria dos professores faltaram. O verbo (são) concorda com o predicativo do sujeito (flores). porque.

O povo brasileiro vive à mercê de políticos muitas das vezes corruptos. À medida que passa tempo a violência aumenta.= Vou à praia./( Retornou ao meio-dia em ponto. Na escrita é indicada por meio do acento grave ( ` ). à maneira de mesmo quando essas estiverem implícitas. 2) Nas locuções conjuntivas. verificando se um termo serve de complemento a outro. EMPREGO FACULTATIVO DA CRASE 1) Diante de pronomes possessivos femininos. aquilo. quando ao trocar o número de horas pela palavra meio dia. obtivermos a expressão ao meio-dia.Para que ela ocorra. 2) Diante de nomes próprios femininos.. (cheirar)/ Aspiro a uma vida melhor. EMPREGO OBRIGATÓRIO DA CRASE Sempre ocorrerá crase: 1) Nos casos em que a regra geral puder ser aplicada.:Farei para o jantar uma bacalhoada (à moda de Portugal) à portuguesa.etc. . A palavra ou oração que governa ou rege as outras chama-se regente ou subordinante. REGRA GERAL A crase ocorrerá sempre que o termo anterior exigir a preposição a e o termo posterior admitir o artigo a ou as.. adverbiais e prepositivas (formadas por a + palavra feminina )./ Não me referia à Eliana. Vou a a praia. os termos ou oração que dela dependem são os regidos ou subordinados. Vou a sua casa. Não me referia a Eliana. b) um termo regido que seja modificado pelo artigo a ou por um dos pronomes demonstrativos de 3. é necessário que haja: a) um termo regente que exija a preposição a. Retornou às oito horas em ponto. Ex. Ex./ Vou à sua casa. 3) Na indicação do número de horas.: Aspiro o perfume da flor.ª pessoa mencionados acima. (desejar) Regência Verbal Regência Nominal Crase É fusão da preposição a com o artigo a ou com o a inicial dos pronomes demonstrativos aquele.Existem dois tipos de concordância: verbal nominal Regência É a parte da Gramática Normativa que estuda a relação entre dois termos. aquela.: Dirigiu-se à professora. Ex.) 4) Nas expressões à moda de. Gosto muito de sair à noite.

E . casa t . t f ti i t . i i i . .¼ ‰• … Š… ‡… Š… ‹ ‡ ŒŠ‹ ˜ ‰ … ”‰ Š Š– … Š„ ‹ƒˆ‰‡ Œ…Š Šˆ ƒ‡ ‹ƒ ‡‰ ‹•†‹ ƒ™ŒŠ…‰ Šƒ‰Š‹ ‹‰ ‹ƒ ƒˆ‡‰ †‰ ‹ ‰‡ ˆ…‰ ‹ ‰†ŠŒ“ ‡ — ˆ ƒ ‡‰‰“ƒ ’’ † ‰ Š … Š Š ‰” ‘ ƒ ‡†Š… ‰ ‰…‰„ ‹‰ƒ‹‹Š„ ‰ Šˆ ‡ƒ ƒˆ ˆŠ„ ƒˆ ƒŽ‰Œ… ‡ƒ ‰ ‰ ƒ  ƒ … Œ ˆŠ… Š‹ Šˆ Šˆ‰ˆ ‡† …ƒ„ƒz t |vs{‚ w |  ty uz v v z uv{t ty | tz||vx |zw u vwu |z t vy z€ yt {v {wt zu v~} |v{zuzyx vw v ut s rq npno m n m k j –”‰ ‘ ‘ih g –‰”• ‰ f”–””‘•‘ ‰— d‘—™‰ ‘ —e ™‰ ”‘’ ‰™‰l— d”–l–™ ‰˜—–“ ‰‰• ‰”“‰ ‰’ ‰ ‘‰ “ C lt j t l t i i à casa e me s pais t lt i . E . l C t ti l ./ C i i t i gp cd rgh f hg c fi fu t cd rfde g f d ec pfs cecd rpg ge pgi hg fud c hg fedcb„ cc ecpc r pc gecfe dgh fd chcv cpic cs ce c dc b ‡ w ˆ † c cpc fi y hf f s h t pc bf pcr c fuƒ hfsf rg cecrf grp cppg pcv dq h c hg fedcb„ rppg cpic cs ce g d… w c c f e g g cedgpg f c‚d f dfuƒggevdg fd ge g pf dg hhc  pgceqgpdd t € h r ch h r c c ‚ c f cw b cv hype fuh fe e gex c q fpigfgr f h t vg crb d d f c e g dc w hcpfec dcvdg fu c p h hgp fhhfs frf t cpb s fd cpic cs crb ge g dc e pc bqd h fd pgi hg f fedcb a HPV`PCQY X W D D VDG Q D VDG QCU Q QCU HQR DFDG HQGSQ QF GPF HQRQCGP HDIHHDGFED C E T ! !"%  ! ! ! ! 5!% 4 $ & & ) 0 49 % 4 ! ")#!%&!)5 4' A #4 @ !'" ( !" !'4B !" ! % A " 49  4 # &! ! 0 %( 4 8 &4 7%!$ !" !   6 "!)5  ) )! 4& ! 1) 0  ')(&%' &%$ 232!" !    # &     ¦ §£¢   ¦ £ ¦ §£¢ ¦  ¦ £  ¦ £©¨ ¤£¢¡§¢ ¦¥ ¤ £¢¡  i t i t .:S i 3) )Q E .: l Colocação pronominal 8) i E .: l j t f cara a cara.Sª f t l .A róclise ­ ­ usada: ° ±¬¶ ® º ¬º ¬® ² ³²¬±± ¬° ¯ ®¬·­»¬ .: 3) i E . ® · ® ¬ ® ¹º ·º·®­ ´ ¬ ¹¸¬´ ¬ ·´ ¬ ¬ ¬ ¬ ¬® ° º ·º· ³ ·¶µ · · ± ¯²·º··­ ·° ·¹¸¬´· ··° · ®®·´ · ° ¬ ¬® ° ¶µ ¬´ ¬ ¯ ¯ » Próclise: É a colocação ronominal antes do verbo. E .:El t 4) E E . i ela t .: Assisti s àquela ¢ ¢œ ¢  œ ¥ « Ÿª ¢ œ©¨§ Ÿªœ œ©¨§ ž ©›¨§ § ¦ Ÿ ¥ž¤ž› £ž¢ ž¡  Ÿžœ› œ š š ) i t E .:E t ) i t i t t t il t l Q E l lo a i ti l i l. .: E . i t . i . i i ) l ? fi f ti .t . E li em f l l s mes sej i samente segui a. i l i t pessoas t i t . CRASE A PREPOSIÇÃO A COM OS PRONOMES EMONSTRATIVOS P i . ti t t i .t t i t . ) i .f t l. S Nossa Senhora f ti i .: t i i i i d as i .:C ) i t E . f . algumas normas evem ser observadas sobretudo na linguagem escrita. 6) i t E . j t . t ./ S li it it t t ti i : l ti V. t ô i t i ti .: É t ti t t t l s s lí s t s f se.: árias ) l ) i i ti t t ti . l . erra.) t i . il . l ). l ) t t l. t i ifi t . fi fi i t ti ./ i i t t .:I t CASOS E ) i t E . E .i . concorrer t lt i ti ü fi i ma CA OCO E A CRASE li . i l.

: Haviam-me convidado para a festa.: Vou-me embora agora mesmo. 4) uando houver pausa antes do verbo. jamais.1) uando o verbo estiver precedido de palavras que atraem o pronome para antes do verbo. Ex. b) Se houver palavra atrativa. 2) uando o verbo principal for constituído por um infinitivo ou um gerúndio: a) Se não houver palavra atrativa. Colocação pronominal nas locuções verbais 1) uando o verbo principal for constituído por um particípio a) O pronome oblíquo virá depois do verbo auxiliar. Ex.: Se eu ganho na loteria./ Não me estavam chamando.: Não me haviam convidado para a festa. Ex. Ex. o pronome oblíquo virá depois do verbo auxiliar ou depois do verbo principal. Ex. o pronome oblíquo ficará antes do verbo auxiliar. silenciem-se todos. houver palavra atrativa. Ex. Não estavam chamando-me. 2) uando o verbo estiver no infinitivo impessoal. Não fosse os meus compromissos. Ex. f) Pronomes demonstrativos. d) Pronomes relativos.: ue Deus o ajude.: Não se esqueça de mim. Ênclise: É a colocação pronominal depois do verbo.: Disso me acusaram. Estavam chamando-me pelo alto-falante. 5. Ex. Ex. ninguém. Ex.: Não posso esclarecer-lhe o ocorrido.Ex. Ex. nunca. b) Se. Ex. Ex. Mesóclise: É a colocação pronominal no meio do verbo.: Agora se negam a depor.: Não era minha intenção machucar-te. 2) Orações iniciadas por palavras interrogativas. contanto que esses verbos não estejam precedidos de palavras que exijam a próclise. etc.: Recusou a proposta fazendo-se de desentendida. São elas: a) Palavra de sentido negativo: não. e) Pronomes indefinidos. Ex. Ex.A ênclise é usada quando a próclise e a mesóclise não forem possíveis: 1) uando o verbo estiver no imperativo afirmativo.: Realizar-se-á. um grande evento em prol da paz no mundo. mudo-me hoje mesmo.: uando eu avisar.: Identificaram duas pessoas que se encontravam desaparecidas.: Quem te fez a encomenda 3) Orações iniciadas pr palavras exclamativas. 3) uando o verbo iniciar a oração.: Devo esclarecer-lhe o ocorrido/ Devo-lhe esclarecer o ocorrido. Ex. acompanhar-te-ia nessa viagem. mas sem provas. o pronome poderá ser colocado antes do verbo auxiliar ou depois do verbo principal.uando o verbo estiver no gerúndio. ¾ ¿ Á ½ À Á Á Á Á Á Â Ã . Ex. Ex.: Quanto se ofendem por nada! 4) Orações que exprimem desejo (orações optativas).A mesóclise é usada: 1) uando o verbo estiver no futuro do presente ou futuro do pretérito. na próxima semana.: Poucos te deram a oportunidade./ Não lhe posso esclarecer o ocorrido. c) Conjunções subordinativas. antes do locução verbal.: Soube que me negariam./ Estavam-me chamando pelo alto-falante. b) Advérbios.

na. s ou z. Ex. los. (Fiz) Fi-lo porque não tinha alternativa. vo-lo. as 1) Em verbos terminados em vogal ou ditongo oral os pronomes o. as alteram-se para no.: Ele mo deu.os. podem ocorrer em próclise.a. ão. a.as não se alteram. 4) As formas combinadas dos pronomes oblíquos mo. 3) Em verbos terminados em ditongos nasais (am. lho. nas. las. Deixei-a mais tranq ila. to. estas consoantes finais alteram-se para lo. 2) Em verbos terminados em r.: (Encontrar)Encontrá-lo é o meu maior sonho. Ex. os.). Ex. no-lo. (Ele me deu o livro) Ä . õe. formas em desuso. os.: Chamem-no agora. nos. ênclise ou mesóclise. Põe-na sobre a mesa.: Chame-o agora.Observações importantes Emprego de o. em. a. Ex. la. os pronomes o. õe.