P. 1
Moscas e miíases

Moscas e miíases

|Views: 2.939|Likes:

More info:

Published by: Murilo Torres de Melo on May 20, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/08/2013

pdf

text

original

Bernes

Dr. Carmello Liberato Thadei São tanto os bernes quanto as miíases, causadas por larvas de algumas espécies de moscas, que pelo fato de serem carnívoras necessitam penetrar na pele de algum animal, para se nutrirem da sua carne, e assim cumprirem seu ciclo biológico, transformando-se em seguida em insetos adultos. Diferenciam-se os bernes das miíases cutâneas, além do fato de serem as larvas de espécies de moscas diferentes, pela particularidade biológica dos bernes serem encontrados sempre isolados - uma única larva em determinado lugar - nunca mais de uma larva num mesmo loco, a não ser quando pelas suas proximidades, poderem vir a se unirem os locais de ambos pelo desenvolvimento posterior das larvas; Já nas miíases cutâneas,além das larvas serem menores que as das larvas de moscas do berne, são encontradas larvas em número em geral grande, que chega até algumas centenas,todas em comum no mesmo local da penetração, formando verdadeiras crateras na superfície do corpo de suas vítimas. São várias as famílias à que pertencem tais moscas, porém sob o ponto de vista clínico-parasitológico, são as mesmas agrupadas em dois grandes grupos: l - Larvas que se nutrem de tecido vivo - Larvas biontófagas; 2 - Larvas que se nutrem de tecido morto - Larvas necrobiontófagas.

BERNES Como ressaltado anteriormente, são encontradas as larvas de moscas que constituem a doença com o nome de BERNE, sempre isoladas, em lócus individuais, porisso denominadas também de furunculosas, e pertencentes às seguintes espécies de insetos: Dermatobia hominis - Constitue-se a espécie tipo, que recebe no Brasil o nome de berne, e na região Amazônica o nome de Ura. Mede

O tórax castanho escuro com tonalidade azulada manchada de negro. penetrar na sua pele. a qual ao cabo de alguns dias dão nascimento ao inseto adulto. Conseguindo apanhar um inseto. Rafael Morales. pois é o tecido vivo seu alimento. as larvas que vão em seguida. A Dermatobia põe em geral somente 15 a 20 ovos pôr vez. porém pode chegar sua postura até a 400 ovos. que o ovo dessa mosca era transportado por outros mosquitos para os locais em que em seguida sendo depositado. para darem em seguida origem ao nascimento de novos insetos adultos. tendo contato com outros animais. Vinte e quatro horas após a mosca ter abandonado o invólucro pupal. Os ovos são depositados diretamente sobre a parte lateral do abdome de outros dípteros (insetos com duas asas). Como todo inseto. mesmo sendo eles de pequenas dimensões. Completado seu desenvolvimento no local em que se instalaram. vindo então a parasitarem suas vítimas. iniciando-se a postura no sétimo dia. No local em que se alojam referidas larvas após a penetração na pele. Estes outros insetos.o inseto quando adulto. e presa à ele. efetua-se a primeira cópula. estudante de medicina na Guatemala. cavalga-o rapidamente. que no caso por serem carnívoras necessitam se alimentar de tecido vivo de outros animais. a Dermatobia fica a espreita de outras moscas e mosquitos e procura agarra-los com as patas anteriores. e com eles. de 14 até 17 mm e chama a atenção o colorido metálico de cor azulada da sua região abdominal. transformam-se em pupas.alça o vôo durante o qual deposita seus ovos que ficam solidamente aderentes. vinham a reproduzir a doença. à custa da própria carne de suas vítimas vão se desenvolvendo. essas larvas abandonam o local para continuarem seu desenvolvimento. para novamente repetirem um novo e idêntico ciclo. seu ciclo evolutivo passa por fases: Os insetos adultos alados. graças à uma substância especial que os reveste. Segundo Neiva e Gomes. constituindo o que é denominado BÉRNE. acasalando-se entre si dão origem a ovos que são postos pelas fêmeas. o que em alguns casos pode chegar a 70 dias. como moscas silvestres e mesmo a mosca doméstica (Musca doméstica). e pôr inseto que apreende. . No ano de 1911. e destes em seguida nascem larvas . transformando-se então em pupa. Daí o fato da Dermatobia procurar animais visitados assiduamente pelas moscas silvestres e por culicíneos (família a que pertencem os pernilongos). e mesmo o homem. descobriu por observação. e caindo no solo. Ao cabo de 40 dias completado seu desenvolvimento. constituindose essa fase propriamente o que é chamado de berne. apresentando as bochechas de cor amarelo escura e brilhante. deixam o local em que estavam alojadas. e não a própria Dermatóbia são os veículos pelos quais a mesma se serve para levar seus ovos.

Ambas podem provocar no homem.As larvas desses insetos muito se assemelham às da Dermatobia.Os hospedeiros habituais são cavalos e outros equídeos.Seu desenvolvimento larval completa-se no estômago ou nos intestinos. As fêmeas põem os ovos nos pêlos dos animais e destes. com a diferença de serem parasitas habituais de animais.Ambos. miíase do tipo larva migrans (Dermatose linear serpiginosa). as larvas que eclodem vão ter à boca. por ser das maiores que se conhece. vivendo em túneis cavados no tecido sub-epitelial da mucosa bucal e da língua. Outras espécies de insetos parecidos com a Dermatobia. Hypoderma bovis . têm localização sempre nasal. principalmente bovinos. Oestrus ovis . . intestinalis . em suas fases de larvas.lineatum . porém sem haver chegado a sua fase adulta.H.A larva desta mosca é facilmente identificável peso seu tamanho. Quando adultos não se alimentam e porisso têm vida curta. Em ovelhas. Causam prejuízos consideráveis ao couro dos animais explorados na produção de carne. Gasterophilus haemorrhoidalis e G. com sintomatologia que pode ser confundida com outras doenças.Estes insetos têm a particularidade de serem parasitas habituais de animais das espécies ovina e caprina. ou nos seios frontais e maxilares. determinam doenças agora no aparelho digestivo de animais.ainda que raramente. com ciclo próprio de desenvolvimento: Gastrophilus veterinus e G. onde penetram na mucosa desses órgãos. Já assinalado como hóspede do homem. causando forte irritação e excitação em seus hospedeiros. pelo fato de seus couros ficarem danificados quando não imprestáveis ao aproveitamento na indústria do couro. e com localização nasal em sua fase de larva. têm localização no aparelho digestino de animais da espécie bovina. nasalis . em torno de até 10 mm (veja figura a cima) e outras características só visíveis ao exame com lupa ou microscópio entomológico. provocando escaras que algumas vezes podem inclusive provocar perfurações com complicações graves pela associação com germes patogênicos contidos no interior do aparelho digestivo. como as abaixo nomeadas.

São essas larvas parasitas obrigatórias. as respectivas afeções que causam são de duas categorias: 1 .Larvas que invadem os tecidos sãos. Dermatobia hominis e Oestrus ovis. diferentes dos Bernes. vulgarmente chamadas de BICHEIRAS.Numa próxima oportunidade tratarei das chamadas MIÍASES CUTÂNEAS. produzidas pela Dermatobia homininis e pela Callitroga americana.Estas nutrem-se exclusivamente de tecido morto e porisso classificadas como necrobiontófagas. e em particular pelos chamados dípteros miodários. pois se desenvolvem a custa do tecido vivo. Raríssimamente iniciam uma miíase. Musca. causadas por larvas de algumas espécies de insetos. Mucina e Fannia. pois limpam as feridas do material necrosado. Algumas delas não são prejudiciais. inclusive a pele íntegra São essas larvas chamadas de biontófagas. e com certa freqüência são encontradas como saprófagas de feridas ou cavidades infestadas por outras espécies do grupo anterior. que já foram inclusive utilizadas como meio terapêutico nos primórdios da medicina. Miíases ou Bicheiras Dr. não necrosados. podendo comprometer o estado geral do homem ou do animal por elas parasitado. Sob o ponto de vista médico. Conforme a biologia desses insetos. Neste grupo estão as moscas do gênero Lucilia.Cutâneas .Miíases Furunculosas.BIONTÓFAGAS .Larvas que invadem exclusivamente tecidos já afetados por necrose de outras causas . Lesões parecidas à de furúnculos. do nariz. no Brasil. Lucilia. 2 a) b) Miíases das Nasomiíases Cavitárias feridas Miíases na Callitroga região macellaria. as miíases podem ser: 1 . As principais larvas deste grupo pertencem aos seguintes gêneros de moscas: Sarcophaga. . que como ressaltei no início tem características próprias. Carmello Liberato Thadei Recebem o nome acima as doenças causadas pela invasão do tecido cutâneo por larvas de insetos dípteros. Phaenicia. daí o nome acima: Furunculosa. Neste grupo estão agrupadas as seguintes espécies de insetos: Callitroga americana. Calliphora. e por conseguinte.NECROBIONTÓFAGAS . 2 .

principalmente no Território Indígena dos Ianomâmis. e a cicatrização subseqüente do ferimento leve a bom termo a cura da enfermidade. quando as mesmas são superficiais (cutâneas). e do número de larvas ingeridas. o que pode ocorrer porém de forma fortuita. a não ser quando encontradas larvas íntegras no bolo fecal desses hospedeiros. por meio de bebidas ou alimentos por esses ovos ou vermes contaminados.c) Otomiíases Localização na região dos ouvidos: d) Oculomiíases Localizadas na região orbital. vômitos e diarréia. e suas conseqüências carecem em geral de gravidade. e) Cistomiíases De localização na bexiga. por ser necessária a presença de material necrosado da ferida ou cavidade. As Miíases intestinais são sem sombra de dúvida. Determina o que se denomina miíases secundárias. podendo viver durante algum tempo no tubo digestivo. a intensidade desses sintomas dependem da sensibilidade do próprio enfermo. Nas ulcerações. nas lesões causadas primariamente pela Leishmania tegumentar. para seu desenvolvimento. As miíases causadas por larvas de moscas necrobiontófagas (que se desenvolvem unicamente em carne pútrida ou em tecidos orgânicos fermentáveis) tornam-se pseudoparasitas de lesões ou tecidos doentes. Para o tratamento das bicheiras. porque alimentando-se do tecido necrosado que existe em toda ferida. os danos em geral carecem de importância. seu diagnóstico pelas técnicas coprológicas usuais não é possível. não invadindo as partes sadias. A presença de ovos .Quando sua localização é nos intestinos. Cabe ser observado que nas regiões onde ocorre a Leishmaniose cutânea. as larvas de moscas são resistentes à ação de certas substâncias. e por conseguinte não ocasionando hemorragias. Segundo alguns autores. f) Miíases intestinais . Estas foram já em passado recente utilizadas na "limpeza" de feridas. como é o caso das gasterofiloses eqüinas. causadas pela ingestão de ovos ou larvas. e portanto o simples exame de fezes com resultado negativo não descarta sua ocorrência. aceleravam e facilitavam o processo de cicatrização. para que as larvas ou morram ou simplesmente sejam expulsas do local onde se encontram. que nada mais são que miíases secundárias de larvas de moscas necrobiontófagas. Quando se dá o caso de serem as bicheiras cavitárias. produzindo algumas vezes apenas náuseas. como na região amazônica. Não obstante. basta aplicação local de qualquer substância que seja ativa contra os insetos em geral. são observados com muita freqüência as naso-miíases. que se instalam na região do nariz. e concomitantemente não seja tóxica ao hospedeiro. inclusive à ação dos sucos digestivos. pois as larvas se limitam a devovar os tecidos necrosados (mortos).

sob a forma de pasta. Em fins dos anos 70. ovinos ou caprinos. e com isso concomitante aparecimentos de bicheiras em nossos rebanhos. denominada de B1. quer bovinos. mostraram-se eficazes contra todos os estágios da fase larval desses insetos. Carbúnculo Hemático Lúcia Helena Salvetti De Cicco Editora Chefe . apresentou ação anti-parasitária contra todas as fases larvárias desses Gasterophilus. O primeiro deles tem sido o produto mais utilizado em nosso meio. Durante muito tempo.Devido sua toxidez. muitas vezes causava a morte do animal hospedeiro quando do seu tratamento com essa substância farmacêutica. Recentemente. com benzimidazoles. obtidos da fermentação de um fungo: (Streptomyces avermitilis). é indicativo do parasitismo pelos gasterophilus. utilizado geralmente associado aos benimidazoles. caso administrado sem a devida técnica. As miíases ocorrendo em praticamente todo território brasileiro devido nossas condições climáticas predominantemente tropicais e equatoriais que muito favorecem o desenvolvimento dos insetos em geral. deve tal dose ser fixada e criteriosamente observada quando do tratamento. tanto nos ecto quanto endoparasitas. suínos. isolado do solo. que tem sua dose terapêutica fixada em 35/40 mg por quilo de peso vivo do animal. foram desenvolvidos novos fármacos. quer na produção de leite. os produtos sintéticos triclorfon e diclorvos. quer na produção de carne e seus subprodutos como o couro. inclusive impedindo reinfestações dos eqüinos até cerca de dois meses após o tratamento. este último muito depreciado pela bicheira. o anti-helmíntico salicilanilídico closantel. Uma dessas avermectinas. isola-damente ou em associação. sob a forma de pasta. Com a descoberta das substâncias organo-fosforadas. no Japão. os únicos tratamentos conhecidos para o combate à gasterofilose eqüina. mostrou-se também eficaz como gasterofilicida. no que diz respeito a dose desses produ-tos. inclusive com possível morte do animal. foi com a utilização de bissulfeto de carbono administrado oralmente e contido em cápsulas de gelatina. aderentes aos pêlos dos membros anteriores e nos espaços intermandibulares. As perdas decorrentes dessas miasses se traduzem principalmente por menor rendimento dos rebanhos explorados.íntegros ou as larvas desses ovos já eclodidas. Sen-do pequena a margem de segurança. eqüinos. possibilitam sua multiplicação em ritmo acelerado. sob pena de resultados desastrosos.

Nos eqüideos. O homem pode ser infectado durante uma necropsia ou manipulação de couros. Geralmente estes esporos provêm de animais carbunculosos enterrados no campo. as vezes é tão rápida que não se percebem os sintomas nos animais a campo. Os animais são contaminados através dos intestinos.O carbúnculo é uma doença contagiosa que ataca todos os médios e grandes animais. quando ocorre. os esporos podem viver por tempo prolongado. a morte pode ocorrer em 24 e 48 horas e. e os animais se deitam com convulsões e dificuldade respiratória. Nos casos fulminantes. são pouco resistentes ao calor e à dessecação. diarréia sangüinolentas. nesses casos. Entretanto os eqüideos são menos atingidos que os ruminantes. É uma doença comum de animais mantidos em regime de pasto. sem o devido cuidado e trazidos à superfície pelas minhocas. em certas regiões existem focos onde ele se manigesta com freqüencia. aplicando na sepultura uma boa quantidade de cal. O sangue é escuro e de difícil coagulação. hemorragia nasal e manqueira. geralmente é mortal. O cadáver deve ser incinerado ou enterrado no mesmo local. onde já ocorreu a doença. . porém. este micróbio encontra-se. pescoço e da região faringeana. a enfermidade em geral apresenta forma relativamente benigna. As fezes e sangue dos animais que estiverem na pastagem são infectados. Infelizmente o esporo é o elemento responsável pela maioria das infecções. cólicas. lá e cadáveres de animais vitimados pela infermidade. febre alta. picaduras de insetos infectados e inalação do agente infeccioso. O carbúnculo pode aparecer em qualquer lugar. água. Em terrenos pantanosos e em áreas com muita matéria orgânica em decomposição. observam-se os edemas (tumefações). Os cadáveres incham rapidamente e então observam hemorragias pelas aberturas naturais. A necrópsia é perigoso. porém. inclusive o homem e. dispnéia. Também podem ocorrer: depressão. edema do peito. principalmente. Os urubus podem transportar a doença a grandes distâncias. faringite. edemas subcultâneos no tórax e no pescoço. cor de chocolate. É produzida pelo Bacillus anthracis e. com os seguintes sintomas: cólicas fortes. SINTOMAS . em caso de se pretender um diagnóstico de laboratório. durante anos. sendo preferível. enviar um esfregaço de sangue ou um osso de canela. chifres. pode surgir em estábulos por feno contaminado adquirido em áreas onde ela ocorre. Os bacilos. muito bem protegido. A morte. porém. escoriações. Só estes sinais identificam a doença. pois seus esporos permanecem no solo por vários anos.

os animais devem ser vacinados no mês de agosto. a escolha do produto deve ser feita por um médico veterinário. tais como o solo. dentre os quais ilustres veterinários da época. e que hoje é conhecido como o das zoonoses. TRATAMENTO . vacinação sistemática de todos os animais sãos na região exposta à doença. notificação de qualquer caso às autoridades sanitárias mais próximas. A imunização requer 20 a 30 dias. a Raiva. O LIMIAR DAS ZOONOSES Quando Louis Pasteur desenvolveu importantes experimentos. podendo contribuir. a água. pois depende da região e situação que se apresenta. em realidade. tanto os animais como o homem contrai a infecção das mesmas fontes. o eminente cientista enveredava. em grau variável. ou mesmo na vizinhança.quando há tempo. e as que são comuns ao homem e aos animais. Também são recomendadas as seguintes medidas: 1. isolamento dos pastos contaminados. as enfermidades transmissíveis dos animais vertebrados ao homem. desinfecção energética ou queima dos objetos e utensílios contaminados. contudo. Daqueles estudos. o soro anticarbunculosos produz bons resultados. pois geralmente o carbúnculo aparece em outubro. para a distribuição e transmissão das infecções. não desempenham papel essencial no ciclo vital do agente etiológico. A Organização Mundial de Saúde conceitua hoje como zoonoses. conquistando inúmeros adeptos. em 1882. que permitiram o controle mais ou menos rápido de uma das mais graves doenças infecto-contagiosas. no segundo grupo. 2. 4. 7. No entanto. os animais. No primeiro grupo. . via de regra. tratamento dos animais doentes com doses adequadas de soro anticarbunculoso. os animais invertebrados e as plantas. drenagem e saneamento das áreas pantanosas. 3. Em toda propriedade onde tenha ocorrido casos de carbúnculo.Emprego da vacinação.PROFILAXIA . por um campo que haveria de ganhar foros de notoriedade. No caso de suspeita chamar o médico veterinário o mais urgente possível. 5. 6. cremação perfeita do cadáver no próprio lugar da morte. e o homem é apenas um hospedeiro acidental. os animais desempenham uma função essencial para que a infecção se mantenha em a natureza. os médicos veterinários extraíram a base para produção de vacinas e soros.

os serviços de coleta e destino de lixo são precários. uma triste realidade decorrente de administrações tecnocratas. um parasita contaminando o animal pode sofrer mudança genética e se adaptar ao homem. pois os dados sobre ocorrência. há carência de água potável. Além do agente infeccioso. causar o aparecimento de novas zoonoses. Apesar das zoonoses mais conhecidas serem trabalhadas com certa intensidade. parasitismos e outros fenômenos ecológicos vinculados à presença do homem. As populações que se transferem às cidades levam consigo os seus animais domésticos e. O feedback ao valoroso trabalho de Pasteur. aterros sanitários e drenagens das águas. a inibir o entusiasmo heróico de poucos remanescentes do sanitarismo voltado para o interesse social coletivo. igualmente. as informações disponíveis não mostram a verdadeira situação existente. nessas regiões. muitas outras não menos importantes para a Saúde Pública. além de favorecerem a proliferação de insetos e roedores. atualmente. está sendo e sempre será. refere-se aos danos provocados pelas zoonoses à economia. Outro aspecto a analisar. insípidas e inescrupulosas. acentuadamente. As mutações genéticas podem. . continua. o homem e os animais compartilham o mesmo ambiente e os mesmos perigos. não são notificadas. os fatores sociais. em sendo extremamente negativo. incidência e prevalência da maioria das zoonoses. A luta contra as zoonoses no Brasil está no começo. são responsáveis pelo aparecimento ou recrudescimento das zoonoses na comunidade. políticos e econômicos. nas grandes cidades. principalmente em países subdesenvolvidos. que perpetuam seus interesses. Esta foi. para que possam ser avaliadas dentre as 150 zoonoses descritas na América Latina e Caribe. pela Organização Pan-americana de Saúde. onde a incidência é mais significativa. a má qualidade de vida de uma grande parte da população favorece o desenvolvimento das enfermidades.A adaptação dos animais às áreas urbanas está associada a simbioses. Outros fatores que têm contribuído para a expansão das zoonoses são a penetração do homem em novas áreas geográficas e zonas ecológicas. dos hospedeiros e do meio ambiente. que dificultam a ocupação do solo pelo homem. especialmente em suas periferias. podendo causar a incapacitação física ou mental de grande número de indivíduos na faixa etária mais produtiva. são raros ou inexistentes. no comando da Saúde Pública dos sofridos rincões do nosso enfermo Terceiro Mundo. nem têm programas de controle. para colonização ou desmatamento e a disseminação de novas espécies de animais entre as populações humanas.

uma série de lesões conhecidas com o nome de miíases ou bicheiras. e cujas larvas provocam miíases cutâneas no homem e nos animais. como nos seguintes casos: • • • • • • • • • • • • • Raiva. temporária ou permanente. diversas moscas que freqüentam os lugares habitados pelo homem ou animal doméstico. por regurgitação ou como intermediário na evolução de certos nematóides. que utiliza as moscas domésticas para o transporte de seus ovos. Tuberculose. Ainda mais. Desinterias bacilares parasitárias. Afecções piogênicas. por inoculação. Tracoma. como médicos veterinários. como ocorre com a Dermatobia cyaniventris. como aconteceu na habronemose equina e também como vetores de metazoários. Escarlatina. Poliomielite. Afecções piogênicas. veja a seguir como combatê-las: . conforme o clima. pelas patas. etc.Este é o nosso quadro! Resta-nos avaliar e refletir sobre a nossa parcela de responsabilidade. tripanossomíases e helmintíases e. O papel de vetor é desempenhado das seguintes maneiras: por transporte mecânico. produzem em estado larvário. Dr José Brites Neto . pelas dejeções. Brucelose. Febre tifóide. Diversas espécies de moscas apresentam grande interesse higiênico porque funcionam como vetores de microorganismos patogênicos para o homem e os animais. O combate às moscas no meio rural deve ser feito por todos os meios possíveis.Médico Veterinário CRMV-SP nº 11996 Combate às Moscas As moscas são uma praga encontrada em todo o mundo. Carbúnculo hemático e sintomático. Aftosa.

sobretudo A. pois os recintos intensamente iluminados atraem as moscas. 4. moscas e baratas. 2. 3. . Larva migrans cutânea (bicho geográfico): A larva migrans cutânea é encontrada por toda parte onde se encontrem cães e/ou gatos infectados com ancilostomídeos. Utilizar armadilhas matamoscas de todos os tipos em certos locais. Outras doenças podem ser contraídas através do contato não desejado com ratos. 4. Empregar inseticidas químicos eficientes e muito conhecidos no mercado. 5. Proteger os locais de elaboração de produtos alimentares e as residências com portas e janelas teladas. Zoonoses As Zoonoses são infecções e doenças que podem ser adquiridas em contato com animais de estimação como cachorro. pela ingestão de carne contaminada de animais como o gado ou o porco. Higienizar com desinfecções completas. Contra as larvas: 1. caiações. Remover diariamente o esterco e o lixo dos estábulos e das residências. braziliense e A. etc.Contra as moscas adultas: 1. ou ainda. principalmente através da ingestão de água ou alimentos contaminados. As instalações sanitárias deverão ser higienizadas com desinfetantes. depositando-os em locais ou recipientes fechados. gato e passarinho. Colocar as criações de suínos e galinheiros. pisos e paredes dos locais ocupados por animais. 5. periodicamente. distantes pelo menos uns 300 metros das residências e das fábricas de queijo ou manteiga.. 3. Distribuir armadilhas com iscas para atrair moscas. 2. O escoamento das águas servidas deve ser coberto e será evitada a formação de poças ou acúmulo de água em vasilhas abandonadas. Usar uma iluminação adequada.

e a preferência por fazê-lo em lugares com areia. em seguida à ingestão do hospedeiro intermediário. tão característico desses animais. Dirofilariose: acomete principalmente o cão doméstico. a infecção humana ocorre com a ingestão de trofozoítos na carne crua ou mal cozida. os oocistos se tornam infectantes em dois ou três dias. os gatos se tornam infectados após a ingestão de animais caçados. a infecção congênita pode levar a uma grave moléstia por ocasião do nascimento. e as . requer biópsia cirúrgica e avaliação histológica. os gatos excretam oocistos em suas fezes durante uma ou duas semanas. e raramente outros vasos hemáticos e órgãos. Os seres humanos podem tornar-se infestados com a forma adulta do cestódio (vermes chatos na sua forma) dipylidium caninum. foram já descritas várias espécies. As crianças contaminam-se ao brincar em depósitos de areia para construção. 1911). A infecção congênita do feto humano através da transmissão placentária representa a maior ameaça aos seres humanos.1856). superfamília Filaroidea.ceylanicum. ou nos tanques de areia dos locais destinados à sua recreação. Ingestão de oocistos provenientes das fezes de gato. ocorrendo com maior freqüência em crianças jovens. Todos os animais domésticos devem ser tratados sistematicamente e com regularidade para prevenir-se as reinfeções. o gato e várias espécies de animais silvestres. em gatos. A dirofilariose humana é raramente reconhecida. Toxoplasmose: a infecção com o parasita protozoário toxoplasma gondii ocorre numa série de animais de sangue quente. para a confirmação do diagnóstico e eliminação de condições mais sérias. Dipilidiose: a infestação por cestódios é extremamente comum em cães e. e podem sobreviver no ambiente por diversos meses. Nesse gênero (Dirofilaria). os êmbolos larvais são revelados radiograficamente como nódulos e. são os gatos as principais fontes de infecção. sendo causada por êmbolos de larvas mortas do parasita nos pulmões. especialmente em sua porção direita. onde esses animais poluem e meio com suas fezes. Após a infecção. Referidos vermes são classificados na Ordem Spirurida. a pulga. mas a família dos felídeos parece ser o único hospedeiro definitivo (único hospedeiro onde ocorre o ciclo sexual do parasita). O problema é mais frequente em praias e em terrenos arenosos. família Filariidae. em menor extensão. na artéria pulmonar. e pela via transplacentária. O hábito de enterrar os excrementos. Em muitos lugares. Ambas em sua fase adulta localizam-se no coração. entre as quais: Dirofilaria immitis (Leidy. A infecção raramente produz moléstia clínica em seres humanos adultos. e a Dirofilaria repens (Railliet y Henry. a menos que estejam imunocomprometidos. ou de carne crua contendo os trofozoítos. favorecem a eclosão dos ovos e o desenvolvimento das larvas. embora a moléstia seja freqüentemente assintomática. Normalmente a infestação nos seres humanos exibe sintomas clínicos.

eqüino. a LEPTOSPIRA ssp. e pela ingestão. Os animais silvestres são reservatório primário para a raiva na maior parte do mundo. Esporotricose: esporotricose é uma moléstia fúngica cutânea ou linfocutânea crônica causada por sporothrix schenckii. caracterizada por sintomatologia nervosa que acomete animais e seres humanos. rato. relatos recentes indicam que os cães infectados podem transmitir diretamente a infecção para os seres humanos. A maior parte dos casos de enteropatia (problema intestinais) humana causada por estas bactérias não está associada à exposição a animais de companhia. até que o tratamento tenha resolvido a moléstia. através da mordedura ou lambedura da mucosa ou pele lesionada por animais raivosos. e têm sido isoladas das fezes de animais sadios. Campilobacteriose e salmonelose: Cães e gatos podem abrigar campylobacter jejuni e uma série de espécies não-tifóides de salmonella. . e em especial as associadas com diarréia. Infecções com estas bactérias em cães e gatos nem sempre cusam moléstias clínica. macaco. Transmitida por cão. pela penetração da pele lesada. os proprietários dos animais devem ser aconselhados a lavar bem as suas mãos. O cão e outros animais como por exemplo rato. e seres humanos são suceptíveis à moléstia. após a manipulação de cão ou gato infectado. mais tarde. convém uso de luvas. É uma doença causada por bactéria. suíno. gatos com esporotricose devem ser manipulados com luvas. penetrantes. bovino e animais silvestres também podem contrair a doença e transmiti-la. verduras ou fezes de animais. que geralmente está associada a feridas traumáticas. mas os animais domésticos de estimação são as principais fontes de transmissão para os seres humanos. É transmitida através da urina. afetando a maior parte dos animais inclusive o homem. Raiva: A raiva é uma doença provocada por vírus. bovino. Devido a estes achados. até 30% dos casos de "tinha" humana em áreas urbanas foram associados a contato direto com animais. durante a vida do indivíduo. os profissionais devem aconselhar os donos de animais que todas as fezes. e eliminadas de modo a impedir a potencial exposição humana. alguns cuidados durante a gravidez: ao manusear carnes cruas. gato. água e alimentos contaminados pelo microorganismo. devem ser manipuladas com cuidado. cães. bastante comum em épocas de chuvas. Dermatomicose: a transmissão direta de microsporum canis de cães e gatos de fato ocorre. morcego e animais silvestres. gatos. Leptospirose: A lepstospirose e enfermidade endemica. e a não permitir que seus filhos brinquem com os animais. até à resolução do processo.afecções oculares.

hemorragias e coloração amarelada da pele e mucosas. Metade das pessoas que contraem febre amarela morrem. Doença de Lyme: descoberta nos Estados Unidos há 15 anos. a trabalho ou a passeio. Os sintomas são febre alta. A mais conhecida e comum no meio urbano é a barata de esgoto. dores de cabeça. calafrios. Existem cerca de 3. dor de cabeça. Tem por hábito picar durante o dia e se desenvolve em água PARADA e LIMPA. elas procuram abrigo em lugares quentes. Pode se tornar problema de saúde pública em futuro próximo pois já existem casos recentemente confirmados na região da Grande São Paulo. gavetas.Teníase & Cisticercose: Verminoses frequentes em nosso meio causadas pela Tênia. através da picada de mosquitos silvestres. ou outro alimento contaminado. Estão sempre em busca de alimentos em lixos e esgotos. o mosquito inocula sua saliva contaminada com o vírus responsável pelo desenvolvimento da dengue. ocorre febre alta. Baratas: As baratas estão entre os insetos que encontramos a toda hora e que pouco sabemos sobre os riscos que eles acarretam para a nossa saúde. nos cantos dasparedes das casas. vômitos negros. olhos. Na cidade. articulações e músculos. Na época das chuvas. . Na dengue hemorrágica. nas frestas de madeira. Na dengue clássica ocorre febre alta com duração de 5 a 7 dias. com listras brancas. Ele é escuro. ralos e depósitos. Metade dos casos hemorrágicos evolui para a morte. manchas na pele. são transmitidas através da ingestão de carne e derivados de porco e/ou de vaca. fornos. A Febre Amarela se origina em regiões de mata. hemorragia na pele. como é popularmente conhecida. dentro dos prédios. A doença pode ser trazida para as cidades por pessoas que vão para as áreas de mata. ou "solitária". Ao picar uma pessoa. ou francesinha. náuseas. ainda é pouco conhecida no Brasil. A prevenção se faz com a vacina contra febre amarela aplicada 10 dias antes de viajar de férias ou a trabalho para áreas de mata fechada. olhos e órgãos internos. Suas fezes e suas cascas secas podem causar alergias. mais grave e rara que a forma clássica. esta pessoa doente é picada pelo mosquito aedes que transmitirá a doença quando picar uma pessoa sadia. úmidos e escuros. menor que um pernilongo. Transmitem micróbios que causam infecções respiratórias e intestinais. prostração. e voltam doentes. nos armários.500 tipos de barata. Dengue e Febre Amarela: A dengue é uma doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti.

A contaminação geralmente ocorre através da inalação ou respiração do ar contaminado com as fezes desse animais. para evitar a poeira que elas provocam e assim diminuir o risco de contaminação. louças. Medidas preventivas: Ao limpar galinheiros. cavernas e minas habitadas por morcegos. ou um pano úmido cobrindo o nariz. virilha ou debaixo do braço. Dê preferência aos inseticidas acondicionados em armadilhas que atraem as baratas para dentro delas. Lúcia Helena Salvetti De Cicco Diretora de Conteúdo e Editora chefe . Pulgas e ácaros de sarna: a sarna canina e felina. devido a grande variedade de resíduos que servem para sua alimentação. Lave as frutas antes de comê-las. Se manifesta através de febre. anemia e diminuição do número de células brancas do sangue responsáveis pela defesa contra infecções. utilizar máscaras protetoras. talheres e copos. infecção pulmonar. gânglios ou "ínguas" no pescoço.Ao transitar por locais limpos contaminam os alimentos. pombais e outros locais que contenham fezes secas de aves ou morcegos. Depositam bernes e bicheiras nos locais onde posam. infecções e alergias. Umidecer as fezes antes de removê-las. e pulgas têm um grande potencial zoonósico. mas pode voltar se não for curado o animal ou não for feita a higiene adequada do ambiente. ao fazer limpeza ou ao adentrar locais por eles habitados. A dermatose associada a pulgas ou ácaros de sarna em seres humanos é geralmente autolimitante. Histoplasmose: É provocada por fungos encontrados em fezes secas de passarinhos. Deixe sempre o alimento protegido. pombos e morcegos. úlceras na pele. pratos. A doença é de evolução crônica tanto nas crianças como nos adultos. Lave os utensílios de cozinha e da copa antes de usá-los. não guarde comida sem tampa nos armários. da mesma forma proteja os alimentos. Transmitem doenças respiratórias. Máscara ou pano úmido também devem ser utilizados ao se visitar túneis. Não contaminam o meio ambiente e são eficientes para acabar com elas. principalmente doces e bolachas. Moscas: O lixo é o principal responsável pelo aparecimento das moscas.

Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde.1990 . 1995. O Médico da Família Nova Cultural.Bibliografia: Prefeitura Municipal de São Paulo Secretaria da Saúde . 1995. Centro Nacional de Epidemiologia CENEPI Gerência Técnica de Febre Amarela e Dengue. 1994 Animais Peçonhentos Bruno Soerensen . que bicho é esse?.Centro de Controle de Zoonoses Zoonoses.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->