qwertyuiopasdfghjklz xcvbnmqwertyuiopas dfghjklzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklzxcvbn A Transportadora Setubalense mqwJertyuiopasdfghj klzxcvbnmqwertyuiop asdfghjklzxcvbnmqwe rtyuiopasdfghjklzxcvb nmqwertAyuiopasdfg O Autor hjklzxJocOJvbnmqwer JOSÉ GAMEIRO

tyuiopasdfghjklzxcvb

1

MEU CONTRIBUTO
Estávamos nos primeiros meses do ano de 1957, fazíamos 13 anos de idade. O empregado, Rolando Pedrosa, vinha fazer a parte da manhã na Central de Salvaterra de Magos, completando o dia em Benavente. Um dia contactou meu pai, convite que foi confirmado pelo Fiscal Fábio Pedro Branco, ambos tinham transitado da Benaventense (da família Anastácio), para a empresa de João Cândido Belo & Cª Ldª, três anos antes. A empresa “Transportadora Setubalense” precisava de empregados jovens a tempo inteiro, nas vilas ribatejanas de Salvaterra, Benavente e Samora Correia, para as suas Estações; atendimento de passageiros, e serviços de despachos de mercadorias, que funcionavam como “Centrais”, um contrato com o Caminho de Ferro, que existia há décadas, através de Muge. Um alargamento de carreiras, numa vasta área do Ribatejo, estava em curso, até porque a ponte “Marechal Carmona”, sobre o rio Tejo tinha sido inaugurada, em 1951. Os passageiros passaram a viajar directamente de Coruche até Vila Franca de Xira., com benefício para as localidades periféricas, que passaram a ter a sua carreira diária. Coruche/Mora, dava ligação ao Alentejo, chegando a Évora, através da ligação à empresa Martins, com sede em Évora. A cidade de Santarém, também recebia ligação através da Ribatejana, Ldª, em Muge e Coruche, com Almeirim de permeio. Assim, estivemos na Estação de Salvaterra de Magos, até 1969, ano em que deixamos o seu serviço. Nesse tempo, já há muito a Setubalense, fazia viagens directas para Lisboa, tendo a sua Estação na Av. Defensores de Chaves * JOSÉ GAMEIRO

2

A TRANSPORTADORA SETUBALENSE

Consta que o seu registo foi em 28 de Julho de 1928. Entre os seus antigos colaboradores, dizia-se que foi fruto da persistência de João Cândido Belo, Homem de condição humilde, que amealhou algum pecúlio, no trabalho árduo, na praia de Setúbal, transportando caixas de peixe, numa carroça. Os anos passaram, a história, continuou a ser divulgada, mesmo que tenuemente e algumas vezes destorcida, mantendo sempre a sua matriz original. João Cândido Belo, ao fundar a Empresa Setubalense & Cª Ldª, na área dos transportes públicos de passageiros, localizou a sede em Vila Fresca de Azeitão (Setúbal), não se esquecendo dos seus dois irmãos, como associados.
O CORTEJO DE AUTOCARROS

Em crónicas, registadas em diversos jornais da época, trazem-nos a notícia, como a do Diário de Noticias, que no dia 24 de Outubro de 1948, um dia de sol esplendido, a empresa de João Cândido Belo, se incorporou no grande desfile, organizado pelo Grémio dos Industriais de Transportes em Automóveis, onde participaram 200 autocarros, de todos os pontos do país. O encontro, proporcionou a viagem a 7.000 visitantes à “Grande Exposição de Obras Públicas”, patente no Instituto Superior Técnico, em Lisboa. O desfile de

3

viaturas que chegou a atingir cerca de cinco Kms de cumprimento, teve início no Campo Grande, passou a Avenida da República, Fontes Pereira de Melo e Liberdade, atravessando o Rossio e o Terreiro do Paço. Subindo a Avenida Almirante Reis, Praça do Chile, até à Alameda D. Afonso Henriques, onde os autocarros ficaram estacionados. Foi acima de tudo um acto de propaganda do poder crescente da indústria rodoviária sobre o caminho-de-ferro.
O DESFILE E A IMPRENSA

Dois Jeeps da empresa “Capristanos e Ferreira” abriram o cortejo de 200 autocarros que representavam 107 empresas, desde as mais humildes “A.J. Alves & Companhia” de Maçãs de Dona Maria, concelho de Alvaiázere, ou a “Mário Ferreira”, de Poiares. O jornal o século no seu suplemento de 9 de Novembro, completava a notícia, que logo atrás seguia o grosso das viaturas de “João Clara” de Torres Novas, João Cândido Belo & Cª Ldª”, de Vila Fresca de Azeitão. A imprensa portuense, também dedicou algumas páginas a este fausto acontecimento. As revistas da especialidade como: o Gita, o Volante e Transportes, dedicaram vários textos ao acontecimento. Nalguns escritos nos autocarros, encontravam-se relados sobre alguns concessionários; um sobre Amândio Paraíso, da Ponte dos Juncais (Fornos de Algodres), que dizia: “O homem que ligou duas cidades”. Um outro, sobre

4

António Rodrigues de Deus, de Ourém, “O homem que ajuda o progresso da sua região”. Um outro ainda sobre Abílio da Costa Moreira, de Vila Nova de Famalicão, “Um concessionário aquém o seu distrito muito deve”. Foi também escrito sobre a “Auto -Viação de Espinho, “Honra a carreira Porto a Espinho”. A Luxuosa de Gondomar, faz 33 carreiras diárias e 44 aos sábados. Amândio de Oliveira, de Garfe (Póvoa de Lanhoso), “É um homem probo e entusiasta”, a Auto Transportes do Fundão, tem o lema “Bem servir”. Ao entusiasmo dos 7000 excursionistas, juntaram-se milhares de lisboetas, que também festejaram o acontecimento, tendo todos assistidos ao concerto público, da Banda do Batalhão Caçadores 5, tendo terminado o dia festivo, com um espectáculo intitulado “Uma hora de variedades”, pela FNAT e Emissora Nacional. Com to este movimento de autocarros vindos de todas as regiões de Portugal, do Minho ao Algarve, Apenas um acidente se registou, por despiste, perto do Porto Alto, num autocarro da empresa Martins, de Évora, que foi prontamente socorrido, pelos bombeiros voluntários de Salvaterra de Magos (com sede a uns 15 kms de distância), tendo a viatura entrado a tempo no desfile em Lisboa.
************ Extractos do texto – José Luís Covita, in TR 36 – Fevereiro 2006 Internet

5

A SETUBALENSE, NA ZONA DO RIBATEJO Em 1954, João Cândido Belo & Cª Ldª, comprou a Empresa de Viação Benaventense, com sede em Benavente, à família Anastácio. Esta por sua vez, tinha adquirido o alvará à Empresa de Viação Salvaterrense, Salvaterra de Magos, de Alfredo Trindade Rodrigues, de alcunha Alfredo Calafate, (1) por ter sido a sua profissão durante muitos anos, nas reparações dos barcos da vila.

O inicio desta empresa, vinha dos anos 30, da família Torroaes, que começou a explorar uma carreira (via recta do cabo), com uma Diligência de 10 passageiros, tirantada a dois animais. A viagem de Salvaterra até ao Pontão do Cabo, com ligação ao comboio em Vila Franca de Xira, atravessando os passageiros o rio Tejo de barco, com regresso ao cair da tarde.
****** (1)– Do Apontamento Nº 13 – Colecção “Recordar, Também é Reconstruir! – do Autor

6

Uns anos depois, igual percurso e um outro para a Estação de Muge, era feito já em veículo automóvel de 12 passeiros. Com a inauguração da ponte de Vila Franca de Xira, em 1951, a Setubalense, investiu a sua exploração nesta área do Ribatejo, levando-a melhorar os transportes com algumas carreiras diárias para Vila Franca de Xira, vindas de Coruche, passando por Salvaterra, Benavente e Samora Correia, o que levou todas as terras periféricas, a beneficiarem de uma carreira diária. Fazendo também o percurso inverso, pois tinha em mente através do Couço e Mora, fazer uma ligação a Évora.

Na Estação dos caminhos de ferro, em Muge, ligava com a empresa Ribatejana, até Santarém, ligação que também efectuava através de Coruche. Em qualquer dos dois percursos, era feita a passagem por Almeirim.

7

Naquela remodelação, manteve o escritório e oficina em Benavente, continuando a recolha dos passageiros, num Jardim próximo (junto aos Bombeiros) da vila.

8

Naquele tempo, as carreiras enchiam por completo os autocarros de passageiros, levando a completar com desdobramentos, especialmente aos sábados. Os tejadilhos, quer de pequenos volumes de mercadorias (podiam transitar para todo o país, através de outras empresas), quer das bagagens dos passageiros (onde incluía bicicletas), davam um trabalho árduo aos cobradores de bilhetes, que tinham uma ajuda preciosa dos motoristas, fazendo entre eles uma equipa (um grande elo de ligação e amizade), que muitas vezes durava anos. Com a construção da Auto-estrada Lisboa-Porto, o transito passou a ser directo à capital do país, instalando a sua estação na Av. Defensores de Chaves. O transporte de passageiros, agora para Setúbal e Évora, estava mais facilitado em percurso directo, quer pelo Montijo, quer por Coruche/Mora. Por volta de 1971, deu-se a grande expansão da Setubalense, com a compra outras empresas da mesma área de actividade. Comprou a Ribatejana, Ldª (Santarém), Camionagem Vilela, Ldª (Marinha Grande) e Martins, Évora. As zonas operacionais então usadas pelas empresas adquiridas, foram modernizadas com novas instalações e outras foram criadas, como: Elvas, Estremoz, Beja, Barreiro, Montijo, Benavente/Coruche. Segundo um lápis, fabricado na Viarco, para publicidade da empresa, na década de 50/60, percorria cerca 25 mil kms por dia, por terras de Portugal.

9

Em homenagem aos colaboradores da empresa, em Vila Fresca de Azeitão, os seus autarcas deram a rua o toponímico: Rua dos Trabalhadores da Empresa Setubalense. A NACIONALIZAÇÃO Quando da revolução de Abril de 1974, a Empresa Setubalense, encontrava-se num dos 4/5 maiores grupos económicos no país, na área da exploração do transporte público de passageiros (autocarros).

Com o Dec. Lei Nº 200-A e C/75, Diário do Governo Nº 129, 1ª Série de 5 de Junho de 1971, aquela actividade económica passou a estar nacionalizada. Criada a Rodoviária Nacional – RN, tem inicio de actividade em 1 de Junho de 1976, entre todas as empresas de transportes públicos de Passageiros, e outras, encontrava-se a Transportadora Setubalense de; João Cândido Belo & Cª Ldª, com sede em Vila Fresca de Azeitão (Setúbal), que incluía todas as empresas anteriormente por si adquiridas, e mantinham o seu registo primitivo. As empresas a que pertenciam ao grupo João Cândido Belo, à data da nacionalização, tinham 577 autocarros (incluindo alguns de

10

turismo), possuíam licença para explorar 306 carreiras, tendo uma carteira de 2179 empregados. Criados na RN, os Serviços de Exploração de Passageiros, CEP, os autocarros da Setubalense de João Cândido Belo & Cª Ldª, são renumerados, e divididos nas CEP(s) seguintes: • • • CEP 4 – Rodoviária do Tejo, SA (RT) –com sede em Torres Novas CEP 7 – Rodoviária do Sul do Tejo, SA (RT) – com sede no Laranjeiro CEP 8 – Rodoviária do Alentejo, com sede em Azeitão

A PRIVATIZAÇÃO Em 1990, foi iniciado processo de Privatizações, tendo a RN, dado lugar à RNIP – Rodoviária Nacional, Investimentos e Participações. Já na fase da venda; A CEP 4 - Em 1993 - A Rodoviária do Tejo, é adquirida pela AVIC Joalto e Rodoviária do Entre Douro e Minho. A CEP 7 – Em 1991 – A Rodoviária Sul do Tejo, pertencia à RN, tendo em 1995, passado a Transportes Sul do Tejo. Em 1998, passou a pertencer ao grupo Barraqueiro. Em 2001, os serviços Península de Setúbal, até então da Belos Transportes, passa para a TST. Em 2003, passa para o Grupo ANIVA, e em

11

2010, é adquirida pela Deutsche Bahn, empresa alemã. Tem garagem no Larangeiro, um sector no Seixal e Sul-Fertegus; Elvas na Cova da Piedade do sector de Almada; Boega c/ sector da Moita; Sesimbra e Setúbal. A TST, tem 15 carreiras urbanas, 178 suburbanas e 4 rápidas

A CEP 8 – Rodoviária do Alentejo, é comprada pelo grupo Barraqueiro, aliada à família Belos e à ETAC (António Cunha Transportes), passando em 1994, a Belos Transportes. Em 31 de Agosto de 1995 – A Rodoviária Nacional-RN e a sua sucessora RNIP, estavam extintas, e a fase de privatização que se iniciou em 1990, foi concluída em 1996

12

A NOVA RIBATEJANA - Esta empresa, nasceu em 1 de Março de 2001, por aquisição da Belos Transportes, SA, sendo agora uma das 7 novas zonas operacionais da Barraqueiro Transportes, SA, tendo o seu Centro Operacional em Coruche e Subcentro em Benavente.

Foto Autocarro Centro Operacional Ribatejana – Coruche (Internet)

ANTIGOS EMPREGADOS DA SETUBALENSE, EM CONFRATERNIZAÇÃO DE SAUDADE Muitos anos passaram, desde o dia da nacionalização da empresa “A Transportadora Setubalense”. Os antigos empregados, sempre com saudades da “sua” setubalense, onde a camaradagem e amizade era um símbolo,

13

vinham pensando em encontrarem-se numa confraternização que se queria douradora. Quatro encontros fortuitos aconteceram, onde uns quantos colegas queriam alargar a uma permanente confraternização.

O 5º encontro programado a preceito por um grupo, que se empenharam em zonas bem demarcadas do país, especialmente no sul do país, nos contactos realizados conseguiram no dia 22 de Outubro de 2011, num Restaurante em Benavente, a presença de antigos trabalhadores da Setubalense, acompanhados de suas famílias, num conjunto

14

de cerca de 240 convivas, muitos deles “matando” saudades de muitos e muitos anos de desencontros que a vida lhes deu, ficando doravante fixado um encontro anual.

15

16

17

Fotos da Internet

• •

Capa : Autocarros de Portugal - Carlos Lima Boné extraído da senha- 5º encontro dos antigos colegas da empresa Transportadora Setubalense (João Cândido Belo & Cª Ldª) - Azeitão FOTOS Autor – José Gameiro

Pág. 1 Imagens da Internet Pág. 2 – José Gameiro fardado com 13 anos de idade Pág. 6 - Diligência, Transporte de Passageiros (Salvaterra – Pontão do Cabo) Vila Franca de Xira Pág. 7 - Autocarro Nº 33 (Empresa Setubalense), oriundo da antiga Benaventense – Estacionado na Praça da República, Benavente Pág. 8 – João Tiago e José Gameiro, Empregados da Setubalense * Pág. 7 - José Gameiro, no dia da inauguração das novas instalações da Estação de Salvaterra de Magos Pág. 9 – Salvaterra de Magos - Carreira c/ destino a Coruche, vinda de Lisboa ( Ligação a Mora e Évora), com vários desdobramentos, recebendo passageiros de Foros de Salvaterra * Pág. 9 – Logótipo da RN Pág. 10 Nova identificação dos Transportes Belos, após Privatização

18

Pág. 13 – Joaquim Eusébio, Hélder Seabra de Melo e Gonçalo Ferreira da Silva * Pág. 14 – Joaquim Seabra de Melo, antigo cobrador da Benaventense e Setubalense, com esposa Pág. 15 - * Bolo 5º encontro e chegada para o convivio Pág. 16 e 17 – Antigos trabalhadores da Setubalense, com familiares no 5º encontro, realizado no dia 22.out.2011

Bibliografia Internet – Autocarros de Portugal, C. F. Lima Internet – Rodas de Portugal- O mundo sobre rodas em Portugal, numa colecção de lápis, a setubalense por volta da década 50/60, percorria cerca 25 mil kms / dia por terras de Portugal ***************** Blogue: www.historiadesalvaterra.blogs.sapo.pt * Livro: Recordar, Também é Reconstruir! Apontamento Nº 13 * I Volume *Pots Os Transportes Públicos de Passageiros, inserido em 30 de Setembro de 2009 Do Autor: José Gameiro
(José Rodrigues Gameiro)

19

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful