P. 1
DISlexia

DISlexia

4.5

|Views: 3.758|Likes:
Publicado poranon-46283

More info:

Published by: anon-46283 on Nov 28, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/24/2013

pdf

text

original

DIS.LEXICOS@IBA_SEUS_DIREITOS.

PORQUÊ.... SOMOS DIS !??

Sinais indicadores de dislexia:O que se sente?

DISLEXIA O que é? É uma dificuldade primária do aprendizado abrangendo: leitura, escrita, e soletração ou uma combinação de duas ou três destas dificuldades. Caracteriza-se por alterações quantitativas e qualitativas, total ou parcialmente irreversíveis . É o distúrbio (ou transtorno) do aprendizado mais freqüentemente identificado na sala de aula. Está relacionado, diretamente, à reprovação escolar, sendo causa de 15 % das reprovações. Em nosso meio, entre alunos das séries iniciais (escolas regulares) têm sido identificados problemas em cerca de 8 %. Estima-se que a dislexia atinja 10 a 15 % da população mundial Quem pode ser afetado? A dislexia não é o resultado de má alfabetização, desatenção, desmotivação, condição sócioeconômica ou baixa inteligência. Ela pode atingir igualmente pessoas das raças branca, negra ou amarela, ricas e pobres, famosas ou anônimas, pessoas inteligentes ou aquelas mais limitadas. Qual a causa? A dislexia tem sido relacionada a fatores genéticos, acometendo pacientes que tenham familiares com problemas fonológicos, mesmo que não apresentem dislexia. As alterações ocorreriam em um gene do cromossomo 6 . A dislexia, em nível cognitivo- lingüístico, reflete um déficit no componente específico da linguagem , o módulo fonológico, implicado no processamento dos sons da fala. Uma criança que tenha um genitor disléxico apresenta um risco importante de apresentar dislexia, sendo que 23 a 65 % delas apresenta o distúrbio. Um gene recentemente relacionado com a dislexia é chamado de DCDC2. Segundo o Dr. Jeffrey R. Gruen, geneticista da Universidade de Yale, Estados Unidos, ele é ativo nos centros da leitura do cérebro humano. Outro gene, chamado Robo1, descoberto por Juha Kere, professor de genética molecular do Instituto Karolinska de Estocolmo, é um gene de desenvolvimento que guia conexões, chamadas axônios, entre os dois hemisférios do cérebro. Pesquisadores dizem que um teste genético para a dislexia pode estar disponível dentro de um ano. Crianças de famílias que têm história da dislexia poderão ser testadas. Se as crianças tiverem o risco genético, elas podem ser colocadas em programas precoces de intervenção. O que se sente? Sinais indicadores de dislexia: A dificuldade de ler, escrever e soletrar mostra-se por dificuldades diferentes em cada faixa etária e acadêmica

Pré-Escola, pré-alfabetização
Dificuldades mais identificadas :

Aquisição tardia da fala Pronunciação constantemente errada de algumas sílabas Crescimento lento do vocabulário Problemas em seguir rotinas Dificuldade em aprender cores, números e copiar seu próprio nome Falta de habilidade para tarefas motoras finas (abotoar, amarrar sapato, ...) Não conseguir narrar uma história conhecida em seqüência correta Não memorizar nomes ou símbolos Dificuldade em pegar uma bola

Início do ensino fundamental - Alfabetização
Dificuldades mais identificadas : fala. aprender o alfabeto planejamento e execução motora de letras e números preensão do lápis motricidade fina e do esquema corporal. separar e seqüenciar sons (ex: p – a – t – o ) habilidades auditivas - rimas discriminar fonemas de sons semelhantes: t /d; - g / j; - p / b., diferenciação de letras com orientação espacial: d /b ;- d / p; - n /u; - m / u pequenas diferenças gráficas: e / a;- j / i;- n / m;- u /v orientação temporal (ontem – hoje – amanhã, dias da semana, meses do ano) orientação espacial (lateralidade difusa, confunde a direita e esquerda, embaixo, em cima) execução da letra cursiva

Ensino Fundamental
Dificuldades mais identificadas: atraso na aquisição das competências da leitura e escrita. Leitura silábica, decifratória. Nível de leitura abaixo do esperado para sua série e idade. soletração de palavras ler em voz alta diante da turma supressão de letras: cavalo /caalo;-. biblioteca/bioteca; - bolacha / boacha Repetição de sílabas: pássaro / passassaro; camada / camamada seqüência de letras em palavras Inversões parciais ou totais de sílabas ou palavras (ai-ia; per-pré; fla-fal; me-em). Fragmentação incorreta: o menino joga bola - omeninojo gabola planejar, organizar e conseguir terminar as tarefas dentro do tempo enunciados de problemas matemáticos e figuras geométricas elaboração de textos escritos expressão através da escrita compreensão de piadas, provérbios e gírias seqüências como: meses do ano, dias da semana, alfabeto, tabuada. mapas copiar do quadro

Ensino Médio
Dificuldades mais identificadas: Podem ter dificuldade em aprender outros idiomas.

Leitura vagarosa e com muitos erros Permanência da dificuldade em soletrar palavras mais complexas Dificuldade em planejar e fazer redações Dificuldade para reproduzir histórias Dificuldade nas habilidades de memória Dificuldade de entender conceitos abstratos Dificuldade de prestar atenção em detalhes ou, ao contrário, atenção demasiada a pequenos detalhes Vocabulário empobrecido Criação de subterfúgios para esconder sua dificuldade

Ensino Superior / Universitário
Dificuldades mais identificadas: Letra cursiva. Planejamento e organização. Horários (adiantam-se, chegam tarde ou esquecem). Falta do hábito de leitura. Normalmente tem talentos espaciais (engenheiros, arquitetos, artistas).

Diagnóstico
Os sintomas que podem indicar a dislexia, antes de um diagnóstico multidisciplinar, só indicam um distúrbio de aprendizagem, não confirmam a dislexia. Os sintomas podem ser percebidos em casa mesmo antes de a criança chegar na escola. Uma vez identificado o problema de rendimento escolar, deve-se procurar ajuda especializada.

AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR
A equipe multidisciplinar,incluindo Psicólogo, Fonoaudiólogo e Psicopedagogo Clínico inicia investigação detalhada e verifica a necessidade do parecer de outros profissionais, como Neurologista, Oftalmologista e outros, conforme o caso. É muito importante o parecer da escola, dos pais, o levantamento do histórico familiar e a evolução do paciente. Outros fatores deverão ser descartados, como déficit intelectual, disfunções ou deficiências auditivas e visuais, lesões cerebrais (congênitas e adquiridas), desordens afetivas anteriores ao processo de fracasso escolar (com constantes fracassos escolares o disléxico irá apresentar prejuízos emocionais, mas estes são conseqüências, não causa da dislexia). A equipe multidisciplinar deve verificar todas as possibilidades antes de confirmar ou descartar o diagnóstico de dislexia. Essa avaliação é importante tanto na identificação das causas das dificuldades apresentadas, quanto permite orientar o encaminhamento adequado para o caso individualizado. Não existe teste único, patognomônico (sinais/sintomas constantes, característicos da doença) de dislexia. O diagnóstico deve ser realizado por profissional (ais) treinado (s), empregando-se uma série de testes e observações, em geral, trabalhando em equipe multidisciplinar, que analisará o conjunto de manifestações de dificuldades Testes auditivos e de visão podem ser os primeiros a serem solicitados. Entre as avaliações mais solicitadas encontram-se testes: Cognitivos Inteligência Memória auditiva e visual Discriminação auditiva e visual Orientação Fluência verbal Testes com novas tecnologias

Tratamento após o diagnóstico de Dislexia.
Uma vez diagnosticada a dislexia, segundo as particularidades de cada caso, o encaminhamento orientado permite abordagem mais eficaz e mais proveitosa, pois o profissional que assumir o caso não precisará de um tempo para identificação do problema, bem como terá ainda acesso a pareceres importantes. Tendo conhecimento das causas das dificuldades, do potencial e a individualidade do paciente, o profissional pode utilizar a linha terapêutica que achar mais conveniente para o caso particular. Os resultados devem surgir de forma progressiva. Em oposição à opinião de muitos se pode afirmar que o disléxico sempre contorna suas dificuldades e acha seu caminho. O disléxico também tem sua própria lógica e responde bem a situações que estejam associadas a vivências concretas. A harmonia entre o profissional coordenador e o paciente e sua família podem ser decisivos nos resultados. O mecanismo de programação por etapas, somente passando para a seguinte quando a anterior foi devidamente absorvida, retornando às etapas anteriores sempre que necessário, deve ser bem entendido pelo paciente e familiar.

Sistema Cumulativo
Os serviços de educação especial podem incluir auxílio de especialistas, tutorias individuais, aulas especiais diárias. Cada indivíduo tem necessidades diferentes, por isso o plano de tratamento deve ser individualizado. Da mesma forma, é importante o apoio psicológico positivo, já que muitos estudantes com dificuldade de aprendizado têm auto-estima baixa.

Prevenção
Os transtornos de aprendizagem tendem a incidir em famílias e a dislexia é um deles. As famílias afetadas devem fazer o máximo esforço para reconhecer precocemente a existência do problema. Quando incide em famílias sem antecedentes, o diagnóstico pode ser feito na pré-escola, se os professores detectarem os primeiros sinais. A terapia precoce proporciona os melhores resultados

Geralmente a dislexia é perceptível no início da alfabetização.
Dislexia é uma dificuldade na aprendizagem da criança, quanto à velocidade e qualidade da aquisição das habilidades de leitura, escrita, fala, orientação espacial, entre outros. Para detectar a dislexia é necessário observar alguns sintomas como: dificuldades com a linguagem, dificuldades em escrever, dificuldades com a ortografia, lentidão na aprendizagem da leitura. Geralmente é perceptível no início da alfabetização e pode ser confundida com inteligência baixa ou desmotivação. A causa da dislexia está relacionada com o processamento de informações, que ocorre diferentemente no cérebro de quem apresenta o distúrbio. A dispersão é a primeira característica a ser percebida entre as crianças. Elas demonstram dificuldades em manter a atenção durante as atividades como: jogar, aprender rimas, montar quebra-cabeça. Demoram falar e organizar a linguagem de modo geral. É importante que a dislexia seja observada o quanto antes, a fim de que não provoque desinteresse da criança pelos estudos e tenha que enfrentar algumas frustrações. Como foi citada anteriormente, a dislexia não está relacionada com inteligência baixa, uma vez que crianças disléxicas mostram bons resultados em testes de lógica e atividades cognitivas. Às vezes essas crianças podem até apresentar inteligência acima da média. A dislexia não tem ligação com nenhum tipo de retardo ou deficiência mental, e não indica futuras dificuldades acadêmicas e profissionais. Como se trata de uma dificuldade de aprendizado, a criança pode apresentar um mau comportamento dentro e fora da sala de aula. Por Patrícia Lopes Equipe Brasil Escola FONTE DE PESQUISA: http://www.brasilescola.com/saude/aspectos-dislexia.htm

às Segunda-feira, Novembro 03, 2008 0 comentários http://www.blogger.com/email-

post.g?blogID=1364818245567266793&postID=5326472638964343170 http://www.blogger.com/emailpost.g?blogID=1364818245567266793&postID=5326472638964343170http://www.blogger.co m/post-edit.g?blogID=1364818245567266793&postID=5326472638964343170

http://www.blogger.com/postedit.g?blogID=1364818245567266793&postID=5326472638964343170

Outubro 25, 2008
DISLEXIA, as muitas faces de um problema de linguagem
DISLEXIA, as muitas faces de um problema de linguagem Autoria: Clélia Argolo Estill -Fonoaudióloga e Psicopedagoga Clínica —Meu filho foi mal alfabetizado? Ele é disléxico? —Dislexia é uma dificuldade de aprendizagem? Problemas de aprendizagem são as múltiplas varetas de um amplo guarda-chuva. Dislexia é apenas uma delas, mas muito especial. É mais fácil conceituá-la através do que não é do que defini-la pelo que é. Com toda a certeza não é um problema de inteligência, tampouco uma deficiência visual ou auditiva, muito menos um problema afetivo-emocional. Então o que é? Dislexia é uma dificuldade específica de linguagem, que se apresenta na língua escrita. A dislexia vai emergir nos momentos iniciais da aprendizagem da leitura e da escrita, mas já se encontrava subjacente a este processo. É uma dificuldade específica nos processamentos da linguagem para reconhecer, reproduzir, identificar, associar e ordenar os sons e as formas das letras, organizando-os corretamente. É certamente um modo peculiar de funcionamento dos centros neurológicos de linguagem. É freqüente encontrar-se outras pessoas com dificuldades semelhantes nas histórias familiares. Dislexia, não é culpa de ninguém, nasce -se assim.

O importante é aceitar a dislexia como uma dificuldade de linguagem que deve ser tratada por profissionais especializados. As escolas podem acolher os alunos com dislexia, sem modificar os seus projetos pedagógicos curriculares. Procedimentos didáticos adequados possibilitam ao aluno vir a desenvolver todas as suas aptidões, que são múltiplas. Vale relembrar que os disléxicos estão em boa companhia junto a Leonardo da Vinci e Tom Cruise, Einstein e Nelson Rockefeller, Hans Christian Andersen e Agatha Christie, entre muitos outros. O bom desempenho na leitura provém do equilíbrio entre o desenvolvimento das operações da leitura, decodificação e compreensão, interagindo com os estágios de desenvolvimento do pensamento e da linguagem. É necessário não esquecer a importância dos vínculos afetivos estabelecidos com a aprendizagem. Bons ou maus vínculos são preditivos de sucesso ou fracasso, nesta jornada. O sucesso da operação inicial de leitura, a decodificação, vai depender da habilidade linguística para transformar um sinal escrito, a letra, num sinal sonoro, o som, e vice-versa. Associar letras e sons correspondentes, organizar, sequenciar e encadear esta corrente sonora, é o caminho percorrido para se apreender a palavra escrita. Aqui mora a dificuldade do disléxico. Quanto mais a leitura e escrita, são necessárias na vida escolar, mais a dislexia se revela, sendo confundida, muitas vezes, com problemas gerais de aprendizagem. As pessoas com dislexia têm dificuldades de aprendizagem, porque tem dificuldades específicas de linguagem, não por dificuldades emocionais, lógico-operatórias ou sócio-culturais. As dificuldades de aprendizagem, presentes na dislexia, são alterações decorrentes das dificuldades específicas no processamento lingüístico, que tem a leitura e a escrita como suas ferramentas principais. O valor da intervenção precoce, no caso de suspeitarmos da presença de fatores disléxicos, fala por si mesma, mas só podemos considerar que alguém é disléxico, após dois anos de vivências leitoras. Antes deste período podemos detectar "dificuldades ou transtornos de leitura", que já necessitam de cuidados especiais, numa postura preventiva. Há muitos sinais, visíveis nos comportamentos e nos cadernos das crianças, que podem auxiliar aos pais e educadores a identificar precocemente alguns dos sinais preditivos de dislexia. A dislexia pode estar associada a quadros de déficit de atenção (DDA), mas nem todo o déficit de atenção é acompanhado de dislexia. Citamos algumas dificuldades, tais como: - demora nas aquisições e desenvolvimento da linguagem oral; dificuldades de expressão e compreensão; alterações persistentes na fala; - copiar e escrever números e letras inadequadamente; -dificuldade para organizar-se no tempo, reconhecer as horas, dias da semana e meses do ano; - dificuldades para organizar seqüências espaciais e temporais, ordenar as letras do alfabeto, sílabas em palavras longas, seqüências de fatos ; -pouco tempo de atenção nas atividades, ainda que sejam muito interessantes; -dificuldade em memorizar fatos recentes - números de telefones e recados, por exemplo; - severas dificuldades para organizar a agenda escolar ou da rotina diária; -dificuldade em participar de brincadeiras coletivas; -pouco interesse em livros impressos e escutar histórias; É preciso ter uma especial atenção com as crianças que gostam de conversar, são curiosas, entendem e falam bem, mas aparentam desinteresse em ler e escrever. Vale a pena, no caso de crianças leitoras oferecer um mesmo problema matemático, escrito e oral, e comparar as respostas. Frequentemente encontramos respostas diferentes, corretas na questão oral e incorreta

na mesma questão escrita. A mesma criança que parece não saber resolver um problema matemático por escrito, poderá ter um desempenho surpreendente quando o mesmo problema lhe é apresentado oralmente. Esta situação exemplifica como podemos confundir os sinais - a dificuldade não é na aprendizagem da matemática, mas na leitura. A pessoa com dislexia não mereceria ser atendida na vida escolar através de seus melhores canais de comunicação— a linguagem oral antecedendo a linguagem escrita ? É um caso a pensar… Mas a dislexia não é privilégio das crianças recém alfabetizadas, ou que estão na 1ª/2ª séries. Há crianças que apesar de todas estas dificuldades, conseguem aprender a ler mas vão carregando a sua dislexia camuflada. Estas crianças, incompreendidas em suas dificuldades, muitas vezes são vistas como desinteressadas, e cobradas com quantias que não têm como pagar. É quando podem surgir as reações de apatia ou revolta. Sempre nos dão sinais, é só seguir as pistas para melhor compreendê-los: -dificuldades nas aquisições lingüísticas: dificuldades em reconhecer rimas e aliterações; vocabulário reduzido; construções gramaticais inadequadas, severa dificuldade para entender as palavras pelo seu significado ; -dificuldade em fazer cópias, trabalhos e agendas incompletas; -dificuldade na leitura, lê mas não entende o que leu; -importantes dificuldades de organização seqüencial tempo-espacial; seqüências e rotinas diárias; -dificuldades em matemática, cálculos e desenhos geométricos; -grande dificuldade para organizar-se em suas tarefas de vida diária; -especial dificuldade para aprender uma segunda língua; -confusões de orientação, trabalhar com dicionários e mapas é mais um complicador. - alterações de comportamento - agressividade, desinteresse, baixa auto-estima e até mesmo condutas opositivo-desafiadoras. Enfim, o disléxico não identificado, pode reagir a tantos obstáculos com comportamentos inadequados, que complicam ainda mais a sua vida. Mesmo dando tantas pistas, o disléxico pode não ser reconhecido como tal e chegar à vida adulta carregando frustrações que o impedem de tomar conhecimento de suas habilidades, que certamente são muitas. Felizmente já existem profissionais que estão atentos aos problemas da dislexia e tentando vir ao encontro desta população desassistida, através de associações, com objetivo de ampliar as pesquisas, estudos e oferecer apoio às famílias, escolas e profissionais que atuam junto à estas pessoas portadoras de dificuldades específicas de linguagem escrita - a dislexia. No Rio de Janeiro já está funcionando a AND - Associação Nacional de Dislexia, uma associação sem fins lucrativos, constituída por profissionais de fonoaudiologia, psicopedagogia, psicologia, que vêm prestando serviços de diagnóstico diferencial às famílias e escolas da comunidade. Importante é pensar a dislexia como uma modalidade peculiar de processamento da linguagem, o que vem sendo cada vez mais pesquisado pelas ciências neuro-cognitivas, tendo a linguagem como vetor. A pessoa com dislexia, ou com fatores disléxicos, mereceria ser examinada e acompanhada por profissionais especializados em linguagem, para que não venham a ser confundidos os sintomas de distúrbios na linguagem com distúrbios de aprendizagem.

Vale lembrar —alguém não é apenas a dificuldade que apresenta, esta é só um detalhe de uma paisagem, rica, complexa e bela. Clélia Argolo Estill —Vice-presidente da AND - Associação Nacional de Dislexia — Ex-membro do Conselho Científico da ABPP -RJ - Associação Brasileira de Psicopedagogia - Rio de Janeiro Observação: este artigo foi publicado no jornal "OGlobo" - Jornal da Família Endereços para contatos: Consultórios: • Rua Maença, 210 - Pechincha -Jacarépaguá -RJ Tel. :021-3392.7317 e-mail: cestill@visualnet.com.br • Rua Leblon, 16 - Leblon -RJ Telefax: 021 - 2259.9959

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL
PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL . O QUE É O PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL? Processamento auditivo se refere aos processos envolvidos na detecção, na análise e na interpretação de eventos sonoros. Estes processos acontecem no sistema auditivo periférico e no sistema auditivo central. É desenvolvido nos primeiros anos de vida, portanto é a partir da experienciação do mundo sonoro que aprendemos a ouvir. QUAIS SÃO AS HABILIDADES AUDITIVAS CENTRAIS? • Localização sonora: habilidade de localizar auditivamente a fonte sonora; • Síntese binaural: habilidade para integrar estímulos incompletos apresentados simultaneamente ou alternados para orelhas opostas; • Figura-fundo: identificar mensagem primária na presença de sons competitivos. • Separação binaural: habilidade para escutar com uma orelha e ignorar a orelha oposta; • Memória: habilidade de estocar e recuperar estímulos; • Discriminação: habilidade para determinar se dois estímulos são iguais ou diferentes; • Fechamento: habilidade para perceber o todo quando partes são omitidas; • Atenção: habilidade para persistir em escutar sobre um período de tempo; • Associação: habilidade para estabelecer correspondência entre um som não lingüístico e sua fonte. O QUE SÃO TRANSTORNOS AUDITIVOS? Acredita-se que o transtorno de audição pode envolver dois aspectos. A perda auditiva, que é um

impedimento da capacidade de detectar energia sonora, podendo ser classificada quanto ao grau e quanto ao tipo. A alteração de processamento auditivo que se refere a um transtorno auditivo em que há um impedimento da habilidade de analisar e/ou interpretar padrões sonoros. QUANDO AVALIAR O PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL? • Atenção prejudicada • Dificuldade em escutar em ambiente ruidoso • Dificuldade de compreender em ambiente ruidoso • Agitados, hiperativos ou muito quietos • Fala muito ah? O quê? • Prejuízo de memória seqüencial auditiva e localização sonora • Problemas de fala: /l/ e /r/, /s/ e /ch/ • Alterações de escrita e leitura. • Dificuldades na percepção auditiva QUAIS SÃO OS PRÉ REQUISITOS PARA AVALIAÇÃO DO PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL ? Avaliação audiológica básica: • Audiometria tonal liminar e vocal • Imitanciometria. A avaliação do processamento auditivo central deve ser feita após avaliação audiológica básica. Esta avaliação inicial fornecerá dados sobre as condições de detecção do som através da audiometria tonal liminar, condições de mobilidade do sistema tímpano-ossicular através das medidas de imitância acústica. COMO É A AVALIAÇÃO DO PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL? Para avaliar o processamento auditivo central por meio de testes especiais comportamentais utiliza-se estímulos verbais (sílabas, palavras e frases) e não verbais especialmente gravados em CD de modo a permitir a apresentação de sons com distorções. Estes estímulos sonoros são enviados ao indivíduo, que será avaliado, através dos fones de um audiômetro de dois canais acoplado a um “CD player” utilizando uma cabina acústica. QUAL É O PRINCIPAL OBJETIVO DA AVALIAÇÃO DO PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL? O objetivo da avaliação do processamento auditivo central é medir a capacidade do indivíduo em reconhecer sons verbais e não verbais em condição de escuta difícil. Desta forma, pode-se inferir sobre a capacidade do indivíduo de acompanhar a conversação em ambientes desfavoráveis; determinar as inabilidades auditivas, ter um parâmetro de medida quantitativo da qualidade da audição e contribuir no diagnóstico e no tratamento de diversos transtornos da comunicação oral e escrita. O QUE FAZER NAS ALTERAÇÕES DE PROCESSAMENTO AUDITVO?Nas alterações

de processamento auditivo a conduta principal é a fonoterapia. O desenvolvimento auditivo verbal envolvendo as habilidades auditivas de atenção seletiva; discriminação dos padrões temporais e de freqüência dos sons da fala; localização; memória; fala e linguagem deve fazer parte do plano de terapia fonoaudiológica. O fonoaudiólogo ao preparar um plano de terapia para as alterações de PAC deve ter como objetivo principal criar condições para que o indivíduo possa se reorganizar quanto aos aspectos envolvidos na comunicação no que se refere a utilização dos fonemas, da prosódia e das regras da língua. Para cada tipo de alteração pode se organizar uma proposta de fonoterapia enfatizando alguns aspectos que deverão ser predominantemente treinados.

QUANDO LIDAMOS COM OS DISTÚRBIOS DA COMUNICAÇÃO HUMANA DEVEMOS CONSIDERAR SEMPRE AS QUESTÕES AUDITIVAS: QUANTITATIVAS E QUALITATIVAS.

Processamento Temporal Auditivo em crianças
Processamento Temporal Auditivo em crianças com transtorno de leitura Pesquisa realizada na Universidade de São Paulo, entre 2002 e 2004, com a participação de crianças da ABD Responsáveis: Fga Mestre Cristina Ferraz Borges Prof.ª Dr.ª Eliane Schochat -------------------------------------------------------------------------------Atualmente, pesquisas mostram que os transtornos de leitura podem estar relacionados a uma alteração na percepção de estímulos auditivos apresentados de maneira rápida e sucessiva. Os fonemas, pequenos sons isolados que formam as sílabas, representariam estes estímulos sonoros rápidos, na fala. Assim, a dificuldade da criança estaria em perceber que palavras podem ser decompostas nestes pequenos sons isolados. Esta habilidade, denominada consciência fonológica, é essencial para o domínio do sistema alfabético, na qual os fonemas são mapeados em letras (grafemas). Portanto, o aprendizado desta habilidade, pode ser considerado essencial para o aprendizado da leitura (Temple, 2001) e, ao mesmo tempo, a principal manifestação dos transtornos de leitura e escrita. Para investigar melhor a relação entre os transtornos de leitura e o processamento temporal auditivo foi realizada pesquisa com crianças disléxicas (ABD) no Laboratório de Investigação Fonoaudiológica em Processamento Auditivo do Curso de Fonoaudiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. As crianças, com diagnóstico concluído de dislexia de grau severo, e idades entre 9 e 12 anos realizaram testes envolvendo leitura, consciência fonológica e processamento temporal auditivo.

Os resultados mostraram que as crianças com dislexia apresentaram pior desempenho, quando comparados ao grupo controle (crianças sem queixas envolvendo leitura), nos três testes aplicados. Além disso, foi encontrada alta correlação entre os desempenhos nos testes de leitura e consciência fonológica. A partir destes resultados, podemos, portanto, inferir que há uma relação entre a leitura e o processamento temporal auditivo. Assim, é importante que futuras pesquisas, envolvendo métodos de reabilitação, considerem a existência de alterações desta natureza como fazendo parte dos sintomas apresentados por crianças com dislexia. FONTE DE PESQUISA:http://www.dislexia.org.br/ às Terça-feira, Outubro 14, 2008 0 comentários http://www.blogger.com/email-

post.g?blogID=1364818245567266793&postID=3421111388344114609 http://www.blogger.com/emailpost.g?blogID=1364818245567266793&postID=3421111388344114609http://www.blogger.com /post-edit.g?blogID=1364818245567266793&postID=3421111388344114609

http://www.blogger.com/postedit.g?blogID=1364818245567266793&postID=3421111388344114609

Outubro 13, 2008
Pluck – No Planeta dos Sons
Pluck – No Planeta dos Sons Um jogo diferente e desafiador para o treino de habilidades auditivas, da leitura e escrita. São 10 jogos crianças de 6 a 12 anos. Pluck no Planeta dos Sons é um software educativo que além de divertido e desafiador, proporciona à criança o desenvolvimento das habilidades de processamento auditivo (discriminação, memória, atenção seletiva, figura-fundo e fechamento auditivo) e em especial as habilidades de consciência fonológica (análise, adição, segmentação, subtração, substituição,

aliteração, reversão e rima). Desenvolvido por Diana Melissa Faria, fonoaudióloga, este jogo treina os diversos requisitos necessários para o desenvolvimento da leitura e escrita, em crianças de 6 a 12 anos. O jogo conta também com o recurso de estimulação em apenas um ouvido ou em ambos , com ruídos e sons competitivos (ruído, conversa e música), utilizando-se de um fone de ouvido simples. Embarque com o Pluck nesta viagem de sons e faça descobertas fantásticas! Autora Diana Melissa Faria, CRFa 8297 - Fonoaudióloga Especialista em Voz e Mestre em Fonoaudiologia Clínica

O Desenvolvimento Neurológico e a Aprendizagem na Infância. Aspectos Neuromotores, Cognição e Estimulação
O Desenvolvimento Neurológico e a Aprendizagem na Infância. Aspectos Neuromotores, Cognição e Estimulação DESENVOLVIMENTO “As transformações globais que, incluindo o crescimento (pondo-estatural), a maturação e os aspectos psicológicos, conduzem a adaptações cada vez mais flexíveis”. (Degenszjan, 2002) NEUROBIOLOGIA DA APRENDIZAGEM Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente relacionadas do ponto de vista morfológico e funcional. Ele pode ser dividido em partes, levando-se em conta critérios anatômicos, embriológicos e funcionais. NEUROBIOLOGIA DA APRENDIZAGEM NEURÔNIOS 100 bilhões aproximadamente Cada neurônio cerebral – 60 mil sinapses Cada neurônio cerebelar – 150 mil sinapses Cada sinapse – até 100 mil impulsos por segundo (Riesgo, 2006) CÉLULAS DO SISTEMA NERVOSO As unidades celulares do sistema nervoso são os neurônios e a neuroglia ou glia. Os neurônios são as unidades funcionais e responsáveis pela condução do impulso. As células da neuroglia proporcionam suporte, reparação e proteção aos neurônios. Células Nervosas Morfologia relativamente simples Aproximadamente 1000 tipos diferentes, mas com arquitetura básica comum A complexidade do comportamento depende menos da especialização das células nervosas e mais dos circuitos neurais desenvolvidos

SISTEMA NERVOSO CENTRAL: PROCESSAMENTO DE INFORMAÇÃO O Sistema Nervoso funciona como um processador de informações. Estas chegam ao organismo, veiculadas por diversas formas de energia. Potencial Sináptico – os neurotrasmissores liberados na fenda sináptica entram em contato com receptores específicos na membrana pós-sináptica transformar a energia química em energia elétrica mudando o potencial de repouso da célula. NEUROTRANSMISSORES Sistema dopaminérgico correlacionado aos mecanismos de recompensa e de regulação da resposta motora. Sistema noradrenérgico controla o estado de alerta, a atenção, orientações seletivas e estimulação sensorial. APRENDIZADO E MEMÓRIA Informação conhecida – SNC – gera uma lembrança (memória) “ (...) para a aprendizagem se efetivar, é necessário levar em conta o aluno em sua totalidade, retomando a questão do aluno como um sujeito socio-cultural, aceitando que sua cultura, seus sentimentos, seu corpo, que são mediadores no processo de ensino e aprendizagem.” (DAYRELL, 1999). APRENDIZAGEM INTEGRIDADES BÁSICAS Três níveis de funções Psicodinâmicas: controle e integridade psicoemocional S.N.Periférico: receptores sensoriais S.N.Central: armazenamento, elaboração e processamento da informação AVALIAÇÃO NEUROLÓGICA Diagnósticos que “rotulam” e interferem na dinâmica da criança. Desgaste da estrutura familiar e falta de credibilidade nos profissionais efetivamente especializados. DESENVOLVIMENTO NORMAL Desenvolvimento físico, sensorial, motor, social, da comunicação e cognitivo TRÊS PROBLEMAS: Tentar saber a causa da alteração do desenvolvimento Delimitar precisamente qual o tipo de alteração do desenvolvimento Criar as estratégias necessárias para o tratamento

TRANSTORNOS DAS HABILIDADES ESCOLARES Achados do indivíduo em testes padronizados e individualmente administrados de leitura, matemática ou expressão escrita estão substancialmente abaixo do esperado para a sua idade, escolarização e nível de inteligência. DISTÚRBIO DE LEITURA E ESCRITA Aprender a ler e escrever são atividades complexas que se desenvolvem na interação social para a criança construir a escrita. Esta construção é feita pela formulação e reformulação de hipóteses, por meio de práticas discursivas, em casa ou na escola, favorecem o aprendizado da leitura e escrita. DISLEXIA Dificuldade na leitura e na escrita por inabilidade de associar letras com os sons que elas representam. É uma incapacidade de ler, por exemplo, compreendendo o que foi lido. BREVE HISTÓRICO 1800 – Primeiras pesquisas 1872 – Berlim – 1a vez uso termo dislexia 1945 – Laureta Bender- pesquisas dislexia adquirida 1950 – Hallgério – dislexia específica 1970 – Vellutino – estudo da lingüística 1990 – estudos de aspectos genéticos DISLEXIA DO DESENVOLVIMENTO Distúrbio neurológico de origem congênita que acomete crianças com potencial intelectual normal, sem déficits sensoriais, com suposta instrução educacional apropriada, mas que não conseguem adquirir ou desempenhar satisfatoriamente a habilidade para leitura e ou escrita. (Word Federation of Neurology, 1968) DISLEXIA Associação Internacional Dislexia (2002) – define a dislexia como: “distúrbio específico de linguagem, constitucional (neurológico), de origem genética, caracterizado pela dificuldade de decodificar palavras simples, resultando em problemas como dificuldade de leitura e de aquisição de linguagem, além de falhas na capacidade de ler e soletrar”. DISLEXIA Transtorno de leitura, em que a comunicação escrita está comprometida, podendo estar afetado também: o cálculo; a linguagem oral; a atenção; a memória e a integração perceptivo-motora. (DSM IV-TR, 2000) DISLEXIA NO BRASIL Testes inadequados são utilizados Critérios diagnósticos não são apropriados Profissionais não especializados

ETIOLOGIA DAS DISLEXIAS Risco genético “...a dislexia é de origem familial quando presente em cerca de 35% a 40% dos parentes de primeiro grau são afetados e herdada quando ocorre hereditariedade em 50% dos afetados de uma mesma família.” Base genética: Cromossomos 2, 3, 6, 12,15 e 18 e gene KIAA0319 Transmissão autossômica dominante ETIOLOGIA DAS DISLEXIAS Base neurológica: Discrepância bilateral no tamanho do plano temporal; Deficiência no desenvolvimento da dominância do hemisfério esquerdo; Anormalidades citoarquitetônicas no plano temporal esquerdo – migração dos neurônios – dano fetal. BASE NEUROLÓGICA DA DISLEXIA Malformações corticais e subcorticais (metade da gestação) – problemas de migração celular Áreas de processamento fonológico (região têmporo-occiptal e corpo geniculado lateral e medial) DISLEXIAA dificuldade central do quadro seria reflexo de uma deficiência dentro de um componente específico do sistema de linguagem, o módulo fonológico, que é responsável pelo processamento dos sons e da fala. ETIOLOGIA DAS DISLEXIAS Anomalias de migração celular que afetam a região perisilviana – hemisfério esquerdo; Diferenças anatômicas nos cérebros de indivíduos do sexo masculino e feminino quanto a: simetria do plano temporal; anomalias de desenvolvimento do córtex cerebral e do corpo geniculado lateral e medial; ectopias; microgiria (região pré-frontal inferior), região subcentral, região parietal, giro angular e supramarginal, giro temporal posterior e superior e região têmporo-occipital. DISLEXIA 1- giro temporal superior posterior (área de Wernicke). 2- giro angular (área 39 de Brodmann). 3- córtex estriado (área 17 de Brodmann). 4- giro frontal inferior (área de Broca). 5- marginalmente, as áreas 46, 47 e 11 de Brodmann SINAIS atraso no desenvolvimento fala e linguagem; histórico familiar; Dificuldades de leitura e de escrita;

não compreende o que escreve; escrita bizarra; confusão de letras com diferente orientação espacial (p-q, b-d); Confusão de letras com sons semelhantes (t-d, f-v); Inversões de sílabas ou palavras (par-pra); Substituições de palavras com estrutura semelhante; Omissão, adição ou repetição de letras ou sílabas; dificuldades rimas- canções; falta coordenação motora fina e/ou grossa; falta coordenação mão e olho; desatenção e dispersão; disgrafias; desorganização geral (tempo e espaço), desengonçado; fraco senso de direção (dir/esq), mapas, dicionários; ENCAMINHAMENTOS HABITUAISDiferença na ativação cerebral de áreas nos dois hemisférios entre uma criança disléxica e um leitor normal DISLEXIA Ian Smythe (2007): 1- “Uma dificuldade de aquisição das habilidades de leitura, e que sua origem é neurológica”. 2- “Somente através do desenvolvimento de apropriados programas de ensino individualizados (IEP) será possível apoiar o disléxico individualmente. A operacionalização por meio da definição e modelos cognitivos podem gerar uma base consistente, baseada em evidências científicas, garantindo assim uma identificação e intervenção adequada para todos os disléxicos de forma individual”. LDB: definição da formação mínima de professores para o exercício da educação infantil, em nível médio, na modalidade Normal (Art.º 62), em cujo currículo deve-se incluir a educação de alunos especiais. Os educandos com necessidades educacionais especiais são os que demonstram “dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de desenvolvimento que dificultam o acompanhamento das atividades curriculares, compreendidas em dois grupos, a saber: aquelas não vinculadas a uma causa orgânica específica e, segundo, aquelas relacionadas a condições, disfunções, limitações ou deficiências” (Resolução n.2 de 11 de setembro de 2001, Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica, art.5º. Ia, Ib). TRATAMENTO Orientações para os pais e para a escola Terapias Multidisciplinares Medicamentos para as comorbidades Dr Rubens Wajnsztejn

Telfax: (11) 4330-4487 cel: (11) 9179-6889 “Quando a gente pensa que sabe todas as respostas, vem a vida e muda todas as perguntas”. FONTE DE PESQUISA>: http://www.futuroeventos.com.br/arquivos/atividades/slides_pr.htm às Domingo, Outubro 05, 2008 2 comentários http://www.blogger.com/email-

post.g?blogID=1364818245567266793&postID=8563768285515151188 http://www.blogger.com/emailpost.g?blogID=1364818245567266793&postID=8563768285515151188http://www.blogger.com /post-edit.g?blogID=1364818245567266793&postID=8563768285515151188

http://www.blogger.com/postedit.g?blogID=1364818245567266793&postID=8563768285515151188

O uso do termo “dislexia” tem, ao longo do tempo
"Ler e escrever corresponde a fatores fundamentais para a garantia do desenvolvimento escolar, uma vez que é sobre tais capacidades que se assentarão as futuras aprendizagens. Qualquer dificuldade no processo de aquisição da escrita pode privar a criança de ter acesso a uma série de conhecimentos e, conseqüentemente, prejudicar sua evolução escolar,. Isso acaba por causar danos evidentes que também se manifestarão, tanto no plano afetivo quanto social." Uma diversidade de causas têm sido descritas por aqueles que se dedicam a estudar tal problema. Tradicionalmente, algumas das razões mais amplamente divulgadas dizem respeito a déficits visuais, auditivos e neurológicos, ao domínio pouco desenvolvido de fala e da linguagem, a problemas gerais de saúde, à imaturidade, a fatores emocionais, familiares e sociais. Atualmente, têm-se apontado também para a questão da inadequação de certos métodos escolares e da postura pouco estimulante de muitos professores. Entretanto, e de forma até mesmo desafiadora para nossa compreensão, diversas crianças consideradas como portadoras de um distúrbio de leitura-escrita não apresentam, aparentemente, relação com nenhuma das causas acima citadas. Elas possuiriam, teoricamente, todos aqueles requisitos tidos como necessários para uma aprendizagem favorável: boas condições familiares, sociais e econômicas, oportunidades escolares adequadas, nível normal de inteligência, ausência de comprometimentos físicos e/ou emocionais significativos. Apesar de apresentarem uma situação desse tipo, tais crianças enfrentam dificuldades para dominar a escrita e a leitura, sem que nenhuma das causas tradicionalmente aceitas possa ser seguramente relacionada ao seu problema. O termo “dislexia”, ou “dislexia do desenvolvimento”, tem sido tradicionalmente empregado para procurar descrever aquelas crianças que, mesmo sem motivos mais evidentes, não conseguem se desenvolver, sem maiores problemas, no que diz respeito ao aprendizado da leitura-escrita. Embora inicialmente tenha sido empregada para dar conta dos problemas de leitura, tal noção acabou englobando também problemas relativos à escrita, principalmente em relação à ortografia. Dislexia refere-se, portanto, às inabilidades ou dificuldades para o aprendizado da leitura-escrita, tendo como possível causa uma disfunção de áreas cerebrais responsáveis por habilidades necessárias para que tal aprendizagem possa ocorrer de modo satisfatório. O uso do termo “dislexia” tem, ao longo do tempo, gerado muita confusão e controvérsia. Os primeiros pesquisadores do problema começaram empregando expressões como cegueira verbal, estrefossimbolia, legastenia, entre outros conceitos, para se referirem a diversas alterações observadas quanto ao domínio da leitura-escrita. Porém, definida em termos muito genéricos, a noção de dislexia sofreu uma supergeneralização, aplicando-se, muitas vezes, a toda e qualquer alteração observada nas crianças, quaisquer que sejam as causas ou características de tais alterações. Distúrbios de aprendizagem de diversas ordens, que podem afetar a leitura e a escrita de diferentes maneiras, passaram a ser sinônimos de dislexia. Porém, parece ter passado despercebido que, se por um lado ela pode ser considerada como um tipo particular de distúrbio

de aprendizagem, por outro, estes não se limitam à dislexia. Do ponto de vista científico, falta um consenso ou uma compreensão mais detalhada do que pode vir a ser, de fato, a dislexia. Temos encontrado definições que abrangem, desde problemas específicos de inversão da ordem das letras dentro de uma palavra, até grandes dificuldades para compreender e memorizar um texto lido. No Brasil, infelizmente, não conseguimos fugir de tal tendência supergeneralizadora. À medida que essa noção se popularizou e começou a ser empregada nas escolas, e mesmo em termos de conhecimento de senso comum, a dislexia passou a ser considerada, com muita freqüência, como uma “doença”. Pior do que isso, ela costuma ser vista como um mal incurável, sem solução. Os comportamentos dos disléxicos tendem a ser analisados em função do problema que apresentam, levando-os a serem tratados, muitas vezes, como incapazes. E essa é uma das piores atitudes que pode haver em relação a alguém que, por algum motivo, vem apresentando, especificamente, uma dificuldade em maior ou menor grau para assimilar ou dominar o sistema de escrita. Além do mais, tais dificuldades podem ser, via de regra, superadas ou minimizadas a partir de trabalhos planejados e desenvolvidos adequadamente, principalmente quando se conta com a participação e colaboração da escola. Podemos observar que, quanto mais avançam os conhecimentos acerca dos processos envolvidos na aquisição da leitura-escrita, assim como a respeito das condições que são desfavoráveis para tal evolução, maior é a precisão com que a noção de dislexia tem sido empregada. Temos aprendido que é possível analisar, na história da criança, na avaliação clínica, assim como nas circunstâncias atuais de sua vida, uma somatória de fatores que podem ter uma forte correlação com as limitações apresentadas, e assim trabalhar no sentido de eliminá-las ou minimizá-las. Para tanto, a compreensão do que é a dislexia e o estabelecimento de uma parceria sólida entre escola, criança, família e especialista, constituem a base para as melhoras que devem ser buscadas.

Cientistas explicam como o cérebro reage .
25/09/08 - 20h03 - Atualizado em 25/09/08 - 21h28 Cientistas explicam como o cérebro reage à leitura O cérebro junta as regiões da linguagem e da visão para a atividade. Lado esquerdo, atrás da orelha, é ativado. Do G1, com informações do Jornal Nacional O prazer de ler, todo mundo compreende. O que ninguém nunca soube explicar é de que forma isso acontece na cabeça das pessoas. Com a participação de pesquisadores brasileiros, a ciência conseguiu, pela primeira vez, fazer o mapa da leitura no cérebro humano. Veja o site do Jornal Nacional

Cientistas afirmam que, para cada sentido, para cada função, o cérebro reservou uma área. A região da audição, por exemplo, é acima da orelha. A da visão, atrás da cabeça. Mas, para a leitura, o cérebro ainda não teve tempo de desenvolver uma região específica. “A escrita tem cinco mil anos. Considerando o desenvolvimento da espécie humana, é muito recente”, explica a neurocientista do Hospital Sarah, Lúcia Braga.

saiba mais No DF, crianças aprendem a ler brincando 39% dos leitores do país têm entre 5 e 17 anos -------------------------------------------------------------------------------Neurocientistas do Hospital Sarah, de Brasília, e do Centro Neurospin, de Paris, descobriram que o cérebro junta as regiões da linguagem e da visão para proporcionar a leitura. O neurocientista francês Stanislas Dehaene afirma que o lado esquerdo do cérebro é ativado durante a leitura, precisamente atrás da orelha. A descoberta foi feita ao se submeter estímulos visuais dois grupos de pessoas examinadas pela máquina de ressonância magnética: alfabetizados e analfabetos. “As pessoas alfabetizadas, ao lerem, elas ativam esse circuito. E as pessoas analfabetas, ao serem expostas a letras, não ativam esse circuito”, relata a neurocientista Lúcia Braga. Ela afirma que saber exatamente como o cérebro aciona a leitura abre novas possibilidades para a medicina. “Por exemplo, no diagnóstico da dislexia, no tratamento de pessoas que tiveram traumatismo craniano. O descobrir, desvendar os mistérios do cérebro é uma coisa fantástica e é um passo para o desenvolvimento”.

Leia mais notícias de Ciência e Saúde às Sábado, Setembro 27, 2008 0 comentários http://www.blogger.com/email-

post.g?blogID=1364818245567266793&postID=5093024331920855841 http://www.blogger.com/emailpost.g?blogID=1364818245567266793&postID=5093024331920855841http://www.blogger.co m/post-edit.g?blogID=1364818245567266793&postID=5093024331920855841

http://www.blogger.com/postedit.g?blogID=1364818245567266793&postID=5093024331920855841 Postagens mais antigas Assinar: Postagens (Atom)

QUEM SOMOS NÓS ???

http://www.blogger.com/profile/06527295993714709049 http://www.blogger.com/profile/06527295993714709049DIS.LEXICOS@IBA_SEUS_DIREIT OS BRASÍLIA, DISTRITO FEDERAL, Brazil QUEM SOMOS NóS ??? ESPAÇO PARA QUE NÓS DISLEXOS POSSAMOS TROCAR INFORMAÇÕES SOBRE NOSSOS DIREITOS SOCIAIS PERANTE AS INSTITUIÇÕES. GOSTARIA DE BUSCAR PROFISSIONAIS DE TODAS AS ARÉAS E QUE SEJAM DISLEXICOS, PARA DISCUTIRMOS SOLUÇÕES LEGAIS...MÉDICAS...SOCIAIS ... E TRABALHISTAS, POR UMA LEGISLAÇÃO ESPECIFICA PARA O DESLEXICO COMO CIDADÃO ESTE ESPAÇO É PARA CONTATOS ENTRE TODOS, DEPOIMENTOS DICAS AJUDA, PERGUNTAS.RESPOSTAS...E TUDO QUE TÁ NA NOSSA CABEÇA E NO NOSSO CORAÇÃO. TROCANDO ENERGIA, EXEMPLOS DE FORÇA E LUTA, DESTE MODO VAMOS NOS FORTALECENDO E NOS APOIANDO UNS NOS OUTROS. DANDO CORAGEM PARA MUITOS QUE ESTÃO NA SOBRA DO PRECONCEITO...E DO DESCONHECIMENTO DOS SEUS DIREITOS. ESTAMOS AQUI...E VC TAMBÉM PODE AJUDAR ORIENTANDO NOSSO GRUPO. OI! GENTE BOA, DE TODO BRASIL E DO MUNDO.... VAMOS TRABALHAR??? SE VC CONHECE OU SABE DE PROFISSIONAIS DA AREA DE SAÚDE QUE CONHECE O ASSUNTO SOBRE DISLEXIA.MAS É NECESSARIO QUE TENHA O CONHECIMENTO SOBRE O DISTURBIU E POSSA AJUDAR. ATENDENDO CORRETAMENTE ESTES PACIÊNTE E SUA FAMÍLIA. ESTOU EM BUSCA DE LEVANTAR UMA REDE COM PROFISSIONAIS ..COMO NEURO, FONO, OFTALMOLOGISTA, PSICOLOGO..ETC... ANTECIPADAMENTE AGRADEÇO SUA AJUDA. Visualizar meu perfil completo

http://www.blogger.com/rearrange?blogID=1364818245567266793&widgetType=Profile&widgetId

=Profile1&action=editWidget http://www.blogger.com/rearrange?blogID=13 64818245567266793&widgetType=Profile&widgetId=Profile1&action=editWidget

NOSSO QUEBRA - CABEÇA ...

http://www.blogger.com/rearrange?blogID=1364818245567266793&widgetType=Image&widgetId

=Image2&action=editWidget http://www.blogger.com/rearrange?blogID=136 4818245567266793&widgetType=Image&widgetId=Image2&action=editWidget

ARQUIVO DE POSTAGEM DO BLOG.
▼ 2008 (156) ▼ Abril (45) ▼ Abr 16 (2) BUSCO O RECONHECIMENTO DO DISLEXICO APOIO INSTITUCIONAL DA UnB AO ESTUDANTE COM DISLEX... ► Abr 17 (3) ► Abr 18 (5) ► Abr 19 (3) ► Abr 20 (2)

► Abr 21 (3) ► Abr 22 (7) ► Abr 23 (1) ► Abr 24 (2) ► Abr 25 (3) ► Abr 26 (1) ► Abr 27 (6) ► Abr 28 (1) ► Abr 29 (5) ► Abr 30 (1) ► Maio (22) ► Mai 01 (2) ► Mai 02 (1) ► Mai 03 (2) ► Mai 07 (1) ► Mai 08 (5) ► Mai 11 (2) ► Mai 14 (1) ► Mai 20 (2) ► Mai 25 (2) ► Mai 26 (1) ► Mai 27 (1) ► Mai 29 (2) ► Junho (29) ► Jun 02 (1) ► Jun 03 (3) ► Jun 04 (2) ► Jun 07 (1) ► Jun 09 (1) ► Jun 13 (1) ► Jun 14 (1) ► Jun 15 (1) ► Jun 16 (5) ► Jun 17 (9)

► Jun 23 (1) ► Jun 26 (1) ► Jun 28 (1) ► Jun 29 (1) ► Julho (7) ► Jul 04 (6) ► Jul 29 (1) ► Agosto (24) ► Ago 05 (1) ► Ago 07 (1) ► Ago 13 (1) ► Ago 14 (6) Um Abecedário e um silabário . Teorias, Diagnóstico e Reabilitação "Cegueira verbal congênita". Método Fonomímico completo . ► Ago 19 (1) Aprender música ajuda no tratamento da dislexia. ► Ago 22 (2) Aluno disléxico é expulso de escola em São Paulo -... ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISLEXIA - ABD. ► Ago 24 (11) O Sistema Proprioceptivo: sistema neurológico . Abordagem inovadora para correção gestual e estabi... Informações e as vias neurológicas... EXERCÍCIOS DE EQUILÍBRIO O que se pode fazer para amenizar estes problemas ... Que tipo de problemas de equilíbrio um portador de... Como funciona o sistema do equilíbrio ? Há três sistemas que nos ajudam a manter o nosso e... Dislexia: a doença do insucesso escolar. "Tratamento descoberto por portugueses" programa de form... ► Ago 25 (1)

Novo olhar da Educação Especial ► Setembro (12) ► Set 03 (1) Lectoescritura ► Set 04 (1) APOIO INSTITUCIONAL DA UnB AO ESTUDANTE COM DISLEX... ► Set 17 (1) DISLEXIA ► Set 23 (7) Disléxicos superam dificuldades /CONTINUAÇÃO Nascemos com um eixo genético Disléxicos superam dificuldades . A VIDA SECRETA DA CRIANÇA COM DISLEXIA . Pistas para identificar dislexia Dislexia e Outras Dif. de Aprendizagem Os diferentes tipos de dislexia ► Set 24 (1) Há 15 anos existem leis de proteção aos disléxicos... ► Set 27 (1) Cientistas explicam como o cérebro reage . ► Outubro (5) ► Out 05 (2) O uso do termo “dislexia” tem, ao longo do tempo O Desenvolvimento Neurológico e a Aprendizagem na ... ► Out 12 (1) ► Out 13 (0) ► Out 25 (2) PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL DISLEXIA, as muitas faces de um problema de lingua... ► Novembro (12) ► Nov 03 (12) Geralmente a dislexia é perceptível no início da a... Prevenção Sistema Cumulativo

Tratamento após o diagnóstico de Dislexia. AVALIAÇÃO MULTIDISCIPLINAR Diagnóstico Ensino Superior / Universitário Ensino Médio Ensino Fundamental Início do ensino fundamental - Alfabetização Pré-Escola, pré-alfabetização Sinais indicadores de dislexia:O que se sente? http://www.blogger.com/rearrange?blogID=1364818245567266793&widgetType=BlogArchive

&widgetId=BlogArchive1&action=editWidget http://www.blogger.com/re arrange?blogID=1364818245567266793&widgetType=BlogArchive&widgetId=BlogArchive1& action=editWidget

Marcadores
4 mitos da dislexia: (1) A complexidade do entendimento do que é Dislexia. (2) A evolução progressiva (1) A legislação sobre avaliação/verificação (1) as muitas faces de um problema de linguagem (1) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISLEXIA. (1) Associação Internacional de Dislexia - IDA (1) Celular “lê” textos para quem tem dislexia. (1) cognição e dislexia (1) Crianças dislexicas apresentam combinações de sintomas (1) De Disléxico para Disléxico / DEPOIMENTO (1) DIRETRIZES PARA EDUCAÇÃO DOS PORTADORES ESPECIAL (1) DISCALCULIA. (1) DISLALIA (1) DISLEXIA (9)

Dislexia do desenvolvimento. (1) Dislexia tem tratamento também para os adultos . (1) Dislexia: a doença do insucesso escolar (1) DISLEXICOS ESTAMOS A CAMINHO DA VITÓRIA (1) ENTRE E OUÇA PELA RADIO CBN/ SOBRE DISLEXIA. (1) European Dyslexia Association - EDA (1) GOSTARIA DE RECEBER A COOPERAÇÃO DE TODOS . (1) leis específicas de inclusão escolar para os disléxicos (1) LEIS PARA OS DISLEXICOS NA UNIVERSIDADE DE BRASÍLI (1) Livro: O DOM DA DISLEXIA (1) Manifesto de Apoio ao PL da Dislexia (1) Mas quais conhecimentos o estudo do cérebro pode fornecer ?? (1) Neurociência (1) Novo olhar da Educação Especial (1) Passar manteiga no pão. (1) Pesquisas neurobiológicas. (1) precisamos de alunos ativos (1) Problemática Emocional . (1) PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL (1) Projetos de leis para dislexicos. (1) Quem são os NOSSOS AMIGOS? (1) Rinaldo propõe programa para tratamento de disléxicos (1) Sistema Proprioceptivo. (1) Universidade de Brasília (UnB) (1) Vinte milhões de pessoas sofrem de dislexia no Brasil (1) ििवोस सोबे DISLEXIA (1) anto há tempo. Seja quem você realmente é !!! Não seja preconceituosa com você mesma , como eu fui, por pura falta de conhecimento , coisa que você já tem. e o mais importante ...tem a conciência dos seus direitos como cidadã. O meu conselho é: exerçar seus direitos e cumpra seus deveres, como ser pensante e atuante na nossa sociedade. como vc sabe , também sou dislexica, mas só tive conciência do que estava acontecendo comigo, depois que ...já tinha meu emocional todo comprometido. E mesmo assim , tive que passsar por mentirosa, pois já havia passado em um concurso publico, atuava como professora alfabetizadora e estava fazendo uma graduação em pedagogia. E te digo ...só eu e deus, sabia o que eu escondia !!! Vivi toda minha vida com medo, e com vergunha , quando alguèm percebia meus erros

ortograficos ,minha total incapacidade de escrever ao mesmo tempo que outra pessoa falava, não consiguia anotar as informações. Com tudo isto, fui desfaçando para conseguir viver neste mundo letrado!!! Até que minha mente e meu corpo , não suportou o estress!!! E tudo ficou encontrolavel, entrei em um processo de depressão, ansiedade e hiperatividade , altissimo. Foi quando , fui em busca de ajuda medica. Sem saber o que eu escondia...os profissionais de saúde, se desdobraram em busca de explicações para o meu estado de saúde. Cada um chegou a um diagnostico conclusivo. O psiquiatra, depressão e asiedade, que deveria ser trabalhada com terapia e medicação. A psicologa, hiperatividade causada por meu comportamento obcessivo de perfeição, e fata de confiança, deveria tentar me concentrar melhor no presente. O reumatologista, para ele eu estava com fibromialgia e outras coisas, causadas pelo estress, elevado, seria necessario procurar auternativas de relaxamento, e medicação. Fiz , hidroterapia, acupuntura, rpg , caminhada, cessão de relaxamento mental, com os psicologos, participei de programas para levantar minha auto-estima. Mais nada adiantava...tive outros sintomas, como gagueira, que foi trabalhado com a fonaldiologa. Labirintite, refluxo, que foram tratados por medicos da aréa, especialistas. Depois tive problemas na visão, ai foi que tudo se entrelaçou, o oftalmologista , pedio um exame para descartar , adivinha o que? Esclerose multipla....ai na resomância deu possitivo!!! E tudo levava a crer, neste diagnostico, quando se juntava tudo o que estava acontecendo com o meu corpo!!! Pensa que acabou por ai!!?? Não! Tudo só estava recomeçando... Mas paralelo a tudo isto, que vinha se passando, eu não parei de estudar, herá ponto de hora!!Para mim!! Fiquei de licença do trabalho , para tratamento, e ainda tive que enfrentar a doença da minha mãe que estava com o diagnostico de câncer. E meus filhos confusos e em plena adolecência. Eu estava completamente perdida!!!! Sem estrutura emocional, e sem controle cognitivo, esquecia as coisas , chorava muito,comecei a escrever e ler com muito mais dificuldades , já estava saindo da realidade, que me parecia um pesadelo!! Mas, como uma boa dislexica, até então sem saber, não deixei de lutar contra o mundo. E quando estava fazendo minhas pesquisas para o trabalho do tcc, para conclusão do curso de graduação em pedagogia, sobre o tema que mais mim encomodava, os erros ortograficos em sala de aula e a visão do professor, quanto os problemas de aprendizagem. Por acaso, entrei no site da associação brasileira de dislexia, e quando estava lendo um depoimento de um dislexico adulto!!! O chão se abriu e o céu também...e as coisas foram tendo sentido, minha vida tava fazendo sentido. Eu estava diante , de uma explicação para a minha total "burrice"!!! Diante dos meus maiores medos, das minhas grandes vergunhas, das minhas piores dificuldades, e de tudo o que eu fazia questão de esconder, que erá a minha incompetência, diante do desafio de ler e escrever!!! Mas o que eu julgava ter diante de me, toda solução para explicar todos as minhas angustias, sem fundamento , porquê , agora haveria uma razão. Senti meu esprírito leve, despreoculpado, pensei, agora não vou mais ter que mentir , tenho que revelar o meu maior segredo, e só atravez desta revelação serei liberta do medo, da vergunha, desta vida prisioneira da culpa de ser o que eu herá!!! Bem , caros colegas, as coisas não foram, e não são tão faceis deste jeito que pensei...todos os profissionais de saúde que estavam , cuidando do meu equilibrio, duvidaram da minha verdade. Passaram a olhar , para me, como se eu estevesse, louca...e se perguntavam!!??? E questionavam, como eu tinha dislexia e tinha chegado onde cheguei sem ajuda!!??? Como eu saberia ler e escrever !!??? Porquê, e como poderia ter escondido isto!!!?? Bem , as respostas

para estas perguntas, só eu e deus sabe o que tive que fazer,e tive que reunir forças,buscar conhecimento para meus argumentos e levanta uma quantia em dinheiro, para ir até são paulo, o unico lugar , onde teria profissionais seguramente competêntes para fazer o diagnostico, porquê todos os outros se mostravam completamente impossibilitados para assinar um laudo fechado de um diagnostico sobre dislexia. E neste exato momento , luto contra todos os mesmos, sentimentos e há todos os mesmos préconceitos. E tenho que usar os mesmos meios para continuar sobrevivendo. Mas com uma difer Conheça,e seja... Bem-vindo ao grupo! VC PODE NOS VISITAR E SABER DE MUITAS INFORMAÇÕES NESTES ESPAÇOS DE

LINKS PARA PESQUISA SOBRE DISLEXIA.
ABC DA SAÚDE/ DISLEXIA ABD - Associação Brasileira de Dislexia About the Adult Dyslexia Organisation AMIGOS E DISLEXICOS. AND - Associação Nacional de Dislexia. BRASIL ESCOLA / DISLEXIA CEFAC Dislexia - como Identificar e Intervir Dyslexia International - Tools & Technologies. Educação Inclusiva é tema desta edição Educação Inclusiva é tema desta edição FUTUROS EVENTOS. LIVROS DE DISLEXIA Livros sobre dislexia O livro Dislexia - Você sabe o que é? O LIVRO: O QUE É DISLEXIA ? Obrigada por estar com o ajudas.com! Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. SAÚDE NA INTERNET. SER DIFERENTE É NORMAL.

VÍDIOS SOBRE DISLEXIA .

áãá

powered by http://www.youtube. com/

http://www.youtube. com/ http://www.blogger.com/rearrange?blogID=1364818245567266793&widgetType=VideoBar&wi

dgetId=VideoBar1&action=editWidget http://www.blogger.com/rearrange ?blogID=1364818245567266793&widgetType=VideoBar&widgetId=VideoBar1&action=editWi dget

MINHA LISTA DE BLOG

Educar Já! Datas comemorativas - Dia da Bandeira 20 horas atrás Espaço Educativo Vivendo e Aprendendo Carta aos pais 3 dias atrás

EducaFórum - o blog Estamos de luto 4 dias atrás Animateur Doença do Século 1 semana atrás

Mosaico da Psicologia Sobre Licença Maternidade 1 semana atrás ALFABETIZANDO AFETIVIDADE E LETRAMENTO 2 semanas atrás

Educação e Diversidade

Desordem por Défice de Atenção e Hiperactividade 1 mês atrás Espaço Dislexia Dicas sobre a Disgrafia 1 mês atrás

Dislexia na Infância A quem atinge 1 ano atrás Professor Jo�o Beauclair DISLEXIA! - UOL Blog Recanto das Letras - Poesias, Contos, Mensagens DISLEXIA! - UOL Blog Mostrar 5 Mostrar todos http://www.blogger.com/rearrange?blogID=1364818245567266793&widgetType=BlogList&wid

getId=BlogList1&action=editWidget http://www.blogger.com/rearrange?b logID=1364818245567266793&widgetType=BlogList&widgetId=BlogList1&action=editWidge t

http://www.blogger.com/

http://www.blogger.com/

http://www.blogger.com/rearrange?blogID=1364818245567266793&widgetType=BloggerButto

n&widgetId=BloggerButton1&action=editWidget http://www.blogger.co m/rearrange?blogID=1364818245567266793&widgetType=BloggerButton&widgetId=BloggerB utton1&action=editWidget @import url( "http://www.google.com/uds/css/gsearch.css" ); @import url( "http://www.google.com/uds/solutions/videobar/gsvideobar.css" ); acabei de assistir

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->