Você está na página 1de 36

26capa 12/09/01 16:19 Page 46

Ano III • Nº 26 • Setembro 2001 • R$ 6,00

www.embalagemmarca.com.br

Cobertura completa da 3ª Semana


Abre do Design de Embalagem

Os vencedores do Prêmio
Abre de Design de Embalagem

EMERSON KAPAZ E A POLÍTICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS


26editorial 13/09/01 11:27 Page 3

Alguns motivos de satisfação


C omo já se tornou tra-
dição, trazemos nesta
edição a cobertura da Se-
confirma o que desde sua
primeira edição EMBALA-
GEMMARCA procura evi-
ligadas aos concorrentes e
acompanhamento da em-
presa de auditoria KNTS –,
mana Abre do Design de denciar: a embalagem é o o Prêmio Abre de Design de
Embalagem. Este ano, são suporte da marca e a me- Embalagem conta com o
maiores, por dois motivos, a lhor ferramenta para forta- apoio de EMBALAGEMMAR-
alegria e a satisfação que lecê-la. CA. Por isso, os dezesseis
sempre sentimos pela opor- Alegra-nos também o fato vencedores (entre quase
tunidade de, no evento, es- de, após dez anos de inter- 300 inscritos) são apresen-
treitar contato com profis- rupção, a Associação Brasi- tados no Documento Espe-
sionais dos diferentes elos leira de Embalagem ter re- cial, que tem uma tiragem
da cadeia de embalagem. lançado a premiação com de 2000 exemplares acres-
Primeiro, o tema da Sema- que, no passado, homena- centada aos 8 000 habituais.
na, “A embalagem como geava os profissionais e em- Finalmente, não poderia
instrumento de valorização presas que durante os doze deixar de registrar nossa sa-
da marca”, e o conteúdo meses anteriores houves- tisfação com a confiança
das conferências, foram re- sem se destacado em sua demonstrada pelos anun-
cebidos por nós como uma atividade, estimulando-os a ciantes, cujo apoio continua
espécie de aval de autorida- se aplicarem ainda mais. crescendo. Muito obrigado.
des no assunto a nosso pon- Dadas sua importância e Até outubro.
to de vista e eixo de nosso sua seriedade – com julga-
trabalho. A coincidência mento feito por pessoas não Wilson Palhares
26cartas 13/09/01 18:13 Page 1

R ecebi a revista do mês de agosto e S ou estudante de pós-graduação


em marketing e acesso a pagina de
ainda não pude ler tudo o que eu gos-
taria, mas já observei a qualidade vocês há pouco tempo. Estou im-
existente em todas as edições (em to- pressionado com os assuntos abor-
dos os sentidos). Esta carta é para elo- dados e a qualidade das informa-
giar o trabalho de vocês. Costumo ções.
prestar atenção na linguagem, objeti- Fernando Henrique Ognibeni
vidade e a maneira que os veículos de Gerdau
comunicação adotam com a finalida- Umuarama, PR
de de prender a atenção do leitor.
As edições que tive o privilégio de re- S ou designer e assinante da revis-
ta. Gostaria de parabenizá-los pelo
P arabenizo toda equipe de EMBA-
LAGEMMARCA pela excelente revis-
ceber foram e continuarão sendo mui-
to úteis e agradáveis. trabalho.
Lara Moreira
Julicéia Emidio
ta de julho. Diacel Goiânia, GO
Paulo Sergio Carneiro
PS Carneiro Eventos
São Paulo, SP
S omos uma empresa que está no
São Paulo, SP G ostaria de ressaltar o excelente mercado de aerossóis há mais de 30
anos, com linhas próprias para a in-
P arabéns pela edição de agosto
2001. A Revista EMBALAGEMMAR-
trabalho que vocês vêm fazendo para
a revista EMBALAGEMMARCA, bem dústria de cosmética, automotiva,
industrial e informática. Também
como as atualizações diárias para in-
CA é uma ótima fonte de infomação. formações sobre embalagens no site. fazemos envasamentos para gran-
Roberto Inson Continuem assim. des empresas. Recebemos mensal-
Gerente de marketing da Alan de Siqueira Gios mente EMBALAGEMMARCA, que é
Prakolar Rótulos Auto-Adesivos Designer de embalagens de grande utilidade na rotina da em-
São Paulo, SP da Jardim Alimentos presa. Desde já agradecemos as va-
São Paulo, SP liosas informações e desejamos
grande sucesso para a revista.
E studo e leio mui-
ta coisa sobre mar-
Meri Paixão
Aerojet Química Industrial Ltda.
keting e propaganda. Duque de Caxias, RJ
Gostei do site e dos
serviços de EMBALA- C omo coordenador e professor
do curso de design da Universidade
GEMMARCA.
Rômulo Meira do Oeste de Santa Catarina, Cam-
Designer gráfico da pus Xanxerê, quero parabenizá-los
Alpha Publicidade pela revista EMBALAGEMMARCA.
Vitória da Solicitarei para o nosso departa-
Conquista, BA mento de compras a assinatura para
inclusão em nosso acervo. Acredito
S omos da Escola
de Administração da
que será de grande ajuda para os
nossos acadêmicos bem como para
Universidade Federal todo o corpo docente.
do Rio Grande do L. Claudio Mazolla Vieira
Sul, onde se produz Xanxerê, SC
trabalhos de pesquisa
em pós-graduação na MENSAGENS PARA EMBALAGEMMARCA
área de marketing, e Redação: Rua Arcílio Martins, 53
ter contato com uma CEP 04718-040 • São Paulo, SP
revista especializada, Tel (11) 5181-6533
como EMBALAGEM- Fax (11) 5182-9463
MARCA, ajuda muito redacao@embalagemmarca.com.br
na divulgação do nos- As mensagens recebidas poderão ter
so trabalho. trechos não essenciais eliminados, e
Bruna Eilert Barella poderão ser inseridas no site da revista
(www.embalagemmarca.com.br).
Porto Alegre, RS
26sumarioB 13/09/01 11:22 Page 1

setembro 2001
Diretor de Redação
Wilson Palhares
palhares@embalagemmarca.com.br

Reportagem

15 CAPA
Documento Especial
mostra os destaques
32 PREMIAÇÃO
A lista das categorias e
todos os vencedores
redacao@embalagemmarca.com.br
Flávio Palhares
flavio@embalagemmarca.com.br
Guilherme Kamio
e todas as palestras do Prêmio guma@embalagemmarca.com.br
apresentadas na ABRE do Thays Freitas
3ª Semana ABRE Design de thays@embalagemmarca.com.br
Leandro Haberli
do Design de Embalagem, leandro@embalagemmarca.com.br
Embalagem, que que nesta
este ano foi edição contou Colaboradores
Josué Machado e Luiz Antonio Maciel
dedicada ao tema com cerca de
“A embalagem 300 inscrições, Diretor de Arte
como instrumento de divididas em Carlos Gustavo Curado
valorização da marca” 16 categorias Administração
Marcos Palhares (Diretor de Marketing)
Eunice Fruet (Diretora Financeira)

8 ENTREVISTA:
EMERSON KAPAZ
O deputado federal e
Departamento Comercial
comercial@embalagemmarca.com.br
Wagner Ferreira
relator da Comissão
Especial de Resíduos Circulação e Assinaturas
Claudia Regina Salomão
Sólidos na Câmara assinaturas@embalagemmarca.com.br
revela como a nova Assinatura anual (11 exemplares): R$ 60,00
política brasileira de
coleta e destinação de Público-Alvo
lixo poderá afetar o
mercado de embalagens 42 MAKING OF
Danone recoloca a
marca Paulista no
EMBALAGEMMARCA é dirigida a profissionais que
ocupam cargos técnicos, de direção, gerência
e supervisão em empresas fornecedoras, con-
vertedoras e usuárias de embalagens para ali-
mercado de iogurtes mentos, bebidas, cosméticos, medicamentos,
materiais de limpeza e home service, bem
com nova como prestadores de serviços relacionados
identidade visual com a cadeia de embalagem.

Tiragem desta edição


7 500 exemplares

CODIFICAÇÃO
39
Filiada ao
Equipamentos de
termotransferência
conquistam mercado
de marcação de
embalagens Impressa em papel
couché Image Mate 115 g/m2 (miolo) e
couché Image Art 145 g/m2 (capa) da
Ripasa S.A. Celulose e Papel
3 Editorial 46 Panorama
EMBALAGEMMARCA é uma publicação
A essência da edição do mês, Movimentação na indústria de mensal da Bloco de Comunicação Ltda.
opinião - e mudanças embalagens e seus lançamentos Rua Arcílio Martins, 53 – Chácara Santo
Antonio - CEP 04718-040 - São Paulo, SP
4 Cartas 48 Display Tel. (11) 5181-6533 • Fax (11) 5182-9463

A opinião, a sugestão e o Lançamentos e novidades www.embalagemmarca.com.br


comentário dos leitores no mercado de consumo O conteúdo editorial de EMBALAGEMMARCA é
resguardado por direitos autorais. Não é permi-
50 Almanaque tida a reprodução de matérias editoriais publi-
cadas nesta revista sem autorização da Bloco
Fatos e curiosidades não muito conhecidos de Comunicação Ltda. Opiniões expressas em
matérias assinadas não refletem necessaria-
do universo das embalagens mente a opinião da revista.
26entrevistaB 13/09/01 10:44 Page 8

entrevista

“Discussão aberta a todos” epois de ter provocado grande

D
discussão com seu projeto de lei
das Sociedades Anônimas, apro-
vado em março deste ano, com
alterações, o deputado federal
Emerson Kapaz (PPS/SP) volta
ao centro das atenções com nova proposi-
ção. Em agosto – na condição de relator da
Comissão Especial de Resíduos Sólidos,
formada na Câmara dos Deputados em 23
de maio último com o objetivo de elaborar
uma política nacional para orientar Estados
e Municípios no tratamento de todos os ti-
pos de lixo e resíduos – ele apresentou um
relatório preliminar que, tão logo divulgado,
começou a causar discussões.
Por ser a primeira tentativa abrangente de
instituir uma política de administração de
resíduos sólidos no Brasil, o relatório inclui
uma quantidade enorme de questões impor-
tantes, sendo de esperar que suscite dúvidas
e contestações em número infinitamente
maior. Nesta entrevista com o deputado,
DIVULGAÇÃO

EMBALAGEMMARCA ateve-se ao tema da


embalagem, que ocupa grande parte do rela-
tório e é a que interessa diretamente a seu
EMERSON KAPAZ, público. No entanto, quem quiser conhecer
o texto em sua íntegra poderá encontrá-lo no
deputado federal e relator site da revista na internet (www.embala-
gemmarca.com.br). Lá, na seção Um Pouco
da Comissão Especial de Mais, encontrará também as respostas de
Emerson Kapaz a outras perguntas, que não
Resíduos Sólidos na couberam no espaço desta entrevista.
Câmara, esclarece os Qual é a origem do projeto, ou melhor, do
principais pontos do pro- relatório preliminar? É uma síntese de pro-
jetos que já tramitavam no Legislativo? Ba-
jeto que buscará saídas seou-se em legislações sobre reciclagem
existentes em outros países?
para o problema do lixo Resolvemos criar, na Câmara dos Deputa-
dos, uma comissão especial que pudesse de-
no Brasil, sobretudo finir uma política nacional de resíduos, por-
que a legislação existente sobre o assunto é
soluções razoáveis para vaga, praticamente não existe. Recentes
problemas ambientais, como os de Mauá e
diminuir o impacto do da Shell, evidenciam a necessidade de uma
descarte das embalagens política dessa natureza. Como havia 57 pro-
jetos de lei tramitando na Câmara, cada um
no meio ambiente tratando de um assunto, a comissão especial

8 – EMBALAGEMMARCA • set 2001


26entrevistaB 13/09/01 10:44 Page 10

os reuniu em um projeto que vem do Sena- duais. Iremos conversar com a indústria e
do, o projeto 203, da área de serviços de com a área de reciclagem, ouvir o setor de
saúde, que cria a demanda por uma política embalagem e, a partir daí, sair com uma
nacional de resíduos corrosivos. versão número 2 do relatório, depois prova-
velmente com as versões 3 e 4, até o substi-
Considerando precedentes de projetos que tutivo final. Quando ele chegar ao seu obje-
vagam eternamente no Legislativo, dá para to, já terá sido amplamente discutido, e não
prever quanto tempo demorará o andamen- criará uma polêmica para a aprovação final
to do seu? no plenário da Câmara, onde normalmente
Por ser especial, a comissão tem poder ter- a demanda por alterações acaba interferindo
minativo. Isso significa que o projeto ou o demais e o projeto vira um Frankenstein.
substitutivo final que sair da relatoria irá di-
reto para votação na Câmara. Aprovado na Qual é o prazo pretendido para o término
Câmara, ele volta a sua origem, o Senado, dessas discussões?
para ser referendado e aprovado ou rejeita- Pretendemos, e espero que a comissão con-
do. Não pode ser mexido. Temos aí siga dar suporte, que o projeto esteja
uma grande chance de construir um aprovado e preparado para votação na
projeto com os diversos segmentos Terá de haver Câmara até novembro próximo.
da sociedade e, principalmente, com uma taxa. Aprovado, ele segue para o Senado, e
os setores da área ambiental. É im- aí é muito mais rápido, porque não há
portante esclarecer isso porque, num
Ao fazer a coleta, tramitação em comissões. O Senado
primeiro momento, o setor de emba- a disposição e o recebe o substitutivo, coloca-o em
lagem teve uma reação a meu ver tratamento, a triagem pauta e vota sim ou não. Há grandes
desmesurada, pois o projeto é preli- chances de termos uma nova política
minar, para ser discutido mesmo.
e a contagem serão nacional de resíduos até o fim do ano.
possíveis. Aí a
Não tendo havido discussão sufi- indústria pode vir a O projeto cria uma sucessão de res-
ciente antes, não é natural a indús- ponsabilidades na coleta e na desti-
ter um papel impor-
tria achar que poderia haver injusti- nação dos resíduos sólidos. A pergun-
ças? tante, com parcerias ta que certamente todos farão é:
Sabia que alguns setores iriam le- para a destinação quem pagará a conta? O consumidor,
vantar discussões ou problemas, e e o tratamento a indústria usuária, a indústria fabri-
avisei antes vários setores com os cante, o comércio?
quais me reuni. Estamos construindo desse lixo O lixo custa para ser recolhido, trata-
um projeto novo, que vai dar um do, disposto no aterro final. A socie-
rombo. Esse rombo é necessário por- dade tem de entender isso e, como a
que o tema é tão extenso, tão profundo, que conta não é pequena, quanto melhor ela for
se o relator – no caso, eu – não fizesse um equacionada e distribuída, menos cada um
relatório preliminar, o tema viraria uma dis- de nós pagará. O encargo não pode ir inte-
cussão etérea, com um jogo de interesses gralmente para o usuário final, para a indús-
construído a priori que iria segmentar e fra- tria ou para a administração pública, para o
gilizar o relatório final. Por isso, ao contrá- orçamento, que por conta da Lei de Respon-
rio do que as relatorias fazem normalmente, sabilidade Fiscal tem limitações. Terá de ha-
apresentamos o relatório preliminar, sujeito ver uma taxa. Ao fazer a coleta, a disposição
a chuvas e trovoadas. Estou preparado, e es- e o tratamento, a triagem e a contagem se-
pero que os setores interessados também es- rão possíveis. Aí, entendo que a indústria
tejam, para construir, em cima disso, alter- pode vir a ter um papel importante, com
nativas melhores, e não destruir o projeto parcerias para a destinação e o tratamento
original. Vamos realizar agora audiências desse lixo. Na área de reciclagem, por
públicas, para que os setores dêem suas con- exemplo, é do interesse da indústria de em-
tribuições sobre o relatório, como foi o caso balagens que ela seja fortemente incentiva-
do Conama (Conselho Nacional do Meio da. Se houver separação do lixo nas residên-
Ambiente), das entidades ambientais esta- cias, entre úmido e seco, se esse lixo for re-

10 – EMBALAGEMMARCA • set 2001


26entrevistaB 13/09/01 10:44 Page 12

colhido pela administração municipal e as tação de um produto que vai ser usado em
empresas fizerem uma parceria na triagem uma embalagem futura ou que é importado
para reciclar, com incentivos, sem impostos, por um determinado segmento, depois é re-
o custo vai ser menor para o município e, passado dentro do país para um setor que
portanto, também para o usuário. A idéia é vai usá-lo como embalagem. O importador
tentar fazer uma gradação dos custos desse tem também uma responsabilidade solidária
processo, porque o lixo no Brasil sempre foi em conjunto com aquele envasador que vai
considerado coisa de domínio do poder pú- colocar outro produto dentro para destiná-lo
blico. O governo recolhe e não consegue ao usuário final. O importador não se exime
cobrar. A taxa fica embutida, escondida. Ela de responsabilidade só por ter sido o impor-
tem de ser explicitada. tador e repassado isso a outro segmento,
como também no caso da indústria que ven-
O projeto considera a embalagem um resí- de uma embalagem qualquer ou um produ-
duo especial, de modo que seu fabricante to final dentro de uma embalagem, distri-
teria de arcar com a responsabilidade de buída por uma rede de supermercados no
coleta. A indústria certamente resis- Brasil inteiro. Os supermercados, lá
tirá. na ponta, são co-responsáveis para re-
Isso foi um mal-entendido do projeto Mesmo sendo ceber isso de volta e montar um es-
inicial, que será modificado. Digo
usada como meio, a quema com aquela indústria a fim de
para muita gente para tomar cuidado recolher essa embalagem de volta
na análise, porque na avaliação de embalagem gera um para efeito da medição da reciclagem
um projeto como esse é preciso per- resíduo, que traz e das metas. A tentativa é estabelecer
ceber que se trata de algo sujeito a a responsabilidade solidária, quando
conseqüências
mutações. Não vejo problema em ir ela acontece, ou a responsabilidade
reconhecendo etapas e avançando, concretas ao individual, quando não houver a soli-
com conteúdo, com argumentos que ambiente. A escolha dária. Uma preocupação constante do
não são jogo de interesse, mas sim da embalagem, mais relatório é fazer a pontuação correta,
um jogo em prol da sociedade. pois a responsabilidade não é sempre
ou menos poluidora, solidária ou individual.
Por que a embalagem é vista no pro- com maior ou menor
jeto de forma isolada, um produto fi- ciclo de vida, tem Medidas para diminuição de produ-
nal, e não como um insumo? ção de embalagens, mesmo voltadas
Ela foi vista no projeto como um in-
uma consideração à redução do impacto ambiental, po-
sumo, só que é um insumo especial, diferenciada dem ser vistas como uma ameaça de
porque, mesmo sendo usada como freada econômica. Como tratar a
meio, tem como fim um resíduo, que contradição entre o desejo de cresci-
traz conseqüências concretas em relação ao mento econômico e seu oposto, que se pode
ambiente. Deve haver a consciência de que traduzir em estímulo ao consumo, geração
a escolha da embalagem, mais ou menos crescente de resíduos e esgotamento pro-
poluidora, com maior ou menor ciclo de gressivo de recursos naturais?
vida no meio ambiente, tem uma considera- Sobre esse tema, tive conversas muito inte-
ção diferenciada. Nossa idéia foi que, no ressantes com pesquisadores do Ital (Institu-
projeto da Política Nacional de Resíduos, a to de Tecnologia em Alimentos) sobre uma
questão da embalagem seja levada em con- questão básica que resolve esse impasse, o
sideração com cuidado. chamado ciclo de vida do produto. É ele
quem vai nos dar um norte claro de que tipo
No projeto, o conceito de poluidor pagador de embalagem nós precisamos, aquela que
compreende a indústria que fornece a em- ao mesmo tempo preserve o produto, o
balagem ou a indústria usuária dessa em- mantenha adequadamente garantido desde a
balagem? produção até a entrega final, que não seja
No relatório inicial fica clara a percepção de superdimensionada, para evitar desperdício
que a responsabilidade solidária, quando for de energia. Foi feito um estudo na Suécia do
o caso, acontece. Por exemplo, com impor- que é uma embalagem ideal. Nele, a emba-

12 – EMBALAGEMMARCA • set 2001


26entrevistaB 13/09/01 10:44 Page 13

lagem não é subdimensionada, o que preju- atingem metas de 78% ou 80%. Mas quan-
dicaria a manutenção e a garantia do produ- do fica em 15%, 20%, para onde vão os ou-
to, nem superdimensionada. Isso vai nos tros 80%? Para os rios, para os aterros, cuja
dar uma noção clara de que tipo de embala- vida útil diminui. Tentei, nesse projeto, es-
gem queremos. No projeto será preciso in- tabelecer um equilíbrio entre retornabilida-
cluir mecanismos que estimulem a educa- de e reciclagem. Sei que isso é polêmico.
ção ambiental e a consciência do designer e Em bares, restaurantes, lanchonetes e pada-
do consumidor. Este precisa ter noção do rias, por exemplo, poderia haver esse equi-
que é ambientalmente adequado e valorizar líbrio. Os outros canais de distribuição usa-
isso nas compras. riam apenas embalagens recicláveis.

O relatório prevê o estabelecimento de me- Há queixas sobre a bitributação na ativi-


tas de reciclagem e reutilização de embala- dade recicladora, pois o governo entende
gens. Como serão estabelecidas? que a reciclagem é uma nova atividade in-
As metas estão em aberto porque a idéia é dustrial, e não a continuação do ciclo pro-
ver se é possível e factível que elas dutivo. Para fomentar essa atividade
sejam estabelecidas. A idéia é que no país, o projeto prevê formas de
nós as tenhamos. Quem vai nos dizer O objetivo é ir compensação ou incentivo, alguma
se é possível controlar essas metas
aperfeiçoando, junto isenção tributária?
são os órgãos ambientais e os setores Tive uma reunião sobre esse assunto
industriais no seu conjunto. Hoje já com os setores, o com o secretário da Receita Federal,
existe um certo grau de medição de processo de recicla- Everardo Maciel, explicando a ele
retorno e de reciclagem em muitos gem, com uma gra- que a bitributação é verdadeira. Uma
setores. Estamos tentando, num pri- embalagem reutilizada já recolheu
meiro momento, ver onde é possível dação de metas ao todos os impostos da cadeia produti-
se fazer, e estaremos colocando esse longo de anos, va e passa a ser matéria-prima de
tema para discussão pública. Acho como nos países novo. O problema da Receita em re-
que em setores como o do alumínio, conhecer isso é como criar um meca-
que no Brasil atinge o índice de reci-
desenvolvidos. Há nismo de efetivo controle para saber
clagem de 78%, não é preciso esta- setores em que a re- se esse porcentual usado de matéria-
belecer meta de 85% ou 90%. Ela ciclagem é muito bai- prima pode ser reaproveitado, ou
pode ser 75%, para que uma even- como controlar o quanto está sendo
tual melhora das condições de vida,
xa, e temos potencial usado. Chegamos à conclusão, colo-
com diminuição da miséria, menos para elevá-la cada no projeto, que no início a me-
pessoas catando latinhas, não afrou- lhor forma de incentivo era criar uma
xe a reciclagem. O objetivo é ir aper- regra especial para empresas exclusi-
feiçoando a reciclagem junto com os seto- vamente recicladoras. Criaríamos uma
res, com uma gradação de metas ao longo nova categoria de empresa no Brasil que te-
de anos, como nos países desenvolvidos. ria um tratamento diferenciado, que varia-
Há setores em que a reciclagem é muito ria de isenção de impostos federais e esta-
baixa, não só aqui, mas no mundo. O Bra- duais a municipais – mas desde que ela tra-
sil tem potencial para elevá-la. balhe 100% com material reciclado, seja
www.embalagemmarca.com.br

para fornecer matéria-prima de novo para a


O estímulo à reciclagem não pode incenti- indústria, seja para fornecer produtos finais,
var um certo desperdício? Um dos objeti- como é o caso do PET, que origina camise-
vos é reduzir o uso de embalagens para di- tas, jeans, vassouras etc. A Receita criaria
minuir o volume de matérias-primas. uma regra para essas empresas, que seriam
Foi o que colocamos no projeto. O cami- oficializadas em um novo sistema, com to-
nho da reciclagem como única saída é peri- tal isenção. Se houvesse milhares de em-
goso. Temos de trabalhar para aumentá-la, presas exclusivamente recicladoras no Bra-
mas antes dela vem o reuso, a tentativa de sil, estaríamos recolhendo esse material, e
equilíbrio com embalagens que possam ser com isenção de impostos, fazendo a maté-
retornáveis. A reciclagem é boa quando se ria-prima retornar muito mais barata.

set 2001 • EMBALAGEMMARCA – 13


Booklet 12/09/01 18:12 Page 1
26design-palestras 12/09/01 19:12 Page 1

Ano III • Nº 26 • Setembro 2001

DOCUMENTO
ESPECIAL
VEJA
TAMBÉM
Prêmio Abre
de Design de
Embalagem
26design-palestras 12/09/01 19:12 Page 2

documento especial

Mais que
embalagem,
um bem social
s resultados da 3ª Semana em 1998). Este é um dever social
CACALO KFOURI

O ABRE do Design de Em-


balagem não poderiam
ser mais satisfatórios para nossa in-
de toda a indústria e aí incluem-se
fornecedores, convertedores e, cer-
tamente, as agências de design.
dústria. Em todas as oito palestras Para estimular os agentes da ca-
realizadas nestes quatro dias de deia de embalagem a reforçarem o
evento, palestrantes e ouvintes fo- trabalho que já fazem nesse e em
ram unânimes em concordar que a vários outros sentidos, contribuin-
embalagem é uma das principais do para o progresso do país, a
ferramentas de construção e manu- ABRE voltou este ano a ter seu
tenção de uma marca. E o design Prêmio de Embalagem. Sabemos
de uma marca e de uma embala- que é de grande importância para o
gem é, em boa parte, responsável setor poder contar com o reconhe-
por esse sucesso, assumindo hoje cimento oficial da instituição de
um papel fundamental na estrutura classe que o representa.
das empresas e sendo incorporado ção no Brasil somente com a mu- Para garantir um resultado justo
como parte de seu patrimônio. dança da caixa K (de madeira) por e verdadeiro, convidamos para
Mas gostaria de chamar a aten- caixas plásticas ou de papelão, po- compor o júri que julgou o prêmio
ção para um outro ponto, onde o demos dar a real dimensão da im- entidades ligadas ao desenvolvi-
design da embalagem também tem portância social da embalagem. O mento industrial brasileiro e ao de-
uma participação ativa: o desen- desafio da embalagem neste novo senvolvimento de embalagens e seu
volvimento de embalagens sociais. milênio é justamente proteger os design, além de instituições de pes-
Isso mesmo, embalagens que, de alimentos e garantir comida para a quisa, ponto-de-venda, marketing e
alguma forma, vão além e criam e população mundial. merchandising que não tivessem
oferecem um bem social. Um ex- Mas só a embalagem resolve? vínculo algum com os concorren-
celente exemplo, exposto pela Ri- Obviamente que não. O desenvol- tes. E para comprovar que o Prêmio
gesa Westvaco no almoço de en- vimento de boas embalagens deve ABRE de Design de Embalagem é
cerramento da Semana ABRE, é o correr em paralelo à melhoria do muito mais que um prêmio, a asso-
da proteção de produtos hortifrutí- cultivo e à melhoria da cadeia de ciação fornecerá o Selo ABRE Em-
colas. distribuição como um todo. balagem Premiada para os vence-
Se imaginarmos que anualmen- Uma coisa é certa: a embala- dores de todas as categorias.
te são perdidos 2 bilhões de dólares gem pode e deve ajudar a reduzir o
em hortaliças e que poderíamos re- número de famintos no Brasil (16 Sergio Haberfeld
duzir em 20% a taxa de desnutri- milhões) e no mundo (792 milhões Presidente da ABRE
expediente

Editor responsável: Wilson Palhares • Reportagem: Liliam Benzi (cobertura 3ª Semana), Guilherme Kamio, Leandro Haberli
Fotolitos e Impressão: Gráfica do Grande ABC • Impresso em papel couché Image Mate 115g/m2, da Ripasa.
Além dos 8 000 exemplares deste Documento Especial veiculados no corpo da edição nº 26 de EMBALAGEMMARCA (setembro de 2001),
foram impressos mais 2 000 exemplares em separado.
Uma publicação da Bloco Comunicação Ltda. – Rua Arcílio Martins, 53 - Chácara Santo Antonio - CEP 04718-040 - São Paulo, SP
Tel. (11) 5181-6533 - Fax (11) 5182-9463 - e-mail: embalagemmarca@embalagemmarca.com.br
www.embalagemmarca.com.br
26design-palestras 12/09/01 19:13 Page 3

documento especial

Mudanças no
Comitê de Design

FOTOS: DIVULGAÇÃO
Fábio Mestriner Manoel Muller Gisela Schulzinger

Troca da diretoria abre atividades da 3ª Semana


s realizações foram muitas, mas eles que- para os profissionais da área e para a cadeia de

A rem mais. É que, pela própria natureza de


sua atividade, os designers nunca estão sa-
tisfeitos com o que fazem e procuram aperfeiçoar
embalagem em geral.
Em seus quatro anos de existência, o Comitê de
Design acumulou uma série de realizações, que
os resultados obtidos, ainda que eles sejam bons. A contribuíram para aumentar a visibilidade das
passagem de comando do Comitê de Design de agências associadas, valorizar os profissionais da
Embalagem da ABRE, ocorrida durante os tra- área e sedimentar no panorama brasileiro de ne-
balhos da 3ª Semana ABRE do Design gócios a consciência de que o design de
de Embalagem, realizada de 28 a 30 embalagem é um insumo imprescin-
de agosto último na Casa Rhodia, dível da produção industrial. Fruto
em São Paulo, foi uma síntese desse trabalho, o número de agên-
desse tipo de comportamento cias, do núcleo inicial de onze,
profissional, pelo que foi possí- passou hoje para trinta. Esse
vel concluir da rápida cerimô- fato e a intenção dos novos di-
nia de mudança. retores de não só manter o que
A coordenação do Comitê já foi conseguido, mas de imple-
de Design, que desde sua cons- mentar novas realizações, repre-
tituição, em 1997, esteve a cargo senta, em poucas palavras, mais
de Fábio Mestriner, diretor da trabalho. Daí, segundo explicam
agência Packing Design, ficará sob Fábio Mestriner, Manoel Müller e Gi-
responsabilidade de Manoel Müller, dire- sela Schulzinger, a necessidade de criar a
tor da Müller Associados, pelos próximos dois secretaria.
anos. Na ocasião de mudança de mãos do Comitê Durante a realização da Semana ABRE do De-
de Design, Gisela Schulzinger, diretora da Haus sign de Embalagem, EMBALAGEMMARCA ouviu
Design, tomou posse da secretaria do organismo, aqueles três profissionais para fazer um balanço
que acaba de ser instituída. A criação do novo car- do que o Comitê de Design já realizou e anunciar
go se deve a circunstâncias altamente positivas planos para os próximos dois anos.
26design-palestras 12/09/01 19:13 Page 4

documento especial

foco nas
pequenas e mé-
dias empresas
A criação da secretaria do Co-
mitê de Design da ABRE visa ba-
sicamente ampliar as conquistas
obtidas nestes quatro anos, além
de reforçar o caráter empresarial
do Comitê. Apesar dos inúmeros
avanços obtidos, deveremos con-
tinuar a trabalhar para fazer com
que a indústria nos veja como em-
presas especializadas, que não es-
Integração tão no mercado apenas para fazer Design bem-feito
com a indústria ‘desenhinhos’. Também investi- exige profissional
ainda é meta mos dinheiro, tempo e trabalho atualizado
A iniciativa de ter um comitê de nesse negócio. Portanto, é essen- Como é possível estimular o
design dentro de uma entidade de cial aprofundar a percepção de mercado de design de embalagem?
classe empresarial, com os desig- que as agências de design fazem Primeiramente, devemos entender
ners atuando efetivamente na sua parte da cadeia produtiva de em- que as agências precisam estar apa-
gestão, é pioneira no Brasil e está balagem. Afinal, hoje as empresas relhadas com bons recursos huma-
ajudando a tornar o design algo cor- investem fortunas na consolida- nos. Para isso, é necessário apoiar a
riqueiro, tanto nas empresas, como ção e na valorização de suas mar- formação de novos profissionais,
na própria ABRE. Hoje a indústria cas, e nossa atividade deve ser en- não só contratando-os, como tam-
de embalagem entende que o design tendida como um elo fundamental bém reciclando aqueles que já estão
é um componente estratégico de seu nesse esforço - e não como um no mercado. Sem essa postura, não
negócio, e não uma atividade aces- mero adendo. Por fim, precisamos há como acompanhar a evolução
sória. Por isso, o grande mérito do mostrar que, além de multinacio- tecnológica do setor e atender às
Comitê nestes quatro anos foi a in- nais e de grandes companhias, exigências de design de embala-
tegração do design com a indústria também podemos ajudar peque- gens. Por isso, o Comitê deverá
de embalagem, deixando claro que nas e médias empresas a agregar manter seus encontros técnicos,
o design é um componente do negó- valor a seus produtos por meio do para abrir novas oportunidades de
cio de embalagem – tanto quanto as design. O que o Brasil exporta formação profissional. Porém, o
matérias-primas e os equipamentos. hoje é basicamente matéria-prima êxito dessa estratégia depende de
Nós, designers, temos que estar e commodity. E o design pode e uma divulgação eficiente. Daí a in-
conscientes de que representamos a deve contribuir para mudar essa tenção de incrementar o site do Co-
vitrine do negócio de embalagem, a situação. mitê, além de utilizar os meios pu-
impressão visual e concreta da ativi- blicitários e as revistas especializa-
dade. Daí a importância dos work- das como mecanismos de comuni-
shops técnicos nos quais trabalha- cação. Isso é essencial para mostrar
mos durante esses últimos quatro ao mercado que há no Brasil agên-
anos. Igualmente relevante nesses cias de design competentes, capa-
período foi a elaboaração do estatu- zes, inclusive, de contribuir com o
to que compõe nosso código de éti- governo no lema “exportar para não
ca. Estabelecer parâmetros para que morrer”. O estímulo a novos merca-
as agências deixem de agir de forma dos também será uma de nossas li-
isolada, predatória ou duvidosa, e nhas de trabalho. E acreditamos que
incentivar uma diretriz de atuação a melhor maneira para atingir esse
em benefício da categoria é uma objetivo é mostrar às pequenas e
ação importante e que pode ajudar a médias empresas que elas também
fortalecer a categoria. podem ter um design de qualidade.
26design-palestras 12/09/01 19:13 Page 5

documento especial

Design e marketing
de mãos dadas
Abre - Associação Brasileira
Projetos devem estreitar relações com informações e estratégias do cliente
de Embalagem
Rua Oscar Freire, 379 ificilmente alguém discordará de que dutos. Nesse raciocínio, o bom design de em-
4º andar - Cj. 41 / 01426-001
São Paulo - SP
Fone: (11) 3082-9722
Fax: (11) 3081-9201
D atualmente o design deve ser visto balagem tem, para Acar, um potencial fantás-
pelas indústrias como um insumo tão tico inexplorado, pois só recentemente as em-
decisivo numa embalagem quanto o seu mate- presas começaram a perceber que tais projetos
www.abre.org.br rial ou mesmo a qualidade do produto que ela constituem uma ferramenta importante para
acondiciona. Mas até que ponto os projetos de agregar valor aos seus produtos e marcas.
embalagem podem influenciar as atividades O gerente geral da Strat ressaltou, porém,
finais e a imagem dos fabricantes? que “muitos se confundem quando tratam das
Para esmiuçar essa questão, Nelson Acar, possibilidades do design de embalagem como
gerente geral da Strat Marketing Estratégico, ferramenta de fidelização de consumidores”.
fez uma palestra sustentada em argumentação Para ele, há enormes diferenças entre os con-
que é a faceta mais formal da tão desejada in- ceitos de lealdade e de fidelidade de marca,
tegração de todos os elos da ca- “hoje banalizados e empregados
a10 design
Rua Helena, 170 - Cj. 41
deia de embalagem. Ele susten- “Fidelidade pode sem critérios por qualquer esta-
04552-050 ta que, mais do que nunca, os ser comprada, giário de marketing”. Acar é in-
São Paulo - SP profissionais do design preci- cisivo: “Fidelidade pode ser
Fone: (11) 3845-3503
sam estar sintonizados com os mas o consumidor comprada, já que algumas mar-
Fax: (11) 3845-3503
www.a10.com.br conceitos, e até neologismos, leal não troca de cas conseguem consumidores
saídos dos departamentos de marca nem quando fiéis quando baixam seus pre-
marketing das grandes empre- ços. Já o consumidor leal não
a concorrência
sas. Para provar isso, debruçou- troca de marca nem quando a
se sobre a famosa expressão baixa o preço” concorrência baixa o preço.”
“patrimônio tangível e intangí- O conferencista considera
vel das empresas”, que, segundo ele, está su- que uma embalagem bem desenvolvida pode
Abille Wow Design
jeito tanto aos brios quanto aos possíveis des- contribuir em inúmeros aspectos: reforçar a
Rua Tabapuã, 649 - Cj. 51
04533-012 lizes do design de uma embalagem. lealdade dos consumidores, despertar o desejo
São Paulo - SP Como patrimônio tangível, Acar definiu as de compra e ainda ressaltar as características
Fone: (11) 3078-6659 características dos produtos e da própria em- positivas tanto da marca quanto do produto.
Fax: (11) 3168-7134
www.abille.com.br presa sensíveis a uma observação superficial Para que isso aconteça, ele diz ser imprescin-
do consumidor. Exemplos: o visual e a quali- dível que o designer tenha contato com o
dade dos produtos, além do aroma, do sabor maior número possível de informações sobre
ou do valor nutritivo, caso se trate de um ali- o consumidor potencial do produto a ser lan-
mento. Já o patrimônio intangível “congrega çado ou reformulado, sobre suas característi-
valores mais instintivos, capazes de, mesmo cas estruturais, sobre os concorrentes que já
sem motivos palpáveis, fazer o consumidor atuam no mercado. Obviamente, segundo
relacionar determinada marca à idéia de tradi- Acar, o desenvolvimento das embalagens
ção e competência, e outras à falta de esmero deve estar em sintonia com as estratégias de
na qualidade de seus produtos”. divulgação e comunicação do produto e da
Ás Design
Av. Angélica, 2632 - Cj. 12
Acar passou a descrever o que chama de marca. “A embalagem é o instrumento de con-
01228-200 “nível de desejabilidade” dos produtos. Para o tato da marca com o mundo real”, ele destaca.
São Paulo - SP especialista, o ímpeto de compra seria tanto “Por isso, desenvolvê-la implica análise crite-
Fone: (11) 3120-2735
Fax: (11) 3120-2735
maior no consumidor quanto fossem positivos riosa, que deve ser seguida em todas as etapas
www.asdesign.com.br os valores intangíveis e tangíveis de seus pro- do processo de criação e produção.”
26design-palestras 12/09/01 19:13 Page 6

documento especial

Marcas próprias
em amadurecimento
Art Company
Rua Prudente Correia, 329
01450-030 Com maiores investimentos em tratamento visual, elas estão evoluindo
São Paulo - SP
Fone: (11) 3816-6768 crescimento das marcas próprias dro por duas fortes razões. A primeira é que
Fax: (11) 3815-5914
www.artcompany.com.br
O está, em grande parte, associado à la- um bom produto de marca própria aumenta a
cuna que as indústrias deixam por fidelização de sua clientela. Por outro lado,
não terem uma estratégia eficiente de reforço uma marca própria forte pode ajudar na nego-
e promoção de suas marcas. Isso explica tam- ciação com as indústrias fornecedoras de pro-
bém porque as marcas próprias representam dutos de outras marcas. Afinal, qual é o poder
ameaça muito maior às marcas de segunda li- de atração de um hipermercado, hoje, além do
nha. Marcas líderes dificilmente são afetadas, preço baixo?
pois já estão consolidadas na cabeça do con- O certo é que o varejo está num processo
sumidor. Essas foram as principais conclusões de evolução de suas marcas próprias. Num
extraídas da palestra de Fábio Pando, coorde- primeiro momento foram lançadas as marcas
B+G Designers nador do Comitê ABRAS de Marcas Próprias. genéricas, com embalagens brancas e, escrito
Av. Indianópolis, 201 - Segundo ele, um dos gran- sem grandes pretensões, o tipo
sobreloja
040603-000
des pecados do varejo, ao criar “Uma marca de produto nelas contido. De-
São Paulo - SP suas marcas, é justamente não desconhecida e mal pois vieram a “marca carimbo”,
Fone: (11) 5051-1446 saber como fazê-lo. “A cultura com embalagens iguais e o logo
Fax: (11) 5051-2377 do varejista é de negociação e, trabalhada acaba do varejista, e a marca exclusi-
www.bmaisg.com.br
como tal, não consegue enxer- não tendo nenhuma va, com embalagem e marca di-
gar benefícios subjetivos, como credibilidade – ao ferenciadas para cada categoria
os contidos numa boa embala- de produto. “Entre 1977 e 1978,
contrário, é vista de
gem”, diz. “Ele acaba traba- o Carrefour começou a traba-
lhando apenas com o fator pre- forma pejorativa” lhar essas marcas com a assina-
ço, o que justifica o fato de os tura de seu nome”, lembra Pan-
Dil Consultores em Design, produtos de marca própria serem identificados do. “Hoje as embalagens são bem diferencia-
Comunicação e Marca
Rua Oscar Freire, 379 -
pelo consumidor como ruins ou pobres.” das e respeitam os ícones de cada categoria de
Cj.162 / 01426-001 Mesmo assim, no Reino Unido, onde fo- produtos, entendidos pelo consumidor.”
São Paulo - SP ram criados em 1870, os produtos de marca Pando observa também que o consumidor
Fone: (11) 3086-2466 própria já respondem por mais de 50% das vê uma marca como um conjunto de benefí-
Fax: (11) 3086-2474
dilpackdesign@dil.com.br vendas do varejo. No Brasil, onde são traba- cios e propriedades que o fabricante está pro-
lhadas há apenas trinta anos, as marcas pró- metendo entregar. Assim, “uma marca desco-
prias conquistaram em 2000 uma participação nhecida e mal trabalhada acaba não tendo ne-
de 5% das vendas das dez maiores redes de nhuma credibilidade – ao contrário, é vista de
supermercados – e continuam crescendo. forma pejorativa.”
Um dos maiores desafios que o varejo en- Ele recomenda que, ao trabalhar uma mar-
frenta em relação às marcas próprias é o pre- ca própria, o varejo leve em consideração o
conceito. “Como esses produtos nasceram desenvolvimento da embalagem do produto,
sem nenhum tratamento de imagem ou de as necessidades do consumidor, defina o posi-
DY Office
marca, o consumidor não quer correr nem o cionamento dessa marca, tenha o fabricante
Av. Santo Amaro, 6550 risco técnico – de comprar algo que não seja do produto integrado ao processo e conte com
04702-002 de qualidade – nem o risco social – de ser ta- o apoio das lojas, além, é claro, de oferecer
São Paulo - SP
Fone: (11) 5183-4051
xado de ‘pobre’ – por não estar levando um qualidade e preço competitivo. “A função do
Fax: (11) 5181-2758 produto de marca.” varejo é conseguir baixar o preço, mas sem
dyodesign@uol.com.br O varejo está disposto a reverter esse qua- perder a qualidade”, finaliza.
26design-palestras 12/09/01 19:13 Page 7

setembro 2001

Embalagens para
produtos premium
Projetos para produtos nobres devem preconizar elementos sensoriais

a busca por produtos com maior cos normalmente remetem ao charme, ao so-

N rentabilidade, muitas empresas têm nho e ao glamour, e não existe o lindo se ele
cometido um erro gravíssimo: lan- não parecer lindo.”
çar itens rotulados como premium, mas que Segundo a palestrante, é importante lem-
Esboço Design e
Planejamento Visual
Av. Roque Petroni Jr., 234
de premium só têm mesmo o preço elevado. brar ainda que consumidores tidos como 04707-000
Ao descrever essa modalidade de miopia premium podem ter reações diferentes em São Paulo - SP
Fone: (11) 5542-2555
mercadológica, Márcia Camargo, diretora relação a um mesmo produto. “O que é pre- Fax: (11) 5542-2424
comercial da Kopenhagen, faz também uma mium para uma consumidora de classe mé- www.esbocodesign.com.br
recomendação para combatê-la – a qual, a dia na Itália talvez não seja para uma dona
rigor, deveria fazer parte natural do manual de casa brasileira”, lembra Márcia. Um bom
de conduta de todo profissional de marke- exemplo é o do macarrão vendido em cartu-
ting. Ela ressalta que o produto premium e cho de cartão no Brasil. Pelo fato de ser im-
sua embalagem devem ter sua portado da Itália e ostentar
criação baseada no conheci- “A embalagem pre- uma embalagem diferente da
mento claro do público a ser mium deve se des- categoria nacional, ele é visto
atingido. A partir daí, criar ca- como premium, e a consumi-
racterísticas específicas para virtuar do lado pura- dora se dispõe a desembolsar
atingir o consumidor, respei- mente técnico e ex- mais para comprá-lo. O mes- Haus Design
Rua Said Aiach, 122
tando os aspectos geográficos plorar o lado com- mo produto pode ser o “arroz 04003-020
e econômicos que influem em com feijão” para a consumido- São Paulo - SP
portamental, das Fone: (11) 3887-1838
seu comportamento. ra italiana.
“A embalagem e o produto emoções” Quanto aos modismos, Fax: (11) 3887-1838
www.hausdesign.com.br
têm uma função erótica, de Márcia alerta para o fato de
conquista”, Márcia Camargo descreve. “A eles não combinarem com produtos pre-
embalagem premium deve desvirtuar o lado mium. “O produto premium pode explorar
puramente técnico do desenvolvimento e ex- várias vertentes, desde que escolha uma úni-
plorar mais o lado comportamental, das ca para norteá-lo. Por exemplo, se for ousa-
emoções do consumidor”, ela ensina. O de- do ele não poderá ser tradicional, se for arro-
senvolvimento de uma embalagem para o jado não poderá carregar ostentação.”
público top, portanto, deve considerar me- A diretora comercial da Kopenhagen dei- Hi Design
Alameda Santos, 817
nos os elementos matemáticos e mais os xa uma mensagem especial para os desig- 01419-001
sensoriais. ners de embalagem. “Se vocês não soube- São Paulo - SP
Outro ponto fundamental é não acreditar rem tudo sobre o produto e seu mercado, não Fone: (11) 3171-0378
Fax: (11) 3171-0378
que o consumidor seja bobo. “Ele está dis- aceitem o trabalho, pois caso o produto não www.hi-design.com.br
posto a pagar mais por um artigo desde que dê certo a culpa será atribuída a quem proje-
seus benefícios sejam claramente percebi- tou a embalagem.” Com isso, Márcia refor-
dos”, diz a diretora comercial da Kopenha- ça a idéia de que a parceria no desenvolvi-
gen. “E essa percepção deve ser trazida à mento do produto e de sua embalagem é es- Inove Design Store
tona pela embalagem”. Em outras palavras, sencial e não pode mais ser deixada de lado. Rua Castro, 197
é fundamental que o consumidor acredite De resto, como ela recorda, a embalagem 80620-300
Curitiba - PR
que naquele produto premium estão embuti- premium deve sinalizar poder, desde que se Fone: (41) 342-5522
das características únicas que o tornarão saiba que tipo de status passar para o consu- Fax: (41) 342-5522
igualmente único. “Ingredientes psicológi- midor que se quer atingir em particular. www.inovedesign.com.br
26design-palestras 12/09/01 19:13 Page 8

documento especial

Keenwork Design
Rua Laplace, 96 - 4º andar
A embalagem faz
04622-000
São Paulo - SP
Fone: (11) 5561-6593
Fax: (11) 5561-6593
as vezes da marca
www.keenwork.com.br

Embalagem pode ser o coração da comunicação de marcas de produtos

xemplo clássico da relação entre emba- Coca-Cola, tem papel crucial. “Ela é o cora-

E lagem e marca, e sem dúvida alguma ção da comunicação da história de um produ-


um dos cases mais intrigantes nesse to”, ela diz. No caso do refrigerante essa afir-
campo, é o da Coca-Cola. De fato, quem nun- mação se reflete no êxito incontestável do po-
ca parou para tentar entender como um líqui- der da marca e, principalmente, de uma estra-
Komatsu Design
do preto, com formulação absolutamente des- tégia: a de arquitetá-la de maneira que seja
Rua Barão do Triunfo, 520 conhecida, passou a ter sua marca reconheci- forte e acrescentar valor a ela sempre. Isto sig-
Cj. 52 da no mundo inteiro pela simples silhueta de nifica passar o valor emocional da marca para
04602-002
uma garrafa e valer, nos dias de hoje, mais de tudo que se faz: campanhas, ponto-de-venda,
São Paulo - SP
Fone: (11) 5561-5372 70 bilhões de dólares? promoções – enfim, toda ação de comunica-
Fax: (11) 5561-5372 Segundo Ingrid Buckman, gerente nacio- ção, do envelope e do cartão de visita ao pos-
komats@macbbs.com.br nal de propaganda da Coca-Cola, isso é fruto ter, ao outdoor e ao caminhão de entrega.
da postura da empresa de aten- Não menos expressivo que o
der à necessidade do consumi- “As pessoas devem de Coca-Cola é o caso da vodca
dor de “relacionar-se com o pro- estabelecer uma co- sueca Absolut, cujo êxito mun-
duto de forma diferenciada e es- dial também tem muito a ver
tabelecer uma conexão com sua nexão com sua em- com a embalagem, contou In-
embalagem de forma que a balagem de forma grid Buckmann. Contrariando
mesma funcione como um con- que ela funcione todas as pesquisas de mercado,
vite à compra”. a resistência de varejistas e a
como um convite à
Na verdade, essa atitude opinião de designers, ao lançar a
mercadológica está por trás do compra” Absolut Rent Bravin, ou “vodca
Mazz Design e
Comunicação Visual trabalho empresarial iniciado absolutamente pura”, em 1879,
Rua Fiandeiras, 929 - Cj. 81 em 1915 nos Estados Unidos, com o primeiro o empresário Lars Olsson Smith decidiu utili-
04545-006 briefing dos fabricantes para o desenvolvi- zar uma garrafa diferente no perfil e na deco-
São Paulo - SP
Fone: (11) 3842-7880 mento da chamada garrafa contour. Foi pedi- ração. Ele adotou um recipiente habitualmen-
Fax: (11) 3842-7880 do aos fabricantes de embalagens de vidro que te usado para produtos farmacêuticos em seu
www.mazz.com.br criassem uma garrafa diferente de todas as país e, desde então, centrou todas as ações de
usadas por refrigerantes de sabor cola e que comunicação na imagem da garrafa, tornan-
pudesse ser reconhecida mesmo no escuro ou do-a um ícone do produto. O boom veio quan-
quando quebrada. do, em 1985, Andy Warhol reproduziu a gar-
O recipiente com o formato único resultan- rafa numa tela, quebrando o tabu de ligação
te dessa orientação rendeu à empresa a con- produto/marca/arte. A partir daí a estratégia se
quista de 5 bilhões de consumidores em todo estendeu a mais de 400 outros pintores, escul-
o mundo, a distribuição do produto para pes- tores, fotógrafos e estilistas. Desde 1981, data
soas falantes de 650 diferentes idiomas e o re- do primeiro anúncio, foram feitas mais de 500
conhecimento da marca por 94% da popula- peças diferentes, todas girando em torno da
M Design ção mundial. É pouco? Então imagine que, garrafa. As vendas, no início de 90 000 litros
Av. Diógenes de Ribeiro diariamente, são vendidos 250 000 litros de por mês, atingem hoje 250 000 litros por dia.
Lima, 3345 / 05083-010 Coca-Cola no mundo e que o nome é a segun- Nesses casos das bebidas em suas garrafas
São Paulo - SP
Fone: (11) 3833-0969 da palavra norte-americana mais reconhecida, únicas, embalagem e marca se confundem a
Fax: (11) 3831-9179 perdendo apenas para a expressão OK. ponto de o consumidor de forma alguma dei-
www.mdesign.art.br A embalagem, ressalta a profissional da xar de identificar Coca-Cola e Absolut.
26design-palestras 12/09/01 19:13 Page 9

setembro 2001

O diferencial
Müller Associados

da marca forte Av. Pedroso de Moraes, 433


Cj. 52 / 05419-902
São Paulo - SP
Fone: (11) 3819-4417
Fax: (11) 3097-9972
Pela maior competitividade, fortalecer marcas é questão de sobrevivência www.muller-associados.com.br

ais do que nunca, neste período de frigerantes.

M quase estagnação da economia, as Em paralelo ao fortalecimento da marca


indústrias vivem numa encruzilha- própria, Migliano aponta outra tendência: o
da de problemas de mercado. O crescimento fortalecimento da primeira e da segunda mar-
do universo de consumidores é vegetativo, en- ca e a ameaça de desaparecimento das demais.
quanto as novas marcas se multiplicam de ma- “A indústria, por sua vez, fica com três op-
neira alucinante. Para agravar o quadro, força- ções: trabalhar apenas com a sua marca, traba-
do pela queda de seu poder de compra e pelas lhar apenas com marca própria ou trabalhar
incertezas quanto ao dia de amanhã, o consu- com ambas.”
midor está pondo o pé no freio dos gastos. O Segundo o consultor, a primeira ou a se- MG Design
cenário de pressão se completa com o cresci- gunda opção é a mais sensata. “Isso porque, Rua Mourato Coelho, 1404
05417-002
mento das marcas próprias. Que fazer? ao trabalhar com a sua marca e com marca São Paulo - SP
Na mesma linha de opinião própria, a indústria acaba abrin- Fone: (11) 3814-4414
de outros palestrantes da 3ª Se- “A partir do momen- do seus custos para o varejo, Fax: (11) 3812-4142
www.mgdesign.com.br
mana ABRE do Design de Em- to em que se cria que certamente vai pressioná-la
balagem, Ricardo Migliano, para reduzi-los. Em outras pala-
presidente do Popai Brasil, em- uma marca forte, vras, “o varejo vai espremer a
presa de pesquisa presente em com forte relação indústria para forçá-la a reduzir
27 países (há três no Brasil) e com o consumidor, sua margem.”
que conta com 300 empresas as- Em qualquer dos casos –
o preço passa a ser
sociadas, demonstra que forta- marca comum ou marca própria
lecer a marca ainda é uma exce- um detalhe” – a indústria deve ter em mente Narita & Associados Design
Rua Joaquim Floriano, 243
lente estratégia de marketing. o conceito de “branding”. Ou - Cj. 121
Para se ter uma idéia, ele lembra que em seja, precisa “inventar valores que criem uma 04534-010
São Paulo - SP
1990 o Brasil contava com cerca de trinta relação de longo prazo com o consumidor, ex-
Fone: (11) 3044-0911
marcas de cerveja. Hoje o consumidor dispõe plorando aspectos emocionais, intangíveis, e Fax: (11) 3044-0911
de mais de 120 opções. Ou seja, o mercado sendo bem sucedida em expressar o significa- www.naritadesign.com.br
não tem acompanhado o volume de novas do daquela marca, diferenciando o produto da
marcas, o que acirra a concorrência e torna o concorrência”. Migliano acha que “o ideal é
cenário muito mais competitivo. que esse trabalho torne o produto e sua emba-
A marca própria, que no conjunto dos paí- lagem líderes em sua categoria”.
ses da Europa ocidental, por exemplo, já res- Centrar o foco no preço certamente não é a
ponde por 40% das vendas do varejo, deverá melhor estratégia, ele considera. “A partir do
agravar o panorama em prazo relativamente momento em que se cria uma marca forte,
curto. “Na América do Sul, embora o consu- com forte relação com o consumidor, o preço
mo de marcas próprias ainda seja incipiente – passa a ser um detalhe”, avalia. Ele aposta
entre 1% a 2% —, tende a crescer, muito e ra- que, a rigor, o consumidor não quer pagar
pidamente”, aposta Migliano. pouco por um produto que aos seus olhos seja Oficina d’ Design
O maior crescimento das marcas próprias muito bom. “Na verdade, o consumidor não Alameda dos Jurupis, 657
está sendo verificado em alimentos, até por- aceita a vulgarização desse produto com um Cj. 101 / 04088-002
São Paulo - SP
que os biscoitos são o item de maior rentabili- preço baixo”. Em suma, como sintetiza Mi- Fone: (11) 5051-8844
dade hoje para os supermercados. Em segun- gliano, “hoje a marca forte é uma vantagem Fax: (11) 5051-8844
do lugar vêm as bebidas, especialmente os re- competitiva; no futuro será uma obrigação”. ofdesign@uol.com.br
26design-palestras 12/09/01 19:13 Page 10

documento especial

Marca, embalagem e
Oz Design
propaganda globais
Av. Eng. Luiz Carlos
Berrini 1461 - 3º andar
04571-903 Marcas e embalagens fortes devem aproximar gostos e dissipar diferenças
São Paulo - SP
Fone: (11) 5506-2177 orna-se cada vez mais constante de- empresa que leva seu nome, explica que o
Fax: (11) 5506-2007
www.ozdesign.com.br T parar com a afirmação de que o con- objetivo central do trabalho foi entender
sumidor tem uma relação de confian- como o entrevistado associava esses elemen-
ça, para não dizer de cumplicidade e até de tos às marcas em questão. Uma das princi-
paixão, pelas marcas de sua preferência. Efe- pais conclusões foi que, independentemente
tivamente, numa época em que o acesso à do país em que estejam, existe grande simi-
tecnologia é relativamente aberto a todas as laridade entre as sensações passadas pelas
empresas, a marca se torna um diferencial vi- marcas pesquisadas.
tal para distinguir produtos – e os fabricantes Na interpretação de Jaime Troiano, isso
Packing Design e comerciantes tratam de trabalhar os cora- leva a concluir que “a intensidade das marcas
Av. Europa, 149 ções e as mentes dos consumidores para que está plantada no coração e na mente dos con-
01449-001
São Paulo - SP dentro deles estejam presentes suas marcas sumidores”. Ademais, segundo o diretor da-
Fone: (11) 3064-9822 no momento da compra. quela empresa especializada,
Fax: (11) 3088-7962 Mas como medir isso e sa- “Marcas globais são “marcas globais não são as que
www.packing.com.br
ber até onde vai a fidelidade à as que deixam si- usam a mesma linguagem em
marca? Como mensurar emo- todos os países ou que estão em
ções que ela possa desenca- nais de sua presen- vários mercados, nem as que
dear? Uma pesquisa inovadora ça na mente e no co- impõem políticas de marketing
realizada pela Jaime Troiano ração dos consumi- e de comunicação rígidas”. Ele
Consultoria de Marca e pela ensina que “marcas verdadeira-
dores de uma forma
Seragini Farné conseguiu de- mente globais são as que dei-
tectar as emoções que algumas semelhante” xam profundos sinais de sua
Pantani Criação Gráfica
marcas provocam nos consu- presença na mente e no coração
Rua Bernardino de midores, segundo os responsáveis pela coor- dos consumidores de uma forma semelhante,
Campos, 318 - Cj. 43 denação do trabalho. não importa o mercado em que estão”. Esses
04620-001
Valendo-se de uma metodologia que ex- sinais, disse o palestrante, “são transmitidos
São Paulo - SP
Fone: (11) 241-8184 plora os códigos visuais e sensitivos, e não o por elementos que ultrapassam os limites da
Fax: (11) 241-8184 racional expresso por palavras, a pesquisa, linguagem de cada país”.
pantani@macbbs.com.br denominada Sounds of Silence, teve seu foco No caso específico das quatro marcas
dirigido a quatro marcas de produtos com pesquisadas, a pesquisa evidenciou terem
forte presença em três países da América La- conseguido trabalhar o conjunto de valores
tina. Foram pesquisadas a Coca-Cola, a que são capitais entre os jovens latino-ameri-
Nike, a rede de restaurantes McDonald’s e o canos, como conservadorismo, individualis-
canal de televisão MTV. O universo de entre- mo, hedonismo e uma atitude existencial de
vistados foi composto por 700 jovens, dividi- usufruto, que poderia ser definida pela ex-
dos igualmente por sexos e assim distribuí- pressão “a vida é um videoclipe”.
dos: 300 pessoas no Brasil, 200 no México e “O grande mérito das marcas globais é a
Perez & Damiani 200 na Venezuela. capacidade de perceber no que as pessoas se
Rua Pelotas, 782 Os códigos visuais explorados foram as assemelham e aproximá-las a tal ponto que
04012-002 cores, as formas (linhas retas, formas regula- fica difícil dizer se estes jovens são mesmo
São Paulo - SP
Fone: (11) 5574-7811 res, rítmicas e linhas abertas), e fotografias parecidos por questões culturais ou se os
Fax: (11) 5549-4030 (que representavam diferentes atmosferas, conceitos contidos na marca é que ajudam a
www.perezdamiani.com.br climas e situações). Jaime Troiano, diretor da aproximá-los.”
26design-palestras 12/09/01 19:13 Page 11

documento especial

A cara do Brasil em
mercados externos
Design pode ajudar a gerar fidelidade internacional por marcas brasileiras
Segmento
Comunicação & Design ma das grandes saídas para a econo- ações de comunicação, como campanhas pu-
Praça Gastão Cruls, 26
05451-150
São Paulo - SP
Fone: (11) 3021-4566
U mia brasileira, como ultimamente blicitárias, patrocínios de eventos e promo-
decidiu alertar o presidente da Repú- ções.” Dessa forma, conseguiu-se aquilo que
blica, certamente seria a exportação de bens Bonfá entende ser “mais importante do que o
Fax: (11) 3021-5165
manufaturados. Hoje o Brasil vende para ou- consumidor comprar, ou seja repetir a compra,
www.segcom.com.br
tros países apenas 5,5% de seu PIB, sendo ser fiel à marca.”
que, desse total, 59% são produtos do setor Para ele, este é um momento particular-
primário, 39% do secundário e irrisórios 2% mente especial para as exportações brasileiras,
do terciário (basicamente, serviços e turismo). em função da desvalorização do Real. “Mas
“Mas para se tornar um país exportador o Bra- não basta um bom produto em uma boa emba-
sil deve entender os mecanismos dos vários lagem.” Na verdade, é necessário seguir uma
Seragini Design
mercados, e isso inclui desenvolver embala- série de regras, a começar pelo respeito aos
Rua Alves Guimarães, 951 gens compatíveis com as neces- hábitos e costumes de cada local
05410-001 sidades dos consumidores lo- “Para exportar, o e, principalmente, à legislação
São Paulo - SP
Fone: (11) 3088-0477
cais”, alerta Haroldo Bonfá, ge- Brasil deve entender internacional. “Ao desenvolver
Fax: (11) 5096-1483 rente comercial e de marketing uma embalagem, é necessário
www.seragini.com da Cia. Cacique de Café Solú- os mercados e criar pensar também na logística do
vel/Café Pelé. embalagens compa- produto, como ele será transpor-
Segundo ele, a embalagem tíveis com as neces- tado e armazenado, e na sua re-
deve manter uma relação de lação com o meio ambiente.”
sidades dos consu-
cumplicidade com o consumi- Ele se pergunta por que, sen-
dor, além de refletir a qualidade midores locais” do o maior produtor de café do
SPO Design
do produto. “Todo consumidor, mundo, com 40 milhões das 110
Rua Bandeira Paulista, 727 em qualquer lugar do planeta, espera qualida- milhões de sacas colocadas anualmente no
2º andar - Cj. 26 de daquilo que está comprando”, observa Bon- mercado, o Brasil ainda não conseguiu tornar
04532-012 fá. Nesse sentido, “o melhor produto é aquele seu café um produto exportável em larga esca-
São Paulo - SP
Fone: (11) 3846-5166 que o cliente quer, na hora que está disposto a la? O próprio Bonfá responde: “Trata-se de
Fax: (11) 3045-5311 comprar e no preço que pode pagar”. Talvez uma questão histórica. Há alguns anos as em-
www.spodesign.com.br não seja fácil, mas o único jeito de o fabrican- presas não se preocupavam em manter um pa-
te fazer isso é “ter sensibilidade para detectar drão de qualidade, ou seja, em criar uma tradi-
essa necessidade e atendê-la corretamente”, ção como exportadoras. Assim, o café brasi-
sintetiza o executivo da Café Cacique. leiro ficou marcado como um produto de qua-
Os resultados certamente serão melhores, lidade cíclica. É o oposto do que fez a Colôm-
ele considera, se o produto for avalizado por bia, que apesar de em alguns casos importar o
uma marca forte. O exemplo que ele apresen- café brasileiro é o maior exportador mundial.”
ta é o do próprio Café Cacique, vendido hoje Bonfá defende a criação de uma marca
em várias partes do mundo, incluindo a Rús- global, mas com enfoques específicos para
TW Design sia e o Japão, países em que a figura de um cada país. “É preciso criar uma identidade que
Rua Baronesa
de Bela Vista, 12 “cacique” (presente na logomarca) não quer possa ser sustentada ao longo do tempo”, ele
04612-000 dizer absolutamente nada. “Este foi um traba- diz. Exemplo: recentemente a Cacique lançou
São Paulo - SP lho típico de construção de marca baseado no o Pelezinho, personagem que dará continuida-
Fone: (11) 5535-6011
Fax: (11) 5535-6011 reforço do conceito de qualidade do produto e de ao ícone criado com o Pelé. “O importante
www.twdesign.com.br no contato com o público através de diversas é não perder as oportunidades”, conclui.
26design-palestras 12/09/01 19:13 Page 12

setembro 2001

Apadrinhamentos
e uniões eficazes Quadrante Design
Rua dos Abacateiros,
Aval de marcas fortes pode render boas estratégias de extensão de linhas Qd. 2, nº 12B
65076-010
os 5 400 novos produtos lançados roupas coloridas.” São Luis - MA

D anualmente no Brasil, cerca de dois Outro recurso é direcionar marcas para di-
terços são extensão de marca. É um ferentes públicos. O exemplo apresentado foi
número que fica longe do que ocorre nos Es- o da Arisco, que tem a azeitona Arisco (pa-
Fone: (98) 235-7810
Fax: (98) 235-7810
qtdesign@zaz.com.br

tados Unidos, onde 95% dos 20 000 lança- drão superior), a azeitona Beira Alta (padrão
mentos registrados a cada ano integram aque- intermediário) e a azeitona Petisco (padrão
le recurso de marketing, mas não deixa de mais popular). “Com essa estratégia a empre-
constituir uma verdadeira febre. Por que? sa não compromete a imagem de sua marca
Segundo Felipe Freitas Mendes, Grouper forte frente ao consumidor e ainda tem maior
Hellman’s – Unilever Bestfoods, por duas ra- poder de negociação com seus fornecedores.”
zões básicas: redução de custos e diminuição Quanto à estratégia de combinar marcas Usina Escritório de Desenho
de riscos sempre presentes na introdução de com forças específicas em suas categorias de Programação Visual
novas marcas num mercado produtos ou segmentos, como Rua Gandavo, 91
04023-000
crescentemente saturado de no- “Com essa estraté- Bis Laka, Clight com Nutras- São Paulo - SP
vidades. “Nos Estados Unidos, gia, a empresa não weet, IBM com Sucrilhos, com Fone: (11) 5571-6788
por exemplo, para consolidar o objetivo de que uma facilite Fax: (11) 5571-6788
uma marca hoje não são gastos compromete a ima- ou fortaleça a aceitação da ou-
usina@uol.com.br

menos de 250 milhões de dóla- gem de sua marca e tra, Freitas Mendes alerta: “A
res”, ele diz. “Além disso, a ex- tem maior poder de balança deve ficar claramente
tensão de marca facilita a entra- pendente para um dos lados,
negociação com
da do novo produto no mercado evitando conflito de interesses.”
e estimula a experimentação seus fornecedores” Mas o segredo de todas as
dos consumidores.” A extensão estratégias, segundo o pales- Whitecell
de marcas, ao contrário, capitaliza investi- trante, está em manipular a percepção do con- Rua Itápolis, 1480
01245-000
mentos já realizados. sumidor para que ele sinta o produto como São Paulo - SP
O uso de uma mesma marca para novos uma necessidade. “São as marcas, expostas Fone: (11) 3823-6544
produtos/categorias, porém, é apenas uma das pelas embalagens, que garantem um relacio- Fax: (11) 3661-9900
max@informare.com.br
quatro principais estratégias para o desenvol- namento durável com o produto, ao apelarem
vimento de novos produtos. As outras são a para a cabeça e para o coração do consumi-
multimarca (uma marca diferente para cada dor”, ele lembra.
produto, na mesma ou em outra categoria), a Para Freitas Mendes, o primeiro passo a
extensão de linha (itens adicionais numa mes- ser dado no processo de desenvolvimento de
ma linha de produtos) e as marcas combina- um produto/embalagem é enxergar aonde se
das (união de marcas com forças específicas quer chegar. “Depois, deve-se ser forte, po-
em suas categorias de produto ou segmentos). rém flexível, para conseguir atuar em vários
No caso da extensão de marca, Freitas mercados e segmentos”, recomenda. “Só
Mendes alerta para o perigo de canibalização não dá para, no meio do caminho, tentar des-
da marca mãe. “A extensão tem de casar com truir a imagem que o consumidor já consoli-
a imagem do produto original”, afirma, e dá dou.” Aí, o que dá é um antiexemplo: “Não
um exemplo: “Não dá para pensar em lançar é o caso de se criar uma margarina Bauduc-
um sabão em pó com a marca Cândida; no co, pois a marca certamente remete a produ-
mínimo o consumidor vai achar que só serve tos crocantes e de panificação, como biscoi- Comitê de Design
para lavar roupas brancas e que mancharia as to e panetone.” www.comitedesign.abre.org.br
26design-vencedores 13/09/01 12:38 Page 1

documento especial

Design de Embalagem Design de Embalagem


alimentos e bebidas higiene e limpeza
VENCEDOR:
MULLER ASSOCIADOS
Menção Honrosa: Labormax

O apelo premium do champanhe de vinho tinto Chandon


Rouge cativou os jurados do Prêmio. A Bench Design To-
Na categoria, dedicada
tal explorou um grafismo que traduz uma imagem de mis-
aos produtos de uso do-
tério, classe e novidade – neste último caso, vale lembrar
méstico para diferentes
que se trata de um produto novo no segmento de espu-
finalidades de limpeza,
mantes. Para complementar o visual, garrafa com design
ganhou o trabalho da
exclusivo da Saint-Gobain
Muller Associados para
e rótulo termoencolhível
as embalagens com mar-
da Sleever, produzido na
ca própria das redes de
França. C’est chic!
varejo Sam’s Club/Wal
VENCEDOR: Mart. O galão empilhável
BENCH DESIGN TOTAL dos produtos,
Menção Honrosa: fornecido pela
Saint-Gobain
Labormax, pro-
porciona gran-
des economias:
de espaço, na
armazenagem, e
de custos, na
comparação en-
tre preço e capa-
cidade de acon-
dicionamento.

Entre os artigos A DIL Consultores


de toucador e em Design ganhou
cosméticos em o prêmio com a
geral, a escolha criação da Linha de
recaiu sobre a Embalagens Tensor,
embalagem dos para produtos como
lenços de papel tornozeleiras, joe-
Softy’s, da Me- lheiras, bermudas
lhoramentos. A térmicas e outros
SP OK Design acessórios para ati-
levou o prêmio vidades físicas. Na
ao desenvolver embalagem, um
com competência dife- blister, a matéria-prima foi
rentes temas para atingir trocada de poliestireno
todos os tipos de consu- (PS) para PET, e houve a
midores, adaptados às aplicação da marca Tensor
versões do produto com em relevo, facilitando o
50, 75, 100 e 150 folhas. empilhamento através de
Houve divisão da men- encaixes. Um cartão inse-
ção honrosa ao conver- rido dentro do blister des-
tedor entre a Box Print taca a marca aplicada so-
Grupograf e a Emibra. bre fundo azul, com fotos
de atletas em situações de
VENCEDOR: VENCEDOR: uso dos produtos. As
SP OK DESIGN DIL CONSULTORES EM DESIGN menções honrosas foram
Menções Honrosas: Menções Honrosas: para a Box Print Grupo-
Box Print Grupograf Box Print Grupograf graf e para a
Emibra Sunnyvale Sunnyvale.

Design de Embalagem Design de Embalagem


cosméticos e saúde
cuidados pessoais
26design-vencedores 13/09/01 12:38 Page 2

documento especial

Design de Embalagem Design de Embalagem


bricolagem miscelânea

VENCEDOR: VARIG
Menção Honrosa: Emplal

Materiais de construção, artigos de decoração e de ma-


nutenção ganham cada vez mais embalagens bonitas e
práticas. Essa constatação se aplica à embalagem ven- O apelo funcional e práti-
cedora da categoria, a da textura Suvinil Texturatto. A co da embalagem plásti-
lata do produto, fabricada pela Cia. Metalúrgica Prada, ca Express Meal garan-
apresenta a conveniência de uma tampa maior, o que tiu o prêmio da categoria
possibilita a retirada total do produto com maior facilida- Miscelânea à Varig. A
de ao usuário. Outro equipe de produtos da
produto beneficiado companhia aérea desen-
pela abertura maior é volveu as embalagens
a massa corrida. pensando sobretudo nas
refeições em
VENCEDOR: CIA.
vôos de curta
METALÚRGICA PRADA
duração. O
conjunto,
composto por
bandeja com
divisórias, de
coloração azu-
lada, e tampa
transparente,
é fabricado
pela Emplal.

A Brand Group De-


sign levou o prêmio VENCEDOR:
JOHNSON & JOHNSON
com o visual capri- Menções Honrosas:
chado das embala- Prodesmaq
gens dos DVDs da Sinimplast
Gradiente. O objetivo
do design era traduzir
o aparelho destacan-
do sua imagem, man-
tendo a identidade vi-
sual estabelecida na
linha de embalagens
da Gradiente. Para tanto,
O critério para a categoria Rede-
os aparelhos foram situa-
sign era contemplar a embala-
dos no primeiro plano, e o
gem cujo trabalho de atualiza-
fundo traz uma composi-
ção não fizesse perder a identifi-
ção que destaca um olho.
cação de seu conceito original.
Na faixa preta na parte in-
Levando isso em conta, os jura-
ferior da caixa de papelão
dos ficaram com a embalagem
ondulado foram coloca-
do enxaguatório bucal Reach,
dos os logotipos do fabri-
da Johnson & Johnson. Desta-
cante e das tecnologias
que para o arrojado frasco da Sinimplast, com design er-
presentes no produto. O
gonômico e tampa dosadora, e para o rótulo, confeccio-
convertedor da embala-
nado pela Prodesmaq, cujo visual passa a sensação de
gem é a PCE – Papel, Cai-
refrescância do produto.
xa e Embalagens.
VENCEDOR: BRAND GROUP
Menção Honrosa: PCE

Design de Embalagem redesign


eletroeletrônicos
e domésticos
26design-vencedores 13/09/01 12:39 Page 3

setembro 2001

Ecodesign Tecnologia

VENCEDOR:
VIDE O VERSO
Menção Honrosa:
Guedes Embalagens
Se a cerimônia fosse o Oscar – como até sugeria a pre-
sença do mestre de cerimônias Rubens Ewald Filho – um
dos grandes vencedores da noite, como são invariavel-
A preocupação em de- mente chamados aqueles que levam mais prêmios, seria
senvolver um projeto grá- o Chandon Rouge. O produto, além do prêmio na catego-
fico atraente combinado ria Alimentos e Bebidas, fez com que a Sleever Internatio-
com uma embalagem to- nal abocanhasse o prêmio da categoria Tecnologia, pelos
talmente reciclada e reci- rótulos termoencolhíveis
clável, com custo acessí- que se amoldam com per-
vel e que transparecesse feição aos contornos sin-
uma proximidade e res- gulares da garrafa.
peito ao meio ambiente
rendeu à Vide o VENCEDOR: SLEEVER
Verso o prêmio
de Ecodesign,
com as embala-
gens para o em-
pório natural
Biosfera. A Gue-
des Embalagens
ficou com a
menção honro-
sa destinada ao
convertedor.

Quanto ao lema “ex- A lata 230 gra-


portar ou morrer”, mas para o
tão em voga no Bra- bombom So-
sil, o pessoal da nho de Valsa
Lacta deve estar ganhou na ca-
tranqüilo. Pelo me- tegoria que
nos se o caminho avaliava casos
para o sucesso for que envolves-
beleza de suas em- sem um estu-
balagens for export, do de merca-
como a Lacta Kit do e de pa-
Free Shop, para drões de con-
bombons. Com ela, sumo que necessariamente
a Ph2 Estúdio Gráfico ganhou produziram modificações
o prêmio da categoria, mos- de conceito e/ou desenho
trando espécies da fauna e das embalagens. A lata foi
flora existentes no Brasil, se- decorada com fotos de
guindo as cores da bandeira pessoas em situações de
nacional. A imagem foi produ- alegria e carinho. Na tampa
zida para que as cores for- há um grande laço rosa,
massem um quarto de ban- para traduzir todo o roman-
deira, e que, juntas no ponto- tismo e tradição do produ-
de-venda, as caixas formas- to. Prêmio para a Kraft
sem a bandeira do Brasil por Foods Brasil, com menção
completo. As caixas são im- VENCEDOR: honrosa para a fabricante
VENCEDOR:
pressas pela Nova Página PH2 ESTÚDIO GRÁFICO KRAFT FOODS BRASIL da lata, a Metalgráfica
Gráfica e Editora. Menção Honrosa: Menção Honrosa: Itaquá.
Nova Página Metalgráfica Itaquá

Design para Case de Embalagem


Exportação
26design-vencedores 13/09/01 12:40 Page 4

documento especial

Embalagem Especial
Promocional empresa do ano

VENCEDOR:
KRAFT FOODS BRASIL

No entendimento do cor-
É isso aí! Para o relançamento da garrafinha original da po de jurados, a empresa
Coca-Cola, a Contour, a TW Design criou uma embala- usuária de embalagem
gem secundária promocional que acabou seduzindo os que mais incentivou o
jurados do prêmio e levando o troféu da categoria Pro- aprimoramento da emba-
mocional. O estojo, que acondiciona o produto tal como lagem no Brasil em 2001
uma jóia, traz em seu visual publicidades antigas da foi a Kraft Foods Brasil.
marca em tom sépia e rele- O reconhecimento serviu
vo seco na parte superior. para fechar com chave
A Takano mereceu a men- de ouro a participação da
ção honrosa como conver- empresa no Prêmio, já
tedora da embalagem. que ela também arrema-
tou as categorias Case
VENCEDOR: TW DESIGN de Embalagem e Embala-
Menção Honrosa: Takano
gem Para Exportação.

O visual descontraí-
VENCEDORA:
do e o apelo de pre- MARIANA CÉSAR
sente/brinquedo fi-
zeram com que um
número expressivo
dos quase 2 000 vo-
tantes elegesse a
embalagem promo-
cional de Páscoa do
Guaraná Caçulinha
Antarctica como a
melhor. Troféu para
a M Design, respon-
sável pelo projeto visual e O projeto escolhido foi o da Cai-
pela inscrição do case. xa de Lápis de Cor Color Box,
Cada embalagem acondi- desenvolvido por Mariana César,
ciona três garrafas de aluna da PUC do Paraná. A em-
guaraná e um coelho de balagem é focada num público
pelúcia, e as 500 000 uni- alvo formado por crianças de 4 a
dades do conjunto foram 12 anos e sua principal inovação
distribuídas nacionalmen- é a possibilidade de ser utilizada
te em 15 dias. Menção como um brinquedo – suas pe-
para a Riverwood, que ças de encaixe formam figuras.
produziu a multipack pas-
cal.

VENCEDOR: M DESIGN
Menção Honrosa: Riverwood

Design de Embalagem Estudante


voto popular da
melhor embalagem
Minalba 12/09/01 17:17 Page 1
26termotransf 14/09/01 17:54 Page 39

codificação

Esquentando o ritmo
Empresas de marcação investem em termotransferência

arece estar longe de se esgotar

FOTOS: DIVULGAÇÃO
o fôlego das empresas de mar-
cação de embalagens para con-
solidar a imagem de que seus
equipamentos podem fazer mais do que
apenas identificar a data de validade e o lote
dos produtos. Um dos fatores que reforçam
essa tendência é a crescente oferta de solu-
ções de impressão por termotransferência,
que, empregadas originalmente para marca-
ção de dados variáveis, começam a ser ven-
didas como inovadoras ferramentas de mar-
keting.
Também chamados de codificadores a Brady pretende estreitar a distribuição dos Impressora da
Zebra: não só para
quente, por possuírem cabeçotes de impres- equipamentos da Zebra, empresa norte-
códigos de barras
são aquecidos, os equipamentos de termo- americana que lhe fornece a maioria das so-
transferência estão mesmo ampliando suas luções de termotransferência, incluindo as
funções. Isso se explica porque, segundo da marca Eltron. “Reforçaremos nossa equi-
inúmeros especialistas, a tecnologia térmi- pe de suporte e assistência técnica dos equi-
ca, para aplicações específicas de marcação, pamentos da Zebra”, diz Fátima.
pode ser mais vantajosa do que sistemas de Aliás, a própria Zebra, sem alterar seus
impressão por jato de tinta ou laser. Assim, rigorosos critérios de terceirização de servi-
é perceptível no discurso das empresas de ços, pretende ampliar a participação do Bra-
marcação que suas máquinas de termotrans- sil em seu faturamento. Diego Rojas, geren-
ferência, mais do que imprimir datas de va- te de contas para América Latina, diz que a
lidade e códigos de barra, são capazes de re- empresa contratou um novo executivo, Car-
forçar o apelo de qualidade de uma marca. los Levenstein, para reforçar seu relaciona-
mento com os canais de distribuição brasi-
Novas possibilidades leiros. “Essa atitude decorre do amadureci- Hot Box 20,
Fátima Vercelli, diretora de marketing da mento do mercado de codificação no Brasil, da Lanin: preço
Brady, uma das grandes empresas de codi- que requer soluções modernas e suporte baixo mas com
qualidade de
ficação do Brasil, defende que as etiquetas competente”, declarou Rojas, em visita ao impressão
impressas com termotransferência são fer- Brasil para participar da Comdex, feira
a
e
ramentas de persuasão à compra. “Elas co- de tecnologia que aconteceu em agosto
m municam ao consumidor que aquele produ- último, em São Paulo.
to passou por um razoável controle de qua-
lidade”, argumenta. Além disso, segundo Para todos os bolsos
Fátima, com as novas tecnologias, o hot Também atuando como distribuidor de
stamping tem extrapolado a função de mar- impressoras, só que das marcas Sato,
car a data de validade e o dia de fabricação Diagraph e Wireless Mountain, a Euro-
dos produtos. “Já existem, por exemplo, pen está apostando na escalabilidade
empresas usando essa tecnologia para im- desses equipamentos como diferencial
pressão da composição de seus produtos no competitivo. Antonio Galván, diretor
verso das embalagens.” Nesse cenário, a comercial, explica que um dos carros-

set 2001 • EMBALAGEMMARCA – 39


26termotransf 14/09/01 17:54 Page 40

chefes nessa área, a M5900e, se destaca por Equipamentos


da ITW Norwwod
sua compatibilidade com outros equipamen-
distribuídos pela
tos de impressão de código de barras, o que Comprint
facilita, por exemplo, a inclusão de novos
caracteres no banco de dados da impressora.
Mas se para alguns fornecer a última pa-
lavra em tecnologia é a chave do sucesso,
outros players preferem atuar com máquinas
de termotransferência voltadas a pequenas
indústrias usuárias de embalagens. É o caso
da Lanin, que comercializa no Brasil equi-
pamentos da argentina tabile, também conhecida por suas aplica-
Faingold, e rolos e eti- Brady doras de etiquetas, e a norte-americana
www.brady.com.br
quetas da Codin, dos (11) 3686-4720
ITW Norwood, dona da marca Jaguar, a
Estados Unidos. Carlos Comprint
empresa pretende mudar alguns conceitos
Fabiano, diretor comer- www.comprint.com.br que considera correntes sobre as máquinas
cial, ressalta que, a des- (11) 3371-3350 de marcação de embalagens.
peito dos custos meno- Europen “Ainda há quem chame os equipamen-
Modelo 5900e, www.europen.com.br
da Europen res, a qualidade de im- (11) 5034-6211 tos de datadores, como se eles só fossem ca-
pressão dos equipamen- Lanin pazes de imprimir a data de fabricação e a
tos da linha Hot Box 20 não fica a dever cfabiano@lanin.com.br validade dos produtos”, comenta Helio Jar-
(11) 3906-7381
para a de máquinas mais caras. “A definição dim, diretor comercial da Comprint. Além
IImak
é a mesma”, ele diz. de romper clichês, ele também tem divulga-
www.iimak.com.br
Também comprovando a teoria de que a (21) 2493-3060 do um dos últimos lançamentos da empresa
área de termotransferência resguarda possi- Topcoat na área de termotransferência: a linha Ja-
bilidades para todos, a Comprint quer atuar www.topcoat.com.br guar II, específica para filmes flexíveis. “A
(11) 3277-1711
tanto em projetos pilotos de pequenas indús- idéia é oferecer esses equipamentos para
Zebra
trias quanto na seara das grandes empresas. (800) 423-0442 empresas que usem embalagens do tipo
Representando no Brasil a italiana Termos- www.zebra.com/z6m flow pack”, adianta Jardim.

Etiquetas com alta resistência


Uma despretensiosa caminhada pelos corre- nos casos de armazenagem por longos pe-
dores de um hipermercado revela que a codi- ríodos”, exemplifica a executiva.
ficação dos produtos diretamente nas embala- Outra empresa que fornece matériais auto-
gens, sem etiquetas, não constitui grande no- adesivos específicos para marcação de em-
vidade. Hoje, boa parte dos itens de qualquer balagens é a Torres, que há dois anos criou a
seção é codificada dessa forma. Mas parece divisão Topcoat, com a incumbência de aten-
improvável que tal tendência afete as empre- der ao mercado de papéis e filmes próprios
sas que fornecem etiquetas específicas para para termotransferência. Para isso, a divisão
marcação de embalagens. vem mantendo a parceria com a japonesa Ri-
Entre outros casos, é o que leva a crer a II- coh, especializada na produção de papéis
mak, especialista na fabricação de rolos e fi- térmicos. A idéia, de acordo com Renato Tor-
tas próprias para transferência térmica, tam- res, presidente da empresa, não era trabalhar
bém conhecidos como ribbons. com equipamentos. Mas o boom da termo-
Além de recentemente ter aberto uma fábrica transferência no Brasil levou a Torres a se
Etiquetas da IImak no Brasil, a empresa mantém importante par- posicionar também como fornecedora de im-
para marcação de
ceria com a Avery Dennison, voltada à venda pressoras. Para isso, foi escolhida a marca
embalagens:
parceria com a de rolos especiais para codificação a quente Argox. “Por estar ligado a informação, identi-
Avery Dennison feitos de filmes de vinyl, poliéster, além de rib- ficação e também automação de estocagem
bons resinados. Tais produtos, informa Au- e transporte de produtos embalados, o mer-
drey Kompier, diretora de marketing da IImak, cado de termotransferênca se manterá em
são próprios para aplicações que exijam ex- grande crescimento no Brasil”, prevê o fun-
cepcional resistência das etiquetas. “Como dador da empresa.

40 – EMBALAGEMMARCA • set 2001


Papirus 13/09/01 18:00 Page 1
26makingofB 13/09/01 10:50 Page 42

making of

Retorno da tradição
Paulista volta com novo design para aquecer mercado de PLF

resente no país desde 1933,

IMAGENS: DIVULGAÇÃO
P quando começou a se notabili-
zar distribuindo de porta em
porta seu leite em garrafas de
vidro, a Paulista havia saído “à francesa” do
mercado. Na onda das grandes aquisições,
a Danone absorveu a marca em dezembro
de 2000 e resolveu, por questões estratégi-
cas, retirá-la das gôndolas. Agora, para ele-
var a competitividade em iogurtes e sobre-
mesas lácteas, alimentos categorizados
como Produtos Lácteos Frescos, ou PLF, a
Paulista retorna à cena – com identidade vi-
sual nova e própria, para ser uma importan-
te marca guarda-chuva.
Para fortalecer a reestréia, a Danone Logotipos: no
tratou de investir forte em comunicação topo, o novo; logo
abaixo, o antigo.
apoiada nas embalagens, já que as fórmu- Ao lado, a estampa
las e os sabores dos iogurtes naturais, dos que resgata a gar-
que levam polpas de frutas e dos flans não rafa de vidro como
um símbolo de
sofreram inovações. A proposta, transmiti-
tradição. No canto
da à agência paulistana Sapien inferior esquerdo
Design, era que a nova rou- da página, o novo
pagem transmitisse os va- iogurte Batido

lores de nutrição e saú-


de associados ao leite
Paulista, sempre iden-
tificado em pesquisas nes, diretor de criação da Sapien Design. A
como muito forte e agência também redesenhou o logotipo da
tradicional. Com esse Paulista, para adequar a marca ao novo
objetivo, os novos re- momento de mercado. Assim, o desenho
cipientes ganharam a atualizado ganhou contornos mais arredon-
estampa “A Força do dados e profundidade, elementos que, se-
Leite”. gundo o designer, geram vínculo com as
“Resgatamos o íco- idéias de cremosidade e densidade, atribu-
ne representado pela tos que a Danone quer ligar fortemente à
garrafa de vidro, para marca Paulista. “O logo antigo era ‘muito
mostrar aos consumi- indústria’”, diz Antunes.
dores que o ingrediente No caso do visual das embalagens, ficou
principal dos produtos decidido o uso de força cromática em âmbi-
é um diferencial em re- to geral. Ou seja, combinações de cores
lação à concorrência”, mais fortes, para gerar maior contraste e vi-
explica Sérgio Antu- bração dos elementos. Seguindo esse norte,

42 – EMBALAGEMMARCA • set 2001


26makingofB 13/09/01 10:50 Page 44

atingir um resultado detalhista sem cair no


artificialismo.” Tanto as embalagens dos io-
gurtes com polpa como as do flan são for-
madas in-house pela Danone, a partir de
chapas plásticas da Coexpan.
O designer também diz que não houve
grandes dificuldades na adaptação do visual
para as diferentes embalagens e tampas,
embora cada substrato de impressão tenha
suas particularidades. Exemplo: enquanto a
logomarca recebeu três cores especiais na
tampa aluminizada, da Alcan, o mesmo
efeito pôde ser obtido com duas cores no
cartão da multipack. “Há mais liberdade
a Sapien buscou ressaltar a naturalidade e a Petit-Suisse traz a para trabalhar o visual no cartão, pelos re-
figura do Tourinho
pureza na linha de naturais, o sabor nos io- Paulista, para cati-
cursos do off set”, diz Antunes, “mas com-
gurtes com polpa e o appetite appeal no flan var crianças e mães pensações em outros materiais atingem um
e na Paulista Cream, nova sobremesa cre- resultado bastante parecido.”
mosa. Tudo, porém, sob um “conjunto har- Para completar o case Paulista, a Sapien
mônico”. ainda criou um personagem para estampar a
Sapien Design
Para os naturais, procurou-se usar cores (11) 3815-7026
linha de produtos infantis, composta por pe-
tidas como mais leves e frias, como azul e tit suisse, iogurte com polpa e iogurte para
branco, e efeitos como sombras suaves, tan- Paulista-Danone beber. É o Tourinho Paulista. Pesquisas en-
(11) 3741-9110
to nos potes plásticos, fornecidos pela Huh- comendadas pela Danone apontaram que o
tamaki Van Leer, como nas multipacks, da Alcan personagem geraria empatia imediata junto
Riverwood. Foi criado um logotipo exclusi- (11) 5503-0809 às crianças e seria um bom referencial para
www.alcan.com.br
vo para a linha, para passar a idéia de cre- as mães. Partindo de esboços à mão e pas-
mosidade acima de tudo. Riverwood sando pelos processos de colorização e de
(11) 4589-4505 retoques digitais, também no PhotoShop, o
riverwood@riverwood.com.br
Realismo fantástico Tourinho foi desenvolvido praticando di-
O trabalho com imagens foi outro ponto Coexpan versos esportes. “Assim como toda a linha,
(11) 4582-5029
fundamental na dinâmica do projeto. Hou- o Tourinho foi feito num trabalho em equi-
www.coexpan-net.com
ve cuidado especial na elaboração de fotos pe, impossível de ser finalizado de outra
e nos posteriores retoques digitais pelos forma”, diz Antunes. “Sem esse ambiente
quais passaram, para a criação de fusões ar- Composição entre de colaboração, não chegaríamos ao resul-
foto e ilustração:
tísticas – elementos que, de acordo com An- “realismo fantástico” tado esperado”.
tunes, são peças-chave no trabalho, pois
transmitem, pelo equilíbrio entre fotografia
e ilustração, um visual de realismo fantásti-
co. Um exemplo dessas composições é a
imagem contida numa das versões do io-
gurte natural, na qual uma colher derrama o
produto em um favo de mel. Nessa etapa
foram decisivos os recursos do popular
software PhotoShop, da Adobe.
Essa tática também foi adotada para
realçar as fotos das frutas nos iogurtes de
polpa e para o visual do flan. “Apontamos
a oportunidade de mostrar o flan mais artis-
ticamente, diferenciando-o dos concorren-
tes, que usam foto ou ilustração, e não com-
posições”, afirma Antunes. “O objetivo era

44 – EMBALAGEMMARCA • set 2001


26modulos 14/09/01 10:21 Page 1
26panoramaC 13/09/01 11:17 Page 46

Nova razão
“Orelhinhas” são as estrelas
A área de negócios WET da Sasib,
A Tetra Pak está encampando uma pak.com.br. “A idéia desta campanha
recentemente adquirida pelo gru-
nova campanha publicitária, na qual é estimular o consumo e gerar experi-
po suíço SIG de equipamentos de
as “orelhinhas” (abas) de suas emba- mentação de todos os produtos enva-
embalagem, passa a operar mun-
lagens cartonadas as- sados nas embala-
dialmente como SIG Simonazzi. No
sépticas são as princi- gens da empresa, be-
Brasil, a antiga Sasib agora passa
pais personagens. As- neficiando toda a ca-
a ser SIG Simonazzi Brasil Ltda.
sinada pela agência deia de consumo –
Ogilvy, a campanha clientes, supermerca-
À frente das resinas
quer estimular os con- dos e distribuidores –
Jean Daniel Peter foi reeleito pre-
sumidores a comprar e premiando e fideli-
sidente do Siresp – Sindicato das
produtos envasados zando os consumido-
Indústrias de Resinas Sintéticas do
em embalagens carto- res finais”, diz Nélson
Estado de São Paulo. É o terceiro
nadas oferecendo prê- Findeiss, presidente
mandato de Peter, ex-Union Carbi-
mios. O consumidor deve juntar vinte da Tetra Pak. Outdoors, cartazes,
de, hoje na Unigel.
abas de qualquer embalagem com a postais, anúncios em revistas e inser-
marca Tetra Pak e enviá-las para um ções em programas de televisão irão
Alumínio para o sul
endereço respondendo à pergunta divulgar a campanha, que vai até 15
Maior fabricante de latas de alu-
“qual a embalagem que dá 20 000 de novembro.
mínio do país, a Latasa está inves-
reais?”. Maiores informações podem (11) 5501-3223
tindo no sul. Uma nova fábrica
ser conseguidas no site www.tetra- www.tetrapak.com.br
está sendo erguida em Viamão, na
Grande Porto Alegre (RS). Ela co-
meçará a operar em junho de 2002
com produção de 750 milhões de
Acondicionamento polivalente
latas/ano, podendo chegar a 1,6 O Padpak é a novidade que a Sunnyvale está trazendo com exclu-
bilhão no final de 2004. sividade ao Brasil. Fabricado pela americana Ranpak, o sistema
consiste numa máquina que converte rolos de papel kraft em cama-
Quinze dias... das acolchoadas, não apenas para envolver ou embalar peças e
A ABRE estará realizando entre os partes, mas também para oferecer proteção no transporte, preen-
dias 22/10 e 02/11 a 1ª Quinzena chendo espaços em caixas. “É ideal para embalar produtos eletrôni-
da venda eletrônica de excedentes cos, automotivos, farmacêuticos, cosméticos e de informática”, diz
da Indústria de Embalagem. Em- Renata Kortenhaus, gerente comercial da Sunnyvale. O Pad-
presas do ramo poderão vender pak reduz a quantidade de material usado para envolver os
seus excedentes através dos sites produtos e tem matéria-prima 100% biodegradável e reciclável.
da ABRE (www.abre.org.br) e do (11) 3048-0146 • www.sunnyvale.com.br
Excess Channel (www.ech.com.br).

...para comprar ou vender


Fim do esquecimento
Esquecer de tomar o medicamento na hora
Poderão ser negociados equipa-
certa? Isso é coisa do passado para a
mentos, matérias-primas, supri-
Owens-Illinois, que acaba de lançar no
mentos, embalagens, aparas, imó-
mercado americano a tampa Remind
veis etc. Tudo funcionará como um
Cap. Ela possui luzes que piscam e
leilão virtual. Maiores informações
ainda emite sons para lembrar ao
pelos telefones (11) 3082-9722 ou
consumidor a posologia prescrita
0800 10 99 42.
pelo médico – é este último, aliás,
quem programa a tampa, agendan-
Novos caminhos
do o horário dos alarmes. De acor-
Renata Melman deixou a a10 De-
do com a empresa, trata-se de uma
sign, vendendo sua parte na agên-
solução para benefício tanto do pacien-
cia para a sócia Margarete Takeda.
te quanto dos profissionais de medicina.
www.o-i.com

46 – EMBALAGEMMARCA • set 2001


26displayB 13/09/01 10:36 Page 48

FOTOS: DIVULGAÇÃO

COCO EM PÓ NA LAVANDERIA Lata também para filhotes


Novidade para a área de Carlos Fernandes, o produ- A embalagem metálica da
serviço. A UFE – União Fa- to tem atributos que o dife- CSN que fez sucesso no
bril Exportadora está lan- renciam dos demais deter- primeiro semestre acondi-
çando no mercado nacional gentes em pó. “É ideal para cionando a ração para
o sabão de coco em pó a lavagem de roupas deli- cães Bomguy Premium tam-
UFE, também comercializa- cadas, para pessoas alérgi- bém está presente no novo
do sob a marca Ruth nos cas aos sabões em pó co- lançamento da Dumilho, a
estados do Rio de Janeiro, muns e para a pele de be- Bomguy Filhote. O novo
Espírito Santo e Rio Gran- bês, idosos e pessoas que produto traz exclusiva pro-
de do Sul. Segundo o ge- sofreram queimaduras”, ex- teína hidrolisada de frango,
rente de marketing da UFE, plica. “Além disso, por ser o que proporciona aos cãe-
feito de óleo de coco de ba- zinhos melhor digestão e
baçu, é totalmente biode- maior aproveitamento dos
gradável e não gera sub- nutrientes no organismo. A
produtos agressivos ao am- expectativa da Dumilho é
biente.” Vendido no volume que a versão em lata, com
de 500g, o UFE/Ruth é 5 kg, gere a mesma reper- The Year. Há também ver-
acondicionado em um saco cussão que a do Bomguy sões em embalagens flexí-
de polietileno, que por sua Premium, que ganhou este veis, fabricadas pela Inco-
vez vai dentro de um cartu- ano uma medalha no con- plast, nos volumes de 2 kg,
cho com detalhes em rele- curso internacional Cans Of 8 kg e 20 kg (foto acima).
vo, impresso pela Cartona-
gens Anapolina, de Brasília.
A responsável pelo visual Frasco com sotaque espanhol
da embalagem é a designer Dando mais uma prova de que é adepto da idéia de que
Isabela Perreta, da agência um bom perfume precisa de uma embalagem inovadora,
Hibris Design. O Boticário foi buscar a inspiração do designer espanhol
Juan Carlos Rustarazo para desenvolver o conceito vi-
EMBALAGENS PARA O DIA DA CRIANÇA sual do Clipping, sua mais nova fragrância masculina.
A Cromus, empresa do nagens da Turma da Mô- Com um frasco interno feito de polipropileno, a embala-
segmento de embalagens nica, de Maurício de Sou- gem foi desenvolvida com uma sofisticada válvula de
metalizadas em formato za. As embalagens po- propulsão mecânica, fornecida pela norte-americana
saco, preparou para o dem ser utilizadas para Ipack, e com um glicet de fechamento feito de nylon. Ou-
dia da criança uma nova acondicionar brinquedos, tro diferencial é a pintura, aplicada nas paredes internas
série de produtos infantis. roupas e CDs, entre ou- da embalagem, e não na parte de fora, método que impri-
Os motivos utilizados fo- tros, dispensando o uso
me ao produto uma
ram baseados nos perso- de tesoura ou adesivos.
tonalidade cinza-me-
tálica. Também para
aproveitar as possibi-
lidades de diferencia-
ção oferecidas por
seu material, o frasco
não utiliza rótulos.
Em seu lugar, as mar-
cas do perfume e de
seu fabricante apare-
cem em logos tridi-
mensionais, que fi-
cam próximos à base
da embalagem.

48 – EMBALAGEMMARCA • set 2001


26almanaque 13/09/01 10:31 Page 1

Almanaque
Solidificou-se no ar Parece que faz mais tempo
No final do século XIX, dia, por esquecimento, o Certas tecnologias hoje Garrafa descartável de
em Battle Creek, Michi- trigo cozido ficou expos- tão comuns no dia-a-dia vidro para refrigerante
gan, estudando dietas to ao ar durante vários das pessoas que sequer – Pré-rotulada, foi lança-
em que entravam ali- dias. O resultado foi merecem alguma aten- da em março de 1986
mentos nutritivos à base uma massa seca e oxida- ção foram saudadas pela Refrigerantes Arco
de cereais, os irmãos da da qual, após a moa- como fantásticas novida- Íris, de São José do Rio
Kellogg, John Harvey e gem, se obteve um floco. des não faz muito tem- Preto (SP), nos sabores
William Keith, fizeram Nascia, assim, em 1894, po. Alguns exemplos, to- guaraná, limão e laranja.
uma experiência que o primeiro floco de trigo, dos com menos de quin-
previa a obtenção de fi- semente da Battle Creek ze anos no mercado bra-
nas folhas de grãos de Toasted Corn Flake sileiro:
trigo. Eles ferviam, cozi- Company, fundada em
nhavam e prensavam a 1906. Em três anos, as Código de barras – In-
massa constituída pelo vendas mensais da em- troduzido no Brasil na
farelo, que tostavam e presa saltaram de 33 segunda metade da déca-
em seguida moíam. Um caixas para 83 000. da de 80 do século pas-
sado.

Garrafa de PET – A de
2 litros estreou com a
marca Coca-Cola no fi-
nal de 1988.

Em defesa da marca Tampa de alumínio,


Em plena voga atualmente, a atividade da pirata- Lata de alumínio – In- com rosca – Lançadas
ria, hoje sinônimo de produtos falsificados, não é ventada em 1960 e aper- simultaneamente pela
mais novidade entre nós. Veja-se o teor de anúncio feiçoada com anel que Pepsi e pela Coca-Coca
veiculado em jornais brasileiros do século XIX: não solta da tampa em no Brasil no início de
1974, só começou a ser 1988.
Farinha Lactea usada no Brasil em
Eu abaixo assignado, Henri Nestlé, fabri-
1990, pela cerveja Skol.
cante da farinha Lactea (farine Latée) en
Vevey, na Suissa, declaro que tenho um só
Refrigerantes diet – Es-
e único agente no Brasil, o sr. d. Filip-
trearam no país no final
pone, da rua do Ouvidor n. 93, no Rio de
de 1988, com o guaraná
Janeiro, e que por consequencia todas as
Diet Dolly, da Momesso.
pessoas, que quizerem ter a certeza de
obter o verdadeiro producto de minha fá-
brica, deverão verificar se se acha es-
cripto no rotulo, em portuguez, o nome do
Tampa de rosca
sr. Filippone.
plástica – Início
Faço esta declaração por ter chegado ao
meu conhecimento que se vendem, com meu
de 1990, produzi-
nome, caixas de farinha falsificada.
da pela Alcoa
Vevey, 28 de Agosto de 1876 – (Assignado)
para a Coca-
HENRY NESTLÉ.
Coca. Substituiu
Único agente em S. Paulo, Henrique L. Levy. a de alumínio.

50 – EMBALAGEMMARCA • set 2001


Top de Embalagem 12/09/01 17:26 Page 1