Você está na página 1de 16

17

CDD. 20.ed. 613.707

A EDUCAÇÃO FÍSICA, A FORMAÇÃO DO CIDADÃO


E OS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS1

Suraya Cristina DARIDO*


Irene Conceição RANGEL-BETTI*
Glauco Nunes Souto RAMOS**
Zenaide GALVÃO***
Lilian Aparecida FERREIRA****
Eduardo Vinicius MOTA E SILVA***
Luiz Henrique RODRIGUES***
Luiz SANCHES*
Gustavo PONTES*****
Felipe CUNHA******

RESUMO
O Ministério da Educação e do Desporto, através da Secretaria de Ensino Fundamental,
inspirado no modelo educacional espanhol, mobilizou um grupo de pesquisadores e professores no sentido de
elaborarem os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Os PCNs têm como função primordial subsidiar a
elaboração ou a versão curricular dos estados e municípios. Neste estudo procurou-se analisar a proposta de
Educação Física para os 3o. e 4o. ciclos (5a. a 8a. séries do ensino fundamental) contida nos Parâmetros
Curriculares, área Educação Física, procurando desvelar os seus aspectos inovadores, bem como apresentar e
discutir as críticas formuladas aos documentos, desde os seus pressupostos teóricos, processo de elaboração e
realização dos PCNs. A metodologia consistiu em uma pesquisa qualitativa, através de análise bibliográfica.
Os PCNs - área Educação Física para o 3o. e 4o. ciclos, apresentam alguns avanços e possibilidades
importantes para o componente curricular, embora muitas destas idéias já estivessem presentes no trabalho de
alguns pesquisadores. Contudo, o texto publicado pelos PCNs auxiliou na organização destes conhecimentos,
articulando-os nas suas várias dimensões. Como principais contribuições podem ser considerados os seguintes
aspectos: o princípio da inclusão, as dimensões dos conteúdos e os temas transversais. Consideramos que os
PCNs constituem um avanço no sistema educacional brasileiro, ressaltando que uma proposta isolada não
pode pretender dar conta de todos os problemas educacionais, dada a complexidade nacional.
UNITERMOS: Educação física escolar; Proposta pedagógica.

INTRODUÇÃO

O Ministério da Educação e do os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Em


Desporto, através da Secretaria de Ensino 1997, foram lançados os documentos referentes aos
Fundamental, inspirado no modelo educacional 1o. e 2o. ciclos (1a. a 4a. séries do Ensino
espanhol, mobilizou a partir de 1994 um grupo de Fundamental) e no ano de 1998 os relativos aos 3o.
pesquisadores e professores no sentido de elaborar e 4o. ciclos (5a. a 8a. séries), incluindo um

*
Universidade Estadual Paulista – Rio Claro – SP.
**
Universidade Federal de São Carlos – SP.
***
Universidade Castelo Branco - SP
****
Universidade Estadual Paulista – Bauru – SP.
*****
Rede Particular de Ensino – SP.
******
Rede Particular de Ensino – Jundiaí - SP.

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


18 DARIDO, S.C. et alii

documento específico para a área da Educação que sejam capazes de: a) participar de atividades
Física (Brasil, 1998a). Em 1999, foram publicados corporais adotando atitudes de respeito mútuo,
os PCNs do Ensino Médio por uma equipe dignidade e solidariedade; b) conhecer, valorizar,
diferente daquela que compôs a do Ensino respeitar e desfrutar da pluralidade de
Fundamental, e a supervisão ficou sob a manifestações da cultura corporal; c) reconhecer-se
responsabilidade da Secretaria de Ensino Médio, como elemento integrante do ambiente, adotando
do Ministério da Educação e do Desporto (Brasil, hábitos saudáveis relacionando-os com os efeitos
1999). sobre a própria saúde e de melhoria da saúde
De acordo com o grupo que coletiva; d) conhecer a diversidade de padrões de
organizou os Parâmetros Curriculares Nacionais, saúde, beleza e desempenho que existem nos
estes documentos têm como função primordial diferentes grupos sociais, compreendendo sua
subsidiar a elaboração ou a versão curricular dos inserção dentro da cultura em que são produzidos,
estados e municípios, dialogando com as propostas analisando criticamente os padrões divulgados pela
e experiências já existentes, incentivando a mídia; e) reivindicar, organizar e interferir no
discussão pedagógica interna às escolas e a espaço de forma autônoma, bem como reivindicar
elaboração de projetos educativos, assim como locais adequados para promover atividades
servir de material de reflexão para a prática de corporais de lazer (Brasil, 1998a).
professores. Quanto à conceituação de cidadania,
Os PCNs são compostos pelos Aristóteles considerava-a como a possibilidade
seguintes documentos: documento introdutório, concreta do exercício da atividade política, ou seja,
temas transversais (Saúde, Meio Ambiente, Ética, poder governar e ser governado. Esse enfoque é
Pluralidade Cultural, Orientação Sexual, e enriquecido por Arendt (citada por Palma Filho,
Trabalho e Consumo) e documentos que abordam 1998, p.108), ao conceber a cidadania como o
o tratamento a ser oferecido em cada um dos “...direito a ter direitos, identificando-o como
diferentes componentes curriculares. primeiro direito humano fundamental, do qual
As propostas elencadas, sobretudo todos os demais derivam-se”. Esse conceito parece
nos PCNs - área Educação Física para os 3o. e 4o. ter grande abrangência, não se restringindo a
ciclos - apresentam alguns avanços e possibilidades território ou nacionalidade. Além disso, representa
importantes para a disciplina; embora muitas destas uma qualidade social do ser humano, que deve ser
idéias já estivessem presentes no trabalho de conquistada durante sua vida (Palma Filho, 1998).
alguns autores brasileiros (Betti, 1991, 1994, 1995; A Educação Física, influenciando,
Darido, 1999; Soares, Taffarel, Varjal, Castellani mas sendo principalmente influenciada pelo
Filho, Escobar & Bracht, 1992, só para citar contexto escolar (Betti, 1991; Crum, 1993), sofre
alguns), em discussões acadêmicas, bem como no da mesma limitação que acompanha o processo de
trabalho de alguns professores da rede escolar de educação formal, quando pretende contribuir para a
ensino. Contudo, o texto publicado pelos PCNs plenitude da cidadania. Isto implica na necessidade
auxiliou na organização desses conhecimentos, de outras instituições sociais contribuírem com a
articulando-os nas suas várias dimensões. Educação Básica, mas sem vinculá-la somente a
Este estudo procurou analisar a interesses particulares, como o “mercado de
proposta de Educação Física para os 3o. e 4o. trabalho”.
ciclos (5a. a 8a. séries do ensino fundamental) A partir dessas considerações, alguns
contida nos Parâmetros Curriculares, área pressupostos podem ser inferidos na tangência
Educação Física, buscando desvelar os seus estabelecida entre a cidadania e a Educação (Palma
aspectos inovadores, bem como apresentar e Filho, 1998). Inicialmente, tem-se que a Educação
discutir as críticas formuladas aos documentos, nunca é neutra, podendo direcionar-se ou até
desde os seus pressupostos teóricos, processo de mesmo gerar conformismo e subserviência ou
elaboração e realização dos PCNs. posicionamento crítico e reflexivo. Essa
característica deve-se a aspectos subjetivos
(ideologias) e objetivos (diretrizes curriculares),
A PROPOSTA PARA A EDUCAÇÃO FÍSICA relacionados às tendências pedagógicas (Libâneo,
1985; Luckesi, 1994) que também são atuantes na
Eleger a cidadania como eixo Educação Física Escolar (Darido, 1999; Resende,
norteador significa entender que a Educação Física 1994).
na escola é responsável pela formação de alunos

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


A educação física, a formação do cidadão 19

Além disso, a Educação está a documento que nos auxiliam na compreensão de


serviço de um determinado tipo de cidadania que uma proposta de Educação Física cidadã: a) o
não pode ser “ganha” ou outorgada, mas sim princípio da inclusão; b) as dimensões dos
conquistada. No primeiro caso, trata-se de uma conteúdos (atitudinais, conceituais e
cidadania relativa, ao passo que no segundo caso procedimentais); c) e os temas transversais. Senão
trata-se de uma cidadania plena. vejamos:
Ao considerar as estruturas da
sociedade brasileira inserida em um contexto Inclusão
democrático e capitalista, necessita-se reconhecer a
influência de fatores externos nesse sistema O modelo de Educação Física
(Fernandes,1973; Ianni,1994). Elementos como a contido nos PCNs (Brasil, 1998a, p.19) propõe
globalização econômica e o neoliberalismo político como princípio básico a necessidade das aulas
atuam de modo a exacerbar diversos problemas serem dirigidas a todos os alunos. Nas palavras dos
nacionais há tempos, sendo apenas mais notórios PCNs:
ao final do século XX (Sanches Neto & Oyama, A sistematização dos objetivos,
1999). Isto posto, ainda que o paradigma conteúdos, processos de ensino e
predominante seja a liberdade individual em aprendizagem e avaliação tem como
detrimento de outros princípios, a cidadania deve meta a inclusão do aluno na cultura
compreender a igualdade. Não apenas a igualdade corporal de movimentos, por meio da
de direitos (legal), mas a de fato. participação e reflexão concretas e
A respeito da igualdade, segundo efetivas. Busca-se reverter o quadro
Rousseau (citado por Palma Filho, 1998, p.104-5), histórico de seleção entre indivíduos
seria preciso não entender por esta aptos e inaptos para as práticas corporais,
palavra que os graus de poder e de resultante da valorização exacerbada do
riquezas sejam absolutamente os desempenho e da eficiência.
mesmos; mas que, quanto ao poder, ele Prova de que muitas idéias já vinham
se encontra abaixo de toda a violência e sendo discutidas na área pode ser observada no
nunca se exerce, senão em virtude da princípio da inclusão, que Betti (1991), por
posição social e das leis. E quanto à exemplo, defendeu anteriormente como princípio
riqueza, que nenhum cidadão seja da não exclusão.
suficientemente opulento para poder De todos os fatores de exclusão,
comprar o outro, e que nenhum seja tão talvez o mais grave esteja relacionado à exclusão
pobre que seja coagido a vender-se. social. Na escola percebemos que este fator está
Contraditoriamente, algumas relacionado não apenas ao ingresso, mas também à
condições necessárias para a construção da permanência na escola. Por inúmeras razões, tais
cidadania democrática, embora amplamente como não possuir o material adequado para
reconhecidas não são atendidas. É o caso da acompanhar as aulas, por terem que ingressar
qualidade na Educação Básica e na gestão do rapidamente no mercado de trabalho para auxiliar a
sistema escolar, que deveria ser gerida pelos seus família ou por repetirem de ano, crianças e
próprios autores e usuários diretos (Palma Filho, adolescentes acabam desistindo ou mesmo sendo
1998). De acordo com esse autor, o sistema obrigadas a abandonar a escola.
educacional deve ser plural e, nesse sentido, os Todavia, a exclusão, discriminação
PCNs devem atender à pluralidade de e/ou preconceito não se refere apenas ao abandono
manifestações em Educação Física, escolar, reflete-se em ações de todos os envolvidos
compreendendo as diversas abordagens para o no contexto educacional, mesmo que sem
componente curricular. intenções, culpas ou clareza quanto a este processo.
Inúmeros são os exemplos, dos quais podemos
citar: a discriminação dos alunos portadores de
AVANÇOS COM RELAÇÃO À EDUCAÇÃO necessidades especiais ou dos alunos negros
FÍSICA (Inclusão, 1999).
Em Educação Física, tais fenômenos
Como principais avanços podem ser são ainda pouco estudados em conjunto, mas a
considerados os seguintes aspectos contidos no exclusão das práticas de atividades físicas dos

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


20 DARIDO, S.C. et alii

menos habilidosos, dos “gordinhos”, dos jogando queimada por pontos – quando o segundo
portadores de necessidades especiais, dos que usam jogador da equipe for queimado, o primeiro retorna
óculos, das meninas em determinados esportes, ao campo. O mesmo pode ser feito com a batata
entre outros, são exemplos que mostram a extensão quente.
da complexidade do problema.
Exclusão dos menos habilidosos e portadores de
A história da Educação Física no
necessidades especiais – é difícil reconhecer se
Brasil sugere que, mesmo dentro do contexto
um aluno é menos habilidoso porque não se expõe
escolar, sempre houve a seleção dos mais aptos em
ou se não se expõe por ser menos habilidoso. O
detrimento dos inaptos, propiciando a exclusão de
fato é que algumas crianças não gostam de
muitos alunos do contexto da cultura corporal de
participar de certas atividades, principalmente as
movimento. Assim, entendemos que a intenção dos
que envolvem a competição, por serem alvo de
PCNs, ao propor o princípio da inclusão, foi a de
severas críticas pelos demais companheiros. Os
vislumbrar uma Educação Física na escola com
procedimentos dos professores estão ancorados,
capacidade para superar a exclusão, o que
freqüentemente, na super valorização da perfeição
infelizmente ainda não ocorre na maioria das aulas
do gesto técnico e pelo fato destes, em sua maioria,
de Educação Física nos diferentes segmentos
optarem exclusivamente pela prática esportiva nas
escolares.
aulas de Educação Física escolar (Betti, 1995).
Mesmo quando alertados para tal
fato, muitos professores, em virtude do Sugerimos algumas alternativas que,
enraizamento (tradição) de determinadas atividades embora não eliminem os problemas, podem ao
excludentes possuem dificuldades em refletir e menos amenizá-los. Uma delas é a escolha de
modificar tais atividades. outros conteúdos, que não os esportivos
Quando o professor pode tradicionais: futebol, basquetebol, voleibol e
efetivamente ter uma prática inclusiva? Quando handebol, mas também: grandes jogos, capoeira,
apoia, estimula, incentiva, valoriza, promove o atletismo, ginástica artística, dança, atividades
estudante, etc. Valorizar todos os alunos expressivas, ginástica rítmica desportiva, tênis e
independentemente da etnia, sexo, língua falada, judô que poderiam compor o universo de
classe social, religião, opinião política ou social, conteúdos a serem explorados. Alguns trabalhos
deve ser a primeira estratégia do professor. Além neste sentido já foram experimentados na escola e
desta atitude, o professor deve favorecer discussões não requerem, como muitos chegam a pensar,
entre os alunos sobre o significado do preconceito, grandes investimentos materiais.
da discriminação e da exclusão. O processo ensino- A divisão em mais de duas equipes
aprendizagem deve ser baseado na compreensão, jogando na mesma quadra também proporciona
esclarecimentos e entendimento das diferenças. As maior oportunidade para muitos alunos de
estratégias escolhidas devem não apenas favorecer participarem. Muitos jogos podem ser jogados por
a inclusão, como também discuti-la e torná-la clara mais de duas equipes, no entanto, tradicionalmente
para os alunos. jogam duas equipes por vez.
Em relação às atividades práticas, as Mesmo a criança portadora de
que devem ser modificadas são as que possuem um necessidades especiais pode realizar parte destas
caráter de exclusão temporária ou total, dos menos aulas, bastando para isto que as outras crianças
habilidosos, do portador de necessidades especiais, sejam incentivadas a auxiliá-las. De acordo com a
de gênero e outras. Revista Nova Escola (Inclusão, 1999), as crianças
Citamos alguns exemplos que podem portadoras de necessidades especiais tendem a
ocorrer nas aulas de Educação Física: obter as seguintes vantagens quando convivem
com outras crianças: a) aprendem a gostar da
Exclusão total ou temporária – jogo de queimada diversidade; b) adquirem experiência direta com a
(ou queimado) – onde quem é queimado vai para o variedade das capacidades humanas; c)
“cemitério” e, no caso de ser um aluno que não demonstram crescente responsabilidade e melhor
consegue pegar muito na bola, acaba deixando de aprendizagem através do trabalho em grupo, com
jogar até o final do jogo. Outro exemplo é a “batata outros deficientes ou não; d) ficam melhor
quente” – quem fica com a batata ao final da preparadas para a vida adulta em uma sociedade
música é excluído. Em ambos os casos o mais diversificada; e) entendem que são diferentes, mas
indicado é encontrar uma saída que favoreça o não inferiores.
retorno dos alunos ao campo de jogo, por exemplo,

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


A educação física, a formação do cidadão 21

E os estudantes que participam analisar e abordar a realidade de forma que, com


auxiliando também se beneficiam, pois: a) têm isso, possa ser construída uma rede de significados
acesso a uma gama bem mais ampla de papéis em torno do que se aprende na escola e do que se
sociais; b) perdem o medo e o preconceito em vive. Desse modo, junto com considerações
relação ao diferente; c) desenvolvem a cooperação importantes como a relevância social do conteúdo
e a tolerância; d) adquirem grande senso de é apontada a preocupação em se trabalhar com os
responsabilidade, podendo melhorar o rendimento conteúdos escolares nas três dimensões: atitudinal,
escolar; e) são melhor preparados para a vida conceitual e procedimental (Brasil, 1998b).
adulta porque desde cedo assimilam que as Na Educação Física escolar, por
pessoas, as famílias e os espaços sociais, não são conta de sua trajetória histórica e da sua tradição, a
homogêneos e que as diferenças são preocupação do docente centraliza-se no
enriquecedoras para o ser humano. desenvolvimento de conteúdos de ordem
Uma Educação Física integrada à procedimental. Entretanto, é preciso superar essa
proposta pedagógica da escola, portanto, com perspectiva fragmentada, envolvendo, também, as
perspectivas educacionais realmente voltadas para dimensões atitudinal e conceitual. Segundo Ferraz
a formação do cidadão, precisa ter um olhar (1996, p.17) essas dimensões podem ser entendidas
direcionado para a inclusão. De acordo com da seguinte maneira na Educação Física:
Aquino (2000), o consagrado direito à educação A dimensão procedimental diz respeito
como requisito básico para a cidadania ao saber fazer (...). No que diz respeito à
democrática, se traduz na defesa incondicional de dimensão atitudinal, está se referindo a
uma escola para todos. Podemos complementar uma aprendizagem que implica na
esta consideração afirmando que é preciso e utilização do movimento como um meio
urgente uma Educação Física para todos, sem para alcançar um fim, mas este fim não
distinção de nenhuma ordem. necessariamente se relaciona a uma
Aquino ressalta que isso significa a melhora na capacidade de se mover
existência de uma escola de envergadura efetivamente. Neste sentido, o
democrática quando, além do acesso irrestrito movimento é um meio para o aluno
(aplicável a quaisquer segmentos vulneráveis da aprender sobre seu potencial e suas
população do ponto de vista da discriminação), limitações (...). [A dimensão conceitual]
estiver garantida a permanência efetiva de todos. (...) significa a aquisição de um corpo de
conhecimentos objetivos, desde aspectos
Dimensões dos conteúdos nutricionais até sócio-culturais como a
violência no esporte ou o corpo como
O segundo ponto que indica avanços mercadoria no âmbito dos contratos
na proposta dos PCNs refere-se às dimensões do esportivos.
conteúdo. Neste sentido, o papel da Educação
Física ultrapassa o ensinar esporte, ginástica, Com essa leitura da prática
dança, jogos, atividades rítmicas, expressivas e pedagógica, os PCNs da área da Educação Física
conhecimento sobre o próprio corpo para todos, em sugerem que as atitudes, os conceitos e os
seus fundamentos e técnicas (dimensão procedimentos dos conteúdos sejam trabalhados
procedimental), mas inclui também os seus valores em toda a dimensão da cultura corporal,
subjacentes, ou seja, quais atitudes os alunos envolvendo, dessa forma, o conhecimento sobre o
devem ter nas e para as atividades corporais corpo, esportes, jogos, lutas, ginásticas, atividades
(dimensão atitudinal). E, finalmente, busca garantir rítmicas e expressivas (Brasil, 1998a).
o direito do aluno de saber porque ele está Na prática concreta de aula significa
realizando este ou aquele movimento, isto é, quais que o aluno deve aprender a jogar queimada,
conceitos estão ligados àqueles procedimentos futebol de casais ou basquetebol, mas, juntamente
(dimensão conceitual). Na Educação Física, muitos com estes conhecimentos, deve saber quais os
vêm defendendo a proposta da inclusão de benefícios de tais práticas, porque se pratica tais
conhecimentos teóricos a respeito da cultura manifestações da cultura corporal hoje, quais as
corporal, entre eles: Bracht (1986), Soares et alii, relações dessas atividades com a produção da
1992 e Betti (1994). mídia televisiva, imprensa, dentre outras. Dessa
Na perspectiva do documento os forma, mais do que ensinar a fazer, o objetivo é
conteúdos são os meios pelos quais o aluno deve que os alunos e alunas obtenham uma

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


22 DARIDO, S.C. et alii

contextualização das informações como também causas e efeitos de sua dimensão histórica e
aprendam a se relacionar com os colegas, política. A reflexão ética traz à luz a discussão
reconhecendo quais valores estão por trás de tais sobre a liberdade de escolha. A ética interroga
práticas. sobre a legitimidade de práticas e valores
Apesar dos PCNs lançarem essa rica consagrados pela tradição e pelo costume,
proposta - ainda bastante recente, com o abrangendo a crítica das relações entre os grupos,
documento inicial publicado em 1997 - grande dos grupos nas instituições e ante elas, como
parte dos docentes que atuam nas escolas não também a dimensão das ações pessoais. Trata-se,
tiveram, em suas formações universitárias, tais portanto, de discutir o sentido ético da convivência
dimensões dos conteúdos. Nos cursos como humana nas suas relações com várias dimensões da
História, Matemática, Geografia, por exemplo, vida social: o ambiente, a cultura, o trabalho, o
destacam-se os enfoques conceituais. Já nos cursos consumo, a sexualidade e a saúde.
de Artes e Educação Física o enfoque centraliza-se Na Educação Física, por exemplo,
nos aspectos procedimentais. Além dessa Soares et alii (1992, p.63) já havia mencionado a
dificuldade, há a questão da tradição que necessidade e importância de tratar os grandes
acompanha cada uma das áreas, o que dificulta a problemas sociais nas aulas de Educação Física,
incorporação de outras maneiras para se trabalhar tais como: ecologia, papéis sexuais, saúde pública,
com os conteúdos. relações sociais do trabalho, preconceitos sociais,
raciais, da deficiência, da velhice, distribuição de
Temas transversais solo urbano, distribuição da renda, dívida externa;
e outros, relacionados ao jogo, esporte, ginástica e
Em 1995 foi iniciada a elaboração dança.
oficial do documento. Suas referências/escritores De acordo com os autores a
foram, em grande parte, os professores da Escola ...reflexão sobre estes problemas é
da Vila, do estado de São Paulo, e os parâmetros necessária se existe a pretensão de
curriculares da proposta espanhola, tendo como possibilitar ao aluno da escola pública
destaque o professor César Coll (professor da entender a realidade social,
Universidade de Barcelona) na consultoria do interpretando-a e explicando-a a partir
documento brasileiro. dos seus interesses de classe social
Com essas influências o discurso dos
Nos documentos dos PCNs esta
PCNs gira em torno da cidadania, entendendo a
necessidade é apresentada para todas disciplinas
escola como um dos espaços possíveis de
escolares, e os temas elegidos de acordo com a
contribuição para a formação do cidadão crítico,
proposta pedagógica de cada escola. A disciplina
autônomo, reflexivo, sensível e participativo. E, na
de Educação Física, por sua vez, deve participar,
perspectiva de consolidar tal objetivo, o documento
estando integrada à proposta pedagógica da escola,
apresenta como temática central os temas sociais
assim como preconiza a nova Lei de Diretrizes e
emergentes, indicando-os como questões geradoras
Bases da Educação (Brasil, 1996).
da realidade social e que, portanto, necessitam ser
Embora tenham realizado severas
problematizados, criticados, refletidos e,
críticas ao documento preliminar dos PCNs da área
possivelmente, encaminhados.
de Educação Física para os 1o. e 2o. ciclos (1a. a
Tais temas são chamados de Temas
4a. série do ensino fundamental), publicadas pelo
Transversais, pois podem/devem ser trabalhados
Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE,
por todos os componentes curriculares, logo, sua
1997), Souza, Vago & Mendes (1997) avaliam
interpretação pode se dar entendendo-os como as
positivamente a articulação do ensino da Educação
ruas principais do currículo escolar que necessitam
Física com os temas do paradigma da vida cidadã,
ser atravessadas/cruzadas por todas as disciplinas.
que são explicitados nas Diretrizes Curriculares
Os temas desenvolvidos apresentam as seguintes
Nacionais: saúde, sexualidade, vida familiar e
problemáticas: Ética; Meio Ambiente; Trabalho e
social, meio ambiente, trabalho, ciência e
Consumo; Orientação Sexual; Pluralidade Cultural
tecnologia, cultura e diferentes linguagens. Os
e Saúde, ou outros temas que se mostrem
autores afirmam que “ampliar a problematização
relevantes.
sobre o tratamento pedagógico que o ensino da
Esta concepção apresenta uma
Educação Física pode oferecer-lhes parece-nos
reflexão ética como eixo norteador, por envolver
fundamental” (p.53).
posicionamentos e concepções a respeito das

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


A educação física, a formação do cidadão 23

A seguir, ainda que de forma inicial, construção de formas operacionais e contextos


apresentaremos algumas interfaces dos temas pedagógicos para que valores relacionados ao
transversais nas aulas de Educação Física, ou seja, princípio da dignidade humana e construção de
como é possível antecipar e elaborar propostas que autonomia moral sejam exercidos, cultivados e
englobem os grandes problemas sociais brasileiros, discutidos no decorrer das práticas da cultura
ou, por outro lado, que posicionamento o professor corporal na escola. Tal procedimento poderia ser a
pode tomar frente às situações inesperadas que experiência de respeitar e ser respeitado; realizar
aparecem durante as aulas de Educação Física. ações conjuntas; dialogar efetivamente com colegas
A metodologia empregada para o e professores; receber solidariedade e ser solidário;
tratamento dessa temática transversal deve ser ter acesso a conhecimentos que alimentem a
integrada tanto em relação aos próprios temas, compreensão e a cooperação e analisar criticamente
quanto à proposta político-pedagógica do situações concretas dentro e fora da escola. Vejamos
componente curricular e da escola, salientando que como isso pode ocorrer nas aulas de Educação
o trabalho do professor não se limita aos Física escolar.
condicionantes dessas propostas. Isso significa que Alguns alunos são considerados mais
o professor, de certa forma, tem autonomia para a habilidosos que outros, no futebol, por exemplo, o
consecução de seu trabalho, ainda que a instituição que faz muitas vezes com que os considerados
escolar não ofereça as condições ideais para sua “melhores” sejam supervalorizados, enquanto os
prática profissional ou nem mesmo uma proposta menos habilidosos sejam desconsiderados ou
político-pedagógica previamente elaborada. indesejados. O professor deveria chamar atenção
Entendida desse modo, a Educação Física escolar para as diferenças de habilidades motoras e
deve enfatizar mais o aspecto social do que o capacidades físicas, assim como cognitivas e
individual na abordagem dos temas transversais. afetivas sociais. Ilustrar que todos estão na escola
Nesse âmbito, ao anteciparmos por usufruindo o mesmo direito de educação e de
meio de exemplos algumas possíveis situações de movimento e que nem por isso necessitam ser
ocorrência comum nas aulas, pretendemos apenas iguais. Reconhecer os limites e possibilidades
expor o caráter mais amplo da proposta, sem pessoais e alheias constitui um objetivo ético para o
limitar a intervenção do professor. respeito mútuo, já que por meio destes pode-se
expressar mais facilmente sentimentos e emoções
Ética admitindo dúvidas sem medo de ser ridicularizado.
Durante a execução de um jogo
Por meio da ampliação do olhar sobre comumente surgem dúvidas, discussões e inclusive
a prática cotidiana, o presente tema tem por objetivo brigas entre os participantes a respeito da validade
abordar e refletir a ética no contexto escolar, ou não de um gol ou ponto. Ao refletir e discutir
notadamente, enquanto conteúdo dos temas sobre problemas encontrados durante a atividade, as
transversais para as aulas de Educação Física. crianças podem expressar opiniões,
Observa-se, sobretudo nas aulas de questionamentos, dúvidas e retornar à pratica que
Educação Física, que os alunos expressam adquire um maior significado para as mesmas.
comportamentos de excitação, cansaço, medo, Muitas vezes, as regras presentes nas modalidades
vergonha, prazer, satisfação, entre outros. Isso se esportivas, quando não adequadas à realidade
deve, muitas vezes, ao fato das atitudes e decisões escolar, discriminam e excluem alunos. As situações
racionais serem afetadas pela intensidade e de desrespeito como agressões físicas ou verbais,
qualidade dos estados afetivos vivenciados apelidos pejorativos, discriminações em geral,
corporalmente. O desenvolvimento moral do deveriam ser identificadas e repudiadas. Questões
indivíduo está intimamente relacionado à afetividade referentes à violência também deveriam ser
e à racionalidade, e nas aulas de Educação Física levantadas, já que observamos o incentivo presente
escolar ocorrem situações que permitem uma intensa nos meios de comunicação inclusive no ambiente
mobilização afetiva e interação social. Tal cenário escolar.
apresenta-se como ambiente ideal para explicitação, Uma das maneiras de minimizar os
discussão, reflexão e aplicação de atitudes e valores efeitos da violência e da competitividade exacerbada
considerados éticos ou não éticos para si e para os poderia ser a aplicação de princípios dos jogos
outros. cooperativos, os quais emergem como uma proposta
Além da intervenção no momento adequada à formação do cidadão no meio escolar
oportuno, cabe ao professor de Educação Física a (Brotto, 1999; Cortez, 1996; Gonçalves, 1998).

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


24 DARIDO, S.C. et alii

Estruturados para diminuir os comportamentos tipicamente regionais, embora se possa pesquisar a


destrutivos e a pressão da competição os jogos sua origem e as modificações realizadas na
cooperativos podem promover a integração e a apropriação destas. Porém, em virtude de sua
participação de todos os alunos, desde que haja a riqueza sociológica, o esporte pode ser um grande
intervenção do professor neste sentido. Atribuir pólo de reflexão sobre os problemas relacionados à
responsabilidades como organizar e cuidar dos diversidade étnica e cultural, principalmente em
materiais, auxiliar o colega que apresente virtude de estar sempre presente na mídia,
dificuldades são atitudes fundamentais para que os relevando conflitos, que poderiam significar uma
alunos percebam que eles podem e devem ser grande oportunidade de se discutir com os alunos,
solidários. questões como:
O diálogo, de acordo com os PCNs a) a prática de declarações preconceituosas em
(Brasil, 1998b) é uma arte a ser ensinada na escola, momentos de grande tensão;
na qual o encontro se dá entre os indivíduos que b) motivos da grande presença de determinados
reconhecem, respeitam e saúdam no outro um grupos étnicos em esportes populares (futebol,
semelhante. Nas aulas de Educação Física o diálogo atletismo, basquete), em detrimento da
é dificultado, já que todos querem falar ao mesmo pequena participação destes mesmos grupos
tempo motivados por comportamentos emotivos já em esportes mais elitizados (automobilismo,
mencionados, mas o exercício de saber ouvir, golfe, tênis);
elaborar e discutir a atividade é fundamental. c) a possibilidade de integração entre diferentes
Convida-se o professor de Educação Física para povos, quando da realização de eventos
evidenciar o diálogo não verbal; dos gestos, internacionais maciçamente divulgados
expressões, e movimentos, o diálogo do “corpo que (olimpíadas, copas do mundo de futebol); e,
fala”. d) outras questões que estejam em destaque na
mídia.
Pluralidade cultural
Além disso, o professor de Educação
Física, assim como os dos demais componentes
O tema transversal “Pluralidade
curriculares, deve estar sempre preparado para
Cultural” tem como objetivo o desenvolvimento do
coibir a prática de atividades discriminatórias, no
respeito e da valorização das diversas culturas
momento da sua ocorrência, através do diálogo.
existentes no Brasil, contribuindo assim para uma
Porém, para isso, é necessário que reflita se em sua
convivência mais harmoniosa em sociedade, com o
própria prática profissional está ou não valorizando
repúdio a todas as formas de discriminação.
ou realizando atitudes discriminatórias, muitas
Uma das formas de se trabalhar o
vezes tão sutis e não percebidas por ele mesmo,
tema transversal “Pluralidade Cultural”, na área de
mas que podem influenciar seus alunos.
Educação Física pode ser por meio de vivências
das diferentes “manife stações das cultura
Meio ambiente
corporal”, utilizando para isso os esportes, as
danças e as lutas, como forma de conhecê-las e
A temática relacionada ao meio
valorizá-las.
ambiente vem sendo discutida com grande
No caso da dança isso se daria
freqüência nos últimos tempos, visto que a
através da vivência das diferentes danças típicas,
população tem se mostrado muito sensível aos
dos diversos grupos étnico-culturais que compõem
desdobramentos da apropriação desequilibrada dos
o Brasil, demonstrando assim a riqueza e a
recursos naturais em torno do nosso planeta.
diversidade de expressões existentes. O mesmo se
Tais discussões trazem orientações
aplicaria às ginásticas e as lutas, que ainda
no sentido de se evidenciarem as interpelações e a
conseguem manter suas raízes ligadas, às regiões
interdependência dos diversos elementos na
de origem, o que também possibilitaria o
constituição e na manutenção da vida, bem como a
conhecimento por parte dos alunos da diversidade
necessidade de se entender o ser humano como
cultural, ex: Capoeira- África/Brasil, Judô, Karatê -
parte deste processo, exaltando os princípios da
Ásia.
cidadania.
Já o esporte não parece possibilitar
O mesmo referencial capaz de trazer
diretamente essa diversidade de expressões
esclarecimentos sobre o relacionamento entre a
culturais, pois em sua versão moderna não tem
sociedade e a natureza, traz também contribuições
como característica a existência de modalidades

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


A educação física, a formação do cidadão 25

para o entendimento da relevância da Educação entra no mercado para ser consumido” (p.91). E,
Física como parte integrante da escola, para como possibilidade, o autor ressalta que “uma
trabalhar com atitudes, com formação de valores, visão revolucionária do corpo precisa começar pela
com o ensino e aprendizagem de habilidades e tarefa de sua desmistificação, mas uma
procedimentos, no sentido da construção de desmistificação que não caia no seu oposto, a
comportamentos “ambientalmente corretos”. ponto de esquecê-lo. O corpo esquecido também é
As intervenções nas aulas de um corpo doente” (p.92).
Educação Física, bem como nos eventos temáticos Assim, cumpre à Educação Física na
orientados para as questões relacionadas ao meio escola, oferecer elementos que auxiliem os alunos
ambiente, se mostram como um caminho possível a refletir como os signos são impregnados no
para a condução do trabalho. Coloca-se aqui a corpo, no que diz respeito ao tema trabalho e
necessidade de se expandir o conceito de espaço consumo. Como sugestão e exemplos, estamos
durante as aulas; espaço este que passa a ser propondo as seguintes temáticas para as aulas de
enxergado sob as dimensões dos elementos Educação Física escolar:
naturais constitutivos e sociais. a) quais mudanças ocorreram nas últimas
A identificação das características do décadas referentes às vestimentas (roupas,
espaço físico onde ocorrem as aulas (quadra, pátio, tênis...) destinadas à prática do esporte e da
sala, campo, ginásio...) no que se refere às atividade física? Quais são, realmente,
condições do piso, da qualidade do ar, do necessárias para as aulas regulares de
tratamento sonoro, da incidência/ausência de luz e Educação Física e quais são para o esporte de
calor, entre outros fatores, seguido da busca de rendimento? Quais as diferenças (por exemplo,
alternativas, que se realizam através de pesquisas e tênis com amortecimento, roupas justas, maiôs
a implementação de mudanças, na busca de que facilitam o deslizamento na natação...)? O
melhores condições, são fatores que podem trazer que é necessário? E o que é meramente
uma reflexão ampliada acerca da temática comercial? Qual a durabilidade, preço e
abordada. Outro ponto que merece destaque neste qualidade dos produtos esportivos? Quem os
tema é a necessidade de se vivenciar situações produz? E de que forma?
práticas em ambientes diferenciados (parque, b) além das roupas e calçados também seria
praça, praia, clube...) a fim de se estabelecer interessante incluir discussões a respeito do
comparações com a realidade vivida no dia-a-dia. consumo de aparelhos para ginástica, seus
reais benefícios ou não, ou mesmo o que
Trabalho e consumo esperar e procurar nas academias de ginástica.
c) na temática relativa ao trabalho, a
O tema transversal trabalho e empregabilidade dos jogadores de futebol
consumo pretende problematizar com os alunos a profissional pode ser uma fonte interessante de
quantidade e diversidade de “trabalho” presente em debates. Existe no imaginário dos alunos uma
cada produto ou serviço e suas relações, que são crença de que todos os jogadores são bem
muitas e bastante complexas. A globalização, o sucedidos. Discussões, palestras com ex-
trabalho escravo, infantil, a maximização do lucro jogadores a respeito da realidade do trabalho
a qualquer custo, o incremento da tecnologia, a do atleta podem contribuir para a ampliação
diminuição dos postos de trabalho, o desemprego, dessa visão, mostrando, inclusive, como atletas
as estratégias de vendas agressivas, a manipulação altamente remunerados convivem com outros,
de desejos criando-se necessidades e novos padrões muito mal pagos, sem segurança e sem
de consumo, o consumo de marcas, de qualidade, respeito às legislações trabalhistas, ou com o
durabilidade, adequação ao uso, preço e os direitos desemprego.
do consumidor são alguns dos temas que devem ser
discutidos dentro da escola, por todos os
Orientação sexual
componentes curriculares.
Especificamente quanto à Educação
Esse tema engloba os conceitos de
Física, Medina (1991) denuncia as inter-relações
sexualidade ligada naturalmente à vida e à saúde;
entre a sociedade, a Educação Física e o corpo
às questões de gênero dando ênfase ao papel social
consumo, quando afirma que “... o corpo virou
de homens e mulheres e os estereótipos e
fetiche e, no modelo de sociedade em que vivemos,
preconceitos da relação entre ambos; além das
o fetiche sempre vira mercadoria e é por aí que ele

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


26 DARIDO, S.C. et alii

discussões relacionadas às doenças sexualmente são geralmente, estigmatizadas. Outro exemplo é


transmissíveis e a gravidez na adolescência. dança para os meninos.
A partir da década de 80 a Nesse sentido, o professor precisa
sexualidade passou a ser discutida nas escolas, estar atento e deve estimular a reflexão sobre a
provavelmente em função do avanço da AIDS e do relatividade das concepções associadas ao
aumento do número de adolescentes grávidas. masculino e ao feminino; ao respeito mútuo entre
Porém, a verdadeira implementação desse tema, os sexos e o respeito às muitas e variadas
superando apenas aqueles conhecimentos acerca do expressões do feminino e do masculino. A
funcionamento do aparelho reprodutor humano, concepção de co-educação deve estar realmente
encontra-se distante da escola pública, presente nas aulas assim, meninos e meninas
provavelmente, devido às dificuldades encontradas devem vivenciar as mesmas práticas, discutindo e
pela escola e pelo professor ao abordar questões entendendo a questão das diferenças e buscando as
que envolvem valores, crenças e opiniões. melhores soluções.
A sexualidade torna-se um assunto
de grande importância quando visualiza, não Saúde
apenas a reprodução humana, mas também a busca
do prazer. A discussão deve estender-se além da O conceito de saúde apresenta
dimensão biológica, perpassando também pelas limitações quando se pretende defini-lo de maneira
dimensões psíquica e sócio-cultural. estanque e conclusiva. Isto porque quando se fala
A Educação Física se aproxima em saúde não podemos deixar de considerar seus
desse tema a partir do momento em que privilegia fatores de influência e determinação: o meio
o uso do corpo, ou a construção de uma “cultura ambiente, os aspectos biológicos,
corporal” cujos valores sobre beleza, estética socioeconômicos, culturais, afetivos e
corporal e gestual aparecem freqüentemente, assim psicológicos.
como as questões de gênero e da co-educação. Com esse significado mais dinâmico
Além disso, as possibilidades de proximidade entre do conceito de saúde, os PCNs fundamentam a
o professor de Educação Física e os alunos facilita concepção de saúde no exercício da cidadania,
consideravelmente as discussões. argumentando que é preciso capacitar os sujeitos a
As atividades que caracterizam as se apropriarem de conceitos, fatos, princípios,
aulas de Educação Física, as quais encontram-se tomar decisões, realizar ações e gerar atitudes
carregadas de linguagens simbólicas advindas da saudáveis na realidade que os mesmos estão
comunicação entre as pessoas ao jogar, dançar e inseridos.
lutar, possibilitam experimentar ou expressar afetos Neste sentido, as ações profiláticas
e sentimentos, desejos e sedução e essas sensações (promoção e proteção da saúde), complementam as
podem causar bastante prazer. ações curativas e de reabilitação e, por isso, não
A tarefa do professor de Educação podem existir isoladamente, justificando, também,
Física é perceber, levantar e discutir essas questões a inserção de tal tema na escola. Afinal de contas,
mantendo uma postura crítica e reflexiva de tal conhecer, discutir, conscientizar e instrumentalizar
maneira que seus próprios valores não sejam constituem alguns dos objetivos escolares.
explicitados e tomados como verdadeiros. Por Na Educação Física, a saúde esteve
outro lado, o professor pode também trabalhar tais historicamente ligada à área, muito embora tal
questões quando essas forem apontadas pelos ligação estivesse voltada ao caráter eminentemente
alunos, levando sempre em consideração sua faixa biológico e informativo. Superando essa
etária. perspectiva histórica a partir desse novo enfoque
As aulas de Educação Física (que na trazido pelos PCNs (Brasil, 1998b), a Educação
maioria das vezes, são mistas) também se Física necessita refletir sobre o conceito de saúde
encontram repletas de situações ligadas às relações de maneira mais ampla, de modo que as dimensões
de gênero, ou seja, a construção social e cultural do social, psicológica, afetiva e cultural também sejam
masculino e do feminino. Os valores privilegiadas.
preconceituosos são explicitados nas atitudes Reconhecer, portanto, o papel da
cotidianas dos alunos. Um exemplo seria o jogo de influência da mídia ligada à saúde e à atividade
futebol, por ser considerado um jogo física vincula-se à função do professor de
tradicionalmente masculino, as meninas que jogam Educação Física, responsabilizando-o por fazer
uma leitura crítica do cenário atual. Afinal, abrindo

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


A educação física, a formação do cidadão 27

um jornal, lendo uma revista ou assistindo à TV, Na verdade, os professores de


insistentes são os apelos feitos em prol da atividade maneira geral, e os professores de Educação Física
física. A mídia não descansa; quer vender roupas em particular, ainda enfrentam inúmeras
esportivas, propagandas de academias, tênis, dificuldades com o trato da transversalidade. Como
aparelhos de ginástica e musculação, vitaminas, organizar as aulas tendo como tema o meio
dietas..., uma espécie infindável de materiais, ambiente, a pluralidade cultural e a orientação
equipamentos e produtos alimentares que, por trás sexual, sem perder a sua especificidade? Não
de toda essa “parafernália”, impõem um discurso temos ainda tradição na reflexão e
do convencimento de um corpo belo, saudável e, encaminhamento de tais questões, mas
em sua grande maioria, de melhor saúde. Por isso reconhecemos que são fundamentais para a
tem-se a impressão, atualmente, que atividade formação do cidadão.
física e saúde são sinônimos (Carvalho, 1995).
Com esse pensamento, cabe ao
professor de Educação Física identificar o contexto ANÁLISE CRÍTICA
da saúde na área, construindo e incentivando
discussões e reflexões que possibilitem ao aluno Concomitantemente aos lançamentos
fazer uma leitura crítica do meio que o mesmo está dos PCNs foram publicadas várias críticas, tanto na
envolvido. área da Educação (Aguiar, 1996; Moreira, 1996;
Alguns temas que podem ser Souza, 1998), como na Educação Física (Brito,
trabalhados em aula referem-se às inúmeras 1997, 1999; Souza & Vago, 1999; Souza et alii,
associações da saúde com o esporte. O professor 1997; Taffarel, 1997). Tais críticas referem-se
necessita desnudar esse cenário, pois afinal de desde o processo de elaboração da proposta,
contas, será que o esporte é só saúde? Como necessidade de parâmetros ou de currículo mínimo,
explicar, por exemplo, a utilização abusiva do grupos constituídos, fontes e autores de base, até o
“doping” no meio esportivo? Ou ainda, qual a sistema político vigente, propositor dos
justificativa saudável entremeio a tantas lesões documentos. Chamamos a atenção para o fato de
causadas pela prática do esporte? que o livro organizado pelo Colégio Brasileiro de
Outra discussão possível, associando Ciências do Esporte (CBCE, 1997), do qual
Educação Física com a saúde, diz respeito à provém inúmeras críticas aos PCNs, refere-se à
“malhação” desmedida. Será que somente a prática versão preliminar dos PCNs de 1o. e 2o. ciclos. As
de atividades físicas garante uma vida saudável? E demais críticas referem-se aos documentos oficiais.
os modelos de corpo ditados pela mídia, onde está A seguir são apresentados alguns destes
a saúde nesta história? Ser magro(a) será que é argumentos e contra argumentos levantados pelos
sinônimo de ser saudável? pesquisadores.
Vale ainda discutir sobre as “dores
do dia seguinte”, ou seja, as sensações freqüentes O processo de elaboração e a distribuição dos
entre os “atletas de final de semana”, discussões documentos
sobre como capacitar o corpo a perceber seus
limites, evidenciando práticas corporais que Segundo o próprio Ministério da
trabalhem com estas questões. Além disso, a Educação, o processo de elaboração dos PCNs se
situação de estresse presente na sociedade deu da seguinte forma:
contemporânea faz-nos refletir sobre as Os documentos apresentados são
possibilidades das aulas de Educação Física nos resultados de longo trabalho, que contou
diversos setores da saúde: promoção, prevenção e com a participação de muitos educadores
recuperação (Ferreira & Ramos, 2000). brasileiros tendo a marca de suas
Embora tais apontamentos sejam experiências e de seus estudos, e foram
ainda restritos e numericamente pouco produzidos no contexto das discussões
significativos no que se refere ao universo da pedagógicas atuais. Inicialmente foram
Educação Física, a proposta de incluir os temas elaborados documentos, em versões
transversais na área se constrói a partir de uma preliminares, para ser analisados e
perspectiva de associação da mesma com os debatidos por professores que atuam em
grandes problemas sociais que têm afligido a diferentes graus de ensino, por
sociedade brasileira como um todo. especialistas da educação e de outras

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


28 DARIDO, S.C. et alii

áreas, além de instituições Considerando a diversidade do


governamentais e não-governamentais território nacional e a dificuldade de alguns
(Ministério da Educação). professores de disporem de livros e material de
Sabe-se, segundo depoimentos de pesquisa, os PCNs podem se constituir em mais
docentes que tiveram participações efetivas e uma possibilidade de consulta. As informações que
diretas durante o processo de elaboração dos obtemos dão conta de que em pequenos
documentos, que nem todos as sugestões e municípios, a disponibilidade deste material foi
pareceres encaminhados foram aproveitados. bastante bem vinda, não no sentido de oferecer um
Infelizmente, informações e dados desse tipo não modelo pronto e acabado para a educação, o que
foram divulgados pelo Ministério da Educação. não seria mesmo possível, mas sim, um material
A intenção inicial da Secretaria de disponível de reflexão e discussão.
Ensino Fundamental do MEC era a de que todos os
professores da rede pública do país recebessem o Quanto à qualidade do documento
conjunto de documentos, o que acabou não
ocorrendo. Como os documentos foram enviados A qualidade do documento parece
para as escolas, e não para as residências dos aceitável, inferida pelas poucas críticas quanto ao
docentes, muitos acabaram ficando sem os texto em si. De modo geral, os documentos são
exemplares. O número exato de professores que concisos e objetivos, salvo o documento formulado
receberam os documentos não foi divulgado, de para os ciclos iniciais do Ensino Fundamental em
toda forma, muitos foram agraciados. Mais uma sua versão preliminar. Entre os questionamentos
vez, vale ressaltar que tais informações foram aos PCNs, alguns apontam para as insuficiências
colhidas através da participação de alguns dos dos fundamentos e outros referem-se às análises da
autores desse texto no processo de elaboração dos área específica da Educação Física, como por
documentos e em cursos ministrados aos exemplo a coletânea de textos organizada pelo
professores da rede oficial de ensino das diversas Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte
regiões do Estado de São Paulo. (Brito,1999; CBCE, 1997). A redação da proposta
Os docentes que trabalham no foi bem articulada, em consonância com as
primeiro segmento do ensino fundamental (1a. a matrizes teóricas elegidas. Isto, contudo, propiciou
4a. séries) receberam um documento referente a outras críticas, pertinentes às próprias matrizes
cada área do conhecimento: Educação Artística, teóricas e não à qualidade do texto e distribuição
Educação Física, Matemática, Língua Portuguesa, do mesmo, lembrando-se, no entanto, que estas
História, Geografia, Ciências, além de três críticas referiam-se ao documento preliminar
documentos que contêm informações sobre os (CBCE, 1997).
temas transversais, e um documento introdutório.
Os professores do 3o. e 4o. ciclos receberam o A possibilidade de comodismo ou ceticismo
documento introdutório, os temas transversais e o
documento referente à disciplina. A possibilidade de comodismo ou
Depreende-se daí que os documentos ceticismo, devido à escassa e precária participação
dos PCNs, mais do que qualquer outro livro ou de professores e outros setores educacionais e afins
periódico, encontram-se à disposição de muitos na elaboração dos PCNs, foi uma crítica percebida
professores de Educação Física. Entretanto, isto aos documentos oficiais. Este aspecto perpassa
não quer dizer que os professores conheçam ou pela falta de análise de experiências curriculares
apliquem tais conhecimentos no seu cotidiano alternativas, promovidas por diferentes
escolar. movimentos sociais no país, anteriormente à
É preciso esclarecer que apesar elaboração do documento. Culmina na percepção
desses documentos estarem disponíveis na maioria da impossibilidade de se voltar atrás e desencadear
das escolas públicas brasileiras, poucos professores um processo tido como mais democrático. Limita-
os têm utilizado de maneira sistemática. Isto ocorre se, ainda, ao escopo de as críticas e sugestões
por razões diversas: documento de difícil leitura, levantadas não mudarem significativamente a
compreensão e aplicação, poucos investimentos na trajetória prevista para a implantação dos PCNs.
formação inicial e continuada dos professores (pelo Por fim, volta-se para a atuação dos professores na
próprio MEC), além de outros. instituição escolar, tendo como possíveis
repercussões uma resistência coletiva ou uma
individualista; esta última, mais relacionada com

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


A educação física, a formação do cidadão 29

uma atitude de comodismo, de acordo com Moreira matérias curriculares uma finalidade em si mesmas
(1996), que opta pela primeira alternativa. e as reintegra à luz dos temas transversais. É
Certamente, não se pretende que nas necessário compreender que tais temas não devem
aulas de Educação Física os professores tenham substituir as matérias, mas sim se atrelar a elas
atitudes passivas, como “dar a bola e sentar -se”, (Souza, 1998).
como poderia acontecer em uma situação de
rebeldia contra um sistema entendido como Quanto ao enfoque psicologizante
coercitivo. Entretanto, não se entende nesse texto
que o governo brasileiro vigente seja, pelo menos, “Enfoque psicologizante”,
tão coercitivo como o das ditaduras militares. Por apresentando viés por redução e por omissão de
outro lado, entende-se que a formação continuada é outros elementos relevantes, parece ser a
uma carência que pode resultar nesse tipo de denominação mais usual e aceita para as críticas à
comodismo, pois os professores devem ser fundamentação psicológica dos documentos. Nesse
qualificados para trabalhar com quaisquer âmbito, algumas críticas se fazem superficialmente
propostas que pretendam um objetivo não à própria escolha do consultor dos PCNs, o
fragmentado. Esta carência é o mote do projeto espanhol César Coll (Coll, Pozo, Sarabia & Walls,
“PCNs em Ação”, cujo objetivo é subsidiar o 1998), referindo-se a uma “transferência
trabalho com os componentes curriculares em cada educacional” (Moreira, 1990 citado por Moreira,
localidade brasileira, respeitando as idiossincrasias 1996). Outras, mais criteriosas, dizem respeito a
locais e globais. um tipo de reducionismo comum à quase totalidade
das investigações científicas e praticamente
A possibilidade de o documento servir preceitos inegável na área psicológica.
econômicos Trata-se da redução de problemas
complexos a apenas uma de suas variáveis. Aliás,
Parece concreta a possibilidade de o como é o caso do construtivismo pedagógico, que
documento constituir-se em um instrumento a considera a Educação enquanto eminente relação
serviço de preceitos econômicos na educação ensino e aprendizagem, desconsiderando os demais
(conceito neoliberal e tecnocrático de “qualid ade elementos existentes no processo, e.g., a política
total”). É o ponto de vista de que os princípios educacional vigente. Outras teorias psicológicas
neoliberais que pretensamente subsidiaram a parecem trilhar o mesmo caminho, como a da
proposta dos PCNs não constituem nem a melhor modificabilidade cognitiva proposta por Reuven
nem a única perspectiva de construção de uma Feuerstein, mas minimizando o problema das
Educação com qualidade no Brasil (Moreira, demandas de outros elementos relevantes, como a
1996). Sem pretender exaurí-la, convém relacionar situação econômica, social e política do educando
algumas características da proposta política (Ben-Hur, 2000). De qualquer modo, os PCNs não
neoliberal brasileira, como: ajuste fiscal; redução optam por uma tendência pedagógica
do “tamanho do Estado”, com mínima intervenção explicitamente e, portanto, não assumem tais
na sociedade; fim das restrições ao capital externo limitações, contribuindo para a elaboração de tais
(eliminação de empecilhos à entrada do capital críticas. O documento da área específica de
especulativo ou vindo do exterior); abertura do Educação Física cita uma preocupação com a
sistema financeiro (fim das restrições para que as formação de cidadãos críticos, atendo-se ao
instituições financeiras internacionais possam atuar tratamento de problemas sociais integrados aos
em igualdade de condições com as do país); conteúdos escolares. Tal prerrogativa é
desregulamentação econômica (redução das regras corroborada pelos documentos que abordam os
governamentais para o funcionamento da temas emergentes da sociedade global e brasileira.
economia); reestruturação do sistema
previdenciário (Sanches Neto & Oyama, 1999). A atribuição supervalorizada de solucionar os
Tais medidas, de cunho problemas educacionais
predominantemente econômico, relacionam-se
intimamente aos interesses do capital financeiro Atribuir ao documento
globalizado, inclusive no meio educacional. Por possibilidades de solução dos impasses
vezes, podem mascarar-se em asserções educacionais do país parece uma característica
utilitaristas, como a temática transversal que aceitável, pois todas as propostas educacionais
acompanha os PCNs, que pretensamente retira das devem voltar-se à solução de problemas

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


30 DARIDO, S.C. et alii

específicos. O contraponto reside na extrapolação incluídas e problematizadas no cotidiano da escola


das potencialidades de uma proposta nacional, buscando um tratamento didático que contemple a
portanto macroscópica, em tratar de situações sua complexidade e sua dinâmica, no sentido de
locais e microscópicas. Mesmo o trabalho amplo contribuir com a aprendizagem, a reflexão e a
ao nível nacional torna-se complicado, devido às formação do cidadão crítico. A Educação formal
dimensões estruturais e demográficas do Brasil. norteada pela cidadania pode contribuir para a
Possivelmente, seria mais eficaz se as condições formação de cidadãos críticos, muito embora ela
sociais em que ocorre a implantação da proposta seja condição necessária mas não suficiente para
fossem outras. O uso da televisão e de outras esta formação (Palma Filho, 1998).
tecnologias poderia otimizar ainda mais a ação dos Consideramos que os Parâmetros
canais educativos, se integrado à implementação Curriculares Nacionais, analisados criticamente
dos PCNs. Contudo, esta seria apenas uma variável quanto à qualidade e contextualização da
dentre pelo menos dez (Perrenoud, 2000), o que abordagem propositiva que representam, podem
permite inferir que apenas uma proposta isolada subsidiar avanços para a Educação Física escolar
não pode pretender solucionar quaisquer problemas no Brasil. Entretanto, o documento não pode ser
educacionais. utilizado como um currículo mínimo obrigatório a
ser seguido, ao contrário disso, e como lembra
Ferraz (2001), “ele pode vir a ser um subsídio
CONSIDERAÇÕES FINAIS importante para discussão e definição das
propostas pedagógicas elaboradas pelas escolas no
Neste texto apresentamos três exercício de sua autonomia”(p.S77). Apesar desse
aspectos que consideramos mais marcantes da avanço, no que se refere ao desencadeamento e
proposta dos PCNs - área Educação Física, que favorecimento dessas discussões, entendemos que
representam aspectos relevantes a serem buscados a política educacional vigente ainda não oferece
dentro de um projeto de melhoria da qualidade das condições propícias para a obtenção de tais
aulas, quais sejam; princípio da inclusão, as intentos.
dimensões dos conteúdos (atitudinais, conceituais e Desse modo, os PCNs parecem
procedimentais) e os temas transversais. Assim, a constituir-se em uma proposta isolada, sem
proposta destaca uma Educação Física na escola respaldo suficiente das demais instituições sociais e
dirigida a todos os alunos, sem discriminação. esferas de poder. Dado o período entre a
Ressalta também a importância da articulação entre elaboração da proposta preliminar e a publicação
o aprender a fazer, a saber por que está fazendo e dos documentos finais (entre 1996 e 1999), o
como relacionar-se neste fazer, explicitando as projeto de educação continuada “PCNs em Ação”
dimensões dos conteúdos, e propõe um (iniciado em 2000) parece uma tentativa tímida de
relacionamento das atividades da Educação Física suprir algumas necessidades objetivas para a
com os grandes problemas da sociedade brasileira, implementação da proposta, como a preparação
sem, no entanto, perder de vista o seu papel de dos professores. Esperamos que não seja também
integrar o cidadão na esfera da cultura corporal. uma tentativa tardia, pois alguns problemas
Sem dúvida tais aspectos se constituem em educacionais brasileiros parecem já ser estruturais
enormes desafios para os profissionais da área. e cada vez menos passíveis de interferências
A Educação e a Educação Física sistemáticas a médio prazo.
requerem que questões sociais emergentes sejam

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


A educação física, a formação do cidadão 31

ABSTRACT

PHYSICAL EDUCATION, CITIZENSHIP BUILDING


AND THE NATIONAL CURRICULUM PARAMETERS

The Ministry of Education and Sport, by means of the Secretary of Elementary School, inspired
on the Spanish educational model, mobilized a group of researchers and professors in order to elaborate the
National Curriculum Parameters (PCNs). The PCNs have as main function to support the States and Counties’
curricula elaboration or version. The authors of this study aimed to analyze the Physical Education
Proposition for Third and Fourth Cycles (fifth to eighth grade within the Elementary School), which is in the
Physical Education area PCNs, trying to elucidate its innovating aspects, and to present and discuss early
critiques to the documents – such as theoretical assumptions, elaboration and realization process. The
methodology consisted on qualitative research – through bibliographical analysis. Although Third and Fourth
Cycles’ Physical Education area PCNs feature some important advances and possibilities to the curricular
subject, many of the presented ideas were already in some researchers’ work. The text published as PCNs
assisted this knowledge organizing, articulating it on its various dimensions. As main advances one could list
the following items: inclusion principle, contents dimensions, and transversal themes. We consider PCNs as
an advance in Brazilian educational system, remarking that one single proposition cannot solve all educational
problems, due to the complexity of this country.

UNITERMS: School physical education; Pedagogical proposition.

NOTA _____. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e


quarto ciclos: educação física / Secretaria de Ensino
1. Trabalho elaborado pelo Laboratório de Estudos e Fundamental. Brasília, MEC/SEF, 1998a.
Trabalhos Pedagógicos em Educação Física - _____. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e
(LETPEF) – UNESP / Rio Claro - quarto ciclos: apresentação dos temas transversais/
http://www.rc.unesp.br/ib/efisica/letpef/letindex1.ht Secretaria de Ensino Fundamental. Brasília,
ml. MEC/SEF, 1998b.
_____. Parâmetros curriculares nacionais: ensino
médio/ Secretaria de Ensino Médio. Brasília,
MEC/SEM, 1999.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRITO, V.L.A. A educação física e a construção de uma
nova escola, na ótica da LDB. In: COLÉGIO
AGUIAR, M. Parâmetros curriculares nacionais e BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, org.
formação do educador: a reforma educacional Educação física escolar frente à LDB e aos PCNs:
brasileira em marcha. Educação & Sociedade, profissionais analisam renovações, modismos e
n.56, p.506-15, 1996. interesses. Ijuí, Sedigraf, 1997. p.113-20.
AQUINO, J.G. Do cotidiano escolar: ensaios sobre a _____. LDB, PCNs e rumos inclusivos da Educação
ética e seus avessos. São Paulo, Summus, 2000. Física. Presença Pedagógica, v.5, n.30, p.17-23,
BEN-HUR, M. Ensinando para a inteligência. São 1999.
Paulo, Senac, 2000. BROTTO, F.O. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte
BETTI, M. Educação física e sociedade. São Paulo, como um exercício de convivência. Campinas, 1999.
Movimento, 1991. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação
_____. O que a semiótica inspira no ensino da educação Física da Universidade Estadual de Campinas.
física. Revista Discorpo, n.3, p.25-45, 1994. CARVALHO, Y.M. O mito da atividade física e
BETTI, I.C.R. Esporte na escola: mas é só isso saúde. São Paulo, Hucitec, 1995.
professor? Motriz, v.1,n.1, p.25-31,1995. COLÉGIO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO
BRACHT, V. A criança que pratica esporte respeita as ESPORTE, org. Educação física escolar frente à
regras do jogo...capitalista. Revista Brasileira de LDB e aos PCNs: profissionais analisam
Ciências do Esporte, v.2, n.7, p.62-8, 1986. renovações, modismos e interesses. Ijuí, Sedigraf,
BRASIL. Ministério de Educação e do Desporto. Lei de 1997.
diretrizes e bases da educação nacional. Brasília,
MEC, 1996.

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001


32 DARIDO, S.C. et alii

COLL, C.; POZO, J.I.; SARABIA, B.; WALLS, E. Os MOREIRA, A.F.B. Os parâmetros curriculares nacionais
conteúdos na reforma: ensino e aprendizagem de em questão. Educação & Realidade, v.21, n.1, p.9-
conceitos, procedimentos e atitudes. Porto Alegre, 22, 1996.
ArtMed, 1998. PALMA FILHO, J.C. Cidadania e educação. Cadernos
CORTEZ, R.N.C. Sonhando com a magia dos jogos de Pesquisa, n.104, p.101-21, 1998.
cooperativos na escola. Motriz, v.2, n.1, p.1-9, PERRENOUD, P. 10 novas competências para
1996. ensinar. Porto Alegre, ArtMed, 2000.
CRUM, B. A crise de identidade da educação física: RESENDE, H.G. Tendências pedagógicas da educação
ensinar ou não ser, eis a questão. Boletim APEF, física escolar. In: RESENDE, H.G.; VOTRE, S.
n.7/8, p.133-48, 1993. Ensaios sobre educação física, esporte e lazer. Rio
DARIDO, S.C. Educação física na escola: ações e de Janeiro, SBDEF, 1994.
reflexões. Araras, Topázio, 1999. SANCHES NETO, L.; OYAMA, E.R. Da escravidão
FERNANDES, F. Capitalismo dependente e classes negra à “escravidão” econômica contemporânea:
sociais na América Latina. Rio de Janeiro, Zahar, implicações para a educação física no Brasil.
1973. Discorpo, n.9, p.45-71, 1999.
FERRAZ, O.L. Educação física escolar: conhecimento e SOARES, C.L.; TAFFAREL, C.N.Z.; VARJAL, E.;
especificidade, a questão da pré-escola. Revista CASTELLANI FILHO, L.; ESCOBAR, M.O.;
Paulista de Educação Física, p.16-22, 1996. BRACHT, V. Metodologia do ensino de educação
Suplemento 2. física. São Paulo, Cortez, 1992.
_____. Parâmetros curriculares nacionais: reflexões e SOUZA, E.S.; VAGO, T.M. A educação física e as
críticas. Motriz, v.7, n.1, p.S77-S83, 2001. diretrizes curriculares nacionais para o ensino
Suplemento. fundamental. Presença Pedagógica, v.5, n.26,
FERREIRA, L.A.; RAMOS, G.N.S. Parâmetros 1999.
curriculares nacionais: educação física e saúde. SOUZA, E.S.; VAGO, T.; MENDES, C.L. Parecer
Corpoconsciência, v.5, p.55-63, 2000. sobre os parâmetros curriculares nacionais. In:
GONÇALVES, C.T. Jogos cooperativos na escola. COLÉGIO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO
Rio Claro, 1998. (Monografia) – Instituto de ESPORTE, org. Educação física escolar frente à
Biociências da Universidade Estadual Paulista. LDB e aos PCNs: profissionais analisam
IANNI, O. Globalização: novo paradigma das ciências renovações, modismos e interesses. Ijuí, Sedigraf,
sociais. Estudos Avançados, v.8, n.21, p.147-66, 1997. p.63-74.
1994. SOUZA, M.T.C.C. Temas transversais em educação;
INCLUSÃO: uma utopia do possível. Revista Nova bases para uma educação integral. Educação &
Escola, n.123, p.14-7, 1999. Sociedade, n.62, p.179-83, 1998.
LIBÂNEO, J.C. Democratização da escola pública: a TAFFAREL, C. Os parâmetros curriculares nacionais.
pedagogia crítico-social dos conteúdos. São Paulo, In: COLÉGIO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO
Loyola, 1985. ESPORTE, org. Educação física escolar frente à
LUCKESI, C.C. Filosofia da educação. São Paulo, LDB e aos PCNs: profissionais analisam
Cortez, 1994. renovações, modismos e interesses. Ijuí, Sedigraf,
MEDINA, J.P.S. O brasileiro e o seu corpo. Campinas, 1997. p.25-61.
Papirus, 1991.

Recebido para publicação em: 08 mar. 2001


Revisado em: 12 jul. 2001
Aceito em: 31 jul. 2001

ENDEREÇO: Suraya Cristina Darido


Av. 1 A, 1239
13506-748 - Rio Claro - SP - BRASIL

Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo, 15(1):17-32, jan./jun. 2001