Você está na página 1de 2

Escola EB 2,3/S de Mora

Ano Lectivo 2009/2010 BIOLOGIA E GEOLOGIA – 10º ANO

PEGADA ECOLÓGICA

Cada ser vivo necessita de uma quantidade mínima de espaço natural produtivo para sobreviver. Os
humanos, neste e noutros aspectos, são semelhantes às outras espécies. Na verdade, a nossa sobrevivência
depende da existência de alimentos, de uma fonte constante de energia, da capacidade de os vários resíduos
que produzimos serem absorvidos e, assim, deixarem de constituir uma ameaça, bem como da disponibilidade
de matérias-primas para os processos produtivos. Contudo, o consumo tem aumentado significativamente, bem
como a população mundial, pelo que o espaço físico terrestre pode não ser suficiente para nos sustentar. Para
assegurar a existência das condições favoráveis à vida que ainda hoje existem teremos que viver de acordo com
a capacidade de carga do planeta, ou seja, de acordo com o que a Terra pode fornecer e não com o que
gostaríamos que fornecesse...

Avaliar até que ponto o nosso impacto já ultrapassou o limite é, portanto, essencial, pois só assim somos
capazes avaliar se vivemos de forma sustentável. Isto não significa, claro, que se possa consumir e gastar mais
ainda há capacidade disponível: pelo contrário, se queremos deixar espaço para as outras espécies e para os
habitantes futuros, há que lhes reservar o máximo de espaço. Em todo o caso a taxa de consumo de “capital
natural” já é superior à sua taxa de reposição, pelo que não há qualquer desculpa para continuar com práticas
agressivas do ambiente.

E foi assim que nasceu o conceito de “Pegada Ecológica”. Criada


por William Rees e Mathis Wackernagel (que se basearam no conceito de
“capacidade de carga” e noutros como o “emergy” e o “MIPS”), a Pegada
Ecológica permite calcular a área de terreno produtivo necessária para
sustentar o nosso estilo de vida, onde se inclui a cidade e a casa onde
moramos, os móveis que temos, as roupas que usamos, o transporte que
utilizamos, o que comemos, o que fazemos nas horas de lazer, os produtos
que compramos, entre outros.

A Pegada Ecológica não procura ser uma medida exacta mas sim uma estimativa do impacto que o
nosso estilo de vida tem sobre o Planeta, permitindo avaliar até que ponto a nossa forma de viver está de acordo
com a sua capacidade de disponibilizar e renovar os seus recursos naturais, assim como absorver os resíduos e os
poluentes que geramos ao longo do anos.
No conceito de Pegada Ecológica está implícita a ideia de que dividimos o espaço com outros seres vivos
e um compromisso geracional, isto é, “capacidade de uma geração transmitir à outra um planeta com tantos
recursos como os que encontrou” (Relatório Brundtland).

Como se calcula a Pegada Ecológica?

A Pegada Ecológica é pois um indicador que procura avaliar a


sustentabilidade dos territórios, comparando a utilização dos serviços e
recursos naturais com a capacidade que a Natureza tem para efectuar a
sua reposição. Por outras palavras, traduz em hectares (ha) a área em
média que um cidadão ou sociedade necessitam para suportar as suas
exigências diárias.
O cálculo tem por base diferentes categorias de consumo, como
sejam a alimentação, a casa, os transportes, os bens de consumo, a
energia, a água, entre outros.

Página 1
Este consumo é convertido em área bioprodutiva, segundo várias parcelas de terreno (terra e mar)
necessárias para produzir/repor os recursos utilizados e assimilar os resíduos e os poluentes produzidos por
uma dada unidade de população.

A conversão dos consumos em áreas bioprodutivas recorre a uma tabela específica segundo a seguinte tipologia:

 Área de energia fóssil – Corresponde a uma área virtualmente necessária para absorver as
emissões de CO2 resultantes da queima de combustíveis fósseis.
 Área arável – superfície em que o Homem desenvolve actividades agrícolas, retirando produtos
como alimentos, fibras, azeite, entre outras, para suprir as suas necessidade alimentícias.
 Área de pastagem - Área dedicada a pastos, de onde se obtêm determinados produtos animais
como carne, leite, pele e lã.
 Área de bosques - superfície ocupada pelos bosques, de onde advêm principalmente produtos
derivados da madeira, utilizados na produção de bens, e também combustíveis como a lenha.
 Área de mar – A superfície marinha biologicamente produtiva aproveitada pelo Homem para
obter pescado e marisco.

No cálculo tradicional da Pegada Ecológica normalmente não são contabilizados os serviços prestados
pela biodiversidade, a perda de bio-capacidade resultante da emissão de resíduos sólidos, líquidos e gasosos,
para além do CO2, ou a sobre-exploração ecológica por parte da economia humana e os seus significativos
impactos na biodiversidade. Todavia, e dado que a contabilização dos impactos das actividades do Homem sobre
a biodiversidade é de uma enorme complexidade e é muito controversa no âmbito da metodologia aplicável,
considera-se que a porção mínima de área necessária para a manutenção dos serviços vitais prestados pelos
ecossistemas deve ser contabilizada no cálculo da Pegada Ecológica de um país através da subtracção de 12% à
área bioprodutiva desse mesmo país.

Como tem vindo a evoluir a nossa pegada ecológica?

A Pegada Ecológica é, basicamente, o espaço que cada habitante da Terra tem para poder usar de modo
a sustentar o seu estilo de vida.
Já analisámos nas aulas alguns documentos onde se verificou que a população da Terra tem vindo a
aumentar de forma exponencial. Contudo, a área da Terra tem sido sempre a mesma. Por isso mesmo, o espaço
médio disponível por habitante tem vindo a diminuir ao longo do tempo:

 em 1900 era de 5,6 hectares / habitante


 em 1950 era de 3 hectares / habitante
 em 2000 era de 1,8 hectares / habitante
 e cada vez diminui mais, à medida que a
população cresce…

Em Portugal, em 1996, a nossa pegada ecológica era de


5,1 hectares por pessoa.
Isto significa que se toda a população mundial tivesse
padrões de consumo semelhantes aos dos portugueses, seriam
necessárias 2,5 Terras para assegurar a nossa sustentabilidade!!!

Proposta de trabalho:
1 – Calcula a tua pegada ecológica com base no questionário que se segue
2 – Procura algumas medidas que podes adoptar para reduzir a tua pegada ecológica

Página 2