Você está na página 1de 44

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS

SEMINÁRIO DE GEOLOGIA ECONÔMICA

NÍQUEL
DEPÓSITOS DE SULFETOS DE NÍQUEL
AMERICANO DO BRASIL – GOIÁS

PROFESSOR: Messias Gilmar de Menezes

ALUNOS: Clarissa Carvalho, Ryu Okada


NÍQUEL SULFETADO 1
O níquel é um metal
branco-prateado, dúctil,
maleável, peso
específico 8,5 g/cm3,
dureza escala de Mohs
3,5; tem seu ponto de
fusão em
aproximadamente
1.453º C, calor de fusão
68 cal/g, peso atômico
58,68.

Possui grande
resistência mecânica à
corrosão e à oxidação,
tensão; o sistema de
cristalização é
isométrico; número
atômico 28.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO 2


BRASIL - GOIÁS
Chloanthit Nickelin
(NiCo)As3 NiAs

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


3
BRASIL - GOIÁS
DEPÓSITOS MAGMÁTICOS

Depósitos magmáticos encontram-se geneticamente ligados à


evolução de magmas alojados na crosta (continental e oceânica)

Os minerais acessórios de Ni, Cu e EGP (sulfetos), Cr, Ti, V e Fe


(óxidos) formam-se em estágios iniciais de cristalização do magma.

Esses depósitos associam-se a rochas máficas e ultramáficas.

4
DIFERENCIAÇÃO MAGMÁTICA

 Um só magma pode originar diferentes tipos de rochas;


 Os minerais não cristalizam todos ao mesmo tempo;
 Primeiro, cristalizam os minerais que têm um ponto de fusão mais
elevado;
 Seguem-se os restantes, por ordem decrescente dos respectivos
pontos de fusão;
DIFERENCIAÇÃO GRAVÍTICA

Se os cristais são mais densos ou menos densos do que o líquido


residual, eles deslocam-se para o fundo ou para o cimo da câmara
magmática, respectivamente.

Os cristais tendem a acumular-se por ordem da sua formação e por


ordem das suas densidades. 6
Suponhamos:

+ + = GABRO

Olivina Piroxenas Plagióclase

O magma residual fica bastante rico em sílica, alumínio e potássio,


porque a maior parte do cálcio, ferro e magnésio já se esgotou. Este
magma residual pode migrar para um contexto físico diferente,
resultando a formação de uma rocha como o granito. O magma que
originou o granito foi o resultado final da diferenciação magmática
operada num magma de natureza basáltica.

7
As últimas fracções do magma, constituídas por água com voláteis e
outras substâncias em solução, constituem as soluções hidrotermais.
Estas soluções podem preencher fendas das rochas, onde os
materiais remanescentes cristalizam formando filões.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


8
BRASIL - GOIÁS
NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO
9
BRASIL - GOIÁS
DEPÓSITOS DO MINÉRIO DE NÍQUEL

O minério de níquel pode ser classificado em dois tipos principais, segundo


sua composição:

1) SULFETOS DE NÍQUEL

2) LATERITAS NIQUELÍFERAS

3) VEIOS HIDROTERMAIS (não existem no Brasil)

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


10
BRASIL - GOIÁS
1) DEPÓSITOS DE SULFETO
Esses depósitos ocorrem em/ou próximos a intrusões de peridotitos e
noritos e geralmente são considerados geneticamente ligado a eles, os
sulfetos ocorrem como disseminações, corpos maciços, ou veios ou
bandas nas rochas ígneas, os corpos individuais de minério
normalmente alongados, lenticulares ou acamadados e podem
estender-se por centenas ou milhares de metros.

Terreno de mineração de níquel sulfetado no Canadá

11
Pentlandita, (Fe, Ni)9S8

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


12
BRASIL - GOIÁS
Pentlandita, (Fe, Ni)9S8 Nicolita,NiAs'

 Os depósitos de sulfetos portadores de níquel tipicamente consistem


predominantemente de pirrotita associada a pentlandita [(Fe,Ni9)S8] e calcopirita;

13
2) DEPÓSITOS LATERITICOS
O intemperismo mobiliza o níquel sob a forma de silicato hidratado, e o concentra
em fissuras da rocha em processo de alteração, trazendo-o para a superfície. Nas
jazidas deste tipo encontra-se na parte superior uma camada de laterita
niquelífera e mais abaixo, geralmente, há uma zona enriquecida à custa da rocha
subjacente que vai depois empobrecendo a medida que o níquel se desloca para a
superfície. O processo de alteração dos peridotitos pode ser atribuído a ações
hidrotermais além do intemperismo.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


14
BRASIL - GOIÁS
2) DEPÓSITOS LATERITICOS

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


15
BRASIL - GOIÁS
The billiard ball model modified after Naldrett (1973). The grey circles representing
billiard balls (olivines), mercury (sulfides) in black and water (melt) in white.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


16
BRASIL - GOIÁS
2) DEPÓSITOS LATERITICOS

Os depósitos lateríticos ocorrem


mais superficialmente e são
resultantes de processos de
lateritização sobre rochas básicas.

Forma veios ou bolsas de fases


cristalinas do tipo garnierita
[(Mg,Ni)6(Si4O10)], e outros silicatos
hidratados de níquel e magnésio, e
podendo ter goethita niquelífera
[(Fe,Ni)O(OH)] associada.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


17
BRASIL - GOIÁS
Garnierita, (Mg, Ni)6(Si4O10) Silicato hidratado.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


18
BRASIL - GOIÁS
Apesar de produzir níquel de minério sulfetado em
Fortaleza de Minas – MG e em Americano do Brasil – GO,
a maior parte da produção atual é desenvolvida sobre o
minério laterítico.

Mina de Niquel Lateritico no Pará

19
APLICAÇÕES

Ligas resistentes à corrosão.

Eletrodeposição de níquel dá uma


eficiente proteção anticorrosiva a peças
de aço.

Granulado, serve como catalisador


para a hidrogenação de óleos vegetais.

Outras aplicações: moedas, ligas para


ímãs permanentes, baterias.

Tubulações feitas de liga de cobre e


níquel são empregadas na condução de
meios corrosivos como água do mar.

20
O níquel é um metal ferroso de alto valor agregado,
e estratégico para agregar valor à siderúrgia,
por meio de ligas de alto desempenho.
A mais comum, e de excepcional demanda,
é o aço inoxidável (FeNiCr).

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


21
BRASIL - GOIÁS
PRODUÇÃO MUNDIAL

A grande demanda mundial por níquel, puxada pela China, estimula a


ampliação dos empreendimentos no setor.

Com a aquisição da Inco, no Canadá, a Vale se tornou a maior produtora


mundial de Níquel, com uma produção de 275 mil ton/ano.
22
RECURSOS MUNDIAIS

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


23
BRASIL - GOIÁS
Os maiores consumidores de níquel (em todas as suas formas) são Japão,
Estados Unidos, Alemanha, Noruega e Finlândia. Há cinco anos, os países
asiáticos (sobretudo, China e Coréia do Sul) intensificaram o consumo.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


24
BRASIL - GOIÁS
RESERVAS NO BRASIL
O Brasil é o 7º maior produtor de Níquel com 85.000 toneladas em
volume total, seguido por Canadá com 15%, Austrália com 11% e
Indonésia com 9%.

No Brasil os principais
Estados produtores são:
GO (83,5%) e MG (16,5%).

25
RESERVAS NO BRASIL

Os jazimentos de níquel descobertos no Brasil são representados


por minérios silicatados, que provêm da alteração de rochas muito
básicas como peridotitos.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


26
BRASIL - GOIÁS
 No mercado interno, os Estados consumidores são: Minas Gerais,
São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

 O níquel é consumido na forma de ferroníquel, fornecido pela Anglo


Amercan, e de níquel eletrolítico (Votorantim Metais).

 A siderurgia é o setor de maior demanda (80%) pelo metal. Ele é


usado na fabricação de aço inoxidável. O restante é destinado à
fabricação de outros tipos de aços, alpacas (ligas metálicas) e outros
produtos.

 A Votorantim Metais produz em Niquelândia, e compra também da


Prometálica, em Americano do Brasil, o carbonato de níquel, que é
totalmente processado em São Miguel Paulista (SP) para a obtenção
do níquel eletrolítico.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


27
BRASIL - GOIÁS
Em 1983, o Brasil tornou-se auto-suficiente na produção de ferro-níquel.

28
RESERVAS
DE NÍQUEL
NO ESTADO
GOIÁS

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


29
BRASIL - GOIÁS
Município Minério (t) x 103 Teor (%)
Americano do Brasil 22,66 0,69
Barro Alto 855,92 1,89
Iporá 198,95 1,47
Jaupaci 176,45 1,31
Jussara 795,81 1,48
Montes Claros 944,35 1,26
Niquelândia 1.215,32 1,56
Total 3.312,37 -

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


30
BRASIL - GOIÁS
JAZIDA DE NÍQUEL, COBRE E COBALTO

AMERICANO DO BRASIL

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


31
BRASIL - GOIÁS
MAPA GEOTECTÔNICO DO ESTADO GOIÁS

32
ARCO MAGMÁTICO DE GOIÁS

Sulfetados de Cu-Ni_Co,
Americano do Brasil e
Mangabal I, II Vermiculita e
ilmeno-magnetita vandifera de
SantaBárbara, Ouro Bacilândia,
Edeia eSanclerlândia, Bom
Jardim (Cu,Au), Esmeralda
Santa Terezinha

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


33
BRASIL - GOIÁS
A jazida de Americano do Brasil é explorada pela Prometálica, que
adquiriu os direitos minerários da extinta Metago, em 2002, e toda a
produção é vendida para a Votorantim.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


34
BRASIL - GOIÁS
MINERALOGIA E TEXTURA DOS SULFETOS

A associação sulfeto-oxido consiste essencialmente de pirrotita e pentlandita


e calcopirita, mas também pode incluir pirita e magnetita em pequena
quantidade no minério da sequência piroxênio-melanorito, ou troilita.
Nickelin, Safflorit, Nickelin, Safflorit, Rammelsbergit,
Rammelsbergit, Siderit Skutterudit
In den hydrothermalen Kobalterzgängen als wechselnde In den hydrothermalen, brekziösen Kobalterzgängen
Lagen um Nickelin (Bildbreite ca. 14 mm) zusammen mit Siderit (Bildbreite ca. 14 mm)

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


36
BRASIL - GOIÁS
NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO
37
BRASIL - GOIÁS
OUTRAS JAZIDAS
DE NÍQUEL
SULFETADO NO
BRASIL

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


38
BRASIL - GOIÁS
NOVA MINA DE NÍQUEL NA BAHIA

A Mirabela Mineração iniciou a extração de Níquel na BA (Ipiaí e Itagibá)


em dezembro de 2009. A maior mina de níquel sulfetado da América latina,
terceira maior mina a céu aberto.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


39
BRASIL - GOIÁS
MINA DE FORTALEZA DE MINAS – MG
DEPÓSITOS SULFETADOS

Distando cerca de 4 Km da pequena cidade de Fortaleza de Minas, localizada


no Sudoeste do Estado de Minas Gerais, a Jazida de Fortaleza de Minas
hospedada em rochas vulcânicas com quimismo komatiitico, foi descoberta
em 1983, através de furos de sondagens, realizados em áreas portadoras de
anomalias geoquímicas de Ni-Cu-Co e PGE em solos de natureza gossânica,
localmente aflorantes no Greenstone Belt Morro do Ferro.

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


40
BRASIL - GOIÁS
Geological map of the Fortaleza de Minas Ni – Fe sulfide deposit. Pale grey color representing the upper and
lower sequences from Brenner et al, 1990 and the intermediate sequence interpreted herein as a thick highly
fractioned flow. The orebody is extremely elongated by shearing along a transcurrent sinistral shear zone.
Southwestern limb of syncline displays marginal mineralization at depth.

41
A geologia estrutural da jazida e dos tipos de minério é mostrada em suas
feições macro e micro bem como a evolução tectono-metamórfica do
depósito até a configuração espacial atual. Processos colisionais e
transcorrentes afetaram sobremaneira a geometria do depósito e a
tipologia do minério, mas o zoneamento primário da jazida foi preservado.

Morro do Ferro Greenstone Belt geology and deposits.


42
Uma pesquisa realizada pela Preston Resources Ltda em 1999, mostrou
que os teores do metal nos minérios de origem laterítica são, em geral,
superiores aos dos minérios sulfetados, e que o custo de extração do metal
a partir do minério sulfetado, devido à explotação em profundidade, torna
a fonte laterítica competitiva (Silva & Andrade, 2007).

NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO


43
BRASIL - GOIÁS
NÍQUEL SULFETADO DE AMERICANO DO
44
BRASIL - GOIÁS