Você está na página 1de 36
PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação CURSO DE MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA Portal Educação

CURSO DE MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO HUMANO Aluno:
CURSO DE
MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM
BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO
HUMANO
Aluno:

EaD - Educação a Distância Portal Educação

AN02FREV001/REV 4.0

CURSO DE MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO HUMANO Atenção: O material deste módulo
CURSO DE MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO HUMANO Atenção: O material deste módulo
CURSO DE
MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM
BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO
HUMANO
Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para este
Programa de Educação Continuada. É proibida qualquer forma de comercialização ou distribuição
do mesmo sem a autorização expressa do Portal Educação. Os créditos do conteúdo aqui contido
são dados aos seus respectivos autores descritos nas Referências Bibliográficas.

AN02FREV001/REV 4.0

SUMÁRIO 1 MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO HUMANO 1.1 CINEMETRIA 1.2 DINAMOMETRIA 1.3
SUMÁRIO 1 MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO HUMANO 1.1 CINEMETRIA 1.2 DINAMOMETRIA 1.3
SUMÁRIO
1 MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO HUMANO
1.1 CINEMETRIA
1.2 DINAMOMETRIA
1.3 ELETROMIOGRAFIA
1.4 ANTROPOMETRIA
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AN02FREV001/REV 4.0

1 MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO HUMANO No século XX as duas grandes
1 MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO HUMANO No século XX as duas grandes
1 MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO HUMANO
No século XX as duas grandes guerras mundiais resultaram nos grandes
avanços tecnológicos hoje conhecidos. Estes se refletiram nos métodos
experimentais usados em praticamente todas as áreas de atuação científica,
incluindo a Biomecânica. Nos últimos anos, pode-se dizer que o Brasil teve um
grande avanço nas técnicas de medição, armazenamento e processamento de
dados, feitos estes que contribuíram para a melhor compreensão do movimento
(PRANKE, TEIXEIRA e MOTA, 2006).
Ademais, os resultados das pesquisas em Biomecânica têm influenciado
diretamente na medicina, ergonomia, fabricação de equipamentos esportivos e
muitos outros aspectos da vida humana (NASSER, 1995).
Segundo Teixeira e Mota (2007), o progresso da Biomecânica como
disciplina científica que estuda funções dos seres vivos tornou-se, ao longo dos
últimos três séculos, muito amplo e disso resultaram múltiplas divisões didáticas e
delimitação de território de especialidades científicas, tais como:
- Biomecânica do Movimento Humano;
- Biomecânica Clínica e de Reabilitação;
- Biomecânica de Tecidos e Biomateriais;
- Biomecânica Musculoesquelética; e
- Métodos e Técnicas de Pesquisa em Biomecânica.
Segundo os mesmos autores, cada uma destas áreas, por sua vez, abrange
diversas possibilidades, como os exemplos ilustrados na Figura 1 que indica os
tópicos centrais de estudo em Biomecânica.

AN02FREV001/REV 4.0

FIGURA 1 – TÓPICOS CENTRAIS PARA O ESTUDO DA BIOMECÂNICA FONTE: Teixeira e Mota, 2007.
FIGURA 1 – TÓPICOS CENTRAIS PARA O ESTUDO DA BIOMECÂNICA FONTE: Teixeira e Mota, 2007.
FIGURA 1 – TÓPICOS CENTRAIS PARA O ESTUDO DA BIOMECÂNICA
FONTE: Teixeira e Mota, 2007.

A Biomecânica possui seu objetivo de estudo e tarefa bem-definidos e que, como disciplina, estuda o homem no processo dos exercícios físicos, analisa ainda as ações motoras do esportista como sistema de movimentos ativos reciprocamente relacionados, e a tarefa da Biomecânica determina seu conteúdo, sua teoria e método. Esses últimos se elaboram para solucionar essas tarefas parciais, no entanto são importantes ao estudar as questões concretas dos fenômenos parciais e que, segundo Bunge (apud NASSER, 1995) que se repare nas conexões de sua especialidade com as demais disciplinas, acostumando com a ideia que esta tem um passado e uma função social, e que grande parte depende o seu futuro. Segundo o mesmo autor, o progresso da Biomecânica como disciplina científica que estuda funções dos seres vivos tornou-se, ao longo dos últimos três séculos, muito amplo e disso resultaram como nas Ciências Naturais (Matemática, Física, Química, Biologia), múltiplas divisões didáticas e delimitação de território de especialidades científicas. A Biomecânica, segundo Teixeira e Mota (2007), ainda pode atuar com assuntos relacionados a temas como:

AN02FREV001/REV 4.0

- Aperfeiçoamento da técnica do movimento; - Aperfeiçoamento do processo de treinamento; - Aperfeiçoamento e

- Aperfeiçoamento da técnica do movimento;

- Aperfeiçoamento do processo de treinamento; - Aperfeiçoamento e adaptações ambientais; - Aperfeiçoamento do
- Aperfeiçoamento do processo de treinamento;
- Aperfeiçoamento e adaptações ambientais;
- Aperfeiçoamento do mecanismo de controle de cargas internas do aparelho
locomotor;
- Aperfeiçoamento de sistemas para simulação de movimentos;
- Aperfeiçoamento tecnológico instrumental para aquisição e processamento
de sinais biológicos;
- Aperfeiçoamento de sistemas (hardware e software) para análises de
movimentos e consequentes aplicações práticas.

Segundo os mesmos autores, precisa-se entender que os métodos tradicionais de ensino e treinamento mostram o que e como ensinar, enquanto a Biomecânica permite entender porque determinadas técnicas são mais apropriadas do que outras. Mais especificamente, a Biomecânica permite, entre outras coisas, melhorar o desempenho de atividades esportivas, melhorar a técnica de realização de movimentos, melhorar equipamentos utilizados em esportes ou em atividades do dia a dia, prevenir lesões e auxiliar na reabilitação de lesões (TEIXEIRA e MOTA, 2007). Na escola, o conhecimento da Biomecânica pode contribuir significativamente para a melhoria do ambiente escolar, da saúde e da qualidade de vida dos alunos. Alguns exemplos destas atuações são associados ao uso de mochilas carregadas pelos alunos e o mobiliário escolar ou a própria postura dos alunos frente ao mobiliário escolar. De forma geral, a literatura indica que estes fatores, independentemente do ambiente a ser estudado, são causas de, no mínimo, desconforto, e podem em longo prazo causar graves danos à saúde e à integridade física das crianças. No ambiente ocupacional, a área vem a contribuir com a legislação vigente que busca melhores condições aos trabalhadores por meio das adequações dos postos de trabalho e melhorias na própria postura dos indivíduos. De forma geral, a Biomecânica é uma disciplina eminentemente experimental, e como tal depende de processos de medição. Qualquer pesquisa nesta área está sujeita à determinação de grandezas físicas que possam ser

AN02FREV001/REV 4.0

medidas. Por isto a técnica física de medir e sua aplicação no corpo humano representam

medidas. Por isto a técnica física de medir e sua aplicação no corpo humano representam uma parte básica relevante dos métodos de trabalho da Biomecânica (PRANKE, TEIXEIRA e MOTA, 2006). Um aspecto importante a ser considerado é a seleção do instrumental e da técnica de medição que será utilizada, pois a determinação das grandezas a serem medidas deve ser feita com a exatidão exigida no caso. Obviamente, conforme citam Amadio e Duarte (1996), são necessários que existam métodos de medição próprios para serem aplicados nas situações desejadas. Segundo Beckwith et al. (1993 apud TEIXEIRA, 2004), o processo ou o ato de medição (Figura 2) consiste na realização de uma comparação quantitativa entre um padrão predefinido e um mesurando. A palavra mesurando é usada para designar o parâmetro físico que está sendo observado e quantificado, isto é, a quantidade a ser medida. O ato de medir produz um resultado. O padrão de comparação deve ter características semelhantes ao mesurando e normalmente está definido por um órgão de normatização. A medição fornece informações quantitativas a respeito de como se encontram em um determinado momento variáveis físicas ou processos que de outra forma poderiam apenas ser estimados (TEIXEIRA, 2004).

FIGURA 2 – PROCESSO DE MEDIÇÃO FONTE: Beckwith et al., (1995) apud Teixeira (2004)
FIGURA 2 – PROCESSO DE MEDIÇÃO
FONTE: Beckwith et al., (1995) apud Teixeira (2004)

Desta forma, a medição tanto é uma forma de conhecer o mundo físico como o verdadeiro teste de uma teoria ou projeto. Ela é a base fundamental de toda pesquisa e também é um elemento fundamental em projetos de qualquer natureza e no controle de processos (PRANKE, TEIXEIRA e MOTA, 2006).

AN02FREV001/REV 4.0

No entanto, segundo Amadio e Duarte (1996), a biomecânica dispõe não apenas da cinemática (cinemetria)

No entanto, segundo Amadio e Duarte (1996), a biomecânica dispõe não apenas da cinemática (cinemetria) ou da cinética (dinamometria), mas de quatro grandes áreas que dispõe de métodos de medição para a investigação do movimento. Os métodos de medição são a cinemetria que relaciona a posição e orientação dos segmentos corporais; a dinamometria, que relaciona as forças e distribuição da pressão; a eletromiografia que relaciona a atividade muscular e a antropometria que relaciona os parâmetros para os modelos corporais. A Figura 3 ilustra estes métodos e as suas especificações.

FIGURA 3 – MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA FONTE: A autora. 1.1 CINEMETRIA
FIGURA 3 – MÉTODOS DE MEDIÇÃO EM BIOMECÂNICA
FONTE: A autora.
1.1 CINEMETRIA

A cinemetria consiste em procedimentos de natureza basicamente óptica, onde as medidas são realizadas por meio de indicadores indiretos, obtidos por intermédio de imagens. Embora ela possa ser em princípio considerada como um método que permite análises qualitativas, pela observação de imagens, a partir da medição do deslocamento de pontos selecionados do corpo humano, e do tempo, através da frequência de aquisição, que podem ser derivadas de grandezas cinemáticas como a velocidade e a aceleração (lineares ou angulares). Sob este enfoque, a cinemetria permite uma análise Biomecânica quantitativa dos movimentos humanos. Segundo Amadio e Barbanti (2000), o

AN02FREV001/REV 4.0

processo fotogramétrico de extração das coordenadas de uma imagem por meio de câmeras foi inicialmente

processo fotogramétrico de extração das coordenadas de uma imagem por meio de câmeras foi inicialmente realizado por meio da utilização de filmes e equipamentos analógicos, o que tornava o processo muito longo. No entanto, o avanço da tecnologia permite a sua substituição por extrações eletrônicas automáticas e em alguns casos em tempo real. A captação e digitalização de imagens são feitas utilizando um sistema composto de câmeras de vídeo, calibrador, um software específico e um computador (AMADIO e SERRÃO, 2007). Um exemplo que pode ser identificado é o sistema Peak Motus (Peak Performance, Inc., USA) com uma ou duas câmeras de vídeo com frequência de aquisição de imagens de 60 ou 180 Hz, que registram as imagens para posterior reconstrução bidimensional ou tridimensional dos movimentos, pelo método DLT (Direct Linear Transformation) (ABDEL-AZIZ e KARARA, 1971). A Figura 4a ilustra um sistema para a captação e digitalização de imagens; a figura 4b ilustra um calibrador bidimensional e a figura 4c ilustra um calibrador tridimensional.

FIGURA 4 - (A) SISTEMA PARA CAPTAÇÃO E DIGITALIZAÇÃO DE IMAGENS, (B) CALIBRADOR BIDIMENSIONAL E
FIGURA 4 - (A) SISTEMA PARA CAPTAÇÃO E DIGITALIZAÇÃO DE IMAGENS, (B)
CALIBRADOR BIDIMENSIONAL E (C) CALIBRADOR TRIDIMENSIONAL
FONTE: Teixeira, 2004.
O corpo humano normalmente é representado por modelos constituídos de
corpos rígidos, em que cada segmento é tratado como uma forma geométrica
simples. Os segmentos corporais são definidos por marcas externas, como
representados na Figura 5, selecionadas de forma a indicar de maneira mais clara e
correta os centros articulares, a posição do centro de gravidade do segmento ou
ainda determinadas referências anatômicas.

AN02FREV001/REV 4.0

Plagenhoef (1971 apud TEIXEIRA, 2004) fornece indicações de como localizar a posição dos centros articulares

Plagenhoef (1971 apud TEIXEIRA, 2004) fornece indicações de como localizar a posição dos centros articulares a partir de referências anatômicas externas.

FIGURA 5 - EXEMPLO DE LOCALIZAÇÃO DA MARCAÇÃO PARA PROJEÇÃO DO CENTRO ARTICULAR E PONTOS
FIGURA 5 - EXEMPLO DE LOCALIZAÇÃO DA MARCAÇÃO PARA PROJEÇÃO DO
CENTRO ARTICULAR E PONTOS INTERNOS EM UM ESTUDO COM CICLISTAS
FONTE: Teixeira, 2004.
Estes marcadores servem de referência externa para a localização de
centros articulares que determinam os segmentos corporais. A Figura 6a ilustra um
sujeito, sem marcadores reflexivos e a Figura 6b ilustra um sujeito com estes
marcadores. A partir destas imagens podem ser identificadas as dificuldades de
realizar os procedimentos e localizações anatômicas sem as referências dos
marcadores.
FIGURA 6 – (A) INDIVÍDUO SEM MARCADORES REFLEXIVOS E (B) INDIVÍDUO
COM MARCADORES REFLEXIVOS
FONTE: Teixeira, 2004.
SEM MARCADORES REFLEXIVOS E (B) INDIVÍDUO COM MARCADORES REFLEXIVOS FONTE: Teixeira, 2004. AN02FREV001/REV 4.0 10

AN02FREV001/REV 4.0

Em muitas aplicações a partir da posição dos marcadores, que identificam os pontos anatômicos selecionados,

Em muitas aplicações a partir da posição dos marcadores, que identificam os pontos anatômicos selecionados, é montado um modelo espacial, e são calculados os deslocamentos, as posições, velocidades e acelerações dos segmentos/articulações. O sistema de vídeo fornecerá, desta forma, os parâmetros cinemáticos necessários para o cálculo das modificações do movimento (TEIXEIRA, 2004). A Figura 7 ilustra modelos espaciais de estudos relacionados com a flexão de joelhos na máquina flexoextensora e com chute no futebol de campo.

FIGURA 7 – MODELO ESPACIAL (A) DE UM ESTUDO DA FLEXÃO DE JOELHOS NA MÁQUINA
FIGURA 7 – MODELO ESPACIAL (A) DE UM ESTUDO DA FLEXÃO DE JOELHOS
NA MÁQUINA FLEXOEXTENSORA (B) UM ESTUDO DO CHUTE COM O DORSO
DO PÉ NO FUTEBOL DE CAMPO
FONTE: Teixeira, 2004.
Um fator importante na seleção e utilização de determinada técnica de
registro e processamento de imagens é o número e a disposição da(s) câmera(s) em
relação ao objeto/corpo a ser analisado (Figuras 8a, 8b e 8c), permitindo uma
análise bidimensional ou tridimensional. A determinação de variáveis cinemáticas
depende do processamento da imagem coletada, ou seja, da reconstrução das
coordenadas dos pontos marcados no corpo do sujeito analisado.

AN02FREV001/REV 4.0

FIGURA 8 – DISPOSIÇÃO DA CÂMERA EM RELAÇÃO AO CORPO A SER ANALISADO (A) FILMAGEM

FIGURA 8 – DISPOSIÇÃO DA CÂMERA EM RELAÇÃO AO CORPO A SER ANALISADO (A) FILMAGEM DE UM ESTUDO COM CICLISTAS, FILMAGEM DE UM ESTUDO COM PNE’S E (C) DEMONSTRAÇÃO DA COLETA DE DADOS DO EXERCÍCIO DA PUXADA VERTICAL

FONTE: Teixeira, 2004. Com relação à frequência de aquisição, a escolha da taxa de amostragem
FONTE: Teixeira, 2004.
Com relação à frequência de aquisição, a escolha da taxa de amostragem é
específica para cada contexto. Normalmente se utiliza a frequência de 50 – 60 Hz
para a marcha humana e de 100 até 200 Hz para a corrida.
Alguns exemplos que podem ser explorados são associados ao contexto do
produto no qual a biomecânica, considerando uma avaliação cinemática, focaliza a
posição dos segmentos durante as atividades do trabalho.
A Figura 9 ilustra o posicionamento da cervical com o uso de dois tipos de
computadores e suas influências sobre o ângulo da cervical (STRAKER, JONES e
MILLER, 1997).
FIGURA 9 – ÂNGULO DA CERVICAL DURANTE A UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES
COMPUTADORES
FONTE: Straker, Jones e Miller, 1997.

AN02FREV001/REV 4.0

O estudo de Reiser, Wickel e Menzer (2008) relacionou duas diferentes inclinações de pisos e

O estudo de Reiser, Wickel e Menzer (2008) relacionou duas diferentes inclinações de pisos e uma superfície plana para o levantamento de pesos (25 kg para os 22 homens avaliados e 15 kg para as 22 mulheres avaliadas) por meio da cinemetria. O estudo demonstrou que os indivíduos foram afetados pelos diferentes posicionamentos, sendo a lordose lombar natural perdida no caso em que a superfície estava em declive com -20 com relação à horizontal. Assim, ao se transportar uma carga, como na Figura 10, é importante preferir que o indivíduo faça isso em um solo plano e não em um solo inclinado.

FIGURA 10 – POSICIONAMENTO CORPORAL EM RELAÇÃO À HORIZONTAL FONTE: Reiser, Wickel e Menzer, 2008.
FIGURA 10 – POSICIONAMENTO CORPORAL EM RELAÇÃO À HORIZONTAL
FONTE: Reiser, Wickel e Menzer, 2008.
Outro exemplo associado ao exercício físico é o estudo de Teixeira, Pranke
e Mota (2007). Os autores buscaram quantificar as mudanças angulares da região
lombar em diferentes intensidades de sobrecarga (sem carga, 60% da carga de 1
repetição máxima (RM), 70% de 1RM e 85% de 1RM) durante o exercício flexão de
joelhos na máquina mesa romana. Os resultados encontrados no estudo podem ser
observados na Figura 11. Resumidamente, foram encontrados maiores ângulos da
lombar com o aumento da carga e estes foram maiores nas cargas iniciais.

AN02FREV001/REV 4.0

FIGURA 11 – MUDANÇAS ANGULARES NA REGIÃO LOMBAR REALIZANDO O EXERCÍCIO DE FLEXÃO DE JOELHOS

FIGURA 11 – MUDANÇAS ANGULARES NA REGIÃO LOMBAR REALIZANDO O EXERCÍCIO DE FLEXÃO DE JOELHOS EM DIFERENTES INTENSIDADES

FONTE: Teixeira, Pranke e Mota, 2007. Copetti et al. (2007) realizaram um estudo utilizando a
FONTE: Teixeira, Pranke e Mota, 2007.
Copetti et al. (2007) realizaram um estudo utilizando a cinemetria para
comparar os benefícios de um programa de equoterapia em crianças com síndrome
de down. Os resultados para o ângulo do tornozelo e joelho para uma das crianças
avaliadas podem ser visualizados na Figura 12.
FIGURA 12 – ÂNGULO DO TORNOZELO E JOELHO ANTES E APÓS O
TRATAMENTO COM EQUOTERAPIA PARA CRIANÇAS COM SÍNDROME DE
DOWN

FONTE: Copetti et al., 2007.

AN02FREV001/REV 4.0

1.2 DINAMOMETRIA Segundo Amadio (1989 apud Amadio e Duarte, 1996), a definição do conceito de
1.2 DINAMOMETRIA Segundo Amadio (1989 apud Amadio e Duarte, 1996), a definição do conceito de
1.2 DINAMOMETRIA
Segundo Amadio (1989 apud Amadio e Duarte, 1996), a definição do
conceito de força, sob o aspecto físico, somente pode ser interpretada a partir do
efeito de sua ação, e assim, pode-se interpretar seus efeitos estáticos e dinâmicos.
A principal dificuldade de compreensão da natureza da força está na dosagem ou
controle de sua grandeza e função tempo, as quais exercem uma grande influência
nos diferentes movimentos humanos que se utilizam deste parâmetro em distintos
graus de intensidade, com dependência de rendimento na execução do movimento.
Entre os principais objetivos que indicam a utilização da dinamometria pode-
se apontar:
(a)
análise da técnica de movimento;
(b)
análise da condição física;
(c)
controle da sobrecarga;
(d)
influência de fatores externos;
(e)
influência de fatores internos;
(f) monitoramento de atletas; e
(g) indicadores para detecção de talentos esportivos.

Segundo a determinação de forças que atuam sobre os corpos, assim como interação do corpo com o meio ambiente, onde o movimento acontece, a biomecânica pode ser dividida, segundo Amadio e Serrão (2007) em: 1) Biomecânica interna e 2) Biomecânica externa. 1) Biomecânica Interna: preocupa-se com a determinação das forças internas (forças articulares e musculares) (AMADIO, 1996). Ainda é um problema metodológico não totalmente resolvido na Biomecânica, mas constitui a base fundamental para melhor compreensão do movimento. Na medição das forças internas geralmente utiliza-se métodos invasivos com strain gauges e o processo de sua avaliação é extremamente difícil, pois apresenta grandes dificuldades para sua aplicação. 2) Biomecânica Externa: preocupa-se com a determinação das forças externas e é metodologicamente mais simples. Alguns exemplos de instrumentação

AN02FREV001/REV 4.0

utilizados podem ser citados, tais como: plataformas de força, strain gauges e sensores piezoelétricos. O

utilizados podem ser citados, tais como: plataformas de força, strain gauges e sensores piezoelétricos. O instrumento básico da dinamometria é a plataforma de força, que mede a força de reação do solo (FRS), na sua ação tridimensional (vertical, médio-lateral e anteroposterior) e o ponto de aplicação desta força. As forças externas são relativamente fáceis de medir (TEIXEIRA, 2004).

são relativamente fáceis de medir (TEIXEIRA, 2004). A medição da força de reação do solo é

A medição da força de reação do solo é realizada por meio de plataformas de força geralmente triaxiais que fornecem um sinal elétrico proporcional à força aplicada. Existem vários tipos de sensores para esse tipo de medição, sobressaindo- se os strain gauges (extensômeros), piezoelétricos, piezoresistivios e capacitivos, dentre outros (WINTER apud MORAES, 2000). Historicamente, parecem existir três linhas principais de evolução das plataformas, desde as puramente mecânicas de Amar, 1920, e Henry, 1952 (PAYNE apud AMADIO e DUARTE, 1996). A primeira linha está associada ao desenvolvimento de sensores de cristal piezoelétrico, ao passo que as outras duas linhas utilizam sensores do tipo strain gauges (extensômetros de resistência elétrica). As plataformas que usam strain gauges podem envolver dispositivos que deformam com cargas centrais do tipo axial ou do tipo que utilizam vigas fletidas. Plataformas que operam com sensores piezoelétricos são exclusivamente dinâmicas, possuem uma frequência natural alta, são muito caras e são difíceis de operar (flutuações do sistema eletrônico, muito sensível a pequenas vibrações do tipo veículos passando na rua próxima ao laboratório etc.). Plataformas à base de extensômetros de resistência elétrica podem realizar medições estáticas, são estáveis durante largos períodos de tempo, são mais baratas que as piezoelétricas, mas possuem frequência natural mais baixa, o que é um fator limitante importante, principalmente quando se pretende avaliar atividades envolvendo impacto (salto em distância, vôlei, basquete etc.). A parte de condicionamento eletrônico de sinal também é mais simples (TEIXEIRA, 2004). Normalmente, uma força representa a ação de um corpo sobre outro (quando não se está considerando forças internas). Quando se usam sensores do tipo extensômetros de resistência elétrica, estes sensores captam a deformação mecânica sofrida pelo elemento elástico da plataforma e, como consequência, variam sua resistência elétrica. Como as deformações mecânicas são muito pequenas (na região elástica), as variações de resistência elétrica correspondentes

AN02FREV001/REV 4.0

são muito pequenas também. Desta forma, um dispositivo chamado condicionador de sinais converte variação de

são muito pequenas também. Desta forma, um dispositivo chamado condicionador de sinais converte variação de resistência elétrica em variação de voltagem (além de amplificar, filtrar etc.) (TEIXEIRA, 2004). A Figura 13 mostra um esquema ilustrativo de todo o processamento que ocorre a partir da coleta de dados desde os transdutores na plataforma de força até a visualização pelo monitor, incorporado ao computador. As cargas que são aplicadas sobre as plataformas são convertidas em tensões elétricas por meio da matriz de sensibilidade de cada plataforma. Estas tensões são então amplificadas e convertidas através de um conversor analógico/digital (A/D). Estes sinais digitais são visualizados pelo operador através do equipamento de informática, podendo ser normalizados em relação à massa corpórea de cada indivíduo avaliado (MORAES,

2000). FIGURA 13 – PROCESSAMENTO DE COLETA DE DADOS FONTE: Moraes, 2000. Alguns exemplos que
2000).
FIGURA 13 – PROCESSAMENTO DE COLETA DE DADOS
FONTE: Moraes, 2000.
Alguns exemplos que podem ser dados é a plataforma AMTI utilizada para
medidas de força de reação do solo e o dinamômetro JAMAR que é utilizado para a
verificação da força de preensão manual. A plataforma de força e um dinamômetro
de preensão manual estão ilustrados na Figura 14.
FIGURA 14 – PLATAFORMA DE FORÇA DE REAÇÃO DO SOLO E
DINAMÔMETRO DE PREENSÃO MANUAL

FONTE: Disponível em: <http://www.emgsystem.com.br/transdutores.html>. Acesso em: 03 ago.

2010.

AN02FREV001/REV 4.0

Alguns estudos que podem ser relacionados como forma de exemplificação é o de Peneireiro, Amadio
Alguns estudos que podem ser relacionados como forma de exemplificação é o de Peneireiro, Amadio
Alguns estudos que podem ser relacionados como forma de exemplificação
é o de Peneireiro, Amadio e Serrão (2005). A Figura 15 ilustra os modelos de
mochilas avaliadas pelos autores, segundo configuração de alça sendo: a) alça
diagonal com bolsa lateral, b) alça lateral com bolsa lateral, c) alça lateral e
horizontal com duas bolsas laterais e, d) alça cruzada e horizontal com duas bolsas
laterais.
De acordo com os resultados encontrados foi possível identificar que a
menor sobrecarga gerada pela mochila de alça dupla e duas bolsas, evidenciando
melhor distribuição de massa. Assim, ao se projetar um produto, no caso uma
mochila, específica ao trabalho de um indivíduo que passa a maior parte da jornada
de trabalho em pé e caminhando, como no caso do carteiro, estas características
devem ser levadas em consideração para se chegar a uma conclusão final.
FIGURA 15 – MODELOS DE MOCHILAS A SEREM UTILIZADAS PELOS
CARTEIROS
FONTE: Peneireiro, Amadio e Serrão, 2005.
Gertz et al. (2005) avaliaram digitadores de computadores em diferentes
níveis técnicos, por meio da dinamometria, e encontraram três resultados
conclusivos:

1) Que indivíduos com melhor qualidade de técnica de digitação aplicam menor carga vertical (Fz) sobre a superfície da tecla durante a digitação; 2) A repetibilidade das curvas de força e momento, de forma que permitam que um padrão seja gerado, é maior para os digitadores com maior nível de técnica de digitação, principalmente com relação força horizontal (Fy); 3) Indivíduos com melhor qualidade de técnica de digitação tendem a pressionar a tecla na parte superior, ou seja, na parte da superfície mais distante do seu corpo (ou mais próxima do monitor).

AN02FREV001/REV 4.0

Com relação à marcha, a Figura 16 ilustra as curvas características da força de reação
Com relação à marcha, a Figura 16 ilustra as curvas características da força de reação
Com relação à marcha, a Figura 16 ilustra as curvas características da força
de reação do solo, com e sem o transporte de carga.
FIGURA 16 – FORÇA DE REAÇÃO DO SOLO DURANTE A MARCHA DE UM
MÚSICO COM E SEM O TRANSPORTE DE SEU INSTRUMENTO MUSICAL,
CONSIDERANDO O MEMBRO INFERIOR DIREITO E ESQUERDO
FONTE: Teixeira et al., 2009.
Com relação à força de preensão manual, o estudo de Esteves et al. (2006)
buscou identificar as características antropométricas da mão de crianças de ambos
os sexos, com idade entre 7 e 14 anos, e mensurar a força de preensão máxima por
meio de mensuração direta, estabelecendo valores de referência para a força em
relação à idade, lateralidade e sexo. Os resultados indicaram diferenças
significativas na antropometria entre meninos e entre as meninas foram encontradas
diferenças nos grupos de 7, 8, 11 e 14 anos. Na preensão x lateralidade, as
diferenças foram para os grupos de 7, 8, 9, 13 e 14 no feminino e no masculino de 7
a 11 anos; a relação preensão x sexo mostrou-se sempre maior no masculino, e
apresentou diferenças significativas nos respectivos períodos pubertários. Tanto as
características antropométricas quanto o desenvolvimento de força são progressivos
no decorrer da faixa etária escolhida, apresentado suas maiores diferenças nos
períodos de maturação sexual de cada sexo.
1.3 ELETROMIOGRAFIA

AN02FREV001/REV 4.0

Eletromiografia (EMG) é o termo genérico que expressa o método de registro da atividade elétrica

Eletromiografia (EMG) é o termo genérico que expressa o método de registro da atividade elétrica de um músculo quando realiza contração (AMADIO e DUARTE, 1996; AMADIO e SERRÃO, 2007). Enoka (2000) indica que a eletromiografia é uma técnica de monitoramento da atividade elétrica das membranas excitáveis, representando a medida dos potenciais de ação do sarcolema, como efeito de voltagem em função do tempo. A Figura 17 ilustra um gráfico do sinal EMG em relação ao tempo.

FIGURA 17 – GRÁFICO DO SINAL EMG EM RELAÇÃO AO TEMPO FONTE: Silva, 2010. A
FIGURA 17 – GRÁFICO DO SINAL EMG EM RELAÇÃO AO TEMPO
FONTE: Silva, 2010.
A eletromiografia apresenta inúmeras aplicações, notadamente na clínica
médica, para diagnóstico de doenças neuromusculares; na reabilitação, na
reeducação da ação muscular (“biofeedback” eletromiografico); na anatomia, com o
intuito de revelar a ação muscular em determinados movimentos; e na biomecânica
no sentido de servir como ferramenta indicadora de alguns fenômenos (AMADIO e
DUARTE, 1996; AMADIO e SERRÃO, 2007).
Para tanto, o sinal da eletromiografia é adquirido, segundo Marchetti e
Duarte (2006) por meio de um eletromiógrafo que tipicamente está acoplado a um
computador. A Figura 18 ilustra um aparelho de eletromiografia.

FIGURA 18 – ELETROMIÓGRAFO LYNX

AN02FREV001/REV 4.0

FONTE: Teixeira, 2004. Este computador é conectado à pele por meio de eletrodos, assim como
FONTE: Teixeira, 2004. Este computador é conectado à pele por meio de eletrodos, assim como
FONTE: Teixeira, 2004.
Este computador é conectado à pele por meio de eletrodos, assim como
ilustra a Figura 19.
FIGURA 19 – ELETRODOS UTILIZADOS PARA A ELETROMIOGRAFIA DE
SUPERFÍCIE
FONTE: Berque e Gray, 2002.
O ponto de colocação dos eletrodos é ainda muito divergente entre os
pesquisadores. Hermens et al. (2000) realizaram uma análise metodológica com
foco na padronização da colocação dos eletrodos da eletromiografia. Para tanto os
autores analisaram 144 artigos e dividiram em três grandes grupos o
posicionamento dos eletrodos:

1) Sobre o ventre muscular (zona de maior massa aparente);

AN02FREV001/REV 4.0

2) Algum ponto entre a zona de intervenção (ponto motor) e o tendão; 3) No

2) Algum ponto entre a zona de intervenção (ponto motor) e o tendão; 3) No próprio ponto motor.

Além disso, neste estudo os autores ainda colocam que 50 dos 144 artigos avaliados utilizam
Além disso, neste estudo os autores ainda colocam que 50 dos 144 artigos
avaliados utilizam uma distância entre os eletrodos de 20 mm, mas esta costuma
variar conforme o comprimento do músculo avaliado, sendo que músculos mais
longos tendem a possuir uma distância entre os eletrodos maior.
O sinal EMG captado no corpo humano é um sinal analógico (um sinal
contínuo no tempo) que é convertido para um sinal digital para poder ser registrado
pelo computador. Para tanto, certos parâmetros devem ser ajustados na aquisição
do sinal, dependendo da tarefa e dos objetivos (MARCHETTI e DUARTE, 2006).
Para a coleta dos dados a frequência de aquisição, para a eletromiografia de
superfície, é considerada como a maior frequência que fica em torno de 400 a
500 Hz. Para Menzel (2009), a frequência de aquisição deve ser, no mínimo,
1000 Hz.
Após a coleta de dados são necessários importantes procedimentos para o
tratamento do sinal. Os valores para os filtros são diversificados e podem ser
utilizadas frequências de 8-500 Hz para o tratamento (filtro passa banda) (SILVA,
2010).
LEITURA DE APROFUNDAMENTO
MARCHETTI, P. H.; DUARTE, M. Instrumentação em eletromiografia. 29 p. 2006.
Disponível em: http://demotu.org/pubs/EMG.pdf

Com relação aos estudos que tratam da eletromiografia, pode-se dizer que há uma busca principalmente associada à investigação da ativação muscular no esporte e na locomoção. Lunes e Santos (2005) avaliaram três músculos: tibial anterior, gastrocnêmio (tríceps sural) e músculos lombares (paravertebrais) para a comparação da marcha de forma natural, primeiro descalços, depois usando salto baixo e finalmente salto alto. Os resultados indicaram que o tibial anterior e o gastrocnêmio mostraram um

AN02FREV001/REV 4.0

aumento da atividade muscular durante a marcha com salto alto, quando comparada à marcha descalça.

aumento da atividade muscular durante a marcha com salto alto, quando comparada à marcha descalça. Durante a marcha com salto baixo, a atividade muscular do tibial anterior e gastrocnêmio foi diferente da marcha descalça. Os músculos lombares não mostraram uma alteração significativa. Com relação às atividades ocupacionais pode ser citado o estudo de Ribeiro, Lourenção e Lopes (2004), que avaliou dois tipos de mouse assim como ilustra a Figura 20 (sendo o mouse da figura da direita um protótipo considerado mais ergonômico pelos autores).

FIGURA 20 – TIPOS DE MOUSE AVALIADOS FONTE: Ribeiro, Lourenção e Lopes, 2004. Os resultados
FIGURA 20 – TIPOS DE MOUSE AVALIADOS
FONTE: Ribeiro, Lourenção e Lopes, 2004.
Os resultados dos autores apontaram que o mouse ergonômico reduziu a
atividade muscular em extensores de punho e seu uso parece menos associado ao
desenvolvimento de queixas clínicas de dor em membros superiores. Além disso, foi
verificado que seu uso em tempo prolongado pode ser mais aceito em função do
menor gasto energético que se tem.
1.4 ANTROPOMETRIA
A antropometria que trata das medidas do corpo humano, particularmente,
com as medidas do tamanho e a forma. Para Glaner (2004), a antropometria é

AN02FREV001/REV 4.0

usada em várias áreas do conhecimento, dentre as quais estão: a performance desportiva, a saúde

usada em várias áreas do conhecimento, dentre as quais estão: a performance desportiva, a saúde e a composição corporal e a ergonomia. A importância das medidas antropométricas ganhou especial interesse na década de 40, provocada de um lado pela necessidade da produção em massa, pois um produto mal dimensionado pode provocar a elevação dos custos e por outro, devido ao surgimento dos sistemas de trabalho complexos onde o desempenho humano é crítico e o desenvolvimento desses sistemas depende das dimensões antropométricas dos seus operadores (RODRIGUEZ-AÑEZ, 2001). No entanto, considerando dados significativos da população, as tabelas existentes ainda demonstram carências de investigações (SHOENARDIE et al.,

2010). Sell (2002) indica que a própria população brasileira por suas características, que englobam misturas
2010). Sell (2002) indica que a própria população brasileira por suas características,
que englobam misturas de diversas raças e com condições sociais distintas entre as
grandes regiões do país, dificulta o projeto dos postos de trabalho no qual todos os
trabalhadores devem estar bem-acomodados e dificulta a produção dos produtos.
Iida (2005) indica as diferenças das proporções corporais de indivíduos de
diferentes etnias (americanos, japoneses e brasileiros), assim como ilustra a Figura
21.
FIGURA 21 – DIFERENÇAS ENTRE AS PROPORÇÕES CORPORAIS DE
INDIVÍDUOS DE DIFERENTES ETNIAS

AN02FREV001/REV 4.0

FONTE: Iida, 2005. Estas preocupações tornam-se ainda maiores ao se projetar produtos onde os consumidores
FONTE: Iida, 2005. Estas preocupações tornam-se ainda maiores ao se projetar produtos onde os consumidores
FONTE: Iida, 2005.
Estas preocupações tornam-se ainda maiores ao se projetar produtos onde
os consumidores podem estar espalhados por muitos países. Segundo Rodriguez-
Añez (2001), Iida (2005) e Panero e Zelnik (2006), mesmo que ainda não existam
medidas confiáveis para a população mundial, grande parte das medidas disponíveis
são oriundas de contingentes das forças armadas limitando a utilização dos dados,
pois esta população caracteriza-se por ser predominantemente do sexo masculino,
na faixa dos 18 aos 30 anos e que atenderam aos critérios para recrutamento militar
como peso e estatura mínimos.
Como se pensar então em desenvolver produtos que atendam à população
mundial? A própria estatura corporal apresenta modificações ao longo dos anos. A
Figura 22 ilustra as modificações da estatura corporal, considerando os anos de
1870 a 1980, de militares norte-americanos.

FIGURA 22 – TENDÊNCIA DA ESTATURA CORPORAL DE HOMENS NORTE- AMERICANOS

AN02FREV001/REV 4.0

FONTE: Panero e Zelnik, 2006. Ademais, no Brasil, os estudos na área da antropometria podem
FONTE: Panero e Zelnik, 2006.
FONTE: Panero e Zelnik, 2006.

Ademais, no Brasil, os estudos na área da antropometria podem ainda ser amplamente desenvolvidos, uma vez que devido às condições histórico-geográficas do país, torna-se difícil definir um padrão brasileiro, caracterizando as poucas referências encontradas e consideradas por Felisberto e Paschoarelli (2000) como tendo inestimável valor. Os mesmos autores ainda indicam que os poucos dados encontrados são ainda representativos de indivíduos específicos, o que torna sua utilização pouco confiável considerando outras circunstâncias. Menin e Pashoarelli (2006), por exemplo, encontraram discrepâncias com as medidas antropométricas considerando as normas e uma amostra de indivíduos obesos do Brasil. Para o projeto, muitas vezes, outras fontes são exploradas como aquelas originadas de normas e padrões internacionais as quais, segundo Felisberto e Paschoarelli (2000), apresentam os mesmos problemas da realidade brasileira. Hanson et al. (2009) indicam que a homogeneidade dos dados antropométricos na população da Suécia vem diminuindo, o que indica necessidades de atualizações ergonômicas para a adaptação de novos produtos e postos de trabalho.

AN02FREV001/REV 4.0

Desta forma, durante o processo projetual, particularmente na fase preliminar, dois tipos de problemas são

Desta

forma,

durante

o

processo

projetual,

particularmente

na

fase

preliminar, dois tipos de problemas são enfrentados quanto aos dados antropométricos: 1) Qual referência
preliminar,
dois
tipos
de
problemas
são
enfrentados
quanto
aos
dados
antropométricos:
1) Qual referência antropométrica utilizar?
2) Como facilitar o uso prático dos dados apresentados?
No Brasil, pode-se citar basicamente duas tabelas de medidas
antropométricas de trabalhadores brasileiros. O estudo do Instituto Nacional de
Tecnologia foi realizado com uma amostra de 3100 homens trabalhadores homens
de 26 empresas industriais do Rio de Janeiro. Os resultados encontrados pelos
autores estão ilustrados na Figura 23.
FIGURA 23 – MEDIDAS DE ANTROPOMETRIA DE 3100 HOMENS
TRABALHADORES BRASILEIROS DO RIO DE JANEIRO
FONTE: Iida, 2005.

AN02FREV001/REV 4.0

O estudo de Couto (1995) foi realizado com 400 trabalhadores também do sexo masculino e

O estudo de Couto (1995) foi realizado com 400 trabalhadores também do sexo masculino e 100 trabalhadoras de escritórios de uma fábrica na região paulista do ABC. Estes resultados podem ser observados na Figura 24.

FIGURA 24 – MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS DE 400 TRABALHADORES E 100 TRABALHADORAS DE ESCRITÓRIO DA REGIÃO
FIGURA 24 – MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS DE 400 TRABALHADORES E 100
TRABALHADORAS DE ESCRITÓRIO DA REGIÃO PAULISTA DO ABC
FONTE: Iida, 2005.
Estas medidas se referem às regiões corporais, indicadas por Iida (2005),
ilustradas na Figura 25.

AN02FREV001/REV 4.0

FIGURA 25 – PRINCIPAIS VARIÁVEIS A SEREM UTILIZADAS EM MEDIDAS DE ANTROPOMETRIA FONTE: Iida, 2005.

FIGURA 25 – PRINCIPAIS VARIÁVEIS A SEREM UTILIZADAS EM MEDIDAS DE ANTROPOMETRIA

FONTE: Iida, 2005. No entanto, o que se observa é que o número de indivíduos
FONTE: Iida, 2005.
No entanto, o que se observa é que o número de indivíduos avaliados não
reflete uma amostra significativa da população brasileira. Neste contexto, Felisberto
e Paschoarelli (2000) reuniram os dados disponibilizados por autores como Iida
(2005) e Panero e Zelnik (2006) e definiram parâmetros antropométricos por meio de
técnicas estatísticas.
Desta forma, os autores obtiveram a Figura 26 considerando 29 variáveis
antropométricas, assim como indica as referências da Figura 27.

AN02FREV001/REV 4.0

FIGURA 26 – RESULTADOS FINAIS DO TRATAMENTO ESTATÍSTICO DAS VARIÁVEIS ANTROPOMÉTRICAS (VALORES EM CM) FONTE:

FIGURA 26 – RESULTADOS FINAIS DO TRATAMENTO ESTATÍSTICO DAS VARIÁVEIS ANTROPOMÉTRICAS (VALORES EM CM)

FONTE: Felisberto e Paschoarelli, 2000.
FONTE: Felisberto e Paschoarelli, 2000.

AN02FREV001/REV 4.0

FIGURA 27 – REPRESENTAÇÃO BIDIMENSIONAL PARA A IDENTIFICAÇÃO DAS MEDIDAS A SEREM REALIZADAS CONSIDERANDO AS

FIGURA 27 – REPRESENTAÇÃO BIDIMENSIONAL PARA A IDENTIFICAÇÃO DAS MEDIDAS A SEREM REALIZADAS CONSIDERANDO AS 29 VARIÁVEIS

FONTE: Felisberto e Paschoarelli, 2000.
FONTE: Felisberto e Paschoarelli, 2000.

Internacionalmente, foram encontrados estudos com 367 indivíduos de amostra da Suécia (105 homens e 262 mulheres), com idades entre 18-65 anos (HANSON et al., 2009); 315 indivíduos de uma amostra de Singapura (206 homens e 109 mulheres) e 377 indivíduos de uma amostra da Indonésia (245 homens e 132 mulheres) com idades entre 18-45 anos (CHUAN, HARTONO e KUMAR, 2010), e 300 indivíduos de uma amostra da Tailândia (150 homes e 150 mulheres) 20,56 ± 71,53 anos (KLAMKLAY et al., 2008). No entanto, da mesma forma que ocorre com os dados Brasileiros, o número de indivíduos avaliados ainda não representa de forma significativa a população dos países. Para as avaliações, pode-se dizer que sãos dois os tipos básicos de dimensões corporais com importância para os projetos e produtos: estruturais e funcionais. As dimensões estruturais, às vezes chamadas de estáticas, incluem medidas de cabeça, tronco e membros em posições padronizadas, como as observadas nas Figuras anteriores. As dimensões funcionais, também chamadas de dinâmicas, incluem medidas tomadas em posições de trabalho, por exemplo. Os equipamentos antropométricos mais comumente usados são: fita métrica, estadiômetro, balança, adipômetro para dobras cutâneas e paquímetros. A fita métrica é usada para medir os perímetros corporais e sua escala de medida deve ser em milímetros (mm), e com 7 mm de largura. Não é recomendado o uso de

AN02FREV001/REV 4.0

fitas metálicas, devido o fato de não serem completamente maleáveis (GLANER, 2004). Para a coleta

fitas metálicas, devido o fato de não serem completamente maleáveis (GLANER,

2004). Para a coleta de dados antropométricos, Glaner (2004) indica os seguintes equipamentos: O estadiômetro
2004).
Para a coleta de dados antropométricos, Glaner (2004) indica os seguintes
equipamentos:
O estadiômetro é usado para medir a estatura e a altura troncocefálica, esta
também denominada de altura sentada. Recomenda-se um estadiômetro com
escala de medida em milímetros. Na falta desse equipamento, basta fixar uma fita
métrica em uma parede lisa que forme um ângulo de 90º em relação ao chão e sua
escala de medida deve ser em mm.
A balança é o equipamento utilizado para mensurar a massa corporal. De
preferência, sua escala de medida deve ser de 100 gramas.
Os adipômetros são usados para medir as dobras cutâneas e os
paquímetros são usados para medir os ossos. Os paquímetros de hastes curtas
servem para medir os diâmetros menores, como o bimaleolar; o de hastes longas
mede os diâmetros maiores, como o biacromial, e comprimentos ósseos, como o
radial-estiloide. O paquímetro de pontas rombas também é usado para medir a
profundidade anteroposterior do tórax.
paquímetro de pontas rombas também é usado para medir a profundidade anteroposterior do tórax. AN02FREV001/REV 4.0

AN02FREV001/REV 4.0

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABDEL-AZIZ, Y.I.; KARARA, H. M. Direct linear transformation from comparator coordinates
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABDEL-AZIZ, Y.I.; KARARA, H. M. Direct linear transformation from comparator coordinates
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ABDEL-AZIZ, Y.I.; KARARA, H. M. Direct linear transformation from comparator
coordinates into object space coordinates in close-range photogrammetry. In:
Symposium on close-range photogrammmetry, 6., 1971, Falls Church.
Proceedings
Falls Church: American Society of Photogrammetry, 1971. p.1-18.
AMADIO, A. C.; BARBANTI, V. J. Orgs. A Biodinâmica do movimento humano e
suas relações interdisciplinares. São Paulo: Estação Liberdade, 2000.
AMADIO, A. C.; DUARTE. M. Fundamentos biomecânicos para a análise do
movimento humano. São Paulo: Laboratório de Biomecânica. Escola de Educação
Física e Esporte da Universidade de São Paulo, 1996.
AMADIO, A. C.; SERRÃO, J. S. Contextualização da biomecânica para a
investigação do movimento: fundamentos, métodos e aplicações para análise da
técnica esportiva. Revista Brasileira de Educação Física, v. 21, p. 61-85, 2007.
BERQUE, P.; GRAY, H. The influence of neck–shoulder pain on trapezius muscle
activity among professional violin and viola players: an electromyographic study.
Medical Problems of Performing Artists, v.17, n. 2, p. 68-75, 2002.
CHUAN, T. K.; HARTONO, M.; KUMAR, N. Anthropometry of the Singaporean and
Indonesian populations. International Journal of Industrial Ergonomics, p. 1-10,
2010.
COPETTI, F.; MOTA, C. B.; GRAUP, S.; MENEZES, K. M.; VENTURINI, E. B.
Comportamento angular do andar de crianças com síndrome de Down após
intervenção com equoterapia. Revista Brasileira de Fisioterapia, v. 11, n. 6, p.
503-507, 2007.
ENOKA, R. M. Bases neuromecânicas da cinesiologia. São Paulo: Manole, 2000.
ESTEVES, A. C.; REIS, D. C.; CALDEIRA, R. M.; LEITE, R. M.; MORO, A. R. P.;
BORGES JÚNIOR, GOMES, N. Força de preensão, lateralidade, sexo e

características antropométricas da mão de crianças em idade escolar. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 7, n. 2, p. 69-75,

2005.

AN02FREV001/REV 4.0

FELISBERTO, L. C.; PASCHOARELLI, L. C. Dimensionamento preliminar de postos de trabalho e produtos –
FELISBERTO, L. C.; PASCHOARELLI, L. C. Dimensionamento preliminar de postos de trabalho e produtos –
FELISBERTO, L. C.; PASCHOARELLI, L. C. Dimensionamento preliminar de postos
de trabalho e produtos – modelos antropométricos em escala. In: ENCONTRO
NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Anais
VII International
Conference on Industrial Engineering e Operations Management, 2001, Salvador.
Proceedings, 2001. 1 CD ROM.
GERTZ, L. C.; LARANJA, R. A. C; RECH, C.; BALBINOT, A.; BLANCO, R. L. &
ZARO, M. A. Relação entre Força e Nível Técnico de Digitação. Anais
Brasileiro de Biomecânica. João Pessoa: XI CBB. 2005.
Congresso
GLANER, M. F. Tópicos especiais em antropometria. Revista Mineira de Educação
Física, v. 12, n. 2, p. 143-158, 2004.
HANSON, L.; SPERLING, L.; GARD, G.; IPSEN, S.; VERGARA C. Swedish
anthropometrics for product and workplace design. Applied Ergonomics, v. 40,
p.797–806, 2009.
HERMENS, H. J.; FRERIKE, B.; DISSELHORST-KLUG, C.; RAU, G. Development of
recommendations for SEMG sensors and sensor placement procedures. Journal of
Electromyography and Kinesiology, v. 10, p. 361-374, 2000.
IIDA, Í. Ergonomia projeto e produção. São Paulo: Edgar Blucher, 2005. 614p.
KLAMKLAY, J.; SUNGKHAPONG, A.; YODPIJIT, N.; PATTERSON, P. E.
Anthropometry of the southern Thai population. International Journal of Industrial
Ergonomics, v. 38, p. 111- 118, 2008.
LUNES, D. H.; SANTOS, C. B. A. Análise eletromiográfica da atividade muscular
durante a marcha em crianças, utilizando diferente tipos de calçados. Fisioterapia
Brasil, v. 6, n. 5, p. 328-331, 2005.
MARCHETTI, P. H.; DUARTE, M. Instrumentação em eletromiografia. 29p. 2006.
Disponível em: <http://demotu.org/pubs/EMG.pdf>. Acesso em: 03 ago. 2010.
MENIN, M.; PASCHOARELLI, L. C. Antropometria de obesos: Parâmetros para o
design de produtos destinados à acessibilidade desta população. In: CONGRESSO
DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM DESIGN. 7., 2006, Curitiba, Anais
Paraná: Associação de Ensino e Pesquisa de Nível Superior de Design do Brasil,
2006. 1 CD-Rom.

AN02FREV001/REV 4.0

MENZEL. H. J. Uso de eletromiografia no esporte. Informativo técnico-científico do Comitê Olímpico Brasileiro .

MENZEL. H. J. Uso de eletromiografia no esporte. Informativo técnico-científico do Comitê Olímpico Brasileiro. p. 1-3, 2009.

MORAES, J. C. T. B. Instrumentação para análise da biodinâmica do movimento humano. In: A
MORAES, J. C. T. B. Instrumentação para análise da biodinâmica do movimento
humano. In: A biodinâmica do movimento humano e suas relações
interdisciplinares. São Paulo: Estação Liberdade, p. 15-44, 2000.
NASSER, J. P. Biomecânica do esporte/Educação Física: origens e tendências no
Brasil: as ciências do esporte no Brasil. Campinas, SP: Autores associados, 1995.
PANERO, J.; ZELNIK, M. Dimensionamento humano para espaços interiores:
um livro de consulta e referência para projetos. Barcelona, Espanha: GG, 2006.
320p.
PENEIREIRO, G. M.; AMADIO, A. C.; SERRÃO, J. C. Influência da mochila na
característica do padrão dinâmico da locomoção de carteiros pedestres. In:
CONGRESSO BRASILEIRO DE BIOMECÂNICA, 11., 2005, João Pessoa. Anais
São Paulo: Sociedade Brasileira de Biomecânica, 2005.
PRANKE, G. I.; TEIXEIRA, C. S.; MOTA, C. B. Contribuições biomecânicas ao
público da terceira idade. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v.9 n. 2
Rio de Janeiro, 2006. Disponível em:
<http://www.unati.uerj.br/tse/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-
98232006000200007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 18 set. 2010.
REISER, R. F.; WICKEL, E. E.; MENZER, H. M. Lumbar mechanics of floor to
knuckle height lifting on sloped surfaces. International Journal of Industrial
Ergonomics, v. 38, n. 1, p. 47-55, 2008.
RIBEIRO, M.; LOURENÇÃO, M. I. P.; LOPES, J. A. Comparação de dois tipos de
mouse por meio de eletroneuromiografia de superfície. Acta Fisiatrica, v. 11, n. 3, p.
111-116, 2004.
RODRIGUEZ-AÑEZ, C. R. A antropometria e sua aplicação na ergonomia. Revista
Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, v. 3, n. 1, p. 102-108,
2001.

SHOENARDIE, R. P.; TEIXEIRA, C. S.; MERINO, G. S. A. D.; MERINO, E. A. D.; GONTIJO, L. A. Antropometria: necessidade de constantes investigações para a

AN02FREV001/REV 4.0

efetiva contribuição na área da Ergonomia. Lecturas Educación Física y Deportes . Disponível em:

efetiva contribuição na área da Ergonomia. Lecturas Educación Física y Deportes. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd149/antropometria-contribuicao-na- area-da-ergonomia.htm>. Acesso em: 15 out. 2010.

SILVA, R. C. Eletromiografia de superfície: função neuromuscular e reprodutibilidade do método: uma revisão. 36f.
SILVA, R. C. Eletromiografia de superfície: função neuromuscular e reprodutibilidade
do método: uma revisão. 36f. 2010. Dissertação (Trabalho de Conclusão de Curso
em Educação Física). Porto Alegre – Universidade Federal do Rio Grande do Sul,
Escola de Educação Física, 2010.
STRAKER, L.; JONES, K.; MILLER, J. A comparison of the postures assumed when
using laptop computers and desktop computers. Applied Ergonomics, v. 28, p. 263-
268, 1997.
TEIXEIRA, C. S. Biomecânica. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em
Educação Física). Universidade Federal de Santa Maria, Curso de Educação Física,
2004.
TEIXEIRA, C. S.; MOTA, C. B. A biomecânica e a Educação Física. Educación
Física y Deportes. 2006. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd113/a-
biomecanica-e-a-educacao-fisica.htm>. Acesso em: 03 ago. 2010.
TEIXEIRA, C. S.; PRANKE, G. I.; MOTA, C. B. Quantificação da variação do ângulo
lombar no exercício flexão de joelhos deitado em diferentes intensidades de
trabalho. 2007. Disponível em: < http://www.efdeportes.com/efd111/quantificacao-
da-variacao-do-angulo-lombar-no-exercicio-flexao-de-joelhos.htm>. Acesso em: 22
jul. 2010.

AN02FREV001/REV 4.0