Você está na página 1de 8

8 Prensa cultura

Outros olhares Filo em Foz


A Casa do Teatro vai trazer peças do
Festival Internacional de Londrina (Filo)
A oficina “Outros Olhares” terá sua para Foz do Iguaçu, conforme o jornal
segunda edição no dia 23 de março. Seu Prata da Casa, lançado com apoio da
objetivo é despertar entre os participan- delegacia. Os organizadores estão

Escher, litografia, 1957


tes a sensabilidade com que se lê a lin- acertando a data e o local do evento.
guagem visual, principalmente a fotográ- Em fevereiro, a Casa firmou parceria
fica. Para descondicionar os olhos, é pre- com o sindicato na participação do ato
ciso saber ver sem a contaminação dos contra a guerra imperialista dos EUA
modelos existentes, buscando dentro de (foto). O evento, realizado na Praça das
si um significado que lhe toque mais, ain- Nações, reforçou o repúdio à insanidade
da que para isso a emoção sobreponha as do presidente George Bush.
referências mais racionais. O olho dorme até que
Por isso, busca-se com esse trabalho o espírito o acorde
proporcionar aos indivíduos um encon-
com uma pergunta
tro com sua própria pessoa e a possibili- provérbio árabe
dade de se perceber um ser único, crítico
de seu universo pessoal e social. onal com mais de 17 anos de trabalho em
Composta de exercícios e dinâmicas, veículos de comunicação do Paraná
ela se desenha a partir de atividades que A oficina será realizada na Casa do Te-
priorizam as sensações, utilizando os ou- atro, das 9 às 18 horas. As vagas são limi-
tros sentidos, além da visão. Assim, apren- tadas. Mais informações nos telefones

Foto: Aúrea Cunha


de-se que a fotografia pode ter cheiro, 523-5105 e 9977-4490. O projeto é uma
textura, som e temperatura. realização da Casa do Teatro, Movimento
“Outros Olhares” é coordenada pela Cuca Legal de Cultura Popular, com apoio
repórter fotográfica Áurea Cunha, profissi da Travessa dos Editores (Divulgação).

A poesia mínima de Luz


Desafiar dois conceitos da poe- Poeta e ativista cultural, Carlos Luz é O lançamento no município ocorreu
sia, a rima e a métrica. Esse é o de- natural de Marília (SP) e está radicado há em fevereiro e contou com apoio da de-
safio assumido pelo poeta Carlos 17 anos em Foz. Aos 41 anos lança o seu legacia, Casa do Teatro, Movimento Cuca
Luz em seu livro “Poesia mínima”. primeiro livro, editado pela curitibana Tra- Legal, entre outras entidades e institui-
Ele desafia o estilo ao trabalhar a vessa dos Editores. Além da obra, o poeta ções. O sindicato está subsidiando o livro
métrica do poema mínimo sem le- trabalha o “Mínimas Poéticas”, um proje- para seus associados. Basta procurar os
var em conta os sons fonéticos, as to de debates, mostra e oficinas sobre po- delegados para conseguir um desconto na
sílabas poéticas, mas sim as letras e esia nas escolas e faculdades da região. compra do título (Alexandre Palmar).
os caracteres.
A técnica foi usada nos 131 po-
a p r o c u r a d e u m 3 8
emas, todos com dois versos. Eles t o d o s s ã o i g u a i s !
n ã o p a s s o u d o s 1 8
estão divididos em mínimas críticas, ( m a s u n s s ã o m a i s )
líricas, práticas, eróticas e etílicas.
n e m s e m p r e o n e x o
“Poeta é justamente o homem que e s t á n o c o m p l e x o
cria as regras poéticas”, afirma Luz,
reproduzindo um pensamento do n e m a b a r a t a p e g a a v i d a p e l o r a b o
poeta russo Wladimir Maiakóvsky. a t u d o a c a t a l e v a t e u s o n h o a c a b o

Centro Educacional Carrossel


Educação infantil
e ensino fundamental

Rua Almirante Barroso, 1473 - Fone: (45) 523-4606 Rua Xavier da Silva, 266 - Centro
E-mail: livros@livrariakunda.com.br - Foz do Iguaçu - PR Fone: (45) 572-2624 - Foz do Iguaçu - PR
redações Prensa 7

A gênese da escravidão
N ohouve
primeiro dia, quer era de pagamento,
atraso de salário. Quem reclamou
No quarto dia, o Dono ficou muito
contente porque os índices de
“O Dono foi demitido. Quem reclamou da demis- lucratividade haviam melhorado após as
informou a são do reclamante foi demitido e proces- recentes medidas. E resolveu dar uma
todos que sado por injúria. Quem reclamou da de- festa em agradecimento aos funcionári-
missão do reclamante que reclamou da os, no próximo domingo. Ao mesmo tem-
estava
demissão do reclamante foi demitido por po, anunciou um corte de 50% nos salá-
suspensa a justa causa, processado por injúria e rios, em vista das dificuldades da empre-
concessão de obrigado a cumprir aviso prévio. sa e do quadro instável da economia.
férias na No segundo dia, o Dono disse aos No quinto dia, o Dono informou a
empresa. Na funcionários que a empresa estava pas- todos que estava suspensa a concessão
opinião do sando por uma série de ajustes. Logo, de férias na empresa. Na opinião do
Dono, férias os funcionários teriam de fazer o mes- Dono, férias são uma típica invenção de
mo. A primeira providência seria cor- vagabundos. “Para que 30 dias de des-
são uma
tar o vale-refeição. É bem verdade que canso, se os domingos já existem para
típica o benefício já havia sido cortado muito isso?”. Ah, e a festa foi cancelada.
invenção de tempo antes – mas a vida é assim, cheia No sexto dia, o Dono reuniu os funci-
vagabundos.” de imprevistos. Funcionário que não onários e anunciou que, a partir daque-
ajusta o orçamento doméstico (para pa- le momento, eles pagariam uma taxa
gar o próprio almoço) é funcionário in- para trabalhar. Afinal de contas, a em- Paulo Briguet,
competente. E quem não tem competên- presa já tivera muitas despesas com eles 32, é jornalista em
cia não se estabelece. –água, luz, telefone, cafezinho, faltas—, Londrina
No terceiro dia – salário continua- e era chegada a hora da retribuição. * Esta crônica
va atrasado —, o Dono resolveu dis- No sétimo dia, ninguém descansou. foi veiculada pela
pensar os melhores e mais experientes Estavam todos de plantão. Rádio Universidade
funcionários da empresa, porque eles FM (Londrina)
tinham o péssimo hábito de ganhar um P.S.: o texto que você acabou de ler é e publicada no
pouco a mais que os outros. Nem é pre- uma ficção. Qualquer semelhança com Jornal da Casa
ciso dizer: quem reclamou foi demiti- a história de empresas vivas ou mortas (Sindicato de
do também. seria uma triste coincidência. Londrina)

Crise de bom senso


A crise financeira na Folha de Lon- para o depósito da segunda metade do salário de dezembro.
drina é pública, mas alguns episódios da O RH falou da crise –há dois anos, o jornal paga o salário
relação empresa e funcionários parecem com atraso e não o reajuste– e afirmou que no dia 20 daquele
surreais. Dia 19 de fevereiro, um jornalista do mês seria pago o salário de quem trabalhou em janeiro, e ele,
veículo, que tem como diretor-superindentente jornalista, como “descansou” em janeiro, não iria receber nada.
o ex-senador e ex-banqueiro José Andrade Ousado, o funcionário do RH disse que o repórter devia algo em
Vieira, questinou no Recursos Humanos a pre- torno de R$ 1,20 em virtude do saldo banco de horas.
visão de pagamento do salário de janeiro, mês Paciente, o jornalista pensou, educamente, em pagar o débito
em que tirou férias. Aproveitou para lembrar na esperança de ajudar a empresa a reativar o cafezinho na reda-
ao RH que elas deveriam ser depositadas ção, cortado há pouco tempo. Ciente do pouco efeito prático que
antes dele gozar do benefício, garantido a medida iria ter, deixou a contraproposta de lado e riu da piada
na CLT. Questinou, ainda, a previsão de mau gosto (Alexandre Palmar).

Revelação do seu
filme em 1 hora
com sofisticada
tecnologia da Fujifilm.

Rua Marechal Deodoro, 943 - Centro Av. Brasil, 930 - Fones: (45) 574-3725 e 574-2086
Fone: (45) 523-5105 - Foz do Iguaçu - PR E-mail: digital@fotoiguacu.com.br - Foz do Iguaçu - PR
6 Prensa formação

O fotojornalismo e a qualidade de formação


Delegacia reúne publicações de interesse da categoria e colhe indicações para compra de livros

Quando se trata de informação textual, no fotojornalismo não é um problema que O fotojornalismo nasceu para registrar
a opinião é unânime: o jornalista deve nasceu com a fotografia digital e sua os grandes acontecimentos da história
pautar-se pela verdade dos acontecimentos manifestação na imprensa se dá desde humana, nasceu para ver o mundo como
na tentativa de levar ao leitor uma séculos anteriores. ele é, nasceu para levar a lugares distantes
informação isenta, imparcial e fiel de um Em 1863, o fotógrafo norte-americano povos e culturas exóticas, nasceu para
determinado fato. Para que não pairem Alexander Gardner foi protagonista de um denunciar, nasceu para servir como um
dúvidas, ainda: o que aconteceria se um dos primeiros casos de encenação ficcional registro histórico, por mais banal que seja
jornalista inventasse uma informação na no campo do fotojornalismo, durante a esse registro. Nas palavras de Henry Luce,
hora de escrever sua matéria? Tal atitude cobertura da Guerra Civil Americana, o fundador da Revista Life (referência básica
seria repudiada pelos órgãos de defesa da primeiro evento a ser coberto a exaustão quando o assunto é fotojornalismo) em
qualidade de informação jornalística? Em pelos fotojornalistas. Na famosa fotografia 1936: “...para ver a vida; para ver o mundo,
outras palavras, é aceitável um jornalista “A Casa de um Atirador Rebelde”, ser testemunha dos grandes
enganar seu leitor com uma informação Gardner teria utilizado o corpo de soldado acontecimentos, observar os rostos dos
inverídica? A resposta, óbvia, é não. sulista para conseguir uma das imagens mais pobres e os gestos dos orgulhosos;
O problema da qualidade da mais marcantes do conflito. A suspeita caiu ver estranhas coisas – máquinas, exércitos,
informação não é exclusivo de repórteres sobre Gardner porque ele teria utilizado o multidões, sombras na selva e na lua...”,
e editores de texto. Há muito tempo os mesmo corpo na foto “A Última Casa de “...para ver e ter prazer em ver; para ver e
profissionais da imagem, particularmente um Atirador Especial”. espantar-se; para ver e ser instruído.”
os fotojornalistas, convivem com o No século XX, mais uma caso de Fabrício Azambuja é jornalista
fantasma da manipulação da informação. construção imagética entrou para a história profissional formado pela Universidade
Desde os primórdios da atividade do fotojornalismo. Durante a cobertura da Estadual de Londrina e atua no
fotojornalística, por volta de 1842 (neste II Guerra Mundial, o fotógrafo Joe fotojornalismo há 4 anos. Atualmente, dá
ano, tem-se o registro de uma das Rosenthal fotografou fuzileiros navais aulas para alunos do curso de jornalismo
primeiras fotografias de acontecimentos, americanos erguendo a bandeira dos EUA da União Dinâmica de Faculdades
uma imagem das consequências de um após a batalha contra o exército japonês Cataratas. É Diretor de Imagem da
incêndio ocorrido em Hamburgo, na ilha de Iwo Jima, o que resultou numa Delegacia de Foz do Sindicato dos
publicada na pioneira The Illustrated London das mais célebres imagens daquele século, Jornalistas Profissionais do Paraná. Home-
News), existem relatos de casos de chegando Rosenthal a ganhar o prêmio Page: www.retratosdafronteira.com - E-
fotografias forjadas ou no ato fotográfico Pulitzer de Fotografia, em 1945, a maior mail: retratos@retratosdafronteira.com
ou manipuladas em laboratório. premiação do jornalismo norte-americano.
A questão é polêmica e, embora muitos Anos depois, fotógrafos que também
profissionais da área discriminem este tipo registraram a cena denunciaram que o
de conduta, casos de manipulação no fotógrafo não estava no local no momento
fotojornalismo são mais comuns do que em que os fuzileiros fincavam a bandeira.
se imagina. Recentemente, o fotógrafo A verdade veio à tona: Rosenthal chegou
Brian Walski, do Los Angeles Times, que atrasado ao local e pediu para os fuzileiros
cobria a invasão anglo-americana ao repetirem a cena para que ele a
Iraque, foi demitido após seus editores fotografasse.
constatarem que o fotógrafo alterou o Diante de tantos casos de manipulação
conteúdo de uma imagem através de um imagética, cabe a pergunta: até que ponto
programa de computador. Brian Walski é aceitável alterar o conteúdo de uma
ganhou as páginas de todo o mundo, pela fotografia, seja através de programas de
bela imagem que construiu e por sua edição digital ou através de construções da
conduta anti-ética. realidade? Penso que alterar o conteúdo
Pode-se dizer que o problema da de uma fotografia de imprensa é
construção imagética no fotojornalismo inaceitável, em qualquer um dos casos.
ganhou destaque na mídia devido ao Ética é a palavra que deve prevalecer no
crescente uso de tecnologias digitais cada dicionário não só dos fotojornalistas, mas
vez mais modernas, cujos recursos e também de editores e todos que trabalham
facilidades de manipulação seduzem os com fotojornalismo, pois poucos são os
repórteres-fotográficos em busca de recursos para coibir tal prática na imprensa.
prestígio e sucesso. Todavia, a manipulação Se o profissional tiver a intenção de
manipular, ele o fará.
ação sindical Prensa 5

Estágio é fiscalizado notas


Delegacia notificará
veículos que empregam O jornal Brasil de Fato será lança-
estudantes de jornalismo do, em abril, em Foz do Iguacu numa
iniciativa da delegacia. O evento con-
tará com a presença do cientista políti-
Alexandre Palmar
co César Benjamin, integrante do con-
selho editorial do semanário, colabora-
A Delegacia de Foz do Iguaçu e Re-
dor da revista Caros Amigos e membro
gião do Sindicato dos Jornalistas Profissi-
da coordenação nacional do Movimen-
onais do Paraná está notificando as empre- Ozires/Revista Imprensa
to Consulta Popular.
sas de comunicação e órgãos públicos da
cidade que estiverem contratando estudan-
tes de comunicação como estagiários. As empresas dispensam seus repórteres
Objetivo editorial
Atualmente, vários acadêmicos, de di- para não pagar horas extras e ao mesmo tem- “Brasil de Fato é o resultado de as-
ferentes períodos, estão trabalhando ilegal- po contratam a mão-de-obra barata. Fica pirações de milhares de lutadores de
mente em jornais, assessorias, emissoras de claro o desrespeito à classe (hoje nove pro- movimentos populares, intelectuais de
rádios e televisão a cabo. A prática estu- fissionais estão desempregados na cidade). esquerda, sindicatos, jornalistas e ar-
dantil fere o Decreto 83.284, que regula- Pior, essa prática está invertendo a ló- tistas que se uniram para formar uma
mentou o exercício da profissão. gica do aprendizado em jornalismo: pri- ampla rede nacional e internacional de
Segundo o artigo 19, “constitui fraude meiro é preciso buscar a formação teóri- colaboradores.” Palavras de apresenta-
a prestação de serviços profissionais gra- ca, depois a prática. A realidade revela aca- ção da edição número zero.
tuitos, ou com pagamentos simbólicos, sob dêmicos do primeiro período – com base
pretexto de estágio, bolsa de teórica quase inexistente – já trabalhando “O jornalismo é
complementação, convênio ou qualquer em redações.
outra modalidade, em desrespeito à legis-
um humanismo”
lação trabalhista e a este regulamento”. PROPOSTA É o nome do livro de Victor
Além da afronta à legislação, outro gra- Diante desse problema, a delegacia res- Emanoel Folquening, jornalista e mes-
ve problema identificado foi a falta de gatou a proposta do Instituto Paranaense tre em Ciências Sociais Aplicadas pela
acompanhamento de profissionais no tra- de Estudos em Jornalismo (IPEJ) para re- Universidade Estadual de Ponta Gros-
balho dos estagiários. O que era para ser gulamentação do estágio. O documento é sa (UEPG). A obra será lançada em Foz
um período de aprendizado fora da sala de fruto de discussões da Federação Nacio- do Iguaçu em abril, numa iniciativa da
aula acaba constituindo-se – na maioria dos nal dos Jornalistas (Fenaj), Executiva Na- delegacia.
casos – no repasse de vícios das redações. cional dos Estudantes de Comunicação So- O trabalho é um documento sobre
A ilegalidade tem outros reflexos. Os cial (Enecos) e sindicatos. representações sociais, uma análise crí-
estudantes recebem remuneração inferi- Entre os critérios para o estágio está a tica da formação de comunicadores
or a meio piso salarial, trabalham muitas necessidade do estudante ter concluído o pelas universidades brasileiras.
vezes numa jornada superior às cinco ho- terceiro ano ou sexto período. Por causa Folquening é professor do Centro Uni-
ras da categoria e assinam matérias como dessa barreira, será promovida outra assem- versitário Positivo (UnicenP).
free lancer, sem dizer que, dessa forma, as bléia para discutir o assunto.
empresas ficam isentas de pagar encar- Agendas Fenaj
gos trabalhistas. O Sindijor está vendendo as agen-
das da Fenaj pelos seguintes preços:
agenda grande: R$ 10,00 (filiado em
E X I JA SEUS DIREITOS! dia) e R$ 15,00 (demais); agenda pe-
quena: R$ 5,00 (filiado em dia) e
R$ 8,00 (demais).
Denuncie o descumprimento da
Convenção Coletiva de Trabalho, que Sindicalização
entre seus 51 artigos determina piso salari- A delegacia reforçou a campanha de
al de R$ 1.299,23, horas extras remunera- sindicalização e renovação das cartei-
das com 100% de acréscimo, banco de ras de identidade sindicais. O trabalho
horas somente com aval do sindicato, é importante para assegurar os direitos
anuênio de 1% e cursos de formação. e benefícios aos associados. Vale lem-
Cópias da CCT podem ser retiradas na brar que os documentos devem estar
atualizados para participação no pleito
delegacia ou no sítio www.sindijorpr.org.br
da entidade, dias 29 e 30 de abril.
4 Prensa ação sindical

notas Efeitos da sentença


Boletim eletrônico Impedido pela Justiça Federal de fiscalizar exercício ilegal da profissão,
A Fenaj lançou no dia 10 de março sindicato está denunciando empresas que derespeitam o piso salarial
a segunda edição do boletim eletrônico
da Campanha em Defesa da Regula- Alexandre Palmar
mentação da Profissão de Jornalista. Ele
revela que o 7 de abril, data na qual se O sdiploma
efeitos práticos da sentença contra a obrigatoriedade do
para o exercício do jornalismo começam a aparecer
comemora o “Dia do Jornalista”, irá
nas redações de Foz do Iguaçu. Amparados na decisão da
também marcar o “Dia Nacional de
juíza Carla Rister, da 16ª Vara Cível da Justiça Federal de São
Luta em Defesa da Regulamentação da
Paulo, empresários estão demitindo profissionais e abrindo
Profissão de Jornalista”.
espaço para irregulares.
Veículos de comunicação que respeitaram a regulamen-
Termo precário tação nos últimos anos, curiosamente, demitiram jornalistas
Os registros concedidos pelas Dele- –alguns sob a justificativa de crise financeira– e abriram a
gacias Regionais do Trabalho (DRTs), redação para estagiários (prática proibida por lei) ou irregu-
amparados sob sentença em primeira lares. Isso num pequeno intervalo de tempo.
instância da Justiça Federal de São Pau- Vale lembrar que a sentença de Carla Rister abre a possi-
lo, continuam sendo considerados pre- bilidade de pessoas tirarem o registro precário na Delegacia
cários. A manutenção do uso do termo Regional do Trabalho (DRT) sem a necessidade de forma-
foi determinado pelo ministro do Tra- ção superior, mas não isenta quem exerce função de jorna-
balho, Jacques Wagner, que atendeu a lista de ter habilitação perante o órgão responsável.
uma solicitação da Federação Nacional As conseqüências dessas manobras, seja nos espaços edi-
dos Jornalistas (Fenaj) e diretores de toriais, seja no aspecto trabalhista, começam a aparecer com
sindicatos em 30 de janeiro. Veículos de mais freqüência. Além de desempregar regulamentados, os
Para o ministro, por tratar-se de comunicação que jornais iniciam o “terrorismo” de estipular quanto o novo
uma decisão em primeira instância e respeitaram a contrato vai receber pelo trabalho, sempre abaixo do piso
contra a qual já existe recurso, os regis- regulamentação nos salarial da categoria no Paraná, que é de R$ 1.299,23.
tros continuarão sendo emitidos a títu- últimos anos,
Impedido pela Justiça Federal de fiscalizar exercício ile-
lo de precário. curiosamente,
demitiram gal da profissão, o sindicato está denunciando empresas que
jornalistas –alguns derespeitam o piso salarial estipulado na Convenção Coleti-
Mais ações sob a justificativa va de Trabalho, assinada entre os sindicatos dos jornalistas
Os jornalistas aproveitaram o en- de crise financeira– paranaenses e os sindicatos das empresas de jornais, revistas,
contro para acompanhar a elaboração e abriram a redação televisões e rádios do Estado. A CCT, com validade de 1º de
do recurso contra a sentença de primei- para estagiários ou
irregulares.
outubro de 2002 a 30 de setembro de 2003, tem peso de lei.
ra instância junto ao Tribunal Regional A fiscalização levará em conta ainda a cláusula 38 da CCT,
Federal da 3a Região, em São Paulo, e que proíbe a contratação de jornalistas sem o registro profis-
para pedir agilidade no envio do ante- sional estabelecido pelo Decreto 83.284 de 1979, que deter-
projeto de lei do Conselho Federal de mina a obrigatoriedade do diploma para o exercício do jor-
Jornalismo ao Congresso Nacional. nalismo. Portanto, estará irregular e passível de multa a em-
presa que empregar pessoa com registro precário.
Camisetas
Começou a entrega das camisetas
da campanha em defesa do diploma Pesquisa sindicato
??
para os jornalistas que pagam o sindi- O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná está realizando
cato com débito em conta ou desconto uma pesquisa para avaliar o grau de satisfação de seus afiliados e usuários
em folha. É preciso estar filiado há seis em relação aos seus serviços.
meses, no mínimo; a carteira de jorna- O questionário já foi enviado por e-mail a todos os sindicalizados. A
lista não pode estar vencida. A entrega consulta deve ser respondida até 20 de março, quando começa a
dos adesivos da campanha continua. tabulação. O resultado será utilizado na monografia de conclusão de

?
curso da estudante Margarete Petersohn, do curso de Gestão da
Abaixo-Assinado Informação da UFPR.

?
Outra iniciativa dentro da As perguntas são sobre como o sindicalizado costuma obter do
campanha é o abaixo-assinado em sindicato, em tempo hábil, as informações necessárias para o exercício
busca de apoio à exigência do ensino das atividades profissionais; eventual dificuldade na solicitação de
superior específico para a profissão. Em serviços ao sindicato; e os meios utilizados para buscar informações
Foz, a lista está com a delegacia. na entidade.
ação sindical Prensa 3

Sindicato realiza
eleição em abril
Jornalistas definem nova diretoria para os próximos três anos

Douglas Furiatti A outra alteração é no Conselho de


Ética, que será definido após posse da nova

Urnas O Sindicato dos Jornalistas Profissionais


do Paraná realiza nos dias 29 e 30 de
abril, das 9 às 20 horas, a eleição para defi-
diretoria. Os nomes dos seis integrantes
(três titulares e três suplentes) sairão de
uma assembléia geral.
Haverá urnas fixas na sede do sindi-
cato e em locais definidos pela Comissão nir sua próxima diretoria. A disputa segui- O edital de convocação das eleições foi
Eleitoral e também urnas itinerantes. O rá os parâmetros do novo estatuto sindi- publicado no jornal O Estado do Paraná,
quórum terá de ser superior a 50% dos cal, aprovado em assembléia geral de 28 de fevereiro. Ele estipula como pra-
associados aptos a votar. Se o percentual acontecida em Curitiba dia 13 de fevereiro. zo final para inscrição de chapas à Direto-
não for atingindo, haverá nova eleição Em relação às eleições passadas, há duas ria Administrativa e de nomes para o Con-
nos dias 6 e 7 de maio, exigindo-se o importantes mudanças. Para o Conselho Fis- selho Fiscal o dia 31 de março. Essa data e
quórum de mais de 40% dos votantes. Se cal, as candidaturas serão individuais, ou seja, os dias de votação foram estabelecidos pela
o índice não for alcançado, a terceira não estarão atreladas diretamente às chapas Comissão Eleitoral.
votação será em 13 e 14 de maio, com que concorrem à Diretoria Administrativa, O registro dos interessados na disputa
mais de 25% dos votantes. e qualquer profissional em condições regu- pode ser efetuado de segunda a sexta, das
Em caso de empate, valerá a data do lamentadas pelo estatuto pode disputar. 8 às 12 horas e das 14 às 18 horas, na sede
segundo pleito para o desempate, do mes- Esse conselho é formado por três titu- do Sindijor, à Rua José Loureiro, 211, no
mo modo que havendo empate em 6 e 7 de lares e três suplentes, com objetivo de fis- centro de Curitiba. Também será possível
maio, será realizada eleição em 13 e 14 calizar a gestão financeira e patrimonial do fazer a inscrição nas delegacias regionais.
de maio. Nesses casos, os locais e horári- sindicato, e elaborar parecer sobre o balan- As informações e materiais podem ser so-
os serão os mesmos definidos para a vo- ço financeiro anual, submetendo-o a voto licitados aos membros dessas subseções,
tação de 29 e 30 de abril, podendo haver em assembléia convocada para esse fim. entre elas Foz do Iguaçu.
alteração de itinerário da urna volante ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

caso seja preciso ou definido pela Comis- INSCRIÇÕES PARA CHAPAS DA DIRETORIA
são Eleitoral. EXECUTIVA E SUBSEÇÕES REGIONAIS
TERMINAM EM 31 DE MARÇO
Documentação ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

Os documentos necessários são: a)


Ficha de qualificação de cada candidato,
em duas vias, assinadas por ele mesmo, Disputa no interior
indicando o cargo ao qual se candidata,
à disposição no sítio Votação para diretoria e delegacias serão simultâneas
www.sindijorpr.org.br; b) Cópia da car-
teira de trabalho em que conste a qualifi- A eleição será feita com base no novo para a Cidadania, Fiscalização, Imagem,
cação civil e o registro profissional. estatuto, que traz mudanças nas delegaci- Saúde e Previdência, Cultura e Formação.
A inscrição de chapas à Diretoria as. Ele as extingue e cria as subseções. Os Os diretores, quando houver, regionais de-
Administrativa pode ser feita por qualquer delegados são substituídos por vice-regio- verão ser inscritos e eleitos na mesma cha-
dos integrantes, que fornecerá toda a nais, que fazem parte da diretoria e gozam pa em que o vice-regional. Essa possibili-
documentação exigida. O registro da de estabilidade sindical – ao contrário do dade na composição de chapa vai permi-
candidatura para o Conselho Fiscal deve- delegado. Como faz parte da diretoria, o tir, por exemplo, que concorra uma cha-
rá ser feito pelo próprio candidato. vice deve ir a Curitiba pelo menos uma vez pa com oito candidatos contra outra com
Poderão disputar os cargos os sindi- por ano para participar da reunião ordiná- apenas o vice-regional.
calizados que estejam em dia com as ria do sistema diretivo, apresentar e apro- A eleição para a subseção acontecerá
contribuições e que na data do pleito var relatório de atividades e planejamento simultaneamente ao pleito da Diretoria
tiverem pelo menos seis meses de filiação. anual e discutir e aprovar o relatório e o Administrativa, mas de forma indepen-
Terão direito a voto os sindicalizados até planejamento anual das outras pastas. dente. Não há mais a eleição da diretoria
29 de janeiro de 2003 e que até 14 de As subseções poderão ter, facultativa- seguida da eleição para a delegacia. Na
abril de 2003 estiverem em dia com o mente, mais sete cargos, que são os direto- mesma cédula, será votada a diretoria es-
pagamento da mensalidade. res regionais de Defesa Corporativa, Ação tadual e a subseção sindical.
2 Prensa opinião
Continuação capa

mídia
Alexandre Palmar A queda-de-braço
Mudanças Oprimeiro golpe foi disparado por Rabelo ao pedir providências con-
A mídia comemorou a tra o Executivo Municipal por conta de repasse a menor dos valo-
inauguração do “ligeirinho” e do res devidos ao Legislativo. De acordo com Rabelo, a programação
terminal de transporte urbano. financeira do Legislativo para 2003 prevê repasses mensais de R$
Duas semanas de funcionamento 768.416,66 e o Executivo creditou na conta da Câmara R$ 450
do complexo foram suficientes mil. Conforme ele, a medida configura crime de responsabilidade,
para os jornais mudarem de passível de pena.
opinião e encontrarem defeitos na O segundo golpe sofrido por Sâmis foi, mais uma vez, resultado de
estrutura. Fogos precipitados ou trapalhada cometida por sua bancada no domingo, 23 de fevereiro,
prova de amadurecimento? durante a eleição dos membros das comissões permanentes da Câ-
mara Municipal. Para júbilo de Rabelo a vitória governista, que era
Alvo favas contadas, foi transformada em nova derrota do Executivo.
O jornal A Gazeta do Iguaçu Para demonstrar seu repúdio com a condução do pleito para a compo-
responsabilizou diretamente o ex- sição das comissões, os situacionistas abandonaram o plenário. Va-
governador Jaime Lerner (PFL) lendo-se do Regimento Interno, que dá prerrogativa ao presidente
pelos erros no projeto. O parceiro para preencher as comissões em casos excepcionais, Adilson Rabelo
dele na empreitada recebeu fez o preenchimento e mandou constar em ata que os membros fo-
tratamento diferenciado. No dia ram escolhidos de acordo com a representação de cada partido.
da inauguração, aliás, a cidade Os próximos embates se dariam nas comissões, e um dos casos a serem
contava com 17 estações-tubos e examinados e julgados seria o parecer prévio do Tribunal de Contas
não 21 unidades como foi do Estado que recomenda a aprovação das contas do ex-prefeito
noticiada pela imprensa. Dobrandino referente ao exercício de 1996. Novamente, para azar
do atual deputado, suas contas caíram no colo de Adilson Rabelo.
Fogo cerrado
Veículos atacaram o vereador
Dilto Vitorassi (PT) em fevereiro.
Afronta à cidade O imponderável
Tudo por conta das declarações Foi nesse clima que na manhã de 24 de Nem a comoção causada pelo atentado e a
do petista a respeito do atentado fevereiro Rabelo participou de uma audiência gravidade do estado de saúde do presidente
contra Rabelo. Os meios pública promovida pela prefeitura. Ali, a res- da Câmara esmoreceram a bancada governis-
acabaram antecipando o debate posta de seus desafetos veio ao não chamá-lo ta. Seus 12 membros autoconvocaram uma
sobre as próximas eleições e - como é de praxe serem chamados os presi- nova eleição dos membros das Comissões Per-
polarizaram, por enquanto, a dentes do Legislativo - para compor a mesa manentes. No dia 28, onze minutos depois de
disputa de 2003. Ponto para o que dirigiria os trabalhos. Sem demonstrar-se abrir o encontro, o presidente em exercício,
ex-presidente do Legislativo. abalado pela ofensa, Rabelo pediu licença para Ney Patrício (sem partido), encerrou os traba-
se ausentar e informou que iria participar de lhos sob a justificativa que a ordem do dia já
outro evento naquele mesmo momento. havia sido cumprida. Mais uma vez, os verea-
Violência Minutos depois de deixar o hotel, o dores “independentes” levaram a melhor na
Basta dar uma olhada nos caroneiro de um motoqueiro o atingiu com queda-de-braço.
boletins de ocorrência da PM dois tiros na cabeça, em pleno centro, num O prefeito Sâmis da Silva sabe que a falta
para perceber que os dias de folia dia em que o governador Roberto Requião de domínio da Mesa Diretora e das Comis-
não foram tão “Paz e Amor” participava de vários atos na cidade e, como é sões Permanentes poderá ocasionar problemas
como a mídia sugeriu. Durante a de uso e costume, o policiamento era intenso. para sua gestão. Se ele dominar seu tempera-
festa, houve homicídios, estupros, Enquanto o vereador era submetido a uma mento forte e seguir os conselhos de seu pai,
além de inúmeros assaltos. delicada cirurgia, o governador e o prefeito tentará cooptar para sua hoste alguns verea-
saíram à frente das investigações, que apenas dores rebeldes, ao mesmo tempo em que con-
Debate se iniciavam, para descartar motivação políti- tinuará tentando anular via judicial os dois im-
O texto de abertura desta edição ca para o crime. A insensatez foi tão grande portantes episódios da Câmara. O único
será objeto de debate na terça- que o prefeito fez questão de desacreditá-lo imponderável que poderá atravancar seus pla-
feira, 18 de março, às 20 horas, recordando atos ilícitos cometidos no passa- nos é a sobrevivência de Rabelo e o seu retor-
na Casa do Teatro. do por um dos irmãos da vítima. no, mesmo com um olho vazado.

Prensa ESPAÇO ABERTO


Jornal da Delegacia de Foz do Iguaçu e Região do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná.
Redação, diagramação e edição: Alexandre Palmar (Jornalista responsável MTB 3717) e Redação e revisão: Douglas Furiatti Caro leitor, estamos abertos a opiniões.
Impressão: Gráfica Sontag - Textos assinados não refletem necessariamente a opinião do veículo. Textos, artigos, notas, comentários enviar para
Telefone: 9967-5060 - Av. Paraná, 1610 – Bloco 6 – Ap. 801 – 85863-720 – Foz do Iguaçu - PR o endereço eletrônico sindijorfoz@foznet.com.br
Prensa
ano 3 - número 13
Março de 2003
Distribuição gratuita

Informativo da Delegacia de Foz do Iguaçu e Região do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná
○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

A radicalização política
A relação entre o Legislativo e Mas a fria matemática não predominou os dois anos restantes de seu mandato.
na eleição para a Mesa Diretora. A ânsia de Persistente, ou como dizem um “osso
o Executivo de Foz do Iguaçu
um grupo de vereadores em não deixar duro de roer”, Rabelo voltou à cena com
dúvidas quanto à sua subserviência fez que a eleição de Harry Daijó (PPB) para pre-
Aluízio Palmar
onze votos dados à chapa apoiada pelo pre- feito. Assim que assumiu a chefia de gabi-
A temperatura política de Foz do feito fossem anulados. Com a trapalhada nete, ele trabalhou para alijar da política o
Iguaçu nunca esteve tão alta como neste dos votos marcados, Adilson Rabelo (PSB) ex-prefeito. Com apoio dos atuais verea-
verão. Aliás, ela começou a se elevar nos e seu grupo ganharam de bandeja a presi- dores governistas, Rabelo conseguiu que
dias que antecederam a estação, com o tu- dência da Câmara. a Câmara não aprovasse as contas de
multo na eleição da Mesa Diretora da Câ- Dobrandino referentes ao exercício finan-
mara. O caso das cédulas marcadas ini- Osso duro de roer ceiro de 1995 (posteriormente a Justiça
ciou uma crise sem precedentes nas rela- Conhecido pelo seu estilo trator de fa- declarou a inelegibilidade do ex-prefeito).
ções entre Executivo e Legislativo. zer política, Rabelo iniciou sua militância Com a sua eleição para vereador em
Dificilmente alguém arriscaria dizer no PMDB nos anos 80. Em 92 se elegeu 2000, a expectativa era de que Rabelo con-
que a bancada governista iria perder a elei- vereador e em 94 rompeu com o seu padri- tinuasse sua cruzada contra o grupo lide-
ção. Afinal, os vereadores que apóiam o nho político e então prefeito, Dobrandino rado por Dobrandino. Nada disso, o lobo
prefeito Sâmis da Silva (PMDB) represen- da Silva (PMDB). Nas eleições de 95, virou um cordeiro. Na Câmara passou a
tam em torno de dois terços dos 21 mem- Dobrandino lançou Sâmis para deputado dar, como quase todos os seus pares, apoio
bros da Casa de Leis, sem contar aqueles estadual e Rabelo fez o contraponto lan- geral e irrestrito ao prefeito Sâmis. Em
que aparentam ser de oposição, mas çando-se candidato e fazendo oposição ao troca desse apoio recebeu benefícios,
gravitam em torno das prebendas e ou- candidato oficial. Sâmis foi eleito e Rabelo como a nomeação de alguns de seus pro-
tras vantagens oferecidas pelo Executivo. derrotado voltou à Câmara para cumprir tegidos em cargos comissionados.

Conflito de interesses
ves (PSB) e Rozily de Freitas (PPB). Numa grado presidente da Câmara de Vereado-
última tentativa de driblar as dificuldades, res. Para tanto teve a seu favor o pulso
Rabelo juntou descontentes, “viúvas” e forte do presidente Dilto Vitorassi e do
desprestigiados. secretário Nilton De Nadai, que se ape-
O namoro findou alguns dias antes da O confronto veio na noite do dia 12 de garam ao Regimento Interno, invalidaram
eleição para a Mesa Diretora. Disposto a dezembro, com a tropa de choque do pre- as cédulas marcadas e proclamaram a vi-
não ser mais um na Câmara, Rabelo che- feito orientada a aniquilar politicamente os tória da chapa dos “independentes”.
gou a imaginar que teria o apoio de Sâmis rebeldes. Antes e durante a votação os ve- A resposta do prefeito não tardou. A
para assumir a presidência e depois tentar readores situacionistas foram marcados de publicação dos decretos de demissão dos
vôos maiores. Caiu na real quando o pre- perto pelos hierarcas do PMDB. A traição apadrinhados pelos vereadores rebeldes no
feito escolheu Hermógenes de Oliveira de 98 aconselhava a não acreditar cegamente Órgão Oficial, em 14 de dezembro, foi um
(PMDB) para presidir o Executivo. nas juras de lealdade daquele grupo, cuja sinal de que o prefeito não estava a fim de
A chapa composta no sobrado da Pra- parte dos integrantes fez parte no passado fazer concessões à nova Mesa Diretora.
ça Getúlio Vargas saiu completa, fechada da conspiração contra Dobrandino. Havia começado a temporada de
e excluiu, além de Rabelo, Ney Patrício Contudo, quando a derrota de Rabelo e radicalização nas relações políticas em Foz
(sem partido), Edson Mezomo (PPS), seus pares era iminente, 11 cédulas e tudo indicava que dali pra frente seria
Nilton de Nadai (PSDB), Cleusa das Ne- marcadas são anuladas e Rabelo foi consa- olho por olho, dente por dente.

Sindicato tem Reflexos do A gênese da


eleições em abril fim do diploma escravidão
Página 3 Página 4 Página 7