Você está na página 1de 72

................................................. 3 I.

- Sobre alguns pontos controversos na vida de Martines de


Pasqually .................................... ....... 7 II. - Após a morte ..............................................
.................................................. .............................. 20 III. - O homem e o Mestre na opinião de
seus discípulos .................................... ............................ 21 IV. - O ensino de Martines
............................................ .................................................. ...... 25 1 V. - A Ordem dos Coelhos
Eleitos ................................. .................................................. .......... 43 VI. - Conclusão:
Martines e seu trabalho antes da posteridade ........................................ ................... ocultismo
na França e na Alemanha no declínio do século XVIII e início do século XIX. Seguirá uma
biografia de J.-B. Willermoz, o iniciado de Lyon, o aluno e continuador de Martines, amigo de
Louis-Claude de Saint-Martin. Meu amigo, o deputado Derain, de Lyon, corrigiu a linguagem, a
expressão e o estilo do meu manuscrito: com uma dedicação inigualável, dedicou-se a esta
tarefa e metamorfoseou meus dolorosos esforços em um francês de qualidade mais pura. . [1] I
NTRODUCÇÃO Entre os personagens enigmáticos que se mudaram e surpreenderam a
Europa no declínio do século XVIII, o menos conhecido, o mais misterioso e o mais
considerável é Sir Jaques Delivon Joacin de La Tour de La Case, dizendo Don Martines de
Pasqually, que foi intitulado: "Um dos sete líderes principais dos doze portadores de padrão de
Israel". Ele é o fundador e chefe da ordem ocultista e mística do mais reservado e o mais
secreto que despertou até hoje o maior interesse em todos os homens que amam a filosofia
esotérica. Ele foi reverenciado por seus discípulos como um mestre possuidor de
conhecimento maravilhoso e dotado de poderes transcendentes excepcionais. O autor de um
volumoso tratado de misticismo, envolveu-se mais do que desenvolvido, numa linguagem
incorreta e um estilo inexperiente, uma doutrina abstrusa e obscura, tão profunda quanto
sublime. Além disso, ele tem cerca de trinta letras e os cadernos de alguns graus de sua
Ordem. Conhecemos alguns dos eventos externos de sua vida agitada, atormentada e
trágica; suas viagens, suas principais obras maçônicas e algumas datas de seu status civil: a
de seu segundo casamento, o do nascimento de seus filhos e o de sua morte, ocorrido na
terça-feira, 20 de setembro de 1774 em Porto Príncipe. Tudo o mais é duvidoso ou
desconhecido. A data eo local de nascimento, raça e nacionalidade são desconhecidos. Não
sabemos se ele era judeu ou cristão, [2] francês, alemão, português ou espanhol. Não
conhecemos o seu verdadeiro nome: a série de designações de som pelo qual ele fez seu
próprio nome é certamente fantasiosa. Não há retrato dele e, a meu ver, não há documento em
nenhum documento sobre sua aparência externa. Não há informações diretas e confiáveis
sobre a origem de seu vasto e doutrinário trabalho, a enciclopédia indigestível e caótica do
oculto, em que brilhavam jóias raras de doutrina profunda. um brilho imortal entre lixo de todos
os tipos. Não há evidências diretas de indivíduos ou grupos que, por meio de seus
conhecimentos e doutrinas, tenham influenciado sua evolução espiritual. A mais densa
escuridão cobre os primeiros quarenta (?), Cinquenta (?) Anos de sua vida, até que ele de
repente se revele para começar seu trabalho como apóstolo, sua carreira como um mystagogo,
sua missão de iniciador. Seu nome foi dado à seita do Martinismo, cujos discípulos diretos e
indiretos apareceram por um século e meio em todos os cantos do mundo. Mas ele mesmo
permaneceu em uma sombra impenetrável de contradições, incertezas e incongruências, nas
quais são prodígios mistos de vontade inédita com fraquezas morais
incompreensíveis; Sucessos surpreendentes para desapontamentos imerecidos. A figura de
Martines entra na história do oculto como a visão rápida de um brilho visto em um sorvete. O
padre Fournié, Jean-Baptiste Willermoz, Louis-Claude de Saint-Martin, três de seus discípulos
diretos, que tiveram algum tempo junto com ele, refletiram em suas obras a prestigiosa
impressão que vai, a paixão, O poder deste homem deixou em suas almas. Mas sua própria
alma, que o conduziu à difícil e abnegada carreira de fundador de uma Ordem mística, nos
escapa completamente. [3] No entanto, ele merece a atenção simpática e sustentada de todos,
um homem interessado na história esotérica. É inegável que Martines de Pasqually teve um
objetivo superior e ideal, mas também é verdade que ele não o alcançou. Ele propôs uma
doutrina que expôs a história oculta da humanidade, a origem divina e a decadência do
homem, e ele queria ensinar os meios para regenerá-la. Esta doutrina era destinada a uma
elite reunida em uma Ordem oculta, a do Elus Coens, cujo objetivo final era se comunicar com
o mundo dos espíritos puros, que prepararia o caminho para entrar em relação direta com
Cristo e recuperar desta forma o reino perdido. Ele fundou esta Ordem e começou a organizá-
la, mas na construção de seu Templo ergueu os andares superiores antes da consolidação da
base. Ele criou e forneceu instruções fragmentadas as fileiras inferiores e médias que deveriam
formar a enfermaria onde os eleitos da classe suprema, chamado Réau-Croix, seriam
escolhidos. Ele colocou alguns deles no caminho das grandes operações teúrgicas, e seus
trabalhos evocativos tiveram resultados, mas de um tipo elementar. Então, a Ordem afundou
antes de ser totalmente constituída e a grande obra: a evocação de Cristo, nem sequer foi
realizada. Não se deve inferir que Martines vivesse em vão ou que a Ordem dos Coes eleitos
desaparecesse sem deixar vestígios. Pelo contrário, Martines inspirou a vida e as obras de
vários homens de caneta ou ação, como o padre Fournié, Louis-Claude de Saint-Martin e
Willermoz e a Ordem dos Coes eleitos, através de várias metamorfoses, ainda vive hoje e
transmite o impulso que recebeu: iniciar homens de desejo em comunhão com o mundo do
Espírito. [4] No Literatura histórica e biográfica antiga sobre Franconia e misticismo no século
XVII na França, os registros de Martines de Pasqually e sua Ordem abundam, muitas vezes
contraditórias, imprecisas e tendenciosas, sempre incompletas. Os autores da décima terceira
e primeira metade do século XIX tiveram a vantagem de poder usar a informação verbal de
pessoas que conheciam pessoalmente Martines ou seus alunos diretos, mas, com poucas
exceções, não podiam use documentação suficiente para controlar dados tradicionais e passar
da lenda para a realidade. Os escritores modernos ficaram mais felizes em que vários
documentos, seja de arquivos privados ou de arquivos de lodges, foram à sua disposição. Eles
conseguiram tirar disso muitos fatos desconhecidos, mas, por outro lado, tinham a
desvantagem de não estarem em contato com a tradição viva. Nos últimos trinta anos, Martines
de Pasqually teve quatro biógrafos: Papus (Dr. Gerard Encausse), o Grão-Mestre da Ordem
Martinista renovou; o Rose Knight (Count Rene Philipon); MP Vulliaud e MR Le Forestier. Cada
um desses quatro escritores tem um ponto de vista muito subjetivo. Papus, que é de certa
forma o sucessor indireto de Martines, é cheio de admiração e desprovido de qualquer
crítica. Como um estudante compreensivo e erudito do oculto, como um iniciado de maior
hierarquia, Papus vê em Martines um poderoso Iniciador, predestinado e favorito da
Providência, que tem estado em contato constante com as Inteligências ou com a Inteligência
da esfera imaterial. Por outro lado, ele não possui o conhecimento mais elementar da história
da Maçonaria, do ocultismo e da filosofia mística. Finalmente, sua mente é tendenciosa no
mais alto grau, às vezes perdendo o último grão de crítica objetiva de som. Seus livros só
valem pelos documentos que o autor descobriu e pela simpatia que ele mostra para seu mestre
e antecessor. M. Vulliaud está exatamente no pólo oposto. Ele diz que ele não é um
insider. Realmente, essa afirmação parece supérflua, porque neste ponto, nenhuma dúvida
pode ser apresentada a um leitor na posse da menor e mais humilde noção de
esoterismo. Para o Sr. Vulliaud, Martines é apenas um criminoso vulgar, do tipo de "contagens"
de Saint-Germain e Cagliostro, que ele confunde com seu desprezo. O tom em que ele trata
Martines, Papus, Joseph de Maistre e todos aqueles que mostraram tendências místicas ou a
atração pelo oculto, é zombador, irônico e desdenhoso. Sua ironia, sua zombaria, seu desdém
são ainda mais violentos, porque ele ouve menos coisas sobre as quais ele não se
importa. Seus livros são de valor somente nos documentos que ele publica e na reação de
interesse simpático que o leitor sente pelos objetos de sua perseguição injusta. Entre estes
dois autores estão M. Rene Philipon e MR Le Forestier. O primeiro escreveu sob o pseudônimo
de Cavaleiro da Rosa crescendo, dois registros históricos de composição defeituosa, mas
conteúdo muito importante, no Martinismo e Martinismo. O Sr. Philipon tinha à sua disposição
uma série de documentos dos arquivos secretos das lojas de Martinésistes; Ele usou isso com
julgamento e corrigiu a história de Papus em vários aspectos. Finalmente, resta nomear o Sr.
Le Forestier, cujo poderoso trabalho na maçonaria ocultista no século XVIII, forma um estudo
histórico, filosófico e crítico bem documentado, muito sensível e, acima de tudo,
completamente honesto e objetivo, em Martines, seu vida e sua Ordem. O conjunto de escritos
desses quatro autores fornece uma imagem histórica não sem lacunas, mas, no entanto, [6]
muito satisfatório, do fundador da Ordem dos Coisos eleitos. No entanto, eu me senti justificado
em aumentar o número já existente de livros sobre esse assunto. Durante uma série de
pesquisas realizadas em arquivos, na França, na Alemanha, na Dinamarca e na Holanda,
encontrei em 5 Martines, sua Ordem e seu trabalho alguns avisos, na sua maioria inéditos,
poucos, de fato, mas que Parece ter algum interesse adicional em alguns pontos
controversos. Eu consagrei essas notas com um rápido esboço da vida e ações desse homem
notável. No entanto, antes de entrar no meu assunto, tenho o dever de elucidar minha própria
atitude com os problemas que eu vou ter que lidar. Não há um homem absolutamente e
objetivamente imparcial. Cuidar da história significa, em geral, ser movido por uma simpatia ou
um ódio; por um desejo de apoteose, ou pelo menos desculpas, ou por uma vontade
iconoclasta. Muito poucos historiadores cuja pesquisa evolui na esfera pura da justiça
equilibrada. Em nenhum lugar posso estar mais convencido da verdade dessa máxima do que
examinando os historiadores do ocultismo. O culto de sábios, muitas vezes muito mais sábio,
alterna com o ódio teológico e o desdém da crítica racionalista. Quanto a mim, durante
quarenta anos, procurei o caminho certo. Aceitar com alegria de coração como autêntica
qualquer "manifestação" do oculto, por ser tolo e insípido como é, parece-me tão ridículo como
negar friamente a possibilidade de fatos que surgem do Desconhecido e fora das chamadas
leis naturais isto é, fora da nossa experiência habitual. De qualquer forma, do ponto de vista
psicológico, parece-me insultante a humanidade e a mim mesmo, negando o valor
profundamente humano da aspiração ao mistério. Se é uma alma simples que busca elevar-se
a Deus, ou uma mente desconfortável disposta a penetrar através das barreiras materiais [7]
no reino das Essências; Se é devoção religiosa, de acordo com o culto; Se é alguma prática
mística ou oculta, o sábio deve se curvar respeitosamente ao desejo justo e santo manifestado
nessas tendências. Deep e dark é a porta do Espírito.1 1 O LAOTSE TAO, 6ª página. a. 2.
Tradução de MATGIOI (Albert de POUVOURVILLE). Paris. Librairie de l'Art indépendant, 1894,
p. 11. 6 [9] I. - ALGUNS ALGUNS PONTOS CONTROVERSAIS DA VIDA DE DE M ARTINES
P ASQUALLY 1. Seu nome O nome do caráter enigmático em que estamos lidando neste
estudo foi indicado nas formas mais variadas e fantásticas. Alguns, mesmo aqueles que o
conheciam intimamente, como Willermoz, escrevem para você, Dom, seu pai, Don. O primeiro
nome é escrito com maior freqüência Martines, mas às vezes também de forma diferente. O
Estado do Grande Oriente traz Martinez. Daruty e Matter também escrevem também. Caro e
Franck optam por Martines. Joseph de Maistre escreveu Martino; Besuchet: Martin. Em um ato
oficial, até se encontra: Martinets. Alguns retém a partícula de, outros omitem. O segundo
nome inclui todas as variações de uma escrita puramente fonética. Encontramos: Pasquallys
(Fournié), Pasqualy (Willermoz, Türkheim), Pasqually (Willermoz), Pasqualis (Von Baader,
Caro, Franck, Gleichen), Pasquali (Joseph de Maistre), Paskualis e Pascualy (Türkheim),
Pasqualli (Oriente do Grande Oriente), Pasquallis (São Martinho e Matéria), Pasqualles
(Vernetz Vaucrose), Paschalis (Daruty), Pasqual (Besuchet) Pascal (Falcke), Pascal (!)
(Charles of Hesse). Não importa. No século XVIII, os nomes, especialmente quando eram um
pouco difíceis ou estrangeiros, ainda estavam aleijados de prazer. Quantas variantes
encontramos o nome de um dos sucessores de Martines: Deserre? Quem poderia suspeitar
quando lendo: [10] Casautte, Willermoz queria falar sobre Cazotte? Quanto ao próprio homem,
que, melhor do que qualquer outra pessoa, deveria ter conhecido a ortografia exata de seu
próprio nome ou seu pseudônimo de líder de iniciação, ele sempre assinou Dom Martines de
Pasqually (apenas uma vez: de Pasqually de La Tour). No único ato autêntico que
conhecemos, o ato de batismo de seu filho, seu nome é assim formulado: Ja Delivon Joacin A
Torre de La Case, Don Martinets de Pasqually. Seria tentado a deduzir que seu nome real era
La Case ou de Las Cases, e que "Martines de Pasqually" era apenas um hieronym. Pasqually
faz-nos pensar na Ressurreição Pasquale; Pode ser uma alusão velada ao fato de que o
Iniciado morre no mundo para nascer de novo em espírito (Duidja). Observe também o nome
Joacin, que pode ser italiano, português e espanhol, mas certamente não é um uso comum na
França. 2. Origem, nascimento, raça O ano eo local de nascimento são completamente
desconhecidos. Em uma carta, que vou reportar ainda mais, o seguidor do Lyon, Jean-Baptiste
Willermoz, escreveu ao barão Johannes de Türkheim, em Estrasburgo, que Martines morreu
"avançado em idade". Quando Willermoz escreveu esta frase, ele próprio tinha 91 anos. Como
os homens têm uma tendência geral de estimar a idade de outros mortais, de acordo com uma
medida que aumenta com seus próprios anos, não deve duvidar que a idade avançada
atribuída a Martines pelo Willermoz não -agengo deveria dificilmente atinge menos de 70
anos. Quando Martines morreu em 1774, ele deve ter nascido no máximo nos primeiros dez
anos do século XVIII. Quanto ao lugar de seu nascimento, as afirmações mais contraditórias
encontraram algum crédito. Francês, [11] italiano, espanhol, português, alemão, oriental: há
algo para todos. Quando lemos, suas cartas e seu tratado, uma coisa só parece certa: ele não
era francês. O autor de um estudo notável sobre o Tratado de Martines, infelizmente, um
estudo manuscrito, Andreas Schleiermacher, renomado filólogo e orientalista líder, observou
que o termo "pacimen" é usado no Tratado de Martines. Esta palavra, usada no sentido de
dores, dores, sofrimentos, não é francês, nem espanhol, nem português: é claramente italiano:
pode-se supor que Martines foi originalmente da Itália. Le Forestier opta pela Espanha,
considerando o uso de palavras de Martines começando com es-especial, espermatic. Em uma
carta 1 do período posterior apenas alguns anos para o apostolado de Martines (meados de
1779), o Mason Falcke2, bem informado, escreveu a Mund3 em Frankfurt-on-the-Mein 4 que
Martines Pasqualis era espanhola e que possuía os Mistérios como uma propriedade
hereditária pertencente por três séculos à sua família em Espanha. Ela própria teria mantido a
inquisição, da qual alguns de seus antepassados faziam parte. Esta hipótese é consistente
com uma afirmação de Willermoz, como se verá na carta, já citada, desta em Türkheim. Se não
for afirmado que o pai de Martines era espanhol, pelo menos se descobriu positivamente que
vivia [12] na Espanha e que o próprio Martines havia sido colocado nos guardas da Valónia 5, o
que deve implicar que Martines nasceu na Espanha. o A declaração de Willermoz encontrou
confirmação parcial em uma descoberta documental feita por Jean Bricaud, o Grande Mestre
do Martinismo em Lyon, o segundo sucessor de Papus. Em uma nota histórica sobre o
Martinismo 6, o Sr. Bricaud, que morreu há alguns meses, escreve que a família de Martines
nasceu em Alicante, Espanha, onde seu pai nasceu em 1671. Isso resultaria da sua patente
maçônica, transmitida por seu filho 26 de março de 1763 na Grand Lodge of France. "De
acordo com o mesmo documento, Joachim Martinez 1 2 3 4 5 6 Uma cópia é preservada nos
arquivos do Grand Orient em Haia, coleção Kloss. Ernst-Frédéric-Hector Falcke, nascido em
1740, morreu em 27 de fevereiro de 1809 em Hannover, participou de vários regimes
maçônicos. Na estrita observância, ele tinha o nome de Rostro; Entre os Illuminati da Baviera,
ele se chamava Epimênides; como Irmão da Ásia, seu nome era Ebal. Eu não sei quem era
este Mund. Veja o texto alemão em extenso dos documentos reproduzidos no final deste
volume. No Enciclopedia universal illustrada Europeo-Americana, t. XXXIII, p. 559 et seq.,
Encontramos alguns detalhes sobre esses guardas da Walloon. Alexander Farnese, duque de
Parma, general a serviço da Espanha, criou em 1596 um corpo de tropas valões, isto é,
composto de belgas valões, católicos e fiéis ao rei da Espanha. Essas tropas serviram na
Holanda. Após a perda da Flandres, o rei Filipe V manteve na Espanha alguns regimentos
"valões" entre os quais havia um regimento de Guarda Real: Guardia Valona. Em 1715, o
recrutamento de verdadeiros valões tornou-se cada vez mais difícil, o rei Charles IV permitiu
apenas um "quarto do flamenco", um quarto de um flamengo, para entrar. Por esta razão,
Martines certamente não poderia ser alistada em um desses regimentos antes do ano de 1715.
Mas sua idade, admitindo que ele nasceu entre 1700 e 1710, se encaixa muito bem com a
suposição de que ele é entrou para os guardas da Valónia por volta de 1725. Para esclarecer
isso, pedi informações em Madri. Foi o que o Diretor do Arquivio Geral Central em Alcala de
Henares, o Sr. Carlos Martin Bosch me escreveu sobre o 25 de novembro de 1931: "...
esamine os extractos de revistas da Guardia Valona de los años 1725 até 1740, no aparece
nada relacionado com o oficial Martines Pascual. Parece, portanto, estabelecido que Martines
não serviu os guardas da Wallonia como oficial e sob o nome de Pascual. Primeira edição em
1928; segunda edição, complementada por um apêndice e notas doutrinais de C. C (hevillon),
Lyon, 1934. 8 Pasqualis nasceu em Grenoble em 1710. "Seria muito importante verificar esses
fatos.1 [13] Finalmente, permita-me indicar uma faixa já indicada pelo Sr. Viatte 2, mas que até
hoje não foi seguido. Martines correu para St.Louis Cross para seus dois irmãos mais novos,
domiciliados em Santo Domingo, escreve Willermoz na carta já mencionada várias vezes. Seu
primeiro substituto geral Bacon de La Chevalerie teve excelentes propriedades em Santo
Domingo. Um dos seus discípulos mais dedicados, o tenente-coronel Grainville, era das Índias
Ocidentais. Ele mesmo finalmente foi a Santo Domingo em 1772 para colecionar uma
herança. Este conjunto de fatos permite supor que Martines poderia ser um espanhol de Santo
Domingo. É de lamentar que nenhum historiador francês tenha tentado identificar ou ter
pesquisado no local documentos relativos à existência de uma família com um ou mais dos
nomes que Martines conferiu. Nós não sabemos tudo sobre sua permanência em St. Domingo
por dois anos, e nem tentamos estabelecer exatamente onde e quando ele foi enterrado. A
opinião de que Martines era judeu, judeu português, judeu espanhol, judeu alemão, foi
formulada no início: a Biografia Universal descobriu que seus discípulos mais íntimos
não conheceu o seu país, mas que, segundo a sua língua, presumiu-se que ele poderia ser
judeu português ou mesmo (sic!). Esta suposição sempre foi reproduzida. Molitor encontra no
Tratado as doutrinas rabínicas da cabala 3; O Forestier, que, melhor do que qualquer outro
autor vivo, conhece o Tratado de Martines, é da mesma opinião. Além disso, ele observou
cuidadosamente uma passagem onde o orgulho racial judaico do autor parece transbordar. 4.
Contra todos esses suposições, existem esses fatos incontestáveis que o próprio Martines
(carta a Willermoz de 21 de novembro de 1768 ) disse que era católico e que, em 24 de junho
de 1768, ele teve seu filho batizado na paróquia St. Croix em Bordéus. Isso prova que ele era
um católico de religião, mas isso não impede que ele possa ser de raça judaica. Sobre este
ponto, Há também uma declaração perentória de Willermoz, que, na carta já mencionada, nega
que Martines é judeu e afirma que nunca esteve. Isto, ao que parece, se refere exclusivamente
à sua religião e não prejudica a questão da raça. Franck, que tinha diante de seus olhos
documentos inéditos de Mr. Matter, escreve: "Sabemos que ele (Martines) era filho de um
israelita 1 2 3 4 A. FRANCK (Filosofia mística na França no final do século XVII, Saint-Martin e
seu mestre Martinez Pasqualis, Paris, 1866, pp. 10 e 11) dá certo de que Martines nasceu em
Grenoble. G. Bord (Maçonaria na França desde as suas origens até 1815, eu, o único,
infelizmente, publicado em Paris, 1908, p. 247) assegura que Franz von Baader também
afirmou que Martines nasceu em Grenoble, paróquia Saint-Hugues (Notre-Dame), em 1715 e
que era um trabalhador simples em carros. Mas acredito que Bord está enganado, atribui a
Franz von Baader uma nota da introdução histórica escrita pelo Chevron anônimo. da
crescente Rose, pela tradução de Martins 'Secret Ensinges of Martines. (Paris, 1900, p. XII.)
Seja como for, o fato é que Bord verificou em Grenoble os registros das paróquias Saint-
Hugues, Saint-Louis, Saint-Laurent, Saint-Joseph, sem encontrar vestígios de Martines. Ele
não nasceu em Grenoble. No entanto, o Sr. Bord encontrou nos livros de batismo da paróquia
de Saint-Hugues uma família Pascalis e, em particular, um nomeado Jean-Pierre, mestre
escritor, professor de língua latina, casado com Madeleine d'Alençon. Daquele casamento
nasceram entre 1711 e 1724 três meninas e um filho, mas não pode ser o nosso Martines,
desde que morreu em 1727, com 3 anos de idade. A partir desses dados negativos, o Sr. Bord
conclui que podemos assumir que Martines nasceu em 1715 na área de Grenoble e que seu
nome é simplesmente Martin Pascalis. A. VIATTE, revisão da história do Egl. da França, t. VIII,
p. 445-454, 1922. Filosofia de Geschichte, 1824, cap. LV, p. 457. Veja também a
correspondência do Major von Meyer com o Príncipe cristão de Hesse Darmstadt. Doc. III. LE
FORESTIER, op cit., P. 423. A passagem citada é a seguinte: "Seja assim, Israel nunca se
desespera da misericórdia de Jeová; lembre-se sempre de que você era o teatro imenso da
primeira manifestação da glória divina e da justiça, para você, que todas as coisas espirituais
tenham surgido, e que virá um dia em que a semente de Abraão, herdeira da obra de Jeová,
será restaurada para seu primeiro estado de esplendor e será magnificamente reintegrada em
sua cabeça. lugar. Quando se trata de Portugal, não se sabe em que data e por que razão, se
instalar em Grenoble. Estou bastante inclinado a supor que, como o exemplo de seus
concidadãos que permaneceram em Portugal após os edictos de banimento pronunciados
contra eles, ele professou o catolicismo externo, enquanto permaneceu judeu no seu
interior. Isso explica o isolamento em que ele criou seu filho, e que ele só permitiu que ele, em
uma idade avançada, aprenda a língua de seu novo país. maneira escorregadia de
adivinhar, podemos ir longe! Mas os fatos, infelizmente, nem sempre ajudam o cavaleiro mais
espiritual da hipótese. Deve-se notar que o hebraico usado por Martines em seu tratado e em
suas cartas está tão aleijado que é impossível admitir que o autor foi criado por um pai severo
na reverência da Torá . Há, no entanto, alguns sinais inquestionáveis na vida de Martines, que
reforçam a opinião de que ele era de raça judaica. Aqui estão: em 1770, Martines vive na casa
de Carvallo, judeus convertidos, Rue Judaïque "nesta longa artéria", escreve M. Le Forestier,
"através do qual os viajantes do sul entram em Bordéus, onde vivem os descendentes dos
judeus expulsos. Espanha, Portugal e Navarra no final do século XV ". Em 1771, Depois de sua
primeira estadia este ano em Paris, Martines se mudou, mas não saiu da rue Judaïque: foi
morar na casa de Poiraud, perto da Porte de la Monnaie. Pode-se ver nesses fatos como
resultado da atração racial indestrutível recíproca que é própria dos filhos de Israel. Outro fato
de um significado menos certo, mas que, no entanto, também é característico é que em 1771,
quando Martines enviou um pacote de instruções para Willermoz em Lyon, ele usou um
comerciante [16] tendo o nome bíblico de David. Só pode ser uma coincidência, mas está
relacionado com o acima; não pode ser negado um certo valor de probabilidade. Finalmente,
ainda existe: em uma disputa que Martines teve em 1768 com um Iniciado desleal, Este último
acusou o Mestre de ser um apóstata. Martines correu para o pároco e colocou diante dele não
apenas as provas de sua catolicidade: seu certificado de batismo e casamento, mas também
suas notas de confissão. Isso só pode significar isso: o acusador sabia ou tinha motivos para
supor que Martines não era um cristão de origem e acreditava que ele fosse judeu. Isso
também explicaria por que Martines achava necessário mostrar que ele havia permanecido um
bom católico, que ele não voltou ao erro da religião de sua raça e que ele cumprisse "os
deveres exatos e essenciais de um cristão zeloso ". Além disso, a convicção de que Martines
era de raça judaica permaneceu muito tenaz entre seus seguidores e seus
simpatizantes. Cinco anos após a morte de Willermoz, Joseph du Pont, em uma carta de 6 de
setembro de 1829, escreveu a Molitor 1, sobre o filho de Martines: "após o nascimento da
criança, ele se trancou com ele e permaneceu assim por três horas, o que deu origem a vários
ruídos, vários contos. Foi dito que ele o circuncidou, etc. ". Veremos que Pont estava confuso
sobre a natureza da operação a que Martines havia submetido seu filho, mas a suposição de
que ele o circuncidou deve ser lembrada. Em suma, parece estabelecido que Martines era de
origem espanhola e de raça judaica. Sua catolicidade não pode ser contestada, mas também a
sua tendência cabalisante. Não há nada para provar que ele foi um conversor apenas em
aparência e 1 Uma cópia desta carta é preservada nos Archives of Grand Orient em Haia, na
coleção Kloss. 10 renegado em seu coração. A maneira como Von Baader o caracteriza é
talvez a mais feliz: Martines era judeu e cristão ao mesmo tempo. 3. Preparação para o
apostolado Vamos lidar mais tarde com o momento exato em que Martines apareceu na vida
pública, ou melhor, com quem se apresentou como um reformador na organização
maçônica. Por enquanto, a questão é a seguinte: onde ele vive, o que ele fez até o momento
em que os registros maçônicos começam; para cuidar dele? A tradição, como qualquer
biografia lendária de um importante iniciador, quer que ele tenha viajado em todos os lugares,
especialmente no Oriente. A crítica histórica moderna não acredita nisso. Papus 1 tendo
declarado (ele não especifica depois de que informação) que Martines tinha sido iniciado em
Londres por Swedenborg, Le Forestier declara que Papus desenhou este detalhe em sua
imaginação: "porque Pasqually nunca esteve em Londres 2. Mas Le Forestier também está em
falta quando ele s ' é trazer fatos para suportar essa negação. Ao longo do Tratado de
Reintegração, existe apenas uma passagem em que Martines dê um pormenor preciso de sua
própria vida, é o caso em que ele diz que foi para a China: "(Os) chineses vivem em temores
terríveis de seres hediondos ... Isto é o que todas essas relações nos ensinam, e é isso que
não posso ignorar, tendo visto e sabendo disso por mim. Ninguém queria dar crédito a esta
afirmação e, no entanto, parece-me que a sentença está marcada com sinceridade. Se
Martines quisesse se vangloriar de ter viajado para terras distantes, [18] que o impediu de
esconder frases semelhantes em várias partes de seu Tratado, onde ele fala da Palestina, do
Egito? A afirmação de que ele havia viajado para o Próximo Oriente, o berço autêntico de toda
ciência oculta, só poderia ter aumentado o respeito por si mesmo e fé em seu ensino oculto,
enquanto visitava a China. não tinha interesse, pelo menos, então. Eu, portanto, acredito
firmemente que Martines realmente foi para a China, pela razão simples e satisfatória de que
ele não tinha nenhuma vantagem em mentir ou imaginar sobre este ponto. Outro país onde é
difícil negar que Martins se foi é Espanha, se, pelo menos, admitimos que ele é espanhol. É na
Espanha que a cabala provavelmente nasceu, ou, em qualquer caso, foi lá que seus textos
mais importantes foram escritos. Talvez, ajude a entender o espírito cabalístico de Martins,
mesmo que não se admita que ele seja judeu. 4. Descida na Arena O momento em que
Martines começou sua ação de iniciação ocultista é um ponto controverso em sua história. O
primeiro autor que definiu uma data é Thory. Em sua tabela cronológica da Maçonaria 3,
encontramos as seguintes datas: 1 2 3 Martinismo, W'illermosism, Martinismo e Maçonaria,
Paris, 1899, p. 6. Op. Cit., P. 146. Acta Latomorum, Paris, 1815, vol. I., p. 68. 11 "Anno 1754,
Martinez Pasqualis compõe o rito do Elus Coens e o introduzido em alguns lodges em
Marseille, Toulouse, Bordeaux. "Anno 1768, Martinez Pasqualis traz para Paris o rito dos
Eleitos Coens e faz um grande número de prosélitos, no entanto, este rito foi organizado em
alguns lodges apenas em 1775. Ele fixou a atenção dos Masões [19] que deram para os lodges
do rito de Martinez o nome de lodges Martinist. A maioria dos escritores mais antigos,
especialmente quanto à primeira data, simplesmente copiou Thory. Este é o caso, por exemplo,
para J.-C. Besuchet 1, Lenning 2 e o autor do artigo Martinez Pasqualis na Biografia Universal
3. Vários autores mais recentes, tirando de fontes certamente diferentes, na mesma
data. Existe uma divergência notável apenas para os lugares onde Martines teria fundado seus
primeiros estabelecimentos. Thory nomeia Marselha, Toulouse e Bordéus. Matéria 4, que por
sua mãe era neto de Rudolph Salzmann e herdou os documentos originais de um grupo de
Iniciados de Estrasburgo, escreve que Martines havia iniciado desde 1754, especialmente em
Paris, Bordéus, Lyon e Paris. outras cidades da França. René Philipon 5, referente a um
arquivo do qual ele não indica a origem, afirma que Martines fundou em 1751 uma caixa de
juízes escoceses em Montpellier. Gustave Bord 6, também sem especificar uma fonte,
assegura que Martines teria instituído sua risada em 1751 e que logo encontraria adeptos no
sul da França, especialmente em Avignon, Toulouse, Marselha, Bordéus. Le Forestier, em seu
trabalho magistral e quase definitivo, rejeita 7 todas essas afirmações e acredita que os
primeiros dados certos e referenciados exatamente [20] relativos à atividade de Martines,
datam apenas do ano de 1760, momento em que se apresentou às caixas unidas de Saint-
Jean de Toulouse e, um pouco mais tarde, no Josue Lodge em Foix. Esta opinião não me
parece completamente justificada: enquanto vários autores distantes um do outro no tempo e
tendo diferentes fontes concordarem na data de 1754, parece razoável aceitar este até pelo
contrário. Pelo fato de que esses autores nomeiam cidades diferentes, podemos concluir que
Martines começou seu apostolado com uma rápida viagem de propaganda, talvez empreendida
para investigar o terreno. 5. A construção do Temple Martines funcionou desde a ano 1754 e
até sua morte, em 1774, na construção de seu Templo de Coen. Vamos dar os resultados em
ordem cronológica. 1754: em Montpellier, ele fundou o capítulo dos juízes escoceses. 1754-
1760: Ele viaja pelo sul da França e inicia sua doutrina de seguidores em Paris, Lyon,
Bordeaux, Marselha, Toulouse, Avignon. 1760: Ele falha em Toulouse nas lojas de Saint-Jean,
onde ele não consegue convencer seus poderes evocativos de um comitê de três
membros. Em Foix, na caixa de Joshua, ele é recebido com simpatia. Ele apresenta o tenente-
coronel 1 2 3 4 5 6 7 Precis história da Ordem da Maçonaria, Paris, 1829, vol. Eu p. 44, ano
1754. Martin Pasqual. Encyclopaedie der Freimaurerei, 1829, 1, S. 28. Veja também a segunda
edição, Leipzig, 1865, vol. II, p. 541. T. XXVII, p. 320-321. O Filósofo Desconhecido, São
Martinho, p. 9 Paris, 1862. Nova nota histórica sobre Martinismo e Martinismo,
p. XII. Maçonaria na França, de origens a 1815, p. 244, Paris, 1909. Op. Cit., P. 428. 13 de
Grainville e capitão de granadeiros Champoléon. Ele fundou um capítulo: o Templo dos
Coens. 1761: sob os auspícios do conde Maillal d'Alzac, do marquês de Lescourt e dos dois
irmãos de Aubenton, comissários da Marinha, é afiliado à caixa "La Française" [21] em
Bordéus. Ele construiu seu Templo particular lá. Além dos quatro caracteres listados acima,
MM. de Case, Bobie (Comissária da Marinha), Jull Tafar (ex-Major of the Royal Grenadiers),
Sieurs Morris e Lescombart. 1761-1766: Martines vive em Bordeaux. Durante os meses de
inverno, MM. Grainville e Champoléon vivem em uma pensão. A caixa "La Française" leva o
nome de "Escocês eleitos franceses" em 1764, para indicar que tem um capítulo secreto de
graus superiores: o Templo de Coen. Em 1766, um decreto da Grande Loja da França aboliu
todas as constituições de notas superiores aos três graus simbólicos. O lodge suspende o
trabalho do capítulo Coen. 1766: Para o final do ano, Martines parte para Paris para formar um
corpo central, de cuja autoridade ele pode contar para a posterior criação de seus capítulos
Coens e que pode servir de base para todos da sua Ordem. Ele ensinou Bacon de La
Chevalerie, Jean-Baptiste Willermoz de Lyon, que estava em Paris para assuntos comerciais,
Fauger d'Igne-capourt, Conde de Lusignan, Henri de Loos 1, de Grainville, Rozé, Bonnichon
disse sobre os Guers. Ele fundou um capítulo composto por esses discípulos. 1767: Entre
esses mesmos discípulos, ele escolhe quatro ou cinco para formar seu Tribunal Soberano que
ele cria no equinócio da primavera. Ele chamou Bacon de la Chevalerie por seu substituto
universal. Em abril, ele retornou a Bordéus através de Amboise, Blois, Tours, Poitiers, La
Rochelle. Em La Rochelle, ele conferiu algumas de suas fileiras ao Venerável Basset e a outros
três irmãos. Em junho, ele está de volta a Bordéus e reabre seu Templo. Em setembro, ele se
casou com Marguerite-Angélique de Colas de Saint-Michel, sobrinha do ex-major do regimento
Foix. 1768: Este ano é rico em fatos importantes: nasceu um filho de Martines; Louis-Claude de
Saint-Martin é apresentado a ele, um oficial no mesmo regimento de Foix, que já se mostrava
tão rico em homens de desejo; Grainville e Balzac estão por algum tempo com ele; Martines
tem grande dificuldade com dois membros da Ordem: Sieur Bonnichon, dit du Guers e
Blanquet. Finalmente, Willermoz é ordenado em 13 de março de 1768, em Paris, no mais alto
grau da Ordem de Réau-Croix, de Bacon de La Chevalerie. Todos esses fatos são de real
importância para a história da Ordem. a) O filho de Martines foi batizado domingo, 20 de junho
de 1768 na freguesia de Sainte Croix, em Bordéus. O interesse deste fato consiste em que
imediatamente após o batismo, Martines deu a seu filho a primeira consagração na hierarquia
do Eleito Onesime Henri de Loos (1725-1785), alquimista. Apelido:
Philanthropos. Thory confundiu com o pintor Van Loo. 14 Coens. Ele o destinou a se tornar seu
sucessor. Este filho desapareceu na turbulência revolucionária. Do segundo filho de Martines,
nascido no início de junho de 1771, nada mais é conhecido do que o que St. Martin escreveu a
Willermoz em 8 de junho: que ele era um menino gordo que, ao nascer, estava indo muito bem
. Com estes dois filhos de Martines, ao mesmo tempo, perdemos a sucessão dinástica e direta,
podemos dizer, na soberania da Ordem dos Coes eleitos, o que não é sem alguma importância
esotérica. De acordo com o que Willermoz comunicou ao Barão Türkheim na mesma carta do
mês de julho de 1821, a que já fiz alusão [23] várias vezes, Martines se sucedeu como
Soberano Mestre da Ordem, na sua pai que Pouco antes de sua morte lhe havia dado as
últimas ordenações; b) A personalidade de Martines e o poder de seu ensinamento fizeram em
Saint-Martin uma impressão profunda e duradoura que foi mantida até o fim de sua vida. Deve
a Martines o que os homens mais ansiosos do mistério desejam, quando não o possuem, e
que eles desprezam quando obtiveram: a prova sensível, ou o que passa por tal, da
insubstancialidade do energias do espírito, da imortalidade da alma, da realidade das
inteligências transcendentes. Por outro lado, Martines, como veremos mais adiante, deve muito
a São Martinho, que, desde o ano de 1771 até a partida do Mestre de Santo Domingo, serviu
como secretário particular; c) Caso Bonnichon du Guers. Em 1767, Martines conhecia em Paris
um sieur Bonnichon, dit du Guers, a quem elevava ao cargo de Réau-Croix e que era membro
do Tribunal Soberano da Ordem. Este homem teria sido Venerável da pousada da Amizade de
Lyon em 1765. Sua reputação era ruim e sua moral ainda pior. Assim que ele chegou no topo
da hierarquia da Ordem, ele cometeu abusos de abuso, tirando liberdades profanadas com o
ritual, se rindo, quase sob os olhos do Mestre, culpado de simonia manifesta e caluniando-o
tanto quanto ele. podia. Martines parece ter tido neste homem uma confiança excessiva
inspirada por uma simpatia inexplicável. Ele o defendeu por um longo tempo contra as opiniões
e acusações de Willermoz e dos membros do Tribunal Soberano. Finalmente, em novembro de
1768, convencido dos erros de seu discípulo, Martines tomou medidas severas contra ele e
expulsou-o da Ordem. Se essas coisas ainda precisassem de confirmação, elas iriam recebê-lo
amplo e incontestável de uma correspondência original e muito interessante [24] de tenente-
coronel de Grainville, Réau-Croix, como Willermoz, correspondência que eu reproduzo no final.
deste estudo. Estamos convencidos da maneira mais clara do papel subversivo que o sieur
Bonnichon du Guers queria jogar. Isto é o que Grainville escreve para Willermoz em 1 de
dezembro de 1768: "(dos Guers) realmente fez comigo tudo o que pôde para me separar (isto
é, me separe de Martines) ; ele não conseguiu ter sucesso, ele está bravo e estou muito
feliz. Além disso, descobrimos na mesma letra outro erro de Bonnichon: ele modificou os
cadernos das três notas azuis de modo a lembrar muito sua origem maçônica. d) Ordenação
de Willermoz ao ranking de Réau-Croix. Em 13 de março de 1768, Willermoz foi ordenado Rau-
Croix, supremo grau secreto da Ordem. Note-se que esta ordenação ocorreu em Paris e pelas
mãos de Bacon de La Chevalerie, substituto de Martines. Essas duas coisas são muito
importantes. Não há dúvida de que a dedicação de Willermoz era prematura. Qualquer homem
de desejo que ele era, ele possuía apenas um grau fraco, mesmo muito fraco, a capacidade de
ter sucesso em cerimônias mágicas. Obviamente, ele tinha em menor grau do que St. Martin,
que confessou ter "pouco astral". Martines certamente teria adiado por muito tempo
o ordenação que Bacon de la Chevalerie deu um pouco levemente. Isso resultou em uma série
de dificuldades. Willermoz ficou lento para obter um efeito significativo nas operações mágicas
da Ordem, ele atribuiu a causa à má vontade de Martines e à ineficácia de suas
prescrições. Isso foi errado, é claro: nenhum Mago quer! Apesar do melhor ensino, o que não é
eleito falhará no trabalho. Em uma carta de Grainville dirigida a Willermoz [25] e datada de 11
de janeiro de 1770, há uma passagem muito mal escrita, mas cujo significado é muito bonito e
contém um aviso muito sábio: "É certo que nada pode dar direitos à educação nesta classe
(Réau-Croix) que não é senão experiência e que tudo depende de nós ... O Verifica-se que
prometer desta maneira significa mais ou menos: procurar, você encontrará, rezar, você será
respondido, atingido, você será aberto. Portanto, é de nós que o efeito das promessas de Don
Martines depende. Deixe-nos receber suas instruções, aproveitamos, e tentemos pedir,
procurar e atacar na verdadeira Ré-Croix. No entanto, se os problemas de Willermoz na magia
causaram algum desacordo entre ele e o Mestre, é inegável que sua afiliação à Ordem, bem
como o comércio intelectual e iniciático resultante com Martines, teve efeito sobre Willermoz,
bem como sobre São Martinho, uma influência que durou até o fim de sua vida. As idéias de
Martines, seu ensinamento oculto, sua doutrina de Reintegração marcaram em sua mente uma
marca profunda e indestrutível. quando Pouco depois da morte de Martines, a Ordem dos
Eleitos Coens se desintegrou lentamente, é Willermoz que derramou o licor sagrado em novos
vasos: ele criou na Estrita Observância, reformada por ele, os dois graus ocultos supremos e
Cavalheiros muito secretos Professos e Cavaleiros Professos que, até hoje, mantiveram viva a
tradição sagrada pelo menos parte do ensino de Martines. 1769, 1770: No início do ano de
1769, o senhor Bonnichon, dit du Guers e outro irmão chamado Blanchet ou Blanquet, que
haviam participado da disputa com Martines, foram forçados pelo magistrado a deixar
Bordeaux . Essa disputa atraiu grande atenção para Martines e sua Ordem; vários maçons
de uma alta posição social exigia que fosse afiliado ao Templo dos eleitos escoceses
franceses. Havia muitos grupos Coens na França: Bordeaux, Montpellier, Avignon, Foix,
Libourne, La Rochelle, Eu, Paris, Lyon, Versailles, Metz, etc. A oposição contra a Ordem de
Coen no Francmaconnerie cessou quase que inteiramente. Parecia que a Ordem ia
decolar. Mas precisamente nesse momento, dentro da própria Ordem, surgiu o
descontentamento de vários membros. Parece incontestável que Martines fundou sua Ordem
sem preparação suficiente. As instruções e o catecismo das diferentes fileiras, o ritual para as
cerimônias dos lodges, as prescrições necessárias para os casos especiais, tudo o que ainda
existia apenas no estado impreciso e embrionário na mente do Mestre, enquanto os lodges já
estavam em plena operação. Pior ainda, os adeptos mais elevados, o Réau-Croix, a quem as
operações de magia da cirurgia eram reservadas, faltam em vários pontos dos preceitos,
conselhos, indicações mais indispensáveis, enquanto nas prescrições existentes as
contradições não faltam. Por conseguinte, era bastante natural que os adeptos da Nova
Ordem, e especialmente aqueles que, como Bacon e Willermoz, se encarregassem de liderar
os grupos e orientar os esforços dos menos avançados, encontraram-se muito infelizes com
este estado de coisas. Além disso, o Ré-Croix-Croix encontrou-se muito envergonhado por
suas próprias pesquisas, estudos e operações pela insuficiência de instruções mágicas
secretas ou as contradições que apresentaram. De Grainville dirigiu-se aos mais famosos Raux
para expressar seu ponto de vista sobre esse conjunto de circunstâncias. Segundo ele,
Martines estava em grande dificuldade por causa do mau estado de suas finanças. [27] Seu
negócio não permitiu que ele se dedicasse a trabalhar tanto quanto ele quisesse, e seus alunos
gostariam disso. Era necessário que Martines fosse a Paris e instruísse profundamente no seu
Tribunal Soberano. Mas, para permitir, ele teve que pagar as dívidas do Mestre em Bordéus
(mil libras) e garantir-lhe uma espécie de pensão para que ele pudesse, em Paris, se entregar
completamente ao trabalho. Esta carta, seja ou não inspirada por Martines, colocou, como diz
Le Forestier, fogo em pó. Queixas e queixas alegam em Bordéus. Martins adotou as melhores
táticas nesse caso: ele só respondeu depois de vários meses, quando o ressentimento de seus
alunos se acalmou um pouco. O que ele respondeu continha tanta verdade que os
descontentes eram obrigados a diminuir o tom; ele os censurou em particular por terem mais
gosto de notas altas do que ansejantes de educar-se. Alguns dos membros mais influentes da
Ordem, incluindo certamente Willermoz, consultaram um com o outro e vieram oferecer ao
Mestre um certo conforto material para que ele pudesse se dedicar ao trabalho regularmente.
da Ordem. Então Martines admoestou firmemente seus discípulos resipiscentes: ele recusou
os subsídios. Ele queria receber uma recompensa material ou espiritual somente do próprio
Deus; Ele ficou satisfeito quando conseguiu trazer um homem de volta ao seu primeiro
princípio espiritual. Além disso, "The Thing" não veio diretamente dele, mas de cima. Ele não
queria aumentar o número de caixas, pois era muito difícil encontrar bons assuntos, nem elevar
rapidamente as fileiras dos membros já iniciados: começar por estudar profundamente as
poucas instruções que ele lhes havia dado. É provável que os discípulos o tenham mantido,
pelo menos, nenhum documento é conhecido, provando que eles voltaram à acusação. No
entanto, do ponto de vista prático, [28] suas recriminações pareciam razoavelmente bem
fundamentadas. Eles foram chamados a fazer parte de uma ordem sublime e perceberam que
dificilmente havia um primeiro esboço de sua organização. Eles foram feitos para vislumbrar os
resultados mais milagrosos das operações evocativas da magia sagrada e eles tiveram que
notar que o próprio Iniciador ainda não estava consertado em sua execução, que ele ainda
tinha que estabelecer os rituais, então que ele se gabava de poder comunicá-los a eles. Por
outro lado, do ponto de vista teórico, os argumentos do Mestre eram irrefutáveis, porque o que
os discípulos tinham previsto manifestações surgiu aparentemente de um mundo superior e
deu-lhes a certeza de que Martines afirmou possuir direito o formidável segredo de Theurgy
Magic que ele indicou apenas por estas palavras: "The Thing". 17 Então eles se
resignaram. No dia 11 de janeiro de 1770, De Grainville escreveu para Willermoz: "Estamos
sempre determinados a seguir D (on) M (artines) e a tirar-lhe todas as instruções. Quanto a
Martines, não deve duvidar que, energético, como ele se mostrou moribrando seus discípulos
rebeldes, ele teve que reconhecer o quanto o que eles esperavam dele era justo. Ele
estabeleceu-se, ou finalmente, para trabalhar para organizar sua Ordem, para consertar seus
rituais evocativos e para formular em um tratado a substância de sua doutrina. Durante os dois
anos que nos ocuparam, Martines teve como secretário, para ajudá-lo em todas as suas obras,
um certo Fournié. Este homem é um daqueles que mostram a humanidade hoje, muito
apaixonada pelas obras intelectuais, que um ignorante, sem cultura, sem educação, quase
analfabeto, pode ser um navio eleito do Espírito. Fornecido escreveu um livro: D ' de onde
viemos, o que somos, o que nos tornamos um misticismo ingênuo mas profundo, cheio de
faddies, mas também brilhos brilhantes que revelam um mundo onde os valores são avaliados
de acordo com a Norma Divina que todo homem tem poder em seu coração e não de acordo
com o número, o peso e a medida das coisas terrenas. Mas enquanto era uma alma mística
transbordando com o amor mais puro de Deus, Fournié não possuía nenhuma das aptidões
necessárias para servir como secretário de um líder como Martines, tão desinteressado na
disciplina, tão pouco inclinado a ordenar e trabalho. As boas intenções do Mestre para
finalmente providenciar a organização sistemática de sua Ordem, e estabelecer sua doutrina
por escrito, não começaram a ser realizados até os anos seguintes. 1771: Louis-Claude de
Saint-Martin, depois de ter sido introduzido em 1768 a Martines por Champoléon, Grainville e
Balzac, seus companheiros no regimento de Foix, e depois de receber as primeiras filas da
Ordem dos Coes eleitos, teve que logo saem de Bordéus e seguem seu regimento que levou
guarnição sucessivamente Lorient e Longwy. Mas no início do ano de 1771, Saint-Martin
deixou o serviço militar e retornou a Bordeaux com Martines. Ele o substituiu, como secretário,
Fournié, que tinha ido a Paris para se preparar para receber a tonsura no convento dos
Grands-Augustins. Pode-se dizer que o verdadeiro trabalho de organização começou com a
presença contínua em Bordeaux de Saint-Martin. Respeitando a disciplina militar como
oficial, acostumado à disciplina intelectual como um homem de estudo, finalmente sujeito
voluntariamente à disciplina do dever como homem moral saudável, Saint-Martin teve que
exercer sobre Martines uma pressão inconsciente, uma influência salutar que o forçou a
trabalhar e que o pregou na tarefa de iniciador, instrutor, diretor, fundador da doutrina,
organizador de uma nova ordem ocultista. Os efeitos positivos desta ação logo
apareceram. Durante todo o ano de 1771 e parte do ano de 1772, uma série de cartas e
pacotes cheios de documentos importantes foram de Bordéus ao Tribunal Soberano e às lojas
Coens. É a partir deste período que o Grande Cerimonial do Grau do Grande Arquiteto, um
Convocação para o trabalho diário, uma tabela indicando exatamente o local [1] 1 No Volume
II, o autor corrige: "Para ler 11 de setembro de 1770". Veja Errata do Volume I, Volume II,
p. 173. Publicado em Londres em 1801. 18 velas durante as cerimônias, uma lista das palavras
a serem usadas para a recepção e a ordenação, um repertório das palavras usadas na
Invocação diária, várias informações sobre o cerimonial, a ordenação do Grande Arquiteto, o
Grande e Pequeno Cerimonial das três notas azuis, os cadernos das notas dos eleitos e dos
três Coen, o cerimonial para a realização das assembléias, um catecismo das notas azuis, a
coleção alfabética dos nomes e hieróglifos da Profetas e apóstolos para reconhecê-los quando
se manifestam durante as operações evocativas, o texto da pequena Invocação. Fora e acima
de tudo, durante os mesmos dois anos, Martines se aplicou para escrever o famoso Tratado de
Reintegração, que discutiremos no próximo capítulo. É inegável que, se Martines, com a ajuda
de São Martinho, pudesse continuar seu trabalho sem interrupção, ele poderia ter completado
a organização da Ordem dos Coes eleitos, completou seu tratado doutrinário de reintegração e
completou suas instruções. teúrgico. Teríamos então detido e julgado seu trabalho integral
como iniciador e líder de uma nova ordem ocultista. Fatality ou Providence decidiram o
contrário. [31] 1772: nos primeiros meses deste ano, Martines e St. Martin ainda estavam
trabalhando diligentemente; várias instruções deixaram para Lyon. Além disso, o mestre
ordenou para o equinócio das operações evocativas rituais da primavera. Em Lyon, este
trabalho não veio a nada: mais uma vez Willermoz conseguiu não obter manifestação nem
visão, nenhum "Passe", como foi dito na linguagem convencional da Ordem. Mas Saint-Martin
e Deserre tiveram manifestações óbvias, que decidiram Martines para pedir Réau-Croix em 17
de abril de 1772. Em 5 de maio, Martines embarcou para a ilha de Santo Domingo para coletar
uma herança . 1773: O Mestre fundou em Port-au-Prince um Tribunal Soberano para a colônia
de Santo Domingo, com Caignet de Lestère como substituto do Grande Mestre. Além disso, ele
fundou uma pousada nesta cidade, bem como em Leogane. Em uma carta de 12 de outubro de
1773, escreveu a Willermoz que a Ordem estava prosperando na ilha. finalmente, Ele
continuou o trabalho de constituição: Deserre recebeu dele instruções completas para todas as
fileiras da Ordem e várias regras e invocações para operações mágicas. 1774: Ao longo do ano
de 1774 e quase até o momento de sua morte, Martines cuidou febrilmente dos Elect
Coens. Ele completou o status geral da Ordem e compôs o ritual especial para o início das
mulheres. Sua última carta é 3 de agosto. Ele escreveu isso, consumido pela febre, do qual ele
morreu, e tanto pela indignação causada pela notícia de que vários de seus chefes de Rau-
Croix (entre outros, Bacon e Willermoz) se aproximaram da Estrita Observação Maçônica.
Alemanha. Ele morreu na terça-feira, 20 de setembro de 1774. O lugar de seu enterro é
desconhecido. 19 [32] II. Perto da morte Na carta de Willermoz ao barão Türkheim, que já citei
várias vezes, há uma passagem muito curiosa: "No momento da sua morte, ele fez uma
saudação a 2.000 léguas de lá. adeus a sua esposa se dedicando a uma obra de bordar, e
atravessando a sala diagonalmente de leste a oeste, de forma tão impressionante que ela
exclamou diante de várias testemunhas: "Ah, meu Deus, meu marido é morto! "Fato que foi
verificado e confirmado. Neste ponto, que Willermoz diz checado e confirmado, os Cavaleiros
Grandes Professores de Estrasburgo e Darmstadt, a quem Türkheim o comunicou,
acrescentaram pouca fé. Eles chamaram isso de "Ordenslegende", uma lenda de lodge. Na
verdade, naquela época, o estudo desse tipo de evento metapsíquico ainda estava por
concluir. Hoje em dia, Após os famosos livros de Myers, Gurney e Podmore, e Flammarion,
sobre os fantasmas dos mortos e os vivos, somos mais educados e podemos ser considerados
de qualquer outra forma. Todo mundo permanece mestre de acreditar ou não acreditar na
realidade de tal ou aquele fenômeno, ninguém pode negar que os fatos telepáticos em geral se
enquadram nas possibilidades comprovadas. Quem, no caso de Martines, admite o fato
narrado por Willermoz, pode encontrar uma prova adicional do poder que Martines desfrutava
sobre o que os ocultistas chamam de "Astral" - Ainda morrendo, ele sabia como se projetar em
a atmosfera [33] suficiente energia vital psíquica para impressionar sua esposa permaneceu na
França. Isso ainda está dentro dos limites do permitido. O fim da mesma carta de Willermoz
traz uma afirmação que os excede: é conhecido pelo estudo importante e minucioso de ME
Dermenghem 1 que Willermoz e alguns dos seus amigos e irmãos Great Professed cuidaram
do ano 1785 induziu o sono magnético e a lucidez somnambular. Eu provei em um artigo
publicado há dois anos que Willermoz descobriu a lucidez somnambular em 1784, muito antes
do Marquês de Puységur.2 Agora, durante uma das sessões realizadas por Willermoz e seus
amigos, Somnambulist parece ter dado informações sobre o estado de Martines. É que [1]
Willermoz expõe no final da carta da qual é falado acima. Uma outra comunicação sobre a
existência de Martines além do túmulo pode ser encontrada no livro já citado pelo padre
Fournié. N ' atribuindo um valor objetivo a essas comunicações, não vou lidar com seu
conteúdo aqui, mas vou me referir a eles quando lidar com os sentimentos dos discípulos de
Martines em relação ao seu Mestre. [34] 1 2 [E. DERMENGHEM, WILLERMOZ, The Sleep,
ed. Conhecimento, Paris, 1926. G. VAN RIJNBERK. Ocultismo e metapsicologia no X VI século
II na França, Revue Métapsychique, janeiro-junho de 1934. 1] No volume II, o autor corrige:
"Isto é o que Willermoz expõe". Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. 20 III. - O HOMEM
E O MISTROR NA OPINIÃO DE SEUS DISCÍPULOS 1. O milagro Martines escreveu São
Martinho em Kirchberger, em uma carta de 12 de julho de 1792, "virtudes muito ativas", isto é,
para dizer isso ele possuía a faculdade de mostrar aos que participaram de suas operações
mágicas brilhantes, sinais luminosos rápidos, talvez aparências fugazes, o que ele chamou em
seu idioma de "Passes". Cada um pode formar sobre esses fatos a opinião que ele quer. É
assim que se pode negar a realidade objetiva e acreditar que Martines era hábil em sugerir aos
seus discípulos esses sinais alucinantes. A hipótese de que ele usou uma espécie de lanterna
mágica como Schrepfer teria feito, nunca foi emitida na conta de Martines. Finalmente, foi
aberto a qualquer um admitir que Martines e seus discípulos mais talentosos nesta ordem de
faculdades possuíam o segredo de poder imprimir pela força da vontade ou pelo desejo, suas
imagens mentais na ambiente "astral". O que é certo é que seus discípulos, se eles duvidaram
dele às vezes, quase todos acabaram tendo fé em seus poderes psíquicos. São Martin tem
professado várias vezes e muitos anos depois da morte de Martines. Willermoz, em uma carta
muito bonita datada de 1781, que proponho publicar inteiramente no livro que estou
preparando neste homem notável, escreve textualmente que Martines provou seu
conhecimento por fatos [35] e que o sétimo grau da Ordem (isto é, os Reais que é o sétimo, se
não tomarmos em consideração as três fileiras simbólicas) deram as provas da realidade de
sua ciência.1 Não podemos ser mais claros. De Grainville, em várias cartas para Willermoz,
que publico no final deste volume, expressa sua convicção absoluta na realidade da
"coisa". Aqui estão dois exemplos. Em 15 de dezembro de 1768, em referência às calúnias do
sieur de Bonnichon du Guers, ele escreve: "Certifique-se de que o Mestre tenha todos os erros
possíveis, quando eu mesmo falo, então vou me confundir com ele, com certeza, diga Eu, que
o assunto permanece não menos. Em 24 de dezembro de 1770, ele escreve que não é Don
Martines que persuade seus discípulos da "Coisa", mas que é a própria coisa que lhe é
atribuída por evidência, convicção e certeza. Qualquer que tenha sido a natureza das
manifestações que a Ordem dos Coes eleitos obteve, é evidente que o Réau-Croix que o
testemunhou, estava convencido de sua realidade e conseqüentemente da verdade da
"Coisa" Nenhum deles nunca pensei em considerar Martines como um charlatão. Eles viram
nele um homem através do qual, graças ao seu conhecimento particular, a Coisa, isto é, o
Mundo dos Espíritos, pode tornar-se acessível aos sentidos. 2. Man. É certo que Martines tinha
em grande parte sua parte de fraquezas morais; Também é evidente que ele se deixou levar
pela aparência e facilmente apaixonado por seu pai. 21 simpatias repentinas; ele não era muito
econômico, desordenado, incapaz de manter uma linha de conduta social fixa e
consistente. Finalmente, ele foi acusado de imoralidade [36] e prodígio. No entanto, é certo que
devemos atribuir algo do que dizemos sobre ele à tenda através do qual, graças ao seu
conhecimento particular, a Coisa, isto é, o Mundo dos Espíritos, pode tornar-se acessível aos
sentidos. 2. Man. É certo que Martines tinha em grande parte sua parte de fraquezas
morais; Também é evidente que ele se deixou levar pela aparência e facilmente apaixonado
por seu pai. 21 simpatias repentinas; ele não era muito econômico, desordenado, incapaz de
manter uma linha de conduta social fixa e consistente. Finalmente, ele foi acusado de
imoralidade [36] e prodígio. No entanto, é certo que devemos atribuir algo do que dizemos
sobre ele à tenda através do qual, graças ao seu conhecimento particular, a Coisa, isto é, o
Mundo dos Espíritos, pode tornar-se acessível aos sentidos. 2. Man. É certo que Martines tinha
em grande parte sua parte de fraquezas morais; Também é evidente que ele se deixou levar
pela aparência e facilmente apaixonado por seu pai. 21 simpatias repentinas; ele não era muito
econômico, desordenado, incapaz de manter uma linha de conduta social fixa e
consistente. Finalmente, ele foi acusado de imoralidade [36] e prodígio. No entanto, é certo que
devemos atribuir algo do que dizemos sobre ele à tenda É certo que Martines tinha em grande
parte sua parte de fraquezas morais; Também é evidente que ele se deixou levar pela
aparência e facilmente apaixonado por seu pai. 21 simpatias repentinas; ele não era muito
econômico, desordenado, incapaz de manter uma linha de conduta social fixa e
consistente. Finalmente, ele foi acusado de imoralidade [36] e prodígio. No entanto, é certo que
devemos atribuir algo do que dizemos sobre ele à tenda É certo que Martines tinha em grande
parte sua parte de fraquezas morais; Também é evidente que ele se deixou levar pela
aparência e facilmente apaixonado por seu pai. 21 simpatias repentinas; ele não era muito
econômico, desordenado, incapaz de manter uma linha de conduta social fixa e
consistente. Finalmente, ele foi acusado de imoralidade [36] e prodígio. No entanto, é certo que
devemos atribuir algo do que dizemos sobre ele à tendaTodos humanos para fofocar. Como
exemplo, eu reproduziria uma frase da carta já citada de Falcke para Mund: "Ele ensinou por
dinheiro, mas o que ele ganhou na manhã que ele passou a noite com as meninas; ele era
licencioso. Este julgamento parece ser um eco da famosa anedota de Bacon de La Chevalerie
sur Martines, relatada pelo Barão de Gleichen em suas memórias.1 Martines é retratada por
Bacon como um homem cheio de vícios e virtudes, que se permitiu a si mesmo tudo apesar da
sua severidade para os outros. Ele teria tirado dinheiro de seus discípulos, enganado-os em
jogos de azar, então ele teria dado esse dinheiro ao primeiro vencedor, às vezes a um
transeunte que ele não conhecia. Ele teria pedido desculpas por essa maneira de agir dizendo:
"Eu agirei como Providência, não me pergunte mais! No entanto, Falcke reconhece na mesma
carta que o adultério e o homicídio foram considerados por Martines como pecados muito
sérios. Em apoio a esta afirmação, ele conta um relato de Bacon de la Chevalerie, que é
característico da consideração de que os poderes sobrenaturais de Martines gozavam entre
seus discípulos. Bacon trouxe um de seus irmãos para acompanhá-lo para uma casa de
tolerância. Martines, que estava em Bordéus, escreveu-lhe que ficaria doente por catorze
meses e que nenhum médico poderia curá-lo, o que era verdade. Deve ser notado em conexão
com as histórias de Bacon de La Chevalerie sur Martines, que as relações entre esses dois
foram por um tempo muito tenso. Bacon parece ter sido um discípulo pouco disciplinado, um
sábio muitas vezes muito imprudente, um homem inconstante. [37] Talvez ele nem sempre
mostrou a discrição necessária. No capítulo V tratarei a questão se Martines realmente retirou
Bacon de sua dignidade como Substituto, Grande Mestre, como foi reivindicado. Se isso
realmente aconteceu ou não, é óbvio que deve ter havido extrema amargura nas relações entre
Martins e Bacon pelo menos tão cedo quanto o ano de 1770. Essa amargura explica as
sentenças violentas e certamente excessivas pelas quais o Bacon designou Martines em uma
carta a Willermoz de 24 de setembro de 1775 2. Ele repetidamente o chama um patife e um
patife, um patife que o enganou descaradamente; um patife que levou ao sepultamento o
desprezo que Bacon dedicou a ele ... Tudo isso parece muito sério, mas não é do todo. Na
época em que ele escreveu esta carta, Bacon certamente estava cheio de aborrecimento, mas
alguém se pergunta se a causa de sua fúria não deveria procurar feridas talvez que sua
vaidade pessoal tenha sofrido com as críticas e ataques de seus irmãos Coens, infeliz com o
comportamento dele. É notável, em qualquer caso, que, na mesma carta, Bacon atribui tanta
importância à sua dignidade como o Grande Mestre substituto: essa autoridade que recebeu de
Martines, diz expressamente para mantê-lo e que nenhuma criatura humana pode para deliciá-
lo. Esta é a importância dada a uma classificação conferida por um "knave"! Obviamente, em
seu coração, Bacon manteve um grande respeito por Martines. Essa impressão é reforçada
quando se lê em uma carta sucessiva que Bacon e Willermoz continuam a ocupe
silenciosamente diversos assuntos da Ordem dos Eleitos Coens: cadernos em 1 2 Ch. H.,
Baron DE GLEICHEN, Souvenirs Paris, L. Techener, 1868, p. 153. Veja Documentos, XII. 22
cópia, das notas a serem conferidas. No capítulo V examinaremos outras cartas, escritas trinta
anos depois, em que Bacon ainda se orgulha de sua qualidade de Réau. [38] De Grainville, em
suas cartas para Willermoz 1, nos traça de Martines um retrato sincero e infinitamente mais
objetivo: ele reconhece os erros (carta de 15 de dezembro de 1768) e as inconsistências do
Mestre (1 de junho de 1769 e 11 de novembro de 1772) . Ele critica a fúria das recepções na
Ordem, muitas vezes prematuro: "Mas o que fazer; ele deve viver e apoiar sua família. Isso,
entre parênteses, resolve o problema dos recursos de Martines: ele estava vivendo sobre o
rendimento que lhe davam as funções do Grande Mestre da Ordem, e nenhum pensamento
contemporâneo de culpá-lo. Se Martines pudesse viver em Paris, seria possível que ele
devolvesse os avanços feitos "pelas receitas das constituições (que se alunas) que, então, teria
multiplicado" (carta de 12 de fevereiro de 1770). Esse modo de vida, atraindo recursos da
organização da ordem maçônica ou para-maçônica, do qual ele era o grande Mestre, apareceu
naquela época lógico, moral e normal. Além disso, De Grainville admite abertamente que
Martines foi incapaz de construir seu Templo da fundação no topo: "A Ordem entregue a Don
Martins sozinha nunca vai tomar. A coisa é clara, mas devemos ler o seguinte: "Faço justiça a
Don Martines. Este homem liderado por um homem direito e zeloso da Ordem, surpreendido
por seu gosto e por sua assiduidade de trabalhar tanto quanto pelas novas coisas que ele
produziria incessantemente. Mas também ele não teria mais dívidas no corpo ou se
preocuparia no dia seguinte. Não podia ser mais justo e humano em seu julgamento de um
homem que, obviamente, possuía extraordinárias qualidades obscurecidas por inconcebíveis
fraquezas. Entre essas fraquezas, voltarei a recordar a simpatia não razoável e a confiança
ilimitada que [39] Martines mostrou para o senhor Bonnichon du Gers, que o traiu da maneira
mais indigna. Isso não impede que apenas dois anos após este episódio dramático, durante
sua segunda permanência em Paris durante o ano de 1771, O Mestre foi acompanhado por um
chamado irmão de La Borie a quem ele chamou de "meu segundo eu". Outro exemplo dessa
mania é a paixão de Martines pelo Bacon de la Chevalerie. Sobre este assunto, há um
documento muito claro: uma carta dirigida a Willermoz, datada de Estrasburgo, 3 de dezembro
de 1782, na qual Salzmann expressa seu espanto de que Martines concedeu tantos direitos e
prerrogativas a Bacon e que ele avançado na última classe da Ordem; A explicação, para
Salzmann, não tem dificuldade: "É que, apesar de seu estado sublime, ele continua sendo um
homem e um assunto a ser enganado. O Mestre era, portanto, um homem com sentimentos
repentinos e irreflexivos, que, pelo menos no caso do sieur Bonnichon, o interpretava como um
mau truque. Tudo em tudo nosso julgamento sobre Martines é consistente com o que
Willermoz formula em sua carta a Turkheim em julho de 1821: "Suas inconsistências verbais e
suas imprudências causaram reprovações e muitos inconvenientes, mas ele estava cheio
dessa fé viva que os faz superar . 3. O Mestre 1 2 Ver Documentos, VIII. Preservado na
biblioteca do falecido M. Bréghot du Lut, no castelo de Confolin. Os discípulos íntimos de
Martines estavam todos convencidos de que ele era um Iniciado de ordem
superior. Conhecemos a estima com que St. Martin o professou em sua correspondência com
o Barão de Liebesdorff. De uma ordem diferente, mas tão convincente, são [40] a notícia que
dois alunos deram de Martines após sua morte. Em seu livro, O que somos, etc ..., o O abade
Fournié relaciona as visões que teve. É assim que ele diz que foi visitado em 1776, dois anos
depois de sua morte, por Martines acompanhado pelo pai, a mãe e uma irmã de Fournié e um
anjo. Note que isso aconteceu antes de Mesmer e Swedenborg propagar sua doutrina
magnética e pneumatológica. Quase vinte anos depois, Fournié ainda escreve para Franz von
Baader que "um dos Sete Espíritos" descansou em Martines e que ele considera o próprio
Martines como um desses sete bons espíritos que não podem ser entendidos verdadeira
natureza lendo o livro dos Macabeus, espíritos invisíveis como as sete tribos extintas de Israel,
mas continuam a agir a partir do seu asilo invisível no mundo profano. Ainda mais eloquentes
são os testemunhos de Willermoz. Em novembro de 1772, ele escreveu ao Barão de Lansperg,
Venerável de la Loge la Candeur em Estrasburgo: "Algumas circunstâncias felizes me deram
uma das minhas viagens (a Paris) para ser admitida em uma sociedade bem composta e
pequena, da qual O objetivo, que foi desenvolvido fora das regras comuns (isto é, oralmente)
me seduziu. A partir de então, todos os outros sistemas que conheci (pois não posso julgar os
que não conheço) me pareciam inúteis e desagradáveis. É o único em que encontrei aquela
paz interior da alma, a vantagem mais preciosa da humanidade em relação ao seu ser e ao seu
princípio. 2 Em uma carta posterior, ele escreveu para o famoso Von Hund: "Em uma das
minhas viagens em 1767, tive a felicidade de para ser admitido em uma sociedade maçônica
pouco conhecida e conhecida. A sublimidade do objeto com o qual trata e a verdade a partir da
qual já não é permitido duvidar assim que alguém alcança a última classificação requer a maior
cirurgia e leva a longos períodos. Pode-se objetar que essas palavras calorosas escritas logo
após a partida de Martines para Santo Domingo têm apenas um valor relativo: a impressão
sugestiva da personalidade excepcional do Mestre ainda estava fresca e viva na alma. de
Willermoz. Vejamos o que ele escreveu em 1818, trinta anos após a morte de Martines, em
uma carta ao barão Türkheim. Encontramos a seguinte frase: "... a pedra de toque que meu
Iniciador (Martines de Pasqually) a quem tenho coração e alma, tinha colocado em minhas
mãos, para distinguir, se necessário, o ouro do cobre ... ". Três anos depois, no final da carta
ao mesmo destinatário, que já reproduzi, várias passagens, ainda há uma comunicação
impressionante: "Aprendi ... por outro caminho seguro (o sonâmbulo ) que Don M. expiou no
outro mundo sofrendo por muitos anos, suas falhas e suas imprudências humanas, e que ele
foi recompensado por sua grande fé e elevou a um alto grau de bem-aventurança, onde ele foi
visto, levando na boca o sinal respeitável do sacerdócio e do episcopado. VON BAADER'S,
Nachgelassene Werke V, 365. Carta de Baader a Z ..., datada de 15 de outubro de 1821. Ir.
VON BAADER'S, Nachgelassene Werke V, 365. Carta de Baader a Z ..., datado de 15 de
outubro de 1821. STEEL MARET, Archives of Freemasonry, Metropolitan College of France em
Lyon, II Província chamado Auvergne, 1765-1852, 1r el true s on. Mesmo admitindo que o
"vidente" conscientemente ou inconscientemente, apenas tenha feito as próprias convicções de
Willermoz, permanece que sua visão é extraordinariamente instrutiva no sentido de que,
precisamente, nos faz conscientizar A idéia de Willermoz de seu Mestre e Iniciador Pasqually:
ele o considerava o digno representante de um alto sacerdócio e como um adepto
superior. IV. - O ENSINO DE M ARTINES Para formar uma idéia do ensino de Martines de
Pasqually, temos três tipos de documentos: 1. Seu Tratado sobre a Reintegração dos Seres
em suas primeiras propriedades, virtudes e poderes espirituais e divinos; 2 ° os rituais e
catecismos de sua Ordem dos Coisos Eleitos; 3 ° as letras sobre operações mágicas dirigidas
pelo Mestre a Willermoz. O Tratado contém a doutrina secreta: trata da queda do Espírito, da
queda do homem na matéria, da história oculta do Cosmos e da Terra, do papel esotérico do
mal e dos poderes demoníacos, e, finalmente, a possibilidade de um retorno da humanidade ao
seu primeiro estado de glória. Os rituais e os catecismos da Ordem expõem essa mesma
doutrina, mas ao vê-la sob o bordado e os ornamentos de detalhes lendários e fantásticos
seguindo o processo maçônico. Eles também ensinam como o homem pode se purificar e
tentar tornar-se digno de desfrutar, depois da morte, de todos os seus privilégios
primitivos. Finalmente, as cartas para Willermoz ensinam os meios teúrgicos para se
relacionarem com os espíritos das esferas superior e suprema. [42] 1. A teurgia de Martines de
acordo com suas cartas A magia do Mestre tem muitos pontos de contato com as cerimônias
teúrgicas de todos os povos cuja tradição preservou os detalhes. O operário rastreou um ou
mais círculos no chão; [43] Eles eram os símbolos do isolamento do adepto, as muralhas
fluídicas levantadas por sua vontade amorosa contra os poderes do Mal. Ele colocou uma ou
mais luz nestes círculos e desenhou símbolos ou hieróglifos. Martines, em uma carta colocada
pela mão de St. Martin, escreveu a Willermoz em 13 de março de 1770. Ele prescreve
que deve-se fazer sete prostrações: o primeiro ao círculo de retiro, o segundo à letra MR, o
terceiro à letra WG, o quarto à letra RAP, o quinto à letra Z., o sexto à letra IA, o sétimo para a
letra IW O significado dessas letras nos escapa completamente. O feito, o operário, - preparado
por uma certa dieta de vida, jejuns e orações, e purificado pelo incenso - começou suas
invocações. Foi para os exorcismos menos iniciados que foram usados para caçar a 1 Esta
carta está na coleção Papus, que reproduziu apenas algumas linhas em seu livro sobre
Martines de Pasqually, 1895. [No Tome II, o autor corrige: "Na nota (1), eu declarava
erroneamente que Papus tinha reproduzido apenas parcialmente a carta de Martines a
Willermoz de 13 de março de 1770. Na verdade, ele a inseriu em extenso". Veja Errata do
Volume I, Volume II, p. 173. 25 influências ruins e para os Iniciados 1 mais avançados,
evocações verdadeiras: o mago apelou para entidades espirituais superiores e pediu-lhes que
o aparecessem ou, pelo menos, lhe desse um sinal de atenção ou condescendência. As
operações eram de várias importâncias: havia alguns muito simples, executados dia a dia
(invocações diárias); mais, realizou três dias seguidos (Invocações dos três dias) que foram
cumpridas durante a crescente lua. Por fim, duas vezes por ano houve a mais importante de
todas as operações, o Equinox Work. Todos os discípulos que chegaram ao mais alto nível da
iniciação da Ordem de Martines tomaram parte em sua residência, e toda a Ordem concordou
com simpatia na obra em que o seu chefe, o Grande Soberano, o precedeu. [44] Quais foram
as manifestações sobrenaturais que os discípulos de Martines queriam obter do mundo oculto
que eles indicavam pela vaga palavra "A Coisa"? Eles eram fenômenos ópticos, mais
raramente acústicos; sons, vozes, mais frequentemente faíscas, brilhos coloridos, figuras
fugazes de fogo, aparências rápidas, talvez até aparições. Tudo isso foi chamado de "Passes"
na linguagem convencional dos iniciados. Estas Passes asseguraram que as Entidades
Espirituais evocadas pelo O funcionamento tinha obedecido seu chamado e lhe deu um
vislumbre de parte de sua "forma gloriosa". A importância de obter um passe foi para os
operários no fato de que este era o sinal de sua "reconciliação", isto é, da certeza de que
depois de sua morte eles seriam "regenerados" ou, em outras palavras, admitido na esfera
superelástica atingindo o ponto de ser totalmente reintegrado nas primeiras propriedades,
virtudes e poderes espirituais do primeiro homem antes de sua decadência. Para ter obtido um
Passe significava assim para o operário que havia recebido o selo invencível da divindade, a
garantia absoluta da salvação. 2. Os Rituais e Catecismos da Ordem dos Coens eleitos,
trataremos em um capítulo especial da constituição da Ordem dos Coelhos eleitos, eu Eu então
terei que voltar a alguns pontos dos ensinamentos que só estou me aproximando aqui. Os
cadernos das fileiras de Coens foram baseados no Tratado de Reintegração. Eles anunciaram,
velaram e embelezaram lendas bíblicas, abandonaram, melhoraram e se desenvolveram mais
tarde, a doutrina da queda e a teoria da regeneração. Eles [45] indicaram vagamente, e de
longe, nas notas mais baixas, e depois cada vez mais abertamente nas notas superiores,
especialmente no ranking supremo de Réau-Croix, a necessidade das operações de
exorcismo, propiciações, evocações mágicas e teúrgicas. As cerimônias que acompanharam e
simbolizaram esses ensinamentos foram complicadas por muitos detalhes e imaginadas por
uma fantasia ardente. 1 Veja o capítulo sobre a hierarquia do Ordem Coen. 3. O "Tratado de
Reintegração" O Tratado de Reintegração de Martines foi o Evangelho da Ordem dos Coes
Eleitos. A leitura provavelmente foi reservada para membros do mais alto grau da Ordem: o
Réau-Croix. Existiram no Tratado apenas cópias raras de manuscritos, poucas ou nenhuma
colação, e apresentando, por esse motivo, uma série de variantes. Deve ter sido como todos os
escritos do Mestre, que, em geral, foram preenchidos com "contradições, transposições, erros
em todos os lugares". O Tratado foi vendido às partes interessadas a um preço elevado, o que
era razoável devido aos altos custos envolvidos na cópia. Mais tarde, tentarei contar as cópias
autênticas conhecidas do Tratado e definir os seus caracteres distintivos. Finalmente, por fim,
não foi impresso pela primeira vez até 1899. (a) Conteúdo do Tratado O Tratado queria ser, à
maneira do Zohar, um comentário esotérico e um complemento pseudo-histórico do
Pentateuco. Em longos períodos de sintaxe duvidosa, o Mestre expõe a primeira emanação de
essências espirituais; a prevaricação de alguns deles e, para formar a prisão e o castigo dos
espíritos malignos, a criação da matéria. Aqueles dos primeiros espíritos que emanavam da
esfera divina, que não tinham prevaricado, foram divididos por Deus em duas classes: a dos
espíritos superiores, que Martines chama a esfera superelestável e a dos espíritos principais a
quem a esfera celestial era reservada. Matéria, prisão de espíritos malignos, é nomeada por
Martines: esfera terrestre. Para manter os espíritos malignos, Deus criou o primeiro Homem
Espiritual ou Menino Adão, mas Adão, tentado e enganado pelos espíritos que ele controlava,
prevaleceu por sua vez e foi punido de maneira semelhante à dos espíritos malignos. Ele teve
que deixar "a forma gloriosa para assumir uma forma material passiva e sujeita à corrupção", e
foi banido da esfera celestial para a esfera terrestre. Tudo isso é apenas uma versão mais ou
menos esotérica do que pode ser lido nos primeiros capítulos do Gênesis. Mas o que é original
e profundo na exposição de Martines é a definição da natureza da culpa cometida pelos
primeiros espíritos emanados e por Adão. O crime dos espíritos era querer criar "criaturas
espirituais que dependeriam imediatamente de eles mesmos, dependendo daquele que os
havia emanado ". Deus cortou esta tentativa antes de entrar em ação. Ele teve seu aborto
enquanto ela ainda estava em concepção: "seu pensamento maligno e sua vontade terem sido
mortos pelo Criador que parou imediatamente e previu o ato da operação dessa vontade! Sua
culpa, portanto, era criar não essências espirituais de acordo com as intenções de Deus, mas
seres sujeitos apenas a si mesmos. A culpa de Adão era análoga: ele queria criar seres
espirituais autodenominados sem se preocupar [47] se o espírito do Criador estivesse em
cruzamento com ele. Em 1 De Grainville em Willermoz, 14 de março de 1774, sobre alguns
notebooks de notas. Ver Documentos, VIII. Então, lugar "de uma forma gloriosa ele apenas
removeu de sua operação uma forma sombria ... uma forma de matéria ". Era Eve ou o
Hommesse. Essas duas faltas cometidas no início dos tempos pelos primeiros Seres
Espirituais, como Martines os descreve, resumem toda a tragédia da humanidade desde suas
origens até nossos dias. O Deus que está em nós quer criar; no plano celestial, suas obras
falham, abortam, morrem antes de serem passadas da concepção para a ação: no plano
temporal, a vontade de criar valores espirituais puros é desviada: todas as dificuldades só
conseguem produzir "formas de matéria" Pobre reflexão da forma transparente dos homens
orgulhosos. Assim concebido, a narração da dupla queda após Martines pode se relacionar
com os esforços e desilusões da vida cotidiana de todos os homens e especialmente de todos
os homens de desejo. O Tratado continua a expor a história de Adão. O perdão foi concedido a
ele, mas tendo recebido a ordem de reproduzir "formas semelhantes às suas", o casal Adam-
Eve inicialmente colocou muito zelo material, o que atrasou "a completa reconciliação". Entre
as crianças assim procriadas é Caim. Mais tarde, "Adão e Eva cooperaram" para criar a forma
de um filho Abel "por uma operação" realizada "sem excesso de seus sentidos materiais". "O
Criador não podia se recusar a corresponder à sua operação, constituindo na forma em que
operavam um ser menor dotado de toda virtude divina e sabedoria espiritual". Nós temos lendo
as passagens do Tratado relativas às convivências de Adão e Eva, a impressão de que
Martines antecipa a chamada Magia Sexual que atualmente está desfrutando de algum
sucesso. [48] Após o assassinato de Abel por Caim, "Adão concebeu ... à mercê do Criador
uma terceira semente a quem chamou Seth". Toda a humanidade é descendente de Caim e
Seth. A linhagem de Caim que continua após a inundação de Cham abraça homens com
tendências grosseiras: são prisioneiros da matéria e gozam do controle sobre ela. A semente
de Seth, que continua por Sem e Jafé, originalmente tinha "todo o conhecimento espiritual
divino que Seth lhe havia comunicado". Infelizmente para o gênero hominal, a posteridade de
Seth "não está há muito a ser corrompida por sua aliança com a semente de Caim". É aqui que
a humanidade de hoje é: em seus membros agem em uma mistura inextricável, por um lado, os
ardours para as realizações materiais, os prazeres e a carne e as perversas tentações
demoníacas e, por outro lado, Memórias e desejos apressados para uma espiritualidade sem
obstáculos. Desapontante condição, mas isso poderia ser pior! Felizmente, o Tratado nos dá
um consolo importante. Fiel a todas as tradições esotéricas do mundo, Martines nos ensina
que ele vive entre nós, carregado de trabalhar para a nossa "reconciliação". Eles são menores
escolhidos, nascidos "pela vontade e pela operação divina sozinhos". É, portanto, falar uma
linguagem moderna, espíritos superiores encarnados não por necessidade, mas por devoção
aos pobres humanos, que querem ajudar pelo sacrifício de sua liberdade espiritual. Assim, a
escala das entidades espirituais é completada: do Minero em privação (o homem vulgar),
voltamos pelo Menor reconciliado com o mineiro regenerado. O Elected Miner forma a
transição com o 1 RANDOLPH, Magia sexualis. Trad. Francês por Maria de
NAGLOWSKA. Paris, R. Feline, 1931. [No Volume II, o autor corrige: "O editor da Magia
Sexualis de Randolph não é Felino, mas Telin". Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. 28
Espíritos livres e mágicos livres das esferas celestes e supercruzadas, cuja hierarquia leva a
Deus. O Tratado ainda contém uma massa de informações ocultas [49], Esotérico, místico em
muitos assuntos: cosmologia, geometria, história sagrada; ciência oculta de números; doutrina
do simbolismo bíblico. Ele forneceu a base teórica e teósoica para as operações mágicas e
rastreou de forma mais ou menos abstracta os limites, o objetivo, o fim que os iniciados
poderiam alcançar em seu trabalho teúrgico: o sinal dado por um grande espírito de
reconciliação da "operando com Deus". No Tratado também havia ensinos admiráveis
dispersos sobre a luz astral. Martines o indicou sob o nome curioso do fogo central do eixo. É
muito notável notar como Martines concebe a importância do astral eo que seria tentado a
chamar por um termo teosofico-antroposófico: o éter vital, para a vida de animais e plantas. A
falta total de ordem, de sistema, de subdivisões lógicas do Tratado, torna extremamente difícil
encontrar e encontrar o que se deseja procurar. As noções que quer que sejam são
parcialmente expostas. Cada assunto é abruptamente abandonado, retomado mais tarde,
novamente novamente, retomado, voltado ou irrelevante, com um defeito total do menor
esforço didático. A leitura do tratado é desesperada, mas há muitos traços de gênio, onde
Martines é, em muitos aspectos, o precursor de teorias e conhecimento desenvolvido há muito
tempo depois dele! Não tratarei em detalhes com o resto do conteúdo dogmático do
Tratado. M. Le Forestier analisou-o magistralmente e me referi ao seu livro o ávido leitor
de Ensino teosófico. Por minha parte, vou me limitar a dados históricos. Apenas uma
observação me é permitida. Muito tem sido discutido sobre a origem das idéias de
Martines. Molitor e Le Forestier se esforçam para encontrar sua origem na cabala judaica
[50]. Vulliaud ri da opinião, sem, no entanto, incomodar substituir uma hipótese provável por
isso. Franck faz de Martines um puro talmudista. Viatte escreve sobre este assunto: "é para se
perguntar se ele lê-lo corretamente. Não sei se o Talmud pressupõe a divindade de Jesus
Cristo. Agora, tire essa crença do sistema de Martines e pouco permanecerá nele.1 "Viatte
admite que Martines foi Rose-Croix e que sua filosofia não originária constitui uma
sobrevivência francesa do século XVIII do neoplatonismo alexandrino, da Gnose,
finalmente. Parece-me que é ocioso tentar difícil encontrar uma "origem" para o ensino de
Martines. Na ordem das ideias em questão, a origem de toda doutrina esotérica é comum. Em
todo ensinamento esotérico é necessário distinguir claramente entre a forma e a substância. O
fundo vem no último momento do contato mais ou menos íntimo que a mente do Mestre
conseguiu tomar com a fonte de toda a verdade: isto é chamado de esfera de idéias, mundo
espiritual ou, finalmente: Deus. Este fundo é único e idêntico em todos os místicos, em todo
verdadeiro Mestre do Oculto. A forma na qual ele disfarça essa parte da Verdade que lhe foi
revelada é variável e variada. Depende da raça do autor, o tempo que ele viveu e os
ensinamentos preparatórios que ele próprio recebeu. 1 VIATTE, 1922. Veja a bibliografia no
número 59. 29 Obviamente, é mais importante poder apreciar exatamente o valor da
substância de uma doutrina, do que conhecer o parentesco que sua forma apresenta com
outras manifestações similares de outras. Mestres, outras vezes, outros países. Agora parece-
me certo que Martines atingiu a fonte do conhecimento transcendente e que ele tirou da
abundante água clara e pura. Infelizmente, o jarro no qual ele nos transportou não era muito
adequado para esta função. Martines querendo traduzir as verdades adquiridas na linguagem
humana, é servido pelos meios que sua própria educação intelectual e seus próprios estudos
colocam à sua disposição: as literaturas cabalísticas, gnósticas e mágicas, por sua vez, lhe
forneceram termos de expressão, formas de pensamento e viragens de frase que têm Suponha
Cabalista, Judeu, Neoplatônico, Plagiador de Agripa. Mas no fundo ele é apenas ele mesmo, e
sua doutrina é realmente o resultado de sua própria pesquisa no campo do mistério. b)
Composição do Tratado, como o Tratado foi composto? Temos em sua origem uma
interessante troca de pontos de vista na correspondência do barão Türkheim com Willermoz. A
origem é longa para expor, mas merece ser conhecida. Eu o exponho o mais brevemente
possível. Nos primeiros trinta anos do século XIX, Grupos de pedreiros alemães pertencentes
às mais altas filas da Observação Estrita Reformada e formação de capítulos, ou melhor,
faculdades de grandes cavaleiros Professos, ficaram profundamente interessados em Martines
de Pasqually e sua Ordem. O líder desses grupos foi o príncipe cristão de Hesse-Darmstadt,
irmão mais novo de Landgrave Louis X (mais tarde, o Grão-Duque Louis I) e o delegado do
Grande Mestre Geral da Ordem da Estrita Observância. Esses grupos foram compostos: em
Darmstadt, além do Príncipe cristão, o secretário particular do Grão-Duque, Andreas
Schleiermacher (1787-1858), filólogo de grande valor. Em Estrasburgo, encontramos Rudolph
Salzmann (1749-1821), o eminente teesofista, o principal no serviço Christian Chrétien Daniel
von Meyer (? -1824), o Barão Jean de Türkheim (1760-1822), diplomata e historiador de valor
. Em Frankfurt, Encontramos o Professor J.-F. Molitor (1779-1860), historiador, filósofo,
cabalista; O senador J.-F. von Meyer, sobrinho do major Chrétien, o chamado Meyer da Bíblia
(1772-1849), teólogo notável e egiptólogo e J.-W. von Metzler [1] (1755-1837), doctor juris e um
dos burgomasters de Frankfurt. A esses membros, devemos acrescentar o Príncipe Carlos de
Hesse-Cassel (17441836), governador de Slesvig-Holstein, Grande Mestre Geral da Ordem da
Estrita Observância, Cavaleiro Grande Profente, que estava em constante correspondência
com o a maioria das pessoas que acabei de chamar. Todos eram muito aprendidos em termos
de alvenaria oculta: eles tinham, além disso, um conhecimento geral muito extenso e eram
dotados de uma inteligência incomum. Entre eles, Foi o Príncipe cristão que teve o maior
desejo de [1] [No Volume II, o autor corrige: "Linha 6: JW von Metzler; leia: WF von
Metzler. ". Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. 30 penetram o mistério da iniciação
superior de Martines, e essa preocupação durou quase meio século (de 1780 a sua morte em
1830). Na sua correspondência e livro de notas, há traços muito interessantes deste desejo,
que, além disso, foi parcialmente satisfeito. Ele conseguiu obter uma cópia do Tratado de
Reintegração e dos catecismos de grau (apenas as respostas), do aprendiz simbólico ao
Grande Arquiteto. Provavelmente foi Raimond, o ex-diretor de correios de Besancon, que
adquiriu o último. Quanto ao Tratado, o A cópia que ele possuía era a do eleito Coen Jean
Frederic Kuhn, que, depois de sua morte, tornou-se a posse do irmão Tiemann. Mas, quanto ao
ensinamento secreto dos Reas, o Príncipe cristão nunca conseguiu obter a menor
informação. Willermoz e seu herdeiro espiritual Joseph du Pont, com cortesia, mas recusaram-
se firmemente a revelar ao príncipe Chrétien qualquer coisa sobre o ensinamento secreto e o
trabalho dos Reais, apesar de suas repetidas e urgentes orações. O Tratado foi
cuidadosamente estudado pelos grupos do Grande Professor Darmstadt, Frankfurt e
Estrasburgo, 1 e motivou o intercâmbio de uma correspondência seguida. Em uma carta de 3
de maio ao Príncipe Cristão, o Major von Meyer escreve que Molitor lhe disse que um certo
Hirschfeld "s" se lembre de querer restaurar a Ordem dos Irmãos da Ásia. Os manuscritos que
ele possui devem ser muito interessantes, mas ele não os mostra a ninguém ... Hirschfeld
afirma que pelo menos alguns são os mesmos que Martines Pasqually se comunicou com seus
seguidores, mas que ele é mais correto e que no ano de 1790 ou 1791, passando por
Estrasburgo, provou isso em St. Martin. Em uma carta escrita vários meses depois, von Meyer
argumenta que Franz von Baader acredita possuir manuscritos de Martines Pasqually: pede
emprestar ao Príncipe Chrétien a cópia do Tratado de Reintegração. Von Meyer pensa que von
Baader não aproveitará muito esta leitura: "Os manuscritos de Pasqualis devem ter sido
escritos originalmente em árabe, pelo autor deles, Al Rachath, traduzido em Caldéia por
Rachpah e novamente traduzido para o espanhol e, finalmente, para o francês. Esses
manuscritos devem ter perdido muito por todas essas traduções! O príncipe Chrétien, cuja
curiosidade [54] estava excitada por esta extraordinária cadeia de línguas através da qual o
Tratado teria passado, beneficiou, alguns anos depois, da correspondência iniciada em 1818
entre Türkheim e Willermoz, para que o último interrogasse. Este assunto. Türkheim trouxe a
fabulosa fábula de Hirschfeld de volta a proporções mais justas e escreveu a Willermoz em 4
de agosto de 1821: "Esperava-se a tempo de me persuadir de que Pasqualis tinha seu
manuscrito, de um árabe chamado Al Raschid. que o original foi composto em caldeus e depois
traduzido para árabe e espanhol. Um judeu chamado Hirschfeld, Dois anos atrás, que também
havia sido associado ao Landgrave Charles, alegou possuir alguns desses manuscritos e falou
deles com o Sr. São Martinho em Estrasburgo, bem como várias passagens de Erros e
Verdades 2 foram literalmente tiradas de Parthes, um trabalho clássico de cabalistas. 1 2 Eu
reproduzo dos "documentos" no final deste volume, o extrato de uma carta de Willermoz a
Türkheim, de 25 de março de 1822, o que é muito interessante. Estas são instruções
detalhadas sobre a única maneira bem-sucedida de ler e entender o Tratado Martines. Ele
aconselha Türkheim a lê-lo três vezes do começo ao fim. Nesta carta cheia de profundos
ensinamentos ocultos, cada linha mostra o respeito e a admiração de Willermoz pelo trabalho
de capital de Martines. Türkheim, que comunicou este trecho ao príncipe Chrétien,
acrescentou: "Concordo é ter novas idéias em 92! É duvidoso que ele tenha seguido a liminar
para ler o Tratado três vezes seguidas! Erros e Verdade, o primeiro trabalho de LC St.
Martin. Publicado em 1775 em Edimburgo (Lyon). 31 A resposta de Willermoz, datada de 12 a
18 de agosto de 1821, é extraída na correspondência de Türkheim com o Príncipe
Chrétien. Ele foi publicado na íntegra pelo Sr. Dermenghem. Reproduz a passagem relativa ao
Tratado: "Qualquer que seja a alegada origem caldeu, árabe, espanhola ou francesa que
desejemos dar ao Tratado de Reintegração de Pascualy, posso dizer que eu comecei na
França e na França. mal francês por si mesmo E este trabalho ainda era melhor visto e seguido
por meus amigos íntimos, o Chevalier de Grainville, o tenente-coronel do regimento de Foix e o
Sr. de Champoleon, então capitão dos granadinos do mesmo regimento, que passariam todos
os seus aposentos. Inverno com ele e embarcou em sua casa por seis meses para trabalhar
sob ele e corrigir seus defeitos de estilo e ortografia em cada folha, como ele os havia
desenhado. Eles então se esforçaram para copiar para mim pequenos cadernos que eles me
enviaram, depois que ele os aprovou, porque muitas vezes os esquivou, com certas palavras
que consideravam mais franceses e os arranhava sob seus olhos tão contrário no sentido que
ele queria, para expressar. Estes são os fatos dos quais tenho certeza. Esta resposta é
explícita e não requer nenhum comentário. Só chamo a atenção do leitor para o fato curioso de
que o fantástico Hirschfeld chama o espanhol da língua em que o Tratado teria sido conhecido
imediatamente antes de ser escrito em francês. Quanto à hipótese relativa às versões
hebraica, árabe e caldeu, apenas tende a indicar a fonte oriental das ideias do Tratado. Em
relação à alegada origem do livro de Erros e da Verdade de São Martinho, Willermoz expõe na
mesma carta a forma como foi composto em 1775 em sua própria casa Brottaux em Lyon e ele
termina sua longa narrativa "Isto também é como esse trabalho veio dos partos. Risum
teneatis! Aparentemente, Willermoz não foi muito educado no história da literatura hebraica,
porque leva o título, um pouco paralisado, pelo famoso livro de Mozes ben Maimon: The
Pardes Rimomim (o Jardim das Romãs) pelo nome dos antigos inimigos de Roma! c) Os
Manuscritos do Tratado Os manuscritos do Tratado certamente não foram numerosos. A
extensão considerável desta escrita tornou a cópia muito difícil, daí um sério obstáculo à sua
popularização. Aqui está uma enumeração das cópias que eu consegui identificar: [56] (a)
Duas cópias na posse do Dr. M. Matter, 1 o biógrafo de St. Martin. A origem dessas cópias é
duvidosa. Um deles pode ter pertencido a Rudolph Salzmann; Neste caso, ele chegou ao Sr.
Matter por herança, o Sr. Matter sendo o neto de Salzmann. O outro provavelmente era parte
dos papéis de St. Martin. Um desses manuscritos, provavelmente o último, foi mostrado pelo
Sr. Matter ao Ad. Franck, que publicou as primeiras páginas. O filho do Sr. Matter permitiu ao
Sr. Rene Philipon publicá-lo na íntegra; b) Uma cópia que fez parte dos arquivos do Lodge of
Friends reunidos. O Major von Meyer, em uma carta de 21 de maio de 1822, escreveu ao
Príncipe Chrétien of Matter, St. Martin, p. 13. Bibliografia nº 40. Paris, Chacornac, 1899. 32
Hesse consultou o Tratado em 1782. Estes arquivos foram passados para os Philalethes e
participaram dos avatares sofridos pelos arquivos deste grupo. Não sei o que aconteceu com
esta cópia no final; c) Uma cópia que pertencia a Coen Jean-Frédéric Kuhn de Estrasburgo,
que morava em Bordéus na tempo em que Martines foi estabelecida lá. Esta cópia tornou-se a
posse de Frederick Tiemann, então o do Príncipe cristão de Hesse. Com a morte de Prince, em
1830, ele foi encarregado de toda a sua coleção de livros e manuscritos teosófica, Andreas
Schleiermacher. Quando ele morreu em 1858, este depósito foi para os arquivos privados do
Grão-Duque. Em 1848, o famoso historiador da Maçonaria, o médico Georg Kloss, professor
da Escola de Frankfurt, emprestado seu amigo Schleiermacher esta cópia do Tratado e tinha
copiado inteiramente. O manuscrito original desapareceu 1, mas a cópia Kloss fez [57] prazo é
preservada nos arquivos do Grande Oriente em Haia; d) Uma cópia provavelmente de Coen de
Raimond, ex-corretor em Besançon. Ele estava em posse de Türkheim que o menciona
expressamente ao lado da cópia do Príncipe Chrétien. A cópia de Türkheim estava completa,
porque a primeira e a última frase que ele cita em sua carta de 4 de agosto são idênticas às da
ms. de São Martini impresso pelo Sr. Rene Philipon. A cópia que o príncipe Christian Kloss
copiado, termina vez no meio do discurso de Moisés a Israel (parte inferior da página 306 do
Tratado impressa). Ele perdeu mais de um quinto do texto. Türkheim certamente confundiu a
proveniência de sua própria cópia com a da cópia do príncipe Chrétien; e) Uma cópia
pertencente ao Sr. de Joux, Ministro da Igreja em Genebra. Em 3 de março de 1819, De
Raimond escreveu ao Príncipe Cristão de Hesse que este ministro, então em Londres, lhe
havia dito oito ou nove anos antes, que era dono de todos os manuscritos de Martines. Não sei
onde esses manuscritos podem estar no presente; (f) Em uma carta de 8 de abril de 1822,
Franz von Baader escreveu ao Baron von Yxküll que o Conde de Divonne possuía alguns dos
papéis de São Martinho e de seu "Mestre Pasqualis", e especialmente os manuscritos de sua
Ordem. Pode-se admitir com confiança que von Baader por este último termo significava não
só os rituais ou catedrais das fileiras de Coens, mas antes de mais o Tratado de
Reintegração; g) A principal Réau-Croix, fora de St. Martin, certamente possuíam uma cópia
[58] do Tratado: na linha de frente de Grainville e Champoléon, na frente do qual Martines
escreveu, então, sem dúvida, Willermoz. Além disso, pelo menos alguns dos templos de Coens
formados na França e as Índias Ocidentais devem ter possuído o tratado doutrinário da
Ordem. Mas de todos esses manuscritos, não há vestígio. d) O texto autêntico do Tratado é
autêntico o manuscrito do Tratado impresso pelo Sr. René Philipon? Um seria inclinado a
acreditar, já que vem de Salzmann ou Saint-Martin. Eu fiz todos os esforços para encontrá-
lo. Não existe nos arquivos estatais em Darmstadt, onde os arquivos privados foram
incorporados, nem na Biblioteca Nacional de Hesse, nem na coleção privada do Grão-
Duque. Kloss descreve isso como um volume bonito em 8 ° de couro de 360 páginas. 33
Contudo, é permitida uma certa reserva. Tenho diante de mim a cópia feita para Kloss em 1848
de acordo com o manuscrito de J.-F. Kuhn. Este texto é significativamente diferente do de Mr.
Matter. Não que o significado difira, pelo contrário há identidade quanto ao pensamento, mas a
forma, a escrita é bastante diferente. Quando comparamos os dois textos, vemos que
expressam sentença por sentença as mesmas ideias, mas essas idéias são expressas de
forma muito diferente. É como se duas pessoas quisessem dizer o mesmo, mas,
sistematicamente, usavam palavras e passavam sentenças completamente diferentes. Esse
hábito de proferir as mesmas coisas com outras palavras geralmente leva a profundas
diferenças de expressão, que afetam o significado, como no caso em que o ms. Kuhn carrega
a palavra criar onde a ms. São Martin carrega: emanate! Outro fato do mais curioso: o
ms. Kuhn substitui frequentemente a palavra Homem, a palavra, Mason! Então, ele chama
Adam o primeiro Mason. Finalmente, é notável que o texto de St. Martin seja geralmente um
estilo mais sucinto, mais claro e melhor. [59] Para dar ao leitor uma idéia da diferença que
existe entre os dois textos, transcrevo em paralelo algumas passagens relacionadas à
prevaricação de Adão. Sr. Matter Voltemos à prevaricação de Adão. Sra. Do Príncipe de
Hesse, voltarei à prevaricação de Adão, e digo que ter sido criado pelo Criador para ser
destinado a produzir uma posteridade de Deus e não uma posteridade de matéria, como ele
operou a partir dele não é surpreendente que tal crime da parte dele seja punível de geração
em geração por um tempo imemorial. Se você soubesse o tipo de prevaricação de Adão e a
fruta que ele recebeu desta mesma prevaricação, não nos surpreende com a dor que o Criador
nos infligiu por nascer e tornar-se reversível em nossa posteridade até o final dos séculos. Aqui
está o princípio da má operação do primeiro homem. Adão foi criado o último de todas as
criaturas de qualquer tipo e no centro da criação universal geral e particular [60]. Ele o criou
livre criando com ele a Lei que o sustentaria nesses limites do poder espiritual como ele havia
feito aos primeiros espíritos malignos. Adão, neste primeiro estado de glória, concebeu muito
bem que ele era algo mais do que todos Para ser criado, ele ainda sentia 34 Se você soubesse
o tipo de prevaricação de Adão e o fruto que recebeu dele, você não consideraria mais injustiça
a tristeza que o Criador nos colocou no nascimento e tornou reversível a nossa posteridade até
o final dos tempos. Adão foi emanado de todas as criaturas, foi colocado no centro da criação
universal, geral e particular; ele estava vestido com um poder superior ao de todo ser
emanado, em relação ao uso que o Criador pretendia: os mesmos anjos [No. 22, segundo a
numeração de Robert Amadou] estavam sujeitos à sua grande virtude e à sua poderes. É por
refletir sobre um estado tão glorioso que Adão concebeu e trabalhou a sua má vontade, no
centro de sua primeira camada gloriosa vulgarmente chamada paraíso terrestre e que
chamamos de terreno misteriosamente elevado acima de todo sentido. Este site é chamado
pelos amigos da sabedoria, porque foi neste lugar conhecido como Mor-ia que o Templo de
Salomão foi construído desde então. A construção deste templo era realmente a emanação do
primeiro homem. Para se convencer disso, basta observar que o templo de Salomão foi
construído sem a ajuda de ferramentas feitas de metais; que mostrou a todos os homens que o
Criador formou o primeiro homem sem a ajuda de qualquer operação física material. Esta
camada espiritual, na qual o Criador colocou seu primeiro mineiro, foi representada por 6 e
uma circunferência. Através dos seis círculos, o Criador representou ao primeiro homem os
seis pensamentos imensos que ele usou para a criação de seu templo universal e particular. O
sétimo círculo, juntou-se aos outros seis, anunciou ao homem o cruzamento que o espírito do
Criador fez com ele [62] para ser sua força e seu apoio. Mas, apesar das poderosas
precauções que o Criador empregou para prevenir e apoiar o homem contra seus inimigos,
este homem não falhou em agir de acordo com sua própria vontade, pelo qual ele determinou
operar um trabalho impuro. Adão tinha nele um ato de criação de posteridade de forma
espiritual, isto é, de forma gloriosa, semelhante à que tinha antes de sua prevaricação: uma
forma impassível e de natureza superior à de todas as formas elementares. Adão teria tido toda
a glória desses tipos de criações: que ele tinha nele um poder acima de todos os Seres
Angélicos em relação ao uso que o Criador o havia pretendido, Ele deveria agir de maneira
superior a todos. Adão, tendo refletido sobre seu primeiro estado e não sendo capaz de definir
ou agir por si mesmo em coisas que não eram de seu poder, como eu disse em outro lugar, fez
sua vontade de acordo com o pensamento que a Os principais chefes demoníacos e ópera
neste mesmo pensamento no centro da sua primeira camada gloriosa, vulgarmente chamada
de Paraíso Terrestre, e que chamaremos misteriosamente a Terra Superior [61] acima de
tudo. Este site é chamado pelos Amigos da Sabedoria e foi nesta Moria onde o Templo de
Salomão foi construído o que realmente figura na criação do primeiro homem: para se
convencer desta verdade, devemos observar que o Templo de Salomão foi construído de
forma positiva sem a ajuda de ferramentas compostas por metais, para mostrar a todos os
homens que o Criador não usa fisica física em suas operações. Esta camada gloriosa na qual o
Criador colocou seu primeiro Mason Menor foi representada por 6 e 7 circunferências, pelas
quais o Criador representou ao primeiro homem os seis pensamentos imensos que ele usou
para a criação de sua Loja Universal de seu Mason. O último círculo unido aos primeiros seis
anunciou ao Mason a junção que o Espírito do Criador fez com ele [62] para ser sua força e
apoio, mas apesar da precaução que o Criador costumava impedir seu primeiro Mason contra
seus inimigos e o dele, o homem não falhou em agir de acordo com sua vontade e continuou
sua operação contra o Criador como ele concebeu e determinou por seu trabalho impuro. Adão
tinha nele um ato de criação de posteridade de forma espiritual, isto é, de uma gloriosa forma
corpórea semelhante à que tinha antes de sua prevaricação, essa forma gloriosa teria sido
impassível e toda a glória desta criação teria sido foi dado diretamente a ele pelo Criador: o
Criador tendo se juntado a sua operação divina ao de seu Menor espiritual, eles teriam feito
uma única operação, a vontade do primeiro homem ter sido a do Criador, dificilmente a O
pensamento do Criador das formas gloriosas teria operado que o pensamento espiritual divino
teria agido cumprindo imediatamente a operação do Menor de um Ser tão perfeito quanto
ele; Foi neste excelente trabalho que Adão teria renascido com satisfação, pois ele teria sido o
verdadeiro Criador de Mas, longe de cumprir os propósitos da posteridade de Deus, mas Adão
não age como Criador, o primeiro homem não se deixou ser como acabei de dizer, tenta
seduzir pelas insinuações de seu oposto e eu vou explicar. inimigos e pelo falso plano da
aparente operação divina que eles rastrearam para ele. Adão, sendo enganado por esses
espíritos demoníacos, disse a ele: em quem ele confiava por "Adão, você tem inato em você o
verbo das fortes solicitações que fizeram criação de qualquer tipo, você é possuidor de cada
momento e pelo falso plano de todos os valores, peso, números e aparente operação divina
que eles medem para ele. Por que você não opera sobre isso, pelo conselho de que esse
poder divino da criação que é até mesmo espíritos demoníacos inatos em você? Nós não
somos conscientes do que seria dito dizendo: "você foi inato em tudo ser [64] criado não se
submete a você: você o verbo de criação de todos os tipos, você, portanto, opera criaturas
desde que você é possuidor de qualquer valor, peso e criador. Operar na frente daqueles que
são medidos, o número e o poder fora de você! Eles renderão toda justiça à criação divina, por
que você não faz glória que é devido a você. O que é inato em você antes de aqueles que
estão fora de você, que irá restaurá-lo para o Adão, cheio de orgulho, rastreou seis justiça por
você, não somos circunferências ignorantes em semelhança com as de para ser criado, tudo o
que o Criador lhe envia, isto é, ele foi o seis Criador: portanto, opera nos atos criadores do
pensamento espiritual que ele teve Criaturas "; no seu poder para cooperar com o seu Adão,
preenchido com o orgulho de sua vontade criativa. Ele realizou o conselho, desenhou seis
circunferências fisicamente e em semelhança com as do Criador, ou seja, ele realizou seis atos
de pensamento espiritual que ele tinha em seu poder a presença do espírito sedutor dele para
cooperar com sua vontade. de criação, operação criminal. Ele esperava que ele realizasse
phisically de acordo com o fato de ele ter o mesmo sucesso que o conselho do Criador no
preconceito do Criador e do eterno, mas ele ficou muito surpreso, bem como o dele. Ele
manifestou seu poder como o diabo, quando em vez de uma forma orgulhosa, seu poder
espiritual como glorioso, retirou de sua operação a presença de seu mau conselho, que era
uma forma sombria e, além disso, surpreendia-o com o pouco sucesso oposto ao dele. Ele
realmente criou que ele retirou de sua operação que ele acreditava que uma forma de matéria,
em vez de ser igual à de seu Criador, mas crie uma pura e gloriosa, como é [65] muito tinha
que ser feito, porque em vez de a vontade do primeiro homem ter sido a do Criador,
dificilmente o pensamento do homem teria operado, que o pensamento espiritual divino
também teria agido [63] preenchendo imediatamente o fruto do a operação do menor por um
ser tão perfeito quanto ele. Deus e o homem teriam feito apenas uma operação, e foi nesse
excelente trabalho que Adão teria renascido com uma satisfação real, já que ele realmente
teria sido o criador de uma posteridade de Deus. Ele estava no poder dele. O que se tornou de
Adão após a operação? Ele refletiu sobre o inicuo fruto que resultou disso, e ele viu que ele
criou a criação de sua própria prisão, que o apertava mais estreitamente e estreitamente, em
confins escuros e na privação espiritual divina. 'no final dos séculos. Esta prisão não era nada
além da gloriosa mudança de forma em forma material e passiva. A forma de corpo que Adam
criou não era realmente dele, mas era semelhante ao que ele deveria tomar depois de sua
prevaricação. Pode-me perguntar se a forma gloriosa do corpo em que [66] Adão foi colocada
pelo Criador foi semelhante à que temos agora? Eu responderei que não era diferente do dos
homens hoje. Tudo o que os distingue é que o primeiro era puro e inalterável, enquanto o que
agora temos é passivo e sujeito à corrupção. tendo criado uma forma gloriosa de criação, ele
criou uma forma escura bem oposta à sua; então ele criou uma mulher de matéria em vez de
criar um puro e natural [65], pois estava no seu poder se ele tivesse operado. para a vontade
do Criador; Mas o que aconteceu com Adão após sua operação? O que ele fez depois de
refletir sobre sua criatura impura e privado de ser pensativo e espiritual? O que ele entendeu
do fruto iniqüível dessas operações? que ele vive tão imperfeito? Ele vive seu crime
orgulhoso, Ele viu, portanto, que sua lisonja de prevaricação o fez criar sua própria prisão, que
a conteria mais de perto nos confins escuros da privação espiritual divina até o fim dos séculos
deste Universo; O que estamos fazendo nesta prisão? À gloriosa mudança de forma em forma
material aparente e passiva: Será perguntado se a forma corporal da glória em que Adão foi
criada pelo Criador foi a mesma coisa que temos agora? Eu responderei que não diferia em
nada do que os homens têm hoje; É porque ele foi contaminado por uma criação tão impura
que o Criador ficou bravo com o homem. Mas, será dito, para que uso Adão serviu assim esta
forma de matéria que ele criou? Ele serviu-lhe para produzir uma posteridade de homens, na
medida em que o primeiro [67] menor Adão, por sua criação de forma material passiva,
degradou sua própria forma impassível, da qual as formas emanadas me exigirão - Ainda é a
forma de matéria que Adam criou e o que era usar para Adão para o Criador estar tão bravo
com ele? Eu responderei que a grande raiva que Deus tinha contra o homem era ver Adão ou
seu Menor espiritual se contaminar por sua prevaricação em uma forma de matéria impura e
passiva. Ser-me-á perguntado, mas o que tem usado Adão, essa forma de matéria corporal
que ele criou, respondo que ela o serviu para produzir uma semente de homem e não de Deus,
ela é chamada de posteridade de homem naquele homem, glorioso como o dele, para servir
como uma morada para menores espirituais que o Criador teria enviado lá. Esta posteridade de
Deus teria sido sem limites e sem fim, a operação espiritual do primeiro menor teria sido a do
Criador, as duas vontades da criação teriam sido apenas uma em duas substâncias. Mas por
que o Criador permitiu que o fruto da prevaricação de Adão subsista e por que ele não o
destruiu quando ele amaldiçoou o primeiro homem e a Terra inteira? O Criador permitiu que o
trabalho impuro do menor permanecesse, para que este menor pudesse ser molestado de
geração em geração, por um tempo imemorial, sempre tendo diante de seus olhos o horror de
seu crime. O Criador não permitiu o crime do primeiro homem apagando de baixo os céus ...
tendo criado [67] a forma passiva, ele degradou a forma impassível que o Criador lhe deu para
emanar dela todos aqueles em que o Criador inseriu Mineradores Espirituais para ser um A
verdadeira posteridade de Deus que teria vivido sem limites e sem fim, essa sociedade teria
sido imortal e impassível, porque a operação do Menor primeiro teria sido a do Criador, desta
forma a vontade das duas operações teria sido apenas uma. em duas substâncias, a do corpo
glorioso dado a Adão e a do Menor espiritual dado ao Criador divino. Pode-se me perguntar
novamente por que o Criador deixou o fruto da prevaricação de Adão e por que ele não a
destruiu, já que ele amaldiçoa não só a Terra inteira, mas também o primeiro homem, digo que
o Criador que deseja molestar o primeiro homem de geração em geração por um tempo
imemorial, permitiu subsistir [68] o trabalho injusto de seu primeiro Minor criado, de modo que
ele sempre teve antes dele durante seu tempo de privação, o horror de seu crime, e que o
crime do primeiro homem não deve desaparecer debaixo dos céus. A cópia que o professor
Kloss fez do manuscrito foi propriedade do príncipe cristão de Hesse, tem uma grande figura
ilustrativa do Cosmos faltando no manuscrito de Mr. Matter. Eu reproduzo essa figura, que é
uma ilustração precisa da exposição das páginas 295 a 322 do tratado impresso, e que, é
claro, é a tabela original na parte inferior da página 295. Esta tabela completa de forma
adequada a reconstrução hipotética que M. A Forestier tentou perceber na página 63 de seu
livro. Transcrevo o texto dos dois manuscritos referentes a esta pintura: Sra. Matter's Ms. Ouça
Israel, com atenção, a demonstração e a explicação que eu vou lhe dar dos diferentes círculos
e diferentes partes que compõem a imagem universal que vou colocar sob seus olhos. 1 Sra.
Do Príncipe cristão de Hesse. Escute atentamente a demonstração de Israel e a explicação
das figuras primeiro, segundo (2), terceiro (3) e quarto, contidas ou representadas na Tabela
seguinte. 2 Falarei pouco da imunidade divina, porque não falarei de imensidão [Este parágrafo
corresponde à última parte do nº 223, de acordo com a paginação de Robert Amadou]. 1 38
que seria necessário que a própria divindade pudesse viver neste lugar, onde os seres
espirituais mais perfeitos não poderiam penetrar, se não é o próprio Deus. A primeira parte
desta imagem é composta por quatro círculos: o primeiro círculo com o número 10 é o círculo
divino espiritual: o centro deste círculo é o tipo ou figura da Divindade a partir da qual surge
qualquer emanaão e toda a criação. Você vê sair do centro uma forma triangular que tem dois
círculos colocados nas extremidades inferiores; Você também vê, na aparência deste círculo
de calabouço, um quarto círculo, do centro do qual também vem uma forma triangular. São
esses quatro círculos que são o verdadeiro tipo da quarta essência divina, a saber: o primeiro
círculo, pelo número 10, que representa o número absoluto da Divindade. É dessa unidade que
emergem todos os pensamentos de emanação espiritual e criação do poder espiritual temporal,
bem como o princípio da ação de qualquer forma corporal aparente. O segundo círculo,
número 7, é o dos principais espíritos: é a primeira emanação espiritual que o Criador
emancipou do círculo da Divindade. [72] Finalmente, o quarto círculo, com o número 4, e que é
em aparência do número da deusa, é o dos espíritos menores. É a terceira emancipação
emancipada do círculo da Divindade; Esses espíritos também são depositários do comando
espiritual divino, porque é necessário ser a própria divindade a ler neste espaço divino, onde os
espíritos mais puros e perfeitos não podem ler e penetrar sem ser a própria divindade. A
primeira figura é composta por quatro círculos: o primeiro é o círculo superior espiritual divino e
seu centro é a figura ou tipo da divindade a partir da qual todas as emanações e todas as
criaturas se desviam, como eu vou explicar para você; você vê que Israel tira minha forma
triangular do centro do primeiro círculo divino, vê nas extremidades inferiores deste triângulo
dois círculos e um quarto acima do centro do qual surge uma repetição da figura triangular,
cujos dois lados correspondem aos extremos da base do primeiro triângulo, esta primeira figura
é o verdadeiro tipo da quádrupla essência divina, como eu pensarei, o primeiro círculo da
deusa pelo seu não. 1 explica a unidade divina de que todos os pensamentos de emanação
espiritual e [71] criação do poder espiritual temporal, Assim como qualquer forma de corpo de
matéria aparente está fora, você conceberá pelo círculo de Major Spirits marcado no nº. 7
colocado no lado direito do primeiro triângulo, a primeira emanação espiritual divina que o
Criador emancipou do seio de sua divindade, mas também essa primeira emanação foi o
depósito da Lei do Criador, o segundo círculo de espíritos inferiores marcado na lado esquerdo
do [72] mesmo triângulo no nº. 3 era a segunda emanação espiritual que o Criador emancipou
do seio de sua divindade; Ele era o repositório do preceito da divindade, e o terceiro círculo,
que é o aspecto do círculo da dinastia, marcado no nº. 4 foi a terceira emanação [No. 224]. 39
divino. Eles têm todo poder sobre cada ser espiritual menor que o Criador espiritual
emancipado pelo Criador emancipou do seio de sua divindade, a imensidão celestial. Ele
também era depositário do Comando Espiritual Divino e tinha todo o poder sobre todo Ser
espiritual que era emanado da Divindade na imensidão do Surceleast; que o poder divino
superior foi dado a este último menor espiritual devido à prevaricação dos primeiros espíritos.
Não será difícil para você, que foi ao primeiro círculo de Israel, conceber o quanto o poder
principal e trouxe consigo um desses um espírito menor é superior a essa quantidade de
espíritos do segundo círculo de todos os espíritos emanados e [73] inferiores, como eles
haviam emancipado diante dele, tirados do meio dedo do qual saíram, Não será difícil para
você, Israel, qualquer um dos que operam na imensidão de conceber o quão grande é a
superlotação, ou daqueles que operam no poder do Menor por causa da imensidão da criação
universal. Por apenas dizer-lhe [73] e quanto esse efeito, considere a posição dos dois é mais
forte do que a dos ângulos dos espíritos dos quais jFalei com você; você vê que, do divino
emanado da deidade antes dele centro do círculo quaternário, ou círculo que opera e ainda age
em menor, emana um triângulo, que tanto a imensidão do Surceleleste quanto os lados
terminará nos extremos da base círculo universal criado; O que é do primeiro triângulo, você vê
que confirma, são as extremidades das duas extremidades dessa base, são colocados dois
dos dois lados dos segundos círculos triangulares, a saber: o dos espíritos principais 7 que
emana do círculo de dados: isto e que o segundo triângulo emana do centro do tão claramente
prova o poder do círculo menor como você o vê, da palavra de comando que é Israel, pela
figura que eu dei ao menor em os habitantes, destes apresentados, assim descobre que é dois
círculos. essa segunda figura triangular, cujas duas extremidades levará ao centro dos dois
círculos espirituais maiores e inferiores, o que explica claramente o poder eo discurso. Você vê,
além disso, a sujeição do comando que o menor esses dois [74] círculos para o ser espiritual
espiritual divino tem nos ditos Espíritos Menores pela junção íntima de que eles vivem nessa
base dos círculos do triângulo superior com a base dos maiores e inferiores; o triângulo inferior
forte; e esta junção aprende o poder que o Criador ainda deu para conhecer o perfeito para sua
última correspondência emana espiritual menor que todos esses seres espirituais de sua
divindade se provam novamente por ter com o Criador de quem eles são emanados .... o uma
conexão íntima e a forma triangular que [74] emana do Círculo Menor e se encontra na base da
figura triangular que emana do círculo da dinastia ou círculo da divindade; ainda é pela junção
íntima deste segundo triângulo com o primeiro que você deve aprender a conhecer a
correspondência perfeita que todo Ser espiritual tem com o Criador divino do qual eles são
emanados. A concordância das idéias e a diferença dos ensaios Ambos esses textos
representam um problema muito especial na crítica literária. Qual dos dois é mais próximo do
que o hierofante escreveu a Bordéus sob os olhos de Grainville e Champoléon? Os seguidores
inteligentes de Martines teriam traduzido o melhor deles, cada um com sua própria
expressão, a linguagem rudimentar e incorreta do Mestre? Esta suposição concordaria com o
fato de que o texto do Sr. Matter, que passou pelas mãos de St. Martin ou Salzmann, é mais
preciso e menos prolixo do que o texto de Kuhn e que ele evita os termos especificamente
associações de pedreiro. Esta questão continua a ser elucidada. Se outros manuscritos do
Tratado pudessem ser descobertos, sua comparação, sem dúvida, explicaria isso. [70] Tabela
[71] Explicação da figura LEGENDA DA TABELA UNIVERSAL DE MARTINES DE
PASQUALLY A. Divinity Immensity, Absolute Unit. B. Criação da universalidade. C. Círculo de
Deidades ou Espíritos Divinos do Superior. D. Os Três Céus Celestiais ou Círculos Espirituais
Divinos contendo os Três Círculos, Septenário Quaternário. E. Círculo Septenário ou Grandes
Espíritos que contém a Lei Divina. F. Círculo Ternário ou Espíritos inferiores contendo o Prece
Divino. G. Círculo Quaternário ou Espíritos Menores, contendo o Comando Divino no aspecto
do Círculo de Deidades. Esses quatro primeiros círculos formam a quadruple divina essência
ou a Divina Corte Espiritual. H. Saturnary Circle ou Planetary Superior, caso contrário, First
Heaven. I. Círculo Solar Planetário ou Segundo Céu, ele ativa, reativa e vivifica a vegetação
que vem de todos os corpos particulares e do general terrestre. L. Círculo Planetário de
Mercúrio ou Terceiro Céu. M. Círculo Planetário de Marte ou Quarto Céu. Os quatro círculos
são chamados Major ou Celestial. N. Círculo de Júpiter ou Quinto Céu. Este círculo preside a
putrefação e contém o princípio da putrefação. O. Círculo de Venus ou Sexto Céu. Este círculo
possui o design e contém o princípio seminal ou reprodutivo. 41. Círculo Lunar ou Sétimo
Céu. A lua modifica por seu fluido a ação e a reação do fogo central e solar. P. O eixo dá o
princípio da vida a qualquer corpo. R. Landform, cujo centro foi habitado pelo Natal. S. Alma
terrestre. T. West, mercúrio, parte habitada por Adam e Sem. V. Meio-dia ou Sul, sofrimento,
parte habitada por Cain e depois por Cham. X. Norte, Septentrion ou Acquilon. Sal, habitado
por Seth, depois por Japheth. 42 [75] V. - O O RDRE DES ÉUS C OENS 1. Propósito e
hierarquia da ordem Não há dúvida de que a Ordem de Martines pretendia ensinar aos seus
membros a base doutrinária de seu sistema teosófico, a saber, a teoria da Queda e
Reintegração, como o Mestre desenvolvido no seu Tratado. Durante as iniciações
correspondentes às notas sucessivas, o candidato foi informado da possibilidade de operações
evocativas elevadas como um meio apropriado para obter a Reconciliação com Deus ou pelo
menos os sinais precursores dessa Graça a partir da qual a "Regeneração" resultaria. do
"Menor", depois de sua morte, um prelúdio para sua Reintegração no estado de glória
primitiva. Não sabemos com certeza nem a hierarquia exata das fileiras nem a completude de
seus rituais e catecismos. Provavelmente, nada disso se cristalizou na mente do Mestre. Tudo
permaneceu em estado flutuante sem atingir o estado fixo e sólido. Martines mudou
continuamente e trocou notas e rituais. Ele reformou sua Ordem antes mesmo Ele foi treinado
e sentado em bases sólidas. Isso explica a informação contraditória encontrada na
literatura. Apenas dois pontos são provados, como vamos expor. Por um lado, na base da
Ordem, havia tipos de conteúdo e aparência quase inteiramente maçônicos: notas simbólicas
ou notas azuis. A sua utilidade consistiu em dar à Ordem a aparência de um "Regime"
maçônico. O simbolismo era quase idêntico ao dos lodges comuns, havia apenas algumas
referências à doutrina secreta do Mestre. Por outro lado, no topo, foi a classe de Réau-Croix
que formou mais do que um grupo ou um ranking: era quase uma Ordem separada. Nesta
classe, toda ficção maçônica foi abandonada: ela era de natureza especificamente
mística. Entre estas duas classes, houve uma série de notas que perderam seu caráter
maçônico ao ganharem valor esotérico. Como já dissemos, a hierarquia completa das fileiras
de Martines não é conhecida em detalhes: sua denomimação é incerta e sua sucessão é
duvidosa. O que é certo é que houve uma tendência para agrupar as classificações em
"Classes". A classe simbólica, a classe do alpendre, a classe do templo e, finalmente, a classe
secreta do único domínio supremo da Ordem, o Réau-Croix, foram distinguidas. As três notas
azuis da classe baixa não são controversas, eram as de alvenaria simbólica: 1º aprendiz; 2º
companheiro e 3º mestre. As notas da segunda classe, chamado Patrimônio, formou a
contrapartida de precedentes: 5º aprendiz, eleito Coen; 6 ° companheiro Eleito Coen; 7 °
Master Elect Coen; mas há dúvidas sobre um grau adicional, chamado "Gr e eleito". Thory,
Bord e o Príncipe cristão de Hesse tornam-no um quarto grau intermediário entre a classe
simbólica e a do Porquê. Papus não sabe disso, mas ele acrescenta uma classificação de
"mestre privado" entre aqueles do alpendre. A terceira classe, chamada de Templo, é
composta, todos os autores concordam, de duas notas, as últimas das quais podem ter sido
subdivididas; 8 ° Grande Mestre Eleito Coen ou Grande Arquiteto; 9 ° Cavaleiro ou
Comandante do Oriente ou 43 Grand Elect of Zorobabel. Note-se que, nos estatutos da Ordem,
[77] são mantidos nos arquivos de Papus, Este nono grau é ainda subdividido em duas notas: a
de Knight of the East e Commander of the East, enquanto o título de Grand Elect of Zorobabel
não está lá! Estes estatutos proclamam os Comandantes do Oriente, membros nascidos do
Tribunal Soberano do O rdre. A quarta classe secreta dos Emulados incluiu apenas o Ré-
Croix. Se alguém admite a hierarquia como o primeiro, Thory deu e com as subdivisões feitas
pelo Príncipe Cristão de Hesse em seu caderno, deve notar-se uma peculiaridade numérica
que não parece sem interesse por causa da tendência de Martines de místicos numéricos: a
quarta classe tem apenas uma nota, a terceira série, a segunda série, três graus, quatro
graus. II A estrutura da Ordem seria, portanto, piramidal. Poderia ser uma alusão aos mistérios
dos primeiros números freqüentemente referidos no Tratado: 1 + 2 + 3 + 4 = 10. Vamos agora
entrar nos detalhes das diferentes classes da Ordem. Graus simbólicos. Os catecismos dos
primeiros três ou quatro graus continham apenas alusões muito raras e muito discretas àquela
que não se enquadrava no quadro normal da Maçonaria simbólica. Os graus do alpendre. Os
rituais e os catecismos dos três graus do alpendre mantinham o caráter maçônico o
suficiente; no entanto, eles estavam entrelaçados com alusões, expressões, ensinamentos
enigmáticos, em parte incompreensíveis, mas que deu um vislumbre de um mundo de
conhecimento secreto e maravilhoso e [78] parecia conter a promessa de sua revelação nas
seguintes notas. O Templo. - As duas fileiras do Templo, que eram as verdadeiras filas altas
Coens: Grande Arquiteto e Grande Eleito de Zorobabel, ainda conservavam emblemas
maçônicos, mas seus catecismos levavam o candidato em esoterismo completo e
precisamente no esoterismo particular do Tratado de Reintegração Seres. Mais iniciação
nessas notas: o destinatário foi "ordenado". Para o Grande Arquiteto, alguém aprendeu a
purificar-se através do regime ascético da Ordem, expulsar os espíritos malignos, cooperar
com simpatia com as "Operações" do Soberano Mestre. Mas ele ainda permaneceu "prisioneiro
da Matéria": ele ainda estava longe de para ser um "homem espiritual" capaz de evocar os
bons espíritos para o perfeito funcionamento da reconciliação. O grau do Grande Arquiteto teve
uma grande consideração entre os Coens. No entanto, Martines expressou-se expressamente
com a dignidade simples de "Aprendiz Réau-Croix". 1 Veja, Doc. XIV. 44 O próximo nível de
Cavaleiro ou Comandante do Oriente ou Grande Eleito de Zorobabel poderia ser chamado
Riddle Cross Companion. Ele tem, como o grau de companheiro em todas as hierarquias
maçônicas e para-maçônicas, um caráter indefinido e ambíguo. Era uma nota cujo esoterismo
se baseava em uma lenda biblico-maçônica. Visto do ponto de vista dos exercícios práticos,
que foram suspensos, era mais um passo atrás do ranking anterior: Le Forestier supõe que
Martines "julgou prudente parar por algum tempo nos exercícios práticos e retornar às teorias
fundamentais antes de proceder à admissão definitiva ao cargo supremo de Réau-Croix. De
qualquer forma, os eleitores de Zorobabel aprenderam uma série de alegorias caprichosas
sobre o herói desse nome, mas eles tiveram que chegar a essa conclusão de que ainda não
tinham as ferramentas que Zorobabel tinha serviu para quebrar os arcos da ponte. Essas
ferramentas - as cerimônias mágicas que colocam o homem em contato com os espíritos -
foram reservadas para o mais alto grau da Ordem. O Ré-Croix. Não há dúvida de que o
propósito secreto da Ordem dos Eleitos Coens foi colocar os membros do mais alto nível em
contato com o Mundo dos Espíritos, bons espíritos, adormeça, e isso pela magia
evocativa. Essas evocações não visaram a aquisição de qualquer bem temporal: dinheiro,
poder, presciência do futuro, conhecimento médico ou outros. O objetivo era apenas obter
sinais que dariam aos operadores a garantia de que eles tinham entrado em contato com
entidades superiores, santos, apóstolos, anjos. Esses sinais foram considerados como prova
de que os operadores foram reconciliados com Deus. Os sinais eram ainda mais reconfortantes
porque os espíritos de que eram a manifestação deveriam ser colocados mais alto na escala
dos seres. O fim último e sublime ao qual toda a Ordem aspirava, em uma cooperação
simpática, era evocar a imagem de Cristo e de obter a presença dele visível. A Ordem,
portanto, não teve interesse temporal, e esse ponto não pode ser exagerado. Ele ensinou a
seus membros a história ocultista da humanidade, a doutrina esotérica da queda, ou as quedas
primordiais, e os meios para se regenerar pela disciplina da vida prescrita aos membros de
suas fileiras sucessivas, bem como adquirir a certeza de ser feito digno da próxima
reconciliação, uma garantia segura da suprema graça da futura reintegração. Os Grandes
Arquitetos e os eleitores de Zorobabel aprenderam a purificar-se e ao seu entorno, [80]
exorcizando espíritos malignos. A Réau-Croix trabalhou para tornar propícias as entidades
boas. Em resumo, os coes eleitos estavam, portanto, longe de praticar a magia negra. Suas
operações não tinham nada em comum com gosto vulgar ou necromancia, nem mesmo em
sua forma espírita recente. O objetivo era theosophicomoral, verdadeiramente puro e
alto. Quanto à técnica mágica ensinada por Martines, tem relações de semelhança, analogia e
até mesmo identidade com os ritos da magia teúrgica, como tem sido professada e praticada
ao longo dos séculos, entre todos os povos da Europa. A terra e tantos autores ensinaram os
princípios imutáveis, cada um com seu próprio caráter. É bem possível que Martines
conhecesse e estudasse o famoso 4º livro de Cornelius Agrippa e outros tratados, mas sua
magia era diferente de qualquer outro, na medida em que não tinha propósito material,
temporal e teosófico. inteiramente idealista. e que ela era parte de um sistema dos superiores
desconhecidos. - Ainda há um problema para elucidar: qual é a origem e quais são as
atribuições correspondentes ao título de Superior Unknown (SI) que alguns dos Coes eleitos
reivindicaram? Em qualquer caso, é certo que a dignidade da SI nunca foi um lugar na Ordem
na forma como foi e ainda está no Martinismo contemporâneo. Originalmente, era o atributo
adicional de alguns Réau-Croix. Qual é a origem do título? A enciclopédia de Lenning 1 imputa
a invenção ao impostor Johnson em Fuenen (1763), mas muito antes dessa época, em 1743,
[81] pouco depois de sua iniciação na Maçonaria Templária, von Hund já havia aludido a
superiores misteriosos da Ordem do Templo renovada ou continuada. René Philipon acho que
os Superiores Desconhecidos são uma ficção inventada por von Hund e da famosa Marschall
von Bieberstein 2, quando, como Estrita Observância, que introduziu a Maçonaria Templária na
Alemanha. No que diz respeito à Ordem de Martines, de acordo com o Sr. Vul liaud 3, o título
de Superior Desconhecido é mencionado pela primeira vez na carta do Soberano Mestre de 2
de outubro de 1768. Pouco depois, aparece em uma correspondência que Mr. Aço informou
Maret em suas especificações martinistas lojas Lyon 4, entre Grã Inglês Lodge de franqueza
em Estrasburgo e da Grande Loja de Mestres regulares de Lyon, sendo esta última composta
das lojas de Perfect Amizade, Amizade e True Friends. Em uma carta dos lodges Lyon e
datado 29 de novembro de 1772 [1], Willermoz assinar com os seguintes títulos: O ex-Grão-
Mestre Presidente, Ministro da Justiça e arquivos da Grande Loja do A (Igle) N ( oir), R (ose) Cr
(oix), chefe do capítulo do Coens-Co-SI -R. . É certo que as últimas iniciais não podem ser
traduzidas senão pelos Superiores Desconhecidos [2] e Réau-Croix. Por outro lado, também é
muito provável que o título SI de Willermoz seja relatado aos Coens eleitos: é um termo
intermediário entre as dignidades Coens: motorista do Capítulo e Réau-Croix. Finalmente, um
pouco mais tarde, em 1778, os Cavaleiros [82] cumpridores da Cidade Santa têm usado ao que
J. Kostka 5, o título de Cavaleiros de silêncio perfeito: S (ilencieux) I (nconnus) . Mas isso não
adiciona nada à solução do problema. De qualquer forma, não temos detalhes sobre a
importância e as funções da SI. Uma suposição única parece-me, se não for provável, pelo
menos aceitável: como veremos mais tarde, o Marquês Francois de Chef de Bien de Saint-
Amand o famoso Franciscus Aequians tem Capite galeato, relatou em 1782 com o príncipe
Christian de Hesse-Darmstadt antes de sair para Santo Domingo, 1 2 3 4 [[5 Allgemeines
Handbuch der Freimaurerei, zweite Auflage von völlig umgearbeitete Encyclopaedia der
Lenning Freimaurerei , Leipzig, Brockhaus, 1861. Vide sub verbo: Obere (unbekannte). CG
Marschal von Bieberstein. Morreu entre 1750 e 1753. Rose-Croix Lyonnais, p. 72,
nota. Bibliogr., 61. O Sr. Le Forestier teve o Eu tive que ler suas anotações sobre esses
notebooks Steel Maret antes que eu pudesse finalmente receber minhas mãos em uma cópia
desse trabalho quase impossível. 1] [No Volume II, o autor corrige: "Linha 20: 29 de novembro
de 1772; leia: 25 de novembro de 1772. " Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. 2] [No
Volume II, o autor corrige: "Linha 26: Superiores desconhecidos; leia: Superior Desconhecido.
" Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. Jean KOSTKA (pseudônimo de Jules Doinel),
Lucifer desmascarou. Paris, Lyon. 46 Martines nomeou um sucessor e cinco superiores,
incluindo Willermoz. Parece-me muito possível que Martines, antes de sua partida, tivesse
reformulado ou completado o seu Tribunal Soberano e que ele chamasse de "Superiores
Desconhecidos" os membros deste tribunal. Então explicaria que Martines não fala de SI antes
do ano de 1768 e que Willermoz é adornado com este título em 1772. Vamos repetir esta
questão no parágrafo seguinte. 2. Os substitutos e sucessores de Martines Vimos que Martines
havia estabelecido um capítulo de Coen em Paris, no equinócio da primavera de 1767; É
provável que, entre os membros de Rieu-Croix deste capítulo, ele escolha cinco para formar o
Tribunal Soberano de toda a Ordem. À frente deste Tribunal, ele nomeou Bacon de La
Chevalerie, que era seu substituto geral. Também é provável que o número de membros inclua
Henri de Loos 1, Bonnichon du Guers e Lusignan. De acordo com o Sr. René Philipon 2, Bacon
de [83] La Chevalerie foi demitido por Martines em 1772, pouco antes do embarque e foi
substituído por De Serre. A informação muito diferente é dada pelo príncipe cristão de Hesse,
em seu caderno de autógrafos, onde reproduz uma nota que ele escreveu em 12 de janeiro de
1782 e da qual traduz a parte relativa ao fato mencionado acima: "Tendo decidido Uma viagem
ele (Martines) elegeu para seu sucessor um chamado Bacon de la Chevalerie e abaixo dele
cinco outros: "1. São Martinho, que se tornou famoso pelo livro Erros e Verdade. Vive em Paris,
perto da Marquise de La Croix, que o maltrata com bastante dureza, que sofre com paciencia
para poder receber sua pensão do Rei. "2. Willermos (sic) é o segundo. Ele mora em Lyon e
tem uma boa cabeça, mas ele se atormenta dia e noite para aumentar sua renda: ele já não
tem parentes próximos e não conta entre os vendedores que vendem barato. Além disso, ele
tem uma mente muito despótica, mas ele é de uma virtude estrita. Ele introduziu a Ordem de
Martines na Maçonaria e escondeu sua verdadeira origem. "3. Deserto ou Deserre, oficial de
artilharia é o terceiro, ele vive separado. Na sua juventude, ele teve brigas com seu irmão mais
novo e, por causa dessas diferenças, preferiu distribuir sua fortuna a seus amigos, em vez de
deixá-lo aos seus sobrinhos. 4. O rei de Auterive (sic) é o quarto. Este (eles dizem) reivindicou
os 10 por cento (ou seja, ele praticou a usura). Mas esse fato não está completamente
comprovado. Vive, além disso, honestamente e sempre jovial. Ele dá muito aos pobres, e sem
mostrar uma virtude austera, ele é profundamente piedoso. "5. O quinto (de Lusignan) ainda
não é conhecido por mim uma maneira certa para eu falar sobre isso. "Estes cinco
personagens não reconheceram [84] Bacon de la Chevalerie como chefe, porque ele ainda é
muito inconstente na verdadeira disciplina da vida". 1 2 3 O que deu origem a um mal-
entendido com o pintor Van Loo. Nota histórica, p. XXXVII. Isso é totalmente consistente com o
sentimento expresso por Salzmann a Willermoz em sua carta relatada acima. 47 O príncipe
continua dizendo: "O filho de Pasqualis está em seus 15 anos; Ele é criado para que um dia
seja o sucessor de seu pai. O abade (o nome está faltando: foi Fournié) que recebe uma
pensão do Lodge dos Amigos reunidos, é o professor dele. Onde o Príncipe Chrétien desenhou
essa informação? Ele diz ele mesmo em uma carta, escrita em francês, para o Grand Prof
Metzler, senador de Frankfurt-on-the-Mein: reproduz-o parcialmente: "Em uma conferência que
tive com o marquês de Chef de Bien em Estrasburgo, em janeiro de 1782, aprendi que Don
Martines Pasqualis era o líder desta seita; que ela tinha um objetivo muito diferente da
Maçonaria, e que ela tinha sido movida pela inconsideração de um dos chefes desta
seita. Pasqualis afirmou que seu conhecimento veio do Oriente, mas deve-se presumir que o
recebeu da África. Antes de deixar a França, Pasqualis instituiu para seu sucessor Bacon de La
Chevalerie e sob ele cinco superiores. "(Siga os cinco nomes relatados no caderno.) Nas
comunicações do Marquês de Chef de Bien transpires sua animosidade contra tudo o que
o podemos chamar de "Martinismo". Isso pode até ser considerado como prova da verdade da
história. Finalmente, a forma como os nomes são escritos concorda com o fato de que eles
foram comunicados verbalmente. Como já observei acima, é bem possível que Martines não
remova o seu substituto geral Bacon de La Chevalerie, mas antes de embarcar, ele fortaleceu
seu Tribunal Soberano. [85] Como, por outro lado, parece que em 1775, Deserre era realmente
o substituto geral do Grande Soberano, outra suposição aparece na mente que levaria luz
sobre todo o problema. É possível que Martines destitua Bacon de La Chevalerie, que ele
constituiu seu Tribunal Soberano com os cinco superiores indicados, nomeando um deles,
Deserre, seu substituto. Isso admitiu que as informações fornecidas pelo marquês ao Príncipe
Chrétien parecem bastante precisas, exceto no único ponto que se relaciona com Bacon de La
Chevalerie, cuja demissão talvez não seja tão conhecida como sua nomeação para 1768. Esta
hipótese ainda é mais provável que o Bacon seja eliminado, permanece precisamente a figura
original de cinco membros do Tribunal Soberano. Um fato contradiz essa hipótese, mas é
importante: o próprio Bacon de la Chevalerie nunca admitiu ter sido demitido. Já vimos, pelo
contrário, no Capítulo III, que Bacon, em 1779, declara expressamente que preserva a
dignidade conferida a ele, e que "os homens cegos e entregues em um momento de
inconsistência pensaram muito levemente que eu tinha perdido". Parece provável que Bacon
tenha discutido com Martines antes da partida. Talvez Martines tenha ameaçado demitir
Bacon; Alguém surpreendeu na boca das observações do Mestre desse tipo; A notícia se
espalhou, e aqui está a lenda da demissão de Bacon formada. Ainda há isso: muito mais tarde
nos anos de 1805 e 1806 Bacon de La Chevalerie teve uma correspondência com o Marquês
de Chef de Bien Saint-Amand. É publicado no livro escrito por MB Fabre sobre este último
personagem 1, Bacon escreve textualmente (carta de 20 de janeiro de 1806): "... eu sou como
você [86] conheça o Susticular Universal para a parte norte da Ordem Rev. Eleito Coens Rit
extremamente conhecido. Se alguém aceita como verdade esta declaração de Bacon de la
Chevalerie, B. FABRE, Iniciado das Sociedades Secretas Superiores, Franciscus, Eques a
Capite Galeato, 1753-1814. Paris, The French Renaissance, 1913, p. 411-422. Uma nova
suposição e admitir que Martines, a ponto de partir para Santo Domingo, deixou na França dois
substitutos gerais: Bacon para a parte norte, Deserre para a parte sul. É impossível resolver
este problema com os documentos que atualmente temos. Quanto aos cinco membros do
Tribunal Soberano, os nomes que Prince Chrétien observou correspondem sem discussão aos
membros mais ativos e mais proeminentes de toda a Ordem no momento da partida de
Martines. É, portanto, muito provável que St. Martin, Willermoz, Deserre, Roy Hauterive e
Lusignan foram realmente os Superiores Desconhecidos da Ordem após a partida do Grande
Soberano. Vejamos agora o que aconteceu com os sucessores de Martines na dignidade do
Grande Soberano. Seu filho mais velho, que ele tinha destinado desde o seu nascimento para
sucedê-lo, desapareceu na turbulência revolucionária, e nem St. Martin, nem Willermoz, nem
Fournié, que, no entanto, foi durante muitos anos, seu professor, não sabia nada. do seu
destino. Do segundo filho de Martines, não conhecemos absolutamente nada fora do
nascimento. O próprio Martines muitas vezes hesitou em escolher seu sucessor. De Grainville
escreve para Willermoz 1 que o Mestre "muitas vezes inconsequente" às vezes engorda um, às
vezes o outro de seus emuladores, dando-lhe a suposição de que ele o sucederá na cabeça da
Ordem. No entanto, De Grainville acrescenta muito sabiamente: "Não depende dele: deixe a
vontade do Senhor ser feita. [87] No entanto, é claro a partir da pesquisa do Sr. Philipon que
Martines, no final de sua vida, nomeou para seu sucessor um dos Réau-Croix de Santo
Domingo: Caignet de Lestère, que entrou no escritório de Grand Soberano à morte do Mestre,
em 20 de setembro de 1774. Caignet exerceu seus poderes apenas um curto período de
tempo, porque morreu por sua vez em 19 de dezembro de 1779, depois de ter transferido sua
dignidade para Sebastian de Las Casas. O último apenas levou seu título por dois anos: em
1780, em novembro, desistiu da idéia, já que aconselhou-se a dissolver-se no Orients Coens
que se dirigiu a ele (16 de agosto de 1780) para ligue para sua direção, sua autoridade e sua
energia! Assim, aparentemente, o fim da Ordem dos Coes eleitos e a descendência direta da
soberania de Martines. Por outro lado, se confiarmos na informação muito curiosa dada pelo
Sr. Fabre, devemos admitir a sobrevivência da Ordem dos Eleitos Coens, não só por alguns
membros dispersos, mas como uma organização oculta ativa, possuindo um chefe supremo,
até o início do século XIX. Na correspondência já citada, entre o marquês de Chef de Bien e o
Bacon de La Chevalerie, este último, em uma de suas cartas de 26 de janeiro de 1807,
aludindo à sua delegação ao Grande Oriente da França, fala do "silêncio absoluto de Eleito
Coen sempre atuando sob a maior reserva em execução das ordens supremas do Soberano
Mestre do GZWL ". Senhor Fabre afirma que, apesar de uma pesquisa cuidadosa, ele não
conseguiu descobrir qual desconhecido superior dos Coens, o Bacon estava se referindo. As
duas primeiras letras podem significar: "Grande Zorobabel". Os dois últimos representariam
então o nome do Grande Soberano, mas é muito curioso que sejam exatamente dois sinais
quase incomuns do alfabeto francês. Parece mais provável que as quatro [88] letras sejam as
iniciais de uma frase hebraica 1 Veja a carta de 11 de novembro de 1772 dos Documentos
reproduzidos no final do livro. 49 ou um dígito criptográfico. Talvez essas iniciais não
indicassem uma pessoa real, mas apenas o líder oculto da Ordem. A presença das letras JWZ
cujo A importância nas cerimônias cirúrgicas dos Coens eleitos não escapou do leitor
atencioso, poderia pensar em algo semelhante. A menos que Bacon acabe de inventar esta
série de iniciais para deslumbrar Chef de Bien. 3. História dos Templos de Coens Na França,
existiam em toda a dúzia de capítulos de Elus Coens na íntegra: Foix (1760), Bordéus (1761),
Paris (21 de março de 1767), Lyon (1768) , em La Rochelle (1767), em Avignon e Eu (1770?),
em Versalhes, Metz e Libourne (1771). Havia alguns capítulos incompletos: em Amboise, Blois,
Tours, Poitiers (1767). Na ilha de Santo Domingo, havia um Templo em Porto Príncipe (1772?)
E em Leogane. Após a morte de Martines em 1774, os estabelecimentos da Coens se
separaram lentamente. As causas desse declínio podem ser reduzidas para três. Antes de
tudo, deve-se lembrar que, na morte do Soberano Mestre, a organização da Ordem estava
longe de ser completa. Duas forças de dissolução agiram então. É antes de tudo a atração que
a Estrangeira Observância Germânica exerceu sobre almas amorosas românticas, com sua
maravilhosa lenda templária, a pompa de seus Cavaleiros, seus misteriosos Superiores
Desconhecidos e suas promessas deslumbrantes de recompensas terrestres e
celestiais. Então, é a ação de Saint-Martin. O filósofo desconhecido professou muita admiração
por Martines, pois ele havia visto por si próprio a eficácia de ritos evocativos: ele mostrou ao
Barão de Gleichen os desenhos das "Passes", isto é, as figuras. ] fugitivos, os hieróglifos
luminosos que ele havia vislumbrado. No entanto, São Martin logo percebeu que essa maneira
externa de se relacionar com o Mundo do Espírito não o satisfazia; ele mudou seu método,
abandonou o caminho daqueles que, com sua vontade, tomaram o céu pela tempestade, e
embarcaram no caminho do misticismo, todo o interior, o que parece ter sido para ele um
caminho todo pacífico, todos de doçura e abandono. Enquanto permaneceu convencido da
eficácia das práticas teológicas dos Coens, ele aprendeu com sua experiência pessoal que a
maneira mística deu uma certeza íntima incomparavelmente superior à dos sinais obtidos
durante as Obras da Ordem. Ele desabrigou completamente a vida das pousadas maçônicas e
martinésicas e tentou persuadir vários grupos de Coens a abandonar suas práticas para adotar
o caminho interno. O mal o levou! O mal levou-os! Tendo tido pouco sucesso em suas
experiências mágicas, Elus Coens teve ainda menos sucesso em suas tentativas de
êxtase. Um não improvisa mais místico do que o mago. India irae! São Martin os desviou do
caminho pelo qual eles tinham pelo menos chegado a algumas ilusões, para levá-los de outra
forma ainda mais doloroso e que, para eles, era apenas uma espécie de sem saída, sem
questão e sem retorno. Ele teve que sofrer sua indignação. Esta atividade de São Martinho
teve uma influência destrutiva para a Ordem na esfera em que foi exercida: na Eu, em
Versalhes, talvez até em Lyon. 50 Todas essas causas ativaram a decomposição da Ordem,
mas não Esta não era a verdadeira razão. A causa profunda pela qual a Ordem se desintegrou
deve ter sido a extrema dificuldade de seguir completamente sua disciplina e a escassez
desesperada dos resultados obtidos; Passes, mesmo para aqueles que respeitaram
rigorosamente as prescrições secretas. Na verdade, é difícil reconciliar o exercício da magia
alta, as regras da abstinência e do ascetismo, a oração e a preparação, o treinamento e a
concentração da vontade, com os deveres e requisitos da vida cotidiana. O que deve ter sido o
sentimento daqueles que, após terem superado todos os obstáculos, daqueles que, depois de
jejuns prolongados, pronunciaram longas orações, prostraram-se deitada no chão por horas a
fio, tendo seguido todo o ritual à carta, não obteve nenhuma sugestão de manifestação
espiritual, e só chegou a uma ligeira acumulação, o único resultado daqueles que não
conseguiram alcançar nenhum sinal auditivo ou visual? Enquanto Martines estava lá para
sustentar seus discípulos, encorajá-los, empurrá-los, eles continuaram com o trabalho
realizado, mas quando, por sua morte, a ação de sua vontade mágica havia desaparecido,
seus esforços falharam e a Ordem ele se dissolveu. Em julho de 1775, o vice-diretor geral,
Deserre, pediu a Saint-Martin que erigesse um Templo de Coen em Maux 1, mas no ano
seguinte, a deserção começou: o Templo de La Rochelle voltou sob a obediência da Grande
Loja da França . Libourne e Marselha seguiram a uma pequena distância. Em 1780, vários
eleitos Coens escreveram ao grande soberano Sebastián de Las Casas (o segundo sucessor
de Martines), que depois viajou para a Itália, para pedir-lhe que cuide dos interesses de várias
lojas, onde influências estrangeiras à Ordem se infiltraram . Oito Orientos Coens queria
dissolver. O Grande Soberano respondeu de Bolonha que todos deveriam saber o que estava
fazendo: ele que estava saindo da Ordem se privava das vantagens da cooperação simpática
da organização, isto é, do apoio dado pela cadeia mágica [91]. Quanto aos Orientes, que não
queriam continuar seus trabalhos, tinham que se organizar sob a correspondência dos
Philalethes e manter seus arquivos em envelopes selados, selados com selos comuns, nas
mãos de M. de Savalette de Lange. Em 1781, Essas recomendações foram seguidas, e mais
tarde, outros Orientes provavelmente fizeram o mesmo. Não parece que depois do ano 1781.
Os estabelecimentos de Coens trabalharam. Para concluir este rápido esboço da história dos
Templos de Coens, é necessário especificar qual foi o destino dos arquivos do capítulo. Eu
sintetijo os eventos de acordo com os dados de diferentes autores 2. Vimos que Sebastian de
Las Casas aconselhou os oito Orientes que haviam invocado o seu apoio, dissolverem e
depositarem seus arquivos sob o selo comum, nos arquivos das Philalèthes, dos quais o
marquês Savalette de Lange era o curador. Isso parece ter ocorrido em 1781. Após a morte de
Savalette de Lange, todos os seus papéis e instrumentos foram vendidos em leilão e
dispersos. Mas, felizmente, um dos agrupamentos maçônicos que haviam sido reconstituídos
pouco a pouco após o Terror, a Loja de Saint-Alexandre-d'Scosse, comprou em 1806 de
diferentes pessoas a maior parte dos arquivos dos Philalethes. 1 2 St. Martin obviamente foi
convidado para essa realização como Superior Unknown, membro do Tribunal
Soberano. Especialmente Papus, Martinésismo, etc., e Philipon, Nota Histórica 51 Os dos
Templos de Coens, que foram anexados a ele, foram assim recuperados em quase totalidade e
entregues a dois membros da logia que foram eleitos Coens: Fourcault e Pont- quadrado. Em
1809, esses dois irmãos entregaram seu depósito a Destigny, eleito Coen de Santo Domingo,
voltou para a França quando esta ilha estava perdida por ela. Destigny já trouxe de volta os
arquivos de todos os capítulos de Coens da Ile de France, exceto os de Leogane, que foram
destruídos pelo fogo. Além disso, recebeu do Marquês de Ossun e de Bonnefoy os arquivos do
Templo de Avinhão. Ele manteve este precioso depósito até 1868, quando o incorporou nos
arquivos Villareal. M. de Villareal já possuía os arquivos dos capítulos de Versalhes, derivados
de outra fonte. Os arquivos Villareal são, portanto, ricos com os de Eleven Orients Elus
Coens. Não sei onde estão e se eles estão abertos a buscadores sinceros da verdade
histórica. Os arquivos de Lyon tiveram um destino mais agitado. Originalmente, eles
certamente foram preservados no próprio Willermoz. Mais tarde, quando, em 1784, Foi
construído um edifício para a Loja da Beneficência e para o Capítulo Metropolitano da Estrita
Reforma Observada (Cavaleiros Beneficentes da Cidade Santa), eles foram colocados
lá. Quando, durante o cerco de Lyon em 1793, este edifício, localizado em Brotteaux, isto é,
além do Ródano e fora das muralhas da cidade, foi exposto diretamente ao fogo do inimigo,
Willermoz salvou o que podia dos arquivos levando-o para sua casa na própria cidade. Mas lá,
eles ainda não estavam em total segurança, porque, enquanto o edifício Brotteaux pegou fogo
e queimou completamente, uma bomba caiu na casa de Willermoz e um cofre cheio de
documentos foi queimado. Após a morte de Willermoz em 1824, seus papéis passaram em
parte ao seu sobrinho Jean-Baptiste Willermoz, filho de Antoine (1741-1793) e permaneceu na
família Willermoz, cujos sobreviventes atuais, MM. Gabriel, Joseph e Édouard ainda têm alguns
elementos muito importantes. Outra parte, entre as quais certamente os arquivos de Coens,
passou para Joseph du Pont, Knight Grand Professed, amigo íntimo do falecido. Não sei
quando du Pont está morto. Em qualquer caso, ele ainda vivia em 1829 e na época possuía
todos os documentos Coens. O que aconteceu com esses papéis em sua morte, eu não
sei. [93] No entanto, parece que eles passaram das mãos de um Sr. Cavarnier entre os de um
livreiro de Lyon, o Sr. Élie Steel. O último começou a escrever um volume, que permaneceu
inacabado, sobre a história do Martinismo. De Elie Steel, os arquivos passaram em 1895, no
todo ou em parte, em Papus (Dr. G. Encausse). Na morte de Papus (1917), o filho vendeu o
todo a um livreiro em Paris, o Sr. Nourry, que o colocou à disposição do Sr. Vulliaud. Ele tocou
a superfície das coisas e compôs seu livro com o título atraente, mas deliciante The Rose-Croix
Lyonnais no século XVIII. Pouco depois do eminente bibliotecário da cidade de Lyon, o Sr. Joly,
obteve do prefeito de Lyon, o Sr. Herriot, um crédito extraordinário para comprar toda a
coleção. Com este ato generoso, a cidade de Lyon é agora de direito, na posse de uma parte
muito importante dos arquivos de Willermoz, este homem que era um Lyonnais de nascimento,
de coração e alma, que era cidadão eminente a que Lyon deve muito e que na sua cidade
paterna caiu muito injustamente em um completo esquecimento. J ' Ainda tenho que apontar
para outro repositório de documentos que possam ser encontrados. Em uma carta de 8 de abril
de 1822, François von Baader escreveu ao Baron von Yxküll: "O Conde de Divonne possui
uma parte considerável dos papéis deixados por Saint-Martin, e também do Mestre deste
último Sr. Pasqualis, e precisamente dos manuscritos de A Ordem, que, para dizer a verdade,
foi dissolvida pela culpa dos discípulos ... "1 Franz VON BAADER, Sämtliche Werke, banda XV,
Nachgelassene Werke. Biografia und Briefwechsel, p. 377. Leipzig, Bethmann, 1857. 52 Tenho
observado esses diferentes avatares para que aqueles que se sintam tentados a entrar em
detalhes sobre a história da Ordem dos Coes eleitos tenham uma trilha de navegação que
pode levá-los aos documentos originais. [94] 4. Os membros da Ordem dos Coes eleitos
Vamos agora tentar elaborar o quadro de composição da Ordem: Grandes Soberanos Martines
de Pasqually. AR Cain de Lestère. Sebastian de las Casas. JJ Bacon da Chevalerie
Deserre. Ossun. Morreu em 20 de setembro de 1774. Morreu em 19 de dezembro 1778.
Retirada em novembro de 1780. Substitutos gerais 1768 -? 1772 -? ? --_. 1780 Tribunal
Soberano para a França (Superiores Desconhecidos da Ordem) 1768-1772. 1. BACON DE LA
CHEVALERIE (Substituto); 2. Loos; 3. Bonnichon du Guers; 4. Lusignan? ; 5. Fauger
Ignéacourt? 1772? 1. Bacon de La Chevalerie? ; Deserre, Ossun substitui sucessivamente ou
simultaneamente; 2. São Martinho; 3. Willermoz; 4. Roy d'Hauterive; 5. Lusignan. Tribunal
Soberano para a Ile-de-France 1. Caignel de Lestère (substituto); 2. Destigny; 3-5? Os
membros do Papus 1 primeiro deram uma lista cronológica de 37 membros da Ordem. Na
sequência, conseguimos [95] conhecer os nomes de vários outros. Listá-los de acordo com os
Orients aos quais eles parecem ter pertencido, mas esta imagem está longe de ser
completa. Ao leste de Bordeaux Blanquet (expulsado da Ordem em 1772), Balzac (1768) R,
Deserre (1770), Grainville (1768) R. de São Martinho (1768) R. e SI, 1772, do rei de Hauterive
(1770) R. e SI, de Calvimont tio e sobrinho 1770, de Montillac, de Pitrail de Puységur,
Caraccioli. Isnard, o abade Fournié (1770), de Champoléon (1768) R. Abbot Bulet (Capelão ao
Regimento de Foix) 2, Barbarin 1770) GA, Aubenton, Maillal d'Abzac, Case, Bobie, Jull Tafar,
Lescouet, Saignant de Serre, Ségur, Grivau, de Brulle, Defore, Schild, Mercadi [1], I.-F. Kuhn. 1
2 PAPUS, Martines de Pasqually, p. 202-203. FABRE, The Eques, p. 80 seguidores 53 Lyon JB
Willermoz (1768 R e 1772 SI), Dr. J. Willermoz (1768), Orcel (1773), Cressac (1773, suspenso),
Amar 1 2, Ivy Sloe 1 2, Epremenil 1-2, o Abbe Rozier, Sra. Provensal (1774) R, d'Epernon, G.
Sellonf, Bruyset, Mademoiselle de Chevrier, Dessalles, Perisse du Luc. Paris Bacon de La
Chevalerie (1768 R e SI), Lusignan (1769 R. e SI), 4 Henri de Loos (1769 R e SI?), Henri
Virieu, Fourcanet, Ossun R. 3, Pont-Carré 3, Madame de Lusignan, Lamarque, Guers (1768 R
expulsos da Ordem), Tavannes, Serre, Fauger Igneacourt, Havré de Croy. [96] Avignon Labory
(1771) 3, La Martinière 3. Normandia Dumainiel, Wuberick, Varlette, Felix, Duval, Frémicourt
("foi o mais distante da Ordem Operativa") 4. Metz Fred. Disch. 3. Versailles Royer [2],
Boisroger, Mallet, Gence, Monet 5, Salzac, Gaicheux 5. Strasbourg Salzmann 6, Trompowski 7,
Heisch 7. Santo Domingo Caignet de Lester (1772), Timbale, Destigny, Seb. de Las
Casas. Besançon De Raimond. La Rochelle [1] [No Volume II, o autor corrige: "l [igne] 13,
Mercadi, lê Marcadi. ". Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. PHILIPON, nota histórica. 2
Nomeado também por BRICAUD, Revue d'histoire de Lyon, 1905, p. 207 e 208. 3 PHILIPON,
nota histórica. 4 Estes seis personagens são nomeados por SAINT-MARTIN em seu retrato. [2]
[No Volume II, o autor corrige: "l [igne] 5, Royer, leia Roger. ". Veja Errata do Volume I, Volume
II, p. 173. 5 PHILIPON, nota histórica, p. XXXVIII. 6 Admite receber iniciação Coen, em sua
carta de 16 de fevereiro de 1817 em Türkheim. 7 LAVATE, cf. Handbibliothek, 1791, VI, 25. [No
Volume II, o autor corrige: "P. 96. Nota (7 [3 aqui]): VI, 25; leia: VI, 24. " Veja Errata do Volume
I, Volume II, p. 173. 54 Basset. Libourne Jean Mathiers. [97] [1] Estrangeiros Dinamarca: o
príncipe Carlos de Hesse-Kassel (1782, admitido no convento de Wilhelmsbad por Willermoz
até o "terceiro grau", que é provavelmente o grau de mestre Coen). Outros eleitos Coens
nomeados em diferentes ocasiões por diferentes autores: Gilbert, Ribas, Cagnet (1771 R),
irmão do sucessor de Martines, Foix (1770), Bonnefoy, Saint-Amand 1. Faure, Chaland,
Barmond, Guyon ( Razura?) 2. Finalmente, Vai novamente reproduzir uma lista de nomes
encontrados na página 114 do caderno de autógrafos do Príncipe cristão de Hesse-Darmstadt:
F (rers) L (oges) M (artinists), membros do Sistema de M (artines) P ( asqually). [2] em Paris Sr.
du Roy de Autherive R em Lyon Sr. de Willermoz R Sra. Provençal Sr. de Saint-Martin RM
Provencal. Sr. de Lusignan RM Willermoz junior F. Mad. de Lusignan. Sr. Maisonneuve. O
Vicomte de Tavanes. Sr. Paganucci. O Pres. Viarnes, Pont Carré Frederic Tiemann Saxon. M
(ater) C (oen). Sr. Court de Gebelin. Mad. de Brancas. Sr. Courbi. M. de Grainville. Sr.
Dulac. M. de Champoleon (Champollon). Sr. Casautte (Cazotte?) Sr. Langeois. Sr. Willermoz,
médico. Sr. Garreau. Padre Roziers. [98] Diego Nasselli de Nápoles. Sr. Lalane (Lalande?). M.
Leberton. Sr. Serisse. Sr. Laborie. M. de S. Gal. Sr. Schilde. Senhor Bori. O Sr. Pasqualis é o
mais novo (filho [1] de [No Volume II, o autor corrige: "[P. 96,] último l [igne] Jean Mathiers, leia
Jean Mathieu." Veja Errata do Volume I, Volume II, página 173.] 1 BERALDI, I, p.43, nota: É o
chefe de bem-estar do marquês François de Saint-Amand, o Eques a Capite Galeato? 2 Estes
últimos cinco nomeados por Bacon de la Chevalerie, em sua carta de 3 de junho de 1778 a
Willermoz (Doc., XII, 2). [2] [No Volume II, o autor corrige: "P. 97 e 98, como resultado de um
erro tipográfico Alguns nomes foram transferidos para a lista de Cohen Eleitos que Willermoz
enviou ao Príncipe Carlos de Hesse.] Barberin, Duperron, Galifet e Calon deveriam ter sido
reunidos em uma coluna separada: Chataigner, Mouette, Gence, de Coalin, de Gleichen, de
Zinard, Savalette de Lange deveria ter sido adicionada à coluna de Elus Coens de Paris. ". Veja
Errata do Volume I, Volume II, p. 173.] 55 S (aberto). Sr. Mathias em Bergerac. Sr. Barberin ao
Oriente. (Lorient.) M. Duperron em Engenharia. M. de Galifet. Sr. Calon. M. Chataigné. Sr.
Mouette (Mute?). Sr. Jance (Gence?). Mad. de Coalin. Baron Gleichen. Sr. Chev. de Zinard. Sr.
Savalette de Lange. Mad. Delobaret, viúva de S (aberto). em Toulouse M. Deserre de Pelefique
M. de Mazale (Ilha da França). M. du Boury de Rochemontes. Sr. Mathieu. Sr. Chev. Du
Bourg. Sr. Maric. M. Du Bourgmeri (Bourgmere?). Sr. Castillon de Montp (escritor) Sr. de la
Foirade. Sr. Johannat d'Annonaz. Sr. Vialet. [1] Turim M. Giraud. O marquês de Albany. Sr.
Rivoire aux Echelles. . em Bordeaux M. Fournier Esta lista é provavelmente uma cópia de uma
lista que Willermoz enviou em 12 de fevereiro. 1781, a seu pedido, ao príncipe Carlos de
Hesse, e que ele transmitiu ao príncipe Chrétien. [99] 5. A sobrevivência direta e indireta da
Ordem da Metamorfosis de Coen Eleito (as Capítulos de Grande Professos) e Martinist
(Martinismo de São Martinho e Papus) a) A sobrevivência direta da Ordem Vimos isso A
maioria dos capítulos de Coens foram dissolvidos por volta de 1780 e alguns de seus membros
obtiveram a obediência aos poderes maçônicos regulares; a Grande Loja e o Grande Oriente
da França. No entanto, naquela época e durante os próximos quarenta anos, isolado Rau-Croix
viveu até 1824, o ano da morte de Willermoz. É ainda mais provável que Havia muito mais
tarde, pois enquanto os Ransomenos Ordinários não podiam pedir outros Rau-Croix, aqueles
que eram membros do Tribunal Soberano e que parecem ter tido o direito de se chamar os
Superiores Desconhecidos da Ordem. poderia praticar ordenações. Assim, é certo que em
1774, Willermoz ordenou a Réau-Croix, sua irmã, Sra. Provensal. Outros membros da Suprema
Corte, incluindo os substitutos Bacon e Deserre, e mais tarde o Marquês de Ossun, o sucessor
de Deserre, também podem ter iniciado os Coens ao mais alto nível. Uma alusão à
possibilidade [1] [No Volume II, o autor corrige: "P. 108. [Devemos ler P. 98.] Castillon de Montp
(ensier); leia: Castillon de Montp (ellier) ». Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173.] 56
de Uma iniciação a um grau mais elevado de El-Coen, que St. Martin teria feito, é encontrada
em uma carta de 1829 que Joseph Pont, amigo e herdeiro intelectual e espiritual de Willermoz,
dirigiu-se ao senador J.-F. von Meyer (o Meyer da Bíblia). Ele fala de Gilbert como um amigo
íntimo de São Martinho, muito bem informado sobre a doutrina de Martines de Pasqually, "mas
como pesquisador de coisas e meios extraordinários para operar". Agora, é óbvio que Gilbert
não conseguiu saber os meios para operar, ou seja, o modo [100] de fazer evocações de que,
se fosse Réau-Croix, uma classificação que ele não possui. não poderia ter recebido de
Martines e que ele quase certamente recebeu de Saint-Martin. Se as coisas realmente
acontecessem assim, pode-se admitir que todos esses Coens eleitos (o antigo e o novo),
embora não mais constituídos em templos regulares, mas deixados livres ou matriculados em
outros estabelecimentos maçônicos, permaneceram fiéis aos ritos e mantiveram relações
iniciais entre -los. A primeira hipótese é certamente verdade para Gilbert. É mesmo provável
que esses Coes eleitos, a quem devemos chamar de póus, tivéssemos um chefe, e enquanto
permanecêssemos à sombra, exerciam de vez em quando alguma influência na suprema
organização maçônica. Isso explicaria as frases que de outra forma seriam incompreensíveis,
cartas de Bacon de la Chevalerie ao Marquês de Chef de Bien, onde ainda fala em 1806 dos
Coens como uma Ordem ainda em plena atividade. para cima A que horas é essa
sobrevivência oculta dos coeses eleitos, devidamente chamados de admissíveis? Eu não
sei. Todos os documentos que eu tenho podido consultar referem-se a Saint-Martin e
Willermoz, isto é, aos dois, sem dúvida, os membros mais importantes, mas quem, ambos,
realizou uma missão iniciática, de acordo com seus pontos de vista pessoais que os tornaram
desviados da estrita tradição da Ordem e os separaram daqueles de seus irmãos que
desejavam preservar essa tradição em sua pureza. Em qualquer caso, Willermoz, em quem
temos muita informação graças a uma série de documentos, não conhece nada ou, pelo
menos, nunca manifestou ter conhecimento da sobrevivência de círculos ocultos e privados,
onde a doutrina primitiva de Martines teria continuado a ser ensinado, seus ritos mantidos e
suas operações praticadas na origem da Ordem. Isso não impede que Coens Eleitos isolados
[101] tenham podido continuar individualmente algumas operações teúrgicas rituais. Em uma
carta de 23 de março de 1790 de Lucius Perisse a Willermoz 1, há uma alusão óbvia ao
trabalho do equinócio de que São Martin e Willermoz nesse ano teriam realizado cada um por
conta própria. b) Willermosism: as duas profissões que Willermoz ratificou pelo Convento
Nacional da Gália em 1778 em Lyon, uma importante modificação no sistema de Maçonaria
Templária ou em estrito Observance alemão. Os adeptos de seu sistema templário rectificado
agora serão chamados de Cavaleiros da Cidade Santa. 1 Preservado na Biblioteca do
Lyon. Tenho o conhecimento desta passagem para a cortesia da Sra. Joly. Ver Doc. XV. 57
Esta reorganização lançou um véu leve sobre a natureza templária do sistema. Em certo
sentido, tinha um caráter público. Mas Willermoz fez mais. Ele aproveitou o encontro de tantos
maçons eminentes para criar uma classe superior e muito secreta de duas novas filas: as dos
Cavaleiros Professos e Professores. Define a origem dessas duas notas, explica a parte que
levou quando foram criadas, e especifica a relação de sua base doutrinal com a informação de
Martines, tudo isso de forma muito clara e explícita em uma carta. escrito em 12 de outubro de
1781 ao príncipe Carlos de Hesse-Cassel. As passagens desta carta relativas a este ponto da
história são reproduzidas durante o final deste estudo. aqui Simplesmente resumi-
los. Willermoz relata que ele entrou em contato com Martines no início do ano de 1767. Ele
rapidamente o fez avançar nos primeiros seis graus. Um ano depois, ele obteve o sétimo e
último [102] de Réau-Croix. Em 1772, Willermoz começou formando um grupo de Elus Coens
iniciando seu irmão Jacques, o médico, Paganucci e Perisse du Luc; Pouco a pouco, outros
seguiram: em 1781 havia uma pequena companhia de Initiates Coens em Lyon. Em 1778,
Willermoz conseguiu que o Convento Nacional aceita o estabelecimento de uma classe secreta
cujas instruções foram extraídas da dos graus teóricos da Ordem dos Coisos Eleitos: isto é, em
notas inferiores às de do grande arquiteto. Willermoz diz expressamente que Ele instituiu estas
duas notas para libertar os maçons da sua subjugação, para trazer à Maçonaria os benefícios
de uma doutrina espiritualista e teosófica, idealista e profunda. Essas classificações, cujas
instruções foram publicadas pelo Sr. Vulliaud, entre outras, são de caráter ético, irênico e
cristão. Eles são baseados no Tratado de Reintegração e só mostram, de longe, a
possibilidade de "práticas", que são operações mágicas evocativas. As duas profissões,
portanto, são galhos empurrados para o cofre de Coen e nutridos por sua seiva, mas seus
frutos não têm seu caráter. As fileiras Professed são, no entanto, consideradas como a
continuação indireta da iniciação de Martines. O Dr. Kloss resume, em sua história da
Franconiaçonnerie na França, em uma frase feliz a origem e a natureza de ambas as
profissões: "Quando Willermoz modificou em 1778 no Convento de Lyon o Ritual da Estrita
Observância, ele acrescentou os dois graus teosóficos de Knight Professed e Grand Professed,
nos quais foram elaborados os idéias de Martinez Pasqualis, mas purificadas e enobrecidas. A
pedra angular era o Tratado de Reintegração. Parece que as instruções das duas fileiras foram
favoravelmente recebidas: existem cavaleiros Professed isolados, bem como faculdades de
Great Professed Men em várias cidades da França, [103] Alemanha, Suíça, Itália, da
Dinamarca. Parece-me útil enumerar os cavaleiros que eu poderia identificar, usando como
base o "Gráfico Geral dos Grandes Irmãos Professos, Chev. Maçons do Ordem benevolente da
Cidade Santa, composta tanto pelo Colégio Metropolitano da França, estabelecido em Lyon em
dezembro de 1778 como pelos colégios privados que foram formados em outro lugar por ele,
feitos para o ano de 1782. ", impresso no livro de M Steel Maret, acrescentando os cavaleiros
iniciados após o ano de 1782 que eu achei mencionado em outro lugar. Colégio Metropolitano
da França em Lyon II (prov.) Gaspard Chev. de Savaron, ex-Eq. Gaspard at Solibus, Pref. do
leilão de Lyon. Passe. artilharia. Visita. Gal da 2ª Praeses Colleur. 1778 58 JB W (illermoz)
ancião, comerciante. Eq. Baptista ab Eremo, Chanc. Prov. do IIe. Depositário Gal do
Colégio. Jean Paganucci, comerciante. Eq. Joannes ab Armelino, Censor do Colégio. Jean
André Perisse de Luke, Eq. Andreas Tribes Lunis, substituidora de impressora e
bibliotecária. do depositário Gal. Henry Lambert de Lissieux, Lord Eq. Henricus tem Turri
Alba. de Lissieux-Montfort, etc. Louis Aug. Barbeiro de Lescoët, Eq. Augustus para Leone
Coronato. chan. da Igreja, Conde de Lyon. [104] Gaspard Selonf, comerciante, Eq. Gaspard em
Venatione. Atualmente residente em S t. Gal 1 Pierre Jac. W (illermoz), Dr. na Eq. Petrus
possui Fascibus. medicina. Henry de Cordon, chan. da Igreja, Eq. Henricus a Griffone
Alato. Conde de Lyon. Jean Marie Bruyset Jr., impressora-Eq. Joannes to Tribes
Globis. livreiro. Antoine W (illermoz), o jovem Eq. Antonius at Concordia. comerciante. Jean
Pierre Molière, diretor Armiger. de impressão. Pierre Marie Bruyset Jr., Eq. Petrus possui Tribes
Angulis. impressora e livraria. Pierre Paul Alex. de Monspey, Eq. Paulus em Monte
Alto. Cavaleiro de Malta. Ant. Louis Sabat de Pizey Jr., Eq. Antonius tem Pelicano. Senhor de
Pizey. Mary Agate Angel de Bernard de Eq. Ferdinandus tem Stella. Rully, Canon da Igreja,
Conde de Lyon. Jean Antoine de Castellas, Dean Eq. Joannes para Malleo. da Igreja, Conde
de Lyon. Claude Policarpe, cavaleiro da Eq. Policarpius tem Leone Strenuo. Hachais. [105]
Jacques Milannois, 1º juiz Eq. Jacobus quarteto Palis, 12 do rei na Senechaussee
dec. Lyon. Jean Paul Braun, comerciante. Eq. Joannes a Manu, 5 de novembro, Jean-Baptiste
Willermoz, sobrinho. Rochair. 1778 1778 1778 177 8 177 8 177 8 1778 177 8 177 8 177 8 177
9 177 9 177 9 178 0 1780 1780 178 1 178 1 178 1 Estrasburgo Colégio do 5º (prov.) Jean de
Turkeim, Magistrado da eq. Joannes a Flumine, presidente 177 1 Em 1782, segundo o
domicílio em St. Gal, mas ainda continha a lista de Col. METR. 59 cidade de
Estrasburgo. Colégio. 8 Fred. Rod. Saltzmann, conselheiro da Eq. Rodolphus ab Hedera, 1778
legação do 5º Tribunal ducal de Depositário. Saxonia Coburg Meiningen. Daniel Ullmann,
Contras. de Regence Eq. Daniel tem Mistagogo, Censor. Grd Baillif de Lahr em Brisgau. 1779
Jean Laurent Blessig. Eq. Joannes para Cruce Sancta. 177 9 Joseph Fabry,
comerciante. Eq. Josefo para Pallio. 177 9 1 [1] Massenet. Eq. tribos crinibus. Salame ancião,
notário. Eq. em Petra Vivente. 1813 Saume, o jovem. [106] Chatelain, amigo de uma Edição
Capita em Columba. Galeato 1. JF Ehrmann, professor do Eq College. em
Cubo. Protestante. Eschenauer (comerciante) 2. Eq. no Cinere. Hickel, notário. Eq. no
Monte. CB de Meyer [2] major, mais tarde na Eq. em Falce Saturni. Frankfurt. Barão de
Berckheim 1. Eq. em Campo Aureo. A. Witgenstein. Eq. ab Adamante. 182 3 College
Chambery II (Prov.) Hipolite, Chev. da cidade. Senador na Eq. Hipólito a Castro, presidente do
Senado de Chambery. College. Max Senior Rivoire, Bourgeois. Eq. Marcus a Leone alato,
depositário. Joseph, contagem de Maistre advogado eq. Josefo a Floribus Geral, substituto do
Senado. Jean-Baptiste, Earl Saltor advogado Eq. Baptista to Cane. Geral, substituto do
Senado. 1779 1779 177 9 1779 Colégio de Grenoble II (Prov.) De Sayve, Comandante da
Ordem da Eq. Cruce Rubra. Malta. Yves Giroud, chefe de gabinete na Eq. Tribos de Yvo a
Larvis, Custodiante. Baillage Graisivaudan (sic). [107] Leonard Joseph Prunelle da Eq. Josefo
tem tribos Oculis. Lieres, Squire. Censurar. André Faure, advogado no
parlamento. Eq. Andreas Rupe François-Henry, Conde de Virieu, Eq. Henricus tem
Circulis. 177 9 177 9 177 6 177 9 177 1 [1] 1 [Nomeado em uma carta de 20 de fevereiro de
1813 de Rudolph Salzmann a Willermoz. [No Volume II, o autor corrige: "P. 105. Massenet (1)
Eq. tribos crinibus; leia: Massenet (1). Eq. para as tribos crucibus. Saume os jovens; leia:
Saume o jovem. Eq. vellere aureo. ". Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. Nomeado em
uma carta de 20 de fevereiro de 1813 de Rudolph Salzmann a Willermoz. 2] [No Volume II, o
autor corrige: "P. 106. CB Meyer; leia: C (hristian) D (aniel) de Meyer. ". Veja Errata do Volume
I, Volume II, p. 173. 60 Segundo comandante do Regt do Sr. Infanterie. 9 Colégio de
Montpellier III (prov.) Guillaume Castaing de la Deveze, Eq. Guillelmus a Castanea, Presidente
177 Conselheiro no Tribunal de Aids, Colégio. 9 Câmara de Contas do Languedoc. Ant. Elder
Castillon, comerciante. Eq. Antonius ab Arce, depositário. 177 9 De Ferand,
cavalheiro. Eq. Ferro, Censor. 177 7 EstienneVialett de Aignan, comerciante Eq. Stephanus ab
Agno. 177 em Montauban. 9 Du Bousquet, engenheiro do rei na Eq. (?) Montpellier. Besançon
De Raimond. Eq. em Garba. Autun Jean Eustache Marie Alexander, Eq. Alexander ab
Angelo. Conde de Scurailles, cavalheiro. Antoine Le Seurre, advogado e ex-eq. Antonius tem
Piramide. Autônomo da Autun. [108] 178 0 178 1 Avignon O Conde de Vaucrose de
Vernetty. Eq. (?) ITÁLIA. - Turin College VIII (Prov.). Gabriel, Conde de Berneze, Eq. Gabriel a
Turri Aurea, Sr. Prov. Mordomo de Sua Majestade o Rei do oitavo, Presidente do Colégio. da
Sardenha. Sebastien Giraud, MD, em medicina. Eq. Sebastianus Serpente, chanceler do Grd
Prieur da Itália do oitavo, Depositário do Colégio. Alex. Valpergue de Mazin, M é Eq. Alexander
em Rupecapra, Albarey, Cape. Para o Censor Reg. Pátio Cavalaria. Jean Amédée Valpergue
de Mazin, Eq. Amedeus em Stapiis. Coloque Caluse. Ferd. Scarampi de Courtemille,
Cape. Eq. Ferdinandus a Zonis Aureis. a regra dos guardas inf. 177 9 177 9 1779 1780 1781
Faculdade de Nápoles do 8º (Prov.) Diégo, chev. Naselli dos príncipes Eq. Dedidacus em
Falcone, Prefeito do Haragone 178, Brigadeiro do Exército Cap., Presidente do Colégio. 0 [1]
[No Volume II, o autor corrige: "P. 108. O Marquês de Albarey; leia: o marquês de
Albany. ". Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. 61 de SM [109] Joseph Pepe, professor
de matemática, padre secular. François, Chev. Valignani dos Condes de Miglianico. Chiliane
Caracciolo dos príncipes de Pettoranello, abade Ulivetain. Nicolas Boccapionala, Noble e
advogado. Vincent de Revertera, Nobre e advogado. Marzio Mastrilly, de Gallo, boné. e
cavalheiro da câmara de SM Caetano Montalto, duque de Fragnito, cavalheiro da casa de
SMJF Molitor, professor de hebraico. JF von Meyer, senador. WF von Metzler,
alderman. George Kloss, professor de medicina [1]. Sr. Kloss, advogado [2]. Leonhardi. [110]
Eq. Josephus a Globo eburneo, Censor do Colégio. Eq. Franciscus a Telescopio, Depositário
do Colégio. Eq. Kilianus ab Altari. Eq. Nicolaus ab Hirundine Eq. Vicentius at
Quadrante. Eq. Martius ab Ave paradisiaca. 178 0 178 0 1780 178 0 178 1 1781 Eq. Gaetão a
Rupi Vetusta. 1781 Eq. Eq. Eq. Eq. em Lingua Sancta. Cruce. uma Rosa Rubra. (?) 1821
ALEMANHA. - Frankfurt na Mein Eq. em Jordano. Eq. uma pirâmide. 181 7 181 2 Stoutgard
Charles Eberard de Waechter, Eq. Eberardo em Ceraso, Chanc. do SM da Dinamarca e do
Grand Prior da Alemanha em 178 enviados aos Círculos. VIII. Krappitz em Silesia Court, Baron
von Haugwitz. Eq. Curt no Monte Sancto. 1780? Dinamarca Charles Adolphe Barão de
Plessen, Eq. Adolfo a Tauro Rubro. 1779 Chambellan of SM Danish ,? Cavaleiro da Ordem de
Danebrogue, Senhor de Vittemoldt a Vittemoldt. HSH Charles Prince of Hesse- Eq. Carolus a
Leone Resurgente, o Sr. Cassel a Slesvig. Prov. Coadjutor do oitavo e sétimo. 1780 Darmstadt
[1] [[No Volume II, o autor corrige: "P. 109. George Kloss, Professor de Medicina. Eq. (?); leia:
Eq. Georgeus em Jordane. ". Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. 2] [No Volume II, o
autor corrige: "P. 109. O Sr. Kloss, advogado. Eq. em Jordano; leia: Eq. (?). ". Veja Errata do
Volume I, Volume II, p. 173. 62 O Príncipe Hereditário, depois o Grande Duque Louis II de
HesseDarmstadt. O príncipe cristão de HesseDarmstadt. Andreas Schleiermacher, secretário
particular do Grão-Duque. Julius Siegfrieden. Dr. Carl Kreiser [3] Eq. uma Leone Armato
Eq. em Cedro Libani. Eq. para Stella Magorum. Eq. a Pace. Eq. em Nunciatore. Eq. para
Schola Salutis. Eq. para Turri Forti. Eq. na Porta Hierosolyma. 182 3 182 7 182 7 182 4 182 9
182 7. [111] Coronel Schûler. August Ruick Stärck CV Isenburg. [4]. [3] [[No Volume II, o autor
corrige: "P. 110. Dr. Carl Kreiser; Leia: Dr. Carl Kayser. secretário particular do Grão-
Duque. Julius Siegfrieden. Dr. Carl Kreiser [3] Eq. uma Leone Armato Eq. em Cedro
Libani. Eq. para Stella Magorum. Eq. a Pace. Eq. em Nunciatore. Eq. para Schola
Salutis. Eq. para Turri Forti. Eq. na Porta Hierosolyma. 182 3 182 7 182 7 182 4 182 9 182
7. [111] Coronel Schûler. August Ruick Stärck CV Isenburg. [4]. [3] [[No Volume II, o autor
corrige: "P. 110. Dr. Carl Kreiser; Leia: Dr. Carl Kayser. secretário particular do Grão-
Duque. Julius Siegfrieden. Dr. Carl Kreiser [3] Eq. uma Leone Armato Eq. em Cedro
Libani. Eq. para Stella Magorum. Eq. a Pace. Eq. em Nunciatore. Eq. para Schola
Salutis. Eq. para Turri Forti. Eq. na Porta Hierosolyma. 182 3 182 7 182 7 182 4 182 9 182
7. [111] Coronel Schûler. August Ruick Stärck CV Isenburg. [4]. [3] [[No Volume II, o autor
corrige: "P. 110. Dr. Carl Kreiser; Leia: Dr. Carl Kayser. 110. Dr. Carl Kreiser; Leia: Dr. Carl
Kayser. 110. Dr. Carl Kreiser; Leia: Dr. Carl Kayser.". Veja Errata do Volume I, Volume II,
p. 173. 4] [No Volume II, o autor corrige: "P. 111. Linha 2: August Ruick Stärck; leia: agosto
v. Riedt Stärck. ". Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. 63 SUÍÇA. - Genebra Türkheim
comunica em 24 de setembro de 1817 ao Príncipe Chrétien de Raimond preparou em Genebra
um estabelecimento de nove Professores, cujo prefeito será Bourdillon. Entre os membros
haverá Mouliniez, ministro protestante. Até a data da investidura que acrescentei a vários
cavaleiros, verifica-se que, a partir do ano de 1778 até o final de 1829, trabalhava nessas
fileiras. Mas parece que a atividade nesta série diminuiu. Em 1849, Kloss escreve que tanto
quanto ele sabia que ele estava morando em Darmstadt, apenas um grande Prof. Andreas
Schleiermacher, e em Frankfurt apenas ele e Dr. Molitor. Parece também que, depois da morte
do Príncipe Chrétien (1830), a Grande Profissão decaiu em sua província. Eu não tenho
nenhum dado documentário sobre as outras faculdades que existiram na França, Suíça e
Itália. Aqui está um rápido esboço da história das fileiras de Willermosian. Agora devo expor a
atividade específica de St. Martin. c) O chamado Martinismo O problema que nos interessa
aqui é saber se Saint-Martin, após a retirada das lojas maçônicas [112] e o abandono das
práticas rituais da Ordem dos Coes eleitos e iniciações seguindo o riso de Martines, continuou
a transmitir alguns de seus ensinamentos secretos, mas seguindo um curso de ação adaptado
às suas próprias visões espirituais. Existe uma tradição de que São Martin propôs uma doutrina
mística dos ensinamentos de Martines, das doutrinas de Böhme e de suas próprias
experiências interiores e místicas. Ele teria comunicado esta doutrina por iniciações individuais
e teria levado isso para a própria Rússia. A chamada viagem à Rússia certamente é
lendária. São Martin tinha vários amigos russos; Em São Petersburgo e Moscou, os russos
fundaram lanchas maçônicas da Observância recta corrigida, pertencentes ao regime dos
cavaleiros benéficos. Eles colocaram em prática e propagaram as idéias-chave que ele
publicou em seus livros, mas ele certamente nunca visitou a Rússia. chamamos de Martinismo
russo é apenas a alvenaria templária reformada de acordo com o sistema de Lyon. Não sei se
houve grandes professores na Rússia. O problema russo, assim resolvido, continua sendo o
enigma geral: St. Martin não teria feito iniciações individuais seguindo uma doutrina que
poderia ser justamente chamada de Martinista? Embora todos os escritores sérios negam,
estou inclinado a admitir isso. Muito poucos fatos positivos podem ser citados, é verdade, em
apoio desta tese. Entre eles, eu vou lembrar o que o Comte de Gleichen escreveu em suas
Lembranças 3, informando que Saint-Martin havia aberto um pequeno Paris em Paris. 1 2 3
Autor de vários livros: passeios filosóficos e religiosos no Mont Blanc, Genebra, 1817; Cartas
para um cristão: o caminho para conhecer Deus, etc. Veja a história do chamado Martinismo na
Rússia, os trabalhos, infelizmente impresso em russo, de LONGINOFF (Novikoff e Martinistas
de Moscou, Moscou, 1 8 6 7) e BOGOULJUBOFF (Novikoff e seu tempo, Moscou,
1916). Edição L. Techener Fils, Paris, 1868, p. 155. 64 escola onde ele (Gleichen) se tornou
seu discípulo. O que isso pode significar, exceto que São Martin queria atrair um pequeno
número de espíritos escolhidos ao seu redor, a quem, quanto aos discípulos, desejava
transmitir sua doutrina mística? Lembremo-nos de que Gleichen havia sido eleito Coen por
Saint-Martin até o mais tardar em 1779. Outra informação importante pode ser encontrada em
um artigo de Varnhagen von Ense, em St. Martin 1. Este artigo contém vários erros de datas e
de fatos, mas seu autor parece ter tido algumas informações de primeira mão e autênticas. O
artigo foi escrito em 1821. Aqui estão duas passagens muito significativas: "São Martin foi
atraído por várias sociedades que tendiam ou pareciam tender para um conhecimento
superior. Mas sua mente superior logo descobriu suas falhas profundas, e ele se retirou de
toda a sociedade. Ele decidiu, em vez disso, fundar uma sociedade (comunhão) cujo objetivo
seria apenas a mais pura espiritualidade, e para o qual ele começou a elaborar como agradou
as doutrinas de seu Mestre Martinez ... »« Mas a fundação Sua sociedade demorou a
acontecer, ele aceitou poucos membros e exerceu uma grande prudência. Em tudo isso, há
muito que permaneceu obscuro e que talvez nunca possamos aclarar. A nova sociedade
parece-me ter tido no início apenas a forma de uma habitação maçônica comum: o propósito
das ótimas jornadas que fez mais tarde, provavelmente foi para conseguir uma participação
maior. Como pode ser visto, os detalhes fornecidos por Varnhagen von Ense na chamada
sociedade de St. Martin são muito limitados, mas não se pode negar que ter um valor histórico
real [114] só o faz serio e verdadeiramente informado sobre o seu tempo, falou da existência
desta sociedade como algo certo e verificado. Há outra informação muito curiosa. Um
correspondente desconhecido comunicou-se ao professor de teologia de Köster de notas de
Göttingue datado de Paris, 20 de dezembro de 1795. Eles foram publicados em um periódico
alemão na época. Este documento parece-me ter um verdadeiro valor histórico para o que é
comumente chamado de Martinismo. Eu traduzi para o francês 2 e resumo a parte que é de
interesse direto para a questão que nos interessa. O primeiro resultado é que, em Estrasburgo,
Paris e Lyon, os amigos de São Martinho formaram grupos muito pequenos, ligados pela sua
amizade para St. Martin, mas provavelmente também por algum outro link. O correspondente
do professor Köster, para caracterizar esses grupos, usa várias vezes as palavras "Société de
Saint-Martin", "círculo de Saint-Martin em Paris", "subsidiária da Sociedade de Saint-Martin em
Estrasburgo". . O que ele quis dizer com isso? Capítulos de Eleito Coens? Devemos ver, e era
de se esperar, que entre os homens que o autor indica por iniciais, certamente havia alguns
Coens. Mas o problema concreto é saber se esses Elus Coens de 1795 formaram um círculo
íntimo, uma sociedade, com São Martinho, porque eles eram Elus Coens, ou pelo contrário
porque tinham sido desviados das práticas de Coens pelo filósofo desconhecido e que o
seguiram no seu novo caminho interior, ao qual os iniciaram. O segundo pressuposto parece
correto, porque é o mesmo que o primeiro. [Prefácio para: Rahel; Angelus Silesius e St.
Martin. Veja também # 57 na bibliografia. V. Doc., IX. 1] [No Volume II, o autor corrige: "P. 114.
Linha 31: a que os iniciaram; leia: para o qual ele os iniciou. ". Veja Errata do Volume I, Volume
II, p. É consistente com o que sabemos das tentativas feitas por São Martinho com os Coens
eleitos de Versalhes. [115] Examinemos agora quais personagens foram indicados pelo
correspondente do professor Köster e cujos nomes ele não queria imprimir no periódico. Há
uma lista de um príncipe reinante. Sobre a sua identidade, só pode fazer conjecturas
vagas. Poderia ser o Príncipe Carlos Guilherme de Nassau Usinger (1735-?) Quem participou
muito ativamente de várias empresas da Estrita Observância (Gugomos), Convento de
Wiesbaden (1776), Francmaconnerie e sociedades secretas em geral. O príncipe que
acompanhou o correspondente anônimo, poderia ser um dos muitos membros da família
dominante de Hesse-Darmstadt, que tomou uma parte importante no movimento de alvenaria
templário francês reformado: os príncipes Louis (um Leone aureo coronato 1749-1823), George
(um Cruce Hierosolomytana ... - ...), Chrétien (um Cedro Libani 1763-1830), talvez para ser
mesmo aquele que, em 1795, era príncipe herdeiro e reinou sob o nome de Luís II (um armão
Leone 1777-1848). Quanto aos amigos de St. Martin em Estrasburgo, não sei quem pode ser o
DB digno, talvez seja o Coen de Bory eleito? S. certamente designa Rudolph Salzmann e von
W., von Wittinghof, pai da Sra. De Krüdener; T. deve ser Türkheim; C. e E. permanecem
duvidosos para mim. As iniciais dos amigos de Paris podem ser facilmente complementadas: o
vizconde de Tavannes, o duque de Havre de Croy, o conde Henri de Virieu. Todos os três
foram eleitos Coens. Dos três Lyonnais: V. certamente é Willermoz, pois deve notar-se que em
vários outros artigos publicados no Neueste Religionsbegebenheiten, seu nome está sempre
escrito com um V .; M. pode ser Monspey ou Milanese, tanto Grand Professed quanto Intimate
de [116] Willermoz. B. poderia ser Le Bruyset, livreiro e editor de Saint-Martin, Grand Profès
também. Deve admitir-se que a identificação desses personagens não avança muito a solução
do enigma, parece difícil admitir que todos foram Iniciados particulares de São Martinho. Para
Willermoz, é preciso abandonar imediatamente essa suposição. Willermoz nunca esteve
completamente satisfeito com as evoluções filosófico-filosóficas do Filósofo Desconhecido e
não há probabilidade de ele ser parte de uma sociedade ou grupo de Insiders formados em
torno de St. Martin. Mas aqui novamente eu gostaria de fazer a distinção entre apreciação
superficial baseada unicamente em detalhes ou julgamentos insignificantes ou errôneos com
base no todo e na substância das coisas. Parece-me impossível que os contemporâneos
pudessem ter sido persuadidos da existência de uma sociedade iniciática fundada por São
Martin e poderia ter manifestado essa convicção sem, se tivesse alguma base, ser
imediatamente contraditada. De qualquer modo, a convicção da existência de uma sociedade
Martinist muito secreta parece ter sido geral no momento em que St. Martin ainda estava
vivo. Não é, portanto, uma lenda póstuma. Claro, esta "Empresa" não não tinha nenhuma
semelhança com qualquer ordem ou regime maçônico. Nem foi uma continuação direta da
Ordem dos Coes eleitos enquanto se baseava em parte na doutrina ensinada por
Martines. Consistia exclusivamente de homens de desejo a quem São Martin comunicara o
fruto de suas próprias meditações e indicou o caminho interior que pode levar ao êxtase e à
comunhão com a "Causa ativa e primeira". Os iniciados desta doutrina não funcionavam em
caixas ou capítulos. Não tinham rituais, símbolos ou nomes de iniciação. Talvez eles não se
conhecessem. O único título ou título distintivo que [117] St. Martin lhes deu foi talvez o de I
(nitiés) S (olientais), S (idades) I (solés), S (maior) I (não conhecido) finalmente. Este título, que
o próprio São Martinho recebeu regularmente de seu reverenciado Mestre Martines, teria
traduzido exatamente seu próprio pensamento no ponto de iniciação: faz do homem que o
recebeu superior a seus irmãos na humanidade, mas Isso o isola, exige que ele esconda sob
sua capa a luz que ele usa, porque, imprudentemente descobriu, ameaça cegar o leigo 1. Se
tudo isso parece aceitável, talvez também possa encontrar uma indicação, por frágil que seja,
do modo como o grau de SI do Martinismo moderno pode ter sido transmitido ao fundador
deste, o médico Gérard Encausse (Papus). Diz-se que Henri Delaage, conhecido como o autor
de várias obras espiritualistas, quando sentiu que se aproximava da morte, Ele enviou para o
jovem médico que ele tinha detido como digno de receber o depósito inicial que ele queria
transmitir para ele. Este depósito consistiu em "duas letras e alguns pontos" 2. É óbvio que isso
só pode ser um sinal do grau SI Papus o chama "o resumo desta doutrina da iniciação e da
trindade que iluminou todas as obras de Delaage". Onde ele obteve os símbolos desta
iniciação? Papus sugere que Delaage não fez nenhum segredo para seus íntimos que era uma
iniciação "cuja tradição lhe tinha sido transmitida através de seu avô, o Sr. Chaptal (o Ministro),
que lhe tinha sido apresentado. até mesmo por St. Martin ". Estamos está sempre espantado, e
com razão, que o Filósofo Desconhecido pensou em distribuir este grau aos seus
discípulos. Agora, de acordo com o que expliquei em um capítulo anterior [118], a explicação,
ao que parece, se apresenta à mente: Saint-Martin transmitiu apenas o que ele havia recebido
regularmente de seu próprio mestre Martines. À primeira vista, pode parecer estranho que São
Martin deu seus discípulos, como sinal da iniciação recebida dele, o nome distintivo da
suprema dignidade dos membros do Tribunal Soberano da Ordem dos Eleitos Coens. Mas
quando se procura penetrar mais profundamente no que pode ter conduzido São Martinho,
uma explicação simples e plausível se apresenta. Na maioria das sociedades secretas, a
iniciação é realizada por graus. Para São Martinho, o assunto deve ter se apresentado de
maneira diferente: um possui a chave das coisas ocultas ou não a possui. Sabemos abrir a
porta interna da alma, através da qual nos comunicamos com as esferas do Espírito, ou esta
porta permanece fechada. Nessas alturas, sem condições, sem estados intermediários, existe
apenas uma alternativa. A iniciação confere a posse desta chave e poder naquela porta onde
prepara. É um e indiviso como o próprio Mistério da Unidade é todo ao se manifestar sob mil
diferentes aspectos. O Iniciado é Rei, no Reino do Espírito, Soberano Ignorado do Mundo do
Profano. Esse raciocínio poderia ter sido o de São Martin e teria decidido conferir aos
discípulos em vez de graus sucessivos, um título único e supremo ao mesmo tempo, o dos
Superiores Desconhecidos da Ordem [1], no qual ele próprio recebeu a iniciação. 1 2 [Nono
Arcanum do Tarot. PAPUS, Martinésismo, Willermosisme, Martinismo e Maçonaria. Paris,
Chamuel, 1899, p. 42, 43, 44, 45. 1] [No Volume II, o autor corrige: "P. 118. Linha 27:
Superiores desconhecidos da Ordem; acrescente: juízes supremos da ordem. ". Veja Errata do
Volume I, Volume II, p. 173. 67 Assim, a conexão indireta de Saint-Martin com Martinistas
modernos com Martines de Pasqually poderia ser concebida. [119] VI. - C ONCLUSÃO: M
ARTINES E SEU TRABALHO ANTES DA POSTERIDADE Tendo chegado ao final de nosso
rápido esboço histórico sobre Martines de Pasqually, surge um problema: Que julgamento
definitivo devemos ter sobre este homem enigmático, sua doutrina, sua teurgia, sua Ordem? 1.
Valor moral da Ordem dos Coes Eleitos Em primeiro lugar, há a questão do alcance da
atividade iniciática de Martines: sua Ordem dos Coes Eleitos, agora afundada em um
esquecimento quase absoluto, ele existiu em vão? A resposta do leitor dependerá de sua
própria atitude com o Mistério. Mas se alguém tem a vontade de considerar as coisas de forma
objetiva e imparcial, parece sem duvida que esta Ordem merece o respeito e a consideração
de cada mente que julgue com força. Durante a segunda metade do século XVIII, as ciências
exatas foram enriquecidas com um maravilhoso conhecimento na uma ordem natural e, em
parte, prejudicam as afirmações mais ou menos dogmáticas de que as religiões, emergindo do
domínio espiritual próprio delas, inadvertidamente se arriscaram a proferir na ordem temporal e
material. A isso deve-se acrescentar o estado de dissolução dos costumes do clero do tempo e
o enterro do espírito cristão original puro sob o formalismo e materialismo de uma adoração
degenerando em práticas supersticiosas. [120] Doravante, aqueles entre os homens para quem
a alimentação puramente intelectual não era suficiente, e cujo coração, como o espírito, - o
cume superior da inteligência - desejava ardentemente, embora com freqüência confundido, às
verdades de uma ordem superior e mais próxima do Mistério, teve que procurar refúgio nos
asilos onde ensinar doutrinas heterodoxas sobre os problemas do Espírito, do Mundo invisível
e do Absoluto. Assim, no declínio do século XVIII, os conflitos foram mais violentos e mais
profundos do que nunca entre a Fé, que não podia mais despertar nos Templos das religiões
conhecidas, e a Ciência, cujos triunfos conseguiram intoxicar a inteligência de o homem, mas
não para satisfazer seu excesso. Qualquer tentativa de elevar as almas às verdades esotéricas
constituiu uma verdadeira benção para a humanidade desorientada e ameaçada de
afundamento moral e espiritual. Martines de Pasqually não era um pensador profundo e
original, mas seu trabalho, embora cheio de lacunas e ilogicalidade, contém flashes de gênio,
visão e adepto. Além disso, Martines deu um alto ensino esotérico aos homens de desejo que
ele reuniu ao seu redor. Nesse sentido, não se pode negar que a Ordem dos "Coelhos Eleitos
do Universo" constituiu um grupo de homens animados pela maior
espiritualidade. Comparemos esta Ordem com os outros regimes maçônicos de seu tempo. É
certo que a alvenaria no século XVIII também marcou, se não em suas caixas azuis, pelo
menos em seus capítulos das notas superiores, chamados escoceses, aspirações tímidas para
uma metafísica teosófica e um esoterismo místico. Assim, na base do sistema Templário da
Estrita Observância, encontramos sentimentos artísticos e poéticos e que os Cavaleiros,
restauradores da Ordem do Templo, sonharam com combates românticos, armas
medievais, muralhas flanqueadas por torres e crenais, imaginando em miragens remotas um
Oriente reconquistado, onde, ao preço de uma servidão dura e aceita, o templo de Salomão
deveria ser reconstruído em uma Jerusalém mais uma vez cristão e o altar do Senhor
levantado em suas almas pecaminosas! Mas ao lado, o que preocupa a terra, que apetites
violentos por todas as recompensas materiais e aquela vulgar e gananciosa ganância pelo
ouro, se eles pensavam obtê-lo como produto de experimentos alquímicos, ou que Eles
esperavam de um lendário Pactole fluente em algum lugar do Oriente, ou que eles esperavam
vê-lo driblar os tesouros secretos do Grande Dominio Fantástico de Chipre. Compare, repito,
essa mistura problemática de valores sagrados e seculares, a o espírito e o propósito
puramente esotéricos dos sacerdotes escolhidos, os emuladores de Martines de Pasqually, e
devemos dar toda a razão ao Mestre que, longe da França, exausto e doente, estava cheio de
amargura até as profundezas de sua alma, aprendendo isso entre seus discípulos mais
elevados, alguns, especialmente Bacon e Willermoz, haviam renunciado a sua doutrina, para
colocar o ouropel de Teuton dos "Cavaleiros do Templo". Quão óbvio é isso, não só em
comparação com qualquer outro regime maçônico da época, mas simplesmente considerado
em si mesmo, a Ordem dos Coes eleitos chama e merece todo o respeito devido a uma
comunidade cujo objetivo alto e distante de qualquer lucro temporal ou terrestre só poderia ser
alcançado por longos e dolorosos esforços, sacrifícios reais e uma vontade séria, apoiada por
uma fé viva e um todo tenso em direção a um ideal puramente espiritual. Em toda a alvenaria
do tempo, um único sistema, por seu conteúdo esotérico, pode ser comparado ao regime de
Coen: é o das primeiras classes secretas do príncipe [122] Charles de Hesse, cujo propósito
pode ser resumido assim: A verdadeira alvenaria deve preparar o retorno de Cristo à Terra. O
sistema Carlist, como se chama na Alemanha, continha, ao lado de muitos dados
extravagantes, ensinamentos muito profundamente esotéricos. Darei apenas um exemplo: a
doutrina da Reencarnação de que o Príncipe Carlos de Hesse defendeu e propagou na Europa
um século antes da Sra. Blavatsky, cinquenta anos antes de Allan Kardec. Com a única
exceção do sistema Carlist, qual outro agrupamento esotérico do tempo pode ser colocado no
ponto de vista espiritualista na mesma posição que a Ordem de Martines? Notemos que vários
sistemas de importância desigual têm sido ramificações indiretas: os colégios das grandes
Profissões Willermosianas, o Martinismo de São Martinho, os Philalèthes e os Iluminados de
Avinhão. Uma última questão ainda surge. A Ordem dos Eleitos Coens pertence total e
exclusivamente ao passado e Martines abandonou sua missão nesta terra, na verdade não
possui nenhum vestígio de sua Ordem? Um seria tentado a acreditar se se leve em conta
apenas as aparências. De fato, se houver em nosso tempo muitos movimentos mais ou menos
espíritas e esotéricos em que mentes preocupadas possam se refugiar, insatisfeitos com os
cultos oficiais e o racionalismo materialista, esses movimentos não têm afiliação com Martines
de Pasqually. Faremos uma análise rápida. O espiritualismo original está em declínio. Outros
sistemas: as teosofias da Sra. Blavatsky e da Sra. Catherine Tingley, a antroposofia do Dr.
Steiner, o Rosecrucianismo do Sr. Heindel tem centenas de milhares de adeptos em todas as
partes do mundo. Nenhuma dessas correntes esotéricas tem sua origem na doutrina da
Reintegração. Nenhum deles se baseia em provas turcas, com exceção do espiritualismo. No
entanto, seu método passivo apenas se aproxima de uma analogia muito distante do método
evocativo do Réau-Croix. Quanto às filianções indiretas dos Coens: o Grande
Professo, aparentemente desapareceram. Contudo, tive a certeza de que o ranking teria sido
mantido, escondido e em um círculo muito restrito, e que ainda haveria algumas pessoas raras
no sudeste da França com direito a este título. Martinistas de Saint-Martin, sem vestígios. O
Martinismo de Papus e Bricaud não existe mais como dieta, mas esqueleticamente. É verdade,
no entanto, que milhares de pessoas ainda vivem espalhadas por todo o mundo e que o fogo
está ardendo sob as cinzas. Finalmente, de fato, de filiação direta, ainda haveria RéauCroix e
os capítulos de Élus Coens ainda funcionariam? Por mais incrível que pareça, fiquei
certo. Permaneceria, na verdade, herdeiros espirituais de Martines que praticariam hoje Suas
regras de vida seriam exercidas em suas cerimônias teúrgicas e se esforçam para obter das
principais entidades espirituais os sinais de sua reconciliação com o Criador. 2. Martines, o
homem, sua doutrina, sua teurgia a) O homem Parece-me que, entre todas as névoas móveis
do equívoco e a dúvida que envolvem e cobrem a personalidade de Martines, sua figura moral
começou a assertivo. Ele tinha muitos defeitos de caráter; Sua moralidade, no sentido burguês
e comum da palavra, talvez deixasse algo a desejar, mas é certo que ele não se submeteu ao
enorme e ingrato trabalho de formular uma doutrina mística em um trabalho considerável e de
fundação por si só uma Ordem iniciática, nem por um motivo leve, nem por um desejo de
ambição ou glória, nem pela esperança de uma vantagem de tempo ou ganho. Ele era um
espírito inspirado, iluminado e ardente, que lembrou que Willermoz escreveu que possuía
aquele fogo interior e aquela fé viva que superava todos os obstáculos. Não esqueçamos a
queixa de Grainville: liderada por um homem direito e zeloso, Martines teria surpreendido pelo
seu gosto e pela diligência no trabalho. Ainda assim, devemos nos surpreender com a
quantidade de energia tremenda que ele gastou em tão poucos anos. B) A Doutrina Teosófica
de Martines Esta doutrina, contida principalmente em seu Tratado, uma mistura estranha de
tradições cabalísticas e esoterismo cristão heterodoxo, está longe de ser exposta de forma a
torná-la facilmente acessível e compreensível. O Tratado carece absolutamente de ordem e
lógica; o estilo é muito confuso, Se, no entanto, pode-se falar de estilo; O raciocínio é muitas
vezes incompleto e os caminhos ensinados, sem saída. Sua leitura é sem esperança e nos
perdemos em todas as páginas. No entanto, qualquer leitor que seja um pouco de filosofia
mística deve sentir ao toque desse estranho trabalho a impressão agonizante de que, com esta
fraseologia, muitas vezes infantil e desajeitada, existem verdades ocultas de uma ordem
especial, indefinível e perturbadora. Pode-se dizer de Martines o que me escreveu um amigo
muito querido, um cristão místico e verdadeiro conhecedor de todos os esotérios: explorou um
setor particular das regiões espirituais. [125] c) A teurgia de Martines Para falar sem se divertir
com a magia evocativa, no pleno século XX, isso parece um anacronismo e um absurdo. É
necessário, em qualquer caso, examinar esta manifestação do oculto, ou considerada como tal,
partir de um ceticismo absoluto para admitir a origem transcendental desses fenômenos
somente depois de esgotar todas as explicações naturais e lógico. Qual foi o resultado das
práticas teatrais de Martines? Nas "Passes", isto é, na visão rápida de brilhos ou personagens
e hieróglifos de fogo, às vezes na audição de vozes. O aparecimento de fantasias completas
parece duvidoso: São Martin, que mostrou ao Barão de Gleichen os desenhos dos "Passes"
observados por ele, não fala disso, ele simplesmente afirma que, no que viu, " Os sinais do
Reparador (isto é, de Cristo) eram manifestos. Quais as explicações dessas visões que as
ciências naturais podem fornecer? Primeiro nos parece que essas foram ilusões artisticamente
produzidas por Martines, mas se é verdade que os fenômenos eram mais evidentes quando o
Mestre estava presente, não é menos verdade que eles aconteceram quando ele estava
ausente. Deve também notar-se que nenhum de seus contemporâneos já especulou sobre a
trapaça da parte de Martines. Pode-se também supor que Martines, ao invés de sugestões,
primeiro impôs essas visões a seus discípulos e que depois suas sugestões foram
reproduzidas independentemente do sugerente, como alucinações visuais tão convincentes
quanto as realidades. Poderia ter sido, mas, em todos os documentos relativos à teurgia de
Martines, absolutamente nada dá a impressão de que queria persuadir ou sugerir seus
discípulos, ou impô-los. [126] Uma terceira hipótese admitiria que eram simplesmente imagens
ópticas retina ou cerebral posthumous. Se alguém conserta por muito tempo um objeto
fortemente iluminado ou colorido ou uma figura e qual desvios o olhar, pode-se ver aparecer
durante um tempo variável, uma imagem da forma observada; isso é chamado de imagem
consecutiva. No caso das evocações de 71 Martines, não poderia ser um fenômeno fisiológico
tão simples, porque, se aqueles que realizavam essas invocações possuíam os desenhos dos
hieróglifos que se esperava perceber, A cerimônia mágica não permitiria que os oficiantes se
demorassem a consertar seus olhos nesses desenhos. Em qualquer caso, o ritual não o
prescreveu. Uma quarta hipótese seria baseada em descobertas recentes e hipóteses em
psicologia. O Dr. Jaensch de Munique mostrou que alguns seres humanos possuem,
excepcionalmente, a capacidade de evocar imagens claras e positivas de coisas que já
viram. Esta faculdade existe em germes em todos os homens, porque todos podemos pensar
em algo visto, evocando a visão, mas essas imagens são fracas e vagas e são vistas com
olhos fechados que se abrem. A forma altamente desenvolvida desta faculdade tem sido
chamada de eidetismo visual. Ela quase nunca se encontra em mulheres. O eidetismo acústico
ou auditivo parece ser mais raro. As visões teúrgicas descritas pelos Coens eleitos estão entre
os fenômenos do eidetismo? Eu não acredito nisso. A faculdade eidética é especialmente
encontrada em crianças. Em adultos, pouco foi observado. Além disso, há uma diferença
notável entre fenômenos eidéticos e "Passes". Estes, o nome sugere, eram visões rápidas, o
raio mal vislumbrado. Por outro lado, entre os eidetics, as imagens são lentamente formadas,
[127] completando como o sujeito fixa sua atenção para eles e eles permanecem flutuando na
frente dele por um tempo apreciável. Por isso, é muito duvidoso que os Passes fossem
fenômenos eidéticos. Esta última explicação fisiológica foi eliminada, devemos finalmente
considerar as visões mágicas da Ré-Croix do ponto de vista da tradição ocultista. Para quem
não é fundamentalmente hostil a qualquer coisa além dos hábitos diários da vida material, não
é tão difícil aceitar uma explicação esotérica. Nossa era é muito semelhante em alguns
aspectos àquela em que Martines de Pasqually morava. No momento presente, o racionalismo
científico e a fé mística ficam lado a lado em oposição irreconciliável. O Elus Coens executou
nos equinócios suas evocações de cirurgia enquanto a Enciclopédia foi publicada. Hoje, que a
evolução vertiginosa e rápida das ciências exatas permitiu que os homens alcançassem um
domínio incomparável sobre o assunto, pode-se pensar que a o ocultismo e o misticismo
devem ter desaparecido completamente, bem como cultos religiosos, e parece que o
julgamento de um homem como Martines não poderia ser expresso senão declarando-o
ilusionista ou ilusionista, um alucinador ou um alucinador. Não é assim. Com os métodos
emprestados das mesmas ciências exatas, cujos triunfos pareciam ter o efeito de eliminar
tendências ocultas, sem dúvida, a possibilidade de toda uma série de fatos extraordinários,
supernormais e paranatural, foi reconhecida. A leitura do pensamento, a telepatia espontânea
ou provocada, os fenômenos da mediunidade física (telecinesia) têm sido objeto de inúmeras
observações e estudos experimentais; eles resistiram a críticas objetivas. [128] Como
resultado, as operações do Mage de Bordeaux aparecem em uma luz muito diferente daquela
que parecia ser a conseqüência do progresso das ciências exatas. Se existe realmente o que o
Coens chamou com o Paracelso "o astral", isto é, um veículo extracorpóreo dos poderes do
Espírito, uma matéria "imaterial", um substrato invisível das Obras Mágicas, o "Passes" que
Martines fez um vislumbre de seu Réau-Croix cair na ordem dos fatos "metapsíquicos" cuja
possibilidade não pode ser desafiada. O próprio Martines já não nos parece aventureiro, um
criminoso, um simulador de milagres. Ao contrário, ele se apresenta ao nosso julgamento como
um daqueles homens excepcionais, dotados de um extraordinário dinamismo psíquico que, em
intervalos, ao longo dos séculos, surpreende a humanidade pela eminência de seus poderes
ocultos. 73 [129] D OCUMENTS I. Cartas de J.-B. Willermoz para Baron von Türkheim A
correspondência trocada pelo Barão Johannes von Türkheim (em Johannes Eques a Flumine)
de Estrasburgo e Jean-Baptiste Willermoz (no comando Baptista Eques ab Eremo) é quase
inteiramente inédito. Começou em 1811, após uma visita de Rudolph Salzmann de Estrasburgo
(em Rudolphus Eques ab Hedera) a Lyon. Ele foi preservado em original, apenas muito
fragmentariamente, no que resta dos arquivos de Willermoz, atualmente na posse de seus
descendentes laterais MM. Joseph e Édouard Willermoz. ME Dermenghem conseguiu publicar
duas cartas. Mas, felizmente, permanece em Darmstadt nos arquivos Grand-Ducal vários
documentos que contêm fragmentos importantes dessa correspondência. Na verdade, o Barão
Türkheim informou regularmente ao Príncipe cristão de Hesse-Darmstadt sobre sua
correspondência com as figuras mais proeminentes da Ordem da Estrita Observância; Um
importante lote dessas cartas, de uma escrita espiritual e fina, foi preservada pelo Príncipe
cristão e passou após a morte nos arquivos do Grande Ducal. Ele assim preservou extratos de
várias cartas de Willermoz e para outros, o resumo das passagens mais importantes. Eu vou
reproduzir o assunto que me preocupa neste estudo. 1. Extrato de uma carta inédita de
Willermoz a Türkheim (18 de junho de 1818) "No quinto (grau do sistema maçônico-místico de
Landgrave Charles de Hesse Cassel) que eu não conhecia na íntegra, a pedra de toque que
meu iniciador (Pasqualis) para o qual Eu mantenho meu coração e alma, me colocou em
minhas mãos para distinguir o ouro do cobre, se necessário, me fez saber esse dia um pouco
de cobre disfarçado e não pensei que eu tivesse que ir ainda mais. [130] 2. Trecho de uma
carta inédita de Willermoz em Türkheim (julho de 1821) Este extrato é citado em uma carta
datada de 10 de agosto de 1821 de Türkheim ao Príncipe Chrétien. (Arquivos do Grande Ducal
IV, 591.5, nº 141.) O Príncipe, por causa da importância desta passagem, copiou toda sua mão
em seu caderno: Colleclaneenband, p. 135-136. "Eu farei o que posso com o que lhe ofereci
para facilitar a compreensão do Tratado sobre a Reintegração dos Seres de Don Martines de
Pasqualis, com o qual você irá lidar. "Você me pergunta sobre ele se ele seja judeu, como você
tem certeza. Eu respondo não, ele não era e nunca foi. Como iniciado na alta ciência secreta
de Moisés, ele era um grande admirador das virtudes dos primeiros patriarcas judeus, mas
falou com desprezo dos líderes modernos desta nação, a quem ele considerava apenas cheio
de má fé. [1] [No Volume II, o autor corrige: "P. 129. Linha 18: após a morte; leia: após a morte
dele. ". Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. 74 "Suas inconsistências verbais e suas
imprudências causaram muita opressão e aborrecimento, mas ele estava cheio dessa fé viva
que os faz superar. Em seu ministério, ele conseguiu seu pai, um homem sábio, distinto e mais
prudente do que seu filho, tendo pouca fortuna e residindo na Espanha. "Ele colocou seu filho
Martines ainda jovem nos guardas da Valónia, onde ele teve uma discussão que provocou um
duelo no qual ele matou seu oponente; Era preciso fugir prontamente, e o pai apressou-se a
consagrar seu sucessor antes da partida. Depois de uma longa ausência, o pai, sentindo seu
fim se aproximando, imediatamente devolveu o filho e deu-lhe as últimas ordenações. "Eu só
conheci o filho em 1767 em Paris muito depois da morte do pai. Ele havia procurado a cruz de
St. Louis para seus dois irmãos mais novos, domiciliados em S. Domingue, que ele acabara de
obter. amizade [131] uma grande confiança que foi sustentada até sua morte. Ele prolongou
sua estadia em Paris por alguns meses para avançar mais rapidamente nas fileiras altas, e me
colocou na porta do último, reservado para ele sozinho como chefe. "Viúvo, sem filhos, voltou
para Bordéus para se casar com uma mulher virtuosa e dar-se um sucessor. Ele fez o último
solenemente batizado pelo pároco. Ao retornar da Igreja, ele se fechou sozinho com o filho e
quatro de seus amigos que estavam avançados no conhecimento, e fez com eles a primeira
consagração de seu filho, que foi notada e deu lugar a muitas observações contra ele. Eu tinha
sido avisado por ele e convidado com vários irmãos de altos níveis, embora ausente e distante,
para participar. - Algum tempo depois ele saiu para St. Domingo, onde ele morreu (em 1774)
avançou em idade. No momento da sua morte, ele criou 2.000 léguas a partir de lá uma
saudação de despedida para sua esposa envolvida em um trabalho de bordar e atravessando
(a câmara?) Em uma linha diagonal desde o nascer até o pôr-do-sol tão surpreendentemente
que Ela exclamou diante de várias testemunhas: "Ah, meu Deus, meu marido está morto! Feito
que foi verificado e confirmado. "Por muitos anos, a mãe deu atenção materna à educação de
seu filho e se casou novamente com um capitão de marcha. A revolução que ocorreu não me
permitiu saber o que aconteceu com o filho, e não sei se ele está morto ou vivo. - Aprendi de
outro jeito seguro (o sonaboro) que Don M. expulso no outro mundo, sofrendo por muitos anos
suas falhas e imprudências humanas e que ele foi recompensado por sua grande fé e elevou a
um alto grau de bem-aventurança, onde foi visto levando na boca o sinal respeitável que
caracteriza o sacerdócio e episcopado. Lá, meu amigo, o que se pode dizer do mais certo dos
judeus pretendidos, de quem você me fala, desse homem extraordinário a quem nunca conheci
um segundo. Você saberá das leituras do Tratado que muitas vezes o autor foi ditado e dirigido
por um agente invisível. [132] 1 M. Le Forestier fez perguntas sobre a minha oração para
estabelecer a identidade dos dois irmãos (irmãos de sangue: irmãos irmãos, irmãos maçônicos)
de Martines, para quem ele teria obtido em 1767 a cruz de St. Louis. Ele me escreve sobre
isso para não ter descoberto absolutamente nada que pudesse justificar a afirmação de
Martines: parece-lhe uma vangloria feita para deslumbrar Willermoz, pouco familiar provincial
com a vida parisiense. No período de paz que se seguiu à Guerra dos Sete Anos, o Rei
suspendeu todo o trabalho relacionado à Cruz de Saint-Louis. Havia apenas algumas
promoções individuais. Mas seguindo Mazas (História da Ordem Real e Militar de São Luís,
1860), os registros da Ordem de 1762 a 1781 contêm lacunas lamentáveis. Resta uma
pequena esperança de poder encontrar os cavaleiros desaparecidos nos números e controles
dos corpos e regimentos. 3. Resúmenes e trechos, copiados por Türkheim, de uma carta
dirigida a ele por Willermoz em 25 de março de 1822 (a) Resumo de Türkheim; Algumas
passagens "Quanto ao que dizia respeito a Pasqualy, ele sempre disse que, na qualidade de
Sovereign Raux estabelecido para a região, em que se entendeu toda a Europa, ele poderia
fazer e manter sucessivamente doze Rales, o que seria em sua dependência, e a quem ele
chamou de Emules; que, no entanto, não havia requisitado mais de doze anos, dos quais
Eremo conhecia particularmente oito, seis maiores do que ele, que ele havia anteriormente
escolhido um pouco mal (talvez entre outros Bacon of the Knighthood). sendo permitido por
muitas precipitações e considerações mais ou menos censuráveis, o que lhe deu muito
arrependimento, tendo sido obrigado a expulsá-los e excluí-los do trabalho sem retorno depois
de várias punições; que tal profanação não não se apagou neste mundo e que Pasqualy pagou
severamente e longamente no outro, mas que a misericórdia divina que desejava recompensar
sua grande fé e virtualidade o fez redimir parte da duração da penalidade incorrida pelo rigor e
a intensidade da sentença antes mesmo de elevá-la à felicidade suprema que lhe era
destinada, e que há muito desfrutava para o seu consolo. (De acordo com o relatório do
sonâmbido cujo irmão Falce afirma que não esqueceu seu catecismo.) Agora, escreve
Türkheim ao Príncipe Chrétien, ouça a última passagem da primeira folha: "De todos os Reais
Ele sabia particularmente que não havia vida esquerda, como era impossível para ele me
contar uma depois dele: ele até duvidava que o tempo presente fosse preparado para
isso. Mas que o Todo-Poderoso, cheio de amor e misericórdia, quando ele dará à luz as pedras
dos filhos de Abraão. Então venha instruções muito detalhadas sobre o único meio fecundo de
ler e compreender o Tratado sobre a Reintegração dos Seres. b) Cópia literal de outras
passagens da mesma carta: "O Tratado da Reintegração dos Seres é um obstáculo para a
multidão de leitores leves e frívolos que estão em toda parte há algum tempo, especialmente
na Alemanha [133] onde um accordo mais do que em outros países para julgar as coisas mais
graves pelo seu tamanho. O autor apenas pretendia seu trabalho para o Raux, ou para aqueles
que estavam mais prontos para se tornarem assim. A morte e a daqueles que tiveram cópias
alteraram o destino. Eles (= cópias) caíram em mãos estrangeiras e produziram muitos efeitos
tristes; um deles chegou até você. Deus queria ou permitiu, sabe como tirar proveito disso. Não
comece a ler que não pode segui-lo diariamente e é obrigado rigorosamente a segui-lo sem
interrupção; Se não depender de você, ainda demore dez anos, se necessário, para iniciá-
lo. Quando você fez uma primeira leitura inteira, comece um segundo imediatamente, sem
dificuldades demais ou obscuridades que você ainda não perfurou. Após esta segunda
leitura, Faça o mesmo um terço, e você reconhecerá um terço que você fez um bom trabalho
do seu trabalho e que o que você adquiriu por si mesmo permanecerá mais fortemente
impresso do que se você o tivesse recebido por explicações verbais. que sempre desaparecem
mais ou menos. Acima de tudo, é necessário questionar-se e examinar em que intenções você
se entrega a esse desejo e ao doloroso trabalho que o seguirá. Em breve você reconhecerá em
si mesmo um duplo motivo: no primeiro, o mais natural de todos, o de adquirir e aumentar suas
próprias instruções, mas não se deslocará nele um pouco dessa ansiosa curiosidade sobre um
espírito humano, que quer saber tudo, comparar tudo, julgar tudo de sua própria luz e assim
encobrir todo o fruto de sua pesquisa. - No segundo, o de ser capaz de torná-lo mais útil para
seus companheiros, o que é o mais louvável de todos em aparência, uma vez que retorna ao
exercício da caridade cristã, assim recomendado a todos. Mas se ele entrou em seu plano para
aplicá-lo a essa ou a essa pessoa, a sociedade, a localidade, cuidado com isso, porque muitas
vezes a auto-estima desliza insidiosamente por razões tão louváveis, altera a pureza, corrompe
tudo frutas. Reconheci, por causa de todos, concentrar-me sem escolha pessoal na multidão
de homens preparados pela Providência, que assim os preparará em relação a você quando
tiver chegado seu tempo. É na multidão disposta assim que o exercício dessa caridade cristã
assim recomendada será encontrado em sua plenitude e sem perigo. Coloque sua, antes de
começar sua primeira leitura, um plano regular [134], determinado para cada dia e bem
pensado, prevendo os obstáculos acidentais ou diários que podem surgir, uma regra fixa, mas
livre durante sua duração, o que você não se permitirá Você reservou para que cada dia tenha
seu tempo dedicado a esta leitura até o final do Tratado. Delicie-se com todo o seu coração e
com toda a atenção que sua mente poderá fazer repelindo todas as distrações. Eu distingo
aqui a mente e o coração porque são dois poderes ou faculdades intelectuais que não devem
ser confundidas. A mente vê, concebe, faz razões, compõe, discute e julga tudo o que é
submetido a ele. O coração sente, adota ou rejeita e não discute; é por isso que não Nunca
estive longe de pensar aquele homem primitivo por causa da vida, que não precisava de sexo
reprodutor de sua natureza, já que ele ainda não havia sido condenado, nem ele nem a sua
própria incorporação material. que agora faz o seu tormento e castigo, tinha duas faculdades
intelectuais inerentes ao seu ser, que eram realmente os dois sexos figurativos unidos em sua
pessoa, mencionados em Gênesis, cujos tradutores e intérpretes encarnavam tão
completamente as expressões em os seguintes capítulos, que é quase impossível conhecer
verdades fundamentais. Pois pela inteligência cujo assento necessariamente reside na cabeça,
ele poderia, como ainda pode, conhecer e adorar seu criador, e pela sensibilidade que está
nele, o órgão da amor, e cujo assento está no coração, ele poderia amá-lo e servi-lo, o que
completou a adoração, o amor e a gratidão que ele lhe devia no espírito e na verdade. 4. Carta
de Willermoz a Türkheim, 12 de agosto de 1821. Excertos desta carta podem ser encontrados
na correspondência de Türkheim ao Príncipe Chrétien. Além disso, o Sr. Dermenghem
encontrou o rascunho completo entre os papéis da família Willermoz. Eu só informo aqui as
passagens interessantes do meu assunto: "Eu volto com você no artigo de Pasqualy e seu
manuscrito sobre o qual você fez tantas histórias, como no trabalho de São Martinho que é, diz:
um, literalmente, puxado para fora dos Parthians, e quem sai dele quando eu o deixei. Conheci
muito bem o Sr. Kuhn, de Estrasburgo: Ele era então um homem curioso e ansioso para quem
eu não tinha muita confiança. Qualquer que seja a suposta origem caldeia, [135] árabe,
espanhola ou francesa que desejemos dar ao Tratado de Reintegração de Pascualy, posso
dizer que eu já vi começar em França e em mau francês por si só. e este trabalho ainda era
melhor visto e seguido pelos meus amigos íntimos, o Chevalier de Grainville, o tenente-coronel
do Regimento Foix e o Sr. de Champoleon, então capitão dos Grenadiers do mesmo
regimento, que passariam todos os seus nos arredores de inverno com ele e embarcaram em
sua casa por seis meses para trabalhar sob ele e corrigir falhas de estilo e ortografia em cada
folha, como ele desenhou. Eles então tomaram a dificuldade de copiar para mim pequenos
cadernos que eles me enviaram depois que ele os aprovou, porque ele muitas vezes os
criticava em certas palavras que consideravam mais francesas e ele os arranhava sob seus
olhos como contrários no sentido que ele queria expressar. Estes são os fatos dos quais tenho
certeza. Desenhe as conseqüências que você considera apropriadas. "Sr. de Saint-Martin, um
oficial no mesmo regimento onde o Due de Choiseul, o vizinho de seu pai, o colocou, recebeu
nas altas filas da Ordem, muito depois desses dois senhores e dois anos Depois de mim,
geralmente detinha o mesmo passo, e estabeleceu o residente de Pasqualy durante todo o
horário de inverno que ele não estava dando a seu pai. Tendo deixado o serviço com a culpa
de seu pai e do Sr. de Choiseul, ele veio a Lyon e veio morar comigo, que estava morando nos
Brottals, onde compôs seu livro sobre Erros e Verdades. Ele teria gostado de dizer muitas
coisas importantes, mas obrigado como eu e os outros por compromissos secretos, ele não
podia. Desesperando por não poder ir por este trabalho tão útil como desejava, ele o misturou
e divertiu pelo tom de mistério que reinava lá. Eu não queria tomar parte nele. Dois dos meus
amigos e principais discípulos literários finalmente o persuadiram a refazer seu trabalho. Ele
fez isso de novo com eles diante de meus olhos como você o conhece. Com o alto
conhecimento que adquiriu da Pasqualy, ele acrescentou especulativos que lhe eram
pessoais. É por isso que tudo não é alto e há algumas misturas; É também assim que este
trabalho veio dos partos! Risum teneatis! [136] II. - Excertos e resumos de cartas não
publicadas de Raimond. Essas cartas foram enviadas por Raimond (em ordines Eques a
Garba) ex-Grande Mestre dos Postes em Besançon, vice-presidente da Academia de
Besançon, etc., ao Príncipe cristão de Hesse -Darmstadt (em ordine Christianus Eques em
Cedro Libani); 1) Extrair. "Besançon, 9 de dezembro de 1817." SENIISSIME E
REVERENDISSIME FRÈRE "O amado Irmão Flumine informou-me que sua Alteza teve o
projeto de formar um depósito que interessa a ciência divina ... este amado Irmão me fez
esperança que VA não desprezaria a homenagem que eu tomo a liberdade de oferecer-lhe
alguns manuscritos raros. 78 2) Resumo. "Besancon, 25 de março de 1818. "Em Garba
promete enviar um novo manuscrito em breve, que conterá, entre outros, a Sra. Des E (leia
(Coens) [1], que ele espera encontrar em Paris e na Bretanha." 3) Resumo. "Besançon, 26 de
maio de 1818." Em Garba reitera a promessa feita à Sra. Elus Coens, mas ele pede dinheiro,
porque ele tem que copiar tudo com sua própria mão e o comprimento do texto é
considerável. 4) Extrair. "Besancon, 13 de março de 1819." O Sr. de Joux, ministro da Igreja de
Genebra, agora em Londres, disse-me, 8 ou 9 anos atrás, que era dono de todos os
manuscritos de Paschalis. Vou escrever para ele ter o catálogo. No entanto, estou certo de
acreditar que ele (M. de P.) não deixou nada na nova Aliança, que seus conhecimentos eram
mais particularmente para as cabalas judaicas, das quais há razões para se cautelar, bem
como de algumas operações, ainda mais perigosas do que curiosas, que formam a base e a
doutrina dos Elects Coens. [137] 5) Extrair. "Besancon, 30 de julho de 1825." Há um ano
perdemos nosso patriarca Ab Eremo. Ele deixou todos os seus manuscritos e todos os da
Ordem para o Sr. Joseph Antoine Pont, um comerciante em Lyon (para Ponte Alto). É com ele
que se deve corresponder para o resto dos assuntos da Ordem e, se o Ser. O Grande Mestre
para Leone re-emerge em alguns pedidos a serem feitos em relação a ele, é para ele que ele
pode se dirigir a si mesmo. As províncias francesas estão em um estado de crueldade
absoluta, e do que Frangipo Alto me escreveu há alguns meses atrás, Parece que ele está
muito disposto a comunicar aos Chefes a pedido deles, o depósito que lhe foi confiado. III. -
Letras do Major C.-F. de Meyer [1] As cartas do Major C.-F. de Meyer (na Ordem Christianus
Eques a Falce Saturni) são dirigidas ao Príncipe Cristão de Hesse-Darmstadt e estão nos
arquivos Grand-ducal, IV, 591,1. [1] [[No Volume II, o autor corrige: "P. 136. Na carta de
Besançon, 25 de março de 1818: a Sra. Des E (leia (Coens), leia: a Sra. Des E ( leia) C (oens).
"Veja Errata do Volume I, Volume II, pp. 173. 1] [No Volume II, o autor corrige:" P. 137. CF de
Meyer, leia: o CD de Meyer. Ver Errata do Volume I, Volume II, pp. 173. 79 1)
Extrair. "Frankfurt, 11 de outubro de 1813." Na carta, ele (Salzmann) acabou de me escrever,
ele me fala sobre a viagem que ele fez em Lyon e Willermoz, que aos 84 anos ainda está
fazendo muito bem, e quem, entre outros, quer ouvir o príncipe Carlos de Hesse, cunhado para
o que ele supõe o rei da Dinamarca e que estava no Congresso de Wilhelmsbad. 2)
Extrair. "Frankfurt, 1 de janeiro de 1817." ... Aguardo por ele (para o Príncipe Chrétien) para
compartilhar o que meu amigo meu que acabara de ver Villarmoz em Lyon me contou e quem
falou com este homem de 86 anos sobre sonâmbulos e Martinez Pasqualis. 3)
Extrair. "Frankfurt, 19 de abril de 1817." ... Molitor estava preocupado apenas com o estudo do
hebraico e da cabala, e ele se convencera de que a doutrina dos Martinistas, em grande parte,
pelo menos, tinha tirado dessa última ciência. [138] 4) Extrair. "Frankfurt, 3 de maio de
1817. "(Molitor disse isso a ele)" Hirschfeld decidiu restaurar a Ordem dos Irmãos da Ásia. Os
manuscritos que ele possui devem ser muito interessantes, mas ele não mostra para
ninguém. Os manuscritos de Pasqualis devem ter sido originalmente escritos em árabe pelo
autor Al Rachath, depois traduzidos em caldeus por Rachpah e novamente traduzidos para o
espanhol e, finalmente, para o francês. Hirschfeld alega que pelo menos alguns deles são os
mesmos que Martines Pasqualis comunicou aos seus seguidores, mas que seu povo é mais
correto do que aqueles e que no ano de 1790-1791 até Estrasburgo ele teve provado em St.
Martin. 5) Resumo. "Frankfurt, 1 de março de 1818." Franz von Baader acredita ter certeza de
possuir a Sra. Martinez P .; ele pede ao Príncipe Chrétien que lhe empreste sua cópia do
Tratado de Reintegração. Mas o Major de Meyer pensa que não será muito útil para ele,
porque essa Sra. Deve ter perdido muito como resultado de sua tradução sucessiva do árabe
para o Caldeu, depois para o espanhol e, finalmente, para o francês! IV. - Excertos do caderno
autógrafo do Príncipe cristão de Hesse-Darmstadt 80 1. Os sucessores de Pasqually "Die
folgenden Nachrichten waren von mir (a Cedro) den 21 Januar 1782 geschrieben. "Die Sekte
des Martinismus, welche bey dem National Convent zu Lyon (der den 10. dezembro 1778
geschlossen worden) erschienen, ist von einem Don Martinez de Pasqualis gestiftet. Sie soll
einen ganz anderen Zweck als die Freymaurerey haben. Durch eine Unüberlegung aber eines
ihrer Chiefs (escrito a lápis na margem: Bacon of the Knighthood) dahin gegeben
worden. Pasqualis gab vor, er hätte diese Geheimnisse aus dem Orient bekommen, es é aber
zu vermuten, dass er sie na África erhalten habe. [139] "Nachdem er eine Reise vorhatte,
erwählte er zu seinem Nachfolger einen Namens Bacon of the Knights e Unter ihm noch fünf
andere Vorsteher. 1. St. Martin, welcher durch das Buch de Erros e Verdade merkwürdig
worden ist, er lebt em Paris bey einer. Marquise de la Croix von welcher e sehr mishandelt wird,
aber um seine Pension vom König in den Sack zu stecken leidet er alles gegersam. 2.
Willermoz ist der andere welcher ein gutes Haupt em Lion chapéu, der sich aber Tag und Nacht
quält hum mehrere zu erhalten Einkünfte, INDEM er keine Dorten Verwandten chapéu mehr
und keiner ist von den wohlfeilen Kaufleuten. Zudem hat einen sehr despotischen Geist, Doch
aber sehr strenge Tugenden. Er hat diese Secte in der Freimaurerey eingeführt und dadurch
den wahren Ursprung verdunkelt. 3. Desert oder Deserre, oficial de artilharia von der ist der
dritte, lebt sich vor und weil er mit seinem Bruder em jungere Jahre kleine Zwistigkeiten gehabt,
então giebt st lieber dentro Vermögen ano als Fremde den Kindern von seinem Bruder. 4. Do
rei do Aries ist der vierte, derselbige, sagt man, habe vom 100, Zehn Procent genommen, doch
ist es aber nicht ganz bewiesen, sonst lebt er ordentlich und immer freudig und munter. Er giebt
vieles an die Arme, und ohne schwermutig heilig zu sein, ist er von gründlicher Frömmigkeit. 5.
Der fünfte ist mir nicht genügsam bekannt um von ihm etwas sagen zu können. (Lusignan
Vermutlich) 1. "Diese fünf wollen den Bacon of the Knighthood nicht vor ihrem Oberhaupt
erkennen indem er noch sehr unbeständig in den wahren Lebensregeln ist. "Der Sohn des
Pasqualis é um ohngefähr in seinem fünfzehnten Jahr und wird auferzogen um einst der
Nachfolger seines Vaters zu werden. Der Abbé ... Welcher von der Lodge Amigos reuniu
pensionista wird, ist sein Institutor. Esta nota foi posteriormente resumida em francês pelo
príncipe Chrétien e comunicada ao senador W.-F. Metzler em Frankfurt (em Eques a Rosa
rubra). Aqui está o texto! [140] "Numa conferência que tivei com o Marquês de Chef de Bien em
Estrasburgo, em janeiro de 1782, aprendi que Don Martinez Pasquali era o líder desta seita,
que tinha um propósito muito diferente do que o Maçonaria e que foi inserido pela
inconsideração de um dos líderes desta seita. Pasquali fingiu que seu conhecimento veio do
Oriente, mas que ele estava em um ponto no tempo. 83. 81 assumir que os havia recebido da
África. Antes de deixar a França, Pasquali instituiu para o seu sucessor Bacon de la Chevalerie
e, sob ele, cinco superiores: 1. São Martin, autor do livro de E. e l. V. Willermoz, negociante de
Lyons, teria uma mente despótica, mas de uma vigorosa virtude. 3. Deserre, oficial de
artilharia. 4. Do Rei do Exterior, ele é honesto, feliz e feliz, dá muito aos pobres, e sem ter uma
devoção melancólica, ele é conscienciosamente religioso. 5. Lusignan. "Esses cinco superiores
não queriam reconhecer Bacon de la Chevalerie para seu líder, encontrando-o inconsistente
em sua conduta. O filho de Pasquali tinha então cerca de 15 anos e teve que ter sucesso em
seu pai um dia; Um abade aposentado pelo Lodge dos Amigos de Paris é o professor dele. 2. A
progressão das fileiras da Ordem de Eleições de Coes Progressão de gravações recompensa
simbólica. Companheiro simbólico ou mestre privado do alpendre. Mestre Privado no primeiro
grau da Ordem. Grand Master ou Grand Elect sob a grande banda
negra. ........................................................................................ Coen ou Strong Marcado 1 ou
Aprendiz Escocês. Companheiro Coen ou Double Strong Marcado, ou Scots
Companion. Mestre Coen ou triplo marcado forte, ou Mestre escocês,
.......................................................................................... Ótimo arquiteto. [141] Cavaleiro
oriental. Grande Comandante do Oriente. Reaux V. - Excerto de uma carta de E.-F.-H. Falcke
Esta carta foi enviada por E.-F.-H. Falcke (em Eques a Rostro) em Mund em Frankfurt-on-the-
Mein; está escrito no meio do texto em alemão no ano 1779. "Martinez Pasqualis, ein Spanier
morrerá Geheimnisse besitzen als ein Familiengut welcher seit Jahren 300 Bey seiner Familie
em Espanha sey, und sie der Bey Inquisição warunter morrer Vorfahren von ihm gewesen,
erhalten. "Er hat vor Geld unterrichtet, doch foi er davon des Morgens eingenommen, Abends
mit Mädchen verzehrt. ; var liederlich. "Sein deputierter Meister (Bacon of) Chivalry. Dieser hat
die Verbindung nachher verlassen. Er verführte einen seiner Brüder mit ihm einen Bordell einen
Ehebruch zu begehen. Guerra Pasqualis em Bordeaux und schrieb ihm, er würde 14 Monate
krank werden; es geschah; kein Arzt werde ihn helfen können; es 1 As marcas são os toques
mágicos que acompanharam a iniciação. 82 geschah; und er verliess hierauf die
Verbindung. Ehebruch und Todschlag sind ihm (dh Pasqualis) höchste Sünden. Tradução
inglesa: "Martinez Pasqualis, um espanhol, afirma possuir conhecimentos secretos como
legado de sua família, que vive na Espanha e os possui por mais de 300 anos. Ela os teria
adquirido da Inquisição, com a qual seus antepassados teriam servido. Ele ensinou por
dinheiro, mas o que ele ganhou pela manhã ele passou as noites com as meninas; ele era
licencioso. "Seu Mestre delegado é o Cavalheirismo (de Bacon). Mais tarde, abandonou a
empresa. Ele já levou um de seus irmãos a cometer adultério com ele em uma casa de
tolerância. Pasqualis, que estava então em Bordéus, escreveu-lhe que ficaria doente por 14
meses, o que aconteceu; que nenhum médico poderia aliviá-lo: isso também era verdade; Após
esse caso, Bacon abandonou a sociedade. "O adultério e o homicídio são para ele (ou seja,
para Pasquali) os pecados mais sérios. [142] VI. - De uma carta de Rudolph Salzmann Esta
carta foi enviada por Rudolph Salzmann (Rudolphus Eques ab Hedera) a Türkheim. É datado
de Estrasburgo, 16 de fevereiro de 1817: "Para obter o que você parece desejar, seria
necessário fazer a viagem a Lyon, enquanto ainda há tempo. É verdade que obtive as
comunicações. Recebi alguns na minha última viagem de Lyon; mas não tenho o poder de
conferir classificações; Eu teria e eu não faria não o usaria. Não é que eu faça muitos
casos. Mas eu não acho indispensável. Conheço irmãos mais afastados e mais ignorantes do
que eu. A ciência divina tem um curso completamente diferente do que as ciências
humanas; Isso atua no interior e através do segredo e de todos os caminhos espirituais. Os
homens só podem ser instrumentos passivos. Eles não podem dar a inteligência que vem de
uma fonte divina. Esta força divina age como deseja e produz vários efeitos. São Paulo nos diz
em várias passagens de suas cartas; alguns são apóstolos, ele diz, os outros profetas, outros
têm o dom de explicar os profetas, ensinar, realizar milagres, falar línguas desconhecidas,
etc. No entanto, é o mesmo espírito que age, e onde o espírito divino não age, toda instrução
humana continua infrutífera. VII. - Carta de Joseph-Antoine Pont Esta carta é endereçada por
J.-A. Pont (em órbita Josephus Eques a Ponte alto) Grand Professed, ao Pr J.-F. Molitor (na
Ordem Franciscus Eques a Lingua Sancta). É datado de Lyons, 7 de setembro de 1829:
"Lyons, 7 de setembro de 1829." M. e. TC fr., "Acredito em responder à carta muito agradável
que me foi dirigida pelo TC e pela R. fa Lingua sancta no dia 14 de agosto, que recebo no
momento. 83 "Os Tratados que devem seguir o da (Reintegração) não ocorreram, ou não
apareceram, ou permaneceram desconhecidos para o Eremo. Ele não conhecia o momento da
morte de M. (artinez) P. (assim como). Ele só sabia que ele iria embarcar para a Europa,
ele Muitas vezes ele expressou o arrependimento que ele sentiu ao não saber o que tinha sido
de seu filho; Todas as suas pesquisas foram inúteis. Ele estava convencido de que assim
que. berço, o pai lhe deu uma unção misteriosa e o preparou para receber sua capa. "Após o
nascimento da criança, ele se fechou com ele e ficou assim por três horas, o que deu origem a
vários ruídos e contos. Foi dito que ele o circuncidou, etc. Dê por certo, portanto, estas duas
coisas. 1. Que nada chegou ao conhecimento de Ab Eremo desde o Tratado da Revelação. 2.
Que nosso amigo não conhecesse o destino de seu mestre e o da criança. ele tinha
deixado. "O padre Fournier, que morreu em Londres há um ano ou dois ou três anos, que se
chamou o sucessor do Sr. e parece-me ter sido um ser extraordinário ter que saber mais do
que nosso amigo. O Sr. de Vaucrose, que viu o Sr. Fournier em Londres, o Sr. de Divonne,
amigo da França, que disse que era um discípulo de Fournier, talvez pudesse dizer
mais. Nosso amigo, que tinha visto o padre Fournier um grande negócio com MP, e que viu
apenas um bom homem, nosso amigo, sorriu ironicamente quando falamos de Fournier como
um homem distinto, comoEle é o sucessor do MP e ele disse que o MP o considerava um
triturador de cor. "Quanto ao Sr. de St.-M. Gostaria de acrescentar pouca credibilidade ao que
ele poderia dizer em tal ou ato, porque ele não estava muito resolvido em suas opiniões. Ele riu
por um longo tempo sobre tudo o que foi ocupado pelo O. No entanto, ab Eremo o iniciou, e por
um tempo ele foi o zeloso defensor. Ele recebeu do MP ou de nosso amigo o grau de Cohen ou
Raux, e por um longo tempo ele trabalhou com mais ou menos sucesso. Nos últimos dias, ele
parecia ter muito pouco respeito por tudo isso, e especialmente por muitos de seus escritos,
que, com exceção do Tableau Naturelle, não agradam muito nosso amigo. Estou convencido
de que ele não conhecia mais nada sobre MP do que nosso amigo tardio, com quem ele
sempre esteve vinculado. Quanto a mim, eu não tiveram mais contato com ele desde a morte
da Sra. P (rovinc) al e mesmo antes de sua morte. Estava sozinha, que formara e apoiava
nossa correspondência; foi de curta duração. "Um sieur Gilbert, amigo íntimo de St. M (artin)
que ainda mora em Paris (no Dubran Street of the Marshes of the Temple No. 17) e que está
em contato com alguns dos meus amigos, Ele não sabe mais do que nós sobre a doutrina [144]
da qual ele gosta muito, mas como um pesquisador de coisas e meios extraordinários para
operar ... Tudo, na minha opinião, tão vaidoso como perigoso e, eu ouso Bem, dizer isso,
inferior à fé verdadeira, a esta fé, não só ao filho, mas a fé (s) do filho, infelizmente,
esquecemos que tudo o que chamamos, ou criamos visível e saississable já não representa
que é domínio celestial. Nada no tempo e na matéria pode nos representar. Então, Paulo fica
em silêncio depois de ter esgotado as expressões de sua admiração: nenhuma língua pode
dizer isso, não há entendimento, ele diz e ele não sabe se o corpo dele estava lá. "O tempo de
visão não é o da fé, mas o último pode ser o da felicidade. Beati que não é obvio credunt,
quando a estação dos enigmas da escuridão será passada, no lúmen do lúmen vazio, mas
agora tudo está sob o véu. Ah, TC f. não deseja que este véu tutelar seja levantado! Este 1
Aqui da Ponte provavelmente está em erro. Chegará o momento, mas confiem em Deus e nos
sujeitamos no lugar do servo que segura os olhos nas mãos do seu Mestre e está pronto para
obedecer. "Sua carta me consola na medida em que me dá a garantia de sua amizade
fraterna. Quam bonum fratres esse in unum. "Receba todos, eu receio, a garantia da minha
reciprocidade sincera, do meu desejo de me unir a todos no fundo íntimo onde não vemos
gota, mas onde é o Reino de Deus; Onde está todo germe de vida, ressurreição, santificação
por JSC, nosso Senhor, por quem só a salvação pode estar em nós e através de quem ele é e
será para sempre. "Seu amigo e irmão carinhoso", "" "bem como para todos os nn RR ff 24 6
de agosto 7 de outubro de 1829 em Ponte Alto. Não leio ou falo alemão. Rue bast de dinheiro,
mas meu nome é suficiente. Endereço. Sr. Molitor, com o cuidado obrigatório do senador JF de
Meyer. "Frankfurt s / M. VIII. - Letras de Grainville para Willermoz A maioria dessas cartas
foram mantidas na família Willermoz, e agora são alojados na Biblioteca da Cidade de Lyon,
Sra. 5425. Três outras cartas se desviaram da coleção: o primeiro, 13 de junho de 1768, é
[145] nos arquivos do falecido Sr. Bréghot de Lut no castelo de Confolin; O segundo, datado de
19 de fevereiro de 1769, foi publicado por Papus (Martinez de Pasqually, pp. 172-173), o
terceiro, 1 de junho de 1769, foi reproduzido no Voile d'Isis, maio de 1934, p. 202-205. Não sei
como a redação deste periódico entrou em posse desta carta. 1. "......? 13 de junho de 1768.
"Em nome do Grande Arquiteto do Universo Amém. "O ano Maç. 333. 2448. 45. 3728. 1768, 13
de junho. "Joye Peace and Blessing". "Eu tive a vantagem de receber a apresentação que
R. Mademoiselle de la Chevalerie fez você de 11 a 12, mas pense em quem era. Bem-vindo ao
nome da GA conhecer bem toda a grandeza e a majestade do seu novo Estado,
independentemente dos motivos do pequeno sucesso que teve sua primeira operação, não
estão menos convencidos do que nem nós nem você por nós mesmos não pode fazer nada
sem a ajuda de quem nos dirige e nos ajuda. Às vezes ele nos avisa de graça, mas ele sempre
responde nossos desejos, nosso zelo, nossa fidelidade, nossa sinceridade, encontrando mais
cedo ou mais tarde sua recompensa, nunca deixa ir e você será feliz. "Mantenha-se, ch. O que
você foi confiado não se surpreenda com os cauces indecifráveis que você percebe em tudo
isso, que seja gerenciado pouco a pouco. "A R. Me Champollon em breve estará no Leão ou
nos arredores, ele irá vê-lo e satisfazê-lo em muitas coisas. 85 "Lamento sempre que eu não
concorde com R. M e de la Chevalerie sobre os estabelecimentos que ele propõe, acho que
devemos pensar em educar-nos bem antes de pensar em educar ninguém, apesar de toda a
nossa prudência e de todos os nossos cuidados, é muito provável que se exponha ao
inquisitivo, ao fraco ou ao perverso, mais você será educado, c. mestre e você concordará com
os meus motivos. "Eu ficarei muito lisonjeado, ch. Mestre, para ter um negócio de cartas com
você, me dê eu imploro seu nome batismal. "Preste atenção às cerimônias da Igreja de São
João e ao que você verá na própria Igreja, você reconhecerá [146] algo a ser mais
satisfeito. Vá em frente com R. M e de Champollon, que me contou muito sobre isso. "Eu te
saúdo. A. Mestre pelos números M ... de nós conhecidos e reze o GA para mantê-lo e
fortalecê-lo. Amém "paz esteja conosco", GRAINVILLE R "" Tivemos um templo no Regimento,
deixamos as pedras sair imperceptivelmente e não as substituímos. Concluímos que quase
não encontraríamos lá, atualmente, três pedras juntas de mais de 25 que nós éramos. Acredite,
tente diferir pelo menos. 2. "Carta de Bordéus, 15 de dezembro de 1768." Em nome do Grande
Arquiteto do universo "Au Grand Orient do Soberano em Bordéus. "Mason ano 333 do mundo
45 do renascimento das virtudes 2448 da era hebraica 5728 do vulgar estilo christ 1768. 15 de
dezembro. (nota do Recibo na 24ª mão de Respondido 26) Willermoz) Enviou a carta do
Pe. Duguers. "THTP e T. S e. Mestre: "Fiquei realmente surpreso sem me queixar de não ouvir
de você novamente, duvidando que mais negócios, doenças ou qualquer outra causa que não
esteja prevista é suficiente para parar o melhor vai. Fiquei encantado de receber sua carta, e
sinto muito pelo motivo que me fez esperar tanto tempo. "Pe. Duguers me avisou que estava
escrevendo para todos os R para desabusá-los em nome do DM e fez tudo o que pôde para
me separar de mim; ele não conseguiu ter sucesso, ele está bravo comigo, e estou muito
feliz; ele também escreveu em Paris, não sei o que ele terá feito, nem o homem nem
eu recebendo novos por um longo período de tempo. Imagino que o T. S e não é mais que um
ser de razão, um nome no ar, é lá pelo menos o que eu auvo de seu silêncio [147] não só para
comigo ou eu, em particular, e para os outros, minhas ausências como nós, mas mesmo para
aqueles que, com a aprovação de Mim e os meus, pedem-lhes constituições e para as quais
não respondem. Então, decidiremos nos entregar as constituições que nos trazem. "Joye, Paz
e Bênção para aquele que me ouve, amém são convidados assim que definitivamente
organizamos um bom simbolismo bem seguido e bem explicado e tudo na melhor ordem
possível. O Eu está totalmente determinado a não dar qualquer outra coisa, eu sempre fui
dessa opinião e eu havia trazido de volta o Me de la Chevalerie. Eu me tornei muito mais forte
neste sentimento desde que eu vi aqui o que queríamos envolver o Eu para tornar público. "É
uma sorte que a Irmã Duguers tenha distorcido tanto esse trabalho que não pode ser usado e
que ele deveria ser refeito na íntegra, o que exigiria um ano de trabalho e, além disso, esse tipo
é muito claro, Ele gosta muito de qualquer outra coisa e não é realmente tão satisfatório quanto
o simbolo real. Eu não acho que o Mes de Paris pode nos enviar qualquer coisa, eles só têm os
originais do Eu que são muito imperfeitos e, portanto, insatisfatórios. "Não tenho dúvidas de
que o Eu mesmo não o envia ou me envia o que você precisa para você e para a conduta
de um templo se você tiver assuntos suficientes, mas você tem que esperar até que tudo esteja
em ordem e nós trabalhamos nisso todos os dias. Eu acho que você pensa que é melhor dar
tudo de uma vez do que em farrapos, o livro está mais relacionado. "Para voltar a Irmã
Duguers, ele é excluído dos nossos círculos e só estamos à espera das queixas daqueles a
quem ele procurou impor para tornar sua convicção pública. Nós suspeitamos que ele fez
várias recepções secretas mesmo no grau de R. Quanto às suas imputações contra o
soberano, ela é tão infantil que uma criança os criaria e não merecem uma refutação
aqui. Estou muito encantado, T. Se. Eu, você não se deixou ganhar por ele; Certifique-se de
que mesmo se o Me tivesse todas as torções possíveis, Quando eu mesmo, que fala assim, eu
vou confundir com ele, tenho certeza ", disse eu," que o assunto permanece não menos. Nós
informamos que o Diretor Re Me de St. Martin, Regt acaba de ser recebido comandante do
Oriente por nós, ele o cumprimenta. "Saudamos você com todos os números m. de nós
conhecidos, recomendando-lhe a Bondade e a guarda do Grande [148] Arquiteto do Universo e
nos recomendando seus perfumes. Amém. "A paz esteja com você. "GRAINVILLE R. (A carta é
contorneada por Don Martines de Pasqually, Grande Superior, a assinatura é seguida de sua
assinatura). 3. Carta datada de Libourne, 19 de fevereiro de 1769, reproduzida por
Papus. "Martinez de Pasqually" (I liminismo na França) p. 172-173: "Eu faço você parte
TP Recebemos do Tribunal Soberano a constituição para o templo de Libourne. Os informarei
quando os entregarmos para informá-lo sobre o estabelecimento deles, para que você os
reconheça como seguidores particulares. "PS - - Estou trabalhando com o PM Substitute para
resolver as coisas para que a Ordem finalmente consiga uma consistência. Porque não basta
fazer estabelecimentos, você precisa dar instruções etc ...! Tão zelosos como nós somos cada
um em particular para o bem da Ordem, eu duvido que qualquer um de nós possa instruir
qualquer um. Portanto, é absolutamente necessário que DM vá para Paris e que lá, sob os
olhos do TS, ele primeiro trabalha em um link simbólico como é necessário para a satisfação
de todos, e que este trabalho acabado ele pensa da instrução dos novos e antigos R's. Este
transplante de DM e sua esposa não pode ser feito sem adiantamentos do TS - Don M. deve
cerca de 1200 lbs. que será necessário pagar antes de deixá-lo, caso contrário, os credores
fariam barulho e permaneceriam em detrimento da Ordem. "GRAINVILLE. 4. Rochefort, 1 de
junho de 1769. Reproduzido em The Veil of Isis, maio de 1934. Documentos maçônicos,
p. 202-293: "Em nome do Grande Arquiteto" do Universo "Bem-aventurado aquele que me
ouve. "Do grande leste dos orianos da pátria do norte [119] Rochefort. Ano maçônico 3.3.3, do
mundo 4.5, do ressurgimento das virtudes 2448, da era hebraica 5729, de Cristo 1769, do
último e primeiro quarto da 5ª lua, 1º de junho, stile vulgar. "THTP e TR Master", recebi a carta
de que você me fez a amizade para me escrever no dia 13 de maio com muito prazer e algum
espanto. "Eu vejo como você é, e eu sempre acreditei nas maiores dificuldades para um sólido
estabelecimento da Ordem. Penso, se desejar, que as inconsistências do S (aberto) M (ater)
dão origem a algumas dessas dificuldades, mas o gosto geral dos homens do século pela
novidade, a paixão por possuir tudo um golpe e sem trabalho, que só pode ser adquirido com o
tempo e a prática, a mistura de pontos de vista na maioria, a vaidade, o interesse particular,
talvez até o pequeno respeito pela coisa, são, sem dúvida, mais contrários à propagação da
Ordem do que as falhas ou a insensatez de um único homem; Este homem, é verdade, é o
Chefe da Ordem, seu exemplo deve influenciar o progresso da Ordem, isso é verdade até certo
ponto e não. não está em tudo. Moisés, Davi, Salomão, Pedro falharam e não temos o que
temos. "Eu não estou menos irritado em ver com você os assuntos da Ordem em um estado
tão triste, fiz tudo o que tive para provar meu zelo, escrevi para o Knightly o que eu pensei, ele
provavelmente nem sempre estava no país e não recebi cartas em resposta, então eu não
posso dizer nada na minha opinião que não sei por mim mesmo a maneira de pensar sobre as
minhas últimas três letras e que não sei também a do S (abridor) M (ater) sobre as condições e
as pretensões da T (tribunal) S (aberto), com respeito a ele. O S (aberto) M (ater) tem alguma
confiança em mim, eu tenho muitos no T (tribunal) S (aberto), então eu desculpe por dizer que
não tenho certeza das opiniões e intenções de ambos, assumindo que eu quero consultar. "Eu
entendo seu constrangimento, P (uissant) M (aitre), na resposta que você deve fazer para o
ff. do Tribunal de Libourne, do que vejo em sua carta. Foi ao T (tribunal) S (aberto) que lhe deu
constituições, com ordens para corresponder apenas com ele, para colocá-lo em sua
facilidade. [150] Eu servi apenas acidentalmente como Tesoureiro, e minha função está
terminada. 88. "Meus desejos mais sinceros são que a Ordem prospere, que o Santo Padre e
os líderes que ele formou sejam satisfeitos uns com os outros, e que pelo seu cuidado e zelo a
Ordem adquire dia a dia e mais brilho e assuntos mais dignos; Desejo e a coisa não é
impossível, mas quando e como isso aconteceria, eu não sei, o que é e será sempre viável,
mas as dificuldades aumentarão cada dia em ambos os lados. torna-se mesmo necessário de
acordo com a abordagem tomada em Libourne, mas a mediação da conciliação parece se
afastar: nós construímos sem cimento. "No entanto, seria fácil para ele para conceder se só
queríamos nos explicar nos dois lados. Não é certo que o T (tribunal) S (aberto) faça avanços
sem saber por que, não é correto que o S (aberto) M (ater) se mova, trabalhe muito e
comunique uma parte de sua ciência sem saber como. Uma vez que você concorda com esses
dois pontos, tudo deve ir bem ou eu estou errado. "A mãe de Champollon, a quem eu
comuniquei sua carta, pensa como eu faço de tudo o que eu estou lhe dizendo. P (uissant) M
(ater), ele deseja sinceramente a extensão da Ordem, sabemos a verdade, a bondade e a
majestade, desejamos que você possa estar tão convencido quanto nós por muito tempo e eu
especialmente, mas que a Ordem leva ou não leva, nós o recomendamos como verdadeiros
irmãos para não abandoná-lo, persistir e ficar quieto. Se desejamos a propagação da Ordem é
por amor aos nossos companheiros, a sua indocilidade não pode nos afastar, nossa safistação
aumentaria por isso e sua felicidade seria um título para nós. "Eu aconselho você a obter um
mapa intitulado Idealis umbra sapientiae generalis, com sua explicação em francês. Vai custar-
lhe um total de 6 quilos e você ficará feliz com um pouco de atenção. O L (Oge) de Libourne
ainda não escreveu ao Regimental do Regimento, talvez haja um pouco de minha culpa por
não informá-los sobre nossa mudança de guarnição Além disso, ficamos tão desconcertados
como você viu as circunstâncias. "Eu te saúdo, P (uissant) Master) pelos números de [151] a
Ordem e reza G (rand) A (reverendo) para iluminá-lo e mantê-lo em sua guarda
sagrada. "GRAINVILLE R" A paz esteja com você. 5. Longwy, 11 de janeiro de 1770 [1] Carta
assinada por Réau-Croix de Champollon e Grainville. "Em nome do Grande Arquiteto do
Universo. "Bem-aventurado aquele que nos ouve. Amém. "De Longwy East, o ano Maconnic
333 até o 11 de janeiro de 1770." THTP e T. Se. M e. [1] [No Volume II, o autor corrige: "P. 151.
Na 5ª carta de Grainville, Longwy, 11 de janeiro de 1770; ler: 11 de setembro de 1770. " Veja
Errata do Volume I, Volume II, p. 173. - A Sra. Alice JOLY em A mystic of Lyon e os segredos
da Maçonaria 1730-1824, corrige, página 29, nota 4, Rijnberk: "Janeiro de 1770", "Setembro de
1770". 89 (nota da mão de Willermoz: respondida em 30 de julho de 1770). "Esperamos até
agora pela carta que o DM deveria nos escrever em breve, de acordo com o que ele pediu para
enviar sua resposta e nos dizer o que pensamos sobre isso, mas o silêncio nos forçou a
quebrar o nosso. "Sem entrar no exame das razões que DM pode ter em sua recusa de ofertas
de TS, acreditamos que não há inconvenientes em receber as instruções que ele promete,
seguindo as regras que ele anunciou, e por aqueles que ele prescreveu para todos, para
merecer o Espírito Inseparável de boa conduta na Ordem. "É certo que nada pode dar direitos
à Instrução nesta classe que não é senão Experiência e que tudo depende de nós. "Nós não
podemos abster-nos de culpar sua capacidade de prometer literalmente, mas se examinarmos
as coisas de maneira moral, veremos que prometer assim significa mais ou menos, procurou
encontrá-lo, implorou para ser concedido, derrubado. você será aberto; É, portanto, de nós que
o efeito das promessas de M. depende de nós. Se estamos em um estado, ele não pode
recusar; portanto, suas promessas não têm nada nesse tipo de compromisso com ele até que
possamos ser tanto quanto os homens podem estar no centro do Triângulo. Deixe-nos receber
suas instruções, aproveitem-nos e tentemos pedir, procurar e atacar na R. verdadeira. [152]
"Estamos ainda determinados a seguir o DM e a tirar-lhe todas as instruções necessárias para
isso. "Aqui, Re Master, nosso sentimento sobre DM e a Ordem, nós o informaremos sobre a
carta que ele nos escreverá: ainda não o escrevemos. "Nós saudamos seus irmãos. "Que
Jeová olhe para você e preserve-o na alegria, e na saúde, e que Ele os abençoe, que nunca
nos ouve e nos fala em Seu nome. Amém. "A paz esteja com você. "Champollon R
.. GRAINVILLE R. Tal carta ao leste de paris. "Envie meu ingresso para o seu Correspondente
em Paris, implorando-o para apresentá-lo para Me de Janvier Payer Annuities no Hotel de Ville,
rue du sentier, que pagará o valor e receberá meus sinceros agradecimentos e minhas
desculpas por esse atraso. Me dê suas novidades. "GRAINVILLE. (Esta carta traz a seguinte
nota, escrita por Willermoz: de Grainville e Champollon, de Longwy, 17-7, 1770. Seus reflexos
sobre o Reffus do Mestre sobre a R.) 90. Lorient, 12 de fevereiro de 1770. "Em nome do
Grande Arquiteto do Universo. Amen "Paz e Bênção são dados a você. "O grande Oriente do
ouro (ient) O Oriente na Bretanha. "O ano M. 333 do mundo 45 do avivamento das Virtudes
2448 da era hebraica 5730. De Cristo 1770. 357. 579. 12 de fevereiro. (Nota de Willermoz:
respondida em 20 de fevereiro). "No grande oriente do ouro. de Lyon. [153] "Oi. "THTP e TR
Me." Recebo apenas pelo último correio sua carta de 6 de janeiro, de Rochefort, ela estava em
Lorient, onde está atualmente o Regimento e, como meu nome está sozinho no endereço, ela
me disse foi enviado aqui onde estou no semestre. "É verdade que os Equinóxicos não não
tenho permissão para trabalhar por algum tempo e gostaria que o mês de março seja mais
favorável por sua vez. "Estou encantado que a carta que escrevemos de Rochefort possa ter
determinado você a continuar a constância que tantas outras circunstâncias pareciam
agitar. "O DM sempre tem a fúria das recepções, muitas vezes um pouco de luz, mas o que
fazer, ele deve viver e viver sua família: a Ordem entregada à DM sozinha nunca irá tomar, a
Ordem entregue à ambição e A ostentação também não tomará; Eu não sei como ele pode
levá-lo e eu começo a acreditar que ele não vai aceitar isso. Isso pode não ser um grande
prejuízo, porque é certo que temos coisas que realmente não podemos comunicar um
pouco. Para mim, não penso e penso em nenhum estabelecimento, continuarei a aprender o
melhor possível até ver mais conexões nas coisas e nos líderes da Ordem; Efetuei todos os
meus esforços para este fim, e até mesmo sacrificei minhas satisfações peculiares, tudo foi
inútil, então volto para o meu particular, contando com a Vontade da GA do Universo. "Pelo que
acabei de lhe dizer, você julga bem, R e. Eu, a meu ver, como você faz sobre o
estabelecimento que o DM propõe a você para o Lyon. Eu sempre pensei que todos os
materiais necessários para a edificação de um edifício deveriam estar prontos e montados, os
chefes concordam, o emprego de cada poço distribuído antes de levantar o edifício. Eu tinha
proposto para isso para atrair DM para Paris para fazer dele um destino honesto por pelo
menos três anos, durante o qual ele teria trabalhado na Instrução perfeita de um ou dois Rs ou
mais, durante o qual ele teria ordenado o todo Cerimonial e tudo o que diz respeito à Ordem:
era apenas uma questão de um avanço a partir do qual teríamos gradualmente reembolsado
pelas receitas das constituições que depois se teriam multiplicado. [154] "Faço justiça a DM,
este homem liderado por um homem certo e zeloso na Ordem ficaria atônito com o gosto e a
diligência, tanto quanto pelas novas coisas que ele produziria o tempo todo. Mas também seria
necessário que ele não tivesse mais dívidas no corpo nem ansiedade para o dia
seguinte. Também contribuirei de bom grado pela minha parte e de acordo com os meus
meios. 91 "Gostaria que o seu negócio o mantinha em Paris até o final de abril, que eu
pretendo passar lá, e pelo menos três ou quatro dias depois, eu ficaria bem lisonjeado ..........
Conheça você M ......... 1 para nos falar sobre a Ordem. "Não sei o que aconteceu com a
viagem de M. de la Chevalerie a Bordéus e sua entrevista com o Eu. Eu não ouço nada sobre
ninguém ou qualquer coisa. "Eu vou deixar você saber no primeiro dia da sua carta ao Sr. de ...
Eu te saúdo. Eu por todos os números da Ordem e constantemente recomendá-lo à custódia
do GA do Universo. "GRAINVILLE R. "A paz esteja com você. Amen (Endereço: Para Monsieur
de Willermoz, Negociador, Rue du Bât d'Argent, Lyon). "7. Lorient, 14 de março de 1770. "Em
nome do Grande Arquiteto do Universo. Amém "Bem-aventurado aquele que me ouve. "Do
ouro Gr. ouro. da parte setenta. O oriente. o ano m. 333. 357. 579. 45. 2448. 5730. de Cristo,
em 14 de março de 1770. "THTP e TR Me". Recebo no momento sua carta de 20 de fevereiro,
que sou demitida de Longwy sem ter sido lida por o PM de Champollon. Você poderia ter e
você ainda pode me escrever na Lorient sem mais indicação. "O Sr. de la Chevalerie é
realmente muito doente [155] de acordo com a última carta que recebi de Martinez, cuja
esposa está à beira da morte, que ele me ensina com uma carta dele. que eu recebo por este
mesmo correio: DM me avisa que começará a seu favor Equinoxos, a 22ª corrente e aquilo Ele
continuará até o dia 6 de abril. Eu sou, asseguro-lhe, muito mortificado em não poder trabalhar
do meu lado durante este tempo, mas pelo menos ficarei o mais perto possível do seu
trabalho. Espero que finalmente você tenha alguma satisfação. "O Me também me avisa de
outro trabalho que ele tem que fazer nos dias 25 e 27 da atual sobre sua esposa. Não duvido
que ele tenha escrito para você ao mesmo tempo que eu. Não espero sair daqui até ao mesmo
tempo que você deve sair de Lyon, então vamos chegar em Paris quase juntos. Eu aceito de
nenhuma outra maneira o gabinete que você me oferece se no mesmo hotel não consigo
encontrar onde me colocar. Ficarei muito feliz em aproveitar o bairro para conhecê-lo. Eu. "Eu
não sei se o Se Me. Lusignan estará então em Paris, eu gostaria de conhecê-lo. Gostaria que
pudéssemos encontrar Me of the Chivalry em melhor estado de saúde. "É lamentável que na
circunstância em que quatro de nós se abstenham em Paris, o Eu não pode vir ver o estado de
sua esposa. Nós 1 Aqui o papel da carta é mutilado: falta o fim de várias linhas. Talvez
possamos ter feito algum arranjo útil para a Ordem em geral, ou pelo menos para o
ch. FRS. especialmente enquanto aguarda o momento de estabelecer a Ordem. Eu acho difícil
dizer-lhe um pouco sobre mim para obter instruções, porque eu não sou tão educado como
você pensa, mas vou tirar proveito de suas perguntas para esclarecer o máximo possível nos
pontos que mais nos surpreenderam. 'D' Em outro lugar, poderemos anotá-lo e solicitar a
explicação para o M e. quando sua situação o permitirá. Vou pedir-lhe permissão para trabalhar
com você por 3 dias se encontrarmos um lugar conveniente e seguro. Eu acho que irá agradá-
lo, se o tempo o permitir. Me escreva a qualquer momento em Lorient. Eu faço uma coleção de
história natural, se por acaso cair na mão algum escudo de mar, água doce, terra, fósseis e
petrificação de seus contornos, lindos e inteiros, eu vou ser obrigado a você pensar para mim,
mas eu te imploro muito à vontade, estou divertido por isso e não me importo. "Saúdo você,
Se. Eu por todos os números m. Rezo para que o [156] GA o mantenha à sua frente e o
preencha com suas mais preciosas bençãos. "GRAINVILLE R" Que a paz esteja com
você. Amém. "Você foi bem informado em Lyon, se você não encontrar uma encantadora
temporada do ano 1584. Não podemos levá-lo a Genebra também? 8. Longhgy, 8 de maio de
1770. "Cheguei aqui Senhor, com boa saúde, dormi em Chalons no primeiro dia e no segundo
aqui, mas desde a minha chegada, o ressentimento da febre me levou de volta. Espero que
não tenha mais acompanhamento do que em Paris, estou muito desesperado por não poder
enviar-lhe imediatamente o 240 que me prestou tão obrigadamente, mas não posso tocar nada
do meu salário. somente após a revisão do comissário que, para obrigar alguns dos meus
camaradas, não vai passar até o próximo mês; se no entanto, então, eu posso obter dinheiro
com Em outro lugar, vou fazer você esperar menos. "Eu não posso agradecer o suficiente,
senhor, por me ter feito através de suas ofertas, me proporcionou a oportunidade de conhecê-
lo mais particularmente. Eu me felicito incessantemente e pedi-lhe para continuar os
sentimentos lisonjeiros que você me mostrou para mim. Nunca perderemos aqueles a quem
você me inspirou e com quem tenho a honra de ser "Senhor", seu humilde e muito obediente
Servo "GRAINVILLE". "Não esqueça, eu imploro, com o Sr. de Lusignan e Chevalerie. 9. St.
Omer, 24 de dezembro de 1770. "Em nome do Grande Arquiteto do Universo. Joye, Paz e
Bênção ao que me ouve. "Do Grand Orient des Oriens da Patria do Norte. "Em St. Omer em
Artois. o ano m. 333. 357. 2448. 45. 1770. "24 de dezembro de 1770. da mão de
Willermoz. Recebido 29 X-bre. Respondido em 10 de março de 1771. Em St. Omer em
Artois. [157] "THTPT Re Master", respondo sozinho à sua carta do dia 30, a R e. Me de
Champollon está no Semestre. "Seu silêncio, meu querido mestre, me fez sentir inimaginável,
duvidando que a perda que acabou de fazer lhe dê algum constrangimento. Desejo que você
deixe. "Nós mantemos como você vê a Ordem, apesar de tudo o que também podermos culpar
DM, não é que seja, talvez, pessoalmente, o pessoal que nos persuade da Coisa, é a própria
coisa que nós anexar a ele pela evidência, a convicção e a certeza de que temos alguns. O
que não podemos saber também para convencer nossos irmãos, só podemos desejar-lhes a
mesma felicidade que desfrutamos. Você não deve se surpreender que o Eu não prescreveu
nada para o mês de Jvier, por causa do mau tempo que ele fez. Ele também queria trabalhar
nestes dias, mas eu duvido disso. "O Me sempre me assegurou que ele não pensava em
formar um estabelecimento em Bordéus, mas que ele sempre manteria contato com Emules ao
seu redor. "Além disso, logo conheceremos a verdade de tudo isso pela M e. de Saint-Martin
que esteve com ele por alguns dias. "É realmente muito triste que você ainda não pode
recompensar o zelo dos irmãos do seu Oriente. Eu quero DM para fazer você mais confortável
com isso, mas eu duvido que ele possa fazer isso para sua satisfação. Isso não é realmente
fácil até que as coisas estejam em ordem. "Peço-lhe, querido Mestre, que me dê notícias de
você às vezes. Eu também estava ansioso para saber se você foi reembolsado pelos dez Louis
que teve a bondade de me emprestar em Paris. Isso é feito. Não ouso renovar meus
agradecimentos. "Desejo-lhe o ano em que vamos começar tão feliz quanto você pode desejar,
tão convencido, bem como os votos que eu ofereço ao Senhor para ter você em Sua Sagrada
Guarda por um tempo imemorial. . "GRAINVILLE R. "A paz esteja com você. 94 "Não me
esqueça se for possível conchas. O M e. Champollon poderia cuidar dele no mês de abril. [158]
10. Lorient, 11 de novembro de 1772. "Fiquei tão preocupado quanto mortificado, querido
Mestre, para não receber mais notícias de você, mas sua carta do 30, que recebo apenas hoje,
é dolorosa para mim. Ela me enviou de volta a Aix, onde estávamos guarnecidos. Estamos
aqui agora, que estou muito feliz por ter uma irmã e já conheço essa cidade. "Você pode me
escrever com toda segurança e me enviar a imagem que você tem a bondade de me anunciar
e outra coisa que você acha que pode se comunicar. Não sei o que lhe foi prometido de
Bordéus, nem quem deveria enviá-lo para você, mas se merecer o problema, pedirei uma cópia
dele que você terá feito às minhas despesas. Quanto ao Tratado de Reintegração, estou
copiando isso agora, é um livro muito grande e prolongado, se não o enviarmos, vou buscá-lo,
mas não será em breve. Eu tenho trabalhado lá por mais de seis meses e isso ainda não
terminou. "O Abade R. está certo em segurar a coisa se ele gosta, o que duvido um pouco,
onde todos os motivos [1] ele procura não acreditar; ele também tem razão para culpar a
aparente conduta da DM, mas tenha cuidado com o confundir com o que está relacionado com
o assunto. São necessários bons olhos para discernir corretamente em tudo isso, mas para
alcançá-lo requer apenas uma boa vontade verdadeira e constante, livre de todos os
preconceitos ou obstinação e prevenção. Também pode ser necessário não ser unido e
servilmente aplicado pelo estado para apoiar e apoiar os outros em vão e sem fundamento,
mas o que eu digo meu bom amigo, é difícil não ser nenhum homem aqui embaixo. "A
confiança que você me mostra constantemente é tão lisonjeira para mim quanto dolorosa para
ambos. É doloroso para você, uma vez que, apesar de todas as provas que você me forneceu,
você ainda não recebeu instruções; é doloroso para mim porque, apesar de toda a minha
vontade boa e séria, não posso satisfazer ainda. Meus planos para deixar a França caíram. Eu
permaneço e não penso mais nisso. Lamento muito que não possa vê-lo em Paris na próxima
primavera, isso é impossível. Eu acho que já lhe disse que eu não tenho tantas vezes, ou tão
fortemente, as provas que você pede, que não deve me preocupar, depois que o trabalho
conseguir o resto. Eu só desejo renovar outra semana, quando irá agradar a GA [159] "DM Ele
talvez não conheça seu sucessor ainda, mas ele muitas vezes foi inconsistente e lisonjeado
com mais de um de nós. Não depende dele. Que seja feita a vontade do Senhor. "Espere em
paz e justiça e, sem problemas, continue acumulando materiais, a boa vontade é
suficiente. Todo mundo tem seu presente. O Ir. De Champollon está em semestre. Não duvido
que ele o veja passar pelo Leão. Se pelo seu [1] [No Volume II, o autor corrige: "P. 158. Linha
19: onde todos os motivos; ler: visto todos os motivos. ". Veja Errata do Volume I, Volume II,
p. Você conseguiu recolher algumas coisas de mim na história natural, e especialmente na
concha e petrificação, ele vai fazer isso. "Saúdo você com todo meu coração. Pense em mim
em seus perfumes. Que o GA Mantenha você e paz com você. "GRAINVILLE. 11. Lorient,
janeiro de 1773 (?). [1] "Em nome do Grande Arquiteto do Universo. "O Oriente, janeiro de
1773. (?)" Se alguma coisa pode suavizar a amargura da minha situação, a sua carta do 3 foi
feita, TC Me. Ela me encontrou rodeada de lágrimas e dores. Deus descartou uma das minhas
irmãs no sábado à noite e minha outra irmã é ela mesma no maior perigo, meu coração está
dividido entre o arrependimento e os medos do outro. "Eu me consigo um cunhado, e eu tento
tranquilizar o outro. Qual posição, meu bom amigo, que mistura de dor entre nós. Você acha
que meu estado atual não me permite responder a tudo o que contém sua carta, mas não me
privem de suas novidades. "Adios querido W. esteja bem e acredite sempre com toda a
sinceridade de que sou capaz, seu amigo e servo. "GRAINVILLE. "O bilhete foi pago no tempo,
mil e mil obrigados. 12. Lorient, 14 de março de 1774. "Eu entreguei ontem, Monsieur e T.
ch. F. O pacote das duas fileiras que você pede ao Sr. Marduel, que estava saindo hoje ou
amanhã sem ter me informado disso, é só por acaso que eu sabia disso ontem. Além disso,
assim que me designou, pude vê-lo, ele não se dignou fazer uma visita. Além disso, desde que
o pacote chegue, tudo isso é muito igual; Coloquei para o seu endereço o Sr. St. Martin para
desviar o curioso, ou em caso de ausência de você para evitar uma indiscrição. "Eu aviso que
você encontrará contradições, omissões, transposições, erros em todos os lugares. Eu
aconselho você a corrigi-los imediatamente enquanto você segura o primeiro de St. Martin. Eu
pensei que estava com muita pressa para me comprometer a corrigir tudo isso, mas acabei de
fazer agora a cópia que eu tenho para mim. Faça-me feliz de me acusar de receber o
pacote. "Adios, querido. Me lute bem, ame-me sempre e acredite-me por sua vida, seu amigo e
servo. "GRAINVILLE. 'e' J abraça o Sr. de São Martinho e cumprimentar todos os seus
irmãos. [1] [No Volume II, o autor corrige: "P. 159. Na 11ª carta de Grainville, Lorient, janeiro de
1773; leia: 1772. " Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. - Sra. Alice JOLY em Um Místico
Lyon e os segredos da Maçonaria 1730-1824, corrige, página 29, nota 4, Rijnberk: "1773",
"1772". 13. Toulouse, 29 de setembro de 1776. "Eu vou embora, meu querido Willermoz, para
passar meu semestre em Leão com você. Você vê que eu aproveito a primeira maneira que eu
acho. Como não vou correr à noite, acho que a minha carta chegará antes de mim. Isso me dá
um prazer prazer em vê-lo novamente, para conhecer nossos queridos irmãos em sua área e
retornar à estrada com todos vocês. "O Sr. de Champollon não vem comigo imediatamente,
mas ele espera vir por este inverno para Leão. Desculpe-me pelo Me. de St. Martin não é
nosso. Eu irei para o Ecu de France até eu me instalar em casa. Me apressarei em dizer-lhe
pessoalmente como eu realmente sou, meu querido Willermoz, seu amigo, irmão e servo. "DE
GRAINVILLE. (Na margem esquerda :) "O regimento passa aqui hoje, ele vai para Toulon: eu
decidi apenas ontem. "Sr. J.-B. Willermoz, comerciante. "Lafond Street. "Em Lyon. (Nota de
Willermoz :) M. de Grainville, Toulouse, 29 de 1776. Ele vem passar o inverno em Lyon. [161]
IX. Carta ao Professor Köster Esta carta foi enviada em 20 de dezembro de 1794 por um
estranho ao Dr. Köster em Göttingen e apareceu em Die neueslen Religionsbegebenheilen für
das Jahr 1795. Jahrgang 18, Stück 1, p. 39-62 1. Aqui está a tradução do alemão: "Notícias dos
Martinistas na França. Esta notícia é tirada de uma carta enviada em 20 de dezembro de 1795
ao editor, por um correspondente diligente. "Para dizer nesta ocasião, algo de São Martin e
membros de seu círculo íntimo deve ser baseado em que não há nada mais falso e mais
absurdo do que o que alguns jornalistas alemães escreveram sobre essa sociedade. Mercier,
que se precipita sobre ela em sua foto de Paris, faz justiça a ela em alguns pontos. Conheci o
digno Saint Martin e seus irmãos, e tive que sorrir sobre as bobagens que aqueles que
escrevem nos periódicos alemães têm debatido nesta sociedade e nos livros que mostrou a luz
. Eu tinha lido isso, isto é, "Erros e Verdades" e a "Tabela Natural" antes de fazer minha
segunda viagem à França. A impressão de que eu tinha sido recebido era igual ao que Claudio
recebia. 1 Este jornal teológico pouco conhecido viveu do ano de 1778 até 1797 e contém
dezenas de artigos muito interessantes sobre a Maçonaria, os Illuminati da Baviera, o ocultismo
e o misticismo ortodoxo e heterodoxo da época. 97 "Eu também tinha lido o artigo de Mercier
sobre os Martinistas e aprendi muitos dados contraditórios sobre eles. "O primeiro que poderia
comunicar algo certo e autêntico sobre eles era o Príncipe reinante de .... O último deu ao
Príncipe de ... e para mim o endereço de alguns amigos íntimos de St. Martin em Strasburg,
que formaram até uma subsidiária de sua Sociedade. Então conheci em Estrasburgo com
esses homens queridos e recebi muitas amizades. Eu particularmente abençôo a memória do
DB digno. No mesmo círculo pertenciam ainda SC von WTE e alguns outros. Eles me
recomendaram ao Vicomte de T. em Paris, um amigo íntimo de São Martinho. Mas ninguém
poderia me dizer se eu teria encontrado [162] Saint-Martin em Paris. Assim que cheguei a
Paris, comecei a conversar com todos os livreiros para aprender sobre a casa do autor do livro
de Erros e Verdades. Quase todos eles me disseram que este autor não estava em Paris e que
seu livro era estritamente proibido porque ele estava lutando contra a religião católica. Deixe-se
dizer entre parênteses que me fez sorrir novamente, pensando que os jornais alemães
condenam o mesmo livro porque gostaria de proselitismo católicos! "Visitando o Vicomte de
T. agora eu acho o caro St. Martin perto dele apesar de tudo o que os livreiros me
disseram. Em breve nos conhecemos e ligamos uma amizade que foi dia a dia mais
íntima. Encontrei nele uma inteligência, uma eloquência extraordinária. Em seus discursos
nunca houve multa (muitas coisas), mas sempre multum (coisas de qualidade); Em suma: uma
mistura de vários presentes naturais elevados. Além disso, ele possuía tal iluminação superior
e conhecimento de que eles quase me aterrorizavam se não tivessem sido plantados em um
coração cheio de humildade e amor. Ao longo da minha vida, vou me lembrar das conversas e
das explicações que ele me deu sobre várias questões de extrema importância. Eu disse a ele
que, apesar da forma hieroglífica de seu livro Erros e Verdade, alguns escritores alemães
alegaram ter encontrado a chave em sua cabeça. Que eles queriam demonstrar que, por Deus,
ele ouve o Papa, por "homens" bons católicos ou mesmo jesuítas, por "bestas", hereges e
incrédulos 1. Finalmente ele próprio é jesuíta mascarado que quer fazer todos os católicos e
jesuítas. Então ele começou a rir com um coração alegre e me disse: "Nada é mais alegre; Os
católicos vêem o protestantismo e os protestantes como catolicismo: perdoem-se uns aos
outros! "Entre os irmãos mais fiéis que formaram com ele um círculo íntimo foram os homens
mais excelentes de Paris: o Visconde de T. já nomeado, o Conde de V., o Duque de H. ; então
para Lyon VM e B. "J" Fui muito edificado pelo amor fraternal, humildade e sinceridade que
encontrei entre eles. Eu admito honestamente que negociar com esses homens fez minha
segunda viagem a Paris infinitamente mais caro do que o primeiro, quando eu deitei aos pés de
D'Alembert e seus colegas para aprender sabedoria .... "Quanto ao livro Erros, devo
acrescentar que originalmente não era destinado ao público, mas apenas para a sociedade
martinista, e que foi impresso às suas custas. 2 1 2 Mathias CLAUDIUS (alias: ASMUS, e: post
de Wandsbeck) publicou (Breslau, 1782) uma tradução alemã de Errors and Truth, que
suscitou muita discussão na Alemanha. Em 1785 apareceu um artigo na Gazela de Berlim,
onde São Martin e Willermoz foram denunciados como jesuítas. Em francês no texto. 98 "Visitei
o Lodge of Friends juntos de vez em quando. Ela trabalha apenas nos três pedreiros
próprios. Até a Revolução, os Martinistas preferiram esta pousada, após o que a
abandonaram. X - Quatro cartas inéditas do Príncipe Carlos de Hesse-Cassel (na Ordem
Carolus Eques um Resurgente do Leão), Grande Mestre da Ordem da Estrita Observância
Templária 1-3 ao Príncipe cristão de Hesse-Darmstadt (em ordine Christianus Eques a Cedro
Libani ). 1. Gottorp, 23 de novembro de 1826. "Você poderia me contar sobre os excertos de
Pascal? Fire ab Eremo me leu vários pedaços disso em 1782, depois do Convento de
Wilhelmsbad, depois de mim ter recebido nas três primeiras notas de Coens ou
Cohens. Nomeio apenas os sete graus do altar que Abel erigiu. 2. Gottorp, 10 de dezembro de
1826. "Fico feliz em ler os três graus de Coen. Foi há 44 anos e meio que fui recebido; Só me
lembro do século III, onde eu estava sentada em círculo, e o Abrenúncio. Extractos de
Pascal. que o Eremo me lê eu lembro-me, entre outros, de que o altar que Abel erigiu tinha
sete graus. Para a palavra Coen, que me foi dada como um mistério, entendo que era um
diploma de sacerdote de alto egípcio. Não tendo visto o Eremo novamente, fiquei neste terceiro
grau. Quantos você tem, querido irmão? Gottorp, 29 de outubro de 1829. "Ab Eremo me lê
Pascal em Wilhelmsbad quando ele me deu, ou melhor, recebeu na Ordem de C. ... alguns
fragmentos de um manuscrito ao qual ele parece anexar uma captura infinita. Havia um altar de
sete passos que Abel erigiu. Também os 7 filhos de Noé. Lamentou-me que fosse o mesmo
manuscrito, mas de outra forma e que havia apenas moral, frases, verbiagem e sem história,
fatos, instruções, de modo que não me interessasse e não me envie se não posso descobrir
nada útil para saber. 4. Carta ao Doutor em Direito WF von Metzler (em Gulielmus Eques a
Rosa Rubra Ordinance) em Frankfurt-on-the-Mein. "Louisenlund, 30 de junho de 1830. ..." Nur
eine Bitte muss ich mir erlauben, der Hochwürdige seelige Vor. u. Deput. General Grossmeister
hatte mir versprochen ein Werk von Pascal das Ihr schon anvertrauet, mir zu senden ..... ein
Extract habe ich gelsen e erhalten, den ganz unbedeutend mir geschienen. Ab Eremo las mir
em Wilhelmsbad einiges aus diesen Ordensgeschriften vor wovon sleeve mit der meinigen
übereinstimmte. Ist es diese, assim wäre sie mir wichtig zu lesen, aber sind es bloss 99
moralische gute Lehren ich sie nicht so vorlange ab Eremo Schien seine Hauptkenntnisse aus
der Geschichte zu haben oder Schrift. Wem hinterliess er sie? Então, viel ich weiss einem
Verwandten der solche verschlossen. Tradução francesa: "Eu ainda tenho que me permitir uma
oração. O último grande mestre deputado, muito valioso, o Príncipe cristão de Hesse
Darmstadt, prometeu-me que me enviasse um trabalho de Pascal (!) Que já tinha sido confiado
a você. Eu li um extrato que parecia muito insignificante. Ab Eremo leia algumas passagens de
Wilhelmsbad (1782) desses escritos da Ordem, muitos dos quais estavam de acordo com a
minha doutrina. Se isso diz respeito a este trabalho, eu gostaria de lê-lo, mas se ele contém
apenas lições morais, não quero recebê-lo. Pareceu-me que Ab Eremo extraia o seu
conhecimento principal desta história ou livro. A quem ele os deixou? Tanto quanto eu sei, para
um pai para quem essas coisas não são acessíveis. [165] XI. Extractos de uma carta de
Willermoz ao príncipe Charles de HesseCassel, datada de 12 de outubro de 1781. O Príncipe
enviou Willermoz cinco perguntas formuladas por Baron Haugwitz. Provavelmente foram os
seguintes: 1. Quem é o autor e editor das instruções secretas das fileiras de Knights Professed
e Professed? 2. Quem é a cabeça ou o mestre nessas duas notas? 3. Qual é o propósito e a
constituição da Ordem dos Coens? 4. Qual é o propósito das instruções dos dois graus de
Cavaleiros Professos e Ótimos Professos? 5. Esta fraternidade formada em Lyon possui o
verdadeiro grau dos Eleitos? Willermoz responde com uma longa epístola cheia de detalhes
sobre sua própria vida, mas também muito importante para a história de Martines. Eu
reproduzo algumas passagens. "Lyon, 12 de outubro de 1781." Para responder sumariamente
às perguntas que a VAS me propõe, confesso que sou o único autor e editor principal das duas
instruções secretas do Prof. e Gr. comunicado a ele, bem como dos Estatutos, fórmulas e
orações anexados a ele, e também de outra instrução que precede esses dois, que é
comunicado sem mistério ou compromisso particular com quase todos os chev. o dia da sua
vestimenta ou apenas alguns dias após ad libitum; Este, que contém anedotas bem conhecidas
e também uma deliberação do convento nacional de Lyon, faz o complemento da recepção e
prepara-se, de longe, para os outros dois que permanecem secretos e cujo convento nacional
acima mencionado não teve conhecimento ............ ".......... No início do ano de 1767, tive a
sorte de adquirir meus primeiros conhecimentos no O. do qual eu mencionei na frente do
VAS; Aquele que me entregou me avisou favoravelmente por sua informação e exame,
avançou-me rapidamente e obtive os primeiros 6 graus. Um ano depois de 100, realizei outra
viagem com essa intenção e eu obtém o 7º e o último que dá o título e o caráter de chefe desta
ordem; Aquele de quem os recebi 1 afirmou ser um dos sete líderes soberanos universais da
Ordem, e muitas vezes provou seu conhecimento por fatos: ao seguir isso, recebi ao mesmo
tempo o poder de conferir os graus mais baixos em mim mesmo. conforme o que me
prescreveu. No entanto, não usei isso por alguns anos, o que eu empreguei para me instruir e
me fortalecer, tanto quanto as minhas ocupações civis pudessem me permitir; Foi apenas em
1772 que comecei a receber meu médico irmão, e logo depois. Paganucci e Perisse du Luc
que VAS terá visto no Gr. e esses três tornaram-se meus confidentes para as coisas relativas
que eu tive a liberdade de confiar aos outros. "É essencial que eu apresente o VAS que os
graus da referida Ordem contêm três partes. Os três primeiros graus ensinam sobre a natureza
divina, espiritual, humana e corporal; e é esta instrução que faz a base daqueles do Professeiro
Gras que o VAS pode reconhecer por sua leitura; os seguintes graus ensinam a teoria
cerimonial preparatória para a prática que é reservada exclusivamente para o 7º e o
último. Aqueles que atingiram esse nível, do qual o número é muito pequeno, estão sujeitos a
obras ou operações específicas, que são essencialmente realizadas em março e setembro. Eu
os pratiquei constantemente e eu me encontrei muito bem ......... Embora o primeiro dos
referidos graus esteja envolvido em algumas formas maçônicas que são abandonadas nas
fileiras superiores, Logo reconheci que esta Ordem teve um propósito mais elevado do que o
que foi atribuído à Maçonaria ... "....... No início de 1778 surgiram grandes problemas nas
províncias de Occitania e Auvergne; o último não queria tomar parte nele; O segundo erosiona
sua meditação: os problemas foram um pouco apaziguados, mas para destruir o germe, a
província de Borgonha deseja um congresso nacional que possa estabelecer uma reforma na
administração reconhecida defeituosa. Seu chanceler, o Rf a Flumine, dirigiu-me para que o
projeto avalie o de Auvergne; Achei que encontrei a oportunidade que eu fazia há muito tempo:
entendi; mas não desejando absolutamente ser [167] reconhecido pelo autor das instruções
secretas que apareceriam, Eu precisava de cooperadores discretos para me ajudar a produzi-
los. Comuniquei meu projeto aos meus confidentes ouvidos e também ao digno Irmão
Salzmann, que esteve em Lyon há muito tempo e acabou de ser recebido na ordem da
Ordem. Todos aprovaram e me encorajaram a executá-lo sem demora. Também eram de
opinião que, para facilitar a execução, era indispensável também colocar a confiança do Pe.
Flumine de Estrasburgo, da qual eu tinha a certeza de discrição. Cumpriu este conselho e pedi
o referido fr. Flumine que qualquer reforma maçônica que fosse destituída de bases fixas e
luminosas nunca produziria esses efeitos efêmeros, que eu era depositário de algum
conhecimento que poderia se adaptar à alvenaria, no caso eles não tinham originalmente
pertencido a ele; que eu estava pronto para favorecer com todo meu poder seu projeto de
reforma da administração e os rituais da Ordem Interna, se de seu lado desejasse
comprometer-se a favorecer o meu para a parte científica sobre esse ponto, para garantir a sua
discrição para sempre sobre este ponto e apoiar o véu que esconderia o autor de suas
instruções; que sem ele não conseguiria me envolver em nada, achando-me excessivamente
cansado de ocupações tão consideráveis e tão infrutíferas. Ele aceitou minha proposta,
concordamos com as três classes da Ordem: o simbolic, o interior e o prof. Ele tomou conta de
1 Isso não está correto. W. não foi ordenado R. Bacon of the Knighthood. pelo próprio
Martines, mas não [sic] seu substituto geral 101 para preparar todo o trabalho da Ordem
Interna; Realizei a revisão das fileiras simbólicas e tudo o que dizia respeito à nova classe
secreta de Gr. Fui ajudada na reforma do simbolic pelo Ir. Saltzmann e meus outros
confidentes. Eu estava muito ansioso para reprimir os chamados rankings, tudo relacionado
essencialmente aos eventos particulares da Ordem dos Templários, e gerado de volta em
conexão com as coisas mais essenciais, mas foi objetado que, por essa supressão, quebrou
todos os links do simbólico com a Ordem Interna e todas as relações entre os lodges franceses
e os alojamentos alemães. Também se sentiu que seria aconselhável preservar na 4ª série os
principais traços característicos dos vários ecossistemas da alvenaria francesa, para servir um
dia como pontos de contato com ele, essas várias combinações reconhecidas como
necessárias então; eles geram excessivamente aqueles que eu propus para mim, todos
relacionados a um único objeto; mas pensou-se necessário esperar até que um convento geral
de toda a Ordem tivesse pronunciado sobre a continuação ou a supressão das relações
maçônicas com a Ordem dos Cavaleiros Templários, a fim de poder tomar um curso mais livre
a este respeito. Quanto às instruções secretas: meu objetivo em escrevê-los foi despertar os
pedreiros de nosso regime com sua fatal sonolência; para fazê-los sentir que não é em vão que
eles sempre estiveram ansiosos para estudar simbols, que pelo seu trabalho e com mais ajuda
eles podem desejar atravessar o véu. Para trazê-los de volta ao estudo de suas próprias
naturezas; para dar-lhes um vislumbre de sua tarefa e seu destino. Finalmente para prepará-
los para querer se tornar homem. Ligado, por um lado, por meus próprios compromissos e
retido pelo outro pelo medo de fornecer comida a uma curiosidade frívola ou exagerando certas
imaginações se fossem apresentados planos de teoria que anunciassem uma prática, fui
obrigado a para não mencionar isso e até mesmo apresentar apenas uma imagem muito
reduzida da natureza dos seres, das suas respectivas relações, bem como das divisões
universais. "Tudo o que inseri sobre a parte científica é em todos os pontos da minha
invenção; Aprendi o conhecimento de que eu Eu adquiri na Ordem que mencionei várias vezes
ao VAS e aos relatórios gerais do Templo de Jerusalém com o General Man, que tenho
permissão para acreditar com base na verdade e são essencialmente da responsabilidade da
antiga alvenaria cujo templo é o fundamento básico. A história do fogo sagrado sob Neemia
sendo registrada em antigas classes maçônicas consideradas boas, foi determinada por esta
razão para preservá-la no novo; Mas, como não posso garantir sua autenticidade, não me opor
a sua supressão se for repugnante em outros lugares. "Quanto à parte histórica da alvenaria,
baseia-se nas noções que consegui adquirir com as pesquisas mais exatas desse tipo, então
inseri as que parecem ser os mais justos e os mais prováveis, alguns dos quais são corrigidos
pelo meu próprio conhecimento, do qual citei a fonte, mas não poderia oferecer autênticos
garantes de outros. "Enquanto eu estava ocupado com este trabalho, o Pe. Türkheim, cujo
gênio é muito ativo e que era mais mestre do que eu na época, colocou sua condição em um
estado de deliberação. Ele imediatamente pressionou o fim do congresso nacional
planejado. Era, portanto, necessário convocá-lo e apressar-se para terminar meu trabalho, o
que foi sentida apesar de mim mesmo pela precipitação com a qual era necessário
terminar. Eu landei-me para que eu mais tarde pudesse revisá-lo para uso em algumas
ocasiões particulares, e até mesmo adicionar a explicação dos números que mencionei
anteriormente. Mas o lazer necessário para um trabalho tão abstrato, que exige uma total
liberdade de espírito, sempre quis, já que provavelmente faltará por um longo tempo. "O
congresso sendo reunido, e minha escrita quase terminada, na qual fui ajudada pelas coisas de
acordo com um dos meus confidentes, bem versados nesse tipo (o Ir. um dos mais avançados
no conhecimento fundamental; meus confidentes aprendidos, que ao mesmo tempo foram
encarregados de deputas ao congresso, propuseram que fosse criada uma comissão especial
para solicitar e rever as diversas informações que poderiam ser obtidas da parte científica
relativa ao a alvenaria primitiva. "Chanceleres de Auvergne e Borgonha foram encarregados
desta tarefa e autorizados pelo congresso a formar um comitê de conferências com todos
aqueles que forneceriam alguns esclarecimentos sobre esses assuntos; ele comprometeu-se a
dar maior liberdade aos cooperadores para não exigirem a comunicação dos documentos
originais que poderiam ser produzidos nesta comissão, nem saber quais os irmãos os
produziriam se não desejassem ser conhecidos; Até foi anunciado que alguns irmãos
estrangeiros, que não desejavam ser nomeados, já haviam recebido trabalhos preliminares
sobre esse assunto; para a tradução, a qual trabalharia imediatamente; É por isso que quase
todos os Gr. de Lyon e outras faculdades estabelecidas desde então em outros lugares, são
persuadidos de que as instruções secretas que eles possuíam vieram originalmente da
Alemanha, ou da Itália, e o verdadeiro autor não é conhecido. O congresso reservou apenas o
conhecimento do resultado das conferências da comissão, que deu origem ao inquérito
preliminar ostensivo do qual eu mencionei acima, dos quais uma cópia é agora feita para
VV.AA.SS. O propósito particular desta instrução aprovada pelo congresso foi despertar a
atenção dos novos cavaleiros para as coisas essenciais da Ordem e para se preparar para o
ff. Gr. a liberdade de realizar conferências privadas entre eles sem dar sombra aos outros
membros dos capítulos, que tem sido bem sucedido até agora. "Este trabalho também é
consumido, os dois chanceleres [170] que presidiram o comitê admiraram as fileiras do Prof. e
Gr. aqueles dos dignitários e oficiais dos capítulos que estavam então em Lyon, e foram
apresentados as instruções secretas, como documentos importantes abordados por irmãos
estrangeiros que haviam anunciado no congresso e cuja tradução acabara de ser
completada; depois daqueles que o comitê secreto reconheceu como dignos desta
comunicação, procedeu-se à recepção daqueles que tinham sido os confidentes da minha
escrita; por meio do qual todas as suspeitas de conivência entre eles e eu eram absolutamente
claras ... "...... Além disso, o que há aqui há dez a nove anos, uma pequena sociedade
composta por aqueles que recebi em vários graus do mundo. Ordem que eu professo, que é
conhecida apenas para aqueles que a formam pedreiros e outros, no entanto, alguns irmãos
que hoje são Gr. Há muito tempo assumi que tinha adquirido algum conhecimento sobre esses
assuntos, dos quais gostava de conversar com alguns amigos em particular. Não hesitei em
declarar em coll. METR. que eu encontrei os princípios e doutrinas contidos nas instruções do
Gr. Pr. em conformidade com aqueles de que eu anteriormente adquiri o conhecimento em
outro lugar. Esta confissão determinou uma maior confiança em mim e naqueles a quem eu
mencionei, e me deu mais liberdade para explicar nas 103 conferências diárias os sentimentos
obscuros de algumas passagens das instruções ditas. "A marcha que foi realizada, e que me
pareceu necessária para o princípio deste estabelecimento, teria sido dolorosa para sustentar
por um longo tempo. Eu admito, muitos inconvenientes, mas diminuem à medida que a
memória dos meios que foram empregados para a fundação enfraquece e são bem
compensados pelos grandes bens que resultaram disso. Pode-se dizer com verdade que a
alvenaria mudou completamente de rosto por dois ou três anos, onde quer que as novas fileiras
simbólicas tenham sido adotadas e as faculdades secretas estabelecidas, especialmente em
Lyon, Grenoble, Turim, Nápoles, eu poderia até dizer em Estrasburgo pelo cuidado do
Pe. Saltzmann, mas os efeitos não eram tão marcados como em outros lugares porque este
digno irmão não estava bem apoiado e enfrentou muitos obstáculos ... "....... Também percebo
que não respondi a 5ª pergunta, Você sabe que esta fraternidade formada em Lyon possui o
verdadeiro grau dos eleitos? Para responder a esta pergunta [171] seria necessário que o
Irmão Haugwitz me dissesse de forma clara e sem qualquer véu qual é o seu verdadeiro grau
de eleição? Qual é o propósito e o termo presente e futuro? Finalmente, que significado ele
atribui a essas palavras? E é nisso que eu pergunto-lhe, por sua vez, uma prova de sua
confiança [sic] ... é necessário começar obtendo claramente sobre o objeto. O 7º lugar que
tenho, é realmente o grau dos eleitos nesta classe, então há provas óbvias de sua
verdade. Alguns dos meus irmãos se aproximaram, mas não o tenham ainda ... XII. - Três
cartas não publicadas de Bacon of the Chivalry to Willermoz. Estas cartas vêm dos Archives of
Papus, atualmente incorporado na Seção de Manuscritos da Biblioteca de Lyon (Sra. 5472):
cartas de Fournié e Bacon de la Chevalerie para Willermoz. 1. Lyon, 24 de setembro de 1775.
"Não sei, senhor, o que poderia ter sido repetido para você de ser alarmante para a Ordem dos
Eleitos Coens, e especialmente para minha glória - é verdade, falei da ciência de Martines e
sua coragem, mas segredos da Ordem não revelei nada, é muito mais escrito no artigo da
Enciclopédia RoseCroix que não contei pessoas com quem falei. "Eu não sou entusiasmado
nem perjuros, fui enganado por um patife, insultado por pessoas honestas, na fé desse mesmo
patife, conhecido como tal; Eu prometi minha indignação no primeiro, é levou você ao túmulo e
minha misericórdia para os últimos. "Ainda tenho um profundo desprezo. Além disso, por tudo o
que foi ilusório no que me foi demonstrado, embora eu mantenha uma inclinação para acreditar
que, de fato, há alguma realidade na ciência da qual este maldito Martines estabeleceu o
professor e essa empresa não apenas para o orgulho humano. "Quanto aos sermões que me
foram exigidos sem conhecer a causa, fui forçado a apreciá-los pelo desprezo que Martines fez
de si mesmo por aquele que você e a outra R. fizeram. "Mas eu não tenho que me censurar por
ter perdido isso. [172] Eu disse cem vezes que Martines em uma única conversa não dizia aos
leigos, às mulheres, entre outras à condessa de Lusignan. "Eu poderia falar sobre
invocações,palavra de poder, nem nenhuma das nossas formas. Não usei nada da autoridade
que me foi confiada, o que retiro porque nenhuma criatura humana pode me roubar; que os
homens cegos e entregues em um momento de inconsistência cresceram levemente, que eu
havia perdido. Eu sofri sem amargura e sem murmurar os efeitos de sua fraqueza, mas eu não
sofreria do mesmo jeito que fui tributado para falhar em meus compromissos. Isso requer um
longo comentário. Eu respondo apenas a sua carta de forma sumária, mas, quando desejar,
daremos toda a extensão à minha resposta de que é suscetível. "Eu amo, eu reconheço, e eu
respio a franqueza com a qual você me falou, mas eu tenho pena da cegueira que fez você e
outros injustos para mim. "Eu te beijo, meu querido Willermoz, com todo o meu
coração. "Bacon of Chivalry" Bacon de La De la Chevalerie de Lyon, 27 de setembro de 1775
Willermoz Em resposta às minhas censuras na Ordem de El Coëns. 2. 3 de junho de 1778. "Eu
envio-lhe, meu querido Willermoz, apenas dois cahiers numerados e parafés de 1 a 44 quando
você os copiou, você os devolverá e, imediatamente, eu o enviarei de novo para você chance
assim. "Sucessivamente você terá tudo o que quiser e você deixou de lado; com exceção da
grande operação de DM, o que ele absolutamente me proibiu de comunicar a ninguém além de
M. de Lusignem. Vou preencher exatamente esta cláusula, e se o de Lusignem me pedir uma
cópia desse trabalho, que é a reconciliação da DM, eu darei isso incondicionalmente. Exceto
ele para fazer a este respeito o que ele acredita poder e fazer. "Eu encerro aqui o modelo de
poder de advogado de M. Moyrond, e relaciono-o com sua amizade para expressar a ele tudo o
que sinto arrepender do problema que eu estou causando; Eu serei muito exato em cumprir o
que você vai anunciar dele de mim. "Faça MM sentir. Faure, Barge, Barmond, Guyon, quão
importante é para seus próprios interesses cooperar na elaboração do ato que estabelece seus
direitos. "Aqui está a duplicata que eu tenho que lhe dar. "M. Razura me pediu as notas que eu
lhe prometi, não ousei confiar nelas; Esperei as suas notícias. "Desejo-lhe o melhor para a sua
jornada feliz e, acima de tudo, para que não haja nuvem, sem preocupações em sua alma. O
tempo e a oportunidade virão para me restaurar a tranquilidade com que eu sacrificaria meu
coração, meu querido Willermoz pelo seu. "Eu abraço você com todo meu coração. "Bacon of
Chivalry. Da mão de Willermoz, Mr. de la Chev. de Paris. 3 de junho de 1778. Recebido em
Paris no dia 4, no dia anterior à minha partida. Respondido de Lyon no dia 14 e 15 de
junho. Sobre Dom M. Pasq. e os OdCns. 3. Em Paris, 23 de abril de 1808. Da mão de
Willermoz Respondida em 3 de maio. Para Vernetz e Saltzmann. Em Paris. "Devo avisá-lo,
meu querido Willermoz, e eu me apresso a fazê-lo, que o Diretor escocês da estrita
observância retome seu trabalho; que o de Borgonha carregava seu lugar principal de
Estrasburgo para Besançon, mais adequado sendo muito mais distante da fronteira. "Isso ele
nomeou como Grande Mestre Nacional Mestre Príncipe Cambacerès que aceitou o
título. "Deixe um Sexto Diretório ser formado em Paris sob o nome de Dr. de Neustrie. "Que a
de Septimanie retome sua atividade. "Que o Grande Conselho dos Nove já foi nomeado para
Paris e que fui escolhido para presidi-lo. "Que, nesta capacidade, fui convidado a envolver os
membros existentes do Diretório de Auvergne para se reunir e retomar vigor. E, nesta
esperança, estou encarregado de solicitar perto dele a adesão à nomeação do Grande Mestre
Nacional e à Ereção do Diretório da Neustria. [174] "Nestas circunstâncias, recorro a sua
amizade para me ajudar com todos os documentos que estão à sua disposição, pois eu parti
em Santo Domingo e, consequentemente, perdi todos os meus papéis, roupas e instrumentos
relativos ao Diretório e até ao Coën. "Eu espero que você, T∴.C∴ e B∴ A∴ F∴ resposta rápida e
satisfatória, mande-me especialmente que você está bem e que você está feliz. "Você sabe,
meu querido Willermoz, quantos títulos eu estou dedicado a você e para a vida. "Rue Guisarde,
não. a. f. St. Germain. "Bacon of Chivalry. "PS - Se você me convidar para os códigos e Rituais
e outras instruções, copiá-los-ei e enviá-los de volta imediatamente após a cópia. "Endereço:
Para Monsieur 106" Sr. J.-Bte Willermoz. Em sua casa, Colinettes Cidevant. "Em Lyon. Carta
de Bacon of Chivalry. De Paris, 23 de abril de 1808. Recebido no dia 27. Parecer sobre o
estabelecimento do Diretório da França e da Neustrie. Eu escrevi sobre isso em 3 de maio ao
P. Verneti no endereço de Paris Rue Chéroux no. 10. Eu respondi pessoalmente pelo
fr. Del. Lajard [1], 30 de maio, dos quais eu mantive uma cópia. Da mão de Willermoz XIII. -
Extractos de cartas inéditas dirigidas por Rudolph Saltzmann a Willermoz. Estas cartas são
preservadas nos Arquivos do falecido M. Bréghot du Lut, no Château de Confolin. 1. 21 de abril
de 1779. (Saltzmann está de viagem a Wilhelmsbad para ser apresentado ao príncipe Charles
de Hessen-Kassel, no caminho em que conheceu Baron Waldenfels, assessor da Câmara
Imperial de Wetzlar, 40 anos). [ 175] "Ele está perfeitamente familiarizado com M (artines) P
(como sempre), seu Mestre e com seus discípulos: ele conhece mesmo aqueles que se
beneficiaram dele e que se afastaram dele ou que negligenciaram a Coisa como o Chie (Bacon
of a Knighthood). "(Saltzmann ainda conhece Baron Gleichen), "Recebido em nossa Ordem em
Paris pelo poderoso Mestre Saint-Martin. Ele está extremamente ligado a Waldenfels ... Este
Sr. de Gleichen será recebido no O (rdre) do T (emplantas) e então prometi-lhe admitir-lhe as
instruções que pertencem aos que estão na Ordem de E (leia) C (oens). Isso pode ser feito
quando ele passa por Estrasburgo. (Nesta carta há também uma passagem notável: onde é
notado que Saint-Martin retornou de seus preconceitos contra a alvenaria :) "... já que é aí que
todos os pesquisadores e mesmo aqueles que teve a felicidade de receber. 2. 1 de maio de
1779. "Você poderia me dar os nomes do nosso Soberano e os Rs que existem na França? Eu
sei que há alguns que eu não conheço. Pode acontecer comigo para conhecê-los sem
conhecê-los, e então eu gostaria de compreendê-los às vezes em minhas orações. [1] [No
Volume II, o autor corrige: "Padre 174. Irmão Del Lajard; leia: Irmão D el Lajard. ". Veja Errata
do Volume I, Volume II, p. 173. 107 30 de julho de 1781. "Você marcou no tempo a morte do
nosso Soberano na América. Mas eu não sabia quem era seu sucessor. Eu ficaria encantado
de saber também algumas novidades de nossos P (uissants) M (epístolas) de High (erive) e S
(aint) M (artin). O primeiro é em Bordéus no que eles dizem e o segundo continua seu cuidado
com os irmãos de Paris. XIV. - Excertos dos Estatutos Gerais dos Coens Eleitos Esta cópia
moderna dos Estatutos Gerais fazia parte dos Arquivos Papus que agora estão incorporados
na Biblioteca de Lyon. (Sra. 5474. ) "Estatutos gerais dos Coes eleitos. Chap. V. "Artigo I.
Comandantes do Oriente" Os Comandantes do Oriente são membros do Tribunal
Soberano. Eles manterão as mãos que as leis podem ser observadas [176] em todos os
templos e lodges onde eles se apresentarão; eles terão o direito de inspecionar as obras,
inspecionar os arquivos, e não os livros de conta, nem os tesouros; nas caixas que presidirão,
isto é, representar o fundador se o verdadeiro mestre fosse apenas o elu Mestre; ainda que
não comandarão o trabalho, nem chamarão as assembléias, pagarão suas recepções ao
Tribunal Soberano e serão afiliadas em todos os lugares sem pagar. "Artigo II. Cavaleiros do
Leste. "Os Cavaleiros do Oriente são supernumerários ou membros do tribunal, eles pagarão
suas recepções, eles podem ser afiliados sempre que desejam em todos os alojamentos ou
templos da nação, até mesmo para serem oficiais sem pagar sua afiliação; Eles terão grande
cuidado em verificar as obras de todos os templos e lodges de sua nação, para corrigir os
abusos se forem encontrados; eles darão uma conta fiel ao Tribunal Soberano de tudo o que
vem ao seu conhecimento sobre a Ordem. "Artigo III. Grandes arquitetos "Não serão recebidos
grandes arquitetos, a menos que estejam ligados a uma grande casa-mãe da qual serão
membros; eles vão pagar suas recepções como Grande Arquiteto, eles vigiarão a conduta de
todos os irmãos subalternos, se reportarão ao Tribunal Soberano, poderão falar sem permissão
nas caixas, e relembram, mas não nos templos. Eles podem ser afiliados em todos os lodges e
templos de seus bairros sem pagar afiliação. "Artigo IV. Coën "Não receberemos qualquer
Coën exceto por anexá-lo a uma caixa na qual ele pagará sua recepção. O Coëns cuidará da
conduta dos irmãos subordinados com exatidão e reportará ao Tribunal Soberano, por falta de
Elus, eles farão as funções; eles poderão ser afiliados em todos os templos e lodges da sua
província sem pagar nada. "Artigo V. Elege 108" Aqueles que serão eleitos, serão anexados a
um templo onde eles pagarão suas recepções à derrota dos mestres privados que cumprirão
as obrigações se forem afiliados de [177] seu cantão; ou no seu cantão, em outros lodges do
que os deles, eles pagarão sua afiliação; Eles vão cuidar da liderança dos irmãos subalternos
do seu cantão e informarão sobre isso no capítulo. "Artigo V1. O aprendiz, companheiro (e
mestre) "O aprendiz, o companheiro e o mestre azul não terão voz nos templos, os únicos
mestres votarão nas caixas, nunca entrarão na circunferência, serão subordinados uns aos
outros e a todos os irmãos das fileiras superiores, por falta de irmãos servos e fileiras, os
alunos e companheiros farão as funções que começam com os últimos, contudo teremos
cuidado de não confundir, comprometer ou servir com os irmãos do servidor e se não há
aprendentes ou companheiros. os mestres farão as tarefas em si mesmas. XV. Cheques do
Regimento de Foix Meu amigo MR Le Forestier teve a amabilidade de me examinar os
arquivos do Serviço Histórico do Ministério da Guerra em Paris, no que diz respeito aos oficiais
do Regimento de Foix, aos quais vários oradores eminentes haviam pertencido. Ele me
escreveu o seguinte: o controle dos oficiais do regimento de Foix consiste em dois registros de
folio, listados como "Infantry Foix 72 - Archives, 33" e "Infantry Foix 86 - Arqives 40". O
segundo registro traz a seguinte nota: "Este regimento fez a campanha de 1757 na
Alemanha. Este regimento passou para Santo Domingo e permaneceu lá 1762-1763; foi
confinado ao país de Gex em 1782 sobre os problemas de Genebra e esta campanha deve
contar. COLAS (Pierre), nascido em 20 de agosto de 1709. Ao leste da freguesia de Gernac,
em Guyenne. Soldado de 20 de maio de 1730. Sargento em 1736. Segundo tenente em 14 de
abril de 1743. Sinal de 25 de abril de 1744. Tenente no dia 30 de outubro seguinte. Auxiliar de
1º de dezembro de 1746. Capitão em 3 de maio de 1752. Major de 1º de dezembro de 1756.
Cavaleiro de São Luís em 1751. Morreu em 1763. "GRA INV IL LE (Pierre-André), 21 de junho
de 1728 na ilha de [178] Bourbon; é da Normandia. Voluntário de 1 de maio de 1748. Tenente
em 12 de junho do mesmo ano. Passou a segunda reforma dos tenentes dos
granadeiros. Tenente de Grenadiers 1 de abril de 1754. Capitão de 1 de dezembro de 1756.
Capitão granadinos 19 de junho de 1765. Rank de Major 24 de março de 1772. Chefe de um
batalhão 1 de julho de 1774. Rank Tenente-Coronel 4 de julho de 1774. Comandante
Capitão. St. Louis Cross 24 de março de 1772. (Notas de inspeção) 1763 Oficial ordinário que
acredita que ele tem mais talentos do que ele não. 1765 para fazer o segundo capitão de
granadeiros. 1766 capitão granadino medíocre, mas ele é jovem, é necessário esperar. 1769
bom assunto. 1770 id., Tem conhecimento. 1771 id., 1772 id., Fez uma boa guerra. 109 1773
id., Disabled. 1774 bom oficial, sua saúde está se recuperando. 1775 id., Um exemplo muito
bom. (O aviso acima extraído do registro "Foix 72" é corrigido pelo do registro "Foix 86" nos
seguintes pontos): Voluntário em outubro de 1747. Tenente de 5 de abril de 1748. Tornou-se o
segundo tenente de granadinos na reforma de 1749. Posição do tenente-coronel em 4 de julho
de 1775. Retirada em 5 de abril de 1780 com 1.000 libras de pensão (Notas de inspeção): 1777
Sempre cumpriu seus deveres com precisão. Sua saúde tem sido muito perturbada há muito
tempo. CHAMPOLLON (e não Champoléon) (Gaspard-Adrien DE), nascido em 19 de janeiro
de 1738. Ao leste da freguesia de Guvieux, em Bugey. Tenente de 12 de novembro de 1755.
Capitão 28 de agosto de 1762 Reformado para a nova composição de 1763. Substituído
(deslocado) para uma empresa em 19 de junho de 1765. Comandante do capitão. [179] (Notas
de inspeção) 1766 Boncapitaine, mas ainda jovem. 1769 muito bom. 1770 id., Fortemente
aplicado. 1771 id. ID 1772. 1773 id., Capaz de avanço. 1774 id., Apropriado para a
maioria. (Aviso do "Foix 72" completado pelos seguintes detalhes em "Foix 86"): DE
CHAMPOLLON (Gaspard-Adrien BONER DE LOUVAT), capitão comandando a companhia de
caçadores na formação de 1 de julho de 1776. 16 de março de 1785 rank of Major de
infantaria. Cruz de São Luís 4 de setembro de 1781. (Notas de inspeção): 1777 oficial de
grande distinção; muito aprendido (o Duque de Ayen). 1785 é por sua antiguidade um dos
primeiros a colocar; Trabalhou efetivamente para endireitar o regimento. SAINT-MARTIN
(Louis-Claude DE), nascido em Amboise em 18 de janeiro de 1743. Segundo tenente de
granadeiros de 26 de julho de 1765. Passou outro sous-lieutenance em 18 de outubro
seguinte. Tenente em 23 de julho de 1769. Abandonou o ...... ..1771. (Inspeção Notas): 1766
excelente assunto em todos os aspectos. 1767 id. 1768 id. 1769 muito bom assunto. ID
1770. CAIGNET (Joseph-Pierre), 26 de outubro de 1739. Leste de Léogane. Major do menino
em 8 de maio de 1757. Ensina nas tropas das colônias em 1 de outubro de 1758. Tenente
neste regimento cy (Foix) de 6 de novembro de 1762. Abandonado em 1766. (Notas de
inspeção): 1765 aguarde. (Provavelmente para uma promoção e foi essa recusa que levou à
renúncia de Caignet). "[180] 123 XVI. - Cartas de Lucius a Willermoz Peris Luc foi membro do
Estado Geral. Ele enviou um grande número de cartas de Paris para Willermoz. Estas cartas
são mantidas na biblioteca de Lyon ms. 5430. A Sra. Joly teve a gentileza de chamar a minha
atenção para algumas passagens nesta correspondência relacionadas com a história do
movimento místico. 1. Extrair. Paris, 16/9/1789. "O que você me conta sobre o irmão Lée me
dá o maior prazer, não sabia que era GP ou eu tinha esquecido, porque querido amigo, eu não
tenho você, ainda penso em nossas Sociedades, não que eu os esqueça, mas o ruído das
coisas que me rodeiam, a parte ativa que devo tomar, evita que eu cuide dos nossos queridos
princípios. Você se reúne regularmente, o zelo se sustenta? as divisões e a discórdia não
penetraram nas nossas assembléias? Os GPs têm sessões regulares, aqueles da segunda-
feira, acho 15 de 15 dias, me apoiam? O agente ainda está ativo? Existe em suas obras mais
clareza e a mesma sublimidade, as misturas são, você tirou alguns excertos alguns
editoriais? Estas são perguntas por uma vez. 2. Extrair. Paris, terça-feira, 23 de março de 1790.
"Parece-me pela carta do meu irmão, ou quando você está doente na Eq. ou, como penso, que
você tomou o pretexto para se retirar em particular. São Martin, que recentemente chegou de
Estrasburgo, fez o mesmo, penso eu, desde que passou esses dias no país. Ainda não o vi,
embora eu Tenha em suas mãos uma nova obra dele, da qual você não me falou, e ainda
ex. vem de Lyon. É intitulado The Man of Desire format in-8 ° e 301 paragraphes. Parece-me
de relance, tendo apenas de passar por isso, fazer muitas alusões hyeroglifoticas e místicas ao
trabalho da Coh ... Julgue-o e me diga o que você pensa sobre isso. Eu vi coisas bonitas, muito
obscuras e místicas-poéticas que o autor odiava muito no passado. Muitas vezes ele toma o
tom alto do salmista e seu cântico, mais frequentemente ainda o estilo apocalíptico, tudo isso
misturado com as voltas da poesia alemã [181] de um Klopstock e um Gessner pelo qual
vemos que ele tem Levado em Estrasburgo o sabor do solo. Mas o que importa o estilo e a
forma, se as idéias são ótimas, sublimes e instrutivas, e conheci muitos deles nesta classe e
especialmente muito profundo. BIBLIOGRAFIA 1. Manuscritos 1. Em Haia, nos Arquivos do
Grande Oriente, foram preservadas as notas e cópias que o Padre Kloss fez em 1848 dos
papéis secretos do Príncipe Cristão de Hesse -Darmstadt. Um arquivo abraça toda a
correspondência perseguida por quase meio século pelo Príncipe e sua comitiva para obter as
instruções dos Coes eleitos e especialmente as da Réau-Croix. Então, há a cópia completa do
Tratado da Reintegração de Martines, após a cópia que pertencia ao Príncipe Cristão. Pude ler
esses manuscritos, graças à amável permissão do Grande Mestre da Ordem dos Freemasons
Holandeses, Sr. H. Van Tongeren. Srs. Arntzenius, arquivista do Grande Oriente, e Hooiberg,
bibliotecário, me ajudaram muito gentilmente na minha pesquisa. 2. Em Copenhague, na Loja
Archives of the Landesloge. Quase todas as cartas de Willermoz ao príncipe Charles de Hesse-
Cassel foram preservadas e os rascunhos de quase todas as suas respostas foram
preservados. Eu devo a bondade da Grande Loja e à constante assistência do Arquivista Sr.
Johs. Rasmussen já viu essa interessante correspondência. 3. Em Darmstadt, nos arquivos
pessoais de HRH o Grande Duque, pude encontrar os originais da maioria das peças, copiadas
pelo Dr. Kloss, que estão agora em Haia. O Dr. F. Herrmann, Diretor dos Arquivos e o Dr. F.
Knöpp, Assistente, facilitaram minha pesquisa. 4. Em Karlsruhe, o professor A. Schleiermacher
me forneceu graciosamente os arquivos privados de seu tio-irma André Schleiermacher,
secretário do príncipe Chrétien, em Darmstadt e depois do grande duque Louis II. Eles contêm,
entre outras coisas, uma análise do Tratado de Reintegração, de Martines. 5. No Chateau de
Confolin, Madame de Lambert foi gentil o suficiente para colocar à minha disposição os
arquivos de seu tio, o falecido M. Bréghot du Lut. Existem várias cartas de Rudolph Salzmann
para Willermoz. 6. Em Lyon, na Biblioteca da Cidade, existem documentos muito preciosos. Em
primeiro lugar, a parte dos arquivos de Willermoz, que estava na posse de seu grande
sobrinho, o Sr. Gabriel Willermoz; depois os Arquivos Papus, contendo todas as cartas de
Martines para Willermoz. O bibliotecário, Sr. Joly, teve o Estou muito feliz em facilitar o meu
trabalho sobre esses documentos inestimáveis. 2. Material impresso. 7. BAADER (Franz von),
Sämtliche Werke em 16 Bände. Leipzig, Bethmann, 1857. 1) O ensino de Martines, banda
IV; 2) Cartas para vários (Chr von Meyer, Baron d'Yxküll, etc.), Banda 15. BAADER (Franz von)
(Ausgewählte Schriften). Leipzig. 1921. Uber of Spaniers Don Martinez
Pasqualis'Lehre. P. Este artigo é muito interessante, mas as idéias filosóficas e teosóficas do
autor são muito mais ensinadas do que as de Martines. Duvido que Von Baader tenha lido o
Tratado de Reintegração. 8. BAADER (Franz von), Os ensinamentos secretos de Martinès de
Pasqually. Paris, 1900. Tradução do texto alemão acima citado. Esta edição é importante pelo
"Novo Registro Histórico sobre Martinismo e Martinismo" que o precede. Tem 192 páginas e é
abundante em novos dados sobre a história da Maçonaria, estrita observância e a Ordem dos
Coes eleitos. Infelizmente, é escrito de uma só vez, sem divisão em capítulos e sem ordem. O
autor esconde sob o pseudônimo de Knight of the Pink Rose. M. Vulliaud o identifica
erroneamente com o Sr. Albéric Thomas. [185] Na realidade, este é um místico e ocultista
Lyonnais: o Sr. Rene Philipon, que editou sob o mesmo pseudônimo, o Tratado de
Reintegração de Martines de Pasqually. 9. BARBIER (E.), infiltrações maçônicas na
Igreja. Desclee, de Brouwer & Co., Lille, 1910. Várias teorias ocultistas, Gnósticos e
cabalísticos são bem apresentados neste livro, muito inteligentemente escritos. Sobre Martines,
o autor não ficou muito feliz. É certo que Swedenborg foi sua inspiração, que ele era um judeu
português e que ele morava de 1715 a 1799! 10. BERALDI (H.), O passado do
pireneismo. Ramond de Carbonnieres, Paris, 1919. T. 1, p. 40 a 44. Sobre a alegada visita de
Martines a Londres. O autor copia Papus. 11. BÉSUCHET, história precisa da Ordem da
Maçonaria. Paris, 1829. T. Eu p. 44, ano 1751, Martin Pasqual. T. II, p. 193. "Martines
Pasqualis, presumido português e até judeu, é um daqueles homens cujo nome é revelado
apenas por causas acidentais ou por uma celebridade às vezes dada a eles sem o seu
conhecimento. Foi o que aconteceu com o MP, pelo zelo da LC de Saint-Martin, com o qual foi
confundido ... A doutrina do MP é a cabala dos judeus que não é senão a metapsíquica [1] ou a
ciência do Ser, incluindo as noções de Deus, dos Espíritos, do Homem em são vários estados,
um sistema incompreendido pelo autor e distorcido por seus discípulos ". 12. Biografia
universal, antiga e moderna. T. XXVII, p. 320 a 321. Paris, 1820. "Martinez Pasqualis, chefe da
seita dos Martinistas, é um daqueles personagens que deram seu nome a uma escola e que
eles mesmos continuaram desconhecidos. A analogia do nome do discípulo principal com a do
mestre contribuiu [1] [No Volume II, o autor corrige: "P. 185. No. 11. Besuchet, linha 10: o
metapsíquico; leia: metafísica. ". Veja Errata do Volume I, Volume II, p. Para quase esquecer o
verdadeiro líder dos Martinistas, com o qual as folhas do dia, anunciando em 1803 a morte de
São Martinho confundiu o último. O artigo é interessante, mas não está livre de erros nos
fatos. 13. Biografia universal, antiga e moderna. T. L, p. 19. Paris, Michaud, 1825. O artigo
dedicado a L.-C. de St. Martin é excelente e escrito por Gence (veja este nome). [186] 14.
BODE, Ist Cagliostro Chefe da Illuminaten gewesen? 1790. O autor assegura que os
Martinistas não conseguem levantar a voz porque caíram muito baixos, mas em tempos mais
silenciosos eles poderiam tornar-se perigosos de novo. São Martin, segundo ele, é um boaster
dos cafés de Paris: é impossível que seja ele quem escreveu o livro de Erros e Verdade. 15.
EDGE (G.), maçonaria na França, de origens a 1815. T. I, cap. VII, p. 232. Paris sa
(1909). Autor animado por um espírito anti-maçônico e anti-ocultista, mas historiador
honesto. Desenha documentos importantes de arquivos, nos quais ele não fornece
detalhes. 16. BRICAUD (Joanny), maçonaria de Lyon no século XVIII. (Revolução de História
de Lyon, IV, pp. 198-208, 1905) O autor fornece informações fragmentadas sobre a história da
Franconiaçonnerie em Lyon: alguns, os menos importantes, são retirados de fontes
impressas; Outros, interessantes para verificar, provêm de fontes desconhecidas. Em Martines
nada de novo ou importante. 17. BRICAUD (Joanny), Nota histórica sobre Martinismo, 1ª
edição, Lyon, 1928; 2ª edição, complementada por um apêndice e notas doutrinais de C. C
(HEVILLON), Lyon, 1934. M. Bricaud menciona documentos maçônicos relativos ao pai de
Martines e a este, sem, no entanto, especificando sua natureza. Seria de extrema importância
poder identificá-los com certeza. 18. BRIMONT (Renée DE), Belle Rose. Paris. Editions des
Cahiers libres, 1930. O autor se apresenta como descendente de Miss Rose de Julley, prima
da senhorita Angélique Colas de Mauvigné, segunda esposa de Martines. Ela escreve de
maneira romântica a vida de Martines e seus alunos em Bordéus, do ponto de vista de sua
esposa e sua comitiva mundana e profana. Ela trança um arabesco elegante em torno de
Saint-Martin, do qual Miss Rose, a "bela Rose" estava apaixonada. Este livro simples e sincero,
escrito com mais simpatia do que arte, provavelmente não se baseia em nenhum documento
da época, nem mesmo em uma tradição familiar. O autor parece bem ciente da literatura
relativa a Martines e a Saint-Martin: ela cercou seus personagens com guirlandas [187] com
um desenho encantador e ingênuo. Não nos ensina nada de novo, mas nos obriga a parar
nossa atenção no modesto plano da vida cotidiana, com intuição feminina, nos mostra as
pequenas alegrias, as pequenas dores, as preocupações materiais que se formam o trem
ininterrupto. 19. CARO (E.), Ensaio sobre a vida e doutrina de São Martinho, o Filósofo
desconhecido. Paris, Hachette, 1852. P. 32, seguindo. Esta é a primeira biografia extensa de
St. Martin. Em Martines de Pasqually contém apenas algumas informações extraídas das obras
de St. Martin. 20. CARPENTIER-ALTING (AS), Woordenboek voor vrijmelselaren. Haarlem,
1884. P. 244, sub verbo: Martinisten, e p. 301: Pasqualis, Martines. Resumo de Lenning. 21.
CAZOTTE (J.), obras jovens e morais, históricas e filosóficas. Paris, Bastian, 1816. T. 1, p. XIV
a XX. Não encontrado na Holanda, meu país. Parece conter uma introdução sobre Illuminism,
St. Martin, & c. 22. CLAASSEN (Joh.), Ludwig von Saint-Martin. Sein Leben und seine
theosophische Werke em Geordnetem Auszuge. Stuttgart, 1891, JF Steinkopf. Este trabalho
consiste em uma série de fragmentos extraídos das obras de Saint-Martin e traduzidas para o
alemão. Na introdução biográfica, há várias observações muito judiciosas. Eu trago de volta
dois. Um primeiro, em Martines. O autor escreve que ele se manteve aparentemente fiel à
Igreja Católica, mas que não é necessário que haja uma hipocrisia deliberada nisso, porque a
tradição judaica kabalística aceita vários fatos da Revelação cristã, como a descendência de
Deus no homem, a libertação do Humanidade por um Messias, a Restauração e Reintegração
de todas as coisas em sua origem divina (12). O outro diz respeito a São Martinho e é muito
profundo: "São as almas generosas das mulheres que melhor entendiam e isso é explicado
pelo fato de sua alma ser de natureza e educação mais feminina do que masculina. . Que
tantas mulheres superiores tenham sido dedicadas a ele e a ele, vem não só do contraste do
sexo, mas também da afinidade de suas almas com os seus "(16). 23. CLAVEL (TB), História
da Maçonaria. Dê alguma informação sobre os rituais de Coens. [188] 24. COMBES (Louis
DE), Notas sobre os Martinistes iluminados de Lyon. Como Jean-Baptiste Willermoz tornou-se
aprendiz Rose-Croix. Boletim da Sociedade Literária Histórica e Arqueológica de Lyon, t. II,
1906 e 1907. p. 127 a 142; p. 153 a 167. Também publicado como uma brochura. Trevoux,
1907. Uma tentativa bastante inepta pela falta de julgamento objetivo das doutrinas e
aspirações que ela quer criticar, mas o autor tem o mérito de ter estabelecido a genealogia de
Willermoz. Tudo o resto é apenas compilação. 25. DERMENGHEM (F.), Jean-Baptiste
Willermoz. O sono. Paris, 1926. 115 Excelente coleção de documentos em Willermoz contendo
também algumas informações sobre Martines; é precedido por um registro histórico rico em
fatos bem referenciados, em considerações judiciosas e é inspirado por um espírito histórico
imparcial e objetivo. 26. Enciclopedia universal illustrada Europeo-Americana. T. XXXIII, p. 559
seguidores Verbo: Martinez Pascual. Certeza de que ele era de uma família de judeus
espanhóis e afirma que o Tratado de Reintegração não tem interesse filosófico ou literário. 27.
Enciclopédia da Maçonaria (sem data). The masonic history Company, Chicago, 1925. Sub
verbo Paschalis (sic!), Um alemão, nascido em 1700, morreu em 1779 (!). 28. Estado do
Grande Oriente, 1804, vol. Eu, fasc. 4, p. 369. Um artigo surpreendentemente louvável do Elus
Coëns: "Entre os diferentes ritos que os maçons mais instruídos cuidaram, desde tempos
imemoriais, o mais penetrado da persuasão íntima de que a perseverança em nossos trabalhos
deve aumentar a soma de seus conhecimentos e enviá-los para as ciências superiores, o Rit of
the Elus Coens é aquele que conquistou a maior parte dos alunos e preservado com o maior
cuidado o segredo de seus misteriosos trabalhos. Por causa do uso da palavra imemorial,
alguém ficaria tentado a acreditar que este artigo está na mão de uma CE. Talvez seja Bacon
of Knighthood? Kloss, que cita esta passagem, pressupõe que a CE pretendia contrastar com o
antigo e aceito Scottish Ritness que se tinha afirmado em dezembro de 1804. Em todo caso,
parece bem estabelecido que em 1804 a CE ainda existia como Grupo maçônico vivo e
ativo. [189] 29. FABRE (B), Franciscus, Eques a Capite Galeato, 1 7 5 3 - 1814. Paris, 1913.
Veja a página 71, 80, 378. 391. 413, 420. A nota fundamental deste livro é uma fobia anti-
maçônica que às vezes se torna ridícula. O autor continua a tradição dos abades Barruel, Le
Franc, etc. e admite que os "Martinistas" prepararam a Revolução! Mas comunica documentos
importantes de importância, entre os quais uma correspondência entre Bacon of the
Knighthood (Eq. Ab Apro) eo Marquês de Cabeça de Bem de Saint-Amand (Franciscus Eques
a Capite Galeato), da qual eu Citei no texto em extenso uma passagem muito curiosa. 30. A
FORESTAL (R.), maçonaria ocultista no décimo oitavo e a Ordem de Coes eleitos. Paris, Circa,
1932. O trabalho magisterial, que resume de forma objetiva tudo o que foi dito sobre Martines,
sua Ordem e seus discípulos, mas nenhuma documentação original. Análise excelente e
acadêmica do Tratado de Reintegração e das Instruções de Classificação Coen. 31.
FORNECIDO (o abade). O que temos sido, quem somos e o que nos tornaremos. Londres,
1809. Relaciona seu encontro com Martines de Pasqually, suas conversas com o Mestre e a
visão que ele teve após sua morte. FRANCK (Ad.), Filosofia mística na França no final do
século XVIII. São Martin e seu mestre Martinez Pasqualis. Paris, 1866. Excelente estudo. Este
é o primeiro autor que realmente se interessou por Martines e seus ensinamentos. Seu modo
de interpretar a doutrina da Reintegração provavelmente não corresponde à concepção de
Martines, mas representa um esforço sincero para sua compreensão. 33. GLEICHEN (Cap. H.),
Memórias. Paris. 1868, Techener, XIV, p. 151 a 165. "Martinez Pasqualis foi o fundador da
Ordem Mística dos Martinistas, assim chamado devido à consideração de que São Martin, um
dos sete mestres que seu líder havia designado para propagar sua doutrina depois dele,
obteve acima do seu colegas, por seu mérito pessoal e por seu famoso livro de Erros e
Verdades. O Barão de Gleichen alude, como depois dele a Von Baader, aos manuscritos
judaicos deixados por Martines para seus discípulos. [190] 34. GENCE, nota biográfica sobre
Louis-Claude de Saint-Martin. Paris, Migneret, 1 de setembro de 1824. Trecho da Biografia
Universal. Excelente biografia, análise séria das obras do Filósofo Desconhecido. "St. Martin
ficou feliz em participar de encontros em que exercícios de boa-fé foram realizados,
anunciando virtudes activas. As manifestações de uma ordem intelectual, obtidas pelo caminho
sensível, revelaram-lhe, nas sessões de Martinez, uma ciência dos espíritos; as visões de
Swedenborg, de um orden sentimental, uma ciência das almas. Quanto aos fenômenos do
magnetismo somnambulico, que ele seguiu em Lyon, considerou-os como sendo de uma
ordem menos sensata, mas ele acreditava neles. 35. KLOSS (G.), Geschichte der Freimaurerei
em Frankreich, sobre o assunto de Urgunden dargestellt, 1725-1830. Darmstadt, 1852-1853. 2
Bände. Excelente livro, escrito com muito cuidado [1]. O autor conseguiu examinar uma grande
quantidade de registros maçônicos, agora espalhados em parte. Como um médico e pedreiro
racionalista, Kloss não simpatiza com o sistema teosófico de Martines, mas ele lida com isso de
forma objetiva e imparcial. 36. LABORDE (Jean-Benj DE), Letras na Suíça, dirigido a Madame
de M ... por um viajante francês em 1781. Genebra, 1783, 2 vols. Em uma nota manuscrita
mantida no Grande Oriente holandês em Haia, P Kloss relata uma passagem relativa a
Martines na página 12 de t. Eu deste livro. Quando finalmente consegui encontrar este livro,
depois de ter lido completamente, não encontrei nenhuma menção sobre Martines, mas
contém, nas páginas 5 a 69, longas palestras sobre as aparências de fantasmas, sobre a
história de Rose-Cross do século XVII e, finalmente, em Cagliostro. Ele fala do último com
admiração e faz uma narrativa entusiástica das curas que ele realizou em Estrasburgo em
1781 e do qual ele era o testemunho. 37. LANTOINE (A.), História do Pe. Mac. •. Francês. Fr.
•. Mac. •. em casa. Paris, 1927, p. 198, 212. Nenhuma informação original. [1] [No Volume II, o
autor corrige: "P. 190. No. 35. KIoss, linha 4, muito cuidado; leia: muito cuidado. ". Veja Errata
do Volume I, Volume II, p. 173. 117 38. LENNING, Allgemeines Handbuch der Freimaurerei. 1ª
edição 1822-28; 2ª edição 1863-1867; 3ª edição 1901. Pasqualis, Martinez, Pascal, Paschalis,
nascido em 1715 em [191] Portugal, morreu em 1779 (?) Em Porto Príncipe. Ele era
judeu. Coëns, Auserwählte "Elus Coëns, uma seita mística na Francamaconnerie que lidava
com Cabal, Alquimia, a queda e o renascimento da Humanidade, etc." Consistia em nove notas
em duas classes: A. 1. Aprendiz 2. Companheiro; 3. Mestre; 4. Eleito; B. 5. Aprendiz Coen 6.
Companheiro Coen; 7. Mestre Coen; 8. Ótimo arquiteto; 9. Knight Commander. 39. MAISTRE
(Joseph DE), Noites de São Petersburgo. Paris, livraria grega, latino e francês. 1821. Em todo
este trabalho notável surgiram as doutrinas Martinésistes cujo autor havia sido penetrado no
ano de 1778, onde recebeu Grand Profès de Willermoz. Veja especialmente a duzem
entrevista, t. II, p. 303. 40. MATERIAL (M.), São Martinho, o Filósofo Desconhecido. Seu
Mestre Martines e seus grupos. Paris, 1862. Trabalho clássico em L.-C. de São Martinho e seu
Mestre. A pesquisa histórica subsequente, em 70 anos, descobriu algumas informações
adicionais, mas conseguiu identificar neste trabalho apenas um número muito pequeno de
erros. 41. MENEND Y PELAYO, Historia de los Heterodoxos Españoles. T. III, cap. 1V, p. 357
seguidores Este autor, ao condenar do ponto de vista ortodoxo católico as doutrinas de
Martines e de Saint-Martin, faz uma justiça completa às suas personalidades. Assim, ele
escreve, de Martines: "O personagem singular que governou este grupo não deve ser dúvida,
um homem de extraordinário poder intelectual e uma força superior de vontade, como era
necessário para fanatizar Para o delírio, são muitos seguidores. Ao contrário de outros
trabalhadores milagres, ele estava desinteressado, o que ajudou a remover suspeitas e
aumentar seu crédito. Em São Martinho escreve: "... ele era algo mais e menos que um
pensador e um filósofo. Ele não era um cristão, ou ele estava à sua maneira. Ele não estava
afiliado a nenhuma seita conhecida (implícita: herege), mas ainda era um místico, mas um
místico heterodoxo que não chegou ao panteísmo e estava satisfeito com o deísmo de seu
tempo ". 42. MERCIER, Mesa de Paris. Amsterdã, 1783, t. VI, cap. DXIX, p. Um artigo agridoce
sobre "os Martinistas", isto é, sobre [192] pessoas do mundo que leram e discutiram, os livros
de São Martinho. 43. MOLITOR (F.), Filosofia de Geschichte, 1824, cap. 1V, p. 487 [1]. Este
imensamente erudito autor encontra no Traite de Martines as doutrinas cabalísticas dos
rabinos. [1] [No Volume II, o autor corrige: "P. 192. No. 43. Molitor, linha 1: 1824, cap. IV; leia:
1827, TI, cap. IV. ". Veja Errata do Volume I, Volume II, p. 173. 118 44. MOREAU (Louis),
Reflexões sobre as idéias de Louis-Claude de Saint-Martin, o teosofista, seguidas de
fragmentos de uma correspondência inédita entre Saint Martin e Kirchberger. Paris, Lecoffre,
1850. Não consigo ter sucesso em trabalhar comigo. 45. PAPUS, Martines de Pasqually, sua
vida, suas práticas mágicas, seu trabalho, seus discípulos, seguidos pelos catecismos dos
Eleitos Coens. Paris, 1895. Contém a reprodução ou resumos de cerca de trinta letras de
Martines para Willermoz, dos Arquivos do último. O autor tem o mérito de ter encontrado e
publicado os primeiros documentos autênticos em Martines e os catecismos de alguns
graus. Infelizmente, o autor não tem conhecimento histórico e críticas sólidas. 46. PAPUS,
Louis-Claude de Saint-Martin. Paris, 1902. Contém, 50 cartas inéditas muito interessantes de
St. Martin, dos Archives of J.-B. Willermoz. 47. PAPUS, Martinésisme,
Willermosisme, Martinismo e Maçonaria. Paris, 1899. Esta exposição, como todo o trabalho de
Papus, está cheia de erros históricos, mas o autor tem o mérito de poder distinguir entre os
vários movimentos: o Martinésisme de Pasqually (isto é, o Rit Coen); o que ele chama de
Willermosism (ou seja, Rebounded Strict Observance, completado em sua cimeira pelas duas
notas de martinista); o que ele acredita ser o Martinismo da LC de São Martinho (ou seja, a
iniciação individual dada por São Martinos aos íntimos) e o Martinismo contemporâneo (isto é,
a Ordem iniciador fundado por Papus e Guaita em 1883). 48. PASQUALLY (MARTINES DE),
Tratado sobre a Reintegração dos Seres. Paris, Chacornac, 1899. Primeira edição completa do
Tratado, tratada pelo Sr. René Philipon e precedida por um breve histórico. [193] 49. SAINT-
MARTIN (L.-G.), Correspondência não publicada, publicada por L. Schauer e A.
Chuquet. Paris, 1862. Correspondência cóssica famosa com o barão de Liebestorff. É
mencionado várias vezes a primeira escola do Filósofo Desconhecido. 49 bis. SCHAUER e
CHUQUET, veja SAINT-MARTIN (Correspondência inédita). 50. SEDIR, História dos
Rosacruzes. Paris, 1910, p. 114. "Os Rosacruzes ocultos também despertaram missionários
armados com poderes reais como Martines de Pasqually ou seu discípulo São Martinho que,
por sua vez, criou associações de caridade e perdão. Só se pode deplorar, sob uma caneta tão
conhecida, a acumulação nesta breve frase de asserções tão vagas. 119 51. STEEL MARET,
Archives Secretos da Maçonaria, Colégio Metropolitano da França em Lyon, II e Província
chamada Auvergne, 1765-1852, 1ª entrega. Lyon, 1893. O autor teve em mãos uma parte dos
arquivos do Coens eleito e do Colégio Metropolitano da Grande Professora em Lyon e extraiu
informações da primeira ordem. Infelizmente, ele publicou apenas algumas entregas de seu
trabalho, que não podem ser encontradas. Seus documentos foram comprados em 1891 por
Papus, cujo filho entregou-os ao livreiro Nourry, que ele mesmo, pouco antes de sua morte em
abril de 1935, os revendiu para a cidade de Lyon, onde eles são mantidos na Biblioteca. 52.
STERN (H.), Studien über Mystik und Theosophie. I. Martinez Pasqualis und sein Schüler St.
Martin. Program der kk deutschen Staats Oberrealschule em Frankenau, 1911; II. St. Martin in
the deutschen Literatur und Critik, 1912. Ambos os estudos são muito interessantes e são
escritos com simpatia. O autor teve um profundo conhecimento de escritos franceses e escritos
alemães sobre Martines e Saint-Martin. Ele teve o mérito de conceber a influência exercida
pelas escolas e os grupos teosóficos na segunda metade do século XVIII na literatura e
civilização europeias. 53. SAINTE-BEUVE (GA), palestras na segunda-feira. T. X, p. 235 a 278,
St. Martin. Paris, Carnier, 1870. Este artigo foi publicado em junho de 1854. É sincero, objetivo
e erudito. Ele chamou a atenção para o filósofo desconhecido e suas doutrinas místicas. [194]
54. SYPESTEYN (CA van), Voltaire, St. Germain, Cagliostro, Mirabeau na Nederland.'s
Gravenhage. Van Doorn, 1869. Encontramos neste pequeno livro uma pilha de fatos, ou
incontroláveis ou fantásticos, obviamente. Assim, o autor relata que Saint-Germain era
certamente um Martinista, que Saint-Martin o enviou (em 1760!) Para Haia para fundar um
grupo afiliado à sua Sociedade Secreta! que o filósofo desconhecido teria uma grande fortuna
(?!) e que ele colocaria tudo ao serviço da sociedade da qual ele havia sido eleito (!)
presidente! Onde o autor obteve essa incrível informação? Quanto a Martines, ele o chama
Pasquillez. 55. THORY, Annals originou Magni Galliarum Orientis, ou História do Grande
Oriente da França. Paris, Dufart, 1812. Prefácio página VI: (O autor declara ter) "com o objetivo
de ... proteger (os membros do associação) contra o charlatanismo de certas pessoas que não
têm meios de existência, exceto na propagação dessas produções, a maioria das meninas de
loucura ou ganância ". Apêndice, seguindo o histórico da fundação da Grande Ordem da
França, página 239, n ° XX. Da Ordem dos Eleitos Coens e da doutrina de suas
iniciações. "Este pedido foi anteriormente muito difundido na Alemanha; Em quase todas as
grandes cidades, havia sociedades chamadas Logés de Coen. Foi introduzido em Paris por
volta de 1775. O Elus Coens sempre mostrou grandes pretensões: eles admitiram apenas um
pequeno número de homens escolhidos, mas eles os receberam com grande
circunspecção. Era uma maneira de afirmar o instituição e manter o segredo das fórmulas de
iniciação. Mas eles teriam alcançado esse objetivo muito mais certamente se não tivessem
escrito nada sobre seus mistérios. Thory não sabia o que parecia, a parte realmente secreta da
Ordem dos Eleitos Coens: a doutrina do domínio supremo dos Reals-Crosses. Ele conhece a
existência destes, mas ele não sabe nada de sua ordenação e funções. "... Após a morte de M.
de Saint-Martin, encontramos os cadernos das notas, bem como as instruções e regulamentos
ms. A família descartou sua propriedade maçônica a favor [195] de um de seus amigos, que
não teve dificuldade em comunicá-los a alguns irmãos que fizeram cópias. M. Savalette de
Langes, que pertencia à seita, os teve também; nós sabemos que a sua ms. foram vendidos
com sua biblioteca: É o resultado de tudo isso que, apesar dos próprios iniciados, os mistérios
dos Elect Coens foram divulgados como todos os outros. Assim, podemos facilmente dar
detalhes autênticos sobre esse rito; estamos certos de que eles não serão negados pela FF
Coëns: ainda conhecemos alguns deles em Paris e no exterior. "A criação do homem, sua
desobediência, seu castigo, as dores do corpo, a alma e o espírito que ele sente, formam toda
a doutrina da iniciação no rito dos Eleitos Coens. ... "Sua regeneração e reintegração em sua
inocência primitiva, bem como nos direitos que perdeu por meio do pecado original, são o
objetivo que propomos ..." segue a descrição da recepção de um Eleito Coën no primeiro e
segundo grau, e o enumeração de notas. De acordo com Thory the Elus Coëns conhece duas
classes: 1ª classe: Aprendiz; Companheiro, Master Grand Elect; 2ª classe: Apprentice Coën,
Companion Coën, Master Coën, Grand Architect, Knight Commander. O autor faz com que a
observação tenha visto o nome da Ordem dos Coens Eleitos de diferentes maneiras em vários
manuscritos. Alguns escrevem Koën, outros Choën ou Coën. M. Caignard de Mailly nos Anais
Maçônicos, vol. III, p. 12, escreveu Coin. Na cabeça de um caderno que foi comunicado a
Thory por Madame de Munich, é escrito Koës. O Sr. Alexandre Lenoir consultou sobre estas
diferenças escreveu, em setembro de 1809, Koen ou Coen podem vir do hebraico KHN, que
significa sacerdote; Choës pode vir do grego e significa um sacerdote libertador (de χεω:
libo), Koës finalmente poderia vir de χοεω: intelligo. Na ilha de Samothrace Koës era uma
espécie de grande confessor de Cabirs. 56. THORY, Acta Latomorum ou História da Maçonaria
Franch francesa e estrangeira. Paris, Dufart, 1815. No Volume I na página 68, há uma primeira
tentativa de estabelecer a cronologia da vida de Martines (ver página 18). No Volume II na
página 362, Thory resume seu modo de olhar para Martines da seguinte maneira: "Paschalis
ou [196] Pasqualis (Martines), autor do sistema conhecido como Martinismo: ele era o Mestre
de São Martinho ; ambos introduziram os princípios místicos deste sistema em algumas das
lojas do reino. As opiniões de Martines foram rejeitadas pela Grande Loja de 121 França, que
rejeita este sectário das Lodges da Constituição por decreto de 12 de dezembro de 1765 (ver
Registro de Procedimentos da Grande Senda da França (Sra.) Sessão de 16 de novembro de
1766 p.81). "57. VARNHAGEN VON ENSE (K. A.), St. Martin (1821). Em KA Varnhagen von
Ense, Ausgewählte Schriften, Banda XVII. Vermischte Schriften, Erster Theil, p. 24 a 35.
Leipzig, Brockhaus, 1875. Fala de uma "Sociedade de São Martinho" com muitos detalhes,
bem como algo conhecido e óbvio. 58. VARNHAGEN VON ENSE (KA), Zwei Gespräche St.
Martins. Em KA Varnhagen von Ense, Ausgewählte Schriften, Banda XVII. Vermischte
Schriften, Erster Theil, p. 36 a 41. Leipzig, Brockhaus, 1875. Detalhes interessantes sobre St.
Martin. 59. VIATTE (Auguste), Um século ilustrado do século XVIII: Martinès de Pasqually, na
Revue de l ' História da Igreja da França, t. VIII, nº 38, p. 441 a 454, 1922. Paris, Librairie
Letouzey & Ané. Curto, mas excelente resumo do conhecimento do tempo em Martines. A
atitude do autor em relação ao ocultismo e a Martines é um pouco estranha. Ele também é
honesto. Excelente análise da doutrina do Mestre, na qual o autor encontra elementos neo-
platônicos. Crítica de como A. Franck julgou Martines. 60. VIATTE (Auguste), As fontes ocultas
do romantismo. Iluminação. Teosofia, 1770-1820. T. I-II. (Veja especialmente I, Capítulo II: O
Primeiro Martinismo, pp. 11-71.) Paris, 1928. Há uma série de fatos inéditos e interessantes,
mas relatados sem qualquer ordem ou conexão lógica. O autor se refere a vários documentos
impressos ou manuscritos, o que ele indica com cuidado as fontes. Há uma ironia doce,
atenuada por uma indulgência condescendente, que está disposta a admitir e perdoar loucuras
humanas, por mais heterodoxas que sejam. O fundo de seu pensamento, para saber que o
romantismo tem suas raízes profundas na propensão [197] ao ocultismo e ao misticismo,
responde a uma noção muito justa e merece a atenção do historiador que estuda a civilização
Ocidente. 61. VULLIAUD (P.), o Lyonnais Rose-Croix no século 18, Paris, 1929. Este livro está
escrito em um espírito que poderia ser descrito como anti-histórico. O autor distorceu seu
assunto, borrou as fontes, escolhendo entre os documentos à sua disposição apenas o que
poderia servi-lo para ridicularizar os personagens cuja biografia ele afirmou traçar. Ele chega a
se divertir com Willermoz porque, como arquivista, ele cumpriu seu papel de forma sistemática
e conscienciosa. Seu desdém se estende até aos autores que trataram o mesmo assunto e ele
não cita o trabalho documentado e importante do Sr. Dermenghem no "Sleep" de
Willermoz. Felizmente, os documentos que M. Vulliaud examinou (os Arquivos de Papus) estão
agora na biblioteca de Lyon, à livre disposição de todos aqueles que, em matéria de pesquisa
histórica, como a sinceridade e a pura verdade de todas as ligas, qualquer parcialidade. 62.
WHITE (AE), Nova Enciclopédia da Maçonaria. Londres, 1921, t. II, p. 335 Rite of the Elected
Coens. "Entre os muitos" High Ranks "dignos, há muito poucos que brilham como estrelas no
firmamento emblemático, mas entre as ordens ocultas, há um que está acima de todos os
outros: é The Rite of the Elected Coens ... "Este artigo também não contém nada de notável do
ponto de vista histórico ou biográfico. 63. WHITE (AE), A Vida de Louis-Claude de São
Martinho, o filósofo desconhecido. Londres, Ph. Wellby, 1901. Curta, mas suficiente biografia
de São Martinho: uma análise detalhada de suas obras e sua doutrina. Este livro completa o
estudo do Sr. Matter. Sobre o assunto de Martines, devemos saborear esta frase cheia de
humor, mas também de sinceridade e simpatia: "Pasqually não tinha um objetivo político, nem
pode encontrar nele o menor vestígio de qualquer objeto interessado, embora ele não tenha
estado isento do constrangimento do dinheiro. 64. WAITE (AE), St. Marlin, The French
Mystic. Londres, W. Rider, 1922. Apresentação popular da vida de São Martinho e da história
da moderna Ordem Martinist. 123 [199] T ABLETA DE M ATERIA (ORIGINAL) Página s VII 1 9
9 10 17 18 20 32 34 34 35 39 42 42 44 45 45 51 55 58 75 75 82 88 94 PREFÁCIO
INTRODUÇÃO 1. - EM ALGUMOS PONTOS CONTROLADOS DE A VIDA DE MARTINES DE
PASQUALLY 1. Seu nome 2. Origem, nascimento, raça 3. Preparação para o apostolado 4.
Descida para a arena 5. A construção do Templo II. - APÓS A MORTE III. - O HOMEM E O
MESTRE NA OPINIÃO DE SEUS DISCÍPULOS 1. O milagreiro 2. O homem 3. O Mestre IV. -
O ENSINO DE MARTINES 1. A teurgia de Martines de acordo com suas letras 2. Os rituais e
catecismos da Ordem dos Coes eleitos 3. O Tratado de Reintegração a) O conteúdo do
Tratado b) Composição do Tratado c) Os manuscritos do Tratado d) O texto Tratado Autêntico
V. - A ORDEM DOS CUSOS ELUS 1. Finalidade e Hierarquia da Ordem 2. Os Substitutos e
Sucessores de Martines 3. História dos Templos de Coens 4. Os Membros da Ordem dos Coes
Eleitos [200] 5 A sobrevivência direta e indireta da Ordem dos Coens eleitos. Metamorfose
Willermosist (Capítulos de Grande Professos) e Martinist (Martinismo de São Martinho e
Papus) a) A sobrevivência direta da Ordem b) Willermosism; as duas profissões c) o chamado
Martinismo VI. - CONCLUSÃO: MARTINES E SEU TRABALHO NA POSTERIDADE 1. Valor
moral da Ordem dos Coes Eleitos 2. Martines, homem, sua doutrina, sua teurgia a) O homem
b) A doutrina teosófica de Martines c) A teurgia de Martines DOCUMENTOS I. - Cartas de
JB. Willermoz a Baron von Türkheim 1. Excerto de uma carta inédita de junho de 1818 2.
Trecho de uma carta não publicada de julho de 1821 99 99 101 111 119 119 123 123 124 125
129 129 129 130 124 3. Resúmenes e extratos, copiados por Türkheim, de uma carta dirigida a
ele por Willermoz em 25 de março de 1822 4. Carta inédita de 12 de agosto de 1821 II. -
Excertos e resúmenes de cartas de Raimond ao príncipe cristão de Hesse-Darmstadt 1-
5. Extractos das cartas 1817-1825 III. - Cartas do Major CF Meyer ao Príncipe cristão de
Hesse-Darmstadt 1-5. Extractos das cartas 1813-1818 [201] IV. - Excertos do caderno de
autógrafos do Príncipe cristão de HesseDarmstadt 1. Os sucessores de Pasqually (escrito em
1782) 2. A progressão das fileiras da Ordem dos Eleitos Coens V. - Excerto de uma carta de
EFH Falcke para Mund VI. - Extração de uma carta de Rudolph Salzmann a Türkheim, 16 de
fevereiro de 1817 VII. - Carta de Joseph-Antoine Pont. ao Professor Molitor, 7 de setembro de
1829 VIII. - Letras de Grainville a Willermoz 1. ...? ..., 13 de junho de 1768 (não publicado) 2.
Bordéus, 15 de dezembro de 1768 (não publicado) 3. Libourne, 19 de fevereiro de 1769
(reproduzido por Papus) 4. Rochefort, 1 de junho 1769 (reproduzido no véu de Isis) 5. Longwy,
11 de janeiro de 1770 (não publicado). 6. Lorient, 12 de fevereiro de 1770 (não publicado) 7.
Lorient, 14 de março de 1770 (não publicado) 8. Longwy, 8 de maio de 1770 (não publicado) 9.
Saint-Omer, 24 de dezembro de 1770 (não publicado) 10. Lorient, 11 de novembro de 1772 (
não publicado) 11. Lorient, janeiro de 1773 (?) (não publicado). 12. Lorient, 14 de março de
1774 (não publicado) 13. Toulouse, 29 de setembro de 1776 (não publicado) IX. - Carta dirigida
em 20 de dezembro de 1794 por um estranho ao Dr. Köster de Gottingen X. - Quatro cartas
inéditas do Príncipe Carlos de Hesse-Cassel 1. Gottorp, 23 de novembro de 1826, ao Pr.
Chr. de Hesse-Darmstadt 2. Gottorp, 10 de dezembro de 1826, ao pr. Chr. de Hesse-Darmstadt
3. Gottorp, 29 de outubro de 1829, ao Pr. Chr. de Hesse-Darmstadt 4. Louisenlund, 30 de junho
de 1830, à WF von Metzler XI. Extrai de uma carta de Willermoz ao príncipe Carlos de Hesse-
Cassel, 12 de outubro de 1781 XII. - Três cartas inéditas de Bacon de la Chevalerie para
Willermoz 1. Lyon, 24 de setembro de 1775 2. Lyon. 3 de junho de 1778 3. Paris, 23 de abril de
1808 XIII. - Excertos de várias cartas inéditas de Rudolph Saltzmann para Willermoz 1-
3. Extractos de cartas de 1779-1781. XIV. Extractos dos Estatutos Gerais do Elect Coens XV. -
Controles do Regimento Foix XVI. - Letras de Lucius a Willermoz BIBLIOGRAFIA 1.
Manuscritos 132 136 136 137 137 138 138 140 141 142 142 144 145 146 148 148 151 152 154
156 156 158 159 159 160 161 163 163 163 164 164 165 171 171 172 173 174 174 174 175
177 180 183 183 125 2. Material impresso 184 126 [203] Imprimerie des Presses Universitaires
de France - Vendome-Paris (França) 127 TABELA DE M ATIERIAS Prefácio ................
.................................................. .................................................. .......................... 3 Introdução
...................... .................................................. .................................................. ............. 3 I. -
Sobre alguns pontos controversos na vida de Martines de Pasqually ......................
..................... 7 1. O nome dele ........... ..................................................
.................................................. ........................ 7 2. Origem, nascimento, raça ...................
.................................................. .......................................... 7 3. Preparação para o apostolado
.................................................. .................................................. ... 11 4. A descida para a arena
.......................................... .................................................. .................. 11 5. A construção do
Templo .......................... .................................................. ............................ 13 II. - Após a morte
.............................................. .................................................. .............................. 20 III. - O
homem e o Mestre na opinião de seus discípulos .................................... ............................ 21
1. O trabalhador milagroso ................. ..................................................
.................................................. ... 21 2. O homem .........................................
.................................................. ........................................ 21 3. O Mestre .....
.................................................. .................................................. .......................... 23 IV. - O
ensino de Martines ............................................ .................................................. ... 25 1. A
teurgia de Martines de suas cartas ................................ .............................................. 25
2. .................................................. .................................................. 56 b) Willermosism: as duas
profissões .... .................................................. ......................... 57 c) O chamado Martinismo
................... .................................................. .................................... 64 VI. - Conclusão:
Martines e seu trabalho antes da posteridade ........................................ ................... 68 1. Valor
moral da Ordem dos Cois Eleitos ................... .................................................. ............ 68 2.
Martines, o homem, sua doutrina, sua teurgia ....................... .................................................. ...
70 a) O homem ......................................... .................................................. ................... uma
carta dirigida a ele por Willermoz em 25 de março de 1822 ........................................
.................................................. .......................................... 76 4. Carta de Willermoz a Türkheim
a partir de 12 Agosto de 1821 ................................................ .................. 77 II. - Extractos e
resumos de cartas não publicadas de Raimond ........................................ .................. 78 1)
Trecho ............................. .................................................. .................................................. ... 2)
Resumo ........................................... .................................................. .................................... 79
3) Resumo .......... .................................................. ..................................................
................... 79 4) Trecho .............................................. ..................................................
.................................... 79 5) Excerto .......... ..................................................
.................................................. .................... 79 III. - Letras do Major C.-F. de Meyer 1]
.............................................. ......................................... 79 1) Trecho .....
.................................................. .................................................. ........................... 80 2) Excerto
................... .................................................. .................................................. ............. 80 3)
Trecho ................................. .................................................. ............................................... ...
80 4) Trecho ............................................ ..................................................
...................................... 80 5) Resumo ........ ..................................................
.................................................. ..................... 80 128 IV. - Excertos do caderno de autógrafos
do Príncipe cristão de Hesse-Darmstadt .............. 80 1. Os sucessores de Pasqually ...............
.................................................. .................................. 81 2. A progressão das fileiras dos Coens
eleito ..... .................................................. V. - Extrair de uma carta de E.-F.-H. Falcke
................................................. .................................... 82 VI. - Extração de uma carta de
Rudolph Salzmann ........................... .................................................. 83 VII. - Carta de Joseph-
Antoine Pont ........................................... .................................................. 83 VIII. - Cartas de
Grainville a Willermoz ............................................ ........................................... 85 1. "......? 13
de junho de 1768 .............................................. .................................................. .................. 85
2. "Carta de Bordéus, 15 de dezembro de 1768 ........................... ..............................................
86 3. Carta datado de Libourne, 19 de fevereiro de 1769, reproduzido por Papus. "Martinez de
Pasqually" (Illuminism in France) p. 172-173: ..............................................
........................................ 87 4. Rochefort, 1 de junho de 1769. Reproduzido em The Veil of Isis,
maio de 1934. Documentos maçônicos, p. 202-293: ..............................................
............................1] ................................................ .................................................. 96 12.
Lorient, 14 de março de 1774 ......................................... .................................................. ...........
96 13. Toulouse, 29 de setembro de 1776 .............................. ..................................................
.......... 97 IX. Carta ao Professor Köster ..............................................
.................................................. ...... 97 X. - Quatro cartas inéditas do Príncipe Carlos de Hesse-
Cassel .............................. ...................... 99 1-3 ao Príncipe cristão de Hesse-Darmstadt (em
ordine Christianus Eques a Cedro Libani). ....... 99 4. Carta ao médico de direito WF von
Metzler (na Ordine Gulielmus Eques a Rosa Rubra) em Frankfurt-on-the-Mein ...............
.............. .................................................. ........................................ 99 XI. Extractos de uma
carta de Willermoz ao príncipe Carlos de Hesse-Cassel, datado de 12 de outubro de 1781
.............................. .................................................. .................................................. ......... 100
XII. - Três cartas inéditas de Bacon of Chivalry in Willermoz .......................................... ...... 104
1. Lyon, 24 de setembro de 1775 ................................... .................................................. ............
104 2. Este 3 de junho de 1778 ................................ ..................................................
.................................... 105 3. Em Paris, em 23 de abril de 1808 ....
.................................................. .................................................. 106 XIII. - Excertos de cartas
não publicadas dirigidas por Rudolph Saltzmann a Willermoz ..................... 107 1. 21 de abril de
1779 ........... .................................................. .................................................. ... 107 2. 1 de
maio de 1779 ........................................ .................................................. .......................... 107 3.
30 de julho de 1781 .................. .................................................. ..................................................
108 XIV. - Excertos dos Estatutos Gerais dos Coes Eleitos ..........................................
........................ 108 XV. Cheques do Regimento Foix .............................................
................................................ 109 XVI . - Letters of Luc's Perish em Willermoz
.......................................... ...