Você está na página 1de 11

Teste de Biologia e Geologia 2017-2018

10.º ano

Nas respostas aos itens de escolha múltipla, selecione a opção correta.

GRUPO I

As membranas celulares têm características e funções comuns a todos os seres vivos e, por isso, a sua
estrutura básica é fundamentalmente a mesma em todas as células. No entanto, a sua composição pode
variar quer em diferentes seres vivos, quer em diferentes tipos de células do mesmo ser vivo. Podem
também ter variações de composição como resposta a condições de stress ambiental a que as células são
sujeitas. Numa experiência levada a cabo por Raimundo Júnior e seus colaboradores foram analisadas as
membranas de células de folhas de feijoeiro (Phaseolus vulgaris) sujeitos a diferentes situações de stress
hídrico (falta de água). Na figura 1 estão representados os resultados obtidos para o teor em ácidos gordos
saturados e insaturados nas diferentes condições experimentais testadas.

Índice de insaturação
Índice de insaturação

Figura 1. Índice de insaturação (percentagem de ácidos gordos insaturados no total de ácidos gordos
das membranas) em lípidos da membrana de folhas de Phaseolus vulgaris em condições controlo
(Controlo); stress moderado – 20 dias de desidratação (S1); stress severo – 45 dias de desidratação
Martins Júnior R. R.,
(S2); plantas Oliveira M. S. C.,
re-hidratadas Baccache
durante M. A.,(R1)
2 dias & Paula F. M. (2008).
e plantas Effects of water
re-hidratadas deficit and
durante 6 rehydration
dias (R2).on the polar lipid
and membranes resistance leaves of Phaseolus vulgaris L. cv. Pérola. Brazilian Archives of Biology and Technology, 51(2), 361-367.

1. Indique qual a hipótese que poderá estar na base da experiência cujos resultados estão apresentados
no gráfico.

1
2. No gráfico, a primeira coluna do lado esquerdo (Controlo) representa os resultados obtidos na
experiência controlo. Nessa experiência
A. utilizaram-se células cujas membranas só possuíam ácidos gordos insaturados.
B. as plantas de feijoeiro foram regadas em dias alternados.
C. utilizaram-se células cujas membranas só possuíam ácidos gordos saturados.
D. as plantas de feijoeiro foram tratadas de forma a não terem stress hídrico.

3. Nas membranas e nas paredes das células do feijoeiro, podemos encontrar, respetivamente,
A. fosfolípidos e celulose.
B. fosfolípidos e ácidos gordos.
C. ácidos gordos e fosfolípidos.
D. amido e celulose.

4. O resultado da digestão dos triglicerídeos pelas lipases é


A. glicerol e glicose
B. fosfatos e ácidos gordos
C. glicerol e ácidos gordos
D. glicose e frutose

5. As enzimas são _______ cujas unidades básicas são os _______.


A. proteínas (...) aminoácidos
B. proteínas (...) monossacáridos
C. glícidos (...) aminoácidos
D. glícidos (...) monossacáridos

6. Tendo em conta os resultados da experiência apresentados no gráfico da figura 1, quanto maior o


stress hídrico _______ a quantidade de ácidos gordos insaturados na membrana, o que significa que
deveremos observar _______ da sua fluidez.
A. maior (...) um aumento
B. menor (...) um aumento
C. menor (...) uma diminuição
D. maior (...) uma diminuição

7. As células dos tubos coletores possuem, nas suas membranas, aquaporinas, que são _____ capazes
de reabsorver água por difusão _____.
(A) fosfolípidos ... simples
(B) proteínas ... facilitada
(C) fosfolípidos ... facilitada
(D) proteínas ... simples

8. Em células animais, a presença de uma maior quantidade de ácidos gordos insaturados


determinada uma maior fluidez da membrana.
Relacione o índice de insaturação das membranas celulares com a maior ou menor facilidade das
células efetuarem processos de exocitose.
2
3
GRUPO II

A fasciolíase hepática é uma doença causada por Fasciola hepatica, verme achatado e de corpo foliáceo.
No estado adulto este animal hermafrodita não apresenta sistema circulatório, nem respiratório, o tubo
digestivo é incompleto, ocorrendo digestão intra e extracelular.
F. hepatica é um parasita que pode ser encontrado no fígado e canais biliares de diversos animais
homeotérmicos, ocorrendo em ovinos, caprinos, bovinos, búfalos, suínos e em seres humanos.
F. hepatica é um tremátode digenético, isto é, necessita de um hospedeiro intermediário para completar
seu desenvolvimento. Os ovos produzidos pelo parasita nos canais biliares acumulam-se na vesícula biliar
e através do canal colédoco passam para os intestinos delgado e grosso. Os ovos chegam ao ambiente
juntamente com as fezes e desenvolvem-se em lugares húmidos com temperaturas acima de 10° C. O
tempo necessário para eclosão depende das condições ambientais. Na época do verão, a eclosão ocorre
em aproximadamente 21 dias. No inverno, esse período pode chegar a mais de 90 dias. A eclosão liberta
do ovo uma larva denominada de miracídio, que é extremamente ágil em meio aquoso. O miracídio
procura o hospedeiro intermediário, que neste caso é um molusco do género Lymnaea (caramujo). A larva,
após penetrar no molusco, sofre algumas alterações. Transforma-se em esporocisto e logo a seguir em
rédias. No interior das rédias formam-se as cercárias, formas infetantes do parasita. As cercárias
abandonam o molusco e nadam até se prenderem nas folhas da vegetação aquática, onde enquistam
formando as metacercárias, que são formas de resistência ao ambiente, onde podem sobreviver por
muitas semanas. O ciclo no molusco pode durar de dois a três meses, conforme as condições ambientais.
A população de moluscos aumenta durante as estações chuvosas e diminui com temperaturas baixas e
nos períodos de seca. Os moluscos sobrevivem na lama seca durante vários meses e resistem, também,
às baixas temperaturas. Moluscos desse género produzem cerca de 3000 ovos/mês. A produção de uma
nova geração de moluscos leva aproximadamente um mês, em condições adequadas.
A epidemiologia da fasciolíase é influenciada pelo tipo de pastagem realizado pelos animais. A pastagem
em áreas alagadas, lugares onde os moluscos têm o seu habitat, facilita a continuação do ciclo biológico
do parasita.
O ser humano pode-se infetar por meio da ingestão de água e hortícolas contendo a forma infetante do
parasita (metacercárias).

adaptado de: Moda de Oliveira S. & Spósito Filha E. Fasciolose hepatica in


http://www.biologico.sp.gov.br/artigos_ok.php?id_artigo=67

4
Figura 2. Ciclo de vida de Fasciola hepatica.

1. Os surtos de fasciolíase, que ocorrem em animais bovinos, estão associados


A. à pastagem em ambientes propícios ao desenvolvimento de moluscos do género Lymnaea.
B. ao contacto com animais infetados.
C. à ingestão de miracídios presentes no pasto.
D. a períodos de seca.

2. O facto de Fasciola hepatica ser um parasita digenético, implica que


A. o Homem seja o hospedeiro definitivo.
B. os animais homeotérmicos sejam hospedeiros intermediários.
C. parasite o caramujo.
D. passe por um estádio de enquistamento.

5
3. As afirmações seguintes referem-se ao ciclo de vida de F. hepatica. Selecione a alternativa que as
avalia corretamente.
i. Para que ocorra infestação de humanos é necessário que o parasita tenha parasitado animais
suínos.
ii. As metacercárias formam-se no intestino de um animal homeotérmico.
iii. As metacercárias são a forma do parasita capaz de infetar animais homeotérmicos.

A. i é verdadeira, ii e iii são falsas.


B. i e iii são verdadeiras, ii é falsa.
C. i é falsa, ii e iii são verdadeiras.
D. i e ii são falsas, iii é verdadeira.

4. A contração dos músculos do tubo digestivo do porco ocorre quando há libertação de _____ na placa
motora, o que é ______ pela propagação do impulso nervoso.
A. hormonas (...) precedido
B. hormonas (...) sucedido
C. neurotransmissores (...) sucedido
D. neurotransmissores (...) precedido

5. Em Fasciola hepatica, a digestão


A. ocorre de forma sequencial ao longo do tubo digestivo, desde a boca até ao ânus.
B. permite a obtenção de nutriente simples que são absorvidos para a corrente sanguínea.
C. pode ocorrer no interior de vacúolos digestivos.
D. ocorre apenas na cavidade gastrovascular.

6. Tanto em Fasciola hepatica como no porco


A. o fluido circulante é transportado dentro de vasos.
B. a obtenção de energia a nível celular é feita recorrendo à oxidação de compostos orgânicos.
C. é necessário que ocorra hematose para a realização da respiração celular.
D. as trocas gasosas efetuam-se por difusão direta.

7. Ordene os seguintes termos de A a F de modo a reconstituir a sequência de estruturas envolvidas na


síntese e transporte das enzimas hidrolíticas, necessárias ao processo de digestão extracelular
realizado por Fasciola hepatica.
A. Membrana plasmática
B. Vesículas do Retículo
C. Ribossomas
D. Complexo de Golgi
E. Retículo Endoplasmático Rugoso
F. Vesículas de secreção

8. A drenagem das áreas de pastagens tem sido apontado como uma forma de controlar a fasciolíase.
Explique de que forma estas medidas poderão contribuir para diminuir a ocorrência desta parasitose.

6
GRUPO III

A tilápia vermelha é um peixe utilizado na alimentação em algumas regiões do globo. As tilápias toleram
variações de salinidade da água com mais ou menos competência, dependendo de diversos fatores.
O cultivo de peixes eurialinos, como as tilápias, em águas salobras e salgadas aparece como uma
importante solução para o aumento da produção de pescado sem comprometer os reservatórios
dulçaquícolas.
Investigadores da Universidade Federal do Ceará analisaram o efeito de diferentes salinidades (0; 5; 10;
15; 20; 25; 30; 35 e 40 ppt) no desempenho reprodutivo da tilápia vermelha, Oreochromis sp., variedade
Saint Peter. Os casais de reprodutores foram selecionados, aclimatados, pesados, medidos e distribuídos
em aquários de 170 L, onde permaneceram por um período de 28 dias. Constatado o acasalamento, os
ovos foram recolhidos, contados para determinar a fecundidade absoluta e relativa e transferidos para
incubadoras artificiais. Após a eclosão, as larvas foram contadas para determinar a taxa de eclosão e
mantidas em tanques circulares de 1000 L onde permaneceram até que atingissem tamanho adequado
para a realização do método de esfregaço das gónadas. As salinidades foram monitorizadas por
refratómetro e mantidas constantes. Os parâmetros temperatura, oxigénio dissolvido e pH foram medidos
diariamente, tendo variado, ao longo do estudo, de 24,00º a 28,60ºC; 4,18 a 8,33 mg/L e 7,30 a 8,40
respetivamente.
Os resultados desta investigação encontram-se expressos na tabela I e no Gráfico 1.

Salinidade (ppt)
0 5 10 15 20 25 30 35 40
Total de
3 3 3 4 3 4 -- -- --
desovas
Total de
3805 3175 3011 3453 3516 3089 -- -- --
ovos
8,06 6,01 6,05 7,85 6,42 6,55
PO (mg) -- -- --
± 0,53 ± 0,48 ± 1,30 ± 1,43 ± 0,69 ± 0,90
FA (ovos/ 1268,33 1058,00 1003,67 863,23 1172,00 772,25
desova) ± 36,5 ± 211,75 ± 16,06 ± 509,56 ± 181,73 ± 394,39

Tabela I. Total de desovas, produção total de ovos, peso do ovo (PO), fecundidade absoluta (FA) de, Oreochromis sp.,
em diferentes salinidades (ppt – partes por trilião, 10-12)

7
Gráfico 1. Valores médios da taxa de eclosão e fecundidade absoluta de Oreochromis sp., em diferentes salinidades
(ppt: partes por trilião, 10-12).

Modificado de Neto O. et al. (2015) Reprodução e proporção sexual de tilápia vermelha, variedade Saint Peter, em diferentes
salinidades. Revista Ciência Agronômica, 46(2):310-318 in http://www.scielo.br/pdf/rca/v46n2/0045-6888-rca-46-02-0310.pdf

Nos itens de 1 a 7 selecione a opção de resposta correta e escreva a respetiva letra na sua folha de
teste.

1. Tendo em conta o objetivo da investigação, a(s) variável(eis) independente(s) em estudo é (são)


A. salinidade.
B. temperatura, oxigénio dissolvido, pH e salinidade.
C. temperatura, oxigénio dissolvido e pH.
D. fecundidade absoluta e taxa de eclosão.

2. O objetivo desta investigação foi


A. avaliar a influência da temperatura, oxigénio dissolvido e pH na taxa de eclosão, tendo-se mantido
a salinidade constante.
B. avaliar a influência da salinidade na taxa de eclosão e fecundidade.
C. determinar a relação entre a fecundidade e a taxa de eclosão.
D. determinar a relação entre o número de desovas, o número de ovos e a fecundidade absoluta.
3. Os resultados deste trabalho permitem afirmar que
A. a fecundidade é diretamente proporcional à taxa de eclosão.
8
B. a fecundidade e a taxa de eclosão aumentam com o aumento da salinidade.
C. a fecundidade e a taxa de eclosão tendem a diminuir com o aumento da salinidade.
D. o número de desovas diminui com o aumento da salinidade.

4. Ocorreu desova e ausência de eclosão


A. nas salinidades superiores a 25 ppt, inclusive.
B. quando a salinidade foi de 25 ppt.
C. nas salinidades superiores a 30 ppt, inclusive.
D. quando a salinidade foi de 30 ppt.

5. A capacidade da tilápia viver em ambientes dulçaquícolas está relacionada com o facto de estes
possuírem glomérulos de Malpighi
A. pouco desenvolvidos e de haver secreção de sais com consumo de ATP ao nível dos nefrónios.
B. muito desenvolvidos e de haver secreção de sais com consumo de ATP ao nível dos nefrónios.
C. pouco desenvolvidos e de haver absorção de sais com consumo de ATP ao nível dos nefrónios.
D. muito desenvolvidos e de haver absorção de sais com consumo de ATP ao nível dos nefrónios.

6. Tendo em conta os resultados, a forma de evitar uma superpopulação nos tanques de crescimento
sem a necessidade de separar os machos das fêmeas será
A. fazer o cultivo em águas com salinidades superiores a 25 ppt.
B. fazer o cultivo em águas com salinidades inferiores a 30 ppt.
C. fazer o cultivo exclusivamente em águas com salinidades superiores a 25 ppt e inferiores a 30 ppt.
D. fazer o cultivo exclusivamente em águas com salinidades superiores a 20 ppt e inferiores a 30 ppt.

7. A eficiência da oxigenação dos tecidos da tilápia é melhorada pelo facto de


A. o sangue circular nas artérias a baixa pressão.
B. existir um mecanismo de contracorrente ao nível das brânquias.
C. o sangue circular nas artérias a alta pressão.
D. existir um hemocélio.

8. Explique em que medida os dados deste estudo corroboram a hipótese de existir um efeito inibidor da
salinidade em relação à fertilidade.

9
GRUPO IV

Os brassinosteroides são fitormonas que têm a função de promover o crescimento do caule. A sua ação
induz a entrada de água nos vacúolos e interferem com a atividade das enzimas que alteram os
polissacarídeos da parede celular. A ação destas enzimas permite a incorporação de novas porções
celulósicas, permitindo assim a expansão das células.
Plantas que não são capazes de sintetizar estas fitormonas de forma normal apresentam um tamanho
reduzido.
Os brassinosteroides impedem a queda das folhas, ajudam ao desenrolar das folhas da relva e estimulam
o desenvolvimento do xilema.
Nas culturas, os brassinosteroides podem ser aplicados para aumentarem a resistência das plantas ao
calor, ao frio, à elevada salinidade e às agressões provocadas por herbicidas.

baseado em Brooker et al.. (2008). Biology. McGraw-Hill. International Edition.

1. A presença de brassinosteroides conduz


(A) à diminuição do potencial hídrico no interior do vacúolo.
(B) à plasmólise das células vegetais.
(C) ao aumento da pressão de turgescência vacuolar.
(D) à lise das células vegetais.

2. Os brassinosteroides que interferem com as enzimas da parede permitem o alongamento de


caules pois
(A) induzem a divisão celular.
(B) induzem o aumento do tamanho das células pré-existentes.
(C) reduzem o tamanho de células pré-existentes.
(D) reduzem o tamanho dos vacúolos.

3. Numa planta com níveis baixos de brassinosteroides, será de esperar


(A) uma diminuição do transporte de água e sais minerais até às folhas.
(B) uma diminuição do número de células de companhia.
(C) um aumento da taxa fotossintética.
(D) um aumento da transpiração foliar.

4. Durante a fase química da fotossíntese, ocorre


(A) fixação do CO2 e redução do NADPH.
(B) consumo de ATP e redução de NADPH.
(C) fixação de CO2 e libertação de O2.
(D) consumo de ATP e oxidação de NADPH.

5. Para que ocorra translocação floémica é necessário que exista


(A) transporte ativo entre as células dos tubos crivosos.
(B) baixa pressão de turgescência nas células dos tubos crivosos das zonas de síntese de
compostos orgânicos.
(C) concentrações idênticas nas células dos tubos crivosos nas zonas de produção e de
armamento de compostos orgânicos.
(D) entrada de água para as células dos tubos crivosos nas zonas de produção de compostos
orgânicos.

10
6. Os brassinosteroides são moléculas incluídas no grupo dos lípidos. Assim, é de supor que a sua
síntese ocorra
(A) nos ribossomas.
(B) no retículo endoplasmático rugoso.
(C) no retículo endoplasmático liso.
(D) nos lisossomas.

7. Faça corresponder cada uma das descrições presentes na coluna A com o termo que consta da
coluna B.

Coluna A Coluna B

(a) Células vivas presentes no xilema (1) Elementos de vaso


(b) Elementos condutores cujas células estão (2) Tracoides
mortas, são longas e com as extremidades (3) Células do parênquima
afiladas (4) Células de companhia
(c) Elementos condutores, formados por células (5) Células dos tubos
vivas que apresentam as paredes dos topos crivosos
perfuradas

8. Plantas com baixos níveis de brassinosteroides podem possuir um número de células idêntico ao
de plantas normais cada uma das quais com um número normal de cloroplasto. No entanto, para
além de serem anãs, apresentam uma cor verde escuro.
Relacione a ação dos brassinosteroides sobre os polissacarídeos das paredes celulares com a
intensa coloração verde apresentada por plantas que não são capazes de produzir níveis normais
destas fitormonas.

11