Você está na página 1de 3

Amanda Farah Pereira Luz

Franciele da Silva Zaqueu


Marina Paiva Faria

LINGUA AUSTRALIANA DE SINAIS – AUSLAN

Histórico da língua australiana de sinais:


O Australian Sign Language (AUSLAN) evoluiu a partir de duas línguas de sinais trazidas
para a Austrália durante o século XIX: o British Sign Language (BSL) e o Irish Sign Language
(ISL). O primeiro surdo conhecido a introduzir o BSL na Austrália foi o gravador John
Carmichael, que se mudou para Sydney em 1825 vindo de Edimburgo, onde frequentou uma
escola para surdos. Já o ISL foi trazido para a Austrália por freiras irlandesas que fundaram a
primeira escola para crianças surdas católicas em 1875. Apesar da contribuição de ambas, a
assinatura britânica é a influência linguística dominante e é de onde deriva o alfabeto
bimanual do AUSLAN.
Auslan é um termo relativamente novo dado por Trevor Johnston (autor do Auslan
Dictionary, 1989). Antigamente, era chamado de Sinal de Surdo ou, mais tarde, Língua de
Sinais Australiana dos Surdos. O Auslan foi reconhecido como um idioma da comunidade surda
em 1991 pelo Governo Federal em sua política de línguas nacionais.

As escolas:
As primeiras escolas foram estabelecidas na Austrália em meados do século XIX.
Thomas Pattison fundou a primeira escola para surdos da Austrália em Sydney em 1860. Ao
mesmo tempo, outro surdo, Frederick Rose, que estudou na Old Kent Road School, em
Londres, fundou a escola de Melbourne. A maioria das escolas para surdos era residencial e a
maioria dos estudantes era pensionista.
O modo de comunicação dos surdos nas escolas entre os anos de 1860 e 1870 foi o
bilinguismo, através de sua primeira língua, a de sinais. Os anos de 1880 tiveram como foco o
oralismo e em 1893 a comunicação total foi introduzida. No inicio da década de 1930 e,
possivelmente, antes, "apenas dedilhar" era muito importante nas escolas e isso era conhecido
como Método Rochester, principalmente ao se comunicar com pessoas que ouvem. Pessoas
surdas tinham sinais na época que ainda estão em uso hoje em dia. O tipo de língua de sinais
usado pelos surdos variava de acordo com a escola. As escolas católicas privadas usavam o ISL,
enquanto as escolas públicas usavam o BSL. Porém, as duas comunidades se misturavam
livremente e assim há influência de ambas de AUSLAN.

Estrutura da língua:
Fonologicamente, o Auslan tem cinco parâmetros, a saber: Forma de Mão, Orientação,
Localização, Movimento e Expressão, assim como na Libras. A datilologia é bimanual. A língua
de sinais está no centro da cultura e da comunidade surdas e é a característica mais
unificadora.
O Auslan tem variações de vocabulário, ou seja, diferenças nos sinais usados para uma
mesma palavra, bem como variações gramaticais, que mudam a maneira como os sinais se
combinam na formação de uma frase. Uma das causas mais importante dessas variações é a
influencia regional, criando os chamados dialetos regionais. A Austrália tem dois dialetos
regionais principais: o do sul, usado em Victoria, South Australia,Western Australia e Tasmania.
E o do norte, usado em New South Wales e Queensland. Além da região, o Auslan também
pode sofrer variações de acordo com o grupo social, etnia, gênero, formação escolar e história
familiar.
A língua de sinais pode sim ser escrita, podendo ser de duas formas: glossing e
notation (notação). Glossing refere-se à prática de usar traduções de sinais de linguagem
falada, juntamente com símbolos especiais para representar o uso de espaço e expressão
facial. A notação, em contraste, envolve o uso de símbolos especiais para representar as
características físicas da própria lingua. Nenhum desses sistemas, no entanto, são formas
práticas de comunicação em uma forma escrita, eles pretendem representar sinais e
declarações para análise lingüística.Um sistema de escrita dos idiomas sinalizados que
pretende ser uma forma prática de se comunicar na forma escrita é o Sutton Sign Writing que
usa ilustrações simplificadas de formas de mão, expressões faciais e do corpo, juntamente com
símbolos de movimento para representar os sinais. É usado por pesquisadores, professores e
alguns membros da comunidade surda nos EUA e em alguns outros países (por exemplo,
Bélgica, Colômbia, Dinamarca, Japão, Nicarágua, Peru, África do Sul e Espanha).

A comunidade surda:
Alguns costumes são comuns na comunidade surda. Eles incluem:
Quem é você?
Quando os surdos se encontram pela primeira vez, ou quando se apresentam, eles
geralmente fornecem mais detalhes pessoais do que um ouvinte. Eles sempre dão seus nomes
e sobrenomes, porque há uma chance maior, em uma pequena comunidade, de fornecer
informações sobre suas conexões familiares ou comunitárias. Isso pode ser particularmente
importante se eles vierem de uma família com várias gerações de surdos - essas famílias são
consideradas o núcleo da comunidade surda. Eles adicionam outras informações sobre suas
associações a lugares específicos, organizações esportivas ou culturais ou à escola
frequentada.Se você não puder oferecer voluntariamente nenhuma dessas características
definidoras, ou se você for um ouvinte, provavelmente será perguntado sobre sua conexão
com pessoas surdas. Esta informação introdutória estabelece onde você "se encaixa" na
comunidade.
O longo adeus
Quando pessoas surdas estão deixando um grupo de amigos, eles demoram muito
mais tempo do que a maioria dos ouvintes para dizer adeus. O costume é buscar os amigos e,
no processo de dizer adeus, discutir quando eles esperam se encontrar. Como há tantas
pessoas para dizer adeus e tantos arranjos futuros (vagos ou concretos) a serem feitos, leva
muito tempo até que a pessoa realmente saia.
Os surdos têm muito orgulho de sua herança, que inclui:
- Lugares significativos (por exemplo, sob as luzes da rua em áreas específicas antes de clubes
foram estabelecidos), escolas e clubes e os edifícios que os abrigavam.
- Histórias de como pessoas surdas resistiram à perseguição, por exemplo na Alemanha
nazista.
- Tentativas de "curá-los", como exemplo o implante coclear hoje.
- A supressão da língua de sinais, ouvindo educadores e sua sobrevivência e crescimento
subterrâneo
- Surdos famosos como o pintor espanhol “El mudo”, a rainha Alexandra da Inglaterra, entre
outros.
Todas essas coisas, e muitas outras, dão aos surdos um senso de seu lugar na história.
Eles mantêm um lugar na história do mundo que é exclusivamente deles. Surdos que crescem
isolados da comunidade surda e depois a descobrem, também descobrem esse sentido de
identidade histórica e de pertencimento e isso se torna muito valioso para eles.
Curiosidades:
Uber para surdos: o aplicativo teve modificações para se tornar mais acessível para os
motoristas surdos. Ao ser acionado, o motorista recebe um sinal luminoso como um flashe na
tela do celular, a comunicação por ligação é desativada e o solicitante recebe um aviso que o
motorista é surdo e o atendimento será apenas por mensagem.
Sally e Possum: é um programa transmitido pelo ABC Australia voltado para o ensinamento de
conteúdos relacionados ao Auslan para crianças surdas e também ouvintes. É apresentado por
Sally, que é surda, e Melven Rateliffe, que é coda. Ambos são falantes nativos de Auslan.
Companhia teatral: sediada em Melbourne, Austrália, a Australian Theatre of the Deaf (ATOD)
é uma companhia teatral bilíngue (Inglês/Auslan) formada por artistas surdos e ouvintes. Com
espetáculos de teatro visual, mímica, teatro de sombras, músicas em sinais, etc., é a única
companhia profissional de teatro de surdos da Austrália – percorre escolas, eventos e
encontros por todo o país, apresentando aos mais diferentes públicos performances
totalmente acessíveis que trazem à tona alguns dos principais marcadores culturais das
comunidades surdas.

Referências Bibliográficas:

Cultura surda. Disponível em:


<https://culturasurda.net/tag/au/page/2/>. Acesso 25/05/2018 às 15:00
About Sign Language. Disponível em:
<http://www.vicdeaf.com.au/content.asp?id=106&cid=67>. Acesso em 25/05/2018 as 15:30
History. Disponivel em:
<http://www.auslan.org.au/about/history/>. Acesso em 25/05/2018 as 16:30.
Johnston, T. and Schembri, A. (2007) Australian sign language (Auslan): an introduction to sign
language linguistics. Cambridge University Press, Cambridge, UK.
Sign Language Variation. Disponível em:
<http://www.aussiedeafkids.org.au/sign-language-variation.html>. Acesso em 31/05/2018 as
19:30