Você está na página 1de 45

FACULDADE IETEC

Biblioteca

MANUAL PARA NORMALIZAÇÃO DE ARTIGOS

Belo Horizonte
2017
FACULDADE IETEC

Biblioteca

MANUAL PARA NORMALIZAÇÃO DE ARTIGOS

Manual de orientação à normalização de


artigo técnico, para uso dos discentes e
docentes, da pós-graduação e mestrado
da Faculdade Ietec.

3ª edição atualizada, revista e ampliada

Belo Horizonte
2017
LISTA DE FIGURAS

Figura 1 - Exemplo de transcrição com plágio e sem plágio ................................................ 7

Figura 2 - Estrutura do artigo técnico ................................................................................... 8

Figura 3 - Cabeçalho, título e autoria ................................................................................... 9

Figura 4 - Modelo da primeira página do artigo .................................................................. 10

Figura 5 - Citação .............................................................................................................. 24

Figura 6 - Citação direta (até três linhas) ........................................................................... 24

Figura 7 - Citação direta (mais de três linhas).................................................................... 25

Figura 8 - Citação indireta (um autor) ................................................................................ 25

Figura 9 - Citação indireta (dois autores) ........................................................................... 26

Figura 10 - Citação indireta (três autores) ............................................................................ 26

Figura 11 - Citação indireta (mais de três autores) .............................................................. 26

Figura 12 - Citação de Legislação ....................................................................................... 27

Figura 13 - Citação Autor Instituição .................................................................................... 27

Figura 14 - Citação de citação ............................................................................................. 28

Figura 15 - Ilustrações ......................................................................................................... 32

Figura 16 - Tabela 1 ............................................................................................................ 33

Figura 17 - Tabela 2 ............................................................................................................ 34

Figura 18 - Tabela longa (continuação na próxima página) ................................................. 34

Figura 19 - Tabela longa (conclusão da tabela anterior) ...................................................... 35

Figura 20 - Quadro 1 ........................................................................................................... 36

Figura 21 - Quadro 2 ........................................................................................................... 36

Figura 22 - Margens do anverso .......................................................................................... 38

Figura 23 - Margens do verso .............................................................................................. 38


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ......................................................................................................... 5

1.1 Direitos autorais e plágio .......................................................................................... 6

2 ESTRUTURA DO ARTIGO TÉCNICO ..................................................................... 8

2.1 Elementos pré-textuais............................................................................................. 9

2.1.1 Resumo ................................................................................................................... 9

2.2 Elementos textuais ................................................................................................. 11

2.2.1 Introdução .............................................................................................................. 11

2.2.2 Desenvolvimento.................................................................................................... 11

2.2.3 Conclusão .............................................................................................................. 12

2.3 Elementos pós-textuais .......................................................................................... 12

3 REFERÊNCIAS ..................................................................................................... 13

3.1 Livros ..................................................................................................................... 13

3.2 Teses e dissertações ............................................................................................. 15

3.3 Publicações periódicas no todo .............................................................................. 16

3.4 Artigo de Publicações periódicas (Jornais e revistas) ............................................. 17

3.5 Documentos jurídicos ............................................................................................. 18

3.6 Congressos, conferências, simpósios e outros encontros científicos ..................... 19

3.7 Paper ..................................................................................................................... 20

3.8 Documentos de acesso exclusivo em meio eletrônico............................................ 20

3.9 Apostilas e slides Ietec ........................................................................................... 22

3.10 Trabalhos não publicados ...................................................................................... 22

3.11 Para referenciar este documento ........................................................................... 22

4 CITAÇÕES ............................................................................................................ 23

4.1 Citação direta (Textual) .......................................................................................... 24


4.2 Citação indireta (Livre) ........................................................................................... 25

4.3 Citação de citação.................................................................................................. 27

5 NOTAS DE RODAPÉ ............................................................................................ 29

5.1 Notas explicativas .................................................................................................. 29

5.2 Notas de referência ................................................................................................ 30

6 ILUSTRAÇÕES ..................................................................................................... 31

7 TABELAS E QUADROS ........................................................................................ 33

7.1 Tabelas .................................................................................................................. 33

7.2 Quadros ................................................................................................................. 35

8 REGRAS DE APRESENTAÇÃO ........................................................................... 37

8.1 Papel e quantidade de páginas .............................................................................. 37

8.2 Tópicos sem indicativo numérico ........................................................................... 37

8.3 Espaçamentos ....................................................................................................... 37

8.4 Fonte...................................................................................................................... 37

8.5 Margens ................................................................................................................. 38

8.6 Parágrafo ............................................................................................................... 39

8.7 Alíneas ................................................................................................................... 39

8.8 Capítulos ................................................................................................................ 39

8.9 Paginação .............................................................................................................. 39

9 FOLHA DE APROVAÇÃO ..................................................................................... 40

REFERÊNCIAS ..................................................................................................... 42
5

1 INTRODUÇÃO

Toda produção escrita relacionada com o curso superior, fruto de pesquisa ou


reflexão, recebe a denominação geral de trabalho científico ou trabalho acadêmico.
São exemplos de trabalhos acadêmicos: monografias, projetos interdisciplinares,
dissertações de mestrado, teses de doutorados, livros, artigos de periódicos,
ensaios, resenhas, relatórios, resumos, etc.

Para publicar um texto técnico-científico é preciso que sejam seguidas certas


normas técnicas. No Brasil, essas normas são estabelecidas pela Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

A Biblioteca da Faculdade Ietec pretende, por meio desse manual, auxiliar o


discente para que elabore seu artigo e outras produções acadêmicas, de acordo
com a normalização vigente. Nesse contexto, apresenta-se as principais normas
necessárias para a publicação de um artigo técnico.

O artigo técnico permite:


 avaliar a contextualização de abordagens teóricas repassadas aos alunos

 avaliar a aplicabilidade do conhecimento adquirido em fundamentos técnico-

científicos

 aumentar a capacidade do aluno em interpretação, solução e conclusões de

problemas (estudo de caso), na sua área de interesse

Importante destacar que o tema do artigo deverá estar relacionado com as bases
teóricas apresentadas no conteúdo do curso.
6

1.1 Direitos autorais e plágio

Regulado pela Lei nº 9.610/98, os Direitos autorais, de acordo com o Ministério da


Cultura (MinC), “são um conjunto de normas legais e prerrogativas morais e
patrimoniais [...] sobre as criações do espírito, expressas por quaisquer meios ou
fixadas em quaisquer suportes, tangíveis ou intangíveis.” (BRASIL, 2013).

A partir do momento em que um documento é protegido por Direitos Autorais, ele


fica assegurado de que não sofrerá nenhum tipo de violação. Dentre essas
violações, pode-se citar, de acordo com Secaf (2004):
a) fraude: falsificação, adulteração, abuso de confiança;
b) plágio: assinalar ou apresentar com sua obra (artística,literária, científica), imitar o
trabalho alheio;
c) contrafação: reprodução não autorizada, atentado contra a propriedade intelectual.

De acordo com Balbi (2009),

O plágio é caracterizado no ato de copiar, imitar obra alheia, apresentando


como seu, um trabalho intelectual advindo, de fato, de outra pessoa.
Reproduzir, ainda que em pequenas partes, um texto, sem citar sua fonte, é
considerado plágio. [...] É bom saber, que a caracterização de plágio em
trabalhos acadêmicos pode acionar o rigor da Lei n. 9.610, sujeitando o
infrator à punição, e no mínimo sua expulsão da Instituição de Ensino
Superior à qual encontra-se vinculado.

Para auxiliar nesta tarefa de síntese, o Massachusetts Institute of Technology1 (MIT,


2007 citado por KROKOSCZ, 2013) elencou alguns critérios para elaboração de
paráfrases e resumos:

1. use sinônimos para as palavras do texto original que não são genéricas
como globalização, responsabilidade social, meio ambiente, etc.;
2. mude a estrutura da sentença consultada;
3. se a fonte utiliza a voz ativa, prefira a voz passiva ou vice-versa;
4. reduza parágrafos, períodos, sentenças em frases;
5. transmita o discurso original de forma diferente.

1
MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY. Avoiding plagiarism: paraphrasing. Cambridge,
Massachusetts: MIT, 2007. Disponível em: <http://integrity.mit.edu/handbook/academic-writing/avoiding-
plagiarism-paraphrasing>. Acesso em: 11 jul. 2017.
7

O MIT2 (2007 citado por KROKOSCZ, 2013) apresenta ainda, de maneira clara e
sintética, o exemplo de uma citação indireta com e sem plágio (FIGURA 1).

CITAÇÃO INDIRETA COM


TEXTO ORIGINAL CITAÇÃO INDIRETA CORRETA
PLÁGIO

Como toda atividade racional e Conforme explica Gil (2007), a De acordo com Gil (2007) o
sistemática, a pesquisa exige que pesquisa exige planejamento processo de pesquisa deve ser
as ações desenvolvidas ao longo das ações desenvolvidas durante iniciado com o planejamento e o
de seu processo sejam seu processo. Planejar é o ponto primeiro passo a ser dado é a
efetivamente planejadas. De modo de partida da pesquisa, que parte elaboração do problema.
geral, concebe-se o planejamento da formulação do
como a primeira fase da pesquisa, problema passa pela construção
que envolve a formulação do de hipóteses etc.
problema, a especificação de seus
objetivos, a construção de
hipóteses, a operacionalização de
conceitos etc.

Referência: Referência: Referência:

GIL, Antonio Carlos. Como GIL, Antonio Carlos. Como GIL, Antonio Carlos. Como
elaborar projetos de pesquisa. 4. elaborar projetos de pesquisa. 4. elaborar projetos de pesquisa. 4.
ed. São Paulo: Atlas, 2007. p. 19. ed. São Paulo: Atlas, 2007. p. 19. ed. São Paulo: Atlas, 2007. p. 19.

Por que isto é plágio? Por que isto não é plágio?

O redator manteve a mesma O redator conservou palavras


estrutura do texto original e essenciais do texto original
reproduziu trechos literais, apenas (pesquisa, planejamento) e usou
substituiu alguns sinônimos. sinônimos para outras, mas mudou
a estrutura da sentença, utilizou a
voz passiva e reduziu o texto para
um período.

Figura 1 - Exemplo de transcrição com plágio e sem plágio

“Paráfrase é um recurso de interpretação textual que consiste na


reformulação de um texto, trocando as palavras e expressões originais,
mas mantendo a ideia central da informação.” (SIGNIFICADOS, 2017).

2
MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY. Avoiding plagiarism: paraphrasing. Cambridge,
Massachusetts: MIT, 2007. Disponível em: <http://integrity.mit.edu/handbook/academic-writing/avoiding-
plagiarism-paraphrasing>. Acesso em: 11 jul. 2017. (Adaptada por Krokoscz, 2013).
8

2 ESTRUTURA DO ARTIGO TÉCNICO

ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

Faculdade Ietec (obrigatório)

Pós-graduação (obrigatório)

Nome do curso e nº da turma (obrigatório)

Data (obrigatório)

Título (obrigatório)

Subtítulo (quando houver)

Nome do Autor (obrigatório)

Profissão e contato (opcional)

Resumo na língua do texto (obrigatório)

Palavras-chave (obrigatório)

ELEMENTOS TEXTUAIS

Introdução

- revisão de literatura

Desenvolvimento

- material e métodos

- resultados e discussão

Conclusão

ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

Referências (obrigatório)

Apêndice(s) e anexo(s) (opcional)

Folha de aprovação/publicação (obrigatório)

Figura 2 - Estrutura do artigo técnico


9

2.1 Elementos pré-textuais

Cabeçalho, título e autoria, centralizados na página.

(Cabeçalho: Arial - Fonte: 11)


Instituição Espaçamento simples
Pós-graduação
Nome do curso - Turma nº Instituição
Dia mês e ano Nível de formação
Curso e turma
Data de entrega
Título:
subtítulo Título
(Fonte: 14 - negrito)
Subtítulo
Nome do(s) Autor(es) (Fonte: 14 - sem destaque)
Profissão
contato Autores - Fonte 11
Profissão e contato (opcionais)

Figura 3 - Cabeçalho, título e autoria

2.1.1 Resumo

Síntese dos pontos relevantes do texto, em linguagem clara, concisa e direta, com
no máximo 250 palavras. O resumo é seguido das palavras-chave. Palavras-chave
são palavras representativas do conteúdo do documento.

Recomenda-se parágrafo único, digitados com espaçamento 1,5 entre linhas,


inclusão de palavras-chave (separadas por ponto) logo abaixo do resumo. Cada
palavra-chave inicia-se com letra maiúscula.

Em um resumo deve-se:
 ressaltar o objetivo, o método, os resultados e as conclusões do documento;
 utilizar parágrafo único;
 elaborar a primeira frase de forma significativa, explicando o tema principal do
trabalho;
 indicar informação sobre a categoria do trabalho (estudo de caso, análise de
situação);
 usar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular;
 evitar símbolos, equações, fórmulas que não sejam absolutamente
necessárias.
10

Faculdade Ietec
Pós-graduação
Gestão de Projetos - Turma nº 02
25 de agosto 2010

Qualidade em gestão de projetos

José Maciel Pereira


Analista em Tecnologia da Informação
jmp@invictus.com.br

RESUMO

Aborda a importância do gerenciamento da qualidade em Gestão de Projetos. Apresenta


casos sobre o gerenciamento da qualidade em projetos de mineração. Faz um
comparativo entre projetos apontando os pontos fortes e fracos no gerenciamento da
qualidade. Seleciona os projetos com maior quantidade de pontos fortes e pontos fracos
e mostra a discrepância da qualidade no fechamento do trabalho.

Palavras-chave: Gerenciamento de qualidade. Gestão de projetos. Projetos de


mineração.

1 INTRODUÇÃO

Figura 4 - Modelo da primeira página do artigo


11

2.2 Elementos textuais

Deve fornecer uma visão global da área da pesquisa realizada, incluindo as


delimitações do assunto tratado e relacionar a literatura consultada com o tema do
trabalho.

2.2.1 Introdução

A introdução é composta dos seguintes tópicos:

Delimitação de tema
O tema deve ter suas fronteiras de pesquisa bem delimitadas, ajudando o autor a
focar seus esforços.

Objetivos geral e específicos


Determinam com clareza e objetividade o propósito da realização da pesquisa.

Justificativa
Responde ao porquê da realização do trabalho e apresenta o que mais contribui
para a realização do mesmo.

Revisão Bibliográfica
Deve conter o resumo da revisão teórica e prática a respeito do assunto que foi
encontrada nos livros, artigos, e outros meios pesquisados pelo autor. Este resumo
deve ser suficiente para mostrar em que se baseiam as decisões tomadas pelo autor
no processo de pesquisa.

2.2.2 Desenvolvimento

Material e métodos
O item de Materiais e Métodos (ou Metodologia) deve mostrar o desenvolvimento do
tema proposto, por meio de exposição do material usado, pesquisa de campo ou
bibliográfica e qualquer metodologia necessária para atingir os objetivos propostos.
12

Resultados e Discussão
Deve conter a análise dos resultados da pesquisa e a comparação com os dados
existentes sobre o assunto na literatura citada. São discutidas suas possíveis
implicações, significados e razões para concordância com outros autores. A
discussão deve fornecer elementos para as conclusões.

2.2.3 Conclusão

Deve apresentar, de forma sintética, os resultados da pesquisa, salientando a


extensão e os resultados de sua contribuição, bem como seus méritos. Deve
basear-se em dados comprovados.

2.3 Elementos pós-textuais

Todo documento citado deve constar nas Referências ao final do artigo. As


referências seguem as seguintes regras de apresentação:
 em ordem alfabética de autoria, independentemente do suporte físico
(livros, periódicos, publicações eletrônicas, artigos de jornais, sites ou
materiais audiovisuais);
 alinhamento - justificado;
 espaço simples nas referências;
 um espaço simples entre as referências.

REFERÊNCIAS

BALLOU, Ronald H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e


distribuição física. São Paulo: Atlas, 1993. 392 p.

DITTERT, Alexandre Roberto Salse. O valor do gerenciamento na implantação de


empreendimentos de engenharia. Mundo Project Management, Curitiba, v. 10, n. 59, p.
46-51, out./nov. 2014.

KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Garry. Princípios de marketing. 9. ed. São Paulo:


Pearson Prentice Hall, 2003. 593 p.

SOUZA, Arnaldo Renato Pires de et al. Gestão de projetos Brasil: conceitos e


técnicas. 3. ed. rev. atual. Belo Horizonte: Ietec, 2013. 355 p.

UM GUIA do conhecimento em gerenciamento de projetos: (GUIA PMBOK). 5. ed.


Newtown Square, PA: Project Management Institute, 2013. xxi, 589 p. ISBN 978-1-
62825-007-7
13

3 REFERÊNCIAS

Referências é a relação das obras consultadas citadas no texto, para a produção do


trabalho. As obras consultadas podem ser: livros, periódicos, publicações eletrônicas
e impressas e materiais audiovisuais, entre outras. Todas as orientações sobre as
referências estão de acordo com a NBR 6023 (ABNT, 2002a).

Elementos que compõem a referência

Elementos essenciais
Formas de entrada - autores pessoais, autor entidade e título
Título e subtítulo
Edição
Local da publicação
Editora
Data

Elementos opcionais
Descrição física
Séries
Notas especiais

3.1 Livros

Formato convencional

Elementos essenciais:

AUTOR. Título: subtítulo. Edição. Local (cidade) de publicação: Editora, data.

Elementos complementares:

Número de páginas ou volumes. (Nome e número da série).


14

Referência de autor pessoal

 Autor único

KARSAKLIAN, Eliane. Comportamento do consumidor. 2. ed. São Paulo: Atlas,


2004. 120 p.

 Dois autores

KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Gary. Princípios de marketing. 9. ed. São Paulo:


Pearson Prentice Hall, 2003. 593 p.

 Três autores

SHETH, Jagdish N.; MITTAL, Banwari; NEWMAN, Bruce I. Comportamento do


consumidor. São Paulo: Atlas, 2001. 287 p.

 Mais de três autores

DORNIER, Philippe-Pierre et al. Logística e operações globais: texto e casos. São


Paulo: Atlas, 2000. 240 p.

 Vários autores com um responsável intelectual (organizador, editor, etc.)

FERNANDES, Moisés Ferreira (Org.). Estudo topográfico de Nova Lima. São


Paulo: Atlas, 2012. 130 p.

Referência de autoria desconhecida


A entrada é realizada pelo título, com a primeira palavra em caixa alta. Caso venha
com artigo iniciando o título, este também deve vir em caixa alta.

 Autoria desconhecida

ALGUNS contos das mil e uma noites. São Paulo: Paulus, 2003. 87 p.

QUINTO relatório de avaliação do painel intergovernamental sobre mudanças


climáticas. [S.l.: s.n.], 2013. 4 p.

A CASA do Pinhal: seminário. São Carlos, SP: Associação Pró Casa do Pinhal,
1999. 73 p.
15

Referência de autor entidade


“As obras de responsabilidade de entidade (órgãos governamentais, empresas,
associações, congressos, seminários, etc.) têm entrada, de modo geral, pelo seu
próprio nome, por extenso.” (ABNT, 2002a, p. 14).

FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de energia e mudanças


climáticas de Minas Gerais: setor energia. Belo Horizonte: FEAM, 2014. 42 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e


documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

 Com denominação genérica

BRASIL. Ministério da Educação. Avaliação de Instituições de Educação


Superior. Brasília: MEC, 2006.

BRASIL. Presidência da República. Manual de redação da Presidência da


República. 2. ed. Brasília: Presidência da República, 2002.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado da Educação. Atendimento ao estudante


com deficiência visual e surdocegueira. Belo Horizonte: SEE/MG, 2017. 17 p.

 Com denominação específica

“Quando a entidade, vinculada a um órgão maior, tiver uma denominação específica


que a identifica, a entrada é feita diretamente pelo seu nome.” (ABNT, 2002a, p. 15).

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA. Balanço Energético Nacional 2015: ano


base 2014 = Brazilian Energy Balance: year 2014. Brasília, DF: MME, 2015. 289 p.

BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil). Relatório climatológico de dezembro de 2015.


Rio de Janeiro, 2015. 50 p.

3.2 Teses e dissertações

Elementos essenciais

AUTOR. Título: subtítulo. Ano de apresentação. Número de folhas ou volumes.


(Categoria ou área de concentração) - Nome da Faculdade, Nome da Universidade,
cidade, ano de defesa.
16

 Dissertação

FONSECA, Marcos Lúcio de Castro. Uso da tecnologia da informática em sala de


aula: um estudo da geometria no ensino fundamental com utilização de recursos
interativos de aprendizagem. 2001. 143 f. Dissertação (Mestrado em Educação) -
Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte,
2001.

 Dissertação em meio eletrônico

GUIMARÃES, Orliene Maciel. A informação como fator chave para atuação no


mercado internacional: um estudo piloto com empresas exportadoras de Ribeirão
Preto e região. 2007. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Economia,
Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, São Paulo, 2007. Disponível em:
<http://www.teses.usp.br/>. Acesso em: 06 set. 2007.

 Tese

ALZAMORA, Geane. Comunicação e cultura na internet: em busca de outros


jornalismos culturais. 2005. 206 f. Tese (Doutorado em Comunicação) - Faculdade
de Direito, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2005.

 Tese em meio eletrônico

CHWIF, Leonardo. Redução de modelos de simulação de eventos discretos na


sua concepção: uma abordagem causal. 1999. xii, 151 f. Tese (Doutorado em
Engenharia) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.
Disponível em: <http://www.livrosimulacao.eng.br/download/tese_chwif.pdf>. Acesso
em: 29 jun. 2017.

 Monografia

COSTA, Daniela Cristina da; ARAÚJO, Edila Francisca de; MEINICKE NETO,
Edmundo. A importância do marketing na prestação de serviços. 2006. 54 f.
Trabalho de Conclusão de Curso - TCC (Graduação em Gestão de Varejo) - Centro
Universitário Newton Paiva, Belo Horizonte, 2006.

3.3 Publicações periódicas no todo

TÍTULO DA PUBLICAÇÃO. Local (cidade) de publicação: Editor-autor, ano do


primeiro volume, Periodicidade, ISSN.
17

MELHOR: gestão de pessoas. São Paulo: Segmento, 2006-. Mensal. ISSN 1518-
2150.

MUNDO PROJECT MANAGEMENT. Curitiba, PR: Mundo, 2005-. Bimestral. ISSN


1807-8095.

3.4 Artigo de Publicações periódicas (Jornais e revistas)

Formato convencional

AUTOR. Título do artigo. Título do periódico, Local de publicação (cidade), número do


volume, número do fascículo, páginas inicial-final, mês e ano.

 Artigo de periódico

PARO, Roberta. Sustentabilidade no Brasil. HSM Management, São Paulo, v. 4, n.


63, p. 88-96, jul./ago. 2007.

 Artigo de periódico em meio eletrônico

CALDERON, Wilmara Rodrigues et al. O processo de gestão documental e da


informação arquivística no ambiente universitário. Ciência da Informação, 2004, v.
33, n. 3, ISSN 0100-1965. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo>. Acesso em:
06 set. 2007.

Formato convencional

AUTOR. Título do artigo. Título do jornal, Local, dia, mês, ano. Número ou título do
caderno, seção ou suplemento, páginas inicial-final.

 Artigo de Jornal

REIS, Sérgio Rodrigo. Saudade não tem idade. Estado de Minas, Belo Horizonte,
06 set. 2007. Caderno de Cultura, p. 5.

 Artigo de jornal em meio eletrônico

OLIVEIRA, Júnia. Projetos deixam BH mais iluminada. Estado de Minas. Belo


Horizonte, 06. set. 2007. Disponível em: <http://www.uai.com.br>. Acesso em: 06
set. 2007.
18

3.5 Documentos jurídicos

Elementos essenciais

JURISDIÇÃO (nome do país, estado ou município). Título, edição, local, editora, data,
número de páginas.

 Constituições e códigos

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil,


1988. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 203 p.

BRASIL. Código civil. Organização dos textos, notas remissivas e índices por
Juarez de Oliveira. 46. ed. São Paulo: Saraiva, 1995. 420 p.

 Constituições e códigos em meio eletrônico

MINAS GERAIS. Constituição (1989). Constituição do Estado de Minas Gerais.


Belo Horizonte: Assembléia Legislativa de Minas Gerais, 2007. Disponível em:
<http://www.almg.gov.br/downloads/ConstituicaoEstadual.pdf>. Acesso em: 06 set.
2007.

Elementos essenciais

Jurisdição (País, Estado ou Município) ou órgão legislador, título, numeração e data (dia,
mês e ano) ementa, dados da publicação onde foi publicado o documento.

 Leis, Decretos e Portarias

BRASIL. Lei 4.403 de 14 set. 1964. Dispõe sobre bens e direitos de companhias de
seguro alemãs. Imprensa Nacional. Diário Oficial da União.

 Leis, Decretos e Portarias em meio eletrônico

MINAS GERAIS. Assembléia Legislativa. Lei Complementar 66 de 22 jan. 2003. Cria


o fundo de proteção e defesa do consumidor - FEPDC. Assembléia Legislativa de
Minas Gerais. Disponível em: <http://www.almg.gov.br>. Acesso em: 06 set. 2007.
19

3.6 Congressos, conferências, simpósios e outros encontros científicos

Elementos essenciais

NOME DO EVENTO, número, ano, local de realização (cidade). Título... subtítulo da


publicação. Local de publicação (cidade): Editora, data de publicação. Número de
páginas ou volumes.

 Encontro científico no todo

CONGRESSO SUL CATARINENSE DE COMPUTAÇÃO, 1., 2005, Criciúma.


Anais... Criciúma: UNESC, 2005. 210 p.

 Artigo apresentado em Encontro científico

LIMA, Elaine Cristina de Oliveira; ZARATIN, Miroslava Hamzagic. OEE: utilizando


conceitos para medir a eficácia de uma equipe de manutenção. In: SIMPÓSIO DE
ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES
INTERNACIONAIS, 17., 2014, São Paulo. Anais... São Paulo: FGV, 2014. p. 1-13.

 Artigo apresentado em Encontro científico em meio eletrônico

BOTH, Eder Luis; DILL, Sérgio Luis. Business Intelligence aplicado em saúde
pública. In: CONGRESSO SUL CATARINENSE DE COMPUTAÇÃO, 1., n. 1, 2005,
Criciúma (SC). Anais... Criciúma (SC): UNESC, 2005. Disponível em:
<http://periodicos.unesc.net/index.php/sulcomp/article/view/793/744>. Acesso em: 2
out. 2014.

 Artigo apresentado em Encontros científicos simultâneos

KERN, Andrea Parisi; FORMIGA, Andréa dos Santos; FORMOSO, Carlos Torres.
Considerações sobre o fluxo de informações entre os setores de orçamento e
produção em empresas construtoras. In: ENCONTRO NACIONAL DE
TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 10.; CONFERÊNCIA LATINO-
AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL, 1., 2004, São Paulo. Anais...
São Paulo: Associação Nacional de Tecnologia no Ambiente Construído, 2004.
20

3.7 Paper

De acordo com Medeiros (2004, p. 254), paper é “o desenvolvimento de um ponto


de vista acerca de um tema, uma tomada de posição definida e a expressão dos
pensamentos em forma original.” Também é apresentado como instrumento
pedagógico para a prática acadêmica.

FORRESTER, Jay W. System dynamics as a foundation for pre-college


education. 1990. System Dynamics Groups. Working paper - Sloan School of
Management, Massachusetts Institute of Technology. Cambridge, USA: MIT, 1990.
p. 367-380. Disponível em:
<http://www.systemdynamics.org/conferences/1990/proceed/pdfs/forre367.pdf>.
Acesso em: 14 out. 2015.

3.8 Documentos de acesso exclusivo em meio eletrônico

Mencionam-se os elementos essenciais da obra pesquisada em meio eletrônico que


possam permitir sua identificação como, por exemplo: autor, título, cidade de
publicação, entidade responsável pela publicação, incluindo as informações do tipo
de meio eletrônico utilizado como a descrição física (disquete, CD-ROM, no caso da
Internet o endereço disponível e a data de acesso).

Elementos essenciais

AUTOR, Título: subtítulo. Edição. Local (cidade de publicação). Descrição física do meio
eletrônico (disquete, CD-ROM etc.) ou Disponível em: <endereço eletrônico>. Acesso
em: dia mês e ano (para documentos on-line).

 Livro em CD-ROM

FITZSIMMONS, James A.; FITZSIMMONS, Mona J. Administração de serviços:


operações, estratégia e tecnologia da informação. 4. ed. São Paulo: Bookmam,
2005. CD-ROM.

 Livro eletrônico

AZEVEDO, Aluísio. O Cortiço. 30. ed. São Paulo: Ática, 1997. (Bom livro).
Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bv000015.pdf>.
Acesso em: 21 jun. 2017.
21

 Mensagens eletrônicas

Como nos demais casos, a referência deve conter os elementos essenciais e os


elementos próprios ao meio utilizado.

SALES, Frederico Peixoto. Setor de Ensino. (fredericosales@unicamp.br). Re:


Startup - Pesquisa de metodologias de gestão de projetos [mensagem pessoal].
Mensagem recebida por leticia@gmail.com em 20 nov. 2013.

 Listas de discussão

COMUT online: lista de discussão. Brasília: Ibict. Secretaria Executiva do COMUT,


2009. Disponível em: <www.ct.ibict.br/listserver@ibict.br>. Acesso em: 10 jul. 2014.

 Entrevistas em meio eletrônico

A entrada é pelo nome da pessoa entrevistada.

FINOCCHIO JÚNIOR, José. Project Model Canvas: planejamento em uma folha!:


compreendendo ambiente e necessidades para uma melhor estruturação do projeto.
Revista Mundo PM, Curitiba, ano 9, n. 49, p. 70-79, 2013. Entrevista concedida à
Revista Mundo PM, a Iago Malachias. Disponível em:
<http://www.pmcanvas.com.br/wp-content/uploads/2013/05/artigo-PMCanvas.pdf>.
Acesso em: 17 set. 2014.

 Referências Wikipédia

A Wikipédia fornece um link de acesso à referência completa do artigo pesquisado.


Na aba esquerda do site, em Ferramentas, clicar em Citar esta página. Escolher o
estilo de acordo com as normas da ABNT. Veja o exemplo de referência, como
resultado da busca pelo termo ITIL:

INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY. In: WIKIPÉDIA, a


enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2017. Disponível em:
<https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Information_Technology_Infrastructure_Li
brary&oldid=49091051>. Acesso em: 20 jun. 2017.
22

3.9 Apostilas e slides Ietec

AGDA, Silmara. MBA Módulo II [apostila]: Gestão de negócios T.33: IX Gestão de


carreira. Belo Horizonte: Ietec, 2014. 26 p.

BERNARDARA, Martin Ibrahim. Gestão de marketing [slide]. Belo Horizonte: Ietec,


2014. 110 p.

BIZON, Daniel. MBA Gestão de negócios [slide]: turma 33: V Gestão da inovação.
Belo Horizonte: Ietec, 2014. 71 p.

MEISTER, Rodrigo. Evolução da gestão estratégica [slide]. Belo Horizonte: Ietec,


2014. 169 p.

SMART Game: o jogo da gestão inteligente [slide]: ferramentas da qualidade. Belo


Horizonte: Ietec, 2014. [26] p.

3.10 Trabalhos não publicados

Quando se tratar de trabalho não publicado, deve-se fazer a referência apenas em


nota de rodapé, utilizando as informações existentes, incluindo a nota: não
publicado.

Em rodapé:

_____________

¹ SILVA, H. M. Responsabilidade social e sustentabilidade hoje. Belo Horizonte: Faculdade de


Filosofia e Ciências Humanas da UFMG, 1999. 35 p. Não publicado.

3.11 Para referenciar este documento

FACULDADE IETEC. Biblioteca. Manual para normalização de artigos. 3. ed. Belo


Horizonte: Ietec, 2017. 44 p.
23

4 CITAÇÕES

Citação é definida como:

As citações são trechos transcritos ou informações retiradas das


publicações consultadas para realização do trabalho. São introduzidas no
texto com o propósito de esclarecer ou complementar as idéias do autor. A
fonte de onde foi extraída a informação deve ser citada obrigatoriamente,
respeitando-se dessa forma os direitos autorais (FRANÇA, 2013, p. 136).

Considerações:

 Todas as citações inseridas no texto devem ter a indicação do autor, data da


obra, e página de onde foi retirada. Exemplo: (PARENTE, 2000, p. 35) ou
Kotler (2003, p.3);
 As citações retiradas de páginas da Internet também devem ser mencionadas
no texto e nas referências com a indicação dos responsáveis, ou seja,
AUTORIA com: Sobrenome do Autor ou Nome da Instituição mantenedora do
site, seguida do ano;
 Todas as obras citadas no texto devem ser mencionadas nas referências
bibliográficas;
 Usar itálico para nomes científicos, expressões latinas e palavras
estrangeiras;
 Na citação de obra até três autores, eles deverão ser separados por ponto e
vírgula. Mais de três autores deve-se citar o sobrenome do autor principal
seguido da expressão “et al.” em itálico - que significa “e outros” em latim;
 Quando os autores das citações estiverem inseridos no texto e mencionados
antes das citações, os sobrenomes dos autores são grafados em letras
minúsculas, com exceção da inicial maiúscula;
 Quando os autores das citações estiverem mencionados após as citações, o
sobrenome do autor deve ser colocado entre parênteses em CAIXA ALTA.
Veja exemplo a seguir.
24

Conforme definição do Kotler (2003, p. 3) marketing é “um processo administrativo e


social pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam, por meio da
criação, oferta e troca de produtos e valor com outros”.

“Marketing direto é definido como um sistema de marketing interativo entre vendedor e


consumidor que utiliza um ou mais veículos de comunicação para produzir um contato
com cliente ou conseguir um pedido de compra” (PARENTE, 2000, p. 35).

Figura 5 - Citação

As citações podem ser apresentadas no texto como citações diretas (textuais) e


citações indiretas (livres).

4.1 Citação direta (Textual)

É a cópia exata dos trechos de texto de outros autores. São reproduzidas no texto
da mesma forma como consta no original, entre aspas duplas seguidas de
informações sobre a fonte.

Citações curtas (até três linhas): são inseridas no texto, entre aspas. É obrigatório
indicar: autor, ano e página.

A definição de marketing é dada como “conjunto de atividades que são exercidas


para criar e levar a mercadoria do produtor ao consumidor final. É a atividade total
de comerciar” (SANT’ANNA, 2002, p. 17).

Segundo Sant’Anna (2002, p. 39) “precisamos conhecer o terreno onde iremos pisar”.

Figura 6 - Citação direta (até três linhas)

Citações longas (mais de três linhas): são apresentadas em um parágrafo


independente, recuadas a 4 cm da margem esquerda com tamanho de letra menor
que o utilizado no texto (tamanho 10) espaçamento simples e não precisa usar
aspas. É obrigatório indicar: autor, ano e página.
25

A administração da informação não estruturada deve levar em consideração certos


aspectos:

Os fornecedores de informação não-estruturada, como os


bibliotecários, têm habilidades específicas e exclusivas de sua
profissão. Conhecem melhor os conteúdos e estão mais perto
(embora muitas vezes não o bastante) do usuário do que qualquer
4 cm outro fornecedor. Às vezes eles adicionam valor às informações que
coletam - sintetizando-as, interpretando-as e fazendo com que sirvam
aos objetivos de quem as solicita (DAVENPORT, 1998, p. 28).

Figura 7 - Citação direta (mais de três linhas)

4.2 Citação indireta (Livre)

É a reprodução de ideias e informações do documento sem fazer a transcrição literal


das palavras do autor.

Para redigir a citação livre ou formular a frase que antecede a citação deve-se
respeitar a gramática da língua portuguesa, considerando todas as concordâncias e
pontuações necessárias. É obrigatório indicar: autor e ano. (Não é necessário
indicar a página).

Citação de único autor

No texto:

Neste sentido, Madruga (2004) menciona que a maioria das organizações deseja a
lealdade, mas para alcançá-la é preciso disponibilizar benefícios recíprocos entre o
cliente e a empresa, agregar valor ao produtor e conquistar a confiança do cliente.

Em Referências:

MADRUGA, Roberto. Guia de implementação de marketing de relacionamento e


CRM. São Paulo: Atlas, 2004. 250 p.

Figura 8 - Citação indireta (um autor)


26

Citação com dois autores

No texto:

Segundo Kotler e Armstrong (2003) o consumidor sofre influências culturais e sociais,


impossíveis de serem controladas pelo profissional de marketing.

Em Referências:

KOTLER, Philip; ARMSTRONG, Gary. Princípios de marketing. 9. ed. São Paulo:


Pearson Prentice Hall, 2003. 593 p.

Figura 9 - Citação indireta (dois autores)

Citação com três autores

No texto:

Sheth, Mittal e Newman (2001) afirmam que existe uma diferença de custo entre atender
clientes estabelecidos e novos clientes.

Em Referências:

SHETH, Jagdish N.; MITTAL, Banwari; NEWMAN, Bruce I. Comportamento do


consumidor. São Paulo: Atlas, 2001. 287 p.

Figura 10 - Citação indireta (três autores)

Citação com mais de três autores

No texto

Dornier et al. (2000) salientam que com o incremento da globalização, atualmente a


logística e as operações desempenham papel fundamental nas organizações.

Em Referências:

DORNIER, Philippe-Pierre et al. Logística e operações globais: texto e casos. São Paulo:
Atlas, 2000. 240 p.

Figura 11 - Citação indireta (mais de três autores)


27

Citação de Legislação

No texto:

A Lei nº. 8.078/90 (BRASIL, 1990) nos art. 2º e 3º define respectivamente, consumidor e
fornecedor.

Em Referências:

BRASIL. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do


consumidor e de outras providências. Código de Defesa do Consumidor. Brasília:
Senado Federal, 2001.

Figura 12 - Citação de Legislação

Citação Autor Instituição

No texto:

Segundo a Federação do Comércio de Minas Gerais (2006) as empresas varejistas


estão ampliando seus faturamentos devido ao aumento da oferta de crédito.

Em Referências:

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Pesquisa


conjuntural do comércio varejista da RMBH. Belo Horizonte, 2006. 102 p.

Figura 13 - Citação Autor Instituição

4.3 Citação de citação

Reprodução de informações citadas por outros autores, cuja obra original não se
teve acesso. O ideal é consultar o documento original, mas quando não é possível,
pode-se reproduzir informação já citada por outros autores, cujo documento tenha
sido efetivamente consultado.
28

Conforme nos orienta o Manual para normalização de publicações técnico-


científicas, deve-se adotar o seguinte prosseguimento na citação de citação:

No texto, citar o sobrenome do autor do documento não consultado,


seguido das expressões: citado por, apud, conforme ou segundo, e o
sobrenome do autor do documento efetivamente consultado. Em nota de
rodapé, mencionar os dados do documento original (FRANÇA, 2013, p.139).

Citação de citação

No texto:

Pêcheux¹ (1990 citado por FLORÊNCIO, 2009) expõe que o discurso é um acontecimento que
articula uma atualidade e uma rede de memória.

Em rodapé:
____________
¹ PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas, SP: Pontes, 1990.65 p.

Na listagem de referência:

FLORÊNCIO, A. M. G. et al. Análise do discurso: fundamentos e prática. Maceió: Edufal, 2009.


131p.

OU

No texto:

[...] distinguem-se duas formas de não-dito: o pressuposto e o subentendido. Aquele deriva


propriamente da instância da linguagem, estando necessariamente presente no dito.(DUCROT,
1972 apud ORLANDI, 2001).

Em rodapé:
__________
DUCROT, O. Princípios de semântica lingüística. São Paulo: Cultrix, 1972. 192 p.

Na listagem de referência:

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 3. ed. Campinas, SP: Pontes,


2001. 100 p.

Figura 14 - Citação de citação


29

5 NOTAS DE RODAPÉ

Para não interromper a seqüência lógica da leitura com informações que não
precisam ser incluídas no texto, mas prestam esclarecimentos ou considerações
sobre elas, usa-se a nota de rodapé.

As notas devem ser pequenas e objetivas e devem localizar o mais próximo possível
do texto. São inseridas na parte inferior da página, separadas por uma linha
contínua de 5 cm, digitadas em espaço simples e com fonte tamanho 10. São
alinhadas pela primeira palavra, e sem espaço entre elas.

5.1 Notas explicativas

São comentários ou observações pessoais do autor. Podem ser, por exemplo,


nomes de instituições, endereços, trabalhos não publicados, informações
complementares, e outros.

POPULAÇÃO NO BRASIL

Com cerca de 160 milhões de habitantes, o Brasil é o quinto país mais populoso do mundo1,
detendo mais de 2,5% da população do planeta.

_______________________
1
Os maiores países em população no planeta (em milhões de habitantes são: China (1.089), Índia (844),
Estados Unidos (249).

Outros exemplos:
____________________
¹ Professor titular Faculdade Ietec.
² Projeto realizado com recursos do BNDES.
³ Há, também, as variantes lingüísticas, muito abordadas nos vestibulares.
4
O estado de Minas Gerais começou a ser explorado pela primeira vez no século XVI, quando
os bandeirantes entraram na região à procura de ouro e pedras preciosas.
30

5.2 Notas de referência

São utilizadas para indicar fontes bibliográficas, e também textos relacionados com
as afirmações expostas no artigo, podendo assim, remeter o leitor a outros trabalhos
com a mesma temática. Também podem ser incluídas traduções de citações em
língua estrangeira, ou mesmo a indicação da língua original de citações traduzidas,
etc. (FRANÇA, 2013, p. 150).

Exemplos:
______________________

¹ COSTA JÚNIOR, 2013, p. 34.


² CUNHA, 2007, cap. 2, p. 29.
³ ALBUQUERQUE; CRUZ; VASCONCELOS, 1987, p. 102.
4
LUZ. Projetos de pesquisas, p. 23.
5
Traduzido do inglês
31

6 ILUSTRAÇÕES

As ilustrações são gráficos, gravuras, fotografias, mapas, esquemas, desenhos,


tabelas, quadros, fórmulas, modelos, organogramas, fluxogramas, plantas, layout e
outros.
A Figura 12 mostra os resultados das entrevistas aplicadas aos funcionários da Empresa X.
Observa-se que ...

ou

Os resultados das entrevistas aplicadas aos funcionários mostram que ... (FIGURA 12).

As ilustrações devem ser centralizadas na página e localizadas o mais próximo


possível do texto. São chamadas no texto sempre como figuras. Elas podem ser
mencionadas no texto ou no final da frase.

As ilustrações são numeradas com algarismos arábicos (1,2,3,4,5,6....) na mesma


seqüência em que aparecem no texto. O título deve ser preciso e explicativo,
digitado em letras minúsculas, exceto no início da frase e em nomes próprios.
Localiza-se alinhado à esquerda e abaixo da ilustração e deve ser precedido da
palavra FIGURA seguida do número correspondente separado por hífen (-). Usar
fonte tamanho 11.

A legenda é um texto explicativo que acompanha a ilustração e deve ser colocada


logo abaixo do título. Usa-se a mesma pontuação de uma frase comum.
Fonte é a menção do autor da ilustração incluindo data e página de onde a
ilustração foi retirada. Deve ser localizada alinhada à esquerda e abaixo da figura.
Usar fonte tamanho 10. Quando a ilustração for de autoria própria, deve-se
identificar como:

Fonte: Elaborado pelo autor, ano


OU
Fonte: Do autor, ano.

A NBR 6022 (2003b, p.5), sobre artigo em periódico, ainda em vigor, permanece
com a orientação de identificação das ilustrações na parte inferior (FRANÇA,
2013, p. 114).
32

FIGURA 1 – Gestão pela qualidade total


Fonte: BWS CONSULTORIA, 2017.

FIGURA 2 - Áreas do conhecimento em gestão de projetos


Fonte: MACÊDO, 2011.

GRÁFICO 1 - População residente por cor ou raça


Fonte: IBGE, 2010.

Figura 15 - Ilustrações
33

7 TABELAS E QUADROS

7.1 Tabelas

As tabelas devem ser centradas na página. O título deve ser conciso, indicando a
natureza, a abrangência geográfica e temporal de seus dados. Ex.: (Mortalidade -
Brasil 1998). O título ficará localizado na parte superior da tabela seguido de seu
número em algarismo arábico, letra tamanho 11. Fonte e notas localizam-se na
parte inferior da tabela, digitadas em tamanho 10, alinhadas à esquerda junto à
tabela.

As tabelas apresentam traços horizontais para separar o cabeçalho. Não


apresentam linhas horizontais para separar os dados e não são fechadas nas
laterais. Apresentam informações tratadas estatisticamente. São confeccionadas
com o objetivo de apresentar resultados numéricos e valores comparativos. A fonte
dos dados internos da tabela poderá ser menor que a utilizada no texto, respeitando-se
o critério de legibilidade. No texto, a referência se fará pela indicação Tabela e número
de ordem.
No texto: Tabela 1 ou no final da frase (TABELA 1)

Tabela 1 - Distribuições percentuais do número de pessoas empregadas entre


estabelecimentos industriais na capital de São Paulo e de 6.033
acidentes graves, segundo o tamanho da empresa - 1972-73

Tamanho da empresa Acidentes


Empregados
(em número de empregados) (%)
(%)

1a4 3,1 2,6


5a9 3,0 5,2
10 a 19 4,9 8,2
20 a 49 9,5 18,3
50 a 99 9,0 17,4
100 a + 37,0 32,8
Total 100,0 100,0
Fonte: SENAI, 1973, p. 75.

Figura 16 - Tabela 1
34

Tabela 2 - Distribuição percentual da mão-de-obra industrial na capital de São Paulo - 1973

Tamanho da empresa Empregados Acidentes


(%) (%)
Pequenas 29,5 51,7

Médias 37,0 32,8

Grandes 33,5 15,5

Total 100,0 100,0

Fonte: IBGE, 1973, p. 261.

Figura 17 - Tabela 2

Se a tabela for muito longa, poderá ser dividida, acrescentando após o título o termo
Continua e na última, Conclusão, de acordo com o caso. Veja exemplo:

Tabela 3 - Pessoas de 10 anos ou mais de idade, por regiões metropolitanas,


segundo os meses da pesquisa - jan.2003-dez.2004
(Continua)
Pessoas de 10 anos ou mais de idade
Meses da pesquisa
Total
Belo Horizonte Rio de Janeiro São Paulo

Estimativas (Em 1 000 pessoas)


____________________________________________________________
2003

Janeiro 36 741 3 761 9 410 14 904

Fevereiro 36 808 3 775 9 466 14 885

Março 36 838 3 781 9 454 14 904

Abril 36 890 3 777 9 453 14 951

Maio 36 967 3 773 9 479 15 008

Junho 36 907 3 788 9 445 14 946

Julho 37 006 3 806 9 473 14 966

Agosto 37 048 3 816 9 481 14 982


____________________________________________________________________
Setembro 37 067 3 834 9 492 14 964
Figura 18 - Tabela longa (continuação na próxima página)
Outubro 37 200 3 831 9 501 15 044

Novembro 37 235 3 834 9 504 15 071

Dezembro 37 421 3 844 9 550 15 179


35

Tabela 3 - Pessoas de 10 anos ou mais de idade, por regiões metropolitanas,


segundo os meses da pesquisa - jan.2003-dez.2004

(Conclusão)
Pessoas de 10 anos ou mais de idade
Meses da pesquisa
Total Belo Horizonte Rio de Janeiro São Paulo

Estimativas (Em 1 000 pessoas)


_________________________________________________________________

2004
Janeiro 37 401 3 846 9 521 15 166
Fevereiro 37 389 3 857 9 546 15 128
Março 37 396 3 862 9 513 15 155
Abril 37 499 3 861 9 536 15 211
Maio 37 581 3 870 9 572 15 224
Junho 37 665 3 888 9 551 15 261
Julho 37 745 3 890 9 584 15 268
Agosto 37 673 3 900 9 576 15 191
Setembro 37 721 3 910 9 603 15 212
Outubro 37 842 3 928 9 661 15 245
Novembro 37 975 3 946 9 682 15 324
Dezembro 38 088 3 955 9 684 15 402

________________________________________________________________
Fonte: IBGE, 2016.

Figura 19 - Tabela longa (conclusão da tabela anterior)

7.2 Quadros

Os quadros apresentam dados textuais agrupados em coluna. Sua localização deve


ser o mais próximo possível do texto a que se refere. O quadro assim como a tabela,
não deve ser fechado lateralmente, e a fonte dos dados internos poderá ser menor
que a utilizada no texto, respeitando-se o critério de legibilidade.

As legendas devem aparecer na parte superior, seguidas de seu número em


algarismos arábicos, o título localiza-se acima e centralizado em tamanho 11 e a
fonte abaixo, com recuo à esquerda, alinhada com a figura e em tamanho 10. No
texto, a referência se fará pela indicação Quadro e o número de ordem.

No texto: Quadro 1 ou no final da frase (QUADRO 1)


36

Quadro 1 - Equipe de funcionários da biblioteca

Cargo Tarefas

Gestor (Bibliotecário) Gerenciar, administrar, planejar

Bibliotecário Catalogar, indexar, pesquisar


Assistente de biblioteca Auxiliar nas atividades administrativas
Estagiário Atendimento, guarda de livros
Fonte: UFMG, 2012.

Figura 20 - Quadro 1

Quadro 2 - Taxonomia de verbos para uso em metodologia


Processos Verbos de ação

Apontar; Calcular; Classificar; Definir; Descrever; Distinguir; Enumerar;


Enunciar; Especificar; Estabelecer; Exemplificar; Expressar; Identificar;
Conhecimento
Inscrever; Marcar; Medir; Nomear; Ordenar; Reconhecer; Registrar; Relacionar;
Relatar; Repetir; Sublinhar (Evocar)

Concluir; Deduzir; Demonstrar; Derivar; Descrever; Determinar; Diferenciar;


Discutir; Estimar; Exprimir; Extrapolar; Ilustrar; Induzir; Inferir; Interpolar;
Compreensão
Interpretar; Localizar; Modificar; Narrar; Preparar; Prever; Reafirmar; Relatar;
Reorganizar; Representar; Revisar; Traduzir; Transcrever

Aplicar; Demonstrar; Desenvolver; Dramatizar; Empregar; Esboçar; Estruturar;


Aplicação Generalizar; Ilustrar; Interpretar; Inventariar; Operar; Organizar; Praticar;
Relacionar; Selecionar; Traçar; Usar

Analisar; Calcular; Categorizar; Combinar; Comparar; Contrastar;


Análise Correlacionar; Criticar; Debater; Deduzir; Diferenciar; Discriminar; Discutir;
Distinguir; Examinar; Experimentar; Identificar; Investigar; Provar

Compor; Comunicar; Conjugar; Construir; Coordenar; Criar; Desenvolver;


Síntese Dirigir; Documentar; Escrever; Especificar; Esquematizar; Exigir; Formular;
Modificar; Organizar; Originar; Planejar; Prestar; Produzir; Reunir; Sintetizar

Argumentar; Avaliar; Comparar; Contrastar; Decidir; Escolher; Estimar; Julgar;


Avaliação
Medir; Precisar; Selecionar; Taxar; Validar; Valorizar

3
Fonte: MACULAN , 2016.
Figura 21 - Quadro 2

3
Lista produzida e fornecida pela Profa. Alcenir dos Reis, durante Disciplina de Métodos e Técnicas
de Pesquisa, ministrada na ECI-UFMG, em 2006.
37

8 REGRAS DE APRESENTAÇÃO

8.1 Papel e quantidade de páginas

Os textos dos trabalhos devem ser digitados em papel branco, formato A4, apenas
no anverso da folha. Os textos são digitados em cor preta. As ilustrações podem ser
coloridas.

O artigo deverá conter de quatro a seis páginas, no caso do Programa do Módulo


Eletivo ou de Aperfeiçoamento, e de seis a dez páginas, no caso do Módulo
Obrigatório ou de Gestão de Negócios.

8.2 Tópicos sem indicativo numérico

Os textos sem indicativo numérico (resumos, referências, apêndice e anexo) devem


se centralizados na página.

8.3 Espaçamentos

Todo o texto deve ser digitado com espaçamento de 1,5 entrelinhas.

Usar espaço simples nas:


 citações longas;
 notas de rodapé;
 entre as linhas de uma referência;
 legendas e fontes das ilustrações e tabelas;

8.4 Fonte

A fonte a ser utilizada deve ser Arial tamanho 11 para o texto (apenas para o
artigo4) e tamanho 10 para citações longas, notas de rodapé, paginação, legenda e
fonte das ilustrações e tabelas.

4
Para o Trabalho Técnico e Dissertação, a fonte a ser utilizada no texto é no tamanho 12.
38

8.5 Margens

Margens anverso:
esquerda e superior de 3 cm; direita e inferior de 2 cm.

Figura 22 - Margens do anverso

Margens verso:
superior e direita de 3 cm; inferior e esquerda de 2 cm.

Figura 23 - Margens do verso


39

8.6 Parágrafo

Deve-se utilizar o parágrafo moderno, com o texto todo justificado e os parágrafos


separados por 1 (um) espaço de 1,5 cm entre eles.

8.7 Alíneas

Utilizadas para relacionar itens de conteúdo pouco extenso. O texto que antecede as
alíneas é terminado com dois-pontos, e estas são recuadas em relação à margem
esquerda. O texto das alíneas é alinhado pela primeira letra do seu texto que
começa por letra minúscula e são pontuadas com ponto e vírgula, com exceção da
última, que recebe ponto (FRANÇA, 2013, p. 102). Espaçamento 1,5 entrelinhas.

Foram detectados os seguintes problemas:


a) problemas de infiltração;
b) necessidade de reforma nos armários;
c) cuidados com o acabamento.

Se necessário, utilizam-se subalíneas. Utilizar travessão antes do texto e espaço.


a) requeremos com estas novas orientações:
- diminuir custos com alimentação;
- otimizar os processos de compra;
- padronizar novas solicitações.

8.8 Capítulos

As divisões primárias do texto, bem como as outras partes da publicação (resumo,


referências) devem ter seus títulos digitados com letras maiúsculas. As divisões
secundárias, terciárias, quaternárias e quinarias, com letras minúsculas.

8.9 Paginação

A paginação deve ser em algarismos arábicos. A numeração deve ser localizada no


canto superior direito da folha e ser iniciada na primeira página de texto
(introdução). Apêndice e anexo devem receber numeração contínua dando
prosseguimento à paginação do texto principal.
40

9 FOLHA DE APROVAÇÃO

É obrigatória a inclusão na última página do artigo, da folha de Autorização de


divulgação de Artigo Técnico. Ela deve conter:

 ano de entrega do artigo;


 marcada a opção de autorizar ou não a publicação;
 data (dia, mês, ano) de entrega do artigo;
 Nome do curso, número da turma, semestre e ano;
 Título do artigo;
 Nome do(s) autor(es) do artigo e assinatura.

Após preenchidos todos os dados, a folha deverá ser escaneada, e inserida na


última folha do artigo. Esta folha não será contada na paginação, e nem será
considerada anexo. Segue na próxima página, modelo de autorização.
41

<<Ano de entrega>>

Autorização de Divulgação de Artigo Técnico

AUTORIZAÇÃO DE PUBLICAÇÃO

AUTORIZO A PUBLICAÇÃO DO ARTIGO TÉCNICO NA INTERNET,


JORNAIS E REVISTAS TÉCNICAS EDITADAS PELO IETEC.

NÃO AUTORIZO A PUBLICAÇÃO OU DIVULGAÇÃO DO ARTIGO


TÉCNICO.

BELO HORIZONTE, ____/____/____

CURSO:

TURMA:
SEMESTRE/ANO:

TÍTULO DO ARTIGO:

NOME DO AUTOR (LEGÍVEL) ASSINATURA


42

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, Elenise Maria de. Artigo Científico: ANT NBR: 6022:2003. São Paulo:
USP. Disponível em: <http://www.ufscar.br/jornadatac/up/II%20JornadaTAC%20-
%20Elenise.pdf>. Acesso em: 11 set. 2014.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: informação e


documentação: citações em documentos: apresentação. Rio de Janeiro, 2002b.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: informação e


documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2011b.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e


documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6024: informação e


documentação: numeração progressiva das seções de um documento escrito:
apresentação. Rio de Janeiro, 2012a.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6028: resumos. Rio de


Janeiro, 2003c.

BALBI, João Carlos Sinott. O plágio nas monografias. [S.l.]: Professor Balbi, 2009.
Publicado em 7 ago. 2009. Disponível em:
<http://professorbalbi.blogspot.com.br/2009/08/o-plagio-nas-monografias-1-o-
orientador.html>. Acesso em: 26 maio 2017.

BRASIL. Ministério da Cultura. Direitos autorais e direitos intelectuais. Brasília:


Ministério da Cultura, 2009. Disponível em:
<http://www.cultura.gov.br/site/2009/10/06/direitos-autorais-4/#more-59999>. Acesso
em: 02 fev. 2010.

BRASIL. Ministério da Cultura. Direitos autorais e direitos intelectuais. Brasília:


MinC, 2013. Texto de 06/10/2009 republicado em virtude de alteração no layout da
página. Disponível em: <http://www.cultura.gov.br/noticias-
destaques?p_p_id=101&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&_101_struts_action
=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_assetEntryId=256455&_101_type=co
ntent&_101_groupId=10883&_101_urlTitle=direitos-autorais-e-direitos-intelectuais-
256451>. Acesso em: 26 maio 2017.
43

BRASIL. Ministério da Cultura. Direitos autorais. Brasília: MinC, 2014. Disponível


em: <http://www.cultura.gov.br/direitos-autorais>. Acesso em: 26 maio 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 12.853, de 14 de agosto de


2013. Altera os arts. 5º, 68, 97, 98, 99 e 100, acrescenta arts. 98-A, 98-B, 98-C, 99-
A, 99-B, 100-A, 100-B e 109-A e revoga o art. 94 da Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro
de 1998, para dispor sobre a gestão coletiva de direitos autorais, e dá outras
providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-
2014/2013/Lei/L12853.htm#art2>. Acesso em: 26 maio 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 9.610 de 19 de fevereiro de


1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras
providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9610.htm>.
Acesso em: 26 maio 2017.

BWS CONSULTORIA. Gestão pela qualidade total. [S.l.]: BWS Consultoria, 2017.
Disponível em: <http://www.bwsconsultoria.com/p/metodologia.html>. Acesso em: 28
jun. 2017.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino; SILVA, Roberto da. Metodologia
científica. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

FRANÇA, Júnia Lessa; VASCONSELLOS, Ana Cristina de. Manual para


normalização de publicações técnico-científicas. 9. ed. Belo Horizonte: Ed.
UFMG, 2013. 263 p. (Aprender) ISBN 9788542300086

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Centro de


Documentação e Disseminação da Informação. Normas de apresentação tabular.
3. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1993. 61 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Dia da consciência


negra. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

KROKOSCZ, Marcelo. Elaboração de paráfrases, dicas de como reescrever um


texto original. [S.l.]: Plágio, 2013. Disponível em:
<http://www.plagio.net.br/capacitacao_metodologica.html>. Acesso em: 26 maio
2017.

MACÊDO, Diego. Áreas de conhecimento de gerenciamento de projetos. [S.l.]:


Blog, 2011. Disponível em: <http://www.diegomacedo.com.br/areas-de-
conhecimento-de-gerenciamento-de-projetos/>. Acesso em: 28 jun. 2017.
44

MACULAN, Benildes Coura M. S. Manual de normalização para o NITEG e o


PPGCI da ECI-UFMG. Belo Horizonte: ECI/UFMG, 2016. Disponível em:
<http://normalizacao.eci.ufmg.br/?Reda%E7%E3o_e_Estilo:Metodologia>. Acesso
em: 12 jul. 2017.

MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamento, resumos,


resenhas. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

MUNIZ-OLIVEIRA, Siderlene. Os verbos de dizer em resenhas acadêmicas e a


interpretação do agir verbal. 2004. 132 f. Dissertação (Mestrado em Lingüística
Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo,
São Paulo, 2004. Disponível em:
<http://www.leffa.pro.br/tela4/Textos/Textos/Teses/siderlene_oliveira.pdf>. Acesso
em: 11 jul. 2017.

MUNIZ-OLIVEIRA, Siderlene. Os verbos de dizer em resenhas acadêmicas.


Signum: Estud. Ling., Londrina, v. 8, n. 1, p. 103-129, Jun. 2005. Disponível em:
<http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/3640/2942>. Acesso
em: 11 jul. 2017.

NUNES, L. A. Rizzato. Manual da monografia: como se faz uma monografia, uma


dissertação, uma tese. São Paulo: Saraiva, 2000. xii, 179 p.

SECAF, Victoria. Artigo científico: do desafio à conquista. 3. ed. São Paulo: Green
Forest do Brasil, 2004. 147 p.

SIGNIFICADOS. Significado de paráfrase. [S.l.]: Significados, 2017. Disponível em:


<https://www.significados.com.br/parafrase/>. Acesso em: 12 jul. 2017.

WIKIHOW. Como parafrasear um parágrafo. [S.l.]: WikiHow, [20--]. Disponível em:


<http://pt.wikihow.com/Parafrasear-um-Par%C3%A1grafo>. Acesso em: 11 jul. 2017.