Você está na página 1de 6

defi departamento

de física

Laboratórios de Física
www.defi.isep.ipp.pt

Lei de Hooke para


uma Mola

Instituto Superior de Engenharia do Porto – Departamento de Física


Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431
4200-072 Porto. Tel. 228 340 500. Fax: 228 321 159
Laboratórios de Física DEFI-NRM-0025
Versão: 02
Lei de Hooke para uma mola Data: 30/07/2008

Lei de Hooke para uma Mola


DEFI-NRM-0025

Objectivos:
• Compreensão da Lei de Hooke
• Determinação da constante elástica de uma mola

Introdução teórica

O físico inglês Robert Hooke (1635-1703) foi o primeiro a demonstrar que para muitos
materiais elásticos, a deformação é directamente proporcional a uma força elástica ou
restauradora que resiste a essa deformação. A expressão matemática dessa relação –
conhecida como Lei de Hooke – é, a uma dimensão espacial x ,

Fel = −k∆x = −k ( x − x0 ) (1)

onde ∆x é a deformação linear ou elongação do meio elástico e k a sua constante elástica


(unidades SI, Nm-1). O sinal “-“ na equação escalar (1) indica que, a força elástica e a
deformação são representados por vectores com sentidos opostos.
Uma mola espiral é um óptimo exemplo de um corpo elástico cuja deformação pode ser
considerada aproximadamente unidimensional. A constante elástica k de uma mola depende
do material que a constitui, da espessura do fio de enrolamento e do número e diâmetro das
espiras. Se considerarmos uma mola de massa desprezável suspensa por uma das suas
extremidades, x0 é a posição inicial (não deformada) da extremidade solta e ∆x corresponde
ao deslocamento provocado a essa mesma extremidade. Se ao suspendermos da mola um
corpo de massa m , a extremidade solta desta se deslocar de x0 para uma nova posição
de equilíbrio x , nessas condições a força aplicada é o peso do corpo, F = mg , que
equilibra a força elástica Fel = − k ( x − x 0 ) :

− k ( x − x 0 ) + mg = 0 ⇔ mg = k ( x − x 0 ) (2)

y=F
A equação (2) exprime a proporcionalidade entre a elongação
da mola e o peso do corpo nela suspenso, e pode ainda ser
escrita na forma F = k ( x − x 0 ) = kx − kx 0 , que tem a forma da
equação de uma recta y = ax + b , com declive a = k e ordenada
na origem b = kx 0 . Este comportamento é observado dentro dos
x
limites elásticos (a cheio na figura ao lado) da mola, em que na
ausência de uma força aplicada, a mola recupera o seu
Fig.1 – Exemplo da Lei de
Hooke a uma dimensão

Departamento de Física Página 2/4


Laboratórios de Física DEFI-NRM-0025
Versão: 02
Lei de Hooke para uma mola Data: 30/07/2008

comprimento inicial. Para além desse limite, dá-se uma deformação permanente ou quebra.

Material Necessário

• Balança de Joly - mola e suporte com escala graduada


• Conjunto de massas marcadas e respectivo suporte (prato)
• Balança digital
• Fita métrica; x-x0
F

Procedimento

1. Na ausência de carga, determine com o auxílio da escala graduada, a posição de


equilíbrio da mola, i.e., a posição da extremidade solta da mesma, x0.
2. Determine, na balança digital, a massa m do prato de suporte.
3. Suspenda o prato de suporte na mola e determine a nova posição de equilíbrio desta.
4. Determine as posições de equilíbrio x, para cargas crescentes colocadas no prato de
suporte, até ao limite de 90 gramas: comece com M =10g e adicione sucessivamente
novas massas de 10g.
5. Retirando agora do prato de suporte uma massa de cada vez (descarga), determine as
sucessivas posições de equilíbrio da mola.
6. Para cada valor de m+M, considere a posição de equilíbrio como o valor médio obtido
nas fases de carga e descarga.
7. Construa um gráfico (utilizando por exemplo a ferramenta OpenOffice, ou similar) com
os valores de x - x0 em abcissa e os valores de F = (m+M)g em ordenada, com g =
9,81ms-2.
8. Recorrendo à ferramenta que estiver a utilizar, faça o ajuste linear dos pontos
experimentais, determinando por regressão linear a equação da recta que melhor
representa os resultados obtidos.
9. Determine através do declive da recta o valor da constante elástica da mola, e a
incerteza que lhe está associada.

Outras informações

Deverá registar todas as medições que efectuar, bem como as características dos
aparelhos de medida utilizados. Todos os cálculos deverão estar indicados de forma clara,
utilizando unidades consistentes para as várias grandezas.

Departamento de Física Página 3/4


Laboratórios de Física DEFI-NRM-0025
Versão: 02
Lei de Hooke para uma mola Data: 30/07/2008

Referências Bibliográficas

• Physics Laboratory Experiments (5th edition), Jerry D. Wilson, 1998, Houghton Mifflin Company,
U.S.A.
• Laboratory Experiments in College Physics (7th edition), Cicero H. Bernard & Chirold D. Epp,
1995, John Wiley & Sons, Inc.

Departamento de Física Página 4/4


Laboratórios de Física DEFI-NRM-0025
Versão: 02
Lei de Hooke para uma mola – Anexo A Data: 30/07/2008

Lei de Hooke para uma mola


DEFI-NRM-0025

Anexo A

Curso: Disciplina:

Ano: Turma: Grupo #:

Data da realização: Data de entrega:

Tabelas

Tabela 1 – Carga e Descarga


Massas (g) Comprimento Extensão Média (m)
M+m Carga (m) Descarga (m)
0+m
10+m
...

90+m

Nº Mec.: Nome:

Nº Mec.: Nome:

Nº Mec.: Nome:
-i-
Laboratórios de Física DEFI-NRM-0025
Versão: 02
Lei de Hooke para uma mola – Anexo B Data: 30/07/2008

Lei de Hooke para uma mola


DEFI-NRM-0025

Anexo B
Questões sobre os conceitos de:

• Compreensão da Lei de Hooke


• Determinação da constante elástica de uma mola

Questões

1. O que afirma a Lei de Hooke a uma dimensão?


2. Qual o significado físico da constante elástica de uma mola? O que indica este
parâmetro?
3. Como é que a constante da mola é determinada nesta experiência?

Nº Mec.: Nome:

Nº Mec.: Nome:

Nº Mec.: Nome:
- ii -