Você está na página 1de 16

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA

PATRICK PAULISTA DE SOUZA

ANTEPROJETO DE ECLUSA

CURITIBA
2018
PATRICK PAULISTA DE SOUZA

MEMORIAL DE CÁLCULO

Memorial de cálculo a ser


apresentado como requisito
parcial para aprovação na
disciplina de Obras marítimas,
fluviais e lacustres, do Centro
Universitário Curitiba.

Orientadora: Profª Denise Thölken


CURITIBA
2018

SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO...............................................................................................4

2. ECLUSAS......................................................................................................5

3. ANTEPROJETO............................................................................................5

3.1. CRITÉRIOS DE PROJETO.....................................................................5

4. DIMENSIONAMENTO...................................................................................6

4.1. PERFIL DE SONDAGEM........................................................................6

4.2. DRAGAGEM............................................................................................6

4.3. PROPRIEDADES DO SOLO..................................................................7

4.4. CÁLCULO DAS TENSÕES.....................................................................8

4.4.1. Lado esquerdo vazio........................................................................8

4.4.2. Lado esquerdo cheio......................................................................10

4.4.3. Lado direito vazio............................................................................11

4.4.4. Lado direito cheio...........................................................................12

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS........................................................................14

REFERÊNCIAS..................................................................................................15
1. INTRODUÇÃO

Esta Memória de Cálculo é parte integrante do Anteprojeto e contém


todos os elementos necessários a elaboração dos desenhos construtivos da
estrutura, bem como apresenta a justificativa dos resultados obtidos. Desse
modo esta Memória de Cálculo apresenta: os resultados parciais obtidos nas
diferentes etapas de cálculo necessário para o desenvolvimento das etapas
posteriores; os elementos necessários a elaboração dos desenhos estruturais;
e a possibilidade de verificação dos resultados.
2. ECLUSAS

As Esclusas são verdadeiros elevadores aquáticos, que tem a função de


transportar navios grande ou pequeno porte. Ela atua como um verdadeiro
elevador aquático, ajudando navios a transpor rios ou canais onde existe
desnível no terreno. Esse desnível pode ser provocado pela construção de uma
barragem ou uma hidrelétrica, por exemplo. A eclusa nada mais é que uma
grande câmara de concreto com dois enormes portões de aço. Depois que o
navio entra, os portões são fechados. Quando a embarcação passa do ponto
mais baixo para o mais alto, a água entra e eleva o navio.

3. ANTEPROJETO

Na disciplina de Obras Marítimas, Fluviais e Lacustres, foi solicitado a


realização de um anteprojeto de eclusa afim de calcular os esforços de
momentos fletores solicitantes devido ao empuxo de terra, sobrecargas sobre a
estrutura, e a carga devido a avaliando todas as possibilidades de
combinações de cargas, isto é, verificando o momento que a eclusa estará
cheia e quando estará vazia.

3.1. CRITÉRIOS DE PROJETO

O anteprojeto terá como diretrizes os seguintes critérios de projeto:

 A eclusa deverá estar localizada no centro do desnível do terreno;


 Deverá ser considerada uma sobrecarga de terra de 5 KN/m²;
 Calcular o volume de dragagem necessária para a construção da eclusa;

 Obter os esforços internos da estrutura da eclusa.


4. DIMENSIONAMENTO

4.1. PERFIL DE SONDAGEM

A fim de descobrir o perfil do solo no local em que a obra será realizada,


foi solicitado um ensaio de sondagem e foi obtido o seguinte relatório como
mostra na figura abaixo.

4.2. DRAGAGEM

Após a realização do ensaio de sondagem e obtido o perfil do solo do


terreno, foi realizada uma seção longitudinal na estrutura a fim de calcular a
área terra a ser dragada, que foi de 85,00 m². Haja vista que a estrutura possui
23,00 m de largura e será necessária a retirada de 85,00 m² de terra ao longo
do seu eixo transversal, o volume total de terra a ser dragado será de 1.955,00
m³.

4.3. PROPRIEDADES DO SOLO

Após a realização do ensaio de sondagem e a identificação perfil do


solo, através das tabelas abaixo foi possível identificar as seguintes
propriedades do solo: peso especifico, coesão, ângulo de atrito e os
coeficientes de empuxo ativo e passivo de acordo com o ângulo de atrito.
A partir das tabelas acima foram obtidos os seguintes dados tabulados
abaixo.

4.4. CÁLCULO DAS TENSÕES

Após a compilação dos dados, a estrutura foi dividida em 2 seções, lado


esquerdo, onde está o solo para o lado de fora da eclusa e apenas água do
lado de dentro, assim, considerando a eclusa cheia de água e sem água, e
sucessivamente para o lado direito, porém apenas água no lado de fora da
eclusa, e considerando também a eclusa cheia e vazia, a partir dessas
considerações foi possível calcular as tensões de cada camada.

4.4.1. Lado esquerdo vazio

Foram utilizadas a seguintes formulas para os cálculos de tensões


devido ao empuxo ativo do solo e a sobrecarga que atua na estrutura:
 Empuxo ativo:
σa=K a ∙ h camada ∙ γ
 Sobrecarga:
σq=K a ∙5
A partir das formulas acima foram obtidos os seguintes resultados
tabulados abaixo.

Após o cálculo das tensões devido ao solo e a utilização do software


ftool foi possível obter o momento fletor devido ao empuxo ativo de 229,70
kN.m/m e devido à sobrecarga de 28,30 kN.m/m, conforme a figura abaixo:
Desta forma o momento resultante obtido devido ao empuxo ativo de
terra e a sobrecarga é de 258,00 kN.m/m

4.4.2. Lado esquerdo cheio

Para o cálculo do empuxo passivo e a carga devida a água quando a


eclusa está cheia, foram utilizadas a seguintes:

 Empuxo passivo:
σp=K p ∙ h camada ∙ γ
 Tensão devido a agua:
σagua=hcamada ∙ γ
 Tensão horizontal total:
σh=σp−σagua
A partir das formulas acima foram obtidos os seguintes resultados
tabulados abaixo.

Após o cálculo das tensões devido ao solo e devido a água e a utilização


do software ftool foi possível obter o momento fletor total resultante obtido
devido ao empuxo passivo de terra e a carga exercida pela água de 2.417,40
kN.m/m, conforme a figura abaixo:
4.4.3. Lado direito vazio

Para o lado direito da estrutura não existe cargas referentes ao solo,


existem apenas cargas exercidas pela água.
Conforme projeto a coluna de agua fora da estrutura é de 2,00 m, desta
forma a tensão obtida quando a estrutura está vazia é dada pela seguinte
formula:
σ =h ∙ γ

Desta forma obtemos:

σ =2∙ 10

σ =20 kN / m ²

Através da utilização do software ftool é possível obter o esforço de


momento fletor total de 18,3 kN.m/m, como mostra na figura abaixo.

4.4.4. Lado direito cheio

Como descrito anteriormente para o lado direito da estrutura não existe


cargas referentes ao solo, existem apenas cargas exercidas pela água.
Conforme projeto a coluna de agua fora da estrutura é de 2,00 m, e
dentro da estrutura a água pode chegar até 5,00 m, desta forma a tensão
obtida quando a estrutura está cheia é dada pela seguinte formula:
σdentro=h ∙ γ

σfora=h ∙ γ

Desta forma obtemos:

σdentro=5 ∙10

σ =50 kN / m ²

σfora=2 ∙10

σ =20 kN / m ²

Através da utilização do software ftool é possível obter o esforço de


momento fletor resultante de 221,30 kN.m/m, como mostra na figura abaixo.
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Para fins de cálculo de dimensionamento da armadura da seção 1 (lado


esquerdo) será utilizado apenas o momento devido ao empuxo ativo e da
sobrecarga que é de 258,00 kN.m/m, sendo ele o esforço de dimensionamento,
pelo fato da água quando a eclusa estiver cheia, não conseguir mobilizar o
passivo de terra.
Por outro lado, na seção 2 (lado direito) deverão ser utilizados ambos os
momentos de 18,30 kN.m/m, quando a eclusa estiver vazia e 221,30 kN.m/m,
quando a eclusa estiver cheia, pois devem ser consideradas ambas as
situações de funcionamento da estrutura.
REFERÊNCIAS

Marangon, M. EMPUXO DE TERRA. Disponível em: <www.ufjf.br/nugeo/files/2


009/11/08-MS-Unidade-06-Empuxo-2013.pdf>. Acesso em: 13 set. 2018.

Marangon, M. PARÂMETROS DOS SOLOS PARA CÁLCULO DE


FUNDAÇÕES. Disponível em: <http://www.ufjf.br/nugeo/files/2009/11/GF03-Par
%C3%A2metros-dos-Solos-para-C%C3%A1lculo-de-Funda%C3%A7%C3%
B5es.pdf>. Acesso em: 13 set. 2018.