Você está na página 1de 78

MCM

1AP - MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA

CLASSIFICAÇÃO E
PROPRIEDADES DOS MATERIAIS

Prof. DORIVAL – jan /2015 1


MCM
Conteúdo da Apresentação:

• Classificação dos materiais


• Estruturas cristalina dos metais
• Propriedades físicas dos materiais
• Obtenção do ferro gusa e do ferro fundido

Prof. DORIVAL – jan /2015 2


MCM
Classificação dos materiais

Um grego chamado Demócrito sugeriu que toda matéria é composta de


pequenas partículas, que chamou de átomos.

Átomos…
Moléculas…
Materiais.

Prof. DORIVAL – jan /2015 3


MCM
Tabela periódica

Prof. DORIVAL – jan /2015 4


MCM
Classificação dos materiais

O que é um material?

Um material é um composto
predominantemente sólido e
homogêneo de substâncias que pode ser
usado na construção de peças

Prof. DORIVAL – jan /2015 5


MCM
Classificação dos materiais

Os materiais são predominantemente sólidos

A organização dos grupos de moléculas estabelecem o seu comportamento na natureza:

Estado sólido:

• Moléculas ou átomos agrupados que MANTÉM a FORMA após serem


moldados.

Prof. DORIVAL – jan /2015 6


MCM
Classificação dos materiais
Os materiais são homogêneos

Foto do
tecido

• Variadas substâncias diferentes.


• Mesmas propriedades em toda parte.
Prof. DORIVAL – jan /2015 7
MCM
Classificação dos materiais

Materiais

Metálicos Não -Metálicos

Ferrosos Não - Sintéticos Naturais


Ferrosos

Prof. DORIVAL – jan /2015 8


MCM
Materiais metálicos

• Formados por uma ou mais substâncias, onde predominam as metálicas

• Predominantemente brilhantes e resistentes;

• Têm alta densidade em relação aos demais (no mínimo, 2 kg / dm3);

• Normalmente obtidos através de minérios;

• Muito usados em construções mecânicas.

Prof. DORIVAL – jan /2015 9


MCM
Materiais não metálicos
• Naturais:
madeira, couro, fibras, etc.
Acrílico

• Artificiais ou sintéticos:
baquelite, celulóide, acrílico, etc.

- Materiais plásticos

Baquelite

Celulóide: marfim artificial

Prof. DORIVAL – jan /2015 10


MCM
Materiais metálicos ferrosos

METÁLICOS
FERROSOS

AÇOS FERROS
FUNDIDOS

Prof. DORIVAL – jan /2015 11


MCM
Materiais metálicos ferrosos

1. Substância Predominante: FERRO - Fe


2. Substância não predominante porém importante: CARBONO - C
3. Usados desde a antiguidade
4. De cores acinzentada até prateada
5. Os mais usados na indústria mecânica
6. Em sua maioria muito resistentes e fáceis de serem trabalhados.

Prof. DORIVAL – jan /2015 12


MCM
Materiais metálicos não ferrosos

METÁLICOS
NÃO FERROSOS

PESADOS LEVES
Limite:
5kg/dm3

Ex.: Chumbo, Cobre Ex.: Alumínio e


e Cromo Magnésio
Prof. DORIVAL – jan /2015 13
MCM
Materiais metálicos não ferrosos
São todos os demais materiais metálicos empregados na
construção mecânica.

• Metais pesados: (ρ >


5kg/dm3) cobre, estanho, zinco,
chumbo, platina, etc.

• Metais leves: (ρ < 5kg/dm3) cobre


chumbo
alumínio, magnésio, titânio, etc.

utilizados em peças
sujeitas a oxidação
titânio alumínio

Prof. DORIVAL – jan /2015 14


MCM
Aços – Características Gerais

• Liga de Ferro (Fe) e Carbono (C), com o último tendo de 0 a 2,1% na


composição,

• Tem excelentes propriedades mecânicas: material tenaz, dúctil, de fácil


trabalho, podendo também ser forjável.

• De cor acinzentada até prateada

• 80% dos materiais usados na indústria

Prof. DORIVAL – jan /2015 15


MCM
Ferros Fundidos – Características Gerais

• Liga de Ferro e Carbono, com o último tendo de 2,1 a 6,67% na composição.


• Custo menor que o do aço, devido a facilidade de obtenção.
• De cores mais acinzentada, devido à grande quantidade de carbono.
• Sempre que possível, deve-se usá-lo ao invés do aço.
• Há basicamente 3 tipos: FoFo Cinzento, FoFo Branco e FoFo Maleável.

Prof. DORIVAL – jan /2015 16


MCM
Classificação dos materiais

MATERIAIS
METÁLICOS NÂO-METÁLICOS
FERROSOS NÃO-FERROSOS NATURAIS SINTÉTICOS

Aço Al - Alumínio Madeira Vidro


Ferro fundido Cu - Cobre Couro Cerâmica
Zn - Zinco Borracha Plástico
Mn - Magnésio
Pb - Chumbo
Sn -Estranho
Ti - Titânio

Prof. DORIVAL – jan /2015 17


MCM
Materiais de construção mecânica

Estrutura cristalina dos materiais

Prof. DORIVAL – jan /2015 18


MCM
Reticulados Cristalinos

• Cristal Metálico: átomos organizados num padrão


tridimensional bem definido, que se repete no espaço,
formando uma estrutura com uma geometria específica.

CCC: CFC:
Tipos de
reticulado de Cúbico de Cúbico de
materiais
ferrosos: corpo face
centrado centrada

Prof. DORIVAL – jan /2015 19


MCM
Rede cúbica de faces centradas

Metais: Ni, Cu, Pb, Al e tipo de ferro que se chama ferro γ.

Fonte: Imagens adaptadas da publicação Telecurso Profissionalizante de mecânica, Materiais.

Prof. DORIVAL – jan /2015 20


MCM
Rede cúbica de corpo centrado

Metais: V, Cr, Mo, W e tipo de ferro que se chama ferro α.

Fonte: Imagens adaptadas da publicação Telecurso Profissionalizante de mecânica, Materiais.

Prof. DORIVAL – jan /2015 21


MCM
Hexagonal compacta

Metais: Mg, Zn, Cd, Ti. A dimensão da rede varia de tipo para tipo.

Fonte: Imagens adaptadas da publicação Telecurso Profissionalizante de mecânica, Materiais.

Prof. DORIVAL – jan /2015 22


MCM
Grão

• O grão é um aglomerado de reticulados cristalinos; a fronteira


entre grão se chama contorno de grão

Prof. DORIVAL – jan /2015 23


MCM
Formação do grão no resfriamento

• Algumas unidades de reticulado resfriam em pontos aleatórios do material.


• A quantidade de reticulados agrupados vai crescendo, o que faz surgir o que será
o grão, porém, ainda contornado por líquido.
• Finalmente, a porção líquida se acaba, todos os átomos se aglomeram em grãos,
determinando assim os contornos de grão.

Prof. DORIVAL – jan /2015 24


MCM
Materiais de construção mecânica

Propriedades dos Materiais

Prof. DORIVAL – jan /2015 25


MCM
Propriedades dos Materiais

Elasticidade Fragilidade

Ductilidade Tenacidade

Dureza Resistência

Maleabilidade

Prof. DORIVAL – jan /2015 26


MCM
Propriedades dos Materiais

Elasticidade
Ao aplicar uma força em uma peça de
material elástico, ele se deforma. Porém,
ao cessar este esforço, a peça volta a ter
o seu formato inicial.

Ex.: Molas e Borracha


Prof. DORIVAL – jan /2015 27
MCM
Propriedades dos Materiais
Fragilidade

Ao sofrer um choque (impacto, aplicação de


esforço de curto período e repentina), uma
peça de material frágil tende a quebrar
(romper-se). Logo, os materiais frágeis, tem
baixa resistência aos choques.

Ex.: Vidros e Ferro Fundido


Prof. DORIVAL – jan /2015 28
MCM
Propriedades dos Materiais

Ductilidade / Plasticidade
É o oposto da Fragilidade. Ao sofrerem
impactos, peças de materiais dúcteis se
deformam e não se rompem. Para qualquer
força que sofra, essa peça não retorna ao seu
estado original: fica deformada.

Ex.: Cobre e Massa de modelar


Prof. DORIVAL – jan /2015 29
MCM
Propriedades dos Materiais
Tenacidade
É a propriedade mais apreciada em um M.C.M.
Uma peça de material tenaz é aquela que ao
sofrer grande esforço (impacto ou não), sofre
pouca deformação elástica e não se rompe
facilmente.

Ex.: Aços-liga e
Aços de Chave Allen
Prof. DORIVAL – jan /2015 30
MCM
Propriedades dos Materiais

Dureza
Pode ser chamada de resistência ao desgaste
ou à penetração. Essa propriedade aparece
naquelas peças que não podem ser
desgastadas ou deformadas na sua superfície.

Ex.: Aços-Ferramenta Plainar Fresar

Prof. DORIVAL – jan /2015 31


MCM
Propriedades dos Materiais

Resistência
É a oposição à mudança de forma. Um material
pode se opor bem à tração (ser “puxado”) e mal
ao cisalhamento (ser cortado).

Existem 6 tipos de resistência: Flexão,


Cisalhamento, Torção, Tração, Flambagem e
Compressão.

Prof. DORIVAL – jan /2015 32


MCM
Propriedades dos Materiais

Resistência

Prof. DORIVAL – jan /2015 33


MCM
Propriedades dos Materiais
Densidade
É a concentração de material em um
determinado volume. Um litro de água pesa 1
kg, mas nem todo líquido tem 1kg / litro. O
mesmo acontece com os materiais.

Unidades de medida: kg/dm3, g/dm3, kg/L


Prof. DORIVAL – jan /2015 34
MCM
Propriedades dos Materiais

Maleabilidade

Propriedade que permite que


um material seja transformado em
chapas ou lâminas.

Prof. DORIVAL – jan /2015 35


MCM
Materiais de construção mecânica

Obtenção dos materiais ferrosos

Prof. DORIVAL – jan /2015 36


MCM
Complexo siderúrgico

Prof. DORIVAL – jan /2015 37


MCM
Obtenção dos materiais ferrosos

• Minério de Ferro: extraído do solo, é obtido em formato de óxidos de ferro ou


carbonatos de ferro.
• Acompanha quartzo, argila, composto de enxofre, fósforo e manganês.

Porcentagem de
Minério Designação Fórmula
Ferro (%)
Óxido Ferroso
Magnetita Fe3O4 60 ~ 70
Férrico
Óxido de Ferro
Hematita Roxa Fe4O3 40 ~ 60
Anidro
Hematita parda ou Óxido de Ferro
2Fe2O3 + 3H2O 20 ~ 45
limonita Hidratado
Carbonato de
Siderita FeCO3 30 ~ 45
Ferro

Prof. DORIVAL – jan /2015 38


MCM
Obtenção dos materiais ferrosos

Minérios

Prof. DORIVAL – jan /2015 39


MCM
Sinterização

Prof. DORIVAL – jan /2015 40


MCM
Sinterização

Prof. DORIVAL – jan /2015 41


MCM
Redução do Minério de Ferro no Alto Forno

• Após a limpeza do
minério (separar as
impurezas: argila e
quartzo), o minério de
ferro é britado (quebrado
em pedregulhos) e
compactado em briquetes
(tijolos)

• Em seguida, leva-se o
minério ao Alto Forno, um
equipamento com altura
de até 80 metros e
diâmetro de
aproximadamente 18
metros. • No alto forno ocorre a redução do minério,
que significa tirar oxigênio dele

Prof. DORIVAL – jan /2015 42


MCM
Obtenção do ferro gusa líquido - Alto Forno

Prof. DORIVAL – jan /2015 43


MCM
ferro gusa líquido

Prof. DORIVAL – jan /2015 44


MCM
Como funciona o Alto Forno
• Oxigênio é prejudicial

Fundente
– deve ser retirado
(redução).

• Ocorrem reações de
desoxidação do minério.

• Coque: Carvão Mineral


– fornece o carbono para
a redução.

• Calcário – desagrega o
fósforo, o silício e o
enxofre (parcialmente)

• Altas temperaturas -
Fundente

Prof. DORIVAL – jan /2015 45


MCM
Interior do alto forno

Prof. DORIVAL – jan /2015 46


MCM
Como funciona o Alto Forno

Os óxidos de ferro sofrem redução (o


oxigênio é eliminado do minério de ferro);

A ganga se funde (as impurezas do


minério se derretem);

O ferro-gusa se funde (torna-se líquido);

O carbono é incorporado ao ferro-gusa


líquido (o ferro-gusa sofre carbonetação);

Certos elementos da ganga são


parcialmente reduzidos (algumas impurezas
são incorporadas ao ferro-gusa líquido).

As reações de redução, carbonetação e


fusão geram dois produtos líquidos: a
escória e o ferro-gusa que são empurrados
para os lados pelos gases que estão subindo.

Prof. DORIVAL – jan /2015 47


MCM
Como funciona o Alto Forno
Ao sair do alto-forno, o ferro-gusa líquido é transportado por carros torpedos.

– fundição (para ser usado na fabricação de ferros fundidos);

– aciaria (na qual pode ser misturado com sucatas de aço ou com
outros metais, para se transformar em aço.

Prof. DORIVAL – jan /2015 48


MCM
Esquema do complexo industrial

Prof. DORIVAL – jan /2015 49


MCM
O que é o Ferro Gusa

O ferro gusa é uma liga de ferro com:


• 5 a 6% de Carbono
• 3% de Silício
• 6% de Manganês
• Altos teores de enxofre e fósforo (1~2%)

Suas características:
• O gusa é o pré-produto do ferro fundido e do aço.
• É muito frágil (quebradiço), não pode ser soldado nem forjado.
• Altos teores de enxofre e fósforo (1~2%).
• Não é usado como M.C.M., e sim para dar origem ao Aço e ao FoFo.

Prof. DORIVAL – jan /2015 50


MCM
Ferro Fundido – Obtenção
Feito na segunda fusão do Ferro Gusa em Forno Cubilot ou Forno
Elétrico (menos usado), o Ferro Fundido é uma liga com de 2,0 a 4,5%
de Carbono.
• Maioria da Carga de
Sucata de Aço (baixo MATERIAL MAIS PURO E
carbono na composição); COM MENOS CARBONO

• Lingotes de ferro Gusa ( FERRO FUNDIDO )

• Sucata de Ferro Fundido;


• Coque •MAIOR SOLDABILIDADE (CAPACIDADE
• Fundente DE SER SOLDADO)
•MAIOR MOLDABILIDADE (CAPACIDADE
PODE SER USADO DE SER FUNDIDO)
NA PRODUÇÃO DE •PONTO DE FUSÃO MENOR
PEÇAS
•GRÃOS MAIS FINOS E UNIFORMES

Prof. DORIVAL – jan /2015 51


MCM
Ferro Fundido – Obtenção no Forno Cubilot
Forno Cubilot: Forno usado na segunda fusão do gusa, para se obter o FoFo

• Altura: aprox 8m
• Diâmetro interno: aprox 1m

• Parte interna revestida de material


refratário

• Parte externa revestida de aço

• Dutos próprios para a injeção de oxigênio


(redução de carbono)]

• Saída do Ferro Fundido liquefeito por


baixo

Prof. DORIVAL – jan /2015 52


MCM
Ferro Fundido – Obtenção no Forno Cubilot

Prof. DORIVAL – jan /2015 53


MCM
Ferro Fundido – Tipos e Características

Os tipos de Ferro fundido varia em função de como o carbono está combinado


na estrutura:

Combinado com o ferro, formando a CEMENTITA


Separado do ferro, formando VEIOS DE CARBONO - GRAFITE

Maior teor de:

Silício, com resfriamento mais lento Mais Grafite

FoFos CINZENTOS

Manganês, com resfriamento mais rápido Mais Cementita

FoFos BRANCOS e FoFos MALEÁVEIS

Prof. DORIVAL – jan /2015 54


MCM
Ferro Fundido Cinzento Lamelar
Apresenta veios de grafite na sua estrutura, dado o alto teor de silício e a baixa
velocidade de resfriamento
Presença dos Veios de grafite de forma
CARACTERÍSTICAS de lamelas: FoFo LAMELAR
• Custo baixo

• Fácil fundição (baixa temperatura de fusão)

• Pouca contração na solidificação

• Baixa porosidade

• Boa usinabilidade

• Grande resistência à compressão e impacto

• Baixa resistência a tração


Usado na construção de
• Boa capacidade de deslizamento (grafite estruturas de máquinas
lubrifica o contato)

Prof. DORIVAL – jan /2015 55


MCM
Ferro Fundido Cinzento Nodular
Obtido ao se adicionar ligas de magnésio na produção do FoFo Lamelar, as
lamelas se transformam em nódulos (ou glóbulos)
CARACTERÍSTICAS
Presença dos nódulos: FoFo
NODULAR
As mesmas do FoFo Lamelar, porém com
aumento de:

• Resistência a corrosão (agentes químicos)

• Resistência ao calor

• Resistência a tração, flexão e alongamento

E diminuição da resistência a compressão.

Usado na construção de tubos de grandes diâmetros para gás e água,


máquinas agrícolas, blocos de motores, bombas e turbinas.
Prof. DORIVAL – jan /2015 56
MCM
Ferro Fundido Branco ou Duro
Aqui, o carbono está ligado ao ferro em forma molecular. Essa molécula se
chama Cementita: Fe3C

CARACTERÍSTICAS
• Alta Dureza e Resistência ao desgaste

• Baixa resistência ao impacto

• Alta resistência a compressão

• Baixa usinabilidade

• Má capacidade de deslizamento (o carbono


não está solto na estrutura)

Usado em peças que necessitam de alta resistência ao desgaste, como


ferramentas de estampo, cilindros de laminação, pás de escavadeiras, etc.

Prof. DORIVAL – jan /2015 57


MCM
Ferro Fundido Maleável Branco
A partir da MALEABILIZAÇÃO, que consiste na retirada de carbono do FoFo branco
através de reações químicas com Óxidos de Ferro granulados, obtém-se o FoFo
Maleável ( queda de 4,0 para 1,5% C)

• A peça só é tratada em, no máximo, 15 mm


de espessura

• Peças espessas apresentam núcleo de


FoFo Branco, enquanto as pequenas, são
totalmente maleabilizadas

• No núcleo da peça espessa, as


características do FoFo Branco permanecem,
enquanto na superfície, a dureza diminui.

• Tem excelente fluidez quando líquido.

A maleabilização é feita quando se deseja que uma peça tenha uma


camada superficial (de até 12mm) com menos fragilidade.
Prof. DORIVAL – jan /2015 58
MCM
Processos de fundição

Prof. DORIVAL – jan /2015 59


MCM
Resumo

Prof. DORIVAL – jan /2015 60


MCM
Ferros Fundidos – Outras técnicas
Velocidade de resfriamento varia Tipo de FoFo altera-se.

•Na Produção de Rodeiros (rodas de trem), procura-se resfriar mais rapidamente


a região externa da peça e mais lentamente o centro. Isso faz com que a periferia
da peça seja de FoFo Branco e o centro seja de FoFo Cinzento.

•Ao recozer (fazer o recozimento, que é um tratamento térmico) o FoFo Branco, a


Cementita se decompõem em grafite e ferro puro (ou quase). Isso maleabiliza a
peça toda. Obtém-se o que chamamos de FoFo Maleável Preto.

Prof. DORIVAL – jan /2015 61


MCM
Aplicações dos Ferros Fundidos

Prof. DORIVAL – jan /2015 62


MCM
Aplicações dos Ferros Fundidos

Prof. DORIVAL – jan /2015 63


MCM
Aplicações dos Ferros Fundidos

Prof. DORIVAL – jan /2015 64


MCM
Aplicações dos Ferros Fundidos

Prof. DORIVAL – jan /2015 65


MCM
Materiais de construção mecânica

Obtenção do aço

Prof. DORIVAL – jan /2015 66


MCM
Forno compressor Bressemer

Prof. DORIVAL – jan /2015 67


MCM
Forno compressor Thomas

Prof. DORIVAL – jan /2015 68


MCM Processo Bressemer e Thomas / Bressemer

Prof. DORIVAL – jan /2015 69


MCM
Conversor a oxigênio - LD

Prof. DORIVAL – jan /2015 70


MCM Representação esquemática de um forno
Siemens-Martin

Prof. DORIVAL – jan /2015 71


MCM
Forno a arco elétrico

Prof. DORIVAL – jan /2015 72


MCM
Forno por indução

Prof. DORIVAL – jan /2015 73


MCM Resumo: Principais meios de se obter
FoFo e Aço

Prof. DORIVAL – jan /2015 74


MCM
Elementos de liga

Prof. DORIVAL – jan /2015 75


MCM
Elementos de liga

Prof. DORIVAL – jan /2015 76


MCM
Elementos de liga

Prof. DORIVAL – jan /2015 77


MCM
Elementos de liga

Prof. DORIVAL – jan /2015 78