Você está na página 1de 86

Introdução ao estudo de Filo

Nemathelminthes

Cristiane Lopes Mazzinghy


Introdução ao estudo do filo
Nemathelminthes
 Nema: grego: fio> Helmintos redondos
Corpo pseudocelomado
 Função: Esqueleto hidrostático na locomoção
Parede do corpo: “Tegumento” hipoderme sincicial-
coberta de cutícula de colágeno- resistentes
Introdução ao estudo do filo
Nemathelminthes
 Características
Tubo digestivo completo
Ausência de sistema circulatório
Sistema Nervoso: 2 cordões nervosos
Dióicos
Introdução ao estudo do filo
Nemathelminthes
Introdução ao estudo do filo
Nemathelminthes
 Reprodução
 OVOS

o Redondo, Oval, Superfície lisa ou rugosa com perfurações

o Simples: casca lisa sem protuberância

o Operculados ou bioperculados

o Larvados
Introdução ao estudo do filo
Nemathelminthes
 Reprodução
 Dióicos
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940

SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

MORFOLOGIA
 Esôfago glandular, bulbo posterior
e ventrículo presentes ou ausentes.
 Asas cervicais presentes ou
ausentes
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940

SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

MORFOLOGIA
 Boca: 3 lábios circundando a cavidade, às
vezes com interlábios
 Tamanho: 20 a 50 cm
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Local de parasitismo: ID
 Motilidade contra corrente peristáltica
Alimentação: Microrganismos e material existente na luz
do órgão
Aeróbios facultativos e anaerobiose
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ciclo direto
 Hospedeiros paratênicos e intermediários*
Migrações: Transplacentária e transmamária
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Características do ovo

Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Características do ovo

•Estímulo para a eclosão: gás carbônico


associado à presença de agentes
redutores, pH, temperatura e presença de
sais.
• Durante o processo de eclosão há
secreção de várias enzimas (quitinase,
lipase, protease) que digerem a camada
externa do ovo
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Características do ovo

•A larva que sai do ovo é aeróbia não


consegue se desenvolver na luz intestinal,
necessita fazer migração pelos tecidos do
hospedeiro até atingir a maturidade

Larva de um ascarídeo
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Espécies importantes:

•Ascaris suum

•Parascaris equorum

•Toxocara canis

•Toxascaris leonina

•Heterakis gallinarum

•Ascaridia galli

•Toxacara vitulorum
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaris suum
•Hospedeiro

•Local de parasitismo

•Larvas:

•Adulto:

• Regiões tropicais e subtropicais

•Prejuízo econômico para leitões : 4 meses resistência

•Vias de transmissão:
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaris suum

Ascaris suum Ascaris suum


Fêmea (esquerda) – 25-40 cm Intestino delgado de suíno
Macho (direita) – 15-25 cm
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaris suum

• Fêmeas medem de 20 a 40 cm e após a


cópula põem ovos não segmentados que
são eliminados pelas fezes.

• Uma fêmea põem em média 200.000


ovos/dia.

• Ovo: desenvolvimento até L2 que é


infectante.
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaris suum - Ciclo

Período pré-patente: 6
a 8 semanas
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaris suum- Danos ao hospedeiro:


 Inflamação do fígado
 Danos ao tecido e hemorragia
 Hipersenssibilidade : Eosinofilia
 Fígado: Manchas leitosas – condenação de carcaça
 Lesões, hemorrágicas, infiltrações eosinofílicas, edema,
enfisema
 Suínos jovens: Pneumonia transitória
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaris suum- Danos ao hospedeiro:

Fígado – lesões com aspecto de manchas leitosas


Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaris suum- Danos ao hospedeiro:


Fígado – hemorragias pontuais
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaris suum- Danos ao hospedeiro:

• Vermes adultos: pouca lesão aparente

• Grande quantidade de vermes: obstrução intestinal

• Prejuízo econômico: Menor ganho de peso

Baixa conversão alimentar

Maior período para a engorda

Condenação de carcaças
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaris suum
Diagnóstico:
Teste de Willis
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaris suum
Ovos

Casca espessa e rugosa Larva no interior do ovo


Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaris suum- Profilaxia

• Lavagem das porcas antes da maternidade

• Tratamento anti-helmíntico da porca

• Criação em baias: Limpeza frequente


Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Parascaris equorum
• Dimensões grandes (até cerca de 50 cm)
• Hospedeiros: equinos e asininos
• Potros jovens, animais com mais de um ano são resistentes à
infecção
•Localização adulto: intestino delgado
• Ciclo e epidemiologia semelhantes ao A. suum
• Período pré-patente – mais de 2,5 meses
• Ovos muito resistentes ao ambiente
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Parascaris equorum

Parascaris equorum Parascaris equorum


Vermes adultos Ruptura do intestino delgado de
Fêmea (acima) – até 50 cm égua
Macho (abaixo) – até 28 cm
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Parascaris equorum

Extremidadade Extremidadade Extremidadade


anterior posterior: pequenas posterior
Lábios com fendas asas caudais Fêmea
profundas Macho
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Parascaris equorum

•Período pré-patente de
12-16 semanas
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Parascaris equorum- Patogênese


• Migrações larvais causam perfurações nos órgãos
• Reações alérgicas com infiltrações eosinofílicas nos órgãos
afetados
• Enterite moderada
• Desnutrição pela competição com nutrientes
• Obstrução intestinal
• Perfuração intestinal pode ocorrer – peritonite e morte
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Parascaris equorum- Patogênese


Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Parascaris equorum- Sinais


• Tosse e descarga nasal
•Menor ingestão de alimentos
•Perda de peso
•Infecções intestinais maciças: distúrbios intestinais como
cólica, perfurações intestinais, enterite crônica, morte
(seguindo ruptura intestinal)
Vermes adultos de Parascaris no
intestino delgado de equino
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Parascaris equorum: Diagnóstico

Casca espessa e rugosa


Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Parascaris equorum:

• Dois fatores importantes:


• Eliminação de milhões de ovos/dia nas fezes dos potros
parasitados.
• Extrema resistência dos ovos no meio ambiente:
persistência por vários anos.
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Parascaris equorum: Profilaxia


•Ovos resistentes à ação de desinfetantes

• Limpeza e remoção das fezes periodicamente

• utilização de jato de água com vapor, limpeza do úbere das


éguas

• Evitar o uso dos mesmos piquetes para égua lactantes e seus


potros em anos sucessivos.
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaridia galli
•Monoxeno

•Minhocas: Hospedeiros paratênicos

• Fêmeas: 12 cm

•Sem migração visceral

•Infecção: Ingestão de ovos no ambiente ou do hospedeiro


paratênico

•Infecção secundária e anemia


Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaridia galli

Ascaridia galli Ascaridia galli


Vermes adultos Intestino delgado de galinha
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Ascaridia galli

Extremidade Extremidade posterior


anterior
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea - Ascaridia galli : Ciclo
Ovos nas fezes

Minhoca,
hospedeiro
paratênico
Ovo com L3 no meio
ambiente
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Heterakis gallinarum
• Hospedeiros: aves domésticas (perus) silvestres
• Localização: cecos
• Distribuição: mundial
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Heterakis gallinarum
• Vermes esbranquiçados de até 1,5 cm
• Cauda pontiaguda e alongada
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Heterakis gallinarum

Ovo com L2 pode ser ingerido:


•Pela ave
•Pelo inseto, moscas
•Por minhoca (hospedeiro
paratênico)  eclosão da L2 (as
larvas podem permanecer viáveis
nestes hospedeiros por pelo
menos 1 ano).
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Heterakis gallinarum – Hospedeiros paratênicos

Lumbricus spp

Eisenia spp
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Heterakis gallinarum
• Diagnóstico:

• Ovo – formato ovóide, casca fina, muito semelhante ao ovo de


Ascaridia spp.
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Heterakis gallinarum
• Sinais

• Enteropatite – Histomonas meleagridis


Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Heterakis gallinarum
• Controle:

• Principalmente quando há casos de histomonose.

• Evitar de criar galinhas juntamente com perus.

• Remoção e destinação adequada da cama utilizada nas criações.


Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Toxocara canis
• Importância médica veterinária (cães jovens)
• Zoonose: larva migrans visceral no homem.
• Hospedeiro: cães
• Localização
• Adultos: intestino delgado
• Larva: migram pelo fígado, pulmão, intestino
Filo Nemathelminthes
Presença de asas
 Superfamília cervicais

Ascaroidea M: 4 a 10 cm
F: 9 a 18 cm
 Família Ascaridae Caninos e felinos

 Toxocara canis

 Ascarídeos M: 3 a 7cm
F: 4 a 12 cm
Felinos
de cães e gatos  Toxocara cati

M: 2 a 7cm
F: 2 a 10 cm
Felídeos e caninos
 Toxascaris leonina
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Toxocara canis

• Grande verme branco de


até 18 cm de comprimento.
• Fêmea maior que o macho
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Toxocara canis Toxocara canis


Macho (acima) Intestino delgado de cão
Fêmea (abaixo)

Fonte: Taira et al., 2003


Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Toxocara canis Lábios

Asas cervicais

Fonte: bTaira et al., 2003


Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Toxocara canis

Ânus

Apêndice
terminal

Fêmea
Fonte: TairaMacho
et al., 2003
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Toxocara canis- Ovos


Ovo de coloração
castanho escuro

Tem casca
espessa
Toxocara
canis
Ciclo de vida
Ordem Ascaridida
Skrjabin & Shulz, 1940
SUPERFAMÍLIA: Ascaridoidea

Toxocara canis- Transmissão

•ingestão de ovos infectantes


• Ingestão de hospedeiro paratênico
• Transmissão transmamária: filhotes em amamentação
ingerem larvas L3 no leite da mãe. Não há migração de L3
quando ingerida por esta via.
• Transmissão transplacentária (pré-natal)
Toxocara canis – Sinais clínicos

• Infecções discretas: não há sintomatologia pulmonar.


• Infeções maciças:
• lesão pulmonar, tosse, aumento da frequência respiratória, corrimento
nasal espumoso
• Desconforto abdominal intense > em filhotes
• Filhotes choram
• Presença em vômito e fezes
• Obstrução e rupture intestinal
• Falha no desenvolvimento do animal
• Pelagem opaca, abdomem distendido
Toxocara canis – Diagnóstico
• Sintomas associados ao encontro de ovos típicos nas fezes
ou helmintos nas fezes e vômitos
Toxocara canis – epidemiologia
• A alta distribuição e disseminação estão relacionadas à:

• Fêmeas dos parasitas produzem grande quantidade de


ovos (700 ovos/grama de fezes/dia)

• Ovos extremamente resistentes

• Reservatório constante de infecção nos tecidos somáticos


da cadela e as larvas nesses locais não são susceptíveis à
maioria dos anti-helmínticos
Toxocara canis – Controle/tratamento
•Ovos infectantes no ambiente

• Canis com piso higienizados regularmente

• Cadelas transmissão para a prole

• Medicação anti-helmíntica

•Cãezinhos com 2 a 3 semanas de idade com repetição após 2 a 3 semanas.


Tratar a cadela simultaneamente.

• Tratar cães aos 2 meses de idade (infecção após o nascimento)

• Tratar cães recém-adquiridos e cães adultos


Toxocara cati – Introdução
• Hospedeiro: gato
• Localização
• Adulto: intestino delgado
• Larvas: migração somática
• Distribuição: mundial
• Característica: asas cervicais em forma
de ponta de flecha, bordas em ângulo
quase reto com o corpo.
Toxocara cati – Vermes adultos

•Grande verme de
coloração branca

a
Toxocara cati
Macho (acima)
Fêmea (abaixo) b
Fonte: Taira et al., 2003;
Toxocara cati – Extremidade anterior

a b c

Fontes: ahttp://users.unimi.it/parassit/images/toxocaracati.jpg
bhttp://plpnemweb.ucdavis.edu/nemaplex/images/tcatialae.jpg
cTaira et al., 2003
Toxocara cati – Extremidade posterior

Macho: processo
digitiforme na
extremidade da cauda
Macho Fêmea

Fonte: Taira et al., 2003


Toxocara cati – Ovos

Casca
espessa
a

Fonte: aTaira et al., 2003


bhttp://www.catnmore.com/images/Toxocara_cati_9-4-04b.jpgbbb
Toxocara
cati
Ciclo de vida

Não há infecção pré-natal

Infecção transmamária:
maior via de infecção

HP: aves, minhocas,


baratas

Importância pelo
comportamento predador
no gato
Toxocara cati – Sinais
• sinais intestinais

• aumento de volume abdominal

• diarreia

• pelagem feia

• desenvolvimento insuficiente
Toxocara cati – Diagnóstico
• Sintomas
• Presença de ovos característicos nas fezes

www.ksu.edu/.../625tutorials/FIGtcati01.jpg
Toxocara spp. – Controle/tratamento

• Semelhante ao de Toxocara canis

• Reduzir possibilidade de encontro entre os hospedeiros


definitivos e os paratênicos

• Aleitamento artificial

• A limpeza permanente do ambiente é necessária

• Pode-se usar hipoclorito de sódio – remove a camada superficial


da casca do ovos – facilita a remoção dos ovos

• Uso de jato de água e vapor


Toxocara spp. – Larva migrans visceral
Toxocaríase é uma zoonose!
• Mais comum para T. canis (mas talvez importância de T. cati esteja
subestimada!)
• Larvas errantes podem se concentrar no fígado, sistema nervoso central
e globo ocular

Lesão ocular
Retinite granulomatosa
Fonte:
ahttp://www.revoptom.com/handbook/IMAGES/oct02_sec5_fig7.jpg
Toxocara spp. – Larva migrans visceral
Toxocaríase é uma zoonose!

• É responsabilidade do veterinário alertar os proprietários


sobre os riscos, tomar medidas para o controle e
eliminação das fontes de infecção

• Evitar que crianças brinquem em locais aonde cães e


gatos podem ter defecado – areia e terra em parques
públicos

• Nunca usar fezes de cães e gatos para adubação


Larva migrans visceral
Toxascaris leonina – Introdução
• Toxascaris leonina é mais importante em animais
adultos
• semelhante ao Toxocara canis
• diferenciação pelos ovos
• Ciclo simples
• Especificidade de hospedeiros baixa
• infecta muitas espécies de canídeos e felídeos domésticos e
silvestres
• Geralmente associados ao Toxocara spp.
Toxascaris leonina – Extremidade anterior

Lábios

Asas cervicais

Fonte: http://caltest.vet.upenn.edu/paralab/images/labimage/lab4/4_07.gif
Toxascaris
leonina
Ciclo de vida
Toxascaris leonina – Transmissão
• Infecção se dá por 2 formas:

• Ingestão de ovos contendo L2

• Ingestão de hospedeiros paratênico contendo L2

• Larvas somente migram dentro da mucosa – não há


transmissão transplacentária ou transmamária
Toxascaris leonina – Ovos

Ovo levemente ovóide, casca espessa e lisa

Fonte: http:// instruction.cvhs.okstate.edu/.../img0036.gif


Toxocara vitulorum – Introdução
• Hospedeiros: bovinos, bubalinos
• Localização:
• Adulto: intestino delgado
• Larva: migração somática
Toxocara vitulorum – Introdução
• Maior parasita intestinal de bovinos (fêmea até 30 cm de
comprimento)

a248.e.akamai.net/.../mvm/img/tn/tn_digpr17.jpg
Toxocara vitulorum – Introdução
• Ovo: subglobular, casca espessa escavada

www.rvc.ac.uk/.../T-vitulorum-egg-_-p-54.jpg
Toxocara vitulorum – Ciclo biológico
• Semelhante ao Toxocara cati
• Suspeita-se que haja infecção pré-natal.
• Bezerros: adquirem a larva pelo leite materno, não há migração
da larva, vai para o intestino, transformam em adultos,
eliminando ovos.
Toxocara vitulorum – Ciclo biológico
• Semelhante ao Toxocara cati
• Suspeita-se que haja infecção pré-natal.
• Bezerros:
• Amamentação > não há migração da larva > intestine > adultos > ovos
• 4 a 6 meses de idade: ao ingerir ovos, há migração larvar resultando
em eliminação de ovos .
• > 6 meses de idade: possuem imunidade, larvas migram para os
tecidos onde ficam quiescentes. Nas fêmeas retomam o
desenvolvimento no final da prenhez ocorrendo transmissão
transmamária.
Toxocara vitulorum – Sinais
• Intestinais: bezerros até 6 meses
• Infecção maciça: diarréia intermitente, desenvolvimento
insuficiente.

Epidemiologia

• Aspecto mais importante: fêmeas como reservatório de


larvas, transmissão pelo leite.
Toxocara vitulorum – Sinais
Toxocara vitulorum – Diagnóstico
• Presença de ovos característicos nas fezes
Toxocara vitulorum –
Controle tratamento
•Tratamento de bezerros de 3 a 6 semanas de idade
impedindo que os vermes em desenvolvimento eliminem ovos
para o meio ambiente.