Você está na página 1de 48

Novos Caminhos para a Arte:

IMPRESSIONISMO
Raquel Cardoso 2018
PIONEIROS DO MODERNO: RODIN E MANET

Almoço na
relva,
Manet,
1863, 2,14 x
2,69 m
Vênus, Ticiano. 1538. 1,19 x 1,65 m Olímpia, Manet, 1863. 1,30 x 1,89 m , óleo s/ tela.

“Uma mulher que personifica os


costumes de uma cidade”. Gustave
Geoffrey, 1892.
Elimina o verniz Atualizou temas
e a polidez da antigos: cenas
academia contemporâneas

Formas
simplificadas e
manchas escuras
contra a luz

O Balcão, Manet, 1868. 1,68 x1,23 m Majas al balcone, Goya, óleo s tela (195x125,5 cm), 1808
Salão dos Recusados
“ Os insultos atingem-me como uma chuva de
pedras.” Manet, 1863.
A Bar at the Folies-Bergère, Manet, 1882, tinta à óleo, 0,96 x 1.3m
TEMPO NARRATIVO: A questão da porta do inferno

➢ Escultura acadêmica: narrativa -


momento simbólico que traduza o
significado.

➢ NARRADOR ONISCIENTE -
Aspiração de compreender,
através da imitação, o
funcionamento interno da
natureza.

➢ Observador: onisciência paralela,


devemos compreender a realidade
de uma só vez, na totalidade.

➢ Testemunho da ordem e
racionalidade do mundo.
François Rude, A Marselhesa - 1833-6
GENIALIDADE DE AUGUSTE RODIN
A PORTA DO INFERNO
✓Versão final: não há
separação entre as
cenas.
✓Repetição dos
personagens.
✓Impossibilidade de
uma sequencia
narrativa lógica.
Auguste Rodin, A Porta do Inferno, 1840 – 1917.
✓Resiste à todas as
Bronze, 5,48 m x 3,65m
possibilidades de
compreensão.
Figuras tríplices: Totalidade da informação necessária
a uma apreensão conceitual do objeto.

Três figuras
idênticas em um
gesto não
natural: não
contém o
significado
tradicional da
composição.

Antonio Canova, As três graças, 1813. Mármore. Auguste Rodin, Três sombras, 1880, Bronze.
Hércules e Ateneu, Canova, 1795. Je suis belle, Rodin, 1882, Bronze, 68 x 35 cm.
O significado nasce na experiência
CAMILLE CLAUDEL

• Museu Camille Claudel:


https://www.youtube.com/watch?v=ibjPoEcDJ
-U&t=21s
Danaid, Rodin, 1889, mármore. 36 x 71 cm
Busto Rodin, Camille Claudel, 1886.
Camille
Claudel,
Abandono
, 1905
Camille Claudel, A
idade Madura, 1899
– 1903. Bronze, 114
X 163 x 72 cm.
Camille Claudel,
A valsa, 1895.
IMPRESSIONISMO A TODO VAPOR
FRANÇA: DE 1860
A 1907

INFLUÊNCIAS DO MOVIMENTO
➢ Salão dos recusados - novos
marchands
➢ Fotografia
➢ Teorias das cores de Chevreul
➢ Gravuras japonesas
“Deste dia em diante, a pintura está morta!” Delaroche.
A Primeira
Bailarina, Edgar
Degas era fotógrafo, Degas, 1878.
Eugene Delacroix dirigia
fotografias.
Manet, Monet, Renoir, Van
Gogh também fotografavam o
que pintariam.
TEORIA DAS CORES
- CHEVREUL

❑ As cores são percebidas


simultaneamente por nossos
olhos.

❑ Cores são quentes ou frias


relativamente, dependendo
daquelas que estão próximas.

❑ Luminosidade do tom é obtida


com a justaposição da cor
complementar oposta.
IMPRESSIONISMO
➢Paisagens ao ar livre
➢Registro das nossas
“impressões”.
➢Sensações visuais
imediatas de uma
cena.
➢Retrato das
qualidades voláteis
da luz.
Banhistas na Grenouillière, Monet, 1869, óleo s/ tela, 75cm x 99cm
➢Pincelada curta –
mosaico de borrões.
1ª GRANDE REVOLUÇÃO DESDE O
RENASCIMENTO

Rejeita a perspectiva
Rejeita a composição
equilibrada
Rejeita as figuras
idealizadas
Rejeita o
CHIAROSCURO

Pedro Américo, Carioca, 1882. Jovem com Sombrinha, 1886, Monet


“Monet era a apenas um olho, mas, por Deus, que olho!” Paul
Cezànne

Water Lilies and Japanese Bridge, Monet,


1899, óleo s/ lona, 90 cm x 90cm
Série Catedral de Rouen, 1890, óleo s/ tela, 107 x 73,5 cm
Selvagens obstinados,
não querem, por
preguiça ou
incapacidade, terminar
seus quadros.
Contentam-se com
borrões, que
representam suas
impressões. Que
farsantes!
Impressionistas!
Impressão sol nascente, Monet, 1872, óleo s/ tela. LOUIS LEROY (1812 -
1855)
Berthe
Morisot, o
Berço,1872,
óle s/ tela, 56
x 46 cm
Berthe
Morisot, Le
corsage
rouge,1875,
óleo s/ tela,
73 x 60 cm

Berthe
Morisot, na
sala de
Jantar,1875,
óleo s/ tela,
61 x 50 cm
Berthe
Morisot, Dans
les blés,1875,
óleo s/ tela,
47 x 69 cm
Berte
Morisot,
Uma
tarde de
verão,
1879,
óleo s/
tela, 45 x
75 cm
La loge (The Theater Box),
Pierre-Auguste Renoir, 1874, óleo s/ tela, 80 x 65 cm.
Bal du moulin de la Galette, Pierre-Auguste Renoir, 1876, óleo s/ tela, 131 x 175 cm
Almoço com os remadores, Pierre-Auguste Renoir, 1880, óleo s/ tela, 131 x 175 cm
O balanço, Pierre-Auguste
Renoir, 1876, óleo s/ tela,
Julie Manet,
Pierre-Auguste
Renoir, 1887, óleo
s/ tela, 56 x 54 cm

Garotas no piano,
Pierre-Auguste Renoir,
1892, óleo s/ tela.
As banhistas, Pierre-
Auguste Renoir,
1918, óleo s/ tela, 60
cm × 110 cm
A banhista,
Edgar Degas,
1888, Pastell.

O absinto, Edgar
Degas, 1876,
óleo s/ lona.
Ensaio de Ballet,
Edgar Degas,
1875, óleo s/
lona.
O impressionismo substituiu o enfoque conceitual da natureza pelo enfoque perceptual,
baseado na experiência de fato. (Adaptado de: DENVIR, B., 1974. apud MORAIS, F. Arte é o
que eu e você chamamos arte. Rio de Janeiro: Record, 2000. p.249.)
Os pintores neoimpressionistas são aqueles que instauraram e, depois de 1886,
desenvolveram a técnica de divisão, empregando como meio de expressão a mistura óptica
de tons e tintas. Para estes pintores, o ritmo, a medida, o contraste foram conduzidos a
esta técnica, atendendo ao seu desejo de um máximo de luminosidade, coloração e
harmonia. (Adaptado de: SIGNAC, P., 1899. apud MORAIS, F. Arte é o que eu e você
chamamos arte. Rio de Janeiro: Record, 2000. p.250.)
A partir da figura, dos textos, e dos conhecimentos sobre o que caracteriza o
Impressionismo e o Neoimpressionismo, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) às afirmativas
a seguir.
( ) Exploração de novos parâmetros e concepções a partir das descobertas
sobre a fotografia, a óptica, a física e o funcionamento da visão.
( ) Enfoque perceptual que destaca os elementos visuais, como ponto, luz e
cor, baseado na experiência visual.
( ) Ênfase nos padrões acadêmicos dos salões oficiais e preferência pela
representação naturalista da figura humana.
( ) Recusa dos hábitos de ateliê, como iluminar modelos e começar com o
desenho de contornos para depois passar ao claro-escuro e à cor, dando
preferência ao trabalho ao ar livre.
( ) Recusa da pesquisa sobre a percepção óptica quanto à decomposição da luz
em componentes cromáticos.