Você está na página 1de 5

Dígrafo é quando duas letras emitem um único som!

Teste os dígrafos
dessas palavras: assar, banho, arroz, querido.

Percebe que ao pronunciar ss em assar, nh em banho, rr em arroz e qu em


querido, emitimos apenas um fonema?

Então, quando isso ocorre, chamamos de dígrafo, o qual compreende o


seguinte grupo de letras: lh, nh, ch, rr, ss, qu e gu (seguidos de e ou i), sc,
sç, xc, xs.

Observe as palavras: quente e sequência. A primeira possui o dígrafo “qu”.


No entanto, a segunda não compreende um dígrafo, uma vez que a vogal “u”
é pronunciada.
Da mesma forma ocorre com a dupla “cegueira” e “aguentar”. O “u” no
primeiro termo não é pronunciado e, portanto, trata-se de um dígrafo, ao
contrário do que acontece no segundo termo.

Portanto, fique atento aos dígrafos “gu” e “qu” seguidos de e ou i!

Vejamos alguns exemplos de palavras com dígrafos:

alho = lh
chuva = ch
ninho = nh
carro = rr
assistir = ss
águia = gu
aquilo = qu
nascer = sc
descer = sc
cresça = sç
exceção = xc
exsurgir = xs

Além desses, há os chamados dígrafos vocálicos, os quais são formados


pelas vogais nasais seguidas de “m” ou “n” (am, an, em, en, im, in, om, on,
um e un): amparar, antigo, lembrar, encontrar, importar, indicar, ombro,
onda, umbigo, fundo.

Interessante: Uma observação que podemos fazer é que toda segunda letra
do dígrafo não compreende um fonema, mas sim uma letra diacrítica, ou
seja, ela constata que tipo de som deverá ser emitido. Lembre-se também
que o “h” não é um fonema, mas uma letra, considerada etimológica, ou
seja, que permanece em nosso idioma por uma questão de origem.

Ortoepia e prosódia
A ortoépia trata da pronúncia correta das palavras. Quando as palavras são
pronunciadas incorretamente, comete-se cacoépia.
É comum encontrarmos erros de ortoépia na linguagem popular, mais
descuidada e com tendência natural para a simplificação.

Podemos citar como exemplos de cacoépia:

- “guspe” em vez de cuspe.


- “adevogado” em vez de advogado.
- “estrupo” em vez de estupro.
- “cardeneta” em vez de caderneta.
- “peneu” em vez de pneu.
- “abóbra” em vez de abóbora.
- “prostar” em vez de prostrar.

A prosódia trata da correta acentuação tônica das palavras. Cometer erro de


prosódia é transformar uma palavra paroxítona em oxítona, ou uma
proparoxítona em paroxítona etc.

- “rúbrica” em vez de rubrica.


- “sútil” em vez de sutil.
- “côndor” em vez de condor.
Parônimos são palavras com escrita e pronúncia parecidas, mas com
significado (sentido) diferente.
- O homem fez uma bela descrição da mulher.
- Use a sua discrição, Paulo.
Amoral – nem contrário e nem conforme a moral
Imoral - contrário à moral
Arrear – pôr arreios
Arriar – colocar no chão
Comprimento – extensão, grandeza e tamanho
Cumprimento – saudação
Descrição - falar sobre
Descriminar – inocentar
Emergir – mostra-se
Imergir - mergulhar
Homônimos são palavras com escrita ou pronúncia iguais, com significado
(sentido) diferente.
- A manga está uma delícia.
- A manga da camisa ficou perfeita.
- O político foi cassado por corrupção.
- O lobo foi caçado por bandidos.
Tipos de homônimos: homógrafos, homófonos e homônimos perfeitos.
Homógrafos – mesma grafia e som diferente.
- Eu começo a trabalhar em breve.
- O começo do filme foi ótimo.
Homófonos – grafia diferente e mesmo som.
- A cela do presídio está lotada.
- A sela do cavalo está velha.
Homônimos perfeitos – mesma grafia e som.
- Vou pegar dinheiro no banco.
- O banco da praça quebrou.
Acender – colocar fogo
Ascender - subir
Aço - metal
Asso – verbo assar conjugado
Censo - recenseamento
Senso – julgar
Cessão - ceder
Seção - divisão
Sessão – reunião
Coser - costurar
Cozer - cozinhar
Manga - fruta
Manga – parte da camisa
Sexta – dia da semana (sexta-feira)
Cesta - receptáculo
Sesta - descanso
Literatura
Aliteração: consiste na repetição ordenada de mesmos sons consonantais.
“Boi bem bravo, bate baixo, bota baba, boi berrando...Dança doido, dá de duro, dá de
dentro, dá direito”. (Guimarães Rosa)
Assonância: consiste na repetição ordenada de mesmos sons vocálicos.
“O que o vago e incógnito desejo/de ser eu mesmo de meu ser me deu”. (Fernando
Pessoa)
Paronomásia: consiste na aproximação de palavras de sons parecidos, mas de
significados distintos.
“Conhecer as manhas e as manhãs/ O sabor das massas e das maçãs”. (Almir Sater e
Renato Teixeira)
Onomatopeia: consiste na criação de uma palavra para imitar sons e ruídos. É uma
figura que procura imitar os ruídos e não apenas sugeri-los.
Chega de blá-blá-blá-blá!
TROVADORISMO
Momento final da Idade Média na Península Ibérica, onde a cultura apresenta a
religiosidade como elemento marcante.
A vida do homem medieval é totalmente norteada pelos valores religiosos e para a
salvação da alma. O maior temor humano era a idéia do inferno que torna o ser medieval
submisso à Igreja e seus representantes
O marco inicial do Trovadorismo data da primeira cantiga feita por Paio Soares Taveirós,
provavelmente em 1198, entitulada Cantiga da Ribeirinha.
Humanismo
O Humanismo é um termo relativo ao Renascimento, movimento surgido na Europa,
mais precisamente na Itália, que colocava o homem como o centro de todas as coisas
existentes no universo.

Classicismo
Classicismo é uma estética literária do século XVI, manifestação nas letras de um
movimento cultural amplo denominado Renascimento – houve manifestações
renascentistas em diversos âmbitos da sociedade: política, ciências, religião, artes
plásticas, arquitetura, literatura. Por isso é comum alguns teóricos denominarem o
Classicismo de Renascimento ou Seiscentismo.
Enquanto movimento cultural, o Renascimento teve grande importância na sociedade
europeia. No campo das ciências, foram as inovações desse período que possibilitaram as
grandes navegações. Foi também nesse período que grandes gênios como Leonardo da
Vinci inovaram no campo da arquitetura e das artes plásticas.

Quinhentismo
Quinhentismo é a denominação genérica de todas as manifestações literárias ocorridas no
Brasil durante o século XVI, no momento em que a cultura europeia foi introduzida no
país. Note que, nesse período, ainda não se trata de literatura genuinamente brasileira, a
qual revele visão do homem brasileiro. Trata-se de uma literatura ocorrida no Brasil,
ligada ao Brasil, mas que denota a visão, as ambições e as intenções do homem europeu
mercantilista em busca de novas terras e riquezas. As manifestações ocorridas se
prenderam, basicamente, à descrição da terra e do índio, ou a textos escritos pelos
viajantes, jesuítas e missionários que aqui estiveram.
Barroco
O período conhecido como Barroco, ou Seiscentismo, é constituído pelas primeiras
manifestações literárias genuinamente brasileiras ocorridas no Brasil Colônia, embora
diretamente influenciadas pelo barroco europeu, isto é, vindo das Metrópoles. O termo
denomina genericamente todas as manifestações artísticas dos anos 1600 e início dos
anos 1700. Além da literatura, estende-se à música, pintura, escultura e arquitetura da
época.
Arcadismo
O Arcadismo, também conhecido como Setecentismo ou Neoclacissismo, é o movimento
que compreende a produção literária brasileira na segunda metade do século XVIII. O
nome faz referência à Arcádia, região do sul da Grécia que, por sua vez, foi nomeada em
referência ao semideus Arcas (filho de Zeus e Calisto).
Denota-se, logo de início, as referências à mitologia grega que perpassa o movimento.
Profundas mudanças no contexto histórico mundial caracterizam o período, tais como a
ascensão do Iluminismo, que pressupunha o racionalismo, o progresso e as ciências. Na
América do Norte, ocorre a Independência dos Estados Unidos, em 1776, abrindo
caminho para vários movimentos de independência ao longo de toda a América, como foi
o caso do Brasil, que presenciou inúmeras revoluções e inconfidências até a chegada da
Família Real em 1808.
O movimento tem características reformistas, pois seu intuito era o de dar novos ares às
artes e ao ensino, aos hábitos e atitudes da época. A aristocracia em declínio viu sua
riqueza esvair-se e dar lugar a uma nova organizaçõ econômica liderada pelo pensamento
burguês.