Você está na página 1de 24

À G D G A D U

MAÇONARIA EGÍPCIA DO ANTIGO E PRIMITIVO


RITO DE MEMPHIS E MISRAIM

Fonte única, autêntica e regular.

LITURGIA DO GRAU 4

MESTRE SECRETO

SEGUNDO O RITO
“ANTIGO E PRIMITIVO”
“Preservando os antigos mistérios da Maçonaria”
QUARTO GRAU

MESTRE SECRETO

(Conceitos preliminares sobre o Grau )

DECORAÇÃO DA LOJA:

As cortinas da Loja são pretas, salpicadas de lágrimas


brancas. A Loja representa o “Sanctum Sanctorum”. Ao fundo da Loja se vê um
triângulo no meio de um grande círculo, em cujo centro aparece a Estrela
resplandecente.
O Templo estará iluminado por 81 luzes, distribuídas em 09
candelabros de 09 braços cada um; este número poderá ser reduzido a
somente 09 luzes, divididas por 3 vezes 3.

(A completar)

TÍTULOS:
O Mestre representa Salomão, que acompanhado dos
Expertos se dirige ao Templo para ocupar o lugar vago pela morte de
Adonhiram, ou seja, Hiram Abi (o pronome Adon (Dominus) agregado à palavra
Hiram forma Adonhiram, que significa Hiram o Consagrado ao Senhor, ou
ainda, o Senhor, ou o Divino Hiram, de onde se derivou o Título de Maçonaria
Adonhiramita).

Seu Título é o de Três Vezes Poderoso. Tem assento no


Oriente e um Cetro na mão. Estará vestido com uma túnica preta, orlada de
arminho. À sua frente tem um Altar de forma triangular, sobre o qual há um
malhete revestido de preto com a Coroa de Louro e Oliveira, destinada ao
Recipiendário. Só há um Vigilante nesta Loja, o qual representa Adonhiram, e
se intitula Inspetor. Estavam a cargo de Adonhiram a Inspeção e
Superintendência dos trabalhos no Monte Líbano, e foi ele o primeiro Mestre
Secreto. Seu assento está no Ocidente. Não haverá utensílio algum, porque os
trabalhos foram suspensos por causa da morte de Hiram Abi.

SINAL:

O sinal indica silêncio, e é executado colocando-se os dedos


indicador e médio da mão direita sobre os lábios. Se responde fazendo um
sinal igual com a mão esquerda.

SINAL DE ORDEM: o mesmo do Grau de Mestre

PALAVRA:
TOQUE:

Dá-se a mão direita como no grau de Mestre, deslizando-se


reciprocamente as mãos até o cotovelo, abraçando-se o Irmão nesta posição,
balançam-se os corpos de um lado a outro por 07 vezes, ao mesmo tempo
que se cruzam as pernas direitas de um e de outro, as quais se tocam pela
parte interior.

BATERIA: 07 pancadas por 6 + 1

MARCHA: A do Grau de Mestre.

IDADE: 81 anos.

TEMPO DE TRABALHO: Desde a aurora até o crepúsculo.

PARAMENTOS:
Avental branco orlado de preto, com a abeta azul, contendo
um olho bordado em ouro ou pintado. Salomão estará decorado com uma fita
azul-água, de 04 polegadas de largura, colocada da direita para a esquerda, da
qual pende um triângulo. Adonhiram leva uma faixa branca e larga, ao redor do
pescoço, de forma triangular (colar), e leva pendente em seu extremo uma
chave de marfim com a letra Z incrustada nela. Estarão os Irmãos decorados
com uma fita igual, e luvas brancas. A cor branca simboliza a inocência do
Mestre; e a cor preta, a dor pela morte de Hiram Abi.

MORAL DO GRAU: Silêncio/Segredo, Obediência e Fidelidade.


ABERTURA DOS TRABALHOS

Tomando os Irmãos os assentos respectivos em Loja, o TVP diz:

TVP – Irmão Adonhiram, sois Mestre Secreto?

Inspetor – Três Vezes Poderoso, passei do esquadro ao compasso e


acompanhado de meus Irmãos, vi o túmulo de nosso respeitável Mestre Hiram
e chorei sua perda.

TVP – Que horas são?

Inspetor – A claridade do dia dissipa as trevas e o Sol começa a brilhar nesta


Loja.

TVP – Se a Grande luz dissipou as trevas e todos os presentes são Mestres


Secretos, já é tempo de começar os trabalhos deste dia. Anunciai, querido
Irmão, que vou abrir os trabalhos desta Loja de Mestres Secretos.

O Inspetor o anuncia em ambas as colunas. O TVP dá um golpe de malhete e


todos se põem de pé. O TVP faz o Sinal de Silêncio com a mão direita, os
Irmãos respondem com a esquerda; e depois, executam a Bateria.

TVP – Ilustres Irmãos, a Loja está aberta.

(Dá um golpe de malhete e todos se sentam)

ORAÇÃO

O Senhor reina, sob o temor de seu povo, sentado entre os


Querubins. A Terra gira a seus pés. Rogai ao Senhor, oh vós seus servos, e
bendizei seu Santo Nome.
Louvai o nome do Senhor, de hoje até o fim dos séculos.
Desde o Oriente até o Ocaso, bendizei seu Santo Nome, porque ele reina
sobre todas as nações e os céus são testemunhas de sua Glória. Bendito seja
o Senhor, exaltai seu Santo Nome. Rogai-o e Bendizei-o, porque o Senhor é
bom e misericordioso. Gratificai seu Nome, porque só o seu Nome é excelso e
sua Glória se estende aos Céus e à Terra. Que vosso Nome, oh! Senhor, seja
alçado agora e sempre por todas as gerações.
Santificai nossa Alma e que todo nosso ser louve vosso Santo
Nome.

RECEPÇÃO DE IRMÃOS VISITANTES

TVP – Irmão Inspetor, há Irmãos Visitantes no exterior da Loja?


Inspetor – Irmão Mestre de Cerimônias, há Irmãos Visitantes no exterior da
Loja?
O Irmão Mestre de Cerimônias certifica-se da assinatura de Visitantes no livro
próprio, deposita sobre o altar do Inspetor o Livro de Registro de Presença de
Visitantes, bem como os documentos e títulos que hajam apresentado.
Se não houver Visitantes, o Irmão Mestre de Cerimônias comunica ao Irmão
Inspetor, que por sua vez comunica ao TVP.
Se houver Irmãos Visitantes, depois de examinar o Livro de Presença e os
documentos e títulos apresentados, o Irmão Inspetor diz:

Inspetor – TVP Mestre, no exterior da Loja se encontram ____ Irmãos visitantes


que pedem para participar dos trabalhos.

O TVP Mestre, depois de se proceder ao exame do Livro de Assinaturas e dos


documentos e títulos apresentados juntamente com o Irmão Orador, diz:

TVP – Assegurai-vos de suas regularidades e Lojas de origem e dai-lhes


entrada.
Inspetor – Irmão Mestre de Cerimônias, podeis dar entrada aos Irmãos
Visitantes. Irmão Experto, podeis acompanhar o Mestre de Cerimônias para
trolhar os Irmãos Visitantes que não sejam conhecidos desta Oficina.

O Mestre de Cerimônias e o Irmão Experto saem do Templo e cumprem seu


dever. Após havê-los trolhado e ordenado por sua ordem hierárquica, entram
os Visitantes precedidos pelo Mestre de Cerimônias e pelo Irmão Experto, os
quais se colocam de costas para as Colunas “J” e “B”, respectivamente,
olhando para o Oriente.

TVP – Meus Irmãos, de pé.

Todos vão entrando, dando os passos e a saudação do grau, e o Mestre de


Cerimônias os anuncia pelo nome e sobrenome, Loja de procedência,
outorgando-lhes as honras que em cada caso possam corresponder. Uma vez
terminado, o Mestre de Cerimônias diz:

MC – TVP Mestre, os Irmãos Visitantes foram reconhecidos como autênticos e


regulares maçons e se encontram decorando nossas Colunas.
TVP – Queridos Irmãos Visitantes, em nome desta Excelsa Loja os saúdo
fraternalmente e lhes dou as boas vindas, participando-lhes de nossa
satisfação que experimentamos por vossa assistência em nossos trabalhos.
Desejamos que em todas as ocasiões que se lhes apresentem, venhais a
nosso lado compartilhar de nossos trabalhos e especialmente nos específicos
de nossa Ordem dentro da Fraternidade Universal, a bem geral da
Humanidade. Sentemo-nos, meus Irmãos.

DESCULPAS JUSTIFICADAS DE IRMÃOS AUSENTES

TVP – Algum dos Irmãos traz alguma desculpa para apresentar à Oficina em
nome dos Irmãos ausentes?
Se alguém pede a palavra pelo sinal de assentimento, o Irmão Inspetor anuncia
ao TVP Mestre que pedem a palavra, quando a mesma será franqueada. O
Irmão Secretário tomará nota na Ata das desculpas que forem apresentadas.

CIRCULAÇÃO DO SACO DE PROPOSTAS E INFORMAÇÕES

TVP –  

Inspetor –  
TVP – Irmão Mestre de Cerimônias, circulai o Saco de Propostas e
Informações.

O Irmão Mestre de Cerimônias se levanta, faz o sinal ao Oriente e embainha


sua espada. A seguir circula o Saco na seguinte ordem: TVP, Inspetor, Oriente,
Coluna do Sul e Coluna do Norte.
Todos os Irmãos colocam a mão direita no bolso interior de seus paletós, e as
introduzem fechadas no Saco e as retiram abertas, mostrando a palma da mão.
A seguir o Mestre de Cerimônias se coloca entre colunas, cumprida sua
obrigação e levanta o Saco acima de sua cabeça e diz:

MC – Irmão Inspetor, me encontro entre Colunas com o Saco de Propostas e


Informações.

Inspetor – TVP Mestre, o Saco de Propostas e Informações está no Ocidente e


se encontra à vossa disposição, entre colunas.

TVP – Deixai que o Mestre de Cerimônias o traga ao Oriente.

O Mestre de Cerimônias, circulando pelo Norte, deposita o saco no Altar do


TVP Mestre e volta ao seu lugar, pelo Sul.

TVP – Irmão Secretário, daí conta, e vós Irmão Orador, dai fé, do conteúdo do
Saco de Propostas e Informações.

Ambos os Oficiais se levantam e se colocam aos lados do Altar do TVP Mestre.


O Secretário despeja o conteúdo do saco sobre o Altar e o entrega ao Irmão
Orador para que comprove que está vazio. Uma vez examinado o conteúdo,
diz:
Sec - O Saco de Propostas e Informações chegou ao Oriente com _____
pranchas gravadas. (Se não há nenhum conteúdo no saco, diz:) ..... estéril e
sem nenhuma ação.

Or- Dou fé.

Ambos os Oficiais voltam aos seus lugares.

TVP – O Saco de Propostas e Informações chegou ao Oriente com ____


pranchas gravadas .... (Detalha o conteúdo; as petições de Iniciação serão
lidas neste momento e, neste caso, os trabalhos dos Irmãos poderão ficar sob
malhete para a seguinte sessão. Se não há conteúdo no saco, diz): ..... estéril e
sem nenhuma ação.

TVP - 

Inspetor - 
TVP – Irmão Inspetor, qual é a missão de nossa Ordem?

Inspetor – Servir como fundamento, TVP Mestre, e permitir que os verdadeiros


e antigos Maçons do antigo Egito pratiquem o culto ao Supremo Arquiteto de
todos os Mundos, por meio do trabalho, dos Símbolos e Ritos.

TVP – Que devemos entender por culto? Será isso uma nova Religião?

Inspetor – TVP Mestre, a palavra “religião” vem do latim “religio”, significando


reintegrar ou religar o homem em seu estado primordial com O Divino. A isto
nos dedicamos neste Recinto Sagrado.

ORDEM DO DIA

TVP – Irmão Secretário, qual o assunto preferencial da Ordem do Dia?

___ Iniciações (conforme Ritual de Consagração)

___ Leitura e discussão dos ditames das Comissões

___ Entrega de Diplomas, de garantes de paz e amizade

___ Filiações e Regularizações, se houverem

___ Qualquer outro assunto a ser posto na Ordem do Dia

___ Palestras e Conferências e/ou leitura de pranchas (sempre)


___ Instrução maçônica e/ou leitura de parte ou totalidade das
instruções
do Grau

No caso de haver Iniciações, se deve prescindir de todos os trabalhos desta


parte da sessão, já que a importância desse Ritual necessita de todo o tempo e
atenção requeridos para tal ocasião.

RITUAL DE CONSAGRAÇÃO

TVP – O objetivo desta reunião é a INICIAÇÃO nos mistérios deste Santuário,


dos Mestres Maçons.............., os quais as autoridades competentes julgaram
dignos deste Grau.
Irmão Mestre de Cerimônias, fazei com que os candidatos entrem no
Santuário, na devida forma.

O Mestre de Cerimônias despoja os Irmãos de qualquer insígnia maçônica


(avental), venda seus olhos, sustentando um esquadro na fronte e uma tocha
na mão esquerda (se for possível, os reveste com uma túnica branca), e lhes
faz as perguntas correspondentes e lhes toma o toque no grau de Mestre.

Guarda do Santuário – Irmão Inspetor, batem à porta como Mestre Maçom.

Inspetor – TVP, com a bateria de Mestre Maçom batem à porta.

TVP - Ajudai inquirir quem são os que batem, Irmão Inspetor.

Inspetor – Irmão Guarda do Santuário, vede quem bate.

Guarda do Santuário – (Abre ambas as portas do Santuário) Quem bate?

Mestre de Cerimônias – Sou eu, com uns viajantes que conhecem a ACÁCIA,
mas se perderam, pois buscaram com o esquadro e esqueceram o compasso.

Guarda do Santuário – Irmão Inspetor, é o Mestre de Cerimônias com uns


viajantes que conhecem a Acácia e se perderam, pois buscaram com o
Esquadro, esquecendo o Compasso.

Inspetor – TVP, é o Mestre de Cerimônias com uns viajantes que conhecem a


Acácia e se perderam, pois buscaram com o Esquadro, esquecendo o
Compasso.

TVP – Dizei-nos, Irmão Mestre de Cerimônias, nos dão esses Mestres


garantias de sua boa fé e confessam sua ignorância?
Mestre de Cerimônias – Como astros lançados longe de suas órbitas e
deslumbrados pelo esplendor de seus próprios raios, não vêem por onde vão,
correm ao acaso perdidos nas regiões do infinito e clamam por um guia que
lhes salve de situação tão lastimosa.

TVP – Que entrem.

O Mestre de Cerimônias entra com os candidatos muito cuidadosamente e os


coloca entre colunas.

TVP – Pedis um guia, Queridos Irmãos, que os tirem das dúvidas que
confundem vossa RAZÃO EXTRAVIADA. Nós também o buscamos e vivemos
na desolação, porque desde a morte de nosso Mestre HIRAM HABIF, não
temos quem nos dirija.

Perdida a verdade, o erro nos extravia e a falsa luz do sofisma nos engana.

Nossos troféus de luto e nossa porção de dor, são a expressão do estado de


nossa alma.

Quereis submeter-vos às provas necessárias para fazer-vos dignos de seguir o


exemplo do Mestre HIRAM?

CANDIDATO – Sim.

TVP – Aproximai-vos do Ara e, vós, Irmãos, assistis ao solene juramento.

O Mestre de Cerimônias e os Expertos formam a abóbada de aço, e os


Candidatos põem suas mãos direitas sobre o TRIÂNGULO DE OURO.

TVP – Queridos Irmãos, repeti comigo: Eu __________________, juro pela


minha honra e minha condição de Mestre Maçom respeitar os direitos dos
outros; cumprir meus deveres, estudar a mim mesmo para corrigir meus
defeitos; relevar os de meus Irmãos e aconselhá-los para que se reformem;
exercitar minha razão em destruir os sofismas e dogmas que extraviam a
inteligência e buscar com a luz que nos guia, os princípios da moral; que o
GADU me ajude.

Irmãos do Santuário, permanecei à ordem.

Irmãos Oficiais, suspendei a abóbada de aço.

Queridos Irmãos, voltai os esquadros sobre vossas frontes.

O TVP dá um golpe com o cetro sobre o esquadro que o Candidato tem na


fronte e diz:

TVP – NO USO DOS PODERES QUE ME FORAM OUTORGADOS, VOS


RETIRO ESTE ESQUADRO (o Mestre de Cerimônias retira o esquadro), que
agora é o símbolo do INSTINTO SOCIAL, que nos faz comum com os animais,
para que estudeis sua origem e aplicação nos atos da vida e a fecundeis com
vossa RAZÃO.
Vos tiro da obscuridade em que haveis estado até agora e VOS DOU A
GRANDE LUZ (lhes tira a venda e o Mestre de Cerimônias lhes retira a tocha),
para que vos eleveis aos FUNDAMENTOS DO DEVER E DO DIREITO,
meditando sobre o significado deste quadro resplandecente (mostra o quadro).
O CÍRCULO, representa o Universo; As TRÊS LETRAS INSCRITAS formam
um dos nomes que o povo hebreu dava à Divindade: IOD “CAUSA PRIMEIRA”;
o TRIÂNGULO marca com seus três lados, sucessivamente o que deveis a
ELA, a vós mesmos e aos vossos semelhantes; tudo isto é objeto de nossos
estudos, como deveis compreender ao responder às perguntas que se vos
fizeram ao iniciar-vos como Aprendizes Maçons; a ESTRELA FLAMÍGERA é a
RAZÃO, que nos eleva acima dos seres inferiores e nos permite conhecer o
PORQUE de todas as coisas; o OLHO QUE BRILHA em seu centro é o
símbolo do MESTRE QUE BUSCAIS.

O TVP retorna ao seu lugar no Oriente, e diz:

TVP – Irmãos do Santuário, sentai-vos.

TVP – Irmão Mestre de Cerimônias, CINGÍ COM A COROA DE LOURO E


OLIVEIRA AOS IRMÃOS, faça-o cerimoniosamente, um a um, e a seguir a
deixe sobre o Ara.

TVP – São cingidos com a coroa de louro e de oliveira, pela glória que vos
cabe ao empreender vosso trabalho.
Irmão Mestre de Cerimônias, entregai aos Irmãos a chave que lhes permitirá
entrar no Santuário e que a mantenham no alto, em sua mão direita.

TVP – Meus Irmãos, ide com o Mestre de Cerimônias recolher as cinzas de


Hiram e embalsamar seu coração, para que imiteis suas virtudes e os façais
dignos do grau que se vos conferirá.

O Mestre de Cerimônias conduz um dos Irmãos, que representará todos os


demais, até a pirâmide, faz com que tome a urna com as cinzas de Hiram com
a mão esquerda e o leva entre colunas.

TVP – Meu Irmão, o grau de MESTRE SECRETO que vos será conferido
continua com a lenda de Hiram, e com seus novos símbolos insinua os estudos
mais sublimes da Filosofia, indispensáveis para o conhecimento de nossa
própria natureza.
Quando penetrastes no segredo da matéria, vistes que a aparente destruição
da matéria que constitui nosso corpo, não significa a destruição do
PENSAMENTO, senão o contrário, este renascia com maior vigor, porque A
VERDADE NUNCA MORRE.
Sabeis o que é a INTELIGÊNCIA e hoje vais conhecer o REGULADOR
SOCIAL.
Buscáveis um guia que os orientasse e haveis chegado ao sepulcro de Hiram
para recolher suas cinzas e embalsamar seu coração.
Quem vos incitou a render tão piedosa homenagem à sua memória?
O grande sentimento de admiração e gratidão para com o Grande Mestre da
verdade, indica que há em nós algo grande que nos obriga a respeitar os
homens que se sacrificaram pelo bem e a tê-los presentes para imitá-los
depois de suas mortes.
Visitai os sepulcros dos grandes beneméritos da humanidade e sentireis que
vos circunda a força do infinito.
O Mestre Secreto tem o nome de CONSCIÊNCIA MORAL, e seu estudo é
indispensável para nosso próprio conhecimento.
O emblema do grau, que está no centro do Templo, rodeado de colunas
entrelaçadas, é o emblema do INSTINTO SOCIAL e ninguém pode chegar até
ele, porque é um lugar a que só quem o preside, o TVP como seu verdadeiro
Senhor, tem acesso.
O avental branco orlado de preto, é o símbolo do bem e do mal, da luta entre a
verdade e o erro, da luz contra as trevas. Um ramo de louro e outro de oliveira,
formam a coroa aberta em que se inscreve a letra Z, inicial de ZERBAL o
Mestre Secreto.
O olho, que representa a Glória, hieróglifo do Sol entre os egípcios, é também
símbolo da consciência que vigia nossos atos e que, como sentinela
incorruptível desperta o remorso que destroça o coração do que a ofende.

Inspetor – ( ) - Conforme vossas ordens, TVP, JEROBAM embalsamou o


coração de Hiram, e pôs suas cinzas em uma urna de ouro.

TVP – (  ) – De pé e à ordem, meus Irmãos: “Ele, que amou a verdade sobre


todas as coisas, ele que a proclamou e morreu antes de prostituir-se, é igual a
todos os Reis da terra, por mais humilde que tenha sido seu nascimento. Que
seus restos sejam colocados no SANCTA SANTORUM; que sejam conduzidos
por ele que os embalsamou e que se tributem a Hiram as honras dos
monarcas.

TVP – Irmão Mestre de Cerimônias, fazei formar a abóbada de aço, que o


Irmão que porta a urna seja levado entre colunas e, conduzido por vós, a
coloque no lugar indicado.

Ao dar o Candidato os primeiros passos, o Guarda do Santuário o impede com


a espada posta em seu peito e diz: “ESTE É O SANCTA SANTORUM E
NINGUÉM PODE ENTRAR NELE, SE NÃO ABRE SUA PORTA COM A CHAVE
DO TEMPLO DA RAZÃO.” Quem a tem?

Mestre de Cerimônias – ELE, QUE AMA A VERDADE SOBRE TODAS AS


COISAS E VOS APRESENTA O CORAÇÃO DE HIRAM, QUE ILUMINA AS
CHAMAS DA SOLIDARIEDADE HUMANA.

Guarda do Santuário – Que entre, deposite esses restos sagrados e os adorne


com a coroa da Gloria e da Ciência, para mostrar ao mundo que se os
assassinos destruíram o corpo do Grande Mestre, sua memória vive e viverá
eternamente em nossos corações.
TVP – GLORIA E PAZ AO NOSSO GRANDE MESTRE.

TODOS – GLÓRIA E PAZ.

TVP – Irmão Mestre de Cerimônias, revesti os novos Mestres Secretos com


seus aventais e colares e fazei-os chegar ao Oriente para que recebam sua
justa recompensa.
Desce do Trono com a espada na mão esquerda e com o cetro na mão direita;
coloca a espada sobre a cabeça de cada Recepiendário e diz, dando as
pancadas do grau: “À GLORIA DO GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO, EM
NOME DA MAÇONARIA EGÍPCIA DO ANTIGO E PRIMITIVO RITO DE
MEMPHIS E MISRAIM, E EM VIRTUDE DOS PODERES QUE MEUS IRMÃOS
ME INVESTIRAM,

EU, TVP Mestre deste SublCap, VOS ACREDITO

VOS NOMEIO

E VOS PROCLAMO

MESTRE SECRETO, Grau 4 do RITO ANTIGO E PRIMITIVO, MEMBRO


ATIVO E REGULAR DA LOJA...., ORIENTE DE.....

Regressa ao Oriente e diz:

TVP – Irmãos do Santuário, sentai-vos. Irmão Mestre de Cerimônias, praticai e


ensinai a cada Irmão os segredos deste grau.

MARCHA: Dá-se os passos de Mestre Maçom e um mais para o Oriente.

SINAL: Colocai vossos dedos indicador e médio da mão direita sobre os lábios;
se responde com o mesmo sinal, feito com a mão esquerda.

TOQUE: Garra de Mestre e, a seguir, se desliza a mão até o cotovelo, se


abraçam e balançam os corpos para os lados por 07 vezes; as pernas se
tocam pela face interna.

IDADE: 81 anos.

BATERIA:       
PALAVRA DE PASSE: ZIZA – ZIZON

PALAVRAS SAGRADAS: YOD, ADONAI-IVAD.

HORAS DE TRABALHO: Desde que o dia nasce até o escurecer.

TVP – Saudemos aos novos Mestres Secretos com a Tríplice Bateria do Grau.
Novos Mestres Secretos, tomai assento; podeis sentar-vos nos lugares que
julgais conveniente.

Orador – Vos rogo a dar as boas vindas a nossos novos Mestres Secretos.

CONCESSÃO DA PALAVRA A BEM DA ORDEM EM GERAL

TVP – Irmão Inspetor, perguntai aos Irmãos que decoram ambas as Colunas se
têm algo que propor a bem da Ordem em geral e deste Subl Capítulo em
particular. (ou sobre o ato que acaba de se realizar, nas cerimônias de
Iniciação, Filiação ou Regularização, quando for o caso)

Inspetor – Irmãos que decorais este Santuário, o TVP Mestre pergunta se


algum Irmão tem algo a propor a bem da Ordem em geral e deste Capítulo em
particular. (ou .... se algum Irmão quer fazer uso da palavra sobre o ato que
acaba de se realizar).

Se alguém pede a palavra pelo sinal de assentimento, o Irmão Inspetor o


anuncia ao TVP Mestre. O Inspetor pede a palavra, para si ou para os Irmãos
do Santuário, por meio de um golpe de malhete. Depois que todos os Irmãos
do quadro tenham falado, se oferece a palavra aos Irmãos Visitantes.

Inspetor – TVP Mestre, o Ocidente se encontra em silêncio.

CIRCULAÇÃO DO TRONCO DA VIÚVA

TVP – Irmão Hospitaleiro, circulai a “Tzedaka” .

O Hospitaleiro circula a “Tzedaka” na seguinte ordem: TVP, Inspetor, Oriente,


Coluna do Sul e Coluna do Norte. Todos os Irmãos colocam a mão fechada
dentro do saco, depositando ali o seu óbulo, e a tiram igualmente fechada.

O Hospitaleiro vai se por entre Colunas e diz:

Hosp - TVP Mestre, permiti-me cumprir com minha obrigação.

Após fazê-lo, o Irmão Hospitaleiro se coloca entre Colunas, levanta a


“Tzedaka” acima de sua cabeça e diz:

Hosp- Me encontro entre Colunas, com a “Tzedaka”.

Inspetor – TVP, a “Tzedaka” se encontra entre Colunas, à vossa disposição.


TVP – Irmão Hosp, levai a “Tzedaka” até o Irmão Tes.

O informe da quantidade de metal profano é dado em particular ao Secr para


que faça constar em Ata, e ao TVP para seu conhecimento.

TZEDAKA – Palavra hebraica que significa caridade e beneficência.

FORMAÇÃO DA CADEIA MÍSTICA DE UNIÃO

TVP – Meus Irmãos, vos convido a formar a Cadeia de União.

A Cadeia é feita sem luvas e sem metais, os calcanhares juntos e as pontas


dos pés tocando as pontas do próximo. Cadeia Hermética.

TVP – Alegremo-nos pelo trabalho que foi lealmente cumprido, e prossigamos


no esforço até a perfeição, cada dia mais.
Fortaleçamos em nossos corações o Amor pela humanidade e a consciência
de nossos deveres, ao tempo em que nos dedicamos ao serviço da Verdade,
una e imutável.
Que nossas assembléias sejam cada vez mais e mais fortalecidas pela união
fraternal e pela vontade de servirmos uns aos outros.
Que exista sempre em nós o paraíso da paz e da virtude.
Que a união fraternal entre nós, de agora em diante, seja mais forte, de forma
que nada, nunca a possa quebrar.

O TVP, se quiser, pode dar a palavra em oração aos Irmãos que queiram
complementar a oração de forma breve, e quando todos hajam concluído, o
TVP diz:

TVP – Faça-se!

O TVP faz circular a Frase Sagrada, metade em cada sentido. Quando a frase
retorna ao TVP, diz:

TVP – Meus Irmãos, a Frase Sagrada chegou a mim justa e perfeita. Em tal
condição, vos comunico a palavra de passe que é ................

Agora, rompamos a Cadeia fazendo-a vibrar com a tríplice lançada tradicional.

A Cadeia de União é terminada levantando-se e abaixando-se os braços e


mãos entrelaçados por três vezes, com a proclamação SAÚDE,
FRATERNIDADE, SABEDORIA.
Os Irmãos, depois de sair da cadeia, retornam em silêncio aos seus lugares,
sempre caminhando no sentido horário, permanecendo de pé em seus lugares.

TVP – Sentemo-nos, meus Irmãos.


SAÍDA DOS IRMÃOS VISITANTES

TVP – Queridos Irmãos Visitantes que haveis decorado nossas colunas, em


nome dessa respeitável assembléia, vos dou graças por vossa presença e
ajuda nos trabalhos deste Santuário.
Hoje, trabalhamos juntos através das palavras e das formas antigas,
compartilhando o ensinamento tradicional que nos foi legado e que nós
legaremos aos demais. E nada mais tenho que dizer-lhes Queridos Irmãos, por
hoje. Obrigado, muito obrigado pela atenção que haveis posto nestes símbolos
em movimento que conformam nosso Rito.
Ir M de C, por favor, acompanhe os Irmãos Visitantes à saída do Templo.

DESPACHO DO MATERIAL DE SECRETARIA E ASSUNTOS GERAIS

TVP – Ir Secr, tem o Santuário alguma correspondência oficial?

Se existe alguma correspondência oficial, o IrSecr faz a leitura.

ASSUNTOS DE FAMÍLIA

TVP – Ir Secr, tem o Santuário alguma correspondência privada ou


assuntos de família que atender?

Nesta parte, se tratarão dos seguintes pontos:


1.Se existe alguma correspondência privada, o Ir Secrfará a leitura;
2.Se existe algum outro assunto de caráter interno do Santuário, o
IrSecro comunicará, e o TVP dirigirá o debate e o escrutínio, se
couber.

LEITURA DA ATA DA PRESENTE SESSÃO

TVP – IrSecr, fazei a leitura da Ata da sessão.

Neste momento, o IrSecr dá lugar ao resto do despacho da Secretaria, da


forma usual.
Quando todo o material da Secretaria tiver sido resolvido, o TVP diz:

TVP – Convido aos Irmãos deste Santuário a expressar seus comentários,


sugestões ou correções à minuta desta sessão. Ao meu golpe de malhete,
meus IIr.

O TVP verifica se há Irmãos que pedem a palavra pelo sinal de assentimento, e
a concede na forma usual. Quando ninguém a pede, o Inspetor diz:

Inspetor – Reina silêncio no Santuário, TVP.

TVP – Sendo assim, peço as conclusões do IrOrador.

Orador – TVP, Ir Inspetor, meus Queridos Irmãos.

Elege uma das três fórmulas escritas, ou improvisa um discurso que termina
dizendo .... os quais resultaram Justos e Perfeitos ou tendentes à perfeição.

1.Que a luz que iluminou nossos trabalhos continue brilhando em nós, para
que terminemos a obra começada neste Templo, a qual resultou justa e
perfeita.

2.Muito acima das preocupações da vida material, se abre para o franco-


maçom o vasto domínio da atividade do espírito. A ele, dedicamos
nossos esforços neste dia, os quais resultaram justos e perfeitos.

3.Nos trabalhos hoje realizados, se bem nos beneficiamos do que


aprendemos com a inteligência e conservamos por meio da memória,
maior benefício nos traz no foro íntimo de nossa consciência, do que
tenhamos reconhecido como certo e real; e com ele, nossos trabalhos
haverão tendido uma vez mais para a perfeição.

Depois que o Ir Orador fala, ninguém mais poderá pedir a palavra.

TVP – Ouvidas as conclusões do IrOrador, os que estão de acordo com a


aprovação do traçado, se manifestem pelo sinal de assentimento, ao meu

golpe de malhete. 
O Ir Secr tomará nota do resultado do escrutínio na Ata e o Mestre de
Cerimônias a passará ao TVP e ao Orador para assinatura. A seguir o
IrSecrporá sua assinatura e estampará os selos do Santuário.

ENCERRAMENTO DOS TRABALHOS

TVP – Que idade tendes, Irmão Inspetor?

Inspetor – 81 anos, TVP.

TVP – A que horas terminam seus trabalhos os Mestres Secretos?

Inspetor – Quando a GRANDE LUZ DESAPARECE.


(Apagam-se as luzes)

TVP – Que horas são, Irmão Inspetor?

Inspetor – As trevas invadem o Santuário, TVP.

TVP – Ajudai-me, Irmãos, a fechar os trabalhos de Mestre Secreto com os


sinais misteriosos.

Inspetor – Irmãos do Santuário, por ordem do TVP vos convido a que nos
ajudeis a fechar os trabalhos do Santuário com os sinais misteriosos.

TVP – (  ) DE PÉ E À ORDEM.
PELO SINAL

PELA BATERIA DO GRAU:       

TVP – ( 
) – O SANTUÁRIO ESTÁ FECHADO. IDE-VOS EM PAZ E QUE O
GRANDE ARQUITETO DO UNIVERSO VOS BENDIGAM E VOS PROTEJAM
EM VOSSOS TRABALHOS DO MUNDO PROFANO.
PRIMEIRA INSTRUÇÃO

Meus Irmãos: até agora não haveis visto mais que o espesso
véu que tem ocultado de vossas vistas o Sactum Sanctorum do Templo do
Senhor; mas com vosso zelo, fidelidade e constância no cumprimento dos
vossos deveres maçônicos, são uma garantia de vossa conduta, e vos fez
dignos do favor que vais receber e passamos a conferir-vos o Grau Quatro do
Rito Antigo e Primitivo, o qual encerra segredos importantes que vais conhecer.

(Dá-se a Primeira Instrução, que consiste na explicação


detalhada dos símbolos da Câmara do Grau 4, e todas as demais explicações
necessárias sobre este Grau).

“Cuidai de minhas palavras, oh! Grande Arquiteto do Universo,


e velai a porta de meus lábios.”
SEGUNDA INSTRUÇÃO

Irmãos, vos confiro o Grau de Mestre Secreto e vos dou


assento entre os Ilustres Membros desta Assembléia.

(Dá-se a Segunda Instrução, conforme segue)

A coroa de Louros, emblema da Vitória, vos indica que deveis


fazer-vos superiores a vossas paixões e conduzir-vos pelo caminho da virtude.
O ramo de Oliveira, símbolo da Paz, vos recomenda que a deveis ter com
vossos Irmãos. Sede Sábio, Prudente e Constante como até o presente, e de
pronto merecereis o favor de penetrar na Abóbada Secreta, dependendo só de
vós poder chegar até este Lugar Santo, no qual, arrebatado de um gozo
inefável, podereis contemplar a coluna da perfeita beleza.

Vos decoro, meu Irmão, com esta Fita Branca e Preta,


Emblema da Inocência, Fidelidade e Prudência. Nesta chave deveis ver um
símbolo que vos recomenda ser muito circunspecto em vossas palavras e
observar o silêncio e a reserva que deve distinguir os Mestres Secretos. O
avental branco e as luvas da mesma cor são Emblemas da Pureza dos Mestres
Secretos.

(Neste momento se aproveita para dar qualquer outra


instrução ou explicação que não tenha sido dada)

Pelo novo posto a que vos elevamos, conferindo-vos o Grau


de Mestre Secreto, sois desde este momento um dos guardiões do Sanctum
Sanctorum e pertenceis ao Número dos Sete. O olho que vedes em vosso
avental, vos recorda o dever de velar sobre os Sagrados Tesouros que vos
foram confiados, não menos que sobre a conduta de todos vossos Irmãos, não
esquecendo que o Olho do Senhor não abandona aos que o temem.

QUESTIONÁRIO

P – Sois Mestre Secreto?


R – Tenho a honra de haver sido recebido e reconhecido como tal.

P – Como fostes recebido Mestre Secreto?


R – Passando do Esquadro ao Compasso e também por debaixo do Louro e da
Oliveira.

P – Em que lugar fostes recebido?


R – No Sanctum Sanctorum.

P – Quem vos recebeu?


R – Salomão e Adonhiram, o Inspetor dos trabalhos.

P – Que vistes ao entrar no Sanctum Sanctorum?


R – Um Delta brilhante que continha os caracteres “Jota, Alfa e Omega”, do
qual pendiam nove vigas de Shekinah, Emblema dos atributos do Grande
Arquiteto.

P – Dizei-me, o que significam os caracteres do Delta?


R – São os caracteres que foram adotados pelos Maçons da Antigüidade como
Emblema do Grande Arquiteto do Universo, em substituição ao Nome
Verdadeiro e Inefável do Senhor, o qual por Lei Moisés estava proibido de
pronunciar, perdendo-se por tal motivo sua verdadeira pronunciação.

P – É certo, Querido Irmão, que a verdadeira pronunciação se perdeu, menos


para os Grandes Eleitos Perfeitos e Secretos Maçons, a qual conhecereis
algum dia, como recompensa por vossas virtudes e zelo no cumprimento de
vossas obrigações. Quais são os nomes que Deus se deu no Monte Horeb
quando falou com Moisés e lhe predisse que seu verdadeiro nome seria
revelado aos descendentes daquele patriarca?
R – Adonai, Supremo Senhor; Elohim, Supremo Juiz; Shaday, Onipotente;
Iseabaut, Senhor de Sacrifícios; Gnizus, o Maior em Dignidade; Gibour, Força;
Echad, Somente Um; dos quais se formam 888 palavras e 72 nomes, e como o
Nome Inefável, se encontram nos Mistérios da Cabala e no Alfabeto Angélico.

P – Presumo, meu Irmão, que desconheceis esta parte dos Mistérios, a qual
vos será explicada quando chegares à perfeição. Como concluímos com o
Delta e seus respeitáveis caracteres, podeis dizer-me qual é o sentido do
círculo que o rodeia?
R – Representa Maçonicamente, como todo círculo, a imensidão do poder de
Deus, o qual não tem princípio nem fim.

P – Que mais haveis visto no Sanctum Sanctorum?


R – Um círculo luminoso que encerra uma estrela resplandecente de 5 raios
com a letra A.

P – O que representa esta letra?


R – Um dos nomes do Grande Arquiteto da Luz, o verdadeiro Deus, a quem os
Maçons reverenciam.

P – Que representam os 5 raios da estrela resplandecente?


R – As 5 Ordens de Arquitetura que adornam o Templo, e os 5 Sentidos, sem
os quais o Homem não pode ser perfeito.
P – Que mais haveis visto no Sanctum Sanctorum?
R – A Arca da Aliança e os Candelabros de ouro de 7 braços, cada um dos
quais sustenta uma Luz e uma Tábua.
(Êxodo 25, V. 10, 23, 31)

P – E donde vistes colocada a Arca da Aliança?


R – No meio do Sanctum Sanctorum, debaixo da Estrela resplandecente e à
sombra das asas do Querubim.

P – Que representa a Arca da Aliança?


R – A Aliança que Deus fez com a Humanidade.

P – Que forma tinha a Arca?


R – A de um paralelogramo.

P – Quais eram suas dimensões?


R – Dois côvados e meio de longitude, um côvado e meio de latitude, e igual
profundidade.

P – De que material era feita a Arca?


R – De shitlin, coberta de placas de ouro por dentro e por fora, e adornada com
uma coroa de ouro que estava sustentada por dois Querubins do mesmo metal.

P – Que nome tinha o lugar onde estava a Arca?


R – Propiciatório, porque nele se congregavam aqueles que desejavam aplacar
a ira do Senhor.

P – Que continha a Arca?


R – O testemunho que Deus deu a Moisés, ou seja, as Tábuas da Lei.

P – Que continham essas Tábuas e de que material foram feitas?


R – Continham o decálogo em caracteres e eram de mármore branco.

P – Que ensinavam estes Mandamentos e como estavam dispostos nas


Tábuas?
R – A primeira Tábua continha quatro obrigações do Homem para com Deus, e
a segunda, as seis restantes que devem observar os Homens reciprocamente.

P – Que distinção se fez entre os Mandamentos destas Tábuas?


R – Chamaram os Quatro primeiros preceitos da primeira Tábua de Leis
Divinas, e os preceitos restantes de Leis Morais.

P – Para que servia a mesa?


R – Para por os doze pães de farinha fermentada que devem estar sempre na
presença da Divindade, segundo se havia ordenado a Moisés.
P- De que eram feitos os pães?
R – Da mais pura e fina farinha.

P – Como estavam colocados?


R – 6 à direita e 6 à esquerda, formando filas.

P – Que havia em cima?


R – Um luzente ______________, sempre cheio de incenso.

P – Com que objetivo?


R – Para recordar o voto feito a Deus.

P – Qual é o nome do Sanctum Sanctorum?


R – Dabir.

P – Qual é o significado desta palavra?


R – Declaração ou Revelação de preceitos.

P – Por que?
R – Porque era o lugar donde residia a Divindade e no qual entregou os
Mandamentos a Moisés.

P – Quem construiu a Arca?


R – Moisés, com a ajuda e por ordem de Deus. Com tal desígnio, escolheu
Beseleel da Tribo de Judá, filho de Uri e de Miriam, irmã de Moisés, e a Oliab,
filho de Achisamech, da Tribo de Dan, o mais entendido do povo. A Arca foi
feita conforme o modelo que Deus encarregou a Moisés, quem aliás, instruiu os
Obreiros quanto ao número e forma dos Vasos Sagrados que deviam ser feitos
e colocados no Tabernáculo, para que servissem para os sacrifícios.

P – A que fazia referência o candelabro de sete braços?


R – Aos sete dias que o Grande Arquiteto do Universo necessitou para fazer a
Terra, e também aos Sete Planetas.

P – De quantas partes constavam estes?


R – De setenta.

P – Por que?
R – Faziam alusão assim ao Decanai, as setenta divisões dos planetas.

P – Que representa o Olho na porta do Templo?


R – O Olho do Grande Arquiteto do Universo, a quem estão consagrados
nossos trabalhos e a cuja inspeção estão submetidas nossas ações.

P – Por onde subiam à Galeria do Templo?


R – Por uma escada em forma de caracol, que constava de 3, 5 e 7 degraus,
colocados do lado do Norte.
P – Qual era o nome dessa escada?
R – Espiral, que quer dizer em forma de ______________.

P – Quantas portas tinha o Sanctum Sanctorum?


R – Só uma ao Leste, que se chamava Zizo, e estava coberta de ouro, púrpura,
jacinto e azul claro.

P – Que representavam estas cores?


R – Os quatro elementos.

P – Que idade tendes?


R – 3 vezes 27, ou 81 anos.

P – Qual é a palavra de passe?


R – ZIZA – ZIZON.

P – Como é que a Maçonaria que, originalmente, consistia de sete graus, tem


hoje noventa e cinco graus?
R – É verdade que a Maçonaria era composta de sete graus, mas no estado
atual de nossos hábitos, não é possível que nossas Lojas sejam constituídas
de tal forma, já que todos seus membros, sem exceção, devem ter o
conhecimento completo da Maçonaria como está exemplificado no sétimo grau,
e para isso seria necessário restabelecer o noviciado, e insistir na mesma
demora e precauções entre um grau e outro, como era feito na Antigüidade. As
atuais condições sociais são opostas a este processo regular o qual é o único
racional; a Maçonaria teve, então, que encontrar refúgio nos altos graus.

TVP – Meu Irmão, estou satisfeito com a regularidade de suas respostas, e


conheço por elas o zelo com que atendeis aos deveres de vossa Loja,
enriquecendo-vos com os frutos de nossos Sublimes Mistérios. Me alegra
comprovar que vosso mérito e perseverança vos fará digno de merecer outros
conhecimentos mais, recebendo os graus da perfeição, em que serão
premiados todos os vossos trabalhos.

HISTÓRIA

Este grau foi criado por Salomão após a conclusão do Templo,


ou pouco depois. Escolheu sete dos mais dignos e expertos entre os Irmãos e
os nomeou Guardas do Sanctum Sanctorum e das Jóias Sagradas do Templo.
Receberam o nome de Mestres Secretos e a seu devido tempo foram elevados
a Graus Superiores, e outros colocados em seus lugares.
O Ritual deste Grau contém detalhes interessantes sobre o
sentido Místico das Jóias e Ornamentos Sagrados do Sanctum Sanctorum. As
Cerimônias de Iniciação são muito solenes e expressivas, e formam uma bela
introdução à série dos Graus Inefáveis.
O Grande Nome de Deus, o Nome Impronunciável, era um
dos Mistérios do interior do Templo, existindo algumas dúvidas a respeito de
sua pronúncia.
Somente o Grande Sacerdote podia pronunciá-lo uma vez ao
ano, no dia da expiação, que era o décimo dia da lua de Thischri, fazendo os
levitas grande ruído para que a multidão não o ouvisse. Este nome é o que o
Senhor se deu falando a Moisés no Monte Horeb.
Enoc, filho de Seth, filho de Adão, foi o primeiro que, segundo
as Escrituras, invocou a Deus chamando-o pelo Seu nome.

Este Ritual foi produzido para uso exclusivo em sessões do Grau 4, do Rito
Antigo e Primitivo de Memphis e Misraim, e estará sob a guarda do Ir
_____________________________________,