Você está na página 1de 28

HIDRAULICA

NTRODUÇÃO À HIDRÁULICA
Conceitos de Física

Força = É a causa que produz uma direção de mudança de


velocidade

Pressão = É a força exercida em uma determinada área

Trabalho = É a força necessária para mover um elemento


em um distância determinada

Fluxo = é o movimento do líquido

Fluxo = É volume deslocado em uma unidade de tempo

Área = É a superfície longa X larga

Volume = uma área por altura

O uso de controles hidráulicos é generalizado em todos os ramos


da indústria, isso nos permite trazer energia através de diferentes
circuitos com a perda mínima, em lugares remotos de difícil
acesso
Uma definição de hidráulica é ": O USO DE LÍQUIDOS PARA
REALIZE UM TRABALHO "
No caso da Caterpillar em equipamentos de terraplenagem

FORMA BÁSICA DE UM SISTEMA HIDRÁULICO

A figura mostra um diagrama de um sistema hidráulico básico


Nós agimos com força sobre o êmbolo de uma bomba simples. A força
dividido pela superfície nos dá a pressão (P = F / A)
Quanto mais ele empurra o êmbolo, maior a força,
mas a pressão aumentará, o que age na superfície e pode elevar o
carga (F = P x A)
Se a carga pertence constante, a pressão não aumentará mais, a pressão
sempre acomoda a resistência que se opõe ao fluxo
Do líquido.
A carga só pode ser movida se a pressão necessária for atingida.
A velocidade com que a carga se move depende apenas do fluxo que é
suprimentos para o cilindro. Na figura, implica que quanto mais rápido
deslocado ele mergulha mais é o fluxo maior é o fluxo
que atinge o maior cilindro é a velocidade
Na prática, no entanto, este sistema tem que ser completado
Com elementos adicionais. É necessário introduzir dispositivos que
influência, por exemplo, a direção de deslocamento do cilindro,
velocidade e pressão que o sistema pode suportar.

PRINCÍPIOS DA ENERGIA HIDRÁULICA

Para um estudo detalhado sobre o movimento de fluidos pressurizados em


gasoduto, seria necessário um tratamento minucioso e completo. O presente
O trabalho destina-se apenas a ajudar a compreender o funcionamento de
circuitos oleodinâmicos limitados a lembrar alguns fundamentos

MAGNITUDES FUNDAMENTAIS

Definições e reduções do sistema internacional de Unidades ISO


Uma massa (no sentido de quantidade de matéria) de 1 kg produz no
aterrar uma força de 1 kg.

De acordo com a lei de Newton:

F=Mxa
Força = Massa x Aceleração
Kg. m/S2

De acordo com o sistema antigo, a aceleração da gravidade foi usada como


aceleração

F=mxg
1kp = 1 Kg. X 9,81 m / s2 = 9,81 Kg. X m / s2

de acordo com o sistema SI, a força é expressa em Newton (N)


1N = 1Kg x 1m / s2 = 1 Kg. X m/ s2 então e:
1Kp = 9,81 N
HIDROTÉSTICO

PRESSÃO HIDROTÉSTICA
Uma coluna de líquido exerce, pelo seu próprio peso
, Uma pressão sobre uma superfície na qual ela atua. A pressão é uma
função de a coluna de acordo com a altura da coluna (h), a densidade (&) e
de aceleração da gravidade (g)

Pressão = h x & x g

Se você pegar contêineres de diferentes formas e preencher com o mesmo


líquido, a pressão será função apenas da altura

P1 = P2 = P3, A1 = A2 = A3 A FORÇA RESULTANTE

F1 = F2 = F3
PRESSÃO PARA FORÇAS EXTERNAS (DIREITO PASCAL)
ma força externa F atua sobre uma superfície A, é produzida nela
líquido uma pressão
A pressão é uma função da magnitude da força perpendicular à asa
superfície
P=F/A

A PRESSÃO É DISTRIBUÍDA UNIFORMAMENTE EM TODOS


OS SENTIDOS SÃO OS MESMOS EM TODOS OS LADOS

Isto ocorre negligenciando a pressão do peso do líquido que deve ser


adicionado em funsion altura
Essa pressão, em relação às pressões com que trabalham no
hidráulica, pode ser desprezado; por exemplo:

10m de coluna de água = 1 bar


TRANSMISSÃO HIDRÁULICA DE FORÇA

Como a pressão é distribuída uniformemente no líquido, a forma do navio não tem


influência. Ser capaz de analisar a pressão resultante da ação de uma força externo
tomamos como exemplo o sistema mostrado na figura

Se agirmos com a força F1 na Superfície A1, produzimos a pressão:

P = F1 / A1

A pressão P age uniformemente em todo o líquido, isto é, também


na superfície A2. A força pode ser obtida (compatível com um
carga para levantar) é:

F2 = P x A2
Então F1 / A1 = F2 / A2 ou F2 / F1 = A2 / A1
As forças são diretamente proporcionais às superfícies.

Nestes sistemas a pressão é sempre em relação à carga


atuando e a superfície solicitada. Isso equivale a dizer que a pressão
aumenta até você superar a carga oposta. A carga pode ser
levantada apenas se a pressão produzida pela força F1 e pela superfície A1
for
alto o suficiente (o atrito não é levado em conta)
Os espaços S1 e S2 viajando através dos pistões são em relação
Inverso às suas superfícies:

S1 / S2 = A2 / A1
O trabalho do êmbolo 1 é igual ao trabalho do êmbolo 2

W1 = F1 x S1
W2 = F2 x S2

PRINCÍPIO DA TRANSMISSÃO DE PRESSÃO

Dois pistões de tamanhos diferentes são unidos por uma barra. Se no


superfície A1 a pressão P1 atua, você começa em grande êmbolo
força F1.é transmitida para a barra para o pequeno êmbolo e atua sobre o
superfície A2 produzindo uma pressão P2

Sem levar em conta o raciocínio:

F1 = F2 = F

P1 x A1 = P2 x A2

Então P1 x A1 = F1
P2 x A2 = F2

Ó P1 / P2 = A2 / A1

Em conclusão, a pressão é inversamente proporcional à superfície


HIDRODINAMICA

Equação de fluxo

Se um líquido fluir através de um tubo de seção variável, o volume que


passa por unidade de tempo é o mesmo, independente da seção

Taxa de fluxo varia

Vazão Q = V / t

Q = fluxo
V = volume

T = tempo
A = superfície
S = espaço

V=AxS
Substituindo Q = A x S / t
O espaço S no tempo é = velocidade v = S / t

Nós obtemos Q = A x v

Equação de continuidade

A1 x v1 A2 x v2 Q1 = Q2

Equação de energia de Bernoulli

Esta equação nos diz que em um fluxo a energia permanece constante


contanto que não haja troca com o exterior

A energia total é composta por:

Potencial de energia = posição de energia em função da altura do


coluna do fluido. Energia de pressão (pressão estática)
a energia Cinemática = energia do movimento em função da velocidade
do fluxo de pressão dinâmica

Equação de Bernoulli

g xh + P / e + v2 / 2 = cte.

A relação com a energia de pressão é:

Pt = Pst + e + g x h + e / 2 x v2

Pt = pressão total

Pst = pressão estática

& x g x h = pressão da coluna de fluido

& 2 x v2 = pressão dinâmica

Observando a equação de continuidade e energia, podemos deduzir:

Quando a seção da passagem diminui, a velocidade aumenta e assim


tanta energia cinética também aumenta

Como a energia total permanece constante, é necessário que eles reduzam


a energia de posição ou energia de pressão ou ambos

A energia de posição varia de maneira insignificante nesses casos.


Portanto, você tem que variar a pressão estática; varia dependendo do
pressão dinâmica e isso é tanto uma função de velocidade

Em uma instalação hidráulica, a energia de pressão é importante estática). a


energia de posição e a energia cinética são muito pequenas e eles desprezam

Perda de energia por fricção


Quando é líquido em repouso, as pressões são as mesmas antes, durante e
depois de um estrangulamento; eles são os mesmos ao longo de todo o
pipeline Se um líquido flui em um sistema em um sistema, o calor é produzido
pelo fricção e energia são perdidas na forma de energia térmica; significando
isso perda de pressão (figura anterior) A energia hidráulica não pode ser
transmitida sem perdas. As perdas para fricção dependem Comprimento do
tubo Aspereza do tubo Número de curvas e curvas Seção do tubo Velocidade
de fluxo

Tipos de fluxos

Os fluxos laminares

No fluxo laminar, as partículas do líquido se movem formando camadas


que deslize ordenadamente até uma certa velocidade não há
interferência entre as partículas não influenciam o movimento
Fluxo turbulento

Se a velocidade aumenta e a seção da passagem não muda, a forma muda


do fluxo. Torna-se turbulento e rodopiante e as partículas não deslizam
ordenadamente em um sentido, mas eles interferem e influenciam a sua
movimento A velocidade na qual o fluxo é desordenado é chamada
"Velocidade crítica"

Número de Reynold

O tipo de fluxo pode ser determinado com o número de Reynold

Re = v x Dh / V "adimencional

V = velocidade

Dh = diâmetro interno do tubo

Dh = 4x A / U A = área U = perímetro

V "= viscosidade cinemática (m2 / S)

Re crítico = 2300

Este valor é válido para tubos redondos lisos

Com o número crítico de Reynold, o fluxo muda de laminar para turbulento ou vice-
versa D menor que

Re criticou o fluxo laminar Re May que

Re criticou o fluxo turbulento

PRESSÃO DE ALIVIO

Quando um cilindro hidráulico o interrompe para uma carga


excessiva ou quando
chega ao final da corrida, a pressão do circuito pode aumentar
momentaneamente antes que a válvula de alívio comece a liberar a
pressão
Como resultado, há um aumento exagerado na pressão do sistema.
maior que a pressão de alívio da válvula de alívio
Isso eu sei "a pressão do surf"
Esta pressão de onda produz geração de cavitação e aumento de temperatura

Causas A
Parada abrupta da válvula de controle Movimentos bruscos de válvulas de controle

Componentes dos circuitos hidráulicos

Lagoa = Armazene o líquido, dissipe o calor


Eles podem ser abertos ou pressurizados

Condutas = Linhas que transportam líquido podem ser flexível ou rígido

Bomba = Permite acionar o líquido, transformar o energia mecânica em energia


hidráulica Eles podem ser, paletes, pistões, engrenagens, centrífugas

Válvulas = Controlar a direção do fluxo, pressão e vazão

Atuadores = Permitir que o trabalho transforme a energia hidráulico em energia


mecânica, motores, cilindros

TANQUE

Partes principais de uma lagoa


1. - Grelha de enchimento, 2. - Filtro de retorno 3. - Visor de vidro, 4. - Saída da bomba
5. - Ficha Magnético 6. - Retorno 7. - Defletor 8. - Válvula de Alívio 9. - Ventilação

MANGUEIRAS

As mangueira são responsáveis pelo transporte de líquidos de um local para


outro, eles podem ser rígidos como canos e flexíveis como mangueiras;
estes últimos têm materiais diferentes dependendo do tipo de líquido e
pressões que devem perdurar

Tubulação

Tubulação

Bombas
Existem diferentes tipos de bombas

Bomba de engrenagem,

Características Estas bombas são baratas, aceitam impurezas


deslocamento fixo e positivo
Bombas de paletes

Características Estas bombas são de baixa poluição sonora,


Seja auto-ajustável pelo desgaste, não aceite grandes pressões,
deslocamento fixo e positivo

Bombas de pistão

Características estas bombas não aceitam impurezas, são altas Pressões, são
deslocamento positivo, fluxo fixo ou variável
Bombas centrifugas

Características Estas bombas são de baixa pressão,


deslocamento não positivo

ACUMULADORES

Existem três tipos de acumuladores, carregados por peso e molas a gás

Resorte Gas Peso

Válvulas

As válvulas são identificadas em três categorias, em reguladores de


pressão, direções e reguladores de fluxo

Válvula de alívio principal

São válvulas que limitam a pressão máxima em um sistema


estes podem ser pilotados ou não
Válvula de alívio de linha

Eles são semelhantes às principais válvulas de alívio, mas são geralmente ajustado
para um valor maior que o alívio principal permitindo-lhes abrir por golpes externos,
quando a válvula as direções são mantidas fechadas Às vezes também os achamos
ajustados para diminuir pressão e são encontrados em certos sistemas onde vamos
proteger o implemento

Válvula de alívio modulada


Esta válvula permite um aumento gradual da pressão através do
o tempo dado pelo furo restritor é usado no controle
hidráulico de algumas transmissões
Válvula de redução
São válvulas que reduzem a pressão para certos
sistemas, reduza a pressão após a válvula

Válvula diferencial

É uma válvula que mantém uma diferença de pressão entre um circuito e outro o valor
da diferença de pressão depende tensão da mola

Válvulas carretel
As válvulas de carretel permitem fluxo direcional para diferentes
circuitos, são cilindros de diferentes diâmetros usinados em
um eixo,
Ranhuras de regulagem

estes podem ter entalhes longitudinais que permitem que você tenha melhor controle
sobre o implemento Os slots de regulação permitem a passagem do fluxo gradual e
não abruptamente, sem impacto

Ranhuras no corpo do cilindro


As ranhuras no corpo do cilindro permitem manter o
lubrificação e centre as bobinas

Válvula unidirecional (verificação)

São válvulas que permitem o fluxo em apenas uma direção


Válvula de retenção dupla
É uma válvula que permite o fluxo de dois circuitos e esse circuito
quem está sob mais pressão vai para o sistema principal

Válvula reguladora de fluxo


Esta válvula permite regular o fluxo em dois circuitos, este
Consiste em um orifício restritor e uma válvula de descarga, o
orifício regula o fluxo
0rificio

Orifícios

Válvulas em paralelo
Neste tipo de válvulas são dispostas em paralelo e todo o
bobinas podem operar de forma independente para isso
configuração é chamada em paralelo
Válvulas
Válvulas em série
Neste sistema os implementos não podem ser movidos todos
mesmo tempo um terá domínio sobre o outro

Séries gráficas e sistemas paralelos

SISTEMA HIDRÁULICO ISO


A representação ISO (Organização sabe International Standard)
permite internacionalizar a representação de válvulas e
Ole hidráulica e componentes do sistema de ar que são muito
semelhante
Símbolos gráficos podem ser usados
• Uso de uma linguagem comum
• Explique a operação e operação
• Solução de problemas e serviço
Os símbolos gráficos não indicam
• posição do atuador
• Localização das luminárias
• Mudança de posição das válvulas
NOMENCLATURA DAS CORES

Condutas
Canos, canos e mangueiras

União e cruzamentos de ondulações


Símbolos Básicos

PNEUMÁTICO

Símbolos auxiliaras

VARIÁVEL

MOLA

Símbolos de controles manuais

PLACA MANUAL BOTÃO

SOLENOIDE MOLA
Controles hidráulicos

ATUAÇÃO HIDRÁULICA

Condicionadores de fluidos

AQUECEDOR RESFRIADOR

Cilindros

EFEITO SIMPLES DUPLO EFEITO

DUPLO ESTAGIO
Bombas

BOMBA FIXA BOMBA


VARIAVEL

Motores

MOTOR
VARIAVEL

Válvulas

Válvulas de alivio
Válvula redutora

Válvula diferencial

Válvula unidirecional

A válvula de compensação é igual a uma válvula unidirecional com a


diferença que tem uma mola de baixa voltagem (2 Psi aprox.)
E uma área exposta na parte de retorno, permite que o óleo
de retorno fornecido por falta de óleo, (efeito de seringa;
nome em maquiagem inglesa)

Válvula de alívio de linha


A válvula de alívio de linha é uma combinação entre
válvula de alívio e um compensador
Válvula de lógica de foguete

BAIXO

Sistema de carga de feltro e pressão compensada


Carga de Sentido
Definição (L.S.)

É UM SISTEMA DE CONTROLE ONDE A PRESSÃO AO


A BOMBA SAÍDA CONTINUA NA PRESSÃO
NECESSÁRIO E DETERMINADO PELA CARGA
Sistema de pressão compensada

Definição (P.C.)

É UM SISTEMA DE CONTROLE EM QUE MANTEM UM


VELOCIDADE DO IMPLEMENTO A UMA VELOCIDADE
CONSTANTE PARA UMA POSIÇÃO DE ALAVANCA

Estes dois sistemas de controle podem ser aplicados juntos


como separado
ALIMENTAÇÃO DE CARGA / PRESSÃO COMPENSADA
HIDRÁULICO (LS / PC)

&
COMPENSAÇÃO HIDRÁULICA DA PRIORIDADE
PRESSÃO PROPORCIONAL (PPPC
SISTEMA BASICO

BOMBA
DESLOCAMENTO
FIXO

CENTRO ABERTO
VÁLVULA DE ALÍVIO

VALVULA DE CONTROL
DE FLUXO
VÁLVULA REDUTOR
PRESSÃO
SISTEMA DE CONTROLE DE FLUXO
COMPENSADO

PASSAGEM
SINAL

Válvula redutora
de pessão

Duplo check de
válvula
Controle da
válvula principal

PRESSÃO COMPENSADAQ

Interesses relacionados