Você está na página 1de 202

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

CENTRO DE EDUCAÇÃO
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO
DOUTORADO EM EDUCAÇÃO

A NARRATIVA ORAL LITERÁRIA NA EDUCAÇÃO


INFANTIL: QUEM CONTA UM CONTO AUMENTA UM
PONTO

ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO


ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO

A NARRATIVA ORAL LITERÁRIA NA EDUCAÇÃO


INFANTIL: QUEM CONTA UM CONTO AUMENTA
UM PONTO

Tese apresentada ao programa de Pós-


graduação em Educação da Universidade
Federal de Pernambuco, como requisito
parcial para obtenção do grau de Doutor em
Educação.

Orientadora: Profª. Drª. Maria Isabel Patrício de Carvalho Pedrosa

Recife
2009
Araújo, Ana Nery Barbosa de
A narrativa oral literária na educação infantil: quem
conta um conto aumenta um ponto/ Ana Nery Barbosa
de Araújo. – Recife : O Autor, 2009.
201 f. : il.

Tese (Doutorado) – Universidade Federal de


Pernambuco. CE. Educação, 2009.
Inclui apêndices e anexos

1. Educação de crianças. 2. Narrativa oral literária.


3. Interação social. I. Título.

37 CDU (2.ed.) UFPE


372.21 CDD (22.ed.) CE2010-06
DEDICATÓRIA

A Maria Eugênia, que me leva diariamente de volta aos


caminhos mágicos do faz de conta, pedindo sempre: mãe, conta
uma “história de boca”, em referência às histórias contadas
oralmente. Seus olhos ávidos de fantasia, sua expressão ora de
alegria, ora de suspense, de pena, medo ou êxtase, sempre
acompanham a trama narrada, o que invariavelmente a leva a
dizer: mãe que tal a gente mudar a história? Com ela aprendo
que na vida, como nos contos, podemos sempre aumentar um
ponto.
AGRADECIMENTOS

Agradeço primeiramente às crianças que fizeram parte dessa pesquisa; estar com elas foi
um privilégio, uma alegria. Observar o encantamento diante das histórias, o prazer que
sentiram nos momentos em que recontavam e incorporavam os personagens foi muito
gratificante, pois o sentido do contar histórias se realiza no outro, na criança que ouve e se
encanta.

A minha orientadora, Isabel Pedrosa, querida Bel, que mantém dentro de si um olhar de
criança, um espaço para o lúdico, que alimentam sua sensibilidade para orientar. Com ela
aprendi tanta coisa... Observar, analisar, argumentar, mas principalmente interagir. Sua
capacidade de estar com o outro é ímpar, sempre considerando o que este tem para lhe
dizer. A ela, minha reverência e admiração.

A toda equipe do CMEI, que abriu as portas da instituição para a realização desta
pesquisa.

À querida professora Eliana Borges, que contribuiu em várias etapas de minha formação
no doutorado: na sala de aula, na banca de qualificação, nos encontros de formação do
CEEL, tendo sempre uma atitude disponível para apontar caminhos, com uma
generosidade que lhe é peculiar.

Agradeço à professora Ester Calland as contribuições para o aprofundamento desta


pesquisa, colocadas de forma firme e ao mesmo tempo delicada, expressando nessa atitude
sua forma de pensar e principalmente ser. Sinto que ela também é contaminada pelas
histórias de encantamento.

Agradeço aos professores Ana Maria Almeida Carvalho e Pedro Oliveira Filho, pelo
empenho dedicado à leitura e avaliação desta tese.

Aos professores do Doutorado do Programa de Pós-graduação em Educação da UFPE, por


me proporcionarem momentos de aprendizagem que refletiram num enriquecimento
pessoal e profissional. Em especial, aos professores Artur Morais, Ferdinand Röhr, Eliana
Borges, José Batista e Márcia Melo.

À professora Jaileila Menezes, cuja prática docente é inspiradora para mim, agradeço os
ensinamentos na disciplina de Interação Social e Desenvolvimento Humano, e a
delicadeza de suas palavras nos momentos de exposição da temática desta pesquisa nas
suas aulas.

À equipe do Labint (Laboratório de Interação Social Humana), Juliana, Pedro, Tacyana,


Mayara, Melina, Heitor, Maria Eduarda, Roseane, Vanessa e Sayonara, pelos momentos
partilhados na creche, durante nossa coleta, no grupo de estudos e conversas. Àqueles que
participaram ativamente da coleta de dados desta pesquisa, Juliana (Juju), Pedro Lira e
Pedro Figueiredo, um agradecimento ainda mais especial: vocês são parte dos resultados
desta tese.
A Tacyana Ramos e Lucinha Caraúbas, mais que colegas de doutorado, parceiras nos
estudos, nas orientações, agradeço o apoio e a confiança na concretização deste trabalho.

Agradeço à minha família, presença constante em todos os meus passos. Minha mãe, uma
fortaleza que me ensinou desde cedo a sempre seguir em frente. Minhas irmãs, sempre
disponíveis; Christiany, atenta observadora e incentivadora nos momentos difíceis;
Christina, meu apoio direto na tese, corrigindo, formatando, dando sugestões,
disponibilidade a qualquer hora. Minhas sobrinhas, Natália e Katharina, expressão da vida
que pulsa e prossegue.

Em memória, agradeço ao meu pai, por sua determinação e empenho em viabilizar uma
formação profissional que me possibilitasse seguir a vida com minhas próprias pernas.

Em memória, agradeço ao meu avô Ageu, por me introduzir no mundo da fantasia, nas
histórias de assombração contadas à noite, quando tínhamos apenas a luz da lua e das
estrelas, e sua voz mansa, suave, cheia de mistérios a revelar.

Aos meus amigos, Hilda Carvalho, Márcia Pessoa e Marcelo Sena, agradeço a
disponibilidade para me ouvir e incentivar a enfrentar os desafios que surgiram ao longo
dessa trajetória. Especialmente Márcia, por me contagiar com seu otimismo e me iluminar
com sua serenidade.

A minha querida Luciana Pimentel (Lulu), parceira de vida, de trabalho, uma irmã de
coração. Sou sua fã e você sempre é um modelo de perseverança pra mim. Obrigada pela
lealdade em todos esses anos de amizade e pelo apoio incondicional, sempre disponível
para arregaçar as mangas e me ajudar.

Minhas amigas Silvana Griz e Karina Advíncula, cada uma a sua maneira contribuíram
nesta realização. Silvana quando me dizia repetidamente: você tem que acabar o
doutorado logo. Por mais difícil que fosse ouvir essa afirmação, essa urgência, de alguma
forma ela me impulsionou para seguir em frente e acabar. Karina, quando dizia palavras
que massageavam meu Ego me dando mais confiança.

Meu agradecimento também a Lúcia Elena, amiga sempre presente na minha vida,
parceira nos cursos de formação em contadores de histórias ao longo desses últimos 10
anos. Sua atitude sempre questionadora, reflexiva, atenta à delicadeza do ato de narrar,
inspiraram-me a pesquisar essa temática e descobrir novos caminhos de trabalho.

Muitos outros amigos, mesmo que de forma indireta, contribuíram para a realização desta
tese. Simples gestos, algumas palavras, sorriso ou abraço que representavam a alegria do
compartilhar, do querer bem. Meu agradecimento a Patrícia Balata, Regina Papaléo,
Cristiana Monteiro, Vilma Pastor, Cláudia Marina, Jamile Vasconcelos, Daniele Cunha,
Cláudia Rejane, Abraham Sicsu, Juliane Salgueiro.

Em especial agradeço a Fernando Dubeux, presente nos fios fundamentais da minha


história, que tem a firmeza e a delicadeza dos sábios, e que sempre me ajudou a enfrentar
as turbulências da vida. Ele nunca me deixa esquecer que navegar é preciso!
Contar histórias sempre foi a arte de contá-las de novo.
E ela se perde quando as histórias não são mais
conservadas. Ela se perde porque ninguém mais fia ou
tece enquanto ouve uma história. Quanto mais o ouvinte
se esquece de si mesmo, mais profundamente se grava
nele o que é ouvido (...) ele escuta as histórias de tal
maneira que adquire espontaneamente o dom de narrá-
las. Assim, se teceu a rede em que está guardado o dom
narrativo. E assim essa rede se desfaz hoje por todos os
lados, depois de ter sido tecida há milênios, em torno
das mais antigas formas de trabalho manual (Benjamin,
1993).
RESUMO
A presença da literatura sob a forma de narrativas orais, mesmo considerando o fascínio
que estas geram nas crianças, ainda não tem presença marcante na Educação Infantil, não
sendo explorada em toda a sua potencialidade. No estudo aqui apresentado procurou-se
articular experiências com narrativas orais, proporcionando deleite e encantamento a um
grupo de crianças. Além disso, buscou-se compreender seu papel enquanto mediadoras do
conhecimento da criança. A tese defendida é a de que a narrativa literária contada
oralmente num contexto instigante e envolvente para a criança, explorando a “palavra
contada” com voz, silêncios e pausas, é um instrumento de atuação docente, favorecedor
do desenvolvimento da narrativa nas crianças a partir da/ e potencializado pela interação
professor/narrador-criança e das crianças entre si. Diante dessas considerações, o objetivo
da presente investigação foi identificar e descrever processos de construção e
desenvolvimento do discurso narrativo literário em crianças a partir de experiência
sociointerativa com contação de histórias. O estudo foi realizado em um Centro de
Educação Infantil (CMEI), da cidade do Recife, com crianças de 5 e 6 anos. As situações
interacionais com histórias contadas oralmente foram registradas em vídeo. Foram
analisados dois momentos: o contar, realizado pelo narrador, e o recontar, realizado pelas
crianças. A partir da observação desses registros, foram selecionados trechos para análise
baseados na identificação dos momentos em que havia indícios de que as crianças
elaboravam os fatos narrados e os conflitos presentes na história, bem como evidências do
processo de desenvolvimento de narração das crianças, expressas a partir de suas
capacidades de narrar, de ouvir, de refletir e de recontar, na perspectiva das
transformações geradas a partir da interação criança-criança e crianças-narradora.
Também foi considerada a postura da narradora enquanto mediadora da contação. A
análise desses recortes conduziu aos seguintes aspectos, considerando os dois momentos.
No CONTAR: (a) o posicionamento diante da história - significados sendo construídos na
interação; (b) a interface entre o real e a fantasia - as experiências das crianças
circunscrevendo os fatos; (c) inferências construídas na interação; e no RECONTAR: (a)
recontar baseado nos fatos mais importantes; (b) o corpo e a incorporação dos personagens
apoiando o recontar; (c) o papel do narrador no recontar; (d) o recontar construído a partir
das negociações e ajustamentos criança-criança e crianças-narrador. Os achados sinalizam
que quando a criança tem uma participação ativa no contar e recontar, percebe-se que há
uma maior adesão à história, expressa nas reflexões e posicionamentos diante do que é
narrado. Discutiu-se a possível repercussão desses achados na prática pedagógica, seja no
reconhecimento da construção das crianças, que se apoiam mutuamente para “re-
significar” suas compreensões sobre fatos narrados, seja no reconhecimento do papel do
educador enquanto mediador nessa construção, a partir de uma intencionalidade
pedagógica. Dentro desse contexto, a narrativa literária torna-se, na educação infantil, uma
ferramenta com função transformadora pelo que possibilita à criança experimentar e
expressar sentimentos, caminhar em mundos distintos no tempo e no espaço, imaginar, a
partir de uma linguagem peculiar, que as desloca para um mundo incomum. Além de
potencializar o imaginário e a expressão lúdica, as narrativas orais literárias são a porta de
entrada para o mundo letrado.

Palavras-chave: narrativa oral literária; narrativa infantil; contar estórias; educação


infantil; interação social.
ABSTRACT

The presence of literature through oral narratives does not yet have a remarkable
significance for childhood education. In spite of taking into consideration the fascination
that it provokes in children, it has not been explored to its full potential. This study tried to
organize experiences with storytelling, providing delight and enchantment to a group of
children. Concurrently it also searched for the understanding of the role of storytelling as a
tool to facilitate children’s knowledge. The thesis that is being defended is that literary
narrative orally presented, within an instigating and involving context for the children,
exploring “storytelling” with voices, silences and pauses, is an instrument for teaching
performance which favours children’s narrative development, promoting and raising
interaction between the narrator-teacher and children, and amongst the children
themselves. The aim of this investigation is to identify and describe the construction and
development of literary narrative speech processes in children, based on social storytelling
interactive experiences. This study was carried out in a Childhood Education Centre
(CMEI), in the city of Recife, with children aged from five to six years. The interactional
situation, when the stories were told, was video recorded. Two moments of the processes
were analyzed: the telling carried out by the narrator, and the re-telling carried out by the
children. Parts of these recorded observations were selected for analysis. Based on these,
moments were identified in which there were indications that the children were
elaborating the narrated facts and conflicts presented in the story. Also when there was
evidence of the development process of narration of the children expressed by their own
capacity to narrate, listen, reflect and re-tell; having in mind the transformation
perspectives generated from the children to children and narrator to children interaction.
Additionally the narrator’s behaviour as a facilitator for the storytelling was taken under
consideration. In consideration of the two moments, the analysis of these parts led us to
the following aspects: While NARRATING there was: (a) positioning on facing the story
– meanings being built by interaction. (b) Interface between reality and fantasy – the
children’s experiences circumscribing the facts. (c) Interferences built by interaction.
While RE-NARRATING there was (a) re-telling based on the most important facts. (b)
Support of body language and assumption of the character’s role in the re-telling. (c)
Assumption of narrator’s role in the re-telling. (d) Re-telling built based on negotiations
and adjustments children to children and children to narrator. The results show that when a
child has active participation in telling and re-telling there is a greater adhesion of the
story, which is expressed in the reflections and positioning taken towards what was
narrated, is realised. Possible repercussions of these results in pedagogical practices were
discussed. The recognition of the children’s mutually supported construction in order to
identify the meaning of their understandings, concerning the narrated facts; and also the
recognition of the educator’s role as a mediator in this construction process, based on
pedagogical purpose. Within this context, literary narratives become a transforming
function tool for childhood education as it allows children to experience and express
feelings, walk through distinct time and space worlds, use their imagination starting from
a peculiar language which moves them into an unordinary world. Furthermore it increases
their imaginary and playful expression potentials. Oral literary narratives are the entrance
gate to the written world.

Key words: oral literary narrative; childhood education; social interaction; childhood
narrative; storytelling
RÉSUMÉ
La présence de la littérature sous la forme des récits oraux, même si on considère la
fascination qu’ils exercent sur les enfants, encore n’a pas une présence marquante dans
l’éducation des enfants, n’étant pas exploitée dans toute ses potentialités. Dans l’étude ici
présenté, on a essayé d’articuler des expériences avec des récits oraux qui ont procuré plaisir
et enchantement à une groupe d’enfants. En plus, on a cherché à comprendre le rôle des récits
comme médiateurs des connaissances de l’enfant. La thèse défendue c’est que le récit oral
littéraire raconté oralement dans un contexte instiguant et émouvante pour l’enfant, en
exploitant la “parole racontée” avec la voix, des silences et des pauses, c’est un instrument
d’action enseignante; favorisant le développement du récit chez les enfants à partir de et
valorisé par l'interaction entre professeur/narrateur et les enfants et des enfants entre eux. En
face de ces considérations, l’objectif de la présente investigation a été d’identifier et décrire
des processus de construction et développement du discours du récit littéraire chez les enfants
à partir des expériences socio-interactives avec de la racontée d’histoires. L’étude a été réalisé
dans un centre d’éducation des enfants (CMEI) de la ville de Recife, avec des enfants de 5 et
6 ans. Les situations de interaction avec des histoires racontées oralement ont été enregistrées
en vidéo. Deux moments ont été analysés: la racontée par le narrateur et la nouvelle racontée
par les enfants. À partir de l’observation de ces enregistrements, des extraits ont été
sélectionnés pour l’analyse, dans lesquels on identifiait des indices d’élaboration des faits
racontés et des conflits présents dans l’histoire; ainsi que des évidences du processus de
développement et spécification des récits des enfants, exprimés à partir de ses capacités de
raconter, d’entendre, de réfléchir, et de raconter de nouveau, dans la perspective des
transformations suscitées à partir de l’interaction des enfants entre eux et entre les enfants et
la narratrice. On a aussi considéré l’attitude de la narratrice comme médiatrice de la racontée.
L’analyse de ces côtés conduit aux aspects suivants, en considérant les deux moments. Dans
la RACONTÉE: (a) la position en face de l’histoire - les signifiés construits dans
l’interaction; (b) l’interface entre le réel et la fantaisie - les expériences des enfants qui
circonscrivent les faits; (c) inférences construites dans l’interaction; et dans la NOUVELLE
RACONTÉE: (a) la nouvelle racontée basée sur les faits les plus importants; (b) le corps et la
personnification des personnages pour aider la racontée; (c) le rôle du narrateur dans la
nouvelle racontée; (d) la nouvelle racontée construite à partir de négociations et ajustements
entre les enfants et entre les enfants et le narrateur. Les résultats indiquent que quand l’enfant
a une participation active dans la racontée et dans la nouvelle racontée, on aperçoit une
adhésion plus forte à l’histoire, présente dans des réflexions et les positions en face du
raconté. On a discuté sur la possible répercussion de ces résultats dans la pratique
pédagogique, soit dans la reconnaissance de la construction des enfants, qui s’appuient
mutuellement pour ressignifier ses compréhensions sur les faits racontés et pour raconter de
nouveau les histoires, soit dans la reconnaissance du rôle de l’éducateur comme médiateur
dans cette construction, à partir d’une intention pédagogique. Dans ce contexte, le récit
littéraire devient dans l’éducation des enfants un outil à fonction transformatrice parce que
permet à l’enfant d’expérimenter et d’exprimer des sentiments, de marcher dans des mondes
différents dans le temps et l’espace, d’imaginer, à partir d’un langage particulier, qui les
déplace et les emmène à un monde inconnu. Les récits oraux littéraires, ainsi que permettent
de favoriser l’imaginaire et l’expression ludique, sont la porte d’entrée au monde des lettres.

Mots-clé: récit oral littéraire; éducation des enfants; interaction sociale; apprentissage; enfant.
LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Pág.
Foto 1. História: A galinha ruiva – contar 78
Foto 2. História: A galinha ruiva – contar 78
Foto 3. História: A galinha ruiva – recontar 79
Foto 4. História: A galinha ruiva – recontar 79
Foto 5. História: A galinha ruiva – recontar 79
Foto 6. História: A galinha ruiva – recontar 79
Foto 7. História: A galinha ruiva – contar 81
Foto 8. História: A galinha ruiva – contar 81
Foto 9. História: A galinha ruiva – contar 83
Foto 10. História: A galinha ruiva – contar 83
Foto 11. História: A galinha ruiva – contar 83
Foto 12. História: A galinha ruiva – contar 83
Foto 13. História: Doroteia, a centopeia – recontar 99
Foto 14. História: Doroteia, a centopeia – recontar 99
Foto 15. História: Doroteia, a centopeia – recontar 99
Foto 16. História: Doroteia, a centopeia – recontar 99
Foto 17. História: Doroteia, a centopeia – recontar 99
Foto 18. História: Doroteia, a centopeia – recontar 99
Foto 19. História: Doroteia, a centopeia – recontar 100
Foto 20. História: Doroteia, a centopéia – recontar 100
Foto 21. História: Os músicos de Breman – recontar 119
Foto 22. História: Os músicos de Breman – recontar 119
Foto 23. História: Os músicos de Breman – recontar 120
Foto 24. História: Os músicos de Breman – recontar 120
Foto 25. História: Os músicos de Breman – recontar 122
Foto 26. História: Os músicos de Breman – recontar 122
Foto 27. História: Jorinda e Joringel – recontar 124
Foto 28. História: Jorinda e Joringel – recontar 124
Foto 29. História: Jorinda e Joringel – recontar 124
Foto 30. História: Jorinda e Joringel – recontar 124

14
SUMÁRIO

Pág.

1 INTRODUÇÃO 14

2 PRIMEIRO CAPÍTULO - ERA UMA VEZ... O UNIVERSO DA INFÂNCIA 22

2. 1 De que universo estamos falando? 22

2. 2 Contando uma história: o lugar da interação no desenvolvimento da criança 25

2. 3 A creche ou pré-escola como contexto de desenvolvimento 41

3 SEGUNDO CAPÍTULO - E POR FALAR EM FAZ DE CONTA... 47

3.1 Um pouco de história 47

3.2 Contando histórias e encantando pelas palavras 50

3.3 O contador de histórias: quem é ele? 52

3.4 As narrativas como uma construção cultural 55

3.5 Narrativas: entre a criança e o mundo 57

3.6 A narrativa oral na interface da educação 66

4 TERCEIRO CAPÍTULO - MÉTODO 72

4.1 O ambiente do estudo 72

4.2 O grupo estudado 74

4.3 Procedimentos da investigação 74

4.3.1 Material e procedimento de coleta 74

4.3.2 Procedimentos da análise 81

5 QUARTO CAPÍTULO - RESULTADOS E DISCUSSÃO - ERA UMA VEZ: uma


83
centopeia, chamada doroteia; uma galinha ruiva muito esperta; um sapo apaixonado e uma
princesa turrona; sete cabritinhos nas garras de um lobo e muito mais...
5.1 O CONTAR 83
83
5.1.1 O início: Encantamento e deleite

15
5.1.2 As histórias começam... 84

a) O posicionamento diante da história: significados sendo construídos na interação


84
b) A interface entre o real e a fantasia, as experiências das crianças circunscrevendo os
88
fatos

c) Inferências construídas na interação 93

5.2 O RECONTAR DAS CRIANÇAS 97

a) O recontar baseado nos fatos mais importantes 101

b) O corpo e a incorporação dos personagens apoiam o recontar


104
c) O papel do narrador no recontar 110
d) O recontar construído a partir das negociações e ajustamentos criança ↔ criança
115
e crianças ↔ narrador
5.3 ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A ANÁLISE 127

6 CONSIDERAÇÕES FINAIS 130

REFERÊNCIAS 133

APÊNDICE 1 - Narrativa oral 1- Doroteia, a centopeia 142

APÊNDICE 2 - Narrativa oral 2 - A galinha ruiva 145

APÊNDICE 3 - Narrativa oral 3 - O Rei Sapo 148

APÊNDICE 4 - Narrativa oral 4 - Os sete cabritinhos e o lobo 152

APÊNDICE 5 - Narrativa oral 5 - Os músicos da cidade de Breman 155

APÊNDICE 6 - Narrativa oral 6 - Jorinda e Joringel 158

APÊNDICE 7 - Recortes usados na análise do contar 161

APÊNDICE 8 - Recortes usados na análise do recontar 174

ANEXO 1 – Autorização do Comitê de Ética para o desenvolvimento do estudo 200


ANEXO 2 – Termo de consentimento livre e esclarecido para participação em projeto de
201
pesquisa

16
INTRODUÇÃO

As narrativas orais são criações populares e de cunho anônimo que surgiram


num momento em que a ênfase era a oralidade e se espalharam devido à memória e à
habilidade dos narradores que, de geração em geração, mantinham a tradição viva. São
histórias que foram vinculadas ao imaginário popular ou à memória coletiva, destinadas a
ouvintes, adultos e crianças, que, como não viviam numa cultura escrita, reuniam-se, à
noite, ao redor de fogueiras ou lareiras, para escutar as histórias. A experiência passada de
pessoa a pessoa era a fonte a que recorriam todos os narradores.
O interesse pela temática Narrativa Oral na Educação Infantil surgiu a partir da
observação de como as histórias, lidas ou contadas exercem um fascínio sobre as crianças.
Surgiu também de alguns questionamentos iniciais: de onde vem esse encantamento? Por
que mobilizam tanto as crianças, sendo muitas vezes utilizadas por professores como
estratégia para “acalmar” e “controlar” as crianças em sala de aula? O que está relacionado
a esse “prazer” de ouvir histórias?
As respostas para essas questões são diversas. As histórias despertam o
imaginário e as emoções da criança, bem como participam da estruturação de sua
personalidade, quando ela reelabora sua história pessoal. É através das histórias que ela
pode descobrir outros lugares, saber de outras maneiras de ser e de agir (ABRAMOVICH,
1991).
Nos momentos de contação, um elo é estabelecido entre criança e história: há
envolvimento emocional, algumas vezes, por meio da identificação com os personagens e,
muitas vezes, da projeção da criança dentro da narrativa. É assim, um envolvimento de
natureza intelectual, emocional e imaginativo construído pelas possibilidades trazidas pela
história: situações de conflito, prazer, raiva, medo, frustração, alegria, etc. O viver essas
possibilidades, temporariamente através do enredo e dos personagens, possibilita a
ampliação das experiências da criança.
O conto de tradição oral, seja ele conto de fada, mito, lenda ou fábula, encanta
por alimentar o imaginário, fazendo ponte com o mundo interior. Ao narrar um conto se
concede ao ouvinte a possibilidade de criar a cena, com elementos, cores, e músicas
(BUSATTO, 2003).
A partir dessas reflexões, surgiram as primeiras questões norteadoras para esse
estudo. A presença da literatura sob a forma de narrativas orais, mesmo considerando o

14
fascínio que geram, ainda não tem lugar marcante na Educação Infantil, melhor dizendo,
não é explorada em toda a sua potencialidade. É possível reconhecer, a partir de diversas
publicações na área de educação – Martins e Versiani (2005); Soares (1999); Zilberman
(1999); Paulino (2005); Dionísio (2005) –, que enquanto o valor insubstituível do livro
literário para crianças é bem reconhecido pela literatura específica, a partir de uma
vinculação à chamada “formação do leitor”, nem sempre isso ocorre com a narrativa oral,
às vezes entendida apenas como passatempo. Como é dito em Martins e Versiani (2005),
com relação ao valor do livro literário, é o pertencimento ao campo do letramento, da
aprendizagem, do próprio desenvolvimento e usos da leitura e escrita que aproximam a
palavra leitura do espaço escolar.
Num trabalho de resgate de lembranças de professores de diferentes gerações
sobre as suas experiências de leitura na escola, Brandão e Leal (2007) encontraram relatos
que referem os momentos de ouvir histórias como raros e sempre vinculados ao final da
aula, na sexta-feira, possivelmente uma estratégia de acalmar a turma. Ficou evidenciado
que a atividade era esporádica na sala de aula e desprovida de intencionalidade
pedagógica.
Essa atitude em relação à literatura em sala de aula, segundo as autoras, está
vinculada à compreensão da Educação Infantil. Até fins da década de 80 do século XX,
havia o predomínio da ideia de que a alfabetização era garantida pela habilidade das
crianças na coordenação motora, o que garantia uma letra bonita e legível, e pela
memorização das associações grafemas e fonemas, ou seja, nesse momento predominavam
concepções e práticas que afastavam a criança do contato com os textos, que contivessem
palavras e conteúdos não previsíveis.
No estudo aqui apresentado, procurou-se entender o uso das narrativas na
Educação Infantil como mediadoras de interações sociais e de conhecimentos. As
narrativas orais literárias potencializam aspectos e saltos qualitativos no desenvolvimento
da criança, ampliando e estendendo as diversas possibilidades de trabalho com a palavra e
a capacidade criadora (imaginação e fantasia) da criança.
A tese defendida nesta pesquisa é que a narrativa literária contada oralmente
num contexto instigante e envolvente para a criança, explorando a “palavra contada” com
voz, silêncios e pausas, é um instrumento de atuação docente na Educação Infantil,
favorecedor do desenvolvimento da narrativa nas crianças a partir da e potencializado pela
interação professor-narrador com as crianças e das crianças entre si. É preciso, entretanto,
garantir a riqueza da vivência narrativa para que ela contribua com o desenvolvimento do

15
pensamento lógico das crianças e também com sua imaginação, que segundo Vygotsky
(1984) andam juntos, estando a imaginação vinculada ao pensamento realista. Esse
distanciamento da realidade imediata – através de uma história, por exemplo –, é
necessário para uma penetração mais profunda na própria realidade.
Reafirmando o lugar e a importância do uso das narrativas, MacIntyre (1981)
refere que precisamos da forma narrativa para entender as ações alheias, visto que as
nossas próprias vidas podem ser entendidas enquanto narrativas que se desenvolvem
gradualmente. Ou seja, o ser humano, na forma como age e se posiciona é essencialmente
um ser narrativo. A criança, ao nascer, inserida neste universo, vai tecendo os fios da
história da cultura aos fios de sua própria experiência, o que contribui para o seu
desenvolvimento.
Sabe-se que o ser humano não é passivo às estimulações do meio. Ao
contrário, estas vão gerando informações e vão sendo transformadas por ele que, ao
mesmo tempo, redireciona seu olhar para as coisas do mundo. As histórias ouvidas na
infância vão se constituindo em pequenos acervos e vão influenciando a posição que a
criança assume diante da vida, principalmente, sua perspectiva escolar, diante de novas
aprendizagens pelas quais vai passando.
Em meio a essas reflexões, surgem novas questões: como as crianças
apreendem as narrativas orais nos momentos de contação de história? Que aspectos as
mobilizam e como elaboram os fatos narrados? Que expectativas são geradas no fluxo de
contação das narrativas? Algo que é compartilhado no grupo repercute na compreensão
individual? Como reagem as crianças diante de conflitos que se evidenciam na trama das
narrativas? De que maneiras as crianças aproveitam e incorporam as interpretações e
expectativas provenientes dos parceiros: (narrador/crianças e criança/criança)? Como as
crianças recontam as histórias ouvidas? Essas questões orientaram a presente investigação
e servem de incentivo para se ultrapassar o contexto atual de uso das narrativas orais na
creche ou pré-escola. Ouvir narrativas e também narrar constitui um momento de
embevecimento, de satisfação e envolve a criança no ato de pensar e imaginar. Coloca-a
no lugar da criatividade, da interlocução, da construção de conhecimentos, da interação
social.
A relevância do presente estudo pode ser evidenciada, em primeiro lugar, pela
rica possibilidade de interações sociais instigadas na contação de narrativas, onde há
confrontos de significações entre os interagentes, imitações, diálogos, aprendizagens
cooperativas, dentre outras.

16
Em segundo lugar, a narrativa oral propicia a entrada no universo da história e
o confronto com o seu próprio universo; permite trazer elementos da história que fazem
sentido para ela. Uma rede de significados vai sendo construída, bem como a formação de
atitudes mais elaboradas de compreensão da realidade. Nessa perspectiva a criança é
concebida como autora de seu desenvolvimento e a professora, como facilitadora desse
processo. É a curiosidade da criança que a torna receptiva a aprendizagens, fortalecendo-a
nas suas possibilidades criativas. Daí as instituições educacionais deverem se voltar para
essa atividade.
Em terceiro lugar, destaca-se que a narrativa oral desperta a curiosidade sobre
os assuntos das histórias, contribui para a organização das ideias e do pensamento, pois
estes usam a fala como meio de expressão, desenvolve significados simbólicos, possibilita
maior domínio da linguagem oral e escrita, bem como a busca de soluções para
dificuldades e problemas interiores; amplia e desenvolve a atenção da criança
(ABRAMOVICH, 1991).
O papel da narrativa também é realçado por Teberosky e Cardoso (1989). Elas
enfatizam que, por meio da narração de contos, as crianças compreendem o fio da
narrativa, a ideia de começo, meio e fim; é possível um paralelo com a narração de suas
próprias histórias, o que facilita a escrita.
A possibilidade de a criança entrar em contato com os fatos organizados da
história também favorece a possibilidade de ampliação de sua capacidade antecipatória
sobre as estratégias da linguagem literária e principalmente da construção de sentidos
(AMARILHA, 1997). Dominar o processo de antecipação corresponde a desenvolver a
expectativa adequada sobre as convenções da linguagem e esta é uma habilidade
necessária ao leitor, daí se dizer que a narrativa tem um papel inicial nas convenções da
ficção. Ainda como componente educativo, a autora comenta que a narrativa oral implica
um distanciamento do real e mesmo, temporariamente, esse distanciamento provoca a
abstração. O distanciamento e a abstração são aspectos importantes no futuro leitor, pois o
fazem transitar confortavelmente entre o mundo real e o imaginário.
É importante lembrar que a literatura chega à criança, principalmente pela
oralidade. Esse fato se dá, em parte, devido à facilidade de congregar todos em uma
mesma atividade, uma vez que as salas de aulas são quase sempre numerosas. Em
decorrência, a oralidade se constitui também em um dos atrativos da literatura na escola,
pois cria um clima de comunidade em todos que estão envolvidos na mesma experiência
imaginária.

17
Ferreiro e Teberosky (1989) relatam que é mais fácil para a criança de 4 a 6
anos reconhecer ou antecipar o conteúdo do jornal do que de livros infantis o que justifica
a necessidade de a escola dar maior atenção à literatura.
Brandão e Leal (2007) destacam que numa perspectiva de trabalho de leitura e
produção de texto, com a participação ativa da criança, apoiada em sua construção
conceitual, é necessário um investimento pedagógico na oralidade, com práticas que
envolvam relatos, conversas e contação de histórias. Também é necessário o
favorecimento de situações em que as crianças possam desenvolver atividades de
produção e compreensão de textos orais. As autoras destacam que o desenvolvimento da
habilidade de desenvolver um tema, uma ideia ou opinião pode ser fortalecido na escola a
partir de situações significativas para a criança.
Como destacam Val e Barros:

O domínio da modalidade oral da língua, que significa a


capacidade de interpretar e produzir adequadamente textos
falados, no ambiente social cotidiano, é a base sobre a qual se
assenta o processo de construção e desenvolvimento dos
conhecimentos necessários à interação verbal mediada pela escrita
(2003, p. 136).

O que se pretende destacar no presente estudo é que a perspectiva de narrar


oralmente não se opõe ao estímulo à leitura, atividade presente na creche ou pré-escola
com a leitura de livros infantis e de outros gêneros literários. Pretende-se, sim, enfatizar
que a narração oral é uma dimensão presente na vida afetiva e cognitiva da criança,
revelada em seu desfrute e embevecimento e que, de forma consequente, enriquece sua
linguagem e imaginação, e acaba por favorecer o gosto pelos livros.
A mediação do professor e a atividade de ensino, qualquer que seja a área,
apresentam complexas dimensões. Se a escola possibilita a explanação dos conceitos, das
ideias, das relações, deveria possibilitar, ao mesmo tempo, a ampliação do mundo da
imaginação e da fantasia, e emocionar a criança por meio dos contos, das histórias, das
lendas; assim também há lugar para as narrativas literárias.
Baseado no que foi exposto, este estudo tem como objetivo identificar e
descrever processos de construção e desenvolvimento do discurso narrativo literário em
crianças a partir de experiências sociointerativas com contação de histórias, ou seja,
investigar como as crianças, a partir da experiência com a narrativa oral literária, ouvindo
histórias em grupo, podem organizar seu discurso, reproduzindo as histórias contadas.

18
De forma específica, este estudo foi proposto para descrever e analisar o
posicionamento das crianças diante das narrativas literárias, apontando como elaboram os
fatos narrados e conflitos presentes nas histórias, na interface com sua própria história e
com a do grupo, construindo significados partilhados, por meio da mediação do narrador.
Foi proposto, ainda, descrever e analisar o recontar das histórias pelas crianças,
considerando as interações com o narrador e o próprio grupo, assim como compreender o
papel do narrador, enquanto mediador, numa situação planejada que leva em consideração
os conhecimentos prévios das crianças e instiga a troca entre parceiros de mesma idade.
Cabe destacar que a análise das situações de contação de histórias é orientada
em dois eixos igualmente significativos e importantes no estudo: (a) o papel do adulto,
narrador, como mediador, com intencionalidade pedagógica, que vai potencializando a
apropriação da história pelas crianças a partir da interação com elas; (b) e a análise da
interação de crianças, sujeitos ativos no processo de ouvir e recontar as histórias. Nessa
perspectiva, olhando a construção que se estabelece a partir da interação criança-criança, é
possível uma reflexão sobre a construção do conhecimento, saindo de uma perspectiva
adultocêntrica e assumindo a perspectiva de quem valoriza a capacidade das crianças em
produzir conhecimento.
Em termos de estrutura, o texto está subdividido em quatro capítulos, além
dessa introdução, das considerações finais, das referências e apêndices. O primeiro e
segundo capítulos apresentam a perspectiva teórica adotada para compreender o fenômeno
pesquisado.
Especificamente no primeiro capítulo é apresentado o estudo da criança na
perspectiva de seu desenvolvimento e evolução de seu pensamento a partir da concepção
sociointeracionista. Essa concepção oferece a base para compreender os processos de
construção do pensamento verbal e discurso narrativo da criança na interface com um
meio social rico, diversificado e instigante.
Na primeira parte deste capítulo, intitulada De que universo estamos falando,
o foco do texto é o universo da criança, que, imersa num ambiente social e cultural, vai se
apropriando dos conhecimentos veiculados ao seu redor. Nesse universo, as brincadeiras,
o faz de conta, as histórias são elementos fundamentais, e o compartilhamento adulto-
criança e criança-criança condições para a construção de significados. A segunda parte do
capítulo, Contando uma história: o lugar da interação no desenvolvimento da
criança, traz as posições dos teóricos do sociointeracionismo Vygotsky e Wallon,
respaldando o valor e o papel da interação no desenvolvimento da criança. Também

19
aponta as contribuições de Tomasello para o estudo da criança a partir das referências
desse autor sobre o papel da instrução ativa por parte dos adultos, da imitação e das cenas
de atenção conjunta na aprendizagem da criança. Na terceira parte do capítulo, A creche
como contexto de desenvolvimento, o espaço da creche ou pré-escola é apresentado
dentro do cenário da Educação Infantil, como um lugar possível de construção de
conhecimento a partir de interações com intencionalidades educativas, podendo explorar a
narrativa oral.
O segundo capítulo, E por falar em faz de conta, tem como foco as narrativas
orais a partir de vários olhares, desde sua origem, passando pela relação entre as narrativas
e o contador de histórias, até o seu papel enquanto construção cultural, social e na
interface da educação.
Na primeira parte deste capítulo, intitulada Um pouco de história, o foco é o
surgimento dos contos de literatura oral. A seguir, na segunda parte, denominada
Contando histórias e encantando pelas palavras, o texto discorre sobre a força da
palavra na contação de histórias, palavra que se vincula a um modo de dizer, a uma
relação muito particular entre o contador e o conto. Na terceira parte do capítulo, O
contador de histórias: quem é ele?, O texto descreve o contador como um artesão da
palavra, como diz Benjamim (1993), e o ato de narrar ação constituída a partir de
diferentes performances, dependendo do estilo do narrador.
Na quarta e quinta partes desse capítulo, denominadas As narrativas como
uma construção social; e Narrativas: entre a criança e o mundo, o foco do texto é a
forma como a criança desenvolve a capacidade de narrar, aqui apontada pelos autores
Bruner, Vygotsky e Perroni como parte de uma prática discursiva. Finalizando esse
capítulo, tem-se a sexta parte, A narrativa oral na interface da educação, que aborda o
seguinte argumento: a contação de histórias pode apresentar-se para a educação como um
caminho para o desenvolvimento da linguagem oral e escrita, levando-se em conta que a
constituição do leitor passa pela atividade inicial do escutar e do dizer.
O terceiro capítulo explicita os procedimentos metodológicos adotados nesta
pesquisa de natureza qualitativa, com destaque para o recurso da videogravação no
registro dos dados.
O quarto capítulo apresenta a análise e discussão dos dados, apresentados em
dois grupos principais: análise e discussão do contar e análise e discussão do recontar.
Essas análises e discussões foram apoiadas em recortes das videogravações dos momentos

20
de contação das histórias que foram mais significativos, emergência de aspectos
relevantes, considerando os objetivos do estudo.
Nas considerações finais, são retomadas as ideias chave e os principais
resultados desta pesquisa para traçar algumas reflexões apoiadas nesse percurso, bem
como para apontar sugestões a fim de contribuir para o uso da narrativa oral no contexto
da Educação Infantil.

21
2 PRIMEIRO CAPÍTULO - ERA UMA VEZ... O UNIVERSO DA INFÂNCIA

2.1. De que universo estamos falando?

O poeta Manoel de Barros no auge de seus 91 anos, mas sem perder sua
essência de menino diz que a criança sente pra falar, em vez de falar para depois sentir,
conforme fazem os adultos. “A criança é filha do desenho. Escreve com a liberdade da
mão esquerda. Pensa com a mão esquerda. Porque a mão esquerda continua a inocência,
não precisa acertar sempre como a mão direita, pode errar e ser verdadeira”. Essa
afirmação nos faz refletir sobre o universo da criança, povoado de experiências, sensações,
diversidades e informações.
Imersas nesse universo, elas vivem despreocupadas com a lógica e a
racionalidade da vida. Para o poeta, nos diálogos dos pequenos, imagens que nunca se
cruzavam firmam súbitas amizades. As crianças misturam cenas observadas e aprendidas
numa rede onde a hierarquia é a emoção. Sonham com os olhos arregalados,
despreocupados da funcionalidade e da verticalidade das ideias. Essa disponibilidade para
as experiências do mundo é explicitada na medida em que ela tem o olhar direcionado
para o lúdico, a fantasia, a exploração do novo.
As experiências no mundo vão se construindo na vida da criança logo que elas
nascem. Desde muito pequena, a criança é capaz de se situar no seu ambiente social e
cultural, explorando de forma ativa o meio ao qual está inserida a partir dos momentos
lúdicos que vivencia. Assim, pode ser concebida como pessoa que cria e transmite cultura
desde os anos iniciais, e demonstra uma compreensão do entorno social, o que a leva a
constantes ajustamentos em relação aos seus parceiros de interação. Ativa nesse processo
de apropriação do meio, a criança tem no lúdico um lugar de prazer e intensas descobertas.
Os bebês começam a conhecer o mundo a partir das relações que constituem
com os que estão a sua volta, e a brincadeira possibilita as interações e experimentações
com o próprio corpo, objetos e pessoas. O brincar com o próprio corpo ou com materiais
que estão ao seu alcance promove ao bebê o pegar, bater, agarrar e sentir. A presença do
outro, pela sua voz, seu gesto, seu toque, sua palavra, mobiliza-o a perceber, descobrir e
conhecer o mundo que o rodeia com prazer (DORNELLES, 2001).

22
O brincar pode ser visto como uma atividade de alta prioridade para ela, para
brincar ela usa estratégias que concretizem a ação junto aos parceiros (PEDROSA, 2005);
(CARVALHO e PEDROSA, 2002).
As brincadeiras perpetuam e renovam a cultura infantil, potencializando
formas de convivência social, modificando-as e recebendo novos conteúdos. No jogo
possibilitado pelo brincar, a criança saboreia a vitória da aquisição de um novo saber
fazer, que é incorporado a cada novo brincar (DORNELLES, 2001).
Em estudos sobre os diversos contextos de desenvolvimento, Carvalho e
Lordelo (2002) constataram que o “brincar” aparece em todos os contextos. As atividades
motoras amplas e o faz de conta são as atividades lúdicas prevalentes nos conjuntos
estudados, o que demonstra a relevância para a criança dessa vivência.
Muitos estudos vêm sendo realizados no sentido de investigar a interação de
crianças de mesma idade durante brincadeiras de faz de conta. Esses estudos direcionam o
olhar para o que se dá entre os parceiros com relação à aquisição de conhecimentos
relativos ao mundo social. A condição de paridade nos interesses favorece o sentimento de
compartilhamento dos aspectos afetivos implícitos na interação na brincadeira de faz de
conta (FARIA, 2007).
As crianças nas situações de compartilhamento de brincadeiras trazem para o
contexto expressões do próprio corpo, como mímica, vocalizações, bem como
personagens e situações vividas em outros momentos. Essas situações são atualizadas no
grupo, ganhando um novo sentido, sentido este permitido pelo compartilhamento de
significados (COELHO E PEDROSA, 1995).
Para essas autoras esse compartilhamento se evidencia na construção conjunta
de uma brincadeira, onde as crianças vão recortando partes das ações umas das outras e
incorporando-as à sua própria ação, seja parcialmente, seja integralmente, e até
acrescentando ou substituindo algo. Ainda sobre o comportamento compartilhado, as
autoras afirmam que o mesmo contribui para manutenção da sequência interacional na
qual as crianças estão envolvidas, possibilitando inclusive uma maior complexificação do
brincar.
Numa brincadeira como o faz de conta, elas agem como num mundo
imaginário, transformam objetos deslocando-os de seu uso canônico. Um lápis pode se
transformar numa espada de soldado, servindo de representação para uma realidade
ausente, possibilitando uma outra relação entre o objeto e seu significado. O brincar em

23
grupo, possibilita a troca de pontos de vista diferentes, bem como o estabelecimento de
interesses comuns entre as crianças, frutos da interação. Como diz Dornelles, (2001):

Aos poucos, os jogos e brincadeiras vão possibilitando às crianças


a experiência de buscar coerência e lógica nas suas ações
governando a si e ao outro. Elas passam a pensar sobre suas ações
nas brincadeiras, sobre o que falam e sentem, não só para que os
outros possam compreendê-las, mas também para que continuem
participando das brincadeiras (p. 105).

Nesse contato com o mundo social, a literatura entra na vida da criança


pequena bem antes da idade escolar, como função lúdica. Esse contato é iniciado desde o
berço, nos acalantos, nas cantigas de roda, brincadeiras com as palavras, parlendas, nas
histórias contadas e recontadas, numa parceria construída com múltiplos parceiros.
(PEREIRA, 2007).
O meio social é o contexto necessário para a adaptação da criança. No lidar
com o mundo social, ela adquire estratégias de cooperação e de resolução de conflitos. Em
vários estudos apresentados por Carvalho e Lordelo (2002), é evidente o papel da
interação criança-adulto e criança-criança no desenvolvimento de áreas como
compartilhamento exploratório, habilidades de gerenciamento dos relacionamentos sociais
e engajamento nos agrupamentos sociais.
No projeto integrado de pesquisa, do qual a presente investigação faz parte,
tem-se evidenciado que, mesmo pequenos, entre 2 e 3 anos, as crianças compreendem as
relações sociais de seu grupo social, usando estratégias adequadas para conseguir seus
intuitos, bem como assimilando e transferindo regras de sua microcultura. (PEDROSA,
2007).
No caso da interação criança-criança, o ganho se dá no que entre elas se
estabelece com relação à habilidade comunicativa, cooperação e defesa, que são
consideradas essenciais nas transações humanas (CARVALHO e BERALDO, 1989;
CARVALHO E CARVALHO, 1990).
Carvalho e Lordelo constatam que existe uma deficiência de atenção por parte
do adulto com relação às crianças nesses ambientes sociais, o que é um risco potencial
para o desenvolvimento das mesmas. É necessário pensar sempre na qualidade e
intensidade das interações. O adulto deve atuar como um facilitador, promovendo
significados para as experiências vividas pela criança.

24
Analisar o espaço e o mundo físico da criança, portanto, não é
possível sem considerar as características de seu mundo social
imediato, em diversos sentidos: a natureza dos relacionamentos, a
proteção ou risco que estes oferecem à criança, a autonomia ou as
restrições que lhe impõem (CARVALHO E LORDELO, 2002 p.
24).

A partir dessas considerações é possível pensar que no espaço escolar, onde se


dá a educação formal da criança, a interação entre pares propicia processos de construção
de significados envolvidos na aprendizagem. A potencialidade do meio interacional,
porém, não se esgota nos aspectos cognitivos; na interação também estão envolvidos
processos e mecanismos de caráter motivacional, afetivo e relacional que contribuem,
igualmente, para explicar a efetividade na aprendizagem e aquisições de diversos tipos.
Uma vez que esse estudo pretende investigar como as crianças, a partir da
experiência com a narrativa oral literária, ouvindo histórias em grupo, podem organizar
seu discurso, reproduzindo as histórias contadas, faz-se necessário uma reflexão sobre seu
desenvolvimento e as origens de seu pensamento numa perspectiva sociointeracionista,
acreditando-se que essa abordagem é a mais adequada para o presente estudo.
Edgar Morin (2004), discorrendo sobre uma nova educação, defende a
necessidade de que seja considerado e principalmente respeitado o caráter múltiplo do ser
humano, integração entre o homo sapiens ao homo demens, imaginarius e ludens, ou seja,
da afetividade, do mito, do imaginário, do delírio, do jogo. Nessa perspectiva, a criança é
olhada e compreendida em suas diversas dimensões, que se desenvolvem e se
presentificam na e a partir da interação com o mundo social e cultural.

2.2 Contando uma história: o lugar da interação no desenvolvimento da criança

Tratar sobre o desenvolvimento da criança numa perspectiva


sociointeracionista significa fundamentalmente pensar que o sujeito interage ativamente
com o meio social e que ambos se modificam nessa relação. De forma diversa, as posições
de Vygotsky e Wallon coincidem quanto ao valor dado ao papel constitutivo do ser
humano pela interação social, mas se diferenciam por certos aspectos do desenvolvimento
que são enfocados em cada teoria. Vygotsky mostra a criança introduzida na cultura por
parceiros mais experientes, e Wallon destaca o valor da afetividade na diferenciação que a
criança aprende a fazer entre si mesma e os outros.

25
Ambos defendem a existência de uma reciprocidade entre criança e meio
social, na perspectiva do desenvolvimento. Ou seja, ao construir seu meio, atribuindo-lhe,
a cada momento, significado, a criança é por ele constituída, absorve os padrões culturais
e transforma, assim, sua forma de agir.
Quando a criança está envolvida numa dada atividade sociocultural, inicia-se
uma sequência de trocas com o ambiente, que lhe fornecerá um feedback de sua ação. Já
modificado por ele, a criança novamente age sobre o ambiente. Assim, pressupõe-se que
ela constrói e reconstrói ativamente seu ambiente, como também faz uso do que construiu
(Macedo e Sperb, 2007).
A ideia central da teoria Walloniana sobre o desenvolvimento da criança e que
se relaciona com a Pedagogia é que a evolução se dá entre as relações estabelecidas pelo
ser e pelo meio e que modificam-se ambos. Assim é possível compreender o papel da
instituição educacional como condição para a integração das atividades infantis, num
sistema que tenha uma unidade. Para isso é fundamental ter como eixo norteador o
conhecimento das necessidades da criança e, principalmente, das mudanças de objetivos
de seu comportamento, considerando idades e situações diferentes (WEREBE E NADEL-
BRULFERT, 1986).
Para Vygotsky, a natureza humana é o resultado de um processo de
interiorização da experiência cultural que é transmitida através das gerações. Portanto, a
chave da compreensão do desenvolvimento humano está nas relações dialéticas que
ocorreram entre o indivíduo e seu meio. A natureza influi na conduta humana, ao mesmo
tempo em que o ser humano modifica e cria suas próprias condições de desenvolvimento.
Assim, a construção do pensamento e da subjetividade é um processo cultural. A natureza
humana se constitui na interfase dos usos de signos e do emprego de instrumentos
elaborados através da história (CUBERO E LUQUE, 2004; VYGOTSKY, 1984; POZO,
1998).
Vygotsty analisa os processos de mudança no comportamento humano a partir
de um olhar sobre o próprio desenvolvimento, suas origens e transformações. A
explicação da natureza do desenvolvimento humano é fundada em três pontos
(WERTSCH 1985, apud CUBENO E LUQUE, 2004):

1. O desenvolvimento se dá como um processo em saltos, ou seja, o conjunto de


transformações não obedece a uma acumulação progressiva. Também as mudanças não

26
ocorrem a partir de um único princípio, mas diversas forças atuam de forma diferente em
momentos diferentes, originando mudanças qualitativas.

2. Novas organizações no indivíduo estão relacionadas com o surgimento de novas formas


de mediação dos processos psicológicos ao longo do desenvolvimento. Ou seja, novos
instrumentos remetem a novas estratégias de resolução de problema que o indivíduo vai
formulando e absorvendo.

3. O funcionamento intelectual humano se dá em quatro domínios genéticos: filogenético,


sociogenético, ontogenético e microgenético.

A ideia central do pensamento de Vygotsky, com relação às origens dos


processos psicológicos superiores na vida social, dá-se a partir das interações e na
participação em atividades reguladas culturalmente. A compreensão de como ocorre essa
transição do social para o individual é dada a partir do conceito de interiorização, de zona
de desenvolvimento proximal (ZDP) e apropriação. “A interiorização é uma reconstrução
em nível intrapsicológico de uma operação interpsicológica, graças às ações dos signos”.
pg. 98 (Vygotsky, 1978, apud Cubero e Luque, 2004). Esses processos não ocorrem por
cópia, mas sim transformação.
O conceito de zona de desenvolvimento proximal diz respeito ao espaço de
construção de conhecimentos a partir de trocas interativas. A criança transforma as
informações que recebe de acordo com as estratégias e conhecimentos por ela já
adquiridos, a partir das diversas situações vividas com outros parceiros mais experientes.
Mais do que pessoas, os agentes ativos na ZDP incluem também artefatos, como livros,
vídeos, suportes informáticos (CUBERO E LUQUE, 2004; ONRUBIA, 1996).
Onrubia (1996) destaca que a ZDP é determinada pelo nível de
desenvolvimento das crianças e pelas formas de ensino envolvidas na atividade, também
que é uma zona dinâmica, com construção interativa.

O processo de construção, modificação, enriquecimento e


diversificação dos esquemas de conhecimentos desencadeados
pela participação na ZDP pode dar margem a uma reestruturação
duradoura e a um nível superior desses esquemas (p. 128.).

O conceito de andaime, trazido por Wood, Bruner e Ross (1976, apud


CUBERO e LUQUE, 2004), aponta para a necessidade de se considerar a competência da

27
criança submetida ao apoio do adulto; assim, a transferência de responsabilidade na tarefa
vai ocorrendo progressivamente de acordo com o que a criança pode.
Numa análise da ZDP, no contexto educacional, destacam-se as intervenções
de todos os participantes em uma atividade e não só do mais competente, como
inicialmente acreditava Vygotsky. Vista dessa forma, a escola é considerada um meio rico
para a construção do conhecimento, e as atividades que envolvem cooperação entre pares
iguais, criança-criança, potencializadoras, mesmo estando no professor o papel de
mediador das situações.
A noção de ensino como ajuda, e com a ideia de ele mesmo atuar como
processo de criação de zonas de desenvolvimento proximal é trazida por Onrubia (1996).
Essa ajuda deve conjugar duas grandes características. Primeiro, considerar onde está o
aluno em termos de conhecimentos, o que ele dispõe em relação a esse conteúdo. E
segundo, provocar desafios que o levem a questionar os significados e sentidos, gerando
novos conhecimentos e autonomia na criança. A ideia é promover uma ajuda ajustada, que
toma como base os chamados desafios abordáveis para o aluno.
Fazendo uma reflexão a partir dessa colocação, podemos pensar no uso da
narrativa oral com crianças na escola como um recurso de construção de conhecimentos
coletivos em situações de interação aluno – aluno mediado pelo professor, que assume o
papel de narrador da história e instigador da temática no grupo. Ou seja, o prazer advindo
do jogo ficcional ultrapassa as fronteiras do deleite, que por si só já justificaria o seu uso
na escola, para mostrar que as estruturas organizadas em narrativas são construtoras de
sentido, e assim possibilitam o desenvolvimento da criança.
A interação é a base para se pensar e discutir o desenvolvimento e
aprendizagem da criança. A palavra interação tem um sentido amplo, que significa ação
exercida reciprocamente entre dois objetos, ou entre dois sujeitos, ou até entre sujeito e
objeto (Carvalho, 1988). É importante pensar o termo interação social com a ideia de ação
entre dois ou mais indivíduos de mesma espécie. A autora assume episódios de interação
como unidade de análise mais adequada para os estudos de interação social, pois dessa
forma, acredita ela, que a análise deixa de ser no indivíduo e passa a ser no
interindivíduos.

Interação social é influência ou regulação recíproca, ou seja: cada


um, ou a ação de cada um, é diferente, pelo fato de se dar com o
outro, do que seria isoladamente; não se explica pelo que cada um
é (ou faz), mas por seus efeitos recíprocos (p. 111).

28
Wallon traz reflexões sobre a função da emoção, a emergência da consciência
de si mesmo e o desenvolvimento social, mostrando o quanto a criança vai se
desenvolvendo a partir da diferenciação do seu “eu” e do “outro”. Ao estudar a criança,
descreve que o seu desenvolvimento e aprendizagem são construídos ao longo do tempo,
por intermédio de interações estabelecidas com adultos, e com outras crianças no seu meio
social (WEREBE E NABEL-BRULFERT, 1986; WALLON, 1989).
O meio é um conjunto mais ou menos durável das circunstâncias físicas,
humanas e ideológicas em que ocorrem as existências individuais. Na relação do indivíduo
com o meio, há a inclusão do espaço psíquico, que para Wallon é o campo das
necessidades e desejos, onde ocorrem as reações, impressões e representações do
indivíduo. (WALLON, 1949, apud WEREBE E NADEL-BRUL FERT, 1986).
Porém cada ambiente modifica a criança momentaneamente. A atitude da
criança torna-se complementar às atitudes tomadas ao seu redor. O papel e o lugar que ela
tem no grupo são determinados, em parte, por suas disposições e também a partir das
exigências do grupo. Assim, as reações da criança vão se modificando para ajustar-se ao
grupo. Essa “inter-relação criança-grupo” vai repercutindo em seu desenvolvimento, em
sua aprendizagem (WALLON, 1979).
Werebe e Nadel-Brulfert (1986), partindo dos estudos de Wallon (1949),
afirmam que a influência de indivíduos participantes dos mesmos acontecimentos, em um
mesmo ambiente, é extremamente sutil e tênue. Ela pode estar vinculada aos locais e às
circunstâncias, gerando efeitos muitas vezes bem posteriores às situações vividas. Essas
situações são marcadas, segundo as autoras, a partir das representações que a criança vai
construindo ao longo do contato com o meio.
Wallon aponta que já no segundo ano de vida da criança ela é capaz de realizar
antecipação relativa às respostas dos outros, demonstrando, assim, sua capacidade de se
constituir enquanto interlocutora (WEREBE E NADEL-BRUL FERT, 1986).
Ele defende a existência de uma reciprocidade entre criança e meio; nessa
perspectiva, há uma construção permanente, a partir de sua atividade de adaptação ao
meio, ou seja, ao construir seu meio, atribuindo, a cada momento, significado aos objetos
e eventos, a criança é também por ele constituída, pois assimila bens culturais do meio em
que vive, transformando, assim, sua forma de refletir e agir (WALLON, 1963).
A criança é capaz de atribuir significados a eventos; é o que Bruner (2001)
chama de biologia do significado. O significado simbólico depende da capacidade humana
de significar a linguagem e utilizar seu sistema de sinais como um interpretante. Para isso

29
tem-se que conceber que os seres humanos possuem uma possibilidade inata para a
linguagem.
O autor traz três alegações sobre a aquisição precoce da linguagem:
1ª - Papel de assistência, do outro, na interação. A linguagem é adquirida pela
criança através do uso. O que conta não é o que dizer, mas como, onde, para quem e sob
que circunstância.
2ª - Determinadas funções ou intenções comunicativas estão bem posicionadas
antes que a criança tenha dominado a linguagem formal para expressá-las
linguisticamente. Ex: indicar, solicitar e enganar.
3ª - A aquisição de uma língua é sensível ao contexto. Assim, é mais fácil
observar os progressos quando a criança já capta, de algum modo pré-linguístico, o
significado do que está sendo falado ou da situação na qual a fala está ocorrendo. Ou seja,
a importância da fala inserida dentro de um contexto singular, significativo, que traga para
a criança referências.
Tomasello (2003) acrescenta que os seres humanos estão inseridos num
ambiente social, que é denominado cultura. O autor estabelece duas maneiras pelas quais o
ambiente cultural humano cria o contexto para o desenvolvimento: habitus e a instrução
ativa por parte dos adultos.
Ou seja, a participação da criança num habitus particular determina o tipo de
interações sociais a que ela estará submetida, ou seja, os tipos de experiências de
aprendizagens e de oportunidades que encontrará. O habitus é a matéria-prima com a qual
a criança trabalhará. O que o autor observa é que, no caso do meio social humano, os
adultos têm um papel muito mais ativo, intervencionista no desenvolvimento, do que em
outras espécies. Em todas as sociedades humanas, considera-se que algumas tarefas ou
parcelas de conhecimento são tão importantes que os adultos têm que ensiná-las
diretamente. Essas aprendizagens variam de acordo com a cultura da sociedade específica
na qual a criança está inserida.
Wallon compartilha desse princípio ao apontar o desenvolvimento humano
como o resultado de uma dupla história, fusão das condições do sujeito nas sucessivas
situações nas quais ele se envolve desde o nascimento. Preocupado em estudar
objetivamente a consciência, procurou compreender o desenvolvimento humano numa
perspectiva psicogenética, estabelecendo comparações entre a criança normal e a criança
patológica, sem desconsiderar, nos seus estudos, o viés histórico-cultural em que elas
estavam inseridas (MAHONEY E ALMEIDA, 2000).

30
Para Wallon (1963,1986) a criança nasce com a capacidade de interagir com o
outro, isto é, uma característica biológica associada ao sistema sensitivo-motor. A
motricidade seria o substrato de toda a atividade mental, ligada à emoção, resultado de
uma primeira troca da criança com o entorno humano, e anterior à interação com o mundo
objetivo. A expressão emotiva é considerada um estágio primitivo de comunicação com o
mundo e gradualmente integra-se às atividades psíquicas superiores, num processo
descontínuo.
Assim, cada indivíduo é constituído de um sistema que envolve motricidade,
afeto e cognição, denominados conjuntos funcionais. Eles vão alternando a
predominância, dependendo do estágio em que a criança se encontre. A princípio, esses
conjuntos se mostram de forma sincrética, ou seja, reagem como um todo indiferenciado
aos estímulos que recebem, sejam internos ou externos. Aos poucos, a partir dos esforços
da criança na sua troca com o meio, os conjuntos vão se diferenciando (WALLON,
1963,1986).
Ao interagir como o meio, as crianças aprendem sobre suas capacidades e
limitações comportamentais, podem assim regular suas ações, bem como o efeito de suas
ações sobre o mesmo.
Tomasello (2003) comenta que, nas sociedades humanas, existem duas formas
básicas de sociogênese nas quais algo de novo é criado através da interação social de dois
ou mais indivíduos em interação cooperativa.
A primeira forma é o efeito catraca, através do qual ocorre a transformação do
uso de uma ferramenta ou símbolo linguístico. Essa modificação, segundo o autor, não se
dá no tempo real, mas no tempo histórico, quando aquele determinado indivíduo imagina a
função que o artefato tinha para os usuários anteriores, e como ele tem que ser adaptado
para a função atual.
A segunda é a de colaboração simultânea de dois ou mais indivíduos ao
tentarem resolver, juntos, um problema. Aqui o que ocorre é que os indivíduos numa
situação de interação vão construindo um produto que nenhum sozinho poderia ter
inventado. Isso porque um responde às sugestões inventivas do outro.
Para Tomasello (2003), aos 9 meses, a criança tem possibilidade de
compartilhar a atenção e de aprender imitativamente através de seus coespecíficos [nova
ortog.]; nesse processo ela adquire símbolos linguísticos bem como outros símbolos. Esses
símbolos linguísticos são o resultado do que as gerações anteriores de seres humanos
consideraram como importantes para categorizar e interpretar com relação ao mundo para

31
fins da comunicação interpessoal. Por volta de dezoito a vinte meses, as crianças já
desenvolveram uma compreensão profunda e flexível das outras pessoas como seres
intencionais e portanto se encontram aptas para compreender uma ampla variedade de
situações comunicativas.
Essa capacidade de compreensão por parte da criança tem origens diversas,
segundo Wallon (1989). Frequentemente, a criança não sabe precisar com clareza de onde
vêm as noções de que faz uso no cotidiano, o que gera, muitas vezes, diversas situações
onde ela se contradiz nas explicações de fatos.
A construção do pensamento reflexivo vai se formando na interface entre as
experiências pessoais e o que de novo ela apreende por meio do outro. Nessa constante
tensão eu/outro (meio) vão surgindo as oposições necessárias a essa construção. A partir
da formulação de hipóteses, de acertos e erros, de variações nas experiências pelas quais
passa, a criança vai reordenando seu pensamento, processo no qual a linguagem assume
um papel fundamental porque articula significações, mobilizando-a na busca do
entendimento.

Há os contos oferecidos a sua imaginação, a sua curiosidade, as


opiniões que são trocadas ao seu redor e há os ensinamentos da
escola. Se ela não estivesse inclinada a se deixar monopolizar
totalmente por cada uma de suas ideias sucessivas, com exclusão
das que precediam, sua confusão e, provavelmente, seu desânimo
seriam grandes diante da inconciliável diversidade delas
(WALLON, 1989, p. 96).

As trocas afetivas estabelecidas pela criança desde cedo vão habilitando-a no


uso de uma linguagem emocional, não só no sentido de influir sobre seus parceiros, mas
também no de reagir às situações que vivem. Essas relações vão alargando os horizontes
sociais da criança, tornando suas ações cada vez mais intencionais. O período de um a três
anos, denominado estágio sensório-motor e projetivo, caracteriza-se pela exploração
intensa do mundo exterior pela criança, bem como pela aquisição simbólica e início da
representação (MAHONEY E ALMEIDA, 2000). A etapa projetiva, entre dois a três anos,
é caracterizada por realizações ideomotoras, ou seja, ato mental projetando-se em atos
motores, que mostram a criança usando os gestos para se expressar, para dar forma aos
seus pensamentos. Nesse percurso, as condutas de imitação e simulacro são fundamentais.
A imitação é a indução de um ato por um modelo exterior. A criança reproduz
modelos ou situações que lhe agradam. Segundo Wallon (1979), a reprodução desse
modelo necessariamente não ocorre imediatamente; pode aparecer tempos depois. A

32
imitação realizada pela criança não é uma reprodução igual, é um desdobramento do ato.
Ou seja, a criança, quando imita, de alguma forma transforma.
O simulacro é a representação ainda incipiente. Pelo gesto a criança simula a
presença do objeto sem tê-lo. Ambos os movimentos (imitação e simulacro) servem de
apoio à narrativa da criança permitindo-lhe lidar com a ficção, com seus desejos de
invenção e de criação. A presença da linguagem nesse período é fundamental para o
ingresso no mundo dos símbolos (MAHONEY E ALMEIDA, 2000).
Entre três a seis anos, encontra-se o marco da diferenciação EU-OUTRO,
fundamental para a constituição da pessoa. Isso só é possível a partir da consciência
corporal adquirida juntamente com a capacidade de simbolização. Progressivamente, a
criança vai adquirindo a capacidade de se diferenciar e ter autonomia em suas ações.
Nesse momento há o predomínio da afetividade, no lidar com os conflitos, conquistas,
contradições, crises.
Três fases distintas são referidas pelas autoras, Mahoney e Almeida (2000),
baseadas nos estudos de Wallon: oposição, sedução e imitação. A oposição visa à
afirmação de si, ou seja, a diferenciação em relação aos outros com as quais convive. Na
sedução, surge na criança a necessidade de ser admirada, a necessidade da aprovação do
outro. Na imitação, a criança busca a incorporação do outro, com apropriação de
qualidades e méritos, para ampliação de suas possibilidades como pessoa. Esse
movimento se dá a partir de uma interiorização e exteriorização, o que produz uma
transformação enriquecida das características que a criança imitou.
Sobre imitação, Tomasello (2003) comenta que ela assume inicialmente a
forma de reprodução da criança do universo das convenções culturais da sociedade em que
vive. Através da imitação, a criança apropria, transforma, e cria novas formas de ação.
Esse processo é intermediado pela linguagem, que é uma ferramenta cultural importante
na efetivação desse processo.
O processo de aprendizagem por imitação para aprender a usar o símbolo
comunicativo é diferente da imitação de outros tipos de ações intencionais. Por meio da
linguagem, o adulto chama a atenção da criança para algo que ele quer mostrar, assim
dirige sua atenção. Para a criança não basta substituí-lo, pois dessa forma estará
direcionando a fala para si mesmo. Para que isso se dê de forma correta, ela tem que fazer
a inversão de papéis, ou seja, ela tem que aprender a usar o símbolo, dirigido-se ao adulto
como este o fez com ela. A criança tem que colocar o adulto em seu lugar no ato
intencional; aqui ocorre o intercâmbio de papéis. A criança também pode aprender novos

33
elementos da linguagem quando observa terceiros conversando entre si (TOMASELLO,
2003).
O resultado desse processo de imitação com inversão de papéis é
um símbolo linguístico: um mecanismo comunicativo entendido
intersubjetivamente por ambos os lados da interação (p. 147).

Esse processo de aprendizagem garante que a criança entenda que adquiriu um


símbolo que é socialmente compartilhado. Isso também pode ocorrer em relação aos
gestos, que imitados pela criança a partir do uso contextualizado do adulto, podem
adquirir o status de “gestos simbólicos”.
Aprender os símbolos linguísticos amplia a possibilidade de a criança começar
a desenvolver aptidões e conhecimentos sociais e culturais de sua comunidade. O símbolo
linguístico incorpora uma perspectiva particular sobre alguma entidade ou evento. Um
mesmo objeto é simultaneamente uma rosa, um presente, etc.
O processo de aquisição dos símbolos linguísticos vai ocorrendo aos poucos,
pela apropriação do discurso linguístico, que a faz refletir e planejar suas ações, se
autorregulando.
A constituição do discurso linguístico não surge do nada; ela é uma instituição
social simbolicamente incorporada que surge historicamente de atividades
sociocomunicativas preexistentes. Nesse caso, várias atividades comunicativas não
linguísticas [nova ortog.] e de atenção conjunta da qual a criança participou.
O enfoque interacionista, que teve como precursor Bruner na década de 70,
destaca a interação social no processo de aquisição de linguagem, tomando a própria
interação como unidade mínima de análise. Influenciado pelos estudos da pragmática, esse
autor enfatiza mais o uso da linguagem do que sua forma, ou seja, o processo
comunicativo é considerado um pré-requisito para a aquisição da linguagem (MASSI,
2001).
Para Bruner (2001), a criança desde cedo partilha com o adulto regras de
comunicação por meio de trocas ritualizadas, jogos e rotinas que fazem parte do seu
cotidiano. É a mãe quem interpreta e dá sentido aos gestos iniciais da criança, até o
surgimento dos turnos conversacionais. Assim, a aquisição da linguagem passa a ser
entendida como um processo interindividual. Os atos linguísticos das crianças são
precedidos de atos comunicativos.
Para que esse processo de apropriação da linguagem ocorra, é necessário que a
criança compreenda os diferentes papéis vividos na cena de atenção conjunta, ou seja,

34
falante e ouvinte, bem como a intenção comunicativa do adulto na situação, levando-a,
assim, a também saber exprimir algo para outras pessoas, da mesma forma pela qual isso
lhe foi expresso (TOMASELLO, 2003).
É importante destacar que a cena de atenção conjunta fornece o contexto
subjetivo por meio do qual vai se estabelecer o processo de simbolização. É essa
subjetividade a contextualização, que vai agir de forma direta na simbolização. Ou seja,
tem que existir entre os interagentes a clareza sobre os objetivos interativos um do outro
expressos por meio da execução de ações significativas e previamente entendidas. Essas
aquisições da criança ocorrem a partir daquilo que tem sentido para ela (TOMASELLO,
2003).
A compreensão e assim aquisição da linguagem por parte da criança se dá a
partir da compreensão sociopragmática que as crianças têm das intenções comunicativas
dos adultos em contexto. A forma como isso se dá na prática é muitas vezes bastante sutil
e complexa, já que as crianças têm de identificar as intenções comunicativas do adulto no
fluxo da interação social e do intercâmbio discursivo em andamento.
Para a criança pequena, sons somente se tornam linguagem quando elas
entendem que os adultos estão fazendo aquele som com intenção de que prestem atenção a
algo. Ou seja, a linguagem como um tipo particular de ato intencional dentro de uma cena
de atenção conjunta. “Ato comunicativo que expressa uma intenção comunicativa”
(TOMASELLO, 2003) p. 143.

Apenas a criança que consegue monitorar os estados intencionais


dos outros para com ela – na verdade, para com seus próprios
estados intencionais – pode entender uma intenção comunicativa
(p. 144).

As pistas sociopragmáticas que indicam o referente pretendido pelo adulto ao


se dirigir à criança (verbos indicando ações) são bem mais sutis, complexas e variadas do
que em contextos de denominação ostensiva de objetos, mudando de situação para
situação (TOMASELLO, 2003).
O autor conclui que a criança, para adquirir o uso convencional de um símbolo
linguístico, precisa ser capaz de determinar as intenções comunicativas do adulto,
envolvendo-se, assim, num processo de imitação com inversão de papéis. A principio isso
aparece em cenas de atenção conjuntas repetidas e previsíveis; porém, à medida que a
criança ganha aptidão na determinação das intenções comunicativas do adulto, não se
fazem mais tão necessários formatos fortemente estruturados.

35
Essa possibilidade de uso dos artefatos simbólicos pela criança garante a ela
um ganho de possibilidades, ou seja, facilidade nas interações cognitivas e sociais.
Garante principalmente uma nova possibilidade de ver o mundo, de interagir com o
mesmo.
As representações simbólicas são especiais porque são intersubjetivas
(símbolo social partilhado com outras pessoas) e porque possibilitam perspectivas
diferentes de ver o fenômeno.
Pensando nessa passagem da imitação ao uso das próprias estratégias
cognitivas e no papel da linguagem nessa transição, na experiência da narrativa oral a
criança pode, a princípio, imitar a linguagem dos personagens, reproduzir as falas e
situações vividas na história e depois que se apropriar, provavelmente ela criará com o
apoio desse modelo, reforçado pela interação entre pares de mesma idade, até chegar à
produção de histórias coletivamente.
A função de representação é indispensável para pensar as coisas, e por meio
dela a criança introduz novas possibilidades. Segundo Wallon (1979), representar é
articular o plano concreto e do sensível ao plano das ideias, do pensamento e das imagens.
A representação permite ao homem sair da experiência bruta e individual para um outro
lugar de significação.
A representação insere-se em todo um conjunto que pode ser denominado
como função simbólica. A função simbólica é estabelecida a partir da capacidade de
estabelecer para um objeto a sua representação, e para essa representação um signo
(WALLON, 1989).
Por fim, a representação não se depreende diretamente de uma atividade
prática sobre o mundo; ela só se torna possível devido à intervenção da linguagem,
produto eminentemente social. Portadora de signos, por excelência, a linguagem principia
com um longo ajuste de movimentos e sequências de movimentos imitados, a
possibilidade de a criança conceber as coisas, desprendidas das situações e do espaço
físico e, consequentemente, a trabalhá-las, classificando-as e ordenando-as no espaço
mental. Assim a linguagem vai permitir a construção dos alicerces do mundo conceitual
(TOMASELLO, 2003).

O aperfeiçoamento das habilidades de comunicação linguística


das crianças dá a elas a possibilidade de participar de interações
discursivas complexas, nas quais pontos de vista explicitamente
simbolizados dos interagentes se chocam e, por isso, têm que ser
negociados e resolvidos. Esses tipos de interações podem levar as

36
crianças a começar a construir algo como uma teoria da mente de
seus parceiros de comunicação, e, em alguns casos especiais de
discurso pedagógico, internalizar instruções do adulto e começar
assim a se autorregular e refletir sobre seu próprio pensar (p. 13).

Como diz Maingueneau (1989), a linguagem é elaboração da mensagem; ela é


constitutiva do pensamento. É um processo criador em que organizamos e informamos as
nossas experiências. Atividade constitutiva, social, fundamental na produção do
conhecimento e, portanto, no desenvolvimento do homem.
Com relação à forma como a linguagem constitui os sujeitos, Geraldi (1995)
aponta dois aspectos:
O primeiro é a interferência que a sistematização aberta da língua produz na
construção de raciocínios lógico-linguísticos. Ex: a criança diz cabeu, fazi, e ao refletir
sobre a língua tende a obedecer a certas formas estabelecidas nos sistemas linguísticos.
O segundo diz respeito à construção de sistemas de referência. Ou seja, pelo
fato de nascermos num mundo de discursos preexistentes e de incorporarmos os sistemas
de referência que esses discursos revelam, nós nos constituímos enquanto sujeitos.
Esses dois aspectos são contemplados no contexto da contação de histórias,
espaço propício ao desenvolvimento da habilidade linguística, construção ativa dos signos
linguísticos.
Bakhtin (1992) comenta que esse signo vivo que usamos nasce da experiência
exterior para compor a atividade mental. Ou seja, a consciência não se organiza no interior
do indivíduo, mas fora dele, a partir da palavra do outro.

Tudo que me diz respeito, a começar pelo meu nome, e que penetra em
minha consciência, vem-me dos outros ( da mãe, etc), e me é dado com a
entonação, com o tom emotivo dos valores deles. Tomo consciência de
mim, originalmente, através dos outros, deles recebo a palavra, a forma e
o tom que servirão para a formação original da representação que terei de
mim mesmo [...] assim como o corpo se forma originalmente dentro do
seio (do corpo) materno, a consciência do homem desperta envolta na
consciência do outro (BAKHTIN, 1992, p. 378).

Tomasello (2003) destaca, no que se refere à aquisição da linguagem, dois


aspectos: o primeiro aspecto diz respeito às primeiras fases de aquisição da linguagem,
nas quais a criança descobre que existem muitos modos diferentes de olhar para a mesma
situação, ou seja, o adulto escolheu um modo de simbolizar a cena referencial. Aprende
que um símbolo linguístico incorpora um modo particular de interpretar as coisas,
moldado por certas situações comunicativas, mas não por outras. Em sua produção de

37
linguagem, as crianças dessa idade conseguem pegar um determinado objeto e atribuir-lhe
diferentes propriedades. Ex: molhado, ou azul, ou meu.
Portanto, os símbolos linguísticos representam para as crianças
perspectivas que têm certa liberdade em relação à situação
perceptual, no sentido de que outros símbolos linguísticos
poderiam ter sido escolhidos para indicar a mesma experiência
para outros fins comunicativos (p. 168).

Como segundo aspecto, o autor destaca a capacidade de contrastar expressões


linguísticas entre si na “mesma” situação comunicativa. Isso desempenha um papel-chave
na aprendizagem de novas palavras, sobretudo aquelas com significados mais específicos.
A compreensão do uso de contraste pela criança é caracterizada por Tomasello como um
princípio pragmático aprendido sobre como as pessoas usam os símbolos linguísticos.
Essa capacidade de contrastar significados diferentes das palavras possibilita a aquisição
de novas palavras pela criança.
As inferências que as crianças fazem nesse processo de aprender novas
expressões linguísticas são sempre pragmáticas, ou seja, se baseiam na compreensão que
elas têm de por que o adulto escolheu empregar aquela palavra daquela maneira na
presente frase, na presente cena de atenção conjunta. Essa capacidade aumenta na criança
à medida que domina mais a linguagem.
Tomasello (op.cit) continua sua explicação dizendo que é importante pontuar
que a intersubjetividade dos símbolos linguísticos revela-se para as crianças pequenas
muito cedo no processo de aquisição da linguagem, mas a natureza perspectiva emerge de
forma mais gradual à medida que a criança percebe que existem modos alternativos de ver
as coisas e falar sobre elas.
Os símbolos linguísticos são intersubjetivos e perspectivos. É intersubjetivo no
sentido de que é algo que o usuário produz e entende que o outro entende. Esse símbolo
linguístico se distingue de outros símbolos humanos por sua natureza perspectiva, ou seja,
a aptidão humana de adotar diferentes perspectivas sobre a mesma coisa para propósitos
comunicativos diversos.
Segundo o autor, o processo de aquisição de linguagem e uso dos símbolos
linguísticos transformam enormemente a natureza da representação cognitiva humana. A
partir da constatação de que essa diferenciação entre a representação sensório-motora e a
simbólica ocorre, ele chama a atenção para a necessidade de aprofundamento dos estudos
e discussões.

38
A capacidade dos organismos processarem não apenas com percepções do
ambiente, mas também com representações sensório-motoras do ambiente, é notável nas
espécies. Isso possibilita que elas tirem proveito das experiências vividas via memória e
categorização. Porém, os seres humanos adultos criam e as crianças vão usando essas
outras formas de representação, socialmente constituídas. A hipótese que o autor coloca é
que esse trabalho com as representações culturais externas em interações sociais tem
implicações importantes para a natureza das representações individuais internas
(TOMASELLO, 2003).
Possivelmente o autor chama a atenção para a importância de a criança viver,
estar inserida dentro dessas possibilidades de representações culturais externas, como
potencializadora de seu desenvolvimento. Assim, as experiências vividas vão se
internalizando como experiências constitutivas das representações internas e estas serão
singulares para cada uma.
Quando a criança internaliza um símbolo linguístico, junto com ele existe toda
a perspectiva humana que foi incorporada nesse símbolo, ao longo do seu uso na história,
ou seja, a criança então representa não só os aspectos perceptuais ou motores de uma
situação, mas também uma das maneiras como se poderia interpretar a situação. Esta é a
diferença entre os símbolos linguísticos em relação às representações perceptuais ou
sensório-motoras diretas: os símbolos estão vinculados à natureza social. A representação
linguística abre a possibilidade de interpretar algo de várias maneiras, e essa interpretação
terá como base o seu objetivo no que se refere ao interesse e à atenção do ouvinte em
relação àquele objeto ou àquela atividade. O falante sabe que o ouvinte também dispõe
dessas mesmas escolhas de interpretação (TOMASELLO, 2003).

Essa natureza exterior abre a possibilidade de uma camada


adicional de representações cognitivas quando as crianças
percebem esses símbolos linguísticos sendo usados e constroem
categorias e esquemas deles na forma de categorias e construções
linguísticas abstratas – tais como substantivos e verbos ou as
construções transitivas em inglês – que conduzem a habilidades
tão incrivelmente importantes como a capacidade de interpretar
metaforicamente objetos como ações, ações como objetos, e todo
tipo de entidades com relação a outras entidades (p. 178).

O autor acrescenta que a natureza pública dos símbolos linguísticos abre a


possibilidade de as crianças tratarem suas interpretações cognitivas como objetos de
interesse, atenção e reflexão mental por conta própria.

39
A intersubjetividade dos símbolos linguísticos humanos, com sua natureza
perspectiva, não retrata o mundo de forma direta; as pessoas compreendem que podem
induzir outras ao interpretarem certas situações perceptual-conceituais, de uma maneira e
não de outra. Uma mesma cena pode ser interpretada de várias maneiras, e essa noção é
clara para os usuários dos símbolos linguísticos. A participação da criança nesse mundo
comunicativo propicia a internalização: a criança vai aprendendo a usar os meios
simbólicos que os adultos usam para também representar (TOMASELLO, 2003).

Ao aprender por imitação das outras pessoas um símbolo


linguístico dessa maneira, internalizo não só a intenção
comunicativa delas (a intenção delas de que eu compartilhe a
atenção) mas também a perspectiva específica que elas adotaram.
Quando uso esse símbolo com outras pessoas, também monitoro
sua manifestação de atenção em função dos símbolos que emiti, e
portanto passo a ter à minha disposição (a) os dois focos reais: o
meu e o do parceiro de comunicação, e (b) os outros possíveis
focos simbolizados em outros símbolos linguísticos que poderiam
potencialmente ser usados nessa situação (p. 179).

Para Wallon (1989) a linguagem interfere nas impressões perceptivas da


criança. O vocabulário exerce influência sobre a imaginação bem como ocorre o inverso,
ou seja, a influência de uma imagem ou de uma situação sobre o sentido das palavras. A
criança pode ter uma assimilação de imagens perceptivas entre objetos muito diferentes
por intermédio de uma palavra.
A criança em contato com a linguagem no meio social vai acumulando um
vocabulário de palavras, que estão associadas a objetos ou usos que ela vê ou compartilha
com o adulto, tornando-os assim familiares. Porém, sua experiência ainda é limitada e
concreta e assim nem sempre as imagens que as palavras trazem correspondem à
circunstância vivida.
O saber verbal precede, em muitos casos, as possibilidades
imaginativas da criança, ainda incapaz de transpor sua experiência
concreta e particular em imagens mais despojadas que sejam
suscetíveis de se combinarem em conjuntos mutáveis e diversos
de circunstâncias (WALLON, 1989 p. 101).

A aquisição da linguagem na criança contribui na formação de conhecimentos


e compreensão das coisas a sua volta. Conflitos se estabelecem entre a linguagem e a
experiência vivida pela criança e essa tensão vai ampliando sua capacidade de interpretar,
de criticar e de representar.
Para compreender como os seres humanos produzem significados, Bruner
(2001) propõe um olhar para a ação, especialmente o caráter situacional da ação. Ou seja,

40
o dizer, o fazer e o contexto vivido pelos sujeitos são o ponto da investigação, analisados
de forma indissociável.
Para esse autor, o contexto social está envolvido na construção do nosso
conhecimento; esse conhecimento não está isolado, ele surge e transita por diversos
lugares. A linguagem tem um papel fundamental, sendo uma ferramenta no processamento
do mundo, no planejamento e ação humana, assim como na modernização da mente
através da história e da cultura. Portanto, para compreender o funcionamento mental
humano e sua ação no mundo, é fundamental considerar as informações biológicas,
evolutivas, psicológicas individuais e culturais, numa perspectiva situacional.
A narrativa seria o princípio organizador da experiência humana. Explorá-la
seria revelador do modo de raciocínio presente, considerando que as diferentes formas e
conteúdos das narrativas estão implicados na cultura (BRUNER, 2001).
A perspectiva da narrativa como organizadora da experiência humana será
tratada em um outro momento, pela importância que tem para o presente estudo. A seguir
serão feitas algumas considerações sobre o universo da creche e pré-escola enquanto
espaço de desenvolvimento da criança.

2. 3 A creche ou pré-escola como contexto de desenvolvimento

Foram muitas as transformações que ocorreram no modelo de educação


infantil ao longo das décadas. De uma concepção mais assistencialista, em que as
cuidadoras tinham apenas a função de substituição da mãe nos cuidados das crianças e
pouco era exigido delas, com relação a conhecimentos sobre o desenvolvimento infantil e
sobre o educar, passa-se para um modelo higienista, que defendia a formação de
puericultoras ou berçaristas com conhecimentos e habilidades voltados ao
desenvolvimento físico das crianças, e ainda chega-se no modelo recreacionista, que trazia
a ideia de preparo de “animadores culturais”, orientando as crianças no lazer, dentro
dessas instituições (OLIVEIRA, 2007).
O modelo educacional, que defende a preparação de professores polivalentes
que interajam com as crianças desde cedo, traz uma perspectiva mais atual, concebendo a
criança como agente ativo na construção de significados, processo este que envolve afetos
e conhecimentos, e que se dá a partir da interação das crianças, mediada pelos adultos.
Para que se construa uma ação educacional nesses moldes, não somente é necessário que o
educador infantil se profissionalize, mas também reflita e analise as situações e

41
experiências que vive no universo da creche e do pré-escolar. Para que isso ocorra de
forma efetiva, é necessário que o educador conheça a criança na perspectiva de seu
desenvolvimento (OLIVEIRA, 2007).
A implementação desse novo modelo na Educação Infantil ainda não é uma
unanimidade. Segundo Oliveira (2007), ainda existe uma visão assistencialista quando se
trata de creches para filhos de trabalhadores de baixa renda, enquanto que particularmente
para grupos sociais privilegiados, há uma preocupação das creches e pré-escolas serem
organizadas visando garantir a aprendizagem e o desenvolvimento global das crianças
desde o nascimento. É necessário, segundo a autora, a superação dessa dualidade de
visões, assumindo-se a Educação Infantil como um lugar de desenvolvimento,
aprendizagem, construção de significados.
Como pensar esse modelo? Qual a sua abrangência na perspectiva da criança?
Como pode contemplar a narrativa oral enquanto possibilidade de desenvolvimento e
aprendizagem para a criança?
É preciso, inicialmente, superar a ideia que permeia a Educação Infantil, a de
que ela é preparatória para o Ensino Fundamental, pois, visto dessa forma, a criança é um
ser do vir a ser, do futuro e, não é compreendida em seu momento presente, com
motivações, necessidades e possibilidades atuais. Na perspectiva do enfoque preparatório,
a criança sempre é olhada “como em débito”, pois sempre é comparada com o que ela vai
aprender ou conseguir. Valorizam-se, em excesso, as competências cognitivas e se perde a
perspectiva socioafetiva. Por exemplo, o brincar é visto como um meio para aprendizagem
e nunca é uma atividade prazerosa que deve acontecer na creche ou pré-escola pelo prazer
da criança em brincar. Nessa fase, de zero a seis anos, a criança é extremamente ativa e os
estudos em Psicologia do Desenvolvimento e Psicolinguística mostram a riqueza desse
período, quando a fala, o corpo, a afetividade são instrumentos de construção e veiculação
de significados (OLIVEIRA, 2007).
A diversidade e riqueza de experiências permitidas e articuladas em
instituições de Educação Infantil instigam o desenrolar de um processo em curso, a
ontogênese infantil. Compreendendo-se esse processo, compreende-se também a
relevância de atividades que estão ao alcance da criança por ser de sua motivação
intrínseca e de sua competência.
Esse novo paradigma reafirma o lugar, nas creches e pré-escolas, da cultura,
da linguagem, da brincadeira, da experimentação, do conflito e da negociação como

42
experiências constitutivas do desenvolvimento humano, como atividades propulsoras da
imaginação e do pensamento da criança.
Segundo Oliveira (2007) os estudos da Psicologia do Desenvolvimento de
autores como Piaget, Vygostsky e Wallon, acerca da inteligência, da linguagem, e do
desenvolvimento das crianças, examinadas em idades bem precoces, vêm sendo
assimilados pelos profissionais que estudam a creche e o pré-escolar.
Nesse sentido afirma:

A instituição de educação infantil pode atuar, sim, como agente


de transformação de conhecimentos elaborados pelo conjunto das
relações sociais presentes em determinado momento histórico.
Todavia, isso deve ser feito na vivência cotidiana com parceiros
significativos, quando modos de expressar sentimentos em
situações particulares, de recordar, de interpretar uma história, de
compreender um fenômeno da natureza transmite à criança novas
maneiras de ler o mundo e a si mesma (p. 46).

Pode-se dizer que a proposta para creches e pré-escola deve envolver a


organização de condições para que as crianças, a partir das interações com os adultos ou
com outras crianças, vivam situações variadas, construam significados sobre o mundo e
sobre si mesmas. A partir do sentir, do pensar, do imaginar, do conversar, do contar e do
recontar narrativas, do solucionar problemas, do exercer sua autonomia, do cooperar, etc.,
a criança vai se constituindo enquanto pessoa.
Em estudo realizado, Gomes (2007) ressalta sua preocupação com a escassez
do lúdico no ambiente da pré-escola e da escola, como também de sua presença mais
vinculada a propósitos pedagógicos. Nessa perspectiva de uso pedagógico, segundo a
autora, parece existir uma predeterminação do adulto sobre com o que e como brincar,
ficando de fora a possibilidade de escolha da criança.
Esse lugar do “livre brincar”, do faz de conta, do predomínio do imaginário,
gozo, afirmação do desejo da criança, sem um direcionamento, pode ser um espaço onde a
criança traga elementos do que vive no seu contexto sociocultural, imprevisíveis a
brincadeiras.
Machado (2007) encaminha uma discussão sobre a chamada intencionalidade
educativa na perspectiva da Educação Infantil, considerando que a mudança no olhar
sobre a criança, a partir do reconhecimento de sua competência desde cedo, associada à
mudança no modelo político-pedagógico foi de fundamental relevância para o surgimento
de propostas mais adequadas às suas possibilidades e motivação. Assim, planeja-se na

43
Educação Infantil articular as dimensões de aquisições, aprendizagem e ensino de forma a
garantir à criança uma ampliação de suas possibilidades e de seus recursos interpretativos.
Sobre as interações educativas no espaço da creche, essa autora defende que
devem ser criadas situações de interação promotoras de desenvolvimento e, para isso, faz-
se necessário partir de um conceito de educação que se realize na interação educador-
educando por força da necessidade desse processo, e do desejo e intenção do adulto em
promovê-lo.
Assim, a intencionalidade educativa que se estabelece entre adulto/criança
e/ou parceiros mais ou menos experientes é explicitada quando esse adulto assume o
compromisso de oferecer suportes adequados para promover os propósitos interacionais.
Para Machado (2007) a intencionalidade educativa na Educação Infantil deve
ser norteada por um caráter de premeditação, ou seja, planejamento prévio,
acompanhamento e avaliação, e para isso é necessário que o educador compreenda como
se realiza o desenvolvimento da criança, especialmente o desenvolvimento de seu
pensamento para assim agir de forma mais adequada. Esse conhecimento da criança vai
possibilitar que o professor possa ser um mediador na construção do conhecimento,
articulador das descobertas da criança provenientes das diferentes interações, inclusive e
principalmente no contato criança-criança.
Bruner (2001) comenta que uma reflexão sobre a mente enquanto criadora de
significados e de cultura é bastante pertinente no contexto escolar. O autor tem procurado
verificar a influência da cultura tanto na aprendizagem escolar como no desenvolvimento
mental. Aponta como necessários à escola as atividades de reflexão, de diálogo e de
negociação, que possibilitarão o desenvolvimento de habilidades para compreender, sentir
e agir no mundo cultural, que dizem respeito à construção de conhecimentos do ser
humano.
Os professores, desde a Educação Infantil, devem ser sensíveis à manutenção
da espontaneidade da criança para narrar, com abertura para a criação, imaginação e
construção de novas narrativas. É importante evitar a ruptura entre Educação Infantil e o
Ensino Fundamental, deixando que a linguagem enquanto expressão de singularidade
possa permear todo o trabalho escolar.
Na perspectiva do uso das narrativas orais literária na Educação Infantil, em
um estudo que trata sobre a oralidade, Radino (2001) analisa como os contos de fadas são
utilizados no dia a dia por professores de Educação Infantil. Além de constatar que eles
são pouco usados, comenta que quando o são servem como subsídio para atividades

44
pedagógicas e pretexto para tarefas escolares, distanciando-se de sua função lúdica e
estética. Segundo a autora, a escola, em sua função alfabetizadora, passou a valorizar de
tal modo o livro e a letra impressa, que acabou subestimando a linguagem oral.
A autora argumenta que os contos de fada representam importantes formas de
expressão, e mostra como eles podem auxiliar na formação e construção da subjetividade
da criança na pré-escola, podendo ser considerados um rico instrumento pedagógico pelo
que possibilitam na construção de um sistema metafórico e simbólico na criança. Isso se
dá principalmente porque a criança em idade pré-escolar adquire a maior parte de seus
conhecimentos através da transmissão oral. Os adultos com quem convive são os que a
introduzem no uso da palavra.
Durante séculos, a aprendizagem foi realizada através da transmissão oral.
Não existiam livros, escolas, nem a infância como se concebe hoje. Através dos mitos, dos
contos, do teatro e de todas as formas possíveis de comunicação oral e corporal,
transmitiam-se valores e regras sociais. Com a invenção da prensa topográfica, em meados
do século XV, criou-se um novo mundo simbólico e uma nova tradição: a leitura. As
escolas proliferaram e os livros assumiram uma função primordial na educação e na
instrução (RADINO, 2001).
Seguindo essa reflexão sobre o lugar e papel que o livro passou a ter na
escola, Patrini (2005), em estudo sobre a renovação do conto numa perspectiva da
emergência de uma prática oral, questiona sobre a forma como o conto tem sido usado na
escola, apontando que esse uso é dirigido à criança para ensiná-la a ler e escrever, bem
como desenvolver o prazer da leitura, tendo como foco também a produção da narrativa
escrita. Com isso, perde-se o espaço do investimento na oralidade dos alunos.
A autora ainda afirma que contar histórias nas escolas ainda está vinculado à
ideia de ser um meio de encontrar soluções para os problemas das crianças em relação à
escrita e à leitura e que, no entanto deveria ser focada a oralidade, com a qual as crianças
se familiarizam desde cedo, podendo ser trabalhada e estimulada enquanto prática
necessária à constituição do imaginário, à transmissão da cultura e ao domínio da língua
oral.
Condizente com as afirmações sobre a importância dos contos defendida por
Radino e Patrini, Loiseau (1992) refere-se ao conto como um recurso mais rico do que tem
preterido a escola. Posicioná-lo como um “recurso a mais” vai significar para o professor
privar-se de um instrumento pedagógico rico na perspectiva da oralidade, e ao mesmo
tempo, privar também a criança de uma iniciação à natureza humana. “Contar é construir o

45
grupo em torno da palavra do mestre, é escolher colocar em cena uma pedagogia da língua
que ultrapassa o campo do utilitarismo imediato, e é também promover a função
imaginativa” (p. 11).
A partir de estudos que envolvem a temática oralidade e cultura escrita, Ong
(1998) afirma que a cultura escrita amplia as possibilidades da palavra e assim a existência
humana. Porém, a oralidade não pode ser menosprezada, pois é capaz de produzir criações
que estão fora do alcance das que pertencem à cultura escrita. Assim, tanto a oralidade
como o desenvolvimento da cultura escrita, que é baseado nela, são fundamentais à
evolução da consciência.
Conclui-se que contemplar a narrativa oral literária na Educação Infantil,
enquanto possibilidade de desenvolvimento e aprendizagem para a criança, significa
evidenciar o valor e importância da oralidade na sua formação.

46
3 SEGUNDO CAPÍTULO - E POR FALAR EM FAZ DE CONTA ...

3.1 Um pouco de história

A narrativa oral se perpetuou na história da humanidade através dos


contadores orais, que transmitiam de geração a geração seus conhecimentos. É um
processo de aprendizagem cultural pela criatividade, inventividade que promove. Ou seja,
a tradição oral através da história dos povos, antes da escrita.
Para Busatto (2003), os contos surgiram por uma necessidade intrínseca do
homem em explicar sua própria origem, bem como a origem das coisas, trazendo
significados a sua existência. Essa história oral narrada sofreu influência, acréscimos e
alterações a partir de informações relativas à época e aos valores da comunidade onde era
narrada.
Refazendo o percurso histórico do surgimento dos contos de literatura oral,
sabe-se que o Oriente foi provavelmente seu lugar de origem. Os contos de fada chegaram
à Europa a partir do século XII e foram registrados pelo francês Charles Perrault (1628-
1703), que reuniu contos da tradição oral.
É na Europa que a Literatura Infantil dá seus primeiros passos históricos.
Charles Perroult, os Irmãos Grimm e Hans Christian Andersen fazem as primeiras
compilações das histórias provenientes do folclore, histórias orais passadas de geração em
geração. Foram esses autores que, diante do êxito obtido, convertem-se em sinônimo de
literatura para criança, sendo que os livros que mais agradam às crianças são as histórias
fantásticas e as histórias de aventuras, transcorridas em lugares exóticos e comandadas por
jovens audazes (LAJOLO E ZILBERMAN, 1999).
A denominação Contos de Fadas é uma designação francesa para os contos
maravilhosos. Essa denominação, segundo Simonsen (1987) é restritiva, pois nem sempre
as narrativas tratam de fadas. Os contos maravilhosos comportam diversos elementos
sobrenaturais: encantadores, objetos mágicos, metamorfoses.
Na Alemanha, os irmãos Jacob e Wilheln Grimm, conhecidos como os irmãos
Grimm, publicaram contos colhidos da boca do povo, formando o primeiro livro da dupla,
chamado “Contos para Crianças e para o Lar”.
Na Dinamarca, foi Hans Christian Andersen que, além de recontar histórias
tradicionais que corriam de boca em boca, criou novas histórias, que mesmo seguindo os

47
modelos tradicionais, trouxeram sua marca individual, ou seja, uma visão poética
misturada com profunda melancolia (MACHADO, 2002).
No início do século XVIII, Antoine Galland traduziu e apresentou ao Ocidente
os vários livros que compõem “As Mil e Uma Noites”, conhecida obra que se originou das
histórias da tradição oral na Índia, Pérsia e outros locais do Oriente (SILVA, 1994, apud
BUSATTO, 2003).
No século XX, o escritor Ítalo Calvino também realizou um projeto de
compilação nacional de contos de fadas, denominado Fábulas Italianas.
Na Grécia surgem as Fábulas de Esopo, contos traduzidos por Lafontaine.
Esopo foi um fabulista grego que viveu por volta do século VI. a.C. e acredita-se que ele
seja um dos precursores da fábula.
No Brasil encontram-se registros de contos populares realizados por viajantes,
antropólogos e folcloristas. Um dos representantes dessa tradição oral foi Luís Câmara
Cascudo. Esse pesquisador trouxe contos genuinamente brasileiros, como o do Caipora e
do Curupira, criações dos povos indígenas. Em muitas de suas criações é nítida a
influência dos contos de fadas europeus, adaptados à realidade brasileira (BUSATTO,
2003; CASCUDO, 2003).
Os enredos das narrativas orais podem promover experiências significativas,
por exemplo, os contos de fada que, segundo Busatto (2003), por apresentarem sempre
uma situação a ser resolvida pelo herói ou heroína, mobilizam nas crianças desejos de
resolução. O conto não apresenta nada pronto à criança, pelo contrário, por sua linguagem
simbólica, universal e atemporal, permite que ela recrie os personagens, situações e
lugares a partir dos seus próprios referenciais.
Os contos de fada, por sua qualidade artística e pela força cultural que têm,
atestam sua universalidade e permanência através das gerações. Sendo criações populares,
produzidas por artistas do povo e por sua característica de constituição na oralidade, a
partir da memória, podem ser considerados produções coletivas, pois cada novo contador
acrescentava ou modificava situações e detalhes. Assim, durante muitos séculos
permaneceram na oralidade, passando a outras gerações graças à memória e habilidade
narrativa dos contadores.
Segundo Machado (2002), várias histórias apresentam na sua estrutura
desafios e provas a serem vencidas pelo herói. Também apresentam como característica o
processo de afirmação individual dos personagens principais, que vão aos poucos
superando obstáculos, enfrentando desafios, dificuldades, revelando astúcia, bondade e

48
solidariedade. Esses contos se espalharam pelo mundo e serviram para que vários
escritores de diversos países e culturas se apropriassem do “modelo” do conto de fada e
desenvolvessem sua própria narração na interseção da cultura do país. Uma importante
coletânea de histórias foi feita pelos Irmãos Grimm que recolheram e organizaram 210
contos com o objetivo de preservar um patrimônio literário tradicional do povo alemão e
colocá-lo ao alcance de todos. Assim, os contos eram narrados em prosa, mantendo uma
linguagem próxima à oralidade, jeito de falar dos contadores da época.
Em livro intitulado Como e por que ler os clássicos universais desde cedo,
Ana Maria Machado argumenta sobre o papel da leitura na formação da criança,
enfatizando que a infância é uma fase extremamente lúdica: a criança faz uma festa com
uma boa história contada. O contato com os clássicos, através de uma professora que narre
com entusiasmo e paixão, trará possibilidades de uma imersão da criança num mundo
novo que repercutirá naturalmente no seu interesse pela leitura.
É necessário distinguir o texto literário do não literário: enquanto o não
literário possui uma série de funções referenciais, mais voltadas para o pragmatismo no
cotidiano, o texto literário ressalta a função estética da linguagem, onde há o privilégio do
discurso artístico, um universo pleno de manifestações criativas. Assim, a literatura
infantil, surge a partir de um complexo cultural que tem como base a tradição popular,
sendo marcada pela oralidade, memória coletiva de um povo (SILVA, 2005).
Pensando que a narrativa oral literária faz parte do universo da literatura
infanto-juvenil, cabe apontar em que aspecto essa literatura repercute na formação e
desenvolvimento da criança. Segundo Silva (2005) um primeiro aspecto é o psicofísico, ou
seja, estimula as funções motoras e intelectuais das crianças, além de contribuir com a
formação de sua personalidade, do imaginário e de seu espírito crítico.
O segundo aspecto é de natureza social, pois ela permite que a criança adquira
melhores condições de formar sua identidade social, aperfeiçoa seu processo de
sociabilidade, estabelecendo valores ligados à ética. Um terceiro aspecto, o linguístico,
está vinculado à capacidade de a literatura contribuir para o desenvolvimento do
vocabulário, aquisição de estruturas linguísticas, distinção de registros discursivos e
desenvolvimento da narratividade e escrita.
As narrativas literárias levam as crianças a refletirem e pensarem em
diferentes possibilidades de vida; através dos personagens de ficção abre-se a
possibilidade de viver simbolicamente uma infinidade de vidas, ampliando o seu universo
de conhecimento. Há também a descoberta do desconhecido, exploração da diversidade de

49
situações e assim servir de contraponto com a própria realidade vivida pela criança em seu
cotidiano. Essa confrontação gerada a partir do percurso dos personagens e suas escolhas
pode provocar na criança reconhecimento ou diferenciação baseados em sua própria
história de vida e experiências vividas no meio social.
Pela diversidade de narrativas orais que existem, fica evidente a presença
marcante da cultura popular e o quanto os contos retratam as diversidades dessas culturas,
bem como revelam o imaginário popular. A sua influência na literatura é nítida, seja
quando os autores reinventam a partir desse universo, ou quando criam paródias críticas e
divertidas, como Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque e O Reizinho Mandão de Ruth
Rocha.

3. 2 Contando histórias e encantando pelas palavras

A contação de histórias tem como protagonista a palavra - o ouvir leva ao


imaginar e o dizer deve encantar. Abramovich (1991) ressalta que contar histórias é o uso
simples e harmônico da voz. A expressividade, a entonação bem usada repassando
sentimentos e a clareza no dizer são recursos fundamentais ao contador. Ainda é
Abramovich (1991) que salienta que a preparação para essa atividade é fundamental.
A “palavra” representa o princípio da comunicação que distingue os seres
humanos de outras espécies, sendo veículo para o pensamento e a imaginação. Através
dela foram construídos os primeiros enunciados que buscavam interpretar o mundo. Na
perspectiva da narrativa, ela funciona como linha mestra que vai construindo e
alimentando esse mar de histórias, onde nós, humanos, estamos imersos e de onde
podemos emergir.
Em seu habitat natural – a oralidade – a palavra está inserida num presente real,
existencial, porque falada. Por ser falada, a palavra torna-se mais que verbal e pode
interferir na situação, modificando as condições que a criaram (ONG, 1998).
Com a força da “palavra”, na narração oral a mensagem é auditiva e não visual;
é necessário que o contador capte o ritmo e a cadência dos contos, faça pausas nos
momentos certos, não entre em descrições cheias de detalhes, crie um clima de
envolvimento e encanto e, acima de tudo, use todas as modalidades e possibilidades da
voz – sussurrar, imitar os ruídos, as vozes dos animais, inflexões que indicam suspense e o
clímax da narrativa.

50
A audição da história promove uma atmosfera de intimidade que favorece a
conversação posterior, levando à reflexão e oferecendo possibilidades de enriquecimento
para a criança.
Em estudo sobre os novos contadores de história na França, Patrini (2005)
concluiu que para eles, a força da palavra é responsável pelo estabelecimento de contato
entre as pessoas. A força da “parole conteuse”, que se traduz por “palavra contadora”,
palavra portadora de um sentido singular, permite que a prática de contar oralmente
encontre seu espaço na sociedade.
Para Abramovich (1991), o primeiro contato da criança com um texto é feito
oralmente através da voz dos familiares, contando contos de fadas, histórias bíblicas ou
inventadas, ou de livros infantis em geral. Além de colaborar na aquisição de linguagem
oral e escrita, ouvir histórias desperta o imaginário e as emoções, participa na estruturação
da personalidade por meio da reelaboração da história pessoal advinda do universo
coletivo, traz entretenimento e, de forma prazerosa, também repassa conhecimentos
formais. Ela considera o ato de escutar contos o início para a aprendizagem de se tornar
um leitor. Se é inegável que a palavra dita ou escrita é valorizada através dos contos, há de
se ressaltar a relevância do ato de ouvir.
A criança que reconta, como o romancista, se surpreende, ela mesma, por saber
estar no espaço-tempo intermediário, espaço da cultura, onde se misturam o prazer de
contar e as diferentes fontes do imaginário, de fazer as significações secundárias, não
traduzíveis, ligadas à própria materialidade do texto (WINNICOTT, 1975).
A narrativa oral requer como elemento básico o ouvir, aspecto relegado a
segundo plano em nossa sociedade contemporânea. Sobre esse fato, Jorge (2003) aponta
para a desvalorização do ato de comunicar-se gerado pelos diversos meios de
comunicação atuais que prescindem do contato corpo a corpo.
Segundo Amarilha (2006), a linguagem literária promove a organização da fala
interna que alimenta o pensamento, fornecendo procedimentos para sua organização em
expressão verbal. Seria o pensar as palavras num formato de narrativa. Isso é
proporcionado ao ouvinte ao entrar em contato com a história oral, ou seja, ela vai
apreendendo o sentido das palavras. “[..] livre da função de vocalizar, mas conduzido pela
voz do outro, o ouvinte potencializa as funções cognitivas de acompanhar o fluxo
narrativo, de envolver-se na significação da história” (p. 31).

51
Assim, a linguagem na literatura via narrativas orais promove uma estruturação
do pensamento na criança que vai repercutir em sua própria oralidade, na forma como
narra fatos, ou seja, como se expressa.

3. 3 O contador de histórias: quem é ele?

Todas as pessoas são, em potencial, contadores de história pelo simples fato de


que dispõem da palavra para dar forma ao pensamento e à imaginação, podendo transitar
entre as esferas do real e da ficção, recriando narrativas, reelaborando as histórias.
O prazer e o encantamento de ler, ouvir e contar histórias só se concretiza na
palavra dita por um narrador que envolve e transporta a plateia para o mundo mágico do
conto. “Nada substitui a voz viva do contador de histórias nem sua inesquecível
sabedoria” (JORGE, 2003, p. 99).
A presença de uma atmosfera forte e envolvente entre o narrador e ouvinte
desencadeia uma escuta sensível e interessada, levando o ouvinte a um estado de
encantamento, fazendo-o esquecer-se de “si mesmo”. Os contadores anônimos estão
presentes na história da humanidade provavelmente desde que a língua falada se instituiu
entre os homens. Antes do advento da escrita, esses contadores faziam a leitura das
experiências humanas e eram os principais construtores e transmissores da cultura entre os
povos, organizando uma parcela significativa da tradição oral. Os conhecimentos desses
narradores espontâneos, repassados através da memória e da habilidade ao narrar, geraram
elos ou pontes entre um mundo distante e o mundo de hoje (JORGE, 2003).
A função educativa dos contadores de história nas sociedades de tradição oral é
evidente. Nessas sociedades, é a palavra oral o veículo através do qual há a transmissão de
conhecimentos. Em contrapartida, nas sociedades contemporâneas, as condições e os
veículos para a transmissão dos saberes são diferentes (ONG, 1998).
Mas, no mundo contemporâneo guiado pelo fascínio dos aparatos tecnológicos
e as mídias eletrônicas, o ato de narrar e, por consequência, a presença do contador, vêm
desaparecendo. São poucas as oportunidades para contar/ouvir histórias (ABÍLIO E
MATTOS, 2003).
Como assinala Benjamim (1993, p. 197-198)

[...] a arte de narrar está em vias de extinção. São cada vez mais
raras as pessoas que sabem narrar devidamente. Quando se pede
num grupo que alguém narre alguma coisa, o embaraço se
generaliza. É como se estivéssemos privados de uma faculdade

52
que parecia segura e inalienável: a faculdade de intercambiar
experiências.

Todavia, mudanças favoráveis vêm ocorrendo e iniciativas, principalmente no


contexto educacional, acontecem em prol da narrativa oral. Começa a aparecer nas escolas
o espaço aberto para a chamada “hora do conto”, com crescente receptividade positiva por
parte das crianças e interesse dos professores para se dedicarem ao exercício da contação.
Como bem diz Benjamim (1993), o narrador é um “artesão da palavra”. Narrar
é dar forma às palavras. Como mediador do texto, o contador utiliza sua voz, sons,
silêncios e pausas, além do movimento corporal e habilidade no encadear as palavras e
transmitir a narrativa com início, meio e fim organizados de tal modo que faça aparecer o
envolvimento interessado por parte do ouvinte.
À diferença do escritor, que tem o corpo ausente no momento em que o leitor
está em contato com sua obra, o contador permanece numa relação direta e imediata com o
ouvinte, compartilhando o mesmo lugar e instante. O ato de contar vai variando,
espontaneamente, o tom ou o gesto, modulando a narrativa segundo a expectativa que
percebe, podendo também de forma deliberada modificar o corpo enunciado
(HINDENOCH, 2001).
Cada contador tem um estilo diferente, um tom de voz, uma personalidade, um
“jeito de ser” - alguns se expressam melhor por meio dos gestos ou movimentos
corpóreos, outros por meio das palavras ou pelo olhar, pelas pausas, etc. Nas palavras de
Marioti (2001) isso se presentifica:

Um conto ganha vida e consistência por intermédio de um


indivíduo, ou mais exatamente de uma individualidade que o
encarna e anima. O conto oral é produto da conjunção de uma
história ancestral, conhecida, memorizada e um dizer que o
encarna no instante (p. 205).

A performance pode ser considerada um ponto em comum entre os contadores.


Essa performance diz respeito à PALAVRA, ponto de intersecção entre o contador e o
conto (MATOS, 2005).
Respeitar o modo natural de ser é fundamental para que o ato de narrar seja
autêntico e espontâneo. Mas é importante que o narrador deixe que o grande alvo seja a
história e não a sua própria figura - a história deve ser a grande protagonista e o narrador
seu veículo.

53
Quando o narrador cria o clima envolvente e mágico na plateia, também
desperta espontaneamente no ouvinte o desejo de narrar a história e recontá-la (Benjamim,
1993). São elementos fundamentais a naturalidade e ausência de tensão na relação
contador - ouvinte, gerados pela conduta do contador, para que a história mais facilmente
seja ´gravada´ na memória do ouvinte (JORGE, 2003).
Para a autora Fanny Abramovich, narrar uma história é uma arte que equilibra
o que se ouve e o que se sente, não sendo nem declamação nem teatro, mas “o uso simples
e harmônico da voz” (ABRAMOVICH,1991, p. 18).
Para essa autora, os cuidados e preparos do narrador referem-se a: (1) saber
escolher o que vai contar considerando para quem e com que objetivo; (2) conhecer em
profundidade e detalhadamente a história que contará; (3) preparar como começar e
finalizar o momento da contação e narrá-la no ritmo e tempo que cada narrativa exige; (4)
evitar descrições imensas e com muitos detalhes para que o campo fique mais favorável ao
imaginário da criança; (5) mostrar à criança que o que ouviu está impresso num livro (se
assim o estiver) trazendo-a para o contato com o objeto livro e, por consequência, o ato de
ler; (6) e por último, saber usar as modalidades e possibilidades da voz variando a
intensidade, a velocidade, criando ruídos, onomatopeias, dando pausas para propiciar
espaço para o imaginar.
Cléo Busatto (2003) propõe inicialmente a descoberta por parte do contador
das razões por que contar histórias e a definição de para quem contá-las e em que
contexto. Ressalta, nessa etapa, a importância de o contador estar sensibilizado para o que
quer narrar; é necessário que haja identificação entre o narrador e o conto a ser narrado.
Com o conto escolhido, o passo seguinte é estudá-lo buscando suas intenções e
apreendendo seu simbolismo.
Narrar significa traduzir oralmente as imagens contidas no texto; assim,
encontrar o melhor caminho para suscitá-las é a proposta básica que sustenta sua técnica.
Para o entendimento dessa técnica, a autora aponta três vias: ritmo, intenção e imagens,
sendo que nesta última considera imagens verbais, sonoras e corporais. Ritmo e intenção
estão associados porque o tempo, a musicalidade e a velocidade que surgem da narrativa a
serem expressos pelo narrador são determinados pela intenção subjacente (BUSATTO,
2003).
As imagens verbais referem-se à detecção das descrições no conto que
suscitam no ouvinte imaginar as características físicas e psicológicas dos personagens e os
espaços onde a narrativa acontece. Busatto (2003) cita como exemplo a passagem do

54
conto de fadas “Rei Sapo” traduzido por Tatiana Belinky (...) “mas a menor era tão linda
que até o sol que já vira tanta coisa se alegrava ao iluminar o seu rosto” - essa descrição
leva o ouvinte a imaginar a aparência física da princesa.
Dessa forma, torna-se imprescindível que a Educação amplie seus
investimentos no sentido de resgatar a milenar ação humana do contar histórias. Mas,
como acertadamente alerta Busatto (2003), o narrar não é um ato simples e banal; é uma
arte que requer do educador preparo e compromisso com o bem realizar.
Nesse sentido os enredos das narrativas orais podem promover experiências
significativas, por exemplo, os contos de fada que, por apresentarem sempre uma situação
a ser resolvida pelo herói ou heroína, mobilizam nas crianças desejos de resolução. O
conto não apresenta nada pronto à criança, pelo contrário, pela sua linguagem simbólica,
universal e atemporal, permite que ela recrie os personagens, situações e lugares a partir
dos seus próprios referenciais.
A narrativa contada é muito mais livre, polissêmica, e possibilita
reinterpretações, exercício de criatividade e memória. Ela, ao mesmo tempo em que fecha
ao tentar não se afastar da história, do enredo, abre-se no sentido da polissemia, das
possibilidades de vocábulos diferentes. E o recontar pode assim ser mais rico, diverso; do
mesmo modo como aconteceu na Antiguidade, diversas versões da mesma história.

3.4 As narrativas como uma construção cultural

Morin (1999), fazendo uma reflexão sobre a linguagem e sua interface com a
cultura, afirma que o ser humano produz duas linguagens a partir de sua língua: uma
racional, empírica, técnica, prática e outra simbólica, mítica, mágica. A primeira apoia-se
na lógica, tendendo a precisar, denotar, definir. A segunda utiliza mais a conotação, a
analogia e as metáforas, ou seja, se insere no espaço de significações existente nas
palavras, e que, segundo ele, ensaia traduzir a verdadeira subjetividade. Essas linguagens
podem aparecer justapostas, misturadas ou separadas.
O homem, segundo Bruner (1997), cresce pelo processo de internalização dos
modos de agir, imaginar e de simbolizar que existem em sua cultura, modos que
amplificam suas potencialidades. Para ele este processo de formação do homem não pode
ser compreendido apenas como um produto de processos genotípicos definidos ao longo
de processos naturais de seleção e constituição da espécie, mas, sobretudo, como produto
de um acabamento simbólico que o lança para fora do mundo estritamente natural, para

55
um universo cultural criado por ele mesmo e do qual depende a sua plena realização.
Dominar os processos de produção dos bens materiais e simbólicos e compreender as
diferentes formas de interação, bem como os meios e os processos de sua construção,
definem a tarefa do ser humano e o mundo da cultura, sem o qual é impossível
compreender a sua natureza. Estas ideias de Bruner se aproximam de questões que foram
exaustivamente discutidas por Vygotsky e Luria.
As narrativas fazem parte da vida; são inerentes ao agir humano, linguagem
que permite o conhecimento do mundo circundante, possibilitando a interrelação do ser no
meio social. Cotidianas, canônicas e literárias, as narrativas compõem não somente nossa
própria constituição como seres sociais, como, a partir do momento em que nos coloca em
comunicação com os outros, possibilitam novas formas de compreensão.
Apropriando-se dos significados expressos pela linguagem, a criança os aplica
a seu universo de conhecimentos sobre o mundo, a seu modo particular de “recortar” sua
experiência. Este desenvolvimento é marcado pela interação verbal de adultos e crianças
ou de crianças mais velhas e crianças mais novas; por meio da interação com seus pares,
elas vão ajustando os significados de modo a aproximá-los cada vez mais dos conceitos
predominantes no seu grupo cultural. Vygotsky (1987) atribui grande importância à
linguagem no desenvolvimento da criança quando afirma que é na construção de
significado que se encontra a unidade entre as duas funções básicas: o intercâmbio social e
o pensamento generalizante. Para ele são os significados que vão propiciar a mediação
simbólica entre o indivíduo e o mundo real, constituindo-se no “filtro” através do qual o
individuo é capaz de compreender o mundo e agir sobre ele.
Ou seja, é no curso da interação verbal, a partir de uma interferência mútua
entre os sujeitos, que eles provocam e sofrem modificações contínuas, alterando o
conjunto de informações de que cada um dispõe, e até redirecionando seu discurso. A
construção narrativa dos sujeitos se constitui na prática narrativa, na prática discursiva.
A narrativa sofre a reversibilidade a partir da interferência do outro. Enquanto
participantes do recontar a história, os sujeitos vão ampliando suas referências, porque
interpretam recursos expressivos e constroem um novo direcionamento da sua fala,
narrativa.
Como teórico da linguagem, Vygotsky (1987) destaca a importância da
narrativa na imaginação. Para ele toda operação mental compõe-se de elementos tirados da
realidade, extraídos da experiência anterior do homem Na interação promovida pela
narrativa, há incorporação ativa das experiências culturais e dos significados acumulados

56
historicamente. Vygotsky defende a narrativa, porque através dela pode ser explicado o
processo de construção das complexas relações práticas, e do uso de uma linguagem
figurada e emocional.
A cultura modifica-se no mundo para o qual nós temos de nos adaptar e nas
ferramentas para realizar este processo. Esse aspecto é o que define cultura como
“amplificador”, e as ferramentas culturais e/ou sistemas simbólicos e de signos, como a
linguagem gestual, oral ou escrita, como simples amplificadores. As ferramentas de uma
cultura podem ser descritas como um conjunto de dispositivos pelos quais os seres
humanos podem redefinir os limites do funcionamento humano. Assim, a evolução
humana deve ser compreendida pela crescente incorporação de aspectos externos, como as
técnicas de produção e as ferramentas necessárias à sua realização (BRUNER, 1997).
Assim o limite para o uso da linguagem oral estaria contingenciado por
determinadas maneiras de socialização, típicas de sociedades tradicionais onde os
processos de transmissão dos padrões culturais necessários à reprodução da cultura são
transmitidos no contexto da própria ação, em que crianças e adultos participam de forma
direta.

3.5 Narrativas: entre a criança e o mundo

As pesquisas sobre aquisição da linguagem nas últimas décadas têm mostrado


o desenvolvimento da narrativa em crianças como uma vertente importante de estudo. O
desenvolvimento da habilidade de narrar algo envolve uma rede complexa de fatores de
ordem cognitiva, comunicativa e linguística, além de uma série de conhecimentos prévios
que a criança vem adquirindo na interface com o meio social.
A ênfase que se tem dado a esses estudos que envolvem a narrativa ocorre em
função de ela estar inserida no cotidiano das crianças desde muito cedo, seja a partir dos
relatos sociais aos quais elas estão submetidas, seja através da mãe, ou de outros
familiares, seja em outros ambientes extracasa, e também pelo hábito de ouvir histórias
ficcionais.
Segundo Bruner (1997), a aquisição da habilidade narrativa confere
estabilidade à vida social da criança. Além disso, essa habilidade cognitiva irá ancorar a
futura produção escrita de histórias (Silva e Spinillo, 2000). E ainda, como argumenta
Matta (2004), a habilidade narrativa, juntamente com a organização categorial, constituem

57
formas de ordenar a memória e o conhecimento. Essas formas são fundamentais para que
o conhecimento prático possa evoluir para um sistema abstrato, teórico e formal.
Diversas pesquisas mostram que as crianças aprendem a falar sobre suas
memórias de eventos passados de uma maneira organizada, num contexto colaborativo de
engajamento com seus pais (Macedo e Sperb, 2007).
Muitos estudos sobre a narrativa apresentam como enfoque sua caracterização
do ponto de vista estrutural, como os trabalhos de Labov e Walestky (1967). No Brasil, os
estudos de Perroni (1992) rompem com a visão tradicional de estudo da narrativa e
propõem uma reflexão sobre a identificação de processos pelos quais as crianças passam
na construção do narrar. Essa autora parte de uma visão sociointeracionista para
argumentar que há uma construção interativa da história entre adulto e criança. Nessa
construção a criança passa pelo momento de colagem, em que fragmentos de histórias
ouvidas são retomados em outras narrativas, passando pela etapa de combinação livre, até
chegar à construção de uma narrativa autônoma.
Perroni (1992) destaca a origem dialógica do discurso, explicitando que a
produção linguística ocorre a partir do dizer do outro. A partir de um estudo longitudinal e
observacional do desenvolvimento linguístico de duas crianças brasileiras, buscou
entender o processo pelo qual elas iam gradualmente se apropriando dos recursos que
possibilitavam assumir o papel de narradoras. A análise dos dados foi feita segundo a
perspectiva socioconstrutivista, sendo a unidade de análise a interação entre os
interlocutores, com ênfase na origem dialógica do discurso.
A autora conclui que aos dois anos a criança inicia as primeiras tentativas de
narração enquanto atividade conjunta adulto/criança. Aos três anos já utiliza alguns
recursos como colagem, combinação livre, apoio no presente. E aos quatro anos é a fase
de sua constituição como narradora, sujeito da enunciação; há consequente mudança no
papel do adulto.
Esse valor dado à interação adulto/criança no processo de estruturação da
narrativa é fruto de trabalhos sobre a aquisição da linguagem que foram desenvolvidos no
início dos anos 70, quando se percebeu que muito do que a criança produz é decorrente do
próprio contexto ou situação da interação linguística. Neste sentido a autora considera
como fundamentais para a análise do discurso narrativo a interação verbal e o contexto em
que se deu tal interação.
Sobre a aquisição da narrativa autônoma, De Lemos, prefaciando o livro
Desenvolvimento do discurso narrativo, (1992, XV) escreve:

58
Não há como deixar de reconhecer, [..], que a aquisição da narrativa é um
indício importante de uma nova relação da criança com a linguagem. É o
momento em que ela não depende mais da interpretação/enunciado
imediato do outro/interlocutor, em que a progressão de seu discurso já
repousa sobre sua própria possibilidade de, interpretando o já dito, lançar
o que está por dizer.

A aquisição da linguagem se dá a partir da interação da criança com o mundo


social, com o outro que o representa e com objetos linguísticos, que são os enunciados. A
linguagem se constitui em atividade cognitiva, e seria a ação sobre o mundo, ação
comunicativa, ação sobre o outro, e objeto sobre o qual se pode atuar (PERRONI, 1992).
A referida autora destaca a importância de se incluir a história nos estudos
sobre o desenvolvimento da narrativa:

O reconhecimento da necessidade de incluir a estória na discussão do


discurso narrativo e a importância que ele tem no desenvolvimento desse
tipo de discurso [..] impôs considerar como dados significativos para a
primeira fase do desenvolvimento aqueles definidos por “situações em
que as narrativas eram esperadas” – na atividade de folhear livrinhos de
estórias infantis, independentemente de o adulto contar ou pedir que a
criança contasse a estória, bem como na atividade proposta pelo adulto,
de recuperar, contando experiências passadas (p. 17).

Sobre o valor da história, Perroni traz um estudo desenvolvido por Applebee


(1978), onde esse autor traça uma linha de desenvolvimento do conceito de história, na
criança e no adolescente. A primeira interpretação do que é uma “estória” é de que é algo
que acontece no passado. Conclui que as “estórias” ajudam as crianças a adquirirem
expectativas sobre como o mundo é, sem a pressão de separar o real do faz de conta.
Assim, segundo Applebee (citado por PERRONI, 1992) o valor das histórias
está na transmissão dos padrões recorrentes de valores e das expectativas sobre os papéis e
relações que são parte da cultura de sociedade em que a criança vive.
A primeira fase no desenvolvimento das narrativas na criança são as
protonarrativas. Essa fase caracteriza-se pelas tentativas de narrar em resposta às
perguntas feitas pelos adultos. A estrutura de narrativa das crianças nessa fase é composta
de fragmentos de enunciados relacionados à experiência vivida pela criança, em interação
com os adultos. A autora chama a isso o “jogo do contar”. Também faz parte desse
momento a reprodução de partes de determinadas histórias infantis tradicionais contadas
pelos adultos (PERRONI, 1992).
Assim, configuram-se dois modos distintos de acesso à estrutura narrativa: -
através do jogo do contar, onde não há de antemão uma situação completa a ser narrada,
ela se estabelece a partir de perguntas e respostas feitas pelos adultos; - através de histórias

59
contadas pelos adultos, onde a criança se defronta com uma história completa, já
previamente construída. Nessa fase, o papel do adulto é ajustar o seu comportamento à
construção do discurso narrativo da criança. Esse contexto de interação verbal entre os
participantes é construído e organizado através do diálogo.
Perroni (1992) caracteriza a narrativa em dois tipos: histórias, que são as
narrativas típicas de nossa cultura, constituídas por uma ordenação de eventos e enredos
fixo; e os relatos, que seriam as narrativas construídas para recuperar linguisticamente
uma sequência de experiências pessoais pelos narradores.
No primeiro tipo, as histórias são identificadas com as seguintes marcas
linguísticas:
1. Era uma vez ou verbo no imperfeito marcando a abertura da história.
2. Uso das palavras: daí, então, depois, um belo dia... para introduzir a ação
propriamente dita, onde se desenvolve a narrativa.
3. Acabou a história, morreu, vitória, foram felizes para sempre, como
fechamento da estória.
Por volta dos três anos de idade, pode-se observar uma melhora na narrativa
das crianças refletida pela complexidade tanto quantitativa como qualitativa. Até os quatro
anos aumenta consideravelmente o número de tentativas de construção de histórias.
Após os quatro anos, a criança já adquiriu uma maior habilidade no relatar
eventos/ações passadas, tornando-se mais autônoma e ativa na construção das narrativas.
Isso gera uma mudança no papel do adulto, que de uma posição assimétrica entre os
interlocutores, passa a uma posição simétrica, pois a criança torna-se a narradora e o
adulto o interlocutor, ou seja, o adulto passa de “ativo” a “passivo”. Essa mudança é
significativa do ponto de vista da negociação que ocorre entre o adulto e a criança, pelo
fato de ela já ter domínio do gênero.
Aos cinco anos de idade, a criança já demonstra perceber que o discurso
narrativo tem uma estrutura peculiar, com uma ordem temporal/causal de eventos que é
fundante no desenrolar da história.
Quando a criança começa a incorporar em suas narrativas fragmentos do
discurso do outro, retirados, por exemplo, das narrativas, ela começa a dar seus primeiros
passos em direção à sua constituição como leitora, apropriando-se dos chamados
operadores de narrativa; é um passo maior para a autonomia, por meio de combinações
livres, na perspectiva do nível lexical e nível do discurso.

60
Bruner compreende a narrativa como um modo de pensamento e como um
veículo de produção de significado: “o modo de pensar e sentir ajuda as crianças (de fato,
as pessoas em geral) a criar uma versão do mundo no qual, psicologicamente, elas podem
vislumbrar um lugar para si – um mundo pessoal” (2001, p. 43). Para o autor existem duas
formas pelas quais os seres humanos organizam e estruturam seu conhecimento do mundo:
uma está mais voltada para tratar as coisas físicas (pensamento lógico-científico); a outra,
para tratar de pessoas e de suas condições (pensamento narrativo).
De acordo com Bruner (1997), as características da narrativa são mantidas
independentemente de serem reais ou imaginárias e, sobre a sua origem, o autor questiona
se não teríamos uma predisposição para organizar nossa experiência através dela.
A narrativa possui características que a colocam em um lugar relevante na
investigação da mente, tais como sequencialidade de eventos e envolvimento de estados
mentais, além de apresentar alguns universais, como: estrutura do tempo definida pelos
eventos ou ações humanas mais importantes; possibilidade de avançar ou voltar no tempo;
as ações têm motivos, implicam estados intencionais, crenças, desejos, valores e não são
determinadas por causa e efeito; não possuem uma única interpretação, e sempre existe a
possibilidade de questionamento, independente do quanto sejam verificadas; muitas vezes
a sua referência aponta ou expressa um sentido para narrativa que não é direto; existe
espaço para certa contestação, para se contar e negociar versões da história; tem de romper
com o canônico para valer ser contada (BRUNER, 2001).
Os enredos das narrativas descrevem sequências de ações e experiências
vividas pelos atores, sejam eles reais ou imaginários como nos contos de fadas, lendas e
fábulas. O eixo da narrativa se dá a partir de rompimentos de situações de equilíbrio dos
personagens, de conflitos, ações e situações que pedem reflexões e/ou novas atitudes
desenvolvidas ao longo da narrativa que levam ao desfecho final (BRUNER, 2001).
Na construção da narrativa pela criança, Bruner (2001) destaca que uma
história certa é a que conecta a sua versão pessoal com a versão canônica. Por volta do
terceiro e quarto anos, a criança já é perita em suas narrativas para bajular, enganar,
justificar, bem como está a caminho de se tornar perita nos gêneros de histórias que fazem
o mesmo.
A criança, como já sabemos, logo domina as formas de linguagem para
se referir a ações e a suas consequências, na medida em que elas
ocorrem. Ela aprende em seguida que o que você faz é dramaticamente
afetado por como você relata o que está fazendo, fará ou fez. Narrar
torna-se não apenas um ato expositivo, mas retórico também (p. 78).

61
Analisando a evolução das narrativas de uma criança chamada Emily, Bruner
(2001) conclui que ela foi abastecida por uma necessidade de construir significados, mais
particularmente, um significado narrativo, ou seja, a função precedendo a forma. Grande
parte das aquisições iniciais de Emily parece ser dirigida por uma necessidade de restaurar
e expressar a estrutura narrativa.
É interessante como a criança à medida que vai adquirindo o domínio da
linguagem no seu uso, na sua expressão do canônico, explica o excepcional. Bruner (2001)
chama a atenção para esse processo de apropriação da linguagem via narrativa relatando o
momento em que Emily introduz um ponto de vista pessoal e uma avaliação em seus
relatos narrativos, seguindo o modo padrão de acrescentar uma paisagem da consciência à
passagem da ação narrativa, como se acrescentasse uma expressão de seus sentimentos
com relação ao que estava relatando.
Influenciado por Vygotsky, Leontiev e Bakhtin, Bruner (1997) analisa a
linguagem como artefato cultural. Preocupado com as formas específicas do pensamento
infantil, propõe a narrativa para dar sentido ao mundo e à experiência da criança e alinha-
se aos estudiosos que relacionam os contos de fadas à cognição.
Para Bruner (1997) a narrativa está presente nas conversas, no contar e recontar
histórias, na expressão gestual e plástica, nas brincadeiras e nas ações resultantes da
integração de linguagens, dando sentido ao mundo e tornando essencial sua inclusão no
cotidiano infantil. Ele valoriza as histórias infantis, do gênero conto de fadas, porque nelas
se encontra um formato, uma estrutura prévia, de tipo binário, de situações opostas, típico
do processo de categorização. A narrativa, como categorização, exige discriminar
diferentes coisas, agrupar objetos, eventos e povos em classes. A categorização possibilita
a aprendizagem, porque identifica objetos do mundo, reduz a complexidade do ambiente,
mas requer motivos postos pela criança e estratégias para sua finalização. Para ele, pensar
é categorizar e resolver problemas.
O tempo é um componente essencial da narrativa, pois os fatos narrados
acontecem em um tempo determinado. A narração apresenta uma sequência de eventos
conectados por uma temática e relacionados pelo tempo.
Os elementos que compõem a narrativa (sequência e tempo) podem fornecer ao
ouvinte uma estruturação sintática sob o ponto de vista da cronologia do pensamento,
aspecto que é constantemente solicitado quando se lê ou escreve.
As narrativas se caracterizam pela temporalidade, sequencialidade e
dramaticidade, o que as diferencia da descrição, que também expõe eventos, mas de forma

62
estanque. Assim, na narrativa, conflitos e intriga constituem aspectos fundamentais. O
conflito é o que possibilita ao ouvinte criar expectativas diferentes aos fatos narrados.
Além disso, faz parte de uma estrutura narrativa: indicação dos personagens e processos
dos quais eles são participantes; a constituição das coordenadas espaciais e temporais da
referência extralinguística - situação passada, de um lado, e situação de interlocução, de
outro lado -; assim como à constituição de referências objetivas ou subjetivas do espaço-
tempo intertextual (MELO, 1995).
Uma característica também destacada por Bruner (2001) é chamada indiferença
factual. Isso diz respeito ao fato de que a narrativa pode ser real ou imaginária, mas
mantém uma essência, seu poder como história. Ou seja, é a estrutura na apresentação dos
fatos, uma sequencialidade singular que é fundamental para sua significância, para ser
captada a partir de um modo de organização mental. “[..] a indiferença da história à
realidade extralinguística sublinha o fato de que ela tem uma estrutura interna ao
discurso” (p. 47).
Esse formato comum entre a narrativa real e a fictícia é justificado por Bruner
(op cit.) a partir do que ele chama de “tradição”, ou seja, as formas de narrativa são
resíduos de nossa antiga herança de narrar histórias.
Uma outra característica destacada por Bruner sobre a narrativa é que ela
estabelece ligações entre o excepcional e o comum, apresenta uma forma singular de
afastamento do canônico. Sobre isso afirma:

[..] a função de uma história é encontrar um estado intencional


que atenue ou pelo menos torne compreensível um afastamento
de um padrão canônico. É esta conquista que dá verossimilhança
à história (BRUNER, 2001, p.).

Como última característica importante, o autor apresenta a qualidade


dramática, partindo da proposição de Kenneth Burke segundo o qual as histórias são
compostas por um ator, uma ação, uma meta, um cenário e um instrumento. O enredo se
dá a partir do desequilíbrio entre quaisquer dos cinco elementos. Afirma:

Ela [a narrativa] intermedeia, entre o mundo canônico da cultura e o


mundo mais idiossincrático dos desejos, crenças e esperanças. Ela torna o
excepcional compreensível e mantém afastado o que é estranho, salvo
quando o estranho é necessário como um tropo. Ela reitera as normas da
sociedade sem ser didática. E, como em breve ficará claro, ela provê a
base para uma retórica sem confronto. Ela pode até mesmo ensinar,
conservar a memória, ou alterar o passado (p. 52).

63
As escolas, na atualidade, têm privilegiado o pensamento lógico-científico,
deixando para o pensamento narrativo um papel secundário. Todavia, a importância da
narrativa para uma cultura é tão grande quanto o é para a construção da história de um
indivíduo. Daí a importância de desenvolver nas crianças a habilidade de construção e
compreensão de narrativas, pois assim estará promovendo sua compreensão de si e de seu
lugar no mundo.
Num esforço de compreender as formas fundamentais de construção de
significados que caracterizam o funcionamento do sujeito na cultura, Bruner (1997)
identifica na forma narrativa um dos princípios organizadores da subjetividade, uma das
formas privilegiadas de inscrever a particularidade, a intencionalidade e o desejo no
interior de um universo de símbolos compartilhados em contextos particulares de regras de
convivência definidas.
Esse autor, a partir dos estudos de Ricoeur e Wolfgang afirma que para tornar
uma história boa, ela tem que se apresentar como algo incerto, aberto a várias leituras,
sujeita aos estados intencionais indeterminados. Seria uma história que coloca os eventos
em um plano mais amplo de possibilidades. Isso é compreendido pelo autor, a partir do
termo “subjuntivização das transformações”, usado por Wolfgang, e que diz respeito a
usos lexicais e gramaticais que enfatizam estados subjetivos, circunstâncias atenuantes,
possibilidades alternativas na narrativa.
Baseado na ideia de subjuntivização das narrativas e pensando no que elas
podem produzir naqueles que a ouvem, Bruner (op cit.) traz três hipóteses. Em primeiro
lugar, é mais fácil nos identificarmos com histórias subjuntivas, pois elas podem ser
experimentadas em uma dimensão psicológica, sendo aceitas quando se encaixam ou
rejeitadas quando não há uma identificação com o indivíduo que ouve. A segunda hipótese
é que uma história é sempre a história de alguém, ou seja, ela tem uma voz narrativa,
assim uma série de prismas pessoais está presente durante a contação. A terceira hipótese
é que é mais fácil conviver com versões alternativas de uma história do que com premissas
alternativas de um relato científico.
Em estudo desenvolvido por Melo (1995) com crianças em situação de recontar
histórias, a autora identificou que não houve apenas reorganizações individuais do
conteúdo narrado, mas também recriações de falas que seriam baseadas na recriação de
esquemas (discurso direto, discurso indireto e discurso indireto livre), que se realizam sob
a forma de variantes, situadas na fronteira da gramática e da estilística. A autora percebeu
também que no recontar há articulação de dois processos: o parafrásico e o polissêmico.

64
Esses termos são explicados por Orlandi (1987) como um retorno constante a
um dizer sedimentado (paráfrase), ao mesmo tempo em que há uma tensão que aponta
para o rompimento (polissemia).
A narrativa oral é polissêmica porque é passível de muitas criações, sendo
influenciada pela apreensão do narrador, suas experiências de vida, seus interesses. A cada
vez que ele narra uma história real ou fictícia, algo muda, mantém-se o eixo central, mas a
história se movimenta. Segundo Goulart, Abílio e Mattos (2003), o contato com a
literatura leva o leitor a aprofundar suas competências a partir do momento que este lê nas
entrelinhas, atribui novos sentidos para o texto, entra em contato com formas mais livres.
A força da oralidade pode ser construída nas experiências vividas com
narrativas orais, ouvindo e principalmente contando histórias, isso se articula com o
letramento. Ou seja, a criança que levanta hipóteses, interroga sobre a história, mobiliza
estratégias para melhor compreender, sentir e dizer vai desenvolver possivelmente uma
maior capacidade de narrar.
A narrativa oral enquanto prática social contém diversas informações
significativas para o processo de letramento pelo qual a criança passa. Sua estrutura é
temporal, sequenciada e organizada. Como diz Goulart (2003), o trabalho com a
linguagem na educação se refaz a cada dia. Pensar o trabalho com linguagem pode ser no
sentido de alienação ou libertação. Alienação, se vemos a linguagem como algo que se
repete, fórmulas e regras, pouco espaço para a criação; libertação, vista como algo que se
renova, está em contínua criação e recriação, novas formas de dizer o mundo.

A linguagem está onde o homem está, pela necessidade de


interagir, trocar, de comunicar. Somos seres linguageiros. As
narrativas, principalmente, marcam a história da humanidade,
possibilitando que cada nova geração conheça a história e as
histórias das outras gerações que a antecederam. Orais ou escritas,
as narrativas compõem um acervo de conhecimentos rico e
culturalmente diverso (p.10).

Segundo Abílio e Mattos (2003), o desenvolvimento da linguagem escrita na


criança está vinculado diretamente aos modos de inserção dessa criança nas práticas
discursivas orais construídas socialmente, sobretudo o discurso narrativo.

[..] os avôs sabem de muitas coisas. Os avôs guardam a infância


na memória. Com seus rios azuis, suas ruas de barro, chapéus,
cavalos, lampiões. Um mundo tão antigo que já quase não cabe
mais nesse mundo.
Quando um avô morre, esse mundo antigo morre com ele. E todos
os cavalos, rios azuis, ruas de barro... Mas para que as coisas que
eles guardam lá no fundo deles, a poeira encantada de outros
tempos não desapareça completamente, existem os netos (Murray,
2000).

65
3.6 A narrativa oral literária na interface da educação

O ambiente escolar é o espaço onde ocorre a divulgação, incentivo e ampliação


do contato da criança com o mundo literário. Esse contato com a literatura pode favorecer
o desenvolvimento da imaginação, da criatividade e a distinção entre fantasia e realidade
mesmo antes de a criança saber ler. A literatura, segundo Pacheco (2004), a partir de suas
lacunas, provoca uma pausa no fluxo das ações vividas no cotidiano, possibilitando a
reflexão e redirecionamento dessas ações.
O uso de textos literários passou a ser mais incorporado à sala de aula da
Educação Infantil a partir dos anos 80, na produção da escrita das crianças, em
contraponto ao uso das cartilhas.
Em artigo sobre a escolarização da literatura infantil e juvenil, Soares (1999)
refere que o processo pode ocorrer de dois modos: apropriação da literatura pela escola,
onde se tem a literatura infantil produzida independentemente da escola, que a escolariza,
e a didatiza, e também a literatura produzida para a escola. De uma forma ou de outra,
segundo a autora, percebe-se como raiz o vinculamento à escola do desenvolvimento da
literatura infantil.
Para a autora existe uma conotação pejorativa para o termo escolarização da
literatura. Conotação que é indevida, pois não há como ter escola sem ter escolarização
dos conhecimentos, pois está implícita à escola a constituição dos saberes escolares. Esses
saberes são construídos dentro de um espaço delimitado, a partir de organização e
planejamento de atividades. Ou seja, a escola é constituída de procedimentos formalizados
de ensino que constituem a escolarização. Porém, na prática, a questão que a autora coloca
é a maneira como isso se realiza no cotidiano da escola, no que se refere à apropriação da
literatura infantil. O perigo ocorre ao transformar o literário em escolar, desfigurando-o a
partir de uma pedagogização ou uma didatização.
A literatura percorreu o caminho da oralidade à escritura. Há uma relação entre
o dizer – voz, pertencente à literatura oral, com o dizer – letra, pertencente à escritura. Voz
que se transforma em letra, escrita que contém voz. Mesmo quando a leitura é silenciosa
vêm à mente do leitor as entonações do texto, uma voz presente/ ausente.
O contraponto entre texto oral e escrito vem dos séculos XVIII e XIX, em que
a ideologia predominante era da cultura escrita, e os termos oral e oralidade eram
vinculados ao termo popular, estabelecendo-se, assim, as vinculações oral/popular e
escrito/erudito (CALVET, 1984). Somente nos anos de 1960 o termo oralidade ganhou

66
força e evidência, a partir de estudos que apontaram sua importância como sustentação da
comunicação verbal (MATOS, 2005).
Erick Havelock, estudioso da relação oralidade/escritura propõe que o ensino
da cultura escrita para a criança ocorra a partir do exercício da oralidade, o que incluiria
canções, recitações, pois bons falantes são a base para bons leitores (Havelock, 1995).
Levar a narrativa oral para os espaços da Educação Infantil é significativo pela
possibilidade de gerar uma quebra nas tensões entre atenção e controle, contrabalanceando
brincadeira e ensino, fruição e aprendizagem e, acima de tudo, espontaneidade e intenção
pedagógica.
Para esse autor, há uma tendência de se exigir muito cedo que a criança leia
um texto: a visão em detrimento do ouvir e repetir oralmente. Essa prática de exigir a
leitura cedo pode inibir o desenvolvimento total da cultura escrita por omitir os
antecedentes necessários ao processo, onde a prática oral tem uma íntima relação com a
palavra expressa visualmente. Acredita-se que é necessário pensar a oralidade, a leitura e a
escrita como atividades integradas e complementares, sendo que o primeiro contato da
criança com o texto se dá através da narrativa oral, independentemente de estar ou não
vinculada ao livro.
Pensando na finalidade do texto literário lido ou contado na escola, pode-se ter
um letramento literário, que seria propiciar às crianças experiências significativas na sua
formação enquanto leitor a partir de uma familiaridade com formas, estilos e
apresentações dos textos. Também se constitui finalidade do texto literário o que ele
possibilita no sentido de recuperar a polissemia e a abertura para a interpretação do leitor,
a partir da diversidade de conteúdos presentes, ou seja, uma apropriação mais voltada para
uma compreensão das entrelinhas, rica em inferências e menos preocupada com a
recuperação literal do texto (BRANDÃO e ROSA, 2007).
A literatura passou a ser vista como uma alternativa rica para as crianças na
fase de alfabetização, pois as aproxima de usos e práticas sociais de leitura, a partir de
textos que são mais significativos e reais. O uso de histórias orais possibilita que a criança
se aproprie das expressões típicas de abertura e fechamento das histórias, da forma de
desenvolvimento dos enredos, dos temas, personagens, vocabulários, formas de estrutura
dos textos e usos linguísticos típicos desse gênero textual (BRANDÃO e ROSA, 2007).
Não somente os atos de contar e ler histórias são importantes, mas,
principalmente, os diálogos que acontecem entre professores e alunos após a história,

67
diálogos que podem potencializar a compreensão da criança e que contribuirão para
situações onde ela leia sozinha.
A partir das salas de Educação Infantil e seguindo nas salas de
alfabetização, a leitura e a discussão desses textos junto com as crianças
pode se tornar uma oportunidade particularmente importante para
mostrar que o ouvinte leitor precisa sempre fazer um esforço de busca de
sentido. Assim, nas rodas de leitura em que o(a) professor(a) lê e
conversa sobre a história lida, a criança vai aprendendo que ler não é
simplesmente recitar palavras, mas, sim, um comportamento ativo de
produção de significados (BRANDÃO e ROSA, 2007, p. 54-55).

Sobre como trabalhar com o texto literário na sala de aula, Brandão e Rosa
(2007) destacam a necessidade de motivar a criança para o momento e que isso possa ser
feito a partir de formulação de questões que ativem conhecimentos ou experiências prévias
dos alunos, que possam se relacionar com o texto, ou seja, fazer com que as crianças
façam previsões sobre personagens e acontecimentos no desfecho da história.
No uso de textos literários na sala de aula, cabe considerar a necessidade de
discussão com os alunos, planejamento das conversas e avaliação por parte dos
professores sobre seus desempenhos, nessa situação.
A conversa sobre os textos pode funcionar como uma estratégia do professor
para “ensinar” a compreensão. Isso ocorre quando a professora formula perguntas
interessantes sobre o texto, escuta e reage às respostas das crianças. Vê-se como
necessário para que isso ocorra o abandono de uma perspectiva adultocêntrica na forma
como se trabalha as narrativas com crianças.
A contação de histórias pode apresentar-se para a Educação como um caminho
para o desenvolvimento da linguagem oral e escrita - a constituição do leitor passa pela
atividade inicial do escutar e do dizer. Dessa forma, as propostas de formação de
educadores devem incluir em sua prática não somente a preparação para o ato de contar
histórias, mas também para um uso mais amplo da narrativa oral na sala de aula, na
perspectiva da formação do leitor crítico, instigador, reflexivo, criativo. Ou seja, o
contexto escolar, rico em possibilidades de interação para a criança, possibilita o seu
desenvolvimento a partir de confrontos de significações, imitações, diálogos, formas mais
elaboradas de perceber, aprendizagens cooperativas, dentre outras.
Quando se trata de possibilitar a contação de histórias para e pelas crianças, no
âmbito de sala de aula, Zaccur (2001, p. 48) nos assegura:

Penetrando no mundo habitado pela palavra do outro, as crianças


tomam a iniciativa de pedir, tomar e recriar o que lhes parece belo
e necessário à vida. Em pouco tempo a criança passa de ouvinte à

68
contadora de histórias. Ao narrar, costuma se valer dos recursos
expressivos que apreciou e dos quais se apropriou: a entonação, o
gesto, o colorido da fala sublinhando as passagens.

O estar-no-mundo já se revela como uma possibilidade de atribuição de


significados, pois o ser humano tem o ímpeto de atribuir sentidos às coisas do mundo. A
mente humana tem necessidade de organizar suas vivências e experiências de modo
significativo e articulado (FERREIRA E DIAS, 2004).
A narrativa oral literária como experiência de encantamento, deleite e prazer,
possibilita essa atribuição de sentidos, pois a criança entra no universo da história, faz
pontes com seu próprio universo, traz elementos da história que fazem sentido para ela.
Tais experiências podem promover o desenvolvimento das funções psicológicas, pois uma
rede de significados vai sendo construída, bem como a formação de atitudes mais
elaboradas de compreensão da realidade.
As histórias inscrevem-se nessa possibilidade pela transformação que são
capazes de produzir na criança, a saber: a estrutura da narrativa proporciona seu
envolvimento emocional. Através da identificação com os personagens, ela passa a viver o
jogo ficcional, projetando-se na trama. A possibilidade que a criança tem de entrar em
contato com os fatos organizados da história é positiva no sentido de fornecer a ampliação
de sua capacidade antecipatória sobre as estratégias da linguagem literária e
principalmente da construção de sentidos (AMARILHA, 1997).
Além disso, a narrativa oral possibilita uma representação simbólica, pois o
contato da criança com a história enriquece a linguagem, que é uma das expressões mais
forte de representação. É preciso pensar nessa relação criança-narrativa oral na perspectiva
de que a linguagem é processual, constitutiva do pensamento, e vice-versa, campo
pertencente à função simbólica e formação de conceitos.
Enquanto a atividade lúdica prevalece no tempo da escuta, a significação vai
sendo constituída pela criança, trazendo sentidos outros para a história, reflexões,
desdobramentos, interpretações variadas, etc. A lembrança da história e o impacto dos
eventos e reflexões experimentados no contato com a narrativa podem perdurar por toda a
vida.
Em estudo desenvolvido por Matta (2004), ambientado num primeiro momento
no oceanário de Lisboa, com três grupos de crianças de cinco a sete anos, a autora
descreve que o primeiro grupo recebeu informações em forma de narrativa, o segundo em
forma de descrição e o terceiro não recebeu qualquer informação. Após 15 dias as crianças

69
foram entrevistadas e os resultados mostraram que o grupo que recebeu informações em
forma de narrativa produziu mais informações, em relatos com maior organização e
complexidade.
As situações de contação de histórias são oportunidades ricas para as crianças
desenvolverem suas capacidades de expressão, argumentação, de recuperação das
sequências narrativas, de expressão de suas opiniões e desenvolvimento de diálogos com a
própria história e com os parceiros de mesma idade, negociando diferentes possibilidades
de sentido. Por seu caráter essencialmente polissêmico, possibilita os ouvintes
preencherem os vazios, as lacunas, segundo suas experiências e contatos com outras
narrativas. Essa característica possibilita que o imaginário tenha espaço para circulação.
Para tanto é importante a mediação feita pelo narrador, professor no caso do contexto
escolar, instigando as crianças para os fatos das histórias contadas, ou pelas próprias
crianças, a partir do que ouvem umas das outras.
É fato que o significado não está embutido totalmente no que é contado;
mesmo que exista um sentido pretendido pelo narrador, ele é polissêmico oferecendo,
assim, possibilidades de ser reconstruído a partir do universo de sentidos do ouvinte. No
caso de serem vários ouvintes, o significado vai ser reconstruído a partir de uma
negociação, ou seja, o confronto de significados e uma negociação (FERREIRA E DIAS,
2004).
O ato de inferir é uma forma de o interlocutor captar o sentido de uma
enunciação de modo não literal. Para tal, coloca em cena dados constantes no enunciado,
mas também retirados do contexto e da situação de enunciação.
Na produção de sentidos, o ouvinte ou leitor desempenha um papel ativo,
sendo as inferências um processo cognitivo importante, relevante para esse tipo de
atividade. Isso ocorre porque elas possibilitam a construção de novos conhecimentos a
partir de dados previamente existentes na memória do interlocutor, os quais são ativados e
relacionados às informações veiculadas pela história contada oralmente ou pelo texto lido
(FERREIRA E DIAS, 2004).
As perguntas de antecipação feitas pelo narrador/professor podem ser feitas
antes e durante o desenrolar da narrativa. As questões formuladas durante a história podem
ajudar a criança a reunir pistas sobre o desenvolvimento da narrativa e seu desfecho final,
a partir da construção de hipóteses.
Essas perguntas realizadas antes e durante a contação devem ser feitas no
sentido de provocar a reflexão da criança sobre a história narrrada, levando-a a se

70
posicionar. O desenvolvimento dessa atitude pode ser chamado habilidade inferencial.
Segundo Brandão e Rosa (2007), essa habilidade diz respeito à capacidade de elaborar
significados novos, a partir do estabelecimento de relações entre as informações vindas da
narrativa e os conhecimentos prévios do leitor.
É conversando com as crianças que interpretações são confrontadas e
significados não vistos aparecem. Assim, a atividade de “conversar sobre a história”,
guiada por um(a) leitor(a) mais experiente, o(a) professor(a), merece ser planejada tanto
quanto as demais atividades do dia.
Em estudo conduzido por Miranda (2000) com crianças de três a cinco anos e
professoras, a autora constata três formas diferentes de assistência por parte do adulto:
quando a criança mostra ainda pouca elaboração, o adulto funciona como modelo,
questiona mais, conduz e processo de narração e assume coautoria; com a crescente
autonomia da criança, o adulto passa a ser um ouvinte participante que escuta atentamente,
acompanha a narração e faz intervenções para ampliar a narrativa. E, por fim, o adulto é o
interlocutor que solicita maior elaboração e produções mais complexas.
Bons leitores surgem de bons falantes e estes, por sua vez, de bons ouvintes.
Assim, o contar histórias deve estar vinculado, em princípio, a formar bons ouvintes e
bons falantes. Consequentemente, a vinculação com a escrita e leitura, segundo o autor,
virá de forma natural, como mais um processo de relacionamento do indivíduo com as
várias formas de expressão dessa palavra (HAVELOCK, 1995).
O lugar da narrativa oral literária na escola, especificamente na Educação
Infantil, precisa ser valorizado pelo professor como uma forma literária. Para que isso
ocorra, é necessário que ele compreenda o processo de desenvolvimento da criança, em
sua interface com a interação social e conceba a narrativa oral como lugar e espaço do
espontâneo da criança, espaço de aprendizagens e espaço em que a criança é de seu
desenvolvimento.

71
4 TERCEIRO CAPÍTULO - MÉTODO

A opção metodológica assumida foi a abordagem qualitativa. O pesquisador


esteve inserido no contexto pesquisado interagindo com os participantes e buscando
apreender os significados do fenômeno estudado, o uso da narrativa oral literária com
crianças da Educação Infantil, atenta ao que estava por trás de certos comportamentos,
atitudes ou convicções (ALVES, 1991; FERNANDES, 2008).
Para a escolha da técnica de coleta dos dados, seguiu-se a sugestão encontrada
no estudo de Flick (2004, p. 147) segundo o qual, as práticas “somente podem se tornar
acessíveis através da observação”. As observações buscam “os fundamentos na análise do
meio onde vivem os atores sociais” do estudo, uma vez que os dados não podem ser
considerados como fatos isolados, desde que estão relacionados ao contexto em suas
múltiplas relações (OLIVEIRA, 2005). Contudo, a observação exige do pesquisador “ter
objetivos realmente científicos e conhecer os valores e critérios da etnografia moderna”
(Minayo, 2004, p. 138), ou seja, observar a realidade implica conhecimento teórico prévio,
não só desta realidade, mas da metodologia proposta.
Tendo as situações de contação de histórias como propulsoras de construções
de narrativas em crianças, a metodologia adotada na presente pesquisa lidou com
procedimentos de intervenção que visavam favorecer as condições de expressão e
elaboração de sentido pelos sujeitos das situações vivenciadas.
Segundo Costa e Costa (2007), num sentido lato, o desenho metodológico
comporta em alguma medida uma intervenção, se for considerado que a pesquisa instaura
uma relação entre sujeitos. Em estudo sobre a prática lúdica como intervenção, as autoras
consideram como intervenção os momentos em que a pesquisadora organiza a situação
visando mobilizar as crianças em torno de um tema. Isso se aplica às situações que foram
propostas nesta pesquisa, pois elas envolvem o ouvir, refletir e recontar as histórias
cooperativamente.

4.1 O ambiente do estudo

O estudo foi realizado em um Centro de Educação Infantil (CMEI), situado em


um dos campi universitários da cidade de Recife, do qual fazem parte crianças na faixa
etária de 0 a 6 anos, ou seja, crianças de creche e pré-escola. O CMEI é uma instituição
pública, com características um pouco diferenciadas por estar dentro de uma universidade.

72
Nela circulam estagiários e docentes para realização de trabalhos de pesquisa. Ela conta
com seis agrupamentos etários: berçário (primeiro ano de vida), grupo I (segundo ano de
vida), grupo II (terceiro ano de vida), grupo III (quarto ano de vida), grupo IV (quinto ano
de vida) e grupo V (sexto ano de vida).
A escolha do Centro, enquanto espaço educativo para esse estudo, levou em
consideração o fato de ele ser um lugar potencialmente rico para o desenvolvimento da
criança, espaço onde elas têm a oportunidade de experimentar diversas situações de
interação com seus pares e/ou adultos, através de uma convivência perpassada de rotinas e
brincadeiras que lhes possibilitam a construção de significados sobre o mundo e sobre si
mesmas. Ou seja, a creche se constitui como um espaço de convivência da criança, sendo
assim considerado um ambiente ecologicamente relevante para se estudar dinâmicas
interacionais (ADES, 1989).

O CMEI onde esta pesquisa foi realizada tem um compromisso com a


formação de professores e estagiários, de modo que os resultados obtidos com a presente
investigação foram comunicados e discutidos com a equipe de profissionais do Centro,
fazendo com que os achados fossem revertidos para uma melhor qualidade da Educação
Infantil. Esse foi um compromisso assumido com os atores da creche (coordenação,
docentes, técnicos, pais das crianças e equipe central da Secretaria de Educação de
Recife). Além disso, esta pesquisa fez parte de um projeto mais amplo, intitulado, Cultura
do grupo de brinquedo: o exame de processos de significação com parceiros, coordenado
pela professora Maria Isabel Pedrosa. As análises empreendidas com o presente trabalho
de tese trarão subsídios ao projeto mais amplo e serão articuladas às análises levadas a
cabo por todo o grupo de pesquisadores, que buscam compreender e explicar a construção
de processos de significação, numa perspectiva sociointeracionista, onde é central o
processo de interação social como instigador de aquisições e aprendizagens. O
compromisso de retorno dos resultados ao CMEI foi também assumido quando da
submissão do projeto ao Comitê de Ética, que aprovou a realização da investigação,
conforme pode ser verificado no anexo 1 e com o consentimento dos responsáveis pelas
crianças que tiveram conhecimento da pesquisa através do Termo de Consentimento Livre
e Esclarecido conforme pode ser verificado no anexo 2.

73
4.2 O grupo estudado

A amostra estudada foi composta por todas as crianças pertencentes ao Grupo


V do CMEI. Faziam parte desse grupo cinco crianças, na faixa etária entre cinco e seis
anos, das quais, 2 meninas e 3 meninos. A escolha desse grupo foi definida em função da
idade das crianças, por apresentarem maior habilidade de comunicação, uma vez que eram
convidadas a participar ativamente durante a contação da história, expressando oralmente
suas percepções, expectativas e apreciações, e, em seguida, eram estimuladas a recontar as
histórias.
Em se tratando de um CMEI, situado em um campus universitário, as crianças
provêm tanto da comunidade da região próxima ao centro, bairro da várzea, como também
da comunidade universitária, ou seja, filhos de docentes, de servidores técnico-
administrativos e de discentes.

4.3 Procedimentos da investigação

4.3.1 Material e procedimento de coleta

Foram contadas seis histórias para o grupo, sendo uma história a cada dois
encontros, perfazendo um total de 12 encontros. As histórias escolhidas foram: (a)
Doroteia, a centopeia, de Ana Maria Machado; (b) A galinha ruiva, conto da tradição
oral; (c) O rei sapo, (d) Os sete cabritinhos e o lobo, (e) Os músicos da cidade de Breman
e (f) Jorinda e Joringel, esses quatro últimos são contos clássicos dos Irmãos Grimm.
Estes foram estudados pela pesquisadora a partir do livro Os contos de Grimm, de Jakob
(1989), com tradução do alemão de Tatiana Belinky.
A primeira história, Doroteia, a centopeia, mesmo não sendo um clássico
literário, foi incluída no grupo de histórias para ser usada como uma contação inicial,
momento de familiarização das crianças com a narradora, com o contexto ao qual elas
iriam estar submetidas. Como tem uma estrutura simples, e enredo envolvente para as
crianças, serviu para integrar o grupo à proposta. No transcorrer da vivência das crianças
com o contar e recontar a história, esse conto mostrou-se rico pelas situações-problema
que traz e pelo desfecho apresentado, o que envolveu de forma intensa as crianças,
levando-o a ser incluído no conjunto analisado.

74
A própria pesquisadora conduziu a contação, assim sempre que na análise e
discussão houver referência à narradora deve-se entender que se trata da pesquisadora,
dessa forma evita-se a repetição do binômio pesquisadora/narradora ao longo do texto.
Na escolha das histórias, foram considerados dois aspectos: histórias ricas do
ponto de vista da trama, dos detalhes e conflitos do enredo, desafios e encantamento como
tema, como os contos maravilhosos que apresentam no enredo diversos elementos
sobrenaturais: encantadores, objetos mágicos, metamorfoses. Outro aspecto considerado
foi a escolha de histórias que fossem desconhecidas para elas, o que era garantido a partir
de perguntas dirigidas às crianças a cada encontro sobre seu conhecimento da história que
seria contada, caso eles revelassem já conhecerem a história, imediatamente outra seria
contada. A pesquisadora, portanto, cuidou de preparar mais de uma contação para fazer
face a essa possibilidade. Nenhuma das seis histórias escolhidas, entretanto, era do
conhecimento das crianças.
É evidente que as crianças que compõem esse estudo têm contato com
narrativas ficcionais não só na própria creche, a partir das rodas de histórias frequentes na
educação infantil, como no ambiente familiar. Especificamente no CMEI, as rodas de
histórias são realizadas semanalmente, sempre a partir da leitura de livros literários
infantis, atividade conduzida pelas professoras ou auxiliares de sala. Após a leitura da
história, normalmente as crianças têm acesso ao livro para apreciar as imagens que
compõem o enredo.
No sentido de familiarizar o leitor com os enredos das histórias que foram
narradas e considerando que elas foram contadas e não lidas e, assim, marcadas pela
singularidade da narradora, foi feita uma transcrição da narração sendo retiradas as
interlocuções com as crianças (Apêndices 1; 2; 3; 4; 5; e 6).
A repetição da mesma história por dois encontros foi utilizada no sentido de
propiciar às crianças uma maior familiaridade com os enredos narrados; assim
caracterizaram-se dois momentos com cada história, vividos em dias diferentes. No
primeiro momento, as crianças ouviam a história e iam sendo instigadas a refletir sobre os
fatos narrados, posicionar-se sobre os conflitos presentes e possíveis soluções e imaginar o
seu desfecho. Ao final desse momento elas foram solicitadas a recontar a história. No
segundo encontro de cada história, novamente ela foi contada, porém a ênfase dada era no
momento do recontar das crianças, visto que elas já tinham uma familiaridade com a
história.

75
Durante os encontros, nos momentos em que as histórias foram contadas e
quando foi solicitado o recontar por parte das crianças, as interferências realizadas pela
narradora foram intencionais e orientadas no sentido educacional. Foram norteadoras para
essas interferências as seguintes questões: de que modo o narrador, enquanto professor na
Educação Infantil, pode gerar situações potencializadoras de conhecimentos e
aprendizagens? Assim, as interferências da narradora funcionam como perguntas sobre
fatos das histórias, problematizações para o grupo a partir de determinadas posições dos
personagens, confirmações sobre algumas afirmações das crianças diante de algum fato
ocorrido na história, repetição de palavras ou frases ditas por alguma criança para o grupo
pensar. Evitaram-se situações que pudessem afastar a criança do deleite e da apreciação
literária, ou seja, em primeiro lugar, primava-se pelo conto enquanto conto, buscando-se
um cenário imaginário, cheio de surpresas e expectativas.
Foram intencionais as interferências da narradora durante o recontar das
crianças, que objetivaram nortear o recontar, quando ele se apresentava fragmentado.
Também se buscou integrar e envolver as crianças no recontar e direcionar as falas delas
na sequência temporal da narrativa que foi contada. Em alguns momentos do recontar essa
interferência se expressa por um estranhamento diante da fala de alguma criança de modo
a ajudar a própria criança ou o grupo como um todo a se reposicionar no recontar a
história. Essa abordagem é condizente com a ideia de ZDP – zona de desenvolvimento
proximal, onde a criança não tem o produto pronto, mas se encontra no caminho da
construção, e a partir de algumas pistas ela segue na compreensão, apoiada na própria
pista ou no que ela reverbera no grupo do qual faz parte. Também são condizentes com a
ideia de um adulto que está pedagogicamente imbuído na sua ação. Ou seja, consciente do
efeito da intervenção pedagógica, no jeito de contar as histórias, potencializando o
desempenho das crianças, já que o narrador está dentro da creche.
As interferências da narradora são direcionadas para as crianças, tanto no
momento do contar como no de recontar; dessa forma não objetivam só a relação
narradora/crianças do ponto de vista do que ela pode promover na criança, mas, acima de
tudo, objetivam as produções que ocorrem entre as crianças, como as construções
realizadas por elas a partir da interação. A base teórica que sustenta essa forma de
conduzir as narrativas está em Bruner (1997; 2001), que se refere ao desenvolvimento da
linguagem via narrativas, a partir das experiências do ouvir, contar e recontar histórias,
bem como do papel da narrativa na construção de significados.

76
Em alguns momentos, as intervenções serviram para chamar a atenção de uma
determinada criança a respeito do que estava se passando no grupo, ou para fazê-la se
posicionar, participar do que estava circulando no grupo, ou para mobilizá-la para o
recontar junto com o grupo e até para ver se realmente elas estão envolvidas na narrativa.
As histórias foram contadas oralmente, sem a interferência das imagens que
são tão presentes nos livros infantis, de forma a tentar manter a atenção delas para a voz da
narradora. Essa estratégia foi usada no intuito de potencializar o imaginar das crianças:
cenas, fatos e desfechos. Como diz Busatto (2003), dar à criança a possibilidade de criar a
cena, com elementos, cores e música. O contar oral também teve o intuito de estimular a
memória das crianças para o desenrolar da narrativa, a valorização do escutar, que parece
ter perdido espaço em nossa sociedade tão visual.
Cabe destacar também que a história contada oralmente possibilita uma maior
plasticidade interpretativa do narrador no ato de narrar, que vai realçando sua fala de
acordo com as necessidades da trama narrada e também a partir do que vai observando na
reação das crianças, até buscar uma linguagem narrativa que seja mais adequada ao
entendimento e encantamento delas, enquanto que, na história lida, o narrador parece ficar
mais preso ao texto e a criança, muitas vezes, solicita ver as imagens.
A escolha do contar a história em vez de ler também pode ser fundamentada
na perspectiva do uso da voz, que na narrativa oral sem texto pode se apresentar com
maior possibilidade expressiva e interação lúdica para quem conta e para quem escuta a
história. Essa flexibilidade se confirma quando ouvimos uma mesma história contada mais
de uma vez, pelo mesmo contador. Ou seja, há uma liberdade de expressão no conto oral
que é muito próxima à liberdade de expressão da fala, considerando que as crianças da
educação infantil estão cada vez mais se apropriando da fala. Essa forma de narrar servirá
de estímulo imediato para a própria ação narrativa da criança.
Ainda sobre a escolha do contar oral, acredita-se que o “espaço aberto” que
esse conto gera, pela ausência da fidelidade literal do texto escrito, possibilita à narradora
inserir sua autoria, aqui entendida como forma de contar. Autoria que só é possível pela
presença da criança, que na interação vai sinalizando de forma verbal e não verbal a sua
presença na contação. Espaço aberto onde as crianças são convidadas a entrar.
Baseando-se na ideia de Benjamim (1993) de que narrar é dar forma às
palavras e considerando que o papel do narrador é aspecto importante a ser analisado no
trabalho, cada história foi estudada pela pesquisadora para favorecer um maior interesse,
envolvimento e apropriação por parte das crianças.

77
O estudo da história consistiu na preparação da exposição oral, de forma a
criar uma atmosfera forte e envolvente para as crianças, mas principalmente para garantir
um modo preestabelecido de a pesquisadora contar a história, no sentido de uma forma
semelhante de contar as seis histórias, a partir da utilização, durante a contação, de
estratégias como: (1) variações nos aspectos suprassegmentais da voz: (ritmo, velocidade,
modulação, intensidade), reforçando ou destacando a trama da história, os momentos de
clímax, de conflito, ou a fala dos personagens; (2) exploração dos recursos de pausa e
silêncio, em momentos determinados, de forma a criar um tempo de reflexão na criança
sobre os possíveis desdobramentos que vão ocorrer; (3) expressões faciais e movimentos
corporais associados a trechos e desfechos específicos das histórias; (4) perguntas
dirigidas às crianças durante o desenrolar da história, objetivando gerar previsões,
inferências e interpretações sobre a narrativa apresentada.
O estudo das histórias, com as especificidades apontadas acima, não produziu
um “engessamento” da narrativa, uma forma amarrada de contar; apenas foi usado com o
propósito de possibilitar um maior aproveitamento das crianças no momento do contar e
recontar, considerando que o engessamento não era desejado, pois acredita-se que a
contação oral contém em si uma imprevisibilidade intrínseca, própria.
Houve também a preparação técnica da história, que incluiu estratégias de
organizar a narrativa, deixando-a mais atrativa. Cabe destacar que nessa pesquisa a
preparação se justificava, ainda mais, pelo lugar em que a pesquisa se realizava, ou seja,
no espaço da educação infantil. Realça-se assim o papel que o educador pode ter enquanto
narrador das histórias, assumindo o seu contar uma intencionalidade pedagógica, a partir
de um modo de conduzir que seja significativo e produtivo para a criança. Nas fotos (1),
(2) apresentadas a seguir pode-se observar o uso da almofada pela narradora na contação
da história A galinha ruiva: especificamente, a almofada representa o saco onde a raposa
colocou a galinha ruiva, carregando-a nas costas e lançando-a dentro da panela.

Foto 1 Foto 2

78
Foram utilizados alguns recursos de suporte para o segundo momento do
recontar das crianças. Fantoches característicos dos personagens, objetos representativos
nas histórias: o poço de onde sai o Rei Sapo, e a bola de ouro da princesa da história, feita
de papel colorido; a casa da Galinha Ruiva, bonecos e bichos das histórias de Jorinda e
Joringel e Doroteia, a centopeia. A intenção foi oferecer elementos que pudessem ser
explorados no momento do recontar, servindo de apoio. Também em uma história, o livro
foi mostrado às crianças em função da solicitação delas em ver as imagens e recontar
apoiadas no mesmo. Na sequência de fotos (3), (4), (5), (6) apresentadas a seguir, tem-se
um exemplo do uso dos recursos que foram oferecidos às crianças no momento do
recontar da história A galinha ruiva.

Foto 3 Foto 4

Foto 5 Foto 6

Os participantes se encontraram com a narradora duas vezes por semana, tendo


cada encontro a duração média de 25 minutos, durante seis semanas, perfazendo um total
de 12 encontros. As crianças foram levadas para uma sala preparada para a pesquisa,
contendo tapete e almofadas de forma a criar um cantinho para a contação, numa

79
disposição onde ficavam em semicírculo, de frente para a narradora, sentadas sobre um
tapete e escoradas nas almofadas.
O instrumento utilizado para a coleta foi o equipamento de videogravação, que
permitiu o registro detalhado das situações propostas, garantindo à narradora a exposição
repetida das histórias contadas como recurso de análise, amplificando a possibilidade de
repensar e analisar as cenas. Pode-se dizer que, por preservar o fenômeno no tempo, ainda
que com redução de informação sensorial, a videogravação economiza tempo de coleta de
dados e propicia mais tempo de reflexão, aspectos fundamentais ao pesquisador
(CARVALHO et al, 1996).
A filmagem em vídeo permitiu capturar múltiplas pistas: visuais, auditivas,
expressões faciais, deslocamentos e diálogos entre as crianças. A videogravação, dessa
forma, revela-se menos submetida ao viés do pesquisador do que as anotações baseadas
em observação direta, porque registra informações em maior densidade, as quais podem
ser (re)vistas sempre que se fizer necessário.
Para a realização da videogravação, foi necessária a participação de um outro
adulto na sala que garantisse uma filmagem ativa, redirecionando a câmara para focar as
crianças que naturalmente se movimentavam, como também buscando posições diversas
para registrar as melhores imagens dos momentos de contação, envolvendo a tríade
crianças, histórias e narradora. Para auxiliar o registro, de forma a não perder as
expressões e falas das crianças e também da narradora, foi utilizado um espelho, que ficou
posicionado ao lado das crianças e refletindo a imagem da narradora de frente, com ligeiro
desvio lateral, de modo a garantir o registro de suas expressões faciais e movimentos
corporais durante a contação das histórias. Dessa forma, a videogravação permitiu uma
visão da totalidade e da riqueza das relações presentes no momento da contação,
afastando, assim, o risco da fragmentação de imagens. As fotos (7), (8) referentes à
contação da história A galinha ruiva, mostram a posição do espelho na sala possibilitando
uma videogravação com captura das crianças e da narradora, em seus movimentos e
expressões.

80
Foto 7 Foto 8

4.3.2 Procedimentos da análise

A análise dos dados coletados teve como base a sugestão proposta por Pedrosa
e Carvalho (2005) de análise qualitativa de episódios de interação. A seleção de trechos
para análise (recorte de episódios) foi baseada na identificação dos momentos em que
havia indícios de que as crianças elaboravam os fatos narrados e os conflitos presentes na
história, bem como indícios do processo de desenvolvimento e especificação das
narrativas das crianças, expressas a partir de suas capacidades de ouvir, refletir e recontar,
na perspectiva das transformações geradas a partir da interação criança/criança e crianças
com a pesquisadora/narradora. Também foi considerada a postura da narradora enquanto
mediadora da contação.
Para facilitar o entendimento dos recortes utilizados na análise, foi usado o
negrito quando era a fala da narradora, e o tipo de letra itálico para identificar quando a
narradora expressava a fala dos personagens da história contada. A letra arial foi utilizada
nos momentos em que se descreve alguma circunstância ocorrida nos momentos do contar
e recontar.
O conjunto de recortes utilizados na análise foi agrupado de acordo com a
relevância para se argumentar aspectos presentes no contar e recontar vividos pelas
crianças e narrador. Isso significa que os aspectos que foram realçados na análise e
discussão surgiram ao longo do contato do pesquisador com os dados, constituindo blocos
de discussão que apontam para os objetivos do estudo. Esses recortes estão apresentados
como apêndice 7 e 8, separados nos dois momentos: contar e recontar, e agrupados a partir
dos diferentes aspectos discutidos na análise.
Assim, pertencem ao apêndice 7 os recortes utilizados na análise do contar,
agrupados em três diferentes aspectos: (a) o posicionamento diante da história -

81
significados sendo construídos na interação; (b) a interface entre o real e a fantasia - as
experiências das crianças circunscrevendo os fatos; (c) inferências construídas na
interação. Pertencem ao apêndice 8 os recortes utilizados na análise do recontar,
agrupados em quatro diferentes aspectos: (a) recontar baseado nos fatos mais importantes;
(b) o corpo e a incorporação dos personagens apoiando o recontar; (c) o papel do narrador
no recontar; (d) o recontar construído a partir das negociações e ajustamentos criança-
criança e crianças-narrador.
Na apresentação da análise e discussão da pesquisa, no sentido de fortalecer o
entendimento do texto e fortalecer os argumentos dos diferentes aspectos que foram
encontrados nos momentos do contar e recontar, foram incorporados trechos dos recortes
dos apêndices 7 e 8, respectivamente. Esses trechos estão destacados nos referidos
apêndices para garantir ao leitor a identificação do entorno dos quais eles foram retirados.
Cada recorte apresenta uma identificação que inclui: o número do recorte,
tempo de gravação que corresponde a esse recorte, o nome da história contada e o
momento em que foi realizado o recorte, ou seja, contar ou recontar. A análise ocorreu da
seguinte forma: primeiro foi analisado o momento em que a narradora contava as histórias,
e num segundo momento o recontar das crianças. As histórias contadas encontram-se
como apêndice, conforme indicado anteriormente. Como já foi dito, essa apresentação das
histórias, excluindo-se as falas das crianças, foi uma estratégia utilizada para garantir ao
leitor o conhecimento de tais histórias, na forma como foram contadas.

82
5 QUARTO CAPÍTULO - ANÁLISE E DISCUSSÃO - ERA UMA VEZ: uma
centopeia, chamada Doroteia; uma galinha ruiva muito esperta; um sapo apaixonado e
uma princesa turrona; sete cabritinhos nas garras de um lobo e muito mais...

5.1. O CONTAR

5.1.1 O início: Encantamento e deleite

Antes de trazer os recortes analisados, cabe apontar algumas mudanças que


foram acontecendo no grupo de crianças ao longo dos momentos de contação. Na primeira
sessão, o grupo foi informado sobre a finalidade daqueles encontros, e sobre a ideia do
contar e recontar histórias que seriam vividas naquele espaço, sempre duas vezes por
semana, durante algumas semanas. Foi mostrado às crianças que a sala tinha sido
preparada para a atividade, ou seja, tapete e almofadas para que elas ficassem confortáveis
durante a contação. O espaço, como demonstrado nas fotos (9), (10), (11) e (12) abaixo
apresentadas, permitiu um clima de descontração demonstrado nos movimentos livres das
crianças, favorecedores no engajamento com a proposta.

Foto 9 Foto 10

Foto 11 Foto 12

83
Durante a contação da primeira história, Doroteia, a centopeia, as crianças se
mostraram interessadas, questionando e participando o tempo todo.
A presença do livro texto, que foi mostrado no início da contação, só para que
o grupo identificasse o personagem principal, a centopeia Doroteia, despertou a
curiosidade do grupo, principalmente de Mateus, que passou a solicitar o livro para que
pudesse ver as imagens e acompanhar o desenvolvimento da história. O interesse em ver
as imagens do livro pode estar associado às experiências anteriores das crianças, em que
se vincula o ouvir histórias ao ver as imagens presentes nos livros.
Na apresentação da segunda história, as crianças já estavam mais ajustadas ao
contexto e à atividade proposta. Acomodaram-se no espaço, sentadas e/ou deitadas sobre
as almofadas, num clima de aconchego e escuta favoráveis ao envolvimento na contação e
ao acompanhamento do fluxo narrativo. O olhar, a expressão fisionômica e o silêncio
capturados nas imagens videogravadas durante os momentos de contação revelam o
encantamento que esta exerce sobre as crianças.
Na terceira história, as crianças já assumem uma atitude mais ajustada à
situação: distribuem-se na sala de forma harmoniosa, encontram seu canto e se mantêm
atentas ao desenrolar da contação. Essa atitude de atenção e envolvimento se mantém
presente a partir da quarta história contada, ou seja, parece que elas incorporaram o
momento da contação, inclusive observa-se que, a cada encontro, elas ficam mais à
vontade e passam a escutar as histórias deitadas nas almofadas, em pleno encantamento e
deleite.

5.1.2 As histórias começam...

a) O Posicionamento diante da história: significados sendo construídos na interação.

À medida que as histórias iam sendo contadas e as crianças instigadas a


pensarem nos conflitos dos personagens, nos caminhos da narrativa e no desenrolar dos
fatos, foi possível observar a compreensão que tinham do enredo. O interesse pelas
histórias estava explícito no olhar atento do grupo, na expressão de expectativa durante as
pausas feitas pela narradora, na curiosidade e atenção às respostas dos colegas e no
movimento do grupo em responder às perguntas. A mediação realizada pelo narrador e a
interação criança-criança possibilitaram uma interferência mútua entre sujeitos,
significativa no posicionamento deles, nas histórias.

84
A influência de indivíduos participantes dos mesmos acontecimentos, em um
mesmo ambiente é referida por Wallon (1949; 1963) como sutil e tênue, havendo uma
construção permanente. Nessa construção, como foi observado, houve a participação ativa
da narradora, perguntando e repetindo para o grupo uma resposta específica de uma
criança. Essa atitude é chamada por Tomasello (2003) de instrução ativa por parte dos
adultos, que, segundo ele, desempenha um papel intervencionista no desenvolvimento da
criança e, consequentemente, no caso da narrativa, no processo de significação. No trecho
do recorte (9), (Os músicos de Breman - 1º contar) há evidências desse posicionamento em que, a
partir da indicação da narradora, as crianças repensam sua formulação inicial.

Recorte (9), (Os músicos de Breman - 1º contar): “Mais na frente, numa árvore, eles
escutaram um barulho...”. Emanuelle sugere: “a coruja...”. A narradora
questiona: “era uma coruja?!”. Pedro faz um som como se fosse uma
coruja. Rafael parece dizer: “não...”. E, logo em seguida, parece mudar
de ideia: “é...”. A narradora pergunta de novo: “será que era uma
coruja?!”. Pedro continua fazendo o som da coruja. A narradora diz:
“fazia assim, ó: ‘Có có ró có có...’. Pedro afirma: “galinha...”. Emanuelle
fala: “um galo...”.

A interação criança-criança também é evidenciada no processo de significação,


como pode ser observado no recorte (3) (Rei sapo - 1º contar). Ao serem questionadas sobre o
que é um poço, a primeira reação de Joyce é de movimento de cabeça negativo. Porém ao
ouvir Emanuelle dizer que sabia o que era, Joyce se reposiciona em relação à pergunta,
passando a afirmar que sabe. Ou seja, o reposicionamento de uma criança a partir das falas
das outras seria como uma busca de aproximação do sistema de referência que foi trazido
pelo outro. Abaixo o trecho do recorte.

Recorte (3) (Rei sapo - 1º contar): “todos os dias ela saía pelo bosque, que ficava
próximo ao castelo onde ela morava, e ia passear pelo bosque... Quando
tava o sol muito forte, tava fazendo muito calor, a princesinha sentava ao
lado de um poço... Vocês sabem o que é poço?!”. Joyce movimenta a
cabeça de forma negativa. Emanuelle diz: “eu sei...”. Quase ao mesmo
tempo, Joyce também diz: “eu sei...”.

85
Assim o posicionamento de uma criança produz mudança no posicionamento
do grupo, ou seja, há reciprocidade entre os parceiros, onde cada um, ou todos, se regulam
pelo que é dito. Vygotsky (1987) aponta a dinâmica pergunta-resposta como estratégia
significativa para o desenvolvimento do discurso narrativo, marcado pela interação verbal
entre adultos e crianças, e entre as próprias crianças, que vão ajustando os significados de
modo a aproximá-los cada vez mais dos conceitos predominantes no seu grupo cultural.
Especificamente, a assimilação de uma nova expressão linguística, a palavra túneis, na
história de Doroteia, a centopeia, recorte (1), foi construída a partir das inferências de
ordem pragmática feitas pelas crianças, ou seja, baseadas na compreensão que elas tiveram
sobre a escolha daquela palavra pela narradora no contexto da história.
As afirmações das crianças a partir dos questionamentos feitos sobre a história
refletem a construção do pensamento reflexivo que, segundo Wallon (1989), vai se
formando na interface entre as experiências pessoais e o que ela apreende por meio do
outro. Nos trechos dos recortes (1) (Doroteia, a centopeia - 1º contar) e (4) (Rei sapo - 1º contar) pode-se
identificar o reposicionamento das interpretações das crianças a partir das falas do grupo.

Recorte (1) (Doroteia, a centopeia - 1º contar): Doroteia estava muito triste... Ela tava
o tempo inteiro de cara feia, não queria conversar com ninguém e ficava
assim, ó... [Faz uma expressão de desânimo e cansaço] Ai, ui... Ai, ui...
O que será que Doroteia tinha?!”. Joycie fala: “dor de dente...”. A narradora
questiona: “será que era dor de dente?!”. Emanuelle arrisca: “dor de
cabeça...”. De novo, a narradora questiona: “será que era dor de
cabeça?!”. Tenta continuar: “pois é...”. Pedro interrompe: “tava com a
cabeça doente...”. A narradora fala: “será que ela tava com a cabeça
doente?!”. Maria Eduarda diz: “ou dor de cabeça ou dor de mão...”. A
narradora fala: “Dor de mão...”. Joyce arrisca mais uma vez: “ou se não,
dor de ouvido...”. A pesquisadora repete: “Dor de ouvido...”.

Recorte (4) (Rei sapo. 1º contar): “aí, ela jogou a bolinha pra cima... Quando
esperou a bolinha cair... Sabe o que aconteceu?!”. Joyce parece
responder com um gesto que faz com a mão, como que indicando a
trajetória de queda da bola. Emanuelle, por sua vez, responde: “Caiu no
poço...”. Joyce fala baixinho: “Caiu...”. A narradora confirma:
“Exatamente! Exatamente, Manu... Caiu dentro do poço...”.

86
No trecho da história A Galinha Ruiva em que ela foge da raposa, cortando o
saco com uma tesoura, observa-se que quando as crianças são questionadas sobre o que
ela teria dentro do bolso do avental, a primeira resposta é “dinheiro”. No desdobramento
dos diálogos, Breno diz que ela tinha linha, o que juntamente com a referência da
narradora ao fato da galinha ser costureira reposiciona a interpretação do grupo, dentro da
lógica da narrativa.

Recorte (2) (A galinha ruiva - 1º contar): “e dentro do bolso do avental a galinha


ruiva guardava... O quê?!” Joyce responde: “dinheiro... Um real...”. A
narradora questiona: “será que era dinheiro que ela guardava?!”. Breno
fala: “a linha”. A narradora aponta para o menino e fala: “a linha...
Porque era uma galinha costureira...”. Pedro diz: “uma agulha”. A
narradora confirma a fala dele: “uma agulha...”. E complementa: “e uma
tesoura... Era o material de trabalho da galinha.”

O posicionamento das crianças diante das histórias também se dá a partir das


suas experiências e/ou conhecimentos prévios. Ou seja, as crianças se posicionam com
relação às histórias a partir do seu universo de conhecimentos sobre o mundo, de modo
particular “recortam” sua experiência e explicam a narrativa, como por exemplo, na
história de Doroteia, a centopeia, onde a tristeza de Doroteia foi associada a “doenças”
comuns da infância, como dor de cabeça, dor de garganta, dor de ouvido. Cabe considerar
que as crianças responderam a partir do campo semântico que vai se configurando na
narrativa a partir da tristeza de Doroteia e de sua expressão de dor, ou seja, as falas vão se
configurando como circunscritores, pois a partir da compreensão do campo semântico de
“doença”, as crianças vão trazendo as possíveis causas do sofrimento de Doroteia,
ancoradas nas suas próprias experiências com doenças.
A riqueza da construção conjunta está também no que elas podem ampliar na
compreensão pessoal a partir das conclusões dos outros. Porém, em alguns trechos onde
foram instigadas a se posicionar, a fazer previsões, recorte (1) (Doroteia, a centopeia - 1º contar),

elas não conseguiram fazer, provavelmente por não terem elementos suficientes na história
que garantissem inferências. Mesmo sem resultado imediato, perguntas de antecipação,
durante o desenrolar da narrativa, podem ajudar a criança a reunir pistas sobre o
desenvolvimento e desfecho, bem como orientá-las na busca dessas pistas a partir de
construção de hipóteses. O trecho a seguir mostra um desses momentos.

87
Recorte (1) (Doroteia, a centopeia - 1º contar): “sabe o que é que Doroteia fez?!”.
Joyce movimenta a cabeça em sinal negativo. As outras crianças não
esboçam resposta. A narradora pergunta: “vocês imaginam o que é que
Doroteia fez?!”. Mais uma vez, Joyce movimenta a cabeça,
negativamente. Emanuelle e Pedro fazem o mesmo. Matheus
responde: “não...”. A pesquisadora diz: “pois é... Virou o rosto... Não quis
saber de doutor caramujo... E ainda estirou a língua pra ele... Tá certo?!”.
Pedro diz: “deu língua...”. A narradora fala: “deu língua pro doutor
caramujo, Pedro... Que coisa, né?! O doutor caramujo disse: Doroteia, isso
não se faz...”.

b) A interface entre o real e a fantasia, as experiências das crianças circunscrevendo os


fatos.

É fato a presença da narrativa muito cedo na vida das crianças. Narrativas


literárias que chegam através de histórias contadas no embalar do sono e nos momentos de
brincadeira, entre o adulto e a criança, e narrativas cotidianas expressas muitas vezes nas
conversas dirigidas à criança, onde são descritas ações e acontecimentos ocorridos no
entorno delas, familiarizando-as, assim, com a natureza diversa dos relatos e seus
significados. Imersa nesse mundo de sons, afetos e significados a criança amplia seu
repertório cultural e vai criando referenciais importantes ao desenvolvimento subjetivo.
Bruner (2001) refere que nessa construção social da narrativa, a criança vai
impondo um ponto de vista pessoal em seus relatos, acrescentando uma paisagem da
consciência à passagem da ação narrativa, como se acrescentasse uma expressão de seus
sentimentos com relação ao que estava relatando. O conto, porque contém uma linguagem
simbólica, permite a recriação de personagens e lugares a partir dos próprios referenciais
da criança. Possibilita também um constante contraponto entre o real vivido pela criança e
a fantasia, fazendo-a deslocar-se de um a outro, de forma confortável.
Mesmo considerando que a intensidade das experiências vividas pelas crianças
varia de acordo com o contexto e com as diferenças individuais e culturais, pode-se
perceber que o grupo, durante os momentos de contação e instigação propiciados pela
narradora, demonstrou, de forma intensa, a presença de suas experiências na compreensão
das narrativas, expressando isso a partir de um permanente canal entre o real (experiências

88
vividas individualmente) e a fantasia. Ao serem instigadas a inferir sobre as histórias, as
crianças utilizaram-se de suas referências e das referências dos outros colegas, ora
argumentando, ancoradas mais no real, ora na fantasia. Isso ocorre de forma evidente nas
narrativas O Rei Sapo e Sete Cabritinhos e o Lobo.
Na história O Rei Sapo há um estranhamento de Joyce diante da proposta da
princesa para recompensar a ajuda do sapo, dando suas roupas, joias e coroa. Joyce
argumenta que ele não vai aceitar, dizendo: “Porque se tiver roupa de mulher vai ser bicha...”.
Também no momento em que a princesa vai dormir, ela questiona: “dormir... Com quem?!,
Nas duas situações se revela a influência de suas referências socioculturais, nesse
momento, presa à canonicidade em detrimento da fantasia.
Na história dos Sete Cabritinhos e o Lobo, as crianças também respondem
baseadas nas suas experiências pessoais, ou seja, diante da ameaça do lobo, elas dizem que
os cabritinhos não vão abrir a porta; um instinto de defesa vem à tona, ancorado no que
elas vivem socialmente, aspecto evidenciado no trecho do recorte apresentado a seguir.

Recorte (7) (Os sete cabritinhos e o lobo - 1º contar): e a mãe foi-se embora...
Recomendou tudo... E as cabritinhas ficaram dentro da casa... O que será
que vai acontecer?!. Pedro diz: “É o lobo batendo...”. A narradora
pergunta: “Será que o lobo vai bater na porta?!”. Rafael faz um sinal
negativo com a cabeça. A pesquisadora faz outra pergunta: “Será que
elas vão abrir a porta para o lobo?!”. Pedro responde: “Não...”. Rafael
continua em seu movimento negativo. Joyce também nega balançando
a cabeça. A narradora fala: “Vocês acham que não?! Vai não, Joycie?!”.
A menina continua dizendo que não, com a cabeça. A narradora diz:
“Vai não, Pedro?!”. O menino responde baixinho: “Vai não...”.

No processo de aquisição da linguagem, a criança vai dominando seu uso,


aplicando-a às situações convencionais e também ao que foge à canonicidade; vai assim
introduzindo pontos de vista pessoais nas suas narrativas (BRUNER, 2001).
O predomínio do real trazido a partir das experiências das crianças também vai
aparecer na história dos Músicos de Breman, quando uma criança justifica o aparecimento
de um novo personagem para “casar” com um personagem da história, como descrito no
trecho apresentado a seguir.

89
Recorte (9) (Os músicos de Breman - 1º contar): a narradora indaga: “será que mora
um gato nessa casa?!”. Pedro sugere: “pra casar com a gatinha...”. A
narradora diz: “pra casar com a gatinha, é, Pedro?!”. Rafael afirma: não...
Um lobo...”.

Em outro trecho da história, é nítida a interferência do que elas trazem da


realidade em que vivem para prever o que vai ocorrer com o grupo de animais, ou seja, a
arma ou faca sendo usada para se defender de ladrões.

Trecho do recorte (10) (Os músicos de Breman - 1º contar): “... um dos ladrões disse
para o seu amigo: “vá lá e enfrente... Descubra quem foi que nos tirou da
nossa casa...”. O que será que vai acontecer?!”. Pedro opina: “vai matar
tudinho...”. A narradora pergunta: “quem vai matar tudinho?!”.
Emanuelle e Breno respondem: “os ladrões...”. A narradora fala: “vocês
acham que os ladrões vão matar os animais?!”. Rafael movimenta a
cabeça em sentido negativo. Pedro diz: “eu acho que não...”. A narradora
questiona: “não?! Vocês acham o quê?! O que é que vocês acham que vai
acontecer?!”. Pedro coloca: “nada... Aí, os animais vai ter uma doze...”. A
narradora não entende o que o menino fala: “os animais vai ter o quê?!”.
Ele diz: “uma doze...”. Ela não entende novamente: “uma o quê?!”. Ele
responde: “Uma arma...”. Ela, então, fala: “uma doze... Uma arma... Será,
gente, que os animais...?!”. Emanuelle prontamente diz: “é não...”. Rafael
esboça um movimento negativo. A narradora indaga: “é o quê?!”.
Emanuelle faz uma expressão de que não sabe. Pedro sugere: “então é
uma faca...”. Quase ao mesmo tempo, a narradora fala: “tu sabe,
Breno?!”. O menino sinaliza que não. Pedro repete: “então é uma faca...”.

Há momentos em que perguntas mais diretas, relacionadas, por exemplo, ao


levantamento dos personagens da história, foram facilmente respondidas pelas crianças.
Essas perguntas buscam manter a coesão da própria narrativa e as crianças se utilizam da
memória para organizar os fatos, para citar os personagens que aparecem na história. Em
algumas situações, as crianças acrescentam outros personagens, e se podem considerar
suas falas como uma reprodução interpretativa, como no recorte (1) (Doroteia, a centopeia - 1º
contar), evidenciado no trecho que segue:

90
Recorte (1) (Doroteia, a centopeia - 1º contar): “quando ele terminou, apertou os
pezinhos de Doroteia, os amigos de Doroteia... Quem eram os amigos de
Doroteia?! Vocês lembram?!”. Matheus é o primeiro a falar: “a
formiguinha...”. Emanuelle fala logo em seguida: “o grilo...”. Pedro diz: “o
sapo...”. Emanuelle segue o colega, quase em coro: “o sapo...”. Maria
Eduarda fala: “a minhoca...”. Quando a narradora ameaça começar a
falar, Joyce contribui: “cobra...”. A narradora retoma: “a cobra... E as
borboletas...”

A narrativa leva as crianças a pensarem, a refletirem sobre a diversidade da


situação e assim contrapor com a própria realidade vivida em seu cotidiano; isso promove
o reconhecimento e ao mesmo tempo a diferenciação. Joyce questiona o fato de a princesa
oferecer suas roupas para o sapo, diferentemente de Emanuelle, que não vê problema
nisso, recorte (4) (Rei sapo - 1º contar), só que a questão que Joyce coloca não é baseada no fato
de a princesa ser humana e o sapo ser animal e, assim, não ser adequado ele usar roupa.
Abaixo, trecho do recorte analisado.

Recorte (4) (Rei sapo - 1º contar): ela disse: você faz isso por mim?!. Ele disse:
faço... Mas em troca você vai ter que me dar alguma coisa.... “Aí, ela disse”:
pois eu aceito o acordo... Eu lhe dou as minhas joias, as minhas roupas... Até a
minha coroa de princesa, eu deixo com você, senhor sapo... Com um riso no
rosto, Joyce comenta: “as roupas... Ela disse, é?!”. A narradora fala: “foi...
Já pensasse, Joyce?! [Breve pausa] Mas o sapo... Será que o sapo queria
isso?!”. Joycie responde: “queria não...”. Emanuelle balança a cabeça
afirmativamente e diz: “queria...”. A narradora pergunta: “tu acha que ele
não queria não, Joyce?!”. A menina fala: “porque... Se ele vai ser bicha...”.
A narradora questiona: “por que você acha isso?!”. Joyce diz: “porque se
tiver roupa de mulher vai ser bicha...”.

O que Joyce traz é uma questão de gênero, ou seja, usar roupa de mulher não
pode, já que ele é um sapo, do gênero masculino.
Esta posição reaparece no recorte (5) (Rei sapo - 1º contar) onde mais uma vez Joyce
traz à tona reflexões sobre o fato de a princesa ir dormir com o sapo. O grupo não

91
consegue se posicionar sobre o assunto. Emanuelle e Rafael também acham que ela não
vai dormir com o sapo.
Joyce traz referências da realidade para a história, ou seja, elementos do
contexto social atual, recorte (6) (Rei sapo - 1º contar). Há uma contradição, pois Emanuelle e
Rafael não concordam com a afirmação de Joyce sobre os príncipes irem para o castelo
namorando, evidenciado no trecho a seguir:

Recorte (6) (Rei sapo - 1º contar): “e aí, o príncipe ficou muito contente porque
aquela princesinha tinha conseguido, Rafael... Fazer o quê?!”. Joyce fala:
“dormiu... Dormiu junto... Namorou...”. A narradora fala: “rá... Ela tinha
conseguido quebrar o encantamento... E ele deixou de ser um sapo, que ele
era um sapo encantado, e tornou-se um príncipe... E ele disse: agora que eu
voltei a ser príncipe, eu vou para o meu castelo e quero que você se case
comigo... E vá morar... Aonde?!”. Joyce responde: “no castelo...”. A
narradora confirma: “no castelo...”. A menina ainda diz: “e vai namorar no
castelo...”. Começa a rir, logo em seguida. A narradora também ri. Ela fala:
“e vai namorar no castelo, Joyce?!”. A menina confirma: “vai...”. A
narradora retoma a história: “e eles ficaram muito felizes... No outro dia,
ele pegou a... Chegou à carruagem dele... Eles entraram na carruagem e
foram pro castelo do príncipe...”. Joyce fala: “e foi namorando...”. A
menina faz um gesto de beijo na boca. Todos riem. A narradora
pergunta: “tu acha que foi namorando, Rafael?!”. O menino responde:
“eu não...”. Emanuelle fala: “eu não, hein...”.

A polissemia da narrativa oral é a base para a criação, para o reinventar da


criança. Lendo nas entrelinhas e atribuindo sentidos aos fatos, a criança entra em contato
com uma forma de narrar e pensar a história mais livre, ampliando, assim, suas
competências.

92
c) Inferências construídas na interação

O interesse da criança em acompanhar uma história provavelmente está


relacionado ao seu desejo de saber o que virá depois e que surpresas lhe reservam os
enredos. Em nossas histórias: que destino terá a galinha ruiva? Como Joringel libertará
Jorinda? Haverá salvação para os cabritinhos? Como o problema de Doroteia, a centopeia,
será resolvido? Chegarão os amigos na cidade de Breman? Que destino aguarda o pequeno
sapo?
Escutar histórias envolve o ato de pensar na frente, antecipando a ação,
buscando conexões que deem sentido à trama narrada. Esse “pensar na frente” é realizado
pela criança a partir das inferências que vão construindo sobre a história, apoiadas nos
seus conhecimentos prévios e alimentadas pelo imaginar das cenas.
Em estudo sobre a leitura, tendo como base o processo inferencial, Ferreira &
Dias (2004) explicam que, na produção de sentidos, o leitor desempenha um papel ativo,
sendo as inferências um processo cognitivo relevante para esse tipo de atividade. Isso
ocorre porque as inferências possibilitam a construção de novos conhecimentos a partir de
dados previamente existentes na memória do interlocutor, os quais são ativados e
relacionados às informações veiculadas pelo texto. Esse processo favorece a mudança e
transformação do leitor, que, por sua vez, modifica o texto. É possível perceber essa
mesma construção de sentidos a partir de inferências quando as crianças ouvem histórias
oralmente.
A maneira como a narradora conta as histórias, utilizando constantemente a
interlocução com as crianças, favorece, além de uma participação ativa e reflexiva por
parte dessas, a construção de inferências e previsões. Favorece também o confrontar
interpretações no grupo, visto que a interação não se dá apenas entre a narradora e as
crianças, mas também entre elas.
Ao formular questões, a narradora pode ativar conhecimentos e/ou
experiências prévias das crianças, estreitando suas relações com a história e favorecendo
previsões sobre acontecimentos e personagens (BRANDÃO E ROSA, 2007). Ao mesmo
tempo, ao favorecer a troca na interação criança-criança, a construção de sentidos pode ser
ampliada pela ação do grupo.
Isso pode ser identificado na forma como as crianças vão construindo os
significados e vão ajustando suas falas para fazer previsões. Por exemplo, na história da
Galinha Ruiva, observa-se que há uma composição do desfecho sobre a fuga da galinha a

93
partir das ideias de cada criança (recorte 1) (A galinha ruiva - 1º contar). Diante do fato de a
raposa pegar no sono, Breno antevê a possibilidade de a galinha fugir e anuncia para o
grupo; essa ideia é confirmada por Pedro, que, ao ser questionado pela narradora sobre
como isso será possível uma vez que o saco está fechado, o grupo todo se coloca trazendo
alternativas como: rasgar o saco; usar a pata para rasgar; usar o bico; etc. A expressão
corporal de Joyce, numa demonstração de como a galinha deveria usar o bico, reforça a
conclusão do grupo, não deixando dúvidas sobre o possível desfecho pensado por eles.
A forma como as crianças fazem inferências sobre as narrativas condiz com os
estudos de Perroni (1992), que afirma ser o desenvolvimento da narrativa vinculado ao
dizer do outro, onde o contexto e a interação verbal são fundamentais, como por exemplo,
a inferência feita por Pedro com relação ao poder que a rosa poderia proporcionar ao
personagem, ancorado na afirmação de Emanuelle e no contexto explicitado pela
narradora, descrito no trecho do recorte (7) da história de Jorinda e Joringel, apresentado
a seguir.

Recorte (7) (Jorinda e Joringel - 1ºcontar): a narradora indaga: “será que ele vai
ficar estátua, Pedro?!”. Emanuelle diz: “não...”. A narradora segue
perguntando: “por que ele não vai?!”. Pedro fala: “porque... [Pausa] Ele tá
com a rosinha...”. A narradora diz: “porque ele tá com a rosa... Aí vocês
acham que ele não vai ficar estátua não?!”. Pedro afirma: “não! Pega o
poder da rosa...”. A narradora fala: “pega o poder da rosa, Pedro! Boa ideia,
Pedro!”.

A partir de inferências feitas pelas crianças, baseadas em desfechos de outras


histórias, como a sugestão dada por Emanuelle de que o beijo transformaria o pássaro em
princesa novamente, mesmo que não seja aceita por todo o grupo, mostra o quanto as
histórias são permeáveis a interpretações, muitas vezes contaminadas de outras narrativas
ouvidas pelas crianças, conforme trecho da mesma história.

Recorte (8) (Jorinda e Joringel - 1º contar): tinham vários pássaros presos... Como é
que ele ia descobrir quem era Jorinda?!”. Todos ficam em silêncio. Pedro
faz sinal de que não sabe. Emanuelle sugere: “dando um beijo...”. A
narradora não entende: “oi?!”. A menina repete: “dando um beijo?!”. A
narradora pergunta: “dando um beijo?! Será que ele vai descobrir quem é

94
Jorinda dando um beijo?! Será que esse feitiço vai terminar se ele der um
beijo no pássaro?!”. Emanuelle esboça um sinal afirmativo com a
cabeça. A narradora indaga: “será?! Hein, Rafael?!”. Depois de um
tempinho, o menino parece sinalizar que não. Pedro diz: “vai!”.
No recorte a seguir, foi possível observar que a construção inferencial feita
pelo grupo pôde ser provocada por uma única expressão de Emanuelle, que perguntou
“morreu?”, quando a narradora descreve, com gestos contundentes, que a menina jogou o
sapo na parede, com muita raiva. Essa pergunta serviu de circunscritor para o grupo se
posicionar dentro do mesmo campo semântico. A narradora dá o suporte necessário para
pensar sobre a história, instigando as crianças, acolhendo e/ou contrapondo as
informações, fazendo acréscimos relevantes para essa compreensão, ao mesmo tempo em
que a presença do grupo, dentro de um campo interativo, possibilita a influência mútua.
As crianças fazem inferências a partir do fato de o sapo ter sido jogado na parede e o que
isso pode provocar: a morte, quebrar os dentes, ficar banguelo.

Recorte (2) (Rei sapo - 1º contar), trecho: ela ficou com tanta raiva daquele sapo
porque ele queria contar pro rei... Que ela pegou o sapo e fez assim... [Faz
um gesto como se arremessasse algo pra longe] Vupt... Jogou o sapo na
parede com toda a força que ela tinha... Praft... [Mostra assim o sapo
batendo na parede e a forma como ele ficou] O sapo bateu na parede e
caiu no chão.... Emanuelle comenta: “morreu?!”. Rafael contribui: “e caiu
os dentes...”. A narradora questiona: “será que caiu os dentes do sapo?!”.
Emanuelle ri. Joyce fala: “caiu...”. A narradora continua a falar: “será que
ele morreu?!”. Emanuelle diz: “morreu... [Breve pausa] Caiu os dentes... E
ficou banguelo...”. A narradora pergunta: “o que é que tu acha, Joyce?! O
que aconteceu com o sapo?!”. Joyce diz: “foi...”. Rafael afirma: “o dente
caiu...”. A narradora fala: “nã, nã, nã, nã, nã... Sabe o que aconteceu?!”.
Joyce diz: “não!”.

O desenvolvimento da capacidade antecipatória é fundamental para a criança,


ajudando-a na compreensão da história, inclusive, apoia-a na formulação de estratégias da
linguagem literária e na construção de sentidos, como ocorre nos respectivos trechos dos
recorte (3) e (4) da história Os sete cabritinhos e o lobo.

95
Recorte (3) (Os sete cabritinhos e o lobo - 1º contar): e agora?! O que é que o lobo vai
fazer?! O que é que vocês acham?!”. Breno fala: “pintar a pata de branco e
deixar a voz fina...”. A narradora questiona: “será que ele vai pintar a pata
de branco?! O que é que tu acha, Rafael?!”. O menino faz um sinal
positivo com a cabeça. A narradora busca confirmar: “acha?! Como é
que ele vai pintar essa pata de branco?!”. Breno responde: “com tinta...”.

Recorte (4) (Os sete cabritinhos e o lobo - 1º contar): a narradora continua: “o lobo
então... Fez o quê, gente?! O que é que vocês acham que o lobo fez?!”.
Breno diz: “foi lá e bateu de novo...”. Joyce e Pedro também dão a
mesma resposta que Breno. Mas Pedro ainda complementa: “e colocou
o pé...”. Breno segue falando, mais baixinho agora e com uma voz fina:
“sou eu, filha... Sua mãe... Trouxe um bocado de presente para você...”.

Na interface entre o que ela traz de experiências pessoais e o que ouve da


história, há entrecruzamento num pensamento reflexivo. A partir da formulação de
hipóteses, de erros e acertos, a criança vai reordenando seu pensamento (recortes 5 e 6 - Os
sete cabritinhos e o lobo), expressos nos trechos apresentados a seguir.

Recorte (5) (Os sete cabritinhos e o lobo - 1º contar): o que será que ela ouviu?!”. Pedro
responde baixinho: “as filhinhas...”. A narradora fala: “as filhinhas dela...
Ela escutou um barulhinho... E ela pensou: será que minhas filhas ainda
estão vivas?! Será que esse lobo era tão guloso que engoliu elas inteiras?!. Foi
nisso que a cabra pensou... Rapidamente, ela pediu pra cabrinha ir até a
sua casa e pegar uma tesoura... A cabrinha foi... Ela abriu a barriga do
lobo...”. Breno complementa: “e pegou as cabritinhas...”. Joyce contribui:
“e depois saiu correndo pra casa...”. Breno fala: “aí trancou...”. Joyce ainda
diz: “de chave...”.

Recorte (6) Os sete cabritinhos e o lobo - 1º contar): o que será que vai acontecer?!”.
Pedro parece falar: “ela ficou morrendo...”. Joyce comenta: “ficou
pesada...”. A narradora pergunta: “será que ficou pesada a barriga do lobo,
hein?! Hein, Rafael?!”. O menino faz sinal positivo com a cabeça. A
narradora continua perguntando: “e o que aconteceu com o lobo?!”. Pedro

96
responde: “aí, o lobo foi andando, andando, e morreu...”. A narradora fala:
“ele foi andando, andando, e morreu?!”. Joyce diz: “ficou cansado...”. A
narradora indaga: “o que é que tu acha, Breno?!”. O menino responde: “ficou
cansado...”. A narradora diz: “o lobo ficou cansado quando acordou...
É fato que o significado não está embutido totalmente no texto oral, mesmo
que exista um sentido pretendido pelo autor, ele é polissêmico, oferecendo, assim,
possibilidades de ser reconstruído a partir do universo de sentidos do ouvinte. Caso sejam
vários ouvintes, esse significado vai ser reconstruído a partir de uma negociação, ou seja, a
partir do confronto de significados e de uma negociação (FERREIRA E DIAS, 2004).
Quando instigadas a pensar, as crianças fazem inferências sobre a história.
Observa-se que conversas sobre histórias, orais ou escritas, podem funcionar como
estratégia do professor para “provocar” a compreensão. Isso vai ocorrer quando a
professora formula perguntas interessantes sobre o tema e, principalmente, escuta e reage
às respostas das crianças, considerando a produção que se dá entre elas. Ou seja, é
necessário sair de uma perspectiva adultocêntrica na forma como se trabalha as narrativas
com crianças na escola. Observa-se, frequentemente, a falta de discussão com os alunos, a
ausência de planejamento das conversas e a omissão na avaliação por parte dos
professores sobre o desempenho dos alunos nessa situação; mas, acima de tudo, falta
considerar o que a criança produz com seus pares de idade.

5.2 O RECONTAR DAS CRIANÇAS

Os recortes aqui trazidos referem-se a dois momentos. O primeiro recontar,


realizado após as primeiras contações das histórias pela narradora, e o segundo recontar,
realizado após o segundo momento em que as crianças ouvem novamente a história.
No primeiro momento, diante da solicitação para iniciar o recontar da história,
todos se prontificam. Emanuelle, porém, ergue o braço de Maria Eduarda, indicando-a
para realizar a atividade, justificando que ela sabe ler. Ao ser iniciada a história, Mateus
solicita e insiste para que eu pegue o livro para Pedro ler. O que as crianças revelam com
este comportamento? Por que vinculam o recontar com o ler?
Quando lemos não corremos o risco de errar, esquecer a história; a solicitação
do livro também pode estar associada às experiências que as crianças têm de ouvir
histórias sempre a partir do apoio do livro. Da mesma forma, revela a necessidade de,
“vendo as imagens”, na sequência da história, ter-se a garantia de não pular ou esquecer

97
trechos. O recurso de mostrar as imagens também é comum nas rodas de leitura, podendo
criar uma dependência da criança em ver a figura que corresponde ao texto que está sendo
contado. Foi dessa forma que as crianças quiseram garantir o contar sem riscos de elas não
acertarem.
As crianças ainda apresentaram resistências para o recontar. Na verdade,
estiveram inibidas diante da tarefa. Como no primeiro encontro, no segundo solicitam ver
as imagens do livro. No primeiro momento do recontar este ocorreu sem o apoio de
nenhum recurso, após o ouvir a história. No segundo momento do recontar, foram
oferecidos diversos recursos às crianças, fato já mencionado no capítulo do método:
personagens em forma de fantoches, bichos de pano e bonecos, além de objetos que
compõem o cenário onde a história se passou, como a casa da galinha ruiva, o poço de
onde saiu o rei sapo. Esse material foi bastante explorado pelas crianças. A intenção era
favorecer o recontar a partir do apoio desses elementos de modo a envolver as crianças.
A proposta desse segundo encontro previa que a narradora contasse novamente
a história para as crianças e só depois solicitasse que elas a recontassem, como ocorreu no
primeiro encontro com a história de Doroteia, a centopeia. Porém, no momento em que
ela começa a contar, como as crianças já tinham ouvido a história na vez anterior, elas
participam ativamente, entrando na narrativa, atuando como narradoras junto com a
pesquisadora. Automaticamente, a narradora acolhe esse movimento e passa a instigá-las a
narrar. As crianças recontam a história com uma maior riqueza de detalhes do que foi o
recontar no primeiro momento, inclusive incorporando mais as falas, atitudes e
movimentos dos personagens.
A experiência do recontar a primeira história, Doroteia, a centopeia, pela
segunda vez, teve como fato principal a incorporação dos personagens pelas crianças. Elas
reproduziram as ações e falas dos personagens. Quando instigadas a contar a história,
trouxeram os pontos desencadeadores do enredo, como a dor nos pés de Doroteia, a
compra dos sapatos, o dinheiro para comprá-los, mas não trouxeram, a sequencialidade
temporal dos fatos apresentados. A narradora tenta dar os apoios e as pistas sobre o
desenvolvimento da história. As fotos (13), (14), (15), (16), (17), (18), (19) e (20),
referentes ao momento do recontar da história Doroteia, a centopéia, demonstram essa
incorporação das cenas, dos personagens pelas crianças no recontar.

98
Foto 13 Foto 14

Foto 15 Foto 16

Foto 17 Foto 18

99
Foto 19 Foto 20

No segundo momento do recontar, as crianças estão mais disponíveis, porém


ainda solicitam ver o livro da história. Nesse recontar, a participação/intervenção da
narradora foi fundamental, trazendo os elementos de encadeamento da narrativa, e sempre
mobilizando a atenção das crianças para garantir o envolvimento do grupo como um todo.
Esse papel do narrador tem uma natureza intervencionista, sendo chamado por Tomasello
(2003) de instrução ativa por parte dos adultos.
A ludicidade é presença constante na forma como as crianças vivenciam as
ações dos personagens e se divertem com o jogo cênico de reconstrução da história. O
prazer está vinculado não só no resgate oral da história, mas, principalmente, na
possibilidade de vivenciar as ações dos personagens, expressar corporalmente suas
atitudes e se colocar no lugar deles. Para Bruner (1997) a narrativa também está presente
nas expressões gestuais e plásticas, nas brincadeiras e ações que ocorrem no cotidiano
infantil.
No contato com as histórias a partir do recontar, as crianças puderam dar asas
às suas fantasias, imaginando os acontecimentos, criando e combinando imagens com
elementos advindos das histórias narradas e de suas próprias experiências.
Na hora do recontar, buscaram da memória fragmentos dessa narrativa ouvida,
inventavam e, algumas vezes, recriavam as cenas. O recontar apresentou elementos de
coerência e coesão, aproximando-se bastante da narrativa contada que lhe serviu de base.
As crianças foram mobilizadas pela necessidade de construir significados, onde a função
precedeu a forma.

100
a) Recontar baseado nos fatos mais importantes

Um dos caminhos claramente usados pelas crianças, durante o recontar, teve


como base a exploração das situações problema das histórias, como em Doroteia, a
centopeia, em que a questão norteadora é a dor nos pés de Doroteia. Ou seja, o recontar
das crianças se dá a partir do fato desencadeador: a dor nos pés, os sapatos apertados, a
formação de calos, que foi seguida do outro problema, a falta de dinheiro para comprar
sapatos. Essa sequência é reorganizada pelas crianças, sendo introduzida à presença do
doutor caramujo, conforme o trecho descrito.

Recorte (1) (Doroteia, a centopeia - 1º recontar): “Era uma vez Doroteia, uma
centopeia... [Pausa] O que mais?!”. Pedro diz: “tava com dor nos pés...”.
Maria Eduarda fala: “dor no... Dores nos pés...”. Emanuelle e Joyce se
olham no espelho. A narradora chama a atenção para que elas voltem
aos seus lugares. Matheus brinca com a almofada jogando-a para o
alto. A narradora diz: “assim não... Vamos contar a história... Vamos lá...”.
Mesmo com as crianças inquietas, ela continua: “tava com dor nos pés,
era, Pedro?! E daí?!”. Pedro confirma: “era...”. Maria Eduarda diz: “de
dedo...”. A narradora fala: “nos dedos... Como é que ela descobriu isso?!
Como é que foi isso, hein?!”. Maria Eduarda afirma: “o doutor descobriu...”.
Pouco depois, Emanuelle diz: “por causa do sapato apertado...”. Pedro
contribui: “pequenininho...”. Maria Eduarda fala: “aí fez um calo... Tava
fazendo calo...”. Emanuelle completa: “no pé dela...”. A narradora fala: “no
pé dela... O que mais, Matheus?! [O menino continua inquieto] O que
aconteceu então?!”. Pedro coloca: “aí não tinha dinheiro...”. Maria Eduarda
começa a falar: “não tinha dinheiro pra...”. A fala de Emanuelle se
sobrepõe: “pra comprar sapato...”.

Em outras histórias como O rei sapo, Os sete cabritinhos e o lobo e Jorinda e


Joringel, tem-se novamente o apoio nos fatos mais importantes. Na história do Rei Sapo,
recorte (4) (Rei sapo - 1º recontar): os eixos norteadores do recontar são: a bola que caiu no
poço, a ida do sapo para o castelo, o sapo querendo dormir na cama da princesa, o nojo da
princesa, a princesa jogando o sapo na parede e ele virando príncipe.

101
Na história Os sete cabritinhos e o lobo, o resgate dos principais fatos no
recontar foi feito por uma única criança, que assume o papel de protagonista da narrativa,
conforme o trecho descrito a seguir.

Recorte (3) (Os sete cabritinhos e o lobo - 1º recontar): “gente, ele tá contando sozinho...
Ninguém vai ajudar ele não, é?!”. Joyce parece falar: “mas eu vou contar
quando tiver pergunta...”. Pedro ainda segue falando: “ela pediu pra
cabritinha nova ir lá na casa dela e pegar a tesoura... E cortou, cortou, cortou...
Abriu... Pegou as filhinhas... Pegou as cabritinhas e levou pra casa... Colocou
muita pedra...”. Breno comenta: “foi... Botou muita pedra...”. Pedro
continua: “e costurou, costurou... Costurou, costurou... Quando ele tava
morrendo de sede, foi...”. Rafael ajuda: “no lago...”. Pedro fala: “no lago... E
tomou água...”. Rafael diz: “ele botou a cabeça pra baixo...”. Pedro conta:
“botou a cabeça pra baixo... [Não se entende parte da fala] E vrum... Na
água...”.

Na história de Jorinda e Joringel, esse direcionamento do recontar para os


fatos mais importantes da história é apoiado pela narradora, como se observa nos dois
trechos dos recortes (5) e (6) apresentados a seguir.

Recorte (5) (Jorinda e Joringel - 1º recontar): “Jorinda e Joringel... E eles eram o


quê?!”. Emanuelle responde: “princesa e príncipe...”. A narradora diz: “eles
eram princesa e príncipe... E eles foram pra onde?!”. Pedro responde:
“caminhar...”. Emanuelle conta: “aí se perderam...”. Pedro segue a história:
“aí foram prum velho caminho... [Não se entende parte da fala] Aí achou...”.
A narradora questiona: “achou o quê?!”. Todas as crianças falam ao
mesmo tempo, sendo possível apenas compreender Rafael, que diz: “o
castelo...”.

Recorte (6) (Jorinda e Joringel. 1º recontar): “o príncipe Joringel...”. Emanuelle


afirma: “ficou triste...”. A narradora diz: “ficou triste... Ficou triste... E
depois?! Quando ele foi pra longe, o que aconteceu com ele?!”. Emanuelle
conta: “aí ele dormiu...”. A narradora fala: “dormiu o príncipe, foi?!”.
Rafael afirma: “sonhou...”. Emanuelle ainda fala: “lá no campo...”. A

102
narradora diz: “ele sonhou!”. Rafael fala: “pra pegar o coisa rosa...”. A
narradora pergunta: “que coisa rosa?!”. Emanuelle responde: “a flor...”. A
narradora diz: “ah... Ele sonhou com uma rosa vermelha, foi?!”. Rafael
sinaliza que sim. A narradora indaga: “e o que é que essa rosa vermelha
fazia?!”. Emanuelle diz: “era mágica...”. A narradora pergunta: “Pedro, era
uma rosa mágica?!”. Rafael e Pedro dizem: “era!”. A narradora fala: “e
aí?!”. Emanuelle conta: “e aí... Ele andou, andou, foi até perto do castelo,
entrou no castelo...”.

É interessante também observar a necessidade do apoio da narradora para as


crianças iniciarem o recontar; parece que a experiência de protagonistas do contar é nova
para elas, deixando-as um pouco inseguras e inibidas para iniciar. A narradora, então, vai
mediando a fala das crianças, direcionando-a, fazendo estranhamentos que possibilitaram
o grupo repensar a sequência que estava narrando.
Isso aparece de forma evidente no primeiro recontar da história da Galinha
Ruiva. As crianças pedem para ver a história. Emanuelle se oferece para contar, mas em
seguida recua da iniciativa. Quando a narradora se oferece para iniciar, para ajudar no
recontar, elas concordam e Breno diz: “ajuda, conta ai tudinho”. Surge um clima
descontraído no grupo, que é positivo, pois quebra a expectativa que estava centrada na
fala deles. Eles brincam e propositadamente trazem outros personagens para a história: um
rato, uma catita. Eles também avançam na história sem respeitar a sequência do enredo,
brincam com os fatos, trazem outros desfechos e riem do meu estranhamento.
Bruner (1997) refere que uma das características da narrativa é a possibilidade
de avançar ou voltar no tempo, e isso foi buscado pelo grupo numa tentativa de dar
sequencialidade ao texto. Ao mesmo tempo observa-se a articulação entre o parafrásico e
o polissêmico. A polissemia é influenciada pelas apreensões das crianças sobre os fatos
narrados na interface de suas experiências e interesses. Naquele momento, o interesse
deles parecia ser brincar com a história e isso abriu outras possibilidades de personagens e
desfechos. Essa “abertura” para brincar com a história parece ser reforçada pela expressão
“Era uma vez...” que, segundo Bruner (2001), coloca a criança num tempo indeterminado,
lenvando-a do plano da realidade para o espaço da imaginação, como se pode observar no
trecho da história A galinha ruiva apresentado a seguir.

103
Recorte (2) (A galinha ruiva - 1º recontar): “Era uma vez...”. Faz uma nova pausa.
Breno diz: “quando a raposa pegou um rato...”. Joyce ri. A narradora diz
novamente: “era uma vez...”. Emanuelle fala: “A galinha ruiva”. A
narradora diz: “a galinha ruiva... Que...”. Breno fala: “aí... A raposa queria
pegar ela e pegou um...”. [Não é possível compreender a parte final da fala
do menino] A narradora diz: “a raposa queria pegar ela... Gostei...”. Pedro
fala: “e pegou a pedra”. A narradora pergunta: “sim, mas já chegou na
pedra?! O que é que tem antes disso?!”. Pedro diz: “pegou o catita”. A
narradora coloca: “catita?! Não lembro de ter catita nessa história não...”.
Emanuelle, rindo, repete: “catita!”. A história é retomada: “era uma vez
uma galinha ruiva... Que morava onde?!”. Joyce responde: “na casa... Bem
alta...”. A narradora diz: “isso... E daí?!”. Breno responde: “aí ela morreu...
E pegou...”. A narradora pergunta novamente: “e daí, hein, Emanuelle?! A
galinha morava sozinha?! Ela morava com quem?!”. Enquanto as
meninas estão sentadas de frente para a narradora, os meninos
encontram-se deitados mexendo um com o outro. Joyce fala: “com a mãe
dela, com o pai dela”. Breno complementa: “e o avô dela”. A narradora fala:
“Era?! A galinha morava com esse povo todinho era?! [Breve pausa] Hein,
Emanuelle?!”. Emanuelle esconde o rosto com as duas mãos, mas logo
as retira de sua frente. Joyce diz: “ou então morreu...”.

Conclui-se que o recontar é construído pelas crianças principalmente a partir


dos fatos mais importantes das histórias. Nessa construção mostraram-se como
fundamentais dois aspectos: os ajustamentos nas falas das crianças, sob a forma de
regulação recíproca, e a postura instigante da narradora para com as crianças. Esses
aspectos serão retomados separadamente no decorrer da análise.

b) O corpo e a incorporação dos personagens apoiam o recontar

Durante a contação, o compartilhamento da história entre a narradora e as


crianças não ocorre somente através da linguagem oral, mas também por uma série de
vibrações que circulam no espaço físico. Vibrações da voz da narradora, que chega aos
ouvidos das crianças, vibrações de seus gestos na expressão da história e dos gestos
reativos das crianças, que, inúmeras vezes, sem se aperceberem, movimentam o corpo,

104
simulando as expressões e movimentos dos personagens. Também pelos arrepios, suspiros
e sustos provocados pela emoção que a história desencadeia.
Todas essas linguagens presentes no ato do contar contaminaram de forma
positiva as crianças, influenciando suas posturas no recontar. Nesse momento, elas
transitavam da palavra à ação narrativa. Num explícito deleite, usavam o corpo para
significar seus entendimentos e a incorporação dos personagens como um caminho no
recontar.
Para Meneses (1993), a palavra falada sempre carrega uma carga corporal; ela
é ligação de signo e corpo. Assim, refere que as professoras ao proporem contar uma
história para as crianças devem se dispor a uma interação que vai muito além do plano
verbal.
No recontar, recorte (2) (Rei sapo - 1º recontar) as crianças usam muito o corpo e
expressões faciais complementando a fala e com sentido de explicitar a ação passada na
história. Joyce dá um nome para a princesa, dá uma risada de contentamento por ter
mudado propositadamente o nome da princesa. Rafael complementa sua explicação sobre
o fato desencadeante da história, usando o corpo. Diante da transformação do sapo em
príncipe, Joyce faz um suspiro de alívio, expressando seu contentamento com o desfecho a
partir de muitas risadas, como aparece no trecho do recorte apresentado abaixo.

Recorte (2) (Rei sapo - 1º recontar): Emanuelle diz: “era uma vez...”. A narradora
aguarda um pouco. Joyce fala: “uma linda princesa...”. Após um tempinho, a
menina continua: “chamada Raiz...”. A narradora diz: “o nome dela era
Raiz?!”. Emanuelle ri. A narradora exclama: “que nome bonito você deu
pra princesa!”. Emanuelle e Rafael falam ao mesmo tempo, mas a voz
da menina se sobrepõe: “ela morava num castelo...”. O menino diz: “ela
tava fazendo isso [Faz o gesto de jogar uma bola para cima com uma
mão e pegar com a outra] e a bolinha caiu...”. Emanuelle completa:
“dentro do poço...”. Joyce afirma: “o sapo pegou...”. Pouco depois,
Emanuelle diz: “aí, deu pra ela...”. Rafael fala: “aí, ela correu e...”.
Emanuelle e Joyce falam ao mesmo tempo. A primeira diz: “aí, o sapo
disse...”. A fala da segunda se sobrepõe: “aí, o sapo bateu na porta... Depois
entrou... Era o sapo, que depois dormiu na cama dela... Que nojo! Depois ele...
[Faz um ar de suspiro] Virou um príncipe...”. Emanuelle fala: “aí, depois
pegou o sapo e meteu... [Faz o gesto de arremesso] E... Bateu com ele na

105
parede...”. Joyce afirma: “e morreu... E virou um príncipe...”. Emanuelle diz:
“mentira! Que mentira! Ele nem morreu... Virou um príncipe...”. Emanuelle ri.
A narradora ri também. Joyce fala: “felizes para sempre... foi simbora pro
castelo...”.

As crianças expressam corporalmente as ações dos personagens, recortes (2) e


(3), porém aqui no final do recontar, recorte (3), Emanuelle assume o papel de narradora,
usando uma almofada e curvando o corpo para demonstrar o peso da galinha nas costas da
raposa. Pedro interfere a partir das instigações feitas pela narradora, conforme o trecho da
história a seguir.

Recorte (3) (A galinha ruiva - 2º recontar): Em pé, Emanuelle pega uma almofada
e a coloca nas costas, dizendo: “ficou assim... Por causa da pedra...”. A
narradora também coloca uma almofada nas costas. As duas fingem
estar cansadas. A narradora fala: “ficou cansada, não foi, gente?! E
daí?!”. Após uma breve pausa, continua: “aí ela subiu, subiu, subiu...
Com aquele saco ali... Pensando que quem tava dentro...”. Emanuelle
complementa: “era a galinha...”. A pesquisadora diz: “ih... Coitadinha dessa
raposa, hein?! Foi enganada direitinho, né, gente?! Quem é que tava
dentro?!”. Emanuelle responde: “a pedra...”. Pedro fala o mesmo, mas
bem baixinho. A narradora exclama: “eita! Como é que continua a
história?!”. Pedro fala: “aí abriu, abriu...”. A narradora pergunta:
“abriu?!”. Emanuelle fala ao mesmo tempo: “aí... Abriu... Abriu o saco e
solt... Soltou dentro da panela... Aí explodiu... Buuuff...”. Ainda enquanto a
colega fala, Pedro continua: “aí soltou... Puff...”. Emanuelle segue
falando: “foi nela... Foi na mãe...”.

Um dos recursos oferecidos às crianças nos momentos do recontar as histórias


foram os bonecos e fantoches, e peças reproduzindo lugares onde algumas histórias se
passaram, por exemplo, o poço, onde caiu a bola de ouro da princesa, uma casa de
papelão, representando a casa da galinha ruiva. Esses recursos geraram um
comportamento diferente. Quando elas recebem os personagens da história, passam a
representar suas falas e seus movimentos. Ou seja, em vez de narrarem à história, o foco
passa a ser o fazer a ação e mimetizar as falas dos personagens, no enredo. A narradora

106
atua mediando as falas, “costurando” os fatos na sequência da narrativa. A dramatização
da história que ocorreu a partir da presença dos personagens interferiu no recontar
sequenciado da narrativa, do detalhamento, pois as crianças passaram a focar as ações dos
personagens e suas falas. Porém é nítido o deleite delas nesse vivenciar a história, o prazer
de Emanuelle em “ser a princesa”, as risadas e o incômodo das crianças quando uma delas
não reproduzia determinada cena dentro da sequencialidade da história, como por
exemplo, quando Breno tira o poço do lugar. Isso é observado no trecho do recorte (4)
descrito em seguida.

Recorte (4) (Rei sapo - 2º recontar): Emanuelle se aproxima, com a princesa, do


poço e a bolinha de ouro cai dentro dele. A narradora ri. Ela pergunta: “e
agora?! O que é que ela vai fazer?! A princesa vai fazer?!”. Emanuelle faz
som de choro. A narradora também faz som de choro e diz: “ela está
chorando, Joyce...”. Com o príncipe na mão, Breno diz: “eu sou sapo... Tira
o rei...”. Apontando para o sapo, que está com Joyce, Emanuelle afirma:
“o sapo é aquele dali...”. A narradora indaga: “e aí?!”. Breno tira o poço do
lugar e diz: “aí apareceu a bola...”. Joyce reclama: “peraê!”. Ela coloca o
poço de volta no lugar. A narradora pede: “sem brigar...”. Com o sapo,
Joyce se aproxima da princesa: “quer que eu lhe ajude?!”. Ela ri. Breno
imita a risada da colega. A narradora pergunta: “e ela diz o quê?!”. Joyce
pergunta baixinho: “ela diz o quê?!”. A narradora pega o sapo e começa a
falar: por que você está chorando, menina?! Por que você chora tanto?!.
Joyce pega o sapo de volta e diz: “eu vou pegar... Eu vou pegar sua
blusa...”. Ela começa a rir. Emanuelle também ri e corrige: “eu vou pegar
sua bola...”. Joyce diz: “vou pegar sua bola...”. Emanuelle fala: “vai pegar!”.
Joyce se volta para o poço. Breno começa a colocar o príncipe dentro
do poço. Joyce tira o poço do lugar para o colega não continuar no que
está fazendo;

Nós somos, ao mesmo tempo, personagens e criadores das histórias, diz Jobim
e Souza (2006). Como personagens, nós nos relacionamos de forma afetiva com os
acontecimentos, onde a razão se torna obscura. Como narradores, colocamo-nos no lugar
dos personagens, estabelecendo um equilíbrio entre o sensível e o racional. Isso é
perceptível no prazer que se observa nas crianças quando assumem o personagem, quando

107
falam a sua fala, ou agem como eles. Aspecto observado nos trechos, recortes (1) e (5),
respectivamente, das histórias Doroteia, a centopeia e Os sete cabritinhos e o lobo
apresentados a seguir.

Recorte (1) (Doroteia, a centopeia - 2º recontar): Joyce movimenta a centopeia,


dizendo: “eu vou comprar sapato...”. Com a joaninha na mão, a narradora
fala: “ah... Mas primeiro precisamos conseguir o dinheiro... Deixa eu lhe
ajudar, Doroteia...”. Correndo com a borboleta na mão, Emanuelle diz:
“temos que pegar... Temos que fazer o parque...”. Breno, que está com a
abelha, pede a joaninha à narradora, mas esta ainda fala: “isso... Breno,
por favor... Dona abelha, você pode ajudar nesse parque?!”. O menino
troca de bichinho com a pesquisadora e diz: “hã?! Eu não sou a abelha...
Eu sou a joaninha...”. Com a abelha agora na mão, a narradora se dirige
ao bichinho que está com Emanuelle: “Você, borboleta, pode ajudar
nesse parque?!”. Emanuelle responde: “posso!”. Ainda com a abelha, a
narradora se dirige à centopeia, que está com Joyce: “ah, Doroteia, eu
posso fazer o quê?! Eu sou um abelha...”. A borboleta de Emanuelle é
quem responde: “pode fazer mel...”. A narradora fala: “humm... Então vou
fazer doces... Humm... E muitos bolos de mel... [Breno passa na sua frente
com a joaninha] E você, joaninha, vai fazer o quê?!”. Emanuelle diz: “ele
vai... Fazer uma roda gigante...”.

Recorte (5): (Os sete cabritinhos e o lobo - 2º recontar): enquanto fala, a menina abre
uma almofada e finge tirar algo de dentro. A narradora pega outra
almofada e faz o mesmo: “e ela cortou a barriga do lobo...”. Emanuelle
fala: “um...”. A narradora segue: “tirou um...”. Emanuelle continua:
“dois...”. Agora as duas contam juntas: “três, quatro, cinco, seis...”. Embora
não fale, Pedro acompanha, fazendo o mesmo gesto com uma outra
almofada.

Esse recontar expresso pela incorporação dos personagens e ações realizadas


por eles reforça a importância do narrar expressivamente por parte do contador, da
importância da história ser contada em associação com as expressões faciais e corporais
que cabem no enredo. É inestimável a riqueza estética e simbólica do corpo e do

108
movimento no contar histórias e, também, a importância de se exercitar na criança a
capacidade de evocar imagens na ausência de figuras, a partir da combinação
corpo/palavra. A forma como a narradora utiliza o recurso do corpo para expressar ações,
posições e atitudes dos personagens contribui para a criação imaginativa das crianças,
produzindo um efeito imediato sobre elas, tanto no momento em que ouviam as histórias,
quando muitas vezes reproduziam imediatamente a posição de corpo sugerida durante o
contar, como aqui no recontar.
No trecho do recorte (6) da história Os músicos de Breman – 2º recontar, as
crianças recorrem novamente a esse apoio, porém de forma evidente. Observa-se que sob
influência mútua, elas se sentem encorajadas a reproduzir os movimentos dos animais,
conforme apresentado a seguir.

Recorte (6) (Os músicos de Breman - 2º recontar): A narradora pergunta: “foi bicado...
Por quem?!”. Emanuelle responde: “pelo galo...”. Joyce diz: “foi assim,
ó...”. A menina imita como teria andado o ladrão. A narradora ri. Pedro e
Emanuelle se sentem estimulados a mostrar também como ficou o
ladrão. Pedro ainda imita o burro dando o coice. Em seguida, Joyce
mostra como o galo bicou o ladrão. Após isso, a narradora questiona: “e
ele fez o quê?! O ladrão... Desesperado...”. Emanuelle mostra como ele foi
arranhado e mordido.

Também fazem o mesmo na história de Jorinda e Joringel, onde uma criança


demonstra a posição de estátua da personagem, pelo feitiço da bruxa, conforme o trecho
do recorte (7), apresentado a seguir.

Recorte (7) (Jorinda e Joringel - 2º recontar): “a rodar pela cabeça de Jorinda... E aí?!
O que foi que aconteceu, Pedro?!”. Breno diz: “ficou estátua!”. Joyce fala o
mesmo: “ficou estátua!”. A narradora diz: “Jorinda ficou estátua?!”. Joyce
faz pose de estátua.

Calvino (1990), em suas propostas “para o próximo milênio” chama a atenção


para o “dilúvio de imagens pré-fabricadas”, refletindo sobre o perigo do ser humano
perder a capacidade de pensar por imagens, de fazer brotar cores e formas. Fazendo uma

109
analogia, podemos pensar sobre o perigo de se esquecer o corpo enquanto possibilidade de
expressão do pensamento, enquanto complementaridade para a palavra (VIANA, 2008).
Aqui se destaca a importância de se valorizar esse caminho potencial de
trabalho com a narrativa, que envolve palavra, voz, corpo. Caminho que vai se tecendo na
interação com as crianças. Olhando para elas e percebendo suas reações corporais, podem-
se incorporar essas reações à performance do narrador, acrescentando recursos expressivos
ao narrar, como estalar de dedos, expressões faciais, pausas inesperadas associadas a
movimentos do corpo.

c) O papel do narrador no recontar

A preparação da história para ser contada e a própria ação narrativa constituem


um desafio para o narrador. É necessário mergulhar no assunto, comunicando o enredo
não só com palavras, mas também expressões corporais e faciais. Acima de tudo, criar um
lugar e um tempo para a magia.
A narração oral de histórias é uma expressão que só se mostra plenamente no
ato, no encontro do narrador com o ouvinte através do olhar, do sentir, do respirar na
mesma sintonia. A narração assim pode ser chamada de narração compartilhada.
O espaço do contar exige uma ambiência, um clima que garanta ao ouvinte se
sentir integrado com seus silêncios e suas falas. Esse espaço possibilita que a criança
estabeleça relações entre o que ouve, as imagens que cria e suas experiências pessoais. O
narrador guia essa experiência ao emprestar sua voz à história. Como diz Onrubia (1996),
a forma como o narrador conduz, provocando desafios, é fundamental, pois leva a criança
a questionar os significados e sentidos presentes na história, o que possibilita novos
conhecimentos e a própria autonomia.
No trecho descrito a seguir as crianças são levadas a repensar a sequência da
narrativa que estão recontando, ampliando e incluindo detalhes. Assim, a conduta da
narradora tem o propósito de conduzir o grupo num fluxo mais organizado e detalhado,
além de chamar a atenção das crianças para um fato novo que elas introduzem na história,
ou seja, Joyce diz que o sapo pediu pra morar com a princesa também pra lavar os pratos;
diante do estranhamento da narradora as crianças riem.

Recorte (1) (Rei sapo - 1º recontar): “ah... Mas me diga uma coisa, quando a bola
de ouro caiu dentro do poço que o sapo foi buscar, ele foi assim de

110
bonzinho, foi?!”. Emanuelle prontamente responde: “não!”. Joyce
também fala: “não...”. Emanuelle continua: “ele disse...”. Joyce completa:
“deixa que eu ajudo...’”. A narradora espera um pouco e questiona: “e aí?!
O que foi que ele disse pra ela?!” Eu ajudo a pegar a bola.... Joyce fala: “eu
ajudo a pegar a bola.... Depois ele pegou...”. Emanuelle diz: “só... Só... Se
você...”. Ela não consegue completar. Rafael tenta ajudar: “é.. Me dar
coisa...”. Ao mesmo tempo, Joyce também procura ajudar: “é... Dormir na
sua cama... É... Comer, jantar... É... Morar na sua casa... Lavar os pratos...”. A
narradora estranha: “ué... Tinha que lavar prato também, era?!”.
Emanuelle e Joyce riem.

É o narrador quem faz escolhas, traça um caminho narrativo a partir do que


observa na criança. As expressões, olhares e movimentos desses expectadores são o guia
para a performance do narrador. Também é ele quem dá voz às crianças durante a
contação, quem escuta e considera suas colocações, quem instiga e coloca pontos de vista
em discussão, quem argumenta e contra-argumenta, ou simplesmente deixa que as
próprias crianças encontrem um denominador comum à questão colocada. Nos trechos
apresentados a seguir, podemos perceber que as crianças encontram no narrador alguém
que ouve, que está atento a suas falas e, em determinados momentos, utiliza pequenos
trechos de fala somente para incentivar a memória das crianças para os fatos, como
quando diz: “Eles o que? Se...” e também “Virou passarinho... Vai, passarinho!”. O
narrador também instiga e questiona os pontos de vista das crianças no recontar.

Recorte (4) (Jorinda e Joringel - 2º recontar): “e aconteceu o quê?! Contem!”.


Emanuelle olha para Breno e diz: “a bruxa, bruxa, bruxa!”. A narradora
coloca: “não... Antes da bruxa o que é que aconteceu?!”. Emanuelle diz:
“aí abriu...”. A narradora fala: “eles o quê?! Se...”. Emanuelle afirma: “eles
se perderam... Aí Jorinda...”. Ela faz som de choro. Pouco depois, Pedro
fala: “aí abriu... Abriu...”. Emanuelle conta: “ela andou, andou, andou...
Perdeu... Aí a bruxa... E a bruxa?! Cadê ela?!”. Breno coloca a bruxa de
frente para a princesa. Emanuelle diz para Breno: “faz assim, ó...”. Ela
indica que a bruxa deve fazer movimentos circulares em torno da
princesa. O menino faz isso. Emanuelle diz: “virou passarinho!”. A
narradora fala: “virou passarinho... Vai, passarinho!”. Breno diz: “vai,

111
Pedro! Cadê o passarinho?!”. Emanuelle fala: “vai!”. Pedro movimenta o
passarinho. A narradora ri. Breno pega o passarinho e o coloca num
canto no chão.

Recorte (5) (Jorinda e Joringel - 2º recontar): a narradora pergunta: “quem tomou


o poder?!”. Pedro responde: “é... Joringel...”. A narradora indaga:
“Joringel?! Foi?! Foi, Breno?!”. Breno faz sinal positivo com a cabeça. A
narradora pergunta mais: “e como é que ele descobriu, Breno?!”. Pedro
fala: “com o poder...”. A narradora continua: “não... Como é que ele
descobriu qual daqueles pássaros era Jorinda?!”. Pedro diz: “tava com
ela...”. Emanuelle fala: “o que tava com a bruxa...”. Joyce coloca: “que tá em
cima da gaiola...”. Emanuelle diz: “aí ele foi atrás da bruxa...”. A narradora
fala: “a bruxa ia saindo de mansinho, né?!”. Emanuelle diz: “com a... Com
Jorin...”. A narradora segue: “com Jorinda dentro da gaiola... E ele olhou
assim, num foi, Breno?!”. Emanuelle conta: “aí foi atrás da bruxa... Aí... Aí
depois... Ele tocou com a flor na... Na bruxa... Aí depois...”. A narradora fala:
“e a bruxa... [Faz pose de estátua] Aconteceu o quê com a bruxa?!”.
Joyce, Emanuelle e Pedro respondem: “ficou estátua!”. Emanuelle
retoma: “depois ele pegou a gaiola com o pássaro e tocou em Jorinda...”. A
narradora questiona: “foi, Rafael?! E aí?! O que aconteceu quando ele
tocou na gaiola, Rafael?!”. Pedro fala: “soltou tudinho as mulher...”.

Há de se considerar que essa atitude da narradora atua como um exercício de


autonomia para as crianças, construída enquanto partilham sua ideias e reelaboram os
significados nas interações. A essa postura do narrador Machado (2007) chama de
intencionalidade educativa, o que para tanto é necessário conhecer a criança, sua forma de
agir e pensar.
O recontar das crianças em alguns momentos se apresenta fragmentado, como
no recorte (1) (Rei sapo - 1º recontar), mencionado há pouco. Porém, diante de uma questão
colocada pela narradora, elas se mobilizam na ordenação dos fatos, contaminadas umas
pela falas das outras, inclusive mudando o enredo.
Um dado importante na perspectiva do papel da narradora é a atenção ao
caminho escolhido pelas crianças para o recontar a história, que neste caso ocorreu a partir
dos fatos desencadeantes, cabendo a ela ir conduzindo esse caminho, fazendo as conexões

112
e envolvendo os participantes para se posicionarem, como se pode observar no trecho
abaixo apresentado.

Recorte (3) (Os músicos de Breman - 2º recontar): a história começa... Como é que
começa essa história?!”. Emanuelle fala: “era uma vez... Aí, o dono do burro
abandonou... Abandonou ele...”. A narradora exclama: “o dono do burro
abandonou o burro!”. Emanuelle conta: “aí, o burro foi simbora... Triste...”.
Nesse entremeio, Pedro fala algo que não é possível compreender. A
narradora pergunta: “por que é que ele tava triste, Joyce?!”. Emanuelle
afirma: “porque o dono abandonou ele...”. A narradora diz: “foi, Pedro?!”. O
menino faz sinal afirmativo com a cabeça. A narradora questiona: “por
que é que ele abandonou o burro?!”. Emanuelle responde: “porque ele tava
velho... Num prestava mais pra caçar...”. Joyce diz: “dinheiro... Tinha que
pagar dinheiro...”. Pedro complementa a fala de Emanuelle: “pra
carregar...”. A menina ainda coloca: “as coisas...”. A narradora diz: “ah...
Ele num prestava mais pra carregar as coisas, num é?! E o burro ficou
muito triste... Ficou muito chateado...”.

Entre os recursos de apoio ao recontar, já citados ao longo deste trabalho,


foram utilizadas figuras relacionadas à história. Isso ocorreu diante da solicitação das
crianças para verem o livro. Esse recurso foi usado na história Os sete cabritinhos e o
lobo. Nesse momento, as crianças, diante das imagens, envolvem-se no recontar, e
participam ativamente, acrescentando aspectos à narrativa. Pedro se destaca como
organizador da história e os outros são estimulados pela narradora a participarem. As
crianças incorporam os personagens e assumem os papéis, conforme o trecho do recorte.
Nesse recontar, observam-se os dois processos citados por Melo (1995), o parafrásico e o
polissêmico, estabelecidos pelo movimento constante das crianças de manterem-se no
dizer sedimentado, eixo da narrativa, e, ao mesmo tempo, momentos de rompimento com
essa narrativa, quando trazem outras ideias às situações, outras palavras. Nessa
reconstrução, as crianças, em interação com a narradora, vão reconstruindo a narrativa,
incrementando novos sentidos, entrando em contato com a forma livre e criadora do
recontar (GOULART, ABÍLIO E MATTOS, 2003).

113
Recorte (2) (Os sete cabritinhos e o lobo - 1º recontar): “aí... O que é que acontece?!”.
Pedro fala: “bateu, bateu... E foi o lobo... Ó, aí, o lobo...”. A narradora
pergunta: “foi, Joyce?!”. A menina confirma: “foi...”. A narradora fala: “e
o que aconteceu?!”. Breno contribui: “aí, ela disse: “não vou abrir que eu sei
que é você, seu lobo...”. Pedro afirma: “abriram... Ó aí...”. A narradora diz:
“não abriram a porta... E o lobo... [Faz um som de raiva] Por que é que elas
não abriram?! Como é que ele falou?!”. Breno responde: “porque tava a
pata e falou grosso...”. A narradora pergunta: “foi, Joyce?!”. A menina
confirma novamente: “foi...”. A narradora fala: “foi?! Foi, Rafael?!”. Ela
muda a página e comenta: “olha... O que é que ele faz... O que é que ele
faz pra deixar a voz fininha?!”. Joycie e Pedro respondem: “ele comeu
mel...”. Pouco depois, a narradora continua: “ovo também, num foi?!”.
Pedro aponta para uma parte da figura e diz: “ó, aqui, o mel...”. A
narradora diz: eita! [Vira a página] Olha... E agora?! Ele voltou...”. Pedro
completa: “colocou a patinha... E... [Faz voz fina] ‘Eu sou sua mamãe...’. ‘Eu
sei que é você que você tem uma patinha...’. Breno parece falar: “mais ou
menos...”. Pedro continua: “pegou a rir...”. A narradora questiona: “foi,
Joyce?!”. A menina esboça um movimento positivo com a cabeça.
Rafael diz: “foi...”. A narradora fala: “hein, Rafael?! Agora tu conta uma
parte, Rafael... Não abriram a porta foi, Rafael?!”. O menino faz um sinal
negativo com a cabeça. Breno diz: “por causa do pé ainda...”. Rafael fala:
“por causa do pé... Porque o pé era preto...”. Numa nova página, a narradora
diz: “era preto... E, Rafael, o que foi que aconteceu depois?! Vamos lá...”.
Breno conta: “resolveu pintar a perna de branca... Aí, ele voltou, foi lá...”.

A conversa durante o recontar, conduzida pela narradora, possibilitou o


engajamento das crianças na ordenação dos fatos narrados. As crianças vão
compreendendo o espaço do contar e, nesse momento, do recontar como uma atividade de
construção de sentidos em que é preciso interagir ativamente. Esse conversar, como se
pode perceber, vai além do fazer perguntas de localização de informações explicitamente
colocadas no texto; também incluem perguntas de estranhamento, perguntas de dúvidas
sobre determinados fatos, etc. Essas “conversas” sobre a história na Educação Infantil
contribuem para que se desenvolva na criança uma atitude de busca de sentidos,
provavelmente importante para o desenvolvimento de uma concepção de leitura.

114
d) O recontar construído a partir das negociações e ajustamentos criança ↔ criança e
crianças ↔ narrador

A recontação de histórias é realizada a partir da memória da criança sobre a


narrativa contada e de suas experiências anteriores com essa forma de linguagem.
Lembranças de narrativas cotidianas e literárias permeiam essa construção, de outro modo
ela não poderia inventar nem recontar. A combinação dos elementos da história que ela
usa no ato de recontar se apresenta como algo novo, não mais uma repetição do que foi
ouvido, mesmo que mantenha a base da história narrada para ela, anteriormente. A criança
vai trazendo nuances, detalhes novos, expressões e entonações próprias. Recontando as
histórias, as crianças vão agregando diferentes elementos, invertendo a ordem,
estabelecendo relações múltiplas e assim fazendo mostram que a linguagem literária é
liberta de um caminho único, sendo fonte de criação, principalmente quando o recontar é
favorecido pela complementaridade do outro, pelos ajustamentos permitidos a partir da
interação num grupo.
A utilização das narrativas enquanto espaço de criação e um recontar histórias
construído na interface das interações criança-criança e crianças-narrador trazem possíveis
implicações para a educação ao apontar um caminho para a formação de leitores críticos
na medida em que exercitam o interpretar os vazios, as ambiguidades, os novos modos de
dizer e de falar. É na interface do outro, adulto ou criança, que ouve, discorda, reafirma e
complementa que esse processo se consolida (GOULART, 2007).
Na experiência do recontar proposto nas rodas de história, o educador pode
captar aspectos apontados pela criança e ajudá-la a prosseguir por meio de afirmações,
questões e respostas. Para que esse suporte seja suficiente, ele deve oferecer direções em
que o tema pode se desenvolver. A construção criança–criança no recontar também se
efetiva, quando é garantido o espaço para que isso aconteça. Ela se dá a partir do jogo de
palavras, das percepções partilhadas pelas crianças, que vão se integrando e tecendo as
narrativas.
Nos recortes aqui apresentados, encontram-se evidências da negociação e
ajustamento no recontar das crianças, assim como introdução de novos fatos por elas,
como, por exemplo, no recontar a história da Galinha Ruiva, quando as crianças
acrescentaram que a galinha tinha na bolsinha, além de linha e agulha, também dinheiro.
Algumas ideias, que a princípio são contraditórias, vão sendo submetidas à regulação, ora
pela fala delas mesmas, quando vão expondo suas compreensões, ora por questões

115
levantadas pela narradora, quando estranha algo que foi dito por alguma criança e que não
se encaixa no enredo, gerando modificações no desenvolvimento da sequência da história,
de forma a ser mais próxima do eixo da narrativa que foi contada. Como exemplo tem-se o
recontar da história do Rei Sapo. Joyce afirma que quem atendeu a porta do castelo,
quando o sapo bateu, foi o rei, fato contestado por Emanuelle, o que leva Joyce a mudar a
sua narrativa. Em outro trecho da mesma história, diante do estranhamento da narradora
para a sequência contada por Joyce, quando ela adianta algumas cenas, as crianças se
reposicionam, retomando a história dentro da sequência temporal dos acontecimentos.
No trecho apresentado a seguir, recorte (13) da história Os músicos de Breman,
2º recontar, observamos a participação ativa do grupo. As crianças vão trazendo de volta
as cenas da história. É nítida a importância da fala de cada criança no direcionamento dos
sentidos do enredo. Cabe considerar que essas atitudes das crianças condizem com o que
propõe Wallon (1979) quando diz que as reações da criança vão se modificando para
ajustar-se ao grupo, e que isso se dá pela influência de indivíduos participantes dentro dos
mesmos acontecimentos.

Recorte (13) (Os músicos de Breman - 2º recontar): Emanuelle segue: “aí dormiram...
Aí o galo achou...”. Pedro complementa: “uma luz...”. Emanuelle diz: “uma
casa...”. A narradora coloca: “uma luz, Pedro?! Aonde?!”. Pedro e
Emanuelle dizem: “lá em cima...”. Emanuelle continua: “aí depois...”. A
narradora indaga: “ele fez o quê?! Ele viu aquela luz...”. Emanuelle
complementa: “e disse: ‘amigos, se acordem! Eu... Tem alguma casa ali...
Vamos lá!’”. A narradora pergunta: “foi, Joyce?!”. Emanuelle segue
falando: “aí depois ele foi...”. A narradora pergunta mais: “o que será que
aconteceu, Joyce, quando eles chegaram perto dessa casa?!”. Emanuelle
fala: “aí tinha ladrão dentro...”.

Nesse outro trecho da história de Jorinda e Joringel, percebe-se que as falas da


narradora entram apenas para provocar os meninos a seguirem na contação. O objetivo é
de tentar incluir no movimento do recontar aquela criança que está participando menos,
como Rafael, que mesmo atento à fala dos colegas permanecia calado.

Recorte (18) (Joringa e Joringel - 2º recontar): Joyce conta: “ele acordou... Achou,
achou... Depois achou.. Foi lá no castelo...”. A narradora exclama: “eita,

116
gente! Ele achou a flor!”. Pedro diz: “procurou, procurou e achou...”.
Emanuelle fala: “entrou... Abriu a porta e entrou...”. Ao mesmo tempo,
Joyce coloca: “abriu a porta...”. A narradora diz: “peraí um pouquinho! E
aí, Pedro?!”. O menino diz: “aí abriu e viu os passarinhos...”. A narradora
questiona: “abriu, foi, Rafael?! E aí?! O que aconteceu?!”. Pedro continua
contando: “aí ele viu o passarinho com a bruxa... E ele...”. O menino faz o
gesto de tocar com a rosa em algo. Joyce fala: “a bruxa tava dando comida
a eles...”. Pedro segue dizendo: “tomou, tomou, tomou...”. Joyce continua
sua fala: “depois apertou assim no pescoço... Depois... Ela ficou estátua... E
depois...”. Pedro afirma: “tomou o poder... Tomou o poder dela...”.

Esse recontar, construído a partir dos ajustamentos e negociações, só é possível


porque as crianças estão atentas ao que é dito pela outra. Ao assumirem o lugar de
narradoras, interpretam o que foi dito, complementam e reorganizam a narrativa. Nessa
perspectiva, o discurso é compreendido de uma forma dialógica (PERRONI, 1992). De
Lemos (1992) afirma que quando a criança adquire a capacidade de narrar, isso é um
indício importante da nova relação que tem com a linguagem. No trecho recortado e
exposto a seguir, evidencia-se o quanto as crianças estão ligadas às falas umas das outras,
o que facilita o andamento do recontar; é o que Carvalho (1988) chama de reciprocidade
de efeitos.

Recorte (16) (Jorinda e Joringel - 2º recontar): “era uma vez um castelo no meio da
floresta... Onde morava... Quem é que morava nesse castelo?!”. Emanuelle
responde: “a bruxa!”. Joyce fala o mesmo: “a bruxa!”. A narradora diz:
“era a bruxa que morava no castelo...”. Rafael coloca: “o castelo da... As
teias de aranha...”. Emanuelle diz: “cheio de teia de aranha... Todo velho...”.
Joyce contribui: “e a bruxa toda velha...”. Pedro parece dizer: “do cabelão
da Rapunzel...”.

Também no recontar da história do Rei Sapo, elas se mantêm atentas ao que é


dito pelo grupo e as mediações feitas pela narradora, inclusive acrescentam mais
elementos à história, às vezes, propositadamente, como “as sandálias” oferecidas pela
princesa ao sapo, fato que não aparece na narração da história quando contada pela
narradora. A criança, consciente de que acrescentou um novo elemento, se diverte, sorri

117
diante de sua interpretação, e a incorpora a sua narração “Aí, ele disse: ‘Eu não quero sua
sandália nem sua roupa...’”. Segue trecho abaixo.

Recorte (9) (Rei sapo - 2º recontar): a narradora diz: ah, seu Rei Sapo, eu perdi a
minha bola de ouro... Eu preciso da minha bola de ouro... “E o sapo disse”:
ah... Eu pego a sua bola de ouro lá dentro do poço.... Joycie começa a falar:
“se você... Se você me dá... Sua sandália...”. A menina ri. Emanuelle diz: “seu
vestido, sua roupa...”. A narradora questiona: “e é?! O sapo queria a
sandália e a roupa dela, é?!”. Pouco depois, Joyce corrige: “aí, ele disse:
“eu não quero sua sandália nem sua roupa...”. Emanuelle complementa: “nem
sua coroa...”. A narradora afirma: “é... Porque ela queria oferecer tudo
isso... Ela disse a ele... Ela disse ao sapo: eu lhe dou o que você quiser, senhor
sapo... Dou a minha coroa de ouro... Dou as minhas roupas, as minhas joias....
E ele disse, como as meninas tão dizendo aqui.... Joyce fala: “eu não quero a
sua roupa nem a sua...”. Emanuelle fala ao mesmo tempo: “sua roupa, sua
coroa, sua joia...”. A história é retomada pela narradora: não quero nada
disso... Eu quero.... Emanuelle fala: “que você me leve pra sua casa...”. Joyce
complementa: “morar lá, dormir com você...”. Emanuelle ainda diz: “comer
sua comidinha...”. A narradora fala: comer sua comidinha no seu pratinho
de ouro... Tomar água no seu copinho de ouro.

Outro aspecto importante no recontar das crianças e que favoreceu essa


construção, pautada nas negociações e ajustamentos, foram os recursos oferecidos para o
momento, como personagens de fantoche, bonecos e objetos que faziam parte das
histórias, como por exemplo: um poço de papelão simulando o que aparece na história do
Rei Sapo, uma casa de papelão, representando a casa da galinha ruiva, bonecos para
representar os personagens de Jorinda e Joringel, a flor usada nessa história, uma
centopeia e vários insetos de pelúcia, para a história de Doroteia. Esses recursos foram
usados no segundo recontar, como estratégia para facilitar o retomar da história. Essa
estratégia mobilizou as crianças que se enredaram na trama, na escolha de personagens
para representar, na simulação das cenas, conforme pode ser observado nos trechos dos
recortes abaixo apresentados.

118
Recorte (3) (Doroteia, a centopeia - 2º recontar): “... as abelhas, [Indica a abelha, que
está com Breno] fazendo mel, fizeram muitos doces gostosos...”. Joyce se
volta para Breno e diz: “faz o mel... Faz o mel...”. A narradora reforça: “faz
o mel, dona abelha...”. Joyce fala: “vai fazer a peça...”. A narrativa segue:
“e aí, a abelha fez uma barraca de doces, bolos... Muito gostosos... [Breve
pausa] A borboleta... [Toca na borboleta e Joyce sorri] Era uma ótima
cantora... Primeiro ela fez...”. Joycie interrompe como se a borboleta
estivesse a cantar. A menina ri.

No próximo trecho da história, Joyce cria uma cena que não estava na história
contada pela narradora, ou seja, o dançar das borboletas, o que contamina Breno, que se
move com sua abelha e a põe pra comer. Demonstração de criação em cima da versão
original que dá muito prazer às crianças.

Recorte (4) (Doroteia, a centopeia - 2º recontar): Emanuelle sorri, dizendo: “as


borboletas dançaram...”. A narradora repete: “As borboletas dançaram...”.
Joyce exclama: “oba!”. A menina faz a borboleta dançar. Breno pega a
abelha e parece dizer: “a abelha comeu...”.

A presença dos fantoches potencializou a expressão das crianças de forma


lúdica, explorando as diversas possibilidades de “re-significar”, reviver as falas e atitudes
dos personagens. Como exemplo se tem a sequência de fotos (21), (22), (23) e (24)
apresentadas a seguir, referentes ao recontar da história Os músicos da cidade de Breman.

Foto 21 Foto 22

119
Foto 23 Foto 24

A condição de paridade de interesses entre elas, na expressão da história, no


vivenciá-la, contribuiu para o compartilhamento do afeto implícito na interação (FARIA,
2007), novamente evidenciados na história Os músicos de Breman, apresentados em dois
trechos, recortes (14) e (15).

Recorte (14) (Os músicos de Breman - 2º recontar): com o burro, a narradora fala:
“olhe! Uma gatinha! O que você tem, gatinha?!’”. Emanuelle, com a
gatinha, responde: “minha dona me abandonou... Ela não me quer mais
porque eu tô velha demais...”. A narradora fala: “ah, meu Deus! E você tá
triste?!”. Emanuelle diz: “tô...”. A narradora pergunta: “por quê?!’.
Emanuelle diz: “ela me abandonou, minha dona...’”. A narradora fala: “ai,
meu Deus! Que pena! Venha conosco para a cidade de Breman... Lá você pode
cantar... Vamos lá!”. Os animais caminham acompanhados pela
musiquinha da pesquisadora até que encontram o galo, que está com
Pedro. Emanuelle exclama: “um galo!”. A narradora incentiva: “fale com
o galo...”. Emanuelle pergunta: “o que você tem, galo?!’”. Pedro responde:
“minha dona me abandonou...”. Emanuelle repete: “me abandonou...”. A
narradora fala: “abandonou?! Ah... O que ela queria fazer com você, senhor
galo?’”. Pedro responde: “me matar...”. Emanuelle incentiva: “vai...”.
Pedro repete: “me matar...”.

Recorte (15) (Os músicos de Breman - 2º recontar): as crianças cantam a musiquinha,


anteriormente cantada pela narradora, e dirigem os animais para a

120
casa. Pouco depois, Pedro fala: “aí chegou...”. Joyce diz: “vai! Vai,
gatinha! Vai, Emanuelle! Vai, gatinha!”. As três crianças encontram-se em
torno da casa com seus animais olhando para dentro dela. Emanuelle
fala: “vai, galo!”. As crianças fazem os sons dos animais”.

A interseção que se estabeleceu entre o recontar e representar a história


reforçou o movimento que as crianças têm de buscar, nessa complementaridade, a lógica
de suas ações e representações da história; parece ser uma forma de manter-se na lógica da
narrativa recontada.
A narradora vai buscando informações sobre a história com as crianças,
desdobrando o que elas sabem, acrescentando elementos ao que é dito, buscando, assim, a
coesão da narrativa. Nesse momento as crianças não são solicitadas a fazer inferências
sobre a história, apenas resgatar, via memória, a ordem dos acontecimentos da história,
que garantam a sequencialidade, como se percebe no trecho do recorte (12) aqui
apresentado.

Recorte (12) (Os sete cabritinhos e o lobo - 2º recontar): Emanuelle conta: “aí, a
pequenininha disse que... Disse...”. Rafael ajuda: “que o lobo comeu... As
meninas...”. Emanuelle continua: “o lobo comeu os primeiros...”. Rafael
afirma: “as grandonas...”. A narradora fala: “os meus irmãozinhos... Ele
comeu todos... Só eu que me escondi dentro do relógio...”. Num foi, gente?!”.
Pedro comenta: “ela quase que comeu tudinho...”. Emanuelle diz: “aí
depois... Depois, a mamãe...”.

Outro aspecto também positivo e determinante na construção por negociações e


ajustamentos foi o apoio na expressão corporal. Nas fotos (25) e (26) referentes à história
Os músicos de Bremen apresentada abaixo, isso se evidencia no movimento corporal das
crianças acompanhando o recontar.

121
Foto 25 Foto 26

O corpo foi usado como recurso de significação junto com a fala, inclusive
como apoio na defesa de seus argumentos, quando um impasse se estabelecia, como na
explicação das crianças sobre a posição em que a raposa se encontrava à espera da galinha,
conforme demonstra o trecho do recorte (5), da A galinha ruiva, no 2º recontar,
apresentado a seguir.

Recorte (5) (A galinha ruiva - 2º recontar): a narradora diz: “e a casa da raposa...


E a raposa vivia de olho...”. Emanuelle aponta para um material trazido
pela narradora e diz: “tia trouxe... Ó, a casa...”. A narradora diz: “daqui a
pouco... Vamos ver o que é que vocês lembram da história... Depois eu
pego aquela casa... Hein, Pedro?! A raposa vivia de olho naquela
galinha...”. Emanuelle diz: “pra comer...”. A fala da menina é
acompanhada pelo gesto de passar as mãos na barriga. A narradora
fala: “humm... E o que foi que ela pediu pra mãe dela?!”. Emanuelle
começa: “pra botar...”. Pedro segue: “o caldeirão, pra botar o caldeirão de
água...”. A narradora diz: “e daí?! Contem pra mim...”. Emanuelle fala:
“aí a raposa ficou escondida atrás da árvore...”. Pedro diz: “não... Deitada
assim...”. Ele se deita e mostra com o corpo como a raposa teria
ficado. Emanuelle, por sua vez, levanta-se e diz: “assim...”. Ela junta
os braços ao corpo e mostra como, na opinião dela, teria ficado a
raposa.

No trecho do recorte (1) da história de Doroteia, a centopéia, as crianças, no


recontar, vão intercalando a narração da história, com a incorporação dos personagens,
através de falas e movimentos. A atitude de Emanuella, observada por Joyce é reproduzida

122
por esta e, seguidamente, por Breno. Num explícito deleite, a história é recontada e
presentificada nos movimentos das crianças, nas risadas, gestos e expressões faciais,
conforme podemos perceber no trecho aqui apresentado.

Recorte (1) (Dorateia, a centopeia - 2º recontar): a formiga disse. A borboleta disse:


hum.... Joyce fala como se fosse a borboleta: “eu tenho uma ideia...”. A
menina e a narradora riem. Esta pergunta: “qual será que foi a ideia que
a borboleta teve?!”. Emanuelle responde: “chamar o doutor... [Pausa] O
doutor caramujo... Chamar o doutor caramujo...”. A narradora pergunta: “e
daí?! [Breve pausa] Foi exatamente isso que ela fez...”. Com a borboleta
nas mãos, Joyce finge que vai chamar o doutor: “foi mesmo... Foi
chamar...”. A narradora continua: “eles chamaram o doutor caramujo, que
era um médico, Breno, muito bom, que tinha naquele jardim...”.
Emanuelle levanta-se com a joaninha nas mãos e faz movimentos como
se ela voasse. Joyce também se levanta e, com a borboleta na mão,
diz: “então vou chamar... Vou chamar... Vou chamar...”. As meninas
encostam um bichinho no outro e riem. Logo depois, se sentam. A
narradora ri também. Prossegue em seguida: “aí, doutor caramujo, viu,
Breno, chegou e foi examinar Doroteia...”. Breno e Joyce, cada um com
seu bichinho, fazem com que eles voem.

Semelhante comportamento ao observado nesse exemplo citado, de exploração


do corpo como forma de significação, é referido por Coelho e Pedrosa (1995) e por Viana
(2008) quando descrevem as situações de brincadeira, onde o corpo, a mímica e as
vocalizações são inseridos para dar sentido à ação. No recontar, como nas situações de
brincadeira, as crianças somam diversas formas de expressão: voz (inflexões vocais e
melodia para externar medo, surpresa, felicidade), corpo (posturas e movimentos) e,
também, reprodução mimética dos personagens e suas ações. Como exemplo, temos as
fotos (27), (28), (29) e (30) da história Jorinda e Joringel abaixo apresentadas a partir da
visualização dos movimentos corporais e reprodução dos movimentos dos personagens da
história.

123
Foto 27 Foto 28

Foto 29 Foto 30

Essas nuances usadas pelas crianças na construção do recontar, que contribuem


nos ajustamentos que vão ocorrendo, podem ser mais uma vez evidenciadas no trecho da
história de Jorinda e Joringel, recorte (17), apresentado a seguir.

Recorte (17) (Jorinda e Joringel - 2º recontar): “todo dia de manhã, Jorinda e


Joringel... Iam aonde?!”. Emanuelle responde: “passear...” Joyce fala:
“perdeu... Perdeu o canto...”. A narradora pergunta: “eita! O que foi que
aconteceu com eles dois?!”. Emanuelle fala: “se perdeu... Eles se
perderam...”. A narradora começa a falar: “eles se perd...”. Emanuelle
conta: “aí Jorinda achou o castelo da bruxa...”. A narradora questiona: “e
Joringel disse o quê pra ela?!”. Emanuelle fala: “não! Não vá! Pode ser
perigoso!”. A narradora diz: “Cuidado!”. Pedro parece dizer: “foram pelo
jardim...”. Emanuelle conta: “aí ela... Aí ela foi... Aí... Aí virou estátua...”. A
narradora pergunta: “aí eles fizeram como, Pedro?!”. Congelando o
próprio corpo, Joyce responde: “congelaram!”. A narradora indaga:

124
“como é que eles iam pela estrada?! Era, Pedro?! Fazendo o quê?!”. O
menino faz movimentos com os braços e canta uma melodiazinha.”

Segundo Dornelles (2001) a fala e as expressões corporais explicativas das


ações da história são usadas pelas crianças para contestar e afirmar seus pontos de vista.
Ao se referirem à sequencialidade da história, há uma busca de coerência e lógica por
parte das crianças; elas pensam sobre as ações ocorridas, sobre o que falam e sentem.
Outro aspecto explorado pelas crianças nesse recontar, construído na
negociação e ajustamento, é que diante do confronto de ideias, uma alternativa usada por
elas é o jogo de afirmações e a representação corporal para fortalecer o argumento
defendido, podendo, em algumas situações, como na descrita a seguir, não existir um
consenso entre elas. Bruner (2001) traz a referência sobre o caráter de assistência da
linguagem, do outro, onde o que conta não é o que dizer, mas como, onde, para quem e
sob que circunstância. De fato, é o que ocorre nesse recorte entre as crianças, nas
modificações pelas quais passa a narrativa que produzem. Como exemplo, tem-se o trecho
da história da Galinha Ruiva em que eles se encontram num impasse de como e onde ela
caiu quando atacada pela raposa. Pedro diz que rodou o saco e a galinha caiu; Emanuelle
acrescenta que ela caiu porque ficou tonta. A narradora acrescenta “... a galinha ficando
zonza”, quando Emanuelle cai no tapete, simulando a queda da galinha, Pedro afirma que
a galinha caiu no saco, afirmação confirmada por Emanuelle. A partir daí cria-se entre os
dois um confronto sobre onde a galinha caiu, no saco ou em cima da raposa.
As crianças usam o corpo para resgatar a imagem da cena e assim poderem
pensar e falar sobre ela, chegando a um “meio” acordo sobre como de fato deve ter
acontecido. Pensando que Busatto (2003) coloca a narrativa como uma capacidade de
traduzir oralmente imagens contidas no texto, aqui, percebe-se que as crianças fizeram o
caminho inverso: utilizaram-se da expressão corporal para refazer a cena narrada e
interpretá-la.
A interferência/mediação, da narradora contribui, durante várias situações,
nessa negociação, no ajustamento para o recontar, levando as crianças, quase sempre, a
chegarem a um consenso. Nos trechos dos recortes apresentados a seguir (6) e (7), a
estratégia usada pela narradora teve como objetivo envolver a criança que está dispersa
para colocá-la no movimento do recontar do grupo, chamando-a pelo nome e lhe dirigindo
uma pergunta sobre um determinado fato da história, provocando-a para falar, chamando a
atenção para um fato da história.

125
Recorte (6) (A galinha ruiva - 2º recontar): “e daí?! O que foi que aconteceu?!”.
Pedro responde: “rodou o saco... Rodou... E a galinha caiu...”. A narradora
pergunta: “foi?!”. Emanuelle diz: “ficou tonta... Ficou tonta... E caiu...”. A
menina faz o gesto de cair sobre o tapete. A narradora diz: “eita! Era um
roda, roda, roda, roda, roda, roda, roda...”. Pedro comenta: “a roda
gigante”. Emanuelle levanta-se e diz: “assim...”. Em pé, a menina faz
movimentos circulares, girando em torno do próprio tronco, e cai sobre o
tapete. Pedro diz: “era uma roda gigante... Vuu... Vuu...”. A narradora gira a
mão com o dedo indicador levantado e faz o som: “vuu... Vuu... Vuu...
Vuu...”. Depois continua: “e a galinha foi ficando zonza... E a galinha foi
ficando zonza, não foi, Emanuelle?!”. Nesse momento, sentada, ela gira o
corpo tal como fez a menina há pouco. Emanuelle volta a fazer o
movimento. A narradora diz: “e a galinha foi ficando zonza e...”.
Emanuelle cai sobre o tapete e faz o som: “tuuuf...”. Pedro diz: “no
saco...”. Emanuelle fala: “caiu no saco...”. Pedro afirma: “caiu em cima da
raposa...”. Emanuelle corrige: “caiu no saco, isso sim...”. Pedro diz: “caiu por
cima... Tibuff...”. Emanuelle agora diz: “caiu em cima da raposa...”. A
narradora questiona: “vocês acham que ela caiu em cima da raposa ou ela
caiu dentro do saco?!”. Emanuelle prontamente responde: “no saco...”. E
Pedro: “na raposa...”. A menina repete a resposta que deu: “no saco...”.
Pedro ainda parece dizer: “aí guardou...”. Ao mesmo tempo, Emanuelle
fala: “dentro do saco...”. A narradora pergunta: “foi?! E depois, o que
aconteceu?!”. Emanuelle fala: “aí a raposa tava levando a galinha pra casa
dela e ficou com sono... Parou um pouquinho e dormiu...”.

A partir do que percebemos nesse recontar, considerando a riqueza do que foi


construído na interação criança-criança e crianças-narradora, potencializado pela
construção conjunta, e pensando no ambiente educativo da creche e pré-escola, podemos
dizer que é preciso garantir um espaço/tempo para a criança poder falar e construir
significados principalmente com seus pares, sendo necessária a disponibilidade do adulto,
educador, para abrir esse caminho e deixá-lo acontecer. Percebe-se que a escola trabalha
muito mais com a ideia de que são os adultos, no caso o professor, que tem na mão o
conhecimento e a possibilidade de acessá-lo à criança. É o professor quem informa,
ensina, alfabetiza. Essa fala do professor sendo preponderante no espaço/tempo dos

126
momentos de aprendizagem, de alguma forma impede que a criança, na condição de
aprendiz, possa estabelecer diálogos produtivos, fundamentais em qualquer etapa de sua
formação. A visão de que a criança está num tempo de preparo, de “vir a ser”, e de que seu
desenvolvimento é assegurado exclusivamente a partir da ação do adulto, de alguma
forma, “impede” a construção criança-criança. As aspas foram postas para expressar
dúvida, uma vez que a motivação da criança a faz buscar formas, mesmo transgressões,
para que sua curiosidade e criação se realizem.

5.3 ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A ANÁLISE

Do ponto de vista pedagógico, quando a criança tem uma participação ativa no


contar e recontar, percebe-se que há uma maior adesão à história, expressa nas reflexões e
posicionamentos diante do que é narrado. Esse achado deveria repercutir na prática
pedagógica, seja no reconhecimento da construção que se dá entre as crianças, que se
apoiam mutuamente para “re-significar” suas compreensões sobre fatos narrados, seja no
reconhecimento de seu próprio papel de educador, como mediador dessa construção, a
partir de uma intencionalidade.
Mais do que enfocar a competência da criança para recontar a narrativa
integralmente, o que parece fundamental neste estudo é a explicitação da riqueza
propiciada pela interação, evidenciada nas relações das crianças entre si, delas com a
narradora, e com as histórias. Essa consideração ganha destaque quando se observa que as
crianças não têm, na sua rotina da creche ou pré-escola, a experiência do recontar.
Diferente da situação onde as crianças ouvem a leitura de uma história em
silêncio, a narrativa contada e recontada oralmente, mediada pelo narrador, ganha força
pela triangulação que se estabelece: crianças-história-narrador, que explicita o prazer das
crianças nesse dialogar com as histórias. Isso é evidenciado quando elas assumem o papel
de protagonistas da narrativa, “entram” na história, incorporam os personagens, vivenciam
suas falas e expressões como se fizessem parte do enredo.
Também se evidencia, a partir da análise, que a condição de paridade das
crianças favorece o compartilhamento das diversas nuances presentes na história,
permitindo uma compreensão entre elas, algumas vezes não explicitada, mas inferida por
seus comportamentos e atitudes no grupo, guiando o recontar.
A presença do corpo, das vocalizações e mímicas na expressão das ações dos
personagens foram recursos explorados pelas crianças não somente no momento do

127
recontar, como também em situações onde esse apoio serviu para uma determinada
criança compartilhar com o grupo as suas compreensões sobre aspectos específicos das
histórias.
Essa relação corpo/fala, como recursos integrados, é defendida por Wallon e
Tomasello, que consideram o gesto como um recurso comunicativo. Postura semelhante
também é referida nos estudos de Coelho e Pedrosa (1995), em pesquisa com brincadeiras,
como foi citado na revisão de literatura apresentada na pesquisa.
Em trabalho realizado por Viana (2008), sobre o papel do movimento na
comunicação, a autora encontrou dados que indicam a importância da dimensão motora no
desenvolvimento; seus achados apontaram que a criança utiliza o corpo para expressar os
estados de afeto, assim como para construir, expressar e comunicar seu pensamento.
A relação que se estabeleceu entre a fala e o corpo no recontar das crianças,
num sentido de complementaridade, confirma a importância de se garantir nos espaços da
creche e pré-escolas e, especificamente, nos momento de ouvir e contar histórias, a
expressão livre das crianças, escutando o que elas têm a dizer, não só verbalmente, mas
corporalmente.
No recontar, pode-se observar como as crianças recortam partes das falas que
ouviram de outra criança e complementam suas ideias, num trânsito permanente de
interpretações e significações. Essa atitude aponta para a reciprocidade entre as crianças e
o meio, citada sobejamente por Vygotsky e Wallon, enquanto possibilitadora do
desenvolvimento, aparecendo na forma como as crianças transformam seus conhecimentos
e constroem sentidos diversos a partir do grupo.
Foi constatado também que as atitudes das crianças se modificaram em função
das atitudes tomadas em seu redor, a partir de ajustamentos. Considerando que o espaço
escolar é rico em situações de grupo, esses achados podem contribuir significativamente
para o desenvolvimento de propostas que potencializem o uso das narrativas.
Houve intencionalidade pedagógica quando o narrador assumiu o compromisso
de oferecer suportes para as falas da criança, valorizando suas interpretações, apontando
questões relacionadas aos conflitos presentes nas narrativas, ou seja, permitindo a
construção de significados, coletivamente. A partir da exploração da ZDP – Zona de
Desenvolvimento Proximal, a construção do conhecimento envolveu, nos momentos do
contar e recontar, a cooperação entre pares, criança-criança. A noção de ensino como
ajuda, referida por Onrubia (1996), esteve presente nesses momentos, pois o narrador

128
considerou os conhecimentos que o grupo tinha da história e também realizou o
movimento de provocar desafios que as levassem a questionar os significados e sentidos.
Com relação ao ato de recontar as histórias pelas crianças e a proximidade que
mantinham com as respectivas histórias contadas pela narradora, observa-se que isso
ocorreu de forma frequente, porém foram fundamentais as intervenções da narradora,
guiando, reposicionando o grupo, realizando estranhamentos quando o reconto, no que se
refere à temporalidade dos fatos, apresentava-se de modo não sequenciado. Também foi
fundamental no estabelecimento dessa relação de proximidade entre o contar realizado
pelo narrador e o recontar das crianças a atenção destas sobre o que era dito pela outra
criança, o que confirma a importância do narrador. O professor pode garantir esse espaço
de compartilhamento entre as crianças nos momentos de contação, na Educação Infantil.

129
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Serão apresentadas a seguir algumas considerações que sintetizam os aspectos


considerados nesta pesquisa. Tem-se em mente que o estudo possibilitou responder a
certas perguntas, a partir de um olhar específico da pesquisadora, o que de forma alguma
encerra as questões que foram aqui tratadas. Como todo trabalho científico, novas
perguntas surgem e novas investigações são necessárias.
Conclui-se que na Educação Infantil a narrativa literária tem uma função
transformadora pelo que possibilita à criança, no experimentar e expressar sentimentos,
caminhar em mundos distintos no tempo e no espaço, imaginar a partir de uma linguagem
peculiar que as desloca para um mundo incomum. Além de potencializar o imaginário e a
expressão lúdica, a narrativa literária é porta de entrada para o mundo letrado.
É certo que a educação se faz em longo prazo, no que concerne à formação do
imaginário e da sensibilidade da criança, da capacidade de perceber nas entrelinhas; é um
processo que leva tempo, que tem de ser cultivado. É preciso que o professor contribua
para a criança desenvolver a capacidade de ver, de maravilhar-se diante do mundo, de
fazer perguntas e pensar sobre o que se coloca na sua frente.
Nessa formação do imaginário e da sensibilidade da criança, o papel da
literatura vai além da transmissão de conteúdos, vai além do texto, ou do pretexto para se
descansar de atividades sérias. Ela se firma como espaço para se explorar inúmeras
possibilidades de compreender a realidade e de produzir conhecimento, através da
linguagem, dialógica por natureza.
A narrativa oral literária oferece a possibilidade, dentro dessa perspectiva, de
cultivar espaços constantes de recriação e reformulação interior a partir do confronto
narrador–narrativa–criança, considerando a possibilidade de recriação interior, de
reformulação da subjetividade, que se dá na interação eu-outro.
Ao mesmo tempo é um espaço onde a linguagem pode se expressar como ato
criativo, enquanto expressão livre. A palavra é dita num contexto pleno de significações.
A língua se afasta de uma concepção instrumental, composta por um sistema de formas
sonoras e abstratas, transmissora de conteúdos, para assumir plenamente seu estatuto de
produção de conhecimento.
O que se propôs a partir desse estudo foi analisar o uso da narrativa literária
oral numa perspectiva do compartilhamento, entendida a partir de uma base interacional
processual, criando-se um ambiente onde a criança pudesse conversar, falar sobre a

130
história, não só depois, mas durante a contação, considerando a riqueza do grupo. Nessa
perspectiva de vivências, foi possível ampliar a ação da narração sobre as crianças, a partir
da ação mediadora do narrador.
“Quem conta um conto aumenta um ponto”, provérbio popular que revela um
“inédito”, sempre latente nas histórias que são contadas e recontadas. Isso se presentificou
no recontar das crianças, pois no ato de ouvir, pensar e recontar histórias, a criança intui
que em cada conto recontado sempre há a possibilidade de surgir algo novo. Além de
diverti-las, esse fato habilita-as à criação, e de alguma forma, isso pode ser um dos
motivos de as crianças gostarem tanto de ouvir e contar as mesmas histórias, repetidas
vezes: a brecha para o novo, o que não foi posto.
A linguagem, como produto de conhecimento, é mais do que veículo de
informação ou de conteúdo. Ela é a própria materialização da consciência, daquilo que
permite a formação do sujeito e que, ao mesmo tempo, não prescinde, de forma alguma,
da interação social. A linguagem só assume sua essência na coletividade, em situações em
que sejam possíveis experiências intersubjetivas, como condição para a formação da
subjetividade (KRAMER, 1993). É necessário que, ao se trabalhar com a narrativa oral
literária, o professor respeite e valorize a especificidade dessa linguagem.
É importante considerar no trabalho com crianças o conhecimento de suas
necessidades e de seus desejos, que se modificam conforme o contexto e a idade. O
educador dever estar aberto para mudar seus planejamentos, e considerar que no momento
de interação com elas a decisão dos caminhos a seguir passa também pelos desejos das
crianças, como se pode ver nas histórias recontadas. Essa é a condição para se pensar uma
ação escolar que promova aprendizagens.
Os momentos de contação se constituíram num habitus particular, com
experiência rica de aprendizagem (TOMASELLO, 2003). A narrativa oral literária, na
forma como foi trabalhada, mostrou ser um recurso rico para a construção do pensamento
reflexivo, formado na interface entre as experiências pessoais das crianças e o que elas
apreenderam por meio do outro, formulando hipóteses, reordenando o pensamento,
experimentando o recontar no grupo.
Houve intencionalidade pedagógica quando o narrador assumiu o compromisso
de oferecer suportes para as falas das crianças; quando permitiu a construção de
significados, coletivamente.
De acordo com Bruner (1987), na condição de protagonistas, ao recontar uma
história, dialogar com vários textos, incluindo situações não canônicas, provenientes de

131
outras histórias ou de suas vivências, que tornam a narrativa diferente e relevante, as
crianças intuem o papel das narrativas como uma janela para o desenvolvimento de seu
pensamento.
Espera-se que essa pesquisa promova outros estudos, como por exemplo,
trabalhos que envolvam a valorização do conto oral na escola, na perspectiva de uma
prática pertinente para a constituição do imaginário e do lúdico, bem como do domínio da
língua oral. Também estudos que pesquisem o papel do corpo como recurso da criança
para expressar sua compreensão de histórias e no próprio ato de recontar realizado por
elas. Serão importantes também investigações sobre como estão acontecendo os
momentos de contação de histórias nas creches públicas e privadas, tendo como viés o
posicionamento do professor e das crianças entre si.
As pesquisas envolvendo a revalorização do conto oral na escola serão
importantes como caminho para garantir uma mudança de atitude por parte da escola, ou
seja, o conto oral colocado na condição de “nobre” no cotidiano escolar, pois se percebe
que nos anos escolares que se seguem a partir da Educação Infantil, no Ensino
Fundamental e Médio, esse espaço da oralidade vai se perdendo, a leitura e escrita passam
a ser protagonistas na área de linguagem. A expressão oral, seja numa situação que exige
argumentação, seja na explanação oral de conteúdos escolares, termina sendo muitas vezes
um momento de tensão, medo e insegurança para o aluno, sentimentos que às vezes
permanecem ao longo da vida acadêmica e profissional, o que poderia ser minimizado se
fosse garantida à criança uma experiência mais regular com a oralidade, no início da vida
escolar.
Concluindo, é preciso garantir o exercício da oralidade para a criança,
possibilitar que ela escute sua própria voz, os contornos das palavras numa sequência
narrativa que desenvolva a habilidade de narrar. A experiência do narrar oralmente é
assumida aqui como fonte de inspiração para motivar as crianças e enriquecer seu
repertório.

132
REFERÊNCIAS

ABÍLIO, Eleonora Cretton; MATOS, Margareth. Leitura da Literatura: as narrativas da


tradição. In: Letramento e Leitura da Literatura. Distrito Federal: publicação da Secretaria
de Educação a Distância - MEC, 2003.

ABRAMOVICH, Fanny. Literatura Infantil: Gostosuras e Bobices. 2.ed. São Paulo:


Editora Scipione, 1991.

ADES, César. Uma perspectiva psicoetológica para o estudo do comportamento animal.


Boletim de Psicologia, São Paulo, v. 36, p. 20-30, 1986.

ALVES, Alda Judith. O planejamento de pesquisas qualitativas em educação. Cadernos de


Pesquisa, São Paulo, n.77, p. 53-61, maio, 1991.

AMARILLA, Marly. Estão mortas as fadas? Literatura infantil e prática pedagógica. Rio
de Janeiro: Vozes, 1997.

______. Alice que não foi ao país das maravilhas. A leitura crítica na sala de aula.
Petrópolis, Rio de Janeiro. Vozes, 2006.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BENJAMIM, Walter. Magia e Técnica, Arte e Política – Ensaios sobre Literatura e


História da Cultura. 6.ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.

BUSATTO, Cléo. Contar e Encantar: pequenos segredos da narrativa. Rio de Janeiro:


Vozes, 2003.

BRANDÃO, Ana Carolina Perrusi.; LEAL, Telma Ferraz. Em busca da construção de


sentidos: o trabalho de leitura e produção de textos na alfabetização. In: BRANDÃO, Ana
Carolina Perrusi.; ROSA, Ester Calland de Souza. (Org.). Leitura e produção de textos na
alfabetização. 1ª edição., 1 reimp. – Belo Horizonte: Autêntica, 2007. 144p.

BRANDÃO, Ana Carolina Perrusi.; ROSA, Ester Calland de Souza. Literatura na


alfabetização: que história é essa? In: BRANDÃO, Ana Carolina Perrusi.; ROSA, Ester
Calland de Souza. (Org.). Leitura e produção de textos na alfabetização. 1ª edição., 1
reimp. – Belo Horizonte: Autêntica, 2007. 144p.

133
BRUNER, Jerome. Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

______. A cultura da educação. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CALVET, Louis-Jean. La tradicion orale. Paris; Presses Universitaires de France, 1984,


col “Que sais-je?”. 125pp.

CALVINO, ITALO. Seis propostas para o próximo milênio. São Paulo, 1990. Companhia
das Letras.

CARVALHO, Ana Maria Almeida. Algumas reflexões sobre a categoria “interação


social”. Anais da XVIII reunião Anual de psicologia (SPRP), p. 111-116. Ribeirão Preto,
S.P. Brasil. 1988.

CARVALHO, Ana Maria Almeida; BERGAMASCO, Nielsy Helena P.; LYRA, Maria da
Conceição Diniz Pereira; PEDROSA, Maria Isabel; RUBIANO, Márcia Rubiano B.;
IMPÉRIO HAMBURGER, Amélia; OLIVEIRA, Zilma de M. Ramos;
VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos de. Registro em vídeo na pesquisa em psicologia:
reflexões a partir de relatos de experiência. Psicologia. Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 12,
n. 3, p. 261-267, 1996.

CARVALHO, Ana Maria Almeida; CARVALHO, João Eduardo Coin. Estratégias de


aproximação social em crianças de dois a seis anos. Psicologia USP, São Paulo, v.1, n.2,
p. 117-126, 1990.

CARVALHO, Ana Maria Almeida.;LORDELO, Eulina da Rocha. Infância brasileira e


contextos de desenvolvimento: concluindo. In: LORDELO, Eulina da Rocha;
CARVALHO, Ana Maria Alameida; KOLLER, Silvia Helena. (Orgs.) Infância brasileira
e contextos de desenvolvimento [pp. 231-258], São Paulo: Casa do Psicólogo; Salvador:
Editora da Universidade federal da Bahia, 2002.

CARVALHO, Ana Maria Almeida.; PEDROSA, Maria Isabel. Cultura do grupo de


brinquedo. Estudos de Psicologia, Natal, v. 7, n. 1. p. 181-188. 2002.

CARVALHO, Ana Maria.; BERALDO, Katarina. Interação criança-criança: o


ressurgimento de uma área de pesquisa e suas perspectivas. Cadernos de Pesquisa, São
Paulo, n. 71, p. 55-61, nov. 1989.

CASCUDO, Luís Câmara. Contos Tradicionais do Brasil, Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

134
COELHO, Maria Tereza Falcão.; PEDROSA, Maria Isabel. Faz de conta: construção e
compartilhamento de significados. In. OLIVEIRA, Zilma Ramos. (Org.) A criança e seu
desenvolvimento: perspectivas para se discutir a educação infantil. São Paulo: Cortez
Editora, 1995.

COELHO, Nelly Novaes. Literatura Infantil: Teoria, análise, didática. São Paulo:
Moderna. 2000.

COLOMINA, Rosa.; ONRUBIA, Javier. Interação educacional e aprendizagem escolar: a


interação entre alunos. In: COLL, César.; MARCHESI, Álvaro.; PALACIOS, Jesus.
(orgs.) Desenvolvimento psicológico e educação. Porto alegre: Artmed, 2004. (pp. 280-
293).

COSTA, Marcelle Arruda Cabral.; COSTA, Maria de FátimaVasconcelos da. Brincadeira,


linguagem e cotidiano: complexidades de ótica da deriva. In: COSTA, Maria de Fátima
Vasconcelos da.; COLAÇO, Veridiana de Fátima Rodrigues; COSTA, Nelson Barros.
(Orgs) . Modos de brincar, lembrar e dizer, [pp. 99-116], Fortaleza: Edições UFC, 2007.

CUBERO, R & LUQUE, A. Desenvolvimento, educação e educação escolar: a teoria


sociocultural do desenvolvimento e da aprendizagem. In: COLL, César; MARCHESI,
Álvaro; PALACIOS, Jesus. (orgs) Desenvolvimento psicológico e educação. Porto Alegre:
Artmed, 2004. (pp. 94-106).

DE LEMOS, Cláudia Guimarães de. (1992) “Prefácio” In: PERRONI, Maria Cecília.
Desenvolvimento do discurso narrativo. São Paulo, Martins Fontes.

DIONÍSIO, Maria de Lourdes. Literatura, leitura e escola. In: PAIVA, Aparecida.;


MARTINS, Aracy.; PAULINO, Graça.; VERSIANI, Zélia. (Orgs). Leituras literárias:
discursos transitivos. Belo Horizonte : CEALE; Autêntica, 2005.

DORNELLES, Leni Vieira. Na Escola Infantil Todo Mundo Brinca se Você brinca. In:
KAERCHER, Gládis.; CRAIDY, Carmem. Educação Infantil: pra que te quero? Porto
Alegre: Artmed, 2001.

FERREIRA, Sandra Patrício Ataíde & DIAS, Maria das Graças Bompastor Borges. A
leitura, a produção de sentidos e o processo inferencial. Psicologia em estudo, Maringá,
v.9, n.3, p. 439-448, set/dez. 2004.

FERNANDES, Domingos. Metodologias de Investigação - Notas sobre os paradigmas da


educação. Disponível em http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/ichagas/mi2/Fernandes.pdf.
Acesso em 19/Julho/2008

135
FERREIRO, Emília.; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1979.

FLICK, Uwe. Uma Introdução à Pesquisa Qualitativa. 2ª Ed., Porto Alegre: Bookman,
2004, p. 147-170.

GERALDI, João Wanderley. Pontos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

GOMES, Maria Regiane. Entre o Livre e o Didático: O Papel do Lúdico na Escola de


Educação Infantil. In: COSTA, Maria de Fátima Vasconcelos.; COLAÇO, Veridiana de
Fátima Rodrigues.; COSTA, Nelson Barros. (orgs) Modos de Brincar, Lembrar e Dizer:
discursividade e subjetivação. Fortaleza: Edições UFC, 2007.

GOULART, Cecília Maria Aldigueri. Oralidade, escrita e letramento. In: Boletim:


letramento e leitura da literatura. Maio/2003. Salto para o futuro.

______. Alfabetização e letramento: os processos e o lugar da literatura. In: PAIVA,


APARECIDA, et al (orgs). Literatura: saberes em movimento. Belo Horizonte: CEALE,
autêntica, 2007. p. 59-67.

GRIMM, Jakob. Os contos de Grimm. São Paulo: PAULUS, 1989. Tradução do alemão
Tatiana Belinky.

HAVELOCK, ERIC. A equação oralidade-escritura: uma fórmula para a mente moderna.


In: OLSON, DAVID; TORRANCE, NANCY. Cultura e oralidade. Tradução de Valter
Lellis Siqueira. São Paulo: Ática, 1995. p.17-34.

HINDENOCH, Michel. L’art du conte. In: Paris. Le renouveau du conte. Paris: CNRS,
2001.

JORGE, Linice da Silva. Roda de Histórias: A Criança e o Prazer de Ler, Ouvir e Contar
Histórias. In: NICOLAU, Marieta Lúcia Machado.; DIAS, Marina Célia Morais. (orgs).
Oficinas de Sonhos e Realidade na Formação do Educador da Infância. Campinas, SP:
Papirus, 2003.

JOBIM E SOUZA, Solange. Dialogismo e alteridade na utilização da imagem técnica em


pesquisa acadêmica: questões éticas e metodológicas. In: FREITAS, M.T.A.; KRAMER,
S. (Org.). Ciências humanas e pesquisa: leituras de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez,
2003. p. 77-94.

136
______. Infância e Linguagem: Bakhtin, Vygotsky e Benjamim. Campinas – SP: Papiros,
1994.

KRAMER, Sônia. Por Entre as Pedras: arma e sonho na escola. São Paulo: Ática, 1993.

LABOV, W. & Waletsky, J. (1967) “Narrative analysis: oral versions of personal


experience”. In: JILM. J (ed) Essays on verbal and visual arts. Washington, University of
Washington Press.

LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, Regina. A formação da leitura no Brasil. São Paulo:


Ática. 1984.

LOISEAU, Sylvie. Les pouvoirs du conte. Paris: Presses Universitaires de France, 1992,
177p.

MACEDO, Lídia e SPERB, Tânia Mara. O desenvolvimento da habilidade da criança para


narrar experiências pessoais: uma revisão da literatura. Estudos em Psicologia, setembro-
dezembro, ano/vol.12, número 003. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal,
Brasil. pp. 233-240.

MACHADO, Ana Maria. Como e Por Que Ler os Clássicos desde cedo. Rio de Janeiro:
Ed. Objetiva, 2002.

MACHADO, Maria Lúcia de A. Educação Infantil e Sóciointeracionismo. In: OLIVEIRA,


Zilma Ramos. (org). Educação Infantil: muitos olhares. 7ª edição. São Paulo: Cortez,
2007.

MACINTYRE, ALASDAIR. After virtue a study in moral theory. Indiana, Univercity of


Notre Dame, 1981.

MAHONEY, Abigail Alvarenga.; ALMEIDA, Laurinda Ramalho de. Henri Wallon:


Psicologia e Educação. São Paulo: Loyola, 2000.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. Campinas:


Pontes/Unicamp, 1989.

MARIOTTI, Martine. “Le conte, um sovoir dire”. In: Le renouveau du conte. Paris:
CNRS, 2001.

137
MARTINS, Aracy e VERSIANI, Zélia. Leituras literárias: Discursos transitivos. In:
PAIVA, Aparecida.; MARTINS, Aracy.; PAULINO, Graça.; VERSIANI, Zélia. (Orgs).
Leituras literárias: discursos transitivos. Belo Horizonte : CEALE; Autêntica, 2005.
MASSI, Giselle Athayde de A. – Linguagem e paralisia cerebral: um estudo de caso do
desenvolvimento da narrativa. Curitiba: Ed. Maio. 2ª edição. 2001

MATTA, Isabel. Aprender vivendo: as experiências de vida no desenvolvimento e na


aprendizagem. Análise Psicológica, I (XXII), 73-80. (2004)

MATOS, Gislayne Avelar. A palavra do contador de história. Ed. Martins Fontes – São
Paulo. 2005

MELO, Lélia Erborato. Restituições de contos na pré-escola. Rev. Pró-fono. Set./ vol. 7,
nº 2 – 1995. ISSN 0104 – 5687

MENESES, Adélia Bezerra. Do Poder da Palavra: ensaios de literatura e psicanálise. São


Paulo, Duas Cidades, 1993.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do Conhecimento: Pesquisa qualitativa em


saúde. São Paulo: Hucitec, 2004, p. 89 – 140.

MIRANDA, Sônia Loreto. Adulto e criança construindo histórias conjuntamente: formas


de assistência. Revista Symposium 4, número especial, 50-59. (2000)

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina


Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

______. Amor, Poesia e Sabedoria. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.72 p.

OLIVEIRA, Zilma Ramos. Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez,
2007.

OLIVEIRA, Maria Marly. Como fazer pesquisa qualitativa. Recife: Bargaço, 2005, p. 85-
95.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita. Campinas: Papirus, 1998, 223pp.

138
ONRUBIA, Janvier. “Ensinar: criar zonas de desenvolvimento proximal e nelas intervir”.
In COLL, César. et al. O construtivismo na Sala de Aula. São Paulo: Ed. Ática, 1996.
(pp. 123-151)
ORLANDI, Eni. A linguagem e seu funcionamento. 2 ed. Campinas, Pontes, 1987.

PAULINO, Maria das Graças Rodrigues. Algumas especificidades da leitura literária. In:
PAIVA, Aparecida.; MARTINS, Aracy.; PAULINO, Graça.; VERSIANI, Zélia. (Orgs).
Leituras literárias: discursos transitivos. Belo Horizonte: CEALE; Autêntica, 2005.

PEDROSA, Maria Isabel. A brincadeira como lugar ecologicamente relevante para a


investigação da criança [Trabalho completo]. In: Programa de Pós-Graduação em
Psicologia – UFES ( Ed.). In: SIMPÓSIO NACIONAL DE PSICOLOGIA SOCIAL e do
DESENVOLVIMENTO,2005, Anais... Vitória,
http://www.simpsodes.pro.br/resumos.php, 2005. p.37-42.

PEREIRA, Jaquelânia Aristides. A leitura literária como experiência lúdica. In: COSTA,
Maria de Fátima Vasconcelos da.; COLAÇO, Veridiana de Fátima Rodrigues.; COSTA,
Nelson Barros. (Orgs). Modos de brincar, lembrar e dizer. Fortaleza: Edições UFC, 2007.

PERRONI, Maria Cecília. Desenvolvimento do discurso narrativo. São Paulo: Martins


Fontes, 1992.

POZO, Juan Ignácio. Teorias cognitivas da aprendizagem. Porto alegre: Artes Médicas,
1998.

RADINO, GLÓRIA. Contos de fadas e realidade psíquica: a importância da fantasia no


desenvolvimento. São Paulo: Casa do psicólogo, 2003. 237p.

______. Oralidade, um estudo de estrutura. Psicologia em estudo. Maringá, v.6, n. 2, p.


73-79, jul/dez. 2001.

SHEDLOCK, MARIE L. Da introdução de a arte do contador de histórias. In. Girardello,


gilka. (org) Baús e chaves da narração de histórias. Florianópolis: SESC, 2004. (Coleção
Milbocas)

SILVIA, Maria Emília Lins. & SPINILLO, Alina Galvão. A influência de diferentes
situações de produção na escrita de histórias. Psicologia Reflexão e Crítica, 13 (3), 337-
350. (2000)

SIMONSEN, Michele. O conto popular. São Paulo, Martins Fontes, 1987.

139
SOARES, Magda. A escolarização da literatura infantil e juvenil. In: EVANGELISTA,
Aracy et al. (Orgs) A escolarização da leitura literária. O jogo do livro infantil e juvenil.
Belo Horizonte: Autêntica/Ceale, 1999.

TEBEROSKY, Ana.; CARDOSO, Beatriz. (org.) Reflexões sobre o ensino da leitura e da


escrita. São Paulo: Unicamp/Tragetória. 1989.

TOMASELLO, Michael. Origens culturais do conhecimento. São Paulo: Martins Fontes,


2003.

VAL, Maria da Graça C.; BARROS, Lúcia Fernanda P. Receitas e regras de jogo: a
construção de textos injuntivos por crianças em fase de alfabetização. In: ROCHA,
Gladys; VAL, Maria da Graça C. Reflexões sobre práticas escolares de produção de
texto: o sujeito-autor. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

VIANA, Karine Maria Porpino. Observando crianças e refletindo sobre o papel do


movimento na comunicação. 2008. 178f. Dissertação (Mestrado em Psicologia),
Universidade Federal de Pernambuco, [2008].

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes,
1984.

WALLON, Henri. A expressão das emoções e seus fins sociais. In: As origens do caráter
na criança: os prelúdios do sentimento de personalidade, p. 89–94. São Paulo: Difusão
Europeia do Livro, 1971b / originalmente publicado em 1934.

______. Do Acto ao Pensamento. Ensaio de Psicologia Comparada, Portugalitora,1979.

______. As origens do pensamento na criança. /Trad. Doris Sanches Pinheiro, Fernanda


Alves Braga./ segunda parte, cap. I , p.95-105. São Paulo: Manole, 1989.

______. Ausência de planos distintos no pensamento da criança. In: WEREBE, Maria José
Garcia.; NADEL –BRULFERT, Jacqueline. Orgs. Henri Wallon, cap. IV- 9, p.108-117.
São Paulo: Ática. Coleção Grandes Cientistas Sociais, 52, 1986a/ originalmente publicado
em 1963.

WINNICOTT, Donald W. O homem e a realidade. R.J. Imago, 1975.

140
ZACCUR, EDWIGES. (Re) criando e alfabetizando: a partir de que modos e sentidos? In:
GARCIA, REGINA LEITE (org). Novos olhares sobre a alfabetização. São Paulo:
Cortez, 2001. p 29-54.

ZILBERMAN, Regina. Leitura literária e outras leituras. In: BATISTA, Antônio Augusto
Gomes; GALVÃO, Ana Maria Oliveira (Orgs). Leitura: práticas, impressos, letramento.
Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

141
APÊNDICE 1

NARRATIVA ORAL 1

História: Doroteia, a centopeia


Tempo Total: 32min55s

Vou contar a história pra vocês da centopeia chamada Doroteia... Essa centopeia...
Centopeia é uma lagartinha que tem vários pezinhos.... Vou mostrar a foto de uma
centopeia.. Olhe... É uma lagartinha que tem vários, vários, vários... Cem pezinhos... Pois
essa é a história de Doroteia, a centopeia... Doroteia... Ela morava num lindo jardim... Era
um jardim tão colorido, tão colorido.... O jardim onde Doroteia morava era um jardim
muito colorido... Tinha as flores.... Tinha... Tinha essa cor laranja... Tinha flores
amarelas... Tinha graminha... E sabe quem é que morava nesse jardim, além de Doroteia?!
Moravam outros animais... Todos insetos... Morava o grilo... Morava a borboleta...
Morava a formiga...”. E todo dia de manhã...”. “E Doroteia todo dia de manhã... Todos os
bichinhos do jardim... Todos os insetos do jardim... Sabe o que é que eles faziam de
manhã?! As abelhas, elas faziam mel... As formigas colhiam folhinhas pelo jardim e
levavam pras suas tocas... A Doroteia centopeia cavava túneis pelo jardim... Vocês sabem
o que são túneis?!”. “É túneis dentro da terra... Cavava dentro da terra...”. Ela faz gestos
com o braço como se fossem os túneis. Segue falando: “Mas um dia... De tarde, que
era o horário em que todos os insetos se reuniam pra brincar, aconteceu uma coisa...
[Pausa] Doroteia estava muito triste... Ela tava o tempo inteiro de cara feia, não queria
conversar com ninguém e ficava assim, ó... [Faz uma expressão de desânimo e
cansaço] Ai, ui... Ai, ui... O que será que Doroteia tinha?!. Será que era dor de dente?!.
“Será que ela tava com a cabeça doente?!”. “Mas ninguém sabia o que era que Doroteia
tinha... O sapo, o grilo, a formiga ficaram muito preocupados porque, olhe, Doroteia era
tão animada, gostava tanto de brincar... E daquele jeito... Já pensou que coisa triste?! Foi
aí que a dona formiga disse: ‘Eu tenho uma ideia... Precisamos levar Doroteia para o
médico...’. E o grilo disse: ‘Eu conheço o doutor caramujo, que mora embaixo da roseira,
e ele vai descobrir qual é o problema de Doroteia...’. Será, gente, que ele vai descobrir?!”.
Doutor caramujo... É um caramujozinho que tem aquele caracol em cima..E aí eles: a
formiga e o grilo... Foram atrás do doutor caramujo... Chamaram doutor caramujo... E

142
doutor caramujo bateu na porta da casa de Doroteia... Toc, toc, toc, toc... Nada... Toc, toc,
toc, toc... [Repete o gesto] [Breve pausa] Nada... Nada de Doroteia aparecer... Doutor
caramujo resolveu, então, entrar, né, gente?! E aí, Doroteia apareceu e o doutor caramujo
disse: ‘Bom dia, Doroteia! Eu vou lhe examinar pra saber por que é que você tá
choramingando tanto, sentindo tanto ui, ai, ui, ai...’. Sabe o que é que Doroteia fez?!.
Vocês imaginam o que é que Doroteia fez?!. “Pois é... Virou o rosto... Não quis saber de
doutor caramujo... E ainda estirou a língua pra ele...! O doutor caramujo disse: ‘Doroteia,
isso não se faz... Eu quero lhe ajudar...’. Ela então ficou com vergonha e aí virou-se e
aceitou que doutor caramujo examinasse Doroteia... E doutor caramujo apertou daqui,
apertou dali, mexeu na cabecinha de Doroteia, olhou a língua de Doroteia...”. Quando ele
terminou, apertou os pezinhos de Doroteia, os amigos de Doroteia... Eles ficaram do lado
de fora da casa de Doroteia naquela ansiedade, esperando pra ver o resultado... Sai doutor
caramujo: toc, toc, toc, toc, toc, toc... E diz: ‘Já sei qual é o problema de Doroteia... O que
Doroteia precisa é de sapatos novos...’. Todo mundo olhou... Todo mundo olhou
espantado... ‘Como assim, doutor caramujo?!’... ‘O problema é que Doroteia desde que
nasceu usa os mesmos sapatinhos... E o que é que aconteceu?! Ela cresceu e os sapatos
ficaram o quê?!’ Calos, gente... Porque o pezinho de Doroteia tinha crescido.E aí, ó, não
cabia mais no pezinho de Doroteia aqueles sapatos... Por isso que Doroteia tava sentindo
tanto incômodo... Doutor caramujo disse que tinha unha encravada, quer dizer, unha
machucada, unha... O pezinho machucado... Os dedos de Doroteia estavam todos
apertadinhos... Do jeito que fica o pé da gente quando a gente usa sapato apertado... “Fez
um calo. Então... Esse era o problema de Doroteia... “Um novinho...”. A narradora fala:
“Um novinho?!...Doroteia começou a chorar... [Faz o gesto de choro] Todo mundo,
ninguém entendeu... [Faz o gesto de choro novamente] E aí, o senhor grilo disse:
‘Doroteia, por que é que você está falando?!’ Falando não... ‘Por que é que você está
chorando?! O doutor caramujo já descobriu qual é o seu problema... Você agora precisa
de sapatos novos...’. E aí... Sabe o que aconteceu?! A Doroteia disse: O problema é esse...
O problema é que eu não tenho dinheiro para comprar cinquenta pares de sapato. Aí...
Sabe o que é que os amigos sugeriram?! Doroteia, nós vamos fazer aqui no jardim um
parque de diversões... Vamos botar... Vamos construir uma roda gigante para os insetos,
um carrosel... Vamos fazer comidinhas... E nós vamos cobrar o ingresso... E todo o
dinheiro que a gente arrecadar desse parque de diversões a gente vai dar pra você, e você
vai poder fazer, comprar os seus sapatos... Aí... Eles montaram um parque de diversões...
As abelhas, elas fizeram o mel... Com o mel, elas fizeram muitos doces, bolos, docinhos

143
para vender no parque... As formigas montaram um carrossel, que era uma maravilha... Os
grilos fizeram uma roda gigante... E teve também os bichinhos que fizeram
apresentações... Por exemplo... O gafanhoto, ele sabia cantar muito bem e aí ele fez uma
linda apresentação... Foi um sucesso... O parque de diversão dos insetos fez o maior
sucesso. Colorido ficou o parque... Cheio de animaizinhos... Agora era tudo
pequenininho... Pois é... O parque de diversões lá dos animais era tudo pequenininho...
Um carrossel pequenininho... Porque era pra inseto, né, gente?! As borboletas eram
bailarinas e elas fizeram um show, uma apresentação com dança... No final do dia, depois
que todo mundo já tinha se divertido muito no parque de diversões, sabe o que
aconteceu?! Eles juntaram todo o dinheiro que apuraram, né?! Que conseguiram no
parque... Pra lagarta... Pra lagartinha Doroteia, a centopeia, né?! Doroteia ficou muito feliz
e disse: ‘Poxa, vida, amanhã eu vou comprar meus sapatos...Os sapatos... Tuc, tuc, tuc,
tuc, tuc, tuc, tuc, tuc, tuc, tuc... Ela comprou os sapatos... Chegou na loja, né?! A loja era
de um gafanhoto grande... E assim: ‘Por favor, me dê cinquenta pares de sapatos todos
iguaizinhos pra mim...’. O gafanhoto olhou pra Doroteia e disse assim: ‘Xiiii... Temos um
problema...’. [Breve pausa] Não tinham sapatos iguais... Cinquenta pares de sapatos
iguais realmente não tinha... E Doroteia disse: ‘E agora?! O que eu vou fazer?!’... Foi aí
que ela disse: Eu tenho uma ideia... Eu já sei o que eu vou fazer... Sabe o que ela fez?! Ela
disse: Senhor gafanhoto, traga todos os pares de sapato que você tiver aí.... Ele disse:
‘Como assim, Doroteia?!’. Traga, senhor gafanhoto, eu tive uma grande ideia.... Ela
comprou sapatos diferentes, Pedro... Ela comprou bota, sandália, sandália havaiana,
chinelo, tamanco... Tudo colorido... E aí, os pezinhos dela ficaram todos diferentes um do
outro...

144
APÊNDICE 2

NARRATIVA ORAL 2

História: A galinha ruiva


Tempo Total: 29min29s

“Hoje eu vou contar a história... Posso começar?! É a história da galinha ruiva. Vocês
sabem como é que é uma galinha ruiva?!”. É uma galinha que tem a pena dela da cor
laranja, ferrugem... Uma cor meio assim... Alaranjada... Como se fosse cor de ferrugem...
Dessa cor aqui... Laranja, ó... Aí essa galinha se chamava galinha ruiva. A galinha ruiva
ela morava numa casa muito arrumadinha, muito bem cuidada, no meio de uma floresta.
Porque uma coisa que a galinha ruiva gostava era de arrumar sua casa. Tudo tinha que
estar no lugar. O jardim era arrumado. Dentro da casa tudo era limpo. E a galinha ruiva ela
gostava muito de costurar. Então, ela sempre estava ocupada, fazendo as suas costuras. E
ela sempre andava com um avental. E dentro do bolso do avental a galinha ruiva
guardava... A linha... Porque era uma galinha costureira... Uma agulha.... E
complementa: “E uma tesoura... Era o material de trabalho da galinha. Perto da casa da
galinha ruiva morava um outro bicho que era uma raposa. Uma raposa tão esperta, tão
esperta, que morava no alto de uma colina, lá em cima. E que da casa da raposa, ela via a
casa da galinha ruiva. E a raposa vivia pensando: ‘Hum... Como eu gostaria de comer essa
galinha ruiva... Ai, meu Deus, como ela é gorda, como deve ser gostosa essa galinha
ruiva. Um dia, a raposa disse para a sua mãe: ‘Bote o caldeirão de água fervendo no fogo.
Eu vou conseguir o nosso jantar hoje. Pois é, gente, era isso que a raposa queria fazer. Ela
queria comer a galinha ruiva. E disse pra mãe dela: Hoje eu consigo pegar essa galinha
ruiva. Só que a galinha ruiva era muito esperta. Sabia que a raposa estava de olho nela e
sempre deixava a sua casa fechada na chave. Quando ela ia passear, fechava a casa e
botava a chave aonde?!. No bolso, né?! No avental dela. Quando ela voltava pra casa,
abria a casa, entrava, fechava de novo com chave. Por que ela tava fazendo isso?!”. E aí,
um dia, a raposa, que era muito esperta também. Um dia, a galinha ruiva tava distraída,
arrumando o jardim de casa: botando água nas plantinhas, cortando a grama. E deixou a
porta da sua casa aberta. O que será que aconteceu?!”. A galinha tava no jardim e a porta
da casa aberta. A raposa que tava ali, escondidinha, bem quietinha, viu que a casa da

145
galinha ruiva tava aberta e, na ponta dos pés, bem devagarzinho, entrou rapidamente na
casa da galinha ruiva. Com todo cuidado pra galinha ruiva não vê-la, né?! Aí, a galinha
ruiva quando entrou dentro de casa. Tomou o maior susto. Viu aquela raposa com um saco
grande na mão. A galinha ruiva se assustou... [A fala da narradora é acompanhada da
expressão de susto] E bateu asas, bateu asas, voou pra cima do armário. A raposa disse:
Volte aqui, galinha ruiva. Desça já e venha já pra dentro desse saco. Venha já pra dentro
desse saco, galinha ruiva. A galinha ruiva foi?!”. “Pois é... A galinha ruiva respondeu: Nã,
nã, não! [A narradora balança o dedo indicador negativamente] Eu não vou não,
senhora raposa. Tá pensando o quê?! Eu vou ficar aqui em cima. Não vou entrar dentro
desse saco de jeito nenhum. A raposa disse: Ah... Mas eu vou conseguir que você desça. O
que será que a raposa fez?!. Gente, vocês não sabem... Sabe o que a raposa fez?! Ficou
girando assim, ó... [A narradora faz movimentos circulares com a mão e o dedo
indicado levantado] Vuu... Vuu... Vuu... Vuu... Bem rápido... Ela girava, girava, girava,
na frente da galinha ruiva. E a galinha ruiva olhava lá de cima. Olhava aquela raposa
girando. [A narradora agora gira o corpo e a cabeça como alguém que estivesse
ficando tonto de tanto girar] E a galinha ruiva foi ficando zonza. E a raposa girando
cada vez mais rápido. [Os gestos acompanham a fala da narradora] E a galinha ruiva
foi ficando zonza, foi ficando zon-za...” [A narradora interrompe o seu giro e fica
parada com a cabeça um pouco inclinada para trás] . Caiu dentro do saco. E a
raposa: ‘Ráááá!!! Eu consegui!’ Fechou o saco e a galinha aqui dentro [A narradora usa
uma almofada como se fosse o saco] ciscando, ciscando, ciscando... E ela: Você não
vai sair daqui não. Amarrou o saco, botou o saco nas costas...” [A narradora reproduz
passo a passo o que conta com a ajuda da almofada] Pois é... A raposa foi-se
embora feliz da vida com o saco nas costas... Subindo o quê?! A montanha, né?! Porque a
casa da raposa ficava lá em cima na montanha. Mas a galinha ruiva era pesada, viu,
gente?! A raposa começou a subir... Ai... Nossa, como tava pesado! O Sol tava muito
forte. Ela foi ficando suada e cansada, né?! Porque um saco pesado daquele com uma
galinha grande, hein?!. [A narradora continua segurando a almofada nas costas e
finge estar cansada subindo a montanha] Só pensando: ‘Ai, que delícia! O meu jantar
vai ser muito gostoso!’. Mas ela ficou tão cansada que ela resolveu parar um pouco.
Colocou o saco no chão, embaixo de uma árvore, com uma sombra, e disse: ‘Eu vou
descansar um pouco’. E foi... Deitou... Ficou assim... [A narradora inclina-se um pouco
sobre o tapete] E pegou no sono, gente. A raposa pegou no sono. E agora?! O que será
que vai acontecer?!”. Pois é... A galinha percebeu que a raposa tinha parado e aí a galinha,

146
que tava dentro do saco e era muito esperta, lembrou que dentro do seu avental... A
galinha tinha uma tesoura, cortou o saco [Gestos acompanham a fala da narradora],
botou a cabeça pra fora e disse: ‘Ufa!’. Viu que a raposa estava dormindo e ela disse: ‘Ai,
que alívio!’. Aí botou a mão, o braço pra fora, né?! A asa dela... A outra asa pra fora, as
pernas... Saiu e disse: Estou livre dessa raposa malvada. Consegui cortar o saco. Ufa! Que
sorte que eu tava aqui com a minha tesoura!’. E aí... Mas aí a galinha, que era muito
danada, viu uma pedra muito grande num canto e disse: ‘Eu já sei o que eu vou fazer: vou
pegar essa pedra, vou botar dentro do saco e vou costurar de novo. E foi isso mesmo que
ela fez. Ela foi, botou a pedra dentro do saco da raposa. E a raposa?!”. No maior sono
roncando. Costurou, deixou lá o saco do mesmo jeito e foi embora. Saiu, se escondeu lá
longe e ficou só observando. A raposa acordou: “Ai, como eu dormi. Deixa eu ir embora
que já tá anoitecendo e hoje eu comer...” [Pausa] . Pegou o saco, botou nas costas. Ai,
que saco pesado! Como essa galinha pesa! – disse a raposa. E continuou subindo. Quando
ele chegou lá em cima, perto da casa dele, chamou logo sua mãe: Mãe, cadê o caldeirão
com a água no fogo?! A água já está quente?!. Ela disse: Está! E você trouxe a galinha?.
Trouxe – ele respondeu. Pegou a galinha e ela disse: Cadê?!. ‘Abra a tampa da panela’. A
mãe da raposa abriu a tampa. Tinha aquela água fervendo. Tchiiiiii... Tchiiiiii... A raposa
pegou o saco, abriu a...Era uma pedra tão grande. Quando bateu na água quente...
Tchiiiiuuu.. Explodiu água, esborrou água pra todo lado. A raposa e a mãe da raposa...
Bateu água quente nelas. Elas saíram gritando: ‘Ai, ui, ai, ui, ui’. Saíram correndo de
dentro de casa. Aquela água espalhada por todo lado. E aí, ó, a raposa e a mãe dela foram
embora. Toda machucada. E a raposa disse: Eu nunca mais vou querer pegar essa danada
dessa galinha ruiva, que me enganou. E a galinha ruiva depois disso ficou livre daquela
raposa malvada e pôde viver sua vidinha tranquila. E acabou a história...

147
APÊNDICE 3

NARRATIVA ORAL 3

História: O Rei Sapo


Tempo Total: 21min05s

Vou começar uma nova história... O nome dessa história é o Rei Sapo... Alguém conhece
essa história?!. Essa história começa num lugar bem distante... Um palácio onde morava
uma linda princesa com o seu pai... Esse rei, ele tinha três filhas... A filha mais nova, a
princesinha, era uma menina muito bonita, que gostava muito de brincar e de passear...
Todos os dias ela saía pelo bosque, que ficava próximo ao castelo onde ela morava, e ia
passear pelo bosque... Quando tava o Sol muito forte, tava fazendo muito calor, a
princesinha sentava ao lado de um poço... Vocês sabem o que é poço?. Quem lembra o
que é um poço?! [Breve pausa]. Um poço, é um buraco bem fundo, cheio de água, que
serve pra... É... É... Que ele serve pra guardar água naqueles lugares que não tem água...”.
Então, a princesinha sentou perto do poço, pegou o seu brinquedo, que era uma bolinha de
ouro, e começou a brincar com a bolinha... Ela adorava brincar com essa bola de ouro...
[Breve pausa] De repente... Sabe o que aconteceu?!. Vocês têm ideia do que aconteceu
com a bolinha de ouro?!. Ela jogou a bola de ouro pra cima... Esperou de volta... [A fala é
acompanhada por gestos que condizem com a ação realizada] Porque era uma
brincadeira de jogar a bola e descer... Aí, ela jogou a bolinha pra cima... Quando esperou a
bolinha cair... Sabe o que aconteceu?!”. Caiu dentro do poço...”. E continua: A
princesinha ficou desesperada... Começou a chorar.... Ela faz som de choro e fala
como se fosse a princesinha: Minha bolinha de ouro... E agora?! Como é que eu vou
brincar?!. Chorou, chorou, chorou... Daqui a pouco, ela ouviu uma voz: Ei, menininha...
Ô, princesa... Por que é que você está chorando?! Por que é que você chora tanto
princesa?!. Aí, a princesa disse: Eu estou muito triste... Você não sabe o que aconteceu
comigo... Aí, ela se virou e descobriu que quem tinha falado era um sapo, que tinha saído
de dentro do poço... E ela ficou assustada com aquele sapo feio... E ela disse assim... Ele
disse assim pra ela: Eu posso lhe ajudar... Eu posso pegar a sua bolinha de ouro que caiu
dentro do poço... Como era um poço muito profundo, a princesinha não conseguia tirar a
bolinha... Ela tinha... Ela precisava da ajuda do sapo... E o sapo... O poço era muito

148
fundo... Tava cheio de água... E era o lugar onde o sapo morava... Ele disse assim pra ela:
Eu posso lhe ajudar... Se você quiser, eu vou buscar a sua bolinha de ouro...’. Ela disse:
Você faz isso por mim?!. Ele disse: Faço... Mas em troca você vai ter que me dar alguma
coisa...’. Aí, ela disse: ‘Pois eu aceito o acordo... Eu lhe dou as minhas joias, as minhas
roupas... Até a minha coroa de princesa, eu deixo com você, senhor sapo.... O sapo disse
assim: ‘Ah... Mas eu não quero as suas joias não... Eu não quero a sua coroa não... Eu
não quero os seus vestidos... O que eu quero, princesinha, é que você me leve pra morar
com você... Eu quero comer no seu pratinho de ouro... Tomar água no seu copinho de
ouro... Eu quero dormir na sua caminha, nos lençóis macios... Quero que você viva
comigo, que você seja a minha companheira.... A princesinha olhou assim... [Faz uma
expressão de espanto] Ficou espantada com aquele pedido do sapo, né?! E aí, disse: Eu
aceito... Eu prometo que vou fazer isso.... O sapo ficou todo contente e disse: Ah... Se você
aceita me levar daqui pro seu castelo, vou buscar a sua bolinha de ouro...’. Mas a
princesinha disse isso e pensou assim: Esse sapo não vai comigo não... Ele não vai sair do
lugar que ele mora pra me acompanhar no castelo.... Ela disse isso na verdade, gente, só
para convencer o sapo de quê?!. O que é que ela queria do sapo?!”. A narradora fala: A
bola, né?! Ela queria que ele fosse buscar... E foi isso que ele fez... O sapo mergulhou no
poço... Bem fundo... E trouxe a bola de volta... Quando a princesa viu a bola... [Faz uma
expressão de contentamento] Ficou numa felicidade... Pegou sua bolinha de ouro e
saiu correndo dali... E o sapo disse: Ei, princesinha, mais devagar... Eu não consigo lhe
acompanhar.... A princesinha nem esperou por ele... Foi embora e não ligou pro sapo... O
sapo ficou danado... E ela esqueceu... Ficou na casa dela, no castelo... Dormiu... No outro
dia, quando ela tava na mesa de jantar, almoçando com a sua família, com o rei, com todo
mundo... Sabe o que aconteceu?!. Ela estava no meio do seu almoço quando de repente
ouviu um barulho... [Faz gestos com a mão como se fosse alguém andando] Pract,
pract, plect, plect, plect... E alguém batendo na porta... [Finge bater na porta] Toc, toc,
toc, toc, toc, toc...”. O que será que esse sapo queria?!”. Pois é... Ela correu até a porta,
abriu a porta... [Faz uma expressão de susto] Tomou um susto... Quando viu aquele
sapo feio, disse: Você aqui?!. Ele disse: Deixe-me entrar... Você prometeu pra mim que ia
cuidar de mim.... Ela nem esperou pra terminar de ouvir... Fechou a porta... E foi... Correu
pra mesa toda assustada... O pai dela, que era o rei, disse assim: O que foi que aconteceu,
minha filha?! Por que é que você tá assim?!. Nada, pai.... Novamente a porta tocou...
[Finge bater na porta] Toc, toc, toc, toc... Ele fez: Quem é que está tocando essa porta?!
É algum gigante nervoso?!. Ela disse: Não, pai... É um sapo.... E ela contou pro pai o que

149
tinha acontecido... Que a bolinha de ouro tinha caído dentro do poço... Que o sapo tinha
pedido pra apanhar... Que ela tinha pedido pro sapo pra ele apanhar a bola... E que tinha
prometido ao sapo que ia cuidar dele, dar comida pra ele, que ele ia dormir na cama dela...
Sabe o que é que o rei fez?!. Não foi o que aconteceu... A narradora segue: Sabe o que é
que o rei disse?! Ah, minha filha... Você num prometeu ao sapo que ia cuidar dele?! Você
num prometeu que ele ia comer no seu pratinho, que ia dormir na sua cama?! Pois agora
traga o sapo pra cá... Ela ficou danada da vida... E aí, ela abriu a porta... O sapo entrou...
E ele disse: Me carregue na mão e me bote na mesa.... Ela, com raiva, pegou aquele
sapo... [Faz expressão de nojo] Com nojo... Botou o sapo na cadeira... Ele prontamente
pulou pra cima da mesa... Depois ele disse: Aproxime o seu pratinho de ouro pra que a
gente possa comer junto.... Ela ficou com muito nojo... [Faz mais uma vez expressão
de nojo] Mas num tinha outro jeito, né?! O pai dela tinha dito a ela que ela tinha feito a
promessa, tinha que cumprir... Aproximou o pratinho de ouro... E o sapo foi comendo
devagarzinho... [Finge estar pegando o alimento do prato e comendo] E ela
comendo também a mesma sopinha... Depois disse: Agora estou com sede... Veja o seu
copo de ouro.... Ela pegou o copo de ouro... O sapo tomou também... E depois ele disse:
Agora eu quero que você me leve para o seu quarto.... Ela ficou danada com aquilo...
Disse: Ai.... [Faz uma expressão de nojo] Ficou agoniada... Mas o pai olhava pra ela...
Levou ele para dentro do quarto... Quando chegou de noite, a princesinha tava com muito
sono, muito cansada... E aí, ela resolveu dormir, né?! Porque já era a hora de dormir...
Trocou de roupa.... Ela se arrumou toda... Trocou de roupa... Botou a sua camisola de
seda... Deitou-se na sua caminha... Quando de repente... Ouviu alguém falando: Ei,
princesinha, me leve para a sua cama... Eu também vou dormir nessa caminha...
Lembra?!. Ela disse: De jeito nenhum, senhor sapo... Você é muito sujo... Eu não quero
que você durma aqui na minha cama.... Mas o sapo... Sabe o que ele fez?!”. O sapo disse:
Ah... Você não vai me botar aí pra dormir também não?! Pois eu vou agora contar para o
rei.... Ela ficou com tanta raiva daquele sapo porque ele queria contar pro rei... Que ela
pegou o sapo e fez assim... [Faz um gesto com se arremessasse algo pra longe]
Vupt... Jogou o sapo na parede com toda a força que ela tinha... Praft... [Mostra assim o
sapo batendo na parede e a forma como ele ficou] O sapo bateu na parede e caiu no
chão...”. Sabe o que aconteceu?!”. Quando o sapo bateu na parede que caiu no chão, ele se
transformou num príncipe... A princesinha tomou um susto e disse: Nossa! Você é um
príncipe!. E aí, o príncipe contou pra princesinha: Eu fui enfeitiçado por uma bruxa... E eu
só iria me transformar novamente em príncipe se alguém me levasse do poço para a sua

150
casa... E você fez isso.... E aí, o príncipe ficou muito contente porque aquela princesinha
tinha conseguido, ela tinha conseguido quebrar o encantamento... E ele deixou de ser um
sapo, que ele era um sapo encantado, e tornou-se um príncipe... E ele disse: Agora que eu
voltei a ser príncipe, eu vou para o meu castelo e quero que você se case comigo... E vá
morar...’. Aonde?!”. No castelo...”. E eles ficaram muito felizes... No outro dia, ele pegou
a... Chegou à carruagem dele... “Eles entraram na carruagem e foram pro castelo do
príncipe.

151
APÊNDICE 4

NARRATIVA ORAL 4

História: Os sete cabritinhos e o lobo


Tempo Total: 21min38s

A história de hoje é a história dos sete cabritinhos e o lobo... Era uma vez uma cabra que
tinha sete filhinhas... Sete cabritinhas muito branquinhas e muito bonitinhas... E a dona
cabra gostava muito das suas cabritinhas... Cuidava muito delas... Elas eram todas bem
branquinhas... Um dia, a dona cabra precisava de comida dentro de casa, né?! Ela já tinha
acabado todas as comidinhas, e água também... E ela precisava ir na floresta pegar mais
comida para as suas cabritinhas... E disse assim: Filhinhas, prestem atenção! Não abram a
porta pra ninguém! O lobo é muito perigoso! Se vocês abrirem a porta pro lobo, ele pode
comer vocês.... As cabritinhas ficaram com muito medo, mas prometeram à mãe que não
iriam abrir a porta pro lobo. A mãe das cabritinhas disse: Muito cuidado! Sabe como é que
vocês vão saber que quem tá do lado de fora é o lobo e não eu?!. Como será que as
cabritinhas iam saber, gente, que quem tava batendo na porta era o lobo e não a mãe delas.
Será que ele vê escondidinho?! [Breve pausa] A mãe das cabritinhas disse: Olhe... A voz
do lobo é uma voz grossa e a pata do lobo é uma pata preta... A minha patinha é branca...
Então, vocês vão saber identificar sem abrir a porta... E a mãe foi-se embora...
Recomendou tudo... E as cabritinhas ficaram dentro da casa... O que será que vai
acontecer?!. Será que o lobo vai bater na porta?!. Vocês acham que não?! Vamos ver o
que é que vai acontecer. Aí, de repente.... Aí, de repente... [Pausa] De repente, sabe o
que é que aconteceu?! A porta começa a bater... Alguém bate na porta... [Faz o gesto de
bater na porta com as mãos] Tuc, tuc, tuc, tuc... [Faz uma voz grossa] Olá, minhas
filhinhas... Abram a porta! É a mamãezinha que trouxe presentes para vocês.... Vocês
acham que era o lobo?!. Vocês acham que as cabritinhas vão saber que era o lobo?! Como
é que elas vão saber que era o lobo?!. Não vamos abrir a porta não... Você é o lobo... A
sua voz é grossa... A da mamãe é bem fininha.... O lobo ficou danado da vida... E aí, ele
foi na floresta e resolveu tomar alguma coisa pra afinar a sua voz... Sabe o que é que ele
comeu?! Ele comeu mel, ele comeu mel e comeu ovos... E aí, deixou a voz dele bem
fininha... E voltou lá pra casa das cabritinhas... Bateu de novo... [Faz o gesto de bater

152
na porta] Toc, toc, toc, toc, toc... E elas disseram: Quem é?!. E aí, o lobo disse: [Faz
uma voz fina] Sou eu, minha filhinha... Abram a porta! É a mamãezinha... E trouxe
presentes para você.... Mas, quando o lobo se aproximou da porta, deixou que aparecesse
por baixo da porta a pata dele, preta... Quando as cabritinhas ouviram aquela voz fininha,
mas viram a pata preta.... O que é que elas...?!. .Era o lobo... E aí, elas disseram: Não
vamos abrir a porta não, senhor lobo... É você... A sua pata é preta... A pata da nossa
mamãe é branquinha.... O lobo ficou... Como, gente?!. Danado da vida... E agora?! O que
é que o lobo vai fazer?! O que é que vocês acham?. “Será que ele vai pintar a pata de
branco?! Com tinta, é?! Pois foi exatamente o que o lobo fez... Só que ele não pintou com
tinta não... Ele foi até a padaria e pediu ao padeiro que desse pra ele farinha de trigo, que é
uma farinha bem fininha e bem branquinha... O padeiro ficou desconfiado: Humm... Eu
acho que esse lobo tá querendo fazer alguma maldade... Eu não vou dar essa farinha
não.... Mas o lobo era tão feroz, que disse: Se você não fizer isso pra mim, eu vou comer
você.... E o padeiro ficou com medo, né?! E jogou farinha no pé do lobo, na pata do lobo...
E aí, a pata do lobo ficou branquinha... E aí, mostrou a patinha branca... Quando as
cabritinhas viram a patinha branca e aquela voz fina, o que é que vocês acham que
aconteceu?! Hein? Abriram a porta... Quando elas abriram a porta, deram... Tomaram o
maior susto... O lobo entrou... Feroz... E elas gritaram: Socorro! Socorro!. Cada uma
correu prum canto diferente... Uma cabritinha fugiu pra debaixo da cama... Outra
cabritinha foi pra debaixo... Dentro do forno... Outra cabritinha se escondeu dentro de uma
gaveta do armário... A cabritinha mais novinha, mais pequenininha, se escondeu dentro do
relógio que tinha na sala... Será que o lobo vai encontrar?!”. Será que vai pegar a
pequenininha?! [Breve pausa] Pois o lobo foi encontrando cada uma das cabritinhas e
comendo as cabritinhas inteiras... De tão grande que era a boca do lobo... Ó, o bocão...
[Ela mostra com gestos como o lobo comia as cabritinhas] Ele ia botando as
cabritinhas dentro da boca... E engolindo de uma vez de tão malvado que era esse lobo...
Ele só não conseguiu encontrar a cabritinha mais novinha, a mais pequenininha... Que tava
escondida aonde?!. Dentro do relógio... [Breve pausa] O lobo, com a barriga muito
cheia... Seis cabritinhas dentro... Foi-se embora... Saiu da casa, ó... A barriga cheia.... O
que é que vocês acham que aconteceu?!. A mamãe cabra chegou em casa... Encontrou a
porta aberta... Tomou o maior susto, né?! Tudo tava revirado... As gavetas, o armário, a
cama... Tava tudo... E ela começou a chamar as suas cabritinhas: Cadê vocês, minhas
filhinhas, minhas cabritinhas?!. Nada... A mamãe foi ficando desesperada, desesperada,
desesperada.... de repente... Encontrou a cabritinha novinha.... A cabritinha novinha disse

153
para a mamãe tudo o que tinha acontecido... Que o lobo tinha levado as irmãzinhas dela...
Que tinha enganado elas com a voz fina e com a pata... É... Com trigo, né?! Branca... A
mamãe saiu correndo pra floresta... Disse: Eu tenho que encontrar esse lobo.... Correu,
correu, correu... Procurou para um lado, procurou pro outro... Quando viu, num pé de uma
árvore, o lobo deitado... A barriga grande... Ele dormindo... Ela foi devagarzinho....
Pegou... Chegou perto do lobo... [A fala é acompanhada por gestos com a ajuda de
uma almofada, a qual seria a barriga do lobo] Encostou a cabeça na barriga do lobo...
[Pausa] O que será que ela ouviu?!. As filhinhas dela... Ela escutou um barulhinho... E
ela pensou: Será que minhas filhas ainda estão vivas?! Será que esse lobo era tão guloso
que engoliu elas inteiras?!. Foi nisso que a cabra pensou... Rapidamente, ela pediu pra
cabrinha ir até a sua casa e pegar uma tesoura... A cabrinha foi... Ela abriu a barriga do
lobo, e pegou as cabritinhas. Tirou todas as suas filhinhas... Abraçou todas... Fez a maior
festa... Mas ela queria se vingar daquele lobo danado... Pediu para as filhinhas pegarem
uma porção de pedras... Encheu a barriga dele de pedras... Costurou a barriga... E o lobo
ficou dormindo... Ela foi embora... O que será que vai acontecer?!. Será que ficou pesada a
barriga do lobo, hein?! E o que aconteceu com o lobo?!. Ele foi andando, andando, e
morreu?!. O lobo ficou cansado quando acordou... Foi isso que aconteceu... Quando o lobo
acordou, que levantou, sentiu aquele rug, rug, rug... [Faz gesto e som como se algo
revirasse na barriga do lobo] Ele disse: Ué! Eu tinha cabritinhas na minha barriga e
agora tô ouvindo um barulho meio de pedra... Ele começou a sentir sede... Foi aí que o
lobo foi até a beira de um riacho e abaixou a cabeça para tomar água... [Faz o
movimento do lobo abaixando a cabeça] Só que ele tava com a barriga tão cheia das
pedras que o peso das pedras fez com que o lobo caísse dentro do lago... E, como ele tava
pesado, ele afundou... E morreu.... Morreu afogado.... E as cabritinhas ficaram livres...
Quando elas viram que o lobo tinha morrido, elas saíram gritando pra mãe: O lobo...
Estamos livres do lobo... O lobo morreu.... E acabou a história....

154
APÊNDICE 5

NARRATIVA ORAL 5

História: Os músicos da cidade de Breman


Tempo Total: 18min11s

Hoje é a história dos músicos de Brema... Vou contar como é que começa a história... Era
uma vez um burro que morava com o seu dono e que trabalhava de dia e de noite...
Carregava feno, carregava açúcar, carregava seu dono, carregava carroça... E ele... O
burrinho já estava muito velho e muito cansado... O burro... [Breve pausa] O dono do
burro achando que ele não servia mais pro serviço... Sabe o que é que ele fez?! Sabe o que
é que o dono do burro fez?!. Ele resolveu vender o burro... O burro já tava velho... E aí, o
dono do burro disse: Ah... Ele não serve mais pra mim não... Eu não quero mais esse
burro trabalhando pra mim não... Vou vender e ganhar um dinheiro.... O burro ficou tão
triste, tão triste, que resolveu fugir... Nessa fazenda eu não fico mais... Vou embora...
Quero ser músico... Vou para a cidade de Breman...’. Foi aí que o burro foi pela estrada
afora... Para a cidade... No meio do caminho... Sabe quem ele encontrou?! [Breve pausa]
Um cachorro... Um cachorro já meio velhinho, cansado, ofegante... E aí, o burro disse:
Cachorro, o que é que você tem?! Por que é que você tá assim?!. Ah... Eu estou muito
cansado... [Faz expressão de cansaço] Eu não consigo mais acompanhar meu dono
nas caçadas... Não tenho mais dentes fortes para roer os ossos... E meu dono me
abandonou... E agora?! O que é que eu faço?!. [Pausa] O que será que o burro vai dizer
pro cachorro?!. O burro disse: Venha comigo... Vamos formar um conjunto musical...
Vamos para a cidade de Breman.... O cachorro disse: Boa ideia, meu amigo... Vou com
você.... E os dois saíram pela estrada.... Ela movimentando o corpo como se estivesse
caminhando, acompanhando o seu gesto por som: Truc, truc, truc, truc... Truc, truc, truc,
truc... Truc, truc... Mais na frente, eles ouviram um miado... Miau.... Era uma gatinha...
Toda branquinha... Caída, deitada, muito triste... E o cachorro disse: Mas o que é que você
tem, gatinha?! O que aconteceu com você?. Ela disse: Ah... Uma tristeza... Eu não sirvo
mais para caçar ratos... Eu estou velhinha... E a minha dona me mandou embora.... A
dona da gatinha mandou ela embora... E a gatinha tava muito triste... O burro, então, disse:
Ah, dona gatinha, venha conosco... Nós vamos para a cidade de Breman... Eu vou cantar,

155
o cachorro vai tocar algum instrumento e você, com a sua linda voz, pode fazer uma
serenata à noite... [Breve pausa] Será que a gatinha vai topar?! O que é que vocês
acham?!. Pois ela foi... Foram embora os três pela estrada.... Canta uma melodiazinha que
acompanharia a caminhada dos três animais. E a narrativa segue: Mais na frente, numa
árvore, eles escutaram um barulho.... Fazia assim, ó: Có có ró có có.... Um galo... Era um
galo já bem forte, bem adulto... E ele disse assim: Ah... Eu tive que ir embora da fazenda
que eu morava... Imagine que a dona queria fazer uma festa... E queria cortar o meu
pescoço e me cozinhar na panela... E eu ia virar um ensopado.... E aí, o galo disse: E
agora?! O que é que eu faço?!’. [Breve pausa] O que é que vocês acham que ele vai
fazer?!. Vai sair com o cachorro, o galo e o burro?! [Corrige-se] O gato e o burro... Vai,
gente?!. Foi isso que o galo fez... Disse: Ah... Eu vou com vocês... Vamos formar um belo
conjunto.... E eles foram pela floresta... Só que estavam muito cansados já... Porque a
cidade de Breman ela ficava muito longe... E eles resolveram parar um pouco, porque já
tava de noite, pra dormir... A gatinha deitou numa árvore e pegou no sono... O cachorro
deitou no chão... É... No pé de uma árvore e dormiu... O burro também... E o galo foi lá
pra cima da árvore... Lá de cima, o galo viu uma luz no meio da floresta e disse: Que luz
será aquela?! Será que é uma casa?!. A narradora indaga: Será que já era a cidade de
Breman?!. Será que era um lobo?!. A narradora fala: Será que era uma cidade?!. O galo
achou que era uma casa... Com alguma luz acesa no meio da floresta... E ele pensou: Se há
uma casa, deve haver comida na casa... Vou chamar meus amigos e vamos para essa
casa.... Desceu e disse: Amigos... Burro, cachorro, gata... Gatinha... Eu acho que tem uma
casa ali na frente... Vamos lá.... A gatinha disse: Humm... Se tiver um leitinho.... O
cachorro disse: Humm... Mas se tiver um pedacinho de carne.... E eles seguiram em
direção à casa... Chagaram bem devagarzinho e ouviram que a casa tinha barulho, tinha
gente dentro da casa... Ficaram assustados... Quem será que mora nessa casa?!. Será que
mora um gato nessa casa?!. Será que mora um lobo na casa?!. Pois é... O burro, que era
mais alto, resolveu olhar pela janela... [Faz expressão de espanto/surpresa] Quando
ele olhou pra dentro da casa e viu que tinha três ladrões sentados na mesa... Com uma
mesa cheia de comida... Muitas comidas gostosas, muita coisa boa.... E eles viram aqueles
três ladrões naquela casa... E aí, o cachorro disse: Temos que fazer um plano para
expulsar esses ladrões desta casa.... A gatinha, o cachorro, o galo e o burro resolveram,
então, invadir a casa... Eles fizeram assim... O burro botou as patas e ficou assim mais
alto.... A narradora mostra a posição dos animais à medida que fala de cada um.
Continua: O cachorro subiu nas costas do burro... A gatinha subiu nas costas do

156
cachorro... E o galo subiu pro mais alto em cima da gatinha... Eles deram: ‘Um, dois, três
e... Já.... Arrombaram a porta... Começaram a gritar... O cachorro latia... A gatinha... É...
Miava... O burro... É... Relinch... É... Relinchava não... É... Zurrava... E o galo.... “E o galo
cantava... Quando... Os ladrões tomaram o maior susto... Porque não esperavam, né?!
Viram aquele grupo assim... [Faz expressão de susto] Ai, meu Deus.... Se assustaram
com aquela entrada daquela coisa assim... Eles se apavoraram, se apavoraram... Se
assustaram e saíram correndo da casa... Os três ladrões... E foram embora... Os animais
disseram: A casa é nossa! Vamos comer e beber!. Sentaram na mesa... Comeram,
comeram, comeram, comeram, comeram, beberam, beberam... Ficaram com muito sono...
Aí, eles resolveram.... Eles resolveram deitar pra dormir... A galinha foi dormir na
cozinha... O cachorro na porta da sala... O burro, lá fora, no estábulo... E o galo no
galinheiro... Cada um no seu canto... Tarde da noite, os ladrões voltaram e disseram:
Peraí... Quem foi que nos atacou?! Temos que ter a nossa casa de volta.... Vá lá!’ – um
dos ladrões disse para o seu amigo. Vá lá e enfrente... Descubra quem foi que nos tirou da
nossa casa.... O que será que vai acontecer?!. O que é que vocês acham que vai
acontecer?!. Ah... Vocês nem imaginam... Quando o ladrão entrou pela cozinha, a casa
estava toda escura... Ele só viu aqueles dois olhos, que eram os olhos da gatinha...
Vermelhos... Ele tomou o maior susto e disse: Ai! É uma bruxa!. A gatinha, sem que ele
percebesse que era uma gata, pulou na cara dele e arranhou o rosto dele... E ele saiu
desesperado: Ai! Socorro! Socorro! Socorro!. Foi pra sala... Pisou no rabo do gato...
[Corrige-se] Do cachorro... E o cachorro deu uma abocanhada na perna dele... [Mostra
com gestos como foi a mordida do cachorro] Mordeu a perna dele... E ele saiu: Ai!
Socorro! Tô sendo atacado por um monstro!. Foi lá fora.... Quando ele foi lá fora... Bateu
e esbarrou no burro... O burro deu um coice nele que jogou ele longe... E o galo veio com
o seu bico e deu umas bicadas nele... E ele saiu desesperado: Socorro! Socorro! Socorro!.
Chegou lá perto dos outros ladrões, que eram amigos dele, e disse: Ah.... O que foi que
aconteceu com você?!. Tem uma bruxa horrorosa lá dentro... Ela me olhou... Ela me
arranhou com as suas mãos... Ela me esfaqueou na perna... E ela me deu chute... Não
podemos mais morar lá... Vamos embora.... Ele pensava que era uma bruxa, gente.... Pois
é... Os ladrões foram embora e eles se livraram, né?! E aí, eles resolveram que não
queriam mais ir pra cidade de Breman não... Eles queriam era viver ali... Cantando, sem
dono.... Os quatro animais... Ficaram morando na casa.... Gostaram da história?!.

157
APÊNDICE 6

NARRATIVA ORAL 6

História: Jorinda e Joringel


Tempo Total: 18min37s

É uma história de princesa... Vocês gostam de história de princesa?!, Essa história começa
num castelo onde mora uma feiticeira... Esse castelo é um castelo muito velho, muito
cheio de teias de aranha... E a feiticeira mora nele sozinha... É uma feiticeira muito
malvada.... Ela é velha, tem um nariz grandão, tem uns cabelos assim bem grandes... Ela
anda toda encurvada... Ela é muito malvada e gosta muito de fazer feitiços... De noite...
Imaginem! Ela se transforma numa coruja... [Breve pausa] E aí... Sabe o que é que ela
faz?! Ela consegue atrair, chamar todos os pássaros... E ela prende os pássaros dentro do
castelo... O castelo dessa feiticeira é um castelo que tem um encanto... Só ela manda nesse
castelo.... O castelo dela é velho... Quando as pessoas se aproximam perto do castelo...
Num passe de mágica, elas ficam.... Ela faz uma pose de estátua. Estátua... Congeladas...
Por isso todo mundo tem medo... Perto do castelo dessa feiticeira morava uma moça
chamada Jorinda... Jorinda era uma princesa muito linda, que vivia no castelo... E ela tinha
um noivo que se chamava Joringel... Jorinda e Joringel eram muito felizes... Estavam se
preparando para o seu casamento... Um dia, eles foram passear no meio da floresta e
Joringel disse para a sua noiva: Jorinda, cuidado!. Por que ele tava mandando ela ter
cuidado?!. Por causa de quem?!. Por causa do castelo da feiticeira, Joycie... Ele disse: Não
podemos chegar perto do castelo.... E passearam, passearam pela floresta... [Faz uma
expressão de espanto] De repente... Sabe o que aconteceu?!. Será que eles ficaram
como estátua?! Eles se perderam na floresta... Ai, que tristeza! Jorinda chorava, chorava,
chorava... Joringel disse: Calma! Nós vamos encontrar o caminho!. E eles começaram a
andar de um lado pro outro... Procurando o caminho... De repente, quando abriram o
arbusto... O que foi que eles viram?!. A velha?! Será?!. Eles viram o castelo... E aí...
Quando Jorinda foi andando pra frente, Joringel disse: Calma, Jorinda! Cuidado,
Jorinda!. Já era tarde demais... A feiticeira, que estava transformada numa coruja, deu três
voltas na cabeça de Jorinda, disse umas palavras mágicas e plim.... Transformou Jorinda...
Sabe em quê?! Num pássaro... Joringel disse: Meu Deus do céu! Jorinda... Ela é um

158
pássaro!. Quando ele disse isso, ele se aproximou do castelo.... Narradora faz pose de
estátua. A narradora conta: Ficou parado... Virou uma estátua... E aí... A coruja se
transformou de novo na feiticeira, pegou o pássaro, que era Jorinda, e levou preso para o
castelo, gente... Esse castelo ela tinha assim de princesas... Todas transformadas em
pássaros, todas presas no castelo em várias gaiolas... Que coisa triste! E Joringel lá
congelado... O que vai acontecer com ele?!. A feiticeira voltou e... Tirou o feitiço e ele
voltou a se movimentar... E ele disse: Por favor, feiticeira, liberte Jorinda... Eu quero
minha noiva de volta... Eu quero a minha princesa... Por favor, feiticeira!. Será que ela
vai?!. A feiticeira transformou Jorinda em passarinho... Será que ela vai atender o pedido
de Joringel?!. De jeito nenhum! Nunca mais você vai ver a sua princesa! Vá embora
daqui!. E Joringel saiu triste... Foi embora morar lá longe no campo, tomar conta dos
animais... Ficou muito triste... Passaram-se muitos e muitos tempos... Aí, um dia, Joringel
estava dormindo e teve um sonho... O que será que ele sonhou?!. Ah... Ele sonhou que ele
tava casando... Com quem?!. Será que ele sonhou...?!”. Ele sonhou que encontrava uma
rosa bem vermelha, bem vermelha, e essa rosa era mágica... E essa rosa quebrava o
encantamento, o feitiço da bruxa... Ele acordou do sonho e disse: Eu tenho que encontrar
essa rosa vermelha no campo... Eu tenho que salvar Jorinda daquela feiticeira... E aí, no
outro dia, bem cedo, ele começou a procurar... Procurou, procurou.... Ele achou a rosa
vermelha... E aí, pegou a rosa vermelha... Era uma rosa grande, linda... Começou a andar
em direção ao castelo... Mas vocês sabem que o castelo era um castelo enfeitiçado, né?!
Quem se aproximava do castelo acontecia o quê?!. Será que ele vai ficar estátua ?!. Ele
entrou no castelo, segurando a rosa vermelha, foi andando, foi andando... E ele não foi
enfeitiçado, ele não foi congelado, ele não virou estátua... Entrou no castelo e começou a
tentar achar onde será que tava Jorinda... Ele ouviu uns barulhos de pássaros, pássaros,
pássaros... E foi em direção à porta... Quando abriu uma grande porta do castelo, era uma
sala enorme, cheia de gaiolas, com muitos pássaros presos... E a feiticeira lá... Dando
comida aos pássaros... Ele segurou a rosa e pensou: ‘Qual dessas gaiolas está Jorinda?!
Onde está minha princesa enfeitiçada?!. Tinham vários pássaros presos... Como é que ele
ia descobrir quem era Jorinda?! Sabe como foi que ele descobriu?! Quando ele entrou que
tavam todas as gaiolas lá... Ele... Segurando a rosa na mão, né?! Protegendo ele contra o
feitiço da bruxa... Da feiticeira... Aí, ele viu a feiticeira, que pegou uma das gaiolas com
um pássaro bem lindo, ia saindo de mansinho, de mansinho... Ele... Era ela! Ele foi lá,
pegou a rosa e... Tocou na feiticeira.... E ela ficou estátua, Pedro... Parada... E ele pegou de
novo a rosa... Tocou no pássaro que estava na gaiola.... E Jorinda voltou a ser linda e

159
bela... A sua noiva.... Depois que ele deu um abraço em Jorinda bem forte e disse: Meu
amor, como eu estava com saudades de você!... Ele foi com a rosa.... Transformou todos
os pássaros que estavam nas gaiolas....Em princesas... E libertou todas as princesas... E aí,
ele casou com Jorinda e foi feliz...Joringel e Jorinda... Felizes para sempre!.

160
APÊNDICE 7

CONTAR - Recortes usados na análise do contar por aspecto analisado, destaque para os
trechos que foram usados como exemplos no corpo da pesquisa dentro da análise e
discussão.

A) O posicionamento diante da história: significados sendo construídos na interação.

Recorte (1) 06’32’’ – 10’00’’ (Doroteia, a centopeia. 1º contar)


A narrativa é retomada: “E Doroteia todo dia de manhã... Todos os bichinhos do
jardim... Todos os insetos do jardim... Sabe o que é que eles faziam de manhã?! As
abelhas, elas faziam mel... As formigas colhiam folhinhas pelo jardim e levavam pras
suas tocas... A Doroteia centopeia cavava túneis pelo jardim... Vocês sabem o que são
túneis?!”. Joyce diz: “Não...”. Emanuelle fala: “Buraco...”. A narradora diz:
“Buraco... Buraco... Exatamente...”. Continua: “E túneis dentro da terra... Cavava
dentro da terra...”. Ela faz gestos com o braço como se fossem os túneis. Segue
falando: “Mas um dia... De tarde, que era o horário em que todos os insetos se
reuniam pra brincar, aconteceu uma coisa... [Pausa]

Doroteia estava muito triste... Ela tava o tempo inteiro de cara feia,
não queria conversar com ninguém e ficava assim, ó... [Faz uma
expressão de desânimo e cansaço] Ai, ui... Ai, ui... O que será que
Doroteia tinha?!”. Joyce fala: “dor de dente...”. A narradora questiona:
“será que era dor de dente?!”. Emanuelle arrisca: “dor de cabeça...”.
De novo, a narradora questiona: “será que era dor de cabeça?!”.
Tenta continuar: “pois é...”. Pedro interrompe: “tava com a cabeça
doente...”. A narradora fala: “será que ela tava com a cabeça
doente?!”. Maria Eduarda diz: “ou dor de cabeça ou dor de mão...”. A
narradora fala: “Dor de mão...”. Joyce arrisca mais uma vez: “ou se
não, dor de ouvido...”. A pesquisadora repete: “Dor de ouvido...”.

E segue contando a história: “Mas ninguém sabia o que era que Doroteia tinha... O
sapo, o grilo, a formiga ficaram muito preocupados porque, olhe, Doroteia era tão
animada, gostava tanto de brincar... E daquele jeito... Já pensou que coisa triste?! Foi
aí que a dona formiga disse: ‘Eu tenho uma ideia... Precisamos levar Doroteia para o
médico...’. E o grilo disse: ‘Eu conheço o doutor caramujo, que mora embaixo da
roseira, e ele vai descobrir qual é o problema de Doroteia...’. Será, gente, que ele vai
descobrir?!”. Matheus responde: “Vai!”. A narradora fala: “Vocês acham que o
doutor caramujo vai descobrir?!”. Maria Eduarda e Emanuelle fazem sinal positivo
com a cabeça. Já, Joyce faz sinal negativo. E Pedro diz: “Vai!”. Matheus dessa

161
vez não esboça nenhuma resposta. Dirigindo-se a Joyce, a narradora pergunta:
“Tu não acha não?!”. Nesse momento, Pedro diz: “Caracol...”. A narradora
exclama: “Oi?!”. O menino repete: “Caracol...”. A narradora fala: “Caracol...
Doutor caramujo... É um caramujozinho que tem aquele caracol em cima... Né,
Pedro?!”. Continua: “E aí eles: a formiga e o grilo... Foram atrás do doutor
caramujo... Chamaram doutor caramujo... E doutor caramujo bateu na porta da
casa de Doroteia... Toc, toc, toc, toc... [Ela fecha o punho de uma das mãos e bate
com a parte dos dedos na outra mão, que está aberta] [Breve pausa] Nada... Toc,
toc, toc, toc... [Repete o gesto] [Breve pausa] Nada... Nada de Doroteia aparecer...
Doutor caramujo resolveu, então, entrar, né, gente?! Porque, afinal de contas, se
Doroteia tava doente, é porque ela precisava de quê?!”. Pedro diz: “Do doutor...”. A
narradora diz: “Precisava do doutor, né?! E aí, Doroteia apareceu e o doutor
caramujo disse: ‘Bom dia, Doroteia! Eu vou lhe examinar pra saber por que é que você
tá choramingando tanto, sentindo tanto ui, ai, ui, ai...’.

“sabe o que é que Doroteia fez?!”. Joyce movimenta a cabeça em sinal


negativo. As outras crianças não esboçam resposta. A narradora
pergunta: “vocês imaginam o que é que Doroteia fez?!”. Mais uma vez,
Joyce movimenta a cabeça, negativamente. Emanuelle e Pedro fazem
o mesmo. Matheus responde: “não...”. A pesquisadora diz: “pois é...
Virou o rosto... Não quis saber de doutor caramujo... E ainda estirou a
língua pra ele... Tá certo?!”. Pedro diz: “deu língua...”. A narradora fala:
“deu língua pro doutor caramujo, Pedro... Que coisa, né?! O doutor
caramujo disse: Doroteia, isso não se faz...”.

Recorte (2) 03’ 02” – 03’ 36” (A galinha ruiva. 1º contar)


“E a galinha ruiva ela gostava muito de costurar. Então, ela sempre estava ocupada,
ouviu, Breno?! [A narradora observa certa inquietação no menino, que se olha no
espelho] Fazendo as suas costuras. E ela sempre andava com um avental.

“e dentro do bolso do avental a galinha ruiva guardava... O quê?!” Joyce


responde: “dinheiro... Um real...”. A narradora questiona: “será que era
dinheiro que ela guardava?!”. Breno fala: “a linha”. A narradora aponta
para o menino e fala: “a linha... Porque era uma galinha costureira...”.
Pedro diz: “uma agulha”. A narradora confirma a fala dele: “uma
agulha...”. E complementa: “e uma tesoura... Era o material de trabalho
da galinha.”

162
Recorte (3) 01’ 54” – 02’ 39” (Rei sapo. 1º contar)
“todos os dias ela saía pelo bosque, que ficava próximo ao castelo onde ela
morava, e ia passear pelo bosque... Quando tava o sol muito forte, tava
fazendo muito calor, a princesinha sentava ao lado de um poço... Vocês
sabem o que é poço?!”. Joyce movimenta a cabeça de forma negativa.
Emanuelle diz: “eu sei...”. Quase ao mesmo tempo, Joyce também diz:
“eu sei...”.
A narradora questiona: “O que é um poço?!”. Joyce fica olhando para Emanuelle
como se esperasse que a colega respondesse. Emanuelle esboça um riso e não
responde. A narradora fala: “Quem lembra o que é um poço?! [Breve pausa] “Tu
sabe, Rafael?!”. O menino balança a cabeça em sinal negativo. A narradora diz:
“Um poço, Rafael, é um buraco bem fundo, cheio de água, que serve pra... É... É...
Que ele serve pra guardar água naqueles lugares que não tem água...”. Joyce
exclama: “Ah! Ah, é mesmo!”.

Recorte (4) 03’ 19” – 03’ 33” (Rei sapo. 1º contar)


“aí, ela jogou a bolinha pra cima... Quando esperou a bolinha cair... Sabe o
que aconteceu?!”. Joyce parece responder com um gesto que faz com a
mão, como que indicando a trajetória de queda da bola. Emanuelle, por
sua vez, responde: “Caiu no poço...”. Joyce fala baixinho: “Caiu...”. A
narradora confirma: “Exatamente! Exatamente, Manu... Caiu dentro do
poço...”.

Recorte (5) – 00:03:14 – 03’ 52’’ (Os sete cabritinhos e o lobo. 1º contar)
A porta começa a bater... Alguém bate na porta... [Faz o gesto de bater na
porta com as mãos] Tuc, tuc, tuc, tuc... [Faz uma voz grossa] Olá, minhas
filhinhas... Abram a porta! É a mamãezinha que trouxe presentes para vocês....
Joyce afirma: “É não...”. Pedro e Breno falam ao mesmo tempo: “Era o
lobo...”. A narradora questiona: “Vocês acham que era o lobo?!”. Rafael
responde: “É...”. A narradora questiona mais: “Vocês acham que as
cabritinhas vão saber que era o lobo?! Como é que elas vão saber que era o
lobo?!”. Breno responde: “Porque tem essa voz grossa...”. Joyce diz: “Num
vai saber não...”. A narradora indaga: “Tu num acha que vai saber não,
Joyce?!”. A menina faz um discreto movimento negativo com a cabeça.
A narradora pergunta a outra criança: “Pedro... Tu acha que vai saber,

163
Pedro?!”. O menino sinaliza que não. A narradora fala: “Não?! [Pausa] E
isso que Breno falou?!”. Joycie diz: “Vai, vai, vai...”. Breno parece colocar:
“ vai saber porque é a voz grossa...”. A narradora fala: A voz grossa...

Recortes (6): 11’ 27’’ – 12’ 06’’ (Doroteia, a centopeia. 1º contar)


“Calos, gente... Porque o pezinho de Doroteia tinha crescido, sabe, Pedro?! E aí, ó,
não cabia mais no pezinho de Doroteia aqueles sapatos... Por isso que Doroteia tava
sentindo tanto incômodo... Doutor caramujo disse que tinha unha encravada, quer
dizer, unha machucada, unha... O pezinho machucado... Os dedos de Doroteia
estavam todos apertadinhos... Do jeito que fica o pé da gente quando a gente usa
sapato apertado... Já aconteceu isso com vocês?!”. Maria Eduarda e Emanuelle
fazem sinal positivo com a cabeça. Joyce faz sinal negativo. Parece ser Matheus
quem fala: “Não...”. Pedro não responde. A narradora diz: “Já aconteceu?! Hein,
Maria Eduarda?!”. A menina afirma: “Fez um calo...”. A narradora fala: “Fez um
calo o teu sapato?!”. Matheus se aproxima da narradora e, mostrando o pé, diz: “A
minha sandália fez um calo aqui, ó...”. A narradora fala: “Foi mesmo?!”.

Recorte (7): 13’ 08’’ – 13’ 45’’ (Doroteia, a centopeia. 1º contar)


“O que é que tu acha que Doroteia tem que fazer?! Ela tem que comprar
cinquenta pares de sapato...”. A fala de Mateus se interpõe: “Vinte
milhões...”. A narradora continua: “E ela não tem o dinheiro pra comprar
os sapatos...”. Mais uma vez, Mateus interpõe sua fala: “É vinte
milhões...”. Ele ainda repete mais uma vez a sua fala. A narradora se
volta para o outro menino: “E agora o que é que ela faz, Pedro?!”. Uma
das crianças [Parece ser Matheus] diz: “Nada...”. Pedro responde: “Vai
trabalhar pra ganhar dinheiro...”. Matheus concorda: “É...”. A narradora fala:
“Será que ela pode trabalhar pra ganhar esse dinheiro?!”. Joyce
responde: “Pode!”. Emanuelle e Maria Eduarda balançam a cabeça em
sinal afirmativo. A narradora questiona: “Se fosse com vocês, o que é que
vocês iam fazer?!”. Emanuelle responde: “Trabalhar...”. Pedro fala:
“Trabalhar pra ganhar dinheiro...”. Maria Eduarda também fala:
“Trabalhar...”. A narradora diz: “É?!”. Joyce afirma: “Quando tiver
grande...”. A narradora questiona: “Quando tiver o quê?!”. Joyce e
Emanuelle dizem: “Grande...”. A narradora fala: “Grande... Mas vai
trabalhar quando tiver grande, né?! Pois é...”

164
Recorte (8): 17’ 45’’ - 18’ 15’’ (Doroteia, a centopeia. 1º contar)
“Qual será que foi o problema que ele disse pra Doroteia?! O que é que vocês acham
que ia ser o problema?!”. Matheus diz: “Não tinha sapato...”. Emanuelle repete a
fala do colega: “Não tinha sapato...”. Matheus diz novamente: “Não tinha sapato...
Tinha não...”. A narradora pergunta: “Não tinha muitos sapatos?!”. Matheus fala:
“Não...”. Nova pergunta da narradora: “Por quê?!”. Pedro diz: “Não tinha
nenhum...”. Matheus arrisca: “Porque não existem muitos sapatos na loja...”. A
narradora fala: “Pois é, Matheus... Foi exatamente o que aconteceu... Não tinham
sapatos iguais... Cinquenta pares de sapatos iguais realmente não tinha...”

Recorte (9): (Os músicos de Breman. 1º contar)

“Mais na frente, numa árvore, eles escutaram um barulho...”. Emanuelle


sugere: “a coruja...”. A narradora questiona: “era uma coruja?!”. Pedro
faz um som como se fosse uma coruja. Rafael parece dizer: “não...”. E,
logo em seguida, parece mudar de ideia: “é...”. A narradora pergunta de
novo: “será que era uma coruja?!”. Pedro continua fazendo o som da
coruja. A narradora diz: “fazia assim, ó: ‘Có có ró có có...’. Pedro afirma:
“galinha...”. Emanuelle fala: “um galo...”.

b) A interface entre o real e a fantasia, as experiências das crianças circunscrevendo


os fatos.

Recorte (1): 10’31’’ – 10’40’’ (Doroteia, a centopeia. 1º contar)


“quando ele terminou, apertou os pezinhos de Doroteia, os amigos de
Doroteia... Quem eram os amigos de Doroteia?! Vocês lembram?!”.
Matheus é o primeiro a falar: “a formiguinha...”. Emanuelle fala logo em
seguida: “o grilo...”. Pedro diz: “o sapo...”. Emanuelle segue o colega,
quase em coro: “o sapo...”. Maria Eduarda fala: “a minhoca...”. Quando a
narradora ameaça começar a falar, Joyce contribui: “cobra...”. A
narradora retoma: “a cobra... E as borboletas...”

165
Recorte (2) 04’ 01” - 04’ 41” (A galinha ruiva. 1º contar)
“E a raposa vivia pensando: Hum... Como eu gostaria de comer essa galinha
ruiva... Ai, meu Deus, como ela é gorda, como deve ser gostosa essa galinha
ruiva.... Um dia, a raposa disse para a sua mãe: Bote o caldeirão de água
fervendo no fogo. Eu vou conseguir o nosso jantar hoje. O que será que a
raposa tava pensando?!”. Emanuelle e Pedro respondem: “Na galinha”. A
narradora pergunta: “Por que vocês acham que ela tava pensando na
galinha?!”. Joyce diz: “Pra comer... Pra assar...”. A narradora fala: “Pra
assar a galinha ruiva, era?!”. Joyce diz: “E pra comer...”. Breno diz:
“Cozinhar...”

Recorte (3) 07’ 03” – 08’ 08” (A galinha ruiva. 1º contar)


“A raposa disse: Volte aqui, galinha ruiva. Desça já e venha já pra dentro desse saco.
Venha já pra dentro desse saco, galinha ruiva. A galinha ruiva foi?” Joyce responde:
“Não”. A narradora pergunta: “Por que é que vocês acham que ela não foi?!”. Breno,
acompanhado em sua fala por Joyce, responde: “Porque a raposa ia comer ela”. A
narradora retoma: “Pois é... A galinha ruiva respondeu”: Nã, nã, não! [A narradora
balança o dedo indicador negativamente] Eu não vou não, senhora raposa. Tá
pensando o quê?! Eu vou ficar aqui em cima. Não vou entrar dentro desse saco de jeito
nenhum. A raposa disse: Ah... Mas eu vou conseguir que você desça.

“O que será que a raposa fez?”. As crianças olham atentamente para a


narradora, que pergunta: “Como será que ela conseguiu fazer a galinha
ruiva descer desse armário?! O que é que tu acha, Pedro?!”. Joyce fala:
“Voando” [A fala da menina é acompanha do gesto de voar com os
braços]. A narradora diz: “Sim... Mas como é que a raposa... O que é que
tu acha que a raposa fez para a galinha ruiva descer, se a galinha ruiva não
queria?!”. Breno diz: “Ficou jogando pedra”. A narradora pergunta: “Será
que a raposa ficou jogando pedra?!”. As crianças olham para a narradora.
Ela se volta para Emanuelle: “Hein, Emanuelle, o que é que tu acha?!”.
Emanuelle não fala nada. Joyce balança a cabeça em sentido negativo.
A narradora fala: “Não, Joycie?! Ficou não?!”. A menina continua
balançando a cabeça. A narradora pergunta mais uma vez: “O que será
que ela fez?!”. Não obtendo resposta, ela retoma a história: “Gente, vocês
não sabem... Sabe o que a raposa fez?!”

166
Recorte (4) 04’ 43” – 05’ 34” (Rei sapo. 1º contar)
“Ele disse assim pra ela: Eu posso lhe ajudar... Eu posso pegar a sua bolinha de ouro
que caiu dentro do poço.... Como era um poço muito profundo, a princesinha não
conseguia tirar a bolinha... Ela tinha... Ela precisava da ajuda do sapo... E o sapo...”.
Joyce interrompe falando algo que não se compreende: “Por que... Eita, é... [Não é
possível compreender a fala]. A narradora diz: “Exatamente! O poço era muito
fundo... Tava cheio de água... E era o lugar onde o sapo morava... Ele disse assim pra
ela”: Eu posso lhe ajudar... Se você quiser, eu vou buscar a sua bolinha de ouro....

ela disse: você faz isso por mim?!. Ele disse: faço... Mas em troca você vai ter
que me dar alguma coisa.... “Aí, ela disse”: pois eu aceito o acordo... Eu lhe
dou as minhas joias, as minhas roupas... Até a minha coroa de princesa, eu
deixo com você, senhor sapo... Com um riso no rosto, Joycie comenta: “as
roupas... Ela disse, é?!”. A narradora fala: “foi... Já pensasse, Joyce?!
[Breve pausa] Mas o sapo... Será que o sapo queria isso?!”. Joyce
responde: “queria não...”. Emanuelle balança a cabeça afirmativamente
e diz: “queria...”. A narradora pergunta: “tu acha que ele não queria não,
Joyce?!”. A menina fala: “porque... Se ele vai ser bicha...”. A narradora
questiona: “por que você acha isso?!”. Joyce diz: “porque se tiver roupa de
mulher vai ser bicha...”.

Recorte (5) 10’ 36” – 11’ 02” (Rei sapo. 1º contar)


“Quando chegou de noite, a princesinha tava com muito sono, muito cansada... E aí,
ela resolveu dormir, né?! Porque já era a hora de dormir... Trocou de roupa...”.
Joyce interrompe para perguntar: “Dormir... Com quem?! [Pausa] Ela dormiu com o
sapo, foi?!”. A narradora questiona: “Será que ela dormiu com o sapo?!”. Emanuelle
responde: “Não...”. A narradora fala: “Vocês acham que ela num dormiu não?!”.
Rafael esboça uma resposta positiva com a cabeça. A narradora se dirige a ele:
“O que é que tu acha, Rafael?!”. O menino responde: “Dormiu...”. A narradora diz:
“Por que é que tu acha que ela dormiu com o sapo?!”. O menino não responde.

Recorte (6) – 13’ 02” - (Rei sapo. 1º contar)


“e aí, o príncipe ficou muito contente porque aquela princesinha tinha
conseguido, Rafael... Fazer o quê?!”. Joyce fala: “dormiu... Dormiu junto...
Namorou...”. A narradora fala: “rá... Ela tinha conseguido quebrar o
encantamento... E ele deixou de ser um sapo, que ele era um sapo
encantado, e tornou-se um príncipe... E ele disse: agora que eu voltei a ser
príncipe, eu vou para o meu castelo e quero que você se case comigo... E vá

167
morar... Aonde?!”. Joyce responde: “no castelo...”. A narradora confirma:
“no castelo...”. A menina ainda diz: “e vai namorar no castelo...”. Começa a
rir, logo em seguida. A narradora também ri. Ela fala: “e vai namorar no
castelo, Joyce?!”. A menina confirma: “vai...”. A narradora retoma a
história: “e eles ficaram muito felizes... No outro dia, ele pegou a... Chegou
à carruagem dele... Eles entraram na carruagem e foram pro castelo do
príncipe...”. Joyce fala: “e foi namorando...”. A menina faz um gesto de
beijo na boca. Todos riem. A narradora pergunta: “tu acha que foi
namorando, Rafael?!”. O menino responde: “eu não...”. Emanuelle fala:
“eu não, hein...”.

Recorte (7) 2’:39’’ – 3’:00’’ (Os sete cabritinhos e o lobo. 1º contar)


e a mãe foi-se embora... Recomendou tudo... E as cabritinhas ficaram
dentro da casa... O que será que vai acontecer?!. Pedro diz: “É o lobo
batendo...”. A narradora pergunta: “Será que o lobo vai bater na porta?!”.
Rafael faz um sinal negativo com a cabeça. A pesquisadora faz outra
pergunta: “Será que elas vão abrir a porta para o lobo?!”. Pedro
responde: “Não...”. Rafael continua em seu movimento negativo. Joyce
também nega balançando a cabeça. A narradora fala: “Vocês acham
que não?! Vai não, Joyce?!”. A menina continua dizendo que não, com a
cabeça. A narradora diz: “Vai não, Pedro?!”. O menino responde baixinho:
“Vai não...”.

Recorte (8) – 00’: 44’’ – 02’: 24’’ (Os sete cabritinhos e o lobo. 1º contar)
“A história de hoje é a história dos sete cabritinhos e o lobo... Era uma vez uma
cabra que tinha sete filhinhas... Sete cabritinhas muito branquinhas e muito
bonitinhas...”. Breno pergunta: “Cadê, tia, as cabritinhas pra ver elas?!”. A narradora
responde: “A cabritinha depois eu vou mostrar... Primeiro eu vou contar a história...
Presta atenção!”. Joyce fala: “Depois a senhora vai pegar, né, tia?!”. A narradora diz:
“Depois é que eu pego... Num é, Pedro?! Né assim?!”. Pedro movimenta a cabeça
em sinal afirmativo. Rafael concorda: “É... É...”. A narradora retoma a história: “E
a dona cabra gostava muito das suas cabritinhas... Cuidava muito delas... Elas eram
todas bem branquinhas... Um dia, a dona cabra precisava de comida dentro de casa,
né?! Ela já tinha acabado todas as comidinhas...”. Rafael fala: “Água...”. A narradora
segue: “E água também... E ela precisava ir na floresta pegar mais comida para as
suas cabritinhas... E disse assim: Filhinhas, prestem atenção! Não abram a porta pra
ninguém! O lobo é muito perigoso! Se vocês abrirem a porta pro lobo, ele pode comer

168
vocês.... As cabritinhas ficaram com muito medo, mas prometeram à mãe que não
iriam abrir a porta pro lobo. Pedro diz: “Ficaram assim, atrás da porta, não foi?!”. A
narradora coloca:

“Ficaram com a porta fechada, né?!”. Pedro fala: “Trancada...”. A


narradora prossegue: “A mãe das cabritinhas disse: Muito cuidado! Sabe
como é que vocês vão saber que quem tá do lado de fora é o lobo e não eu?!’.
Como será que as cabritinhas iam saber, gente, que quem tava batendo na
porta era o lobo e não a mãe delas?. Pedro fala: “O lobo...”. Breno diz:
olhava escondidinho pela janela. “Pulava a janela e...”. A narradora fala: Será
que ele vê escondidinho?!

Recorte (9) - (Os músicos de Breman. 1º contar)


E eles seguiram em direção à casa... Chegaram bem devagarzinho e ouviram que a
casa tinha barulho, tinha gente dentro da casa... Ficaram assustados... Quem será
que mora nessa casa?!”. Pedro fala algo que não é possível compreender. A
narradora busca entender: “Como?!”. O menino responde: Gato.

A narradora indaga: “será que mora um gato nessa casa?!”. Pedro


sugere: “pra casar com a gatinha...”. A narradora diz: “pra casar com a
gatinha, é, Pedro?!”. Rafael afirma: não... Um lobo...”.

A narradora questiona: “Será que mora um lobo na casa?!”. Breno coloca: “Um
lobisomem...”. A narradora fala: “Um lobisomem?! É, Manu?!”

Recorte (10) (Os músicos de Breman. 1º recontar)


Tarde da noite, os ladrões voltaram e disseram: ‘Peraí... Quem foi que nos atacou?!
Temos que ter a nossa casa de volta...’. ‘Vá lá!’ –

“... um dos ladrões disse para o seu amigo: “vá lá e enfrente... Descubra
quem foi que nos tirou da nossa casa...”. O que será que vai acontecer?!”.
Pedro opina: “vai matar tudinho...”. A narradora pergunta: “quem vai
matar tudinho?!”. Emanuelle e Breno respondem: “os ladrões...”. A
narradora fala: “vocês acham que os ladrões vão matar os animais?!”.
Rafael movimenta a cabeça em sentido negativo. Pedro diz: “eu acho
que não...”. A narradora questiona: “não?! Vocês acham o quê?! O que é
que vocês acham que vai acontecer?!”. Pedro coloca: “nada... Aí, os

169
animais vai ter uma doze...”. A narradora não entende o que o menino
fala: “os animais vai ter o quê?!”. Ele diz: “uma doze...”. Ela não entende
novamente: “uma o quê?!”. Ele responde: “Uma arma...”. Ela, então, fala:
“uma doze... Uma arma... Será, gente, que os animais...?!”. Emanuelle
prontamente diz: “é não...”. Rafael esboça um movimento negativo. A
narradora indaga: “é o quê?!”. Emanuelle faz uma expressão de que
não sabe. Pedro sugere: “então é uma faca...”. Quase ao mesmo tempo,
a narradora fala: “tu sabe, Breno?!”. O menino sinaliza que não. Pedro
repete: “então é uma faca...”.

c) Inferências construídas na interação

Recorte (1) 10’ 28” – 11’ 13” (A galinha ruiva. 1º contar)


“E pegou no sono, gente. A raposa pegou no sono. E agora?! O que será
que vai acontecer?!”. Breno diz: “A galinha fugiu”. Pedro também
responde: “Vai abrir e fugir”. A narradora pergunta: “Como, se o saco tá
fechado?!”. Ele diz: “Rasgou o saco”. Ela questiona mais: “Será?!”. Breno
pergunta: “Rasgou com quê?!”. Pedro diz: “Com a pata”. Emanuelle, por
sua vez, coloca: “Como bico”. A narradora fala: “Com o bico, com a pata,
será?!”. Joyce diz: “Bica assim, ó...”. Ela faz o gesto de uma galinha
bicando. Breno diz: “É claro!”. E joyce continua a sua fala: “Igual o do
pica-pau”.

A história é retomada pela narradora: “Pois é... A galinha percebeu que a raposa
tinha parado e aí a galinha, que tava dentro do saco e era muito esperta, lembrou que
dentro do seu avental...”. A narradora faz uma pausa e as crianças falam.
Emanuelle diz: “Tinha a agulha”. Ao mesmo tempo em que Joyce fala “Nããão!”,
Pedro diz: “A tesoura”. Joyce fala: “A tesoura. E cortou e saiu”.

Recorte (2) 11’ 03” – 12’ 23” ( Rei sapo. 1º contar)


“Ela se arrumou toda... Trocou de roupa... Botou a sua camisola de seda... Deitou-se na
sua caminha... Quando de repente... Ouviu alguém falando: Ei, princesinha, me leve para
a sua cama... Eu também vou dormir nessa caminha... Lembra?!’. Ela disse: De jeito nenhum,
senhor sapo... Você é muito sujo... Eu não quero que você durma aqui na minha cama.... Mas
o sapo... Sabe o que ele fez?!”. Joycie faz um pequeno movimento negativo com a
cabeça. Emanuelle arregala os olhos para a narradora como se quisesse dizer que

170
não sabe. A narradora pergunta: “O que é que vocês acham?!”. Emanuelle faz um
gesto com as mãos para indicar que não faz ideia do que ele tenha feito. A
narradora, então, continua: “O sapo disse: Ah... Você não vai me botar aí pra dormir
também não?! Pois eu vou agora contar para o rei....

ela ficou com tanta raiva daquele sapo porque ele queria contar pro rei...
Que ela pegou o sapo e fez assim... [Faz um gesto como se arremessasse
algo pra longe] Vupt... Jogou o sapo na parede com toda a força que ela
tinha... Praft... [Mostra assim o sapo batendo na parede e a forma como
ele ficou] O sapo bateu na parede e caiu no chão.... Emanuelle comenta:
“morreu?!”. Rafael contribui: “e caiu os dentes...”. A narradora questiona:
“será que caiu os dentes do sapo?!”. Emanuelle ri. Joyce fala: “caiu...”. A
narradora continua a falar: “será que ele morreu?!”. Emanuelle diz:
“morreu... [Breve pausa] Caiu os dentes... E ficou banguelo...”. A narradora
pergunta: “o que é que tu acha, Joyce?! O que aconteceu com o sapo?!”.
Joycie diz: “foi...”. Rafael afirma: “o dente caiu...”. A narradora fala: “nã,
nã, nã, nã, nã... Sabe o que aconteceu?!”. Joyce diz: “não!”.

Recorte (3) – 00:05:17 – 00:05:35 (Os sete cabritinhos e o lobo. 1º contar)


E agora?! O que é que o lobo vai fazer?! O que é que vocês acham?!”. Breno
fala: “pintar a pata de branco e deixar a voz fina...”. A narradora questiona: “será
que ele vai pintar a pata de branco?! O que é que tu acha, Rafael?!”. O menino
faz um sinal positivo com a cabeça. A narradora busca confirmar: “acha?!
Como é que ele vai pintar essa pata de branco?!”. Breno responde: “com
tinta...”.

Recorte (4) 00:06:12 – 00:06:40 (Os sete cabritinhos e o lobo. 1º contar)


a narradora continua: “o lobo então... Fez o quê, gente?! O que é que vocês
acham que o lobo fez?!”. Breno diz: “foi lá e bateu de novo...”. Joyce e
Pedro também dão a mesma resposta que Breno. Mas Pedro ainda
complementa: “e colocou o pé...”. Breno segue falando, mais baixinho
agora e com uma voz fina: “sou eu, filha... Sua mãe... Trouxe um bocado de
presente para você...”.
A narradora fala: “E aí, mostrou a patinha branca... Quando as cabritinhas viram a
patinha branca e aquela voz fina, o que é que vocês acham que aconteceu?! Hein,

171
Rafael?!”. Pedro fala algo que não é possível compreender. Joyce diz: “Ela vai
abrir...”. A narradora retoma a história: Abriram a porta...

Recorte (5) – 00:09:51 – 00:10:30 (Os sete cabritinhos e o lobo. 1º contar)


o que será que ela ouviu?!”. Pedro responde baixinho: “as filhinhas...”. A
narradora fala: “as filhinhas dela... Ela escutou um barulhinho... E ela
pensou: será que minhas filhas ainda estão vivas?! Será que esse lobo era tão
guloso que engoliu elas inteiras?!. Foi nisso que a cabra pensou...
Rapidamente, ela pediu pra cabrinha ir até a sua casa e pegar uma
tesoura... A cabrinha foi... Ela abriu a barriga do lobo...”. Breno
complementa: “e pegou as cabritinhas...”. Joyce contribui: “e depois saiu
correndo pra casa...”. Breno fala: “aí trancou...”. Joyce ainda diz: “de
chave...”.

Recorte (6) – 00:10:32 – 00:11:09 (Os sete cabritinhos e o lobo. 1º contar)


“Tirou todas as suas filhinhas... Abraçou todas... Fez a maior festa... Mas ela queria
se vingar daquele lobo danado... Pediu para as filhinhas pegarem uma porção de
pedras... Encheu a barriga dele de pedras... Costurou a barriga... E o lobo ficou
dormindo... Ela foi embora...

o que será que vai acontecer?!”. Pedro parece falar: “ela ficou morrendo...”.
Joyce comenta: “ficou pesada...”. A narradora pergunta: “será que ficou
pesada a barriga do lobo, hein?! Hein, Rafael?!”. O menino faz sinal
positivo com a cabeça. A narradora continua perguntando: “e o que
aconteceu com o lobo?!”. Pedro responde: “aí, o lobo foi andando, andando,
e morreu...”. A narradora fala: “ele foi andando, andando, e morreu?!”.
Joyce diz: “ficou cansado...”. A narradora indaga: “o que é que tu acha,
Breno?!”. O menino responde: “ficou cansado...”. A narradora diz: “o lobo
ficou cansado quando acordou...

Recorte (7) – (Jorinda e Joringel. 1º contar)


“Vocês acham que ele achou?! Pois é... Ele achou a rosa vermelha... E aí, pegou a
rosa vermelha... Era uma rosa grande, linda... Começou a andar em direção ao
castelo... Mas vocês sabem que o castelo era um castelo enfeitiçado, né?! Quem se
aproximava do castelo acontecia o quê?!”. Emanuelle responde: “Ficava estátua!”. A

172
narradora diz: “Ficava estátua... Será que ele vai ficar estátua?!”. Pedro responde:
“Vai não...”. Joyce pergunta: “A senhora vai trazer?!”.

a narradora indaga: “será que ele vai ficar estátua, Pedro?!”. Emanuelle
diz: “não...”. A narradora segue perguntando: “por que ele não vai?!”.
Pedro fala: “porque... [Pausa] Ele tá com a rosinha...”. A narradora diz:
“porque ele tá com a rosa... Aí vocês acham que ele não vai ficar estátua
não?!”. Pedro afirma: “não! Pega o poder da rosa...”. A narradora fala:
“pega o poder da rosa, Pedro! Boa ideia, Pedro!”.

Recorte (8) – (Jorinda e Joringel. 1º contar)


Ele segurou a rosa e pensou: ‘Qual dessas gaiolas está Jorinda?! Onde está minha
princesa enfeitiçada?!’”. Emanuelle fala: “Tá em cima...”. Pedro parece dizer: “Ela
cantando...”. A narradora não entende: “Oi?!”. O menino repete: “Ela cantar...”. A
narradora questiona: “Será que ela vai cantar pra ele descobrir?! [Breve pausa] Ela
tava aonde, Manu?!”. A menina diz e Pedro acompanha: “Tava em cima...”. A
narradora fala: “Em cima de onde?!

tinham vários pássaros presos... Como é que ele ia descobrir quem era
Jorinda?!”. Todos ficam em silêncio. Pedro faz sinal de que não sabe.
Emanuelle sugere: “dando um beijo...”. A narradora não entende: “oi?!”.
A menina repete: “dando um beijo?!”. A narradora pergunta: “dando um
beijo?! Será que ele vai descobrir quem é Jorinda dando um beijo?! Será
que esse feitiço vai terminar se ele der um beijo no pássaro?!”. Emanuelle
esboça um sinal afirmativo com a cabeça. A narradora indaga: “será?!
Hein, Rafael?!”. Depois de um tempinho, o menino parece sinalizar que
não. Pedro diz: “vai!”.

173
APÊNDICE 8

RECONTAR - Recortes usados na análise do recontar por aspecto analisado, destaque


para os trechos que foram usados como exemplos no corpo da pesquisa dentro da análise e
discussão.

a) Recontar baseado nos fatos mais importantes.

Recorte (1): 25’ 52’’ (Doroteia, a centopeia. 1º recontar)


“Eu quero saber agora quem sabe contar essa história... Quem vai começar
contando a história pra mim?!”. Joycie e Matheus falam: “Eu...”. Maria Eduarda
levanta o dedo. Pedro fala mais alto: “Eu, eu, eu, eu, eu...”. Emanuelle segura o
braço de Maria Eduarda, levantando-o, e diz: Duda! Duda! Duda! Duda! Quem
levantar primeiro.... A narradora novamente chama a atenção de Matheus por ele
brincar se jogando sobre o tapete: “Eu acho que Matheus não quer ficar aqui não...
Ele prefere ficar lá sozinho na sala... Hein, Matheus?!”. Já em seu lugar, o menino
balança a cabeça em sinal negativo. Emanuelle continua a falar: “Tia, tia, tia...
Duda ela quer... Ela sabe ler...”. A narradoraadora explica: “A gente vai fazer assim...
Cada um vai contar um pedacinho da história... Que tal?!”. Duda repete: “Que
tal?!”. A narradora volta a falar: “Quem vai começar contando a história?!”. Pedro
fala alto: “Eu, eu!”. Emanuelle aponta para a colega e diz: “Duda!”. A narradora
fala: “Vai, Pedro... Começa... Pedro vai e a gente vai ajudando Pedro... [Breve pausa]
Era uma vez...”. Matheus fala: “Ô, tia, pega o livro pra Pedro ler...”. Maria Eduarda
começa: “Era uma vez...”. Matheus insiste: “Pega o livro pra Pedro ler...”. A narradora
diz: “Sem o livro... Vamos ver o que a gente lembra da historinha...”. Pedro fala:
“Era uma vez...”. Maria Eduarda repete: “Era uma vez...”. Pedro continua:
“Doroteia...”. As meninas riem. A narradora ajuda:

“Era uma vez Doroteia, uma centopeia... [Pausa] O que mais?!”. Pedro diz:
“tava com dor nos pés...”. Maria Eduarda fala: “dor no... Dores nos pés...”.
Emanuelle e Joyce se olham no espelho. A narradora chama a atenção
para que elas voltem aos seus lugares. Matheus brinca com a almofada
jogando-a para o alto. A narradora diz: “assim não... Vamos contar a
história... Vamos lá...”. Mesmo com as crianças inquietas, ela continua:
“tava com dor nos pés, era, Pedro?! E daí?!”. Pedro confirma: “era...”.
Maria Eduarda diz: “de dedo...”. A narradora fala: “nos dedos... Como é
que ela descobriu isso?! Como é que foi isso, hein?!”. Maria Eduarda
afirma: “o doutor descobriu...”. Pouco depois, Emanuelle diz: “por causa do
sapato apertado...”. Pedro contribui: “pequenininho...”. Maria Eduarda fala:

174
“aí fez um calo... Tava fazendo calo...”. Emanuelle completa: “no pé dela...”.
A narradora fala: “no pé dela... O que mais, Matheus?! [O menino
continua inquieto] O que aconteceu então?!”. Pedro coloca: “aí não tinha
dinheiro...”. Maria Eduarda começa a falar: “não tinha dinheiro pra...”. A
fala de Emanuelle se sobrepõe: “pra comprar sapato...”.

Matheus se volta para a pessoa que está filmando: “Tá filmando, é, tia?!”. Joyce
fala: “Aí tava... Aí...”. Pouco depois, Emanuelle continua: “A formiga foi chamar o
doutor...”. Maria Eduarda confirma: “Foi... [Pausa] Aí foi e deu língua pro doutor...”. A
narradora diz: “Nossa! Doroteia deu língua pro doutor, Matheus?! Por quê?!”. O
menino confirma com a cabeça e coloca a língua para fora. Emanuelle diz: “E deu
dedo...”. A narradora exclama: “Eita!”. Ela novamente chama a atenção de
Matheus, pedindo para ele sentar no lugar. O menino volta para junto do armário.
A narradora continua: “Pronto... Aí o doutor fez o quê?!”. As crianças ficam um
tempinho em silêncio. Matheus fala baixinho: “Resolveu o problema...”. Maria
Eduarda diz: “Resolve o problema... Aí depois ela deu língua pro doutor...”. Emanuelle
completa: “E deu dedo...”. A narrradora pergunta: “E depois disso o que foi que
aconteceu?!”. As crianças ficam em silêncio. Emanuelle faz um gesto como se
não soubesse. A narradora questiona: “Acabou a história foi quando o doutor
descobriu que o problema de Doroteia era os pés?!”. Joyce diz: “Foi... Acabou...”. A
narradora fala: “Acabou a história aí?!”. Joyce balança a cabeça afirmativamente.
Matheus diz: “Acabou...”. A narradora duvida: “Será?!”. Matheus fala: “Acabou
não... [Breve pausa] O parque de diversões...”. A narradora pergunta: “Como é
isso?!”. Maria Eduarda fala: “Aí foi o doutor mandou ela trabalhar... Ela trabalhou... As
formigas e a folha ajudou ela...”. Joyce diz: “A trabalhar...”. Ao mesmo tempo, Maria
Eduarda continua: “No parque...”. Pouco depois, acrescenta: “Aí ela ganhou
dinheiro...”. Emanuelle fala no mesmo momento, mas não é possível compreender
tudo o que diz. Ela fala: “No parque...”. Maria Eduarda coloca: “Aí foi num tinha
sapato... Aí foi num tinha sapato... Ela foi na outra loja...”. Matheus e Pedro brincam
jogando a almofada para cima. Joyce diz: “Aí teve sapato...”. Começa a brincar
com almofada assim como os meninos. A narradora fala: “Aí teve sapato...”. Maria
Eduarda afirma: “Teve não... Na outra loja...”. A narradora pergunta: “E aí, o que foi
que aconteceu?! [Breve pausa] [Tenta engajar Matheus na atividade] Matheus vai
continuar agora a história...”. Emanuelle diz: “Ela comprou todos os sapatos...”. A
narradora fala: “Ela comprou...”. Joycie afirma: “Outros sapatos...”. A narradora
continua: “Outros sapatos, num foi?! Como é que foi isso, hein?! Hein, Matheus?!”.
O menino começa: “É...”. A narradora fala: “Quando ela chegou lá na loja que ela
foi comprar os sapatos...”. Matheus fala, mas a voz de Emanuelle se sobrepõe: “Aí
num tinha sapato lá...”. Começa-se a entender o que Matheus diz: “Aí ela pediu
aquela sandália havaiana, sandália... Aí pediu sapato, é... Bota... Tamanco...”. Joyce fala:
“Sandália, sandália havaiana...”. Maria Eduarda contribui: “Sandália, sapato... [Pausa]
Sapato...”. Joyce diz novamente: “Havaiana...”. Maria Eduarda lembra-se de mais:
“É... Tamanco amarelo...”. Matheus fala de novo: “Bota...”. A narradora questiona:
“Pra quê ela pediu tudo isso?!”. Maria Eduarda responde: “Pra ela...”. Matheus diz:
“Pra botar no pé dela...”. A narradora insiste: “Por quê?!”. Maria Eduarda repete a
fala do colega: “Pra botar no pé dela...”. Joyce diz: “Pra ser misturado...”. Maria
Eduarda fala: “Pra ser colorido os sapatos...”. Ao mesmo tempo, Joyce afirma: “Pra

175
ser colorido, quer dizer...”. A narradora pergunta: “E resolveu o problema?!”.
Emanuelle e Maria Eduarda respondem: “Resolveu...”. A pesquisadora fala: “E
depois?!”. Maria Eduarda diz: “Ela ficou feliz...”. Emanuelle fala: “Feliz...”. Pouco
depois, Joyce também: “Feliz...”. A narradora pergunta: “E depois?!”. Emanuelle
diz: “Acabou...”. Maria Eduarda e Joyce repetem: “Acabou...”. A narradora fala:
“Acabou a história?!”. Emanuelle balança a cabeça afirmativamente.

Recorte (2) (A galinha ruiva. 1º recontar)


“Gostaram da história?!”. As crianças balançam a cabeça afirmativamente. Joyce
diz: “Agora eu quero ver”. A narradora fala: “Você quer ver?! Antes de eu mostrar o
livrinho da história, eu quero saber quem vai me ajudar a... Quem sabe contar essa
história pra mim?!”. Emanuelle prontamente levanta a mão com o dedo indicador
apontando para cima. A narradora diz: “Ah... Vai, Emanuelle...”. A menina
debruça-se sobre o próprio corpo, aparentando estar envergonhada. A narradora
complementa sua fala: “Tu começa e quem quiser ajuda...”. A menina continua na
mesma posição, com o rosto escondido, sem olhar para a narradora. Após um
breve período de silêncio, esta diz: “Bora, Emanuelle... Tu quer que eu comece?!”.
Ela não responde. Breno diz: “Ela tá chorando”. A narradora afirma: “Tá não...”. Breno
e Joyce tentam ver se Emanuelle está chorando. Joyce diz: “Tava sim..”. Breno
mexe na colega, que então se move e deixa de esconder o rosto. A narradora ri. E,
com um sorriso no rosto, Joyce diz: “Ela tá sorrindo”. A narradora repete: “Tá
sorrindo”. Pedro também cutuca Emanuelle. Ela e Breno terminam se segurando
e puxando um ao outro, de modo que movem o espelho do lugar. A narradora
intervém: “Não, gente... Assim não... Assim machuca... Assim machuca, gente...”.
Pedro agora mexe com Joyce. Ela manda ele parar. A narradora tenta fazer com
que as crianças voltem a atenção para ela: “Vamos lá!”. O espelho sai do lugar
mais uma vez, com o movimento das crianças, e, então, a narradora se levanta
para ajeitá-lo, pedindo cuidado para com o objeto. Ela ajeita também o tapete.
Terminada essa tarefa, a narradora tenta retomar: “Vamos lá! Fique aqui... Fique
aqui... Vamos lá!”. As crianças brincam com as almofadas. A narradora diz: “Bora,
Joycie... Bora, Emanuelle... Pode começar...”. Joyce responde: “Não, tia...”. A
narradora fala: “Eu ajudo vocês”. Ela chama a atenção de Breno para que ele não
mexa com o ventilador a fim de não se machucar. Continua: “Eu posso ajudar.
Vocês querem que eu ajude?!”. Breno responde: “Ajuda. Conta aí tudinho”. A
narradora diz: “Não. Eu vou começar um pedacinho”. Após uma breve pausa, ela
segue:

“Era uma vez...”. Faz uma nova pausa. Breno diz: “quando a raposa pegou
um rato...”. Joyce ri. A narradora diz novamente: “era uma vez...”.
Emanuelle fala: “A galinha ruiva”. A narradora diz: “a galinha ruiva...
Que...”. Breno fala: “aí... A raposa queria pegar ela e pegou um...”. [Não é
possível compreender a parte final da fala do menino] A narradora diz:
“a raposa queria pegar ela... Gostei...”. Pedro fala: “e pegou a pedra”. A
narradora pergunta: “sim, mas já chegou na pedra?! O que é que tem antes

176
disso?!”. Pedro diz: “pegou o catita”. A narradora coloca: “catita?! Não
lembro de ter catita nessa história não...”. Emanuelle, rindo, repete:
“catita!”. A história é retomada: “era uma vez uma galinha ruiva... Que
morava onde?!”. Joyce responde: “na casa... Bem alta...”. A narradora diz:
“isso... E daí?!”. Breno responde: “aí ela morreu... E pegou...”. A narradora
pergunta novamente: “e daí, hein, Emanuelle?! A galinha morava
sozinha?! Ela morava com quem?!”. Enquanto as meninas estão
sentadas de frente para a narradora, os meninos encontram-se deitados
mexendo um com o outro. Joyce fala: “com a mãe dela, com o pai dela”.
Breno complementa: “e o avô dela”. A narradora fala: “Era?! A galinha
morava com esse povo todinho era?! [Breve pausa] Hein, Emanuelle?!”.
Emanuelle esconde o rosto com as duas mãos, mas logo as retira de
sua frente. Joyce diz: “ou então morreu...”.

A narradora coloca: “Tu acha que eles morreram?! Ela não morava só, né?!”.
Emanuelle responde: “Era”. A narradora questiona: “E aí?! O que é que aconteceu
nessa história?! Era a história de uma galinha que morava sozinha...”. Joyce pede:
“Tia, mostra...”. A narradora responde: “Eu vou mostrar daqui a pouco”. Breno
pergunta: “Vai mostrar a galinha?!”.

Recorte (3) – 00:13:20 – 00:15:15 (Os sete cabritinhos e o lobo. 1º recontar)


A narradora retorna a atenção para a fala de Pedro, que continuou falando esse
tempo todo: “Bateu, bateu... Colocou a patinha preta... Aí depois pintou a patinha preta...
Branca... E botou... Aí viu... Aí comeu mel e ovo... Ficou com a voz fina...”. A narradora
diz: “Pedro tá contando sozinho... Só ele sabe contar, é?!”. O menino segue falando
baixinho. A narradora pede: “Pedro... Se senta, Pedro... Porque aí tu vai contar mais
bonito...”. Joyce fala: “Aí mudou a cor da patinha...”. A narradora diz: “Ah... Joyce vai
te ajudar... Começa, Pedro...”. Agora sentado, o menino conta: “Pintou a patinha de
branca...”. Joyce parece dizer: “Mudou de cor a patinha...”. Pedro tenta continuar:
“E...”. A narradora diz: “Hum...”. Pedro conta muito baixinho, não sendo possível
compreender completamente: “Abriram... E a cabritinha novinha, que comeram
tudinho... O lobo... [Não é possível entender parte da fala] A cabritinha novinha
contou tudinho pra mamãe... Tava no relógio da sala...”. A narradora tenta fazer com
que outras crianças falem:

“gente, ele tá contando sozinho... Ninguém vai ajudar ele não, é?!”. Joyce
parece falar: “mas eu vou contar quando tiver pergunta...”. Pedro ainda
segue falando: “ela pediu pra cabritinha nova ir lá na casa dela e pegar a
tesoura... E cortou, cortou, cortou... Abriu... Pegou as filhinhas... Pegou as

177
cabritinhas e levou pra casa... Colocou muita pedra...”. Breno comenta: “foi...
Botou muita pedra...”. Pedro continua: “e costurou, costurou... Costurou,
costurou... Quando ele tava morrendo de sede, foi...”. Rafael ajuda: “no
lago...”. Pedro fala: “no lago... E tomou água...”. Rafael diz: “ele botou a
cabeça pra baixo...”. Pedro conta: “botou a cabeça pra baixo... [Não se
entende parte da fala] E vrum... Na água...”.

Recorte (4) 15’ 04” – 16’ 13’’ (Rei sapo. 1º recontar)


“Eu quero saber quem me ajuda a lembrar dessa história, a contar novamente essa
história...”. Emanuelle levanta a mão. A narradora comemora: “Muito bem, Manu!”.
Prossegue: “Vamos lá! Vou começar com ‘Era uma vez...”. Emanuelle diz: “Era uma
vez...”. A narradora aguarda um pouco. Joyce fala: “Uma linda princesa...”. Após um
tempinho, a menina continua: “Chamada Raiz...”. A narradora diz: “O nome dela era
Raiz?!”. Emanuelle ri. A narradora exclama: “Que nome bonito você deu pra
princesa!”. Emanuelle e Rafael falam ao mesmo tempo, mas a voz da menina se
sobrepõe: “Ela morava num castelo...”. O menino diz: “Ela tava fazendo isso [Faz o
gesto de jogar uma bola para cima com uma mão e pegar com a outra] e a bolinha
caiu...”. Emanuelle completa: “Dentro do poço...”. Joyce afirma: “O sapo pegou...”.
Pouco depois, Emanuelle diz: “Aí, deu pra ela...”. Rafael fala: “Aí, ela correu e...”.
Emanuelle e Joyce falam ao mesmo tempo. A primeira diz: “Aí, o sapo disse...”. A
fala da segunda se sobrepõe: “Aí, o sapo bateu na porta... Depois entrou... Era o sapo,
que depois dormiu na cama dela... Que nojo! Depois ele... [Faz um ar de suspiro] Virou
um príncipe...”. Emanuelle fala: “Aí, depois pegou o sapo e meteu... [Faz o gesto de
arremesso] E... Bateu com ele na parede...”. Joyce afirma: “E morreu... E virou um
príncipe...”. Emanuelle diz: “Mentira! Que mentira! Ele nem morreu... Virou um
príncipe...”. Emanuelle ri. A narradora ri também. Joyce fala: “Felizes para sempre...
foi simbora pro castelo...”.

Recorte (5) (Jorinda e Joringel. 1º recontar)


Vamos ver quem é que lembra alguma parte dessa história... [Breve pausa] Quem é
que lembra?!”. Rafael parece dizer: “Oxe!”. Pedro responde: “Eu!”. A narradora
fala: “Você lembra, Pedro?!”. O menino responde positivamente com um
movimentar de cabeça. Joyce diz: “Eu não...”. A narradora pergunta: “Então, essa
história começa onde?! [Pausa] Num castelo...”. Emanuelle e Pedro complementam:
“Da bruxa...”. O menino ainda diz: “Enfeitiçada...”. A narradora fala: “Uma bruxa
feiticeira, num é?!”. Rafael coloca: “Tia, e o... E o castelo dela é cheio das coisas de
aranha...”. Pedro fala: “Teia... Teia, teia...”. A narradora diz: “Teia de aranha... Era um
castelo feio... E essa bruxa?! Como era?!”. Rafael afirma: “Velha!”. Pedro diz algo
que não se compreende. A narradora indaga: “E o que é que aconteceu?! Como é
que essa história continua?!”. Pedro faz um gesto como se não soubesse. A
narradora se dirige a ele: “Hein, Pedro?!”. O menino responde: “Continuando...”. A
narradora pergunta: “Como é que é, Manu?!”. E continua: “Aí... [Pausa] Ali perto do
castelo da feiticeira morava uma moça...”. Emanuelle fala: “Que era...”. A menina
fala um nome que não se entende. Pedro parece dizer baixinho: “Jorinda...”. A

178
narradora diz: “Jorinda! Muito bem, Pedro!”. Emanuelle coloca: “Jorinda e
Joringel...”. A narradora continua:
“Jorinda e Joringel... E eles eram o quê?!”. Emanuelle responde: “princesa
e príncipe...”. A narradora diz: “eles eram princesa e príncipe... E eles
foram pra onde?!”. Pedro responde: “caminhar...”. Emanuelle conta: “aí se
perderam...”. Pedro segue a história: “aí foram prum velho caminho... [Não
se entende parte da fala] Aí achou...”. A narradora questiona: “achou o
quê?!”. Todas as crianças falam ao mesmo tempo, sendo possível
apenas compreender Rafael, que diz: “o castelo...”.

A narradora olha para Joyce e diz: “Achou! [Pausa] O quê?!”. As crianças falam
juntas novamente. A narradora conta: “Achou o castelo... Que eles tavam perdido...
Meu Deus do céu! E aí, gente?! O que aconteceu?!”. Emanuelle fala: “Aí Joringel
andou, andou... [Pausa] E ficou estátua...”. A narradora pergunta: “Por que é que ele
ficou estátua?!”. Emanuelle responde: “Porque ele tava perto do castelo...”. A
narradora diz: “Ah... A feiticeira transformou Joringel em estátua...”. Emanuelle
começa a falar: “Em um pássaro...”. A narradora segue falando: “E Jorinda?! E
aí?!”. Tendo ouvido Emanuelle falar, ela questiona: “Em pássaro, foi?! Foi quem?!
Foi Joringel ou foi Jorinda?!”. Emanuelle responde: “Foi Jorinda...”. Pedro também
fala: “Jorinda...”. A narradora diz: “Jorinda... Pois...”.

Recorte (6) – (Jorinda e Joringel. 1º recontar)


“o príncipe Joringel...”. Emanuelle afirma: “ficou triste...”. A narradora diz:
“ficou triste... Ficou triste... E depois?! Quando ele foi pra longe, o que
aconteceu com ele?!”. Emanuelle conta: “aí ele dormiu...”. A narradora
fala: “dormiu o príncipe, foi?!”. Rafael afirma: “sonhou...”. Emanuelle
ainda fala: “lá no campo...”. A narradora diz: “ele sonhou!”. Rafael fala:
“pra pegar o coisa rosa...”. A narradora pergunta: “que coisa rosa?!”.
Emanuelle responde: “a flor...”. A narradora diz: “ah... Ele sonhou com
uma rosa vermelha, foi?!”. Rafael sinaliza que sim. A narradora indaga:
“e o que é que essa rosa vermelha fazia?!”. Emanuelle diz: “era mágica...”.
A narradora pergunta: “Pedro, era uma rosa mágica?!”. Rafael e Pedro
dizem: “era!”. A narradora fala: “e aí?!”. Emanuelle conta: “e aí... Ele
andou, andou, foi até perto do castelo, entrou no castelo...”.

Pedro fala algo e a narradora chama a atenção para ele: “Olha! Pedro tá dizendo
uma coisa...”. O menino fala: “Nem ficou congelado...”. A narradora repete: “Nem

179
ficou congelado...”. Emanuelle continua contando: “Entrou no castelo, abriu outra
porta e viu um bocado de pássaro...”.

b) O corpo e a incorporação dos personagens apoiam o recontar

Recorte (1) 14’ 52” – 17’ 46” (Doroteia, a centopeia. 2º recontar)


“Vamos lá... Como é que é a história?! Eu vou começar e vocês me ajudam... Essa
história...”. Joyce pega a centopeia: “Eu quero brincar...”. Emanuelle fala: “É de
Doroteia...”. A menina brinca com a borboleta, como se esta voasse. A narradora
diz: “Ela, um dia, estava...”. Joyce completa: “Chorando...”. Emanuelle contribui:
“Triste...”. Breno levanta-se e, segurando a joaninha no ar, diz: “E a joaninha ficou
voando...”. Breno e Emanuelle, cada um brinca com o seu bichinho no ar. Joyce
fica sentada com a centopeia à sua frente. A narradora faz a abelha voar:
“Voando, voando...”. E tenta continuar a história: “E aí, Doroteia tava triste... Aí o
que foi que a joaninha disse?! [Pausa] O que foi que a joaninha disse?! O que foi que
a joaninha disse quando viu a Doroteia chorando?!”. Emanuelle, dirigindo-se a
Breno, diz: “Vai, Breno...”. O menino parece perguntar: “O que foi que a joaninha
disse?!”. Joyce fala: “Aí tu diz assim, ó, Breno... A Doroteia...”. A menina faz um som
diferente que não se entende. O menino brinca com a joaninha. A narradora diz:
“‘O que será que ela tem?!’”. Breno fala: “‘O que Doroteia tem?!’”. A narradora olha
para Emanuelle e pergunta: “E aí?!”. Logo em seguida, continua: “O que é que a
borboleta disse?! Temos que fazer o quê?!”. Dirigindo-se à colega, Joyce diz:
“Vai...”. Emanuelle mostra a borboleta e fala: “‘Comprar sapato...”. A narradora diz:
“Calma! Eles não sabem nem por que a Doroteia tá precisando de sapato... Temos
que chamar o doutor quem?!”. Emanuelle responde: “Caramujo...”. A narradora
exclama: “Ih...”. Breno fala: “Doutor caramujo!”. Emanuelle se levanta e diz: “Vou
já...”. Ela corre pela sala com a borboleta voando. A narradora incentiva: “Vai
chamar o doutor caramujo... Vai, Emanuellle...”. Quando a menina se aproxima de
volta, ela pergunta: “Chegou?!”. Emanuelle se senta. A narradora fala: “Chegou!
Vamos lá! [Pausa] E aí?! E aí, Joycie?! O que aconteceu?!”. Emanuelle diz: “Toc,
toc...”. A narradora fala: “Toc, toc...”. Bate uma mão fechada na outra aberta.
Emanuelle repete: “Toc, toc...”. Segurando a centopeia, a narradora segue: “Pode
entrar, doutor caramujo...”. Joyce pega a centopeia e repete: “Pode entrar, doutor
caramujo...”. Com a joaninha na mão, Breno pergunta: “‘É o quê?!’”. Emanuelle ri e
diz: “Esse não é doutor caramujo não...”. A narradora fala: “O que é que você tem
Doroteia?!”. Após um breve silêncio, a narradora tenta incentivar Joyce a falar.
Diz muito baixinho: “Vai, vai...”. Emanuelle é quem fala: “Aí ela deu língua pro
doutor...”. A narradora diz: “Ela deu língua pro doutor... Lembrasse que ela dá a
língua pro doutor...”. Nesse entremeio, Emanuellle coloca a língua para fora:
“Una!”. A narradora repete o gesto: “Una!”. E continua: “Hum... Que coisa feia,
Doroteia! Eu estou aqui para lhe ajudar...” – doutor caramujo diz. As crianças
brincam com os bichinhos. A narradora pergunta: “E aí?! E aí, Emanuelle?! O que
é que ela faz?! O que é que doutor caramujo descobre?!”. Após um tempinho, a
menina fala: “Que tem que comprar outros sapatos...”. A narradora fala: “É, Breno?!”.
O menino responde: “É sim...”. A narradora questiona: “E aí?!”. Ele diz: “Ela foi...
Num tinha nada pra comprar...”. A narradora fala: “Eita! Não tinha nada...”.

180
Joyce movimenta a centopeia, dizendo: “eu vou comprar sapato...”. Com a
joaninha na mão, a narradora fala: “ah... Mas primeiro precisamos
conseguir o dinheiro... Deixa eu lhe ajudar, Doroteia...”. Correndo com a
borboleta na mão, Emanuelle diz: “temos que pegar... Temos que fazer o
parque...”. Breno, que está com a abelha, pede a joaninha à narradora,
mas esta ainda fala: “isso... Breno, por favor... Dona abelha, você pode
ajudar nesse parque?!”. O menino troca de bichinho com a pesquisadora
e diz: “hã?! Eu não sou a abelha... Eu sou a joaninha...”. Com a abelha agora
na mão, a narradora se dirige ao bichinho que está com Emanuelle:
“Você, borboleta, pode ajudar nesse parque?!”. Emanuelle responde:
“posso!”. Ainda com a abelha, a narradora se dirige à centopeia, que
está com Joyce: “ah, Doroteia, eu posso fazer o quê?! Eu sou um
abelha...”. A borboleta de Emanuelle é quem responde: “pode fazer
mel...”. A narradora fala: “humm... Então vou fazer doces... Humm... E
muitos bolos de mel... [Breno passa na sua frente com a joaninha] E você,
joaninha, vai fazer o quê?!”. Emanuelle diz: “ele vai... Fazer uma roda
gigante...”.

Recorte (2) 15’ 04” – 16’ 13’’ (Rei sapo. 1º recontar)


“Eu quero saber quem me ajuda a lembrar dessa história, a contar novamente essa
história...”. Emanuelle levanta a mão. A narradora comemora: “Muito bem,
Manu!”. Prossegue: “Vamos lá! Vou começar com ‘Era uma vez...”.

Emanuelle diz: “era uma vez...”. A narradora aguarda um pouco. Joyce


fala: “uma linda princesa...”. Após um tempinho, a menina continua: “chamada
Raiz...”. A narradora diz: “o nome dela era Raiz?!”. Emanuelle ri. A
narradora exclama: “que nome bonito você deu pra princesa!”. Emanuelle
e Rafael falam ao mesmo tempo, mas a voz da menina se sobrepõe:
“ela morava num castelo...”. O menino diz: “ela tava fazendo isso [Faz o
gesto de jogar uma bola para cima com uma mão e pegar com a outra]
e a bolinha caiu...”. Emanuelle completa: “dentro do poço...”. Joyce afirma:
“o sapo pegou...”. Pouco depois, Emanuelle diz: “aí, deu pra ela...”. Rafael
fala: “aí, ela correu e...”. Emanuelle e Joyce falam ao mesmo tempo. A
primeira diz: “aí, o sapo disse...”. A fala da segunda se sobrepõe: “aí, o
sapo bateu na porta... Depois entrou... Era o sapo, que depois dormiu na cama

181
dela... Que nojo! Depois ele... [Faz um ar de suspiro] Virou um príncipe...”.
Emanuelle fala: “aí, depois pegou o sapo e meteu... [Faz o gesto de
arremesso] E... Bateu com ele na parede...”. Joyce afirma: “e morreu... E
virou um príncipe...”. Emanuelle diz: “mentira! Que mentira! Ele nem
morreu... Virou um príncipe...”. Emanuelle ri. A narradora ri também. Joyce
fala: “felizes para sempre... foi simbora pro castelo...”.

Recorte (3) 05’ 15” – 06’ 14” (A galinha ruiva. 2º recontar)


Em pé, Emanuelle pega uma almofada e coloca nas costas, dizendo:
“ficou assim... Por causa da pedra...”. A narradora também coloca uma
almofada nas costas. As duas fingem estar cansadas. A narradora fala:
“ficou cansada, não foi, gente?! E daí?!”. Após uma breve pausa,
continua: “aí ela subiu, subiu, subiu... Com aquele saco ali... Pensando que
quem tava dentro...”. Emanuelle complementa: “era a galinha...”. A
narradora diz: “ih... Coitadinha dessa raposa, hein?! Foi enganada
direitinho, né, gente?! Quem é que tava dentro?!”. Emanuelle responde:
“a pedra...”. Pedro fala o mesmo, mas bem baixinho. A narradora
exclama: “eita! Como é que continua a história?!”. Pedro fala: “aí abriu,
abriu...”. A narradora pergunta: “abriu?!”. Emanuelle fala ao mesmo
tempo: “aí... Abriu... Abriu o saco e solt... Soltou dentro da panela... Aí
explodiu... Buuuff...”. Ainda enquanto a colega fala, Pedro continua: “aí
soltou... Puff...”. Emanuelle segue falando: “foi nela... Foi na mãe...”.
Pedro diz: “Na mãe... Saiu [Não é possível compreender a parte final da fala do
menino]...”. A narradora exclama: “Eita!”. Emanuelle fala: “Aí uma foi pra lá... E uma
foi pra lá...”. A menina gesticula com os braços, apontando direções. Após uma
breve pausa, ela diz: “Acabou...”. A narradora diz: “E acabou... E a galinha ficou o
quê?!”. Emanuelle responde: “Feliz...”. A narradora fala: “Feliz, não foi, gente?!”.
Pedro diz: “Da vida...”. A narradora continua: “Feliz da vida, né?! Por que ficou feliz
da vida?!”

Recorte (4) 12’ 00” – 13’ 48” (Rei sapo. 2º recontar)


A narradora fala: “Vamos lá! Como é que começa essa história?! [Pausa] Vai, Manu...
Hã! Lá vai a princesa... Vai, Manu... Vai contando...” Ela busca incentivar
Emanuelle a caminha com a princesa e a bola de ouro. Pouco depois, coloca: “E
a princesa está fazendo o quê?! [Pausa] Jogando sua bolinha de ouro... Eita! Vamos
ver o que vai acontecer...”.

182
Emanuelle se aproxima, com a princesa, do poço e a bolinha de ouro
cai dentro dele. A narradora ri. Ela pergunta: “e agora?! O que é que ela
vai fazer?! A princesa vai fazer?!”. Emanuelle faz som de choro. A
narradora também faz som de choro e diz: “ela está chorando, Joycie...”.
Com o príncipe na mão, Breno diz: “eu sou sapo... Tira o rei...”. Apontando
para o sapo, que está com Joyce, Emanuelle afirma: “o sapo é aquele
dali...”. A narradora indaga: “e aí?!”. Breno tira o poço do lugar e diz: “aí
apareceu a bola...”. Joyce reclama: “peraê!”. Ela coloca o poço de volta no
lugar. A narradora pede: “sem brigar...”. Com o sapo, Joyce se
aproxima da princesa: “quer que eu lhe ajude?!”. Ela ri. Breno imita a
risada da colega. A narradora pergunta: “e ela diz o quê?!”. Joyce
pergunta baixinho: “ela diz o quê?!”. A narradora pega o sapo e começa a
falar: por que você está chorando, menina?! Por que você chora tanto?!.
Joyce pega o sapo de volta e diz: “eu vou pegar... Eu vou pegar sua
blusa...”. Ela começa a rir. Emanuelle também ri e corrige: “eu vou pegar
sua bola...”. Joyce diz: “vou pegar sua bola...”. Emanuelle fala: “vai pegar!”.
Joyce se volta para o poço. Breno começa a colocar o príncipe dentro
do poço. Joyce tira o poço do lugar para o colega não continuar no que
está fazendo;

A narradora diz: “Deixa a bola aí dentro... Ainda tá fazendo o combinado, né?! Ele
ainda tá fazendo o combinado...”. Emanuelle parece falar: “Tu que diz isso... Né eu
não...”. A narradora coloca: “É... Aí ela diz assim...”. Referindo-se à boneca, Joyce
comenta: “Tu é uma bailarina...”. A narradora retoma: “Ela diz assim”: Ah... Eu faço
tudo que você quiser... Eu lhe dou todos meus ouros, meus vestidos.... Joyce fala: “Eu
num quero a sua coroa... Num quero o seu vestido...”. Como é, tia?!”. Emanuelle tenta
ajudar: “Num quero seu...”. A menina e a narradora falam ao mesmo tempo: Suas
joias.... Joyce repete: “Suas joias...”

Recorte (5) (Os sete cabritinhos e o lobo. 2º recontar)

Enquanto fala, a menina abre uma almofada e finge tirar algo de dentro.
A narradora pega outra almofada e faz o mesmo: “e ela cortou a barriga
do lobo...”. Emanuelle fala: “um...”. A narradora segue: “tirou um...”.
Emanuelle continua: “dois...”. Agora as duas contam juntas: “três, quatro,
cinco, seis...”. Embora não fale, Pedro acompanha, fazendo o mesmo
gesto com uma outra almofada.

183
A narradora diz: “Tirou seis cabritinhos de dentro da barriga do lobo...”. Emanuelle
afirma: “Aí depois costurou...”. A narradora lembra: “Antes de costurar, o que é que
ela botou dentro da barriga?!”. Emanuelle diz: “Botou uma pedra...”. Agora fazendo
o gesto de colocar algo dentro da almofada, a narradora fala, sempre
acompanhada por Emanuelle e Pedro: “Uma, duas, três, quatro, cinco... Seis
pedras...”. Emanuelle diz: “Aí fechou...”. Todos fecham as suas almofadas. A
narradora fala: “Fechou a barriga do lobo...

Recorte (6) (Os músicos de Breman. 2º recontar)


Emanuelle segue contando a história: “Depois pisou no cachorro... O cachorro
mordeu a perna dele... Depois pisou no... No burro... Depois o galo deu uma bicada
nele...”. A narradora indaga: “E aí ele pensava que era o quê?!”. Emanuelle afirma:
“A bruxa...”. A narradora fala: “‘Meu Deus!’ – Ele saiu desesperado. Arranhado no
rosto, mordido na perna, levou um coice do burro...”. Emanuelle complementa: “E...
Foi bicado...”.

A narradora pergunta: “foi bicado... Por quem?!”. Emanuelle responde:


“pelo galo...”. Joyce diz: “foi assim, ó...”. A menina imita como teria
andado o ladrão. A narradora ri. Pedro e Emanuelle se sentem
estimulados a mostrar também como ficou o ladrão. Pedro ainda imita o
burro dando o coice. Em seguida, Joyce mostra como o galo bicou o
ladrão. Após isso, a narradora questiona: “e ele fez o quê?! O ladrão...
Desesperado...”. Emanuelle mostra como ele foi arranhado e mordido.

Recorte (7) (Jorinda e Joringel. 2º recontar)

“a rodar pela cabeça de Jorinda... E aí?! O que foi que aconteceu,


Pedro?!”. Breno diz: “ficou estátua!”. Joyce fala o mesmo: “ficou estátua!”.
A narradora diz: “Jorinda ficou estátua?!”. Joyce faz pose de estátua.
Pedro coloca: “Não! Passarinho!”. A narradora pergunta: “Hein?!”. Pedro repete:
“Passarinho!”. Emanuelle conta: “Aí a bruxa pegou ela...”. A pesquisadora questiona:
“Sim... Mas ela virou estátua ou virou passarinho?!”. Breno, Emanuelle e Joyce,
cada um a seu tempo, respondem: “Passarinho!”. A narradora indaga: “E aí, o que
aconteceu?!”. Emanuelle tenta começar: “Aí... Aí...”. Joyce conta: “Pegou o
passarinho e colocou na gaiola...”. Pedro diz: “Pegou o pássaro...”. Emanuelle
continua: “Aí pegou a... Jorinda... E botou na gaiola...”.

184
c) O papel do pesquisador narrador no recontar

Recorte (1) 16’ 15” – 16’ 57” (Rei sapo. 1º recontar)


“ah... Mas me diga uma coisa, quando a bola de ouro caiu dentro do poço
que o sapo foi buscar, ele foi assim de bonzinho, foi?!”. Emanuelle
prontamente responde: “não!”. Joyce também fala: “não...”. Emanuelle
continua: “ele disse...”. Joyce completa: “deixa que eu ajudo...’”. A
narradora espera um pouco e questiona: “e aí?! O que foi que ele disse
pra ela?!” Eu ajudo a pegar a bola.... Joyce fala: “eu ajudo a pegar a bola....
Depois ele pegou...”. Emanuelle diz: “só... Só... Se você...”. Ela não
consegue completar. Rafael tenta ajudar: “é.. Me dar coisa...”. Ao mesmo
tempo, Joyce também procura ajudar: “é... Dormir na sua cama... É...
Comer, jantar... É... Morar na sua casa... Lavar os pratos...”. A narradora
estranha: “ué... Tinha que lavar prato também, era?!”. Emanuelle e
Joyce riem.

Recorte (2) 00:15:59 - 00:20:38 (Os sete cabritinhos e o lobo. 1º recontar)


A narradora diz: “Olha... Era uma vez uma cabra... Uma cabra com... Vamos ver
quantas cabritinhas ela tem... [Aponta para cada uma das cabritinhas] Uma, duas,
três, quatro, cinco, seis...”. Pedro ajuda: “Sete com a outra...”. A narradora diz:
“Sete... Olha...”. Ela chama Breno de volta, que tinha saído para observar algo na
câmera usada pela outra narradora. Começa a mudar de página e continua: “Sete
cabritinhas... Vamos ver o que é que vai acontecer... O que é que a mamãe cabra diz,
Joycie?!”. Pedro é quem responde: “‘Não abram a porta se não o lobo vai entrar...’ ‘Eu
vim comer vocês’”. A narradora pergunta: “Eita! Foi isso mesmo, Rafael, que ele
disse?!”. O menino faz um sinal afirmativo com a cabeça. A narradora questiona:
“O que mais ela disse?!”. Joyce reclama que Rafael e Breno estão na frente dela.
A narradora afasta um pouco os meninos. Pedro diz: “Vou comprar frutinha...”. A
narradora fala: “Vou pegar frutinha, né, Pedro?! – Disse isso...”. Rafael coloca:
“Água...”. A narradora diz: “Vou pegar água também, num foi, Rafael?! O que mais
ela disse?!”. Rafael parece dizer: “E só...”. Joyce afirma: “Vai pegar tudo...”. A
narradora vira a página do livro e diz:

“aí... O que é que acontece?!”. Pedro fala: “bateu, bateu... E foi o lobo... Ó,
aí, o lobo...”. A narradora pergunta: “foi, Joyce?!”. A menina confirma:
“foi...”. A narradora fala: “e o que aconteceu?!”. Breno contribui: “aí, ela
disse: “não vou abrir que eu sei que é você, seu lobo...”. Pedro afirma:

185
“abriram... Ó aí...”. A narradora diz: “não abriram a porta... E o lobo... [Faz
um som de raiva] Por que é que elas não abriram?! Como é que ele falou?!”.
Breno responde: “porque tava a pata e falou grosso...”. A narradora
pergunta: “foi, Joyce?!”. A menina confirma novamente: “foi...”. A
narradora fala: “foi?! Foi, Rafael?!”. Ela muda a página e comenta:
“olha... O que é que ele faz... O que é que ele faz pra deixar a voz
fininha?!”. Joyce e Pedro respondem: “ele comeu mel...”. Pouco depois, a
narradora continua: “ovo também, num foi?!”. Pedro aponta para uma
parte da figura e diz: “ó, aqui, o mel...”. A narradora diz: eita! [Vira a
página] Olha... E agora?! Ele voltou...”. Pedro completa: “colocou a
patinha... E... [Faz voz fina] ‘Eu sou sua mamãe...’. ‘Eu sei que é você que você
tem uma patinha...’. Breno parece falar: “mais ou menos...”. Pedro continua:
“pegou a rir...”. A narradora questiona: “foi, Joyce?!”. A menina esboça
um movimento positivo com a cabeça. Rafael diz: “foi...”. A narradora
fala: “hein, Rafael?! Agora tu conta uma parte, Rafael... Não abriram a
porta foi, Rafael?!”. O menino faz um sinal negativo com a cabeça.
Breno diz: “por causa do pé ainda...”. Rafael fala: “por causa do pé... Porque o
pé era preto...”. Numa nova página, a narradora diz: “era preto... E, Rafael,
o que foi que aconteceu depois?! Vamos lá...”. Breno conta: “resolveu pintar
a perna de branca... Aí, ele voltou, foi lá...”.
Pedro parece comentar: “Eita! Era pra ele se melar tudinho... Que era branquinha...”. A
narradora indaga: “Ele pintou a patinha de branca foi, gente?!”. As crianças
sinalizam que sim. A narradora pergunta mais: “Pra quê?!”. Breno diz: “Pra ir lá...”.
Pedro afirma: “Pra mostrar...”. A narradora fala: “Pra mostrar a quem?!”. Breno
responde: “Às cabritinhas...”. A narradora diz: “Pra enganar as cabritinhas foi?!”.
Ela passa para uma outra página: “Eita! Olha aí que beleza... Ele agora com a patinha
branca, com a voz fina...”. Muda novamente de página. E continua: “Eita! Ó pra
isso... O que é que aconteceu?!”. Pedro fala: “Ele correu prum lado, correu pro outro...
E as duas pequenininhas se esconderam...”. Breno completa: “No relógio...”. A
narradora pergunta: “Só duas?! Ou foi uma que se escondeu no relógio?!”. Rafael
afirma: “Um bocado...”. A narradora questiona: “Todo mundo se escondeu no
relógio, foi?!”. Breno responde: “Não...”. Pedro fala: “Duas...”. Breno corrige o
colega: “Uma...”. A narradora diz: “Eu acho que foi só uma, num foi, Breno?!”.
Breno e Rafael movimentam levemente a cabeça em sentido afirmativo. A
narradora indaga: “E o resto se escondeu aonde?!”. Pedro começa a responder:
“Uma embaixo da cama... E outra... E outra... No...”. Breno ajuda: “Na gaveta... No
forno...”. Rafael coloca: “E outra embaixo da cama...”. A narradora fala: “Embaixo da
cama, num foi?!”. Pedro diz: “Eu já falei...”. A narradora pergunta: “E aí?! E
adiantou isso?!”. Pedro fala algo que não é possível compreender. A narradora
pergunta mais: “E aí?! O que aconteceu?!”. Pedro diz: “Abriram...”. A narradora

186
fala: “O lobo fez o quê?!”. Breno muda a página do livro. Pedro afirma: “Comeu
tudinho, tudinho...”. A narradora fala: “Comeu tudinho, ó... Uma por uma, num foi?!
[Pausa] E depois?! O que aconteceu?!”. Ela mostra outra imagem. Pedro fala: “A
filhinha pequenininha contou pra mamãe...”. A narradora pergunta: “Foi, Rafael?!”. O
menino confirma: “Foi...”. A narradora quer saber mais: “E depois disso?!”. Breno
responde: “Aí... Aí, a mamãe saiu... Foi lá na fazenda pra achar...”. Pedro corrige o
colega: “Na floresta...”. Breno fala baixinho: “Na floresta...”. A narradora diz: “Na
floresta, num foi, Pedro?!”. O menino fala algo que não é possível compreender,
mas ele faz o gesto de deitar a cabeça sobre a mão como se fosse dormir. Breno
conta: “A barriga cheia... Ela se deitou e escutou a zoada da... Da cabrinha...”. A
narradora pergunta: “Quem escutou a zoada da cabrinha?!”. Breno responde: “A
mãe...”. A narradora fala: “A mamãe, foi?! Foi?! E o que é que ela pensou quando ela
escutou essa zoada?!”. Pedro diz: “Aí... ‘Cabrita, vai buscar a tesoura...’”. Breno
coloca: “Aí, ela mandou a pequena... Mandou pegar a tesoura... Ela pegou, cortou e pegou
as filhinhas...”. A narradora indaga: “Foi?!”. Breno continua: “Aí, o lobo acordou...
Botou um bocado de pedra... E foi pra água beber água... Aí, quando ele bebeu água, caiu
dentro do...”. Pedro diz: “Mentira... Colocou primeiro as pedrinhas...”. Breno fala:
“Depois costurou...”. A narradora diz: “Colocou primeiro as pedrinhas, num foi,
Pedro?!”. Breno prossegue: “Aí foi beber água... Aí caiu dentro do coisa... Aí...”.
Rafael ajuda: “Caiu dentro do lago... No lago...”. Pedro afirma: “E morreu... Morreu
afogado no lago...”. Rafael coloca: “No lago...”. A narradora diz: “No lago... E ele
morreu, num foi?! E acabou a história?!”.

Recorte (3) (Os músicos de Bremen. 2º recontar )


a história começa... Como é que começa essa história?!”. Emanuelle fala:
“era uma vez... Aí, o dono do burro abandonou... Abandonou ele...”. A
narradora exclama: “o dono do burro abandonou o burro!”. Emanuelle
conta: “aí, o burro foi simbora... Triste...”. Nesse entremeio, Pedro fala
algo que não é possível compreender. A narradora pergunta: “por que é
que ele tava triste, Joyce?!”. Emanuelle afirma: “porque o dono abandonou
ele...”. A narradora diz: “foi, Pedro?!”. O menino faz sinal afirmativo com
a cabeça. A narradora questiona: “por que é que ele abandonou o
burro?!”. Emanuelle responde: “porque ele tava velho... Num prestava mais
pra caçar...”. Joyce diz: “dinheiro... Tinha que pagar dinheiro...”. Pedro
complementa a fala de Emanuelle: “pra carregar...”. A menina ainda
coloca: “as coisas...”. A narradora diz: “ah... Ele num prestava mais pra
carregar as coisas, num é?! E o burro ficou muito triste... Ficou muito
chateado...”.

187
Recorte (4) (Jorinda e Joringel. 2º recontar )
“e aconteceu o quê?! Contem!”. Emanuelle olha para Breno e diz: “a
bruxa, bruxa, bruxa!”. A narradora coloca: “não... Antes da bruxa o que é
que aconteceu?!”. Emanuelle diz: “aí abriu...”. A narradora fala: “eles o
quê?! Se...”. Emanuelle afirma: “eles se perderam... Aí Jorinda...”. Ela faz
som de choro. Pouco depois, Pedro fala: “aí abriu... Abriu...”. Emanuelle
conta: “ela andou, andou, andou... Perdeu... Aí a bruxa... E a bruxa?! Cadê
ela?!”. Breno coloca a bruxa de frente para a princesa. Emanuelle diz
para Breno: “faz assim, ó...”. Ela indica que a bruxa deve fazer
movimentos circulares em torno da princesa. O menino faz isso.
Emanuelle diz: “virou passarinho!”. A narradora fala: “virou passarinho...
Vai, passarinho!”. Breno diz: “vai, Pedro! Cadê o passarinho?!”. Emanuelle
fala: “vai!”. Pedro movimenta o passarinho. A narradora ri. Breno pega o
passarinho e coloca num canto no chão.

Recorte (5) (Jorinda e Joringel. 2º recontar )


a narradora pergunta: “quem tomou o poder?!”. Pedro responde: “é...
Joringel...”. A narradora indaga: “Joringel?! Foi?! Foi, Breno?!”. Breno faz
sinal positivo com a cabeça. A narradora pergunta mais: “e como é que
ele descobriu, Breno?!”. Pedro fala: “com o poder...”. A narradora
continua: “não... Como é que ele descobriu qual daqueles pássaros era
Jorinda?!”. Pedro diz: “tava com ela...”. Emanuelle fala: “o que tava com a
bruxa...”. Joyce coloca: “que tá em cima da gaiola...”. Emanuelle diz: “aí ele
foi atrás da bruxa...”. A narradora fala: “a bruxa ia saindo de mansinho,
né?!”. Emanuelle diz: “com a... Com Jorin...”. A narradora segue: “com
Jorinda dentro da gaiola... E ele olhou assim, num foi, Breno?!”.
Emanuelle conta: “aí foi atrás da bruxa... Aí... Aí depois... Ele tocou com a
flor na... Na bruxa... Aí depois...”. A narradora fala: “e a bruxa... [Faz pose
de estátua] Aconteceu o quê com a bruxa?!”. Joyce, Emanuelle e Pedro
respondem: “ficou estátua!”. Emanuelle retoma: “depois ele pegou a gaiola
com o pássaro e tocou em Jorinda...”. A narradora questiona: “foi, Rafael?!
E aí?! O que aconteceu quando ele tocou na gaiola, Rafael?!”. Pedro fala:
“soltou tudinho as mulher...”.

188
d) O recontar construído a partir dos ajustamentos criança↔criança e
crianças↔pesquisador/narrador;

Recorte (1) 04’ 42” – 05’ 42” (Doroteia, a centopeia. 2º recontar)


a formiga disse. A borboleta disse: hum.... Joyce fala como se fosse a
borboleta: “eu tenho uma ideia...”. A menina e a narradora riem. Esta
pergunta: “qual será que foi a ideia que a borboleta teve?!”. Emanuelle
responde: “chamar o doutor... [Pausa] O doutor caramujo... Chamar o doutor
caramujo...”. A narradora pergunta: “e daí?! [Breve pausa] Foi exatamente
isso que ela fez...”. Com a borboleta nas mãos, Joyce finge que vai
chamar o doutor: “foi mesmo... Foi chamar...”. A narradora continua: “eles
chamaram o doutor caramujo, que era um médico, Breno, muito bom, que
tinha naquele jardim...”. Emanuelle levanta-se com a joaninha nas mãos
e faz movimentos como se ela voasse. Joyce também se levanta e, com
a borboleta na mão, diz: “então vou chamar... Vou chamar... Vou chamar...”.
As meninas encostam um bichinho no outro e riem. Logo depois, se
sentam. A narradora ri também. Prossegue em seguida: “aí, doutor
caramujo, viu, Breno, chegou e foi examinar Doroteia...”. Breno e Joyce,
cada um com seu bichinho, fazem com que eles voem.

Recorte (2) 07’ 00” – 07’ 52” (Doroteia, a centopeia. 2º recontar)


“Foi aí que os amigos de Doroteia... Doroteia começou a chorar...”. Ela faz som de
choro e movimenta a centopeia na direção das crianças. As meninas fazem o
mesmo som de choro. A narradora retoma: “E aí, a dona... A dona... É... Abelha...
Disse assim: Mas, Doroteia... Porque você está chorando, Doroteia?! Você está chorando
de novo... Aí Doroteia disse: É porque eu não tenho dinheiro pra comprar sapatos
novos...”. Joycie balança a borboleta e diz: “Eu compro...”. A narradora pergunta:
“Quem disse isso?!”. A menina responde: “Eu...”. A narradora fala: “Você ou a
abelha?! [Percebe que se confundiu] Ou a borboleta?!”. Joyce balança a
borboleta. A narradora diz: “Ah... Aí a borboleta disse assim: Temos que ajudar
Doroteia...”. Breno interrompe, mostrando a abelha, e dizendo: “E eu também...”. A
narradora pergunta: “A abelha também disse isso, foi, Breno?!”. Emanuelle mostra
a joaninha e diz: “Eu também...”

189
Recorte (3) 08’ 22” – 09’ 04” (Doroteia, a centopeia. 2º recontar)
“... as abelhas, [Indica a abelha, que está com Breno] fazendo mel,
fizeram muitos doces gostosos...”. Joyce se volta para Breno e diz: “faz o
mel... Faz o mel...”. A narradora reforça: “faz o mel, dona abelha...”. Joyce
fala: “vai fazer a peça...”. A narrativa segue: “e aí, a abelha fez uma barraca
de doces, bolos... Muito gostosos... [Breve pausa] A borboleta... [Toca na
borboleta e Joyce sorri] Era uma ótima cantora... Primeiro ela fez...”.
Joyce interrompe como se a borboleta estivesse a cantar. A menina ri.

Emanuelle e a narradora também. Breno pergunta: “E a joaninha?!”. A narradora


continua de onde parou: “E ela fez um grande show... E todos aplaudiram... E
pagaram pra entrar no show da borboleta...”. Emanuelle movimenta a joaninha em
sua cabeça. A narradora fala: “A joaninha ficou responsável...”. Joyce diz: “‘Que
vai entrar no meu show...’”.

Recorte (4) 09’ 12” – 09’ 40” (Doroteia, a centopeia. 2º recontar)


A narradora diz: “As formigas, pequenininhas, mas subiram umas nas outras... E
fizeram também uma apresentação de dança... Os grilos cantaram... E foi um grande
parque de diversões...”.

Emanuelle sorri, dizendo: “as borboletas dançaram...”. A narradora repete:


“As borboletas dançaram...”. Joyce exclama: “oba!”. A menina faz a
borboleta dançar. Breno pega a abelha e parece dizer: “a abelha
comeu...”.

A narradora fala: “Humm... Ela vendeu muitos doces... E assim o parque de


diversões ficou muito animado... E eles ganharam muito o quê?!”. As crianças
respondem: “Dinheiro...”. A narradora confirma: “Ganharam muito dinheiro...”

Recorte (5) 00’ 28” – 02’ 35” (A galinha ruiva. 2º recontar)


“O que é que vocês lembram dessa história?! Vamos ver o que é que vocês
lembram... Era a história...”. Pedro complementa: “Da galinha...”. A narradora fala:
“Da galinha ruiva... Que morava...”. Emanuelle segue: “Em uma casa...”. A
narradora diz: “Em uma casa sozinha... Ela tinha um avental, que ela guardava
algumas coisas nesse avental...”. Emanuelle fala: “Tesoura...”. Pedro também fala:
“Agulha, linha... Dinheiro...”. A narradora diz: “Dinheiro...”. Logo depois, pergunta:
“E o que foi que aconteceu com essa galinha?! O que é que tem mais nessa
história?!”. Pedro responde: “É... Raposa...”. A narradora diz: “Tem uma raposa...”.

190
Emanuelle completa: “E a mãe da raposa...”. A narradora faz: “Humm...”. Pedro
fala: “E a casa da raposa...”.

a narradora diz: “e a casa da raposa... E a raposa vivia de olho...”.


Emanuelle aponta para um material trazido pela pesquisadora e diz:
“tia trouxe... Ó, a casa...”. A narradora diz: “daqui a pouco... Vamos ver o
que é que vocês lembram da história... Depois eu pego aquela casa...
Hein, Pedro?! A raposa vivia de olho naquela galinha...”. Emanuelle diz:
“pra comer...”. A fala da menina é acompanhada pelo gesto de passar
as mãos na barriga. A narradora fala: “humm... E o que foi que ela
pediu pra mãe dela?!”. Emanuelle começa: “pra botar...”. Pedro segue: “o
caldeirão, pra botar o caldeirão de água...”. A narradora diz: “e daí?!
Contem pra mim...”. Emanuelle fala: “aí a raposa ficou escondida atrás da
árvore...”. Pedro diz: “não... Deitada assim...”. Ele se deita e mostra com
o corpo como a raposa teria ficado. Emanuelle, por sua vez, levanta-
se e diz: “assim...”. Ela junta os braços ao corpo e mostra como, na
opinião dela, teria ficado a raposa.

A narradora fala: “E a dona galinha, que era muito cuidadosa, sempre deixava a sua
porta fechada, mas um dia...”. Emanuelle complementa: “Ela deixou a porta
aberta...”. A narradora pergunta: “Foi, Pedro?!”. O menino confirma: “Foi...”. A
narradora exclama: “Meu Deus do céu!”. Emanuelle diz: “Aí a raposa entrou...”.
Pedro fala: “Quando a galinha entrou, levou um susto da raposa...”. Emanuelle
continua: “Aí voou pra cima do armário...”. Pedro diz: “Foi...”. A narradora pergunta:
“Foi, Pedro?!”. O menino continua: “Pegou a asa e voou...”. A narradora fala: “Pegou
a asa... Bateu asas e voou... [Ela abre os braços, levantando-os e abaixando-os,
como se estivesse voando] E a raposa disse: Dona galinha, desça já daí, dona
galinha... Venha aqui pra dentro desse saco que eu vou lhe comer hoje de noite...”

Recorte (6) 03’ 04” – 05’ 02” (A galinha ruiva. 2º recontar)


“e daí?! O que foi que aconteceu?!”. Pedro responde: “rodou o saco...
Rodou... E a galinha caiu...”. A narradora pergunta: “foi?!”. Emanuelle diz:
“ficou tonta... Ficou tonta... E caiu...”. A menina faz o gesto de cair sobre o
tapete. A narradora diz: “eita! Era um roda, roda, roda, roda, roda, roda,
roda...”. Pedro comenta: “a roda gigante”. Emanuelle levanta-se e diz:
“assim...”. Em pé, a menina faz movimentos circulares, girando em torno
do próprio tronco, e cai sobre o tapete. Pedro diz: “era uma roda gigante...

191
Vuu... Vuu...”. A narradora gira a mão com o dedo indicador levantado e
faz o som: “vuu... Vuu... Vuu... Vuu...”. Depois continua: “e a galinha foi
ficando zonza... E a galinha foi ficando zonza, não foi, Emanuelle?!”.
Nesse momento, sentada, ela gira o corpo tal como fez a menina há
pouco. Emanuelle volta a fazer o movimento. A narradora diz: “e a
galinha foi ficando zonza e...”. Emanuelle cai sobre o tapete e faz o som:
“tuuuf...”. Pedro diz: “no saco...”. Emanuelle fala: “caiu no saco...”. Pedro
afirma: “caiu em cima da raposa...”. Emanuelle corrige: “caiu no saco, isso
sim...”. Pedro diz: “caiu por cima... Tibuff...”. Emanuelle agora diz: “caiu
em cima da raposa...”. A narradora questiona: “vocês acham que ela caiu
em cima da raposa ou ela caiu dentro do saco?!”. Emanuelle prontamente
responde: “no saco...”. E Pedro: “na raposa...”. A menina repete a resposta
que deu: “no saco...”. Pedro ainda parece dizer: “aí guardou...”. Ao mesmo
tempo, Emanuelle fala: “dentro do saco...”. A narradora pergunta: “foi?! E
depois, o que aconteceu?!”. Emanuelle fala: “aí a raposa tava levando a
galinha pra casa dela e ficou com sono... Parou um pouquinho e dormiu...”.

Voltando-se para o menino, a narradora pergunta: “Eita, Pedro! Ela parou pra
dormir, foi, Pedro?!”. Ele responde: “Foi...”. Emanuelle começa a falar: “Aí...”. A
pesquisadora fala: “Eita! E aí?!”. A menina continua: “Aí a galinha colocou a tesoura e
cortou o saco...”. Enquanto fala, ela faz os movimentos que descreve tal como teria
feito a galinha. No mesmo momento, Pedro parece falar: “Cortou...”. A narradora
pergunta: “Cortou o quê, Pedro?!”. Pedro parece responder, mas Emanuelle fala
mais alto: “O saco...”. A narradora questiona: “Com a tesoura, foi?!”. Pedro diz:
“Foi...”. Emanuelle fala: “Cortou o saco com a tesoura, depois saiu, depois botou uma
pedra dentro e costurou...”. Percebendo que o menino se distrai, a narradora diz:
“Ih, Pedro... Vem pra cá, Pedro, pra tu ajudar Emanuelle a contar essa história...”.
Emanuelle fala: “Aí depooooooiiiis...”. A narradora continua, com o menino já
olhando para ela: “Depois que ela botou a pedra dentro do saco...”. Pega uma
almofada e finge estar colocando a pedra dentro do saco. Ainda fala: “Fez o
quê?!”. Pedro, acompanhado por Emanuelle, responde: “Costurou...”. A narradora
diz: “E?!”. Emanuelle fala: “Deixou lá... Do jeito que tava...”. A narradora afirma:
“Pior... Fugiu, Pedro...”. Emanuelle diz: “Foi simbora...”. A narradora repete a fala
da menina: “Foi simbora...”. Pedro parece dizer: “Foi pra casa...”. Emanuelle fala:
“Depois a raposa se acordou... Pegou o saco...”. A menina põe a linha pra fora e finge
estar cansada com o saco nas costas.

192
Recorte (7) 05’ 02” – 05’ 15” (A galinha ruiva. 2º recontar)
Emanuelle fala: “Depois a raposa se acordou... Pegou o saco...”. A menina põe a linha
pra fora e finge estar cansada com o saco nas costas. A narradora aponta para
Emanuelle e pergunta para Pedro: “O que é isso, Pedro?!”. Ele diz: “Cansada...”.
Emanuelle fala: “E ficou cansada...”. A narradora faz uma nova pergunta ao menino:
“Tu acha que ela tava cansada de quê?!”. Ele responde: “Da galinha...”. Emanuelle
fala ao mesmo tempo: “Por causa da pedra...”. Ainda se dirigindo ao menino, a
narradora questiona: “E era galinha?!”. Ele fala: “Não... A pedra...”.

Recorte (8) 00’ 52” – 02’ 14” (Rei sapo. 2º recontar)


“Essa história começa num castelo bem bonito onde mora uma princesa, viu, Breno?!
Essa princesa ela mora com o seu pai... E ela tem duas irmãs... Ela é uma princesa...”.
Breno interrompe para falar: “Pega pra olhar o livro...”. Emanuelle comenta: “Tem
uma bola de ouro ela...”. A narradora retoma: “Ela é uma princesa que tem uma bola
de ouro...”. Movimentando a mão para cima e para baixo, Joyce diz: “Ela fazia
assim...”. Com um movimento parecido ao do colega, Emanuelle fala: “Ela foi... Ela
fez assim... Caiu no...”. Joyce completa: “No poço...”. A narradora prossegue: “Ela
estava passeando, Breno, com sua bola de ouro pela floresta... E ela brincava,
brincava, num era, meninas?! Com a bola...”. Emanuelle diz: “Ela jogava pra cima e
pegava... Jogava pra cima e pegava... Depois aí caiu no poço...”. Ao mesmo tempo,
Joyce também fala: “Depois caiu no poço...”. A narradora tenta retomar: “Foi aí que
a bola...”. Joyce interrompe: “Aí, depois o sapo disse: ‘Vou lhe ajudar’”. A narradora
exclama: “Eita! Você lembra, né, Joyce?!”. A menina continua: “Depois pegou a
bola... Deu pra princesa...”. Emanuelle diz: “Aí, ela saiu correndo...”. Joyce fala: “Ela
disse... O sapo disse: “Me espera... Você num vai me levar pra casa não!?”. A narradora
ri. Logo em seguida, fala: “Tá vendo, Breno?! A menina... A bola de ouro da menina
caiu dentro de um poço profundo... E ela começou o quê?!”. Emanuelle responde:
“A chorar...”. Joyce acompanha a resposta da colega: “A chorar...”. A narradora
segue: “A chorar... Ela chorou, chorou, chorou... E agora?! O que é que eu vou
fazer?! Não tenho minha bola de ouro.... De repente...”. Joyce complementa: “O sapo
apareceu...”.

Recorte (9) 02’ 48” – 03’ 54” (Rei sapo. 2º recontar)


a narradora diz: ah, seu Rei Sapo, eu perdi a minha bola de ouro... Eu preciso
da minha bola de ouro... “E o sapo disse”: ah... Eu pego a sua bola de ouro lá
dentro do poço.... Joyce começa a falar: “se você... Se você me dá... Sua
sandália...”. A menina ri. Emanuelle diz: “seu vestido, sua roupa...”. A
narradora questiona: “e é?! O sapo queria a sandália e a roupa dela, é?!”.
Pouco depois, Joyce corrige: “aí, ele disse: “eu não quero sua sandália nem
sua roupa...”. Emanuelle complementa: “nem sua coroa...”. A narradora
afirma: “é... Porque ela queria oferecer tudo isso... Ela disse a ele... Ela

193
disse ao sapo: eu lhe dou o que você quiser, senhor sapo... Dou a minha coroa
de ouro... Dou as minhas roupas, as minhas joias.... E ele disse, como as
meninas tão dizendo aqui.... Joyce fala: “eu não quero a sua roupa nem a
sua...”. Emanuelle fala ao mesmo tempo: “sua roupa, sua coroa, sua joia...”.
A história é retomada pela narradora: não quero nada disso... Eu quero....
Emanuelle fala: “que você me leve pra sua casa...”. Joyce complementa:
“morar lá, dormir com você...”. Emanuelle ainda diz: “comer sua
comidinha...”. A narradora fala: comer sua comidinha no seu pratinho de
ouro... Tomar água no seu copinho de ouro.

Recorte (10) 04’ 03” – 04’ 43” (Rei sapo. 2º recontar)


Emanuelle fala: “Não...”. Depois ela continua: “O sapo vai pegar a bola de ouro, vai
dar pra ela... E ela vai sair correndo...”. A narradora exclama: “Eita, Breno! Já
pensasse?! O sapo...”. Joyce diz: “Aí, ele foi... Chegou na porta... Fechou a porta...”. A
narradora exclama mais uma vez: “Eita!”. A menina segue: “Depois o sapo bateu a
porta... O papai entrou e a princesa ficou com vergonha...”. A narradora pergunta: “Foi,
Manu?! Foi assim que aconteceu?!”. A menina fica olhando para a narradora.
Joyce diz: “Foi...”. A narradora fala: “Quando a princesa recebeu a bola de ouro de
volta...”. Emanuelle afirma: “Ela saiu correndo...”. A narradora questiona: “E o sapo
disse o quê?!”. Emanuelle responde: “Para! Para! [nova ortog.]”. Joyce
complementa: “Me espera... Que eu num vou morar com você?!”.

Recorte (11) – 00:05:08 – 00:06:35 (Rei sapo. 2º recontar)


“De repente...” Emanuelle diz: “Aí... Aí, o sapo bateu na porta... O sapo bateu na
porta...”. Ela faz o gesto de bater na porta com as mãos. Joyce repete: “Bateu na porta...
[Breve pausa] Toc, toc...”. Enquanto fala, faz o mesmo gesto que a colega. A
narradora também. Joyce afirma: “O pai abriu e a princesa ficou com vergonha...”.
Não concordando, Emanuelle exclama: “Eita!”. A narradora questiona: “Foi o pai
que abriu a porta, foi?!”. Emanuelle responde: “A princesa...”. Joyce concorda:
“Não... A princesa...”. Emanuelle continua: “Ela abriu... Aí foi... Aí era o sapo... Aí
fechou... E voltou pra mesa...”. Joyce coloca: “Aí depois...”. Emanuelle volta a falar: “Aí
disse: “Quem é?!”. A narradora indaga: “Quem foi que disse?!”. Emanuelle
responde: “O pai...”. A narradora confirma: “O rei, né?!”. Joyce diz: “Foi... Aí...
Aí...”. A voz de Emanuelle se sobrepõe: “Aí ele bateu de novo...”. Joyce tenta
completar: “Aí... Aí, o sapo disse...”. Emanuelle repete: “Ele bateu de novo...”. A
narradora chama rapidamente Breno para prestar atenção à história. Em seguida,
fala: “Bateu de novo... [Faz o gesto de bater na porta com as mãos] Toc, toc,
toc...”. Joyce coloca: “Ei, sa... É... É... É a princesinha...”. Começa a rir. Nesse
entremeio, Emanuelle fala: “Aí abriu... [Breve pausa] Aí, ele entrou...”. Breno faz
algo e a narradora pergunta: “O que foi, Breno?!”. Emanuelle segue falando, mas
a narradora interrompe: “Eita, gente! Breno quer dizer alguma coisa... Como é,

194
Breno?!”. O menino não responde. Joyce fala: “Aí, ela fechou... Comeu na sua
comida...”. A narradora diz: “Aí, ela fechou a porta... E o pai dela?!”. Emanuelle
coloca: “Aí, o pai dela disse: ‘Quem era?!’. Ela disse: ‘Era o sapo...’. Aí, contou tudo...”.
Joyce contribui: “Aí depois... Aí...”. Breno diz: “Deixa eu falar...”. A narradora
intervém: “Deixa Breno falar...”. Mas Joyce continua: “A menina foi e colocou ele na
cadeira...”. A narradora fala: “Pois é... O rei mandou dizer:” Já que você fez um acordo
com esse sapo.... Joyce afirma: “Aí depois terminou de comer... E depois...”. A
narradora diz: “Teve que trazer pra mesinha, num foi?!”. Joyce continua: “Me dá...
Me dá... É... Pega eu pra colocar na tua cama...”. Aí, ela disse: “Eca! Você é muito
nojento!”

Recorte (12) (Os sete cabritinhos e o lobo. 2º recontar)


Emanuelle conta: “aí, a pequenininha disse que... Disse...”. Rafael ajuda:
“que o lobo comeu... As meninas...”. Emanuelle continua: “o lobo comeu os
primeiros...”. Rafael afirma: “as grandonas...”. A narradora fala: “os meus
irmãozinhos... Ele comeu todos... Só eu que me escondi dentro do relógio...”.
Num foi, gente?!”. Pedro comenta: “ela quase que comeu tudinho...”.
Emanuelle diz: “aí depois... Depois, a mamãe...”.

A narradora indaga: “O que a mamãe fez?! Disse: ‘Vamos...’”. Emanuelle segue:


“A mamãe cortou a barriga do lobo...”. A narradora fala: “Peraí... Peraí um
pouquinho... Calma... Ela nem encontrou o lobo ainda... Ela não encontrou o lobo
ainda... Ela foi pra onde procurar o lobo?!”. Pedro fala algo, mas a voz de
Emanuelle se sobrepõe: “Foi na floresta... Aí...”. A narradora diz: “Foi, Pedro?!
Deixa Pedro continuar...”. Pedro conta: “Pediu pra ir buscar a tesouri... A tesoura... E
voltou... Foi atrás do lobo...”. A narradora fala: “Sim... Foi, Rafael?! Quando ela pegou
a tesoura, ela fez o quê, Rafael?!”. Emanuelle diz: “Aí cortou a barriga do lobo...
Tirou... Um filho...”.

Recorte (13) – (Os músicos de Breman. 2º recontar)


Emanuelle segue: “aí dormiram... Aí o galo achou...”. Pedro complementa:
“uma luz...”. Emanuelle diz: “uma casa...”. A narradora coloca: “uma luz,
Pedro?! Aonde?!”. Pedro e Emanuelle dizem: “lá em cima...”. Emanuelle
continua: “aí depois...”. A narradora indaga: “ele fez o quê?! Ele viu aquela
luz...”. Emanuelle complementa: “e disse: ‘amigos, se acordem! Eu... Tem
alguma casa ali... Vamos lá!’”. A narradora pergunta: “foi, Joyce?!”.
Emanuelle segue falando: “aí depois ele foi...”. A narradora pergunta

195
mais: “o que será que aconteceu, Joyce, quando eles chegaram perto dessa
casa?!”. Emanuelle fala: “aí tinha ladrão dentro...”.
A narradora faz um sinal para Emanuelle esperar para ver se Joyce fala. Ela diz:
“Eita! Espera um pouquinho!”. Pedro coloca: “O burro alevan... Subiu...”. A
narradora indaga: “O burro subiu aonde, Pedro?!”. Emanuelle diz: “Na casa...”.
Pedro coloca: “Na casa... Porque ele é mais alto... Aí... Subiu o cachorro...”. A
narradora pergunta: “Aonde?!”. O menino continua: “Subiu a...”. A narradora faz
gestos com a mão no sentido de mostrar como o cachorro subiu em cima do
burro. Emanuelle fala: “Nas costas do cach... do galo...”. Pedro diz: “Do burro...”.
Emanuelle se corrige: “Do burro... Aí depois a gata subiu...”. Pedro coloca: “Do
cachorro...”. Emanuelle continua: “Em cima das costas do cachorro... O galo em cima
das costas da gata...”.

Recorte (14) (Os músicos de Breman. 2º recontar) O recontar ocorre apoiado nos fantoches
Com o burro, a narradora fala: “olhe! Uma gatinha! O que você tem,
gatinha?!’”. Emanuelle, com a gatinha, responde: “minha dona me
abandonou... Ela não me quer mais porque eu tô velha demais...”. A narradora
fala: “ah, meu Deus! E você tá triste?!”. Emanuelle diz: “tô...”. A narradora
pergunta: “por quê?!’. Emanuelle diz: “ela me abandonou, minha dona...’”. A
narradora fala: “ai, meu Deus! Que pena! Venha conosco para a cidade de
Breman... Lá você pode cantar... Vamos lá!”. Os animais caminham
acompanhados pela musiquinha da narradora até que encontram o
galo, que está com Pedro. Emanuelle exclama: “um galo!”. A narradora
incentiva: “fale com o galo...”. Emanuelle pergunta: “o que você tem,
galo?!’”. Pedro responde: “minha dona me abandonou...”. Emanuelle
repete: “me abandonou...”. A narradora fala: “abandonou?! Ah... O que ela
queria fazer com você, senhor galo?’”. Pedro responde: “me matar...”.
Emanuelle incentiva: “vai...”. Pedro repete: “me matar...”.

Recorte (15) - (Os músicos de Breman. 2º recontar)


As crianças cantam a musiquinha, anteriormente cantada pela
narradora, e dirigem os animais para a casa. Pouco depois, Pedro fala:
“aí chegou...”. Joyce diz: “vai! Vai, gatinha! Vai, Emanuelle! Vai, gatinha!”.
As três crianças encontram-se em torno da casa com seus animais

196
olhando para dentro dela. Emanuelle fala: “vai, galo!”. “As crianças fazem
os sons dos animais”.
A narradora se aproxima da casa e diz: “Invadiram a casa...”. Ela pega um dos
animais e invade a casa. Diz: “Eles invadiram a casa do ladrão...”. Faz sons do
desespero do ladrão. Prossegue: “O ladrão fugiu... [Breve pausa] Vai fugir pela
janela o ladrão... Foram embora...”. Ela tira o ladrão de dentro da casa. Emanuelle
fala: “Tá dormindo todo mundo aqui dentro...”. Joyce diz: “Todo mundo saiu para
fora...”. A narradora exclama: “Eita!”. Pedro comenta: “Abriu a janela...”. Emanuelle
fala: “O burro... O burro... O burro sai... O galo fica...”. Entrega o burro à narradora:
“Toma o burro! O burro fica aqui fora...”. Joyce pergunta: “Cadê eu?!”. Emanuelle
pega o galo, dizendo: “O galo aqui fora...”.

Recorte (16) – (Jorinda e Joringel. 2º recontar)


“era uma vez um castelo no meio da floresta... Onde morava... Quem é que
morava nesse castelo?!”. Emanuelle responde: “a bruxa!”. Joyce fala o
mesmo: “a bruxa!”. A narradora diz: “era a bruxa que morava no
castelo...”. Rafael coloca: “o castelo da... As teias de aranha...”. Emanuelle
diz: “cheio de teia de aranha... Todo velho...”. Joyce contribui: “e a bruxa toda
velha...”. Pedro parece dizer: “do cabelão da Rapunzel...”.
A narradora fala: “Cabelo grande, feio... Uns dentes feios, sujos... Um narizão que
batia no chão... Umas unhas grandes, né?! Era uma bruxa feiticeira... E ela fazia
feitiços em toda a região... Ninguém podia chegar perto do castelo... Quando as
pessoas chegavam perto do castelo...”. Emanuelle complementa: “Viravam estátua...”.
A narradora confirma: “Exatamente!”. Pedro diz: “Ficava congelado...”. A narradora
fala: “Ficava gelado...”.

Recorte (17) – (Jorinda e Joringel. 2º recontar)


“todo dia de manhã, Jorinda e Joringel... Iam aonde?!”. Emanuelle
responde: “passear...” Joyce fala: “perdeu... Perdeu o canto...”. A narradora
pergunta: “eita! O que foi que aconteceu com eles dois?!”. Emanuelle fala:
“se perdeu... Eles se perderam...”. A narradora começa a falar: “eles se
perd...”. Emanuelle conta: “aí Jorinda achou o castelo da bruxa...”. A
narradora questiona: “e Joringel disse o quê pra ela?!”. Emanuelle fala:
“não! Não vá! Pode ser perigoso!”. A narradora diz: “Cuidado!”. Pedro
parece dizer: “foram pelo jardim...”. Emanuelle conta: “aí ela... Aí ela foi...
Aí... Aí virou estátua...”. A narradora pergunta: “aí eles fizeram como,
Pedro?!”. Congelando o próprio corpo, Joycie responde: “congelaram!”. A

197
narradora indaga: “como é que eles iam pela estrada?! Era, Pedro?!
Fazendo o quê?!”. O menino faz movimentos com os braços e canta uma
melodiazinha.

Recorte (18) – (Jorinda e Joringel. 2º recontar)


Joyce conta: “ele acordou... Achou, achou... Depois achou.. Foi lá no
castelo...”. A narradora exclama: “eita, gente! Ele achou a flor!”. Pedro
diz: “procurou, procurou e achou...”. Emanuelle fala: “entrou... Abriu a porta e
entrou...”. Ao mesmo tempo, Joyce coloca: “abriu a porta...”. A narradora
diz: “peraí um pouquinho! E aí, Pedro?!”. O menino diz: “aí abriu e viu os
passarinhos...”. A narradora questiona: “abriu, foi, Rafael?! E aí?! O que
aconteceu?!”. Pedro continua contando: “aí ele viu o passarinho com a
bruxa... E ele...”. O menino faz o gesto de tocar com a rosa em algo.
Joyce fala: “a bruxa tava dando comida a eles...”. Pedro segue dizendo:
“tomou, tomou, tomou...”. Joyce continua sua fala: “depois apertou assim no
pescoço... Depois... Ela ficou estátua... E depois...”. Pedro afirma: “tomou o
poder... Tomou o poder dela...”.

A narradora pergunta: “Quem tomou o poder?!”. Pedro responde: “É... Joringel...”.


A narradora indaga: “Joringel?! Foi?! Foi, Breno?!”. Breno faz sinal positivo com a
cabeça. A narradora pergunta mais: “E como é que ele descobriu, Breno?!”. Pedro
fala: “Com o poder...”. A narradora continua: “Não... Como é que ele descobriu qual
daqueles pássaros era Jorinda?!”. Pedro diz: “Tava com ela...”. Emanuelle fala: “O
que tava com a bruxa...”. Joyce coloca: “Que tá em cima da gaiola...”. Emanuelle diz:
“Aí ele foi atrás da bruxa...”. A narradora fala: “A bruxa ia saindo de mansinho, né?!”.
Emanuelle diz: “Com a... Com Jorin...”. A narradora segue: “Com Jorinda dentro da
gaiola... E ele olhou assim, num foi, Breno?!”. Emanuelle conta: “Aí foi atrás da
bruxa... Aí... Aí depois... Ele tocou com a flor na... Na bruxa... Aí depois...”. A narradora
fala: “E a bruxa... [Faz pose de estátua] Aconteceu o que com a bruxa?!. Joyce,
Emanuelle e Pedro respondem: “Ficou estátua!”. Emanuelle retoma: “Depois ele
pegou a gaiola com o pássaro e tocou em Jorinda...”. A narradora questiona: “Foi,
Rafael?! E aí?! O que aconteceu quando ele tocou na gaiola, Rafael?!”. Pedro fala:
“Soltou tudinho as mulher...”. A narradora diz: “Primeiro, ele soltou quem?!”.
Emmanuelle responde: “A Jorinda...”. A narradora volta a falar: “Ele quebrou o
feitiço da bruxa, num foi, Breno?!”. Pedro coloca: “Aí abraçou ela...”. Joyce diz:
“Deu um beijo nela...”. A narradora fala: Deu um beijo... Ô, meu amor! Minha
princesa!. Joyce diz: “Depois...”. Pedro complementa: “Soltou as outras...”.
Emanuelle fala: “Depois tirou tudinho...”. A narradora pergunta: “Tirou tudinho

198
quem, Rafael?!”. Joyce parece dizer: “Virou uma princesa...”. Emanuelle fala:
“Princesas... Tirou as outras princesas...”. A narradora diz: “Libertou todo mundo...”.
Joyce afirma: “Ficou feliz para sempre...”.

199
ANEXO 1

200
ANEXO 2

201