Você está na página 1de 16

LIVRO BRANCO 1

LITERACIA
TRANSMEDIA
NA NOVA
ECOLOGIA
MEDIÁTICA
LIVRO BRANCO
2 LITERACIA TRANSMEDIA NA NOVA ECOLOGIA MEDIÁTICA

Em que ponto estamos?


Desde a disseminação dos computadores pessoais nos anos 80 do
século passado, a expansão da World Wide Web nos anos 90 e o
surgimento das redes sociais e dos dispositivos móveis nos anos 2000,
a tecnologia digital tem sido um catalisador de mudança social nas
sociedades contemporâneas. Apesar de as escolas terem feito grandes
esforços nas duas últimas décadas para se adaptarem às novas
condições sociais e tecnológicas, a perceção geral é de que a vida
social das crianças, pré-adolescentes e adolescentes gira em torno de
um conjunto de tecnologias digitais e de novas práticas que são muitas
vezes diferentes das dos pogramas educativos das escolas.

ENTREVISTA Investigador: Aprendeste coisas com os videojogos diferentes das que


aprendeste na escola?
Jenny: Bem, há um jogo, o Brain Training para matemática e cálculo rápido…
Jenny Investigador: Usarias videojogos no ensino?
16 ANOS - MENINA Jenny: Sim. Quer dizer, como é interativo e interessante…
Espanha
Acho que poderia ser bom.

A investigação sobre as relações entre os adolescentes e os media


também foi desafiada pelas mutações na ecologia mediática. Novas
questões, novos objetivos de investigação e novos métodos foram
propostos para lidar com esta nova situação.
LIVRO BRANCO 3

Da Literacia para os Media


à Literacia Transmedia
As abordagens tradicionais da Literacia para os Media, desenvolvidas
desde os anos 60 do século XX, basearam-se na ideia de que os media,
especialmente a televisão, tinham efeitos negativos nas crianças e,
como tal, tornava-se necessário “imunizar” os jovens nas escolas, de
modo a que eles pudessem resistir à influência negativa dos ecrãs.

À medida que o ecossistema mediático foi evoluindo, a Literacia


Mediática evoluiu também, tendo integrado desde cedo a educação
e a prevenção de riscos relativamente à utilização da Internet, dos
videojogos, das redes sociais e dos dispositivos móveis.
Nos últimos anos, dezenas de conceitos foram desenvolvidos para
designar estas novas formas de literacia, desde a “Literacia Digital” até
à “Literacia da Internet”, passando pela “nova Literacia Mediática”.

ENTREVISTA Investigador: Leste outros livros relacionados com os videojogos?


Jorge: Estou a ler uma fan-fiction sobre um filme que é sobre o Joker
e estou também a ler uma fan-fiction sobre o Harry Potter e Until Dawn.
Jorge Investigador: […] O que é que te levou a ler Until Dawn?
12 ANOS - MENINO Jorge: O jogo.
Portugal
Investigador: É o mesmo?
Jorge: As fan-fiction são bastante modificadas, por isso é que é diferente.
Investigador: São dados finais diferentes?
Jorge: Sim, mas mesmo em Until Dawn há muitos finais diferentes
para muitas personagens porque as escolhas que as pessoas fazem
é que vão levar ao final. Mas aqui [na fan-fiction], retrata de outra maneira,
com outras personagens e outras histórias.
4 LITERACIA TRANSMEDIA NA NOVA ECOLOGIA MEDIÁTICA

LITERACIA LITERACIA
LITERACIA MEDIÁTICA TRANSMEDIÁTICA

Linguagem Texto verbal Multimodal Multimodal


(leitura/escrita)

Suportes mediáticos Livros e textos impressos Imprensa, audiovisual Redes digitais -


e digital Media Interativos -
Transmedia

Objetivo da ação Desenvolver leitores Desenvolver consumidores Desenvolver


e escritores críticos e produtores críticos prosumers críticos

Sujeito Visto como iliterado Visto como Visto como prosumer


de interpelação consumidor passivo

Direção da ação Do topo para a base 1) Do topo para a base 1) Da base para o topo
2) Da base para o topo 2) Do topo para a base

Contexto de Formal (escolas) Formal (escola), De informal a formal


aprendizagem informal e não-formal (escola)

Papel do professor Autoridade de Mediador Facilitador de


conhecimento - do conhecimento - conhecimento -
Mediador Criador de experiências Tradutor cultural
estudante/texto de aprendizagem
com/através dos media

Referências teóricas Linguística Estudos de media Estudos dos media


e Estudos Culturais (ecologia mediática,
Transmedia storytelling)
Estudos Culturais

A Literacia Transmedia parte de uma leitura diferente da realidade


CONCEITO-CHAVE
mediática dos jovens. Sem rejeitar os postulados da Literacia
Literacia Transmedia Mediática, expande-os e complementa-os com outras questões
A Literacia Transmedia é entendida
de investigação e outras propostas de intervenção. A Literacia
como um conjunto de capacidades,
Transmedia tem como foco principal o que os jovens fazem com os
práticas, valores, sensibilidades
e estratégias de aprendizagem e media, considerando-os prosumers (produtores + consumidores),
intercâmbio desenvolvidas e aplicadas capazes de partilhar e gerar conteúdos mediáticos de diferentes tipos
no contexto das novas culturas e níveis de complexidade.
colaborativas.
LIVRO BRANCO 5

A Literacia Transmedia não nega a necessidade de educar os jovens


para desenvolverem capacidades mediáticas, mas expande este
enquadramento de modo a incluir pesquisa sobre as atividades
mediáticas realizadas pelos jovens fora das instituições educativas,
propondo trazer este conhecimento para o interior da sala de aula.

Projeto de investigação
Transmedia Literacy
Neste contexto, as principais questões que o projeto de investigação
sobre Transmedia Literacy colocou foram: O que estão os jovens a
fazer com os media? Como é que eles aprendem a usar e a criar com
os media? Para responder a estas duas questões, foi desenhada uma
estratégia metodológica que envolveu mais de 50 investigadores de
10 instituições em 8 países.

Países participantes
Espanha (coord.), Austrália,
Colômbia, Finlândia, Itália, Portugal,
Reino Unido e Uruguai

A investigação começou no dia 1 de abril de 2015 e terminou a 31


de março de 2018. Nos 36 meses de pesquisa a equipa levou a cabo
várias atividades:
- Desenho da estratégia de investigação e teste da mesma em
Barcelona (2015)
- Realização do trabalho de campo em 8 países (2016)
- Análise da informação (2017)
- Integração da análise informativa e disseminação dos resultados
(2017-2018)
6 LITERACIA TRANSMEDIA NA NOVA ECOLOGIA MEDIÁTICA

Metodologia
questionários, workshops participativos e entrevistas em profundidade

QUESTIONÁRIO WORKSHOP ENTREVISTAS


grupo completo 12-16 estudantes / 120’ x 2 individuais - máx. 90’ / 120’

workshop videojogos

12-14
anos workshop culturas participativas

ESCOLA 1

15-18
anos

12-14
anos

ESCOLA 2

15-18
anos

O trabalho de campo seguiu uma sequência de cinco fases


complementares:
1. As escolas foram consideradas a melhor interface entre a
equipa de investigação e os jovens. Constituíram-se como ponto de
partida para o trabalho de campo, foram uma via segura para obter
os consentimentos informados das instituições, pais e jovens e
permitiram estabelecer um primeiro contacto com os jovens;

2. Os adolescentes preencheram um questionário para se conhecer o


seu contexto sociocultural, bem como os seus usos e perceções sobre
os media;

3. Realizaram-se workshops participativos para explorar, num


contexto imersivo, as práticas de narrativas transmediáticas dos jovens e
para envolvê-los em produções mediáticas e em jogos;

4. Conduziram-se entrevistas em profundidade com os jovens mais


dinâmicos, a quem foi ainda pedido que escrevessem diários sobre as
suas práticas mediáticas, para se conhecer o que fazem e o que dizem
sobre os media, as redes sociais e os videojogos;

5. A última fase do processo de recolha de dados foi uma observação


online dos sites, celebridades e comunidades online favoritas dos
adolescentes (netgrafia).
LIVRO BRANCO 7

Os participantes tinham entre 12 e 18 anos de idade e, em cada


país, foram escolhidos perfis escolares diferentes (público/privado,
urbano/rural, escolas high-tech/escolas pouco apetrechadas
tecnologicamente, etc.). Durante o processo de recolha de informação
foram preenchidos 1633 questionários e realizaram-se 58 workshops
de videojogos e culturas participativas e 311 entrevistas.

INVESTIGADORA

Sonia Livingstone
(Reino Unido)
“A pesquisa deve agora identificar,
em termos textuais, como a
Internet medeia a representação do
conhecimento, o enquadramento
do entretenimento, e a conduta da
comunicação. E, em conjunto com
essa análise, tem de investigar as
capacidades e práticas emergentes dos
novos utilizadores dos media à medida
que eles se apropriam de forma
significativa das TIC nas suas vidas.”

Fonte: Livingstone, S. (2004). Media


Literacy and the Challenge of New
Information and Communication
Technologies. The Communication
Review, 7:1, 3-14.

O que estão os jovens a fazer


com os media?
Os jovens estão a fazer muitas coisas com os media, desde jogar
videojogos com amigos a escrever fan-fiction, partilhar fotografias
no Instagram, ver – e muitas vezes a carregar – vídeos no YouTube
ou participar em eventos do ‘mundo real’ dedicados às suas
personagens e histórias preferidas. A equipa de investigação do
projeto Transmedia Literacy definiu estas competências como
“capacidades transmediáticas”.
8 LITERACIA TRANSMEDIA NA NOVA ECOLOGIA MEDIÁTICA

Obviamente, nem todos os jovens têm estas capacidades e, quando


CONCEITO-CHAVE
as têm, nem todos apresentam os mesmos graus de capacidade: um
Capacidade transmediática jovem pode apresentar muitas capacidades de produção ou de gestão
As capacidades transmediáticas
social e pode ter muito pouca capacidade para detetar e analisar
são uma série de competências
representações de estereótipos nos media. Nesta investigação, a
relacionadas com a produção,
partilha e consumo de media digitais equipa não encontrou ‘nativos digitais’. Descobriu, antes, um complexo
interativos, que vão desde processos de mundo de interações, práticas, medos, conflitos, alegrias, participação
resolução de problemas em videojogos e colaboração.
até à produção e partilha de conteúdo
em plataformas web e redes sociais.
A criação, produção, partilha e
consumo crítico de narrativas (fan-
fiction, fanvids, etc.) por adolescentes
também fazem parte deste universo.

INVESTIGADORA

danah boyd (E. U. A.)


“Muitos dos adolescentes de
hoje estão profundamente
envolvidos com as redes sociais
e são participantes ativos em
comunidades online, mas isso
não significa que eles tenham
conhecimento ou capacidades inatas
para tirarem o maior partido das
suas experiências online. A retórica
dos “nativos digitais”, longe de ser
útil, constitui muitas vezes uma
distração para se perceberem os
desafios que os jovens enfrentam
num mundo conectado.”

Fonte: boyd, d. (2014). It’s


Complicated: the social lives of
networked teens. London/New
Haven: Yale University Press.
LIVRO BRANCO 9

Capacidades transmediáticas
A equipa de investigação do Transmedia Literacy criou uma taxonomia
completa e atualizada de capacidades transmediáticas. Trata-se de
um dos mapas mais exaustivos de capacidades relacionadas com a
produção, consumo e pós-produção de media já realizados no contexto
da cultura transmediática dos jovens. As capacidades transmediáticas
identificadas durante a investigação foram divididas em 9 dimensões
(produção, prevenção de risco, performance, gestão de conteúdo
individual e social, media e tecnologia, ideologia e ética, narrativa e
estética), incluindo cada uma delas 44 capacidades principais e, num
segundo nível, 190 capacidades específicas.

Cr
Us ia
re
ar ed is
so ita ia
Us
ar
ftw rp soc
fer ar ro es
Cr ee
ram iar du ed
en ap çõ sr
ee lic
ÃO OS JO
E EST
tas dit aç es na
ar
Usa pa ar õe es
V
QU ER COM OS ME ENS
r fe ra pr sd cr ip ar
rram a cap od ee ita rtic ar er
ent Cri taç uç s Pa or lid
as p
ara ar e
a
ão
ee
õe
ss
sc
rit O AZ DIA Co
lab na
re

AF
a cr edi on diç de
iaçã
o e ed
ição
tar or
des
as
enh
ão
d es ? Co
or
ar e
o ns os sin rol
o idad ões
de d e En ent moç
ese ima ont ia id see
Usar nho gen toc r ópr ento
ferra se s Au p t im
menta Cria ima sua ios s
en
s para r e ed gen ÃO ir a rópr
a cap itar s ST L Ger us p r
tação foto GE CIA os se rrega
e ediç grafi
as O r ir e desca
ão de S Ge ionar
Criar e fotog O is a r, selec
editar pr rafias STÃ u
oduçõe GE IVIDUA
L Pesq eúdos
de cont
CA

IA

s audio quivos
Usar ferram visuais IND Gerir ar
ED

conteúdos
PAC

entas para a
captação e PROD minação de
DES TRA NS M

edição de víd UÇÃO


GESTÃ
O lha e a disse
eo Gerir a parti
IDA

DOS EÚ
DE CONT

LITERACIA
Codificar software e montar hardw
Reconhecer e descrever
DES TR A N S M

are
MEDIA
Modificar software e hardware TRANSMEDIA E TECNOL
OGIA
Comparar
IDA

o Avaliar e refl
de codificaçã etir
e ferramentas
Usar as TIC
PAC

s IDEO Tomar
jo go E ÉT LOGIA decisõe
ED

d eo
editar vi ICA s e aplic
Criar e
CA

á-las
IA

Reco
id e o jogos ÇÃ
O nhec
o de v EN COS er e d
ediçã EV NA Ava escre
ã o e f a r ces PR E RIS E E RR liar e ver
ç is
a cria yed
D
CE ST ATI Tom
refle
s para r co
spla ver AN EST IS ÉT VA tir
menta Cria cre RAT A IC ar d
Usar
ferra r e des
t ir R M ÉGIA S IN F O R M A Int ecis
ões
ece e O DE A erp e ap
onh refl RF PRENDIZAGEM r eta licá
Rec re s PE Re r -las
alia -la co
Av p licá )
APR
ENDER FAZENDO Co nh
ece
a o mp
se og re
sõe oj s RESO
LVER PROBLEMAS
Av ara de
eci te ra ali r scr
a rd u ran r eg ir To ar
er
ev
er
d s m
To m
a i s
ar
a Ag IMITAR / SIMULAR ar efl
iv idu e br de
cis
et
ir
ind Qu JOG A R õe
es se
ad
a cid AVALIAR ap
lic
p
ca á-
s( ENSINAR la
go s
e ojo
i d
rv
ga
Jo

Em função da dimensão, a organização da taxonomia andou à volta


de textos, temas, tecnologias e processos. Sempre que possível,
as capacidades foram organizadas seguindo uma lógica que parte
da escrita para produções multimodais, da simplicidade para a
complexidade, da técnica para práticas críticas e éticas, do cognitivo
para as atitudes pragmáticas.
10 LITERACIA TRANSMEDIA NA NOVA ECOLOGIA MEDIÁTICA

ENTREVISTA Investigador: O Instagram é o único sítio onde publicas as tuas fotos?


Desculpa, as fotos da tua arte?
Anna: Sim, às vezes publico no Snapchat, mas sobretudo no Instagram.
Anna Investigador: Sim, e é como se fosse uma comunidade?
14 ANOS - MENINA Ou vocês são tipo fãs?
Reino Unido
Anna: Não acho que sejamos fãs, mas há uma comunidade artística.
Investigador: E dialogas com pessoas que não conheces da vida real
mas que fazem parte dessa comunidade online?
Anna: Às vezes sim, comento as fotos deles por exemplo.

As capacidades transmediáticas seguem uma topografia diversa e


irregular. Aquelas que emergiram durante a investigação abrangeram,
em simultâneo, um largo espectro mediático no qual os adolescentes
“vivem” e uma vasta lista de capacidades, desde as mais tecnológicas
às mais narrativas ou estéticas.
É importante ter em linha de conta que algumas das capacidades
detetadas são muito marginais e apenas desenvolvidas por um
pequeno número de jovens (é o caso das capacidades relacionadas
com ideologia e valores), enquanto outras são muito mais comuns
(como as capacidades de produção). Este é um dado relevante do
ponto de vista de futuras ações de Literacia Transmedia: há uma
probabilidade muito maior de encontrar na sala de aula adolescentes
com um elevado nível de capacidades de produção do que com
capacidades ideológicas ou éticas.
LIVRO BRANCO 11

Como os adolescentes aprendem


a fazer o que fazem com os media?
Aprender fora da escola não é algo de novo. Apesar de o conceito de
‘aprendizagem informal’ ter sido introduzido por Knowles no livro
‘Informal Adult Education’ (1950), John Dewey e outros filósofos da
educação do início do século XX, como Mary Parker Follett, tinham já
valorizado e encorajado práticas de aprendizagem informal.

CONCEITO-CHAVE

Estratégia de aprendizagem
informal
No âmbito do projeto Literacia
Transmedia, as ‘estratégias de
aprendizagem informal’ são definidas
como a sequência de ações individuais
ou coletivas com vista a adquirir e
acumular conhecimento, capacidades
e atitudes das experiências e interações
diárias em diferentes contextos.

INVESTIGADORES

Joanna Black,
Juan C. Castro e
Ching-Chiu Lin (Canadá)
“Os ambientes de aprendizagem
formal continuam a ser importantes,
enquanto os ambientes de
aprendizagem informal estão a ganhar
uma importância crescente, uma vez
que desempenham um papel-chave na
educação moderna dos nossos jovens.
(…) Na nossa era digital, os jovens são
autodidatas e formam comunidades
culturais à medida que mergulham nas Se as estratégias informais de aprendizagem estiveram presentes
redes sociais fora das nossas salas de muito tempo antes da emergência de sistemas de educação formais –
aula (2015: 2).”
por exemplo, nas livrarias, igrejas e museus –, os avanços tecnológicos
atuais expandiram as situações de aprendizagem tradicionais, ao
Fonte: Black, J., Castro, J., & Lin, C.
(2015). Youth Practices in Digital Arts criarem novos espaços como media sociais, sites, comunidades online,
and New Media: Learning in Formal and etc. YouTube, comunidades de fãs e redes sociais podem ser espaços de
Informal Settings. New York: Palgrave. aprendizagem informal.
12 LITERACIA TRANSMEDIA NA NOVA ECOLOGIA MEDIÁTICA

Não é fácil identificar e analisar estratégias informais de


aprendizagem. Estas experiências “selvagens” são, muitas vezes,
invisíveis ou rejeitadas diretamente por (adultos) investigadores e
professores. O objetivo da equipa de investigação foi ultrapassar
preconceitos e considerar práticas comuns como jogar videojogos,
escrever fan-fiction, fazer cosplay ou partilhar memes, como uma parte
importante da vida cultural dos adolescentes.

Estratégias de aprendizagem
informal
A equipa de investigação organizou as diferentes estratégias informais
INVESTIGADORA
de aprendizagem detetadas durante o trabalho de campo em seis
danah boyd (E. U. A.) modalidades.
“É tanto o que se projeta para a
juventude que muitas vezes é MODALIDADES DESCRIÇÃO
difícil discutir o que estão a fazer, e
porquê, sem que a observação seja Aprender O aluno coloca em prática um conjunto de atividades
fazendo relacionadas com a capacidade que quer adquirir.
obscurecida por ideias do que eles
Essas atividades envolvem geralmente processos
deveriam ou não estar a fazer. Os de tentativa e erro que, gradualmente, o ajudam a
jovens raramente são vistos como aperfeiçoar a capacidade em questão.
merecedores de qualquer agência e
são, ainda, julgados com base no que Resolução O aluno é confrontado com um problema ou questão
de problemas que o motiva a adquirir a capacidade adequada para
escolhem fazer […] as pessoas pensam
o resolver.
que sabem algo sobre a juventude seja
porque já foram jovens ou porque são Imitação / O aluno reproduz ações, sequências e decisões
pais de um jovem. ” Simulação tomadas por alguém com maior experiência.

Jogando O aluno adquire uma determinada capacidade ao


Fonte: boyd, d. (2014). It’s envolver-se em ambientes de jogo.
Complicated: the social lives of
Avaliando O aluno adquire ou aperfeiçoa uma capacidade
networked teens. London/New
examinando o seu próprio trabalho ou o trabalho de
Haven: Yale University Press. terceiros ou, ainda, tendo outras pessoas a examinarem
o seu trabalho.

Ensinando Ao transmitir conhecimento a terceiros, o aluno adquire


uma capacidade que o ajuda em tarefas de ensino.

Num segundo momento, a equipa de investigação introduziu um


conjunto de categorias formais para expandir a taxonomia. Neste
contexto, as seis modalidades foram divididas em quatro dimensões
principais (sujeito, tempo, espaço e relações), cada uma das quais
engloba uma série de oposições (individual/colaborativo, online/
offline, curto prazo/longo prazo, etc.).
LIVRO BRANCO 13

ENTREVISTA Investigador: É este o jogo que tens no teu telemóvel?


Federico: Sim. Eu tenho Studio Tycoon instalado no meu computador.
É como um simulador de YouTube [...]. É como se tu fosses um YouTuber
Federico mas não é a sério, é como um jogo no qual finges que és um YouTuber,
14 ANOS - MENINO ganhas dinheiro e assim... Quer dizer, ganhas dinheiro no jogo.
Uruguai
Investigador: Mas gravas-te a ti próprio?
Federico: Não, não. É só uma simulação. Não gravo nada.

O Kit do Professor
Com base nos resultados científicos da investigação, a equipa do
Transmedia Literacy produziu uma série de atividades didáticas de
acesso livre para professores do 3º ciclo do Ensino Básico e do Ensino
Secundário: o Kit do Professor. De uma forma simples, apresentam-
se atividades didáticas inspiradas nas capacidades transmediáticas
e nas estratégias de aprendizagem informal detetadas durante a
investigação.

Em poucas palavras, o Literacia Transmedia não se restringe à análise


de práticas de cultura participativa, conteúdos gerados por jovens
e estratégias informais de aprendizagem: vai além da intervenção
científica, propondo alternativas para aplicar e beneficiar das
capacidades transmediáticas dos adolescentes - desenvolvidas fora da
escola – dentro do sistema formal de aprendizagem.
14 LITERACIA TRANSMEDIA NA NOVA ECOLOGIA MEDIÁTICA

Conclusões
Sete tweets para resumir os resultados da pesquisa:

#1 A distribuição de capacidades #transmedia entre adolescentes não é


regular nem equilibrada #TransmediaLiteracy

#2 Enquanto algumas destas capacidades #transmedia variam muito


pouco ao longo do tempo (as relacionadas com valores, por exemplo),
outras capacidades estão sujeitas a alterações tecnológicas
constantes (por exemplo, as que se relacionam com as redes sociais)
#TransmediaLiteracy

#3 As capacidades #transmedia evidenciam diferenças de género


(por exemplo, as raparigas usam media mais focados em aspetos
relacionais, enquanto os rapazes tendem a concentrar-se mais em
aspetos ligados com a componente lúdica) #TransmediaLiteracy

#4 Os adolescentes estão conscientes da necessidade de adquirirem


capacidades de prevenção de riscos #TransmediaLiteracy

#5 Os adolescentes usam estratégias tradicionais de aprendizagem


informal nos novos ambientes digitais #TransmediaLiteracy

#6 A imitação é uma das principais estratégias informais de


aprendizagem que os adolescentes aplicam #TransmediaLiteracy

#7 O YouTube é um dos mais importantes espaços de aprendizagem


online e ocupa um papel central no consumo de conteúdos e (às vezes)
na produção dos jovens #TransmediaLiteracy
LIVRO BRANCO 15

Projeto Transmedia Literacy


PARCEIROS DO CONSÓRCIO TRANSMEDIA LITERACY
Universitat Pompeu Fabra (coord. Espanha)
Universitat Oberta de Catalunya (Espanha)
University of Oxford (Reino Unido)
Jyväskylän Yliopisto (Finlândia)
Universidade do Minho (Portugal)
Universidad de la República (Uruguai)
Pontificia Universidad Javeriana (Colômbia)
Università degli Studi di Torino (Itália)
Ars Media (Itália)
Com a participação de:
RMIT University (Austrália)
INDIRE (Itália)

COLABORADORES
Ateneu Barcelonès (Espanha)
Avanguardie Educative (Itália)
ECOlearning (Europa)
eNorssi Network (Finlândia)
MENTEP Project (Itália)
Obras Educativas Lasalle (Espanha)
Plan Ceibal (Uruguai)
School Libraries Network (Portugal)
Transmedia Week
United Nations Alliance of Civilizations

AUTOR
Carlos A. Scolari (Universitat Pompeu Fabra – Barcelona)

TRADUÇÃO
Joana Fillol / Sara Pereira

EDIÇÃO
Catherine Stonehouse

DESIGN E PRODUÇÃO
Ars Media

Reconhecimento Internacional 4.0 (CC BY 4.0)

O projeto TRANSMEDIA LITERACY foi financiado pelo Programa de Investigação e Inovação


da União Europeia Horizonte 2020, sob o acordo de subvenção645238
16 LITERACIA TRANSMEDIA NA NOVA ECOLOGIA MEDIÁTICA

TRANSLITERACY – 645238
H2020 Research and Innovation actions

Transmedialiteracy.org
@trans_literacy
Janeiro 2018