Você está na página 1de 105

EBOOK

MÉTODO COMPLETO
PARA ORÇAR E PRECIFICAR
O B R A S E S E R V I Ç O S D E E N G E N H ARI A

COMO ORÇAR
UMA OBRA

www.da n ie lf u n c h a l.c om.br


AVISOS LEGAIS

REDISTRIBUIÇÃO

Você concorda que não irá copiar, redistribuir ou explorar


comercialmente qualquer parte deste documento sem a
permissão expressa do autor.

AUTORIA

Daniel Funchal

Copyright © Todos os direitos reservados


EBOOK

Índice
Sobre mim ................ 4

Como Orçar uma Obra ................ 5

Introdução ................ 6

1. Conceitos e Terminologias ................ 7

Gasto x Recebimento ................ 9

Composição Unitária ................ 11

Produtividade ................ 14

2. Orçamento ................ 17

Os 2 tipos de Orçamento ................ 22

Etapas da Orçamentação ................ 25

1ª. Estudo das Condicionantes ................ 28

2ª. Composição do Custo ................ 40

3ª. Fechamento do Orçamento ................ 61

3. Gestão de Custos ................ 89

Ferramenta de Gestão ................ 91

Modulação de Equipes ................ 92

Produtividade e Consumos ................ 93

Integração com Planejamento ................ 94

Compatibilização de Projetos ................ 95

Valor Agregado ................ 96

Indicadores de Desempenho ................ 97

Referências ................ 98

Bônus ................ 101

Conecte-se comigo ................ 103


Sobre mim
Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ
(2002); pós-graduado em Gestão de Projetos-PMI; MBA em Gestão de
Negócios Imobiliários e da Construção Civil; MBA em Gestão Empresarial.

Daniel Funchal atuou como como engenheiro residente, coordenador de


obra, gerente regional e nacional de obras e diretor de corporação em
empresas de médio e grande porte e atuação nacional.

Responsável por mais de R$ 500 Milhões em coordenação e gestão de


diversas obras, como edificações residenciais, hotéis, indústrias,
supermercados e shopping centers, executadas nos estados do Rio de
Janeiro, Maranhão, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina.

Ex-Diretor Geral da Secretaria Municipal de Obras de


Blumenau/SC, membro da Comissão Especial de
Licitação e fiscal de contratos firmados com o Banco
Interamericano de Desenvolvimento – BID, coordenador
de curso e professor universitário da graduação em
Engenharia Civil e Diretor da W3F Engenharia.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 04


Como Orçar uma Obra
“Como Orçar uma Obra” é um treinamento online focado em performance
que inclui um método completo para elaboração do Orçamento de
qualquer tipo de Obra ou Serviço de Engenharia, bem como as melhores
técnicas práticas para gerenciar os custos, melhorar o resultado financeiro
e aumentar a eficiência na execução da obra.
Foi especialmente desenvolvido para engenheiros, arquitetos e
estudantes.

REDUZIR CUSTOS
Diminua os gastos com retrabalho, baixa
produtividade e desperdício de material.

PERFORMANCE
Monitore e controle os resultados da sua obra
através das métricas adequadas

MAIS LUCRO
Aumente o resultado financeiro das suas obras e
serviços

Clique aqui para saber mais sobre o treinamento

COMO ORÇAR UMA OBRA

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 05


Introdução
Nesse livro você terá a oportunidade de realmente aprender a elaborar um
Orçamento de Obra completo, de forma assertiva e altamente profissional.

Toda informação que lhe entregarei nesse material foi adquirida com anos
de estudo e prática nos canteiros dos mais diferentes tipos e portes de
obras. Acredito que compartilhar esses conhecimentos com você poderá
tornar a sua trajetória um tanto quanto menos tortuosa de trilhar e com
geração de resultados expressivos em curto espaço de tempo.

Minha principal preocupação e objetivo é que você consiga compreender


tudo, mesmo que seja recém-formado ou não tenha muita experiência
prática em orçamentos e execução de obras, para que conquiste a
liberdade de construir suas próprias técnicas e formas de trabalho, que se
tornarão um divisor de águas na sua atuação profissional.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 06


#01
CONCEITOS E
TERMINOLOGIAS
Conceitos e Terminologias
É muito importante conhecer alguns conceitos e terminologias.

A aplicação do Método de forma correta DEPENDE DIRETAMENTE do


pleno entendimento da sua base conceitual.

Estes elementos são primordiais na 2ª Etapa da Orçamentação.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 08


Gasto x Recebimento
Termos não alinhados com conceitos contábeis.

GASTO: saída de recurso financeiro (dinheiro); pagamentos de quaisquer


tipos;

RECEBIMENTO: entrada de recurso financeiro (dinheiro); receita de


vendas ou prestação de serviço;

Orçamento de Obra lida apenas com GASTOS.

TIPOS DE GASTO

CUSTO: todo gasto envolvido na produção: insumos (mão de obra,


equipamentos e materiais); infraestrutura necessária à produção
(canteiros, administração local, mobilização e desmobilização, etc.)

DESPESA: todo gasto com bens e serviços relativos à manutenção da


atividade da empresa e aos esforços para a obtenção de receitas, tais
como: gastos com administração central; pagamentos de tributos;
comercialização (participação de licitações, remuneração de agentes
comerciais, viagens, propostas técnicas, etc).

O Orçamento de Obra lida apenas com CUSTOS

...nem sempre!

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 09


Gasto x Recebimento
TIPOS DE CUSTO

CUSTO DIRETO: gastos voltados à produção de um bem ou serviço que


podem ser observados e mensurados diretamente no produto ou serviço,
sem a necessidade da utilização de rateio.

CUSTO INDIRETO: gastos voltados à produção de um bem ou serviço que


não podem ser observados e mensurados diretamente no produto ou
serviço, sendo necessária a utilização de rateios para sua efetiva alocação
ao produto ou serviço.

O Custo Direto possui evolução linear, proporcional a produção

O Custo Indireto e as Despesas possuem evolução por “bloco”.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 10


Composição Unitária
Todo orçamento se baseia em Composições Unitárias, que são tabelas
que detalham os diversos insumos utilizados na execução de uma unidade
do serviço em questão, suas unidades de medida e seus coeficientes de
utilização (índices ou consumos).

A inclusão dos preços unitários de cada insumo resulta na Composição


de Preço Unitário.

Exemplo - Composição Unitária

Fonte: TCPO – Tabela de Composições de Preços para Orçamentos

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 11


Composição Unitária
COMPOSIÇÃO DE PREÇO UNITÁRIO

Componente / Insumo: cada um dos elementos essenciais a produção do


serviço. Os insumos podem ser mão de obra (pedreiro, carpinteiro,
armador), material (aço, concreto, preço, tijolo) ou equipamento
(escavadeira, betoneira).

Unidade: unidade básica de medida do insumo (kg, m, l, um). Não usar


unidade comercial (saco, rolo, vara)

Índice / Consumo: coeficiente de utilização de cada insumo. É a


quantidade do insumo necessária para produção de uma unidade do
serviço.

Custo Unitário: valor de compra / contratação da unidade do insumo.

Custo Total: resultado da multiplicação do índice pelo custo unitário.

EXEMPLO: Composição de custo unitário do serviço armação de aço CA-


50, incluindo corte, dobra e instalação do aço.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 12


Composição Unitária
Interpretação

Insumo: há 2 insumos de mão de obra (armador e ajudante) e 2 insumos


de material (Aço CA-50 e arame), não havendo nenhum equipamento.

Representatividade: o insumo mais representativo no custo da


composição é o aço CA-50, respondendo por 63% do custo do serviço.

Equipe: como o armador e o ajudante possuem os mesmos índices,


chega-se então a uma equipe de 1 ajudante para 1 armador.

Produtividade: o armador é o insumo que define o ritmo de produção.


Sendo seu índice 0,12h/kg, isso significa que o armador produz 1kg de
armação a cada 0,12h, o que corresponde a 1/12 = 8,5kg por hora. A
produtividade é o inverso do índice.

Produção: se forem mobilizados 5 armadores (e seus 5 ajudantes), a


produção semanal da equipe será de 5 x 85kg/h x 44h = 1.870kg.

Perda: a composição considera uma perda de 10% no insumo Aço CA-50,


sendo considerado o índice de 1,10 para cada 1kg de armação.

Assista ao Vídeo:
Composições Unitárias e Projetos

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 13


Produtividade
“É a eficiência em transformar recursos em produtos (os recursos
considerados são a mão-de-obra e os materiais, enquanto os produtos são
as partes que constituem a obra em execução como, por exemplo, uma
certa porção das armaduras, da alvenaria, do contrapiso, etc).”

A forma de medir a produtividade se dá através da relação entre a


quantidade do produto obtido pela quantidade de recurso necessária.

Exemplo: m² de parede executada X horas de trabalho de pedreiro

produtividade: m²/h

E como levar esse dado para a obra?

Se as características de um serviço fossem sempre as mesmas, isto é, se


não houvesse variações dos fatores que caracterizam o serviço, a
produtividade seria constante, sendo muito bem representada por um valor
médio.

Na prática, tais fatores variam de uma maneira não desprezível, o que


provoca uma variação também não desprezível da produtividade.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 14


Produtividade
PRODUTIVIDADE VARIÁVEL

Ao invés de apenas citar um valor médio histórico, inclui-se uma faixa de


valores, indicando-se os valores mínimo, mediano e máximo, para os
índices de insumos.

Fonte: TCPO – Tabela de Composições de Preços para Orçamentos

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 15


Produtividade
Tal faixa é composta com base na observação real do desempenho
ocorrido em obras de construção recentes; os valores máximo e mínimo
representam os extremos da faixa; o valor mediano representa o
desempenho que mais aconteceu nos casos estudados, sendo, portanto,
aquele mais provável de acontecer.

Fonte: TCPO – Tabela de Composições de Preços para Orçamentos

Assista ao Vídeo:
Produtividade Assimétrica

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 16


#02
ORÇAMENTO
Orçamento
O que é “Orçamento”?

“É a determinação, com margem de acerto tão elevada quanto possível, do


preço de uma obra ou serviço de engenharia, antes da sua execução.”

Atenção aos termos grifados, pois são muito importantes.

Um orçamento não é exato e sim preciso, ou seja, apresenta sempre um


valor com adequada margem de probabilidade de representar os gastos
discriminados.

O outro ponto importante é que o orçamento é realizado sempre antes da


execução.

Durante ou após a execução temos a aferição de custos incorridos, e não


mais orçamento visto os gastos já terem sido efetivados.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 18


Orçamento
O que é “Orçamento de Obra”?

- Estimativa de custos / previsão (todo orçamento é aproximado)

- Não é exato, porém preciso (margem adequada)

- Elaborado ANTES da efetiva construção

- Identifica, descreve, quantifica, analisa e valora uma grande série de


itens

- Requer muita atenção e habilidade técnica

- Necessário o conhecimento detalhado do serviço

- Utiliza critérios técnicos e informações confiáveis

E para que serve o Orçamento de uma Obra?

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 19


Orçamento
1º: Tomada de decisão

Necessário conhecer a expectativa de custo total da obra para análise de


viabilidade:

- comprar um terreno

- desenvolver um empreendimento

- construir ou reformar

A viabilidade econômica de um empreendimento depende dos custos


necessários à sua execução e a construção (obra) tende a ser o maior
deles.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 20


Orçamento
2º: Monitoramento e Controle

Os valores gastos na execução da obra devem ser medidos e comparados


aos orçados.

Desvios devem ser identificados, analisados e tratados.

Só é possível identificar e corrigir se existir o parâmetro inicial, o


Orçamento da Obra é esse parâmetro.

São importantes não apenas os valores contidos no Orçamento, mas todas


as informações que embasaram sua elaboração (projetos, memoriais,
cotações, cronograma, etc..)

Saiba mais sobre os objetivos do Orçamento, leia o Artigo:


“Objetivos do Orçamento de Obra”

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 21


Os 2 tipos de Orçamento
Existem APENAS 2 tipos de Orçamento.

Quais são os eles?

Orçamento de Produção e o Orçamento de Venda.

Já deve ter ouvido falar que existem 4 ou mais tipos: Preliminar,


Parametrizado, Executivo, Estimativa de Custo, CUB, Estudo de
Viabilidade Financeira, etc....

Normalmente justificados pela quantidade e qualidade dos dados


disponíveis.

Fere o 1º objetivo do Orçamento: Tomada de Decisão

A tomada de decisão ocorre no início do processo, naturalmente com


poucos dados.

Tomada de decisão com margem elevada de incerteza (erro) não cumpre


sua função.

Falta de projetos e memoriais não justificam margens elevadas.

Aqueles “tipos” (preliminar, parametrizado, executivo, etc) são na verdade


graus de detalhamento do orçamento, que evolui conforme os dados são
gerados.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 22


Os 2 tipos de Orçamento
ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO

‒ Define o custo total de execução da obra

‒ Contempla os gastos necessários as atividades de produção

‒ Pode envolver, ou não, os projetos e aprovações, dependendo do tipo


de contratação

‒ Usado no Monitoramento e Controle da obra

‒ O valor final é o valor necessário a execução da obra (construção) ou


contrato.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 23


Os 2 tipos de Orçamento
ORÇAMENTO DE VENDA

Além do Orçamento de Produção, contempla ainda:

‒ Despesas de operação da empresa

‒ Seguros, riscos e incertezas

‒ Custos financeiros

‒ Margens de negociação e gastos de publicidade e comercialização

‒ Tributos e taxas

‒ Lucro

Para se chegar ao Orçamento de Venda, é necessário antes determinar o


Orçamento de Produção.

Saiba mais sobre os tipos de Orçamento, leia o Artigo:


”Tipos de Orçamento de Obra: existem apenas 2”

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 24


Etapas da Orçamentação
Orçamentação é o processo de elaboração do Orçamento.

Neste livro trataremos do Orçamento de Venda em nível Executivo, para


permitir a exploração de todas as etapas da Orçamentação.

Como determinar o Orçamento de Venda?

Seguindo um método composto por 13 passos em 3 etapas.

Estudo das Composição de Fechamento do


Condicionantes Custos Orçamento

Não é receita, não é checklist, não é fórmula mágica,


é um MÉTODO.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 25


Etapas da Orçamentação
1ª Etapa: Estudo das Condicionantes

‒ Passo 1: Edital, carta convite ou minuta do contrato

‒ Passo 2: Projetos, Memoriais, planejamento e outros requisitos

‒ Passo 3: Visita técnica

2ª Etapa: Composição do Custo

‒ Passo 4: Identificação dos serviços (Principais e Acessórios)

‒ Passo 5: Levantamento de quantitativos

‒ Passo 6: Custos diretos (composições unitárias)

‒ Passo 7: Custos indiretos

‒ Passo 8: Cotações de preços

‒ Passo 9: Encargos sociais e trabalhistas

3ª Etapa: Fechamento do Orçamento

‒ Passo 10: Definição da lucratividade

‒ Passo 11: Cálculo do BDI

‒ Passo 12: Desbalanceamento do orçamento

‒ Passo 13: Formação do preço de venda

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 26


Etapas da Orçamentação
Vamos agora detalhar cada uma destas etapas, mostrar as boas técnicas
na elaboração do Orçamento de Obra, e os principais erros que você deve
evitar.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 27


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes
Todo orçamento baseia-se num projeto, seja ele básico ou executivo.

É o projeto que norteia o orçamentista.

A partir dele serão identificados os serviços constantes da obra com suas


respectivas quantidades, o grau de interferência entre eles, a dificuldade
relativa de realização das tarefas, etc.

É nessa etapa da orçamentação que se tomam conhecidas as condições


de contorno da obra.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 28


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes
Passo 1: Edital, Carta Convite ou Minuta de Contrato

Documento que rege a licitação/contratação da obra ou serviço.

Estabelece todos os requisitos técnicos e administrativos para execução


da obra.

Define parâmetros de qualidade, aceitação, medição, prazos, dentre


outros.

Estabelece as formas de comunicação entre as partes e todas as demais


informações necessárias à execução da obra.

Determina a responsabilidade por atividades acessórias.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 29


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes
Exemplos de informações que devem estar contidas:

‒ Prazo da obra

‒ Datas-marco contratuais

‒ Penalidades por atrasos no cumprimento do prazo ou bônus por


antecipação

‒ Critérios de medição, pagamento e reajustamento

‒ Regime de preços (unitário, global, por administração)

‒ Limitação de horários de trabalho

‒ Critérios de participação (capital social, índice de endividamento, etc)

‒ Habilitação técnica com relação a empresa e responsável técnico

‒ Documentação requerida

‒ Seguros exigidos

‒ Facilidades disponibilizadas pelo contratante (instalações de água,


energia, alojamento, etc)

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 30


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes
E se não tiver edital, carta convite ou minuta de contrato?

Edital de licitação

Em se tratando de obra pública é obrigatória a existência do edital de


licitação.

Casos enquadrados como dispensa de licitação, como obras


emergenciais, possuem o escopo definido e devem ser tratados de modo
análogo a uma obra privada (a seguir).

Carta Convite ou Minuta de Contrato

Devem ser definidos e registrados todos os parâmetros adotados no


orçamento.

O escopo adotado e todas as demais considerações devem acompanhar o


orçamento e a proposta comercial.

Para evitar um descolamento dos demais valores, usar preliminarmente os


requisitos mínimos (legais e técnicos).

Ressaltar os itens exclusos, mas necessários a execução da obra.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 31


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes

ATENÇÃO

Nunca pule ou negligencie esse passo.

Todos os aditivos e demais discussões serão pautados nele.

A margem de acerto do orçamento depende integralmente das condições


estabelecidas nesta etapa.

Registre e guarde todas as informações usadas e premissas adotadas.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 32


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes
Passo 2: Projetos, Memoriais, Planejamento e outros
requisitos

As obras contêm um extenso conjunto de projetos.

“Projeto é a representação gráfica das instruções técnicas necessárias à


execução de uma construção, fabricação ou montagem, atendendo as
normas técnicas, legislação e boas práticas.” (Daniel Funchal)

São projetos arquitetônicos, de cálculo estrutural, de instalações (elétricas,


hidrossanitárias, gás, prevenção e combate a incêndio), de paisagismo, de
impermeabilização, etc, além de perspectivas, notas, detalhes, memoriais
descritivos, diagramas, tabelas e quadros, que definem o produto final a
ser construído.

O entendimento do projeto depende muito


da experiência do orçamentista e de sua
familiaridade com o tipo de obra.

As especificações técnicas são documentos de texto que trazem


informações de natureza mais qualitativa do que quantitativa.

O planejamento traz os elementos de prazo, tanto em termos de datas


como a relação de dependência das atividades, sejam internas ou
externas.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 33


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes
E se não tiver o jogo completo de projetos e as outras
informações?

Sem os projetos executivos

Fica inviabilizada a elaboração do Orçamento Executivo, como é proposta


deste livro.

Devem ser usadas outras técnicas de Orçamentação como


Parametrização ou Estimativa de Custo.

Essas técnicas não produzem um valor final diferente, como já comentado,


apenas possuem um menor grau de detalhamento das atividades que
compõem o orçamento.

Sem memoriais e planejamento mas COM os projetos executivos

É possível realizar o orçamento usando como parâmetros os requisitos


técnicos e legais obrigatórios.

Os materiais, acabamentos, precedências e prazos adotados devem ser


registrados para comprovar e embasar o orçamento gerado.

Alto risco de retrabalho na orçamentação e necessária equalização com os


demais orçamentos produzidos.

Adotar os requisitos e padrões mínimos, para uma maior competitividade


comercial.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 34


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes

ATENÇÃO

Guarde todos os projetos e documentos usados para elaboração do


orçamento.

É comum haver revisões de projetos e outros documentos, posteriores ao


orçamento e a contratação, gerando sérios problemas.

A relação de todos os projetos e documentos utilizados, com descrição


completa, contendo data de emissão e número da revisão, deve
acompanhar o orçamento produzido.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 35


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes
Passo 3: Visita Técnica

É sempre recomendável realizar uma visita técnica ao local da obra, antes


da elaboração do orçamento.

A visita técnica serve para:

‒ tirar dúvidas (importante um estudo prévio do edital/carta convite, dos


projetos, memoriais, etc)

‒ tirar fotos (registro para consultas futuras sem necessidade de nova


visita)

‒ avaliar as condições de acesso

‒ topografia, tipo de solo, vegetação e outros

‒ atendimento por serviços públicos (luz, água, esgoto)

‒ verificar a disponibilidade de materiais, equipamento e mão-de-obra na


região (muito importante quando a obra não é feita em grandes centros
urbanos)

‒ deslocamento e alojamento de funcionários

‒ edificações próximas com restrições de horário, barulho ou fluxo de


veículos.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 36


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes
Conversar com construtores e visitar outros canteiros de obra da região.

Identificar os órgãos públicos como Prefeitura, Cartórios, Corpo de


Bombeiro e outros, registrando os endereços e formas de contato.

Alguns órgãos contratantes instituem a obrigatoriedade da visita de campo


(indicado no Edital).

Criação e utilização de formulários para levantamento de dados da visita.


Evita que os profissionais tenham preocupações diferentes na hora de
registrar o que viram no local.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 37


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes
E se não realizar a visita?

Localização e escopos já bem definidos

Pode ser dispensada, caso não seja requisito do edital, caso já conheça a
região, o escopo esteja completamente definido ou outra situação que
realmente torne a visita desnecessária.

Cuidado com a renúncia a reclamação futura.

Mesmo assim, EU aconselho a visita.

Além de demonstrar interesse para o contratante, SEMPRE revela algo


importante que não foi percebido antes, seja no local ou por conversar com
os responsáveis.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 38


1ª. Etapa
Estudo das Condicionantes

ATENÇÃO

Guarde todos registros da visita (fotos, levantamento, formulários) usados


para elaboração do orçamento.

A relação de informações utilizadas e dados gerais da visita (data, horário,


participantes, etc) devem constar do Memorial do Orçamento.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 39


2ª. Etapa
Composição do Custo
Nessa etapa da Orçamentação serão levantadas as informações de
quantitativos, custos e demais gastos, obtendo assim o valor total
necessário para execução da obra ou serviço contratado.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 40


2ª. Etapa
Composição do Custo
Passo 4: Identificação dos Serviços

O custo total de uma obra é fruto do custo orçado para cada um dos
serviços integrantes da obra.

A origem da quantificação está na identificação dos serviços.

Um orçamento, por mais cuidadoso que seja feito, estará longe de ser
completo se excluir algum serviço requerido pela obra.

A fonte de dados e informações para identificação dos serviços está na 1ª.


Etapa da Orçamentação.

- Edital, Carta Convite ou Minuta de Contrato

- Projetos, Memoriais, Planejamento e outros requisitos

- Visita Técnica

Identificar todos os serviços necessários a execução da obra.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 41


2ª. Etapa
Composição do Custo
Serviços Principais: atividades de produção diretamente relacionadas a
obra (estrutura, alvenaria, impermeabilização, etc)

Serviços Acessórios: atividades necessárias a execução de um serviço


mas não estão compreendidas no procedimento de execução ou na sua
composição unitária (arrasamento de estacas, escavação e reaterro de
valas, colocação de vergas, etc)

Criar lista modelo de serviços para cada tipo de obra, para auxiliar no
mapeamento dos serviços a serem identificados.

Usar a mesma estrutura para todas as obras similares.

Saiba mais sobre os tipos de serviços, veja exemplos


práticos, fotos de obra e projetos; leia o Artigo:
“Planejamento de Obra: os 3 tipos de serviço que impactam
diretamente”

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 42


2ª. Etapa
Composição do Custo
EAP – Estrutura Analítica de Projeto
ou em inglês WBS (Work Breakdown Structure) – Estrutura analítica do
trabalho.

A EAP é estruturada em árvore hierárquica, utilizada para evidenciar o que


é realmente necessário para a execução da obra, desmembrando as fases
e facilitando a realização das tarefas.

Por meio da EAP serão programadas as atividades da obra, os custos, o


gerenciamento de riscos, a distribuição de tarefas, etc.

Regras de elaboração:

‒ "8 – 80": o menor nível de trabalho não deve ser inferior a 8 horas e
não maior do que 80 horas;

‒ Regra dos 100%: inclui 100% do trabalho definido pelo escopo (todos
os serviços identificados).

A atenção a essas regras é fundamental para elaboração do Planejamento


e do Orçamento.

Orçamento e Planejamento devem possuir a mesma EAP


(ao menos até certo nível hierárquico) para que seja
possível a correlação do gasto com o andamento físico,
como usado no Gerenciamento do Valor Agregado (EVM)

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 43


2ª. Etapa
Composição do Custo
Passo 5: Levantamento de Quantitativos

Cada serviço identificado precisa ser quantificado.

O levantamento de quantitativos é uma das principais tarefas do


orçamentista (é uma atividade técnica muito importante).

Um pequeno erro de conta pode gerar um erro de enormes proporções e


consequências terríveis.

No caso de licitações em que o órgão contratante fornece a planilha de


quantidades, é importante que o orçamentista obtenha seus próprios
quantitativos.

A identificação de discrepância nas quantidades pode ser de grande valia


quando do desbalanceamento do orçamento (veremos no Passo 12).

O levantamento de quantitativos inclui cálculos baseados em dimensões


precisas fornecidas no projeto (volume de concreto armado, área de
telhado, área de pintura, etc.) ou em alguma estimativa (volume de
escavação em solo, quando são dados perfis de sondagem, por exemplo).

Importante alinhar os critérios de levantamento com os utilizados pelo


contratante.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 44


2ª. Etapa
Composição do Custo
Caderno de Encargos: coletânea de orientações editadas geralmente por
uma empresa contratante, de forma a uniformizar condutas dos projetistas,
construtores e fiscais de obra. É uma referência que deve ser obedecida
na concepção e execução da obra.

Um caderno de encargos pode conter descrições e diagramas da


metodologia executiva de um serviço (por exemplo, requerimentos de
escoramento de vala), detalhes construtivos (porta da entrada das
agências bancárias, guarita de aterro sanitário, etc.), lista de verificação de
itens para fiscalização de campo (liberação de concretagem, por exemplo),
critérios de medição de pagamento (definindo se o telhado é pago na
dimensão real ou em projeção horizontal, etc.), requisitos de aceitação de
serviço e outras definições.

Assista aos Vídeos:


3 Erros FATAIS no levantamento de alvenaria
para Orçamento de Obra

Levantamento Estrutural para Orçamento de


Obra

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 45


2ª. Etapa
Composição do Custo

ATENÇÃO

Siga os critérios de levantamento indicados dos documentos oficiais da


obra (edital, memoriais, caderno de encargos, etc.)

Realize primeiro o levantamento dos serviços relacionados aos custos


diretos, depois aos indiretos.

Não incorpore perdas no levantamento, use os valores exatos.

Cuidado com os arredondamentos de quantitativos de projeto.

Nunca faça o levantamento por tipo de acabamento e sim por ambientes


ou elementos construtivos.

Mantenha registro de todas as versões dos projetos e documentos usados


nos levantamentos.

Utilize os levantamentos para criação e aferição de índices construtivos,


úteis nas parametrizações e estimativas de custos.

Lance nas planilhas as operações matemáticas e não as contas feitas


(rastreabilidade e flexibilidade de atualização)

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 46


2ª. Etapa
Composição do Custo
Passo 6: Custos Diretos

Representam o custo orçado dos serviços levantados.

A unidade básica é a composição de preços, que podem ser:

− unitários: referendados a uma unidade de serviço (quando ele é


mensurável - ex.: kg de armação, m3 de concreto);

− verba: quando o serviço não é traduzido em uma unidade


fisicamente mensurável (ex.: elevador, gerador, paisagismo, etc), conforme
estratégia de gestão dos contratos

Cada composição de preço unitário contém os insumos do serviço com


seus respectivos índices (quantidade de cada insumo requerida para a
realização de uma unidade do serviço) e valor (provenientes da cotação de
preços e da aplicação dos encargos sobre a hora-base do trabalhador).

Nesse momento os preços de mercado ainda não são conhecidos, a


cotação vem posteriormente.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 47


2ª. Etapa
Composição do Custo
Composição Unitária (ex: TCPO)

Composição Unitária (ex: SINAPI)

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 48


2ª. Etapa
Composição do Custo
Composição de custos unitários ou Composição de Preços Unitários - CPU

Associar uma Composição de Preço Unitário para CADA serviço


levantado.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 49


2ª. Etapa
Composição do Custo

ATENÇÃO

Cuidados com serviços agrupados (ex: fabricação, montagem e


desmontagem de forma; marcação, elevação e aperto de alvenaria, etc).

Separar o serviço por tipo (ex: estrutura – pilar, viga, laje, escadas,
reservatórios, etc.)

Avaliar os índices conforme características da obra, condições de trabalho


e procedimentos adotados (produtividade variável).

Cuidado com as perdas incorporadas nas composições.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 50


2ª. Etapa
Composição do Custo
Passo 7: Custos Indiretos

Os custos indiretos são aqueles que não estão diretamente associados


aos serviços de campo em si, mas que são necessários para que tais
serviços possam ser feitos.

Não confundir com Atividade Acessória!

Dependem da quantidade, características e planejamento dos serviços


associados aos custos diretos.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 51


2ª. Etapa
Composição do Custo
Nessa fase são dimensionadas:

‒ equipe técnica (engenheiros, mestres, encarregados);

‒ equipe de apoio (almoxarife, apontador);

‒ equipe de suporte (secretária, vigia);

‒ gastos gerais da obra (contas, materiais de escritório e limpeza, etc.);

‒ mobilização e desmobilização do canteiro;

‒ taxas e emolumentos;

‒ entre outras despesas.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 52


2ª. Etapa
Composição do Custo
E os equipamentos, EPI e EPC?

Como dimensionar e alocar os gastos com:

‒ Equipamentos de transporte vertical;

‒ Limpeza;

‒ Segurança do Trabalho;

‒ Equipamentos em geral (betoneiras, andaimes, etc)

Opções:

‒ Criar item específico na EAP para cada um;

‒ Incorporar nos itens da EAP dos serviços de custos diretos.

Qual é o certo?

Depende da forma de uso dos dados do 2º objetivo do Orçamento!

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 53


2ª. Etapa
Composição do Custo

ATENÇÃO

Avaliar proporção Custos Diretos x Custos Indiretos (particular de cada


obra e empresa)

Alterações de prazo tem forte impacto nos Custos Indiretos (dependência


do planejamento)

Requisitos contratuais tem forte impacto sobre os Custos Indiretos


(segurança do trabalho, áreas de vivência, equipamentos, depósitos, etc)

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 54


2ª. Etapa
Composição do Custo
Passo 8: Cotação de Preços

Consiste na coleta de preços de mercado para os diversos insumos da


obra, tanto os que aparecem no custo direto, quanto no custo indireto.

É importante que esta etapa seja feita após a seleção das composições de
custos, para que se tenha uma relação completa de todos os insumos do
orçamento e suas quantidades.

Obter junto a fornecedores os preços de venda, em número suficiente a


comparação e tomada de decisão (qual valor usar?)

Atenção para:

‒ Data da cotação (validade);

‒ Disponibilidade de atendimento;

‒ Quantidade total e plano de entrega (capacidade do fornecedor);

‒ Especificações técnicas (materiais e equipamentos);

‒ Equalização técnica (prestadores de serviços);

‒ Critérios de reajustamento;

‒ Obrigações acessórias (frete, manutenção, logística reversa, etc)

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 55


2ª. Etapa
Composição do Custo
Registrar as cotações realizadas.

Arquivar todas as propostas recebidas (materiais, equipamentos e


prestação de serviço).

Equalização técnica e comercial das propostas.

Usar as mesmas condições comerciais a serem adotadas na execução da


obra.

Não usar (apenas) último valor negociado de outra obra.

Realizar cotações mesmo na obrigatoriedade de uso de Fontes Oficiais.

Lançar nas Composições de Preços Unitários, os preços unitários obtidos


nas cotações!

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 56


2ª. Etapa
Composição do Custo

ATENÇÃO

Observar as unidades comerciais e menor unidade ou quantidade de


entrega.

Exemplo: Quantidade levantada de cimento: 80kg

Deve ser orçado/cotado 100kg (2 sacos de 50kg)

E no caso da mão de obra?

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 57


2ª. Etapa
Composição do Custo
Passo 9: Encargos Sociais e Trabalhistas

Definição do percentual de encargos sociais e trabalhistas a ser aplicado à


mão-de-obra.

Buscar assessoria qualificada (contabilidade), pois possui grande variação.

▪ Impostos e Direitos: incidem sobre a hora trabalhada (custos diretos)

▪ Benefícios e outros custos: não dependem da quantidade de horas


trabalhadas (custos indiretos).

Formas de lançamento:

‒ Direto no custo unitário do insumo;

‒ Criar composição contendo insumo + encargos

‒ Sobre a mão de obra na composição de preço unitário

‒ Em item específico (custos indiretos) - não recomendo

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 58


2ª. Etapa
Composição do Custo
Aplicar os Encargos Sociais e Trabalhistas aos insumos relacionados a
mão de obra de todos os itens do Orçamento.

Fechamento do Orçamento de Produção

V á l i d o p a r a q u a l q u er t i p o d e O b r a o u S e r vi ç o d e
E n g e n h ar i a.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 59


2ª. Etapa
Composição do Custo

ATENÇÃO

Não transformar custos fixos (alimentação, vale transporte, etc) em valores


ou percentuais sobre a hora trabalhada.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 60


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Nessa etapa o Orçamento de Produção é transformado em Orçamento de
Venda.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 61


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Passo 10: Definição da Lucratividade

Baseado nas condições específicas da obra e da empresa, deve-se definir


a lucratividade desejada.

Mas o que é Lucratividade?

Antes, precisamos entender o que é Lucro!

Lucro é dado pela receita de vendas menos as deduções (impostos,


devoluções e abatimentos), despesas e custos.

Lucro = Receita – Impostos – Despesas – Custos

reorganizando,

Receita – Lucro – Impostos = Despesas + Custos

Receita: valor recebido pela venda da obra ou serviço

Impostos: remuneração do município, estado e federação (obrigação)

Despesas: gastos para operação da empresa

Custos: gastos para a produção da obra ou serviço

Lucro: remuneração da empresa (desenvolvimento e crescimento)

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 62


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Lucro deve ser tratado como uma obrigação junto a empresa, semelhante
aos impostos.

Não é o que sobra!

Receita – Lucro – Impostos = Despesas + Custos

e não

Receita – Impostos = Lucro + Despesas + Custos

Lucratividade é um percentual que indica o ganho obtido sobre as vendas


realizadas.

Lucratividade = (Lucro / Receita) x 100

Como a lucratividade é dada em percentual, torna-se bastante útil para a


comparação de empresas, mesmo de tamanhos ou setores distintos.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 63


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Fatores que influenciam na definição da lucratividade:

‒ concorrência;

‒ posicionamento no mercado;

‒ interesse em conquistar a obra ou serviço (ex: fluxo de caixa, alocação


de equipe, etc)

A estratégia da empresa deve ser avaliada para cada obra ou serviço.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 64


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento

ATENÇÃO

Lucratividade não é um valor fixo

Não considerar o lucro como “o que sobra” após todos os gastos

Importante conhecer bem todos os gastos da produção (custos) e da


operação da empresa (despesas)

Depende da Gestão Empresarial

Alinhado com os objetivos do Orçamento

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 65


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Passo 11: Cálculo do BDI

Esse é um assunto bastante polêmico na Orçamentação e por isso gera


muitas dúvidas.

Vamos resolver esse assunto de vez!

Antes de denominações teóricas e fórmulas complicadas, vamos começar


com um exemplo simples e prático.

Imagine uma obra hipotética, composta apenas por 4 serviços, aos quais o
construtor terá que apresentar os preços de venda e participar de uma
concorrência.

Sejam os serviços conforme tabela a seguir:

Serviço Unid. Qtde

Escavação m³ 10,00

Forma m² 40,00

Armação kg 520,00

Concreto m³ 6,00

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 66


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Após o lançamento das composições unitárias nos serviços, o engenheiro
montou uma tabela resumida dos custos para cada item e chegou ao
custo direto total da obra:

Serviço Unid. Qtde Custo/unid Custo/total

Escavação m³ 10,00 R$ 10,00 R$100,00

Forma m² 40,00 R$ 20,00 R$ 800,00

Armação kg 520,00 R$ 5,00 R$ 2.600,00

Concreto m³ 6,00 R$ 250,00 R$ 1.500,00

TOTAL (custo direto) R$ 5.000,00

O montante de R$ 5.000,00 não é ainda o preço de venda; é apenas o


custo direto.

Falta considerar ainda:

‒ os custos indiretos (gastos relacionados a produção, mas sem relação


direta com as quantidades produzidas);

‒ as despesas (gastos relacionados a operação da empresa);

‒ o lucro;

‒ os impostos.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 67


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Um detalhe, as despesas podem ser compostas por duas parcelas:

‒ gastos de operação geral da empresa (administração, jurídico,


escritório central, etc)

‒ gastos da empresa relativos apenas a essa obra (riscos, seguros,


gasto financeiro, eventuais)

Usando alguns números para exemplificar:

Valor absoluto (gastos


Custos Indiretos R$ 500,00
relacionados a produção)

Administração Rateio (valor definido pela


R$ 50,00
Central empresa)

Riscos e Eventuais R$ 50,00 Estimativa conforme contrato

Impostos 10% Sobre receita

Lucro 10% Sobre receita

Usar valor absoluto ou relativo (percentual)?

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 68


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Para chegar ao preço de venda (receita) preciso identificar 2 dados:

- Gasto total (custos + despesas)

- Receita líquida (receita – impostos – lucro)

Lembrando da equação do Passo 10: Definição da Lucratividade:

Receita – Lucro – Impostos = Despesas + Custos

Primeiro, vamos calcular a parcela dos gastos: Despesas + Custos

Gastos: Despesas + Custos

Custos Diretos R$ 5.000,00

Custos Indiretos R$ 500,00

Administração Central (gasto geral) R$ 50,00

Riscos e Eventuais (gastos do contrato) R$ 50,00

Total R$ 5.600,00

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 69


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Assim, temos:

Receita – Lucro – Impostos = 5.600,00 (1)

Vamos as parcelas do Lucro e Impostos

Estes são dependentes da Receita, pois só existem se existir a Receita e


são proporcionais a ela.

No nosso exemplo, cada um corresponde a 10%.

Sendo a Receita (R):

Lucro = 10% da Receita ou 0,10xR

Impostos = 10% de Receita ou 0,10xR

Aplicando na equação (1):

R – 0,10R – 0,10R = 5.600,00

R – 0,20R = 5.600,00

0,80R = 5.600,00

R = (5.600,00/0,80) = 7.000,00, este é o Preço de Venda

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 70


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Vamos conferir:

(“Engenheiro não confia, confere!”)

Receita – Lucro – Impostos = Custos + Despesas

7.000,00 – 700,00 – 700,00 = 5.000,00 + 500,00 + 50,00 + 50,00

5.600,00 = 5.600,00

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 71


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Então, se desejamos participar da concorrência com uma proposta de
R$7.000,00 e temos que informar apenas o preço dos quatro serviços da
obra, teremos que diluir sobre o custo direto todos os outros gastos.

Como fazer isto?

É simples: se o custo direto é R$ 5.000,00 e queremos chegar a um preço


de venda de R$ 7.000,00, temos que aplicar um coeficiente de
majoração sobre os custos diretos.

Tal coeficiente é dador por:

7.000,00 / 5.000,00 = 1,40

O fator 1,40 corresponde a um acréscimo de 40% sobre cada custo direto


para se ter o preço unitário de venda de cada serviço.

A este fator dá-se o nome de Bonificação (ou Benefício) e Despesas


Indiretas (BDI), que também aparece na literatura como LDI (lucro e
despesas indiretas).

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 72


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Assim, o Orçamento de Venda da obra será:

Preço/unid – R$
Preço total
Serviço Unid. Qtde (custo unitário x
R$
1,40)
Escavação m³ 10,00 14,00 140,00

Forma m² 40,00 28,00 1.120,00

Armação kg 520,00 7,00 3.640,00

Concreto m³ 6,00 350,00 2.100,00

TOTAL 7.000,00

O BDI pode então ser expresso em taxa (ex: 1,40) ou em termos


percentuais (ex: 40%).

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 73


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Vamos agora a algumas análises importantes sobre a composição do BDI.

Vamos chamar a Receita de Preço de Venda, apenas para alinhar


nomenclatura pois para haver a receita dependemos do contratante.

Já o Preço de Venda independe de ter fechado o acordo ou não.

Como o Lucro e os Impostos são função do Preço de Venda, devem ser


expressos em termos percentuais deste:

Imposto (i): xi PV Lucro (l): xl PV, temos

PV – xi PV – xl PV = Despesas + Custos

PV (1 – xi – xl) = Despesas + Custos

PV = (Despesas + Custos) / (1 – xi – xl)

Voltando ao nosso exemplo, temos:

PV = (Despesas + Custos) / (1 – xi – xl)

PV = ( 5.000,00 + 500,00 + 50,00 + 50,00 ) / ( 1 – 0,10 – 0,10)

PV = 5.600,00 / 0,80 = 7.000,00

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 74


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento

Não existe UMA fórmula para cálculo do BDI.

BDI não é um valor e sim um processo de obtenção do índice de


majoração a ser aplicado sobre o Orçamento de Produção para
obtenção do Preço de Venda (Orçamento de Venda).
– Daniel Funchal

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 75


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Composição do BDI

O BDI pode, por exemplo, ser composto dos seguintes elementos:

‒ Despesas: gastos que não fazem parte dos custos da obra, mas são
necessários para sua execução.

‒ Riscos, Imprevistos e Contingências: para cobrir riscos de eventuais


incertezas decorrentes de omissão de serviços, modalidade de
contratação, épocas de chuvas, etc.

‒ Despesa Financeira: para compensar a perda monetária referente à


defasagem entre o momento do desembolso (gastos com a execução
dos serviços) e o momento do recebimento do pagamento, que pode
variar de alguns dias até meses após a medição dos serviços.

‒ Tributos: os impostos inclusos como despesa tributária, são aqueles


que incidem sobre o faturamento, ou seja, sobre o preço de venda, pois
os demais já foram considerados nos custos dos materiais,
equipamentos e mão de obra.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 76


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
‒ Marketing e Comercialização: gastos relacionadas à divulgação da
empresa e participação de licitações, que devido à taxa de insucesso
não podem ser alocadas como custos diretos. (ex: publicidade em
revistas técnicas, anúncios e folder de apresentação; compra de
editais, preparação de propostas técnicas, despesas cartoriais, cópias
e plotagens; representante comercial, viagens e hospedagens; e
promoção de eventos, brindes e contribuições beneficentes).

‒ Benefício/Lucro: nível de lucratividade almejado em um


empreendimento, como remuneração financeira pela prestação do
serviço.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 77


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Para estes elementos, uma equação que atende a estes parâmetros e
pode representar o BDI é dada por:

, com resultado em forma de índice

Sendo:

i = taxa de Administração central (Despesa)

r = taxa de risco do empreendimento

f = taxa de despesa financeira

t = taxa de tributos federais

s = taxa de tributo municipal

c = taxa de despesa de comercialização

l = lucro ou remuneração líquida da empresa

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 78


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento

ATENÇÃO

Fatores que variam conforme outros devem ser expressos em percentuais,


de outra forma não (atenção para as despesas).

A estrutura do Preço de Venda deve ser feita por obra ou serviço e não
uma regra geral.

Não existe uma fórmula mágica para BDI muito menos um valor definido
(independente de instruções legais e contratuais)

O BDI transforma o Orçamento de Produção em Orçamento de Venda.

Assista ao Vídeo:
SINAPI e BDI: Cuidado com os Editais de
Licitação

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 79


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Passo 12: Desbalanceamento

Nada obriga a empresa a aplicar o BDI linearmente, ou seja, o mesmo BDI


para todos os custos do orçamento.

Ela pode atribuir um BDI diferente para itens, ou grupo de itens,


específicos da planilha orçamentária, de acordo com sua estratégia
comercial.

A esse processo se dá o nome de Desbalanceamento.

O desbalanceamento é utilizado como ajuste fino, onde avalia


individualmente os itens da planilha orçamentária visando maior precisão e
segurança na obtenção do preço final.

Pode-se, por exemplo, usar um BDI mais elevado para compensar uma
maior incerteza de um determinado insumo ou etapa da obra mais sensível
a intempéries, ou um BDI menor para reduzir a incidência das despesas
com administração central sobre atividades industrializadas e terceirizadas.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 80


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
O desbalanceamento possibilita obter vantagem da seguinte forma:

✓ Aumentando o preço de serviços que ocorrem cedo na obra e


diminuindo o preço dos serviços que ocorrem mais perto do fim;

✓ Aumentando o preço dos serviços cujo quantitativo tende a crescer e


diminuindo o preço daqueles cujo quantitativo tende a ser menor do
que o da planilha.

O Desbalanceamento é uma "jogada de preços" na planilha, com


ou sem alteração do preço de venda.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 81


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento

ATENÇÃO

Restrições impostas pelo contratante, licitante ou agente financeiro.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 82


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Passo 13: Fechamento do Orçamento

A aplicação do BDI e o Desbalanceamento (os dois itens anteriores desta


última etapa) encerram a parte dos cálculos na Orçamentação, mas não
finalizam o Orçamento.

O Orçamento não é apenas uma lista de serviços e preços ,


como uma lista de mercado, é uma atividade técnica e deve
ser desenvolvida como tal.

Assim como nos projetos e laudos técnicos, o Orçamento deve ser


acompanhado de toda sua fundamentação.

Mas antes precisamos gerar uma informação muito importante,


fundamental para gestão da obra, a Curva ABC.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 83


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Curva ABC

A curva ABC é uma ferramenta de gestão de custos, representada por uma


tabela ou lista, organizada de modo a destacar os itens - insumos, mão de
obra e equipamentos - que mais pesam no custo total de uma obra ou de
um serviço.

Assim, os elementos mais relevantes da obra aparecem logo nas primeiras


linhas, facilitando sua visualização e controle.

A coluna mais importante é a que mostra o preço total dos itens descritos
na tabela. Com base nesse critério, os elementos são distribuídos em
ordem decrescente (os valores maiores em cima e os menores embaixo).

Com esse tipo de organização é possível visualizar os materiais e serviços


mais importantes (em relação ao peso financeiro).

Além disso, ela ajuda a dividir responsabilidades: o gerente da obra, mais


experiente, deve acompanhar de perto a negociação dos insumos e
serviços mais caros do orçamento (por exemplo).

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 84


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
A negociação e compra dos itens mais baratos da obra podem acontecer
de forma “menos rigorosa”.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 85


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
E quais são as utilidades da Curva ABC?

✓ Hierarquia de insumos e serviços: Basta ler o topo da tabela para


saber quais são os insumos e serviços economicamente mais
importantes.

✓ Prioridade na negociação: As negociações e cotações devem se


focar nos insumos ou serviços do topo da tabela (faixa A). Um desconto
pequeno nestes itens pode representar uma economia mais importante
do que um desconto grande nos da parte inferior (faixa C).

✓ Atribuição de responsabilidades: A compra dos principais insumos e


a contratação dos principais serviços deve ter participação ativa do
gerente da obra, já que existe um grande potencial de barateamento do
custo total. Já a compra e contratação de insumos e serviços que
geram menos gastos podem ser delegados a outras pessoas.

✓ Avaliação de impactos: Quanto mais para cima o item estiver na


tabela, maior será o impacto de variações de preços (positivas ou
negativas) no orçamento. No andamento da obra, isso é importante
quando o construtor quer mostrar ao cliente que ela encareceu devido
ao aumento de preço de um item que tem grande peso no orçamento.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 86


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento

Curva ABC não faz parte do processo de Orçamentação, ela é


um produto deste.

Saiba mais sobre Curva ABC, leia o Artigo:


“Curva ABC: uma eficiente ferramenta para reduzir custos e
aumentar a produtividade nas obras”

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 87


3ª. Etapa
Fechamento do Orçamento
Finalizando

Para o fechamento do Orçamento, último passo da última etapa de


orçamentação, devem ser reunidos os seguintes dados:

i. Memorial Descritivo do Orçamento, contento:

✓ a relação de TODOS os documentos utilizados, com suas referências


completas (emissão, revisão, elaborador, etc);

✓ critérios de levantamento utilizados e suas fontes;

✓ considerações sobre prazos e atividades acessórias;

✓ emails e quaisquer outros documentos que contenham informações


adicionais solicitadas durante o processo de orçamentação;

ii. Relatório da Visita Técnica (dados usados no Orçamento)

iii. Cotações de preços e propostas comerciais recebidas

iv. Levantamento de Quantitativos

v. Curva ABC de Materiais (se possível também de Serviços e Mão de


Obra)

vi. Planilha do Orçamento de Venda

vii. Resumo Geral com os dados consolidados e indicadores do Orçamento

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 88


#03
GESTÃO DE
CUSTOS
Gestão de Custos
O curso “Como Orçar uma Obra” apresenta ainda algumas ferramentas
práticas para uso do Orçamento no Planejamento da Obra; nas rotinas de
Monitoramento e Controle; e como ferramenta de Gestão de Custos.
Todas as planilhas e ferramentas usadas são mostradas em detalhes, com
aulas práticas e um passo a passo de como usá-las nas rotinas do canteiro
de obra.
Esse assunto já entra em um nível mais avançado do tema e tratá-lo aqui,
nesse livro, pode gerar confusão, até mesmo prejudicar na compreensão
do assunto principal, a Orçamentação.
Mas, para que tenha as primeiras noções do assunto, vou apresentar os
tópicos abordados no curso e suas principais características.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 90


Ferramenta de Gestão
Método passo a passo de como realizar o controle periódico dos gastos de
cada uma das atividades da obra; comparar com os dados anteriores,
analisar as economias ou gastos excedidos; calcular os gastos futuros; e
estabelecer os planos de ação que podem ser tomados para ajustar o
curso da obra ou tirar proveito das vantagens identificadas.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 91


Modulação de Equipes
Aprenda a usar os dados do Orçamento para dimensionar equipes de
trabalho; estabelecer e analisar produtividade das equipes; definir metas
de produção por período de trabalho; e reequilibrar o orçamento conforme
características de cada obra que impactam na produtividade da mão de
obra.

Assista ao Vídeo:
“Dimensionamento de equipes de obra. O
impacto do Cronograma no Orçamento”

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 92


Produtividade e Consumos
Análise de fatores que impactam na produtividade da mão de obra e no
consumo de materiais.

Como identificar, usar as informações corretas no orçamento e ajustar as


composições de forma a retratar a realidade de cada obra e evitar furos no
orçamento e gastos não previstos

Assista ao Vídeo:
“Armadilhas da produtividade nas obras”

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 93


Integração com
Planejamento
A importância de desenvolver Planejamento e Orçamento em conjunto.

Como usar os dados de ambos na análise da performance da obra e evitar


gastos não previstos, baixa produtividade, maior consumo de materiais,
retrabalho e estouro de prazo.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 94


Compatibilização de
Projetos

Processo de integração das atividades relacionadas ao desenvolvimento


dos projetos necessários a obra, de forma que atendam adequadamente a
1ª Etapa da Orçamentação e sem depender de sistemas ou softwares
específicos.

Assista ao Vídeo:
“[Palestra] Compatibilização de Projetos”

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 95


Valor Agregado
O princípio do Valor Agregado está na relação entre os custos reais
incorridos e o trabalho realizado.

O foco está na comparação do que foi gasto para obtê-lo com o que se
havia previsto em gastar para obter o mesmo trabalho.

Essa comparação entre custo previsto e realizado acontece


simultaneamente à comparação dos prazos previstos e realizados para
executar do trabalho.

Para saber mais sobre Gerenciamento do Valor Agregado;


leia o Artigo:

“Gerenciamento do Valor Agregado: ema excelente


ferramenta para gestão de obras”

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 96


Indicadores de
Desempenho
Como identificar, criar e analisar os indicadores de desempenho para
medir os processos e os resultados, de forma a sinalizar possíveis desvios
em relação ao Orçado ou Planejado, ou mesmo contribuir para redução
dos gastos e melhoria na eficiência dos processos.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 97


REFERÊNCIAS
Referências
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão financeira: uma abordagem introdutória.
3. ed. Manole, 2014.

CRUZ, June Alisson Westarb: Gestão de custos: perspectivas e


funcionalidades. InterSaberes, 2012.

DIAS, Paulo Roberto Vilela. Engenharia de Custos: metodologia de


orçamentação para obras civis. 9a ed. IBEC, 2011

DIAS, Paulo Roberto Vilela. Engenharia de Custos: Estimativa de Custo de


Obras e Serviços de Engenharia. 2a. ed. IBEC, 2011

DIAS, Paulo Roberto Vilela. Engenharia de Custos: Novo Conceito de BDI.


5a. ed. IBEC, 2012

GITMAN, Lawrence J. Princípios da administração financeira. 12. ed.


Pearson Prentice Hall, 2010.

MATTOS, Aldo Dórea. Como preparar orçamentos de obras: dicas para


orçamentistas, estudos de casos, exemplos. Pini, 2006.

PRAGA, Pedro. Cálculo do preço de venda na construção civil. Pini, 2003.

SAMANEZ, Carlos Patricio. Engenharia econômica. Pearson Hall, 2009.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 99


Referências
SANTOS, Luiz Fernando Barcellos dos. Gestão de custos: ferramentas
para tomada de decisões. InterSaberes, 2013.

SCHIER, Carlos Ubiratan da Costa. Gestão de Custos. InterSaberes, 2013

TISAKA, Maçahico. Como evitar prejuízos em obras de construção civil:


Construction CLAIM. Pini, 2011.

TISAKA, Maçahiko. Orçamento na construção civil: consultoria, projeto e


execução. Pini, 2006.

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 100


BÔNUS
Bônus

Comunidade Fechada no Facebook


Junte-se a [Comunidade] Como Orçar uma Obra e tenha acesso a
conteúdos exclusivos, debates, aulas extras, esclarecimento de dúvidas,
networking e muitos mais.

Para participar, basta clicar no link abaixo e solicitar sua participação!

[Comunidade] Como Orçar uma Obra

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 102


CONECTE-SE
COMIGO
Conecte-se comigo
Assine meu Canal no YouTube
Diversos vídeos para você estudar e aprender mais
sobre Construção Civil e desenvolvimento de
carreira

Curta minha página no Facebook


Conteúdos extras sobre Orçamento, Planejamento e
Gerenciamento de Obras para ajudar a alavancar
sua carreira.

Visite meus perfis no Instagram e LinkedIn

@daniel.funchal in/dfunchal

Conheça também:

Daniel Funchal ® Todos os direitos reservados 104


COMO ORÇAR
UMA OBRA

MÉTODO COMPLETO
PARA ORÇAR E PRECIFICAR
O B R A S E S E R V I Ç O S D E E N G E N H ARIA

DANIEL FUNCHAL