Você está na página 1de 55

Engenharia Bioquímica

AULA 4

Profª Ana Katerine de Carvalho Lima Lobato


Sumário
Biorreatores

 Conceito
 Classificação dos biorreatores
 Reatores em fase aquosa
 Reatores em fase não-aquosa
 Seleção de um biorreator
Biorreatores
Biorreatores, reatores bioquímicos ou reatores
biológicos são reatores químicos nos quais ocorrem
uma série de reações catalisadas por
biocatalisadores

Enzimas Células vivas


• Microbianas
• Animais
• Vegetais

Bactéria Animal Vegetal


 Formas possíveis de classificar os biorreatores

Configuração do
Tipo de
biocatalisador
biocatalisador
Livre ou imobilizado
Célula ou enzima

Forma de agitar o líquido


no reator
STR, pneumático,
fluxo pistonado
 Quanto ao tipo de catalisador

◦ Reatores bioquímicos ou enzimáticos


 Biorreatores nos quais as reações ocorrem na ausência de células vivas

◦ Reatores biológicos
 Biorreatores nos quais as reações se processam na presença de células vivas
◦ Kleinstreuer – configuração mista

Mais
abrangente

 Tipo de biocatalisador
 Enzima, microrganismo aeróbico ou anaeróbico
 Configuração do biocatalisador
 Livre, imobilizado ou confinado entre membranas
 Schmidell & Facciott

Reatores em fase aquosa


(Fermentação submersa)

Biorreatores

Reatores em fase não-aquosa


(Fermentação semi-sólida)
I. Reatores em fase aquosa (fermentação submersa)
Agitados Mecanicamente

Células/Enzimas Agitados Pneumaticamente


Livres Fluxo Pistonado

Reatores em fase aquosa Células/Enzimas Leito Fixo


(Fermentação submersa) Imobilizadas Leito Fluidizado

Células/Enzimas Membranas planas


Confinadas Fibra oca
I. Reatores em fase aquosa (fermentação submersa)
Biocatalisadores
livres

“plug -flow”

Biocatalisadores
imobilizados

Biocatalisadores
confinados “hollow fiber”
II. Reatores em fase não-aquosa (fermentação semi-sólida)

Estático (Bandejas)

Reatores em fase não-aquosa Agitado (Rotatório)


(Fermentação semi-sólida) Leito Fixo

Leito Fluidizado (gás-sólido)


II. Reatores em fase não-aquosa (fermentação semi-sólida)

Gás
Leito fixo

Bandejas Tambor rotativo


Gás

Leito fluidizado
Gás/sólido
 Quanto a capacidade dos biorreatores

•Capacidade: 2 m3
Reatores •Utilização:
pequenos •Cultivo de MOs patogênicos
•Crescimento de células animais e vegetais

•Capacidade: 10 – 200 m3
Reatores
•Utilização:
intermediários
•Produção de enzimas, antibióticos e vitaminas

•Capacidade: Alguns milhares de m3


Reatores •Utilização:
grandes •Processos que exigem pouca ou nenhuma assepsia
•Fermentação alcoólica, tratamento biológico de resíduos
Reatores agitados mecanicamente – STR

Conhecidos também como reatores de


mistura, constituindo cerca de 90% do
total de reatores utilizados
industrialmente

 Tanque cilíndrico vertical (H:D- 2:1;3:1)


 Agitado mecanicamente
 Provido de sistema de aquecimento e
resfriamento
 Demais controles necessários ao processo
(pH, oxigênio dissolvido...)
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas livres

Reatores agitados mecanicamente – STR


 Agitação mecânica favorece a homogeneização
 Suspensão de sólidos
 Dispersão gás-líquido
 Aeração
 Transferência de calor e massa
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas livres
Reatores agitados mecanicamente – STR
 Agitadores ou impelidores

◦ Fluxo radial - menos eficiente que o axial – bactérias e leveduras (fungos


unicelulares)

Turbina RUSHTON Turbina Paddle


◦ Fluxo axial - deficiente na quebra de bolhas – não apropriados para cultivos
aerados – cultura de células animais e fungos filamentosos

Hélice com
Hélice marinha fluxo duplo
Reatores agitados mecanicamente – STR

 Vantagens
◦ Fácil controle da dispersão de gás Alteração da velocidade
de agitação
◦ Fácil controle da agitação do meio
◦ Dispersão de gás eficiente
◦ Emprego nas fermentações com meios viscosos
◦ Possibilidade de trabalhar com vazões de aeração reduzidas
 Desvantagens
◦ Necessidade de grande potência de agitação
◦ Geração de grandes quantidades de calor (problemas na remoção)
◦ Tensões de cisalhamento elevadas – impróprios para alguns tipos
de células
◦ Custos de construção e manutenção elevados (selagens mecânicas
e potência de agitação)
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas livres

Reatores agitados pneumaticamente

 Agitação por borbulhamento de gás


 Menores tensões de cisalhamento
 Cultivo de células animais e vegetais
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas livres
Reatores agitados pneumaticamente

 Coluna de bolhas

 Movimentação aleatória do líquido


 Reator simples e barato
 Função – proporcionar o contato entre as fases líquidas e
gasosas
 Limitação – deficiência na transferência de massa L-L e L-S
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas livres
Reatores agitados pneumaticamente

 Air-lift
 Movimentação cíclica do líquido
 Aumento da transferência de massa – coluna de bolha
 Diminuição do custo com agitação - STR
 Coluna de bolha dividida em suas seções distintas

Riser – direcionada para cima,


maior fração volumétrica de
gás na zona de dispersão,
maior transferência de massa

Downcomer – direcionada
para baixo, desprendimento
de gás, menor transferência
de massa
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas livres

Reatores agitados pneumaticamente

 Air-lift
◦ Tipos
 Circulação interna – divisões dentro da coluna de bolhas
 Circulação externa – seções horizontais perto do topo e da base

Tubos concêntricos Corpo dividido


Reatores agitados pneumaticamente

 Vantagens
◦ Design simples, sem partes móveis ou agitador
◦ Baixa exigência energética vs STR
◦ Maior remoção de calor vs STR
◦ Baixo custo
◦ Baixas tensões de cisalhamento

 Desvantagens
◦ Necessidade de trabalhar com elevadas pressões e vazão de ar
◦ Ineficiência na quebra da espuma vs STR
◦ Ineficiência na quebra de bolhas produzidas a partir do fornecimento de ar
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas livres
Reatores fluxo pistonado -Plug-flow
 O inóculo e o meio de cultura são misturados a partir da base
do reator e a cultura flui, idealmente, com uma velocidade
constante sem ocorrer mistura longitudinal (regime laminar)
 O fluxo é contínuo e o tempo dentro do reator é curto, por
isso é utilizado para reações rápidas

Δ𝑆, Δ𝑋 𝑒 Δ𝑃 − 𝑎𝑜 𝑙𝑜𝑛𝑔𝑜 𝑑𝑜 𝑐𝑜𝑚𝑝𝑟𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑑𝑜 𝑟𝑒𝑎𝑡𝑜𝑟


Meio Inóculo
Reatores fluxo pistonado -Plug-flow

 Vantagens
◦ Forma contínua – trabalhar por longos períodos de tempo sem
necessidade de manutenção
◦ Ausência de mistura longitudinal Contato das células com concentrações
baixas de P – indicado para situações de inibição pelo P
◦ Quando necessário elevada área de transferência de calor – variar a
espessura e tamanho dos tubos

 Desvantagens
◦ Difícil controle da temperatura – indesejáveis gradientes de temperatura
◦ Alto custo de manutenção
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas imobilizadas
As células microbianas e/ou enzimas estão aderidas ou
presas em um suporte inerte
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas imobilizadas
Como ocorre a imobilização?
 Através do contato do material utilizado para a imobilização
(suporte) com as células vivas que se pretende imobilizar, sob
condições ambientais controladas

Como escolher um suporte?


 Não ser tóxico para as células
 Ter alta capacidade de retenção
 Ser resistente ao ataque químico e microbiano
 Ter pouca sensibilidade às possíveis solicitações mecânicas
(compressão por peso, tensões de cisalhamento ou pressões
internas ou externas de gases)
 Alta difusividade de substratos e de produtos
Quais os tipos de suporte?
Polímeros naturais Polímeros sintéticos Materiais inorgânicos
Alginato Poliacrilamida Alumina
K-carragena Cloreto de polivinila Sílica
Ágar Poliestireno Zircônia
Pectina Polietileno glicol Vidro
Dextrana Diatomita
Colágeno Vermiculita
Celulose

Quais os métodos de imobilização?


Adsorção, Ligação covalente e Envolvimento

https://youtu.be/bw9iPvc5NwM
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas imobilizadas

Vantagens
 Utilização de altas X  maiores velocidades de processamento
 Operação de sistemas contínuos com velocidade de alimentação
acima da μx máximo (não imobilizada)
 Eliminação de problemas com reciclo externo de células
(sedimentadores, filtros, centrífugas)
 Obtenção de maiores YP/S desejado
 Maior proteção ao sistema biológico em relação ao estresse
ambiental, ocasionado por elevadas [S], pH e cisalhamento
 Facilidade de recuperação do produto e diminuição dos custos
de separação
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas imobilizadas

Desvantagens ou limitações

 Elevadas densidades celulares – alterações reológicas do meio –


redução na transferência de massa G-L
 Imobilização das células – reduzir a velocidade de transporte de
nutriente no interior dos agregados –  viabilidade celular – 
velocidade da reação
Biorreatores
Fermentação submersa Células/enzimas imobilizadas

 Reatores de leito fixo


 Reatores de leito fluidizado
Reatores de leito fixo

O ar, gás inerte ou meio contendo o substrato é injetado e passa


através do leito com as células imobilizadas, a movimentação das
partículas é basicamente inexistente
Reatores de leito fixo
 Aplicação
◦ Tratamento de resíduos (suportes sólidos–filtros biológicos)
◦ Produção de enzimas (suportes gelatinosos)
◦ Biotransformação de esteróides
◦ Produção tradicional de vinagre

https://www.youtube.com/watch
?v=v2oF7P4swrg
Reatores de leito fixo

 Vantagens
• Fácil recuperação do produto
• Utilização de células que não estão crescendo
• Obtenção de velocidades de reação substanciais – [S] significativa
 Desvantagens
• Deficiência na transferência de O2 e nutrientes
• Deficiência na remoção de CO2
• Entupimento (sobre-crescimento da biomassa) e alterações de fluxo
(caminhos preferenciais)
• Homogeneização prejudicada
• Dificuldade de controle de parâmetros de processo (pH, T…)
Reatores de leito fluidizado
O ar é injetado numa velocidade suficiente para manter em
suspensão as células imobilizadas, há uma movimentação
intensa das partículas

 Fluidização do leito – Líquido, gás ou a mistura L-G

  densidades das fases S e fluidas deve ser a maior


possível – elevadas velocidades de circulação

  velocidades de circulação e  transferência de


calor e massa
Reatores de leito fluidizado
Mecanismos para se obter o leito fluidizado

Introdução, na base Reciclo Movimentação interna


da coluna, de ar parcial do do fluido promovida
atmosférico ou gás efluente da por agitação mecânica
inerte (N2 ou CO2) coluna
Reatores de leito fluidizado
 Vantagens
◦ Elevada taxa de transferência e homogeneização
◦ Baixo atrito
◦ Fácil recuperação do produto (não precisa separar as células)
◦ Não há problemas de entupimento como leito fixo
◦ Boa produtividade volumétrica (maior que leito fixo e STR)

 Desvantagens
 Maior tamanho do reator – necessidade de expansão do gás
 Necessidade de uma maior potência de bombeamento – manter o fluido
suspenso e evitar a queda de pressão  custo de energia
 Dificuldade na ampliação de escala – não elucidação dos fluxos de
massa e calor
Reatores com membranas

Caracterizam-se por manterem as células confinadas entre


membranas semipermeáveis, os quais permitem o fluxo de
líquido, mas não a passagem das células

 Reatores de membranas planas


 Reatores de fibra oca
Reatores com membranas

 Vantagens
◦ Normalmente prevê a separação entre os fluxos de nutrientes e
produtos metabólicos
◦ Contribuindo para simplificação das etapas de purificação do
produto
◦ Tensões de cisalhamento mínimas < Air-lift
◦ Utilizado para cultivo de células animais
◦ Menores obstáculos difusionais versus reatores com células
imobilizadas
◦ Trabalhar com elevadas concentrações celulares = RCI
Reatores com membranas planas
Reatores com membranas planas
Reatores com membranas fibra oca
Consiste em um feixe de fibras capilares de
material semipermeável, no interior das quais
ocorre escoamento laminar do meio de cultura,
permanecendo as células retidas na região anular
entre as fibras
Reatores com membranas fibra oca
Reatores com membranas fibra oca
 Vantagens
 Elevada razão área superficial/volume para crescimento celular

 Desvantagens
 Limitações à transferência de massa levando à acumulação de produtos do
metabolismo tóxico – inibição celular
 Impossibilidade de monitoramento do crescimento celular direto por contagem
– métodos indiretos (análise de metabólitos e nutrientes)

 Aplicação
 Produção de anticorpos monoclonais
Biorreatores
Fermentação semi-sólida

A cultura de MOs sobre ou dentro de partículas em matriz sólida

Substrato

Material inerte

Ausência de “água livre”

• Assegure o crescimento e metabolismo da célula


• Não exceda à máxima capacidade de ligação da
água a matriz sólida
 Vantagens
◦ Menor custo de capital e operacional
◦ Menos risco de contaminação (baixa umidade)
◦ Maior facilidade de remoção do produto final
◦ Utilização de fontes de carbono não convencionais insolúveis
◦ Ausência de atrito
◦ Permite o desenvolvimento de estruturas diferenciadas
(importante para formação de alguns produtos – fungos)
 Desvantagens
◦ Dificuldade de controle dos parâmetros físicos durante o cultivo
(gradientes)
◦ Natureza heterogênea do meio devido a dificuldade de
homogeneização
 Reator estáticos (bandejas)
 Reatores com agitação (tambores rotativos)
 Reatores de leito fixo
 Reatores de leito fluidizado gás-sólido
Reatores estáticos (Reatores com bandejas)
Saída de ar
Entrada do inóculo
O meio, contendo os MOs, é Substrato
Bandeja perfurada
adicionado ao reator,
ocorrendo a inoculação do
substrato e incubação por um
determinado t.
Entrada de ar

Extração do produto
• Suspensão do meio com água, Entrada de água

solução-tampão ou solventes
(enzimas, ácidos, álcool...) Saída de água
• Secagem e armazenamento
(bioinseticidas, proteínas
microbianas)
Reatores com agitação (Tambor rotativo)
O substrato é esterilizado e resfriado diretamente no tambor. A
rotação do reator pode ser ocasionada tanto por um eixo
central como pela movimentação de roletes sobre os quais o
fermentador esteja montado

Aeração – passagem de ar
esterilizado e umidificado
– controle da T
Reatores com agitação (Tambor rotativo)
Dificuldades a serem suplantadas

 Custo – volume de material produzido


 Manutenção da integridade do micélio – agitação
 Dificuldade de ampliação de escala
Reatores com leito fixo
• Se promove a passagem de ar ou gás inerte através de um leito
de partículas sólidas
Reatores com leito fluidizado gás-sólido
• A vazão do gás é suficientemente elevada, de maneira a
propiciar a suspensão dos sólidos na corrente gasosa,
promovendo desta maneira, uma melhor condição de
transferência de massa no sistema (nutrientes, oxigênio) e
ainda auxiliando no controle da temperatura
◦ Estudos de mistura
◦ Avaliação da transferência de calor e massa entre as fases
presentes
◦ Avaliação dos custos de construção, operação e manutenção
◦ Obter informações sobre o sistema biológico a ser utilizado
Natureza do Propriedades do meio de Parâmetros bioquímicos
biocatalisador fermentação do processo

Propriedades físicas Taxa de


Estabilidade da
do substrato transferência de
cepa
(líquido ou sólido) oxigênio

Componentes do
Aeróbico ou Dependência da
meio sensível ao
anaeróbico temperatura e pH
calor

Propriedades
Tamanho e forma Necessidades
reológicas (densidade
das células nutricionais
e viscosidade)

Resistência Formação de
mecânica espuma
 Livro Engenharia Bioquímica (Volume 2)
◦ Capítulo 8
◦ Capítulo 13 (parcialmente)
◦ Capítulo 16 (parcialmente)

ATIVIDADE INTEGRADORA
 Artigos sobre biorreatores- Seminários (29/04)
 Importância e aplicação do bioproduto
 Etapas de produção
 Classificação
◦ Tipo de fermentação
◦ Configuração do biocatalisador
◦ Sistema de agitação
◦ Capacidade do biorreator
 Vantagens e desvantagens
 A depender...
◦ Tipo de suporte utilizado
◦ Método de imobilização
◦ Matriz sólida