Você está na página 1de 21

Unidade

 1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

Unidade  1:    
Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  
 

APÓS  O  ESTUDO  DESTA  UNIDADE  VOCÊ  DEVE  SER  CAPAZ  DE:  

• Distinguir  as  descrições  macroscópica  e  microscópica  de  sistemas;    

• Distinguir  os  conceitos  de  temperatura  e  calor;  

• Relacionar  temperatura  e  equilíbrio  térmico;  

• Distinguir  conceitos  de  equilibro  termodinâmico  e  equilíbrio  térmico;  

• Identificar  propriedades  termométricas  e  funcionamento  de  termômetros:  

o Entender  a  escala  Kelvin  absoluta  de  temperatura;  

o Relacionar  escalas  termométricas;  

o Resolver  problemas  relativos  à  dilatação  térmica;

   

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

  LOCALIZAÇÃO  DOS  TÓPICOS  EM  CAPÍTULOS  DE  LIVROS    

LIVRO     AUTORES   EDIÇÕES     SEÇÕES    

Física  II   Sears,  Zemansky,   15.1  -­‐  15.8  


10ª.  
Addison-­‐Wesley     Young      Freedman;   16.1  -­‐  16.2  
14.1  –  14.6  
Física  2  
Sears,  Zemansky,  Young       2ª.   15.1  –  15.5  
LTC    
16.1  –  16.5  

Física  2   22.1  –  22.5  


Livros  Técnicos  e   Resnick,  Halliday,  Krane   4ª.     25.1  –  25.2  
Científicos  S.A     e  25.7  
Física  2   21.1-­‐22.5  
Livros  Técnicos  e   Resnick,  Halliday,  Krane   5ª.    
23.1-­‐23.2  
Científicos  S.A    
EQUILÍBRIO  TÉRMICO,  TEMPERATURA  E  DILATAÇÃO  

The  Feynman  Lectures  on  


Feynman,  Leighton,  Sands      
Physics;  Vol.  I  
Fundamentos  de  Física,   19.2  –  19.7  
vol.2  
Halliday,  Resnick     3ª.   20.1  –  20.3  
Livros  Técnicos  e  
e  20.7  
Científicos  S.A    
Física  2  
Editora  Makron  Books  do   Keller,  Gettys,  Skove   1ª.     16.1-­‐16.6  
Brasil    
Curso  de  Física,  vol.2   7.1  –  7.5  
Moysés  Nussenzveig   3ª.  
Ed.  Edgard  Blücher     8.1  –  8.4  
16.1  –  16.5  
Física,  vol.1b  
Tipler   2ª   18.1  –  18.2  
Ed.  Guanabara    
e  18.4  
Física,  vol.2   15.1  –  15.3  
Tipler   3ª.  
Ed.  Guanabara     16.1  –  16.3  
Física,  vol.2  
Tipler   5ª.   17.1  –  17.3  
Ed.  Guanabara    
Física,  vol.2   6.1  –  6.2  
Livros  Técnicos  e   Alaor  S.  Chaves   1ª.   6.4  –  6.12  
Científicos  S.A     e  7.4  
Física,  Fundamentos  e  
Aplicações,  vol.2   Eisberg  e  Lerner   1ª.   17.1-­‐17.7  
Editora  McGraw  Hill    
Física  2   19.1  –  19.6  
Livros  Técnicos  e   R.  A.  Serway   3ª.   20.1  –  20.3  
Científicos  S.A   e  20.7  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
1.1. Descrição  Macroscópica  e  Microscópica  

Um   sistema   poderá   ser   fisicamente   descrito   por   suas   grandezas   macroscópicas,   tais   como  
temperatura,  pressão,  volume,  energia  interna,  etc.  e  essas  grandezas  macroscópicas  poderão  ser  
inter-­‐relacionadas   por   equações   de   estado   apropriadamente   estabelecidas.   Tais   grandezas,  
variáveis  ou  propriedades  são  então  chamadas  de  variáveis  de  estado  ou  propriedades  de  estado.  

o A   pressão   de   um   gás,   grandeza   macroscópica,   é   medida   operacionalmente   com   um  


manômetro.   Microscopicamente,   a   pressão   está   relacionada   com   a   taxa   média   de  
transferência   do   momento   linear   do   gás   para   o   fluido   do   manômetro,   quando   as  
moléculas  do  gás  colidem  com  a  superfície  interna  do  monômetro;  
o A  temperatura  de  um  gás,  também  uma  grandeza  macroscópica,  é  relacionada  à  energia  
cinética  translacional  média  das  moléculas;  
o Se   as   grandezas   macroscópicas   podem   ser   expressas   em   termos   das   grandezas  
microscópicas,   então   as   leis   da   termodinâmica   também   podem   ser   expressas  
quantitativamente   em   termos   da   mecânica   estatística,   porque   na   descrição  
microscópica   existe   um   número   infinito   de   partículas   que   na   verdade   representam  
moléculas  ou  átomos  as  quais  só  podem  ser  caracterizados  estatisticamente.  

Desta  forma,  na  descrição  microscópica  podemos  descrever  um  sistema  ou  uma  substância,  por  
exemplo,  um  gás  contido  em  um  recipiente  detalhando  os  movimentos  de  cada  uma  das  moléculas  
daquele  gás.  Isto  levaria  a  um  número  infinito  de  equações  físicas.  A  abordagem  de  descrever  um  
sistema   ou   uma   substância   pela   movimentação   de   cada   uma   das   moléculas   ou   átomos  
constituintes  é  chamada  de  dinâmica  molecular.  

A   fim   de   se   reduzir   trabalho,   a   abordagem   da   dinâmica   molecular   converge   para   a   mecânica  


estatística  que  relaciona  médias  de  propriedades  moleculares  com  quantidades  por  nós  conhecidas  
como  temperatura,  pressão  e  outras.    

A  descrição  macroscópica  trabalha  com  as  propriedades  em  escala  muito  maior  do  que  a  escala  
molecular   e   trata   da   interação   macroscópica   do   sistema   com   sua   vizinhança   como   salientado  
anteriormente.  

1.2. Variáveis  de  estado  

As  variáveis  de  estado  são  variáveis  que  caracterizam  o  estado  ou  a  condição  de  um  sistema  que  
pode   ser   termodinâmico.   Exemplos   de   variáveis   de   estado   são   pressão,   volume,   temperatura,  
energia,   etc.   Uma   variável   de   estado   muito   importante   é   o   número   de   moles   ou   mols   que   uma  
substância   pode   ser   constituída.   Esta   quantidade   é   representada   pelo   símbolo   n,   denotado   por  
número  de  mols.  

Um   mol   de   substância   é   a   quantidade   de   substância   que   contém   um   número   de   Avogadro   de  


moléculas  da  substancia  em  questão.  O  número  de  Avogadro  NA  é  6,022  x  1023  moléculas/mol.  

Desta   forma   o   número   de   mols   ou   moles   de   uma   substância   é   definido   de   duas   maneiras  
diferentes.   Uma   em   termos   do   número   das   moléculas   ou   átomos   da   substancia   em   relação   ao  
número  de  Avogadro  e  a  outra  em  termos  da  massa  da  substancia  em  relação  à  massa  molar  da  
própria  substância.  Ou  seja,  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
𝑁 𝑚
  𝑛=   =   (1)  
𝑁! 𝑀!

onde   N   é   o   número   de   moléculas   ou   de   átomos   da   substancia,   N   é   número   de   Avogadro,   m   é   a  


massa  da  substância  e  M0  é  sua  massa  molar.  A  massa  molar  M0  de  uma  substância  pura  é  a  massa  
do  número  de  Avogadro  (NA  =  6,022  x  1023  moléculas/mol)  de  moléculas  ou  átomos.  

Exemplo  1  A  água  tem  dois  átomos  de  hidrogénio  e  um  átomo  de  oxigénio  em  cada  molécula.  
Determine:  
a) a  massa  molar  da  água  
A   massa   molar   do   elemento   químico   hidrogénio   é   1   g/mol.   A   massa   molar   do   elemento  
químico  oxigénio  é  16  g/mol.  
A  massa  molar  da  água  é  M  =  2  x  1  g/mol  +  1  x  16  g/mol  =  18  g/  mol.  

b)  o  número  de  moléculas  em  uma  amostra  de  0,14  kg  de  água.  
 
N=nNA  
 
m 0,14    kg
n   = = = 7,8  mol  
M! 0,018  kg/mol
 
N=7,8  mol  x  6,022  x  1023  moléculas/mol=  4,7  x  1024  Moléculas  

1.3. Lei  zero  da  termodinâmica  e  o  conceito  de  temperatura  

Um   sistema   está   em   equilíbrio   termodinâmico   quando   suas   variáveis   de   estado   se   mantém  


inalteradas   ao   longo   do   tempo   e   uniformes   através   de   todo   o   sistema.   Logo,   no   equilíbrio  
termodinâmico  não  são  observadas  mudanças  macroscópicas  nas  variáveis  de  estado  dos  sistemas.    

Sistemas  termodinâmicos  interagem  com  a  vizinhança  através  de  diferentes  tipos  de  paredes  entre  
elas:    

− Parede  adiabática:  não  permite  a  passagem  de  matéria  e  calor.  


− Parede  diatérmica:    permite  somente  a  passagem  de  calor.  

Trocas de energia e matéria


Paredes entre sistema e vizinhança
ocorrem através da parede
Vizinhança

Sistema

Parede adiabática imaginária suficientemente Universo


afastada para limitar todo o universo.  

Figura  1:  (a)  Sistema,  vizinhança  e  paredes  que    determinam  trocas  de  energia.  

Quando   dois   sistemas     isolados   A   e   B   estão   separados   por   uma   parede   adiabática,   os   sistemas  
também  estão  isolados  entre  si.  Assim  quando  as  variáveis  de  estado  de  um  dos  sistemas  mudam,  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
o  outro  sistema  não  é  afetado  (Figura  2a).  Por  outro  lado,  dois  sistemas  isolados  do  meio  externo  
porém  interagindo-­‐se  através  de  uma  parede  diatérmica  conforme  mostrado  na  (Figura  2b)  trocam  
calor  entre  si,  modificando   simultaneamente  as  variáveis  de  estado  de  ambos  os  sistemas.  Como  
resultado   da   interação,   as   variáveis   de   estado   irão   se   modificar   até   atingir   valores   constantes   e  
temperaturas  iguais  (equilíbrio  térmico)  em  ambos  os  sistemas.  

A B A B
  (b)  
(a)  
 
Figura  2:  (a)  Dois  sistemas    isolados  separados  por  uma  parede  adiabática.  (b)  Dois  sistemas  
isolados  separados  por  uma  parede  diatérmica.  

Existem   situações   nas   quais   dois   sistemas   podem   estar   em   equilíbrio   térmico   mesmo   que   não  
estejam   em   contato   direto   através   de   uma   parede   diatérmica.   A   Figura   3   mostra   uma   parede  
adiabática  separando  os  sistemas  A  e  B  e  uma  parede  diatérmica  ligando  o  sistema  A  ao  sistema  C  
e   o   sistema   B   ao   sistema   C.   Portanto   os   sistemas   A   e   C   atingem   o   equilíbrio   térmico,   o   mesmo  
acontecendo   com   os   sistemas   B   e   C.   A   experiência   mostra   que     nesta   situação   os   sistemas   A   e   B  
também  estão  ou  estarão  em  equilíbrio  térmico.  Dai  surge  a  Lei  Zero  da  Termodinâmica  que  pode  
ser  anunciada  da  seguinte  forma:  

Dois   sistemas   em   equilíbrio   térmico   com   um   terceiro   sistema,   estão   também   em   equilíbrio  
térmico  entre  si.  

A B A B
C C
 
(a)        
(b)  
Figura  3:  (a)  Dois  sistemas    isolados  separados  por  uma  parede  adiabática.  (b)  Dois  sistemas  
isolados  separados  por  uma  parede  diatérmica.  

Dito  de  outra  forma:    

Existe   uma   grandeza   escalar   chamada   temperatura   que   é   uma   propriedade   de   todos   os  
sistemas  termodinâmicos  em  equilíbrio  térmico.  Dois  sistemas  estão  em  equilíbrio  térmico  se  e  
somente  se  suas  temperaturas  forem  iguais.    
 
Conceito  de  temperatura  

O   conceito   de   temperatura   está   intimamente   relacionado   com   o   estado   de   equilíbrio   térmico   de  


dois   sistemas.   Dois   sistemas   em   equilíbrio   térmico   tem   a   mesma   temperatura.   Se   dois   sistemas  
são   postos   em   contato   e   suas   variáveis   se   modificam,   então   os   sistemas   não   estão   à   mesma  
temperatura,   mas   chegarão   a   uma   temperatura   comum   na   medida   em   que   se   aproximam   do  
equilíbrio   térmico.   Suponhamos   que   um   dos   sistemas   seja   um   termômetro   usado   para   medir    
temperatura.   Após   o   termômetro   ter   atingido   o   equilíbrio   térmico   com   o   outro   sistema,   o  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
termômetro   terá   a   mesma   temperatura   que   o   outro   sistema.   Na   realidade,   medimos   a  
temperatura   do   termômetro!   O   outro   sistema   tem   a   mesma   temperatura   porque   está   em  
equilíbrio  térmico  com  o  termômetro.    

1.4. Termômetros  e  escalas  de  temperatura  

Uma  vez  estabelecido  o  conceito  de  temperatura,  faz-­‐se  necessário  estabelecer  meios  de  mensurá-­‐
la.   Dai   surge   o   termômetro   que   é   um   dispositivo   usado   para   a   medição   de   temperatura.   Um  
termômetro  pode  ser  constituído  de  qualquer  substancia  que  tenha  uma  propriedade  variável  com  
a   temperatura.   Neste   caso,   a   substância   é   identificada   como   substância   termométrica   e   a  
propriedade   identificada   como   propriedade   termométrica   porque   varia   com   a   variação   da  
temperatura  do  meio  que  está  inserida.  Como  exemplo  de  propriedades  termométricas  temos:  o  
volume  de  um  liquido  (como  no  termômetro  de  mercúrio  ou  álcool  em  bulbo  de  vidro);  a  pressão  
de   um   gás   mantido   em   volume   constante   (base   para   o   termômetro   mais   importante   e   preciso   que  
é   o   termômetro   de   gás   ã   volume   constante);   a   resistência   elétrica   de   um   fio   metálico   (o  
termômetro   de   fio   de   platina   é   um   dos   mais   precisos   empregado   no   meio   industrial,   conhecidos  
como   PT-­‐   100);   as   junções   de   dois  fios   metálicos,   conhecidos   como   termopar   ou   par   termoelétrico,  
amplamente   usado   no   meio   industrial   por   sua   simplicidade;   e   diversas   outras   como   variação   da  
frequência  natural  com  temperatura  dos  cristais  ou  mudança  de  cor  com  a  temperatura,  etc.    

Um   bom   termômetro   é   aquele   que   apresenta   uma   relação   linear   de   temperatura   com   o   sinal   de  
seu  sensor  de  temperatura  na  forma:    

  𝑇 𝑥 = 𝑎𝑥 + 𝑏   (2)  

sendo  T(x)  determinada  pelo  valor  da  propriedade  termométrica  x  e  a  e  b  constantes  determinadas  
no  processo  de  calibração  do  termômetro  de  interesse.    

Um   termômetro   necessita   de   uma   escala   de   temperatura   para   cumprir   sua   função.   Em   1742,   o  
astrônomo   sueco   Anders   Celsius   vedou   mercúrio   em   um   pequeno   tubo   capilar   e   observou   como  
ele   se   movia   para   cima   e   para   baixo   conforme   a   temperatura   mudava.   Celsius   selecionou   dois  
pontos  de  calibração  para  o  seu  dispositivo:  o  ponto  de  congelamento  da  água,  definido  como  0  e  o  
ponto   de   ebulição   normal   da   água   rotulado   como   100.   Na   realidade   e   historicamente   Celsius  
definiu  100  como  o  ponto  de  congelamento  da  água  e  0  como  o  ponto  de  ebulição  normal  da  água.  
Naturalmente,   isto   não   tira   os   méritos   de   Celsius   por   significativa   contribuição   à   Termodinâmica.  
Depois   dividiu   o   comprimento   do   tubo   de   vidro   entre   estes   dois   pontos   de   calibração   em   100  
intervalos   iguais.   Ao   fazer   isto   ele   inventou   a   escala   de   temperatura   Celsius   (conhecida  
popularmente  como  escala  centigrada).  As  outras  temperaturas,  fora  dos  2  pontos  de  calibração,  
são  deduzidas  por  interpolação  ou  extrapolação.  A  unidade  da  escala  Celsius  de  temperatura  é  o  
"grau   Celsius”   que   é   abreviado   por   °C.   Observe   que   o   símbolo   °   faz   parte   da   unidade   C   e   não   do  
número.  A  escala  Celsius  é  usada  em  praticamente  todos  os  países  do  mundo  e  em  todas  as  áreas  
de  atividade  e  do  conhecimento  da  humanidade.    

Escala  Fahrenheit  

A   escala   Fahrenheit   de   temperatura   (amplamente   usada   nos   Estados   Unidos   e   Reino   Unido)   é  
também  originalmente  baseada  em  dois  pontos  de  calibração:  o  ponto  de  congelamento  de  uma  
mistura  de  gelo  e  sal  e  a  temperatura  normal  do  corpo  humano.  Atualmente  esta  escala  define  a  
temperatura  de  congelamento  da  água  como  32  °F  e  a  temperatura  do  ponto  de  ebulição  da  água  
como  212  °F.  A  conversão  de  uma  escala  para  outra  é  feita  observando-­‐se  a  correspondência  entre  
os  pontos  de  calibração,  ou  seja,  o  ponto  normal  de  congelamento  (0  °C  =  32  °F)  e  de  ebulição  da  
água  (100  °C  =  212  °F).  Desta  forma,  a  relação  entre  as  escalas  Celsius  e  Fahrenheit  é:    

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
G 30 28 20
Unidade  
=
35, 2 30 1:  E55
quilíbrio  
20 térmico,  Temperatura  e  Dilatação  
 
G 930 8
  =
𝑇! =5, 2𝑇! + 32   (3)  
5 35
Exemplo  2 O  ganho  de  um  amplificador  a  base  de  transistor  depende  da  temperatura.  O  ganho  de  
Gé  =35,2.  
um  certo  amplificador  ã  20  °C  é  30,0  e  a  55,0  °C   31 ,2Se  o  ganho  variasse  linearmente  com  a  
temperatura  neste  intervalo,  qual  seria  o  ganho  a  28,0  °C?  A  figura  abaixo  apresenta  em  termos  
gráficos  a  situação  apresentada  no  enunciando  deste  exemplo:  

 
Fig. 1.5 – Exemplo 3
Pela  análise  da  figura  abaixo  podemos  montar  a  seguinte  expressão:  
Exemplo 4:
𝐺 − 30 28 − 20
  =    
35,2 − 30 55 − 20

  Kelvin
escala 𝐺 − 30 8  
=  
5,2 35

  𝐺 = 31,2    
 

escala Kelvin
Escala  Kelvin  

( x) = ax especial   é   a   escala   Kelvin,  (1.3)


Uma   escala   de   temperatura   que   merece   uma  Tatenção   que   foi  
estabelecida   com   ajuda   do   termômetro   de   gás   a   volume   constante.   A   definição   dessa   escala   usa  
somente  um  ponto  de  calibração.  Em  outras  palavras,  na  escala  Kelvin,  quando  a  temperatura  for  0  
K,  atribui-­‐se  a  propriedade  termométrica  X  usada  para  defini-­‐la  o  valor  zero,  ou  seja,  na  equação  
(2),  b  =  0  
a = Tp/Xp
  𝑇 𝑥 = 𝑎𝑥   (4)  

Desta  forma  geral,  basta  um  ponto  de  medida  para  calibrar  o  possível  termômetro  na  escala  Kelvin,  
6 TERMODINÂMICA BÁSICA
𝑇
por  exemplo,  em  um  ponto  P  qualquer,  𝑎 = ! 𝑋 ,  ou  seja,  
!

𝑇!
  𝑇 𝑥 = 𝑋! 𝑥   (5)  

Por   acordo   decorrente   das   reuniões   das   Conferencias   Internacionais   de   Pesos   e   Medidas   ficou  
estabelecido   que   o   ponto   de   calibração   da   escala   Kelvin   é   o   ponto   tríplice   dá   água,   isto   é,   a  
temperatura   onde   o   gelo,   a   água   e   o   vapor   de   água   coexistem   em   equilíbrio   termodinâmico   e   a  
𝑇
constante   da   equação   (4)   é   estabelecida   por   𝑎 = !" 𝑋 .   Desta   forma,   por   acordo   internacional,  
!"
ficou  estabelecido  que  Ttr  =273,16  K  =  0,01  °C.  Voltando  à  equação  (4)    273,16K  =  aXtr  ou  seja  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

  𝑇 𝑥 = 273,16   𝑋 𝑋   (6)  
!"

Xtr   é   o   valor   da   propriedade   termométrica   no   ponto   tríplice   da   água.   A   temperatura   dada   pela  
equação   (6)   vale  apenas  para   uma  determinada  propriedade  termométrica   X.  Outras  propriedades  
levam  à  diferentes  leituras  de  temperatura.  A  unidade  da  escala  Kelvin  é  o  “Kelvin",  abreviado  por  
K.   Atualmente   não   se   usa   mais   dois   pontos   fixos   para   definir   a   escala   Celsius.   A   escala   Kelvin   é  
definida  e  a  relação  entre  as  temperaturas  Tc  (Celsius)  e  Tk  (Kelvin)  é  estabelecida  pela  equação  

  𝑇! = 𝑇! − 273,15   (7)  

Os  pontos  de  congelamento  e  ebulição  da  água  são  medidos  em  Kelvin  e  depois  convertidos  para  
Celsius,  sendo  o  ponto  de  congelamento  273,15  K  ou  0,00  °C  e  o  ponto  de  ebulição  373,125  K  ,  ou  
seja  99,975  °C.  

Exemplo  3 A  resistência  de  um  certo  fio  de  platina  aumenta  por  um  fator  de  1,392  entre  o  ponto  
tríplice  e  o  ponto  normal  de  ebulição  da  água.  Ache  a  temperatura  de  ebulição  da  água  quando  se  
utiliza  um  termômetro  de  resistência  de  platina  

  𝑇 𝑅 = 273,16   𝑅 𝑅 = 273,16  ×1,392 = 380,2  𝐾      


!"

Exemplo  4  Quando   em   equilíbrio   térmico   no   ponto   triplo   da   água,   a   pressão   do   He   em   um  


termômetro  ã  gás  de  volume  constante  é  1020  Pa.  A  pressão  do  He  é  288  Pa  quando  o  termômetro  
está   em   equilíbrio   térmico   com   o   nitrogênio   liquido   em   seu   ponto   normal   de   ebulição.   Qual   é  
ponto  normal  de  ebulição  do  nitrogênio  obtido  com  este  termômetro?  

288
  𝑇 𝑅 = 273,16   = 77,13  𝐾      
1020
 

Valores  de  temperaturas  típicas  nas  escalas  Celsius,  Kelvin  e  Fahrenheit    são  mostrados  na  Tabela  
1.  
o
Tabela  1:  Temperaturas  de  algumas  substâncias  e  processos  nas  escalas  Celsius  ( C)  ,    Kelvin  (K)  e  
Fahrenheit  (oF).  

Substância   Temperaturas  
o o
  C   K   F  
Ebulição  da  Água  (fervura)   100   373,125   212  
Corpo  humano   37,0   310,2   98,6  
Fusão  da  Água  (congelamento)   0,00   273,15   32,0  
Ponto  triplo  da  água   0,01   273,16   32,0  
L  Ebulição  do  Nitrogênio   -­‐196   77   -­‐321  
Zero  absoluto   -­‐273,15   0   -­‐459,67  
°F  =  1.8°C  +  32         K  =  °C  +  273.15  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
1.5. Termômetro  a  gás  

A   temperatura   de   um   sistema   deveria   ter   um   valor   bem   definido   independente   da   propriedade  


usada   para   medi-­‐la.   A   pergunta   é   saber   qual   é   o   instrumento   ou   termômetro   que   preencha   este  
requerimento.   Será   mostrado   abaixo   que   o   termômetro   de   gás   a   volume   constante   satisfaz   esta  
condição,   e   que   gases   ideais     são   substâncias   termométricas   padrão.   Por   razões   que   serão  
discutidas  a  seguir,  a  pressão  será  a  propriedade  termométrica  escolhida  para  este  termômetro.    

Pela  lei  dos  gases  ideias,    que  relaciona  as  variáveis  de  estado  pressão,  volume  ocupado  pelo  gás,  
número  de  partículas  do  gás  e  temperatura  mostrada  na  equação  (8),    verificamos  que  se  o  volume  
do   gás   for   mantido   constante,   a   pressão   neste   termômetro   dependera   linearmente   da  
temperatura.  

  𝑝𝑉 = 𝑛𝑅𝑇   (8)  

Na   Figura   4   é   apresentado   o   termômetro   de   gás   à   volume   constante.   Ele   consiste   de   um   bulbo,  


contendo   um   gás   qualquer,   ligado   por   um   tubo   capilar   ligado   a   um   manômetro   de   mercúrio.   O  
bulbo  de  quartzo,  vidro,  platina  ou  outro  material  (dependendo  do  intervalo  de  temperatura  a  ser  
medida)   é   colocado   no   banho   ou   ambiente   cuja   temperatura   deseja-­‐se   conhecer.   Abaixando-­‐se   ou  
levantando-­‐se  o  reservatório  de  mercúrio  obriga-­‐se  a  o  nível  do  mercúrio  a  coincidir  com  a  marca  
de   referencia   forçando   o   gás   no   interior   do   termômetro   a   permanecer   sempre   com   o   volume  
constante.    

Temômetro

Altura (h)

Gás

Banho
térmico

Fonte de calor  

Figura  4:  (a)  Termômetro  de  gás  a  volume  constante  

A   diferença   de   pressão   atmosférica   po   é   indicada   pela   altura   da   coluna   de   mercúrio   h   na   escala.   Ou  


seja,    

  𝑃 − 𝑃! = 𝜌. 𝑔. ℎ   (9)  

Sendo  ρ  a  densidade  do  mercúrio,  g  a  aceleração  da  gravidade.    O  bulbo  contendo  gás  é  colocado  
no   banho   a   temperatura   T.   Levantando-­‐se   ou   abaixando-­‐se   o   reservatório   de   mercúrio,   faz-­‐se   o  
nível   de   mercúrio   coincidir   com   o   ponto   O,   como   já   dito.   Supondo   que   todas   as   correções   de  
experimentais   sejam   feitas,   como   por   exemplo,   levar   em   conta   a   variação   do   volume   do   bulbo   e  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
que  nem  todo  o  gás  no  capilar  está  imerso  no  bulbo,  a  pressão  absoluta  P  fornecerá  a  temperatura  
pela  expressão:  

  𝑇 𝑝 = (273,16𝐾)     𝑃 𝑃   (10)  
!" !

o  índice  V  indica  a  volume  constante.  Iremos  a  seguir  fazer  uma  simulação  de  como  se  determina  a  
temperatura  T  de  um  banho  usando  este  termômetro.    

Suponhamos  que  no  termômetro  haja  certa  quantidade  de  gás    (por  exemplo  N2)  a  certa  pressão.  O  
procedimento  de  operação  simplificada  deste  termômetro  será  descrita  a  seguir:  

1. Coloca-­‐se  o  termômetro    de  N2  em   água   no   ponto   triplo   e   ajusta-­‐se  sua  pressão  para  80  
cmHg,   isto   é   Ptr   =   80   cmHg.   Este   ajuste   de   pressão   é   feito   retirando   ou   adicionando  
nitrogênio  ou  no  interior  do  termômetro.  
2. A  seguir,  leva-­‐se  o  termômetro  ao  banho  onde  se  quer  medir  a  temperatura  T.  Espera-­‐se  o  
equilíbrio  térmico   e  a  seguir  levanta-­‐se  ou  abaixa-­‐se  a  coluna  de  mercúrio  até  o  nível  do  
mercúrio  coincidir  com  o  ponto  0,  isto  garante  o  volume  constante  do  gás  no  termômetro.  
Quando  o  equilíbrio  for  atingido,  mede-­‐se  a  nova  pressão.  Por  exemplo,  mede-­‐se  P(Ptr  =  80  
cmHg)    =  109,334  cmHg.    Assim,  pela    equação  (10)  temos:  

  𝑇 𝑃 = 273,16𝐾   109,334 80 = 373,32  𝐾    


!

3. Retorna-­‐se  o  termômetro  em  água  no  ponto  tríplice  e  ajusta-­‐se  a  pressão  à  40  cmHg    isto  é  
Ptr   =   40   cmHg.   Como   anteriormente   isto   é   obtido   retirando   nitrogênio   do   interior   do  
termômetro  até    o  ponto  triplo  da  água  a  pressão  atingir  40  cmHg.  
4. A  seguir,  leva-­‐se  o  termômetro  ao  banho  onde    a  temperatura  T  será  medida.  Espera-­‐se  o  
equilíbrio  térmico,  e  a  seguir  levanta-­‐se  ou  abaixa-­‐se  a  coluna  de  mercúrio  até  o  nível  do  
mercúrio  coincidir  com  o  ponto  0,  isto  garante  o  volume  constante  do  gás  no  termômetro.  
Ai  mede-­‐se  a  nova  pressão,  por  exemplo,  mede-­‐se  P(Ptr  =  40  cmHg)  =  54,65  cmHg.  Assim,  
pela    equação  (10)  temos:  

  𝑇 𝑃 = 273,16𝐾   54,65 40 = 373,20  𝐾    


!

5. Repete-­‐se  o  item  3  para  Ptr  =  20  cmHg  


6. Repete-­‐se  o  item  4  para  P(Ptr  =  40  cmHg)=27,323  e,  pela    equação  (10)  temos:  

  𝑇 𝑃 = 273,16𝐾   27,323 20 = 373,18  𝐾    


!

Repetindo-­‐se  o  processo  para  novas  pressões,  colocando-­‐se  os  pontos  em  um  gráfico  (Figura  5)  e  
extrapolando   para   a   situação   onde   Ptr   =   0,   encontra-­‐se   o   valor   verdadeiro   para   temperatura   T.  
Neste  caso,  como  mostrado  no  gráfico,  T  =  373,15  K  (ponto  de  ebulição  da  água).  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
Fig. 1.7 - Termometro de gás à volume constante usando hidrogênio, nitrogênio ou oxigê-

Figura  5:  (a)  Termômetro  de  gás  a  volume  constante  usando  diferentes  gases  (O2,  N2  e  H2)  para  
medição  da  temperatura.  
a escala de temperatura de gás ideal
A   escala   de   temperatura   construída   com   ajuda   do   termômetro   de   gás   a   volume   constante   é  
independente   de   qualquer   propriedade   de   qualquer   gás   em   particular,   mas   depende   das  
P
= (273,16 K(8)).  
propriedades   dos   gases   ideais  T (Equação   ) PtrlimA   escala   termométrica   Kelvin   é   (1.9)
(V constante) independente   de  
0 P
tr
qualquer  propriedade  de  qualquer  substância  particular.  Por  isso,  é  uma  escala  absoluta.  A  escala  
Kelvin  e  a  escala  de  gás  ideal  são  idênticas  no  intervalo  de  temperatura  em  que  o  termômetro  de  
gás  a  volume  constante  pode  ser  usado  senda  definida  por:  
termô-
metros padrões.

  𝑇 𝑃 = (273,16𝐾)     lim 𝑃 𝑃   (11)  


!!"→! !" !

Termômetro   de   gás   a   volume   constante,   mesmo   com   uma   pequena   quantidade   de   gás   em   seu  
interior,   indicam   a   temperatura   do   sistema   com   o   qual   estão   em   equilíbrio   térmico   com   grande  
precisão  e,  por  disto,  são  escolhidos  como  termômetros  de  referência  .  Para  se  medir  temperaturas  
muito  baixas,  digamos  da  ordem  1  K  é  preciso  usar  o  hélio  como  gás  de  trabalho  porque  o  hélio  é  o  
único   gás   que  
1.3. permanece  
Dilatação na   forma  
térmica gasosa   em   baixa   pressão   nesta   temperatura,   estabelecendo  
assim  o  limite  no  qual  o  termômetro  gás  a  volume  constante  pode  operar.  

1.6. Dilatação  térmica  

A  dilatação  térmica  pode  ser  compreendida,  analisando  a  estrutura  atômica  de  um  sólido  cristalino.  
Em   um   sólido,   os   átomos   são   mantidos   juntos   em   um   arranjo   regular   por   forças   elétricas.   As  
propriedades   deste   arranjo   são   semelhantes   às   de   uma   rede   composta   de   massas   e   molas  
mostrada   na   Figura   6a.   Existem   da   ordem   de   1023     átomos   e   molas   em   1   cm3   de   um   sólido.   Os  
átomos   de   uma   estrutura   sólida   cristalina   como   esta   vibram   com   frequência   . de   1013   Hz   e  
-­‐11
amplitude  da  ordem  de  10  m,  que  é  aproximadamente  um  décimo  do  diâmetro  do  átomo  (o  raio  
atômico  é  da  ordem  de  10-­‐10  m).  Quando  a  temperatura  do  sólido  aumenta,  os  átomos  vibram  com  
amplitudes  maiores  e  sua  distancia  média  aumenta  (Figura  6b).  Isto  leva  a  uma  dilatação  de  todo  o  
sólido.  A  variação  de  qualquer  dimensão  linear  do  sólido,  como  comprimento,  largura  ou  espessura  
20 é  chamada  dBÁSICA
TERMODINÂMICA e  dilatação  linear.  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

Figura  6:  (a)  Podemos  visualizar  as  forças  entre  átomos  vizinhos  em  um  sólido  imaginando-­‐os  
ligados  por  molas  que  apresentam  constantes  elásticas  distintas  para  a  compressão  e  para  o  
alongamento.  É  mais  fácil  dilatar  um  sólido  que  comprimi-­‐lo.  (b)  Gráfico  da  energia  potencial  pela  
distância  entre  dois  átomos  vizinho,  mostrando  que  as  forças  não  são  simétricas.  E3  >  E2  >  E1  e  
portanto  T3  >  T2  >  T1.  

Por  experimentação  observa-­‐se  que  a  dilatação  linear  de  um  corpo,  caracterizada  pela  variação  ΔL  
no   seu   comprimento   Lo   é   diretamente   proporcional   ao   próprio   comprimento   Lo   como   também   à  
variação  de  temperatura  ΔT  correspondente  conforme  mostrado  na  Figura  7.  

Figura  7:  Como  o  comprimento  de  uma  barra  de  comporta  com  a  variação  da  temperatura.    As  
variações  de  comprimento  foram  exageradas  para  facilitar  a  visibilidade.    

Ou  seja,  quando  ΔT  for  suficientemente  pequeno  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
∆𝐿 = 𝛼𝐿! ∆𝑇    
  (12)  
𝐿 = 𝐿! (1 +  𝛼∆𝑇)    

sendo  α  o  coeficiente  de  dilatação  linear,  uma  caracteristica  própria  de  cada  material.  O  
coeficiente  de  dilatação  linear  se  representa  por  

  𝛼 = ∆𝐿/𝐿! ! /∆𝑇     (13)  

o   qual   corresponde   à   variação   fracionária   do   comprimento   por   variação   de   intervalo   de  


temperatura  na  escala    adotada  à  pressão  (P)  constante.  Na  realidade,  α  deveria  ser  tomado  ponto  
a  ponto  na  temperatura  da  medição  e  da  temperatura  escolhida  para  se  determinar  L,  entretanto  a  
variação  é  desprezível  quando  comparada  com  a  precisão  em  que  os  comprimentos  são  medidos.  
Normalmente   assume-­‐se   um   valor   médio   para   uma   faixa   de   temperatura   de   interesse,   por  
exemplo,  de  0  °C  a  100  °C,  para  a  maioria  das  substancias.  A  Tabela  1.1  apresenta  o  coeficiente  de  
dilatação  linear  médio  para  algumas  substâncias  no  intervalo  de  temperatura  de  0  °C  a  100  °C.  
o
Tabela  2:    Coeficiente  de  dilatação  linear  de  algumas  substâncias  no  intervalo  entre  0  e  100   C.  

-­‐6     o
Substância   α × 10 (1/ C)  
Chumbo   29  
Alumínio   23  
Latão   19  
Cobre   17  
Aço   11  
Vidro   9  
 

Exemplo  5 Uma  barra  feita  com  uma  liga  de  alumínio  mede  10  cm  a  20  °C  e  10,015  cm  no  ponto  de  
ebulição  da  água.  (a)  Qual    seu  comprimento  no  ponto  de  congelamento  da  água?  (b)  Qual  sua  
temperatura,  se  seu  comprimento  final  for  10,009  cm?  Determinaremos  inicialmente  o  valor  de  α  

∆𝐿
  𝐿 (10,015 − 10)  
𝛼 = ! =     = 1,88  ×  10!!  °𝐶 !!  
∆𝑇 100 − 20
(a)  no  ponto  de  congelamento  T  =  0  oC  

  𝐿 = 𝐿! (1 +  𝛼∆𝑇)        

  𝐿 = 10(1 +  1,88  ×  10!! × 0 − 20 = 9,9962  𝑐𝑚        

(b)  Se  o  comprimento  final  é  10,009  cm  

  𝐿 − 𝐿! = 𝐿! 𝛼∆𝑇        

  10,009 − 10 = 10×  1,88  ×  10!! × 𝑇! − 20      

  𝑇! = 67.9  °𝐶      
 

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
Usando   a   mesma   metodologia   de   dedução   da   equação   (13)   para   um   corpo   isotrópico   (situação   em  
que  suas  grandezas  físicas  variam  igualmente  em  qualquer  direção),  a  variação  da  área  em  função  
da  variação  da  temperatura  é  dada  por:    

∆𝐴 = 𝛾𝐴! ∆𝑇    
  (14)  
𝐴 = 𝐴! 1 +  𝛾∆𝑇 ,      𝛾 = 2𝛼  
A  variação  do  volume  para  um  corpo  isotrópico  em  função  da  variação  da  temperatura  é  dada  por:  

∆𝑉 = 𝛽𝐴𝑉! ∆𝑇    
  (15)  
𝑉 = 𝑉! 1 +  𝛽∆𝑇 ,      𝛽 = 3𝛼  

O   coeficiente   de   dilatação   volumétrica   β,também   conhecido   como   coeficiente   de   expansão  


volumétrica  para  gases  e  líquidos,  é  dados  por  

  𝛽 = ∆𝑉/𝑉! ! /∆𝑇     (16)  

o  qual  corresponde  à  variação  fracionária  do  volume  por  variação  de  intervalo  de  temperatura  na  
escala    adotada  à  pressão  (P)  constante.  

Exemplo  6 Um  cubo  de  latão  (α  latão  =  1,9  x  10-­‐5  °C-­‐1)  tem  aresta  de  30  cm.  Qual  o  acréscimo  em  
sua  área,  se  a  temperatura  subir  de  20  para  75  °C?    

∆𝐴 = 𝛾𝐴! ∆𝑇 =   2𝛼𝐴! ∆𝑇  
  ∆𝐴 =    2 ∙ 1,9  ×  10!!   ∙ 0,3  ×0,3 ∙ 75 − 20    
∆𝐴 =    2,0  ×  10!! 𝑚 !  

Se  uma  aresta  aumenta  sua  área  de  2,0  ×10-­‐4   m2  o  cubo  (6  faces)  aumentará  sua  área  de  12  ×10-­‐4  
m2  

A  maioria  dos  materiais  sofre  dilatação  quando  aquecidos  e  sofre  contração  quando  resfriados.  A  
exceção   mais   notável   esta   regra   é   a   água.   Conforme   mostrado   na   Figura   8,   acima   de   4   °C   a   água   se  
dilata  e  no  intervalo  de  4  °C  para  0  °C  (no  sentido  de  4  °C  para  0  °C)  a  água  também  se  expande,  
caracterizando   assim   a   anomalia   da   dilatação   térmica   da   água.   Esta   característica   tem  
consequências  importantes.  As  temperaturas  acima  de  4  °C,  a  água      se  torna  mais  densa  enquanto  
é  resfriada  e,  portanto  afunda.  Porém,  ao  ser  resfriada  abaixo  de  4  °C,  ela  se  torna  menos  densa  e  
sobe  a  superfície.  Esta  é  a  razão  pelo  qual  o  gelo  se  forma  primeiro  na  superfície  de  um  lago  ou  rio.  
A  água  também  se  expande  quando  congela.  Como  o  gelo  é  menos  denso  do  que  a  água  liquida,  
ele  permanece  na  superfície  e  atua  como  uma  camada  isolante  para  a  água  que  está  abaixo.  Se  a  
água  se  comportasse  como  a  maioria  das  substâncias  e  contraísse  enquanto  congela,  então  o  gelo  
afundaria  e  deixaria  mais  água  exposta  na  superfície,  para  ser  congelada.  Os  lagos  se  encheriam  de  
gelo   do   fundo   para   cima   e   seria   muito   provável   que   congelassem   completamente   no   inverno  
principalmente   no   extremos   dos   hemisférios   norte   e   sul   da   Terra.   Obviamente   o   congelamento  
completo  de  lagos  e  rios,  poderia  inviabilizar  a  vida  em  sistema  aquosos  nestas  latitudes.  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

Figura  8:  O  volume  de  um  grama  de  água  aumenta  de  1,000  cm3    a  0  oC  para  1,034  cm3  a  100    oC.  
Entretanto  1  g  de  água  atinge  seu  menor  volume  e  portanto  maior  densidade  a  4  oC  .  Observe  que  
entre  a  0  e  4  oC  o  volume  da  água  não  varia  linearmente  com  a  temperatura.    

Existe  um  grande  interesse  tecnológico  nas  áreas  de  engenharia,  fotônica,  eletrônica  e  aplicações  
estruturais    por  materiais  que  apresentam  coeficiente  de  dilatação  térmica  negativos.  Por  exemplo,  
se  alguém  misturando  um  material  de  dilatação  térmica  negativa  com  um  material  "normal",  que  
se  expande  com  o  aquecimento,    seria  possível  fazer  um  material  compósito  de  expansão  térmica  
nula.    

Como  a  expansão  térmica  causa  muitos  problemas  na  engenharia,  e  de  fato  na  vida  cotidiana,    Há  
muitas   aplicações   potenciais   para   materiais   apresentando   expansão   térmica   controlada,.   Um  
exemplo  simples  de  um  problema  de  expansão  térmica  é  a  tendência  de  obturação  dentária  para  
expandir   por   uma   quantidade   diferente   dos   dentes,   por   exemplo,   quando   a   beber   uma   bebida  
quente,  causando  dor  de  dentes.  Se  obturações  dentárias  foram  feitas  de  um  material  compósito  
contendo   uma   mistura   de   materiais   com   expansão   térmica   positiva   e   negativa,   em   seguida,   a  
expansão  global  pode  ser  precisamente  adaptada  à  do  esmalte  do  dente.    

Um  dos  materiais  mais  estudados  por  exibir  expansão  térmica  negativa  é  o  Tungstato  de  Zircônio  
(ZrW2O8).   Este   compostos   se   contraem   continuamente   em   intervalo   de   temperatura   entre   0,3-­‐
1050   K   (a   temperaturas   mais   elevadas   o   material   decompõe-­‐se).   Outros   materiais   que   exibem   este  
comportamento  incluem:  outros  membros  da  família  AM2O8  de  materiais  (em  que  A  =  Zr  ou  Hf,  M  =  
Mo   ou   W)   e   ZrV2O7.     Sistemas   do   tipo   A2(MO4)3   também   apresentam   expansão   térmica   negativa  
controlável.  

Gelo   comum   apresenta   dilatação   térmica   negativos   em   suas   fases   hexagonal   e   cúbica   em  
temperaturas   muito   baixas   (abaixo   de   -­‐200   °   C).   Na   sua   forma   líquida,   a   água   também   exibe  
expansividade   térmica   negativa   abaixo   3,984   °   C.   Borracha   apresenta   dilatação   térmica   negativos  
temperaturas  normais,  mas  a  razão  para  o  efeito  é  bastante  diferente  do  que  na  maioria  dos  outros  
materiais.   Simplificando,   à   medida   que   as   longas   cadeias   de   polímero   absorvem   a   energia     elas  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
adoptam   uma   configuração   mais   contorcida,   reduzindo   o   volume   do   material.   Quartzo   e   uma   série  
de   zeólitas   também   apresenta   dilatação   térmica   negativos   sobre   certas   faixas   de   temperatura.  
Silício  puro  apresenta  coeficiente    dilatação  térmica  negativos  de  expansão  térmica  negativa  para  
temperaturas  entre  cerca  de  18  K  e  120  K.  
I ..

r
0 0.3
* 0.2-
ffi 0.1 .
x
00
> -0.1
-0.2 -<

-04 ,
-0.4
0 200 400 600 800 1000 1200
Temperature (K)  
Fig. 1. Plot of percentage relative expansion versus
Figura  9:  Variação  relativa  do  volume  do  ZrW2O  com  o  aumento  da    temperatura.    
temperature for ZrW208. Open circles are dilatom-
eter(ScF
O   trifloreto   de   escândio   data; solid circles are neutron diffraction data.
3)   tem   dilatação   térmica   negativo   entre   10   K   e   1100K   explicado   pela  
oscilação   dos   íons   de   fluoreto.   A   energia   armazenada   na   tensão   torsional   os   íons   de   fluoreto   é  
proporcional   à   quarta   potência   do   ângulo   de   deslocamento,   ao   contrário   da   maioria   dos   outros  
compound ZrW208 is evidently only ther-
materiais  onde  é  proporcional  ao  quadrado  do  deslocamento.  Um  átomo  de  flúor  está  ligado  a  dois  
modynamically stable between 1380 and
átomos   de   escândio,   e   como   a   temperatura   aumenta   o   flúor   oscila   perpendicularmente   às   suas  
1530 K ( 1). It must be rapidly cooled from
ligações.   Isto     contribui   par   a   atração   dos   átomos   escândio   em   todo   o   material   resultando   na  
contração.  [10]  SCF3  exibe  esta  propriedade  a  partir  de  10K  para  1100K  acima  do  qual  ele  mostra  a  
high temperature to avoid decomposition Fig.
expansão  térmica  positiva  normal.     of the ZrW20 2. Section
into ZrO2 and W03. Once formed, howev-
1.7. Atividades   er,para   compound
thisauto   avaliação   has a high degree of
kinetic stability at temperatures below change in the coordinat
DESCRIÇÕES MACROSCÓPICA E MICROSCÓPICA DA TERMODINÂMICA
about 1050 K. Thus, heating ZrW208 above and Hf from 8 to 7 wit
1.7.1 (a) Imagine 1050 K results
um balão cheio deingás. decomposition
Como seriam asinto ZrO2 macroscópica
descrições perature.e No such coo
microscópica do andgásW03,dentrowhich deste react
balão? to Esses ZrW208
(b)reform dois tipos ifde descrição in ZrW208. The
occurs são
the temperature is increased to 1380entre
independentes um do outro ou deve haver alguma relação K. The tance beyond the 2.1 A
eles? Por quê?
ordering that occurs below 430 K lowers the dination -sphere (Table
1.7.2 (a) Quais são as principais características da Termodinâmica? (b) Ela trabalha com
free energy of this system; however, this is both 0.3 and 700 K. W
grandezas macroscópicas ou microscópicas?
presumably not an equilibrium phase. If the from consideration any
ALCANCE DA TERMODINÂMICAsystem were to achieve equilibrium, ZrW208 perature of the Zr-O o
would decompose into ZrO2 and W03. This tances. Structure refin
1.7.3 Qual o significado do termo "sistema" em termodinâmica?
decomposition reaction is frustrated by its at 12 temperatures from
1.7.4 O que é estado highde um activation
sistema? energy. The system is no decreases in these d
TEMPERATURA X trapped CALOR in a high-energy state, and this phe- creasing temperature.
nomenon may be related to the unusual cause of differences in
1.7.5 Qual é a diferençathermalentre expansion
temperatura e calor? Negative ther-
properties. bonding in isostructural
mal expansion also occurs in AgI, but only in the temperature of the t
______   the metastable cubic form (12). Negative oclinic phase transition
Fundamentos  de  Termodinâmica   -­‐  25/10/15   in
thermal expansion cubic AgI is confined pounds differs by about
to a region no wider than 200°C, the ther- trast, in ZrW208 as comp
mal expansion at 100 K being positive. there is no detectable d
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
1.7.6 Como medir temperatura? Como medir calor? Explique!
1.7.7 Seria correto afirmar em um dia quente que “está fazendo calor” ?

EQUILÍBRIO TERMODINÂMICO E EQUILÍBRIO TÉRMICO – TEMPERATURA

1.7.8 O que significa dizer que um sistema está em equilíbrio termodinâmico?


1.7.9 Se dois sistemas A e B estão, cada um, em equilíbrio termodinâmico podemos
Unidade
afirmar que eles estão 1: Equilíbrio
em equilíbrio térmico,
térmico entreTemperatura
si? Por quê?e Dilatação
1.7.10 Qual é a relação entre equilíbrio térmico e a definição de temperatura em termos
1.4.7 Seria correto afirmar em um dia quente que “está fazendo calor” ?
macroscópicos?
EQUILÍBRIO TERMODINÂMICO E EQUILÍBRIO TÉRMICO – TEMPERATURA
1.7.11 O que diz a Lei Zero? Como ela se relaciona com a utilização de um termômetro
1.4.8 O que significa dizer que um sistema está em equilíbrio termodinâmico?
para medir
1.4.9 Se doistemperatura?
sistemas A e B estão, cada um, em equilíbrio termodinâmico podemos afirmar
que eles estão em equilíbrio térmico entre si? Por quê?
TERMOMETRIA
1.4.10 Qual é a relação entre equilíbrio térmico e a definição de temperatura em termos

1.7.12 macroscópicos?
(a) Se alguém medisse a sua temperatura com a mão e lhe dissesse que você está
1.4.11 O que diz a Lei Zero? Como ela se relaciona com a utilização de um termômetro para
com febre, você tomaria ou não um anti-térmico? (b) Como você mediria a temperatura
medir temperatura?
de um corpo?
TERMOMETRIA
1.7.13 (b) O que é propriedade termométrica? (b) Quais características tornam uma certa
1.4.12 (a) Se alguém medisse a sua temperatura com a mão e lhe dissesse que você está
propriedade termométrica
com febre, você apropriada
tomaria ou não para(b)a Como
um anti-térmico? utilização em um
você mediria termômetro
a temperatura de prático?
1.7.14 um
Qual
corpo?é a diferença entre as temperaturas medidas pelas escalas Celsius,
1.4.13 (b) O que é propriedade termométrica? (b) Quais características tornam uma certa
Fahrenheit e Kelvin?
propriedade termométrica apropriada para a utilização em um termômetro prático?
1.7.15 (a) Há alguma temperatura na qual coincidem as medidas feitas na escala Kelvin e
1.4.14 Qual é a diferença entre as temperaturas medidas pelas escalas Celsius, Fahrenheit e
na Kelvin?
escala Celsius? (b) E entre a escala Kelvin e a escala Fahrenheit? (c) E entre a
1.4.15
escala(a)Fahrenheit
Há alguma temperatura
e a escalana Celsius?
qual coincidem as medidas feitas na escala Kelvin e na
escala Celsius? (b) E entre a escala Kelvin e a escala Fahrenheit? (c) E entre a escala
TERMÔMETRO DE
Fahrenheit e a GÁS
escala A VOLUME CONSTANTE
Celsius?

TERMÔMETRO DE GÁS A VOLUME CONSTANTE


1.7.16 O gráfico da figura abaixo, representa as temperaturas obtidas com um termômetro
1.4.16 O gráfico da figura abaixo, representa as temperaturas obtidas com um termômetro de
de gás a volume constante cujo bulbo está imerso em água em ebulição. Gases
gás a volume constante cujo bulbo está imerso em água em ebulição. Gases diferentes são
diferentes são usados, cada um com uma densidade diferente, como indicado pelo
usados, cada um com uma densidade diferente, como indicado pelo eixo horizontal que
eixo horizontal
representa que representa
a pressão no ponto triplo a
dapressão
água (Ptr) no ponto triplo da água (Ptr)

______
______  
Fundamentos de Termodinâmica - 10/05/15
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
Responda:

(a) Que valor será obtido para a temperatura do ponto de ebulição da água se for
usado um termômetro de gás a volume constante que utiliza ar e que contém ar
suficiente para que Ptr = 80cmHg? Esse valor corresponde à temperatura
absoluta?
(b) Qual seria a leitura do termômetro se fosse retirado um pouco de ar, de forma que
Ptr = 20cmHg?
1.7.17 Qual o valor da temperatura absoluta do ponto de ebulição da água?
1.7.18 Por que um termômetro de gás a volume constante permite a definição de uma
escala termométrica absoluta?

DILATAÇÃO  TÉRMICA  

1.7.19 Explique, em termos microscópicos, por que os materiais podem sofrer dilatação
quando sua temperatura é variada?
1.7.20 A equação ΔL = αLΔT   expressa a variação do comprimento com a temperatura.
Obtenha as equações ΔA = 2αAΔT e ΔV = 3αVΔT   que descrevem a variação da
área e do volume com a temperatura, respectivamente.
1.7.21 O que é dilatação aparente?
1.7.22 O que existe de peculiar e importante na dilatação térmica da água?
F
1.7.23 Explique  a  expressão  para  a  tensão  térmica   = −YαΔT ,  onde  F  é  a  tensão  da  barra,  A  é  
A
a  área  da  seção  reta,  α  é  o  coeficiente  de  dilatação  linear  e  Y  é  o  módulo  de  Young.
1.7.24 Pode  existir  coeficiente  de  dilatação  negativo?

1.8. Exercícios  de  fixação  

1.8.1 Em alguns locais da Terra a temperatura em graus Celsius é igual à temperatura


em graus Fahrenheit. Qual é o valor desta temperatura? Qual é a estação mais
provável?
1.8.2 O ganho de um certo amplificador à temperatura ambiente (20,0ºC) é 30,0 e a
55,0º C é 35,2. Se o ganho variasse linearmente com a temperatura neste intervalo
limitado, qual seria o ganho a 28,0ºC?
1.8.3 Dois termômetros de gás a volume constante são imersos em um banho de água
no ponto de ebulição. Um utiliza nitrogênio e o outro hélio, e ambos contêm gás
suficiente para que ptr=100 cm Hg (figura abaixo). Qual é a diferença entre as pressões
dos dois termômetros e qual é a maior?

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

1.8.4 Usando-se um termômetro de gás a volume constante verificou-se que a pressão


do ponto triplo da água (0,01ºC) era igual a 4,80x104 Pa e a pressão do ponto de
ebulição normal da água (100ºC) era igual a 6,50x104 Pa.
(a) Supondo que a pressão varie linearmente com a temperatura, use esses dados
para calcular a temperatura Celsius para a qual a pressão do gás seria igual zero
(isso é, ache a temperatura Celsius do Zero absoluto).
T2 P2
(b) O gás neste termômetro obedece à equação = de modo preciso? Caso
T1 P1
esta equação fosse obedecida exatamente, e a pressão a 100ºC fosse igual a
6,50x104 Pa, qual seria a pressão medida a 0,01ºC?

1.8.5 Os trilhos de uma estrada de ferro são fixados quando a temperatura é de -5,0º C.
Uma seção padrão de trilho tem 12,0m de comprimento. Qual deve ser o espaçamento
entre as seções para que não haja compressão quando a temperatura subir até 42º C?
1.8.6 Mostre que se α depende da temperatura T, então

⎡ T ⎤
L ≅ L0 ⎢1 + ∫ α (T )dT ⎥
⎢⎣ T0 ⎥⎦

onde L0 é o comprimento à temperatura de referência T0.

1.8.7 A área A de uma placa retangular (figura abaixo) é ab e seu coeficiente de


dilatação linear é α. Com o aumento de temperatura ∆T, o lado a dilata ∆a e o lado b,
∆b.

Mostre que se desprezarmos o termo ∆a∆b/ab, então ΔA = 2αAΔT .

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

1.8.8 O avião supersônico Concorde possui um comprimento igual a 62,1 m quando está
em repouso no solo em um dia típico (a 15ºC). Ele é basicamente feito de alumínio.
Quando ele está voando com uma velocidade igual ao dobro da velocidade do som, o
atrito com o ar aquece a parte externa do Concorde e produz uma dilatação de 25 cm
no comprimento do avião. O compartimento dos passageiros está apoiado em
rolamentos, e o avião se expande em torno dos passageiros. Qual é a temperatura da
parte externa do Concorde durante o vôo?
1.8.9 Determine o coeficiente de dilatação volumétrica da água à uma temperatura de
9ºC. Utiliza a afigura do problema que descreve a variação do volume da água em
função da temperatura.

1.8.10 Uma barra de latão possui comprimento igual a 185 cm e diâmetro igual a 1,60
cm. Qual é a força que deve ser aplicada a cada extremidade da barra para impedir
que ela se contraia quando for esfriada de 120ºC para 10ºC? O módulo de Young do
latão vale 9 x1010 N/m2.

1.9. Problemas  

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15  
Unidade  1:  Equilíbrio  térmico,  Temperatura  e  Dilatação  

 
1.9.1 À uma temperatura T0, a aresta de um cubo é igual a L0 e ele possui densidade
igual a ρ0. O material constituinte do cubo possui coeficiente de dilatação volumétrica
igual a β.
(a) Mostre que quando a temperatura cresce de T0+∆T, a densidade do cubo passa a
ser dada aproximadamente por ρ ≈ ρ 0 (1 − βΔT ) . (Sugestão: Use a expressão

(1 + x )n ≈ 1 + nx , válida quando x <<1) Explique porque este resultado


aproximado é valido somente quando ∆T for muito menor do que 1/β e explique por
que é de esperar essa aproximação na maior parte dos casos.
(b) Um cubo de cobre possui aresta de 1,25 cm a 20,0ºC. Calcule sua variação de
volume e de densidade quando sua temperatura passa para 70º C.
1.9.2 Mostre que se os comprimentos de duas barras de materiais diferentes são
inversamente proporcionais a seus respectivos coeficientes de dilatação linear à
mesma temperatura inicial, a diferença entre os seus comprimentos será constante em
todas as temperaturas.
(a) Quais deveriam ser os comprimentos de uma barra de aço e uma de latão a 0ºC
para que as diferenças de seus comprimentos fosse 0,30 m em todas as
temperaturas?
F
1.9.3 A equação = −YαΔT fornece a tensão necessária para manter a temperatura
A
da barra constante à medida que a temperatura da barra varia. Mostre que se o
comprimento pudesse variar de ∆L quando a sua temperatura varia de ∆T, a tensão
seria dada por:

F ⎛ ΔL ⎞
= Y ⎜⎜ − αΔT ⎟⎟
A ⎝ L0 ⎠
Onde F é a tensão da barra, L0 é o comprimento original da barra, A é a área da seção
reta, α é o coeficiente de dilatação linear e Y é o módulo de Young.

______  
Fundamentos  de  Termodinâmica  -­‐  25/10/15