Você está na página 1de 16

Classificação Domínios

TESTE de AVALIAÇÃO de PORTUGUÊS – 11º ano

Leitura _______
Aluno ............................................................................... nº ........ Turma …..

Escola Secundária …… / ……. / 2018 Enc. Educação ..............................................


Dr. José Afonso Prof. Alice Ferro

Obs:

1.Indica título e subtítulo da obra.

Capítulo III

1. Refira o tipo de relação que começou entre Rita, a irmã de Simão, e Teresa.
2. Mencione o propósito do pai de Teresa face ao seu futuro.
3. Explique a última frase deste capítulo.

Capítulo IV

1. Mencione o acontecimento que quebrou a relativa paz de Teresa.


2. Ao receber a carta de Teresa, Simão Tomou uma decisão. Refira-a, fundamentando-a
com uma frase do texto.
3. Explique a expressão: "Não há baliza racional para as belas, nem para as honrosas
ilusões, quando o amor as inventa" (último parágrafo do capítulo).

Capítulo V

1. Explique como decorreu o encontro noturno de Teresa com Simão, logo no início do
capítulo.
2. Mostre como Mariana, a filha do ferreiro que alojou Simão, teve uma premonição funesta
face a este último.
3. Indique quem procurou mandar matar Simão e de que modo o fez.

Capítulo VI

1. Refira as implicações do discurso do ferreiro no penúltimo parágrafo do texto.


2. Explique que razões tinha Simão para se sentir arrependido por se ter ligado a esta
personagem.

Capítulo VII

1. Exprima o significado da frase de Teresa ao dar entrada no convento de Monchique:


"Estou mais livre que nunca. A liberdade de coração é tudo".
2. Caracterize o espaço social do convento, apresentando exemplos concretos.
3. Explique a intenção do autor ao retratar este ambiente.

Capítulo VIII

1. Caracterize Mariana, através das suas atitudes ao longo deste capítulo.


2. No final do Capítulo VIII, o narrador tece considerações sobre o facto de Simão saber que
despertou amor em Mariana. Comente-as.

Capítulo XX e Conclusão

Considere as características das personagens, tal como o desenlace da obra e, depois de ler
o texto abaixo, (sobre as características do movimento Romântico na literatura) elabore um
pequeno texto expositivo (de 80 a 100 palavras) onde apresente as razões pelas quais
podemos considerar que a obra Amor de Perdição se inscreve neste movimento.

1. Situe o capítulo no desenvolvimento da intriga.

2. Justifique a presença das personagens em cena.

3. Comente a técnica narrativa utilizada pelo narrador, nesta fase final do drama
amoroso dos protagonistas.

4. Indique os aspetos românticos na caracterização do par amoroso.

5. Atente no desenrolar da ação dramática.


5.1. Destaque as sequências claramente narrativas dos momentos de paragem na ação
dramática.
5.2. Comente o interesse desse abrandamento narrativo.

7. O tempo é romântico. Justifique.

8. Descubra as formas de intromissão do narrador no relato.

Faça o comentário global do texto, tendo em conta os seguintes tópicos de análise


textual:

- Importância da referência precisa ao tempo diegético;


- Caracterização de Simão enquanto herói anti-social;
- Ritmo narrativo;
- Recursos estilísticos;
- Léxico e seu valor

II

A propósito de Mariana, figura feminina de Amor de Perdição, o narrador interroga:


«Que anjo te fadou o coração para a santidade desse obscuro martírio?»
partir da frase acima transcrita, redija uma pequena composição a respeito da
complexidade desta personagem.

Cap. II
Interprete o texto com base nos seguintes tópicos de análise:

1. Relacione a carta com o momento da intriga que Simão filtra pela violência do seu
discurso.

2. Caracterize a personagem Simão, referindo os valores que, na sua própria


expressão, norteiam a conduta do herói.

3. Comente os aspetos linguísticos e as funções da linguagem mais importantes neste


texto.

4. Inventarie os aspetos românticos desta carta dirigida a Teresa.

5. Explique a relação amor-poeta - religião enquanto valor romântico.

6. Defina, ilustrando com exemplos, o conceito de amor presente neste texto.

7. Detecte no texto as expressões que apontam para o sentido de uma fatalidade


inelutável para as personagens.

8. Mostre como "a presença de Mariana" se vai tornando cada vez mais importante
para Simão, determinando até, na parte final da obra, o comportamento e opções do
herói.
2. Com base na informação recolhida do texto, proceda a caracterização da
personagem Mariana.

3. Saliente o valor da pontuação das frases da figura feminina.

4. Recordando a obra Amor de Perdição, confirme a previsão apontada na última frase


do texto.

2. Mostre que é a percepção da morte que organiza os sentidos deste texto.

3. Dividida a carta nas suas partes, resuma cada uma delas.

4. Confirme na carta de Teresa:


- os aspectos românticos.
- a dimensão metafísica e a fonte indestrutível do amor.
- a visão mística da vida além-túmulo.
- o sentimento romântico subjacente à descrição da paisagem.
-as funções emotiva e apelativa de linguagem, bem como as marcas linguísticas que as
servem.

5. "Adeus! luz da eternidade parece-me que já te vejo, Simão!"


5.1. Interprete a relação dos amorosos "à luz" desse conceito.
5.2. Destaque a função principal das cartas trocadas entre Simão e Teresa "à luz" do
amor "fatal" que os desgraçou.

6. Relacione os múltiplos aspectos explorados nas cartas com os modos narrativo,


lírico e dramático que são já do seu conhecimento.

Cap. VIII

1. Situe o texto na intriga da novela.

2. Detendo-se sobre Mariana, caracterize esta personagem indicando:


- a ligação que a unirá a Simão;
- os papéis que desempenhará junto do protagonista;
- os pormenores realistas na construção deste personagem;
- a relação que mantém com o pai, João da Cruz;
- a importância da longa intervenção dirigida a Simão.

3. Saliente, justificando a sua presença no texto, os níveis de língua patentes nas falas
de João da Cruz (e Mariana), por um lado, e Simão, pelo outro.

4. Recorde o que o narrador afirma sobre algumas das personagens.


4.1. Tendo por base a caracterização direta feita pelo narrador, bem como o papel e
função das personagens na ação, compare:
- Mariana a Teresa;
- Simão a Baltasar Coutinho.

5. "O rosto de Mariana acerejou-se quando aquela última palavra saiu [...]" "Neste
lance, um observador perspicaz veria luzir nos olhos de Mariana um clarão de inocente
alegria" (cap. VIII)
5.1. Explicite o conflito íntimo vivido por Mariana, justificando a sua humanidade e
complexidade.
5.2. Descubra as diversas formas da particular atenção que o narrador dedica a
Mariana.
5.3. Explore as consequências dessa postura na construção e caracterização da
personagem.

1.1 1. Refere os aspectos que conferem a esta obra as características de uma novela.
2. Indica o acontecimento real inspirador da construção da acção da obra.
3. Aponta os elementos que contribuem para a verosimilhança da acção narrada.
3.1. Comenta o seu valor, tendo em conta o momento em que surgem, ao nível
da estrutura interna da novela.
4. Na Introdução, o narrador afirma que Simão Botelho "(...) amou, perdeu-se e
morreu amando".
4.1. Relaciona esta frase com a estrutura da narrativa.
5. Encontramos, nesta obra de Camilo Castelo Branco, uma acção fechada e uma
acção aberta.
5.1. Justifica a afirmação apresentada.
6. Num pequeno texto, menciona os aspectos mais relevantes em relação à
caracterização de Simão Botelho.
7. Compara, ao nível da caracterização de personagens, o par feminino Teresa
de Albuquerque e Mariana.
8. João da Cruz é o protótipo do "bom bandido". Ele é também considerado a
personagem mais autêntica da obra.
8.1. Comenta estas afirmações, explicitando-as através da recorrência a
fragmentos textuais.
A obra Amor de Perdição foi escrita por
(A) Camilo Castelo Branco.
(B) Almeida Garrett.
(C) Alexandre Herculano.

1.2 A ação de Amor de Perdição inicia-se na segunda metade


(A) do século XVIII e decorre sempre em Viseu.
(B) do século XVII e decorre sempre em Viseu.
(C) do século XVIII e decorre quase sempre em Viseu.

1.3 Na origem do ódio entre as famílias Botelho e Albuquerque está


(A) uma questão de heranças.
(B) uma questão relacionada com a justiça.
(C) o facto de Domingos Botelho ser muito ciumento.

1.4 Enquanto vivia com Simão em Coimbra, Manuel escreveu uma carta ao pai, em
que referia
(A) o génio sanguinário do irmão, que o assustava.
(B) o facto de o irmão não se empenhar nos estudos.
(C) o facto de o irmão estar apaixonado e alheado de tudo.

1.5 Antes de amar Teresa, Simão era


(A) pacífico e inteligente.
(B) arrogante e cumpridor.
(C) arrogante e irascível.
1.6 Antes de se apaixonar por Teresa, Simão fugiu para Coimbra, com o dinheiro da mãe,
(A) por ter agredido várias pessoas, numa situação que envolveu Baltasar
Coutinho.
(B) devido a um desentendimento com o pai.
(C) por ter agredido várias pessoas, numa situação que implicou um criado da
família.

1.7 Caracterizando Teresa a partir do diálogo entre esta e Baltasar, o narrador


descreve-a como uma mulher
(A) que se assemelhava a um anjo do Céu.
(B) a quem o amor fortaleceu o orgulho.
(C) que esconde bem a sua fraqueza.
1.8 Depois de amar Teresa, Simão transforma-se, tornando-se
(A) responsável e pacífico.
(B) provocador mas aplicado nos estudos.
(C) boémio e provocador.

1.9 Vendo que a filha recusa o casamento com o primo de Castro Daire, Tadeu de
Albuquerque toma a decisão de
(A) a encerrar num convento.
(B) ameaçar Simão.
(C) fazer as pazes com Domingos Botelho.

1.10 Em Coimbra a estudar, Simão decide ir ver Teresa, tendo ficado hospedado na
casa
(A) de um ferreiro.
(B) de um corregedor.
(C) do arrieiro com quem partira de Coimbra.

1.11 Mariana é
(A) a filha de João da Cruz.
(B) uma amiga de infância de Teresa.
(C) a irmã de João da Cruz.

1.12 João da Cruz é um rústico camponês que irá proteger Simão e


(A) incentivá-lo a fazer tudo por Teresa.
(B) contrariar, por vezes, o idealismo do académico.
(C) acreditar que ele casará com a sua filha.

1.13 Quando Teresa se encontra no convento de Viseu, quem lhe entrega algumas
cartas de Simão é
(A) a cunhada de João da Cruz.
(B) Rita, a irmã predileta de Simão.
(C) Mariana.

1.14 Relativamente a Teresa, Mariana


(A) nunca sente ciúmes, porque vê Simão como um irmão.
(B) nunca sente ciúmes, pois o seu coração não é o de mulher, mas de anjo.
(C) sente ciúmes, pois o seu coração é o de mulher.

1.15 Simão mata Baltasar na madrugada em que


(A) o primo de Teresa tenta levá-la à força para Castro Daire.
(B) Teresa vai ser levada para o convento de Monchique.
(C) Teresa vai ser levada para o convento de Viseu.

1.16 Depois de matar Baltasar, Simão


(A) não foge e diz que agiu em legítima defesa.
(B) foge com a autorização do meirinho-geral.
(C) não foge e entrega-se às autoridades.
1.17 Depois de Simão escolher o degredo, Mariana
(A) torna-se a representação perfeita da mulher-anjo, tomando a decisão de
o acompanhar para sempre.
(B) tenta convencê-lo a desistir de Teresa, para que ele não desgrace mais a
sua vida.
(C) diz-lhe que não aguentará a separação e que, por essa razão, escolherá a
morte.

1.18 Simão escolhe o degredo porque


(A) deseja a liberdade e o cativeiro tirou-lhe a «ânsia de amar».
(B) Teresa lhe pediu que o fizesse.
(C) Mariana lhe pediu que o fizesse.

1.19 Na última carta que escreve a Simão, Teresa fala-lhe como


(A) sua irmã.
(B) sua esposa do Céu.
(C) alguém que aguardará o seu regresso.

1.20 De acordo com a Conclusão, Simão Botelho era


(A) sobrinho do autor.
(B) primo do autor.
(C) tio do autor.

1.21 Subjacente à intriga de Amor de Perdição estará o intuito de fazer uma crítica
(A) ao poder excessivo do amor, que enlouquece e leva à rebelião dos filhos.
(B) a uma sociedade em que os filhos perdem os valores que lhes foram
transmitidos.
(C) a uma sociedade na qual existem obstáculos à realização do amor.
Correção
1.1 (A); 1.2 (C); 1.3 (C); 1.4 (A); 1.5 (C); 1.6 (C); 1.7 (B); 1.8 (A); 1.9 (A); 1.10 (A); 1.11 (A);
1.12 (B); 1.13 (C); 1.14 (C); 1.15 (B); 1.16 (C); 1.17 (A); 1.18 (A); 1.19 (B); 1.20 (C); 1.21
(C).

1.Que tipo de narrador há na obra? Qual é a atitude dele diante dos factos que narra?

2.Pode-se dizer que Teresa e Mariana, embora de maneiras diferentes, encarnam personagens
tipicamente românticas? Por quê?

4.Escreva o nome dos personagens do livro de acordo com as características apresentadas.

“É forte de compleição; belo homem com as feições de sua mãe, e a corpulência dela; mas de
todo avesso em gênio.”_____________________________________________
“…era um composto de excelências, tinha apenas uma quebra: a absoluta carência de brios.”
________________________________________________________________
“…menina de quinze anos, rica herdeira, regularmente bonita e bem nascida…tem força de
caráter, orgulho fortalecido pelo amor…”______________________________
“… rapariga camponesa (…) bem mais bonita que a fidalga!”____________________
“… antes de ser ferrador foi criado de farda em casa do fidalgo de Castro-Daire, que é o senhor
Baltasar…” ___________________________________________________

5.Mariana é uma figura de destaque na história. O seu comportamento é tipicamente romântico.


Apesar de seu enorme amor por Simão, ela coloca a felicidade do amado acima de tudo, só
existindo em função dele. Cite duas atitudes dela que comprove esta afirmação.

6.À semelhança de Romeu e Julieta, Simão Botelho e Teresa de Albuquerque vivem um amor
impossível de ser concretizado por causa da rivalidade dos seus pais. Por que razão as famílias
Botelho e Albuquerque se tornaram inimigas?
7.Logo no primeiro capítulo, ao relatar o casamento de Domingos Botelho e D. Rita Preciosa, pais
de Simão e avós paternos de Camilo, o narrador dá mostras de seu estilo humorístico e irônico:
À distância duma légua de Vila Real estava a nobreza de vila esperando o seu conterrâneo.
Cada família tinha a sua liteira com o brasão da casa. A dos Correias de Mesquita era a mais
antiquada no feitio, e as librés dos criados as mais surradas e traçadas que figuravam na
comitiva. Rita, avistando o préstito das liteiras, ajustou ao olho direito a sua grande luneta de ouro
e disse:
-Ó Meneses, aquilo que é?
– São os nossos amigos e parentes que vêm esperar-nos.
– Em que século estamos nós nesta montanha? – tornou a dama do paço.
– Em que século? O século tanto é dezoito aqui como em Lisboa.
– Ah! Sim? Cuidei que o tempo parara aqui no século doze…

Comente a crítica social feita por Camilo no fragmento acima.

.
7.Amor de Perdição é um romance de Camilo Castelo Branco em que a instituição “família”
desempenha um papel decisivo.
Estabeleça um paralelo entre os papéis exercidos pela família Albuquerque sobre Teresa e
aqueles exercidos pela família Botelho sobre Simão.

8.Nesse romance, um dos tópicos importantes é o da relação entre pais e filhos: contraste as
relações que se dão na família de João da Cruz, por um lado, com as que se dão nas famílias
Botelho e Albuquerque, por outro.
No prefácio da quinta edição portuguesa do romance AMOR DE PERDIÇÃO, Camilo Castelo
Branco afirmava ironicamente:
“Eu não cessarei de dizer mal desta novela que tem a boçal inocência de não devassar alcovas,
a fim de que as senhoras a possam ler nas salas, em presença de suas filhas ou de suas mães,
e não precisem de esconder-se com o livro no seu quarto de banho. Dizem, porém, que o Amor
de Perdição fez chorar. Mau foi isso. Mas agora, como indenização, faz rir: tornou-se cômico
pela seriedade antiga (…). E por isso mesmo se reimprime. O bom senso público relê isto,
compara com aquilo, e vinga-se barrufando(*) com frouxos de riso realista as páginas que há dez
anos aljofarava(**) com lágrimas românticas.
(*) barrufando: variante de borrifando.
(**) aljofarava: orvalhava.

Como pode notar, o autor faz referência a duas escolas literárias para explicar como AMOR DE
PERDIÇÃO produziria no público leitor, por ocasião de sua reimpressão, uma reação
completamente diferente daquela produzida ao ser publicado pela primeira vez. Considerando tal
afirmação:
a) Cite um episódio do romance que poderia provocar lágrimas nos leitores da primeira
edição e ataques de “riso realista” nos leitores da quinta edição.

b) Como se explica uma reação tão diferente por parte dos leitores dessas duas edições?

9.Leia com atenção o trecho abaixo, extraído do último capítulo de Amor de Perdição, de Camilo
Castelo Branco.
Viram-na, um momento, bracejar, não para resistir à morte, mas para abraçar-se ao cadáver de
Simão, que uma onda lhe atirou aos braços. O comandante olhou para o sítio donde Mariana se
atirara, e viu, enleado no cordame, o avental, e à flor da água, um rolo de papéis, que os marujos
recolheram na lancha.

A) Que relação há, em Amor de Perdição, entre as personagens Simão e Mariana?

B) No trecho citado, o narrador menciona um “rolo de papéis”. Que papéis são esses?
C) Considerando as respostas dadas aos itens A e B, analise a função desempenhada pela
personagem Mariana na estrutura do romance.

10.De acordo com a obra “Amor de Perdição”, de Camilo Castelo Branco assinale a correta.
1. o amor de Simão e Teresa é visto pelo narrador como uma brincadeira de criança.
2. o amor de Simão e Teresa, caracterizado como “amor à primeira vista”, foi intenso no
início, mas não durou muito.
3. Teresa, aos quinze anos, amava como uma “avezinha que ensaia o voo fora do ninho”.
4. o caso de amor entre Simão e Teresa quebrou as expetativas do narrador em relação a
namoros de juventude.
5. o amor de Simão e Teresa é prova de que os poetas e prosadores estão enganados em
relação aos relacionamentos juvenis

11.Escreva V ou F nos parênteses.

( ) Simão Botelho – Inicialmente é apresentado como um jovem de temperamento sanguinário


e violento. Perturbador da ordem para defender a plebe com quem convive e agitador na
faculdade, onde luta de forma brutal pelas ideias jacobinistas.
( ) O episódio mais representativo do romance, no sentido de provocar lágrimas nos leitores
românticos e risos nos leitores realistas, ocorre no início da obra, quando o tema da ‘morte por
amor” atinge o clímax.
( ) Teresa de Albuquerque – Protagonista, menina de 16 anos que se apaixona por Simão,
também sai adquirindo densidade heroica ao longo da obra: firme e resoluta em seu amor, ela
mantém-se inflexível perante os pedidos, as ameaças -e finalmente as atrocidades e violências
cometidas pelo pai.
( ) Mariana – Moça rica da cidade, de olhos tristes e belos, tem sido considerada, algumas vezes,
como a personagem mais romântica da história, porque o sentir a satisfaz, sem necessidade ao
menos de esperança de concretizar-se o seu amor por Simão.
( ) João da Cruz – O pai de Mariana, destaca-se como personagem mais sensato, mais
equilibrado, o único personagem que possui traços realistas, de Amor de Perdição. Ferreiro e
transformado em assassino numa briga, João da Cruz consegue de Domingos Botelho, pai de
Simão, a liberdade.

12.Assinale a alternativa incorreta sobre a obra de Camilo Castelo Branco


1. Em Amor de Perdição, os sentimentos não se submetem aos preconceitos e se põem em
luta com as convenções sociais.
2. É uma das obras mais férteis da literatura portuguesa, pois nela encontramos poesia,
teatro, crítica literária, ensaios, romances e novelas.
3. A pequena burguesia do Porto é enfoque comum em sua novela.
4. Apega-se exclusivamente ao real, sem se transpor para o domínio do imaginário

13.Na novela Amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco,


a) Simão ficou indeciso entre o amor de Mariana e o de Teresa.
b) Simão rejeitou a oportunidade que lhe foi oferecida para livrar-se do desterro.
c) a apresentação do pai e de suas origens justifica o orgulho que a família de Simão ostenta.
d) o autor revela grande respeito pelas instituições religiosas de seu tempo.
e) Ritinha, irmã mais nova de Simão, abandonou a família para apoiá-lo em suas dificuldades.

14.Sobre a obra de Camilo Castelo Branco, Amor de perdição, assinale a alternativa incorreta.
a) O amor é visto como um sentimento superior; é a razão de viver e de morrer; é o que sela o
destino dos homens.
b) Teresa mostra-se como uma mulher áspera e rebelde ao deixar-se levar para o convento.
c) Mariana, ao atirar-se ao mar, procura na morte a possibilidade de encontrar-se novamente com
Simão.
d) O desprezo rebelde pelo mundo e pelas regras sociais; o amor que se configura como um
sentimento arrebatador, que leva à tragédia, é uma das características ultrarromânticas presentes
no texto.

Texto para as questões de 15 a 17


Amava Simão uma sua vizinha, menina de quinze anos, rica herdeira, regularmente bonita e
bem-nascida. Da janela do seu quarto é que ele a vira a primeira vez, para amá-la sempre. Não
ficara ela incólume da ferida que fizera no coração do vizinho: amou-o também, e com mais
seriedade que a usual nos seus anos.
Os poetas cansam-nos a paciência a falarem do amor da mulher aos quinze anos, como
paixão perigosa, única e inflexível. Alguns prosadores de romances dizem o mesmo. Enganam-se
ambos. O amor dos quinze anos é uma brincadeira; é a última manifestação do amor às bonecas;
é a tentativa da avezinha que ensaia o voo fora do ninho, sempre com os olhos fitos na ave-mãe,
que a está da fronde próxima chamando; tanto sabe a primeira o que é amar muito, como a
segunda o que é voar para longe.
Teresa de Albuquerque devia ser, porventura, uma exceção no seu amor.
Camilo Castelo Branco – Amor de perdição
15.De acordo com o texto,
a) o amor de Simão e Teresa é visto pelo narrador como uma brincadeira de criança.
b) o amor de Simão e Teresa, caracterizado como “amor à primeira vista”, foi intenso no início,
mas não durou muito.
c) Teresa, aos quinze anos, amava como uma avezinha que ensaia o voo fora do ninho.
d) o caso de amor entre Simão e Teresa quebrou as expectativas do narrador com relação a
namoros de juventude.
e) o amor de Simão e Teresa é prova de que os poetas e prosadores estão enganados com relação
aos relacionamentos juvenis.
16.Assinale a alternativa correta.
a) A analogia presente no segundo parágrafo corresponde a um argumento do narrador para
provar a afirmação Enganam-se ambos.
b) A analogia presente no segundo parágrafo contradiz a afirmação Enganam-se ambos.
c) A analogia presente no segundo parágrafo retoma e confirma a afirmação feita por poetas e
prosadores.
d) O último período do texto exemplifica a analogia usada pelo narrador no segundo parágrafo.
e) O último período contesta, ironicamente, a afirmação feita pelo narrador no primeiro parágrafo.

17.Assinale a alternativa correta.


a) A divergência do narrador com relação à conceção de amor veiculada pela ficção é prova de
que o texto pertence ao Realismo.
b) No contexto, a crítica a poetas e prosadores funciona como estratégia para o narrador obter
credibilidade dos leitores.
c) A temática do amor não correspondido, implícita no texto, revela-nos um ponto de vista narrativo
comprometido com a fidelidade aos fatos da realidade.
d) O estilo romântico do texto é comprovado pela linguagem rebuscada com que o narrador
comenta a fragilidade do amor entre Simão e Teresa.
e) O aproveitamento de temática amorosa nos moldes de Romeu e Julieta, de Shakespeare, atesta
o estilo clássico de Camilo Castelo Branco

18.Sobre Amor de perdição, do escritor Camilo Castelo Branco, assinale a alternativa


INCORRETA:
a) Amor de perdição é uma novela ultrarromântica, marcada pelo sentimento passional e pelo
idealismo amoroso, confirmando, assim, duas das principais características do período, que foram
o subjetivismo e a luta individual do herói.
b) Narrada em terceira pessoa, a novela segue as convenções tradicionais da narrativa de ficção,
como a sequência temporal dos acontecimentos e a linearidade do enredo, apresentando também
referências históricas e biográficas.
c) O ultrarromantismo da novela é quebrado por tendências realistas observadas no
posicionamento da personagem Mariana e na forma pouco subjetiva como a realidade é tratada
numa ficção documental.
d) Mariana é a principal agente de comunicação entre Simão e Teresa, figurando como
personagem auxiliar que promove a união amorosa entre os dois adolescentes apaixonados,
embora não possa dela participar.
e) A personagem Mariana, encarnando o amor romântico, com pureza e resignação, e a
personagem Teresa, representando a mulher inacessível e idealizada, encontram na morte a
plenitude do amor idealizado, nesta novela da segunda fase romântica da literatura portuguesa.
20.Sobre Simão, herói da obra Amor de perdição, de Camilo Castelo Branco, podemos afirmar
que:
A)parte do princípio que tudo é válido em nome do amor, até mesmo matar ou morrer, se preciso
for. Transgredi; redime-se, no entanto, ao aceitar a punição que a sociedade lhe impõe.
B)é um indivíduo cheio de defeitos e vícios, egoísta, egocêntrico, incapaz de amar ou expressar
qualquer sentimento. É, portanto, um total anti-herói.
C)é capaz dos maiores sacrifícios em nome do amor, até mesmo renunciar da companhia da
amada para preservar a pureza e a grandeza de seu sentimento.
D)mesmo acreditando ser tudo lícito, desde que praticado em nome do amor, recusa-se a seguir
seu coração por medo de trazer a infelicidade à sua amada.
E)é um anti-herói, representante da elite nobre, resquício do feudalismo em pela modernidade, e
acredita ter o direito de casar-se com a amada porque assim lhe foi prometido pela família da
moça.

21.( Sobre Amor de perdição, do escritor Camilo Castelo Branco, assinale a alternativa
INCORRETA:
(A) Amor de perdição é uma novela ultrarromântica, marcada pelo sentimento passional e
pelo idealismo amoroso, confirmando, assim, duas das principais características do
período, que foram o subjetivismo e a luta individual do herói.
(B) Narrada em terceira pessoa, a novela segue as convenções tradicionais da narrativa de
ficção, como a sequência temporal dos acontecimentos e a linearidade do enredo,
apresentando também referências históricas e biográficas.
(C) O ultrarromantismo da novela é quebrado por tendências realistas observadas no
posicionamento da personagem Mariana e na forma pouco subjetiva como a realidade é
tratada numa ficção documental.
(D) Mariana é a principal agente de comunicação entre Simão e Teresa, figurando como
personagem auxiliar que promove a união amorosa entre os dois adolescentes
apaixonados, embora não possa dela participar.
(E) A personagem Mariana, encarnando o amor romântico, com pureza e resignação, e a
personagem Teresa, representando a mulher inacessível e idealizada, encontram na
morte a plenitude do amor idealizado, nesta novela da segunda fase romântica da
literatura portuguesa.

22.Assinale a alternativa que não se relaciona com as personagens de Amor de Perdição:


1. personagens ricas e pobres convivem lado alado.
2. As ações das personagens são marcadas pela contenção de sentimento e emoções.
3. Simão é caracterizado através de atributos antagônicos.
4. Teresa representa a mulher burguesa subjugada pela prepotência dos pais.
5. Mariana é a imagem da mulher do povo: franca, rude e generosa.
23.É uma característica da obra de Camilo Castelo Branco:

a)a influência rica, em sua poesia, de símbolos, imagens alegóricas e construções.


b)a oscilação entre o lirismo e o sarcasmo, deixando páginas de autêntica dramaticidade, vibrando
com personagens que comumente intervêm no enredo, tecendo comentários piedosos, indignados
ou sarcásticos.
c) a busca de uma forma adequada para conter o sentimentalismo do assado e das formas
românticas.
d)o fato de deixar ao mundo um alerta sobre o mal-estar trazido pela civilização moderna e
industrializada.
e)o apego ao conto como principal realização literária, através do qual se tornou um dos autores
mais respeitados na literatura portuguesa.

24.Assinale a alternativa correta sobre Amor de Perdição:


a)Mariana é passional porque não pode cumprir tarefas contra si própria.
b)Simão é o tipo do fidalgo que explora Mariana para conseguir encontrar-se com Baltasar
Coutinho.
c)Baltasar Coutinho sabe da chegada de Simão e o espera de tocaia.
d)João da Cruz é o homem do povo que se comporta como vassalo voluntário e fiel do herói do
romance.
e)Teresa não deseja ver Simão por perto, porque deseja ganhar tempo e se decidir entre Simão e
Baltasar