Você está na página 1de 11

Revista TREINAMENTO DESPORTIVO 37

REVISÃO

Aprendizagem dos arremessos do handebol


na escola do ensino fundamental e médio

Elói Zamberlan
Universidade Estadual de Londrina – PR

RESUMO INTRODUÇÃO
O estudo sobre o handebol na escola, teve como objetivo, uma
O handebol surgiu no Brasil, por volta de 1.950/
abordagem teórica pedagógica do handebol em escolares.
Em princípio foi realizado um estudo bibliográfico das caracte- 52. O grande impulso a nível nacional começou a
rísticas e necessidades da criança. Partimos do pressuposto que acelerar em 1.969 quando foi introduzido nos Iº Jo-
o comportamento ocorre em três domínios: cognitivo, afetivo e gos Estudantis Brasileiros. Na Europa o handebol (de
psicomotor. A seguir foi abordada a iniciação do handebol na
escola e sua influência na formação do jogador de handebol, bem
salão) teve seu inicio e impulso na década de 30,
como sua motivação, a idade ideal para iniciar a modalidade e os portanto, o Brasil está aproximadamente 40 anos atrás
diferentes momentos de formação. Verificou-se diferentes aspec- dos países da Europa que desenvolvem o handebol.
tos metodológicos que devem ser levados em consideração, na
iniciação do handebol, dentro de um processo de ensino-apren- O objetivo principal do handebol é conseguir a
dizagem. marcação de gols. Para se marcar um gol a equipe
Palavras Chaves: escola, handebol. deve combinar perfeitamente as técnicas de ataque,
iniciando pelo perfeito domínio dos diversos tipos
de passes, recepção e fintas, além de outros recursos
ABSTRACT importantes, que colocam um jogador em condições
The purpose of this study was to examine a theoretical- de arremessar, após ter conseguido desequilibrar a
pedagogical approach to the teaching of handball on the school defesa adversária.
setting. Initially, we focused on a review of literature addressing
the characteristics and needs of school children. It was assumed A defesa procura evitar que um atacante se
that behavior occurs in the domains: cognitive, affetive and posicione ou consiga uma situação favorável para fi-
psychomotor. The teaching of handball in school and its influence nalizar (arremesso a gol), utilizando técnicas defensi-
on the formation of handball players, as well motivation, ideal
vas, tais como: posição básica, deslocamentos, blo-
age to start playing were discussed. It was observed that different
methodological aspects should be considered in the process of queio e marcação. Com isto, o handebol torna-se uma
teaching and learning of handball. luta constante entre defensores, que procuram provo-
car o erro adversário, e os atacantes que buscam cons-
Key Words: school, handball. tantemente uma posição ideal para a finalização. A
posse de bola, no ataque, é fundamental para se con-
seguir a marcação de gols. Uma equipe deve evitar ao
máximo perder um ataque por erro técnico (passe e
recepção errada, duplo drible, mais que três passos,
TREINAMENTO Volume 4 – Número 1 – 1999
DESPORTIVO Artigo Revisão: págs. 37 a 47 falta de ataque, etc.) já que neste caso o percentual de
38 Revista TREINAMENTO DESPORTIVO

gol é zero, sendo que num arremesso, sempre existe A aquisição dos altos níveis de força dos antago-
uma chance de se marcar o gol. nistas diminui esta fase de freada, onde podemos re-
Com a evolução técnica e tática da defesa, que alizar o arremesso com mais explosão.
cada vez mais procura forçar o erro adversário, pelas C – Atuação dos fixadores (grandes grupos mus-
constantes saídas e pressão nos atacantes, hoje é im- culares da cintura escapular e pelviana), junto aos
prescindível o bom domínio das técnicas de ataque, abdominais e os lombares é fundamental para con-
pois vence o jogo quem cometer menos erros técni- seguir uma grande eficácia nos arremessos. Nos ar-
cos (passe e recepção errada, duplo drible, falta de remessos com apoio, atuando de forma sinérgica ou
ataque, mais que três passos, arremesso, etc.). concatenada, seguem a técnica do lançamento, e nos
arremessos em suspensão, onde o quadril se conver-
O lançamento (arremesso à gol) é o último gesto
te no centro da aplicação das forças, os abdominais
técnico utilizado enquanto uma equipe estiver de
são importantes como transmissores ou indicadores
posse da bola. O lançamento é precedido de vários
do arremesso.
movimentos técnico-tático e utilização de elementos
motores específicos de ataque, através do qual se O desenvolvimento dos níveis de força dos abdo-
consegue o objetivo do handebol, ou seja, a marca- minais e lombares além de ser importante no arremes-
ção de um gol. so, é imprescindível também para os saltos e desloca-
mentos, especialmente durante as mudanças de dire-
Os lançamentos (arremessos) são gestos técnicos ção, de ritmo e nas aposições físicas contra adversá-
complexos, com grande exigência de coordenação rio. Assim torna-se fundamental no handebol, o traba-
motora e alto nível de força explosiva. Devem ser exe- lho muscular de toda região abdominal e lombar.
cutados a partir do momento que um jogador está em
condições favoráveis e o faça no momento oportuno. O arremesso a gol é uma variáveis que poderá
estar contribuindo para que o Handebol do Brasil não
Para que um lançamento consiga o resultado po- tenha a evolução esperada.
sitivo esperado, há necessidade de cumprir os passos
da biomecânica do movimento, ou seja, a execução O arremesso é o último gesto utilizado enquanto
correta da técnica do movimento. Alguns fatores de- uma equipe estiver no ataque de posse de bola. É
vem ser observados: precedido de vários movimentos táticos específicos
de ataque do qual se consegue o objetivo do handebol
A – Movimento articular. A técnica de execução
que é a marcação de um gol.
dos arremessos deve ser com movimento articular
amplo para que os músculos tenham a capacidade de Os arremessos são gestos complexos, com gran-
aplicar as forças gerais na contração muscular. de exigência de coordenação motora e devem ser
Na fase inicial, deve-se vencer a inércia da bola e executados a partir do momento que um jogador sin-
ta condições favoráveis e arremesse no momento
do braço e, na fase final, produzir uma aceleração
oportuno.
positiva ao longo do movimento articular até o mo-
mento da soltura da bola. Daí a necessidade de dotar Para que o arremesso tenha um resultado positi-
os músculos que intervém no lançamento (antebraço vo, é necessário a interação do sistema músculo-
e pulso) de uma grande velocidade para produzir uma esquelético e sistema nervoso, proporcionando uma
aceleração positiva em todo o movimento. maior força e relação velocidade-aceleração.
B – Atuação dos antagonistas. O arremesso não se A técnica do arremesso é mais importante que a
produz no momento de maior aceleração, como seria do passe. Um passe mau executado não quer dizer
o ideal, e sim quando o movimento está sofrendo uma que a bola esteja perdida, mas um mau arremesso é
desaceleração. Isto é devido à atuação dos antagonis- quase sempre bola perdida. Não se pode dizer quais
tas que de forma reflexa freia o movimento. são os melhores movimentos ou qual a melhor manei-
Revista TREINAMENTO DESPORTIVO 39

ra de arremesso. Isso depende de alguns fatores como: alizada nas escolas, onde muitas vezes, o principal
distância da baliza, ângulo de gol, possibilidade de objetivo é a performance atlética em detrimento da
bloqueio, etc. Para todas as posições, em relação à formação integral do educando.
baliza e ao adversário, o jogador tem que saber a ma- A grande polêmica nas escolas, é como os pro-
neira ideal de arremesso e utilizá-la, por isso, é neces- fissionais de Educação Física abordam a iniciação
sário que o jogador domine vários tipos de arremesso.
desportiva e que tipo de atividades desenvolvem com
Também é certo que cada jogador tem um arremesso
a criança nas várias faixa etária, especificamente nos
específico através do qual obtêm os melhores resulta-
arremessos.
dos e que logicamente deve aperfeiçoá-lo ao máximo,
porém, não deve conformar-se com essa única possi- Segundo JACQUIM (1963), podemos notar que
bilidade, pois se queremos enriquecimento de recur- a criança sofre uma eclipse parcial entre os nove e
sos do jogador para obtenção completa de suas possi- treze anos, devido a grande parte dos exercícios es-
bilidades e para o pleno desenvolvimento do handebol, colares serem tradicionais. Por outro lado, os exercí-
devemos exigir do jogador, um número mínimo de cios não oferecem suficiente material, para que o
arremessos com apoio e outro em suspensão. aprendiz possa servir-se dele e criar algo de novo e,
por outro lado, não dão imagem à fantasia, na medi-
Em resumo podemos interpretar o arremesso
da em que impedem a liberdade pessoal e forçam
como a conclusão de todos os elementos e movimen-
todas as crianças a entrar numa mesma forma. As-
tos que se desenvolvem ao longo do jogo no ataque.
sim, os métodos passivos utilizados na escola sufo-
O arremesso à gol deve ser observado alguns prin- cam a espontaneidade.
cípios técnicos para que sejam eficientes:
JOLIBOIS (1977) observa que a idade escolar,
A – O jogador deve executar o arremesso quando ou seja, a idade da escola primária, é o período ade-
existe espaço livre de trajetória e como conseqüên- quado para a iniciação desportiva.
cia, possibilidade de êxito.
O mesmo autor relata ainda que com cerca de dez
B – O jogador deve variar ao máximo a trajetória anos praticamente todos os desportos podem ser inici-
da bola ao arremessar , para conseguir sempre sur- ados com êxito. A faixa etária dos dez aos doze anos
preender o goleiro. compreende a idade de ouro da iniciação desportiva,
C – O alto grau de concentração e decisão serão devendo permitir à criança adquirir os automatismos
condições necessárias para uma correta execução do elementares que lhe servirão durante a vida.
arremesso.
Para desenvolver este trabalho, foi necessário re-
D – A correta realização do movimento articular alizar um estudo bibliográfico sobre o desenvolvi-
do pulso, que na maioria dos arremessos se deve pro- mento da criança, uma análise do jogo de handebol,
duzir, será fundamental para se obter o objetivo. suas características e aspectos metodológicos. Com
E – No arremesso com apoio a abertura de perna a realização do estudo, pretende-se responder o se-
deve ser pequena para dar mobilidade numa possí- guinte problema:
vel finta.
Obedecendo a idade cronológica da criança (de-
F – O jogador que arremessa deve ter sobre con-
senvolvimento físico, psicológico, etc), quando deve
trole todo campo visual.
ser iniciado e ensinado cada tipo de arremesso utili-
G – O jogador deve dar um tempo no braço (após zado no handebol e qual a faixa de idade ideal para o
o salto), observando a ação do goleiro, antes da sol- desenvolvimento de cada um deles. Metodologia de
tura da bola. trabalho que se identifica com as atividades (arre-
A nossa preocupação é justamente com os tipos messos) a serem desenvolvidas na iniciação, no aper-
de abordagens utilizados na iniciação desportiva re- feiçoamento e no treinamento.
40 Revista TREINAMENTO DESPORTIVO

TANI et alli (1988), relatam que quando estuda- lhos e na participação nas atividades, cooperação, or-
mos o comportamento humano, dois princípios devem ganização e iniciativa para a realização das ativida-
ser considerados: o da totalidade e da especificidade. des, participação com lealdade, espírito esportivo, to-
O primeiro sugere que em qualquer comportamento lerância, honestidade e coragem nas atividades de gru-
há a participação de todos os domínios. O segundo po ou jogos. 15 a 17 anos, assumir seu papel em ativi-
propõe que, embora todos os domínios estejam envol- dades individuais ou em equipes, segurança e interes-
vidos, cada domínio precisa ser analisado especifica- se na realização e participação nas atividades, tomar
mente, dada a importância de uns sobre os outros. iniciativa e liderar, se for o caso, em situações de jo-
O domínio cognitivo abrange as habilidades e gos, recreação ou outras atividades, expressar quali-
capacidades intelectuais do aluno, assim como seu dades morais e esportivas sob comportamento quali-
conhecimento e sua capacidade de demonstrar esse tativo: pontualidade, assiduidade, esportividade, res-
conhecimento. Para SINGER & DICK (1980) o ver- peito, etc. 18 anos em diante, responsabilizar-se pela
bo mais descritivo da cognação é saber. autoconservação física e orgânica e a especialização
esportiva, procurando o desenvolvimento das quali-
ENDERLE (1985) relata que as crianças aos seis dades físicas e morais, assim como por sua aplicação
anos são petulantes, individualistas e incapazes de adequada, tomar iniciativa e liderar com segurança.
autocrítica, enquanto que as crianças de sete anos mos-
tram-se mais preocupadas, independentes e autocríticas. SINGER & DICK (1980), afirmam que o domí-
A partir dos oito anos, as crianças fazem grandes pro- nio psicomotor diz respeito a movimentos corporais
gressos no plano social e afetivo, assim como nas habi- onde os comportamentos podem ser caracterizados
lidades recreativas e escolares. O jogo passa a ser coope- pelo verbo fazer.
rativo e o campo de interesse se amplia. Segundo NAGY-KUNSAGI (1983), existe só
Segundo BORSARI et alii (80) os objetivos espe- uma maneira para se conseguir vida longa a uma equi-
cíficos a serem atingidos no aspecto afetivo deve ser pe, é preparando as crianças de 8 a 10 anos de idade,
observado nas várias faixas etárias. Entre 5 e 6 anos a para as atividades esportivas.
criança tem interesse no conhecimento do próprio cor-
po, parado e em movimento. Respeito a si e aos ou- TÉCNICA DO ARREMESSO A GOL
tros, sociabilidade e participação, satisfação pela prá- Segundo DANILOV (1970), o que se tem obser-
tica das atividades físicas e da recreação. Entre 7 e 8 vado nas melhores equipes, os jogadores mais desta-
anos, integrar socialmente os dois sexos, participação cados são aqueles que tem uma técnica de arremesso
expontânea nos jogos competitivos, contribuição com variada e racional. Logicamente, quanto mais técni-
a equipe cooperando e incentivando os colegas. 9 e 10 cas de ataque contra o gol adversário se domina,
anos, respeito às regras do jogo, aos adversários, árbi- maiores possibilidades de conseguir um gol em dis-
tros e demais participantes nas atividades esportivas, tintas situações.
organização e iniciativa no grupo de trabalho de for-
ma produtiva ao grupo e a si próprio. 11 e 12 anos, FALKOWSKI (1982), Interpreta como lançamen-
aceitação de si mesmo, d suas medidas e qualidades, to, a ação de aplicar um forte impulso à bola, de for-
assim como dos outros, possibilitando a prática das ma que percorra uma distância determinada em dire-
atividades com prazer, harmonia e evolução do apren- ção à baliza, procurando que se introduza no interior
dizado, respeito às normas disciplinares individual- da mesma, e logicamente a gestoforma que em cada
mente e em grupo, disposição para cooperação e a res- caso se deve empregar para levar a cabo a citada ação
ponsabilidade na prática das atividades, disposição e de translação da bola.
aceitação da liderança. 13 e 14 anos, disposição para De acordo com HRVOJE (1985) ao lado da re-
receber as instruções do professor, adequação da se- cepção e passe, o arremesso a gol é uma das mais
gurança emocional e física na realização dos traba- importantes partes do trabalho. Porque todos os movi-
Revista TREINAMENTO DESPORTIVO 41

mentos do jogador ou da equipe tem a finalização no – Verificar a importância do arremesso no desen-


arremesso a gol. Para STEIN & FEDERRHOFF volvimento do jogo de handebol;
(1975) o arremesso a gol é a culminação de todas as – Verificar as características principais de cada
jogadas. Sua qualidade decide a vitória ou a derrota. tipo de arremesso;
Segundo LOPEZ-CUADRA (1971), sendo o ar- – Verificar qual tipo de arremesso é ideal em cada
remesso a finalidade principal do jogador no ataque. posição específica;
Não se deve forçar sua execução; por isso é obrigado – Identificar os principais tipos de arremesso;
a criar a oportunidade, evitando a interposição do ad- – Aplicação de cada arremesso nas diferentes po-
versário entre a bola e o gol. O ângulo de arremesso se sições específicas;
consegue sempre pela evolução tática do jogador. – Sugerir um conteúdo programático dos arremes-
sos para as várias faixas etárias;
O atacante deve conhecer a maior quantidade – Metodologia de trabalho para a iniciação.
possível de arremessos que permitam conseguir seus
fins ante as diferentes técnicas de marcação.
PRINCÍPIOS TÉCNICOS
GUBIA (1986) concorda com a idéia anterior e
interpreta que não se deve forçar a execução do arre- A – O jogador deve executar o arremesso quando
messo, e buscar a oportunidade, evitando a presença existe espaço livre de trajetória e como conseqüên-
do adversário, escolher a forma mais adequada para cia, possibilidade de êxito.
obter resultados ótimos, conhecimento da maior B – O jogador deve variar ao máximo a trajetória
quantidade possível de arremessos, se são excessi- da bola ao arremessar , para conseguir sempre sur-
vas as dificuldades, optar pelo passe. preender o goleiro.
C – O alto grau de concentração e decisão serão
Além da oportunidade, BARCENAS (1973) cita condições necessárias para uma correta execução do
ainda que arremesso a gol deve ser feito quando se arremesso.
tem obtido o correspondente ângulo de arremesso. D – A correta realização do movimento articular
Todavia temos que analisar outro princípio, intima- do pulso, que na maioria dos arremessos se deve pro-
mente ligado com o primeiro, cuja precisão está re- duzir, será fundamental para se obter o objetivo.
servada aos jogadores de qualidade: a trajetória do E - No arremesso com apoio a abertura de perna
arremesso a gol deve coincidir subitamente com os deve ser pequena para dar mobilidade numa possí-
espaços livres de marcação. vel finta.
Para GRECO & MALUF (1984) o êxito de um F – O jogador que arremessa deve ter sobre con-
arremesso se vê coroado pelo gol. Aspectos a serem trole todo campo visual.
observados pelo arremessador: Potência e precisão, G – O jogador deve dar um tempo no braço (após
Evitar a ação dos defensores, Surpresa na execução o salto), observando a ação do goleiro, antes da sol-
(velocidade de realização), posição do goleiro, vari- tura da bola.
edade no lugar de colocação do arremesso (não ati-
rar sempre no mesmo ângulo). CONDIÇÕES IMPORTANTES
PARA UM BOM ARREMESSO
OBJETIVOS A – OPORTUNIDADE - procurar a melhor posi-
Neste trabalho, pretendemos analisar os diferen- ção e momento oportuno para a finalização, ou seja,
tes aspectos metodológicos que devemos considerar quando o jogador está livre de marcação.
quando abordamos a iniciação de cada tipo de arre- B – VELOCIDADE DE REAÇÃO - o arremesso
messo dentro de um processo ensino-aprendizagem. deve ser feito com rapidez para surpreender o ad-
42 Revista TREINAMENTO DESPORTIVO

versário, não dando tempo para que os defensores se Chamamos a atenção, que em função do arre-
organizem na defesa. messo ser um elemento complexo e de difícil apren-
C – PRECISÃO (DIREÇÃO) - O êxito do arre- dizado, sugerimos um trabalho inicial a partir do
messo está diretamente ligado à direção da bola. Pro- 1º/2º ano preparando a criança para aprender com
curar arremessos nos pontos de maior dificuldade para mais facilidade todos os tipos de arremessos.
o goleiro.
São atividades de iniciação que deverão ser de-
D – FORÇA EXPLOSIVA - para que a bola che-
senvolvidas na primeira fase escolar, período em
gue ao local pretendido o mais rapidamente possível
que a criança não domina nenhum tipo de movi-
e com força necessária, dificultando a ação de defesa
do goleiro. mento.
E – VARIEDADE DE ARREMESSO - O joga- Nesta fase devemos preparar a criança para
dor deve dominar vários tipos de arremesso, para aprender as técnicas do handebol com mais facili-
aplicá-lo em cada situação específica de jogo. A va- dade desenvolvendo todos os tipos básicos de mo-
riação de tipos de arremesso e posições diferentes vimentos possíveis, assim no futuro quando for so-
facilita a obtenção de um gol. licitado numa situação de dificuldade terá todo do-
F – HABILIDADE NA EXECUÇÃO (técnica mínio de movimento para colocar em prática e mo-
correta) - execução correta da técnica do arremesso, dificar qualquer situação desfavorável.
procurando a utilização correta de cada segmento
envolvido. As atividades a serem desenvolvidas deverão ser
através de deslocamentos em todas as direções, sal-
tos de todas as formas utilizando uma e duas perna,
DIVISÃO EM FUNÇÃO DO MOVIMENTO domínio e manejo de bola e domínio de corpo.
DE EXECUÇÃO
Em princípio, cabe ao profissional de Educa-
O quadro 1 monstra uma sugestão de tipos de ar- ção Física, especificamente o educador que tem
remessos, considerados como simples, que podem a missão de ensinar os primeiros passos do
ser ensinados em idade escolar: handebol. Há necessidade de, em primeiro pla-

Quadro 1: Tipos de arremessos.


Revista TREINAMENTO DESPORTIVO 43

no, dotar a criança de todas as formas de movi- CONHECIMENTOS E QUALIDADES


mento possível, preparando-a para a iniciação das ESSENCIAIS AO PROFESSOR E/OU
técnicas específicas do handebol. Devemos fazer TÉCNICO
com que ela tenha capacidade de se deslocar de O quadro 2 apresenta os conhecimentos e qualida-
todas as maneiras possíveis, em todas as direções, des importantes e essenciais que o professor/técnico
com troca de ritmo, etc. Desenvolver também to- deve adquirir para ensinar e treinar as técnicas e as ações
das as combinações de saltos, e por fim ter domí- táticas específicas do Handebol de forma correta, bem
nio sobre a bola. como os sistemas de jogo a serem aplicados.

As técnicas individuais deverão seguir religio- CONCEITO - O significado de cada técnica ou


samente os passos da biomecânica, ou seja, o pro- ação tática, seja ela individual ou coletiva.
fessor deverá conhecer o tipo de alavanca adequa- OBJETIVOS - O que se quer conseguir atingir com
da e ideal para cada técnica e procurar transmitir e a técnica ou ação tática, para ser aplicada na situação
fazer com que a criança aprenda o gesto correta- de jogo adequada, tanto geral: quando é comum a to-
mente. Seguindo os critérios citados, um grande dos. Exemplo: todos os arremessos tem como objeti-
vo conseguir a marcação de um gol, como específico,
passo será dado para a formação integral do futuro
quando é exclusivo de cada técnica ou ação tática.
handebolista.
Exemplo: o arremesso em suspensão tem como obje-
Sendo o arremesso um dos fundamentos mais tivo, que é só dele, superar o adversário por cima.
importantes do handebol para se conseguir o obje-
tivo do jogo, que é o gol o professor deverá reunir SITUAÇÃO DE JOGO
conhecimentos importantes e essenciais para ensi-
* QUANDO – qual momento oportuno do jogo
nar e treinar os arremessos e as ações táticas espe-
deverá ser executada cada técnica ou ação tática. O
cíficas do Handebol de forma correta onde é aplica- momento oportuno é determinado pela ação defensi-
do, (Quadro 2). va ou ofensiva;

Quadro 2 – Conhecimentos e qualidades essenciais que o professor/técnico deve adquirir para ensinar o handebol.
44 Revista TREINAMENTO DESPORTIVO

* ONDE – Qual a posição específica na quadra CRIATIVIDADE – Qualidade de ser criativo para
deve ser utilizada (nos seis ou nove metros); modificar uma situação.
* QUEM – qual jogador específico executa a téc- CAPACIDADE PARA CORRIGIR OS ERROS
nica ou ação tática (armador, ponta, pivô). – Capacidade do técnico ou do professor em criar
METODOLOGIA DE TRABALHO – Qual o situações momentâneas durante o treinamento para
melhor método deverá ser aplicado e, que tipo de modificar um exercício ou a conduta do jogador. A
exercício deverá ser utilizado tanto na iniciação correção dos erros poderá ser feita através da demons-
(quando o jogador não tem nenhum domínio sobre a tração prática ou, através de exercícios para tal fim.
técnica), como no treinamento (após o jogador já Se o erro for tático, deverá haver a paralisação e de-
dominar o gesto). monstrar o movimento correto.
TEORIA DA TÉCNICA – Ter conhecimento e Obs. A responsabilidade do professor está em
dominar a teoria sobre cada técnica ou ação tática, educar o movimento de forma correta, utilizando
além de conhecimento sobre biomecânica (análise para isso o sistema de alavanca ideal para produzir
do movimento) para transmitir ao jogador a melhor o movimento, além da boa qualidade dos exercícios
maneira de executar um gesto tendo o aproveitamento e sua capacidade de percepção e correção da técni-
ideal na execução. Os segmentos estudados deverão ca ou ação tática.
ser: braço/antebraço, mão, tronco e pernas.
SABER DEMONSTRAR NA PRÁTICA – Ter SUGESTÃO DE CONTEÚDO
condições de demonstrar na prática, as técnicas e PROGRAMÁTICO
ações táticas do Handebol, de forma fragmentada (por
No quadro 03 sugerimos, com base na exposto
parte) ou de forma integral (gesto completo) para a
anteriormente através dos diversos autores, um con-
visualização do jogador.
teúdo programático a ser aplicado em idade escolar,
PERCEPÇÃO (OBSERVAÇÃO) – Conhecimen- conteúdo este que poderá ser adaptado a outras situ-
to e capacidade para observar e detectar os principais ações onde a realidade de cada escola é diferente.
erros cometidos pelo aprendiz e pelo jogador formado
O conteúdo programático corresponde a tudo
durante a execução de cada técnica, ação tática e sis-
aquilo que será oferecido ao aluno, isto é, a matéria
tema de jogo, para corrigi-los, seja através de orienta-
específica do handebol.
ção ou de exercícios específicos que cada situação
exige. É a capacidade que o professor tem em formar O quadro 4 mostra as formas de trabalho, ou seja,
uma idéia, através da observação e entender a atitude a metodologia a ser utilizada pelo professor durante
do aprendiz durante a execução de uma técnica. o aprendizado, aperfeiçoamento ou treinamento, tanto

Quadro 3 – Sugestão de conteúdo programático – arremesso.


CONTEÚDO 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª 1º 2º 3º
Deslocamentos X X
Saltos X X
Domínio de corpo X X
Domínio de bola X X
Arremesso de ombro X X
Tiro de 7 metros X X
Arr. em suspensão X X
Arr. com salto frontal X X
Arr. queda à frente X X
Arr. com giro e queda X X
Arr. de vaselina X X
Arr. com salto lateral X X X
Arremesso de quadril X X X
Arr. C/ Salto e queda X X X
Arremesso retificado X X X
Revista TREINAMENTO DESPORTIVO 45

Quadro 4 – Formas de trabalho.

para crianças iniciantes como para jogadores já for- É uma forma de trabalho que motiva a prática
mados para desenvolver a técnica arremesso: constante da criança, pela competição e, a ter gosto
pelo handebol.
1. JOGADORES INICIANTES B - EXERCÍCIOS EDUCATIVOS
São jogadores que não tem conhecimento na prá- São exercícios ordenados pedagogicamente, partin-
tica, dos gestos específicos do handebol, daí a neces- do-se sempre do mais simples para os de maiores difi-
sidade, num primeiro momento, de um grupo de exer- culdades. São exercícios com movimentos contínuos
cícios que possibilite, em primeiro lugar, aprender o que obrigam a prática de um determinado gesto através
gesto com e sem dificuldades e, num segundo mo- de repetições sucessivas, com o objetivo de automatizar
mento, após o aprendizado, estabelecer exercícios o gesto. Esta fase deverá ser trabalhada após os jogos
para automatizar cada gesto. educativos para se pôr em prática o que foi aprendido,
direcionando-se porém, ao handebol e excluindo-se
A - JOGOS EDUCATIVOS
exercícios com oposição para não dificultar o aprendi-
Os jogos educativos é a maneira de fazer com zado. A vantagem dos exercícios educativos está na pos-
que a criança aprenda os gestos específicos do sibilidade que o técnico tem de parar e corrigir o gesto
handebol através de jogos recreativos, envolvendo a em questão tanto individualmente como em grupo. Os
competição, procurando sempre a diversão nos jo- exercícios poderão ser individuais ou em grupo, obser-
gos em questão. vando-se sempre o grau de dificuldade, ou seja, ele de-
Os jogos escolhidos deverão estar sempre próxi- vem iniciar-se a partir da posição parada e posterior-
mos aos gestos específicos do handebol para que com mente em deslocamento.
isso o jogador vai compreendendo e se encaminhan- Em princípio os exercícios deverão obedecer a
do para a realidade do jogo e, através de sua prática ordem de dificuldade, ou seja, os exercícios e movi-
vai conhecendo e aprendendo, de forma indireta, os mentos mais complexos serão trabalhados numa pro-
gestos específicos do handebol. gressão metódica e detalhada
46 Revista TREINAMENTO DESPORTIVO

Durante a aplicação dos exercícios fundamentais CONCLUSÃO


recomenda-se que sejam conservados durante certo
O jogo de handebol é desenvolvido, como qual-
tempo, procurando-se variantes dos mesmos, antes
quer outro esporte de competição, ou seja, no ataque
de substituí-los progressivamente.
e na defesa onde o objetivo do jogo é a marcação de
A escolha dos exercícios deverão ser adaptados à gols. O gol é conseguido através da técnica arremes-
idade de quem os pratica. so. O arremesso é efetuado por um dos componentes
C - EXERCÍCIOS DE APERFEIÇOAMENTO da equipe, no ataque, em melhores condições ou li-
vre de marcação. Para um jogador ficar livre, ou em
É uma extensão dos exercícios educativos, sen-
situação favorável para arremessar, a equipe deve
do aplicados após os jogadores aprenderem o gesto,
preparar esta situação utilizando as técnicas indivi-
sendo necessário seu aperfeiçoamento para aplicá-lo
duais (Passe/recepção, drible). Em primeiro plano, o
durante o jogo onde se encontra dificuldades.
jogador poderá conseguir o arremesso utilizando as
São exercícios ordenados pedagogicamente e táticas individuais para superar seu opositor e arre-
executados dentro da posição específica de cada jo- messar, em situação de superioridade numérica, onde
gador, os quais possibilitam a automatização e cor- o beneficiado é o próprio jogador.
reção do gesto através de repetições sucessivas, apro-
Por ação da defesa, que evitou a situação anteri-
ximando-se da situação real de jogo, porém sem opo-
or, a equipe deverá buscar outros recursos para con-
sição para não dificultar sua execução.
seguir a superioridade numérica que envolverá as
D - EXERCÍCIOS DE ESPECIALIZAÇÃO ações táticas coletivas, no jogo organizado, onde o
São exercícios ordenados pedagogicamente e beneficiado será o companheiro. O jogo de ataque só
executados na posição específica, iniciando-se com poderá levar ao objetivo se a equipe executar todas
movimentos fragmentados até o movimento completo as ações, individuais ou coletivas, de forma organi-
e possibilitando o desenvolvimento do jogo através zada ou seja, distribuindo seus atacantes e para cada
da correção do gesto técnico, porém com oposição jogador ter um função no ataque.
(passiva e ativa) do adversário. ARREMESSO é a ação de enviar a bola em dire-
ção ao gol adversário, aplicando um forte impulso
2. JOGADORES FORMADOS na mesma (força explosiva), para dificultar a ação
Para os jogadores já formados serão aplicados do goleiro e, procurando introduzi-la no interior do
exercícios de treinamento baseados em ações espe- mesmo, tendo como objetivo a marcação de um gol.
cíficas ou combinações táticas do handebol sem opo-
sição e posteriormente com oposição passiva e ativa CONSIDERAÇÕES
constante. Os exercícios são elaborados tendo como
O arremesso é o último gesto utilizado enquanto
base os procedimentos táticos envolvendo um ou
uma equipe estiver no ataque de posse de bola. O
mais jogadores, na situação real de jogo. Devemos
arremesso é precedido de vários movimentos táticos
elaborar exercícios para aperfeiçoar ou treinar deter-
específicos de ataque do qual se consegue o objetivo
minado gesto na situação real de jogo. Nesta fase
do handebol que é a marcação de um gol.
devemos estabelecer que o jogador desenvolva os
gestos do handebol, onde é preciso, além da mecâni- Os arremessos são gestos complexos, com grande
ca do movimento, a devida união e coordenação com exigência de coordenação motora e devem ser execu-
os companheiros, adequado processo rítmico nos tados a partir do momento que um jogador sinta con-
deslocamentos, o domínio de espaço, etc. dições favoráveis e arremesse no momento oportuno.
Os exercícios de treinamento para atletas formados Para que o arremesso tenha um resultado positi-
serão divididos em duas partes durante o treinamento e, vo, há necessidade de cumprir os passos da
aplicados de acordo com o período de treinamento. biomecânica do movimento, e o mínimo a cumprir
Revista TREINAMENTO DESPORTIVO 47

deve ser o movimento articular amplo para que os baliza e ao adversário, o jogador deve saber a maneira
músculos tenham a capacidade de aplicar as forças ideal de arremesso e utilizá-la, por isso, é necessário
gerais na contração muscular. No primeiro momento que o jogador domine vários tipos de arremesso. Tam-
deve-se vencer a inércia do corpo e da bola e, num bém é certo que cada jogador tem um arremesso espe-
segundo momento (fase final) produzir uma acelera- cífico através do qual obtêm os melhores resultados e
ção positiva ao longo do movimento articular até o que logicamente deve aperfeiçoá-lo ao máximo, po-
momento da soltura da bola. E, com isso, uma maior rém, não deve conformar-se com essa única possibili-
potência no movimento. dade, pois se queremos enriquecimento de recursos
A técnica do arremesso é mais importante que do jogador para obtenção completa de suas possibili-
a do passe. Um passe mau executado não quer dizer dades e para o pleno desenvolvimento do handebol,
que a bola esteja perdida, mas um mau arremesso é devemos exigir do jogador, um número mínimo de
quase sempre bola perdida. Não se pode dizer quais arremessos com apoio e outro em suspensão.
são os melhores movimentos ou qual a melhor manei- Em resumo podemos interpretar o arremesso
ra de arremesso. Isso depende de alguns fatores como: como a conclusão de todos os elementos e movi-
distância da baliza, ângulo de gol, possibilidade de mentos que se desenvolvem ao longo do jogo no
bloqueio, etc. Para todas as posições, em relação à ataque.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS GUBIA, M.S.M. Iniciaccion al Balonmano. Editorial Alhanbra,


Madrid 1976.
STEIN, H. Handbol, Técnica, tática, entrenamiento. Editorial GLADMAN, G. Balonmano. Editorial Sintes, S.A., Barcelona 1970.
Stadiun, Buenos Aires 1980. FALKOWSKI, M.M.; FERNANDEZ, E.E. Metodologia Lineal,
FERREIRA, P. Handebol de Salão. Editora Brasipal Ltda, São el argumento de una possibilidad. Editorial Esteban Sans
Paulo. Martinez, Madrid 1987.
FALKOWSKI, M.M.; ENRIQUEZ, E. Táctica y Sistemas de FALKOWSKI, M.M.; FERNANDEZ, E.E. Aprendiendo a
Juego. Libreria Desportiva Esteban Sans Martinez, Madrid, 1979. Jugar. Libreria Desportiva Sans Martinez, Madrid 1980.
FALKOWSKI, M.M.; FERNANDEZ, E.E. Estudio DANILOV, A. Los Matices del tiro. Revista Sportivnye Igry.
Monográfico de los Jugadores de Campo. Libreria Desportiva 16, Nº 3, 1970, pp. 20-21.
Esteban Sans Martinez, Madrid 1982. BLOOM, B. S. et alli. Taxionomia de Objetivos Educacionais:
FALKOWSKI, M.M.; FERNANDEZ, E.E. Tática Ofensiva In- Domínio Afetivo. Porto Alegre, Editôra Globo, 1979.
dividual. Libreria Desportiva Esteban Sans Martinez, Madrid ENDERLE, C. Psicologia do Desenvolvimento: O Processo
1979. Evolutivo da Criança. Porto alegre, Artes Médicas, 1985.
FACCA, F.B.; BORSARI, J.R.; NEVES, F.P. Manual de Edu- JACQUIM, G. As Grandes Linhas da Psicologia da Criança.
cação Física. Editora Pedagógica Universitária, São Paulo 1975. 4. Ed., São Paulo, Livraria Editora Flamboyant, 1963.
CUADRA, L.G. El Balonmano. Editorial Hispano Europeia, Bar- JOLIBOIS, R. P. A Iniciação Desportiva da Infância à Ado-
celona 1971. lescência. São Paulo, Editorial Estampa, 1977.
FALKOWSKI, M.M.; FERNANDEZ, E.E. Estudio MAGILL, R. A. Aprendizagem Motora: Conceitos e Aplica-
Monográfico del Portero. Libreria Esteban Sans Martinez, ções. São Paulo, Edgard Blucher, 1984.
Madrid 1979. SINGER, R. N.; DICK, W.. Ensinamento da Educação Física:
GRECO, P.J.; MALUF, E. Handebol de la Escuela al Club. Abordagem Sistêmica. Porto Alegre, Editora Globo, 1980.
Ediciones Lidiun, Buenos Aires 1984. TANI, Go et alli. Educação Física Escolar: Fundamentos de
NAGY-KUNSAGI, P. Handebol. Palestra Edições Desportivas, uma Abordagem Desenvolvimentista. São Paulo, Universida-
São Paulo 1973. de de São Paulo, 1988.
HRVOJE, D. Técnica e Condição Física do Andebol. Porto, 1980.
MARTINE, K. O Andebol, Técnica, Tática, Metodologia. Pu-
blicações Europa-América, Portugal, 1980 ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA:
BARCENAS, D. Balonmano. Curso de Especialização, Institu- Elói Zamberlan
to Nacional de Educação Física, Madrid 1973. Rua da Proclamação, 300 – CEP 86192-530 – Cambé – Paraná