Você está na página 1de 164

abu fobiya

harald stricker
Abu Fobiya

1ª Edição
Curitiba, PR
Nerdbooks
2012
Copyright © Abu Fobiya

Editores
Deive Pazos Gerpe
Alexandre Ottoni

Ilustrações
© Harald Stricker

Revisão
Jair Barbosa

Letreiramento e balões
Fábio Yabu

Logo e diagramação dos extras


André Carvalho

Cores da Capa
Michel Borges

Colaboradores (Arte-Final)
Victor Estivador, Vilmar Rossi Júnior, Evandro Bertol, Michel Borges

Agradecimentos
Anderson Gaveta

FICHA CATALOGR ÁFICA

F651i Fobiya, Abu


Independência ou mortos / Abu Fobiya ; ilustração de Harald
Stricker. -- Curitiba : Nerdbooks, 2012.
160 p. : il.

ISBN 978-85-913277-2-0

1. Literatura brasileira. 2. Romance ilustrado. I. Stricker, Harald.


II. Título.

CDD 869.93

© Nerdbooks, 2012
Direitos reservados. Reprodução proibida.
www.jovemnerd.com.br
Para G.,
Que realmente sabe quem eu sou.

Abu Fobiya

À minha querida e compreensiva mãe,


que se horrorizou com
cada página desta HQ.

Harald Stricker
EU ROPA, 1807

Na mais surpreendente sequência


de batalhas da História, Napoleão
Bonaparte ascendera de um simples
soldado a imperador da França.

Sua sede de poder excedeu as


fronteiras de seu país, levando-o
a conquistar praticamente todo o
continente, tendo subjugado, banido
ou decapitado todos os reis que se
colocaram em seu caminho.

Somente um país ainda não se


submetera aos desígnios franceses: a
Inglaterra. Pressionado entre as duas
nações, estava P’tugal, governado pelo
príncipe regente, D. João VI, que ainda
precisava decidir de que lado ficaria.

6
Caso cumprisse as ordens de Napoleão, a
L ISBOA, 1808 Inglaterra não apenas romperia relações com
seu país, como também lhe declararia guerra.

GRRR...

RAAARR...

Para sufocar economicamente


o rival, Napoleão ordenou que
todos os países fechassem
seus portos aos produtos GRAAAR...
ingleses, colocando D. João VI
num grande dilema.

Caso as contrariasse, Lisboa cairia nas Entre as duas potências mais poderosas do mundo,
mãos do exército francês, derrubando entre a família e o povo, o sábio príncipe regente
junto seu trono e sua família. teve de tomar a mais dif ícil das decisões...

U K!
T CH
DEPRESSA!

GRRRR!!!

7
J A M !
FU

Não
corram
tanto, vão
pensar que
estamos a
fugir!
MAS,
Ô PAI...!

8
Lisboa é
D. JOÃO V I
nosso lar! Não
podemos fugir
assim!

D. PEDRO

Pedro, meu
filho, um dia tu
aprenderás...

João,
és mesmo um
QUANDO PARVALHÃO!
A FORÇA É
DESIGUAL, ANTES
FUGIR QUE FICAR
MAL! D. MIGU EL

C A R LOTA
JOAQU I NA
Pensaste
mesmo que
podias enganar
o próprio
NAPOLEÃO!?

Disseste que
declararia guerra
aos ingleses e,
ao invés disso, te
aliaste a eles?!

Tempo
Quanto MARIA I
suficiente, Vovó
tempo achavas ( A LOUC A )
para fugirmos, está a
que ele demoraria
minha detestável voltar!
a descobrir teu
esposa
conchavo?!
Carlota!

Agora
cala-te e...

Esqueci-me de
minhas joias!

Mamãe...
não!

Pai...
espera!

9
Não podemos
fazer nada por ela,
parvalhão! Se não
fugirmos agora,
não sobrevive...

Foge
com Pedro
e Miguel,
Carlota...

...eu não saio


daqui sem a
minha mamãe-
zinha! Papai!

Adoraria
comer uns
pasteizinhos
de belém!

Rarr..
Grrrr...
?!?

C!
BON
MONSTROS!

Ousam atacar a
POR Família Real, depois
ACASO de todo o bem que
PERDERAM A fizeram a
CABEÇA?! P’tugal?

CH A L AÇ A

10
!
C
N
O
B Não
permitirei que
nada se acometa
a essa augusta
família!

Quem és Pois vejo que


tu, ô pá? Apenas tens teu valor,
um servo “Chalaça”!
errante,
príncipe
regente! Por isso,
faço-te uma
oferta!
Francisco
Gomes da
Silva... ou
Chalaça, ao
vosso dispor!

Lisboa
está
condenada!

Minha mãe ...


não está conosco?
em condições
de correr! Se
carregá-la,
poderás ir...

!
PT POIS
ZU ENTÃO,
PERNAS
PRA QUE TE
QUERO!

11
Aquele
não é o
príncipe
regente?

Com a
Família
Real?

O que
está a se
passar?

E a população, emocionada, se despedia de sua nobre


corte, prestes a sublimar um novo mundo, com o qual
Camões jamais sonhara.

Onde
diabos
está a
Família Real?

Precisamos
partir de
pronto!

Lá estão
eles,
capitão!

C A PITÃO
C A N TO E
C A ST RO

12
Um seleto número de corajosos
patrícios embarcou naquele dia,
cheios de sonhos e esperanças...
Esperai-
nos!
Estamos Esperai-
Ó da chegando! nos!
guarda! Aqui
d’el rei!

... rumo a uma nova aventura,


uma nova terra, um lugar mágico

!
como Pero Vaz descrevera 300

BL A M
anos antes!

Mas,
pai...

Pedro, Até lá,


quando fores rei, quem manda
poderás fazer o sou eu! Vem!
que quiseres!

!
BL A M
...
O POVO
PRECISA DE
NÓS!

NÃO!

Aos 8 anos, parti com


minha família a bordo da
nau Príncipe Real...

13
Volta aqui Covarde!
e luta por
teu povo!

Não nos
abandonai!

Deletério!
Parvalhão!

Sevandija!

Em direção ao Novo Mundo,


P‘tugal está levando a glória e o saber
condenado! p’tugueses às iletradas
terras da América do Sul!

Meu nome é Pedro de Alcântara


Francisco Antônio João Carlos
Xavier de Paula Miguel Rafael
Joaquim José Gonzaga Pascoal
Cipriano Seraf im de Bragança e
Bourbon... e esta é minha história.

14
Ao chegarem em Lisboa, os franceses
puderam ver nossas naus, escoltadas
pela inglaterra, partindo no horizonte.

MERDE!
O
“imperrador” Mon Dieu!
vai nos Mon bijou!
“matarr”!

E agora,
pai? O que
faremos?

Será pois
Agora uma longa
vamos viagem...
descansar,
Pedro!

Ainda que nossas


naus f izessem jus
às estrofes dos
Lusíadas...

...nada podia aplacar o Sem dúvida, quem mais sofreu com tudo
calor do sol, que fer via aquilo foi minha pobre avó, mesmo sem
nosso vinho, fermentava compreender o que se passava a sua volta.
nosso pão e assava
nossas magras galinhas
ainda vivas.
João, meu
querido
filho...

...
quero dar
uma volta pelos
jardins do castelo,
mas não os
encontro!

Levar-te-ei
mais tarde, minha
querida mãe. Agora
venhas, precisas
descansar...

15
Não me
pareces
estar muito
bem!

Acho Sinto-
que tens me um
razão, meu pouco
filho! enjoada!

Menos de uma semana depois de nossa partida, ratos, pulgas,


piolhos e varejeiras infestavam as cabines. O temor de que
trouxessem doenças como o tifo se espalhou tão rápido quanto
as sarnas, coçadas até a carne viva pela agonizante tripulação.

Err.. não,
obrigado!

Aceitas uma
cebola, príncipe
Pedro?

Meu pai ainda se martirizava com a


decisão de abandonar seu próprio povo,
mas encontrava nos braços de minha mãe
o lenitivo que só sua rainha conhecia...

Deus, por
Parvalhão!
que não a ... sem os quais, jamais
Tua covardia
coloquei na teria sobrevivido à mais
nos condenou
outra nau? àrdua das provações...
à morte!

Príncipe ...mas temos


regente, queirei a burra nas
escusar-me... couves!

16
Minha avó, outrora rainha do glorioso Império P ’tuguês, acometida
há anos por uma misteriosa doença que levara sua sanidade.
Mamãe...
o que Príncipe
houve?! regente, nas
últimas horas
a rainha piorou
dramaticamente,
sem qualquer
explicação!

Não é tifo,
não é escorbuto
nem lepra.

Sem um
diagnóstico Vovó?
adequado em terra
firme, temo que
não lhe reste muito
tempo!
Sinto
muito!

Eca!

Tudo o que Vais


Mamãe... ficar boa,
podemos fazer
é confortá-la mamãezinha!
neste momento Vais ficar
dif ícil. boa!

17
Horas depois...
Vais Boa
levar sorte!
essa água Vais
para a precisar!
rainha?

Que cheiro
Sim,
horrível!
por
quê? Humpf!

Majestade,
vim trazer
vossa água...

Majestade?

Majestade?

18
Ao ver minha avó se agarrando com
tamanho vigor àquele resto de vida
moribunda, perguntei-me: por quê?

Por que insistia em viver quando


sua carne já desfalecia perante
os olhos de todos?

SOOOCOOOORROOOOO!
O que a prendia aqui, nesta Um dia, se a Divina
existência feita de um inf inito Providência me permitir,
e tedioso oceano? hei de saber a resposta.
Horas mais tarde...

Ô pá, o
que trazes
aí? Nada
para teu
bico, ô
Chalaça!

vinho para
D. João!

Mas já que Para mim


não é uma honra
fazes nada neste servir à Família
navio, creio que Real!
podes levar tu
mesmo!

Lambe-
esporas!

Todo
Pai... é mundo vai
verdade que morrer um dia, Sim, Pedro!
a vovó vai Miguel! Não é Mas uns
morrer? verdade, pai e antes que os
mãe? outros...

20
Cala-te, Pedro,
Carlota! Não vais para teu Aqui
quarto! Parvalhão!
vês que todos é meu Esqueceste que
estamos a quarto! nos colocaste
sofrer?! num barco velho e
apertado?

Raios! Um rei
nem sequer pode
lamentar por sua
pobre mãe em
paz!

Príncipe
regente!
Queirei escusar-
me, mas... temos
a burra nas
couves!

Vou até a
cozinha comer
algo e...

DE
NOVO?!

21
Eu
não... eu Príncipe,
Faze não... trago-te...
alguma coisa,
parvalhão!

Valha-
me Deus..
o que está
SOCORRO! a se passar
aqui?!

Precisamos
chamar o
médico...

Urrhhg...

ARREDA
DAQUI!
ARREDA!

Z Z! P!
TZ ZZ TO M

P!
TO M

SAI!
AAAAHH! SAI!

22
Carlota,
repara o local
Tu és da mordida!
corajoso, Já começa a
jovem príncipe apodrecer!
Pedro!

Parece
tua mãe!

Vais
comer
palha,
mulher!

Obrigado!
Tu também...
Chalaça!
Mas eu
não estou a
escarnecer! Ah,
quer saber, para de
Mal sabia eu que aquele seria o início olhar e faz alguma
de uma lendária amizade. coisa!

DE
Ô, JEITO Tu não Pedro de
Chalaça! NENHUM! vais sair com Alcântara
Vai buscar aquela... coisa Francisco
o médico, ligeiro! lá fora! Antônio...
Ele deve estar na
cabine de minha
mãe.

Papai,
eu vou
junto!

Vamos,
Chalaça! Te Não te
mostro onde preocupes,
é! Carlota!

“Pedro sabe se cuidar!”

TZZZZZ
Z Z!

A R!
AA O!
RA SO C
ORR

GR R R R
Po R!
pó?!

23
Perto dali...
Tem algo de
errado a
bordo do
Príncipe Real! O que
foi,
ô pá?

Ei,
Manoel!

E desde
quando isso é
Estão errado? Nós é
todos a se que não comemos
comer! ninguém, ô pá!

És Príncipe,
intrépido não deves
para tua ver isso!
idade, jovem
príncipe!

Mas eu
quero ver!
Deixa-me
ver!

PELA
TORRE DO
TOMBO!
Obrigado,
Chalaça!

Pobre Essas
diabo... foi chagas... são
Teria ele
devorado vivo! semelhantes às
sido
do marinheiro
atacado
ferido!
pela mesma
O sangue besta?
ainda escorre
de seus
membros...

24
AAHHN!

Será
possível
que...?

R A ARR?

ELE
VIVE!
COMO?!

Vai Príncipe Como é


espavorir Pedro! possível?! Mesmo
tua avó, ô com o
cara de pescoço
aborto! rompido, ele
ainda se
move!

P !
T OM

25
Quer
que eu
chute de
novo?!

MARINHEIRO?

Precisamos
ir atrás do
médico, jovem
senhor!

Lembra-
te que ainda
podemos salvar
o pobre...

AAAAAAAAAAHHHHHHHHHHH!

Ai de mim!
Pobre de mim!
Guardas!
Guardas!

26
RRAARR!

Hhhhmfff!!

Socorro!

Eu não
quero morrer!
Sai de minha
frente, Carlota!
SAI!

Volta
Teu
aqui e...
COVARDE!

... MEU PÉ!

NÃO!

27
Parvalhão!
PEDRO! Ias me deixar
CHALAÇA! para morrer?!
Com
teu
Todos filho!?
passam
bem!?

LEP!
CH U

Pai,
mãe! Tu
farias o
mesmo!

Como
imaginávamos,
Chalaça!
É
contagioso!

Quando
Como
buscávamos
assim, é
o médico,
contagioso?
deparamo- ... que, sem a
O que nos com um menor explicação,
queres cadáver... tornou à vida, como
dizer?
nosso amigo
da cadeira.

28
Mas Vamos Ô
Onde está Não
isso é sair daqui e Chalaça?
o capitão vimos mais
loucura! descobrir o que
Castro? E os ninguém,
está a se
guardas? pai!
passar!

Sim,
meu
amo?

Vai na
frente!
A partir de
agora, és nosso...
secretário da
defesa!

Sinto-me
honrado,
alteza!

Seriam Parvalhão!
piratas? Nunca devia ter
Precisamos avisar vindo contigo!
aos outros
barcos!
Eles são
sempre Sempre!
assim?

Minha
Nossa
Senhora
de Santo
Tirso...

29
w w l!
a aaaaw
G r
Perto dali, a bordo do
“Lobo do Mar ”...
O “príncipe
reaw” está
“mudandow” de
direção...

Portugueses...

What the
hell estão
tramando?

Faze alguma
coisa, Chalaça!
Por Cristo!

É a rainha
Maria?!

Mamãe?
minha
mamãe-zinha
está...

Está...

31
Vá de
retro, besta
infernal!

O S H!
Cuidado,

WH OOOO
príncipe
regente!

Mamãe-
zinha!
Mamãe-
Recuar! zinha!
Recuar!

O depósito!
Vamos ali nos
abrigar!

PO W !
Ligeiro!

P RO K ! !

K RA C
K!

Abre
esta
porta!
TRANCADA!!

Tem
alguém Abre!!
aí?! Abre!!

A
FAMÍLIA
REAL ESTÁ
AQUI!

32
Por
que não
disseste, ô
pá? Entrem, sem
demora! Sem
demora!

Capitão Estavas Perdoa-


Canto e cá todo esse me, Príncipe
Castro! tempo?! Regente!

Achei que
eu fosse o
último são no
meio desse
pandemônio!!

Sabes
o que se
passa?!

Não
faço ideia,
príncipe!

“Eu estava a tirar minha sesta vespertina, quando


comecei a ouvir gritos e, no instante seguinte, estava
cercado por meus marujos, tomados pelo demônio!”

33
Como
Como
estão
podes
nossos
pensar em
suprimentos,
comer a uma
capitão?
hora
dessas?! Ei,
Chalaça!

Eles
eram parcos
para mil e tantos
viajantes... mas acredito
que agora haja de sobra
para nosso grupo
miúdo!

Agora
Olha isso!
temos uma
Armas!
chance!

Uma chance
de quê, ô pá?
Ninguém vai fazer
nada, cá estamos
seguros e...

grrrrr
O
quê...?

O!!
ORR
SO C

34
...
não acho
Com todo que ficarmos cá
o respeito, a nos esconder
príncipe seja uma opção. Aaahhhh!!!
regente... Que nojo!

Sem Prefiro
ninguém a enfrentar
controlar as os franceses a
velas e o leme... estas bestas
a bordo!
...
estamos à
mercê do vento,
que começa a nos
levar de volta a
P’tugal!

O
problema
não é esse,
príncipe. É o
Lobo do Mar,
Tanto navio inglês que
melhor! nos escolta até
o Brasil.

O que tem o
Lobo do Mar?
Ele é tão somente
uma escolta
paga pela coroa
inglesa!

Sua
missão não
Mais
é escoltar, e
que uma
sim vigiar! Se
simples escolta,
mudarmos de
meu príncipe!
rota...
...
O Lobo ELE TEM
do Mar é um ORDENS
mercenário! PARA NOS
AFUNDAR!

Amigo
disfarçado é Ai, minha
inimigo dobrado, Nossa
não é mesmo, Senhora de
parvalhão?! Trás-os-
Montes...

35
Temos
pois três
opções:
3 - Abrirmos
caminho entre as
1 - Enfrentar bestas e irmos até
as bestas e os botes salva-vidas,
retomar o do outro lado da nau,
controle da nau! depois, remarmos até
o Lobo do Mar!

2 - Irmos até
a proa hastear a Diante das
bandeira de socorro opções, só tua
e esperar pelo sabedoria pode
resgate! nos guiar, augusto
príncipe!

Apesar Ainda não


de tudo, Não vais
lutar com tens idade
estou certo para carregar
de que o Lobo ninguém, ô
putinho! uma pistola!
do Mar nos
ajudaria! Não
vejo
escolha
senão irmos
até ele!

E
lutarmos Mãe!
contra as Já fiz 8
bestas! anos!

Tu ESCUTAI O
és a mãe MEU PLANO E
e sabes o que ESCOLHEI VOSSAS
fazes! Quanto ARMAS!
aos demais...

Capitão
Precisamos Nos Mas
retomar o corredores no convés, É lá que
convés e cruzá- estreitos, o número onde espaço devereis gastar
lo para aos botes de bestas pouco há aos montes, vossa pólvora,
chegarmos! conta... precisaremos agir entendestes?
com ligeireza!

Eu
queria ao
menos uma
espada...

36
Então,
prontos Alguma
estamos! objeção?
Somente
Entendido!
uma,
capitão!

De Fiquem
Ninguém todos atrás
toca em minha acordo!
de mim!
mãe!

Twhua
mp!

37
São
demasiados!!

Jamais
consegui-
remos!

Capitão

TSSSSSS
Castro,

splo precisamos
recuar!

o
or
sh!

Não!
Estamos
avançando!
Vede, lá está
a escada!

Conterei Ao Do que
as bestas chegarem lá E vosso
falas,
enquanto acima, ajam plano?!
capitão?
puder! ligeiro!

Capitão
Jurei Castro...
proteger-vos,
meu príncipe!

Meu
plano é
cumprir tal
juramento!

Vai...
e restaura a
glória de nosso
império!

38
CORRAM!
ANTES
QUE SEJA
TARDE!

Wu
uu
uu
uu u
uuuU
UOOSH!

Ligeiro, Se não o
príncipe! Mas o fizermos, o
Precisamos capitão... sacrif ício dele
fechar a terá sido em
porta! vão!

Ao
menos,
acho que o
pior já
passou!

??
TSSSSSS R
RRR
G

rrrr Que
encontreis
no céu vossa
sanidade
perdida...

A
Rainha
Maria!

39
Larga Sabes
a arma, ô LARGA A como sou
Chalaça! ARMA! conhecido,
não sabes,
Chalaça?
Mas Esta não
príncipe é vossa
regente... mãe, meu
amo!

PAI!

Se
Sim! És não
chamado de largares a

CLEC!
“o clemente”! arma, os livros de
História
se referirão a
mim de outra
maneira!

Como
Pois quiserdes,
bem! príncipe!

Devemos
partir!

Mamãe-
zinha?

Tu me
reconheces,
não?

Vamos
curar-te, eu
prometo!

MAMÃE,
NÃO!

40
O QUÊ?!

MP !
T H O
Chok!

Capitão...
estás
vivo?!

PE
NCI
PRÍ EN TE ,
REG EEEE!
E
FO G

O C!
CR
T C H U C K!
MORRE,

M P!
ABERRAÇÃO
DO INFERNO! WHA
AGH
CHO M P!

Pernas
pra que te
quero!
Pedro,
VEM!
Mas o
pai...

41
R R!
Teu pai já

RAR
está morto,
só ainda não o
sabe!
CH O M P!

P!
SNA

Mamãe-
zinha?

T S S S S!

Ela...
não
reage!

Senhor...
perdoai-me!

Em nome
do Pai...
do Filho e
do Espírito
Santo...

42
Perdoai- Toma!
me, Senhor!

Come!

Tu só
estavas
faminta...


estavas
faminta!

43
Temos
que ir!

Estamos
quase! Preciso
só desamarrar
esse bote dos
infernos!

P!
Tem que T WI
ser agora,
princesa, ou
seremos
devorados!
Consegui!
Vamos
embora!

Quem
ESPEREM! disse
isso?!

!
AR GH
RAA

NC!
BO

P!
UM
TH

Ela só
estava
faminta!

44
Vamos
Ela só embora
estava deste
faminta! inferno!

D.
João!

Papai!

Tens algo
Ela vai a dizer,
junto?! Chalaça?
Mas...

(Gulp!)
Não... de
forma alguma,
meu príncipe!

A movimentação
dos portugueses
suspeita continua,
my captain!

D. João
se faz de
“parvow”, mas
é muito
“espertew”...

...
sigamos
com o
protocolo!
Afinal,
fomos pagos
para isso!

45
Yes,
sire! Preparar
“as” canhões!

O quê? O
Lobo do Mar
vai...

Preparar...
apontar...

É um
engano!
Não atirem! Não
Não atirem! estamos a
fugir!

“FEGEW!”
46
INGLESES
ESGROUVIADOS
DA CABEÇA, VÃO
A PENTEAR
MACACOS!

FRIGIDEIROS
BISBÓRRIAS
BILHARDEIROS
VÃO RAIAR O
CALHAU SEUS
FILHOS DUMA
Capitão
GALDÉRIA!!!
Lobo do Mar,
“a” senhor vai
querer ver
“issow”...

D. João e T HOM A S COCHR A N E


a família estão (O LOBO DO M A R )
num bote!

Devemos
ajudá-los?

BOLLOCKS!
Sou pago para
cumprir ordens,
marujo, não para
fazer caridade!

Deus
salve a
Rainha!
Maldito
seja, Lobo Onde estão A força
do Mar! as outras do vento nos
Mercenário naus? Por que separou! Pode levar
do inferno! não passam por dias ou até semanas
aqui? para que aqui
cheguem!

Tenho
Vais ficar Estás Carlota,
certeza de CURA?!
boa, mamãe! louco, sua tola, tu a
que no Brasil
parvalhão? acordaste!
encontraremos
uma cura para
ti!

Não há cura

S S S S S S!
TS
para essa velha
decrépita, livra-te
do corpo antes
que...

Mas pai,
PEDRO! a avó não
PEGA O tem...
SACO!
AAAHHH!
SOCORRO!

O SACO
COM O
CORPO, Ô
RAIOS!

48
SOCORRO!

Toma!

ZUP!
S NSI FN!I F!

Tens
fome,
mamãe?

É isso
S NIF!
que queres,
não?

Não
é?!

TENS
FOME!

Enquanto
Não se ela tiver
preocupem comida....
com minha
mãe!

49
...nada
Humpf!
temos a
Parvalhão! Então,
temer!
Vais acabar as outras
nos matando naus precisam
a todos! chegar logo...

Levou muitas horas até que


outra nau, a Passos de
Outono chegasse...

Chalaça,
vê!

E, assim, fomos
salvos... por ora.
Sim,
meu amo!
Lá, no Estamos
salvos! Capitão
horizonte! Vês Passos!
o mesmo que Tens que ver
eu? isso!

50
Meu
príncipe...
... o que
houve? Onde
Água! está vossa
Finalmente! nau, vossa
tripulação?

A bordo da nau, meu pai tomou Foram


as medidas necessárias para piratas?
proteger minha avó. Franceses?

Capitão
Passos...

...o
que querem,
tu e teus
marujos?

Como
assim, O que
meu querem tu
amo? e teus ...
marujos... para que
jamais faleis
sobre o que
viram aqui?

E a Nau Passos de Outono simplesmente sumiu dos registros


históricos, para ressurgir como “Príncipe Real”. Seus marujos, Capitão,
que sequer haviam chegado em terras brasileiras, já eram barões, em troca dos
condes e duques antes mesmo de desembarcar... e sobre minha avó títulos e das
moribunda, jamais foi dita uma palavra. terras no Brasil,
tenho mais um
Viva o pedido...
príncipe
regente!
Viva! Sim,
meu
amo!

Viva!
Estamos
ricos! Quero
carne!
Muita
carne!

51
Semanas ainda nos separavam do Brasil... e, na nova nau,
tivemos que nos habituar também a uma nova vida...

Desde
Por que a que aquela...
O
mãe cortas as monstruosidade
CHEIRO!
madeixas? me puxou os
cabelos, o
cheiro não me
abandona!

Não
sentes,
Miguel?

No convés, meu pai se apegava


inutilmente à esperança de
salvar minha avó...

Mamãe-
zinha, o
calor fez toda
a carne do navio
apodrecer...

...e
não posso
permitir que
tires a vida de
outro patrício
p’tuguês!

Felizmente...

52
Ainda
temos
algumas
galinhas
vivas!

WHO
CL AN K
! SH!


PÓ!

Galinhas
são muito Quebrei-lhe
resis- o pescoço,
tentes... as asas e as
pernas!

Ela
ficará
aqui,
girando ao
redor do
próprio ...
eixo... até que
decidas por
comê-la.

Ó?
-P



PÓ!

53
Mas nem tudo naquela viagem foi sofrimento. A Divina
Providência enviou-nos alento em várias ocasiões... Reparei
que não tiras
os olhos da
Maricota!

Sim,
Hã... Chalaça?
D. Pedro?

Gostarias Mas,
de conhecê- ô Chalaça,
la? perto dela sou
um pirralho!

Que
chances
tenho eu?

Deixe
que falarei
com ela!

gulp!

...e eu, ainda menino,


aprendi o valor da amizade
e da lealdade masculina,
graças a meu conselheiro
Francisco Gomes da Silva.

Durante aquela viagem,


todos amadurecemos
demasiado...

54
Pode-se dizer literalmente que a ...nosso corpo... ...e a maneira
jornada mudou nossa cabeça... com que
encarávamos
a dádiva da
vida.

Após intermináveis cem


dias entre céu e mar...

... passando pelas mais


terríveis tormentas
e provações... nós
prevalecemos!

UAU!

R IO DE JA N EIRO,
8 DE M A RÇO DE 1808

55
Rio de
Janeiro, cidade
mais ditosa do
novo mundo! Enche-te de
Tens
júbilo e orna-te
a tua
de teus mais ricos
augusta rainha
vestidos, venera teu
e teu excelso
príncipe soberano
príncipe, teus
enviado pelo
soberanos e
Senhor!
senhores!

Era um acontecimento histórico. Pela primeira vez, um


príncipe europeu punha os pés na América do Sul.

Isso aí
é o príncipe
regente?!

Fomos recebidos com muita festa pelos brasileiros, povo


tão submisso e ignorante. Em cada três pessoas, uma
era escrava. Em cada duzentas, uma sabia ler. Ainda
assim, eram muito gentis, e cederam aos milhares de
membros da corte suas próprias casas...

56
...marcando gentilmente nas
portas a inscrição “P.R.”
(“Príncipe Regente”).

PONHA-TE
NA RUA!

Mas
é minha
casa!

Vais perder
muito mais
se não Os cabelos raspados de minha mãe
chispares! inspiraram as brasileiras a fazer o
mesmo, sem imaginar a macabra razão...

Farta da presença de meu pai, com quem se casara aos 10 anos,


minha mãe, Carlota Joaquina, mudou-se para uma chácara em
Botafogo, enquanto fomos viver com ele na Quinta da Boa Vista,
num majestoso e confortável palácio cercado por manguezais.

Quantos anos felizes não


vivemos ali, enquanto
aprendíamos a chamar a
colônia de lar.

Meu pai, sempre tão ...


clemente, jamais se promovo-te
esquecia daqueles que o Chalaça, por a conselheiro
ajudavam...
tua lealdade especial da
inquestionável... Família Real!

Pois
é uma
honra, meu
amo!

57
... enquanto membros
da rica elite brasileira Agora és Agora és
ganhavam insígnias cavaleiro
marquês!
de honra em troca da Ordem de
de apoio f inanceiro à Cristo!
corte...

Mas sou
Agora és ateu!
barão!

Conde
está bom?

É
uma honra Com
servi-lo, Mui
vossa generoso,
príncipe benção, meu
regente! meu príncipe!
amo!

Graças a suas generosas


contribuições, a vida na corte
pôde prosperar, possibilitando
que meu pai iniciasse reformas
que transformariam para sempre
o cotidiano de seus súditos.

58
...primeiro, anunciou a abertura Em seguida, inaugurou o Banco Apesar de suas diferenças e
dos portos, que até então, do Brasil, o Jardim Botânico do de seus notórios problemas
eram restritos aos navios Rio de Janeiro, os Correios e maritais, meu pai e minha
p’tugueses. autorizou a abertura de jornais, mãe sempre estavam juntos
antes impressos na Inglaterra e nas inaugurações e nos atos
distribuídos clandestinamente. solenes.

Parvalhão!

Vai dormir
que o teu
mal é sono,
Carlota!

A abertura dos portos apresentou E o vexatório açoitamento de negros, feito em praça


um novo mundo para os brasileiros, pública, não mais combinava com o recém-adquirido
que, pela primeira vez, tiveram amplo ref inamento da colônia. Por isso, ele passou a ser
acesso a produtos importados, como permitido somente em recintos fechados, sob a
ferramentas, algodão e ferragens. super visão do chefe de polícia.

Chefe, veja
quem cá
está!

O Tigre?
Tentou fugir
de novo?!

Quando vais
aprender?!

59
Já é
a terceira É a lei!
vez que Podes usar
tentas fugir teu tempo livre
este mês! para isso!

Se
queres Um
tanto a negro forte
liberdade, por como tu poderia
que não compras arrumar uns bicos
tua carta de depois do teu
alforria?! trabalho!

T IGR E

Se é que
carregar baldes vê, tanto mijo
de mijo e bosta lhe escorreu que
nas costas seja as costas ficaram
trabalho, todas manchadas,
hahaha! hahaha!

Pois eu acho
que este tigre
precisa de novas
cores...

HAH!
BWHAA
AC A DE M I A M ÉDICO -
CIRÚ RGIC A DO RJ
(1813)

Cinco anos após nossa chegada, meu pai


inaugurou a Academia Médico-Cirúrgica
do Rio de Janeiro. Com ela, centenas de
estudantes brasileiros puderam aprender
o nobre of ício da medicina, até então
privilégio daqueles que tinham dinheiro
para viajar até P ’tugal.

Um dos primeiros e mais


respeitados professores foi
Manoel da Costa Mazarém, que
assumira a cadeira de anatomia.

...
portanto,
para amputar
uma perna...

Formado pela gloriosa Universidade de Coimbra,


transmitiu seu vasto conhecimento sobre anatomia e
infecções aos primeiros médicos formados no Brasil.
DR. M A Z A R ÉM

...deve-se ...
golpear e, logo em
o membro seguida, cobrir
rapidamente com o toco com a pele
uma faca... remanescente!

Para
evitar
infecção, deve- ...e
se manter as jogar uma
janelas da sala sanguessuga
abertas... sobre a ferida!

61
BLERGH!
Que
nojo!

Ora, São
tendes asco verdadeiras
das sanguessugas? maravilhas da
Pois saibam que elas natureza!
já salvaram muitas He, he, he!
vidas!

Anestesiam
o local e ainda
limpam o ferimento,
impedindo que
infeccione!

Apesar dos métodos pouco ortodoxos, o Dr. Mazarém era


um dos maiores conhecedores em medicina do reino...

O nobre Doutor cuidou de ... e também de minha mãe Mais do que um amigo, em Dr.
mim e de meu irmão, não mais Carlota, com quem fez um longo Mazarém meu pai encontrara uma
impúberes... tratamento de saúde. esperança.

Dor de Dr. Mazarém,


dente, D. E aqui, preciso
Pasta de
Pedro? alteza, contar-te um
coca!
dói?! segredo...

Não vos
preocupais,
D. João! Em
vossa idade,
isso é...

Ai, ai,
Doutor!
Ui!

62
Neste
Não Er.. reino, onde
é disso perdão! devo cargos,
que falo, títulos e favores a
homem! todos, não sei mais
em quem confiar...
A ti,
revelarei o
real motivo pelo
... a não
qual abri esta
ser no senhor,
academia!
que é o médico
de nossa
família!

E o Dr. Mazarém, que havia feito


da universidade um segundo lar,
descobriu que em seu porão havia
uma passagem secreta...

Recomendo que
tapes teu nariz,
caro Doutor...

Pelos
Lusíadas!
Isto é...
isto é...
Sim, meu
caro Dr.
Mazarém...

Esse Apresento-
é o mais vos minha
bem guardado mãe!
segredo dos
Bragança!

A Rainha
Louc... digo,
Maria?! Esteve
aqui todo esse
tempo?

Sim...
e ela
precisa de
tua ajuda!

63
Os ventos da vida sopravam apressados,
trazendo para um jovem e seu melhor amigo,
Chalaça, os prazeres de uma juventude
cercada de poder, riqueza e mulheres...

Para evitar assédio e objetivos Por isso, em verdade, vos digo


escusos, sempre saía com Chalaça que o interesse das mulheres
na calada da noite, disfarçado. em mim sempre fora genuíno.

Acho
que te
Isso conheço de
é que é algum lugar,
vida, hein, não?
Chalaça?

Um brinde
ao Brasil,
meu amo!

Creio
que não... Não
sou novo por queres me
aqui! mostrar o
lugar?

64
Até
amanhã,
príncipe
Pedro!

Até,
Chalaça!

“Príncipe
Pedro”...?

É só meu
apelido!

Foram dias felizes, que


amaciaram meu espírito
e enrigeceram minhas
raízes no solo brasileiro.

Aprendi a amar aquele país como


se fosse o meu próprio. Mal sabia
eu que tal amor seria colocado à
prova poucos anos depois.

65
AC A DE M I A M ÉDICO - Por que
CIRÚ RGIC A não me
(M E SE S DEPOIS) revelas teus
segredos?!

Ah,
minha velha
rainha...
...
depois
de tanto
tempo...

Errr...
Graças a E como
Como vossa generosidade, ela está?!
andam os minhas pesquisas
progressos, caminham a largos
Doutor? passos!

Alteza,
que surpresa
agradável!

LE RO
RO L E RO L E

Alteza,
apesar do
estado nefasto, a
rainha Maria mantém
algumas funções
vitais básicas.
Como
ensinou
decartes,
o coração é o órgão
responsável por enviar
o espírito ao
cérebro...
...
que o mistura
aos humores
sanguíneos para,
enfim, redistribuí-lo
para o corpo através
dos nervos! Mas
o que
acontece se o
coração parar
de bater...

66
... e
o cérebro E por
continuar que ela não
enviando os humores nos ataca
sanguíneos para o agora?
corpo?

Foi
isso que
a “doença” da Alimentei-a
rainha causou! há uma hora
Seu e meia! Ela só
cérebro ataca se tiver
não “sabe” que fome!
o corpo morreu, e
fará de tudo para
mantê-lo nutrido!

Para
De certa que não nos Pelos
forma, a rainha é perturbe, basta próximos
como um bebê que que a alimentemos Queres noventa
à teta mama! a cada três horas dizer que minutos,
e a deixemos estamos sim!
repousar! seguros?

Do contrário,
não se deterá por
nada neste mundo,
nem pelo Cristo ou pelo
Diabo, nem que lhe
arranquem os braços e
pernas até conseguir
seu objetivo!

Imagine
só as
possibi-
lidades...

Soldados
que não
sentem frio nem
medo...

...que
não precisam
de armas e podem
avançar sobre
qualquer terreno,
seja o Rio da Prata
ou a gélida
Rússia! Nem
Júlio
César nem
Napoleão tiveram
forças tão
temíveis!

67
Com esse
exército, o
nome de Carlota
JOAQUINA entrará
para o panteão
dos grandes
conquistadores!

Derrubarás
não apenas
D. João...

...
mas
qualquer
exército da
Europa!

Dr.
Mazarém

EXCELENTE!
1808. Logo após nossa fuga, as tropas de Napoleão invadiram Lisboa, destituindo o governo provisório
nomeado por meu pai. A cidade foi saqueada, os preços dos alimentos dispararam e, nos anos seguintes,
500 mil p’tugueses morreriam de fome ou em confronto com os franceses. À míngua, nossa amada e
outrora grandiosa pátria caíra num estado de paúra.

Ó, povo p’tuguês, como lutaste com bravura! Enquanto os A Universidade de Coimbra, que
comerciantes e empresários submetiam-se aos desígnios de tantas mentes moldou, verteu-se em
Napoleão, os trabalhadores resistiam bravamente, armando base militar. Seus laboratórios viraram
emboscadas para os soldados franceses, defendendo-se com fábricas de pólvora, suas salas de
pás, foices, rastelos e pedaços de pau. aula, campos de prisioneiros.

Com o apoio da Inglaterra, P ’tugal começou a virar o jogo contra Napoleão.


Quinze mil soldados ingleses aliaram-se a um sem número de estudantes,
camponeses e trabalhadores p’tugueses, que expulsaram os soldados
franceses e provaram, f inalmente, que o imperador não era invencível.

MERDE!

69
M A DR ID

Bale!
Bale!

Bale!

MERDE!
Bale!

Utilizando-se de métodos semelhantes, e igualmente


obstinados, os espanhóis retomaram o controle de
Madrid, mudando para sempre o curso da história.

Em 1809, uma nova leva de setenta mil soldados franceses invadiu P ’tugal. Em seu caminho, encontrou uma
barreira que se mostraria intransponível. Um cinturão de 90 km - a Linha de Torres Vedras – formado por postos
de obser vação e defesa instalados em estradas e obstáculos naturais ao redor de Lisboa. Sem ter como avançar
e com guarnições insuf icientes, as tropas voltaram para a França, humilhadas e famintas, marcando o início do f im
da tirania napoleônica.

70
Finalmente, em 1815, Napoleão foi derrotado Lá, passou os últimos anos de sua vida e escreveu suas
na Batalha de Waterloo, para então ser memórias, em que descreveu meu pai D. João VI, como...
exilado na Ilha de Santa Helena.

MERDE!

... “o único
que me
enganou.”

Senhores,
vou para minha
caminhada
vespertina!

A situação de meu pai


estava bem diferente.
Em 1816, a vida lhe
sorria com ternura.

Adorado pelo
povo, ele via ...deve
cada vez menos
ser meu dia
motivos para
retornar à de sorte!
P ’tugal.

CHOMP!
Hmm... o
que temos
aqui?

Coxa de
frango...

71
Oito anos após nossa chegada, o Brasil já era um país
transformado, próspero como nunca antes em sua história.

Nas ruas, os brasileiros ostentavam orgulhosos suas quinquilharias


inglesas - de roupas e chapéus a casacos de pele e patins de gelo.

Da França, meu pai mandou trazer artistas como Jean Baptiste Debret, Nicolas-Antoine Taunay e Grandjean de
Montigny, entre muitos outros, com a missão de ref inar o pouco sof isticado gosto local.

O Rio de Janeiro aprendeu a apreciar boa comida, música, vinhos, perfumes, joias e roupas, assemelhando-se às
capitais europeias como Paris, Londres e Buenos Aires.

D. João então promoveu o Brasil A decisão foi muito comemorada no Brasil, mas não
à condição de “Reino Unido a foi bem vista por nossos patrícios em P ’tugal, que se
P’tugal e Algarves”. O Rio de encontrava em estado cada vez mais deplorável.
Janeiro passou a ser a sede of icial da
coroa, tomando de Lisboa a cadeira e
os votos no Parlamento Europeu.

Raios!
Nem o pai
morre, nem
a gente
come!

Sem seu monarca, o país se


encontrava à beira do colapso.

72
A boa fortuna também
me sorriria. Em 1817,
chegou da Áustria
a princesa que me
fora prometida em
casamento...

Teriam
nossas
aventuras se
acabado, meu
amo? Há, mas Lá vem
é claro ela! A
que não, princesa!
Chalaça! Parvalhão!

Leopoldina, cujas
qualidades sequer
consigo enumerar: Chalaça?
culta, inteligente,
curiosa, exímia
esgrimista...
além de excelente Sim,
atiradora. meu
amo?

PR I NCE SA
L EOPOL DI NA
(L ÉO)

A aventura
de hoje à noite
pode esperar?

Claro, meu
amo!

73
Logo, caí pelos encantos da
esposa que eu jamais vira e
consumamos nossa paixão e
nosso destino.

Oh, Pedro!
oh, Pedro!

OOOOH
PEEEEDRO!

Oh, Pedro!
Oh, Pedro!

OOOOH
PEEEEDRO!

Chalaça, o
imperador não
vem hoje?
Hoje
não... mas,
amanhã, com
certeza!

A vida seguia tranquila. Ninguém poderia


imaginar a tormenta que se aproximava.
Em P ’tugal, a situação tornou-se insustentável. Rebeliões
populares em Campo de Santo Ovídio e na imaculada
Lisboa levaram à convocação das Cortes P ’tguesas, que
instituíram uma nova Junta de Governo e redigiram uma nova
constituição, exigindo o retorno imediato da Família Real.

Para
cúmulo de nossa
desventura, deixou
de viver entre nós nosso
adorável soberano, D. João
VI! Desde esse dia fatal,
contamos nossas desgraças
pelos momentos que tem
durado nossa
orfandade!

PERDEMOS
TUDO!

D. João
preferiu viver
naquele gigante em
verdade, mas sem
braços nem pernas,
sem falar em seu
clima ardente e
pouco sadio!

A terra
dos macacos,
dos pretos e das
serpentes não é
lugar para nosso
augusto
soberano! VOLTA,
DOM
Exigimos JOÃO!
que nosso rei
deixe aquela terra
VOLTA,
selvagem e inculta DOM
e volte cá para esta JOÃO!
terra de gente, para
P’tugal!

VOLTA,
DOM
JOÃO!

O povo foi às ruas, exigindo a volta


de meu pai e o retorno do Brasil à VOLTA,
condição de colônia. DOM
JOÃO!

VOLTA,
DOM
JOÃO!

VOLTA DOM JOÃO! VOLTA DOM JOÃO! VOLTA DOM JOÃO!

75
À revelia de meu pai, a nau
Providência foi enviada ao Brasil,
capitaneada por José de Avilez. Sua Para
missão: trazer de volta a Família Real, onde
utilizando a força, se necessário. vamos, Para
Capitão aquela
Avilez? direção!
O Brasil!

JOSÉ DE
AV IL E Z
Por mais que o governo de meu pai
tivesse trazido riqueza e prosperidade
ao Brasil, uma coqueluche começava a se
espalhar entre os países do Novo Mundo.

Venezuela, Paraguai e até a longínqua e misteriosa terra


da Argentina já eram independentes. O Chile e o Peru
Mais contrataram um velho conhecido nosso, o mercenário
“uma” irlandês Thomas Alexander Cochrane, o Lobo do Mar,
cliente para expulsar de suas águas os navios espanhóis.
“satisfeitew”!
Não tardaria até que o
Brasil, que crescia a ritmos
milagrosos, seguisse pelo
mesmo caminho.

D. João novamente se viu dividido


entre dois reinos...

Se eu Se eu ficar,
voltar, o P’tugal não vai
Brasil se torna mais me querer!
independente!

Mal sabia ele que, perto dali, na Academia Médico-


Cirúrgica, uma importante peça daquele complexo jogo
estava prestes a ser mexida...

76
Precisas Alteza,
entender, a ciência não
alteza! progride a cada
nascimento, mas a
cada funeral!
Controlar
as bestas não é Não
tão fácil quanto me importa!
imaginei! Com a pressão de
P’tugal, o parvalhão
logo voltará a
Há Lisboa!
tempos
que tu me dizes
isso! Dei-te todos
os prisioneiros que
querias para fazer teus
experimentos!

Vê Até
a Rainha permito que
Louca, por dê algumas voltas
Alteza,
exemplo! Agora que por meu laboratório
preciso de mais
está alimentada, para que suas pernas
tempo para as
comporta-se de não apodreçam
experiências!
maneira quase completamente!
dócil!

Como
queres que
eu o derrube
assim?
Agora vem,
ajuda-me a tirar
este disfarce!

Porém,
POR
quando COPÉRNICO!
tem fome, seu
comportamento é
imprevisível!

Talvez
precises de
outro tipo de
incentivo, Dr.
Mazarém...

77
Vem cá
fazer teus
experimentos,
vem!

Com muito
gosto!

Ai, meu Ui,


Doutor... tá E aqui, dói, mas Pois
doendo! dói? é bom! queres que
eu pare?

Se tu
parares eu
te mato!

78
Tu
sabes qual
eu acho que é
o problema hoje
em dia?

Sofremos
com o
excesso de
informação!

Tens
razão!
Desde que
os jornais
começaram a ser
impressos...

...no
Brasil...?

PELO
GUARANI!

HH H H!
AAAA

CHAMEM A
POLÍCIA!

?!

79
Naquele dia, a nau
enviada por P ’tugal
f inalmente chegou...

D. João, a
nau Providência
acaba de ancorar
na Baía de
Guanabara!

Assistente O objetivo
é levar vós e
vossa família de
volta a P’tugal Pois
imediatamente! dize-lhe para
pentear a
macacos!

Não fosse por minha mãe,


ele jamais teria partido!

Mas
que
diabos...
...uma
besta,
aqui?
Isso
quer dizer
que...

...
MAMÃE?!

Daqui
não saio,
daqui ninguém
me...

Chama
meus filhos e
o Chalaça!
Dize-lhes que
partiremos DE
IMEDIATO!

“E não conte nada a ninguém, pois...”

A
RAINHA
FUGIU?!

80
Pedro, O Brasil
meu filho, não é mais
precisamos lugar para
voltar a nós!
Pai, o P’tugal!
que... o que
está a se
passar?!

Explicarei
tudo no A avó?!
Mas meu caminho! Agora, Tu disseste
pai, o que precisamos levar que ela tinha
houve?! tua avó para morrido!
casa!

A
Rainha
Louca
está...
viva?!

Por
favor, não
Não sei,
me fazei mais
saiu hoje de
perguntas! Cada
manhã e não
segundo é Pedro, onde disse aonde
precioso! está vossa ia!
mãe?

Pois então Buscaremos


mandaremos um tua avó e
barco apanhá-la partiremos de
depois! imediato!

81
“Este país está
condenado!”

POR
GALILEU!

Meus
estudantes?!

Cuidado,
Alteza, AIEEEE! alteza!
voltai para... Uma simples
mordida
pode...

ARGH!!
TA ,
RLO
CA ÃO!
N

82
Nããããããããããããããããããããão!!
Dr.
Mazarém... Por que
por favor, fazes isso?
me deixa aqui!
Salva tua vida!

NÃO
VÊS? EU
TE AMO!

JAMAIS!
Minha vida não Oh,
tem sentido Doutor...
sem ti!

Ninguém
nunca fez nada
por mim...

P!
M
TO Tudo vai
ficar bem,
alteza!

83
O que
houve por
aqui?!

Pai, esses
corpos são
de...

Sim, O que
Pedro! Temo fizeram
que sim! contigo?!

OS
MORTOS
VOLTARAM A
ANDAR!

Oh, minha
querida
mamãe...

Sem
Prometo
Zarpemos, mais
explicar-te...
para a Baía de perguntas,
Guanabara! Pedro!

Mas
pai, o que
está a
aconte...

84
Valha-me
Deus!

PEDRO!

VINDE, Saibam
BESTAS que não as
INFERNAIS! temo e...

...e...
o quê?

bANG! BANG! BANG! BANG!


AFASTEM-SE DO
MEU MARIDO!!

O
quê... LÉO?!
Quem...?

Esqueceste Como
Como como a doença sabem o que
pode haver se espalha são essas
tantos?! rápido? coisas?!

twip!

g!
splos
h! ban

É
uma longa
O que se
história,
passa?
Léo!

Não é
D. João e a
família...

HH !
R G H
AA
86
Quando o Capitão José de Avilez chegou à Baía de
Guanabara com ordens de buscar D. João à força,
ele imaginou que encontraria alguma resistência...

Esses
gritos?

... mas quem poderia imaginar


aquele desastre?

Já é
carnaval?

87
Pai, só Precisamos
estamos combater essas Nada
espalhando a bestas, antes que mais
doença! infectem todo o Rio podemos fazer
de Janeiro! pelo Rio,
Pedro!

D. João se Baixai as
aproxima com escadas!
a família...
voluntariamente!

Só nos
resta
retornar a
P’tugal!

???

D. PEDRO!
D. PEDRO!

88
Não nos Por favor,
D. Pedro...
abandone! D. Pedro,
o povo
precisa ajudai-nos!
de ti!

D. Pedro!

Por favor,
ajudai-
nos!

O quê...

Criança,
foge! Esconda-
te que tudo VAI!!
ficará bem!

Pedro,
apressa-te!
Por acaso
tens ovos
debaixo dos
braços?

Meu
adorado,
Maldição... precisamos
essas partir!
pessoas...

89
Vem, meu
filho! Não Bem
há nada que vindo a Teu pai
possamos bordo, D. tem razão!
fazer! Pedro! Sou Nesta terra
o Capitão só há...
Avilez!

Avilez

PAI!
Essa gente
precisa de
nós!
Dobra a
língua para Não
falar do Brasil, podemos
Avilez! abandoná-los
assim!

Será
que não
aprendeste
D. Pedro ainda,
Pedro?!

QUANDO
A FORÇA
É DESIGUAL,
ANTES FUGIR
QUE FICAR
MAL!
Sim...
a lição de um
covarde!

D. João

Atenção, Vamos
Bah, não
marujos! Içai embora desta
tenho tempo
as velas! terra
a gastar com
discussões de bestas!
familiares!

90
Minha
D. GRRRRRRR! vovó quer me
PEDRO, machucar!
SOCORRO! SOCORRO!

Não
NADA
vais fazer
TEMA, MINHA nada, ô pá!
CRIANÇA! D.
PEDRO VAI...
O
quê?!

Capitão Tens os
PEDRO!
Avilez, que macacos no
insubordinação sótão?!
é essa?
Apenas
sigo ordens,
D. Pedro!

Se
tocares
em Dona
Léo...

Um
monarca
como
tu deve
entender
isso!
Não te
incomodes em
desembainhar a
espada! Achas mesmo
que tua lâmina é mais
veloz que minha
bala?

Largue-a
e te levaremos
em segurança...
e inteiro.

91
Estarei
sempre
contigo,
Pedro!

Vivo
para vos
servir, meu
senhor!
Léo...
Chalaça...
não posso
abandonar
essas
pessoas!

Se
Está T U FF! T U FF! é para
pois, o bem de
decidido! todos...

No
dia de hoje, ...E
abraço meu FELICIDADE
destino! GERAL DA
NAÇÃO...

AARGH! MEU
ROSTO!!
ESTOU
PRONTO!

DIGA AO POVO QUE FICO!


92
MALDITO!!
MEU ROSTO!
MEU ROSTO!

Vem,
pai! Ele
escolheu seu
destino! Pedro!
Meu filho!
Nããão!

Meu amo,
usa minha
arma! ...mas
tuas balas
não são tão
rápidas quanto minha
Obrigado,
Chalaça... MÃO DE
MARTELO!

Foi a última vez que vi meu


pai. D. João VI deixou o
Brasil da mesma forma que
chegou: fugindo às pressas.

Pedro,
meu
filho...

Serás
o rei que
jamais fui!

93
Logo a infecção se espalhou por toda a Baía Mas nem todos
de Guanabara, tornando pobres, ricos e caíram naquele
escravos em bestas assassinas. dia...

Houve aqueles
que lutaram e
independente de
sua condição...

Pedro! Fico feliz


Estou sem em morrer ao
balas! Aguente
vosso lado,
firme,
meu amo!
H !
Léo!
S W
H O O S

S W H O O S
H
!

Chalaça,
hoje somente
os mortos
cairão!

A mim e ao meu time,


...defenderam o não restava outro
Brasil para raiar destino senão f icar
o novo dia como e lutar, até a morte
HERÓIS. e além dela.

MEU
AMO,
ATRÁS DE
TI!

Wa ?!?!
v
Cah
- tcha
ng !
O quê...

94
G
IIII III N
K A C H II

Tigre

CARTAS DE
ALFORRIA!

Para
todos
que ajudarem
nessa guerra
profana.

POIS
TENS A
PALAVRA DE
D. PEDRO!
Sejas
bem-
vindo ao meu
time...
...o
hã...

95
96
Por incontáveis horas, nós lutamos!
Frente à face da morte, não tínhamos
mais cor ou credo...

...não éramos mais ...pessoas ou Éramos uma


rei ou escravo... partidos! só força...

...capaz de superar suas


diferenças, combater as Que
injustiças e mudar o mundo! este dia
profano seja
sempre lembrado
Éramos um país! com orgulho!

97
D.
Pedro, D.
Pedro, tu nos
salvaste!

VIVA D. Pedro! VIVAAAA!


K
És

AC
D. Pedro! meu

M
herói!
S

Vem,
criança!

Mais do que um ...


governante, tornei-me Ora, obrigado!
símbolo de inspiração eu...
para o povo...

Contudo, o que não conseguimos conter


foi a solidariedade do povo brasileiro.

Foste
mordido?!

Pais, f ilhos e amantes ...sem saber que


esconderam seus entes estavam a espalhar
queridos infectados... a maldição. Vai ficar
tudo bem,
meu
querido!
Shhh!
Por favor,
não digas
nada!

98
Em pouco tempo, Eliminar as bestas não virou apenas uma questão política, mas
por todo o Rio de também de saúde pública. E, com as decisões centralizadas em
Janeiro, a batalha Lisboa, eu pouco poderia fazer... a não ser...
recomeçou. Dia e
noite, novos casos
surgiam.
Diante da
emergência ...que
na qual se ameaça se
encontra nossa alastrar por
cidade... todo o país...

... Fica
a partir proibida em
Os E a fim de
de hoje, as todo o reino a
decretos de garantir a
decisões de D. presença das
Lisboa só terão segurança do
Pedro serão bestas...
validade depois da povo...
soberanas!
augusta firma de D.
Pedro autorizando
o “cumpra-
se”!

“...aquele que for visto


acolhendo ou protegendo uma
besta, ainda que seja familiar,
será por igual executado!”

viva
D. Pedro!
viva!
Ele livrou
o reino das
bestas!

Com o novo decreto, as bestas


foram contidas e minha popularidade
catapultada a patamares com os quais
meu pai jamais sonhara.

99
LISBOA, A exemplo O Temos, pois,
P’T UG A L dos outros países rapazinho somente uma
do Novo Mundo, filho de alternativa... depor o
Meus o Brasil começa D. João VI puto e submetê-lo às
patrícios, as a se engraçar contraria as sanções da corte
notícias vindas para os lados da ordens da p’tuguesa!
da colônia são independência! corte!
ultrajantes, ora
pois!
Absurdo! Que
E se ele
despau-
recusar-se
tério!
a deixar o
poder?

E o
outro cá a
dormir?!

...e
Ele será
voltará a tratado como
P’tugal... o rapazinho
que é!

ASSIM
JURA
AVILEZ!

Mamãe-
zinha...

100
Salve Mostra
Avilez! ao rapazinho
Salve quem é que
Avilez! manda!

He, he,
he...
Mal sabia Avilez que, mesmo separados por um oceano
inf inito, meus ouvidos podiam escutar cada palavra sua...

No Brasil, as emoções começavam a entrar Os militares p’tugueses que f icaram no Brasil negaram
em ebulição. Após o “cumpra-se”, os ideais de a reconhecer meu governo. A recusa logo tornou-se
independência começaram a se fortalecer, com em estranhamento com os brasileiros, anunciando para
diversas províncias, como São Paulo, exigindo um breve uma guerra sangrenta entre aqueles que outrora
governo independente sob minha regência. foram irmãos.

Eles Inventam
Fora Brasileiros
trouxeram anedotas a
P’tugal! ingratos!
as bestas nosso
para nosso respeito!
país!

Nunca
entendi
nenhuma!

Outros estados como a Bahia


mantinham-se f iéis a P ’tugal,
enquanto Pernambuco e
províncias do Norte, Nordeste e
Sul almejavam se tornar países.

Para piorar, nem


mesmo a nova lei foi
capaz de pôr um f im
às bestas. Novos
focos surgiam por
todo o país.

O Brasil era um barril


de pólvora prestes a
explodir, e meu governo
corria o risco de não
completar um ano.

O que mais poderia acontecer?

101
AC A DE M I A
M ÉDICO -
CIRÚ RGIC A

Ouviste
as notícias,
minha
amada?
Teu
filho Pedro
agora é adorado
pelo povo!

Nesse
ritmo, não
tardará até que
proclame a
independência!

E a
respeito “Proibir” Ah, se ele
dessa lei as bestas? soubesse
estúpida que Vai ser mais o poder que
ele criou? uma dessas leis ocultam...
idiotas que
nunca pegam!

!
UP
FW

As
sangues- ...nunca
sugas fizeram estive
um bom Contiveram melhor!
trabalho! a infecção,
permitindo que
mantivesse tua
consciência!

Como
se sente,
alteza?

Doutor
Mazarém...
eu...

102
Diante de tantos dilemas, pedi
a ajuda de um dos homens mais
sábios do reino...

Mandastes me
convocar,
D. Pedro?

Sim, meu
caro Boni!
Tua
ajuda em meu
governo será
providencial!

JOSÉ BON IFÁCIO


(O BON I)

...
Como bem
deixar-te-ei
sabes, governar
com minha amada
um país não é
esposa, Léo, para
tarefa
ajudar-te nessa
para um só
nobre, mas dif ícil,
homem...
tarefa...

Nem mesmo
dois, meu
senhor! Do
que estás
falando,
Pedro?
Exato!
Por essa
razão...

Não
compreendo,
senhor!

Boni,
Léo... por
demasiado tempo,
vivi acomodado, à
sombra de meu pai,
olvidando-me de
minhas obrigações
Cabe a
como príncipe!
mim, e somente
Com a fuga a mim, assumir
de D. João, meu lugar na
nosso amado país História e trazer
encontra-se à de volta a paz a
beira do caos! nosso país!
Partirei
Oficiais de pronto,
p’tugueses no intuito de unir
revoltam-se os interesses do
contra meu Brasil numa só frente,
governo! e, com minha mão de
martelo, eliminar as
Em outros bestas que assolam
cantos, surgem a nação!
novos focos de
bestas a cada
dia! CHALAÇA?

103
Então,
Tudo pronto, partamos!
imperador!

Boni, estou Léo...


certo de que
cuidarás bem das
coisas.
Pedro,
tomes
cuidado!

Até
breve,
minha
adorada.

Rumo à
aventura, meu
velho amigo!
Avante,
Retumbante!
Avante,
Para onde
seguiremos
agora, meu
TIME
amo? D. PEDRO!

Por mais que tenha doído separar-


me de minha amada Léo, não havia
escolha. Meu sagrado dever me
chamava.

104
Onde quer que fôssemos
necessários, lá estávamos, ISSO É BELO HOR IZONTE
confortando a população e PELO MEU
apaziguando conf litos. PÃO DE
QUEIJO!

!
G
AN
B

P ’tugueses ou
bestas, ninguém
escapava de meu Jurai
pilão da justiça, que lealdade a D. Hmmmmmmfff!
moía a discórdia Pedro, verme
num cheiroso café! p’tuguês!

V ITÓR I A

Bestas SÃO LOUR ENÇO


malditas, como
ousam invadir esse
local imaculado!? NADA MAIS
É SAGRADO?!

SÃO PAU LO Creio Já


Chalaça, Sabes de que sim, fostes a
preciso repousar algum lugar aqui meu amo! Santos?
meu corpo e meu por perto?
espírito!

105
SA NTOS Só de Pois vais Sem falar
passagem, Belas
(C A NA L 4) adorar esta nos peculiares
indo pro praias,
cidade, meu prédios
Guarujá! lindas
amo! tortos!
cachopas!

Pois
saibas que
já gostei, Já
Chalaça! gostei!

Enquanto recuperava-
me de meus ferimentos,
novas chegaram à
Quinta da Boa Vista...

Tens
certeza
disso?

Yes, Sire As cortes


Boni e Léo! p’tuguesas enviaram
Eu vi com o Capitão Avilez para
meus próprios invadir o Brasil e
olhos! depor D. Pedro!

106
“Mas onde ele
estará agora? ”
Não Tanta
temos a menor terra para
chance contra os lavrar e meu
p’tugueses! arado a ganhar
O que ferrugem!
faremos,
Boni?

Dona
Léo, temo
que tenhamos
que convocar D.
Pedro de volta de
sua sagrada
missão!

G!
BOIN

“Corre como o vento,


Pelas últimas Canto e Melo! Avilez e
Canto e suas tropas chegarão
notícias que
Melo, és o em pouco tempo! Dois Tu me
recebi, meu esposo
cavaleiro mais meses, no máximo!” pagas, D.
deve estar em São
rápido do Rio Pedro!
Paulo!
de Janeiro!
Em dois
meses, no
máximo!

Partirás de
pronto, levando
estas cartas, e
não te deterás até
que o
encontres!

Sim,
madame!
Imediata- C A N TO E
mente! M ELO

107
Depois de uma breve pausa em Santos para ...sem imaginar que ali, às
repousar nossos espíritos, eu e meu time margens do Rio Ipiranga, os
estávamos preparados para seguir viagem... ventos da História assoprariam
com tanta força.

Estava com Estou


saudades de feliz que o
nossas aventuras, matrimônio não
Chalaça! o tenha mudado,
meu amo!

D. PEDRO,
D. PEDRO!

SER R A O quê?
DO M A R

Canto e Mas
Como nos quando soube Bah, o O que
Melo, meu
encontraste que um homem de tempo de queres aqui,
mais veloz
aqui? tapa-olho, idêntico D. Pedro é Canto e
batedor!
a D. Pedro, estava precioso! Melo?
fornicando com
todas as meretrizes
Procurei- de Santos...
vos por toda
a parte!

Vim
entregar
estas
cartas!


São da PELOS quanto
Dona Léo, e ela BIGODES DO tempo Léo
disse que são CAMÕES!! mandou estas
importantes! cartas?

LÉO?

P’tugal
planeja
atarcar-
nos com
SETENTA
E QUATRO
VUP! NAUS?!

Sete
dias,
senhor!

108
Sete
dias... a essa O que Sabíamos Retornaremos
altura, o borra- faremos, que este dia ao Rio de
botas do Avilez imperador? chegaria, meu Janeiro de
já deve estar a velho amigo! pronto!
caminho!

Se P’tugal
planeja nos
invadir e
tirar-me do
poder...

Não me resta
alternativa senão ...A
declarar... INDEPENDÊNCIA DO
BRASIL!

...

Bravo, Creio
imperador! Vou ter que
que mudar meu sim...
passaporte?

7 DE SET E MBRO
DE 1822

109
Creio que os
acontecimentos
desta noite Faça tudo
devam ser melhor soar bem
Chalaça?
detalhados dramático!
numa carta à
imprensa!

Sim,
senhor!

Sim,
meu Como
amo! quiser,
imperador!

No dia seguinte...
“... e ...bradando
sua espada em D. Pedro
às margens do
direção ao infinito o quê?!
Rio Ipiranga...
das nações...

Viva o
imperador! SÃO PAULO

Mas que Que


fixe! cheiro
horrível!
...
D. Pedro
declarou a
Independência ...e hoje,
do Brasil!” vamos
aprender
mais sobre o
sistema
R IO DE digestivo...
JA N EIRO

O
Perdão, Brasil
Meus Dr. Mazarém! finalmente está
alunos, sem É que são livre de P’tugal!
conversas notícias muito
paralelas! excitantes!

Peço
que
discutam isso
depois da
aula!
Voltemos
agora...

110
AO SISTEMA
DIGESTIVO,
HAHAHA!

Prestem
atenção à aula,
meninos... pois
ela será vossa
ÚLTIMA!

...
Como bem O e extrai do
ar o fermento Bela
sabem, é pela estômago demonstração,
boca que o alimento então cozinha necessário para
fazer crescer os alteza!
entra, para em seguida, o alimento...
ser levado até o músculos e
estômago! ossos!

Bela
aula,
Doutor!

Agora,
minha
amada, chegou
a hora...
... do
experimento
final!

Com
prazer, meu
chuchu!

111
Na chegada ao Rio de Janeiro, eu e
meu time fomos recebidos com festa
pela população, que sequer imaginava os
desdobramentos posteriores...

Obrigado,
Mandaste
meu amo!
muito bem,
Chalaça!
Viva
D. Pedro!

Ele nos livrou


das bestas e
dos p’tugueses!
Viva!

Vê como Léo,
o povo minha Vim
assim que Senti
comemora! Se adorada!
recebi tuas tanto tua
depender deles, falta!
a batalha já cartas!
está...

PEDRO!!

Impera-
dor...

PEDRO!!
Salve,
Boni!

Pouco depois...
Infelizmente Vossa
não há tempo presença se faz
para vos dar as necessária no Como vê,
boas-vindas! palácio! imperador, a
situação é
grave!

112
Pois
Não temos As
precisamos
300 soldados, forças
agir rápido!
imperador! armadas
permanecem fiéis
Para isso, a P’tugal!
convoca 300
de nossos
melhores...

Em especial,
depois de sua...
hã... missão
pacificadora!

Os Raios!
Precisamos
Está cofres foram Como vamos
de dinheiro
falido, esvaziados por defender nosso
para treinar
Dona Léo! D. João antes de país assim?
soldados!
sua fuga!

Não
temos
dinheiro,
Boni!

Pensas
que como
moedas e cago
notas?
Para
poupar a vida
dos brasileiros,
talvez
E o Banco tenhamos
do Brasil? que...

Contudo,
D. Pedro, se vossa alteza
...sei
se me permites não intervir, além
que nossas ...terá
um comentário de perder para o
chances de também que
pessoal... mundo a dignidade
vitória são responder, perante
ínfimas! de homem e de o céu, pelo
príncipe... rio de sangue
que decerto correrá
pelo Brasil!

Léo,
minha
rainha... o que
um rei deve
fazer?
...
é o que
um pai deve
A fazer!
pergunta
correta, meu
adorado
Pedro...

113
Dos quase 120 f ilhos que
suspeito ter gerado, nenhum era ...meu Claro,
tão desejado quanto aquele. como
nome é
José. Estas poderia me
são minha esquecer?
esposa e nossa
filha, Eva.
O senhor Como vais,
a salvou miúda?
das bestas
há alguns
Oh, Léo.. meses...
que notícia Viemos vos
maravilhosa! D. Pedro! trazer um
Meu herói! presente!
Meu herói!

Mas que
gentileza!
D. O que é?
Pedro...

Imperador, Usai-as
Agradeço-
sabemos das para comprar
te, José,
intenções de P’tugal armas... e
mas creio que
de escravizar o Somos contratar
precisaremos de
Brasil! muito pobres, soldados!
muito mais do
por isso, aceitai que...
nossas alianças
de casamento!
Não
somos os
únicos,
imperador!

TODOS
QUEREM
AJUDAR!

Foi a primeira vez que brasileiros se uniram


para defender uma causa comum. Fosse
comerciante, camponês ou escravo alforriado,
todos contribuíram para a compra de armas e
canhões para expulsar os p’tugueses!

114
Munidos dos recursos para montar um exército
rudimentar, começou nossa campanha de libertação...

Quanto a
Não isso, caro ...
Iremos Mas meu
faz sentido Chalaça... creio temos
até a Baía amo, nosso
esperarmos um elemento-
de Guanabara efetivo de navios
sentados pelo surpresa!
enfrentá-los em ainda é muito
ataque dos
sua chegada! menor que o
p’tugueses!
p’tuguês...

Quem tu achas
que nos informou
Raios! ...O
Thomas de antemão do
Esse aí LOBO DO
Alexander ataque p’tuguês?
não é o... MAR!?!
Cochrane!
Aqui está
o dinheiro,
Lobo do
Mar!

Nice to
see you, Contamos
sire! contigo!

Thank Não Mas sem


you, sire! confio nele, uma marinha
imperador! decente, ele é
a única opção
Estarei lá Eu que nos
no dia e tampouco, resta!
na hora Chalaça!
marcados!

E nele? Vós
confiais?

115
E não
será,
Tigre!

Bem-vindo
Com minha de volta!
própria vida,
Chalaça.

Mesmo
alforriado, ele
escolheu lutar a
nosso lado!

Não
permitirei que
outro povo seja
escravizado!

“Os p’tugueses não perdem por esperar!”

BA Í A DE
GUA NA BA R A

Hã?! O
que... quem
vem lá?

Volta a
dormir!

... ou
É apenas melhor...
um sonho... um pesadelo!
Hahahaha!

116
Diante da lealdade do povo brasileiro, senti o peso do mundo
em minhas costas. Mas eu estava igualmente disposto a
dar minha vida por aquela gente, que me acolhera com tanto
carinho quando cá cheguei, ainda menino.

Na noite que antecedeu o


confronto derradeiro, amei Léo
como se fosse a última vez.

... e Jorgina... ... e Micaela... ... e Thamar ys... ... e Sheila, Leocádia
Josef ina, Maria
Benedita e Domitília!

Deixai
que venham
os p’tugueses...
pois eles sentirão
em suas fuças
lusitanas minha

MÃO DE
MARTELO!
Conforme as informações do
Lobo do Mar, em pouco tempo O pelotão
o confronto chegaria... está em
posição,
imperador! O que
faremos
agora?

R IO DE JA N EIRO
CH A FA R I Z DO M E ST R E
VA L EN T I M

Agora nós
aguardamos,
E oxalá que
meu velho
o Lobo do
amigo!
Mar cumpra sua
parte no
trato!

Assim, tão logo os navios p’tugueses


cruzaram a Baía de Guanabara...

Ora
O pois!?
quê?!

...deram de cara com a primeira das


UM
muitas surpresas daquela noite!
NAVIO DE
GUERRA?!

É UMA
CILADA!

... É
UMA...

118
Preparar...
apontar....

FEGEW!

Por um breve instante, eu e meu time


achamos que tínhamos uma chance de
sobreviver àquela noite...

119
Nah!
Devo dar
D. “Pedrew” só
mais um
tinha “dinheirew”
“tirow”,
para um
captain?
“disparow”!

Let’s go
home!

Malditos
brasileiros!

Urrgh! Vós
não
perdeis por
esperar!

Estão Não! Mas


todos estaremos
prontos? sempre a seu
lado, meu
adorado!

120
Obrigado...
Meu amo...
Léo, soberana
decorastes
de meu
o texto que
coração! Creio
escrevi?
que sim,
Chalaça.

Brasileiros Em alguns Invadirão o


e brasileiras... minutos, estas Rio de Janeiro com
Aham. africanos e... hã, terras estarão sede de sangue, no
índios tomadas por aqueles intuito de varrer a
botocudos! que um dia foram vida e as flores de
nossos irmãos! vossos bosques!

Vejo que Mas já Não temeis Vossos peitos,


vossas expressões podeis ver a as ímpias vossos braços, são
são de preocupação mãe gentil, pois o falanges que muralhas, que afastam
e tristeza! sol brilha apresentam a o temor e zombam da
em nosso face hostil! mão mais
horizonte! poderosa!

“Eu vos convoco e vos


congratulo, brava gente
brasileira!”

121
ENSOPAI
A TERRA NO SANGUE
DOS TIRANOS
P’TUGUESES!
RASGAI DE UMA VEZ
AS ENTRANHAS DESSES
MONSTROS!

QUE A NOITE DE HOJE VOS


FAÇA RESPLANDECER NO
UNIVERSO DAS NAÇÕES!
QUE O CÉU DE AMANHÃ
SEJA RISONHO E LÍMPIDO,
E ESPELHE VOSSA
GRANDEZA NO FUTURO!

OU FICAR
A PÁTRIA
LIVRE...

OU MORRER
PELO BRASIL!

Estás
tomando
nota de tudo,
Chalaça?

Encrustando a
ferro e fogo no
músculo de minha
mente, senhor!

122
Ótimo! Então vamos
dar aos p’tugueses
D. Pedro,
a recepção que eles
cuida... CANTO E
me...
Canto e MELO!!
Melo?!

Bang!

Mas que
diabos...?

Protegei o
imperador!
Estamos sendo
atacados!

É a
segunda vez que
venho te buscar,
rapazinho!

A diferença é
que agora...

...
NÃO
TENHO A
OBRIGAÇÃO
DE TE LEVAR
VIVO!

123
AVILEZ!? O que...
o que ele faz
aqui?!

“Nosso informante
foi deveras preciso
Ora, Chalaça... em seu trabalho!”
eu e meu time
estamos no Rio
de Janeiro há três
dias, aguardando o
momento certo para
atacar-vos!

Mas como
sabiam que cá
estaríamos?!

He
he... viva o
“Brezew!”

Meus As
melhores Em cortes de
Rapazinho,
soldados respeito Lisboa prometeram
teu truque
estão comigo, a teus clemência! Ao invés
com os canhões
enquanto os outros antepassados, da cadeia, irás para
em pouco nos
avançam com armas peço-te uma escolas em toda a
abalou!
que poderiam última vez: Europa, onde
recolonizar a renda-te e volta aprenderás a ser
América! conosco para um rei de
P’tugal! verdade!

Um rei não
se faz na
escola, Avilez!
Tampouco, um
homem!

Larga O quê...?
tua arma e
enfrenta-me Que
mano a... diabos...

DIP!

124
PELO PELOS
PORTO! BIGODES DO
CAMÕES!

Eles
tinham Não! Isso
bestas a não é obra
bordo?! nossa!

Mas então
como...

O I M!
Um
TOO
brinde
Um
ao Brasil,

I M!
brinde, Dr. AO
alteza!
O
Mazarém! PAÍS DO

TOO
FUTURO!

BWHAHA
HAHAH!

125
TOO
O I M!
TOOOIM!
MUITO
BEM MEUS
ESTUDANTES!

CHEGOU
A HORA DA
PROVA FINAL,
CUJA MATÉRIA
É...

miolos!

Mas que
feitiçaria é
essa?!

Avilez! isso Temporária, Isso não


é maior que sim! muda nada
mim e ti! entre nós,
rapazinho!

Estás
propondo
! uma...
O SH trégua?
OO
!
BABNAGNG!
FW
As bestas
não fazem
distinção entre
brasileiros e
p’tugueses!

126
Podes TIME D. PEDRO! Por ora, os
O MESMO Lidaremos
NOSSA PRIORIDADE p’tugueses são VALE PARA VÓS, com os
ter certeza P’TUGUESES!
disso! AGORA É ANIQUILAR
nossos aliados! brasileiros
AS BESTAS! depois!

PARA
QUE SE
DETENHAM,
É PRECISO
DESTRUIR-LHES
O CÉREBRO!

ATACAI SEM
PIEDADE!

127
Léo... se eu EU SEI,
morrer esta noite, PEDRO!
EU SEI!
quero que saibas
que...

AGORA,
VAMOS
CHUTAR UNS
TRASEIROS!

Morre,
aberração
maldita!
Morre! Hã?

p! p!
thom thom

p!
Fui salvo

thom
por um...
um...?!

p!
thom

128
Estamos
vencendo,
adorado!

As bestas
não são
páreo para Tens
nossas forças razão,
combinadas! Léo!

Agora
Sem tirar
vejo que
vantagem um do
somos muito Imagine o que outro!
mais fortes aconteceria se,
quando lutamos ao invés de lutar
juntos! uns contra os
outros... Sem
preconceitos
nem discrimi-
nação!

Sem fazer as
coisas do jeito
inglês ou do jeito
p’tuguês!

...
p’tugueses, Mas do
brasileiros jeito
e africanos brasileiro!
trabalhassem
juntos por um
país melhor?!

“Se sobrevivermos
a esta noite, este
será um grande
país!”

PELOS
ORIXÁS!

NÃO!

129
D.
PEDRO!

TIGRE?!

C H!
K RU N

...
saibas que
...lutar ao
foi... uma vosso lado!
honra...

Espero
que um dia
tragas... ... a
liberdade
para o meu...

GKKK
...o meu...

130
TIGRE!!

DIABOS,
ESTAMOS
PERDIDOS!

Meu
amo, o Tigre
está morto!
Precisamos
fugir!

CHALAÇA...

...SEGURA
MINHA
CAMISA!

131
!
TCH A K

!
T W H IP

F W H A M!

Estamos Dessa o
PEDRO! OH, NÃO!
perdidos! rapazinho não
escapa!

132
...dei-te a
TIGRE...
alforria, e, ainda
assim, continuaste
lutando a meu
lado!

A C!
NH

Honraste-
me com tua
E, acima
virtude e
de tudo...
lealdade!

...
honraste teus
antepassados
e teus
descendentes!

...PELOS
O Brasil SERVIÇOS
está em dívida PRESTADOS...
contigo e com
teu povo!

Por ora...

C O N SI
DER A-
LI BER TE
T O!

133
Acho que as
coisas ainda
vão piorar,
rapazinho...

O que se
Adorado,
passa...?
estás bem?

Fisicamente,
sim, Léo! Mas
meu espírito está
esmagado, de tanto
ver bons amigos
serem levados pelo
diabo!

As
Tudo
bestas...
acabou?
estão a
Assim?
fugir?

Pois nem
começou,
meu
filho!

Quem
disse
iss...
Pedro...
Não vens
BIGODES dar um beijo
DO CAMÕES! em
tua mãe?!

134
Pedrinho,
meu querido
Ele me
filho...
Mãe... o deixou aqui
que tu te ...achei para morrer,
tornaste?! que tivesse mas o Dr.
te perdido para Mazarém me
Carlota
sempre no dia em salvou! Tornou-me
Joaquina?
que o parvalhão melhor!
Viva?!
fugiu!

E
ainda
mais Obrigada,
bela! querido!

É o
Vê? Bestas melhor de
dois mundos! “Bestas
e humanos nos HAHAHA- “Bestas
Somos humanas”!
temem, possuímos a HAHAHA! humanas”!
como... hahahahaha!
imortalidade de um
e a sagacidade do
outro!

Farei o
mesmo por ti! Não
... lhe dê Afasta-te
Basta que me e serás
permitas uma ouvidos, de mim! Tu te
o soberano adorado! Ela tornaste ainda
mordida... desta terra é louca! mais insana!
de mortos e
vivos!

Só uma
mordidinha,
meu filho!

Que falta te Vamos


fará somente um lá, por
pedacinho de tua favor...
carne...?

135
BASTA
DESTA
INSANI-
DADE!

És
uma maria
badalhoca!

Uma rainha
sem reino,
uma lunática
e...

Miooolos!

PUTINHO
INSOLENTE! VÊ
COMO FALAS COM
TUA MÃE!

MENINOS, O
BANQUETE ESTÁ
SERVIDO!
TIME
D. PEDRO,
ÀS ARMAS!
Miooolos!

Vossa

lf
espada,

rau imperador!

f
ul
ra

CHALAÇA,
CUIDADO!

136
RAIOS!

ATRÁS
DE TI!

O quê...?

K!
TCHO

F W H IS
S H!

MALDITO
ALCOVITEIRO!
SABES O TRABALHO
QUE VOU TER PARA
COLOCAR PERNAS
NOVAS?!

CALA
TUA BOCA,
LÍNGUA DO
INFERNO!

Foste muito PELA


mal-criado comigo! ÚLTIMA
VEZ...
Agora vais aprender
tua lição, meu filho!

137
CARLOTA!! PEDROOOOO!

...a
esperança e
a sogra são as
últimas que
morrem!

Desgraçada!

Tu nunca
foste... meu
favorito!

Como diz o
ditado...

BAM!

Imperador!
Gkkk...

Obrigado,
velho amigo!
Vem, Pedro!
Precisamos
arrumar-te um
médico!

Dona Léo,
cui.... NÃO!

LÉÉÉÉO!

MALDITO
MAZARÉM!

A AULA
ACABOU PARA
TI!

...
a...

139
Chalaça...? ...foi uma
Meu... honra..
vos servir todos
amo... esses...

...anos!

CHALAÇA... NÃO,
LÉO! NÃO,
NÃO...

Teu time
fez um bom
trabalho!

As bestas
estão sendo
contidas!

Creio que
chegou a hora
de encerrarmos
nossa trégua! “Brasileiro”.

“Brasileiro”?

140
Chama- Pois ...
mas-me com verás QUANTO
desprezo de VALE O
agora...
BRASILEIRO!
rapazinho e de
brasileiro?

ARGH!

UUUFFH!

D. Pedro...

A K! pelo coração
da Virgem

KR
Maria...

... CLEMÊNCIA?
tem
clemência
deste irmão Tu me
p’tuguês! pedes...
clemência?

P’TU-
GUESES
são
clementes!

NG!
C LI

141
U ?!
SO
I RO !
EU
I L E
B RAS

Creio que não


haja mais razão
QUEM É O para derramamento
PRÓXIMO!? de sangue,
imperador!

Jurai
Mas
Com medo lealdade
todos vós
P’tugueses! de sua mão a D. Pedro,
tendes uma
Teu líder, o temido de martelo, os o primeiro rei
única chance
Capitão Avilez, está vivos fogem para a brasileiro, e não
de sobreviver a
morto, assim como floresta e os sentireis sua
esta noite tão
todos aqueles que mortos voltam justiça
sangrenta!
desafiaram para o inferno! furiosa!
D. Pedro!

Vai
Os começar
mortos... Eu não
tudo de deixei
estão novo!
voltando à Lisboa para
vida! isso!

142
...
LAÇOS
FORA! Viva
D. Pedro!
Soldados...

RIIP!

RIIP!

VIVA D. PEDRO, O PRIMEIRO REI BRASILEIRO!

,
RO
Meu amor,
. P E D RE I
meu grande A D O
amor, Sem V IV IM EIR RO!
PR E I
ti não quero O SIL
viver... BRA Léo, por
favor, não
O,
EDR digas nada!
. P O RE I
A D
V IV IM EIR RO!
R I
O P ASIL E
BR

Não...
escuta-me
tu!

Pedro...
meu adorado
Pedro...

143
O pomo
Não há ... ...
está apodreça!
tempo para colhe-o
maduro!
lágrimas! antes
que...

Até breve,
Léo...
meu filho!

Até breve,
minha
adorada.

144
A noite mais negra de
minha vida f inalmente
teve f im.

Como toda noite, dando lugar


ao céu risonho e límpido. Estão
todos prontos,
Imperador.

Obrigado,
Boni!

Léo...
Chalaça... Os laços com
Vossas mortes P’tugal estão
não serão para sempre
em vão! Lutarei até rompidos.
o fim de minha Prefiro
vida, e espero me tornar
reencontrá-los em uma dessas
breve num abraço bestas a ser
fraterno. submisso a
Lisboa...

GRRRRRR
145
...PELO MEU SANGUE,
PELA MINHA HONRA, PELO
MEU DEUS, JURO FAZER A
LIBERDADE DO BRASIL!

INDEPENDÊNCIA
OU MORTOS!

JURAMOS
TODOS!
INDEPENDÊNCIA
OU MORTOS!

146
147
Posfácio & Nota Histórica

Os personagens que encenaram a História brasileira sempre foram retratados


com certo deboche nas adaptações midiáticas, reforçando em muitos o esteriótipo de
que o Brasil não é um país “sério”. Talvez seja o gosto particular que o brasileiro tem pela
comédia ou, ainda, a velha síndrome de vira-lata que infelizmente acomete a boa parcela
da população.
É verdade que alguns desses personagens, como Carlota Joaquina, são um convite
quase irresistível ao escárnio. Quanto a D. João VI então, nem se fala. O “parvalhão”
vez por outra aparece numa charge ou paródia, que não se cansam de exaltar seu jeito
glutão e atrapalhado, escorregando vez por outra por lados mais escatológicos de sua
personalidade.
Existe, porém, o outro lado, que esta obra tentou mostrar em meio às piadas e à
matança desenfreada que permeia suas páginas. É difícil imaginar que Carlota Joaquina,
casada forçadamente aos 10 anos com um D. João VI de 18 anos, poderia ter se tornado
uma adulta minimamente equilibrada. Já seu marido, que nunca almejara governar,
se tornou o príncipe regente de Portugal por causa da morte do irmão mais velho, D.
José e da incurável loucura da mãe. São personagens improváveis, pegos de surpresa no
redemoinho da História, mas que, bem ou mal, sedimentaram o caminho sobre o qual
hoje pisamos.
Não foi possível nem almejado manter a acuidade histórica – afinal, o ponto
de partida da obra é uma infestação zumbi desencadeada pela Rainha Maria, a Louca.
Conforme o enredo foi evoluindo e ganhando vida própria, caminhos se cruzaram e outros
foram apagados propositadamente. Seria impossível, por exemplo, falar de cada um dos
9 filhos que D. João VI teve (ou assim pensava) com Carlota Joaquina. Ou então incluir
a mínima fração dos filhos legítimos e ilegítimos de D. Pedro, além de suas incontáveis
amantes e o tórrido caso com Domitília de Castro Canto e Melo, a Marquesa de Santos.
A personagem chegou a aparecer em algumas versões do roteiro, mas foi cortada para dar
mais força à esposa e atiradora Léo e sua química com o nosso amado protagonista.
Ainda que tateie cá e lá em fatos e personagens verídicos, “Independência ou
Mortos” não tem a pretensão de recontar a História do Brasil. A obra tem em sua função
primordial entreter o leitor. Fazê-lo torcer pelo Time D. Pedro, saborear o doce gosto que
só a matança amoral de zumbis proporciona, rir da nova localização de Buenos Aires,
das aventuras do protagonista e seu melhor amigo, o Chalaça. E, quem sabe, ainda se
emocionar com a tragédia final de D. Pedro. Num segundo momento, e num sonho não
muito distante, a obra anseia por instigar o leitor a descobrir, por si só, como a vinda da
Família Real portuguesa para o Rio de Janeiro, em 1808, realmente transformou nosso
país, com ou sem zumbis.

148
Contudo, em meio a tantas distorções e absurdos, “Independência ou Mortos”
tem também seu lado fidedigno. Os autores sentem-se orgulhosos por ter mostrado o
protagonista “Mão de Martelo”, D. Pedro I, como um personagem falho e inseguro que
eventualmente encontrou seu caminho. Que, atendendo ao chamado do dever, preferiu
ficar no Brasil a voltar a Portugal. Que enfrentou exércitos e poderes muito maiores do
que os dele, e, mesmo sendo dono de continental lista de defeitos, contou com o apoio
da nação e reservou seu lugar no estreito panteão de heróis nacionais. O D. Pedro I visto
nessas páginas pode não ser o mesmo que ilustra o célebre quadro de Pedro Américo ou
os livros escolares, mas acredite, tem muito em comum com aquele que o inspirou.
A verdade é que, assim como a História, existem várias versões do Brasil. Algumas
que deram certo, outras que deram errado. Algumas que nos fazem estufar o peito e
outras que nos fazem levar a mão à testa. São tantas versões, rediscutidas a cada best-seller
ou revisão, que decidimos criar a nossa. Com zumbis.
Esperamos que tenha se divertido com essa jornada tanto quanto nós.

Os autores,

Abu Fobiya & Harald Stricker


7 de setembro de 2012

149
Artes e Estudos

150
152
153
154
155
159
160
Sobre os Autores

ABU FOBIYA — roteirista e idealizador da obra

O amargurado e pessimista escritor conhecido como Abu Fobiya é heterônimo do


gentil e saltitante Fábio Yabu, autor de espalhafatosas histórias em quadrinhos e adocicados
livros infantis.
Poucas são as similaridades entre Fobiya e a contraparte, que o teria mantido
prisioneiro nos coloridos labirintos de sua mente durante quase três décadas. Liberto após
circunstâncias catastróficas, o perturbado escritor agora se vê prisioneiro numa masmorra
ainda maior: a própria existência.
“Independência ou Mortos” é sua estreia nos quadrinhos adultos. Pelo selo
Nerdbooks, publicou o livro de contos de terror “Branca dos Mortos e os Sete Zumbis”.
Atualmente reside em São Paulo, numa localização desconhecida.

HARALD STRICKER — ilustrador e co-roteirista

Natural do Rio de Janeiro, Android, como é conhecido, descende de portugueses,


alemães e índios. Fã de ficção científica, Asimov e Norman Rockwell, consegue permanecer
calado durante incontáveis dias. No entanto, quando resolve se pronunciar, sabedoria
nenhuma é ouvida.
Sua aveludada voz, capaz de acalmar bestas e máquinas, pode ser ouvida
constantemente no Nerdcast.
Trabalhou em “Independência ou Mortos” durante um ano e meio. Colaborou
ainda com o roteiro, criando várias das cenas vistas nesta obra.
Atualmente reside em Curitiba.
www.jovemnerd.com.br
162
163
«Ensopai a terra no sangue dos tiranos portugueses
(...) Rasgai de uma vez as entranhas desses monstros!»
(Ci p ri a n o Ba ra t a , a bri l d e 1823)

164