Você está na página 1de 13

FACULDADE DE ILHA SOLTEIRA – FAISA

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO


ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: GESTÃO AMBIENTAL.

EDINALDO GONÇALVES
SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL
Estudo de caso na Usina Hidrelétrica Ilha Solteira - CESP
ILHA SOLTEIRA
Fevereiro de 2009
EDINALDO GONÇALVES

SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL
Estudo de caso na Usina Hidrelétrica Ilha Solteira - CESP
Projeto de Pesquisa apresentado ao
Curso de Pós Graduação em
Administração da Faculdade de Ilha
Solteira para obtenção do título de
especialista em Administração na área de
concentração de Gestão Ambiental.

ILHA SOLTEIRA
Fevereiro de 2009

SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO...........................................................................................................4

2 OBJETIVOS.............................................................................................................14

2.1 Objetivo geral.....................................................................................................14

2.2 Objetivo específico............................................................................................14

2.3 Problema...........................................................................................................14

3 REFERENCIAL TEÓRICO......................................................................................15

3.1 – Manutenção/conservação..............................................................................15

3.2 Histórico da manutenção...................................................................................15

3.3 Evolução da manutenção..................................................................................16

3.4 Importância da manutenção..............................................................................16

3.5 Tipos de manutenção........................................................................................17

4 METODOLOGIA......................................................................................................19

4.1 Conceito pesquisa.............................................................................................19

4.2 Pesquisa exploratória........................................................................................19

4.3 Pesquisa qualitativa...........................................................................................20

4.4 Estudo de caso..................................................................................................20

4.5 Técnicas de coletas de dados...........................................................................21

4.5.1 Dados primários..............................................................................................21

4.6 Pesquisa proposta.............................................................................................21

4.7 Técnica de coleta de dados proposto...............................................................21

4.8 Cronograma das atividades...............................................................................22

5 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS.......................................................................23
4

1 INTRODUÇÃO
5

2 OBJETIVOS

2.1 Objetivo geral

Adequar e gerenciar a destinação correta dos resíduos gerados dentro


das atividades de manutenção desenvolvidas pela empresa e inseri-la na estratégia
empresarial a fim de alcançar o desenvolvimento sustentável

2.2 Objetivo específico

Esta pesquisa tem como objetivo específico analisar o Gerenciamento de


Resíduos Sólidos dentro da Rotina do Trabalho da Usina Hidrelétrica Ilha Solteira
delimitada dentro das instalações da CESP – Companhia Energética de São Paulo,
Unidade de Produção Ilha Solteira/Três Irmãos.
Visa ainda verificar as fases da geração dos resíduos bem como as várias
fases do processo através da análise do ambiente, layout das instalações,
procedimentos gerenciais e mudanças nos procedimentos administrativos e
conseguir obter a sustentabilidade empresarial

2.3 Problema

A falta de um Gerenciamento de Resíduos sólidos e efluentes pode trazer


conseqüências para os usuários como atrasos em cumprir com suas
responsabilidades, qualidade de vida dos empregados atingindo diretamente a
qualidade dos produtos e serviços prestados, isso só poderá ser realizado através
de um acompanhamento dos itens de controle e verificação. Portanto, pode-se
acompanhar e tomar decisões estratégicas levando-se em conta vários itens de
controle dentro do processo de manutenção.
6

3 REFERENCIAL TEÓRICO

3.1 – Manutenção/conservação

.
7

4 METODOLOGIA

A pesquisa é sinônimo de busca ou até mesmo procura, sendo assim


refere-se a um conjunto de atividades totalmente voltadas para uma determinada
busca de conhecimento. A ciência define pesquisa como sendo uma investigação,
tendo por objetivo resolver problemas e sanar dúvidas mediante a utilização de
procedimentos científicos. Assim pesquisar cientificamente é estar a procurar
respostas para perguntas propostas através da utilização de métodos e técnicas
específicas.

4.1 Conceito pesquisa

Pesquisa é o ato ou efeito de pesquisar; investigação ou busca minuciosa


com a finalidade de descobrir ou estabelecer fatos a um campo qualquer do
conhecimento.
Nas palavras do autor de Gil:

Pesquisa pode ser definida como procedimento racional e sistemático que


tem como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são
propostos. A pesquisa é requerida quando não se dispõe de informação
suficiente para responder ao problema, ou então quando a informação
disponível se encontra em tal estado de desordem que não possa ser
adequadamente relacionada ao problema.(GIL, 2002, p.16 ).

De acordo com Gil (2006, p. 17), “a pesquisa desenvolve-se ao longo de


um processo que envolve inúmeras fases, desde a adequada formulação do
problema até a satisfatória apresentação dos resultados”, vendo assim pesquisar é o
processo de construir embasada de conhecimento que se tem com o objetivo de
gerar conhecimentos.
Segundo Ruiz (1996, p. 50), “pesquisa cientifica é a realização concreta
de uma investigação planejada, desenvolvida e redigitada de acordo com as normas
da metodologia consagrada pela ciência”.

4.2 Pesquisa exploratória


8

Pesquisa Exploratória busca constatar algo em um organismo ou


fenômeno tem por objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, com
vistas a torná-lo explícito ou a construir hipóteses. Geralmente usada para conhecer
variáveis desconhecidas completamente e cuja informação será básica para poder
desenhar uma investigação mais específica e profunda, que alcance o verdadeiro
conhecimento da variável.
Sua principal finalidade é desenvolver, esclarecer e modificar conceitos e
idéias, tendo em vista a formulação de problemas mais precisos. Este tipo de
pesquisa é realizado especialmente quando o tema escolhido é pouco explorado e
torna-se difícil sobre ele formular hipóteses precisas e operacionalizáveis.
Geralmente as pesquisas exploratórias constituem a primeira etapa de uma
investigação maior que também abrangerá outros níveis de pesquisa.
Para este estudo de caso o autor utilizou a pesquisa exploratória para
aumentar o seu conhecimento, descobrir fatos relevantes associados ao
desempenho do local estudado.

4.3 Pesquisa qualitativa

As pesquisas qualitativas fundamentam-se em dados colhidos nas


interações interpessoais, na co-participação das situações dos informantes,
analisadas a partir da significação que estes dão aos seus atos. ... e as
pesquisas quantitativas, que prevêem a mensuração de variáveis
preestabelecidas, procurando verificar e explicar sua influencia sobre outras
variáveis , mediante a análise da freqüência de incidências e de correlações
estatísticas. (CHIZZOTTI, 1995 p. 52).

O autor fará uso da pesquisa qualitativa para fazer análise dos dados
colhidos em seu estudo realizado.

4.4 Estudo de caso

É um estudo profundo e exaustivo de um ou mais objetos, de maneira que


permita o seu amplo e detalhado conhecimento. É recomendável nas fases iniciais
de uma investigação sobre temas complexos, auxiliando a construção de hipóteses
ou reformulação do problema. Também se aplica, com pertinência, nas situações em
que o objeto de estudo já é suficientemente conhecido, a ponto de ser enquadrado
como um tipo ideal, possibilitando avançar na pesquisa.
9

A falta de rigor metodológico, a dificuldade de generalização e o maior


tempo despendido para a realização deste tipo de pesquisa constituem-se em
objeções a sua utilização. No entanto, no que diz respeito ao item dificuldade de
generalização, cabe destacar que os propósitos do estudo de caso não são os de
proporcionar conhecimento preciso das características de uma população, mas sim
o de proporcionar uma visão global do problema ou de identificar possíveis fatores
que o influenciam ou são por ele influenciados.

4.5 Técnicas de coletas de dados

Existem dois tipos de coletas de dados a saber: Dados primários Dados


secundários, mas utilizaremos apenas dados primários.

4.5.1 Dados primários

Os dados primários são aqueles obtidos através de informações


fornecidas pela própria organização, sendo extraídos através de questionário
aplicado a chefia de alto escalão, aos encarregados de operação, e aos demais
guardas, obtendo-se informações sobre os diversos aspectos funcionais da
organização.

4.6 Pesquisa proposta

Pode-se definir esta pesquisa, quanto aos objetivos, como exploratória.


Quanto a forma de abordagem, qualitativa, e quanto aos procedimentos técnicos,
estudo de caso.

4.7 Técnica de coleta de dados proposto

A coleta de dados proposta será por meio da mensuração mensal da


coleta seletiva junto aos postos de destinação e coleta, tendo como referência a
média ponderada dos últimos três anos.
10

4.8 Cronograma das atividades

A elaboração do cronograma responde à pergunta quando será realizada


cada etapa do projeto e fica assim dividido.

Mês/ Etapa 2008 2009

11

12
Mês/ Etapa

9
Escolha do Tema X
Seminários do projeto
(justificativa, objetivos,
X X X
problemática, metodologia,
estrutura do trabalho.)
Levantamento Bibliográfico X X X X
Elaboração do Projeto X X
Coleta de Dados X X
Análise dos Dados X X
Acompanhamento das
X X X X X X
atividades
Aplicação dos conceitos
X X X X X X
teóricos
Redação Preliminar da Pesquisa X X X X X X X
Avaliação da eficácia X X X
Redação Final da Pesquisa X
11

5 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Gestão da Qualidade e Garantia


da Qualidade - Terminologia. NBR ISO 8402. Rio de Janeiro: 1994.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Resíduos sólidos: classificação.


NBR 10.004 São Paulo. 63 p.1987

BORNIA, Antônio Cezar. Mensuração das Perdas dos Processos Produtivos: Uma
Abordagem Metodológica de Controle Interno. Florianópolis: UFSC - 1995, Tese
(Doutorado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-graduação em Engenharia de
Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, 1995, p.72-73.

CAMPOS, Vicente Falconi. Qualidade Total. Padronização de Empresas. Belo Horizonte:


Fundação Cristiano Ottoni. 1992 b.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo: Cortez, 1995

Como funciona o desenvolvimento sustentável. Disponível em


<http://ambiente.hsw.uol.com.br/desenvolvimento-sustentavel1.htm> Acessado em 05 de
janeiro de 2009.

DEMING, W. Edwards. Qualidade: A Revolução da Administração. Rio de Janeiro: Ed.


Marquez-Saraiva, 1990.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de


Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1o edição, 1975.

Gestão e gerenciamento de resíduos sólidos urbanos no Brasil. Disponível em


<http://revistasustentabilidade.com.br/s02/artigos/gestao-e-gerenciamento-de-residuos-
solidos-urbanos-no-brasil.htm>. Acessado em 28 de dezembro de 2008.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2006

GIL, Antonio Carlos, Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª Ed. Editora Atlas 2002- SP.

MONCHY, François. A Função Manutenção - Formação para a Gerência da Manutenção


Industrial. São Paulo: Editora Durban Ltda., 1989

MOREIRA. Daniel Augusto. Administração da Produção e operações. São Paulo: Editora


Thomson Learning, 2006.

RUIZ, J. A. Metodologia cientifica 1º ed. São Paulo: Atlas, 1996

SLACK et al. Administração da Produção, São Paulo: Atlas, 1993.

Sustentabilidade. Disponível em <http://pt.wikipedia.org/wiki/Sustentabilidade> Acessado


em 05 de janeiro de 2009.

TAVARES, Lourival Augusto. Excelência na Manutenção - Estratégias, Otimização e


Gerenciamento. Salvador: Casa da Qualidade Editora Ltda., 1996

VIANA, Luiz Paulo. III Seminário de Manutenção - Trabalhos Técnicos - seção regional
VII - Paraná e Santa Catarina. Curitiba: ABRAMAN - Associação Brasileira de Manutenção,
1991.

XENOS, Harilaus G. Gerenciando a Manutenção Produtiva. BHorizonte: Nova Lima, 2004.