Você está na página 1de 5

MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Processos térmicos

DISCIPLINA DE •Temperatura do ar
Parâmetros Climáticos
CONFORTO AMBIENTAL EM EDIFÍCIOS Exteriores •Radiação Solar
•Velocidade do vento
Ventilação

Ganhos
solares

Fluxo de Calor
qi = 25ºC Verão
TÉRMICA DE EDIFÍCIOS (Parte 1) qi = 18ºC Inverno
devido a DT

Cristina Matos Silva

O conhecimento do comportamento térmico dos edifícios implica


o estudo da Transmissão de calor através da envolvente
(considerada como fronteira)
 Pág.1  Pág.2

Processos térmicos Processos térmicos


Transmissão de Calor (Lei zero): ocorre transferência de calor Os fenómenos de transmissão de calor importantes para o estudo
entre 2 sistemas em contacto térmico se as suas temperaturas do comportamento térmico de edifícios resultam de três processos
(q) tiverem valores diferentes. De contrário, diz-se que os distintos:
sistemas estão em equilíbrio térmico.
Fenómenos de transmissão
de calor
Calor transmitido (2ª Lei): O calor fluirá do sistema mais quente
para o sistema mais frio, até ser restabelecido o equilíbrio
térmico.
Condução Convecção Radiação
, , ,
q1 q2 q3 q1 q2 q3

, , ,
q1 > q2 > q3 q1 = q2 = q3
Fluxo de calor no Equilíbrio
sentido térmico
 Pág.3  Pág.4

Processos térmicos Processos térmicos


Os fenómenos de transmissão de calor importantes para o estudo Os fenómenos de transmissão de calor importantes para o estudo
do comportamento térmico de edifícios resultam de três processos do comportamento térmico de edifícios resultam de três processos
distintos: distintos:
Fenómenos de transmissão Fenómenos de transmissão
de calor de calor

Condução Convecção Radiação Condução Convecção Radiação

Q  K p . A . q0  qe 
Condutância térmica: Resistência térmica:
 [W/m2ºC]. Rp 
1 e [m2ºC/W].

Condutibilidade térmica do Kp 
material [W/mºC]  Pág.5
e Kp   Pág.6
Processos térmicos Processos térmicos
Os fenómenos de transmissão
XPS de calor importantesBetão
Alvenaria para o estudo Os fenómenos de transmissão de calor importantes para o estudo
do comportamento térmico de edifícios resultam de três processos do comportamento térmico de edifícios resultam de três processos
Fenómenos de transmissão
distintos: de calor
distintos:
Fenómenos de transmissão
de calor
Convecção Radiação

Condução Condução Convecção Radiação


e=0.022 m e=0.22 m e=1.20 m
Q  K p . A . q0  qe  Q  hc  A  Ts  Tf  ( W )
Condutância térmica: Resistência térmica: hc – Condutância térmica superficial
 [W/m2ºC]. Rp 
1 e [m2ºC/W].

por convecção (W/m2ºC).
Kp 
e Kp   Pág.7  Pág.8

Processos térmicos COEFICIENTE DE TRANSMISSÃO TÉRMICA


Os fenómenos de transmissão de calor importantes para o estudo
do comportamento térmico de edifícios resultam de três processos
Visto que os elementos de um
distintos:
edifício não podem ser vistos de
Fenómenos de transmissão forma isolada (principalmente os
de calor da envolvente), dado existirem
trocas de calor entre os elementos
e os ambientes em que se
Condução Convecção Radiação integram, é necessário definir uma
característica que tenha em conta
o efeito conjugado de convecção,
Q  hr  A  T1  T2  ( W ) Q radiação e condução.
T
hr- Condutância térmica superficial por
radiação (W/m2ºC).
 Pág.9  Pág.10

COEFICIENTE DE TRANSMISSÃO TÉRMICA NOTAS 1


qi
 Cálculo do U para:
Objectivo: Determinar o Ext. qsi
coeficiente U tal que Q possa
qe qse
Int.  cada solução construtiva
ser escrito em função de qi e qe.
Q
Q= U A (qi-qe)  cada tipo de envolvente
hse Kp hsi
Manipulando as equações anteriores de fluxo, obtém-se:
Tabela 01 K - Valores das resistências térmicas superficiais, Rse e Rsi
(Despacho nº15793-K/2013)
Resistência térmica superficial
(m2.ºC/W)
U - Coef. de transmissão térmica de um elemento construtivo [W/m2 ºC] Sentido do fluxo de calor Exterior Rse Interior Rsi
Rj - resistência térmica da camada j [m2 ºC/W] Horizontal 0,04 0,13

Rsi / Rse - resistências térmicas superficiais interior e exterior, Rsi=1/hsi Vertical: Ascendente 0,04 0,10
respectivamente [m2 ºC/W] - inclui efeitos convecção+radiação Rse=1/hse Descendente 0,04 0,17
 Pág.11  Pág.12
NOTAS 1 NOTAS 2 – Regime Permanente?
 Cálculo do U para:

 cada solução construtiva


Ventilação
 cada tipo de envolvente
Ganhos
solares

Tabela 01 K - Valores das resistências térmicas superficiais, Rse e Rsi Fluxo de Calor
qi = 25ºC Verão devido a DT
(Despacho nº15793-K/2013)
qi = 18ºC Inverno
Resistência térmica superficial
(m2.ºC/W)
Sentido do fluxo de calor Exterior Rse Interior Rsi
Horizontal 0,04 0,13
Vertical: Ascendente 0,04 0,10
Descendente 0,04 0,17
 Pág.13  Pág.14
Espaços não úteis

NOTAS 2 – Fluxo perpendicular? Pontes Térmicas


As zonas com maior densidade de linhas de fluxo de calor,
Pontes Térmicas: associadas a maiores perdas de calor, designam-se por
pontes térmicas.

Na vizinhança das pontes térmicas o campo de temperaturas é


bidimensional:
As pontes térmicas podem
constituir um factor
importante de redução da
qualidade térmica duma
1 2 34 construção, não só pelo
Paramento interior acréscimo de perdas
Ponte térmica (ganhos) de calor mas
também porque cresce o
Temperaturas
mais altas Temperaturas risco de condensações.
q mais baixas
 Pág.15  Pág.16

Pontes Térmicas Decreto-Lei n.º 118/2013 de 20 de Agosto

Fotografia Termografia

 Pág.17  Pág.18
Decreto-Lei n.º 118/2013 de 20 de Agosto Decreto-Lei n.º 118/2013 de 20 de Agosto

 Pág.19  Pág.20

Decreto-Lei n.º 118/2013 de 20 de Agosto Decreto-Lei n.º 118/2013 de 20 de Agosto - REH

•Lei n.º 58/2013. D.R. n.º 159, Série I de 2013-08-20​ Lei n.º 58/2013. D.R. n.º 159, Série I de 2013-08-20​
•Portaria n.º 349-A/2013. D.R. n.º 232, Suplemento, Série I de 2013-11-29 Portaria n.º 349-A/2013. D.R. n.º 232, Suplemento, Série I de 2013-11-29
•Portaria n.º 349-B/2013. D.R. n.º 232, Suplemento, Série I de 2013-11-29​ Estabelece as categorias de edifícios, para efeitos de certificação energética, bem como os
•Portaria n.º 349-C/2013. D.R. n.º 233, 2.º Suplemento, Série I de 2013-12-02 tipos de pré-certificados e certificados SCE e responsabilidade pela sua emissão
•Portaria n.º 349-D/2013. D.R. n.º 233, 2.º Suplemento, Série I de 2013-12-02
•Portaria n.º 353-A/2013. D.R. n.º 235, Suplemento, Série I de 2013-12-04​ Portaria n.º 349-B/2013. D.R. n.º 232, Suplemento, Série I de 2013-11-29​
•Despacho (extrato) n.º 15793-C/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03 Define os requisitos de comportamento técnico e de eficiência dos sistemas técnicos dos
edifícios novos e edifícios sujeitos a grande intervenção
•Despacho (extrato) n.º 15793-F/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03
•Despacho (extrato) n.º 15793-G/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03
Portaria n.º 349-C/2013. D.R. n.º 233, 2.º Suplemento, Série I de 2013-12-02
•Despacho (extrato) n.º 15793-H/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03
Estabelece os elementos que deverão constar dos procedimentos de licenciamento ou de
•Despacho (extrato) n.º 15793-I/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03 comunicação prévia de operações urbanísticas de edificação, bem como de autorização de
•Despacho (extrato) n.º 15793-J/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03 utilização.
•Despacho (extrato) n.º 15793-K/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03
•Despacho (extrato) n.º 15793-L/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03 Portaria n.º 349-D/2013. D.R. n.º 233, 2.º Suplemento, Série I de 2013-12-02
•Declaração de Retificação n.º 2/2014. D.R. n.º 22, Série I de 2014-01-31 Só RECS
•Declaração de Retificação n.º 4/2014. D.R. n.º 22, Série I de 2014-01-31​
•Portaria n.º 66/2014. D.R. n.º 50, Série I de 2014-03-12​ Portaria n.º 353-A/2013. D.R. n.º 235, Suplemento, Série I de 2013-12-04​
Só RECS

 Pág.21  Pág.22

Decreto-Lei n.º 118/2013 de 20 de Agosto - REH Decreto-Lei n.º 118/2013 de 20 de Agosto - REH
Despacho (extrato) n.º 15793-C/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03 Despacho (extrato) n.º 15793-I/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03
CE Estabelece as metodologias de cálculo

Despacho (extrato) n.º 15793-D/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03 Despacho (extrato) n.º 15793-J/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03
Estabelece os fatores de conversão entre energia útil e energia primária. Procede à publicação das regras de determinação da classe energética

Despacho (extrato) n.º 15793-E/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03 Despacho (extrato) n.º 15793-K/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03
Edifícios existentes Publicação dos parâmetros térmicos para o cálculo dos valores que integram o presente
despacho
Despacho (extrato) n.º 15793-F/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03
Procede à publicação dos parâmetros para o zonamento climático e respetivos dados Despacho (extrato) n.º 15793-L/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03
Procede à publicação da metodologia de apuramento da viabilidade económica da utilização
Despacho (extrato) n.º 15793-G/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03 ou adoção de determinada medida de eficiência energética, prevista no âmbito de um plano
Procedimento de ensaio e receção das instalações de racionalização energética​

Despacho (extrato) n.º 15793-H/2013. D.R. n.º 234, 3.º Suplemento, Série II de 2013-12-03
Estabelece as regras de quantificação e contabilização do contributo de sistemas para
aproveitamento de fontes de energia de fontes de energia renováveis, de acordo com o tipo
de sistema

 Pág.23  Pág.24
REH- Metodologia

 Pág.25