Você está na página 1de 294

MUNDO DO TRABALHO

DISTRIBUIÇÃO DAS AULAS - 1º ANO - IDENTIDADE


1º BIMESTRE
CARGA
TEMA CONTEÚDOS / AULAS
HORÁRIA
Aula 1: Formando meu nome 50’
Aula 2: Linha do tempo documental I 50’
Aula 3: Linha do tempo documental II 50’
Aula 4: Linha do tempo documental III – Gincana 50’
Aula 5: Tipos de Liderança 50’
Aula 6: Pessoa Física e Pessoa Jurídica I 50’
Aula 7:Pessoas Física e Pessoa Jurídica II 50’
Aula 8: Economia no mundo do trabalho 50’
Aula 9: Setores da Economia 50’
IDENTIDADE Aula 10: Setores da Sociedade 50’
Aula 11: Setores da economia e da sociedade 50’
Aula 12: Cooperativa 50’
Aula 13: Terceirização 50’
Aula 14: 10 dicas para enfrentar o mercado de trabalho 50’
Aula 15: Tipos de Trabalho I 50’
Aula 16: Tipos de Trabalho II 50’
Aula 17: Planejamento Orçamentário 50’
Aula 18 - Exercícios lógicos 50’
Aula 19: Palestra de um profissional da área ou ex-aluno que já esteja
50’
empregado na área do curso
CARGA HORÁRIA TOTAL DO 1º BIMESTRE 19h/a
IDENTIDADE
AULA TEMA
Formando meu nome

1 OBJETIVO
 Fortalecer a identidade, fazendo com que os estudantes se
aproximem e reconheçam a identidade coletiva da turma.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada.
10’ Nessa primeira aula, explica que, neste ano a unidade curricular de MUNDO DO
TRABALHO será abordada de uma forma diferente. Terão atividades e estudos
relacionados ao comportamento humano, autoconhecimento, integração da turma, a
importância de uma boa comunicação, dentre outros, de uma forma bastante vivencial.
Desenvolvimento 1
O professor reforça com os estudantes a importância do autoconhecimento, e do
conhecimento dos colegas que estão compartilhando com eles, a escola e as aulas,
5’ durante todos os dias da semana.
Em seguida, fala que hoje todos se conhecerão melhor. A atividade sugerida é: Formando
meu nome.

Desenvolvimento 2
Atividade: Formando meu nome
O professor solicita que os estudantes abram o caderno na página da atividade
“Formando meu nome”. Para cada letra, o estudante tem que relacionar um colega e, a
30’ partir dessa identificação, eles conversarão e responderão algumas perguntas. Nesse
momento, todos os estudantes levantam e podem buscar as letras (a letra pode estar em
qualquer lugar do nome) por toda a sala, conversando com os colegas. Depois que todos
completarem seu nome, o professor pede que os estudantes se sentem em suas cadeiras
e comecem a falar: seu nome e sua percepção da atividade.
Encerramento
O professor solicita aos estudantes que avaliem a aula com uma palavra. Não precisa ser
a turma toda, apenas quem se sentir à vontade para falar.
5’ O professor finaliza fazendo uma correlação entre o exercício e uma reflexão acerca da
importância de conhecer todas as funções da empresa para melhor desenvolver suas
atividades e de possuir um bom relacionamento interpessoal de forma a gerar um clima
propício às melhores práticas.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIE N TA Ç Ã O

 Caderno do estudante
 Cópias do instrumental “Formando meu
nome”  Estudar o plano de aula
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 1: Formando meu nome

FORMANDO MEU NOME


IDENTIDADE
AULA TEMA
Linha do tempo documental I

2 OBJETIVO
 Levar o grupo a compreender a importância dos documentos para o
cidadão.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor:
 realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
 pergunta inicialmente o que é um documento. Continua motivando a turma,
separando os documentos por tipos: públicos e privados. Foca nos documentos
10’ pessoais.
 pergunta aos estudantes que documentos pessoais eles já possuem. E o RG, vocês
conhecem?
 provoca os estudantes: quem anda com o RG levanta a mão.
Em seguida, o professor reforça a importância da presença constante desse documento de
identificação.
Desenvolvimento 1
Atividade: Linha do tempo documental
O professor faz no quadro branco a linha do tempo, sempre perguntando aos estudantes a
importância de ter cada documento e onde eles são emitidos.

Cert. Nasc. Registro Geral CPF Título Eleitoral Reservista CTPS Cert. Óbito
O professor inicia perguntando qual o primeiro documento que uma pessoa deve possuir para ser
35’ reconhecido como cidadão. Aguarda as contribuições até chegar à Certidão de Nascimento.
Os próximos documentos para a linha do tempo, sugeridos: na carteira de identidade o professor
reforça falando que em algumas fichas de inscrição, a carteira de identidade é identificada como
Registro Geral (RG), carteira de estudante, Cadastro de Pessoa Física (CPF), título eleitoral, reservista,
carteira de trabalho e previdência social (CTPS), Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e certidão de
óbito. Os alunos podem falar algum documento que não está relacionado. Por sua vez, o professor
deve incluí-lo na linha do tempo. Em cada documento o professor deve provocar a participação de
todos da turma, e a cada contribuição dos estudantes, anota embaixo do documento escrito no
quadro branco.
(A construção da linha do tempo é do grupo, o professor será apenas o condutor do processo)
Sugestão: o professor pode levar os documentos acima citados para fazer um varal para exposição.
Encerramento
O professor faz a reflexão com a turma sobre a importância de cada documento. Solicita que, a
5’
partir desse momento, quem não tiver os documentos requeridos para este período da vida (RG,
CTPS, CPF) os providencie.
MATERIAL NECESSÁRIO ORIENTAÇÕES
 Estudar sobre documentos (conceito, tipos, etc) e onde tirar os
 Pincel para quadro branco documentos pessoais.
 Se possível, a impressão prévia dos documentos apresentados.
IDENTIDADE
AULA TEMA
Linha do tempo documental II

3  Levar o grupo a compreender a importância dos documentos para o


OBJETIVO cidadão e preencher os modelos dos documentos - certidão de nascimento,
registro geral, título de eleitor, reservista e certidão de óbito.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
5’ O professor realiza a chamada e organiza a sala.
Resgata o tema da aula passada, DOCUMENTOS e faz uma sondagem preliminar sobre o que
foi visto.
Desenvolvimento 1
O trabalho a seguir será realizado em equipes.
Sugestão para divisão das equipes (divisão pelo aperto de mão): imaginemos que a sala de
aula tem 40 alunos para formar 05 equipes. O professor em uma folha de papel enumera de
01 a 05, oito vezes e entrega para os estudantes um número para cada um deles. Pede que
5’ a partir desse momento eles não falem e nem mostrem seu número para ninguém. O
professor fala: agora todos devem circular pela sala e apertar as mãos dos colegas. O aperto
de mão será a referência do número sorteado e, a partir dos encontros dos apertos, as
equipes serão formadas. Exemplo: se meu número é o três, quando eu apertar a mão do
colega eu seguro e aperto três vezes, se o meu colega também apertar três vezes, faço parte
da equipe, se não passo para outro colega.
Desenvolvimento 2
Baseado no caderno do estudante, os documentos por equipes serão: Equipe 1 - Registro
Geral, Equipe 2 - Cadastro de Pessoa Física – CPF e Título de Eleitor, Equipe 3 - Carteira de
Trabalho e Previdência Social – CTPS, Equipe 4 - Certificado de Reservista, Equipe 5 -
10’ Certidão de Nascimento e Certidão de Óbito. Os estudantes devem preparar uma
apresentação com cartazes, repassando as informações do documento estudado pela
equipe para os demais colegas (o professor pode entregar os modelos dos documentos para
as equipes). O professor busca complementar as informações relevantes que os estudantes
não relataram.

25’ Desenvolvimento 3
Apresentação das equipes. Cada equipe tem até 05 minutos para apresentar seu documento.
Encerramento
O professor convida a turma para expressar os seus aprendizados sobre os referidos
documentos, buscando conter:
5’
 informações relevantes sobre o documento.
 particularidades.
 o que está contido no documento.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Caderno do estudante
 Estudar previamente o assunto
 Números recortados
 Organizar o material necessário do plano
 Modelos dos documentos
de aula previamente
 Cartolinas, revistas, pincéis, cola e tesoura
Registro de Nascimento1

O que é?

É o primeiro registro de um indivíduo, fundamental para que este seja reconhecido como cidadão. É
necessário para qualquer outro registro ou para emissões de documentos de várias espécies. O registro
de nascimento, bem como a primeira certidão, é gratuito (Lei Federal 9.534/1997).

Onde é feito?

Todos os nascimentos ocorridos em território nacional deverão ser levados a registro. O registro é feito
pelo cartório Oficial de Registro Civil das Pessoas Naturais, da circunscrição de nascimento do “recém-
nascido” ou de residência dos pais.

Documentos Necessários

- "Declaração de Nascido Vivo" (DNV), fornecida aos pais dos recém-nascidos pelas respectivas
maternidades e hospitais;
- Cédula de identidade da(s) pessoa(s) que comparecer(em) ao cartório. Além da Cédula de Identidade
expedida pela Secretaria de Segurança Pública, serão aceitas as cédulas de identidade emitidas por
órgão controlador do exercício profissional, Carteira Nacional de Habilitação dentro do prazo de
validade; ou passaporte, no caso de estrangeiros não domiciliados no país;
- Em caso de comparecimento de apenas um dos cônjuges é necessária a apresentação da certidão de
casamento.

Alteração do nome do registrando

Após ter sido feito o Registro de Nascimento, qualquer alteração no nome do registrando só poderá ser
feita mediante a autorização judicial. Para evitar complicações futuras, é importante que os pais, ou o
encarregado do registro, estejam atentos e sejam claros no ato do registro, quando informarem ao
registrador o nome e o sobrenome do registrando.

Fonte: Texto adaptado disponível em: http://www.arpensp.org.br/principal/index.cfm?pagina_id=174. Acesso


em: 04.12.2012
Image
GoogleImages
Registro Geral2

O RG é um dos documentos mais importantes para quem está entrando no mercado de trabalho. Hoje
vamos explicar como fazer o RG no Ceará.

Você pode fazer seu RG em uma Casa do Cidadão ou no Instituto de Identificação. Caso não exista
nenhum desses dois locais na sua cidade, você deve se informar na prefeitura.

Documentos necessários para fazer o RG:


- Certidão de Nascimento Original ou Xerox Autenticada (Para Solteiros)
- Certidão de Casamento Original ou Xerox Autenticada (Para Casados ou Divorciados)
- Xerox da Certidão Apresentada
- Número do RG anterior, caso possuir.
- CPF (opcional)

Menores de 16 anos: deverão ir acompanhados de pai, mãe, tios, avós ou irmãos (21 anos), legítimos
de 1º grau, comprovado com apresentação do documento de identidade do respectivo responsável.
Outra pessoa que não se enquadre no parentesco acima deverá apresentar um documento de
guarda/autorização do Poder Judiciário.

2 Fonte: Texto disponível em: http://www.primeiroempregohoje.com.br/2011/06/15/documentos-como-fazer-o-


rg-no-estado-do-ceara-ce/. Acesso em: 12.11.2012
Imagens: GoogleImages
Cadastro de Pessoa Física3

O CPF ou Cadastro de Pessoa Física é um documento emitido pela Secretaria da Receita Federal do
Ministério da Fazenda. Este documento é emitido a partir de uma base de dados da Receita que
armazena informações de contribuintes obrigados à inscrição no CPF.

Qual a idade para ter o CPF: Qualquer idade, inclusive recém-nascidos.

Para que serve o CPF: O objetivo inicial do CPF é identificá-lo junto a Receita Federal para fins tributários.
Contudo, o CPF é amplamente usado em organizações públicas e privadas. Agências bancárias, órgãos
de governos e empresas privadas de uma forma geral usam o CPF como chave de identificação de
pessoas físicas.

Onde emitir o CPF: O Cadastro de Pessoas Físicas pode ser emitido no Banco do Brasil, Caixa Econômica
Federal ou Agências dos Correios. Deve ser feito o pagamento de uma pequena taxa para a emissão.

Quais os documentos necessários


para a emissão do CPF?
Depende da idade e da situação
da pessoa:
- Menores de 16 anos: Carteira de
identidade ou certidão de
nascimento;
- Maiores de 16 anos: carteira de
identidade. Entre 18 e 69 anos é
necessário o Título de Eleitor.

Imagens: GoogleImages

Quantos números de CPF posso ter?

3 Fonte: Texto disponível em http://www.educacao.cc/cidada/cpf-cadastro-de-pessoa-fisica/ Acesso em: 04.12.2012


Apenas um. O CPF é emitido uma única vez e com um número único.

O CPF pode ser cancelado?


Segundo a Receita Federal, o cancelamento poderá ser feito apenas em alguns casos específicos, como
duplicidade, ordem judicial ou falecimento do contribuinte.

O que fazer quando o CPF for usado indevidamente por outra pessoa?
Procure a polícia. Como não há possibilidade de cancelá-lo ou ter outro CPF, é necessário ter cuidado
com a sua utilização, e, em caso de usos indevidos, a única solução consiste em procurar a polícia.

Título de eleitor4

Em termos gerais, o título de eleitor é o


documento que lhe permite participar das
eleições políticas, e votar, ação que todo
cidadão a partir de 16 anos está habilitado a
realizar. Esse título lhe confere uma
inscrição junto a Justiça Eleitoral do Brasil
que lhe acompanhará pelos anos seguintes
ao da aquisição do título de eleitor. É
encontrado no título de eleitor o nome
completo do proprietário do documento,
data de nascimento, a Unidade da
Federação, o município, a zona e a seção
onde o portador de tal documento deverá realizar sua votação. Além disto, constará também o número
da inscrição eleitoral, a data de emissão, a assinatura do Juiz eleitoral, e a assinatura do próprio eleitor.

Para aquisição do título de eleitor basta ir até um cartório eleitoral mais próximo de sua localidade, caso
não haja nenhum em sua cidade. Você deve estar munido dos seguintes documentos:

• Cédula de Identidade;
• Comprovante de quitação do serviço militar (no caso de cidadãos do sexo masculino com idade entre
19 e 45 anos);
• Comprovante de residência (conta de luz, telefone, água etc.).

Pode-se tirar o título a partir do ano em que o cidadão completar 16 anos e com essa idade basta levar
comprovante de residência e RG, originais e cópias.

4 Fonte: Texto disponível em http://www.educacao.cc/cidada/documentos-pessoais-rg-titulo-de-eleitor-cpf-e-


certidao-de-nascimento. Acesso em: 14.12.2012
Imagens: GoogleImages
Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)5

O que é?
A Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) é documento
obrigatório para qualquer cidadão que queira prestar serviços na
indústria, comércio, agricultura, pecuária ou de natureza
doméstica. Ela garante acesso a direitos trabalhistas, como
seguro-desemprego, benefícios da Previdência Social e do
Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Imagens: GoogleImages

Desde 2008, a nova carteira de trabalho é emitida por meio de um sistema informatizado, que integra
nacionalmente os dados de todos os trabalhadores do Brasil. Mais resistente que o anterior, o
documento é feito com papel de segurança e plástico inviolável, que dificultam a falsificação das
informações sobre identificação profissional e qualificação do indivíduo. A carteira para trabalhadores
estrangeiros também mudou: agregou todos os itens de segurança acima e passou a ser verde.

Onde deve ser feita?


Na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE), subdelegacia do trabalho ou
posto de atendimento. Entre no site do Ministério do Trabalho, e saiba onde tirar a sua.

Quando deve ser feita?


Pode ser solicitada por pessoas a partir de 14 anos. A contratação de menores de idade entre 14 e 16
anos, é de responsabilidade do empregador, que, quando solicitado, deverá comprovar que ele é
aprendiz. O estrangeiro naturalizado brasileiro pode solicitar a emissão da Carteira de Trabalho. O
procedimento é o mesmo exigido para brasileiros natos.

 A Carteira de Trabalho garante o acesso do cidadão aos direitos trabalhistas.

Quanto custa?
Não há cobrança de taxa para emissão da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS).

Documentos para o brasileiro nato:


Emissão 1ª Via
Documentos necessários:
- 02 fotos 3x4, fundo branco, coloridas ou em preto e branco, iguais e recentes;
- Comprovante de residência;
- CPF;
- Documentos que contenham as informações necessárias ao preenchimento da qualificação civil, como,
por exemplo:
• Carteira de Identidade;

5 Fonte: Texto adaptado com original disponível em


http://www.brasil.gov.br/para/servicos/documentacao/carteira-de-trabalho-e-previdencia-social-ctps. Acesso em:
14.12.2012
• Certificado de Reservista;
• Carta Patente (no caso de militares);
• Carteira de Identidade Militar;
• Certificado de Dispensa de Incorporação;
• Certidão de Nascimento;
• Certidão de Casamento; ou,
 qualquer outro documento oficial de identificação, desde que contenha todas as informações
necessárias ao preenchimento da identificação do interessado.

Na expedição da 1ª CTPS do trabalhador, o MTE fará também o seu cadastramento no PIS/PASEP

Emissão 2º via
Documentos necessários:

- 02 fotos 3x4, fundo branco, coloridas ou em preto e branco, iguais e recentes;


- Comprovante de residência;
- Documentos que contenham as informações necessárias ao preenchimento da qualificação civil.

Certidão de Óbito6

O que é?
A Certidão de Óbito é o registro do falecimento do cidadão, feito em Cartório Civil do distrito
onde ocorreu o óbito. A apresentação é exigida, por exemplo, quando o viúvo ou viúva desejam se casar
novamente em Cartório Civil, para dar entrada no requerimento de pensão ou iniciar
processo de inventário ou testamento.

Onde deve ser feita?


A Certidão de Óbito deve ser emitida por Cartório de Registro Civil do distrito onde o cidadão faleceu.

Quando deve ser feita?


Deve ser solicitada imediatamente após o falecimento do cidadão (senão, ele não poderá ser enterrado
ou cremado).

Quem pode tirar?


O funcionário da agência funerária é quem encaminha os dados do falecido ao Cartório de Registro Civil
para solicitar a Certidão de Óbito. O documento deve ser retirado por um familiar.

Quanto custa?
Existe taxa para a emissão da Certidão de Óbito, mas a Constituição Federal de 1988 estipula que as
pessoas reconhecidamente pobres sejam isentas do custo.

Como deve ser feita?


Para requerer a certidão de óbito são necessários os seguintes documentos do cidadão que faleceu:
1. Atestado de Óbito;

6
Fonte: Texto disponível em http://www.brasil.gov.br/para/servicos/documentacao/certidao-de-obito. Acesso em:
14.12.2012
2. Carteira de Identidade;
3. Certidão de Nascimento (no caso de menores de idade) ou de Casamento;
4. Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS);
5. Título de Eleitor;
6. Certificado de Reservista, se for o caso;
7. Cadastro de Pessoa Física (CPF);
8. Cartão do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS);
9. Número de inscrição no Programa de Integração Social (PIS) ou no Programa de Formação do
Patrimônio do Servidor Público (Pasep).

Após o envio dos dados, um familiar, mediante a apresentação do canhoto de entrega dos dados pelo
agente funerário, deverá retirar a certidão em um Cartório de Registro Civil.
Imagens: GoogleImages
CERTIFICADO DE RESERVISTA7

O Certificado de Alistamento Militar é o documento comprovante da apresentação para a prestação do


Serviço Militar inicial, fornecido gratuitamente pelas autoridades indicadas em regulamentação da Lei.
Ele comprova a inclusão do cidadão na Reserva do Exército, da Marinha ou da Aeronáutica e tem formato
único para as três Forças Armadas.

Atenção, rapazes: quem está perto de completar 18 anos precisa se alistar nas Forças Armadas e tirar
seu Certificado de Reservista ou obter a dispensa do serviço militar, o que pode ser feito na Junta Militar
mais próxima. O Certificado de Reservista é solicitado em diversas ocasiões ao longo da sua vida:
• para matricular-se em qualquer estabelecimento de ensino;
• ao tirar passaporte e título de eleitor;
• para ingressar como funcionário, empregado ou associado em instituições, empresas ou associações
ligadas ao Governo;
• para obter carteira profissional e registro de diploma de profissões liberais;
• ao inscrever-se em concurso para cargo público;
• para receber qualquer prêmio do Governo.

Para pegar o Certificado de Reservista você deve se alistar, dirigindo-se à Junta de Serviço Militar (JSM)
mais próxima de sua casa, levando os seguintes documentos:
• Certidão de nascimento ou identidade;
• Comprovante de residência;
• Duas fotos 3×4 recentes, com fundo branco.

O alistamento não tem custo se for realizado dentro do prazo: de 1° de janeiro a 30 de julho do ano em
que o jovem completa 18 anos. Depois desse prazo, a taxa é de R$ 1,88 mais taxa bancária. O pagamento
deve ser feito na Caixa Econômica Federal (ou lotérica), através de guia expedida pela Junta Militar.

Após o alistamento, os jovens recebem o Certificado de Alistamento Militar (CAM), assim como uma
nova data para se apresentar para a Seleção Geral, entre os meses de julho e outubro do mesmo ano,
onde pode acontecer a dispensa ou a convocação.

O Certificado de Reservista só é emitido após o cumprimento do programa do serviço militar. O


Certificado de Dispensa de Incorporação é concedido a quem fez o procedimento de alistamento e foi
considerado inapto a prestar o serviço militar, depois de passar por todos os exames exigidos.

Como tirar a 2ª via do Certificado ou dispensa: para pedir 2ª via do Certificado de Reservista ou do
Certificado de Dispensa de Incorporação você deve se dirigir à Junta Militar onde seu alistamento foi
feito, munido dos mesmos documentos, assinar o requerimento e pagar o valor de R$ 5,04, já incluída a
taxa bancária. O pagamento é realizado na Caixa Econômica Federal.

7 Fonte: Texto disponível em http://www.simplescidade.com.br/rio-janeiro/postagens/2008-05-21/1228/como-


tirar-o-certificado-de-reservista/Acesso: 05.02.2013
Imagens: GoogleImages
IDENTIDADE
AULA TEMA
Linha do tempo documental III - Gincana

4 OBJETIVO
 Levar o grupo a compreender a importância dos documentos para o
cidadão.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em cinco equipes.
Sugestão: o professor conta os estudantes de 1 a 5 repetidamente até que todos recebam
um número. Em seguida, o professor solicita que os números iguais se encontrem e formem
5’ as equipes.
O professor provoca os estudantes acerca dos documentos trabalhados na aula passada e
pergunta o que eles não conheciam antes e que agora sabem.
Fechando o momento, o professor novamente reforça a importância do conhecimento de
diferentes documentos, no Mundo do Trabalho.
Desenvolvimento 1
O professor informa que nessa aula todos irão participar de uma gincana envolvendo os
conhecimentos adquiridos na aula anterior, nas apresentações dos documentos.
40’ O professor coloca, no chão, cinco trilhas enumeradas de 1 a 5. À medida que a equipe
responde corretamente as perguntas contidas no material de suporte do professor, o
representante da equipe passa para o número seguinte na trilha, e quem chegar ao final será
o vencedor. No caso de empate, o professor faz perguntas extras até desempatar.
Encerramento
Atividade: Repolho do saber
Nesta atividade, o professor imprime cada um dos tópicos abaixo em uma folha de ofício.
Após as folhas impressas na ordem, amassá-las e ir envolvendo uma folha sobre a outra,
de modo a construir um “repolho”. O professor monta um repolho de papel com as
5’
seguintes provocações de dentro para fora: você ganhou um chocolate (sugestão)/ qual
o documento que mais chamou sua atenção? / fale um aprendizado relacionado ao
registro geral/ passe o repolho para seu colega da direita para ele escolher uma folha! /
o que eu não sabia da carteira de reservista? / o que mais gostei das aulas que falaram
dos documentos?

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES


 Perguntas para a gincana
 Estudar o assunto previamente
 Folhas de papel ofício para a confecção do
 Estudar o plano de aula
repolho
 Enumerar as folhas de ofício para trilha
 Folhas enumeradas para trilha
 Papéis com as informações do repolho
 Caderno do estudante
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 4: Linha do tempo documental III
Perguntas para a gincana:

1 – Para que serve a certidão de nascimento?


2 – Onde se pode tirar a certidão de nascimento?
3 – Quem pode tirar a certidão de nascimento?
4 – Qual a finalidade do RG?
5 – Quanto custa para tirar o RG?
6 – A partir de que idade o RG se torna obrigatório?
7 – A partir de que idade o cidadão pode tirar o título de eleitor?
8 – Fale três finalidades do CPF.
9 – Quem pode se alistar no serviço militar?
10 – A partir de que idade a mulher é obrigada a fazer seu alistamento militar?
11 – O que significa a sigla CTPS?
12 – Cite duas finalidades da CTPS.
13 – Cite dois documentos necessários para tirar o RG.
14 – Cite duas finalidades de um documento.
15 – Com qual idade o cidadão pode tirar o CPF?
16 – Quantos números de CPF posso ter?
17 – Qual a finalidade do título de eleitor?
18 – Quanto custa para tirar a CTPS?
19 – O que é a certidão de óbito?
20 – Onde deve ser feita a certidão de óbito?
21 – O que é o certificado de reservista?
22 – Onde pode ser emitido o CPF?
23 – Onde posso fazer alteração do nome na certidão de nascimento?
24 – O CPF pode ser cancelado? Justifique sua resposta.
25 – A partir de que momento a certidão de óbito pode ser solicitada?
26 – Cite duas ocasiões em que posso solicitar a mudança do nome de nascimento.
AULA IDENTIDADE
TEMA
Tipos de liderança

5 OBJETIVO
 Construir com o grupo conceitos relativos aos principais tipos de
liderança existentes.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a turma em seis equipes.
O professor informa que, nesta aula, irão abordar um novo tópico: Liderança, em função do
momento de escolha de líderes de Turma.
5’ Provoca a turma:
 O que é ser líder?
 É fácil ser líder?
 Você se considera um líder?
 O que é um líder de Turma?
Desenvolvimento 1
15’
Leitura dialogada do texto: “Tipos de Liderança”, que consta no Caderno do Estudante.
Desenvolvimento 2
Cada equipe recebe uma tirinha com um tipo de líder. A equipe deverá montar uma
10’ apresentação criativa para demonstrar o seu tipo de líder. A equipe toda sabe a reação do
líder e age como a tirinha indica. As outras equipes após a apresentação tentam acertar
que tipo de líder foi apresentado.
Desenvolvimento 3
15’ Cada equipe tem em média 2 minutos e meio para apresentação.
Encerramento
5’ O professor solicita que quatro estudantes comentem como foi a aula do dia.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIE N TA ÇÕE S

 Tirinhas com os tipos de liderança  Estudo prévio do texto “Tipos de Liderança”


 Caderno do estudante  Estudo do plano de aula
TIPOS DE LIDERANÇA8

Conceito — Líder é o condutor, o guia, aquele que comanda. Ser líder é ter uma visão global, é saber
ensinar e também aprender. A principal atividade de um gestor ou líder é a de conduzir pessoas, sabendo
para isso lidar com elas e conseguir os melhores resultados.

Os líderes influenciam seguidores. Por este motivo, muitos acreditam que os líderes têm por obrigação
considerar a ética de suas decisões. Liderar não é uma tarefa simples, pelo contrário, liderança exige
paciência, disciplina, humildade, respeito e compromisso, pois a organização é um organismo vivo,
dotado de colaboradores dos mais diferentes tipos.

Pode-se definir liderança como o processo de dirigir e influenciar as atividades relacionadas às tarefas
dos membros de um grupo. Existem três implicações importantes nesta definição:

1ª) A liderança envolve outras pessoas — onde houver mais de uma pessoa, haverá a necessidade de
um líder, o que contribuirá na organização de um trabalho, tarefa ou até mesmo no convívio familiar.

2ª) A liderança envolve uma distribuição desigual de poder entre os líderes e os demais membros do
grupo — a distribuição de poder dentro de uma empresa é, sem dúvida, sua ponte para o crescimento.

3ª) A liderança é a capacidade de usar diferentes formas de poder, para influenciar, de vários modos,
seus seguidores. Podem até faltar os recursos, só não pode faltar a criatividade para criá-los.

Na escala do sucesso, é necessário fazer a distinção entre poder e liderança. Não é líder quem se impõe
pela força e poder, mas quem usa o poder da liderança, isto é, o poder da persuasão e a capacidade de
influenciar, sabendo mostrar, como um guia, o caminho que ele vê e conhece melhor.

A melhor persuasão é o exemplo. É incrível e lamentável constatar que, em pleno século XXI, ainda
existam empresários e executivos de alto nível que confundem liderança com uso arbitrário do poder.
Escola Social do Varejo > INTEGRA ÇÃO
Embora existam muitos conceitos e definições, observamos que a liderança:
• é caracterizada pela atitude integrada e dirigida para um objetivo comum ao líder e ao grupo;
• depende da aceitação integral do líder pelo grupo, de modo a se conseguir uma integração do esforço;
• adquire forma e se processa dentro de um ambiente condicionado por forças sociais, formais e
informais.

8
Fonte: Texto adaptado de http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/lideranca-e-seus-
tipos/20854/Síntese de artigo de Vangevaldo Batista Sant’Anna. Data de acesso: 08.02.2013
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 5: Tipos de Liderança

Tipos de líderes Consequências

Autoritário — aquele que determina as ideias e o que


será executado pelo grupo, implicando a obediência
por parte dos demais. É extremamente dominador e
pessoal nos elogios e nas críticas ao trabalho de cada A reação do grupo de modo geral fica hostil e se
membro do grupo. Conduta condenável, esta distancia por medo.
postura não é válida. É uma pessoa ditadora e
soberana, que comanda o grupo só pensando em si,
não aceitando as ideias de outras pessoas.

Indeciso — o que não assume responsabilidades, não A reação do grupo é ficar desorganizada, gerando
toma direção efetiva das coisas, vive no jargão “deixa insegurança e atritos. É como um barco sem
como está para ver como é que fica”. leme, não sabe para onde vai.

Democrático — preocupa-se com a participação do


grupo, estimula e orienta, acata e ouve as opiniões e
pondera antes de agir. Aquele que determina, junto
A reação do grupo é de interação, participação,
com o grupo, as diretrizes. É impessoal e objetivo em
colaboração e entusiasmo.
suas críticas e elogios. Para ele, o grupo é o centro
das decisões. Sua ação como líder democrático é de
suma importância para o progresso e sucesso de uma
organização.

Liberal — participa o mínimo possível do processo


administrativo. Dá total liberdade ao grupo para A reação do grupo geralmente é ficar perdido,
traçar diretrizes. Apenas apresenta alternativas ao não permanecendo coeso.
grupo.

Situacional — É aquele que assume seu estilo de


liderança dependendo mais da situação do que da
A reação do grupo é de segurança e motivação
personalidade. A postura deste líder brota ante as
por certo tempo.
diferentes situações que ele detecta no dia a dia.
Possui um estilo adequado para cada situação.

Emergente — surge e assume o comando por reunir


mais qualidades e habilidades para conduzir o grupo
O grupo reage bem, participa, colabora, sabendo
aos objetivos diretamente relacionados a uma
que se houver emergência, o líder saberá o que
situação específica. Por exemplo, num caso
fazer.
extraordinário, onde determinadas ações devem ser
traçadas de imediato.
IDENTIDADE
AULA TEMA
Pessoa Física e Pessoa Jurídica I

6 OBJETIVOS
Orientar os estudantes a:
 Compreender o que é pessoa física e pessoa jurídica.
 Conhecer as características (semelhanças e diferenças) entre PF e PJ.

R O TE I RO D AS AT I VI DADE S
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
Pergunta ao grupo sobre a aula anterior: como perceberam o conceito de liderança? Onde
se veem nos possíveis modelos de líder? Explica que, para a atividade seguinte, poderão
exercitar um pouco este papel:

10’ Disponibiliza na mesa, peças de quebra-cabeça misturadas, convidando dois grupos, de cinco
voluntários cada, para participar de uma atividade. O professor pergunta quem já montou
um quebra-cabeça e pede para que eles montem o quebra-cabeça baseado na figura que
estará exposta no quadro (cada equipe ficará com uma figura).

Em seguida, o professor indaga sobre a representação das figuras, para ver se os estudantes
ligam a Pessoa Física (PF) e a Pessoa Jurídica (PJ).
Desenvolvimento 1
O professor provoca os estudantes sobre o tema da aula: PF e PJ.
35’ Faz então uma exposição dialogada do texto Pessoa Física e Pessoa Jurídica no caderno do
estudante, pontuando as particularidades de uma PF e de uma PJ.
Sugestão: fazer um quadro comparativo no quadro branco, abaixo das figuras montadas: o
que é comum à pessoa física e à pessoa jurídica? O que é distinto?
Encerramento
5’
O professor convida os estudantes a representarem a aula em uma palavra.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Quebra-cabeça para montagem na aula  Estudar o assunto da aula


 Caderno do estudante  Preparar os quebra-cabeças
Pessoa Física e Pessoa Jurídica9

Muitas pessoas não sabem de fato quais as principais diferenças entre pessoa física e pessoa jurídica, e
quais suas implicações na sociedade civil atual. Para esclarecer de uma vez, aqui estão os conceitos
instituídos no Código Civil de 2002.

Pessoa física é todo e qualquer indivíduo, homem ou mulher, capaz de perceber o


mundo através de seus sentidos e razão. Todo indivíduo é um ser humano, e está
sujeito às leis físicas da natureza. Também é chamado de "pessoa natural", pois é a
denominação do ser que possui personalidade, desde o seu nascimento até sua morte.
Para exercer uma atividade econômica, a pessoa física pode atuar como autônoma ou
como sócia de uma empresa ou sociedade simples.

Algumas características: Imagens: GoogleImages

- Natural;

- Existência independente de autorização;

- Patrimônio sujeito a tributação;

- Atividade financeira monitorada pelo Estado;

- Morte.

Pessoa jurídica: A pessoa jurídica não se relaciona ao indivíduo em si, mas às


entidades. Essas entidades possuem responsabilidades jurídicas perante a lei,
conforme o artigo 40 do Código Civil.

Algumas características:
Imagens: GoogleImages
- Constituídas por ato jurídico;

- A constituição depende de autorização do Estado;

- Terminam por extinção (falência);

- Atividade sujeita a tributação;

- Registros sob controle do Estado.

9 Fontes:
Sebrae - São Paulo (http://www.sebraesp.com.br)
Wikipedia (http://www.wikipedia.com). Acesso em: 18.12.2012
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 6: Pessoa Física e Jurídica I

Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
IDENTIDADE
AULA TEMA
Pessoa Física e Pessoa Jurídica II

7 OBJETIVO
 Refletir com os estudantes os aprendizados sobre pessoa física e
pessoa jurídica.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
5’ O professor realiza a chamada e organiza a turma em oito equipes.
Inicia a aula relembrando algumas características de pessoa física e pessoa jurídica.
Desenvolvimento 1
O professor divide a turma em oito equipes de cinco membros, da seguinte forma: metade
das equipes ficará com o assunto PF e a outra metade ficará com PJ.
Preparação da apresentação:
04 equipes com PF. Cada equipe fica com um ponto abaixo para ser abordado e apresenta
as características relacionadas a cada um deles:
 Natural
 Existência independente de autorização
 Patrimônio sujeito a tributação
 Atividade financeira monitorada pelo Estado
25’
 Morte
04 equipes com PJ. Cada equipe fica com um ponto abaixo para ser abordado e apresenta
as características relacionadas a cada um deles:
 Constituída por ato jurídico
 A constituição depende de autorização do Estado
 Terminam por extinção (falência)
 Atividade sujeita a tributação
 Registros sob controle do Estado
Obs.: Há dois pontos a mais nas relações acima caso seja necessário termos mais de quatro
equipes. No caso de itens não utilizados (turmas menores), o professor explica.
Desenvolvimento 2
Apresentação das equipes da seguinte forma: primeiro apresentam-se todas as equipes
de PF e posteriormente as de PJ, de forma a que as apresentações se complementem. O
15’
professor e os estudantes poderão fazer contribuições.
Obs.: A apresentação deverá ser feita através de colagem para que sejam observadas a
desenvoltura e a criatividade desses estudantes.
Encerramento
5’
O professor faz um feedback das apresentações (português, postura, entonação de voz...)
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIE N TA ÇÃ O

 Cartolina
 Pincéis
 Fita Adesiva
 Revistas  Estudar previamente o assunto abordado
 Cola e tesoura
 Caderno do estudante
IDENTIDADE
AULA TEMA
Economia no mundo do trabalho

8 OBJETIVO  Trabalhar com o grupo alguns elementos que compõem a economia.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a turma em círculo.
O professor inicia a aula fazendo o questionamento:
 Para vocês, o que é economia?
 Quem costuma fazer economia em casa?
10’
Posteriormente, o professor informa que irão conversar sobre economia.
Observação: Para o Desenvolvimento 2, o professor prepara antecipadamente as palavras
geradoras (Economia, Recursos Escassos, Necessidades Humanas, Bens e Serviços) em
tarjetas azuis e cola no quadro branco ou parede.

Desenvolvimento 1
Leitura coletiva do texto “Economia”. Contido no Caderno do Estudante.
O texto será enumerado. Os estudantes que se sentirem mais à vontade, devem se colocar
20’ como voluntários para ler o texto de acordo com a numeração pré–estabelecida, de forma a
que, quando um estudante termina a leitura, outro continua.
Nos tópicos 11, 12 e 13 o professor faz uma correlação com os setores da economia
(primário, secundário e terciário)
Desenvolvimento 2
Atividade: Com os conceitos das palavras geradoras em tarjetas na cor amarela, após a
15’ leitura do texto, devem-se repassar entre os estudantes as tarjetas com os conceitos das
palavras geradoras e cada um escolhe uma. Em seguida, o professor pede que
aleatoriamente os estudantes, um por vez, leiam as tarjetas amarelas e dirijam-se até as
tarjetas azuis, fixando a correspondente com o conceito.
Encerramento
5’ O professor reflete com os estudantes os principais pontos abordados na aula e o que mais
chamou atenção.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIE N TA ÇÕE S

 Tarjetas
 Preparar as Tarjetas
 Fita adesiva
 Estudar o assunto previamente
 Caderno do estudante
ECONOMIA10

O homem planta e colhe.


O homem produz artesanalmente.
O homem realiza trabalho braçal ou intelectual.
O homem vende o que planta, o que produz, o que faz.

Todas essas atividades são trabalhos que têm preço e geram ganho para as pessoas, fazendo circular
riqueza (capital) e formando uma rede de operações econômicas. A Economia está presente no nosso
dia a dia e movimenta nossa sociedade. Vamos refletir sobre você e a economia de sua região.

“Todos os dias de manhã, na África, o antílope desperta. Ele sabe que terá de correr mais rápido que o
mais rápido dos leões, para não ser morto. Todos os dias, pela manhã, desperta o leão. Ele sabe que terá
de correr mais rápido que o antílope mais lento, para não morrer de fome. Não interessa que bicho você
é, se leão ou antílope. Quando amanhecer, é melhor começar a correr.”
Friedman, Thomas – O Mundo é Plano: Uma breve História do século XXI. – Rio de Janeiro: objetiva,
2005

QUE É ECONOMIA?
É uma ciência que se preocupa com a alocação dos recursos escassos para a satisfação das necessidades
humanas, que são ilimitadas. O termo economia vem do grego oikos (casa) e nomos (costume ou lei),
daí “regras da casa (lar)“.

Recursos: tudo o que utilizamos para produzir. Podem ser limitados em quantidade, combináveis ou
não.

10 Fonte: Texto disponível em: http://klipzsites.com.br/escola/ppe/aula03_2.pdf. Acesso: 05.02.2013


6

Recursos livres: são os recursos abundantes. Ex: ar, sol.


Recursos escassos ou recursos econômicos: são limitados Ex: água, terra agrícola.

Recursos produtivos: são aqueles utilizados como fatores de produção. Ex: Terra, trabalho, capital,
capacidade empresarial, tecnologia. Eles se dividem em humanos e não humanos.

NECESSIDADES HUMANAS
São diversificadas e insaciáveis. Sensação da falta de alguma coisa, unida ao desejo de satisfazê-la.

BENS
Bem é o que satisfaz nossas necessidades Os bens podem ser livres (se existem em abundância) ou
econômicos (quando são bens materiais ou serviços limitados – de alto custo ou existentes em pouca
quantidade).

10

Os bens materiais são chamados de consumo e podem ser duráveis e não duráveis. Já os bens de capital
são os que são utilizados para produzir outras riquezas. Os bens podem ser classificados também como
intermediários e finais. Intermediários: não estão prontos para o consumo, vão sofrer um processo de
transformação. Finais: são os que já se encontram prontos para o consumo.

11

SERVIÇOS
Não se destinam a produzir um bem, mas a satisfação da sociedade, por meio de uma atividade.
Podemos diferençar bem como algo tangível e serviço como algo não tangível.

12

A EMPRESA SEGUNDO O RAMO DE ATIVIDADE


Considerando-se o tipo de atividade desenvolvida pelas empresas, pode-se classificá-las em empresas
industriais, comerciais e de prestação de serviços.
13

• Empresas industriais são aquelas que transformam matérias-primas, manualmente ou com auxílio de
máquinas e ferramentas, fabricando produtos. Abrangem desde o artesanato até a moderna produção
de instrumentos eletrônicos.

14

• Empresas comerciais são aquelas que vendem mercadorias diretamente ao consumidor – comércio
varejista – ou aquelas que compram do produtor para vender a outras empresas – comércio atacadista.

15

• Empresas de prestação de serviços são aquelas cujas atividades não resultam na entrega de
mercadorias, mas no oferecimento do próprio trabalho ao consumidor. Geralmente se desenvolvem em
setores como transporte, educação, saúde, lazer, cuidados pessoais e computação.
Economia
Recursos
Escassos
Recursos
livres
Necessidades
Humanas

Bens

Serviços
É uma ciência que se preocupa com
a alocação dos recursos escassos
para a satisfação das necessidades
humanas, que são ilimitadas.

São aqueles que não existem em


abundância e que pagamos pela sua
utilização.

São diversificadas e insaciáveis.


Sensação da falta de alguma coisa,
unida ao desejo de satisfazê-la.

É o que satisfaz nossas necessidades.


Podem ser livres (se existem em
abundância) ou econômicos
(quando são bens materiais ou
serviços limitados – de alto custo ou
existentes em pouca quantidade).

Não se destinam a produzir um bem,


mas a satisfação da sociedade,
através de uma atividade. Podemos
diferençar bem como algo tangível e
serviço como algo não tangível.

Recursos livres: são os recursos


abundantes. Ex: ar, sol.
IDENTIDADE
AULA TEMA
Setores da economia

9 OBJETIVO
 Levar o grupo a compreender o que é o setor primário, o setor
secundário e o setor terciário.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor:
 Realiza a chamada e organiza a turma em seis equipes
5’
 Ressalta que na aula passada foram vistos alguns elementos da Economia e que agora
estudaremos sobre os setores da Economia.
 Pergunta: quais são os setores da economia?
Desenvolvimento 1
O professor cola no quadro branco figuras que representem os setores primário, secundário
e terciário – em média 12 figuras para cada setor. Depois de coladas, cada equipe irá escolher
06 figuras, e a partir das figuras escolhidas, farão uma breve discussão sobre setor primário,
setor secundário e setor terciário. Solicita em seguida que as equipes montem suas
apresentações baseadas nas figuras e no que eles compreendem sobre o assunto.
25’
Os estudantes devem abordar a importância das atividades das figuras para o
desenvolvimento da economia local.
Sugestão: disponibilizar revistas e jornais para colagem, pois as equipes poderão
complementar utilizando mais figuras.
Observação: As figuras devem ser disponibilizadas em blocos (de cada setor) para facilitar o
trabalho das equipes.

Desenvolvimento 2
15’ Após a apresentação das equipes, o professor faz a leitura coletiva dos textos sobre setor
primário, setor secundário e setor terciário complementando o que os estudantes já
apresentaram.
Encerramento

5’ O professor forma o círculo e lança as seguintes perguntas: O que compreende o setor


primário, o setor secundário e o setor terciário? Qual o setor mais importante entre os
três?
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Revistas
 Cola e tesoura  Estudar o tema previamente
 Pincéis  Separar o material necessário
 Fita adesiva
Setor Primário11

Por Edson Canal Girardi

Denomina-se como Setor Primário os segmentos da economia que produzem matérias primas, como a
agricultura, a pecuária, a pesca e o extrativismo mineral. É um grande setor em países
subdesenvolvidos: na África, a maioria dos países tem suas populações vivendo de agricultura de
subsistência.

Em países desenvolvidos, a agricultura tornou-se mais desenvolvida tecnologicamente, mecanizando


suas fazendas, ao contrário de técnicas rudimentares manuseadas manualmente. Por exemplo, nos
Estados Unidos, o milho é plantado com tratores, que também espalham os defensivos, cortam-no e o
embalam, sem contato com a mão humana. Isso prova que, quanto mais uma economia desenvolvida
é, maior é o investimento em novas tecnologias para sua expansão.

Estes avanços em investimentos e novas tecnologias permitem ao setor primário cada vez contar com
menos mão de obra, permitindo a estes países contarem com percentuais cada vez menores de pessoas
empregadas neste setor, tendo um grande percentual nos setores secundário e terciário.

Muitos estudiosos encaram o futuro da agricultura contando cada vez menos com mão de obra: a que
restar, vai ser altamente especializada para o manuseio de grandes máquinas.

Isso depende de toda a sociedade voltada para a busca do conhecimento, pois o aumento do nível
educacional faz com que os responsáveis pelo Setor Primário voltem seus investimentos para os locais
certos, fazendo com que sejam tomadas as melhores decisões e sejam empregadas as técnicas corretas
para o beneficio do próprio agricultor.

No Brasil, o Setor Primário começa a desenvolver processos de plantio mais tecnológicos nas regiões
Centro-Oeste, Sul e Sudeste: nas plantações de soja, milho e cana-de-açúcar são usadas muitas
máquinas, e a especialização tem que ser grande para
operá-las. Nas regiões Norte e Nordeste
(principalmente), ainda há o predomínio de
agricultura de subsistência, para baixos índices de
produção e, muitas vezes, com altos níveis de
desperdício de alimentos na hora da
comercialização.

Imagens: GoogleImages

11
Fonte: Texto disponível em http://www.infoescola.com/economia/setor-primario/. Acesso em: 18.12.2012
Setor Secundário 12

Por Eduardo De Freitas

O setor secundário corresponde a um ramo de atividade que processa ou transforma os produtos


oriundos do setor primário (agricultura, pecuária, extração mineral, vegetal e animal entre outros) em
bens de consumo ou mesmo máquinas.

Atualmente, todas as sociedades se encontram repletas de produtos industrializados, uma vez que
esses passam por um processo de transformação de matéria-prima em algum produto que tem como
finalidade atender à necessidade humana.

Esse setor da economia é bastante abrangente, agrega indústrias de todos os tipos, como frigoríficos,
lacticínios, fábricas de roupas, calçados e alimentos em geral, além de construções que vão desde as
mais simples até as mais complexas.

Em uma abordagem histórica, é possível analisar todas as etapas de evolução do setor secundário. Elas
foram classificadas em três períodos: artesanato, manufatura e indústria moderna.

Artesanato: corresponde à primeira etapa na qual o produto é concebido a partir da transformação de


uma determina matéria-prima em um produto. Entretanto, o que difere do processo atual é o sistema
de produção ou maneira como é confeccionado. O trabalho, que é conhecido como um ofício é
desenvolvido em todas as etapas por um único executor, denominado de artesão, que realiza a
elaboração de seu ofício sem auxílio de máquinas, usando somente instrumentos rudimentares.

Manufatura: representa a segunda etapa do setor secundário na história, quando já haviam surgido
algumas máquinas manuais simples e o trabalho não mais era executado por uma única pessoa, pois
existia divisão de tarefas no processo de produção.

Indústria moderna: compreende a terceira etapa, que


configura como a mais atual nesse segmento, pois seu
processo produtivo está diretamente ligado ao uso de
tecnologias, como a robótica, e máquinas cada vez mais
sofisticadas que, para serem usadas, utilizam uma grande
quantidade de energia. Nessa etapa cada trabalhador exerce
quase que exclusivamente uma tarefa. Isso visa a dinamizar o
trabalho, uma vez que o funcionário fica totalmente adaptado
e assim ganha agilidade e rapidez e o resultado é um menor tempo na confecção de um produto.

Devido à exigência do mercado e a efetiva concorrência que vigora em nível global, o setor industrial
ou setor secundário tem se tornado um dos mais importantes segmentos produtivos. A busca por
mercado e por atingir um número cada vez maior de consumidores e, automaticamente, expandir suas
atuações, promove uma necessidade de fazer uso de um arsenal tecnológico que venha obter melhor
qualidade dos produtos, diminuição dos custos, utilizando materiais de fácil reciclagem e que não
provoquem tantos impactos ao ambiente.

12
Fonte: Texto disponível em http://www.mundoeducacao.com.br/geografia/setor-secundario.htm. Acesso em: 18.12.2012
O setor secundário exerce uma função social, pois gera empregos nas indústrias e nos segmentos de
revenda e distribuição dos produtos, além de disponibilizar uma série de objetos que atualmente são
tidos como indispensáveis para a humanidade (habitação, alimentos, vestuário) e alguns nem tão
necessários (como capas de celulares, artigos de decoração, entre outros) e, desse modo, gera uma
série de facilidades para a vida das pessoas.

Setor Terciário13

Por Edson Canal Girardi

Setor terciário (também conhecido como setor de serviços) é aquele que engloba as atividades de
serviços e comércio de produtos. É um dos três setores da economia, os outros sendo o Setor
Primário (agricultura, extração mineral, etc.) e o Setor Secundário (industrialização). Os serviços são
definidos na literatura econômica moderna como “bens intangíveis”.

O Setor Terciário envolve as prestações de serviços tanto para outros negócios como para
consumidores finais. Estes podem estar envolvidos como transportes, vendas e distribuição de bens
dos produtores aos consumidores; podem ser também de outros serviços não ligados diretamente ao
produto final, como controle de pragas e entretenimento. Os bens podem ser transformados também,
como acontece em um restaurante. Assim, o foco está na interação entre pessoas, proporcionando um
produto ou serviço que satisfaça os anseios de quem o(s) demandou.

Como componentes do Setor Terciário, podemos citar: Imagem: GoogleImages

- Turismo;
- Serviços bancários;
- Restaurantes;
- Hospitais;
- Serviços de consultoria;
- Corretagem de imóveis;
- Serviços públicos.

Estes últimos são considerados parte do Setor Terciário


enquanto providenciam serviços básicos à sociedade,
como educação, saúde, etc.; quando cuidam da construção, da infraestrutura de um país, como a
construção de estradas, pontes, etc., podem ser considerados como parte do Setor Secundário.

Os serviços são difíceis de serem classificados, pois são intangíveis e incontáveis. Assim, fica difícil para
os consumidores mensurarem e entenderem o valor do serviço que estão pagando para obter. Como
os investimentos e serviços de consultoria, não há garantias da obtenção de volta do capital investido.

13
Fonte: Texto disponível em http://www.infoescola.com/economia/setor-terciario/. Acesso em: 18.12.2012
Assim, como fazer a diferenciação de dois hotéis que oferecem o mesmo serviço por preços idênticos?
A diferenciação e a qualidade no atendimento farão o consumidor se decidir por aquele que mais o
agradar com pequenos detalhes.
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 9: Setores da Economia
Setor Primário
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages

Imagens: GoogleImages
Setor secundário

Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages

Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages

Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages

Imagens: GoogleImages
Setor terciário

Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages

Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages

Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
IDENTIDADE
AULA TEMA
Setores da sociedade

10 OBJETIVO
 Levar o grupo a compreender o que é o primeiro setor, segundo setor
e terceiro setor da sociedade.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada.
5’
O professor provoca uma chuva de ideias com os estudantes a respeito do assunto – Setores
da Sociedade – e faz uma breve contextualização.
Desenvolvimento 1
O professor divide a turma em três equipes, cada equipe ficará com um setor da sociedade.
Equipe 1:
Essa equipe vai realizar a atividade do baralho mímico com o suporte do professor.
Atividade: Baralho Mímico
O professor entrega à equipe o material do “baralho” e orienta que as cartas devem ser
coladas viradas para o quadro branco ou seguradas pelos estudantes. Cada carta tem uma
característica do primeiro setor da sociedade. Os estudantes estudam o texto com a
orientação do professor. Em seguida, um dos membros solicita aos estudantes das outras
equipes para escolher uma carta, e a partir da escolha o estudante da equipe do 1º setor faz
a mímica e tenta repassar a palavra-chave da carta através de mímica para as outras equipes.
Os outros estudantes tentam adivinhar o que o estudante (da mímica) está repassando. Após
25’ o acerto da mímica, a equipe deve fazer uma breve explicação do que está na carta. O
procedimento deve ser feito com as cinco cartas.
Equipe 2:
Montar um painel com as figuras relacionadas ao segundo setor e explicar a importância
para o mundo do trabalho.
Equipe 3:
O professor entrega para a equipe tarjetas que formarão o desenho de um trem com quatro
vagões de carga (tarjetas no material do professor) e solicita que a equipe cole no quadro
branco.
Em equipe, os estudantes leem e interpretam as tarjetas relacionadas ao terceiro setor. A
equipe apresenta tarjeta por tarjeta, e a cada apresentação a tarjeta é fixada no vagão do
trem. Quando todos os vagões estiverem com suas tarjetas, a equipe pergunta a toda turma:
onde aquele trem carregado de responsabilidades conseguirá chegar com aquela carga?

Encerramento
5’
O professor solicita que três estudantes façam uma breve reflexão do aprendizado do dia.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Cartolina
 Pincel atômico  Estudo prévio do assunto
 Papel ofício  Confecção das cartas
 Fita adesiva  Impressão das figuras
 Tarjetas
 Trem e vagões impressos  Impressão das imagens: trem e os vagões
SETORES DA SOCIEDADE
Primeiro setor da sociedade14

Tradicionalmente, o primeiro setor é o Estado, representado por entes políticos (Prefeituras Municipais,
Governos dos Estados, Presidência da
República). Além destes, pode-se destacar os
Ministérios, Secretarias, Autarquias, entre
outras – que possuem e exercem o caráter
público. É o governo, representando o uso de
bens públicos para fins públicos.

Imagens: GoogleImages

Segundo Setor da Sociedade 15


É o setor que compreende as instituições privadas, com fins lucrativos. São indústrias, comércio e
empresas de prestação de serviços, pautadas pelo que se chama mercado ou livre iniciativa.

Embora tenham o lucro como principal foco, o segundo


setor tem se preocupado e se voltado, mais
recentemente, para práticas de responsabilidade
social, essencialmente através de parcerias com o
terceiro setor.

Imagens: GoogleImage

14
Fonte: Texto disponível em http://desvendando3setor.blogspot.com.br/p/2-conheca-as-diferenca-entre-o-
primeiro.html. Acesso em: 18.12.2012
15 Fonte: Texto disponível em http://www.crescer.org/glossario/s.htm. Acesso em: 21.12.2012
Terceiro Setor da Sociedade16
Leilah Landim

O conceito de Terceiro Setor é uma novidade, é uma proposta de


experimentação social, uma tentativa de trabalho conjunto que tem o intuito de reunir instituições muito
diversas e essa experimentação só poderá ter resultados positivos com uma nova proposta de relação
do Estado com a sociedade civil.

Os principais personagens do Terceiro Setor são as Fundações, ONGs e Empresas com responsabilidade
social. Enquanto a transformação da realidade é a razão que sustenta o movimento social, a realização
de iniciativas e a execução de projetos para a integração social são o que dá sentido à existência das
organizações de voluntariado e das ONGs.

16
Fonte: Texto disponível em http://www.wooz.org.br/setor3monografia6.htm Acesso: 10.01.12
1
2
3
4
5
Imagens: GoogleImages

Imagens: GoogleImages
Prefeito
Cuidar
da sociedade
Imagens: GoogleImages

Imagens: GoogleImages

A palavra é governo
Imagens: GoogleImages

Povo brasileiro
A palavra é brasileiro
Segundo Setor da Sociedade

Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages

Terceiro Setor da Sociedade

Tarjeta 1
O conceito de Terceiro Setor é uma novidade, é
uma proposta de experimentação social, uma
tentativa de trabalho conjunto que tem o intuito
de reunir instituições muito diversas e essa
experimentação só poderá ter resultados
positivos com uma nova proposta de relação do
Estado com a sociedade civil.

Tarjeta 2
Os principais personagens do Terceiro Setor são
as Fundações, ONGs e Empresas com
responsabilidade social.
Tarjeta 3
As Fundações são instituições que financiam o
Terceiro Setor, através de doações às entidades
beneficentes. Temos também as fundações
mistas que doam para terceiros e também
possuem projetos próprios.

Tarjeta 4
Enquanto a transformação da realidade social é
a razão que sustenta o movimento social, a
realização de iniciativas e a execução de projetos
para a integração social são o que dá sentido à
existência das organizações de voluntariado e
das ONGs.
Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
IDENTIDADE
AULA TEMA
Setores da economia e setores da sociedade

11 OBJETIVO
 Trabalhar com o grupo as diferenças entre os setores da economia e
os setores da sociedade.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a turma em seis equipes
O professor pergunta aos estudantes o que eles entenderam sobre setores da economia e
5’ setores da sociedade:
 É a mesma coisa?
 Quais as diferenças?
 Falem um pouco mais!
Desenvolvimento 1
O professor divide a turma em seis equipes, de modo que:
Equipe 1- setor primário, 2- secundário, 3 – terciário, 4 – primeiro setor, 5 – segundo setor,
20’
6 – terceiro setor.
Sugestão: O professor pode solicitar previamente o laboratório para uma pesquisa e
fechamento dos assuntos vistos sobre setores da economia e setores da sociedade.
Encerramento
25’ Apresentação das equipes – aproximadamente 4 minutos por equipe.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÃO


 Cartolina
 Pincéis
 Fita adesiva  Estudar os assuntos das aulas anteriores
 Revistas
 Caderno do estudante
IDENTIDADE
AULA TEMA
Cooperativa

12 OBJETIVO
 Compartilhar com o grupo as finalidades das cooperativas no mundo
do trabalho.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor inicia a aula com as perguntas:
5’  O que é cooperação?
 Vocês se acham uma turma cooperativa? Por quê?
O professor faz um fechamento das respostas trazidas pelo grupo sobre cooperação e uma
atividade cooperativa – relaciona esses conceitos com o de criação de uma “cooperativa”.
Desenvolvimento 1
15’ O professor convida a turma para a leitura coletiva do texto: O que é Cooperativa? Contido
no Caderno do Estudante.

Desenvolvimento 2
Atividade: Fichas premiadas
Em uma folha, o professor escreve o comando da atividade (escolher uma das sete
sequências de figuras iguais, para serem as fichas premiadas e responderem às perguntas
do material de suporte). Esse comando fica em uma folha dobrada e exposta no quadro
branco, de maneira que os estudantes não leiam, pois o comando só será revelado ao
15’ final da vivência.
Observação: Trocar a(s) figura(s) premiada(s) a cada turma.
O professor distribui as fichas contidas no material de suporte para os estudantes – uma
ficha para cada. O professor reproduz uma música na sala (pode ser com o seu próprio
celular). Durante a música, os estudantes devem circular pela sala trocando as fichas entre
si de maneira aleatória. Ao final da música, o professor pede para que os estudantes
sentem e o comando é revelado.
Encerramento
15’ Responder as perguntas referentes ao comando da atividade. Cada ficha tem uma
numeração que está relacionada ao número da questão.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Fichas do material de suporte do professor  Estudar o tema previamente
 Caderno do estudante
 Imprimir as fichas premiadas
COMO FUNCIONAM AS COOPERATIVAS? 17

Júlio César Zanluca

As Sociedades Cooperativas estão reguladas pela Lei 5.764, de 16 de dezembro de 1971, que definiu a
Política Nacional de Cooperativismo e instituiu o regime jurídico das Cooperativas.

Cooperativa é uma associação de pessoas com interesses


comuns e economicamente organizadas de forma democrática,
isto é, contando com a participação livre de todos e respeitando
direitos e deveres de cada um de seus cooperados, aos quais
presta serviços, sem fins lucrativos.

CARACTERÍSTICAS GERAIS DA SOCIEDADE COOPERATIVA

A sociedade cooperativa apresenta os seguintes traços característicos:

1 - É uma sociedade de pessoas.


2 - O objetivo principal é a prestação de serviços.
3 - Pode ter um número ilimitado de cooperados.
4 - O controle é democrático: uma pessoa = um voto.
5 - Nas assembleias, o “quórum” é baseado no número de cooperados.
6 - Não é permitida a transferência das quotas-parte a terceiros, estranhos à sociedade, ainda que por
herança.
7 - Retorno proporcional ao valor das operações.
8 - Não está sujeita à falência.
9 - Constitui-se por intermédio da assembleia dos fundadores ou por instrumento público, e seus atos
constitutivos devem ser arquivados na Junta Comercial e publicados.
10 - Deve ostentar a expressão “cooperativa” em sua denominação, sendo vedado o uso da expressão
“banco”.
11 - Neutralidade política e não discriminação religiosa, social e racial.
12 - Indivisibilidade do fundo de reserva entre os sócios, ainda que em caso de dissolução da sociedade.
Saliente-se que a cooperativa existe com o intuito de prestar serviços a seus associados, de tal forma
que possibilite o exercício de uma atividade comum econômica, sem que tenha ela tido lucro.

Saliente-se que a cooperativa existe com o intuito de prestar serviços a seus associados, de tal forma
que possibilite o exercício de uma atividade comum econômica, sem que tenha ela tido lucro.

17 Fonte: Disponível em http://www.portaldecontabilidade.com.br/tematicas/cooperativas.htm. Acesso em:


21.12.2012
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 12: Cooperativa
1. Para você, o que é cooperativa?

2. Você conhece alguma cooperativa?

3. Quem pode trabalhar em uma cooperativa?

4. Qual o objetivo de uma cooperativa?

5. Quantas pessoas podem fazer parte de uma cooperativa?

6. Cooperativa gera algum lucro?

7. Cite alguma característica de uma cooperativa.


IDENTIDADE
AULA TEMA
Terceirização

13 OBJETIVOS 

Orientar os estudantes a:
Conceituar terceirização.
Analisar as vantagens e as desvantagens de uma terceirização.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a turma em oito equipes.
O professor fala para a turma que o tema de hoje é terceirização e pergunta:
5’  Alguém sabe o que significa a palavra “terceirizar”?
 Será que tem alguma coisa a ver com setor terciário ou terceiro setor, assuntos vistos
em aulas passadas, pela semelhança entre as palavras?
 Quais as vantagens da terceirização?
 Quais as desvantagens da terceirização?
Desenvolvimento 1
15’ Exposição dialogada com o grupo do texto – Terceirização: características, vantagens e
desvantagens, contido no Caderno do Estudante.
Desenvolvimento 2
Mantendo a turma dividida em oito equipes, os estudantes revisitam o texto estudado -
15’ “Terceirização: características, vantagens e desvantagens”. As equipes tem que expressar a
ideia central do tema e os aprendizados da aula em forma de cordel, paródia, música,
desenho em quadrinho e etc.
Encerramento
Os estudantes compartilham a produção dos trabalhos – aproximadamente 2 minutos
15’
para cada equipe.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÃO


 Folha
 Canetinhas  Estudar o assunto previamente
 Caderno do estudante
Terceirização: características, vantagens e desvantagens18

O que é terceirização

Terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas
por trabalhadores diretamente contratados e as transfere para outra empresa. Nesse processo, a
empresa que terceiriza é chamada “empresa-mãe ou contratante” e a empresa que executa a atividade
terceirizada é chamada de “empresa terceira ou contratada”.
É bom lembrar que o processo de terceirização ocorre sempre entre duas empresas, ou seja, a situação
de “empresa-mãe” e de “empresa terceira” é determinada por uma relação específica entre elas. Por
esse motivo, uma “empresa-mãe”, em um processo de terceirização, pode ser “empresa terceira” em
outro processo e vice-versa.
Ao se analisar a produção de bens e a prestação de serviços como um todo, em termos nacionais ou
internacionais, vê-se que a terceirização faz parte de um processo de mudança significativa nas relações
entre empresas.
A terceirização ou outsourcing é uma prática que visa a redução de
custo e o aumento da qualidade. Pode ser usada em larga escala por
grandes corporações e, observada principalmente em empresas de
telecomunicações, mineração, indústrias etc. Pequenas e médias
empresas também podem se beneficiar muito com essa prática,
uma vez que elimina burocracias internas com as atividades meio.
Apesar das várias vantagens, a Terceirização deve ser praticada com cautela. Uma má gestão de
terceirização pode implicar para as empresas um descontrole e desconhecimento de sua mão de obra,
a contratação involuntária de pessoas inadequadas, perdas financeiras em ações trabalhistas movidas
pelos empregados terceirizados, dentre outros problemas.
O processo de terceirização em uma organização deve levar em conta diversos fatores de interesse, tais
como a redução de custos e principalmente o foco na sua atividade-fim. A terceirização precisa estar em
conformidade com os objetivos estratégicos da organização, os quais irão revelar em que pontos ela
poderá alcançar resultados satisfatórios.
O princípio básico é o de que não se deve terceirizar a sua atividade-fim. Sendo assim, uma organização
que desconhece a si mesma, em um processo de terceirização, corre sério risco de perder sua identidade
e principalmente o seu diferencial competitivo. Mesmo na atividade-meio, só é permitido terceirizar
quando não houver subordinação hierárquica, ou seja, locação de mão de obra é ilegal.

A atividade-fim de uma empresa é a razão dela existir. Dentro do serviço público, têm-se exemplos de
terceirizações satisfatórias, como é o caso dos serviços de limpeza, que não é atividade-fim do serviço
público. Estão sendo criados softwares com algumas soluções informatizadas, visando a promover, de
forma mais eficaz, o controle e a gestão da mão de obra terceirizada, sendo uma importante ferramenta
para o departamento de recursos humanos das empresas que praticam a terceirização.

18 Fonte: Texto adaptado disponível em


http://portal.mte.gov.br/data/files/FF8080812BA5F4B7012BAAF91A9E060F/Prod03_2007.pdf. Acesso em: 20.12.2012
Texto disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Terceiriza%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 20.12.2012
AULA IDENTIDADE
TEMA
10 Dicas para enfrentar o mercado de trabalho

14 OBJETIVO
 Provocar no grupo uma reflexão sobre os conceitos:
trabalho, ocupação e emprego.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
Pergunta a turma: vocês sabem a diferença entre trabalho, ocupação e
5’ emprego?
Professor explica, contextualiza e traz conceitos de Trabalho, esclarecendo a
diferença entre trabalho, ocupação e emprego – texto em anexo no material
de suporte do professor: “Não confundir trabalho, ocupação e emprego”.
Desenvolvimento 1
Vivência: Cubo do conhecimento.
Os lados do cubo devem ser enumerados de 1 a 6. No quadro branco, o
professor afixa com fita adesiva envelopes também enumerados de 1 a 6 com
conceitos e imagens relacionadas ao assunto da aula. Na medida em que o
cubo é jogado pelo estudante, a numeração que ficar para cima, indica a qual
40’ envelope o estudante deve se dirigir e retirar algum conceito, pergunta ou
figura. O estudante lê, responde ou faz a interpretação da figura ou da dica,
com o auxílio do professor.
As tarjetas a serem colocadas nos envelopes estão contidas no material de
suporte do professor. (Este material de suporte está também no Caderno do
Estudante. Ele será recortado e distribuído pelo professor, como tarjetas, nos
envelopes)
Encerramento
5’ O professor solicita que dois estudantes falem sobre os principais pontos
que eles não conheciam e que agora conhecem.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Cubo  Confeccionar o cubo
 Envelopes
 Material impresso para ser colocado dentro  Imprimir conceitos, perguntas e
dos envelopes enumerados imagens
 Fita adesiva  Providenciar envelopes
10 Dicas para enfrentar o mercado de trabalho19
Como a cada dia o mercado de trabalho está cada vez mais competitivo, esta lista pode te ajudar
bastante.

1º. Estude sempre, não pare. Se você tem nível de Ensino Médio, faça um bom curso superior.

2º. Domine a Informática. Saiba operar um microcomputador, no mínimo.

3º. Use a Internet. Navegue na Internet e se mantenha conectado com o mundo e tenha acesso a
oportunidades.

4º. Defina seus objetivos. Saiba o que quer e como chegar lá, isto evita perda de tempo, energia
e dinheiro.

5º. Acredite e invista em você. Você é um ser que possui talentos, um potencial infinito, aproveite este
fato, desenvolva-se, busque diferenciais qualitativos.

6º. Desenvolva e cultive uma rede de relacionamentos profissionais (networking), na empresa e fora
dela. Uma rede de relacionamentos configura um importante canal de ajuda nos momentos críticos e
de prospecção de oportunidades.

7º. Seja (ou busque ser) criativo. O profissional que apresenta soluções e ideias inovadoras será
valorizado.

8º. Seja ético nos seus atos. O sucesso profissional obtido às custas do prejuízo dos outros é efêmero.

9º. Desenvolva sua capacidade de entender e lidar com gente. Trabalhe em equipe, relacione-se,
compartilhe, ensine as pessoas. Seja um profissional integrado e importante na sua empresa.

10º. Seja um profissional polivalente, um multiespecialista. Busque conhecimentos e habilidades em


outras áreas.

Adaptado do: Bolsa de Talentos

19
Fonte: Texto adaptado de Bolsa de Talentos disponível em http://lista10.org/uteis/10-dicas-para-enfrentar-o-
mercado-de-trabalho/ Acesso em: 18/09/2013
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 14:

Professor, abaixo seguem as tarjetas para serem colocadas nos envelopes para atividade do cubo do
conhecimento.

Estude sempre, não pare. Se você tem nível médio, faça um bom curso superior.

Domine a Informática. Saiba operar um microcomputador, no mínimo.

Use a Internet. Navegue na Internet e se mantenha conectado com o mundo e tenha acesso a oportunidades.

Defina seus objetivos. Saiba o que quer e como chegar lá, isto evita perda de tempo, energia e dinheiro.

Acredite e invista em você. Você é um ser que possui talentos, um potencial infinito, aproveite este fato,
desenvolva-se, busque diferenciais qualitativos.

Desenvolva e cultive uma rede de relacionamentos profissionais (networking), na empresa e fora dela. Uma rede
de relacionamentos configura um importante canal de ajuda nos momentos críticos e de prospecção de
oportunidades.

Seja (ou busque ser) criativo. O profissional que apresenta soluções e ideias inovadoras será valorizado.

Seja ético nos seus atos. O sucesso profissional obtido às custas do prejuízo dos outros é efêmero.

Desenvolva sua capacidade de entender e lidar com gente. Trabalhe em equipe, relacione-se, compartilhe,
ensine as pessoas. Seja um profissional integrado e importante na sua empresa.

Seja um profissional polivalente, um multiespecialista. Busque conhecimentos e habilidades em outras áreas.

O estágio é uma forma de trabalho de aprendizado, como treinamento para o exercício de uma função. Pode ser
remunerado ou não

Passe o cubo para o terceiro colega da sua esquerda!

Dessa vez você não vai ler e nem responder nada, escolha um colega para jogar o cubo.

O que você quer alcançar depois que conseguir um emprego?

No seu futuro estágio, o que você vai fazer para conseguir ser efetivado?

Conte cinco colegas da sua direita e entregue para que ele escolha outro colega para jogar o cubo.

Fale uma qualidade que você tem que vai ser essencial, no seu período de estágio.

Entregue o cubo para o sétimo colega a sua esquerda.


Texto de suporte do professor

“Não confundir trabalho, ocupação e emprego”20.

Trabalho: “1. Aplicação de forças e faculdades humanas para alcançar um determinado fim. 2. Atividade
coordenada, de caráter físico e/ou intelectual, necessária à realização de qualquer tarefa, serviço ou
empreendimento. 3. Trabalho remunerado ou assalariado; serviço; emprego; labuta. (Dicionário Aurélio
da Língua Portuguesa).

Ocupação: dedicar-se a, ocupar-se de. Abrange as pessoas que trabalham com ou sem vínculo
empregatício, as que trabalham por conta própria, as que são proprietárias de estabelecimentos e
aquelas que trabalham sem remuneração. Exemplo: pessoas que prestam serviço voluntário em
instituições filantrópicas.

Em outras palavras, é aquilo que as pessoas fazem: a profissão, o ofício ou o cargo que exercem em seu
trabalho (lavador de carros, faxineiro, engenheiro civil, técnico em contabilidade, pedreiro, alfaiate,
chefe de equipe, diretor de colégio).

Emprego – cargo ou ocupação em empresa particular ou órgão público. “Emprego” se refere a todas as
pessoas empregadas que, tendo uma ocupação, trabalham para um patrão (pessoa física ou jurídica),
com vínculo empregatício.

20
Fonte: “Passe Forte para o Trabalho” ESAF/PROCIENT/ITS
Imagens: GoogleImages

Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages

Imagens: GoogleImages
Imagens: GoogleImages
IDENTIDADE
AULA TEMA
Tipos de trabalho I

15 OBJETIVO
 Orientar os estudantes a identificar e compreender os diversos tipos de
trabalho.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
5’ O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor pergunta sobre os tipos de trabalho que eles conhecem.
Desenvolvimento 1
Em seguida, o professor coloca uma música (pode ser pelo celular), e nesse momento passa
25 balões pela turma - dentro de cada balão haverá uma tirinha, com um tipo de trabalho.
Podem se repetir os tipos de trabalho.
Tipos:
 Trabalho braçal
 Trabalho intelectual
 Trabalho artístico
 Trabalho especializado
 Trabalho artesanal
 Trabalho administrativo
 Trabalho mecânico
40’  Trabalho temporário
 Trabalho doméstico
 Trabalho social
 Trabalho voluntário
 Trabalho autônomo
 Trabalho forçado/trabalho escravo
(Os tipos de trabalho já estão no material de suporte do professor).
Quando a música parar, quem ficou com o balão compartilha o que sabe a respeito do tipo
de trabalho que pegou. Como existem tirinhas repetidas, os estudantes que retirarem
tirinhas iguais, devem combinar o que vão falar. Depois que todos falarem, o professor
compartilha com o grupo a leitura do texto “Tipos de Trabalho”. Contido no Caderno do
Estudante.
Sugestão: o professor pode utilizar caixas de fósforos customizadas ao invés de balões.
Encerramento
5’ O professor solicita que três estudantes falem o que eles ainda não conheciam e sua reflexão
sobre os vários tipos de trabalho.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Impressões das tirinhas


 Estudar o assunto previamente
 Balões
 Caderno do estudante  Colocar as tirinhas dentro dos balões
Tipos de Trabalho21

O trabalho tem várias facetas. Que tipos de trabalho nós podemos realizar?
Vejamos.

Trabalho autônomo
É o trabalho independente, realizado sob contrato, formal ou não.

Trabalho braçal
É o trabalho, na maioria das vezes, não especializado, que envolve esforço físico.

Trabalho intelectual
É o trabalho que envolve raciocínio, planejamento e, geralmente, formação
acadêmica.

Trabalho artístico
É o trabalho que envolve senso estético e habilidade artística específica,
criatividade e originalidade.

Trabalho especializado
É o que exige conhecimento técnico específico.

Trabalho artesanal
É o que requer habilidade manual e é feito sem recursos mecânicos e produzido em pequena
escala.

21 Fonte: “Passe Forte para o Trabalho” ESAF/PROCIEN/ ITS. 1999


Trabalho administrativo
É o que envolve as tarefas do dia a dia de um escritório (registros, correspondência,
caixa, arquivamento, controles internos).

Trabalho mecânico
É o trabalho repetitivo, que é feito sempre da mesma maneira e não exige muito
raciocínio.

Trabalho temporário
É o trabalho contratado por tempo determinado, que não cria vínculos entre empregador e
empregado.

Trabalho doméstico
É o trabalho realizado em casa de família, compreendendo a realização das tarefas
diárias de preparação de refeições ou cuidados com a casa e com as crianças.

Trabalho social
É o trabalho realizado junto a comunidades, visando à melhoria das condições sociais das
pessoas do local.

Trabalho voluntário
É qualquer tipo de prestação de serviços sem remuneração, como contribuição pessoal à
comunidade.

Trabalho forçado/trabalho escravo


É a coerção de uma pessoa, para realizar certos tipos de trabalho, e a imposição de
uma penalidade, caso esse trabalho não seja feito. Esta forma de trabalho é
considerada como uma das “piores formas de trabalho” pela Organização
Internacional do Trabalho – OIT, por se caracterizar como trabalho escravo.
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 15: Tipos de trabalho I

- Trabalho braçal
- Trabalho intelectual

- Trabalho artístico

- Trabalho especializado

- Trabalho artesanal

- Trabalho administrativo

- Trabalho mecânico

- Trabalho temporário

- Trabalho doméstico

- Trabalho social

- Trabalho voluntário

- Trabalho autônomo

- Trabalho forçado/trabalho escravo


IDENTIDADE
AULA TEMA
Tipos de trabalho II

16 OBJETIVO
 Orientar os estudantes a identificar e compreender os diversos tipos
de trabalho.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
5’
Em seguida, faz uma reflexão com os estudantes a respeito do que foi estudado na aula
anterior, sobre diferentes tipos de trabalho.
Desenvolvimento 1
5’ O professor solicita que os estudantes escrevam no seu caderno o tipo de trabalho com o
qual eles mais se identificam.
Desenvolvimento 2
No quadro branco, o professor desenha um quadro com seis áreas distintas (modelo no
material de suporte do professor).
10’ Logo em seguida, o professor pergunta a cada jovem em que área ele mais se enquadra.
Para cada área deverá ter no máximo sete estudantes. Caso o quadro esteja completo, o
professor solicita que os estudantes escolham outra opção. (Segunda área em que ele tenha
algum interesse).
Desenvolvimento 3
Depois da tabela preenchida, as equipes são formadas pela escolha da área, e para cada área
os estudantes escrevem as atribuições que aquela área terá na empresa. Os estudantes
25’ apresentam para a turma suas anotações.
O professor faz reflexões após cada apresentação.
Aproximadamente 5 minutos para planejamento e em média 3 minutos para apresentação
de cada equipe.
Encerramento
5’
Reflexão do aprendizado com toda a turma.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÃO

 Pincel para quadro branco  Estudar o plano de aula e pesquisar o


 Caderno do estudante quadro de áreas
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 16: Tipos de trabalho II

ADMINISTRATIVA ARTÍSTICA TÉCNICO-


CIENTIFÍCA

RELAÇÕES COMUNICAÇÃO INFORMÁTICA


INTERPESSOAIS
IDENTIDADE
AULA TEMA
Planejamento orçamentário

17 OBJETIVO
 Provocar no grupo a tomada de consciência sobre gastos pessoais e
o impacto do planejamento financeiro, na construção de seu projeto
pessoal e profissional.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
Inicia perguntando aos estudantes:
5’  Você e sua família se organizam financeiramente?
 Gastam somente com o necessário?
Explicar que, ao iniciar este Tema, Educação Financeira, eles terão “noções” do assunto, que
serão complementadas em Projeto de Vida.
Desenvolvimento 1
O professor promove uma leitura expositiva do texto “Educação financeira”, contido no
Caderno do Estudante.
Escreve em seguida, no quadro branco, alguns termos relacionados ao controle
20’
orçamentário: despesas fixas, despesas variáveis e receitas. Em seguida, pergunta aos
estudantes o que eles entendem sobre os termos. Após as contribuições, o professor explica
os termos.
Como a educação financeira impacta sobre minha identidade profissional?
Desenvolvimento 2
O professor convida o grupo a preencher a tabela orçamentária (Caderno do Estudante).
20’ Sugestão: o professor pode solicitar o laboratório de informática (LEI) da escola para
utilizar a planilha eletrônica online disponível em:
http://www.tveducacaofinanceira.com.br/planilha.asp.
Encerramento
5’ O professor solicita que três estudantes falem de que maneira pretendem utilizar o
planejamento orçamentário em suas vidas.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Pincel para quadro branco  Estudo prévio do assunto
 Caderno do Estudante  Verificar a disponibilidade do laboratório de
 Cópias da planilha orçamentária informática, caso seja necessário
Educação financeira: uma demonstração de bons resultados22
Por Cláudio Boriola23

A omissão da escola em relação a noções do comércio, economia, de


impostos e de finanças tem uma consequência perversa: a maioria das
pessoas, quando adulta, continua ignorando esses assuntos e segue
sem instrução financeira e sem habilidade para manejar dinheiro.

As consequências se tornam mais graves se levarmos em conta que


ninguém, qualquer que seja a sua profissão, está livre dos problemas
ligados ao mundo do dinheiro e dos impostos.

É importante tomar consciência da necessidade de alfabetização


financeira, o que pode ocorrer por iniciativa própria, por orientação
dos pais ou por conselhos de amigos. Infelizmente, para muitas pessoas o alerta chega em decorrência
de algum desastre financeiro.

Há uma multidão de adultos, de diferentes profissões, que não se sentem confortáveis com as questões
relacionadas ao dinheiro. Uma saída importante é buscar a própria educação financeira fora da escola
convencional – e já que estamos compreendendo o novo Mundo do Trabalho, o momento e o lugar são
oportunos!

As opções para uma boa instrução financeira são bastante acessíveis. Cursos, seminários, palestras,
treinamentos, jornais, livros, revistas especializadas e jogos educativos, são formas alternativas ou
complementares para um aprendizado.

Assim que você se disponha a estudar e comece a se familiarizar com os conceitos financeiros, o próximo
passo é elaborar o seu balanço patrimonial, cujo conteúdo é praticamente o mesmo utilizado pelas
empresas. O balanço patrimonial utiliza duas colunas: uma à esquerda, mostra os ativos e outra à direita,
mostra os passivos e o patrimônio líquido. Se uma empresa listar tudo o que ela tem em bens e direitos
e diminuir todas as dívidas e obrigações, o saldo que resta é o patrimônio líquido, a verdadeira riqueza
pertencente aos acionistas.

Para uma família não é diferente. No balanço patrimonial de uma família muda-se apenas o tipo de
ativos e, eventualmente, o tipo das dívidas. O ideal é elaborar uma demonstração de resultado
mensalmente, para ver como andam seus ganhos, seus gastos e o saldo, que pode ser um superávit ou
um déficit. Na linguagem empresarial, um lucro ou um prejuízo. A demonstração de resultado de uma
família não é diferente: tudo o que você tem a fazer é:

 lançar os seus ganhos em uma linha,


 listar seus gastos em outra linha, e,
 encontrar a diferença, que será uma sobra ou uma falta.

22 Fonte: Texto disponível em http://carreiras.empregos.com.br/carreira/administracao/planejamento/010805-


educacao_financeira.shtm. Acesso: 20.12.12

23
Cláudio Boriola é consultor financeiro, palestrante especialista em Economia Doméstica e Direitos do Consumidor.
Autor de Paz, Saúde e Crédito - O livro que vai mudar a sua vida.
Classifique suas despesas: a tarefa de gerenciar gastos exige alguma metodologia. Seja em uma empresa,
seja na vida familiar, não se pode sair cortando despesas de qualquer jeito, sem ordem nem método.
Para que você possa fazer um exame criterioso das suas despesas é necessário organizá-las, e a melhor
maneira de fazê-lo é adotar uma classificação em três categorias:

 OF (Obrigatórias Fixas): Aluguel, IPTU, IPVA, condomínio, etc.


 NOF (Não Obrigatórias Fixas): Empregada, plano de saúde, assinatura de jornal e revistas, TV a
cabo, moto, ....
 OV (Obrigatórias Variáveis): Alimentação, vestuário, higiene, limpeza, energia, água, telefone,
escola, remédios, combustíveis,....

Essa classificação é importante como ferramenta para o gerenciamento do orçamento familiar e tem
uma lógica simples, mas eficiente.

Lembre ainda que certas despesas ocorrem sempre na mesma época do ano, como o imposto predial
(IPTU), o imposto sobre veículo (IPVA), a aquisição de material escolar no início do ano letivo, e outros
exemplos conhecidos. Portanto, é recomendável e útil ter um orçamento para o período de janeiro a
dezembro, a fim de obter uma visão do ano inteiro. Muitas pessoas ficam empolgadas com o aumento
do caixa nos meses de novembro e dezembro, gastam mais do que deviam e sofrem no próximo ano
inteiro.

Qualquer que seja a situação da sua família é importante estabelecer metas de poupança e gerenciar os
gastos. O orçamento é uma espécie de bússola que diz aonde a família quer chegar ao final de um
período. A única forma de atingir a meta de poupança é por as contas na ponta do lápis e monitorar os
gastos com base no fluxo de caixa planejado.

O que deve ser ressaltado é que você não deve correr riscos na gestão do seu fluxo de caixa familiar e
depois utilizar a poupança acumulada. Se fizer isso, no fundo você estará substituindo velhas despesas
familiares por outro tipo de despesas, derivadas dos ativos ruins.

Não esqueça que o seu sucesso financeiro depende exclusivamente de você mesmo.

Boa sorte e sucesso nas finanças!


Modelo de planilha para controle orçamentário

Mês
Valor
Salário
Aluguel
Pensão
Horas extras
Receitas
13º salário
Férias
Outros
Total R$

Despesas Categoria Despesa


Aluguel
Habitação Condomínio
Prestação da casa

Prestação do carro
Transporte Prestação da moto
Estacionamento
Fixas
Aquelas que têm
Saúde Plano de saúde
o mesmo montante
mensalmente
Colégio
Educação Faculdade
Curso

IPTU
Impostos
IPVA

Outros
Total despesas fixas R$

Luz
Água
Variáveis Telefone
Aquelas que
acontecem Habitação Telefone Celular
todos os meses, Gás
mas podemos
tentar reduzir Mensalidade TV
Internet

Metrô
Transporte
Ônibus
Combustível
Estacionamento

Supermercado
Alimentação Feira
Padaria

Saúde Medicamentos
Variáveis
Aquelas que
acontecem Cabeleireiro
todos os meses, Manicure
Cuidados pessoais
mas podemos
tentar reduzir Academia
Clube

Total despesas
variáveis R$

Médico
Extras Saúde Dentista
São as despesas
extraordinárias Hospital
para as
quais precisamos Material escolar
Educação
estar preparados, Uniforme
quando
acontecerem
Total despesas
extras R$

Viagens
Cinema/teatro
Lazer
Restaurantes
Adicionais Locadora DVD

Aquelas que não Roupas


precisam acontecer Vestuário Calçados
todos os meses Acessórios

Outros Presentes

Total despesas adicionais R$


Receita
Investimentos
Despesas fixas
Saldo Despesas variáveis
Despesas extras
Despesas adicionais
Saldo R$

A tabela completa com todas as fórmulas está disponível na internet em forma de planilha. Acesse o
link: http://www.tveducacaofinanceira.com.br/planilha.asp e pratique!

Dica para o professor

BALANÇO PATRIMONIAL24

Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente,


numa determinada data, a posição patrimonial e financeira da Entidade.

No balanço patrimonial, as contas deverão ser classificadas segundo os elementos do patrimônio que
registrem e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a análise da situação financeira da empresa.

De acordo com o § 1º do artigo 176 da Lei 6.404/76, as demonstrações de cada exercício serão
publicadas com a indicação dos valores correspondentes das demonstrações do exercício anterior, para
fins de comparação.

COMPOSIÇÃO

O Balanço Patrimonial é constituído pelo:


 Ativo que compreende os bens, os direitos e as demais aplicações de recursos controlados pela
entidade, capazes de gerar benefícios econômicos futuros, originados de eventos ocorridos.
 Passivo que compreende as origens de recursos representados pelas obrigações para com
terceiros, resultantes de eventos ocorridos que exigirão ativos para a sua liquidação.
 Patrimônio Líquido que compreende os recursos próprios da Entidade, e seu valor resulta da
diferença positiva entre o valor do Ativo e o valor do Passivo.

24
Texto disponível em: http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/balancopatrimonial.htm Acesso: 09.12.13
IDENTIDADE
AULA TEMA
Exercícios lógicos

18 OBJETIVO
 Conscientizar os estudantes acerca da importância da matemática
para o mundo do trabalho.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
Pergunta, a seguir, aos estudantes:
 Quem gosta de matemática?
5’
 Qual a importância da matemática em seu cotidiano?
 Diga um exemplo de como você utiliza a matemática em seu dia a dia
Aquecimento: “Se vira nos 30!” – O professor distribui uma tirinha (dobrada) contendo 4
situações e os alunos terão 30 segundos para resolver individualmente.
Desenvolvimento 1
Vivência: Desafio dos balões matemáticos.
O professor divide a turma em equipes de cinco estudantes e pede um representante de
cada equipe. Em seguida, joga vários balões, contendo as mesmas questões em cada balão,
20’
só que os estudantes não devem saber que as perguntas são as mesmas. Pede para que eles
estourem e respondam em 15 minutos.
O professor coloca pressão com relação ao tempo, para ver como eles se comportam em um
ambiente de pressão.
Desenvolvimento 2
20’
O professor resolve de forma dialogada as questões com os estudantes.
Encerramento
5’ O professor solicita que os estudantes compartilhem como foi a aula e reflitam qual a
importância da matemática no mundo do trabalho.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Providenciar os balões
 Balões  Impressões das tirinhas com as perguntas
 Tarjetas impressas para os balões matemáticas
 Impressões das questões que estarão dentro dos
balões
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 18: Exercícios lógicos
Tirinhas do “Se vira nos 30”:

23 + 15 + 1 + 2 + 3 + 10=
1 + 20 + 17 + 2 + 8 + 0 + 1=
28+–11
32 10+–32+1
– 9+–24=
+ 11=
111 – 11 – 21 – 9 - 1=

1 + 17 + 20 + 8 + 2 + 1 + 0=
29 – 11 – 3 – 5 – 1=
110 – 10 – 21 – 5 - 1=

16 + 15 + 10 + 2 +1 + 12=
12 + 1 + 16 + 15 + 10 + 0 + 6=
22 – 16 – 2 – 2 – 1=
120 – 10 – 20 – 5 - 0=

23 + 15 + 1 + 2 + 3 + 10=
1 + 20 + 17 + 2 +8 + 0 + 1=
28 – 10 – 2 – 9 – 4=
101 – 11 – 11 – 5 - 1=
Desafio dos balões matemáticos

1 - Paulo tinha 13 figurinhas do Dragon Ball Z. Luiz lhe deu mais 17 e Claudio lhe
deu mais 43. Paulo recebeu várias figurinhas, mas percebeu que algumas delas
eram repetidas. Paulo contou que tinha recebido 3 figuras repetidas de Luiz e 17
repetidas de Claudio. Quantas figuras sem repetições Paulo ficou?

2 - Ao receber o meu salário paguei R$ 347,12 de aluguel, R$ 68,14 de impostos


trabalhistas. R$ 287,99 de gastos com alimentação. Água e luz R$ 193,20 e outros
gasto no total de R$ 213,32. Ainda me sobraram R$ 340,18. Quanto recebi de
salário?

3 - Um menino estuda 2 horas e 45 minutos pela manhã e 4 horas e 30 minutos à


tarde. Quantos minutos o menino estuda diariamente?

4 - Um automóvel percorreu 435 quilômetros de uma rodovia. Ele ainda deverá


percorrer 298 quilômetros até chegar ao seu destino. Quantos quilômetros da
estrada vai percorrer para chegar ao destino?

5 - Uma empresa produziu no primeiro trimestre 6905 peças. No segundo


trimestre, a mesma empresa produziu 795 peças a mais que no primeiro trimestre.
Nessas condições:
a) Quantas peças a empresa produziu no segundo trimestre?

b) Quantas peças a empresa produziu no semestre?

6 - Dom Pedro II, imperador do Brasil, faleceu em 1891 com 66 anos de idade.
Em que ano ele nasceu?

7 - Um avião Boeing 747 pode transportar 370 passageiros e um avião DC-10


pode transportar 285 passageiros. Quantos passageiros o Boeing 747 pode
transportar a mais que o DC10?
8 - À vista um automóvel básico custa R$ 26.454,00. Decidi acrescentar mais
alguns acessórios: ar condicionado R$ 3.200,00, trava e alarme R$380,00, vidros
elétricos R$ 590,00 e direção hidráulica 2.500,00. À prazo o mesmo automóvel
custa R$ 39.392,00. A diferença entre o preço cobrado é chamado de juros. Qual
é a quantia que pagará de juros?

Gabarito

1 - Paulo tinha 13 figurinhas do Dragon Ball Z. Luiz lhe deu mais 17 e Claudio lhe deu mais 43.
Paulo recebeu várias figurinhas, mas percebeu que algumas delas eram repetidas. Paulo
contou que tinha recebido 3 figuras repetidas de Luiz e 17 repetidas de Claudio. Quantas figuras
sem repetições Paulo ficou?

13 Tirando as repetidas: 73
+17 - 3
+43 17
73 (figuras) 53 figuras sem repetições

-21,97
- 2,50
- 3,50
3,56 de troco
2 - Ao receber o meu salário paguei R$ 347,12 de aluguel, R$ 68,14 de impostos trabalhistas.
R$ 287,99 de gastos com alimentação. Água e luz R$ 193,20 e outros gasto no total de R$
213,32. Ainda me sobraram R$ 340,18. Quanto recebi de salário?

347,12
+ 68,14
+ 287,99
+ 193,20
+ 213,32
+ 340,18
1449,95

3 - Um menino estuda 2 horas e 45 minutos pela manhã e 4 horas e 30 minutos à tarde. Quantos
minutos o menino estuda diariamente?

1hora = 60minutos Somando Manhã e Tarde:


Manhã: 2(60) + 45= 165min 165
Tarde: 4 (60) + 30= 270min +270
435 minutos

4 - Um automóvel percorreu 435 quilômetros de uma rodovia. Ele ainda deverá percorrer 298
quilômetros até chegar ao seu destino. Quantos quilômetros da estrada vai percorrer para
chegar ao destino?

435
+298
733 KM

5 - Uma empresa produziu no primeiro trimestre 6905 peças. No segundo trimestre, a mesma
empresa produziu 795 peças a mais que no primeiro trimestre.
Nessas condições:
a) Quantas peças a empresa produziu no segundo trimestre?
6905
+ 795
7700 peças

b) Quantas peças a empresa produziu no semestre?


6905
+7700
14605 peças

6 - Dom Pedro II, imperador do Brasil, faleceu em 1891 com 66 anos de idade. Em que ano ele
nasceu?
1891
- 66
1825

7 - Um avião Boeing 747 pode transportar 370 passageiros e um avião DC-10 pode transportar
285 passageiros. Quantos passageiros o Boeing 747 pode transportar a mais que o DC10?

370
- 285
85 pessoas

8 - À vista um automóvel básico custa R$ 26.454,00. Decidi acrescentar mais alguns


acessórios: ar condicionado R$ 3.200,00, trava e alarme R$380,00, vidros elétricos R$ 590,00
e direção hidráulica 2.500,00. À prazo o mesmo automóvel custa R$ 39.392,00. A diferença
entre o preço cobrado é chamado de juros. Qual é a quantia que pagará de juros?

Preço do automóvel a vista + acessórios:


26.454,00
+ 3.200,00
+ 380,00
+ 590,00
+ 2.500,00
33.124,00

Diminuindo valor de carro a prazo pelo valor do carro a vista mais acessórios:

39.392,00
- 33.124,00
6.268,00
IDENTIDADE
AULA TEMA Palestra de um profissional da área, ex-aluno empregado ou
estudante em estágio, que já esteja na área do curso

19 OBJETIVOS
Orientar os estudantes a:
 Trabalhar com o grupo as experiências do mundo produtivo.
 Compartilhar com o grupo as possibilidades de trabalho da
área específica.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
Em seguida, o professor busca realizar uma rápida revisão dos conteúdos abordados
5’ no Bimestre, e qual a importância deles para a compreensão da identidade
profissional.
O professor apresenta então o convidado e solicita que os estudantes prestem
atenção e anotem suas dúvidas e curiosidades.
Desenvolvimento
O convidado conversa com os estudantes a respeito da sua experiência na sua área
profissional.
25’ Sugestão de roteiro:
 As potencialidades de crescimento da área no mundo do trabalho;
 A postura do profissional;
 As qualidades necessárias para desenvolver a atividade.

Encerramento
20’ Os estudantes fazem suas perguntas e avaliam o encontro.
O professor agradece a disponibilidade do convidado.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Convidar o palestrante
 Kit multimídia
 Reservar o equipamento multimídia (datashow e
caixa de som) caso seja necessário
MUNDO DO TRABALHO
DISTRIBUIÇÃO DAS AULAS - 1º ANO - INTEGRAÇÃO
2º BIMESTRE
CARGA
TEMA CONTEÚDOS / AULAS
HORÁRIA
Aula 20: Interdependência entre as pessoas do mundo corporativo 50’
Aula 21: Integração entre as unidades curriculares da Escola e o Mundo
50’
do Trabalho I
Aula 22: Integração entre as unidades curriculares da Escola e o Mundo
50’
do Trabalho II
Aula 23: Trabalho em Grupo 50’
Aula 24: Dinâmica de Grupo I 50’
Aula 25: Dinâmica de Grupo II 50’
Aula 26: Missão, Visão e Valores das Empresas I 50’
Aula 27: Missão, Visão e Valores das Empresas II 50’
Aula 28: Noções de organograma I 50’
INTEGRAÇÃO Aula 29: Noções de organograma II 50’
Aula 30: Setores, cargos e funções 50’
Aula 31: Administrando o tempo 50’
Aula 32: Tipos de cultura empresarial 50’
Aula 33: Qualidade total I 50’
Aula 34: Qualidade total II 50’
Aula 35: Qualidade no atendimento 50’
Aula 36: Exercícios lógicos 50’
Aula 37: Motivação e autoconhecimento 50’
Aula 38: Trabalho em equipe 50’
Aula 39: QUIZ 50’
Aula 40: Feedback QUIS 50’
CARGA HORÁRIA TOTAL DO 2º BIMESTRE 21h/a
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Interdependência entre as pessoas no mundo corporativo

20 OBJETIVO
 Trabalharcom os estudantes o processo de formação e
desenvolvimento de uma equipe.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada.
Nessa aula o professor explica que, a partir dessa aula iniciarão o tema
“Integração”. Pede ao grupo que opine sobre este conceito e porque é
importante estudá-lo.
5’
Conclui, ressaltando que terão atividades e estudos relacionados à
importância do trabalho em equipe para o mundo do trabalho.
O professor convida todos os estudantes a sentarem no chão ou nas cadeiras,
em círculo, para a aplicação da vivência.

Desenvolvimento
Vivência: Escravos de Jó
O professor aplica a vivência “Escravos de Jó” de acordo com a explicação
25’
anexa.
Destina 20 minutos para a realização da vivência e 05 minutos para reflexão.

Encerramento
Leitura e reflexão do texto “Máquina de Escrever” contido no caderno do
20’
estudante.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Tampinhas, caixas de fósforos, bolinhas


 Ler o texto “Máquina de Escrever”
de papel ou tampas de garrafa pet para
previamente
realizar a vivência “Escravos de Jó”
 Providenciar o material da vivência
 Caderno do estudante
Interdependência entre as pessoas no mundo coorporativo25
MÁQUINA DE ESCREVER

Xu txnho uma máquina dx xscrxvxr qux apxsar dx sxr antiga funciona muito bxm, com xxcxção dx uma
única txcla. Das 42 txclas qux xla txm, apxnas uma não funciona bxm, x como vocx podx vxr, isso faz uma
xnormx difxrxnça.
Muitas xmprxsas x xquipxs são como xsta máquina dx xscrxvxr; nxm todas as pxssoas “funcionam bxm”,
nxm todos dão o mxlhor dx si, x com isso prxjudicam x compromxtxm o rxsultado do trabalho dx todos.
Alguns atx pxnsam: “Minha participação não x tão importantx assim”, mas como vocx podx notar, isso
não x vxrdadx; uma única “pxça” faz muita difxrxnça.
Para qux uma xquipx possa trabalhar dx manxira xficixntx, x prxciso qux todos participxm dx manxira
ativa, xquilibrada, conscixntx x rxsponsávxl, dando o mxlhor dx si, comxçando pxlo lídxr.
Por isso, sx por algum motivo vocx um dia pxnsar qux sxu trabalho não x importantx para xquipx, ou
mxsmo qux vocx x mais importantx do qux todas as outras pxssoas, lxmbrx-sx da vxlha máquina dx
xscrxvxr.
.
Bem, agora eu voltei a usar o teclado do computador.

Muitas organizações têm pessoas trabalhando em grupo e não em equipe, onde cada um se preocupa
em realizar apenas sua tarefa e pronto. No trabalho em equipe, cada membro sabe o que os outros estão
fazendo e sua importância para o sucesso da tarefa. Eles têm objetivos comuns e desenvolvem metas
coletivas que tendem a ir além daquilo que foi determinado.

Toda equipe é um grupo, porém nem todo grupo é uma equipe. Pessoas que vão ao teatro para assistir
a uma peça, por exemplo, são um grupo. Elas não se conhecem, não interagem entre si, mas têm o
mesmo objetivo: assistir à peça. Já equipe, por exemplo, é o elenco dessa peça de teatro, onde todos
trabalham juntos para atingir uma meta específica, que é fazer um bom espetáculo para a plateia, seus
clientes.

Existe uma frase que resume muito bem o resultado do trabalho em equipe: Sozinhos, vamos mais
rápido; porém juntos vamos mais longe, porque juntos somos mais fortes.

Letra da música “Escravos de Jó”:


“Escravos de Jó
Jogavam caxangá
Tira, bota, deixa o Zambelê ficar
Guerreiros com Guerreiros
Fazem zig zig zá
Guerreiros com Guerreiros
Fazem Zig Zig Zá”

25
Fonte: Texto disponível em: http://www.blogdofabossi.com.br/2009/10/maquina-de-escrever-trabalho-em-equipe/
Acesso em: 20/12/2012.
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 20: Interdependência entre as pessoas
no mundo corporativo

Vivência: ESCRAVOS DE JÓ

Objetivo:
 Trabalhar o processo de informação e desenvolvimento de uma equipe.
 Tempo: 20 minutos
 Material: Caixa de fósforos, tampinha de garrafa PET, tampas de caneta, bolinhas de papel ou
bombons (uma para cada participante)

Desenvolvimento:
 Entregar a cada participante uma caixa de fósforos e verificar se o grupo sabe cantar a música
“Escravos de Jó” e se conhecem o jogo.
“Escravos de Jó
Jogavam caxangá
Tira, bota, deixa o Zambelê ficar
Guerreiros com Guerreiros
Fazem zig zig zá
Guerreiros com Guerreiros
Fazem Zig Zig Zá”
 Solicitar que formem um círculo com todos os participantes sentados. Informar que a atividade
consiste na passagem sequencial das caixas de fósforo para o companheiro da direita enquanto
cantam a música, seguindo o ritmo.
ATENÇÃO!
 No “tira bota”, a mão com a caixa deverá ser levantada e recolocada na mesa e ai ficar enquanto
cantam o verso “deixa o Zambelê ficar” e seguir adiante.
 No “Zig Zig Zá”, ir e voltar com as caixas, antes de continuar.
 O grupo terá 20’ para se organizar, treinar e fazer a apresentação que terá três momentos, em
que o grupo deverá:
- Cantar a música
- Murmurar a música
- Realizar a operação sem cantar, somente ouvindo a batida das caixas de fósforo.
Observação: A equipe permanece unida até concluir a tarefa.
Fechamento
Colocar a vivência em discussão, abordando os seguintes aspectos:
a) Como se sentiram ao desenvolver a vivência?
b) Todos conheciam o objetivo da tarefa?
c) Como o grupo se organizou para trabalhar?
d) Como foi o desenrolar do trabalho?
e) Houve dificuldades? Quais? Como tentaram resolver essas dificuldades?
f) Foram apresentadas sugestões?
Refletir sobre comunicação, compromisso com a equipe/ com o acerto do outro para que o trabalho
ocorra bem, conhecimento dos papéis de cada um, sem necessidade de explicitação (a música na cabeça,
sem cantar), harmonia, ritmo, identificação das lideranças, etc.
INTEGRAÇÃO
AULA TEMA Integração entre as unidades curriculares da Escola e o Mundo do
Trabalho I

21 OBJETIVOS
 Refletir com o grupo sobre a integração entre as unidades
curriculares da escola.
 Levar o grupo a compreender a importância das unidades
curriculares, em um contexto global.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor pergunta aos estudantes:
5’
 Quais os principais aprendizados obtidos na aula passada?
 Qual ou quais as unidades curriculares que acham mais importantes entre
todas as estudadas na escola?
Desenvolvimento 1
O professor escreve no quadro, no máximo, nove unidades curriculares da escola
(horizontalmente). Os estudantes, um a um, votam naquela que acham a mais
importante e justificam sua escolha. O professor escreve o nome do estudante
abaixo da unidade escolhida.
15’
Quando todos os estudantes votarem, o professor faz uma explanação da
importância de todas as unidades curriculares, reforçando que não tem uma mais
importante, mas que todas têm um papel essencial na vida de todos.
Nova provocação: onde essas unidades “se cruzam”? Como elas, em conjunto,
podem contribuir para a formação profissional?
Desenvolvimento 2
Atividade: Unidade Curricular em pauta
A turma é dividida em nove equipes e cada equipe fica com uma unidade curricular,
das listadas no quadro pelo professor. Os estudantes são agrupados pelas unidades
curriculares escolhidas na votação. Caso uma unidade curricular tenha muitos
20’
votos, o professor pode solicitar que os estudantes migrem para outra, de forma a
que as equipes fiquem com, no máximo, cinco estudantes.
Os estudantes conversam e apresentam para a turma suas reflexões, enfatizando
a importância da unidade curricular e da interdisciplinaridade, e sua repercussão
no mundo do trabalho.
Vivência: Entrevistando o professor.
Cada equipe fica responsável em procurar um professor e convidá-lo a participar
de uma entrevista.
Pergunta norteadora da entrevista:
 Qual a importância da sua unidade curricular para o mundo do trabalho?
5’ Cada grupo deve gravar um vídeo com o professor falando da importância da
unidade curricular para a formação integrada dos estudantes.
A gravação vai ser feita na hora do almoço ou no final do dia depois da aula.
Os vídeos serão apresentados na próxima aula.
Cada vídeo terá no máximo 03 minutos.
Os estudantes devem armazenar as gravações em pen drive.
Encerramento
5’ O professor pergunta: “Qual a percepção da atividade executada em sala e como
correlacioná-la com o mundo do trabalho?”
MATERIAL NECESSÁRIO ORIENTAÇÃO
 Pincel para quadro branco  Estudar o plano de aula
INTEGRAÇÃO
AULA Integração entre as unidades curriculares da Escola e o
TEMA
Mundo do Trabalho II

22 OBJETIVOS
 Refletir com o grupo sobre a integração entre as unidades
curriculares da escola.
 Levar o grupo a compreender a importância das unidades
curriculares, em um contexto global.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada.
5’ O professor pergunta aos estudantes qual a percepção das unidades
curriculares, após as gravações.

Desenvolvimento 1
30’ O professor solicita que um estudante por equipe entregue o material
gravado para iniciar as apresentações.
Encerramento
O professor lança as seguintes perguntas para a turma:
 Como foi a entrevista com o professor?
 Quais as dificuldades encontradas?
 A sua percepção sobre a importância das unidades curriculares
15’
mudou?
 Você considera que é possível a integração e a complementaridade
entre elas?
 Qual a influência destes conteúdos em seu cotidiano?

MATERIAL NECESSÁRIO ORIENTAÇÃO

 Kit multimídia (aparelho de som e data-  Solicitar o equipamento de multimídia


show) ou agendar a sala de vídeo para
realização da aula
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Trabalho em grupo

23 OBJETIVO
 Refletir com os estudantes sobre a importância das relações
positivas para a criação de um ambiente de convivência
saudável.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em nove equipes.
O professor fala que, na aula deste dia, o grupo vai conhecer dicas importantes
5’ para trabalhar em grupo.
O professor faz as seguintes indagações:
 Alguém já trabalhou em equipe?
 É fácil ou difícil? Por quê?
Desenvolvimento 1
15’ O professor promove uma leitura expositiva do texto: Convivência, contido no
Caderno do Estudante.
Desenvolvimento 2
O professor distribui os fragmentos do texto, “10 Dicas para se Trabalhar em
Grupo” e “Relacionamento Profissional Também Exige Esforço”, numerados para
10’
as equipes. Cada equipe deverá dialogar sobre o conteúdo e montar uma
apresentação simples. A distribuição dos textos pode ser feita conforme sugestão
em anexo.

Encerramento
20’
Apresentação das equipes (em média 4 minutos por equipe).

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Caderno do estudante  Estudar o plano de aula e textos


 Tarjetas com fragmentos dos textos  Impressão das tarjetas
Convivência 26

“Certo jovem estava passando por um povoado e, aproximando-se de um ancião, perguntou-lhe:


- Que tipo de pessoas vive neste lugar?
- Que tipo de pessoas vive no lugar de onde você vem? – perguntou o
ancião.
- Ah! De onde venho, as pessoas são egoístas, desonestas e mal-
intencionadas – replicou o rapaz – Estou satisfeito por ter deixado aquele
lugar.
E o velho respondeu:
- Sinto dizer, mas encontrará o mesmo tipo de pessoas aqui.
E o rapaz, desapontado, seguiu o seu caminho.
Naquele mesmo dia, outro jovem que passava por ali abordou o ancião e
perguntou-lhe:
- Meu senhor, bom dia. Pode me dizer que tipo de pessoas vive por aqui?
E o velho respondeu com a mesma pergunta:
- Que tipo de pessoas vive no lugar de onde você vem?
- Ah! Venho de um lugar onde as pessoas são amigas, honestas e hospitaleiras. Fiquei muito triste em
deixá-las.
- Que bom meu rapaz! O mesmo tipo de pessoas encontrará aqui!”

No ambiente corporativo, você já deve ter percebido que algumas pessoas reclamam de tudo e de todos;
nada está bom; tudo é culpa dos outros: da equipe, da empresa, do chefe, do governo, do clima, e assim
vai. O interessante é que essas pessoas, com o tempo, mudam de departamento ou até de empresa, e
no início tudo vai muito bem, contudo, com o passar do tempo, aos poucos, as coisas se tornam iguais
ou piores do que eram antes, levando-as a se perguntar: “Poxa, o que aconteceu? Estava tudo tão bom no início.
Porque as coisas ficaram ruins novamente?”.

A resposta é simples: Porque essas pessoas mudam de ambiente, mas não mudam o seu jeito de enxergar
as coisas, o seu modelo mental e, principalmente, não mudam o seu comportamento.

O ser humano é um ser relacional. Nós existimos para conviver (“viver com”), contudo, construir um
ambiente de trabalho agradável e trabalhar em equipe são os grandes desafios que encontramos em
nosso dia a dia, não é mesmo?

No tocante ao trabalho em equipe, existem basicamente dois tipos de profissionais: os que influenciam
e impactam o ambiente, e os que se deixam influenciar por ele. Pense bem: em qual desses dois grupos
você se encaixa?

Antes de reclamarmos da equipe, do ambiente de trabalho ou do clima organizacional, que tal fazer-nos
algumas perguntas importantes:

- Quanto eu contribuo para que o trabalho em equipe e o ambiente de trabalho sejam melhores?
- Eu influencio o ambiente, ou me deixo influenciar por ele?
- O que eu posso fazer para ajudar a melhorar o meu ambiente de trabalho?
Se você deseja que as coisas melhorem, em vez de reclamar, faça a sua parte. Parafraseando o que disse

26
Fonte: adaptado de texto disponível em http://www.blogdofabossi.com.br/2012/06/convivencia-trabalho-em-
equipe/. Acesso em: 20/12/2012
Gandhi27: “Seja a mudança que você quer ver no mundo”, uma dica:

“Seja a mudança que você quer ver em sua equipe e em seu ambiente de trabalho”. Comece a mudança
por você. Só assim ele vai melhorar

10 Dicas para Trabalhar em Grupo28


Camila Micheletti

Seja paciente - Nem sempre é fácil conciliar opiniões diversas, afinal "cada cabeça, uma sentença". Por
isso é importante que você seja paciente e pense antes de falar. Procure expor os seus pontos de vista
com moderação e ouça o que os outros têm a dizer. Respeite sempre os colegas, mesmo que não esteja
de acordo com as opiniões deles.

Aceite as ideias dos outros - Muitas vezes é difícil aceitar ideias novas ou admitir que não temos razão;
mas é importante saber reconhecer que a ideia de um colega pode ser melhor do que a nossa. Afinal de
contas, mais importante do que o nosso orgulho é o objetivo comum que o grupo pretende alcançar.

Não critique os colegas - Podem surgir conflitos entre os colegas de grupo, mas é muito importante não
deixar que isso interfira no trabalho. Avalie as ideias da pessoa, independentemente daquilo que achar
dela. Critique as ideias, nunca a pessoa.

Saiba dividir - Ao trabalhar em grupo, é importante dividir tarefas. Não parta do princípio de que é o
único que pode e sabe realizar uma determinada tarefa. Se isso fosse verdade, o trabalho não seria "em
grupo", seria individual, concorda? Partilhar responsabilidades e informação é fundamental para o
sucesso da equipe.

Trabalhe - Não é por trabalhar em grupo que você deve relaxar nas suas obrigações. Dividir tarefas é
uma coisa, deixar de trabalhar é outra completamente diferente. Colabore com a sua parte e verá o
resultado no final.

Seja participativo e solidário - Procure dar o melhor de si e ajude os seus


colegas sempre que necessário. Da mesma forma, você não deverá se
sentir constrangido quando também precisar de auxílio.

Dialogue - Quando você se sentir desconfortável com alguma situação ou


função que lhe tenha sido atribuída, é importante que explique o
problema, para que seja possível alcançar uma solução que agrade a todos e não sobrecarregue
ninguém.

Planeje - Quando várias pessoas trabalham em conjunto, é natural que alguns se dispersem; por isso o

27
Mahatma Gandhi (do sânscrito "Mahatma", "A Grande Alma") foi o idealizador e fundador do moderno Estado
indiano e o maior defensor do Satyagraha (princípio da não-agressão, forma não-violenta de protesto) como um meio de
revolução. O princípio do satyagraha, frequentemente traduzido como "o caminho da verdade" ou "a busca da verdade",
também inspirou gerações de ativistas democráticos e anti-racismo, incluindo Martin Luther King Jr. e Nelson Mandela.
Freqüentemente Gandhi afirmava a simplicidade de seus valores, derivados da crença tradicional hindu: verdade (satya) e
não-violência (ahimsa).
Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mahatma_Gandhi. Acesso em: 10.01.2013.

28
Fonte: Texto disponível em http://carreiras.empregos.com.br/carreira/administracao/comportamento/290304-
dicas_trabalho_grupo.shtm. Acesso em 20.12.2012.
planejamento e a organização são ferramentas importantes para que o trabalho de grupo seja eficiente
e eficaz. É importante fazer o balanço entre as metas a que o grupo se propôs e o que conseguiu alcançar
no tempo previsto.

Aceite a ideia do erro - Quando todas as barreiras já foram ultrapassadas e o grupo é muito coeso e
homogêneo, existe a possibilidade de se tornar resistente a mudanças e a opiniões discordantes. É
importante que a equipe ouça opiniões externas e que aceite a ideia de que pode errar.

Aproveite, afinal o trabalho em grupo acaba sendo uma boa oportunidade de conviver mais de perto
com os seus colegas, conhecê-los melhor e também de aprender com eles. Boa sorte!

Relacionamento Profissional Também Exige Esforço29


Stefi Maerker

 Entusiasmo: Uma pessoa feliz, simpática e com paixão pelo que faz transmite isso aos colegas e torna-
se uma grande companhia. Contagia as pessoas com seu otimismo e influenciará o outro a agir da
mesma forma, trazendo melhores resultados concretos para a empresa.
 Autoconsciência: É preciso conhecer-se bem e conhecer o outro, entender as suas razões e emoções
para poder identificá-las nos outros e lidar com elas de forma positiva.
 Atitude positiva: Acreditar no que você faz é meio caminho andado para o sucesso. Quem tem energia
positiva faz as coisas acontecerem e não se deixa desmotivar por pequenas adversidades.
 Comprometimento e lealdade: Você tem que ter admiração pela empresa e pelo companheiro de
trabalho, caso contrário, a parceria não funciona. Comprometimento significa conhecer a fundo o
negócio da empresa, o departamento, o chefe e sua forma de trabalho, podendo auxiliá-lo de forma
proativa e com iniciativa, pensando no impensado e fazendo antes que algo seja dito. Assim como
num casamento, esse item é crucial para a formação de uma base sólida para o relacionamento.
 Um “olho” para detalhes: Todo profissional deve ser detalhista e prover o chefe com o maior número
de informações possíveis. A relação fica melhor quando este pode dar, em troca, informações
significativas para uma atuação mais participativa e assertiva de sua equipe.
 Discrição e confiabilidade: Para haver transparência é necessário que haja a confiança de ambos os
lados de que tudo o que é discutido no escritório é confidencial e diz respeito apenas a quem está
envolvido no projeto.
 Comunicação aberta: Um canal de comunicação sincero, honesto, objetivo e claro é crucial para
qualquer relacionamento, especialmente o profissional, onde tempo significa negócios e dinheiro.
 Humildade: Para saber ouvir, saber pedir ajuda e saber reconhecer seus próprios erros.
 Serenidade: Para ultrapassar períodos de estresse e tensão, de grande volume de trabalho e
sobrecarga emocional em função de prazos e importância dos projetos.

29
Fonte: Texto disponível em http://carreiras.empregos.com.br/carreira/administracao/comportamento/140403-
relacionamento_stefi.shtm. Acesso 20.12.2012.
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 23: Trabalho em grupo

Professor, abaixo seguem os fragmentos textuais que serão distribuídos para as equipes conforme
plano de aula.

10 dicas para trabalhar em grupo


Camila Micheletti

EQUIPE 1
Seja paciente - Nem sempre é fácil conciliar opiniões diversas, afinal "cada cabeça, uma
sentença". Por isso é importante que você seja paciente e pense antes de falar. Procure
expor os seus pontos de vista com moderação e ouça o que os outros têm a dizer. Respeite
sempre os colegas, mesmo que não esteja de acordo com as opiniões deles.
Aceite as ideias dos outros - Muitas vezes é difícil aceitar ideias novas ou admitir que não
temos razão; mas é importante saber reconhecer que a ideia de um colega pode ser melhor
do que a nossa. Afinal de contas, mais importante do que o nosso orgulho é o objetivo
comum que o grupo pretende alcançar.
EQUIPE 2
Não critique os colegas - Podem surgir conflitos entre os colegas de grupo, mas é muito
importante não deixar que isso interfira no trabalho. Avalie as ideias da pessoa,
independentemente daquilo que achar dela. Critique as ideias, nunca a pessoa.
Saiba dividir - Ao trabalhar em grupo, é importante dividir tarefas. Não parta do princípio
de que é o único que pode e sabe realizar uma determinada tarefa. Se isso fosse verdade,
o trabalho não seria "em grupo", seria individual, concorda? Partilhar responsabilidades e
informação é fundamental para o sucesso da equipe.
EQUIPE 3
Trabalhe - Não é por trabalhar em grupo que você deve relaxar nas suas obrigações. Dividir
tarefas é uma coisa, deixar de trabalhar é outra completamente diferente. Colabore com a
sua parte e verá o resultado no final.
Seja participativo e solidário - Procure dar o melhor de si e ajude os seus colegas sempre
que necessário. Da mesma forma, você não deverá se sentir constrangido quando também
precisar de auxílio.
EQUIPE 4
Dialogue - Quando você se sentir desconfortável com alguma situação ou função que lhe tenha
sido atribuída, é importante que explique o problema, para que seja possível alcançar uma
solução que agrade a todos e não sobrecarregue ninguém.
Planeje - Quando várias pessoas trabalham em conjunto, é natural que alguns se dispersem;
por isso o planejamento e a organização são ferramentas importantes para que o trabalho de
grupo seja eficiente e eficaz. É importante fazer o balanço entre as metas a que o grupo se
propôs e o que conseguiu alcançar no tempo previsto.

EQUIPE 5
Aceite a ideia do erro - Quando todas as barreiras já foram ultrapassadas e o grupo é muito
coeso e homogêneo, existe a possibilidade de se tornar resistente a mudanças e a opiniões
discordantes. É importante que a equipe ouça opiniões externas e que aceite a ideia de que
pode errar.
Aproveite -, afinal o trabalho em grupo acaba sendo uma boa oportunidade de conviver mais
de perto com os seus colegas, conhecê-los melhor e também de aprender com eles. Boa sorte!

Relacionamento profissional também exige esforço (por Stefi Maerker)

EQUIPE 6
Entusiasmo: Uma pessoa feliz, simpática e com paixão pelo que faz transmite isso aos colegas e
torna-se uma grande companhia. Contagia as pessoas com seu otimismo e influenciará o outro
a agir da mesma forma, trazendo melhores resultados concretos para a empresa.
Autoconsciência: É preciso conhecer-se bem e conhecer o outro, entender as suas razões e
emoções para poder identificá-las nos outros e lidar com elas de forma positiva.

EQUIPE 7
Atitude positiva: Acreditar no que você faz é meio caminho andado para o sucesso. Quem tem
energia positiva faz as coisas acontecerem e não se deixa desmotivar por pequenas adversidades.
Comprometimento e lealdade: Você tem que ter admiração pela empresa e pelo companheiro
de trabalho, caso contrário, a parceria não funciona. Comprometimento significa conhecer a
fundo o negócio da empresa, o departamento, o chefe e sua forma de trabalho, podendo auxiliá-
lo de forma proativa e com iniciativa, pensando no impensado e fazendo antes que algo seja dito.
Assim como num casamento, esse item é crucial para a formação de uma base sólida para o
relacionamento.

EQUIPE 8
Um “olho” para detalhes: Todo profissional deve ser detalhista e prover o chefe com o maior
número de informações possíveis. A relação fica melhor quando este pode dar, em troca,
informações significativas para uma atuação mais participativa e assertiva de sua equipe.
Discrição e confiabilidade: Para haver transparência é necessário que haja a confiança de ambos
os lados de que tudo que é discutido no escritório é confidencial e diz respeito apenas a quem
está envolvido no projeto.
EQUIPE 9
Comunicação aberta: Um canal de comunicação sincero, honesto, objetivo e claro é crucial para
qualquer relacionamento, especialmente o profissional, onde tempo significa negócios e
dinheiro.
Humildade: Para saber ouvir, saber pedir ajuda e saber reconhecer seus próprios erros.
Serenidade: Para ultrapassar períodos de estresse e tensão, de grande volume de trabalho e
sobrecarga emocional em função de prazos e importância dos projetos.
INTEGRAÇÃO
AULA TEMA
Dinâmica de Grupo I

24 OBJETIVOS
 Discutir o que é atividade de grupo, qual a sua utilidade e
porque é tão utilizada nos processos seletivos.
 Orientar os estudantes sobre como agir em uma atividade de
grupo.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada
O professor ressalta que a convivência em grupo é muito importante, inclusive
em processos seletivos onde o recrutador faz dinâmicas, envolvendo o trabalho
em equipe.
5’ O professor provoca os estudantes:
 Como você se sente ao ser chamado a participar de uma dinâmica de
grupo?
 Os que participaram, conseguiram entender a razão e o objetivo da
atividade desenvolvida?
 Qual a relação entre dinâmica de grupo e mundo do trabalho?

Desenvolvimento
O professor realiza a leitura do primeiro parágrafo do texto “Cinco Dicas Essenciais
para Dinâmicas de Grupo”, contido no Caderno do Estudante e, em seguida,
divide a sala em cinco equipes. Distribui o conjunto de letras correspondentes
a cada palavra geradora (autenticidade, participação efetiva, postura,
40’ comunicação e atenção) – 10 minutos.
Cada equipe, após formar cada palavra, deve discutir sobre a relação que existe
entre as características da palavra e as dinâmicas de grupo – 05 minutos.
Após a discussão, o professor solicita que as equipes leiam o referido texto no
Caderno do Estudante e, em seguida, apresentam sua percepção acerca do
conteúdo integral do texto e a discussão realizada inicialmente – 25 minutos.

Encerramento
Vivência do repolho - Nesta atividade, o professor imprime cada um dos tópic
os abaixo em uma folha de ofício. Após as folhas impressas na ordem, amassá-
las e ir envolvendo uma folha sobre a outra, de modo a construir um “repolho
”. Escrever cada um dos comandos abaixo na ordem de dentro para fora:
1. Parabéns! Você acaba de participar de uma dinâmica de grupo!
2. Pule dois colegas à direita!
5’
3. Que atividades envolvem dinâmicas de grupo?
4. Por que ter atenção é importante em uma dinâmica de grupo?
5. Seja gentil e passe a vez!
6. Volte para o seu colega gentil!
7. O que você entende por autenticidade?
8. Jogue o repolho para alguém do grupo!

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES


 Caderno do estudante
 Letras das 05 palavras geradoras
 Estudar o assunto previamente
 Folhas com os comandos para atividade do
repolho
Cinco Dicas Essenciais para Dinâmicas de Grupo30

Em um processo de recrutamento e seleção, o momento da interação e desenvolvimento de atividades


entre os candidatos pode ser considerado vital. O profissional pode ganhar muitos pontos, como
também pode findar seu destino quanto à vaga almejada, dependendo do seu desempenho.
Conversamos com especialistas no assunto que indicam comportamentos e atitudes ideais para se dar
bem nas dinâmicas. Confira!

1 - Autenticidade:
“O candidato deve procurar ser ele mesmo. Não é o que fala mais na dinâmica que provavelmente se
destacará. O profissional deve se comportar naturalmente, como ele agiria se estivesse em uma
situação de trabalho normal. Tentar se moldar de maneira forçada no perfil da vaga ou empresa
também não funciona, pois a verdade aparecerá depois”, aponta Jonas Kafka – diretor da Holden,
consultoria de RH.

2 - Participação efetiva:
“Os recrutadores esperam que o candidato seja participativo. Ele deve tentar colaborar com o grupo e
contribuir com o bom andamento da dinâmica. Nas atividades, mostrar confiança e seguir exatamente
o que foi sugerido é o mais adequado”, relata Jonas.

3 - Postura:
“O candidato precisa chegar no horário agendado, sem atrasos e saber quem deve procurar. Usar
roupas sociais e discretas, desligar o telefone celular ou qualquer outro aparelho eletrônico que possa
interferir. Evitar ficar de braços cruzados ou sentado com o corpo inclinado para trás, o que pode
demonstrar falta de interesse. Não falar mal de antigos chefes e/ou empresas”, indica Daniella Correa,
consultora de Recursos Humanos da Catho Online.

4 - Comunicação:
“O candidato deve ter muito cuidado com o vocabulário e evitar gírias, erros de pronúncia e palavrões.
Deve ser objetivo e claro, evitar falar alto ou baixo demais”, alerta Daniella.

5 - Atenção:
“Como o candidato não sabe quais serão as características a serem examinadas, a questão não é se
destacar ou não, mas obviamente manifestar as características desejadas no processo, e ser objetivo e
atencioso na abordagem do assunto e das pessoas”, conta Mariá Giuliese, diretora executiva da Lens &
Minarelli, consultoria especializada em outplacement* e aconselhamento de carreira.

*Outplacement não é um termo tão novo assim. Criado na década de 60, nos Estados Unidos, como uma
ferramenta em Recursos Humanos para auxiliar cientistas e engenheiros demitidos devido à crise no setor
aeroespacial e de eletroeletrônicos, em busca de recolocação no mercado de trabalho.

30
Fonte: http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/dicas-emprego/cinco-dicas-essenciais-para-
dinamicas-de-grupo Data de acesso: 16.03.2013
O método chegou ao Brasil em meados da década de 80. Já em 90, o país recebeu as primeiras empresas
especialistas no assunto. Atualmente o processo é conhecido e utilizado pelas grandes organizações para
diminuir os impactos nas demissões de executivos.

http://www.ibccoaching.com.br/tudo-sobre-coaching/o-que-e-outplacement-e-como-o-coaching-pode-ajudar/
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Dinâmica de Grupo II

25 OBJETIVOS
 Discutir o que é atividade de grupo, qual a sua utilidade e porque
é tão utilizada nos processos seletivos.
 Orientar os estudantes sobre como agir em uma atividade de
grupo.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor provoca os estudantes:
5’  Vocês recordam das posturas adequadas para participantes em dinâmicas de
grupo, voltadas para processos seletivos?
 E se realizássemos agora uma outra dinâmica de grupo?
O professor solicita 14 voluntários para a realização da atividade.
Desenvolvimento
Vivência: Script inovador. (Não ler objetivo e instruções para o estudante. Ao invés,
criar um clima de expectativa para a realização do desafio)
Professor, o objetivo desta atividade é:
- Analisar a fluência verbal, organização de ideias, criatividade, flexibilidade, persuasão,
adaptabilidade e objetividade.
Instruções da atividade:
 Confeccionar cartões que deverão conter situações de venda (cor azul, 1 a 7) e compra
(cor verde 8 a 14). Sempre haverá uma dramatização de dois estudantes que estarão
com cartões relacionados, conforme tabela abaixo: 1 e 8; 2 e 9; 3 ...
 Explicação à turma: o grupo vai participar de situações de compra e venda e terão
que se esforçar na argumentação. Cada voluntário tira um cartão, que vai definir seu
papel na dinâmica. O professor explica que cada número, referente ao “Vendedor”,
tem um correspondente como “Comprador”. Fala então, que as correspondências
20’ são: 1 e 8; 2 e 9; 3 e 10 ...
Observação: Os estudantes não irão combinar a dramatização. Ela será improvisada a
partir da convocação da dupla, pelo professor, à frente. Professor inicia a chamada das
duplas.
Vendedor Comprador
1 - Cirurgia plástica 8 - Sou modelo
2 - Carne Bovina 9 - Sou vegetariano
3 - Internet gratuita 10 - Não tenho computador
4 - Plano odontológico 11 - Sou dentista
12 - Só uso internet, onde tudo está em
5 - Assinatura de jornais
tempo real
6- Gatos de estimação 13 – Sou alérgico(a) a pelos de gato
7- Geladeira 14 – Moro na Antártida
Cada dupla terá 4 minutos para a dramatização e o restante da turma ficará observando
as situações propostas.
Encerramento: O professor, em círculo, pergunta a turma o que eles perceberam da
atividade: “Qual o objetivo desta dinâmica? Quais comportamentos e atitudes podem
25’ ser analisados em uma atividade como essa?”.
Lembrar que toda dinâmica de grupo deve ter um desfecho, pois ela tem, claramente,
um objetivo implícito.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Caderno do estudante  Preparar os cartões com as situações
 Cartões com as situações  Estudar o assunto previamente
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Missão, Visão e Valores das Empresas I

26 OBJETIVOS
 Apresentar os conceitos de missão, visão e valores.
 Refletir com o grupo acerca da missão e da visão de uma empresa.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor informa que na aula os estudantes irão conhecer novos conceitos que as
empresas usam muito no seu dia a dia.
10’
O professor provoca os estudantes sobre os temas:
 Alguém já ouviu falar em Missão? O que significa a Missão de uma empresa?
 E a Visão de uma empresa?
 O que são Valores? Será que as empresas têm seus valores?
Desenvolvimento 1
O professor promove uma leitura expositiva do texto: Missão e Visão de Futuro.
15’ Contido no Caderno do Estudante.
O professor explica como se constrói uma missão e mostra exemplos.
Observação: Lembrar que a missão e a visão devem iniciar com verbos no infinitivo.
Desenvolvimento 2
O professor inicia uma história com uma empresa de um ramo de atividade qualquer.
(Sugestão: “Cydinha tem um sonho: criar uma empresa de sabonete. Ela quer
elaborar a missão, visão e valores e não sabe como fazer, mas sua filha assistiu à aula
20’ de Mundo do Trabalho e ajudou a mãe nessa empreitada. Pensem agora que todos
vocês são os filhos da Cydinha e tem que ajudá-la. Vamos começar?”).
O professor lança no quadro as perguntas contidas no texto Missão e Visão de
Futuro, referente a esse plano de aula. Solicita que os estudantes comecem a montar
a missão, visão e valores desta empresa coletivamente.
Encerramento
5’ O professor solicita que alguns estudantes avaliem a aula com suas reflexões acerca
do aprendizado.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Estudar o texto “Missão e Visão de Futuro”
 Pincel para quadro branco  Pesquisar outros textos e orientações quanto a
 Caderno do estudante esse tema (Missão/Visão)
 Verificar o plano de aula
MISSÃO E VISÃO DE FUTURO31
Os contratos sociais ou os estatutos de uma empresa costumam indicar quem é o seu responsável, qual
o seu objetivo, quanto de dinheiro está sendo aplicado e por quem, além do objetivo social, o ramo de
atividade e de que forma serão aplicados os resultados financeiros. Isso basta? Modernamente, não.

O ideal seria que, antes de iniciar suas atividades, os responsáveis pelas empresas pudessem definir
também a Missão e a Visão de Futuro da organização – dois passos muito importantes na definição das
estratégias de atuação da empresa e na realização do planejamento de longo prazo.

Na realidade, entretanto, somente depois de passado algum tempo de vida das empresas é que seus
responsáveis retrocedem e reconhecem a necessidade de formalizar essas definições, tornando mais
claro, tanto para os gestores como para os funcionários, a razão de ser da instituição, o que buscar na
realização de suas atividades e para onde seguir.

O que é a missão de uma empresa?


É o que a empresa quer fazer, para quem vai fazer e como vai fazer.
Basicamente, a missão é o indicador das responsabilidades de todos os envolvidos.
Exemplos de missão
O site www.strategia.com.br diz que, ao redigir a missão de uma organização, deve-se partir das
seguintes perguntas:
- O que a empresa deve fazer?
- Para quem deve fazer?
- Para que deve fazer?
- Como deve fazer?
- Onde deve fazer?
- Qual responsabilidade social deve ter?

O mesmo site traz exemplos de missão de algumas empresas bastante conhecidas.


Leia e compreenda:
"Servir alimentos de qualidade, com rapidez e simpatia, num ambiente limpo e agradável." (McDonald’s)

"Propiciar à sociedade serviços de telecomunicações adequados ao seu desenvolvimento político e econômico e ao bem-estar
social." (Sistema Telebrás)

"Nossa missão é atender às necessidades de transporte de nossos clientes, aprimorando nossos produtos e serviços,
prosperando com a empresa e proporcionando retorno aos acionistas. " (Ford)

Veja que, por mais ambiciosa que seja a missão, a redação é concisa e define as intenções da empresa
de forma bem objetiva e direta. Nem todas as empresas têm sua missão definida.

"Uma empresa não se define pelo seu nome, estatuto ou produto que faz; ela se define pela sua missão. Somente uma
definição clara da missão é razão de existir da organização e torna possíveis, claros e realistas os objetivos da empresa. "
Peter Drucker32

31
Geraci Mello, advogada, auditora da Receita Federal, educadora e integrante da equipe do Instituto Aliança até 2012.
32 Peter Drucker: escritor, professor e consultor administrativo de origem austríaca, considerado como o pai
da administração moderna.
VISÃO DE FUTURO

Visão de futuro é o que a empresa quer atingir com suas atividades – aonde ela quer chegar e pelo que
trabalha.

“O enunciado da visão deve conter tanto a aspiração como a inspiração. A aspiração de tornar-se ‘algo’,
e a inspiração porque esse ‘algo’ deve merecer e valer a pena ser concretizado; deve-se sentir orgulho
em participar da construção dessa visão. Ou seja, deve ter luz suficiente (inspiração) para apontar o
caminho que leva à concretização da aspiração”, como diz Alan Weiss.33

“A visão precisa ser prática, realista e visível (nós não alcançamos aquilo que nós não vemos), pois não
passará de uma mera alucinação se ela sugerir ou propuser resultados inatingíveis.”

Exemplos de visão:
 Fiat
Estar entre as principais montadoras do mercado e ser referência de excelência em produtos e serviços
automobilísticos.
 HSBC
Ser o melhor grupo financeiro do Brasil em geração de valor para clientes, acionistas e colaboradores.

VALORES34

Os valores incidem nas convicções que fundamentam as escolhas por um modo de conduta, tanto de
um indivíduo quanto em uma organização. Richard Barrett, ex-diretor do Banco Mundial, declara que
em uma organização os valores “dizem” e os comportamentos “fazem”. Assim sendo, os valores
organizacionais podem ser definidos como princípios que guiam a vida da organização, tendo um papel
tanto de atender seus objetivos quanto de atender às necessidades de todos aqueles à sua volta.

Algumas definições:
“Uma crença que orienta julgamentos e ações por meio de objetivos específicos e imediatos”.
(Rokeach).
“Desejáveis... metas... que operam como princípios que orientam a vida de uma pessoa”. (Schwartz).
“Princípios que guiam a vida da organização”. (Tamayo e Mendes).

Exemplos de valores:
 Fiat
Satisfação do cliente
Ele é a razão da existência de qualquer negócio.
Valorização e respeito às pessoas
São as pessoas o grande diferencial que torna tudo possível.
Atuar como parte integrante do Grupo Fiat
Juntos nossa marca fica muito mais forte.

33
Alan Weiss: consultor empresarial com desenvolvimento de tecnologias em pessoas e em liderança.
Fonte: Disponível em: http://managementconsultingnews.com/article-alan-weiss-28/ Acesso em: 11.01.2013.
34
Fonte: Texto disponível em http://www.infoescola.com/administracao_/missao-visao-e-valores-os-principios-
essenciais/. Acesso em 14/04/2013.
Responsabilidade social
É a única forma de crescer em uma sociedade mais justa.
Respeito ao Meio Ambiente
É isso que nos dá a perspectiva do amanhã.

 HSBC
Nossa conduta deve refletir os mais altos padrões de ética;
Nossa comunicação deve ser clara e precisa;
Nosso gerenciamento deve ser em equipe, consistente e focado;
Nosso relacionamento com clientes e colaboradores deve ser transparente e baseado na
responsabilidade e confiança entre as partes.
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Missão, visão e valores das empresas II

27 OBJETIVOS
Orientar os estudantes a:
 Construir uma missão.
 Elaborar uma visão.
 Elencar valores.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a turma em oito equipes de cinco
5’ estudantes.
Em seguida, provoca uma chuva de ideias para lembrar e reforçar conceitos
da aula anterior.
Desenvolvimento
O professor solicita que as equipes criem uma empresa. Em seguida, pede
que desenvolvam a Missão, a Visão e os Valores dessa empresa.
20’ O professor deve transitar pelas equipes analisando e orientando os
trabalhos.
Observação: Professor, verificar detalhes, tais como os verbos no infinitivo
para missão e visão da empresa; e a pertinência dos enunciados.
Encerramento
25’ Apresentação das equipes (em média 3 minutos por equipe).

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÃO


 Estudo prévio do plano de aula
 Estudo aprofundado do significado de
 Caderno do estudante
Missão, Visão, Valores, de forma a
 Folha de papel ofício
orientar, com segurança, o trabalho em
equipe.
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Noções de organograma I

28 OBJETIVOS
Orientar os estudantes a:
 Visualizar uma estrutura organizacional.
 Entender as funções e atribuições de uma estrutura organizacional.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor fortalece que as empresas precisam de uma Missão, Visão e Valores para
5’ um planejamento futuro, mas lembra aos estudantes que as empresas precisam se
estruturar e organizar as pessoas que nela trabalham.
Pergunta, então, aos estudantes:
 O que primeiro vem na mente, quando escutam falar a palavra organograma?
Desenvolvimento 1
5’ O professor promove uma leitura expositiva do texto: “Noções de Organograma”.
Contido no Caderno do Estudante.
Desenvolvimento 2
O professor solicita que os estudantes pensem sobre a estrutura organizacional da
escola ou de vendas.
Sugestão: criar uma empresa que trabalha com o curso técnico específico da turma
(ex: Enfermagem, Segurança no Trabalho, Mecatrônica, etc.).
Em seguida, o professor faz um desenho de um organograma com fita adesiva (pode
utilizar cartolinas para representarem as caixas com as funções do organograma
proposto abaixo) no centro da sala; e convida seis estudantes para serem os
funcionários da empresa. Cada um irá falar um pouco da sua função.

35’ O professor faz a provocação aos estudantes: o que vocês


Diretor acham que o gerente geral faz? Será que ele visa contrata
ções estratégicas?
E o gerente de vendas e o gerente administrativo são imp
Gerente Gerente ortantes? Por quê? O que eles fazem?
de vendas Adm.
E o vendedor, o operador de caixa e o auxiliar administr
ativo são importantes? Qual o objetivo deles? São contrat
Op. Caixa Vendedor Aux. Adm. ados por quê?
Observando esse organograma de baixo para cima e cima
para baixo, qual sua parte mais importante?
O professor finaliza dizendo que todos os setores são imp
ortantes, cada um tem um papel a ser desenvolvido com e
xcelência.

Encerramento
O professor solicita que três estudantes avaliem a aula com uma palavra.
5’
Sugestão: O professor propõe uma pesquisa sobre outros modelos de organograma
para a próxima aula.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÃO
 Fita adesiva
 Cartolinas (com tarjetas centrais  Estudar o assunto previamente
contendo o nome da função) - opcional  Ler o texto “Noções de Organograma”
 Caderno do estudante
Noções de Organograma35

Organograma é um gráfico que representa a estrutura formal de uma organização. Credita-se a criação
dos primeiros organogramas ao norte-americano Daniel C. McCallum, administrador de ferrovias, no ano
de 1856.
Os organogramas mostram como estão dispostas unidades funcionais, a hierarquia e as relações de
comunicação existentes entre estes.
Os órgãos são unidades administrativas com funções bem definidas. Exemplos de órgãos: Tesouraria,
Departamento de Compras, Portaria, Biblioteca, Setor de Produção, Gerência Administrativa, Diretoria
Técnica, Secretaria, etc. Os órgãos possuem um responsável, cujo cargo pode ser chefe, supervisor,
gerente, coordenador, diretor, secretário, governador, presidente, etc. Normalmente tem colaboradores
(funcionários) e espaço físico definido.

Imagem:googleimagens

35
Fonte: Texto disponível em http://pt.scribd.com/doc/20116692/Organograma-e-um-grafico-que-representa-a-
estrutura-formal-de-uma-organizacao. Acesso em: 12.12.2012.
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Noções de organograma II

29 OBJETIVOS
Orientar os estudantes a:
 Visualizar uma estrutura organizacional.
 Entender as funções e atribuições de
organizacional.
uma estrutura

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em oito equipes – as mesmas
equipes da aula 26.
Faz, então, com os estudantes uma reflexão sobre a aula anterior, a respeito da
5’
importância de um organograma.
Solicita retorno sobre outros modelos de organograma encontrados.
O professor leva impresso outros tipos de organograma e faz uma breve ilustração
no quadro branco.
Desenvolvimento 1
15’ O professor promove uma leitura expositiva do texto: Níveis hierárquicos. Contido
no Caderno do Estudante.

Desenvolvimento 2
25’ Os estudantes constroem o organograma das empresas criadas pelas equipes na
aula 26.

Encerramento
O professor solicita aos estudantes que avaliem o grau de dificuldade em construir
5’
o organograma e como eles percebem a importância para a empresa.

MATERIAL NECESSÁRIO ORIENTAÇÃO

 Caderno do estudante  Estudar o assunto previamente


Níveis Hierárquicos 36

Qualquer organização, independentemente do tamanho de sua operação, faturamento ou número de


colaboradores, possui três níveis hierárquicos:

 Nível Estratégico
Este é o nível onde são criados os fundamentos estratégicos da organização (como missão, visão, valores,
crenças) e são traçados os objetivos estratégicos a curto, médio e longo prazo.

A metáfora do maestro é excelente para descrever a principal atribuição das pessoas que possuem
funções neste nível, a de reger toda a orquestra para a consecução de seus objetivos previamente
traçados e de acordo com os interesses dos acionistas/sócios. Sua principal ferramenta é o planejamento
estratégico; e a visão sistêmica e de futuro são competências essenciais para sua boa gestão.

No mundo empresarial contemporâneo, entendo que é exatamente um meio para alcançar os objetivos,
um processo formal de planejamento do futuro, buscando a análise e a antecipação do mercado,
gerando uma aprendizagem empresarial na busca de uma liderança visionária, promovendo uma
configuração, transformação e renovação em todos os níveis hierárquicos.

Cabe ao nível estratégico prover os recursos necessários para que os níveis tático e operacional possam
cumprir com eficiência e eficácia suas devidas atribuições, processos e criar as condições necessárias
para que as pessoas envolvidas desenvolvam as competências técnicas e comportamentais inerentes a
cada função.

 Nível Tático
Neste nível, entra a figura dos gerentes, coordenadores, supervisores e demais funções. Este nível tem
como objetivo principal o desdobramento da estratégia, ou seja, de como será realizado o caminho para
a consecução dos objetivos estratégicos (já estabelecidos no nível acima), utilizando de forma eficiente
(cumprindo os processos) e eficaz (atingindo os objetivos), desdobrando-os em metas específicas para
suas áreas e liderados.

Aqui, a palavra administrador é mais adequada. De acordo com cada função que o colaborador exerce,
ele será o administrador (e responsável) de uma área, equipe, projeto, etc.

 Nível Operacional
Para cumprir a estratégia traçada (desdobrando-a) e alcançar os objetivos almejados, é necessário que
pessoas "coloquem a mão na massa", ou seja, cumpram de forma eficiente e eficaz cada uma das
atividades que lhes for atribuída. Por exemplo, um vendedor precisa prospectar um numero "x" de
clientes por dia, fazer "y" visitas, acompanhar os processos de vendas, preencher tais relatórios, etc.

36
Fonte: Texto disponível em http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/a-estrategia-nos-niveis-estrategico-tatico-e-
operacional/66615/ Acesso: 31.03.2013.
É interessante pensarmos na figura de uma pirâmide para representar esta estrutura, bem como sua hierarquia, seus
principais questionamentos, ferramentas e figuras (papeis, funções) para cada um dos níveis:
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Setores, cargos e funções

30 Orientar os estudantes a:
OBJETIVOS  Visualizar uma estrutura organizacional.
 Entender as funções e atribuições de uma estrutura organizacional.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor solicita que os estudantes relembrem o que vivenciaram na aula passada
5’ e informa que na aula do dia conhecerão mais sobre estrutura organizacional.
O professor pergunta:
 Que relação existe entre a forma de pensar a organização e a forma como ela se
estrutura?
Desenvolvimento 1
O professor promove uma leitura expositiva do texto: “Conceito de Estrutura
Organizacional”. Contido no Caderno do Estudante.
15’
Sempre após cada parágrafo, o professor faz a provocação para a participação dos
estudantes, perguntando a opinião deles a respeito do que foi lido. Caso ninguém
fale, o professor faz as considerações.
Desenvolvimento 2
Atividade: Funções x Atribuições
Com as tarjetas impressas das funções e atribuições, o professor oferece aos
estudantes as tarjetas das funções. Em seguida, cada estudante fala um pouco do que
acha que aquela função representa. À medida que o estudante fizer sua contribuição,
a tarjeta da função deve ser afixada no quadro branco (o professor pede dois
25’
voluntários para ajudar). Quando todos os estudantes comentarem as funções, o
professor ofertará as tarjetas das atribuições, e cada estudante irá ler e associar a
atribuição ao setor (o professor pede que os dois voluntários continuem afixando as
tarjetas no quadro branco).
O professor pode fazer contribuições, caso perceba que os estudantes se esqueceram
de pontuar alguma coisa.
Encerramento
Avaliação do aprendizado:
5’ O professor solicita que os estudantes, no máximo quatro, com uma palavra ou frase,
comentem o que aprenderam nessa aula.

MATERIAL NECESSÁRIO ORIENTAÇÕES

 Tarjetas com funções e atribuições  Estudar o assunto previamente


em duas cores  Imprimir as tarjetas
Estrutura Organizacional37

A estrutura organizacional constitui o elo de ligação entre as orientações estratégicas da organização e


a sua forma de atuação no mercado e pode ser definida como: a forma como a autoridade é atribuída
através das relações de dependência hierárquica e de cooperação; a forma como as atividades são
especificadas e distribuídas; e ainda a forma como são estabelecidos os sistemas de comunicação no
interior das organizações. Pode ser dividida em:
 macroestrutura (relacionada com a totalidade das divisões da organização) e
 microestrutura (relacionada com a organização das atividades dentro de uma divisão).

Para melhor compreender o conceito de estrutura organizacional e as relações por ela estabelecidas é
conveniente abordar alguns conceitos fundamentais, como autoridade, responsabilidade e delegação.

O conceito de autoridade está relacionado com o conceito de hierarquia e corresponde ao poder de


comandar os outros e levá-los a agir da forma desejada; e constitui a base para a responsabilidade. É,
portanto, uma relação de poder que se estabelece de superior para subordinado.

O termo responsabilidade designa a obrigação de um subordinado cumprir um dever que lhe foi
designado e de responder, perante o seu superior, pelas suas próprias ações; resulta da relação
de hierarquia existente entre superior e subordinado, considerando-se o fato do primeiro ter
a autoridade formal de exigir serviços específicos ao outro. Desta forma, ao contrário da autoridade, a
responsabilidade estabelece-se no sentido subordinado - superior.

A delegação representa a transferência de determinado nível de autoridade de um superior para um


subordinado ou conjunto de subordinados.

FIQUE LIGADO!
A partir da compreensão destes conceitos, vamos ver como as funções e atribuições em uma
empresa se relacionam?

37
Fonte: Compilação de textos disponíveis em:
http://www.knoow.net/cienceconempr/gestao/estruturaorganizacional.htm
http://www.knoow.net/cienceconempr/gestao/autoridade.htm
http://www.knoow.net/cienceconempr/gestao/responsabilidade.htm
http://www.knoow.net/cienceconempr/gestao/delegacao.htm
Acesso: 31.03.2013.
Algumas funções e atribuições de uma empresa

DIRETORIA
Órgão colegiado, formado por gestores de diferentes áreas, a quem é delegada a responsabilidade de,
conjuntamente, gerir uma sociedade anônima ou outro tipo de sociedade.

TESOURARIA
Setor onde se administram valores, incluindo a administração de contas bancárias e o controle de
entrada e saída de dinheiro de uma empresa.

CAIXA
Setor encarregado de pagamentos e recebimentos de contas e haveres.

CADASTRO
Setor que mantém o registro de informações sobre clientes e/ou fornecedores de uma empresa, a
partir das quais analisa a capacidade de compra e pagamento, recomendando ou não a realização de
uma venda.

CONTABILIDADE
Setor que registra todas as ações e operações realizadas por uma empresa e os respectivos
documentos fiscais e legais comprobatórios, organiza a escrituração das receitas e das despesas,
realiza o balanço periódico e analisa os resultados.

CUSTOS
Despesas ou desembolsos feitos por uma pessoa ou firma para realizar determinada tarefa.
São gastos com a realização de uma ou várias operações e que constituem, na maior parte dos
casos, os encargos de operações.

FATURAMENTO
Setor responsável pela emissão das notas fiscais de venda de produtos de uma empresa.

MANUTENÇÃO
Setor encarregado da conservação do patrimônio de uma empresa, incluindo instalações
físicas, mobiliário, veículos, ferramentas, máquinas e equipamentos.

SERVIÇOS GERAIS
Englobam todas as atividades não especializadas, como limpeza e pequenos serviços de
suporte administrativo.

COMPRAS
Setor encarregado de adquirir todos os suprimentos para consumo da empresa, incluindo
material de expediente, gêneros alimentícios (se for o caso), insumos, material de embalagem,
peças de reposição, itens de mobiliário, etc. Normalmente a compra de matérias-primas não
é da alçada do setor de compras, pois envolve conhecimento específico dos produtos e do
mercado.
ALMOXARIFADO
Setor encarregado da guarda e movimentação dos estoques de bens de consumo da empresa.
As empresas maiores não misturam bens de consumo com produtos acabados, cujo estoque
e a respectiva movimentação ficam a cargo de outro setor.

VENDAS
Setor encarregado de garantir a colocação do produto da empresa no mercado, podendo
traçar as estratégias e políticas necessárias ao incremento do faturamento. Suas atribuições
podem ou não incluir ações nas áreas de propaganda, dependendo do porte e da estrutura da
empresa.

RECURSOS HUMANOS
Setor encarregado de recrutamento, admissão, administração e demissão de pessoal, bem
como de estabelecer políticas de boa convivência entre os funcionários e estabelecer a
intermediação entre empregado e empregador.

MARKETING
Setor ou pessoa da empresa ou contratada para estudar o mercado e o comportamento do
consumidor, com vistas a estabelecer estratégias de venda ou de desenvolvimento de
produtos.

PRODUÇÃO
Setor responsável por todos os estágios de produção de um bem ou serviço, incluindo análise
da qualidade das matérias-primas e insumos, seu armazenamento, manipulação e utilização
do processo de industrialização, até a qualidade do produto acabado.

CONTROLE DE QUALIDADE
Sistema de monitoramento e definição de padrões e processos, com vistas a garantir a
excelência de um produto ou serviço final.

ASSEMBLÉIA GERAL
É uma reunião de sócios de uma organização, com direito a voto, que, quando se constitui,
tem poder de tomar decisões importantes para a gestão e o destino das sociedades.

SECRETARIA
Setor responsável pelo expediente da empresa, incluindo recepção, contatos presenciais e
telefônicos, expedição e organização de correspondência e arquivo, entrevistas e
assessoramento ao gestor da empresa.

CONSELHO FISCAL
Órgão colegiado, eleito em Assembleia Geral, e que exerce função de assessoria, analisando
as contas da Diretoria e encaminhando relatório à Assembleia sobre a situação da sociedade,
para subsidiar as decisões.
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 30: Funções e atribuições de uma empresa

DIRETORIA
Órgão colegiado, formado por gestores de
diferentes áreas, a quem é delegada a
responsabilidade de, conjuntamente, gerir uma
sociedade anônima ou outro tipo de sociedade.

TESOURARIA
Setor onde se administram valores, incluindo a
administração de contas bancárias e o controle
de entrada e saída de dinheiro de uma
empresa.
CAIXA
Setor encarregado de pagamentos e
recebimentos de contas e haveres.

CADASTRO
Setor que mantém o registro de informações
sobre clientes e/ou fornecedores de uma
empresa, a partir das quais analisa a
capacidade de compra e pagamento,
recomendando ou não a realização de uma
venda.
CONTABILIDADE
Setor que registra todas as ações e operações
realizadas por uma empresa e os respectivos
documentos fiscais e legais comprobatórios,
organiza a escrituração das receitas e das
despesas, realiza o balanço periódico e analisa
os resultados.

CUSTOS
Despesas ou desembolsos feitos por
uma pessoa ou firma para realizar
determinada tarefa. São gastos com a
realização de uma ou várias operações
e que constituem, na maior parte dos
casos, os encargos de operações.

FATURAMENTO
Setor responsável pela emissão das
notas fiscais de venda de produtos de
uma empresa.

MANUTENÇÃO
Setor encarregado da conservação do
patrimônio de uma empresa, incluindo
instalações físicas, mobiliário,
veículos, ferramentas, máquinas e
equipamentos.
SERVIÇOS
GERAIS
Englobam todas as atividades não
especializadas, como limpeza e
pequenos serviços de suporte
administrativo.

COMPRAS
Setor encarregado de adquirir todos os suprimentos
para consumo da empresa, incluindo material de
expediente, gêneros alimentícios (se for o caso),
insumos, material de embalagem, peças de
reposição, itens de mobiliário, etc. Normalmente a
compra de matérias-primas não é da alçada do
setor de compras, pois envolve conhecimento
específico dos produtos e do mercado.
ALMOXARIFADO

Setor encarregado da guarda e


movimentação dos estoques de bens de
consumo da empresa. As empresas
maiores não misturam bens de consumo
com produtos acabados, cujo estoque e
a respectiva movimentação ficam a
cargo de outro setor.

VENDAS
Setor encarregado de garantir a
colocação do produto da empresa no
mercado, podendo traçar as estratégias
e políticas necessárias ao incremento do
faturamento. Suas atribuições podem ou
não incluir ações nas áreas de
propaganda, dependendo do porte e da
estrutura da empresa.

RECURSOS
HUMANOS
Setor encarregado de recrutamento,
admissão, administração e demissão de
pessoal, bem como de estabelecer
políticas de boa convivência entre os
funcionários e estabelecer a
intermediação entre empregado e
empregador.

MARKETING
Setor ou pessoa da empresa ou
contratada para estudar o mercado e o
comportamento do consumidor, com
vistas a estabelecer estratégias de
venda ou de desenvolvimento de
produtos.

PRODUÇÃO
Setor responsável por todos os estágios
de produção de um bem ou serviço,
incluindo análise da qualidade das
matérias-primas e insumos, seu
armazenamento, manipulação e
utilização do processo de
industrialização, até a qualidade do
produto acabado.
CONTROLE DE
QUALIDADE
Sistema de monitoramento e definição
de padrões e processos, com vistas a
garantir a excelência de um produto ou
serviço final.

ASSEMBLÉIA
GERAL
É uma reunião de sócios de uma
organização, com direito a voto, que,
quando se constitui, tem poder de
tomar decisões importantes para a
gestão e o destino das sociedades.

SECRETARIA
Setor responsável pelo expediente da
empresa, incluindo recepção, contatos
presenciais e telefônicos, expedição e
organização de correspondência e
arquivo, entrevistas e assessoramento ao
gestor da empresa.

CONSELHO
FISCAL
Órgão colegiado, eleito em Assembleia
Geral, e que exerce função de
assessoria, analisando as contas da
Diretoria e encaminhando relatório à
Assembleia sobre a situação da
sociedade, para subsidiar as decisões.
INTEGRAÇÃO
AULA TEMA
Administrando o tempo

31 OBJETIVOS
Orientar os estudantes a:
 Compreender o real valor do tempo.
 Saber utilizar e planejar o tempo.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
5’
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
Desenvolvimento 1
O professor pergunta aos estudantes:
 Quem já sentiu a sensação de o tempo passar mais rápido do que no dia
anterior?
10’
 Isso ocorre devido a que? À organização (ou não) do tempo?
 Alguém dessa turma costuma administrar seu tempo?
 Alguém tem o costume de programar toda a semana?
 Quem utiliza agenda diariamente, como norte do seu dia?
Desenvolvimento 2
O professor promove uma leitura expositiva do texto: Administrando o Tempo
para uma Vida Mais Saudável e Feliz, contido no Caderno do Estudante.
25’
Observação: Depois de cada tópico lido, o professor escreve no quadro a ideia
central para que, depois da leitura do texto, o professor provoque novamente
os estudantes, acerca do que foi abordado no texto.

Encerramento
Vivência: Administrando o tempo.
O professor entrega uma folha para cada estudante (anexo 1) e solicita que
localizem e circulem a sequência numérica a partir do número 1(um) até onde
conseguirem. Os estudantes tem 2 (dois) minutos. Logo em seguida, o professor
entrega outra folha, uma para cada estudante (anexo 2) e solicita mais uma vez
que eles façam o mesmo processo da folha anterior. Os estudantes tem 2 (dois)
minutos para realizar a vivência.

Quando o tempo do segundo comando terminar, o professor pergunta aos


10’ estudantes:
 Qual a situação mais difícil?
 Quais as principais dificuldades encontradas?
 Como percebem a importância da organização nas duas folhas?
 O que acontece quando se estabelece um padrão, para solucionar o
desafio? O que isso tem a ver com nossa forma de organização de
tempo?
 E quais os principais aprendizados?

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES


 Caderno do estudante  Estudo prévio do assunto
 Folhas impressas e recortadas – anexos  Ler o texto “Administrando o Tempo
1 e 2 do material de apoio ao professor para uma Vida Mais Saudável e Feliz”
 Imprimir os anexos

Administrando o Tempo para uma Vida Mais Saudável e Feliz38


A sociedade atual é bem diferente daquela em que nossos pais e avós viveram
e não faz muito tempo que as coisas andaram mudando, estamos em uma fase
de transição. Muitos hábitos foram modificados, muitas ideias foram revistas,
reeditadas ou mesmo descartadas. O chefe de família, a esposa, o estudante e
o profissional tiveram muito de suas características tradicionais alteradas e
hoje acumulamos papéis sociais diversos, que exigem cada vez mais de nós.
As exigências aumentaram, os compromissos aumentaram, mas o seu, o meu,
o nosso tempo continua o mesmo. O dia só tem 24 horas e não há milagre que possa mudar isso. Para
lidar de forma mais assertiva em relação ao seu tempo e torná-lo mais produtivo é preciso administrá-lo
com sabedoria. E cabe somente a nós encontrarmos os nossos limites, o nosso equilíbrio. Administrar o
tempo é um comportamento, é uma atitude, é escolher adotar uma postura mais assertiva frente as suas
tarefas rotineiras a fim de executá-las da melhor forma possível, focando no bem-estar biopsicossocial.
As cobranças e exigências são muitas, mas é possível lidar com elas sem causar prejuízos a sua saúde.
Duas atitudes devem ser encaradas com seriedade e compromisso: organização e disciplina. Essas duas
palavrinhas quando se tornam atitudes promovem verdadeiras mudanças no nosso dia a dia e tornam
nossa vida muito mais fácil.
A seguir, confira algumas dicas que podem ajudar a administrar melhor o seu tempo:
1. Entenda como você utiliza o seu tempo
É preciso saber quais são suas atividades e como você as distribui no decorrer do seu dia. Faça um
levantamento das suas atividades rotineiras, quanto gasta com cada uma e analise se as atividades às
quais você se dedica são realmente importantes e relevantes. Para tornar essa análise um pouco mais
fácil, divida suas atividades em categorias: atividades urgentes e importantes.
Atividades urgentes: Estão ligadas ao quesito tempo, aquilo que você deve fazer mais rápido, que tem
prazo e necessita de uma resolução imediata. Geralmente, essas atividades se acumulam
proporcionalmente às vezes que você negligencia as tarefas importantes.
Atividades importantes: São aquelas que trazem resultados, influenciam em outras instâncias e têm mais
tempo para serem executadas e que, por isso, acabam sendo deixadas de lado até que se tornem
urgentes. Quanto mais você se concentra na resolução dessas situações, há menos urgências e mais
tempo para outras tarefas serem executadas com qualidade.

38
Fonte: Texto disponível em Fonte: Disponível em:
http://carreiras.empregos.com.br/carreira/administracao/ge/sucesso/index.shtm
Acesso em: 16.12.2012.
2. Planeje-se
Assim você prioriza aquilo que é importante, prevê problemas e soluções antecipadas para eles e não
perde tempo com imprevistos. Tente planejar a sua semana, isso otimiza o seu tempo.

3. Delegue funções
Livre-se do peso da autocobrança. Você não precisa guardar tudo para si, assumir todas as
responsabilidades ou executar tudo sozinho para ser um bom profissional. Delegue funções, saiba
reconhecer quando um colega consegue realizar uma tarefa melhor e mais rápido do que você e trabalhe
em conjunto sempre que possível. Saber trabalhar em grupos, compartilhar, relacionar-se bem com seus
colegas são competências muito valorizadas no mundo de hoje.
4. Use a tecnologia a seu favor
Para não correr o risco de esquecer algo importante, anote tudo em algum instrumento de sua
preferência (agenda, celular, tablet ou até mesmo um caderno). Assim, você vai ter sempre à mão, as
informações que precisar, sem necessitar encher sua cabeça à toa e sem correr o risco de esquecer nada.
Deixe de lado o preconceito com as ferramentas tecnológicas, aprenda a lidar com elas e verá como
muitas tarefas serão simplificadas.
5. Limite seus horários e cumpra essas delimitações
Hora do trabalho é hora do trabalho, hora do estudo é hora do estudo, hora de lazer é hora de lazer, ou
seja, tenha bem definido o início e o fim de suas atividades e não permita interrupções, a menos que se
trate de algo realmente importante.
O ambiente de trabalho não é local para discutir com o cônjuge situações familiares ou perder tempo
com e-mails engraçadinhos ou ligações sem propósito com amigos – concentre-se em suas tarefas. Nos
momentos de descanso, em casa, não é hora de conferir balancetes e relatórios, checar e-mails, contatar
clientes – concentre-se no seu bem-estar e na sua família.
Quando se trabalha ou estuda demais, sua vida pessoal fica empobrecida, suas relações se desgastam e
os conflitos aumentam. Quando se vive somente para a vida pessoal, você estagna, não evolui e não se
desenvolve e torna-se facilmente substituível e defasado. Encontre o equilíbrio. Quando bem organizado,
há tempo suficiente para executar todas as suas tarefas profissionais com qualidade e manter uma
relação amistosa com seus entes queridos.
6. Adote um hobby
Dedique tempo a algo que realmente traga prazer e satisfação e que faça você se desligar de todo o resto.
Você precisa recarregar suas energias. Respeite os seus horários de descanso, durma, alimente-se com
calma e de forma saudável, faça algum tipo de atividade física, preocupe-se com isso e leve a sério esses
cuidados. Uma pessoa cansada e doente não produz nada satisfatoriamente. As horas a mais que você
furta desses momentos de lazer e relaxamento para outras atividades não vão ajudar em nada, só vai
parecer que você leva mais tempo que os outros para fazer a mesma coisa.
7. Organize seu ambiente de trabalho (arquivos, papéis, caixas)
Deixe à mão tudo aquilo que usa frequentemente, identifique onde guarda cada coisa com etiquetas,
torne as informações facilmente localizáveis por você e pelos outros, desfaça-se das coisas que não
utiliza. Cheque os e-mails, leia e os responda já em um primeiro momento, não adie tarefas importantes.
8. Priorize o seu dia, todos os dias
Não se antecipe ao calendário, controle sua ansiedade e tenha calma, realize hoje o que tem que ser
realizado hoje. Faça uma lista com tudo aquilo que precisa fazer durante o dia, veja a duração de cada
atividade e calcule se dá tempo de fazer tudo. Organize de acordo com a prioridade, ou seja, as mais
difíceis e trabalhosas devem ser feitas primeiro por serem, geralmente, as mais importantes e, assim,
havendo maior energia e disposição, você as realizará com mais eficiência. Depois, faça as mais fáceis e
rápidas, assim, obterá maior sucesso na execução de sua lista.
Importante: quando deixamos o pior ou mais difícil por último, geralmente não conseguimos concluir e
deixamos para depois. Não perca o foco da lista.
Recomendação importante: Respeite seus limites e exercite o bom senso!
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 29: Administrando o tempo

Anexo 1:
Anexo 2
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Tipos de cultura empresarial

32 OBJETIVO
 Compartilhar com o grupo conceitos associados aos
diversos tipos de cultura empresarial.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor pergunta a turma:
5’  O que vocês entendem por cultura?
 Para vocês, o que é cultura empresarial?
Em seguida, consolida a discussão, articulando os conceitos de cultura e
cultura empresarial.
Desenvolvimento 1
O professor afixa no quadro branco algumas figuras referentes a diversos
15’ tipos de culturas empresariais.
O professor promove uma leitura expositiva do texto: Tipos de Cultura
Empresarial, contido no Caderno do Estudante.

Desenvolvimento 2
Após a leitura, o professor solicita aos estudantes que citem as
25’
características relacionadas às figuras afixadas no quadro e o professor
anota abaixo de cada figura as contribuições dos estudantes.
Encerramento
5’ O professor solicita que os estudantes relatem os principais pontos que
chamaram atenção na aula
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Caderno do estudante  Estudo prévio do assunto


 Figuras do material de apoio ao  Ler sobre o significado de cultura
professor  Impressão das figuras
TIPOS DE CULTURA EMPRESARIAL39
por Eunice Lacava40
É difícil dividir as culturas empresariais em categorias, visto que cada empresa tem a sua própria cultura.
Contudo, é possível distinguir alguns modelos. Cultura Empresarial ou Organizacional compreende um
conjunto ou sistema de significados e crenças que são compartilhados por uma determinada empresa
ou entidade num tempo específico. Ela inclui valores e crenças, ritos, histórias, formas de
relacionamento, tabus, tipos de gestão, de distribuição da autoridade, de exercício da liderança e uma
série de outros elementos.
Na prática, é possível identificar elementos dos diferentes modelos de cultura empresarial em uma única
organização. Eles, de forma dinâmica, podem estar no centro de uma atividade ou em uma orientação,
a depender do momento; e adquirir outra característica, em um novo momento.
Vejamos alguns modelos básicos de cultura empresarial:
1) Cultura do poder
Todas as relações na empresa são baseadas, primordialmente, no uso do poder, de forma vertical.
O resultado é a ocorrência de muitas brigas internas por conta de posições e privilégios. Esta
forma dura e competitiva de relacionamento, quando usada, assusta muito os colaboradores.
2) Cultura das funções
Muito habitual na função pública. Tarefas, competências e responsabilidades são detalhadas nos
regulamentos e manuais. O principal problema desta cultura é o seu caráter inflexível e a
discordância quando as tarefas se sobrepõem. Existe também um alto consumo de tempo na
execução das tarefas.
3) Cultura de tarefas
Aqui o objetivo é primordial. A autoridade tem sua origem no profissionalismo e nos
conhecimentos. Passa-se rapidamente à ação e há lugar para o improviso. Regras e processos que
podem obstruir o trabalho não são bem vindos e há pouca atenção para os aspectos
socioemocionais. Quem não se defende ou não consegue acompanhar o ritmo é simplesmente
substituído.
4) Cultura de pessoas
Aqui é o indivíduo que está no centro das atenções. A empresa existe para as pessoas e não o
contrário. Neste tipo de cultura empresarial dá-se muita atenção aos talentos e à concretização
das ideias. Esta cultura pode ser encontrada, sobretudo em empresas jovens e idealistas.

Muitas vezes, quando nos candidatamos, fixamo-nos apenas na função que vamos ter. Claro que a função
é importante, mas ainda mais importante é sentirmo-nos bem no novo emprego. Afinal, vamos passar

39
Fontes: KWANSNICKA, Eunice Lacava. Introdução à administração. 5. ed.,São Paulo: Atlas, 1995, p. 193 a 197;
RODRIGUES,Viviane Trocoli.Comunicação Empresarial online, conceitos.
Texto adaptado, disponível em http://www.comunicacaoempresarial.com.br/comunicacaoempresarial/conceitos/culturaempresarial.php.
Acesso: 18.12.2012.

40
Professora Livre-Docente do Departamento de Administração da FEA-USP; Conta com longa série de publicações didáticas; Sua
experiência profissional fora do magistério está ligada às áreas de Recursos Humanos e Métodos, Desenvolvimento Organizacional e
Conhecimento; Autora do livro Teoria Geral da Administração publicado pela Atlas, além de muitos artigos e publicações didáticas em
sua área de atuação; Professora titular do curso de mestrado em Administração da Universidade Integrada – UNIP.
cerca de oito horas por dia lá.
Sentirmo-nos bem ou não numa empresa depende, em parte, da cultura preponderante que se vive nela.
Só depois de trabalhar ali algum tempo é que se vai saber, realmente, qual é a cultura instituída. Se o
candidato estiver atento, poderá descobrir alguns indicadores durante o processo de candidatura.
Na verdade, a cultura empresarial ou organizacional tem sido contemplada com um número grande de
definições, mas, se não em todos eles, pelo menos na maioria, se aceita a ideia de que ela pode sofrer
mudanças (às vezes radicais) ao longo do tempo, ainda que, quase sempre, a organização (e seus
integrantes) resista a elas.
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 32: Tipos de cultura empresarial

Cultura do poder
Cultura das funções

Cultura de tarefas
Cultura de pessoas

Candidatura à função

Imagens: googleimagens Acesso: 16/03/2013


AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Qualidade total I

33 OBJETIVO
 Trabalhar com o grupo a importância da qualidade em
atividades no ambiente empresarial.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor ressalta que é importante não somente o trabalho em equipe, mas
5’ também a qualidade no que fazemos. Em seguida, estimula uma chuva de
ideias:
 O que é qualidade?
 Como demonstramos qualidade em nossas atividades?
Desenvolvimento 1
15’ O professor promove uma leitura expositiva do texto: Qualidade Total, contido
no Caderno do Estudante.
Desenvolvimento 2
O professor elenca no quadro branco cinco ocupações relacionadas ao curso
técnico da turma, Exemplo: se a escola possuir o curso técnico em comércio, o
professor pode escrever cinco ocupações desta área no quadro, tais como:
25’
vendedor, estoquista, repositor, operador de caixa, etc.
Em seguida, os estudantes citam ações que podem dar qualidade a essas
funções e o professor anota as contribuições no quadro branco, abaixo de cada
ocupação.
Encerramento
O professor solicita que os estudantes falem quais foram os principais
5’
aprendizados na aula.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Pincel para quadro branco  Estudo prévio do assunto


 Caderno do estudante  Ler previamente o texto “Qualidade Total”
QUALIDADE TOTAL41

POR QUE QUALIDADE TOTAL?


A Qualidade vem sendo incorporada cada vez mais no cotidiano das empresas. Ganhou tamanha força,
que não só se transformou num movimento internacional, mas também num modelo de como se deve
gerir uma empresa.
Tal movimento foi batizado como Controle de Qualidade Total (CQT). Este termo traduz a ideia de que a
“Qualidade” não se restringe somente ao seu controle, entendido em seu sentido tradicional, mas vai
muito além. Controle, na visão do CQT, toma o sentido de gerenciamento. Ou seja, “o controle de
qualidade não é apenas outra técnica da engenharia e da produção. Ela assumiu a forma de uma ampla
ferramenta da administração que envolve a empresa inteira, desde a alta administração até os operários”
(Moller42).
A Qualidade Total, segundo J. Lobo possui algumas propriedades, entre elas, devendo ser:
• plena, abrangendo todo o processo que origina o produto ou serviço;
• proprietária, ou seja, assumida responsavelmente por todas as pessoas – e cada uma delas – que fazem
parte da organização;
• permanente, incorporando-se à cultura e “modos operandi” da Organização
Cabe também ressaltar que “entre os objetivos do CQT não estão apenas os lucros, mas também os
melhoramentos gerais em áreas como treinamento do empregado, a satisfação do consumidor, a
garantia da Qualidade, o controle do custo, o volume, o controle da energia e desenvolvimento de novos
produtos e serviços”. Daí a denominação de Total.

O QUE É QUALIDADE TOTAL?


Definir Qualidade Total não é tarefa fácil. O termo não é novo no vocabulário das pessoas, embora nem
todas saibam defini-lo.
Não existe um conceito único de Qualidade Total. Várias ciências (filosofia, economia, marketing,
produção) elaboraram conceitos, cada uma delas enfatizando aspectos que lhes são próprios. Em vista
disso, muitos estudiosos e organizações ligados ao assunto procuraram definir Qualidade Total, entre os
quais se destacam:
• “Qualidade Total é uma atitude. Não tem começo, meio e muito menos é incorporada a um produto –
exige uma continuidade e deve chegar a integrar-se à mentalidade de cada funcionário” (Lee Iacocca43).
• “No sentido mais amplo, Qualidade Total é qualquer coisa que pode ser melhorada sempre. Nesse
contexto, está associada não apenas aos produtos e serviços, mas também à maneira como as pessoas
trabalham, como as máquinas são operadas e como os sistemas e procedimentos são abordados. Ela
inclui todos os aspectos do ser humano” (Imai44).

41
Fonte: Geraldo Castelli e Luciano Raizer Moura (Qualidade Simplesmente Total)
“Um número cada vez maior de empresas reconhece hoje que o investimento em Qualidade é um dos mais lucrativos
que elas podem fazer.Não fazer nada custa muito mais caro” (Moller).

42
Claus Moller é presidente da Time Manager International, empresa européia de treinamento empresarial.
43
Anthony "Lee" Iacocca (Allentown, 05 de outubro de 1924) é homem de negócios estadunidense, célebre por ter lançado o
Mustang. Lacocca também é um conhecido autor best seller de livros de negócios, liderança e governança corporativa.
44
Masaaki Imai é conhecido como o pai do Kaizen. Autor de diversos best-sellers na área de Gestão, seu primeiro sucesso
foi “Kaizen: The Key to Japan’s Competitive Success.” – (Kaizen: A Chave do Sucesso Competitivo do Japão), que vendeu mais de 300.000
• “Conjunto de propriedades e características de um produto, processo ou serviço que lhe fornecem a
capacidade de satisfazer as necessidades explícitas ou implícitas” (Organização Internacional para
Padronização - ISO).

• “Qualidade Total é conformidade com os requisitos” (Crosby45).


Segundo Crosby, Qualidade Total é o cumprimento de todos os requisitos.
“A perfeição até pode encontrar-se muito além do horizonte, mas ela existe!”

(Geraldo Castelli)

cópias e foi traduzido em mais de 20 idiomas.

45 Crosby (18 de Junho de 1926-18 de Agosto de 2001) foi um empresário e escritor estadunidense que contribuiu
para a teoria da gestão e métodos de gestão da qualidade. Phil Crosby está associado aos conceitos de "zero defeito" e de "fazer
certo à primeira vez". Para ele, qualidade significava conformidade com especificações, que variam conforme a necessidade do cliente.
INTEGRAÇÃO
AULA TEMA
Qualidade total II

34 OBJETIVO
 Trabalhar com o grupo a importância da qualidade em
atividades no ambiente empresarial.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
5’ O professor pergunta aos estudantes:
 É importante exercitar a qualidade em suas atividades no estágio?
Por quê?
Desenvolvimento 1
O professor promove uma leitura expositiva do texto: Cultivando a
10’
Qualidade Desde o Primeiro Emprego, contido no Caderno do Estudante.

Desenvolvimento 2
O professor solicita que os estudantes fechem seus cadernos. Em seguida,
são distribuídas vinte e quatro tarjetas, sendo doze delas correspondentes.
Após todas serem distribuídas, o professor pede que os estudantes
25’
procurem entre eles suas tarjetas correspondentes e quando todos
localizarem, as duplas formadas escolham mais um estudante (os que não
ficaram com as tarjetas) para conversarem a respeito do assunto e explicar
a toda a turma como aplicar qualidade no ambiente de trabalho.
Encerramento
O professor solicita que dois estudantes relatem os principais
5’
aprendizados.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIE NTAÇÕES

 Estudo prévio do assunto


 Tarjetas
 Impressão das tarjetas
 Caderno do estudante
 Leitura prévia do texto: “Cultivando a
qualidade desde o primeiro emprego”
CULTIVANDO A QUALIDADE DESDE O PRIMEIRO EMPREGO46

Você, que está passando por um processo de formação para o primeiro emprego, deve incorporar o
conceito de qualidade no trabalho e na vida, a tal ponto de fazê-lo parte do seu perfil pessoal, integrando
o rol de trunfos que vai determinar seu ingresso no mercado de trabalho e sua ascensão profissional.

Ter um desempenho de qualidade significa:


1) Informar-se sobre a tarefa a desempenhar, de modo a garantir que ela será realizada integralmente,
esclarecendo qualquer dúvida antes de iniciar o trabalho;
2) Realizar a tarefa no tempo e prazo estipulados;
3) Evitar desperdício de recursos e materiais no processo;
4) Manter bom relacionamento com todos os envolvidos na execução da tarefa;
5) Registrar as ocorrências imprevistas, comunicando às pessoas responsáveis;
6) Checar com os envolvidos – colegas de trabalho, clientes e empregador – sobre eventuais pendências;
7) Sugerir mudanças que possam melhorar os resultados, diminuir custos e garantir a qualidade do
produto ou serviço; e
8) Compilar dados necessários aos arquivos e sistemas.

Parece simples, mas não é. Por trás da maior parte das demissões de trabalhadores novatos e veteranos
está a não observância de um ou mais dos itens elencados.

Dependendo da natureza do trabalho, do grau de responsabilidade da pessoa e do total de recursos


envolvidos, falhas de qualidade podem resultar em grandes prejuízos materiais e imateriais para uma
empresa, incluindo falta de credibilidade junto à sua clientela.

Nosso conselho é que você, como pessoa interessada em tornar-se um profissional respeitado, procure
observar esses critérios de desempenho, tornando-os parte de você.

MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 34: Qualidade Total II

46
Geraci Mello, advogada, auditora da Receita Federal, educadora e integrante da equipe do Instituto Aliança até 2012.
Abaixo seguem as tarjetas sugeridas para o desenvolvimento 2.

Se seu trabalho é limpar deixe tudo brilhando

Se seu trabalho é contar empenhe-se para chegar ao número correto

ç
Se seu trabalho é atender ê

ã
Se seu trabalho é consertar ó

certifique-se de que o endereço e destinatário est


Se seu trabalho é entregar
ão corretos e consiga um comprovante da entreg
a

Se seu trabalho é criar levante as expectativas, para que possa atendê-l


as com precisão

Se seu trabalho é vigiar fique atento a todas as direções

Se seu trabalho é guardar faça-o com zelo, ordem e segurança

Se seu trabalho é vender conheça o mercado, o cliente e a concorrência e


vá até o comprador

garanta que todos os lançamentos estejam devi


Se seu trabalho é registrar damente comprovados

reúna todo o material, consiga os melhores pre


Se seu trabalho é construir ços, garanta a qualificação dos colaboradores,
consulte as condições climáticas e cumpra os pr
azos

prepare-se com uma bagagem de conheciment


Se seu trabalho é ensinar os maior do que a da sua clientela, escolha uma
metodologia eficiente e avalie os resultados
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Qualidade no atendimento

35 OBJETIVO
 Compartilhar com o grupo noções de atendimento profissional
no mercado.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em sete grupos.
5’ Em seguida, conversa com a turma sobre a qualidade em todos os afazeres,
cotidianamente. Em seguida, provoca a turma com a pergunta:
 Como seria o atendimento ao cliente, baseado na qualidade?
Desenvolvimento 1
5’ O professor promove uma leitura expositiva do texto: ISO 9000, contido no Caderno
do Estudante.
Desenvolvimento 2
Os sete grupos apresentarão uma dramatização sobre atendimento ao cliente:
Grupo 1 - Simula a seguinte situação de atendimento: O preço errado – O cliente chega
ao caixa e no momento do pagamento descobre que o preço está diferente do que ele viu na
gôndola (prateleira).
Grupo 2 – Troca de mercadorias: O cliente diz que não foi informado que o produto não
tinha garantia e deseja que ele seja trocado.
Grupo 3 – A demora: O cliente pede ao funcionário que busque a mercadoria, pois já está
esperando há 20 minutos, e o funcionário está realizando uma atividade que foi ordenada
pelo seu gerente.
Grupo 4 – O que motiva a realidade de um cliente de um curso de informática? (ou
outro curso técnico)
35’ Responder esta pergunta listando pelo menos 10 itens de atendimento de um
estabelecimento do gênero.
Grupo 5 - O que motiva a fidelidade de um cliente de uma lanchonete? Responder
esta pergunta listando pelo menos 10 itens de atendimento de um estabelecimento do
gênero.
Grupo 6 – O que motiva a fidelidade de um cliente de um salão de beleza? Responder
esta pergunta listando pelo menos 10 itens de atendimento de um estabelecimento do
gênero.
Grupo 7 – O que motiva a fidelidade de um cliente de uma quadra de aluguel
(futebol, vôlei, futsal – especificar)? Responder esta pergunta listando pelo menos 10
itens de atendimento de um estabelecimento do gênero.
OBS: A turma terá 15 minutos para planejar e montar suas apresentações e cada
apresentação terá em média três minutos e meio.
Encerramento:
5’
O professor solicita aos estudantes que avaliem os principais aprendizados da aula.
MATERIAL NECESSÁRIO ORIENTAÇÃO

 Caderno do estudante  Estudo prévio do assunto


ISO 900047

A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da
qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou dimensão.

A sigla “ISO” refere-se à International Organization for Standardization, organização não governamental fundada
em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. A sua função é a de promover a
normatização de produtos e serviços, para que a qualidade deles seja permanentemente melhorada.

Esta família de normas estabelece requisitos que auxiliam a melhoria dos processos internos, a maior
capacitação dos colaboradores, o monitoramento do ambiente de trabalho, a verificação da satisfação
dos clientes, colaboradores e fornecedores, num processo contínuo de melhoria do sistema de gestão
da qualidade. Aplicam-se a campos tão distintos quantos materiais, produtos, processos e serviços.

A adoção das normas ISO é vantajosa para as organizações uma vez que lhes confere maior organização,
produtividade e credibilidade — elementos facilmente identificáveis pelos clientes, aumentando a sua
competitividade nos mercados nacional e internacional. Os processos organizacionais necessitam ser
verificados através de auditorias externas independentes.

47
Geraci Mello, advogada, auditora da Receita Federal, educadora e integrante da equipe do Instituto Aliança até 2012.
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Exercícios lógicos

36 OBJETIVOS


Conscientizar o grupo acerca da importância da matemática
para o mundo do trabalho.
Levar o grupo a refletir sobre a importância do trabalho em
equipe.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em oito equipes.
5’
O professor informa aos estudantes que hoje irão resolver exercícios de
raciocínio lógico com os colegas.
Desenvolvimento
Vivência: Raciocínio Lógico
Com a turma dividida, o professor entrega os exercícios envolvendo raciocínio
lógico para as equipes, sendo três questões para cada equipe e questões iguais
para todos.
O professor informa que os estudantes terão cinco minutos para resolver as
30’
questões. Após os cinco minutos, o professor escreve o gabarito no quadro
branco. Em seguida, solicita que todos os estudantes troquem de equipes, de
forma que tentem formar grupos com colegas que não eram da mesma equipe.
Mais 3 questões por equipe, e questões iguais. Esse procedimento deve ser
seguido 4 vezes.
As questões estão anexas, no material de suporte do professor.
Encerramento
Os estudantes preenchem um instrumental chamado “Como me sinto em
relação à turma?” – aproximadamente 5 minutos.
Após preencher o instrumental, o professor questiona:
 Como vocês se sentiram em relação ao trabalho em equipe realizado na
15’
aula do dia?
 Vocês acham que realmente estão preparados para trabalhar em
equipe?
Observação: O instrumental não deve ser recolhido, cada estudante fica com o
seu, para sua reflexão.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Estudar o plano de aula
 Exercícios fotocopiados  Impressão das questões do exercício
 Instrumental “Como me sinto em  Impressão do instrumental “Como me
relação à turma” sinto em relação à equipe”
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 36: Exercícios Lógicos
Professor, abaixo seguem as questões para atividade.
Todas as equipes receberão as questões – sendo três para cada rodada e iguais para todas as equipes.

1 - Um grande empresário do Ceará, na necessidade de ir a São Paulo, chegou a seu guarda


noturno e ordenou que ele o acordasse às 6 horas da manhã em ponto. Exatamente às 6 horas
da manhã o guarda acordou o empresário e disse:

- Patrão, eu estou com um mau pressentimento: sonhei esta noite que o senhor teria um
acidente com o avião e me permita sugerir que não viaje. O empresário não deu ouvidos ao
guarda. Sem incidentes, chegou a São Paulo e por telefone mandou demitir o guarda. Por
quê?

2 - Três gatos comem três ratos em três minutos. Cem gatos comem cem ratos em quantos
minutos?

3 - Uma lesma deve subir um poste de 10 metros de altura. De dia sobe 2 metros e à noite
desce 1 metro. Em quantos dias atingirá o topo do poste?

4 - Um senhor de 80 kg e suas 2 filhas - cada uma com 40 kg - precisam atravessar de uma ilha
para outra com um barco. Só que há um problema, o barco só suporta 80 kg. Como farão para
atravessar?

5 - Um avião lotado de passageiros, parte do Rio de Janeiro em direção a Buenos Aires. Por
uma fatalidade cai na fronteira Brasil-Argentina. Onde serão enterrados os sobreviventes?

6 - Uma pata nascida no Chile bota um ovo na divisa Brasil-Chile. Segundo o Itamaraty, a quem
pertence o ovo?

7 - O pai do padre é filho do meu pai. O que eu sou do Padre?

8 - Um pescador está do lado de um rio, ele tem um barco e precisa levar um saco de milho,
uma galinha e uma raposa para o outro lado do rio, o barco só aguenta ele e mais alguma coisa
(milho ou a galinha ou a raposa). Ele não pode deixar a galinha com o milho, porque a galinha
comeria o milho, e nem pode deixar a galinha com a raposa, senão a raposa comeria a
galinha... O que ele deve fazer?

9 - João tem um peixe a menos que Lucinara. Ela tem um a menos que Ana, que tem o dobro
de João. Quantos peixes têm cada um?
10 - A safra foi satisfatória, mas não houve água suficiente. Se tivesse havido água em
abundância ou não tivesse havido sol em abundância, então haveria água suficiente.
Portanto, pode-se concluir destas afirmações que:
a) houve água em abundância.
b) houve sol em abundância.
c) não houve sol em abundância.
d) houve água suficiente.
e) houve sol suficiente.

11 - Na compra à vista de uma geladeira, Rita ganhou um desconto de 18% sobre o preço
anunciado e pagou o valor de R$ 697,00. O preço da geladeira, sem o desconto, é:

12 - Seis torneiras de mesma vazão enchem um tanque em quatro horas. Oito dessas
torneiras enchem o mesmo tanque em:

Leia mais: http://www.seuconcurso.com.br/RACIOCINIOLOGICO.htm#ixzz2MjCZEnxX


Leia mais: http://www.seuconcurso.com.br/raciocinio-logico-exercicios.htm#ixzz2Mj5dj7Ra
Leia mais: http://www.seuconcurso.com.br/raciocinio-logico-exercicios.htm#ixzz2Mj5VQ9r4
http://www.seuconcurso.com.br/raciocinio-logico-exercicios.htm
Leia mais: http://www.seuconcurso.com.br/raciocinio-logico-exercicios.htm#ixzz2Mj56ND6N
Leia mais: http://www.seuconcurso.com.br/RACIOCINIOLOGICO.htm#ixzz2Miz8fAqC
http://www.lagoservice.com.br/raciocinio.html
Acesso em: 06.03.2013
Como me sinto em relação à turma?

Atribua os graus 1, 2, 3 ou 4 às afirmativas a seguir, considerando sua atuação na sala de aula.


Considere: (1) Nunca - (2) Raramente – (3) Algumas Vezes – (4) Frequentemente
1. Sou ouvido e compreendido ________
2. Sou comprometido com as decisões tomadas pela turma ________
3. Percebo hostilidade entre pessoas ______
4. Tenho a oportunidade de autoconhecimento _____
5. Percebo uma disputa pela liderança _____
6. Tenho a oportunidade de desenvolver características pessoais necessárias a um trabalho coletivo
_____
7. Tenho a oportunidade de aprender sobre outras pessoas _____
8. Confio nos membros da turma _____
9. Sinto-me indiferente ao trabalho que está sendo realizado _____
10. Odeio as informações, porque são incompletas ____
11. Percebo as “panelinhas” que são formadas _____
12. Vejo que os mal-entendidos são postos para baixo do tapete ____
13. Aceito as diferenças pessoais e aprendo com elas _____
14. Detesto ouvir bobagens _____
15. Sei ouvir _____
16. Sinto que minhas opiniões não são levadas em consideração _____
17. Sei falar _____
18. Sinto-me satisfeito _____
19. Percebo que ninguém sabe o papel que lhe cabe _____
20. Sinto-me desmotivado _____

Avaliação:
a) Some os pontos das afirmativas 1, 2, 4, 6, 7, 8, 13, 15,17 e 18 e divida o total por 10.
b) Some os pontos das afirmativas 3, 5, 9, 10, 11,12, 14, 16, 19 e 20 e divida o total por 10.

Se, no primeiro grupo (A), você obteve entre 3 e 4, você pode considerar-se membro da turma.
Se, no segundo grupo (B), você obteve entre 3 e 4, precisa integrar-se mais à turma.

Reflita e depois relacione as atitudes práticas que você pode adotar como participante, para o sucesso
do trabalho junto à turma.
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_____________________________________

Fonte: http://pt.scribd.com/doc/86658095/TESTE-EQUIPE - VERGARA, Sylvia Constant.


Gestão de Pessoas. São Paulo: Atlas, 2003, p.205. Acesso: 18/12/2012.
Professor, abaixo seguem as questões para atividade acrescidas de suas resoluções.
Todas as equipes receberão as questões – sendo três para cada rodada e iguais para todas as equipes.

1 - Um grande empresário do Ceará, na necessidade de ir a São Paulo, chegou a seu guarda


noturno e ordenou que ele o acordasse às 6 horas da manhã em ponto. Exatamente às 6 horas
da manhã o guarda acordou o empresário e disse:
- Patrão, eu estou com um mau pressentimento: sonhei esta noite que o senhor teria um
acidente com o avião e me permita sugerir que não viaje. O empresário não deu ouvidos ao
guarda. Sem incidentes, chegou a São Paulo e por telefone mandou demitir o guarda. Por
quê?
Porque guarda-noturno não deve dormir no seu horário de expediente.

2 - Três gatos comem três ratos em três minutos. Cem gatos comem cem ratos em quantos
minutos?
Três minutos, pois se entende que cada gato leva cerca de 3 minutos para consumir 1 rato.

3 - Uma lesma deve subir um poste de 10 metros de altura. De dia sobe 2 metros e à noite
desce 1 metro. Em quantos dias atingirá o topo do poste?
1º dia – Sobe 2m e desce 1m => saldo de 1m
2º dia – Some 2m e desce 1m => saldo (1m do primeiro dia + 2m de subida do segundo dia –
1 m de descida do segundo dia = 2m)
Logo, o número de dias é correspondente ao número de metros de descida, já que se considera
que a lesma desce 1 m por dia.
Portanto, para atingir 10 m, a lesma levará apenas 9 dias, pois chegando no topo, ela não
precisará mais descer 1 m.

4 - Um senhor de 80 kg e suas 2 filhas cada uma com 40 kg precisam atravessar de uma ilha
para outra com um barco. Só que há um problema, o barco só suporta 80 kg. Como farão para
atravessar?
Ele deve mandar as duas filhas, mandar uma voltar com o barco, ele vai, manda a outra filha
voltar também, e vem as duas filhas juntas.

5 - Um avião lotado de passageiros, parte do Rio de Janeiro em direção a Buenos Aires. Por
uma fatalidade cai na fronteira Brasil-Argentina. Onde serão enterrados os sobreviventes?
Como os sobreviventes não morreram, eles não serão enterrados.

6 - Uma pata nascida no Chile bota um ovo na divisa Brasil-Chile. Segundo o Itamaraty, a quem
pertence o ovo? A ninguém, pois não existe fronteira entre Brasil e Chile.
7 - O pai do padre é filho do meu pai. O que eu sou do Padre?
Se o pai do padre é filho do meu pai, ele é meu irmão. Se o meu irmão é o pai do padre, eu
sou, portanto, tio do padre.

8 - Um pescador está do lado de um rio, ele tem um barco e precisa levar um saco de milho,
uma galinha e uma raposa para o outro lado, o barco só aguenta ele e mais alguma coisa
(milho ou a galinha ou a raposa). Ele não pode deixar a galinha com o milho, porque a galinha
comeria o milho, e nem pode deixar a galinha com a raposa, se não a raposa comeria a
galinha... O que ele deve fazer?
Ele deve levar a galinha, voltar, levar a raposa e voltar com a galinha, levar o milho, e por último
levar a galinha novamente.

9 - João tem um peixe a menos que Lucinara. Ela tem um a menos que Ana, que tem o dobro
de João. Quantos peixes têm cada um?
Vamos atribuir a letra inicial do nome para cada pessoa: Lucinara (L), João (J) e Ana (A).
Conta 1
João = Lucinara – 1 => J = L – 1 => L = J + 1
Lucinara = Ana – 1 => L = A – 1 => A = L + 1
Ana = 2 x João => A = 2 x J

Conta 2
Portanto, substituindo na equação de 1º grau:
Como A é igual a A:
A=A
L + 1 = 2x J (Como L = J + 1)
J+ 1 + 1 = 2J
J + 2 = 2J
2J – J = 2
João = 2 peixes

Conta 3
Substituindo as letras nas equações iniciais:
L = J + 1, logo => Lucinara = 2 + 1 = 3 peixes
A = 2 x J, logo => Ana = 2 x 2 = 4 peixes
10 - A safra foi satisfatória, mas não houve água suficiente. Se tivesse havido água em
abundância ou não tivesse havido sol em abundância, então haveria água suficiente.
Portanto, pode-se concluir destas afirmações que
a) houve água em abundância.
b) houve sol em abundância.
c) não houve sol em abundância.
d) houve água suficiente.
e) houve sol suficiente.

11 - Na compra a vista de uma geladeira, Rita ganhou um desconto de 18% sobre o preço
anunciado e pagou o valor de R$ 697,00. O preço da geladeira, sem o desconto, é:
Atribuindo uma letra P ao preço da geladeira, podemos montar a equação de 1º Grau:
P – (18/100 x P) = 697
P – (0,18 X P) = 697
P – 0,18 P = 697 (Colocando P em evidência)
P (1 – 0,18) = 697
P x (0,82) = 697 (Multiplicação passa para o outro lado da equação dividindo)
P = 697/(0,82) (Transforma a fração em multiplicação, invertendo a fração)
P = (697 x 100)/82
P = 850

Logo, o preço da geladeira era de R$ 850,00.

12 - Seis torneiras de mesma vazão enchem um tanque em quatro horas. Oito dessas
torneiras enchem o mesmo tanque em:
Como se entende que torneiras a mais, o tanque irá encher mais rápido. Temos uma rega de
3 inversamente proporcional. Veja:
6 torneiras – 4 horas
8 torneiras – X horas

Então, como é inversamente proporcional:


8x = 6 x 4
8x = 24
X = 24/8
X = 3 horas

Abaixo, segue o gabarito:


1 – Guardas noturnos não devem dormir em serviço
2 – 3(três) minutos
3 – 9(nove) dias. Nono dia a lesma sobe 2(dois) metros, atinge o topo e evidentemente não desce 1(um)
metro
4 – Ele deve mandar as duas filhas, mandar uma voltar com o barco, ele vai, manda a outra filha voltar
também, e vem as duas filhas juntas
5 – Os sobrevivente ainda estão vivos
6 – O Brasil não faz fronteira com o Chile
7 – Tio
8 – Ele deve levar a galinha, voltar, levar a raposa e voltar com a galinha, levar o milho, e por último levar
a galinha novamente
9 - João 2 peixes, Lucinara 3 peixes, Ana 4 peixes
10 – B
11 – R$ 850,00
12 – 3(três) horas

Leia mais: http://www.seuconcurso.com.br/RACIOCINIOLOGICO.htm#ixzz2MjCZEnxX


Leia mais: http://www.seuconcurso.com.br/raciocinio-logico-exercicios.htm#ixzz2Mj5dj7Ra
Leia mais: http://www.seuconcurso.com.br/raciocinio-logico-exercicios.htm#ixzz2Mj5VQ9r4
http://www.seuconcurso.com.br/raciocinio-logico-exercicios.htm
Leia mais: http://www.seuconcurso.com.br/raciocinio-logico-exercicios.htm#ixzz2Mj56ND6N
Leia mais: http://www.seuconcurso.com.br/RACIOCINIOLOGICO.htm#ixzz2Miz8fAqC
http://www.lagoservice.com.br/raciocinio.html
Acesso em: 06.03.2013
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Motivação e autoconhecimento

37 OBJETIVO  Refletir com os estudantes sobre motivação e autoconhecimento.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor pergunta aos estudantes:
 Vocês conhecem bem os colegas?
5’
 Vocês se conhecem bem?
 Vocês se sentem motivados?
Professor consolida as participações, ressaltando motivos para o conhecimento (ou
não) entre os integrantes da turma e suas motivações (ou não)
Desenvolvimento 1
Vivência: Ficha do autoconhecimento
O professor entrega um pequeno pedaço de papel para cada estudante. Em seguida,
cada estudante deve colocar seu nome e enumerar de 1 a 7. Cada número se refere a
uma pergunta.
 Pergunta 1 – Qual o seu hobby preferido?
 Pergunta 2 – Se você fosse um instrumento musical, qual seria?
 Pergunta 3 - O que mais motiva você, nos estudos?
 Pergunta 4 – O que mais motiva você, em um trabalho?
25’  Pergunta 5 – Qual seu estilo preferido de música?
 Pergunta 6 – Qual sua principal qualidade?
 Pergunta 7 – Qual uma característica ou hábito seu que mudou com o passar
dos anos?
Professor solicita 05 voluntários para comentar o exercício: foi difícil? Qual a pergunta
que lhe tomou mais tempo para responder? É fácil para você identificar o que gosta e
o que não gosta? Por quê? O que isso tem a ver com “autoconhecimento” e como isso
impacta em suas motivações?
O professor consolida as reflexões a respeito do autoconhecimento, motivação e
capacidade para mudar, ressaltando a conexão entre esses conceitos.
Desenvolvimento 2
15’ O professor promove uma leitura expositiva do texto: Autoconhecimento, motivaçã
o e mudanças, contido no Caderno do Estudante.

Encerramento
5’
O professor solicita que três estudantes façam a avaliação da aula.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIE NTAÇÕES

 Papel ofício A4 recortado em seis


 Estudar o assunto previamente
partes
 Ler previamente o texto “Autoconhecimento,
 Caderno do estudante
Motivação e Mudanças”
AUTOCONHECIMENTO, MOTIVAÇÃO E MUDANÇAS48

É muito antiga a proposta de o homem buscar se conhecer melhor, de alcançar a plenitude do SER— a
harmonia do eu profundo em relação à sua realidade. Ficou célebre a frase esculpida no templo de
Apolo: ‘’ Homem, conhece-te a ti mesmo”.

Veja que hoje, embora com todo o avanço tecnológico, toda a ciência, o homem ainda carece da ciência
de si mesmo. A infelicidade por não estar onde gostaria de estar, por fazer o que não lhe satisfaz, por
pretender ser o que efetivamente ainda não é, responde por uma parcela surpreendente de insucessos
na vida das pessoas, no ambiente de trabalho, no ambiente social, etc.

Muitas das causas de falta de comprometimento no trabalho, o desânimo no atendimento aos clientes
e nas relações em geral estão assentadas no próprio indivíduo e na sua relação consigo mesmo. O mundo
atual se apresenta desafiador como nunca. A nova realidade social exige profissionais criativos,
entusiastas, otimistas, amorosos, humanitários e competentes para lidar com gente, para transpor
obstáculos vencendo desafios.

Nesse contexto, temos outro aspecto de suma relevância: a motivação. Muitas são as teorias sobre
motivação permitindo-nos abordagens a partir de diversos ângulos. Entretanto, há um fator subjacente
a todas elas: ninguém motiva ninguém.

Motivação é uma força, uma energia que nos impulsiona na direção de alguma coisa. É, portanto,
absolutamente intrínseca à criatura, isto é, está dentro de nós, nasce de nossas necessidades interiores
e não pode ser encontrada fora de nós.

“Então, não podemos fazer nada pelos outros da nossa equipe?”, perguntaria um líder, com
preocupação! Sim, pode-se fazer. Podemos incentivar os outros para que busquem, compreendam e
acionem essa energia interior.
Escola Social do Varejo > INTEGRA ÇÃO
Autoconhecendo-se, o homem descobre os seus motivos, as suas reais aspirações e é capaz de avaliar
se o que está fazendo agora no trabalho, na vida em geral, é compatível com o que interiormente almeja.

Faça um pequeno teste. Identifique aquelas pessoas do seu convívio que, na sua opinião, são ótimas,
profissionalmente, no mais amplo aspecto — não apenas técnico-científico, mas também emocional,
integral.

Pergunte a elas sobre o que as motiva, por que são otimistas, entusiastas, por que desempenham tão
bem o seu papel. Provavelmente você descobrirá, primeiro, que esses profissionais têm problemas
semelhantes aos seus ou maiores e, segundo, que eles simplesmente amam o que fazem, ou seja,
possuem uma sintonia fina entre o que fazem e o que interiormente aspiram.

O autoconhecimento não para por aí. Autoconhecendo-se, o homem se autodescobre e, por


conseguinte, é também capaz de conhecer o outro. Não é possível alguém compreender o outro se não
compreender a si mesmo. Mas e a mudança? É possível mudar, construir novos valores, novas
aspirações, que nos levem a novas motivações?

Embora muitos rejeitem a mudança, ela é inerente à natureza humana e à própria vida. Tudo muda, das
partículas subatômicas aos astros celestes. Tudo no universo é energia e dinamismo. Então, o que nos
bloqueia? Muitos fatores. Um dos principais é a nossa visão do ser e do estar. Alguns dizem “eu sou

48
Fonte: SEBRAE, extraído e adaptado, a partir do Material Didático da Escola Social do Varejo.
assim”, quando o mais correto seria dizer “eu estou assim, mas posso estar diferente se o desejar”.

O comportamento não é algo genético, como a cor dos olhos. É algo que se muda, que se melhora, caso
se deseje. Ninguém muda ninguém. O momento é de transformações, de mudanças grandes nos
costumes, nos sistemas de trabalho, nos modelos sociais, nas suas relações consigo mesmo e com os
outros. Um mergulho interior trará luzes para a compreensão e o estabelecimento de um novo homem,
consciente dos seus valores, das suas atitudes, dos seus motivos. Um homem integral!

Lembre-se: mudança de consciência — a gênese da qualidade.


AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Trabalho em equipe

38 OBJETIVOS


Estimular a percepção da importância do trabalho em equipe.
Desenvolver habilidades para o trabalho em equipe.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em seis equipes enumerando os estudantes
de um a seis e depois cada equipe se forma com o número correspondente.
5’ O professor retoma a discussão acerca da qualidade, no trabalho desenvolvido em equipe.
Qual a percepção do grupo, após as últimas aulas? Tempo para que expressem opiniões.
O professor os desafia a trabalhar bem em equipe e com qualidade na atividade da aula de
hoje.
Desenvolvimento 1
As equipes se dispõem de forma a que fique um espaço vazio no centro da sala.
Cada equipe tem que produzir três tipos de artigos, em que será utilizado papel para sua
confecção: barco, avião e argolas de papel formando uma corrente (no mínimo 04 argolas por
corrente e até 07 argolas por corrente).
5’ As equipes devem ter uma produção mínima: 07 barcos, 07 aviões e 07 correntes. O professor
deve reforçar que os artigos devem ser produzidos com padrão e qualidade.
No centro da sala serão disponibilizados: 03 tesouras, 02 réguas, 03 tubos de cola e papel à
vontade.
O professor observa os conflitos e se está havendo colaboração entre as equipes (comentar no
encerramento).
Desenvolvimento 2
Tempo destinado à produção.
25’
Professor: para o alcance dos objetivos desta atividade, é importante o cumprimento, à risca,
do horário.
Desenvolvimento 3
As equipes informam sua produção para o professor e para as demais equipes em forma de
5’ relatório.
Em seguida, cada equipe coloca três exemplares de sua produção, um de cada artigo, e deixa
em cima da mesa do professor.
Desenvolvimento 4
O professor chama dois membros de cada equipe para avaliar o padrão e qualidade dos artigos
5’
produzidos.
Os membros conversam e entram em consenso para escolher a melhor produção.
Encerramento
O professor pergunta à turma:
 Quais foram as principais dificuldades?
5’
 Quais os principais aprendizados?
Observação: O professor comenta sobre possíveis conflitos gerados na divisão de material
entre as equipes.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Papel
 Tesoura  Estudo prévio do plano de aula
 Cola  Providenciar os materiais para a vivência
 Régua
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Quiz

39 OBJETIVO
 Resgatar assuntos desenvolvidos durante o primeiro semestre
com os temas Identidade e Integração.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em oito equipes.
O professor explica que essa atividade não é para valer nota, e sim para fazer uma
5’
sondagem de aprendizado, proporcionando ao professor um feedback do que foi
visto durante o semestre, no que diz respeito à internalização dos principais assuntos
abordados.

Desenvolvimento
O professor entrega as fichas do QUIZ. Cada equipe recebe duas fichas, sendo uma
40’ com questões referentes ao tema Identidade e outra com questões relacionadas ao
tema Integração.
Cada tema tem 10 questões.

Encerramento
5’ Observação: O professor recebe as fichas, informando que as retornará para as
equipes, corrigidas, na próxima aula.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Fichas do QUIZ  Estudar o plano de aula


 Pincel para quadro branco  Impressão das fichas do QUIZ
QUESTÕES DO QUIZ COM SUGESTÕES DE RESPOSTAS – IDENTIDADE

1 - A certidão de nascimento é um documento bastante importante para a vida em sociedade, pois traz
ao cidadão diversos benefícios. Citem três benefícios proporcionados pela certidão de nascimento.
A certidão de nascimento permite o registro da pessoa portadora ao seu país; garante direito deste
cidadão aos benefícios públicos: tais como, saúde, segurança e educação; possibilita a retirada dos
próximos documentos civis; garante ao cidadão dados de seu nascimento, filiação, data e local, entre
outros.

2 - Na economia, existem dois tipos de pessoas: a física e a jurídica. Citem duas características da pessoa
física e duas características da pessoa jurídica.
A pessoa física é uma pessoa natural, sujeita a tributação, existe independente de autorização e que se
extingue quando morre.
A pessoa jurídica é constituída por ato jurídico, a constituição depende de autorização do Estado, deixa
de existir por extinção (falência), atividade sujeita a tributação e registros sob controle do Estado.

3 - Construam um pequeno parágrafo onde seja possível relacionar os três setores da economia.
Resposta Pessoal. Sugestão de relação desenvolvida: O setor primário da economia consiste dos
processos de extração seja mineral, animal ou vegetal, onde se produz elementos que serão utilizados
pelo setor secundário, que é composto pelas indústrias. Lá, os elementos serão processados e
transformados em produtos, para que possam, em seguida, serem direcionados para o setor terciário,
composto pelas empresas que irão direcionar estes produtos aos seus consumidores ou então, na
prestação de serviços.

4 - Construam um pequeno parágrafo onde seja possível relacionar os três setores da sociedade.

5 - O terceiro setor da sociedade tem uma importância muito grande para a população, pois desenvolve
algumas atividades fundamentais para a vida em sociedade. Citem alguns exemplos de terceiro setor.
As Organizações Não Governamentais (ONGs) permitem diversos programas sociais, educativos e
ambientais, que sustentam uma vida em sociedade. Temos também as instituições filantrópicas, dentre
outras.

6 - Quando vamos fazer um planejamento orçamentário, conseguimos separar nossas despesas em 3


categorias. Quais são?
Obrigatórias fixas, não obrigatórias fixas e obrigatórias variáveis.

7 - O que são Cooperativas? Dê o exemplo de uma.


Cooperativa é uma associação de pessoas com interesses comuns, economicamente organizadas de
forma democrática. Exemplo: UNIMED, Cooperativa de transporte alternativo e etc.

8 – Escrevam 03 tipos de trabalho e exemplifiquem.


Resposta a critério do aluno.

9 - O que é terceirização? E quais os benefícios em terceirizar? (Citem pelo menos 2 benefícios)


Terceirização é o processo pelo qual uma empresa deixa de executar uma ou mais atividades realizadas
por trabalhadores diretamente contratados e as transfere para outra empresa.
Benefícios: visa a redução de custo, o aumento da qualidade e elimina burocracias internas com as
atividades meio.
10 - Qual a diferença entre trabalho voluntário e trabalho social?
Trabalho voluntário é qualquer tipo de trabalho executado sem a presença de remuneração para o
trabalhador. Já o trabalho social consiste no desenvolvimento de atividades que estabeleçam um
crescimento sustentável para um determinado grupo de pessoas ou sociedade em geral, podendo ser
remunerado ou não.

QUESTÕES DO QUIZ COM SUGESTÕES DE RESPOSTAS – INTEGRAÇÃO

1 - Segundo as aulas de integração que tivemos qual a unidade curricular mais importante na matriz
curricular da escola? Por quê?
Espera-se que os alunos relatem que todas têm igual importância e justifiquem sua resposta.

2 - Saber trabalhar em grupo é uma exigência básica de qualquer empresa. Citem três características
que um empregado precisa ter para realizar um bom trabalho em grupo.
Sugestão de respostas: saber ouvir, autoridade, resiliência, ser comunicativo, ter ética, entre outros.

3 - Qual a diferença entre missão e visão de uma empresa?


Missão consiste no que a empresa se propõe a fazer no mercado. Visão é o que a empresa espera atingir
em um determinado tempo.

4 - O que é, e quais as utilidades de um organograma?


R- organograma é um diagrama organizacional, que dispõe de forma ordenada as funções e cargos de
uma empresa obedecendo a sua hierarquia, com função de ajudar no planejamento da criação de cargos
e funções.

5 - Como se chamam os três níveis básicos de um organograma e quais as suas principais competências?
- Nível operacional: consiste na base do organograma e engloba toda a atividade de ponta da empresa,
como a execução de processos;
- Nível tático: engloba o delineamento e coordenação das atividades de ponta de uma empresa;
- Nível estratégico: consiste na chefia, direção de uma empresa e engloba os processos de análise e
prospecção da empresa.

6 - Citem três características importantes de um líder.


Ser empático, saber ouvir, ser seguro, ter retórica, saber se comunicar, ter ética, ter autoridade, ser
resiliente, entre outros.

7 - O que é cultura empresarial? Citem exemplos.


Cultura Empresarial ou Organizacional compreende um conjunto ou sistema de significados e crenças
que são compartilhados por uma determinada empresa ou entidade num tempo específico. Ela inclui
valores e crenças, ritos, histórias, formas de relacionamento, tabus, tipos de gestão, de distribuição da
autoridade, de exercício da liderança e uma série de outros elementos.
Exemplos: Cultura do poder, Cultura das tarefas, Cultura de funções, Cultura de pessoas.

8 - O que é ISO? Citem um benefício do selo ISO para uma empresa.


ISO é uma série de métodos desenvolvidos, de orientação e adequação, que as empresas podem
adquirir, uma vez que atinjam as metas estabelecidas. É vantajoso para a empresa, pois confere a ela
crédito e respeito, diante da sociedade, pelos trabalhos desenvolvidos com segurança, qualidade, entre
outros.

9 - Por quais motivos as empresas utilizam a dinâmica de grupo?


A dinâmica de grupo permite observar amostras de comportamentos, atitudes e conhecimentos que a
maioria dos instrumentos não permite. Diminui um pouco a inferência e aumenta o poder da observação
e constatação de perfis de competências.
Quando bem desenvolvidas, conduzidas e avaliadas, as dinâmicas constituem um valioso instrumento
de autoconhecimento e de observação de comportamentos em processos seletivos.

10 - Qual a diferença entre autoritarismo e autoridade?


Autoritarismo consiste na imposição de uma ideia e utiliza do medo como arma de controle dos demais.
Já autoridade é um processo de liderança que consiste no crédito e respeito adquirido em relação aos
demais do grupo.
AULA INTEGRAÇÃO
TEMA
Feedback do Quiz

40 OBJETIVO
 Reforçar os assuntos vistos no semestre através da
correção do QUIZ da aula anterior.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realizar a chamada e organiza a sala nas equipes da aula
5’ anterior.
O professor explica aos estudantes que hoje irão corrigir de forma
participativa o QUIZ que responderam na aula passada.
Desenvolvimento 1
O professor devolve as fichas para cada equipe. Escreve no quadro os
tópicos das questões do QUIZ e começa a perguntar aos estudantes o que
30’
eles responderam.
Na medida em que os estudantes forem respondendo, o professor deve
complementar, caso perceba que seja necessário.
Encerramento
O professor faz uma sondagem com os estudantes das suas percepções da
unidade curricular Mundo do Trabalho nesse primeiro semestre. Faz as
seguintes provocações:
15’
 O que mais marcou?
 Quais os principais aprendizados?
 Quais os desafios superados?
O professor conclui fazendo sua avaliação do semestre junto à turma.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Pincel para quadro branco  Estudar o plano de aula


 Fichas do QUIZ corrigidas  Corrigir as fichas do QUIZ
MUNDO DO TRABALHO
DISTRIBUIÇÃO DAS AULAS - 1º ANO - COMUNICAÇÃO
3º E 4º BIMESTRE
CARGA
TEMA CONTEÚDOS / AULAS
HORÁRIA
Aula 41: Comunicação no mundo do trabalho I 50’
Aula 42: Comunicação no mundo do trabalho II 50’
Aula 43: Comunicação no Mundo do Trabalho III 50’
Aula 44: A arte de conversar 50’
Aula 45: Postura profissional 50’
Aula 46: Comunicação interna e externa na empresa: abaixo-assinado
50’
e ata de reunião, ofício/memorando, declaração/atestado
Aula 47: Comunicação interna e externa na empresa: contrato e ordem
50’
de serviço, e relatório procuração
Aula 48: Comunicação interna e externa na empresa: Preparação 50’
COMUNICAÇÃO Aula 49: Comunicação interna e externa na empresa: Apresentação 50’
Aula 50: Marketing pessoal 50’
Aula 51: Principais posturas para apresentação 50’
Aula 52: Retórica e oratória 50’
Aula 53: Etiqueta digital 50’
Aula 54: Comunicação inter-relacional 50’
Aula 55: Argumentação na prática 50’
Aula 56: Falhas na comunicação e vícios de linguagem 50’
Aula 57: Criatividade 50’
Aula 58: Como abordar e conseguir atenção do cliente 50’
Aula 59: Experimentando o tema 50’
Aula 60: Encerramento 50’
CARGA HORÁRIA TOTAL DO 3º E 4º BIMESTRE 20h/a
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Comunicação no mundo do trabalho I

41 OBJETIVO
 Despertar o grupo para a importância de uma boa comunicação
para o mundo do trabalho.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e explica aos estudantes que no 3º e 4º bimestres,
5’ será abordado o tema Comunicação. Pergunta aos estudantes:
 Qual a importância da comunicação no mundo do trabalho?
 Por que se comunicar de forma clara e precisa pode fazer a diferença?

Desenvolvimento
Vivência: Como trabalhar os três elementos básicos da comunicação com figuras
geométricas.
A turma é dividida meio a meio. Exemplo: turma com 40 estudantes. Inicialmente 2
0 alunos permanecem na sala e os outros saem durante alguns instantes. Os 20 alu
nos que ficaram na sala deverão reproduzir a figura que o professor tem em uma f
olha de papel que será entregue a ele.
Em seguida, os estudantes colocam as cadeiras uma de costas para a outra, forman
do duplas. Os estudantes que saíram da sala voltam, e pares são formados. Os que
permaneceram inicialmente, sentam de costas para seu par e tentam repassar a fig
ura desenhada, através de descrição, para o colega. Lembrar que o colega que não
pode olhar o desenho descrito em nenhum momento - as instruções do desenho d
evem ser repassadas apenas através da fala. Os estudantes não podem mostrar o
desenho para o colega para saber se está certo ou não. Eles terão 5 minutos.
Após esse primeiro momento, troca-se. A turma que estava na sala inicialmente ag
ora vai esperar fora, enquanto os estudantes que ficaram no segundo momento re
40’
produzirão no papel entregue pelo professor uma figura diferente da primeira. Nes
se momento, solicitam-se aos estudantes que coloquem as cadeiras uma de frente
para a outra com uma distância que eles não consigam enxergar o que o outro está
desenhando. Eles deverão repassar a informação da figura através de mímica, não
podendo falar e nem movimentar os lábios. Somente gestos.
Ao final de 5 minutos começa o diálogo, perguntando-se qual situação foi mais difí
cil. O professor comenta a importância de uma comunicação clara, objetiva e conc
isa, ressaltando que, nem sempre a forma que entendemos, representa a informa
ção que o emissor buscou passar.
Em seguida abre-se a discussão de como foi comunicar-se com o colega sem olhar
e o que interferiu. Perguntar aos estudantes quais as principais dificuldades encont
radas durante a vivência.
Para consolidar o aprendizado, o professor promove uma leitura expositiva do text
o: Comunicação no mundo do trabalho contido no Caderno do Estudante
Encerramento
5’ O professor faz a reflexão junto com os estudantes a respeito da importância de u
ma boa comunicação, observando os elementos básicos da comunicação: emissor,
mensagem e receptor.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Estudo prévio do assunto
 Figuras impressas
 Impressão das figuras
 Caderno do estudante
 Estudo sobre os elementos básicos da
 Folhas de papel ofício
comunicação.
Comunicação no mundo do trabalho49

O QUE É COMUNICAÇÃO

Comunicação é a forma como as pessoas se relacionam entre si, dividindo e trocando experiências,
ideias, sentimentos, informações, modificando mutuamente a sociedade onde estão inseridas. Sem a
comunicação, cada um de nós seria um mundo isolado.

Comunicar é tornar comum, podendo ser um ato de mão única, como TRANSMITIR (um emissor
transmite uma informação a um receptor), ou de mão dupla, como COMPARTILHAR (emissores e
receptores constroem o saber, a informação, e a transmitem). Comunicação é a representação de uma
realidade. Serve para partilhar emoção, sentimento, informação.

Quem comunica é a fonte e, do outro lado, está o receptor. O que se comunica é a mensagem.

Pode ser vista, ouvida, tocada. As formas de mensagens podem ser: palavras, gestos, olhares,
movimentos do corpo. As formas como as ideias são representadas são chamadas de signos. Em
conjunto, formam os códigos: língua portuguesa, código Morse, Libras, sinais de trânsito.

49

Baseado em texto do site: http://ana-intervalo.blogspot.com.br/2009/02/o-que-e-comunicacao.html. Acesso:


27.05.2013; e do texto “Comunicação: por que é importante?”, de Lóide Magalhães, 27.05.2013
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 41: Comunicação no mundo do trabalho I
AULA TEMA
COMUNICAÇÃO
Comunicação no Mundo do trabalho II

42 OBJETIVO
 Propiciar uma compreensão mais ampla acerca da importância da
comunicação em uma organização.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a turma em oito equipes.
O professor inicia falando que percebeu que os estudantes desenvolveram um bom
trabalho relacionado a comunicação na aula passada. E que na aula deste dia todos
5’
terão se comunicar inicialmente dentro de suas equipes e depois com toda a turma.
O professor pergunta aos estudantes:
 Vocês estão preparados para o desafio de construção coletiva de um texto,
falando de comunicação?

Desenvolvimento 1
Desafio: Construindo um novo texto
Cada equipe fica responsável por uma numeração do texto: Comunicação, e terá que l
20’
er internamente para o grupo. Após a leitura os estudantes devem criar outro texto ba
seado no que foi lido. Lembrando que a nova criação textual deve ter no máximo dois
parágrafos e será apresentada para toda a sala.

Desenvolvimento 2
20’
Apresentação das equipes

Encerramento

5’ Após as apresentações da turma, o professor solicita que três estudantes formem u


ma frase representando a aula do dia, fazendo uma relação com a importância da
comunicação em uma organização.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Caderno do estudante  Estudar o plano de aula e o texto


Comunicação no mundo do trabalho50

O QUE É COMUNICAÇÃO

Comunicação é a forma como as pessoas se relacionam entre si, dividindo e trocando experiências,
ideias, sentimentos, informações, modificando mutuamente a sociedade onde estão inseridas. Sem a
comunicação, cada um de nós seria um mundo isolado.

Comunicar é tornar comum, podendo ser um ato de mão única, como TRANSMITIR (um emissor
transmite uma informação a um receptor), ou de mão dupla, como COMPARTILHAR (emissores e
receptores constroem o saber, a informação, e a transmitem). Comunicação é a representação de uma
realidade. Serve para partilhar emoção, sentimento, informação.

Quem comunica é a fonte e, do outro lado, está o receptor. O que se comunica é a mensagem.

Pode ser vista, ouvida, tocada. As formas de mensagens podem ser: palavras, gestos, olhares,
movimentos do corpo. As formas como as ideias são representadas são chamadas de signos. Em
conjunto, formam os códigos: língua portuguesa, código Morse, Libras, sinais de trânsito.

50

Baseado em texto do site: http://ana-intervalo.blogspot.com.br/2009/02/o-que-e-comunicacao.html. Acesso:


27.05.2013; e do texto “Comunicação: por que é importante?”, de Lóide Magalhães, 27.05.2013
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Comunicação no mundo do trabalho III

43 OBJETIVO
 Propiciar uma compreensão mais ampla acerca da importância da
comunicação em uma organização.

TEMPO ATIVIDADE

Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
5’
O professor pergunta aos estudantes como eles percebem a importância de desenvolve
r uma boa comunicação, para a vida e para o trabalho. Solicita exemplos.

Desenvolvimento 1
Desafio: Juntar os recortes e formar uma apresentação.
Com os recortes das partes do texto, “Veja o que é importante na comunicação de um
a empresa”, os estudantes devem escolher seus recortes e formar seus textos. Esses re
cortes devem direcionar a formação da equipe para apresentação (a equipe tem que faz
40’ er a interpretação do texto).
Inicialmente (primeiros cinco minutos) os estudantes tem que tentar formar seus textos
sem utilizar o caderno do estudante. Logo em seguida o professor pode liberar a consul
ta ao caderno do estudante (10 minutos).
Os estudantes terão 10 minutos para estudar seus textos e montar a apresentação.
O tempo será em média de 02 minutos para apresentar o trecho do texto.

Encerramento
5’ O professor solicita que os estudantes façam a reflexão dos principais aprendizados na a
ula.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES


 Ler previamente o texto “Veja o que é
 Recortes contidos no material de apoio ao
importante na comunicação de uma empresa”
professor
 Imprimir e recortar os fragmentos textuais
 Caderno do estudante
contidos no material de apoio ao Professor
Veja o que é importante na comunicação de uma empresa51

1) Cuidado na preservação da imagem da empresa: quando você, como funcionário, se comunica com
um cliente, um fornecedor, um órgão público – qualquer que seja o tipo de contato –, está
encaminhando uma mensagem explícita – o recado transmitido. Mas outra mensagem está implícita,
isto é, embutida na linguagem e estilo utilizados, na correção gramatical, na organização do texto, etc.
Esta mensagem implícita é a imagem da empresa na qual você trabalha. Se sua mensagem está cheia de
erros ortográficos, com borrões ou mal escrita, o receptor vai interpretar essas falhas como se fossem
da empresa, pois, embora seja um trabalho seu, é o nome da organização que está em jogo.

2) Formalidade: por mais descontraído que seja o relacionamento entre o emissor e o receptor da
mensagem, a comunicação no mundo do trabalho tem uma tendência a ser mais formal. Portanto, esteja
atento ao utilizar expressões como “querido” ou “um beijo”, pois elas podem não se adequar ao perfil
da organização ou do cliente em atendimento.

3) Objetividade: seja em um simples aviso ou memorando, seja em uma carta ou em um relatório, o


assunto abordado deve ser tratado de forma direta.

4) Clareza e simplicidade: para garantir a clareza da sua mensagem, use uma linguagem de acordo com
a compreensão do receptor. Uma linguagem simples, mas sem gírias, é o mais aconselhável. Para facilitar
a compreensão da mensagem, procure fazer parágrafos curtos, com o sentido completo.

5) Coerência: qualquer que seja o tipo de documento utilizado para a comunicação, o assunto deve ser
tratado em uma ordem coerente, estabelecendo as relações de causa e consequência entre os pontos
abordados. Se o texto for longo, use o recurso de numerar os itens tratados.

6) Correção gramatical: se você tiver dúvida quanto ao significado ou à grafia de uma palavra e não tiver
um dicionário à mão, melhor trocar de palavra, procurando outra de aplicação mais segura.

7) Persuasão: toda comunicação implica certo grau de persuasão. Via de regra, o emissor está
pretendendo convencer o receptor de algo. Tenha isso em mente e só envie a sua mensagem depois de
checar o tom, o estilo e a linguagem mais adequados.

A não observância desses cuidados básicos pode causar ruídos na comunicação, comprometendo sua
eficácia. Exemplos de ruídos:

- Estilo seco e autoritário: lembre-se de que, ao receber a mensagem, o receptor pode não estar no
melhor dos humores. Seu estilo deve ser ameno, sem palavras muito fortes, que possam vir a ser mal
interpretadas.
- Desconhecimento do código: quando for tratar de um assunto técnico - com um leigo, não use termos
que ele possa não entender. Quando for tratar de um assunto com um técnico, informe-se antes sobre
os termos específicos, para garantir o entendimento.
- Mistura de assunto: quando, num relatório, ata ou correspondência, for necessário falar mais de um
assunto, preste atenção para a ordem na exposição de cada um.
- Períodos longos: um período ou parágrafo muito longo pode fazer o receptor “perder o fio da meada”
– ou o fôlego – durante a leitura. Pare (usando o ponto), separe (usando vírgulas), faça pausas (usando
ponto e vírgula), mas, principalmente, seja objetivo em cada período da sua redação.

51
Geraci Mello, advogada, auditora da Receita Federal, educadora e integrante da equipe do Instituto Aliança até 2012.
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 42: Comunicação no mundo do trabalho II
Professor: seguem abaixo os recortes do texto:
1) Cuidado na preservação da imagem da empresa: quando você, como funcionário, se comunica com
um cliente, um
fornecedor, um órgão público – qualquer que seja o tipo de
contato –, está encaminhando uma mensagem explícita – o recado
transmitido. Mas outra mensagem está implícita, isto
é, embutida na linguagem e estilo utilizados, na correção gramatical, na
organização do texto, etc. Esta mensagem implícita é a imagem da empresa
na qual você trabalha. Se sua mensagem está cheia de erros ortográficos, com borrões ou mal escrita, o
receptor vai interpretar essas falhas como
se fossem da empresa, pois, embora seja um trabalho seu, é o nome da organização que está em jogo.

2) Formalidade: por mais descontraído que seja o relacionamento entre o emissor


e o receptor da mensagem, a comunicação no mundo do
trabalho tem uma tendência a ser mais formal. Portanto, esteja atento ao utilizar expressões como “qu
erido” ou “um beijo”.

3) Objetividade: seja em um simples


aviso ou memorando, seja em uma carta ou
em um relatório, o assunto abordado deve ser tratado de forma direta.

4) Clareza e simplicidade: para garantir a clareza da sua


mensagem, use uma linguagem de acordo com a compreensão
do receptor. Uma linguagem simples, mas sem gírias, é o
mais aconselhável. Para facilitar a compreensão da
mensagem, procure fazer parágrafos curtos, com o sentido completo.

5) Coerência: qualquer que seja o tipo de documento utilizado


para a comunicação, o assunto deve ser tratado em uma ordem coerente, estabelecendo as relações d
e causa e consequência entre os pontos
abordados. Se o texto for longo, use o recurso de numerar os itens tratados.

6) Correção gramatical: se você tiver dúvida quanto ao


significado ou à grafia de uma palavra e não tiver um dicionário à
mão, melhor trocar de palavra, procurando outra de aplicação mais segura.
7) Persuasão: toda comunicação implica certo grau de
persuasão. Via de regra, o emissor está pretendendo convencer
o receptor de algo. Tenha isso em mente e só envie a sua mensagem depois de checar o tom, o estilo e
a linguagem mais adequados.

8) A não observância desses cuidados básicos pode causar ruídos na comunicação, comprometendo s
ua eficácia. Exemplos de ruídos:
- Estilo seco e autoritário: lembre-se de que, ao receber

a mensagem, o receptor pode não estar no melhor dos humores. Seu estilo deve ser ameno, sem

palavras muito fortes, que possam vir a ser mal interpretadas.

9) Desconhecimento do código: quando for tratar de um

assunto técnico - com um leigo, não use termos que ele possa não entender. Quando for tratar de um a
ssunto com um técnico, informe-se antes sobre

os termos específicos, para garantir o entendimento.

10) Mistura de assunto: quando, num relatório, ata

ou correspondência, for necessário falar mais de um

assunto, preste atenção para a ordem na exposição de cada um.

11) Períodos longos: um período ou parágrafo

muito longo pode fazer o receptor “perder o fio da meada” – ou o fôlego – durante

a leitura. Pare (usando o ponto), separe (usando vírgulas), faça

pausas (usando ponto e vírgula), mas, principalmente, seja objetivo em cada período da sua redação.
AULA TEMA
COMUNICAÇÃO
A arte de conversar

44 OBJETIVO
 Refletir com o grupo acerca da importância de uma boa comunicação
no mundo do trabalho.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a turma em seis equipes.
O professor pergunta aos estudantes:
5’
 O que vocês lembram da aula passada?
 Vocês gostam de conversar?
 Vocês acreditam que se comunicam bem?
Desenvolvimento
O professor promove uma leitura expositiva do texto: A arte de conversar (serão lidas
as partes grifadas do texto) - 15 minutos - contido no Caderno do Estudante.
Com a turma dividida, cada equipe fica responsável por uma parte (pedaço) de um bo
neco.
O professor entrega as partes já recortadas com fragmentos do texto, para interpretaç
ão da equipe. Para que as equipes tenham uma visão geral da atividade, é importante
que se leia o texto “A arte de conversar” marcado na cor cinza antes de iniciar o traba
lho.
40’
1 – Cabeça
2 – Tronco
3 – Braço esquerdo
4 – Braço direito
5 – Perna esquerda
6 - Perna direita
Preparação das apresentações - 10 minutos.
As apresentações devem ser feitas na ordem listada acima.
Apresentação por equipe - em média 3 minutos.
Encerramento

5’ Após as apresentações da turma, o professor solicita aos estudantes uma breve refl
exão do que se mostrou durante toda a atividade e o que aquele boneco vai mostra
r dali em diante com todas as dicas.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Estudar o plano de aula e o texto
 Caderno do estudante
 Impressão das imagens com os fragmentos do
 Imagens recortadas
texto
 Fragmentos do texto
 Recortar as imagens
A arte de conversar52
* Por Fabiano Caxito53

Quando pensamos em falar em público, logo nos vem à mente a imagem de um púlpito ou palco, uma
tela e um projetor, slides e um microfone.

Porém, a arte de falar em público é muito mais ampla. Em cada conversa, reunião ou telefonema, cada
viagem que você faz durante seu dia de trabalho, você está exercitando a arte de falar, a arte de se
comunicar. E da mesma forma que em uma apresentação para um grande público, você precisa saber
se comunicar.

Para captar o interesse de seu interlocutor, ou de sua plateia, sua mensagem deve ter clareza e
objetividade.

Tive um excelente professor na minha graduação. Ele é um profissional com uma história profissional
fantástica: atuou como executivo de um grande banco em vários países do mundo. Conhecia muito de
finanças e era competentíssimo. Porém, os alunos detestavam a sua aula por um simples motivo: poucos
entendiam o que ele estava falando, porque sua linguagem era cheia de termos técnicos, construções
rebuscadas e citações que só uma pessoa com ampla cultura entenderia.

Já a falta de objetividade, com certeza você deve ter vivenciado. Sabe aquele seu amigo ou companheiro
de trabalho que começa a falar de um assunto e termina em outro? Você o cumprimenta com um “bom
dia” e ele começa a explicar todo o seu trajeto desde a casa até a empresa, e entra em detalhes sobre o
barulho estranho que o carro fez e ai dispara a contar sobre a viagem que fez à praia, etc. E você ali,
doido para arrumar uma desculpa para ir cuidar de sua vida.

Será que sua comunicação tem sido clara e objetiva? Temos muita dificuldade em avaliar a forma como
nos comunicamos. E raramente as outras pessoas nos alertam sobre os problemas e erros que
cometemos ao falar.

Para ser um bom comunicador, você precisa constantemente analisar sua comunicação cotidiana, sua
forma de se expressar. Aqui vão algumas dicas para ajudá-lo:

Conheça a ti mesmo

Bons oradores desenvolvem um bom autoconhecimento e domínio de si, além de um profundo


conhecimento do tema sobre o qual precisam falar. Planejam sua fala de forma a utilizar o ambiente e
os recursos de que dispõem para exprimir suas ideias e convicções e atrair a atenção e o interesse do
público.

Utilizam a voz de forma ritmada, evitando o tom monocórdico, alterando a altura, intensidade vibração
e o entusiasmo para enfatizar os pontos mais importantes do discurso, com um tom amigável e sem
exagero.

52
Fonte: Texto disponível em http://www.dicasprofissionais.com.br/a-arte-de-conversar/ Acesso: 06.03.2013

53
Fabiano Caxito é consultor de empresas, professor e palestrante. Mestre em Administração Estratégica. Coordena
os MBA´s em Gestão Comercial e Supply Chain Management e os cursos de Especialização em Logística das Operações Com
erciais, Comércio Exterior e Gestão em Vendas da Universidade Cidade de São Paulo, instituição na qual atua também como
professor e assessor acadêmico.
Conte “Causos”

Outro ponto em comum em bons comunicadores é a capacidade de contar casos! Incluem exemplos
vivos nas conversas, ou seja, pessoas de verdade fazendo coisas reais.

“Vê Se Te Enxerga”!

Ser modesto e despretensioso também é um aspecto chave para o sucesso na comunicação. Arrogância
afasta as pessoas. Não tente, durante uma conversa, mostrar sua superioridade. Você tem um ponto de
vista sobre um determinado assunto e a oportunidade de defendê-lo frente a uma pessoa, que pode
concordar ou não com sua visão.

Comungue!
Comunicar e Comungar são palavras com origens semelhantes, e expressam a ideia de dividir,
compartilhar, fazer junto. O entendimento daquilo que você defende depende dos conhecimentos de
cada um. Assim, você deve falar com cada pessoa da forma que ela entende. O respeito deve ser total.
Faça contato visual com a pessoa, mas tome cuidado com o olhar. Não se fixe nem fique pulando o olhar
muito rapidamente, para não passar a impressão de que está perdido ou nervoso. Por outro lado, não
fique olhando para cima ou para o nada, pois seu interlocutor o achará arrogante.

Seja oportuno. Amarre suas observações ao jornal de hoje. Atualize constantemente seu material.
Identifique como o tema de sua conversa é impactado pelas mais recentes notícias.

Em seu cotidiano, você terá a oportunidade de entabular uma dezena de conversas. Alguns clientes gos
tam de um bate-papo, outros preferem o silêncio. Um bom comunicador conseguirá perceber estas car
acterísticas, e usar a habilidade de se comunicar para construir relacionamentos. E bons relacionament
os significam bons negócios.
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 44: A arte de conversar

Conheça a ti mesmo

Bons oradores desenvolvem um bom autoconhecimento e domínio de si, além de um profundo conhec
imento do tema sobre o qual precisam falar. Planejam sua fala de forma a utilizar o ambiente e os recu
rsos de que dispõem para exprimir suas ideias e convicções e atrair a atenção e o interesse do público.

Utilizam a voz de forma ritmada, evitando o tom monocórdico, alterando a altura, intensidade vibração
e o entusiasmo para enfatizar os pontos mais importantes do discurso, com um tom amigável e sem ex
agero.
“Vê Se Te Enxerga”!

Ser modesto e despretensioso também é um aspecto chave para o sucesso na comunicação. Arrogânci
a afasta as pessoas. Não tente, durante uma conversa, mostrar sua superioridade. Você tem um ponto
de vista sobre um determinado assunto e a oportunidade de defendê-lo frente a uma pessoa, que pode
concordar ou não com sua visão.
Conte “Causos”

Outro ponto em comum em bons comunicadores é a capacidade de contar casos! Incluem exemplos vi
vos nas conversas, ou seja, pessoas de verdade fazendo coisas reais.
Já a falta de objetividade, com certeza você deve ter vivenciado. Sabe aquele seu amigo ou companheir
o de trabalho que começa a falar de um assunto e termina em outro? Você o cumprimenta com um “b
om dia” e ele começa a explicar todo o seu trajeto desde a casa até a empresa, e entra em detalhes sob
re o barulho estranho que o carro fez e ai dispara a contar sobre a viagem que fez à praia, etc. E você al
i, doido para arrumar uma desculpa para ir cuidar de sua vida.
Comungue!
Comunicar e Comungar são palavras com origens semelhantes, e expressam a ideia de dividir, comparti
lhar, fazer junto. O entendimento daquilo que você defende depende dos conhecimentos de cada um.
Assim, você deve falar com cada pessoa da forma que ela entende. O respeito deve ser total.
Faça contato visual com a pessoa, mas tome cuidado com o olhar. Não se fixe nem fique pulando o olh
ar muito rapidamente, para não passar a impressão de que está perdido ou nervoso. Por outro lado, nã
o fique olhando para cima ou para o nada, pois seu interlocutor o achará arrogante.
Seja oportuno. Amarre suas observações ao jornal de hoje. Atualize constantemente seu material. Iden
tifique como o tema de sua conversa é impactado pelas mais recentes notícias.

Em seu cotidiano, você terá a oportunidade de entabular uma dezena de conversas. Alguns clientes gos
tam de um bate-papo, outros preferem o silêncio. Um bom comunicador conseguirá perceber estas car
acterísticas, e usar a habilidade de se comunicar para construir relacionamentos. E bons relacionament
os significam bons negócios.
COMUNICAÇÃO
TEMA
AULA Postura profissional

45 OBJETIVOS


Refletir com o grupo acerca de uma boa postura, nas relações
pessoais e profissionais.
Discutir com o grupo posturas já adotadas e outras a adotar.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor inicia uma conversa com os estudantes que não basta saber se comunicar,
5’ mas também é necessário ter postura profissional no mundo do trabalho.
O professor questiona os estudantes:
 O que é uma boa postura profissional para vocês?
Desenvolvimento 1
O professor promove uma leitura expositiva do texto: “Postura profissional”, contid
25’ o no Caderno do Estudante, abordando com exemplos os parágrafos do texto, busca
ndo contextualizar e provocar os estudantes a dizer com quais informações eles mai
s se identificaram e por quê.
Desenvolvimento 2
Cada estudante recebe uma folha para dobrar ao meio (pode ser uma folha A4 re
15’ cortada ao meio). Na parte de cima, os estudantes listarão posturas profissionais
positivas que eles consideram ter, e na parte de baixo, as posturas que ainda prec
isam melhorar.
Encerramento
O professor passa uma bola de papel, ao som de uma música. Quando a música p
arar, quem estiver com a bola na mão pede para o seu colega da direita comparti
lhar suas posturas. (esse comando só deve ser revelado quando a bola de papel p
arar)
5’
Na segunda rodada, quem estiver com a bola quando a música parar pede que o c
olega da esquerda compartilhe suas posturas. (esse comando só deve ser revelad
o quando a bola de papel parar)
Na terceira rodada, quem estiver com a bola na mão quando a música parar com
partilha suas posturas. (esse comando só deve ser revelado quando a bola de pap
el parar)
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Papel A4, 25 folhas: dividir ao meio e entregar
para os estudantes.  Escolher a música para o encerramento
 Caderno do estudante  Estudar os textos previamente
 Bola de papel
Postura profissional54
A Postura Profissional é parceira da boa educação que recebemos desde cedo. Quando ouvimos
a orientação de respeitar aos demais, sobre como nos comportarmos em público, de honrar
compromissos e prezar por tudo aquilo que temos e conquistamos, nem imaginamos o quanto
isso será empregado em nossa vida profissional.
A Postura Profissional é algo totalmente decisivo na construção de uma carreira. Ela é
importante tanto para quem ingressa em seu primeiro emprego, como para quem já está
trabalhando há mais tempo.
Assim, é de extrema importância que ocorra um ajuste entre você e a empresa na qual trabalha.
Suas funções dentro da empresa devem estar alinhadas com o que a empresa realmente
necessita e espera de seu trabalho.
Vejamos algumas dicas sobre este tema:
 Seja parceiro da educação. Por mais óbvio que pareça, muitas pessoas deixam de dedicar
atenção a este quesito, e apresentam um comportamento inaceitável para a organização;
 Pratique a autocrítica e tenha interesse pelo que faz. A preocupação constante em melhorar
sempre e o interesse pela atividade desenvolvida são muito importantes para o crescimento
profissional. Cumpra todas as tarefas. Isso não é somente uma questão de bom senso, mas
também uma questão de compromisso profissional;
 Respeite os demais colegas de trabalho. Não é necessário gostar de ninguém, mas respeitar
é obrigação de todos, não somente no trabalho, mas na vida. Por isso, respeite as diferenças,
os limites e mantenha sempre a educação;
 Mantenha uma boa aparência. Não é necessário estar sempre elegante, pois saber se vestir
significa saber usar a roupa certa no lugar certo. Por isso, devemos nos vestir de acordo com
o local em que trabalhamos;
 Saiba lidar com as hierarquias. Mantenha o equilíbrio, tendo sempre respeito. Aceitar
opiniões faz parte do trabalho em equipe, sabendo escutar, opinar e avaliar opiniões
diferentes da sua. Ao expor suas ideias, faça com que as pessoas entendam seu ponto de
vista, mas sem imposições;
 Seja pontual no trabalho. Cumpra o horário de trabalho, mantendo a pontualidade nos
compromissos marcados.
O sucesso de sua Carreira dependerá de objetivos a serem traçados por você, os quais deverão
estar alinhados aos objetivos de sua empresa. Mas estes só poderão ser atingidos com Ética e
Postura Profissional no seu dia a dia.

54
Fonte: Texto adaptado de original disponível em http://blog.rhios.com.br/2011/07/05/a-importancia-da-etica-e-d
a-postura-profissional/. Data de acesso 13.11.2012
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA Comunicação interna e externa na empresa: abaixo-assinado, ata de
reunião, ofício/memorando e declaração/atestado.

46 OBJETIVO
 Trabalhar com o grupo o cuidado com a redação e termos para as
comunicações através de abaixo-assinado, ata de reunião,
ofício/memorando e declaração/atestado.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor ressalta a importância da comunicação falada e da comunicação escrita,
lembrando que esta última envolve diferentes tipos de documentos, cada um com u
m estilo próprio.
 Vocês conhecem um documento chamado “ata” - de reunião, de instalação d
5’ e um evento, de desligamento de sócios, etc. Para que serve?
 E um abaixo-assinado? Alguém já assinou algum? Com que finalidade?
 Algum de vocês já percebeu no mural da escola, algum tipo de comunicado?
 Vocês já foram à secretaria ou coordenação da escola e pediram um atestad
o? Para que vocês solicitaram?
O professor consolida esse momento explicando que quatro diferentes documentos
serão estudados hoje e que eles têm a ver com as perguntas que foram feitas.
Desenvolvimento 1
O professor promove uma leitura expositiva das definições de: abaixo-assinado e at
a de reunião, Ofício/Memorando e Declaração/Atestado (constantes no caderno d
20’ o estudante).
Após a leitura de cada definição o professor tira as possíveis dúvidas, provê e solicit
a exemplos referentes a cada um dos documentos; e apresenta os modelos.

Desenvolvimento 2
Em seguida divide os estudantes em quatro grandes grupos e os convida a preenc
her as lacunas dos modelos que constam no exercício de sala de aula.
20’ Observação: O professor lembra aos estudantes que o livro não pode ser riscado,
portanto orientar o preenchimento em um material separado.
O professor deverá estar sempre perto para dar apoio no preenchimento.

Encerramento
5’
O professor solicita que três estudantes falem dos principais aprendizados do dia.

MATERIAL NECESSÁRIO ORIENTAÇÃO

 Caderno do estudante  Estudo prévio do assunto


Documentos no Mundo do Trabalho
O que é uma ATA de reunião?55

Ata é um documento em que se registram resumidamente e com clareza as ocorrências, deliberações,


resoluções e decisões de reuniões ou assembleias. Antigamente, o seu portador era um livro, um grande
caderno, capa preta. Atualmente, elas são digitadas, impressas e arquivadas em pastas. Ou, então,
apenas digitadas e arquivadas no próprio computador.
Deve ser redigida de tal maneira que não seja possível qualquer modificação posterior. Para evitar
isso deve ser escrita:
- com margens dos dois lados (livro de ata) e formatadas em editor de texto que não permita
alteração, como o PDF, por exemplo;
- sem parágrafos ou alíneas (ocupando todo o espaço da página);
- sem abreviaturas de palavras ou expressões;
- com números escritos por extenso;
- sem rasuras nem emendas;
- sem uso de corretivo;
- com verbo no tempo pretérito perfeito do indicativo;
- com verbo de elocução para registrar as diferentes opiniões.

Se o relator cometer um erro, deve empregar a partícula retificativa digo, como neste exemplo: “Aos
vinte dias do mês de março, digo, de abril, de mil de dois mil e treze...”
Quando se constatar erro ou omissão depois de lavrada a ata, usa-se a expressão “em tempo”: “Em
tempo: onde se lê março, leia-se abril”.

Partes da ata:
· Data, horário, local e objetivos;
· Nome do presidente da reunião e de quem a secretariou;
· Pessoas presentes. Se for um grupo pequeno, citá-las nominalmente;
· Relato da reunião propriamente dita. A parte principal do documento;
· Encerramento.

55
Texto adaptado e disponível: http://escreverdireitooab.blogspot.com.br/2013/06/como-fazer-ata.html Acesso
08/12/13
MODELO

Data, horário, local e objetivos


Aos treze dias do mês de outubro de dois mil e treze, com início às nove horas, no pátio da Escola Sidnei
Cavalcante, sita na rua Rio Jordão, número duzentos e doze, Messejana-Fortaleza, realizou-se uma
reunião de todos os alunos dos terceiros anos da escola, com o objetivo de preparar as festividades de
conclusão do ensino médio

O presidente, a secretária da reunião e as pessoas presentes


A reunião foi presidida pelo líder da nona série A, Maxmiller Loiola, tendo como secretária a líder do
terceiro ano B, Cidinha Carvalho. Contou com a participação de oitenta e dois alunos, dos professores
conselheiros das três turmas e da vice-diretora, Rose Araújo.

Relato da reunião propriamente dita.


Inicialmente, Maxmiller Loiola solicitou à vice-diretora que comunicasse as providências administrativas
e o andamento legal referente ao término do ensino médio. Foi esclarecido que os alunos dos terceiros
anos encerrariam o ano e fariam as recuperações juntamente com os demais alunos da escola, e que a
direção pensava oferecer um coquetel no encerramento do ano letivo para alunos e professores dos
terceiros anos, ocasião em que os alunos receberiam o histórico escolar......

Encerramento
Nada mais havendo a tratar, foi lavrada a presente ata, que vai assinada por mim, Cidinha Carvalho,
secretária, pelo presidente da reunião, pela vice-diretora e pelos professores e alunos presentes.
O que é abaixo-assinado?56

O abaixo-assinado traz em sua essência o aspecto essencialmente argumentativo, cuja finalidade


discursiva é expor posicionamentos acerca de um determinado fato.

Por tratar de assuntos de interesses coletivos, o abaixo-assinado permite que um grupo de pessoas se
reúna e faça a solicitação necessária, podendo essa ser endereçada a um prefeito, ao reitor de uma
universidade, ao síndico de um condomínio, entre outros. Dessa forma, trata-se de uma situação cujo
contexto requer um tratamento específico, sobretudo em se tratando do padrão formal da linguagem.
Assim, a estrutura atribuída a tal gênero obedece aos seguintes parâmetros:

* Vocativo – Trata-se de um espaço no qual deverá conter o nome do destinatário e/ou o cargo, seguido
do pronome de tratamento adequado;

* Corpo do texto – Parte que apresenta a exposição dos argumentos propriamente ditos, acompanhados
das respectivas solicitações que os justifiquem;

* Local, data e assinatura dos solicitantes – Junto das assinaturas é possível conter dados pessoais, tais
como o documento de identidade, endereço, entre outros.

Modelo de abaixo-assinado

ABAIXO-ASSINADO

Ao Sr. Secretário de Infraestrutura da Regional VI – Prefeitura de Fortaleza-Ceará

Nós moradores do bairro Parque Santa Maria, residentes a rua Rio Jordão estamos através deste abaixo-
assinado, reivindicando melhoria em nossa rua, mais precisamente asfalto na rua citada acima. Pois a
mesma encontra-se esburaca e impossibilitando o deslocamento dos moradores, tornando-se
intransitável.

Por isso, nós abaixo-assinados, solicitamos com urgência o asfalto para a rua Rio Jordão no bairro Parque
santa Maria.

NOME RG

56
http://www.brasilescola.com/redacao/abaixo-assinado.htm Acesso: 08/12/13
O que é ofício/memorando?57

O ofício e o memorando diferenciam-se antes pela finalidade do que pela forma. Com o objetivo de
uniformizá-los, adotou-se uma diagramação única, chamada Padrão Ofício.

PARTES DO DOCUMENTO NO PADRÃO OFÍCIO

1. Timbre: No alto da folha. Deve conter o símbolo do órgão, o nome do órgão e do setor, o
endereço para correspondência, o telefone, o fax e o e-mail.
2. Tipo e número do expediente, seguido da sigla do órgão que o expede, com alinhamento à
esquerda e sem ponto final.
Memorando n.o 123/2013/CE
Ofício n.o 118/2013/IACE
3. Local e data em que foi assinado por extenso, com alinhamento à direita, ponto final e sem o
número zero antes do dia.
Fortaleza, 13 de dezembro de 2013.

4. Destinatário: O nome e o cargo da pessoa a quem é dirigida a comunicação, com alinhamento à


esquerda.
Ofício:
A Sua Excelência o Senhor
Fulano de Tal
Ministro da Educação
Endereço
Memorando:
Ao Senhor Chefe do Gabinete
À Senhora Secretária de Gestão de Pessoas
5. Assunto: Resumo do teor do documento. Em negrito e com alinhamento à esquerda. Sem ponto
final.
Assunto: Produtividade do órgão na Gestão 2010-2013
Assunto: Necessidade de Colaboradores
6. Texto
Introdução
Desenvolvimento
Conclusão
7. Fecho: 2,5 cm de distância da margem à esquerda.
Atenciosamente,
Respeitosamente,
8. Assinatura do autor da comunicação e identificação do signatário: Centralizado.
(espaço para assinatura)
NOME
Reitora

57
http://redacaooficial.ufsc.br/o-padrao-oficio Acesso: 08/12/13
O que é declaração/atestado?

Declaração

A declaração é um documento que visa a registrar formalmente uma informação sobre uma determinada
pessoa ou fato, obrigando àquele que a expede sempre expressar a verdade a respeito.

É um gênero muito utilizado no nosso dia-a-dia. Quando precisamos comprovar ou declarar algo sobre
alguém ou determinado assunto, solicitamos logo uma declaração. Tanto pode ser expressa por escrito,
quanto de viva voz, ou seja, oralmente. Quando por escrito, é reconhecida como documento e válida
inclusive junto à Justiça.

Conforme as circunstâncias e seu objetivo, toma diversas outras denominações: declaração de ausência,
declaração de vontade, declaração de crédito, declaração de pobreza, declaração de direito, declaração
de guerra, declaração de falência, declaração de interdição, declaração de nascimento, declaração de
óbito, declaração de renda, declaração de princípios etc.

A declaração não pode ser expedida por um órgão público. A declaração assemelha-se a outro gênero:
o atestado. Mais adiante veremos as semelhanças e diferenças entre esses dois gêneros.

Estrutura da declaração

Numa declaração, devem constar os seguintes componentes, da maneira em que aparecem dispostos
abaixo:
a) Usar o verbo Declarar no presente do indicativo, na 1ª pessoa, para iniciar o texto.
Exemplos:
Declaro que o Sr. João Armando Ferraz
Declaramos que o Sra. Irene Brasil da Fonseca

b) Apresentar a finalidade da declaração no corpo do texto.


Exemplos:
Declaro para os devidos fins que o Sr ...
Declaro para fins escolares que ...

c) Local e data por extenso.


Exemplo:
Porto Alegre, 22 de outubro de 1998.

d) Assinatura de quem está emitindo a declaração.


Exemplo:
Sr. Mário Barcellos
Atestado

O atestado é um documento firmado por uma pessoa a favor de outra, que tem a finalidade de atestar
a verdade a respeito de um determinado fato, geralmente do ponto de vista profissional. Esse é o tipo
de atestado profissional.

Temos também outro tipo de atestado, conhecido como atestado médico, no qual é discriminado pelo
médico se a pessoa pode ou não exercer determinada função ou se esteve ou não doente e qual foi a
doença. Os atestados mais comuns são: de sanidade mental, de óbito, de boa conduta, de bons
antecedentes, etc. Aqui, vamos tratar apenas do atestado comercial.

Estrutura do Atestado

a) Usar o verbo ATESTAR no presente do indicativo, na 1ª pessoa, para iniciar o texto.


Exemplos:
Atesto que o Sr. Paulo Oliveira
Atestamos que o Sr. Mário Chivas

b) Apresentar a finalidade do Atestado no corpo do texto.


Exemplos:
Atestamos que Paulo Oliveira foi aluno da nossa escola...

c) Local e data por extenso.


Exemplo:
Porto Alegre, 22 de outubro de 1998.

d) Assinatura de quem está emitindo o Atestado.


Exemplo:
Sr. Valdenisio de Barros

Diferenças entre declaração e atestado

A principal diferença entre declaração e atestado é que o primeiro não pode ser expedido por órgão
público, pois a declaração é própria das instituições particulares, e o segundo só pode ser expedido por
órgão público.

A segunda diferença está no fato de que a declaração tem valor transitório, de pouca duração e o
atestado tem um prazo maior de duração.

A terceira diferença está na parte estrutural. Na declaração, não aparece o timbre da empresa que está
declarando, já no atestado é obrigatório o uso do timbre da repartição que está expedindo o documento.

Semelhanças entre declaração e atestado

A semelhança desses dois gêneros, declaração e atestado, está na estrutura e disposição do texto.
Ambos os gêneros apresentam:
a) Título em letra maiúscula e centralizado.
Exemplos:
DECLARAÇÃO
ATESTADO
b) Texto: o do atestado deve apresentar sempre o verbo Atestar, a exposição dos fatos que se está
afirmando, dados do emissor, e o texto da declaração deve apresentar o verbo Declarar e a exposição
dos fatos.
Exemplos:
Atesto que Valdenise de Barros
Declaro para os devidos fins que

c) Local e data.
Exemplo:
Natal, 13 de janeiro de 2007.

d) Assinatura, nome e cargo de quem atesta e/ou declara.


Exemplo:
Joaquim Honório
Diretor
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA Comunicação interna e externa na empresa: contrato, ordem de s
erviço, relatório e procuração.

47 OBJETIVO
 Trabalhar com o grupo o cuidado com a redação e com os
termos para as comunicações através de contrato, ordem de
serviço, relatório e procuração.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
Explica que nesta aula, darão continuidade ao entendimento de documentos
específicos, utilizados em uma organização.
O professor provoca os estudantes:
 Vocês conhecem um contrato? Qual é a importância dele?
10’  Algum de vocês já ouviu falar de ordem de serviço? Do que se trata?
 Vocês já ouviram falar de um relatório? Onde o utilizaram? Qual foi a finalid
ade?
 E uma procuração? Já necessitaram?
A cada pergunta o professor escreve no quadro o documento que será trabalho
na aula: Contrato; Ordem de serviço, Relatório e Procuração.

Desenvolvimento 1
O professor promove uma leitura expositiva das definições de: Contrato, Ordem
de serviço, Relatório e Procuração. (Constantes no Caderno do Estudante)
15’
Após a leitura de cada definição o professor tira as possíveis dúvidas, provê e so
licita exemplos referentes a cada um dos documentos; e apresenta os modelos.

Desenvolvimento 2
Em seguida divide os estudantes em quatro grandes grupos e os convida a pr
eencher as lacunas dos modelos que constam no exercício de sala de aula.
20’
Observação: O professor lembra aos estudantes que o livro não pode ser risc
ado, portanto orientar o preenchimento em um material separado.
O professor deverá estar sempre perto para dar apoio no preenchimento.
Encerramento
5’ O professor solicita que três estudantes falem dos principais aprendizados do
dia.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÃO

 Caderno do estudante
 Estudar o assunto previamente
 Folhas de ofício
Contrato e Declaração
Contrato Individual de Trabalho
Pelo presente instrumento e na melhor forma de direito, as partes:
1. ....................................(nome), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), titular do CPF nº (XXXX), RG
(XXXX), residente à Rua (endereço) que por força do presente contrato passa a ser simplesmente
denominado EMPREGADOR;
2. ................................... (nome),(nacionalidade), (estado civil), (profissão), titular do CPF nº (XXXX), RG
(XXXX), CTPS (número) , residente à Rua (endereço) doravante designado EMPREGADO;
Firmam o presente CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO, nos termos da Lei e, seguintes cláusulas assim
pactuadas:
Cláusula 1ª - Da Função
O EMPREGADO, obriga-se a prestar seus serviços no quadro de funcionários da EMPREGADORA para
exercer as funções de ................................, mediante a remuneração de R$
........,.......(........................................), a ser paga mensalmente ao empregado, até o 5º (quinto) dia útil
do mês.
Ressalva-se o EMPREGADOR, no direito de proceder à transferência do empregado para outro cargo ou
função que entenda que este demonstre melhor capacidade de adaptação desde que compatível com
sua condição pessoal.
Cláusula 2ª - Do Horário
O EMPREGADO cumprirá uma jornada de trabalho de 8 (oito) horas diárias, iniciando suas atividades as
8:00 horas da manhã e encerrando às 17:00 horas, com intervalo de uma hora para almoço, não havendo
expediente aos sábados e domingos.
Se houver horas extras, estas serão pagas na forma da lei ou serão compensadas com repouso
correspondente.
Cláusula 3ª – Da Transferência
O EMPREGADO está ciente e concorda que a prestação de seus serviços se dará tanto na localidade de
celebração do Contrato de Trabalho, como em qualquer outra Cidade, Capital ou Vila do Território
Nacional, nos termos do que dispõe o § 1° do artigo 469, da Consolidação das Leis do Trabalho.
Cláusula 4ª- Dos descontos
O EMPREGADO autoriza o desconto em seu salário das importâncias que lhe forem adiantadas pelo
empregador, bem como aos descontos legais, sobretudo, os previdenciários, de alimentação, habitação
e vale transporte.
Sempre que causar algum prejuízo, resultante de alguma conduta dolosa ou culposa, ficará obrigado o
EMPREGADO a ressarcir ao EMPREGADOR por todos os danos causados.
Cláusula 5ª - Das Disposições Especiais
O EMPREGADO compromete-se também, a respeitar o regulamento da empresa, mantendo conduta
irrepreensível no ambiente de trabalho, constituindo motivos para imediata dispensa do empregado,
além dos previstos em lei, o desacato moral ou agressão física ao EMPREGADOR, ao administrador ou a
pessoa de seus respectivos companheiros de trabalho, a embriaguês no serviço ou briga no local de
trabalho.
E por estarem assim contratados, nos termos de seus respectivos interesses, mandaram as partes lavrar
o presente instrumento que assinam na presença de 02 (duas) testemunhas, para as finalidades de
direito.

(cidade), (dia), de (mês) de (ano).

_________________________________________
Empregador

___________________________________________
Empregado Testemunhas:______________________
Preencha os campos abaixo, realizando a construção do seguinte modelo documental: contrato
individual

Contrato Individual58

Pelo presente instrumento e na melhor forma de direito, as partes:

1._____________________________________________________,____________________________,
________________________,_______________________, titular do CPF nº
___________________________, RG _____________________________, residente à Rua
______________________________________ que por força do presente contrato passa a ser
simplesmente denominado EMPREGADOR;

2.______________________________________________,____________________________,_______
___________,________________________, titular do CPF nº _____________________________, RG
____________________, CTPS __________________________, residente à Rua
________________________________________________ doravante designado EMPREGADO;

Firmam o presente CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO, nos termos da Lei e, seguintes cláusulas assim
pactuadas:

Cláusula 1ª – Da Função
O EMPREGADO, obriga-se a prestar seus serviços no quadro de funcionários da EMPREGADORA para
exercer as funções de............................................., mediante a remuneração de R$
........,.......(.....................................................................................), a ser paga mensalmente ao
empregado, até o 5º (quinto) dia útil do mês.
Ressalva-se o EMPREGADOR, no direito de proceder à transferência do empregado para outro cargo ou
função que entenda que este demonstre melhor capacidade de adaptação desde que compatível com
sua condição pessoal.

Cláusula 2ª – Do Horário
O EMPREGADO cumprirá uma jornada de trabalho de 8 (oito) horas diárias, iniciando suas atividades as
8:00 horas da manhã e encerrando às 17:00 horas, com intervalo de uma hora para almoço, não havendo
expediente aos sábados e domingos.
Se houver horas extras, estas serão pagas na forma da lei ou serão compensadas com repouso
correspondente.
Cláusula 3ª – Da Transferência
O EMPREGADO está ciente e concorda que a prestação de seus serviços se dará tanto na localidade de
celebração do Contrato de Trabalho, como em qualquer outra Cidade, Capital ou Vila do Território
Nacional, nos termos do que dispõe o § 1° do artigo 469, da Consolidação das Leis do Trabalho.
Cláusula 4ª- Dos descontos
O EMPREGADO autoriza o desconto em seu salário das importâncias que lhe forem adiantadas pelo
empregador, bem como aos descontos legais, sobretudo, os previdenciários, de alimentação, habitação
e vale transporte.
Sempre que causar algum prejuízo, resultante de alguma conduta dolosa ou culposa, ficará obrigada o
EMPREGADO a ressarcir ao EMPREGADOR por todos os danos causados.
Cláusula 5ª – Das Disposições Especiais
O EMPREGADO compromete-se também, a respeitar o regulamento da empresa, mantendo conduta

58
Fonte: Material disponível em Fonte:http://carreiras.empregos.com.br/carreira/administracao/noticias/12-dicas-
para-ter-uma-postura-profissional-adequada.shtm. Data de acesso: 12.11.2012 às 08h35.
irrepreensível no ambiente de trabalho, constituindo motivos para imediata dispensa do empregado,
além dos previstos em lei, o desacato moral ou agressão física ao EMPREGADOR, ao administrador ou a
pessoa de seus respectivos companheiros de trabalho, a embriaguês no serviço ou briga no local de
trabalho.

E por estarem assim contratados, nos termos de seus respectivos interesses, mandaram as partes lavrar
o presente instrumento que assinam na presença de 02 (duas) testemunhas, para as finalidades de
direito.

___________________, ________, de ____________ de __________.

_________________________________________
Empregador

Empregado

Testemunhas:__________________________

http://www.jurisway.org.br/v2/modelos1.asp?idmodelo=117
ORDEM DE SERVIÇO, RELATÓRIO E PROCURAÇÃO59

59
Fonte: Caderno do Participante do curso de formação de jovens para o mercado de trabalho Com.Domínio Digital –
Contexto das Relações de Trabalho – Instituto Aliança – Tema Comunicação – Texto: Comunicação na empresa: alguns
conceitos e definições Acesso: 13.12.2013
A seguir, você encontra o modelo: ordem de serviço. Observe como ele é estruturado:
EXERCÍCIOS DE SALA DE AULA

Preencha abaixo a ORDEM DE SERVIÇO:


MODELO DE PROCURAÇÃO

Outorgante: (nome), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), inscrito no CPF sob nº (informar), e no
RG nº (informar), residente e domiciliado à (informar o endereço), na cidade de (informar com sigla do
estado).

Outorgado: (nome), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), inscrito na OAB-MT sob o nº (informar),
com escritório profissional à (informar o endereço), na cidade de (informar com a sigla do estado).

Poderes: Plenos poderes para representar o outorgante junto ao (especificar o órgão onde a procuração
será utilizada, se for o caso), para prática de todos os atos necessários para (descreva a finalidade da
procuração), cessando os poderes dessa procuração em (data em que a procuração perde a validade).

(localidade), (dia) de (mês) de (ano).

(assinatura) _ ___
(nome do outorgante)

Vamos trabalhar?
Preencham:
1ª Parte - Procuração60

PROCURAÇÃO

Outorgante: ______________________________________, ____________________,


_______________________, ________________________, inscrito no CPF sob nº
___________________, e no RG nº ______________________, residente e domiciliado à
____________________________________________, na cidade de
_________________________________________.
Outorgado: ___________________________________, _________________________,
_____________________, ________________________, inscrito na _________________ sob o nº
__________________________, com escritório profissional à (informar o endereço), na cidade de
__________________________________________.
Poderes: Plenos poderes para representar o outorgante junto ao
_________________________________________________________________, para prática de todos
os atos necessários para
__________________________________________________________________, cessando os poderes
dessa procuração em ________________________________________.

____________________________, _______ de ____________________ de ____________.

60
http://pekdek.com/modelo-de-procuracao/Acesso:08/12/13
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Preparação das apresentações sobre os documentos

48 OBJETIVO
 Orientar a turma na construção de apresentações sobre os
documentos anteriormente trabalhados.

TEMPO ATIVIDADE

Acolhida
5’
O professor realiza a chamada e organiza a turma em 08 equipes.

Desenvolvimento 1
O professor orienta que cada equipe deve ficar com um tema/documento, e elaborar
uma apresentação para a próxima aula, da seguinte maneira:
 Equipe 01: Abaixo Assinado
 Equipe 02: Ofício/Memorando
10’  Equipe 03: Ata de Reunião
 Equipe 04: Declaração/Atestado
 Equipe 05: Contrato
 Equipe 06: Ordem de Serviço
 Equipe 07: Relatório
 Equipe 08: Procuração
Desenvolvimento 2
Essa parte da aula será destinada para a produção das apresentações da próxima a
35’ ula.
Observação: O professor disponibiliza todo o material necessário para a confecção
de cartazes, painéis; e apresentações criativas, como teatro, desenhos, músicas e e
tc.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÃO
 Caderno do estudante
 Folhas de papel ofício
 Canetas
 Pinceis  Estudar o assunto previamente
 Colas
 Tesouras
 Revistas
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Apresentação sobre documentos

49 OBJETIVO
 Realizar com o grupo as apresentações sobre documentos no mundo
do trabalho.

TEMPO ATIVIDADE

Acolhida
5’
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.

Desenvolvimento
40’ O professor dá início as apresentações, convidando uma equipe por vez, e ao final de c
ada apresentação, faz suas contribuições sobre cada documento.

Encerramento
5’ O professor solicita que três estudantes falem os principais aprendizados do dia.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÃO


 Caderno do estudante
 Estudar o assunto previamente
 Kit multimídia (Caso necessário)
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Marketing pessoal

50 OBJETIVO
 Apresentar ao grupo o que é marketing pessoal e suas principais car
acterísticas.

R OTEIRODAS ATIVIDADES
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada.
Vivência: Eu me identifico!
Expor em papel 40kg, 10 características para um bom marketing pessoal, sem identificar par
a os estudantes do que se trata. (Atenção: só as características serão apresentadas, não dev
erá ser feita nenhuma explanação sobre marketing pessoal).
Em seguida, o professor solicita que seja feita uma votação escolhendo duas pessoas do gru
25’ po, mais identificadas com as características expostas no quadro branco (ele pode se escolh
er). Feita a votação serão apurados os quatro mais votados. Os mais votados irão à frente e
falam porque acreditam que foram indicados.
Professor comenta o exercício, ressaltando pontos trazidos e desempenho dos colegas que f
oram à frente.
Em seguida, retorna ao quadro das características e explica que elas fazem parte de um perf
il no qual um profissional deveria investir.

Desenvolvimento
Apresentação em slides: 10 dicas de marketing pessoal para garantir uma boa imagem profi
20’
ssional.

Encerramento
5’ O educador solicita que 03 jovens façam a reflexão dos aprendizados do dia. (Preferencialm
ente, envolver alguns dos que forma chamados à frente)

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES


 Kit multimídia
 Papel 40k  Estudar o texto e o slide com antecedência.
 Fita adesiva  Impressão das características a serem expostas
 Tarjetas de papel ofício no quadro branco
 Pincel piloto
10 dicas de marketing pessoal para garantir uma boa imagem profissional61
Atualmente, não basta somente saber o que fazer, é preciso também mostrar que sabe como fazer, a fim
de conquistar a visibilidade necessária para garantir uma boa imagem profissional. Para isto, uma
estratégia diferenciada de marketing pessoal pode ser uma boa ferramenta.

O marketing pode ser facilmente definido como um conjunto de métodos e procedimentos que as
empresas utilizam para vender seus produtos e serviços. Este termo, no entanto, ganhou novo sentido e
agora também pode ser utilizado para outros fins, como para benefício da própria carreira, sendo
chamado então de marketing pessoal.

O marketing pessoal procura destacar habilidades que garantem chamar a atenção de forma positiva
para o aspecto profissional, isto não é uma habilidade inata, que nasce com a pessoa, mas é algo que
pode ser aprendido e desenvolvido com o tempo.

Para garantir um bom resultado e assim conquistar uma imagem profissional positiva é necessário ficar
atento às atitudes, pois marketing pessoal envolve percepção, atenção aos detalhes e disciplina. Não se
trata de parecer o que não é, mas de destacar qualidades já existentes ou que podem ser aprimoradas.
São atitudes pessoais e comportamentais como, por exemplo, cuidar da aparência, expor ideias,
demonstrar interesse e moderar o tom de voz, que garantem notoriedade e reconhecimento profissional
de sua equipe ou chefe no ambiente de trabalho.

O que ocorre hoje é que em muitos casos existem níveis de profissionais muito semelhantes, com as
mesmas competências, habilidades e até o mesmo conhecimento técnico. O que diferencia neste caso é
o marketing pessoal de cada um, ou seja, como cada um vai vender sua imagem profissional, sendo este
o grande diferencial procurado pelas empresas. São atitudes que muitas vezes podem parecer detalhes,
mas que fazem uma grande diferença na carreira, contribuindo assim para o sucesso profissional
desejado.

Cuide de sua aparência


Cuidar da aparência é fundamental em todos os aspectos da vida, mas quando falamos em imagem
profissional este item deve ser considerado um fator estratégico. Não se trata de vestir as melhores
roupas, mas de procurar demonstrar coerência com a imagem profissional que você pretende passar.
Estar bem consigo mesmo é a grande questão.

Modere seu tom de voz


Moderar o tom de voz significa adequar-se ao ambiente e ao contexto. Em uma entrevista de emprego,
por exemplo, falar muito alto ou muito baixo pode ser prejudicial. Existem momentos em que precisamos
moderar a forma como falamos. Ficar atento a estas situações contribui para que você possa ser bem
compreendido.

61 Fonte: Adaptado de: http://estilo.br.msn.com/tempodemulher/colunistas/10-dicas-de-marketing-pessoal-para-garantir-uma-


boa-imagem-profissional-1#image=1

* Gisele Meter é psicóloga, diretora executiva de Recursos Humanos e palestrante, atua com gestão estratégica de pessoas.

Acesso: 19/09/2013
Exponha sua opinião
Muitas pessoas acabam não expressando sua opinião por medo do que os outros vão pensar, perdendo
assim uma boa oportunidade de promover seu marketing pessoal. Expor o que se pensa de forma direta,
demonstra que você pensou sobre o assunto e que procura contribuir para resolver o que está sendo
discutido. É importante, no entanto, saber expressar esta opinião de forma clara, mostrando que, o que
você pensa, pode contribuir para os resultados da empresa.

Assuma responsabilidades
Ao desempenhar um papel profissional é importante assumir responsabilidades e isto não significa
somente pelos bons resultados, mas também por tudo o que pode não dar certo. Ao se posicionar desta
forma, as chances de conquistar a confiança das pessoas a sua volta aumentam e sua imagem positiva
também acaba ganhando visibilidade.

Demonstre interesse
Em uma conversa, demonstrar interesse por pessoas, projetos ou outras ideias revela uma atitude de
engajamento, além de indicar que você procura estar aberta a vários pontos de vista, sendo uma pessoa
flexível e ao mesmo tempo dedicada para o que acontece dentro da empresa.

Mantenha sua palavra


Cumprir com o prometido, sobretudo relacionado a prazos, é um fator de destaque para o marketing
pessoal. Parece algo trivial, mas em muitos casos existe uma grande dificuldade em manter a palavra
quando o emprego pode estar em jogo. Procure manter-se firme, para isto vai uma dica simples:
prometeu, cumpra!

Esteja disposto a fazer o que os outros não fazem


Assumir novas responsabilidades, aceitar um projeto difícil e fazer coisas que as pessoas não estão
dispostas a fazer contribuem significativamente para o marketing pessoal. A cada dia os profissionais
estão mais parecidos dentro das organizações, estar disposto a fazer o que os outros não querem fazer
por parecer difícil ou desafiador são alternativas para a promoção de uma boa imagem profissional.

Utilize a criatividade a seu favor


Demonstrar criatividade nem sempre é fazer algo extraordinário, podemos ter boas ideias com atitudes
simples. Se pensarmos somente em algo grandioso, as pequenas mudanças podem passar despercebidas
e, assim, deixam de ser apresentadas, contribuindo de forma inovadora para o ambiente de trabalho.
Ser criativo é procurar resolver problemas de maneira que nunca ninguém havia pensado antes.
Independente do que precisa ser feito, se utilizarmos a criatividade podemos encontrar boas soluções
para o que precisamos.

Seja cordial com as pessoas


Tratar as pessoas com respeito, cumprimentar colegas de trabalho e ser educado com todos traz consigo
um bem-estar pessoal e uma boa imagem profissional. Este é um comportamento que não tem sido
priorizado devido à correria do dia a dia e, por isso mesmo, tem sido tão bem considerado dentro das
empresas. Pessoas cordiais são bem relacionadas e também transmitem uma imagem positiva, pois são
mais fáceis de conviver e de se trabalhar junto.

Entregue bons resultados


De nada adianta investir em todos os fatores citados se você não entregar resultados. Da mesma forma,
pouco adianta entregar altos resultados e não investir em sua imagem profissional. O ideal é que se
tenha um equilíbrio para que ocorra o crescimento na carreira. Entregar resultados é o que as empresas
querem e se isto for feito de forma positiva, traz consigo benefícios para todos os envolvidos garantindo
assim um diferencial para o profissional e para a empresa em que ele trabalha.

MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR - AULA 50: Marketing pessoal

Liderança
Confiança
Visão
Espírito de
Equipe
Maturidade
Integridade
Visibilidade
Empatia
Otimismo
Paciência
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Principais posturas para apresentação

51 OBJETIVOS


Levar o grupo a compreender a importância de uma boa
postura.
Apresentar ao grupo as principais posturas a serem adotadas
para uma apresentação.
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a turma em sete equipes.
Na sequência, faz uma exposição dialogada em relação às posturas para apresenta
ção.

5’ “Uma apresentação pode ser dividida em várias partes, ou pode seguir a regra ger
al de uma estrutura de três partes. No começo, introduz-se o tema que se quer apr
esentar. Este será inserido no meio e para finalizar, faz-se um resumo do que foi ap
resentado. Portanto, uma apresentação tem começo, meio e fim.” (Susan Stavros C
astelhano)

Desenvolvimento 1
Vivência:
Com a turma dividida, cada equipe escolherá um membro para circular pela sala e
escolher uma tarjeta (sugestão: a tarjeta pode ficar dentro de uma caixa de fósfor
15’ os customizada). Após a escolha da tarjeta, o estudante retorna a equipe e o grup
o começa a estudar as posturas e métodos para uma boa apresentação. Os estuda
ntes terão 15 minutos para planejar como apresentar sua tarjeta.
Observação: As tarjetas estão anexas. Algumas tarjetas terão situações semelhant
es, para testar o improviso das equipes.
Desenvolvimento 2
25’
Apresentação: cada equipe disponibilizará de 3 minutos para apresentação.
Encerramento
5’ Realizar uma tempestade de ideias sobre os aprendizados da aula.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Tarjetas recortadas  Estudo prévio do assunto e plano de aula


 Caixas de fósforos (sugestão)  Impressão das tarjetas e recortá-las.
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 51: Principais posturas para apre
sentação

PRINCIPAIS POSTURAS A SEREM ADOTADAS PARA APRESENTAÇÃO

Estilo:
- formal/informal
- entusiasmo/confiança/clareza

Linguagem (expressão) corporal:


- contato com o olhar /gesto/movimento postura
(não fale de costas para sua plateia)
Tom (voz):

- variável/volume
- pausa/velocidade

Anotações / apresentação / linguagem:

- simples / clara

- ortografia

- duração

- símbolos ou sinais das ideias chave (ideias principais) da es


trutura
Esclareça informações complexas.

NÃO FALE DE COSTAS PARA SUA PLATÉIA

Nunca faça do visual a principal atenção.

Certifique-se, sempre, com seus organizadores, de que todos os equipamentos estejam funciona
ndo.
Tente não usar um "script"; o uso de fichas com dicas é mais fácil.
Uma boa apresentação se assemelha a uma atuação teatral – você precisa ser um ator. Se seu te
mpo estiver esgotando, acelere sua apresentação, mas de forma concisa e consistente.

 O material visual ajuda a fixar as informações na memória.


 Mostre as informações que você não consegue expressar com facilidade em pa
lavras.
 Realce as informações e as partes do material visual mais significativas.
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Retórica e Oratória

52 OBJETIVOS


Refletir com o grupo acerca da importância de uma boa
comunicação.
Apresentar a diferença de retórica e oratória.

R OT EIRO D AS AT IV ID AD ES
TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor pede aos estudantes que imaginem uma apresentação interessante, c
riativa e onde não percebem o tempo passar por ser tão boa. Em seguida o profes
5’ sor pergunta:
 Vocês se sentem preparados para fazer uma apresentação que prenda a at
enção da plateia?
 Vocês sabem o que é oratória e retórica?
Anotar principais ideias
Desenvolvimento 1
Apresentação dialogada dos slides. A cada tópico da lâmina, o professor pede a o
40’
pinião dos estudantes a respeito do que foi mostrado.

Encerramento
5’ Avaliação do aprendizado.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES


 Kit multimídia (data-show e aparelho de
 Estudar o assunto previamente.
áudio)
 Sugestão: solicitar a sala de vídeo com
 Slides
o equipamento de multimídia
Retórica & Oratória: essenciais na comunicação62
Oratória
 A oratória trata da arte de se comunicar, e se utiliza de técnicas para melhorar a expressão
verbal, principalmente quando esta acontece diante do público. Três pontos são cruciais
na oratória: o que falar, como falar e para quem falar.

Retórica
 Disciplina clássica que objetiva desenvolver a persuasão, a arte de convencer as pessoas
através das palavras. A retórica é muito utilizada na linguagem publicitária para vender
produtos e com isso torna-se ferramenta importantíssima para o mercado.

O discurso
 É importante chamar a atenção para alguns pontos que dificultam as apresentações, ma
s que geralmente não conseguimos perceber. Temos o hábito de manter o foco em noss
as apresentações? Desviamos o sentido do assunto proposto? Repetimos coisas que já f
oram ditas?

Quanto a questão das informações no texto é preciso ter conhecimento prévio sobre o assunto
e perceber o tipo de plateia que estará nos ouvindo, na intenção de adequar o nível de linguage
m empregada ao discurso. Importante também Analisar o tempo disponível para a explanação.

62
Adaptado da apresentação de power point da professora Marcilene Bueno - Curso de formação profissional
Liderança no Varejo Recife-Pernambuco – Tema Comunicação - Oficina 05 – Instituto Aliança 2012 – Acesso:
03.06.2013
A Dicção
 Todos os sons da Língua Portuguesa são articulados na boca, portanto é preciso cuidar
muito bem dela.
Lembretes importantes:
1. Não comer “r” e “s” finais;
2. Não mudar as sílabas finais das palavras como: entrando – entrano;
3. Nunca falar com bala, chiclete ou similares na boca;
4. Evitar muita abertura da boca ao falar;
5. Corrigir falhas de dicção ou falhas anatômicas da boca;
6. Cuidado com o rotacismo: flauta – frauta. A troca do “L” pelo “R” e
vice e versa.
Postura
 O que fazer com braços e mãos numa locução pública? Qual a posição
correta das pernas? Posso mover o pescoço? Cuidado com os vícios gestuais! Falar
sentado ou em pé? Posso andar ou fico parado?

Fisionomia
 O melhor é ser expressivo, sem exageros, portanto preste atenção em:
1. Eu arregalo demais os olhos quando estou falando?
2. Torço a boca, levanto as sobrancelhas?
3. Tenho movimentos repetitivos?

Vestuário
 A melhor dica para o vestuário é o equilíbrio, por isso:
1. Nunca lance moda numa palestra;
2. Não use nada que desvie a atenção de você;
3. Use roupas adequadas, mas que sejam confortáveis.

Vocabulário
 Eis aí um grande problema para os oradores. Para os que não têm o hábito de
falar em público, esse é um dos pontos de insegurança. Alguns dizem: “não
sei falar”, mas na verdade só não têm o costume de falar de forma mais
elaborada.
Gírias
 Evite o uso de gírias, principalmente quando elas aparecem em quase todas as frases,
como: “tipo assim”. Elas podem ser um sinal de que você não tem um vocabulário variado
ou pior, que está desconsiderando a plateias, dirigindo-se a ela por meio de gírias.

Vícios de linguagem
 Não há nada que chame mais a atenção de uma plateia do que um vasto repertório de
“né” e “tá” ditos pelos oradores. Palavras como certo, ok, tá, tudo bem, podem sim estar
numa locução, mas devem ser evitadas.
AULA COMUNICAÇÃO
TEMA
Etiqueta digital

53 OBJETIVO  Discutir a importância de uma boa conduta nas relações digitais.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
Na sequência, conversa com os estudantes a respeito dos principais aprendizados
5’
da aula anterior. Em seguida, problematiza com os estudantes:
 Quais os principais meios de comunicação que vocês utilizam?
 Será que utilizam da maneira certa?
Desenvolvimento
Com a turma em círculo, o professor vai distribuir uma tarjeta em branco para cad
a estudante, onde cada um deve responder as seguintes perguntas (essas pergunt
as o professor deve escrever no quadro):
 Você utiliza redes sociais?
10’  No momento da sua comunicação virtual, por e-mail ou rede social, você t
em a preocupação com os conteúdos enviados e postados?
 Na utilização das ferramentas digitais você já percebeu que não só seus am
igos podem observar, mas também pessoas ligadas ao mundo do trabalho
podem verificar suas postagens?
O professor solicita que os estudantes reservem suas tarjetas por alguns minutos
e segue com a leitura do texto.
Encerramento
O professor promove uma leitura expositiva do texto: “Etiqueta Digital: Para não
dar gafe – Na medida e no tom certo!”, contido no Caderno do Estudante.
35’ Vivência: Curti! Não Curti! ou Compartilha!
O professor faz a leitura de algumas situações apresentadas em anexo e solicita q
ue os estudantes respondam se curtiram ou não, a situação apresentada.

Ao final pede que os estudantes reflitam no que eles postam na web.


MATERIAS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Estudo prévio do assunto e do plano
 Placas personalizadas contendo as
de aula
imagens
 Leitura do texto: Etiqueta Digital: Para
 Tarjetas em branco (sugestão: folha de
não dar gafe – Na medida e no
A4 dividida em 4)
tom certo!
Etiqueta Digital: Para não dar gafe – Na medida e no tom certo! 63

64
Marcele Goes , consultora de imagem da Estilo

Você se preocupa como está sua imagem nas redes sociais? E não estamos falando se a sua fo
to está bonita ou não. O ponto é outro.
Todo o cuidado deve ser tomado já que ficamos a mercê da interpretação de textos e fotos. Por
isso, é preciso ficar atento para que seus textos publicados ou enviados por e-mail não sejam m
al interpretados e acabem destruindo suas relações. “Este é o ponto crítico que pode detonar a
boa imagem tanto na vida pessoal quanto na profissional”, diz a especialista.

1 - Revise todos seus e-mails antes de enviar


Tudo o que está escrito vira um documento que pode ser usado a favor ou contra alguém. Post
agens em redes sociais, e-mails, torpedos, mensagens instantâneas, tudo isso é por escrito; leia
e releia antes de pressionar a tecla “enviar”.

2 - Cuidado com erros de português


Aparentar falta de domínio do idioma nativo diminui a credibilidade do profissional. Por isso us
e sempre o corretor ortográfico para evitar que palavras escritas erroneamente sigam adiante.
Também é importante colocar em prática a nova ortografia e evitar erros de concordância.

3 - Seja cordial
Esperamos sempre boa educação e gentileza, certo? Portanto, devemos dar o primeiro passo. I
niciar uma mensagem com saudações de bom dia, boa tarde, por favor e não esquecer do obrig
ada(o) é uma maneira de deixar a comunicação mais leve.

4 - Atenção às postagens indevidas


Não faça postagens em páginas de redes sociais de pessoas ou empresas que você não conheça
ou sem a autorização prévia. Muitas pessoas fazem isso na tentativa de usufruir dos contatos.

5 - Seja transparente
Evite ao máximo usar cópia oculta em e-mails, seja transparente e jogue aberto. Um ótimo sinal
de que uma mensagem pode ser duvidosa é a necessidade de escondê-la de alguém envolvido
no processo.

6 - Ao negar, apresente uma sugestão


Procure ser objetivo, principalmente ao se comunicar com diversas pessoas por e-mail. Não dig
a “não posso neste dia”, e sim “não posso e minhas opções de horário são A e B”.

63
Fonte:Núbia Matos para Revista Melhor Gestão de Pessoas
Disponível em: http://opiniaorh.com/2012/11/27/etiqueta-digital-para-nao-dar-gafe-na-medida-e-no-to
m-certo/. Data de Acesso 07.12.2012
64
Marcele Goes - Consultora de imagem da Estilo. Fundação Armando Alvares Penteado - MBA Gestão
Estratégica de Moda. Faculdade Santa Marcelina – Graduação: Desenho de Moda. Senac SP – Produção
de Moda.
7 - Coloque-se no lugar do outro
Ao inserir fotos em redes sociais, certifique-se de que todo mundo está bem. Ninguém deve est
ar de olhos fechados ou com expressões faciais incompletas (como quando a pessoa está no me
io de uma palavra e a imagem foi capturada). Pense sempre se você gostaria de uma foto sua d
aquela maneira, então não faça com os outros.

8 - Cuidado com postagens em redes sociais


O perfil nas redes sociais funciona como um resumo da sua vida. Palavrões, palavras escritas inc
orretamente e fotos que deponham contra a imagem devem ser banidas. Ao escolher uma ima
gem, pense sempre que contatos importantes (pais, chefe, entrevistador de uma vaga de empr
ego) podem vê-la. Na dúvida, não faça.

9 - Menos é mais
Nunca esqueça de que as redes sociais são abertas, as pessoas podem acessar, baixar fotos, faz
er de tudo com as informações disponíveis. Por isso, ainda vale a pena guardar a intimidade par
a as comunicações presenciais, com amigos verdadeiros e mais chegados.

MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 53: Etiqueta digital

Professor, abaixo seguem algumas situações sobre etiqueta digital. O objetivo é que os estudantes, a par
tir do que foi exposto em sala de aula, consigam fazer uma análise de ações corriqueiras que encontram
os facilmente em redes sociais e na Internet.

Situação 1
Mário passou o final de semana em um churrasco com os amigos, comemorando sua promoção no empr
ego. No domingo à noite, resolveu entrar em sua rede social. A primeira imagem que Mário resolveu co
mpartilhar pelo cansaço do fim de semana continha uma frase e dizia: “Amanhã já é segunda?! Que pen
a!”. Vocês curtem ou não curtem?

Situação 2
Nerih descobriu que o namorado estava paquerando com sua melhor amiga Johana e resolveu lavar rou
pa-suja por meio de postagens em seu perfil. Apelidos e xingamentos surgiam de todos os lados. Vocês c
urtem ou não curtem?

Situação 3
Adriano ganhou em um sorteio um galeto e uma caixa de bebidas de um supermercado. Para compartilh
ar com os amigos, ele resolveu registrar uma foto e postar em sua rede social. Vocês curtem ou não curt
em?
Situação 4
Narah adora tirar várias fotos na frente do espelho do banheiro de sua casa assim que sai do banho para
mostrar suas toalhas de grife. Vocês curtem ou não curtem?

Situação 5
Lucas é um ativista que luta em defesa dos animais. Para ajudar as causas, Lucas costuma denunciar algu
ns maus tratos a animais e para isso utiliza algumas imagens de animais violentados e mutilados. Vocês c
urtem ou não curtem?

Situação 6
Juquinha estava numa balada da cidade com os amigos. Eles resolveram contar quantas meninas ficaram
durante a noite. Para não perder as contas, sempre que um ficava, os outros tiravam uma foto do mome
nto. No dia seguinte, Juquinha postou todas as fotos na sua rede social para mostrar que a noite foi um s
ucesso. Vocês curtem ou não curtem?

Situação 7
Toinho completou dezoito anos e para comemorar resolveu ingerir bebidas alcoólicas. Como dizem por a
í, “Toinho, encheu a lata!”. Fafá, amigo de Toinho que comprou um celular moderníssimo, resolveu regis
trar o vídeo de Toinho dançando muito louco e postou na rede social. Vocês curtem ou não curtem a exp
osição de Toinho? E a ação do Fafá?
AULA COMUNICAÇÃO
TEMA
Comunicação inter-relacional

54 OBJETIVO
 Estimular a comunicação interna entre os estudantes e o
poder da argumentação.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
5’ O professor pergunta aos estudantes:
 Vocês conhecem bem as características que marcam seus colegas de sala?
Em seguida, fala que hoje irão vivenciar um bingo.
Desenvolvimento
Técnica do bingo:
O professor distribui uma cartela do bingo para cada estudante, conforme anexo.
Pede para que os estudantes procurem entre si colegas para responder as questõ
es, identificando e anotando aqueles que correspondem à característica citada no
quadrado. (Na cartela do bingo não pode repetir o estudante que já foi encontrad
o). O jogo termina assim que o primeiro estudante concluir todos os quadrados co
30’
m os nomes dos participantes e gritar a palavra “BINGO”. Todos se sentam e o pro
fessor pega a cartela do participante que terminou primeiro e vai chamando os es
tudantes que estão no quadrado (um de cada vez), para que eles expliquem (justif
iquem) o que está no quadrado com os respectivos nomes.

O professor promove uma leitura expositiva do texto: O poder da argumentação,


constante no Caderno do Estudante.
Encerramento
O professor pergunta aos estudantes:
 Quais as principais dificuldades encontradas na vivência?
15’  Será que no mundo do trabalho teremos dificuldades em nos comunicar co
m os outros?
 O que mais gostaram na vivência?
 Quais os principais aprendizados?
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES

 Cartelas do bingo  Estudo prévio do plano de aula


 Caderno do estudante  Impressão e recorte das cartelas do bingo
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 54: Comunicação Inter-relacional

B I N G 0
Você se sente pronto par Você se preocupa com a Você se considera uma p Você Já vendeu algu Você Já falou em público
a ser um vencedor? etiqueta digital? essoa criativa? m objeto pessoal usa esse mês?
do?

Você se considera uma p Você sabe convencer as Você considera importa Você já recebeu um p Você já elogiou pelo me
essoa gentil? pessoas daquilo que voc nte o tema comunicação rêmio ou um elogio e nos um colega esse mês
ê acredita? para a sua formação pro m público? ?
fissional?

Você gosta de ler para m Você sabe como podem Você sabe expor suas id Você está sempre feli Alguém já disse que voc
elhorar sua comunicação os utilizar a comunicaçã eias de forma clara e obj z, independentemen ê sabe se comunicar be
? o no mundo do trabalho etiva? te da situação? m?
?

B I N G 0
Você se sente pronto par Você se preocupa com a Você se considera uma p Você Já vendeu algu Você Já falou em público
a ser um vencedor? etiqueta digital? essoa criativa? m objeto pessoal usa esse mês?
do?

Você se considera uma p Você sabe convencer as Você considera importa Você já recebeu um p Você já elogiou pelo me
essoa gentil? pessoas daquilo que voc nte o tema comunicação rêmio ou um elogio e nos um colega esse mês
ê acredita? para a sua formação pro m público? ?
fissional?

Você gosta de ler para m Você sabe como podem Você sabe expor suas id Você está sempre feli Alguém já disse que voc
elhorar sua comunicação os utilizar a comunicaçã eias de forma clara e obj z, independentemen ê sabe se comunicar be
? o no mundo do trabalho etiva? te da situação? m?
?
O poder da argumentação65

Convencer é levar uma pessoa a pensar como você.

Persuadir é levar alguém a aceitar algo como verdade, fazer esse alguém agir de acordo com su
a vontade.

Em um mundo dominado por um novo mercado, um novo consumidor e uma nova política orga
nizacional, é preciso antes de qualquer coisa saber argumentar. O novo consumidor não é mais f
acilmente persuadido ou convencido por uma simples propaganda, é preciso que se apresentem
argumentos. Ele contesta, discute e procura informações, e não mais as aceita como verdade ab
soluta.

O novo consumidor é mais conectado ao mundo, mais dinâmico e participativo.

Por esses motivos é que o profissional de hoje deve valorizar a capacidade de argumentação, ou
seja, a capacidade de convencer e persuadir usando-se de argumentos. Apesar de essa ser uma
característica exigida em todas as áreas do conhecimento, para o profissional de comunicação e
la é muito mais relevante. O processo de argumentação nos propicia a oportunidade de motivar
pessoas, de vender ideias e produtos, de fechar negócios ou simplesmente melhorar o relaciona
mento pessoal. Por trás disso se encontra o sucesso de uma organização, que deve enxergar qu
e o caminho mais fácil para obtê-lo é utilizar-se da comunicação e de profissionais qualificados q
ue saibam expor a realidade organizacional de forma a conquistar seus públicos.

A arte de argumentar é capaz de abrir fronteiras, conquistar a credibilidade do consumidor e for


talecer uma marca. É preciso ser transparente e honesto, para que não se confunda argumentaç
ão e manipulação, mas o mais importante é saber ouvir e interpretar, de forma a perceber as ne
cessidades e anseios dos públicos ligados à sua organização.

65Fonte: Disponível em http://informecorporativo.wordpress.com/2009/05/09/o-poder-da-argumentacao/


Referências Bibliográficas: ABREU, Antônio Suarez, Aartedeargumentar.Cotia: Ateliê Editorial, 2006. 144p. Acesso: 06.03.2013

Antonio Suarez Abreu: graduado em Letras Neolatinas pela PUC de Campinas, especialização em Língua e Literatura Portuguesas
pela Universidade Clássica de Lisboa, mestrado, doutorado e livre-docência em Linguística pela USP e pós-doutorado em
linguistica pela UNICAMP. Atualmente, sou professor titular de Língua Portuguesa da UNESP, campus de Araraquara, e professor
associado da Universidade de São Paulo. Atuo nas áreas de linguística cognitiva, gramática funcional e argumentação.
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Argumentação na prática

55 OBJETIVO
 Refletir com o grupo acerca da importância de um bom
atendimento.

ROTEIRO DAS ATIVIDADES


TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada, solicita que todos fiquem em pé em círculo e
distribui um cartão com uma forma geométrica para cada um, aleatoriamente.
5’
(Devem existir cinco formas geométricas diferentes). Os jovens circulam ao som de
uma música alegre, buscando os colegas que estão com a mesma forma geométrica
que a sua. Formam-se cinco equipes.
Desenvolvimento
Vivência: O professor explica que irá relatar um acontecimento ocorrido em ambi
ente de trabalho e que cada equipe irá se posicionar quanto à atitude tomada pel
os envolvidos. O professor, então, distribui quatro envelopes com diferentes posic
ionamentos (anexo). As equipes vão desenvolver uma argumentação de forma a c
onvencer os integrantes da equipe cinco que julgarão o argumento mais convince
nte.
Situação: O jovem Alberto, em seu primeiro emprego, trabalhava como assistente
40’
administrativo de um gerente de uma concessionária de automóveis, tendo sempr
e cumprido com suas funções. Sexta-feira passada, no intervalo do almoço, seu ch
efe retornou 15 minutos antes do horário em que costuma retornar. Ao entrar na
sala viu que o rapaz estava acessando sua conta pessoal no Facebook. Chamou-o a
té sua sala, e o demitiu com a justificativa de que é inaceitável que um funcionário
acesse sua rede social em horário de trabalho.
Observação: Das cinco equipes formadas, quatro terão que argumentar a situação
acima, e uma irá escolher a argumentação mais convincente.

Encerramento
5’ O professor pergunta: Que habilidades associadas à comunicação, vocês precis
aram utilizar para realizar essa vivência? E o que acharam?
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Envelopes
 Impressão dos posicionamentos
 Material impresso para ser colocado dentro
 Providenciar envelopes
dos envelopes
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 55: Argumentação na prática

Posicionamentos da atividade:

Posicionamento Equipe 01: O gerente está certo em demitir o funcionário, pois em horário de t
rabalho não se deve acessar o Facebook...

Posicionamento Equipe 02: O gerente está errado em demitir o funcionário, pois o estatuto da
empresa não faz referência restritiva sobre acessar redes sociais...

Posicionamento Equipe 03: O gerente está certo em advertir o funcionário, mas foi radical ao c
onsiderar o caso como demissão...

Posicionamento Equipe 04: O funcionário diz que não deveria ser demitido ou levar advertênci
a, pois como o gerente chegou 15 minutos antes do horário que costuma chegar, estava no Fac
ebook porque ainda não tinha demandas de trabalho...
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Falhas de comunicação e vícios de linguagem

56 OBJETIVO
 Trabalhar com o grupo a importância da linguagem formal
no mundo do trabalho.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
5’
O professor inicia a aula utilizando gírias. Em seguida, pergunta:
 Como vocês perceberam essa minha postura informal enquanto falava?
Desenvolvimento 1
30’ O professor promove uma leitura expositiva do texto: Falhas de comunicação e
vícios de linguagem. Constante no Caderno do Estudante
Desenvolvimento 2
Atividade: Traduzindo a gíria
O professor deve agrupar os estudantes em trios que devem ler a atividade de s
10’ ala e, em seguida, tentar traduzir a gíria para uma linguagem formal.
Sugestão: o professor pode organizar a turma em equipes e, em seguida, solicit
ar a tradução da gíria seguida da apresentação de cada texto. Assim poderá co
mparar as diferentes formas de percepção de linguagem.

Encerramento

5’ O professor solicita aos estudantes que façam uma breve reflexão do aprend
izado do dia.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÃO

 Estudo prévio do assunto


 Caderno do estudante
 Leitura prévia do texto: “Falhas na
 Folhas de papel ofício
comunicação e vícios de linguagem”
FALHAS DE COMUNICAÇÃO E VÍCIOS DE LINGUAGEM66
Muitas questões poderiam ser resolvidas se a comunicação fosse aperfeiçoada. Expressões facia
is, a linguagem corporal, palavras inadequadas ou tentativas em vão de poupar os sentimentos
das pessoas são alguns dos responsáveis pelas falhas na comunicação interpessoal. Independen
temente de seu método de comunicação ser verbal, escrito, direto ou à distância, a forma como
você se expressa irá influenciar no recebimento de sua mensagem. Reduza seus conflitos, provo
cados pela comunicação, utilizando as etapas a seguir:

1) Elimine a linguagem negativa. Ela, por si só, causa conflito e confronto em situações em que
não há a menor necessidade. Ela pode assumir um tom de reprovação ou ser interpretada como
sarcástica ou condescendente. Frases ou palavras tipicamente negativas incluem expressões qu
e implicam descaso, mentira ou ignorância. A linguagem negativa inclui: não posso / não vou / f
alhei / ignorei / reclamei de / tive que / deveria / sempre / nunca.

2) Substitua a linguagem negativa pela positiva, cujo objetivo é salientar o que pode ser feito, a
lternativas e escolhas. A linguagem positiva enfatiza ações e consequências positivas, em vez de
antecipações negativas. A linguagem positiva inclui: Se... então / sugestão / opção / concordo /
excelente / bem-vindo / benefício / afirmações na 1ª pessoa do singular.

MANIAS A DESCARTAR
Ninguém está a salvo delas. Não há como negar, elas são o terror de qualquer profissional que u
sa a comunicação como ferramenta de trabalho. Apavoram o professor, o político, o palestrante
e o profissional de atendimento. Não há aula, discurso, treinamento ou atendimento, por melho
r que seja, que resista a eles. São as famosas, as abomináveis, as detestáveis manias linguísticas.

O que são as manias linguísticas?


Um tipo de mania linguística, na verbalização, é a repetição constante de uma mesma palavra d
urante o discurso espontâneo, geralmente colocado no final da frase e expressa como pergunta
ou exclamação.

Quando essas expressões são usadas?


Elas são usadas toda vez que a pessoa sente necessidade de reformular a frase ou pensamento
ou lembrar a palavra mais adequada para determinada citação.

Quando elas se tornam problemas?


Elas se tornam um problema quando, pelo excesso de uso, são automatizadas e evocadas repeti
damente ao final da frase, tornando o discurso desagradável a quem ouve.

IMPORTANTE
ABOMINAR
- Entende? NÃO DIZER SUBSTITUIR POR
- Compreende? - Tá - Certo
- Não acha? - Hum-hum - Perfeitamente
- Eu não falei? - Sim - Correto
EXERCÍCIOS DE SALA
- Tá bem, DE AULA
querida.

66
Fonte: Disponível em: www.jornalexpress.com.br. Data de acesso: 13.12.2012
TRADUZINDO A GÍRIA
A essa altura, você já sabe que a linguagem empresarial não comporta o uso de gíria. Que tal, e
ntão, enfrentar um pequeno desafio, que vai mostrar o quanto você assimilou tudo que vimos s
obre comunicação no mundo do trabalho? Redija abaixo uma carta sobre o mesmo assunto, só
que... sem usar gírias.

Uma das nossas professoras pediu à sua filha adolescente que redigisse uma carta a uma institu
ição solicitando o uso de espaço para realizar um filme. Veja o resultado:

Gostaria de pedir à galera daí, um espaço pra eu e minha turma organizar um film
e que tamo a fim de fazer. A gente soube que vocês tem um lugar maneiro pra ge
nte realizar essa parada, queríamos saber se tá tudo beleza de fazer o filme aí...
Nem vamos usar o lugar vários dias, apenas um pra umas cenas do filme, coisa bá
sica, só que deve ser por um dia todo, tá ligado?! A gente acha, que não vamos pr
ecisar de nada além do espaço, mas se vocês puderem liberar algo aí que achem q
ue podemos usar no nosso filme, seria massa pra gente. Até porque, ainda tamo r
esolvendo a bronca de arranjar patrocínio e tals, que tá muito difícil, sacas?! E se
m patrocínio, nenhuma grana pra poder fazer o filme, aí é osso!
Agora, se não der pra desenrolar isso pra gente, ainda assim, valeu!
Foi mal se rolou alguma bronca com esse pedido, beleza?!
Falou, cara.

Agora é sua vez!


COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Criatividade

57 
OBJETIVOS 
Refletir com o grupo a importância de se ser criativo no mundo do trabalho.
Reforçar com os estudantes a necessidade de se estar bem informado sobre
os mais variados assuntos.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realizar a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor exibe o vídeo: Serie Criatividade & Inovação - De onde vem as boas ideias
Segue o link: http://www.youtube.com/watch?v=uH_C5pY_-k8
Após a apresentação do vídeo o professor faz a pergunta geradora: Quais os padrões que criam
boas ideias?
Ressaltar:
 Não “brotam” de repente em um acesso de criatividade.
 Lembrar que elas levam um bom tempo para evoluir, hibernadas às vezes, por cerca de
10’ 4, 5, 10 anos.
 Boas ideias surgem da colisão entre ideias semelhantes, entre palpites que povoam as
mentes de diversas pessoas.
 Ideias precisam de um tempo de incubação.
 Importante criar um ambiente onde ideias complementares se encontrem e se
completem, daí valor de um espaço de troca, de conversa, de partilhamento de palpites.
 Internet – aumenta a conectividade e nossa capacidade de buscar outras pessoas para
complementarem nossas ideias.
 O acaso favorece a mente conectada.
O professor pergunta aos estudantes se eles percebem-se como pessoas criativas.
Desenvolvimento
Atividade: Meu discurso improvisado
O professor agrupa a turma em quatro grandes equipes e solicita que as equipes produzam um
cartaz - com recortes de revistas, desenhos, frases, palavras - que represente um cenário sobr
e o mundo do trabalho. Em seguida, um representante por equipe é chamado à frente e este,
por sua vez, convida um colega de outra equipe para criar o “discurso improvisado” relatando
a cena apresentada no cartaz.
O mesmo procedimento deve ser repetido com as outras três equipes.
30’
Ao lado da cartolina o professor escreve ou já deixa impressas as palavras que o estudante não
poderá usar no seu discurso. Exemplos: tipo assim, então, né, tá, beleza, ok, aí, etc. O professo
r vai indicando as imagens que o estudante deve ir improvisando com o que for indicado. O dis
curso deve ter sentido.
Após esse momento o professor realiza uma breve reflexão sobre a atividade.
Observação: O professor deve ressaltar que no exercício a capacidade criativa foi utilizada p
ara a comunicação, porém ela pode ser utilizada nas mais diversas áreas, o importante é pr
aticar/ousar.
Encerramento
O professor convida o grupo a formar um círculo, e explica que ele iniciará com uma palavra, a
qual deverá ser complementada com outra palavra da pessoa a sua direita (e assim sucessivam
ente) formando ao final um pensamento sobre a aula de hoje.
5’
Exemplo para o professor: 1-Amigos; 2-Nós; 3-hoje; 4-estudamos; 5-sobre; 6-criatividade...
Lembrar que deve ser feito em um ritmo acelerado.

MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES


 Cartolinas
 Revistas
 Tesouras  Estudo prévio do plano de aula
 Fita adesiva
 Cola
 Pincel para quadro branco
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Como abordar e conseguir atenção do cliente

58 OBJETIVO
 Refletir com o grupo a importância da boa abordagem para o
atendimento ao cliente.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada. Em seguida propõe: Pensem que vocês estão em
uma situação de trabalho e necessitam atender um cliente. Como deve ser essa
abordagem?
15’ Professor anota as ideias centrais e em seguida convida o grupo a assistir a mídia:
http://www.youtube.com/watch?v=ebe-3s4TLfQ
Após a mídia pergunta: o que mais chamou atenção do grupo quanto à abordag
em da cliente?
Em seguida organiza a turma em seis equipes e explica o exercício a seguir.

Desenvolvimento
Atividade: Desafio da abordagem
O professor distribui para cada equipe uma situação a ser desenvolvida.
As equipes têm 10 minutos para planejar sua respectiva situação e, no máxim
o, 3 minutos para apresentar os casos.
Equipe 1 - simulação de telemarketing – cobrança de uma conta telefônica at
30’
rasada
Equipe 2 – criar uma propaganda de um perfume
Equipe 3 - criar uma propaganda de um boné
Equipe 4 - criar uma propaganda de um salão de beleza
Equipe 5 - apresentação de uma notícia de um programa esportivo
Equipe 6 - entrevista de programa – entrevista com um jogador de futebol
Encerramento
O professor faz a reflexão de como foram as apresentações e solicita que os
5’ estudantes comentem seus principais aprendizados, correlacionando com a a
tividade inicial.

MATERIAL NECESSÁRIO ORIENTAÇÃO

 Caderno do estudante
 Estudo prévio do plano de aula
 Kit multimídia
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Experimentando o tema

59 OBJETIVO
 Refletir com o grupo acerca dos assuntos vivenciados no tema
comunicação

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
5’
Em seguida, informa à turma que hoje todos experimentarão o tema Comunicação
.
Desenvolvimento
Vivência: Experimentando o tema
Convidar os estudantes a refazer a atividade Escravos de Jó e dentro das caixinha
s pôr os temas e questões estudados ao longo do bimestre. As caixinhas são nume
radas, e os estudantes treinam a atividade durante 5 minutos. Após o treino, com
eça a valer a atividade. Ao completar a rodada da atividade o professor solicita qu
e o estudante, apenas o que estiver com a caixa numerada solicitada, abra e respo
nda ou comente o que for solicitado.
Questões das caixinhas:
1 – Fale o que você entende por Emissor
40’ 9 – Cite uma frase sobre a importância de uma boa comunicação
15 – Por que a comunicação formal é importante?
21 – Em que momentos devemos nos comunicar de forma clara e objetiva? Por qu
ê?
33 – Qual seria uma boa postura profissional no mundo do trabalho?
38 – Cite os principais documentos utilizados no mundo do trabalho
27 – O que é Marketing pessoal?
18 – Crie um discurso com o tema Etiqueta digital.
4 – Por que devemos ter atenção nas falhas de comunicação e vícios de linguagem
?
13 – Qual a importância de ser criativo no mundo do trabalho?
Encerramento
5’
O professor solicita que os estudantes façam a reflexão da aula.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Estudar o plano de aula
 Caixas de fósforos
 Providenciar as caixas de fósforo e imprimir
 Questões impressas
as questões
COMUNICAÇÃO
AULA TEMA
Encerramento

60 OBJETIVO  Compartilhar os principais aprendizados do ano.

TEMPO ATIVIDADE
Acolhida
O professor realiza a chamada e organiza a sala em círculo.
O professor comunica que esta é a última aula do 1º ano da unidade curricular Mu
ndo do Trabalho e que nesse dia terão uma retrospectiva do ano todo.
5’ O professor solicita que todos fechem os olhos, põe uma música suave, e pede que
busquem lembrar do que mais marcou esse ano de convivência e aprendizados.
Ao abrirem os olhos, o professor pergunta qual o sentimento mais marcante no di
a de hoje, e os convida a celebrar, relembrando alguns conceitos centrais estudad
os.
Desenvolvimento
Vivência: Caixa da Retrospectiva
O professor coloca no centro do círculo uma caixa de sapato customizada e dentro
dela cerca de 12 copos descartáveis colados na caixa e com tirinhas (Modelo anexo
) dentro dos copinhos. Em seguida, solicita um voluntário para iniciar a vivência.
O professor entrega uma bila (bola de gude) ou uma bola de papel para o primeiro
35’
voluntário e pede que o estudante jogue a bola tentando acertar um dos copos de
ntro da caixa. Ao acertar o estudante retira uma tirinha e fala um pouco do que es
tá sendo solicitado (pode ter mais de uma tirinha dentro de cada copinho). Depois
que o estudante fizer sua contribuição ele escolherá o próximo e assim por diante
ou de acordo com o solicitado na tirinha.

Encerramento
O professor faz a leitura e reflexão do texto “Menestrel” constante no Caderno
10’ do Estudante. Em seguida, avalia a partir da sua perspectiva, como foi o ano.
Sugestão: O professor pode convidá-los a formar um círculo e dar um abraço co
letivo.
MATERIAIS NECESSÁRIOS ORIENTAÇÕES
 Caixa  Estudar o plano de aula
 Copinho de café  Providenciar a caixa, os copinhos de café e a
 Bila (bola de gude) bila (bola de gude)
 Tirinhas  Impressão das tirinhas
O Menestrel67
Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrenta
r uma alma.

E você aprende que amar não significa apoiar-se. E que companhia nem sempre significa segura
nça.

Começa a aprender que beijos não são contratos e que presentes não são promessas.

Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adult
o e não com a tristeza de uma criança.

Aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto dem
ais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.

E aprende que, não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se i
mportam…

E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você pre
cisa perdoá-la por isso.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.

Descobre que se leva anos para construir confiança e apenas segundos para destruí-la…

E que você pode fazer coisas em um instante das quais se arrependerá pelo resto da vida.

Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.

E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.

E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.

Aprende que não temos de mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam…

Percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons mom
entos juntos.

Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito d
epressa… por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; po
de ser a última vez que as vejamos.

67
Fonte: texto disponível em http://scopsi.com.br/artigos/54-o-menestrel-texto-o-menestrel Acesso: 06.03.2013
Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos respon
sáveis por nós mesmos.

Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser.

Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto
.

Aprende que não importa onde já chegou, mas para onde está indo… mas, se você não sabe par
a onde está indo, qualquer caminho serve.
Aprende que, ou você controla seus atos, ou eles o controlarão… e que ser flexível não significa
ser fraco, ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, s
empre existem, pelo menos, dois lados.

Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseq
uências.

Aprende que paciência requer muita prática.

Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das
poucas que o ajudam a levantar-se.

Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você a
prendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou.

Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.

Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens…

Poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.

Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direi
to de ser cruel.

Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame não significa que es
se alguém não o ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simples
mente não sabem como demonstrar ou viver isso.

Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém…

Algumas vezes você tem de aprender a perdoar a si mesmo.

Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenad
o.

Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para
que você o conserte.
Aprende que o tempo não é algo que possa voltar.

Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, em vez de esperar que alguém lhe traga flores.

E você aprende que realmente pode suportar… que realmente é forte, e que pode ir muito mais
longe depois de pensar que não se pode mais.

E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida! Nossas dúvidas são traid
oras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar se não fosse o medo de tentar.

William Shakespeare
MATERIAL DE SUPORTE DO PROFESSOR – AULA 60: Encerramento

O professor deverá construir uma caixa com copos plásticos:

 Selecionar uma caixa de sapato vazia e copos plásticos;

 Dentro da caixa, colocar os copos plásticos com a boca para cima. Um ao lado do outro e
colados ao fundo da caixa, de modo que fique uma superfície na caixa com várias abertu
ras;

 Dentro dos copos plásticos, distribuir as tirinhas com as perguntas que seguem abaixo;

Abaixo segue o modelo da caixa aberta vista de cima:

Professor, seguem abaixo as tirinhas para a realização da vivência “Caixa de Retrospectiva”.

O que você mais gostou durante as aulas de Mundo do Trabalho?

No início do ano, você lembra algum momento que mais o marcou?

No tema identidade, o que você não sabia e agora sabe?

Para você, qual ou quais os principais aprendizados durante o ano?

Depois das aulas do tema integração, como você passou a se relacionar com seus colegas?

Qual foi a aula que você mais gostou do tema identidade? E por quê?

Qual foi a aula que você mais gostou do tema integração? E por quê?

Qual foi a aula que você mais gostou do tema comunicação? E por quê?

Não foi dessa vez, passe a bila (bola de gude) para seu colega do lado esquerdo.

Qual foi a vivência que você mais gostou?

O que surpreendeu você nas aulas de Mundo do Trabalho?

Passe a bila para o 10º colega da sua direita.


Qual foi o momento que você considera mais interessante durante o ano nas aulas de Mundo
do Trabalho?

Quais seus principais aprendizados no tema identidade?

Quais seus principais aprendizados no tema integração?

Quais seus principais aprendizados no tema comunicação?

O que você mais gostou no seu professor?

Qual o colega, ou quais os colegas de quem, depois das aulas de Mundo do Trabalho, você ma
is se aproximou?

Passe a bila para o 8º colega da sua esquerda para que ele entregue a bila para seu terceiro co
lega da esquerda.

O que você mais gostou durante as aulas de Mundo do Trabalho?

No início do ano, você lembra algum momento que mais o marcou?

No tema identidade, o que você não sabia e agora sabe?

Para você, qual ou quais os principais aprendizados durante o ano?

Depois das aulas do tema integração, como você passou a se relacionar com seus colegas?

Qual foi a aula que você mais gostou do tema identidade? E por quê?

Qual foi a aula que você mais gostou do tema integração? E por quê?

Qual foi a aula que você mais gostou do tema comunicação? E por quê?

Não foi dessa vez, passe a bila (bola de gude) para seu colega do lado esquerdo.

Qual foi a vivência que você mais gostou?

O que surpreendeu você nas aulas de Mundo do Trabalho?

Passe a bila para o 10º colega da sua direita.

Qual foi o momento que você considera mais interessante durante o ano nas aulas de Mundo
do Trabalho?

Quais seus principais aprendizados no tema identidade?


Quais seus principais aprendizados no tema integração?

Quais seus principais aprendizados no tema comunicação?

O que você mais gostou no seu professor?

Qual o colega, ou quais os colegas de quem, depois das aulas de Mundo do Trabalho, você ma
is se aproximou?

Passe a bila para o 8º colega da sua esquerda para que ele entregue a bila para seu terceiro co
lega da esquerda.