Você está na página 1de 37

Filosofia Geral e Jurídica

KARLA SANTOS
CONHECIMENTO

- O PROBLEMA DA VERDADE
- AS CONCEPÇÕES DA VERDADE.
O PROBLEMA DA VERDADE
Dificuldades

- O dogmatismo estabelecido dentro do grupo;


- A praticidade como tais dogmas são apresentados;
- O medo do novo;
- O medo da contestação;
- O conservadorismo do dogma;
- O choque entre as verdades apresentadas (verdade divina versus
verdade humana).
AS CONCEPÇÕES DA VERDADE

Consideração das várias teorias mostra que é difícil encontrar


uma noção consensual do que seja a verdade.
Qualquer definição de verdade, mesmo que enciclopédica,
parece implicar uma ou várias teorias. O único consenso possível
parece ser o de que existe uma natureza ou essência da verdade
(seja ela qual for), isto é, algo que é comum a tudo aquilo do qual
se predique a verdade.
AS CONCEPÇÕES DA VERDADE
1- A verdade representa o perceber, o ver ou seja, o que se
manifesta aos olhos do corpo e do espírito.
Grego Aletheia: o não-oculto, não-escondido, não-dissimulado.
o verdadeiro é o evidente ou plenamente visível para a razão.
Aristóteles, propondo uma teoria da verdade, disse que a verdade é
dizer sobre algo aquilo que de fato ele é, ou dizer aquilo que ele
não é.
Ex:Quando dizemos: a água é translúcida. Estamos falando a
verdade, pois estamos dizendo da água aquilo que lhe é próprio e
podemos verificar experimentalmente tal qualidade.
AS CONCEPÇÕES DA VERDADE

2- A verdade está ligada ao dizer, ao falar, as palavras.

Latim Veritas, significa a exatidão entre o relatado e o ocorrido.


A verdade está na capacidade de alguém em descrever com
exatidão, no âmbito exclusivo da linguagem, o que ocorreu. A
mentira passa a ser uma descrição errada.
A verdade passa a depender exclusivamente da exatidão e
precisão com que um relato ou enunciado é apresentado.
AS CONCEPÇÕES DA VERDADE

3- A verdade está ligada ao crer, ao acreditar.

Hebraico emunah: A palavra se refere ao que foi pactuado, para


o presente ou para o futuro. Trata-se de uma palavra que tem a ver
com a esperança, com a confiança, com a ideia de que o que se
combinou ou o que se espera, vá mesmo acontecer.
Verdade, aqui, tem a ver com o pacto histórico e/ou político, é
claro, mas tem a ver também com a profecia.
TEORIAS SOBRE A VERDADE

1- TEORIA DA CORRESPONDÊNCIA
2- TEORIA DA COERÊNCIA
3- TEORIA DO CONSENSO
4- TEORIA PRAGMÁTICA
TEORIAS SOBRE A VERDADE

1- TEORIA DA CORRESPONDÊNCIA

O critério de verdade dessa teoria é o de adequação ou


conformidade do pensamento ou da proposição com a realidade.
Algo será verdadeiro se esse algo existe no mundo.
X é verdadeiro se X corresponde a um fato.
Ex:Quando dizemos: a água é translúcida. Estamos falando a
verdade, pois estamos dizendo da água aquilo que lhe é próprio e
podemos verificar experimentalmente tal qualidade.
TEORIAS SOBRE A VERDADE

2- TEORIA DA COERÊNCIA

A verdade de um juízo ou proposição consiste na coerência


desse juízo ou proposição com o sistema em que se insere. Uma
proposição é verdadeira ou falsa, dependendo da coerência na
relação entre ela com outras proposições.
X é verdadeiro se X é um membro de um conjunto de crenças
coerente internamente.
TEORIAS SOBRE A VERDADE

3- TEORIA DO CONSENSO
Segundo esta teoria uma crença é verdadeira quando a minha
comunidade intelectual concorda que este é o caso. Fundamenta-
se na confiança recíproca.
Baseia-se na experiência de que o conhecimento de uma
pessoa depende de outras pessoas que também conhecem.
X é verdadeiro se a comunidade de pesquisadores concorda
que X é verdadeiro..
TEORIAS SOBRE A VERDADE

4- TEORIA PRAGMÁTICA
Para o pragmatismo, verdadeiro é aquilo que é considerado útil,
o que é bom para a nossa vida. Identifica-se verdade com utilidade,
vantagem ou oportunidade.
O conhecimento é verdadeiro por seus resultados práticos e
aplicações práticas, sendo verificado pela experimentação e
experiência.
X é verdadeiro se X é útil de se acreditar.
CONHECIMENTO

Conhecer é trazer para nossa consciência algo que supomos


ou pré supomos fora de nós.
Conhecimento é o resultado da relação entre o sujeito que quer
conhecer e o objeto a ser conhecido.
Pressupostos do conhecimento
- O sujeito que conhece;
- Algo que se tem ou que se que ter ciência – objeto.
GRAUS DO CONHECIMENTO
1- CONHECIMENTO EMPÍRICO ou vulgar- Podemos chamar
de conhecimento vulgar, o conhecimento espontâneo ou senso
comum a todo aquele saber que resulta de experiências levadas a
efeito pelo homem ao se defrontar com os problemas decorrentes
de sua existência.
Trocamos informações com nossos contemporâneos, além de
receber informações que nos são repassadas pelas gerações
anteriores, as quais captamos, assimilamos e adaptamos a nossa
realidade, ou seja, o nosso senso comum.
Não há controle; adquire-se independentemente de
estudos, pesquisas ou aplicações de métodos e investigações.
Vamos adquirindo na medida em que as circunstâncias o vão
ditando.
Não significa um conhecimento errado, mas apenas não
verificado, não dotado de certeza.
GRAUS DO CONHECIMENTO

1- CONHECIMENTO EMPÍRICO ou vulgar


Ex:tomar chá de macela, cura dor de estômago, mas ela precisa
ser colhida na Sexta-feira Santa, antes do sol nascer.

Ex: o rábula, vai adquirindo compreensão do direito a medida em


que os casos reclamam sua atenção.
GRAUS DO CONHECIMENTO

2- CONHECIMENTO MÍTICO - O mito é um relato de uma


história fabulosa ou heroica cujo tempo da narrativa reconduz ao
passado distante. Os conteúdos desse tipo de discurso podem
variar tematicamente: O poder, a vida e a morte, o bem e o mal, o
homem e o mundo, a sorte ou o azar e assim por diante.
Ex: Caixa de pandora que é um mito grego que narra a história
de Pandora(mulher criada por Hefesto sob as ordens de Zeus,o
chefe dos deuses do Olimpo) e com ela a origem de todas as
tragédias humanas.
Mito sobre o amor.
GRAUS DO CONHECIMENTO

3- CONHECIMENTO RELIGIOSO- O conhecimento religioso


trabalha no plano da fé e crê na existência de forças que estão
além da capacidade de explicação humana.
Ex: Conhecimentos adquiridos e praticados pelos homens tendo
por base os textos da Bíblia Sagrada.
GRAUS DO CONHECIMENTO

4- CONHECIMENTO CIENTÍFICO
É o conhecimento real e sistemático, próximo ao exato,
procurando conhecer além do fenômeno em si, as causas e leis.
Por meio da classificação, comparação, aplicação dos
métodos, análise e síntese, o pesquisador extrai do contexto
social, ou do universo, princípios e leis que estruturam um
conhecimento rigorosamente válido e universal.
Ex: O estudo de uma determinada substância para uso
medicamentoso.
GRAUS DO CONHECIMENTO

5- CONHECIMENTO FILOSÓFICO
Procura conhecer a realidade em seu contexto universal, sem
soluções definitivas para a maioria das questões; busca
constantemente o sentido da justificação e a possibilidade de
interpretação a respeito do homem e de sua existência concreta.
A tarefa principal da filosofia resume-se na reflexão, pois ela
procura compreender a realidade em seu contexto universal. Não
produz soluções definitivas para grande número de questões, mas
habilita o ser humano a fazer uso de suas faculdades para entender
melhor o sentido da vida, concretamente.
Ex: -A máquina substituirá o homem?
-O que é valor hoje?
Estrutura do conhecimento científico

1- TIPOS
Forma adaptável de categorização como momento do saber do
saber científico.
Ex: Classificação ou enquadramento de seres que reúnam os
mesmos tipos comuns.
No direito penal, a descrição do tipo penal- caracteres do
estelionato, do furto, roubo...( Há uma classificação de conduta que
tipificam o crime).
Estrutura do conhecimento científico

2- LEIS
Tem sentido amplo: Todas as leis que se enunciam no saber físico-
matemático, como as possíveis no plano das ciências culturais, em
cujo âmbito se encontra o direito.
Conceito de Montesquieu: É a relação necessária que deriva da
natureza das coisas.
Estrutura do conhecimento científico

3- PRINCÍPIOS
Princípios são ,pois, verdades ou juízos fundamentais, que servem
de alicerce ou de garantia de certeza a um conjunto de juízos,
ordenados em um sistema de conceitos relativos a dada porção da
realidade. Os princípios fundamentam as leis.
Ex: No direito constitucional:
O princípio isonomia leva a leis que garantam os direitos das
pessoas surdas.
Todos devem ser tratados como iguais perante a lei, sem distinção
de qualquer natureza...
PRINCÍPIOS

1- PRINCÍPIOS UNIVERSAIS
Os princípios lógicos encontrados em toda construção científica
elaborada pelo homem. Física, química...

2- PRINCÍPIOS PLURIVALENTES

Os princípios comuns a um grupo de ciências semelhantes.


Ciências exatas, ciências humanas...
PRINCÍPIOS

3- PRINCÍPIOS MONOVALENTES
Os princípios que atuam em somente uma ciência.
Ex: Ninguém se escusa de cumprir a lei, alegando que não a
conhece. LINDB
PRINCÍPIOS SETORIAIS
Os princípios de um setor de determinada ciência.
Ex: Princípio que regem a prestação dos serviços públicos:
Continuidade.
Filosofia Geral e Jurídica

KARLA SANTOS
FILOSOFIA

DISCIPLINA PROPEDÊUTICA
Estudo preparatório que serve de iniciação ou introdução a uma
ciência.
PROPEDÊUTICA -grego
p r o  - p r e l i m i n a r
paideutikê - arte de instruir
FILOSOFIA

“Somente a partir disciplinas propedêuticas o aluno


estará preparado para receber os conhecimentos
jurídicos futuros mais complexos e específicos, que se
seguirão no desenrolar do Curso de Direito.”
(Prof. José Lima Santana)
FILOSOFIA
A IMPORTÂNCIA DA DISCIPLINA
- Adaptação ao Curso Jurídico;
- Formação de uma consciência Jurídica;
- Desenvolver o raciocínio lógico e despertar no aluno o espírito
crítico,ajudando-o na formação da consciência jurídica.

RACIOCÍNIO JURÍDICO
 Capacidade de observar os problemas colocados diante do
profissional e dar-lhes uma solução possível dentro do
ordenamento jurídico.
FILOSOFIA

1-Definição :
1.1.Etimologia/Critério Nominal
1.2. Critério Global
1.3. Critério Causal
1.4. Critério Axiológico

2-Simbologia
FILOSOFIA

1.1 Definição Etimológica


•Definição Etimológica –Origem da Palavra
•Étimo –verdadeiro significado da palavra
•Logia - estudo
–Filos= Amizade
–Sofia=Sabedoria
- Filosofia do direito é o amor ao saber jurídico,é a
preocupação profunda e constante como fenômeno
jurídico.
FILOSOFIA

1. 2-Critério Global –Concepção do Mundo –Cosmo


Visão
(maneira subjetiva de ver e entender o mundo, esp. as relações humanas e os
papéis dos indivíduos e o seu próprio na sociedade, assim como as respostas
a questões filosóficas básicas, como a finalidade da existência humana, a
existência de vida após a morte etc.; visão de mundo.)

A filosofia não se preocupa com um grupo de fenômenos


particulares, bem determinados e isolados, ao contrário é a
explicação global desses mesmos fenômenos.

(CRETELLA JUNIOR,José.Curso de filosofia do direito.11.ed.Rio de


Janeiro:Forense,2007)
FILOSOFIA

1.3-CRITÉRIO CAUSAL - O por que dos por quês?


A causa primeira

•A filosofia refere-se ao conhecimento das coisas pelos


primeiros princípios, pelas causas mais remotas.

•Filosofia jurídica é o estudo dos institutos jurídicos por


seus primeiros princípios.

(CRETELLA JÚNIOR, José. Curso de filosofia do direito.11.ed.Rio de


Janeiro: Forense,2007)
FILOSOFIA

1. 4-CRITÉRIO AXIOLÓGICO

•“Axios"=valor
•Refere-se a teoria do valor, mostra a filosofia como o estudo
crítico valorativo da vida.
•Transplantada esta colocação para o campo da filosofia do
direito,vemos esta disciplina como o estudo crítico valorativo da
experiência jurídica.
FILOSOFIA

Para dar um exemplo, basta analisar a sentença judiciária,


momento culminante do processo, vista antigamente como
simples silogismo,composto de:
•premissa maior("Quem infringir a norma A será punido")
•de premissa menor("Tu infringiste a norma A") e
•de conclusão("Logo,tu serás punido"),
•Mas atualmente considerada como uma série de atitudes
valorativas,axiológicas, vivência normativa de um fato.
Filosofia do direito é o estudo crítico valorativo da experiência
jurídica. É a análise axiológica do direito.
FILOSOFIA

2. Simbologia

●Coruja–símbolo da filosofia
Para muitos povos a coruja significa mistério, inteligência,
sabedoria e conhecimento. Ela tem a capacidade de enxergar
através da escuridão, conseguindo ver o que os outros não
conseguem.
Visão global: A coruja não é adepta de uma visão unidirecional,
ela gira a cabeça quase que completamente, vendo todos os
lados.
FILOSOFIA

A filosofia é assim como a coruja: enxerga além. A atitude


filosófica possibilita enxergar a realidade de uma forma mais
crítica e apurada ao permitir um salto qualitativo em relação ao
conhecimento do senso comum.
Assim como a coruja “vê além”, a filosofia rompe com o óbvio,
com a conformidade do cotidiano, fazendo com que lancemos
sobre o próprio cotidiano, perguntas essenciais sobre a
necessidade de descobrir quem somos e porque vivemos.
FILOSOFIA
A deusa Têmis - Uma deusa grega que era a divindade da
Justiça, das leis e da ordem.

Era representada com 3 elementos principais:


Olhos vendados; com uma balança na mão esquerda, e com uma
espada na mão direita
Equilibrada como os dois pratos de uma balança.
Usar a força e o poder da espada para defender as leis e punir os
injustos.
Imparcial e sábia como uma pessoa vendada, que não se prende
a aparência para julgar, porque todos são iguais perante a lei.
Daí a famosa frase: “A justiça é cega!”.

Você também pode gostar