Você está na página 1de 30

Competências gerais

Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o mundo físico, social, cultural e digital para entender e explicar a realidade, continuar aprendendo e colaborar
para a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva.

Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade, para investigar
causas, elaborar e testar
hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas.

Valorizar e fruir as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, e também participar de práticas diversificadas da produção artístico-cultural.

Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática
e científica, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo.

Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para
se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.

Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo do trabalho e fazer
escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com liberdade, autonomia, consciência crítica e responsabilidade.

Argumentar com base em fatos, dados e informações confiáveis, para formular, negociar e defender ideias, pontos de vista e decisões comuns que respeitem e promovam os direitos
humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável em âmbito local, regional e global, com posicionamento ético em relação ao cuidado de si mesmo, dos outros e do
planeta.

Conhecer-se, apreciar-se e cuidar de sua saúde física e emocional, compreendendo-se na diversidade humana e reconhecendo suas emoções e as dos outros, com autocrítica e
capacidade para lidar com elas.

Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação,fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização
da diversidade de indivíduos e
de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.

Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, tomando decisões com base em princípios éticos, democráticos, inclusivos,
sustentáveis e solidários.
Competências específicas de Ciências humanas

Compreender a si e ao outro como identidades diferentes, de forma a exercitar o respeito à diferença em uma sociedade plural e promover os direitos humanos.

Analisar o mundo social, cultural e digital e o meio técnico-científico-informacional com base nos conhecimentos das Ciências Humanas, considerando suas variações de significado no
tempo e no espaço, para intervir em situações do cotidiano e se posicionar diante de problemas do mundo contemporâneo.

Identificar, comparar e explicar a intervenção do ser humano na natureza e na sociedade, exercitando a curiosidade e propondo ideias e ações que contribuam para a transformação
espacial, social e cultural, de modo a participar efetivamente das dinâmicas da vida social.

Interpretar e expressar sentimentos, crenças e dúvidas com relação a si mesmo, aos outros e às diferentes culturas, com base nos instrumentos de investigação das Ciências Humanas,
promovendo o acolhimento e a valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer
natureza.

Comparar eventos ocorridos simultaneamente no mesmo espaço e em espaços variados, e eventos ocorridos em tempos diferentes no mesmo espaço e em espaços variados.

Construir argumentos, com base nos conhecimentos das Ciências Humanas, para negociar e defender ideias e opiniões que respeitem e promovam os direitos humanos e a consciência
socioambiental, exercitando a responsabilidade e o protagonismo voltados para o bem comum e a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva.

Utilizar as linguagens cartográfica, gráfica e iconográfica e diferentes gêneros textuais e tecnologias digitais de informação e comunicação no desenvolvimento do raciocínio espaço-
temporal relacionado a localização, distância, direção, duração, simultaneidade, sucessão, ritmo e conexão.
Competências específicas de Ensino religioso

Conviver com a diversidade de crenças, pensamentos, convicções, modos de ser e viver.

Conhecer os aspectos estruturantes das diferentes tradições/movimentos religiosos e filosofias de vida, a partir de pressupostos científicos, filosóficos, estéticos e éticos.

Compreender, valorizar e respeitar as manifestações religiosas e filosofias de vida, suas experiências e saberes, em diferentes tempos, espaços e territórios.

Reconhecer e cuidar de si, do outro, da coletividade e da natureza, enquanto expressão de valor da vida.

Analisar as relações entre as tradições religiosas e os campos da cultura, da política, da economia, da saúde, da ciência, da tecnologia e do meio ambiente.

Debater, problematizar e posicionar-se frente aos discursos e práticas de intolerância, discriminação e violência de cunho religioso, de modo a assegurar os direitos humanos no
constante exercício da cidadania e da cultura de paz.
Competências específicas de Linguagens

Compreender as linguagens como construção humana, histórica, social e cultural, de natureza dinâmica, reconhecendo-as e valorizando-as como formas de significação da realida
expressão de subjetividades e identidades sociais e culturais.

Conhecer e explorar diversas práticas de linguagem (artísticas, corporais e linguísticas) em diferentes campos da atividade humana para continuar aprendendo, ampliar suas
possibilidades de participação na vida social e colaborar para a construção de uma sociedade mais justa, democrática e inclusiva.

Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, para se expressar e partilhar informações, experiências, id
sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao diálogo, à resolução de conflitos e à cooperação.

Utilizar diferentes linguagens para defender pontos de vista que respeitem o outro e promovam os direitos humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável em
local, regional e global, atuando criticamente frente a questões do mundo contemporâneo.

Desenvolver o senso estético para reconhecer, fruir e respeitar as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, inclusive aquelas pertencentes ao patrimôn
cultural da humanidade, bem como participar de práticas diversificadas, individuais e coletivas, da produção artístico-cultural, com respeito à diversidade de saberes, identidades
culturas.

Compreender e utilizar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares), para
comunicar por meio das diferentes linguagens e mídias, produzir conhecimentos, resolver problemas e desenvolver projetos autorais e coletivos.
Competências específicas de Matemática

Reconhecer que a Matemática é uma ciência humana, fruto das necessidades e preocupações de diferentes culturas, em diferentes momentos históricos, e é uma ciência viva, que
contribui para solucionar problemas científicos e tecnológicos e para alicerçar descobertas e construções, inclusive com impactos no mundo do trabalho.

Desenvolver o raciocínio lógico, o espírito de investigação e a capacidade de produzir argumentos convincentes, recorrendo aos conhecimentos matemáticos para compreender e atuar
no mundo.

Compreender as relações entre conceitos e procedimentos dos diferentes campos da Matemática (Aritmética, Álgebra, Geometria, Estatística e Probabilidade) e de outras áreas do
conhecimento, sentindo segurança quanto à própria capacidade de construir e aplicar conhecimentos matemáticos, desenvolvendo a autoestima e a perseverança na busca de
soluções.

Fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos e qualitativos presentes nas práticas sociais e culturais, de modo a investigar, organizar, representar e comunicar informações
relevantes, para interpretá-las e avaliá-las crítica e eticamente, produzindo argumentos convincentes.

Utilizar processos e ferramentas matemáticas, inclusive tecnologias digitais disponíveis, para modelar e resolver problemas cotidianos, sociais e de outras áreas de conhecimento,
validando estratégias e resultados.

Enfrentar situações-problema em múltiplos contextos, incluindo-se situações imaginadas, não diretamente relacionadas com o aspecto prático-utilitário, expressar suas respostas e
sintetizar conclusões, utilizando diferentes registros e linguagens (gráficos, tabelas, esquemas, além de texto escrito na língua materna e outras linguagens para descrever algoritmos,
como fluxogramas, e dados).

Desenvolver e/ou discutir projetos que abordem, sobretudo, questões de urgência social, com base em princípios éticos, democráticos, sustentáveis e solidários, valorizando a
diversidade de opiniões de indivíduos e de grupos sociais, sem preconceitos de qualquer natureza.

Interagir com seus pares de forma cooperativa, trabalhando coletivamente no planejamento e desenvolvimento de pesquisas para responder a questionamentos e na busca de
soluções para problemas, de modo a identificar aspectos consensuais ou não na discussão de uma determinada questão, respeitando o modo de pensar dos colegas e aprendendo com
eles.
Competências específicas de Ciências da natureza

Compreender as Ciências da Natureza como empreendimento humano, e o conhecimento científico como provisório, cultural e histórico.

Compreender conceitos fundamentais e estruturas explicativas das Ciências da Natureza, bem como dominar processos, práticas e procedimentos da investigação científica, de modo a
sentir segurança no debate de questões científicas, tecnológicas, socioambientais e do mundo do trabalho, continuar aprendendo e colaborar para a construção de uma sociedade
justa, democrática e inclusiva.

Analisar, compreender e explicar características, fenômenos e processos relativos ao mundo natural, social e tecnológico (incluindo o digital), como também as relações que se
estabelecem entre eles, exercitando a curiosidade para fazer perguntas, buscar respostas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das Ciências da
Natureza.

Avaliar aplicações e implicações políticas, socioambientais e culturais da ciência e de suas tecnologias para propor alternativas aos desafios do mundo contemporâneo, incluindo
aqueles relativos ao mundo do trabalho.

Construir argumentos com base em dados, evidências e informações confiáveis e negociar e defender ideias e pontos de vista que promovam a consciência socioambiental e o respeito
a si próprio e ao outro, acolhendo e valorizando a diversidade de indivíduos e de grupos sociais, sem preconceitos de qualquer natureza.

Utilizar diferentes linguagens e tecnologias digitais de informação e comunicação para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos e resolver problemas
das Ciências da Natureza de forma crítica, significativa, reflexiva e ética.

Conhecer, apreciar e cuidar de si, do seu corpo e bem-estar, compreendendo-se na diversidade humana, fazendo-se respeitar e respeitando o outro, recorrendo aos conhecimentos das
Ciências da Natureza e às suas tecnologias.

Agir pessoal e coletivamente com respeito, autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, recorrendo aos conhecimentos das Ciências da Natureza para tomar
decisões frente a questões científico-tecnológicas e socioambientais e a respeito da saúde individual e coletiva, com base em princípios éticos, democráticos, sustentáveis e solidários.
Competências específicas de Língua Portuguesa

Reconhecer o texto como lugar de manifestação e negociação de sentidos, valores e ideologias.

Compreender a língua como fenômeno cultural, histórico, social, variável, heterogêneo e sensível aos contextos de uso, reconhecendo-a como meio de construção de identidades de
seus usuários e da comunidade
a que pertencem.

Apropriar-se da linguagem escrita, reconhecendo-a como forma de interação nos diferentes campos de atuação da vida social e utilizando-a para ampliar suas possibilidades de
participar da cultura letrada, de construir conhecimentos (inclusive escolares) e de se envolver com maior autonomia e protagonismo na vida social.

Ler, escutar e produzir textos orais, escritos e multissemióticos que circulam em diferentes campos de atuação e mídias, com compreensão, autonomia, fluência e criticidade, de modo
a se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos, e continuar aprendendo.

Compreender o fenômeno da variação linguística, demonstrando atitude respeitosa diante de variedades linguísticas e rejeitando preconceitos linguísticos.

Empregar, nas interações sociais, a variedade e o estilo de linguagem adequados à situação comunicativa, ao(s) interlocutor(es) e ao gênero do discurso/gênero textual.

Analisar informações, argumentos e opiniões manifestados em interações sociais e nos meios de comunicação, posicionando-se ética e criticamente em relação a conteúdos
discriminatórios que ferem direitos humanos e ambientais.

Selecionar textos e livros para leitura integral, de acordo com objetivos, interesses e projetos pessoais (estudo, formação pessoal, entretenimento, pesquisa, trabalho etc.).

Envolver-se em práticas de leitura literária que possibilitem o desenvolvimento do senso estético para fruição, valorizando a literatura e outras manifestações artístico-culturais como
formas de acesso às dimensões lúdicas, de imaginário e encantamento, reconhecendo o potencial transformador e humanizador da experiência com a literatura.

Mobilizar práticas da cultura digital, diferentes linguagens, mídias e ferramentas digitais para expandir as formas de produzir sentidos (nos processos de compreensão e produção),
aprender e refletir sobre o mundo e realizar diferentes projetos autorais.
Competências específicas de Arte

Explorar, conhecer, fruir e analisar criticamente práticas e produções artísticas e culturais do seu entorno social, dos povos indígenas, das comunidades tradicionais brasileiras e de
diversas sociedades, em distintos tempos e espaços, para reconhecer a arte como um fenômeno cultural, histórico, social e sensível a diferentes contextos e dialogar com as
diversidades.

Compreender as relações entre as linguagens da Arte e suas práticas integradas, inclusive aquelas possibilitadas pelo uso das novas tecnologias de informação e comunicação, pelo
cinema e pelo audiovisual, nas
condições particulares de produção, na prática de cada linguagem e nas suas articulações.

Pesquisar e conhecer distintas matrizes estéticas e culturais – especialmente aquelas manifestas na arte e nas culturas que constituem a identidade brasileira –, sua tradição e
manifestações contemporâneas, reelaborando-as nas criações em Arte.

Experienciar a ludicidade, a percepção, a expressividade e a imaginação, ressignificando espaços da escola e de fora dela no âmbito da Arte.

Mobilizar recursos tecnológicos como formas de registro, pesquisa e criação artística.

Estabelecer relações entre arte, mídia, mercado e consumo, compreendendo, de forma crítica e problematizadora, modos de produção e de circulação da arte na sociedade.

Problematizar questões políticas, sociais, econômicas, científicas, tecnológicas e culturais, por meio de exercícios, produções, intervenções e apresentações artísticas.

Desenvolver a autonomia, a crítica, a autoria e o trabalho coletivo e colaborativo nas artes.

Analisar e valorizar o patrimônio artístico nacional e internacional, material e imaterial, com suas histórias e diferentes visões de mundo.
Competências específicas de Educação Física

Compreender a origem da cultura corporal de movimento e seus vínculos com a organização da vida coletiva e individual.

Planejar e empregar estratégias para resolver desafios e aumentar as possibilidades de aprendizagem das práticas corporais, além de se envolver no processo de ampliação do acervo
cultural nesse campo.

Refletir, criticamente, sobre as relações entre a realização das práticas corporais e os processos de saúde/doença, inclusive no contexto das atividades laborais.

Identificar a multiplicidade de padrões de desempenho, saúde, beleza e estética corporal, analisando, criticamente, os modelos disseminados na mídia e discutir posturas consumistas e
preconceituosas.

Identificar as formas de produção dos preconceitos, compreender seus efeitos e combater posicionamentos discriminatórios em relação às práticas corporais e aos seus participantes.

Interpretar e recriar os valores, os sentidos e os significados atribuídos às diferentes práticas corporais, bem como aos sujeitos que delas participam.

Reconhecer as práticas corporais como elementos constitutivos da identidade cultural dos povos e grupos.

Usufruir das práticas corporais de forma autônoma para potencializar o envolvimento em contextos de lazer, ampliar as redes de sociabilidade e a promoção da saúde.

Reconhecer o acesso às práticas corporais como direito do cidadão, propondo e produzindo alternativas para sua realização no contexto comunitário.

Experimentar, desfrutar, apreciar e criar diferentes brincadeiras, jogos, danças, ginásticas, esportes, lutas e práticas corporais de aventura, valorizando o trabalho coletivo e o
protagonismo.
Competências específicas de Língua Inglesa

Identificar o lugar de si e o do outro em um mundo plurilíngue e multicultural, refletindo, criticamente, sobre como a aprendizagem da língua inglesa contribui para a inserção do
sujeitos no mundo globalizado, inclusive no que concerne ao mundo do trabalho.

Comunicar-se na língua inglesa, por meio do uso variado de linguagens em mídias impressas ou digitais, reconhecendo-a como ferramenta de acesso ao conhecimento, de amplia
das perspectivas e de possibilidades para a compreensão dos valores e interesses de outras culturas e para o exercício do protagonismo social.

Identificar similaridades e diferenças entre a língua inglesa e a língua materna/outras línguas, articulando-as a aspectos sociais, culturais e identitários, em uma relação intrínseca
língua, cultura e identidade.

Elaborar repertórios linguístico-discursivos da língua inglesa, usados em diferentes países e por grupos sociais distintos dentro de um mesmo país, de modo a reconhecer a divers
linguística como direito e valorizar os usos heterogêneos, híbridos e multimodais emergentes nas sociedades contemporâneas.

Utilizar novas tecnologias, com novas linguagens e modos de interação, para pesquisar, selecionar, compartilhar, posicionar-se e produzir sentidos em práticas de letramento na l
inglesa, de forma ética, crítica e responsável.

Conhecer diferentes patrimônios culturais, materiais e imateriais, difundidos na língua inglesa, com vistas ao exercício da fruição e da ampliação de perspectivas no contato com
diferentes manifestações artístico-culturais.
Competências específicas de Geografia

Utilizar os conhecimentos geográficos para entender a interação sociedade/natureza e exercitar o interesse e o espírito de investigação e de resolução de problemas.

Estabelecer conexões entre diferentes temas do conhecimento geográfico, reconhecendo a importância dos objetos técnicos para a compreensão das formas como os seres humanos
fazem uso dos recursos da natureza ao longo da história.

Desenvolver autonomia e senso crítico para compreensão e aplicação do raciocínio geográfico na análise da ocupação humana e produção do espaço, envolvendo os princípios de
analogia, conexão, diferenciação, distribuição, extensão, localização e ordem.

Desenvolver o pensamento espacial, fazendo uso das linguagens cartográficas e iconográficas, de diferentes gêneros textuais e das geotecnologias para a resolução de problemas que
envolvam informações geográficas.

Desenvolver e utilizar processos, práticas e procedimentos de investigação para compreender o mundo natural, social, econômico, político e o meio técnico-científico e informacional,
avaliar ações e propor perguntas e soluções (inclusive tecnológicas) para questões que requerem conhecimentos científicos da Geografia.

Construir argumentos com base em informações geográficas, debater e defender ideias e pontos de vista que respeitem e promovam a consciência socioambiental e o respeito à
biodiversidade e ao outro, sem preconceitos de qualquer natureza.

Agir pessoal e coletivamente com respeito, autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, propondo ações sobre as questões socioambientais, com base em
princípios éticos, democráticos, sustentáveis e solidários.
Competências específicas de História

Compreender e problematizar os conceitos e procedimentos norteadores da produção historiográfica.

Compreender acontecimentos históricos, relações de poder e processos e mecanismos de transformação e manutenção das estruturas sociais, políticas, econômicas e culturais ao
longo do tempo e em diferentes espaços para analisar, posicionar-se e intervir no mundo contemporâneo.

Compreender a historicidade no tempo e no espaço, relacionando acontecimentos e processos de transformação e manutenção das estruturas sociais, políticas, econômicas e culturais,
bem como problematizar os significados das lógicas de organização cronológica.

Elaborar questionamentos, hipóteses, argumentos e proposições em relação a documentos, interpretações e contextos históricos específicos, recorrendo a diferentes linguagens e
mídias, exercitando a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos, a cooperação e o respeito.

Identificar interpretações que expressem visões de diferentes sujeitos, culturas e povos com relação a um mesmo contexto histórico, e posicionar-se criticamente com base em
princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários.

Analisar e compreender o movimento de populações e mercadorias no tempo e no espaço e seus significados históricos, levando em conta o respeito e a solidariedade com as
diferentes populações.

Produzir, avaliar e utilizar tecnologias digitais de informação e comunicação de modo crítico, ético e responsável, compreendendo seus significados para os diferentes grupos ou
estratos sociais.
Língua Portuguesa

COMPONENTE ANO/FAIXA CAMPOS DE ATUAÇÃO PRÁTICAS DE LINGUAGEM OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES

Língua Todos os campos de Leitura/escuta (compartilhada e Decodificação/Fluência de (EF12LP01) Ler palavras novas com precisão na
Portug uesa 1º, 2º atuação autônoma) leitura decodificação, no caso de palavras de uso
frequente, ler globalmente, por memorização.

(EF12LP02) Buscar, selecionar e ler, com a


Língua Todos os campos de Leitura/escuta (compartilhada e mediação do professor (leitura compartilhada),
Portug uesa 1º, 2º atuação autônoma) Formação de leitor textos que circulam em meios impressos ou
digitais, de acordo com as necessidades e
interesses.

Construção do sistema (EF12LP03) Copiar textos breves, mantendo suas


Língua Todos os campos de Escrita alfabético/ Estabelecimento de características e voltando para o texto sempre
Portug uesa 1º, 2º atuação (compartilhada e autônoma) relações anafóricas na que tiver dúvidas sobre sua distribuição gráfica,
ref erenciação e construção da espaçamento entre as palavras, escrita das
coesão palavras e pontuação.

(EF12LP04) Ler e compreender, em colaboração


com os colegas e com a ajuda do professor ou já
com certa autonomia, listas, agendas,
Língua Campo da vida Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura calendários, avisos, convites, receitas, instruções
1º, 2º de montagem (digitais ou impressos), dentre
Portug uesa cotidiana autônoma) outros gêneros do campo da vida cotidiana,
considerando a situação comunicativa e o
tema/assunto do texto e relacionando sua forma
de organização à sua finalidade.

(EF12LP05) Planejar e produzir, em colaboração


com os colegas e com a ajuda do professor,
(re)contagens de histórias, poemas e outros
Língua 1º, 2º Campo da vida Escrita Escrita compartilhada textos versificados (letras de canção, quadrinhas,
Portug uesa cotidiana (compartilhada e autônoma) cordel), poemas visuais, tiras e histórias em
quadrinhos, dentre outros gêneros do campo
artístico-literário, considerando a situação
comunicativa e a finalidade do texto.

(EF12LP06) Planejar e produzir, em colaboração


com os colegas e com a ajuda do professor,
recados, avisos, convites, receitas, instruções de
Língua Campo da vida montagem, dentre outros gêneros do campo da
1º, 2º Oralidade Produção de texto oral vida cotidiana, que possam ser repassados
Portug uesa cotidiana oralmente por meio de f erramentas digitais, em
áudio ou vídeo, considerando a situação
comunicativa e o tema/assunto/finalidade do
texto.

(EF12LP07) Identificar e (re)produzir, em cantiga,


Língua Campo da vida Análise linguística/semiótica quadras, quadrinhas, parlendas, trava-línguas e
1º, 2º Forma de composição do texto canções, rimas, aliterações, assonâncias, o ritmo
Portug uesa cotidiana (Alfabetização) de fala relacionado ao ritmo e à melodia das
músicas e seus efeitos de sentido.

(EF12LP08) Ler e compreender, em colaboração


com os colegas e com a ajuda do professor,
fotolegendas em notícias, manchetes e lides em
Língua 1º, 2º Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura notícias, álbum de fotos digital noticioso e
Portug uesa Campo da vida pública autônoma) notícias curtas para público infantil, dentre
outros gêneros do campo jornalístico,
considerando a situação comunicativa e o
tema/assunto do texto.

(EF12LP09) Ler e compreender, em colaboração


com os colegas e com a ajuda do professor,
Língua Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura slogans, anúncios publicitários e textos de
1º, 2º Campo da vida pública autônoma) campanhas de conscientização destinados ao
Portug uesa público infantil, dentre outros gêneros do campo
publicitário, considerando a situação
comunicativa e o tema/assunto do texto.

(EF12LP10) Ler e compreender, em colaboração


com os colegas e com a ajuda do professor,
Língua Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura cartazes, avisos, folhetos, regras e regulamentos
1º, 2º Campo da vida pública autônoma) que organizam a vida na comunidade escolar,
Portug uesa dentre outros gêneros do campo da atuação
cidadã, considerando a situação comunicativa e
o tema/assunto do texto.

(EF12LP11) Escrever, em colaboração com os


colegas e com a ajuda do professor,
fotolegendas em notícias, manchetes e lides em
Língua 1º, 2º Escrita Escrita compartilhada notícias, álbum de fotos digital noticioso e
Portug uesa Campo da vida pública (compartilhada e autônoma) notícias curtas para público infantil, digitais ou
impressos, dentre outros gêneros do campo
jornalístico, considerando a situação
comunicativa e o tema/assunto do texto.

(EF12LP12) Escrever, em colaboração com os


colegas e com a ajuda do professor, slogans,
Língua Escrita anúncios publicitários e textos de campanhas de
1º, 2º Campo da vida pública (compartilhada e autônoma) Escrita compartilhada conscientização destinados ao público infantil,
Portug uesa dentre outros gêneros do campo publicitário,
considerando a situação comunicativa e o tema/
assunto/finalidade do texto.

(EF12LP13) Planejar, em colaboração com os


colegas e com a ajuda do professor, slogans e
peça de campanha de conscientização destinada
Língua 1º, 2º ao público infantil que possam ser repassados
Portug uesa Campo da vida pública Oralidade Produção de texto oral
oralmente por meio de f erramentas digitais, em
áudio ou vídeo, considerando a situação
comunicativa e o tema/assunto/finalidade do
texto.

(EF12LP14) Identificar e reproduzir, em


fotolegendas de notícias, álbum de fotos digital
Língua 1º, 2º Análise linguística/semiótica noticioso, cartas de leitor (revista infantil),
Portug uesa Campo da vida pública (Alfabetização) Forma de composição do texto digitais ou impressos, a formatação e
diagramação específica de cada um desses
gêneros, inclusive em suas versões orais.

Língua 1º, 2º Análise linguística/semiótica (EF12LP15) Identificar a forma de composição de


Portug uesa Campo da vida pública (Alfabetização) Forma de composição do texto slogans publicitários.

(EF12LP16) Identificar e reproduzir, em anúncios


publicitários e textos de campanhas de
Língua 1º, 2º Análise linguística/semiótica conscientização destinados ao público infantil
Portug uesa Campo da vida pública (Alfabetização) Forma de composição do texto (orais e escritos, digitais ou impressos), a
formatação e diagramação específica de cada
um desses gêneros, inclusive o uso de imagens.

(EF12LP17) Ler e compreender, em colaboração


com os colegas e com a ajuda do professor,
enunciados de tarefas escolares, diagramas,
Língua 1º, 2º Campo das práticas de Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura curiosidades, pequenos relatos de experimentos,
Portug uesa estudo e pesquisa autônoma) entrevistas, verbetes de enciclopédia infantil,
entre outros gêneros do campo investigativo,
considerando a situação comunicativa e o
tema/assunto do texto.

(EF12LP18) Apreciar poemas e outros textos


Língua versificados, observando rimas, sonoridades,
1º, 2º Campo artístico-literário Leitura/escuta (compartilhada e Apreciação estética/Estilo jogos de palavras, reconhecendo seu
Portug uesa autônoma) pertencimento ao mundo imaginário e sua
dimensão de encantamento, jogo e fruição.

(EF12LP19) Reconhecer, em textos v ersificados,


Língua 1º, 2º Campo artístico-literário Análise linguística/semiótica Formas de composição de textos rimas, sonoridades, jogos de palavras, palavras,
Portug uesa (Alfabetização) poéticos expressões, comparações, relacionando-as com
sensações e associações.

(EF15LP01) Identificar a função social de textos


que circulam em campos da vida social dos quais
Língua Todos os campos de participa cotidianamente (a casa, a rua, a
Leitura/escuta (compartilhada e Reconstrução das condições de comunidade,
1º; 2º; 3º; 4º; 5º a escola) e nas mídias impressa, de
Portug uesa atuação autônoma) produção e recepção de textos massa e digital, reconhecendo para que foram
produzidos, onde circulam, quem os produziu e a
quem se destinam.

(EF15LP02) Estabelecer expectativas em relação


ao texto que vai ler (pressuposições
antecipadoras dos sentidos, da forma e da
função social do texto), apoiando-se em seus
conhecimentos prévios sobre as condições de
Língua 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Todos os campos de Leitura/escuta (compartilhada e Estratégia de leitura produção e recepção desse texto, o gênero, o
Portug uesa atuação autônoma) suporte e o universo temático, bem como sobre
saliências textuais, recursos gráficos, imagens,
dados da própria obra (índice, prefácio etc.),
confirmando antecipações e inferências
realizadas antes e durante a leitura de textos,
checando a adequação das hipóteses realizadas.

Língua 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Todos os campos de Leitura/escuta (compartilhada e Estratégia de leitura (EF15LP03) Localizar informações explícitas em
Portug uesa atuação autônoma) textos.

Língua Todos os campos de Leitura/escuta (compartilhada e Estratégia de leitura (EF15LP04) Identificar o efeito de sentido
1º; 2º; 3º; 4º; 5º produzido pelo uso de recursos expressivos
Portug uesa atuação autônoma) gráfico-visuais em textos multissemióticos.

(EF15LP05) Planejar, com a ajuda do professor, o


texto que será produzido, considerando a
situação comunicativa, os interlocutores (quem
escreve/para quem escreve); a finalidade ou o
propósito (escrever para quê); a circulação (onde
Língua Todos os campos de Produção de textos o texto vai circular); o suporte (qual é o portador
1º; 2º; 3º; 4º; 5º (escrita compartilhada e Planejamento de texto
Portug uesa atuação autônoma) do texto); a linguagem, organização e forma do
texto e seu tema, pesquisando em meios
impressos ou digitais, sempre que for preciso,
informações necessárias à produção do texto,
organizando em tópicos os dados e as fontes
pesquisadas.

(EF15LP06) Reler e revisar o texto produzido


Língua Todos os campos de Produção de textos com a ajuda do professor e a colaboração dos
1º; 2º; 3º; 4º; 5º (escrita compartilhada e Revisão de textos colegas, para corrigi-lo e aprimorá-lo, fazendo
Portug uesa atuação autônoma) cortes, acréscimos, reformulações, correções de
ortografia e pontuação.

(EF15LP07) Editar a versão final do texto, em


Língua Todos os campos de Produção de textos colaboração com os colegas e com a ajuda do
1º; 2º; 3º; 4º; 5º (escrita compartilhada e Edição de textos
Portug uesa atuação autônoma) professor, ilustrando, quando for o caso, em
suporte adequado, manual ou digital.

(EF15LP08) Utilizar software, inclusive programas


Língua Todos os campos de Produção de textos de edição de texto, para editar e publicar os
1º; 2º; 3º; 4º; 5º (escrita compartilhada e Utilização de tecnologia digital
Portug uesa atuação autônoma) textos produzidos, explorando os recursos
multissemióticos disponíveis.

(EF15LP09) Expressar-se em situações de


Língua Todos os campos de intercâmbio oral com clareza, preocupando-se
Oralidade pública/Intercâmbio em
1º; 2º; 3º; 4º; 5º Oralidade ser compreendido pelo interlocutor e usando
Portug uesa atuação conversacional em sala de aula a palavra com tom de voz audível, boa
articulação e ritmo adequado.

(EF15LP10) Escutar, com atenção, falas de


Língua 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Todos os campos de Oralidade Escuta atenta professores e colegas, formulando perguntas
Portug uesa atuação pertinentes ao tema e solicitando
esclarecimentos sempre que necessário.

(EF15LP11) Reconhecer características da


conversação espontânea presencial, respeitando
Língua 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Todos os campos de Oralidade Características da conversação os turnos de fala, selecionando e utilizando,
Portug uesa atuação espontânea durante a conversação, formas de tratamento
adequadas, de acordo com a situação e a
posição do interlocutor.

(EF15LP12) Atribuir significado a aspectos não


Língua Todos os campos de Aspectos não linguísticos linguísticos (paralinguísticos) observados na fala,
1º; 2º; 3º; 4º; 5º Oralidade como direção do olhar, riso, gestos, movimentos
Portug uesa atuação (paraling uísticos) no ato da fala da cabeça (de concordância ou discordância),
expressão corporal, tom de voz.

(EF15LP13) Identificar finalidades da interação


Língua 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Todos os campos de Oralidade Relato oral/Registro formal e oral em diferentes contextos comunicativos
Portug uesa atuação informal (solicitar informações, apresentar opiniões,
informar, relatar experiências etc.).

(EF15LP14) Construir o sentido de histórias em


Língua 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Campo da vida Leitura/escuta (compartilhada e Leitura de imagens em quadrinhos e tirinhas, relacionando imagens e
Portug uesa cotidiana autônoma) narrativas visuais palavras e interpretando recursos gráficos (tipos
de balões, de letras, onomatopeias).

(EF15LP15) Reconhecer que os textos literários


fazem parte do mundo do imaginário e
Língua 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Campo artístico-literário Leitura/escuta (compartilhada e Formação do leitor literário apresentam uma dimensão lúdica, de
Portug uesa autônoma) encantamento, valorizando-os, em sua
diversidade cultural, como patrimônio artístico
da humanidade.

(EF15LP16) Ler e compreender, em colaboração


com os colegas e com a ajuda do professor e,
Língua 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Campo artístico-literário Leitura/escuta (compartilhada e Leitura colaborativa e autônoma mais tarde, de maneira autônoma, textos
Portug uesa autônoma) narrativos de maior porte como contos
(populares, de fadas, acumulativos, de
assombração etc.) e crônicas.

(EF15LP17) Apreciar poemas visuais e concretos,


Língua observando efeitos de sentido criados pelo
1º; 2º; 3º; 4º; 5º Campo artístico-literário Leitura/escuta (compartilhada e Apreciação estética/Estilo formato do texto na página, distribuição e
Portug uesa autônoma) diagramação das letras, pelas ilustrações e por
outros efeitos visuais.

Língua 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Campo artístico-literário Leitura/escuta (compartilhada e Formação do leitor (EF15LP18) Relacionar texto com ilustrações e
Portug uesa autônoma) literário/Leitura multissemiótica outros recursos gráficos.

Língua (EF15LP19) Recontar oralmente, com e sem


1º; 2º; 3º; 4º; 5º Campo artístico-literário Oralidade Contagem de histórias apoio de imagem, textos literários lidos pelo
Portug uesa professor.

(EF02LP01) Utilizar, ao produzir o texto, grafia


correta de palavras conhecidas ou com
Língua Todos os campos de Escrita Construção do sistema estruturas silábicas já dominadas, letras
2º alfabético/ Convenções da maiúsculas em início de frases e em substantivos
Portug uesa atuação (compartilhada e autônoma) escrita próprios, segmentação entre as palavras, ponto
final, ponto de interrogação e ponto de
exclamação.

Língua Todos os campos de Análise linguística/semiótica Construção do sistema (EF02LP02) Segmentar palavras em sílabas e
2º remover e substituir sílabas iniciais, mediais ou
Portug uesa atuação (Alfabetização) alfabético e da ortografia finais para criar novas palavras.

(EF02LP03) Ler e escrever palavras com


Língua Todos os campos de Análise linguística/semiótica Construção do sistema correspondências regulares diretas entre letras e
2º fonemas (f, v, t, d, p, b) e correspondências
Portug uesa atuação (Alfabetização) alfabético e da ortografia regulares contextuais (c e q; e e o, em posição
átona em final de palavra).

Língua Todos os campos de Análise linguística/semiótica Construção do sistema (EF02LP04) Ler e escrever corretamente palavras
2º com sílabas CV, V, CVC, CCV, identificando que
Portug uesa atuação (Alfabetização) alfabético e da ortografia existem vogais em todas as sílabas.

Língua 2º Todos os campos de Análise linguística/semiótica Construção do sistema (EF02LP05) Ler e escrever corretamente palavras
Portug uesa atuação (Alfabetização) alfabético e da ortografia com marcas de nasalidade (til, m, n).

Língua 2º Todos os campos de Análise linguística/semiótica Conhecimento do alfabeto do (EF02LP06) Perceber o princípio acrofônico que
Portug uesa atuação (Alfabetização) português do Brasil opera nos nomes das letras do alfabeto.

Língua 2º Todos os campos de Análise linguística/semiótica Conhecimento das diversas (EF02LP07) Escrever palavras, frases, textos
Portug uesa atuação (Alfabetização) grafias do alfabeto/ Acentuação curtos nas formas imprensa e cursiva.
Língua Todos os campos de Análise linguística/semiótica Segmentação de (EF02LP08) Segmentar corretamente as palavras
2º palavras/Classificação de
Portug uesa atuação (Alfabetização) palavras por número de sílabas ao escrever frases e textos.

Língua 2º Todos os campos de Análise linguística/semiótica Pontuação (EF02LP09) Usar adequadamente ponto final,
Portug uesa atuação (Alfabetização) ponto de interrogação e ponto de exclamação.

(EF02LP10) Identificar sinônimos de palavras de


Língua Todos os campos de Análise linguística/semiótica Sinonímia e texto lido, determinando a diferença de sentido
2º antonímia/Morfologia/Pontuaçã entre eles, e formar antônimos de palavras
Portug uesa atuação (Alfabetização) o encontradas em texto lido pelo acréscimo do
prefixo de negação in-/im-.

Língua 2º Todos os campos de Análise linguística/semiótica Morfologia (EF02LP11) Formar o aumentativo e o diminutivo
Portug uesa atuação (Alfabetização) de palavras com os sufixos -ão e -inho/-zinho.

(EF02LP12) Ler e compreender com certa


autonomia cantigas, letras de canção, dentre
Língua 2º Campo da vida Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura outros gêneros do campo da vida cotidiana,
Portug uesa cotidiana autônoma) considerando a situação comunicativa e o
tema/assunto do texto e relacionando sua forma
de organização à sua finalidade.

(EF02LP13) Planejar e produzir bilhetes e cartas,


Língua Campo da vida Escrita Escrita autônoma e em meio impresso e/ou digital, dentre outros
2º gêneros do campo da vida cotidiana,
Portug uesa cotidiana (compartilhada e autônoma) compartilhada considerando a situação comunicativa e o
tema/assunto/finalidade do texto.

(EF02LP14) Planejar e produzir pequenos relatos


de observação de processos, de fatos, de
Língua 2º Campo da vida Escrita Escrita autônoma e experiências pessoais, mantendo as
Portug uesa cotidiana (compartilhada e autônoma) compartilhada características do gênero, considerando a
situação comunicativa e o tema/assunto do
texto.

Língua 2º Campo da vida Oralidade Produção de texto oral (EF02LP15) Cantar cantigas e canções,
Portug uesa cotidiana obedecendo ao ritmo e à melodia.

(EF02LP16) Identificar e reproduzir, em bilhetes,


Língua Campo da vida Análise linguística/semiótica recados, avisos, cartas, e-mails, receitas (modo
2º Forma de composição do texto de fazer), relatos (digitais ou impressos), a
Portug uesa cotidiana (Alfabetização) formatação e diagramação específica de cada
um desses gêneros.

(EF02LP17) Identificar e reproduzir, em relatos


de experiências pessoais, a sequência dos fatos,
Língua Campo da vida Análise linguística/semiótica utilizando expressões que marquem a passagem
2º Forma de composição do texto do tempo (“antes”, “depois”, “ontem”, “hoje”,
Portug uesa cotidiana (Alfabetização) “amanhã”, “outro dia”, “antigamente”, “há
muito tempo” etc.), e o nível de informatividade
necessário.

(EF02LP18) Planejar e produzir cartazes e


folhetos para divulgar eventos da escola ou da
Língua Escrita comunidade, utilizando linguagem persuasiva e
2º Campo da vida pública (compartilhada e autônoma) Escrita compartilhada elementos textuais e visuais (tamanho da letra,
Portug uesa leiaute, imagens) adequados ao gênero,
considerando a situação comunicativa e o
tema/assunto do texto.

(EF02LP19) Planejar e produzir, em colaboração


com os colegas e com a ajuda do professor,
notícias curtas para público infantil, para compor
Língua 2º jornal falado que possa ser repassado oralmente
Portug uesa Campo da vida pública Oralidade Produção de texto oral
ou em meio digital, em áudio ou vídeo, dentre
outros gêneros do campo jornalístico,
considerando a situação comunicativa e o
tema/assunto do texto.

(EF02LP20) Reconhecer a função de textos


Língua 2º Campo das práticas de Leitura/escuta (compartilhada e Imagens analíticas em textos utilizados para apresentar informações coletadas
Portug uesa estudo e pesquisa autônoma) em atividades de pesquisa (enquetes, pequenas
entrevistas, registros de experimentações).

(EF02LP21) Explorar, com a mediação do


Língua 2º Campo das práticas de Leitura/escuta (compartilhada e Pesquisa professor, textos informativos de diferentes
Portug uesa estudo e pesquisa autônoma) ambientes digitais de pesquisa, conhecendo suas
possibilidades.

(EF02LP22) Planejar e produzir, em colaboração


com os colegas e com a ajuda do professor,
pequenos relatos de experimentos, entrevistas,
Língua 2º Campo das práticas de Escrita Produção de textos verbetes de enciclopédia infantil, dentre outros
Portug uesa estudo e pesquisa (compartilhada e autônoma) gêneros do campo investigativo, digitais ou
impressos, considerando a situação
comunicativa e o tema/assunto/finalidade do
texto.

(EF02LP23) Planejar e produzir, com certa


Língua 2º Campo das práticas de Escrita Escrita autônoma autonomia, pequenos registros de observação
Portug uesa estudo e pesquisa (compartilhada e autônoma) de resultados de pesquisa, coerentes com um
tema investigado.

(EF02LP24) Planejar e produzir, em colaboração


com os colegas e com a ajuda do professor,
relatos de experimentos, registros de
Língua Campo das práticas de Oralidade Planejamento de texto oral observação, entrevistas, dentre outros gêneros
2º do campo investigativo, que possam ser
Portug uesa estudo e pesquisa Exposição oral repassados oralmente por meio de ferramentas
digitais, em áudio ou vídeo, considerando a
situação comunicativa e o tema/assunto/
finalidade do texto.

(EF02LP25) Identificar e reproduzir, em relatos


de experimentos, entrevistas, verbetes de
Língua Campo das práticas de Análise linguística/semiótica Forma de composição dos enciclopédia infantil, digitais ou impressos, a
2º textos/Adequação do texto às
Portug uesa estudo e pesquisa (Alfabetização) normas de escrita formatação e diagramação específica de cada
um desses gêneros, inclusive em suas versões
orais.

Língua (EF02LP26) Ler e compreender, com certa


2º Campo artístico-literário Leitura/escuta (compartilhada e Formação do leitor literário autonomia, textos literários, de gêneros
Portug uesa autônoma) variados, desenvolvendo o gosto pela leitura.

Língua 2º Campo artístico-literário Escrita Escrita autônoma e (EF02LP27) Reescrever textos narrativos
Portug uesa (compartilhada e autônoma) compartilhada literários lidos pelo professor.

(EF02LP28) Reconhecer o conflito gerador de


Língua 2º Campo artístico-literário Análise linguística/semiótica Formas de composição de uma narrativa ficcional e sua resolução, além de
Portug uesa (Alfabetização) narrativas palavras, expressões e frases que caracterizam
personagens e ambientes.

Língua (EF02LP29) Observar, em poemas visuais, o


2º Campo artístico-literário Análise linguística/semiótica Formas de composição de textos formato do texto na página, as ilustrações e
Portug uesa (Alfabetização) poéticos visuais outros efeitos visuais.
Língua Portuguesa
MATERIAL SUPLEMENTAR PARA O REDATOR DE CURRÍCULO - NÃO FAZ PARTE DA BNCC
COMPONENTE ANO/FAIXA CAMPOS DE ATUAÇÃO PRÁTICAS DE LINGUAGEM OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES COMENTÁRIO POSSIBILIDADES PARA O CURRÍCULO

Na elaboração do currículo, a indicação de habilidades de leitura de textos da


A habilidade pode orientar a leitura de duas maneiras: a) quando se trata de alunos tradição oral, como cantigas regionais e nacionais, poemas, letra de músicas, entre
Língua Todos os campos de Leitura/escuta (compartilhada e Decodificação/Fluência de (EF12LP01) Ler palavras novas com precisão na que estão em processo de construção do sistema, por meio da leitura colaborativa aoutros textos cuja organização estrutural facilite a memorização, é importante para
construção dessa habilidade. Em documentos de orientações didáticas, é possível
Portug uesa 1º, 2º atuação autônoma) leitura decodificação, no caso de palavras de uso de textos conhecidos de memória, realizando ajuste do texto falado ao seu registro prever a explicitação das modalidades de trabalho com a leitura (leitura em voz alta
frequente, ler globalmente, por memorização. gráfico; b) quando se trata dos alunos que já compreenderam o sistema (o que
pode ocorrer até o final do 2º ano), com precisão na decodificação. pelo professor, leitura autônoma, leitura colaborativa, entre outras) que podem
contribuir para a organização do ensino de leitura, que deve acontecer com a
construção das habilidades de compreensão do sistema de escrita.

(EF12LP02) Buscar, selecionar e ler, com a No trabalho com leitura, é preciso ensinar procedimentos e comportamentos Na elaboração do currículo, é possível prever a leitura colaborativa, que é, inclusive
Língua Todos os campos de Leitura/escuta (compartilhada e mediação do professor (leitura compartilhada), leitores: ambos implicam a mobilização das diversas habilidades de leitura.A leitura no que diz respeito à seleção de textos, a atividade na qual se estuda um texto por
compartilhada é uma atividade que potencializa esse trabalho: explicita como agem meio de questões problematizadoras feitas pelo professor após uma leitura inicial
Portug uesa 1º, 2º atuação autônoma) Formação de leitor textos que circulam em meios impressos ou os leitores proficientes na leitura.Ao selecionar temas pertinentes para o ensino, do texto (ou sem realizá-la, de acordo com o objetivo). A progressão do trabalho
digitais, de acordo com as necessidades e
interesses. convém considerar os que são do interesse dos alunos e os que são relevantes para com leitura se dá a partir do nível de complexidade dos textos e do nível de
a compreensão da realidade vivida. autonomia do aluno (trabalho coletivo, grupos, duplas, autônomo).

Na elaboração do currículo, é possível prever que o desenvolvimento desta


habilidade supõe: a) a mobilização da atenção do aluno para com todas as
Construção do sistema (EF12LP03) Copiar textos breves, mantendo suas características gráficas do texto: pontuação (medial e final), paragrafação,
Esta habilidade consiste em observar e reproduzir pequenos textos, e é útil como
alfabético/ Estabelecimento de características e voltando para o texto sempre recurso acentuação, presença de letras maiúsculas, distribuição gráfica de suas partes,
Língua Todos os campos de Escrita para chamar a atenção do aluno para aspectos como pontuação,
Portug uesa 1º, 2º atuação (compartilhada e autônoma) relações anafóricas na que tiver dúvidas sobre sua distribuição gráfica, acentuação, presença de letra maiúscula, paragraf ação e distribuição gráfica de translineação; b) a constante mediação do professor em todas as etapas das
ref erenciação e construção da espaçamento entre as palavras, escrita das atividades propostas. Convém que, no currículo, seja sublinhada a necessidade de
coesão palavras e pontuação. suas partes, entre outros. os textos selecionados serem curtos ou trechos significativos de um texto mais
longo. A progressão horizontal pode dar-se pela extensão e complexidade dos
textos e pelo nível de autonomia do aluno.

Na elaboração do currículo, pode-se considerar, na previsão de atividades, as


(EF12LP04) Ler e compreender, em colaboração características dos textos selecionados para leitura e dos gêneros previstos. Uma
receita, por exemplo, organiza- se pela presença de: título, quantidades dos
com os colegas e com a ajuda do professor ou já Trata-se de uma habilidade complexa, que precisa considerar tanto o ingredientes, modo de fazer. Pode conter ainda: rendimento, grau de dificuldade e
com certa autonomia, listas, agendas, desenvolvimento de habilidades de leitura quanto as características de cada um
tempo de trabalho. Adequa-se ao portador e espaço de circulação: se for para
calendários, avisos, convites, receitas, instruções dos gêneros do campo da vida cotidiana (organização interna; marcas linguísticas; crianças,
Língua 1º, 2º Campo da vida Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura as quantidades podem vir indicadas por imagens (xícara, colher etc.) e a
Portug uesa cotidiana autônoma) de montagem (digitais ou impressos), dentre conteúdo temático) e dos textos específicos a serem lidos.No que se refere à linguagem será menos complexa, em especial no 'modo de f azer'. Nas atividades de
outros gêneros do campo da vida cotidiana, progressão da aprendizagem, atentar para o fato de que a formulação da
considerando a situação comunicativa e o habilidade já implica um critério: o grau de autonomia do aluno (leitura em estudo, convém focalizar as características que forem importantes para a
compreensão do texto, articular essas características à finalidade do texto, prever
tema/assunto do texto e relacionando sua forma colaboração; leitura autônoma). um trabalho dialógico e reflexivo, assim como a comparação entre textos por
de organização à sua finalidade.
semelhanças e diferenças. Além do grau de autonomia do aluno, a progressão da
aprendizagem pode apoiar-se no grau de complexidade dos textos e dos temas.

Esta é uma habilidade diretamente relacionada à construção da textualidade. Na elaboração do currículo, é possível articular esta habilidade a outras que
prevejam conteúdos relacionados à participação em situações comunicativas, como
(EF12LP05) Planejar e produzir, em colaboração Articula a produção do texto com o gênero do campo artístico-literário e dois saraus, rodas de leitura de poemas e oralização de quadrinhas/cordel, em dia da
com os colegas e com a ajuda do professor, vetores do processo de escrita (situação/finalidade), comportando ao menos duas família na escola, prevendo a observação e o planejamento da situação
etapas — planejamento e escrita, que significam organizar as ideias para depois
(re)contagens de histórias, poemas e outros comunicativa com os alunos. É preciso ressaltar que a atividade de recontagem de
Língua 1º, 2º Campo da vida Escrita Escrita compartilhada textos versificados (letras de canção, quadrinhas, colocá-las no papel — passíveis de tratamento em etapas sucessivas. Poderá ser histórias prevê a elaboração de um texto cujo conteúdo é conhecido. Dessa forma,
Portug uesa cotidiana (compartilhada e autônoma) cordel), poemas visuais, tiras e histórias em desmembrada em habilidades que prevejam: a) planejar e recontar histórias; b)
planejar e produzir escrita das histórias recontadas, por ditado ao professor e/ou é focalizada nessa atividade a capacidade de textualização, ou seja, de redigir o
quadrinhos, dentre outros gêneros do campo colegas; c) planejar e escrever textos versificados conhecidos de memória enunciado. Já a atividade de escrita de textos conhecidos de memória envolve
artístico-literário, considerando a situação apenas o registro gráfico do texto que, nesse caso, é tão conhecido quanto o
comunicativa e a finalidade do texto. (coletivamente, em duplas ou de modo autônomo), como letras de canção,
quadrinhas e cordel. Todas as habilidades podem indicar a revisão processual do conteúdo temático. A progressão pode apoiar-se no grau de complexidade dos
texto. gêneros
A mencionados
habilidade requer e/ou da autonomia a serorais
desenvolvida
e/ou parapelo aluno em
diferentes etapas deplanejar
cada umedos
produzir textos
dois primeiros anos. oralizar, dependendo
da situação comunicativa. É comum, por exemplo, que recados sejam produzidos
oralmente; já as instruções de montagem costumam ser elaboradas por escrito,
podendo ser oralizadas. Como o objetivo final é a transmissão oral dos textos, na
(EF12LP06) Planejar e produzir, em colaboração elaboração do currículo, é possível prever que o estudante tanto pode saber o
conteúdo de um recado e elaborar o texto quando falar ao destinatário
com os colegas e com a ajuda do professor, (pessoalmente, por meio de mensagem de voz de aplicativos de celular etc.)
recados, avisos, convites, receitas, instruções de
montagem, dentre outros gêneros do campo da Trata-se de uma habilidade que articula escrita e oralização da escrita, quanto pode necessitar ter o texto produzido por escrito para poder ler para o
Língua 1º, 2º Campo da vida Oralidade Produção de texto oral interlocutor (como instruções de montagem e receitas etc.). Para o
Portug uesa cotidiana vida cotidiana, que possam ser repassados considerando, ainda, o gênero do campo da vida cotidiana a ser produzido e três
oralmente por meio de f erramentas digitais, em vetores da produção, seja escrita, seja oral (situação/tema ou assunto/finalidade). desenvolvimento desta habilidade, pode-se propor que haja: a) análise da situação
áudio ou vídeo, considerando a situação comunicativa e dos gêneros com a finalidade de compreender as suas
características, de modo a oferecer repertório para a produção; b) planejamento,
comunicativa e o tema/assunto/finalidade do produção e revisão dos textos, com apoio do registro escrito; c) acesso e utilização
texto.
de ferramentas digitais que viabilizem a produção dos textos, em áudio ou vídeo. A
progressão pode apoiar- se nas duas operações diferentes que a habilidade envolve.
Assim, planejamento e produção podem ser programados para momentos
sucessivos. Além disso, recomenda-se prever o trabalho em colaboração, desde o
coletivo
Na elaboração
até o organizado
do currículo,
emdeve-se
duplas/grupos.
considerar que os textos previstos são ótimas
ref erências para a realização de leituras de ajuste, posto que a sua organização
versificada e o ritmo e melodia oferecem pistas sobre onde começam e terminam
(EF12LP07) Identificar e (re)produzir, em cantiga, Esta habilidade refere-se a reconhecer, no processo de leitura, recursos linguísticos os versos, balizando o trabalho do aluno. Projetos de coletâneas de cantigas,
Língua Campo da vida Análise linguística/semiótica quadras, quadrinhas, parlendas, trava-línguas e e discursivos que constituem os gêneros previstos, de modo que seja possível parlendas, trava-línguas são sempre ótimas propostas que viabilizam esse trabalho.
1º, 2º Forma de composição do texto canções, rimas, aliterações, assonâncias, o ritmo reproduzi-los em atividades de escrita e reescrita, assim como de criá-los em Na organização do currículo, a progressão pode dar-se a partir da diversificação de
Portug uesa cotidiana (Alfabetização) de fala relacionado ao ritmo e à melodia das atividades de produção de textos. Esta habilidade envolve, portanto, a oralização textos, da extensão e complexidade deles, assim como o nível de autonomia
músicas e seus efeitos de sentido. dos textos previstos, com o objetivo de evidenciar seus padrões rítmicos e sonoros. requerido do aluno. Há, aqui, oportunidade para o trabalho interdisciplinar com as
habilidades (EF15AR14), (EF15AR15) e (EF15AR17), da Arte, associadas à
experimentação com fontes sonoras e identificação de elementos constitutivos da
música.

O foco do trabalho são os textos jornalísticos. Assim, Na elaboração do currículo,


(EF12LP08) Ler e compreender, em colaboração recomenda- se começar o seu estudo pela especificidade dos portadores típicos
com os colegas e com a ajuda do professor, Trata-se de uma habilidade complexa, que precisa considerar tanto o trabalho com (jornais e revistas — por exemplo — impressos e digitais), para que os alunos
fotolegendas em notícias, manchetes e lides em as habilidades de leitura quanto as características de cada um dos gêneros do possam conhecer o local de publicação dos textos, contextualizando-os quanto à
Língua 1º, 2º Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura notícias, álbum de fotos digital noticioso e campo jornalístico (organização interna; marcas linguísticas; conteúdo temático) e extensão, orientação de valores e características gráficas. As rodas de jornal são
Portug uesa Campo da vida pública autônoma) notícias curtas para público infantil, dentre dos textos específicos a serem lidos. A habilidade prevê tanto a colaboração quanto boas atividades para esse estudo. É preciso considerar as características dos
outros gêneros do campo jornalístico, a realização com autonomia, o que pode ser tomado, nos currículos locais, como diferentes gêneros que circulam no jornal (notícia, reportagem, carta de leitor etc),
considerando a situação comunicativa e o critério para a progressão da aprendizagem ao longo dos dois primeiros anos. para orientar os alunos quanto a isso no processo de leitura. A leitura colaborativa,
tema/assunto do texto. trabalhada na habilidade (EF12LP02), é atividade fundamental para a realização
desse trabalho, seja com textos impressos ou digitais.

No campo publicitário, circulam textos que buscam convencer os leitores/ouvintes


a consumirem determinados produtos, serviços e ideias, como o anúncio
(EF12LP09) Ler e compreender, em colaboração Trata-se de uma habilidade complexa, que precisa considerar tanto o trabalho com publicitário. S ão multimodais, articulando imagem, texto verbal, cores e, quando
com os colegas e com a ajuda do professor,
slogans, anúncios publicitários e textos de as habilidades de leitura quanto as características de cada um dos gêneros do radiofônicos, televisivos ou digitais, sons também. Na elaboração do currículo do
Língua 1º, 2º Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura campo publicitário (organização interna; marcas linguísticas; conteúdo temático) e trabalho com esses textos, dois aspectos são fundamentais: compreender as
Portug uesa Campo da vida pública autônoma) campanhas de conscientização destinados ao
público infantil, dentre outros gêneros do campo dos textos específicos a serem lidos. A habilidade prevê apenas a realização em marcas linguísticas e recursos de outras linguagens no contexto da função dos
publicitário, considerando a situação colaboração. Assim, pode-se considerar o movimento metodológico básico, gêneros e finalidade dos textos (como o uso do imperativo, metáforas etc) e
excluindo-se a realização com autonomia. (trabalho coletivo ® grupos ® duplas). tematizar as relações de consumo tal como estão constituídas na sociedade hoje,
comunicativa e o tema/assunto do texto. relacionando-as com a sustentabilidade. A leitura colaborativa, trabalhada na
habilidade (EF12LP02), é atividade fundamental para a realização desse trabalho.

Os gêneros que circulam no campo da atuação cidadã são diversos, com


características bastantes distintas, incluindo de cartazes contendo avisos e
orientações práticas de comportamento (multimodais, podendo conter diferentes
(EF12LP10) Ler e compreender, em colaboração
com os colegas e com a ajuda do professor, Trata-se de uma habilidade complexa, que precisa considerar tanto o trabalho com linguagens) a regulamentos (como o escolar). Na elaboração do currículo, é possível
cartazes, avisos, folhetos, regras e regulamentos as habilidades de leitura quanto as características de cada um dos gêneros do prever que a leitura proficiente desses textos requer, além da mobilização das
Língua 1º, 2º Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura estratégias de leitura, a compreensão de suas características, na relação com a
Portug uesa Campo da vida pública autônoma) que organizam a vida na comunidade escolar, campo da atuação cidadã (organização interna; marcas linguísticas; conteúdo função do gênero e com a finalidade do texto, nas situações comunicativas em que
dentre outros gêneros do campo da atuação temático) e dos textos específicos a serem lidos. A habilidade prevê apenas a
cidadã, considerando a situação comunicativa e realização em colaboração, excluindo-se a realização com autonomia. circulam. A leitura colaborativa, trabalhada na habilidade (EF12LP02), é atividade
fundamental para a realização desse trabalho. A progressão da aprendizagem pode
o tema/assunto do texto. se estabelecer com base nas estratégias (trabalho coletivo, grupos, duplas) e nos
procedimentos a serem adotados, assim como na complexidade dos gêneros e dos
textos previstos.

Na elaboração do currículo, as habilidades podem ser ampliadas com: a) orientação


(EF12LP11) Escrever, em colaboração com os para uso de procedimentos escritores, como: reler o que está escrito para
colegas e com a ajuda do professor, continuar, consultar o planejamento para tomar decisões na escrita, revisar no
Esta é uma habilidade que articula a produção textual com os gêneros do campo processo e ao final; b) indicação de visitas a ambientes digitais para observação
fotolegendas em notícias, manchetes e lides em jornalístico em foco e dois vetores do processo de escrita (situação/tema ou dos gêneros citados, de modo a explicitar suas características e construindo
Língua 1º, 2º Escrita Escrita compartilhada notícias, álbum de fotos digital noticioso e
Portug uesa Campo da vida pública (compartilhada e autônoma) assunto). Envolve ao menos duas operações distintas, que podem ser tratadas em registros que possam repertoriar a produção. É possível, ainda, propor habilidades
notícias curtas para público infantil, digitais ou separado: planejar e produzir, que significam organizar as ideias para depois que orientem a análise de textos dos gêneros para compreender a
impressos, dentre outros gêneros do campo colocá-las no papel. multimodalidade que os constitui. A progressão — tanto horizontal quanto vertical
jornalístico, considerando a situação
comunicativa e o tema/assunto do texto. — pode ser pensada com base no suporte (impresso/digital), na complexidade e/ou
extensão do texto de referência e no grau de autonomia que se pretenda para o
aluno a cada etapa do ensino.
Na elaboração do currículo, a habilidade poderá ser articulada a temas relevantes
para a região, como campanhas de preservação de parques, praças, de cuidado
com os animais, entre outros, de modo a criar situações comunicativas em que faça
sentido a conscientização de outros interlocutores da comunidade escolar. É
possível sugerir habilidades que prevejam portadores para esses textos, como
(EF12LP12) Escrever, em colaboração com os folhetos e cartazes que possam ser divulgados no entorno da escola. Nesse caso, é
colegas e com a ajuda do professor, slogans, Trata-se de uma habilidade que articula a produção de textos dos gêneros do
indicado que a habilidade oriente o estudo do portador e a reflexão sobre sua
anúncios publicitários e textos de campanhas de campo publicitário em foco a três vetores do processo de escrita (situação/tema ou adequação
Língua 1º, 2º Escrita Escrita compartilhada de acordo com a situação comunicativa. É possível, ainda, propor
Portug uesa Campo da vida pública (compartilhada e autônoma) conscientização destinados ao público infantil, assunto/finalidade). A habilidade prevê a colaboração dos colegas e professores na habilidades que: a) envolvam análise de textos dos gêneros do campo publicitário,
dentre outros gêneros do campo publicitário, produção do texto, que envolve organizar as ideias e utilizar a criatividade para
considerando a situação comunicativa e o tema/ depois escrevê-las. de modo a explicitar as suas características e construindo registros que possam
repertoriar a produção; b) orientem o uso de procedimentos escritores, como: reler
assunto/finalidade do texto. o que está escrito para continuar, consultar o planejamento para tomar decisões no
momento da escrita e revisar no processo e ao final. A progressão — tanto
horizontal quanto vertical — pode ser pensada com base na complexidade e/ou
Éextensão
muito importante
do texto deque,
referência
na elaboração
e no grau
do de
currículo,
autonomia
preveja-se
que se pretenda
o acesso epara
a o
aluno a cada
utilização de ferramentas
etapa do ensino.
digitais que viabilizem a produção dos textos em áudio ou
vídeo. As habilidades podem: a) envolver a análise de textos, no gênero
(EF12LP13) Planejar, em colaboração com os determinado, para compreender suas características, de acordo com a situação
colegas e com a ajuda do professor, slogans e Esta habilidade incide sobre a produção de textos (orais/escritos) do gênero comunicativa; b) orientar a produção/textualização, colaborativa, em mídia digital.
Além disso, é preciso considerar que a habilidade prevê oralizar textos escritos na
peça de campanha de conscientização destinada
Língua 1º, 2º ao público infantil que possam ser repassados campanha de conscientização. A habilidade articula as atividades escolares preparação de materiais gravados em vídeo (para exibição na TV, em vlogs, em
Portug uesa Campo da vida pública Oralidade Produção de texto oral relativas a três vetores próprios da produção textual: situação de comunicação,
oralmente por meio de f erramentas digitais, em tema ou assunto e finalidade. Além disso, requer duas operações: planejar e canais de mídias digitais etc.), e em áudio (para exibição em rádio e canais das
mídias digitais etc.). Por isso, é fundamental que sejam previstos estudos dos
áudio ou vídeo, considerando a situação
comunicativa e o tema/assunto/finalidade do produzir os textos dos gêneros estudados. recursos a serem empregados nesses materiais, considerando a especificidade de
texto. cada mídia e ambiente. A progressão, tanto horizontal quanto vertical, pode
pautar-se pelo grau de complexidade das peças publicitárias visadas, pela
alternância no foco do ensino (o gênero e sua organização geral; as ferramentas
digitais a serem mobilizadas; o planejamento; a elaboração) e pelo grau de
autonomia
Na elaboração
a serdoconquistada
currículo, deve-se
pelo aluno
considerar
a cada etapa.
que o desenvolvimento desta
habilidade se dá por meio da frequentação dos estudantes a textos organizados nos
gêneros previstos. A atividade de leitura colaborativa de estudo e a de revisão
processual e final possibilitam estudar os recursos e analisar a adequação dos
(EF12LP14) Identificar e reproduzir, em textos produzidos, sendo fundamental a previsão dessas atividades na organização
fotolegendas de notícias, álbum de fotos digital Esta habilidade refere-se a reconhecer, no processo de leitura, recursos de dos currículos. Projetos que prevejam a leitura de matérias de relevância social
Língua 1º, 2º Análise linguística/semiótica noticioso, cartas de leitor (revista infantil), (local ou global) publicadas em revistas/jornais específicos, e elaboração de cartas
Portug uesa Campo da vida pública (Alfabetização) Forma de composição do texto digitais ou impressos, a formatação e expressão que constituem os gêneros previstos, de modo que seja possível de leitor a respeito destas, viabilizam o desenvolvimento da habilidade, pois
empregá-los adequadamente nos textos a serem produzidos.
diagramação específica de cada um desses incluem a leitura de estudo das características do gênero e a produção dos textos.
gêneros, inclusive em suas versões orais. Os currículos podem prever habilidades que orientem a realização de rodas de
leitura de jornal que possibilitam ao aluno uma compreensão mais crítica das
matérias. A progressão, tanto horizontal quanto vertical, pode apoiar-se no grau de
complexidade dos gêneros e textos mencionados, assim como pelo nível de
autonomia a ser conquistado pelo aluno a cada etapa.

Na elaboração do currículo, deve-se considerar que o desenvolvimento desta


Esta habilidade articula-se com a (EF12LP16) e só se desenvolve adequadamente no habilidade está intimamente associado ao aprendizado da (EF12LP16), pois o slogan
é constitutivo do anúncio publicitário. Recomenda-se, portanto, que a articulação
Língua 1º, 2º Análise linguística/semiótica (EF12LP15) Identificar a forma de composição de interior de práticas de leitura e análise de textos publicitários. Seu foco é entre elas seja contemplada nos currículos locais e que ambas venham sempre
Portug uesa Campo da vida pública (Alfabetização) Forma de composição do texto slogans publicitários. reconhecer recursos linguístico-discursivos envolvidos em slogans, garantindo ao associadas a práticas de leitura e/ou produção de textos nos gêneros em questão.
aluno não só compreender melhor as particularidades dos textos desse campo,
mas, ainda, empregar os recursos correspondentes em suas próprias produções. A progressão, tanto horizontal quanto vertical, pode apoiar-se no grau de
complexidade dos textos publicitários selecionados para estudo, assim como pelo
nível de autonomia a ser conquistado pelo aluno a cada etapa.

Na elaboração do currículo, convém que o desenvolvimento desta habilidade seja


(EF12LP16) Identificar e reproduzir, em anúncios Estreitamente articulada à (EF12LP15), esta habilidade tem como foco que o aluno associado à frequentação dos estudantes a textos organizados nos gêneros
publicitários e textos de campanhas de previstos. A previsão curricular de projetos de elaboração de campanhas
Língua 1º, 2º Análise linguística/semiótica conscientização destinados ao público infantil reconheça recursos gráficos próprios dos gêneros mencionados, com vistas à sua publicitárias (impressas ou digitais) relativas a questões de relevância social pode
Portug uesa Campo da vida pública (Alfabetização) Forma de composição do texto (orais e escritos, digitais ou impressos), a apropriação. Seu desenvolvimento só se dá no interior de práticas de leitura, viabilizar o desenvolvimento da habilidade, pois inclui a leitura de estudo das
análise e produção desses textos, permitindo que o aluno venha a empregá-los
formatação e diagramação específica de cada características do gênero e a produção dos textos. A progressão pode dar-se pela
um desses gêneros, inclusive o uso de imagens. adequadamente em sua própria escrita. complexidade dos textos lidos (em função, por exemplo, do tema) e pelo nível de
autonomia que se pretende levar o aluno a conquistar em cada etapa.

Enunciados de tarefas escolares precisam ser lidos e estudados no cotidiano dos


(EF12LP17) Ler e compreender, em colaboração trabalhos, considerando suas características, a depender da disciplina a que se
ref erem. Curiosidades, por exemplo, são textos que apresentam aspectos
com os colegas e com a ajuda do professor, Trata-se de uma habilidade complexa, que precisa considerar tanto o trabalho com inusitados de animais, lugares, culturas, países etc., e que muitas vezes organizam-
enunciados de tarefas escolares, diagramas, as habilidades de leitura quanto as características de cada um dos gêneros
Língua 1º, 2º Campo das práticas de Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura curiosidades, pequenos relatos de experimentos, investigativos (organização interna; marcas linguísticas; conteúdo temático) e dos se a partir de uma pergunta como 'Você sabia que...?'.Na elaboração do currículo, é
importante que se contemplem referências variadas dos gêneros em foco nessa
Portug uesa estudo e pesquisa autônoma) entrevistas, verbetes de enciclopédia infantil, textos específicos a serem lidos. A habilidade prevê tanto a colaboração quanto a habilidade, articulando a complexidade dos textos visados às possibilidades dos
entre outros gêneros do campo investigativo, realização autônoma. Assim, é preciso considerar a gradação ao longo dos dois
considerando a situação comunicativa e o anos. alunos no nível de ensino em jogo. Nas atividades de estudo, convém focalizar as
características que forem importantes para a compreensão do texto, articular essas
tema/assunto do texto. características à finalidade do texto, prever um trabalho dialógico e reflexivo, assim
como a comparação entre textos por semelhanças e diferenças.
Atividades que favorecem o desenvolvimento dessa habilidade são, entre outras, a
leitura colaborativa — para estudo dos textos e modelização de procedimentos e
comportamentos leitores —, a roda de leitores e o diário de leitura — para
socialização de impressões sobre leituras realizadas e circulação de critérios de
(EF12LP18) Apreciar poemas e outros textos Esta é uma habilidade complexa, que envolve: a) o desenvolvimento das apreciação utilizados pelos diferentes leitores, como na habilidade (EF35LP21). É
habilidades de leitura como um todo; b) o caráter não utilitário (lúdico/estético) importante que, na elaboração do currículo, considere-se a disponibilidade, nas
Língua versificados, observando rimas, sonoridades,
1º, 2º Campo artístico-literário Leitura/escuta (compartilhada e Apreciação estética/Estilo jogos de palavras, reconhecendo seu dos textos literários; c) as características dos diferentes gêneros poéticos. A escolas, de materiais impressos e/ou digitais, assim como gravações de poemas
Portug uesa autônoma) pertencimento ao mundo imaginário e sua formulação da habilidade supõe tanto a formação de um repertório literário declamados e outros recursos de imagem e som. No desenvolvimento do currículo,
específico como a previsão curricular de estratégias didáticas que progridam da a organização de saraus e de slams cria um espaço de socialização de poemas,
dimensão de encantamento, jogo e fruição. leitura colaborativa para a autônoma. selecionados de acordo com critérios de apreciação ética, estética e afetiva
constituídos pelos alunos. A complexidade dos gêneros e textos previstos, as
marcas linguísticas dos poemas mencionados e o grau de autonomia do aluno
proposta para o primeiro e o segundo anos podem ser bons critérios para a
progressão da aprendizagem.

Na elaboração do currículo, é importante considerar que esta habilidade relaciona-


se com a (EF35LP31): ambas preveem identificar recursos típicos dos textos
versificados, relacionando-os com impressões e sensações por eles provocadas,
(EF12LP19) Reconhecer, em textos v ersificados, Esta habilidade refere-se a — no processo de leitura de textos — identificar sendo que, na (EF 35LP31), aprofunda-se o estudo, focalizando os ef eitos de sentido
Língua recursos linguísticos e discursivos que constituem os gêneros poéticos previstos.
1º, 2º Campo artístico-literário Análise linguística/semiótica Formas de composição de textos rimas, sonoridades, jogos de palavras, palavras, Fundamental para o desenvolvimento dessa habilidade é a oralização de tais provocados pelo uso de metáforas e recursos rítmicos (progressão vertical). O
Portug uesa (Alfabetização) poéticos expressões, comparações, relacionando-as com textos, sem o que os aspectos relacionados à sonoridade e ao ritmo não podem ser desenvolvimento desta habilidade demanda a programação de atividades de
sensações e associações. estudo coletivo, em especial no 1º e 2º ano, quando os estudantes ainda não se
observados. encontram alfabetizados. Convém, portanto, que a mediação do professor e o
envolvimento sistemático do aluno em práticas colaborativas de leitura e escrita
sejam contemplados já nesses momentos iniciais.

Na elaboração do currículo, é possível destacar que o desenvolvimento desta


habilidade permite que o aluno reconheça que os textos se organizam em gêneros
(EF15LP01) Identificar a função social de textos que possuem funções sociais relacionadas aos diferentes campos de atuação no
Esta habilidade refere-se à necessidade de o aluno identificar que os textos
que circulam em campos da vida social dos quais possuem qual circulam. Espera-se que o aluno reconheça que, para informar-se sobre a
funções diretamente relacionadas aos diversos campos de atuação da vacinação contra febre amarela, por exemplo, pode-se ler notícias publicadas em
Língua Todos os campos de participa cotidianamente (a casa, a rua, a
Leitura/escuta (compartilhada e Reconstrução das condições de comunidade,
1º; 2º; 3º; 4º; 5º a escola) e nas mídias impressa, de vida social em que se inserem e às diferentes mídias. Trata-se, portanto, de uma jornais impressos e digitais que circulam na esfera pública. Por outro lado, se quiser
Portug uesa atuação autônoma) produção e recepção de textos massa e digital, reconhecendo para que foram habilidade mais ampla, na qual se estudam os textos para procurar características comentar uma matéria publicada em um jornal impresso, deve concluir que o
dos gêneros e para estabelecer relações entre eles, os campos de atuação e sua melhor gênero é a carta de leitor. Ou seja, não é em qualquer gênero que se busca
produzidos, onde circulam, quem os produziu e a organização interna. qualquer informação: para cada intenção de dizer, há um gênero que é mais
quem se destinam.
adequado. A progressão horizontal e vertical da habilidade pode ser estabelecida
com base nas esferas de atividades selecionadas, nos gêneros a serem estudados,
nas mídias em que a produção circulará etc.

(EF15LP02) Estabelecer expectativas em relação Os vetores desta habilidade são: a) a antecipação de informações sobre o conteúdo
ao texto que vai ler (pressuposições
antecipadoras dos sentidos, da forma e da do texto (posições, tratamento temático, visão do interlocutor, valores etc.); b) a
realização de inferências, seja a partir de dados do texto, das informações trazidas
função social do texto), apoiando-se em seus O foco é a realização de antecipações, inferências e verificações ao longo do
conhecimentos prévios sobre as condições de processo de leitura, a partir tanto da recuperação do contexto de produção e de pelo professor sobre o contexto de produção ou do conhecimento prévio do aluno;
Língua Todos os campos de Leitura/escuta (compartilhada e Estratégia de leitura produção e recepção desse texto, o gênero, o recepção do texto a ser lido quanto do universo temático em jogo. É possível c) a verificação tanto das antecipações realizadas quanto das inferências. O uso
1º; 2º; 3º; 4º; 5º dessas informações é importante durante todo o processo de leitura, pois permite
Portug uesa atuação autônoma) suporte e o universo temático, bem como sobre articular essas informações com pistas fornecidas pelo próprio texto, para realizar
saliências textuais, recursos gráficos, imagens, previsões sobre o conteúdo. Durante a leitura do texto, essa articulação permite uma melhor compreensão e maior fluência. Na elaboração do currículo, a
dados da própria obra (índice, prefácio etc.), inferir dados implícitos e verificar antecipações e inferências realizadas. progressão pode se dar com base nos gêneros abordados, no foco do trabalho
didático (mobilização de conhecimentos prévios; recuperação do contexto de
confirmando antecipações e inferências produção; antecipações; produção de inferências; verificação) e no grau de
realizadas antes e durante a leitura de textos,
checando a adequação das hipóteses realizadas. autonomia do aluno na etapa de ensino em jogo.

Na elaboração do currículo, é necessário considerar pode-se prever que a


compreensão de um texto requer a mobilização simultânea de várias habilidades e
As informações explícitas em um texto são aquelas que estão, literalmente,
expressas no texto, seja ele oral ou escrito. Localizá-las, portanto, no caso do texto a utilização de diversos procedimentos, de acordo com o grau de autonomia do
Língua Todos os campos de Leitura/escuta (compartilhada e Estratégia de leitura aluno e a finalidade e o tipo de leitura a ser realizada. Assim, não convém que um
(EF15LP03) Localizar informações explícitas em escrito, requer do aluno que leia o enunciado e a identifique. Muitos consideram currículo
1º; 2º; 3º; 4º; 5º dissocie a localização de informação de outras igualmente relevantes,
Portug uesa atuação autônoma) textos. essa habilidade como a menos complexa. É preciso considerar, no entanto, que como a identificação da ideia central do texto. A progressão dessa habilidade pode
localizar informações não ocorre no vazio, mas a partir do texto. Assim, é tarefa
que pode ser tão complexa quanto o próprio texto. considerar diferentes critérios: o gênero e/ou o tipo de texto em jogo; o objetivo
proposto; o tipo de leitura (colaborativa ou autônoma); o procedimento a ser
desenvolvido; etc.

Ao trabalhar com textos multissemióticos, é preciso considerar que os sentidos


dependem da articulação entre texto verbal e recursos gráfico-editoriais. Ler o
texto sem considerar essa relação é ignorar que posicionamentos político-
ideológicos, religiosos, valores éticos e estéticos também podem se apresentar nos
Os textos das diferentes esferas de atividade costumam apresentar dif erentes recursos gráfico-visuais. Dessa forma, é preciso prever, na elaboração do currículo,
recursos gráfico-visuais: boxes de complementação, linkagem ou de remissão;
Língua Todos os campos de Leitura/escuta (compartilhada e Estratégia de leitura (EF15LP04) Identificar o efeito de sentido situações de aprendizagem nas quais aconteçam a explicitação reflexiva e
infográficos; negrito, itálico, letra capitular; uso de notas de rodapé; hiperlinks; som colaborativa
1º; 2º; 3º; 4º; 5º produzido pelo uso de recursos expressivos da maneira como o leitor proficiente realiza essa operação. Há
Portug uesa atuação autônoma) gráfico-visuais em textos multissemióticos. e movimento; cores, imagens; entre outros. A compreensão adequada do texto recursos que estão mais presentes em textos de determinado campo de atuação,
depende da identificação dos efeitos de sentido produzidos pelo uso de tais
recursos, o que implica articulá-los ao texto verbal. como boxes nos textos de pesquisa e estudo; infográficos em reportagens e
notícias; notas de rodapé em textos acadêmicos etc.A progressão curricular pode
ser estabelecida com base na quantidade e no tipo de recurso gráfico-visual
mobilizado pelo texto; na complexidade do texto e/ou do gênero; no grau de
autonomia do aluno em leitura a cada etapa do ensino.
(EF15LP05) Planejar, com a ajuda do professor, o É possível prever, na elaboração do currículo, uma progressão do ensino com base
texto que será produzido, considerando a O foco da habilidade é o planejamento, entendido como etapa inicial do processo nos gêneros a serem abordados na prática de produção de textos, ao longo dos
situação comunicativa, os interlocutores (quem de produção do texto. Planejar diz respeito, então, a organizar ideias da pré-escrita anos, de modo a contemplar demandas locais, nacionais e universais de forma
escreve/para quem escreve); a finalidade ou o levando em conta diversos fatores, como o objetivo do texto final, o público leitor espiral: um mesmo gênero pode aparecer mais de uma vez em textos e/ou se
propósito (escrever para quê); a circulação (onde etc. Trata-se de uma habilidade fundamental para que o aluno reconheça e podem demandar tarefas cada vez mais complexas (produzir o final de um conto de
Língua Todos os campos de Produção de textos o texto vai circular); o suporte (qual é o portador considere os dif erentes vetores da escrita. A habilidade pode ser desmembrada, aventura lido, produzir um livro com contos de aventura etc.). Além disso, podem-
1º; 2º; 3º; 4º; 5º (escrita compartilhada e Planejamento de texto
Portug uesa atuação autônoma) do texto); a linguagem, organização e forma do nesse caso, envolvendo os dois tipos de planejamento e prevendo progressão (com se propor atividades que contemplem o ato de planejar com autonomia
texto e seu tema, pesquisando em meios e sem ajuda): a) planejar o conteúdo do texto de acordo com o gênero: criação do progressiva. Ainda, é possível pensar em agrupamentos didáticos, como, por
impressos ou digitais, sempre que for preciso, conteúdo temático (gêneros como: contos em geral, crônicas etc.) ou de pesquisa exemplo, habilidades que envolvam gêneros literários e requerem a criação de
informações necessárias à produção do texto, desse conteúdo (textos nos gêneros: notícia, verbetes, artigos em geral etc.); b) conteúdo temático e habilidades que envolvam gêneros de outras ordens, como
organizando em tópicos os dados e as fontes planejar o texto parte a parte, na ordem demandada pelo gênero trabalhado. argumentar e expor, contemplando-se a ação de planejar de modo progressivo ao
pesquisadas. longo dos anos.

O foco da habilidade está nas etapas finais do processo de produção escrita,


necessárias ao aprimoramento do texto. Reler e revisar diz respeito a observar a
(EF15LP06) Reler e revisar o texto produzido própria produção com atenção a detalhes de edição e aprimoramento do texto. Na elaboração do currículo, pode-se ampliar a habilidade de revisão de textos
Língua Todos os campos de Produção de textos com a ajuda do professor e a colaboração dos Pode-se desmembrar a habilidade para contemplar a revisão processual e final, produzidos, articulando-a, por exemplo, ao uso de ferramentas digitais, além de
1º; 2º; 3º; 4º; 5º (escrita compartilhada e Revisão de textos colegas, para corrigi-lo e aprimorá-lo, fazendo com e sem colaboração. É indicado hierarquizar a revisão de aspectos ligados à prever a familiarização dos alunos com as ferramentas em questão. A progressão
Portug uesa atuação autônoma) cortes, acréscimos, reformulações, correções de coerência (informações livres de contradições, completude de ideias etc.) e ao uso do ensino pode apoiar-se na complexidade dos gêneros e dos textos, assim como
ortografia e pontuação. de elementos coesivos, como pontuação e organizadores textuais (presença de no grau de autonomia do aluno a cada etapa da aprendizagem pretendida.
marcadores de tempo e outros que indiquem a progressão do texto), assim como
dos aspectos ortográficos.

Na elaboração do currículo, a progressão pode ser pensada com base em critérios


O foco da habilidade incide sobre os cuidados com a circulação/publicação do texto como o suporte em jogo, os recursos e as ferramentas de edição a serem utilizados,
(EF15LP07) Editar a versão final do texto, em em suportes impressos ou digitais. Editar, nesse caso, consiste em dar os toques
Língua Todos os campos de Produção de textos colaboração com os colegas e com a ajuda do o grau de autonomia do aluno na realização da tarefa etc. Quando for o caso,
finais à versão final de um texto produzido no que diz respeito à sua estruturação e podem
1º; 2º; 3º; 4º; 5º (escrita compartilhada e Edição de textos ser previstas habilidades específicas, que envolvam conhecimentos
Portug uesa atuação autônoma) professor, ilustrando, quando for o caso, em também nos elementos que o rodeiam, seja em suporte manual ou digital. A procedimentais necessários ao uso de ferramentas digitais. Há, ainda, a
suporte adequado, manual ou digital. habilidade pode ser antecipada por outras, que prevejam a edição do texto em
parceria. possibilidade de complementação da habilidade, envolvendo a análise do projeto
gráfico em materiais impressos e o design em materiais digitais.

O foco desta habilidade é o conhecimento e o domínio de ferramentas digitais na Na elaboração do currículo, é possível prever habilidades específicas, envolvendo
conhecimentos procedimentais necessários ao uso do software, que podem ser
edição e publicação de textos. Assim, está estreitamente associada à habilidade articulados à habilidade em projetos de elaboração de textos encontrados em:
(EF15LP08) Utilizar software, inclusive programas (EF 15LP07), na medida em que pressupõe a atividade de edição de texto (o que
Língua Todos os campos de Produção de textos de edição de texto, para editar e publicar os significa realizar a observação atenta de sua produção, fazendo as revisões e folhetos com orientações sobre questões/problemas locais; guias, pesquisas sobre
1º; 2º; 3º; 4º; 5º (escrita compartilhada e Utilização de tecnologia digital povos indígenas/africanos; entre outros. Há, aqui, oportunidade de trabalho
Portug uesa atuação autônoma) textos produzidos, explorando os recursos ajustes necessários) e de publicação do texto (ou seja, deixar a produção disponível interdisciplinar com a habilidade (EF15AR26), da Arte, no que se refere à utilização
multissemióticos disponíveis. para o acesso do leitor). Esta habilidade envolve a previsão de habilidades
de diferentes tecnologias e recursos digitais nos processos de criação. A habilidade
específicas para uso do software e para o gênero produzido/editado, considerando pode, ainda, ser articulada a outras que proponham a contextualização da prática
cada ano, assim como a utilização do software com ou sem ajuda do professor. de produção de textos.

Na elaboração do currículo, pode-se indicar a análise das situações comunicativas e


dos gêneros que nelas circulam, podendo organizar habilidades que prevejam a
articulação entre o planejamento e: a) a produção de textos orais: expor os
(EF15LP09) Expressar-se em situações de O desenvolvimento da habilidade requer a indicação dos discursos que devem ser resultados de uma pesquisa para uma audiência, participar de debates sobre
aprendidos, de modo que as especificidades dos textos orais que circulam nessas questões controversas, apresentar indicações literárias em uma roda,
Língua Todos os campos de intercâmbio oral com clareza, preocupando-se situações tornem-se objeto de ensino. Considerar que expor oralmente o resultado realizar/participar de entrevistas, entre outras; b) a oralização de textos escritos:
Oralidade pública/Intercâmbio em
1º; 2º; 3º; 4º; 5º Oralidade ser compreendido pelo interlocutor e usando
Portug uesa atuação conversacional em sala de aula a palavra com tom de voz audível, boa de pesquisa realizada requer saberes diferenciados daqueles em que a proposta é apresentar poemas em saraus, ler textos produzidos para programas de rádio;c) o
opinar para tomar decisão coletiva, ou mesmo debater sobre aspectos desenvolvimento da proficiência em gêneros orais mais produtivos e culturalmente
articulação e ritmo adequado. controversos de um tema. relevantes na região. A progressão ao longo dos cinco anos iniciais pode apoiar-se
no grau de complexidade do gênero oral estudado, no foco em habilidade de
planejamento ou produção e no grau de autonomia a ser conquistado pelo aluno a
cada etapa.
Na elaboração do currículo, é possível articular esta habilidade à organização de
sequências didáticas para ensino de textos orais que envolvam procedimentos e
comportamentos próprios desse tipo de situação comunicativa, como tomar notas
e escutar atentamente, com solicitação formal de pedido de turno. As habilidades
(EF15LP10) Escutar, com atenção, falas de Esta é uma habilidade muito relevante como suporte para a progressão nos podem orientar um conjunto de ações que envolvam o estudo e a análise: a) da
Língua Todos os campos de professores e colegas, formulando perguntas estudos. E, ao contrário do que muitos supõem, pode e deve ser ensinada. A escuta situação comunicativa; b) do gênero envolvido e suas marcas linguísticas; c) da
1º; 2º; 3º; 4º; 5º Oralidade Escuta atenta atenta poderá ser desenvolvida em situações comunicativas (seminários, mesas- audiência na escuta. A progressão no desenvolvimento desta habilidade pode
Portug uesa atuação pertinentes ao tema e solicitando redondas, entre outras) que envolvam gêneros como: exposição oral, discussão pautar-se pelo grau de complexidade do gênero em foco (conversa para tirar
esclarecimentos sempre que necessário.
argumentativa e/ou debate, entrevista oral etc. dúvida, debate, aula expositiva, seminário etc.); pelo foco no planejamento ou na
atuação; pelo aspecto da atenção a ser trabalhado (os gestos e expressões f aciais, a
entonação, as noções, conceitos e seus termos, as definições, as teses, os
argumentos etc.); pelo grau de autonomia a ser conquistado pelo aluno a cada
etapa.

Fundamental para o convívio cotidiano, fora e dentro da escola, esta habilidade Na elaboração do currículo, pode-se prever estudar diferentes tipos de
(EF15LP11) Reconhecer características da refere-se a saber organizar a sua fala no gênero indicado, considerando as conversação, em diferentes situações comunicativas. Gravações em áudio e/ou
conversação espontânea presencial, respeitando características do contexto no qual está sendo produzida: a) que se organiza em
Língua Todos os campos de Características da conversação os turnos de fala, selecionando e utilizando, tantos turnos quantos forem os interlocutores; b) que a efetividade da vídeo dessas conversas permitem a análise dos mais variados fatores que podem
1º; 2º; 3º; 4º; 5º Oralidade interferir na fluidez e na eficácia dos eventos registrados. Do ponto de vista da
Portug uesa atuação espontânea durante a conversação, formas de tratamento compreensão mútua depende da escuta efetiva do outro, como balizador da
adequadas, de acordo com a situação e a organização da próxima fala; c) que as escolhas dos recursos textuais e paratextuais progressão, recomenda-se o trabalho em colaboração realizado coletivamente,
posição do interlocutor. progredindo para o trabalho em grupos/duplas, até o autônomo, a depender da
precisam ser adequadas às intenções de significação e ao contexto da situação de complexidade do gênero, do tema e do texto.
comunicação.

Na elaboração do currículo, pode-se prever o estudo de diversas situações de


comunicação oral no que se refere aos recursos paralinguísticos, de modo a: a)
analisar os efeitos de sentido produzidos por eles;b) reconhecer a adequação (ou
não) das escolhas do locutor;c) constituir um repertório de recursos possíveis de
(EF15LP12) Atribuir significado a aspectos não serem utilizados; d) selecionar os recursos mais adequados às intenções de
Língua Todos os campos de Aspectos não linguísticos linguísticos (paralinguísticos) observados na fala, A habilidade envolve o reconhecimento e a análise das expressões corporais significação do discurso a ser produzido. A habilidade poderá também ser prevista
1º; 2º; 3º; 4º; 5º Oralidade como direção do olhar, riso, gestos, movimentos associadas à fala, com o objetivo de determinar seu papel na construção dos de modo articulado à análise de textos orais, em uma determinada situação
Portug uesa atuação (paraling uísticos) no ato da fala da cabeça (de concordância ou discordância), sentidos dos textos orais. comunicativa, de modo a aproximar os estudantes das características desses textos
expressão corporal, tom de voz. e da diversidade de recursos paralinguísticos que compõe

1º; 2º; 3º; 4º; 5º Oralidade

1º; 2º; 3º; 4º; 5º

1º; 2º; 3º; 4º; 5º Formação do leitor literário

1º; 2º; 3º; 4º; 5º

1º; 2º; 3º; 4º; 5º Apreciação estética/Estilo

1º; 2º; 3º; 4º; 5º

1º; 2º; 3º; 4º; 5º Oralidade Contagem de histórias


Na elaboração do currículo, a construção da habilidade de segmentar o texto em
palavras acontece em situações de prática de leitura e escrita. Os currículos podem
Para segmentar o texto em palavras, o aluno deverá articular as referências de enfatizar processos que levem o aprendiz a refletir e superar, progressivamente,
Segmentação de ideias como: a) artigos definidos, preposições, conjunções, pronomes átonos não
Língua 2º Todos os campos de Análise linguística/semiótica (EF02LP08) Segmentar corretamente as palavras palavras que constituiu a partir da fala — baseadas na prosódia — com as obtidas a devem ser representados por escrito; b) pronunciar "vemcácomigo" ou "afoto"
Portug uesa atuação (Alfabetização) palavras/Classificação de partir dos textos escritos — conjunto de letras delimitado por espaços em branco junto não torna esses segmentos palavras; c) na escrita, se enxerga agrupamentos
palavras por número de sílabas ao escrever frases e textos. e/ou sinais de pontuação. É nessa articulação que se constituem os critérios a
serem mobilizados pelo estudante nas práticas de leitura e escrita. de letras — as palavras — separados por espaços em branco ou sinais de
pontuação, o que não acontece na fala. A progressão horizontal do trabalho com
esta habilidade deve avançar de modo que o aluno compreenda que escrita e fala
possuem critérios diferentes para segmentar as palavras.

Na elaboração do currículo, deve-se considerar que, na escola, o estudo da


pontuação acontece de duas maneiras: a) na leitura: analisar os efeitos de sentido
Esta habilidade inclui os seguintes aspectos: identificar os sinais gráficos que produzidos pelo uso feito no texto; b) na escrita: de modo epilinguístico, no uso da
linguagem, discutir possibilidades de pontuar, analisar os efeitos de sentido
chamamos de sinais de pontuação; reconhecer — na leitura — sua função; usar, na produzidos pelas diversas possibilidades que se colocam (ponto final, de
Língua 2º Todos os campos de Análise linguística/semiótica Pontuação (EF02LP09) Usar adequadamente ponto final, produção escrita, esses sinais, para garantir legibilidade e provocar os efeitos de
Portug uesa atuação (Alfabetização) ponto de interrogação e ponto de exclamação. sentido desejados. Considerar, ainda, que este é um momento propício à interrogação, de exclamação) e selecionar a mais adequada às intenções de
significação. As situações de revisão processual coletiva do texto potencializam a
organização inicial desse saber: pela análise dos efeitos de sentido provocados na reflexão sobre aspectos textuais como esses. Orienta-se que a progressão curricular
leitura de textos, especialmente os conhecidos.
seja prevista pela ampliação gradativa dos sinais a serem utilizados, de modo
coerente com os efeitos de sentido propostos. Convém, ainda, que os currículos
considerem o nível de autonomia do estudante, a ser construído ao longo dos anos.

Na elaboração do currículo, deve-se considerar que a progressão vertical já está


definida, posto que esta habilidade avança em relação à (EF01LP15). É
fundamental, ainda, que os currículos associem o seu desenvolvimento às práticas
(EF02LP10) Identificar sinônimos de palavras de Esta habilidade avança em relação à (EF01LP15), pois, por um lado, propõe analisar de leitura de textos, conforme indicado. No que se refere à progressão horizontal,
Sinonímia e a diferença entre os sinônimos no que se ref ere ao contexto de uso; por outro,
texto lido, determinando a diferença de sentido solicita pode-se pensar no estudo de diferentes prefixos possíveis para se formar o
Língua 2º Todos os campos de Análise linguística/semiótica f ormar o antônimo por prefixação definida. Essa tarefa supõe desconstruir a antônimo. Do ponto de vista metodológico, é possível que os currículos orientem a
Portug uesa atuação (Alfabetização) antonímia/Morfologia/Pontuaçã entre eles, e formar antônimos de palavras ideia de que os sentidos entre sinônimos são sempre idênticos. Além disso, continuidade da reflexão a partir de inventários (nesse caso, um inventário de
o encontradas em texto lido pelo acréscimo do
prefixo de negação in-/im-. apresenta ao aluno uma das possibilidades de formação do antônimo, a partir do antônimos constituídos por prefixos variados — in, im, des, anti, por exemplo — e
acréscimo de um prefixo dado. também sem prefixação). No que tange aos sinônimos, o grau de complexidade
lexical (palavras mais difíceis) também pode definir a progressão. Além disso, é
preciso considerar o nível de autonomia requerido do estudante para realizar a
tarefa, que deve ser progressivamente alcançada.

Na elaboração do currículo, a progressão no que se refere a esta habilidade deve


prever diminutivos e aumentativos não regulares (com outras terminações). Além
Língua 2º Todos os campos de Análise linguística/semiótica Morfologia (EF02LP11) Formar o aumentativo e o diminutivo Esta habilidade implica em compreender os conceitos de aumentativo e diminutivo disso, é importante analisar os usos do diminutivo e aumentativo nos textos, que
Portug uesa atuação (Alfabetização) de palavras com os sufixos -ão e -inho/-zinho. eterminações
do modo como são constituídos lexicalmente na sua forma regular: com as
-ão/-zão; -inho/-zinho.
podem acarretar sentidos depreciativos, pejorativos e afetivos. Na progressão, é
preciso considerar, ainda, o nível de autonomia do estudante ao realizar o estudo,
sendo possível propor habilidades que orientem o trabalho em colaboração,
inicialmente, e, na sequência, o desempenho autônomo na oralidade e na escrita.

Cantigas e canções são gêneros que estão ligados às materialidades: letra e


melodia. Na cantiga, a letra é escrita em versos e estrofes e sempre há rimas, o que
(EF02LP12) Ler e compreender com certa nem sempre vale para as canções. Há vários tipos de cantigas: de ninar, de roda, de
Trata-se de uma habilidade complexa, que precisa considerar tanto o trabalho com natal, a cada um correspondendo finalidades específicas. A estrutura rítmica das
autonomia cantigas, letras de canção, dentre as habilidades de leitura quanto as características de cada um dos gêneros do cantigas e canções permite que se estabeleçam relações entre o que se canta e o
Língua 2º Campo da vida Leitura/escuta (compartilhada e Compreensão em leitura outros gêneros do campo da vida cotidiana, campo da vida cotidiana (organização interna; marcas linguísticas; conteúdo
Portug uesa cotidiana autônoma) considerando a situação comunicativa e o temático) e dos textos específicos a serem lidos. Atentar para o fato de que o que está escrito, o que cria condições para uma leitura de ajuste, possibilitando a
reflexão sobre o sistema de escrita. Na elaboração do currículo, convém focalizar as
tema/assunto do texto e relacionando sua forma trabalho previsto é com certa autonomia, o que supõe a possibilidade de trabalho características que forem importantes para a compreensão do texto, articular essas
de organização à sua finalidade. em colaboração.
características à finalidade do texto, prever um trabalho dialógico e reflexivo, assim
como a comparação entre textos por semelhanças e diferenças. Podem ser
indicadas habilidades que envolvam a leitura em colaboração e autônoma.

Na elaboração do currículo, a habilidade pode ser ampliada com outras que


contemplem a aprendizagem de procedimentos de consulta a ambientes digitais
(EF02LP13) Planejar e produzir bilhetes e cartas, Trata-se de uma habilidade que articula a produção textual com os gêneros do em colaboração e/ou com a ajuda do prof essor. É possível propor habilidades que:
em meio impresso e/ou digital, dentre outros campo da vida cotidiana e três vetores da produção do processo de escrita a) envolvam análise de textos dos gêneros do campo da vida cotidiana, extraindo as
Língua 2º Campo da vida Escrita Escrita autônoma e suas características e construindo registros que possam repertoriar a produção; b)
Portug uesa cotidiana (compartilhada e autônoma) compartilhada gêneros do campo da vida cotidiana, (situação/tema ou assunto/finalidade). Envolve ao menos duas operações distintas:
considerando a situação comunicativa e o planejar e produzir, que podem ser abordadas em separado, e significam organizar orientem o uso de procedimentos escritores, como reler o que está escrito para
tema/assunto/finalidade do texto. as ideias para depois colocá-las no papel. continuar escrevendo, consultar o planejamento para tomar decisões e revisar no
processo e ao final.A progressão horizontal pode acontecer a partir de dois
critérios: o nível de autonomia do aluno para realizar as atividades propostas ou a
complexidade do texto a ser elaborado.

Na elaboração do currículo, é possível prever, por exemplo, projetos de elaboração


de livros contendo diferentes relatos pessoais temáticos, diários das atividades
(EF02LP14) Planejar e produzir pequenos relatos Trata-se de uma habilidade que articula a produção textual com o gênero de desenvolvidas na classe, relatos de passeios realizados pela escola, entre outras
de observação de processos, de fatos, de relatos de observação de processos e dois vetores do processo de escrita possibilidades. É possível propor habilidades que: a) envolvam análise de textos dos
Língua 2º Campo da vida Escrita Escrita autônoma e experiências pessoais, mantendo as gêneros de relato, explicitando as suas características e construindo registros que
Portug uesa cotidiana (compartilhada e autônoma) compartilhada características do gênero, considerando a (situação/tema ou assunto). Envolve ao menos duas operações distintas: planejar e possam repertoriar a produção; b) orientem o uso de procedimentos escritores,
produzir, que podem ser tratadas em momentos sucessivos, e significam organizar
situação comunicativa e o tema/assunto do as ideias para depois colocá-las no papel. como: reler o que está escrito para continuar, consultar o planejamento para tomar
texto. decisões no momento da escrita e revisar no processo e ao final. A progressão
horizontal pode acontecer a partir de dois critérios: o nível de autonomia do aluno
para realizar as atividades propostas ou a complexidade do texto a ser elaborado.

Na elaboração do currículo, as habilidades podem prever a cantoria acompanhando


a letra da canção. Pode-se articular a habilidade ao eixo de reflexão sobre o sistema
Trata-se de habilidade que envolve a oralização de textos. Deve ser antecedida pela de escrita. Para tanto, pode-se prever que, antes de cantar, seja feita leitura das
Língua 2º Campo da vida Oralidade Produção de texto oral (EF02LP15) Cantar cantigas e canções, leitura compreensiva, de modo que, tendo entendido o texto, o estudante possa letras das canções, em colaboração com os colegas ou o professor, garantindo que
Portug uesa cotidiana obedecendo ao ritmo e à melodia. cantar obedecendo ao ritmo e à melodia. A habilidade favorece, ainda, o os estudantes acompanhem com os textos em mãos. Há, aqui, oportunidade de
desenvolvimento da fluência leitora, fundamental neste ano do ciclo. trabalho interdisciplinar com a habilidade (EF15AR14), da Arte, no que se ref ere à
identificação e exploração de elementos constitutivos da música (ritmo e melodia)
por meio de cantigas e canções.

Na elaboração do currículo, deve-se considerar que, na escola, o desenvolvimento


(EF02LP16) Identificar e reproduzir, em bilhetes, dessa habilidade pode se dar por meio da intensa frequentação dos estudantes a
Língua Campo da vida Análise linguística/semiótica recados, avisos, cartas, e-mails, receitas (modo Esta habilidade refere-se a reconhecer, na leitura, recursos linguísticos e discursivos textos organizados nos gêneros previstos. Projetos de troca de cartas em classes de
escolas diferentes, de sessões de degustação de pratos da região, acompanhados
2º Forma de composição do texto de fazer), relatos (digitais ou impressos), a que constituem os gêneros previstos, de modo que seja possível empregá-los
Portug uesa cotidiana (Alfabetização) formatação e diagramação específica de cada adequadamente nos textos a serem produzidos. de um livro de receitas ou de um vlog que as apresenta podem ser boas propostas
um desses gêneros. para viabilizar esse trabalho. Na organização do currículo, a progressão pode se dar
a partir da diversificação de textos, da extensão e complexidade deles, assim como
do nível de autonomia requerido do aluno.

Na elaboração do currículo, deve-se considerar que, no 2º ano, a atividade de


leitura colaborativa cria bons espaços para o estudo das marcas temporais do
(EF02LP17) Identificar e reproduzir, em relatos texto. Já a de revisão coletiva, processual e final possibilita a análise da adequação
de experiências pessoais, a sequência dos fatos,
delas em textos produzidos. Projetos para elaborar as memórias do grupo podem
utilizando expressões que marquem a passagem Esta habilidade refere-se a reconhecer, na leitura, recursos linguísticos e discursivos ser
Língua 2º Campo da vida Análise linguística/semiótica ótimas oportunidades para a produção desses textos; sites como o do Museu da
Portug uesa cotidiana (Alfabetização) Forma de composição do texto do tempo (“antes”, “depois”, “ontem”, “hoje”, que constituem os gêneros previstos, de modo que seja possível empregá-los Pessoa oferecem boas referências. Na organização do currículo, a progressão pode
“amanhã”, “outro dia”, “antigamente”, “há adequadamente nos textos a serem produzidos.
muito tempo” etc.), e o nível de informatividade dar-se pela diversificação temática dos textos, da extensão e complexidade deles,
assim como do nível de autonomia do aluno. É possível propor habilidades que
necessário. orientem o trabalho com a leitura colaborativa em um bimestre, progredindo para
leitura mais autônoma em outro.

Na elaboração do currículo, as habilidades locais poderão orientar: a) o uso de


procedimentos escritores, como: reler o que está escrito para continuar, consultar
(EF02LP18) Planejar e produzir cartazes e o planejamento para tomar decisões no momento da escrita, revisar no processo e
folhetos para divulgar eventos da escola ou da Trata-se de uma habilidade que articula a produção textual com os gêneros de ao final; b) a pesquisa dos temas que sejam relevantes para a região e permitam o
Língua Escrita comunidade, utilizando linguagem persuasiva e divulgação de eventos nos formatos em questão e dois vetores do processo de uso da linguagem persuasiva. É possível, ainda, propor habilidades que: a) prevejam
2º Campo da vida pública (compartilhada e autônoma) Escrita compartilhada elementos textuais e visuais (tamanho da letra, escrita (situação/tema ou assunto). A habilidade envolve duas operações distintas, o planejamento coletivo da situação comunicativa e do texto; b) envolvam análise
Portug uesa leiaute, imagens) adequados ao gênero, que podem ser trabalhadas em separado: planejar e produzir, que significam dos portadores e gêneros que os integram para explicitar suas características e
considerando a situação comunicativa e o organizar as ideias para depois colocá-las no papel. elaborar registros; c) analisem os elementos presentes nos textos (imagens, textos,
tema/assunto do texto. tipo de letra, tamanho, cor etc.). A progressão horizontal pode tomar como
ref erência a complexidade relativa dos textos a serem abordados e o grau de
autonomia do aluno.
É fundamental que, na elaboração do currículo, preveja-se o acesso e a utilização
de ferramentas digitais que viabilizem a produção dos textos em áudio ou vídeo.
Pode-se propor: a) análise da situação comunicativa e dos gêneros indicados, na
(EF02LP19) Planejar e produzir, em colaboração modalidade oral, com a finalidade de compreender suas características, para
com os colegas e com a ajuda do professor, repertoriar a produção; b) planejamento, produção e revisão dos textos, com apoio
notícias curtas para público infantil, para compor O foco da habilidade é a produção de gêneros jornalísticos, como a notícia, visando- do registro escrito; c) previsão da oralização do texto produzido. Como se trata de
Língua 2º jornal falado que possa ser repassado oralmente se a transmissão oral direta ou em ambientes digitais. A habilidade articula a oralização de textos escritos, convém que os currículos prevejam a realização de
Portug uesa Campo da vida pública Oralidade Produção de texto oral
ou em meio digital, em áudio ou vídeo, dentre produção prevista a dois vetores (situação comunicativa; tema ou assunto) e adaptações para compor o jornal falado, como, por exemplo: prever uma abertura
outros gêneros do campo jornalístico, requer duas operações sequenciadas: planejar e produzir texto para ser oralizado. que contenha uma saudação ao público e contextualize o assunto; anunciar a
considerando a situação comunicativa e o atividade seguinte; entre outras especificidades da situação. A progressão
tema/assunto do texto. horizontal pode apoiar-se no grau de complexidade dos gêneros jornalísticos
previstos, no foco do ensino (a organização geral do texto; as ferramentas digitais a
serem mobilizadas; o planejamento; a elaboração) e no grau de autonomia a ser
conquistada pelo aluno a cada etapa.

A pesquisa, estudo ou investigação é um conjunto de atividades planejadas para


Trata-se de reconhecer que os textos utilizados para apresentar informações obter informações sobre determinada realidade, documentando-as e oferecendo
(EF02LP20) Reconhecer a função de textos coletadas em atividades de pesquisa possuem funções relacionadas ao campo de recursos para a compreensão e resolução de problemas. Ela pode apresentar novas
perspectivas sobre a realidade investigada ou confirmar perspectivas já
Língua Campo das práticas de Leitura/escuta (compartilhada e Imagens analíticas em textos atuação ao qual pertencem. Assim, é necessário caracterizar o campo de atuação consolidadas. Na elaboração do currículo, é possível ao aluno deduzir, sabendo qual
utilizados para apresentar informações coletadas dos
2º textos referidos e sua respectiva função, analisar o tipo de informações que os
Portug uesa estudo e pesquisa autônoma) em atividades de pesquisa (enquetes, pequenas textos apresentam e identificar a função específica de cada gênero. O grau de é a função desse campo de atuação — por meio da análise das características dos
entrevistas, registros de experimentações). autonomia esperada no desenvolvimento desta habilidade deve ser articulado com da textos indicados —, que papel tais gêneros possuem no estudo e desenvolvimento
pesquisa. As questões a serem respondidas pelos estudantes, então, seriam:
o repertório suposto para o aluno no nível de ensino em foco. qual a contribuição que uma enquete/entrevista/relato de pesquisa pode oferecer
à pesquisa? Sendo assim, qual a sua função?

Na elaboração do currículo, a rede pode organizar a progressão horizontal a partir


Trata-se de estudar textos informativos de ambientes digitais, como revistas, do grau de autonomia, da complexidade dos textos e dos ambientes. Por exemplo:
(EF02LP21) Explorar, com a mediação do inicia-se o trabalho com o manuseio da ferramenta com o texto já aberto em
Língua Campo das práticas de Leitura/escuta (compartilhada e Pesquisa professor, textos informativos de diferentes jornais, sites especializados e orientados para crianças e blogs confiáveis. O objetivo trabalho colaborativo, no coletivo. Aos poucos, passa-se do coletivo para duplas e
2º é a exploração de recursos, como hiperlinks para outros textos e para vídeos, o
Portug uesa estudo e pesquisa autônoma) ambientes digitais de pesquisa, conhecendo suas modo de organização das informações e as possibilidades e limites dos recursos para o trabalho autônomo. Depois, pode-se iniciar o trabalho a partir do acesso ao
possibilidades. ambiente e, no final, considerar textos e ambientes mais complexos. O mesmo
próprios da ferramenta e do site específico. movimento pode ser utilizado na progressão entre os anos (vertical), norteando-se
pelo repertório dos alunos.

(EF02LP22) Planejar e produzir, em colaboração Na elaboração do currículo, pode-se desmembrar a habilidade propondo atividades
com os colegas e com a ajuda do professor, que indiquem a ação de planejar de modo coletivo a textualização em colaboração
pequenos relatos de experimentos, entrevistas, Trata-se de uma habilidade que articula a produção textual com os gêneros do com os colegas. Podem ser propostas, ainda, habilidades que orientem
Língua Campo das práticas de Escrita campo investigativo em foco e dois vetores do processo de escrita (tema ou
verbetes de enciclopédia infantil, dentre outros assunto/finalidade). procedimentos de consulta a ambientes digitais em colaboração. É possível propor
2º Produção de textos Envolve ao menos duas operações distintas, que podem ser
Portug uesa estudo e pesquisa (compartilhada e autônoma) gêneros do campo investigativo, digitais ou tratadas em separado: planejar e produzir, que significam organizar as ideias para também habilidades que: a) envolvam análise de textos dos gêneros do campo
impressos, considerando a situação investigativo, de modo a explicitar as suas características; b) orientem o uso de
comunicativa e o tema/assunto/finalidade do depois colocá-las no papel. procedimentos escritores, como: reler o que está escrito para continuar, consultar
texto. o planejamento para tomar decisões e revisar no processo e ao final.

Na elaboração do currículo, a habilidade permite uma progressão ao longo do ano,


prevendo o planejamento e a produção coletiva, pelo ditado ao professor e em
(EF02LP23) Planejar e produzir, com certa Trata-se de uma habilidade que articula a produção textual com o gênero de parceria com os colegas e a ajuda do professor. É possível propor habilidades que:
Língua 2º Campo das práticas de Escrita Escrita autônoma autonomia, pequenos registros de observação registro de observação de resultados de pesquisa. Envolve ao menos duas a) indiquem situações de pesquisa e tomada de notas coletivas antes da produção
Portug uesa estudo e pesquisa (compartilhada e autônoma) de resultados de pesquisa, coerentes com um operações distintas — planejar e produzir —, que podem ser tratadas em de registros autônomos, propondo também, dessa forma, uma progressão no ano;
tema investigado. separado, e significam organizar as ideias para depois colocá-las no papel. b) orientem o uso de procedimentos escritores, como: reler o que está escrito para
continuar, consultar o planejamento para tomar decisões no momento da escrita e
revisar no processo e ao final.

Na elaboração do currículo, podem ser propostos procedimentos de estudo e


pesquisa sobre temas relacionados a serem tratados de modo interdisciplinar,
como: destacar informações relevantes; realizar leitura inspecional na busca de
(EF02LP24) Planejar e produzir, em colaboração materiais; etc. As habilidades podem: a) envolver a análise de textos, no gênero
com os colegas e com a ajuda do professor,
relatos de experimentos, registros de O foco desta habilidade é a (re)produção oral, para mídias digitais, de textos de determinado, para extrair suas características, de acordo com a situação
gêneros investigativos. E env olve duas operações complexas sucessivas — planejar comunicativa; a) prever o planejamento do texto a ser produzido, oralmente,
Língua Campo das práticas de Oralidade Planejamento de texto oral observação, entrevistas, dentre outros gêneros e produzir textos desses gêneros — articuladas com três vetores da produção considerando a situação em que irá circular (tipo de mídia); c) orientar a
2º do campo investigativo, que possam ser
Portug uesa estudo e pesquisa Exposição oral textual: a situação comunicativa; o tema ou assunto; a finalidade da produção. A produção/textualização. É preciso considerar que a habilidade inclui tanto elaborar
repassados oralmente por meio de ferramentas habilidade requer a análise de textos orais do gênero previsto, além de duas textos orais quanto oralizar textos escritos. É possível, por exemplo, preparar um
digitais, em áudio ou vídeo, considerando a operações de produção de textos: planejar e produzir. relato oral de uma viagem de estudo do meio, organizando previamente um
situação comunicativa e o tema/assunto/
finalidade do texto. esquema orientador, e selecionando recursos a serem empregados na
apresentação (esquemas, imagens, gráficos). Da mesma forma, é possível escrever
um relato e lê-lo em voz alta na gravação de um vídeo, selecionando recursos da
mídia utilizada (som, imagem, movimento etc.).

Na elaboração do currículo, deve-se considerar que o desenvolvimento desta


habilidade pode acontecer por meio da frequentação dos estudantes a textos
(EF02LP25) Identificar e reproduzir, em relatos organizados nos gêneros previstos. A atividade de leitura colaborativa e a de
de experimentos, entrevistas, verbetes de revisão processual e final possibilitam estudar os recursos e analisar a adequação
Língua Campo das práticas de Análise linguística/semiótica Forma de composição dos enciclopédia infantil, digitais ou impressos, a Esta habilidade refere-se a reconhecer, no processo de leitura, recursos linguísticos dos textos produzidos. Projetos que prevejam a elaboração de dossiês dos
2º textos/Adequação do texto às e discursivos que constituem os gêneros previstos, de modo que seja possível
Portug uesa estudo e pesquisa (Alfabetização) normas de escrita formatação e diagramação específica de cada empregá-los adequadamente nos textos a serem produzidos. experimentos realizados em determinada disciplina viabilizam o trabalho, pois
um desses gêneros, inclusive em suas versões incluem a leitura de estudo e a produção dos textos. A progressão pode dar-se pela
orais. complexidade dos textos e pelo nível de autonomia do aluno, que, nos currículos,
se efetiva pela organização de habilidades em que as tarefas sejam realizadas em
colaboração e, progressivamente, com autonomia.

Esta é uma habilidade complexa, que envolve: a) o desenvolvimento das Na elaboração do currículo, o trabalho com essa habilidade supõe a constituição de
habilidades de leitura como um todo; b) o caráter não utilitário (lúdico/estético) critérios de apreciação estética e afetiva de materiais de leitura. Para tanto, é
dos textos literários; c) as características de gêneros literários diversos, inclusive preciso garantir: oferta de material de leitura de qualidade estética, ética, temática
Língua (EF02LP26) Ler e compreender, com certa
2º Campo artístico-literário Leitura/escuta (compartilhada e Formação do leitor literário autonomia, textos literários, de gêneros dramáticos e poéticos. Está estreitamente relacionada à habilidade (EF35LP21), e linguística; espaços nos quais diferentes leitores possam trocar informações sobre
Portug uesa autônoma) variados, desenvolvendo o gosto pela leitura. podendo-se dizer que se trata da mesma habilidade considerada em um grau materiais lidos (físicos ou digitais). A progressão da aprendizagem pode apoiar-se
menor de autonomia por conta do nível de ensino em jogo. A formulação da no grau de complexidade dos gêneros e textos previstos (assim como dos seus
habilidade supõe a previsão curricular de estratégias didáticas que progridam do respectivos temas), nos autores selecionados e no grau de autonomia que se
trabalho em colaboração para a conquista da autonomia. pretende atingir a cada etapa do ensino.

Na elaboração do currículo, é preciso levar em conta que a atividade de


recontagem de histórias prevê a elaboração de um texto cujo conteúdo já é
conhecido pelo aluno, sendo, mesmo assim, importante prever habilidades que
indiquem o planejamento da situação comunicativa e do texto parte a parte, tarefa
que poderá ser coletiva. Dessa forma, o currículo pode focalizar, nessa atividade, a
Esta habilidade diz respeito a escrever textos baseados em narrativas literárias lidas capacidade de textualização, ou seja, de redigir o enunciado, considerando a sua
pelo professor, ou seja, a partir das informações previamente adquiridas. Ela está
Língua organização interna: sequência temporal de ações, relações de causalidade
2º Campo artístico-literário Escrita Escrita autônoma e (EF02LP27) Reescrever textos narrativos estreitamente relacionada à habilidade (EF01LP25), estabelecendo com ela uma estabelecidas entre os fatos, emprego de articuladores adequados entre os trechos
Portug uesa (compartilhada e autônoma) compartilhada literários lidos pelo professor. relação de progressão: o que aprendeu a produzir coletivamente e com a do enunciado, utilização do registro literário, manutenção do tempo verbal,
intervenção do prof essor como escriba no ano anterior, o aluno começa a
empreender individualmente e com alguma autonomia. estabelecimento de coerência e coesão entre os trechos do texto, entre outros
aspectos. A progressão horizontal da habilidade pode tomar como referência a
extensão e/ou complexidade dos textos narrativos focalizados, assim como o grau
de autonomia a ser conquistada pelo aluno a cada etapa. As atividades podem,
ainda, prever uma progressão da habilidade ao longo do ano, indicando a produção
em duplas ou autônoma.

Na elaboração do currículo, deve-se considerar que esta habilidade articula-se à


(EF02LP28) Reconhecer o conflito gerador de Esta habilidade articula-se com a (EF01LP26), referindo-se a aspectos semelhantes (EF01LP26), representando uma progressão vertical. O trabalho a ser desenvolvido
é o mesmo que o previsto para a habilidade (EF01LP26), considerando-se que, no
Língua aos nela definidos. Além disso, implica em identificar trechos de textos lidos que 2º ano, é possível que os alunos já tenham compreendido a base alfabética do
2º Campo artístico-literário Análise linguística/semiótica Formas de composição de uma narrativa ficcional e sua resolução, além de possam caracterizar elementos das narrativas ficcionais literárias. S eu
Portug uesa (Alfabetização) narrativas palavras, expressões e frases que caracterizam desenvolvimento permite ao aluno aprofundar a compreensão de narrativas e sistema de escrita e, dessa maneira, possam ler os textos junto com o prof essor, no
personagens e ambientes. momento do estudo, até utilizando recursos de ressaltar trechos relevantes. A
desenvolver capacidades de análise e crítica. progressão horizontal pode se dar pela complexidade dos textos escutados e pelo
nível de autonomia que se pretende levar o aluno a conquistar em cada etapa.

Na elaboração do currículo, o desenvolvimento desta habilidade demanda a


previsão de práticas de leitura e de estudo de poemas visuais, para que as suas
características fundamentais sejam identificadas: a presença de ilustração realizada
por meio das letras e palavras; a criação de efeitos visuais incomuns (direção de
escrita; linearização original; efeitos rotativos, inversões, por exemplo); a ocupação
Língua (EF02LP29) Observar, em poemas visuais, o O foco desta habilidade é perceber — no processo de leitura e estudo de poemas
2º Campo artístico-literário Análise linguística/semiótica Formas de composição de textos formato do texto na página, as ilustrações e visuais — as figuras que o poema compõe no espaço que ocupa, verificando se o figurativa do espaço disponível. As atividades colaborativas são mais adequadas
Portug uesa (Alfabetização) poéticos visuais outros efeitos visuais. formato e/ou a disposição das letras provocam efeitos de sentido peculiares. para o desenvolvimento da habilidade, em especial as coletivas, com mediação do
professor. Como pode haver alunos ainda não alfabetizados no início do 2º ano, é
fundamental a exposição do texto aos alunos, com indicações explícitas da leitura
que está sendo feita. A progressão horizontal pode apoiar-se no grau de
complexidade dos gêneros e textos propostos, no tipo de recurso a ser estudado e
no nível de autonomia do estudante a ser conquistado a cada etapa.
Arte

COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES

(EF15AR01) Identificar e apreciar formas distintas das artes visuais tradicionais e


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Contextos e práticas contemporâneas, cultivando a percepção, o imaginário, a capacidade de
simbolizar e o repertório imagético.

(EF15AR02) Explorar e reconhecer elementos constitutivos das artes visuais


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Elementos da linguagem (ponto, linha, forma, cor, espaço, movimento etc.).

(EF15AR03) Reconhecer e analisar a influência de distintas matrizes estéticas e


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Matrizes estéticas e culturais culturais das artes visuais nas manifestações artísticas das culturas locais,
regionais e nacionais.

(EF15AR04) Experimentar diferentes formas de expressão artística (desenho,


pintura, colagem, quadrinhos, dobradura, escultura, modelagem, instalação,
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Materialidades
vídeo, fotografia etc.), fazendo uso sustentável de materiais, instrumentos,
recursos e técnicas convencionais e não convencionais.

(EF15AR05) Experimentar a criação em artes visuais de modo individual, coletivo e


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Processos de criação
colaborativo, explorando diferentes espaços da escola e da comunidade.

Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Processos de criação (EF15AR06) Dialogar sobre a sua criação e as dos colegas, para alcançar sentidos
plurais.

(EF15AR07) Reconhecer algumas categorias do sistema das artes visuais (museus,


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Sistemas da linguagem galerias, instituições, artistas, artesãos, curadores etc.).

(EF15AR08) Experimentar e apreciar formas distintas de manifestações da dança


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Dança Contextos e práticas presentes em diferentes contextos, cultivando a percepção, o imaginário, a
capacidade de simbolizar e o repertório corporal.

Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Dança Elementos da linguagem (EF15AR09) Estabelecer relações entre as partes do corpo e destas com o todo
corporal na construção do movimento dançado.

(EF15AR10) Experimentar diferentes formas de orientação no espaço


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Dança Elementos da linguagem (deslocamentos, planos, direções, caminhos etc.) e ritmos de movimento (lento,
moderado e rápido) na construção do movimento dançado.

(EF15AR11) Criar e improvisar movimentos dançados de modo individual, coletivo


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Dança Processos de criação e colaborativo, considerando os aspectos estruturais, dinâmicos e expressivos dos
elementos constitutivos do movimento, com base nos códigos de dança.

(EF15AR12) Discutir, com respeito e sem preconceito, as experiências pessoais e


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Dança Processos de criação coletivas em dança vivenciadas na escola, como fonte para a construção de
vocabulários e repertórios próprios.

(EF15AR13) Identificar e apreciar criticamente diversas formas e gêneros de


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Música Contextos e práticas expressão musical, reconhecendo e analisando os usos e as funções da música em
diversos contextos de circulação, em especial, aqueles da vida cotidiana.

(EF15AR14) Perceber e explorar os elementos constitutivos da música (altura,


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Música Elementos da linguagem intensidade, timbre, melodia, ritmo etc.), por meio de jogos, brincadeiras, canções
e práticas diversas de composição/criação, execução e apreciação musical.

(EF15AR15) Explorar fontes sonoras diversas, como as existentes no próprio corpo


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Música Materialidades (palmas, voz, percussão corporal), na natureza e em objetos cotidianos,
reconhecendo os elementos constitutivos da música e as características de
instrumentos musicais variados.

(EF15AR16) Explorar diferentes formas de registro musical não convencional


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Música Notação e registro musical (representação gráfica de sons, partituras criativas etc.), bem como
procedimentos e técnicas de registro em áudio e audiovisual, e reconhecer a
notação musical convencional.

(EF15AR17) Experimentar improvisações, composições e sonorização de histórias,


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Música Processos de criação entre outros, utilizando vozes, sons corporais e/ou instrumentos musicais
convencionais ou não convencionais, de modo individual, coletivo e colaborativo.

(EF15AR18) Reconhecer e apreciar formas distintas de manifestações do teatro


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Teatro Contextos e práticas presentes em diferentes contextos, aprendendo a ver e a ouvir histórias
dramatizadas e cultivando a percepção, o imaginário, a capacidade de simbolizar e
o repertório ficcional.

(EF15AR19) Descobrir teatralidades na vida cotidiana, identificando elementos


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Teatro Elementos da linguagem teatrais (variadas entonações de voz, diferentes fisicalidades, diversidade de
personagens e narrativas etc.).

(EF15AR20) Experimentar o trabalho colaborativo, coletivo e autoral em


improvisações teatrais e processos narrativos criativos em teatro, explorando
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Teatro Processos de criação desde a teatralidade dos gestos e das ações do cotidiano até elementos de
diferentes matrizes estéticas e culturais.

(EF15AR21) Exercitar a imitação e o faz de conta, ressignificando objetos e fatos e


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Teatro Processos de criação experimentando-se no lugar do outro, ao compor e encenar acontecimentos
cênicos, por meio de músicas, imagens, textos ou outros pontos de partida, de
forma intencional e reflexiva.

Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Teatro Processos de criação (EF15AR22) Experimentar possibilidades criativas de movimento e de voz na
criação de um personagem teatral, discutindo estereótipos.

(EF15AR23) Reconhecer e experimentar, em projetos temáticos, as relações


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes integradas Processos de criação processuais entre diversas linguagens artísticas.

Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes integradas Matrizes estéticas e culturais (EF15AR24) Caracterizar e experimentar brinquedos, brincadeiras, jogos, danças,
canções e histórias de diferentes matrizes estéticas e culturais.

(EF15AR25) Conhecer e valorizar o patrimônio cultural, material e imaterial, de


culturas diversas, em especial a brasileira, incluindo-se suas matrizes indígenas,
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes integradas Patrimônio cultural africanas e europeias, de diferentes épocas, favorecendo a construção de
vocabulário e repertório relativos às diferentes linguagens artísticas.

(EF15AR26) Explorar diferentes tecnologias e recursos digitais (multimeios,


Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes integradas Arte e tecnologia animações, jogos eletrônicos, gravações em áudio e vídeo, fotografia, softwares
etc.) nos processos de criação artística.
Arte
MATERIAL SUPLEMENTAR PARA O REDATOR DE CURRÍCULO - NÃO FAZ PARTE DA BNCC
COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES COMENTÁRIO POSSIBILIDADES PARA O CURRÍCULO

Na habilidade, identificar está relacionado a reconhecer, enquanto apreciar formas distintas das
artes visuais tradicionais e contemporâneas é sentir deleite, prazer, estranhamento e abertura para Na elaboração do currículo, é possível articular esta habilidade com outras, como apreciar múltiplas
(EF15AR01) Identificar e apreciar formas se sensibilizar na fruição dessas manifestações, tais como: desenho, pintura, escultura, gravura, formas de criar e produzir nas artes visuais. Pode-se considerar que o acesso às manifestações
instalação, fotografia, cinema, animação, vídeo, arte computacional, entre outras, viabilizando a contemporâneas em espaços públicos, por exemplo, possibilita a percepção de novas formas de
distintas das artes visuais tradicionais e
construção de um repertório pessoal. Lembre-se que a criança começa a simbolizar na Educação expressão. Além disso, a possibilidade de o aluno ter voz nas apreciações coletivas oportuniza
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Contextos e práticas contemporâneas, cultivando a percepção, o
imaginário, a capacidade de simbolizar e o Infantil, quando dá início a representar uma experiência verbalmente ou por símbolos visuais e conversar sobre as investigações e experiências realizadas, propiciando construir uma narrativa
auditivos: é o faz de conta. Nos primeiros anos do Ensino Fundamental, o aluno ainda está próximo própria e formar olhar e pensamento autônomo e singular, ao contrário de respostas prontas e
repertório imagético. do brincar da Educação Infantil, e a imaginação e a simbolização estão presentes em suas estereotipadas. Esta habilidade apoia a compreensão de materialidade expressa na habilidade
construções, percepções e narrativas. Ao identificar e apreciar múltiplas manifestações em artes (EF15AR04) e embasa o desenvolvimento de habilidade prevista para os Anos Finais (EF69AR01).
visuais, o aluno amplia a capacidade de simbolizar e, consequentemente, seu repertório imagético.

Na elaboração do currículo, é possível desmembrar esta habilidade em habilidades cada vez mais
complexas, ano a ano. O critério de complexificação pode ser o da abrangência: do local e mais
Explorar e reconhecer permite ao aluno perceber, apreender e manejar os elementos visuais (ponto, próximo ao mais universal. Conectar esta habilidade às manifestações culturais locais possibilita a
(EF15AR02) Explorar e reconhecer elementos linha, cor, forma, espaço, texturas, relevo, movimento, luz e sombra, volume bi e tridimensional), percepção dos elementos que caracterizam visualmente essas manifestações. O desenvolvimento da
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Elementos da linguagem constitutivos das artes visuais (ponto, linha, identificando-os nas diversas formas de expressão das artes plásticas, audiovisuais, gráficas e habilidade (EF15AR01) pode caminhar paralelamente ao desta habilidade, uma complementando a
forma, cor, espaço, movimento etc.). tecnológicas e nas linguagens analógica e digital. A habilidade supõe inicialmente experimentar uma outra. Além disso, esta habilidade embasa o desenvolvimento de habilidade nos anos finais do
forma de expressão, para, então, identificar os seus elementos visuais. Ensino Fundamental (EF69AR04). Há, aqui, oportunidade de trabalho interdisciplinar com as
habilidades (EF01MA13), (EF01MA14), (EF03MA13), e (EF03MA14) da Matemática, no que se refere
à identificação de elementos gráficos e formas geométricas nas artes visuais.

Na elaboração do currículo, é possível desmembrar esta habilidade em outras, progressivamente


mais complexas, ano a ano. Depois de reconhecer e analisar a influência de diferentes matrizes
estéticas e culturais das artes visuais no âmbito familiar, é desejável ampliar para um olhar sobre a
Reconhecer e analisar, nesta habilidade, inclui identificar, investigar e refletir em artes visuais a partir comunidade, a região e, enfim, o Brasil. Também é possível contemplar habilidades relacionadas a
das características das manifestações artísticas e culturais locais e de outras comunidades. A distinguir e respeitar os bens culturais de uma comunidade: materiais (histórico, paisagístico,
(EF15AR03) Reconhecer e analisar a influência habilidade inclui não somente o reconhecimento desses elementos, como também a análise da etnográfico, obras de arte, entre outros) e imateriais (saberes, técnicas, crenças, celebrações,
de distintas matrizes estéticas e culturais das influência de diferentes matrizes estéticas e culturais nessas manifestações, ou seja, a investigação manifestações, entre outros). Há aqui oportunidade para desenvolver senso de identidade individual
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Matrizes estéticas e culturais
artes visuais nas manifestações artísticas das sobre as origens e influências dos elementos identificados, por exemplo: Como está presente a e cultural e também valores como o respeito às diferenças. Há oportunidade, também, de relacionar
culturas locais, regionais e nacionais. matriz africana, indígena ou europeia nas festas populares locais? O desenvolvimento desta a habilidade com o artigo 26-A da Lei 9.394 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação), que prevê
habilidade contribui para o aluno perceber a diversidade cultural na formação brasileira, presente na conteúdos referentes à história e cultura afro-brasileira e indígena nos currículos. Esta habilidade
identidade cultural local, regional e nacional. pode ser trabalhada em conjunto com a (EF15AR01) e embasa a habilidade (EF15AR04). Há, aqui,
oportunidade de trabalho interdisciplinar com as habilidades (EF04HI10), da História; (EF04GE01) e
O desenvolvimento desta habilidade demanda impulsionar uma atitude criadora e a consciência do
(EF04GE02), da Geografia, associadas ao reconhecimento e valorização da diversidade de influências
fazer artístico por parte do aluno. Isto exige a prática de fazer escolhas e de , investigação e
manipulação da matéria (materiais ou meios), levantando e testando hipóteses, fazendo e na cultura nacional, local ou regional.
refazendo, para transformar a matéria trabalhada. A habilidade está relacionada à ação de dar
concretude a uma obra, seja ela visual, audiovisual, gráfica, tecnológica e/ou digital. Na Na elaboração do currículo, é possível desmembrar esta habilidade em outras progressivamente
experimentação, é possível fazer uso de diferentes: 1. Matérias: materiais ou meios (tinta, argila, mais complexas, ano a ano. Nesse sentido, é possível especificar materiais – convencionais e não
(EF15AR04) Experimentar diferentes formas de sucata, cola, materiais naturais, como folhas e pedras etc.); 2. Suportes: base onde a obra é convencionais – suportes, ferramentas e procedimentos diversos, locais ou universais. Além disso, é
expressão artística (desenho, pintura, colagem, realizada (a tela de um quadro, o papel de um desenho, o espaço de uma sala, de um pátio de possível propor habilidades que se refiram à escolha de materiais a partir de critérios
quadrinhos, dobradura, escultura, modelagem, escola, de um jardim, da rua para a construção de uma instalação etc.); 3. Ferramentas: socioambientais. Nas novas formas de expressão, é possível também complementar esta habilidade,
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Materialidades
instalação, vídeo, fotografia etc.), fazendo uso instrumentos/equipamentos utilizados na produção (pincel, lápis, computador, máquina fotográfica, possibilitando ao aluno experimentar a imaterialidade, trabalhando com fotografia digital,
sustentável de materiais, instrumentos, recursos pinça, martelo etc.); 4. Procedimentos: modos de articular a matéria na criação da obra (pintura, audiovisual, vídeo, arte computacional etc. Esta habilidade pode ser trabalhada junto à (EF15AR01) e
e técnicas convencionais e não convencionais. colagem, escultura, dobradura etc.). Nesta habilidade, é importante que matéria, suporte, embasa o desenvolvimento da habilidade (EF15AR05). Há, aqui, oportunidade de trabalho
ferramenta e procedimento sejam sustentáveis, ou seja, reduzam resíduos. Nas novas formas de interdisciplinar com as habilidades (EF12LP05) e (EF15LP14), da Língua Portuguesa, no que se refere
expressão, estão presentes materialidades convencionais e não convencionais, além da a conhecer e utilizar quadrinhos e tirinhas como uma forma de expressão artística.
imaterialidade, termo que é usado aqui como tudo aquilo que não é possível tocar fisicamente, que
não se desgasta com o tempo, que pode ser reproduzido infinitamente e está salvo em arquivos
digitais ou virtuais, como quando se trabalha com fotografia digital — seja com máquina fotográfica
ou celular —, audiovisual, vídeo, arte computacional etc.
Na elaboração do currículo, é possível desmembrar a habilidade em outras progressivamente mais
Experimentar, nesta habilidade, supõe investigar, testar, fazer, refazer e escolher recursos e espaços complexas, ano a ano, propondo experimentar em sala de aula, depois na escola e, então, no espaço
para a produção de artes visuais, potencializando o processo de criação dentro e fora da escola. A público, com cada vez mais autonomia para pesquisar e escolher materiais, suportes, ferramentas e
(EF15AR05) Experimentar a criação em artes procedimentos diversos. É possível, ainda, complementar a habilidade, prevendo a intervenção na
habilidade supõe que, em trabalhos coletivos e colaborativos, o aluno possa aprender a dialogar
visuais de modo individual, coletivo e escola e no espaço público com ações de arte contemporânea, interagindo e dialogando com
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Processos de criação sobre o processo de criação e negociar e justificar suas escolhas. O desafio para o aluno é desfrutar
colaborativo, explorando diferentes espaços da pessoas e o meio onde está trabalhando, inclusive para fazer suas escolhas quanto a materiais,
de novas percepções, elaborar novas formas de proposições estéticas e ser protagonista em sua
escola e da comunidade. suportes, ferramentas e procedimentos. Assim, é possível, por exemplo, planejar uma intervenção
singularidade, inclusive ao trabalhar no coletivo, quando deve assumir uma atitude de colaboração, na escola ou na praça, dialogando com as pessoas que frequentam o espaço e buscando envolvê-las
ou seja, de fazer junto. na criação. Esta habilidade pode ser trabalhada em conjunto com a (EF15AR06), de Arte, e embasa o
desenvolvimento de habilidade nos anos finais do Ensino Fundamental (EF69AR06).

Na elaboração do currículo, é possível desmembrar a habilidade em outras progressivamente mais


complexas, ano a ano. Assim, na medida em que as experiências se complexificam, o diálogo a
A habilidade de dialogar supõe que o aluno possa refletir sobre seu processo de criação , construir
respeito delas também vai ganhando novos elementos. No currículo, é importante que sejam
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Processos de criação (EF15AR06) Dialogar sobre a sua criação e as dos argumentos, ponderações e também escutar e refletir sobre o fazer e as ponderações dos colegas, contempladas habilidades relativas a argumentar sobre suas ideias, sua intenção para o trabalho e
colegas, para alcançar sentidos plurais. ampliando a percepção da pluralidade de significados atribuíveis às manifestações artísticas. Nesse suas escolhas para o processo de execução. Esta habilidade pode ser trabalhada em conjunto com a
processo, potencializa-se a produção criativa dos alunos.
(EF15AR04), a (EF15AR05), e embasa o desenvolvimento de habilidade nos anos finais do Ensino
Fundamental (EF69AR06).

Na elaboração do currículo, pode-se desmembrar a habilidade em outras progressivamente mais


complexas, ano a ano. Por exemplo, é possível a iniciação em reconhecer categorias dos sistemas das
artes visuais pelos locais e profissionais da comunidade. Em outro momento, ter acesso a museus e
centros culturais, assim como a espaços públicos, com suas obras de arte formais (praças, avenidas,
Esta habilidade pressupõe conhecer, descrever e analisar semelhanças e diferenças entre categorias
do sistema das artes visuais como: 1. Espaços de criação e produção (ateliês livres e de artistas e prédios públicos) e, também, como lugar de fazer artístico inserido no sistema das linguagens da
arte, com sua arte urbana, artistas locais, poesia cotidiana e performances de pessoas pelas ruas,
artesãos) e criadores (artistas, artesãos);2. Espaços de catalogação, difusão e preservação (museus e
(EF15AR07) Reconhecer algumas categorias do com a intenção ou não de fazer arte. Pode-se propiciar uma ação paralela com a habilidade
centros culturais) e suas equipes (curadores, montadores de exposições, restauradores, entre
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes visuais Sistemas da linguagem sistema das artes visuais (museus, galerias, outros); 3. Espaços de exposição e comercialização (galerias de arte e espaços comerciais) e seu (EF15AR03), a fim de viabilizar a compreensão do trabalho dos museus e centros culturais na
instituições, artistas, artesãos, curadores etc.). conservação dos bens culturais de distintas matrizes estéticas e culturais. Nesse ponto, há
público, como visitantes, colecionadores e leiloeiros; 4. Espaços públicos, hoje também utilizados
como um lugar de fazer artístico inserido no sistema das linguagens da arte, com seus artistas, oportunidade, também, de relacionar a habilidade com o artigo 26-A da Lei 9.394 (Lei de Diretrizes e
Bases da Educação), que prevê conteúdos referentes à história e cultura afro-brasileira e indígena
artesãos e público. nos currículos. A compreensão do trabalho de curadoria e montagem pode ser estimulada, por
exemplo, pela vivência na organização de uma exposição. Esta habilidade, além de dialogar com a
(EF15AR03), embasa o desenvolvimento de habilidade nos anos finais do Ensino Fundamental
(EF69AR08).
Na elaboração do currículo, pode-se desmembrar a habilidade em outras progressivamente mais
complexas, ano a ano. Por exemplo, é possível iniciar o trabalho com a habilidade relativa a apreciar
e experimentar formas distintas de manifestações de dança da cultura local e em outras culturas. E,
Experimentar, nesta habilidade, significa fruir, investigar, testar, fazer e refazer com prazer e, ao também, observar atividades de pessoas no cotidiano, levando o aluno à percepção de como se
(EF15AR08) Experimentar e apreciar formas movimentam, se é sempre da mesma forma, como ficam paradas e como se equilibram, buscando
mesmo tempo, estranhamento, movimentos corporais que sejam arranjados de forma a constituir identificar
formas criadas com o corpo. Os movimentos no cotidiano são múltiplos e estão
distintas de manifestações da dança presentes diferentes formas de dança, presentes em diversos contextos. A experimentação de movimentos em relacionados
ao espaço que os influenciam, motivados pela situação. A observação ao cotidiano
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Dança Contextos e práticas em diferentes contextos, cultivando a determinados ritmos amplia a construção de repertório e significado do movimento corporal.
pode ser relacionada à habilidade (EF15AR10). É possível, ainda, complementar a habilidade
percepção, o imaginário, a capacidade de Apreciar seus próprios movimentos e de outros, presencialmente ou por meio da projeção de vídeos
de diferentes manifestações da dança, amplia o repertório corporal, a imaginação, a percepção e a propondo
rodas de conversas mediadas pelo professor, em que o aluno dialoga sobre suas
simbolizar e o repertório corporal. percepções e as consolida. Esta habilidade embasa o desenvolvimento de habilidade nos anos finais
construção de significado do movimento corporal. do Ensino Fundamental (EF69AR09). Há, aqui, oportunidade de trabalho interdisciplinar com as
habilidades (EF12EF01), (EF12EF11), da Educação Física; e (EH01HI05), da História, associadas à
experimentação e identificação de semelhanças e diferenças entre distintas manifestações da dança
em diferentes contextos.

Na elaboração do currículo, pode-se completar a habilidade prevendo a experimentação de


movimento e suas combinações como são apresentados em diversas formas de dança. Experimentar
Nesta habilidade, espera-se que o aluno identifique as relações entre as partes do corpo (pés, dedos movimentos, junto a uma reflexão sobre eles, pode, por exemplo, ampliar a consciência em relação
(EF15AR09) Estabelecer relações entre as partes dos pés, mãos, dedos das mãos, quadris, cabeça, pescoço, musculaturas específicas do abdome, dos às conquistas com os novos movimentos, a diferença entre estes e os anteriores, a utilização de
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Dança Elementos da linguagem do corpo e destas com o todo corporal na joelhos, do rosto etc.) e destas com o todo corporal. A ênfase desta habilidade está em conhecer e outras partes do corpo, a forma de se expressar e a possibilidade de criar movimentos novos de
construção do movimento dançado. experimentar os movimentos do seu próprio corpo (consciência corporal) e compreender a dança. Em conexão com a habilidade (EF15AR08), ressalta-se a importância também da apreciação
possibilidade de criação de movimento dançado. dos movimentos nos outros, para identificar as possibilidades corporais próprias, importantes para o
autoconhecimento e a ampliação do repertório corporal. Esta habilidade embasa o desenvolvimento
de habilidade nos anos finais do Ensino Fundamental (EF69AR08).

Na elaboração do currículo, é possível contextualizar a habilidade propondo a experimentação em


Experimentar, nesta habilidade, supõe investigar, testar, fazer, refazer e sentir prazer e diferentes ambientes, inclusive externos. Práticas que permitam perceber o outro no espaço físico,
estranhamento com o corpo, na vivência de espaços, orientações e ritmos diferentes. Movimentar- compartilhar movimentos no mesmo ritmo de deslocamento, o modo como ocupa o espaço, se os
(EF15AR10) Experimentar diferentes formas de movimentos poderiam ser mais extensos ou menores, modificam a percepção, dimensão e
se muito devagar, tomando minutos inteiros para realizar movimentos simples, como colocar a mão
orientação no espaço (deslocamentos, planos, compreensão dos movimentos corporais. Esta habilidade pode também ser trabalhada
sobre a cabeça e olhar para os lados, e depois repetir esses movimentos muito rapidamente,
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Dança Elementos da linguagem direções, caminhos etc.) e ritmos de movimento percorrer trajetos comuns de costas, de lado, ou equilibrar-se em terrenos planos, depois, íngremes, especialmente em conjunto com as habilidades (EF01GE09) e (EF02GE10) da Geografia, propiciando
(lento, moderado e rápido) na construção do ao aluno a percepção de seus movimentos e suas relações com o espaço. Há, ainda, outras
enfim, a experimentação nesta habilidade contribui para a compreensão da tríade corpo-espaço-
movimento dançado. movimento e o entendimento do espaço para além do mero lugar, reconhecendo-o como onde o oportunidades de trabalho interdisciplinar, com as habilidades (EF12EF07), (EF12EF11), (EF35EF07),
(EF35EF09), da Educação Física; (EF01MA11), (EF02MA12), (EF03MA12), (EF04MA16) e (EF05MA15),
corpo se move, realiza formas conforme se mexe e dança. da Matemática, associadas à experimentação, descrição e representação de movimentos de pessoas
e objetos no espaço.

Na elaboração do currículo, é possível complementar a habilidade prevendo o contato com uma ou


mais formas específicas de dança, para ampliar o repertório corporal nos processos criativos e de
(EF15AR11) Criar e improvisar movimentos improvisação, e não para repetição de movimentos pré-estabelecidos por coreografias prontas. Além
dançados de modo individual, coletivo e disso, é possível conectar esta habilidade às aprendizagens previstas nas habilidades (EF15AR08),
A habilidade de criar e improvisar movimentos implica fazer e refazer múltiplas experimentações (EF15AR09) e (EF15AR10), para criar e improvisar considerando espaços, formas de dança,
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Dança Processos de criação colaborativo, considerando os aspectos para utilizar e combinar os elementos estruturantes da dança — movimento corporal, espaço e orientações e ritmos diversos. Como abordado nessas habilidades, o aluno também pode
estruturais, dinâmicos e expressivos dos tempo — aos códigos específicos de cada ritmo. desenvolver improvisações a partir de gestos observados no cotidiano e pela exploração de
elementos constitutivos do movimento, com movimentos corporais em um determinado espaço. É possível, ainda, desmembrar a habilidade em
base nos códigos de dança. outras progressivamente mais complexas, ano a ano, considerando essas conexões. Assim, quanto
maior a diversidade, profundidade e complexidade das experimentações dos alunos, mais elementos
terão para compor suas criações e improvisações.

Na elaboração do currículo, é possível prever diversas oportunidades progressivamente mais


complexas de observação e trocas reflexivas entre os alunos, mediadas pelo professor, para ampliar
A habilidade diz respeito a dialogar no sentido de descrever, escutar, construir argumentos, a discussão sobre os preconceitos não somente na dança, mas nas diversas linguagens da Arte (artes
(EF15AR12) Discutir, com respeito e sem ponderações e refletir sobre as experiências individuais e coletivas vivenciadas em dança. No visuais, música, teatro e artes integradas). É possível, ainda, complementar a habilidade prevendo
preconceito, as experiências pessoais e coletivas desenvolvimento desta habilidade, é importante cuidar para evitar considerações fechadas e
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Dança Processos de criação em dança vivenciadas na escola, como fonte preconceituosas, problematizando imitações ou julgamentos baseados em estereótipos. O desafio é discutir preconceitos específicos associados à realidade local, regional ou nacional, como, por
para a construção de vocabulários e repertórios criar um clima de abertura e respeito dos alunos sobre suas próprias expressões e as do outro. Esta exemplo, quanto a contextos sociais, diferenças etárias, de gênero ou necessidades físicas especiais.
Nesse ponto, há oportunidade, também, de relacionar o desenvolvimento da habilidade com o artigo
próprios. habilidade contribui para a construção de vocabulário e repertório próprios, que consideram a
pluralidade e respeitam diferenças. 26-A da Lei 9.394 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação), que prevê conteúdos referentes à história
e cultura afro-brasileira e indígena nos currículos, sendo possível problematizar a marginalização de
determinadas formas de dança por conta de sua matriz africana ou indígena.

Na elaboração do currículo, é possível fazer referência à educação em música, destacando


habilidades relativas à percepção do som em diversos ambientes internos e externos e na própria
A habilidade supõe que o aluno possa escutar atenta e criticamente materiais sonoros, identificando natureza.. É possível, ainda, desmembrar esta habilidade em outras progressivamente mais
complexas, ano a ano, complementando com a especificação de gêneros musicais e indicando
formas musicais, abrangendo gêneros tais como: música clássica, música contemporânea, música
(EF15AR13) Identificar e apreciar criticamente popular — incluindo, por exemplo, categorias como pop, samba, MPB, hip-hop, rap, rock, jazz, transformações que a música sofreu ao longo do século XX, desde a inclusão do silêncio, dos ruídos e
diversas formas e gêneros de expressão musical, os recursos da tecnologia como componentes possíveis de serem transformados em música. Há aqui,
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Música Contextos e práticas reconhecendo e analisando os usos e as funções techno, entre outras. Conhecer as formas musicais é indispensável para que se estabeleça o diálogo também, uma oportunidade de se contextualizar a habilidade prevendo o trabalho com formas e
da música em diversos contextos de circulação, sobre elas, estabelecendo relações entre suas funções no contexto social e de circulação — "jingles" gêneros musicais locais. A educação sonora pode ser ampliada com habilidades como identificar os
de comerciais na rádio e televisão, vinhetas em vídeos da internet, músicas típicas da comunidade
em especial, aqueles da vida cotidiana. problemas para o sistema auditivo acima de 50 decibéis (DB) em práticas de escuta de músicas. Esta
executadas em momentos de celebração, músicas religiosas, músicas que fazem crítica social, que habilidade pode ser trabalhada em conjunto com a (EF15AR14) e embasa o desenvolvimento de
tocam nas festas de família, na rádio, trilha sonora em filmes, novelas, jogos de vídeo game etc. habilidade nos anos finais do Ensino Fundamental (EF69AR16). Há, aqui, oportunidade de trabalho
interdisciplinar com as habilidades (EF35LP23) e (EF35LP27), da Língua Portuguesa, no que se refere
a apreciação, leitura e interpretação de letras de música.
Ao longo dos anos iniciais do Ensino Fundamental, o aluno começa a identificar e explorar os
elementos do som por meio do exercício da escuta. É com múltiplas apreciações sonoras que o aluno
identifica sua preferência musical, muitas vezes diferenciada das apreciadas pela família e/ou
comunidade. Na elaboração do currículo, é interessante propor, repetidamente e de forma cada vez
mais complexa, habilidades relativas a perceber e explorar os elementos constitutivos da música,
(EF15AR14) Perceber e explorar os elementos Na habilidade, perceber e explorar supõe identificar características e testar elementos básicos do
constitutivos da música (altura, intensidade, som — altura (sons agudos e graves), duração (longos e curtos), intensidade (fortes e fracos) e podendo associar esta habilidade à habilidade (EF15AR15), incluindo fontes sonoras diversas na
exploração de elementos da música e do som no cotidiano. Por exemplo, os elementos do som na
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Música Elementos da linguagem timbre, melodia, ritmo etc.), por meio de jogos, timbres (a voz do instrumento ou pessoa) — e os elementos da música — o ritmo, a melodia e a cozinha, como timbre, intensidade, altura e duração de colheres batendo em diferentes panelas e
brincadeiras, canções e práticas diversas de harmonia. Para o desenvolvimento da habilidade é necessário que o aluno possa inventar e copos; ou os elementos da música em um jogo de basquete, como o ritmo da bola quicando no chão.
composição/criação, execução e apreciação reinventar relações e sentidos com o sonoro e o musical, por meio de práticas lúdicas, sem a
Esta habilidade pode ser trabalhada em conjunto com a (EF15AR13) e embasa o desenvolvimento de
musical. exigência da reprodução de modelos musicais. habilidade dos anos finais do Ensino Fundamental (E69A20). Há, aqui, oportunidade de trabalho
interdisciplinar com as habilidades (EF35LP23) e (EF35LP27), da Língua Portuguesa, no que se refere
à apreciação, leitura e interpretação de letras de música. Há, também, oportunidade para o trabalho
com as habilidades (EF12LP07), da Língua Portuguesa; e (EF03CI01), associadas à experimentação
comelaboração
Na diferentesdofontes
currículo,
sonoras
é possível
e à identificação
desmembrarde elementos
a habilidade
constitutivos
em outras progressivamente
do som e da música.
mais
complexas, repetidamente, ao longo dos anos. Nos primeiros anos, o aluno está mais próximo da
percepção do som por ações de percussão (batida e raspagem); assim, perceber sons do corpo, não
constrangedores, incentiva-o a explorar uma fonte sonora própria que possui múltiplas variações e
(EF15AR15) Explorar fontes sonoras diversas, combinações de ritmos. Ao longo dos anos, a habilidade pode ir sendo aprofundada com a pesquisa
como as existentes no próprio corpo (palmas, Na habilidade, “explorar” significa investigar e identificar fontes sonoras convencionais, como os de objetos sonoros em outras culturas. Já nos últimos anos dos anos iniciais, é possível perceber
instrumentos musicais, e não convencionais, como os sons do próprio corpo. Com base na percepção
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Música Materialidades voz, percussão corporal), na natureza e em da percussão corporal e da voz como recurso sonoro e musical, dos objetos sonoros, inclusive os possibilidades, por exemplo, de unir elementos das linguagens das artes visuais e musicais na criação
objetos cotidianos, reconhecendo os elementos presentes no cotidiano, e dos sons da natureza, pretende-se que o aluno criar e organizar os sons em de objetos sonoros com materiais alternativos, como um móbile, por exemplo. Trabalhar com
constitutivos da música e as características de elementos alternativos amplia as vivências e aguça a curiosidade e a pesquisa do aluno para
uma estrutura musical.
instrumentos musicais variados. investigações sonoras mais complexas e autônomas, realizadas a partir do repertório que vai sendo
ampliado ao longo dos anos. Esta habilidade dialoga com a habilidade (EF15AR14) e embasa a
(E69AR21). Há, aqui, oportunidade para o trabalho interdisciplinar com as habilidades (EF12LP07), da
Língua Portuguesa; e (EF03CI01), associadas à experimentação com diferentes fontes sonoras e
identificação de elementos constitutivos do som e da música.
Na elaboração do currículo, é possível desmembrar a habilidade em outras progressivamente mais
complexas, repetidamente, ao longo dos anos. É importante considerar que, para os alunos dos
Na habilidade, “explorar” tem o sentido de investigar, identificar e conhecer notações musicais primeiros anos do Ensino Fundamental, o desenhar o som, com elementos básicos das artes visuais,
convencionais e não-convencionais. Portanto, está relacionada a registros gráficos do som. A
(EF15AR16) Explorar diferentes formas de transformando-os em signos gráficos, amplia a compreensão do som, silêncio e ruído por meio do
registro musical não convencional notação musical convencional possui uma pauta com cinco linhas e quatro espaços onde são pensamento visual. Propiciar ao aluno o registro de diferentes timbres, alturas, intensidades e o
anotadas as notas musicais. A notação não convencional está relacionada aos sons em registros
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Música Notação e registro musical (representação gráfica de sons, partituras gráficos utilizando desenhos, elementos das artes visuais, fonema ou palavra (onomatopéia), criação questionamento sobre a presença múltipla dos elementos do som em uma mesma música permite a
criativas etc.), bem como procedimentos e de sinais gráficos, dentre outros modos. A criação e exploração da notação musical não convencional ampliação dos exercícios nos processos de criação. Os registros não convencionais possibilitam ao
técnicas de registro em áudio e audiovisual, e aluno exercitar uma relação entre duas linguagens da arte: artes visuais e música. A notação musical
pode acontecer com proposições movidas por parâmetros do som — intensidade, altura, duração e
reconhecer a notação musical convencional. timbre. A habilidade ressalta também a importância de recorrer a procedimentos, equipamentos e em sua pauta com cinco linhas e quatro espaços onde são anotadas as notas musicais permitem o
técnicas de registros sonoros de áudio e audiovisuais. registro convencional. As gravações em áudio e vídeo permitem o registro de audiovisuais. Esta
habilidade dialoga com a (EF15AR02) — elementos da linguagem na unidade temática Artes Visuais
— e embasa o desenvolvimento de habilidade nos anos finais do Ensino Fundamental (EF69AR22).

Na elaboração do currículo, é possível desmembrar a habilidade em outras progressivamente mais


complexas, repetidamente, ao longo dos anos. Deve-se considerar que os processos criativos estão
inter-relacionados ao fazer múltiplo. Assim, é necessário que, na elaboração do currículo local, sejam
(EF15AR17) Experimentar improvisações, privilegiadas habilidades que a maneira mais adequada de expressão do aluno – e não apenas a
composições e sonorização de histórias, entre Na habilidade, “experimentar” refere-se a fazer e refazer múltiplas possibilidades de sonorização preocupação com o resultado final. Na vivência e no desenvolvimento de todo o percurso é que se
outros, utilizando vozes, sons corporais e/ou corporal ou instrumental, o que propicia a elaboração de improvisações e composições de forma encontram os aprendizados sonoros. Aqui, não existe certo e errado, bonito ou feio, ter ou não ter
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Música Processos de criação instrumentos musicais convencionais ou não individual, coletiva e colaborativa. Para o seu desenvolvimento, é importante que o aluno seja talento ou dom. A orientação deve buscar como norte diversos tipos de práticas com os elementos
encorajado para o fazer musical, de modo que o medo e a inibição sejam reduzidos. Do mesmo
convencionais, de modo individual, coletivo e modo, é fundamental reconhecer, respeitar e valorizar o fazer musical dos alunos. do som e da música, a percussão corporal, os instrumentos tradicionais e /ou alternativos, gerando
colaborativo. vivências musicais e ambientação para criação de improvisações e composições. Esta habilidade
dialoga com a (EF15AR15) e embasa o desenvolvimento de habilidade nos anos finais do Ensino
Fundamental (EF69AR23). Há, aqui, oportunidade de trabalho interdisciplinar com a habilidade
(EF01LP19), da Língua Portuguesa, no que se refere a recitar textos ritmados.

Na elaboração do currículo, é importante considerar que esta habilidade, além de propor a


observação de expressões no cotidiano, abre espaço para a apreciação de produções teatrais
infantis, de bonecos, de rua e de manifestações populares, facilitando a percepção do aluno às
(EF15AR18) Reconhecer e apreciar formas diferentes formas de expressar emoções. O estudante, nos primeiros anos do Ensino Fundamental,
O desenvolvimento desta habilidade pressupõe a construção de repertório, adquirido com
distintas de manifestações do teatro presentes ainda está próximo do jogo de faz de conta da Educação Infantil, onde a imaginação e a simbolização
observação de manifestações do teatro em múltiplas fontes, de diferentes contextos. A prática de
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Teatro Contextos e práticas em diferentes contextos, aprendendo a ver e a observação em diferentes locais públicos permite a percepção múltipla de como as pessoas se muitas vezes ainda não têm a intenção teatral. O professor, ao prover os alunos de novas
ouvir histórias dramatizadas e cultivando a oportunidades de apreciação de histórias dramatizadas e de mediar os diálogos sobre a percepção
expressam com a entonação de voz, gestos, forma de narrar um acontecimento, criação de um
percepção, o imaginário, a capacidade de individual, conduz a uma elaboração gradual do jogo de faz de conta para o jogo teatral. Esta
personagem relacionado a uma função ou tema, entre outros.
simbolizar e o repertório ficcional. habilidade dialoga com a habilidade (E15AR19) e embasa o desenvolvimento de habilidade nos anos
finais do Ensino Fundamental (EF69AR24). Há, aqui, oportunidade de trabalho interdisciplinar com
as habilidades (EF01LP26), da Língua Portuguesa; e (EF01HI06), da História, associadas à identificação
de elementos narrativos em textos lidos, escutados e, também, dramatizados.

Na elaboração do currículo, é possível desmembrar a habilidade em outras progressivamente mais


A habilidade de “descobrir”, embasada na investigação e observação, pressupõe o exercício de complexas, repetidamente, ao longo dos anos. Pode-se propor o desenvolvimento da habilidade por
perceber que, nas situações do dia a dia, é possível observar e identificar elementos básicos do meio de diversos jogos teatrais com desafios diferenciados na busca de soluções para estimular a
(EF15AR19) Descobrir teatralidades na vida percepção de elemento do teatro em todos os lugares, envolvendo: as expressões de diferentes
teatro: espaço (local onde ocorre a cena observada), personagem (a pessoa e suas características) e
cotidiana, identificando elementos teatrais emoções, a caracterização de personagens, a influência do espaço na construção da situação narrada
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Teatro Elementos da linguagem (variadas entonações de voz, diferentes narrativa (a ação, o que está ocorrendo). A teatralidade de cada dia pode estar, por exemplo, no e a história que se quer contar. É possível propor ainda o foco na observação do cotidiano e, assim,
camelô que inventa um personagem para atrair compradores, nos jovens fazendo malabarismos nos
fisicalidades, diversidade de personagens e destacar a identificação de detalhes construtivos de cada elemento básico do teatro e suas variáveis.
sinais de trânsito, nos devotos que pregam suas religiões na praça, nos políticos e militantes que
narrativas etc.). Esta habilidade dialoga com a (EF15AR18) e embasa o desenvolvimento de habilidade nos anos finais
fazem campanha, nos músicos que se apresentam na rua, entre outras formas de desempenho de
do Ensino Fundamental (EF69AR26). Há, aqui, oportunidade de trabalho interdisciplinar com as
papéis nas relações humano-sociais. habilidades (EF15AR12) e (EF04LP17) da Língua Portuguesa, no que se refere à identificação de
elementos teatrais em diferentes mídias presentes na vida cotidiana.

Na elaboração do currículo, é possível desmembrar a habilidade em outras progressivamente mais


complexas, repetidamente, ao longo dos anos. É possível propor improvisações em continuidade aos
(EF15AR20) Experimentar o trabalho Na habilidade, o “experimentar” refere-se ao âmbito do expressar-se. Pode ser desenvolvida por exercícios de identificação dos elementos básicos do teatro na habilidade (EF15AR19). Os jogos de
colaborativo, coletivo e autoral em meio de jogos de improvisação a fim de potencializar o processo de criação teatral por meio de improviso podem colocar o aluno em diversas situações da vida cotidiana e/ou de partes de uma
improvisações teatrais e processos narrativos cenas, narrativas, gestos e ações presentes no cotidiano. As improvisações contêm uma história dramatizada, propiciando vivenciar um problema e buscar soluções por meio da criação de
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Teatro Processos de criação criativos em teatro, explorando desde a intencionalidade (os alunos querem improvisar algo), e compartilhada com todos os envolvidos na cenas, narrativas e encenação. Além disso, nos jogos de improviso, o aluno pode vivenciar papéis em
teatralidade dos gestos e das ações do cotidiano cena, tanto em trabalhos autorais, coletivos como nos colaborativos. A observação de expressões polos opostos de uma relação, por exemplo, sendo ora vendedor, ora comprador em uma cena. A
até elementos de diferentes matrizes estéticas e teatrais em outras matrizes culturais amplia o repertório do aluno e possibilita novas criações e posição mediadora e questionadora do professor pode impulsionar o aluno a ampliar sua pesquisa
culturais. improvisações. sem receios de críticas, expondo sempre as ideias e percepções na improvisação. Esta habilidade
dialoga com as habilidades (EF15AR21) e (EF15AR22) e embasa embasa o desenvolvimento de
habilidade nos anos finais do Ensino Fundamental (EF69AR30).

Na elaboração do currículo, é possível desmembrar a habilidade em outras progressivamente mais


complexas, repetidamente, ao longo dos anos. Pode-se retomar, para os alunos dos primeiros anos,
(EF15AR21) Exercitar a imitação e o faz de conta, Exercitar, na dimensão do fazer e refazer, amplia a potencialidade dos exercícios com a imitação e o a vivência da Educação Infantil, onde o faz de conta, estruturado no brincar, possibilita espontânea e
ressignificando objetos e fatos e faz de conta enquanto ferramentas para as ações dramáticas. O exercício com a imitação não se intuitivamente o simbolizar, imaginar e ressignificar objetos e fatos. A possibilidade de ampliação
experimentando-se no lugar do outro, ao restringe apenas à construção externa de uma imagem ou pessoa, mas pretende que o aluno possa está em integrar a essas experiências elementos das outras linguagens da arte como inspiração,
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Teatro Processos de criação compor e encenar acontecimentos cênicos, por preencher o modelo imitado com novos significados. Além disso, a utilização de recursos das outras complementação e como elemento do próprio fazer teatral. O professor assume o papel de cúmplice
meio de músicas, imagens, textos ou outros linguagens da arte amplia e potencializa o exercício na composição e encenação de acontecimentos da brincadeira, de provocador e questionador para estimular a pesquisa e a investigação do aluno no
pontos de partida, de forma intencional e cênicos. A possibilidade de o aluno refletir sobre os exercícios realizados propicia a construção de expressar-se com ludicidade. Esse percurso pode ser complementado com a proposição de
reflexiva. uma narrativa autoral, consolidando os novos significados criados. oportunidades de expressão e reflexão por meio de rodas de conversa para os alunos comentarem o
processo vivenciado. Esta habilidade dialoga com as habilidades (EF15AR20) e (EF15AR22), e embasa
o desenvolvimento de habilidades nos anos finais do Ensino Fundamental (EF69AR27) e (EF69AR29).

Na habilidade, experimentar implica investigar, testar, fazer e refazer formas de se movimentar, Na elaboração do currículo, pode-se propor habilidades relativas à experimentação de jogos que
trejeitos, entonação de voz, bem como gestos que podem caracterizar uma pessoa em um enredo. levem a diferentes formas de expressão, de entonação e timbre de voz, assim como de movimentos
corporais expressivos para caracterizar diferentes personagens, levantando a discussão sobre o
Isto implica experimentar a expressão de variadas emoções. No processo de criação, é importante o
(EF15AR22) Experimentar possibilidades criativas aluno perceber quando o seu personagem é estereotipado, ou seja, quando é apenas uma repetição respeito às diferenças e a diversidade de pessoas e situações. A construção do personagem pode
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Teatro Processos de criação de movimento e de voz na criação de um de um modelo previamente conhecido, o que pode comprometer a sua potência teatral. A começar com jogos de pesquisa, identificando como agem pessoas do convívio (na escola, no bairro,
personagem teatral, discutindo estereótipos. na família) quando estão alegres, tristes, bravas etc. Uma vez que o foco das habilidades está no
possibilidade de o estudante ter voz, apresentando sua experiência e propiciando a construção e
experimentar, é importante evitar avaliações e julgamentos taxativos, como dizer se o aluno tem ou
reflexão sobre o processo de criação do personagem teatral, evita a busca por soluções prontas e não talento e dom para o teatro. Esta habilidade dialoga com as habilidades (EF15AR20) e (EF15AR2)
estereotipadas. e embasa o desenvolvimento de habilidade nos anos finais do Ensino Fundamental (EF69AR30).

Na elaboração do currículo, pode-se prever projetos, em forma de intervenção artística, relacionados


a situações recorrentes na escola ou na comunidade, utilizando recursos das linguagens da arte,
conforme possibilidades da faixa escolar do aluno. As intervenções artísticas em locais públicos,
(EF15AR23) Reconhecer e experimentar, em Na habilidade, o reconhecer e o experimentar supõem investigar, pesquisar e explorar a relação e as ações que acontecem de surpresa, interrompem a rotina da comunidade e podem provocar
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes integradas Processos de criação projetos temáticos, as relações processuais entre possibilidades de criação com as linguagens da arte, reunindo e utilizando elementos e recursos interação com o público participante. Em termos metodológicos, é possível propor rodas de
diversas linguagens artísticas. processuais específicos de cada uma na realização de um projeto.
conversas mediadas pelo professor para o aluno expressar e consolidar sua percepção em relação a
uma obra com intenção de interatividade, consolidando sua aprendizagem. Esta habilidade pode
dialogar com a (EF15AR05), que propõe processos criativos em novos espaços.

Na elaboração do currículo, pode-se indicar brincadeiras, jogos, danças, canções e histórias mais
típicas da região, de diferentes matrizes estéticas e culturais. Com isso, é possível ao aluno ampliar o
seu repertório. O acesso a essas diferentes manifestações lúdicas e artísticas pode se dar por meio
(EF15AR24) Caracterizar e experimentar Esta habilidade pressupõe a identificação das características das diferentes matrizes estéticas e de vídeos ou outras formas de pesquisa. Há, aqui, oportunidade de trabalho interdisciplinar com as
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes integradas Matrizes estéticas e culturais brinquedos, brincadeiras, jogos, danças, canções culturais pelo experimentar as formas de expressão de cada cultura, desde os seus brinquedos e habilidades (EF12EF01), (EF12EF11), da Educação Física; (EF01HI05), da História; (EF01GE02),
e histórias de diferentes matrizes estéticas e brincadeiras. Esta habilidade, nos primeiros anos, se aproxima das atividades dos campos de (EF01GE06), da Geografia, associadas à experimentação e identificação de semelhanças e diferenças
culturais. experiências Traços, sons, cores e formas da Educação Infantil. entre brincadeiras, jogos e danças de diferentes lugares, matrizes estéticas e culturais e tempos
históricos. Há, também, oportunidade de articulação com as habilidades (EF04LP12), (EF04LP13); e
(EF35EF01) da Educação Física, no que se refere à experimentação e compreensão das regras de
jogos e brincadeiras.

Na elaboração do currículo, pode-se propor ao aluno coletar informações sobre brincadeiras, jogos,
danças, canções e histórias, por meio de uma investigação no âmbito familiar, em relação às
tradições de família. Na sequência, pode-se pesquisar e investigar as características estéticas e
(EF15AR25) Conhecer e valorizar o patrimônio culturais presentes na comunidade para aproximar dados e fatos históricos de sua realidade familiar,
Conhecer e valorizar, nesta habilidade, inclui identificar, caracterizar, investigar, experimentar e
cultural, material e imaterial, de culturas refletir sobre as manifestações culturais de sua e de outras comunidades. A habilidade inclui o viabilizando a compreensão e o convívio pelas brincadeiras de infância. É desejável também propor
diversas, em especial a brasileira, incluindo-se habilidade relativa à identificação das matrizes culturais por meio das manifestações populares e
experimentar brincadeiras, jogos, danças, canções, histórias e expressões das diferentes matrizes
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes integradas Patrimônio cultural suas matrizes indígenas, africanas e europeias, estéticas e culturais, principalmente as pertencentes à cultura brasileira. A contextualização desses seus brincantes, de grande e pequeno porte, existentes na região. Esta habilidade embasa o
de diferentes épocas, favorecendo a construção desenvolvimento de habilidade nos anos finais do Ensino Fundamental (EF69AR33). Há, aqui,
recursos facilita a compreensão por parte do aluno e evita a simples reprodução. As manifestações
de vocabulário e repertório relativos às oportunidade de trabalho interdisciplinar com as habilidades (EF03HI04), da História; e (EF03GE02),
diferentes linguagens artísticas. culturais mais amplas geralmente envolvem recursos das quatro linguagens da arte. da Geografia, associadas ao reconhecimento do patrimônio histórico e cultural. Oferece, também,
oportunidade de trabalho interdisciplinar com a habilidade (EF04GE06), da Geografia, no que se
refere à identificação e descrição de territórios étnico-culturais existentes no Brasil, tais como terras
indígenas e comunidades remanescentes de quilombos.

Esta habilidade diz respeito a explorar no sentido de descobrir, conhecer e utilizar os recursos Na elaboração do currículo, é importante considerar que a descoberta do universo tecnológico e dos
(EF15AR26) Explorar diferentes tecnologias e tecnológicos e digitais e sua potencialidade nos processos criativos. Desse modo, espera-se a recursos digitais deve estar presente em todos os anos do Ensino Fundamental. Ela acontece por
recursos digitais (multimeios, animações, jogos aproximação do aluno com a imaterialidade na arte, sensibilizando-o para a utilização das meio de múltiplas experiências, individuais, coletivas e compartilhadas, que permitem explorar a
Arte 1º; 2º; 3º; 4º; 5º Artes integradas Arte e tecnologia eletrônicos, gravações em áudio e vídeo, ferramentas tecnológicas e eletrônicas. A imaterialidade, aqui, é um termo usado para tudo aquilo potencialidade dos meios tecnológicos e digitais para criação e interação em processos criativos com
fotografia, softwares etc.) nos processos de que não é possível tocar fisicamente, que não se desgasta com o tempo, que pode ser reproduzido outras linguagens artísticas. O acesso a linguagens de programação amplia a possibilidade de
criação artística. infinitamente e está salvo em arquivos digitais ou virtuais, como quando se trabalha com fotografia desenvolver processos criativos. Esta habilidade pode dialogar com as (EF15AR04) e (EF15AR23) e
digital — seja com máquina fotográfica ou celular —, audiovisual, vídeo, arte computacional etc. embasa o desenvolvimento de habilidade nos anos finais do Ensino Fundamental (EF69AR34).
Educação Física

COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES

Brincadeiras e jogos da cultura (EF12EF01) Experimentar, fruir e recriar diferentes brincadeiras e jogos da cultura
Educação Física 1º; 2º Brincadeiras e jogos popular presentes no contexto popular presentes no contexto comunitário e regional, reconhecendo e
comunitário e regional respeitando as diferenças individuais de desempenho dos colegas.

(EF12EF02) Explicar, por meio de múltiplas linguagens (corporal, visual, oral e


Brincadeiras e jogos da cultura
popular presentes no contexto escrita), as brincadeiras e os jogos populares do contexto comunitário e regional,
Educação Física 1º; 2º Brincadeiras e jogos reconhecendo e valorizando a importância desses jogos e brincadeiras para suas
comunitário e regional
culturas de origem.

Brincadeiras e jogos da cultura (EF12EF03) Planejar e utilizar estratégias para resolver desafios de brincadeiras e
Educação Física 1º; 2º Brincadeiras e jogos popular presentes no contexto jogos populares do contexto comunitário e regional, com base no reconhecimento
comunitário e regional das características dessas práticas.

(EF12EF04) Colaborar na proposição e na produção de alternativas para a prática,


Brincadeiras e jogos da cultura em outros momentos e espaços, de brincadeiras e jogos e demais práticas
Educação Física 1º; 2º Brincadeiras e jogos popular presentes no contexto
corporais tematizadas na escola, produzindo textos (orais, escritos, audiovisuais)
comunitário e regional
para divulgá-las na escola e na comunidade.

Esportes de marca (EF12EF05) Experimentar e fruir, prezando pelo trabalho coletivo e pelo
Educação Física 1º; 2º Esportes protagonismo, a prática de esportes de marca e de precisão, identificando os
Esportes de precisão
elementos comuns a esses esportes.

Esportes de marca (EF12EF06) Discutir a importância da observação das normas e das regras dos
Educação Física 1º; 2º Esportes esportes de marca e de precisão para assegurar a integridade própria e as dos
Esportes de precisão
demais participantes.

(EF12EF07) Experimentar, fruir e identificar diferentes elementos básicos da


ginástica (equilíbrios, saltos, giros, rotações, acrobacias, com e sem materiais) e da
Educação Física 1º; 2º Ginásticas Ginástica geral
ginástica geral, de forma individual e em pequenos grupos, adotando
procedimentos de segurança.

(EF12EF08) Planejar e utilizar estratégias para a execução de diferentes elementos


Educação Física 1º; 2º Ginásticas Ginástica geral
básicos da ginástica e da ginástica geral.

(EF12EF09) Participar da ginástica geral, identificando as potencialidades e os


Educação Física 1º; 2º Ginásticas Ginástica geral limites do corpo, e respeitando as diferenças individuais e de desempenho
corporal.

(EF12EF10) Descrever, por meio de múltiplas linguagens (corporal, oral, escrita e


Educação Física 1º; 2º Ginásticas Ginástica geral audiovisual), as características dos elementos básicos da ginástica e da ginástica
geral, identificando a presença desses elementos em distintas práticas corporais.

(EF12EF11) Experimentar e fruir diferentes danças do contexto comunitário e


Danças do contexto comunitário
Educação Física 1º; 2º Danças e regional regional (rodas cantadas, brincadeiras rítmicas e expressivas), e recriá-las,
respeitando as diferenças individuais e de desempenho corporal.

(EF12EF12) Identificar os elementos constitutivos (ritmo, espaço, gestos) das


Danças do contexto comunitário
Educação Física 1º; 2º Danças e regional danças do contexto comunitário e regional, valorizando e respeitando as
manifestações de diferentes culturas.
Educação Física
MATERIAL SUPLEMENTAR PARA O REDATOR DE CURRÍCULO - NÃO FAZ PARTE DA BNCC
Na elaboração do currículo, pode-se partir das características locais, estipulando experiências de
COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES COMENTÁRIO brincadeiras
POSSIBILIDADES e jogos queOfazem
PARA parte do contexto comunitário e regional, propondo experiências
CURRÍCULO
positivas aos alunos. Ao participar de uma brincadeira ou jogo que exige movimentos com os quais
Experimentar brincadeiras e jogos da cultura popular presentes no contexto comunitário e regional não se está acostumado, é natural que haja insegurança ou dificuldade, e é nesse momento que as
significa se apropriar de aprendizagens que só podem ser acessadas pela experiência corporal, ou diferenças se evidenciam. É interessante que o currículo local proponha uma organização com a
seja, devem ser efetivamente vivenciadas. O fruir se relaciona às aprendizagens que permitem ao prática de brincadeiras e jogos com exigência de habilidades motoras mais simples para as mais
aluno desfrutar da realização de uma determinada prática corporal ou apreciá-la quando realizada
por outros. Recriar é um processo complexo, que demanda uma série de outras aprendizagens e complexas, e que possibilite aos alunos discutirem sobre as habilidades que podem desenvolver ao
(EF12EF01) Experimentar, fruir e recriar que, nesse grupo etário, pode se desenvolver, por exemplo, solicitando que recriem uma brincadeira praticá-las, trabalhando uma atitude positiva com relação às diferenças e à possibilidade de
Brincadeiras e jogos da cultura diferentes brincadeiras e jogos da cultura que praticam em casa para mostrar aos colegas, adaptando os materiais e espaços disponíveis na aprender e desenvolver-se continuamente. A mesma relação se estabelece com as capacidades
popular presentes no contexto popular presentes no contexto comunitário e escola. As brincadeiras e jogos da cultura popular presentes no contexto comunitário e regional físicas. As diferenças de força muscular, velocidade ou agilidade entre os alunos interferem no
Educação Física 1º; 2º Brincadeiras e jogos regional, reconhecendo e respeitando as desempenho durante as práticas de brincadeiras e jogos. O desenvolvimento da habilidade
comunitário e regional referem-se a práticas que fazem parte do dia a dia dos alunos, aquelas que praticam e aquelas que
diferenças individuais de desempenho dos possibilita a identificação e o estudo das capacidades físicas exigidas nas brincadeiras e jogos, assim
colegas. observam outras pessoas praticando. Desenvolver essa habilidade reconhecendo e respeitando as como a importância desses atributos para o dia a dia. O reconhecimento dessas características
diferenças individuais de desempenho dos colegas possibilita a exploração de dois importantes possibilita o desenvolvimento das habilidades (EF12EF02) e (EF12EF03) para estes anos, e a conexão
aspectos relacionados ao movimento: 1. Habilidades motoras: são todos os movimentos que com as habilidades (EF35EF01) e (EF35EF02). Uma possibilidade de organização da habilidade por
aprendemos, são incorporados e podem ser utilizados em tarefas cada vez mais específicas. 2.
Capacidades físicas: são características que nossos movimentos apresentam e que podem ser anos segundo um critério de complexidade pode ser por meio das habilidades motoras — das mais
aprimorados,
Explicar sobrecomo
as brincadeiras
a força muscular,
e jogos do
o equilíbrio
contextoecomunitário
a velocidade.
e regional por meio de múltiplas simples, como correr, saltar, rolar, chutar, arremessar, para as mais complexas, como correr e quicar
linguagens significa conhecer e saber utilizar os quatro tipos de linguagens propostas na habilidade: a bola, arremessar ou chutar uma bola a um alvo específico. Há, aqui, oportunidade de trabalho
1. Linguagem corporal: forma de comunicação não-verbal que abrange gestos, posturas, expressões interdisciplinar
Os com assobre
relatos dos alunos habilidades (EF01HI05),
as brincadeiras de História;
e jogos e (EF01GE02),
que praticam de Geografia,
e observam voltadasno
outros praticando à
faciais, movimentos do corpo, entre outros; 2. Linguagem visual: qualquer tipo de comunicação que identificação
seu de semelhanças
dia a dia podem e diferenças
servir de ponto de jogos
de partida paraeobrincadeiras de diferentes
desenvolvimento temposA epartir
da habilidade. lugares.
(EF12EF02) Explicar, por meio de múltiplas se dá por meio de imagens e símbolos, como fotos e vídeos; 3. Linguagem oral: utilizando a fala e em desses relatos, pode-se pesquisar as origens dessas práticas, como esses jogos chegaram até eles e a
Brincadeiras e jogos da cultura linguagens (corporal, visual, oral e escrita), as presença de interlocutor;4. Linguagem escrita: na qual o contato com o interlocutor é indireto. As sua importância para a preservação da cultura, como brincadeiras que imitam ações dos adultos, por
popular presentes no contexto brincadeiras e os jogos populares do contexto brincadeiras e jogos da cultura popular presentes no contexto comunitário e regional referem-se a exemplo, brincar de cozinhar ou brincar de dirigir carrinhos. Além disso, pode-se identificar quais
Educação Física 1º; 2º Brincadeiras e jogos comunitário e regional, reconhecendo e práticas que fazem parte do dia a dia dos alunos, aquelas que praticam e aquelas que observam agentes da comunidade (em associações, idosos, pessoas do convívio do aluno, universidades) são
comunitário e regional
valorizando a importância desses jogos e outras pessoas praticando. Ao identificar as origens dos jogos e brincadeiras do contexto fontes para o resgate dos jogos e brincadeiras locais e regionais. Uma possibilidade de organização
brincadeiras para suas culturas de origem. comunitário e regional, os alunos devem reconhecer que essas práticas foram transmitidas de da habilidade por anos segundo um critério de complexidade pode propor que os alunos expliquem
geração em geração e sofreram transformações e adaptações de acordo com as características do inicialmente brincadeiras e jogos que praticam e, a seguir, brincadeiras e jogos que pessoas do seu
ambiente físico e social no qual foram praticadas até chegar a eles. Essa percepção gera um sentido convívio praticam e praticavam, ampliando para brincadeiras e jogos da sua comunidade local.
de continuidade, preservação e valorização das culturas nas quais essas brincadeiras e jogos se Na elaboração do currículo, é possível contextualizar e aprofundar esta habilidade propondo a
originaram. análise das características das brincadeiras e jogos do contexto comunitário e regional, como
Planejar e utilizar estratégias refere-se ao conhecimento originado pela observação e análise das número de participantes, materiais, regras, espaços, exigências físicas ou habilidades motoras
próprias experiências corporais e daquelas realizadas por outros. Trata-se de um ato intencional, necessárias para a sua prática. A análise das características das brincadeiras e jogos possibilita que
orientado a formular e empregar estratégias de observação e análise para: (a) resolver desafios identifiquem os desafios impostos pelas práticas e planejem soluções para a realização de todos —
peculiares à prática realizada; (b) apreender novas modalidades; (c) adequar as práticas aos
(EF12EF03) Planejar e utilizar estratégias para interesses e às possibilidades próprios e aos das pessoas com quem se compartilha a sua realização. por exemplo, um movimento muito complexo exigido pela atividade, como em uma brincadeira ou
Brincadeiras e jogos da cultura resolver desafios de brincadeiras e jogos Para isso, os alunos necessitam se apropriar de aprendizagens propostas nas habilidades (EF12EF01) jogo no qual deve-se atingir um alvo específico e os alunos não têm essa habilidade desenvolvida;
popular presentes no contexto populares do contexto comunitário e regional, e (EF12EF02), que possibilitam a eles ter condições de realizar de forma autônoma uma determinada nesse caso, pode-se aproximar o alvo ou aumentar o seu tamanho. Outro exemplo é a modificação
Educação Física 1º; 2º Brincadeiras e jogos ou adaptação de regras às características dos alunos, tornando-as mais flexíveis, ou às características
comunitário e regional com base no reconhecimento das características prática corporal. As brincadeiras e jogos da cultura popular presentes no contexto comunitário e
dessas práticas. regional referem-se a práticas que fazem parte do dia a dia dos alunos, aquelas que praticam e do espaço, como em um jogo de futebol realizado em locais pequenos, onde se elimina as laterais do
campo. Em muitos casos, os alunos já realizam essas adaptações nos locais onde moram. Pode-se
aquelas que observam outras pessoas praticando. O reconhecimento das características dessas solicitar que compartilhem essas experiências com os colegas para auxiliar na solução dos desafios
práticas significa identificar quais as habilidades motoras e capacidades físicas necessárias, quais as identificados por eles. A possibilidade de organização da habilidade pelos anos pode ser
regras, os materiais, os espaços necessários ou número de participantes, a fim de que tenham estabelecida por um critério de complexidade da brincadeira ou jogo, por exemplo, utilizando regras
informações para planejar as modificações e adaptações às práticas para que todos participem.
mais flexíveis para
Na elaboração regras menos
do currículo, flexíveis, ou
é interessante de brincadeiras
desenvolver e jogos que
aprendizagens exijam
sobre menosentre
a relação habilidades
o ser
motoras
humano epara outros que
o ambiente requerem
físico, habilidades
que estabelece motorascom
interações maisa complexas.
disciplina de Geografia. A todo
Colaborar na proposição e na produção de alternativas para a prática refere-se às aprendizagens que momento, realizamos movimentos em diferentes ambientes físicos, aos quais podemos nos adaptar
possibilitam ao aluno ter condições de realizar de forma autônoma uma determinada prática e transformar de acordo com nossa necessidade. À medida que os alunos propõem alternativas para
(EF12EF04) Colaborar na proposição e na corporal não só durante as aulas, como também para além delas. Em outros momentos e espaços práticas em outros ambientes, devem pensar em adaptações e transformações possíveis,
produção de alternativas para a prática, em significa que os alunos observem, fora das aulas de educação física, espaços que frequentam, como
Brincadeiras e jogos da cultura outros momentos e espaços, de brincadeiras e pátios, praças, praias, terrenos vazios, entre outros, e, a partir das suas características, como respeitando a si e ao ambiente no qual se encontram. Outra possível interação com outras
popular presentes no contexto jogos e demais práticas corporais tematizadas na dimensões ou equipamentos disponíveis, proponham maneiras de se praticar as brincadeiras e jogos disciplinas refere-se às produções de textos (orais, escritos e audiovisuais), que relacionam a
Educação Física 1º; 2º Brincadeiras e jogos habilidade à Língua Portuguesa, nos eixos produção de textos e oralidade, e ao uso de tecnologias.
comunitário e regional escola, produzindo textos (orais, escritos, que aprenderam na escola. A habilidade amplia a proposta de produção e divulgação para outras
audiovisuais) para divulgá-las na escola e na práticas corporais, como danças, esportes e ginásticas. Para divulgar as produções de alternativas Uma possibilidade de aumento no critério de complexidade entre os anos para a habilidade pode
comunidade. para as práticas, os alunos devem produzir textos orais, textos escritos ou textos audiovisuais propor inicialmente que se experimente e discuta sobre brincadeiras e jogos praticados em
pequenos espaços e grandes espaços, partindo para a adaptação dos locais disponíveis na escola
(combinando som e imagem), possibilitando a interação com outras disciplinas, como Língua paraelaboração
Na a sua prática,
do currículo,
até a observação
é possívele proposição
propor o estudo
de alternativas
das características
para a prática
dos movimentos
em outros espaços
Portuguesa e Artes. que frequentam
necessários para fora
execução
das aulas
dos de
elementos
Educação comuns
Física, aos
apropriando-se
esportes de do
marca
espaço
e precisão,
social e como
coletivo
as que
Experimentar os esportes significa se apropriar de aprendizagens que só podem ser acessadas pela dialoga commotoras
habilidades o entornodedacorrer,
escola.
saltar, lançar e arremessar, e as capacidades físicas requisitadas
experiência corporal, ou seja, devem ser efetivamente vivenciadas. O fruir se relaciona às durante as práticas, como a força muscular, a potência muscular e a velocidade. A partir da
aprendizagens que permitem ao aluno desfrutar da realização de uma determinada prática corporal identificação dos aspectos das modalidades, pode-se investigar quais esportes os alunos conhecem
ou apreciá-la quando realizada por outros. O trabalho coletivo e o protagonismo são ações com essas características, quais podem ser classificados como esportes de marca e precisão, quais
importantes presentes nos esportes. O protagonismo prevalece nas modalidades individuais, como são individuais, quais são coletivos e que adaptações podem ser feitas para que consigam praticar
(EF12EF05) Experimentar e fruir, prezando pelo no salto em distância e no tiro ao alvo, mas é importante também nos esportes coletivos, visto que o esses esportes na escola. A prática de uma modalidade, que pode ser, ao mesmo tempo, individual e
trabalho coletivo e pelo protagonismo, a prática aluno deve se empenhar em realizar a sua função para o bem coletivo. O trabalho coletivo ocorre coletiva, pode levar a reflexões acerca do trabalho coletivo e do protagonismo, como, por exemplo,
Educação Física 1º; 2º Esportes Esportes de marca de esportes de marca e de precisão, quando um grupo de pessoas se dedica a realizar uma tarefa, como nos esportes coletivos, e ao propor corridas individuais (corrida em linha reta, corrida com obstáculos, corrida carregando
Esportes de precisão identificando os elementos comuns a esses possibilita troca de experiências, ajuda mútua, aprendizagem de novas habilidades motoras e objetos) e, a seguir, o mesmo tipo de corrida em revezamento e, ao final, discutir sobre as diferenças
esportes. compartilhamento de decisões. Os alunos devem identificar os elementos comuns aos esportes de entre os dois tipos e sobre o que sentiram os alunos ao participar de ambas. Ainda, esta habilidade
marca, que se caracterizam por comparar os resultados registrados em segundos, metros ou quilos; pode ser contextualizada comparando os movimentos com situações do dia a dia dos alunos, como a
e esportes de precisão, que se caracterizam pelo ato de arremessar ou lançar um objeto, procurando necessidade da força muscular ao carregar uma sacola, subir escadas ou subir em uma árvore. O
acertar ou aproximá-lo de um alvo específico. A experimentação dos esportes de marca e precisão e aumento do critério de complexidade durante os anos pode ser estabelecido partindo de
a identificação de suas características serão utilizados em anos posteriores e conectam essa aprendizagens das modalidades dos esportes de marca e precisão que exigem movimentos mais
habilidade às habilidades (EF67EF03), (EF67EF04) e (EF67EF05). simples,
Na elaboração
como adocorrida
currículo,
e o lançamento
a discussão sobre
em umasalvo
normas
estático,
e regras
parados
modalidades
esportes podecom ser
movimentos
ampliada
mais uma
para complexos,
reflexãocomo
sobreasasprovas
condutas
de arremesso
dos alunoscomem giro,
todosrevezamento
os momentos, e com
tantoalvos
na escola
que exijam
comomais
nos
habilidadesque
ambientes motoras
frequentam
para a precisão.
no seu dia a dia. Vivemos em uma sociedade onde as regras foram
Discutir é um processo complexo, que demanda uma série de outras aprendizagens, como analisar a estabelecidas com finalidades semelhantes às encontradas nos esportes, que são a segurança e a
situação, defender pontos de vista, levantar questões e, que nesse grupo etário, pode representar o equidade. O exercício da discussão e reflexão possibilita inter-relações com o componente Língua
(EF12EF06) Discutir a importância da observação escutar as falas do professor e colegas, formular perguntas sobre o tema, solicitar esclarecimentos Portuguesa no desenvolvimento do intercâmbio oral no contexto escolar, no qual os alunos podem:
Esportes de marca das normas e das regras dos esportes de marca e quando necessário e procurar expressar-se com clareza para ser bem compreendido. Esportes de 1. Expressar-se com autoconfiança, apresentando informações e esclarecendo dúvidas; 2. Escutar
Educação Física 1º; 2º Esportes
Esportes de precisão de precisão para assegurar a integridade própria marca se caracterizam por comparar os resultados registrados em segundos, metros ou quilos; e com atenção as instruções orais, acordos e combinados que organizem a convivência em sala de
e as dos demais participantes. esportes de precisão, pelo ato de arremessar ou lançar um objeto, procurando acertar ou aproximá- aula; 3. Escutar com atenção os colegas e reconhecer a sua vez de falar. O aumento de complexidade
lo de um alvo específico. Observar as normas e regras nesses esportes significa, entre outras coisas, durante os anos pode ser estabelecido inicialmente levando-se em conta as características e a
perceber que são estabelecidas para garantir a segurança e equidade entre os participantes. importância das regras no esporte e nas aulas de Educação Física para, no segundo ano, propor a
sugestão de que os alunos adaptem as regras das modalidades esportivas às características do
grupo.
Na elaboração
Há, aqui,dooportunidade
currículo, é interessante
de trabalho interdisciplinar
considerar que em
existem
conjunto
elementos
com asbásicos
habilidades
da ginástica
(EF01LP21),
que fazem parte
da Língua
do universo
Portuguesa
dos alunos. Correr, saltar, manipular objetos, rolar, equilibrar-se são
habilidades motoras presentes tanto nas ginásticas como em outras práticas das quais participam,
como nos jogos e brincadeiras. Na ginástica, esses movimentos são realizados com uma técnica mais
Experimentar os elementos básicos da ginástica significa se apropriar de aprendizagens que só
podem ser acessadas pela experiência corporal, ou seja, devem ser efetivamente vivenciadas. O fruir elaborada, que pode causar insegurança e desconforto em alunos menos habilidosos ou que não
(EF12EF07) Experimentar, fruir e identificar se relaciona às aprendizagens que permitem ao aluno desfrutar da realização de uma determinada estejam acostumados aos movimentos. Portanto, a aquisição da técnica deve ser desenvolvida
diferentes elementos básicos da ginástica prática corporal ou apreciá-la quando realizada por outros. Identificar os diferentes elementos gradativamente, levando em conta as características individuais. A aprendizagem de procedimentos
(equilíbrios, saltos, giros, rotações, acrobacias, básicos da ginástica refere-se à aprendizagem sobre as habilidades motoras, que são todos os de segurança pode ser desenvolvida a partir da própria experimentação dos alunos. À medida que se
Educação Física 1º; 2º Ginásticas Ginástica geral com e sem materiais) e da ginástica geral, de movimentos que aprendemos e que são incorporados ao nosso acervo motor e podem ser utilizados deparam com alguma dificuldade durante a prática, compartilham com os colegas e o professor, que
analisam e propõem soluções para que as dificuldades sejam superadas na realização da atividade.
forma individual e em pequenos grupos, em tarefas cada vez mais específicas. Ao identificar os elementos básicos requeridos na ginástica e Uma possibilidade de organização da habilidade por anos consiste em considerar como critério a
adotando procedimentos de segurança. na ginástica geral, os alunos devem observar quais procedimentos adotar para conseguir realizá-los complexidade de solicitação das habilidades motoras, iniciando com as mais simples, de acordo com
de forma segura, como, por exemplo, realizar uma cambalhota com a ajuda do amigo ou
providenciar um material, como um colchão, para amenizar a queda durante um salto. as características dos alunos, para as mais complexas. Há, aqui, oportunidade de trabalho
interdisciplinar com as habilidades (EF15AR08), (EF15AR10), (EF15AR11), de Arte; (EF01MA11),
(EF02MA12), da Matemática; (EF02GE10), da Geografia; e (EF12EF11), da própria Educação Física,
voltadas à experimentação, descrição e representação de movimentos de pessoas e objetos no
Planejar e utilizar estratégias refere-se ao conhecimento originado pela observação e análise das espaço.
próprias vivências corporais e daquelas realizadas por outros. Trata-se de um ato intencional,
orientado a formular e empregar estratégias de observação e análise para: (a) resolver desafios Na elaboração do currículo, pode-se propor a análise dos movimentos realizados para se identificar
peculiares à prática realizada;(b) apreender novas modalidades; (c) adequar as práticas aos os elementos das ginásticas. Correr, saltar, manipular objetos, rolar, equilibrar-se são habilidades
(EF12EF08) Planejar e utilizar estratégias para a interesses e às possibilidades próprios e aos das pessoas com quem compartilha a sua realização. A motoras presentes nas ginásticas e é importante que os currículos proponham a sua experimentação
Educação Física 1º; 2º Ginásticas Ginástica geral execução de diferentes elementos básicos da ginástica geral tem como características a não competição, a diversidade musical, a utilização de de modo que os alunos se apropriem desses movimentos de acordo com as suas características
ginástica e da ginástica geral. elementos da cultura e o prazer pela prática. É uma modalidade utilizada, por exemplo, nas individuais. Uma possibilidade de organização da habilidade por anos consiste em considerar como
aberturas de jogos olímpicos e mundiais de futebol. A execução dos diferentes elementos básicos da critério a complexidade de solicitação das habilidades motoras, iniciando com as mais simples, de
ginástica e da ginástica geral pressupõem a aprendizagem sobre as habilidades motoras, que são acordo com as características dos alunos, para as mais complexas.
todos os movimentos que aprendemos e que são incorporados ao nosso acervo motor e podem ser
utilizados em tarefas cada vez mais específicas.

Participar da ginástica geral significa se apropriar de aprendizagens que só podem ser acessadas pela
experiência corporal, ou seja, devem ser efetivamente vivenciadas. A ginástica geral tem como Na elaboração do currículo, é importante que se proponham práticas nas quais os alunos
características a não competição, a diversidade musical, a utilização de elementos da cultura e o identifiquem a ação das regiões corporais e as suas possibilidades de movimentos, como
prazer pela prática. É uma modalidade utilizada, por exemplo, nas aberturas de jogos olímpicos e movimentar-se utilizando as mãos, os pés, os braços, o tronco, a cabeça e o pescoço durante a
(EF12EF09) Participar da ginástica geral, mundiais de futebol. As potencialidades e os limites do corpo relacionado aos movimentos permitem prática das ginásticas, de outras práticas corporais, assim como outros movimentos que os alunos
identificando as potencialidades e os limites do que os alunos reconheçam que nosso corpo é estruturado para realizar esses movimentos: temos realizam no seu dia a dia. Na identificação das potencialidades e limites do corpo, a habilidade
Educação Física 1º; 2º Ginásticas Ginástica geral corpo, e respeitando as diferenças individuais e ossos, músculos, articulações, coração, pulmões, cérebro e sistema nervoso que atuam em conjunto, possibilita também que se estabeleça relações com Ciências. Uma possibilidade de organização da
de desempenho corporal. possibilitando uma grande quantidade de movimentos. Desenvolver essa habilidade reconhecendo e habilidade por anos consiste em considerar como critério a complexidade de solicitação dos
respeitando as diferenças individuais de desempenho dos colegas possibilita a exploração de dois movimentos e a solicitação de mais capacidades físicas durante a sua realização. Por exemplo, a
importantes aspectos relacionados ao movimento: 1. Habilidades motoras: são todos os movimentos solicitação da capacidade física de equilíbrio em um movimento estático sobre a trave, banco ou
que aprendemos, são incorporados e podem ser utilizados em tarefas cada vez mais específicas; 2. linhas da quadra e o movimento de equilíbrio presente ao manipular objetos em movimento, como
Capacidades físicas: são características que nossos movimentos apresentam e que podem ser uma corda ou bolas, ou, ainda, durante um salto e queda após uma corrida.
aprimorados, como a força muscular, o equilíbrio e a velocidade.

Descrever as características dos elementos básicos da ginástica e da ginástica geral pressupõe que Na elaboração do currículo, é possível explorar linguagens que mais se aproximam do contexto dos
os alunos devem se apropriar e saber utilizar os quatro tipos de linguagens propostas na habilidade: alunos para explicar sobre as ginásticas e ginástica geral, fazendo uso de interações com o eixo
1. Linguagem corporal: forma de comunicação não-verbal que abrange gestos, posturas, expressões "escrita" de Língua Portuguesa, na unidade temática Estratégias de produção do texto, onde se
(EF12EF10) Descrever, por meio de múltiplas
faciais, movimentos do corpo, entre outros; 2. Linguagem oral: utilizando a fala e em presença de
linguagens (corporal, oral, escrita e audiovisual), discute a finalidade da escrita, para quem escrever , onde o texto vai circular, qual o suporte do texto
as características dos elementos básicos da interlocutor; 3. Linguagem escrita: na qual o contato com o interlocutor é indireto; 4. Linguagem e a linguagem utilizada. O currículo local pode também estabelecer relações entre as habilidades
Educação Física 1º; 2º Ginásticas Ginástica geral audiovisual: que utiliza as linguagens verbal, sonora e visual para transmitir uma mensagem. Os
ginástica e da ginástica geral, identificando a motoras e as capacidades físicas presentes nos elementos básicos da ginástica e da ginástica geral, e
elementos básicos das ginásticas apresentam determinadas capacidades físicas, que são
presença desses elementos em distintas práticas as práticas corporais que fazem parte da cultura local, como nas danças regionais, jogos e
características que nossos movimentos apresentam e que podem ser aprimoradas, como a força brincadeiras, esportes ou situações do dia a dia dos alunos. Um critério para organização da
corporais. muscular, a agilidade, o equilíbrio e a velocidade. Os alunos devem identificar os elementos básicos habilidade por anos pode considerar utilizar linguagens mais usuais para as menos usuais ou a
das ginásticas (equilíbrios, saltos, giros, rotações, acrobacias, com e sem materiais) em outras utilização de várias linguagens em sincretismo, ou seja, ao mesmo tempo, para descrever as
práticas corporais, como nos jogos e brincadeiras, esportes e danças. características dos elementos básicos da ginástica e da ginástica geral.
Experimentar diferentes danças do contexto comunitário e regional significa se apropriar de
aprendizagens que só podem ser acessadas pela experiência corporal, ou seja, devem ser
efetivamente vivenciadas. O fruir se relaciona às aprendizagens que permitem ao aluno desfrutar da Na elaboração do currículo, pode-se partir de vivências de danças que fazem parte do contexto
realização de uma determinada prática corporal ou apreciá-la quando realizada por outros. Danças comunitário e regional, propondo experiências positivas aos alunos. Ao participar de uma dança que
do contexto comunitário e regional são aquelas que os alunos reconhecem, praticam e observam exige movimentos com os quais não se está acostumado ou que proponha interação com os outros,
outros praticando no ambiente social que frequentam. Recriar danças é um processo complexo, que alguns alunos sentem-se inseguros e é nesse momento que as diferenças se evidenciam. É
(EF12EF11) Experimentar e fruir diferentes interessante que o currículo local proponha uma aprendizagem sobre as danças do contexto
danças do contexto comunitário e regional demanda uma série de outras aprendizagens. Nesse grupo etário, espera-se, por exemplo, que o
Danças do contexto comunitário (rodas cantadas, brincadeiras rítmicas e aluno utilize diferentes gestos para marcar o ritmo, como palmas, sapateados, percussão corporal ou comunitário e regional partindo de habilidades motoras mais simples para as mais complexas,
Educação Física 1º; 2º Danças e regional expressivas), e recriá-las, respeitando as em latas, baldes ou bastões contra o chão, utilizando seu repertório corporal para o improviso e a estimulando os alunos a interagir com os colegas, e que possibilite a eles relatar o que sentiram
diferenças individuais e de desempenho criação. O reconhecimento e respeito às diferenças de desempenho evidenciadas nas durante as práticas. A mesma relação se estabelece com as capacidades físicas. As diferenças de
corporal. experimentações possibilita a aprendizagem de importantes aspectos relacionados ao movimento: 1. agilidade, coordenação, ritmo ou equilíbrio entre os alunos interferem no desempenho durante as
Habilidades motoras: são todos os movimentos que aprendemos, são incorporados e podem ser práticas de danças. O currículo local pode propor a identificação e o estudo das capacidades físicas
utilizados em tarefas cada vez mais específicas, que, nas danças, estão presentes em um de seus exigidas
Na elaboração
nas danças,
do currículo,
assim como
sugere-se
a importância
que os alunos
dessesidentifiquem
atributos para
a presença
o dia a dia.
dasUma
capacidades
possibilidade
físicas
elementos constitutivos: os gestos; 2. Capacidades físicas: são características que nossos de organização
durante as práticas
da habilidade
das danças.
porAlém
anosdopode
ritmo,
seguir
queumé um
critério
elemento
de complexidade
constituinte das
das danças,
habilidades
outras
movimentos
Identificar significa
apresentam
que osealunos
que podem
devemser constatar,
aprimoradas,
por meio
comodao vivência
equilíbrio,
e observação,
a flexibilidade
quais
e a são os capacidades,
motoras, das como
mais simples
a coordenação
para as mais
motora,
complexas.
o equilíbrio, a agilidade a flexibilidade, entre outras,
elementos
coordenação constitutivos
motora. Sãodas danças:
muito 1. Ritmo:para
importantes é uma qualidade
a aptidão presente
física e para nas danças,
a saúde, em outras as
e evidenciam estão presentes nessa prática. Outro ponto que pode ser explorado pelo currículo é o de que os
diferenças
práticas corporais,
de desempenho
como pular
corporal
corda,durante
e em diferentes
as práticas.
situações do dia a dia. Na dança, o ritmo é um alunos experimentem e identifiquem quais são as habilidades motoras necessárias para a prática das
movimento que ocorre com uma recorrência regular; 2. Espaço: todo movimento que realizamos danças. Nessa fase, é recomendável situar o foco na ampliação de aprendizagens de movimentos, e
ocorre em um ambiente físico ou espaço em uma relação de interação, adaptação e transformação. não na execução da técnica da dança em si. É importante propor situações de aprendizagens nas
(EF12EF12) Identificar os elementos Ao dançar, os alunos movimentam-se pelos espaços, interagindo com os ambientes e com os quais os alunos utilizem os movimentos da dança para conhecer-se, relacionar-se com os outros e
constitutivos (ritmo, espaço, gestos) das danças colegas, conhecendo a si próprios e reconhecendo o outro; 3. Gestos: o estudo dos gestos nas explorar os espaços. O relato dos alunos sobre as danças que praticam e observam outros praticando
Danças do contexto comunitário danças possibilita a análise tanto de elementos técnicos, ao se identificar o movimento do corpo ou no seu dia a dia podem servir de ponto de partida para que eles pesquisem sobre as origens dessas
Educação Física 1º; 2º Danças e regional do contexto comunitário e regional, valorizando parte dele, como um giro ou um sobrepasso, como o movimento aliado a um significado, que práticas, como essas danças chegaram até eles e a sua importância para a preservação da cultura,
e respeitando as manifestações de diferentes constitui a expressão daquilo que é observado nos movimentos de quem dança. A aprendizagem como as danças típicas das festas regionais ou danças folclóricas da sua região. Além disso, pode-se
culturas. sobre as diferentes manifestações das danças do contexto comunitário e regional, como as danças identificar quais agentes da comunidade (em associações, idosos, pessoas do convívio do aluno,
de roda, danças de rua, danças clássicas, danças folclóricas, danças de salão, entre outras, possibilita universidades) são fontes para o resgate das danças do contexto comunitário e regional. Uma
que os alunos reconheçam que essas práticas foram transmitidas de geração em geração e sofreram possibilidade de organização da habilidade por anos segundo um critério de complexidade pode
transformações e adaptações de acordo com as características do ambiente físico e social até chegar propor que os alunos expliquem inicialmente danças que praticam e, a seguir, danças que pessoas
a eles. Essa percepção gera um sentido de continuidade, respeito e valorização às manifestações de do seu convívio praticam e praticavam, ampliando danças típicas da sua comunidade local. Há, aqui,
diferentes culturas. oportunidade de trabalho interdisciplinar com as habilidades (EF01LP04), da Língua Portuguesa; e
(EF12AR14), da Arte, voltadas à percepção e registro dos elementos constitutivos do som e da
música.
Matemática

COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES

Leitura, escrita, comparação e


ordenação de números de até
Matemática 2º Números três ordens pela compreensão (EF02MA01) Comparar e ordenar números naturais (até a ordem de centenas)
pela compreensão de características do sistema de numeração decimal (valor
de características do sistema de
posicional e função do zero).
numeração decimal (valor
posicional e papel do zero)

Leitura, escrita, comparação e


ordenação de números de até
(EF02MA02) Fazer estimativas por meio de estratégias diversas a respeito da
Matemática 2º Números três ordens pela compreensão quantidade de objetos de coleções e registrar o resultado da contagem desses
de características do sistema de
numeração decimal (valor objetos (até 1000 unidades).
posicional e papel do zero)

Leitura, escrita, comparação e


ordenação de números de até (EF02MA03) Comparar quantidades de objetos de dois conjuntos, por estimativa
três ordens pela compreensão e/ou por correspondência (um a um, dois a dois, entre outros), para indicar “tem
Matemática 2º Números de características do sistema de mais”, “tem menos” ou “tem a mesma quantidade”, indicando, quando for o caso,
numeração decimal (valor quantos a mais e quantos a menos.
posicional e papel do zero)

Matemática 2º Números Composição e decomposição de (EF02MA04) Compor e decompor números naturais de até três ordens, com
números naturais (até 1000) suporte de material manipulável, por meio de diferentes adições.

Construção de fatos
Matemática 2º Números fundamentais da adição e da (EF02MA05) Construir fatos básicos da adição e subtração e utilizá-los no cálculo
subtração mental ou escrito.

Problemas envolvendo
diferentes significados da adição (EF02MA06) Resolver e elaborar problemas de adição e de subtração, envolvendo
Matemática 2º Números e da subtração (juntar, números de até três ordens, com os significados de juntar, acrescentar, separar,
retirar, utilizando estratégias pessoais ou convencionais.
acrescentar, separar, retirar)

Problemas envolvendo adição (EF02MA07) Resolver e elaborar problemas de multiplicação (por 2, 3, 4 e 5) com
Matemática 2º Números de parcelas iguais a ideia de adição de parcelas iguais por meio de estratégias e formas de registro
(multiplicação) pessoais, utilizando ou não suporte de imagens e/ou material manipulável.

Problemas envolvendo (EF02MA08) Resolver e elaborar problemas envolvendo dobro, metade, triplo e
Matemática 2º Números significados de dobro, metade, terça parte, com o suporte de imagens ou material manipulável, utilizando
triplo e terça parte estratégias pessoais.

Construção de sequências (EF02MA09) Construir sequências de números naturais em ordem crescente ou


Matemática 2º Álgebra repetitivas e de sequências decrescente a partir de um número qualquer, utilizando uma regularidade
recursivas estabelecida.

Identificação de regularidade de
Matemática 2º Álgebra sequências e determinação de (EF02MA10) Descrever um padrão (ou regularidade) de sequências repetitivas e
elementos ausentes na de sequências recursivas, por meio de palavras, símbolos ou desenhos.
sequência

Identificação de regularidade de
Matemática 2º Álgebra sequências e determinação de (EF02MA11) Descrever os elementos ausentes em sequências repetitivas e em
elementos ausentes na sequências recursivas de números naturais, objetos ou figuras.
sequência

Localização e movimentação de
pessoas e objetos no espaço, (EF02MA12) Identificar e registrar, em linguagem verbal ou não verbal, a
Matemática 2º Geometria segundo pontos de referência, e localização e os deslocamentos de pessoas e de objetos no espaço, considerando
indicação de mudanças de mais de um ponto de referência, e indicar as mudanças de direção e de sentido.
direção e sentido

Esboço de roteiros e de plantas (EF02MA13) Esboçar roteiros a ser seguidos ou plantas de ambientes familiares,
Matemática 2º Geometria
simples assinalando entradas, saídas e alguns pontos de referência.

Figuras geométricas espaciais


(cubo, bloco retangular, (EF02MA14) Reconhecer, nomear e comparar figuras geométricas espaciais (cubo,
Matemática 2º Geometria pirâmide, cone, cilindro e bloco retangular, pirâmide, cone, cilindro e esfera), relacionando-as com objetos
esfera): reconhecimento e do mundo físico.
características

Figuras geométricas planas


(círculo, quadrado, retângulo e (EF02MA15) Reconhecer, comparar e nomear figuras planas (círculo, quadrado,
Matemática 2º Geometria triângulo): reconhecimento e retângulo e triângulo), por meio de características comuns, em desenhos
características apresentados em diferentes disposições ou em sólidos geométricos.

Medida de comprimento:
unidades não padronizadas e (EF02MA16) Estimar, medir e comparar comprimentos de lados de salas (incluindo
Matemática 2º Grandezas e medidas contorno) e de polígonos, utilizando unidades de medida não padronizadas e
padronizadas (metro, padronizadas (metro, centímetro e milímetro) e instrumentos adequados.
centímetro e milímetro)

Medida de capacidade e de
massa: unidades de medida não (EF02MA17) Estimar, medir e comparar capacidade e massa, utilizando estratégias
Matemática 2º Grandezas e medidas convencionais e convencionais pessoais e unidades de medida não padronizadas ou padronizadas (litro, mililitro,
(litro, mililitro, cm3, grama e grama e quilograma).
quilograma)

Medidas de tempo: intervalo de


tempo, uso do calendário, (EF02MA18) Indicar a duração de intervalos de tempo entre duas datas, como dias
Matemática 2º Grandezas e medidas da semana e meses do ano, utilizando calendário, para planejamentos e
leitura de horas em relógios
digitais e ordenação de datas organização de agenda.

Medidas de tempo: intervalo de


Matemática 2º Grandezas e medidas tempo, uso do calendário, (EF02MA19) Medir a duração de um intervalo de tempo por meio de relógio
leitura de horas em relógios digital e registrar o horário do início e do fim do intervalo.
digitais e ordenação de datas

Sistema monetário brasileiro:


Matemática 2º Grandezas e medidas reconhecimento de cédulas e (EF02MA20) Estabelecer a equivalência de valores entre moedas e cédulas do
moedas e equivalência de sistema monetário brasileiro para resolver situações cotidianas.
valores

Probabilidade e Análise da ideia de aleatório em (EF02MA21) Classificar resultados de eventos cotidianos aleatórios como “pouco
Matemática 2º
estatística situações do cotidiano prováveis”, “muito prováveis”, “improváveis” e “impossíveis”.

Coleta, classificação e
Probabilidade e representação de dados em (EF02MA22) Comparar informações de pesquisas apresentadas por meio de
Matemática 2º tabelas de dupla entrada e em gráficos de colunas simples ou barras, para melhor
estatística tabelas simples e de dupla compreender aspectos da realidade próxima.
entrada e em gráficos de colunas

Coleta, classificação e (EF02MA23) Realizar pesquisa em universo de até 30 elementos, escolhendo até
Matemática 2º Probabilidade e representação de dados em três variáveis categóricas de seu interesse, organizando os dados coletados em
estatística tabelas simples e de dupla
entrada e em gráficos de colunas listas, tabelas e gráficos de colunas simples.
Matemática
MATERIAL SUPLEMENTAR PARA O REDATOR DE CURRÍCULO - NÃO FAZ PARTE DA BNCC
COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES COMENTÁRIO POSSIBILIDADES PARA O CURRÍCULO

Na elaboração do currículo, deve ficar claro que, neste ano, uma das principais aprendizagens a
serem realizadas diz respeito ao sistema de numeração decimal e suas regras. É esperado que os
Leitura, escrita, comparação e alunos sejam capazes de agrupar unidades em dezenas e centenas e realizar comparação de
ordenação de números de até (EF02MA01) Comparar e ordenar números quantidades. Para que isso ocorra, é possível indicar que as contagens de objetos, as situações para a
Matemática 2º Números três ordens pela compreensão naturais (até a ordem de centenas) pela Comparar e ordenar números considerando até a ordem das centenas exige conhecer a sequência
compreensão de características do sistema de numérica escrita e falada, bem como estratégias diversas de comparar quantidades. Sugere-se que estimativa, os jogos, a utilização de material estruturado, a resolução de problemas envolvendo ou
de características do sistema de não o sistema monetário e a exploração de estratégias pessoais de cálculo são formas de auxiliar na
numeração decimal (valor posicional e função do seja incluída a representação dos números em reta numérica.
numeração decimal (valor zero). compreensão dos princípios do sistema decimal. Entretanto, também é importante indicar que,
posicional e papel do zero) antes mesmo de a escola ensinar, os alunos têm hipóteses a respeito de como se registra e compara
quantidades maiores do que 100. É adequado que sejam consideradas essas pesquisas, uma vez que
as habilidades descritas na BNCC estão na forma final da aprendizagem, são o ponto de chegada..

Na elaboração do currículo, recomenda-se explicitar que a estimativa ocorre conjuntamente com o


sentido de número e com o significado das operações e auxilia no desenvolvimento da capacidade
de tomar decisões. O trabalho com estimativas supõe sistematizar estratégias, sendo que seu
Leitura, escrita, comparação e Fazer estimativas se relaciona a avaliar a ordem de grandeza de uma quantidade de objetos e desenvolvimento e aperfeiçoamento se relaciona a um trabalho contínuo de aplicar, construir,
ordenação de números de até (EF02MA02) Fazer estimativas por meio de interpretar, analisar, justificar e verificar a partir de resultados exatos. As primeiras experiências que
atribuir a uma quantidade um valor aproximado, desenvolvendo procedimentos para diferenciar a
Matemática 2º Números três ordens pela compreensão estratégias diversas a respeito da quantidade de avaliação de um palpite sem reflexão. Estimar consiste em formar um juízo aproximado relativo a um envolvem números já devem valorizar o uso de estimativas para que seja possível ao aluno perceber
de características do sistema de objetos de coleções e registrar o resultado da a importância e o significado do valor estimado (ou aproximado) e seja capaz de utilizá-lo em
numeração decimal (valor contagem desses objetos (até 1000 unidades). valor, um cálculo, uma quantia, uma medida etc. O conhecimento da numeração escrita auxilia no situações da vida diária que comportam seu uso. Manter na classe cantos de estimativas, nos quais
posicional e papel do zero) registro de estimativas previsto na habilidade. haja desafios para que os alunos estimem a quantidade de objetos de um pote, ou quantos clipes
devem ser colocados em uma "corrente" para ter o comprimento de seu pé, ou quantos feijões
cabem em um copo , por exemplo, são algumas das possibilidades de atividades que favorecem o
desenvolvimento desta habilidade.
Na elaboração do currículo, é interessante destacar a ideia de que a comparação e a estimativa
serão, ao mesmo tempo, uma aprendizagem conceitual e um tipo de atividade a ser proposta para
Esta habilidade envolve estabelecer relações entre duas ou mais quantidades e expressar que os alunos saibam como comparar e o que torna uma estimativa eficiente ou não. Isso porque,
(EF02MA03) Comparar quantidades de objetos numericamente a diferença entre elas. Isso exige elaborar estratégias de comparação, o que exige apenas em situações em que efetivamente uma criança seja desafiada a comparar duas quantidades
Leitura, escrita, comparação e de dois conjuntos, por estimativa e/ou por conhecer a ordem de grandeza expressa pelo número que representa a quantidade, o que, no caso é que ela desenvolverá estratégias para isso. Novamente, serão nas atividades numéricas genuínas
ordenação de números de até (nas quais de fato faz sentido realizar uma comparação) que a comparação se desenvolve. O mesmo
três ordens pela compreensão correspondência (um a um, dois a dois, entre de números naturais, implica em perceber quantas unidades há em uma quantidade. Assim, por vale para a estimativa. Por isso, além do que foi comentado para as habilidades anteriores, é
Matemática 2º Números de características do sistema de outros), para indicar “tem mais”, “tem menos” exemplo, para comparar o número 18 com o número 16, o aluno deverá concluir que 18 é maior do importante sinalizar que, quando um jogo for o contexto de utilização numérica, comparar a
numeração decimal (valor ou “tem a mesma quantidade”, indicando, que 16 e expressar a comparação: 16 é dois a menos do que 18 ou que 18 é dois a mais do que 16. quantidade de pontos entre os jogadores é útil para alcançar as habilidades esperadas, bem como
posicional e papel do zero) quando for o caso, quantos a mais e quantos a Expressões tais como igual, diferente, maior, menor, a mesma quantidade são importantes, ainda criar situações problematizadoras nas quais se deva saber a quantidade atual de objetos de uma
menos. sem o uso de sinais de comparação, exceto o da igualdade e dos símbolos referentes à adição e à
subtração. coleção em relação a análises anteriores. Destaca-se a necessidade de cuidar que a linguagem
matemática seja utilizada pelo professor, uma vez que termos como a mais, a menos, igual, diferente
também são aprendizagens esperadas para os alunos e só acontecerão se houver preocupação para
que isso ocorra.
Na elaboração do currículo, é possível indicar que a exploração da composição e decomposição de
quantidades de até 3 ordens com materiais manipuláveis, como fichas numéricas ou jogos, pode
Compor e decompor números de até três ordens por meio de adições exige conhecer a sequência favorecer a compreensão do Sistema de Numeração Decimal. Outro bom contexto pode ser o
numérica escrita e falada com números maiores do que 100, bem como compreender que um sistema monetário por meio da análise de formas distintas de se obter uma quantia com cédulas
(EF02MA04) Compor e decompor números número pode ser escrito como soma de outros números. Compreender que há diferentes formas de diversas e depois representar as soluções obtidas com escritas aditivas — por exemplo, investigar
Matemática 2º Números Composição e decomposição de naturais de até três ordens, com suporte de decompor um número por adições (por exemplo, que 234 pode ser decomposto como 230 + 4, 200 + diferentes formas de representar 150 reais usando apenas cédulas de real e representar as soluções
números naturais (até 1000) material manipulável, por meio de diferentes 30 + 4 ou 220 + 14) permitirá desenvolver estratégias de cálculo, bem como apoiará a compreensão encontradas de pelo menos três maneiras diferentes. Na elaboração do currículo, vale a pena
adições. das características do sistema de numeração decimal. Por outro lado, as características do sistema destacar que decompor um número envolve adição, multiplicação ou uma combinação das duas
apresentadas na habilidade (EF02MA01) serão importantes para a compreensão de formas distintas operações e que, nesta etapa, será utilizada apenas a adição. Outro ponto que merece destaque é
de compor e decompor números. A habilidade prevê o suporte de materiais manipuláveis. que um número, por exemplo, 154, pode ter mais do que a decomposição usual expressa em 100 +
50 + 4, sendo possível também ter escritas tais como 150 + 4 ou 120 + 30 + 4 ou, ainda, 100 + 30 + 20
+ 4.

Na elaboração do currículo, é importante deixar claro que, na BNCC, no segundo ano, o domínio de
Construir fatos básicos de adição e subtração envolve perceber que eles dizem respeito às relações fatos básicos se relaciona diretamente ao cálculo mental e influencia na resolução de problemas,
estabelecidas entre números menores que 10. Por exemplo, 5 + 2 = 7 é um fato básico de adição e 7 fornece meios de controle sobre possíveis erros em cálculos, amplia o conhecimento do SND e
Construção de fatos (EF02MA05) Construir fatos básicos da adição e
Matemática 2º Números fundamentais da adição e da subtração e utilizá-los no cálculo mental ou - 2 = 5 é um fato básico da subtração. A construção dos fatos básicos envolve compor e decompor permite uma boa relação do aluno com a aprendizagem das operações. Jogos de arremesso, tais
subtração escrito. quantidades por meio de adições e subtrações, e decorre do desenvolvimento de procedimentos como o de argolas, para contagem de pontos, atividades com calculadora e busca de regularidades
para resolver pequenos problemas de contagem, conhecendo formas diversas de representação, em resultados de operações são formas de criar ambiente de desenvolvimento para sua
inclusive com a apresentação dos sinais de adição, subtração e igualdade. aprendizagem. Sugere-se que a reta numérica seja utilizada para auxiliar na construção dos fatos
básicos de adição e subtração.

Na elaboração do currículo, merece destaque que as atividades que envolvem resolução de


situações-problema são das mais relevantes para a aprendizagem da matemática. É importante que,
ao elaborar o currículo, essa centralidade esteja explicitada no texto. É esperado que, no segundo
ano, os alunos sejam capazes de formular e resolver problemas em diversos contextos, envolvendo a
adição e a subtração. Como a BNCC aborda principalmente os problemas relacionados às operações,
Resolver e elaborar problemas de adição e subtração com as ideias de juntar (por exemplo, um
(EF02MA06) Resolver e elaborar problemas de grupo de 3 objetos e outro de 8 objetos, quando os juntamos, formam outro com 11 objetos), é importante incluir problemas não numéricos. Vale destacar também que uma situação-problema,
Problemas envolvendo nesta fase, como a própria redação da habilidade indica a utilização de estratégias diversas para a
diferentes significados da adição adição e de subtração, envolvendo números de acrescentar (por exemplo, há um grupo com 8 objetos e, a esses, eu junto mais 3 objetos, então, o sua resolução. Em especial no que diz respeito aos problemas de adição e subtração, deve-se estar
Matemática 2º Números e da subtração (juntar, até três ordens, com os significados de juntar, grupo passa a ter 11 objetos), separar (por exemplo, há um grupo com 11 objetos e dele teremos atento ao fato de que envolvem diferentes ideias relativas a essas operações, uma vez que se
acrescentar, separar, retirar, utilizando que separar um grupo de 8 objetos, o outro grupo terá 3 objetos) e retirar (de um grupo de 11
acrescentar, separar, retirar) encontram em um campo conceitual que relaciona as duas operações, o que resulta que a melhor
estratégias pessoais ou convencionais. objetos, retiramos 3 objetos e sobra um grupo com 8 objetos) envolve conhecimento numérico e aprendizagem ocorre quando ambas são abordadas conjuntamente, rompendo, assim, com a
elaboração de formas pessoais de registrar resolução do problema, incluindo a notação formal.
abordagem tradicional de primeiro ensinar problemas de adição para depois ensinar problemas de
subtração. A elaboração de problemas pode ser feita em duplas ou grupos, com estratégias variadas,
tais como elaborar uma pergunta, um problema parecido e até uma nova pergunta para o problema.
Após a elaboração, será fundamental explorar o texto produzido visando aprimorá-lo, modificá-lo ou
reescrevê-lo.
Na elaboração do currículo, é importante explicitar que um dos destaques desta habilidade é que ela
permite inferir que, em uma proposta curricular, as operações não venham antes dos problemas,
Para resolver e elaborar problemas de multiplicação com a ideia de adição de parcelas iguais (4 + 4 + mas em conjunto com eles. Aprende-se uma operação resolvendo problemas, expressando a
4 = 3 x 4) considera-se necessária a experiência anterior tanto com a resolução e elaboração de resolução de múltiplas maneiras, sendo uma delas a escrita aritmética. Na elaboração do currículo,
(EF02MA07) Resolver e elaborar problemas de problemas quanto com a escrita aditiva. A habilidade introduz as primeiras ideias relacionadas à vale lembrar que a BNCC apresenta o pressuposto de que, ao longo da escola, seja desenvolvida a
Problemas envolvendo adição multiplicação (por 2, 3, 4 e 5) com a ideia de competência do letramento matemático e a possibilidade de raciocinar e poder expressar esse
Matemática 2º Números de parcelas iguais adição de parcelas iguais por meio de estratégias multiplicação com foco na compreensão da relação entre adição e multiplicação. Não há exigência raciocínio visando comunicar-se e aprender mais matemática. Isso é algo relevante quando se
(multiplicação) e formas de registro pessoais, utilizando ou não nessa fase de memorizar fatos básicos da multiplicação, uma vez que o foco está em uma das ideias concebe um currículo de matemática. Ao se considerar a parte metodológica do currículo, torna-se
suporte de imagens e/ou material manipulável. dessa operação. A representação do tipo a x b = c pode ser incluída como uma forma de representar relevante o destaque para incentivar diferentes processos de resolução nos quais seja possível a
uma escrita aditiva de parcelas iguais. A expressão da relação multiplicativa pode ser feita com a
utilização de recursos de expressão diversos tais como desenhos, esquemas e suporte de imagem. utilização de representações pessoais (desenhos, esquemas, escritas numéricas), bem como analisar
coletivamente e discutir a respeito das soluções encontradas. O incentivo a registros diversos são
parte do processo de apoio à construção da linguagem matemática, amplia o raciocínio e a
capacidade de argumentar dos alunos. Isso vale para situações-problema em geral.

Resolver e elaborar problemas envolvendo dobro, metade, triplo e terça parte exige conhecimento Na elaboração do currículo, vale destacar que contagens, problemas, jogos e exploração de receitas
da habilidade anterior (EF02MA07) e a introdução de uma nova ideia, que é a de que dividir em duas simples são excelentes contextos para se explorar as ideias centrais desta habilidade. Em especial a
ou três partes iguais se relaciona diretamente com metade e terça parte, respectivamente. É proposição de situações que envolvem a divisão de grandezas discretas em partes iguais (duas ou
Problemas envolvendo (EF02MA08) Resolver e elaborar problemas importante ter atenção para aprendizagem de palavras novas, tais como dobro e triplo, e relacioná- três partes) com o suporte de materiais manipuláveis (coleções de botões, figurinhas, etc.) É
Matemática 2º Números significados de dobro, metade, envolvendo dobro, metade, triplo e terça parte, las com a multiplicação por dois e por três. As primeiras noções de fração como parte de um todo importante destacar que compreender metade e terça parte passa também pela exploração de
triplo e terça parte com o suporte de imagens ou material também estão implícitas nesta habilidade. A habilidade prevê elaborar formas pessoais (desenhos, objetos que podem ou não ser divididos em duas ou três partes iguais. Não são esperadas as
manipulável, utilizando estratégias pessoais.
escrita com palavras, esquemas) de resolução e não por procedimentos convencionais. É provável representações numéricas de metade e um terço, mas os alunos devem ser estimulados a fazer
que a aprendizagem desta habilidade se estenda para o terceiro e quarto anos, uma vez que se desenhos e justificar por escrito ou oralmente as divisões que fazem e as partes que são obtidas
passará a utilizar procedimentos convencionais. dessas divisões.

Na elaboração do currículo, um dos aspectos mais importantes para ser considerado em relação à
álgebra dos anos iniciais é que ela não se assemelha ao tipo de álgebra que se conhece dos anos
finais do Ensino Fundamental e que envolve técnicas algébricas, resolução de equações, por
exemplo. O trabalho com regularidades inicia-se pela organização e pela ordenação de elementos
Construir sequências numéricas em ordem crescente e decrescente envolve conhecer a sequência que tenham atributos comuns. A relação da Álgebra com a unidade temática Números é bastante
(EF02MA09) Construir sequências de números numérica de rotina e diferentes procedimentos de contagem ascendente e descendente (escala de 2
Construção de sequências natural no trabalho com sequências numéricas, seja na ação de completar uma sequência com
naturais em ordem crescente ou decrescente a em 2, 3 em 3, 5 em 5, 10 em 10 etc.). Além disso, é importante identificar outras regularidades
Matemática 2º Álgebra repetitivas e de sequências partir de um número qualquer, utilizando uma dessas sequências. Por exemplo, na sequência de 5 em 5 a partir do 0 (0, 5, 20, 15, 20, ...) os elementos ausentes, seja na construção de sequências segundo uma determinada regra de
recursivas regularidade estabelecida. números terminam em 0 ou 5 e na sequência de 5 em 5 a partir do 2 (2, 7, 12, 17, 22, ...) os números formação. Por exemplo, construir uma sequência numérica começando pelo número três e que
terminam em 2 ou 7. cresça de 5 em 5. Esse trabalho contribui para que os alunos percebam regularidades nos números
naturais. Esta habilidade explora um aspecto de buscar padrões e expressá-los em situações de
contagem que são muito desafiadoras para alunos desta idade se for proposto como um jogo, um
problema a ser investigado. É importante destacar também que o pensamento algébrico evolui se
houver possibilidade de se representar o padrão observado, e de se falar a respeito dele.

Descrever um padrão implica em observar e explorar sequências numéricas ou geométricas, de Na elaboração do currículo, um contexto natural para propiciar a aprendizagem das ideias envolvidas
modo a identificar uma de suas regularidades e, então, expressá-las. Uma sequência é repetitiva nessa habilidade é a identificação e a exploração propriamente dita dos "segredos" de uma
Identificação de regularidade de (EF02MA10) Descrever um padrão (ou quando tem um mesmo padrão de organização que se repete a cada elemento. Por exemplo, na sequência. Observar sequências já iniciadas, construir sequências, representar sequências em retas
Matemática 2º Álgebra sequências e determinação de regularidade) de sequências repetitivas e de sequência 2, 4, 6, 8, 10..., o padrão de repetição é que um termo é obtido somando 2 ao anterior. numéricas e investigar elementos faltantes de uma sequência serão contextos naturais de situações
elementos ausentes na sequências recursivas, por meio de palavras, Uma sequência recursiva explicita seu primeiro valor (ou primeiros valores) e define outros valores que os alunos precisam resolver. Em termos gerais, o coração da álgebra nos anos iniciais está na
sequência símbolos ou desenhos. na sequência em termos dos valores iniciais segundo uma regra. Por exemplo, na sequência 1, 1, 2, identificação dos padrões observados, e na descrição dessas regularidades. As generalizações podem
3, 5, 8, 13, a recursividade está em que, a partir do segundo termo, que é 1, os demais são obtidos da ser expressas de várias maneiras — por meio da linguagem natural, de desenhos, de símbolos e,
soma dos dois anteriores: 2 = 1 + 1; 3 = 1 + 2; 5 = 2 + 3 e assim por diante. futuramente, no ensino fundamental II, com o uso da linguagem algébrica.

Identificação de regularidade de (EF02MA11) Descrever os elementos ausentes Descrever elementos ausentes em uma sequência exige observar e identificar o padrão ou
Matemática 2º Álgebra sequências e determinação de em sequências repetitivas e em sequências regularidade que a constitui e, a partir disso, descrever as características ou como se calcula os Na elaboração do currículo, as atividades relacionadas a esta habilidade decorrem imediatamente
elementos ausentes na recursivas de números naturais, objetos ou elementos faltantes para, então, completá-la. das considerações feitas para as habilidades EF02MA09 e EF02MA10.
sequência figuras.

Na elaboração do currículo, contextos interessantes para o desenvolvimento desta habilidade


podem estar em aplicativos nos quais os alunos precisem deslocar objetos por trilhas e labirintos.
Identificar e registrar a localização de algo ou de alguém segundo um ou mais pontos de referência Também pode-se propiciar vivências nas quais os alunos possam descrever trajetos ou realizar
requer ter conhecimento da importância dos referenciais para essas ações. Assim, o percursos usando movimentos corporais ou descrevendo verbalmente a localização de um objeto ou
Localização e movimentação de (EF02MA12) Identificar e registrar, em desenvolvimento dessa habilidade requer a ampliação da linguagem por meio de termos e ícones pessoa segundo pontos de referências familiares. Na elaboração do currículo, duas explicitações são
linguagem verbal ou não verbal, a localização e importantes: linguagem e representação gráfica. Isso porque uma forma de avaliar a compreensão
pessoas e objetos no espaço, os deslocamentos de pessoas e de objetos no que indiquem localização segundo um referencial (por exemplo, utilizar um croqui da sala de aula
que o aluno tem do espaço e das possibilidades de nele localizar objetos e pessoas é observando o
Matemática 2º Geometria segundo pontos de referência, e espaço, considerando mais de um ponto de para indicar que uma pessoa está entre outras duas, ou à direita de uma e à esquerda de outra, ou uso de termos tais como ao lado de, entre, antes de, após o, à esquerda ou à direita. Essas marcas
indicação de mudanças de referência, e indicar as mudanças de direção e em frente ao quadro e ao lado da porta). Já a identificação e a representação de deslocamentos linguísticas indicam a ampliação de conhecimento a respeito da localização e devem ser incentivadas
direção e sentido de sentido. propiciam outro tipo de compreensão, que se relaciona à direção e sentido (ir adiante, em linha reta em situações relativas à habilidade. Embora não seja fácil diferenciar o significado de direção do
e mudar de direção virando à direita ou à esquerda; caminhar na mesma direção, mas em sentido
oposto ao deslocamento de alguém, etc). significado de sentido, é importante iniciar esse trabalho propondo atividades que envolvam a
distinção entre essas duas noções. Outro ponto importante é sugerir que os alunos representem
deslocamentos ou localizações feitas por meio de desenhos. Desenhos e esquemas feitos durante ou
após as atividades de localização espacial auxiliam que se amplie a compreensão do espaço.

Na elaboração do currículo, pode se destacar que a própria descrição da habilidade marca o tipo de
contexto que é adequado para desenvolver o conhecimento específico de espaço esperado: a leitura
e confecção de mapas e croquis. É possível fazer esse trabalho de modo integrado com Geografia,
Esboçar roteiros se relaciona diretamente com a vivência de ter percorrido trajetos e criado formas onde também estão previstas habilidades de leitura e confecção de plantas e mapas. Outra situação
Esboço de roteiros e de plantas (EF02MA13) Esboçar roteiros a ser seguidos ou de representá-los, previsto na habilidade (EF02MA12). Aqui está explícito o estabelecimento de que propícia o desenvolvimento dessa habilidade está nas brincadeiras de tradição oral — se, após
Matemática 2º Geometria plantas de ambientes familiares, assinalando
simples entradas, saídas e alguns pontos de referência. relações espaciais entre diversos elementos por meio de representações como mapas, plantas, brincar, por exemplo, de amarelinha, os alunos forem estimulados a representar o cenário da
croquis e diagramas. brincadeira e detalhes do espaço onde ela ocorreu. Merece destaque que, ao realizar atividades
relativas a esta habilidade, tem relevância especificar posições e descrever relações de tamanho,
distância e proximidade entre o cenário real e o representado para que noções de proporcionalidade
possam ser futuramente desenvolvidas.

Na elaboração do currículo, pode-se indicar ao professor a proposição de atividades em que o aluno


explore embalagens, bem como construa modelos de figuras espaciais com massa de modelar ou
varetas. Analisar as características e propriedades das formas presentes em embalagens, bem como
Figuras geométricas espaciais explicitá-las verbalmente ou fazer representações das formas por meio de desenhos auxilia a
(cubo, bloco retangular, (EF02MA14) Reconhecer, nomear e comparar Reconhecer, nomear e comparar as figuras espaciais definidas na habilidade implica em conhecer os compreensão das principais características dos objetos em estudo, bem como favorece o
figuras geométricas espaciais (cubo, bloco nomes e a introdução de pelo menos algumas características que elas apresentam, em especial no
Matemática 2º Geometria pirâmide, cone, cilindro e desenvolvimento de habilidades de visualização e raciocínio espacial. É importante estimular os
esfera): reconhecimento e retangular, pirâmide, cone, cilindro e esfera), que diz respeito a ter ou não faces e vértices e ser ou não redondas. Expressar a comparação alunos a usarem o vocabulário específico relacionado às formas, tais como os nomes que elas têm,
relacionando-as com objetos do mundo físico. verbalmente ou por escrito é recomendado.
características termos como faces e vértices e, ainda, a nomear as faces de cubo, pirâmide e paralelepípedo,
identificando as figuras geométricas planas que nelas aparecem. Há, aqui, oportunidade de trabalho
interdisciplinar com as habilidades (EF02CI01), da Ciência; e (EF02GE09), da Geografia, no que se
refere à observação de objetos do cotidiano, suas características, formas e representação.

Na elaboração do currículo, deve estar claro que, nesta etapa, já é esperado que os alunos
Figuras geométricas planas (EF02MA15) Reconhecer, comparar e nomear Reconhecer, comparar e nomear figuras planas se relaciona com conhecer os nomes das figuras classifiquem as figuras planas usando critérios tais como figuras com e sem lados, com e sem vértices
(círculo, quadrado, retângulo e figuras planas (círculo, quadrado, retângulo e planas e algumas de suas propriedades, tais como ter ou não lados. O conhecimento dessas ou, ainda, que separem as figuras pelo número de lados que elas têm. Quebra-cabeças, mosaicos e a
Matemática 2º Geometria triângulo): reconhecimento e triângulo), por meio de características comuns, características permite a comparação de figuras geométricas planas pelo reconhecimento de análise de objetos do cotidiano são contextos interessantes para a exploração de atividades que
características em desenhos apresentados em diferentes características comuns (ter ou não lados e vértices) e, também, identificar as figuras geométricas levem ao desenvolvimento desta habilidade. É importante destacar também a importância de ler
disposições ou em sólidos geométricos. planas em sólidos ou desenhos, independentemente da posição em que aparecem. representações de figuras planas na forma de desenhos ou de produzir desenhos que representem
figuras planas.

Na elaboração do currículo, merece destaque o fato de que as medidas estão por toda parte e, por
Estimar, medir e comparar comprimentos implica em identificar o comprimento como uma grandeza isso, os processos de medição, em especial os de comprimento, são facilmente identificados e
(EF02MA16) Estimar, medir e comparar que pode ser medida, bem como entender o sentido de medir (fazer uma comparação, escolhendo usados em diferentes contextos. É importante que sejam destacados tanto a compreensão dos
Medida de comprimento: comprimentos de lados de salas (incluindo uma unidade de medida, identificar quantas vezes a unidade cabe no comprimento a ser medido e atributos mensuráveis dos objetos como os processos de medição. Também é importante que os
unidades não padronizadas e contorno) e de polígonos, utilizando unidades de expressar a medição com um número seguido da unidade). A percepção de que as medições de alunos aprendam a utilizar instrumentos de medida de comprimento, tais como régua, trena e fita
Matemática 2º Grandezas e medidas comprimento podem ser feitas com unidades não padronizadas (passos, pés, palitos, barbante) e métrica. Embora a habilidade preveja a introdução das unidades de medida de comprimento
padronizadas (metro, medida não padronizadas e padronizadas padronizadas (metro e centímetro), com o uso de instrumentos de medida, também é uma padronizadas, há um aspecto a ser considerado: a necessidade de explorar a relação de equivalência
centímetro e milímetro) (metro, centímetro e milímetro) e instrumentos aprendizagem esperada, assim como relacionar a ideia de que uma medição pode ser expressa por entre unidades diferentes (por exemplo, que 1m = 100cm) sem ensinar regras de transformação de
adequados. números diferentes dependendo da unidade de medida utilizada. Esse fato é determinante para que unidades. Outra consideração a ser feita é que fazer estimativa de medida de comprimento, depois
o aluno compreenda a relação entre metro e centímetro, por exemplo. realizar a medição e comparar o dado real com a estimativa é um recurso essencial para o
desenvolvimento de habilidades referentes ao tema Grandezas e Medidas.

Na elaboração do currículo, sugere-se destaque para o fato de que essa é uma habilidade que
envolve duas grandezas importantes: massa e capacidade. Receitas, exploração da capacidade das
Estimar, medir e comparar capacidade e massa têm o mesmo sentido explicitado na habilidade embalagens, utilização de balanças para medir massa de objetos, visitas a mercados para analisar o
uso de balanças digitais, levantamento da utilização de medidas de massa e capacidade no cotidiano
Medida de capacidade e de (EF02MA17) Estimar, medir e comparar (EF02MA16), adequada a essas duas grandezas. Identificar as grandezas, compreender o que é medi-
massa: unidades de medida não capacidade e massa, utilizando estratégias las (comparando com outra grandeza de mesma espécie, escolhendo uma unidade e expressando a das pessoas, entre outros, apresentam possibilidades de contextos para problemas que envolvem a
Matemática 2º Grandezas e medidas convencionais e convencionais pessoais e unidades de medida não medição numericamente com a identificação da unidade utilizada) é o que está implícito nesta medição. Ao elaborar o currículo é importante que os alunos conheçam, além das relações entre
(litro, mililitro, cm3, grama e padronizadas ou padronizadas (litro, mililitro, habilidade. As relações entre litro e mililitro (1l equivale a 1000 mL) e entre o grama e o quilograma quilograma e grama e entre litro e mililitro, instrumentos de medida e que os utilizem para realizar
medições de modo a compreender como se mede cada tipo de grandeza, os cuidados para realizar
quilograma) grama e quilograma). (1 kg equivale a 1000 g) podem ser exploradas. No entanto, a relação expressa por frações ou
uma medição, a importância da escolha da unidade de medida e a forma de expressar a medição
decimais ficará para anos posteriores. feita. O currículo pode ressaltar a importância de que os alunos também utilizem vocabulário
específico, resolvam problemas onde possam aplicar as aprendizagens e saibam representar
medições com as respectivas unidades.

Na elaboração do currículo, pode ser sugerido que haja a utilização de situações reais de
planejamento do tempo, com o uso de calendário, e a exploração de tempo a transcorrer (entre e
Medidas de tempo: intervalo de (EF02MA18) Indicar a duração de intervalos de Indicar intervalo de tempo entre duas datas (por exemplo: entre 1º de janeiro e 31 de maio já se hoje e a próxima semana, quantos dias há) e de tempo transcorrido (quantos dias ou meses já se
tempo, uso do calendário, tempo entre duas datas, como dias da semana e passaram cinco meses) envolve a percepção de intervalo de tempo e sua duração. A percepção de passaram desde que começamos as aulas, ou desde que tivemos a festa junina). Explorar prazos de
Matemática 2º Grandezas e medidas
leitura de horas em relógios meses do ano, utilizando calendário, para tempo transcorrendo e transcorrido, de tempo presente, passado e futuro também está implícita na validade de produtos, da duração de uma aula ou de outros momentos relevantes da rotina pessoal
digitais e ordenação de datas planejamentos e organização de agenda. habilidade. e coletiva auxiliam para o alcance desta habilidade pelos alunos. Há, aqui, oportunidade de trabalho
interdisciplinar com as habilidades (EF02HI06) e (EF02HI07), da História, associadas à percepção de
intervalos de tempo e utilização de marcadores, como calendário.

A exploração de formas diversas de calendário, incluindo calendários indígenas, meios históricos de


marcação de tempo (ampulhetas, relógios de sol e de água), a utilização cotidiana do relógio digital
com ênfase na ideia de hora e meia hora são formas de explorar o tempo de modo integrado ao
cotidiano dos alunos. Ao elaborar o currículo, é indicado que haja destaque para compreender as
Medidas de tempo: intervalo de Medir a duração de um intervalo de tempo requer conhecer unidades distintas de medida de tempo categorias temporais de anterioridade, posterioridade e simultaneidade (passado, presente e
tempo, uso do calendário, (EF02MA19) Medir a duração de um intervalo de (dias, meses, anos, horas, minutos etc), bem como de instrumentos diversos de medida e marcação futuro), bem como do conceito de intervalos de tempo e sua duração. O uso de relógios analógicos
Matemática 2º Grandezas e medidas tempo por meio de relógio digital e registrar o (de ponteiro) favorece a percepção do tempo passando pela movimentação dos ponteiros.
leitura de horas em relógios horário do início e do fim do intervalo. temporal — no caso específico, o uso de relógios digitais (os relógios analógicos ou de ponteiros Mencionar a importância do desenvolvimento de processos de raciocinar com medidas de tempo e
digitais e ordenação de datas também podem ser eventualmente considerados). justificar decisões tomadas em relação a planejamento pessoal, organização de rotinas e estimativa
da duração de um intervalo de tempo (longo, curto, rápido, devagar etc) são outros itens
merecedores de atenção. Há, aqui, oportunidade de trabalho interdisciplinar com as habilidades
(EF02CI07), de Ciências; e (EF02HI07), da História, no que se refere à observação e marcação da
passagem do tempo utilizando diferentes tipos de relógios.

Estabelecer a equivalência entre valores de moedas e cédulas do sistema monetário brasileiro Na elaboração do currículo, deve ficar claro que, neste segundo ano, para além de ampliar o
Sistema monetário brasileiro: (EF02MA20) Estabelecer a equivalência de implica em conhecer as moedas e cédulas, saber nomeá-las, identificar como fazer trocas de moedas conhecimento das notas e moedas de real, é adequado verificar o que é possível ou não comprar
Matemática 2º Grandezas e medidas reconhecimento de cédulas e valores entre moedas e cédulas do sistema de valor menor por outras e analisar quantas moedas ou cédulas de menor valor são necessárias com determinados valores e como priorizar compras, explorando a ideia de comparação de preços
moedas e equivalência de monetário brasileiro para resolver situações para trocar por outra de valor maior. A resolução de problemas envolvendo compra, venda e troco (mais caro ou mais barato), para que os alunos compreendam o sentido e a necessidade de se fazer
valores cotidianas.
são aplicação do conhecimento como forma para ele ser desenvolvido pelos alunos. “economia”.

Na elaboração do currículo, a probabilidade deve merecer cuidado por ser um tema mais novo aos
educadores, em especial dos anos iniciais. A probabilidade é a Matemática da incerteza e se
aproxima mais da realidade. Em nosso dia a dia, lidamos mais com a estimativa do que com a
precisão. A ideia de aleatório em que não se sabe qual será o resultado, mas se pode prever os
Classificar resultados de eventos (acontecimentos, fenômenos) cotidianos aleatórios envolve
perceber que há certos acontecimentos que, quando repetidos inúmeras vezes em processos resultados possíveis e os impossíveis, são questões centrais ao raciocínio probabilístico. A análise de
semelhantes, não se pode prever qual será o resultado, mas pode-se indicar os resultados possíveis e eventos cotidianos para indicar se eles podem ou não ocorrer, se é muito ou pouco provável é o foco
(EF02MA21) Classificar resultados de eventos da probabilidade neste ano. Neste momento da escolaridade, as experiências com probabilidade
Probabilidade e Análise da ideia de aleatório em cotidianos aleatórios como “pouco prováveis”, os impossíveis. O lançamento de um dado é exemplo de um evento aleatório — no caso dos dados, devem ser informais, mas deve ser incentivado o uso de termos que explicitem as análises das
Matemática 2º pode-se ter seis possíveis resultados diferentes {1, 2, 3, 4, 5, 6}, mas nunca se terá certeza qual
estatística situações do cotidiano “muito prováveis”, “improváveis” e chances de algo ocorrer: muito provável, pouco provável, nada provável, impossível e certeza. Essas
“impossíveis”. desses números aparecerá quando o dado for lançado. Nesse mesmo exemplo, é provável sair
qualquer número de 1 a 6 e impossível sair o 7, porque esse número não está nas faces do dado. Se ideias centrais podem ser exploradas por meio de jogos, análises de situações desenvolvidas para
um dado for jogado cinco vezes não é impossível sair o 6 nas cinco jogadas, embora seja pouco isso ou de perguntas que levem os alunos a analisarem chances de algo acontecer. Em um jogo com
provável. dois dados, por exemplo, vale analisar quais as somas que podem sair e quais são impossíveis de sair
(13, por exemplo). Jogar um dado 30 vezes, é improvável que saia o 6 nas 30 jogadas, mas não é
impossível. Montar uma tabela com todas as somas possíveis e ver quais aquelas que têm mais
chance de sair (é mais provável sair soma 7 do que soma 12, por exemplo) é uma boa estratégia para
a compreensão
Na elaboração dodos
currículo,
significados
um ponto
de mais
deprovável,
destaquemenos
é analisar
provável
o tipoede
igualmente
problematização
provável..
a ser feita
em função das aprendizagens esperadas. Assim, é possível explorar elementos que constituem
tabelas e gráficos (mencionados na descrição da habilidade), propor problemas e abrir espaço para
Comparar informações de pesquisas nas condições previstas na habilidade envolve algum que os próprios alunos elaborem perguntas para serem respondidas a partir da tabela e do gráfico.
(EF02MA22) Comparar informações de Propor que, dada uma tabela, seja construído um gráfico ou, dado um gráfico, seja construída uma
Coleta, classificação e conhecimento anterior de leitura de gráficos de colunas para que se possa ler o gráfico em barras
Probabilidade e representação de dados em pesquisas apresentadas por meio de tabelas de tabela são formas de levar os alunos a alcançar a habilidade em análise Como essa conversão não é
Matemática 2º dupla entrada e em gráficos de colunas simples simples horizontais. Especificamente, a tabela que deve ser lida aqui é uma tabela que relaciona nada fácil, sugere-se que o gráfico (ou a tabela) apresentado seja bastante simples, com poucos
estatística tabelas simples e de dupla ou barras, para melhor compreender aspectos duas variáveis de uma mesma população, ou a análise de uma mesma variável em duas populações elementos, por exemplo. Da mesma forma, apresentar um gráfico com algumas afirmações
entrada e em gráficos de colunas da realidade próxima. diferentes (por exemplo, a relação entre as variáveis idade e número de irmãos em mulheres ou a relacionadas a ele, desafiando o aluno a associar a afirmação que melhor o representa é um tipo de
variável preferência por times de futebol analisada entre homens e mulheres).
problematização que exige uma boa leitura do gráfico. A linguagem e os elementos relacionados à
tabela (linhas, colunas, dados, fonte de dados, título, rodapé), assim como a linguagem e os
elementos relacionados aos gráficos (título, fonte, eixos, legenda) devem ser progressivamente
explorados com os alunos.

Na elaboração do currículo, deve ficar claro que o foco desta habilidade está em formular questões
que possam ser abordadas por meio da coleta, organização e apresentação dos dados relevantes e
que permitam responder às questões iniciais do levantamento. A contextualização a ser feita pelos
(EF02MA23) Realizar pesquisa em universo de As variáveis categóricas ou qualitativas são aquelas que não são expressas numericamente, pois suas currículos locais diz respeito a sugerir que os gráficos analisados, bem como os dados que poderão
Coleta, classificação e até 30 elementos, escolhendo até três variáveis respostas às questões feitas são palavras como cor dos olhos, mês de nascimento, preferência por ser coletados, organizados e representados pelos alunos tenham relação com as muitas perguntas
Matemática 2º Probabilidade e representação de dados em categóricas de seu interesse, organizando os um time de futebol, preferência musical, entre outras. A realização da pesquisa acontece a partir de que eles têm. É importante trabalhar com perguntas cujas respostas não sejam óbvias e deem
estatística tabelas simples e de dupla procedimentos tais como elaborar as questões sobre o que se pretende pesquisar e desenvolver
entrada e em gráficos de colunas dados coletados em listas, tabelas e gráficos de procedimentos que vão da escolha da população a procedimentos de coleta, organização e margem para a coleta e representação de dados, para posterior tomada de decisão a partir do que
colunas simples. publicação dos dados da pesquisa e a respostas às questões investigadas. foi coletado. Assim, por exemplo, analisar como o dono da cantina da escola poderia saber se deve
ter em estoque mais sorvete de morango do que de chocolate ou de limão envolve fazer uma
pequena pesquisa, organizando os dados e, depois, construir o gráfico para finalmente decidir em
função da preferência daqueles alunos que responderam as questões.
Ciências

COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES

Propriedades e usos dos (EF02CI01) Identificar de que materiais (metais, madeira, vidro etc.) são feitos os
materiais
Ciências 2º Matéria e energia Prevenção de acidentes objetos que fazem parte da vida cotidiana, como esses objetos são utilizados e
com quais materiais eram produzidos no passado.
domésticos

Propriedades e usos dos


(EF02CI02) Propor o uso de diferentes materiais para a construção de objetos de
Ciências 2º Matéria e energia materiais uso cotidiano, tendo em vista algumas propriedades desses materiais
Prevenção de acidentes
domésticos (flexibilidade, dureza, transparência etc.).

Propriedades e usos dos


materiais (EF02CI03) Discutir os cuidados necessários à prevenção de acidentes domésticos
Ciências 2º Matéria e energia (objetos cortantes e inflamáveis, eletricidade, produtos de limpeza, medicamentos
Prevenção de acidentes etc.).
domésticos

(EF02CI04) Descrever características de plantas e animais (tamanho, forma, cor,


Seres vivos no ambiente
Ciências 2º Vida e evolução Plantas fase da vida, local onde se desenvolvem etc.) que fazem parte de seu cotidiano e
relacioná-las ao ambiente em que eles vivem.

Ciências 2º Vida e evolução Seres vivos no ambiente (EF02CI05) Investigar a importância da água e da luz para a manutenção da vida
Plantas de plantas em geral.

Seres vivos no ambiente (EF02CI06) Identificar as principais partes de uma planta (raiz, caule, folhas, flores
Ciências 2º Vida e evolução e frutos) e a função desempenhada por cada uma delas, e analisar as relações
Plantas entre as plantas, o ambiente e os demais seres vivos.

Movimento aparente do Sol no


(EF02CI07) Descrever as posições do Sol em diversos horários do dia e associá-las
Ciências 2º Terra e Universo céu ao tamanho da sombra projetada.
O Sol como fonte de luz e calor

Movimento aparente do Sol no (EF02CI08) Comparar o efeito da radiação solar (aquecimento e reflexão) em
Ciências 2º Terra e Universo céu diferentes tipos de superfície (água, areia, solo, superfícies escura, clara e metálica
O Sol como fonte de luz e calor etc.).
Ciências
MATERIAL SUPLEMENTAR PARA O REDATOR DE CURRÍCULO - NÃO FAZ PARTE DA BNCC
COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES COMENTÁRIO POSSIBILIDADES PARA O CURRÍCULO

Na elaboração do currículo, é possível contemplar habilidades de natureza investigativa, propondo


que o aluno possa identificar objetos do seu cotidiano, descrever do que são feitos, explicar seu uso,
bem como localizar e pesquisar informações relacionadas a esses objetos em outros períodos
(EF02CI01) Identificar de que materiais (metais, históricos da humanidade. O protagonismo do aluno no processo de investigação pode incorporar
Propriedades e usos dos madeira, vidro etc.) são feitos os objetos que Identificar envolve selecionar, diferenciar e reconhecer os objetos de uso cotidiano pelo tipo de elementos do seu cotidiano, o que permite inúmeras possibilidades de arranjos nos procedimentos
materiais fazem parte da vida cotidiana, como esses material de que são constituídos. A habilidade requer investigar a produção desses objetos sob uma da pesquisa que tratam do seu contexto, tais como identificar os materiais utilizados em objetos
Ciências 2º Matéria e energia Prevenção de acidentes perspectiva histórica, o que exige identificar e diferenciar os objetos pelas suas características em
objetos são utilizados e com quais materiais artesanais que são produzidos em sua região e reconhecer os objetos e seus materiais que são
domésticos diferentes épocas e períodos tecnológicos da humanidade.
eram produzidos no passado. produção da cultura local, como ferramentas, utensílios domésticos, instrumentos musicais ou
estruturas para construção. Há, aqui, oportunidade de trabalho interdisciplinar com as habilidades
(EF02MA14), da Matemática; e (EF02GE09), da Geografia, associadas à identificação de objetos do
mundo físico, suas características e representações.

Na elaboração do currículo, é possível explicitar procedimentos investigativos na redação da


habilidade. Pode-se propor ao aluno investigar materiais quanto às suas propriedades, selecionar
(EF02CI02) Propor o uso de diferentes materiais Propor um uso envolve identificar, selecionar, diferenciar e reconhecer as características observáveis quais são mais adequados a objetos específicos do cotidiano, e explicar o motivo da escolha. Nesse
Propriedades e usos dos para a construção de objetos de uso cotidiano, que definem um tipo de material, de modo a agrupar os objetos e selecionar seu uso pela referência sentido, utilizar argila é adequado à fabricação de um vaso, por conta de sua propriedade maleável
materiais tendo em vista algumas propriedades desses às suas propriedades observáveis, adequadas ao desenvolvimento do aluno nesse ano. Esta que se solidifica, por exemplo. Pode-se aprofundar o desenvolvimento a respeito do tema com a
Ciências 2º Matéria e energia Prevenção de acidentes materiais (flexibilidade, dureza, transparência habilidade complementa-se com a (EF02CI01) ao esperar que o aluno associe o uso intencional de especificação da fonte de obtenção dos materiais, conectando-os aos recursos naturais disponíveis
domésticos
etc.). determinados materiais na construção de diversos objetos. na região de vivência e identificando quais materiais possuem um uso mais sustentável. Dessa forma,
é interessante explicitar, no currículo, discussões sobre o destino final dos materiais descartados
após o uso.

Na elaboração do currículo, pode-se enfatizar, na proposição das habilidades, o protagonismo do


aluno no processo de investigação, relativas à incorporação/interação com os objetos do seu
cotidiano, como identificar possíveis situações de risco e relacionar atitudes de prevenção para evitá-
Discutir envolve explicar, selecionar e exemplificar informações relevantes sobre a segurança e
Propriedades e usos dos (EF02CI03) Discutir os cuidados necessários à redução de riscos no uso de objetos no cotidiano, como lâminas ou produtos químicos. A habilidade las. Ainda, é possível sinalizar a construção de atitudes e valores a partir desse contexto, expandindo-
materiais prevenção de acidentes domésticos (objetos requer identificar e reconhecer situações que podem expor as pessoas ao risco de morte ou lesões os em outros aspectos em que o estudante classifique as questões relacionadas à ameaça e
Ciências 2º Matéria e energia Prevenção de acidentes cortantes e inflamáveis, eletricidade, produtos vulnerabilidade socioambientais, como identificar, listar e explicar a presença de fatores de risco em
— compreendidas pela ameaça ou vulnerabilidade em determinadas situações do cotidiano —, para
domésticos de limpeza, medicamentos etc.). evitar que elas ocorram por meio de atitudes e comportamentos preventivos. sua casa, escola ou no caminho que percorre entre a casa e a escola. Para o desenvolvimento da
habilidade, deve-se estimular a utilização de atividades práticas, como descrever e ilustrar situações
de risco, relacionar medidas preventivas para manutenção da saúde e elaborar formas de
informação sobre riscos por meio de desenhos ou ilustrações.

Na elaboração do currículo, esta habilidade pode ser desmembrada de maneira a contemplar


(EF02CI04) Descrever características de plantas e Descrever, nesta habilidade, envolve processos inter-relacionados, que requerem: selecionar e listar procedimentos de investigação, tais como: observar e identificar as plantas e os animais que fazem
animais (tamanho, forma, cor, fase da vida, local plantas e animais, identificando aspectos dos locais onde eles se encontram; identificar e
Seres vivos no ambiente onde se desenvolvem etc.) que fazem parte de exemplificar as características de plantas e animais por meio de evidências observáveis que os parte do seu cotidiano, fazer uso da relação entre os tamanhos, formas e cores características e
Ciências 2º Vida e evolução Plantas descrever em que fase da vida ou ambiente eles estavam ao serem observados. Pode-se ainda
seu cotidiano e relacioná-las ao ambiente em diferenciem e possibilitem associar e comparar, a fim de construir generalizações sobre animais e
que eles vivem. plantas, como tamanho, cor, forma ou o habitat onde vivem. solicitar que explique as atividades que esses animais realizam e a quais condições do ambiente
estão mais adaptados, associando as suas características ao ambiente onde vivem.

Na elaboração do currículo, podem ser destacadas habilidades investigativas relacionadas ao


ambiente em que o aluno vive, como: identificar a presença da vida em ambientes com diferentes
disponibilidade de água, relacionar a incidência da luz solar às mudanças de temperatura e aos ciclos
Investigar, nesta habilidade, envolve observar, descrever e reconhecer o papel desempenhado pela da água e discutir a necessidade da água para a manutenção da vida em geral. Pode-se propor ainda
(EF02CI05) Investigar a importância da água e da
Ciências 2º Vida e evolução Seres vivos no ambiente luz para a manutenção da vida de plantas em presença de água e luz nas condições ideais de um ambiente para que as plantas se nutram, habilidades referentes a elementos importantes do contexto, como: comparar a presença de vida
Plantas geral. desenvolvam, cresçam e se reproduzam, diferenciando essa relação em diferentes plantas e em diferentes ambientes levando em conta a existência e oferta de água e identificar a formação
diferentes ambientes. vegetal de diversos ambientes em relação às regiões climáticas. Ilustrar, desenhar, observar em
exposições ou em atividades práticas de campo contribuem no estímulo à curiosidade científica e
envolvimento com o tema. Ao mesmo tempo, descrever e relatar são importantes para o ciclo de
alfabetização.

Na elaboração do currículo, pode-se propor habilidades relativas a atividades investigativas, como


Identificar, nesta habilidade, envolve exemplificar e descrever as partes de uma planta, por meio de selecionar, ilustrar e descrever as plantas de seu convívio, que podem ser classificadas de acordo
(EF02CI06) Identificar as principais partes de procedimentos investigativos como observar diferentes espécimes encontradas no cotidiano. com o seu uso ou função no ambiente onde se encontram. Destaque-se que essa sondagem a
Seres vivos no ambiente uma planta (raiz, caule, folhas, flores e frutos) e Associada à habilidade (EF02CI05), com certa complexidade para o ano, requer explicar e relacionar respeito do cotidiano pode e deve ser expandida, relacionando as plantas do local às que se
Ciências 2º Vida e evolução a função desempenhada por cada uma delas, e encontram em diversos ambientes, como o solicitado na habilidade (EF02CI04). O aprofundamento
Plantas analisar as relações entre as plantas, o ambiente as funções de cada parte da planta para sua sobrevivência, reconhecendo seu papel nas relações desta habilidade pode orientar as concepções a respeito do papel das plantas na alimentação e na
e os demais seres vivos. entre os seres vivos e o ambiente, como no fornecimento de alimento, abrigo, sombra e base das cadeias alimentares, ao se propor: relacionar as plantas com o ambiente onde vivem,
interferência no clima local. identificar quais delas fazem parte da dieta de diferentes seres vivos, reconhecer os efeitos da
desertificação com a redução da vegetação e as consequências para a vida em geral.

Na elaboração do currículo, as habilidades podem destacar os procedimentos de investigação, com


base na observação, em atividades práticas de campo, que se desmembram em: registrar tamanho,
Descrever, nesta habilidade, envolve identificar, registrar, e ilustrar as posições do Sol , utilizando forma e posição das sombras e ilustrar a posição da sombra de um objeto e suas mudanças em
Movimento aparente do Sol no (EF02CI07) Descrever as posições do Sol em como referência as sombras dos objetos ao longo do dia e correlacionando-as a referências como o relação à posição do sol. É possível ainda descrever aspectos da luminosidade e passagem do tempo
Ciências 2º Terra e Universo céu diversos horários do dia e associá-las ao horizonte, casas, prédios, o próprio corpo, pontos cardeais (de acordo com o desenvolvimento do durante o período diário, relativos aos elementos do contexto do aluno , como o horário em que ele
O Sol como fonte de luz e calor tamanho da sombra projetada.
aluno neste ano) e a marcação do tempo, como a divisão do dia em horas. pode realizar determinadas atividades ou encontrar sombras para se proteger. Há, aqui,
oportunidade de trabalho interdisciplinar com as habilidades (EF02MA19), da Matemática; e
(EF02HI07), da História, associadas à observação e medição da passagem do tempo.

Na elaboração do currículo, pode-se destacar habilidades relativas à experimentação com a radiação


(EF02CI08) Comparar o efeito da radiação solar Comparar, nesta habilidade, está relacionado a compreender fatos observáveis. Assim, é necessário solar como: identificar diferentes temperaturas em objetos do cotidiano quando expostos ao sol ou
Movimento aparente do Sol no (aquecimento e reflexão) em diferentes tipos de observar, reconhecer e descrever os efeitos da radiação solar nas superfícies de acordo com os quando protegidos de seus raios, ou demonstrar a capacidade de reflexão ou refração da luz em
Ciências 2º Terra e Universo céu superfície (água, areia, solo, superfícies escura, materiais que as compõem, para que o aluno possa diferenciar e exemplificar o que ocorre em cada diferentes tipos de superfícies. Pode-se, ainda, inserir habilidades relativas a descrever e relatar os
O Sol como fonte de luz e calor fenômenos observados, diferenciando e comparando os resultados obtidos com os materiais e
clara e metálica etc.). superfície ao ser aquecida ou ao refletir a luz solar ou artificial. objetos produzidos localmente. Ilustrações, desenhos, visitas a exposições e atividades práticas de
campo contribuem no estímulo à curiosidade científica e envolvimento com o tema.
Geografia

COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES

Geografia 2º O sujeito e seu lugar no Convivência e interações entre (EF02GE01) Descrever a história das migrações no bairro ou comunidade em que
mundo pessoas na comunidade vive.

(EF02GE02) Comparar costumes e tradições de diferentes populações inseridas no


Geografia 2º O sujeito e seu lugar no Convivência e interações entre bairro ou comunidade em que vive, reconhecendo a importância do respeito às
mundo pessoas na comunidade diferenças.

(EF02GE03) Comparar diferentes meios de transporte e de comunicação,


O sujeito e seu lugar no Riscos e cuidados nos meios de
Geografia 2º indicando o seu papel na conexão entre lugares, e discutir os riscos para a vida e
mundo transporte e de comunicação
para o ambiente e seu uso responsável.

Geografia 2º Conexões e escalas Experiências da comunidade no (EF02GE04) Reconhecer semelhanças e diferenças nos hábitos, nas relações com a
tempo e no espaço natureza e no modo de viver de pessoas em diferentes lugares.

Geografia 2º Conexões e escalas Mudanças e permanências (EF02GE05) Analisar mudanças e permanências, comparando imagens de um
mesmo lugar em diferentes tempos.

Tipos de trabalho em lugares e (EF02GE06) Relacionar o dia e a noite a diferentes tipos de atividades sociais
Geografia 2º Mundo do trabalho tempos diferentes (horário escolar, comercial, sono etc.).

Tipos de trabalho em lugares e (EF02GE07) Descrever as atividades extrativas (minerais, agropecuárias e


Geografia 2º Mundo do trabalho
tempos diferentes industriais) de diferentes lugares, identificando os impactos ambientais.

Formas de (EF02GE08) Identificar e elaborar diferentes formas de representação (desenhos,


Localização, orientação e
Geografia 2º representação e mapas mentais, maquetes) para representar componentes da paisagem dos
representação espacial
pensamento espacial lugares de vivência.

Formas de Localização, orientação e (EF02GE09) Identificar objetos e lugares de vivência (escola e moradia) em
Geografia 2º representação e representação espacial imagens aéreas e mapas (visão vertical) e fotografias (visão oblíqua).
pensamento espacial

Formas de Localização, orientação e (EF02GE10) Aplicar princípios de localização e posição de objetos (referenciais
Geografia 2º representação e espaciais, como frente e atrás, esquerda e direita, em cima e embaixo, dentro e
pensamento espacial representação espacial fora) por meio de representações espaciais da sala de aula e da escola.

Os usos dos recursos naturais: (EF02GE11) Reconhecer a importância do solo e da água para a vida, identificando
Geografia 2º Natureza, ambientes e solo e água no campo e na seus diferentes usos (plantação e extração de materiais, entre outras
qualidade de vida cidade possibilidades) e os impactos desses usos no cotidiano da cidade e do campo.
Geografia
MATERIAL SUPLEMENTAR PARA O REDATOR DE CURRÍCULO - NÃO FAZ PARTE DA BNCC
COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES COMENTÁRIO POSSIBILIDADES PARA O CURRÍCULO

Na elaboração do currículo, deve-se considerar que o estudo das migrações é uma oportunidade
para trabalhar com diferentes grupos em um dado lugar. É importante considerar os modos de vida
A habilidade consiste em levantar e contar a história dos povos originários do bairro ou comunidade, dos grupos sociais distintos, a diferença entre cidade e campo, a relação cultural existente entre os
além de identificar os grupos migratórios que contribuíram para sua organização, a fim de descrever modos de vida e também reconhecer as mudanças dos hábitos de vida de um mesmo lugar,
O sujeito e seu lugar no Convivência e interações entre (EF02GE01) Descrever a história das migrações a história da comunidade. Pode-se considerar, nessa descrição, as histórias familiares, por exemplo: apresentando a importância da técnica para a transformação do local. O estudo da migração pode
Geografia 2º mundo pessoas na comunidade no bairro ou comunidade em que vive. Quem foram os primeiros moradores do bairro? Desde quando as famílias dos alunos vivem no ser reforçado com o estudo das histórias familiares, promovendo uma inter-relação com as
bairro ou comunidade? Qual a relação dos alunos com os primeiros habitantes? etc. disciplinas de Arte e História. Esta habilidade pode também ser trabalhada articuladamente à
habilidade (EF02GE02), com o intuito de conhecer outros povos e grupos para reafirmar a identidade
do aluno a partir da diversidade geográfica, étnica e cultural da população.

Na elaboração do currículo, é possível considerar a inserção de habilidades relativas a temas


Esta habilidade relaciona-se diretamente com a (EF02GE01). Após conhecer a história do bairro ou relacionados à educação patrimonial do lugar (podendo ser a escola, o bairro, a cidade e/ou a
(EF02GE02) Comparar costumes e tradições de comunidade e descrever seus processos de formação, espera-se que o aluno possa conhecer e região). Pode-se fazer perguntas tais quais: Como foi o processo de formação desses lugares? Quem
O sujeito e seu lugar no Convivência e interações entre diferentes populações inseridas no bairro ou respeitar os costumes dos moradores do bairro, da comunidade ou até mesmo da cidade (a escala foram os primeiros moradores? De onde vieram? Quais práticas culturais de tradições e costumes
Geografia 2º mundo pessoas na comunidade comunidade em que vive, reconhecendo a pode variar dependendo da realidade local), identificar as tradições dos grupos sociais presentes no que os moradores do bairro preservam até os dias atuais? Quais tradições dos moradores respeitam
importância do respeito às diferenças. cotidiano e comparar os costumes das diferentes populações: quais as festas, feiras, comemorações as diferenças? Esta habilidade pode também ser trabalhada junto à habilidade (EF02GE01), com o
que fazem parte da comunidade? Qual a origem e/ou significado dos diversos costumes e tradições? intuito de conhecer outros povos e grupos para reafirmar a identidade do estudante a partir da
diversidade geográfica, étnica e cultural da população.

O tema comunicação e transporte é uma oportunidade para trabalhar a aproximação do local e do


global. Na elaboração do currículo, pode-se incluir a investigação da história de transformação da
comunicação e do transporte para que os alunos compreendam, a partir de fatos, questões
(EF02GE03) Comparar diferentes meios de Esta habilidade consiste em identificar, distinguir e comparar diferentes meios de transporte e inerentes à globalização. O mundo está nos lugares, e a percepção dessa máxima geográfica ocorre a
transporte e de comunicação, indicando o seu comunicação. Espera-se que o aluno possa reconhecer como esses meios interferem nos processos partir das redes de transporte e comunicação. Se for adequado, é possível inserir habilidades que
O sujeito e seu lugar no Riscos e cuidados nos meios de papel na conexão entre lugares, e discutir os de conexão entre povos e lugares. Deve-se, ainda, identificar os impactos e riscos para a vida e para contemplem identificar os transportes característicos de cada região brasileira em sintonia com a
Geografia 2º mundo transporte e de comunicação riscos para a vida e para o ambiente e seu uso o ambiente que o uso irresponsável dos meios de transporte e comunicação causam. Prevê-se produção e consumo da cidade e do campo, ou fazer a relação de transporte e ambiente,
responsável. também que seja discutido o uso responsável de diferentes meios de comunicação e transporte. considerando o aumento dos meios de transporte individuais em detrimento dos coletivos
(atualmente há muitos carros nas cidades e isso gera vários problemas que afetam a qualidade de
vida). Pode-se prever a discussão sobre a desigualdade de acesso ao transporte e aos meios de
comunicação.

Reconhecer semelhanças e diferenças nos hábitos das pessoas em diferentes lugares significa
identificar e comparar as particularidades entre viver na cidade, no campo, na praia etc.. Conhecer e
(EF02GE04) Reconhecer semelhanças e listar as características dos hábitos de vida e da relação com a natureza dos diferentes modos de Na elaboração do currículo, é importante considerar os modos de vida dos diversos grupos sociais, a
viver e de ocupar o espaço leva a comparar as diferentes formas de apropriação da natureza ao
Experiências da comunidade no diferenças nos hábitos, nas relações com a longo dos tempos e em diferentes lugares. Espera-se que o aluno possa responder a perguntas do diferença entre cidade e campo, além da relação cultural existente entre as formas de vida. Pode-se
Geografia 2º Conexões e escalas tempo e no espaço natureza e no modo de viver de pessoas em complementar a habilidade para reconhecer as mudanças dos modos de vida de um mesmo lugar,
tipo: Como vivem e qual relação com a natureza possuem os moradores da cidade e da área rural?
diferentes lugares. Como vivem e qual a relação com a natureza que os moradores da cidade têm? Como se apropriam apresentando a importância da técnica para a transformação do local.
da natureza os moradores que vivem nas grandes cidades? Quais os hábitos dos moradores da área
rural e no que esses diferem dos hábitos moradores da área urbana?

Nesta habilidade, espera-se que o aluno possa reconhecer, identificar e listar, por meio de imagens Na elaboração do currículo, é possível contemplar as características do lugar e da região em que o
das cidades, bairros e até mesmo da escola em diferentes épocas, as mudanças e permanências que aluno está inserido e também as mudanças e permanências da paisagem ao longo do tempo. Espera-
(EF02GE05) Analisar mudanças e permanências, se que o aluno perceba que a identidade cultural se expressa nos modos de vida, nos hábitos,
Geografia 2º Conexões e escalas Mudanças e permanências comparando imagens de um mesmo lugar em o tempo trouxe às paisagens, identificando quais alterações foram feitas, o seu porquê e quais costumes, tradições, enfim, no próprio jeito de viver e nas relações que as pessoas estabelecem com
diferentes tempos. fatores contribuíram para essa mudança — por exemplo, o crescimento urbano no entorno da o meio. É possível considerar um resgate histórico do lugar a partir de fotografias, de entrevistas com
escola, o aumento de estabelecimentos de comércio, a verticalização do bairro, o recrudescimento moradores, além de registros e memórias que podem ser contadas pelos moradores mais antigos do
do lugar etc. bairro.

Esta habilidade consiste em identificar, listar e apontar as características das atividades realizadas
Tipos de trabalho em lugares e (EF02GE06) Relacionar o dia e a noite a durante o dia (por exemplo, ir à escola, brincar etc.) e durante a noite (dormir) para, então, Esta habilidade atende às competências específicas de Ciências Humanas para o Ensino
Geografia 2º Mundo do trabalho diferentes tipos de atividades sociais (horário relacionar as atividades cotidianas com cada um desses períodos como : Quais atividades são Fundamental, que indicam a necessidade de os alunos compreenderem eventos cotidianos e as
tempos diferentes escolar, comercial, sono etc.). realizadas no período da manhã? E quais são realizadas no período da tarde? Quais atividades são variações de seu significado no tempo e no espaço.
realizadas no período da noite? Em que horário o aluno vai à escola? Etc.

Na elaboração do currículo, é possível apresentar a origem de alguns produtos do cotidiano do aluno


(EF02GE07) Descrever as atividades extrativas Esta habilidade diz respeito a identificar a origem de alguns produtos do cotidiano do aluno que são que são relativos às atividades extrativas da natureza, como os alimentos (arroz, feijão, trigo, frutas e
Tipos de trabalho em lugares e (minerais, agropecuárias e industriais) de relativos às atividades extrativas da natureza, como os produtos vegetais (frutas, legumes, cereais), vegetais), e também o consumo da água, que é um produto de extração mineral. Pode-se também
Geografia 2º Mundo do trabalho tempos diferentes diferentes lugares, identificando os impactos animais (carnes em geral) e minerais (água). Refere-se, ainda, à descrição das diferentes atividades explicitar os impactos ambientais da produção e extração na natureza. Pode-se complementar a
habilidade com a reflexão sobre como diferentes sociedades interagem com a natureza na
ambientais. extrativas e o reconhecimento dos problemas ambientais oriundos da produção e da extração. construção de seu espaço, identificando as singularidades do lugar em que se vive, bem como
semelhanças e diferenças com relação a outros lugares.

Na elaboração do currículo, é possível considerar o uso de diferentes materiais — fotografias,


croquis, maquetes, mapas, imagens aéreas — e procurar identificar lugares do entorno da escola,
exercitando a lateralidade, a orientação e a localização. Esta habilidade, assim como as habilidades
Esta habilidade diz respeito a propor e produzir desenhos, mapas mentais, maquetes ou croquis da (EF02GE09) e (EF02GE10), pode ser pensada no conjunto dos temas do currículo do 2º ano. Pode-se
(EF02GE08) Identificar e elaborar diferentes escola, da casa ou de outro lugar que seja comum aos alunos. Pode-se representar, nos desenhos, propor aos alunos habilidades que se refiram ao exercício da criação, da representação cartográfica e
Formas de Localização, orientação e formas de representação (desenhos, mapas mapas ou croquis, as noções cartográficas já estudadas no ano anterior, (EF01GE08) e (EF01GE09), da observação dos elementos que compõem a paisagem. É importante compreender que o ensino
Geografia 2º representação e representação espacial mentais, maquetes) para representar incluindo os mapas (título, legenda), e representar a escola, o bairro ou a casa em desenhos com os das noções espaciais é uma forma de atender a diversas necessidades da alfabetização geográfica:
pensamento espacial componentes da paisagem dos lugares de das mais cotidianas (como chegar a um lugar que não se conhece, entender um trajeto urbano ou
vivência. componentes da paisagem: elementos naturais (árvores, matas, praças etc.) e elementos culturais rural, ou compreender o curso dos mananciais) às mais específicas (como delimitar áreas de plantio,
(carros, casas, prédios, comércios, parques etc.). compreender zonas de influência do clima, identificar limites, fronteiras e divisas). O ensino das
formas de representação pode criar oportunidades para o conhecimento da linguagem cartográfica
nos dois sentidos: como pessoas que representam e codificam o espaço e como leitores das
informações expressas.

Para o trabalho cartográfico, é interessante considerar o desenvolvimento desta habilidade


Esta habilidade consiste em identificar objetos e lugares cotidianos em linguagens próprias da associado ao conceito de lugar. Na elaboração do currículo, é possível explicitar que sejam
(EF02GE09) Identificar objetos e lugares de Geografia. Espera-se que o aluno perceba as diferenças entre a visão oblíqua (vista do alto e de lado) trabalhadas as relações topológicas e projetivas para se reconhecer as referências. Pode-se, por
Formas de Localização, orientação e vivência (escola e moradia) em imagens aéreas e e a visão vertical (vista do alto, exatamente de cima para baixo). Por exemplo, o desenho oblíquo exemplo, elaborar maquete da sala de aula para que os alunos possam exercitar a visão oblíqua e
Geografia 2º representação e representação espacial mapas (visão vertical) e fotografias (visão auxilia a identificação dos elementos com mais detalhes do que na vertical. Espera-se que, ao vertical. O contato com imagens, cartas e mapas em diferentes escalas e de diferentes espaços
pensamento espacial oblíqua). comparar diferentes visões e representações sobre um mesmo objeto , o aluno possa identificar e contribui para a alfabetização cartográfica do aluno. Há, aqui, oportunidade de trabalho
comparar as características que são encontradas em cada uma dessas imagens. interdisciplinar com as habilidades (EF02MA14), da Matemática; e (EF02CI01), de Ciências, no que se
refere à observação de objetos do cotidiano, suas características, formas e representações.

Esta habilidade contribui para o desenvolvimento das noções de lateralidade e alfabetização


cartográfica. Este conteúdo permite trabalhar com a vida cotidiana dos alunos, o ambiente e as
(EF02GE10) Aplicar princípios de localização e
posição de objetos (referenciais espaciais, como A habilidade diz respeito a representar e identificar a localização de diferentes objetos na sala e na relações na escola. Na elaboração do currículo, pode-se iniciar a aprendizagem do princípio de
Formas de Localização, orientação e frente e atrás, esquerda e direita, em cima e escola por meio de relações de lateralidade e topológicas. Deve-se conseguir responder a questões lateralidade em sala ou na escola, com jogos e brincadeiras, para que o aluno possa progredir com
Geografia 2º representação e representação espacial embaixo, dentro e fora) por meio de de localização e posição, tais quais: Onde está localizada a sala dos professores em relação à sala de relação à habilidade nos anos subsequentes. É possível prever situações de aprendizagem a partir da
pensamento espacial representações espaciais da sala de aula e da aula? Em que posição está a lixeira na sala de aula? problematização de localização de objetos ou com brincadeiras de localização que podem ser
estratégias de aprendizagem para as referências espaciais: por exemplo, com um plano de
escola. coordenadas no pátio da escola ou na sala de aula, o aluno deve encontrar objetos a partir das
referências espaciais.

(EF02GE11) Reconhecer a importância do solo e Para que os alunos possam reconhecer a importância da água e do solo, é necessário que Na elaboração do currículo, pode-se contemplar habilidades sobre o reconhecimento da importância
da água para a vida, identificando seus do solo para a sobrevivência dos diferentes seres vivos, e também a relação da vida com a água. O
Natureza, ambientes e Os usos dos recursos naturais: diferentes usos (plantação e extração de considerem a relação cotidiana que eles têm com a água, nas tarefas domésticas e na escola. A solo é a camada mais superficial da crosta terrestre, que se formou por meio da ação de agentes do
Geografia 2º qualidade de vida solo e água no campo e na materiais, entre outras possibilidades) e os habilidade consiste em investigar e apontar a importância que o solo e a água têm para a produção meio físico, como, por exemplo, sol, chuva e calor, que transformaram rochas em terra. Pode-se
cidade impactos desses usos no cotidiano da cidade e de alimentos, assim como reconhecer, levantar e listar questões ambientais relacionadas ao inserir habilidades relativas ao reconhecimento dos diferentes tipos de solo, relacionando-os ao
do campo. desperdício da água e ao uso irregular do solo. desenvolvimento de determinadas culturas (alimentação e plantio — campo e cidade).
História

COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES

A noção do “Eu” e do “Outro”:


História 2º A comunidade e seus comunidade, convivências e (EF02HI01) Reconhecer espaços de sociabilidade e identificar os motivos que
registros interações entre pessoas aproximam e separam as pessoas em diferentes grupos sociais ou de parentesco.

A noção do “Eu” e do “Outro”:


História 2º A comunidade e seus comunidade, convivências e (EF02HI02) Identificar e descrever práticas e papéis sociais que as pessoas
registros interações entre pessoas exercem em diferentes comunidades.

A noção do “Eu” e do “Outro”:


A comunidade e seus (EF02HI03) Selecionar situações cotidianas que remetam à percepção de
História 2º comunidade, convivências e
registros mudança, pertencimento e memória.
interações entre pessoas

A noção do “Eu” e do “Outro”:


(EF02HI04) Selecionar e compreender o significado de objetos e documentos
História 2º A comunidade e seus registros de experiências pessoais como fontes de memórias e histórias nos âmbitos pessoal, familiar,
registros pessoais e da comunidade no escolar e comunitário.
tempo e no espaço

Formas de registrar e narrar


História 2º A comunidade e seus histórias (marcos de memória (EF02HI05) Selecionar objetos e documentos pessoais e de grupos próximos ao
registros seu convívio e compreender sua função, seu uso e seu significado.
materiais e imateriais)

A comunidade e seus (EF02HI06) Identificar e organizar, temporalmente, fatos da vida cotidiana, usando
História 2º registros O tempo como medida noções relacionadas ao tempo (antes, durante, ao mesmo tempo e depois).

A comunidade e seus (EF02HI07) Identificar e utilizar diferentes marcadores do tempo presentes na


História 2º O tempo como medida
registros comunidade, como relógio e calendário.

As fontes: relatos orais, objetos,


imagens (pinturas, fotografias,
As formas de registrar vídeos), músicas, escrita,
(EF02HI08) Compilar histórias da família e/ou da comunidade registradas em
História 2º as experiências da tecnologias digitais de
diferentes fontes.
comunidade informação e comunicação e
inscrições nas paredes, ruas e
espaços sociais

As fontes: relatos orais, objetos,


imagens (pinturas, fotografias,
As formas de registrar vídeos), músicas, escrita, (EF02HI09) Identificar objetos e documentos pessoais que remetam à própria
História 2º as experiências da tecnologias digitais de experiência no âmbito da família e/ou da comunidade, discutindo as razões pelas
comunidade informação e comunicação e quais alguns objetos são preservados e outros são descartados.
inscrições nas paredes, ruas e
espaços sociais

O trabalho e a A sobrevivência e a relação com (EF02HI10) Identificar diferentes formas de trabalho existentes na comunidade
História 2º sustentabilidade na
comunidade a natureza em que vive, seus significados, suas especificidades e importância.

O trabalho e a
História 2º sustentabilidade na A sobrevivência e a relação com (EF02HI11) Identificar impactos no ambiente causados pelas diferentes formas de
comunidade a natureza trabalho existentes na comunidade em que vive.
História
MATERIAL SUPLEMENTAR PARA O REDATOR DE CURRÍCULO - NÃO FAZ PARTE DA BNCC
COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES COMENTÁRIO POSSIBILIDADES PARA O CURRÍCULO

Reconhecer espaços de sociabilidade implica em observar e identificar os diferentes locais de


vivência, seja a praça, o parque, a igreja, a área de lazer do shopping ou a rua etc., além de perceber Na elaboração do currículo, a habilidade pode ser trabalhada por meio da produção, pelos alunos, de
A noção do “Eu” e do “Outro”: (EF02HI01) Reconhecer espaços de sociabilidade as relações entre as pessoas que os frequentam. Nesses espaços, onde circulam diferentes grupos de croquis, isto é, desenhos da planta dos locais frequentados por eles, assim como o roteiro de acesso
A comunidade e seus comunidade, convivências e e identificar os motivos que aproximam e pessoas, o aluno deve observar e buscar entender que conexões existem entre as pessoas que ali até esses locais. Os desenhos podem ser enriquecidos com a inclusão de pontos de referência e a
História 2º registros separam as pessoas em diferentes grupos sociais circulam, incluindo as interações entre elas e o próprio estudante. Essas habilidades dizem respeito a representação de pessoas – parentes ou não – que frequentam ou trabalham nesses lugares. Trata-
interações entre pessoas
ou de parentesco. se de uma atividade interdisciplinar com Geografia. O exercício dessas habilidades envolve
habilidades específicas da História e Geografia de responder às questões onde, quem, como e por planejamento e compreensão das relações de trabalho, o que contempla a Competência Geral 6.
que.

Na elaboração do currículo, pode-se prever a visita a uma comunidade diferente daquela em que
A noção do “Eu” e do “Outro”: (EF02HI02) Identificar e descrever práticas e A habilidade (EF02HI01) é aprofundada nesta habilidade, pois exige do aluno reconhecer, explicar e vive o aluno – comunidade indígena, quilombola, ribeirinha etc. – com o objetivo de identificar e
A comunidade e seus comunidade, convivências e papéis sociais que as pessoas exercem em esclarecer práticas e funções sociais em diferentes comunidades. As situações trabalhadas descrever o que fazem as pessoas desses locais. Outra possibilidade é visitar espaços integrados
História 2º registros anteriormente servirão de referência para comparar e distinguir o que fazem as pessoas em diversos àqueles frequentados pelo aluno, mas raramente explorados, como a cozinha da escola, para ele
interações entre pessoas diferentes comunidades.
espaços, como em papéis profissionais, familiares etc. observar o trabalho que ali acontece e, depois, em sala de aula, narrar e explicar as práticas
observadas.

Selecionar implica em escolher entre diversas opções e de acordo com certos critérios. Neste caso, a Na elaboração do currículo, é possível considerar a possibilidade de o aluno entrevistar ou coletar
A noção do “Eu” e do “Outro”: (EF02HI03) Selecionar situações cotidianas que escolha envolve subjetividades: lembranças, percepção de mudança e pertencimento. Trata-se de depoimentos junto aos pais, avós ou idosos da comunidade sobre sua infância com o objetivo de
A comunidade e seus comunidade, convivências e remetam à percepção de mudança, conectar tempo (memória e mudança) e espaço (pertencimento). O aluno deve se fazer certas perceber mudanças e permanências em relação às situações cotidianas vividas por ele. O resgate da
História 2º registros interações entre pessoas pertencimento e memória. questões que podem levar a essa compreensão, como: Que brincadeiras eu gostava de fazer na memória de adultos e idosos é um procedimento específico da História e que propicia aos alunos
praça quando era mais novo? As festas de aniversário foram sempre iguais ou mudaram? exercitarem as habilidades de ouvir, buscar, recolher, organizar e selecionar a informação.

Na elaboração do currículo, é possível prever envolver a família e a escola para reunir documentos e
Selecionar implica em fazer escolhas de acordo com certos critérios. Neste caso, a escolha se dará objetos que permitam formar um acervo de fontes que dará subsídios para trabalhar esta e outras
A noção do “Eu” e do “Outro”: (EF02HI04) Selecionar e compreender o pela percepção do sentido dos objetos e documentos pessoais como formas de resgatar histórias e habilidades ( como as EF02HI05 e EF02HI09). Os documentos podem ser: carteira de vacinação,
memórias em diversos âmbitos da vida do aluno. Trata-se de uma habilidade complexa, que exige
A comunidade e seus registros de experiências significado de objetos e documentos pessoais analisar e avaliar, conforme já visto na habilidade (EF01HI08). Para esta fase escolar, espera-se que o certidão de nascimento, carteira de identidade, carteira de trabalho, boletim escolar, jornais e
História 2º registros pessoais e da comunidade no como fontes de memórias e histórias nos revistas antigos, diários de classe, cartão postal, fotografias antigas etc. Entre os objetos, podem
aluno infira que a importância desses marcos materiais de memória está nas informações que eles
tempo e no espaço âmbitos pessoal, familiar, escolar e comunitário. contêm, como nome, filiação, data de nascimento, endereço etc., no caso de documentos, e marcas estar lampião, telefone de discar, ferro de passar roupa a carvão, pilão, tacho de fazer doce etc. A
do tempo, tecnologias utilizadas na produção, informações de fabricação etc., no caso de objetos. atividade desenvolve as habilidades de identificar, examinar, coletar, organizar e selecionar o
material.

(EF02HI05) Selecionar objetos e documentos Na elaboração do currículo, dando continuidade à sugestão proposta para a habilidade (EF02HI04),
Formas de registrar e narrar Escolher objetos e documentos próprios e de outras pessoas significa identificar, explicar para que
História 2º A comunidade e seus histórias (marcos de memória pessoais e de grupos próximos ao seu convívio e servem e como são usados. A habilidade aprofunda a anterior (EF02HI04), pois expande o quadro de os alunos podem elaborar fichas de identificação dos objetos e documentos selecionados junto aos
registros materiais e imateriais) compreender sua função, seu uso e seu referências do aluno e lhe possibilita comparar e diferenciar formas de registros suas e de outros. familiares e grupos próximos (o que são e para que servem), separando-os conforme sua função: por
significado. exemplo, objetos de cozinha, de comunicação, documentos de saúde etc.

Na elaboração do currículo, é importante considerar que a habilidade pode ser desenvolvida por
meio de jogos, narrações orais feitas pelos alunos sobre seu dia a dia, cenas ilustradas do cotidiano
que devem ser alinhadas em uma linha do tempo etc. Além disso, é possível complementar a
habilidade inserindo no aprendizado contos populares, indígenas, africanos ou de outras origens,
(EF02HI06) Identificar e organizar, visto que o conto é uma história completa, que se desenrola de forma linear, cronológica, com um
A comunidade e seus temporalmente, fatos da vida cotidiana, usando A habilidade consiste em sequenciar fatos cotidianos de forma cronológica, aplicando palavras e começo, meio (conflito ou ápice) e fim (a superação ou solução do conflito), inicia-se com uma
História 2º O tempo como medida expressões temporais (antes, durante, ao mesmo tempo e depois), o que permite desenvolver a expressão temporal – era uma vez, naquele tempo, há muito tempo ou tempos atrás, por exemplo –
registros noções relacionadas ao tempo (antes, durante, compreensão da temporalidade linear. completada por uma expressão espacial – em um reino distante, no meio da floresta, junto a um rio,
ao mesmo tempo e depois). para além das montanhas etc. Essas expressões servem de referência para, mais tarde, o aluno
compreender cortes temporais maiores, como décadas, séculos, milênios etc. Há, aqui, oportunidade
para o trabalho interdisciplinar com a habilidade (EF02MA18), da Matemática, associada à
identificação de intervalos de tempo entre datas e organização temporal de fatos, utilizando
calendário.

Na elaboração do currículo, para que a habilidade esteja alinhada às habilidades específicas de


História, uma sugestão é estimular o aluno a imaginar como era medido o tempo antes da invenção
do relógio. O movimento do sol observado pela sombra ou luz projetada no pátio da escola ou na
sala de aula (podendo, inclusive, ser marcado a lápis ou giz durante as semanas seguintes) permite
A comunidade e seus (EF02HI07) Identificar e utilizar diferentes Esta habilidade consiste em identificar, examinar, compreender e utilizar relógios e calendários, ao estudante visualizar e medir a passagem do tempo. A habilidade pode, ainda, ser reforçada com o
História 2º registros O tempo como medida marcadores do tempo presentes na assim como outros marcadores temporais que estão inseridos nos lugares de vivência do aluno. É uso de agendas e calendários em que os alunos registram tarefas e organizam o tempo para realizá-
comunidade, como relógio e calendário. uma habilidade complexa, pois implica em calcular, medir e dividir o tempo. las. Pode-se também pensar em um trabalho multidisciplinar com Matemática, já que o aprendizado
de marcadores do tempo necessita ser feito por meio de cálculos. Há, aqui, oportunidade para o
trabalho interdisciplinar com as habilidades (EF02MA18) e (EF02MA19), da Matemática; e
(EF02CI07), de Ciências, associadas a observação, medição e registros da passagem do tempo,
utilizando calendário marcadores.

As fontes: relatos orais, objetos, Na elaboração do currículo, deve-se levar em conta que, no 2º ano, importa desenvolver no aluno a
imagens (pinturas, fotografias, Esta habilidade consiste em procurar e reunir as histórias familiares e/ou da comunidade a partir das percepção de que a história e as experiências da família e da sociedade estão registradas sob
As formas de registrar vídeos), músicas, escrita, (EF02HI08) Compilar histórias da família e/ou da informações coletadas em diferentes fontes, como relatos orais, fotografias, objetos, notas em diferentes formas e que elas trazem mensagens e informações que dizem respeito a um grupo ou a
História 2º as experiências da tecnologias digitais de comunidade registradas em diferentes fontes. jornais ou mensagens em redes sociais etc. A habilidade exige do aluno coletar, selecionar e toda sociedade. Desse modo, no 6º ano, o aluno deverá ter aprendido que todos os registros servem
comunidade informação e comunicação e
inscrições nas paredes, ruas e organizar as informações que ele encontrou para depois juntá-las em um só lugar. de fonte para a pesquisa do historiador, contribuindo para conhecer e explicar a história de uma
espaços sociais sociedade.

As fontes: relatos orais, objetos,


imagens (pinturas, fotografias, (EF02HI09) Identificar objetos e documentos Esta habilidade avança em relação ao que foi tratado nas habilidades (EF02HI04) e (EF02HI05), mas Na elaboração do currículo, deve-se levar em conta que o aluno precisa perceber que fatores
As formas de registrar vídeos), músicas, escrita, pessoais que remetam à própria experiência no agora, com um modificador mais complexo, que mobiliza outras habilidades, como explicar, interferem na escolha daquilo que se guarda e do que se joga fora. O questionamento suscita
História 2º as experiências da tecnologias digitais de âmbito da família e/ou da comunidade, interpretar e inferir, que permitam compreender as razões para conservar ou descartar objetos e reflexão e estimula o estudante a criar hipóteses onde são avaliados aspectos diversos, como
comunidade informação e comunicação e discutindo as razões pelas quais alguns objetos documentos. Essa percepção deve vir por meio de o aluno reconhecer objetos e documentos que validade e/ou temporalidade do objeto e do documento, informações neles contidas e até mesmo
inscrições nas paredes, ruas e são preservados e outros são descartados. apontem para o seu histórico familiar ou na comunidade. seu significado afetivo enquanto memória pessoal, familiar ou coletiva.
espaços sociais

(EF02HI10) Identificar diferentes formas de Esta habilidade diz respeito a perceber, distinguir e avaliar as diferentes formas de trabalho Na elaboração do currículo, pode-se prever atividades que propiciem ao aluno planejar e realizar
O trabalho e a A sobrevivência e a relação com trabalho existentes na comunidade em que vive, exercidas pelas pessoas no entorno do aluno, como na escola (professor, diretor, zelador etc.), nos uma pesquisa sobre diferentes formas de trabalho existentes na comunidade, incluindo o informal e
História 2º sustentabilidade na a natureza seus significados, suas especificidades e comércios em seus locais de vivência (trabalhadores de padarias, mercados etc.), entre outros. Essa as novas formas de trabalho (home office, motorista de aplicativos etc.). Caberá aos professores
comunidade importância. percepção confere maior significado à aprendizagem de que todas as atividades de trabalho são orientar os alunos sobre o que observar e registrar, assim como promover a auto avaliação do
valorosas e contribuem para o bem comum. trabalho realizado.

Esta habilidade dá sequência à anterior (EF02HI10), apresentando um novo conteúdo referente à


relação causal entre trabalho e impactos ambientais. A habilidade torna-se mais complexa, pois
O trabalho e a A sobrevivência e a relação com (EF02HI11) Identificar impactos no ambiente implica em reconhecer a correlação entre causa e efeito (ou consequência) –, habilidade específica Na elaboração do currículo, pode-se prever a visita dos alunos a uma fábrica, fazenda produtora,
História 2º sustentabilidade na a natureza causados pelas diferentes formas de trabalho para o desenvolvimento do raciocínio histórico. Para esta fase escolar, basta que o aluno identifique oficina, redação de um jornal, gráfica etc., que lhes possibilite observar diferentes formas de
comunidade existentes na comunidade em que vive. mudanças causadas no ambiente pelas formas de trabalho, como, por exemplo, a derrubada de trabalho e como elas se correlacionam com o ambiente, alterando o espaço e a natureza.
árvores para construir um conjunto habitacional ou para abrir áreas de plantio ou pastoreio.
Ensino Religioso

COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES

Identidades e O eu, a família e o ambiente de


Ensino Religioso 2º (EF02ER01) Reconhecer os diferentes espaços de convivência.
alteridades convivência

Identidades e O eu, a família e o ambiente de (EF02ER02) Identificar costumes, crenças e formas diversas de viver em variados
Ensino Religioso 2º
alteridades convivência ambientes de convivência.

Identidades e (EF02ER03) Identificar as diferentes formas de registro das memórias pessoais,


Ensino Religioso 2º Memórias e símbolos
alteridades familiares e escolares (fotos, músicas, narrativas, álbuns...).

Ensino Religioso 2º Identidades e Memórias e símbolos (EF02ER04) Identificar os símbolos presentes nos variados espaços de convivência.
alteridades

Ensino Religioso 2º Identidades e Símbolos religiosos (EF02ER05) Identificar, distinguir e respeitar símbolos religiosos de distintas
alteridades manifestações, tradições e instituições religiosas.

(EF02ER06) Exemplificar alimentos considerados sagrados por diferentes culturas,


Ensino Religioso 2º Manifestações religiosas Alimentos sagrados
tradições e expressões religiosas.

(EF02ER07) Identificar significados atribuídos a alimentos em diferentes


Ensino Religioso 2º Manifestações religiosas Alimentos sagrados
manifestações e tradições religiosas.
Ensino Religioso
MATERIAL SUPLEMENTAR PARA O REDATOR DE CURRÍCULO - NÃO FAZ PARTE DA BNCC
COMPONENTE ANO/FAIXA UNIDADES TEMÁTICAS OBJETOS DE CONHECIMENTO HABILIDADES COMENTÁRIO POSSIBILIDADES PARA O CURRÍCULO

Identidades e O eu, a família e o ambiente de (EF02ER01) Reconhecer os diferentes espaços de


Ensino Religioso 2º alteridades convivência convivência.

(EF02ER02) Identificar costumes, crenças e


Identidades e O eu, a família e o ambiente de formas diversas de viver em variados ambientes
Ensino Religioso 2º alteridades convivência de convivência.

(EF02ER03) Identificar as diferentes formas de


Identidades e registro das memórias pessoais, familiares e
Ensino Religioso 2º alteridades Memórias e símbolos
escolares (fotos, músicas, narrativas, álbuns...).

Identidades e (EF02ER04) Identificar os símbolos presentes nos


Ensino Religioso 2º alteridades Memórias e símbolos variados espaços de convivência.

(EF02ER05) Identificar, distinguir e respeitar


Ensino Religioso 2º Identidades e Símbolos religiosos símbolos religiosos de distintas manifestações,
alteridades tradições e instituições religiosas.

Manifestações (EF02ER06) Exemplificar alimentos considerados


Ensino Religioso 2º Alimentos sagrados sagrados por diferentes culturas, tradições e
religiosas expressões religiosas.

Manifestações (EF02ER07) Identificar significados atribuídos a


Ensino Religioso 2º religiosas Alimentos sagrados alimentos em diferentes manifestações e
tradições religiosas.