Você está na página 1de 5

A TEORIA DOS PREÇOS E O COMPORTAMENTO EMPRESARIAL HALL E HITCH Questionário: pratica adotada pelas firmas para fixar os preços

e a produção. Examinar a forma pela qual os empresários decidem que preço cobrar e qual a quantidade a produzir. Preço e produção em termos de custo e receita marginais são duvidosos. Estabelecimento do preço com base no principio do “custo total”. Importância e limitações da evidência obtida Deficiências de uma pesquisa questionária. Amostra muito pequena, fortemente viesada em favor dos industriais e qualquer conclusão refere-se a este tipo de empresário. As respostas se enquadram claramente em padrões que não deixam duvidas aos autores de que a teoria econômica atual tende a considerar como típico um comportamento que não tem maior importância prática, do mesmo modo que considera atípico aquilo que é um comportamento usual. A doutrina atual sobre a política de preços e produção Doutrina atual: Rmg=Cmg=P (concorrência perfeita). Nos outros casos, a receita marginal é menor que o preço e o custo marginal são maiores que o custo dos fatores adicionais (Rmg=Cmg). Se Cme=Rme, é resultado da entrada de novas empresas, nas quais a receita média excede o custo médio, e da saída de firmas antigas onde ocorre o inverso. Indústrias com livre entrada há tendência de longo prazo de se igualarem receita média e custo médio, com barreiras não há essa tendência. No curto prazo, a única regra de equilibro é Rmg=Cmg. As curvas de demanda de curto e longo prazo são diferentes. ( é comum supor que as condições de demanda permanecem constantes através do tempo). A demanda futura depende dos preços correntes e dos preços futuros. A demanda de longo prazo não pode ser a soma das de curto prazo. As preferências dos consumidores podem variar. 1. CONCORRÊNCIA PURA: nenhum fabricante pode afetar significativamente o preço de mercado variando a sua produção. 2. MONOPÓLIO PURO: a curva de demanda da firma é negativamente inclinada e não há substitutos próximos, o empresário supõe que uma alteração em seu preço ou na sua produção não causará as mesmas variações por parte de outro produtor. 3. CONCORRÊNCIA MONOPOLÍSTICA: produto é diferenciado dos demais. O empresário supõe que sua curva de demanda seja independente das reações dos demais produtores, como existem muitos produtores, nenhum é capaz de afetar a outra, devido sua pequena parcela de mercado. 4. OLIGOPÓLIO: Poucas firmas produzem o mesmo produto e cada uma se dá conta de que uma alteração no seu preço ou produção poderá induzir a uma alteração da mesma natureza no preço ou na produção. 5. CONCORRÊNCIA MONOPOLÍSTICA COM OLIGOPÓLIO: produto é diferenciado mas o produtor supõe que a política de preços de seus concorrentes não seja independente da sua própria política. Metade das empresas pesquisadas enquadram-se aqui.

mais um percentual de lucro. A maioria dos empresários considerou que o preço baseado no custo médio total era o preço justo. Supõem ainda. os consumidores que abandonassem provavelmente escolheriam formas alternativas tão amplas de gastar a sua renda. despesas gerais variam de acordo com a política adotada. por vezes o custo de oportunidade) e. salvo em condições muito especiais. reação dos concorrentes e estrutura de custos). O custo total não pode ser deduzido das condições técnicas e dos preços dos fatores: a empresa não é necessariamente de tamanho ótimo. Eles supõem que a elasticidade da demanda seja uma boa medida do grau de monopólio e que a produção vai até o ponto em que a elasticidade seja igual à razão do preço pela diferença do preço e custo marginal. é possível que a elasticidade cruzada seja negligenciável. Em concorrência monopolística. não tentava estimar a elasticidade da demanda ou o custo marginal e os que faziam consideraram de pouca importância a informação para a fixação dos preços. Para que essa analise seja aplicável. No monopólio. Custo total: a firma toma por base o custo direto (variável) médio. adiciona=se a ele uma porcentagem para cobrir os custos indiretos (custos fixos mais custos de vendas e. apesar do fato de que somente um reduzido numero de firmas esteja operando dentro do grupo ou da industria. e as reações dos concorrentes sejam ignoradas. podendo ser questionável os valores indicados. No caso de bens de luxo ou da moda. perderá consumidores mas. Muitos. que se emprega cada fator de produção até o ponto em que seu produto marginal é igual ao salário ou. uns pouco admitiram que poderiam cobrar mais em períodos de manda alta. e um numero ainda maior admitiu que poderia cobrar menos em época de demanda baixa. Tentem igualar a receita e o custo marginal estimado A maioria dos informantes da pesquisa foi vaga em relação à elasticidade e era uma ampla variedade de produtos.Diferença entre monopolista e oligopolista: é insignificante a elasticidade cruzada da demanda entre o seu produto e o de qualquer outra firma. Em concorrência perfeita. monopólio e concorrência monopolística. provavelmente será pouco importante o numero de consumidores conquistados por qualquer empresa particular. Façam alguma estimativa da elasticidade e da posição das curvas de demanda ii. o acréscimo convencional para os lucros varia de firma para firma e são incluídos custos de vendas. visto que não há reação dos concorrentes. dado que não há muitos bens substitutos e porque as preferências dos consumidores estão razoavelmente divididas por igual entre os membros do grupo. se aumentar os preços. talvez a maioria. Grande parte dos empresários explicou que eles realmente cobravam o preço de custo total. a estrutura marginalista é adequada. P = v + q’v +q’’v Fatores para seguir a política do custo total: . como não há bens substitutos próximos. que a demanda de qualquer outra firma não seria afetada de maneira significativa. por fim. O efeito da concorrência foi induzir as firmas a modificarem a margem de lucro que podia ser acrescentada aos custos diretos e indiretos. a elasticidade-substituição é alta. que dependem da demanda. A política do “Custo Total” Empresas não têm informações perfeitas (demanda. é necessário que os empresários: i. Os empresários pensam mais em lucros a longo prazo do que imediatos. Rmg=Cmg.

acima do ponto I. Df: expectativa de demanda das firmas. os demais não aumentarão os preços e será a curva df (bastante elástica). A forma marginalista não se aplica em estrutura de oligopólio. É o lócus de ligação dos diferentes preços conforme altera-se a df. . pois não haverá muitos ganhos com a redução dos preços pois desencadeará guerra de preços. diminuindo a sua demanda. Uma vez determinado preços pelo principio do custo total. Os preços não são aumentados através de acordos porque levaria a um enfraquecimento das firmas a longo prazo pela entrada de novos concorrentes. se equilibram toda no ponto I (mesmo preço). Os produtores não conhecem suas curvas de demanda ou de receita marginal ( não conhecem a preferência dos consumidores e a maioria dos produtores é oligopolistas e não sabe quais serão as reações dos concorrentes) ii. iii. há uma tendência à rigidez no ponto I (df=Dp). efetuadas simultaneamente. espera que não haverá reação dos concorrentes em preços. v. com estrutura de custos diferentes. há reação dos concorrentes em preços (↓P). As alterações no preço são freqüentemente muito dispendiosas e há preços convencionais que os consumidores estão acostumados. Várias firmas no mercado. temem que eles não os acompanhem ou que aumentem muito pouco iv. acima do ponto I (↑P). diminuindo o possível aumento de demanda. Abaixo do ponto I (↓P). Embora os produtores desconheçam o que seus concorrentes fariam se reduzissem seus preços. Dp: curva de demanda real da firma: é o conjunto de pontos que liga as quantidades reais vistas com a redução do preço. vi. temem que eles também o façam. Os preços não são reduzidos através de acordos efetivos ou tácitos entre os produtores devido à convicção de que a elasticidade da demanda para o grupo de produtores é insuficiente para ser vantajoso. I Rm g Dp Df Se a empresa quiser aumentar os preços para aumentar a receita. Se elevarem. A df desloca-se para baixo e para a esquerda em decorrência de tentativas de redução de preço das várias firmas.i.

Eles só serão modificados nos casos de variações significativas nos salários ou ii. ii.Os valores convencionais das margens sobre o CVM (custo variável médio) não são explicadas. iii. A maioria dos empresários. leva em consideração as prováveis reações tanto dos concorrentes diretos quanto dos potenciais Quando este elemento de oligopólio está presente. Altas da demanda de curto prazo são respondidas pela firma com venda de estoque de produtos acabados e uso do excesso de capacidade instalada. Uma grande parte dos empresários não tenta igualar a receita marginal ao custo marginal. O mais próximo que podemos chegar de uma afirmação precisa é que o preço vigente nestas condições provavelmente se aproximará do custo total da firma representativa. A demanda tem um papel restritivo mas não determinante da formação de preços. O preço pode ser fixado pela firma mais forte ou por um processo de tentativa e erro com todas as firmas fazendo alguns ajustamentos. Desaquecimento da demanda leva à adiantamento de investimento e manutenção dos preços. ao fixar preços. cada firma adere até o ponto em que sua formula o permite. Recapitulação: i. Antes a demanda era fundamental na determinação dos preços (Rmg=Cmg). todas as firmas cobrarão preços semelhantes e os consumidores serão distribuídos entre elas de acordo com os fatores que tornam o mercado impoerfeito. Quando os custos não diferem muito dentro de uma industria. iv. há uma forte tendência de os empresários fixarem seus preços diretamente ao nível do que considerem sendo como seu custo total. Em casos de relativa estabilidade. Os preços em uma industria se tornam instáveis assim que um dos concorrentes forme uma idéia de preço lucrativo que seja muito diferente dos praticados no mercado ( pode ocorrer durante uma recessão). . no sentido que os economistas afirmam ser o comportamento típico Os mercados para os produtos manufaturados apresentam geralmente um elemento de oligopólio. evitando guerra de preços. O principio do custo total não contempla bem os casos de liderança de uma firma na formação de preços. e em muitos casos isso não ocorre. Os preços assim fixados tendem a ser estáveis. Estabilidade e Instabilidade i.

nas matérias-primas. v. . Geralmente há nos preços vigentes em qualquer momento um elemento que só pode ser explicado à luz da história da industria. mas não o seroa em resposta à variações moderadas e temporárias na demanda.