P. 1
Documentos Oficiais da AP 470 no STF

Documentos Oficiais da AP 470 no STF

|Views: 854|Likes:
Publicado porMarcelo Bancalero
Documentos Oficiais da AP 470 que comprovam a inocência de Henrique Pizzolato
Documentos Oficiais da AP 470 que comprovam a inocência de Henrique Pizzolato

More info:

Published by: Marcelo Bancalero on Dec 15, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/24/2014

pdf

text

original

Cláudio de Castro Vasconcelos. funcionário do BB por 25 anos e que trabalhou na DIMAC (Diretoria de Marketing e Comunicacãol - indagado.

esclareceu que Nota Técnica DIMAC é nota exclusivamente da Diretoria de Marketing e Comunicação e DIREV é a Diretoria de Varejo, sendo uma Nota Técnica DIMAC/DIREV uma nota onde haveria a assinatura do comitê da Diretoria de Marketing e do Comitê da Diretoria de Varejo do Banco; Exibido ao depoente o volume 25 dos autos, e várias Notas Técnicas constantes do mesmo, algumas com a assinatura do depoente, o mesmo reconheceu as notas técnicas e as assinaturas e esclareceu: No Banco do Brasil, não existem decisões individualizadas. Todas as decisões são por comitê. Então, a primeira decisão é da divisão, depois vai para a gerência executiva, para a diretoria e, dependendo do valor, pode subir até ao conselho diretor do banco . Rapidamente, pelo que eu vi, essa nota foi submetida ao conselho diretor do Banco do Brasil, pelo valor do dispêndio (Nota Técnica nQ 0711, fls. 5305 do vol. 25). Ela foi, primeiro, aprovada no comitê da Diretoria de Marketing, depois no comitê de comunicação, de que fazem parte outros diretores da empresa e, por fim, no conselho diretor do Banco onde participam o presidente e o vice-presidente do banco. Na Diretoria de Marketing, quatro pessoas; no comitê de comunicação; se não me engano, são nove diretores; no conselho diretor do banco, tenho a impressão de que são o presidente e mais sete vice-presidentes, Posso estar enganado nos números. Apresentada ao depoente na Nota Técnica DIMAC 1116, de fls. 5355 do Vol. 25, reconheceu sua assinatura, a aprovação pelo comitê da Diretoria de Marketing, pelo comitê de comunicação do banco e pelo conselho diretor, esclarecendo que estas aprovações envolvem, mais ou menos, umas vinte pessoas. Nesse caso, a aprovação era submetida à Visanet, uma vez que os recursos eram oriundos do fundo emissor Visanet. Por isso que era aprovado pelo banco, porque era um produto do banco, era um cartão de crédito do Banco do Brasil, e era aprovado também pela Visanet, porque estava dito no regimento do fundo Visanet que toda campanha em que fossem utilizados os recursos do fundo deveria ser aprovada pela Visanet (que é a Companhia Brasileira de Meios de Pagamento); perguntado, confirmou, ainda, que os recursos empregados nas campanhas publicitárias do fundo Visanet eram recursos da Companhia Brasileira de Meios de Pagamento e não eram recursos do Banco do Brasil. Apresentada ao depoente a Nota Técnica DIMAC/DIREV nQ 1.141 de fls. 5.375 do vol. 25 dos autos, confirmou sua assinatura e a assinatura de Douglas Macedo, da Diretoria de Varejo. Perguntado: Em algum caso era possível a Henrique Pizzolato assinar e, autorizar sozinho qualquer verba de publicidade e propaganda, seja a verba do próprio Banco do Brasil, seja a verba da Visanet? Respondeu: Como eu, disse anteriormente, no Banco do Brasil, as decisões são todas colegiadas. Nem o presidente do banco toma decisões isoladas. Apresentadas ao depoente outras Notas Técnicas constantes do volume 25, em todas elas esclareceu o depoente que a aprovação da campanha publicitária envolvia diversos níveis de órgãos colegiados do banco, várias com a participação de cerca de dez ou vinte pessoas e ainda que os pagamentos eram diretamente feitos pela CBMP para a DNA, não transitando o dinheiro por contas do Banco do Brasil. A testemunha confirmou, ainda, o sucesso das campanhas publicitárias desenvolvidas pela DNA que colocaram o Banco do Brasil na liderança do faturamento de cartões de crédito entre os bancos associados à VISANET (fls. 30.452/30.462 - vol. 141)

Seção de Processos Diversos do Plenário

1

$ERMO DE ABERTURA

de 2006, fica jh-mado o 2 S~ Em de volume dos predentr autos número I 2245 que i se inicia a folhau no áaa_ h . Eu, Analista Judiciário, lavrei este termo. E eu, Maria .das Graças Camarinha Caetano, do Plenário, o subscrevi.

Inq no2245

I

TERMO DE JUNTADA

Em 9 de março de 2006 junto a estes autos a Petição a Petigão no 5378106 - Banco do Brasil requer juntada de relatório de auditoria. EU, A ~n&sta-~udiciário~ este termo. E lavrei Maria das Graças Carnarinha Caetano, eu, ~oordekqbora Processamento do Plenário, o subscrevi. de

ÈXMO. SR. MINISTRO NELSON !JOBIM, MD PRESIDENTE DO EGRÈGIO
2

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL.

I

I

~

f,,
I

I
/
I
I

I

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Coordei7adoria de
fJiocessainento Iiiicial

- ,-

/
I

~11111111111111ll1111IIIl l l lllllllllllllllllllllllllll III *.
Ji. f.& A 7
c. 4 ^

17/0112006 15:Ol

5378

.

J

f

I

"Processo em Segredo de .Justi$"

Junte-se. Basília, &

de 2006.

I
/

I

I

?,

INQUÉRITO No224512005 REF. oficio no 10012006 BANCO DO BRASIL S.A., pessoa jurídica de direito privado, inscrita
no CNPJ sob o no 00.000.000100~1-91,por intermédio de um de seus advogados, lotado na Diretoria Jurídica, sito
I

-

b

Ed. Sede III, 22a andar, nesta Capital, onde

recebe as intimações de estilo, vLm à presença de V. Exa. em atenção ao Ofício no 1001P, de 11 de janeiro de 2006, entregar cópia do Relatório de Auditoria

@

elaborado pela Auditoria Interna Lo Banco do Brasil, destinada à avaliação dos procedimentos referentes à utilização dos recursos do FUNDO DE INCENTIVO VISANET, no âmbito desta instituibão Financeira.
I

2.

Importa registrar q $ ~oe Relatório de Auditoria e seus anexos
I

/.

compõem um conjunto de informabóes gerenciais resguardadas pelas normas que protegem o sigilo bancário, comercial e profissional no âmbito da livre concorrência, nos termos do artigo; 170, V, da Constituição Federal.

Mod. 0.03.007-4 SS B 99176 IB J 11 5 2 0 10051 ~ . 0 05

-

-

3.
L+

A Auditoria Interna do Banco do Brasil constitui-se num órgão de

apoio a gestão da Empresa, vinculado ao Conselho de Administração, e não se presta a fazer investigações. Por! isso, seus relatórios têm sempre enfoque gerencial, sendo que suas análises, constatações e conclusões pautam-se pelo rigor metodológico que norteiam os trabalhos de auditoria e servem para que os administradores orientem suas gestões futuras de forma adequada.

4.

Dessarte, requer a junta do requestado Relatório de Auditoria nos
I

autos do Inquérito no224512005'.

Termos em que, Pede deferimento. de Brasília, DF, 171 janeiro de 2006.
/'

' Anexos: Procuração;

Envelope lacrado contendo o Relatório de Auditoria - Fundo de Incentivo Visanet.

I

Mod.0.03.0074 - SISBB 99176 Ju1.105 2005 10051

-

2"TABELIÃO DE NOTAS E
Prot. :2 73583 Livro: 2422 Folha: 180
DR GOIÂNIO BORGES TEIXEIRA

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL
TABELIONATO BORGES TEMEIRA
DR RAMILO SIMOES c SUBSTITUTO

o e

PROCURAÇAO BASTANTE QUE FAZ BANCO DO BRASIL S.A., NA FORMA ABAIXO: SAIBAM quantos este público instrumento de procuração virem que aos dezenove dias do mês de agosto do ano de dois mil e cinco (19/0812005), nesta Cidade de Brasília, Capital da República Federativa do /Brasil, neste Serviço Notarial, perante mim, Escrevente Notarial, compareceu como outorgante: BANCO DO BRASIL S.A., sociedade de economia mista, sediado no Setor Bancário Sul, Quadra 4. Bloco C. ~ o t e 32. Edifício Sede III. em Brasília. Distrito Federal. inscrito no CNPJIMF sob o número 00.000.00010001-91, neste ato representado, na forma do art. 27 do respectivo Estatuto registrado na JCDF sob o no 200510003739 em 04.01.2005, por seu Diretor Jurídico, Dr. MIGUEL OSCAR VIANA PEIXOTO, brasileiro,! casado, advogado, portador da cédula de identidade nO . 3.648-OABICE, data de inscrição 17 de agosto de 1981, CPFIMF sob nO 053.137.403-34, residente nesta . Capital e domiciliado na Sede da Empresa, investido na função conforme Extrato da Ata da Reunião Ordinária do Conselho de Administração realizada em 02 de setembro de 2004, arquivada na Junta Comercial do Distrito Federal sob o no 20040644758, em 21/10/2004, publicada no Diário Oficial da União de 29 de outubro de 2004, Seção I , página 37, identificado e reconhecido como o próprio do que dou fé. E por ele me foi dito que, por este instrumento público nomeia e constitui seus bastantes procuradores os Drs. ACÉLIO JACOB ROEHRS, OABIRJ no 114.104 e CPF no 230.580.210-20, ÂNGELO ALTOÉ NETO, OABIBA no 7 410 e CPF no 153.170.565-00, ANTONIO PEDRO DA SILVA MACHADO, OABIDF no 1.739-A e CPF no 239.664.400-91, HELVECIO ROSA DA COSTA, OABIDF no 12.679 e CPF no 035.821.593-53, IZAIAS BATISTA DE ARAÚJO, OABIGO no 5.422 e CPF no 077.183.901-44, LEONARDO GAULAND DE MAGALHAES BORTOLUZZI, OABIDF no 18.056 e CPF no 436.047.060-68, LINCOLN DE SOUZA CHAVES, OABIDF no 1.398-A e CPF no 373.827.567-34, LUIZ DE FRANCA PINHEIRO TORRES, OABIDF no 8.523 e CPF no 145.546.311-68, MAUR~CIO DOFF SOTTA, OABIPR no 13.489 e CPF no 451.362.469-87, NIVALDO PELLIZZE~JUNIOR, OABIRS no 17.904 e CPF no 339.249.290-68, ORIVAL GRAHL, OABISC no 6.266 e CPF no 486.267.409-72, PEDRO AFONSO BEZERRA DE OLIVEIRA, OABIDF no 5.098 e CPF no 144.982.2i71-15, VITOR AUGUSTO RIBEIRO COELHO, OABIDF no 3.364 e CPF no 120.061.901-30,ALBERTO I'EMOSOABIDF no 10.801 e CPF no 417.315.491-72, GIANI, ALEXANDRE POCAI PEREIRA, OABISC no 8.652 e CPF no 434.423.829-04, AMIR VIEIRA SOBRINHO, OABIGO no 15.235 e CPF no 375.372.701-63, ANA DIVA TELES RAMOS EHRICH, OABICE no 4.149 e CPF no 144.127.483-91, ÂNGELO AURÉLIO GONÇALVES PARIZ , OABISP no 74.864 e CPF no 017.693.698-05, ANTONIO FERNANDO MONTEIRO GARCIA, OABISC no 12.943 e CPF no 440.875.600-82, ANTONIO JONAS MADRUGA, OABISC no 12.195 e CPF no 345.269.199-34, ANTONIO LUIZ BARBOSA VIEIRA, OABIMG no 54.850 e CPF no 456.737.566-15, ANTONIO MENDES PINHEIRO, OABICE no 7.226 e CPF no 220.410.443-49, EDINO CÉZAR FRANZI0 DE SOUZA, OABISP no 113.937 e CPF no 065.681.208-71, ENEIDA DE VARGAS E BERNARDES, OABISP no 135.811-B e CPF no 222.049.701-1 5, ERIKA CRISTINA FRAGETI SANTORO, OABISP no 128.776 e CPF no 147.976.128-19, FLAVIO MARCIO FIRPE PARA~SO,OABIDF no 4.866 e CPF no 185.086.421-72, GILBERTO EIFLER MORAES, OABIRS no 13.637 e CPF no 238.315.370-20, HERBERT LEITE DUARTE, OABIDF no 14.949 e CPF no 272.640.921-00, JEFFERSON L U ~ S MATHIAS THOMÉ, OAB-DF no 20.666 e CPF no 033.881.338-16, LUCIENE CRISTINA BASCHEIRA SAKUMA, OABISP no 155.829 e CPF no 154.816.048-25, LUIZ ANTONIO BORGES TEIXEIRA, OABIDF no 18.452 e CPF no 559.180.698-87, LUIZ CARLOS KADER, OABIRS no 46.088 e CPF no 493.715.250-53, LUZIMAR DE SOUZA AZEREDO BASTOS, OABIGO no 7.680 e CPF no:166.518.631-34, MAGDA MONTENEGRO, OABIDF no 8.055 e CPF no 317.376.171-53, MARCELO VICENTE DE ALKMIM PIMENTA, OABIMG no 62.949 e CPF no 750.401.316-1 5, MARCO AURÉLIO AGUIAR BARRETO, OABIBA no 8.755 e CPF no 184.063.861-34, MARIVALDO ANTONIO CAZUMBA, OABISP no 126.193 e CPF no 67.788.398-64, MAYRIS FERNANDEZ ROSA, OABIDF no 5.451 e CPF no 384.460.737-49, NELSON BUGANZA JUNIOR, OABISP no 128.870 e CPF no 047.212.648-28, SOLON MENDES DA SILVA, OABIRS no 32.356 e CPF no 645.945.640-20, WILDERSON BOTTO, OABIMG no 66.037 e CPF no 618.146.606-15, todos brasileiros residentes em BrasiliaIDF e domiciliados na Sede ida Outorgante, (dados fornecidos por declaração, ficando o outorgante r,esponsável por sua veracidade, bem como por qualquer incorreção): aos quais confere os poderes da cláusula ad judicia, quer para a prática de atos em processos na esfera judicial, quer para a prática de atos em processos na esfera administrativa, e, nas respectivas esferas de competência, os poderes especiais de: receber CITAÇAO, este conferido somente aos catorze (14) primeiros (iniciando-se por ACELIO JACOB ROEHRS e findando-se por VITOR AUGUSTO RIBEIRO COELHO), reconhecer a procedência do pedido, desistir, dar e receber quitação, firmar compromisso, apresentar

,

.

2" TABELIÃO DE NOTAS E PROTESTO
BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL
TABELIONATO BORGES TEMEIRA

,

<

Prot.: 273583 Livro: 2422 Folha: 181 .

TABELMO S U B S ~ O SRIV I SUL - Q 701 - CONJ L - BL 01 - LOJA 24 ANDAR ~67RE0 - CENTRO EMPRESARIAL ASSIS CHATE4UBRIAND FOhE (61) 2252760- FAX (61) 225722212234715 E-mad oficio2df@uolcom br - CEP 70340-906- BRAS~LMDF

DR.GOIÂNIO BORGES TEIXEIRA

DR RAMILO SIMOES c R Ê 0 R4

-

-

-

P

reclamação e representação correicional e ingressar em recinto onde esteja sendo realizada assembrbia Óu reunião de que participe ou possa participar o Outorgante, ou perante a qual este deva comparecer, para, em quaisquer processos ou procedimentos contenciosos ou administrativos, defender os direitos e interesses do Outorgante, podendo, para tanto, propor ou contestar ações, opor exceção de qualquer natureza, reconvir, nomear e impugnar peritos, solicitar abertura de inquéritos policiais, oferecer queixa-crime, prestar informações e usar de todos os recursos, em direito permitidos, em todas as instâncias, turmhs recursais ou tribunais, requerer falências, aceitar ou embargar concordatas, declarar créditos, impugnar créditos, representar o Outorgante perante órgãos públicos, solicitar informações escritas necessárias ao desempenho das funções ora outorgadas, receber intimações para ciência e andamento dos respectivos pleitos, exceto as que, por força de lei, devam ser feitas unicamente ao Outorgante. Nas hipóteses em que o Outorgante atue como convenente, conveniado, mandante, mandatário, gestor, mantenedor, os outorgados ficam investidos de todos os poderes constantes dos respectivos contratos e ou instrumentos de mandato, que não excedam dos poderes acima descritos. Ratifica-se todos os atos já praticados. 0 s poderes ora conferidos aos Outorgados, exceto o de receber

.;'c

'

,
,

Brasilia - DF,:

.

SINTEW VIRBBALWO DE AUDITORIA DE
I
,l ..................,,l,"

............ ........................ ".........."".....

'i;&,.

-

b g ~ ~ ' g ~1 $ ~ ~ ~ & .
1 "

....................

.--

1
,\

,:

:, ; ,

i:,

Q

I. Re'latóRa d e AudiZorla

81. Infomaf;ões Técnicas da Auditoria

0,
<

,
'I

I

de 2005.
**

Jogo LeoanqParada Ranch Auditor ,

$!L\ &&q

.*\

\

AUDITORIA INTERNA RELATORIO .. DE AUDLTORlA ..................

-

Brasília (DF). 07 de dezembro d e 2005 _ $40_ _ .^"
" " 1

Avaliar a operacionalizaSão do uso dos recursos do Fundo de Incentivo Visanet, pela Banco do Brasil, no periodo de 2001 a 2005, verificando se os procedimentos adotadoç estão em conformidade com o Regulamento de Constituição e Uso do Flndo, a legislação e as normas internas aplicáveis.

4.1

Reiatório de Auditoria. Apresenta informações sobre: Objeto de Auditoria; Objetivo da Auditariia; Periodo de Realização; Estrutura da Informação; Sumário da Auditoria; Análises e Constãtaç6es; Conclusões.

A informação foi organizada considerando-se as períodos de 2001 a 2004 e o de 2005. em função da nova sistemática de utilização dos recursos do Fundo de Incentiva Visanet, estabelecida na Nata Dicoi 2004í056,de 01.08.2004, aprovada pelas Diretorias de Varejo e de Marketing e Comunicação, em 30.09.2004 e 06.1 0,2004, respectivamente,
No SumCii-io da Auditoria consta a stntese das conclusões do relatbrio. As conclusões relatam, lde forma consolidada, os principais aspectos idontificadas durante os[ Irabalhos realizadas.
4.2

Informaçóes Técnicas de Auditoria. Apresenta as seguintes informações: (a) indicação do Objeta da Auditoria e suas Caraderiçticas (C)rigern; Operacionaliza$20 e Comitê Gestor do Fundo de Incentivo Visanetf; fb) Outras Infsrmações reiacionadas ao Fundo (Antecedentes: Primeiras Definiç6es Normativas; Reavaliação de Aspectos Fiscais; Reavaliagao de Aspectos Relativos a Lei de Licíta$ães; Revisao do Fluxo Operaciona!: Revisão das PJçadas: Aprovaqão do Plano de Cornunicaqãa 2005; Decisões da Presidência do Banco do Brasilt Relato ao Conselho de Administração); (c) Riscos e Limitações da Análise da Auditoria; (d) Principais Diretorias Iníewenientes e (e) Realização dos Trabalhos.

AUDITORIA INTERNA

Brasilia (DF), 07 tle dezembro de 2005

$4Q

5.1

5.2

5.2.1

O Fundo d e Inrreniivo Visanet foi criada em 2001 e e mantido com recursos disponihilirados pela Companhia Brasileira de Meios de Pagamento - CBMP, com o objetivo de promover, no Brasil,.a marca Visa, o uso dos cartões com a bandeira Visa e maior faturarnento para a Visanet. Entre os anos de 2001 e 2004, foram destinados ao Banw recursos da ordem de R$1555,3 rnilhoes, correspondendo o cerca de 32% do total alocado pela CBMP ao Fundo, equivalentes ci proporção da participação acionária do EIB Banca de Investimentos S.A. no capital da Companhia. De acordo com o Regulamento de Constitui$ão e Uso do Fundo de incentivo Visanet, a CBMP sempre se manterá como legitima proprietafla da Fundo, devendo as ~ ~ C U ~ SserSdestinados exclusivamente para asões d s incentivo Q aprovadas pela Visanet, niio pertencendo os mesmos ao BB Banco de Investimentos e nem ao Banco do Brasil. O mesma Regulamento previa que as despesas com as açóes seriam pagas diretamente pela Visanet as empresas executoras do projeto ou reembolsadas ao incentivador. O Banco optou pesa forma de pagamento direito, por interrn6dio da CBMP, B empresa forneçedoiba, sem trânsito dos recursos pelo BB.

e

@

5.2.2

Messc período, na ausência de definições formais acerca das direcionamentos estratégi~cos, como tipos de eventos ou ações que poderiam ser patrocinados, vigorou como referencial básico o Regulamenta de Canstituição e Uso do Fundo de cada e,rercicio, Não foram formalmente definidas as nomas internas acerca de competiincias, alçadas e responsabilidades das Área.; envolvidas. As decisões que aprovavam as dispêndios, consubstanciadas em Notas T4cnicas internas, eram tornadasl na maioria das vezes, em conjunto pelas Diretorias d e Varejo E: de Marketing e Ccimunicaçáo e, a partir dai, a primeira basicamente se desincumbia do relacionamento com a Visanet e a segunda, das atividades de operacionalizaçâo propriamente ditas. Eventualmente, a Diretoria de Varejo ou outra Diretoria ínterveniente ocupava-se dos procedimentos opelracionais, nas situações em que a demanda decorria de sua iniciativa. Foi constatada a ocorrência de antecipações de recursos a agências de@ publicidade, sem registro. na documentação analisada, de inforrnaqões que demonstrassem a vantajosidadc ou a necessidade do procedimento, concedidas contra a apresentação de documento fiscal, com descrição generíca dos sarrviças a sarem realizados, nele não constando detalharnentos que pudessem permitir a identificação das ações que seriam executadas, Em setembro e novembro de 2001 e em junho e outubro de 2002, houve antecipação de créditos para a reaiização de eventos especificas, num total de R$48.328 mil, contra a apresentaçaa de documentas fiscais de emissão de agência de publicidade no valar global de cada a@o. Em maio e novembro de 2053 e em março e junho de 2004, houve antecipações, sem especjficaçao das a@es de incentivo a serem realizadas, que tatalizaram R$73.851 mil, mntrâ a apresentação de documentos fiscais de emissão de agênc~a publicidade, pelo valor de cada antecipação. Este valor, segiindo de

5.2.3

5.2.4

5.2.5

a

AUDITORIA INTERNA
RELATóRiO DE.,, ...................................................................................... * ............................... ,
, ,, ,,"~ ,

Brãsília (DF), 07 de dezembro de 2005

5.2.5.2

Auu~rerRin documenta apresentad (noventa e t@s) ações de incentivo disuntas, descritas em notas tt%cnicas específicas, A inexisttijlncia. no ambito do Banco, de formalização de Instrumento, ajuste ou equivaleaate para disciplinar as deçtinações dadas aos recursos adiantados as ag6ncias de publiddadt5 dificulta ã obtençás de rronvie$3o de que tais recursos tenham sido utilizados exclusivamente na execução de aqães de incentivo ao abriga do Fundo.

5.2.6

aç6esleventos, clefitre as quais destacamos:

Foram ideatlficadas fragilidades na processo e falha*; na condução das

a) falta de definição do fluxo e demais procedimentos necessários operacionaiizâç3o dos processos;
b) defieiente acompanhamento e controle das procedimentos adotados;

A

c) ausincia, total ou parcial. de documentaçáo comprobatoria da realizaçáo das açDes; d) ausencia, tola4 ou parcial, de documentação fiscal comprobaturia dos pagamentos et-twados pelas agencias de publicidade elou prestadores de
sewiços; e

O (D O

cv

u

a, a,
C

E .-

e) imptsmr~nta~f3a ações com indícios de incompatibilidade com a de Regularnc-rto da Fundo. A ausência ou incamplateza de documentos que se destinariam a demorrstrar a realização dos serviços e ã comprovar os pagamentos efetuados limitam a evidenciação de que os rectirsos foram aplicados e a verificação do alinhamento das açries realizadas com o prwisto no Regulamento do Fundo. Em 2005. a quota destinada cio Banco, referente ao Fundo, foi de R$78,9 milhões. O Comite de Comunicaçãio aprovou plano especifico disciplinando a destinação dos recursos alocados para o ano. 8 s eventos realizados em 2005 tem seus promssos melhor instruídos, refletindo a resultâdo das aprimoramentos que vem sendo implementados, a partir de meados da segundo semestre de 2004, existindo, porém, opoflunidadí, de melho8ias para aprimoras procedimentos. Ante ã infurmaçfiu de que o Conselho de Administração da Visanet teria aprovado a 8xtin~ãado funda em 23-11 2005, as constatar;õe?s foram levadas ar3 conhecimento dos gest~res,ortentando-os no sentido de que dessem acompanhamento especial às ações de incentivo que se encontram em andamento por conta de recursos do ano de 2005* Qs fatos wnslatados, no período de 2001 a 2004, impuseram danos & imagem, em deçorrgn~jd mençãeç aos mesmos, divulgadas na irnprorasa! das tu expt3em o Banco à possibilidade de eventuais questianamentos de brgãos ftscalimadoreor. 0 s asp~chos passíveis de respansabilizaçãs funcional estão sendo exaru~intados aam procedimento administratiw, na forma dos normalivbs internos.

m u a,
T
V r

u

a,

> n
O
7

U

O C

.O O t=

O

AUDITORIA 1NTERNA RELATBR~G A m a OKIADE .
T-----:--.
A A

*

8rasiSia (DF), de dezembro de 2005 O7
- -- h ,

,6

-

8.1

ANALISEE w~smaa~~b~s, i". ?w z . *.<c, ' Nas tabelas abaixo, constam sinteses das apartes e das utiiizã@es de rocurs;os da Fundo de Incentivo Visanet, no período de 2001 a 2005.
P I

'

--..---A --.-

<

%a-"

--7"

*-"v" > $"

--e"-

"."--"---

3,e

$:sl

s-o

62

os seguintes

R~cuitasos: APORMADBS Qs recursos apartados ao Fundo de Incentivo Visanet, pela Companhia Brasileira de Meios de Pagamento, para serem cornpadilhados pelos acionistas, de acorda cam as suas pariicipaçôes acionarias, ano a ano, si30

0 = 3

e. O
= o
d

r
Uriti~ora~;A~RECURSOS 06s

O

0,
'r

'O
a
-A

a
(D

6.3

a
(D

Conforme previsto no Regulamento de Constituição e Uso do Fundo (Anexo i), Banco apresentou a CBMP propostas de Ações de Ençentivo', ca denominadas doravante d e JQB, nos valores constantes da tabela abaixo, de acordo com informafles e documentos disponibilizados pelas áreas8

C O) 3

S.

a

n
0

l b
O O
c D F

6.4

PER~ODO2004 A 2004 êE 3

e

a

6.4.j

As analises e ctsnstatars;ões adiainte t&m suporl@nos resultados dos testes de auditoria aplicados e ila analise dos documentos e inBorma@es fornecidas pelas áreas..
NORMAS lwrEw&as
a

6.4.2

Foi constatada 6 inexist6nciã de normas e procedimsntos intsr-nos, ár>rmalmenle definidos, disciplinando a gestão e r>peracionaliraçiia dos ~~CU~SOS da Fundo de Incentivo Visanel, no periodo compre@ndidu entre a corxstltui~ão Fundo, em 2001, e meados de 2004. do
ge?icP:.a.lcu
ri dcrle~miriadas;crrterjo~.íasde gorcadcrcs o crbscinrcntc do u ~ o dos <~if*.&ofi C! '.i ntaior

de

' "EIç017sde prnpã,F:?ncln e rnar2c.i.iiq. <f.i:-t?,:i,~~actsw ~;:ít;lIcc; 80 cartões G m a bari6eil.a %.%a, . j l ? t : j ~ a n C o , diretamc;:to. fiituranento para a Yi:;e:xtc" Lkg~iLaiiiencodo r.u:i&o i r a I).

-

!

AUDITORIA INTERNA

Brasilía (DF), 07 de dezembro de 2005

utiliza$cíio dos recursos do Fundo Visanet passou a ser orientado pelos novos procedimentos constantes daquele documento.
6,4.4

Existe previsão, no Livro de Instruções Codificadas (LIC) 10.01.01.01, da necessidade de se / publicar, nesss normativo, toda orientação de cumpdmento obngatór/o por parte das dependências e cujo publico de interesse extrapole o: âmbito interno da unidade estratkgica que a instituiuidivulgou. Caberia a Diretoria de Varejo Direv e à Diretoria de Markeiing e Comunicação - Dimac -, corno gestoras do processo, a normatizaqãa do assunto.

-

-

6.4.5

um representante responsável, perante o Comitê Gestor, por erma skrie de a@es previstas no mesmo Regulamenta (item 2.8 d a s Informações Técnicas da Audltorsci).

Nus termas do Regulamento do Fundo, o Banco tinha que indicar, ano a ano,

&4.â

Com baça no LIC 165-l-á-f , depresnde-se que a natureza das atribuições do "Gestor do Fundo" não 6 equiparavel as representaçcjes mandatárias do Banco:
"Rcpreaentaqõrs mcm&at6rlas; a) são represent-açrfiek de carater irratituciona1 yuo requerem manclcito do Bnnco para alilar na ackninir;traç30 e coriselhos das errtpresas por e l e pat rnc inadas e n a s -ais teriha põrt~cipáqãoacion6riu; b f ... c) d e s i g r ~ a ~ a o &o representanre niãndat-ário confere ao desigliado cunipetEncia para praticar aros &e gestso dos neq6cios da e v r e s a ; "

6.4.7

Por outro lado, as normas vigentes atualmente não definem outras categorias de representação, Durante a vigência do LIC 50-2-102-í, entre navembm/2000 e agosto/2003, havia conceituação normativa acerca de represictntcaçãc?~ "não-mandatarias", nos seguintes termos:
I

r e p r ç t ~ c n t a ç õ e ~ Tte cardrer i r i s t i t u c i o ~ ~ a lq u e n%o requerem , , rcpreaentantes com mimdaLo para atud(=ão1ta9 cutidades; h) 3 desicjt~açZo dc , reprcecritcirite cãoinaiidaLárCo não corif ere ao t.-mprec;d;ido contpet~ricicipara praticar atos de gsstZo dos ney6cios da entidade ria quill represerita o Banco; c ) todrts a s xepresent!açoes n2o-mand'ttárias são do C o n g l ~ m e r a d o . ~
af sS0

6.4.8

6.4.9

6.4.9.1

De qualquer modo, irdtando-se de representaçáo rnandatária ou não, as normas internas atribulam ao Conselho Diretor a competência para a designação d e representante oficial do Banco. Atualmente, o assunto está normaiizado na L C 451-i -i -c-l f (representação não-mandathria do E 0-7 -1 Banco) e LIC 165-4-1-1-1-d-V1 (representações rnandatáriciç). As correspondèncias encaminhadas a CBMP, indicando o "Gestor do Fundo" representante da Banco - sempre foram assinadas, ano a ano, desde 2007. pelo primeiro gestor da hrea de Varejo (Superintendente ou Diretor). Na analise da documentação disponíbilizada pelas áreas, não foi verificada a aprovação da indicaçãb do ''Gest~rdo Fundo" pelo Conselho Diretor do

-

Banco.

Braçilia (DF). de dezembro d e 2005 07 AUDITORIA INTERNA C 6 Y> I RECATÓRIO AUDITORIA DE -- $40 COMPIETÊNGIA AICADA PARA APROVAS;AO AÇOES INCENTIVO E DAS DE
""-,-v

+"-

--

-~ "

- h.

6,4.10

As normas internas sobre cornpet4ncias e aiçâdas, no período de 2001 a meados de 2004, não continham referência específica quanto as instancias decisdrias para aprovação, no âmbito do Banco, da utilização dos recursos do Fundo de incentivo Visanet.

6.4.10.1 As primeiras rafer4ncias formais relacionadas ao assunto "competências e sniçadas" localizadas canstam no anexo no. 3 & Nota Dimac-200412708, d e 19.07.2004 (que trata do "Fluxo de registFo dos processos e utilização do Fundo"), aprovada gelo Comitê de Administração da Dirnac em 21.07.2004. No citado anexo, denominado "Fundo de Inccntivo Visanet - Procedimentos", consta que 'Wotas Técnicas são aprovadas elou cientes pelo Comite Dimac. Todas as notas abaixo de R$ 500.000,OO que envolverem o fundo Visanst dever20 ser encaminhadas ao Comitê de Administração da Dimac para ciencia. As demais seguirão os mesmos encaminhamentos previstos nas alçadas". 6.4.11 A questão "competências e alçadas" voltou a ser abordada na Nota 20043056, de 01.08.2004, aprovada pelas Diretorias de Varejo e de Marketing e Camunicaçiio em 30.09.2004 e 06.10.2004, respectivamente. 6.4.11.1 Segunda essa Nota, as "principais madificações a serem inseridas no processo Visanet", seriam; ') . . . . a
--

~icoi-•

O

A A

a CD

b)em tadas as aprovações na alçada do C o m i t ê da Uimac dever& constar u manltestaçâo do Diretor da Direv;
c) palra os valores skperiores 2 alçada mcncio~íada no it-em anterior, prev.2lecerão zt; alçadas c compet.&ricias v9Y.jdas para decisão sobre eventos de mesma n a t u r e z a , com utilização de recurBos próprios do

L
3

9.

a
(D

nnnca;
6)
S .

n
N

."

8
O

B) t .

*ã--,
%

6,4.11.2 Em 06.10.2004, a referida Nota foi encaminhada "Ao Conselho Diretor, para conhccimenfo", por despacho do então Vice-Pr~sidente de Varejo e Distribuicjão. Em 13.í0.2004, a Diretoria do BB-€31e o Conselho Diretor do Banco ficaram cientes.
6.4.14 "3Caberia aos intervenientes na Nota ter encaminhado o assunto para "decisfio"

6.4.12

do Consefha Dik~tor, invks de "ciência", ante as prerrogativas estatut&-ias a~ daquele Colegâado A área de Estratégia e Organização, em seu parecer sobre a citada Nota, mencionou que faria os "...ajustes redacionais no rol de atribuições da Dimac e do Comitê de Comunicação, com o objetivo de contemplar o exercício da cornpetencias e alçadas de que se trata, independentemente da origem dos recursos". Por meio da Circular 200413642, de 22.12.2004, foram inseridos no Livro de Competências e Alçadas da Dimac e do Comitê de Comunicação a obsewaçao Ro30. no caso de ações com xecursos do Fundo Viçanet, 6 . naclessãria n aanifestrz~zoda DXREV" e ajustes redacionais nos itens que defincrn a alçada daqueles frrgãos, estendendo-a "...irrclusive para
i e a l i z a @ o de açocs com recursos de t e r c e i r o s o .

_ _ _ - " - _ - _ _ I ^ - . _ _ - _ _

AUDITORIA INTERNA REI ATORIO DE AIIC'ITOHIA

Brasilia (DF), 07 de dezembro de 2005

6.4.13

Em se admrtindo, por hr$oteçe, que as compet6nciaç e alçadas para decidir sobre a realizaçiio de despesas com ações de incentivo fossem as praticadas pela Banco, no casa do utilizaçãa de recursos próprios, teriam ocorrido extrapolaçõeç, conforme demonstrado na tabela a seguir:
I

_-

_"__..""

-

---- - - -.. -

- $40 -

Poriodo / traior tototal M o E e c ...i a u a n t i m , j A ) Valo
. .

L.

..............................

m-

Vaiores eni R$

6 4.13.1 Entre 2003 e 2004 houve adiantamentos para agencia de publicidade (item 6.4.í.41, que foram desdobrados, segurrdo documento fornecido pela Dimac, em 93 ações de incenti),to. Considerando-se, para esta situação, a hipótese

citada no item anterior e as notas t6cnicas dispanibilizadas pela área, teriam ocorrido ext~a'apola$ões, conforme tabela a seguir:

27.738.417,64

6.4.13.2 Para efeito de "valoi': considerou-se a autorizado nas Notas Técnicas. Quanto "alqada", considerou-se aquela que seria aplicx4vc.l caso se tratasse da utitizaçãa de recursos prbprios do Banco.

6.4.14

Dentre as aç6es de incentivo analisadas, constatou-se que foram efetuadas antecigac;ões a agências de publicidade, sem registro na documenta@o analisada, de infarmações que demonstrassem a vantajosidade ou a necessidade do procedimento, conforme tabela a seguir:
I

a

TrEr; Piotas Tecriicds, rio :.ai»l.
iras

antecrpados à nggccia DXP. Propaganaa ro abau de 2 0 0 4 , no vai.o+ de R5526.330.00. i b~ecaor.iiderada\ma aç.50 em qut. G imta t6nr:ica apxe$eatddh 1180 q1'rosas-i a ~ t i l i z a ~ ade zecursos do I?Iu~&G o xini: : : r : ~ ~ i i r s ~ a otçanieni;~ de do 3a:rco. Desc»r.oidt=radz*;ioi (:~.xICCI n1;.3i?.s i n f ~ i l n a d n1 0 adia~?tamentosde 2053 c 2004 (em àu~l.icidadei. ~ 6 1 R

total d e $$933.775,65, n&c> localizAdnú pela Direv. n e t a odciiica. r.? v a l o r fie 1 $ 2 3 4 . 7 0 8 , 9 , I!BQ POCRJIZL& pela Dimaci T&s acBes executadas com recursos
n,

*

$ ,

# BANCO B oro
AUDITORIA INTERNA RELATORIO_..___.._ . __ ..... DE AUDITORIA ._...

_

_........

Brasília (DF), 07 de dezembro de 2005 $40 .___-__l___l___ _._ . ,,..-....,-.-.-..-,.....--.

.

.............

.

0#2002

- Carnpanna Gestos

6.4.15

Essas anteçipa$ões se davam pelo crédito de valor, pela CBMP, em conta carrente de livre movimentação da empresa de publicidade, contra apresentâqão de documento fiscal emitido pela agência, com descrição genédca dos sewiqos e antes que as aç0es de incentiva correspondentes tivessem sido executadas.

6.4.15.1 As notas fiscais emitidas pela Lowe Lintas destacavam o valor da comissilo devida à Agência. Os documentas fiscais de emissão da DNA Propaganda não faziam menção a remuneração da empresa de publicidade.

6.4,.16 Em setembro e novembro de 2001 e em junho e outubro de 2002 foram concedidas antecipações, para a ~eafizãção açõess especificas, contra a de apresentação de documento Fiscal de emissão de agência de publicidade, i10 valor global de cada ãçgo, num total de R$48.328 mil, representando 79,41% do total de r@cut.;os destinados ao Banco, no periodo.
6.4.lfj.I As Notas T6cnicas que aprovaram as ações, nesse periodo (Anexo 2 especificavam as campanhas ou eventos a serem realizados. Fora apreciadas nas ,instâncias competentes (considerada a alçada vigente para eventos que envotvem recursos da orçamento pr6pt.i~da Banco) e não faziam referencia a antecipaqões e nem as autorizavam.

a

6.4.16.2 Não h8 r@gistro,na documentação apresentada, que indique a instancia que autorizou essas antecipações.

'
I

V .... -

.
exceta

.eirforna¢âo cor;struicc de cnxiii&o, colrqo 'd+ta de vnnc1mr1xlo", esl.sç.ente nas cr5pi.ao Oan notari f i a c a i u , [>&r+ Jwb :.15:'20Uí. «r%d<s i:ifar:na.;H« o a <:onatõ de e-mail m Sratava do pagamento. o ' AnCtcbphçi?cr rAe.';dofira8ar; pr. 4 3 nClk?s de incentivo - v i d e 6 . 4 . 1 3 . 1

* Idem. ,* .:.
clem

Idea.

.
..
.
-,"

........ ...... ...-

U:,:i. 33.?.@,17-4 ,7iS8R 59,9175 .. .irii.!lt:i. 2035 iS ' ? E;

AUDITORIA INTERNA
RELAT~RIO AUDI Y ORIA* DE . ___" -__ -_-.^-"

-- 6.4.16.3 N2o furam localizadas, na documentação disponibilizada, as notas fiscais, faturas ou recibos de f~mecedoreslpreçtadoresde seMços que teriam sido contratados pelas agências para a realização das ações citadas no item 6.4.16 antecipações ocorridas em 2001 e 2002 -, no valor de R$48.328 mil. O Banco notificou as agbncias de publicidade sobre o assunto (item 6.4.20,1).
-I "

-_-_

^ - -

Brasilia (DF), QJ de dezembro de 2005 $40 . . . .

-

6.4.16.4 No dossiê do Job 0512b01 (R$13.650 mil) consta documento demonstrativo de gastos, emitido pela Lowe Lintas, com data de 01.02.2002. no valor de R$? i .i .I 51 64.39. Mo dossiê do Job 22/2002 (Rs4.500 mil), planiihai, Sem assinatura, arquivada ' junto à Nota Técnica, traz um resumo dos investimentos que teriam sido feitos com a Campanha, no valor de

R$3.&13.925.98. 6-4-37 Em maio e novembro de 2003 e em março e junho de 2004, houve antecipaç6es. sem especificaqão das a@es de incentivo a serem realizadas, contra a apreçentaqão' de documentos fiscais de emissão de ag0ncia de

publicidade pelo vai& de cada antecipação. 0 s valores abrangidos tatalizasarn R$73,85"1ii, correspondendo a 81,65'?/0 do total de recursos destinado$ ao Banco nb período.

(D

O

N

6.4.17.1 As Notas Tkcnicas aprovaram as antecipações (Anexo 3) não indicavam as at;ões a seEm realizadas, definiam o repasse dos recursos para a QNA Propaganda Lfda. e cohdicionavam a utilização do adiantamento a aprovação das campanhas pelas Diretorias de Varejo e de Mãrketing e Comunicação.

que?

.-

U O L

Q)

6.4.1 7.2 Estes adiantamentos, segunda documenta fornecido pela Dimac - posição em 05.50.2005 -, foram destinados a realiz~ção 93 (noventa e tr6s) ações de de incentivo distintas, descritas em notas thcnicas específicas (40 aç6es com recursos de 2003 e 53 em 2004).
63.4.17.3 As antecipações foram decididas em instâncias que não ter~arnalçada se fossem consideradas as regras aplicáveis nas casos e m q u e o recurso é do orçamento da Banco. As Notas Técnicas que aprovaram os repasscs foram despachadas pelos ~idetores Dirnac e da Qirev e não fazem ref~réncia da a ntimativo que arnpardse a decisão,

a u
TT-

7

([I

c

Q)

a
vO

w

Q)

O O

0-

a

6.4.17.4 adiantamento conddido em maio de 2003, no valor de R$ 23,3milhões, O
acorreu durante períoqo em que os cantratos mantidos com as ag6ncias de publicidade haviam sido prorrogados, de abri[ a setembro de 2003, tendo em vista o vencimento dos mesmas em março daquele ano.

6

.O O

c

6.4.17.5 Entre julho e setembro de 2083. foi realizado processo licitatbrio" para eontraterção de agências de publicidade, sendo que a DNA Propaganda Ltda. foi urna das trgs vencedoras do certame. Nesse periodo, considerando-se como refer6ncia a data e o valor das Notas T6cnicas q u e autori7ararn a realização de ações de incentivo, por conta dos recursos antecipados 3 DNA, o Banca era credor; junto aquela Agência dos seguintes montantes aproximados: (a) julho/2003, W$í5.748 mil: início dos procedimentos licitat0ríos; (b) agostoll2003, R$11.266 mil: abertura dos envelopes; e (c) setembrol20Q3,~ $ 6 . 7 3 6 assinatura do contrato. mil:
........
11

--

.
liioi

. ......................

O procesact

i?d?C:11.

çatBr20 pii.ra conr:r.at&lto d o aqêncica 8 s sn~bi i::iriadt? iniciou. r;e 0.?/2033 (99%) .. e a assinatura N o cont>:ae(i doir-se em seternbr»/i.003.

I

em 3ul.ho/ZOOl

e

pilhlf caçdo do

f6:~I Q.?!3.?9T..I: 5'SRZj ??V, I ! ;

>iu!,:$9.

iC$$?

.

t3~

AUDITORIA INTERNA REI-ATORIO AUDITORIA DE _-_ __

0 =3

8.
= o

A%

O O
CD

4

-3
n

aa 3 i. ! ?
CD C

4 A r

a
CD
IU

8

O

Q,

c 5

P

aspectos:, a) a utilizaçáo dos recursos deveria ser autorizada, conjuntamente, pela Direv e pela Dimac, conforme prevista nas Notas Técnicas que autohzaram as antecipações. Em I 2 dos 33 casos analisados, no montante de R$6.954mil, não foi constatada a aprovação da Diwv; b) as Natas Tkcnicas que autorizaram as antecipações previam que a Dimac apresentaria relatório de acompanhamento de desembolsos e daria conhecimento do assunto ao Comitê de Camunicaç3o e ao Conselho Diretor. Não ha registros de que a medida tenha sido adotada; c) na amostra1*de 33 ações analisadas, relativas às antecipaçóes acorridas stn 2003 e 2004, no valor de R$51.826 mil, em 3 casos, foi constatada a ausência total de nota fiscal, fatura ou recibo de fornecedoreslprestâdores de serviço e em 20, constatou-se existência parcial de documentos. Considerando-ss estes fatos, a falta de documentos alcançou o montante de R$23.243 mil O Banco notificou as agências de publicidade sobre o assunto (item 6.4.20.1). 64.18 Não foi identificadar a existência de formalização de instrumento, ajuste ou equivariente, no âmbito do Banco, para disciplinar as destinações a serem dadas aos recursos. Esta situaçâo dificulta a obtenção de convicção de que as agências de publicidade tenham utilizado os recursos, então antecipados, exclusivamente na execução das ações de incentivo previstas. 6.4.19 Segundo expediente da Diretoria de Marlceting e Comuniçação, de 23.1 1.2005, as formas de encaminhamento de solicitações as agências de publicidadenpara a realização de serviços vinculadas as antecipações de recursos do Fundo, ocorriam de diversas formas: (a) autorizaçõss telrjfônicas; (b) formalizaç6es via e-mail (pessoal); (c) planos de mídía assinados por funcionários do Banco e (d) carta formal com especificação da ação, A Diretoria informou, ainda, que não existe registro sistematizado das solicitações encaminhadas. 8.4.20 Quanto A solicíta~iiode documentação cornprobatória da realização das açees executadas com recursos antecipados, a Diretoria de Marketing e Comunicação informou que desconhece a existencia de solicitação formal de docurnenlas as agências de publicidade, para o período 2001 a 2003. Par 8s ações r~alizadas com os recursos antecipados em 2004, informou que, desde setembro de 2004, vem sendo salicitada à DPJA Propaganda n documentação comprobatória da realização dessas aqões. 6.4.20.1 Em 22.1í.2005, por recomendação da Auditoria, a Diretoria de Marketing e Comunicação exwdiu correspondência as agencias de publicidade, solicitando o encaminhamento: até 28.11-2005, de cbpia de toda a documentação comprobat6ria das ações executadas no periodo de 2001 a 2004. 6.4.20,2 Ate% o encerramento deste trabalho, a Auditoria não recebeu y~ialquer comunicação formal sobre o assunto.

----- $40 -__ _ _ _-.__I _ 6.4.17.6 Os adiantamentos citados no item 6.4:17 apresentaram, ainda, os seguintes
"_"

_ _

[ G ~ P I A ] Brasília (DF), 07 de dezembro de 2005
I-..I -

e

0

rn

e

Brasília (DF), 07 de dezembro de 2005 AUDITORIA INTERNA $40 %I ATORIO DE AUDITORIA -------. "-__--_ -8.4.26 A sisterndtíca de antecipações tornou o Banco credor de prestadores de serviços, sem a oblenção de garantias suficientes. com reflexos em sua imagem, ante a vcsicula,çãodo fato na imprensa.
_ _ I

1

v

* - _ _

*

"*

6.422

A m e c i ~ a $ Q ~ sRECURSOS PARA A BI~TURISMO DE Das ações de incentivo analisadas (item 6.4.27 AnBlise de Processos -Definição da Amostra), foram identificadas duas, correspondentes aos JQB 009/2004 e 0-4012004, po valor total de R$800 ml, em que houve concessão do adiantamentos a E3BTur Viagens e Turismo btda.

-

6.4.22.7 Nestes casos foram emitidas, pela BBTurismo, as "Faturas de Prestação de Serviços" 2004i0292 e!2004/0364, contra a Companhia Brasileira de Meios de Pagamento - CBMP, pelo valor totai de cada repasse. Na documentação apresentada a Auditoea Interna, não constam notas fiscais que teriam originado aquelas ""faturas".

6.4.22.2 Na faturã no. 200410292 consta campo "discriminação das rrtquisig6esn com a iinfosrnaqão "Evento: ~i?ograrna Incentivos e Reconhecimento - Prêmio de Atacado!'. Na fatura no. 200430364, no mesmo campo, consta a informação "Ref.: Adiantamento de Serviços a serem contratados".

6.4.22.3 Em ambos os casos, considerando a doceimentaçaol apresentada, incluindo natas fiscais, faturas @(ou recibos emitidos, pelos fornecedores, contra a BBTurisrno, foi identificada a existência de saldo disponivel para utilízagiio, no montante de R5126.317,12 (posiqãa em oufubro12005).

17.4.23 Com base nas informações e documentos dispanibitiaados pelas Diretorias de Varejo e de Marketing e 'Comunicação (posição em 06.10.2005), realizado foi

trabalho de conciliaçao com o objetivo da verificar se a totalidade dos valores destinados ao Banco pelo Fundo, entre 2001 e 2004, foi atocada com supor2e em Nota T4cnica. !

6.4.23.1 Para o ano de 2001 codstatou-se: 03 notas t6cnicas não localizadas pela Diretoria de Varejo, no valor de R$533.775,65.

6.4.23.2 Em 2002 constatou-se: dilvergência entre o valor constante da nota técnica aprovada e o valor da nota fiscal emitida, que incluiu a comissão da agência de publicidade R$12,000,p0. 6.423.3 No ano de 2004 constatou-se: (a) não utilização de recursos diçponibilizados pela CBMP no valor de R$133.941,32; 01 nota técnica não localizada pela (b) Diretoria d e Marketing e Comunicação, no valor de R$234.?0(2,93; (c) 03

-

I

AUDITORIA INTERNA ~ ? E ~ . . A T ~DEI AUDITORIA R O.

Brasilia (DF), de dezembro de 2005 07
'...........-..-......-.....................-......-...............-...........................---p-----....--......--..v.-

$40 açães executadas com recursos antecipados a agência DNA Propaganda no ano de 2004, no valor de R$526.330,00. como dispor das recursos aiocadoç pela CBMP que n%a tenham sido utilizados. Nos anos de 2003 e 2004, conforme citado anteriormente, foram concedidas antecipaçães a DNA Propaganda Ltda., no vafor total de R$73.851.356,18, cuja destinaçâo final drtsdobraer-se por 93 acjões de incentivo. O teste de çonciliação relacionado à existência de Nota Técnica para cada evento realizado por conta daquelas antecipaçãles trouxe os seguintes resultados:
Utilização com ba

6.4.23.4Em funqão dos prazos previstos no Regulamento do Fundo, não há mais
6,4.24

'*>

'**)Vide

VI<',? Nota 5n Rodape 4 . Meca de RoBa$é: 5

6.4.24.1 Para os valores repassados à agência em 2003 constatou-se: (a) não utilização de re@urâos antecipados agência no valor de R$í.415.913,79; (b) falta de aprovação, por meio de nota tecnica, para utilização de recurças do fundo no valor de RS600.000,OQ (a nota técnica apresentada aprova, apenas,

a utilização de eecurços al8cados no orçamento do Banca).

6.4.24.2 Nos repasses ocorridos em 2004 constatau-se: (a) não utilização de recursos antecipados a ãg6ncia no valor de R$2.078.070,62; (b) utilização de valor a maior do que o aprovado em nota tthcnica, para aquisição de plasticos em caráter emergenciaf - R$?09.000,00.
COMCILIA~AO: REGURSOS APORTADQS VERSUS NOTAS FISCAIS PAGASCJBNIP

-

6.4.25

Com base em informar;ões e documsntos disponibilizados petas Diretorias de Varejo e de Markling e Comunicação (posiçáo em 22.09.2005), realizado foi trabalho de' conciliaçrão com o propósito ds verificar a existência de documentos fiscais - notas fiscais, faturas, recibos - faturados contra a CBMP. e em seu poder, relativos aos pagamentos por ela efetuados, por solicita@o do Banco, no periodo de 2QO? a 2004.

e

a

F~r~L!~?&~*$:d%CB~y____
A ~ ó e s Incentiva ds
..........-v

Utilização
Sonatbrlcp das copias de

................................

.............- ......._.........-.--..-. . -

*-

28.762.450,39 .,..
,

.

31.%8.575,03

AUDITORIA INTERNA
"

Braçilia (DF), de dezembro de 2005 O7

REL..AI'~RIO
.

,

6.4.25.1 As diferenl;iis constatbdaç entre os valores apodados e o valor das notas fiscais em poder da ÇFMP são decorrentes das seguintes sítuaqões:

a) em 200.1: açgo de incentivo em que a utiliza~ão recursos foi menor do dos que o inici;almente aprovado, considerando-se os documentos fiscais notas fiscais. fatura?, recibos - apresentados;
b) em 2002. duas açOeç de inmntivo para as quaiç não foram disponibilisadas cbpiras de documentos fiscais - notas fiscais, faturas, ~eci bos;

1

e-

c) em 2003: açáo de incentivo em que a utilização dos recursos foi menor do qur-l o inicialmente aprovado, considerando-se os documentos fiscais Botas fiscais, faturas, r~cibos apresentados; -

0
6.4.26

d) cm 2004: náo util/+açáo de parte do valor inicialmente disponibilizado (item 6.4.23.3); duqs açoes em que as propostas (Job) foram canceladas e as açhes utilizaram recursos provenientes do adiãnlarnento efetuado A DNA e uma aqão de incentivo cuja proposta (Job)foi cancelada.
I

Com vistas a obter ~ n c i u s õ e s menor prazo possivel. sem prejuízo da no qualidade, decidiu-se pela analise das a g e s de incentivo por amostragern, considerando-se as seguintes premissas:
a) abraagencia: desdi a constituição do Fundo (2001) até o final de 2004'';

I

b) popula~ão: todas a'? aç6eç de incentivo previstas para serem realizadas no período de 2001, a 2004. incluindo-se aquelas previstas por conta dos recursos antecípãdo ;
C)

amostra: 63 açóeS de incentivo, no vaior total de R$123.128.444,96, repr~sentanda 81,3896 dos recursos disponibilizador; ao Banco, no periodo de 2001 a 1004, ai incluidas todas as açDes de incentivo de valor superior a R$? milha0 e 31 al;ões ~efecionràdas pela Auditoria, considerando-se nqticias veiculadas na imprensa @/oua correlaç5o com aç6es de valores syperiores a RS1 rnifhão;

i

d) pontos de auditokia: para a definiçào de pontos de verificaçao, consideramos os principais itens constantes do "Regufiaments de Consfifiiição e Uso Fundo de Incen.nlivo Visanec dos axercicios 2001 a 2004 c prucedimentos previstos nas normas internas do Banco para os mesmos tipos de pt-ucessos executados com recursos do orqamento próprio, considerados necessários para garantir uma adequada instrução dos processos, envolvendo as seguintes fases: Aprovaçáo, impletnentaqno e Pagamento.

Ido

rio Flnii;. rt.rii;?.e Bctc;:mento.

1". . , s sçoea de inuc.;icivo realizadas a pam!ir de 2005 f o r m cnalisadac; cir: snparado, ccm o ohjet!.vn d e a v a l i a r a <qualieadf! do rtn:>vo ili:x» ifi:lt:i-?~?do s $pxov~g&o Nota D i c o i 250P/31>5, de @1.09.2004. A s cunclusties constam ççs da

.......~.~..~.7."",'''

~,

wc< O :I,:y; i '$3"!,;:'$*

)c$:;

:: ;, : 1 i

.4

- s >^?Y +"$V5 \,.

AUDITORIA INTERNA RELA"IÓRIO AUUI I ORIA - -. -.- t D

$40 -relacionadas a seguir, os testes foram aplicados em 6.4.27 Em função das sirua~óes 59 acões de incentivo fe não em 63, como previsto no plano amostral), no valoraglobal de R$115.512.321,91, representando 76,234s dos recursos disponibilizados ao Banco, no periodo de 2001 a 2004:

C6

Brasla (DF). 07 de dezembro de 2005
_ _ I "

a) com impacto na quantidade e no valor total da amostra:

i. duas ações de incentivo no montante de R$6.200.000,00 - nao foram

anatisadas, considerando-se correspondência da Dimac, de 06.09.2005, informando que a respectiva documentação estava em poder do Tribunal de Contas da União;

-

ii. ação de incentivo, no valor de R(S100 mil, cancelada (Job 20/2004), tende sido utilizadas recursos de outra aqão (Midia Aeroportuária Renovação);

-

iii, ação de incsntivo
Dirnac.

- W$324.446,70-, relacionada em duplicidade pela -

b) com impacto no valor total da amostra:
2

O

d

a

O

RS1.000.000,00 para R$600.000,00; ii. ação de incentivo, cujo valor foi retíficado, pela Dimac, para menor de R$i ,500.OO0,OQ para R$75Q,OOO,OQ; iii. aqão de incentivo, cujo valor foi retificado, pela Dimac, para maior - de W$241.676,35para R$30Q.UQO,OQ.

i. aç3o de incentivo, cujo valor foi retificado, pela Dimac, para monar de-

-

As retificagões citadas na item "b"' ocorreram em funçaa dos valores levantados quando da concilíac;Zo "Recursos Apartados X Notas Técnicas", realizada pela Auditoria.

6.4.27.4Das 59 ações de incentivo analisadas, 33 são relativas aos recursos
antecipados à DNA Propaganda Ltda. (item 6.4.17).

6.4.28

Para efeito de dernonstra@a do resultado dos testes, as ações de incentivo foram divididas em dois grupamentos, conforme abaixo, e por fasas Apmvar;ãa, Implementaçâa e Pagamento: a) JQB: ações de incentivo com utilização de recursos do Fundo, pagas diretamente pela CBNEP aos fornecedores, incluindo-se as antecipações mencionadas no item 64.16; e b) Re~asse:aç6es de incentivo com utilização de recursos do Fundo, adiantados B "NA Propaganda Ltda. em 2003 e 2004 (item 6.4.17).
ANALISEDE PROCESSOS FASE APROVAÇAO DE

@

-

6,4,26i

JOB: nqães de incentivo com utilização de recursos do Fundo, pagas diretamente pela CBMP aos fornecedores, incluindo-se as antecipações mencionadas no item 6.4.16:

AUDITORIA INTERNA
RELATÓ

[~
-V-

~PXA -

Brasííia {DF), de dezembro de 2005 07
- -- - "- $40

Qetatluctade de zac;aes analisadas fade): 26

Vator b t a i das açbes anaiisadas (Wrf: R$63.685.434,70 -----

orçamento com levantamento
as ferramentas

e-.

e

6.4.29.1 Item I: rt5o locafizctdos, na dacumentat;Go analisada, orçamentos com levaritcamento d e valores/custos, para 14 ar;ties, corrrrsponder"ido ~ i 61% da i quantidade analisada e 39% do valor - Rs24.843mil. Ta! aspecto, aliado ao período de abrangência das ac)ões aaiaiísadas - 2061 ai 2004 -, prejudica a ohtenq2o de Bnforma~6e.; que permitam avaliar a compatibilidade dos preços praticados com rrgsferenciais de mercado.

6,4.29.2 Item tiz5: constatadas indícios de incompatibilidade da açgo proposta com as fenamentas merccsdolágicas previstas no Regulamento do Fundo em 6 das 26 aç6es analisadas.

6.4,29,3 IEem 111: constatada, sm 1 aqão, que a assinatura do funcionário do Banca, con,.;tante na do~urusento encaminhado a CBMP para aprovação da ação, não era a da gestor do funda indicado pelo Banca ;5 kpaca da ocorrGncia, e sim a do sieu ante~eci$Or.
6.4.30 Repasse: aqães de incentivo com utilização de recursos do Funda, adiantados A UNA Propaganda Ltda. em 2003 e 2004 (item 6.4.1 7): 0à$ -~&onsidcrados~s a s s i ~ ~ ~ e ~ ~ ~ s ~ ÇTI 07 IOE$51 = .---

Quantidade de açães analisadas (Qtdc): 33
Valor total das acões analisadas (Via): R$51.828.887,21

7
I

p - $ ~ ~ d c "

quãntldade analisada e 6% do valor R$31.682 mil, cujas conseqGências já foram objeta de coment5rio anterior (Item B.4.29.i f. 6.4 30.2 Item li2&: constatadas indicios de incompatibilidade da ação proposta com ãs ferramentas mercadatcágicas previstas no Regulamento do Furada em 4 das 33 a ~ õ e s analisadas.

6.4.30.1 Item 1: não iacaiizadas, na documentação analisada, aqarneratos com levantamento de valoreslcustcts, para 16 ações, correspondendo a 53% da

-

,

AUDfTORIA INTmRPdA REl.&TÇ)RIO DE AIJDITORIA . _ -

Brcrtsília (DF), O7 de dezç;mbro de 2005
.- .............
i - i

ANALISE PROCESSOS DE ~NIPLEMENTAÇAO DE - FASE 6.4.31 JOB: ações de incentivo com utilização d e recursos do Fundo, pagas diretamente pela CBMP aos fornecedores, incluindo-se as antecipaçães
-"
<

............-.

.

...............

........--

$40

mencionadas; no item 6.4.16:

Pontos de VenRcaçSo

-

"

"

6.4.31 . Item 1: orn 21 das 26 ações analisadas, que corr6;spondem a RQF62.122 mil, I 98% do valor, não foi constatada a existência de aprovação formal da ação, pela Visaneil Contudo, como não houve, por parte da Visane.t, contestação & rea4ização do evento, quando da recepção da documentação (nota fiscal e/ou fatura elou r@ctbaf, deprçrende-ss que teria havido aprovação tácita.
6.4.31.2 Item II: em 17 das 26 ações analisadas, no montante de R$30.622 mil representando 48Y0do valor, não foi localizado dacumenko que demonstrasse vinculo obrigacional entre o Bcanco e o fornecedor. para irnplementação da ação.

6.4.31.3 Item 111: constatada divergência da ação desenvolvida com o previsto em nota técnica @/ou proposta encaminhada à Visanet, em 4 das 26 ações analisadas, comspondendo a 2% do valor - R$1.I86 mil.
6.4.31.4 Item IV1':em 10 das 26 açdes analisadas, que correspondem a R$47.328 mil, 74% do valor, foi constatada a ausência tototal ou parcial d e documentos que comprovassem a realização das mesmas (em 6 casos, no valor de R$32.585@ mil, constatou-se ausência total de documentos e em 4, a falta foi parcial). 6.4.:32

a

Repasse: a@es d e incentivo com utilização de recursos do Fundo, ,adiantadas a DMA Propaganda Ltda em 2003 e 2004 (item 6.4.1 7):

... ..
il

."-

-

Para fins de teste. con~ideron-se a documcntaç4a apresentaba pela área, onde pudesse ser e v i d e ~ i c i a u uque uo eventos tiveram corrolaç8o cw.1 a s naturt.ia/cictai.t1il1.not1t,:):ias ;ç>;: i : ';)

--.-

AUDITORIA INTERNA RELA -RIO DE AUDITORIA - -1 -

i----

--

Brasífia (DF), 07 de dezembro de 2005
_ _ ^ _

..--

__ _
a3S"

-

-_

^ I

$40 ----

E
.......

Quantidade de a ç h s anslisadrnPi (Qtlte): 33 Valor tdal das a@es analisadas (Vlr): R$Sf.826.887,23 --..

,

.

.. .

Obs.; N5o consideredcs,,~ ... assins
=w,:,..

,,,..

::::::::,;;;,::mxx:=~n:::,:~:2:::

,::,:s: 3 ,

:a

-

- ' - IRespost

6.4.32.fltem 1: em 18 das 33 açães anafisadas, no montante de R$24.853 mil 4' 8! do valor, n3o foi localizado documenta que demonstrasse vinculo obfigacional entre o Banco e o fornecedor. para implementação da ação. Em 2 dessas 18, nu rnoRtante de R$3.254 mil - 6% cio valor total, n3o foi locaiizado contrata pr4-assinado entre o fornecedor e a CBNIP1: apesar de o pagamento ter sida amparado, ainda que parcialmente, em recibo emitido por fornecedor. 6.4.32.2 item I!: constatada dilrgência da ação realizada com o previsto em nota técnica em 9 das 33 laçõss analisadas, correspondendo a 47% do valor analisado - R$24.2(57 mil. 6.4.32.3Item III"': em 18 das 33 aqões analisadas, que correspondem a R$27.078 mil, 52% do valor, foi constatada a ausencia total ou parcial de documenfos que carnprovassern a reaíização das mesmas (em 12 ações, no valor de R$ 12.829 mil, constatou-&e a ausência total de documentos e em outras a I falta .foi parcial). 6,4.33

-

JOB: acões de? incentivo com utilização de recums do Fundo, pagas diretamente peta CBMP aos fornecedores. incluindo-se as antecipações mencionadas no item 6!4.16:

S ~ i g a n c i ~ xe,~iairentoCo 3:ndo ( 2 0 0 2 j 2 2 0 0 4 ) . q x a ~ d uo pagamato ocofrer r n e d i a i k e a &pxccentacHu ae racibo. do 19 Pal'a t'iIia <I* t e s t e , C Q R L ~ ~ ~ B T < : U . . Sa Ùoc;um~nt, ~ d apresen\ada g e l a arca, ott& pyvdi.$ar ser @uiN.iiciaâu q"<! ,,IG C g ~ ; rive3t:ls I: hk!i:w: l : ~ i : € l a < l * ::tx "nas a&+:.$ ;:>r.cy.*8iiaitlc <co-npat i.bil4dade & cietalgcriado, local ds. realização e : hat:ireza/<ieta', harncnt.~da..; ~ ~ G F S )

I.%

\

n

9 ,

,

Bmsilia (DF), 07 de dezembro de 2005 AUDITORIA INTERNA RELATOR~OAUDI I ORIA DE - - ---- $40 -" "-.6.4.33.1 Itens I e li: em 2 das 26 casos analisados, apesar de existir fatura emitida
"
-'-" + -.

-

pela BB furí';rno, em nome da CBMP, pelo valor lata1 das ações20, correspondendo a 1% do valor analisado - R$800 mil -, a BB Turismo emitiu, tarnbern, faturas em nome do Banco do Brasil, referentes a notas fiscais emitidas pelo'; fornecedores, contra a BB Turismo, por conta dos senrigos prestados, quando da utilização dos recursos. sendo que o Banco não efetuou os pagamentos.

6.4.33.2Item llf: constatado, em 2 das 26 ações, currespandendo a 7% do valor dessas ações (Rfi4.200 mil), que a carta de encaminhamento à Visanat, da documentação para pagamenb da ação, não estava assinada por funcionário do Baixo que desempenhava, A bpoca, a fungão de "gestor do fundo".
6.4.34
Repasse: ações de incentivo com utilização de recursos do Fundo, adiantados a DNA Propaganda Ltda. em 2003 e 2004 (item 6.4.17):

[ i

6J

CD

Q

O

6,

6.4.34.1 Item i: em 3 das 33 ações analisadas foi constatada a ausência total de nota fiscal, fatura ou recibo e em 20 das 33 constatou-se existência parcial de documlentos. Considerando-se estes fatos, a falta de documentos alcançou 45% do valor das a ~ t i e s analisadas, no montante de R$23.243 mil. 6.4.34.2 Itens II e i\!:em 20 das 33 ações analisadas, que perfazem a 67% dos casos, foi identificada a oxistênçia de nota fiscal, fatura @/ourecibo em nome do Banca do Brasil, sendo que o Banco não efetuou os pagamentos.
,P\

ANÁLISE DE PROCESSOS U T I L ~ ~ ÇCOMPARTILHADA RECURSOS:BB E AO DE CBMP 6.4.35 Em 8 das 59 ações de incentivo da amostra, no valor de R3i37.134 mil, representando 32% do valor total analisado (R$115.512.321,90), foi constatada a prwisão de u2iiizaqZío corngarlithada de recursos do orçamento do Banco do Brasil e do Fundo de Incentivo Visanet. 6.4.36. A Área Jurídica manifestou o entendimento preliminar de que "'o fato de haver o co/vlpartiIhamento de recursos, em princípio. nrfío atrai, para ã parte suportada pelo Fundo Visanet a aplicaç30 da Lei de Licitaçfies, uma vez que niio aifera a natureza jurídica dos recursos, que continuam sendo eminentemente privados e sua apficaçã~ rege-se pelo rsspecfivo
Reglulanrenta.".

-

0

e

6.4.36.1A Auditoria Interna recomendou aos gestores que os processas relativos a

ações de incentiva custeãdas com recursos compartilhados entre o Banco e o

AUDITORIA INTERNA RELATORIO AUOIIOFIIA CE --

I

Bra~ilia (DF), 07 de dezembro de 2005 $40 - .*"

"-

X . "

Fundo de Incentivo Visapet sejam avaliados quanto à conformidade com a Lei de LicitaçBes e normas $ptic&veis.
6.4.37

aprovaram a concessão de antecipaçóes â DNA As Notas Thcnicas Propaganda em 2003 d 2004 (item 6.4.17), condicionavam a realização das ações dn incentivo con) esses recursos a aprovação conjunta pela Dirnac e Birev.

6.4.37.1 Em 12 das 33 açóesl de incentivo analisadas, no valor de R$6.954 mil. previstas para serem' realizadas modiante utilização desses recursos DNA propaganda, n4o foi constatada manifestação de antecipados representante da Diretoria de Varejo - Direv.
6.4.38

Da análise das ações de incentivo selecionadas na amostra. foram identificados outros fatos, alem dos já apontados nos itens anteriores, sintetizadas no Documento 1, em anexo, que demandam anblise mais aprofundada, a ser realizada no contexto de procedimento administrativo para avaliação e identificaqão de possiveis responsabilidades funcionais.

(D

cv a , u
.L O

O

6.5.1

CBMP havia destinado ao Funda de Incentiva Visanet o montante de R$95.000.000,00, reslltando numa quota para o Banco de R$30.428.146.28. Em setembro de 2005, por deliberação da CBMP, aquele valor foi ajustado para R$58.200.000,00, com a que o volume alocado ao Banco foi reduzido para R$18.861.523,00.

No exercicio de 2005, a Companhia Brasileira de Meios de Pagamento

-

r r

ri
%

u
O

a,

r O
O C

6.5.2

De janeiro a agosto de 2005 foram ex~cutadas (sete) ações de incentivo, 07 envolvendo recursos 'cla ordem RSI0.916.054,04. Todas as sete ações foram examinadas pela Aubitoria para suportar as conclusões relativas ao sxercicio de 2005,

8

.O O

6.5-2.1 Os testes @rianzaram verificaçiio da aderencia das ac;ões a legislação e ao a Regulamento de Constituiç%o e Uso do Fundo e da conformidade dos procedimeglPos as oripntações estratkgicas e as normas internas do Banco.

6.5.3
6.5.4 8.5.5

A N A L I S ~ PROGESS~S E Foi constatada que os riscos relacionados à observância da legislac;Go encontram-se minimlizados. Os processos v6m sendo operacionalizados @m oonformidade com as orientaç6es emanadas da Area Jurídica. As linhas ostraZStgicas do Bancu, corrsubstanciadas no Plano de êomuniçação Visanet 2005, vêm sendo cumpridas. A sistemática de utilização dos recursos está adereníe às disposições do Regulamento do Fu'ndo, no que se refere a forma de pagamento. As notas
I

I

I

Brasítia (DF), 07 de dezembro de 2005 AUDITORIA INTERNA $40 RELAT~RIQ AUDFORIA DF - ---"-. -.--. fiscais s3o emitidas pelas fornecedores diretamente contra a CBMP, sondo os pagamentos realizados por esta diretamente aos benefici&rios.
--A

6.5.6

O fluxo operacional estabelecido pela Nota Diçoi 20Q41056, de 01.09.2004, aprimorou os mecanismos de controle. Porém. necessita ser aperfeiçoado, em alguns aspectos, para contemplar procedimentos, visando à correta operacionaiizõ@o da processo.

6.5.7

Nao vem senda emitidos QS relatórios mensais e semestrais de certíficãção de conformidade dos procedimentos operacionais, previstos na Nota Dicoi2004/056.

6.5,8
,

Os procedimentos a serem observados não estão suficientemente nnrrnaticrados.
Existem funcionários que necessitam aprimorar os conhecimentos, quanto à condução das ações de incentivo.

6.5.9

=! O
O ' =
-5

8:
B
73
O

8 -

6.5.10

Na fase de elaboraçáo deste relatório, a Auditoria Interna tomou conhecimento de que o Conselho de Adrninistriàqi30 da Visanet teria aprovado a extinção do Fundo em 23.7 4,2005.

a a

n
(D

6.5.1 0.1 Em docorrGncÍa, as constataçães foram levadas ao conhecimento dos gestores, arientando-os no sentido de que dessem acompanhamento especial as aqões de incentivo que se encontram em andamento por conta de recursos do ano de 2005.

O Fundo de Incentivo Visanet foi criado em 2001 e é mantido com recursos dispanibitlizados pela Companhia Brasileíra de Meios de Pagamento CBMP, com o objetivo do promover, no Brasil, si marca Visa, o uso dos cartões com a bandeira Visa e maior faturamento para a Visanet. É administrado por um Comitê Gestor - composto pelo Diretor Presidente, Diretor Financeiro e Diretos de Marketing da Visanet.

-

Sua operacionalizaçiio esta prevista em Regulamento aprovado, anualmente, pelo Conselho de Administração da (JBMP.
7.9." I i

Dentre as procedimentos previstos no Regulamento, constam:

a) o incentivados (Banco) deve apresentar as Comite Gestor, para anhlise e aprovação, proposta descrevendo a ação de incsntivo, seus prop6sitas1os resultados e os custas;

e

h) após as aprovações tkcnica e financeira, as despesas com a ação serão pagas diretamente pela Visanet as empresas executoras do projeto au reembolsadas ao incentivador. 7 7.'i.2 O Banco optou pela forma de pagamento direto, por intermédio da CBMP, a . empresa fornecedora, sem trânsito dos recursos pelo BB. 7.1.2 Entre os anos de 2001 e 2005, foram apurtados ao Fundo de Incentivo Visariet, para utiliza@o om ações de incentivo indicadas pelo Banco, recursos da ~)rdç?m R$170 milhões, de

plAr8.aia ((DF),07 d e dezembro de 2005 AUDITORIA INTERNA $40 RELATQRIQ _AUDITORIA DE __ ____ _ ". _--_ _-- --.-.."---_ . -- l__ll _-". 7.1.3 De acordo com o Regulamento de Constituição e Uso do Fundo de Incentivo
_I s ._ ^ _ _ -

'C,

e-

Visanet, a CBhlP sempre se manterá como legitima propriethria da Fundo. devendo os recursos ser destinados exçlusivamente para açães de incentivo aprovadas pela visanei, não pertencendo os mesmos ao BB Banco de Investimentos e nem ao Banco do Brasil, Em rnaio/2004. a ~udikxiaInterna analisou Nota Técnica que tratava da 7.2 Campanha Visa Eiedron Pré-Datado, cujoç recursos seriam provítnienbs do referido Fundo. A partir da análise da Nota. o Comitê de Administraçáo da Auditoria Interna 7.2.1 recomendou a verif(caçáo dos procedimentos adotados para a operacionalizaqão dos rpcursos do Fundo de Incentivo Visanet. 7.2.1.1 Em 22.06.2004, foram irelatados ao Comita de Administração da Auditoria Interna indícios de falhas nos procedimentos que vinham sendo adotados. Q assunta fui levado ao conhecimento da Administração do Banca, & èpaca. Em 23.07,2004, o Comite de Administraçãa da Diretoria de Marketing e 7.3 Comunicageto aprovou) critérios e fluxo para execução de projetos com recursos repassados pela Fundo e solicitou B Diretoria de Varejo a uti!ízação do documento "Mecessidade de Ações de Marketing e Cornunícaçiio", quarido do encaminhamento da rrealizagão de ações de incentivo. Em 02.08.2804, rp Conselho Diretor atribuiu a Diretoria de Controles Internos 7.4 a responsabilidade pela criação de mecanismos que garantissem a conformidade do processo de comunicação empresarial As Políticas estabelecidas para o ãSsunto. Quando do cumpdmknto da referida decisáo, a Diretoria de Controles 7.4.1 Internos priorizou a avaliação do processo de utiliizãção dos recursos pmvenientes do Fundo de Incentive Viscinet, considerando a criticidade evidenciada no mesma. 7.4.2 Em seguida, foram +dotados os seguintes encaminhamentos, visando a melhoria da op~lracionalização Fundo: do
ai)

(U

c0 O O

u
a

a,

E -. .-

E

7

u

a,

F

r
O

e
O
C

u a,

O

em 27.08.20O4, reavaliaçãa de aspectos fiscais correlacionados ao assunto;

I

8

.O O

7-5

b) em 30.08.2004, reavaliac$o de aspectos relativos a Lei de Licitações; c) cm OG.10.2004, abrovapáo de Nota Téuiica, no âmbito da Dirnac e da Direv, que instituiu modifcac;óes na operaçionalização do Funda, destacando-se: 1 i. centraiiacaçiio da controle operacional na Dimac; íí. definiçiio d e criterias para exercício de alçadas; iii. elaboração de plano anual de comunicação; iv. exiggncia de prpposta especifica para cada ação de incentivo; v. orientaçào para a emissão periódica de relatórios de conformidade. Considerando as despachos do Sr. Presidente de 13.06.2005 e 04.07.2005 no sentido de arnteçipar o início dos trabalhos previstos para o segunda semestre, no âmbito da Dimac, a Auditoria Interna encaminhou p<oposfra ao

Brasilia (DF), 07 de dezembro de 2005 AUDITORIA INTERNA $40 RELAT~RIO AUD~TOHIA DE - -- -----Conselho de Administração, para reiniciar o trabalho com o objetivo de avaliar a operacionalização do uso dos recursos do Fundo de Incentivo Visanet, pelo Banco do Bmsif, no período de 2001 a 2005, aprovada por aquele colegiado em 08,07 2005,
"W"

.--v--

*

7.6 7.6.1

Em retago ao período ds 2001 a 2004, foram constatadas as seguintes situcmç0es:
Destinaçãa. para a Banca, de recursos na ordem de R$151,3 milhões, correspondendo a cerca de 32% do total alocado pela CBMP ao Fundo, equivalentes à proporqão da participaçso acionaria do BB Banca de Investimentos S.A. no capital da Companhia. Ausência de definições formais acerca dos direcionamentos estrat&gicos, como tipos ds wentos ou ações que poderiam ser patrocinadas, ensejando a utiHzaçáo do Regulametnto de Constituição e Uso do Fundo de cada exercício corno referencial básico.

7.6.2

7-6.2.1 Aus6ncia de definição formal, até o segundo semestre de 2004, acerca de competências, alçadas e responsabilidadesdas Areas envolvidas.

f

7.6.3

Decisões que aprovavam os dispendios, consubstanciadas em Notas Tkcnicas internas, adotadas, na maioria das vezes, em conjunto pelas Dir~torias Varejo e de Marketing e Comunicação, ficando, a partir dai, a de primeira incumbida, basicamente, do relacionamento com a Visanet e a segunda, das atividades de operacionalização propriamente ditas. Eventualmente, a Diretaria de Varejo ou outra Diretoria interveniente ocupava-se dos procedimentos opcrracionais, nas situações em que a demanda decorria de sua iniciativa.

7.6.4

Ocorrbncia de antecipações de recursos a agências de publicidade, sem registro, na documentaçãa analisada, de informaç6es que demonstrassem a vantajosidade ou a necessidade do procedimento, concedidas contra a apresen&a;rGo de documenta fiscal, com descrição gen6tica dos serviços a serem realizados. nela não constando detalharnentos que pudessem permitir a identificaçrão das aç6es que senarn executadas. Ptnteclpação de erQditospara realização de eventos específicos, em setembro e novembro de 2001 e em junho e outubro de 2002, num total de RW8.328 mil, contra a apresentação de documentos fiscais de emissão de agência de publicidade no valor global de cada ação. Em maio e novembro de 2003 e em março e junho de 2004, houve ãntecipaçóes, sem especificaçãa das aç6es de incentivo â serem realizadas, que totalizaram R$73.851 mil, contra a apresentação de documentos fiscais de emissão de agência de pubiicidade pelo vafor de cada antecipação. Este valor, segundo documenta aprescentado pefa Dirnac, foi destinado a r@âlizaçãode 93 (noventa e tr6s) ações de inçentivo distintas, descritas em notas técnicas especificas.
Nesse ponto, cabe destacar que a ínexistência, no Brnbito do Banco, de formaiização de instrumento, ajuste ou equivafente para disciplinar as destinações dadas aos recursos adiantados às ag6ncias de publicidade,

7.6.4.1

*

7.6.4.2

AUDITORIA INTERNA RELAT~RIOAUDITORIADE " -.-..,~

Brasilia (DF), 07 de dez@rnbro 2005 de $40 ..dificulta a obtetençao de convicçáo de que tais recursos tenham sido utilizados exclusivamente na ex4wção das ações de incentivo. Fragilidades no proce&o e falhas na conduqão das açóes/evantos:

7.6.5

a) faita do defrniqão do fluxo e demais procedimentos necessários A operacianalimçao dos processos; b) deficiente acompanhamento e controle dos procedimentos adotados; c) ausGncia, total au parciall do documeniação cornprobatória da realização das ações; de documentação fiscal cornprobatória dos d) auséncia, total ou pagamentos efetuados pelas ag6ncias de publicidade elou prestadores de
serviços;

e) emissão de docurntintos fiscais e recolhimento de impostos em name do Banco; II
f) implementaçáo de a'çoes em desacordo com o aprovado;

g ) imptementar;ão de iaçães com indicios de incompatibilidade com o Regulamento do Fundo.

7.63

Ausgneia au incompletezce de documentos que se destinariam a demonstrar a realização dos serviços e a comprovar os pagamentos efetuados, limitando a evidenciação de que os recursos foram aplicados e a verificação do alinhamento das ações programadas com o prevista na Regulamento do Fundo.

I

7.7

sítuâqões:

Com relação aos processos de 2005, foram constatadas as seguintes

7.7.3

A quota destinada ao Banca, referente ao Fundo, foi de R$?8,9 rniih0es. O Camitê de Comunicação aprovou piano específico disciplinando a destinação das recursos, cujaç linha? estraiégicas vêm sendo observadas.

7.7.2

0

desde meados do segundo semestre de 2004, existindo, parkm, nporitunidades de melhoria, quanto aos seguintes aspectos:

Os eventos realizados em 2005 t8m seus processos melhor instruidos, relietindo o resultado dos aprimoramentos que vem sendo impfernentados,

a) aperfeiqoarnentu do fiuxo operacional; b) confecção de xeiialórius de conformidade; I c) normatiza@o de proc@dirnentos; d) treinamento dc funcionarios 7.7.3 Na fase de @laboração deste reiatbrio, a Auditoria Interna tomou conhecimento de que o Conselho de AdrninisfraçZo da Visanet teria aprovado a exiínção do Fundo em 23.71.2005. i 7.7.3.1 Em decorr&ncia, as conktatações foram levadas ao conhecimento dos gestoreç, orientando-os ho sentido de que dessem acompanhamento especial à s ações d s incentivo que se encontram em andamento por conta de recuwas do ano de 2005.
\ :

AUDITORIA INTERNA RELAT~RIQ AUDITORIA ---------- DE

7.8

fjscalizadores.
7.9

Brasilia (DF), 07 de dezembm de 2005 $40 -_ ---- -- -- - - --Os fatos ronstatados, no periodo de 2001 a 2004. impuseram danos a imagem, em decorrência das menções aos mesmos,divulgadas na imprensa, e cxpóern o Banco a possibilidade de eventuais questionamentos de brgãos
-L"_

Os aspectos passiveis de responsabilizaçãa funcional estão sendo examinados em procedimento administrativo, na forma dos normativos internos.

7.9.1

As constataçòes obtidas a partir dos procedimentos administrativos internos sara a identificação de responsabilidades funcionais serão encaminhadas, internas, avalia@o para i s e h <rejuii da adoção de sa da Diiétoria Jurídica, visando 4 tias judiciais cabiveis.

<-;&Id) :
Auditor

4010 Le ne Pamdiã Fraraeh
: ;

9

,

"L&

-

.-.. .-._-

'.,. ....

__

_

----.--

-"--.."".---..-

Página 25 de 3.1

--.

f&od.C.03M . . ~ I S B B 24 9:7$7u Jui !E. 2085; $fi:;j

AUDITORIA INTERNA

INFORMAÇ~E$ ~ c M ~ C ADA AUDITORIA S - --"- T .

-

x 1 , 1
1

."-

% -

-"

Prasilia (DF), d e dezembro de 2005 07 $40 - -"-.w

-*--*" "-----

INFORMA~ÓES TÉCNICAS DA AUDITORIA

2,?

opa

O Fundo de incentivo ~isanet criado em 2001 pela Companhia Brasileira foi de Meios dcs Pagamento - CBWIP kom o objetivo de promover, na Brasii, a marca Visa, o rrso dos carlões com a bandeira Visa e um maior faturarnenfo para a Visanet",

2.2

De acordo com o "Regi/lamento de Consiiiuição e Uso do Fundo de fncentivo Visanef", o Fundo seri# mantido com recursos dispooibilizadoç pela CBMP, conforme aprovado anualmente pelo seu Conselho de Administração, sendo esses recursos çomp?rtifhados pelos acionistas de acordo com suas respectivas parficipac;õesacionarias.
Ainda de acordo com o Regulamento, a ÇBMP sempre se rnsnterd como legitima pmprietdria do Fundo de Incentivo Visanet, devendo as racuí-sos ser destinadas iexclusivamente para âqões de incentivo aprovadas pela Vjsanet.
O Fundo de Incentivo] Visanet é operacionalizado de acordo com o Regulamento apmvado, anualmente, pslo Conselho de Administração da CBMP. Dentre os proced~rnentoç previstos, tem-se:

2.3

2.4

a) o incentivador (Banco) deve apresentar ao Comitê Gesior, para análise e apmva~ão, proposta descrevendo a ação de incentivo2', seus propósitos, os r@su!tadose custos;
bf obtidas as aprovaçoes técnica e financeira, as despesas com a aç30 serão pagas diretamente pefa Visanet às empresas executoras do projeto ou reembolsadas ao incentivadar. O Banco optou pela forma de pagamento direto. da Companhia Brasileira de Meios de Pagamento à empresa fornecedora, sem trânsito dos recursos pelo BB.
I

1

COMIT& GESTOR

I

O Fundo de Incentivo Visanet B administrado pelo Comité Gestor composto pelo Diretor Pr~bsidente, Diretor Financeiro e Diretor de Marketing da Visanel.

AUE)!TORZA INTERNA ilu~oRMFi$OEsT~CNICAS AURl TORIA .DA -

_

%/I

X

_ ^ . " " I

Br~síIia (DF), 07 de dezembro de 2005 - --_-_------ ------"---$40

I

26

2.7
2.8

Constitui atríbuiçãa da Comitê Gestor e do Conselho de Adminístraçaú da GBMP a averiguação de que os recursos do Fundo sejam utilizados de acordo com as diretrizes e estratégias do negócio e as condições do Regulamento. 0 Regulatnenta prevê que a adrninicrtraçiio dos recursos do Fundo, bem mmo as entradas e saques, poderão ser objeto de auditoria interna da Visanet ou de terceiras, a critério do seu Conselho de Administração. Cada acionista deve indicar um representante que será responsável, perante o Comitê Gestor, par uma série dre atribuições previstas no Regulamento, tais coma: a) preparar, assinar e encaminhar as propostas de aç6es de incentivo JQBí2; b) colher todas as apravações necessárias de acordo com s política interna do próprio incentivador: c) prestas, oficialmente, os esclarecimentos pedidos quando da ancfalise da ação de incentivo pelo Comitê Gestor; d) preparar expedienle e documentação solicitando o pagamento [ou tesrnbolso'j de despesas.

.

e

@

ANTEGEDEMTES
3.1

Em mato12004, a Auditoria interna analisou a Nota Diretoria de Marketing e Comunicação 1243, de 16.04.2004, para a reunião do Conselho Diretor de 01.06.2004, que tratava da r~alizaçãoda Campanha Visa Electmsi PrhDatado, com recursos do Fundo de Incentivo Visanet.
Da análise do processo, o Comitê de Administra~ãoda Auditoria Interna recomendou o aprofundamento da verificação sobre a utilização dos vãlortrç relativos a quota do Banco no Fundo de Incentivo Visanet. Ern 22.08,2004, foram relatados ao C;ornit& de Administração da Auditoria Interna a constituição e oparacionalização do Fundo e fragilidades identificadas no processo. O documento foi entregue, b época, ao Sr. Presidente, que encaminhou cópias as Sr. Vice-presidente de Varejo e Biçtribuiqão e ao Sr. Diretor de Marketing e Comunicação.
21.07.2004, o CamitG de Administração da Qimac decidiu: (a) "aprovaros critérios e o ~ ~ I I Xpara opmcionalização das ações com uso do Fundo do O lncenflvo Vissnef..."; e (b f 'ko!icifarà Diretoria de Varejo a utilização do documento "kcessidade de Ações de Marketing e Comunicação" no encamínhamenta de projetos com uso do Fundo de Incsnfivo Vi~anef'~.

3.2
3.3

e

O

3.4

Em

z2

A

... .....-.- -. ... . - . . partir do HeguLa;oento cio Bxerclcio do

-

.

...

-

2ú02.
,.. ,

-.. ..

,--

*

M t a . G33OoJ.4 * SISF+3?i.?138 : & ! i l . .&-$$ < :,cs.i

rI

AUDlTBRIA INTERNA 1 INFORMA(;OES T~CNICAÇAUDITOR~A DA

I ]
ÓrasÍ1ia (DF). 07 de dezembro d e 2005
$40
-..
,-.-,-...-.-..

3.5

02.08.2004, o ~okselho Diretor atribuiu à Dicoi a responsabilidade pela criação de mecanisrnbs que garantissem a conformidade do processo de cornunica@r, empresarial as Politicas estabelecidas para o assunto. I Considerando tal aspecto e a "...criticidade svfdenciada no processo de utilizaçao dos r e c o T provenienks do Fundo de Incentiva Visanet..", a Diretoria de Controles Ilnternos (Diwi) priorizou a avaliação desse processo.
REAVACIASAO DE AsPE(=TQs Ftscais Em 27.08.2004, em rLspoçta à consulta da Dicoi. a Unidade Contadoria manifestou-se pela manutenção do procedimento de faturarnento pela empresa fornecedora, kontra a Visanei (Companhia Brasileira de Meios de Pagamento), com pagamento direto, sem trilnsito contabil dos recursos pelo Banco, como procedi~entomais benéfico, do ponto de vista fiscal. Essa alternativa foi corroborada pela Diretoria Juridica.

Em

3.6

op a

3.7

3.7.1

0
3.8
3.8.1

REAVAUAÇÃO ASPEC~OS DE RELATIVOSLEIDE LICITAÇ~ES A Em 30 de agosto de 2004, a Área Juridica reavaliou questões relacionadas ao Fundo, sob a ótica dy Lei de Licitaçbes, ante consulta efetuada pela Dicai, motivada por revisão do fluxo operacional do processo de utilização desses recursos. I Destacam-s~ seguintes pontos nesse Parecer (a) ''O item 11.3 desse os mesma Regulaníento, consEgna que 'a Visanet sempre se manterá como legítima proprietária do Fundo de Incentivo Visanei ", A luz dessas dísposiqijes do Regcrtamenlo, evidencia-se que os rectmos do Fundo não são do BB Banco de Investimentos ou do Banca do Brasil, afastando, em conseqÜ8ncia, a interpretaçáo de que tais recursos poderiam ter naliireza pública"; (b) "Em face disso, é possív~f conç/ulr pela não inc/d&ncia da Lei de Lic;ila@es, quorfdu as Ações de incentivo são total e ~?xcfusivamente cusfeadas pejos recursos do Fundo de fncentivo VisaneP"; (c) "Conforme acima sust~rtfado, caso se trate de AçBo ( Incenfivo total e excíusivarnenfe laslreada com I recursos do Fundo, ou seja, recursos de natureza privada, não há incidhcia da Lei de Licif8(;0esv Nessa linha de entendimento, não visfurnbramos porque, necessariamente, haveria ;do ser indicada agência de publicidade licitada pelo Banco".

Em 13,10,2004 o Conselho Diretor tornou conhecimento da Nota Dicoi20041056, de 01.09.2004, \aprovada pela Direv em 30.09.2004 e pela Dirnac em 06.10.2004.
Fundo de Incentivo Vísanet, destacando-se: (a) centralizaçSo do controle operacional na Dirnac; (b) definição d e critérios para exercicio da alçada no que se refere ao uso dos recursos; (c) deflnii;ão de que, e partir do ano d e 2005, dever6 ser elaborada Plano Anual de comunicãc;ão para reafização das ações com recursos do Fuldo, a ser apmvado pelo ComitB de Comunicação; (d) exiggncia de emissão de proposta especifica para cada ação de incentivo, vedada a emissão de proposta reunindo várias ações: (e) qmissão de,

No referido documento sã9 instituídas modificações na operacionalizaçáo do

AUDITORIA INTERM ~NF~RMAÇ~ES TECNICAS AUDITORIA DA
e -

I-/

____ _

Prasilia (DF), O? de dezembro de 2005 _ _ - _ _ _ _ _ .___---__ _ . ___ __ _ $40

relatorio mensal - pelo analista sênior respon&vel pela verificação de conformidade da Dirnac - ao Comitê de Comunicação, certificando a conformidade dos procedimentos operacionais; e (f) verificação semestral pela Dicoi, da conformidade do processo de utilização desses recursos, prevista a ernissao de recomendação tkcnica de controle na constatãção de não conformidades.

3.8.2

A Dírc;torict de Estratégia e Organização registrou concordancia com as praposições constantes da Nota Diwi-2004J056, de QT .09.2004, e promoveu ajustes nos normativas que tratam das atribuições da Dimâc e da Comitê de; Comunicação.

A~~sva(;Aa $pkA#oDE ~RMUMCAÇÃO DO 2005

3.9

Em f7.05.2005, o Consefha Diretor tomou conhecimento do Plana de Comunicaç;So Visanet para o exercício 2005, aprovado no âmbito do Comitê de Cctmtsni@a@ão 05.05.2005. em

* e

3.í0

Em 53.06.2005,'ao tomar conhecimento do andamento dos trabalhos +de acompanhamento da auditoria em compras de bens e cantratações de . serviços na área de publicidade, propaganda, promoçoes e patrocínios. ecomendou o inicio imediato dos trabalhos previstos para o 2 O sernestr~/2005,no âmbito da Dirnac E. que fosse dada ciência ao Conselho de Administração.
Em reunião do Conselho Diretor de 14.06.2005, comunicou a recomendação feita à Audit de antecipação de auditoria programada para o segiindo semestre de 2005, na Dirnac, para inicio imediato. Em despacho de 04.07.2005, determinou o encaminhamento a Auditoria da ~ocumentação que lhe fora enviada pela Diretoria de Controles Internos para subsidio ao trabalha no âmbito da Dirnac.
Com a apmvação do "Plano de Comunica~ãoVisa11t3t" para o exercício do 2005 (item 3.9) e lendo em conta as recornenda@os da Presidência, de 13.06.2005 (item 3 . í 0 ) e 04.07.2005 (item 3-12}, foi submetida ao Conselho de Adrninistraçao, pela Auditoria Interna, proposta de reinício do trabalho de auditoria no processo de gestão do Fundo do Incentivo Visanet. Em 08.07.2005. ao tornar conhecimento do relato do Sr. Auditor Geral referente 4s demandas da Presidência do Banco, corroboradas pelo Conselho Diretor, relacionadas, entre outros assuntos, aos processos concementeç ao Fundo de incentivo Visanei. o Conselho de Administração do Banco aprovou as ações propostas pela Auditoria Interna.

3.1 1

3.12
3.13

0

0'

3.14

AUDITORIA f NTERNA INFORMAÇ~ES TÉCNIGAS DA AUDITORIA

'!
I

/ ~ ó- ~ - I
%

0raçflia (DF). 07 d e dezembro de 2005 $40 ....,....... -" ........... ".-. ............---,*--.,%~..---.-

4. I

As verificaq6es e anâlises da auditoria limitaram-se aos dados existentes nos sistemas corporativos do Banco, à documentação fornecida e as informações prestadas pelos funcionarios e gestoreç das Diretorias intervenientes.
A documentaç30 referente às âçijes de incentivo foi dísponibilkada pelas áreas ale O7.IQ.2005. 6 execução dos testes observou prazo previamente fixado para sua rea!iyção, não permitindo, portanto, que a avaiiaqáo ocorresse de forma exaustiva.

4.1.1

4.2

As alteraqees ocorridas;no quadm diretivo-geroncial das ~ r e a ç gestoras, em cdecorrencia de aposenSadorias, demissões, Iicenças e outros afastamentos, limitaram o acesso a funcion&rios que exerceram cargos relevantes na operacionalizaçáo dos; processos, cuja oitiva poderia ter influenciado a oginiao de auditoria exp'yessa neste Relatorio.
I

4.3

responsabitídades funcionais, pode suscitar ajustes nas conclusões e constataç6es deste trabatho, na hipbtese de revelarem irifomações ou dacumentos cuja existehcia não foi declarada a Auditoria. Arquivos foram fom&idoç pelas Areas em planilhas eletr6nicas e documentos constam por cópia au sem assinatura nos processos, não sendo possível, par isso, assbgurar sua integridada e autenticidade, o que é de responsahihdade dos rdspectivos geslores.

O procedimento administrativo interno, destinado a apuraçiio de posçivois

4.4

4.5

As conctusões estão suportadas em testes aplicados sobre amostra de processos autorizados bntre 2001 e 2004, descrita no item 6.4.27, podendo divergir daquela que seuia obtida se fossem aplicados sobre a totalidade dos processos. No caso esbecifico do ano de 2005, foram examinadas todas as 07 aç;ões de incentivo executadas até o final de agosto do ano corrente.
Não foi objeto de exame a: a) existgncia elou adequação de procedimentos de verificaçãoL e dernonstraçáo da ~dm~atibiiidade preços de aquisição dos produtos e dos servipos com referenciais de mercado; b) existência elou adebuação de procedimentos vinculados à tributaç8o e à observância das dispositivos pr@vistos Leí de Licíta~$ks; na c) existencia de notas fiscais de fornecedores eventualmente contratados por agência de publicibade para realização de ação de incentivo paga diretamente pela CBMP à Agbcia, exceto para os adiantamentos, itens 6.4.16, é3.4.A7 e 6.4.22 do Relatório de Auditoria. Os lestes relacionadosI a comprovação da realização dos eventos limitaramse ao exame da documentaç80 fornecida pelas áreas do Banco, nas respectivas pmçessos. 1
Os testes destinados comprovação dos pagamentos iis agèncias e aos fornecedores limitaram-se ao exame da existsncia de notas fiscais, faturas ou recibos. nos respectivo6 processos.

I

4.8

4.7

4.8

AUDITORIA INTERNA
RIA "-..-."""-"-.----.---.----."

Brasíiia (DF), 07 de dezembro de 2005
"

.... .............................................."........................................................... "

$40.,,,,

5.1
5.2

Diretoria de Marketing e Comunicação - i-esponsavel pela proposição e ,viabilizaçãa de ações de propaganda, promoção e publicidade da .Canglomeiado; centralizadom do controle operacional a partir da aprovaçao da'Nota Dicoi 2Q04/05@,

Diretoria de Varejo - representante do Banco junto 5 Companhia Brasileira de Meios de Pagamento - CBMP.

-

..

-.
7
iI i

0 -h
O

5.
A

C

@-

25.07.2005 a 07.12.2005

6.2

Equipe de auditores:
Partiapararn das trabalhos os auditores: Ana Lourdes de Castro Miranda; Anabela Jacques Schlabrtz; Cartos Alberto Santos Rosa; Carfos Jose Modkovski; Dalton FerrQira Strauss; Eliza Voshic Morita; Henrique Maurício Mendonça Cardoso; Jorge Alborto Niederauer Saad; Jose Antonio jfchado Souto; Josf: Roberto dos Santos; Leonardo Santa Cruz Pordeus; Luis ~ y i $ í ~ u e ~ F / iRanios: Marcelo Costa; Miltori Masahiko Eto; Miiton Winter; Oswaldo Oçsarnu nto Natori; Samuel Rodrigues Cardoso: Sérgio tuiz Martinsj
I

O

9
(D
A

71 e.
a

P
(D

A -

t : QI 3

T'& t '7' i<V&&~
9

I

4 0 %~esbe Parada Fra'áf~1~h
Auditor
sj

í'B
I

E.

i 3

J *'

. i
.............. .............

-

v+,

i-.

Página 31 de 311,,/++

-:i1

'

.$:i<

Mod D.CS.FY/-.d.- %ISBB %a1 7 5 lC5 . IbC5 :%?^>I

b

AUDITORIA INTERNA

1

Brasilia (DF), 0Me dezembro de 2005 $40

ANÁL~SEDE PRqCESSOS OUTRAS CONSTATAÇ~ES

-

O O CV

<D

m

a,

e .C c[J

a, a, a,

3. O Banco foi comunicado, atrav6s d e correspondência da casa de sspet8culos,

7

a
7

n
\

a '
7 O

O O

constante dp contrato (10 anos) e o definido na Nota TOcnica de aprovação da aç3o cle incentivo (20 anos). Ate agostoJ2005 não havia sido instalada o PAB

E

O .O

c

Anexo I

O O CV

(D

'C]

a,

m

a, a,

7

7

'C]

I

^

$

,,

*.
L ( " %

"

, *, r

: ;

c gi2fiovaqgc. rclw.i-jo

ies~i-cÍ;i%-o su%$o

i 3 r p $ ~ e J ~bepeEg:«i: dmeia.dos e, ~s.

le(aiOado descrevendg a Ação de Incentivo e~ecutada; seus (JO13) e sempre qqire posrivel. OS ~ ~ d f a d o s

'

L'

e 5sfanmira, as despesas com a AqHo de f r n ~seri% ~ t ~ ~ (i;) Oblidas as B~YOVRÇÕEQ ~ a g ~~ T c ~ % ~ ' ~ x ~ Y1-,7tsWet A($) enzpma(;] exe~ut~rn(sJ projeto OU reernb~lsadas, ~ ' ~ PEILI , ! E I do .
~icki!$ce:!kr
"
tátx.:.i,

rrfcuaos E 3 $7.3
*

1 <:# r r j Sc psbas pr30 Ir,l=ei?;it~dos, "iils~iet reer~~bófsara .a O mdimtc a apmsen&@o das . &ociiaieriv>s ,c& r c n p i o hjfitóx+o.çque n t p o d m a ~ garios incorridos pelo Tncentivadnr; as $2 recmùcl;~ ri ái:o cri are 5 (cinco) &us &eis após o envio dos documentos a c h a .

.

*

P

~

0 ~ 1 ~ 2

p r z o d~ COSIUIIP recordo

Visanet e fncenti'irndor-

Y~CTIY~O~SCT,s q~11:

-A

fhlfa d ~~rjrtz~e:!?ai;&~ . reClfb-li61-io detalhado e de qualquer &cu~nre~~to impedir6 O : d ~ Gscd ~ ~ f ; e SCT&e ~ ~ efctrrado aphs a eka'slega. de todos OS d~c~xwentob acima refe~idos,

,

-+,

o Reipe;za<i;rss3 cor:d:?,Ces dd Slaiis~la XV.2 a~imat valores atribuidos ao Incentivador no os O c ' 1 ~ ~ de J~ceir:i?-o % \';~a~:e: 2eteF.N~ ~ ~ f i f i z aate 31 de diilzcnxb~o euda aao civil sob p ~ C i N szr d~s dc dc, p~7;dz~ di'c;m, s~irdi: c30 %r!& jzvk Ages & Incentivo resnlizah no mês de dezembro de cadzi 3 2-20, h c ~ c I % ~ : wdii~ic~i7tid2i~ e ~ fémino do cne~cíciã, WT m t do fiscal da Vismet, e o r e ~ b o l s o g L " .a, ii??~rcslrc ~?i-d T;, :li:,~~ ; a2~. ir; % ; ! o de p r ó > ; ~ ~ ~ C 1 ca7 % ilí.5 - Ser& irnfndss como cniiEde7iciais todas as infomações assim designadas cxpresslimcnte . a, 7eJo l?acmfi~ado~ :cliltiva/~ 2s : E J ~ S Aç6es de rricentlvo slabm~etih aprovagZo e ~~.t~arbuiso/psg&~~t~~w~ F F
Y "

. 2".4 - -

c0

\

o . , -

**

.~~iin:irb~o~
I

u

a,

0 ve?~do F r ~ ~ q ivisa?;& ~ii? iy~ '&nii7is@a& pelo cmifeGes$at c;amg~s~pt Diretor pelo 'r-csiiia~;;, Dir;!~; I'ii;mc~ii<:c Dixetor de .Mar&jting da Viwu>er ql,~e a l i s a e aprovarão m iiqão oa hcn!:i>o ro piam de ate 48 (iiwrentz e oito) homs após a p r e s e n ~ ~ ~ a x i e c i k daz: e GQD$tPP:fc5 da ~ i $ , i ~ t l ]IfF*S. ;~ - Ser%. feitz: a esçn'taraq~~~ ievxrsos $&ste~lties Fiando de hc~~~entiyo das no Visme, e as X@SZ"Q~ C ~ B O r ~ ~ l l i d o s pela Vibxcei. A çq~Timaqbdeverá conter a relaçRo das qimdas .- S ~~!s~LIII~&I:II.~~.J;$:- ~ r i a & ~ 1 .i c ~ r j m05 re6:ut.sQsprntilj j a d ~ s os s~ldos. a cad $ ~ x r , ç r a d i ~
" 4 + A "

3:. i

o" O
O
o c

i

i

,g

o .O

r~rrea~aliili.:irc o LvrLi!G <ieltr>rsubmeter4 ao ConseUio de Adminishaçáo da Visanct, ivf,Rt;j~Eo% dr~~o?síi.a,yedc: aajp:rg ri.rspert&&s 0 s c ~ ~ , r o ~ n e ~ i ~ n i ; fEQ? h c m i v y ~ ~s em Aç&s pejos íí?c@ní.~-piador.es Kts.-a opozeLtr:idadc,~ Cazrselho de B&&j$s&agao o rever& as diretrizes e c~%f-L~C~~;ias d ~ "k i&& e'$t=f:~\ftlj$ 8tfcr&@g,$ ~ e ~ e ~ ~ j i & de s S ~ l l eiTr ou , & mercado.
k

"

i

-3 -

.'

*

I

'

"I.. -pa_itg 2 ;\=;x?:~:.qòts C0hit2 Gestos e do Conselho de Adrninis&aqilo da Vismet a % &o 97-I de &*,-jam$P~ rirrê. 0 3 T-XXI:.SOS de do F z n d ~ Incsixtivs Vis:mee s @ j mutiIizados dc acordo mrn as d i ~ r ? f i i8 srtraidgias dr. n;gi.:T ~~s + ~ n & ~ < j Rqp]aenio. deste ~ ~ .v.:i -- #'i 1 h ~ ~ f l410:sE'I.~?:):EQ: c~icf-,p:nfg~ F Y ~ ~ h-erzlj.s?~ @d~ "â~ 3~ no Q qiJismef,bem CT OO II E B ~ ~ t ~ 8 , C, :2wi:$, d ,Z $ p0dcyá 3&&3 de alatfh~x&j, iatem V í ~ m e0s de terceiros, r=rit&rh t do seir Corçeiko de -4&&:ES~P~I;&~. I

i
\

A .

. . 1

. .- 9

A

Q2

,

, <

I

-:i
.?
I

.

(

I

~ ã e uso do a

ÇGa Paufo, 28 de janeiro de 200%.

V#%a um maíieor f&tkaramen%tc% a Visanet. a para
1

Esse Furido tem por objetivo pra40ver, no Bmsil, a ma-

Visa, c uso dos ceitóes com a bandeira

d&te~$~Enada cs exercielal de 2Bf02 a delstlna@o de r@iÉumegS BiB par& 18Q-QOO.OOO,Q98 (cem miih8e~ r€ais) para o Furado de InGentiva Wsânet. da

wxõl

e@ m õ
O CV

Assim mmn em 2001, tamb6m n ana de 2002,cada acionista pode& planejar sgóes de inaantitro { reembolráireis pela Visanet em velar praporcional B wa participa~ao acionária no ano antsBol, .E a, de acordo sam o Regiulame~to Conçtitu&%o Uso da Fundo Visanet aprovado paFs este ano. de R ã verba total d e n a d a para o axenlcio fiscal de 2002 4 de R$: -> dado que sua panidpaÇgo scionhria na, Vlsawt em --/i 6. de. deka~~tado,nok documentos anexo's. .' *
,.

5 tu

8

Tais recoísos seráo disponibilüados denhr, do exeriiclo do ano civil de 2001, pam ap*s de rnarketin~ ligadas B midia, rnarkpting dipetc, prnmoçiio, compra de plásticos ou outras ações que estimulem a divulgaçao, o;iema~&oe iincentlvo ao usa, e onde a p a r w m s maroa Visa ou de seus 5 O pradrfios. e não aparepm, em hipáiese alguma, as rnarms de p d u t o ç coriwmnter;. 7
.
I

8

,... .,lz.:,k-..;. .... . , deve& fo&iirar:a indica@@ :C@. Para tanfft, no caso do, GesDs que se& fePPOâgg&eiiipe~o prheessa de utilim@ioda ve& %cimaR?f~fid@ Fmdodfi .O do . iriicenli~fo Wçsnet. i %
.S... ;r .

'

. ~hy~::zzF~~s~~~&~~aq&~
,

I

-. ..... v..,..,,; :.
, '

> .

.

><C,

v;; > > , :. A

> ,

vq.<y.>y:.. x<.:.x.:x*,.

. ., ,.

.

.

<<-.-5:4?>

O

v ., .

'

.-

c

As a$'las bgsicas para u<iiidg& desoes racursos sáo as ~sguinles. respeitando os p r a m e ~Ciiiza;?do mode!os de docurnal",osdis~ípmínada;ss Manuai dei? iDrien%a~aa us $30 para WHizagao dos
I

3) P\protra&o iunto 9 VVfsanef de cada a@cz proposta; ogsSacoes; 4) tmsjementa&~ ' - - - * - -

t~Mlizando moaeiu pzrs~ífu. i o B a 2) Deseiivofvim~nlo envio da m ~ s t de utiíizacáo da vema do Fundo de Inceentivo VLsanet, ukitimnda o forrnuF8rlo padc-40 "Autoríra@ade Job de MaFketing";

5) Envio de siiqumenlos i f
W%&mnran&n mas(&fi

mmpmbatórios para reembolso ou pagamento anexadas ao ntodeb da

Y,irmNEXf.' ; . ." --.... .. .."... ..
I . ,

Ressaiaamczc; que. pftm 2802.todm w õrl~scumentaspropondo avaliação de a ~ b e s 3inrnnkávcb de devsm ser arittiteglueç 3 Yisanet a% 26/%íl2bBZ,para que sejam aapr~vadas 3IJIil%12Q02, f ~ d o s ait4 e os docarmarntss fisaiis paw rwmbcslso (B pagainrpewo dewteai6o ser entwriies aa f 6j4d>ILpb&tB, th Wiss que tenhamos tempo de p r o ~ s s k t o antes do término do exercfcío fiscal. s

um Corni~ Gg,siagar camposto pelrca Bàietor Pnsiolera&, pela Dimtor Financeiro e w 8 I á d@Marketing da Visane$,qtde ser6 respans&ãrel pelo cunapnmenfo das caaidi@@s mnsõantes no
Qualquer ddvicfizl adieigitaal deves6 ser enwrnírahada ao Aydin Rdrigues, pelo e-mail aydíin@visan& mm.br OU peta telefone (1 -f)3049-n;Pe3 à Rmsiana de Totedo Piza no telefone ou (4 1)3049-"748 ntr csmall pi;oa@vimaaet,com.k,r. osciaro@imerrPoâ. Esamers B I?isposi@o para cr~ai-quer

,

Meociosamente,

a

@

Diretora de Msrketing VisaraeJ? Tetefone: (3 ) 3049-7734 I e-rnaii: annaksrren@.visanet ~orn.BLrr

Anna Karen Moraes

,

,

e

e
I

I

I
1

I

.,
* <

<

:
,

+

,a,
z

*

0 pmm&t? Regulamemo do Corrstituição e do Fundo da InwMvo Visanei [doravante denominado simpiesmeme de 'Regi~inmento'? tam por objetiuo estabelecer as can<li@jes que s Companhia em Brasifetru d e Meias de Pagamenio, com sede Rus Bamn, 32/60 5 andar Jardim Maria Adelaide, ' Muni~ipio Sáo Bemsnlo 60 Campo. Esledo de Sáo @ufo, insMa no CNPJMF sob nB de .Q2?.@5@fQOOi-%1 C.V!rn~@f'? faristiiuii;i e utilizará o Fundo de Incentivo Visanei Exercido 2002 con, rauifsos deninados & promo&o, no Brasil, da marca Visa e do uso dos cartúeç mrn s bandeira

U I

+

-

-

-

fFí38.

I

- DEFINICÓES
-

Para os fins do pm-nte Ragrilamer<to.ser& uiiliradas as squinles definições, apliiaveis no singukr e I Huraf: I - &jnnst-Wsanei - Todos OS acionistas da bisanél, independentemente do número de aMes que iXESu@rn de sua paè.Eicipa@o1 capita! çakiai da \/isansrl. o 0 - &@Uenii@yràvq A$ões de Omoagands h marketing, direcionades ao público em ~ e mou s l deteminadas categories de yarisdorm de 4 jõ s com a b d e i r a Vsa objnivanda, dimtsmenl@, Mf a o cfesiiniento da uso dos ositõas e o mnio: la(uramemo para a Visanet. - Q m f @Gestor - CamitG composto pcio ~irethr Presjdenle. Diretor Financeiro e Diretor de Marketing de iiissne2 com funGo de evarisr propodss ds A@% de incentivo 6 assegurar o cumprimento deste

msutamentrs.

,

I

---." - cc~!miadorasnu Os Acionistas Visanel ou, conforme oque t6rn interesse direto na r>mrn<yaoda incentivadoie~ - suhsidiiirias. Oi&a ou iitdiretamente, caso, respeotivas empresas coligadas,
-% -

- E ~ g l o Inceniivo Visariel- Funoo conslituido peia Visanet com recursos destinados do exeíusivamee7te para A@es de Ineerntiva.

ieaiiracii~ Aqòss ,ilo incontvo Os
$I

rnmx Visa, aum~nio uso do6 c ~ M eVis$ e no aumento do faturamento da Wsanet. strav6s da do s

- QRIGEM E PROPRfEDASIEDO FUMDO DEI INCUUTNO VISPiNEi
-

II

'

e
'

1 O Fundo de incentivo Visanel6 uiado e mantido com recursos disponibilizador pela Vmnel, Urnfonne apiovados anuaimeme pelo seu Conselho de Adminidra$go. Para o exercicio fiscal de 2002, O spmvado peia Consslho de Mministrem da Visanei para compor o Fundo de Incentivo Msanet de RD 1DD.COO.000 (çsm rniih6cs de reais). P

i1.2 - No Prat~swmr no U m ! < as conlribut@es previstas para o Fundo de Incentivo Visanet p a l @ ã o 10 se<. revisi3s. da forna a lender esforgos mercadolbgioos que se ãçsm necessários, em virtude da oamanda do meresdo consumidor de pmdutos r ienri~os Visa"

1

11.2 - A Vismel sempre s4 m a n t e ~ e ca'mo Iç?gHlma ptrapriekiirk do Fundo de inmntivo Wsatirnet, J. OSrecursos existenles no Fundo de Ençenlivo ~éAnet r ã csmparkilbades pelos incentivadares 14 ~ a de amrdo,ccrn a plrticiplpáo @clanMa que cada um possui. dlr&tkenle ou indiretamente (atmv6s do 'rérçpactiv~ Acionistz Visanetj na Vidicianet, apetrrtda no URímo dia do ana anteeior, ~ i a f O : a m t @pasi@o comtâoie do Iivro de regio;fmde a c k d8 Visanet. a) 6 valor disponiblllizado pat-8 cada tncenttvsdor sefá resuhtante da muitípiicaçtjio da permntual da m@íctpa@a actoreãria wlo valor dl~~orai'bjlizad anuafmenleaprovado pelo Gonsofha de Admijnb&raç%oda Visane$.sem majus&?mon@tApio, ,
L

-

,

,r

.

0 '' - p r n p r i m ~ n t das condiçóes mnstantes &si@ ~egulamento, wmo pela d&são dos casos órnisos. o bem =!

.E . - O Funda de 1S
'

Inmntiva Visane% admjnisErado por um Comitê Gegor, que ser4 responsável pela ser4

o. O
= o
2

\

f1.8 - Ser30 tratadas mne mzn-nBiM'c;nGiaiç todas as BnFama@esassim designadas @xpre$%mentepsb kr?~enti:@ador Ft*Iafi~*ls ouas t4q8er; ds Incentivo sambrraetidas ii &prova@oe? reembslsolpagamanto. 2s

2, ,

&ÕES DE fNCENTiVO da? incellaivti;a serem c;u&~a?ada';pefo'funf8ã1de ftiimntsvoWsanet ter80 PC)F finaiâdade @&iniuit%r (D , a slquisigo e x, usa cc~ntínuadsr pejo público em gera#ou por determinadas ategodas de prtadior.rsS de 9) mriãer, Visa. por meio de: 2.: a) sua di~erfga~cp, 8' h, es&arzle;imentesean gera$sobre as tiar~&es atribukç das c~rbbes ) e Visa e (;) incenefuo ao usa dori pradrdcs e s e n / i ~ Wsa e ~s , - . " c1 ~tiik'nento base de partadcfes de qStij@s 4 da Visa.

a'
b

161.3

& Agões i

- O£GEãHafOSDAS

=

%

.

\

O O '

a
+

3 .2 - P Ú B L I c ~ ~ - A L ~~ $ 6 DE tNCENTl\dO DAS ~ ~ 8
ss""
e

'

?:i

)

, ,

,s AqUes de Inee~itiaira poder30 ser spti~dasjunto seguintes yslíblias: aa memda consumidor em gera! ou delemina&fas~iãtegosjas portadom dos poodufos e semígw de LER^ envolvendo apsnas um aínim ou muqui%;simspastadom$.

%)

a=,

bjijísnaç

cguioes dos brancos {lfnr;,onárlas, raxlinlrcltadcls au terceirizadàdos) envo!vidss direta ou indire3asaanei;nit@
cem a a8e;rda ou aiivacgo da candes Visa,

'

81.3 PERIODO CQNTEMFLlaOeP PELO FUNDa DE EMCEFGTIVO 6 s vafofw i3fnbuldcss ao Inwntivador na Fundo de fncentivo Wisanet devergo ser utilizados aite 34 de dezernbm de cada anca civil sob pena da pecf-dada direito, sendo que ais A@es de incentivo dever60 ser apmvadas 8th 30fl1fdoEa02 e todos os dactlimelitos fiscais para neembalso ou pagamento deverão ser entregu@.s 1011X2Qfa2. 8th

-

L

i

L

b

iii.4 - FERRAMENTG MERGADOL+GICAS 'Todas as &@es ac Inm~ti\ro uf-jcseodo praser%eRegulamentêr isrevsrgo estar alinhadas $8 dimtnres e e~tF8%6gia.;is raegtáclo, esiabefeddadem eo~junta is Visata& e in~;entivâdort;s.SerCjit~ de p e ecasisictlaradas A+@esde Incentivo pera os 80s do prkseote Ragulamento, ss seguintes: 3 Veieuia@o publicitána em midia de masse VV, W i o , Revistas, Jornais, Outdoor, Busdoor. p a i ~ b i ~ , ) etc.), midia .segmenteda ou ~erckandisin~, induiodo wstos de cfiaçâo, lay-oui. eciitoraFflo. prodo@o. \reir*llaçáo e comissáo ka agencia de publiadsds. k Ma~ketigag-direto maia-direta, indul~~ds $ i cusfas de crfa@o, editofa@o, ~ T M U S ~ O , fTIanssSéi<rr, PoSagen! e cttmiss~n agBnci8 he publiddaáe, d~ c: Piomo@a aia pnpi.8dor no po~tcde vendn, nas agénciss ban&nss ou kocais de grande fluxo de pglriad~re~ e&imetias venda do p1&cPeic~, par& agysção ou 0rie@8@0sobre apc; prodlamtosVisa, ifld~isldl<a , I %es de pfenejameaata e f;ríaq&~. ps'odu@ode mateííai gr;S£icoF contratza@o de pmmotoriuls, compra de i O brindes e pr&mjus,taxas g(~vegl~amehiiilaic; apr8-vaçEáoE alvarhs, mmpm I attigr.ielida mateda1 ou ($e N a, estmIura p r o m o ~ i ~ fSiaaiizsçBd pmmocional, entre outras itens necessários à implanta@lio da i~i, 'U prorna~ão G Q ~ ~ S S da~ agGnel8 de pu$!ir';idade. e S B 9) P ? Q B ~ o @ ~ ppe&adur por csfslt2cf de bawfíciosdiir?&dament@ fatura da ~ a @ & o par8 na visendo emiss8o e .G 1 c gfjffaqão tais w8~"dfi prGmjtlis, segufo-i. assist&nda 24 bom, milhagern, p~nt9tua@o, a 7 barniQir,acdoidescar;aaem f~tiir-,. a, e) G~,-f??panhaç irltemas dc fnm~t9vo equipm de v@rpda~, agenaas MncAsiss ca ~s!l-~&riit@B m par2 de das I r tncentivadoros Dare prcrcDttes o mnRecimento, a venda de pl&&tm e oestíwiulo i a t i ~ a @ ~ 6 3 dQ3 vprodutos Vjsa a, m Csns~ra pláStims. C M ~ G d6 e m b ~ s s idespesas w m grodugo @ en;vio de Kit kafetfmn2e. de S ~, t i 9) P~gamenfo taxe d e ingresso ?ara irricio da emii@o de csM@sVisa. de ò O h) Contrata@!, de cquipfis !%medares par8 desenvolvimento de temolagias necessanas Para r impjementsgo de riovm pmd+ i Features que mmprovadamcnte aumentarão o fatiinirnentn nos O:

!

e

c

çer.30 í61dl~idualmenfe avaEt8dos be!o Gomit6 Ge&on"do Fundo de I~mnlivai. i) hien sês&~consjderedas A@es i b Inrantivo para os flns de&@RegulamerPBo a compra de s 6 d ~ '* \ I fs~badas pr~vidhnàa de privadal aatde apenas mrm~rtual waIor Investido 6 scairl:eado eOtf@as do po!?ads@s de ~ f t 5 eWsa. nem klaênpaerea a@es onde @ projete, csfatesrrpi9 $ ~ n i f f ~ pam um s @~ h i ~ cafi&o. a exemplo de itm danão corporativo da prhpdo Inwotiuador para suas dSp@sas o t Uperacionkljç,.sem urna %@opro~oõiioiaal para toda umti ca~twods.
ii1,5

Õ

A mar= Visa oii de seus prodaas sewiças deve obngstoriameme @&r presente em todas as A@BS dr inçe<itivocusteadas pelo Fwao be Incentivo Visenet e. em himese a l ~ u m ipodem aparecer as ,
~ k "

- EXCI-US!VLDADE DA UARC'

d

VIS

marcas de @rslQuP&rn~, %&n8iwç G&DWSBS ~ = Q ~ ~ C Q E @ ~ ~ B S . OU

I INBICA~WQ DO GESTQR h FUNDO DE INCENTIVO 3 0 O r e p r e s a legal com p&sms para ~pr&an£as fespecfivo Acianicita junto B i4disarpe.l deve o 2:4:' preger;lr uma! carta indicama forrnaimenlo um Gwbr do Fundo de Inca3nfitra. 3 , , a j . Q cootetMfa da ca& deve wçpeit'ar o modelo capmntado na ANEXO f 'CARTA DE IMDICAGAO * , DE GESTOR DO FkrNBQ OE IPéCENTIiVC)VISANEV". *'. ; b C; viril a~iginal impressa em papel limbmdo do Acionista assinada pdn seu seprese;enfantelegal geve ser snmmiraharùa & Av. BrigMeím Fada Urna, 3429 Mezzanisio ÇEP 04538-7734 Çfio Paulo ' de Q ; -- p-L SP,80s widd6dm do E=rspa@amsato Mraht9tirag Aydin RMriguérs. C> RGwso de urrr Acionlstn da Visa#& $wjufidikmente admini&rrado por outro ornimot.,a96n do c. i / y , > .. 0 ~ x P w ~da Ú ~ u p a O r G ~ O acionista deve informar tarnb$m que os mmms disponábilitadas p f a ~ Parta , s~ seu Barsca S @ ~ ~ t i ~ i z ~ d o s O em aSje5 tigadis aos cart6e.s Visa do emissor que Ihe administra A SarnertZe a pesos indicada pelo repremaãnk Iegaf para ser G t o r do Fundo de Incentivo Visanef L + ter8 poderes pare: ii) pregaras, awinas e encaminhar & \iisan&ltas psopastas de A@% de Ins: lJ rando e domimenMs solicitando a pagamento ou reembolsa de despesas CZ * ravaç6e.s nocea06as d e at;o&o cam a PolBica Ertto
*

..:.

-

+,

<

-

.
-

> :

-

-

-

-

-

?>

00:
-A

a *
+-

<

a a

ai) 3
G.

os sdar@"g~m~-~s quando da anCit s atipbaaicfaespara?utilizaç& e controle das re .)~et-strum autro dowmenlto wialivo 3s A@= de Inmtii_tivio.;@r&&cxsbido pela Visane&antes da ~cebimanto wfas d e indisa~aa, Gestor da hurido de Incentivo. da do

a

a
h)

1v.2 % o i t c ! ~ ~ o~ ,:ar=~waa~~~~,a $P\~ DE PROPOSTAS DF AÇÕES DE ~NCENTIW Uontru da r@~pnditriat ~ ~ f de pa~!~ipa@o,utiijaaflo do Fundo de Inceintiw Visanet pelo 2 de w
tnm~a,1~i\radof 0btserdar;á o s@glrinte promdime&o: a] Q dcr pelq = - G&zstor Fundo de Inexntiarrs cfeG~nada incentivador eprcrsentar8 4 Visaneil, para análise b. aprot.ação. urn fcl;FaaQsio dstat3PaLfo descavendo as Açbiss ds Incentivo pmpwtac;, seus abjètivos, * btrrrefidos ailsns;jad~s sempm que possível. ou resra!bdos alcantpios e mspectiva csrslto. e, Q 'ai apf@s~oia@o seguir a, mocdefo de QornulBrBo deve! proposto 6 ANEXO 2 "PWPOSTA DE EU8 0 DE MARETING", QuaFquer material adicional que compfemeirle, deta.8lhaou Blusfrrt:a Piroposta apwst;@h&a no fomui&rtapode ser enmraainhada conjcbntamenle. c) A vis oaiginat impressa em pnysit tlmbrado do Fomufádo"~uto~zaç1âs Jab de Markeeing" de assincEsfa pela Ge$far deve ssr ancazsli~hsào Av. Brigadeiro Faria Uma, 3729 Wlezaraino para CEP 04538-7734 S a Pauio SP. aos cuidadas do Depaaamento de MaíkHing Aydín Rodrígues. So data máxir*r.ia para entrega de propastas de, A@es be Inmntivo 6 5 (cinco) dias tltets antes da dia rs) 30 d e novemkzro de cada ex@f-~icio fiscal.Para 2002,ia data rngxirsra, para entmga das pmposfas é dia 2511 ?f2002*

-

O

o ? =?

:

-

-

-

-

-

-

e) Caso o Geitcir deseje, as pmg~has *@es de Incentivo podem ser discutaas por teiefaie, de pessualmanfs:a par e-rnafi étwttss da frrrmaliaa6g0,mas apenas a entmgja do docliménta original t m assinado ser& coftsifferalfadã para efeitos de apmvacfla formal das solicitaçtíes.
I '

!

/V 3 - A~RO\/P.ÇÃO FORMAL DC, FkXXWSTAS DE AQÕES DE INCENTIVO Ao receber frrm-talmanfe8s pinpostas de &&;-da de incentiva, a Wsãinet obsewar4 0 seguinfe procsdFrnenloF) CBSO a@o esteja wnlernpfad~ itens wnsta~tes CIáusuEa lt1.4 deste Rqulamantol, a a 120s aia GIiretosèa de BIFlãrketing da Visana avaliar4 e da& seu pareces. b) Caso as s@3@s propostns mnte~plem ferramentas distintas, elas ser50 avaliadas pelo CamiiP
Gerjtolr. c> A Visanet tem 8 $zinco) dias úteis pare aprovar ou recusas as propostas da Aç6es da Inrzntlvo, a psfçir do R4",ebirsneot.f* doçarat.vnta@a sr8gina!, caso es a@es estejam enquadradas nas da fermrncnlas já cirprovaúas ne,c;e regeilamenfa. d] Caso a a@o prapasda asantempbe femmntas dtstinfas, que aovolvam atraIiaiç6es complexas de todo o Comité Gestor a de ouimsldeparlamentosda Vlsand para mnsidera@es técnicas a fiscais, s Visariei pDde soljciiar pronogaçild d e s e praro. cs) O pErece;r dz Visa;7& sorfí enrsaminheda foma3marafe para o fnenlivador, seguindo a rinodeto ANEXO 3 "PARECEQDE AVAL!AC;A~,DE PROPOSTA DE J8B DE MARKETBNG"

I

a O
O

w

a,

.i?
7 a

-

w
V-

a,

T-

1v.4 ~WIPLEMENTACAQ DAS a q õ ~ s INCENT!VO APROVADAS DE Unas voz apc-ovadcas, as A@es de i l ' r ~ ~ ) n fpoTJer40m ian@ementadas.Caso o Incarrrtitrador i~o r implerc.ronisas a@es aMas da sua àpi~veSf30, seus rwpedivos cecstos ficam por ale canta o risco, os wsê, a as:fio ~ 1 2seja aprovada. 5
I

-

w

a,

ri
\

O O
T-

.O tV.5 FEaTURAMENTQ DA8 ~~61E.s APROVADAS O Para que n ine~tivado! o s a 8itllitâr a verba do Fundo de Incentivo nas AçBes de InmnkFvo epmvadas, p ;cs 0 ele deve preparar as seguintes rãocumeratm compktaa26rios: ati e) Moi8 de dkbito emitida pelo L~mnti;uador contra a Visanet anexada via odgin@l 4s ccipias autenticadas dm notas fiscais que berram odgem a ww vallor, Caso a Inmnltivâdor entrqsie as vias nfigisaaiç, b%ssnet Iha fornecer4 cbpia sempre que receber pedido juçtifiwdo por escrito 0 Tomato das notas de debito deve seguir o padrão existente em ccsda inwn3vMor, desde que seja impressa erti papel tim$rada,e traga sm seu corpo a mla@o de :!&as as notas fiscais que estafia anexadas, c-~ntenbo seu& mspctivos riírmaros, nome do fornecedor e desc=Ffiva. ti) A s natas fiscais anexadas As notas de dgbito devem ob~gatanamenlie Faturadas contra a ser Incentivabar_Não ser30 aceitas'notas fiscais Saturados contra termims distintos. corno w k ~ ~ ~ i r o s OU O U ~ ~ O f Q Sm e c e d ~ ~ e ~ , 1 '~ Na compra do ztivus jEx: carro pare ser roileado em pmmo@of. os bens devem ob~igatorisn?entc fatiamdos contra a inmnlrhrador, e reamibolsados atraví34;d e uma ser de débito. A exr;eç% so 48 apms'nas casos onde o IncesTaivador tenha lama autori;ea@o alo s governa pata a sorteio pramocio:ral, pemitirid~ nesse a s 5 que o bem seja c~ntasbilkãda mmo despesa, R ~ P consldemdo mmo ativo. J
1

-

O

c

!

, 'Q . \

b) Nda de débito emitide peja Inmnltivadar confira a Visa#& anexada a r@lstliria cairtíies Vise de beneficiadas a;om sewir;or;processados peio prclprio incentivador, que sgo habitualmente , mn85abifkados âwnst;internamente orn suas insfttui~;õ@s ernisâio de nota f w . sem i i f 12 0 s b ~ n ecios enquadados ne& caso sãa bBnus, descontas, seguros e assistgnda 24 hoi-8~~ s u outros pr&a~mvados, a8ministzados gelo $omntívador. ií) Qs rcfatónac, anewdos 8.; notas de tf$$ito devem nbrigatnriarnante conter dados da caMo Visa. : (primeiros â e tiitinãos 4 ndrmefos), tipo de bicegido aferecido, valas unit4t-h por cartão Visa e valor %ata{ envolvido. Pji) Refor$a-se; que nesse ~4% se p ~ d fazer mrnbofsos retroaaívns, de itens jh a&Ítados aos sij e g~orf.ador@s ttsd&es Vim. a@. c) Pdidas fiscais emitidas P E J I farnedal'es diaetârnente contra a Wsenet. ~S devem % encaminhadas pelo fornecedor dáretanreenfe B , ,r i) Em higsbtese algum&as notas fis~~ís Visanet, njesrnra n@scaso3 onde o fatummcnlo 4 contra a M\/j~8nef. Quem deve encaniinhar para quiteeo de docanrnsntos fiscais ti, obdgtãtariameMe a Incentivador. d) Recíboop emitidos &!as fafiameccrdoresdiretamente contra sa Visanet, desde que anexados M contrata pr&assitaada entre o á ó m a d o r e a Visenet i) Eçâa up@o st5 deve ser utikimada na caso de associaçães ou outras instituições que nBo wssarem neta f í s ~ OU em MSOS pé-aprovados. e

s

a

a

P) Os hdocumentas compmbaIddos devem %r faturado3 mm data entre 0.9/01/2M32 e 31MY2002 . c o
g ) Os dados pem f8turarnerato contm a Usaninet atmv6s notas fiscais ou de débito são os sf@uiflm: - CBMP Çía Brasileira de Meios de Pagamento Wsana - R. BaRn,3ZEPO 5" andar Jardim Maria Adlelaide São Bemardo do Cernpcr SP @NPd: (93.021.058laQDI -91 InecnqAo Esiadiaat. ~ S ~ F B ~ O - bnsccir$o k4unicíwf ? 08.088-4

-

-

-

-

-

-

-

la) A cada envio: os documenfss fiscais ~ F a n r pagamento devem ser capeaidas com um memcrmnda do t I~iceralivador, assinado peja Çesfas a&oBrada, cçlndame modelo "AMHXB 4 - CARTA DE ENV40 DE DetCdlMENTaS PARA PAGAMENTO i ~EEWFBOLS~", o qual as documçtntagies nEla sem $@&o a@eifas o psacEI.wmerttodos paegaimenfQsn4a crcsmerá. e
IV.8 - PAGAMENTO OU REEMBOLGO DAS DESPESAS DEGORRENES DAS ACÕES DE IMCEMlVO APRO\/ABAS {?cs despesas a a A$o de EnceMivo seriia pagas diretamente pela Visanet a(s) emprosa(s) e ii m i oxece~tora{,~) projeto QLÍ r@@mbalsadas incentivabar: do ao 1 Os dowrnentos coruapro$aMrios tambrSm devem ser entregues na Viçanet Aw. BtIgadeiru Faria Lima?3729 -'FdBezzaníno - CEP 04538-7734 Sãa Paulo SP, aos cuidados da Departamento de Marketiply Aydin Rcfdriguos b A data rnáixima para enlrega das dlaceirnentoojcornprobathtn'r~s pagamento de farnecadoies ou ) para rcernbhmlsa; & n primeirra,dia irtil ap& i!Yde dezembro de cada exer~icio fiscal..Pam ;ÊQQ;í a data mgxima para entrega de rimas fiscais ou notas de dhbito 4 dia 18/íZ2O02. 5) 0 s 0dar;umcsnt~s mrnprobatónas para pagamento dqvsm ser entregues com pela menos 5 (cinco) dias ht@l~. s\ntecedbne;ia de dela do vendmento, pois o processo de pagamento Migs i2&§in&lttKa de cíetrbiaim de dívems ;a!o;adas e planejamento de tamurada. Caso haja necessidade de redt~gi%é, desse~ ~ ~ z o , , G ; ~ ~ s Q s iâakadas scr&onqociedos em camtlm acode entre Visanet e Inmntivada?~.

-

-

-

-

@

7y,

-9.. :
. ...
. ., . . , .
~

:.
.;. .
,

.

I . . .

.

, .

?

I
I

d) Documevtos fiscais podem ter vencimento stá 31 de março do aoo seguinte ao exenhçio dde

inwntivo. Para as renirsos de 2W2, c vencimento rn8ximo das notas fiscais deva ser 3110312003. mas elas devem obrigatoriamemeter faturemenfo dentro do exerú0o f 1de 2002. i m e) A falta do envio ds proposta ds AÇoes Oa Inarnlvo, a n&oapmvaç3o oficial dessas p r n ~ t a e s ausêiicia da apiesentaçáo de qualquer documento fiscal impedirá a reernbafso,que soRIente ~ @ d efe?iiado após a enfrga de 1 ~ d o~s documentas acima referidos. s

V.? - Será feiia a escntuaç4a dos r@kunos existentes no Fundo de Incwttivo ViSnet. e 0s n3giSmS soráo mantidos pela Vlsanet. A escdtura@o deve& conter a relq%o das quantias disponibilizedas a ~ ~ d ira~~xitivadxzr. cs diwríminando os recursos &Ítiz&& s Os saldas.

y.2 - Tdniesirsiinente c Comitê Gesior submeter8 ao Conselho de Adminidrapc da Visanel, rela%Ório demonstrando os valores dependidos e os comprometidos em Agões da hcentívo pelos ~n~~nii~adole~. lrless oporiuoidade, u Coosetho 6s Adrninistra@o rever&as diK?tri~eS estràteclhs e
fendo em vis8c: ev\ita.f.uais aBeraç5ocs qu neceçsidadcs de mercado.

O O CV

(D

e .C c0
< r
7

u
o )

o)

I W.9 - A adminigra@o dm recuaos existeoies rio Fundo de Inmdivo Visanet, bem como ar, o71tllraddase
Adr~?ináçEfa@o.

%isues,poder&ser objeto de aud%orihinterna da Visanet ou de leriaims, a cfi6do do seu Coilselho de
I

7 o)

V 4 Faz parte das alnbui@eç do C%rnit& Gestor'e do Conselho de AdministraMo da Vissnat s ~veri~uaq80 qiie os recursos do Fundo de Inoentivo Visanet sejam utilizados de acanlo m m as de dir@t-ttntetl es~rat0giaca negócis e as sancBi@es deste Regufamanto. e do

-

c
7

u

o)

O O
C
O

O

V!. 1 - A cansfituiç2o e uso do Fundo d e incentiva Vsnt vigorarão por p m o indeteminedo s panir do iae e ~ e r ~ i cde 2001 t? até que o Canselho de AdrninistraHo define peta sua e>din@o. O preS$nte io I Regulemenfo e mspedivos anexas 7 aditivos prevaleceláo sobre qiraisyer outms rimados até esta data em cela@o ao exer~ício 2002 de

O

.O c

V12 - Ser50 baneiiciados pela presqnte Raguiamsnto os (ncentivadoresque assim desejarem desde que se sujeitem às candi&ss ora estaklecidas. Os Aoionlas que se retirarem da Visanet ou deia

I I

forem excliiidas penlerán as seus direitos (ou dos incentivsdores coligados lcontmladoreslsubsicdi~r~~s~ sob o pwesç?ots n;-a dats de sua ~ ~ ~ ~ ~ I F ~ x ~ L B s ~ o ,

Vi.3 O Regviamedo poder6 sofrer atuafirsções,que seão informadas oficialmen<e s todos 0s Açiossí&as.
I

-

I

@ @

@
T
~

r

9

-.
'
A*

r":

@

@

""
tgc

@ @

p*

...-_I"- l_...--_l-.---i ANEXO 2: MODELO DE PROPOSTA DE JOB DE MARKETING "_.. __ ._ -" ._ -!-.".-"--------.--" _*""

. J

h

_ "

I

^

I

"

m -&-. - " .-" d- -" "--

-

"-- "

__j

w

" ^ I " "

Papel iimbrado do Acionista f Inwnllvador

3

t

"bQP08TA DE JOBWDE MARKETING PARA U T B L ~ ~ C W O DO""EeURSO"D8 FUNDO DE O C WW B VISANET WW i B ACiONISm A IHGENTNABQR: . _-.___ . I__.

-* . "

.

-

-

-

-

.

t

--e-

I
I

>

,i

PRadETO Mo: - - " ' L -- "-"
n

. Name:
p

"

.------^-

-*.
Im. , U p

-v"

" " V

^

_ I

-^

<

l

" " .I " " "-X

.

-*

.---.--

C-

"

7

'

0
,

aa (B L " a..i PROJETO &AarD: (B B @ame: c Beserrni@o: 0)
I L_&..

-. 3

3

<

a . ru '.. s
'

(

,

I

f

I

:
,

r \

+

-h G. 0

. . " 7..
í

O

'

. .

e

D@scrii~;la:
Objetiva:

r

Públf B=Alvo: ao Retorno epemda: Tipo de Fermmsrnbiraa [vide i a m Q1i.4do Regulamenta): Forna de Faagame8tao (vide itsm 1V.Mo BkagasiBi8masatQ)o DtAalRsmanto das aç6es em anexo: ( ) Náo ( jsim tinl~b&lma?~to Total:
- v -

+

"I-III II- -X L Ih" . -- -

-"-.I

r

-

- - - - - X I - - - < -

-----.---.----

-

-

1

r: PúbEíco&lvor
@

e

Obj%$i%f@:

m, ,

e

c

,'
' >

e
8

i

-- H&: PRO,jETO
e
a
@

.P.Lnvesttmernto Total:

Tipo da Ferãaon@@as (vida %em 8 14 ds Regasiment~): 1, Fsma dk; Pagamento (vide Erhem Nd do Regul&mcop1to): D&aBham%ntaadas ;4$8aps em igoexo: ( ~ i i uf )sim

E, : , s ,

-. .
"

I

n
6

Nome; B@sw~c%Q. QbjgtIva: =bBco-dàEucu:

.

.

.

" . _ . " " " " l " "

".-.."-.

----"-

----

----

---I

e
e

Retorno %opcrra$c: Tipo Ce F@rnm&m-x i (ndidg ftsm iii.4 do R~agfhsJarnezli*); Fama de Pacgasêneiititú (vide item $W,S da RegultameMo]: Dehlksamentg8 das a$8es em anexa: ( ) NGo ( )sim fnY@&lm~rzto Tml:

Acarsarnus 0 ~ ~ @ b l ~ f eern t"_--Ib r~ :f
@

/ da Proposta de Job de MarkeQing para utilizac;riiados Recursos cio Fufldode fnwrgivr) Uisanet, csnternplsndo as seguintes a@as: Pmj&to ' : ndomc? e vsisr i Projeto 2 Nome e valor :
, ,

@ @

Prqjefo 3: N O ~isS vaio:

f

.... Projeto N Nome e velor :

QI

Tooiiaif: Vctictr

Considomrt.ios as açbes &ma ~ladcbnadas aprovadais, dentro 40s padrões definidos nas darci~merlltos rvucebidos.

e-mal]:

-

*.I

1.:
2

/ . ~ N E X :&TA DA R E U MDO CONSELHO DE A D M I N I S T ~ DA visaNm 6 O ~ O i DE $ig!@8~20@4 CRIOU E DHT1N"U 68 MR1RWElROS RECURSOS 06 FUNDO QUE 2i DE 8NGENTBVO "--." -____-"-"-L"-

" "

----

--

.

-----

,i

l

r n -

^ I i i

x

r .

i

,

a

L ;.,, '%;3O@.giMm3?j2 ATA DA

CQUPANM~ABRASgLElW

RbastPáa Anceirte GriB8f. S@cr@tBdn a Mesa, Sr. Paulo Céwr Pereira da Silva. Pmscenm: A maioria das d membros do C~flselhode Adinínisfra@o. Convscai(;$co: Dispensada, tendo èm vista a presença da , ; ' : totalidade dos mernbm do Conselho de Adminisfirai;ao, O ~ e $o dk: Aprovar, nos termos da Adilgo m ' 16, "W de seu Estafuta Social, a wnsGawj@o do "Fundo de Inmntiwo Visan&', p j a s wndiçbes para O ' y i z a g enconvam-se estabeteçidas na mexo 'Requlamento da COns@t<piç&o Uso da Fundo de ~ e ;e$p.tItivO Vimnett" (o "Rega~Bamã3n%~"h DefiSkmc6es ítsawetdas Dar un&parimidads dos vobs: S. " o . ~--aloasíeda matéria em ífmiscu.;s%oe po~teriorvt~ta@o,Q F ~ F ~ ~ ~ c ~ L Bque foi aprovada, par unanimidade a -sc? de'mtas, a r;ort&itui@cd rdst Furrdo de BGCBFF~~VO Usanet, m n tvcugsas destinados A parnoçZio, no Brasil, s O da marca Usa e de uso dos mrtõeç com a bandeira Usa, nas temos e condi@ies estabelecidos no A o . R@ufamento,que, anexa à presente Ma passa a fazer parie integrante da mesma. De acordo mrn o 2 Rsgulementes, o fundo dci, tstmnfiva P$asanet ser& mantido com os recursos dispcnibillzados pela .MS~R&, mofame apmvabos &nuaimente pelo Conselho de Adrnhistrat$o, sendo os recurros Q I.",+&pá&ilhtatdas ~ B O S acionistas de aureSs' com suas rmpaivw participa~es racionhrias, Oimitamente Ou in0ireiamente, na Sociedade, spuiads na dia 31 de dezembro do ano anterior, canfwme posi@o A wnskíinte EQo livro d 8 registro de at@eo; da! Wisanet. Foi,epirovslda um inv@ctltímenla R$50.000.000,00 d de Q (dfltaiiofitamith6e-s) componde ao Fundo de Incentivo Visanet para os Esnismres SBcios. Durante a vigencla da Tiindo de Qcantiuo Visand, caber4 ao Conselho de Administra$ilo. em conson4ncia oom as a, atrlbuiloas de%nldasno Estatuto Scrcàaf: (a] svefiguar se os ~ W T S O S Fundo de Incentiva Visanet da ed2n se&o utilizados de awrda eom as diWiitt$ç e estratégias de nq6cio e as condiçiles da -. ., ' R@gghrn@n%"~fo; 8 {k?) examinar, idmestl-almenb, a rel&bria 'demonstrando os valores desprrndidos e compkotraetidos ena A@& de trawnfjvo, mzalafoma defls.$dss R@g~rrlanre.e;n$o, açíofnistas,e rever no pelos (D a~?~dirssttrizeseSra€&giastendo em vista svwifuais aftera@es ou nmssidades d e mercado; (c) e r b - 'd@t~nnipar, quando jut~asínece&rio, qkie a &dmhi&ra@odos wcums existente no Funda de Incentivo ;Vím~e*i~ cmsr as entradeç e saques, ser6 abjm de aridit013a interna da Sociedade ou d e terceiros; bem o, ,.,-e "B<m&arniaiara edifzç&c do Funda dc firamntivo Visanet, quando for de interesse da SOcitxJade; e (e) . . E $ai6 atiPibuI@es ne~es&-ias,DOS tenlas do Regulamento. desde que em confomidada com ZstlitadSa da Sociedade. O Cumlb Gtisoa do Fundo de Incerttiva Visanect 6 fom~aciopelos seguintes mhbros: Dimfor PresiQente "tiwtor Execuklvo Firaanmiro CFO e Diretor de Msrfcefing. O Fundo de Inwn4ivo '%~s;aaa@t considera-se r;rrfts%;lieuMa partir de 26 de m a t p de 2001, raflcanda-se os @Os a pmtimdos pasteriamente. LavrBum e -L~Itum drã.Aba& Nada mars havendo a ser tratado, o S r P ei e i L Qf&%mu a WIavrã a quem dela quisesse fazer um e, coma nángu6m se manifestou, fowm r sd PP e " suspnmrò os tabafhos pelo tempo necess8rfo à iavmtura desta aia no livro prdprio, a qual, mabtprta a *&o, foi lida, achada conforme, @provada peta unaoirnidade dos presentes a assinada. Data: Sao Paulo, $7 de aqcbsto dri. 2001. RICARDO ANCEDE GR!BEb (Pr@siden.Be Mesa), PAULO C ~ S A R da PEREIRA BA SILVA ' -Me&: {SscmtBrio da Mesa); RICARDO ANGEDE QRIBEL (Presidente do Cansetha de Administraç&foo), ". AWMLDO AI,%% V1"RA (Ww-Pmsidesate da Consslh~de Administração;); RICARDO DE BARROS VtEIM; &UtZ IFOBSTEUR &í"ISC&)NClt!&IOSBRAGHADQ: JAIR DELGADO SiGALCQ; EDISON JOAQ GOSTA; StDMEf DO NASGtMEMTO; A!K~MIOLUIZ RIOS DA SllM; RICARDO A L E S DA CONCEICJ.~, iwea.w rulacMht9a ~ i t ~ o .
, , ,
j >

@É&LUDW EM í S DE AOOSTO DE 2009 J i : &a& @ ho~(r668: de agosto de 2006,&s 12:OQ hora,ç. m: Brigadeim Fatia Lima, 3 " 2 , , 37 XAy. ./9 ' a d a r , itairn Bíini, na Cidade de 5 % ~Pccuf~,Estada de São Paulo. Mesa: Presidente da Mesa, S . r ;
<,

-

DE M m DE PAGAMENTO - GNWIRRF No. Bf.B2T.0881Q100%-91I RIIRE E B a%idiwlAaE X T ~ O R D I N A W I1$Q GBBfSEBHQ DE AIIPMBNESTM~WO ~
-L--

"

-" .I

I

,

%

P

e-',;

"

% > ,

*

I

i

5

1 ;

4.

,

t

't

L ^ - . . . - ,i.-.

Ç 0 i ..-.. r ~
, .

SOo Paulo, ? 2 de marw de 2003.
Ao

,

I

BB - Banco de Inv@%tErn~inntosA S B

,
,
<

Ref.: Fundo de Incentivo Visanpt 2003 - Atudfka~ão dos vakres

!
Prezados Srtnhares

i

*,

IJ

,

.

Em 2 0 . foi criada o&Io;ialmen$ej Fundo de Inc&ntivo Vfsanet, marsttído com m c ~ ~ 4 ~ 0 1 2Q8 e rn di$pon6bilizéidlos gela GBMP Campanhin Brasileira de Meios de Pagamento.

-

I

O O hl
Q)

<D

Esse Fundo tem por objetivo pronovp, nO @ra~il,~a mana Visa, a uso dos car?<iaõ com 9 bandeira Vlsa e um maSor fatqeãWersto pa a visanet. pw : , .

'

,

,

'r m p Y

.2
Q)

V

c

i

A

"
y (

"

Assim como em 20 . 1 e 2002. tambeni no ano de 2003;'cada acionista poderl planejar a$&@% -, de inie~tkareembols&veis pela Vis;l:eth+ $dloi.pgpo&nal E sua participação acionáiia no último dia do sara sntertor, do acorda com (S Regulamento de ConstifreBç%roe Uss do Fundo VIsbaaet,
I
i

-

r

*Assim. no casa do B&eco.do Brasil;a verba total dãstinada para c exercicio RscBI de 2003 B de R$. 32,1129.627,66(Trints edois milh<7ey vhte e nove mil seiscentos e vinte iate Reais e sessenta e seis centavos), dado que sua pai?icipa(;go acionária.na Visanet em 3111212502 era de 31,9964%, a ser u!iljtada conformo detâihament~ apreseritado nos-da6umèofosanexos.
i

.
"

Desse valor dsvs ser abatida um débito total de 2002 no valor R$ 292.310,93 (duzentos e noventa @,doismil trezentos e dex Reels e !noventa B t@s centavos), resultando em um.saldo para ser uulbaúo n s exercicáo fiecal de 2003 de 45 31.137.316,73 (Trinta e um milh6es setecentos e hinta e C $t? &i mif trezentos e ~c~aesgeEzg Retaais fi setenta e ta"&wntiavos).
.Tsis recursos seráo disponibiliiad+s, deotro do pxc&icio do ano civil de 2003. :par& apWs da marketing ligadas à inidia, marksting direfo,'prom@báo, canpra da pl8stbos ou outra6 @6es que estimulem a divulgatèio. orlenllçgo, incentiva aÒ uso e aumento de base de portadores. e onde apareiam a marca Visa ou de seus produtos, e n3c ahrhçam as marcas de concorrentes.

i

,
~\

-

Para tantol no czço do ~ a n e o ' d o Brasil. o repr6se&?~h6!agal com poderes para r&pnsentá-loJunto Visenet duvere formdlizar p a a 2003 a indicaçâo de um Oestor que será o responsável pelo. prakssso de utiliratáo da wíba acirra referida do %n de incentivo Visanet. mesmo que o ~ndicado ! dio d I &o , , mesmo gestar d~ 2002 j
2

i

1

.

.

,

~

"< '/

i

.,f% \>

'
" 5

1
r

i

<
/

+

Na.reuiiiáo do Conselho de Adrninis@ção r e a i i o r i a ~ ~ , 3 0 1 0 l l lfoi dehtrmihsda para o exercicio 2~ dk 2003 a destinagdo de recursos no vaiar to& de~R$'400.000.000,0O(cem milhbes de reais) para o Fundo de Incenfrwo Visaret

u
V

Q)

2 3

Q)

,O 0 V
O

O .c o

c

0

,

.

C

.

3
\,"

;Ss,

$4

1 %

j/

I ...
!

L

e

+

"

*
m

!
%

< I

-,

i@
i2

c

~

~

"

I

A

,

h
$i3
A,i

Ir4 5

i @

:

A marca l4sa ou de setls pr;dutrs$; s scrviqr;~deve obrigatoriamente estar presente em todas as Aqõvs de Incei?tiwcusttlaclas pala Fundo de lilcdstwo Vlsanet e, em hipbtese alguma, podem aparecer as marcas cie produtos, sewic;os ou err.presa.4 concorrentes. .
. EV* PgaRQCEDtPWEMT0S PARA USO DOS WKCEIiRSQÇ DO FUNDO DE fWCENTWCd VBSANET >. ' : .
.

- EXÇ1-USlVfDADE DA MPhRC4VISAI1

B
*E

A

LP

,

p,
& 6
i$

3
6 i4

b

&
@

,' : '

k
&

* iV.1 - INDiCAçAO DO GESTOR 00 FUNhDE INCENTIVO ' Q reprr?f;entante legal cem poderes gara dpíeçentãr o respectivoAcianistai junta B Visanet deve preparar um2 carta indicando F.srmajrr,ente um ~ e s $ r Fuqdo de incentivo. cic! Ztj 8 cct?'ieLidoda cark d~.ve fcspeitar o kodelo apresentado no ANEXO I - "CARTA DE I[\ID(CAÇÃO DE GE51'13R L0 FUNDI? DE ií\dCEtdl"iVO WSANET". 3 b) .A via orig:ral mpressa em papa timbrado do ~chnista assineda pelo seu representantelegaldeve SCT encammhada, ri Av Elrigadci?o !:aiia Lima. 3729 - ~ e u a n i n o 'CEP 04538-7734 - S ã Pauto So SP,acs cuidados Co De;sa-taraeri::, de Markefing -Controle C ) MO caço de um Acionista da Visanei ser juridicamente administrado por outro emissor, albm do conteúdo da caria padr40, o acioni~tii deve informar iambem que os recursos disponibilizados p a a si ser80 util'zados em açdas ligadc;s nos c:ar@esVisa do eniissor que I e administra ou de seus h coligados I controlados 1 s~bsidiarios jccnforme modelo ANEXO 1 "par6gmfoexclt/sivo que sotverjlr: deve aparecer tja çarS;?de acronísfas que transferemverbas para boligados'). d) Cadz acionista deve enrtir um2 cr;r.ta de iridicagão de gestor, independente de serem controlados por I ~irn 1-riesnrD grupo !coligaú"c l e) Soveste a aessoa irdicada petc representante legal para ser Gestor do Fundo de IncentivoVisanet :era poderes para: (I) yrapawr, zssnade eficarninhar A Vigane! as pmpostas de Açaes de Incentivo, fii)preparar memo:ando e ~ O C I J : I ~ F : I I ~ ~ S solicitando o pagarnqnto ou reernbotso de despeças; (iii) colher todas as ~prsva@eç necessiiias de ackrdo Cor91 a.f3aiiticaInterna do prbprio Incentivadar; fiv) prestar afiaairnente os escfar&rm~ntas pedidos quando da análise da A@a de Incentivo pela Camitir! Gestor; (v) outras atrib~içSies utili;:a&ão e controle dos recursos do Fundo de Incentivo. para Nenium outro docvmunb relatiio I s :$fies @! In&nlii*o será recebido pela'\iis&tiet antes do i O recebtrr er\Ccl da çeirta d e indbcãçk da Ge~tar Fundo de Incenttvo. do
"
a

O O ,CV

<D

w E .a, c

a,

-

7

a

u

a ,

7

r :

u

a,

.O
7

a'

%

O

"

.-.5
8

C

O

U

, ,

i @

C

W.2 - SOLIC!TAÇAU DE APROVIIÇAD f KOPOSTAS DEAÇÓEÇ DE INCENTIVO Den:m da respectiva a!$ad2 de pariicipagáh e apbs a indica@o do seu gestor conforme determinado no ibm acrva, a utiiaa~3o Frirido CTF ~ i l í ~ ~ j Visanet pelo Incefitivador observará o seguinte <C í l i . ~ ~

DL

I,

P
R
v>-.

R
9
@

8

a
pr

$4
I

@$

"-b) Tu! upresentaç2o d e o sfigui: o liocie;b de fom:iUno repfes'entado no AN&O 2 'PROPOSTA DE ' AISOES EE fNCENf'lVO (JQB)' Q u i l l q u ~ material adicional que cornplernenta, detalhe ou íluçtric a r proposta asresei~lada $ecrrri;ilái~o *,r; pcbe ser ewaminhada conjuntamrnfe. c) Q Incon:ivador pode tit i~zar ~ e r b a trrna rintca Proposta de AC6es de Incentivo (Job) ou sua em scthdhtidi-'a em propcçtas d!sirtlIas, desde q u e se enquidr&m nos objetivos definidos nesta Regulaments, % ';%? <,

a) O Geçtor c'n F n n r f ~ lr,cer?tivodvsiynattc3 plr. ~ncentivádo;apresentará h tdisf3n@I, de para qnálise e I aprotração. ur:r ralatdni~ ifctzihado descr~a~endo A@es de Incentivo propastas,~seus as objetivos, I Deneficios almejados e. :;ercprc que poçsívfll, os resultados alcançados e respectivo custo.

procedirncntl;'

'\'
?\

7

,

%

,

**.<

II
I

si2 a6
' I

I

r

.

t

I
c '

t

I
!
3

c

O

$

4

A

ViSAliNEE'

,

Na comprz de afvos (E!C C a w para ser sorteado em prornoçáo), os bens devem obrigatnririqente ser fat'r~rados contra o t~mntivador, reembolsados ktravhs de uma nota e de dbbito A exc:er$r_i se dB apenas nos casos onde o Incentrvador tenha uma autorizaç8o da governo para o so:-tero ~ronrocionai, permitindo ,nesse caso qGe o bem seja crsntabilitãdo coma despeça, n&o cof.!sidt.r8do como ativo Nesçe caso, junto & h d fiscal d@ver& Ser entregue iima ciriia 2 ~ L ~ l i t l ~ ~ ~ertilicadi ~ ~ t o r i z a $ ã o yhisteiio da Jushça elou do d a de do Receita :e&rãr para a dioinoçao iif Nota de d6bitc em~lrda pe:o Incentivador contra a Visanet anexada a r@latSrio cafl6es Visa de rieriehciados c m ssnírços processados pe:o p:oprio tncentivctdor, que sao habitualTsnle contaii4izauos apenas i~terdarnente suas instiruiç6es sem emiss36 d e nota fiscal. em t Os bensficioc; erlqitadradas rtesse caso sBo bonus, descontos, seguras e assistência 24 (D kiaras, otr f3ti:rt~sp!'&-apr~vadi)s,üdrniniçtrarf&s pelo incensivador. O aiiexadcs bs notas de b6bitci devem obrigatoriamente-conter dados do cartão 2 Os relali>nos Visa (primeiiaoj'6 e últimos 4 nijmeros), tipo de beneficio ofereado.,valor unitário ~ ò~r a r t ã ~ e , u V~sa \~n!c>r~ 1 envol\rido e 4 ~1 keicrça-çe auc nesse cbso sd se podem faze? reembolsos ietroalt~os. itens jB creditadas -5 de 3 C aas portadores de cartfies Vrso. a i~r! Mo:as Esczis emitida:; pelos forncccdnres dirclta&c?nte'corltra a Visahet. 7 I Q) Em hipò:ese al-trtna 2s notas f;sc$s devem ser encaminl~adas fornecedor diretamente pelo í d Vrsar~etmesmo nos CC~SGS oÍtde a faturamento ccntra õ Visanet. Quem deve encaniinhar para yuiiat;& d e docurnke%os físca~s obrigatoriamenteo Inçeniivador, Sempre utilizando a e a, carta cuj-, rr3èelo csla reg :itialo "ANEXO 5 CARTA DE ENVIO 66 DOCUMENTOS PARA Pf?GAPdtEI\.f4)" \ i O iv) Recrbos ernlticios belosforndcectores d~retarnente contra a Vtsanet, desde que anexados' a Um , o 7 contrato p:&-asst'lado i;r?tfe b 76rneC~dor a Vlsanet . e O C Es,a opcdo 5 6 deve ser ,~tijr~ai;a caso de issodaç~es outras instituiiçfies que n8o n0 ou ? O .oassuerr? 'wta flçcãl c ; casos pre-aprovados. i 'sr?~ O b) Cs dociimentas comi>mtathnos devem ser fa!urados dentro do ano de 2003.independente da daia de veoç~rnento c} Os dados papa farura~enio cortla a Viçanet afiavas de notas fiscais ou de d6btto silo os seguírrtes: 4 Cia Brasileira de Meics d e Pagamento arrcisr - Jsidirn Maria Adelaide - São Bernardn do Campo - SP 4 R. Brrffin,P2;EO ./ CNPJ, 0.í ,927 0 5 8 / 0 ~ 0 i l - ~ ~

8
E

-

=

8

ItrccriçSe Esthduai Isc~to inscricãa f u i ~ r ical' 138 088-< :~ I o') A cada envio as dac!~írizn!ns fi:lcars fs~lr,í? pagamento devem çcr capados com um memorando do incentrvndcr, ss;rr;a::c pelo Grctcr auLorizado, confurne modelo "ANEXQ 5 2 CARTA DE ENVIO DE UOCUMEI\IATOS PARA PAGAMEN"?C)". sem o q t a l as documentações não s e r &aceltas e o + pro~essan:enbrios i;ão ocorrerá ES) OS :JOCU~~C~!C)SII F C ~ I S pa!gamento capeacfoç com u Carta de Envio de Documentos para ~ pio1-a Pagamento deverr; 53r er,sregueç ria Lfisailet- 4v. í3rigadeiro Faria Lima, 3729 Mezzanino CEP 04538-7754 - Sao i+tilc -- 3p. abs c v ~ a a d ~ s Departamento de Mark@ting'-Controle. do i !?. i>: p ia!, T) iJAA,:-,'g G!!:~?f lr; C~:Y:-;;';~ l-.y,--^y t ? ; I ~ m ~ r 3 b a t ~ i i ~ rsr;j ~s_;~g;t.'i;tefi1&d~-~~1r~3~~d~ r = d c ~ _ ~ ~ r j c ~ ~ t~ ~ ~ ~ : ~ Para 3O.C733-d_30 ~ ~ . > raRscdf - p ~ : - ? & ~ k:> ,51 ;)r i * t r i o C +-titi' =,~fr:L" . , %!- .., !:r - ?atasir!: cjí*tS:t~ -L? 10112/2003, quarta-feira, ate às 18h00. . . - *$+, n% :':-:c - -J

./

-

-

r

e

j p .

<Q[<f,?

"!.%

,.6,,-.
V

,,....C>

e

I

1I
I

.

.

'

. . ., . , .:., ;%,!,,.,, .: .. . .. . .. . ...:. .... :..','. . . . ;i,,':
'

, '

.,:-.A

,

. ,,
<,

< .

,

'
<

: ,

,.,

..<>I..

,.':

.

.

c.

t
*
C

.-

,q:.,::;.,

. *<....

2;:32, . . . . . .;.
.

. ,, , : ,, , , . . ,,,T3s <<; .... ".;............ .... ... i,.\ ..,,*,,,: :,.,;, . " : ' e . .'. phX,,j >. .; e -,*
X'.'

d\ -<ocl,:,-, i

<c .:.2.5<:; c:.:. ,"+,.".;',::;.*<;.:;:,, : >;L ; ,. * ,, -~ .~ ;: ,;L%; ,-,;: $c:;,. ; E :F .., e c, 2 . ' : .......
'.
'

*2 . ---.".*.*<".
.,.J

.. qr.!.nni;,.- ,..";..e9;*5;z,<':f:,
, ,, ~,

.r.. 4. ,
, :

'~;-:,E?::.;i':":::!":..

. 4 { 2 ~ $ p ,, ;. :. :~?.-2>%, .;.c! ..*$ :,i> c2;q:$ + ; . <. . . . . . ::. ‘ ;, . , :y,s'--.<,.
..%>

. ,". ~.. , .s>.,bz $,y;">$":,, ; c ;
t

? , , . , .. *,~+;;; +,. .i..'..? - .." - . . , ,: . 2:! , ' 2 ..

r ,, : Y ..,
,

,

<3<$!{ >>* > .

- ~2;;g , ~ ; ! ~ -.+'..
F3\:L>?;cY,

\.:

,",

,. ,L
. 4

m* b> :* :<

+

<.$!; $

& ,

y;,g?c,,
.*. I.

,

:<

: ....;......

.,

,

-.

C ;,
<

i ; <

...

. .I. . . ...".. .
'

.

y . .;' :<. ,;<;<;i : r,. 5; . -.... ;
$* :: ,

,: : c; i; >,,: 7- ':2!:?2 c-c:.i;3 ; L :,,,:[:::,><,,;%:.<>.;>:
' ,
." a

*'"

"'>

#'

-'

"'* ""' "

V

' ""- " '

' a .

a

k5 . 2

s'l!;,:
.
,

; :

.

.

;

.

.

. . .
. . . ...
,

.

.

.,

,<#<C.

7

.

,

.

.
.

;

. . . . . .
\

~c;.;i$:.: : j < ? ~ s~??:. ~f ; i > ~ : ; ~ . M!';.: j ~*~;&<ikj& ; ; i-fa
..'-~:-,

,

,

e,@,,
.

;t i :'. "".'.r.. . . "
i;,3j,,j

.,..Y-.\< ',."L.

""'.:..i ,,,,\S.,"

c

:.: .... .-- >,,",'., . .-. i..c...-,.. .
-.--.,...i<
.x:--%,

. . : . . .. ,,.'..i:..::::. " ..I ....... ;%:2fi<i<>:i
$m:.,.'
,%>.*;e-

'.

..rc
i

.-"'.C". ..4
0.

,

. . . . . .. . . . . . . *,:.; ..l.\%l>* 'ye3!i2tz j ~ ~ ~ ~~:,;&,;:.5!:+ ; g : ~ $~ q j E b,Q' ~ ~ . r ~,. /%r & ; y ; , ~ ~ ~ , ,; & ; .? %q:,';s,a:$ef , . . . .. .::. >.".'.~;~!#';, . .:, , .
h\

! : ;

.,.< . ~. , r! ,,m.;2-::;p; :,!g~ ;;.G
. i

. c:.!i~$ !'ri:! ,i<.~& 2i>C?B CQYrWl?C$ do f~:~*jfiq&?qQ di'; c!,: .$+YG. E. . . . ) . . \. .
/.I

.

m-r-

r.

, ,..:._. . . . . ...,.. .:.:'.,.!!L . ...'",.
/

1,

L .\,.

~ ~ j - , ~ ~ ;

,3:;r3:2~, S.;;

jp:;~:;;~ji~ac~3~e

59 i j & & j : , $ ~,< & ~

.L

6%

~

,

.

'

,

,

. % % .., . .

;1,;......e: . ,

....

::,C
,.T,

. ::., ::.: $ . --.A . , -,s*,(;ii j?:j $">?.;!,

"+.".. ..

,;

.
a
C. . + v .. . .

.

"....*..."..-.~.. *
'"<"?.C.

? . ;

,, .'
^.1

.. !..+;.,'.:
"
i^..

.

.: ..;, . , . . .-, . ....-;,:. .. . .. .. .. .*,. . .... .. cs
'?

.......

i.a,f,;;,?,;;:i::

,.

C>; ::

<

:.,<5;.,j;.,:v.:

;:>,;s$.r~,i?i;

p : . ;..!:..> c,!$< L : .:i , : ..........*ar ! . . : I ..) . t!i.rnjt$t,:D
+ \ ,

,.

.

.< ~.:, .. < ,. ?, . . .. .,.;.>: ',..). . ,. . , ;,: ,i":' : . , .,. .; :.;:i , ;:. .:.
,
<

.

: ,,

,;?

.

'.'.
:c,,

c ,..,, ;i.'::~
i.,,'. .*
:,.:'I,

V.'.

,. ? !: ;! ,

...
i

,

:.

<$.,,

<'.

\' us ..g/8S~09;.,:;:~~ . . . .

,

. " ,. ' . .,".".

:..> ," ; !,;ti: ...... .c r,: ...i ccl,E . ~ t >,c, < . ; *~,.,": ,,.%,*<.-:teA> L,,%+ x . A %..

...
-?.. .c:c .,-. c 2 ~!;$, <.,.a j F

&,

- < ; l + > , - d - .

.,.

-

: j z ; + . ; ~%:ri ~ c c4$.$$ (5.e :;.:~;ytiv?. . e i ~ r i $
. . .
:.:

c.,,

,;; $r",.
,<,,

. . .: . ,,t;$:;\:,Z:<;:>$:;, ; i ? ;~$~;.:;:2$::,,' !;
......". .......: " . ."". . . . ;,
." A

.. ,,..i. .
A. :: .'

,.c:

, *

%,.'

......<....; : :; I , . :.. ., :,
r

.;

. ." . . ,
: ,

,,

,>?,

. . L= \.e
O

r

. : A, Ai

.:<...-.-".-.'.'. ,

..'."""..& ; ;li; :c i,.. $ :;:! ic ;i . ,'.. 3 . . ..(.!I.. I:,C2 . ....3 ~o><:V.-:
L.

..:
B.?.

jc i:l:;.:.:;i;;i;

i,ii:.;${jy,
r..;:.r.~

...., i-.... .l;.lL <iCA r..=.;!ir.i,

.i

...

.~i:.~i,,f.r' \,. .L=: !:-i C i 0 . 9 ~ ~ !.+d3"!6816.d6:~ ..

b a { n . ~ 3 q ~ 0 ,et7i\y)-gd&$,e ,aç :. . .. -"
1 1

.,
'

::t,,,.:

;"

:x',.:c>.': > .

'.".
*

,u $ r

,

-, :I %A:",

,: % '

,< , ; > :

",.,

-5..'7,.,1,.. : , , + : , ,,, * ;! .-. . ,. , ..>.. .... ..: ; ; : ,: . ... . .. ' . ;, ..... ,..:> .".. .... . . . ' ..' , ~ ~ . ",,. . . r ' .., ~ '. ; ; ". : .-.. . . ..-.4.2^:r. .
A;

--::.2 2 ;: :< . . . . . . . .
,$

.".. .8: . ,:
~~

,... ,..- .>.. $,::.!.i.d.
:, ? : ' J,,.

t ,.>*

t t -

...... “+.,. .d r:C f-l tisei,i.; , &<~..i ri, i:,l:rc,,., i @sanet e.'. . i,,'>':,>* ., -i; 11 : j G - c ~ . .. . . .. . .' . .. '., . .."'",.:'C' ,:, . . . r:L.,.. .... . . : . ificy;i'- ,-,.i..-G.*,<!. .-. .....>-.r'..,* 4. : , ...... ; *. +..;......V;;,! &:! :: !.!~<:t,<.:"i\v"~t: <+b.~d~b~d~:~~,:.~,'::~~~~!,(,
; \..-

.

' . . ,, ., , ,.."'*.. . : ;
;L;',
?; :

. . . . . ..c.;. .........

,

..
9.i, :!:

, < <

.i.'....

,.,

,,,,,

,

", ,

&

,::- ,

.

.!. Zd*

,..

,, ,

>, ,

-,

$L,;\ &"..b

.,c:.>:.>

.

. -.-.? , ~ > :.i..-,, . : íi~
h 7

r

>.>,..
,

:.:;i:!!:*:,

.

..

.

.

, ;;:,'J.'.,:; . . .,. :*,,.' .,:":':I: . . ?. :,. , .',~.,, . . . , , . : ; , \ < >'..,.. , ,>: .\ . . ,, . . .. . <. .'. . ..;i..:. . ..,.,::>,j,' .. .:" .
,
,

..
,

.J~.

,

.,:,

. :;,*v':::';,?". .....,.. ,,,.' v,,., ..
:

.

,,;'

: '

,,

1 :.

,

8

,

.

. . . . . . .,: ...:,;:,?! ',.
,
.'<.b,

. . . . :. . ': . . .. . :.,. . . ',. ;.*ii . . . .. ,.... . . .. . . '. ,,',...' . * . ,, ;., P,.~',, . ......... '-; ..:,< ;.,... ..,. ., ., , .. . :. ;.,.r, ? I ,<.,?# . . . . ,', . , . ,, , . 'i . . :,,, , :c,.:,:'
.?
'I'

..
.
'

6

.'

,

I,

I , i . f

..\%.'

. . ,. . . .. , . , . . .

. . ........... ' 6 ' ' ; . . >. ..{.',. . ,
i.:.

r::; :~ . .. . . ,., .. . .

, >.....>..!L

;,L ,. : \,

..1

$<

,:\;.;r. . . .+?."i. . . . .,:.;' -,>,:..:' . . .:'....:. ,:;.L. r':. . . . ,,.. . ~. ...? .. .
,
'
G:' :~

7 ,; , .,./ , : +-L, 'i' ;,.' ;' - f.
' "Y. '
,

,
:

. .

.
,.
,

,

.

\

'...

.

'

. . ,.*

.
.

. . .

>.;d:$ , a ,., >A;:;< . .'. :L:<>.:,:..;:I .

I;:, :",..;:i:, ;,:$
A'+,.

;s/;;:.',,:~..
i,.;:'.
,'
I

.

.
.

.:

.,,

.", .
.

., ,
. T

..: ,* ,.. .; >\,*.+ ,
I,
:-.>L

.. ;i<:& :;,;::. ,. ;, : : . '.. . . ., : > ; . *, g.:,.:.,. - '.
, ,
;

.,:

,!., ;

.
, ,

c

t

...
.
4

:+i.

<&;!*':

, ,, , , ;
'

.

, i;.-." ,

+c:;, . .*.. . . . ". : . ..a'..'
:*,.;?,~:.".,.::<:, , ,: ,-:'h.

. :! ,

':
5

.

. .

.

.

.

.

-

..

. .
'.

...
. .
'

...
...................
,

.

.

.

..>...:: .' ~. ,.: t ; .. . >,,? : , :
i . . .

'' .i .

. : , :-.." ; , >,"';" < .! -, i,;' . . < .', >,,',' .. :. . ..',. .

Li?.$'.'.. , < i "r . . , ~ , , .

':. . ... . :... /

. '

.:
.

. . .. . . . . . .

.. . . .
. ..
.,
'

-

. ..

.
. .

.*..-.--.

........I

.

..............................
,

.............................

$;*

.,

'

.h.,

. .!. ' ".
'
,
,

.

.

.
. .. .
-"?--

.i".~"

">. . .'$.. ... . .' .

. ,. ,\

,:::.

::> ::

e..

:,., .: .,.

-:"3;.3~:! 'Yiri!:;âd? C ~ O AC3Io!l;çL6
. . [~OVB!!
..
.-,* -d.,

. . . . . . . . .:..:
.
,
,

/itii~~f$,y@@yr ..
;,

'\.V,

,

;.

,.

:

.\ .: ,

,'

..;;>,;;;!,:, :, .
.,

;., , ,'C. ,,.'I: ,,.: ; :. .' ;
::> , c, . a , , , ; . i
p:,,,,,

'

o

... :".> ., . ., 3. , , , : , , .,, '....... . . .:: . ?~,; ;.'.;,;:;. > :.: ~ .
:..
.~.L. ~

\.

.:'..

,-----..,_,*a

;,.+, ' . ' . ; , i ';.c.$:... ,,

c j ( '

... *,

..

.

. .
,
. . .
'

. . .. . . . . .

.

. .

s,;;:,j, . -. o y,:.:"' 3 ?;i:;;,,;,;;;:, . . ,o;;.~:;.G.;
-,,.,,a.
,.:3

C

:; . ,.

:

:..
B ,',

,".

,

,"

>

:~.)

:,

. , . ., ..,:,:
,, " , ,

' Cowiknhja~

A

.

. .,. . . .. .. . . . . .. . . . . , , . .. . . . . . ~. . .
,

.

.I' '

.

>

. .

~

~ $ Xji:;l<)$ > ~ ~ 2

.

!íja+$ii'f>sf::$:. - ~ ~ i ; 1,t':i;g:le;
.
,

.

.,

...

,. .

. , . .. . . . . . . . . ,
I

0,

Lf\#;;:., .?

. . .

pfeZa@o$ $ ~ F : ~ o / % - J ~
L'ls

0

-

\

k;!~;;;;. :,i:;.
"s, .+A .;L ,.

.:' :, ..'.,.':.

a r........". 2. ;:. '
,

; ,..... .i. . ? :,;. ; ; > :
<'.
,;, e,.?.

: ,

:;,:.. . . . . . .

7s

.

A

A :.:, $ ? ;>,,!c,':.:: > ,
.;:. .. ,-:
2:

,,.

.

','.'.

c,;,

;.j; .:

.. :' . . . .

.

:

,

.

.,

,

.,

,

Çai;$thi$aoe i-rso di:,!'ii~& ds /,:i:;%n[iiIc & n e t .q~e'@,$:&l~r ~ phr(;;ici;, $2 R-~,.,i~nis$i~> . . . . . .I..:';: ,:': :-c,~,,,+IP~: i:,;~:: h:r::;z;~~;+' * + ~i2sfca ,,.c. ;~,:Is,s Br.asii ri ; i.rw cicg cartaes. ~' ..n .'. ...& '.b,.!.'..>..~ $ ~ ~ g~ l . . . m . a~$ b3j&ida Q ;:,!, .?Y,..I>;;~<." . . >'. . . . ... . ... Visa, . . . .. . . . . . . .. . .. 'i.':.;;>;,y;; . ,,!, ,:;, x,c>:$ : >i: . . . g32sujk3 :i;, i r-í : ; i . : ; .i-..i i , gL$ede!-i.;,:iir:;2 8 i(:d.i&$~ de.~ r F~r$st$fttaklt&'',.'%" n,ee:iiiriçea, . . n .i... ....... ... :.,,2.r,:"(~:\..: rins . !ncgstiijn c&+!E .$ibgii!,$:ia + d , i c $ h ~.s. '.t.q m ~ e s t ~ i l D i .. .. ,p~,+,cui~sr diç r:it;~tcsiT~2i:isi26:3!+ $3 p,r&;s :.,,;2'~,5i..':,' .:,ia. . biaix;~ milM-$:o &[,h ' . ~ b ~. .t. .~ t ~....i*' ~ $ . 8r-a . ~ . :.-.... i ~~~d~de in~pkj+t!je a Jnizg p c - ~ aieSMir2\!~i . i . . .. . ': ...:.:,, ,,..:;,..,,i!.:. . . . :, * i.', ..;:. . Gscrith a pesçca $$ai>?'$ ~ i ; i , : ' < i .~ , . . . . . . . . .:.,,....... . ">* ;: ; . , .
, ,
,

...... . . . . . . . . . . . . ;:::p, ;,,:: . . .......: ,,'.<, .. " ":,
; ' ,

.

."I>?>;

,

:,,

% . ~ '

,

?>. h;. :.

,'

:

.<i

.*$

. V. .? i

,,

'e
a
%

%oiTjo:

. . .

. .B

LI$$$@@E??D~

G I ~ ~ G :
E-Maíl::

.

.

.. .

.,'.

: b , " , 4 . . .... <..:.;..*r. '. . ., ' : " .,,,.,.. .. . . . ...... ..:b.;:i. . . , ,'. ,.., ., . :: '.:, , ' , ...,.
;
8 :
!..I .' . .

/,:

. v , : .

'

).

,,,

.,

.a

Veiefatie:

'.

:
. . . .. .
. .

,

.............. :, . : '..i:', , . .: . . . . . . .
tb:,',.

:.:\,.::,:r,,

.. . .

...

.

sue

de R$

."-..v

~

,,..-,.

.
~ . A

.
.

,.

.

.

.

.

.,

.

. .

&:~~.=r~l;a~&ri.f'li;t
. .

r,.:;?,
i+?::
. I . . . 1

..
,

. ..'i'. :.;.: :;,>' ' . . . ' . .:; , .... ;
, ,

?. ..~. .; . . . . <!:.; :.
,,

,;:'

',.,

:., ,, ;

g;.
: * ; . I .

;.

:I.!::. . . ‘ . . . ,$,. 71.;.:.. :. . . -,, . .: ;
C . . . . , . . . .

. . . . L ;.. . . .. . **<\I'.: ,, ,Ybi.,. , C v.'-. . .: ,,>. , 2y. . . . . . . . . . . . . . . . A>:yr . , , : . ..\,,: . . . 92 .... .' "

g.:;i . : , ;
..

:,;;'..: ,,: . -:

,.;sg,i3a&idl-â p-7r.3.5.~0:;3rr,:!; :a(:3; . c+:3i'";"'"“ +..,~.-,.-dk; & %-'" .- ,. .. , ~ _- .. -+- ~, .. r . . . . . . 62 rpy;:;r;.> ' ~ ~ . ~ y i?,:,;,;.;c.3 qC:T;;:,?,fR' ~$': ........................
'-'.c
r
%"

. C:argfr:
a.

"

,.S'"

.

. . .

,

9 ' ' ,$:.':I

.......i..

. . . . .

-.-."._-. ~ _*.,- .-...---,. Qari~~: .""." ..*. Erid.: ... ... ?*,=I: - . -.-+.- ......... .; ...-.-.... s-naii:; -.
XXI^,^I.I
.I..

-

l
..-<., ............

'

,,

,

,..
*

. .. ............
., .
.i;,.s:
, ,'

.., . .i .,, ..,:;t' :?i ,; '. .,,. , . . . . ,: -i:;:. . ,:? "'i.' . .. , . ,,., I..':i./li'., , ., ,.>. I., 'k.: . .. ., ..,. ...$,...'..'.i:':; .....,

,: .,*' ,:::'

> ,,, ::,,,;,.::.

L,,

.

,r,. '
,.; ,,' : ,
, ,

> +.,,>

.A " . -

.

,

<, :

:.:! ' >>>i ..,':.

...... : . . : : ; . .........

;v
.:~; ,, :

"

. . . . . .
'
,

:

. ,. . .:>: ,...; ; i , ;,') :' :.... , , ; > ;. , .; . ; : , , . : ,::y ; : . . ., . . . ,:.,>. , .:,.: : :. . . . . . . l ; .,. c . . . .',. . . , , . . ........ <i'.:.: . . . * .. .... .. .. ". . . . . < 1.: :.;i.. . .. ., . .,.<..,"'. . . . ... , ,,;. . ,, ,' , ., $."V

:

. . I . . . . . . . .

.

/ .

.

.

i.:>..

'Y..

. . .
. . .
,

s ,:c

.. .. .;.; . . . .L...'". .
e..,,:,.;;.*,

.
.

, ,

9 ,; 7 ,,

:

"\,

.'..;L
.

,

2

',~:,' . ,,
,.

..
,

,

. .
.,

*h,,.

<.,i-"$. ' :
,

.

::

' ' ,

.

.. .
,

. . . . . . .:, ..,$2' , :.,~ : ..'. ,, . , :, .' ; :.:i.. . ; : , ' . . . ..< . ,'\. .,,.,,:.',: . ..
:
'V'.

'.. i.,..:*:,

.' . . :. ;.' .

,,++;>!,:,:

,

", : ,
4

; ". ; .;:'

,'

.,::':(.>,..,!.:,'!G .... . .,.::,:,v '.; ,"':; ,.i ...L. .. ,; ,
.\'Si

..
.-

"

,

... .

,

.. ..:. ..'.;. .. , ,. .: ,, >;, " -., .-' . &.i g-.; , , ,: ;: .', : . . , %<. .- . . , . . . ' , . .; . . . . . . :

a,.
* ,
',A'.

? > S . > . ,

.,~ .
I,

- . ' .: .

,

c9ETif2G3;:

;

.e

i ,- ,.L+.,:.I,,.;':O.

.,, ..:.., ,,
.

.. '* . . l Z ; C.+).-"' ; .<,;,r>:!>,>:?." ,+,>r..

,'.?;i3 :.."A L<.d < L. %. ," \ ..&>:I:.

'\'..,,r'~<~.'
<., " v .
,

,

.

.. .. , .
,. ,
/ .

. .. , . ..:;:::::';<;:..'
.
,

. ;,.. '. , . ,. . . ...,., . ..:..<. ..
L..

\a,;,
<

:'I

;:, $ :.,c: ; :

. I

:

.

, ;

.,. .

, ,

,<.;,J,

:,,',

s I . > . k , ~

9 -<,,;<...
4

i$,.
: ,~, ?, ,; :;

3: ..:,..'.... ] ',>. " : .:.:.:.;i :-.
: ,

s'..'" . . \ .
.;?

. ' . ,

. ";::
'

'

i
.

. .

. .

. ..
. . .

.
'

.

,

-

.

1.1,.

2
$3;
3

.
:

: , .

-: ' ... .
:'
L ' . ' '

.:.:!~ '

.>., , : , :.,,

L<<.;
*'",e.'
?

,. < i....,, , ,

.

c,

.

'

<'.~,

..
'

'

.-..
.:

..... .
,

i , :.

,

.

.

; ,.

. .

$$<?,, . ' . ' r ; , q '.,:.. '. :,i.. ,, . .. y 6: h$:;;:,,.".<. . ,:,r.:.: ..: . r .., /',<., ',:?,.:.:.;:
,:,;.,;:.<,
.\
,

1 .

.

>

., 1.... *.

," ..

cof'

I

6

VIUNEK
--- ---"
%

dministração da Visanet de 30/01103 - sa-- o exercicio de 2603 ....--..1 --- - -- .--"

-*

1___"_

"--+"

I

-

i
I

- " .

ATA DE REIINIÁO DO CONSELHO DE
I
I

ABMIMISTRACAO

I

a: Audi$ortoria Visa do Brasri - Sala ?lafir,da
Consefhdro; Edison Joao Costa - ABN Consefhelro. Jair Deigado Scalco - B a m Bradesw Conselheiro; Luiz Pasteur dtl Barms Vieira Banca,da,,Rrqil,;, Conselheíro; Sidnei do Mascirnenk, Banco unror - Visanei; BaPthoiomeu A. G. BVt, Ribeirei astão Maltos - Visa do Brasil; Horval Rranchi Rossi Cossi aaf, Marcelo Garnss Teixeira - Banespa; Ruberi Humbem

-

- Yanco da Bwsil -

-3ras1i Presidente, Arnaldo Alvss Vieirã Banco Bradesco -

-

-

-

-.

--

-

I, em ações de fnentivos para In~remento de

valor de RS 100 milhtks para uso das

I

I
I

($5 ""B

19
1

I

ção e uso do

I
I

DE cs~hts~s~uia~W~ a E USO D
" '

-

Baasifetim de Malos de Peg@mento, com sede tta Rua Baff~la, 32/60- 5 O andar Jardrm Maria Adelaide, Muncipio de $380 Eemcardo do Campo, Estadc de $30 Paulo, inscrrtã no CNPJIMF sob no 02.027.05810001-9*1 {"Visanet'), cnnslítuirta e utilizara a Fundo de !ncentivo Visanet Exercicio 2004 com recursos destinados & armoy80, no da marca Visa e respectrvas marcas derivadas. e do uso dos cartões com 56 Sandebm Visa (CcsfiLia Visa)

presente Regulame~to c o n s ~ u t i 3 o Uso do Fundo de Incentivo Vi~anet de e (doravante denominado çimplesmenfc de "Reguiar~?enta") por objetivo estabelecer as condições em que a Companhia te&

-

~hrl,

-

c o
O O
N
-0

a,

Par$ os fins da presente Regulamento, serão utilizadas as secquintos definiçbes, aplicáveis no singular e
Acionistas V2sanet Todos os acibnistas da Wsanet, independentemente do número de ap6es que possuam e C$@ sua partrcipafio no cap~tat social da Viçanet. A@es da propaganda e maskebng, direcionadaç ao púbiico em gera! ou a determinadas categorias de portadores de cait6ei mrn a bandeira Visa objefivando. diretamente, o crescimento do USO dos C ~ P ~ E? B S ~ maior faturamenta para a Viçanet. - Comite gesto - C compasto pelo Diretor Presidente, Diratar Executiva de Finan-s (3 Adrnrrrislrcrg2o ~7 Wiretor de Markefing da Visanet com fun$?io de avatiar proposhs de AçZles de Incentcw e zrççegumr o cumprlríiientodeste Regulamento. - Funda de ~ncentiwo Visanet -- ~undslçonstit~ldo Visar~iaT pela com rscursas destit~ados oxclusiwamente para Agãeç de Incentiva. s Acíortistas Viscar7et ou, conforme B caso, respectivas empresas coligadas, controladoras ou esubsidi&nes, &reta ou indiretamente, que têm interesse drreto na prornoç30 da marca VISE?, aumento da uso dos carte?esVisa e na aumento do Satummento da Visanet, ntwves da realiisa@o d e AçBes de in@erit?va I
I

I

E .c
w

a, a,

C1 ( -3
r
7

-

I

a,
O O

.C

;
G=
O .O

O

N O 6 DE INGIEHTIVO VISANET
i!,? O Fundo de Incentivo Visanei 6 ctiado e mantido com recursos disponibilizados pela Vissnet. conforme aprovados anualmente peio seu Canselho de Administfação. Para o exercicio fiscal de 2004,o valor aprovarlu pelo Conselho de Admin~istraçdo Visanet para compor a Funda de Incentivo Visanet t2 da

-

tas para o Funde de Inceniinro V1sané.t podleea ser revistas pela Conselho de Admrnistra@o da VBsanet. de feama a atender esfurços mercadológicos os. em vírfude da demanda do mercado consumidor de produtos e serviços Vtsa

leg it~ma propriethria do Fundo de Incentivo Visanet.

,-."6:
'. k?

Q
I

D 1
L

$ ):

.

.

11.4 0 s reçursos existentes no Fundo de incentiva Visanet çe@ocornpartilhadoç pelos ~ncentivadures de acarçfo com a partiçipaçaa acionaria que cada um possui, diretamente ou indiretamente (atrawt4s do respectivo Acionista VisaneCf na Uâanet, repuwda no tdltimo dia do ano anterior, conforme posig8o constante da livro de registro dt? aç6es da: Visanet.

-

f

b

b v,

11. 4.1 - 0 valor disponibiliz(âêfopara cada Incentivador será rasulbnte da multipiicaçilo do percentuãl da participação acioriBria peio valor disponibilizado anualmente aprovado pelo Conselho de Administração da Visanet, sem reqiuste mmanetélria.

O ..

2) -.
" :

-

1. 0 Fundo da !ncentrvo Vèsartet ser$ adrnisststrada por uni Comi$&Gestor, que será sesponshvel pela 15
, tumpnmento das candiq6eç conslanteç deste Regulamento. bem como pela decisão das casos omissos.

-

)

=ob
-A
\

A

S b
'Ob

If.6- Ser230 tratadas comc confidenciais ;;odas as informaç6t;s assim designadas expressamente pela [ncentivador reiativas as suas A g e s de Incentivo submetidas aprovaHo e reernbolsoípagarnento.

'

3
0)

$1.
i. 8B
% v

1 11-OBJETIVOS 5.

MS A@ES DE HNCENTIVO A

3'

As; Aqões de Inmritivo a serem cust~adss pdo Funda de Incentivo Visanet terão por finalidade estimular a aquisiçiia e o uso continuado pek piablíco em geral ou por determinadas categorias de portadores de cai.eõ@s Vrsâ, par rnmo d e

a) Saia diwigação,
n

B*
,

1

b) Esclarwimento em geral *;obre as funç0ea s &nbutas dos cart6es Visa, c) Incentivo ao usa dos produbs e servipos Visa (ativação ou fideliração) e, d) Aumento da base de poctadorerz de caflOes Visa.
siu

'

@

8

! i

i

$

i

- PL~BL~CB-ALVO A(;C)ES DE ~NFENTIVO DAS

As Ap5es da Incentiva pcxlerao ser aplicadar junto aos seguintes públicos: a) Mercado consumidor em geral ou datarmnadas categorias de portadores dos produtos e serviqos Visa, nunca envolvendo apenas um drnico ou pouquissimos portadores;
e) Equipes d ~ bancos ffuncionbrirss, contratados ou tercerrkãdos) snuoividos direta ou indiretamente s com a venda ou atival;%ade; cart6es Vise

b

b) Lojistas;

ii

L

F

a
'a Im k
L

Os valores atribuidos ao Incentivador no ~ u n $ de Incentivo Visanet deverao ser utilizados a 31 de o 6 dezembro de cada ano civil sob pena de perda do direito, sendo que todas as Ações de Incentivo devarSka ser encaminhas a Visanet. ate 05 (cinco) dias Uteis antes de 30 de novembro de cada ano, aprovadas atta a primeiro dia irtif ap6s 30 de flovembio e todos os documentos fiscais para reembolso ou pagamento deverão ser entregues n;a Visano! ;at8 o primeiro dia útil apSs 05 de dezembro 1 I Ifl.4 - FERRAMENTAS MERCADBL(~)GIC~AS Todas ar; A@es de SncenCav~objeta da presente Regulament~dever80 estar alinhadas t5s direiritrizes e astsatetgias de negbcio, es!abs!ecidas em conjunto pela Visanet e Incentivadores. SerClo consideradas Aq6es de Incentivo para as fins do presente Regufarnento,as seguintes ferramentas.

9B
I
I
8

a
O O
h l

1
t
4

!
i
I

i

i
L

I

I

a/ Veia<lag&o publiddria en: rnídta de n 'a . (W,RBdb Revirtas, Jornais. Outdoor, mobili&naurbano. tront e back-Iights, paiaaeis. cutc ). nidica segmentada, mercharrdising ou sinalizaç80 de ponto de venda, rnclurndo custos de pEaf~£tjamento. ciíaç80. lay-out, editoraç%o,produ@a, veicuiaeo e corncssao da ag&nciade publicidade. bi Marketing-direto (mala-Çiire&, Ftslsfef, nedsle~er, cartas), incluindo custo$ de serviços de andlise de bancos de dados, planejamento. criaao,ledito;aiào. produç8o. manuseio, pastagem e comissão da agencia de ptrbiiciciade. c) Pragrarnas de f*rdeliza$8e,ou proma~2a para portador na ponto de venda, nas agências ban&rias, via Bnternel. correio, ta!efane ou lamis de grande fluxo de portadores para estirnuiar venda de plhstico, ativaq80, fidetizaqiio ou orierataqae, sobre &s produtos Visa, incluindo fees de planejamento e críaçCIa, prodi~ggode materiai gi-afico, de diwlgAq6;ao e de apoio, c na @ ot r o r ia i de promatares, compra de beneflcioç, brindes e prGrnias, taxas gov&mamentais de apravagso e aivarAs, compra e aluguel de rnãteriz$l e esêrerturéa promocional, rnidia e sinafização promacional. entre outras itens nemssé5rios i3 implassh@o da prorrroç4a e ctamiss%o agencia de publicidade. da df Programas de fideliza~ga praksç2o para poflador por ofettã de benefffícioç diretamente na fatura ou do cart8o visando emi$$go e ativaçact ta!? como premios, seguros, assistência 24 horas, rnilhqorn, pontuaçr90, banifie;ss$ãa!det%conLaem Fatura, e) Campanhas internas, treinamentos e convenç8es de incentivo para equipes de vendas, de ag8nnas banc&nas e call-cenkrs dos Irscentivadares para promover o conhecimento, o relacionamonta, a venda de pfástíco e o estimulcr 3 ativação excllusiva dos produtos Visa Patrminio de eventas, projetas ou acões que promovam em seu escopo, com exclusividade na segmento de cartões, a !niarca Vrçã au ãeds produtos p) Contiaiaq;ão de servisos de cansdtona e jag8ncias de pesquisas cujo produto final poder& colaborar com a a.tivaç3rr s alimento da baçc: dos cartães Visa. ta) Cumpra de plitiistfms, custos de ~mbossingI gravação, despesas com produç8o e envio de Kit Welcome. i) Pagamento d e taxa de ingresso para ínicid da emissáo de cartões Visa j) G~ntrataçao equipes eiou fornecedorei para deseovolvimenta de tecnologias. servigos e sl~terR8~ de ner=ess&riospara impiementação de novos produtos Ifeatures e para correç6es e nlethorias nos produtos I features ~ f ~ a i s , que comprovadamente aumentem a faéuramento au a qualidade das desde
produtos Visa kf Outras açdes, desde que pr&~prnvad=bs. Esses casos deverão ser apresentados pelo Incentivador e serão rndl\Frrdualmenteavaliados peF~ C~JMI~G Gesfor da Funda do IneenSvs.
I
:

I

u

a,
a, t

.2
3

m

u

a,

. r
7

u a,

o' O O
7

O

O ..O

c

E

I

<>3 %

s o -e
1

.-

i

*t 4

VISAN C AX
.2mmq131'1 -.
I

'1)

Não ser80 cjonsidexadaç A@es de Incentivo para as fins deste Regulamento a carnpra de &rie?s f~chadasde previdéncia privada, onde apenas percerrtual do vator investido é sorteado entre os portadores d e caR6es Wsa, nem tampouco ações ande o projeto contemple bonificaçú3o para um único cartao, ã exemplo de um caMo corporativo do próprio Ineentivadar para suas despesas apek-açiorrais,sem uma ~ ~ $ 8 0 promocional para bda uma categoria

Ili.4 2 - Nga serão cepnçideradas Açeies de Incentivo para os fins deste Regulamento a compra de series fechada.; de prevrd&F$cia privada, onde apenas percentual do valor investido t5 sorteado entre os portadores do Cartdtrs Visa, nem tampouvo açbes onde o projeto contemple boniíicaç%o para um itnico certao, a exemplo de um cafi80 çorporatrvo do pr6pria incentivador para suas despesas operacionais, sem urna a620 pramocional. p a n tada uma c&egoria.

. a

181.5 EXCLUSIVIDADE DA MARCA VISA
A marca Visa ou de seus produtas e servrços deve obrigatoriamente estar presente em todas as AçBes da incentivo custeciddas pelo Fundo de Incentiva Visanet e, em hipbtese alguma, podem aparecer Bs marcas de produ%os, mwiws an @rnpsesas r concorrentes

-

%vlaRoê-qm-HPos PAW DOS RECURSOS DO FUNDO DE IMCERITIM~~ usa VISAMET
IV.1- INDICAÇÃO DO GESTOR 00 FUNDO DE INCENTIVO VISANET

63 representante rega1 com poderes para npresentar o respectivo Acionista Visanel junto à grdgrca Visasset deve prepstrar uma carta indicando formalmente um Gestor do Fundo de Incentivo.
a) 0 conteúdo da carta deve respeitar a rnodeb apresentado no ANEXO í "CARTA DE INDICAÇWQ DE GESTOR Da FUNDO DE INCENTIVO MlSANK7".
b) A via artginaf impressa sm papel timbrado do Acionista assinada pelo seu represantante legal dev ser encaminhada à Av. Brigadeiro Fãritr Lima, 3729 Memnino CEP 04538-7734 $30 Paulo %Ptaos gl~idadó)~ Depaadarn~ntod Uarketlng Controles. do da

-

-

-

-

-

@*

c) Na caso de urn Acionista dia Visanct ser juridicamente administrada por outro emissor, a56rn do conteMde da cada padrao, o acionista deve informar tarnbi?rn que os recursos dispon~bili;zados para si ser30 utilizados em a@es ligadas aos caftt3es Visa do emissor que lhe administra ou de seus coligados / cantra.h>lados I' subsiditjríos {conforme modelo ANEXO I - "pârdgrafo exclrPsdvco r m g srs.men$ed@v@ 8pamcr)r carta &I?acíra#B&as que?tmnsfarom trortaes para coligradoss~.

d) Cada acionista deve emitfr arma carta f e indica@a de gestor, independente de serem controlados por d um mesmo grupo E cofrgado a] Somente a pessoa indicada pejo representante legal para ser,Gestor do Fundo de Incentivo Viaanet ter&poderes para: (Q preparar, assinar e encaminhar a Visanet as propostas de Ações de Incentivo; (itf preparar memorando a documentos salicitando o pagamento ou membaiso de despesas, {iii)

L\.

&

4

I

I

5 = as @
I .

c F- . 5
7

I

( i

VISAAI%%O

I

colher todas as 8p~o~ar;$@s l"oeces~9fia6 acordo wrn a Pafitica Interna do prtjprio incentrtasdor; (h!) de prestar aficialmsnte os esclarecirnieírtc>t,s pedidos quando da analise da Aç2o de fncentcvo pefo Com@& ~~ Gestor, (v) outras a l r i b u i g par8 utiIiza@o e controle dos recursos do Fundo de incentivo.
f)

Nenhum stitro decumenfo relativo c; Aç6es de fncentivo ser& recebido pela Visanet antes do recebimento da cace de in-fiçaçgo cb6 Gestof do Fundo de Incentivo.
i

I,
I

!V 2 - SQL~CITAGWQ APROVACIãD DE PRQPCPSTAS DE A C ~ E S INCENTIVO DE DE

Dentro da respectiva altada de particip$ç30 e aphs a indica@o pelo Acionista Visanet do seu Geslor wnfame determinado iio item acima. utilira$áo dos recursos do Fundo de Incentivo Visanet para AçiSeç de Incentivo pianejadas pela fncentivad~r, obsefvará o seguinte procedimento:

/

(D

a) O Gsstor da Funda de incentivo designado peio Incentivador Acionista Viçanet apresentará b Visanei, para anrjiiise e aprovaçZa.,um relatório detalhado descrevendo as Ações de Incentivo pfspoçtas, seus objstivcss;, ben~flcios lalrnejados e, sempre que possiwel, us resultados alcançados s I ~espectigro custo
I

6 4 a u

O O

.a
Q)

2

7

C rn

bf Tal asres@ntaç%o deve segerir a modelo de farmuldrio represeoaf8do no ANEXO 2 ""PWQSTA DE A S ~ E S BNCENTtiVO [JOB)B5. OE Qualquer material adicional que complemente, detalhe ou ifustmB proposta apr~lçeniadc3 formuf8rro no pbde ser encaminhada conjun@m@nte.
I

-

u
7

T3

a

cj Q Inmnlivada~pode consumir a verba em uma Iinica Proposta de A$6es de Incentivo (Job) au

o
O C
r
O

subdividi-!a cm propssgas distintas, desde que se enquadrem nos objetivos definidos neste Regulamento;

O) A via arigmal impressa em pape! do FomuYrio ~ r o p o s t a ~ $ 6 e s I~?centívo de de (~ob). assinada pelo Gestor deve ser encaminhado para Av. Brigadeiro Faria Lima, 372.b- Menanino CEP 04538-7738 - $20 Paulo SP, aos cuidadas do Depafiamento dts Marktoliing Csilpfmles.

ti!nbadO
1

O .-. . u

.'4-

0

-

-

e) A data máxime para eatfega da propostas de A@es de Incentivo 6 5 (cinco) dias dteis antes do dia 30 de novembro de cada exercicio fis+l. Para 2004. a data rnaxima para entrega das propostas Ç dia 24111R004, segunda-fejra, aQ&as 17hOQ

Caso o 6estor desé?Bfe, pmpa~tas A ~ ó e ç Incantivo podem ser parcialmente aprovadas por eas de de maif antes da formalização, m~15 apenas a entrega da documento original assinado serA considerada par8 efeitos de apmvacao formal das solicitaq3eç.

I

fV.3

--APRQVAGAOFORMAL DE PROPOSTAS CrMA1;6ESDE INCENT1VO

I

Ao r~ceberformalmente as P F B P O Ç ~de A@o de tncenthro, ã Visanet observara o S procedimento.

seguinte

a) Caso E! aç30 esbjja ccnttimplada no$ rtens constantes da ClOusula 1 14 deste Regutamento, a 1. Diretoria cfe Marketrng da Visanet avaliar&e dar8 seu parecer. b) Caso as aç8as pr~postsscontemplem ferramentas distintas, elas ieráo avaliadar, pelo Comite Gesbr. ,
c) A Visanei tem 5 (cinco) dias úteis para aprovar ou recusar as Propostas de Açdes de Incentivo, a , caso as ações estejam enquadradas nas partir do recebimento da daeiiementac0s ? ferramenta8 1 aprovadas neste regulamerito. 8
d) Casa a a$& proposta c~ntemple feramentas distintas. que envolvam avaliações complexas de toda 6 Comit6 Gestor e de outros departamentos da Vssanet para consideraç6es técnicas e fiscais, o prazo acima n$o se aplicar&.

O
u
3

=?: o.

;

0

O

2

? c
3

e

2

?
4 ,

a

a

g.

U m vez sprovadaç, as A~fies tncentivo poder20 ser irnplernentadas. Caço o Incentivador irnplemente de a$ aç&ç aittos de sua aprovãgBo. as seus respactiv~s custos ficam por sua conta e risca, caso a açA0 n%o seja aprovadu
IV.5 - FATURAMENTO DAS AGOES SAPRQADAS

O"

:

,-

r
.

Para que o Incentivador possa utiiirar a verba do Fundo de Incentivo nas A@es de Incentivo aprovadas:
0 incentivador devera preparar os seguintes documentos eornprobst<)rios.
i)
Nota d e débito emitida pelo incei-rtnadorcontra a Visanet autenticadas das notes Escai'; que deram origem a esse vaior. Caso o fncentivãdor entregue as vrais originais, a Vrçanei. &e fornecer&~ d p i a sempre que receber pedido justificado por escrito.

% ,

.

CE contelida, e formato das notas de dBbito devem seguir o niodelo de formulário ~eprescrztadr, ANEXO 4 "Pd6)ãA DE DÈBITO", que deve ser impresso e m papel no fimbmdo do incentivadar

-

2

As no&$ fiscais anexadas a3 notas da debito devem obrigatonamente ser faturadas contra o 6 incentivadtdor. f4Bo ser20 acertas notas fiscais faturadas contra terrRiros distintos, coma parceiros ou aiitros forne~eçlor~s
Na compra de ativos (Ex. Carro para ser sorteado em promoç8o). os bens devem obrigautdamente ser falurados contra o Incentivador, e reembolsados atraves de uma nota de debito, A exeeqao se dá apenas nos casos onde o Incentivador tenha uma autorizaçao do governo para o sorteio piomocional, permitindo nesse caso que o bem seja contabilizado 6

3

como despesa, n h conskeiado como alvo Nesse caso, junto B nota fiscal devera çw entregue uma cbpía autcmtimcfa do Certificado de Autorização do Ministl?rio da dustiqa e/ou I Woceêta federal para a prumo@o.
ii) Nota de d8bilo emitida peb tnsentivador cantra a Visanet anexada a relat6rio de cat-t-teies Visa bene.faciados com sswt$os p~ocossadospelo prbprio Incentivador, que sBo habitualmente con@bilimadnsapenm internamente em suas institur~ões emissão de nota fiscal, sem l
i.

I

Qs beneficioç enquadrados nesse caso são bbnus, descontos, seguros e assist4nciã 2% horas, @I outras prtio-aprovaidos, admiaiistrados pefo Inctsntivãdrrr.

z

Os relafbríos anexadas <ã;snotas de dkibito devem abrigatariamenle conter dados do cafiiI0 Visa (primeiras 5 e iitirnos14 números). tipo de beneficio oferecido, valor u n l r i o por caitao Visa e v ã b r QoZa! erizioluíctct. ,
Reforqa-se que rjesss caso s6 se podem fazer reernt?oiIsos retroativas, de itens jCi creditados aos portadores de wr%es; V;iâa.
I
I

3

I

cv Q) u
Q)

O O

(D

.Z1
< ú 7

C

iii) Notas fiscais emitida$ pelas fornecedores diretamente contra a Visanet.

w
< r

Q)

r

Em hip6lest. alguma as nohs fiscais devem ser encaminhadas pelo fornecedor diretamente 3 Visanei, m~sr~;(lr PIOS casos onde a faturamento b contra a Vtsanet. Quem deverá encaminham documentos tibcais para quitaçgo dever& ser, obrigatoriamente o Incentivador. sempre utalizaffetcs a wr%a cujo modelo esth registrado "ANEXO 5 CARTA DE ENVIO RE OOCUMENTOÇ PARA P A ~ A I W E M O ~ .

i

v-

u Q)
v-

-

O O

i
O .O

O C

iv) Redbos emilrdos pios forn@ced~res diretzrnente contra a Viçaraet, desde que anexados a um contrato pr&-assinadoentre o fo/necedor e a V~sanet.
I

G=

0

Essa OP@B 8& deve 8er u8limada na caso de associcmçbes ou outras instittaições que n2o possuem no% fiscal ou em iasos pr6-apnavados.

b) Os documentos comprobatódos &?em ser faturados dentro do ano de 2004.independente da data de vencimento
C) 0 5 68606 para faturamenlo contra a bisanet atraves de notas Iscais oii de debito são os seguintes:

1

Ciõ Brasileíra de Meios de pagamento R. Ra%n,S2/6B - SQ andar - Jardim Maria Adsleiáe S 2 Rernardo do Campo SP i0 J CMPJ: G?.Q27.058/00W"r-91 4 ' \nssÍi@oEstaduaI: Isento 1 Inscrtqão Municipal: 108.088-1 A cada envia, os documentos fiscais para paganiento devern ser capeados com um memorando da Incentivador, assinada pelo ~ e s t oahmriado, conforme modelo "ANEXO 5 CARTA DE ENVIO DE r DOCUMENTOS PARA P A G A F R E N ~ ~ " , o qual as documenlagóes n5o ser30 aceitas e o sem pracessamento dos pagameflios ~$391 oçarreer8.
./
4

I

-

-

-

0s documentos fiscars para pagamento capeados com a Carta de EntJio de Documentos para Pagamento devem ser tsntt-egbtes na Visanet - Av. Brigadeiro Faria Lima, 3729 - Mezzanino - CEP 4538-7734 - São Paub ÇP, 80%euidados do D@padaaraento Maaketáng -Controles;. de

-

-

%

f)

& ~ Q ~ t ~ ~ ~ ~ a ~ ~ ~ ~ ; i ~ ~ d ~ s o c r s ~ ~ o t ~ ~ ~ n h ~ r i o s ~ a ~ p ;een~bol.;? " & c: pi'~g-:q @a- * 3 ~ v$~-~e?$-mmo Cada iSx$rGW -fIx&_a:-a 2004,aal.@j$& &! 2 05 de l t ! r a - ~ ~ ~ v 3 ~ c - g ~ ~ 9 : 3 _ai$- .!-i~~ta%&g,.~-e&o- & -0611212003, segunda-feira, até &s de! r?~rt%?-f i a
-"-.-*,*--

'710 1k1

e

o
=E

z,
= o
-A

m~~~~~~~
" x

iV.6 - PAGAMENTO Qki REEMBOLSO DAS DESPESAS DECORRENTES DAS A C ~ E SDE APROVADAS

-

v

As despesas com a Açao de incentivo serão pagas diretamente pela Visanet h(s) empresa(s) execartorcr(sj do projeto au reernbfâadas ao Incentivador.

0

0,

l3 e

a)

a

-5

A

e

documentos comprobatbrios para pagarnent~ dovem ser entregues com pelo menos $0 {dez) dias p.it@âsr;de anteceolencia da date, da vencimento, pois o processo de pagamento exige assinatura eletr6nica de diversas alçadas e planej~rnentode tesouraria. O nao cumprimento deste prazo . prdudica a quitaçfm da documento fbacaí nFs data de venctmento.
$3

a

c-"
n ,

a

92.

b) A pelitica de aprovaç20 paria pagamento de doctirnentos fiscais será a Palitica Interna de Alçadas da prbpria Visaneti

a
I

n ,

Dowm@ntwfismis podem &r vmcimento até 31 de março do ano seguinte ao exercicio de

a.
t u
o>
0 O

f

fl-

inmnliva. Para 0s r s ç u ~ o s SOM, o vencimento rndxima das notas fiscais deve ser 31K~312005, de mas elas devem obrigatoriameate ser de campet&nh;ia e ter Eaturamento dentro do exercício fiscal de 2w 0.
5

U)

,
I

I

A falts do envia da CaT$@ Indrcarjgo do Gesior do Fundo de Incentivo, a faita de envia da Proposta de de A ~ 6 e s incentivo, a não agrovaç$o ofi~íat de dessas propostas elou aus0ncia da apresentação de qwatquer documento fiçcaf impedir& a reembolm, que somente serA efetuado apbç a entrega de tados os documentas acima ref~ridos.

e) Told~ qualquer pagamento sefá feito atraves de TE5 ou DQC para a conta corrente da fornecedor, e no caso de Éaturarwento direto contra a CBMP,ou na conta corrente do incentivadar, no caso de repasse voar notas de d6bito. A Visanct não realiza pagamentos atravbs de cheques ou dinheiro.

'

1.

i
* .

i C .!r - ! ..a
Id
-C

WSAWIEE

I

"

j

I
V.1 - Sera ferta a escrstur~çáa ~ sdcursos existentes no Fundo de Incentivo Visanet, e os registros d s 1 sFsrg.%rs mantfdos pelo Vtçanei A escrituração dever&cónter a refaçãff das quantias dispor~rbitizadas cada a Irtcentivedor discrfmknaiidoos recursos utifimdos e os saldos
V 2 - Tr~snestralmente Comite Geslor submeterá ao Conselho de AdministraçLlo da Visanet. reiatbrro 0 demonstrando as valores despendidos os comprometidos em Açbes de Incentivo pelos Inwntiuadores. Nessa oportun,deds, a Consefka de Adminisiraçao rever& 8s diretrizes e estratkgiãs tendo em vista eitenk~aiç aiteraç6es ou necessidades de mercado.

1

i?
I
1

V 3 - A administraçga dos recursos existentes no Fundo de Incentivo Visanet, bem como as entradas e saque$. poderá sw objeto de svdifoiia /nterna da Visanet ou de terceiras, a criterio do se0 Conselha de Admirxistca~ão

a
O O CV

V4 Faz parte das atrrbuic;Qies da ~onnitt? Gestctr e do Conselho de Adrninistra$%o da Visãraet a avengua~ãade que os rscunos do Fundo de Incentivo Visanet sejam utalizãdos de acordo com as direbires e estrat&giasde neg&cioe as CondiFbes deste Regulamento

-

-a a,

e .m

a,

c

1
V! 1 A constitui$@o uso do Fundo de Incentivo Visanet vigorarao por prazo indeterrninado a partir do e exerc-cíera de 2003 c ate qq~eo Conselho de Administração deftna pela sua exlinção. O p~~Sentf9 ReguEamenio e uespecistvos anexos i4 ad/ivoâ; grevatecarão sebre quaisquer outros firmados at& esta data em roiaçlgo aa exercíero de 26W

7

a
7

a,
Q,

-

u
\

i
O O F

O

VI 2 - Serao beneiinados pela presente kegulamento os Incenttvadores que assim desejarem desde que se sujeitem as candig4es ora m t a ~ e a d a s Os Acionistas que se retirarem da VEsanet ou dela forem . excfuídcss perder30 as seus direitos (ou idos Incentivadores coligados IcontroladoreslsubsidiArios) sob o presente na data de sua saidetexclusão.
V13

O .O

C

c

0

- O Regulamento poder0 sofrer lahiafizaG&s, que serão informadas oficialmente s todos os 4cionâstas.

i
I

são b u l a , ío de fevereiro de d 0 4 o0

I
,'-I

qq
i \ w

I

1 I
i

9

I

!

1I

.

I

G
_ _ ^ I _ _ me _ A _ _ _ _ _ _ _ I _

6 P q A4 . i
4-

VdSANEX

--- -".-" Xo 1: Modelo 4s " .__ 6 Indisaçâo de Gestar do Fundo de bcentiva-V _ _._ G a . /
" " I *

_._I

-

1 %

.__--I^-

- - _ .

__ -%

-

*-^

"

-.- .-^.--.- ---__

Papof Timbrado do Acionista I fncentiwador

rnpanhra Brasileira de Metas de Pagamento Visanet

-

rados Senhores,
Q,
Q 6 '

0

>

P;
CD ".
-A

?:.
i.

Faremos referencia ao Kegulame:ito de ConsUluiçBo e Uso do Fundo de Incentivo Visanet. que tem par objetivo o uso de recursos para prornoqão da marca VISA no Brasil a o u dos cait&s com a bandeira m Visa.

a -' . a,
P ,

Para os rins da dáuçula tV 1 do referido Regulamento. que detennina a indica@o de um representante .para cuidar dos assuntos reimanados as Açóes de Incentivo deste signatdrio. indicamos mmo gestor da Fundo de Incenlivo e a única pessoa respons8vel ate que façamos nova indicaçao em substituiç60. por escrlb a pessoa iabaixo descrita.

3

8

c?.
Q

-,

" fitome:
r o

O,. e O o> P%

I U

>

Eneiisragc*l: Teliefone.: ( E-Maif:

G~jlago:

$

>

,

<

>

"

; declaramos que o Gesior inbfmdo j& tem conhecimento do Fundo de Incentbo Vkanet, de seu Regulamento e do respedivo valor que for disponibiiizado para esta instituição para o exerclcio de 2003. que .EI de RS .
Pa~bgrafo excPusivo que somente deve apemceona cana de acionistas que transferem v e m para coligs~rciloií;: Declammos tambPm que R$ da verba disponibilirada para este acionista (
NOME DO ACIONISTA -) saco uttlfzadospeiu emissor ;- NOME DO EMISSOR -)$que 6 uma empresa coiigada I subsididria I controlada. denti0 das regas estabefecidasno Regulamento do Fundo da Incentivo.

< " ,

-

C

,

Assinatura do repiesçintsnte legal do acionista: __ Nome do iepreseofanl legal do aciozista: Cargo: Banco: -* EM : Te! - - * - - - - e-ineil: --".

--

-____

C:'

9%

-----

,

'

. .. .,

.~
.

'.-....'........"---,-....L. .-.... . .......... . 1 IPNEXO 2: Modelo de "Praposta de...A....V~ .O....,de S .............................................................. I-..'.. .........................................................*-.,~ incentivo (JobJ" .............................................................................. ....-. ........................................ .... .......
e 1,.-1-.

,

l

. . .

Papel Timbrada da Acionista / Incentivadar
A!QcW--*
-*** --,

i d a W ~ " * -

A

Companhia Bidsileira @e MMes de oagamenlc Visanei

I

@zados

Senhores.

1

C

Fazemos rcfergnçía an Regulamento de f-;ons!tfu~ção Uso do Fundo d e Incentivo Visanet que tem por c e objefwo 0 usa do recursos para prornaçtla da marca VISA no Brasii e o USO dos cartaes com a bandeira vim. !

Para 0s fjns das ciBuçufas N 2 do i-ferido Reguiamento, que determina o processo para salicitagãto do uso dos recursos da Fundo de Markeang Visane?.dncaminho em anexo Pmpastg(s] d ?Açõoç da e Irnêe~fivo psra avatis$20. I

, i L
i
O 3
t ?

!

1

.

PROPOSTA DE AÇÕES DE INCENnVO (JOB) PARA UTILUBÇAQ DOS RECURSOS DO FUNDO DE INCENTIVO VISANET ACIONISTA T INCENTIVADOR: ...--.___..- ----------- ----

-

""--

I ----

DBSCF~~~(IB. Qbjafiv~.
4

,o

r

".

O e D

W g rr! rEsperada: e o t tc Tipo dc Fenamentas (vide itein 111.4 da Regai@meato]: Forna de Pagamento (vida item IV.5 do Ragulaman%a): Investimka~to Tatal:
DetaihãdmttnB9 das st;cTPes em anexar ( )Não

PúbBina-Alva.

a
(D
4

1 )sim

rs

4

Papel Tirnbrado Acionista I Incentivador

----

"

-

--

- - -V"-

.@iiGEia:

:

CIA BRASILEIRA DE MEIOS DE PAGAMENTO i CNPJ: 01.027,058/0001-@? I / ENDEREQO: Rua -Baffin, 32/60 ti0andas J. MaAdelaide - S . Bernardo do Campo ~ € ~ : 0 9 7 0 0 - 6 2 u --*.

A "

-

--

- - a -

"

1

"v-

A--

- -.------

I

-

-

-

*+
r

L

0bçenral;ão: Seguefm) anexa(ã) natas fiscais otrlhginais ou cópias aurteealicaadas das notas que g@rawm essas despesa%

A

""

-

I
""- " *-*-w

-

"

-A-**-

1

1

,

Assinatura:

P

--

I

--

I

L

.

^

c
'

-- - - - - - ---ANEXO .9 - Cam -de Ensseio do Dacugvnentaâ para-Pagameireto - . - - . .-.----..
I _ I " __^ I_" _ I ---h-

-

.

-

7

-

-- -

- - - . ".-"

- 1 -

Papel Xrnbrado Acionista / Incentivador

"

'

A

C;rrrrrpanhia Bmsifeina ds Meios de Pagamcntsa
!$&%dos

,

2.
0

3%
C

Senhores.

xo

,

,,gue em anexo as yias ebrintnais @/ou eópítps aartent3cadas dos documentas fiscais abaixo refaCiu~ados para pagamento: NoNF
""""""""
------v

Fornecedor
" " <1
"---e
L .

-.----*--e

--- ------

hrãlsr

-----*

ti
0
A

<

-- -. -" A

-- ----"."-A

-

h -

"

A

-------I
"e --

"-.

I

--

a

0.
t

.

I

1

.

". - ""

---

* .

-- ..

2.

a a 0
o a

'

~ o $ o s documentas foram faturadas contra: os 6ia Brasileira d e MeMs de Pr?gamentí> R BeEn.32160 - 5 O and. - Jd, M.Adalaide - t7.B. cio Campo - SP - CEP09750-620 CNPJ ali 027.058/(90Q4-91 1NSC EST Isento . INSC MUN 108.088-1

-

c

P
*

Os docttmentos estão sendo entregues na segftints endereço: Av. Bg. Faria Lima, 3729 Mtl[ozzentata Itaim Bibi *- CEP 04538-905 Fu'@ Depa&mento de Marketing - Controle.

-

-

,
"

r>asamentosdevem serfeitos via IEF nas seguintes contas correntes dos fornecedores: ..Faprnec@dar -/-Banco Agbwcla , Canta CNPJ -

7
I

I

---v

'-

Te@:

~~stnetrtlm geçtar da Fundo índicado: do . do gestssr do Fundo indickda: ____ t2art~;a-x

me

e;kaifr
& $ +

>,

i" -

%

k-:
1

a'
\
I

_-- _.__ - ._ -. " ----" ! ANEXO 6:A& dd areuniga do Conselho de Administrapáo da Visanet de ! 17!@812001que criou e-destinou os pdmeiros recurkos do Fundo-.- Incentivo - A - " - " _-.-- de ------- J
1 -

- .-_-_- -.

^

__"

w

1

-A

I-

<I"" v - + X

"

-*-

e

ec?
-

eBUPANHIA BWSILEtW 6 E EtfEElOS OE'PAGAMEH30 CNPJIMF NO. 04.027.05810QOll-9lj I MIRE 9 55,3Q0.444.if12 ATA DA REISNI~AO EXTMQRDBNAREA DO CONSELHO DE ADM~RI~STRA~WO RmALBkBABA EM 17 DE AGOIBTD DE 2OOf Dafa aa &9)r&r80:17 de agosto d e 2001, 8s l 2 i O G horas. tg__i: Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.729, 2' andar. Btaim Bibi, na Cidade de S&o Pauka, Esta$? de Sãa Pauto. Mesa: Presidente da Mesa, Sr. Ricarda Ancede Grikel. Secretario da Mesa, §r. Parr!? Gésar Pereira da Silva. Pmsenca: A maioria das membros do Canselkto de Administra@o. Coravoçacla: Dispensada, tendo em vista a presença da totalidade dos membro do Cansetho de Administmgtiio Odem ddls dia: ~provkr, termos do Artigo 16, "ib" de seu nos Estatuto Social. a constituÍç8o do 'fundo,*de Incentivo Visanet", cujas condi@es para utilizaçlo encontram-se estabelecidas no anexa "Re@ulamen'to Consijtuiç8o e Uso do Fundo de Incentivo de Visaneti" (o "RegulamanQoi~). Colocada a rnatkria em discetssão e posterior idade de votos. a constituiçao do Fundo de fncentivo thsanet, com recursos destinados B prornaçáo. no Brasil. da rnarce Visa e da uso dos uarlaes com a bandeira Visa. nos termos e condiçães estabelecidos no Reguilameptto, que, anexo B presente ata passa a fazer parte iniegrank da mesma. De E ~ G Q com o RirguIaments, o ~~O r-tdncfa d e fncentrivo M â a ~ a t scf& mantido com os recursos d@ponibil~zados Visanet, conforme pela aprovados anualmente pelo Conselho do Administração, sendo os recursos campartilhadas pefoç acirsni$t~s acorda com saras respectivas parfidpaçfjes acionárias, diretamente ou indiretamente, na de Sociedade, apurada na dia 31 de dezembro do ano anterior, cof~forme: posiçao constante da livro de f~gistro 8$6es da Visanei. Foi aprovado um investimento de R$ 50.000.000,OO de (cinqfáélnta milhdes) casresponde ao Fundo de tnwntivo Visanet para os Emissores Sbcios. Durante a vigência do Fundo de Incentivo Visanet. caber&ao Corase;e(h~ ~dminiçtraç8o.em consonancia com as atrjbuiçrõsrà definidas c h na Estatuto Social. (a) averipar se os recurso6 da Fundo de Incentivo Visanet estão sendo utilizados de acardtr mrn as diretrizes e estratégias de negòcio e as condiç6es do Regrrlariwent~;fb) examinar, trimestralme;nte, a relaMrio demanstr'ands o4 valams despendidos e comprometidos em AçOes de laawnitim, conforme definidas no R@guiem@gata, pesos acionistas, e rever as direlrizes e estrathgias tendo em visVa ewntua~s a!te68$6es ou necessidades de mercado; (c) determinar, quando julgar necessário, que a administra@~dos recursos existente no Fundo de Incentivo Visanet, bem como as entradas s wques, srzrtS. abjeto de audàtor'.ia rnterno do Saciedadts ali d e terceiras; ( 6 ) determinar a extinçiio do Fundo de incentivo Vlsanet quando for de inteiesse da Sociedade; e (e) demais atribuições necessárias, nos termos do Regul~amenta, desde que em canfarmidade com o Estatuto da Sociedade. O Comite! a e s t o r da Fundo de Incentivo Visanet & formapo pelos seguintw membros: Diretor Presidente. Diretor Executiw Financeira CJFO e Dirotar de fg'diarketiqg. O Fundo de incentivo Visanet con a partir de 26 de maGo de 200'1, ratikanda-se os ahbS praticados posteriormente. da Ata: Nade mais havendo a ser eratada, o Sr. Presidente ofereceu a palavra a quem dela quisesse fazer uso e. como niogukrn se manifestnu fqram suspnsos os tabaihos pelo tempo necessdrio & Isvsatura desta eta na livtn próprio, a qual, ~eape& a sessão, foi lida, achada conforme, aprovada peta unanimidade das pres@nt@sass~nada. e Dabl SBo Paulo, $7 de agosto de 2001. Masas RICARDO ANCEOE GRIBEC (Presidente da Mesa), PAULO G ~ S A RPEREIRA DA StbVA (Secret$ri~da Mesa); RICARDO ANCEDE GRIBEL [Presidente do Cansefho de Administração), ARNALDQ ALVES WEllRA fVice-Presidente do Conselho de Admrnistração); RICARDQ DE BARROS VEE!RA; k.dliZ PASTEUR VAÇCONCELLBS MACHADO; JAIR DELGADO SCALCO; EDt SOM JOÃO COSTA, ÇIDNU DO NASCiMVIENTO, AMTOMIO LUIZ RIOS BA SILVA; RICARDO A L E S DA

I

----L

-

-

I

.O O

a
cv

a, rn
t

.E? a,
a
7

% .

,

-Q)

rn
v7

. w
1

Q)

ri
\

O O
v-

O

.?:Õ
I h .

.O O

C

, ,

,

CONCE~ÇAO. IRLAU MACHADO FILHO.

I

) ANEXO 7: Ata de reuniáo do Conselho de Administracão da Visanet de 30/02103
qus destinou r@cssma% O para ---."-.---"n d ds Incentive, para o aaxercicio de 2803 ans a
- ,

C:OBZPANEifA B U S I L E I M DE MEIOS DE PAGAMENTO

ATA

DE R R , ~ I NDO~CoN§CHdfié> A ~ D M ~ P J I S T W A ~ Á D ~ O DE Rf";Al,fZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 20@3

B ila ce - . it i -r

1 8 de Demnahm da 2Q03,hs 14:30 horas.

Local: Av. Brigadeir<) F'arla Lime, 3.729, 2" andar. Sala Piatinum, IBaina Bibi, < W04538-333. na Cidade : de S3n Paulo, Essado de $60 Patilo.
,Mesai: Ribeiro. -P~sideitleda Mesa, Sr. Arj1a1do A1ves Vieira; Secretário da Mesa, Sr. Bat.tl~oIameu

Prcsciiteis a tneiuria. 40s rt~enrbros ~onsclhode do Adininistração, 5s. Arnaldo Alves Vieira, Luir Pasicur Vascuncçlhs Machado. Edson Machado Morlteiro, Fernarido Barbosa de Oiiveira, liouglas ' 34aced0, Eoisan Jogo Costa e Marce(ode Araújo Noronha. Participarain, ainda desta reli~iião, como çotzvidzdns, os Sts. Jã~ieéMaria A ~ U S Q , Baflhotonlcu Ribeiro, Rohertn Pina Figucircdn e Iktcr W cCctrrn ick,

.

Ccsiravoc~ic%ot t"\rsusri$o hiconvocada na forma do Artigo 13 do Bstazulo Social.

Ordem do Dia e DcOjltPeraeõicsp Tosnxdas xtclai Unamimidade das Preseintes:
a) FIM&@ E~fi~vsrjas C~M.YEPP~~.~ O ~SrAdmifiistmç&~gt~ctv~tau 41. verba, rbe R$ b56 rnilfidicso ser ufdCizad~ e m w F~d~nrPo i)mis.so~p&rram o de 20444 c sua irrvafiençiio será de acordo coiii a dispwilibif idade de caixa r? da Viswet, caso hgja iimihç3ca ntnrre deteriiiinatdo niés, c dois ou inais bancos desejem prorriovcr ações com os recrrt-aos,cçecia serão di~ãf~~fihili78dos 121 propoiçi%o participação societhriá de cada iim. 11 da

( 1 ' ...
...+

~

O pr@sente Wegularnenfo de Coi~~trtuiçaçi Uso do Fundo de Incenltvo Visanet (doravante denoininado e simplesmente de "Regulamento") teni por objetivo estabelecer as condições em que a Crsmpanbia Brasileira de Meios de Pagamento, com sede na Alameda Grajaú. 219 3" andar Alphaville. Município de Baitieri, Estado de SPo ~ a u i b , CEP.06454-050, ~nscrita no CNPJIMF eub ria 5 : B'i .02?.05810001-97 ("Vnanccst"), consbtuirá e utrlizard o Fundo de Incentrvo Visanet Exercicio 2005, com '' @' CUBOS % destinados promoçáo, no Brasil. da merca "VISA", e rasptctivvzfivas marcas derivadas. e do uso @s caii3es coni a barideira "VISA ('Cariáu VISA]) i, ,

*. .
6

çi

i

-

-

-

1' "

Paia as fins do presente Regiiiamento. serao util/adas aç seguintes definigóes. aploaveis no smgular c
*' - , -,
A

plciral~

~ndependentementc numero de açoes que do m e de sua participaçoo no c a ~ i t âç ~ ) ~ i d (Visãnet i da
<I

- Todos os ac;onistaç da yisanet

'

'

Aç6es de incentivo - AçBes de prapagctnda e marketing, direcionadas ao pablico em geral ou a determinadas categorias de portadores de CãitBes VISA ou lojistas', objetNando, diretamente. o crescimento do uso dos Canw;s V I M e, em cdriseqO&ncia, o mafor faturamento para a ~isanet'.
Comi& Gestor - CornitrC composto peel Diretor Presidente, Diretor Executivo de Ftnançaç e 'Adrninistwqão e Diretor de Marketing da Visanet com função de avaliar propostas de AçBes de Incentivo o assegurar a cumprimento tdeste ~eguianreratcr.
1 I

I
i

.'i

i'>,,-

Funda de Incentivo Visanef para Ar$k?s de Incentrvo.

- Fundo con&ituidg pefa Visanet com rewrsos destinados exclusivamente

I

>

- Irtçeniivadores

0 s Acionistas Yisanet ou, 4conformeo casa, re~pectivasempresas colrgadas, contralador;ls ou çubs~diéirias, díreta ou irtd~retamente, que tem interesse direto na promoç5u da marca "Vis.!%".aumento do use dos Cart6es VISA e. no aumento do faturamenta da Visane!, @traves do realizaç5u d e Aqõos d e ioícer?iivo

-

I

II =CEM
" , >
-5'

-

E PROPRIERAQE L0 FUNDO DE fNCENTOV0 WSWNEP 3

i

li.? O Fundo de tncent~voVisanet E! criado e mantido com recursos disponíbiiizadas pela Visanet, Paia a exercicio fiscal de 2005, a conbrme aprovados anualmente peio seu ConselAo de Adrni~istra$&o.
-+* *-

-

'

-

das Ações de Incs:~tiva Por canta das regwç de dedutiblltdaúf fiscal, 6 cspven:erzte qrxrr clam que a objetivo filial da Visanet com! a aqBo de irimntivo 6

' De acorda com o riem III J:bj, u n dou publiccs-alho sãa os lojistas de forma qi*e6 Co~venie:itede~xarisso claro ria deficlç8o

aimnerltar c seu P~furarncntc?

o
k
i

A

r

I

tii
i

i

. .,

8

pelo Conselho de Adm,nistração, A verba deshnada ser&anualmente apmvada pelo conseiho de Administração da Vtsanet para compor a Fundo de Incentivo. Essa verba tem o objetivo de incentivar o alcance da metâ de faturamenfo i-clatrvo 6s operaiçbes com Cartões VISA: para o ano corrente. Os valores a serem titjfizados pelos Aciunisbs Vtsanet nao poderão ultrapassar o limilte de 116 por birnestre da paiceia da verba de incenlivo que couber a cada um dos Acionistas Visanet. No decorrer do exercício fiscal; ser& acrescido ao saldo ainda náo utifizado do valor-base, o resultado decorrente da atuarizaçao da mrtetra d e aplicaçaes da Visane9ritegtadn por essa verba.
E2 i

verba será detern?inadade acordo com a decisiao do conglomerado de Acionistas. devendo ser aprovada

.

-,

sa 3%
= O

g-kB
@
@ f

P. 0&,r.
3

e-

ser revistas pelo Consejho de Admtnistração da Visanet, de forma a atender esforços tnercadolQgicos qde se fãgaurs neceççArios. em vrrttade da demanda do mercado cansunítdor de produtos e servrços com as marcas "VISA'
I! 3 - A Viçanet sempre se manter&como lqítirna proprietária do Fundo de Incentivo Visanet.

- Ma transcarrer do ana f~scal.eis contr~butçõeçprevistas para o fundo de Incentivo Visanet poderao

$p%

1 . - Os i.o.cursos existentes no Fundo de Incnnlivo V!sanet serao aiocados para Aç6ss de Incentiva 14 plnneladas pela Visanet conlunhmente com os incentivadores da acordo com a participa40 acionslris que cada um possut, direta ou indiretamente (atravks do respectivo Acionista Visanet) na Visanet, apurada no úitirnc dia do ano anterior, conforme posição constante do livro de registro de ações da Visanet

.

$'i
,

$-h .

$g;

valor dtspon~fetlrsadopara Açaes de Incentivo planejadas ern conjunto com cada Incentivador serA resuiQnte da muftiplicaçãoda percentuai da participaçi5o acionhria pelo valor disponibiltzado anualmente aprovada pelo Conscc;lhode Adrninistraçáo da Visanet
(3

E.. 141

11 5 - Ct Fundo de Incentivo Visenet ser& administrado por um Comite Gestor, que ser& responsável pefo ctimpnmc7nto das condi~ões constantes desta Regulamento, bem corno pela deasãa dos casos omissas.
1 . -- Se@a tratadas corno cotlfidenciais iodas as rflfurrnações assim designadas expressamente pela 16 Incentivador relativas as AcOas de Incentwo em que participar do planejamento e submetidas aprouaçSto e reembolsafpagamanto

111 -&COES DE INClcMT1afO CONTEMPWDb0.SPELO FUNDO DE !NCENTIVO VISANE$

f11.1

- OBJETlVOS DAS A@ÕE.SDE INCENTIVO
'

As Agi%tes Incentivo a sescirn cldsteadas pelo Fundo de Incentivo Visanet terao por finalidade estimular de a aquisicão e O u~~\Iac%itaçâ~ contirxuados, pe!o plibl~co gerai ou por determinadas categorias de em portadores de Gart6ss VISA, ou Iojajrsias por meia de.

a) b) c) d)

Sua drvtltga$;aú,
Esclarecimento em geral sobre as fun$etj e atributos dos Cartóes VISA, Incentivo ao uso dos produtos e serviços "VISA" (ativação eJou fidelização) e, Aumenta da base de po&adores de Carrt6es VISA.

.% eI'3
r)
*i

t .'
!

.

.

I

1,
I

'

18.2 FaoBLlGO-AWO DAS A G ~ F S INCENTI'dO DE

-

i

1 A
n .

I

As A ~ & â de Incentlwa pnderâo s ~ apltcadaç junto ao$ seguintes públicos: r

i

a) Mercado consumidoi ein geral ou determlhadas categorias de portadores dos produtos e serviços "VISA", nunca envolve~do apenas um ún~co pouquissmos portadores: ou b) Lojfstac;' C) Equipes dos bancos (iuncion&rios. cootrbtadris ou ieneirizaadoos] envolvidos direta ou indiretamente com a venda e!cu ativação de CarMeç VISA
PERIODO CONTEMPIAOU PELO FUNDO DE

;INCENTIVO
I

I

'
'*

'

envolvendo o Incentivador no Fundo de Visanet deverio ser utilitadas ate 31 de dezembro de cada ano civil sob pena de perda do .direito. sendo que talas as AçBes de Inccltivo davdrao ser encaminhas a Visanet ate 05 (cinco) dias Oleis antBs de 30 de novembro de cade ano aprovadas a* o primeiro dia Util apds 30 de novembro. e deverão ser entregues na Vlsanet ate o todo& os documentos fiscais para rcernbolso ou primeiro dia util após 05 (crnco) d e dezernbro

ores afr!buidos para Ações d e incenfiu~ com

I

tll4 -. FERRAMENTAS r4ERCADoLOGlCP,S

I

Todas as fiç6es do Incenti~o objeta do piesznte Regulamento devergo estar alinhadas &s diretrizes e estratbgias dc negbcio cçtabelecidas er> canjtirito peta Vísanet e locentivadores. Ser80 consideradas Agóes de Incentivo para os fins do presente Regulamento as ferrameniae abaixo, que deverão ser submetidas e demonstradas. atravks de docurnentos especificas comprovando a sua realizaçEja:

I

'

o-.
@
,

& Veicuia~áopubimlna de anlincios dos ~ a k b e s VISA ou anúncios institucionais das marcas "WSA" e 'VISANET que estejam rfe acordo Com as diretrizes de padrgo visual da marca, em
;

" ~,

rnidia de massa (TV, R&dio, Revistas Jamais, Outdwr, mobiliario urbano, fmnt e back-tights. painé~s.etc ). midia segmentada, mcrchandiçiog ou sinaliza$ao de ponto de venda. incluindo custos de planejamento çrial;ão. iay out. editaraç8o. piodupão. veiculação e comissão da ag6ncia de piiblic~dade. p c r n e e E - ~ ~ A n e x o a3. 4 e 6 contendo plano de midia s roteiro Q 2, 98na8 db anúncio. F@~R3~enta~ da markefing-dtretn, !ais corno1 mala-dieta. folders, newsleiters. cartas, incluindo custos de serviços 6e anéiise de bancos de dados, planejamento, cfiapão, editoraçSo. p'od~çao. manuseio, pmbgem e comiss3o da agencia de publicidade. Documentos:Anexos 2.3.4 e 6 e

z

c) Prorno@io ao p~rtitadorna ponto de venda em agencias baocdrias. via Intemet. correfa. teiefone OU locais de grande fluxo d e pofadores, para estimular venda de pl8stiro. ativação, fidelizaçáo, eloii dernanstra@o dos Cart6es U S A . inclriiddo custos de planejamento e criação. produção de pr@mios.taxas governameolais de aprovapao e alvârás, compra e aluguel de rnaier~ai estrutura e pmmocioilal. rnidia s sinaiização pmmocional. entre outros itens necess8rios implanta@o da prorno~ão. cornissao da agencia de pilblicidhde. Dceumsntos: Anexos 2.3.4 e 6. e

I

I

I

fies na fatura du Cartao V3SA para programa de fidejizar;Dio ou promoção ã q portador
8 (SIs da oferta de benefícios. v~sandn emissão e/ou atrvação, tais como prêmios, seguros, o, stência 24 horas. miikagem. p s t ~ a ~ á bons6cação !desconto na fatura. Documentos: Anexos 2, 5.4 e 6 e, t,ray-ou%etetsbnico da enaaafle.

.
,

= O: I

O

O ' * , -A

ii>

8.*

,.-

e) Ir@~narnentos campanhas de incentivo para equipes comeraais de ag&ncias bancárias e ca6ie centers das Encentrmdores para promover o conhecimento, o relacionamento, a venda de gl&st~co o estimulo siiivaçáo clxclusívã dos produtos Iserviços "VISA", incluindo custos de e . planejamento e criaçBo, produçdo cle material gráfico, divulgação e apoio, contraiação de promotores quando necessaiio compra de benefícios, brindes e pr&rnios e corniss8o da agencia : de masketing de incentivo,&eur-ieratos: Apaexaa 2.3,1%e 8.
"

f)

8
'I

? . 4
'

n
4

e e

Patrocínio de eventos. projetos ou açdes que promovam em seu escopo, com exclusividade no s@gsne~%ocart6es: a marca "VISA" eloar seus produtoslse~i$os.Dsesrmentos: Anexos 2. 3, de & & g

Q
(D

gj Canlrataçga de senti@% de ag@ociasde pesquisas cujo produto finat resultar& na ativa$ão e aurtaento da base dos CaMes VISA Documtanlcps: Anexos 2.3.4 e 6.
Rj Prcamo6\ães ou sortei~sâ u t ~ r i z a d opek Niinist6r10da Fazenda e!ou Secretaria da* Receita ~ Federal envolvendo a compra de bens que serão sorteados ao portador em promoç80 da marc.a ''VISN nas modalidades sortf?io, concurso, vala-brinde ou assemelhados que serclo exctusswsmente aprovadas junta ao Ministeno da bzenda pela Visãnet e operacionalizadas em conjunto com o Inuentzvedor &ce@dimentas: AJ~XQS %,3,4 6. e

9 )

i,
3
-,
i

a
(D

E.

Q*
o

!s
$1

U

I

,.
o

i
j)

-i)

i
,

Compra de pLstiu?s; custos de arnbossmb i gravação. despesas com produção e envio de materiais rrnpressos relativos a Kit ~elcúrne..l8~cum&ntos: Anexos 2,3e 6. Contrataçé3o d e serviços de terceiras para desenwoiv~mentode tecnologia e demais atividades destinadas a 1mpíementaq8o de navos praclutos / caracteristrcaç I fiincionalidades, bem como para otimizaçiio dos produtos e serviços atuas, desde que tais atividades comprovadamente se destinem a aumentar o faturamentc da Vicianet, a qualidade dos seus serviços e a melhor ãceita@o dos produtos VISA Doçuwcentosr Anexas 2,3 e 6.

tli 4 .1 - F á seriia consrderadas A ~ b c s Incentivo para 4s fins deste Regtilamento a compra de ç6rtes Ba de ' fechades dc previdencra pnkada, onde apet-tas prrcentual do valor investido é sorteadb entre os partiadores de Canãeç VISA, nem tarnpoirco a$ões ande o projeto contempie bonificaHo para um Qnrco car@o, a exemplo de urn carta0 ~arporattvo prbprio Incentivador para suas despesas operaaonais, dn sem uma i3qã0 prom~~iofiâl toda uma categoria par@

"a: \% -'
%

181 5 - EXCLUSIVIDADE ua PJancA vis63

A marca 'VISA'. ou de seus produtos e çerviCos deve o b r i ~ a t o r i a ~ m presente em todas as Açóes estar de incentivo custvadas pejo Func'cr de li~centivoVisanet e, em hipótese aiguina, podem aparecer as I marcas de pradutos, serviços ou empresas cancarrep:es.

1

N- RRQCEDIMENTW I_-B $&U

DOS RECURSOS DQ_ FUNDO DE PNGENTIVO VlSANET
I

lV.1 - INDICAGÃO DO GESTOR DO FtlNfSO DE $NCENTIVO VISAMET

.;r

O representante i q a i com poderes eaia icpreçerhai o respectivo Acionista Visanet junto à pr6pria w n e t deve preparar uma carta tnd~candafor~nalrnenteum geslor ,respons&vei para o Fundo de

tivo Visantzt (o '"estar

do Funuw")

I

I

a) 0 conteúdo da carta deve ruspe~taro modelo apresentada no ANEXO 4 (NDICAÇAO DO GESTOR DO FUNDO DE IICENTIVO WISANET'.

-

''CARTA DE

bj A via origlnaf impressa dever8 ser eaviaóa para a Companhia Brasileira d@ Meios de Pagameng. com sede na Alameda ~ r a ~ a d ~ 3" andar - Alphavflie. Mumcipto de Barueti, 219 Estado de $30 Paulo CEP~Q645tt-C'U'?I a Diretoria de Marketíng, ã 16 de Nancy Muraid. para
C)

> ~

NO caso de um Acionista Visanel ser jurid\carnente adrnmislrada por outro emissor, alem do e;tanlei;ldo da carh padr%o. o Acionista Vísanet deve informar tambern aue os recursos disponibtlimadas para as Açctes de lnce?tivo que contribuir com o planejamento serao ut~lizados I em aqões tigadas aos Cartbes VISA do emissor que lhe adrnintstra ou de suas coligadas / contraladar; / subssdi8ssas (conformo rnodeio ANEXO 'I- 6'par&gr83P~ @xelusl\?k, que somc?nt@ áeve sperscer na csrfa de acionistas que fansfarem verbas para coligadasr?>

e'
,
a .

,

d) Cada Acionista Visanef deve emitir uma carta de indicaçáo do Gestor do Fundo de Incentivo. independente de seron?controiadas par tlrn rzesrrto grupo 1 coligada.

e) Somefite cr pessoa rnbtcada pela representante legõl para ser Gestor do Fundo de Incentivo
Visanet terá paderes para. ( i ) prepa:ar, assinar e encaminhar a Visanet as propostas de Ações de Oncentiua. (ii) prsperar memorando e bocisnnentos solic~tando pagamento au reembbls? de a despesas; (iir) colher todas as ciprovaettss necesçSiriaç de acordo com a Política Interna do p&pno lnmnt;ivedor: (ivf prestar ofictalrnente os esdarecimentas ped~dos quando da andl~se da Aqão d e Incentivo pelo Comite Gestor; @)i outras atribuições para utiiizaeo e controle dos ~~"(~CUFSOS do Fundo de tnceniivcb VtsaneE.

I

+

.f)

Nenhum outro documento relaiivo &ç Açõoç de incentivo será recebido pela Viçanet antes do recebimento da carta de ~ncl~ca@a Gestor do Fundo de Incentivo Visanet. do

1

I

iV.2 -- sOLlctTAÇbi0 aiiE

APROVA^",^^ DE PROPOSTAS OE AÇÕES DE INCENTIVO

faentao da respedtva aicrlçada de parrictpaçao e apds a rndicapff pelo Acionista Visanet do seu Geslor do Fundo canfom:e determinaáo nu item acima, a utilização dos recursos do Fundo de fncentivo Visanet para AçUes de Incentiva ptahejâdas pela Incentivador, observará o seguinte procedimento

a) O Geslor do Fundo designada pela Acionrsta Visanet,aprcsentari! & Visanet, para análise e aprova~ãr*, reh!ório detalhado descrevendo as AçBes de Incentivo propostas, seus objetivos, um brrneficios alnlejâcfos e. sernpre qt~e possível, os resulfados alcançados e respectivo custo
b)

8.

O r?

C

8 Incentivador pode afosar a verba destinada para Açdes de Incentiva de planejamento do respectivo Acron!çta Viçanct em uma única Proposta de Ações de Incentivo ou subdividi-la em propostas distintas, desde aue se enquadrem nos objetivos definidos neste Regulamento.
A apreçentaç%otodicada no item (a) aama deve seguir o modelo dos documentos mencionados 1Qualquer material adicional que no item 1 14 (FERRMENTAS ?JIERÇADQLC>GICAS). cawplemente. detalhe ou iiustre a oruposta apresentada no formuldno deve 'scr encaminhada

coqt.rntamsnte
A via original ruipressa em pawf tirnbrado do Fornulário pertinente (ver item 111-4 FERRAMENTAS MERCADOL.&GICAS] assinada pelo Gestor do Fundo, deve ser encaminhada para Afameda Grajaij, 719-3Oandar- Alphaville - Barueri-SP, para a Diretoria de Marketing Ger6ncia de Eventos dai Relacionamento, afc de Nancy Muaad.

-

a
(D

(D -. 8,
e
*. ,

'

O
$S..

m,,
+ r

t

e) A data mdxim~ para entrega de prapostas de Aç8as de incentivo Et 5 (cinco) dias úteis antes do dia 30 da novembro de cada exercício 'fiçcaj. Para 2005, a data máixima para entrega das -propostas é dia 2511 112005, segunda-feira, atts às 17h00. No entanto, os valores das A ~ õ e s de Incentivo gropostas pelos IncentivadoresnCio poder& ultrapassar o lirnrte de 116 (um sexto) por biaiastre da parcela da ve:ba de incentivo cujo planejamento couber a cada um dos f ncen$ivadores
fV.3 - APROVAG~O FORMAL DE PROPOSTAS DE AÇÕES DE tNCEMTIV6
tp

rcçeber formalmente as Propostas de A ~ á ode Incentiva, a Visanet observarA o seguinte
f Caço a õçCto eçiejcr contempiada nos itens constantes da CIAnsula 111 4 deste Regulamenta, a Diretoria de Mdtarketmg da Visanet avaliard e dará seu parecer. Is) A Visanet tem 5 (cinco) dias W i s para aprovar ou i-ecusar as Propostas de Ações de Incentivo, a partir do recebimenfo da doceesaaenbcão ori.@iinol, caso as açUes estejam enquadradas nas temamentrts já aprovadas neste Regulamento

c j Casa a a$& proposio contemple forrarrientas d~stintas, que envolvam avalía@es complexas de fQdoo Comi% Gesitor eiaci de outros diepaflamentos da Visanef para consrderaqBes t&~nica$ e fiscais. o prazo acima nao se ap!icura

I

1

,

I

iV.4 - IMPLEMENI AÇÃO ciAS A C ~ E Ç INC~NTIVO DE APROVADAS

, =,
;: . a

<;

'

'*-.?,,
"

:Urna vez aprovadas, as Ações de !nce~trvn poderao ser irnplernentadas Caso a incentivador irnplernente as s&õesantes da sua aprc;va@o. os sc~is ~ ~ctrvos r s custos ficam por sua conta e risco. caso a ação
r130seja aprovada.
I

1v.5 FATURAMENTO DAS AÇOES A P R ~ V A ~ ~ S -

y L

@esteque o incentivadar possa uirlaar a verba da Fundo de Incentivo nas Ações de Incentivo aprovadas ara item
O Incerttrvadsr dever& preparar os caeg::intes dataurnentoç covprabatbrios:
1

...*;. ,.'
:,.
I',.
3 .

r:":

.. . .:' .. . .
~

.': : :', . ,,.. . ..
I,

'
'

. .
,

r, ;
x

',.,

.

,

!..$
,< , .

' ,*i , i

.~
:

G.

. .. .
. .,
,,,;

.

'::.,

'.: . ' , ,
,

"

<.'."' .. .
. ..

',:

. ..
,

'
,,~

.. ,. , ,
3

.. .

.

.

i) Nota de debita enlrtrda pelo Irtcentivador contra a Vlsanet anexada ri9 via oriacnal ort as cbDtas gutentlcadas das notas Rscats dos f o r n e ~ e d ~ que deram origem a esse valor, a qual dove ser re~ ernifida at& 30/O.fi/SQO$ Caso o incentivadar entregue as vlas originais, a Visanet lhe Fornecera capta sempre que receber peciid3)ustiRcadopar escrito Esta modal~dade execução de Aç%odc de Incentivo mediante reembolsa de custos, serA possíuei somente para notas fiscais de fornecedores emitidas ate 301M/2005, serido q u e apOs;aita data, somente serao validos e reconheddos para lrlcentivo Visariet. o faturarnenta dos fornecedores os frns deste Regufameríto e dn Fundo diretamente contra a Msanet

.

v
%

1.

y

Cl canteOdo e formato dc;& r:otas di? debito devem seguir o modelo de forrnulhrio representado no ANEXãB S - "NOTA DE D ~ B ~ T O " . devo ser impresso em papel que timbrado do Incenrlvsidar. i
I

L * ;4",

i
,

/.. .
,

AS notas Ssca. anexadas às notas de debita devem obrigatoriamente ser faturadas contra o ineer?tivador pelo respectivo fofnece(ior de sem'ços OLI produto para a Ação de laicentiwo. Não serao amltas patas fiscais faturadas contra terceiros distrntos, como parceiros ou outros farnecedores

?

+

,

Na mmpw de bem (Ex: carro para ser sorteado em promoção), devem obrigatoriamente s e r faturados contra a Visaqet, una vez que: conforme o disposto na letra (h) do item lil4, a avtorizaçáo do governo para o sorteio proinocionai, atraues do Certificado de Autorizaqão do Mintstefio da "aretada e/»u SecretariaJdaReceita Federal para a promoção dever& ser obtida
excfusívarnente peta Visanet

r ( ,

>\

,

li)

Nata de d4bd.o ern~t~da Incertluador contra a Visanet anexada a relatario de Cartães VISA pela beneficiados com .çe,.trrcps procr;ssados pelo prtjprto Incentivador. que s%c, habitualmente ~ontabiltzados ãpePáaã internarriente ew: sdas instituições sem emissgo de nota fiscal. A nota de debito devera ser ern?ltda;tC 30/C4iZ005.

/

1
+ *

7

1

4.

Os brrneflcios enquadrados Iiesse caso são bdn~s, descontos, seguros e assisttsncia 24 horas, ou outros príiz-saprotradof;, admrnistrados pelo Incentivador,

2.

0 s rrolatbrios anexadas As natas de débito devem obrtgatoriamente conter dados do Cs3-rilaO VISA (primeícoç 6 e últrmos 4 oOmem~), de beneficio oferectdo, valor unitdrio por Carta0 tfpo VISA ~t va:or total envaiv!du
kefor~a-si? que rlecscse caso $6 se podem portadores de Cartães VISA.

3

fazer reembolsos, de itens jCi cred~tadosaos

5: C.
O

Notas fiscais emihdas pelos fornecedores diretamente contra e V~sanet.

p-2
A

I

ã:
A

Em hipbtese aigurna as natas flsciais devem ser encaminhadas pelo fornecedor diretamente 8 Visanet. Os documentas fiscais par8 quitação deverso ser obrbatoriamente enviados pelo Incentivador, sempre utrlitãndo a carta cujo modelo esta registrado no "ANEXO 6 CARTA

-

73 -,

e'
O

'

DE ENVIO DE LP-OCgfMEHVOS PARA PAGAMENTO" diretamente para a Diretoria de Markeklng -?$lks;maaetGerbncBa da E~vgntos Relacionament~, ds Rlancy Murad. de ale
c

a

ri
a

A , A

iv) Recibos emitid~spelos forneedoras diretamente contra a Visanet, desde que anexados a um contrata pr&-assinadoentre o fornecedo: e a Visanet.
A

n
a
3

C :

<

I

Essa opçBo $6 dever& ser uiih~ada caso de associações ou outras instituiçoes que nâo no
possuem nata fiscal ou em casos pt-8-aprovados pela Visanet.

:!s

3

Q

a) Os doc~melafos ~ m p r o b a t ó r ~ ~ ~ ser faturados dentro do ano de 2005, independente da c devem
data de vencirwenfu
a
r

(D

O

Fj

o

b)

05

dadas para fa2uran?~?tlto cantw a 'v'isanaf. cifr8vbs de notas fiscais ou de debito s4o os
de i.agamenfo,

seguintes:
Alameda Grajaú. 259 - 3 O andar - Alphaville, Município de Barueti. Estado de CEP 08.654-050. . CNPJ/ MF sob no04 .O27OL>8í'000192 ' 4 d'nscri~;ao Estadtlai. isezTo Inscrição Municrpal. 444.747-9
i

. Companhia Br%-ãslteir~ PWãrJs ' de

São Paulo,

L

c) A cada envio, cs dçlcurnefitoç fiscais psra pagamento deveni ser capeados com um memorando do Incentrvador, assinado peo Gestnr do Fundo autsrizado, conforme modelo "ANEXO 8 CARTA DE ENVIO DE DOCUMENTOS PARA PAGAMENTOJ; sem o qual as documentaç6es n2o seráo aceitzç e Q prncesçamento dos pagamentos nao ocorrera

-

ci) 5 s documentos ffçcais Dâra pzgamento capeados com a Carta de Envio de Documentos para Pagamento devem ser entregues na Viãanet - Alameda Grajaú, 219 - 3 O andar Alphaville, Munics'pio de Barlaerr, Estada de SBo Pasrlo,CEP.06454-050 aos c~aitlladosdo Dir&tofi;a de Markcrting -Viisanat- Gaar&ociaide Everrfcos de Relacionamento, akc de Nancy Murad.

-

e) hlhl@ta_!rAxjrijz. ~+%~treqt% & x ~ ~ j ~ y ico-m~:~baj$lrgs d_ s jg eg!-,$j?gl.i?r,c$ii $e.. !c[necely cjs I P 0 r>fj_el_~$:^-~$I! dpsb $5 (C~QGCJ)'$ ~ $ $ $ $ ! ~ - Q& ~ ~ F?XCTC:CJOf K ~ â / p33-213C15*av$_&3 d ~ . I mfixir~ia mra ?$:Wa d e 3~1a5 !>,sc;a!sS~~! be &b!iq e-dra 06/12/2005, terça-feira,até 9s ^?ta$ " --1k0 7r0
A--..

- PAGAME~TODAS IIFSPESAS DECOWREI\ITES ACÕES DE INCENTIVO APROVADAS DAS

1

despeças com a A@n de? 1~6en8iv0 serâo' pzgas diretamente pele Visanet à(s) f?tRpFe~cl(s) utorãjsf cio projeta ctno prazo de i 0 dras Ijteis após a apresentação da nata fiscal e demas @ R ~ O S camprubat6rt0s previstos no contrata, e desde que a Ação de Incentivo tenha sdo
ente aprovada.

I

I

) Qs documentos comprob&brras

@arapagamento devem ser eritregues com pela menos 10 (dez) dies úteis de antecedência da data cio' vcncrrnento, pois o processo de pagamento exige 1 ~hssinâtldraeietr6nica de divers8ç aimd-8 e planejamento de tesourarrã O n8o-cumprimnntO deste prazo prcjudlca a qurta~ac dacurnento fiscal na data de vencimento. do

b) A poCibca dc aprokaçtio para oagamenti? de documentos fiscais ser3 a Política Irtterna de

.+
! 3 : ,

AI~adas prbprra Visanet, da

I

P'

<-Yt
t

-

a

l' ^
r

R< *

-

-

c) Dscumentos fiscais podem ter ztencimento at& 31 de rnarqo da ano seguinte ao exercicro de iiicentívo. Para as recuras de 2085. o vencimento maximo das notas fiscais deve ser 3"r:Q3I2068, mas elas devem obrigatoriamente ser de cornpetencia @ ter fzturarnento dentro do i exercício fiscal de 2005.

' :<

r

d) A falta do envio da Ca& de Inblca$3n do GETS~OT Fundo de Incentivo, a falta de envto da do Proposta d e A@es de Inçsntivrs. a na6 aprovação oficial dessas propostas e/ou aus&ncra da : " apresentação de qualquer documenio iisdal impedira o reernbolso. que somerite sera efetuado . i apSs a entrega de tados os documentos acima referidas

i

,. .

+%'

.

a
-

"

1<
x

i

,

L -

!,

* " ~, ' i
i "" .

i.

e) Toriro e qualquer pagamento ser8 f-eito atravtss de créd~to conta corrente do fornecedor, no em ou cndito em conta corrente do Incentivadar. no caso de laturamento direto contra a ~ ~ s a l ~ e t . caço de reembolso par fiotas de dkbito. A Visinet náo rea!lza pagamentos através de cheques ou dinherrn
I

g

% +\

-- ~~~tra~~rsra~irçAo v E RELATBR~OS

I
1

(.i

V I - Sara felta a ascnturaç2o dnç recursos exi$t@ntes Fundo de incentivo Visanet, e os registros no mantidos pela Vtsanet. A @olcritura$8o devera conter a relação das quantias d~sponib*lrz-ddas para de lncentrvcs pla~ajadas com cada lncsnrivddor, discriminando os recursos utilizados e os saldos.

- Trimestra~rnente C~omit@ o Gmtor submeter8 ao Co~selho Admrniçtração da Visanet, relat6rio de
onstraando os valores despeildidos e as comprometidos eni A@es de Incentivo pelas Incentivadores.
I

4

,-= ---- I -* .
.

O

,

,.-"""

ANEX6 í.Modell~ "Carta de tndicaçãa do Gestor do Ftiado de? Incentivo Visaaret'" de
- L

"

'-""' '

i

----~-~"
7 w .

r__-

.

- T VT - - - - w- w b" . w

-

h--,

*

--

Papel Timbrado do Acionista Visanet I Incentivador

-

0
V

% i

o

c.

Faemos reSeí&ncia ao WegiAarne~to Cunçtrtaiiç%oe Uso do Fundo de Oncent~vo dã Visanet - Exercício 1005, que tem por objetivo O uso d e recursos para prorno~ao marca VISA no Brasil e o uso dos da cart6eç com a banderpa Vasa

(P

ci
r
2

t

3

E.

3

i
"

Para as fins da cldurula IV.4 da iefendo Regulamento. que dekrrnina a indica@o de um representante para cuidar dar, cassuratos relõcionadas As Açr?es de Incen2ivo planejadas por este signatArio indicamos coma Gestar da Fundo de incentiva 'V~senet, sendo a iinica pessoa responsável a& que façamos nova e indicação em substituição por ~scrlto. pessoa abaixo descrita. a
Ws @ gm :

--

,,-"-

.r*.

-iii* l -ri, iiil -" i i.

* . r -

" P

-.
"

Ph=I1P_*

Caigc:
Telefone:

:

Endefego:
E-Mau:

4 1
_e__7

3 O
?'. , ,
*
G',
Q

-.-r-=-

---__ _

.-_
I

_

"_*_""

-

_&_

i

- - --

. _ _ _* <. : .

.

~

,,

.

---

--

j

f

A

kJgxiararnos que o Gestor do Fundo indicado 18 tem conhec~mento Fundo de Incentivo Visanet. de seu do ~uEqmen*is do respeêttvo valor-bgse que foi dispunibilizãclo para Ações dc Incentiva planejadas por e asta insf.itui$ão para ÇB exercicrn de 2005 que é de H$ - -

.

Pangrafo exclushro que +orne@&deve aparecer na cana de aeionislas que transferem verbas p s a ~~ ~ P i g i i ~ d ~ s : Decfinrarn~starnbern atra R$ . da verba dispohibilizada para Açbeç de gnce;ritil/a planejadas par esfe acionista ( - NC?fJI€ DC? ACiONISS,4 -:ser20 ~itiliaados pelo emirsuor I NO~VIE30 FM1LSOR -1, que é drna empresa coligada I subsidiária I controladrz, dentro d a s regras a~tabeiccidas Regulameuto da Fundo de Incetltivo Viçanet. no
-a

-

Assinatura do representante legal &o acionista. M ~ m e representasate legal do acionista do Gw25. L_*"-" Banco: End .: .
e

L * -

!
<

Papel Ttmbrado do Acionista Visanef I I ncentivador

.

__IJ@~"lj--t

/datal-----.

:*
I

"

A

Companhia Brss~leira e Meros de Paya~ranto Viçanet d I

i
I

<

Prezados Senhores,

'

"605

Fazemos rç.fer&nctaao Recguíarnento de ~onçtr:uiçfio e Uso do Fundo de incentivo Visanet sxercicro que tem onr objet~vno uso de recursos pÂra rsrarnoçâo da marca VISA na Brasil e o uso dos cae6eâ com a barillvira Visa

-

Para cs fins da ciCiuçuias IV.2 cio referido Requla&entn,que detemina o processa para solicitaffio do uso dos recursos do Fucclo d e !ncel?tivo Visanei,' @ncamínhs em anexo Propoâb(s,l d@A&ães de
~ # c @ ~ ~ E v o pa&m a\~rrliaç&ea

I
Atenciosamente,
. I '

I

,

e

1

Assinatura da Gostor do Fundo de Il~c@ratíva> indicado:
Mome do Gestor do Funda de Ilncentivo indicado: tel: - ".""" --""----- --a-meib:
--""-v

I

---

. 6

I

!

Papel timbrado c9oAci~nista Visanet I Incentivadar.

= o

"

2

O

-7
@
9
+

0,

iForrnsts: 0bjeliVo:
I

.--

.

-- rrr-.=r-"-"

-

-

-->

"

+

a
'.*

;-" a .

'!
I
f

%~sra~&ncie: ~erioao:

Pr@mbçãar
< a.I*

nxr-

-r

ni. \*?A.

,. .

-

-

-

.

,

,

r

----A--

I

--F---v--=--w-,-%.

--*

r

R"

.

,

.
-L

,

I,,,,

-n

m,7".w-

-

a ,
3

9.

:Paáblico Alva:
E, :s ,, ilãk~@~tim@~ffo Tatal:

a a

ia,, & ,
.

'u1 , ! t

o

$ I

L--~ i - ,

'

-- - r. n - Tipci, de Nrraramént~.as (vide item 111.4 do Rqknisarnorito)' rma de Pagamgoãnto (vide item IV.5 d4.i R B ~ u ~ ~ P I P ( s ~ ( ~ Q )
I = - r ~

-

,wP

= r

i*~-

i

h-

)>I-

i =-~~-,-~-i~lll._-~

-, ,- ^,
I

,i,,,,,,i,,,-> ,"",,,,,%-

x== w ==%

a :

-

s.s=z=-r

--..

.... -..-

p . 4 -

ri<

-3

i - i r a -

ni1P-----^..%.

f ui i

.,*.

= i i -r

-=-R*

-=-l-.%=-=w';=z-F-

J

'

I BATA: I ( OESTBR DO FUNDO DE INCENTIVO REÇPONSBVEL:
i

.
,

. . . . .

I!
..:
.:::::::::::.:.=-::.....:::--...m..~----=.--

:::.::.:::::::::

.

ANEXO 4: Modelo de "'JobAg&steia"
1

Papel timbrado da Agência contratada
. s

j

nama tia ação ~fi PKi kiG ó @ i O?
-- * I I I I--?XXXX,-I

,

.. -

-- -

I

(%!ente:

-

-*---=;-A-;--

.........

,, ,mn-v-i*----=e,

I

----

......... --..A
11

/I

Companhia Brasiteira de Meios de Pagamento

..

..-m-vw-----.=""----

i

.-. . -. = - = =

,.mi~. x= .. -> ,. .e F* ". ?7 f . m .

.r. r .. : .

.. . . . . . . . . . , . . . - - . .

.----------==-==----~=.dl

%

zp-;inotura do repreçenkante legal da ag&ncra -_". ne do representante legal do sg8i.cia

v

v

m I" "-

-_--.

--

v

e-mais. --

" , . *

-

II

De acordo:
Assinatura do Gasfnr do Fundo d e Itlcentiuo Nome do.Ocfstor do Funda de Ince~ttvo Aaonrstâ Visainet i lncc~trvadar Carga,
"""ah--_eh-

i
I
--,. -.

-"

Tel: ~-v-taíP --""-.-

1
I

"

-------

a

'ViSANEK
6 .
*J
'-c

i

,

*

r

--

-

---

-

-

3

"

"

-? L.

L

7

P

x

.

n

-

-"--=-""I*- ,-,.--,m."P

-3,

3-

F --.----nw .

"r ",3,",,,

ANEXO ai: Modelo d@ "'Nota de Dgikrito"

--

"" "- ?

2 -

P

Y

-

-

~

~

Y

-

~

~

-

?

"* -

~

V

- i ,,,,,r"l r -

,111 1

---

"Tm-,,.-TSZIET*'I

A -

---.-------: ICMlTEHãE:
c

-

--

-

------

--

"

-

" """ " " "

NOTA DE DÉBITQ

Papel Timbrado Acionista Visanet 1 Incentrvadoi ---.----.

-

"

" "-

-

----

-..-.- "-- ."

*---

."*.----

'li I 1
",,SS,"rn",",,"C

tt<",",,rnM,m+"-vW",,

>I

%a

% 3 3

8

8 3L,>,>,

$8

".

,,,,S,,"

I,""

",V "

--.-e---

----*.--.

-----

v*

. ---C~~~N~~~A!CO~PBWHLA MEXIS DE PAGAMENTO BRASIL-EIRADE
+-h-

"" "

.- - -

---- -

--

-v--

- --

--* .* -

-"-. *"

a

"* A " .

"-

-

GNPJ: O+l.E)2705BIG001-97 ' ENOEREGQr Alameda Grqaij, 2: 9 -- 3' andar - Alphavrlle, Baruen - SP, CEP.06454-050
---A

*a

"

-

---

a-*

"

---*--v. -

."..- -- ------

-,..----

-

."--v - -.exa(s) P O O % ~ BS C B /originais ou copias autenticadas dee natas que ! S
,. --

--

1
_1
" -

BSEMCIMIAENTQ:

"-" ---- -..-

- --"- -

C

"a

d 200s
"- ---v -"--- -

-------.--

--.--.

"%-

-

VALOR TOTAL: R$
L-

-. * * ""X.1

-

- --"

^"_

A

_ ^ ^

--

"

"

.-

"

- -

A

"-----%v

*

-----9
""

7 .

i

."---

.

A

*-.-"

ANEXO

I ---- _ 6 Certa de Envio da pocumentos: -** para Pagamento e."
I

A",-<%______--

..-A-

*"

' 7
L

A-

Papel Tirnbrado Acrcinistê Visa~et incent~vador I

A
Companhiã Brasileira dc Meios de Pãgamonto
@@fados
C

1

Seniiores

I

em anexa as vias oriainaísi Agy có$oias autenticadas dos documentas fiscais abaixo
para pagamenia
I I

.

A-"

"

.

"

1

"

-

_..I_

I._*"

i -,.._____ I - _-_ll_____lll_- -_j _
-v
-A.---

--

....

... . .-i--.. . . . . . . . . . r--. . I

.

-I1

^ .

-i L--A---*--

--. --------

T d ~ os docvmerttas foram faturados contra. s Companhia Brasileira de Meias de Pag.rlmento Alameda Grajatj. 249 -Alphavtlle -Barueri -São Paulo !SP . CNPJ 09 027 (158/0401-91. IMSCR ESTADUAL lsenta

IMSCR MLsNICtPAL 444.717-9

C;"-.documentosest&o sendo entregues :>o seguinte errdefotpo: ieda Grajaii. 249 - 3' andar - Alphaviib - Banlen - SP - GEP 06454050Direloria de Marketing - aic Murad I

r,
.
A,-. ,,-,

.

!

, ,

,: ,
I

.. ... .. , dos fornecedores: 0ipbg@irnentos......................................r--. feitos via cr4dira nas seguintes cantsis'corre?~es ............ "-" devem ser. .- . . . - I . ' Fornecedor Brnnço--'+-,- Aggincia , Contra . _._ _____..-.-I- . ' - CNPJ . .' .. . .......... .-."..--e

.

:I

--

;

:

1i" "
L

2 .

;

".-.-..-A-. .--.....-..

;

, ....

.

...-r-..-

,---.,,.

~_"

--

t

i

i
.......

I -"I.* !- i
v

v

e

:

, m u

iX,.I%-

___I

,-

+-.. -

!

.

i

............--. "-i .

11

-

"

As~iar;sitçu~a Ognãfor do Fundo de EBBC~?Q$~VO: do Name da Gestor do Fundo de Incentivo: - _ Cargo: Te!: --* e-mal!:

* "

I
se-"-

-....-,.--

.......

............

---

<? " -,w <. , .

I
I

i

ANEXO 7: Reprodirq%oda Ata da reasa%iáa;r Conselho de Adminbstraiç%sda Visõineil de 02 de do margo de 2OkBS, que criou!e dojstknoar 5% meumss do Fundo de PncesptivoVisana% exarcicio 2ODfi. -

COMPANHIA RRA8I.LElM DE MEBOS DE PAGAM EN'II'O
C:NPJ/BTF n. " 01.Q27,058/Q001-9t &IRE 35380.144.1 12
A l A DK R H E ~ I Ã O 1 B CONSELHO D ã ADM!PIIS'I'RA(:~~) 'P REALEZADA EM 02 DE MAKC:O DE 2DQ5

Datae hsriraric~: dr MUCOde 20155 &s f 4h30. 02

Local: Av.: Brigadeiro Fariu ,,iirta, 3729 bfczmitio -- 3bim Ribi Sarz Paulo i
Presidente da Mesa, Sr. Eduardo Wunker Gentil Sè~retárin Mesa, Sr. Antonio I n i z tia Rios da f if ta.

Presença: Presentes ca maioria d ~ me~nbros Conselho dc Aclministração, Sss. L.riijí Pastcrx s do V~~tsconci=l!os Machacfo. 43% r>elgndo Scafço, PlinxIo Euclides Bo~zzaniliii, Edson Machado "ulontciro, Aldeniír Bencfint. e TaIarco~ W4atioli dc Saíuza Vicira. Participaram ainda des1.a rcuniiin. como canvidaclos, os Srs. Março Xeleùon e fb4árlcd Mcllo.
-ç&oò

A rcunii30 foi con~lsçda krma do Artigo k 3 do Esbatulo Social. na

Ordem d s D i a e B)eli%sierasr?ses a 'Fa~madas nela GnwnimhZada: dos Presentes:
( ) ,., Fnndaa E m l i s s ~ ~ Marketiiag - O Conselho de Administrat;,it, aprovou a dçsi.inaçãn de dc verba Cc 0.1 0% do faturamerito, estimada cin RS 95 1'12ilht7es para apoiar aqfit's dc incerítivo aos cnrissctres de c a ~ ~Visa, com vistas a viabilixa o alcariçe da rixeta de fatura~nciito io co~n castões, cszipiilada cw RS95 bilhões pswa o corrente ano. Os valorcs a sct-em iitilizacios riso rt poder;Xcf u!xcipassar o limite de I,'6 por birnestre e ser50 ajustados fii3ailce~rmentc. manter l?ura u equilíbrio na iitElizaç3ct pclos difcrentcs acionistix.

! Anexo 2

Nota Técnica EMC slnr.

l

1

i..<

_:'

1

s9a,

. .

.-

s

%

Ofício no-1 00/P, de 11 de daneiro de 2006

- .

-

. .

-

.

Ofício no 100/P, de 1-1de daneiro de 2006

Y
0)

a

2

3 ;

E.'

~-

'

I

a Técnica

P .

'a i

2.1
2.
24 .

Gampanhe Ourocard ~edtos 2002
Competenciasi e ~fgadas

-

7

Comitê de Ccmunicaçáo konselhi, Diretw (oonfome LIC 50.2.2.1.1.@111)
-

-

/

..,-..

1v t
C

O O

(D

r.--." --- --

3,

Orgamen%a

""

"".. .L ",
"

I

.e a,

. ..--. .

"-**-

I - , - -

I

)

a

i

rn
v

a,

3.í Q%OSmil Os cuslos totais serão d e ,até R$ 20.BO0.000BM)(vinte milhóes e o i reais).sendo R$ 5.300.OMl.00 (cincc milhõeri e tmantos mil reais) da verba previste no pihr Varejo, no it9m Qurmrd, do orçamanto de 2002, e R$ 15.5CO.M)0,00 (quinze rniiwae, e qtdi~hekftm re8is) pmvq$tieptmde. aporfe finaneasim da funda emissor mil! Visanei, referente B vbha d~ B~bficidah k v i ~ ~ t00 mnt~aiia p a efam ernlswms de il;'a@$tisVisa.

v-

ò
O C

$ i

@

43 0 ourocadi;?, a aimianha "PlBstie, desenvolvida e veiwiada em 20W, com Iançotr o novo fsyout dos pUsqcos, fimsmlo o nome a a imagm do Ourocad no mtrcaa'a, dispensando ao pr@llh, um tratamento de bandeira. Pesquisa de me@h raa[bde p b in&tit&a Indicator, compr0va s visibildade e a p e e p w , por cerca de e 94°i~ amostm, de que w ' k mcio, cafigb di* da ~ to da Baficzo do Bp@síi.Cabe r @ ~ a k r q u e a campsnha foi agraciada rnk o Pr&mioAbril de melhor campanha.
422!333 208 1, á

Jaraeiro e Bmsi8ia f;ai,iexo 118).icrsn8awnam algum dos resulkador; espradus: 70% da amostra afirma iembrar da comekiai e id9ntifica-wcom a publicidade, íhdices acima da média mgistnda nas pmpagandks d~,+egmen\o Bancas, de 6796,e bastante acima da , rri&ira &imnmano memdo de M ~ ~ S rOe 67%; Qenlm os sntr@~i$Wo$~L $3 B , ' ~ T 6 s publici~~as apsratsn&das ,, 84% eGmam gus gosfafam ou ogssbwm ~2-a total ds dois fitmm e sete anfihci~s fmp

wmmnfina e s* adota e&rat&ia p w apmgma@a do 0uf-d a~~~ parter da vida de seus cliafat~s. A' as dia-a-dia dos usuGríos, bn r ""i.sma~ifmf(-: pubii~id-de do apr&%enb iwten6ion~iIe~fL>que . merado!&i@o. Pesquisa de pbs-teste realizada:~io instituto Indicator, nas pragas de São Paulo. Rio de

-

Djaetorfe ds V3rk&rsg @ h;omsr,d.s@cr
I

N&?so-W?l

-P-~w~;.-.:L--$+~~&-~~__A T I
c <

a,
< a

:

19% -

9

P

@33.210...j3'pl&stim de: maiw .e@issor .(le
/
I
- i . > L

"i

<

I

2hb'~sultado8 p p & @ g $ $a que indica a atingimento de todas as 3'&ie,& dá k m d & d o ,, &i+~ada, a indicação é dar pr-guimbnto '8 @ ~ ~ ~ ' $ ~ ~ ~ ' & &hiAk($$tdm8ntcis. ~ l i z a d ? s 'a cornptoy$a@@ rnbd$~ 9 defividade (impi&mènuo. por &$&&nar O: dos Ès wrfW de - W i t o do rnesda,-' pre~l%dalrvfenlie com uma &murtrioaS;;%a . , inuskd9+E
\

- :*~,~2.

>

. * i X \

.Vt

<h

su$&

e 4 5 As demandas de cearnunica@o BOi0110Q~ 208krllQ12 (Anexo i), da Diretoria de . Varejo, solicitam o dasenvolvihento de arrnpanha. e o epmveitahento de datas de oportunidade para incentivo ao uso do cartão.a t ~ a v h êb~rdagqns > de ~erqacáo~dgicas~
I

,

V

0 -. g,
A

,

(8-

i si;.

Anhlkgo

-- - --.-

----

.

LLl""..--l.e~d-

"M

O
" I

9 -ob

C D

+ n
A

CD

n

5 4 O Piano da Gornunbç& de 2002 pev6 a pnginuidade da campanha "Gest9s , , mm ênfase no astirnuo so uw $a hinçáo aédita a rndnhan@o da+:lide&npem fahigpenio de C r . A meta :de atiyaçã:o prevista, d~ 1:534.M)O cart6es, foi ai w wniprida; &$"Q $há\ da &ma@; m-krcírde12%. ~aara cumphr ~eshetas, hdetizai a 'e %aba! base de d i e i i & , . & n f ~ e ' . , P k ~ inot ~ ~ Dimior 2002;a campanha pretende suscitar, nos:atuais. ~"widor&@,.orgulhei porz &Me Ou~dc%rd ' nosc .o ser e, potenciais usdrios,s & e j d ' ~ ~ l $ mar&. .
>
l i * <
?

-

&0

'

CO.

3

L 0 ,

, ~,

-

,622 - A progosty de campmhâ apmeiltsida pela L w l msmq agência utilizada nos
*.

n
CD

a

o *. a r
O
I

KI

esfonps, ank@re, '6e~scaaçjre&v ,ao produto os atributos. de nessidade e inhispensabilidade, qde, serão Construidos nu& rnrnunicaçiio estf~$ursdh. Estão previstas a p d u @ a de filmes para TV (adaptáveis para O meio címma), sgots para rádio e aniáncios.para revista e jornal.

t

O slogan utilizado2 a@s anterior$$ Um gesto O u m d $2 muito wbr nas 5.3 voe&. será m a n W néi-nova@rhunkx@~, ap~ika4a ao'lkdo'dB*inhgerhdo produto. R " '@ a2a@õ'B =alia-lo: perkeará a cwnbnidçãc nas pe p~tsvre 'g&tb&, bem de oportunidade e 'ditas &&rnomtiivas, quando a@.@ . e s ~ ' f i c a s d e r n i impressa e rádio dbv~s'.&~aímular t i l ~ w y d mrtáo'caks'meio de mkarnento. au o

-

-

-

-

Iã)

I
I

- ,.ma~èhto,~ww .
~

44 Para cbnstn.@i6 wnbfstente d e um &nceito que' pretknde ser .assimilado, o plânejarai&~s~~ntent@b&~qen~~@tt~1~ e p&odo, assim, c w o publica-aivo e as fama b =da pra&s $fidr"lr"lMr&:pd:&:*;@&ig;si%l'&* .h&V,> . >' a:,:. . ;*..I' w@ .+.g + ~ : ~ $ , qual em ; , .

~-~,+~&hi$drl;s: ..- ‘ -"A<*>
9
" e

.r

*
C

' , . A

\

L

?

.

\

h

,

,

5.6 O esforço 4é~nv&i&io,~&rn mnc@itr> b j uBatucjue",tem<a _ . . inten@o de criar um deMca popllaq'p$ h.,c$-~nicet$o, quando um simples gesto trai i' mente do q n s u ~ i d o ò"p&juto é &&.abi*u'f@'O co~cehb r . será'dimentkdo p& meio das pems

e

rwrg

.jy.4cinnqrn*&! e8Y~e%i'O;, ,
I

2'
D t e M a ba Rilarkm e Comunf~açrac
Q~rp(xrn12002

3 I 5.8 A campanha propost? mntempla cinco filmes. O tenista ~ u s t a v õ ~ e ~ e n pr~çlgirnista dois dos filma: dni de Ppwtunidade, que reforça a presença do Banw em s intemadanais bo atleta, e oumi em que apares@numa sitrra@a d s ea~pm, apresentando o tenista mono uwáds do Ourm&.
1 I I

Na%3tmac - $72 4 - í'lo.542JF2 ---_.I_"L_ *. ^

. 1 1

^

L

'

" 5 ,

s espeifims iraas ~strat&ia de rgdio pmv4 dois .spqfs orinapais datas c o m e m a a ~ s dia @as : MSes, dos Pais,dos Namapaos, 6 9 Crianças c Ngtai. Os anúncios imfiee*: ' p&r&: a a revi-&&, ocWmem-se de enxov81 de j I m nove peças, adapavefs a ~ u ~ u & * C & , ; s f i & f o ; ~ imidie~ i ~ ~ Quecbrnpigtaá o < c ~ externa;' esf~rgo juntamente com .pyesi p&a o mei6 Intemet. O enxoval das peças da wmpanha, induindca m m s parh as -8neias, enmnlía-se no Anexo M.
E#B A manuten@o âoda oferta do produto na midia 6 também objetivo das a w s de oomunia@o, uma vez qua o investimento'nas Eiltimas mmpanhas deve ser otimizado -A C~OS meios a 'set.iõmaitilimd-, 3s stra~ds r ~ f ~ ~ r ; p oRRS~GSQda RÉ de para pã81g"s ~ ~ " j s f i m d a O pGbli~~-at 8 ~ r social, foi detewinado segundo realáada em mais de i~"%F~rma@ss f~mscid~s ps4uic;. @oGIoba! TGli wrr 30 pafses, espssimmen.tS,~ O p d u t a @ o (36 psa ~

a

8
O CV

S,Q
-,$a

5" @ P J ~ Q $&C2 P8%b!~ ~p"&!
L
ra

Se&o pRor-irnados rn s ~ a i p t e s meswdas:

~gmm intédor do astado de 2 Paulo 3 i h G i ~ p u oç wtstados de MG, RJ,. PR, SC. RS e DF. -

e .a
C

D
0

a .

510 O pefiflldo público~lvo, acordo oom os segmentos definidos pelo Banco, será da mmpmto da seguinte Wma: J NW "E homens, ciase AS, 8 @ í e 3,Fainas ,. - ' , de NR2 a m k s os sexos, da@@ A8, a&maode afl6s 25 M W 3 a m h s ass wxos, @@%se acima db 20 ~ W S . ABG,

=
c

-u
a,

7 a>

-

-

-

m

ri
O O
O
\

5-44 A seie@a ddos meios wn$iderou a p e n e t r e e o a~buto icerente. a cada um dos VV~CU~OS jimto ao pii~ieg-8\vo, nas praps determinadas, emfome abaixo. A ot-agr~ma~ & S ~ C B ~ ~ o ~jncontr~-s8, ~ = V. ao r o

I

I

o'

.-

5.12 Para complementar a E/@o, çer& envidados esforços de midia interne%,da. . forma a ãustenlsr a campanha dumntqtodo o perim, por meio de bmiauls interaHw)s. e mmp8tíveEs mr"i Q meio. E$ a@eç, pmwishs n0 o@rn@oto,%@&o & abjeto de nota ' especifica. e ser submetida postbriomente.
k3is&&3

de Mwrkit%tãge Çomuniim@a
.C .

.>' , ~ - " . -,<... "

,I

,

" /

I

,
< '
. c

<

A

4

8 ,
. . v

-

6.2 Os cus~,.refstiYos i@@o e viiaiia@a B m h t o fim+en@k o h q @ g~$:@gkiigiEà$~#~jr, . ,. .
%

,v

q>.+,

g

d

%

28-5

>?. a . .$

2

A

I

I '

I

I
I

yl

"

Dketona&a F l sr w et f;ommkxi.áo Ba id
Nod 043 107-4 S 1 0 0 1 0 5539' A ~ GXJO Q

-

.

Ourwwd 2002

I

i

.

I

'

.

.

,8"'

'. . . .. . .... . . . ... . . .. . . . . . . . . . . ... , ,. . .. . , , . . .. . ' . . . .. . . . .. . . .. . . . .. . .. . . . . . . . .. . . . ., . .. . . . . . . . . .. . . < : . ,.: ; . . . . . . . . . . . . ... . .: ..;... . . .. . . . .. . . . . ..... . . . . . . . . . . . .
,
m . ,

. . . .

. .. . . . .

",

. .

~

.

I.,

.

.

,

1.,

I

.

.

I

.

'

,

,

'

.,

.

,,
'

. .. . ..
.

.,;;a.
:,
.
.
/,,

.

. . . , . . . . ,..,,.. .. . . .. .. .. . .. .. . .. . . .. , . . . . . . :....>.. .. .. . . .. . : . . . .. . .. .. .. . ... .. . . . . . . ,, . . . . . .
,

.
.

.

.
.

.

'...-'.;. . . . > . .: . : . .... ' .

. : ,

.

...:'

, , . . " I

.

:

..
'

.

..
.

.

..
.

.

'

... , . .. . .. .. . .. . .. . . . . .' . .. . . .,. . . .:'":.. . . . , . . . . . . , : ; . ,.. .:. . . . . . . . . . ..... .....; . <. >..?.>' . . . . . . .. . .. . . .. . . . :. .. . .< . ,. . .. . .. . . . , ,. . . . . : .. . . . . ,: ,,,.:.1;:. ,.-, . . : . . "., :.: . . . . . .. ~ : : . . . . , .. , ...... .. ..... : . , '. ' . , . . : e..,: ;<;: . . . .. . , . .:- . . . . . . o'. . . .. . . .. I . . . . . . . . .. . . . .. . . . .... , ' , . .. . . , . . .. . .. . .. .. .. .: . . . .. .. . . .: .. ,. .. , . , , : .
A> . . . . . I

::^ ' . . . .. . . .I : : . .... ...<. . . : . . .:. . .,. . :. . . . . . . . .. . . ? . . . , , . , , . .... . :. . . ,.::. . ..,,. ,; ., . ..-. '. :

." . .. . . ..i'<;.,:. . ' . . ..:. , , : : . , , . . ... . . . , ., , , : . . . .., .. . . . . . . .
. . .

.

.

' ;

.

. .

. .

'

,

,

\

~

>:

'

' V . ' .

'

'

i

,

,

.

, .

..

.,

. .. . . . . .
I . . . .

,

.

:.i:~*..;, . . :.. .'. ;. . , L.:..*: .. . . .:;... : .. . .. . ' . , ' . . . . . .. .. .
<
' . I , .

?

' .

,

... .

,

.

' .

... .' . ... . ... .

. ;.
'

:

,

.:i .
,

.

>

h

.

I..,

1

,,.-

,.
, :

.:...:.
. I I

. ..

,'

.
I

,

.

.

,.r.

.
I . . , ./

,.

.

.

.

.....

.

.

.. . , ,

:..

..,;.:, .,,;,,.
,

..
'

.

.

'

.

.

:

'j c--.

6 2 ;,"o::::
'
I ! ,

>,v..:L,:,.'>r" : : , > ' ; . " : ~ ~ , '.
,

; r / .

-

,.,";.".
.I'.

i

"I'

s! 73
O

A

,

.

, . .: . .. . . . . . .,,,. . :. . . . . . . . . . . . . .. .... ... ... .. . . . . . . . . .. .. . . . .. .. .> .. . . . .. . . . . . ., . . . .. ....:, . ..... . :..::... . . . .. .. . .. :.*: . .. ... , . . . . . . . . .. . . .. .. _ , . .,.: , . . . .. . . . . . , : ,.. . : . . < . . . . .: . ........ . . . .. . .. . . . . . . . .. .. . .. ... . : . . . . , , j. . j ', .; . '. . , . . * . . :. . , . : .:, :, .i., . i . . . . . . . ... . . . , . . ' . . . . . .. . .,; . . . . , . , .. . . . . . . ... . . . . . . . . . ., . . . . .. . .. . . . .. . . ,. . . . . . ...._' . ... ~. . . . . ,. , .
I

'

I

.. L

.

i , . . . , . .. . , : , .. . ,. . . . , . , ... . . . . . .. . ,..'i . :. * . .. .. . ..... .. . . .... .... . . . .. . .. 4 ; ' -. . . . . .. . . . . . :.: : .. ,. . . . .. . . . . . . ... . ... : : . . ..L..... , , , .. . . <,;,,'.)' ' ... . .. . .. . .. . .. . .. . . . . . . . ... .. .. . . . . . .. . . . . . . . . . . .. .. . . . . . . . . .. . .. . .. . . . . . . . .. . . . . .. , :. , , . . . . .. . . . . ' :' . . . . . . . . ... .. . . . . ......-. . . ... .... ....:. ... . . . . . . . . '....:,.;. . .. . , , . ., . ,' . . .:, > . . ... .. .... ... .. . ; . ; . . . .. . .. .... .. . . . . . ,.. .. . . . . . . , ..' . . . . . .. .. . . . .. . ... . . . . ~. .. . ...... .. .. ... :> .,. : .: . .. . . . . . . . . . . . . . . .. .. . ., . , , . . . .. . . .. (. ., ,. . . . . . . ., . .. . . . . ,. .!. . . 1.. . . . . . . .. . ..> . ..,: .. . .. . .. . . . . :.:, . . : . . . . . . . . . , . ., .: ,. , .. . .. ... . . . . . . . . . :: . : . . . . . . : ; ........ .. . . . . .: . . .: . . . .. : . . . . . . . . .. . . :\:., ,. ;. : : . ., . . : . ", .. , . . . . . . . . . ;. ,. : ..., . . . ' ! . ' , . ". ' . . . . . , . .. ,:. , :.. ., .., . .., ., .. . .: .: .. . .' .: . : . . . . .. .. . '>,,;. . . . . .. .. . .. ,. . . I , , . . . , . : .:, . "i'' . . . .. . . ...: ." .. . , . . . . .. . . . . . . . . . ,. . ., . : . . .'. . . . . i : 1 . : ,::., . . . . . . . . . . . . ,"..,,,,, . . .,, : . -., ... . . ., , ..... .. . .. . .. . ... .. .. . . . . . . ,. . .. . , , , , . . I .:c.... , , : . . . . . .<.;:.;.: :. , .. . ,.. ........ .. , , . ; )..,;.,:,!:.:~.:., ,,,:,, ; . . . . . ..:,.:...<.':. . .i: . . . . .. . . . . . .. . ., ..: I .~.. " . . . , .. , ,,,,, .. . , ,. , ,.... , , . . , , ,, , . , ... , , . , . . , . .., , , . . . . . L '.:'. , , . . .. . . .., ., .,.,, .; . ' i ' . ' ... . '. .. . . . . . . . .. . . . . .. .. . .. . .. .. . .. . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .:.Iy. . , v . . :, ... . .. . ... ... .. . . . . . : \.'._. .:, .: . . :. .. . . . . . . . , . . . . . . . .. : ., . ... : . . . . ,.. ' 5 . . . . ,.. . . . . . . ' 1 ' . . . . . . ..-... . . '... . . . . .. . . . . . . . ..i, ,.,:,. . .;, , . ... . .. . . .. . ... .: . ,. . . . . . . .' ,.. , .. , . . . . . . . . ...: . . . . . . . . :......,i . .:. , .... . :.. .......c....... ... . . . . . . .. ..: . :. . . . . . . .. . . . . . . . .. . . ,. . .~ . . . .! , . ,<1 . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . ' .. .." :....... . . . . .. . . < . . . . < . . .. . .. .. . .. ... .. . . .. . . ... . . . . . , . . . .........: . . . . . .. . . . . . . :.: . . . . .. . .. . . . , . ,:. . .. . ,. . ... . <,. . . .
'

c . ; .

.

,'j~;,r#.;;~,. '1
$:,'

.

/

~

. . ., . . . . . ,s ,,.i,, +;, ,:. . . . . .. ,,.... .. ..,... . . : .:. . , $ ; , . .i ~ * .; & ... . . .. . . . .,;..,,.: . ..... .. , .,>,!, ,, .,.,,! :,;:, .,..t:,,! .y.:l:.;>i.* >: .. . .. .;........ . . .. . . ... . . . ,,,; ., , ', , x:,d, . . . . . . . , . ., . . ,...., .,, . . .. . . .. . .. . . . . . . . , . .. . ,..,,. .. . ., , . . . . . . , ,. ., . . . . . . . , . . . .. . .. .. . .. .. . , . . . .. . < ..: . . . . .: . . . . .: . . ,. . .. ,. ,. , . .&:,:; !,,.;, : . . . . .. . . ,. . . . . .. .. .. .. . . . :: .. .!.., . ; . : . .. . . , . .. , . , . . : : . . . . ., . ...... . /! ' . . , , '
',S.
....I

:

'

e&,;$; ; .
,

..

. . ;~,

&.$;,S. ',':: L;$ $;
, ,
' Y ; .

.,. ; : ,

.?:i:-

\

I

.

.

.

.

.

. I

.
I

_

<

.....

'

.

.

.

.

.

<

i.

I

i:

<

:;!:

/

'

'

"

'

I:....

'8:.

.

'

,

C

$

~

'

. / '

'

.

...

\

i

I

.^

i

'

.<

.

I .

.

.

.

.

. . . . . .. . .

. . .. . . . . . .. . .. .

.

.

.

.

.

.

4

.

. . . . . . . . . . . . . , , , 'j,,.: !, ' . . . . . . . . . . . . . i . . , .. .. . . . I'. . . . .. , , .., . . . . . . . . . . : . , , . .. .;. ..:. . . . . , . . , ........ .'i.,. . . . . . . . . , . . .:.:.,, . .. . . . . .. . . . . . : . . , . ,. <.. ....::. . .. . . . . . , . . ,~ . ,, ,*. .. . .. . . :.,. . .. " , . . . .. . . . ..;,,,1.'., ;.:..:q. >".:f . .:..: .'..,.....".. .. ..;. .. .;,., ...,.::'.;.. . ... :..' ...... ..:. .i.."..:..'..:.. ;. .:.... :,>., . .\ . .:;..., i ,1 :,. . ,,.:.v,:,.:;. , ,. , . , , ; , . . >, , .. ; . ........:. .. r , , : , .. . . . . . . c. ..... . . . .. . ... . . ,. . . . ... : i'. , .. .' : . . . . . . ., : . , .., .<..... . / , , .,.,I: . ... . . '.:i.:. : :. . . : :.::r . , : : ~: .;'!.:: .,..... , " ; , ; .,:..,,; " ...%..:.i . . . . . .:. . . . . : ., . . . ;, . ;.:.... ., ,. .,:,. . .., : :, ; , . " . < .. .,: . .. .......'..'.....:...:...:r;.; ....;.... . .. . ' . . . . ... : : ..;i..:.. . . . . ; ,,' , , , . . . . . . : ........... (l' . ,, . . .. ' . . .. .>~ . ..i.. .'..: .. ;,\"; :,.y7i:-"'.>:!.',: ; ... . . . " .. . ...... , , .,::-;.;.,\;(; .:,.;. .,.;..;?crc<.,.: ? . ' . .. ' . : . <. ..\:> ,(* ; .. C ....... i:;:, ,j ;.. ...,.... ;,,, . . . . ..! . . . .. . .. ..,,<...< ..",.>.,,,:;,, , j:;;..'i.;.":..<;.. b ..:...L":Z&';;,*,r;;,......2;;:,<,,r:..:,.:i,. .:,,.;:, ",:, ..;;:~;..i;:,;;2;;;~I.'.:.""":.:~.;i.~~.li'.:..:':. : : . . . , .. . . . .,.,'.', .. . . . ...' 5'. . -.>:..:.. ...,?v ,. ?>V,d ....... ,,,. .L:,... ...: .:::.;,.;$.,:;.:::.:%.: : . .. . , :.-. ...$."I<* - , ..: : . , ,, 2 . , : ; : ~ ,...... ,,,. ,; , , , . . ; ; : : . . " . . . . . .. c;.::.:i :i I , ' . .. ; : : , . . . . . . .. .. '. . .. . .. . ..::: , . . . .. . . . ., . .::<........ r.:.<. ,.?", .....*.... .. . :,. , . . . . . i? ....*.... :::,: , . ..... x;.~;,:.;:::.!?;.:,!<i: :,', :.,.:. ,:.,,,c: .......... ., .>; ;f: :.; c <>,:,:. .<.,;, ~:~;;~~!~~:!.~,;~:,.~;;~~~;,,~:,~~~,~;~:: ,>+ ; ,, ... , .. :*;; ,v>.i.. .; ...... : , '....<.::,...:...;'.-; .: i.I:. . . :, . . .. .:, .. :,. ;:.' . . . . << .. ,. ..%.. .... . . ,. ,,; .:,?, ;:./,;:, ....:,.,:. z;:!.; ,:,;:i......... :, ~:L;~,c,,,:.,; :<.;!,:.: ;, , .; .",~,.:!.;;~i.:~:;;:>~. , ... *:::, .,'.'..'~,': :..':.; :.t>- ,:!:. ; !:.''..: , .,"' ~ , . ' , , ' . : , ' . .:,.".:. . . . .. <: ; ;, . ..... . .. . ,. .. ' . . . i2'.:.::. :;:.,',:: ri. '. ,?;. . . . . . .,,,>,L ,,,<., ....;...... .:. . :.>r......, ". :~:.:i_*::;;,~.:. . :; ..:.. .,:.;:..;:.:~;-,;>,,.~~,:..:.;,~,;,:>j~~.i;.. 7 : ..... .. .: . . . . . .. ... . . .. ,:'. . . i: .r.::.j;,;' .. .. . . . .. ... .. ....... ...... .;,c.,. ,:':.> . ,;.;'.:.." ,... . .- ,. . .. .. ... ... . . . . . ..... ... .. . . ..::,,.: ... ?....,.....::.1.:. .. . . .. . .. . .... . . , .., 'i :,,:,. . .... . . . . . . . . . . . .: . .. . .. ;..;. .: . . . . . . . . . . .,,:,..:.,,:: . > .!' . .. . .. . . , . .:',, . .. .-. . . :... >,. . . . . . . . . . ., . . . . ....... ,:. . .. . . .. , . .. . . . . . . . , ,,.. . ! :' . :. , ..' . . . . , , .'. . , . . ..., , . , , , ' .' : . . , ' / I , . . '. ~ ' * ,. . . ! ', . .. . . . . . , <.' . . . ,. . . . . . , . . . .. . . . ... . . . . . . . ;. ... ':.. . ..i. . , - . , , : . ., . .. ; _<'.. . . . . . . . ,. .., .. . .. . ,: . . . , . , .'. . . .. ...:. . . ... .. . . . , . .. . ‘ I>,.. . .... . . : ,. . .. . . . . . . . .. . . . .. ..:.........i........... .. . . . . .. . .. : .. . .. ... .., . . . .. .. :, .. . . . .. . < ' . . . .,: . ;:.;,:.. . . . . . . . . . . . . . .1 ; . . .. . ; . , . . .. . . . ,. . . . . . . . . ... . . . .. . . . . . , s . . . . . . .. ... . . . . . . ... . . . ... . . ; :"::..........: . ; . . . . . . . . . .. .. _ . " 1 ' . , ~ ; '. . :.. " .. . . .. . . . .. . . . . . . ..." : . . . :. , . , . . . . ... .,.:....,:.. .. .. , , ' . . , . . .. . . . .... . . . . . . . .. . .. : : . . < ,,., ...... . ..: . .. . ,.;. . . ,. . . .. . . . ... ....:.. ..;.. . ;:,c.,: .: .:.. . ,:,..;i,.., . ....:........ :. : . . . :. . . . . . .. .. ........ . .. : . .* . . .. . I ' ;. . . < ,: . . . . .. ;,::',i . : . . . . . ., :, . . . . . . . ,:<. ....... ;,, :.;:; ::..,.; ',:: . .:... . . . . . . . . . . . . . . .. .." :" . .:: :[::: ':..". . . . ...;...... .'..... . . . . : . . . :.L;. . .: .. . . .' .. . . . ^.. , ..... . , :" ,, . . . .:. ........ .'.".. ...... .. ,,., ,, .: . ...,..... . . . . . . . .. . .. ......... ........:... . . . ': , . ! ~ . . .... : ...:... .. .' ..; ..:.......;. ..:2,..;:..;:: .x . . . , . , .....:s.:i...: ...:.: .-i..::i;::..:,-r . . . . :. . . . . . . . .. .,. .,..: . ':: ...... ...... . :.. , .,<. ........ ::.: . . ... ., . . . :',:-. ....... . . , -.: . . , , . . ,,? . .,.; .. . . . ,. : .,,.,;.-i..: ..:.. .:r:..,:;j. . . . . ';'-:'.. .. ~ . ;:,>... .. , . . :,: ,:; .",:.,:; .~: ,.,,;:::.:;:.: .i. .> . ... .,.., , . , > , ., . . , ,, . , ,..;:".:.:>:" . . ...:..L. .,..i':.;,,.'::,,.; . . . . . <,,,.. ,,..~. . . ......... . ...... :;. . . . ,: . . .. .. . . . . . . . . . . . . . ..:',,. .. .;': .. . :..~,,"."".;';:',,;?':: .;,. .: ,, . . .. ..;. . .:\'..:';.' ,>": . ..L'.. ... .. . . ! , < ...:. ..... ,.>.'.: . : ,,,,.,,.:.,. 1:. ,: . : . . . . .:. : . . . .. . .. ."j >,: .... ' ~,;,.:,. ... . ... . . .,.C:,,.. ; . ,,:.: ...... :'. .. .. . . . .,: ".i ".' . .<.; ....;..;...;..<;.;.. : ; ; . ?. , i '. . ' ........... . h . , .' , : : . . . . . . . : ............ , . . : .,.,...'.;:"~~~!;;Ji.l.. ;. . .::.,: . .,.. ...." " ; , ...*......;c..:. , *t.,':$Q;.:.:.~:).. ,: , . . .,... .... ,L ,,, $ ;,: yi/t'j,,:-: ;' , -, .:. . . . . . : . . . . . . . . . : ..... . . ::. .................... ..<r: ,.,: :.a;. ..,. ,..,: ...'...'.........;". .!!':c i;::>,:,,,.;:.:, :. .... *'.'<......'.. ::,;,.#: ' ;; . .:., . . , ... ... ,,.?,;:;.r*:. .. ..:,;:. :.:, .:: i:!, ...;. ";'.-!+ ....". . . . . . . . .. . . ... . . . \,:?:;..,'. ..:,,.i.; ,:;:,:\,,, ': ;, . ,, , ,,:: : ! ,'., ;:: ,r;,+q,:; . . . .ç: . . ,.'.I : . . . . ,, .;::, . .':, , i ,,:c. , , . . .; i.,.,, .. . ' > : : . , . . . : : . . . . . . . . . . . . . . .. . ,.. . < . . :. :,,,:.;,,: > ,<,?,, , : . ,, . . : '. ;. ,: .: : ..: ..>.L.., : ? . i : ,, . . ...".; . . .* . . . . . . . . .,.." . . . .... . . . . ... .. ... .. . . . , . .. . ' . ., . . . .!. . . . . . .. . . . . . . ; ... . . .,;, ;:, .. :..::::..:.):;::; :',:1', .:>:;:.,.'I.:' . . . . .. ? . .. . . . . i ; ;. ..:... . :., ,::, ;I":.: ; . ' .. . . . . . . , . : . . . :'.' ,:;;i . .. . . . . . . . ,' . .:,, ; . . . . . . . . . . . . . . . . ; . < , . ' . - . .,. . ,<,',',:,...? . . . .. , . ., . ,,,,. . . . .. . ,. . .,. . . .. . . .. . . . .. . . . .' .. . ...... . ... i, ...;... " .,,::.,,i. . .. . ; ' . . . . . . . :.. , .,... . . . . ; .... ... .: , : . ..i . .. ,. , . . . c ....:.., ..... :. ,., i.:,. . . . . . . ..,: ; " , . . ..,;,:.:;:.: .;;:< . .:..>!$;.:<,,*'.: .A.. , , 1'..:.:.." . . :' . ...". . . . .. 1.: , . . .. .. .... ,.:.,.~,~.>~,.:;.. .;. i. ., ....:T. ..........:;.;;.r:;L;.$ ... .:., . . . . . .. . . .. ...,,". . .: : . c .:,. .:. . :.. .; ;! . .... . ... .:.: . 1::C; ;, ...... ...:.: ,..:;;,:; '. . . .;;,;.,;":.'p,:. . . ..;. < :;.. :'.: ::..;'' :. ..........:. ..;....: .;... ! " "..:..: .. ::. . : ':., .....: :.:,:':",:::;:.i'~b; ..... 1. :,:;7:.>;;.;:;;:;j~;:j.; : ....... .. ., . . . . . ' . I . ). . . . .. ... ...........:. . .'....'..'. .; . ...:.. ..;.,..:'....: . . ..:,. : . : .....,,,.,.;,,,, , , ....< c .. . . .; 7 ;., ; < ; , ; ; , . " ~ ; ... ;. ,:. ...... ,,';!.~.-" - : . , ,; ; , . . i ...... .......... . >..::.. ... ':.. .. .: . " ., . , . . !... . , ...:. ::;'. . .... .:... ...:' ;':.I. . . . ...... '..)':..,,. . . .. . . .. .. ..v.,. ,. :,.. ~.:.<?."> . . . . . ;, <
'

~

~

I

.

.

.

I

.

i..

-

,\ ; ,

.J.>'l

. . . i .

....,$

:.

\

; ..":......L

..

;':!'L'

.

:; ::'

'

.

..L...

-',."

..

4

'^

"

; ;
L

:

..

....
'

.

.:, e;,'.
.
8

'

:

'

'

A

I

.

.

"

'

.I...

,'

.

. : .

.

, < .

").

.

.

.<;

'

I.

\$),

%

.

.i.

,\

. . . .
<

.A',:

'

;';' ..'.,

I

.

i

.;.I..

: i , . .

"

C

.

<

.: <

...

.

...I

...',

..

...

i, ,;,.> .

"8

:,

.,i,
;

*

.

,:>S.

I.

1 :

.................
. . . . . I . . . . .

. . : i

.

.

.

;,; :

.

..<)',

'

.:I.

~

Diretona de Ma&eting e Comunimqão - 1116 Brasilia (DF). 36 de olattabr~ 2001 de
,,,i..
i;

. ,

148

I

Sr. Gerente Executivo.

!

1.1

Campanha Visa Electmn
I

1T1nfoma~~s
3.1. A Diretona da Varejo demandou a g de comunicsçho para divulga@c da funga0 Ço Etê.ctmn nas cartaes BB, qw permite a reafira@ade cornpns. com d&bieio automhties na conta eowçante.
contrato com emiss~res c ~ & ~ EW. s , m VBIOP R$ "1.7798.564),00 (dozemilh6%s, de I de seltsçeratss a noventã e oito mii, quinhentos e sessenta reais).

E .a,
a T
V

c

a,

7

3.2

A campanha será custeada por verba de publicidade da Vissnet, referente e
I

\

i
o
T

u

a,

O
C
a h

3.3

Por essa razáo, as açdes debem ser aprovadas tanto paio BB como pela Visaoet.

O

.O

4.1 Por meio de pesquisa &i+ pai8 Visanet, foi percebido que grande parte dos portadores daç cart&s Visa Electron o utilizam quase que exclusivamente para a fun~&a movimentaçáo bancária saques, saldos, extmtos, etc - e que muitos portadores das m@d@s crMitQ, que wnt@m hii@o dSMa no mesmo piaiãltim, sequer oonhecem a de a existencia daquela funa~ao,

-

4.2 É da total interesse da ~isdnet divulgar as facilidades e.beneflcios da utilização Eampanha d e publicidade está sendo veiculada da f u n g o d8bito. exglmnífio o wniceRo "Visa Electron. Igual ai na midia de ma$=,
cheque. 56 que melhor"

7I

-

I

I i
I

I

4.7.2 Midia (prodil~ao veiculdo) ........"..,R$ + - adesivsção em Snibers - busdhr - adesivsção em 6nibus - beckbks adesivaçãa em 6nibus - !afern@ur, abrigos para 6nibus - meti-o (adesivaçgo de vag6es) I - siutdsor I - adesitta~ao taxis ena - rnfdiá em shopplng wattefs
& .

, -

I

q+'e

Propomos:

Aprovaeo da iinhs criativa campanha pan a divulgaçáo da função débito nos ca~Cetb com 4 i i e c earnkiniciia@e, pwistas at6 iunhú de 200". BB, 3gP s k
5.1
5.2

Ide

(D

a
O

CV

Subrnatei aa Canseiho Direlor, para deliberapão.

-0

Q]

.E

d)

Gerente de DivlsBo, @.e*.

e-'

De acordo. Ao Comité de ~dmunica~áo, d
,"""**+..
"L .

0 \ :-

, ". :---

-

e.+'2

2 -F
8
* '*

c O

O .O

\

'%a .
b

CAMPANHA VISA ELECTWOM Pastreer DtMAC 11% 6, de 116.4 0.2001; Vob DiMG, de W8,% 0.2003 ; -Despachei do CsmOt4 de CBomusaicaggti~,dee

-

1 I

23.4 0.2001.

p 8.
I

7 0
a

-3
>

e
O

O Conselho Diretor, 6m reunigo desta data, aprovou o Voto DIMAC, s I&. IO.áoOBZ, com o registro de que OS Vice-Presidentes Ricardo Alves da Gonceiçi3o e Ricardo d e Barros Vieira abstiveram-se de votar. por fazerem parte do Consefho d e Administraes da VISANET.

Q
L

C D

Em 23 de outubro de 2002.

'

Cai taz Aghiicia

* ;

.I

ç : g r ! A

hlídia ponto dg 6nibijs

Traseira Becftbus

retona na de Marketing e Comunicagâo - 2M)2/1339
Braçáliã (DF), 26 d e julha do 2002
$40

3.2 83 2.000 00D,ii0 (dois miihdes di, reais), com recursos orçamentádos provsn;eqtes d á Visanel.
.8;&formag&sxò
a -

7 7

u
\

a,

t i
O O
7

1

v*..

-I-I

: 4.

O plana Diretor 2002 PY@V& que o Banco deve manter a tíderanga f;m dFkk3%ento de cnn5es e aumentar a quantidade de cartóes novos com a funçãc

a

c~eigilo ativada.

i

-

0-

< "*uA.."T..,-"-

F

1

O

.I

8

O .O

C

4="@en&rio

bcanitica66es diversas: objetivandrs i~drementar partieiprt~ãa a tanto no m@rêado vartòeç quantQ no d e compras, g t
, , L, . .

Ser$wrtds8 Diretoria de V a r ~ j s flknaxo I), a cancorr6ncia vem praticando prorn-;õ@s e

-..qc..-~dlr %i3.

\

L

1 3 O Pragrama Clube a u r a .
VEkabe OUPQ O U ~ ~ C programa de reoarnpensas que, desde 1998. permite aos E O rrlien;-es de ?ames Ouraeãrd troca doscpo6i~ç acumuilados. por prZ.rnioç, serviços ou ~ ~ S G & F R cc;nstari8es do CatAiago Gluba Ouro, par programes d e companhias aéreas. ~OS
(:a

i

,

foram readizaidos af&dezembro de 2081 e consistiam na troca d e pontos do Clube Ouro por numeros da sorte para ~ c o b r e a pr&rnios diversos - automóvets, r viagens, crhditos no carE3ru:-- com base ntl resbitado da Loteria Federal.
0; 1sofic~ias;

g.
T

O =?

1 Momento Mágico Visa 2002*, a qual pretende atingir os portadores de caitóes Visa e 4
@'-

Atualmente; e paralelamente ao Programa do' Banco do Brasii, a Visa do Brasrl ests p~ornavendrssorteicts mensais d e prêmios, numa promoção denominada "Sorteia
Visa Eíetron. A promoçao vai até 31.12.2002.

' 7 "

e
O

O A

d

0% pré?rrriocpconsistem sm crBGfitos; que totalkarão R$ 2,7miihoes. A cada R$ 70.00 icr6dit~) R%%13:Of3(d&bífo)dá direito a I,cupom. e

SORTEIO
C P , 3

2.

a . a. r b
O O

3..

Serao recafizadae; 06 âagSeios, com pericrdicitdade rne~lsal, cidade do Rio de Sanerfo, na dentm dcas depend&saeiasdo Cepltra Cuitutaj Banco do Brasil - CCBB. .. No primeiro mfkein. que âe reaifnarárna dia,Bg de agosto de 2082, será oferecida um

$T.*

'b~s~rich'' 50 convidzdas, rndicados pdBs Djr&o~ias Varejo e de Distribuição. par2 de

PREWIIAÇÁO NAS AGÉNGIAS

Ai=rOç a aptrwq&o dos sorteios, a agênck detentora da conta do cliente solrteado

:eeeberA um kif d e ambienta630 e outro càm brindes personalizaidos, q u e dever8 ser entregue ao ganhador" naim evento pireparadoJcondutido par ela.
ENTREGA S~MB~&B"A PREMIO BC"
'

e@
,

~~2?bbll~í;g OQ Câ6FD
<

Serão rafah~ad~s qtliãfm eventas de premiação nas cidades de Si30 Paulo, Beio Hni;taorrte Rio d e Jane3.1ro e Brsasília, onde cada ganhador receberá uma chave

9% hadores serão drvjdidos nos quatro eventos da seguirite maneira: gên
4" @ B B(?Q.á)g-02) 35 ganhadores da l0 P @ 80 $ sorteto - S ~ Paulo - " o Brasrl Q Tm [I 4 $bsf 30 ganhadarrx~i 2 O e 3* soitelos Belo Morrzonte PalClcro 3% Artes do - 30 3" @ W @ R ~("I!.@? ganhadores do 4 O e S5"sarteioç Rio de Janeiro - Gaden bla31 O (3I .OII.OS) 25 ganhadores do6" s q r b ~ o~rnericel .~ Hall 4'

2"
>."I --.

.ado)

-

-

-

1
(

Dv+ilonade PAarketi~g Ccrnuntc~qCo e

Id-_____.._

__.-

-ICC_L^C____^".~--.---"7-------.----

e.epcta de Pranoção de Vencias
i

- -'

".".....*
( \

:'
L,
<

('

\.

i

1
"I

I'

6

4 I

M eacoiha dâs cidades para a r~a/iz(agãa solenidades d e entrega simbb!ica das a das sfiaves dos automóveis levou-se em cpnta:
4

I

@;&ditoOurocat-<n VISA7
%'

0 s estados de São Pauio. Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal, além da Bahia e do Ria; Grande do Sul, qds ppssuém a maior conmntsação de cartcres d e

Facrlidade no deslocamento e acohodaG3;Êiodos ganhadores.

Fara o evento serão convidadas 800 Assoas e cada ganhador &r& direito a levar um acovig-fanhante. C~nsrstir& olâm G Q ~ u ~ & / ,cerimünia d e en'trc3ga simb0lica do prkinlo e ' 2hcxev o=amartista d e tenome nacional.

()i*^Competir& R Diretona d e Marketing e Comunicação, em conjunto com as ~ireionas de
'@Varejo e d e Distnbuiçác, ddinir os lochis dos eventos, até 30.08,2002, desde que sem si"l~ag3o or@8m&?igff&~i8

cv a, u

O O

C D

" "

5

------

I

-----

-

E? .-

a

A

1

,

t m
T

a ,

D i i a t ~ ~ que prev8 a manuiençãb da liderança em faturamento d e cafl8es. aiém 2002. ds iw-a-gntatztn-ta base. da

5. I As a@%?? p:iimouonsis prevjsips w ~ dar maior visibilidade a estrategia do ~ m -<anca do Brasil. d e fideiizar os qartad,ures d e cartóes de crédito Ourocard E; incronentar sua utilização. contribuindo para o atingimento da meta prevista no Plano

u m ri
O
O
<C

a,

7

7

a,

\

.* *'

52 Alhrn disso. por despacho do Cornitg d e Comunicação. de 08.07.2002. exarado sobre a Nota DIMAC-$7 11, de 28.06.i2002 (Anexo 2). foi aprovado o investimento de a@ R$ 5 300.000.00 (cincci milhdes de reais) para desenvolvimento da Campanha d e izfemga@o d o Clube O S ; ~

O

.6

O .O

c

61 Propomos apiouaçáa do investimento t t l de até R$2.000.000.00 oa (dois milhoes de reais). a serem captados junto / Vissnet. para o desenvolvimento das açóes I t?r~~.gãocionaj% relativas à Campanha d e Premra~ao Gfeibe Ouro. do

t

I

W.

----- ------- --------Daspseka de Conselho Diretor

i

Nota Técnica

. ,

.................
'> d.

^

;

i ) . I , ,

.n .: T! : , ...~q'.?L.k.: .,C.,,.;:c:.. .;.,.
$*
'*7*
1.

....

.*........

.. -. ....I._ ...+...
.,*

....

1
I
I
C-

-i
n

n
, '

a,

I".

';: ,

:

<

,,-* :2: ,~., . ;

.....

i;G .t ?

,. : , a . , ..

. .*-

<:. . ,.:

..S.

.-.-..

r ; i i . i l ~ ~ i a ~ 50.d.j. fc4.j.02 -;tjC
,

,

.-,

E

a,

..................... ..............................-*. ........ : , "." _: V"". '" ".'< . ., . $ <.?.Zq& ~?;Yz,! : ;.c..:
,v->,

".

..............

.-_

_
5

-

7

c m

1
I

a,
7

:

.

.. . .-: .
r

..
4

.

. .. ,....
,

: , ; ~ , ; f ~ j ; . $ ~ ~ ~ ~

....... . .:I ,.> > . .;. .
< .

...

;r(!.;,z-;.-$,1: i ; -~2,,::
:+::-:r

. ."... . - ..\,. >.;' ;-.;;:;;:>~h,2 . l'

<.'2~".'\;:'*.?~,<$2

...;......I,,

,r.

, ; : $;; : i ;i : ;>e2a!-j;ae? 5 : i

investimento de R$ '4.500.000,OQ (quatro mjfhões e . . . ~ . i a * . cpbr verba do Funda Emissor ,da Visanei: ref&renle d~ a,
:-':,.-*,-

. c

' ~ 3

a,

I
2

Visã.

I

............. . . . .,/,, .

.............

....... .. --.- . ........... . ?...,L..." . . : * ?~\ r,:>r;..: C<<i!{. .....+ , .. .

-

"..A-

#

7.'

."
a

......^ .......

G O o
O .O

7 ' O

I -

!

c

,.yd,'->,

,

.

.

. . ..., . ., L . ~ ~ ..,'

,,; ;. .o

. ........... .,.. .: ." -:c: :; r . . . . . ., .
,
'
:
.+,.I*.

zrviir d i i m a ~ d o u ação & cpml;nica@o 'para .,di\luigaça~t da >. <.*<*:.:.., . ' ... .-,.., ... ;. -..........>.. ::. BÍCS? q;;yuepermite st realizaçQo d e compras com dBEito ... :,.-.. . , ,.,".,_.... ;;r:::?-f2y:t2 ..*;. <:,3 ?8n&-J
*

.-.,

.

.

. ;

,

,.,-.a

a.,.:<~i'i~~

?. ." ~

->,-.

8
. .

".<.

?

:

",::,"::::~,"

.-

.....
.

.. G.~:...c;: 2::
.."<
~;:::$;

..........

....I....,.. ;$

>

< *,

.

.? i,.y.'~...,

!::{:';:?gjl
~ " '

>

-3

p f i m ~ . i rbanco a lagçar o. cãrgjo de ri8bíto. ~ i:;iiuirh fun@o dahito em seus cartóei d e créc'ito.
ffjj 8
I
4" .

I

.

. . f. -e ,-...... +..i ~ i !-aiia he 6 3 milhões de carljeç que possuem a i ~ n ~ ,% i*;2 o.ii?.:r..-.-i-;i>.. . . . i ; < i z .C* :, i'-r, ; zzcimehto do mercado mundial ci: d e 25% arr, âno, sr?ndli, :. ; : c :??.;,s i<$<~,;:$, ãs trânsafles utitizando funqão d&bito já ~Itrapassaram 5: :.-)..*i,..": . ,: ...Af.33:-:+rl , .,,.. ,.., ". ,.;: , , .v4. ) . ' . 3 ' i:iiaçi: as ti-ançações debita representam ?i6 d a s ogeracães 1'

.., .
. S

- ,. .
.

. ,

, . , '-..+.,..>;.s-. ,,$>.",rl'. .
, , .I:
* e : I . .

?

; ;

; ,v*

;i , ..<' ,

.

\C.

G..,

<..,<..L.

"

<,.*.,

-

-

",',

,

o
,

. ,

+a->..?

." e.

a

. . .
,

.-

.

, '.) :.,. :

...

, ..,... "
.,.y. '

,.>.: . . :

2 ,

. .

....?...* ....".. ..,: i-%vris .p/9o incremento do uso das transacoes eletrórticas . :..; *.... -,:i: I'$T,"iCi: r :r.:*2r:;:5 ,d ; ; comeicjai e banc$ir&, regisftrada nos úftimss . ...>......................,i. :...-. ......... . . . ~ ~ . : : , ~ , . . = . e : : . ; ~ 17; a;~?.s 7 piano Real; (3 a aispcnifjiizãção d e redes d e
: "

.

.
. .
, :

r ,-,:.~.- ! ............ , : 2

..
....... .

! ,.<: .

.....
fi

c-;,?

..
< ;

I

I
-\

e.....‘.. G.:

. >

"??,

.

; .s22y,.

,,..

>

$; .iI 2

..-.....

... ....,r:':

.".'.
'

*. :.y.
#:>L ~

.

4; ;
.lu,.

.. L;; *>'

" U ,

>

i

!

p& &$
@
&

. ..

"

. . ., , ,........... "*.".-.,.,.. __._._.. ...-.. .-....-.X^---...l.__.,X ... .........-...+"" j. ;;:.-,: i.:jG,;i:G $ .... .-;" ? ...... . e " ' .. ..^.'"\ ".. i-.* . . , . L . ,: v V

&

,3.,jjiF$i,.-..' . -..-.
.v*

iii.d:jiivar a a6itaçãc e usoda fZnçgu Vic.. C I ~ ( ; ~ EI .GÜY C;; - ai. Electron nos es!abeiecimentos afiliados, ,nos ......,* ..........i: .. !p,dg & $lj&i), : i;L* . . ; ,* :, _ .: .
- -v.

'

,,

.*

B
#

WiU

,J

<

8

m

i

'
-'I

"2

#&
C

.

;.**'<-c.I

:
,."

" - ,
I

-

-

<

"

"21 ; * 1 Ã
\

. --

--

.- AS
\
L

.?ib% Ciecbn

e s t ã ~sendo graaatIvamente substituidos por ~ B b i i 2 crédito. Contas novas e cartões Electron venados e t: rcnforrne ai definigSo de Qébito/crédllo.

.
,.

>,-

r

. - -,

* ,

- ?.-

a*

--c .-

s :

diferenciais mercadcibgicos sara poi~adorecdo Visa

-,

">

. .. ., . . aL2T;2;??,:
..S....

. ; ,

,

............ ...... '. .
,,

crédito através do CDC Eietrefiic:, {çomenfe para ; ? ! E ;gz$ ~ h ~ q especiais do Banca); e ;;:$ u s ~ " :i.. : : . #i - ~ ' F Ioi-6-datar compras até o p r ~ z c 90 djss (djsponjvej +4i~sCici,lvc21;1~ -.& de ,." . ,., : -- r .. >: ., . 1 :.c, . ;lSSSQerri iin-iite CDC pr&-ap:ouado co~lraicdrj tipo 3
" I ,

,-e.3 ;< A .i

9:; ,:iz;i,cái i &~.ompras : no ,-..y: '.. >'-. .... .+. ,.A L.. ,.i ..,. -.;+"i .,i: L; cüm -fun@jccrécjjio

,." ".,.?.>.

.

Clube'Ouro! desde que
a$i\/a;

3

ciiente possua

L;m

i.
. 2
. , -

iifiiil de

?'? ,.F. +..

<

b

,

,a , ,

;.V

"V

.*-

.* a:

<!ilt_'i,

?:,i.--

-c...-.,

i ; d ~ , @d~ s cae(jes d e dcSbjto e cr&-jiicdesconhecem a ç i.'!Qs váf"ioç estabejecimenfos .:. 5 credenbiados, :,"j;9,:;z ri ' c2.-rk.?,. .+~ + C+GU c S ! ~ S . . ,?,:-,- , G i . .= transiçtes bancdriaç fio ambiente do Banco e na . -:.. ..-,:. ,.~*.->.:..- , : >:!, : ;.., -i:. . G~ n f a i r n a . . descrito no anexo :- S&f;i,p?g do pmduto.
I l , i

,.?

. .. . . .

..-....... .
!

: : ;

2 :

..: .

. L :2

,

C

:

.

,

- ,.

:i : :

- ; :.-C . ?!

e

rd-

o, ,

_<

:

.>.
.? .

.",. ..
i
'

ra

,, ,

. .. . . .
. *L + ,
, ' %

.-

.. .+>. : , .-* : ; L S L Z ,:lir. ..<i.,
:

,.,.. .......

?i,> i ,c ,; . ..i- 5;? -22 - * ... .::-:,3 C;<'. :,i ..:. {,::...; ,-.:," , . -.... .,
; : > ,
'

-

...

a CD
I U

,.^

O O

!

o,
> .*., .

t
;

.-.

'C

.:
ir

.

..-' , ......-'':i-:%s cio BR, p~&dores de cafiGes ~ ~ ~ ;;y.;.:;r>-<."+.:, I..': . c.; L' ..- ;.*&.e> -,>. .;,..-- ...""Y .^ .". :iistas BB:Eeen; ,.-,;;.;.>+c:*?2 ,,. *,---.-", 7 : 2 ;; <> i.>+<,*.; ;o: i C,; r4sias . BBCCsmgus:' . . do .. * * r- . u:xv-G;:. . ~ . ~ ; : ~ C ' : ' . ~ . . : ' ; ~ J ~ ~ ~ Especial <*..~,;::, ; ..... ,.\ - .* .-. ..,>: P S : : ,.?~&-.3l<?efli a Conta Especial Ouro e t-+oupadores.
% ,

' . .. ,, .. ~ " . :> : ..., .,.,,..
. V . . '

..1.\

(.<.

<,\.

J 2

*a,

.% . >-

r*...\..-

.-.r

:

:

j

..... L : , . .:.7r:i2:-<:;-. *... .,.Lpv"::>;T

.... ,:.,*,
>*$
.-.A.

:

................ ! -:; * ::.
, ;
2"

-.

.
,.

.

>,v* < . : , . ; A i $ ; ' " ? ? .i. ,,?$,,v.
.A,->

......" . ,- ".." y . . : : I . : ~ . ; ...........

de Tiiiha: para ~ s ~ ~ b e / ~ c i m eque s n t o efetiiem e .-::*.e catorze tians;qões com ~ ~ f l t j e'jfs~, ç até s ~ - ,. - ;-,c:; rrti -. .........- .!.I.;.. vendas c 3 " ; a e b e ~ ~ E C ~ ~ Q ~ , i 1 (c E
...%.!$r2'

:

''''"b+'-

., ... .-, \.. -,, .-..'" : '. , .... : ,! . .".,, ,-, ;i .":!:d;:;>Q ? .... ,..\ .., .-.. ,p , ,,;,-, . ' -. G,- . : ... '.: ... . . . . , . . . . , ., .- . *.... ,+.-.., , -.--i . : S . ..

~ L para 2 atraves - - . ;.. ~ d i ~ ~ i$dOs% evendaspar&pros:d e 'feir;.inais ~ f r seçujn$eç

-

-+

.

;kriz,

,: < , -

?

, - ! C - * ~ ' ~ . . '..v.,;

v-

-.....

............

.

2

.

Banca 4 de 7.751.776 cadões, sendo 1.593.918 do

débito (números d e ca;ióes ativados)? &ander]d~ 9s

.... .-

'^.

-.>,^>

...

'

.

-

~

c

~

~

c/assiç;

z.jet;~ni~~~

.,

t

#

~

;, ÇQ

oara rkaiizaçáo via cartáo d e d6bitc:crédito é a venda), quv é um equipamento eletr6nisa de -+.i:;!i2aua ;e es:ar?eir;-::-rienl de grande porte e integrante d e seu sistema de á~t~r?hç2;: çomo - %r:e:r:,al ~~egis'eraboras), os instaladas nas Iojâs do Cal-refour,
r >.i

+; :;:;-i;2

;T:p:.- , -$.;-.:;i ..>ai d e vendas
lwFv-%L,q

Li

~ s ~ t L ; ~ ~ y j ~

V .$.:t~ <d,e

> a

L,*.:rzi +<tas;~i.ei~

~ 2 . l Z A i pesscas fisfcese juridicas que se utjlizam dos serviços d e alliação A, cznd~ira \iESiS tê37 3s sec;rrtntes despeças:

a: r' 38.C3 iiricta c- n o v i reais) como taxa d e afiiiaçà~ custo incorrido com --

-

c zaciastrc; cio 5s;staaeiecimenta:

a,s, S
=L

2:

z i u g ~ o mciisai aos t e rI p a i s : i P 8 S (aitiiagão e patifir d e 0111 1/02} ................................. R$ 65.00; ?OS campaitilhado !(a partir d e 01/07/02) .... ...................R$ 98,00e Leitor Se trilha (a pakit de 01/07/02) ................................ 30,QO. R$
h
I

I

(D O

O CU

-0

Q)

<:I

c~rnorss3c u b , 7~endas/sei?8iç~ç ~ ~e efetuados: contarme tabela (anexo 2 ) .
..<h.

.2

& * $ S :<.{i. . *.v.,-..\" \,&i, i.eqei:i~ :n:r~=3u~idí.l VfSA, ainda coma piloto nas p r a p s de São peta . ,,t.i!v v 5í-asiiia o 2ébiã1~ "pr&datíad~"atrau&a;'docartão de debito, denominado . . . * ; ;--v-,-, tz 'J ; > < ~ : i '2:;sa %%.i, versiio 'para pag-mento a prazc?em 3Q: 60 e $6 dias,. com 4 2:fe:eiiz:o.i r?i-iiad-;!ic,i~-?i!e representar risco de inadimpiência para o ..... ;.. ... .r..., . rt.;t ~ . : d : zni'no ~cil;:rre :% UZTYI0 cheque (anexo 5 ) .
-.
r..
,c . ,

E

a
Q)

"A,::

<.A$

P
O

-'<

r

t

; &. !

7

!

e:
?

a uttfizacão de cartões Ouracard Visa pelos 1=::efsi~s a marca obtlda em julho/20Q2, onde fai ultrapassada a baneira de R$ 8B ; ~ ~ i f ..r;s s rdtuf;?:176?hG i.i~er;s;a'i, i ~ com rnavirnenlaçãa d e R$ 668,? mifhdes em -..-+~)es z r é d i t ~5: 6 2 54Sy8 milhães com cartdes d e debito. fato histórico nas -;c 2
g v b 4 3:~'li~: s?gni.íivai;;vo quanto aadc
J-A.~
. . , Y

I

,& O

iu

E r
O .C

L+ ,.

.., r\.

" m<f./.-aLq<

7 6

.C,2.,,, <,;,.

'frS2 '?3 l t ~ ~far%exs t ci 4).
9

.O
I# I

-

Õ
f.
i

4 5 Od~s ! Z ; ~ O S02 ~ R C ;em h~ivida . U S intensa campanha pubiicjtáricr et negocia! das ac;i:àe;rzs Visa e MastercaCà R Q Brasa, visando aumentar a base de clientes d e -8r;ões Resultado desse trabalho é a ampliaçáo do número d e transa~bes I :saiiradas COT caitóes de ciéd&ojedébito, migradas d e outros meios d e pagamento z c ~ i r r 3 cheí~,ue ni~merziria. l~ e ampliando as alternativas para portadores de cartoes e >ara s;tllrzac;30 da produto. Muitos dos cheques e da ntirnerAric a s gerspectrvas ; ~ ~ r ~ ~ ~ ~ y - e r i z r ~canasí tradicionais (caixa) e automatizados ( T U ) est3o ,,,., e n g . , c$-íd.5 & ;t;,w:k .495 9 : ;; snsaç(jes vri.euais feitas .; ~~Tfões.
C--,

;i

,S. ':i 1"
,

*.

,

< ^ :

,. .
'$ 7 i ;

. .

.,
,

.. . <.,-*., ;L*. ....-. ,$. ,. ., !?> :."j
?

::
'

L r>, *--+.:i< . L . s d d odados ~
L

sobre transár,&es d e cartoeç Visa B@ nas

. .. . ,q - . .t.t.~2 a 2i7ipi:3iA iaiufamento do .Banco no mercado d e cartóes e consclidar r: 2 p:isic.a.,: dc: riaiar faitirzlfiz~1t~ Eleceron com vista a aumentar a influência ds Banco ,.* , csr?-,acçic2; ssio;;&i-i. c 3 7 Visanet. I

c

c .

,P -7 I f

6

U

. .

. r r

1
I::

.

. . . . .
. i
>i.'
; ,

1 I

'

,

.
4

..

............... i ----.-.
"-j

i

.. -

.. - - - , . ,

-------.-

i- , - -

1, 4 i

I

E,,

. t. ?

fB &

5% 2 &rsa&~;crá;:-~àridia! caminha na dire~ãodo uso das cart8es dotados da fiw-20 i t & ~ ~ t~oM Oprin~lpctlmeio de pagamento. No Brasif, desde o Plano Real e C ;"i"' ,,,,r a in !p!an>"iaeã~ SPB, essa tesrdgncia vem se "rrnândo cada vez mais forte. do
52
Ezrretar?ko, pode-se iistaa algumas difictlidades para a furr1,80 debite; r,a utiiizaç8o dos cartaes:
3;:

& B

F'

@

dissernilaaçao da

t

c$3
@
$&
3-

necessidade d e ãiculturaç2s dos usuários péira as facilidades a proporeir~nadaspefã funqiio, corno cczmodidaçie, substitui~ãa e cheque e d nurneráric, segurança e simplicidade de uso;
^3r-3,'-r(

P;i S.
Q -*
A

a ) ci15k;?s u:.9ú
"r'-."'>-. C 1,;

~3

o

i d ~ g i$3 !

:ede de crsdenciados;

afifEaç230 e fiíianleieocão d s convênio, dificeritando a

O
.c . .

6
3
*e2
L%

=r,:
.c;':
.$
-e

pcbca tagressivtdade nas inforrnâçãeâ e diwulgacCio do produto junto ao ~Ubiico i-:sz3ria. tanto quanto &s funções quanto aos locais credenciados;

.
'

a-

2

- aI

?a!%ac ~1ste.rn8~ fie e comunicagio que prejudicam a imagem da produto.

-,.r

,i' L

aurnen?~~ utiiizaç3o do prcsdule poderá rre . :radiw;grisis do 3nnç0, como: .~ras

gerar reduçsizo d e custos para as

a,; dimi~ujção utltizac;ão de cheques caixas e r!a : redu:2a da mão-deobra r*~cesrsária paira confecção (IGA), entrega e controle pelo caixa e eç8r'L:tura de abastecimento para o TAA; possibilidade de readequar fr A Ia dis-ecsador de falhas (detentor d e teclado alfa-num4rico) ?ara outras Itln~ões corno o acesso è internei3

-

5) drmin~:s;So22 ulilizaç2o ds numer6rio - reduçiin de inira-flsfnrt~ra abastecir~:e~tc3 para agbneias e pontos de atendimento e!derno ecriseqidei;tt: alivio rios altos custos envofvidos nesse processo:

9

c! ar*'~q:-:z-i?r, parque de TAA sem necessidade d s csrnpsa de nsms dc: eq::!e?an:eayC.~s cs~~seqi.i@r?cm Itens anteriores. dos
$
F

i
I
2

td~tfc E ~ ~ : ! O p i ~ s ~ ~ um trabalho ampla de acufturaçao na utilização U p6e 3e rig,slrcmer?,tossiett6zicoã d e pagamento 4 o SPBZ, onde, segundo pretensões do 8i:ICEN+ bbscar-se-á aa uajrnizsaç3s dos recursos existentes, redução de cusros. '-3 r - y r,,.,laçnr, c k . ~ ! l q u é l ç dei numefária hoje exi~fente~. -~-~.~ CT
4
>,

!
I

4,

i- ,
r*
h

'Iisane: -ossli; g r a ~ d e interesse em uivuigar as fac~licfades benefícios aa e kzação $ 3 f~*;-,$Bo diYDitc, tanto qtie intensa campanha d e ~ublicidacde realizada foi ?ri> 250J2901. uti!irzi:do mioia de massa - âmbita nacional. expicrando o conceito: /+~ça E1 t d r ~ nIguai a r,becgi;e. Só que melhor"
2:
4

*i . .I",

,
i

5,
F<"

--

1

;"
"
*-x
A

r: -.-..."-.L...- ..-. .. .

*r

-""---A

" " h + +

P

i
a "

pl -

/lh

i A.

5

- - - "ri --------[pannori a estratggia com Irnha criaiiwa r&iõrçanao o mesmo qq$3r-* , $ue,fL 9 ts,i ~lcitmii. i Igual a dinheiro. Meihor do que cheque". A estraibgia de 2 i ~ c i ~ a ç âpr~vjieg:eu. rnihia extPdor nos mercados de São Paulo, Rio de Janeiro. :, a Belo Hoi~zonie. Brasiiiê. ~ d / o Alegre, Salvador, Recife e Curitiba e de shopping, nas 'egiaec me!ropoi:icinas de Braçilia, Belo Horizonte. Rio d e Janeiro e Sào Paulo.
_-*_
^-

--

%

" %

-

m_j

r

pm
<

r'' / V

G:b<: dy :;

2c:n--

;*r

I

.I

"--"-"

" -

5,? A p f i p i s l a para a nova wmpanha segue as orienta;õas esirategica~da c m p a ~ h n n f z n ~ ~ sintlnia com oç ~bjetivos u e r propostas. Assim. a iinha cnativa e 3 ~~"ustra;csj~; ~ > - i a reforçam o mesmo conceito e as paP.âmetios utilizados F 3i:w;QiZen'a E i?i$liil~% a4 Plano Diretor 2002 no objetivo instiiuciona! de .'E!eve: a .,",i . ~ 5 C 8LC%ce;l::i.? na oferta d e produtos e serviços com tecncioçia avançada e om . .J ~
r*ig~(C C t ,. $r-r-s~y;-+-a,:; r
+A:-.

I

z, h...
*
C .

.;I>:

n knha criativa e esiratégia de nidia da campanha para E c : I C : Z ~ d2 ~ J ~ rbnçao débito nos cariGes BB. . a
* .
$

....

w

-,
a,
7
V

i .
i

'

. a, s - -s ' ? ~ c :nvestimento da RS 4.500.00.0o (quatro milhões e w ~ i . i ~ i > i - i mil reais) na fornla do item 3.7. ~ ~ l i ~ ~ F
\

"--

-

if

"

-

+

Gc;rtuniea$-,%c

.-----I -..--"."--------D@spactiodo Comitê de Administação da Diretoria de Marketing e
+ -

---

--

-* -

-*

I

iI

Anexo

'C]

a,

'C]
7

a, a,

r

w

"

I

.

I

,

*

@gF

km3-m m w 5 4

as 11)

-e

- ----

1

.

C O i . i a
C*

f

-

;

"\

.

1.

i

4

I

I

Diretona de Marketing e ~omunicaçãb Diretoria de Varejo -2003111 9 41 ' Brasilla (DF), de ma& de 2063 05 $ 3. 4
A '

Sentiores Direlav~es,

i ,*
,

[.r.
4.4

Aras unta

---

--.-

,

.,

0
+ O

Prapaganda e ~lublididade Apolíe Finanwiro da Ljiçanet

'a O
'

r~ a m ~ & i é n e i T
2

--- , -

.\

Diretorra de Ma&el'jng e C~muniaqão da Diretoria de Varejo. e

; ., ,

cV a,
a ,

/ 3.

--

~~r~;ament;?

i

c

lUUIm-

m......

w

.

7

7

=
Q)

7

m

-u
a,

A proposta ef~vclve direciancamento da veha d e R$ 23.300.000.00(vinte e o 31 . Ires milhões, trezentos mil reais), proveniente de aparte financeiro do Fundo Emissor da Visane$,referente a wntratr3 cam I F I ~ Y S S O P ~ S de cartões Visa. '

'O 7
O

& O
O .C

q

t
[ !hr~f~mi;ai~&@~ T i
I

= --

.

T o
.
*

e semiças,

&1 As agões de romiinicaçáo estabelecidas para o ano de 2003 visam maior integra~ão dos discunos institucional e mercadolbgico, buscando contribuir ,para a percepeo do posicionamento da empresa, o fcrtalecimento da marca Bança do Biasil. a conquista e a fídelixpçáo de clientes e o inientivo ao ccnsumo de prodiitaç

rn m

m

e
m

m

w

4.2 A eçtraiegia de apmvada preve o desenvolvimento de campanha "guarda-chuva" d6 posicionamento de marca, pemeando as campan@ás: . meicadolbgiws d e iada pilar negocia!. onde seráo abordadas as scluções ,. ~ferectdas ~Bie~ates. 20s

4 s / As campa i*rementc? da ba

t i

A

rn
ifoe

tL

, eic .

ra ~ iL*J -e.-: i

6

L :

"

e

, *
h

m

1;s 3 ~ * 7 CJ iZ:i S$SaQ90175 ?C?UZ:ct$ 6

-

3

,

'" ,
.

i

e
m m rn
2
Análise

rn

.i0;z --

-y'*l<*f;

-c\

'

A

-5' ;, r i

-: :::-a

. .
b

i C O r i i #
~---."..,-~~

---

.

t'
"
2

"e,
@8

Com objetivo d e fortalecer a marca Ourocard. c Fundo Emissor .;a Visanet 5.t dicjponitPrliz8, anuairnente, verba destinada a açPeâ de comunicação.

2000, o Banco iniciou estratégia d e comunicac;Zio apresentando o Ouraca~d cama uma marca Unicra, apoiada em ccaftao d@mUl'tiplo uso. Em seguida, f~mm desenvafi6id;ar;mnpanhaok com Gnfase no estimulo ao uso da fun@o crédita e d&biQs a maplutenção da liderarnp em fatumwient~ cartges. e de , .

5-2

Em

e

COMOresartt-de, o Banca inantwe a 1Selleranqa em,bturamentcade: hr26es de cr4dito com R$ 13.5bilhões, representando um crescimento de 33.3%.Cdrn telaç8o ;in emfçs30 d e mrt6é.s. stíngiu-se s patamar de 4 milht3es.
5.3 4 A verb8 repassada pefa Visanet, em 2082,foi investida em a@es de nas campanhas Quramsd, e Visa Eledran com expressiva ulilizraç5a de exterior.

"5 Em 2ag33, o Fundo Emissor da Msanet disponibilirasii; a valor d e 8." 23.JOá1.000,r"Q (vinte e três milhões, trezentos miE reais), para dar cúntininidacfe a essas a ~ á e s camtenim@s. de

5 A agencia d e ptabficidsde BNA Propaganda ktda. estd desenvolvendo mmpanha, contemplando agâes de c~masniação para cartdes de er6dita e rbkbito. .
",5
wbzz di~p0niklifizad8ser& utilizada, pnaritariamente, para a campanha de,. caafioccs e pemitie a reFar~;o das aç6eã de divulga@o dos câãldes PrQ Pago em Rèraiç, DWar e Eum, Bâisiness Card, Piatinum, Burocarrt, Visa Electmn e Clube Chro canfam~e demanda a ser apreãentads peia giBimfoRa de Varejo.

O repasse ocorrena d~retamaniepara i DNA Propaganda Ltda., rnediant i 68 . depósito em inintaehcorrente 602.0003,agencia 3032-5.junto ao Banco do Brasi Rcitndo a utiiizaçáo da verba condicionada à aprova@o das wmpanhas. r()s Dihii0tori-1~ e Maaketing a comunicaç~o de %rejo. d e

@
~

e
@i3

@

@

m

r/\

5'9 A DiretoRa de! Ma&eting e Comuniea@o apresentar6 reliatbrio de acompaglhameflta de desembadso, cam os mspIidirdos pianos de mídia e custos de peudução e dar& conheamento ao Comitê de Comunicação das campanhas com ialdr superior a R$l.#00.000,00 a d ~ o n s e l h o e Diretor das campanhas com vaiar wpglsiar a R$ 3.OQ0.800,OQ.

P

P ! #

a) b)

Aprova!. apoiie financeiro de R$ 23.300.000,00 (vinte e Lrès milhões. trezerxtas rnif reais) na forma item 5.7;
a
I

@

!#

Aprovar o replsse da verba para a agência de publicidade DNA', Psopl-ganda Ltda, w l ,~ sda item S.&, c f ma a
I

.

"t

Nata Técn

W & f l Y b ~R " & d we "
C

%.,e"""

6(
.
r

2 ~ .

r

4%i..

Diretoaa de Masketing e Carnurriica$SQ Diretoria de Varejo - 200313281 Bfasilia (DF), 03 ,de novernbm de 2003

I

I

Sas. Direloies

8

Propaganda e Publicid~de
1.1
2.
Aparte Finançeiro Adiciokai da Visanet j
-

Go~iipei2c~siaas Alç%das
.0rt;arnento

_ _ . _ __-_ _- _ ..___,.-_
^

l -w <. . m ,

- Q O
(V
"

tl ! 3 !

2.1

Diretoria de Varejo e dd airetona de Marketing e Comun!caçáo
--"IIX_ I -

B

@

TJT
3. ' I
! 4.
4 1

I

2 'G C
7
(O

a, TI

B ' @ @

Nau impâda o orçamento.
finfarrasa98e8;

B O B

A

Ba

hiilizapo de recursos prcvenibntes do Fundo Emissor Visanet disponibilizadoç em maio deste ano para açóes de ~ornunica~ão, o objetivo d e incentivar a utilização e com incremsntai a base d e rarlões de cr6dito e débito Ourocard.
4.2

1-' Nota D ~ M A C I D I R E V - ~ ~ ~ ~ I ~ ~ ~ ~ , de 05.05.2003,-cópia- anexa -. propós a
_..--_
___C_~--"-"-_-I_

-.

w
w
,

a,

-"-

? v-

a,

?

o
O
C

b

e

"

Em Outubro d e 2003, a referido Fundo repas$uu verba adicional. da qual aproximadamente R$ 6.500.000,00poderá~ser destinadas à complementação as açóes de comunicaçâo estebetecidas para o ano de 2003 vinculadas à campanha de cattóes. obieto da citada Nota! e ao reforço nas a@eç a serem desenvolvidas para

.
I

O

''
,

6

.'5

t 5.1 O Fundo Emissor da ~ / s a n edisponibiliza, anualmente, verba para aç6eç de comunicaçáo e outras destinaçóeç que visam fortalecer a operações de cartóeç no ,
âirnbiis dos emt~s~res.
I

.

5.2

Com c apoio da verba diçponibilizada no primeiro estrategia de comlnicaçáo apresentando o oiadss em ~;drtZm nultiplo uso, e estimulando o de
(*

o Banco

,

nção crédito e
,
i

,

L ' ,

\;
7\*

i

I ':

I

x

*

:r"'.\

I
I

. ,?

. , iC $

".
(!.I#

I

1 , ;
i,
k c.

,
1
I

' ,

'.
"

4

.:,i.

A ;

L'
%

.

I

,,

%I

9
B
k
@

!

Gilro.

na divuigação'fjos cartões Btlçiness Card, Platènurn. Ourocard, Visa Electron e Clube

5.3

O totai repassado vem sendo utilizado

em ações d e fortalecimento do produto e

'

,

it

iars ações favoicceiam a manritençjo da posiçáo da Instituição na liderança no faii;iamento de cai?&$ entre os bancos - atuairnente em R$ 16.7 bilhões -, com atingimento da marca de 5 rndhóes d e cartões emitidos.
54
o

I
b
'

L

5.5 kabc ressaltar que as aç6eç d e comunicação cantribuiram ainda para um crescimento de faturamento de 28% durante este ano (até setenibio de 20031, enquanto o crescimento observado no rnercado foi de 13%.
Com o repasse da verba adicional. a Diretoria de Marketing e Comunicação 56 implementaria novos investimentos nas aqóeç d e midia para a campanha cartões, de forma a possibilitar r.~forço çignlficativo nas vendas de final d e ano c conseqdente incremento nn fat~msamsnfa.
'

*,

B b
h,

'

A

A O

1
i
6

3

O P

Propomos realizar, nos termos da Nota DIMACIDIREV-2003/1141, 05.05.03. de 6.1 {anexa), apode finanmiru adicional d e R$ 6.454.331$3 (seis milh&s, qqtroceritos e cinquenta e q u a l mil trezenlos e trinta e um reais e quarenta e ,três centavos)
do $urido Emissor Visanel para reforço da campanha d e wrtúes, com verhzj para a -gi?ncia de publicidade indicada pela UIMAC.
H. P;

'

.

$ i
4

C

8.
E.
n , S
.

4 ,

g
m
! .
I

0 til

2.
$f

Meiuç de Pagamento

Gerencia d e Propaganda e

m
n
'

wme baw,c n - 00443.r

Despacho da Diretoda de Márkoting 7. Varejo

----

' ---+--

^

"-.".. .. .. -

""

.

. " .+" e Comunicaçáo

a da Diretoda

d

Dlrelar

Fernondo Bzrbora de Oliveira

+"A

f2.
2.1

"..

Gempetencie I WGada

"--

"-

I

(D O

O N

Diretoria de Mall<eting

4 Comunicação c da Diretaria de Varejo.

m
,

Q)

E .--

:3.?

A propos?a eovoive a direcionamento da verba de 35.000.000,UQ (tririta. e cinco milhões de reais), pioyeniente de apoite financeim do Fundo Emissor dz Visanet, rei-rente a e0ntrat.u com emisçsres de cartães Visa.

T

r

TJ

Q)

o' O

A
1
4.1 As aqdeç do comuniçadáo estabelendas para. o ano de 2004 visam maia: integiaçáo dos diocutsos instifdciolal e mercadológico, buscando contribuir para aperzepryão ds p&a*gfcdonamen?a empresa, o farisaleamc-nta da marca Barirta do ds Brasii, a conquiçt2 e a fidide!izagáo de ciientes e o incentivo ao consumo d e pmdutos I e s@wiqos.
4.2 A estratégia de comuqicaqáo prevè o dest?nvclvimento de campanha "guarda-chuva' d e posiçionamento de marca, pemeando as csmpanhas mercadoiógiraç da cada ptlar negocial. onde serdo abordadas as soluções aferecidari aas ciíeilfes.

O

O

6
h

c O .-

O

'

'

,

l

i

4.3 As mmparahas cont Encs-menta da base de GB

<

,

"

I

Diretona de Wrt<etmga Çnmuntwiaaair

?

,

'

I

Jdl /?@C3

Uno O ?A O C i - L TiSBB 95' i F ;CG2 ?C!X3C h

-

I

I

da 5.1 Com objetjvca de furtaiecer a marca ~Ourocard.a Fundo ~rniçiar Visanei. dispcril~btliza.anualmente. verba destinada as açòes d e cofnunfcaqão.
O Banca tknm como ~lstrcstegiade comunicaçãa apresentar a ~urocard mmo 'e uma marca Ynrca, dipaiada em cargj0 de miltipfs uso. No m a de ,2003, foram desenvolvidas campanhas com 6nfase no estimulo ao usa das funções crbdito'e , debito e a mai~ifutenç3o lidaranca em faturamento de cartões. da

52

I

,

I
I

.&. --., --,'1 ..
" 5

"

'2

4

S .

6

Como r-srrltada, o Banco manteve a liderança em faturaments de cãrt6es de ersditcr e d e débito ~ccrm R$ 18,i bíitaâec;, resgaresentando um crescfmenta de 34,4S0/c. Com relação a errnissã~ cartfies. atingiu-se 0 patamar de 5,3 rnillkões. de

5.3

g. " .
4

=h

r""
A=

r

?

5.4 A verba repassada pela VBç-ricg.r em 2903,FOI investida em açõ,es de naid' campanhas Ouracard e Visa Electron com expressiva utilização d e rnidia e&-, agders promaeionais e de incentivo A venda.

ri

@

a
(D
A A

O e TJ

Será, dispaaãibiiizac$o, com recursss da Ftaoads Emisser da Visanet, Q vator>de R$ 35.a300~0OO70c( (%@t?tacinta rnilhãles de reais), para dar continuidade a essas e aç-dc~e cc;mísnich?r@a.
5.6 A .rngencta de publicidade DNA Propaganda btda. deseravetlvsd campanha, cgantempfando aq6ead der comtdnicsaçaa para ~rt6es e er6dífs e cdtibífa. d
"

5.5

Q

?
9)

C

. ! i

3
'

a
(D

n
I U

O

verba cdi%ponibi/i;ecsdra seri util~ada, peioRtainamente, para a campanha de cartrães EI permrtirbn a reforça das apaes de dlvuigaçacs dias caRCaes Ppci.-P-cr e m t Reais. BQ13s e Euro, Bxise;rn@ssGard, Platinum, Obamcaird, Wsà Eiectran 6 ~ h b ,& Qura canfam6 demand" a ser apresentada pela Diretariia de Varejo.

5.-

ó
0 ,

,

PL'

r. '

5.8 Q %passe ocarrerd ddiwtam@n.l% pam ai DNA Propsganda LMai., aedian dep6srS.G pm canta ~ ~ r r e n 602,080-3, n t fe agencia 3Q32-5, jurtta aa Banco da ficanofc! a utiliza-do d- verba eandiciepasada h aprowçao das campanhas, Diretorias d e Mgrketimg e'çomurriw~ãa de Varejo, e

5 9 A Diretada de Ma8dcatsping e g d ~ m ~ n i m q ã ~ apresentara relatbri8 de a s = o m p a n h a m de Çtrasenãboiso e dará ctsnhecimenta ao Comitê de Clornunicil~ão e ao Gsnselho Diretor das campanhas putslieitb0nas, ahsemada as atçedas previstas EU LIC 357.03 5.045 I .2 e LIC 451,110.1 .?.c.lSB rkaspediuamente. .
1%

b) Fprcua: o repadse da verba pain a agencia de publicidade DNA Prspaganda i-tda. na fama de rtem 5.8.
.% -

5. "v'r

@, i
:

"A

"- . &
'

-

" k - - y - .
-"-%.&"%"~*-.-'.~--~-

Ger@ncis Prapagaadz e de F p@saacdcda& Marca

Gerencia de Meros d e Pagamento
_ C -

i

.-**-""<+.-*"'

L-"-,,
#

'ik<:&yA&d&a&io <?~r"ewte EXECLB~~VO

Gerente Executiva e.e

heo Batista das Santas

=./.
(D O

O

h l

w

ar

E .ar C m -3 ar
w

t

-

*

r ,
f

1.
I
I

G O r t &
t l

Diretoria de Marketing e Cornunimfla Diretoria de Varejo - 20041410 Brasilia (DF), 1 de maio de 2004

1

Srs. Diretores,
'

I
i
I

----

I Propaganda, Publicidade e A$&?s Pramocionais
1.1
Aporte Financeim da Visanet
ll__._l_"l_--_

Assunto

i

- . _ . - C _ - - -

-

7
(V

1 2.
2.1

Campeténcias e Alçada?

I

O O
Q)

( D

- .-

-1

-1 .g
Q)

n

Diretona de Varejo e da biretoria de Wlarkdng e Comunicaçáo
__________- - _l."-l I
1 _

7

m

C

lnFamento
31 .

-

" -

"

1

u u

Q)

.a, F

Náo impacta o orpmentb. I
_l___"_^

1 4 .
@, % -

infomiatóes

w. l l ."_

"-"-<

--*-.-

1

C

e

4.1 Consta da Esfralgia Corporativa - Orienta@o Gemi de Negbuos 20032007 AEN Captação e Serviços, orieqta@ebes especifi&s de se :

I

. .v-

O O
C
O O

\

a'

-

8

a manter a liderança nq indústria de cartóes e; b) incentivar o uso de qrtOes de dkbito, da crédito e pre-pago nas transaç6es comerciais, inclusiva nos canais compiementares.
Para viabilizar o atingimento dos objetivos estabelecidos nos Planos Estrategims do Banco, compete à Direto& d e de produtos e serviços para nosçqs ciientes e à keting Camtrnica@ot desenvolvimento de ações cornunica+o rnpanhas que p m m m m . O fortalecimento da marca Banco do Brasil, a con e fidetizaçib de clientes e o incentivo ao consumo de tais prdutos e servi~os
4.2

"

-.__.-

Diretafia de Varefoiairetoriade Maikc€inge C&unica@o
*\

--

I

V-

\

.>f3
%

I

I

I

~ , 4.3 A Nota D I M A C / D I R & - & ~ ~ / O ~de~ 20.01.2004,- c6pia anexa -, propds a utilizaçCio de recursos provenientes do Fundo Emissor Visanet disponibilizados em janeiro deste ano pare a ~ 6 e s cornunica@o, com o objetivo de incentivar a utilizaçao de e incrementrtt-a base de cartões de craita e d&bito Qurocat-dEm 05.Q5.04,o Banco do Brasil lanwu o Programa de Relacionamento, 4.4 pmgama integrado de vantagens que recompensa o cliente pelo relacionamento que de con-sáo de vantagens, dentre elas o sorteio mantem com o Banco, por regular de prérnios (anteriomeote denominado "Clube Ouroy') -, e, o saldo remanescente no Fundo, ~$9.097~024~75, poder&ser destinado a veiculaçÉio de sua campanha publicitaria e às e@es prornocionais que se f~erernnecessfirias, assim C O ~ Q complementapo das.ap8es de cqunicaç8o estabelecidas para o ano de à 2004 vinculades B campanha de cartões, objeto da citada Nota, no sentido de reforçar as a$%s a serem desenvolvidas para estimular as vendas e fidelizar os portadores de cad6es de cr&dita Oummrd, por meio de premiaçira,

,

õ'
3 0
. A

õ' "

O

e .

$

'

-

"

i

< "

"
52 .

"

"

Ani(8líss

-- -

O e -3
Q

5.1 O Funda Emlsor da Visanpt diçponibitiza, anualmente, verba para ações ccamuniea@o e autws destin?ç&s que visam fortalecer 8 operaçoes de cartiieç grnbito das emissores.

------h
,

(D

A

Q

o'

E.
.
v

3

m

C

2-

.A

Com o apoio da verba disponibiiizada em fevereiro deste ano, o Banco pmmoveu estrategia de comunicaç8o apresentando o Ourocard como urna marca dnica. apoiada em cartéo de múltiplo uso, e esti~utando uso da fui)@o cr6dito e o ci&ito.

00 . CT,

t .' u
"

(D

Eledron.
r'>

5 3 O totatal reparssâcda vem sendo utilizado em ações de fortalecimento da praduta e . na dkuiga@o dos cada% Pré-Paga, Business b r d , Platinum, Ourocard e Visa

'

E.

@ $ a 5.4 Tais a ! favor@cemm manutenção da posição da instituição na liderança no faturamento de artões entre os bancos R$ 19,l bilhães, nos últimos 12 meses .-, com atinglmento da marca de S,6 milhães de cart8es crédito emitidos.

-

5.5 Com o repasse da verba complementar, a Diretaria de Marketing Carnunica@o impbmentana novos investihentos nas a ~ ó e s de midia pata campanha cartdes e patrocinada o sorteio regular de prêmios aos participantes'do , Pmgrema de Relacionamento e eventos a. ele relacionados, de forma a possibilitar reforp signífiçaitivo nas vendas, o consequente incremento no faturarnento e a %deliza@o pgadores de mrt6eç de crédito. de
A

5.6 O repasse ocorres&diretamente em conta corrente (302.0 utilima@o da vesba condisiora Mahetíng e Camunirta$ã

DNA Propaganda Ltda., mediante crbdito Banco do Brasil, ficando a

'

Diretoria de Werejale)rreton;dde Manding @ Com

-L

h -

q>.

-6
,

6 1 Propomos realizar, nds termos da Noti DIMACIDIREV-200410251, de . 20.01.2004 (anexa), aporte financeiro complementar de R$ 9.097.024.75 (nove milhões, noventa e sete mil,, vinte e quatro reais e setenta e cinco centavos) e Emissor pisanet para reforço da campanha de ~ r t B e s para o prêmios do Programa de Relacionamento do BB, com repasse de publiMdsda indicada pela DIMAC, na forma do item 5.6.

,

Inq no 2245

I

i
1

TERMO DE JUNTADA

Em 9 de maI-ço de 2006 junto a estes autos a Petição no 8834106 - Oficio PGBC-30412006 do Banco Central do Brasil informa que documentos e informações relativos a diligências objeto do Oficio no 5919/R foram encaminhadas diretamente ao PGR. Eu, , Analista Judiciário, lavrei este termo. E eu, ,Maria das Graças Camarinha Caetano, /coordenadora de Processamento do Plenário, o subscrevi.

I

5,297268-2 - Jd Augusto Varanda o m de Gabinete do Presidente e

Brasília,

2 1 de

outubro

de 2005

Senhor Presidente,

I

Solicito que a dob~menta~ão encaminhada a essa autarquia pelas ulstituiç6es financeiras, em atendimento a req?erimento meu, para instruir investigações em curso perante o Supremo Tribunal Federal (Idq.2245), me sejam encaminhadas diretamente, dando-se ciência, se o desejar, ao Ministro J k u i m Barbosa, relator do Inquerito.

1
ANTONIG PRO

Atenciosamente,

VA DE SOUZA

A Sua Excelência o Senhor Presidente do Banco Central do ~kil BRASILIA - DF
BACENI Qc

Lt!DO BRASIL BANCO CENTRAL
i

Lc

Procuradoria-Geral
OFICIO PGBC-303/2006 Proc. 0501308718
I

Brasília, 25 de janeiro de 2006.

Senhor Procurador-Geral da ~ d ~ ú b l i c a ,

a

Faço referência ao Oficio no 5919/R, de 9 de dezembro de 2005, para, em complementação ao Aviso no 0004lBCB-Presi, de 10 de janeiro de 2006, encaminhar a Vossa Excelência, nos termos do Oficio PGR/GAB/NO1355, de 21 de outubro de 2005, os anexos documentos, relacionados com diligências deferidas pelo Ministro Joaquim Barbosa nos autos do Inquérito inO2245105-STF.
!

Respeitosamente.

PROCURADORIA-GERAL

ORIGfNAI,

, 3.435.028-4 Francisco José de Siqueira
I OAB/DF 13.081
I Procurador-Geral

ASSINADO

Anexos:

9 envelopes fechados das seguintes instituições financeiras: Banco Alfa de Investimento SIA; Conglomerado Citibank; Bradesco; Banco do Estado de Santa Catarina SIA; Banco do Estado de São Paulo SIA; Banco Rural SIA; Banco Safra SIA; Banco Santander Brasil SIA; e HSBC Bank Brasil SIA.

A Sua Excelência o Senhor ANTONIO FERNANDO BARROS E SILVA DE SOUZA Procurador-Geral da República Ministério Público Federal SAF Sul Quadra 4 Conjunto C 70050-900 Brasília (DF)

Procuradoria-Geral- SBS, Quadra 3, Bloco B, Edifício-Sede, 70074-900 Brasília (DF) Tels.: (61) 3414-1084 e 3414-1220 - Fax: (61) 3414-2957 e 3414-3704 E-mail: gabin.pgbcb@bcb.gov.br

Inq no 2245

j

TERMO DE JUNTADA
Em 9 de mkço de 2006 junto a estes autos a Petição no 23944106 da companhia Brasileira de Meios de Pagamento (CBMP) - juiitada de documentos. Eu, , Judiciário, lavrei este termo. E eu, Maria das Graças Camarinha Caetano, do Plenário, o subscrevi.

w

EXCELENTÍSSIMO MINISTRO JOAQUIM BARBOSA, DIGNÍSSIMO RELA+OR DO INQUÉRITO NO 2245, NO EGRÉGIO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
I

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Cooidenacloiia cle Pioçessaiiieiilo Iiiicial

\

i iiii iiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii1111

1

i
'

Junte-se. Brasilia, 09 de

~y

de 2006.

COMPANHIA BRASILEIRA D E MEIOS DE PAGAMENTO (CBMP), por seus advogados que esta
subscrevem, conforme incluso instrumento particular de procuração (doc. no I), bem respeitosamente à presença de Vossa Excelência, nos autos d o Inquérito Policial no 2245, que se processa perante este aolendo Supremo Tribunal Federal, para expor o quanto segue:
4
I

Durante o recessolda Corte, a douta Procuradoria Geral da República requereu ao, eminente Presidente, Ministro Nelson Jobirn, fosse "autorixado o acesso dosperitos do INCt-Inrltiuto Nmonak de CkmSnaIisbca a todos oi documentos que constituem a contabilidade da eqbresa IZiTANET, no pdnódo de 200 1 até a presente &h,possibibtandose a realixaj-ão de pdiia con!tábi( ejnanceira, com ajnalidade de se apurar o origem e j n a b d d dessas ojerqões qae envolveram n?mrsoos da ordem de R$ 90milhõ.P (doc. no 3). '

I

MWLAERT.LIVI~GSTONE KOK ADVOGADOS
EDUARDO AUCUSTO MUYIAERT ANTUNES
I

I

MARY LIVINCSTON

SYIAS KOK RIBEIRO

A solicitação foi de pronto deferida, conforme telex encaminhado em 11 de janeiro de 2006 a esta empresa pela Egrégia Presidência (d04. no 2). Em decorrência, d CBMP franqueou seu estabelecimento e todos os documentos d4 sua contabilidade do mencionado período aos Peritos designados no Oficio no 0172/2006 da Senhora Diretora do INC. Os Peritos, assim, realizaram diligências na sede da empresa de 23 a 27 de janeiro do corrente ano, como inclusive noticiado pela imprensa! com acesso ao sistema de contabilidade, aos livros contábeis e aos registros em meio magnético (doc. no 4).
>

Além disso, a CBMP encaminhou aos Peritos a inclusa carta de 2 de fevereiro de 2006, para apresentar, conforme solicitado, um panorama geral sobre a COMPANHIA BRASILEIRA D E MEIOS DE PAGAME$TOS ("VISANET"), as suas atividades e o Fundo de incentivo ~ikanet (doc. no 5). I I Ao término da diligência, os Peritos encaminharam o oficio de 26 de janeiro de 2066, solicitando providências e o envio de mais documentos no prazo de 30 dias (doc. no 6).
I

I

Em carta datada de 27 de janeiro, a CBMP esclareceu aos Senhores Peritos que v$ha prestando ampla colaboração, não só 1 para a perícia em curso, mas para toda a investigação, visando contribuir para um quadro de absoluta transparência sobre o objeto da investigação, cuja elucidação é de todo interesse da companhia, haja vista tratar-se de pagamentos efetuados em Wtude de ações de m&keting contratadas pelo Banco do Brasil, em conformidade com o Regulamento do Fundo de Incentivo Visanet (doc. no 7). Esclareceu, então:i a CBMP que, em cumprimento à determinação do Exrno: Ministro Nelson Jobim, vinha exibindo
d

EDUARDO AUCUSTO MWRT

UNES

MARY LIVINCSTON

SYIAS KOK RIBEIRO

aos Peritos todos os do)cumentos contábeis e financeiros relativos às operações e necessáribs ao cumprimento de suas hinções. Os documentos e informações apresentados e fornecidos aos senhores peritos são arriolados naquele documento, bem como as providências pleiteadas dor esses (doc. no 7).
I

Informou ainda , a CBMP que algumas providências solicitadas pelos Peritos extrapolavam o escopo da autorização judicial mas que, afora tal ressalva, seriam tomadas todas as providências visando o atendimento da solicitação de novos documentos, sempre no intento de colaborar com o trabalho pericial (doc. no 7).

A empresa deixou de atender, por exemplo, às solicitações
dos Senhores Peritos no sentido de se entrevistarem a sós com funcionários da companhia, por entender que tais entrevistas extrapolavam o escopo da requisição judicial. De todo modo, $uderarn os peritos entrevistar-se com os responsáveis por diversa's áreas da empresa, que forneceram todos os esclarecimentos pedidos.

A empresa, por dutro lado, deixou claro que se oporia a
qualquer intromissão o? perquiri@o estranha ao objeto precípuo da perícia, tal como dkineada pelo eminente Presidente desta Corte.

A requerente acredita haver cumprido integralmente a ordem
judicial, nos termos deheados no oficio recebido, vez que as diligências realizâdas, ainpla exibição de todos os documentos os documentos contábeis, o fornecimento dos extratos solicitados já em ,meio magnético, dão só permitem aos Senhores Peritos completar a tarefa para aiqual forarn designados, como ainda foi de molde a contribuir para .Ò eficaz cumprimento da tarefa.

a

,

A CBMP está en'caminhando, nesta data, os documentos faltantes aos Senhores peritos.
I

~oncornitantemedte,tem a COMPANHIA BRASILEIRA DE MEIOS DE P A G ~ ~ E N T O S a honra de dirigir-se a Vossa Excelência, sob cuja direção está sendo conduzido o inquérito, para prestar contas d& sua cristalina atuasão, de sua ampla colaboração e de, mais uma vez, reiterar sua disposição de dar pronto e integral cumphento às determinações desse Relator e da Colenda Corte.
I
I

Reitera, por outro /lado, a CBMP sua disposição de atender de pronto a eventuais novas diligências que Vossa Excelência venha a entender cabíjeis, mediante simples solicitação a seus advogados, nos endereçÒs ou telefones abaixo consignados. Termos em que, da juntada aos autos, P. E. Deferimento. São Paulo para Bra'síli? 24 de fevereiro de 2006. I

FRA&~CISC~~RIBEIRO TODOROV

MUIAERT, LIVI~GSTON ADVOGADOS E KOK
j

EDUARDO AUGUSTO MüYLERT ANTUNES

MARY LMNGSTON

SYLAS KOK RIBEIRO

1

Endereces dos Advomdos:
EDUARDO AUGUSTO MUYLAERT ANTUNES MARY LMNGS~ON MUYLAERT, LIVINGSTON E KOK ADVOGADOS Avenida ~ e b o u ~ a1206 05402-000 São Paulo SP s! Telefone: (11) 3064.3030 Fax: (11) 3081.4005 E m d defesa@attglobal.net
I

F w m c I s c o NBiEIRo T o D o R o v TRENCH, ROSSI E WATANABE ADVOGADOS SCN, Q. 04, Ed. entro Comercial Varig Sala 503-B 70714900 Brasíha DF Telefone: (61) 2102-5014 Fax (61) 3327-3274

:

. . .

. .
. . . .

..

'I.

.

. .

I .

.

.

.

.

.

. . .
.
,

. .

.

'1
I

.I

.

,

.

.

.

.

.. . .. .
'

..
,.
.
,
'

.

.
. . . .

.

..
.

.

,.

. r.

'

. . . .
>.
. I .

.'

Ao Senhor
.

.

.

ANT~NIO. LUIZ RIOS,. .DA SILVA Presidente da.VISANET-.. .- , . . sao .?aulo/SP 1

:,
.

a

.

.. .

'

:
,

. . . . .
.

.

.
.

.. .
. I

. .. . .. . ,

.

. -..

._

I..

- .

.

.

/,.

... ".:

-

c

Comunico a Vossa Senhoria que autorazei o acesso dos peritos do LNC - InstitutÒ Nacional Idé crimfnalfstica a todos os documentos que constituem a contabilidade de,ssa empreeia, no p e r i o d o de 2003 ate I 0 de janeiro de 2006, posaibikitando-se a realizacao' de peplcia conthbil k finariceira, c o m o objetivo de se apurar a origem e finalidade de oper+ções .que envolveram recursos da ordem de A$ 90 mtlh&ès, noos t e m a do tequerinento da Ministério Atenciosamente, ' Público Federal cuja c6pf a - segue via fax. 'Ministro Nelson J o b i m , Presidente/STF. I

"
7

* p
.

.
... .

... i;

I
1-6:15.2173614
,

..

-i 1;-.oi-o&
,.

. .

.

.: . -

.

,

.

.

ssc. JUDICIRRIQ - . > i o s o ~ z 3 0 ~ 6 n i i z i s ECH~ 47
$ 1

.

.

.

.

.

.

.

. .

..

...

.
,, ,

,

.

L.

. . .
.
*

. . .

. .
.
,,

. .

..

I.

,

'
,

'

i\.
-

. 10m11200847:n a348 . . IIlll~IRlRUIIUllI#IUI~~IIIIHIII~I~~f1'.
<

~UPREMO ~IBUNAL'FEDERAL GoordenadOriade:. : ' pmcessammb Inlc@tI

pás. a2 . .: .
.
,

.

54q
:
'

....
,

. ,..
,. . .

.
'

:

.
'

..

.

-. . . .
,
,

.

Excc~çntíssimo Senhor Ministro Ffcsidente do Supremo Tribuml Federal.
,
'

..
. . .

1

.

I

'

/

-

.. .:

. .
.
-

.

-

.

, .

*
.

.

I

.

.

,

.
\
' .

.
i

.

.

..

: '

:

InquCrito tf 2245, com,fundamcnto no artigo 13, inciso V 1 do RISTF, 11 visto que providência adiante solicitada revela-se urgentc, vem à presença Vossa Ex'kl&ncia cxpoy o seguinte: . .., . . . .

< O .~r~c.ut$ad&-~erP~ Repiibliei, da

,

,

nos

do.'
-.

e

a

.

,

I. Venho adotando todas as providêhcias cabíveis para possibilitar a análisc, pelqs técnicos do-Ministório Público Federal c pebs peritos do Instituto Nacional dc CriminalBtica, de todas as .operaçõ& e rnovimcntações financeiras relacionadas *-.aos fatos investigados no inquérito, especialmente quanto aos suposms empréstimos do investigado Marcos Valério nos Bancos R u d e BMG;com a finalidade de sc apurar; dentre outras qucstGos, a origem desses rccwsos.
1 .

. .

,

.
. . ..

.

- .

O Ministro Relator do Inqudrito já deferiu a sa;liza@o de perícias nas instituifões b&c;jiri& Rural, BMO c Caixa EconOmica Federal, nesta última objetivando+seapurar a legalidade de opera- de compra da &irteira de ~ ~ 6 d i t a s consignadqs do INSS da BMG, garantindo o acesso m s peritos P 4oda a docu'mentaçãonecesshria instrução dos trabalhos o periciais. . . .
2.
'

._ ,

,

-

.

'

3. . . O c o ~ q u c ; infomr~do fui ontem pelos Dolegados da Polfcili . . . . ~ede-A~ncarrc~ados iealizgmk as .diligências ncstc inquérito, que OS :!. de peritos do Instituto Nâdonal de Criminalístic?. &%o ,encontrando . diifnildadc .para a,real&aÇáoda &rícia refer,ontcàs opciaç6escnvolvendo a . cmpnsi<V1SANETe.a c&fo~a de publi~dad& . . . . DNA. ... . . . . . .
,
',

.

.

.

. . ., . .

.

,

.. .
.

.

.
, .

. . . . . .

.

.

,

,

-

.

-'

.
..
.

.

,

,

'
.
.

. A-Visanót 6 uma .empresa pertencente aos 'estabelecimentos . . . . ...... . ;que comercializam cartões de cr6dito .dabandeira visU.-: É uma empresa . . . privada, com a seguint&estruturar;ãomci& 38,7% dasaç6espertcncem ao .. 'banco Brades-'; 31,99% Ban& do ~rasi1;14,28% ABN ~ m r o - ~ a n k ;. ao. . 10% ti ~isa:lntcmaiional 4 7 9 e outros bancos, conformk i'nfotmado,no p ,3S ' . . site do Banco do Brasjl. . :- . .

4.

.

.

.:

.

:

,

-

.

.

. .

.,

,,.,,,

'

,

.

.

.

- .
.
.

,

:

.

.

.

!

.

.

.

-

.

.. ..
a

.

. . . .

.. ..

.

..

,
I

: 1.
.
I

..

t

,

,

1

..
.

.

.

. .

.

...
.
,

,
'

....

.

.
,

.

...

.!.

.

A

.

. . . . . .. ... . .'L ..
.

:. ':. ''~id,t-bi.. ... . . . :ii6:ii 217361$,: .
>

.

.

.

.-

:.

. . .
.

. .. . . . . . . . .

I..

.

-

.

.

,

., .
í

...

.

.

2

; -

. .

. .

:

1,
. ,

: .
:

;MMI~~D~o.-~ .
. . .

.

.

. 6-

!

... -.

'

.

.. .: . .

c -

. . .. . . .

. .. .. .
<,

.

-..
.

. . .

.

.

. . . . .

.
. . .
.
.

. .

.:

. .... . 1 ' ,. , : -._ . . . . . . . .'~onf~rmc. -foi divulgsdo .:pels já !"dos ,Corrpiosgf., " ., . .. . durante ,os inibalhos d<15hntam&ntoe.+hflise do CPMl OS eontrntos com... -. . .. -7- ,;. todas _ . : órgáos $iiblicos. firmados .,p.c~a~. emp-sas do ,.grupo d6 Mar- . Valéno:.. . . . . .. : evidenciaram-se, ',algumas bpcr&@es suspeitas r queern&e&m :a detida.. .. . '. . &ál.i'sc pala kqu$e de'pekitos do INC.Tratam-se de oPCm,@eirdació~adas . a vwltosos depwtos ife~u%dos ela VISANET om:benefTc$o d a cmpresn. . -. . . . : . . . DNA 'PropBgrinda.sem a existéncia do.qualquor contrataçáo formal,. .. . . ei)t'r~ ' . . essas empresas, o u mosho de .umajustificativa '~ltiqível para ' tais . . . . . .
C .

.
,

M
.

Q

.

~ . .
,
.

.;

.

&

..

'\..i L E c o~ R A-.- ~ . FI D
.

- : :S~~CJUDICIIIRIO . . . .
.

-. .

, .

.

.

. . . . .
: .

,

.

'
'

.

.

.

.

1.
I
8

.

...

..

,

- ., ~..1 0 8 ~ 8 2 3 0-2 . 1 ~ 1 ~ i ~.~.4 . .,. 7P i9 s ~.~ ~..'.. . . . . . . . 0 7 : . 9 . 03;: .. ., . . . . ....
..

" 5:
I

. 1;:. .

.

.

e

.

I

.

.

.\

-.

. . . :

..

--

.

.

.

.

. . . .

~

'. ..

:

~
.
,

,

.

*

L

,. ",. .
.

. .

.

. . ..

.

-

.I

. .

.

.

. . . ..

C

% .

I

K . .. :
,

~

~ ..

.

~.

, ..

.

.

....

. ...<... .. .
. , ..
'

' , ,.

,..:

. :. .
'. .

...'

2..

.

, ,

.,

-,.e.

:

V

.

i,

.

.

.

..

'

,

-.,

,

\

.

,

,

'

, :, ,
,

'

, '

,.

,

. . ,
, .

transaç6es..
. . . .

i

'.

,

'

.

..

.

.

.
. .

. - 6,.
. .
'

.

,

-'Aisik,y mdomie os levmtamcnta6 0 l e t ~ k 0 ~ l ac~Ms:'..: ~c : "dos: ~ o k i o s l ! são, as seguintes a s tiansaçdes ocoqidis n o pezioiodo'. , . . . . . . . . -investigado:. . i .. :
i

i

,

.....

. .

. .

-.

.

.

.,

.

.

. . .

.

.

.

.

.

.

.

:'

.

' . . . .

.

.

n

.

.

. ...... . . . .

:;
,

: ,

'

..

.

.

.

.

..:

.i f l

..

.

. . :

. . .
% .

'...I.

.

.

.
. .
:.

.

-'

DATA
( C

, . ' . :

.

. .

.

.

.

.

.

.

. .. . .. . . . . . . . .. . , .

1

.

.

. - .
, .,

-

.

. _ .
.

. . . . .

'

.

. .
.

..

.'.
....
.
,

.

*.

. .

. *. ..
,

. . Ol/osnOO~I
I
%

.

/. .
.

.

.

.

.

.a

.

.

.
/

L

.
:. .

~anonom. ; . .

.

-

.

VALOR

.

. .
.
'.,
'

~l.9,.0 $2785,0

:
.A

r
.
.

. .

. . . . . . . . . ....
,

, .

: .

. . . .
. . .

., . - . -. .

.
.

.

.

,

' 1

,

....

:
-

..,
-

-28/11/2003
1j03m4
-

' -,
I

-

. .
. .

.

- ~$4.500.0[10,00.-

..

.
.
,

. .

.

. . .
')
#

<\

,,
,,

..,

. :

.

,

:

.

.

,

.

..
,

. .

.

. . .

. . .-:.

,..
. . .

. . .
.. . .
.

..'
.
.
I

-

asza.mo.m,oo . . . . .. .
-:

-

.

.

, '

. . . .
"

. .

~%6.454.331,&
-,*

- ' - -

.

r

.

.

.

.
'

.,

.
'

. .

..
. . .. . ..

,.0i)06&4
.
, < .

...

Rã35.000.000,00,
R$9.*&24,7~
. . .
, \
:

s

: .

.

.

. . . . .. . . . . .
.

.. . .
.

.

.

.
,

',
..
. .. .-

..
<

.

. .

'

' '..,
. .

.
,

.
.

-

,

. ..

.

.
.

. .

.
.
'>

.

.

.
. . . .. .
. . . -. .e , . . .

.- .
i '

. .
. . . . .

,
, .

.

.

. - ..

.

:

. . . .. , . .: .. 1 ..L.;.. : .... exp'r&sivas' . . . .:,. . Objetivando vcrifica~ a ra&o ~.'dèrsas',. de CPMI " o s Correios", questionou 0: ".i . .. tran~fcri.ticias: . ~ecurs*, . .. . .- -robrcscnta0teda>mp&ra VISA?lET,,S .AntBnio . , h i z Rios da' Silva;.0 , . . :i., " r . .. . ; . D N ~ que'. . . . . . . ...:. guat.informou.:q& nãq podui qualquer contratb com' empresa . : ~ os. p ã p e n t ~ cfetuados a ',essa emPrcsii~ siio o.dginários do "Fifndo de. . ,. . . Incentivo Visanct",. propostõ pelo Bancq d o .~ra&l'; que... repases ;h... . . . . .. ... . e OS arnprcsa DNA .ocorriam1 mediante prkvia Gt~riinç30do' Banco'..do : .. - .
.. . .. .. ,
> .:

.

.
..

\

T7.'

.

.

.

- ...

TOTAL
. . .

,

.

i.
. -

.
'

.

.

.

. .

.

.

~$91.149~16&0
-'

..

.'

.

,

.

.

: .

.

-

;

a

.
. .: ,

. .

. . . . ' I , ". L ,..: ,.. . . . . . . ., .. : . ..' '. , . . . <. . ' . ..
. I

.

I

. . .

. :. . : . .. . . .
.

.

.

.

.

.

,.

.

"'

,,

'.

,

-.

.!
:,
,

,

'

.

,

.

,

'.
.
,

.

Brasil, . .
. .

;.

..:

L

.

!

'
8 .

,

.

.

:
. I

.

. . .

.

.

.

.
'

a

.

'

-

' '

'

'

:

,,

,

,'

.

-.<

.
. &

.

.

.

,
,
"

2 '
.<>.<

.,
,

-.

.
. ..

i

.

_.

. _. - '.
-

>.

:

.

..

8, . . . . . . A o se' aqaiipar uma ,dessa&transações financchk,.8 CPMI ... . . . hnstatoù o .seguirite: : , , . . r.. . . , .. . . . . . . . . - .
.
S.

. :.

,

. . . . . . .

m

. .

.

.
.

. . ,

.

.

.

.

.

'

.

,

I

.

,

.
-

-

...

.

.

,

i

.

.

' 1

. .

.

R$9.0971)2n,75,:afa~r-d~DNA; . . . . ...
fl

a) 02.06.2~)4.a visa*&&tua: um : dep6sito no valor de, . . . . . . . . . . .
'
.

. . .

. . ..... . ..r . . . .. . .. ... , . . . , , . . . , . .....

.:. . . . .

i

'

.

,.

.,

...

.

.

. . . .
.

.

.

.

.

.

.

.

...
.

.

,
.I

I
..

,

SEC-.:JUDI.CII\RIO

->108082302014112'1847799~ECM

.

.

Peg. ..O4

3'

,
x

'

.. . .

.
.
.

.

.

, . ! c) 20.05.2003
I
,

i"vcstitnonto do Banco do Bmil no valor dc-R$23.Zll.OOO,M);

- a DNA faz uma apli&<;ão nn fundó, de
'

,,'

I

'

'

milhães junto ao Banco-Rural.

.

.

d) 2'685.2~05 a SMPB faz u m emp&stimg de w 9 1.

:

,

,

'

'

.

,

9. Obscrva-sc, portanto, que o aprofundamento das investigações em rol& operações envolvendo as umpresas VISANET c DNA d cxircmarnente relevante para Q resultado das apuraçócr, sobretudo no que se refere ao levantalncnto da efetiva origem dos recursos que abasteceram as contas da! empresas de Marms VaIBrio e que foram transferidos a parlamentar9 e outras pessoas s pedido de represcntánfcs do. partido dos Trabalhadores.
Assim sendo, seguindo a metodologia de investigação já adotado ncstc InquCrito, que se pauta pela anãlisc t h i c a , por p c h s do Instituto de Criminalística, das opcraçóes efetuadas suspeitas, mm a garantia de acesso a todos OS documentos necessários para a realização dos trabalhos -no pr6prio local onde se encontram acautelados, rcqu«'ro. o

.

I

seguinte:
I

I

I

- 1

a) seja requisitado ao Sr. Presidcntc do Banco do Bncsil cúpia intcgral do relatório da auditoria interna realizada nas opera@envolvendo as empresas VISANET c PNA, acima mencionada.&

b)' seja autorizado o acesso dos peritos do INC - Instituto, Nacional do ~riminalísti=aa todos. os documentas quc uinsrituem a ~onta~iliilidade empresa lVISANET, no período de 2001 ate a presente da data, possibilitando-se a realização dc perícia qont66il c financeira, com a ' finalidade de se apurar a origem e finalidáde dessas ografóes que r , cnvolvcram recursos da ordcm dc R$9Q milhóes.
I

-

.Srs. Evaldo Oiiveira de Assk e Leonardo Vergap
..
.
%

..
.

. . .
.

::

.
,

-.

'

Peritos Crhinais Federais do , -. . . . . .. . Instituto ~ a c i o n d c+ninalísti& de Depaxbmentò:depolícia ~ederál M i n . . ~ u s t i ~ '. -

.

.

l-.
I

:. .
"

. .

.

C

. .

_

.

. -.

..

...

.) .

.

.

.

.

. . .

,.

..
'

_
.

Ref.: Inf6rma@es sobré CBMP-e
.

..I . .

d&centi~a V&ei . ..
,

'. .

'
...
.

-.

.. ..
.

8

. .

. . . . . .
.
. . . . . . . .
,

.

.-. .
.

.

.

::

..

-.

..

: :

'pre&dbs senhore;,
.
.

. .-.
i

.

.

.

.

. ..
.

....

.

. . ..
'

.

.

.
..

.

. -

..

. . .
'.

. . . . . . . . .. - . : . .

.

.
,

Conforme &licitado, apbentatnos a seguir geral sobre a ~ o ~ p a n h i a ~&ileirade . - ~ e.'. o g d ~agamento("Visatief'J,as suas atidatks o ~und6 ~ n c e n t i $ o . ~ i e ~ . .. , i e de . . .
%,

.

..

,

.

2

umpanopanorama
.

e

. . . .

L

.

.
- .

.
i '

.

.

.

.

.

'.

.

.

.

. I )A' Emri+
-

e.8nepócio de cartões
. .

..

...
, .
.

.

.

.

.

. . .

.

.

: .

.

. -

, .

.

A Visanet esta no negócio de meios -de.paggnento eletrÔhico, &to e ddbito com a b&dehviss, cujo s u c e&A baseado ~ -. . . Adq&te. -. ;. .. ... .
. . .
1

. . .

.
.

.

. . .. . . . .. .
.:, . . .
. .
.

. . . . .
. . .
'

..

:

. . A ~aide&a responsáyel p e l a s n m , pei' marca Pela liquide= do S& -6 tendo qie 9 Q . .paraque .oneg6cio~hin~ionc dentro dss @r&netros combiqado! - r p @h ? :" s . . . e caitão L 8 $ '&- .o V & . i .. - . prefiram 'os cartões Com .a sua mar& (i,e: Yisa). . : . . . . . . . . . . .. , .
.

.

.

.

e

.. .

&&
.

.,
d e . . , . .

...

.

.

.

:

-

:-

. . . .

. . .

.. . .
. .

O S Esiissores são r&qxmsáveis, & i o. mo dos cartões de crédito nome âiz, . . tios sa>s,cliente pela p-~&ão limites de crédito cp& 'df&ais esses +entes irão .xea&m dos . s e u s &&S. Os ~ m i s s o k emitem tunbdm os & t i a 'dè ddbito,.;&e j.xopibiam-a realização! . . e . compras.dVeiamenf6 ;-debito . ..da . &nta-&rente dos-clientes,usuários dos c rw Os Emissores at . . ' náo estão.tkjeitbs a exclusividade, ou seja, @dem'emitú. cartões de diversas bandbiras (e.& Visa, ...
.
:

&

;r0 - 9 & ..-

.

.....
:

>

.

.

.

.

.

.

. . . .. . .
.
'

.

.

.

..
'

,

.
I .

. .
...

.
.

:

- .

.

. , .
.

. . .
. .. -.

.

\

.

,

. .. . .

'.
..

.

..

.

.

,

O . Adqujrehte. . também conhecid*. como credenciad~r,' r e s p o ~ r ~ l afiliaçãe dos . . . . é pela . .,. .estabelecimtktos &hei.Ciais, pela.instalaçHo einabutenção de toda a infia-es& de.captura.. : eIetrÔni& das .$hsa@es @OS e h - P a d s e ~ ~ ~ s ) , : ' p e l o pro+ssmerifo tramações mediante . envio até à b a n d e ~ aos,bancos emissores'pd aulprização da transa@@ pela liquidsção d o s e e Galòres traxisacionadk entre os usuáncis de cartfks e & ~ l e c i m e n t o scóYerci&s, .bm; cor& . pelo marketiag relapionado h Ativação dos cartões no p ~ t dk-vekla -. , . o \ . .

. ',

.

I

-

.

'

, .:,. :

:

'

'

.

.Fazem ainda parte de* mercado os ~suhribs, se dispõem a.:pagar *elo aédito disponivel e que : . pela ~Õmodidade uso desse meio de pagamento, além ae outroi beneficio's, bem cqmo as lojas do . . -. . de virejo @stabeIec@entos comèrciaiS). 0s Estabe1e~'imentbs Comerci& pagam um &rc&túall >'.' de cada valor tramacionado ao ~ d ~ u k n tou,seja, Vi-et, pelos &viços dhponiiizad~s e que . - g& c n aumento de veidas para o -le~i&ito, bem -a cwiodi,~e, :red&ão de ri.scoS e 4 : a . n t o d e l s e ~ ~ a q u e & c a r t õ e s ~ ~ ó d i t o. ~ d . p p o r c i 6 n a n i . ~ ~ . . ~ . .
,

,

.:
.

,

.

.

. '. .

. '

'.
.

.

!

....

.

.

.

; ,

.

.
i

.

.

.

1

.

.

.

. .

-,

.

.

~ & ' ~ uo sistema..fUncion~; k n r ' t o , faz-v eece&ib que existam uutiks nas mãos das e m o a s c m limites de d i t o irnado, unia rede de-estabel&imenfosafiliados.+ a &itaçáo . o desses &utões eomo'forma de pagamento-% especifi&&eite, &klaç~o.ii bandeira .Visa 'e'&... . . . . .Visariet, sue estes cartões sejam.da m & Visa,.po.+ twáoreceitas in&men$iispara 9 n ~ g w o . a . . . . . . .
> .

.

.

..

.

i

. . . . ,. . . . , . . .
'

.,
'

....

.

.

.

,

.

....

.

.

I

.
.

,
i

.

.

A Compada ~issileira de-Meiosde ~a~am&&, tamb&rnm&8hecidag m vi-et, é exatamente c . . . a credenciadora~xclusiva a t a b e l s i m ~ t o coinerciais do de s ~&adk cartões. ., .
.

.

.

. ..

,. .

. . . . .

.

..
'

.

. .

/ -

. . .

. . . . .

.

'

.

.
:

.

.e:
.
. .
'

A Visanet: trabalha pata que a rede de aieitaçã6 seja cadp +e= -.emissoresestejam intensiados em emitir os ciqttks.com..a : & ~ o - ~ . ~ d e ~ c a r t ã o e m g u a ~ i r a , ~ . h ~ ~ d e - p a g bandeira Vis& exh vez de-outrabandeira concorre&. ' . .
. ' .
.

-

. !

-

.

.

.

/

. -.

\

> + .
. .

. . . ., . . . .

..
..

.

. ,

De a&do com o oéu objeto social. a.Visanet pode e%se . . . . de. seryiços de ~redenciaih~nto estabelecinknt~s .. de c - .-prestadores de deekigospmoa iceitaçaaçao de&tõesde crédito e. . de bem como de &tios . . - meios de pagamekto; ( ) o aluguel ia prest&o de &-v b .. . . . ienninais ele~ônicos ("POS.7 a c a p ~ de dados e o a enfo dè'tr&açõ& cõm çaPtões -de crédito e de. Gbito, b m como coh .ouiros meios de p a g e n t o ; (c) a obtenção de . i~8rFcões tramaCionais {efirlntes w s hábitos tè cokumo àe Jientis; ciimidoé e n b i inteligência de gest* de.banco d o dodos, ,de mbdo a c o e i b u & d m .os scicios~oempresas' ... axsoeiadar na melhoria de seus p!eghcios; (4o'~desem~lvimento - -d& pk-ionais e . . - " de Ii;ielizaçbÒ;' (e) a prestíi~ãode serviços & cohflpri~a~ão, pub ,. presfaçik de seiviGos: de &ersbo, .entrcte-e?to. e -1iapes; . . .
. . .
'

.

pm<r.

.:
.

.

.

'

.

.

,

.

,

.

.

.

. . . . . .

.

.
.

. . .

. .

.
.

.

.
.

.
. .
,

.

-.

. .
..

.

.

.

.

.
. .
.

.

.

.

.

.

.

. . ..

.

c

'

. . . . .. . . .

...

.

.

.,

.-

.

.

.

.

.

.

. '.

...

. .

.

:

.
.
I

.

.

.

.
.

.

.

-

pg JJ
. :

. . . . .

.:

..

.

.

.

. . .

..

.
: . .

.

,

. .
.

.
. .

.

.

.

~amtlX11i&ks ao =omérciode mercadori@, iwlUrive 6 importação . exporta<rÇõo mercadorias; 6 & ... a pres'taFãb de.serviço& orga&aiçdo &.feira;-&sição,. corigresso~~-espet&ulO artistiq.. . . . . . . . ;. . . . . . . . . . . & . !:.: . -. . despoFtivo e cu~iurd;i ar&alízação e ~ ~ l t o .r i&sas8ria, &i&aGão (). de .a , & . . . jidelidadi planejamento epe~q&a; () o desemolvimnto' di outras atividades correlatiis no . i . setorde sen>içosjulgadas de interesse da Socieí@k;,e a pticip&iio em outras soc~edaiies, . . , . .- . . . . . . \' i . . . . . como sócia ou .acionista.*' ' . . . . . .. . . " .
.

.

.

''

*

.

+

o

'

. . .

,

.

,

.

,

;

'

.

e)
- .

..
. '

.

'

'

'

: .

-

.'..I

..

,

-.__. ,.. , .
. . .

.

, ,->

.

POrtanto, em. resumo; a V i k t .é a -einpresa responsável pela a d m i i ':da.rede de. &tabelecimentm aíiliados ao sistema Visa, .que kc1ui.o marketing -prg&ocional, a &twa, . . : . . pr&essarnento e liquidaç& de todas as'tramaçó&.efetuadascom cartões de .&o,e debito da . . . - . . .. .. . . ; . bandeira visa no ~ & i l . . .
:.
. .
,

!.

.

r--.

'

.

.

'

@,,
I .

. .

.

.

.

. . . . . . . . .

.. I
,

/

?

.

-

.

. .

.

.

.. . . .-. . .
. .

.

-

.

'

.

.

.

i..

. .

.
.

,:'
.

estibeleciment6s. . . m r 'asobre as hensaç&S processadas e m ?ua .rede,.:k e ci i s pela qual V i e t hcentiia.o . crescimtinto do uso dos cartões de - crédito e débite 'com a bandeira. V s como- hei9 de.. ia ... > . pagamento. : . . . .

As receitas da Visãnet são oriundas p&cpalmente das coinis& -ai
.

:.

.

..

.

...

.

.

I

o,

.

.

.

.

.-

.

.

.. . .. .

.

. .

. .
.
.

. . . .. . . . , .. . .

A e.mpresafoi criadaem 1995 e surgiu de uni .t%ncei,b ,compartiihamentodessa operaw de. . . de negócioi'de~esrt80, ' . 1 : . cred&ci.amento que antes eia feita pélos:pr6prios b&ms, como parte de . . . . ... . A& então, o credenciame& d~..estabelecimen~s para p.ag&enfr,. era de respooSablidade :80s bancos ..quepo . , . . . : estabelekmentoscrede~ciapos. . : .
. .
'
e

.

.

.

..

.

.

.

. . ",

'

-. \. . .

.

.
.

.,

.
/.

.

.i

.

I .

,

I

.

.,.

/'.-

. .,

A Vísanet. -foi pioneira C ~ r i i i ao &' 1 um .. ' . . . ;. &tabelecimentos credenciados e 6,. atualmente,,umi das 10 \ seu .ramo de:ati~dades. . . .

................
'

-.

.

............

.. .
.

'

2) Acionistas ~~-VISANET.

.-.

. . . . . . . .

. '.

-

.

..

.

-

.

S

.

:,

.

.

-

-

.

.

.

.

. .

:, 6

--

' A ~ i s a n è té uma., ' a
. . .

tem 26 acib&,
.

mnformd
.

acionária de 31-12.05 abaixo:

- . .

~ a n AIvoryla (BtadeSco) A BB Banco.de Investimentò .
.'

' '

.

I 38,8383%
/

.

.'
'

.

-

. ,

31,9964~.
.14,2823%
'

.~BancoABNAmroReal ..
..

'5
.

.

L

.

.

.

,a

'Visa .htermgiond . .
,

. , .

.

.

, .
.

. . .

.
.

.
'

.

. .
.

-

10,009P4
.

. .

.

.

.

.

. . .

:

.

.
. .

. .-

.. . .

!

.

.

.

-

. . . .

. .

.

.
r

.

.

..
.
.

.

. . .

. .

. .

.

. . . . .. .. . .. . . .

.

I

.

- .

.

.
. . .

. . . .

.

.

.

. .

. .

.
, - ..
. .

.
. . .

.

... . .
I '

54nn 25
.
....
. .
4 .

. . .

.

.

...

.
. . .

w w f l o:
m,
:
. %

.- . -. . . '.
:

.
. .

. .

..'

-

. . . . . . .

.

....

.

..

.

.

.

.

--

.... .
.

. . .

'

.

.

:.

:.<.

. ..

.

.,.. -

Unibanco - Unicard - Bandeirante . . Banco BRB S/A. .. ..' . Baqco Santander' . . . Bmdesco - Banco Mercantil.. . . . . : . . . . . :BancoFininvest . . I3mkBos~on . . ABN- sudameris . . . - . Banco do Estado da Rio Grande do Sul . . P ~ m o .. . . . . . . , . . ' . Itafi - Banestado .. HSBC Bank Brasil .- . BaM;o-. Simples . .Bm& . . . . . Banco &tos .
.
'

.

,.

.
.

. . .

., .

'

8

.

0,5188. . - 0,5182% .. .0,4509%. . . 0,1.03$% 0,1036%' . . . . . ' 41038% . o,io36% .0,1036Y0 . , 0,1036% . . . . . .
. ,
'

.
. .-. . ..: .

. .

. . .

-. . . .... .
.

. . - ..
.

. .
. .
*

..

-

.

.

,

.
.

. . .. . . .
2 . .

.

.

:

.
I .

,

.

0,3547%
:

.

.

.
,. .

.

2

.
.

.e
.

.

'.

.

/

r

.

.

'

.
1 .

'

-

.~an60'&
.

,-

.

- -.
. .

.

..

. ..

.

;.

.

-

. . ... . - . . .
. . .
2

..

'

' '

.

. . . . . ..
'

.

..
'.
.

.

Santand.- M c o do Estado.de &Paulo . . BEMGE, . .. - . . Bradesco - Byco Cidade - . .. Bradesco - Banco Boavista Banco SGtander - Meridional .. -. . Banco Alvorada (Bradesco) - BBV . . - F i e i r aAlfa. .'

-

.

,.

.. .

'

..

.

;

P

0,1036% . --. . -0,1036% . O,fO38% ' 0,.1067% . . 0,3308% . 0;1036% _ -. . 0,1~9370!. . . . . 0,103'6% . 0,0159% . . ' 0,1036% . 0,5182% 0,5182%.
.
'

.

.

.
. .
. .

..

.

,

.

.

.

,

.
,

.

.
. . . . . . .

.
,

.

. .
. . . . . - . . .

. . .
..'

.

. .

. .

.

.

..
. . .

.

..
.

.

.

.
.

.
.

,

.

.

-

.

.

.

.
I

. . . .

. . . ... . .
:.

.

..,3)SERVINET
.
,

.

.
I,.

.
'

...

..

.

-

, ,

.

..

-

-.
I

A' 'se-&
..

:

~ e r v i pL& i;.
-.. .

.

...

.

-

..
.

. . .
.

Visanet%

r ~ ~ a6 empresa de 97
.
. . .

.

-

et

.

.

.

.

.._

..

. .

. .

A .smin& 6 responsável pela presta@@de s e n i p s de . . . . . . ,'.eletrônimsdocados nos *éstabelecimentos comerciais. . . . . capturadedados eo pme@mento das tra&@&s.com k : d e . . .
. . . . .

....
. .

vi&,

.

-.

.-

.

.'
,

.

. . .

.

.

.
,

: . . É responsákd, também, .pelo relacioinamiito e negociação dos pmps estabelecidos com i . . . . clientes, bem como por todo .opfoceso de Sinali
<

. .
.

. ..

.

,. .

.

. . .

-

.

. . . .
.

.' .. .
. . . .

:.,.
-:

.

. .

.

.
. . .. . . . . . .

.
.

. .

i
.....
,

.

.
:

-

.

.
.

.

.

- . .. . . . .

. . . .

. . .

e

. . . . \. .. . . . .. . . .

.

.

.

.

...
: .

....
-

. -.
H , '

.

:L

.

.
.
L

...

.

.

....

.

,

'

.
. .

. . . .. . . .

..

.

.

1.

.

.

..

.)

:

.

.

/

1

.
.

... , - . I
. .
.

-..
.

A Serde
.
. .

.

.

.

.

.

-.
.

.

. . .
.

incluindo a úsasmissáo de dados e i&oraia&~; soluções coqorativas,~ sisteks-de comunicação . piv* e de processamerito. elet.dini& de p a g ~ m t o s ,além .de .p c o sqdços de : de ~ -. . ap1icativos.edata -center.. . . . . , . .
.
v
'

e responsá~elpek'$resb&de serviços de. gerenciamento de t e c n o ~ ~.de.irede, : ~ a -.
.

.

-

.

.
.

..
.
'

.-......
-

.

'

i
.

.

'.

-

..

.

~ o d &as empresas,.~ k a n e t 9e ,- t e S d e , foram constituídas e têm .por objetivo & b i i ., ' a aceita@oSdoi cartões de cddito:e débito wm a baqd&i&.~fsa estabelecimentos comerciais 116s - . ~. . . . . - brasileiros. . . .
I

' _

.

.

.

.

;
.

...
.

.

..

.

.

%

'

.

\

...

. .

.
. - ? .

. .

.
. J

'

.:e
'

3) Publicidade --óbietik:incentivar o .
.

dos eirtões V i ,
. . .
.

.

.
.

.

. .

.

i .
. . .

.

,

....
I
"

.

No * de 2001,.com o objktiv6 d e e h u l a f a aquisição e o uso dos * w m b a p . . i p , . 'o
8.
. .

/

.

.

.

.

.

ei $.
:
+ O .% 0& \

;

.

. .. .

. .
.. .

. , .

.

.

.

' ......:
.

.
.<.

.

. , ,

. . .

.

.

..

-

ea.. ançado no com foco n6 4 6 de débito "VM Elechon9'quUetinha &do e.*. da . aceitação desses cmtt8e,:no comQCio em gerai, com o mnseq~&.: . aumento d w z a $t s &?4* empresi, a ~i-et decidi^ implantar um pgrma de m . dife&ci~ido , + .
.
-

.
.
.
-

.

.

.

.

.

.

.

.
.

:

'

,

-

:

Dessa forma, com o obietivb único de realizar soóes de marke&g d. ' dos c&& 'Visa mlos bilsumidores, a -vi&et &sou a do es * &ponsabilidade d e gasto foi atribuida 'ms se& acionistas. I& po.$ @ O : acionistas da Visa.net as iMtúiq6k%rebnsáveis pela. eni.&. e#t s . oh . &
'

~ ~ U i c e n t i voa r .

uso;

.
. . .

,

eqxciais; cuja tixatambte 6s sb&co.s com band+a V,&a, s daqueles

. .

.

,.
'

. ' . . . .

.

..

'+'

manutenção e cogtofos' cort estabelecirnent~i. ~omerc'@& .estabe~&im&s ~resta&reS de e 'serviçospara <1ceit4cHO cktõe;s de crédito e-dedbbito,.óem cimo otmiwneio: de&gamento;. . de ' - . : @)apresta& do seMços de instaIaçaaçao rnrmirtenção do timinaiseletrônic~s < P o s D ) ~ ~ ~ . . . c q capiwa de dodos.e ~processmnento deaansa~&~.coiiõ e ~ & ahito e de débito, bem comd . w . . *' . cem outros meios de pag&entos; ( i o:desenwlyimenfo& ktividadw correlatas no seto* d e . .. ~senri~os julgadas de fnteres8e.& doiedade; . e (d) a partkipaqão ènt ~ u t r & ' ~ ~ c i ' e d a d ~ s . como . . . . . . . . - sócia ouacionista.'' . .. . .
.
'

O obieto social da Smiinet, p&*sto em seu contrato social i"a dprestaçãq .de sèrviqos de :) ( .
1 .

.

:

,

<

.

.

.

.

'.,

.

.

i

..

.

.

,'

.

,

.

,.

. . .-

.. ..

1

f .

.

.

.

.

.
.

..
I

,

.

..

.. . \. . . .

. . . ; ~e*tree,ses fimdos* a vi&et 6 seus ~ i o ~ s t & ~ c o q s t.__ ' o ' ; c ' h a m a. dde .In&ntiyo .o '. i~~ ~ "~~tld . . . . Visanetn, com a n~ialidadededstuiar ~kalpente yal&esaos bancos emisbres dòs caaóeivk. . . . . I .... .., . especificamente para a te&ção d i ~ . ~ de rgaibting: O ~ G d o ' ' d e õ s Incentivo ~ i & e t .foi' : : . . , . . ,. constitddo mediante o estabelecim&to de um Remilmierito c o n t ~ d o . t&usula.s e c o n d i e a . lis . . . . . sere& obsefvadas no planejame& e &ecuçãq9 das . aç8es.de maik@g, bem.como as condições . .' :." . . . . . ... . - . . para.pagamebtOaos fsrnecedoxi e,reemboiso aos bancos. . . . . . . . . . . . .. . \ . . .... . .. .. . . . . . . .. acada banco foi dk&mda uma qio&i do fun&.equi&ente Parti~ipÇão,&io&ia . . . . , .. . . . . . . Visanei :que,-.emgeral; guarda relação' ~~"as~pat-ticipações~como ex&sor& doi cartões V i a . , . . . . . . . g1.a . . . Uma vez itríibuida a . $&ba anuai, Eeda banco passoÜ a s a diretamente &niável . . 1 . . . . - . : propaganda, markehg e execuçãb das @&'de incentivo e t m l k m a-aquisiç80 e O uso ' . .. ' siuae 'de seus cartões 'com.bandeúayisa juntos aos-:'seusclientes.: ,
.: . . . ...

.

.

,

_I.

'

-

-

:

.

:

'

.

,

. .

.'

-

.

.i.

.

.

'

.

,

'

.

.

.

. ..

.

.

.

e

.

. .
,.

.

S

.

. - . . . I - ..

- .;

. . . , .

De-- forma geral, as regras d* Fundo de Incentivo Visanet determinam que.&-a c & banco :. a
. .

-.

-

.

.

.

.... ..

..
.

,.
'

'

.

\

acjo"*a, emissÓr' dos-cartões :Visa, pliinejar e executai siLss pr6piias - - . d6 propaga&, . . a -keting ou -kcentivq visando pmmòver aaquisição.e y b d o s c a r t k Visa, *como contatar*. . . 1 cotar e negociar dintaqmte. com 9s fomeceiiirei.n&s&ios . para i.impiementaçã0 e execiqão .,, '. . . .
,

.
,

%

. . :

.

,

. . .

-

-

da*
' .

p ot . . s , a p

-

. .. . . .

.

.'

.

. o U de Incentiyo Vignet, uma vez &bradá a proposta de . D e 'acor~,mm Regulamento do F & . - açHo de m a r k e t i n ~ . . ~ l ~ ~ b a ndeve~ser apresentada h Visanel para~xecução pagamento, .: m; la do
......
.
<

.

!

.:

.

.

.

. .

i

.

, '

.-

.-

:

_ .

.

. .

. . . . . .

.

.

.

.

.L

.

. .

-

.-

.

.. . .

.'

.

.

.

. . .

.

..

.
:

.

.

.

. . . . .

..
'

.

..- .

.

.

-. .

.

. .
I

.
S.

.. "
._.
'

. :,
.

. .
'

. inCentiv0, @a.iis .são.contratadas diretamente pelos bancos emi . - -. . . . . v i d , - .. . . ..
.
% .

.

:-;,

: .
,

-

,

.

.

. .. . ..

.

.

. ' _ .. - - . .

. .

.

,

. . . .
. .

.

,

r .

-

.

.

. L .

.
.

.

.

. - .

. .

.

.

.

.

. -

.

.
.

. . . .

.

.

.. . . ..

.

....
.

. . . . .

.

. . . .-

.... S

.....
. . . . . . .... . .
.: -. .

... .

. . . .
L.

.

.

.

..

.

.

:.
1

..

-.

..

'

;

.

.

. .

-.
.

-

.

-.
:

.

.

.
_

.

. ,

.
. ..

..
.

:
'

. . . .

. . .

.

,

daqueli 'instituição finanoeira, na qual. :mant6rn conta c&eiit.& :Os pagambr&s à DNA . . . . . Propaganda, kqtretanto, foram todoi rralizad6s pela Vi%& .. cr>&.sew. . . reqmos e devidamentq . .. ,. . . .. . è,-turado> ia~ntabilidade pn6$ da Vii&et... . . . . . . . . . - . . . . ... .. . . . . .- . Todos os pgamenGs realizadoi pela Visanet B DNA Propagcydci tiveram por ori& recursos . . . . & S I atividades comekiais 2 f exkutad~s por legalm&te obtidki atra&s. da execuç3o~das .. .. .&ruçiio e sob a 'kpònsabilidade do B& do&asil; eni. eonfoddadee com' re@ do'Fundo ' . .. . . . . liites da qu6G do fundo disponibilizaúa.a m h ~ t pari . 1 '. e .de Incentivo visanei atpdendo .... . . . . . .aquele eniíssor. . .
:
, , ,
:

.

.

.

.

:-mo . m. .
.
. .

-

. . . . .

:

'

. . . ..- -- . . . .
:

. -.
.

.

.
-.

... . . .. .

, .
. . .
', J

'

. . . . : . .
. .
.I

.
%

.

. . . .

.

.

.

..

.

-.;

.:

a
.

r

. .

.

.

.

i

8

;

'

.

.

.

..

.. .

-

. .

L

;

.

.

..

. .

e,
...
'

Emiswr;~isa fora& *aios pela Vistinet i o i .respectiios fomecedO& contratados, cotadas nego&?dbs pelo pró&o Banco do Brasil, entre e&, a DNA F'ro&qpd+ . .. . ..
I
'

e. . . .
.
.

. ...
3 .

.

. .& O
.
. .

.

.

.

.
-.

. .. . . , . .

qntnitA formais . firmados pela vi&& e .referida~~mPresa A-&de brk&g se bas&u no php&post6:&lò . B E do ~ 4pagamento se baSeou em-&o . eo . Comunicáçib do ,~anc& Brad informando do que asção.foi &daa dentro do escopo do ~yndÒ:de~wntiv~.~isah&.'càracter&zada
.
.

-&há interferência direta.da Visanet nessa toptrataçáo, .&o. exiI .

.

.

.

., .

.

.

.

.

.

.

.

-.

.

.

.

...

,.

:
i

.'
'

.

. . . . . . . . . . 1 :.

i

.., .
'

.

.

. .

: ,

'

..\

. . .

. :
. - . C :.
,

. . . 9 . .
....
*-.

.
- .
.

.

m
.

..

.

.

.

-

.
I

.

-

.
. . - .
< .

-

.
...

.

.

.

.

.

.

. ....

. .

..

.

.

. .

-

.

.
.'

-'

.

.

i

.'.

. . .
.

'

..._ . . . -

-

. .

.
.

,

.
, .

.

.

modo, d&de:2001,.c& a criação doFmdo de IncentivoVisim*, a ~isapet destinou cer& - . de R$530.~)0.0~,00 (cpinhenfos e trinta.milhõesde reais)'@ ações & prn&anda, xpar&ting . :. ou incentivo .&ntratadas peios próprios bancos-@nimmy knforme lista anexa que segue - .' . . . .
C

.

.

.:

...

.

.

'

,

. . . . ,.
'

..

. . . . . .
.. . . , . .
. . . ... . . <

. ... :

.

,

.- -

.

Ressaltese mais uma vez, inclusive pel& próprias ngnis.do .fündo, '@e gi ~ i s a n eno' t '-nenhum conhato com os fo~ecedores ações de proPagagda, a,marketingg de ouiricentivo, 'seado . . . .. certo apenas real@i. os pagamentos das campanhas plazkjadas, executadas, cO~das, . . '. I . . negbeiadas.~ . . kntra&duiamente-pelos banco; G m & s s o ~ .1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. _ . , .. 6) DNA .Pro~àeanda .. . . . t . . ,. . ' : .
'

.

-

..

. .

- .

.

i

..

P

.

..

.

. . ... ..

.

...

,..

..

.

As . a P do Grupo'~ísánet.&io .itt$n;e nwca tiveram n n i h d relacionamentb &to com a - . empresa DNA Propa&da. A Visauet, pot solicifsFHo do B&W do Brasil, e erkcbnformidadde . . com as regras.di~~undo liicehtivo ~isanet, de e$e&ou, eritre~2001 2005, pagameptos para a e . . DNA Propaganda no vslor total L R391.!~94.889,05, i sabeT: .. ... . .
,

.
.

: .

r

.

.
'

-

r

'

.

.

.

.

.

..

.

.

..

...

-.

. . .

. ,.

-

i
4,t"'
5'

.? e-'

. . . . .. .. . . . .
.
> .

.z

..

-'z

.

i

.:...
:
'<

,

.

. . . , .. . .
.. .

.
. .. . >.. .

,

.

..

'.
. .. .
. .
.L

. . . . ,. . . . .. .

.. .
.
2 '

.

. . .
.
-. .

.

.
. .
.

. . . . .
...
I

. ..

.

.
.
I .

.

. .z

. .

.
t

......
.

. . .

.:

. . .
. .
.

....

w;
.

.

......... -

.

.

.., .

.

5 .41 6
.

. ...

. . .

.. .
,

, ,

,

.

'

,

.

.

-

.

. '

.

.

,

.

,

. .
,..

'

,

.
.

.
.

-

.

.
,.

.

.
' _

. : .
.: . .
.

.! :
z

-

.

.

INSTITUTONACIONALDECRIMINA&TICA . .. . SERVICO PÚBLIcoFEDERAL . . SAIS Q u 0 7 Lotes'09/10 170618-200 - Brasíiia - DF Telefone: (61) 331 1-9333 J FA: 245.4307/ E-mail: inc@dpf.aov.br' (61)
'

. .

DEPARTAMENTO DE ~ 0 L k l . FEDERAL A

.MINISTÉRTO ~ S T I Ç A DA

. . . .
,

. .
'

.
>

.

. . . . .. . . .
i

..
r

,

.

....

'

,

,.

. ..

.

-

i

...

I

. . * . .

.

/

.

.
. .

..

' ,
'

.'

. . A Sua Seniiorig o Senhor . . .. Antônio LU& Rios da Silva . Diretor da Companhia Brasileira de ~ e & - d ePagamento, :. - VISANET . . SP ' . .

.

.

. .

.

.
>

.

.
,

.
,

-

, .,

>.

.

.

.

.

.
'

.
.
,

,

.

.

.
. .
,

.

.

.

. *: .

~ s s u n f o : ~ ~ e a l i zde Perícia Contábil-Finaiceira na Companhia Brasi1eira;de Meioh de . : i~ão . .' . I . . -Pagamento . . .. i
i . .

. .

. .

..

:

,. ,

.
. .

.

'.

.
r

\.

~eferência:,'O&iono099106 STF
.
. '

.
I

.

. . ... ...

-

..

,

;

.

.-

-

.

.

'.

.... .

. ..

.

.
. . .

.

.

.

. '

.

. .. . . . -

,
#

..
. .

I

.

Senhor Presidente,
. < .

-

.

. . . .

2

.

Em 11/01/05, o Excelmtissim~Senhor:.Ministro dò Supremo Tribunal. . .r.:,. Federal 'Ne!son Jobim decidiu - deferir .integralmente.as . diligências requeridas pelo . . . . . : Procurador Gemi da República, qw..incluemreaiização perícia contábil e financeira n a .. . . ~raiileira-de Meios de pagamento, determinando que seja k q u g d o acesso _. . . ~om~anhia . . . : aos~eritos INC ' Instituto Nacional de Crim'mlistia do Departamento d&P,cilicia : . do . . .., . . .. . . Federal, a tõdos os documentos que constituem.acontabilidade da empresa VISANET, no""'. ... .. p e n d o de 2001 até a presentedata. . . . . . .." ,
.
'

1;'.

.

.

.

.

...
'

.

.

9

,

,

,.

*

. . .

,

,

,

,

,

, ,

'

.

.

,

.

. . .
.
,

.

. . .

,

' , Nesse contexto, bbjetivando '. cbnfinuidade- aos . trabalhos ,,e c6mplqnentar as i,nforinaçÕesrequeridas no oficio,17S/06, de 17101106,.cabe solicitar'a , . ..V.Sa.tomar .. as-seguintesprohdências: .

2,

'

..
.
,

.

.

.

.

.

. . . .

agendar reunião com os a&s aiditorw :indepehderitesresponsáveis pela auditoria'.. , . etéina daTISANET e disponibilizar todoi 'os relatbrioi de auditoria pkep&ados .. pelai è+sas de auditoria externa no' pdodo. sob investigação, bem como : .: permitir acesso aos respectivos papels de trabalho; . . fornecer 'cópias'de ccipespond&nciasenviadas aosbeneficiários da verba d o fundo . emissor VISÁNET, .em que soliklta-. prestação de contas de .todos qs recursos . ,.repassados; . - .- . . ... .
'

,

>

.

'

.
,.

,

.

.

.

.

."

.

- '

,

.

<

-

.

'

..

. . . . . .

.
!

. . . . .
' .

. . . .

.. '.
....
d .

. .

..
.

. . .

. ..

.

. .
.

. . .

.

. .: . . .
.

...
.

. . .

. . . . . .
.

,
.

I,.

i

..:
'

<.

.

.

. -.. . . . . . .

-

.

.. .
.

.

.
,
.

.

. . .

.

.

.

. .i . :. .

.

.

. .. . . . .

.

.

. .

.. . .

.

.

.

..

_-

. .

.. . . . . . . . . . .
..

. .
-'

. . .

. ..
. .
j

.

.
. .
1 %

.

..
..

.

.

. .

.
.
.

.
. . .

.

.
. .

.

. . . elaborar 'dein~nstra~ão detalhada de m a .campanha preparada com recursos do.. , .. . . . . . Fundo ~ e k k t i n g V~SANISANET, incluindo as-'fases orçamentária, . b ~ i r a ~ e i :.contabil-,.-bemcomo a deskrição ' d o s controles.:.financeiros e operacionais . . . . .. . . . .. existentes; . . ,elabc& :d~monsf&ção detalhada de uma camjmha pi-eparada com verba de ., . . . . m&ketibg .,daVISANET; incluindo ,w' orçament8ni financeira e conthbil, . . . . fasb . . . . . . . . . .. . - :. . bem.&np a descriqãodos controles fuqnceims e opapcionai's existentes; '. apresentar, "cor;fo~e'iexigência"règulamentar fundo edssor ~ % Y N E Ttodos . . . . . , do , . . os pareckres .ou os klatórios preparados pela empresa, quando da spr~vação ou .do' . . . . . . . . . acom&dmnento da utilização dos recÜrs~s -o db emissor;. . . . . . '. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O cxplioiw todos o$,tip& decontroles existentes sobre a .verba;do h. d o emissor . . . . - ..
,

.

.

,

.,

.

. ,

.

'

.,,

L

.

-

.

.

i

,

,

$ :.,

,

,

.

,.

.

.

'

.

.

/

,

;

'

.

.

, ,

'

VIS.AWET;

;

'

.

,

.

r

.

. .
. .

.
'

,
'

.

. .
'

. . . . .

.
.

.

.
. . .

.

.. -

:
.

.

.

.

.

' , .

.

.
.. . .,

.

. .

,

.

'
,

.

..

. . . .

.,
..

/.

. . . .
' :

. . .
.
.

apresentar os docmentos'fiscais de. supi,rte, que incluem notasi fiscais de . . . . . . . subcontra&tdos, relativos a transferencik financeiras do fundo emissor, c o n f k e . . . . . 1 - 'lista &a; . . .. , . . . : apresentar as Ç ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~sobfe a prestação de iontas do$ usuáii0s da ~ ~ - V I S A N E T "; . verba do fund6 emissor; '. : . . . . . . apresentar, emmeio. magnetico, os fluxos de compensações,realizadas entre os . , ... bancos e a VISANET; apresentar documento d6 fluxo de kaixà de um dia,. c -exernp&. .que demonstre .: . . . - , as r@+imentaÇões..financeiksda emPAsa; -. . . . .. . . . . - apresentar lida das contas banc&iai'claempresa e subsidiárias e respectivas cofitas . . . . . . , . contábeis; .. . .. .. ,
.
,

..
.
'

.

'

.

.

, .

:!

. .. .
, . . ',

'

,

.

,

. .

'

I

.

,

:

.

. ... .

.

.

....

,'

.

.

.

.

.

,.

.

, ., .

.

.

.

.

.

.

.

.

. .
. , . .
. .

.. .

. ,
.

.
,

3. ,cabe. informar as acõe~em andamento nesta. e&&. laesuas :subsidianas serão : ence<das em .27 de janeliU 'de.2006;"~ão obstante, pode surgir a.necessidade.de novas ações ?u:demandas em razãodos èxames real&d& n&dcynentação forneiida. . ,
,
'

. .

:.

,

. . . .
i'
.

.. ..

.

. . . .
,

.
,

. .

.

.. ..

4: . Finalmente, éimportanteressaltar que 6s doc~nentbs fornecido? at&27/01/06 devem . . não . .. - ser encaminha dos, no prazo &mo de. h.30 ' dia$, àb : Instituto .Nacional de
o

..

.
,
'

'

.-

.,
.

.
. .

.

.

.. . , .

.
.
0

.

Criminalística, aos cuidados dos ~eritos~valdq.0liyiraAssis e Leonardo vergira, no de endereço - SAIS Quadra07 Lotes 09/10, ~dificio INC, Bmllia-DF, CEP~70.610-200. :' . . . . , .
.
,
'

.

. '

.

.

.

.

..

.

.

. . -

.

.

.

.

.

.

,

:; : . i

.

.

~t~nciosament~;
.
,

'. . .., :

.

. .

.

:.., ... . .
,
'

/

.
, .
'

-

.

. . . .
.. .
: .
,

.

.

.

.

' . i

.

.

.

.c

.

.

.
,
,

. . . ..

.

.

. . -.

.~atrícula9189'-.
.
. . .
. ,

-

.

-, . -

. . .

,

.

.

.

.
.

.

.
.
I

>

.. .
.

. .

. .

.
. .
..

.
.

.
.
.

.:

.

.

. .. .

-

. . .

.
.

.

.

,

.:
. . .
-.

:
.
e

. .

i
.

.

.

\ .

. .:.
< . :

. -.

.

.

:
.

.

.. . ..
.;,

" @ c - , - , . ,

'

..

._ . .
i '

. . . .

. . .

. .. . .. . , . . - ,
. .-:
.

.

.

.. . . . . . . .

. ,

,

.

.

.

. .

.

.
.

S .

..
,

.

)

.:.
. .

.

-.

. . . .
.
I

. . .. . . ..
,

.

.

.

:

.
'

...

....
,

..
.
.

.

:.

. . .

.

.
. .

. .. .

~,

..

.- .

.

.
.

.

.
,

, ::.:

. . ..

......

. .

.

.

..

.

:... . . ,. .

.
.

.
. . . . . . .. -. ..

.
;

. . .
I..

.
. ...

.

.

. . .

.

'

.

:.

. .

. . . . . . .. . ... . .

2de2..

.

.... .. .. . ! . . i<.

.

.

. ',i ,

.i

.

X .

X X.

.

X

. .

.

. .

...

.

1

. . . ... . . . . ....
..

:".

.

.

.. :
'

- .
. .

. .
. .
,

'

. .
.

3

.

. . . . . .

. ..

. . ....

-

!

_.'I

.- ..
L ,

. . . .

.i' , i .,x
.

X .'. X...

;.;.
.

,',

,

.
.
I

.

. . " ..... .
.

Página. 1
.

. .

.-

.

. . ...

i.

. ,

,

.

.

,

.......

.

.

.

:::.

#.

i *

.

; .

.. .-.,. . . .

... . \:.. ,

..

.
. . . I

. . ,. .

.

. . . . .

. . . . . .

.

.

,

''I .
'.<
$

.

.

,: i

I'

I..

. .'.

.
A. .

.
, ,

. ,,.,
.:.

...
'

<.

. ..,
I

:.\I

i::

:x .' x;. x.
' '

X . ,I.'

'

# :. .X

x. x

X

;

X-'
. ,

X ' X " X,

x

X .

.x. x .'
,

x. x

,-

:'X x..
-

x. .x x x X' x x. x

X .

..

.

..
.-:

','

i

XP(

. . . ,.

. .

' >

página 5

.

.... . . . . . .
,
'
i

':

. . . . .

I ' . .

: r

-. . . . .

.
'
I

..
,,

.

X

x

.
. '

.
;,..

,

i

.:

x
..
,

X

.
.

.

.x
X
.

X

: , .
:
. :

::. .

:...
:

. ..
.
,

...

,

:

. .
.
!

. . . . . .,
,_
<.._<'.

,

X' ..X .

.

'

/

' . X ' .
..
.

x

.

. .

.
. ,

.
'.

,

...

x

X X

..

.
::

. . .
'

.

.

.

. . .:':

,

. . . .,
,

::.x x
. .

L

:
'

< I

..:
. '

'.

:
,

.. .

;
i
I

.

.x ..,x.: . x...
.

-. .

.
'

X

<

'

:

'..

.. . :. .
:

.,

.....

' . . . . . . . . ..
.

.
: .

-

.x.. ,

.
,;..
'

. . .

,

:
-,,

. .. ..... . !,. . . .. , .I .. . .
<.(

<

,

. . . .x'
..

'X.'
.X
.

,

.

;

.

'

*

. :. .....

: ..

:

..
.
'

X :.
,,

.
.

.. ..: . .. . . ,' :
....
.
,

' ' :

;

.
.

.
.

-x ,
)(

x'.. :', .
.
'

7,

,:.

.
'

i!
,

": I

'1i

I

x '. ' . x - , : ' . , .'
X
' X
J-',

". .

.,

.

'

.

.

. :,: .

. .;

. .!
.

I

I

"

.

,T
.

. . .
, L . .

;

. . .
I

.x..
x.
x;.

: ..
"
,

,

... .
,
'

.

'

. . i

X . ' , " ". .

. . . . ,..

. . .
8

'

,.

.xi.:;

.
,

. . . .
"

.

,; .
,.

.
I

-

.--x:, . ,x. . x.
.

'.

,

,.-'.

! . . ..: .. . . . . . .:
' .

,,

" .

. X '.
.

.

<

'

.. . . . .....
"

:

j'

.
.

x ;x

.

.
'

X

X . X : .
'

. ..
.'

.

. . . . . . ,, . .

,:.

.'
..

.
.
,

'. : 1

.'

.

-,

. . .

.
. . .

.

Página 6

.x .
xX,

x : .
'>.' ,:

X

. '

:

..X-;

x :' ,. .x.." I . .x . ., 'X .,. ,.x.' :x,: . .x1
"
,

X .

,

. -.

:

. .

.X .

x..

X. :
.

x

.

. ,

Srs. Evaldo Oliveira de Assis e Leo&rdi~ Vergira Peritos criininais Fedeiais do . .1&tituto Nacional de Criminalística . . ... Departamentode Polícia Federal - -Min.Justiça

.

. .

,

.

... . .....
,

.

'

Ref.: riiformições sòbre CBMP ~undb-de. . hcentivo Visand d7 .

-

;f

t

.

.

..

.

.

Prezados Senhores,
. .
-

'

.

. . .
.

: .

.
.

.

.

. . .
. .

Q EGO. Presidente do supremo ~ribunal ~ederal, Ministro Nelson Jobim, autorizou.o ace'sso dos senhores aos documentos que &&titueW a contabilidade da C B W , no realização de mrícia'co-ntAbi1e frnanceim:, . peiíodo de 2001 a 10 de janeiro a e 2006, para.aDurar a origem e finalidade' de merqões entre CBMP e .DNA Prouaganda.h e. .. .. 'envolverani recursos de cerca de R!$9Ú miihoes . .

,

,

,'

..

. .

. .

.

.

.

.

.
:

'

Temos prestado amplawlabora~&,nã0~s6. p&a a perícia.em curso, m& $ara toda a investigação, visando contribuir i a r i um quadro de absoluta 'transparência.sob& .os . pagamentos mdimdos à empresa DU9 Propaganda; A el~idaç30 dos fatos & de todo ; interesse da.companhia.
. .

-

.
I .

- _
. .
.

.

.a
.
.

.,

.

.

..

Em cumprimento à deteminaçh do E-o. Mkstro NelsonJobim, vimos exibindo aos. senhores todos os documentos contábeis e -financeiros relativos àquelas, operações .e . : , , decessários para o cumprimento de suas funções.
. ..

. .:

'

:
.....-

. . . . . . . . .

0u<ossim,' os responsAvc!is pelas Breh Executivas, *.deControladOiis, Contabilidade, Tesouraria, Orçamento-e Marketing, entre outias, fizeram apresentações aos senhores peritos &licaido ..o, funcionamento.desuas respectivas .áreas de atuação e p ~ t a n d o . os-..: escliuecimenps solicitados.
- .
.
,

. . .
.
\

...........'.

. .

,

.
.

.

Os documentos e 'infotmações que
I
-A

. .

.

.

.

.

. . . - .

Carta esclarecendo sobre o sistema de cartões de Visanet e dis empresk subsidián& SeMnet e
.

.
. .
.

. .
.

.
. . ... . .

. .

!.
. r

-

-

. ,. .

. . .

. .

. .

.

.

.
< -

.
.

: . .

.

, :. .

.

. .
,.

.
,

.

e
.

. .
.

Apresentar as c o n c l u m d a Visaiet sobk o uu, das verbas do Fundo de Incentivo Visanet; .
.

. -.

.

.

.
'

.

. . .

.

.

.
.

. . . . , . .
.
.
.

.-.

.

'.

.

.

.

.

.

.

Cópia, em. meio rnagn6tic0, dos fluxos de- compensaçiks realizadas entre OS bancos .e a Visanet (grades de crédito e débito).de 2001 a 10.01.06. Com &lação a ..... @e item, estamos verificando o tempo necessário para a recuperação em arquivos. magnéticos de abril de 2002 em diante, sendo que aqteriormente à abril de 2002- . .ppvidenciaremoscópias em papel;. ...... . . . .. .. . ,. . . Chpia-da Gsta das contas bancárias da Visanet .e de suas subslidiárias, bem como . . . . respectivas contas contábeis. . . . das.
.
,

'

.

.

.

.

.

'
.

.

-

Fornecimento de lista dos -auditores externos contratados $a Visanet com a . indicação do responr$vel'em cada uma das empresas de audito@a; . .
-I-

.
:

,.

.

.

..
.

,

. . .
. ...
*
..

.. .
.

.. . ... .

.. :

.
,

.

.

.

.

.

.

.Fornecimentodos relat6ri0s.-e~~apéis.de trabalho de auditoria exter& (semestral . ou anual)gue apontem .hgiiidades e recomendaçbes; . . . . . . . .
. . .

:

.

.

. .

.e.
. . . .
. . .

. . .. . .
.

.

. .
,

. .

-

.
. . . . .

..

.
,

.

Apresentação de documentos relativos a aç6e's internas de ~marlcetinge ações, . . feitas em conjunto com a Visa, incluindo demqnstração detalhada das açí5esyfases :.,'orpment+iai financeira e contábil, controla-operaçionais e financèiros, -relação . de pagamentos, jobs de aç0es de rnqketing,.notas f i s ' q cbntmtos cqm agâicias, . . . fornecedores e clientes,-atasde comitês'etc. . . .. - .

:

.

-

'.
.
'

.

.
,
'

.
.

.

.

... .

-

.

.

. .
, .
.

.

.

. . . '.. .

~nt&demos, todavia, que' algumas Providências den& a .solicitadas acima pelos i . senhores peritos extrapolam o escopo ;da autoriiação judicial do' Egrégio Supremo - Tribunal Federal, não podendo aãsim ser atendidas pela empresa.no,momento.A CBMP

.

.

.

.

.

.

.

Diretores . . Companhiã Brasileira de Meios de ~ a ~ & e n t o . .
.

.

.

.

. .

.
,

.

.

. .

. -

.
<

, ..

.\ ' .

.

. c
,.
'

.

.

---5

,.

. .. . . . . . .. . . . . .. .. .
,

.

.

.,

!

.,

.
.

. ..
.

.I

....

1 ,!PRO--TEC/3PF

1

<

.

. . .. . .
.

. ... . . :.:
.
.

'

. . . ' '., . . . . . . . . \: . . . s. & ~ ~ o , 16$e..f&kiO de.2006:': , .,: ,,i . . .
. . .
-%

.

. . .

0~~54.~1391l~ZO~L-OI ,

I
,

,.
I:.
. .
I

' - 0:

. .. . .! . : S . ' . ? .
. I

. .!. . . . . . . . . . . .- . . .. . , :' ' . , . . . . .. . .. .. . . . - . . , . ' . i . .. . . . . . . . ;. . . . . . 1

.

'.

,,

.. .

.

'

,
,

.
I

..' .
,

....
.
,

.

..

.....
.

.
' ..
.
<.:

'

. . . . . : . . :-.7bli~o ~&@hal[&&. I. . . , . ., ' . . . . . , . ., . . . . . . . . . e ... . 1 ,: .Depa-ento:'& :. . . . . . pdflCh$dd ' ; : ;. ...- . . ... .. I . i : . . .. . , . . . . . .. . .. ! .. .. ,:., A?. :.:.i ., , ,. . . . . . . . .: . t : . . '. . : e . ' . . . .;,. : ., . . . . . - . .. . . . ; .<.: ;... . . !... . -. .. . . . ., . . . . . . . . . . . . . .. .:.. ... . . . 4 !.. . . , . . . . . . .. ,. . -,:.- - . '- .... .... . ? , ? . . . . ., : ,y.. . . . ...... . . , > .., '. -. 1 ' . . . . .. . . . . , . , ,: ' .. , r. . . ., .. . .. . .. . .. . . . . . .: . ..;., . . . . . . . ,. , . . . . . ... . .. . . I ; Rd: : 1 l i f ~ f & & 8 6 ' ~ o ~ ~ & ~ ~ & ~ ~ .! :COntabq:,! . .. . . . . . . . . ' ," . >:. . . . '2 . . . .. . . .. . . . . . . . 099jÒS,sTF: . . :.i)' ,. i ( ,-. . . . . : '. ... . . . . . . ... .. . . _ . . . . . . . .. - . . . . .... " , . . . . - . . : . . . _:.
, ,
'

;. .

i'... . .
1'

. ..'.Pe&js crim'&3 & , ~ . d .0. . . .. ... \..'.. . ~ . .. .

v&&ee$dd6

8~Yeimd&3s :
<i

.'
.

. :

.

' . , .
i

. .. .

,
t

< ., .
.

. . . .

.

.. .
.

. .
,"

. ..

,. .
. ',
,

,

. .

. .
a

. . . .
.
d

..

. . . .. . . . .. .

. . . . i. . . . .. .
'

v~i'&$l
i .

+mérib.&q,,&,
;
<

.. .

.

.

.

.

_.
.

,: .

. .

.

.

.

..

.

.. . . .. . . . .

. .. . . . . ..., . .. . .. . '
<
,
\ -

. .

.

:

.

..

.

: .

,

\'.

. . L

/

I

. i

.'%

I . .

% .

8

.

'. ..

., , ... . . . ., . .
. . <

.

. ..
.% '

:

.

.

,

. . i .: .'.. . . : . ., , .

,

,

.%

<

. . . . . . .- . . ' .
,

. .

..

.. . .
,

. .. . .

> . . . . .....;... .

.. .., '
.:
.

! . -

.

I

.

.

. .

.

... ...... . .
8

.

.

.

.. .

.

., .

...

. .. ..

..

,

.

. . .

. ;
. .: . . . . .. . . . . . . . . ,. . . .

.

.

,,

.,:. .

,

. . . . .. .. . '

.....
-,

'.

.

,

.*.

. .:' . ' . . . . . . . . .! ;. - ..
. .;. <

,

,. .

..

.

, .. . ..
i

.

....

. . . * . .

.

.

. . .

. . ... . .: .... . I.' .'

.

.

.

.

#..

,

. . . . . . ' . :.,. . . .. .. . . . . . . . . . ... .
,

.

.

2. . . ,'
. , I .

,

.'

.

.
..

. . .
. . . L

'

........
.
.

. .
.

. . .
. .:.... . .
> '

...;., ., ..
.
. .
.

.

.

.

.. .

. -.

....
.

.-:

....;
.

...
';: j .
:

..
# .

.

......

. . ..

.

.
I . .

.

.

.

.,
. ...

i

,

.
.

...

.

.

. ..

.

. ,.: .

-

'

...

..
.
.

<

<i .

. . . . . . . . ... .. . . . ._. : . . .. .. ". . .. .. ' .- ... . . :

_

$

.

.

.

. . . . .. . .. .,. . . .

: ..

. . . . . . .

,
' >

.

? .

.

.- . .

- ..

. . . . . . . . . .. . ' . . .

.

.

I

...... . . ,. .. . . ..
\
) . .

.

.

.

- ,

,,

, . . .,. . . .. . . .. . . . . . . .. . . . . . . . . .., : : . . . - .. . # . 1'.-.v . . . . . . ,... . . . . . .. . ,i . .. . . . . . . . .. 3 . . . . . . . . . , ,. . . ., . .\ . . . . . . .> ., , ., " . . .. . -- :, ... '.. .. . . . . . . . . . : ; .. : '%... , " .. _ - . .......... ;.' , . . . . . . . ." - .1 . . . . . .. . . .. . ... .. _ . .. .. . .. .. . . . ::. . : ',I . . . . ' , . : : . . . . . . . . . .. . . : <. , .. , . .. - . , , . -...... : '.; . .. . . i ' , .; . . . . .

,

. ... .
I

,

,,.
'

*

.

'

.

.

.

.

i

; .

-

. .

....

'

_L..

'

"

1

'

V

.

\

,

..

..
,

. ..

.

.

. .1 . . ' . . . ' . . . . . . ..:'.... .. ... i , . . . . . . . . . . . . . . .. .-... . . . . ..:: . ..-: . .. , . . . . . ... > .. . . . ;. . . > .....
,
'

.

'..'

, .

.

i

,

..:.

'

.

I

- .."

I

'

,

.

São Paulo, 24 de fevereiro de 2006.

.

.

..

,

Aos . Senhores Leonardo Vergara e Evaldo Oliveira de Assis Peritos Criminais Federais do Instituto Nacional de ~riminalística Departamentode.Poli~,ia Federal - Ministério.daJustiça
'

.

/ '

I Ref.:

~nforma~ões e,docu~entos Peqicia Contábil dá IPL 2245 Oficio no099/06 STF
,

-

Prezados Senhores, Conforme solicitado por $.sas.e pelo Instituto Nacional de Criminalistica através dos Ofícios datados de 26:01 .O6 e 17.01.06, respectivamente, encaminhamos as seguintes inf6rrnaçõede dochentos, em complementação aos já.enviados anteriormente:

,

.

I

. .
.

.

-

.

1. .: ~oc&.entos.fiscais de suporte relativos a bansferêhcias fuiaiiceirasdo Fundo de Incentivo do ano de 2065, conforme lista entregue 4 Visa.net pelos Senhores peritos (PáginaS.1 a 4.348); ,
'

'

:,

.

.

.

,

,

O' .
V
.

2. Grades diárias de compensação de transações de crédito e débito, de janeiro de 2001 a a maio de 2003, sendo que as grades do Electmn do período de 01.01.01 a 31.07.02 estão em meio eletrônico e as demais, em meio fisico (Páginas 4.349.a 7.247);
..
. ..
\

.

.

.

3. Relatórios 'de auditoria d e demonstrapões financeiras de 2001 a 2004 (Páginas . 7.248 a 7.3 18).'~sclarecemos o relatório de 2005 ainda não está concluído; que .
. ,

":
.'

:'.
,

,
"

,'

.

.

.

.

.

!

.

.

.

...

4 . Contmlese relatbrios do sistema SAP, demonstrando is aprovaçóes e controle da . utili&ção da verba do Fundo de incentivo (Páginas 7.3 19 a 7.360); . . .. \
-,
' '

'

i

.

.

1

5. Documentqi de exemplos de ações de mkketing internas realizadas em conjunto ' com a Visa, incluindo jobs, Notas Fiscais, evidêncip, controles e relaphios. do sistema SAP que .demonstram as ipiovaqões e coi&ole da utiliza@& das verbas . .. . i~rres~ondentei (PIiginas 7.320 8 7.452).
.

.

.

e

.

'

,
,

.

..

Informamos ainda que as empresas que auditaram a Visanet foram:
. .

...
.

.

-

PriceWaterhouseCoopers I ' ~ e s ~ o n ~ á~vk ll o Augusto da Silva d s .. . per@do:..de 200 1 a 2004
.
,'

,.
'

.

,

. . .
.

. .
.,

.

....

,

.

.
. , .

. .
.

.

.

.

'e
.

.

~ei~itte Touche Tohmatsu . Risponsável.~ á l t ebalsaSso r Período: a partir de 2005 . . . . . . .
'

..

...

. -,
. .

'

,

.. . .
.

.

_. ...

.

.
. . . ..

. ,

~.
'

. .

.

,

.

.

Tendo em vista que as informações 'e documentos acima têm. conteúdo Mnfidniciai. c : e ~ t d & ~ i csolicitamos que seu uso seja res'tiito. o', , .
. .

, ,

;

.

,.,

. . .

.

. . .

. . . .
.. . . . .
"

.
,

.-

. . .

~~rmanecemos & disposiçãopara os esclarecimqos que'se fizerem necessários. . . . , Atenciosamente,
. .

:

'

.

'

..

I

. . . . .

. . .

. .

. . . . .

Inq no2245

TERMO DE JUNTADA Em 9 de março de 2006 junto a estes autos petição sem número - Oficio no 390/AGU, de 15/12/05, do AdvogadoGeral da União - encaminha Nota CGAUIAGU no 10612005 s, atinentes ao Oficio no 5920lR. Eu, ,Analista Judiciário, lavrei este termo. E , Maria das Graças Carnarinha enadora de Processamento do Plenário, o subscrevi.

.

Oficio no

3 90

.

. ,

-.

IAGU

Brasília, /
Junte-se. Brasília, 0 d%e

r

de dezembro de 2005

A Sua Excelência o Senhor Ministro JOAQUIM BARBOSA Supremo Tribunal Federal Praça dos Três Poderes 70179-900 - Brasília - DF

'V
' L

de 2006.

Ministro l o a j r Barbosa Rel

'\,i

i

Assunto: Processo Administrativo Disciplinar. Solicitação de informações pelo Supremo Tribunal Federal. Senhor Ministro, Reporto-me ao Ofício no 5920/R, de 09 de dezembro de 2005, para encaminhar a Vossa Excelência, por cópia, a Nota CGAUIAGU no 10612005 e seus anexos, atinentes ao assunto em epígrafe. Na oportunidade, informo a Vossa Excelência que, tão logo o Ministério da Fazenda atenda as solicitações objeto dos Avisos no 664lAGU e no 948lAGU - anexos por cópia -, complementarei as informações ora encaminhadas. Atenciosamente,

AL~ARO AUGUSTO ~IBEIRO'COSTA Advogado-Geral da U ~ ~ O

CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA U N ~ Ã O

ADVBCACHA-GERAL DA UNPÃO

Referência:

Processo no O0406.00QZP7~2005-70

Assunto:

Informaç6es ssiicitadas pejo 8fiei8 n0 %920/R, para fins de instrução do Inquérito no 224.5, em tráimite IFB(&D Supremo Tribunal Federal

Senhor Advogado-Geral da União, Por meio do Ofício no 5920/R, de 09 de dezembro de 2005, o Senhor Ministro EROS GRAU solicita a Vossa Excelência "qire informe e encaminhe a esta Corte documentos referentes a pmcedirrrel7i-os disciplinares em curso referentes a atuação do Procurador da Fazer~da Nacional Glênio Sabbad Guedes", O referido Oficio foi tramitado a esta Corregedoria-Geral da AGU, para prestar, com urgência, as i n f o r i ~ r a ~ 5 e s necessárias. 2 Em vista disso, cumpre esclarer que quando foram \teicu!adas, em jornais de circulação nacional, noticias que indicavani p(rrççéveis irregularidades praticadas pelo Procurador da Fazenda Nacional GLENEQ SABBAD GUEDES, esta Corregedoria-Geral providenciou a autuagãc do Processo no 00406.000217/2005-70, e considerou a necessidade de instauração de sindicância investigativa para melhor esclarecimento dos fatos. Para tanto, foi remetido ofício ao Senhor Procurador-Geral da Fazenda Nacional, solicitando a indicação de membros da Carreira Jurídica para integrar o Coiegiado Processante (documento 1).
4. Ocorre que a Procuradoria-Geral da Fazenda I'4ilcionai informou que j á havia um Processo Administrativo Disciplinar instaurado por ato do Excelentíssimo Senhor Ministro da Fazenda, por meio da Portaria no 228, de 4 de julho de 2005, publicada no Diário Oficial da União de 06.07.2005. Do mesmo modo, foi observado pela PGFN que

3.

ADVOCACIA-GEME DA UNPÃO

CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA U N ~ O

Nota CGAUIAGU No106/2005 - folha 2

informações sobre o assunto deveriam ser solicitadas diretamente aquela Autoridade Ministerial (documentos 2 e 3). Em decorrência disso, se fez necessário o exame acerca da 5. competência para a instauração das medidas apuratórias de eventual responsabilidade disciplinar relativamente a tais fatos. Assim, foi submetida ao exame de Vossa Excelência a Nota 6. CGAUIAGU no 08212005 (documento 4), onde se registrou conclusão no sentido de ser exclusivamente desta Corregedoria-Geral a competência para a apuração de faltas funcionais praticadas por Membros da Advocacia-Geral da União, em razão do disposto no inciso VI, do artigo 50 da Lei Complementar no 73/93.
A referida Nota no 082/2005 ressaltou que o CONSELHO DE RECURSOS D O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL, criado pelo Decreto no 91.152, de 15.03.1985, não é órgão jurldico integrante ou vinculado a Advocacia-Geral da União, e por isso não está sujeito à atividade correicional prevista pelo inciso 1 , do artigo 50 da Lei 1 73, de 1993. No entanto, salientou também que, por Complementar no força do disposto no artigo 40 do Decreto no 1.935, de 20.06.1996 (com a redação dada pelo Decreto no 5.363, de 31.01.2005), aquele Órgão Colegiado do Ministério da Fazenda é integrado por "Procuradores da Fazenda Nacional. desiqnados pelo Procurador-Geral da Fazenda Nacional, de reconhecida competência e possuidores de conhecimentos especializados em assuntos relativos ao mercado financeiro, de capitais, de câmbio, de capitais estrangeiros e de crédito rural e industrial, e de consórcios, com a atribuicão d e zelar pela fiel observância das leis, dos decretos, regulamentos e demais atos normativos."

7.

Foi dito naquela manifestação, que se a atuação perante o Conselho de Recurso do Sistema Financeiro Nacional - para os fins previstos no dispositivo acima transcrito - cabe aos servidores integrantes da Carreira de Procurador da Fazenda. Nacional, os atos praticados no exercício dessa função identificam-se com as atribuições funcionais daqueles Membros da Advocacia-Geral da União, razão pela qual a competência para a instauração das medidas disciplinares seria desta Corregedoria-Geral da AGU, em observância aos já citados artigos 50, I e VI, e 32, Ie I da Lei Complementar no 73, de 1993. , I 9. No entanto, uma vez que já existia um processo administrativo disciplinar instaurado pelo Senhor Ministro da Fazenda, era

8.

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA UNIÃO

Nota CGAUIACU No 10612005 - folha 3

necessário esclarecer, preliminarmente, a natureza das atribuições exercidas pelo servidor GLÊNIO SABBAD GUEDES no referido Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional, para verificar se a atuação se deu em razão da sua condição de Procurador da Fazenda Nacional, ou se ele ali exerceu outra função, não relacionada com as atribuições típicas do cargo de carreira jurídica.
1 O. Com efeito, enquanto ao Ministro da Fazenda compete determinar a apuração de eventuais irregularidades ocorridas no âmbito do ~ r g ã o Colegiado inserido na Estrutura Organizacional daquele Ministério, a esta Casa Correicional caberia, como já foi dito, a fiscalização da atividade funcional e a instauração de sindicâncias ou processos administrativos disciplinares relativos a Membros da AdvocaciaGeral da União que funcionam junto ao referido Conselho.

Foi então proposto o encaminhamento da Aviso ao Excelentíssimo Senhor Ministro da Fazenda, com solicitação no sentido de que aquela Autoridade determinasse a remessa, para esta CorregedoriaGeral da Advocacia da União:

11.

a) de informações sobre a situação funcional e as atribuições desempenhadas pelo Procurador da Fazenda Nacional GLÊNIO SABBAD GUEDES junto ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; b) de cópias dos documentos existentes no processo administrativo disciplinar instaurado pela Portaria MF no 228, de 04.07.2005, na eventualidade de o servidor encontrar-se ali designado para o exercício das atribuições de que trata o art. 40, 920, do Decreto no 1.935, de 1996, no fito de vir a ser instaurada medida disciplinar para apuração de possível falta funcional. 12. A proposta foi acolhida por Vossa Excelência e encaminhada por meio do Aviso no 664/AGU, de 16 de setembro de 2005 (documento

5. )
13.
Contudo, aquele Aviso não foi respondido até a presente data.

A ausência de resposta certamente decorreu da remessa praticamente concomitante com aquele expediente - do Aviso no 358/MF, por meio do qual o Senhor Ministro da Fazenda solicitou o reexame da

14.

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA UNIÃO

Nota CGAUIAGU N" 10612005 - folha 4

Nota CGAU/AGU no 052/2005, aprovada por Vossa Excelência, que afirmava a competência exclusiva desta Corregedoria-Geral da AGU para a instauração de processos administrativos disciplinares destinados a apuração de falta funcional praticada por Procurador da Fazenda Nacional no exercício das suas atribuições funcionais. Isso porque, na concepção exposta no referido Aviso 358 do Ministro da Fazenda, em tais hipóteses existiria, ao menos, a competência concorrente daquele Ministério (documento 6).

15. A questão trazida por aquele examinada no Despacho no 970/2005, União (documento 7), que manteve o exclusiva desta Corregedoria-Geral da termos:

Aviso do Ministro da Fazenda foi do Senhor Consultor-Geral da entendimento pela competência AGU, concluindo nos seguintes

‘11.

Ante o exposto, adotando também os termos e razões da Nota referericiada, parece que se deve responder ao Aviso no 358/MF de .12.09.2005 do Sr. Ministro da Fazenda pela negativa, encarecendo ainda a Sua Excelência determine, em homenagem a racionalidade da administração publica, ao Senhor Procurador-Geral da Fazenda Nacional faça cumprir essa orientação."

16. A manifestação da Consultoria-Geral da União Foi aprovada por Vossa Excelência e encaminhada ao Senhor Ministro da Fazenda por meio do Aviso no 927/AGU, de 07 de dezembro de 2005 (documento 8).

0

Assim, uma vez que restou dirimido este conflito positivo de atribuições, com a conclusão pela inexistência de eventual competência concorrente para a instauração de Medida Disciplinar destinada a apurar fatos que envolvam Procurador da Fazenda Nacional, esta CorregedoriaGeral está sugerindo a Vossa Excelência, nesta data, a expedição de novo Aviso ao Ministro da Fazenda, reiterando-se os termos do Aviso no 664/AGU, de 16.09.2005. 18. Com o recebimento das informações já solicitadas ao Ministério da Fazenda, poderão ser avaliadas as providências ainda necessárias para a apuração de.eventuais responsabilidades na esfera administrativa e disciplinar. Do mesmo modo, poderão ser encaminhados outros e melhores esclarecimentos para fins de instrução do Inquérito no 2245, em trâmite no Supremo Tribunal Federal.

17.

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA UNIÃO

Nota CGAUIAGU No10612005 - folha 5

Em razão do exposto, se sugere, em atenção ao Ofício no 5920/R, do Senhor Ministro EROS GRAU, o encaminhamento da presente manifestação, com os documentos a ela anexos, que deverão ser complementados tão logo ocorra o atendimento pelo Ministério da Fazenda das solicitações já encaminhadas por Vossa Excelência aquela Pasta.

39 1.

Respeitosamente, Brasília, DF, 14 de dezembro de 2005.

Elmar ~ u í s p e l ,
Corregedor-Geral da dvocacia da União

535 43

SIGILOSO

INQUÉRITO N-245 AUTOR : ~inistérioPúblico Federal

Senhor Advogado-Geral, A fim de instruir o processo aci~mareferido, o Senhor Ministro Joaquim Barbosa, Relator, solicita a Vossa ~xcelência que informe e encaminhe a esta Corte documentos referentes a procedimentos disciplinares em curso referentes a atuação do ..-. Procurador da Fazenda Nacional GPênPo Sabbad Guedes. Atenciosamente,

A Sua Excelência o Senhor ALVARO AUGUSTO RIBEIRO COSTA Advogado-Geral da União

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA SBN - Quadra 01 - Bloco D - Ed. Palácio do Desenvolvimento - 2" e 3" andares - CEP 70057-900 - BrasíiiaIDF Email: cgau@,agu.gov.br
OJch n o /$ / /CGAGAGU

Brasília, /&e julho de 2005.

r

*

A Sua Excelência o Senhor, MANOEL FELIPE &GO BRANDÃO Procurador-Geral da Fazenda Nacional Esplanada dos Ministérios, Bloco "P", 8" andar, sala 823 CEP 70.048-900 - BrasíliaIDF.

Assunfo; Indicação de membros' para compor Comissão de Processo Administrativo Disciplinar

Senhor Procurador-Geral,

'*
,r-

Consoante a Informação no 045/2005/CMD/CGAU/AGU, (Processo no 00406.000217/2005-70, cópia integral em anexo), encontra-se pendente de instauração nesta Corregedoria-Geral da Advocacia da União Comissões de Sindicância visando apurar supostas irregularidades praticadas pelo Procurador da Fazenda Nacional, Sr. Glênio Guedes. 2. Para tanto solicito a indicação de três servidores estáveis, integrantes de

carreira jurídica (nome, cargo efetivo, matrícula SIAPE, unidade de exercício e indicação do Presidente), que sejam afetosqamatéria, para compor Comissões de Sindicância, visando a promoção da persecução disciplinar. Outrossim, caso não haja a disponibilidade de três

.-

7

servidores, que seja indicado ao menos um para fins de presidir os apuratórios, em qua das hipóteses, no prazo máximo de 05 (cinco) dias. 3.
a

Saliento a Vossa Excelência que o presente processo foi classificado como ..
a. .

sigiloso, no grau confidencial, razão pela qual o assunto deve observar as disposições do Decreto no 4.553, de 27 de dezembro de 2002. Atenciosamente, L"-i '
A -

-_..I,^.

-" - ,.

,.*-,,

L

...- "-.-.-.-

r

_ c

-

,$yY<", ,>-.:. ,J ,> ,? &, . .r" . , e iC_C/$<.""/.M~"~
*.A
p,4

EL~L~~BCNEL
, .$, - " -

-

-

- h -

-.
-- , -L

Corregedor-Geral

MINISTÉRIO DA FAZENDA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL
E

Ofício no 1036 IPGFNIPG.

..
Brasília, 13 julho de 2(

A Sua Senhoria o Senhor ELMAR LUIZ KICHEL Corregedor-Geral da União SBN Q. 01 Bloco "D" - Ed. Palácio do Desenvolvimento 2" and. 70.057-900 - BRASÍLIA - DF

Assunto:

Ofício nQ121lCGAU-AGU.

Senhor Corregedor-Geral, Reportando-me ao expediente Ofício nQ 12lICGAU-AGU, informo a V.Sa. que a Portaria do Ministro da Fazenda nQ228, de 04.07.2005, publicada no D.0.U de 06.07.2005, cuja cópia segue em anexo, já instaurou Comissão de Processo Disciplinar a fim de apurar os fatos referidos no citado expediente.

'-.

e

Atenciosamente,

TELMA BERT

ORREIA LEAL Nacional

Esplanada dos Ministérios, B1. "P", 80 andar - BrasíliaJDF - Cep: 70048-900 (6 1) 4 12-2897 E-mail: atosnormativos.df.pgfn@fazenda.gov.br

W 128, quarta-feira, 6 de julho de 2005
Declarar aposentado compuhoriamente, YARA L E n í E R I DO NASCiMENl'O COSTA, mahícula SLWE n*1124548. a partir de 11/05/2005, ocupante do uugo de Biblioteuiio-Dooumcntmkta, Classifioação E. Capacitnçüo 1, Padr(Lo 06 do Quadro de Pcasoal desta Universidade F e d d do Rio de Janeiro,,com fundamento nos I t w o s do Anigo 40, 6 13 Inciso I. Constihiição Federal de 1988. com redação dada pela Emenda Constitucional no 20. de 15/12/1998, publicada no DOU de 16/12/1998. com redaç8o dada pcla Emenda wtutihicional nD 41. de 19/12/2003, publicada no DOU de 31/1212003. combinado com o Anigo 186, incho I& da Lei 8112/1990. LUU. AFONSO HEluiQUES MI\W PORTARIA N9 1.997, DE 5 DE JULHO DE 2005 O F'rú-Reitor de Pessoal, no uso da compctencia delegada pclo Rcitor da Universidade Federsl do Rio de Janeiro. atravbi da Porlaria 1.778 de 15 de julho de 2002, publicada no DiMo Oficial da Uni80 de 17 de juiho dc ZMIZ e tmdo em vista o que consta do pmceaso no. 23079. 005335/05-94, rcsolvc: Tomar sem efeito a nomeação de MARIA LETICIA DE S REDIG DE CAMPOS psra o cargo de Técnico em Assuntos Educacionais, na P o h a n'. 1210 de 04-maio-2005, publicada no DOU no. 86 de 06-maio-2005. LUIZ AFONSO HENRiQUES MARIZ

Diário Oficial da União s e G o 2
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
PORTARIA N' 730, DE 30 DE JüNFíO DE 2005 O Reitor da Universidade Federal de Santa Cafarina, no uso de mas atribuições cstalut&rias e regimentay,, e tendo em viata o que wnsta no Memo ne 041PGACCAn005, de 30/05/2005. resolve, Designar. a partu de Olm7/2005, LUIZ CARLOS PiNHEiR 0 MACHADO PILHO, Pmfcssor Adjunto, masia no 69773, siape no 1158176. para wrclccr as f u n @ a de Cwrdcnador do a m o de P 6 5 Gradue.çáo em Agmecasaistcmas do Ccntro de Ciências A i &w c6digo FG1, integrame do Quadm DktfibUtlvo de Cagos de Direção e Funflcs Ckatificadas de que trata a P o h a n' 0321/GW97. de 16/01/97, para um mandato dc 2 (dois) anos. LÚCIO J O S ~ BOTELHO

-

SECRETARLA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANlIJAMENlD, O R Ç ~ EO ADMINISTRAQ~O
PORTARIA CONJUNTA N' 324, DE 29 DE JUNIIO 2005
- - - -.
.- - .

üNiVERSIDADE m 4L DE SANTA MARIA E P
DESPACHOS DO REITOR 5 DE JULHO DE 2005 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE S A N X MARIA no uso da atribuição que ihe foi mbdelegada pela P 0 h a MEC 188. de 06/03/1995. publicada no DiMo Oficial de 08/03/1995. AUTORIZA o Afastamento do Pala do seguinte &dor CLEUZA MARIA MAXIMINO CARVALHO AUINSO. Pmfcssor Adjunto do Departamento de Met@logia d? EnsinoICE. com macicio no Núclw Integrado de Ensino, Pcsquuia e Extcn&ICE, de 20 a 25 de julbo de 2005. para participar.~apmcnfando trabalho, no V Congresso ibcmamuicano de InfomAhca Educativa Especial C E E c 2. Encucnm Intcmacional de Integración eu la Divemidad MINCAD, em Montevideu Umguai, com Bnus limitado. (Pmccsso n. U081.011936/2005-21)

,i.

UNIvERsrnmE FEDERAL DO MO GRANDE DO NORTE
PORTARU

RIO DO PLANEJAMENTO,ORÇAMENT% E GESTAO C a SUBS E C R E T h DE PLANEJAMENTO OR O E ADMIno NISTRACAO DO MINIST~RIO DA ~ ~ N D A ,USO de auaa campctencias outogsdas pelas P d a s MP no 57. de 14 de abril de 2000, SWMP ne 134, de 4 do maqo de 2004, publicada no DiMo Oficial da Uniüo dc 5 de marco de 2004. MF ã 210. de 12 de naosto & 2004, c considerando o di&sto do art 37 da Lei no 8.112. i e 11 de dcumbm de 1990, cmn rcdaç& dada pela Lei na 9.527, de 10 de dcumbm de 1997. resolvem iodismbuir: Servidor: ELIAS BEZERRA DA SILVA Mahícub no SIAPE: 0095040 de portanq classe A, P ~ M O m cmo: ~ 6 & dá vaga: 38013 ~ 0 Do: Ministério do Planejamento, Orçamento c GcatBo P m Ministhio da F m d a conhapartida Servidor: Cargo vago Cargo: Adfice de Eletricidade c Comunicações, Clasac A. Padrão I C6digo da vaga: 0570344 Do: Ministério da Fazenda Para: M W o do Plancjammto, Orçamento c GestBo- SIPQP - --

--

N 333, DE 5 DE JULHO 2005 '

O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. no uso das a m b u i $ h mcrcntes ao cargo. comidaando o que dispõe o Decreto oo 1.387. de 7 de fevacim de 1995. alrwdo pelo Deano ã 2.349, de I5 de ouNbm de 1997, e 8 subdelegagllo & competência que Ihe cancede a P d a no 188MEC. de 6 de março de 1995. rcsolve: Autorirar o afastamento do País de ARLETE DE JESUS BRiTO. mauícula 116769, Pmfesaor Adjunto do Dcpaitamcnto de MatemAtica CCETNPRN, p m participar do V Congresso IbooAmericano de Educaçllo MatcmAtica, cm Pomigai, no período de 17/07 a W07/2005, inclusive trânsito, com dnus limitado. conforme pmc. no 23077.01486612005-22.

-

-

-

Processo n": 03110.001417/2005-53 LUÍS INhc10 LUCENA ADAMS GILDENORA BATiSTA DANTAS MUHOMBM

PAULO JORGE SARKIS.

PORTARU CONJUNTA N' 345, DE I' DE JULHO DE 1005
O SECRETARIO DE RECURSOS HUMANOS DO MNIsT~RIODO PLANEJAMENTO. ORÇAMENTO E GESTAO. e a s U B S E C R E T ~DE PLANEJAMENTO. ORCAMENM) E ADMINISTRAÇAO DO MINISTÉRIO DA FAZENDA, no uso de sua6 compethicias outorgadas pelas P o r n a s M P n' 57. do 14 de abnl dc 2000. e MF no 210. de 12 de agosto de 2004, iUnea "e", inciso III do a r t l q e considaando o &sposto do art 37 da Lci d 8 112, de 11 de dezembro de 1990. com r& e& dada pela Ln d 9 527. de 10 de dezcmbm dc 1997, resohem & m x i : s e r v i d ~ E m E RIBEIRO BRITO a Matriniia no SIAPE: 0695130 Cargo: Agente de Portaria, Classe A, Padrüo IU Cldigo da vaga: 445810 Do: Extinto T d t l r i o F c d d de Rondbnia Para: Ministério da Fazenda PFNRO Contrapartida Servidor o vago Cargo: &ente A d m i n i d v o C6digo da vaga: 0053735 Do: Ministtn0 da Fazenda e o Para: Ministhio do Planejamento, G ~ ~ 8 1 ~ c n tGcsW Pmcaso na: 10292.000143/2004-79

-

JOSÉ IVONILDO DO &M

O Reitor da Universidade Federal de UberlRndia, resolve: Declarar vago, a partir de 04/07/2005, por motivo de Posse em outro cargo ~ u l b v e i o cargo de Bibliotcokio, ocupado pe, lo(a) suvidor(a) Maria Ivctc do EPpúito Santo Pereira, muícula Siape d 1123217, do quadro pemanente desta Univmidadí, de awrdo com o dtsposto no artigo 33, inciso Wl.da Lei 8.112190 de 11 de dczcmbm de 1990. ARQUUIEDBS DI~GENES CILONI

PR~-REIToRIA DE RECURSOS HUMANOS
POR'iARiA Nf 102, DE 29 DE ABRIL DE 20M(*) O PR~-REITORDE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. no uso da - --compcthcia que Lhe foi delegada pelo Msgnlfica Rcimr atrada da P d a no 1 270195-R. de 23/10195. publicada no Bolclm de S n n p na 059. de 10111195. pmcesso no 23077 002779n005-22. resolw - Conceda p&8o integmi vitaücia no pmcntual de 100% (cem por cento), a JOSEFA DA SILVA BEZERRA. (~Bnjuge), de acordo com o artigo 40. parágrafo P inciso I da Conatituiçüo Fc. derai, com re&& dada' pela EC n" 41/03. publicada cm 31/12/2003 e artigo 2 inciso I, parágrafo úniw, da Lei no 10.887104, combimado : com o artigo 217. inciao I, allnca "a". da Lei no 8.11200, calcuiada com base no valor integral dos pmvcntoa a que fazia jus o (a) ex-

-

GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA No 128, DE 4 DE JULHO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO DA FAZENDA, no uso da atribui* que Ihí confac o art 87. p d p f o único. inciso N,da ConstituiçãoFedwl, com fundamcntono art 143 da Lei nu 8.112, de I1 de dezembro de 1990, resolve: Designar RODRIGO PEREIRA DE MELLO, Procurador da Fazenda Nacional dc 1 Categoria, Mahícula SJAPE no 0983110. . JOSIBERTO MARTINS DE LIMA,RoMador da Fazenda Nacional de Categoria EspCCiai, Mahínila SIAPE Um 6154415, e CLAUDIO ROBERTO LEAL RODRIGUES. Procurador da Fazenda Nacional de 1' Categoria,Matricula SIAPE no 1282811. pan. sob a presidência do nximeiro. constinúrem a Comissão de Processo AdminiWativo Diais kPlinar&cumbida de qmm, no prazo de 60 (scascnh) d a . o teor da matéria jomallstica publicada no jornal 'Y) Globo", cdiçllo de 29 de junho de 2005, no que diz napeito ao Rocurador da F m d a Nacional de 1 Categoria GLÉNIO SABBAD GUEDES, Matricula SIA' PE no 154209, conforme consta do Processo n" 10951.0006261200543. e dcmsia fatos conexos que vierem a ser dctoctados no d o c o m dos trabalhos.

S&GIO E A MENDONÇA
GILDENORA BATISTA DANTAS MILHOMEM PORTARIA CONNNTA W 357, DE 1' DE JULHO DE 2005 O SECRETARIO DE RECURSOS HUMANOS DO MINISTÉRI0 DO PLANEJAhENTO. ORCAMENTO E GESTAO. e a S U B S E C R E T h DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENM) E ADMINISlXAÇAO DO MINIsTJkIO DA FAZENDA. no uso de suas competencias outorgadas peled Poitaned MP nD57, de 14 de abnl dc 2000. e MF no 210. de 12 de agosto de 2004, & a "e", incuo I do t ü a n l o e cmidcrando o dtsposto do ai 37 da L d ne 8 112. de I1 de d n c k b m de 1990. com ndnçllo dada pela Lei no 9 527, de 10 de dczcrnbm de 1997, resolvem reduimbuu Semdor MAFALDA SERRATi Mauícub no SLWE 0693727 I Cargo. Agente Admmistrahvo. Claesa A. Padrúo JI c6digo da vaga: 444614 DO: E h t o Tmit6rio F s d d de RondBnia Para: Minist4Ii0 da Fazenda GRIVRO contrapartida servidor: o vago Cago: Agente Adminiaastivo Cldigo da vaga: 0058703 Do: Ministério da Fazenda par= Minisürio do Planejamento, Or~amento GcsSO e Proccseo n": 10292.001216/2005-21

i o à o ÇARLOS TEN~RIOARC~OLO
(*) Republieada por ler &do. no DOU no 82 de 21512005. Seçüo 2. PBgina 250. com incorrcç80 no original.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PR~-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS
PORTARIA N? 2.182, DE 4 DE JULHO DE 2005 A PR6-REmRA DE RECüRSOS HUMANOS DA üNIv e R s r n m E FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. no USO de suas stnbuiclcs que ihc foram confendas pela Portaria na 2273, de 24 do ~eitõr.e tendo em vista o que de setembró de iw, ~ a g n ~ f i c o comta no Rocesao no W078.201544/05-59, rcsoln: Declarar vago. a partir de 13 de junho de 2005. o cago de Aaeistcntc de Adminiatrqb, o6digo 7012W. nfvcl i n m e d i M o . u de PasoaL em dcsonència de wssc classe D. oadrüo 101. do O & cm o u ~ i ' c a r g opObiiw i;iacumu~ve~ SERGIO FABIANO'DAS de NEVES ALVES, com lotaçllo e aracicio no Dcpaitamento de Astronomia do InstiNto de Flsica. MARIA ADELIA PINHAL DE CARU)S

.

.

ANTOhnO PALOCCI FUBO DESPACHO DO MINISTRO Em 5 &julho dc 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA FAZENDA, no uso da comp&cia que Ihe foi delegada pelo Decreto no 1.387, de 7 de fevereiro de 1995, autoriza o servidor PAULO ROBERTO EVANGELISTA DE LIMA. do Banco do Brasil S.A., a afastar-se do Pals, na forma do disposto no an 1°. indso N,do citado Denno, para implantar o "Programa de Compliance" nas dcpendhcias do Banco ai do Brasil da América L tm em Buenoa Aina. Argentina,no pdodo de 10 a 12 de julho de 2005, com 8nns. ANTONIO PALOCCI FILHO

-

S~CIO EA.MI?NDONÇA
GILDENORA BATISTA DANTAS MILIIOMEM

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO . CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA UNIÃO SBN - Quadra 01 - Bloco D, Lote 32 - Edifício Palácio do Desenvolvimento - 2"andar CEP: 70057-900 - Brasília/DF - Telefone: (61) 4009.4020 - Fax: 4009.4024

O i i n 129 /CGA U-AGU fco
O

Brasilia, 28 de julho de 2005. A Sua Excelência o Senhor, MANOEL FELIPE RÊGO BRANDÃO Procurador-Geral da Fazenda Nacional Esplanada dos Ministérios, Bloco "P", 8' andar, sala 823 CEP: 70.048-900 - BrasíliafDF Assunto: Solicita cópias de peças processuais Senhor Procurador-Geral, 1. Presentes as atribuições conferidas a este órgão pelos artigos 5", I e 32, 11, da Lei

Complementar no 73/93, solicito a Vossa Excelência o encaminhamento de cópias das peças do processo administrativo no 10951.000626/2005-43, que digam respeito à atuação funcional do
,. 'I

Procurador da Fazenda Nacional GLÊNIO SABBAD GUEDES. 2. 27.12.2002. Registro que este Oficio refere-se ao nosso processo no 00406.00021712005-70,

@

classificado como sigiloso, no grau confidencial, para os fins previstos no Decreto no 4.553, de

Atenciosamente,
, "*,
-3-

_..C.,.-,
*

,..

,,,,.,:,

,.r.'

c-

, .

----. --. I^.,C .-.--

' 1

,J

MINISTÉRIO DA FAZENDA PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL
4

5

Oficio n q 174

12005/PGA/PGF4N-MF Brasília, 02 de agosto de 2005.

/
Ao Senhor ELMAR LUIS KICHEL Corregedor-Geral da Advocacia da União SBN - Quadra 01, Bloco D, Lote 32, Edifício Palácio do Desenvolvimento, 20 andar CEP: 70057-900 BrasíliaDF
I -

I

~

@

Assunto: Informngão sobre julgamento de processo disciplinar. Senhor Corregedor, Cumprimentando-o, reporto-me ao Oficio no 129lCGAU-AGU, de 28 de julho de 2005, para informar a Vossa Senhoria que o Processo Administrativo Disciplinar no SABBAD GUEDES, 10951.00062612005-43, alusivo ao Procurador da Fazenda Nacional GL$NIO foi instaurado por ato do Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Fazenda, conforme Portaria no 228, de 4 de julho de 2005, publicada no Diário Oficial da União de 6 de julho de 2005, razão pela qual encareço no sentido de que a presente solicitação seja dirigida à referida autoridade ministerial. Atenciosamente,

,,A

. (4,-/

Ministério da Fazenda - Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional Esplanada dos Ministérios - Bloco P, 8" andar - CEP 70048.900 - Brasília - DF (061) 412-28101412-28111412-2812
L.\Cj\CDIUI~IioUOOS\Oficio\Of-Rsp. Agu Gl€nio.doc

CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA UNIÃO

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

Referência: Assunto:

Processo no 00406.000217/2005-70
Competência para a instauração de Processo Administrativo Disciplinar relativo a Procurador da Fazenda Nacional. Pedido de Informações ao Excelentíssimo Senhor Ministro da Fazenda

a

Nota CGAUIAGU No 082,2005
Senhor Advogado-Geral da União, Em razão da divulgação de matérias jornalísticas que noticiavam possíveis irregularidades praticadas pelo Procurador da Fazenda Nacional GLENIO SABBAD GUEDES, foi autuado nesta Corregedoria-Geral o Processo no 00406.000217/2005-70, no qual se determinou a instauração de sindicância investigativa para melhor esclarecimento dos fatos. 2. Ato continuo, foi remetido ofício ao Senhor Procurador-Geral da Fazenda Nacional solicitando a indicação de membros da Carreira Jurídica para integrar o Colegiado Processante. 3. Na sua resposta, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional observou que já havia u m Processo Administrativo Disciplinar instaurado por ato do Excelentíssimo Senhor Ministro da Fazenda, por meio da Portaria no 228, de 4 de julho de 2005, publicada no Diário Oficial da União de 06.07.2005. Do mesmo modo, foi observado pela PGFN que informações sobre o assunto deveriam ser solicitadas diretamente aquela Autoridade Ministerial.
4.

Em vista disso, e para que se encaminhe na forma proposta o pedido de informações, é necessário que se esclareçam as razões da necessidade de atuação desta Corregedoria-Geral da AGU no caso em tela. _-"/
e

de--

-

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA UNIÃO
Nota CGAUIAGU No 08212005

- folha 2

5. Preliminarmente, é preciso observar que são atribuições desta Corregedoria-Geral a fiscalização das atividades funcionais dos Membros da Advocacia da União e a verificação da regularidade e eficácia dos sen/iços dos Órgão jurídicos, atribuições estas que são exercidas por meio de correições ordinárias ou extraordinárias, conforme dispõe os artigos 50, Ie 11, e 33, Ie I1 da Lei Complementar no 73, de 1993.

6. Do mesmo modo, já se firmou o entendimento no sentido de q ue a instauração de sindicância ou processo administrativo disciplinar contra Membros da Advocacia-Geral da União (entre os quais se incluem os Procuradores da Fazenda Nacional, por força do parágrafo 50, do artigo
20, da referida Lei Complementar no 73, de 1993), compete exclusivamente a Corregedoria-Geral da Advocacia da União, e m decorrência da atribuição prevista pelo artigo 50, VI, da Lei Orgânica da AGU, uma vez que assim dispõem os citados dispositivos legais: "Art. 20

.............................................................................

5 50 São membros da Advocacia-Geral da União: o Advogado-Geral da União, o Procurador-Geral da União, o Procurador-Geral da Fazenda Nacional, o Consultor-Geral da União, o Corregedor-Geral da Advocacia da União, os Secretários-Gerais de Contencioso e de Consultoria, os Procuradores Regionais, os Consultores da União, os Corregedores-Auxiliares, os Procuradores-Chefes, os Consultores Jurídicos, os Procuradores Seccionais, os Advogados da União, oç Procuradores da Fazenda Nacional e os Assistentes Jurídicos."

........................................................................................

"Art. 50 A Corregedoria-Geral da Advocacia da União tem como atribuições:

I - fiscalizar as atividades funcionais dos Membros da AdvocaciaGeral da União;

e a proposição de medidas, bem como a sugestão de providências necessárias ao seu aprimoramento;

I1 - promover correição nos órgãos jurídicos da Advocacia-Geral da União, visando à verificação da regularidade e eficácia dos serviços,

I11 - apreciar as representações relativas à atuação dos Membros da Advocacia-Geral da União;
I V - coordenar o estágio confirmatório dos integrantes das Carreiras da Advocacia-Geral da União; V - emitir parecer sobre o desempenho dos integrantes das Carreiras da Advocacia-Geral da União submetidos ao estágio

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA UNIÃO

pata CGAUIAGU NoO8212005 - fdhr 3

5

confirmatório, opinando, fundamentadamente, por sua confirmação no cargo ou exoneração; V I - instaurar, de ofício ou por determinacão superior, sindicâncias e processos administrativos contra os Membros da Advocacia-Geral da União."

"Art. 32 A atividade funcional dos Advocacia-Geral da União está sujeita a:

membros

efetivos

da

I- correição ordinária, realizada anualmente pelo Corregedor-Geral e respectivos auxiliares;

I1 - correição extraordinária, também realizada pelo CorregedorGeral e por seus auxiliares, de ofício ou por determinação do Advogado-Geral da União."

(sublinhei)
7. A competência exclusiva desta Corregedoria-Geral da Advocacia da União para os processos administrativos disciplinares referentes a atuação dos Membros da AGU foi também salientada pelo artigo 75 da Medida Provisória no 2.229-43, de 6 de setembro de 2001, que estabelece:
"Art. 75. Os membros da Advocacia-Geral da União, como os integrantes da Carreira de Procurador Federal e de órgãos jurídicos vinculados a Instituição em geral, respondem, na apuração de falta funcional praticada no exercício de suas atribuições específicas, institucionais e legais, exclusivamente perante a Advocacia-Geral da União, e sob as normas, inclusive disciplinares, da Lei Orgânica da Instituição e dos atos legislativos que, no particular, a complementem.

5 l0 A apuração das faltas funcionais objeto do caput, no que concerne aos membros da Instituição, incumbe à CorreciedoriaGeral da Advocacia da União, observada, a cada caso, a atribuição privativamente deferida ao Advogado-Geral da União pelo inciso XV do art. 40 da Lei Complementar no 73, de 1993."
(sublinhei).
'

8.

Em consonância com os dispositivos legais acima transcritos, o assunto já foi examinado pela Consultoria-Geral da Advocacia da União,

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA UNIÃO

Npta CGAUIAGU No08M005 - folha 4

4

em manifestações que, aprovadas por Vossa Excelência, concluíram pela competência desta Corregedoria-Geral para a instauração das medidas disciplinares relativas aos Procuradores da Fazenda Nacional. Neste sentido pode ser citada a Nota AGU/WM-412003 (processo no 00406.000056/2002-71). Além disso, o assunto também já passou pelo crivo do Poder 9. Judiciário. Dentre outros processos judiciais, cabe referir o mandado de segurança n o 2004.34.00.011094-1, impetrado contra ato do ProcuradorGeral da Fazenda Nacional e que tramitou na 21a Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal, com o objetivo específico de anular a Portaria PGFN no 83512003, que havia determinado a instauração de Processo Administrativo Disciplinar para apurar fatos relativos a conduta de integrante da carreira de Procurador da Fazenda Nacional. 10. 'Naquele processo judicial, houve decisão de primeiro grau concessiva da segurança, para declarar a nulidade dos atos praticados pelo Procurador-Geral da Fazenda Nacional no'processo administrativo no 10951.001133/2003-69, e determinar, "ainda, o encaminhamento de cópia dos referidos autos ao Advogado-Geral da União para as providências que entender cabíveis".
1 . 1 A referida sentença foi apreciada pelo Tribunal Regional Federal da i a Região, em reexame necessário, e confirmada integralmente em acórdão publicado com a seguinte ementa (Diário da Justiça de 11.04.2005 - fls.25133):

"EMENTA ADMINISTRATIVO.
PROCURADOR

PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR. FAZENDA NACIONAL. COMPETÊNCIA PARA INSTAURAÇÃO. ADVOCACIA-GERAL DA U I O NÃ .
DA

Nos termos do art. 20, incisos I b, e 11, a, da Lei , Complementar no 73/93, a Procuradoria da Fazenda Nacional integra a estrutura organizacional da Advocacia-Geral da União, encontrando-se seus membros sujeitos à atuação fiscalizadora da Corregedoria-Geral da Advocacia da União, a quem compete

I -

"instaurar de ofício ou por determinação superior, sindicâncias e processos administrativos contra os Membros da Advocacia -Geral da União (art. 50, inciso VI), não se aplicando, quanto aos

Procuradores 'da Fazenda Nacional, as disposições em sentido contrário previstas em ato infralegal interna corporis, em face da sua .manifesta ilegalidade. I1 - Remessa oficial desprovida."

r
,.
i

d ? I s ~

.r%C ' , ,

,. ... . :,i. .; ! ::. ,. .\ : .:! . ,. . . . '..,'d i
:

.

' s''ani;...,u

, .n v, L

% !,

. "?

ADVOCACIA-GERAL D A UIO N Ã CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACLA DA UNIÃO

NQta CGAUIAGU No08212005 - folha 5

12. Merece especial res$.alte o fato de o mencionado artigo 75, da Medida Provisória no 2.229-43, de 2001, destacar que "os membros da Advocacia-Geral da União, (...) respondem, na apuração de falta funcional praticada no exercício de suas atribuicões específicas, institucionais e leqais, exclusivamente perante a Advocacia-Geral da União, e sob as normas, inclusive disciplinares, da Lei Orgânica da Instituição e dos atos legislativos que, no particular, a complementem" . No mesmo sentido, a Lei Complementar no 73, de 1993, atribui a esta Corregedoria-Geral a de competência para "fiscalizar as atividades funcionais" (art. 50, I) seus Membros, no desempenho do cargo, ou seja, aquelas que tenham pertinência com o "conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional que devem ser cometidas a um servidor" (art. 30, da Lei no 8.112, de 1990). Havendo indícios de autoria e materialidade, a eventual apuração de responsabilidade tem por objeto a "infração praticada no exerckio de suas atribuicões, ou Que tenha relacão com as atribuicões do carqo em que se encontra investido" (art. 148). 13. Vale dizer: se o Procurador da Fazenda Nacional estiver no exercício de 'suas atribuições específicas, responderá exclusivamente perante a Advocacia-Geral da União; por outro lado, se não estiver exercendo atribuições típicas de Procurador, a apuração se dará no âmbito da autoridade responsável pelo órgão em que ocorreu.
14. No caso aqui tratado, inexistem nos autos elementos que permitam concluir, com segurança, sob qual condição se encontrava o L NO SABBAD GUEDES, mas as notícias veiculadas na Procurador G Ê I imprensa destacam a sua peculiar condição de Procurador da Fazenda Nacional, o que justificou, por parte deste signatário, a imediata 1 determinação de instauração de sindicância investigativa (fls. 1 e 13), no exercício das competências previstas no artigo 50, Ie VI.

, -

'

*

15. Assim, com relação as noticias que envolvem o Procurador da Fazenda Nacional G Ê I L NO SABBAD GUEDES, existem peculiaridades a serem destacadas. 16. Deve-se esclarecer, por primeiro, que o CONSELHO DE RECURSOS DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL, criado pelo Decreto no 91.152, de 15.03.1985, integra a Estrutura Organizacional do Ministério da Fazenda, como Órqão colegiado, conforme o artigo 20, inciso 111, letra 'c", do Decreto no 5.136, de 7 de julho de 2004 (mantido

/ .---.--

. , ,,

- ., -

ADVOCACIA-GERAL DA UIO N Ã CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA UNIAO

Nota CGAUIAGU No08212005 - folha 6

com idêntica redação no Decreto no 5.510, de 12.08.2005), e possui membros que são designados. pelo Titular daquela Pasta. r. 17. Portanto, o Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional não é órgão jurídico integrante ou vinculado a Advocacia-Geral da União, sujeito a atividade correicional prevista pelo inciso 11, do artigo 50 da Lei Complementar no 73, de 1993. 18. Por isso, importa salientar, não se questiona aqui a competência do Ministro da Fazenda para determinar - na forma prevista pelo artigo 143 da Lei no 8.112, de 1990 - a apuração dos fatos que indiquem irregularidades ocorridas na esfera de atribuições daquele Conselho de'Recursos. 19. No entanto, u m primeiro aspecto decisivo a ser deslindado L NO consiste em verificar se os atos praticados pelo Procurador G Ê I SABBAD GUEDES, no caso em apreço, i~fseriam-se no âmbito das atribuições do cargo de Procurador da Fazenda Nacional, a fim de ver-se caracterizado ou não o exercício de atribuições específicas, institucionais e legais. 20. Justifica-se. A PGFN tem por competência "representar a Fazenda Nacional (. .) noutros órgãos de deliberação coletiva, conforme o prevejam as leis e regulamentos" (Decreto-lei no 147, de 03 de fevereiro de 1967). Por sua vez, o Decreto no 1.935, de 20.06.1996 (com a redação dada pelo ~ e c r e t o 5.363, de 31.01.2005) estabelece que, no

,-

.

, - -

*

'Art. 40.

....................................... ......................................

5 2 Junto ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro ' Nacional, funcionarão Procuradores da Fazenda Nacional, designados pelo Procurador-Geral da Fazenda Nacional, de reconhecida competência e possuidores de conhecimentos especializados em assuntos relativos ao mercado financeiro, de capitais, de câmbio, de capitais estrangeiros e de crédito rural e industrial, e de consórcios, com a atribuicão de zelar pela fiel observância das leis, dos decretos, regulamentos e demais atos normativos."

-., -

ADVOCACIA-GERAL DA UIO N Ã CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA UNIÃO

Ngta CGAUIAGU No 08212005 folha 7 J

-

3

21. Assim, se a atuação perante o Conselho de Recurso do Sistema Financeiro Nacional - para os fins previstos no dispositivo acima transcrito - cabe aos servidor'èSintegrantes da Carreira de Procurador da Fazenda Nacional, os atos praticados no exercício dessa função identificam-se com as atribuições funcionais daqueles Membros da Advocacia-Geral da União, razão pela qual reclamam a atividade fiscalizadora desta Corregedoria-Geral da AGU, em observância aos já , citados artigos 50, I e VI, e 32, Ie I 1 da Lei Complementar no 73, de 1993. 22. Logo, deve ser verificado se o servidor G Ê I L NO SABBAD GUEDES atuou no referido Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional em razão da sua condição de Procurador da Fazenda Nacional, ou se ali exerceu cargo para o qual não pertinem atribuições típicas da carreira. 23. Em síntese, as atribuições legalmente conferidas a esta Corregedoria-Geral não conflitam com os poderes ou atribuições do Excelentíssimo Senhor Ministro da Fazenda com relação ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro. Com efeito, enquanto aquela Autoridade Ministerial compete determinar a apuração de eventuais irregularidades ocorridas no âmbito do Órgão Colegiado inserido na Estrutura Organizacional daquele Ministério, a esta Casa Correicional cabe, em complemento, a fiscalização da atividade funcional e a instauração de sindicâncias ou processos administrativos disciplinares relativos a Membros da Advocacia-Geral da União que funcionam junto ao referido Conselho. Em razão do exposto, submeto o assunto ao exame de Vossa Excelência, com sugestão de encaminhamento de Aviso ao Excelentíssimo Senhor Ministro da Fazenda, solicitando aquela Autoridade Ministerial que determine o encaminhamento, para esta Corregedoria-Geral da Advocacia da União:

-

,

a)

de informações sobre a situação funcional e as atribuições desempenhadas pelo Procurador da Fazenda Nacional GLÊNIO SABBAD GUEDES junto ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional;
o

b) de cópias dos documentos existentes no processo administrativo disciplinar instaurado pela Portaria MF no 228, de 04.07.2005, na

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

CORREGEDORIA-GERAL DA ADVOCACIA DA UNIÃO

Nota CGAUIAGU No08212005 - folha

eventualidade de o servidor encontrar-se ali designado para o exercício das atribuições de que trata o art. 40, 520, do Decreto no 1.935, de 1996, no fita' de vir a ser instaurada medida disciplinar para apuração de possível falta funcional. Respeitosamente, Brasilia, DF, 12 de setembro de 2005.

Elmar ~ u ~ p M & e l ,
Corregedor-Geray Advocacia da União

~~~~~~

. . .. ,

Brasília,

6

de setembro de 2005.

A Sua Excelência o Senhor ANTONIO PALOCCI FILHO Ministro de Estado da Fazenda

Assunto: Processo Administrativo Disciplinar Senhor Ministro, Tendo em vista a manifestação contida na Nota CGAUIAGU no 082/2005, por mim aprovada, que encaminho por cópia, solicito a Vossa Excelência o especial obséquio de encaminhar a esta Advocacia-Geral da União: a) informações sobre a situação funcional e as atribuições desempenhadas pelo Procurador da Fazenda Nacional GLÊNIO SABBAD GUEDES junto ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; e b) cópias dos documentos existentes no Processo Administrativo Disciplinar instaurado pela Portaria no 228/MF, de 4 de julho de 2005, na eventualidade de o servidor encontrar-se ali designado para o exercício das atribuiçQes de que trata o 5 2" do art. 4' do Decreto no 1.935, de 20 de junho de 1996, no fito de vir a ser instaurada medida disciplinar para apuração de possível falta funcional. Atenciosamente,

,--

-(bv!P"?l
.
..

ALVARO AUGUST RIBE O COST Advogado-Geral da

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO

,-

Brasília,

1 2 de setembro de 2005.

A Sua Excelência o Senhor ALVARO AUGUSTO RIBEIRO DA COSTA Advogado-Geral da União

e

Assunto: Instauração de processos disciplinares envolvendo Procuradores da Fazenda Nacional.

Senhor Advogado-Geral, Cumprimentando-o, solicito a Vossa Excelência verificar a possibilidade de

pc\

*

reexame do entendimento esposado na Nota CGAU/AGU no 052/2005, encaminhada por intermédio do Oficio nq81/AGU, de 28 de junho de 2005, que trata de providências a serem tomadas pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, relacionadas a processos disciplinares instaurados contra Procuradores da Fazenda Nacional, considerando, sobretudo, o risco de graves prejuízos a ordem administrativa decorrente da anulação dos processos em andamento ou
já julgados, especialmente diante do provável reconhecimento da prescrição da pretensão

punitiva da Administração Pública se tais medidas forem adotadas neste momento.
2.

Ainda que a Corregedoria-Geral da AGU detenha competência para instaurar

sindicâncias e processos administrativo contra Procuradores da Fazenda Nacional, não há como excluir do Ministério da Fazenda a mesma competência, dada a vinculação administrativa inquestionável desses servidores a esta Pasta. Tratar-se-iam, neste caso, com o devido respeita, de competências concorrentes e não excludentes.

G

MINISTÉRIO DA FAZENDA GABINETE DO MINISTRO

3.

Por oportuno, ressalto que a competência deste Ministério na instauração de feitos

desta natureza já foi por diversas vezes afirmada consoante as razões jurídicas expostas nos Pareceres PGFNICJIN" 101711995, PGFNIPGIN" 159112003, e PGFNICDIW 97012005 (cópias, em anexo).

Atenciosamente,

ANT NIO PALO CIFILHO Mini tro de Estado a Fazenda

9

"

Despacho do consultor-~eral União no97012005 da Processo no Procedência : Interessado : Assunto : 00410.00235712005-13 Ministério da Fazenda Ministro Antonio Palocci Filho Conflito de competência entre CGAUIAGU e PGFN. Senhor Advogado-Geral, 1. O Senhor Ministro de Estado da Fazenda solicitou reexame da orientação (Nota CGAUIAGU no 5212005) acerca da competência para instaurar sindicâncias e processos administrativos disciplinarés contra Procurador da Fazenda Nacional, argumentando que não é possível excluir dela o Ministério da Fazenda ainda que a Corregedoria-Geral da AGU a detenha pois que sãb competências concorrentes e não excludentes, havendo diversas manifestações da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional no sentido pleiteado (Pareceres PGFNICJ 101711995; PGFNIPG 159112003 e PGFNICDI 97012005). Ao propósito, manifestou-se o Departamento de Orientação e Coordenação de Órgãos Jurídicos desta Consultoria-Geral (Nota AGUICGUDECOR no 13312005-SFT). Em suma, a divergência está em que a PGFN considera que cabe 2. ao Ministro da Fazenda - e por delegação deste ao Procurador-Geral - a competência para instaurar processo administrativo disciplinar contra Procurador da Fazenda , Nacional em obséquio a vinculação administrativa que a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional mantém com o Ministério da Fazenda, ao passo que a Corregedoria-Geral da AGU tem sustentado, agora com o apoio do DECOR, que lhe cabe tal iniciativa em vista do disposto no art. 2 , 8 5' c/c art. 4' , XV; 5 , VI da Lei Complementar no 73f93, - - O O entendimento confirmado pelo art. 75, 8 1°, da MP no 2.229-43 de 06 de setembro de 2001. 3. A despeito das boas justificativas históricas rastreando o exercício do poder disciplinar sobre os Procuradores da Fazenda Nacional pelo Ministro da Fazenda expostas nos diferentes pareceres da PGFN, parece incontestável que, após a Constituição de 1988, haverá de ser obrigatoriamente repensado todo o sistema da

a

-

I

@

advocacia pública, particularmente a relacionada com a defesa judicial dos interesses da Fazenda Pública em que releva a atuação da Procuradoria da Fazenda Nacional, especificamente ligada a partir de então à execução da dívida ativa de natureza tributária. Em outros termos, daí pór diante, a representação da União na execução da dívida ativa tributária cabe exclusivamente à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, (art. 131, § 3" CF). Aliás, é bom assinalar desde logo que esse tratamento no 5 3" do art. 131 da Constituição conferido A PGFN, posto que especial, não importa em diferenciador ou excludente da integração na Advocacia-Geral da União, instituição que se encarrega da representação judicial e extrajudicial da União, nos termos da lei complementar. Assim, a lei ordinária prevista no 5 3" do art. 131 não pode lógica e hierarquicamente divergir da lei complementar orgânica da AGU (Lei Complementar no 73/93 que assenta ser a PFN carreira da AGU - art. 20,II; e a PGFN órgão de direção da superior da AGU - art. 2", I, 'c', como as PFN nos Estados Órgãos de execu~ão AGU - art. 2", 11, 'a', sendo todos membros da AGU - art. 2" 8 5O), em face do que a cláusula do $3" do a t 131 tem de ser compreendida conforme o caput e em razão do que é r. essencialmente equivocada a ilação proposta no item 11, do Parecer PGFN/CJ 1017/1995 (f. 6), que afirma ser o exercício da representaçãojudicial ou extrajudicial da União pela PGFN inteiramente não subordinada à AGU porque deriva da própria Constituição eis que somente o está no que respeita ao assessoramento e consultoria (art. 13, L. C. 73). Como visto, não h&fundamento para tanto. 4. De qualquer modo, o tema ainda exige pronunciamento definitivo pois que a suposta incerteza leva a malentendidos que em nada contribuem para o adequado cumprimento das funções institucionais dos órgãos interessados. Com efeito, mesmo que não se tenha clareza absoluta quanto ao exato alcance do disposto na cabeça do art. 12 da Lei Complementar no 73/93 ('Art 12, A Procuradoria da Fazenda Nacional, órgão administrativamente subordinada ao titular do Ministério da Fazenda ...."), é possível afírmar que a subordinação administrativa da PGFN é ao Ministro da Fazenda, não ao Ministério da Fazenda, e quem está subordinado ao Ministro da Fazenda é o órgão, não os Procuradores da Fazenda Nacional, estes os quais integram uma das carreiras da Advocacia-Geral da União s n d o ocupantes de cargos efetivos da carreira de Procurador da Fazenda Nacional,subordinados tecnicamente ao Advogado-Geral da União, e assim como a vinculação administrativa da ProcuradoriaGeral da Fazenda Nacional ', como órgão, é ao Ministro da Fazenda - e não ao Ministério da Fazenda - isso não implica que os membros da carreira, i. é, os Procuradores da Fazenda Nacional, estejam subordinados administrativamente ao Ministro da Fazenda. O que a lei complementar estipulou, ao contrário, 6 apenas uma

I---a

-2

a

e

subordinação administrativa de um órgão a outro órgão (por exemplo, para aquisição de bens ou distribuição de recursos ou imóveis), de modo que os Procuradores da Fazenda Nacional, enquanto servidores públicos de carreira da AGU, ficam sujeitos ao controle e administração das instâncias a&nistrativas da Advocacia-Geral da União , como ademais resulta intuitivo dos diversos incisos do art. 4' (I, X, XI, XV, XVI, XVII, XVIII) da Lei Complementar no 73/93. 5. De fato, se nos termos legais referidos cabe ao Chefe da Advocacia-Geral da União, como autoridade administrativa maior (além de responsável técnico pela atividade jurídica do Poder Executivo e pela defesa da União em juízo ou extrajudicialmente), proferir decisão nas sindicâncias e processos administrativos disciplinares promovidos pela Corregedoria-Geral da AGU e aplicar penalidades assim como promover a lotação e distribuição dos membros e servidores no âmbito da AGU, sem qualquer limitação ou ressalva, a "subordinação administrativa" da PGFN ao Ministro da Fazenda parece insuficiente para deslocar todas as relações administrativas dos membros da carreira da AGU - os Procuradores da Fazenda Nacionai - da Advocacia-Geral para o Ministério da Fazenda (aliás; a subordinação administrativa da PGFN ao Ministro, insista-se, não investe o Procurador-Geral da Fazenda Nacional nessa titularidade só porque é o Chefe da PGFN, nem isso decorre da lei, sendo equívoco tomar um pelo outro). O mesmo se passa com os Procuradores Federais que servindo junto às autarquias ou fundações públicas não estão subordinadas aos respectivos presidentes ou diretores senão ao Procurador-Geral Federal que administra a carreira, dirige a disciplina e movimenta o quadro. A vinculação administrativa - ou "subordinação" - que acontece entre os Procuradores Federais e seus órgãos de atuação, quando ocorre, situa-se exclusivamente no plano material de apoio ou operação. Não há, nem pode haver, dependência institucional da PGF aos organismos que dela recebem a consultoria e representação. Não fosse por essa possível linha de compreensão, que se mostra 6. inteiramente pertinente e adequada, para o caso também não parece procedente a afirmação do Senhor. Ministro da Fazenda de que as competências correicionais de instauração de sindicâncias e processos disciplinares contra Procurador da Fazenda Nacional, dada a dita vinculação administrativa, constituem "competências concorrentes e não excludentes". Com o devido respeito, essa é uma conclusão essencialmente incorreta posto que, quando nada, a atribuição de investigar e punir deve ser privativa de uma só autoridade pelo princípio elementar do "juiz natural>' que logicamente exclui a duplicidade, ambigüidade e pois a competência concorrente. Mas, ademais disso, não é da vinculação administrativa que resulta o poder de investigar e

a

\. -

e

punir disciplinarmente senão da hierarquia e disciplina 4 que os servidores civis se sujeitam, e não pende dúvida de que a instituição da advocacia pública só tem um chefe a quem cabe ditar a orientação administrativa sobre os advogados e procuradores, fazendários e federais, cabendo *ao Sr. Ministro da Fazenda apenas a direção administrativa da Procuradoria da Fazenda Nacional no que respeita ao aspecto meramente material. Ainda que as divisas entre o domínio administrativo da PGFN e a sujeição administrativa dos procuradores da Fazenda Nacional ao chefe da instituição o Advogado-Geral da União - sejam de dificil nitidez, é certo que, na dúvida, a interpretação só pode levar a baliza para junto deste último, por decorrência constitucional sistemática e lógica. 7. A afírrnação de que a subordinação administrativa da PGFN ao Ministro da Fazenda determina a subordinação administrativa dos Procuradores da Fazenda ao Ministro da Fazenda, portanto, nZo se sustenta, até porque, se fossem subordinados administrativamente ao Procurador-Geral da Fazenda Nacional seriam porque este o é - igualmente subordinados administrativamente ao Advogado-Geral da União. Assim, tanto é insuficiente essa afirmação que não encontra ressonância na lei e no sistema constitucional, como a relação administrativa que a PGFN tem com o Ministério da Fazenda fica forçosamente limitada, pela lei e pela interpretação, àquilo que não desvirtue ou descaracterize a AGU como instituição constitucional. 8. Entendimento diverso não só vai contra a inteligência do atual sistema da advocacia pública como volta reacionariamente ao padrão pré-constitucional em que a advocacia pública dependia da administração dos Ministérios. Magnificar a subordinação administrativa da PGFN ao Ministério da Fazenda equivale diminuir uma conquista histórica da Constituição de 1988 que, muito pelo contrário, propôs a instituição da advocacia pública - ai inclusa obviamente a fazendária - longe das influências e condicionamentos, da administração e do governo. Por isso, a interpretação que se impõe nesse tema, repita-se, só pode conduzir à obrigatória conclusão de que essa subordinação administrativa da PGFN ao Ministro da Fazenda, além de restrita ao órgão deve ser compreendida com o máximo de restrição em respeito à Constituição e ao sistema que ela abriga. Se assim é, ao dispor a Lei Complementar 73/93, no art. 5O, VI, que 9. cabe à Corregedoria-Geral da Advocacia da União :'instaurar, de oficio ou por determinação superior, sindicâncias e processos administrativos contra os membros da Advocacia-Geral da União", entre os quais estão os Procuradores da Fazenda nacional (art. 2", 5 5", L. C. 73/93), a conclusão natural leva ao oposto da sugerida pelo Senhor Ministro da Fazenda. á4:
-4

1O. Pelo exposto, é incompatível com a Constituição e com a Lei Complementar no 73/93 a afmação de competência concorrente entre o Ministro da Fazenda e o Advogado-Geral da União para o processo disciplinar e é exata a ponderação que indica a CGAU' como o único órgão disciplinar competente para instaurar e processar os Procuradores da Fazenda Nacional nas infrações funcionais, no mesmo rumo, aliás, de pronunciamentos do Poder Judiciário (TRF/la Região MS 2004.34.00.011094-1/DF, Remessa de Oficio, DJ 11.04.2005; e MS 2005.34.00.007830-5 perante a 8" Vara FederalIDF) e da Nota CGAUIAGU no 5212005 aprovada pelo Advogado-Geral da União com fundamento no art. 4O, I, X e XI da Lei Complementar no 73/93 a qual, nesse assunto, bem ou mal, vincula necessariamente todos os órgãos administrativos da Administração Federal aí compreendido o Senhor Ministro da Fazenda, cabendo, por dever de oficio aolProcurador-Geral da Fazenda Nacional instruí-10 juridicamente no sentido de evitar desatenção à Constituição e à lei. Insistir em interpretação que os órgãos competentes para assentar oficialmente o sentido da Lei e da Constituição já deram como inexato, é desaconselhável, em beneficio da estabilidade da orientação e do bom funcionamento das respectivas instituições. Ante o exposto, adotando também os termos e razões da Nota 11. referenciada, parece que se deve responder ao Aviso no 358/MF de 12.09.2005 do Sr. Ministro da Fazenda pela negativa, encarecendo ainda a Sua Excelência determine, em homenagem a racionalidade da administração pública, ao Senhor Procurador-Geral da Fazenda Nacional faça cumprir essa orientação.

A consideração. Brasília, 30 de novembro de 2005.
F u i -

s

MANOEL LAURO VOLKMER DE'CASTILHO Consultor-Geral da União

REFERÊNCIA: Processo no 00410.002357/2005-13 Aprovo os tennos do Despacho do Consultor-Geral da União no 97012005. Cientifique-se o Ministro de Estado da Fazenda.

Em

6 de dezembro

de 2005.

Aviso n g 2U IAGU

..

*.

Brasília,

de dezembro de 2005.

A Sua Excelência o Senhor ANTONIO PALOCCI FILHO Ministro de Estado da Fazenda

Assunto: Conflito de competência entre a CGAU/AGU e a PGFN

Senhor Ministro, Reportando-me ao Aviso no 358/MF, de 12 de setembro de 2005, encaminho, por cópia, o Despacho do Consultor-Geral da União no 97012005, por mim aprovado, solicitando os bons préstimos de Vossa Excelência no sentido de determinar ao Senhor Procurador-Geral da Fazenda Nacional o cumprimento da orientação nele contida.

Atenciosamente,

Aviso no 9481AGU Brasília, 15 de dezembro de 2005.

A Sua Excelência o Senhor ANTONIO PALOCCI FILHO Ministro de Estado da Fazenda Assunto: Processo Administrativo Disciplinar. Solicitação 'de Informações pelo Supremo Tribunal Federal. Senhor Ministro, Tendo em vista a manifestação contida na Nota CGAUIAGU no 10512005, que encaminho por cópia, reitero os termos do Aviso no 664/AGU, de 16 de setembro de 2005, para solicitar a Vossa Excelência o especial obséquio de encaminhar a esta Advocacia-Geral da União : a) informações sobre a situagão funcional e as atribuições desempenhadas pelo Procurador da Fazerida Nacional GLÊNIO SABBAD GUEDES junto ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional; e
b) cópias dos documentos existentes no Processo Administrativo Disciplinar instaurado pela Portaria no 228/MF, de 4 de julho de 2005, na eventualidade de o servidor se encontrar ali designado para o exercício das atribuições de que trata o 8 2" do art. 4' do Decreto no 1.935, de 20 de junho de 1996, no fito de vir a ser instaurada medida disciplinar para apuração de possível falta funcional.

@

Saliento que o presente pedido objetiva também atender solicitação de informações encaminhada à Advocacia-Geral da Uniào pelo Supremo Tribunal Federal, por meio do Oficio no 5920/R, de 09 de dezembro de 2005, do Senhor Ministro EROS GRAU, (confidencial), com a finalidade de instruir Inquérito em curso no STF (cópia anexa). Ein vista disso, encareço urgência no encaminhamento das informações solicitadas. Atenciosamente,

ALVARO AUGUSTO RIBEIRO ~dvo~ado-~eral da União

COSTA

Inq no 2245

TERMO DE JUNTADA
Em 9 de março de 2006 junto a estes autos petição sem número - CT 826/JUR/2005, de 2 1/12/05, da BrasilTelecom presta informações em resposta ao Oficio no 4279/R, com CD-ROM anexo. Eu, ,5waJ, Analista Judiciário, lavrei este termo. E eu, ,~ & a das Graças Camarinlaa Caetano, Coordenadora de Processamento do Plenário, o subscrevi.

Brasília, 2 1 de dezembro de 2005.

Exmo. Sr. Ministro JOAQUIM BARBOSA Supremo Tribunal Federal Praça dos Três Poderes Brasília - DF CEP: 70.175-900

,

Junte-se. Brasília,

05 de ~ F de 2006. F

Ministro ~ o a ~ & Barbosa rn

Ref.: Ofício 4279/R-05, datado de 26 de setembro de 2005. (Ref.: Inquérito 2245)

Excelentíssimo Senhor,
Brasil Telecom S/A, concessionária do Serviço Telefônico Fixo Comutado, nos Estados do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rondônia, Acre e no Distrito Federal, inscrita no CNPJ/MF sob no 76.535.764/000143, com sede no SIA Sul - ASP, Lote 'D", Bloco 'B", Brasília - DF, doravante denominada Brasil Telecom, vem, respeitosamente, por intermédio de sua bastante procuradora, apresentar os extratos de chamadas originadas e recebidas, dos telefones fixos (51) 3284-8T67, (61) 3213-1 113, (61) 3225-5149, (61) 3301-2528, (61) 3301-2530, (61) 3311-7005, (61) 3311-7006, (61) 3318-3404, (61) 3318-5250, (61) 3318-5404, (61) 3318-5616, (61) 3344-2112, (61) 3366-4885, (61) 3366-5017, (61) 33670267 e (61) 3475-6393, desde o dia 0 1 de outubro de 2000 até o dia 0 1 de outubro de 2005, cujas informações seguem em CD-ROM ora anexado.
/

-

e - -

Informamos que em retacão ao terminal fixo (43) 3432-1224, não houve registro de chamadas para o período solicitado. Nestes termos, colocamo-nos esclarecimentos necessários. Atenciosamente,

à disposição de Vossa Senhoria prestar quaisquer

Kátia Regina Alves Bicudo Brasil Telecom S/A OAB/SP n.0 165.014

- CEP: 71.215-000 - BRASÍLIA-DF SIA SUL - ÁREA DE SERVIÇOS PUBLICOS - LOTE "D" - BLOCO Fone: (61) 3415-9509 - Fax: (61) 3481-7178 - quebradesigilo@brasiItelecom.com.br

7

- ASP - Lt. D - Bloco B - CEP 71215-000 Brasilia - DF - www.brasiltelecom.com.br
SIA/SUL

I3raGl Telecom S.A.

& I

'a.

Z

-9-

I&

!hertas Frizotti
qras~iTelecDm SIA

Juridico

ÇiAISuI ASP Lote O 8loco B 2"dar CEP 71.215!?00 - Brasilia DF

BRi\sIi- TELECOM SIA

-

Inq no 2245

.

i .

TERMO DE JUNTADA
Em 9 de março de 2006 junto a estes autos petição sem número do Bitico BMG, de 3/1/06 - presta informações em resposta ao Oficio no 6266lR. Eu, alista Judiciário, lavrei este ,termo. E eu, aria das Graças Camarinha Caetano, Coordenad ra de Processarnento do Plenário, o subscrevi.

P

L

B

A

N

C

O

Belo Horizonte, 03 de janeiro de 2006.

AO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL AT. EXMO DR. JOAQUIM BARBOSA DD. MINISTRO RELATOR BRAS~LIA DF Ref: Oficio no 6266lR

I

Junte-se. Brasilia, 05 de

- de 2006.

Ministro Joaq ! Barbosa p .e16

e

Senhor Ministro,

I

Acusamos o recebimento do Oficio em epígrafe, constando a determinação de V. Exa. para que este Banco permita o acesso dos Peritos do INC - Instituto Nacional de Criminalistica a todos os documentos necessários a realização dos trabalhos, no tocante "as operações de aquisição, pela Caixa Econômica Federal, de créditos consignados de aposentados pelo Banco BMG". Entretanto, informamos que, não obstante a Vossa determinação, este Banco vem colaborando com os trabalhos realizados pelos Peritos, esclarecendo de forma transparente a todas as indagações elaboradas e disponibilizando toda a documentação solicitada pelos mesmos, conforme cópia dos protocolos em anexo, datados de 0111212005 e 2611 212005.

*\

Nestes termos, ressaltamos que continuaremos dando total acesso aos Peritos, no tocante aos trabalhos que vêm sendo realizados, afim de não restar dúvidas quanto a idoneidade das operações realizadas por este Banco. No ensejo, renovamos a V. Exa. os nossos protestos de elevada estima e distinta consideração. Atenciosamente,

r\

CIC AO DD. PROCURADOR GERAL DA REPUBLICA FERNANDO BARROS E SILVA DE SOUZA

-

DR. ANTONIO

Av. Álvares Cabral, 1707

Tel:: (3 1) 3290-3000

Santo Agostinho * MG CEP: 30170-001 Fax: (3 1) 3290-3 100 www.bancobmg.com.br

Belo Horizonte, 01 de dezembro de 2005

AOS SRS. SÁVIO E MARTINI DD PERITOS FEDERAIS BELO HORIZONTE - MG

A

Atendendo ao contido no Ofício 676105-SETECISWDPFIMG, recebido no dia 24.11.05, anexamos, a presente, cópias do Estatuto Social do Banco BMG e respectivas altera~ões. Anexamos, também, cópia dos contratos de cessão de créditos celebrados com a CEF, CETELÉM e BANCO ITAU. No tocante aos demais itens ali contidos, informamos-lhes que estamos providenciando.

Atenciosamente,

Belo Horizonte, 26 de dezembro de 2005.

Aos SPs. Vergara, Martini e Sávio DD Peritos Federais Belo Horizonte (MG)

Ref.: OFICIO No710105 - SETECISRIDPFIMG

Em face do contido no oficio em epigrafe, é a presente para apresentar-lhes os demonstrativos dos lançamentos contábeis decorrentes de cessões de créditos as instituições: Caixa Econômica Federal, Cetelem e Banco ItaU, solicitados no item 4

Finabente, colocamos-nos ao inteiro dispor para esclarecimentos que se fizerem nec ssário?.

e

;i

B ~ C O BMG S.A
.

\

B

A

N

C

O

Belo Horizonte, 03 de janeiro de 2006.

AO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL AT. EXMO DR. JOAQUIM BARBOSA DD. MINISTRO RELATOR BRAS~LIA DF

-

Senhor Ministro,
, ,

Para o vosso conhecimento, enviamos-lhe cópia da correspondência encaminhada ao DD. Procurador-Geral da ~ e ~ ú b l i c aDr. Antônio -Fernando Barros e Silva de Souza, remetendo, em meio magnético, as informações solicitadas, conforme determinação de V. Exa.. No ensejo, renovamos a V. Exa. nossos protestos de elevada estima e distinta consideração. Atenciosamente,

r\

BANCO BMG S.A.

Av. AIvares Cabrol, 1707 Santo Agostinho MG CEP: 301 70-001 Tel:: (31 ) 3 2 9 0 3 0 0 0 Fax: (3 1) 3290-3 100 www.bancobrng.com.br

B

A

N

C

O

Belo Horizonte, 03 de janeiro de 2006.

AO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL EXMO DR. ANTONIO FERNANDO BARROS E SILVA DE SOUZA DD. PROCURADOR-GERALDA REP~BLICA BRAS~LIA-DF Ref: Oficio 62651R

R,

Senhor Procurador, Acusamos o recebimento do Ofício em epígrafe, encaminhado pelo DD. Ministro Relator Joaquim Barbosa, determinando a remessa diretamente a V. Exa, em meio magnético, da identificação de todos os cotistas dos fundos - BMG FIDC INSS CRÉDITOS CONSIGNADOS IV - CNPJ 07.179.14710001-30, BMG FIDC SERVIDORES PÚBLICOS II - CNPJ 06.207.28810001-56 e BMG FIDC SERVIDORES PÚBLICOS III - CNPJ 06.988.38310001-34. Para tanto, anexamos o CD Room contendo as informações relativas aos fundos retrocitados. Entretanto, esclarecemos a V. Exa. que tais informações já foram, inclusive, encaminhadas aos peritos do INC, conforme cópia do protocolo em anexo, datado de 2611212005. No ensejo, renovamos a V. Exa. os nossos protestos de elevada estima e distinta consideração. Atenciosamente,

r\

C/C AO DD. MINISTRO RELATOR DR. JOAQUIM BARBOSA

-

MVFVIAPSS - C392

Av. Álvares Cabral, 11707 Santo Agostinho ) Tel:: (3 ) 3290-3000• Fax: (31

3290-3 M G CEP: 301 70-001 100

www.bancobrng.corn.br

e.

Belo Horizonte, 26 de dezembro de 2005. Aos S f S. Vergara, Martini e Sávio DD Peritos Federais Belo Horizonte (MG)

Ref.: OFÍCIO 656/05 - SETEC/SR/DPFMG N"
Em face do contido no oficio em epígrafe, é a presente para apresentar-lhes os relatórios parciais solicitados no item 9:
FlDC I Regulamento. Relatório de Rating (contendo a descrição do funcionamento). Demonstrações Financeiras Auditadas. Relatório referente aos meses de 03/03 a 03/05, com a composição da carteira, relação de cotistas, desempenho do fundo e fluxo de caixa

FIDC I1 Regulamento. Relatório de Rating (contendo a descrição do funcionamento). Demonstrações Financeiras Auditadas. Relatório referente aos meses de 06/04 a 09/05, com a composição da carteira, relação de cotistas, desempenho do fundo de caixa. FIDC III Regulamento. Relatório de Rating (contendo a descrição do funcionamento). Demonstrações Financeiras Auditadas. Relatório referente aos meses de 12/04 a 09/05, com a composição da carteira, relação de cotistas, desempenho do fundo e fluxo de caixa.
FIDC I V Regulamento. Relatório de Rating (contendo a descrição do funcionamento). Composição da carteira de 06/05 a 09/05.

Cópia do regulamento dos Fundos:
FUNBR 45 MULTIFIF VI BPF FEF CACUPÉ MULTIFJF I FC BCF

1

A i n a l k n t e , &os-nos

ao inteiro dispor para esclarecimentos que se fizerem

INQ No 2245

V

TERMO DE VISTA
/

Em 9 de março de 2006, faço estes autos com vista ao Exmo. Sr. A , Analista Procurador-Geral da República. Eu, Judiciário, lavrei este termo. E eu, , Maria das Graças Camarinha Caetano, ~oordenadofade Processamento do Plenário, o subscrevi.

Q

Inq no 2245

TERMO DE ENCERRAMENTO DE VOLUME
Em 11 de abril de 2006 fica encerrado o 25" volume dos presentes autos de Inquérito número 2245 a folha no 5475, com o presente termo. O 26" volume se inicia a folha no 5476. Eu, Analista Judiciário, lavrei o presente. E eu,

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->