P. 1
2 aula - Classificação e Indicação dos Materiais Odontológicos e Propriedades dos Materiais Odontológicos

2 aula - Classificação e Indicação dos Materiais Odontológicos e Propriedades dos Materiais Odontológicos

|Views: 1.336|Likes:
Publicado porCristiane Santos

More info:

Published by: Cristiane Santos on Jun 25, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/28/2014

pdf

text

original

ROTEIRO DE AULA CLASSIFICAÇÃO E INDICAÇÃO DOS MATERIAIS ODONTOLÓGICOS E PROPRIEDADES DOS MATERIAIS ODONTOLÓGICOS

INTRODUÇÃO O melhor material dentário é, e sempre será, o dente natural que consiste numa mistura de hidroxiapatita e colágeno. Seu ponto fraco é que pode ser destruídos pela ação do ácido láctico resultante do metabolismo de bactérias, presentes na boca. O principal objetivo da Odontologia é manter ou melhorar a qualidade de vida do paciente. Este objetivo pode ser alcançado pela prevenção de doenças, pelo alívio da dor, aperfeiçoamento da eficiência mastigatória, aprimoramento da fonética e pela melhora da aparência Os materiais restauradores são divididos em 4 grupos: - metais - cerâmicas - polímeros - compósitos Os materiais restauradores incluem: - metais nobres e básicos - ligas de amálgama - cimentos - compósitos (resina composta) - ionômero de vidro - cerâmicas (porcelanas) - gesso - revestimento para fundição - ceras odontológicas - compostos para moldagem - resina para base de prótese (resina acrílica) MATERIAIS DENTÁRIOS RESTAURADORES  Materiais restauradores diretos: Intra-oral (procedimentos na boca), para confeccionar restaurações ou próteses diretamente nos dentes ou nos tecidos.  Materiais restauradores indiretos: Extra-oral (procedimentos fora da boca), em que os materiais são utilizados indiretamente em fundições ou outras réplicas de dentes ou tecidos.  Materiais restauradores auxiliares: São substâncias utilizadas no processo de fabricação de próteses dentárias ou aparelhos que não fazem parte destes itens.  Materiais restauradores provisórios: É uma subcategoria de materiais restauradores e incluem produtos usados para restaurações e aparelhos dentários destinados à aplicação por um médio ou longo período.

.manipulação (para desenvolver as propriedades mais satisfatórias) Biocompatibilidade: .composição química .Metálico .fator econômico. A cada material é estudado: . como: .Identificar os materiais restauradores com fundamento nas evoluções e suas necessidades em função da aplicação. . Objetivo: .Cerâmico .propriedades físico-químicas. tem a função de controlar as característica e propriedades físicas e química de um material de modo a assegurar um desempenho satisfatório do material quando este é adequadamente empregado.Conhecer o desenvolvimento dos materiais restauradores para concluir a respeito da situação atual dos mesmos. para indicar a sua aplicação nos processos de recuperação oral Estrutura e propriedades da Matéria Durante a seleção dos materiais dentários para o emprego clínico.Resinoso .estética.não devem prejudicar à polpa nem aos tecidos moles.não devem conter substâncias tóxicas (sistema circulatório). ESTRUTURA DA MATÉRIA Substrato .características físicas e químicas .não devem ter potencial carcinogênico.característica de manipulação. .Relacionar o conteúdo da disciplina de Materiais Dentários com as demais disciplinas do currículo.devem ser livres de agentes sensibilizantes que possam causar reações alérgicas.Valorizar e identificar os materiais restauradores. vários propriedades dos materiais devem ser levadas em consideração. .propriedades relacionadas à aplicação envolvida . O selo de aceitação da ADA: Dentistas e consumidores de produtos odontológicos têm recomendado o selo de aceitação da ADA como um importante símbolo de segurança e efetividade para produtos odontológicos. .biocompatibilidade. . com fundamento nas suas propriedades.D. . . .Todo material tem que ter autorização da A.A (American Dental Association). .

ENERGIA TÉRMICA: É explicada pela energia cinética dos átomos ou moléculas a uma dada temperatura. determinam as propriedades físicas do material. 2. formando uma “nuvem de elétrons ionizados”. Propriedades químicas. Exemplo: a molécula de água  Forças de Van Der Waals: São forças de atração de natureza eletrostática.Líquido . Propriedades físicas. a quantidade de energia necessária para romper uma determinada ligação é exatamente a mesma quantidade que é liberada quando da sua formação. Propriedades mecânicas.  Metálicas: São ligações baseadas em estruturas metálicas cristalinas. Nestas circunstâncias. exercidas entre as moléculas constitutivas da matéria. ENERGIA DE LIGAÇÃO (Adesão): Nas uniões químicas covalentes. que têm sua origem na distribuição de cargas positivas e negativas na molécula. carrega uma carga positiva substancial.Gasoso . resultado da atração de cargas positivas e negativas. Propriedades químicas. LIGAÇÕES INTERATÔMICAS SECUNDÁRIAS  Pontes de hidrogênio: Uma atração dipolo-dipolo particularmente forte ocorre quando o hidrogênio está ligado a um elemento eletronegativo muito pequeno.ESTRUTURA DA MATÉRIA 1.  Covalentes: É a ligação em que os átomos se unem através das últimas camadas para a formação dos pares eletrônicos. 1. LIGAÇÕES INTERATÔMICAS “As forças que mantêm os átomos unidos são chamadas de coesivas” LIGAÇÕES INTERATÔMICAS  Primárias: Natureza química  Secundárias: Natureza física A resistência destas uniões e a habilidade de refazer as ligações quando rompidas. 3. nas quais o átomo de hidrogênio. LIGAÇÕES INTERATÔMICAS PRIMÁRIAS  Iônicas: São as ligações químicas mais simples. Os pares formados são compartilhados por ambos os átomos. extremamente pequeno. resultam moléculas muito polares. Sólido . como flúor. oxigênio ou nitrogênio. Por terem a mesma composição os elétrons estão em constante movimentação.

que possui uma película de líquido entre duas superfícies bem adaptadas. ESTRUTURA NÃO CRISTALINOS .Elevação da temperatura Aumento da amplitude da vibração atômica ou molecular Aumento do espaço interatômico Expansão térmica Mudança de estado físico Estruturas cristalinas e não cristalinos ESTRUTURA CRISTALINA  Os átomos são unidos por forças primárias ou secundárias. vidro. de tal forma que cada átomo está situado em uma posição semelhante em relação ao outro. ADESÃO E UNIÃO  Adesão Mecânica: Uma forte aderência de uma substância à outra pode ser obtida por intermédio de adesão ou retenção mecânica.  Energia de Superfície: . ADESÃO E UNIÃO  A adesão é a união química de moléculas diferentes. em vez de atração molecular. líquidos.Não apresenta uma temperatura definida de fusão. adesão mecânica (embricamento) ou a combinação de ambos os tipos. Exemplo: metais Existem 14 tipos possíveis de grades espaciais.  A coesão é a união de moléculas do mesmo tipo. ESTRUTURA CRISTALINA  GRADE ESPACIAL (CRISTAL): É o arranjo de átomos no espaço. No estado sólido eles estão combinados de forma a apresentar uma energia interna mínima. resinas sintéticas. . Exemplos: ceras.  Átomos sempre na mesma posição.  Tipos de adesão podem ser: adesão química. Possuem ponto fusão fixo. Em Odontologia refere-se ao embricamento mecânico dos materiais nas estruturas do dente.A distribuição das moléculas é feita ao acaso (materiais amorfos). A coesão do metal é maior que a coesão da resina composta.  Tensão superficial é a resistência à separação.

. Ex.Geleificação  Solubilidade e Desintegração: No geral os cimentos são solúveis.  pH: .É a energia da superfície da estrutura que possibilita a adesão.viscosidade. eles evaporam rapidamente. ABRASÃO  A dureza tem sido freqüentemente utilizada como um índice da capacidade do material de resistir ao desgaste e à abrasão.Propriedades físicas: . Como o álcool ou a acetona são solventes extremamente voláteis. Ela ocorre nos cimentos de policarboxilato e ionômero de vidro.condutibilidade térmica (é a quantidade de calor que atravessa um corpo). Propriedade relacionada a dureza do material: .cor e percepção de cor (está presente em grande parte das atividades do dentista). Adesão a Estrutura Dentária: . O flúor aderido ao dente diminui a energia de superfície do esmalte dentário.Ácido (Fosfato de Zinco. (capacidade da material resistir ao desgaste) .resistência à abrasão. Possuem álcool (acetona). água. (É uma deformação plástica dependente do tempo de um material sob uma carga estática ou tensão constante) . .Neutro (Óxido de Zinco Eugenol) .Alcalino (Hidróxido de Cálcio) .relaxamento estrutural e de tensões.creep e escoamento. (medida da consistência e incapacidade de escoamento de um fluido) .  Molhamento: Os sistemas adesivos atuais são hidrofílicos (afinidade com a umidade da dentina).  Ângulo de Contato: Quanto menor for o ângulo de contato. Ácido Fosfórico)  Reação de Presa: . Exceto os cimentos resinosos e as resinas compostas que são quase insolúveis.Embricamento mecânico . O Cimento de Ionômero de Vidro libera flúor porque é solúvel. na sua composição para ficar extremamente fluido. possibilitando o embricamento do adesivo na dentina. se fosse insolúvel.Cristalização .Ácido + Base à Sal . sua ação profilática não aconteceria.União química entre o material restaurador e o dente. 2 . melhor será a adesão.

.Composição dos líquidos. resinas.Variações de temperatura. O creep do amálgama deve ser baixo. .). . (Reológicas é a ciência que estuda o escoamento da matéria e seus comportamentos) MATERIAIS TIXOTRÓPICOS  São líquidos que se tornam mais fluidos sob pressão. VISCOSIDADE  É a medida da consistência de um fluído e a sua incapacidade de escoamento.  Existem materiais dentários não cristalinos que podem relaxar durante o armazenamento em temperatura ambiente. Características reológicas. após terem sido curvados ou moldados (ceras. Creep: Determina o escoamento quando o amálgama já cristalizou. . etc..Força de mordida. É adicionado um peso sobre o amálgama e mede-se sua deformação. COR E PERCEPÇÃO DE COR  Matiz: é a cor propriamente dita  Croma: é a tonalidade da cor  Valor: opacidade ou brilho da cor PROPRIEDADES TERMOFÍSICAS  Condutividade térmica  Difusibilidade térmica  Calor específico  Expansão térmica linear  Propriedades Térmicas e Elétricas: Os materiais podem conduzir calor e eletricidade  Coeficiente de Expansão Térmica: .Abrasividade da dieta.Freqüência de mastigação. RELAXAMENTO ESTRUTURAL  É o alívio da tensão induzida em um sólido durante uma deformação plástica. ESCOAMENTO E CREEP  É uma deformação plástica dependente do tempo de um material sob uma carga estática ou tensão constante.  Alteração na forma ou contorno do sólido como resultado do rearranjo atômico ou molecular.  A viscosidade é inversamente proporcional ao escoamento.

É importe conhecermos as temperaturas de fusão dos materiais que usamos.  Deformação: É a mudança no comprimento por unidade de comprimento do material. .)  Alguns metais e ligas são resistentes à corrosão graças ao seu caráter inerente de nobreza ou por produzirem uma camada superficial protetora. etc. TENSÃO E DEFORMAÇÃO  Deformação Elástica: Quando se remove a força o corpo volta ao seu estado inicial. TENSÃO E DEFORMAÇÃO  Tensão: É a força por unidade de área atuando sobre milhões de átomos ou moléculas em um dado plano do material. pois numa soldadura de alguma liga metálica. .resiliência.Propriedades mecânicas: . pois caso contrário haverá fusão das duas. . de cizalhamento e por flexão. . CORROSÃO  É a perda de átomos da superfície externa do material por meio de agentes químicos (saliva.  Choque galvânico: sensação de dor causada pela corrente elétrica gerada quando dois metais diferentes estão em contato no meio oral. quando este está sujeito à uma tensão.dureza. TEMPERATURA DE FUSÃO  Temperatura para fundir o material. o material usado para solda deve possuir temperatura de fusão inferior à da liga metálica que vai ser soldada. . O cimento de Ionômero de Vidro é o que mais se aproxima do coeficiente de expansão térmica das estruturas dentárias.módulo de elasticidade. GALVANISMO  Corrosão galvânica: corrosão eletroquímica que ocorre quando metais diferentes entram em contato físico. 3 .Alteração no comprimento de um corpo (em unidade de comprimento) quando a temperatura varia de 1ºC.resistência. . alimentos.tensões: de tração. de compressão.retenção.  Deformação Plástica ou Permanente: O material não volta ao estado inicial.

 Deformação: mudança na dimensão.Deformação por compressão Resultado = contração  Tensão de cisalhamento . FADIGA: . etc. RESISTÊNCIA  É a tensão máxima necessária para fraturar uma estrutura.Resistência ao cisalhamento RESISTÊNCIA À ABRASÃO  É a resistência do material ao desgaste mecânico ocorrido no contato com dentes e demais elementos do meio bucal e extra-bucal (alimentos sólidos. Ex: aparelho ortodôntico RESILIÊNCIA:  É a quantidade de energia absorvida por uma estrutura quando as tensões não excedem o seu limite de proporcionalidade (capacidade de o material absorver energia sem se romper).Resistência à compressão .) RESISTÊNCIA AO IMPACTO  É a energia necessária para fraturar um material sob uma força de impacto.  Quanto maior é o módulo de elasticidade.Resistência à tração .TENSÃO E DEFORMAÇÃO  Tensão: medida através de uma área determinada.Deformação por tração Resultado = alongamento  Tensão de compressão .Deformação por cisalhamento Resultado = cizalhamento MÓDULO DE ELASTICIDADE (MÓDULO DE YOUNG)  O módulo de elasticidade representa a rigidez de um material dentro da variação elástica. FLEXIBILIDADE:  É a deformação que ocorre quando um material sofre tensões equivalentes ao seu limite de elasticidade (tensão acima da qual o material não recupera seu estado original quando a força é removida). . Tensão > Força de atração = Fratura TIPOS DE TENSÃO E DEFORMAÇÃO  Tensão de tração . mais rígido é o material. líquidos.

Knoop 1 . com fundamento nas suas respectivas propriedades. de acordo com as diferentes finalidades do material. Brinnel. DUREZA:  É a resistência de um material à penetração (capacidade de o material resistir a riscos e perfurações).É a técnica de reprodução negativa dos tecidos bucais. Indicar e valorizar o uso dos diferentes tipos de gesso.MATERIAIS DE MOLDAGEM:  Moldagem: . Vickers. TENACIDADE:  Capacidade do material de absorver energia elástica e se deformar sem fratura (resiliência) DUCTIBILIDADE:  É a habilidade de um material para suportar deformações permanentes sob uma carga de tração sem fraturar. Exemplos: Barcol.É a habilidade de um material para formar fios. .  Modelo: . 2 . Executar a manipulação dos gessos com base na relação A/P. MALEABILIDADE:  É a habilidade de um material para suportar deformações permanentes sob uma carga de compressão sem fraturar. Shore.É a habilidade de um material para formar chapas. Existem vários tipos de testes de dureza superfícial. Rockwell. A maioria é baseada na capacidade da superfície do material de resistir à penetração por uma ponta de diamante ou esfera de aço sob uma carga específica. São fraturas que ocorrem nos materiais por forças mesmo abaixo do limite de proporcionalidade (é a fratura progressiva de um material sob repetido carregamento). MATERIAIS DE MOLDAGEM: .É a reprodução positiva obtida a partir da moldagem.GESSO: Identificar os diversos tipos de gesso e conhecer a estrutura do material. .

POLÍMEROS (resina acrílica): DEFINIÇÃO: Resinas sintéticas ou plásticos representam um grupo de materiais. padrão de fundição • Material auxiliar em cirurgia e implantodontia: .R.A. dos hidrocolóides e dos elastômeros. Além disso também são usados. sua composição. Conhecer a composição das godivas. coppings de moldagem. formando grandes cadeias.A.T (resina acrílica ativada termicamente) . Conhecer os diversos tipos de resina de uso odontológico. como forramento e base de restaurações e principalmente como agente cimentante de restaurações indireta. CIMENTOS ODONTOLÓGICOS: . Tipos de resina acrílica em uso na Odontologia .goteiras.R.Conhecer a classificação dos materiais para impressões e estabelecer as relações existentes entre as propriedades apresentadas e as indicações específicas. sua manipulação e suas propriedades. das pastas de óxido de zinco e eugenol.R.A. a manipulação dos diversos tipos apresentados. de prótese fixa e aparelhos ortodônticos. POLÍMEROS (resina acrílica): Conhecer a estrutura dos plásticos sintéticos de uso odontológico.A ativada por microondas Uso na Odontologia : • Próteses dentárias: Definitivas: próteses totais.moldeiras individuais. 3 .Q (resina acrílica ativada quimicamente) . identificar os tipos de resina conforme a composição e indicar as suas finalidades na prática profissional. cujas características são de possuir moléculas muito grandes.CIMENTOS ODONTOLÓGICOS: São usados como materiais restauradores apresentam baixa resistência quando comparados ao amálgama e a resina composta. para indicar o uso do material. próteses parciais e unitárias Provisórias: próteses parciais (perereca) e coroas provisórias • Prótese buco-maxilo-facial • Aparelhos ortodônticos • Placas miorelaxantes • Material auxiliar para confecção de próteses: .F.A.R. as suas respectivas propriedades e efetuar a sua manipulação.A . guias cirúrgicos 4 .

hidróxido de cálcio. boa refletora de luz”. selantes e cimentos resinosos. na qual pelo menos um desses elementos é solúvel na condição de fundido”. estrutura e propriedades. manipulação e propriedades. boa condutora de calor e eletricidade e. CIMENTOS ODONTOLÓGICOS: fosfato de zinco. através de ligações iônicas e covalentes e uma retenção micromecânica no colágeno dentinário. resinoso. óxido de zinco e eugenol. efetuar a sua manipulação e indicar seu uso na prática profissional. ionômero de vidro. estrutura e propriedades. Ex: matriz de resina.COMPÓSITOS (resinas compostas): ADESIVOS DENTINÁRIOS Definição: Uma resina fluida com uma química específica que se liga a hidroxiapatita da dentina e do esmalte. promovendo uma adesão química verdadeira. Sistemas adesivos. 6 . Resinas Compostas: noções sobre composição. efetuar a sua manipulação e indicar o seu uso na prática profissional. 5 . LIGAS METÁLICAS: “É uma substância metálica que contém dois ou mais elementos. agente de união e um sistema de ativador e inibidor COMPÓSITOS (resinas compostas): Conhecer e identificar os diversos tipos de materiais restauradores não metálicos com fundamento na sua composição. silicato. policarboxilato. uma carga de partículas inorgânicas. quando polida.Conhecer e identificar os diversos tipos de cimentos com base na sua composição. RESINA COMPOSTA Definição: Material composto ou compósitos – podem ser definido como um composto de dois ou mais materiais diferentes com propriedades superiores ou intermediárias àquelas dos constituintes individuais.LIGAS METÁLICAS: METAL: “É uma substância química opaca brilhante. .

1989). as funções dos componentes. Conhecer a estrutura e as propriedades do amálgama de uso odontológico. estanho. a sua fabricação e os tratamentos térmicos a que são submetidos. o zinco ou outros metais em baixa concentração. 7 . passam para o estado líquido. 9 .LIGAS METÁLICAS: Conhecer as propriedades e estrutura dos metais e identificar as transformações que ocorrem durante a solidificação. AMÁLGAMA: Conhecer o amálgama de uso odontológico.CERAS: CERAS: São materiais orgânicos que se encontram de forma sólida à temperatura ambiente e quando aquecidas.REVESTIMENTO: REVESTIMENTO: O revestimento pode ser descrito como um material de cerâmica adequado para formar um molde no qual a liga metálica será fundida. de uso odontológico para o e efetuar a sua manipulação. Aplicar os princípios dos tratamentos mecânicos efetuados nos metais e nas ligas metálicas nos procedimentos profissionais de restauração. Efetuar a manipulação do amálgama e indicar o seu uso com fundamento nas propriedades do material. Conhecer as ligas metálicas e identificá-las com base nos diagramas de constituição. 8 . algumas vezes. CERAS: Conhecer a composição. REVESTIMENTO: Conhecer a composição. de uso odontológico para fundição e efetuar a sua manipulação. efetuar a sua manipulação e indicar as suas finalidades na prática profissional. a estrutura e as propriedades das ceras. as faces principais do seu emprego e identificar os aspectos clínicos da sua utilização. O QUE É AMÁLGAMA? Por definição. Conhecer a composição do amálgama de uso odontológico. cobre e.AMÁLGAMA: 1. empregada para restaurações dentárias (LEINFELDER. a estrutura e as propriedades dos revestimentos. . o amálgama é uma liga metálica produto de uma reação do mercúrio com a prata.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->