P. 1
padronização de solução

padronização de solução

5.0

|Views: 34.224|Likes:
Publicado poralbertcarlos376781

More info:

Published by: albertcarlos376781 on Jun 19, 2009
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/20/2013

pdf

text

original

Soluções

Química Analítica Quantitativa Experimental I

Arquivo: sol.doc

PREPARO E PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÃO

Em análise volumétrica, a concentração ou massa da amostra é determinada a partir do volume da solução titulante de concentração conhecida. Qualquer erro na concentração da solução titulante levará a um erro na análise. O processo da adição da solução padrão até que a reação esteja completa é chamado de titulação. o reagente de concentração exatamente conhecida é chamado de titulante e a substância a ser determinada é chamada titulada. Sabendo-se qual a quantidade da solução padrão necessária para reagir totalmente com a amostra e a reação química envolvida calcula-se a concentração da substância analisada. O ponto exato onde reação completa é chamado de ponto de equivalência ou ponto final teórico. O término da titulação é percebido por alguma modificação física provocada pela própria solução ou pela adição de um reagente auxiliar, conhecido como indicador. O ponto em que isto ocorre é o ponto final da titulação A determinação da concentração do titulante deve ser realizada, preferencialmente, através do mesmo método que será aplicado na analise, neste caso a titulação de neutralização, mas ela aplica-se às outras volumetrias, gravimetria e métodos instrumentais. Em qualquer reação estequiométrica, o número de equivalentes dos reagentes devem ser iguais. Partindo-se desse princípio, temos: A + B → C, onde A é a amostra e B o titulante neqA = neqB mA/EqA = NB . VB ou NA . VA = NB . VB,

PARA SUA SEGURANÇA, É RECOMENDÁVEL O USO DE AVENTAL DURANTE AS AULAS PRÁTICAS.

Soluções

Química Analítica Quantitativa Experimental I

dependendo se foi realizada a medida de massa da amostra ou volume de uma solução desta. A solução padrão a ser usada em uma análise volumétrica deve ser cuidadosamente preparada pois, caso contrário, a determinação resultará em erros. A preparação dessas soluções requer direta ou indiretamente, o uso de um reagente quimicamente puro e com composição perfeitamente definida. Os reagentes com essas características são chamados de padrões primários.

QUESTIONÁRIO
1.

O que é solução padrão? Por que nem todas as soluções são padrões? um padrão primário? Por que é preciso secá-lo antes de sua utilização?

2. O que é padrão primário? Quais os requisitos para que uma substância seja

3. O que é padronização? Quando ela é necessária?
4.

Como são realizados os cálculos da padronização em termos de número de moles para a reação acima? E se a reação fosse a seguinte: 2A + B → C?

5. Por que a reação envolvida na padronização deve ser estequiométrica? 6. Por que NaOH e HCl não são padrões primários? 7. Quais as reações envolvidas nesta prática? 8. Como é realizada a padronização do HCl empregando carbonato de sódio? Por que ele pode ser padronizado com uma solução padrão de NaOH? 9. Quais dos equipamentos utilizados nesta prática devem estar

necessariamente seco: espátula, recipiente de pesagem, balão volumétrico, bastão de vidro, funil, pipeta, erlenmeyer e bureta. 10.Quais são as fontes de erros no preparo e padronização de soluções?

PARA SUA SEGURANÇA, É RECOMENDÁVEL O USO DE AVENTAL DURANTE AS AULAS PRÁTICAS.

Soluções

Química Analítica Quantitativa Experimental I

PRÁTICA 1. Calcular a massa de NaOH necessária para preparar 500 mL de uma solução 0,1 mol/L. Pesar a massa calculada em balança técnica, preparar a solução e transferi-la para um recipiente plástico. 2. Calcular o volume de HCl necessário para preparar 500 mL de uma solução 0,1 mol/L. Os dados necessários aos cálculos encontram-se no rótulo do frasco do ácido. Preparar a solução e guardá-la em recipiente de vidro (reservar para a próxima prática). 3. Repetir o item anterior para ácido acético (reservar para a próxima prática).
4.

Secar biftalato de potássio (padrão primário) em estufa a 110 oC por 1 a 2 h. Resfriar em dessecador.

5. Calcular a massa de biftalato de potássio necessária para reagir com aproximadamente 25 mL da solução de NaOH preparada. 6. Pesar o biftalato de potássio em um béquer pequeno e em seguida transferir quantitativamente para um erlenmeyer, utilizando cerca de 25 mL de água. Adicionar 2 gotas de fenolftaleína e titular com NaOH. 7. Repetir o procedimento pelo menos mais uma vez. 8. Calcular a concentração da base. 9. Calcular o erro relativo entre as determinações em partes por mil. 10.Discutir os resultados baseado, pelo menos, no questionário acima.

PARA SUA SEGURANÇA, É RECOMENDÁVEL O USO DE AVENTAL DURANTE AS AULAS PRÁTICAS.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->