P. 1
Qualidade no atendimento ao público

Qualidade no atendimento ao público

|Views: 45|Likes:
Publicado porxpirate

More info:

Published by: xpirate on Nov 03, 2013
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/08/2014

pdf

text

original

Qualidade no atendimento ao público: comunicabilidade; apresentação; atenção; cortesia;

RELAÇÕES PÚBLICAS Relações Públicas são, conforme o próprio nome, relações com o público. É a administração deste relacionamento com o objetivo de causar uma imagem favorável da organização para maior eficiência e aceitação de seus produtos ou serviços pela sociedade. ATENDIMENTO AO PÚBLICO Ao realizar um atendimento, seja pessoalmente ou por telefone, você está oferecendo a sua imagem (vendendo sua imagem) ou a imagem de quem você está representando. Sua voz, sua postura, suas ações, representam a sua empresa. COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL Muito mais que seus produtos, suas instalações ou suas propagandas, a forma de atendimento se constitui o fator mais importante para a formação de uma boa imagem da empresa, porque atua diretamente sobre o público. Você pode não saber quem está lhe procurando, mas sabe quem está atendendo: a sua EMPRESA. Em muitos momentos você é a imagem que as pessoas farão da sua empresa, do seu órgão de lotação, ou de você mesmo, enquanto alguém que desempenha determinada função ou é responsável por determinadas tarefas. Toda tarefa tem princípio, meio e fim, numa relação direta de que ela é “a parte” para a realização do “todo”. Conhecer o fluxo da tarefa é conhecer o trabalho que cada um realiza e a possibilidade de refletir, analisar sua forma de realização, buscando a melhor maneira de executa-lo, evitando o esforço repetitivo ou detectando o que ajuda a fluir ou o ofensor, os entraves, que podem provocar interrupções, atrasos, demora, enfim, falhas na execução. E no caso que nos interessa é detectar com clareza o momento em que o atendimento acontece ( interno ou externo, ativo ou passivo ) e os fatores que podem estar atuando como ofensores. Para isto é importante observar e considerar, que o fluxo da Tarefa é acompanhado pelo Fluxo da Comunicação. Muitas vezes o ofensor pode estar na Comunicação. A Comunicação pode ser verbal ( telefonemas, reuniões, encontros, etc.) ou escrita ( Memorandos, Cartas, Editais, etc.) Toda vez que na realização do nosso trabalho precisamos nos comunicar – como emissor ou como receptor -, entramos numa relação de atendimento. Aqui estão alguns aspectos fundamentais que sintetizam as condições para se realizar um Atendimento eficiente e chegar a um Padrão de Qualidade no Atendimento. Conhecer a organização - estado atual, perspectivas futuras. Conhecer os aspectos relativos ao processo de Comunicação, buscando minimizar ruídos. Conhecer seu papel enquanto representante da empresa. Conhecer a importância do seu trabalho na realização do “TODO” (objetivos da empresa) Visualizar, no contexto geral, o momento do atendimento. SABER OUVIR Não se distrair durante o atendimento. Concentre toda sua atenção no que a pessoa está dizendo. Não ficar pensando em sua resposta na hora em que o interlocutor estiver falando. Não interromper o interlocutor – quando duas pessoas falam ao mesmo tempo, nenhuma ouve corretamente o que a outra está dizendo. Não se sentir como se estivesse sendo atacado. Tomar nota das informações essenciais. Não se inibir de fazer perguntas, ao sentir necessidade de algum esclarecimento. Confirmar que você entendeu o que a pessoa está dizendo – repita as informações importantes, confirme as informações anotadas. RESPONDER: Aspectos essenciais. Para que você possa responder adequadamente, é importante: Observar as cortesias comuns no atendimento, tais como “por favor”, “muito obrigado”, “infelizmente”. Falar claramente e pausadamente, sem ser monótono, evitando ainda o uso de gírias; falar com voz clara e expressiva ( boa dicção). Evitar falar com chicletes ou balas na boca. Estabelecer empatia ( Rapport) Ser amistoso e aberto, mantendo ao mesmo tempo, uma atitude profissional e objetiva. Criar uma boa imagem. É importante o que você diz e como diz. Chame sempre a pessoa pelo nome, dando o tratamento adequado: ”Sr.”,” Srª”. Outros fatores e cuidados necessários. Fazer perguntas apropriadas – esclarecer e confirmar a sua compreensão sobre o que está sendo dito. Fornecer informações apropriadas - responder às perguntas diretamente, quando souber as respostas, mas, jamais ter receio de dizer “Não tenho certeza mas me informarei e lhe direi”. Tolerar o silêncio – evite falar somente para preencher o silêncio. Tal comportamento distrai o cliente e torna mais difícil manter a eficiência do atendimento. Mantenha sempre ao seu alcance e de maneira organizada, os materiais necessários ao bom desempenho do seu trabalho – catálogo telefônico; agenda dos telefones mais chamados; bloco e lápis ou caneta.

Não se refira a siglas ou códigos internos da empresa. A pessoa que você está atendendo não tem obrigação de conhece-los. Procure sempre terminar uma conversa de maneira cortês e profissional. Demonstre confiança. Mostre que você acredita em si mesmo, em seu produto e gosta da sua empresa. Lembre-se que SIMPATIA gera SIMPATIA e CONFIANÇA gera CONFIANÇA. ATENDIMENTO POR TELEFONE O Atendimento à distância se dá, normalmente, através do telefone e tem a especialidade de se efetuar “entre vozes”. No telefone, a informação é passada apenas pela palavra e pela voz, através de duas ações: ouvir e falar. A partir daí, as ações podem transformar o atendimento em monólogo, em diálogo ou em puro ruído. Para falar bem ao telefone procure: utilizar a tonalidade adequada; usar a velocidade certa; usar o volume adequado; dar ênfase aos pontos mais importantes; Alguns cuidados que devem ser tomados quanto ao atendimento por telefone: Evite dizer Alô. Inicie o atendimento identificando sua empresa, identificando-se e por fim fazendo o cumprimento. Ex. nome da empresa, seu nome, bom dia! Nunca atenda o telefone de forma ríspida, ou de forma inversa, chamando a pessoa de “meu bem” ou meu amor”. Não diga “Ele não pode atender agora” ou “Ele está muito ocupado”; diga “ele está atendendo uma outra ligação” ou, “ele está em uma reunião, o senhor quer que ele ligue em seguida” ? Outro vício horrível é dizer: “quem deseja?” Substitua pelo simpático e objetivo: “quem quer falar?” Prof. Cléber Dutra(Guia dos concurseiros.net)

Qualidade no atendimento ao público: comunicabilidade; apresentação; atenção; cortesia;
RELAÇÕES PÚBLICAS Relações Públicas são, conforme o próprio nome, relações com o público. É a administração deste relacionamento com o objetivo de causar uma imagem favorável da organização para maior eficiência e aceitação de seus produtos ou serviços pela sociedade. ATENDIMENTO AO PÚBLICO Ao realizar um atendimento, seja pessoalmente ou por telefone, você está oferecendo a sua imagem (vendendo sua imagem) ou a imagem de quem você está representando. Sua voz, sua postura, suas ações, representam a sua empresa. COMUNICAÇÃO NÃO VERBAL Muito mais que seus produtos, suas instalações ou suas propagandas, a forma de atendimento se constitui o fator mais importante para a formação de uma boa imagem da empresa, porque atua diretamente sobre o público. Você pode não saber quem está lhe procurando, mas sabe quem está atendendo: a sua EMPRESA. Em muitos momentos você é a imagem que as pessoas farão da sua empresa, do seu órgão de lotação, ou de você mesmo, enquanto alguém que desempenha determinada função ou é responsável por determinadas tarefas. Toda tarefa tem princípio, meio e fim, numa relação direta de que ela é “a parte” para a realização do “todo”. Conhecer o fluxo da tarefa é conhecer o trabalho que cada um realiza e a possibilidade de refletir, analisar sua forma de realização, buscando a melhor maneira de executa-lo, evitando o esforço repetitivo ou detectando o que ajuda a fluir ou o ofensor, os entraves, que podem provocar interrupções, atrasos, demora, enfim, falhas na execução. E no caso que nos interessa é detectar com clareza o momento em que o atendimento acontece ( interno ou externo, ativo ou passivo ) e os fatores que podem estar atuando como ofensores. Para isto é importante observar e considerar, que o fluxo da Tarefa é acompanhado pelo Fluxo da Comunicação. Muitas vezes o ofensor pode estar na Comunicação. A Comunicação pode ser verbal ( telefonemas, reuniões, encontros, etc.) ou escrita ( Memorandos, Cartas, Editais, etc.) Toda vez que na realização do nosso trabalho precisamos nos comunicar – como emissor ou como receptor -, entramos numa relação de atendimento. Aqui estão alguns aspectos fundamentais que sintetizam as condições para se realizar um Atendimento eficiente e chegar a um Padrão de Qualidade no Atendimento. Conhecer a organização - estado atual, perspectivas futuras. Conhecer os aspectos relativos ao processo de Comunicação, buscando minimizar ruídos. Conhecer seu papel enquanto representante da empresa. Conhecer a importância do seu trabalho na realização do “TODO” (objetivos da empresa) Visualizar, no contexto geral, o momento do atendimento. SABER OUVIR Não se distrair durante o atendimento. Concentre toda sua atenção no que a pessoa está dizendo. Não ficar pensando em sua resposta na hora em que o interlocutor estiver falando. Não interromper o interlocutor – quando duas pessoas falam ao mesmo tempo, nenhuma ouve corretamente o que a outra está dizendo. Não se sentir como se estivesse sendo atacado. Tomar nota das informações essenciais. Não se inibir de fazer perguntas, ao sentir necessidade de algum esclarecimento. Confirmar que você entendeu o que a pessoa está dizendo – repita as informações

Quem está obrigado a estabelecer padrões? O Decreto nº 3. Inicie o atendimento identificando sua empresa. call-center. Tolerar o silêncio – evite falar somente para preencher o silêncio. em diálogo ou em puro ruído. no que se refere aos serviços que ela presta.06. caixas de sugestões/reclamações. Não diga “Ele não pode atender agora” ou “Ele está muito ocupado”.net) Postado por Rosilda 4 comentários: Padrões de Atendimento O que são Padrões ? Padrões de qualidade do atendimento são compromissos públicos assumidos pela organização para com o cidadão. Ele deriva da premissa básica de que o controle social.” Srª”. etc. Esses compromissos assumidos pela organização precisam ser factíveis e realistas. Evitar falar com chicletes ou balas na boca. No telefone. Criar uma boa imagem. evitando ainda o uso de gírias. tais como “por favor”. Fornecer informações apropriadas . A pessoa que você está atendendo não tem obrigação de conhece-los. nome da empresa. ou seja. bloco e lápis ou caneta. O conjunto de padrões estabelecido por uma organização deve ser compreendido como uma carta de obrigações da organização ou uma carta de direitos do cidadão. Falar claramente e pausadamente. Alguns cuidados que devem ser tomados quanto ao atendimento por telefone: Evite dizer Alô.importantes. objetiva e de fácil entendimento das características do atendimento que o usuário deverá receber da organização.2000 definiu a obrigatoriedade do estabelecimento de padrões de qualidade do atendimento a todos os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta. ATENDIMENTO POR TELEFONE O Atendimento à distância se dá. para que estes possam manifestar-se quando os padrões de qualidade estabelecidos não forem cumpridos. constitui-se em fator decisivo para a evolução da administração pública. Estabelecer empatia ( Rapport) Ser amistoso e aberto. tais como França. jamais ter receio de dizer “Não tenho certeza mas me informarei e lhe direi”. diga “ele está atendendo uma outra ligação” ou. Como estimular a participação do cidadão? A participação do cidadão é uma estratégia essencial na busca da melhoria do atendimento prestado pelo setor público ao cidadão. a disponibilização de condições para que os cidadãos possam avaliar os serviços de atendimento que lhes são oferecidos e cobrar do Estado a melhoria desses serviços. Exemplos desses canais são as ouvidorias. ou de forma inversa. mantendo ao mesmo tempo.”. não devendo gerar nos usuários expectativas que não possam de fato ser atendidas. adequados à situação de cada organização. “infelizmente”. Para que você possa responder adequadamente. Chame sempre a pessoa pelo nome. Como devem ser os padrões? Os padrões devem ser uma descrição sucinta. as ações podem transformar o atendimento em monólogo. indireta e fundacional que atendem diretamente aos cidadãos. confirme as informações anotadas. dando o tratamento adequado: ”Sr. É importante o que você diz e como diz. através de duas ações: ouvir e falar. usar a velocidade certa. Espanha e Inglaterra. é importante: Observar as cortesias comuns no atendimento. mas. Ex. Para falar bem ao telefone procure: utilizar a tonalidade adequada. através do telefone e tem a especialidade de se efetuar “entre vozes”. Tal comportamento distrai o cliente e torna mais difícil manter a eficiência do atendimento. bom dia! Nunca atenda o telefone de forma ríspida. chamando a pessoa de “meu bem” ou meu amor”. falar com voz clara e expressiva ( boa dicção). O estabelecimento de padrões de qualidade do atendimento é uma experiência exitosa em diversos países da Europa . Lembre-se que SIMPATIA gera SIMPATIA e CONFIANÇA gera CONFIANÇA. É necessário que as organizações públicas federais estabeleçam canais de comunicação com os usuários. agenda dos telefones mais chamados. A partir daí. Mantenha sempre ao seu alcance e de maneira organizada. o senhor quer que ele ligue em seguida” ? Outro vício horrível é dizer: “quem deseja?” Substitua pelo simpático e objetivo: “quem quer falar?” Prof. Demonstre confiança. Não se refira a siglas ou códigos internos da empresa. dar ênfase aos pontos mais importantes. Cléber Dutra(Guia dos concurseiros. . Outros fatores e cuidados necessários. Mostre que você acredita em si mesmo. usar o volume adequado. os materiais necessários ao bom desempenho do seu trabalho – catálogo telefônico. Fazer perguntas apropriadas – esclarecer e confirmar a sua compreensão sobre o que está sendo dito. identificando-se e por fim fazendo o cumprimento. normalmente. RESPONDER: Aspectos essenciais. quando souber as respostas. uma atitude profissional e objetiva. seu nome. “muito obrigado”. bem como que as organizações definam procedimentos para o atendimento das reclamações e sugestões feitas por seus usuários. “ele está em uma reunião. em seu produto e gosta da sua empresa.507 de 13. Procure sempre terminar uma conversa de maneira cortês e profissional. sem ser monótono. a informação é passada apenas pela palavra e pela voz.responder às perguntas diretamente.

o êxito desse trabalho pode ser considerado como seu maior patrimônio. Orçamento e Gestão Postado por Rosilda Nenhum comentário: Qualidade do Atendimento . em relação aos padrões de qualidade do atendimento fixados.A função pública deve ser tida como exercício profissional e. as metodologias e os procedimentos a serem utilizados no Sistema serão estabelecidos pela Secretaria de Gestão.VII . investigações policiais ou interesse superior do Estado e da Administração Pública. pelo menos uma vez por ano.as condições de limpeza e conforto de suas dependências. 5o Os órgãos e as entidades públicas federais deverão divulgar. 1o Ficam definidas as diretrizes normativas para o estabelecimento de padrões de qualidade do atendimento prestado pelos órgãos e pelas entidades da Administração Pública Federal direta.II . já que refletirá o exercício da vocação do próprio poder estatal. os fatos e atos verificados na conduta do dia-a-dia em sua vida privada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito ???? ?na vida funcional.VI .a atenção. como elemento indissociável de sua aplicação e de sua finalidade. de acordo com as diretrizes estabelecidas neste Decreto. o justo e o injusto. Ministério do Planejamento. 6o Os órgãos e as entidades públicas federais deverão implementar os padrões de qualidade do atendimento. como contrapartida. § 2o Os órgãos e as entidades públicas federais deverão aferir o grau de satisfação dos seus usuários com o atendimento recebido. consoante as regras contidas no art. a ser constituído no âmbito do Sistema. seja no exercício do cargo ou função ou fora dele. e divulguem o resultado dessa consulta à sociedade. 4o Fica instituído o Sistema Nacional de Avaliação da Satisfação do Usuário dos Serviços Públicos.o sistema de sinalização visual. indireta e fundacional. 8o Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação. da Constituição Federal. . até por ele próprio. eIX . Art. Art. Art.171. a eficácia e a consciência dos princípios morais são primados maiores que devem nortear o servidor público.os procedimentos para atender a reclamações. a publicidade de qualquer ato adiminstrativo constitui requisito de eficácia e moralidade. Assim.observados na prestação de todo e qualquer serviço aos cidadãos-usuários. IV . os resultados da avaliação de seu desempenho. indireta e fundacional que atendem diretamente aos cidadãos. 179o da Independência e 112o da República. imputável a quem a negar.A remuneração do servidor público é custeada pelos tributos pagos direta ou indiretamente por todos. devendo ser acrescida da idéia de que o fim é sempre o bem comum. conforme determina o Decreto Presidencial. que as organizações públicas federais realizem consultas aos cidadãos a respeito de sua satisfação com o atendimento recebido. ensejando sua omissão comprometimento ético contra o bem comum. a ser implantado sob a coordenação da Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento.III . a serem preservados em processo previamente declarado sigiloso. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO Postado por Rosilda Nenhum comentário: Código de Ética Profissional do Servidor Público Civildo Poder Executivo Federal O Decreto n° 1. mas principalmente entre o honesto e o desonesto. inciso VI.IV . o respeito e a cortesia no tratamento a ser dispensado aos usuários. a contar da data de publicação deste Decreto. no uso da atribuição que lhe confere o art. nos termos da lei.IV .mensuráveis. já que. pelo menos anualmente. comportamentos e atitudes serão direcionados para a preservação da honra e da tradição dos serviços públicos. 7o À Secretaria de Gestão compete fornecer as orientações para o cumprimento das diretrizes estabelecidas neste Decreto e realizar o controle de seu atendimento. 3o Os órgãos e as entidades públicas federais deverão estabelecer padrões de qualidade sobre: I . Seus atos. Brasília. como consequência. o oportuno e o inoportuno.O servidor público não poderá jamais desprezar o elemento ético de sua conduta. ainda. 2o Os padrões de qualidade do atendimento a que se refere o artigo anterior deverão ser:I . 84.507/00 Dispõe sobre o estabelecimento de padrões de qualidade do atendimento prestado aos cidadãos pelos órgãos e pelas entidades da Administração Pública Federal direta. integrante da sociedade.Salvo os casos de segurança nacional. no prazo de um ano.V . por meio de pesquisa. portanto. da Constituição.os prazos para o cumprimento dos serviços.A dignidade.Avaliação da satisfação do cidadão É necessário. III . V . DECRETA: Art.o tempo de espera para o atendimento.divulgados ao público. eV . § 3o As metodologias a serem utilizadas para avaliar a satisfação dos usuários deverão ser homologadas por um comitê de certificação. não terá que decidir somente entre o legal e o ilegal. § 1o Os critérios. na conduta do servidor público. que a moralidade administrativa se integre no Direito. o decoro.VIII . VII . pelo menos anualmente.as formas de identificação dos servidores. "caput" e § 4º. Art. Art.avaliados e revistos periodicamente. erigindo-se. 13 de junho de 2000. o zelo. o conveniente e o inconveni???? ?ente. se integra na vida particular de cada servidor público. VI .II . e por isso se exige.A moralidade da Administração Pública não se limita à distinção entre o bem e o mal. Art. em fator de legalidade. Orçamento e Gestão. como cidadão.as prioridades a serem consideradas no atendimento. bem como divulgar amplamente esses padrões de qualidade junto aos cidadãos-usuários.O trabalho desenvolvido pelo servidor público perante a comunidade deve ser entendido como acréscimo ao seu próprio bem-estar. II .Decreto nº 3.III .e dá outras providências. Art. 37. no prazo de um ano.os mecanismos de comunicação com os usuários.de fácil compreensão. Assim. de 22 de junho de 1994 Capítulo I Seção I Das Regras Deontológicas I . a contar da data de sua publicação. O equilíbrio entre a legalidade e a finalidade. é que poderá consolidar a moralidade do ato admimstrativo.

o) dar o seu concurso a qualquer instituição que atente contra a moral.d) jamais retardar qualquer prestação de contas. Seção II Dos Principais Deveres do Servidor Público XIV .i) resistir a todas as pressões de superiores hierárquicos. caprichos. escolhendo sempre. causando-lhe dano moral ou material. prêmio. segurança e rapidez. para obter qualquer favorecimento. f) permitir que perseguições. suas esperanças e seus esforços para construí-los. respeitando a capacidade e as limitações individuais de todos os usuários do serviço público. ou em qualquer órgão ou entidade que exerça atribuições delegadas pelo poder público.VIII . deverá ser criada uma Comissão de Ética. ilegais ou aéticas e denunciá-las. de contratantes.p) apresentar-se ao trabalho com vestimentas adequadas ao exercício da função. velando atentamente por seu cumprimento e.n) manter limpo e em perfeita ordem o local de trabalho.g) ser cortês. refletindo negativamente em todo o sistema. poder ou autoridade com finalidade estranha ao interesse público. h) alterar ou deturpar o teor de documentos que deva encaminhar para providências.1) ser assíduo e frequente ao serviço. difíceis de corrigir e caracterizam até mesmo imprudência no desempenho da função pública. condição essencial da gestão dos bens. mas a todos os homens de boa vontade que dedicaram sua inteligência. por descuido ou má vontade. facilidades.Em todos os órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta. permitindo a formação de longas filas ou qualquer outra espécie de atraso na prestação do serviço. Da mesma forma.e) tratar cuidadosamente os usuários dos serviços aperfeiçoando o processo de comunicação e contato com o público. disponibilidade e atençã???? ?o. b) prejudicar deliberadamente a reputação de outros servidores ou de cidadãos que deles dependam.Toda pessoa tem direito à verdade. respeitando seus colegas e cada concidadão. mas principalmente grave dano moral aos usuários dos serviços públicos.f) ter consciência de que seu trabalho é regido por princípios éticos que se materializam na adequada prestação dos serviços públicos. evitando a conduta negligente. função ou emprego público de que seja titular. pondo fim ou procurando prioritariamente resolver situações procrastinatórias. dessa forma. ainda que contrária aos interesses da própria pessoa interessada ou da Adiminstração Pública. XII . reto.o) participar dos movimentos e estudos que se relacionem com a melhoria do exercício de suas funções. encarregada de orientar e aconselhar . Os repetidos erros. idade. provocar. no exercício do direito de greve. m) fazer uso de informações privilegiadas obtidas no âmbito interno de seu serviço. deteriorando-o.t) exercer com estrita moderação as prerrogativas funcionais que lhe sejam atribuídas. causar dano a qualquer bem pertencente ao patrimônio público. o cuidado e o tempo dedicados ao serviço público caracterizam o esforço pela disciplina. 1) retirar da repartição pública.s) facilitar a fiscalização de todos atos ou serviços por quem de direito.r) cumprir. as normas de serviço e a legislação pertinentes ao órgão onde exerce suas funções. XI . g) pleitear.b) exercer suas atribuições com rapidez. sexo. d) usar de artifícios para procrastinar ou dificultar o exercício regular de direito por qualquer pessoa. simpatias.i) desviar servidor público para atendimento a interesse particular. de amigos ou de terceiros. da opressão ou da mentira. pois sua atividade pública é a grande oportunidade para o crescimento e o engrandecimento da Nação. não caracteriza apenas atitude contra a ética ou ato de desumanidade. amizades. de exercer sua função. o que quase sempre conduz à desordem nas relações humanas. para si. assim. Tratar mal uma pessoa que paga seus tributos direta ou indiretamente significa causar-lhe dano moral. Nenhum Estado pode crescer ou estabilizar-se sobre o poder corruptivo do hábito do erro. principalmente diante de filas ou de qualquer outra espécie de atraso na prestação dos serviços pelo setor em que exerça suas atribuições. qualquer documento. solicitar. a honestidade ou a dignidade da pessoa humana. XIII . O servidor não pode omiti-la ou falseá-la.j) zelar. o descaso e o acumulo de desvios tornam-se. com os jurisdicionados administrativos ou com colegas hierarquicamente superiores ou inferiores.Deixar o servidor público qualquer pessoa à espera de solução que compete ao setor em que exerça suas funções. com o fim de evitar dano moral ao usuário. às vezes. de forma absoluta.É vedado ao servidor público:a) o uso do cargo ou função.p) exercer atividade profissional a ética ou ligar o seu nome a emprendimentos de cunho duvidoso. e) deixar de utilizar os avanços técnicos e científicos ao seu alcance ou do seu conhecimento para atendimento do seu mister. as atribuições do cargo. seguindo os métodos mais adequados à sua organização e distribuição. ter urbanidade.q) manter-se atualizado com as instruções. em benefício próprio. na certeza de que sua ausência provoca danos ao trabalho ordenado. quando estiver diante de duas opções. exigindo as providências cabíveis. nacionalidade. mesmo que observando as formalidades legais e não cometendo qualquer violação expressa à lei. pelas exigências específicas da defesa da vida e da segurança coletiva. cor. tendo por escopo a realização do bem comum. cunho político e posição social.v) divulgar e informar a todos os integrantes da sua classe sobre a existência deste Código de Ética. interessados e outros que visem obter quaisquer favores. indireta autárquica e fundacional.A cortesia. n) apresentar-se embriagado no serviço ou fora dele habitualmente. religião. posição e influências. estimulando o seu integral cumprimento. a tempo. direitos e serviços da coletividade a seu cargo. livro ou bem pertencente ao patrimônio público. demonstrando toda a integridade do seu caráter.São deveres fundamentais do servidor público:a) desempenhar. de causar-lhes dano moral. que sempre aniquilam até mesmo a dignidade humana quanto mais a de uma Nação. Seção III Das Vedações ao Servidor Público XV .h) ter respeito à hierarquia. paixões ou interesses de ordem pessoal interfiram no trato com o público.m) comunicar imediatamente a seus superiores todo e qualquer ato ou fato contrário ao interesse público. a melhor e a mais vantajosa para o bem comum. de acordo com as normas do serviço e as instruções superiores.O servidor que trabalha em harmonia com a estrutura organizacional. comissão. antipatias. para o cumprimento da sua missão ou para influenciar outro servidor para o mesmo fim. as tarefas de seu cargo ou função. benesses ou vantagens indevidas em decorrência de ações imorais. gratificação.O servidor deve prestar toda a sua atenção às ordens legais de seus superiores. X . tanto quanto possível. a boa vontade. de parentes. doação ou vantagem de qualquer espécie. colabora e de todos pode receber colaboração. sem qualquer espécie de preconceito ou distinção de raça. seu tempo. abstendo-se. c) ser. sem estar legalmente autorizado. com critério. para si ou para outrem. Capítulo II Das Comissões de Ética XVI . sugerir ou receber qualquer tipo de ajuda financeira.c) ser probo. leal e justo. mantendo tudo sempre em boa ordem. familiares ou qualquer pessoa. não constitui apenas uma ofensa ao equipamento e às instalações ou ao Estado. i) iludir ou tentar iludir qualquer pessoa que necessite do atendimento em serviços públicos. porém sem nenhum temor de representar contra qualquer comprometimento índevido da estrutura em que se funda o Poder Estatal. IX .u) abster-se. em função de seu espírito de solidariedade conivente com erro ou infração a este Código de Ética ou ao Código de Ética de sua profissão.Toda ausência injustificada do servidor de seu local de trabalho é fator de desmoralização do serviço público. perfeição e rendimento. tempo. abstendo-se de fazê-lo contrariamente aos legítimos interesses dos usuários do serviço público e dos jurisdicionados administrativos.

XXI . que passa a ser constantemente avaliado. cabendo à Comissão de Ética do órgão hieraquicamente superior o seu conhecimento e providências. cabendo sempre recurso ao respectivo Ministro de Estado. se for o caso. processo sobre ato.Em cada órgão do Poder Executivo Federal em que qualquer cidadão houver de tomar posse ou ser investido em função pública. um compromisso solene de acatamento e observância das regras estabelecidas por este Código de Ética e de todos os princípios éticos e morais estabelecidos pela tradiçao e pelos bons costumes. XXV . XXIII . Os objetivos são de suma importância para o trabalho em equipe. assinado por todos os seus integrantes. no tratamento com as pessoas e com o patrimônio público.Cada Comissão de Ética. XIX . ou em qualquer setor onde prevaleça o interesse do Estado. O retardamento dos procedimentos aqui prescritos implicará comprometimento ético da própria Comissão. analisado e revisado. por exercício profissional. aos costumes e aos princípios éticos e morais conhecidos em outras profissões.Para fins de apuração do comprometimento ético. Prevalece a individualidade. poderá a Comissão de Ética encaminhar a sua decisão e respectivo expediente para a Comissão Permanente de Processo Disciplinar do respectivo órgão. c) melhora na qualidade de vida profissional dos funcionários.A pena aplicável ao servidor público pela Comissão de Ética é a de censura e sua fundamentação constará do respectivo parecer. serão resumidas em ementa e. por força de lei. desde que ligado direta ou indiretamente a qualquer órgão do poder estatal. deverá ser prestado. XX . em que seus participantes se conhecem. para que consiga se manter e se desenvolver.As decisões da Comissão de Ética. os registros sobre sua conduta ética. em conformidade com este Código. liderança e gerenciamento demarcado são simples e claras. Necessita assumir compromisso quanto ao resultado de grupo e requer esclarecimentos das finalidades.A Comissão de Ética não poderá se eximir de fundamentar o julgamento da falta de ética do servidor público ou do prestador de serviços contratado. bem como remetidas às demais Comissões de Ética. integrada por três servidores públicos e respectivos suplentes. XXII . Empresas sem chefes. que coordenam e planejam seus esforços. E a equipe interfuncional. Grupos de trabalho: não existe estímulo para transformar-se em equipe. os membros da equipe trabalham em conjunto para melhorar as suas operações. ainda que sem retribunção financeira. ouvidos apenas o queixoso e o servidor. através da missão e objetivos comuns e da abordagem de trabalho bem definida. Equipe de elevado desempenho: equipe com membros profundamente comprometidos com o crescimento pessoal de cada indivíduo e com o sucesso deles mesmos e dos outros. Existe confiança entre os membros do grupo. preste serviços de natureza permanente. para a apuração de fato ou ato que. havendo ainda uma unidade de espírito e de ação. XVIII . as fundações públicas. que oferece um produto ou serviço a um cliente interno ou externo. Não se produz desempenho coletivo. relações. as responsabilidades e objetivos. tem-se: a) aumento na produtividade. É necessário que uma equipe possua objetivos.Dada a eventual gravidade da conduta do servidor ou sua reincidência. pode-se definir um trabalho. as entidades paraestatais. ou apenas este. A equipe autogerenciável é um grupo íntegro de colaboradores responsáveis por todo um processo ou segmento de trabalho. Servem ainda para delimitar critérios para resolver conflitos interpessoais e para a melhoria do trabalho. qualquer cidadão que se identifique ou quaisquer entidades associativas regularmente constituídas. de forma individual. objetivos e abordagem de tarefa. Uma cópia completa de todo o expediente deverá ser remetida á Secretaria da Administração Federal da Presidência da República.Os procedimentos a serem adotados pela Comissão de Ética. perante a respectiva Comissão de Ética. as empresas públicas e as sociedades de economia mista. Em diferentes instâncias. para o efeito de instruir e fundamentar promoções e para todos os demais procedimentos próprios da carreira do servidor público. lidar com os problemas do dia-a-dia e planejar e controlar as suas atividades. relacionam-se diretamente. denúncias ou representações formuladas contra o servidor público. tomada de decisão. Possuem resultados muito além das expectativas. terão o rito sumário. como as autarquias. .sobre a ética profissional do servidor. È possível classificar equipes em três tipos específicos. desde que formuladas por autoridade. instalando equipes de elevado desempenho. A curva de desempenho da equipe permite classificá-la de acordo com o modo de funcionamento em uma das cinco posições: Pseudo-equipe: neste grupo. á entidade em que. se a apuração decorrer de conhecimento de ofício. entende-se por servidor público todo aquele que. pois guiam as ações dos participantes do grupo. servidor. Postado por Rosilda Nenhum comentário: Trabalho em Equipe A equipe é um grupo primário. competindo-lhe conhecer concretamente de imputação ou de procedimento susceptível de censura. para as providências disciplinares cabíveis. a repartição ou o setor em que haja ocorrido a falta. contrato ou de qual???? ?quer ato jurídico. jurisdicionados administrativos. cumulativamente. Equipe potencial: existe intenção de produzir desempenho coletivo. com ciência do faltoso. o servidor público esteja inscrito. criadas com o fito de formação da consciência ética na prestação de serviços públicos. porém mantêm-se. Partilham informações entre si. com a omissão dos nomes dos interessados. às vezes chamada equipe multidisciplinar: formada por trabalhadores de diferentes especialidades que se reunem para realizar uma tarefa. alegando a falta de previsão neste Código. podendo ainda conhecer de consultas. se comprometem umas com as outras. b) melhora na qualidade. cada qual com as suas características: A equipe funcional é formada por um chefe e seus subordinados diretos e tem sido a marca da empresa moderna. cuja análise e deliberação forem recomendáveis para atender ou resguardar o exercício do cargo ou função pública. em princípio. Equipe real: composta de pessoas que. cabendo-lhe recorrer analogia. d) redução no nível de rotatividade de pessoal e absenteísmo. além de possuírem habilidades que se complementam. poderá instaurar. XXIV . na análise de qualquer fato ou ato submetido á sua apreciação ou por ela levantado. se apresente contrário à ética.À Comissão de Ética incumbe fornecer. de ofício. Questões como autoridade. se houver. mas não há preocupação com o desempenho coletivo apreciável. XVII . divulgadas no próprio órgão. assumindo responsabilidade plena sobre o desempenho. aos organismos encarregados da execução do quadro de carreira dos servidores. temporária ou excepcional. fato ou conduta que considerar passível de infringência a princípio ou norma ético-profissional. e.

pode-se estar fadado ao insucesso. Focos de atenção a) Na busca da perfeição. acaba não se perdoando. possuindo um excelente poder de relacionamento. aparecer. sente-se preso na imperfeição. Têm uma coleção de “eus”. Dessa forma. O “desempenhador” ou bem-sucedido Não há outro tipo de pessoa mais dedicada ao trabalho do que esta. solicitar dados e interagir pedindo e valorizando idéias. e) Quando suas necessidades não são satisfeitas. g) aumento na flexibilidade. Não esconder ou evitar o problema. abre mão de suas próprias necessidades. d) estar disposto a aprender com os companheiros: valorizar a experiência dos outros. tendo dificuldade de harmonizar família com o trabalho. pode entrar em processo de hostilidade e de mártir. é comum sentir-se moralmente superior e no direito de censurar os outros. seu alto grau de exigência com relação a ele mesmo e aos outros o faz permanecer em constante estado de alerta. o perfeccionista pode assumir pensamentos maniqueístas. Deixa de ser professor. Nelson Marinz de Lyra. moral alta e cooperação entre os membros da equipe. b) tormenta: tem-se uma época de difícil negociação das condições sob as quais a equipe vai trabalhar. As competências para um bom desempenho no trabalho em equipe diferem das competências necessárias ao trabalho individual: a) cooperar: participar voluntariamente. são conselheiras e prestativas. Este tipo tem um caráter inabalável: é norteado pelo pensamento correto e pela ética. Uma equipe não começa a funcionar eficientemente no momento em que é criada. e) Como “recompensa”. pode ficar ressentido por anos. Podemos identificar quatro estágios de desenvolvimento de equipes que visam ao sucesso: a) formação: neste estágio. b) É impulsivo e seu impulso tem pouca duração. as pessoas ainda estão aprendendo a lidar umas com as outras. g) resolver conflitos: trazer à tona o conflito dentro da equipe e encorajar ou facilitar uma solução construtiva para a equipe. De preferência. Acumula inúmeros projetos ao mesmo tempo e.) reprimem o seu desejo por relacionamentos de maneira que possam sustentar uma relação harmoniosa com o mundo. sentir raiva e ressentimento. “precisar” e “ter de”. Focos de atenção a) Para agradar aos outros. c) Enfatiza virtudes práticas como trabalho. Vêem o mundo como desafio. em que não há meio-termo. Por outro lado. levando-o a uma postura intransigente. quando finaliza um deles com uma qualidade desejável. Para isso. têm facilidade extrema para atrair pessoas para próximo de si. nem sempre as vê. b) Ao mesmo tempo. que vai mostrando conforme a pessoa com quem se relaciona. fazer a sua parte do trabalho. liderar. Ao contrário. sente-se confinado pelo apoio que dá aos outros. Serem amadas e apreciadas é uma questão fundamental para pessoas com essa personalidade. De acordo com HURLEY e DOBSON (1995) pessoas com este tipo de personalidade “(. e h) obtenção de economia de custos da ordem de 30% a 70%.. g) Quando criticado. pouco trabalho é feito. seu empenho acaba por torná-las presença indispensável em vários círculos de relacionamentos. f) construir um espírito de equipe: tomar atitudes especiais para promover um clima amigável. Focos de atenção . manipula através da empatia que cria por sua postura solícita. É fixado na ordem e na perfeição. honestidade e esforço. d) Não raro.. mas. caso não as tenha. pode chegar a ser um workaholic contumaz. já que o trabalho se torna um subterfúgio para tudo. f) aumento na inovação. c) expressar expectativas positivas: esperar o melhor das capacidades dos outros membros do grupo. Possuem dificuldades no processo de tomada de decisão e não gostam de assumir lideranças. por mais que assuma uma nova postura. inconscientemente. b) compartilhar informações: manter as pessoas informadas e atualizadas sobre o processo do grupo. define os tipos de personalidades da seguinte maneira: O perfeccionista ou empreendedor Este tipo tem um grande objetivo de vida: não errar. Obviamente. e passa a ser pregador. esquiva-se do erro e do mal. por isso apóiam as pessoas que as têm. muitas vezes. Aliás. exige sua afeição e aprovação e. O dador ou prestimoso/prestativo Pessoas com este tipo de personalidade concentram-se nas necessidades dos outros – o que não quer dizer que toda essa disposição em ajudar seja totalmente desinteressada. pois quer ser o primeiro.” Para elas. destacam. O espírito competitivo faz do “desempenhador” um líder eficiente – o que vem a coincidir com seus anseios. c) Vê como única forma de ganhar ou reter o amor de alguém adaptar-se aos seus desejos. nunca. d) Por ser empreendedor. É necessário um tempo para que a equipe se alinhe. dão apoio. economia.se em tudo o que fazem e não há obstáculo que as impeça de seguir adiante em seus objetivos. Sem a escolha das pessoas adequadas para tal composição. Os verbos preferidos de pessoas com este tipo de personalidade são “dever”. Postado por Rosilda Nenhum comentário: Trabalho em Equipe : Tipos de Personalidade O estudo da personalidade é fator fundamental na condução de trabalhos de formação de equipes. agradam. c) aquiescência: é a época na qual os papéis são aceitos (posse do problema) e as informações circulam livremente. Dificilmente o perfeccionista vai relaxar. geralmente.e) redução no nível de conflito. É organizado e eficiente. que é uma de suas características. f) Não raro. e) encorajar os outros: dar crédito aos colegas que tiveram bom desempenho tanto dentro como fora da equipe. Apelar para a racionalidade em situações de conflito e não assumir posição polêmica nesses casos. o amor vem através de suas realizações e da imagem. por satisfazer as necessidades alheias. mas tentar resolvê-lo da forma nas rápida possível. falando dos membros da equipe para os outros com aprovação. Esse verdadeiro mestre em aparência confunde o “eu real” com a identidade profissional e pode perder de vista seus sentimentos. Ainda que seja sob a forma de afeição e aprovação. apoiar as decisões da equipe. pode. por isso. d) realização: quando a execução do trabalho atinge níveis ótimos (não há mais problema). o que o leva a bloquear sentimentos inaceitáveis. por vezes irritando o ouvinte.

imagem ou papel tão rápida e perfeitamente como um camaleão. o que dá. necessita estabelecer limites. d) Como tem dificuldade de controlar os impulsos. para entender porque sua vida se torna monótona.” ou “Isso pode não dar certo”. “talvez”. dos vínculos com a arte e dos atos dramáticos. Deseja possuir uma relação harmônica com o mundo. muitas vezes. . mas desprezam a fraqueza. b) Buscam a eficiência com fator de vida e temem o fracasso. Sua postura distanciada faz dele o próprio observador. nos quais sabe. em geral. “Sim”. Focos de atenção a) Os confrontadores se preocupam com a justiça. c) Usa seu charme e talento para criar um clima amistoso com as pessoas. é tudo ou nada. É um amante volúvel que evita responsabilidades. Aproxima-se do líder de um grupo com facilidade e. Não é exagero dizer que este tipo conhece melhor desejos e necessidades dos outros do que os próprios.. Ele tem como meta a objetividade. b) A forma que encontra para enaltecer o lado comum da vida é por meio da perda. um sábio na arte de apontar soluções. e) O epicurista tem uma capacidade incrível de achar conexões. não por acaso. na sua visão. rebelar-se contra ela. envolvimentos mais profundos. No lugar do convencional. É comum ver confrontadores em postos de comando e. Isso leva-o a perceber as situações em pontos extremos. assim procura neutralizá-lo deixando à sua disposição várias opções em aberto. c) Os relacionamentos dos românticos seguem o ritmo instável do “ata-desata-reata”. No amor. mudando de postura. Além disso. são individualistas e preocupadas em manter intacta a sua privacidade e evitar o contato mais estreito.). possui elevado grau de energia e motivação e é intuitivo. sentem-se afastados das pessoas. ao invés de agir. b) O prazer é o seu refúgio contra o lado da vida que considera “negro” (responsabilidades. O patrão ou confrontador Aquele tipo “paizão”.. principalmente quando envolvem outras pessoas. por vezes. muitas vezes. No ambiente de trabalho. prefere o criativo. capta as informações necessárias. d) São mestres na arte de disfarçar.. d) Minimiza o contato para evitar o medo e a paixão. c) O patrulheiro não convive bem com a autoridade. normas e regulamentos. podendo. Focos de atenção a) Desprezo pelo lugar-comum e pela superficialidade de sentimentos. age como sugador de energia. inicia com a maior desenvoltura e entusiasmo. “muito pelo contrário”‟ são expressões que fazem parte do seu repertório. d) Esse tipo extremamente sensível é também um grande apoio para pessoas em processo de dor ou crise. perde oportunidades. Nessa busca. torna-o precioso. Uma forte necessidade de agradar as outras pessoas leva o mediador. acreditando passar uma boa imagem. inicia o combate. O sentimento de utopia acompanha sua trajetória. permitindo. pensando que este fará com que percam o respeito e a reputação. O lado positivo é que. Quando em grupos. O mediador ou “preservacionista” ou pacificador Os dois lados de uma mesma questão estão sempre presentes na vida de pessoas com este tipo de personalidade. Sua grande dificuldade está em finalizar coisas que. ao mundo interior. sofrimento. c) Assiste à vida do ponto de vista do espectador. b) Ele tem medo de admitir a própria raiva e tem medo de enfrentar a raiva dos outros. também denominado “o patrão”. diante de novas situações.se às emoções somente quando está sozinho. Focos de atenção a) Valoriza o domínio emocional. Prefere eventos estruturados. Compromissos também representam um problema para o epicurista. dessa forma. Objetivos: tarefas e resultados. Pessoas com este tipo de personalidade. respeita a pessoa que a tem. d) O sonhador dá o seu reino para evitar confrontos. b) Organiza os vários aspectos da vida em compartimentos separados. decididamente. a esquecer seus próprios desejos. com o sofrimento – sentimento que exerce fascínio sobre esse tipo romântico. compromissos. algumas vezes. evitando expor-se. Sua capacidade de ver sob um ângulo de 360 graus. O romântico ou individualista ou original O individualista é emotivo e focaliza a sensibilidade nas próprias necessidades e sentimentos. Ele quer ser um eterno jovem. b) O patrão é um exagerado no estilo pessoal. Se não a quer. mas. c) Para ele. a mente questionadora produz clareza de propósitos. pensa e. Quando erra. Focos de atenção a) Mentalmente. pois. passa todo o tempo seguinte tentando justificar o erro. mas. todos os passos e a direção a seguir. que passa a vida questionando se o amor e a felicidade existem. o que faz com que. O coração dos “desempenhadores” está no trabalho. o mundo é repleto de ameaças. superprotetor e controlador é o retrato do confrontador. caso deseja estar nessa posição. essa postura pode trazer-lhe uma sensação de isolamento. esse tipo adora uma briga. compilando-as de forma isolada e reconstruindo a situação de acordo com a sua ótica. c) Pouco contato com a vida emocional. quando bem empregada. está ali presente prontamente – desde que não exijam dele uma postura. Também identifica-se com as injustiças sociais e coloca-se com disposição para trabalhar por uma causa em que acredita. o legista funciona com um “Sim. O patrulheiro ou protetor ou legista As dúvidas são a sombra deste tipo. grandes pacifistas. Mas. d) Para o protetor. Equilibra-se em cima do muro. porém tem dificuldade de levá-los adiante. porém. busca projetos interessantes para se envolver. revelam-se líderes capazes de usar o próprio poder com sabedoria. nem conseguem encarar as próprias. Ao contrário do patrulheiro. já que quer sempre o melhor daquilo que está ausente. certamente será aquele que luta pelos companheiros. paralelismos e ajustes que ninguém vê e um talento para a síntese não-linear das informações. O epicurista ou sonhador ou generalista Esse verdadeiro gourmet da vida tem o poder de reunir em torno de si o lado volátil das coisas. da fantasia. por sinal. Além da noção dos acontecimentos. O observador O observador é um tipo que se protege das emoções fortes. usa o argumento da proteção para manter o poder e o controle da situação. Tudo que se refere ao romântico remete à introspecção. possui facilidade em produzir análises mentalmente claras e confiáveis e. quando as coisas acontecem conforme o previsto num script. Isso explica o fato de ter seu crescimento pessoal truncado. dá um jeito de sair pela tangente. encontra-se.a) Empreendimento: produtividade e desempenho. que almeja sempre o inatingível. no fundo. e) O bem-sucedido corre o risco permanente de iludir-se sobre si mesmo. A atração ao prazer é uma forma de escapar ao sofrimento. Se é solicitado para ajudar. Ao se verem em público. quando eles acontecem. antecipadamente. não há ligação entre eles. então. Focos de atenção a) Sempre aberto a coisas novas. mas também trágico. sendo.. razão pela qual a entrega não encontra espaço em nenhuma circunstância. Fica espremido em sentimentos superalimentados e mal-podados. e) Sua natureza questionadora leva-o a ver adiante do que normalmente as pessoas vêem: ele é capaz de identificar as verdadeiras motivações e as intenções ocultas que influenciam os relacionamentos. freqüentemente. Um medo de acreditar e ser traído coloca o patrulheiro sempre em estado de alerta. Suas ações estão sempre dentro das leis. é um medroso. seja moroso no processo decisório.

provavelmente ele poderá ser capaz de agir no presente e com objetividade. ele se coloca em guarda. e) A dificuldade de assumir uma posição pessoal também desenvolve a capacidade de identificar o que é essencial para a vida de outras pessoas. quem sabe? Todos os tipos são interligados e se movimentam fazendo contrapontos e complementos. em que cada um dos elementos ceda. Quanto mais uma pessoa se mostra defensiva. ou seja. a equipe será composta de pessoas que competem entre si. se interagem. promovendo integração. iludindo-nos e alterando os fatos reais. apenas um agrupamento de indivíduos que dividem o mesmo espaço físico. beleza e feiura. e justificá-lo quando necessário. O que se observa é que as pessoas acabam ficando perplexas umas com as outras quando começam a perceber os segredos que as outras pessoas ocultam das suas personalidades. bem como não buscam o aprimoramento e crescimento dos outros. Esses são dois processos subjacentes que Freud denominou mecanismos de defesa. de aprovar nosso comportamento. carrega somente as características da sua tipologia. É característica de pessoa de mente aberta e sem preconceitos à novas idéias. o que traz o retrocesso da equipe ao conceito simplista de grupo. que vigora na maior parte do tempo. num momento. vivem-se os aspectos mais positivos de cada tipo. sem tentar ampliá-las. características típicas do epicurista. outra vezes. dessa forma. valores e emoções que o emissor está tentando transmitir. as pessoas normalmente mobilizam suas energias de auto-defesa para enfrentar tal situação. quando as coisas transcorrem normalmente e que é chamado de seu tipo. podendo. Escute atenta e ativamente o outro. Mas é possível. a adotar um comportamento defensivo. por exemplo. Comportamento defensivo: As pessoas defendem-se inconscientemente da ansiedade que sentem numa situação perturbadora. Comportamento receptivo: significa perceber e aceitar possibilidades que a maioria das pessoas ignora ou rejeita prematuramente . que surge nos momentos em que não se sente em plena segurança. Tentar colaborar na solução de um problema permitindo ao receptor designar seus próprios objetivos. pode deixar no receptor um clima defensivo. Sentindo-se em segurança. Então. o que é bastante comum em nossa vida diária. porque o clima receptivo permite que o receptor da mensagem seja capaz de se concentrar no conteúdo e no significado real da mensagem. determinada pessoa pode achar que o seu padrão é o melhor. Aqueles que se consideram sabedores de tudo. Por outro lado. nenhum dos tipos de personalidade é bom ou mau. Essas qualidades pode se somar a outras de outro tipo. num esforço de reduzir o estresse. Nenhum padrão é melhor ou o melhor. direcionando os outros e controlando o espaço pessoal. Isso é possível. honesto e se comportando espontaneamente em função da situação. Para ela. tomar suas próprias decisões cria no ouvinte um clima receptivo. desde que se esteja disposto a fazê-lo. é mais fácil saber o que não quer do que o que quer. espontâneo e criativo também. nada é estanque e tudo pode se ajustar. Talvez brilhe mais como administradora. Nunca um protetor. Se o tipo individualista integra-se com o empreendedor. tom de voz ou conteúdo verbal do emissor parece estar avaliando ou julgando o ouvinte. num outro. ao ver-se numa situação de estresse. mas que possuem objetivos e metas diferentes. a única maneira de conseguir isto é através de processos inconscientes. o aspecto que vigora quando se é colocado em ação. encontrar uma fraqueza. sua capacidade de introspecção será imensa e saberá como ninguém apreciar o silêncio e a reflexão. Vistos de maneira objetiva. d) Perde o senso com facilidade e. Isto é. Podem fazê-lo distorcendo a realidade e enganando a si mesmas. Se a expressão. assim. sem qualquer esforço para mudá-la. pior ou o pior. franco. palavras ou situações que possam reforçar suas defesas. Se o emissor é visto tendo intenções claras. Os tipos de personalidade podem contribuir ou não para o desempenho das equipes. c) O “preservacionista” não consegue dizer não. de modo a preservar a nossa auto-imagem. Todos nós usamos desses mecanismos para proteger nossa auto-imagem. encontrar força em um padrão e.desvia-se para trivialidades. Ficará mais otimista. Cada personalidade possui características definidas com seus respectivos focos de atenção. certo ou errado. Temos necessidade de uma auto-imagem positiva. gerando situações de estresse. Na análise das personalidades. Cada tipo de personalidade é formado por três aspectos: o predominante. definindo indivíduos com certas características mais salientes e que incorporam características de um outro estilo. aceitando a realidade e vivendo suas emoções como são. Se o tipo empreendedor se integra com o sonhador. Se não houver esse tipo de abertura. Tomar iniciativas quanto à separação também é motivo de angústia para ele. Todos têm virtudes e aspectos negativos. e o terceiro. permitam-se amoldar. o observador tende a se tornar o patrão. A curiosidade é inerente a este tipo de comportamento. quieto e retraído) torna-se repentinamente extrovertido e amistoso. coloquem-se no lugar dos outros. quanto mais um clima for receptivo ou ausente de defesa. Tentar ocultar seus objetivos ou não deixa-los claro.para amortecer a energia física e a raiva. que. ajudá-las. menos o receptor distorcerá o conteúdo da comunicação. Uma pessoa com o centro emocional predominante não será necessariamente uma boa artista. Para o sucesso das equipes. Às vezes. Estas coisas impedem a pessoa de se concentrar na mensagem que ela está de fato recebendo e faz com que ela distorça o significado real da comunicação. Não se prende a fazer coisas que não satisfazem seus desejos e os dos outros. ele pode passar a ter auto-estima apurada e a saber levar a vida sem dramas. Já se o sonhador integrar-se com o observador. b) A pessoa com esta personalidade enfrenta dificuldades nas mudanças. menos capaz ela será de perceber os objetivos. Exemplificando. todavia. que não necessitam de informações adicionais tendem a colocar as pessoas em estado de guarda. A pessoa passa então. Postado por Rosilda Nenhum comentário: Comportamento receptivo e defensivo Muitas vezes. Postado por Rosilda Nenhum comentário: Trabalho em equipe: personalidade e relacionamento. olhar as pessoas com desconfiança. Cada um é uma combinação distinta de força e fraqueza. Empatia transmite respeito aos problemas do ouvinte e confiança. está propenso a gerar uma defesa mínima. se faz necessário que os seus integrantes utilizem-se de empatia. Quando tentamos mudar a atitude de uma pessoa ou influenciar o seu comportamento isso pode ser sentido como uma desaprovação a sua conduta. .Uma pessoa reduz a defesa do ouvinte quando parece estar querendo experimentar e explorar novas situações. estejam receptivos ao processo de integração e. procurar ver no comportamento dos outros fatos. diante de uma situação real ou imaginária de perigo. modo de falar. que é o pior. Às vezes. o observador (em geral.Focos da atenção a) Facilmente substitui necessidades essenciais por coisas desnecessárias.

mas como um modelo de gestão por resultados focado no cidadão. Com o módulo geral será possível mensurar o Índice Nacional de Satisfação das organizações públicas que utilizarem o IPPS. Formule perguntas sem exagerar no interrogatório. mesmo assim. que obedece a determinados princípios de funcionamento e apresenta particularidades que o distinguem do padrão habitualmente encontrado em organizações tradicionais. controle social e participação cidadã. Gerar informações relevantes para a melhoria da gestão das organizações públicas. Dessa forma. vem continuamente acompanhando as transformações ocorridas na administração pública moderna. a mobilização das organizações públicas para a melhoria da qualidade de atendimento direto ao cidadão. gerar informações consolidadas entre essas diferentes organizações. Os objetivos do IPPS: 01. controle social e participação cidadã. o IPPS já foi utilizado repetidas vezes por mais de 100 organizações públicas de todo o país. e com isso. de forma eficiente. É uma forma renovada de prestação de serviços públicos. Com o IPPS é possível:desenvolver o questionário de acordo com as necessidades de cada organização. o IPPS provê um conjunto de perguntas de avaliação de satisfação que possam interessar a uma organização pública. Para tanto. Postado por Rosilda Nenhum comentário: Órgão e Opinião Pública Desde 1991. Para tanto. Compreenda com empatia o seu interlocutor. o Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização – GESPÚBLICA. por isso. e foi desenvolvido para se adequar a qualquer organização pública prestadora de serviço direto ao cidadão. Delegacias Regionais de Trabalho. A partir de 1999. podem simplesmente adaptar o IPPS para suas necessidades. 02. Desde seu lançamento em 2002. A partir de 1999. Delegacias da Receita Federal. órgãos estaduais. cada organização poderá desenvolver um questionário que atenda a suas particularidades. vem continuamente acompanhando as transformações ocorridas na administração pública moderna. a mobilização das organizações públicas para a melhoria da qualidade de atendimento direto ao cidadão. e com isso. calcular amostras. Faça comentários descritivos e não avaliativos. Ao mesmo tempo. Ao mesmo tempo. o GESPÚBLICA introduziu em seu escopo de ação. vêm se destacando como uma ação efetiva na indução da melhoria da qualidade da gestão das organizações públicas brasileiras. vem se consolidando não mais como uma experiência alternativa de prestação de serviços a população. aqueles que contemplem a natureza do seu serviço. totalizando cerca de 150 unidades de atendimento. É uma metodologia de pesquisa de opinião padronizada que investiga o nível de satisfação dos usuários de um serviço público. Centrais de Atendimento Integrado entre outros. organizações com poucos recursos não precisam desenvolver o seu próprio questionário. o GESPÚBLICA introduziu em seu escopo de ação. Por essa razão.calcula a amostra necessária para . Benefícios do IPPS: Permitir a organizações com poucos recursos implementarem uma avaliação de satisfação “caseira”. com a ênfase cada vez maior na transparência. denominado Módulo Geral. tabular dados e emitir tabelas e gráficos de análise pré-formatados. bem como conhecer os compromissos de qualidade de atendimento assumidos por ela. como INSS. hemocentros. metodologicamente rigorosa e. Supertintendências de Agricultura. Nesse sentido. que apresenta perguntas que podem ser aplicadas a qualquer tipo de organização pública que presta serviço ao cidadão.Instrumento Padrão de Pesquisa de Opinião. Desse modo. com índices de aprovação pela população sempre superiores a 90% O IPPS. Ao elaborar a Carta de Serviços a organização irá facilitar e ampliar o acesso do cidadão aos seus serviços e estimular sua participação no monitoramento do setor público. gerar informações relevantes para tomada de decisão e gerar índices de satisfação consolidados entre órgãos diferentes. para funcionarem de forma articulada em um único espaço físico. entre os itens disponíveis. utilizando-se dos das baterias de avaliação e do módulo temático.Demonstre respeito e consideração. Centrais de Atendimento Integrado: Configura-se pela reunião de representações de órgãos públicos das esferas federal. Com o IPPS é possível elaborar questionários. hospitais federais. cujo objetivo principal é a prestação de diversos tipos de serviços. aperfeiçoando e incorporando ações para atender satisfatoriamente as demandas do Estado. com a ênfase cada vez maior na transparência. mas. a área de Gestão do Atendimento oferece três produtos às organizações para incentivar a melhoria da prestação de seus serviços: Carta de Serviços ao Cidadão : A Carta de Serviços é um documento elaborado por uma organização pública que visa informar aos cidadãos como acessar e obter um ou mais serviços prestados. vêm se destacando como uma ação efetiva na indução da melhoria da qualidade da gestão das organizações públicas brasileiras. Nesse sentido. um dos produtos que a área de Gestão do Atendimento oferece às organizações para incentivar a melhoria da prestação de seus serviços é o Instrumento Padrão de Pesquisa de Satisfação – IPPS. Postado por Rosilda 8 comentários: Gestão do Atendimento Desde 1991. aperfeiçoando e incorporando ações para atender satisfatoriamente as demandas do Estado. o IPPS apresenta um módulo. útil. Gerar um diagnóstico permanente sobre a qualidade geral do serviço público brasileiro na ótica do cidadão. Com o IPPS poderá reduzir custos de pesquisa. A pesquisa de satisfação é perfeitamente aplicável a órgãos que prestam serviço diretamente ao cidadão. No Brasil. Cada organização pode escolher. está presente em 24 estados. os seus interesses gerenciais e os recursos disponíveis para a pesquisa. estadual e municipal. e também. segura. induzindo-o ao controle social e promovendo a melhoria da qualidade do atendimento prestado. o Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização – GESPÚBLICA. rápida e atenta às necessidades da comunidade.

tabelas e índices de satisfação. Os materiais podem ser classificados conforme a necessidade e cultura de cada empresa. Utiliza números e letras. facilita a localização do material no almoxarifado quando a quantidade de itens é muito grande. Sistemas de Classificação: -Alfabético -Alfanumérico: -Numérico Codificação do Material: Cada item recebe um código com as informações necessárias e suficientes. formato) . Bons registros. portanto.Especificação (descrição do item: de medidas. O transporte faz parte das preocupações básicas do administrador de materiais. Com isso evita-se dispêndio excessivo de recursos. Quanto ao valor econômico os materiais podem ser classificados segundo diversos aspectos. se sua existência está ligada a escassez ou abundância de jazidas minerais ou vegetais. Continuidade de suprimento. A Administração de Material tem por objetivo: Preços baixos. seja de natureza militar. A política de material de cada empresa varia conforme estão classificados os seus materiais e conforme seu ramo de atividade. Outra política básica é o acompanhamento do ciclo dos materiais. transporte e manutenção do material de uma organização. material e financeiro. direção. A administração de material é a ramificação da Administração Geral. Etapas de Classificação: .Política de estoques.Classificação de Estoques: . Cada gênero de material deve ocupar um local específico facilitando sua identificação e localização no almoxarifado.Codificação (substitui o nome do material em todos os documentos da empresa) . Baixo custo de aquisição e posses. Quanto à utilização podem se classificar em: equipamentos. A administração de material é uma atividade que abrange a execução e gestão de todas as tarefas de suprimento. A Administração de Material é a parte da administração geral que trata da área específica dos materiais. utilização etc.Matérias -primas: insumos e materiais básicos adquiridos de fornecedores . paralisação da empresa pela falta do referido material além da eliminação de estoques mortos e sucatas excessivas ao fim da vida útil do material Deve-se ter especial atenção ao processo de procura e obtenção dos materiais. Nas empresas é uma atividade integrada da Logística Empresarial que abrange a execução e gestão de todas as tarefas de suprimento. Uma técnica básica da política de materiais é a padronização dos materiais em uso na organização. comercial ou de serviços. Aperfeiçoamento do pessoal. organização.assisti a análise dos resultados. Postado por Rosilda Nenhum comentário: 27/12/08 Administração de Material: Noções A administração compreende três campos básicos: pessoal. material de consumo. matérias primas e insumos.Materiais acabados ou componentes: peças isoladas ou componentes prontos para formarem produto acabado . ao planejamento.Materiais semi-acabados: em estágio mais avançados que os processados. Pouca despesa com pessoal.Produtos acabados: produtos já prontos que passaram pelas etapas anteriores . etc. industrial. possibilidade de substitutivos. fazendo com que as equipes encarregadas destas atividades tenham uma crescente complexidade no seu trabalho. Deve-se estar sempre atento às . tais como facilidade de obtenção.Noções Funções Básicas de um Sistema de Administração de Material: -Programação -Aquisição -Estocagem -Distribuição Classificação de Materiais: Classificar um material é agrupá-lo de acordo com suas características. aquisição. coordenação e controle de toda as tarefas necessárias à definição de qualidade. Alto giro de estoques. Assim existem classificações segundo diversos critérios. guarda. Esta padronização se dá pela aplicação de especificações técnicas e pela existência de um programa de classificação e catalogação de materiais.facilita a entrada de dados. pode ser classificada diferentemente se sua utilização está ligada a segurança nacional. um baixo desempenho na sua execução pode comprometer a atividade fim da organização. Este programa visa preparar e programar a introdução dos materiais na organização. Administração de Materiais. onde conta com relatórios automatizados que exploram os principais dados de maneira a gerar gráficos. no seu todo. transporte e manutenção. peso. tipo. controle e aplicação dos materiais destinados às atividades operacionais de uma organização. Quanto ao valor estratégico. Atualmente com a tendência de globalização da economia as fontes fornecedoras multiplicaram-se em número. multiplicidade de emprego.Materias em processamento: os que estão sendo processados .alcançar um índice confiável dos resultados.Normalização ( a maneira que o material é utilizado ( Pra que serve??) . Seja ele interno ou externo. Consistência de qualidade.Quase acabados.Simplificação ( reduz a diversidade de itens) . constituindo-se um importante fator no seu conjunto. produção nacional ou estrangeira. peso. tamanho.Padronização (estabelece padrões de peso e de medida e formato) . Corresponde.Catalogação . . Relações favoráveis com os fornecedores.

custo de pessoal. Postado por Rosilda Nenhum comentário: Noções de Administração Financeira . do seu porte e disponibilidade financeira. a descrição do funcionamento de cada conta . para aumento da eficiência e redução de custos. pouco adianta a atenção a todas as técnicas da administração de materiais numa empresa. cujos balancetes servirão de base para a comparação entre os custos orçados e o custo Real. ele deverá estar disponibilizado para os administradores tomadores de decisão. não podendo ser confundido com os registros contábeis que se ocupam do passado e incorporam categorias relacionadas ao patrimônio físico da empresa. a empresa precisa dispor internamente de informações organizadas que permitam a visualização das contas a receber. porém com a finalidade de permitir ao Administrador. Deve-se também estar atento às modernas técnicas e equipamentos de armazenagem e embalagem. além do próprio custo do estoque imobilizado. permite identificar as variações ocorridas e as causas dessas variações Na projeção do fluxo de caixa. embora não se aperceba disso facilmente têm um custo (posse e conservação da área. Plano de Contas é o conjunto de contas. Daí a necessidade imperativa de se retificar o fluxo de caixa em tempo real. que norteia os trabalhos contábeis de registro de fatos e atos inerentes à entidade. Postado por Rosilda Nenhum comentário: Noções de Administração Financeira: Plano de Contas. como por exemplo. administrativa e legal da instituição. quer seja para atender a legislação vigente quer seja para atender um princípio ético individual ou de um grupo. contas a pagar e de todos os desembolsos geradores dos custos fixos. que contém comentários e indicações gerais sobre a aplicação e o uso de cada uma das contas (para que serve. genericamente tido como um simples elenco de contas. em tempo real. a tomada de decisões referentes a disponibilidade de caixa. ainda. Na grande maioria das Micro e Pequenas Empresas tudo pode ser resolvido com a utilização de simples planilhas. Qualquer que seja a atividade de uma instituição. o Ativo Imobilizado Agilidade nas possíveis alterações No momento em que se toma conhecimento que a entrada de um recurso não mais se efetuará ou que o pagamento a um fornecedor foi postergado. principalmente. constituí na verdade um conjunto de normas do qual deve fazer parte. o acompanhamento entre o fluxo projetado e o efetivamente realizado. Na elaboração de um fluxo de caixa deve ser considerado: Período a ser coberto pelo fluxo de caixa: A projeção pode ser realizada mês a mês. A maior dificuldade para se ter um fluxo de caixa realmente eficaz é gerenciar adequadamente este sistema de informações. além da evolução das relações comerciais com aquelas empresas prestadoras de serviço nesta área. Periodicidade na emissão do relatório A confecção do relatório de fluxo de caixa deverá ser uma rotina normal da instituição e. o fluxo de caixa deverá ser retificado de imediato. "Como tomar decisões se as informações que necessito só as terei três ou quatro meses após? Ou como tomar decisões se as informações que recebo em tempo real não são confiáveis ?" Postado por Rosilda Nenhum comentário: Noções de Administração Financeira: Fluxo de Caixa O fluxo de caixa é uma ferramenta que demonstra de forma antecipada as entradas e saídas de recursos. conservação dos próprios materiais. principalmente para atender questões legais como Receita Federal. Deve. o que deve conter e outras informações sobre critérios gerais de contabilização). visto que o reflexo desse acontecimento atingirá os demais eventos através do efeito cascata. previamente estabelecido. já que os usuários de informações podem necessitar detalhamentos específicos. A administração de estoques é também uma tarefa da qual o administrador de materiais não deve se descuidar. citada acima. que um modelo de Plano de Contas geral pode não compreender. ser subdividido em centros de custo. se faz necessário um arquivamento ordenado dos documentos que irão apoiar os lançamentos contábeis. caso ela esteja desorganizada. A armazenagem de materiais também é uma preocupação constante do administrador. que podem vir a ser empregadas como uma importante maneira de economia de tempo e recursos. Por fim. Sua eficiência leva à redução de materiais armazenados.o chamado "Manual de Contas". A montagem de um Plano de Contas deve ser personalizada. Além de permitir analisar a forma como uma empresa desenvolve sua política de captação e aplicação de recursos. etc). que registrará o dinheiro em espécie (papel-moeda) disponível na tesouraria da empresa. cuja forma dependerá do tipo da empresa. Para tal. também. Ministério do Trabalho ou outros órgãos e. por empresa. Assim pela padronização e pelo planejamento deve-se procurar reduzir a quantidade de material armazenado e aumentar a velocidade com que ele entra e sai dos locais de armazenagem. O fluxo de caixa é um grande sistema de informações para o qual convergem os dados financeiros gerados em diversas áreas da empresa. E justamente esta é a finalidade ímpar da Contabilidade: Registrar os atos e fatos de uma entidade.modernas técnicas e equipamentos de transporte. mas também quando ele será utilizado. a adoção de um plano de contas contábil eficiente e que demonstre com propriedade a real situação da instituição quando da apuração dos balancetes mensais e do balanço patrimonial anual. Como exemplo. passam pela utilização de ferramentas de gestão. trimestre a trimestre ano a ano ou até mesmo em bases diárias. caso estejam descoordenados seus órgãos internos e caso ela não consiga processar adequadamente seus dados. suas estatísticas e não consiga motivar suficientemente seu pessoal para a realização de um bom trabalho. indicamos não apenas o valor dos financiamentos que a empresa necessitará para desenvolver as suas atividades. além de permitir todo o planejamento do ciclo de materiais da empresa. além de servir de parâmetro para a elaboração das demonstrações contábeis. Para a elaboração do fluxo de caixa. Percebemos até agora que o fluxo de caixa olha para o futuro retratando a situação real do caixa na empresa. Um plano de contas eficiente deve apresentar dados contábeis que reflitam com clareza a natureza operacional. temos a conta "Caixa". Plano de Contas. A forma de obtenção e organização dessas informações auxiliares. em datas pré-determinadas. permite uma previsão de consumo e aquisições. A armazenagem. Outro aspecto relevante é o conceito de informação precisa e em tempo hábil. todos os atos e todos os fatos necessitam ser registrados.

Na administração financeira de uma instituição são três os conceitos básicos que determinam o sucesso ou fracasso de uma gestão financeira: 1. . que desembolsos poderão ser remanejados? Ou que entradas de recursos poderão ser antecipadas? Caso positivo e havendo disponibilidade de caixa. grupos de pessoas ou eventos.. efeito cascata. A Constituição de 1988 estabelece que a única maneira de provimento de cargos públicos efetivo é através de concurso.de acordo com as necessidades da instituição .ativo / passivo. Mas. É necessária uma estratégia. adotando-se então medidas corretivas para os próximos orçamentos. guerra fiscal. grupos de pessoas ou eventos. a fim de mostrar o porquê da existência do servidor público e sua necessidade.sejam alcançados. coitada da Maria. Saltou de Para-quedas. 3. O acompanhamento dos eventos financeiros é efetuado em tempo hábil e mediante números precisos através do fluxo de caixa. sem grandes aspirações ou conquistas ." Era assim. mas os chefes são amadores. É claro que exames rigorosos para admissão de novos servidores aumentam a qualidade do funcionalismo . inclusive. Começa o dia. Barnabé é outro termo que consagrou na gíria a visão do funcionalismo público mediano. Postado por Rosilda Nenhum comentário: 07/12/08 Servidor e Opinião Pública A opinião pública tem uma visão estereotipada do funcionário público. Orçamento é o plano financeiro estratégico de uma administração para determinado exercício. às três vai à modista. Isso gera um quadro onde o servidor tem uma boa formação. é alta funcionária. Entretanto. aprovados em certames que exigem muito preparo. que se caía num cargo público e nas classificações funcionais. trabalha.conforme item 1 . trabalha de fazer dó. Hà uma música tocada nos bailes de Carnaval na década de 50 que fala de uma servidora pública: "Maria Candelária. acompanhamento e transparência . O Barnabé está em extinção.e sua situação patrimonial .e com segurança . mas não é só isso. preferencialmente. O orçamento é a ferramenta administrativa mais adequada para se planejar financeiramente . bi-tributação. o que possibilita decisões em tempo hábil. há uma gama de outros funcionários selecionados pelo critério "quem indica".superávit / déficit ou lucro / prejuízo . de pàra-quedas. permanente e progressiva de esclarecimento da sociedade civil. fluxo de caixa econtabilidade . Os balancetes servirão também de base para a comparação entre os valores orçados . Os cidadãos estão cada vez mais conscientes de que o serviço público que lhe é prestado não é gratuito: é muito caro. Além disso.orçamento. Atualmente. Desmistificar um estereótipo social é sabidamente uma tarefa de paciência e que demanda tempo.) que precisam arcar.e os valores reais.. transparente e adequada ao bom desempenho da instituição como um todo. Trabalha. ou terceirizados. É preciso estruturar carreiras no serviço público com cursos obrigatórios e específicos para o setor público. de acordo com as tarefas.as atividades operacionais rotineiras ou periódicas de uma instituição. 2.A transparência nas operações visando a legitimidade dos atos. uma boa parte dos cargos comissionados. que investimentos poderão ser efetuados? A transparência das operações é assegurada no momento em que a instituição apresenta suaescrituração contábil de forma clara e apoiada por documentação legal. Os números apresentados nos balancetes mensais refletirão o resultado real da instituição . Assim como o orçamento. Orçar não só significa estimar a real necessidade de recursos de um centro de custo durante um determinado período como também avaliar com precisão a entrada dos recursos para sustentar a operacionalidade da instituição. O porquê de sua necessária e constante valorização. Nesta visão. Os orçamentos devem ser confeccionados. hoje é tão pitoresca quanto rara. Infelizmente há ainda esses que caem de para-quedas no serviço público. às quatro assina o ponto e dá no pé.O acompanhamento dos eventos que resultem em entrada ou desembolso de recursos.permitirá que os três princípios básicos da administração financeira . descaso na prestação de serviços e acomodação nas rotinas do emprego etc. ou para Consultoria e cujos contratos são renovados inúmeras vezes equivalendo na prática a quase um cargo permanente.planejamento. Que grande vigarista que ela é. Pagam-se tributos de várias espécies. são ocupados por servidores nomeados segundo critérios de interresses políticos. os quais refletirão as necessidades de controle de cada conjunto de tarefas.O planejamento financeiro das operações. o que resultará numa gestão tecnicamente correta. caiu na letra "O". contratados temporariamente. O típico servidor cujo paletó vive na cadeira para dar a impressão de que ele está no ambiente de trabalho. numa complexa configuração fiscal (cumulatividade. a maior parte do funcionalismo público de cargos efetivos é formada por servidores concursados. Esta é uma visão muito antiga. etc.e em tempo real das origens e aplicações dos recursos. a adequada combinação das três ferramentas . com os custos da burocracia excessiva e da provisão para fraudes. às duas vai ao café. são realçados os aspectos negativos: menor empenho no trabalho. A uma vai ao dentista. Esta ferramenta administrativa permite o acompanhamento periódico . FLUXO DE CAIXA é a demonstração visual das receitas e despesas distribuídas pela linha do tempo futuro. o plano de contas contábil de uma instituição também deverá ser composto por centros de custo. a maioria cargos de gestão. o que se percebe é que a cena da repartição cheia de máquinas de datilografia e cadeiras com paletós sobre elas repousando. Desta forma. A sociedade está ciente de que o serviço público deve ser eficiente e de que o servidor público está ali para servir a sociedade. subdivididos em centros de custos. tendo como objetivo minimizar as distorções porventura existentes. não só para atender à legislação vigente mas também para proporcionar fidedignidade aos atos de seus gestores. O fluxo de caixa permite responder de imediato perguntas tais como: Nas próximas X semanas teremos disponibilidade para pagar os desembolsos que irão ocorrer? Caso negativo.

a dignidade da função. então. é quando já terminaram os direitos produzidos por sua criação. serve com competência e dá atendimento de qualidade ao público. perante a sociedade. Documentos de natureza sigilosa e particular deverão ser encaminhados aos respectivos destinatários. sistematizadas pelos norte americanos nos anos 70 do século vinte. Perante a sociedade. providenciar a juntada e em caso negativo. permitindo a guarda de grandes volumes de documentos.Teoria das três idades A teoria das três idades.CESPE UNB No que se refere à conservação preventiva de documentos em arquivos. mas. Resposta imediata e precisa às questões impostas pela administração. Deverá ser permanente e estar em constante aperfeiçoamento. ser usados dentro de seu valor primário. de modo a assegurar a imediata localização e recuperação dos mesmos. Bons servidores. 99. competentes e atenciosos. verificando-se a existência ou não de antecedentes. A higienização de documentos é um procedimento em que documentos quebradiços e ressecados são colocados em uma atmosfera úmida para readquirirem flexibilidade. A higienização e o acondicionamento são ações de conservação dos documentos. Tabela de Temporalidade: È o registro esquemático do ciclo de vida documental do órgão. 98-C. sua transferência ao arquivo intermediário. deve ser mantida em níveis competitivos ao da esfera privada. tentavam estabelecer uma ponte entre a documentação de gestão e a documentação destinada a ser preservada para fins de pesquisa. A ação antrópica não interfere na degradação dos arquivos. o acesso a informação: Recebendo e classificando o documento: efetuando a separação dos documentos recebidos em oficial ostensivo ou sigiloso e particular. ARQUIVOS INTERMEDIÁROS: A passagem do documento da primeira à segunda idade denomina-se transferência e indica o fim de seu valor primário. coincide com as razões de sua criação. Em caso afirmativo. a primeira guarda. garantindo. Vantagens para implantação de depósitos de arquivamento intermediário: Devem ser simples e funcionais. Maior e melhor colaboração entre arquivistas e administradores. Racionalização da guarda e preservação dos acervos documentais. a finalização de seu objetivo. estabelecidos pelas Tabelas de Temporalidade e as atividades de Protocolo: Conjunto de operações visando o controle dos documentos que ainda tramitam no órgão. O conteúdo desse documento. sua tramitação . objetiva a satisfação das necessidades coletivas. Postado por Rosilda Nenhum comentário: Noções de Arquivo. a classificação o servir à consulta administrativa (que é freqüente).Ministério da Saúde-2008. Não adianta simplesmente lutar pelo salário sem ter postura e ética na hora de servir. é um ponto de chegada natural dos estudos arquivísticos que. competentes. julgue os itens a seguir: 97. o chamado valor primário. e a sua primeira guarda. a semi-ativos. inovadores e cientes de sua missão pública. A remuneração. e se ganhar do público. maus servidores não têm direitos . Mas. As funções ou tarefas arquivísticas dessa fase são o apoio à produção e à tramitação. assim. os critérios para a microfilmagem. 100-E. porque imprescindíveis. Essa é a única forma de se resgatar. 98. proporcionando: Economia de espaço. pessoal. classificá-lo de acordo com o assunto tratado. ARQUIVOS PERMANENTES: . porque são dispensáveis. A boa greve é aquela que é encampada por quem de fato trabalha . na ponta. a conexão do documento com seus prazos de destinação. desde o século dezenove. 99 C. O ar seco e a umidade são fatores de enfraquecimento do papel 100. A tabela determina o prazo de guarda dos documentos no arquivo corrente. tornam-se mais fortes e reconhecidos.Tudo visa o fim público. nada disso visa a efemeridade do "status" que alguns servidores públicos apreciam. Garantia de recolhimento aos arquivos permanentes dos documentos que devem ser conservados definitivamente. a depender da carreira. ao contrário. GABARITO 97-E. Os documentos passam. a eliminação ou o recolhimento ao arquivo permanente. podendo.O emprego público deve explorar as habilidades que fizeram o candidato ser empossado. È uma denominação que corresponde ao uso dos documentos. o reconhecimento devido. servidores mais críticos. equipamento e tempo. produzindo. por razões mais jurídicas que administrativas. Uma nova política de recursos humanos é necessária. A teoria das três idades corresponde à sistematização do ciclo vital dos documentos de arquivo.nem de grevar. Os documentos de natureza ostensiva deverão ser abertos e analisados. sendo elaborada após análise da documentação e aprovada pela autoridade competente. conforme o caso. ARQUIVOS CORRENTES: A primeira idade corresponde à produção do documento. Postado por Rosilda Um comentário: 04/11/08 Questões da prova Noções de Arquivo. entretanto.

Janice. se houver).mensalmente. A segunda situação que surge das atribuições dessa unidade é a intensa demanda de consulta aos documentos. Área de conteúdo e estrutura (os assuntos tratados e as espécies documentais componentes.arquivo ou 135 pastas suspensas. Há uma demanda interna (estagiários. 1998.CESPE UNB As atribuições da unidade administrativa de um grande órgão público têm gerado. Maria Izabel de Oliveira. suas datas de produção ou datas-limite.e ampliada. Área de fontes relacionadas (documentos de interesse relacionados aos descritos) Área de notas (outras informações importantes que não se acham nas outras áreas). são atendidas.Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas. Série. mesmo que este. seção. 2000. por quaisquer razões. localiza. em função do seu valor secundário. Arquivos permanentes: tratamento documental. Gestão de Documentos: conceitos e procedimentos básicos. BELLOTTO. Seção. – 2. BELLOTTO. realizado em Sevilha. em diferentes graus e amplitudes.Noções de Arquivo. Fundo: conjunto de documentos produzidos e/ou acumulados por determinada entidade pública ou privada. Descrição: Conjuntos de procedimentos que. Arquivos Permanentes são o conjunto de documentos custodiados em caráter definitivo. Arquivística: objetos.wordpress. permitem a identificação de documentos e a elaboração de instrumentos de pesquisa. Hierarquia da atividade de arranjo: Fundo. não devendo ser mesclados a documentos de outro conjunto gerado por outra instituição. Área de contexto de produção (nome da entidade/pessoa física. servidores. (Scripta – textos de interesse para os profissionais de arquivo e áreas afins). Subseção. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. que identifica. A primeira é a necessidade de arquivamento de um volume sempre crescente de documentos.. obedecendo a critérios que respeitam o caráter orgânico dos conjuntos documentais. Passam a “conviver” uns co m outros: constituindo-se em fundos. Associação de Arquivistas de São Paulo. Elementos recomendados pela Isad(g): Área de identificação (nome e nível da unidade que está sendo descrita.Ministério da Saúde-2008. séries.ª ed. Trata-se de normas de descrição estabelecidas pelo Conselho Internacional de Arquivos. Área de acesso e uso (condições legais. diariamente. Como classificar e ordenar documentos de arquivo. a partir de elementos formais e de conteúdo. Acerca da situação hipotética acima apresentada e das técnicas de arquivo. em relação ao arquivo.rev. duas situações distintas. Ana Maria Valéria Cascardo Campos. Heloísa Liberalli.São Paulo. outras descrições já publicadas). idiomas. fundos. São conjuntos documentais produzidos/recolhidos por unidades administrativas e/ou pessoas físicas. o arranjo interno e informações sobre alterações na dimensão do conjunto). cerca de trinta novas caixas . mas intimamente vinculadas. cerca de vinte solicitações de consulta ao acervo. Segundo informaçõescoletadas no local. 1993. Norma internacional de descrição arquivística. história custodial (ou arquivística) e origem do recolhimento/aquisição). A norma Isad(g) International Standard Archival Description (General). Instrumentos de Pesquisa: Obra de referência. GONÇALVES. outras unidades) e uma demanda externa (representações e escritórios regionais). segundo o caso. julgue os itens de 81 a 96. http://arquivoememoria. São Paulo: Arquivo do Estado/ Imprensa Oficial do Estado. 2. Mônica Medrado da Costa. rev. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. lhe seja afim. O arquivo recebe para guarda.com/tag/arquivo/ O documento passa a ser considerado fonte de pesquisa e informação para terceiros e para a própria administração. publicada ou não. Valor Secundário: refere-se à possibilidade de uso dos documentos para fins diferentes daqueles para os quais foram originariamente criados. CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. subséries e peças documentais existentes em um arquivo permanente com a finalidade de controle e acesso ao acervo. subseção. 2004. pessoa ou família no exercício de suas funções e atividades. Ana Celeste Indolfo. Subséries. e divulgada em 2000 no XIV Congresso Internacional de Arquivos. Heloísa Liberalli. Postado por Rosilda 5 comentários: Questões da prova.ed. Principais atividades dos Arquivos Permanentes: Arranjo: a operação resume-se na reordenação dos conjuntos documentais remanescentes das eliminações ditadas pela Tabela de Temporalidade. estado físico do suporte. 2002. de modo a demonstrar as potencialidades de pesquisa. sua dimensão e sua codificação. que são mantidos em dossiês. Verone Gonçalves Cauville. guardando entre si relações orgânicas e que são preservados como prova ou testemunho legal e/ou cultural. resume ou transcreve. princípios e rumos. . história administrativa/biografia.A passagem de documentos do arquivo intermediário para o arquivo permanente denomina-se recolhimento.

85. em decorrência de suas funções e atividades. 92. O dossiê é um conjunto de documentos relacionados entre si por assunto(ação. Assegurar a limpeza e inspecções regulares aos depósitos. onde aguardariam o término do seu prazo de guarda.E.Fazer relatórios sempre apoiados no registo fotográfico exaustivo. mas também para a vigilância e controle de pragas. O arquivo setorial é aquele estabelecido junto aos órgãos operacionais. etc.C . 92 . 85.evento. 87. Os documentos pouco usados na mencionada unidade poderiam ser transferidos para o arquivo permanente. O registro dos documentos que chegam ao setor é uma atividade conhecida como de arquivo especializado. Limpeza e vigilância na zona de depósitos e armazenamento de colecções . 84. Fazer uma gestão correcta dos riscos implica poder antecipar e minimizar os problemas. permitindo responder a algumas perguntas: Quando podem ocorrer situações de risco? Percentagem de itens afectados na colecção? Quais os itens em maior risco de deterioração? Qual o real valor dos itens a preservar? Quais as prioridades? É Preciso levar em conta os seguintes aspectos: Manutenção do Edifício Manutenção dos telhados. GABARITO: 81. até ás questões de segurança e de organização interna da Instituição. O dossíê é um documento do gênero iconográfico. Providenciar a sensibilização dos funcionários para a detecção e alerta de situações anómalas ao nível da manutenção do edifício. o agente de deterioração e o possível dano causado. apesar do grande avanço. 90 -E. 87 . á tramitação. 95-E . A unidade em questão poderia.E. As atividades de protocolo são de responsabilidade dos arquivos centrais ou gerais. 96. 84 . Na situação em apreço. contribuindo desta forma. 86. não considera os arquivos como instrumento de apoio á administração. embora exista restrição de acesso apenas para os documentos considerados permanentes. a conservação e utilização a destinação. Terão de se considerar várias questões. Ser preciso ao especificar o risco. são considerados arquivos públicos. 91. ao uso avaliação e ao arquivamento em fase corrente e intermediária é conhecido por gestão de documentos. o acesso aos documentos contidos no arquivo da unidade é público. 89. lugar.E. que Inclua localização. 91-E. O conjunto de operações técnicas referentes á produção. devido á quantidade de consultas recebidas pelo arquivo da unidade. A gestão de documentos tem como fases básicas a produção. 93. Têm que se identificar e avaliar os riscos possíveis: Identificar os agentes de deterioração Reunir dados concretos – diagnósticos actualizados. 82 Na situação apresentada. 88. Providenciar a sensibilização dos funcionários para identificar e alertar para situações de risco desta natureza. 95. pode-se considerá-lo como um arquivo corrente. 93 -E. 90. 82 -C . Postado por Rosilda Um comentário: 14/10/08 Conservação preventiva de documentos em arquivos Uma política de preservação eficaz a longo prazo pressupõe uma gestão integrada de riscos. 89. Manuseamento das peças .C. Há que saber antecipar os problemas e identificar os principais factores de risco que podem levar à perda total ou parcial de um espólio/colecção. 86-C. projeto). A legislação arquivística brasileira. Na situação considerada. não só para a higiene das zonas de armazenamento.E. 94-C . independentemente de autorização. estrutura/edifício. janelas e portas para que protejam e assegurem a manutenção das condições ideais de preservação e segurança. Os documentos acumulados por órgãos públicos e entidades públicas.81. O curso do documento desde a sua produção ou recepção até o cumprimento de sua função administrativa é conhecido como termo de recolhimento. melhorando as condições de seus arquivos. 94. eliminar os documentos sem uso. cumprindo funções de arquivo corrente. 96-C. desde a localização e construção/ou manutenção do edifício onde se encontra o Arquivo e respectivo espólio documental. que constitui uma unidade de arquivamento. armazenamento. Imaginar situações. anualmente. acondicionamento. contando com imponderáveis. 88. permitindo a salvaguarda dos espólios.pessoa. sala. O recebimento e a expedição dos documentos em um órgão público são tarefas realizadas pelo protocolo.C. 83-C. 83. a aplicação da teoria das três idades documentais permitiria melhor fluxo documental na unidade.

Implementar o armazenamento adequado e o correcto acondicionamento das espécies. nomeadamente de resíduos alimentares. ou do próprio clima local. que são susceptíveis de provocar reações químicas. pode depender de um sistema de ar condicionado bem calibrado. Devemos também salientar a necessidade de obtenção de baixas temperaturas e valores de humidade relativa controlados. filtros U. Luz/Foto degradação Os efeitos das radiações ultravioletas e da luz (radiações visíveis). a mais completa possível. efectuando-se a sensibilização dos técnicos que se encontram a trabalhar em zonas com documentação. inundações ou surtos de pragas. Colocar armadilhas em zonas estratégicas e inspeciona-las uma vez por mês. dando formação aos funcionários de forma a estes poderem dar o correspondente apoio nesta área. propiciando o aparecimento de fungos e alterações químicas nos materiais arquivísticos. pode ainda beneficiar da ausência de infiltrações ou da existência de uma ventilação adequada. uma vez que se sabe que duplica a longevidade dos bens arquivísticos por cada 5º C de temperatura mais baixa que se obtiver. Relativamente à temperatura. A verificação e substituição de canalizações antigas devem ser habituais. baldes e esfregonas. Controle ambiental Conseguir atingir valores ideais de temperatura e humidade relativa num edifício ou em parte dele. No perímetro exterior contratar empresas especializadas em controle de pestes e que também identifiquem as espécies existentes. sejam elas de insectos. eliminando a presença de lixo. impedindo a entrada de insectos. Devemos pois alertar para o perigo que representam as flutuações nos valores da temperatura e da HR. A nível interno bloquear. reduzindo drasticamente a degradação das espécies arquivísticas e ajudando no combate à propagação das pragas. cestos e sacos de plástico. à inspecção ou manuseamento correcto das espécies arquivísticas. utilizando acondicionamentos protectores. Evitar proporcionar as condições ideais para a propagação das referidas pragas. desumificadores. Uma gestão integrada de pragas pressupõe evitar a criação de “fontes e atrativos” para este tipo de problemas ou seja. Implementar um programa de desinfestação recorrendo ao uso de gases inertes. mas também formação/sensibilização sobre comportamentos e controlo de pequenos incêndios. mas também no apoio técnico necessário incluindo não só a vistoria regular das instalações. aventais. em câmaras próprias ou através da execução de “bolhas”. na forma de pequenas infiltrações que produzem uma HR elevada nos edifícios. a utilização do “mist sistem” (que debita me nor quantidade de água à saída). executados com materiais não consumíveis por insectos ou roedores (polipropileno). promovendo assim a sua preservação. O pessoal de limpeza deve ser alertado para o uso de água nas lavagens a efectuar. escurecimento ou amarelecimento dos suportes. Providenciar para a sensibilização do pessoal interveniente nestes processos. o facto é que a humidade está muitas vezes presente e é demasiadamente tolerada. Segurança contra roubo/vandalismo Implementar a utilização de fechaduras de alta segurança em todas as portas e janelas. A presença de água e a humidade relativa associadas são uma fonte de degradação muitas vezes presente. Utilizar de preferência acondicionamentos que sejam resistentes à água (polipropileno). A HR é um agente rápido e agressivo. que permita também saber a localização das obras. A opção pelo método do Cold Storage. Evitar ter por perto jardins. Utilizar de preferência acondicionamentos o mais estanques possível. entre outras. catástrofes naturais ou outro tipo de ameaças. facilitando deste modo a detecção de qualquer desaparecimento ou arrumação incorrecta das peças. lanternas. há que ter em consideração o elevado grau de degradação que provocam nos materiais de arquivo. No que diz respeito à humidade relativa será de realçar que os valores elevados e as oscilações da HR são ainda mais prejudiciais do que as variações verificadas na temperatura e estão directamente relacionadas com o aparecimento de fungos. A foto degradação tem efeitos cumulativos. verifica-se assim a necessidade de “proteger” os bens arquivísticos. água. em materiais de arquivo. tornar estanques portas e janelas. provocam a desintegração dos polímeros de celulose. poluição e outros factores de risco. Utilizar de preferência acondicionamentos que sejam resistentes ao fogo (polipropileno) Inundações/danos causados por água As zonas de depósito/armazenamento de documentação devem preferencialmente ser colocadas nos pisos superiores. Evitar sempre que possível divisões por onde passem as canalizações do edifício. sob pena de aumentarem a possibilidade de deterioração química dos materiais presentes. Existência de alarmes para detecção da subida do nível da água. Ao contrário de outros riscos como o fogo. os valores não devem ser demasiado elevados. rolos de material absorvente. desvanecimento de tintas e pigmentos. desde a limpeza regular. uma vez que estes são o habitat natural de muitas das referidas pragas. Controle integrado de pragas e/ou infecções Quando se fala de pragas. uma vez que a sua utilização em excesso pode ser prejudicial (aumenta a HR). contemplando as características próprias das peças o que facilitará o seu manuseamento em segurança. Sensibilizar o cidadão usuário nas salas de leitura. e infecções por fungos ou bactérias. aspirador de água. botas de borracha. pássaros ou outros animais.V. ou em alternativa. Evitar luzes exteriores que atraiam insectos. lâmpadas ou vitrinas. Colocação de detectores de fumo e sprinklers com protectores. Todos os funcionários devem estar preparados para agir nesta eventualidade. cuidadosamente estudar a localização do arquivo. Implementação de sistemas de detecção contra roubo (sistema electrónico) Assegurar a vigilância nas salas de leitura (vídeo vigilância ou por pessoal especializado) Fogo Implementação de um plano de emergência efectivo contra o fogo. tesouras. Desastres Naturais Utilização de sistemas de ancoragem que sustentem a estantaria em caso de ocorrência de sismo. em janelas. Ponderar alternativas à utilização de água para extinção de incêndios. Articulação com os serviços de Bombeiros locais não só na resposta rápida em situações de emergência. implica a manutenção de valores próximos dos 10/12ºC para os depósitos. Para responder prontamente a situações de inundação deverá estar disponível um Kit de emergência preferencialmente composto por: 1 carrinho. luvas. aumentando a deterioração das obras. efetuando o estudo dos insectos encontrados para identificação e atuação. .Executar uma listagem das colecções. ventiladores.

assembléia ou sessão.Classe 900. Resoluções: são atos emanados de órgão colegiado. Para este instrumento adotou-se o modelo de código de classificação decimal. 2005. espécies e tipos documentais genericamente denominados assuntos. Pode ser divido em três atividades: Área de administração de pessoal. indicando os arranjos e as inter-relações de suas unidades constitutivas.Código Conarq O código de classificação de documentos de arquivo é um instrumento de trabalho utilizado para classificar todo e qualquer documento produzido ou recebido por um órgão no exercício de suas funções e atividades. Poluição/contaminantes É fundamental providenciar a protecção das espécies arquivísticas contra os efeitos nocivos da poluição urbana. o tempo de exposição e a proximidade das fontes de luz. No código de classificação. composto de três algarismos. eliminação. Márcia. devendo ainda em caso de solicitação dos mesmos para exposição ou consulta/acesso ser muito ponderada a sua disponibilização ao público. A partir da análise do trabalho de Pazin (2005) pode-se apresentar os seguintes tipos: Documentos de constituição : são os que dão origem a qualquer instituição e permitem sua existência enquanto organismo social como. Contrato Social: acordo entre duas ou mais pessoas que transferem entre si algum direito ou se sujeitam a alguma obrigação. nomeadamente os utilizados nos depósitos. Documentos de direção : são os documentos produzidos normalmente pela alta direção. como se segue: Classe 000. partindo-se sempre do geral para o particular. Documentos de comunicação e marketing: conjunto de meios e procedimentos utilizados pela instituição em sua interação com público. os quais refletem a hierarquia funcional do órgão. Documentos de reunião: são documentos que apresentam os encaminhamentos e resultados de deliberações para tomada de decisão: Edital de convocação: aviso público a mando de autoridade competente em órgão de imprensa. devendo nesses casos providenciar-se um acondicionamento que os proteja deste factor de degradação e efectuar uma vigilância constante. em dez subclasses e assim sucessivamente. portanto. Estatuto: lei orgânica que expressa formalmente os princípios que regem a organização.Classe 200. o sistema decimal de classificação por assuntos constitui-se num código numérico dividido em dez classes e estas. que apresentam a definição de rumos e a trajetória da instituição. encontram-se hierarquicamente distribuídos de acordo com as funções e atividades desempenhadas pelo órgão. tem-se: . em exposições temporárias ou na embalagem de obras para transporte.Classe 600. Proteger todos os itens da ação de deterioração produzida pela poluição urbana e também pela poeira.Para materiais hipersensíveis à luz. Implementação do uso de materiais estáveis. Desta forma. Área de saúde e segurança do trabalho. Área de treinamento e desenvolvimento de pessoas. A classificação define. Em outras palavras. transferência. Relatórios gerenciais: são documentos não-oficiais. seguindo-se o método decimal. através da utilização de acondicionamentos protectores. uma vez que o trabalho arquivístico é realizado com base no conteúdo do documento. Como o próprio nome indica. subclasses.Classe 500. PAZIN. locais de trabalho. Classe 400. os assuntos recebem códigos numéricos. definida através de classes. Políticas e normas: é atribuição da direção das instituições o estabelecimento de políticas que regulamentem sua atuação e funcionamento. Dossiê de eventos. Classe 800. incluindo Sala de Leitura. grupos e subgrupos. Relatório anual: exposição das atividades de uma administração ou de uma sociedade. registrando decisões ou ordens no âmbito de sua área de atuação. produzidos e utilizados por cada instituição de acordo com suas características de trabalho e com o sistema de gestão adotado. Classe 300. A classificação por assuntos é utilizada com o objetivo de agrupar os documentos sob um mesmo tema. seleção. Atenção com a iluminação de depósitos. Postado por Rosilda Nenhum comentário: CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO. o uso de filtros não é suficiente. que contribuam para a preservação das obras em todas as circunstâncias. visando à consecução de determinados objetivos. tendo sempre em atenção a utilização de produtos que não contenham aditivos nocivos aos materiais arquivísticos presentes. Providenciar a limpeza regular das salas e depósitos. é possível afirmar que não existem normas para o estabelecimento de tipos de documentos de empresas. Documentos de gestão de recursos humanos. o qual reflete a atividade que o gerou e determina o uso da informação nele contida. bem como dos contaminantes provenientes dos materiais comumente utilizados no dia-a-dia. As classes principais correspondem às grandes funções desempenhadas pelo órgão. nomeadamente amoniacais e cloros. Ata: registro resumido das ocorrências de uma reunião. constituindo-se em referencial básico para sua recuperação. de forma a reduzir a intensidade. tomando-se como exemplo a classe 000. Classe 700. Boletim interno ou jornal interno. tendo como objetivo o seu crescimento e desenvolvimento: Planejamento estratégico: é o processo que leva ao estabelecimento de um conjunto coordenado de ações. Contribui para a formação de uma imagem positiva da empresa. Postado por Rosilda 2 comentários: Tipologia Documental Em se tratando da tipologia documental dos arquivos empresariais. Manual de utilização de marca. As dez classes principais são representadas por um número inteiro. por sua vez. Elas são divididas em subclasses e estas. Arquivos de empresas: tipologia documental. atividades. recolhimento e acesso a esses documentos. Organograma: representação gráfica de uma organização ou de um serviço. Folder. Regimento: conjunto de normas que regem o funcionamento de uma instituição. como forma de agilizar sua recuperação e facilitar as tarefas arquivísticas relacionadas com a avaliação. Clipping.Classe 100. a organização física dos documentos arquivados. as funções. Comunicação e circulares. São Paulo: Associação de arquivistas de São Paulo. os quais recebem códigos numéricos. em grupos e subgrupos. por sua vez.

o qual inclui procedimentos e rotinas específicas que possibilitam maior eficiência e agilidade no gerenciamento e controle das informações. Postado por Rosilda Nenhum comentário: 02/10/08 PROCEDIMENTOS GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE PROTOCOLO RECEBIMENTO. PROCEDIMENTOS COM RELAÇÃO A PROCESSOS . as quais espelham a hierarquia dos assuntos tratados. utilizando o índice.CLASSE 000 ADMINISTRAÇÃO GERAL SUBCLASSE 010 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO GRUPO 012 COMUNICAÇÃO SOCIAL SUBGRUPOS 012. Localizar o(s) assunto(s) no Código de classificação de documentos de arquivo. por meio dos serviços da empresa de correios. 3. identificando o assunto principal e o(s) secundário(s) de acordo com seu conteúdo. a espécie do documento e o órgão emissor. Compõe ainda este código o índice. portanto. à classe. ou utilizando-se de meios próprios para efetuar a entrega. o nome. em caso de devolução. devolverá a correspondência ao remetente. no canto superior esquerdo. bem como nome e endereço do remetente. As demais classes (100 a 800) destinam-se aos assuntos relativos às atividades. em caso negativo. 2. para sua identificação . b) CODIFICAÇÃO: consiste na atribuição do código correspondente ao assunto de que trata o documento. cargo. 5. por seu representante legal ou procurador. Estas classes não são comuns. quando um documento oficial é encaminhado para um destinatário que não ocupa mais um determinado cargo.Conarq A classificação é uma das atividades do processo de gestão de documentos arquivísticos. A correspondência oficial expedida é encaminhada por intermédio do protocolo central do órgão ou entidade. A correspondência particular não é expedida pelas unidades de protocolo central ou setorial do órgão ou entidade. e providenciar a respectiva devolução. O Código de classificação de documentos de arquivo para a administração pública: atividades-meio. caso em que deverá ser anexado o instrumento de procuração. a) ESTUDO: consiste na leitura de cada documento. assunto e da data da emissão. A correspondência de caráter particular recebida pelas unidades de protocolo central ou setorial deverá ser encaminhada diretamente ao destinatário. do grupo à subclasse e desta. A referência cruzada é um mecanismo adotado quando o conteúdo do documento se refere a dois ou mais assuntos. correspondente a ASSUNTOS DIVERSOS. este(s) deverá(ão) receber a anotação do(s) código(s) correspondente(s). apondo o carimbo. Se está acompanhado dos respectivos anexos. A classificação deve ser realizada por servidores treinados.fim do órgão. Receber o documento para classificação. Esta subordinação é representada por margens. referente aos assuntos de ADMINISTRAÇÃO GERAL e a classe 900. ROTINAS CORRESPONDENTES ÀS OPERAÇÕES DE CLASSIFICAÇÃO 1. A correspondência oficial interna é encaminhada por intermédio do protocolo setorial. a empresa de correios poder localizar Ressalta-se que o documento oficial faz referência ao cargo do destinatário e não à pessoa que o ocupa. cabendo aos respectivos órgãos sua elaboração.11 CREDENCIAMENTO DE JORNALISTAS Note-se que os códigos numéricos refletem a subordinação dos subgrupos ao grupo. 4. possui duas classes comuns a todos os seus órgãos: a classe 000. Toda correspondência oficial deve conter. seguindo orientações da instituição arquivística na sua esfera específica de competência. deverá ser aberto. a fim de. instrumento auxiliar à classificação. OBS: Quando o documento possuir anexo(s). quando necessário. Preencher a(s) folha(s) de referência para os assuntos secundários. e identificando o motivo da devolução. Toda correspondência oficial deve ser acondicionada em envelope. O protocolo central receberá a correspondência e verificará se o destinatário ou a unidade pertencem ou não ao órgão ou entidade. no qual os assuntos são ordenados alfabeticamente e remetidos ao código numérico correspondente.1 RELAÇÕES COM A IMPRENSA 012. Se contém o comprovante de recebimento. Ler o documento. a espécie e número da correspondência. REGISTRO E DISTRIBUIÇÃO DE DOCUMENTOS Ao receber a correspondência e proceder à abertura do envelope. Postado por Rosilda Nenhum comentário: Classificação de Documentos . Anotar o código na primeira folha do documento. de acordo com as seguintes operações. a fim de verificar sob que assunto deverá ser classificado e quais as referências cruzadas que lhe corresponderão. endereço do destinatário. Se a correspondência será autuada ou não. destinatário. para as providências cabíveis. se for o caso. contendo. a pessoa responsável pelo serviço de protocolo deverá observar: Se está assinado pelo próprio remetente. seguido da sigla da unidade. do número de ordem.

preferencialmente. lacrarem o envelope do processo. obedecendo a ordem cronológica do mais antigo para o mais recente. sobrepondo-a à capa do processo principal e mantem-se os processos sobre as duas capas. na juntada por anexação. obedecendo a numeração já existente no principal. remessa para publicação. isto é. Na juntada por anexação. identificando as principais características do documento. ficando em segundo lugar o processo que contenha o pedido de juntada. número da folha e rubrica do servidor que estiver numerando o processo). conforme o número de páginas. pedido de cópia de processo. a juntada. presos por colchetes ou barbante. mantem-se as folhas de cada processo com sua numeração original. fisicamente. do órgão ou entidade. na primeira folha do processo. A dependência será caracterizada quando for possível definir um processo como principal e um ou mais como acessórios. renumerando as folhas seguintes. no entanto. utilizando-se tantas folhas quanto necessário. sem rasuras. Qualquer solicitação ou informação inerente ao processo faz-se por intermédio de despacho no próprio documento ou. nº. O documento não encadernado receberá numeração em seqüência cronológica e individual para cada peça que o constituir. a primeira folha. assunto e outras informações julgadas importantes. tais como convites para festividades. no entanto. com colchetes. deve ser descartado. A autuação de documentos classificados como “SECRETO”. no entanto. as unidades de protocolo central ou setorial. de forma sucinta. permanecerá vago o lugar correspondente à peça desentranhada. desarquivamento de processo e outros que. A prioridade na autuação e movimentação de processos deve contemplar documentos caracterizados como urgentes. apondo-se o carimbo da numeração de peças de tal forma que o canto superior direito do documento seja atingido pelo referido carimbo. por um documento original. esta providência ser consignada expressamente no “TERMO DE RESSALVA” a ser lavrado imediatamente após o “TERMO DE JUNTADA”. “CONFIDENCIAL” ou “RESERVADO” em geral é processada por servidor com competência para tal. O processo deve ser autuado. Renumera-se e rubrica-se as peças do processo acessório. apondo o carimbo “Em branco”. obedece em geral a seguinte rotina: Prende-se a capa. inutiliza-se a anterior. a ser incluída ao final do processo. sem rasuras. a identificação da unidade para a qual o processo será encaminhado. o número do processo acessório que foi juntado. formando um único conjunto. na renumeração do conjunto processado . for constatada a necessidade da correção de numeração de qualquer folha dos autos. o número 1. cola-se em folha de papel branco. não devam constituir processo.A autuação. Não se autua documentos que não devem sofrer tramitação.] Nos casos em que a peça do processo estiver em tamanho reduzido. referentes ao endereço do remetente. Lavra-se o “TERMO DE JUNTADA POR ANEXAÇÃO‟ na última folha do processo mais antigo. após a autuação. pode ser autuado utilizando-se uma cópia de documento. certificando-se da ocorrência. na juntada por apensação. mas. na capa do processo principal. devendo. Numera-se as folhas. da mesma forma que os demais documentos. Ex. inutiliza-se o espaço em branco da última folha de despacho. Quando. em sistema próprio. As mensagens e documentos resultantes de transmissão via fax não se constituem peças de processo. na capa. juntamente com toda a documentação. Retira-se a capa do processo acessório. interessado. a fim de permitir sua recuperação. antes. apondo o número do processo. os mais antigos serão os primeiros do conjunto. Anota-se. Se. Coloca-se na capa do processo. O envelope no qual veio a correspondência não será peça do processo. põe o respectivo carimbo (órgão. por falha ou omissão. recebendo. data. JUNTADA POR ANEXAÇÃO A juntada por anexação é feita quando há dependência entre os processos a serem anexados. aposto no canto superior direito da página.: espécie. respeitando as peculiaridades de cada órgão ou entidade. . em folha de despacho. Utiliza-se somente a frente da folha de despacho. também chamada formação de processo. o processo autuado e registrado para a unidade específica correspondente. o processo acessório contiver “TERMO DE RETIRADA DE PEÇA”. caso seja possível. a fim de extrair o assunto. procedência. Registrar-se em sistema próprio do órgão . devendo. JUNTADA POR APENSAÇÃO Observa-se. considerando-se que o servidor tem fé pública para autenticar documentos e fazer reconhecimento de firmas. No caso de inserção de novos documentos no processo. Nenhum processo poderá ter duas peças com a mesma numeração. Encaminha-se. clara e objetiva. Confere-se o registro e a numeração das folhas. apondo um “X” sobre o carimbo a inutilizar. outra etiqueta com o mesmo número de protocolo. NUMERAÇÃO DE FOLHAS E DE PEÇAS As folhas dos processos serão numeradas em ordem crescente. comunicação de posse. não permitido-se a inclusão de novas folhas até seu total aproveitamento. devendo ser utilizado carimbo próprio para colocação do número. as peças do conjunto processado são renumeradas a partir do processo acessório. a etiqueta com o respectivo número de protocolo. por sua natureza. anota-se as informações necessárias. Lê-se o documento. Coloca-se em primeiro lugar a capa e o conteúdo do processo principal. Registra-se. Coloca-se. a seguinte metodologia: mantem-se superposto um processo ao outro. o órgão de destino e o carimbo correspondente ao grau de sigilo. Coloca-se.

RECONSTITUIÇÃO DE PROCESSOS Havendo desaparecimento ou extravio de processo. DILIGÊNCIA Quando o processo envolver pessoas ou instituições estranhas à Administração Pública Municipal. Reconstitui o processo. A metodologia para a desapensação é: separa-se os processos. o “TERMO DEDESENTRANHAMENTO”. Coloca o despacho de encaminhamento em cada processo a ser desapensado. deve comunicar a o ocorrido. mediante sindicância ou processo administrativo disciplinar. A desapensação ocorre antes do arquivamento. utilizando-se o “TERMO DE DESMEMBRAMENTO”. resgatando as suas informações e obtendo cópias de documentos que o constituíam. TERMO DE REMESSA DE PROCESSO Deverá ser aposta na última folha informando a quantidade final de folhas.lavra-se o „TERMO DE JUNTADA POR APENSAÇÃO‟ na última folha do processo mais antigo. a ocorrência. após o último despacho. a juntada por apensação. Vencido o prazo. Estadual e Federal será feita através de correspondência expedida pelo setor de comunicação do órgão ou entidade que a solicitar. Pela expressa desistência do interessado. lavra-se. lavra-se o “TERMO DE DESAPENSAÇÃO‟ no processo que solicitou a juntada. sem o cumprimento da exigência. O processo que tiver folha ou peça retirada conservará a numeração original de suas folhas ou peças. ENCERRAMENTO DO PROCESSO E ABERTURA DE VOLUME SUBSEQÜÊNTE O encerramento dos processos dá-se: Por indeferimento do pleito. DESMEMBRAMENTO DE PEÇAS A separação de parte da documentação de um processo. Quando seu desenvolvimento for interrompido por período superior a um ano. Coloca-se o “TERMO DE DESMEMBRAMENTO” no local onde foram retirado os documentos. Procede-se à autuação dos documentos retirados. DESAPENSAÇÃO Após a decisão final. Independentemente das ações adotadas anteriormente. A convocação do interessado para cumprir diligência não pertencente à Administração Pública Municipal. do desaparecimento ou extravio do processo. Faz representação ao chefe da unidade a que estiver jurisdicionado. ocorrerá mediante despacho da autoridade competente. Registra-se. juntamente com o documento. a desapensação. citando o número do processo extraviado e o atual. Registra. DESENTRANHAMENTO DE PEÇAS A retirada de folhas ou peças ocorrerá onde se encontrar o processo. Atribui nova numeração ao processo reconstituído. Postado por Rosilda Nenhum comentário: . torna-se sem efeito a anotação da capa do processo feita à época da apensação. constando o número do processo. o servidor que primeiro tomar conhecimento do fato comunicará. para formar outro. procedência. o servidor responsável pela reconstituição do processo observa o seguinte procedimento: Ordena a documentação que caracteriza a busca de localização do processo dentro de uma capa. os processos poderão ser desapensados no protocolo setorial da unidade onde se encontrarem. apondo-se o carimbo de desentranhamento. mediante despacho prévio da autoridade competente. A autoridade administrativa que tiver ciência do fato promove sua apuração imediata. TERMO DE ARQUIVAMENTO OU DESARQUIVAMENTO O despacho que determina o arquivamento de processos dever ser motivado e contem a expressão “ARQUIVE-SE”. Quando a retirada de folhas ou peças for a pedido de terceiros. É vedada a retirada da folha ou peça inicial do processo. renumerando suas páginas. ficará em primeiro lugar. em sistema próprio. usa-se o carimbo de desentranhamento de peça. a quem compete autorizar a reconstituição do processo. Informa na folha inicial que aquele processo está sendo reconstituído. no sistema próprio. o órgão responsável anexará ao processo cópia da convocação expedida e o remeterá à instituição que determinou a diligência. Registra-se em sistema próprio. Sempre que houver retirada de folhas ou peças. anota-se na capa do processo que ficar em primeiro lugar o número do processo apensado. permanecendo vago o número de folha(s) correspondente(s) ao desentranhamento. pelo qual foi dado conhecimento à chefia. conforme segue:: Retira-se os documentos que constituirão outro processo. interessado e assunto e outras informações julgadas necessárias. por omissão da parte interessada. no ato da apensação. o protocolo geral é encarregado de convocar o interessado afim de cumprir a exigência. o qual. com o objetivo de prevenir eventual retirada ou inclusão de peças processuais. Pelo atendimento da solicitação e cumprimento dos compromissos arbitrados ou dela decorrentes. Estadual e Federal. onde consta o recibo da parte interessada.

filme. Assunto: descrição sumária do assunto a ser objeto de decisões e providências por meio da tramitação do processo ou expediente. mensagem. fotografia. Espécie: define a razão da natureza dos atos que lhes deram origem quanto à forma de registro de fatos. Por isso. também. é um invólucro utilizado para proteger o conjunto de folhas que compõem um processo e. Numeração única de processo: identifica ou caracteriza um processo. Realiza-se por anexação ou apensação. informações. produzidos e/ou recebidos por um órgão governamental na condução de suas atividades. manuscrito. Livro de encaminhamento: registra para onde se enviará ou remeterá o processo. constitui elemento de prova ou de informação. expressando os atos de seus produtores no exercício de suas funções. Atividade: ação. pareceres. jurídica ou privada. Os campos em branco deverão ser preenchidos pelo protocolista. telefax. que é incorporada ao processo para dar prosseguimento. Ex. micro gráficos. Folha de despacho/informação: onde se fazem despachos. telegrama. Atividade-fim: ação. Capa: emitida pelo SIGA quando da abertura de um novo número. prova e pesquisa. Atividade-meio: ação. encargo ou serviço de um órgão para atribuições específicas que resulta na produção e acumulação de documentos de caráter instrumental e acessório. Sobre Processos Anexar: união definitiva a um processo. informações. correspondências e documentos. Gerências e/ou Coordenadorias para decisão sobre o assunto. formas e conteúdos. revistas. Juntada por apensação: união provisória de um ou mais processos a um mais antigo. Apensar: união temporária a um processo. como aviso. Despacho: ordem de autoridade administrativa em caso que lhe é submetida à apreciação. apensado ao outro referente à solicitação de revisão de percepção para subsidiá-lo.Conceitos básicos. telex. Documento de arquivo: produzido e/ou recebido por uma pessoa física. e rubrica do protocolista. intimação. jornais. devendo constar do recebimento a data. resumo do assunto. contratos. ofício. O despacho pode ser favorável ou desfavorável à pretensão solicitada pelo administrador. de 16. consubstanciado assentamento sobre fatos ou ocorrências. Juntada: união de um processo a outro. Livro de distribuição de número dos atos de correspondência da Unidade: onde se gera e controla os atos de correspondência (ofícios. convênios) Numeração de peças: é a numeração atribuída às partes integrantes do processo. natureza do suporte ou formato. resultando em 17 dígitos. guarda. devendo ser acrescido de mais dois dígitos de verificação (DV). sonoros. De acordo com seus diversos elementos. local para fixar a etiqueta. unidade administrativa ou acadêmica expectante da decisão acerca do assunto que originou o processo. edital. iconográficos. a razão de sua origem ou a função pela qual é produzido determina a sua condição de arquivo. medalha. filmográficos. conforme Portaria nº. caracterizando a apensação do processo acessório ao processo principal. Deverão ser observados os documentos cujo conteúdo esteja relacionado a ações e operações contábil-financeiras. cartográficos. servidor público. decisões etc. refletindo as atividades a que se vincula. interessado. Livro de envio de documentação para malote: livro onde se registra todo material a ser enviado às Unidades. carta. destinada ao estudo e à uniformidade de tratamento em matérias semelhantes. exposição de motivos. referentes ao código numérico atribuído a . os documentos podem ser caracterizados segundo o gênero e a espécie.é a separação física de processos apensados por já terem se encerrado as ações pelas quais foram apensados. Assim. Autuar/formação de processo: ato de reunir em uma só pasta. é importante que todos os servidores tenham conhecimento dos conceitos e dos trâmites de processos.: um processo de solicitação de aposentadoria de servidor público federal. f) Atos de Correspondência: objetivam a execução dos atos normativos em sentido amplo. Juntada por anexação: união definitiva e irreversível de um ou mais processo(s)/documento(s) a outro processo (considerado principal) de mesmo interessado e assunto. data do protocolo. temos: a) Atos Normativos: são as regras e normas expedidas por autoridades administrativas. 3. Correspondência: a CDA é responsável pelo encaminhamento das correspondências aos Correios. Avaliação de documentos: identifica valores dos documentos para definição de seus prazos de guarda e de sua destinação. Desapensação . informáticos. como textuais. no exercício de suas atividades.2003. e atribui valor perante a Administração Pública Federal. visando a fundamentar uma solução. memorando. disco e fita magnética etc. b) Atos Enunciativos: são os opinativos que esclarecem os assuntos. DE 30 DE MAIO DE 2008 O trabalho de arquivo e protocolo tem sistemáticas próprias e termos específicos que designam atos ou tarefas. assunto.05. editais. Forma um conjunto orgânico. encargo ou serviço de um órgão para atribuições específicas que resulta na produção e acumulação de documentos de caráter substantivo e essencial para o seu funcionamento. estudo.01/10/08 Protocolo . a coleção inicial de documentos e registros de atos e fatos de natureza administrativo-jurídica relacionados ao mesmo assunto. e) Atos de Ajuste: são representados por acordos em que a administração pública é parte. Documento: toda informação registrada em um suporte material suscetível de ser utilizado para consulta. despachos e decisões de diversas unidades organizacionais de uma instituição. Livro de entrega de postagens: onde se registra todo material a ser enviado aos Correios. São fontes: livros. Gênero: define a representação nos diferentes suportes. triagem e distribuição interna. Portaria nº 592/GAB. circular. c) Atos de Assentamento: são os configurados por registros. Também são aqueles produzidos e/ou recebidos por instituições de caráter público e por entidades privadas responsáveis pela execução de serviços públicos. ou requeira análises. bem como pelo recebimento. Interessado/solicitante/procedência: pessoa física ou instituição. notificação. que pode ser identificada como atividade-meio ou atividade-fim. número do processo e sigla do setor de destino. Cartão de protocolo: papel encorpado (tipo papel cartão) para registro dos seguintes dados: nome do solicitante. da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento. Distribuição: remessa do processo às Diretorias. d) Atos Comprobatórios: são os que comprovam assentamentos. conforme a seguinte descrição: I . mediante determinação de uma autoridade competente. selo.o primeiro grupo é constituído de cinco dígitos. utilizada para formalizar juntada de documentos. É formada por 15 dígitos. encargo ou serviço decorrente do exercício de uma função. alvará. para trâmite generalizado. Documentos públicos: documentos de qualquer suporte ou formato. ou de um documento a um processo. Tomando por base os atos administrativos mais comuns em nossas estruturas de governo.

a aplicação das normas relacionadas à gestão de documentos de arquivos aprovadas pelo Chefe da Casa Civil da Presidência da República. disco ótico. brochura. Racionalizar a produção da documentação arquivística pública. Compete aos órgãos setoriais do SIGA: I. IV . Pode ser por intermédio de carimbo específico. indica o ano de formação do processo. mantendo-se inalterado. Pode ser por meio de carimbo específico. passagem aérea. o treinamento e a reciclagem dos servidores que atuam na área de gestão de documentos de arquivo. em seu âmbito de atuação e de seus seccionais. filme.MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 23059. 3º. integra o processo. Termo de desapensação: registra a separação física de dois ou mais processos apensados. Disseminar normas relativas à gestão de documentos de arquivo. Termo de encerramento de volume de processo: registra o encerramento de um volume de processo.promover a disseminação de normas técnicas e informações de interesse para o aperfeiçoamento do sistema junto aos órgãos setoriais do SIGA.CEFET-SP II . Procedência . papiro.cada unidade protocolizadora que identifica o órgão de origem do processo. resguardados os aspectos de sigilo e as restrições administrativas ou legais. o acesso aos documentos de arquivo e às informações neles contidas. contrato. Termo de abertura de volume de processo: nota utilizada para informar a abertura de um volume de processo. Protocolo setorial ou registro: reprodução dos dados do documento feita em sistema próprio. em conformidade com as normas aprovadas pelo Chefe da Casa Civil da Presidência da República. constituído de quatro dígitos. Termo de juntada de folha ou peça: registra a juntada de folha(s) ou peça(s) ao processo pode ser por meio de carimbo específico. nota fiscal.o segundo grupo é constituído de seis dígitos. separado do terceiro grupo por hífen. Pode ser por intermédio de carimbo específico. constituído de dois dígitos. 23000 a 23999 .o quarto grupo. III. Unidade protocolizadora: encarregada de dar suporte às atividades de recebimento e expedição de documentos no âmbito da Unidade a qual se pertence. Peça do processo: o documento que.o terceiro grupo. devendo número ser reiniciado a cada ano. II. Página do processo: é cada uma das faces de uma folha de papel do processo. nacionais e internacionais.implantar. Preservar o patrimônio documental arquivístico da Administração Pública Federal. durante a sua tramitação. sob diversas formas. Postado por Rosilda Nenhum comentário: 25/09/08 Gestão de documentos aplicadas aos arquivos governamentais. Integrar e coordenar as atividades de gestão de documentos de arquivo desenvolvidas pelos órgãos setoriais e seccionais que integram o SIGA. de forma ágil e segura. destinada a controlar a movimentação da correspondência e do processo e fornecer dados de suas características fundamentais aos interessados. Romaneio: máscara de identificação que vai anexada aos envelopes contendo a documentação a ser enviados às Unidades. fita de vídeo. o aperfeiçoamento. Compete ao órgão central do SIGA: I. Termo de apensamento: nota utilizada para indicar o que se apensou ao processo/expediente principal. necessário ao esclarecimento de um mesmo assunto. por meio de sistema próprio. IV. utilizados pelos órgãos que façam uso de rotinas automatizadas. pergaminho. Volume: abertura de nova pasta para processo/expediente quando a anterior atingir em média 300 folhas. papel. ao proceder a anexação foi constatada a ausência de uma peça. indica os Dígitos Verificadores (DV). Tramitação: movimentação do processo de uma unidade a outra. Termo de ressalva: informa que uma peça foi retirada do processo quando do ato da anexação.como órgão central: o Arquivo Nacional. de acordo com as faixas numéricas determinadas no art.SIGA O SIGA (Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo da Administração Pública Federal ) tem por finalidade: Garantir ao cidadão e aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal. originado por um documento que.acompanhar e orientar. com a finalidade de análise. termo de convênio. coordenar e controlar as atividades de gestão de documentos de arquivo. II. III. Trâmite: seqüência de diligência e ações prescritas para o andamento de documentos de natureza administrativa até seu julgamento ou solução. separados do primeiro por um ponto e determina o registro seqüencial dos processos autuados.estimular e promover a capacitação. V. folha de talão de cheque. . Ex: folha. Protocolo central: unidade junto ao órgão ou entidade encarregada dos procedimentos com relação às rotinas de recebimento e expedição de documentos e de correspondências. Suporte: material sobre o qual as informações são registradas (disco. financeira ou administrativa.orientar a implementação.como órgãos setoriais: as unidades responsáveis pela coordenação das atividades de gestão de documentos de arquivo nos Ministérios e órgãos equivalentes. junto aos órgãos setoriais do SIGA. disco magnético. fita magnética.instituição que originou o documento. separado do segundo grupo por uma barra. informações e decisões.promover e manter intercâmbio de cooperação técnica com instituições e sistemas afins. vídeo disco e outros). coordenação e controle das atividades e rotinas de trabalho relacionadas à gestão de documentos nos órgãos setoriais. interna ou externa. articular-se com os demais sistemas que atuam direta ou indiretamente na gestão da informação pública federal. Termo de retirada de folha ou peça: registra a retirada de folha(s) ou peça(s) do processo. Possui a mesma característica do AR (Aviso de Recebimento) dos Correios. Termo de reabertura de processo: informa a reabertura de um processo. III . isto é. entre outros.000000 . Integram o SIGA: I. Processo: é um conjunto de documentos que implica responsabilidade técnica. vai sendo instruído por despachos ou por anexações de outros documentos. Pode ser por meio de carimbo específico.como órgãos seccionais: as unidades vinculadas aos Ministérios e órgãos equivalentes. Termo de encerramento: registra o encerramento do processo. Unidade de procedência: local de origem do documento. Racionalizar e reduzir os custos operacionais e de armazenagem da documentação arquivística pública.

Comissão de Coordenação do SIGA: composição I. nacionais e internacionais. VII. integrantes do Sistema Nacional de Arquivos – SINAR. registro. a tabela de temporalidade e destinação de documentos de arquivo relativos às atividades-fim. IV. visam à modernização dos arquivos públicos do país. transferência e recolhimento ou eliminação de documentos de arquivo e ao acesso aos mesmos e às informações neles contidas. que a presidirá. de 3 de janeiro de 2002 co-responsabiliza os órgãos e entidades da Administração Pública Federal no processo de preservação dos documentos de valor permanente.coordenar a aplicação do código de classificação e da tabela de temporalidade e destinação de documentos de arquivo relativos as atividadesmeio. considerando a necessidade de avaliação e seleção da massa documental produzida.propor aos órgãos integrantes do Sistema as alterações e/ou adaptações necessárias ao aperfeiçoamento dos mecanismos de gestão de documentos de arquivo.avaliar os resultados da aplicação das normas e propor os ajustamentos que se fizerem necessários. assumindo a orientação. Política Nacional de Arquivos As ações desenvolvidas pelo Conselho Nacional de Arquivos – CONARQ. responsável pela coordenação do Sistema. II. O parágrafo 2º do artigo 216 da Constituição da República Federativa do Brasil determina que “Cabem à administração pública. desde a sua produção. e acompanhar a sua aplicação no seu âmbito de atuação e de seus seccionais.” Define que a transferência ou recolhimento de qualquer documento ao Arquivo Nacional exigirá prévia avaliação. vinculado ao Arquivo Nacional. por intermédio da Comissão Permanente de Avaliação de Documentos. com a “responsabilidade de orientar e realizar o processo de análise. avaliação e seleção da documentação produzida e acumulada no seu âmbito de atuação. III. Câmaras Setoriais. a serem implantadas nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal.promover e manter intercâmbio de cooperação técnica com instituições e sistemas afins. tendo em vista a identificação dos documentos para guarda permanente e a eliminação dos destituídos de valor. VI.um representante do órgão central. organização e acondicionamento. a fiscalização e o acompanhamento da política de gestão dos documentos federais. Comissões Especiais e Grupos de Trabalho. arquivamento.proporcionar aos servidores que atuam na área de gestão de documentos de arquivo a capacitação. nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal. o aperfeiçoamento. assegurando.073. A legislação existente impõe obrigações aos gestores públicos e co-responsabilizam todos os órgãos e entidades do Poder Público com o trato dos acervos arquivísticos governamentais. o treinamento e a reciclagem garantindo constante atualização.159. ao definir diretrizes da Política Nacional de Arquivos por meio de seu Plenário. dentre outras atividades. instituída para a Administração Pública Federal. agilizar a recuperação das informações nele contidas. guarda e acesso aos documentos. V. regulando matérias arquivísticas. cada vez mais. A despeito das tentativas empreendidas no setor público. na forma da . Determina que todos os órgãos e entidades da Administração Pública constituam suas Comissões Permanentes de Avaliação de Documentos.II. dentre outras. III. classificação e acesso a documentos sigilosos. seleção. Comissão de Coordenação do SIGA: competências I. sobre microfilmagem. vale dizer. A Gestão de Documentos A realidade arquivística brasileira aponta. assim. Os atos normativos aprovados e disseminados pelo Conselho vêm preencher graves lacunas que dificultavam a adequada gestão dos arquivos da administração pública. Orçamento e Gestão. diretrizes e normas relativas à gestão de documentos de arquivo. atua junto aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal em todo país. é fato que as dificuldades para implantação de sistemas de arquivo nos órgãos públicos são inúmeras. visando à padronização dos procedimentos técnicos relativos às atividades de produção. possibilitando. a eliminação criteriosa dos documentos destituídos de valor para guarda permanente e a preservação daqueles de valor informativo. Câmaras Técnicas. tramitação e uso até a sua destinação final. organização. empréstimo.coordenar a elaboração de código de classificação de documentos de arquivo. avaliação. visando à modernização e ao aprimoramento do Sistema. consulta. assim. em todos os níveis. Evidencia a necessária organização dos arquivos correntes. indicado pelo Ministro do Planejamento. preservação. viabilizando a implementação de políticas arquivísticas Cria o Conselho Nacional de Arquivos – CONARQ Reafirma princípios constitucionais no que tange à obrigação do Estado de promover a gestão de documentos e a publicização da informação governamental. significa o gerenciamento de todo o ciclo de vida dos documentos de arquivo. controle. expedição. tramitação. indicado pelo Ministro do Planejamento. designado pelo Diretor-Geral do Arquivo Nacional. II. classificação. para a necessidade de sistematização dos processos de tratamento. O CONARQ tem sido responsável pela sanção presidencial e aprovação de importantes decretos e resoluções. IV.os coordenadores das subcomissões dos Ministérios e órgãos equivalentes. após aprovação do Chefe da Casa Civil da Presidência da República. no seu âmbito de atuação e de seus seccionais. III. após aprovação do Arquivo Nacional. V. probatório ou histórico. A gestão de documentos. no seu âmbito de atuação e de seus seccionais. com base nas funções e atividades desempenhadas pelo órgão ou entidade.um representante do Sistema de Administração dos Recursos de Informação e Informática – SISP.propor políticas.o Diretor-Geral do Arquivo Nacional.elaborar.implementar e acompanhar rotinas de trabalho desenvolvidas. IV um representante do Sistema de Serviços Gerais – SISG. O Decreto nº 4. de 8 de janeiro de 1991 Marco jurídico de importância para o país. e aplicar. Postado por Rosilda Nenhum comentário: Gestão de documentos aplicadas aos arquivos governamentais A Lei de Arquivos: 8. Orçamento e Gestão. avaliação e eliminação de documentos. O Arquivo Nacional.assessorar o órgão central no cumprimento de suas atribuições.

que aguardam. dependendo do formato/gênero dos documentos. roubo. infiltrações etc. garantindo o desenvolvimento integrado das atividades arquivísticas nas fases corrente. Para poder desempenhar satisfatoriamente as suas funções. uma função constitucional como órgão singular na estrutura do Estado brasileiro. Então o ciclo pode ser categorizado em três fases ou arquivos: . Essa fase se diz na Arquivística que tem relação com a VIGÊNCIA do documento (a razão de ser do documento). o Arquivo necessita de uma estrutura básica que pode ser composto dos seguintes elementos: • Recursos Humanos • Instalações • Recursos Materiais RECURSOS HUMANOS A responsabilidade da execução das operações de arquivo dever ser confiada a pessoal competente e responsável para executar as operações de: a) Selecionar documentos b) Registrar documentos c) Estabelecer o método de classificação adequado d) Codificar documentos e) Ordenar documentos f) Arquivar documentos de acordo com o método adotado g) Conservar os documentos mantendo o arquivo organizado e atualizado h) Localizar documentos i) Controlar a saída de documentos do arquivo j) Transferir e descartar documentos k) Orientar e treinar usuários.Decreto nº 4. pastas A/Z ou outras. o técnico em arquivos deve possuir alguns requisitos indispensáveis. O SIGA – Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo da Administração Pública Federal . Arejamento: ventilação natural. O Arquivo Nacional exerce. a gestão da documentação governamental e as providências para franquear sua consulta a quantos dela necessitem”. bem cuidado. g) Possuir boa memória INSTALAÇÕES A instalação dos arquivos requer análise do seguintes aspectos: Localização: acessível (se for volumoso é preferível que seja no andar térreo devido ao peso) e que tenha capacidade de expandir-se. ação ou fato que motivou a sua produção e da sua frequência de uso.915. na esfera do Poder Executivo Federal. de 12 de dezembro de 2003 . RECURSOS MATERIAIS Mobiliário: ideal para os formatos e gêneros dos documentos produzidos que economize espaço. c) Conhecer abreviaturas importantes. que permita arrumação racional dos documentos e que apresente capacidade de expansão. Acessórios: pastas suspensas (frontais ou laterais).conjunto de documentos estreitamente vinculados aos objetivos imediatos para os quais foram produzidos ou recebidos no cumprimento de atividades-meio e atividades-fim e que se conservam junto aos órgãos produtores em razão de sua vigência e da freqüência com que são por eles consultados. Para desenvolver estas atividades.159. em depósito de armazenamento temporário. d) Possuir habilidade para ler e destacar as funções (ações) principais dos documentos. b) Conhecer as principais regras para classificar documentos. fácil consulta e conservação do acervo. pastas intercaladoras.conjunto de documentos originários de arquivos correntes. Obs. com uso pouco freqüente. Depois de destituído dessa vigência o documento pode ser guardado em função da importância das informações nele contidas. Observar também as etiquetas e projeções para que sejam ideais. As caixas devem ser resistentes e específicas para cada tipo de arquivo. mas. Com dedetização periódica. Segurança: contra incêndio. regulamentadora deste princípio constitucional. Postado por Rosilda 3 comentários: 24/09/08 ARQUIVOS CORRENTES E INTERMEDIÁRIOS ARQUIVO CORRENTE . seguro e resistente.: para os Arquivos Intermediários que são instalados em depósitos centralizados. para a história da administração ou mesmo para tomadas de decisões pautadas nas ações do passado. difusa. o ideal é o uso de Caixas para o armazenamento de documentos. dentre os quais : a) Estar ao par de todas as atividades e interesses da Instituição e da sua Área de atuação. 8 de janeiro de 1991. A Lei nº 8. isto é sem que tenha incidência direta do sol. e) Ser leal e discreto. constante e regulável. Higienização: limpo. para exercer não só a gestão documental como também para acompanhar e implementar a política nacional de arquivos. intermediária e permanente.Idade dos arquivos Idade dos Arquivos O ciclo de vida de um arquivo é contado a partir da produção do documento e do encerramento do ato. identifica o Arquivo Nacional como o órgão competente. portanto.lei. Disposição: (lay out): espaço livre para locomoção. ARQUIVO INTERMEDIÁRIO . f) Ser metódico. Iluminação: ampla. A criação do SIGA representa um passo importante e indispensável para se promover à necessária articulação dos arquivos federais nos moldes legais e tecnicamente corretos. sua destinação final. Postado por Rosilda Nenhum comentário: Noções de Técnicas de Arquivo.

sua destinação final. caderno.Tipo de documento: é a configuração que assume um documento de acordo com a atividade que a gerou. O documento pode ser : Simples (ofício. em função do seu valor. cd-rom. Tabela Salarial Postado por Rosilda Nenhum comentário: NOÇÕES BÁSICAS DE ARQUIVOS A Associação de Arquivistas Brasileiros adota a seguinte definição: “ Arquivo é o conjunto de documentos que.Documentos Documento é a unidade constituída pela INFORMAÇÃO (elemento referencial ou dado) e seu SUPORTE (material. filmes. organograma) 3. Boletim de Notas e Frequência de Alunos. pelo tratamento documental e pela utilização dos arquivos sob sua jurisdição. iconográfico (obras de arte. Exemplo: Sistema de Arquivos da Unicamp Postado por Rosilda Um comentário: . Regimento de Departamento. e devem naturalmente refletir as suas atividades. Exemplos: ata. porque fazem parte do conjunto de seus produtos. mapa etc. livro. fitas). São muito usados pela administração. são reunidos por acumulação ao longo das atividades de pessoas físicas ou jurídicas.e Pessoais (fotos de família. de projetos de pesquisa e de relatórios de atividades. folha.) 4. Prontuário Médico. 2. roupas). relatório. de fotografias etc. São conhecidos como Arquivos especializados Sistema de Arquivos Sistema é um conjunto de arquivos de uma mesma esfera governamental ou de uma mesma entidade.Arquivo Corrente ou de Gestão – também conhecido como de Primeira Idade ou Ativo. Exemplos: audiovisual (filmes). e os gêneros em que se apresentam dentro de um Arquivo. companhias) . Gênero: configuração que assume um documento de acordo com o sistema de signos utilizado na comunicação de seu conteúdo. Portanto. clubes. ofício. Institucionais (escolas. públicas ou privadas”. Os conjuntos de atas de reuniões da Diretoria. originais de trabalhos etc) Temos também os Arquivos que guardam e organizam documentos cujas informações são registradas em suportes diferentes do papel: discos. Arquivo também pode ser definido como a entidade ou órgão administrativo responsável pela custódia. proposta.DAME do Hospital de Clínicas Tipos de Arquivos Arquivos podem ser classificados em: Públicos (federal. associações). São Arquivos que aguardam em depósito de armazenamento temporário. tridimensionais (esculturas. diploma. funcionam de modo integrado e articulado na consecução de objetivos técnicos comuns. atestado. cartas. carta. igrejas sociedades. Arquivo Intermediário – também conhecido como de Segunda Idade ou SemiAtivo. São os conjuntos documentais custodiados em caráter definitivo. ficha. municipal).magnéticos/informáticos (disquetes. rolo. as espécies. cartaz. fonográfico (discos. textual(documentos escritos de uma forma geral). constituem-se o Arquivo de uma Unidade por exemplo. fotografias. são variados os tipos de documentos produzidos e acumulados. planta. requerimento. Arquivo Central da Unicamp Ex. Espécie: é a configuração que assume um documento de acordo com a disposição e a natureza das informações nesse contidas. que independentemente da posição que ocupam nas respectivas estruturas administrativas. produzida em decorrência do cumprimento de uma ATIVIDADE. base).” Postado por Rosilda Nenhum comentário: Noções de Técnicas de Arquivo. São conjuntos de documentos estreitamente vinculados aos objetivos imediatos para os quais foram produzidos e que se conservam junto aos órgãos produtores em razão de sua vigência e frequência de uso. Boletim de Atendimento de Urgência. Formato: é a configuração física de um suporte de acordo com a sua natureza e o modo como foi confeccionado: Exemplos: formulários. Existem aqueles que guardam documentos gerados por atividades muito especializadas como os Arquivos Médicos. slides. de boletins de notas. O acesso é público. pública ou privada. Comerciais (empresas. Atenção: Por descuido e desinformação. de Imprensa. devido a frequência de uso e mesmo pelo perfil do usuário. Literários e que muitas vezes precisam ser organizados com técnicas e com materiais específicos. Exemplos: Ata de Posse. 1. independentemente da natureza ou do suporte. fitas e são chamados de Especiais. mais os conjuntos de prontuários médicos. Arquivo Permanente – também conhecido como de Terceira Idade ou Histórico. relatório. Processo de Vida Funcional. objetos. bem como são diferentes os formatos. microficha. muitas vezes o Arquivo é considerado “morto” ou “inativo”. negativos. Lembre-se “É importante saber estes conceitos porque os métodos de organização em cada fase do ciclo poderá sofrer algumas diferenças. microformas. tira de microfilme. Ex. de Engenharia. estadual. ficha de atendimento) ou Composto (Processo) Natureza dos Documentos Sabemos que as organizações desenvolvem diversas atividades de acordo com as suas atribuições e os documentos refletem essas atividades. Estes podem fazer parte de um Arquivo mais completo. corporações. Apresenta pequena frequência de uso pela administração..

14. § 2º São Arquivos Estaduais o arquivo do Poder Executivo. uso. mesmo sem movimentação. bem como por pessoa física. que serão prestadas no prazo da lei. Art. avaliação e arquivamento em fase corrente e intermediária. 3º Considera-se gestão de documentos o conjunto de procedimentos e operações técnicas à sua produção. Art. § 1º Consideram-se documentos correntes aqueles em curso ou que. Para o pleno exercício de suas funções. Consideram-se arquivos privados os conjuntos de documentos produzidos ou recebidos por pessoas físicas ou jurídicas. para os fins desta lei. Art. instituições de caráter público e entidades privadas. e acompanhar e implementar a política nacional de arquivos. o Arquivo do Poder Legislativo e o arquivo do Poder Judiciário. estadual. sob pena de responsabilidade. desde que sejam considerados como conjuntos de fontes relevantes para a história e desenvolvimento científico nacional. Os registros civis de arquivos de entidades religiosas produzidos anteriormente à vigência do Código Civil ficam identificados como de interesse público e social. Os arquivos privados identificados como de interesse público e social poderão ser depositados a título revogável. do Distrito Federal e municipal em decorrência de suas funções administrativas. civil e administrativa. em decorrência do exercício de atividades específicas. ou doados a instituições arquivísticas públicas. Os arquivos privados podem ser identificados pelo Poder Público como de interesse público e social. 12. nem transferidos para o exterior. faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: CAPÍTULO I Disposições Gerais Art. do Ministério das Relações Exteriores. Art. Art. bem como à inviolabilidade da intimidade. tramitação. Parágrafo único. no exercício de suas atividades. § 1º São também públicos os conjuntos de documentos produzidos e recebidos por instituições de caráter público. Compete ao Arquivo Nacional a gestão e o recolhimento dos documentos produzidos e recebidos pelo Poder Executivo Federal. por órgãos públicos de âmbito federal. em decorrência de suas atividades. CAPÍTULO IV Da Organização e Administração de Instituições Arquivísticas Públicas Art. CAPÍTULO III Dos Arquivos Privados Art. 13. 10º. 17. Art. § 2º Consideram-se documentos intermediários aqueles que. § 5º Os arquivos públicos dos Territórios são organizados de acordo com sua estrutura políticojurídica. do Distrito Federal e municipais. contidas em documentos de arquivos. os conjuntos de documentos produzidos e recebidos por órgãos públicos. intermediários e permanentes. Art. ao desenvolvimento científico e como elementos de prova e informação. 5º A Administração Pública franqueará a consulta aos documentos públicos na forma desta lei. 11. da honra e da imagem das pessoas. o arquivo do Poder Legislativo e o arquivo do Poder Judiciário. probatório e informativo que devem ser definitivamente preservados. aguardam a sua eliminação ou recolhimento para guarda permanente. estaduais. também. Os arquivos privados identificados como de interesse público e social não poderão ser alienados com dispersão ou perda da unidade documental. legislativas e judiciárias. constituam de consultas freqüentes. 4º Todos têm direito a receber dos órgãos públicos informações de seu interesse particular ou de interesse coletivo ou geral. 1º É dever do Poder Público a gestão documental e a de proteção especial a documentos de arquivos. O acesso aos documentos de arquivos privados identificados como de interesse público e social poderá ser franqueado mediante autorização de seu proprietário ou possuidor. Parágrafo único. visando a sua eliminação ou recolhimento para guarda permanente. à cultura. o Arquivo Nacional poderá criar unidades . A administração da documentação pública ou de caráter público compete às instituições arquivísticas federais. Os documentos de valor permanente são inalienáveis e imprescritíveis. 16. Art. § 1º São Arquivos Federais o Arquivo Nacional do Poder Executivo. DE 8 DE JANEIRO DE 1991. § 4º São Arquivos Municipais o arquivo do Poder Executivo e o arquivo do Poder Legislativo. 18. Na alienação desses arquivos o Poder Público exercerá preferência na aquisição. Art. bem como preservar e facultar o acesso aos documentos sob sua guarda. 6º Fica resguardado o direito de indenização pelo dano material ou moral decorrente da violação do sigilo.159.23/09/08 Noções de Técnicas de Arquivo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Art. 15. e os arquivos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário. do Ministério do Exército e do Ministério da Aeronáutica. 7º Os arquivos públicos são os conjuntos de documentos produzidos e recebidos. 8º Os documentos públicos são identificados como correntes. Art.LEI No 8. por entidades privadas encarregadas da gestão de serviços públicos no exercício de suas atividades. § 2º A cessação de atividades de instituições públicas e de caráter público implica o recolhimento de sua documentação à instituição arquivística pública ou a sua transferência à instituição sucessora. da vida privada. CAPÍTULO II Dos Arquivos Públicos Art. Art. 9º A eliminação de documentos produzidos por instituições públicas e de caráter público será realizada mediante autorização da instituição arquivística pública. na sua específica esfera de competência. do Poder Executivo os arquivos do Ministério da Marinha. ressalvadas aquelas cujos sigilo seja imprescindível à segurança da sociedade e do Estado. qualquer que seja o suporte da informação ou a natureza dos documentos. não sendo de uso corrente nos órgãos produtores. Art. como instrumento de apoio à administração. São considerados. sem prejuízo das ações penal. Art. § 3º São Arquivos do Distrito Federal o arquivo do Poder Executivo. 2º Consideram-se arquivos. por razões de interesse administrativo. § 3º Consideram-se permanentes os conjuntos de documentos de valor histórico.

24. Competem aos arquivos do Poder Legislativo Federal a gestão e o recolhimento dos documentos produzidos e recebidos pelo Poder Legislativo Federal no exercício das suas funções. a contar da sua data de produção. por uma única vez. Decreto fixará as categorias de sigilo que deverão ser obedecidas pelos órgãos públicos na classificação dos documentos por eles produzidos. Parágrafo único. § 1º O Conselho Nacional de Arquivos será presidido pelo Diretor-Geral do Arquivo Nacional e integrado por representantes de instituições arquivísticas e acadêmicas. § 1º Os documentos cuja divulgação ponha em risco a segurança da sociedade e do Estado. determinar a exibição reservada de qualquer documento sigiloso. Art. 28. Art. a contar da data de sua produção. 19. da vida privada. aquele que desfigurar ou destruir documentos de valor permanente ou considerado como de interesse público e social. que definirá a política nacional de arquivos. Legislação estadual. órgão vinculado ao Arquivo Nacional. e pub. Fica criado o Conselho Nacional de Arquivos (Conarq). É assegurado o direito de acesso pleno aos documentos públicos. FERNANDO COLLOR Jarbas Passarinho [Diário Oficial da União. públicas e privadas. em 28 de janeiro de 1991] . por igual período. § 3º O acesso aos documentos sigilosos referente à honra e à imagem das pessoas será restrito por um prazo máximo de 100 (cem) anos. Art. restringir o disposto neste artigo. Art. Art. em qualquer instância. Art. 21. § 2º A estrutura e funcionamento do conselho criado neste artigo serão estabelecidos em regulamento. 23. como órgão central de um Sistema Nacional de Arquivos (Sinar). 22. 20. 26. Disposições Finais Art. ret. sempre que indispensável à defesa de direito próprio ou esclarecimento de situação pessoal da parte. Poderá o Poder Judiciário. tramitados em juízo e oriundos de cartórios e secretarias. observado o disposto na Constituição Federal e nesta lei. na forma da legislação em vigor. por qualquer forma.regionais. CAPÍTULO V Do Acesso e do Sigilo dos Documentos Públicos Art. 25. da honra e da imagem das pessoas são originariamente sigilosos. podendo esse prazo ser prorrogado. bem como a gestão e o acesso aos documentos. civil e administrativa. Nenhuma norma de organização administrativa será interpretada de modo a. de 09 janeiro de 1991. Revogam-se as disposições em contrário. § 2º O acesso aos documentos sigilosos referentes à segurança da sociedade e do Estado será restrito por um prazo máximo de 30 (trinta) anos. 27. Competem aos arquivos do Poder Judiciário Federal a gestão e o recolhimento dos documentos produzidos e recebidos pelo Poder Judiciário Federal no exercício de suas funções. bem como preservar e facultar o acesso aos documentos sob sua guarda. bem como aqueles necessários ao resguardo da inviolabilidade da intimidade. Esta lei entra em vigor na data de sua publicação. Art. do Distrito Federal e municipal definirá os critérios de organização e vinculação dos arquivos estaduais e municipais. Ficará sujeito à responsabilidade penal. Art. bem como preservar e facultar o acesso aos documentos sob sua guarda.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->