Você está na página 1de 3

Dica 22: Conector de octanagem 05/2001

Na edição passada, abordamos o sensor de detonação. Nesta edição falaremos sobre o conector de
octanagem e o porquê da existência desse importante componente.

O conector de octanagem é sem dúvidas um dos mais discretos componentes existentes nos sistemas de
injeção eletrônica. Para que possamos compreender sua função devemos antes conhecer o significado da
palavra octanagem. De maneira simplificada, pode-se dizer que octanagem é a denominação dada à
capacidade que um combustível tem de resistir à compressão, sem entrar em auto-ignição. Quanto maior a
octanagem, maior será a resistência à detonação.

No projeto de um motor, a octanagem do combustível que será utilizado no mesmo é um dos principais
parâmetros para a determinação de sua taxa de compressão, curvas de avanço de ignição e tempo de injeção.
A octanagem da gasolina pode ser classificada pelos métodos RON, MON e AKI.

No método RON é avaliado o quanto o combustível resiste à detonação quando o motor está em regime de
plena carga, em baixas rotações.

No método MON é avaliado o quanto o combustível resiste à detonação quando o motor está em regime de
plena carga, em altas rotações.

O AKI ou índice de octanagem é a média entre o RON e o MON (RON MON/2).

No Brasil a gasolina comum é especificada com 86 unidades para o AKI (valor mínimo) e com MON mínimo de
80 unidades. A premium é especificada com AKI de 91 unidades.

A octanagem da gasolina sofre variações de um país para o outro. Por exemplo, a gasolina comum brasileira
possui octanagem RON mínima de 92 unidades. A similar Argentina possui RON de 86 unidades. Isso significa,
nesse caso, que a gasolina brasileira resiste mais à detonação,em baixas rotações, que a Argentina. Se um
motor projetado para as condições nacionais fosse alimentado com a referida gasolina Argentina, teríamos um
baixo rendimento devido às excessivas detonações "grilagem") que surgiriam.

O conector de octanagem tem a função de adequar as curvas de avanço de ignição à octanagem do


combustível utilizado. Esse componente, pode ser encontrado na forma de um conector elétrico (jumper),
fusível ou um resistor calibrado. Como exemplo de aplicação, temos o Fiesta com motor endura (uce com 60
terminais), que possui conector de octanagem tipo fusível. Este fusível liga o terminal 27 da central que controla
o sistema de injeção eletrônica-UCE à massa. Quando a UCE detecta aterramento no terminal 27, adota curvas
de avanço de ignição apropriadas a gasolina nacional. Se detectar circuito aberto no terminal 27 (se o fusível for
retirado) passa a trabalhar com curvas de avanço mais brandas (atrasa o ponto de ignição). Dessa forma torna-
se possível alimentar o motor com um combustível de octanagem menor. Portanto, a utilização do conector de
octanas possibilita a exportação dos veículos sem a necessidade de se efetuar mudanças significativas no
motor e no sistema de injeção eletrônica.

O incorreto posicionamento do conector de octanas pode provocar sensíveis perdas de rendimento no motor.
Por isso, em todas as revisões verifique o seu correto posicionamento.

27679785.doc 1
Dica

A seguir apresentamos a localização e o correto posicionamento dos principais conectores de octanagem


encontrados no mercado nacional :

Veículos Ford Fiesta 1.0, Fiesta 1.3, Fiesta 1.4, Courier 1.3 e Courier 1.4
Com o fusível instalado: Curvas de avanço compatíveis com o combustível nacional.
Sem o fusível instalado: Curvas de avanço ideais para combustíveis de menor octanagem que o nacional.

Veículos Ford Escort 1.8 16V - Motor Zetec


Com o conector ligado: Curvas de avanço compatíveis com o combustível nacional.
Com o conector desligado: Curvas de avanço ideais para combustíveis de menor octanagem que o nacional.

Veículos GM Omega/Suprema 2.0/3.0 gasolina (92 a 94)


Conector na posição 95: Curvas de avanço compatíveis com o combustível nacional.
Conector na posição 91: Curvas de avanço ideais para combustíveis de menor octanagem que o nacional.

27679785.doc 2
Veículos GM Vectra 2.0 gasolina (até 96) e Astra 2.0 gasolina (93 a 98)
Conector na posição 95: Curvas de avanço compatíveis com o combustível nacional.
Conector na posição 91: Curvas de avanço ideais para combustíveis de menor octanagem que o nacional.

Veículos GM Corsa EFI 1.0/1.4


Conector na posição 95: Curvas de avanço compatíveis com o combustível nacional
Conector na posição 91: Curvas de avanço ideais para combustíveis de menor octanagem que o nacional.

27679785.doc 3