Você está na página 1de 138

ORIENTAÇÕES CURRICULARES

ENSINO FUNDAMENTAL
Séries e Anos Finais
Governador do Distrito Federal
José Roberto Arruda

Secretário de Estado de Educação

José Luiz da Silva Valente

Secretária-Adjunta
Eunice de Oliveira Ferreira Santos

Subsecretária de Educação Básica


Ana Carmina Pinto Dantas Santana
Sumário
• Orientações Curriculares • História
Introdução .............................................................. 6 Apresentação ....................................................... 69
• Arte 6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................... 71
Apresentação ......................................................... 9 7º ANO / 6ª SÉRIE ............................................... 73
Artes visuais 8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................... 75
6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................... 10 9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................... 77
7º ANO / 6ª SÉRIE ............................................... 11
8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................... 12 • LEM - Língua estrangeira moderna
9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................... 13 Apresentação ....................................................... 79
Teatro Inglês
6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................... 14 6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................... 80
7º ANO / 6ª SÉRIE ............................................... 15 7º ANO / 6ª SÉRIE ............................................... 82
8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................... 16 8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................... 84
9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................... 17 9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................... 86
Música Espanhol
6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................... 18 6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................... 89
7º ANO / 6ª SÉRIE ............................................... 19 7º ANO / 6ª SÉRIE ............................................... 91
8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................... 20 8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................... 93
9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................... 21 9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................... 95
• Língua Portuguesa Francês
Apresentação ....................................................... 22 6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................... 97
6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................... 26 7º ANO / 6ª SÉRIE ............................................... 99
7º ANO / 6ª SÉRIE ............................................... 32 8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................. 101
8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................... 39 9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................. 104
9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................... 46 • Ciências Naturais
• Educação Física Apresentação ..................................................... 107
Apresentação ....................................................... 54 6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................. 109
6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................... 55 7º ANO / 6ª SÉRIE .............................................. 111
7º ANO / 6ª SÉRIE ............................................... 56 8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................. 112
8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................... 57 9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................. 114
9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................... 58 • Matemática
• Geografia Apresentação ..................................................... 116
Apresentação ....................................................... 59 6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................. 122
6º ANO / 5ª SÉRIE ............................................... 61 7º ANO / 6ª SÉRIE ............................................. 126
7º ANO / 6ª SÉRIE ............................................... 63 8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................. 130
8º ANO / 7ª SÉRIE ............................................... 65 9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................. 133
9º ANO / 8ª SÉRIE ............................................... 67
Aos Professores,

É com orgulho que apresento o presente documento, Orientações Curriculares


da Educação Básica do Distrito Federal, cujo objetivo é nortear o processo de
ensino e aprendizagem em nossas escolas a partir do ano letivo de 2009.

Este documento concretiza a missão da SEDF de atuar de forma eficien-


te e eficaz no desenvolvimento de estratégias que garantam o direito da
população do Distrito Federal à Educação Básica de qualidade, respeitan-
do e potencializando as diferenças para o exercício pleno da cidadania.

Destinado aos professores e equipes técnicas, é o resultado de uma cons-


trução coletiva que envolveu docentes de todas as DREs – Diretorias
Regionais de Ensino, durante o segundo semestre de 2008, concomitan-
temente à elaboração do SIADE, Sistema de Avaliação do Desempenho
das Instituições Educacionais do Sistema de Ensino do Distrito Federal.

A ideia central deste projeto é o trabalho compartilhado, a reflexão solidária e a


aprendizagem em parceria, para que na prática do dia a dia o corpo docente
desta Rede de Ensino possa atualizar e aprimorar seu fazer de modo demo-
crático dentro do marco de nossa política de Gestão Compartilhada.

Desejo a todos nós a continuidade de um excelente trabalho.

JOSÉ LUIZ DA SILVA VALENTE


Secretário de Educação do Distrito Federal
Orientações Curriculares
Educação Básica – Ensino Fundamental – Séries e Anos Finais

Introdução
O principal objetivo da educação básica é preparar o aluno para o exercício da cidadania, por meio da
socialização no espaço escolar de conhecimentos, competências, habilidades, valores e atitudes.
Seus princípios estruturantes são: a diversidade de experiências e vivências pessoais dos alunos; a resolu-
ção de problemas de diferentes tipos; o domínio da palavra escrita como ferramenta para compreender o mundo; o
conhecimento como recurso para tomar decisões.
Isso implica necessariamente a decisão sobre quais conteúdos devem ser ensinados e aprendidos na esco-
la, ou seja, como a instituição educacional vai desenvolver e organizar seu currículo, como um conjunto de ativida-
des sistemáticas de ensino-aprendizagem que visam a atender os objetivos e princípios previstos para a educação
escolar.
Os conteúdos escolares refletem os significados e valores culturais e sociais que foram e são construídos no
infinito processo de interação do homem com o mundo natural e social.
Esses conteúdos são atualizados nas práticas de sala de aula quando o professor escolhe as metodologias
mais adequadas para a aprendizagem, os recursos didáticos, os processos de avaliação e recuperação.
Os conteúdos, quando associados às competências e habilidades que os alunos desenvolvem para transfor-
má-los em conhecimento, podem ser expressos em termos das expectativas de aprendizagem, ou seja de um
conjunto de “fazeres e saberes” possíveis a partir da apropriação destes conteúdos, não apenas como algo que se
repete na memória como o que resulta de operações mentais simples ou complexas que envolve obrigatoriamente
os sujeitos da aprendizagem- os alunos.
Desta forma, ao apresentarmos os conteúdos relacionados às aprendizagens que esperamos que nossos
alunos desenvolvam, estamos também relacionando-as às reais possibilidades de construção de conhecimentos
dos alunos em suas diferentes etapas de desenvolvimento cognitivo, afetivo, relacional.
O professor é o condutor desse desenvolvimento pessoal, por isso sua função é indispensável nesse proces-
so. Isso inclui um plano, anteriormente elaborado, e uma avaliação desse plano para que ele possa compreender o
desenvolvimento de cada aluno em particular e rever a sua ação em sala de aula.
A indicação de expectativas de aprendizagem pelo sistema de ensino do Distrito Federal procura responder
às solicitações dos educadores da rede que buscam referenciais comuns para organizar, acompanhar e implemen-
tar os projetos político-pedagógicos das escolas.
O documento ora apresentado colabora nesse sentido uma vez que apresenta expectativas de aprendizagem deta-
lhadas por série / ano dos ensinos fundamental e médio para todos os componentes curriculares previstos no currículo.
As expectativas não substituem os planos dos professores, pois esses são singulares e refletem as diversas
realidades locais que devem ser consideradas pela instituição educacional. A indicação das expectativas de apren-
dizagem busca auxiliar na definição desses planos dos professores. Elas foram articuladas considerando os se-
guintes critérios indicados no currículo do Distrito Federal:
• A relevância social e cultural da aprendizagem dos conteúdos escolares
• O construto das disciplinas
• A relação didática entre os componentes curriculares

6 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


• A potencialidade de desenvolvimento de competências e habilidades comuns pelos alunos em cada faixa etária
• A leitura e escrita como responsabilidade de todos os componentes curriculares.
As expectativas refletem aquilo que se espera que os alunos aprendam na escola, traduzindo em práticas os
objetivos e princípios previstos nos documentos curriculares organizados pelo Distrito Federal.
As expectativas apresentam quatro funções básicas:
1. Constituem referenciais para a realização de avaliação diagnóstica dos conhecimentos já dominados (ou não)
pelos alunos em cada ano / componente curricular, levando-se em conta a implantação do novo currículo.
2. São indicadores de acompanhamento das aprendizagens básicas dos alunos ao longo dos anos escolares,
procurando garantir que elas se consolidem, e indicando a necessidade de processos de recuperação.
3. São referenciais mínimos para a análise das aprendizagens esperadas e consolidadas dos alunos e as
necessidades de revisão do planejamento, inclusive avaliando o grau de implantação do próprio currículo
oficial proposto.
4. Oferecem maior clareza entre os elos que interligam o currículo proposto pela SEDF e as Matrizes de
Referência para a Avaliação do Sistema de Avaliação do Desempenho das Instituições Educacionais do
Sistema de Ensino do Distrito Federal- SIADE.
Estas Orientações Curriculares, ora apresentadas, serão discutidas ao longo dos anos letivos de 2009
e 2010, junto aos professores regentes, para que possamos, no início do ano letivo de 2011, disponibilizar o
Currículo da Educação Básica para todos os profissionais, que atuam na Rede Pública de Ensino do Distrito
Federal, observadas as sugestões emanadas dos citados professores, a partir da realidade observada no
cotidiano da sala de aula.

Competências da Educação Básica


1. Percepção de si como pessoa, pertencente a um grupo social, em suas diversidades, capaz de relacionar-
se e de intervir nas práticas sociais, culturais, políticas e ambientais, consciente de seus direitos e
deveres.
2. Apreensão da norma padrão da língua portuguesa e a compreensão de suas variedades linguísticas e de
várias linguagens: corporal, verbal e escrita, literária, matemática, artísticas, científica, tecnológica, filosó-
fica e midiática, na perspectiva do letramento, bem como acesso ao conhecimento de uma língua estran-
geira, construindo e aplicando conceitos, para entender a si próprio e ao mundo, e ampliar sua visão,
contribuindo para sua plena participação social.
3. Conhecimento e compreensão das semelhanças e diferenças culturais, religiosas, étnico-raciais, geracio-
nais e de gênero, a fim de valorizar a sociodiversidade, ampliar a capacidade crítico-reflexiva, articulada à
formação para o mundo do trabalho, priorizando a ética, o desenvolvimento da autonomia e do pensamento.

Competências definidas para o Ensino Fundamental


1. Apropriação de conhecimentos, articulando-os e aplicando-os para elaboração de propostas que possam
intervir na realidade, desenvolvendo a cooperação, coletividade, solidariedade e cidadania.
2. Compreensão das diferentes linguagens: corporal, verbal/escrita, matemática e artística, científica e tec-
nológica, na perspectiva do letramento, construindo e aplicando conceitos das várias áreas de conheci-
mento para entender o mundo e a plena participação social.
3. Identificação das semelhanças e diferenças culturais, religiosas, étnico-raciais e de gênero, valorizando a
sociodiversidade e opondo-se à exclusão social e à discriminação.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 7


4. Compreensão dos fenômenos naturais, dos processos histórico-geográficos, da produção tecnológica e
científica e das manifestações socioculturais colocando-se como sujeito que observa, investiga e transfor-
ma as situações e, com isso, transforma a si mesmo.
5. Interpretação, seleção e organização de informações e dados apresentados por diferentes fontes para
decidir e resolver situações-problema.

Da organização do documento
Com base no currículo proposto para as Instituições Educacionais Públicas do Distrito Federal (Brasília –
2008), foram elaboradas algumas sugestões de modificação, com a devida argumentação teórica que as justifica
seja por supressão ou introdução de conteúdos; seja por sugestão de novo ordenamento de conteúdos nas séries.
A partir do elenco de conteúdos propostos, foram indicadas as expectativas de aprendizagem para todos os
anos e disciplinas dos ensinos fundamental e médio.
As expectativas de aprendizagem retomam os conteúdos e as habilidades indicados nesses documentos,
no prisma de habilidades essenciais a serem desenvolvidas em cada componente curricular / ano escolar, de forma
a indicar como o processo de ensino deve ser gerenciado para que ocorram devidamente as aprendizagens previs-
tas no currículo ano a ano.
As expectativas de aprendizagem definem os limites mínimos de aprendizagem dos alunos ao final de cada
ano em cada componente curricular, considerando-se a implantação de fato em cada instituição educacional e
série/ano do currículo proposto para a rede de ensino do Distrito Federal.
Para a definição e a organização das expectativas, foram considerados, os documentos curriculares supracita-
dos, os princípios curriculares indicados para a organização das instituições educacionais públicas do Distrito Fede-
ral, as habilidades e os conteúdos para os componentes curriculares e seus referenciais teóricos e metodológicos,
que serão focos do processo de ensino-aprendizagem em sala de aula e assumidos na Proposta Pedagógica da
Instituição educacional e no Plano de Ensino dos componentes curriculares.
É fundamental destacar, ainda, que os alunos aprendem aquilo que se ensina, e que a indicação das expec-
tativas considera que serão utilizadas todas as formas possíveis para garantir as aprendizagens previstas no currí-
culo para o ano / série nos componentes curriculares, inclusive os processos de recuperação de aprendizagem dos
alunos.
Não é intenção deste documento esgotar todas as possibilidades de aprendizagens dos alunos, mas delimi-
tar as fundamentais para cada ano / componente curricular.
Elas devem ser lidas com um contínuo de aprendizagens por ano/série escolar, isto é, a cada ano letivo o
aluno deve saber mais, por exemplo, as aprendizagens indicadas para o sexto ano do ensino fundamental pressu-
põem as aprendizagens dos cinco anos escolares anteriores.
Convém ressaltar, que as aprendizagens indicadas se caracterizam como objetos observáveis e permanen-
tes (não são esquecidas pelos alunos), e uma vez consolidadas fazem parte da pessoa aluno.
Elas podem ser observadas pelos professores quando o aluno demonstra em sala de aula, por exemplo,
atitudes (ler um texto por interesse), procedimentos (reler o texto em busca de informações) e conceitos (utilizar
uma nomenclatura da área para argumentar em prol de uma interpretação) aprendidos no espaço de sala de aula.

8 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


ARTE
Apresentação
As manifestações e produções artísticas devem ser entendidas como objetos culturais. Foram construídas pelo
homem ao longo de sua vida e carregam dentro de si inúmeros significados que devem ser desvendados na escola. O
estudo da Arte deve ser entendido como a reconstrução do próprio objeto artístico, suas condições de produção e
recepção (autoria, finalidade, momento e lugar histórico da criação, materiais utilizados, recursos utilizados, agentes
financiadores, público-alvo, comercialização, usos etc.). Cada objeto artístico tem uma história que precisa ser recupe-
rada para se dar um sentido a ele. Essa história muda muito de acordo com o valor que se atribui socialmente a esse
objeto, isso significa que esse objeto vai-se transformando e adquirindo a forma de um objeto cultural.
O ensino de Arte na escola, em todos os anos escolares, respeitando a faixa etária dos alunos, tem por
objetivos: ampliar as formas de ver e sentir os objetos artísticos; reconhecer outros objetos artísticos que não
fazem parte de seu acervo imediato; preservar esses objetos como representação de culturas, de identidades, de
patrimônio da humanidade.
Enfim que o aluno desenvolva o letramento em Arte, aprendendo a dar significado aos seus objetos e, se
possível, produzi-los, com base nesse conhecimento. Semelhante aos estudos realizados em língua portuguesa
sobre os textos literários (objetos de Arte), os alunos vão recuperar a intertextualidade desses objetos que vão além
do próprio do objeto.
A Arte na escola deve ser vista como o direito de os alunos usufruírem o patrimônio artístico da humanidade,
de terem acesso a ele, valorizando as experiências estéticas como representações culturais de luta e de constru-
ção de identidades em diferentes tempos e lugares e, ao mesmo tempo, reconstruindo-as frente às suas expecta-
tivas pessoais. O estudo da Arte faz parte de uma filosofia de mundo.
Os conteúdos de Arte devem ser vistos como modos de ampliar o conhecimento de mundo do aluno. Não há
subordinação entre esses conteúdos se forem colocados em cheque com o caráter transitório da Arte, porque nunca um
objeto artístico será igual ao outro, envolvendo muitas leituras sujeitas à perspectiva de quem lê, porque aprendeu a ler.
De início, indica-se o estudo da Arte como linguagens construídas com códigos e materiais próprios (artes
visuais, musica, teatro e dança), de acordo com suas funções sociais.
As artes visuais são identificadas por sua linguagem visual.
A música é identificada por sua linguagem musical.
O teatro é identificado por sua linguagem teatral.
A dança é identificada por sua linguagem corporal.
Considerando a conceituação dos Parâmetros Curriculares Nacionais, as expectativas de aprendizagem
relacionam-se ao desenvolvimento de habilidades relativas à
1. Produção: percepção, experimentação, criação, produção.
2. Fruição ( apreciação): comunicação, leitura, compreensão análise e interpretação.
3. Reflexão (contextualização): pesquisa, reflexão, crítica, autocrítica.
A faixa etária dos alunos é um diferencial no desenvolvimento desses processos porque envolvem aspectos
cognitivos, interesses pessoais, conhecimentos prévios.
A seguir são apresentadas as expectativas de aprendizagem em cada um dos tópicos. A leitura das expec-
tativas de aprendizagem deve considerar os conteúdos de ensino a que se referem.
As expectativas de aprendizagem não pretendem reduzir os conhecimentos a serem ensinados / aprendi-
dos, mas, sim, indicar os limites sem os quais o aluno teria dificuldades para prosseguir seus estudos, bem como
participar ativamente na vida social.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 9


COMPONENTE CURRICULAR: ARTES VISUAIS
6º ANO/ 5ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


■ Ponto: ponto geométrico, ponto gráfico e ponto físico; utilização ■ Reconhecer a produção visual como produto cultural sujeito à
do ponto em produções visuais análise e ao entendimento.
■ Linha: classificação e aplicação dos diferentes tipos de linhas ■ Identificar e conhecer as produções visuais no período pré-
quanto ao traçado e à forma cabraliano, classificado como arte rupestre brasileira.
■ Textura como elemento expressivo natural ou produzido e ■ Reconhecer os elementos da linguagem visual nas mani-
visual ou tátil festações culturais indígenas e africanas.
■ Direção, movimento, ritmo, volume, proporção, equilíbrio e ■ Reconhecer os elementos da linguagem visual nas mani-
simetria festações culturais indígenas e africanas.
■ Espaço bidimensional, tridimensional e noções de perspectiva ■ Identificar e entender as influências e as interações das produ-
■ A pintura rupestre brasileira: São Raimundo Nonato (PI); mo- ções visuais indígenas, negras e portuguesas do período colo-
tivos naturalistas e motivos geométricos; figuras antropomorfas nial brasileiro ao Império.
e zoomorfas e as expressões rupestres de Lagoa Santa (MG) ■ Identificar e conhecer os artistas do Distrito Federal, suas pro-
■ Estudo das matrizes culturais brasileiras (índio, africano e eu- duções visuais, e a sua contribuição para a construção da
ropeu) e suas influências na formação da arte, folclore, culiná- identidade cultural do Distrito Federal.
ria e crendices nacionais ■ Identificar e compreender as manifestações visuais, presentes
■ A arte dos índios brasileiros antes e após o descobrimento do nas cidades circunvizinhas, e suas contribuições para a cons-
Brasil: a cerâmica marajoara e a cultura Santarém; a arte do trução da identidade cultural do Distrito Federal.
trançado e a tecelagem; a cerâmica; a arte plumária e pintura
corporal
■ A história da construção de Brasília: a arquitetura inovadora, o
traçado da cidade, principais monumentos artísticos e princi-
pais artistas. Os artistas pioneiros. As cidades do entorno de
Brasília, os candangos, a criação da identidade cultural de
Brasília. Pontos turísticos da cidade planejada. Os diversos
grupos sociais e étnicos que compõem a cultura de Brasília.

10 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO/ 6ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE
Conteúdos Expectativas de aprendizagem
■ A arquitetura colonial – arquitetura civil e religiosa. Téc- ■ Identificar e compreender a produção visual como produto cultural
nica de construção (taipa de pilão e construção com sujeito à análise e ao entendimento.
muros de pedras), as talhas, as pinturas e esculturas e ■ Pesquisar e elaborar formas pessoais de registro das atividades rea-
seus grandes mestres lizadas em artes visuais.
■ A grande contribuição do negro no desenvolvimento e ■ Identificar nas produções visuais o uso dos elementos básicos da lin-

riqueza do Barroco colonial brasileiro. Mestre Ataíde e guagem visual que são utilizados para comunicar, esteticamente, sen-
Aleijadinho. O Barroco como o primeiro estilo artístico tido e significado.
■ Conhecer, valorizar e respeitar os espaços reservados à Arte, reconhe-
brasileiro
cendo sua importância para a construção e a preservação dos bens
■ Técnicas e prática de gravura em geral, com especial
artísticos e culturais brasileiros.
ênfase na xilogravura ilustrativa da literatura de cordel
■ Identificar diferentes meios de comunicação, o uso e a apropria-
■ A contribuição de J. Borges à xilogravura brasileira
ção das produções de artistas consagrados para veicular senti-
■ A arte popular brasileira – As principais manifestações
dos e significados.
visuais da Arte Popular Brasileira (colunas, carrancas, ■ Identificar, respeitar e valorizar no âmbito familiar, no escolar e no
bonecos, tecelagem, etc) regional, a diversidade cultural.
■ Expressões artísticas de Heitor dos Prazeres, Mestre ■ Investigar e identificar as diferentes representações artísticas como
Vitalino, Nhô Caboclo, Arthur Pereira e outros linguagem estética e comunicacional.
■ Estudo dos elementos estéticos da cultura afro-brasileira ■ Reconhecer e identificar a relação básica entre o emissor, a obra e o
espectador.
■ Conhecer e utilizar os elementos básicos da linguagem visual em dife-
rentes possibilidades expressivas.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 11


8º ANO / 7ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE
Conteúdos Expectativas de aprendizagem
■ Renascimento – principais características da arquitetura renas- ■ Compreender a arte como fato histórico contextualizado nas
centista; o uso da perspectiva, do claro-escuro e o realismo da diversas culturas e épocas, conhecendo, respeitando e obser-
pintura; os ideais clássicos de beleza: o equilíbrio da simetria e vando a sua constante mudança.
a regularidade de formas e cores; a criação de volumes e o ■ Identificar o conhecimento de outras áreas científicas e artísticas
jogo de luz e sombra da escultura renascentista resultante de utilizado nas produções visuais.
uma interpretação científica da realidade. Obras dos grandes ■ Conhecer e utilizar os elementos básicos da linguagem visual
mestres do Renascimento para realizar produções artísticas mediante a cultura estudada.
■ Renascimento italiano; a temática da pintura: fatos históricos, ■ Identificar as diferentes representações artísticas como lingua-
composições mitológicas, nus, paisagens e retratos; o equilíbrio gem estética e comunicacional.
da composição e a harmonia do colorido ■ Identificar, nas produções visuais, o uso dos elementos básicos
■ O nacionalismo e a valorização da natureza da linguagem visual que são utilizados para comunicar, esteti-
■ As grandes transformações na arte a partir do século XIX aos camente, sentido e significados.
dias atuais; as novas tendências estéticas associadas às gran- ■ Reconhecer e utilizar os procedimentos para análise, entendi-
des transformações sociais, científicas e tecnológicas mento e fruição de uma produção visual.
■ A Semana de Arte Moderna e a busca de uma identidade ■ Identificar as diferentes representações artísticas como lingua-
cultural nacional gem estética e comunicacional.
■ O Modernismo Brasileiro após a Semana da Arte Moderna ■ Conhecer, valorizar e respeitar os espaços reservados à Arte,
■ O Expressionismo, o Cubismo e o Surrealismo no Brasil reconhecendo sua importância para a construção e a preser-
vação dos bens artísticos e culturais brasileiros.

12 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO/ 8ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE
Conteúdos Expectativas de aprendizagem
■ Estudo dos meios de comunicação de massa e influênci- ■ Reconhecer e utilizar os elementos básicos da linguagem visu-
as no comportamento e mudanças sociais al, no espaço (bidimensional e tridimensional), em diferentes
■ Introdução à leitura da obra de arte: elementos básicos possibilidades expressivas.
da linguagem visual, estilo artístico e período histórico ■ Identificar o conhecimento de outras áreas científicas utilizando
■ Introdução às novas tendências da arte no século XX. A as produções visuais.
influência e o domínio dos Estados Unidos na Arte Pós – ■ Identificar as funções básicas dos profissionais (designer, pintor,
moderna escultor, cenógrafo, iluminador e outros) relacionando às pro-
■ A Op Art \ A Pop Art duções visuais.
■ Arte concreta ■ Identificar nos diferentes meios de comunicação, o uso e a apro-
■ Expressionismo abstrato. priação das produções de artistas consagrados para veicular
■ Introdução às transformações estéticas e tecnológicas sentidos e significados.
da arte no século XX: ■ Conhecer, valorizar e respeitar os espaços reservados à Arte,
■ Arte por Computador – vídeo arte reconhecendo sua importância para a construção e a preser-
■ Arte Conceitual vação dos bens artísticos e culturais brasileiros.
■ Hiperrealismo ■ Reconhecer os diferentes tipos de obras de arte e suas carac-
■ Mininal Art terísticas próprias.
■ Instalações ■ Identificar o conhecimento de outras áreas científicas e artísticas
■ Happening utilizado nas produções visuais.
■ Body Art ■ Identificar as diferentes representações artísticas como lingua-
■ Arte Contemporânea no Brasil e no Distrito Federal gem estética e comunicacional.
■ Identificar e compreender as várias tendências artísticas nas
expressões visuais do século XX.
■ Conhecer e utilizar os elementos básicos da linguagem visual
para realizar produções artísticas mediante a cultura estudada.
■ Reconhecer as influências das ciências e da tecnologia sobre
as produções visuais do século XX.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 13


COMPONENTE CURRICULAR: TEATRO
6º ANO/ 5ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE
Conteúdos Expectativas de aprendizagem
■ Elementos formais da linguagem teatral: palavra, voz, tom, mími- ■ Reconhecer e utilizar os elementos básicos da linguagem cêni-
ca, gesto, maquiagem, acessório, figurino, música, iluminação, ca: corpo (mímica facial, gestos, movimentos, ações, dinâmicas,
sonoplastia posicionamento, postura e relacionamento); voz, som e pala-
■ Elementos básicos do movimento expressivo vocal vras (intensidade, altura, respiração); espaço (transformando o
■ Elementos cênicos da obra dramática espaço real em cênico, pelo uso do corpo e da voz), em diferen-
■ Introdução: dicção – movimentos respiratórios – inspiração e tes possibilidades expressivas.
expiração: lúdica, centrada no percurso do ar, abdominal e ■ Identificar nos diferentes meios de comunicação o uso e a apro-
outras priação das produções de artistas consagrados, para veicular
■ Origem da estrutura dramática sentidos e significados.
■ Elementos da ação dramática ■ Demonstrar expressões corporais nos jogos dramáticos.
■ Jogos dramáticos com os elementos da ação cênica ■ Combinar os elementos e recursos da linguagem teatral por
■ Teatro brasiliense na modalidade infantil meio de atividades de interpretação grupal, experimentando
■ O teatro brasiliense (autores e atores pioneiros de Brasília) articulações de expressão corporal.
■ Lendas indígenas em produções teatrais ■ Identificar e explorar espaços cênicos na instituição educacional
e na comunidade.
■ Reconhecer as formas variadas de expressão no teatro de
bonecos.
■ Interpretar cantigas populares por meio da expressão corporal.
■ Identificar a relação básica entre o emissor, a obra e o especta-
dor.
■ Aplicar nos trabalhos pessoais e/ou em grupo os elementos
cênicos (cenário, figurino, adereço, iluminação, maquiagem e
sonoplastia).
■ Conhecer os artistas do Distrito Federal, suas produções cêni-
cas e a sua contribuição para a construção da identidade cultu-
ral do Distrito Federal.
■ Identificar e compreender as manifestações cênicas, presentes
nas cidades circunvizinhas e a sua contribuição para a constru-
ção da identidade cultural do Distrito Federal.
■ Catalogar os artistas do Distrito Federal e suas produções cêni-
cas, visando à construção do acervo cultural da comunidade.

14 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO / 6ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


■ Elementos corporais na comunicação dramática ■ Reconhecer e utilizar os elementos básicos da linguagem cêni-
■ Marcação de cenas ca: corpo (mímica facial, gestos, movimentos, posicionamento,
■ Definição, organização, construção e representação de ele- postura e relacionamento); voz, som e palavras (intensidade,
mentos cenográficos: espaço, ambiente e lugares altura, respiração); espaço (transformando o espaço real em
■ Definição de personagens cênico, pelo uso da voz e do corpo) em diferentes possibilida-
■ Contextualização da produção teatral des expressivas.
■ Elementos básicos do movimento expressivo vocal ■ Identificar e utilizar, na produção cênica, o conhecimento de
■ Elementos cênicos da obra dramática outras áreas científicas e artísticas.
■ Introdução à dicção – movimentos respiratórios - inspiração e ■ Reconhecer a produção cênica como produto cultural sujeito à
expiração: lúdica, centrada no percurso do ar, abdominal e análise e ao entendimento.
outras ■ Identificar a relação básica entre o emissor, a obra e o espectador.
■ Manifestações cênicas presentes na cultura popular brasileira ■ Identificar elementos essenciais para a construção de uma cena
teatral atuante/papéis, atores/personagens, estruturas dramáti-
cas/peça, roteiros/enredo, cenário.
■ Investigar e elaborar, formas pessoais de registro das ativida-
des realizadas em artes cênicas.
■ Identificar em diferentes meios de comunicação, o uso e a apro-
priação das produções de artistas consagrados.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 15


8º ANO/ 7ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE
Conteúdos Expectativas de aprendizagem
■ Montagem cênica: leitura e análise da dramaturgia local ■ Reconhecer e utilizar os elementos básicos da linguagem cêni-
■ Elementos da linguagem cênica ca: Corpo (mímica facial, gestos, movimentos, ações, dinâmi-
■ Formas simétricas e assimétricas do corpo cas, posicionamento, postura e relacionamento); voz, som e
■ Leitura de textos de expressão cênica palavras (intensidade, altura, respiração, articulação, dicção e
■ Elementos teatrais: formas inflexão vocal); espaço (níveis, direções, planos, caminhos e
■ Artistas pioneiros do teatro no Brasil extensões), em uma ação dramática.
■ Textos de teatrólogos ■ Identificar a ação dramática em peças teatrais.
■ Teatro oriental ■ Identificar os vários estilos teatrais.
■ Teatro oriental contemporâneo ■ Identificar a relação entre espaço, tempo, ritmo e movimento em
■ Teatro japonês peças teatrais locais e regionais.
■ Goldoni ■ Criar e realizar através de movimentos, gestos e voz persona-
■ Escritores e dramaturgos brasileiros gens em peças teatrais.
■ Construção e elaboração da montagem cênica ■ Participar de grupos teatrais, respeitando as individualidades e
capacidades de cada um.

16 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO/ 8ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE
Conteúdos Expectativas de aprendizagem
■ Teatro Brasileiro ■ Investigar e experimentar na atividade teatral, os diferentes
■ Shakespeare meios de produção (artesanal, mecânicos, eletro-eletrônicos e
■ Comédia de costumes digital), dos elementos sígnicos na atividade cênica.
■ Martins Pena ■ Identificar, reconhecer e valorizar as diferentes manifestações
■ Ariano Suassuna teatrais de grupos e/ou comunidades de diferentes culturas e
■ Jogos Dramáticos de diferentes épocas.
■ Participar de representações teatrais tendo como referência a
dramaturgia tradicional e contemporânea bem como peças cri-
adas pelo grupo.
■ Empregar terminologia adequada, descrever convenções e
conceitos para compartilhar significados e registrar sua recep-
ção do trabalho observado.
■ Desenvolver a habilidade de construir textos dramáticos e mostrá-
los para uma platéia.
■ Contextualizar um espetáculo dentro da linguagem dramática,
descrever e interpretar o que foi observado.
■ Analisar a utilização e a apropriação das produções de artistas
consagrados (que tenham relação com as habilidades do fa-
zer, propostas para a série) nos diferentes veículos de comuni-
cação de massa: TV, rádio, cinema e outros.
■ Conhecer, valorizar e respeitar os espaços reservados à Arte,
reconhecendo sua importância para a construção e a preser-
vação dos bens artísticos e culturais brasileiros.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 17


COMPONENTE CURRICULAR: MÚSICA
6º ANO/ 5ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


■ Compassos binário, ternário e quaternário ■ Conhecer e utilizar os elementos básicos da linguagem musi-
■ Escrita musical por meio de ditado rítmico e melódico cal: o som, o ritmo e o silêncio, em diferentes possibilidades
■ Observação do uso dos elementos básicos da linguagem musi- expressivas de composição.
cal nas manifestações indígena, negra, portuguesa, e no re- ■ Identificar os elementos básicos da linguagem musical, pre-
pertório musical brasileiro sentes nas produções musicais das raízes étnicas brasileiras:
■ Articulação dos conhecimentos adquiridos no cotidiano e em indígena, negra e branca.
outros componentes curriculares, na própria produção musical ■ Identificar, nas produções musicais, como os elementos bási-
■ Mobilização da comunidade escolar em prol dos seus eventos cos da linguagem musical são utilizados para comunicar este-
musicais ticamente, sentidos e significados.
■ Identificação dos artistas formadores do patrimônio musical do ■ Elaborar formas pessoais de registro das atividades realiza-
Distrito Federal das em música.
■ Identificação dos diferentes grupos sociais e étnicos que com- ■ Identificar nos diferentes meios de comunicação, o uso e a
põem a cultura brasiliense, e sua contribuição para a constru- apropriação das produções de artistas consagrados (que te-
ção do patrimônio cultural do Distrito Federal nham relação com as habilidades do fazer, proposto para a
■ Respeito aos valores culturais, familiares e da comunidade série), para veicular sentidos e significados.
local ■ Conhecer os artistas do Distrito Federal, suas produções
■ Audição, identificação e interpretação dos diferentes gêneros musicais, e a sua contribuição para a construção da identida-
musicais (popular, erudito e folclórico e a influência dos estilos de cultural do Distrito Federal.
internacionais na musica popular brasileira ■ Identificar e compreender as manifestações musicais, presen-
■ Emoções, sentidos e significados atribuídos à produção musical tes nas cidades circunvizinhas, e a sua contribuição para a
■ A influência do ritmo sobre o corpo construção da identidade cultural do Distrito Federal.
■ Audição de músicas ouvidas no cotidiano (novelas, telejornais, ■ Reconhecer, respeitar e valorizar dentro do âmbito familiar,
cinema, comerciais e etc), e sua influência para comunicar emo- do escolar e do regional, a diversidade cultural.
ções, sensações, intuições, conhecimentos e pensamentos
■ Pesquisa auditiva (som, ritmo e silêncio) com sons naturais e
artificiais
■ Relaxamento, aquecimento, técnica vocal e prática de canto
individual e /ou conjunto
■ Prática instrumental, com o uso de instrumentos variados e da
própria voz
■ Coleta de dados sobre a música nas culturas negra, indígena
e portuguesa

18 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO/ 6ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


■ Clave de sol e de fá, sinais de alteração, distribuição das notas ■ Pesquisar, entender e utilizar os elementos básicos da lingua-
musicais que representam valores: som/silêncio gem musical: o som, o ritmo e o silêncio, em diferentes possibi-
■ Divisão de compassos lidades expressivas de composição (improvisadas e/ou elabo-
■ Elementos básicos da linguagem musical nas manifestações radas).
indígena, negra e portuguesa ■ Indicar as funções básicas dos profissionais relacionados às
■ Escrita musical com notação tradicional produções musicais: compositor, intérprete, maestro e outros.
■ Produção musical utilizando os conhecimentos da comunidade ■ Identificar e reconhecer, nas produções musicais, o uso dos
artística local elementos básicos da linguagem musical (som, ritmo e silêncio).
■ A influência das manifestações musicais negra, indígena e por- ■ Identificar a relação básica entre o compositor, o interprete da
tuguesa na cultura nacional obra e o ouvinte.
■ Participação em atividades e apresentações musicais de estilos ■ Elaborar formas pessoais de registro das atividades realizadas
variados em música.
■ Identificação de emoções, sensações, intuições, conhecimen- ■ Identificar em diferentes meios de comunicação (TV, rádio, ci-
tos e pensamentos em uma produção musical nema, revistas e outros), o uso e a apropriação das produções
■ A música como forma de diversão, estímulo, relaxamento e de artistas consagrados (que tenham relação com as habilida-
expressão religiosa des do fazer, proposto para a série), para veicular, sentidos e
■ A identificação de elementos de linguagem musical para ex- significados.
pressar sentidos e significados ■ Identificar e conhecer os artistas do Distrito Federal, suas pro-
■ A obra musical como mediadora entre compositor, intérprete e duções musicais (que tenham relação com as habilidades do
ouvinte fazer, propostas para a série), e a sua contribuição para a
■ A música como veículo das experiências, sentimentos e conhe- construção da identidade cultural do Distrito Federal.
cimentos da cultura e do tempo em que o artista está inserido ■ Identificar e compreender as manifestações musicais (que
■ Experiências estéticas adquiridas, sonorizando situações, fa- tenham relação com as habilidades do fazer, propostas para
tos, imagens, representação gráfica e partituras a série), presentes nas cidades circunvizinhas, e a sua
■ Pesquisa e investigação sonora (som, ritmo e silêncio), no contribuição para a construção da identidade cultural do
corpo, na natureza, no meio ambiente, com instrumentos musi- Distrito Federal.
cais e nas composições ■ Catalogar os artistas do Distrito Federal, e as suas produções
■ Relaxamento, aquecimento, técnica vocal, canto individual e/ musicais (que tenham relação com as habilidades do fazer,
ou em conjunto propostas para a série), visando à construção do acervo cultu-
■ Prática de conjuntos vocais, instrumentais e/ou mistos ral da comunidade escolar.
■ Pesquisa de instrumentos musicais de outras culturas
■ Entrevista com os diferentes profissionais que atuam na área
musical
■ Coleta de dados sobre as diferentes manifestações musicais
(indígena, negra e portuguesa)
■ Pesquisa sobre os espaços culturais e a atuação musical dos
artistas brasilienses
■ Identificação dos artistas que contribuíram para a formação do
patrimônio musical do Distrito Federal

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 19


8º ANO/ 7ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


■ Identificação de intervalos por meio da prática de solfejos e ■ Reconhecer e utilizar os elementos básicos da linguagem musi-
ditados rítmicos e melódicos utilizando grafia convencional cal (som, ritmo e silêncio), em uma composição musical.
■ Compassos, andamentos e funções tonais básicas (tônica, do- ■ Conhecer e articular os elementos materiais e formais presentes
minante e subdominante) nas produções musicais das raízes étnicas brasileiras: indíge-
■ Padrões de regência (binário, ternário e quaternário) na, negra e branca.
■ Audição de músicas variadas para criação de partituras através ■ Reconhecer os diferentes profissionais envolvidos em uma pro-
da grafia tradicional dução musical.
■ Elementos básicos da linguagem musical nas danças, canções ■ Compreender a articulação e a interação dos elementos bási-
folclóricas, populares, eruditas, sacras, indígena, portuguesa e cos (som, ritmo e silêncio), da linguagem musical, para comuni-
negra car, esteticamente, sentidos e significados.
■ Contribuições das culturas indígenas, negras e portuguesas, ■ Reconhecer e utilizar os procedimentos para análise, entendi-
para a construção da identidade nacional e do patrimônio cultu- mento e fruição de uma produção musical.
ral brasileiro ■ Identificar a relação básica entre o compositor, o intérprete da
■ A influência dos avanços científicos e tecnológicos na fabricação obra e o ouvinte.
e desenvolvimento de instrumentos musicais ■ Investigar e elaborar, formas pessoais de registro das ativida-
■ Pesquisa sobre os espaços culturais, atuação dos músicos bra- des musicais realizadas.
silienses e sua contribuição para a formação do patrimônio cul- ■ Conhecer os artistas do Distrito Federal, suas produções musi-
tural do Distrito Federal. cais (que tenham relação com as habilidades do fazer, propos-
■ Participação em manifestações artísticas populares, de massa, tas para a série), e a sua contribuição para a construção da
eruditas teatros, e outros. identidade cultural do Distrito Federal.
■ Análise dos sentidos e significados dos elementos básicos da ■ Identificar e compreender as manifestações musicais (que te-
linguagem musical nham relação com as habilidades do fazer, propostas para a
■ Leitura dos sentidos e significados expressos na composição série), presentes nas cidades circunvizinhas, e a sua contribui-
musical ção para a construção da identidade cultural do Distrito Federal.
■ O intérprete musical como mediador do diálogo entre composi- ■ Catalogar artistas do Distrito Federal, e as suas produções
tor e o ouvinte musicais (que tenham relação com as habilidades do fazer, pro-
■ A música como expressão da cultura e do tempo em que o postas para a série), visando à construção do acervo cultural
compositor está inserido da comunidade escolar.
■ Exploração dos sons naturais, artificiais, ritmos e o silêncio em ■ Reconhecer, respeitar e valorizar dentro do âmbito familiar, do
estruturas sonoras e rítmicas, para criação de composições e escolar e do regional, a diversidade cultural.
improvisações vocais e instrumentais
■ Relaxamento, aquecimento, canto individual ou em conjuntos
variados
■ Prática instrumental para aplicação dos parâmetros do som
■ Construção de instrumentos musicais alternativos, com materi-
ais diversificados

20 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO/ 8ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


■ Utilização de estruturas rítmicas e melódicas ■ Pesquisar, entender e utilizar os elementos básicos da linguagem musical (som,
por meio da grafia musical ritmo e silêncio) e investigar as diferentes interações e articulações, numa compo-
■ Compassos simples e compostos e funções sição musical.
tonais básicas (tônica, subdominante e domi- ■ Reconhecer e utilizar os elementos materiais e formais, presentes nas produções
nante), presentes no repertório musical bra- musicais das raízes étnicas brasileiras: indígena, negra e branca.
sileiro ■ Investigar e experimentar os diferentes meios de produção (artesanal, mecâni-
■ Execução de padrões de regência em anda- co, elétrico/eletrônico e digital), verificando suas influências nos elementos bási-
mentos variados cos da produção musical.
■ Grafia musical por meio de notação tradicio- ■ Reconhecer os diferentes profissionais envolvidos em uma produção musical.
nal ■ Analisar as articulações e as interações dos elementos básicos da linguagem
■ A música popular brasileira e a influência dos musical (som, ritmo e silêncio) e seus parâmetros para comunicar, esteticamente,
elementos básicos da linguagem musical de sentidos e significados.
origem indígena, negra e portuguesa ■ Identificar e compreender a relação básica entre o compositor, o interprete
■ A influência da tecnologia na construção de e o ouvinte.
instrumentos musicais e formas de composi- ■ Pesquisar e elaborar, formas pessoais de registro das atividades musicais
ção musical realizadas.
■ Inserção da comunidade escolar na partici- ■ Identificar a s influências das ciências e da tecnologia sobre as produções musi-
pação e na valorização de seus eventos musi- cais do século XX.
cais ■ Conhecer os artistas do Distrito Federal, suas produções musicais (que tenham
■ Características das tendências estéticas e dos relação com as habilidades do fazer, propostas para a série), e a sua contribui-
movimentos de manifestos artísticos brasilei- ção para a construção da identidade cultural do Distrito Federal.
ros (bossa nova, tropicalismo, canção de pro- ■ Identificar e compreender as manifestações musicais (que tenham relação
testo, jovem guarda, entre outros), seus artis- com as habilidades do fazer, propostas para a série), presentes nas cidades
tas e produções mais significativas das ten- circunvizinhas, e a sua contribuição para a construção da identidade cultural
dências estudadas do Distrito Federal.
■ A influência da cultura migrante (italiana, ja- ■ Catalogar os artistas do Distrito Federal, e as suas produções musicais (que
ponesa, germânica, norte e latino-americana tenham relação com as habilidades do fazer, propostas para a série), visando à
e outras), sobre a formação da identidade construção do acervo cultural da comunidade escolar.
nacional e do patrimônio cultural brasileiro

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 21


Língua Portuguesa

Apresentação
O desenvolvimento da competência linguística do aluno no ensino fundamental – anos finais - está pautado
na construção de referenciais básicos para refletir sobre a língua que ele fala / ouve e lê / escreve com a finalidade
de saber explicá-la para poder usá-la em diferentes situações de comunicação. Gradativamente ele vai-se apropri-
ando de procedimentos de análise e reflexão, ou seja, adquirindo uma consciência linguística dos usos da língua e
de sua diversidade por meio da compreensão de padrões gramaticais, textuais, estilísticos e de uma metalingua-
gem construída teoricamente para explicá-los.
Nos anos iniciais do ensino fundamental, o aluno estabelece interações entre a língua que fala em seu
cotidiano e a língua ensinada pela escola, formulando hipóteses sobre suas diferenças e usos, principalmente no
domínio da língua que se escreve. Nos anos finais, ele deve observar a língua como objeto de estudo e referencial
cultural, analisando o discurso do outro em relação ao seu próprio discurso e vice-versa.
Os conteúdos do ensino fundamental priorizam os processos de usos da língua em situações de leitura
(compreensão, análise e interpretação) e de produção de textos falados e escritos, sendo a reflexão sistematizada
sobre o texto, um instrumento para compreender esses processos.
A língua é um referencial de pensamento e de ação e bem se sabe que as diferenças sociais perpassam o
seu domínio e uso. Dominá-la significa reconhecê-la como um poder simbólico para argumentar, confrontar opini-
ões, expressar o pensamento em diferentes contextos sociais.
As expectativas de aprendizagem retomam o currículo do ensino fundamental – anos finais - para Língua
Portuguesa contemplando os cinco principais grupos de estudo da área que se interligam por princípios gerais -
letramento e diversidade. Os grupos de estudo são comuns para todos os anos dos ensinos fundamental e também
do médio: Oralidade e expressão; Leitura; Conhecimentos literários; Conhecimentos linguísticos; Produção de
textos escritos. Eles foram organizados em tópicos que apresentam os conteúdos (já indicados no currículo)
associados às expectativas de aprendizagem.
Essa separação didática se fez necessária para facilitar a leitura e compreensão sobre o que deve ser
ensinado/aprendido. Muitos dos conteúdos bem como as habilidades e expectativas de aprendizagem se repetem
ao longo dos anos, porque o estudo da língua portuguesa tem um diferencial, que é o estudo de textos.
O texto é o foco principal do processo de ensino-aprendizagem de língua portuguesa no currículo. Considera-se
texto qualquer sequência falada ou escrita que constitua um todo unificado e coerente dentro de uma determinada
situação discursiva. Assim, o que define um texto não é a extensão dessa sequência, mas o fato de ela configurar-se
como uma unidade de sentido associada a uma situação de comunicação. Nesse sentido, o texto só existe como tal
quando atualizado em uma situação que envolve, necessariamente, quem o produz e quem o interpreta. Assim não há
um texto igual ao outro e cada situação de leitura e produção é atualizada no ato de comunicação.
Há, sim, padrões da língua que se apresentam nos textos sob forma de textualidade e estilos. O reconheci-
mento desses padrões deve ser exaustivamente trabalhado no ensino fundamental.
O procedimento de estudo da dimensão dialógica dos textos pressupõe abertura para a construção de seus
significados nos diferentes anos/séries escolares e deve envolver graus crescentes de complexidade, no que se
refere: à faixa etária do leitor típico; à proximidade do assunto e tema com o meio cultural e conhecimento de
mundo do leitor; à atualidade do assunto e tema tratados; ao contexto de produção e de recepção (o público alvo do
texto e sua finalidade); à época de produção; às escolhas sintático-semânticas; ao vocabulário (seleção lexical); à
disposição e ordem das idéias e dos assuntos (direto e indireto); aos recursos expressivos utilizados; às estratégi-
as textuais utilizadas na composição; às determinações do gênero.

22 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


Sobre a organização dos tópicos

Tópico 1. Oralidade e expressão


As aulas de língua portuguesa são espaços privilegiados para o aluno verbalizar as suas diferentes represen-
tações sociais e culturais, e potencialmente sistematizar as identidades de grupos que sofrem processos de
deslegitimação social. Conviver com as diferenças, reconhecê-las como legítimas e saber defendê-las em espaço
público fará com que o aluno reconstrua sua cultura pela linguagem verbal.
A opção do aluno por um ponto de vista coerente, em situação determinada, faz parte de uma
reflexão consciente e assumida, mesmo que provisória sobre os usos da língua. A importância de se
liberar a opinião do aluno, mesmo que não seja a da escola, permite que ele construa um sentido para a
comunicação do seu pensamento.
A situação da fala na sala de aula deve servir para o exercício da construção da fala na vida social. O aluno deve
aprender a confrontar, defender, explicar suas idéias de forma organizada, em diferentes esferas de usos da palavra
pública, compreendendo e refletindo sobre as marcas de atualização da linguagem verbal (a posição dos interlocuto-
res, o contexto e suas normas, a escolha dos gêneros e recursos).
O desenvolvimento da competência do aluno depende, principalmente, do poder falar e ser ouvido, de debater
suas idéias, de expressar seu ponto de vista, vivenciando no espaço de sala de aula as interações que vai enfrentar
em sua vida pessoal e social.
São conteúdos representativos desse tópico: o caráter simbólico e arbitrário da linguagem verbal; objetivos,
regras e estratégias nos usos da linguagem verbal / língua falada; gêneros orais; linguagem verbal e cultural;
padrões linguísticos de prestígio; língua e ideologia; símbolos culturais; identidade e diversidade; patrimônio cultu-
ral, memória discursiva.

Tópico 2. Leitura de textos


A língua dispõe de recursos, mas a organização deles encontra no texto sua matéria-prima. As mesmas
estruturas linguísticas assumem significados diferentes, dependendo das intenções dos interlocutores. Há uma
“diversidade de vozes” em um texto - contexto, interlocutores, finalidades, gêneros discursivos, recursos linguísti-
cos, valores, pontos de vista etc.
Os usos da língua só podem ser sociais, e levam a intricadas redes de significações. No mundo contemporâneo,
a informação é imediata, sobreposta e recheada de textos com valores subliminares. Na escola, a reflexão sobre o texto,
sua informatividade e textualidade, desenvolve uma visão crítica do aluno sobre o que lê, vê e ouve, para desvendar o
“sentido imediato de mundo” e resgatar os sentidos implícitos do texto.
São conteúdos representativos desse tópico: histórias de leitura; tecnologias de divulgação da palavra
escrita e seu impacto social; deslegitimação e legitimação da produção escrita; condições de produção,
circulação e recepção de textos; métodos de leitura; funções da leitura; modalidades de leitura; leitura com-
preensiva e interpretativa; Sociologia e leitura de mundo: antecipação de significados; texto verbal e não ver-
bal; texto, contexto hipertexto e intertexto: relações de produção, divulgação e recepção; conotação, denota-
ção e o sentido do texto; gêneros e tipos de textos; discurso, texto e textualidade; os vários suportes de
textos; os gêneros e os princípios tecnológicos de informação e comunicação; textualidade: coerência e
coesão; o valor expressivo das formas linguísticas.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 23


Tópico 3. Conhecimentos literários
As diversas atualizações e funções do texto, em contextos e tempos diferentes, permitem verificar as especi-
ficidades do texto literário e selecionar focos de análise. O estudo dos gêneros discursivos literários e dos modos
como se articulam proporciona uma visão ampla da possibilidade de usos da língua.
Em uma situação de ensino-aprendizagem de literatura, a análise da origem dos gêneros e de seus contex-
tos de produção e recepção no campo artístico permite abordar a criação das estéticas que refletem, no texto, o
contexto de sua produção como as escolhas estilísticas marcadas pelas lutas discursivas em jogo, o caráter
intertextual do texto.
O importante é que o aluno saiba analisar as especificidades do texto literário, sem perder a visão do todo em
que elas estão inseridas, e perceba que as particularidades têm um sentido socialmente construído.
O gostar ou não de determinada obra de arte ou de um autor exige antes um preparo para o aprender a
gostar. Conhecer e analisar as críticas autorizadas pode ser um começo para a construção das escolhas individu-
ais. O aluno deixaria de ser um mero “espectador” do texto literário ou um “reprodutor” de análises literárias discu-
tíveis, apropriando-se do discurso da crítica literária, para aferir a consistência de sua posição e construir seu
próprio discurso sobre a literatura.
Os conteúdos representativos do tópico são: autores, obras e gêneros; elementos constitutivos e intertextuais
da prosa, da poesia e do teatro; representação do imaginário; a construção do patrimônio cultural; fortuna crítica.

Tópico 4. Conhecimentos linguísticos


A linguagem verbal carrega dentro de si uma visão de mundo prenha de significados e significações que vão
além do seu aspecto formal. O estudo apenas do aspecto formal da língua, desconsiderando as inter-relações
contextuais e semânticas próprias de sua natureza e função, desvincula o aluno, do caráter intrassubjetivo, inter-
subjetivo e social da linguagem.
Por exemplo, no estudo da norma padrão deve-se considerar a sua representatividade, como variante linguísti-
ca de determinado grupo social, e o valor atribuído a ela, no contexto das legitimações sociais.
O conhecimento sobre a língua deve ser visto sob o prisma do caráter social da própria língua, evitando-se
apriorismos. O espírito crítico não admite verdades sem uma investigação do processo de sua construção e repre-
sentatividade.
O exame do caráter histórico e contextual de determinados usos da língua pode permitir o entendimento de
valores, representações, interesses, sentidos, ou seja, a consciência do poder da língua. Destaca-se que a língua
a ser estudada na escola, passa a ser objeto de reflexão e análise, permitindo ao aluno a superação e / ou a
transformação dos significados que ela veicula.
Muitas teorias explicativas sobre a língua foram desenvolvidas por pesquisadores que se dispuseram a
analisá-la e compreendê-la. Teorias se criaram e foram divulgadas, algumas são aceitas até hoje e outras se
perderam no tempo.
Como o conhecimento teórico normalmente assume a forma escrita, a transmissão das idéias acaba por se
deslocar do campo representativo de sua criação. A adesão a uma teoria gramatical deve ser precedida do reconhe-
cimento de sua validade.
Na escola, a transposição didática desses estudos pode refletir o conservadorismo de determinados pontos
de vista que nada possuem de teórico e são fundados no senso comum.

24 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


O debate e o diálogo, as perguntas que desmontam as frases feitas, a pesquisa, entre outros, seriam formas
de auxiliar o aluno a construir um ponto de vista articulado sobre a língua em estudo.
Os conteúdos representativos desse tópico são: o contexto de produção da fala e da escrita; concepção de
norma e variante; a norma culta na fala do português brasileiro; variantes individuais, interindividuais e sociais; varia-
ções fonológicas, morfológicas, sintáticas, semânticas e discursivas; variação no tempo: diacronia e sincronia; varia-
ção no espaço físico e social: de espaço físico (geográfica), de faixa etária, de sexo (gênero), de grupos sociais, de
grupos profissionais (jargões técnicos), de grupos políticos; variação de modalidade (a fala e a escrita); variação de
estilo (graus de formalidade e informalidade); variação discursiva (gêneros discursivos, inclusive os gêneros literários);
o vocábulo em estado de dicionário; sinonímia, homonímia, heteronímia; denotação: o caráter polissêmico do uso do
léxico; conotação: o caráter estilístico do uso do léxico; ortografia; desinências nominais e verbais; afixos (prefixos e
sufixos); categorias gramaticais; os processos lógico-discursivos e semânticos dos usos das palavras ou expressões
em frases / orações; os processos lógico-discursivos e semânticos do uso das orações em frases.

Tópico 5. Produção de textos


Ao procurar compreender a língua e suas atualizações discursivas em textos, como sinônimos da comunica-
ção humana, o aluno aprende a produzir textos para fins determinados.
A aprendizagem do caráter produtivo da língua faz parte constante do controle sobre o texto que será elabo-
rado. O fazer comunicativo exige formas complexas de aprendizagem. Deve-se reconhecer o quê e o como escre-
ver, depois dessa análise reflexiva, tenta-se a elaboração, com a consciência de que ela será sempre provisória
porque depende da avaliação do outro e de suas expectativas.
Entra-se no limite da transversalidade dos usos da linguagem no social, às escolhas individuais impõem-se os
limites do social, que envolvem esquemas cognitivos complexos daqueles que podem avaliar o discurso produzido, porque
tiveram a oportunidade de aprender a avaliar. Para a maioria, a aprendizagem dessas disposições na escola é fundamental.
A metáfora do hipertexto pode servir como exemplo. A partir de uma idéia, podem-se abrir muitas “janelas”. O
sentido das escolhas pode depender do acaso ou de um interesse particular. No acaso, a possibilidade de atingir os
objetivos desejados é externa à proposição individual. Quando há um interesse definido, o controle sobre para que
e para onde se quer ir pertence àquele que sabe escolher. Na vida, na produção do discurso, algo semelhante
ocorre, são muitas as “janelas” a serem abertas para se escrever um texto. Se o aluno não aprender a abri-las, as
chances de não chegar a lugar nenhum ou de não atender aos objetivos propostos é grande.
A competência comunicativa é uma questão de alteridade dos locutores em determinado campo social e
deve ser estudada nas condições de instauração do discurso.
As relações linguísticas, longe de serem uniformes, marcam o poder simbólico acumulado pelos seus prota-
gonistas. Não existe uma competência linguística abstrata, mas sim uma competência limitada por condições
determinadas de produção / interpretação de textos.
Os conteúdos representativos do tópico são: condições de produção e recepção; o papel dos interlocutores
na construção do texto; gêneros discursivos; textualidade: coerência e coesão; normas de registro escrito; diagra-
mação do texto; refacção e revisão.
A seguir são apresentadas as expectativas de aprendizagem em cada um dos tópicos. A leitura das expec-
tativas de aprendizagem deve considerar os conteúdos de ensino a que se referem.
As expectativas de aprendizagem não pretendem reduzir os conhecimentos a serem ensinados / aprendi-
dos, mas, sim, indicar os limites sem os quais o aluno do ensino fundamental – séries finais teria dificuldades para
prosseguir seus estudos, bem como participar ativamente na vida social.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 25


6º ANO / 5ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem

1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão


■ Linguagem verbal e cultura ■ Compreender a fala como manifestação do pensamento e da cul-
■ A língua falada como patrimônio cultural (identidade de grupos tura de um povo e o direito de seu uso como instrumento de
sociais) comunicação, manifestação de idéias e construção de identidades.
■ Identificar-se com a fala produzida por sua comunidade e res-
■ Interação e comunicação
peitar a fala produzida por outras comunidades.
■ Padrões lingüuísticos de prestígio
■ Demonstrar atenção na escuta de diversos textos em diferen-
■ Escuta orientada em situações de recepção da fala não
tes situações de comunicação.
planejada e planejada (construção de modelos apropria- ■ Intervir com perguntas e colocações planejadas em situações
dos ao uso do oral nas circunstâncias previstas) autênticas de interlocução de escuta de textos.
■ Objetivos, regras e estratégias nos usos da linguagem ■ Relatar opiniões, idéias, experiências e acontecimentos, de
verbal (a língua falada planejada e leitura em voz alta de acordo com a seqüuência lógica do gênero relatado.
textos) ■ Ler textos escritos em voz alta de maneira suscitar o interesse
■ Turnos do diálogo (situações dialogadas não-planejadas dos interlocutores (ajustando simultaneamente recursos para-
– concessões aos ouvintes, alternância de papéis, grau linguísticos - tonalidade de voz, gestos, expressão facial etc - e
recursos expressivos escritos).
de envolvimento dos interlocutores, reações paralinguísti-
■ Recontar oralmente histórias ouvidas, lidas, inventadas, de
cas, reparos, interrupções, correções, etc.)
maneira a suscitar o interesse dos interlocutores (ajustando
■ Sinais paralinguísticos durante situações de fala simultaneamente recursos paralinguísticos - tonalidade de voz,
gestos, expressão facial etc - e recursos expressivos escritos).
■ Ampliar em situações de fala planejada o uso de vocabulário e
de estruturas com maior complexidade sintática, levando em
conta os conteúdos aprendidos nos demais tópicos.

2. Leitura 2. Leitura
■ Gêneros indicados para leitura, reflexão e análise para a ■ Formular hipóteses, antes da leitura do texto sobre o seu con-
série / ano: relatos de experiência pessoal, histórias em qua- teúdo e forma, considerando as características do gênero, do
drinhos, receitas, bulas, manuais de instrução, artigos de di- suporte, do autor, da sua finalidade, da época de produção,
dos recursos lingüuísticos empregados, etc.
vulgação científica, notícias, publicitários, anúncios de classifi-
■ Identificar esferas discursivas, suportes de circulação origi-
cados, informativos de interesse didático, definições, verbe-
nal, gêneros, temas, assuntos, finalidades, público-alvo,
tes de enciclopédia e dicionário, curiosidades (você sabia?), possíveis objetivos de produção e leitura, espaços próprios
cartões, cartas pessoais, bilhetes, mensagens eletrônicas, de circulação social, formas, constituintes e recursos ex-
resumos, regulamentos, estatutos, tabelas, textos não ver- pressivos em textos.
bais diversos (fotos, imagens), contos, contos de fada, len- ■ Identificar os possíveis elementos constitutivos da organização
das, romances, fábulas, novelas, poemas, letras de música interna dos gêneros indicados para a série / ano.
■ Reconstrução das condições de produção e recepção dos ■ Reformular as hipóteses iniciais sobre conteúdo e forma do
gêneros indicados para a série / ano: contexto de produção texto, durante a sua leitura, considerando as características do
(autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento em que gênero, do suporte, do autor, da sua finalidade, da época de
produção dos recursos lingüuísticos empregados, etc.
ocorre a interação), suportes de circulação original (livros,
■ Construir sínteses parciais de partes do texto para prosseguir
revistas, papéis administrativos, outdoors, internet, suportes
com a sua leitura.
digitais, periódicos, documentos em geral, folhetos etc.), esfe- ■ Estabelecer conexões entre o texto e os conhecimentos prévios.
ras de circulação original (escolar, jornalística, artístico-literária, ■ Utilizar inferências pragmáticas para dar sentido a expressões
de entretenimento, institucional-pública, ocupacional, publicitá- que não pertençam a seu repertório linguístico.
ria, profissional, etc.)

26 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


6º ANO / 5ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

2. Leitura 2. Leitura
■ Estratégias de leitura: explicitação do conteúdo implícito, tema, ■ Localizar: item de informação explícita, considerando um único crité-
assunto, levantamento de hipóteses, relação de causa e con- rio para recuperar a informação (o que, quem, quando, onde, como,
sequência, de temporalidade, transferência, síntese, generali- por que); itens de informação explícita, relativos à descrição de
zação, tradução de símbolos, relação de forma e conteúdo, etc. características de determinado objeto, lugar ou pessoa, em um texto;
itens de informação explícita, distribuídos ao longo de um texto.
■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros
■ Organizar, na sequência em que aparecem, itens de informa-
indicados para a série / ano: (linguísticos, expressivos, textu-
ção explícita, distribuídos ao longo de um texto.
ais, formatos que caracterizam os padrões organizacionais e ■ Inferir: o sentido de palavras ou expressões a partir do contex-
estruturais dos gêneros) to ou selecionar a acepção mais adequada em verbete de
■ Tipos de textos (padrões predominantemente observados em
dicionário; tema ou assunto principal de um texto; informações
sua organização interna): narrativo; descritivo; expositivo; in- pressupostas ou subentendidas em textos.
juntivo; não verbal ■ Estabelecer relações entre partes do texto, identificando repeti-
■ O vocábulo em estado de dicionário
ções ou substituições que contribuem para a sua continuidade.
■ Sinonímia, homonímia, heteronímia
■ Estabelecer relações entre imagens (foto ou ilustração) e o
■ Denotação: o caráter polissêmico do uso do léxico
corpo do texto, comparando itens de informação explícita.
■ Conotação: o caráter estilístico do uso do léxico
■ Estabelecer relações de causa / consequência, entre segmen-
■ O valor expressivo das formas linguísticas
tos de um texto, sendo que a causa é relativa a um fato referido
pelo texto e a consequência está explícita.
Fatores de coerência ■ Distinguir um fato da opinião relativa a esse fato, em segmentos
■ A organização e a progressão temática a partir de mudança de
contínuos do texto, identificando a opinião explícita enunciada em
locutor, parágrafos, subtítulos, estrofes e versos relação a esse fato.
■ Aspectos estilísticos (configuração do texto, posição comunica-
■ Identificar o efeito de sentido produzido em um texto: pelo uso
tiva do locutor e sequência discursiva predominante – narrati- de marcas discursivas de temporalidade no encadeamento dos
va, descritiva ou conversacional) como indicadores do gênero fatos; pelo uso intencional de recursos expressivos gráfico-
de texto visuais; pelo uso intencional de pontuação expressiva (interro-
gação, exclamação, reticências, aspas, etc.); pelo uso intenci-
Fatores de coesão onal de determinada palavra ou expressão.
■ Coesão referencial (retomada lexical, retomada de referentes
■ Identificar o efeito de humor produzido no texto pelo uso inten-
por pronomes, retomada de referentes por elipse, etc.) cional de palavras, expressões ou imagens ambíguas.
■ Coesão sequencial (sequenciação parafrástica e frástica, se-
■ Identificar o efeito de sentido persuasivo produzido no texto
quenciação temporal, sequenciação conversacional, etc.) pelo uso de recursos gráfico-visuais.
■ Intertextualidade
■ Identificar o efeito de sentido produzido, no texto, decorrente da
■ Tratamento da informação e comparação de textos
exploração de recursos ortográficos ou morfossintáticos.
■ Modalidades de leitura
■ Identificar duas formas de tratar a informação na comparação
■ Leitura compreensiva e interpretativa
de textos que tratam de um mesmo tema ou assunto.
■ Identificar diferenças ou semelhanças entre uma mesma infor-
mação veiculada em diferentes textos / mídias.

Atitudes
■ Explicitar expectativas quanto à forma e ao conteúdo dos textos
que gostaria de ler.
■ Selecionar textos para a leitura de acordo com diferentes obje-
tivos ou interesses (estudo, formação pessoal, entretenimento,
realização de tarefas, etc.).

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 27


6º ANO / 5ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

2. Leitura
Atitudes
■ Realizar a leitura integral de um texto com autonomia.
■ Selecionar livros para leitura integral de acordo com seus ob-
jetivos e interesses.
■ Ler integralmente livros, revistas, jornais, etc.
■ Buscar informações complementares em dicionários, enciclo-
pédias, internet, etc.
■ Valorizar e preservar o suporte livro como um bem simbólico.
■ Posicionar-se criticamente em relação aos textos lidos quanto
aos conteúdos discriminatórios, aos direitos humanos e ambi-
entais neles divulgados.

3. Conhecimentos literários 3. Conhecimentos literários


■ Gêneros literários indicados para leitura, reflexão e análise ■ Identificar os possíveis elementos constitutivos da organização
para a série / ano: contos, contos de fada, lendas, mitos, ro- interna de gêneros literários: contos, contos de fada, lendas,
mances, fábulas, poemas, letras de música; gêneros literários mitos, romances, fábulas, poemas, letras de música.
orais ■ Recuperar as condições de produção e recepção dos gêneros
■ Reconstrução das condições de produção e recepção dos literários indicados para a série / ano: contexto de produção
gêneros literários indicados para a série / ano: contexto de (autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento em que
produção (autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento ocorre a interação), suportes de circulação original, esferas de
em que ocorre a interação), suportes de circulação original, circulação original.
esferas de circulação original ■ Identificar os mecanismos de construção do poema.
■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros ■ Identificar os mecanismos de construção da argumenta-
literários indicados para a série /ano: lingüuísticos, expressi- ção em fábulas.
vos, textuais, formatos que caracterizam os padrões organiza- ■ Identificar os diferentes elementos que estruturam o texto nar-
cionais e estruturais dos gêneros rativo literário: personagens, marcadores de tempo e de loca-
■ As teorias explicativas sobre os gêneros dos textos literários de lização, o conflito gerador do enredo, seqüuência lógica dos
estrutura narrativa em prosa - personagem, ponto de vista do fatos, modos de narrar (1ª e 3ª pessoa); adjetivação na carac-
narrador, descrição, enredo, tempo, espaço, etc; em versos - terização de personagens, cenários e objetos; modos de mar-
poemas - rima, ritmo, figuras de estilo e linguagem, etc. car o discurso alheio (discurso direto / indireto).
Elementos da narrativa: ■ Identificar o enunciador do discurso direto, em um segmento de
■ O enredo: ordem linear e não linear, conflito e clímax narrativa literária.
■ Descrição de personagens ■ Identificar uma interpretação adequada de fonte autorizada para
■ Descrição de cenários um determinado texto literário.
■ Diálogo no texto narrativo ■ Identificar o efeito de sentido produzido em um texto literário,

■ Recursos da linguagem poética decorrente: do uso de pontuação expressiva; determinada


■ Comparação de textos narrativos literários e de letras de músi- palavra ou expressão.
cas, em diferentes momentos históricos ■ Inferir o efeito de sentido produzido em um texto literário, decor-

■ Intertextualidade temática rente da exploração de recursos gráficos, ortográficos e / ou


■ Leitura e análise de livros de autores representativos das lite- morfossintáticos.
raturas lusófonas ■ Estabelecer relações temáticas entre dois textos literários.
■ Literatura como representação da cultura, forma de manifestação ■ Registrar a literatura oral divulgada por sua comunidade
da identidade e de luta para a emancipação de diferentes povos ■ Ler e analisar livros de autores representativos das literatu-
e patrimônio nacional a ser preservado, respeitado e divulgado ras lusófonas.
■ Preservação da literatura oral das comunidades locais

28 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


6º ANO / 5ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

3. Conhecimentos literários
■ Valorizar a literatura como representação da cultura, forma de
manifestação da identidade e luta para a emancipação de dife-
rentes povos e patrimônio nacional a ser preservado, respeita-
do e divulgado.

4. Conhecimentos linguísticos 4. Conhecimentos linguísticos


■ Regularidades de ordem fonológica (acentuação, ortografia e ■ Constituir um conjunto de conhecimentos sobre o funcionamen-
divisão silábica) to da linguagem e sobre o sistema linguístico relevante para as
■ Regularidades estruturais (paragrafação, margens, transline- práticas de escuta, leitura e produção de textos (domínio e uso
ação) de nomenclatura e conceitos específicos da gramática tradicio-
■ Norma padrão da língua escrita: ortografia e pontuação nal e da linguística).
■ Segmentação do texto: palavras, frases, orações, períodos e ■ Construir um acervo de instrumentos de natureza procedimen-
frases tal e conceitual necessários para a análise e reflexão linguísti-
■ Letra e fonema; encontros vocálicos / consonantais; dígrafos; ca, delimitação e identificação de unidades linguísticas para
dífonos; sílaba compreensão das relações estabelecidas entre as unidades e
■ Categorias morfossintáticas: substantivo; adjetivo; locução ad- as funções discursivas associadas a elas no contexto (domínio
jetiva; artigos definidos e indefinidos; pronomes pessoais, pos- e uso de metodologia de análise dos usos da língua para
sessivos, demonstrativos, indefinidos; numeral; verbo (modos descrever fatos, processos, padrões, etc.).
indicativo, subjuntivo e imperativo); interjeição ■ Inventariar e descrever fenômenos linguísticos por meio de
■ Estrutura das frases: frases e tipos de frases agrupamento, aplicação de modelos, comparações e análise
■ Usos de dicionário e gramática de formas linguísticas de modo a inventariar elementos de uma
■ Contexto de produção das variantes linguísticas (histórico, so- mesma classe de fenômenos e construir paradigmas constrati-
cial e cultural) vos em diferentes modalidades da fala e da escrita:
■ Expressões próprias da linguagem coloquial - de propriedades morfológicas indicadas para a série / ano;
■ Usos de regionalismos, estrangeirismos, arcaísmos, neologis- - no papel funcional assumido pelos elementos na estrutura da
mos, jargões, gírias sentença ou nos sintagmas constituintes indicados para a série
■ Variação intrínseca do processo linguístico: fatores geográficos / ano;
(variedades regionais, urbanas e rurais), históricos (lingua- - no significado prototípico dessas classes indicadas para a
gem do passado e do presente), sociológicos (gênero, raça, série / ano.
classe social), técnicos (diferentes domínios da ciência e da ■ Reconhecer e diferenciar os modos (indicativo, subjuntivo e
tecnologia) imperativo) e os tempos verbais (presente, passado e futuro)
em frases.
■ Classificar as palavras pelo número de sílabas (monossílabas,
dissílabas, trissílabas, polissílabas) e pela tonicidade (oxítonas,
paroxítonas e proparoxítonas) para resolver problemas de
acentuação.
■ Utilizar o conhecimento sobre as regularidades observadas
em paradigmas morfológicos como parte das estratégias de
solução de problemas de ortografia e acentuação gráfica.
■ Utilizar a intuição sobre unidades linguísticas períodos, senten-
ças, sintagmas como parte das estratégias de solução de pro-
blemas de pontuação.
■ Resolver problemas de ortografia ou de pontuação, em determi-
nado enunciado, aplicando os conhecimentos da norma padrão
da língua portuguesa.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 29


6º ANO / 5ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

4. Conhecimentos linguísticos
■ Consultar o dicionário e a gramática tradicional para resolver
problemas relativos à análise e descrição gramatical, à análise
e compreensão de textos, à produção de seu próprio texto.
■ Avaliar, a partir da percepção da variação linguística, os valores
nela implicados e consequentemente o preconceito a determina-
dos grupos sociais.
■ Identificar, no texto, marcas de uso de variação linguística, no
que diz respeito aos fatores geográficos, históricos, sociológi-
cos; às diferenças entre os padrões da linguagem oral e os
padrões da linguagem escrita; à seleção de registro em função
da situação interlocutiva (formal, informal).
■ Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o
interlocutor de um texto.

5. Produção de textos escritos 5. Produção de textos escritos


■ Produção de gêneros textuais: cartão, carta pessoal, bilhete, ■ Produzir um relato de experiência pessoal vivida com base em
mensagem eletrônica, histórias vividas e imaginadas, relato proposta que estabelece tema, gênero, linguagem, finalidade e
pessoal, história em quadrinhos, resumo (expositivos), poema; interlocutor do texto.
texto não verbal, letra de música, paródia, paráfrase ■ Produzir uma carta pessoal com base em proposta que estabe-
■ Organização e a progressão temática (mudança de locutor, lece tema, gênero, linguagem, finalidade e interlocutor do texto.
parágrafos, subtítulos, estrofes e versos) ■ Produzir texto a partir de modelo, levando em conta o gênero,
■ Marcas de segmentação do texto (título, subtítulo, paragrafa- seu contexto de produção, estruturando-o de maneira a ga-
ção, pontuação e outros sinais gráficos) rantir a relevância das partes em relação ao tema e à continui-
■ Regularidades de ordem fonológica (acentuação, ortografia e dade temática.
divisão silábica) e estrutural (paragrafação, margens, transli- Procedimentos da escrita:
neação) ■ Utilizar procedimentos iniciais para a elaboração do texto: esta-
■ Escolhas estilísticas (elementos lexicais, figurativos e ilustrati- belecer o tema; pesquisar idéias e dados, etc.; planejar a estru-
vos) tura; formular rascunho.
■ Ordem morfológica e manutenção da coesão textual ■ Utilizar os mecanismos discursivos, linguísticos e textuais de
■ Escrita de palavras e pontuação de acordo com a norma pa- coesão e coerência, conforme o gênero e propósitos do texto.
drão de escrita ■ Manter, na produção do texto, a continuidade do tema e orde-
■ Segmentação do texto em palavras, frases, orações, períodos nação de suas partes.
e frases ■ Desenvolver os tópicos e informações do texto em relação ao
■ Refacção, revisão e projeto textual tema e ponto de vista assumidos.
■ Selecionar o léxico em função do eixo temático.
■ Utilizar os padrões da escrita em função do projeto textual e das
condições de produção.
■ Analisar e revisar o próprio texto em função dos objetivos
estabelecidos, da intenção comunicativa e do leitor a que se
destina, redigindo tantas quantas forem as versões necessári-
as para considerar o texto escrito bem produzido.

Padrões da escrita
■ Pontuar corretamente final de frases (ponto, ponto de exclamação,
ponto de interrogação, reticências), usando inicial maiúscula.

30 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


6º ANO / 5ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

5. Produção de textos escritos


Padrões da escrita
■ Utilizar marcas de segmentação em função do projeto textual:
título e subtítulo, paragrafação, periodização, pontuação (pon-
to, vírgula, ponto-e-vírgula, dois-pontos, ponto-de-exclamação,
ponto-de-interrogação, reticências).
■ Utilizar outros sinais gráficos (aspas, travessão, parênteses).
■ Pontuar corretamente as passagens de discurso direto em fun-
ção das restrições impostas pelo gênero.
■ Utilizar recursos gráficos orientadores da interpretação do lo-
cutor, fontes, tipo de letra, estilo – negrito, itálico, tamanho da
letra, sublinhado, caixa alta, cor, divisão em colunas, marcado-
res de enumeração.
■ Reconhecer e corrigir erros ortográficos que envolvam regu-
laridades na representação de marcas de nasalidade, dos
diferentes padrões silábicos e das restrições contextuais.
■ Escrever corretamente palavras de uso frequente.
■ Acentuar corretamente as palavras.
■ Empregar casos mais gerais de concordância nominal e verbal
para recuperação da referência e manutenção da coesão em
seu texto.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 31


7º ANO / 6ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão
1. Oralidade e expressão
■ Interação e comunicação
■ Compreender a fala como manifestação do pensamento e da cul-
■ Linguagem verbal e cultura
tura de um povo e o direito de seu uso como instrumento de
■ Identidade e diversidade do português falado
comunicação, manifestação de idéias e construção de identidades.
■ A língua falada como patrimônio cultural (identidade de grupos sociais)
■ Identificar-se com a fala produzida por sua comunidade e res-
■ Padrões linguísticos de prestígio
peitar a fala produzida por outras comunidades.
■ Objetivos, regras e estratégias nos usos da linguagem verbal
■ Escutar a fala do outro, compreendendo o silêncio como parte
(a língua falada planejada)
da interação / interpretação.
■ Gêneros discursivos orais (permanências e mudanças na atu-
■ Intervir com perguntas e colocações planejadas em situações
alização dos gêneros conversacionais)
autênticas de interlocução de escuta de textos.
■ Escuta orientada em situações de recepção da fala não plane-
■ Identificar em situações de escuta trechos em que um interlocu-
jada e planejada (construção de modelos apropriados ao uso
tor desqualifica o outro ou manifesta posições discriminatórias
do oral nas circunstâncias previstas)
ou de preconceito, fazendo intervenções.
■ Sinais paralinguísticos durante as situações de fala
■ Relatar opiniões, idéias, experiências e acontecimentos, de
acordo com a sequência lógica do gênero relatado.
■ Ampliar em situações de fala planejada o uso de vocabulário e
de estruturas com maior complexidade sintática, levando em
conta os conteúdos aprendidos nos demais tópicos.
■ Expor trabalhos individualmente ou em grupo apoiados por
roteiros escritos ou outros recursos.
2. Leitura 2. Leitura
■ Gêneros indicados para leitura, reflexão e análise para a série / ■ Formular hipóteses, antes da leitura do texto sobre o seu conteúdo
ano: relatos de experiência pessoal, história em quadrinhos, arti- e forma, considerando as características do gênero, do suporte, do
gos de divulgação científica, artigos de opinião, notícias, manche- autor, da sua finalidade, da época de produção, dos recursos
tes, publicitários, anúncios de classificados, anúncios publicitários, linguísticos empregados, etc.
reportagens, entrevistas, informativos de interesse didático, defini- ■ Interpretar textos dos gêneros indicados para a série / ano,
ções, verbetes de enciclopédia e dicionário, curiosidades (você relacionando-os aos seus contextos de produção e de recep-
sabia?), cartões, cartas pessoais, bilhetes, mensagens eletrônicas, ção (interlocutores, finalidade, espaço e tempo em que ocorre
resumos, regulamentos, estatutos, tabelas, textos não verbais di- a interação), considerando fatores como gênero, formato do
versos (fotos, imagens), contos, contos de fada, lendas, romances, texto, tema, assunto, finalidade, suporte original e espaços pró-
fábulas, poemas, letras de música, paródias prios de circulação social.
■ Estratégias de leitura: explicitação do conteúdo implícito, tema, ■ Identificar esferas discursivas, suportes de circulação original,
assunto, levantamento de hipóteses, relação de causa e con- gêneros, temas, assuntos, finalidades, público-alvo, possíveis
sequência, de temporalidade, transferência, síntese, generali- objetivos de produção e leitura, espaços próprios de circula-
zação, tradução de símbolos, relação de forma e conteúdo, etc. ção social, formas, constituintes e recursos expressivos em
■ Reconstrução das condições de produção e recepção dos textos.
gêneros indicados para a série / ano: contexto de produção ■ Identificar os possíveis elementos constitutivos da organização
(autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento em que interna dos gêneros indicados para a série / ano.
ocorre a interação), suportes de circulação original (livros, ■ Reformular as hipóteses iniciais sobre conteúdo e forma do
revistas, papéis administrativos, outdoors, internet, suportes texto, durante a sua leitura, considerando as características do
digitais, periódicos, documentos em geral, folhetos etc.), esfe- gênero, do suporte, do autor, da sua finalidade, da época de
ras de circulação original (escolar, jornalística, artístico-literária, produção dos recursos linguísticos empregados etc.
de entretenimento, institucional-pública, ocupacional, publicitá- ■ Construir sínteses parciais de partes do texto para prosseguir com a
ria, profissional, etc.) sua leitura.

32 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO / 6ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

2. Leitura 2. Leitura
■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros ■ Estabelecer conexões entre o texto e os conhecimentos
indicados para a série /ano: (linguísticos, expressivos, textuais, prévios.
formatos que caracterizam os padrões organizacionais e estru- ■ Utilizar inferências pragmáticas para dar sentido a expres-
turais dos gêneros) sões que não pertençam a seu repertório linguístico.
■ Tipos de textos (padrões predominantemente observados em ■ Inferir o sentido de palavras ou expressões a partir do
sua organização interna); narrativo; descritivo; expositivo; in- contexto ou selecionar a acepção mais adequada em ver-
juntivo; argumentativo; não verbal bete de dicionário ou enciclopédia.
■ Suportes: jornais, revistas, folhetos, livros, dicionários, enci- ■ Inferir tema ou assunto principal do texto.
clopédias, internet, estatutos, etc. ■ Localizar item de informação explícita, com base na com-
■ O vocábulo em estado de dicionário preensão global de um texto.
■ Sinonímia, homonímia, heteronímia ■ Organizar, na sequência em que aparecem, itens de infor-
■ Denotação: o caráter polissêmico do uso do léxico mação explícita, distribuídos ao longo de um texto.
■ Conotação: o caráter estilístico do uso do léxico ■ Distinguir, em um texto, um fato da opinião relativa a esse
■ O valor expressivo das formas linguísticas fato.
Fatores de coerência ■ Estabelecer relações entre partes de um texto, identifican-
■ A organização e a progressão temática a partir de mudança de do repetições ou substituições que contribuem para a sua
locutor, parágrafos, subtítulos, estrofes e versos continuidade.
■ Aspectos estilísticos (configuração do texto, posição comunica- ■ Estabelecer relações de causa / consequência entre infor-
tiva do locutor e sequência discursiva predominante – narrati- mações explícitas distribuídas ao longo de um texto.
va, descritiva ou conversacional) como indicadores do gênero ■ Inferir informação implícita em um texto.
de texto ■ Estabelecer relações lógico-discursivas marcadas por con-
Fatores de coesão junções ou advérbios, identificando um exemplo do texto
■ Coesão referencial (retomada lexical, retomada de referentes que possa ilustrar essa relação.
por pronomes, retomada de referentes por elipse, etc.) ■ Interpretar texto com auxílio de material gráfico diverso
■ Coesão sequencial (sequenciação parafrástica e frástica, se- (propagandas, quadrinhos, foto, etc.).
quenciação temporal, sequenciação conversacional, etc.) ■ Selecionar legenda ou título apropriado para um texto es-
■ Intertextualidade crito ou uma foto.
■ Tratamento da informação e comparação de textos ■ Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação
■ Modalidades de leitura na comparação de textos de um mesmo tema, em função
das condições em que ele foi produzido e daquelas em
que será recebido.
■ Identificar recursos verbais e não verbais utilizados em um
texto com a finalidade de criar e mudar comportamentos e
hábitos ou de gerar uma mensagem de cunho político,
cultural, social ou ambiental.
■ Identificar posições distintas entre duas ou mais opiniões
relativas ao mesmo fato ou ao mesmo tema em diferentes
textos.
■ Identificar em textos formas de apropriação textual, como
paráfrases, citações, discurso direto ou indireto.
■ Identificar efeitos de ironia ou humor em textos variados.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 33


7º ANO / 6ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

2. Leitura
Atitudes
■ Explicitar expectativas quanto à forma e ao conteúdo dos textos
que gostaria de ler.
■ Selecionar textos para a leitura de acordo com diferentes obje-
tivos ou interesses (estudo, formação pessoal, entretenimento,
realização de tarefas, etc.).
■ Realizar a leitura integral de um texto com autonomia.
■ Selecionar livros para leitura integral de acordo com seus ob-
jetivos e interesses.
■ Ler integralmente livros, revistas e jornais.
■ Buscar informações complementares em dicionários, enciclopédias,
internet etc.
■ Compreender a leitura em suas diferentes dimensões – o de-
ver de ler, a necessidade de ler e o prazer de ler.
■ Interessar-se pela leitura de textos literários considerando-os
como forma de expressão da cultura de um povo.
■ Interessar-se por frequentar espaços mediadores de leitura – bibli-
otecas, livrarias, editoras, bancas de revistas, lançamentos, pales-
tras, depoimentos de autores – sabendo orientar-se dentro das
especificidades desse espaço e de localizar o texto desejado.
■ Valorizar e preservar o suporte livro como um bem simbólico.
■ Posicionar-se criticamente em relação aos textos lidos quanto aos
conteúdos discriminatórios, aos direitos humanos e ambientais ne-
les divulgados.

3. Conhecimentos literários 3. Conhecimentos literários


■ Gêneros literários indicados para leitura, reflexão e análise para ■ Identificar os diferentes elementos que estruturam o texto nar-
a série / ano: contos, crônicas, romances, poemas, teatro, letras rativo literário: personagens, marcadores de tempo e de loca-
de música, música regional, paródias; gêneros literários orais lização, o conflito gerador do enredo, sequência lógica dos
■ Reconstrução das condições de produção e recepção dos fatos, modos de narrar (1ª e 3ª pessoa); adjetivação na carac-
gêneros literários indicados para a série / ano: contexto de terização de personagens, cenários e objetos; modos de mar-
produção (autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento car o discurso alheio (discurso direto / indireto).
em que ocorre a interação), suportes de circulação original, ■ Identificar os mecanismos de construção do poema.
esferas de circulação original ■ Identificar o efeito de sentido produzido em um texto literário,
■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros decorrente: do uso de pontuação expressiva; de uma determi-
literários indicados para a série /ano: linguísticos, expressivos, nada palavra ou expressão.
textuais, formatos que caracterizam os padrões organizacio- ■ Inferir o efeito de sentido produzido em um texto literário, decor-
nais e estruturais dos gêneros rente da exploração de recursos gráficos, ortográficos e / ou
■ As teorias explicativas sobre os gêneros dos textos literários de morfossintáticos.
estrutura narrativa em prosa personagem, ponto de vista do ■ Estabelecer relações temáticas entre dois textos literários.
narrador, descrição, enredo, tempo, espaço, etc; em versos ■ Identificar uma interpretação adequada de fonte autorizada para
poemas rima, ritmo, figuras de estilo e linguagem, etc.; em tex- um determinado texto literário.
tos construídos para a representação no teatro – diálogos e ■ Registrar a literatura oral divulgada por sua comunidade.
formas de direcionamento do autor ■ Ler e analisar livros de autores representativos das literaturas
lusófonas.

34 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO / 6ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

3. Conhecimentos literários 3. Conhecimentos literários


■ Elementos que estruturam o texto narrativo / descritivo ■ Valorizar a literatura como representação da cultura, forma de
(episódios e modos de relacioná-los e organizá-los; per- manifestação da identidade e luta para a emancipação de dife-
sonagens e modos de apresentá-los; caracterização de rentes povos e patrimônio nacional a ser preservado, respeita-
personagens / ambientes; aspectos descritivos; modo de do e divulgado.
ordenar o tempo; pessoas do discurso 1ª e 3ª -; diálogos) ■ Organizar projetos coletivos para leitura oral ou dramatização
■ Diálogo e teatro de textos literários.
■ Representação teatral
■ Elementos da estruturação de textos poéticos (idéias
ou elementos centrais de conceituação, recursos ver-
bais de construção ou de semântica)
■ Recursos expressivos utilizados pelo autor e sua impor-
tância na construção do estilo
■ Aspectos estilísticos do texto literário (configuração do
texto, posição comunicativa do locutor e sequência
discursiva predominante – narrativa, descritiva ou con-
versacional) como indicadores do gênero de texto
■ Intertextualidade temática
■ Leitura e análise de livros de autores representativos
das literaturas lusófonas
■ Literatura como representação da cultura, forma de
manifestação da identidade e de luta para a emancipa-
ção de diferentes povos e patrimônio nacional a ser
preservado, respeitado e divulgado
■ Preservação da literatura oral das comunidades locais
■ Projetos coletivos para leitura oral ou dramatização de
textos literários.
4. Conhecimentos linguísticos 4. Conhecimentos linguísticos
■ Aspectos fonológicos, lexicais, morfossintáticos e semânticos ■ Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o
das variantes linguísticas interlocutor de um texto.
■ Variantes linguísticas: na pronúncia, no emprego das palavras, ■ Identificar, no texto, marcas de uso de variação linguística, no que
nas reduções, nas flexões e derivações e na estruturação das diz respeito aos fatores geográficos, históricos, sociológicos e técni-
sentenças cos; às diferenças entre os padrões da linguagem oral e os pa-
■ Recursos expressivos e efeitos de sentido drões da linguagem escrita; à seleção de registro em função da
■ Relações entre elementos e orações em textos situação interlocutiva (formal, informal); aos diferentes componen-
■ Relações lógico-discursivas: conjunções, advérbios e outros tes do sistema linguístico em que a variação se manifesta: na foné-
■ Usos e estrutura: dicionário e gramática normativa tica, no léxico, na morfologia, na sintaxe.
■ Recursos coesivos: conectivos adequados à linguagem escri- ■ Identificar a presença em textos de fenômenos linguísticos das
ta; expressões que marcam a temporalidade e causalidade; diferentes variedades da fala e da escrita, nos seguintes domínios:
substituições lexicais; manutenção do tempo verbal sistema pronominal; sistema de tempos verbais e emprego dos
■ Coerência e coesão do texto: manutenção do tempo verbal, tempos verbais; casos mais gerais de concordância nominal e
emprego de pronomes, flexão, concordância nominal e verbal verbal para recuperação de referência e manutenção da coesão.
■ Mecanismos discursivos e linguísticos de coerência e coesão: ■ Analisar as regularidades das diferentes variedades do portu-
manutenção da continuidade do tema e ordenação de suas guês, reconhecendo os valores sociais nelas implicados, o
partes, seleção lexical adequada ao eixo temático, repetição, preconceito contra as formas populares em oposição às formas
retomadas, conectivos dos grupos socialmente favorecidos.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 35


7º ANO / 6ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

4. Conhecimentos linguísticos 4. Conhecimentos linguísticos


■ Regularidades de ordem fonológica: acentuação, ortografia e ■ Avaliar, a partir da percepção da variação linguística, os valores nela
divisão silábica implicados e consequentemente o preconceito a determinados gru-
■ Regularidades de ordem estrutural: paragrafação, margens, pos sociais.
translineação ■ Constituir um conjunto de conhecimentos sobre o funcionamen-
■ Discurso direto e indireto to da linguagem e sobre o sistema linguístico relevante para as
■ Classes gramaticais: gênero, número e grau do substantivo e práticas de escuta, leitura e produção de textos (domínio e uso
do adjetivo; gênero e número do artigo; gênero e número dos de nomenclatura e conceitos específicos da gramática tradicio-
numerais e dos pronomes nal e da linguística).
■ Categorias morfossintáticas: formas nominais do verbo; verbos ■ Construir um acervo de instrumentos de natureza procedimen-
regulares e auxiliares (tempos e modos); advérbio, locução tal e conceitual necessários para a análise e reflexão linguística,
adverbial e preposição delimitação e identificação de unidades linguísticas para com-
■ Análise e descrição morfossintática da frase: termos essenciais preensão das relações estabelecidas entre as unidades e as
da oração; tipos de sujeito; adjuntos adverbiais; tipos de predi- funções discursivas associadas a elas no contexto (domínio e
cado; adjuntos adnominais
uso de metodologia de análise dos usos da língua para descre-
■ Frase, oração e período
ver fatos, processos, padrões etc.).
■ Avaliar, a partir da percepção da variação linguística, os valores nela
Padrões da escrita
■ Pontuação
implicados e consequentemente o preconceito a determinados gru-
■ Pontuação no discurso direto pos sociais.
■ Pontuação expressiva ■ Constituir um conjunto de conhecimentos sobre o funcionamen-
■ Ortografia (usos da inicial maiúscula, acentuação, regularida- to da linguagem e sobre o sistema linguístico relevante para as
des na escrita da palavra) práticas de escuta, leitura e produção de textos (domínio e uso
■ Colocação pronominal de nomenclatura e conceitos específicos da gramática tradicio-
■ Regularidades de ordem fonológica: acentuação, ortografia e nal e da linguística).
divisão silábica ■ Construir um acervo de instrumentos de natureza procedimen-
■ Regularidades de ordem gráfica: paragrafação, margens, trans- tal e conceitual necessários para a análise e reflexão linguística,
lineação delimitação e identificação de unidades linguísticas para com-
preensão das relações estabelecidas entre as unidades e as
funções discursivas associadas a elas no contexto (domínio e
uso de metodologia de análise dos usos da língua para descre-
ver fatos, processos, padrões etc.).
■ Inventariar e descrever fenômenos linguísticos por meio de
agrupamento, aplicação de modelos, comparações e análise
de formas linguísticas de modo a inventariar elementos de uma
mesma classe de fenômenos e construir paradigmas constrati-
vos em diferentes modalidades da fala e da escrita:
■ de propriedades morfológicas indicadas para a série /ano;
■ no papel funcional assumido pelos elementos na estrutura da sen-
tença ou nos sintagmas constituintes indicados para a série / ano;
■ no significado prototípico dessas classes indicadas para a
série / ano.
■ Consultar o dicionário e a gramática tradicional para resolver
problemas relativos à análise e descrição gramatical, à análise
e compreensão de textos, à produção de seu próprio texto.
■ Utilizar o conhecimento sobre as regularidades observadas em
paradigmas morfológicos como parte das estratégias de solu-
ção de problemas de ortografia e acentuação gráfica.

36 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO / 6ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

4. Conhecimentos linguísticos
■ Aplicar conhecimentos relativos a regularidades observadas
em processos de derivação como estratégia para solucionar
problemas de ortografia.
■ Resolver problemas de ortografia, de concordância, de regên-
cia, de colocação pronominal ou de pontuação, em determina-
do enunciado, aplicando os conhecimentos da norma padrão
da língua portuguesa.
■ Identificar e comparar os fenômenos linguísticos observados
na fala e na escrita nas diferentes variedades: sistema prono-
minal (diferentes quadros pronominais em função do gênero,
preenchimento da posição de sujeito, extensão do emprego
dos pronomes tônicos na posição de objeto, desaparecimento
dos clíticos, emprego dos reflexivos, etc.)
■ Identificar em textos o uso de tempos verbais no eixo do pre-
sente para reconhecer eventos anteriores e posteriores a esse
tempo (pretérito perfeito / futuro do presente).
■ Identificar em textos o uso de tempos verbais no eixo do preté-
rito para reconhecer eventos anteriores e posteriores a esse
tempo (pretérito perfeito, imperfeito, mais que perfeito, futuro do
pretérito).
■ Identificar em textos o uso dos verbos “de dizer” para introduzir
sequências dialogais ou incorporar citações.
■ Reconhecer marcas linguísticas específicas (seleção dos pro-
cessos anafóricos, marcadores temporais, operadores lógicos e
argumentativos, esquema dos tempos verbais, dêiticos).

5. Produção de textos escritos 5. Produção de textos escritos


■ Produção de gêneros textuais: carta pessoal, história em quadri- ■ Produzir um relato de experiência pessoal vivida com base em
nhos, artigo jornalístico (texto argumentativo), anúncio publicitá- proposta que estabelece tema, gênero, linguagem, finalidade e
rio, classificado, reportagem, entrevista, notícia, manchete, poe- interlocutor do texto.
■ Produzir uma carta pessoal com base em proposta que estabe-
ma, letra de música, paráfrase, texto dramático (teatro) e charge
lece tema, gênero, linguagem, finalidade e interlocutor do texto.
■ Transcrição de letra de música
■ Produzir texto a partir de modelo, levando em conta o gênero,
■ Produção de descrição de personagens e cenários
seu contexto de produção, estruturando-o de maneira a ga-
■ Transformação de narrativas em 1ª e 3ª pessoas e vice-versa
rantir a relevância das partes em relação ao tema e à continui-
■ Construção de diálogos diretos em narrativas
dade temática.
■ Produção de descrição de personagens e cenários
■ Recursos coesivos (sistema de pontuação, conectivos, expres- Procedimentos
sões que marcam a temporalidade e causalidade, substituições ■ Utilizar procedimentos iniciais para a elaboração do texto: esta-
lexicais, manutenção do tempo verbal) belecer o tema; pesquisar idéias e dados, etc.; planejar a estru-
■ Recursos morfossintáticos (manutenção do tempo verbal, em- tura; formular rascunho.
prego de pronomes, flexão, concordância nominal e verbal) ■ Utilizar os mecanismos discursivos e linguísticos e textuais de
■ Mecanismos discursivos e linguísticos de coerência e coesão coesão e coerência, conforme o gênero e propósitos do texto.
(manutenção da continuidade do tema e ordenação de suas ■ Manter, na produção do texto, a continuidade do tema e a
partes, seleção lexical adequada ao eixo temático, repetição, ordenação de suas partes.
retomadas, conectivos) ■ Desenvolver os tópicos e informações do texto, em relação ao
■ Escolhas estilísticas (elementos lexicais, figurativos e ilustrativos) tema e ponto de vista assumidos.
■ Refacção e revisão dos textos produzidos ■ Selecionar o léxico em função do eixo temático.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 37


7º ANO / 6ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

5. Produção de textos escritos


■ Utilizar os padrões da escrita em função do projeto textual e das
condições de produção.
■ Analisar e revisar o próprio texto em função dos objetivos estabeleci-
dos, da intenção comunicativa e do leitor a que se destina, redigindo
tantas quantas forem as versões necessárias para considerar o texto
escrito bem produzido.
Padrões da escrita
■ Utilizar marcas de segmentação em função do projeto textual: título e
subtítulo, paragrafação, periodização, pontuação (ponto, vírgula, ponto-
e-vírgula, dois pontos, ponto-de-exclamação, ponto-de-interrogação,
reticências).
■ Utilizar outros sinais gráficos (aspas, travessão, parênteses).
■ Pontuar corretamente as passagens de discurso direto em função das
restrições impostas pelo gênero.
■ Utilizar recursos gráficos orientadores da interpretação do locutor,
fontes, tipo de letra, estilo – negrito, itálico, tamanho da letra, sublinha-
do, caixa alta, cor, divisão em colunas, marcadores de enumeração.
■ Reconhecer e corrigir erros ortográficos que envolvam regularidades
na representação de marcas de nasalidade, dos diferentes padrões
silábicos e das restrições contextuais.
■ Acentuar corretamente as palavras.
■ Empregar casos mais gerais de concordância nominal e verbal para
recuperação da referência e manutenção da coesão em seu texto.

38 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Interação e comunicação ■ Compreender a fala como manifestação do pensamento e da cul-
■ Língua falada e ideologia tura de um povo e o direito de seu uso como instrumento de
■ Identidade e diversidade do português falado comunicação, manifestação de idéias e construção de identidades.
■ A língua falada como patrimônio cultural (identidade de grupos ■ Identificar-se com a fala produzida por sua comunidade e res-
sociais) peitar a fala produzida por outras comunidades.
■ Padrões linguísticos de prestígio ■ Resolver dúvidas, planejando a fala, sobre tópicos enunciados
■ Objetivos, regras e estratégias nos usos da linguagem verbal durante a escuta de uma exposição (aula) ou palestra.
(a língua falada planejada) ■ Identificar em situações de escuta trechos em que um interlocu-
■ Gêneros discursivos orais (permanências e mudanças na atu- tor desqualifica o outro ou manifesta posições discriminatórias
alização dos gêneros conversacionais) ou de preconceito, fazendo intervenções.
■ Escuta orientada em situações de recepção da fala não plane- ■ Opinar e posicionar-se criticamente diante das informações
jada e planejada (construção de modelos apropriados ao uso expostas pelo locutor, contextualizando os fatos apreendidos e
do oral nas circunstâncias previstas) associando-os à sua realidade.
■ Contexto dos atos da fala e a relação entre os interlocutores: ■ Realizar anotações escritas durante a escuta de uma aula, expo-
- Progressão temática na fala planejada sição ou palestra como recurso possível para registro mnemôni-
- Recursos de apoio à fala planejada co das idéias principais para posterior reflexão, compreensão,
- Planejamento da fala em público interpretação e discussão oral das informações comunicadas.
■ Planejar previamente a fala em função da intencionalidade do
locutor, das características do receptor, das exigências da situ-
ação e dos objetivos estabelecidos.
■ Ajustar a fala não planejada em função da reação dos interlo-
cutores, como considerar o ponto de vista do outro para acatá-
lo, refutá-lo ou negociá-lo.
■ Ampliar em situações de fala planejada o uso de vocabulário e
de estruturas com maior complexidade sintática, levando em
conta os conteúdos aprendidos nos demais tópicos.
■ Expor trabalhos individualmente ou em grupo apoiados por
roteiros escritos ou outros recursos.

2. Leitura 2. Leitura
■ Gêneros indicados para leitura, reflexão e análise para a série ■ Formular hipóteses, antes da leitura do texto sobre o seu con-
/ ano: ensaios, resenhas, charges, anedotas, histórias em qua- teúdo e forma, considerando as características do gênero, do
drinhos, reportagens, críticas, regras de jogo, propagandas suporte, do autor, da sua finalidade, da época de produção,
institucionais, regulamentos, procedimentos, fichas pessoais, dos recursos linguísticos empregados, etc.
formulários, verbetes de dicionário ou de enciclopédia, notíci- ■ Interpretar textos dos gêneros indicados para a série / ano,
as, reportagens, cartazes informativos, folhetos de informação, relacionando-os aos seus contextos de produção e de recep-
cartas resposta, artigos de divulgação, artigos de opinião, rela- ção (interlocutores, finalidade, espaço e tempo em que ocorre
tórios, entrevistas, documentos públicos, contratos públicos, di- a interação), considerando fatores como gênero, formato do
agramas, tabelas, legendas, mapas, estatutos, gráficos, defini-
texto, tema, assunto, finalidade, suporte original e espaços pró-
ções, textos informativos de interesse curricular, contos, crôni-
prios de circulação social.
cas, romances, poemas, teatro, letras de música, paródias,
■ Identificar esferas discursivas, suportes de circulação original,
gêneros orais, paráfrases, textos dramáticos (teatro)
■ Estratégias de leitura: explicitação do conteúdo implícito, tema,
gêneros, temas, assuntos, finalidades, público-alvo, possíveis
assunto, levantamento de hipóteses, relação de causa e con- objetivos de produção e leitura, espaços próprios de circula-
sequência, de temporalidade, transferência, síntese, generali- ção social, formas, constituintes e recursos expressivos em
zação, tradução de símbolos, relação de forma e conteúdo etc. textos.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 39


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura 2. Leitura
■ Os agentes específicos do discurso escrito (autores, editores, ■ Identificar os possíveis elementos constitutivos da organização
livreiros, tipógrafos, críticos, leitores) interna dos gêneros indicados para a série / ano.
■ Texto e contexto: relações de produção, divulgação e recep- ■ Construir sínteses parciais de partes do texto para prosseguir
ção com a sua leitura.
■ Reconstrução das condições de produção e recepção dos ■ Confrontar o texto lido com outros textos, outras opiniões e
gêneros indicados para a série / ano: contexto de produção posicionar-se criticamente.
(autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento em que ■ Estabelecer conexões entre o texto e os conhecimentos prévi-
ocorre a interação), suportes de circulação original (livros, os.
revistas, papéis administrativos, outdoors, internet, suportes ■ Inferir o sentido de uma palavra ou expressão, considerando o
digitais, periódicos, documentos em geral, folhetos, etc.), esfe- contexto delas no texto.
ras de circulação original (escolar, jornalística, artístico-literária, ■ Identificar referências intertextuais.
de entretenimento, institucional-pública, ocupacional, publicitá- ■ Identificar recursos verbais e não-verbais utilizados pelo autor,
ria, profissional, etc.) com a finalidade de criar e mudar comportamentos e hábitos ou
■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros gerar uma mensagem de cunho político, cultural, social ou am-
indicados para a série / ano: (linguísticos, expressivos, textu- biental.
ais, formatos que caracterizam os padrões organizacionais e ■ Comparar posições distintas entre duas ou mais opiniões rela-
estruturais dos gêneros) tivas ao mesmo tema, assunto ou fato.
■ Tipos de textos (padrões predominantemente observados em ■ Localizar informações explícitas em um texto.
sua organização interna); narrativo; descritivo; expositivo; in- ■ Organizar em sequência lógica itens de informação explícita,
juntivo; dissertativo, argumentativo; conversacional, não ver- distribuídos ao longo de um texto.
bal ■ Inferir informação implícita em um texto.
■ O vocábulo em estado de dicionário ■ Identificar o tema de um texto.
■ Sinonímia, homonímia, heteronímia ■ Identificar a tese explicitada em um texto argumentativo.
■ Denotação: o caráter polissêmico do uso do léxico ■ Estabelecer relação, em um texto, entre a tese e os argumentos
■ Conotação: o caráter estilístico do uso do léxico oferecidos para sustentá-la.
■ O valor expressivo das formas linguísticas ■ Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando
repetições ou substituições que contribuem para a sua continui-
Fatores de coerência dade.
■ A organização e a progressão temática a partir de mudança de ■ Estabelecer relações lógico-discursivas presentes no texto,
locutor, parágrafos, subtítulos, estrofes e versos marcadas por conjunções, advérbios etc.
■ Aspectos estilísticos (configuração do texto, posição comunica- ■ Estabelecer relação causa / consequência entre partes e ele-
tiva do locutor e sequência discursiva predominante – narrati- mentos do texto.
va, descritiva ou conversacional) como indicadores do gênero ■ Comparar posições distintas entre duas ou mais opiniões rela-
de texto tivas ao mesmo tema, assunto ou fato.
Fatores de coesão ■ Identificar efeitos de ironia ou humor em textos variados.
■ Coesão referencial (retomada lexical, retomada de referentes ■ Distinguir, em um texto, um fato da opinião relativa a esse fato.
por pronomes, retomada de referentes por elipse etc.) ■ Estabelecer relações entre imagens (fotos, ilustrações), gráficos,
■ Coesão sequencial (sequenciação parafrástica e frástica, se- tabelas, infográficos e o corpo do texto, comparando informações
quenciação temporal, sequenciação conversacional etc.) pressupostas ou subentendidas.
■ Ponto de vista do autor ou narrador
■ Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na
■ Intertextualidade
comparação de textos de um mesmo tema, em função das
■ Tratamento da informação e comparação de textos
condições em que ele foi produzido e daquelas em que será
■ Modalidades de leitura
■ Leitura compreensiva e interpretativa
recebido.
■ Sociologia e leitura de mundo: antecipação de significados
■ Processos de reconstrução dos sentidos do texto

40 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura
Atitudes
■ Selecionar textos para a leitura de acordo com diferentes obje-
tivos ou interesses (estudo, formação pessoal, entretenimento,
realização de tarefas etc.).
■ Selecionar livros para leitura integral de acordo com seus ob-
jetivos e interesses.
■ Ler integralmente livros, revistas e jornais.
■ Buscar informações complementares em dicionários, enciclo-
pédias, internet etc.
■ Trocar impressões com outros leitores a respeito dos textos
lidos, posicionando-se criticamente.
■ Compreender a leitura em suas diferentes dimensões – o de-
ver de ler, a necessidade de ler e o prazer de ler.
■ Ser receptivo a leitura de textos que rompam com seu universo
de expectativas.
■ Interessar-se pela leitura de textos literários considerando-os
como forma de expressão da cultura de um povo.
■ Interessar-se por frequentar espaços mediadores de leitura – bibli-
otecas, livrarias, editoras, bancas de revistas, lançamentos, pales-
tras, depoimentos de autores – sabendo orientar-se dentro das
especificidades desse espaço e de localizar o texto desejado.
■ Interessar-se em participar de grupos de leitores para trocar opini-
ões e informações.
■ Posicionar-se criticamente em relação aos textos lidos quanto
aos conteúdos discriminatórios, aos direitos humanos e ambi-
entais neles divulgados.

3. Conhecimentos literários 3. Conhecimentos literários


■ Gêneros literários indicados para leitura, reflexão e análise ■ Identificar uma interpretação adequada de fonte autorizada para
para a série / ano: contos, crônicas, romances, poemas, teatro, um determinado texto literário.
letras de música, paródias; gêneros literários orais ■ Identificar recursos semânticos expressivos (antítese / personi-
■ Gêneros indicados para análise de textos literários: ensaios, ficação / metáfora / metonímia) em segmentos de texto literário.
resenhas, críticas (fortuna crítica) ■ Inferir o efeito de sentido produzido em um texto literário, decor-
■ Reconstrução das condições de produção e recepção dos rente: da exploração de recursos gráficos, ortográficos e / ou
gêneros literários indicados para a série / ano: contexto de morfossintáticos; do uso de pontuação e de outras notações.
produção (autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento ■ Identificar os diferentes elementos que estruturam o texto nar-
em que ocorre a interação), suportes de circulação original, rativo literário: personagens, marcadores de tempo e de loca-
esferas de circulação original lização, conflito gerador, sequência lógica dos fatos narrados,
■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros modos de narrar (1ª e 3ª pessoa); adjetivação na caracteriza-
literários indicados para a série /ano: linguísticos, expressivos, ção de personagens, cenários e objetos; modos de marcar o
textuais, formatos que caracterizam os padrões organizacio- discurso alheio (discurso direto / indireto / indireto livre).
nais e estruturais dos gêneros ■ Articular conhecimentos literários e informações textuais, inclusive as
que dependem de pressuposições e inferências (semânticas e prag-
máticas) autorizadas pelo texto literário, para explicar ambiguidades,
ironias, expressões figuradas, opiniões ou valores implícitos.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 41


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

3. Conhecimentos literários 3. Conhecimentos literários


■ As teorias explicativas sobre os gêneros dos textos literários de ■ Estabelecer relações temáticas entre dois textos literários.
estrutura narrativa em prosa personagem, ponto de vista do ■ Registrar a literatura oral divulgada por sua comunidade.
narrador, descrição, enredo, tempo, espaço etc; em versos ■ Ler e analisar livros de autores representativos das literaturas
poemas rima, ritmo, figuras de estilo e linguagem etc.; em textos lusófonas.
construídos para a representação no teatro – diálogos e formas ■ Organizar resenhas, ensaios e críticas sobre os textos literários
de direcionamento do autor; fortuna crítica lidos.
■ Ponto de vista do narrador ■ Valorizar a literatura como representação da cultura, forma de
■ Figuras de sintaxe manifestação da identidade e luta para a emancipação de dife-
■ Usos de palavra ou expressão e efeitos de sentido rentes povos e patrimônio nacional a ser preservado, respeita-
■ Recursos utilizados pelo autor para obter determinados efeitos do e divulgado.
de sentido ■ Organizar projetos coletivos para leitura oral ou dramatização
■ Elementos textuais e conhecimentos prévios: sentidos figura- de textos literários.
dos, conotações, ambiguidades, ironias, opiniões, valores e
intenções implícitas
■ Aspectos estilísticos (configuração do texto, posição comunica-
tiva do locutor e sequência discursiva predominante – narrati-
va, descritiva ou conversacional) como indicadores do gênero
de texto
■ Traços de intertextualidade estruturais, semânticas e temáticas
■ Leitura e análise de livros de autores representativos das lite-
raturas lusófonas
■ Leitura e análise de resenhas, ensaios e críticas sobre a litera-
tura (fortuna crítica) e comparação deles com textos literários
lidos
■ Literatura como representação da cultura, forma de manifesta-
ção da identidade e de luta para a emancipação de diferentes
povos e patrimônio nacional a ser preservado, respeitado e
divulgado
■ Preservação da literatura oral das comunidades locais
■ Projetos coletivos para leitura oral ou dramatização de textos
literários.

4. Conhecimentos linguísticos 4. Conhecimentos linguísticos


■ Variantes linguísticas contextuais ■ Constituir um conjunto de conhecimentos sobre o funcionamen-
■ Marcas linguísticas de coloquialidade to da linguagem e sobre o sistema linguístico relevante para as
■ Marcas linguísticas caracterizadoras do nível de registro em- práticas de escuta, leitura e produção de textos (domínio e uso
pregado (formal ou informal) de nomenclatura e conceitos específicos da gramática tradicio-
■ Recursos linguísticos e efeitos de sentido nal e da linguística).
■ Efeitos de sentido produzidos pelo uso do subjuntivo ■ Construir um acervo de instrumentos de natureza procedimen-
■ Relações lógico-discursivas (conjunções e preposições argu- tal e conceitual necessários para a análise e reflexão linguística
mentativas) delimitação e identificação de unidades linguísticas para com-
■ Relações semântico-discursivas: regularidades de ordem mor- preensão das relações estabelecidas entre as unidades e as
fossintática e funções na estrutura da sentença funções discursivas associadas a elas no contexto (domínio e
■ Processos de coesão do texto: temporalidade, causalidade, con- uso de metodologia de análise dos usos da língua para descre-
sequência, oposição, comparação, anterioridade e posterioridade ver fatos, processos, padrões etc.).
■ Efeitos de sentido e pontuação (quantidade de vírgulas, aposições)

42 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

4. Conhecimentos linguísticos 4. Conhecimentos linguísticos


■ Verbos irregulares ■ Inventariar e descrever fenômenos linguísticos por meio de agru-
■ Conotação e denotação pamento, aplicação de modelos, comparações e análise de for-
■ Figuras de sintaxe mas linguísticas de modo a inventariar elementos de uma mesma
■ Período simples, oração absoluta classe de fenômenos e construir paradigmas constrativos em
■ Período composto, oração principal diferentes modalidades da fala e da escrita:
■ Transitividade verbal ■ de propriedades morfológicas indicadas para a série /ano;
■ Vozes verbais ■ no papel funcional assumido pelos elementos na estrutura da sen-
■ Classificação dos verbos quanto à predicação tença ou nos sintagmas constituintes indicados para a série/ano;
■ Aposto e vocativo ■ no significado prototípico dessas classes indicadas para a
■ Conjunções coordenativas série / ano.
■ Orações coordenadas ■ Consultar o dicionário e a gramática tradicional para resolver
problemas relativos à análise e descrição gramatical, à análise
Padrões da escrita e compreensão de textos, à produção de seu próprio texto.
■ Acentuação gráfica ■ Identificar e resolver problemas de ortografia, de concordân-
■ Uso dos porquês cia, de regência, de colocação pronominal ou de pontuação,
■ Colocação pronominal em determinado enunciado, aplicando os conhecimentos da
norma padrão da língua portuguesa.
■ Identificar, no texto, marcas de uso de variação linguística, no
que diz respeito aos fatores geográficos, históricos, sociológicos
e técnicos, tecnológicos e científicos; à seleção de registro em
função da situação interlocutiva (formal, informal); aos diferentes
componentes do sistema linguístico em que a variação se mani-
festa: na fonética (diferentes pronúncias), no léxico (diferentes
emprego das palavras), na morfologia (variantes e reduções no
sistema flexional e derivacional), na sintaxe (estruturação das
sentenças, concordâncias, regências, colocações).
■ Justificar, no texto, marcas de uso de variação linguística, no
que diz respeito aos fatores geográficos, históricos, sociológi-
cos e técnicos; às diferenças entre os padrões da linguagem
oral e os padrões da linguagem escrita; à seleção de registro
em função da situação interlocutiva (formal, informal); aos dife-
rentes componentes do sistema linguístico em que a variação
se manifesta: na fonética, no léxico, na morfologia, na sintaxe.
■ Justificar a presença em textos de fenômenos linguísticos das
diferentes variedades da fala e da escrita, nos seguintes domí-
nios: sistema pronominal; sistema de tempos verbais e empre-
go dos tempos verbais; casos mais gerais de concordância
nominal e verbal para recuperação de referência e manuten-
ção da coesão.
■ Identificar e comparar os fenômenos linguísticos observados
na fala e na escrita nas diferentes variedades: sistema prono-
minal (diferentes quadros pronominais em função do gênero,
preenchimento da posição de sujeito, extensão do emprego
dos pronomes tônicos na posição de objeto, desaparecimento
dos clíticos, emprego dos reflexivos etc.).

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 43


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

4. Conhecimentos linguísticos
■ Analisar as regularidades das diferentes variedades do portu-
guês, reconhecendo valores sociais nelas implicados e o pre-
conceito contra as formas populares em oposição às formas
dos grupos socialmente favorecidos.
■ Reconhecer marcas linguísticas específicas (seleção dos pro-
cessos anafóricos, marcadores temporais, operadores lógicos
e argumentativos, esquema dos tempos verbais, dêiticos).
■ Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o
interlocutor de um texto.
■ Identificar o efeito de sentido produzido em um texto pelo uso de
determinadas categorias gramaticais (gênero, número, casos,
aspecto, modo, voz etc.).
■ Identificar o sentido do uso de ponto-e-vírgula, dois-pontos e
outros sinais gráficos como aspas, travessão, parênteses.
■ Identificar em texto construções que fazem referencia a lugar
ou tempo (advérbios, locuções adverbiais, orações adverbi-
ais) para compreender seus usos.
■ Analisar casos mais gerais de concordância nominal e verbal
para recuperação da referência e manutenção da coesão.
■ Utilizar a intuição sobre unidades linguísticas períodos, senten-
ças sintagmas como parte das estratégias de solução de pro-
blemas de pontuação.
■ Utilizar o conhecimento sobre as regularidades observadas
em paradigmas morfológicos como parte das estratégias de
solução de problemas de ortografia e acentuação gráfica.

5. Produção de textos escritos 5. Produção de textos escritos


■ Produção de gêneros textuais: história em quadrinhos, repor- ■ Produzir um relato de experiência pessoal vivida com base em
tagem, resenha crítica, charge, texto instrucional (regras de proposta que estabelece tema, gênero, linguagem, finalidade e
jogo), texto informativo, texto argumentativo (artigo de opinião), interlocutor do texto.
poema, sínteses, letra de música, paródia, paráfrase, texto dra- ■ Produzir uma carta pessoal com base em proposta que estabe-
mático, charge, epistolares, jornalísticos, poéticos, narrativos, lece tema, gênero, linguagem, finalidade e interlocutor do texto.
ficcionais, descritivos, dissertativos e publicitários ■ Produzir um artigo de opinião com base em proposta que estabe-
■ Estruturação de textos argumentativos (tema, objetivos do au- lece tema, gênero, linguagem, finalidade e interlocutor do texto.
tor, argumentos, contra-argumentos, procedimentos argumen-
tativos e conclusões) Procedimentos
■ Estruturação de pesquisas e divulgação de pesquisas sobre ■ Utilizar procedimentos iniciais para a elaboração do texto: esta-
temas comunitários Estruturação de projetos belecer o tema; pesquisar idéias e dados etc.; planejar a estru-
■ Emprego de palavras segundo seus aspectos fonológicos, tura; formular rascunho.
morfológicos e sintáticos que regem a norma padrão de escrita ■ Utilizar os mecanismos discursivos e linguísticos e textuais de
■ Pontuação em textos informativos (quantidade de vírgulas, apo- coesão e coerência, conforme gênero e propósitos do texto.
sições) como recurso de condensação do texto ■ Manter, na produção do texto, a continuidade do tema e orde-
■ Refacção e revisão de textos nação de suas partes.
■ Desenvolver os tópicos e informações do texto em relação ao
tema e ponto de vista assumidos.
■ Selecionar o léxico em função do eixo temático.

44 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

5. Produção de textos escritos


■ Utilizar os padrões da escrita em função do projeto textual e das
condições de produção.
■ Analisar e revisar o próprio texto em função dos objetivos
estabelecidos, da intenção comunicativa e do leitor a que se
destina, redigindo tantas quantas forem as versões necessári-
as para considerar o texto escrito bem produzido.

Padrões da escrita :
■ Utilizar marcas de segmentação em função do projeto textual:
título e subtítulo, paragrafação, periodização, pontuação (pon-
to, vírgula, ponto-e-vírgula, dois pontos, ponto-de-exclama-
ção, ponto-de-interrogação, reticências, inserção de elemen-
tos paratextuais notas, boxe, figura).
■ Utilizar outros sinais gráficos (aspas, travessão, parênteses).
■ Pontuar corretamente as passagens de discurso direto em fun-
ção das restrições impostas pelo gênero.
■ Utilizar recursos gráficos orientadores da interpretação do lo-
cutor, fontes, tipo de letra, estilo – negrito, itálico, tamanho da
letra, sublinhado, caixa alta, cor, divisão em colunas, marcado-
res de enumeração etc.
■ Acentuar corretamente as palavras.
■ Empregar casos mais gerais de concordância nominal e verbal
para recuperação da referencia e manutenção da coesão em
seu texto.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 45


9º ANO / 8ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Interação e comunicação ■ Compreender a fala como manifestação do pensamento e da cul-
■ Língua falada e ideologia tura de um povo e o direito de seu uso como instrumento de
■ Identidade e diversidade do português falado comunicação, manifestação de idéias e construção de identidades.
■ A língua falada como patrimônio cultural (identidade de grupos ■ Identificar-se com a fala produzida por sua comunidade e res-
sociais) peitar a fala produzida por outras comunidades.
■ Padrões linguísticos de prestígio ■ Opinar e posicionar-se criticamente diante das informações ex-
■ Objetivos, regras e estratégias nos usos da linguagem verbal postas pelo locutor, contextualizando os fatos apreendidos e
(a língua falada planejada) associando-os à sua realidade.
■ Gêneros discursivos orais (permanências e mudanças na atu- ■ Realizar anotações escritas durante a escuta de uma aula,
alização dos gêneros conversacionais / debates / entrevistas) exposição ou palestra como recurso possível para registro
■ Escuta orientada em situações de recepção da fala não-plane- mnemônico das idéias principais para posterior reflexão, com-
jada e planejada (construção de modelos apropriados ao uso preensão e interpretação das informações comunicadas.
do oral nas circunstâncias previstas) ■ Selecionar, em situações de fala planejada, adequadamente os
■ Marcadores conversacionais da fala não-planejada gêneros orais, os recursos discursivos, semânticos, gramati-
■ Monitoramento planejado da fala para públicos diversos (audi- cais, paralinguísticos (prosódicos e gestuais), de acordo com
tório) as exigências da situação e os objetivos estabelecidos.
■ Contexto dos atos da fala e a relação entre os interlocutores ■ Ajustar a fala não-planejada em função da reação dos interlo-
■ Progressão temática na fala planejada cutores, como considerar o ponto de vista do outro para acatá-
■ Recursos de apoio à fala planejada lo, refutá-lo ou negociá-lo.
■ Planejamento da fala em público ■ Reconhecer as normas reguladoras do funcionamento dos di-
ferentes gêneros orais, em situações de fala não-planejada, de
acordo com o contexto de produção, (ouvir sem interromper,
interromper no momento oportuno, utilizar equilibradamente o
tempo disponível para a interlocução etc.).
■ Identificar formas linguísticas e marcadores conversacionais da
fala não-planejada e planejada, em situações de análise de
materiais que transcrevem a fala ou de mídias que usam a fala
como meio de comunicação com o apoio da escrita.
■ Avaliar a própria expressão oral ou a alheia durante ou após
situações de interação.
■ Planejar previamente a fala em função da intencionalidade do
locutor, das características do receptor, das exigências da situ-
ação e dos objetivos estabelecidos.
■ Ampliar em situações de fala planejada o uso de vocabulário e
de estruturas com maior complexidade sintática, levando em
conta os conteúdos aprendidos nos demais tópicos.
■ Organizar e participar de debates, exposições e entrevistas.

46 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura 2. Leitura
■ Gêneros indicados para leitura, reflexão e análise para a série ■ Formular hipóteses, antes da leitura do texto sobre o seu conteúdo e
/ ano: ensaios, resenhas, charges, anedotas, crônicas, poe- forma, considerando as características do gênero, do suporte, do autor,
mas, histórias em quadrinhos, reportagens, críticas, regras de da sua finalidade, da época de produção, dos recursos linguísticos
jogo, propagandas institucionais, regulamentos, procedimen- empregados etc.
tos, fichas pessoais, formulários, verbetes de dicionário ou de ■ Interpretar textos dos gêneros indicados para a série / ano,

enciclopédia, notícias, reportagens, cartazes informativos, fo- relacionando-os aos seus contextos de produção e de recepção
lhetos de informação, cartas resposta, artigos de divulgação, (interlocutores, finalidade, espaço e tempo em que ocorre a inte-
artigos de opinião, relatórios, entrevistas, documentos públi- ração), considerando fatores como gênero, formato do texto,
cos, contratos públicos, diagramas, tabelas, legendas, mapas, tema, assunto, finalidade, suporte original e espaços próprios de
circulação social.
estatutos, gráficos, definições, textos informativos de interesse
■ Identificar esferas discursivas, suportes de circulação original,
curricular, debates, ofício, memorando, requerimento, carta co-
gêneros, temas, assuntos, finalidades, público-alvo, possíveis
mercial, convite, formulário, currículo pessoal, projetos
objetivos de produção e leitura, espaços próprios de circulação
■ Reconstrução das condições de produção e recepção dos gê-
social, formas, constituintes e recursos expressivos em textos.
neros indicados para a série / ano: contexto de produção (auto-
■ Identificar os possíveis elementos constitutivos da organização
ria, interlocutores, finalidade, lugar e momento em que ocorre a
interna dos gêneros indicados para a série / ano.
interação), suportes de circulação original (livros, revistas, pa-
■ Estabelecer relações entre as informações do texto lido com
péis administrativos, outdoors, internet, suportes digitais, periódi-
outras de conhecimento prévio, relacionando histórias de leitura.
cos, documentos em geral, folhetos etc.), esferas de circulação ■ Inferir o sentido de uma palavra ou expressão, considerando o
original (escolar, jornalística, artístico-literária, de entretenimento, contexto delas no texto.
institucional-pública, ocupacional, publicitária, profissional etc.) ■ Identificar dois argumentos explícitos diferentes sobre um mes-
■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros mo fato, em um texto.
indicados para a série /ano: (linguísticos, expressivos, textuais, ■ Identificar referências intertextuais.
formatos que caracterizam os padrões organizacionais e estru- ■ Articular conhecimentos prévios e informações textuais, inclusi-
turais dos gêneros). ve as que dependem de pressuposições e inferências (semân-
■ Tipos de textos (padrões predominantemente observados em sua ticas e pragmáticas) autorizadas pelo texto, para explicar ambi-
organização interna); narrativo; descritivo; expositivo; injuntivo; dis- guidades, ironias e expressões figuradas, opiniões e valores
sertativo; argumentativo; conversacional; não-verbal implícitos, bem como as intenções do enunciador / autor.
■ Estratégias de leitura: explicitação do conteúdo implícito, tema, ■ Confrontar o texto lido com outros textos, outras opiniões e
assunto, levantamento de hipóteses, relação de causa e con- posicionar-se criticamente.
sequência, de temporalidade, transferência, síntese, generali- ■ Justificar o uso de recursos verbais e não-verbais utilizados pelo
zação, tradução de símbolos, relação de forma e conteúdo etc. autor, com a finalidade de criar e mudar comportamentos e hábitos
■ Os agentes específicos do discurso escrito (autores, editores, ou gerar uma mensagem de cunho político, cultural, social ou
livreiros, tipógrafos, críticos, leitores) ambiental.
■ Texto e contexto: relações de produção, divulgação e re- ■ Justificar, com base nas características dos gêneros, diferenças

cepção ou semelhanças no tratamento dado a uma mesma informação


■ O vocábulo em estado de dicionário
veiculada em textos diferentes.
■ Justificar o uso de recurso a formas de apropriação textual como
■ Sinonímia, homonímia, heteronímia
paráfrases, citações, discurso direto, indireto ou indireto livre, em um
■ Denotação: o caráter polissêmico do uso do léxico
texto.
■ Conotação: o caráter estilístico do uso do léxico
■ Comparar posições distintas entre duas ou mais opiniões rela-
■ O valor expressivo das formas linguísticas
tivas ao mesmo tema, assunto ou fato.
■ Justificar, em textos, o uso de procedimentos explícitos de re-
missão ou referência a outros textos.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 47


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura 2. Leitura
Fatores de coerência ■ Localizar e relacionar itens de informação explícita, distribuídos
■ A organização e a progressão temática a partir de mudança de ao longo de um texto.
locutor, parágrafos, subtítulos, estrofes e versos ■ Organizar em sequência lógica itens de informação explícita,

■ Aspectos estilísticos (configuração do texto, posição comunicativa do distribuídos ao longo de um texto.


■ Inferir o tema de um texto.
locutor e sequência discursiva predominante – narrativa, descritiva
■ Inferir a tese de um texto argumentativo, com base na argu-
ou conversacional) como indicadores do gênero de texto
mentação construída pelo autor.
Fatores de coesão
■ Justificar o uso de argumentos utilizados pelo autor para defen-
■ Coesão referencial
der sua tese, em um texto argumentativo.
■ Coesão lexical (sinônimos, hiperônimos, repetição, reitera-
■ Justificar o sentido do uso de operadores discursivos ou de
ção) processos persuasivos utilizados em um texto argumentativo.
■ Coesão gramatical (uso de conectivos, tempos verbais, pon- ■ Justificar o efeito de sentido produzido, em um texto, pelo uso
tuação, sequência temporal, relações anafóricas, conecto- intencional de notações e nomenclaturas específicas de deter-
res intersentenciais, interparágrafos, intervocabulares) minada área de conhecimento do discurso científico, sociológi-
■ Coesão sequencial (sequenciação parafrástica e frástica, co, filosófico etc.
sequenciação temporal, sequenciação conversacional etc.) ■ Inferir opiniões ou conceitos pressupostos ou subentendidos
■ Aspectos semânticos, pragmáticos, estilísticos e discursivos da em um texto.
argumentação ■ Distinguir um fato da opinião pressuposta ou subentendida em
■ Processos persuasivos
relação a esse mesmo fato, em segmentos descontínuos de um
■ A construção da argumentação texto.
■ As categorias da enunciação: pessoa, tempo e espaço ■ Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando
■ Sistema temporal da enunciação e sistema temporal do enunci- repetições ou substituições que contribuem para a sua conti-
ado nuidade.
■ Tratamento da informação e comparação de textos ■ Estabelecer relações entre segmentos de um texto, identifican-
■ Intertextualidade em diferentes linguagens do o antecedente de um pronome relativo ou o referente co-
■ Intertextualidade, citação, paráfrase e paródia mum de uma cadeia de substituições lexicais.
■ O discurso metafórico e irônico
■ Estabelecer relações de causa / consequência entre informa-
■ Modalidades de leitura : ções subentendidas ou pressupostas distribuídas ao longo de
■ Leitura compreensiva e interpretativa um texto.
■ Sociologia e leitura de mundo: antecipação de significados ■ Estabelecer relações lógico-discursivas presentes no texto,
■ Processos de reconstrução dos sentidos do texto marcadas por conjunções, advérbios etc.
■ Estabelecer relações entre imagens (fotos, ilustrações), gráfi-
cos, tabelas, infográficos e o corpo do texto, comparando infor-
mações pressupostas ou subentendidas.
■ Diferenciar idéias centrais e secundárias; ou tópicos e subtópi-
cos de um texto.
■ Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na
comparação de textos de um mesmo tema, em função das
condições em que ele foi produzido e daquelas em que será
recebido.
■ Avaliar criticamente os discursos e confrontar opiniões e pontos
de vista em diferentes textos.

48 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura
Atitudes
■ Selecionar textos para a leitura de acordo com diferentes obje-
tivos ou interesses (estudo, formação pessoal, entretenimento,
realização de tarefas etc.).
■ Selecionar livros para leitura integral de acordo com seus ob-
jetivos e interesses.
■ Ler integralmente livros.
■ Trocar impressões com outros leitores a respeito dos textos
lidos, posicionando-se criticamente.
■ Compreender a leitura em suas diferentes dimensões – o de-
ver de ler, a necessidade de ler e o prazer de ler.
■ Ser receptivo a leitura de textos que rompam com seu universo
de expectativas.
■ Interessar-se pela leitura de textos literários considerando-os
como forma de expressão da cultura de um povo.
■ Interessar-se por frequentar espaços mediadores de leitura –
bibliotecas, livrarias, editoras, bancas de revistas, lançamen-
tos, palestras, depoimentos de autores – sabendo orientar-se
dentro das especificidades desse espaço e de localizar o texto
desejado.
■ Considerar a leitura como forma de participar com autonomia
dos conhecimentos socializados em uma sociedade letrada.
■ Interessar-se em participar de grupos de leitores para trocar
opiniões e informações.
■ Posicionar-se criticamente em relação aos textos lidos quanto
aos conteúdos discriminatórios, aos direitos humanos e ambi-
entais neles divulgados.

3. Conhecimentos literários 3. Conhecimentos literários


■ Gêneros literários indicados para leitura, reflexão e análise ■ Identificar uma interpretação adequada de fonte autorizada para
para a série / ano: contos, crônicas, romances, novelas, narra- um determinado texto literário.
tivas fantásticas, fábulas, poemas, teatro, letras de música, pa- ■ Identificar recursos semânticos expressivos (antítese / personi-
ródias, ensaios, cartas literárias; gêneros literários orais ficação / metáfora / metonímia) em segmentos de texto literário.
■ Gêneros indicados para análise de textos literários: ensaios, ■ Justificar os efeitos de sentido produzidos em um texto literário
resenhas, críticas, biografias (fortuna crítica) pelo uso de palavras ou expressões de sentido figurado.
■ Reconstrução das condições de produção e recepção dos ■ Justificar o uso de determinados recursos gráficos, sonoros ou
gêneros literários indicados para a série / ano: contexto de rítmicos em um poema.
produção (autoria, interlocutores, finalidade, lugar e momento ■ Inferir o efeito de sentido produzido em um texto literário, decorren-
em que ocorre a interação), suportes de circulação original, te da exploração de recursos ortográficos e / ou morfossintáticos.
esferas de circulação original ■ Justificar o efeito de sentido produzido em um texto decorrente
■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros do uso de pontuação e de outras notações.
literários indicados para a série /ano: linguísticos, expressivos,
textuais, formatos que caracterizam os padrões organizacio-
nais e estruturais dos gêneros

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 49


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

3. Conhecimentos literários 3. Conhecimentos literários


■ As teorias explicativas sobre os gêneros dos textos literários de ■ Justificar a presença dos diferentes elementos que estruturam o
estrutura narrativa em prosa personagem, ponto de vista do texto narrativo literário: personagens, marcadores de tempo e
narrador, descrição, enredo, tempo, espaço etc; em versos de localização, conflito gerador, sequência lógica dos fatos nar-
poemas rima, ritmo, figuras de estilo e linguagem etc.; em textos rados, modos de narrar (1ª e 3ª pessoa); adjetivação na carac-
construídos para a representação no teatro – diálogos e formas terização de personagens, cenários e objetos; modos de marcar
de direcionamento do autor; fortuna crítica o discurso alheio (discurso direto / indireto / indireto livre).
■ Poema: utilização do espaço e da forma na poesia ■ Estabelecer relações, em uma narrativa literária, entre: formas
■ Figuras de estilo de organização dos episódios; papéis das personagens; ca-
■ Figuras de pensamento racterizações das personagens e do ambiente; pontos de vista
■ Elementos de intencionalidade implícita (humor, sentido figura- do narrador; marcas de discurso direto, indireto e indireto livre.
do, valores, preconceito) ■ Distinguir o discurso direto da personagem do discurso do
■ Elementos textuais e de conhecimentos prévios, sentidos figu- narrador, em uma narrativa literária.
rados, conotações, ambiguidades, ironias, opiniões, valores e ■ Organizar os episódios principais de uma narrativa literária em
intenções implícitas sequência lógica.
■ Relações entre informações textuais, contextuais e intertextuais ■ Inferir o conflito gerador de uma narrativa literária, analisando o
na construção do sentido do texto enunciado na perspectiva do papel assumido pelas personagens.
■ Comparação de textos que tratam do mesmo tema em função ■ Inferir a perspectiva do narrador em uma narrativa literária,
das condições que foram produzidos justificando conceitualmente essa perspectiva.
■ Recursos morfossintáticos que agregam musicalidade a texto ■ Inferir o papel desempenhado pelas personagens em uma
poético narrativa literária.
■ A organização e a progressão temática a partir da mudança de ■ Recuperar a intertextualidade em textos literários.
locutor, parágrafos, subtítulos, estrofes e versos ■ Articular conhecimentos literários e informações textuais, inclu-
■ Aspectos estilísticos (configuração do texto, posição comunica- sive as que dependem de pressuposições e inferências (se-
tiva do locutor e sequência discursiva predominante – narrati- mânticas e pragmáticas) autorizadas pelo texto literário, para
va, descritiva ou conversacional) como indicadores do gênero explicar ambiguidades, ironias, expressões figuradas, opini-
de texto ões ou valores implícitos.
■ Leitura e análise de livros de autores representativos das lite- ■ Estabelecer relações temáticas entre dois textos literários.
raturas lusófonas ■ Estabelecer relações entre as adaptações de um determinado
■ Leitura e análise de resenhas, ensaios e críticas sobre a litera- texto literário em outras mídias e os novos significados criados.
tura (fortuna crítica) e comparação deles com textos literários ■ Identificar os padrões do texto literário, reproduzidos em dife-
lidos rentes mídias (novelas de televisão; letras de música; repre-
■ Literatura como representação da cultura, forma de manifesta- sentações populares etc.)
ção da identidade e de luta para a emancipação de diferentes ■ Registrar a literatura oral divulgada por sua comunidade.
povos e patrimônio nacional a ser preservado, respeitado e ■ Ler e analisar livros de autores representativos das literaturas
divulgado lusófonas.
■ Preservação da literatura oral das comunidades locais ■ Organizar resenhas, ensaios e críticas sobre os textos literários
■ Projetos coletivos para leitura oral ou dramatização de textos lidos.
literários ■ Valorizar a literatura como representação da cultura, forma de
■ Projetos coletivos de divulgação do texto literário manifestação da identidade e luta para a emancipação de dife-
■ A divulgação e adaptação do texto literário em outras mídias rentes povos e patrimônio nacional a ser preservado, respeita-
(televisão, cinema, foto, quadrinhos etc.) do e divulgado.
■ Organizar projetos coletivos para leitura oral ou dramatização
de textos literários.
■ Organizar exposições, feiras de livros, saraus literários, adap-
tações de textos literários em outras mídias (fotos, vídeos etc.)
de forma a divulgar o texto literário.

50 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

4. Conhecimentos linguísticos 4. Conhecimentos linguísticos


■ Linguagens conotativa, denotativa e referencial ■ Constituir um conjunto de conhecimentos sobre o funcionamen-
■ Variantes linguísticas e contextos históricos, sociais e culturais to da linguagem e sobre o sistema linguístico relevante para as
■ As intenções do uso de gíria e expressões coloquiais práticas de escuta, leitura e produção de textos (domínio e uso
■ Marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o interlocutor de de nomenclatura e conceitos específicos da gramática tradicio-
um texto nal e da linguística).
■ Regularidades de ordem morfossintática e o papel funcional ■ Construir um acervo de instrumentos de natureza procedimen-
assumido pelos elementos na estrutura da sentença para com- tal e conceitual necessários para a análise e reflexão linguística
preensão das relações semântico-discursivas delimitação e identificação de unidades linguísticas para com-
■ Efeitos de sentido decorrentes do uso de aspas preensão das relações estabelecidas entre as unidades e as
■ Processos de coesão (relações e substituições; causa e con- funções discursivas associadas a elas no contexto (domínio e
sequência; recursos morfossintáticos; anáforas ou pronomes uso de metodologia de análise dos usos da língua para descre-
relativos, demonstrativos ou oblíquos) ver fatos, processos, padrões etc.).
■ Progressão temática a partir da mudança de locutor, parágra- ■ Inventariar e descrever fenômenos linguísticos por meio de
fos, subtítulos, estrofes e versos agrupamento, aplicação de modelos, comparações e análise
■ Mecanismos discursivos e linguísticos de coerência e coesão de formas linguísticas de modo a inventariar elementos de uma
nas produções textuais (manutenção da continuidade do tema mesma classe de fenômenos e construir paradigmas constrati-
e ordenação de suas partes, seleção lexical adequada ao eixo vos em diferentes modalidades da fala e da escrita:
temático, repetição, retomadas, conectivos), conforme o gêne- ■ de propriedades morfológicas indicadas para a série /
ro e os propósitos do texto ano;
■ Aspectos estilísticos (configuração do texto, posição comunica- ■ no papel funcional assumido pelos elementos na estrutura
tiva do locutor e sequência discursiva predominante – narrati- da sentença ou nos sintagmas constituintes indicados para a
va, descritiva ou conversacional) como indicadores do gênero série / ano;
de texto ■ no significado prototípico dessas classes indicadas para a
■ Sentidos figurados, conotações, ambiguidades, ironias, opini- série / ano.
ões, valores e intenções implícitas ■ Consultar o dicionário e a gramática tradicional para resolver
■ Paráfrase de uma relação lógico-discursiva problemas relativos à análise e descrição gramatical, à análise
■ Recursos escritos (gráficos, esquemas, tabelas) como apoio na e compreensão de textos, à produção de seu próprio texto.
preparação e na manutenção da exposição da fala e da escrita ■ Identificar e resolver problemas de ortografia, de concordân-
■ Regularidades nos processos derivacionais de prefixação e cia, de regência, de colocação pronominal ou de pontuação,
sufixação em determinado enunciado, aplicando os conhecimentos da
■ Inadequações de ordem fonológica, morfológica, sintática na norma padrão da língua portuguesa.
escrita ■ Identificar, no texto, marcas de uso de variação linguística,
■ Aspectos fonológicos, morfológicos e sintáticos que regem a no que diz respeito aos fatores geográficos, históricos, soci-
norma padrão de escrita das palavras ológicos e técnicos, tecnológicos e científicos; à seleção de
■ Emprego de os pronomes relativos e demonstrativos em rela- registro em função da situação interlocutiva (formal, infor-
ção ao tempo e ao espaço; pronomes relativos; pronomes mal); aos diferentes componentes do sistema linguístico em
pessoais precedidos de preposição que a variação se manifesta: na fonética (diferentes pronún-
■ Emprego de o pronome relativo, as orações subordinadas cias), no léxico (diferentes emprego das palavras), na mor-
adjetivas e as orações subordinadas adverbiais fologia (variantes e reduções no sistema flexional e deriva-
■ Escolhas estilísticas de elementos lexicais, figurativos e ilustrati- cional), na sintaxe (estruturação das sentenças, concor-
vos adequados às condições de produção dâncias, regências, colocações).
■ Estrutura do dicionário e da gramática normativa
■ Classes gramaticais: estrutura de palavras e processos de
formação de palavras
■ Acentuação gráfica

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 51


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

4. Conhecimentos linguísticos 4. Conhecimentos linguísticos


■ Pontuação ■ Justificar, no texto, marcas de uso de variação linguística, no
■ Concordância verbal que diz respeito aos fatores geográficos, históricos, sociológi-
■ Concordância nominal cos e técnicos; às diferenças entre os padrões da linguagem
■ Regência verbal oral e os padrões da linguagem escrita; à seleção de registro
■ Relações entre as unidades linguísticas (subordinação e coor- em função da situação interlocutiva (formal, informal); aos dife-
denação) rentes componentes do sistema linguístico em que a variação
■ Período composto por subordinação: orações substantivas; ora-
se manifesta: na fonética, no léxico, na morfologia, na sintaxe.
ções adjetivas; orações adverbiais
■ Justificar a presença em textos de fenômenos linguísticos das
■ Figuras de estilo e de pensamento
diferentes variedades da fala e da escrita, nos seguintes domí-
nios: sistema pronominal; sistema de tempos verbais e empre-
go dos tempos verbais; casos mais gerais de concordância
nominal e verbal para recuperação de referência e manuten-
ção da coesão.
■ Identificar e comparar os fenômenos linguísticos observados
na fala e na escrita nas diferentes variedades: sistema prono-
minal (diferentes quadros pronominais em função do gênero,
preenchimento da posição de sujeito, extensão do emprego
dos pronomes tônicos na posição de objeto, desaparecimento
dos clíticos, emprego dos reflexivos etc.).
■ Analisar as regularidades das diferentes variedades do portu-
guês, reconhecendo valores sociais nelas implicados e o pre-
conceito contra as formas populares em oposição às formas
dos grupos socialmente favorecidos.
■ Reconhecer marcas linguísticas específicas (seleção dos pro-
cessos anafóricos, marcadores temporais, operadores lógicos
e argumentativos, esquema dos tempos verbais, dêiticos).
■ Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o
interlocutor de um texto.
■ Identificar o sentido do uso da vírgula para isolar inversões e
intercalação no interior das frases.
■ Identificar o sentido do uso de ponto-e-vírgula, dois-pontos e
outros sinais gráficos como aspas, travessão, parênteses.
■ Analisar casos mais gerais de concordância nominal e verbal
para recuperação da referencia e manutenção da coesão.
■ Utilizar a intuição sobre unidades linguísticas períodos, senten-
ças sintagmas como parte das estratégias de solução de pro-
blemas de pontuação.
■ Utilizar o conhecimento sobre as regularidades observadas
em paradigmas morfológicos como parte das estratégias de
solução de problemas de ortografia e acentuação gráfica.

52 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

5. Produção de textos escritos 5. Produção de textos escritos


■ Produção de textos (de diferentes gêneros): narrativos ficcio- ■ Produzir um relato de experiência pessoal vivida com base em
nais, poéticos, dissertativos, argumentativos, epistolares, infor- proposta que estabelece tema, gênero, linguagem, finalidade e
mativos e instrucionais, debates, poemas, letras de música, interlocutor do texto.
paródias, paráfrases, histórias em quadrinhos, texto dramático, ■ Produzir uma carta pessoal com base em proposta que estabe-
charges. lece tema, gênero, linguagem, finalidade e interlocutor do texto.
■ Noções de redação oficial: elaboração de ofício, memorando, ■ Produzir um artigo de opinião com base em proposta que
requerimento, carta comercial, convite, formulário, currículo estabelece tema, gênero, linguagem, finalidade e interlocu-
pessoal etc. tor do texto.
■ Criação do texto poético para propaganda Procedimentos :
■ Elaboração de projetos ■ Utilizar procedimentos iniciais para a elaboração do texto: esta-
■ Pesquisas como apoio à produção belecer o tema; pesquisar idéias e dados etc.; planejar a estru-
■ Emprego de recursos (gráficos, esquemas, tabelas) comple- tura; formular rascunho.
mentares no texto escrito ■ Utilizar os mecanismos discursivos e linguísticos e textuais de
■ Segmentação do texto em frase, orações, períodos e parágra- coesão e coerência, conforme o gênero e propósitos do texto.
fos e recursos do sistema de pontuação ■ Manter, na produção do texto, a continuidade do tema e orde-
■ Emprego de palavras segundo seus aspectos fonológicos, nação de suas partes.
morfológicos e sintáticos que regem a norma padrão de escrita ■ Desenvolver os tópicos e informações do texto em relação ao
■ Mecanismos discursivos e linguísticos de coerência e coesão tema e ponto de vista assumidos.
nas produções textuais (manutenção da continuidade do tema ■ Selecionar o léxico em função do eixo temático.
e ordenação de suas partes, seleção lexical adequada ao eixo ■ Utilizar os padrões da escrita em função do projeto textual e das
temático, repetição, retomadas, conectivos) condições de produção.
■ Escolhas estilísticas de elementos lexicais, figurativos e ilustrati- ■ Analisar e revisar o próprio texto em função dos objetivos
vos estabelecidos, da intenção comunicativa e do leitor a que se
■ Emprego dos pronomes relativos e demonstrativos em relação destina, redigindo tantas quantas forem as versões necessári-
ao tempo e ao espaço; pronomes relativos; pronomes pesso- as para considerar o texto escrito bem produzido.
ais precedidos de preposição
■ Emprego do pronome relativo, das orações subordinadas ad- Padrões da escrita
jetivas e das orações subordinadas adverbiais ■ Utilizar marcas de segmentação em função do projeto textual:
■ Linguagens conotativa, denotativa e referencial título e subtítulo, paragrafação, periodização, pontuação (pon-
■ Refacção e revisão de textos to, vírgula, ponto-e-vírgula, dois pontos, ponto-de-exclama-
ção, ponto-de-interrogação, reticências).
■ Utilizar outros sinais gráficos (aspas, travessão, parênteses)
■ Utilizar recursos gráficos orientadores da interpretação do lo-
cutor, fontes, tipo de letra, estilo – negrito, itálico, tamanho da
letra, sublinhado, caixa alta, cor, divisão em colunas, marcado-
res de enumeração, inserção de elementos paratextuais (no-
tas, boxe, figura).
■ Reconhecer e corrigir erros ortográficos que envolvam regu-
laridades na representação de marcas de nasalidade, dos
diferentes padrões silábicos e das restrições contextuais.
■ Acentuar corretamente as palavras.
■ Empregar casos mais gerais de concordância nominal e verbal para
recuperação da referência e manutenção da coesão em seu texto.
■ Cálculo mental

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 53


EDUCAÇÃO FÍSICA

Apresentação
Segundo a L.D.B. e os PCN´s, a tarefa deste componente curricular é garantir o acesso dos alunos às
práticas da cultura corporal, contribuir para a construção de um estilo pessoal de vivenciá-las e oferecer instrumen-
tos para uma apreciação crítica dessas vivências. No que se refere ao processo de ensino e aprendizagem, para
que estas habilidades sejam desenvolvidas, devem-se considerar as características dos alunos em todas as suas
dimensões: cognitiva, corporal, afetiva, estética, de relação interpessoal e inserção social.
Posta desta maneira, a Educação Física trata do conhecimento produzido e exercido pela sociedade a
respeito do corpo e do movimento, com finalidades de lazer, expressão de sentimentos, ou ainda como possibilida-
de de promoção, recuperação e manutenção da saúde, ao que se acrescenta o seguinte trecho do PCN: “trata-se,
então, de localizar em cada uma dessas manifestações (jogo, esporte, dança, ginástica e luta) seus benefícios
fisiológicos e psicológicos e suas possibilidades de utilização como instrumentos de comunicação, expressão,
lazer e cultura, e formular a partir daí as propostas para a Educação Física escolar”.
A relevância dada ao enfoque cultural traz o desafio de subsidiar o aluno na apropriação crítica dos significa-
dos/sentidos das manifestações da cultura corporal. Concomitantemente, deve-se subsidiar o professor no sentido
de apontar indicativos metodológicos para sua efetiva atuação profissional.
A seguir são apresentadas as expectativas de aprendizagem em cada um dos tópicos. A leitura das expec-
tativas de aprendizagem deve considerar os conteúdos de ensino a que referem.
As expectativas de aprendizagem não pretendem reduzir os conhecimentos a serem ensinados / aprendi-
dos, mas, sim, indicar os limites sem os quais o aluno teria dificuldades para o prosseguir seus estudos, bem como
participar ativamente na vida social.

54 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


6º ANO / 5ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


Ludicidade, corporeidade, sensibilidade, criticidade, Ludicidade, corporeidade, sensibilidade, criticidade,
criatividade, interação. criatividade, interação.
■ Princípios gerais do esporte coletivo ■ Participar de atividades lúdicas que envolvam as capacidades
■ Desenvolvimento de habilidades nas diversas modalidades motoras: coordenação, agilidade e equilíbrio dinâmico, estático
desportivas e recuperado.
- Manejo de bolas ■ Perceber e respeitar as diferenças individuais e os limites do
- Arcos outro para uma convivência coletiva e segura.
- Bastões ■ Identificar, compreender e respeitar as diferenças de gênero
- Cordas relacionadas ao desempenho nas atividades motoras.
- Jogos lúdicos, coletivos mistos ■ Apreender e desenvolver os fundamentos das modalidades
■ Fundamento de habilidades motoras específicas da modalida- desportivas.
de coletiva escolhida pelo professor (teoria e prática) ■ Identificar e analisar os efeitos da atividade física sobre o orga-
- Conhecimento da quadra nismo e a saúde: benefícios, riscos, indicações e contra-indica-
- Noções básicas de regras ções.
- Processo histórico ■ Vivenciar a coordenação motora geral, controle postural, per-
■ Saltos, corridas, arremessos cepção espaço-temporal e os aspectos rítmicos.
■ Posturas básicas ■ Reconhecer o corpo, não como um conjunto de partes, mas
- Equilíbrio geral como um corpo emotivo e sensível que se localiza e se movi-
- Movimentos diversificados menta.
■ Coordenação ■ Identificar, analisar e manter a própria postura e movimentos
- Viso-motora não prejudiciais em diferentes situações do cotidiano.
- Percepção Espaço-temporal ■ Realizar ações corporais de acordo com suas possibilidades,
- Estática e dinâmica visando a obter êxito nas mesmas.
■ Corridas ■ Compreender-se como ser único com uma história de vida
- Contínuas e intervaladas pessoal.
- De velocidade e de manutenção ■ Reconhecer e valorizar as experiências trazidas pelos colegas
■ Refinamento das habilidades motoras fundamentais e especi- do seu meio sociocultural.
alizadas ■ Reconhecer e valorizar atitudes não discriminatórias.
■ Atividades ginásticas ■ Conhecer e interagir com diferentes grupos sociais e étnicos
- Equilíbrio geral: vivenciando manifestações da cultura popular como fonte de
- Estático, dinâmico e recuperado aprendizagem de movimentos e expressões.
- Circuitos individuais e coletivos: ■ Reconhecer seu próprio desempenho e dos demais, tendo
- Com rolamentos como referência o esforço realizado.
- Diversificados (obstáculos variados) ■ Reconhecer limitações de si mesmo e do outro nas diversas
■ Jogos rítmicos situações corporais.
■ Jogos cooperativos ■ Ter responsabilidade pelo desenvolvimento e aperfeiçoamen-
■ Jogos pré-desportivos to das habilidades específicas relacionadas aos jogos.
■ Interagir adequando-se ao contexto, seja ele competitivo, re-
creativo ou cooperativo.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 55


7º ANO / 6ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


Ludicidade, corporeidade, sensibilidade, criticidade, Ludicidade, corporeidade, sensibilidade, criticidade, cria-
criatividade, interação. tividade, interação.
■ Fundamentos técnicos das modalidades desportivas que se- ■ Reconhecer o próprio corpo e do outro.
rão trabalhadas ■ Desenvolver e apreender os fundamentos das modalidades.
■ Corridas, saltos, arremessos, lançamentos ■ Identificar e analisar os efeitos da atividade física sobre o orga-
■ Expressão corporal nismo e a saúde: benefícios, riscos, indicações, e contraindica-
ções.
■ Reconhecer e compreender a aptidão cardiorespiratória.
■ Avaliar seu próprio desempenho e dos demais, tendo como
referência o esforço realizado.
■ Reconhecer limitações de si mesmo e do outro nas diversas
situações corporais.
■ Ter compromisso pelo desenvolvimento e aperfeiçoamento das
habilidades específicas relacionadas aos jogos.
■ Desenvolver o trabalho em equipe.
■ Conviver com as diversas identidades culturais, bem como
respeitar, preservar e valorizá-las como sinergias que constitu-
em o mundo em que vive.
■ Construir a identidade de grupo, respeitando os outros em
noções de coletividade e respeito às regras.
■ Identificar, compreender e respeitar as diferenças de gênero
relacionadas ao desempenho nas atividades motoras.
■ Reconhecer e valorizar atitudes não discriminatórias.
■ Reconhecer e interagir com diferentes grupos sociais e étnicos
vivenciando manifestações da cultura popular como fonte de
aprendizagem de movimentos e expressões.
■ Compreender-se como ser único com uma história de vida
pessoal.
■ Reconhecer e valorizar as experiências trazidas pelos colegas
do seu meio sociocultural.
■ Interagir adequando-se ao contexto, seja ele competitivo, re-
creativo ou cooperativo.
■ Ter responsabilidade pelo desenvolvimento e aperfeiçoamento
das habilidades específicas relacionadas aos jogos.

56 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


Ludicidade, corporeidade, sensibilidade, criticidade, Ludicidade, corporeidade, sensibilidade, criticidade,
criatividade, interação. criatividade, interação.
■ Fundamentos do basquetebol (teoria e prática) ■ Desenvolver a própria percepção geral e manejo de elemen-
- Drible tos e implementos de diversas modalidades desportivas.
- Passe ■ Identificar, compreender e praticar as diversas modalidades
- Bandeja desportivas.
- Arremesso ■ Reconhecer, analisar e cultivar a pratica sistemática de manu-
- Posturas defensivas tenção das capacidades físicas e outras formas de exercício
- Conhecimento da quadra que promovam a saúde física e mental.
- Noções básicas de regras ■ Avaliar seu próprio desempenho e dos demais, tendo como
- Princípios técnicos e táticos em situação de jogo referência o esforço realizado.
■ Fundamentos do handebol (teoria e prática) ■ Identificar e analisar os efeitos da atividade física sobre o orga-
- Empunhadura da bola nismo e a saúde: benefícios, riscos, indicações e contraindica-
- Passe ções.
- Recepção ■ Conhecer e compreender a aptidão cardiorespiratória.
- Drible ■ Reconhecer as limitações de si mesmo e do outro nas diversas
- Arremessos: em apoio e em suspensão situações corporais.
- Posturas defensivas ■ Identificar, compreender e respeitar as diferenças de gênero
- Conhecimento da quadra relacionadas ao desempenho nas atividades motoras.
- Noções básicas de regras ■ Ter responsabilidade pelo desenvolvimento e aperfeiçoamen-
- Princípios técnicos e táticos em situação de jogo to das habilidades específicas relacionadas aos jogos.
■ Fundamentos do voleibol (teoria e prática) ■ Compreender-se como ser único com uma história de vida
- Saque pessoal.
- Manchete ■ Reconhecer e valorizar as experiências trazidas pelos colegas
- Toque do seu meio sociocultural.
- Levantamento ■ Reconhecer e valorizar atitudes não discriminatórias.
- Cortada ■ Interagir adequando-se ao contexto, seja ele competitivo, re-
- Bloqueio e rodízio creativo ou cooperativo.
- Conhecimento da quadra ■ Reconhecer e interagir com diferentes grupos sociais e étnicos
- Noções básicas de regras vivenciando manifestações da cultura popular como fonte de
- Princípios técnicos e táticos em situação de jogo aprendizagem de movimentos e expressões.
■ Atletismo: lançamentos e arremessos, saltos, corridas
■ Capacidades físicas, circuitos
■ Atividade recreativa dirigida: Futsal (todos os bimestres).

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 57


9º ANO / 8ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


Ludicidade, corporeidade, sensibilidade, criticidade, Ludicidade, corporeidade, sensibilidade, criticidade, cria-
criatividade, interação. tividade, interação.
■ Fundamentos do basquetebol (teoria e prática) ■ Adotar atitude de respeito mútuo, resolvendo situações confli-
- Drible tantes com seus pares, convivendo de forma equilibrada com a
- Passe diversidade.
- Bandeja ■ Identificar, compreender e respeitar as diferenças de gênero
- Arremesso relacionadas ao desempenho nas atividades motoras.
- Conhecimento da quadra ■ Reconhecer e valorizar as experiências trazidas pelos colegas
- Noções básicas de regras do seu meio sociocultural.
- Princípios técnicos e táticos em situação de jogo ■ Reconhecer e valorizar atitudes não discriminatórias.
■ Fundamentos do handebol (teoria e prática) ■ Reconhecer e interagir com diferentes grupos sociais e étnicos
- Empunhadura da bola: passes vivenciando manifestações da cultura popular como fonte de
- Recepção aprendizagem de movimentos e expressões
- Drible ■ Compreender-se como ser único com uma história de vida
- Arremessos: em apoio e suspensão pessoal.
- Posição básica defensiva ■ Compreender os ciclos de exercícios como possibilidade de
- Defesa individual ganho de qualidade de vida.
- Conhecimento da quadra ■ Entender a regra do desporto e sua aplicação em ambientes
- Noções básicas de regras diversos.
- Princípios técnicos e táticos em situação de jogo ■ Reconhecer e compreender o corpo humano em suas partes e
■ Fundamentos do voleibol (teoria e prática) em suas funções.
- Saques ■ Reconhecer noções básicas sobre saúde, alimentação e higi-
- Manchetes ene.
- Toques ■ Reconhecer e compreender a aptidão cardiorespiratória.
- Levantamento ■ Avaliar seu próprio desempenho e dos demais, tendo como
- Cortada referência o esforço realizado.
- Bloqueio e rodízio ■ Reconhecer limitações de si mesmo e do outro nas diversas
- Conhecimento da quadra situações corporais.
- Noções básicas de regras ■ Ter responsabilidade pelo desenvolvimento e aperfeiçoamen-
- Princípios técnicos e táticos em situação de jogo to das habilidades específicas relacionadas aos jogos.
■ Atletismo: lançamentos e arremessos, saltos, corridas ■ Interagir adequando-se ao contexto, seja ele competitivo, re-
■ Capacidades físicas e circuitos creativo ou cooperativo.
■ Atividade recreativa dirigida: Futsal (todos os bimestres)

58 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


GEOGRAFIA

Apresentação
As idéias propostas nesse documento levam em consideração os fundamentos de uma Geografia da atuali-
dade. Deve-se, portanto, compreendê-la como uma ciência do presente, inspirada na realidade contemporânea e
que permita ao jovem estudante entender o mundo atual por meio das diversas apropriações dos lugares, suas
interações e suas contradições.
Quando se pensa em uma Geografia para o século XXI, devemos considerar que essa disciplina, assim como
as outras, resulta da influência direta promovida pelas alterações impostas pelo meio técnico-científico informacional.
A partir do final do século XX, as mudanças resultantes das novas formas de comunicação, responsáveis, inclusive,
por criar uma nova perspectiva de espaço — o virtual —, transformaram a maneira como a sociedade lida com o
conhecimento, impondo também ao ensino da disciplina uma nova perspectiva.
Essa nova concepção de Geografia, aqui defendida, incorpora um segundo momento, quando os desafios
impostos pelas transformações do meio técnico-científico-informacional — inserido em sala de aula e fora dela —
promoveram uma conexão on line e passaram a influir e a modificar o local, o regional e o global ao mesmo
tempo.
O encurtamento das distâncias associado à expansão dos meios de transporte tanto de pessoas e mercado-
rias como de informações, assim como as alterações promovidas no mundo do trabalho, permitem a cada momento
vislumbrar um leque de aproximações capazes de romper com as barreiras culturais, aproximando mundos diferen-
tes. Essa nova concepção de espaço influencia os modos de agir e de pensar da humanidade em sua totalidade.
O ensino de Geografia ganha, portanto, uma nova dimensão de espaço — o espaço virtual e materializa
numa concepção de ensino diferenciada, em que os conteúdos específicos de Geografia, ao interagirem com os de
outras ciências, possibilitam ao educando, por intermédio da mediação realizada pela escola, a ampliação de um
conhecimento autônomo e abrangente.
Também é fundamental desenvolver uma atitude de respeito aos saberes que o estudante traz à escola,
adquiridos em seu meio cultural, pois é certo que envolvem uma variada gama de discussões com temas da
atualidade, como a urgência ambiental, os diferentes níveis de bem-estar das populações, as questões de saúde
pública, as políticas assistenciais, as greves, o desemprego, a globalização, as relações internacionais, os confli-
tos de diferentes ordens, as crises econômicas, entre outras.
Essas questões, presentes diariamente em jornais, reportagens de televisão, manchetes de revistas e na
rede mundial de computadores, compõem o cenário no qual os jovens vivem e atuam, e devem transformar-se em
contextos para a discussão e a compreensão do mundo que os cerca em todas as suas dimensões. São estas as
necessidades essenciais que mobilizam formas de pensar e agir de um cidadão do século XXI, que muitas vezes é
ator principal de seu tempo e, em outras, coadjuvante e observador crítico das ocorrências planetárias.
O objeto central da investigação geográfica reside, portanto, no estudo do espaço geográfico, abrangendo o
conjunto de relações que se estabelece entre os objetos naturais e os construídos pela atividade humana, ou seja,
os artefatos sociais. Nesse sentido, enquanto o “tempo da natureza” é regulado por processos bioquímicos e
físicos responsáveis pela produção e pela interação dos objetos naturais, o “tempo histórico” responsabiliza-se por
perpetuar as marcas acumuladas pela atividade humana como produtora de artefatos sociais.
Ao considerar tais premissas, o ensino de Geografia deve priorizar o estudo do território, da paisagem e do lugar
em suas diferentes escalas. Assim, rompe-se com uma visão estática na qual a natureza segue o seu curso imutável e

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 59


irreal, enquanto a humanidade é vista como uma entidade a ser estudada à parte, como se não interagisse com o meio.
O conceito de escala geográfica expressa as diferentes dimensões que podem ser escolhidas para o estudo
do espaço geográfico, passível de ser abordado a partir de recortes tais como o lugar, a região, o território nacional
ou o mundo. Entretanto, as diferentes escalas geográficas estão sempre inter-relacionadas: é preciso, por exem-
plo, considerar o mundo, a região e o território nacional na análise dos fenômenos que ocorrem no lugar.
Desse modo, assim como os demais componentes curriculares da educação básica, cabe ao ensino de
Geografia, nas séries iniciais, privilegiar a alfabetização geográfica, ou seja, desenvolver linguagens e princípios que
permitam ao aluno ler e compreender o espaço geográfico. No que se refere ao Ensino Fundamental, é importante
ressaltar a necessidade de considerar os conteúdos mais adequados à faixa etária a que se destina, considerando
as características cognitivas e afetivas relativas a cada uma delas. Propomos uma abordagem que leve em consi-
deração os seguintes eixos conceituais:
a) Território – O termo foi originalmente formulado pela Biologia no século XVIII, compreendendo a área
delimitada por uma espécie, na qual são desempenhadas as suas funções vitais. Incorporado posteriormente pela
Geografia, o conceito ganhou contornos geopolíticos ao configurar-se como o espaço físico no qual o Estado se
concretiza. Porém, ao se compreender o Estado nacional como a nação politicamente organizada, estruturada
sobre uma base física, não é possível considerar apenas sua função política, mas também o espaço construído
pela sociedade. Portanto, o território deve ser considerado a extensão apropriada e usada pela sociedade. Ao
compreender o que é o território, deve-se levar em conta toda a diversidade e a complexidade de relações sociais,
de convivências e diferenças culturais que se estabelecem em um mesmo espaço.
b) Paisagem – Distinto do senso comum, esse conceito tem um caráter específico para a Geografia. A
paisagem geográfica é a unidade visível do real e que incorpora todos os fatores resultantes da construção natural
e social. A paisagem acumula tempos e deve ser considerada como “tudo aquilo que vemos; o que nossa visão
alcança” (SANTOS, 2001). Dessa forma, uma paisagem nunca pode ser destruída, ela está sempre se modifican-
do. As paisagens devem ser consideradas como a forma de um processo em contínua construção, pois represen-
tam a aparência dos elementos construídos socialmente e, portanto, representam a essência da própria sociedade
que as constrói.
c) Lugar – O conceito de paisagem vincula-se fortemente ao conceito de lugar, e este também se distingue
do senso comum. Para a Geografia, o lugar traduz os espaços nos quais as pessoas constroem os seus laços
afetivos e subjetivos, pois pertencer a um território e fazer parte de sua paisagem significa estabelecer laços de
identidade com cada um deles. É no lugar que cada pessoa busca suas referências pessoais e constrói o seu
sistema de valores. São esses valores que fundamentam a vida em sociedade, permitindo, a cada lugar, construir
uma identidade própria.
d) Educação cartográfica – A alfabetização cartográfica deve ser entendida como um dos instrumentos
indispensáveis para a cidadania. Como afirma Lacoste, “cartas, para quem não aprendeu a lê-las e a utilizá-las,
sem dúvida não têm qualquer sentido, como não teria uma página escrita para quem não aprendeu a ler”. Portanto,
uma educação que objetive a formação do cidadão consciente e autônomo deve incorporar no currículo os funda-
mentos para o desenvolvimento da alfabetização cartográfica, da leitura e da interpretação de gráficos e tabelas,
além de leitura, interpretação e confecção de mapas.
A seguir são apresentadas as expectativas de aprendizagem em cada um dos tópicos. A leitura das expec-
tativas de aprendizagem deve considerar os conteúdos de ensino a que referem.
As expectativas de aprendizagem não pretendem reduzir os conhecimentos a serem ensinados / aprendi-
dos, mas, sim, indicar os limites sem os quais o aluno teria dificuldades para prosseguir seus estudos, bem como
participar ativamente na vida social.

60 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


6º Ano / 5ª Série

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Para que serve a Geografia? 1. Para que serve a Geografia?
■ Conceitos estruturadores ■ Identificar a Geografia como ciência, suas finalidades e sua
■ Relação homem/natureza/ sociedades contribuição para a formação da cidadania no estudo das soci-
■ O espaço Geográfico edades.
■ Movimentos da Terra e suas conseqüências ■ Identificar como o trabalho se apropria da natureza na cons-
trução do espaço geográfico, as mudanças nas relações soci-
ais do trabalho entre o campo e cidade, a divisão social e
territorial do trabalho.
■ A partir da observação de uma ilustração descrever as diver-
sas formas socioeconômicas e culturais presentes na transfor-
mação da paisagem.
■ Reconhecer a importância do conhecimento geográfico, na
ação de políticas para a preservação do meio ambiente.
■ Identificar formas de organização do espaço mundial, a partir
da organização do seu espaço de vivência.

2. Fundamentos de Cartografia 2. Fundamentos de Cartografia


■ Escalas e Mapas ■ Reconhecer a cartografia e suas técnicas como instrumento
■ Análise de gráficos e tabelas imprescindível na identificação e localização dos lugares e do
■ Orientação mundo.
■ Localização ■ Identificar na paisagem elementos de referência para a locali-
■ Estrutura e dinâmica da Terra zação, orientação e distância segundo o olhar cinemático (em
■ Cartografia: Continentes, oceanos e mares movimento).
■ Localização: Pontos cardeais, coordenadas e fusos horários. ■ Reconhecer nos mapas a representação dos elementos do
espaço como uma visão vertical em contraposição com a visão
frontal e panorâmica.
■ Utilizar mapas simples, croquis e roteiros gráficos como meio
para compreender noções de distância, direção, proporção,
localização e orientação geográfica.
■ Relacionar os pontos de referência na paisagem local segundo
diversos olhares de modo a deslocar-se com autonomia.
■ Estabelecer relações da cartografia com as novas tecnologias
informatizadas.
■ Representar em linguagem cartográfica as características das
paisagens.
■ Identificar a importância das escalas nos mapas, os tipos de
mapas e as convenções cartográficas.
■ Aplicar procedimentos de orientação geográfica e astronômica
para localizar os lugares e as paisagens ( pontos cardeais,
coordenadas geográficas e fusos horários).

3. Dinâmica da Natureza 3. Dinâmica da Natureza


■ Formas de relevo terrestre ■ Identificar aspectos do espaço cósmico e teorias sobre sua
■ Tipos de climas do planeta terra. origem, sua dinâmica e sua influência na vida terrestre.
■ Formação vegetal da superfície terrestre

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 61


6º ANO / 5ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

3. Dinâmica da Natureza
■ Localizar o planeta Terra no universo, entendendo os seus
movimentos e suas conseqüências.
■ Reconhecer a dinâmica e os componentes internos estrutura-
dores do planeta Terra.
■ Identificar as formas do relevo terrestre e do relevo brasileiro.
■ Reconhecer as características dos diferentes tipos de climas no
Brasil e no mundo.
■ Reconhecer a interação do clima com a vegetação e o relevo.
■ Relacionar os índices pluviométricos, umidade e temperaturas
elevadas com a diversidade da vegetação.
■ Associar as características destas florestas com a utilização in-
tensiva pela indústria madeireira
■ Relacionar o clima às formações vegetais.
■ Reconhecer as principais formações vegetais da superfície ter-
restre e identificar suas características fundamentais.
■ Conhecer as formações vegetais brasileiras, identificar sua área
de ocorrência e seu aproveitamento econômico.
■ Reconhecer as diferentes formas de regionalização, notada-
mente, a que caracteriza a divisão das terras emersas e os
oceanos.

62 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO / 6ª SÉRIE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Organização do Espaço Geográfico Brasileiro 1. Organização do Espaço Geográfico Brasileiro
■ A Inserção do Brasil no sistema mundial ■ Identificar e localizar o Brasil no mundo, comparar a sua exten-
■ Comparação territorial do Brasil com outros países são territorial e posição geográfica com os demais países.
■ Analise do desenvolvimento brasileiro ■ Analisar as condições sócio-econômicas responsáveis pelas
■ As diversas formas de regionalização do Brasil transformações urbano-industriais do Brasil, assim como expli-
■ Serviços públicos em sua cidade car os contrastes socioeconômicos e culturais do país.
■ Descrever diferenças socioeconômicas regionais do Brasil, a
partir dos dados organizados em tabelas

2. Regiões Brasileiras e a dinâmica da natureza 2. Regiões Brasileiras e a dinâmica da natureza


■ O Relevo Brasileiro ■ Comparar as classificações do relevo brasileiro, segundo os
■ Tempo e clima no Brasil geógrafos Aroldo de Azevedo, Aziz Ab‘Saber e Jurandyr Ross
■ Os Principais biomas brasileiros ■ Reconhecer a influência da estrutura geológica do Brasil no
■ A redes hídricas do Brasil modelado do relevo brasileiro
■ Caracterizar, por meio de mapas, a diversidade morfoclimá-
tica do território brasileiro e reconhecer as generalidades e
singularidades que caracterizam os biomas brasileiros, con-
siderando os impactos oriundos das diferentes formas de
intervenção humana, levando em consideração o diacro-
nismo dos eventos.
■ Correlacionar as reservas minerais do país com a estrutura
geológica
■ Descrever perfis de vegetação dos diferentes biomas bra-
sileiros
■ Analisar através de textos e gráficos a diversidade biológica do
país
■ Localizar no mapa do Brasil a área de domínio da Floresta
Amazônica, Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga, Pantanal, Cam-
panha Gaúcha e Mata dos Pinhais

3. Sociedade urbano-industrial 3. Sociedade urbano-industrial


■ Análise de gráficos e tabelas sobre questões relevantes para a ■ Identificar as características da divisão internacional do traba-
realidade brasileira. lho, das formas de produção e das relações de trabalho no
■ Setores da economia do Brasil território brasileiro.
■ O processo de industrialização e modernização dos meios de ■ Reconhecer o processo de industrialização e de urbanização,
produção e as desigualdades sociais as transformações socioeconômicas brasileiras, relacionando-
■ Problemas sócio-econômicos brasileiros oriundos do cresci- as com o modo de vida urbano, com o surgimento e o fortaleci-
mento urbano desordenado mento de movimentos sociais, bem como as transformações
ocorridas no campo por meio da modernização agrícola.
■ Identificar e analisar as modificações ocorridas nos hábi-
tos de consumo da população brasileira antes e após a
industrialização.
■ Relacionar a industrialização, a abertura para o capital estran-
geiro a partir da década de 50, com o processo de urbaniza-
ção e consequência do êxodo rural.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 63


7º ANO / 6ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

3. Sociedade urbano-industrial
■ Constatar, por meio de estudos de caso, exemplos da diversi-
dade e complexidade das relações sociais e diferenças cultu-
rais que se estabelecem em um mesmo espaço.
■ Analisar os problemas vivenciados pelos pequenos e médios
produtores, enfatizando a questão dos sem-terra, frente aos
movimentos de reforma agrária.
■ Reconhecer como o desenvolvimento tecnológico está associ-
ado à globalização da economia.
■ Analisar os avanços tecnológicos e destacar a influência da
mídia, como elemento de influência na construção do imaginá-
rio social, percebendo-a como agente de estímulo à migração
entre regiões.
■ Estabelecer relações entre crescimento urbano desordenado,
modernização e tecnologia e as atuais condições de habitação,
emprego, segurança, saúde, educação da população brasileira.

4. A População Brasileira 4. A População Brasileira


■ Fatores de crescimento e distribuição da população brasileira: ■ Avaliar dados de indicadores sociais da população brasileira,
Análise da pirâmide etária brasileira. tais como: expectativa de vida, saneamento básico, moradia,
■ Consequências do processo de industrialização brasileira na alimentação, mortalidade infantil, emprego e subemprego, etc.
década de 1950
■ Migração da população entre as regiões
■ Características socioeconômicas e culturais das regiões brasileiras

5. Fluxos de comunicação e transporte 5. Fluxos de comunicação e transporte


■ Meios de transporte e comunicações no Brasil – influências ■ Reconhecer os meios de transporte e sua importância na forma
sociais de apropriação dos espaços.
■ Relacionar os meios de transportes, no Brasil, e sua influência
no modo de vida da população urbana e rural.

6. Comércio Exterior brasileiro 6. Comércio Exterior brasileiro


■ Comércio interno e externo: a dívida brasileira ■ Identificar como as atividades comerciais unem e separam as
■ MERCOSUL e a posição de liderança brasileira nações, a importância dos meios de transportes e de comuni-
cações e suas influências no comércio interno e externo, des-
tacando as consequências da dívida externa brasileira.
■ Conceituar e identificar as principais características técnicas do
Mercosul.

7. Geografia do Distrito Federal 7. Geografia do Distrito Federal


■ Características socioeconômicas do Distrito Federal ■ Identificar características naturais peculiares ao Distrito Federal.
■ Identificar os elementos constitutivos responsáveis pela forma-
ção da população do Distrito Federal.
■ Analisar por meio de gráficos e tabelas a situação socioeconô-
mica do Distrito Federal.

64 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Projeções Cartográficas 1. Projeções Cartográficas
■ Projeções cartográficas coordenadas geográficas e fusos ho- ■ Identificar as formas de representação do mundo, valorizando
rários a cartografia como instrumento de informação dos fenômenos
presentes no espaço geográfico mundial.
■ Identificar a representação do espaço mundial: as projeções
geográficas, as coordenadas geográficas, as latitudes, as lon-
gitudes e os fusos horários o sensoriamento remoto e o Sistema
de Informações Geográficas.

2. Formas de Regionalização 2. Formas de Regionalização


■ Divisão do mundo em: capitalistas e socialistas; desenvolvidos, ■ Analisar os conceitos de subdesenvolvimento, desenvolvimen-
em desenvolvimento e emergentes; países do norte e do sul to e o colonialismo de acordo com as diferentes correntes histó-
(Centrais x periféricos) rico-geográficas. .
■ Colonização de exploração e povoamento: América, África e ■ Analisar os índices de desenvolvimento humano dos países a
Ásia fim de perceber as disparidades socioeconômicas entre os
■ Indicadores socioeconômicos do subdesenvolvimento (com mesmos.
ênfase na América)
3. Continente Americano 3. Continente Americano
■ Localização geográfica. ■ Relacionar a configuração territorial da América Latina com o
■ Formas de regionalização processo de colonização da América espanhola e portuguesa
■ Aspectos físicos. ■ Descrever as desigualdades regionais dos países latino-ame-
■ Diversidades e contrastes ricanos, do ponto de vista socioeconômico, a partir dos dados
■ Economia organizados em tabelas
■ Dependências tecnológicas ■ Identificar, a partir do mapa múndi político a localização geográ-
■ Urbanização fica e astronômica do continente americano.
■ Relação cidade-campo ■ Identificar os países que compõem o Mercosul, utilizando o
■ Relações com os mercados mundiais mapa
■ Identificar e analisar os aspectos: naturais; sociopolítico-econô- ■ Explicar os objetivos do Mercosul
micos; científico-tecnológicos e culturais dos EUA e Canadá. ■ Entender o Mercosul como um importante como um importante
mecanismo de inserção das economias dos países membros
na globalização.
■ Perceber o peso da economia brasileira no Mercosul.
■ Descrever o processo de expansão territorial dos EUA
■ Explicar os mecanismos de dominação dos EUA nos países
latino-americanos, a partir da leitura de textos
■ Identificar em mapas as áreas industriais dos EUA e Canadá
■ Estabelecer relações entre o clima, tipos de solo e desenvolvi-
mento técnico-agrícola do Canadá
■ Compreender o espaço agrário americano organizado em cin-
turões agro-industriais (belts)
■ Estabelecer relações entre a economia canadense e a econo-
mia americana
■ Estabelecer relações entre a economia mexicana e a econo-
mia americana

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 65


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

3. Continente Americano
■ Explicar os objetivos do Nafta
■ Identificar os países que compõem o Nafta, utilizando o mapa
■ Descrever as desigualdades regionais dos EUA e Canadá, do
ponto de vista sócio-econômico, a partir dos dados organiza-
dos em tabelas
■ Descrever as desigualdades regionais do Canadá, do ponto
de vista étnico e cultural, utilizando-se de mapas
■ Identificar os problemas do racismo nos EUA
■ Discutir o crescimento desequilibrado das economias das Amé-
ricas, analisando sua colonização e ocupação territorial, as
relações de dependência tecnológica e de capitais, a urbaniza-
ção e as alterações na relação cidade-campo; a modernização
da agricultura; as relações com os grandes mercados e os
centros do poder, destacando as questões ambientais: o solo, o
clima, as águas e o ar.

4. África 4. África
■ Localização geográfica ■ Identificar as diferenças dos tipos de colonização e descoloni-
■ Formas de regionalização zação na África, na Ásia e no Brasil.
■ Economia ■ Reconhecer o papel da colonização na organização do espa-
■ Índice de Desenvolvimento Humano ço africano
■ Características do espaço natural ■ Reconhecer o domínio cultural dos países europeus na África
■ Desigualdades sociais ■ Reconhecer a existência de áreas de predomínio da economia
■ Segregação racial na África do Sul-Apartheid tradicional (bosquímanos, tuaregues, pigmeus, entre outros).
■ Influências culturais no Brasil ■ Analisar situações representativas das desigualdades regio-
nais dos países africanos, do ponto de vista étnico e cultural e
socioeconômico.
■ Justificar a determinação histórica da configuração territorial
dos Países Africanos
■ Analisar a configuração política e cultural do continente africa-
no, considerando a relação entre Nação e Estado Nacional.
■ Identificar e analisar as razões dos principais conflitos étnicos,
culturais e religiosos, existentes no mundo atual, como fator de
redefinição das fronteiras.
■ Investigar as raízes da segregação racial na África do Sul
(apartheid).
■ Analisar o conceito de “África Branca” tendo como parâmetro
questões étnico-culturais.
■ Caracterizar o espaço natural do continente africano.

66 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO / 8ª SÉRIE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem

1. A Globalização da Economia 1. A Globalização da Economia.


■ Relações dos mercados mundiais: Globalização da economia ■ Analisar as diferentes formas de fragmentação do mundo em
■ A dinâmica das transformações através da tecnologia grandes blocos regionais e os organismos criados para sua
■ Blocos econômicos mundiais e pólos de poder administração.
■ Globalização e desenvolvimento tecnológico: aproximação en- ■ Associar desenvolvimento tecnológico à globalização da eco-
tre os povos nomia, considerando a aproximação e/ou distanciamento das
■ A revolução tecnológica e a formação do espaço global nações do mundo.
■ Reconhecer como o desenvolvimento tecnológico está associado
à globalização da economia e com a formação do espaço global

2. Ásia 2. Ásia
■ Localização geográfica. ■ Identificar as principais características naturais, étnicas, cultu-
■ Formas de regionalização rais, políticas e econômicas do continente Asiático.
■ Economia ■ Reconhecer o processo de formação dos “Tigres Asiáticos” e anali-
■ Características do espaço natural. sar as condições socioeconômicas características desses países.
■ Desigualdades sociais. ■ Identificar os contrastes sociais, econômicos, políticos e geo-
■ Diversidade cultural e étnica gráficos da península indiana considerando a influência e a
■ Península indiana tradição do sistema de castas.
■ Aspectos demográficos, políticos, sociais, econômicos e sociais ■ Identificar as raízes histórico-geográficas responsáveis pelos pro-
da China. blemas sociais e conflitos étnicos, culturais e religiosos na Ásia.
■ Tigres Asiáticos ■ Identificar e localizar a China no continente asiático.
■ Aspectos demográficos, políticos, sociais, econômicos e sociais ■ Caracterizar a China como uma potência demográfica, econô-
do Japão. mica e política.
■ Indicadores sociais e econômicos e aspectos demográficos ■ Descrever a organização do espaço japonês, analisar seu
■ A questão Palestina/Israel processo de desenvolvimento, suas principais atividades eco-
■ Oriente Médio: aspectos gerais nômicas e destacar o seu papel no comércio mundial.
■ Caracterizar a população e a cultura japonesa.
■ Identificar os atuais problemas enfrentados pelo Japão.
■ Identificar e localizar o Oriente Médio na Ásia.
■ Explicar a importância do petróleo para a economia dos países
do Oriente Médio e do mundo.
■ Discutir a questão Palestina/Israel.

3. A Europa 3. A Europa
■ As terras da Europa – O relevo, os rios, os lagos ■ Localizar geograficamente o continente europeu
■ As florestas e os campos na homogeneidade do clima euro- ■ Analisar as questões ambientais e o quadro natural da Europa.
peu O espaço humanizado europeu ■ Descrever as desigualdades regionais dos países europeus do
■ A população nas terras da Europa ponto de vista étnico-cultural, e do socioeconômico e explicar os
■ Economia européia objetivos da União Europeia.
■ Os transportes e a União Europeia ■ Analisar o processo de industrialização, de urbanização e mo-
■ CEI: Comunidade dos Estados Independentes dernização da agricultura do continente europeu.
■ A Rússia e a economia da CEI ■ Interpretar as transformações do Leste Europeu, e o processo
■ A Península Balcânica: formação histórica e política de constituição e de desintegração da antiga URSS.
■ Compreender a formação da CEI e seus conflitos latentes.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 67


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

3. A Europa
■ Identificar a Rússia como país de destaque, na porção centro-
oriental da Europa.
■ Explicar o processo de surgimento de diversos países na Penín-
sula Balcânica, a partir de 1990, resultante da fragmentação
territorial da antiga Iugoslávia.

4. Oceania - O novíssimo continente 4. Oceania - O novíssimo continente


■ Austrália e a Nova Zelândia: os países ricos ■ Caracterizar a geografia Austrália e a Nova Zelândia consideran-
do distribuição das terras emersas, formação geológica e relevo.
■ Identificar elementos constitutivos da paisagem natural da Oce-
ania.

5. O Continente Antártico 5. O Continente Antártico


■ A participação brasileira na Antártida ■ Identificar a Antártida como um laboratório de pesquisa dos fenô-
■ Questões ambientais do continente menos naturais.
■ Analisar a participação científica do Brasil na Antártida.
■ Analisar questões ambientais concernentes à ocupação humana
na Antártida.

68 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


HISTÓRIA

Apresentação
O ensino de História nas séries finais do Fundamental deve estar comprometido com o desenvolvimento, no
educando, da capacidade de compreensão mais adequada da realidade social na qual está inserido, inclusive
levando-o a estender esse entendimento a outros contextos diferenciados, no tempo e no espaço. Para atingir
esses objetivos, é necessário adequar o trabalho com os temas e conteúdos curriculares à formação da consciên-
cia de que as relações sociais devem assentar-se na compreensão e valorização das diferenças que caracterizam
os indivíduos e grupos sociais, a partir do que o aluno poderá perceber a importância de combater as práticas de
preconceito presentes nos mais variados ambientes cotidianos. Por isso, é fundamental não reduzir o ensino de
História à transmissão mecânica de conhecimentos a serem memorizados e que transformam o educando em um
mero consumidor de informações inúteis e prejudiciais ao desenvolvimento de sua capacidade criadora, tornando-
o incapaz de se perceber como sujeito histórico.
Para que esses compromissos possam sair do plano das intenções, é importante reconhecer que a ferra-
menta básica a ser utilizada durante as ações de ensino-aprendizagem será o fortalecimento das capacidades de
leitura, reflexão e escrita dos estudantes, sem o que a relação estrutural Currículo-Cultura será comprometida
integralmente e o ensino ficará limitado ao mais estreito senso comum.
Com base nessas questões, sumariamente apresentadas, o currículo foi considerado, inicialmente, em
função do compromisso de que o estudo da Historia possa auxiliar o aluno a compreender as determinações
sociais, temporais e espaciais que desenham a sociedade. Para dar conta disso, desenvolvemos conceitualmente
as cinco unidades temáticas estabelecidas no currículo praticado nas escolas do GDF, em níveis crescentes de
profundidade, com o objetivo de levar os alunos à compreensão da importância da História para sua formação
pessoal e para uma percepção mais nítida dos laços coletivos que constituem a sociedade na qual estão inseridos.
Os recortes propostos procuram dar conta de temas e questões fundamentais, entre os quais foi concebida uma
rede de sentidos que visa a impedir sua dispersão por conteúdos desconexos e desprovidos de unidade.
1. O primeiro componente conceitual indicado no currículo relaciona-se a um tema fundamental para o
ensino da História: “Trabalho” – aqui considerado a partir das “Relações sociais de trabalho ao longo da
história”, o que permite seu tratamento nos mais variados contextos temporais e espaciais. O trabalho,
como se sabe, é manifestação essencial da condição humana, pois é através de sua materialização que
o mundo social – histórico, portanto – se constitui. O destaque dado a este conceito tem o objetivo de
levar o aluno à compreensão da importância do trabalho para a sobrevivência das pessoas e a realização
plena da cidadania, reconhecendo seu valor social e a necessidade de que as relações estabelecidas no
mundo da produção visem, sobretudo, à melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores. Após a análise
das formas de trabalho nas sociedades antigas e na Idade Média, sua compreensão se aprofunda, com
foco no estudo da formação do capitalismo e sua irradiação global, a partir do século XVI, com ênfase para
a Revolução Industrial e suas consequências. Além disso, busca-se encaminhar as discussões para a
avaliação do impacto das novas tecnologias – quase sempre entendidas com sentido progressivo –, tanto
no que se refere à eliminação de postos de trabalho, quanto ao aumento das ocupações informais ou da
exploração da mão-de-obra infantil.
2. O segundo componente conceitual – “Movimentos populacionais” – foi concebido com base em um con-
junto de temas e conteúdos constantes do currículo, e cujo estudo poderá levar o aluno a identificar e

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 69


analisar as principais causas e características dos movimentos populacionais ocorridos, principalmente,
a partir dos séculos XV-XVI e intensificados, depois, nos continentes submetidos ao domínio europeu.
Fazem parte de sua conformação, igualmente, os movimentos de ocupação territorial nas colônias ame-
ricanas, os processos de independência e o imperialismo, com ênfase para o continente africano. Com
isso, visa-se, em síntese, a desenvolver no aluno a compreensão de que a formação das sociedades
contemporâneas é resultado de interações e conflitos de caráter econômico, político e cultural.
3. “Formação e características das instituições políticas das sociedades contemporâneas (ênfase: Brasil)” é
outro componente conceitual básico. Em sua abrangência, permite considerar, historicamente, os princi-
pais elementos formadores das instituições políticas contemporâneas, especialmente brasileiras, identi-
ficando as influências que os movimentos político-sociais europeus tiveram em sua constituição. Além
disso, o tratamento desses temas pode fortalecer no estudante o posicionamento crítico frente às ques-
tões políticas da atualidade, fazendo com que ele se perceba como agente da história de seu tempo,
reconhecendo, simultaneamente, a importância da participação individual e coletiva nos ambientes soci-
ais em que vive.
4. O quarto componente conceitual – “Desenvolvimento urbano. Questão agrária” – foi desenvolvido a partir de
seus dois eixos basilares, porque, embora o processo de urbanização e a questão agrária estejam inter-
ligados, cada um se desenvolve segundo características e ritmos específicos. Para a questão urbana,
entendemos como fundamental levar o aluno a estabelecer relações entre o processo de formação e
desenvolvimento das cidades, ao longo da História, e suas características e funções – o que inclui as
primeiras cidades da Antiguidade, os burgos medievais e as cidades modernas e contemporâneas. No
caso brasileiro, por exemplo, o tema poderá ser abordado considerando-se as principais características
da cidade colonial – essencialmente litorânea – e o lento processo de interiorização que acompanhou o
processo de formação territorial, até chegar à criação de Brasília.
5. Finalmente, em direta sintonia com o currículo de História em vigor nas escolas do GDF, aparece o
conceito “Identidade e diversidade”, aqui compreendido em função de dois sistemas complementares de
relações: “História e Cultura – Identidade e Diversidade”, com o que se visa a atender a um dos objetivos
centrais do ensino das Ciências Humanas na atualidade, qual seja a compreensão dos elementos
socioculturais que constituem as identidades, a partir do estudo das questões de alteridade. Através da
análise de situações históricas e atuais, visa-se a desenvolver nos alunos atitudes de reconhecimento e
valorização da diversidade que constrói a identidade dos indivíduos e dos grupos sociais.
A seguir são apresentadas as expectativas de aprendizagem em cada um dos tópicos. A leitura das expec-
tativas de aprendizagem deve considerar os conteúdos de ensino a que referem.
As expectativas de aprendizagem não pretendem reduzir os conhecimentos a serem ensinados / aprendi-
dos, mas, sim, indicar os limites sem os quais o aluno teria dificuldades para o prosseguir seus estudos, bem como
participar ativamente na vida social.

70 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


6º ANO / 5ª SÉRIE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem

■ Pré–História: conceitos e períodos Relações sociais de trabalho ao longo da história


■ África – “o berço da civilização” – antigas civilizações africanas: ■ Identificar e analisar as características essenciais das relações
1. Impérios de Gana, Mali e Songai sociais de trabalho ao longo da história, reconhecendo os im-
2. Reinos Achanti, Abomé e Congo pactos da tecnologia nas transformações do processo de tra-
3. Civilização Ioruba balho e estabelecendo relações entre trabalho e cidadania.
■ Reconhecer a importância da preservação da memória, em

■ Cosmologias africanas: ancestralidade e religiosidade seus variados suportes, para o conhecimento da História da
humanidade e a constituição das identidades.
■ A formação das cidades – a origem do Estado e da escrita.
■ Reconhecer a importância das variadas fontes para o trabalho
■ A vida na Grécia antiga (aspectos sociais, políticos e culturais).
historiográfico e a necessidade de submetê-las à análise crítica.
■ A vida na Roma antiga (aspectos sociais, políticos e culturais).
■ Reconhecer a importância do trabalho humano, a partir de
■ As migrações bárbaras e a crise do Império Romano.
registros sobre as formas de sua organização em diferentes
■ O Feudalismo – características políticas, econômicas e sociais.
contextos histórico-sociais.
■ Formação e características do Estado absolutista na Europa
■ A partir de dados e vestígios arqueológicos, reconhecer a Áfri-
Ocidental. ca como o lugar de surgimento da humanidade.
Movimentos populacionais
■ Identificar e analisar as principais características e motivações
dos movimentos populacionais ocorridos a partir dos séculos
XV-XVI e intensificados, a partir daí, nos continentes submeti-
dos ao domínio europeu, reconhecendo que a formação das
sociedades contemporâneas é resultado de interações e con-
flitos de caráter econômico, político e cultural.
■ Estabelecer relações entre nomadismo e sedentarismo, reconhe-
cendo os fatores geográficos e climáticos como determinantes para o
surgimento dos primeiros núcleos urbanos e cidades da História.
■ Estabelecer relações entre o processo de formação e desen-
volvimento das cidades, ao longo da História, e suas caracte-
rísticas e funções.
■ Estabelecer relações entre os modelos organizacionais das
cidades antigas e medievais e as cidades modernas.
Formação e características das instituições políticas das
sociedades contemporâneas (ênfase: Brasil)
■ Compreender as influências das instituições e movimentos po-
lítico-sociais europeus sobre o espaço colonial americano, iden-
tificando permanências e rupturas responsáveis pelo desenho
das sociedades após a independência, inclusive nos tempos
atuais. Posicionar-se, criticamente, frente às decisões políticas
contemporâneas, reconhecendo a importância do voto e da
participação coletiva e percebendo-se como agente da história
de seu tempo.
■ Estabelecer relações entre as formas clássicas da democracia
grega e as características atuais das sociedades democráticas.
■ Compreender a importância do processo de interiorização ur-
bana, ocorrido após a construção de Brasília, identificando – a
partir de pesquisas orientadas – o papel das principais perso-
nagens nele envolvidos.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 71


6º ANO / 5ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

Identidade e diversidade
■ Desenvolver a compreensão dos elementos socioculturais que
constituem as identidades, a partir do estudo das questões de
alteridade. Através da análise de situações históricas e atuais,
desenvolver atitudes de reconhecimento e valorização da di-
versidade que constrói a identidade dos indivíduos e dos gru-
pos sociais.
■ Identificar e valorizar a diversidade do patrimônio cultural, re-
conhecendo suas manifestações e inter-relações em diferentes
sociedades.
■ Reconhecer a importância do patrimônio étnico-cultural para a
preservação da memória e da identidade dos variados grupos
sociais.
■ Identificar e diferenciar no continente Africano seus impérios e
diversas sociedades, enfatizando as características multiétnicas
e multiculturais.

72 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO / 6ª SÉRIE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


■ As sociedades na América pré-colombiana (Maias, Astecas e Relações sociais de trabalho ao longo da história
Incas) ■ Identificar e analisar as características essenciais das relações

■ Pré-História Brasileira sociais de trabalho ao longo da história, reconhecendo os im-


■ A Expansão Comercial e Marítima Européia.
pactos da tecnologia nas transformações do processo de tra-
balho e estabelecendo relações entre trabalho e cidadania.
■ A África e o encontro com os europeus – características e
■ Identificar as principais características das formas de trabalho
resultados.
introduzidas na América pelos europeus.
■ A América e o encontro com os europeus – características e
■ Reconhecer a importância da divisão do trabalho para o pro-
resultados. cesso de Revolução Industrial.
■ O sistema colonial na América luso-espanhola. ■ Reconhecer a importância dos movimentos sociais pela melho-
■ O sistema colonial na América do Norte. ria das condições de vida e trabalho ao longo da História.
■ A escravidão africana e indígena na América colonial. Movimentos populacionais
■ O Renascimento artístico e cultural. ■ Identificar e analisar as principais características e motivações
■ A Reforma Protestante e a Contra-Reforma Católica. dos movimentos populacionais ocorridos a partir dos séculos
■ Iluminismo e liberalismo XV-XVI e intensificados, a partir daí, nos continentes submeti-
■ A Revolução Inglesa dos ao domínio europeu, reconhecendo que a formação das
■ A Revolução Francesa sociedades contemporâneas é resultado de interações e con-
■ A Revolução Industrial
flitos de caráter econômico, político e cultural.
■ Identificar os principais objetivos e características do processo
de expansão e conquista, desenvolvido pelos europeus a par-
tir dos séculos XV-XVI
■ Reconhecer as formas históricas das sociedades como resultado
das relações de poder entre as nações.
■ Identificar, a partir de mapas, os principais movimentos de migra-
ção e de ocupação do território brasileiro.
■ Relacionar a dilatação do território brasileiro ao longo da histó-
ria à destruição das sociedades indígenas, promovida pelos
bandeirantes.
Formação e características das instituições políticas das socie-
dades contemporâneas (ênfase: Brasil)
■ Compreender as influências das instituições e movimentos po-
lítico-sociais europeus sobre o espaço colonial americano, iden-
tificando permanências e rupturas responsáveis pelo desenho
das sociedades após a independência, inclusive nos tempos
atuais. Posicionar-se, criticamente, frente às decisões políticas
contemporâneas, reconhecendo a importância do voto e da
participação coletiva e percebendo-se como agente da história
de seu tempo.
■ Identificar, a partir de mapas e documentos escritos e iconográ-
ficos, as principais características das sociedades pré-colombi-
anas (Maias, Astecas e Incas).
■ Reconhecer as principais características da vida cotidiana dos indí-
genas, antes da chegada dos portugueses.
■ Identificar a diversidade dos modelos de colonização européia nos
vários contextos regionais americanos.)
■ Reconhecer as principais características da administração po-
lítico-administrativa do Brasil Colônia.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 73


7º ANO / 6ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

Desenvolvimento urbano. Questão agrária


■ Compreender a importância do processo de interiorização urba-
na, ocorrido após a construção de Brasília, identificando – a partir
de pesquisas orientadas – o papel das principais personagens
nele envolvidos.
■ Identificar a diversidade dos modelos de colonização européia nos
vários contextos regionais americanos.
■ Reconhecer, a partir da própria história de vida da família, as
relações mantidas com a formação histórica do Distrito Federal.
■ Estabelecer relações entre a estrutura agrária do Brasil coloni-
al e o latifúndio contemporâneo.

Identidade e diversidade
■ Desenvolver a compreensão dos elementos socioculturais que
constituem as identidades, a partir do estudo das questões de
alteridade. Através da análise de situações históricas e atuais,
desenvolver atitudes de reconhecimento e valorização da di-
versidade que constrói a identidade dos indivíduos e dos gru-
pos sociais.
■ Reconhecer a importância da legislação que reconhece o di-
reito de propriedade aos descendentes de ex-escravos sobre
áreas remanescentes de quilombos.
■ Reconhecer que a liberdade nas práticas de religião e religio-
sidade dos indivíduos e grupos sociais representa um direito
básico da cidadania.
■ A partir da compreensão dos elementos culturais que constituem
as identidades, reconhecer a importância do estudo das ques-
tões de alteridade para compreender as relações de caráter
histórico-cultural.
■ Identificar referenciais que possam contribuir para erradicar
formas de exclusão social.

74 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


■ A Expansão Napoleônica Relações sociais de trabalho ao longo da história
■ Crise do sistema colonial ■ Identificar e analisar as características essenciais das relações
■ Formação dos EUA. O processo de independência. sociais de trabalho ao longo da história, reconhecendo os impactos
■ EUA no Século XIX – A Guerra Civil da tecnologia nas transformações do processo de trabalho e esta-
■ Independência das colônias ibero-americanas belecendo relações entre trabalho e cidadania.
■ Primeiro Reinado ■ Identificar as principais características do trabalho escravo no
■ Período Regencial. engenho açucareiro, nas minas e nas lavouras de café.
■ O Imperialismo ■ Identificar as formas de resistência dos africanos e afrodescen-
■ A Colonização da Ásia dentes visando à extinção do trabalho escravo, com ênfase
■ A Colonização da África para os quilombos.
■ Processos de descolonização no continente africano ■ Identificar os principais fatores e consequências da substituição
■ A Crise do Império e a proclamação da República no Brasil da mão-de-obra escrava pela dos imigrantes europeus.
■ O processo de extinção do trabalho escravo no Brasil: a re-
Movimentos populacionais
sistência de africanos e afrodescendentes. Consequências e
■ Identificar e analisar as principais características e motivações
desdobramentos: exclusão social; discriminação e racismo; mis-
dos movimentos populacionais ocorridos a partir dos séculos
cigenação e ideologia do branqueamento
XV-XVI e intensificados, a partir daí, nos continentes submeti-
■ Imigração, cafeicultura e industrialização no Brasil.
dos ao domínio europeu, reconhecendo que a formação das
■ A República no Brasil: períodos e características
sociedades contemporâneas é resultado de interações e con-
flitos de caráter econômico, político e cultural.
■ A partir da análise cartográfica comparada, avaliar o processo
de constituição do território brasileiro ao longo da história.
■ Reconhecer as principais características dos processos de in-
dependência das colônias européias na América.
■ A partir da análise cartográfica, identificar as nações européias
responsáveis pela partilha da África e analisar as justificativas ide-
ológicas das práticas imperialistas.
■ Analisar, criticamente, as justificativas ideológicas apresentadas
pelas grandes potências para interferir nas várias regiões do
Planeta (sistemas modernos de colonização, imperialismo, con-
flitos atuais).
■ Reconhecer as formas históricas das sociedades como resulta-
do das relações de poder entre as nações.

Formação e características das instituições políticas das


sociedades contemporâneas (ênfase: Brasil)
■ Compreender as influências das instituições e movimentos po-
lítico-sociais europeus sobre o espaço colonial americano, iden-
tificando permanências e rupturas responsáveis pelo desenho
das sociedades após a independência, inclusive nos tempos
atuais. Posicionar-se, criticamente, frente às decisões políticas
contemporâneas, reconhecendo a importância do voto e da
participação coletiva e percebendo-se como agente da história
de seu tempo.
■ Identificar as principais revoltas e rebeliões do período Regen-
cial, suas características, objetivos e resultados

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 75


8º ANO / 7ª SÉRIE

Formação e características das instituições políticas das


sociedades contemporâneas (ênfase: Brasil)
■ Reconhecer as principais características dos regimes Monárquico
e Republicano.
■ Identificar as principais causas da instalação do regime Repu-
blicano no Brasil.
■ Reconhecer as principais características dos movimentos po-
pulares da primeira República.
■ Identificar as principais políticas elaboradas pelo governo pro-
visório de Getúlio Vargas, relacionadas aos trabalhadores.
■ Reconhecer as principais características do “Estado Novo”, no
âmbito da política e da economia.

Desenvolvimento urbano. Questão agrária


■ Compreender a importância do processo de interiorização ur-
bana, ocorrido após a construção de Brasília, identificando – a
partir de pesquisas orientadas – o papel das principais perso-
nagens nele envolvidos.
■ Compreender a questão da terra no Brasil, identificando as di-
versas formas de propriedade ao longo da história, bem como a
organização fundiária e os movimentos sociais a ela ligados.
■ Identificar, a partir de análise de documentos de natureza vari-
ada, o processo de formação territorial das sociedades con-
temporâneas.
■ Reconhecer os principais movimentos rurais e urbanos de
contestação aos sistemas político-econômicos brasileiros ao lon-
go da história.
■ Reconhecer a melhoria das condições de vida e trabalho ao
longo da história como consequência dos movimentos sociais.

Identidade e diversidade
■ Desenvolver a compreensão dos elementos socioculturais que
constituem as identidades, a partir do estudo das questões de
alteridade. Através da análise de situações históricas e atuais,
desenvolver atitudes de reconhecimento e valorização da di-
versidade que constrói a identidade dos indivíduos e dos gru-
pos sociais.
■ Compreender, a partir de documentos diversos, os principais
resultados da participação das principais matrizes étnico-raci-
ais responsáveis pela formação histórico-cultural da sociedade
brasileira (indígenas, africanos e europeus).
■ Reconhecer a importância de valorizar e respeitar as diferen-
ças, de variada natureza, que caracterizam os indivíduos e os
grupos sociais.
■ Reconhecer que a liberdade nas práticas de religião e religio-
sidade dos indivíduos e grupos sociais representa um direito
básico da cidadania
■ Considerar o respeito aos valores humanos e à diversidade
sociocultural como fundamento da vida social.

76 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO / 8ª SÉRIE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


■ Movimentos políticos e sociais europeus no século XIX: Relações sociais de trabalho ao longo da história
Anarquismo, Socialismo e Comunismo. ■ Identificar e analisar as características essenciais das relações
■ Primeira Guerra Mundial sociais de trabalho ao longo da história, reconhecendo os impactos
■ A Revolução Russa da tecnologia nas transformações do processo de trabalho e esta-
■ A Crise de 1929 belecendo relações entre trabalho e cidadania.
■ Totalitarismo: os regimes nazifascistas ■ Reconhecer a necessidade do trabalho para a sobrevivência
■ A 2ª Guerra Mundial das pessoas e o pleno exercício da cidadania.
■ O Período Vargas ■ Relacionar as condições de vida dos trabalhadores aos movi-
■ O populismo na América Latina e no Brasil mentos sociais por eles desenvolvidos.
■ A Guerra Fria e os golpes militares na América Latina Movimentos populacionais
■ A Ditadura Militar ■ Identificar e analisar as principais características e motivações
■ Redemocratização no Brasil – o movimento das “Diretas dos movimentos populacionais ocorridos a partir dos séculos
já!” XV-XVI e intensificados, a partir daí, nos continentes submeti-
■ A Constituição Cidadã de 1988 dos ao domínio europeu, reconhecendo que a formação das
■ África contemporânea: o Movimento Pan- africanista sociedades contemporâneas é resultado de interações e con-
flitos de caráter econômico, político e cultural.
■ Compreender os processos de formação das instituições políticas,
econômicas e sociais como resultado da atuação dos diferentes grupos
e atores sociais ao longo da história.
■ Analisar, historicamente, as principais características e dinâmi-
cas dos fluxos populacionais ocorridos no Brasil.
■ Reconhecer a circulação de cultura como um dos resultados
dos movimentos migratórios contemporâneos.
Formação e características das instituições políticas das so-
ciedades contemporâneas (ênfase: Brasil)
■ Compreender as influências das instituições e movimentos po-
lítico-sociais europeus sobre o espaço colonial americano, iden-
tificando permanências e rupturas responsáveis pelo desenho
das sociedades, após a independência, inclusive nos tempos
atuais. Posicionar-se, criticamente, frente às decisões políticas
contemporâneas, reconhecendo a importância do voto e da
participação coletiva e percebendo-se como agente da história
de seu tempo.
■ Identificar as principais influências fascistas e socialistas nos mo-
vimentos sociais brasileiros da década de 1930.
■ Reconhecer os principais conflitos entre as potências mundiais
responsáveis pela deflagração das duas Guerras Mundiais.
■ Estabelecer relações entre o contexto da Guerra Fria e a situ-
ação política latino-americana, com ênfase para o Brasil.
■ Identificar as principais características dos governos populistas
no Brasil.
■ Reconhecer as propostas que orientaram a política desenvol-
vimentista de JK, sintetizada no lema “50 anos em 5”.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 77


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

Formação e características das instituições políticas das sociedades


contemporâneas (ênfase: Brasil)
■ Caracterizar os governos militares instalados no Brasil a partir de 1964,
considerando, especialmente, a supressão das liberdades e a repres-
são à oposição.
■ Identificar os principais movimentos de resistência aos governos milita-
res, até à deflagração da campanha das “Diretas Já”.
■ Estabelecer relações entre a supressão da censura à imprensa o pro-
cesso de redemocratização do Brasil.
■ Analisar a importância da promulgação da Constituição de 1988.

Desenvolvimento urbano. Questão agrária


■ Compreender a importância do processo de interiorização urbana, ocor-
rido após a construção de Brasília, identificando – a partir de pesquisas
orientadas – o papel das principais personagens nele envolvidos.
■ Identificar e analisar os principais mecanismos institucionais responsá-
veis pela defesa dos interesses dos fazendeiros de café durante a pri-
meira República.
■ Reconhecer a importância da preservação das sociedades indígenas
através da demarcação de suas terras.
■ Analisar os processos de transformação histórica, identificando suas prin-
cipais características econômicas, políticas e sociais.
■ Identificar os principais grupos e movimentos contemporâneos envolvi-
dos com a luta pela reforma agrária.

Identidade e diversidade
■ Desenvolver a compreensão dos elementos socioculturais que constituem
as identidades, a partir do estudo das questões de alteridade. Através da
análise de situações históricas e atuais, desenvolver atitudes de reconhe-
cimento e valorização da diversidade que constrói a identidade dos indiví-
duos e dos grupos sociais.
■ Reconhecer a importância dos movimentos coletivos e de resistência
para as conquistas sociais e preservação dos direitos dos cidadãos ao
longo da história.
■ Identificar referenciais que possam contribuir para erradicar formas de
exclusão social.
■ Identificar as reivindicações de direitos pelos grupos minoritários no Bra-
sil atual.
■ Reconhecer a importância de aplicar os conteúdos aprendidos na esco-
la a intervenções solidárias na realidade, com o objetivo de garantir o
respeito aos valores e direitos humanos.
■ Reconhecer que as relações de dominação, subordinação e resistência
fazem parte da construção das instituições políticas, sociais e econômicas.
■ Reconhecer a importância dos movimentos coletivos e de resistência
para as conquistas sociais e preservação dos direitos dos cidadãos ao
longo da história.

78 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


LE- Língua Estrangeira (Inglês, Espanhol e Francês)

Apresentação
A Língua Estrangeira (LE) está presente na televisão, no computador, na rua, no trabalho e, portanto, deve
estar na escola. Aprender a usar LE é um direito de acesso a um bem específico, que não pode ser negado aos
alunos independente de sua idade ou situação social.
A proposta para Língua Estrangeira tem por objetivo consolidar práticas de uso, ao apresentar situações de
reflexão sobre o funcionamento da LE em determinados contextos comunicativos.
Nessa perspectiva, não é apenas o domínio das estruturas gramaticais que está em jogo, mas, sim, a
possibilidade de o sujeito / estudante ter o domínio de mais uma linguagem que circula socialmente.
O ponto de partida é a compreensão de mundo em que a LE ocupa um lugar privilegiado de uma linguagem
entre as outras linguagens e que, para participar desse mundo, o estudante deve aprender a transitar com facilida-
de, dominando o maior número de linguagens possível.
Os conhecimentos gramaticais, vocabulares, fonológicos, etc. têm por finalidade a compreensão dos signi-
ficados de uso de outra língua, além da língua materna.
Entretanto, a prioridade está situada no compreender a LE utilizada em situações comunicativas em territó-
rio nacional, isto é, compreender o significados de textos falados e escritos próximos ao universo pessoal dos
estudantes.
A compreensão ocorre com a proposição de práticas de leitura centradas na reconstrução dos sentidos do
texto escrito em LE e o diálogo sobre seus significados em língua materna.
Os conteúdos priorizam os processos de usos da LE em situações de leitura (interpretação, análise e
compreensão) e de produção de textos falados e escritos, sendo a reflexão sistematizada sobre a língua, um
instrumento para desenvolver esses processos.
Os conteúdos são instrumentais básicos para desenvolver a possibilidade de a participação mais equitativa
do estudante em situações sociais, profissionais e escolares que requerem o uso da LE. Para isso, se propõe o
estudo sobre as propriedades linguísticas e seu funcionamento em situações discursivas.
Esses usos e seus significados são compreendidos em textos em LE, mas, por meio do debate em língua
materna sobre esses textos, aproximando o estudante do estudo de LE que tenha relação com sua vivência e
interesse pessoal e, ao mesmo tempo, acrescentando valores críticos sobre os modos dizer em outra língua.
Assim, além dos conteúdos gramaticais, são indicados conteúdos sociolinguísticos, culturais e discursivos,
para que o estudante possa mobilizar as competências da língua materna para compreender os textos em LE.
A aprendizagem de LE passa a ser vista, então, como forma de ampliar o universo cultural do estudante.
A seguir são apresentadas as expectativas de aprendizagem em cada um dos tópicos. A leitura das expec-
tativas de aprendizagem deve considerar os conteúdos de ensino a que referem.
As expectativas de aprendizagem não pretendem reduzir os conhecimentos a serem ensinados / aprendi-
dos, mas, sim, indicar os limites sem os quais o aluno teria dificuldades para o prosseguir seus estudos, bem como
participar ativamente na vida social.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 79


COMPONENTE CURRICULAR: INGLÊS

6º ANO / 5ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Pesquisa sobre países em que o inglês é a língua materna ■ Reconhecer os países que utilizam o inglês como língua mater-
■ Estrangeirismos – a influência da língua inglesa no Brasil na e a influência dessa língua no Brasil.
■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em inglês ■ Realizar ações escolares, considerando as instruções orais
em sala de aula dadas em inglês pelo professor.
■ Saudações e comandos ■ Formular e responder perguntas, em inglês, considerando a
■ Construção de pequenos diálogos situação de interlocução em jogo.
■ Elaboração de projetos temáticos ■ Solicitar e fornecer informações, em inglês, sobre a localização
de pessoas e objetos ao seu redor.
■ Formular perguntas e respostas, em inglês, sobre a identifica-
ção de nome, idade, origem e telefone.
■ Utilizar palavras ou expressões, em inglês, de uso cotidiano.

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Leitura de capas de revista; receitas; páginas da internet; ins- ■ Ler capas de revista; receitas; páginas da internet; instruções;
truções; rótulos; fichas de informações pessoais; canções em rótulos; fichas de informações pessoais; canções em inglês,
inglês reconhecendo sua finalidade e localizando informações explí-
■ Análise dos elementos da estrutura composicional dos gêneros citas.
citados ■ Identificar elementos da estrutura composicional dos gêneros
■ Funções e finalidades dos textos lidos. citados.
■ Portadores de textos: identificação e nomeação ■ Identificar as finalidades e usos sociais dos textos citados e de
■ Gêneros: identificação e nomeação seus portadores.
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de as- ■ Localizar nos textos palavras e expressões referentes a nome,
suntos, de temas, de vocabulário data e local de nascimento, moradia, endereço, hobbies, den-
■ Reconhecimento via memória de palavras nos textos tre outros.
■ Vocabulário: lugares, adjetivos, móveis, formas geométricas, ■ Identificar vocábulos da língua inglesa, relacionando-os e associ-
dias da semana, meses do ano, nomes de frutas, profissões, ando-os com os da língua materna, dentro do seu universo socio-
família, animais e objetos escolares econômico e cultural, com base no seu conhecimento de mundo.
■ Uso de dicionário: significado de palavras ■ Reconhecer palavras, em textos, conhecidas via memória ou
■ Processos de interpretação de textos: associação das informa- relacionadas à sua experiência pessoal.
ções dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo ■ Reconhecer o significado de palavras ou expressões em um
■ Processos de predição de informações escritas no texto pela texto lido pelo professor, com base em situações de perguntas
análise de recursos não verbais, imagens, logos e títulos co- e respostas dirigidas.
nhecidos, etc. ■ Manusear adequadamente o dicionário em busca dos signifi-
cados de palavras do texto.
■ Recuperar informações explícitas de um texto lido pelo profes-
sor, com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
■ Reconhecer o assunto principal de um texto lido pelo professor,
com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
■ Associar os temas ou assuntos de um texto ao seu conhecimento
prévio ou de mundo, com base em situações de perguntas e
respostas dirigidas.
■ Inferir informações em textos apoiando-se em recursos não
verbais, ilustrações, logos e reconhecimento de palavras.

80 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


6º ANO / 5ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

3. Conhecimentos linguísticos 3. Conhecimentos linguísticos


■ Alfabeto de A a Z ■ Reconhecer os sons e associá-los às letras do alfabeto.
■ Nomes ■ Desenvolver a habilidade oral e escrita utilizando o verbo ser
■ Adjetivos: cores e estar de modo a propiciar a comunicação correta em situa-
■ Numerais cardinais de 0 -100 ções cotidianas contextualizadas.
■ Artigos indefinidos a / an e artigo definido the
■ Pronomes pessoais
■ Pronomes demonstrativos
■ Verbo “to be” – formas afirmativa, interrogativa e negativa
■ Verbo “to be” -”Short Answers”
■ Preposições de lugar: in / on / under / at
■ Palavras interrogativas: what, where, who e how

4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos


■ Cópias ■ Copiar, com ortografia regular, pequenos textos.
■ Ditados ■ Escrever texto ditado.
■ Listas ■ Produzir listas associadas a determinado campo semântico.
Padrões da escrita ■ Preencher fichas fornecendo informações pessoais.
■ Ortografia
■ Maiúsculas
■ Pontuação
■ Diagramação

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 81


7º ANO / 6ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Pesquisa sobre países em que o inglês é a língua materna ■ Observar a inserção da Língua Inglesa no atual contexto lingu-
■ Estrangeirismos – a influência da língua inglesa no Brasil ístico.
■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em inglês ■ Realizar ações escolares, considerando as instruções orais
em sala de aula dadas pelo professor.
■ Recursos paralinguísticos de sustentação da fala (gestos, tona- ■ Formular perguntas e a elas responder, em sala de aula,
lidade da voz, expressões faciais), de acordo com os objetivos considerando a situação pública de interlocução em jogo.
do ato de interlocução. ■ Obter e fornecer informações sobre dados e habilidades pes-
■ Saudações e comandos soais.
■ Construção de pequenos diálogos ■ Perguntar e responder sobre a identidade e origem de pesso-
■ Elaboração de projetos as, localização, idade, dados pessoais, origem profissão, es-
porte favorito, etc.
■ Utilizar apropriadamente palavras e expressões simples, de
uso cotidiano, em diferentes situações de convívio social.

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Gêneros indicados para leitura, compreensão, análise e inter- ■ Ler os gêneros indicados para o ano.
pretação no ano: rótulos, embalagens, logomarcas, slogans, ■ Reconhecer a finalidade e uso social de diferentes textos e
publicidade, cartazes, legendas, anúncios, receitas, regras de portadores de textos.
jogos, verbetes de enciclopédia, biografias, anedotas, histórias ■ Identificar os prováveis interlocutores de um texto.
em quadrinhos, textos não verbais, textos mistos (verbal e não ■ Recuperar informações explícitas de um texto lido pelo profes-
verbal) sor, com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
■ Finalidades e usos sociais de textos e seus portadores ■ Recuperar a sequência das informações de um texto lido pelo
■ Condições de produção e leitura de textos professor, com base em situações de perguntas e respostas
■ Portadores de textos: identificação e nomeação dirigidas.
■ Gêneros: identificação e nomeação ■ Reconhecer o assunto principal de um texto lido pelo professor,
■ Elementos constitutivos da organização interna de gêneros in- com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
dicados para leitura ■ Reconhecer o significado de palavras ou expressões em um texto
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de se- lido pelo professor, com base em situações de perguntas e respostas
quências, de assuntos, de temas, de vocabulário dirigidas.
■ Usos do dicionário ■ Compreender e interpretar pequenos textos informativos e/ou
■ Processos de interpretação de textos: associação dos temas formativos relacionados às situações vivenciadas no cotidiano,
dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo bem como a produção de pequenos textos.
■ Processos de predição de informações escritas no texto pela ■ Identificar vocábulos de língua inglesa, relacionando-os e asso-
análise de recursos não verbais, imagens, logos, títulos, pala- ciando-os com os vocábulos da língua materna, dentro de seu
vras, datas, etc. universo socioeconômico e cultural, com base no seu conheci-
■ Reconhecimento via memória de palavras nos textos mento de mundo.
■ Associação título e texto (predição) ■ Manusear o dicionário observando o contexto semântico das pa-
■ Atitudes de leitura lavras.
■ Associar os temas ou assuntos de um texto lido pelo professor
ao seu conhecimento prévio ou de mundo, com base em situa-
ções de perguntas e respostas dirigidas.

82 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO / 6ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura de textos
■ Inferir informações em textos apoiando-se em recursos não
verbais, ilustrações, logos, palavras, datas, etc.
■ Selecionar título ou legenda apropriada para texto escrito, ima-
gem, foto, figura, etc.
■ Demonstrar interesses pessoais em ler um determinado texto
em inglês, consultando o professor ou outros leitores.

3. Conhecimentos linguísticos 3. Conhecimentos linguísticos


■ Plural dos substantivos ■ Conhecer e aplicar vocabulário referente a números cardinais,
■ Números de 100 a 1000 dias da semana, meses e estações do ano.
■ Números cardinais até 31º ■ Desenvolver a habilidade oral e escrita utilizando o verbo ser
■ Verbo “to be” no presente (revisão) e estar em todas as formas, de modo a propiciar a comunicação
■ There to be no presente em todas as formas correta em situações contextualizadas.
■ Present Continuous Tense nas formas afirmativa, interrogativa ■ Utilizar o verbo ser ou estar e “ing” form para descrever ações
e negativa que começaram e continuam acontecendo diferindo parâme-
■ Verbo can nas formas afirmativa, interrogativa e negativa tros gramaticais entre a língua estrangeira e língua materna.
■ Caso genitivo ■ Reconhecer palavras que indicam posse associando-as com
■ Palavras e expressões interrogativas: How, What time, Where os pronomes pessoais.
■ Emprego de some e any ■ Identificar padrões ortográficos na escrita de palavras.
■ Preposições (time) in, on, at ■ Formular hipóteses sobre regras de uso da língua, a partir da
■ Pronomes possessivos análise de regularidades e aplicá-las em produções escritas, revi-
sões e leituras.
■ Identificar o sentido de uso de um sinal de pontuação.

4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos


■ Cópias ■ Copiar ortograficamente pequenos textos.
■ Reprodução escrita de narrativas ■ Escrever textos ditados.
■ Ditados de textos (listas associadas a um ■ Produzir listas associadas a determinado campo semântico.
campo semântico, receitas) ■ Produzir bilhetes.
■ Produção de listas Padrões da escrita
■ Produção de bilhetes ■ Segmentar o texto em palavras (mesmo que com desvios).
Padrões da escrita ■ Escrever corretamente algumas palavras.
■ Segmentação de palavras ■ Utilizar a letra maiúscula para iniciar uma frase e após ponto
■ Ortografia final.
■ Pontuação ■ Utilizar o ponto final para terminar uma frase.
■ Segmentação do texto ■ Segmentar o texto em parágrafos, períodos e orações (mesmo
■ Diagramação do texto que com desvios).

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 83


8º ANO /7ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Língua e cultura ■ Estabelecer relações entre as datas comemorativas, eventos
■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em sala de especiais, festivais do Brasil, com as de outros países, enfocan-
aula do os aspectos socioculturais.
■ Recursos paralinguísticos de sustentação da fala (gestos, tona- ■ Formular e responder perguntas, em sala de aula, conside-
lidade da voz, expressões faciais), de acordo com os objetivos rando a situação pública de interlocução em jogo.
do ato de interlocução. ■ Reproduzir, via memória, um determinado texto lido pelo pro-
■ Reprodução (via memória) e produção oral de textos fessor, mantendo as características e a organização do texto-
■ Relato de experiências vividas fonte (ajustando inclusive os recursos paralinguísticos).
■ Gêneros do discurso oral: características da língua falada em ■ Relatar experiências vividas ou acontecimentos, adequando a
determinadas situações; adequação planejada da fala (situa- sequência temporal e causal.
ções simuladas) ■ Solicitar e fornecer informações sobre localização, direção e exis-
tência de pessoas e coisas nos tempos presente e passado.
■ Solicitar e fornecer informações sobre ações e fatos passados.
■ Avaliar o contexto em que está se apresentando e o tipo de
informação a ser oferecido.
■ Compreender e dar informações pessoais em situações infor-
mais.
■ Respeitar a troca de turnos no diálogo.
■ Identificar diferenças culturais nas atitudes durante as conver-
sas.
■ Elaborar perguntas / respostas sobre informações pessoais.

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Gêneros indicados para leitura, compreensão, análise e inter- ■ Identificar a finalidade do texto, mobilizando conhecimentos pré-
pretação no ano: rótulos, slogans, folhetos publicitários, recei- vios sobre formato do gênero, tema ou assunto principal.
tas, contas (água, luz, carnê), regras de jogos, manchetes, ■ Reconhecer os prováveis interlocutores de um texto.
anúncios, reportagens, artigos de divulgação científica, verbe- ■ Inferir o tema ou assunto principal de um texto.
tes de dicionário e enciclopédia, textos informativos, história em ■ Inferir o sentido denotado de palavras ou expressões a partir
quadrinhos, anedotas, legendas de filmes, canções, poemas do contexto ou selecionar a acepção mais adequada em ver-
textos não-verbais, textos mistos (verbal e não-verbal) bete de dicionário.
■ Finalidades e usos sociais de textos e seus portadores ■ Localizar item de informação explícita, posicionado em segmento
■ Condições de produção e leitura de textos inicial do texto, considerando um único critério para recuperar a
■ Usos do dicionário informação (o que, quem, quando, onde, como, por que).
■ Vocabulário: inglês americano x britânico, tipos de danças, ■ Localizar informação explícita no texto, com base em sua com-
palavras que indicam direção e localização, doenças, descri- preensão global.
ções físicas das pessoas ■ Localizar item de informação explícita, com base em um dado
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de se- elemento constitutivo da organização interna do gênero.
quências, de assuntos, de temas, de vocabulário estratégias ■ Organizar em sequência informações explícitas distribuídas ao
de decifração, seleção, antecipação, inferência e verificação longo do texto, considerando a ordem em que aparecem.
■ Processos de interpretação de textos: associação dos temas ■ Associar os temas dos textos lidos ao seu conhecimento prévio
dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo ou de mundo.

84 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros ■ Identificar os efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso
indicados para o ano intencional de palavras, expressões, recursos gráfico-visuais,
■ Efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso intencional de pontuação.
palavras, expressões, recursos gráfico-visuais, pontuação ■ Selecionar título ou legenda apropriada para texto escrito, ima-
■ Atitudes de leitura gem, foto, figura, etc.
■ Demonstrar interesses pessoais em ler revistas, jornais, livros
adequados para a sua faixa etária.

3. Conhecimentos linguísticos 3. Conhecimentos linguísticos


■ Imperativo ■ Refletir sobre a função das palavras em geral (para que ser-
■ Simple Present Tense (em todas as formas e respostas curtas) vem, quais papéis exercem, como ocorrem suas variações
■ Advérbios de frequência semânticas, que agrupamentos podem constituir quando se
■ Verbo to be no passado nas formas afirmativa, interrogativa e leva em conta alguma semelhança).
negativa e respostas curtas ■ Aplicar e diferenciar estruturas afirmativas, negativas e interro-
■ Simple Past Tense – forma afirmativa – verbos regulares gativas que indiquem comandos, ações e fatos no presente e
■ Futuro com going to no passado.
■ Palavras interrogativas ■ Reconhecer diferenças entre a língua que se fala e a língua
■ Padrões ortográficos que se escreve
■ Segmentação de palavras ■ Formular hipóteses sobre regras de uso da língua escrita, a
■ Letra maiúscula partir da análise de regularidades e aplicá-las em produções
■ Pontuação escritas, revisões e leituras.

Padrões da escrita
■ Identificar padrões ortográficos na escrita de palavras.
■ Reconhecer palavras como unidade gráfica em um texto.
■ Identificar o sentido de uso dos sinais de pontuação.

4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos


■ Ditados de textos (listas associadas a um campo semântico, ■ Escrever com ortografia regular receita culinária ditada.
receitas) ■ Escrever ou reescrever um texto, a partir da leitura de um texto
■ Reprodução escrita de narrativas estímulo, fazendo referência à ideia principal do texto lido, or-
Padrões da escrita ganizando o texto de acordo com o gênero solicitado e utilizan-
■ Segmentação de palavras do alguns recursos da escrita.
■ Ortografia
■ Pontuação Padrões da escrita
■ Segmentação do texto ■ Pontuar corretamente final de frases, usando inicial maiúscula.
■ Diagramação do texto ■ Empregar letra maiúscula.
Padrões de textualidade ■ Segmentar o texto em palavras.
■ Coerência e coesão (retomadas) ■ Escrever corretamente algumas palavras.
■ Segmentar o texto em parágrafos, períodos e orações (mesmo
que com desvios).
■ Retomar o texto produzido lendo o que está escrito e o que
deveria ser escrito em casos de situações de produção de
textos via memória.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 85


9º ANO / 8ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem

1. Oralidde e expressão 1. Oralidde e expressão


■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em sala de ■ Formular perguntas e a elas responder, em sala de aula, con-
aula siderando a situação pública de interlocução em jogo.
■ Recursos paralinguísticos de sustentação da fala (gestos, tona- ■ Opinar / comentar sobre temas / assuntos discutidos em classe;

lidade da voz, expressões faciais), de acordo com os objetivos textos lidos pelo professor; revistas ou livros.
do ato de interlocução. ■ Produzir recados ou instruções para a classe com base em

■ Relato de experiências vividas uma determinada proposta indicada pelo professor ou colegas.
■ Organizar roteiro para realizar uma entrevista (planejar a fala).
■ Debate espontâneo: escuta organizada e apresentação de
■ Representar, adequadamente, em situações simuladas, os pa-
argumentos: opinião e comentário
péis do entrevistador ou entrevistado (planejar a fala).
■ Gêneros do discurso oral: características da língua falada em
■ Reconhecer e utilizar Wh-questions e Yes-no questions.
determinadas situações; adequação planejada da fala (situa-
■ Usar 1ª e 2ª pessoas do singular e do plural.
ções simuladas)
■ Usar formas do presente.
■ Pedir para repetir instrução/ enunciados de questões.
■ Pedir esclarecimento utilizando polidez.
■ Avaliar e responder instruções / enunciados de questões.
■ Respeitar a troca de turnos no diálogo.
■ Identificar diferenças culturais nas atitudes durante as conversas.

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Gêneros indicados para leitura, compreensão, análise e inter- ■ Identificar a finalidade do texto, mobilizando conhecimentos pré-

pretação no ano: regras de jogos, manchetes, anúncios, re- vios sobre formato do gênero, tema ou assunto principal.
portagens, artigos de divulgação científica, verbetes de dicio- ■ Reconhecer os prováveis interlocutores de um texto.

nário e enciclopédia, textos informativos, biografias, legendas ■ Inferir o tema ou assunto principal de um texto.

de filmes, história em quadrinhos, contos, poemas, canções, ■ Inferir o sentido denotado de palavras ou expressões a partir

textos não verbais, textos mistos (verbal e não verbal) do contexto ou selecionar a acepção mais adequada em ver-
■ Finalidades e usos sociais de textos e seus portadores
bete de dicionário.
■ Localizar item de informação explícita, em um texto, conside-
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de se-
rando um único critério para recuperar a informação (que,
quências, de assuntos, de temas, de vocabulário estratégias
quem, quando, onde, como, por que).
de decifração, seleção, antecipação, inferência e verificação
■ Localizar informação explícita no texto, com base em sua com-
■ Processos de interpretação de textos: associação dos temas
preensão global.
dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo
■ Localizar item de informação explícita, com base em um dado
■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros
elemento constitutivo da organização interna do gênero.
indicados para o ano
■ Organizar em sequência informações explícitas distribuídas ao
■ Efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso intencional de
longo do texto, considerando a ordem em que aparecem.
palavras, expressões, recursos gráfico-visuais, pontuação ■ Inferir informações em textos.
■ Atitudes de leitura ■ Inferir o humor em um texto.
■ Associar os temas dos textos lidos ao seu conhecimento prévio
ou de mundo.
■ Identificar os efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso
intencional de palavras, expressões, recursos gráfico-visuais,
pontuação.
■ Selecionar título ou legenda apropriada para texto escrito, ima-
gem, foto, figura, etc.

86 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura de textos
Atitudes
■ Demonstrar interesses pessoais em ler revistas, jornais, livros
adequados para a sua faixa etária.
■ Realizar diferentes tipos de leitura com fluência e compreensão.
■ Adequar os procedimentos de leitura aos objetivos da própria
leitura.

3. Conhecimentos linguísticos 3. Conhecimentos linguísticos


■ Revisão do Presente Simples ■ Refletir sobre a função das palavras em geral (para que ser-
■ Simple Past Tense verbos regulares e irregulares (todas as vem, quais papéis exercem, como ocorrem suas variações
formas e respostas curtas) semânticas, que agrupamentos podem constituir quando se
■ Verbo modal: could leva em conta alguma semelhança).
■ Futuro com going to ■ Desenvolver a habilidade oral e escrita, utilizando o futuro
■ Futuro simples (em todas as formas e respostas curtas) simples de maneira a propiciar a comunicação correta em situ-
■ Grau dos adjetivos ações contextualizadas.
■ Pronome oblíquo ■ Ser capaz de expressar suas opiniões empregando adequa-
damente o grau dos adjetivos em situações contextualizadas.
Padrões da escrita ■ Reconhecer diferenças entre a língua que se fala e a língua
■ Ortografia das palavras que se escreve.
■ Usos da letra maiúscula ■ Formular hipóteses sobre regras de uso da língua escrita, a
■ Pontuação: importância e uso contextual; pontuação do diálogo. partir da análise de regularidades e aplicá-las em produções
■ Concordância nominal em situações contextuais (relações de escritas, revisões e leituras.
gênero e número necessárias para o aperfeiçoamento do texto).
■ Concordância verbal em situações contextuais (utilização de Padrões da escrita
sujeito e verbo visando ao aperfeiçoamento do texto). ■ Identificar padrões ortográficos na escrita de palavras.
■ Processos de formação de palavras: sufixação, siglas e abre- ■ Utilizar a letra maiúscula.
viaturas ■ Identificar o sentido de uso dos sinais de pontuação.
■ Pontuar corretamente o discurso direto.
■ Identificar o sentido de uma palavra, consultando o dicionário.
■ Aplicar a regra geral de concordância nominal e verbal

Usos e funções
■ Utilizar os conhecimentos sobre o processo de formação de
palavras para resolver problemas de ortografia.
4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos
■ Reprodução de narrativas ■ Escrever ou reescrever um texto, a partir da leitura de um texto
■ Produção de resumos, roteiros e sinopses estímulo, fazendo referência à ideia principal do texto lido, or-
■ Produção de entrevistas ganizando o texto de acordo com o gênero solicitado e utilizan-
■ Produção de narrativas com autoria do os recursos da escrita.
Padrões da escrita ■ Produzir uma narrativa com autoria.
■ Segmentação de palavras ■ Produzir roteiros, resumos e sinopses.
■ Ortografia Padrões da escrita
■ Usos da letra maiúscula ■ Pontuar corretamente final de frases, usando inicial maiúscula.
■ Concordância verbal e nominal ■ Empregar letra maiúscula em nomes próprios.
■ Pontuação ■ Segmentar o texto em palavras.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 87


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos


■ Segmentação do texto ■ Escrever corretamente as palavras.
■ Diagramação do texto ■ Utilizar o ponto final para terminar uma frase e outras marcas de
Padrões de textualidade pontuação.
■ Coerência e coesão (retomadas) ■ Pontuar corretamente passagens do texto em discurso direto.
■ Segmentar o texto em parágrafos, períodos e orações em ra-
zão das restrições impostas pelos gêneros.
■ Formatar graficamente o texto.
■ Retomar o texto produzido, lendo o que está escrito e o que deveria
ser escrito em casos de situações de produção de textos via memória.
■ Reescrever o próprio texto com o auxílio do professor.

88 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


COMPONENTE CURRICULAR: ESPANHOL
6º ANO / 5ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem

1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão


■ Pesquisa sobre países em que o espanhol é a língua materna ■ Reconhecer os países que utilizam o espanhol como língua
■ Estrangeirismos – a influência da língua espanhola no Brasil materna e a influência dessa língua no Brasil.
■ Realizar ações escolares, considerando as instruções orais
■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em espa-
dadas em espanhol pelo professor.
nhol em sala de aula
■ Formular perguntas e responder a elas, em espanhol, consi-
■ Saudações e comandos
derando a situação de interlocução em jogo.
■ Perguntas e respostas sobre dados pessoais
■ Solicitar e fornecer informações, em espanhol, sobre a localiza-
■ Construção de pequenos diálogos
ção de pessoas e objetos ao seu redor.
■ Elaboração de projetos temáticos ■ Formular perguntas e respostas, em espanhol, sobre a identi-
ficação de nome, idade, origem e telefone.
■ Apresentar-se e apresentar uma a outra pessoa.
■ Utilizar palavras ou expressões, em espanhol, de uso cotidiano.

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Leitura de capas de revista; receitas; páginas da internet; ins- ■ Ler capas de revista; receitas; páginas da internet; instruções;

truções; rótulos; fichas de informações pessoais; canções; le- rótulos; fichas de informações pessoais; canções; legendas de
gendas de filmes em espanhol filmes em espanhol, reconhecendo sua finalidade e localizando
informações explícitas.
■ Análise dos elementos da estrutura composicional dos gêneros
■ Identificar elementos da estrutura composicional dos gêneros
citados
citados.
■ Funções e finalidades dos textos lidos
■ Identificar as finalidades e usos sociais dos textos estudados e
■ Portadores de textos: identificação e nomeação
de seus portadores.
■ Gêneros: identificação e nomeação ■ Localizar nos textos palavras e expressões referentes a nome,
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de as- data e local de nascimento, moradia, endereço, hobbies, den-
suntos, de temas, de vocabulário tre outros.
■ Reconhecimento, via memória, de palavras nos textos ■ Relacionar apropriadamente palavras e expressões do cotidi-
■ Vocabulário: nome de países e cidades, nacionalidades, adje- ano para identificar pessoas: nome, idade, procedência, lugar
tivos para descrição física, partes do corpo, dias da semana, de residência, correio eletrônico.
meses do ano, família, partes do colégio, material de escola, ■ Identificar vocábulos da língua espanhola, relacionando-os e

cores, horas. associando-os com os da língua materna, dentro do seu uni-


■ Uso de dicionário: significado de palavras
verso socioeconômico e cultural, com base no seu conheci-
mento de mundo.
■ Processos de interpretação de textos: associação das informa-
■ Reconhecer palavras, em textos, conhecidas via memória ou
ções dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo
relacionadas à sua experiência pessoal.
■ Processos de predição de informações escritas no texto pela
■ Reconhecer o significado de palavras ou expressões em um
análise de recursos não verbais, imagens, logos e títulos co- texto lido pelo professor, com base em situações de perguntas
nhecidos etc. e respostas dirigidas.
■ Manusear adequadamente o dicionário em busca dos signifi-
cados de palavras do texto.
■ Recuperar informações explícitas de um texto lido pelo profes-
sor, com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
■ Reconhecer o assunto principal de um texto lido pelo professor,
com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 89


6º ANO / 5ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura de textos
■ Associar os temas ou assuntos de um texto ao seu conheci-
mento prévio ou de mundo, com base em situações de pergun-
tas e respostas dirigidas.
■ Inferir informações em textos apoiando-se em recursos não
verbais, ilustrações, logos e reconhecimento de palavras.

3. Conhecimentos linguisticos 3. Conhecimentos linguisticos


■ Alfabeto de A a Z ■ Reconhecer os sons e associá-los às letras do alfabeto.
■ Interrogativos ■ Soletrar e compreender diversos tipos de palavras em Língua
■ Números cardinais de 0 a 30 Espanhola.
■ Artigos definidos ■ Relacionar os pronomes pessoais às pessoas do discurso.
■ Adjetivos demonstrativos este/estos/esta/estas ■ Empregar nas construções orais/escritas verbos regulares no
■ Pronomes pessoais presente do indicativo nas 1ª, 2ª e 3ª (él/ella) pessoas do
■ Verbos regulares em presente de indicativo singular.
■ Verbos utilizados a partir do vocabulário estudado ■ Diferenciar o gênero e número dos substantivos e adjetivos.
■ Verbo ser/tener/vivir/llamarse/estar
■ Pontuação básica (exclamação, interrogação e ponto final)
■ Gênero e número de substantivos e adjetivos

4. Produção de textos escritos 5. Produção de textos escritos


■ Cópias ■ Copiar, com ortografia regular, pequenos textos.
■ Ditados ■ Escrever texto ditado.
■ Listas ■ Produzir listas associadas a determinado campo semântico.
■ Fichas ■ Preencher fichas fornecendo informações pessoais.
■ Ordenação de diálogos ■ Ordenar diálogos.

Padrões da escrita
■ Ortografia
■ Maiúsculas
■ Pontuação
■ Diagramação

90 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO / 6ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Pesquisa sobre países em que o espanhol é a língua materna ■ Realizar ações escolares, considerando as instruções orais
■ Estrangeirismos – a influência da língua espanhola no Brasil dadas pelo professor.
■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em espa- ■ Formular perguntas e responder a elas, em sala de aula, con-
nhol em sala de aula siderando a situação pública de interlocução em jogo.
■ Recursos paralinguísticos de sustentação da fala (gestos, tona- ■ Obter e fornecer informações sobre dados e habilidades pessoais.
lidade da voz, expressões faciais), de acordo com os objetivos ■ Perguntar e responder sobre a identidade e origem de pesso-
do ato de interlocução. as, localização, idade, dados pessoais, origem profissão, es-
■ Saudações e comandos porte favorito, etc.
■ Construção de pequenos diálogos ■ Utilizar apropriadamente palavras e expressões espanhol de
■ Elaboração de projetos uso cotidiano, em diferentes situações de convívio social.

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Gêneros indicados para leitura, compreensão, análise e inter- ■ Ler os gêneros indicados para o ano.
pretação no ano: rótulos, embalagens, logomarcas, slogans, ■ Reconhecer a finalidade e uso social de diferentes textos e
publicidade, cartazes, legendas, anúncios, receitas, regras de portadores de textos.
jogos, verbetes de enciclopédia, biografias, anedotas, histórias ■ Identificar os prováveis interlocutores de um texto.
em quadrinhos, canções, legendas de filmes textos não ver- ■ Recuperar informações explícitas de um texto lido pelo profes-
bais, textos mistos (verbal e não verbal) sor, com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
■ Finalidades e usos sociais de textos e seus portadores ■ Recuperar a sequência das informações de um texto lido pelo pro-
■ Condições de produção e leitura de textos fessor, com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
■ Portadores de textos: identificação e nomeação ■ Reconhecer o assunto principal de um texto lido pelo professor,
■ Gêneros: identificação e nomeação com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
■ Elementos constitutivos da organização interna de gêneros in- ■ Reconhecer o significado de palavras ou expressões em um
dicados para leitura texto lido pelo professor, com base em situações de perguntas
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de se- e respostas dirigidas.
quências, de assuntos, de temas, de vocabulário ■ Compreender e interpretar pequenos textos informativos e/ou
■ Vocabulário: partes e objetos da casa, meses, meios de trans- formativos relacionados às situações vivenciadas no cotidiano,
porte, nome de estabelecimentos comerciais e públicos, estru- bem como a produção de pequenos textos.
tura da cidade, ações e caráter ■ Relacionar apropriadamente palavras e expressões do cotidi-
■ Usos do dicionário ano para identificar pessoas: nome, idade, procedência, lugar
■ Processos de interpretação de textos: associação dos temas de residência, correio eletrônico.
dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo ■ Identificar vocábulos de língua espanhola, relacionando-os e
■ Processos de predição de informações escritas no texto pela associando-os com os vocábulos da língua materna, dentro de
análise de recursos não verbais, imagens, logos, títulos, pala- seu universo socioeconômico e cultural, com base no seu co-
vras, datas, etc. nhecimento de mundo.
■ Reconhecimento, via memória, de palavras nos textos ■ Manusear o dicionário observando o contexto semântico das palavras.
■ Associação título e texto (predição) ■ Associar os temas ou assuntos de um texto lido pelo professor
■ Atitudes de leitura ao seu conhecimento prévio ou de mundo, com base em situa-
ções de perguntas e respostas dirigidas.
■ Inferir informações em textos apoiando-se em recursos não
verbais, ilustrações, logos, palavras, datas, etc.
■ Selecionar título ou legenda apropriada para texto escrito, ima-
gem, foto, figura, etc.
■ Demonstrar interesses pessoais em ler um determinado texto
em espanhol, consultando o professor ou outros leitores.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 91


7º ANO / 6ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

3. Conhecimentos linguísticos 3. Conhecimentos linguísticos


■ Advérbios e locuções adverbiais de localização espacial e tem- ■ Identificar em textos orais e escritos fórmulas de localização
poral espacial e temporal.
■ Artigos indeterminados ■ Reconhecer os sons e associá-los às letras do alfabeto.
■ Contraste hay/está(n) ■ Diferenciar o gênero e o número dos substantivos e adjetivos.

■ Números de 31 a 100 ■ Empregar nas construções orais/escritas verbos regulares no

■ Preposições a, en, de presente do indicativo.


■ Reconhecer a necessidade do uso das preposições.
■ Verbos ser e estar
■ Ouvir e ler frases e pequenos textos que distingam hay/están.
■ Mucho/poco
■ Identificar padrões ortográficos na escrita de palavras.
■ Pontuação básica (exclamação, interrogação, ponto final, vír-
■ Formular hipóteses sobre regras de uso da língua, a partir da
gula)
análise de regularidades e aplicá-las em produções escritas,
revisões e leituras.
■ Identificar o sentido de uso de um sinal de pontuação.

4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos


■ Cópias ■ Copiar ortograficamente pequenos textos.
■ Reprodução escrita de narrativas ■ Escrever textos ditados.
■ Ditados de textos (listas associadas a um campo semântico, ■ Produzir listas associadas a determinado campo semântico.
receitas) ■ Produzir bilhetes.
■ Produção de listas ■ Padrões da escrita
■ Produção de bilhetes ■ Segmentar o texto em palavras (mesmo que com desvios).
Padrões da escrita ■ Escrever corretamente algumas palavras.
■ Segmentação de palavras ■ Utilizar a letra maiúscula para iniciar uma frase e após ponto
■ Ortografia final.
■ Pontuação ■ Utilizar o ponto final para terminar uma frase.
■ Segmentação do texto ■ Segmentar o texto em parágrafos, períodos e orações (mesmo
■ Diagramação do texto que com desvios).

92 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Língua e cultura ■ Estabelecer relações entre as datas comemorativas, eventos
■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em sala de especiais, festivais do Brasil, com as de outros países, enfocan-
aula do os aspectos socioculturais.
■ Recursos paralinguísticos de sustentação da fala (gestos, tona- ■ Formular perguntas e responder a elas, em sala de aula, con-
lidade da voz, expressões faciais), de acordo com os objetivos siderando a situação pública de interlocução em jogo.
do ato de interlocução. ■ Reproduzir, via memória, um determinado texto lido pelo pro-
■ Reprodução (via memória) e produção oral de textos fessor, mantendo as características e a organização do texto-
■ Relato de experiências vividas fonte (ajustando inclusive os recursos paralinguísticos).
■ Gêneros do discurso oral: características da língua falada em ■ Relatar experiências vividas ou acontecimentos, adequando a
determinadas situações; adequação planejada da fala (situa- sequência temporal e causal.
ções simuladas) ■ Avaliar o contexto em que está se apresentando e o tipo de
■ Tratamento formal e informal informação a ser oferecido.
■ Perguntas e respostas usando dados pessoais ■ Respeitar a troca de turnos no diálogo.
■ Projetos temáticos ■ Identificar diferenças culturais nas atitudes durante as conver-
sas.
■ Elaborar perguntas / respostas sobre informações pessoais.
■ Apresentar-se e apresentar uma outra pessoa (formal e infor-
malmente).
■ Utilizar apropriadamente palavras e expressões do cotidiano
para pedir e dar informações sobre pessoas: nome, idade,
procedência, lugar de residência, correio eletrônico.
■ Pedir e dar informações sobre horário e como chegar a um
determinado lugar.
2. Leitura de textos 2. Leitura de textos
■ Gêneros indicados para leitura, compreensão, análise e inter- ■ Identificar a finalidade do texto, mobilizando conhecimentos prévi-
pretação no ano: rótulos, slogans, folhetos publicitários, recei- os sobre formato do gênero, tema ou assunto principal.
tas, contas (água, luz, carnê), regras de jogos, manchetes, ■ Reconhecer os prováveis interlocutores de um texto.
anúncios, reportagens, artigos de divulgação científica, verbe- ■ Inferir o tema ou assunto principal de um texto.
tes de dicionário e enciclopédia, textos informativos, história em ■ Identificar vocábulos da língua espanhola, relacionando-os e
quadrinhos, anedotas, legendas de filmes, canções, poemas, associando-os com os da língua materna, dentro do seu univer-
textos não verbais, textos mistos (verbal e não verbal) so socioeconômico e cultural, com base no seu conhecimento
■ Finalidades e usos sociais de textos e seus portadores de mundo.
■ Condições de produção e leitura de textos ■ Inferir o sentido de palavras ou expressões a partir do contexto
■ Usos do dicionário ou selecionar a acepção mais adequada em verbete de dicio-
■ Vocabulário: nome de países e cidades, nacionalidades, partes nário.
do colégio, material escolar, profissões, partes da casa, estabe- ■ Localizar item de informação explícita, considerando um único
lecimentos da cidade (comerciais e públicos), estrutura da cida- critério para recuperar a informação (que, quem, quando, onde,
de, meios de transportes, horas como, por que).
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de se- ■ Localizar informação explícita no texto, com base em sua com-
quências, de assuntos, de temas, de vocabulário estratégias de preensão global.
decifração, seleção, antecipação, inferência e verificação ■ Localizar item de informação explícita, com base em um dado
elemento constitutivo da organização interna do gênero.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 93


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Processos de interpretação de textos: associação dos temas ■ Organizar em sequência informações explícitas distribuídas ao
dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo longo do texto, considerando a ordem em que aparecem.
■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros ■ Associar os temas dos textos lidos ao seu conhecimento prévio
indicados para o ano ou de mundo.
■ Efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso intencional de ■ Identificar os efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso
palavras, expressões, recursos gráfico-visuais, pontuação intencional de palavras, expressões, recursos gráfico-visuais,
■ Atitudes de leitura pontuação.
■ Selecionar título ou legenda apropriada para texto escrito, ima-
gem, foto, figura, etc.
■ Demonstrar interesses pessoais em ler revistas, jornais, livros
adequados para a sua faixa etária.

3. Conhecimentos linguísticos 3. Conhecimentos linguísticos


■ Alfabeto de A a Z ■ Reconhecer os sons e associá-los às letras do alfabeto.
■ Interrogativos ■ Soletrar e compreender diversos tipos de palavras em língua
■ Números cardinais e ordinais espanhola.
■ Artigos definidos e indefinidos e contrações ■ Diferenciar o gênero e o número dos substantivos e adjetivos.
■ Adjetivos demonstrativos ■ Refletir sobre a função das palavras em geral (para que ser-
■ Adjetivos possessivos (pessoas do singular) vem, quais papéis exercem, como ocorrem suas variações
■ Pronomes pessoais semânticas, que agrupamentos podem constituir quando se
■ Verbos regulares em presente de indicativo leva em conta alguma semelhança).
■ Verbo ser/tener/vivir/llamarse/estar/ir/dar/venir/seguir/cerrar ■ Aplicar e diferenciar estruturas afirmativas, negativas e interro-
■ Gênero e número de substantivos e adjetivos gativas que indiquem comandos, ações e fatos no presente e
■ Contraste hay/está(n) no passado.
■ Saudações ■ Reconhecer diferenças entre a língua que se fala e a língua
Padrões ortográficos que se escreve
■ Segmentação de palavras ■ Formular hipóteses sobre regras de uso da língua escrita, a
■ Letra maiúscula partir da análise de regularidades e aplicá-las em produções
■ Pontuação escritas, revisões e leituras.
Padrões da escrita
■ Identificar padrões ortográficos na escrita de palavras.
■ Reconhecer palavras como unidade gráfica em um texto.
■ Identificar o sentido de uso dos sinais de pontuação.

4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos


■ Ditados de textos (listas associadas a um campo semântico, ■ Escrever com ortografia regular receita culinária ditada.
receitas) ■ Escrever ou reescrever um texto, a partir da leitura de um texto
■ Reprodução escrita de narrativas estímulo, fazendo referência à idéia principal do texto lido, or-
Padrões da escrita ganizando o texto de acordo com o gênero solicitado e utilizan-
■ Segmentação de palavras do alguns recursos da escrita.
■ Ortografia Padrões da escrita
■ Pontuação ■ Pontuar corretamente final de frases, usando inicial maiúscula.
■ Segmentação do texto ■ Empregar letra maiúscula.
■ Diagramação do texto ■ Segmentar o texto em palavras.
Padrões de textualidade ■ Escrever corretamente algumas palavras.
■ Coerência e coesão (retomadas) ■ Segmentar o texto em parágrafos, períodos e orações (mesmo
que com desvios).
■ Retomar o texto produzido lendo o que está escrito e o que deveria ser
escrito em casos de situações de produção de textos via memória.

94 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO / 8ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em sala de ■ Formular perguntas e responder a elas, em sala de aula,
aula considerando a situação pública de interlocução em jogo.
■ Recursos paralinguísticos de sustentação da fala (gestos, tona- ■ Opinar / comentar sobre temas / assuntos discutidos em classe;
lidade da voz, expressões faciais), de acordo com os objetivos textos lidos pelo professor; revistas ou livros.
do ato de interlocução. ■ Produzir recados ou instruções para a classe com base em uma
■ Relato de experiências vividas determinada proposta indicada pelo professor ou colegas.
■ Debate espontâneo: escuta organizada e apresentação de ar- ■ Organizar roteiro para realizar uma entrevista (planejar a fala).
gumentos: opinião e comentário ■ Representar, adequadamente, em situações simuladas, os pa-
■ Gêneros do discurso oral: características da língua falada em péis do entrevistador ou entrevistado (planejar a fala).
determinadas situações; adequação planejada da fala (situa- ■ Pedir esclarecimento utilizando polidez.
ções simuladas) ■ Avaliar e responder instruções / enunciados de questões.
■ Respeitar a troca de turnos no diálogo.
■ Identificar diferenças culturais nas atitudes durante as conversas.

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Gêneros indicados para leitura, compreensão, análise e inter- ■ Identificar a finalidade do texto, mobilizando conhecimentos pré-
pretação no ano: regras de jogos, manchetes, anúncios, re- vios sobre formato do gênero, tema ou assunto principal.
portagens, artigos de divulgação científica, verbetes de dicio- ■ Reconhecer os prováveis interlocutores de um texto.
■ Inferir o tema ou assunto principal de um texto.
nário e enciclopédia, textos informativos, biografias, legendas
■ Inferir o sentido de palavras ou expressões a partir do contexto
de filmes, história em quadrinhos, contos, poemas, canções,
ou selecionar a acepção mais adequada em verbete de dicio-
textos não verbais, textos mistos (verbal e não verbal)
nário.
■ Finalidades e usos sociais de textos e seus portadores
■ Identificar vocábulos da língua espanhola, relacionando-os e
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de se-
associando-os com os da língua materna, dentro do seu uni-
quências, de assuntos, de temas, de vocabulário estratégias verso socioeconômico e cultural, com base no seu conheci-
de decifração, seleção, antecipação, inferência e verificação mento de mundo.
■ Processos de interpretação de textos: associação dos temas ■ Localizar item de informação explícita, em um texto, conside-
dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo rando um único critério para recuperar a informação (que,
■ Usos do dicionário quem, quando, onde, como, por que).
■ Efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso intencional de ■ Localizar informação explícita no texto, com base em sua com-
palavras, expressões, recursos gráfico-visuais, pontuação preensão global.
■ Atitudes de leitura ■ Localizar item de informação explícita, com base em um dado
elemento constitutivo da organização interna do gênero.
■ Organizar em sequência informações explícitas distribuídas ao
longo do texto, considerando a ordem em que aparecem.
■ Inferir informações em textos.
■ Inferir o humor em um texto.
■ Associar os temas dos textos lidos ao seu conhecimento prévio
ou de mundo.
■ Identificar os efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso
intencional de palavras, expressões, recursos gráfico-visuais,
pontuação.
■ Selecionar título ou legenda apropriada para texto escrito, ima-
gem, foto, figura, etc.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 95


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura de textos
Atitudes
■ Demonstrar interesses pessoais em ler revistas, jornais, livros
adequados para a sua faixa etária.
■ Realizar diferentes tipos de leitura com fluência e compreensão.
■ Adequar os procedimentos de leitura aos objetivos da própria leitura.

3. Conhecimentos linguísticos 3. Conhecimentos linguísticos


■ Verbos reflexivos ■ Descrever pessoas e materiais (traje).
■ Adjetivos para descrição física e de caráter ■ Substituir os complementos diretos por seus respectivos pronomes.
■ Verbos regulares e irregulares ■ Refletir sobre a função das palavras em geral (para que ser-
■ Cores vem, quais papéis exercem, como ocorrem suas variações
■ Estar + gerúndio semânticas, que agrupamentos podem constituir quando se
■ Tener + que + infinitivo leva em conta alguma semelhança).
■ Pronomes de complemento direto ■ Reconhecer diferenças entre a língua que se fala e a língua
■ Adjetivos demonstrativos e possessivos que se escreve.
■ Verbos pronominais gustar/parecer/quedar ■ Formular hipóteses sobre regras de uso da língua escrita, a
■ Colocação pronominal partir da análise de regularidades e aplicá-las em produções
escritas, revisões e leituras.
Padrões da escrita
■ Ortografia das palavras Padrões da escrita
■ Usos da letra maiúscula ■ Identificar padrões ortográficos na escrita de palavras.
■ Pontuação: importância e uso contextual; pontuação do diálogo. ■ Utilizar a letra maiúscula.
■ Concordância nominal em situações contextuais (relações de ■ Identificar o sentido de uso dos sinais de pontuação.
gênero e número necessárias para o aperfeiçoamento do texto). ■ Pontuar corretamente o discurso direto.
■ Concordância verbal em situações contextuais (utilização de ■ Identificar o sentido de uma palavra, consultando o dicionário.
sujeito e verbo visando ao aperfeiçoamento do texto). ■ Aplicar a regra geral de concordância nominal e verbal.
■ Processos de formação de palavras: sufixação, siglas e ■ Utilizar os conhecimentos sobre o processo de formação de
abreviaturas palavras para resolver problemas de ortografia.

4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos


■ Reprodução de narrativas ■ Escrever ou reescrever um texto, a partir da leitura de um texto estímu-
■ Produção de resumos, roteiros e sinopses lo, fazendo referência à idéia principal do texto lido, organizando o texto
■ Produção de entrevistas de acordo com o gênero solicitado e utilizando os recursos da escrita.
■ Produção de narrativas com autoria ■ Produzir uma narrativa com autoria.
Padrões da escrita ■ Produzir roteiros, resumos e sinopses.
■ Segmentação de palavras Padrões da escrita
■ Ortografia ■ Pontuar corretamente final de frases, usando inicial maiúscula.
■ Usos da letra maiúscula ■ Empregar letra maiúscula em nomes próprios.
■ Concordância verbal e nominal ■ Segmentar o texto em palavras.
■ Pontuação ■ Escrever corretamente as palavras.
■ Segmentação do texto ■ Utilizar o ponto final para terminar uma frase e outras marcas de
■ Diagramação do texto pontuação.
Padrões de textualidade ■ Pontuar corretamente passagens do texto em discurso direto.
■ Coerência e coesão (retomadas) ■ Segmentar o texto em parágrafos, períodos e orações em ra-
zão das restrições impostas pelos gêneros.
■ Formatar graficamente o texto.
■ Retomar o texto produzido, lendo o que está escrito e o que deveria
ser escrito em casos de situações de produção de textos via memória.
■ Reescrever o próprio texto com o auxílio do professor.

96 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


Componente Curricular: Francês
6º ANO / 5ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Pesquisa sobre países em que o francês é a língua materna ■ Reconhecer os países que utilizam o francês como língua ma-
■ Geografia da França e de países francófonos terna e a influência dessa língua no Brasil.
■ Hábitos e costumes ■ Realizar ações escolares, considerando as instruções orais
■ Francofonia dadas em francês pelo professor.
■ Estrangeirismos – a influência da língua francesa no Brasil ■ Formular perguntas e responder a elas, em francês, conside-
■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em francês rando a situação de interlocução em jogo.
em sala de aula ■ Solicitar e fornecer informações, em francês.
■ Saudações e comandos ■ Formular perguntas e respostas, em francês, sobre a identifica-
■ Perguntas e respostas sobre dados pessoais ção de nome, idade, origem e telefone.
■ Construção de pequenos diálogos ■ Utilizar apropriadamente saudações para interagir em sala de
■ Elaboração de projetos temáticos aula.
■ Perguntar e responder sobre temas dos quais se tem necessi-
dade imediata.
■ Utilizar progressivamente a língua francesa como código de
comunicação em sala de aula.
■ Utilizar palavras ou expressões, em francês, de uso cotidiano.
■ Memorizar diálogos, canções e jogos de palavras.

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Leitura de capas de revista; receitas; páginas da internet; ins- ■ Ler capas de revista; receitas; páginas da internet; instruções;
truções; rótulos; fichas de informações pessoais; canções; le- rótulos; fichas de informações pessoais; canções; legendas de
gendas de filmes em francês filmes em francês, reconhecendo sua finalidade e localizando
■ Análise dos elementos da estrutura composicional dos gêneros informações explícitas.
citados ■ Identificar elementos da estrutura composicional dos gêneros
■ Funções e finalidades dos textos lidos citados.
■ Portadores de textos: identificação e nomeação ■ Identificar as finalidades e usos sociais dos textos estudados e
■ Gêneros: identificação e nomeação de seus portadores.
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de as- ■ Localizar nos textos palavras e expressões referentes a nome,
suntos, de temas, de vocabulário data e local de nascimento, moradia, endereço, hobbies, den-
■ Reconhecimento, via memória,, de palavras nos textos. tre outros.
■ Vocabulário: adjetivos, materiais de sala de aula, gostos, prefe- ■ Relacionar apropriadamente palavras e expressões do cotidi-
rências, famílias, profissões, nacionalidades, nomes de frutas, ano para identificar pessoas: nome, idade, procedência, lugar
dias da semana, meses do ano, formas geométricas, roupas, de residência, correio eletrônico.
meios de transporte, nomes de países, animais, alimentos, par- ■ Identificar vocábulos da língua francesa, relacionando-os e asso-
tes do corpo, etc. ciando-os com os da língua materna, dentro do seu universo
■ Uso de dicionário: significado de palavras socioeconômico e cultural, com base no seu conhecimento de
■ Processos de interpretação de textos: associação das informa- mundo.
ções dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo ■ Reconhecer palavras, em textos, conhecidas via memória ou
relacionadas à sua experiência pessoal.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 97


6º ANO / 5ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Processos de predição de informações escritas no texto pela ■ Reconhecer o significado de palavras ou expressões em um
análise de recursos não verbais, imagens, logos e títulos co- texto lido pelo professor, com base em situações de perguntas
nhecidos, etc. e respostas dirigidas.
■ Manusear adequadamente o dicionário em busca dos signifi-
cados de palavras do texto.
■ Recuperar informações explícitas de um texto lido pelo profes-
sor, com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
■ Reconhecer o assunto principal de um texto lido pelo professor,
com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
■ Associar os temas ou assuntos de um texto ao seu conheci-
mento prévio ou de mundo, com base em situações de pergun-
tas e respostas dirigidas.
■ Inferir informações em textos apoiando-se em recursos não
verbais, ilustrações, logos e reconhecimento de palavras.
3. Conhecimentos linguísticos 3. Conhecimentos linguísticos
■ Uso do apóstrofo ■ Reconhecer o francês entre outras línguas, e identificar seus
■ Verbo: “être” e “avoir”, verbo “s’appeler” nas formas afirmati- traços gerais.
vas, interrogativas e negativas ■ Estabelecer relações entre a língua francesa e a língua materna.
■ Números cardinais ■ Descobrir a existência de dois registros de língua diferentes
■ Pronomes sujeitos, pronomes tônicos “tu” e “vous”.
■ Adjetivos possessivos ■ Reconhecer traços fonéticos específicos da língua francesa e
traços sonoros indispensáveis para a compreensão (marca de
singular e plural, masculino e feminino).
■ Reconhecer a existência de dois sistemas na língua francesa: o
oral e o escrito.
■ Atentar para a ortografia do francês (observar e copiar).

4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos


■ Cópias ■ Copiar, com ortografia regular, pequenos textos.
■ Ditados ■ Escrever texto ditado.
■ Listas ■ Produzir listas associadas a determinado campo semântico.
■ Fichas ■ Preencher fichas fornecendo informações pessoais.
■ Ordenação de diálogos ■ Ordenar diálogos.

Padrões da escrita
■ Ortografia
■ Maiúsculas
■ Pontuação
■ Diagramação

98 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO / 6ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Geografia da França e de países francófonos ■ Realizar ações escolares, considerando as instruções orais
■ Hábitos e costumes dadas pelo professor.
■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em francês ■ Formular perguntas e responder a elas, em sala de aula, con-
em sala de aula siderando a situação pública de interlocução em jogo.
■ Recursos paralinguísticos de sustentação da fala (gestos, tona- ■ Obter e fornecer informações sobre dados e habilidades pessoais.
lidade da voz, expressões faciais), de acordo com os objetivos ■ Perguntar e responder sobre a identidade e origem de pesso-
do ato de interlocução. as, localização, idade, dados pessoais, origem profissão, es-
■ Saudações e comandos porte favorito, etc.
■ Construção de pequenos diálogos ■ Perguntar e responder sobre temas familiares dos quais se tem
■ Elaboração de projetos necessidade imediata.
■ Entender a língua francesa como código de comunicação em
sala de aula.
■ Empregar oralmente estruturas afirmativas, negativas interrogativas.
■ Compreender textos simples com ou sem o apoio do sistema escrito.

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Gêneros indicados para leitura, compreensão, análise e inter- ■ Ler os gêneros indicados para o ano.
pretação no ano: rótulos, embalagens, logomarcas, slogans, ■ Reconhecer a finalidade e uso social de diferentes textos e
publicidade, cartazes, legendas, anúncios, receitas, regras de portadores de textos.
jogos, verbetes de enciclopédia, biografias, anedotas, histórias ■ Identificar os prováveis interlocutores de um texto.
em quadrinhos, canções, legendas de filmes, textos não ver- ■ Recuperar informações explícitas de um texto lido pelo profes-
bais, textos mistos (verbal e não verbal) sor, com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
■ Finalidades e usos sociais de textos e seus portadores ■ Recuperar a sequência das informações de um texto lido pelo
■ Condições de produção e leitura de textos professor, com base em situações de perguntas e respostas
■ Portadores de textos: identificação e nomeação dirigidas.
■ Gêneros: identificação e nomeação ■ Reconhecer o assunto principal de um texto lido pelo professor,
■ Elementos constitutivos da organização interna de gêneros in- com base em situações de perguntas e respostas dirigidas.
dicados para leitura ■ Reconhecer o significado de palavras ou expressões em um
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de se- texto lido pelo professor, com base em situações de perguntas
quências, de assuntos, de temas, de vocabulário e respostas dirigidas.
■ Vocabulário de férias, das cores, de lugares, de atividades cotidia- ■ Compreender e interpretar pequenos textos informativos e/ou
nas, clima, estações do ano, países; partes do dia e as refeições formativos relacionados às situações vivenciadas no cotidiano.
■ Usos do dicionário ■ Relacionar apropriadamente palavras e expressões do cotidi-
■ Processos de interpretação de textos: associação dos temas ano para identificar pessoas: nome, idade, procedência, lugar
dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo de residência, correio eletrônico.
■ Processos de predição de informações escritas no texto pela ■ Identificar vocábulos de língua francesa, relacionando-os e
análise de recursos não verbais, imagens, logos, títulos, pala- associando-os com os vocábulos da língua materna, dentro de
vras, datas, etc. seu universo socioeconômico e cultural, com base no seu co-
■ Reconhecimento, via memória, de palavras nos textos nhecimento de mundo.
■ Associação título e texto (predição) ■ Manusear o dicionário observando o contexto semântico das
■ Atitudes de leitura palavras.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 99


7º ANO / 6ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura de textos
■ Associar os temas ou assuntos de um texto lido pelo professor
ao seu conhecimento prévio ou de mundo, com base em situa-
ções de perguntas e respostas dirigidas.
■ Inferir informações em textos apoiando-se em recursos não-
verbais, ilustrações, logos, palavras, datas etc.
■ Selecionar título ou legenda apropriada para texto escrito, ima-
gem, foto, figura, etc.
■ Demonstrar interesses pessoais em ler um determinado texto
em francês, consultando o professor ou outros leitores.

3. Conhecimentos linguísticos 3. Conhecimentos linguísticos


■ Preposições de lugar ■ Identificar a existência de dois sistemas de francês: o escrito e o
■ Verbos de primeiro grupo oral.
■ Imperativo ■ Observar e induzir as regras de funcionamento gramatical.
■ Números cardinais ■ Reconhecer a existência de dois registros de língua diferentes
■ Verbos pronominais “tu” e “vous”.
■ Horas ■ Aumentar a percepção dos traços fonéticos do francês.
■ Verbos “aller” ■ Refletir sobre as diferenças entre os sistemas oral e escrito, as
■ Artigos definidos, indefinidos, contraídos com a preposição “à” regularidades gramaticais, etc.
e verbo “aller” ■ Identificar padrões ortográficos na escrita de palavras.
■ Expressões interrogativas: “est-ce que”, “qu’est-ce que”, “qui ■ Formular hipóteses sobre regras de uso da língua, a partir da
est-ce” análise de regularidades e aplicá-las em produções escritas,
■ Pontuação básica (exclamação, interrogação, ponto final, vír- revisões e leituras.
gula) ■ Identificar o sentido de uso de um sinal de pontuação.
4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos
■ Cópias ■ Copiar ortograficamente pequenos textos.
■ Reprodução escrita de narrativas ■ Escrever textos ditados.
■ Ditados de textos (listas associadas a um campo semântico, ■ Produzir listas associadas a determinado campo semântico.
receitas) ■ Produzir bilhetes.
■ Produção de listas Padrões da escrita
■ Produção de bilhetes ■ Segmentar o texto em palavras (mesmo que com desvios).
Padrões da escrita ■ Escrever corretamente algumas palavras.
■ Segmentação de palavras ■ Utilizar a letra maiúscula para iniciar uma frase e após ponto
■ Ortografia final.
■ Pontuação ■ Utilizar o ponto final para terminar uma frase.
■ Segmentação do texto ■ Segmentar o texto em parágrafos, períodos e orações (mesmo
■ Diagramação do texto que com desvios).

100 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Língua e cultura ■ Estabelecer relações entre as datas comemorativas, eventos
■ Geografia da França e de países francófonos especiais, festivais do Brasil, com as de outros países, enfocan-
■ Hábitos e costumes de diferentes civilizações do os aspectos socioculturais.
■ Civilização francesa e brasileira ■ Formular perguntas e responder a elas, em sala de aula, con-
■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em sala de siderando a situação pública de interlocução em jogo.
aula ■ Reproduzir, via memória, um determinado texto lido pelo pro-

■ Recursos paralinguísticos de sustentação da fala (gestos, tona- fessor, mantendo as características e a organização do texto-
lidade da voz, expressões faciais), de acordo com os objetivos fonte (ajustando inclusive os recursos paralinguísticos).
■ Relatar experiências vividas ou acontecimentos, adequando a
do ato de interlocução.
■ Reprodução (via memória) e produção oral de textos
sequência temporal e causal.
■ Avaliar o contexto em que está se apresentando e o tipo de informação
■ Relato de experiências vividas
a ser oferecido.
■ Gêneros do discurso oral: características da língua falada em
■ Respeitar a troca de turnos no diálogo.
determinadas situações; adequação planejada da fala (situa-
■ Identificar diferenças culturais nas atitudes durante as conversas.
ções simuladas)
■ Elaborar perguntas / respostas sobre informações pessoais.
■ Tratamento formal e informal
■ Apresentar-se e apresentar uma outra pessoa (formal e infor-
■ Perguntas e respostas, usando dados pessoais
malmente).
■ Projetos temáticos
■ Utilizar apropriadamente palavras e expressões do cotidiano
para pedir e dar informações sobre pessoas: nome, idade,
procedência, lugar de residência, correio eletrônico.Identificar
diferenças culturais nas atitudes durante as conversas.
■ Pedir e dar informações sobre horário e como chegar a um
determinado lugar.
■ Saudar, apresentar-se e agradecer.
■ Identificar-se.
■ Pedir licença e desculpas.
■ Instaurar a comunicação em francês na sala de aula: identificar
alguém, saudar e apresentar.
■ Soletrar o nome.
■ Compreender palavras familiares e expressões muito comuns
para a comunicação imediata em francês.
■ Comunicar-se de forma simples, utilizando progressivamente a
língua francesa como código de comunicação em sala de aula.
■ Perguntar e responder sobre temas dos quais se tem necessi-
dade imediata.

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Gêneros indicados para leitura, compreensão, análise e inter- ■ Identificar a finalidade do texto, mobilizando conhecimentos pré-
pretação no ano: rótulos, slogans, folhetos publicitários, recei- vios sobre formato do gênero, tema ou assunto principal.
tas, contas (água, luz, carnê), regras de jogos, manchetes, ■ Reconhecer os prováveis interlocutores de um texto.
anúncios, reportagens, artigos de divulgação científica, verbe- ■ Inferir o tema ou assunto principal de um texto.
tes de dicionário e enciclopédia, textos informativos, história em ■ Identificar vocábulos da língua francesa, relacionando-os e
quadrinhos, anedotas, legendas de filmes, canções, poemas, associando-os com os da língua materna, dentro do seu uni-
textos não verbais, textos mistos (verbal e não verbal) verso socioeconômico e cultural, com base no seu conheci-
mento de mundo.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 101


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Finalidades e usos sociais de textos e seus portadores ■ Inferir o sentido de palavras ou expressões a partir do contexto
■ Condições de produção e leitura de textos ou selecionar a acepção mais adequada em verbete de dicio-
■ Usos do dicionário nário.
■ Vocabulário familiar de adjetivos, materiais de sala de aula, ■ Localizar item de informação explícita, considerando um único
gostos, preferências, famílias, profissões, nacionalidades, no- critério para recuperar a informação (que, quem, quando, onde,
mes de frutas, dias da semana, meses do ano, formas geomé- como, por que).
tricas, roupas, meios de transporte, nomes de países, animais, ■ Localizar informação explícita no texto, com base em sua com-
alimentos, partes do corpo. preensão global.
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de se- ■ Localizar item de informação explícita, com base em um dado
quências, de assuntos, de temas, de vocabulário estratégias elemento constitutivo da organização interna do gênero.
de decifração, seleção, antecipação, inferência e verificação ■ Organizar em seqüência informações explícitas distribuídas ao
■ Processos de interpretação de textos: associação dos temas longo do texto, considerando a ordem em que aparecem.
dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo ■ Associar os temas dos textos lidos ao seu conhecimento prévio
■ Elementos constitutivos da organização interna dos gêneros ou de mundo.
indicados para o ano ■ Identificar os efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso
■ Efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso intencional de intencional de palavras, expressões, recursos gráfico-visuais,
palavras, expressões, recursos gráfico-visuais, pontuação pontuação.
■ Atitudes de leitura
■ Selecionar título ou legenda apropriada para texto escrito, ima-
gem, foto, figura, etc.
■ Demonstrar interesses pessoais em ler revistas, jornais, livros
adequados para a sua faixa etária.

3. Conhecimentos linguisticos 3. Conhecimentos linguisticos


■ Ordem das palavras na frase ■ Reconhecer traços fonéticos específicos da língua francesa e
■ Números ordinais e cardinais traços sonoros indispensáveis para a compreensão (marca de
■ Singular e plural dos substantivos e adjetivos singular e plural, masculino e feminino).
■ Masculino e feminino dos substantivos e adjetivos ■ Transpor, de forma adequada, os dois sistemas da língua fran-
■ Alfabeto cesa: o oral e o escrito.
■ Pronome sujeito ■ Atentar para a ortografia do francês (observar e copiar).
■ Diferenciação das expressões “c’est” e “il est” ■ Refletir sobre a função das palavras em geral (para que ser-
■ Verbos “être” e “avoir” e verbos do primeiro grupo vem, quais papéis exercem, como ocorrem suas variações
Padrões ortográficos semânticas, que agrupamentos podem constituir quando se
■ Segmentação de palavras leva em conta alguma semelhança).
■ Letra maiúscula ■ Aplicar e diferenciar estruturas afirmativas, negativas e interro-
■ Pontuação gativas que indiquem comandos, ações e fatos no presente e
no passado.
■ Reconhecer diferenças entre a língua que se fala e a língua
que se escreve
■ Formular hipóteses sobre regras de uso da língua escrita, a
partir da análise de regularidades e aplicá-las em produções
escritas, revisões e leituras.

Padrões da escrita
■ Identificar padrões ortográficos na escrita de palavras.
■ Reconhecer palavras como unidade gráfica em um texto.
■ Identificar o sentido de uso dos sinais de pontuação.

102 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos


■ Ditados de textos (listas associadas a um campo semântico, ■ Escrever com ortografia regular receita culinária ditada.
receitas) ■ Escrever ou reescrever um texto, a partir da leitura de um texto
■ Reprodução escrita de narrativas estímulo, fazendo referência à idéia principal do texto lido, or-
Padrões da escrita ganizando o texto de acordo com o gênero solicitado e utilizan-
■ Segmentação de palavras do alguns recursos da escrita.
■ Ortografia
■ Pontuação Padrões da escrita
■ Segmentação do texto ■ Pontuar corretamente final de frases, usando inicial maiúscula.
■ Diagramação do texto ■ Empregar letra maiúscula.
Padrões de textualidade ■ Segmentar o texto em palavras.
■ Coerência e coesão (retomadas) ■ Escrever corretamente algumas palavras.
■ Segmentar o texto em parágrafos, períodos e orações (mesmo
que com desvios).
■ Retomar o texto produzido lendo o que está escrito e o que
deveria ser escrito em casos de situações de produção de
textos via memória.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 103


9º ANO / 8ª SÉRIE

LETRAMENTO E DIVERSIDADE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


1. Oralidade e expressão 1. Oralidade e expressão
■ Geografia da França e de países francófonos ■ Formular perguntas e respondera elas, em sala de aula, con-
■ Hábitos e costumes de diferentes civilizações siderando a situação pública de interlocução em jogo.
■ Civilização francesa e brasileira ■ Opinar / comentar sobre temas / assuntos discutidos em classe;
■ Modos de interação verbal: a fala e escuta de textos em sala de textos lidos pelo professor; revistas ou livros.
aula ■ Produzir recados ou instruções para a classe com base em
■ Recursos paralinguísticos de sustentação da fala (gestos, tona- uma determinada proposta indicada pelo professor ou colegas.
lidade da voz, expressões faciais), de acordo com os objetivos ■ Organizar roteiro para realizar uma entrevista (planejar a fala).
do ato de interlocução. ■ Representar, adequadamente, em situações simuladas, os pa-
■ Relato de experiências vividas péis do entrevistador ou entrevistado (planejar a fala).
■ Debate espontâneo: escuta organizada e apresentação de ■ Pedir esclarecimento utilizando polidez.
argumentos: opinião e comentário ■ Avaliar e responder instruções / enunciados de questões.
■ Gêneros do discurso oral: características da língua falada em ■ Respeitar a troca de turnos no diálogo.
determinadas situações; adequação planejada da fala (situa- ■ Identificar diferenças culturais nas atitudes durante as conversas.
ções simuladas) ■ Perguntar e responder sobre temas familiares dos quais se tem
necessidade imediata.
■ Dizer aonde se vai e de onde se vem.
■ Pedir informações sobre um lugar, um horário.
■ Informar o número de telefone e o e-mail.
■ Explicar um itinerário.
■ Agradecer ou recusar um convite.
■ Entender a língua francesa como código de comunicação em
sala de aula

2. Leitura de textos 2. Leitura de textos


■ Gêneros indicados para leitura, compreensão, análise e inter- ■ Identificar a finalidade do texto, mobilizando conhecimentos pré-
pretação no ano: regras de jogos, manchetes, anúncios, re- vios sobre formato do gênero, tema ou assunto principal.
portagens, artigos de divulgação científica, verbetes de dicio- ■ Reconhecer os prováveis interlocutores de um texto.
nário e enciclopédia, textos informativos, biografias, legendas ■ Inferir o tema ou assunto principal de um texto.
de filmes, história em quadrinhos, contos, poemas, canções, ■ Inferir o sentido de palavras ou expressões a partir do contexto
textos não verbais, textos mistos (verbal e não verbal) ou selecionar a acepção mais adequada em verbete de dicio-
■ Finalidades e usos sociais de textos e seus portadores nário.
■ Procedimentos de leitura: recuperação de informações, de se- ■ Identificar vocábulos da língua francesa, relacionando-os e
quências, de assuntos, de temas, de vocabulário estratégias associando-os com os da língua materna, dentro do seu uni-
de decifração, seleção, antecipação, inferência e verificação verso socioeconômico e cultural, com base no seu conheci-
■ Processos de interpretação de textos: associação dos temas mento de mundo.
dos textos ao seu conhecimento prévio ou de mundo ■ Localizar item de informação explícita, em um texto, conside-
■ Usos do dicionário rando um único critério para recuperar a informação (o que,
■ Efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso intencional de quem, quando, onde, como, por que).
palavras, expressões, recursos gráfico-visuais, pontuação ■ Localizar informação explícita no texto, com base em sua com-
■ Atitudes de leitura preensão global.
■ Localizar item de informação explícita, com base em um dado
elemento constitutivo da organização interna do gênero.

104 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

2. Leitura de textos
■ Organizar em sequência informações explícitas distribuídas ao
longo do texto, considerando a ordem em que aparecem.
■ Inferir informações em textos.
■ Inferir o humor em um texto.
■ Associar os temas dos textos lidos ao seu conhecimento prévio
ou de mundo.
■ Identificar os efeitos de sentido produzidos no texto pelo uso
intencional de palavras, expressões, recursos gráfico-visuais,
pontuação.
■ Selecionar título ou legenda apropriada para texto escrito, ima-
gem, foto, figura, etc.

Atitudes
■ Demonstrar interesses pessoais em ler revistas, jornais, livros
adequados para a sua faixa etária.
■ Realizar diferentes tipos de leitura com fluência e compreensão.
■ Adequar os procedimentos de leitura aos objetivos da própria leitura.

3. Conhecimentos linguísticos 3. Conhecimentos linguísticos


■ Verbos “aller”, “venir”, “pouvoir” ■ Transpor de forma adequada os dois sistemas do francês: o
■ Preposições “à” e “de” e suas formas contraídas escrito e o oral.
■ Artigos definidos e indefinidos ■ Observar e induzir as regras de funcionamento gramatical.
■ Interrogação e negação ■ Utilizar de forma adequada os dois registros principais da lín-
■ Imperativo gua francesa “tu” e “vous”.
■ Números ordinais e cardinais ■ Aumentar a percepção dos traços fonéticos do francês.
■ Pronomes tônicos ■ Refletir sobre a função das palavras em geral (para que ser-
Padrões da escrita vem, quais papéis exercem, como ocorrem suas variações
■ Ortografia das palavras semânticas, que agrupamentos podem constituir quando se
■ Usos da letra maiúscula leva em conta alguma semelhança).
■ Pontuação: importância e uso contextual; pontuação do diá- ■ Formular hipóteses sobre regras de uso da língua escrita, a
logo partir da análise de regularidades e aplicá-las em produções
■ Concordância nominal em situações contextuais (relações de escritas, revisões e leituras.
gênero e número necessárias para o aperfeiçoamento do tex- ■ Reconhecer diferenças entre a língua que se fala e a língua
to) que se escreve.
■ Concordância verbal em situações contextuais (utilização de
sujeito e verbo visando ao aperfeiçoamento do texto) Padrões da escrita
■ Processos de formação de palavras: sufixação, siglas e abre- ■ Identificar padrões ortográficos na escrita de palavras.
viaturas ■ Utilizar a letra maiúscula.
■ Identificar o sentido de uso dos sinais de pontuação.
■ Pontuar corretamente o discurso direto.
■ Identificar o sentido de uma palavra, consultando o dicionário.
■ Aplicar a regra geral de concordância nominal e verbal.
■ Utilizar os conhecimentos sobre o processo de formação de
palavras para resolver problemas de ortografia.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 105


9º ANO /8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

4. Produção de textos escritos 4. Produção de textos escritos


■ Reprodução de narrativas ■ Escrever ou reescrever um texto, a partir da leitura de um texto
■ Produção de resumos, roteiros e sinopses estímulo, fazendo referência à idéia principal do texto lido, or-
■ Produção de entrevistas ganizando o texto de acordo com o gênero solicitado e utilizan-
■ Produção de narrativas com autoria do os recursos da escrita.
■ Produzir uma narrativa com autoria.
Padrões da escrita ■ Produzir roteiros, resumos e sinopses.
■ Segmentação de palavras
■ Ortografia Padrões da escrita
■ Usos da letra maiúscula ■ Pontuar corretamente final de frases, usando inicial maiúscula.
■ Concordância verbal e nominal ■ Empregar letra maiúscula em nomes próprios.
■ Pontuação ■ Segmentar o texto em palavras.
■ Segmentação do texto ■ Escrever corretamente as palavras.
■ Diagramação do texto ■ Utilizar o ponto final para terminar uma frase e outras marcas de
pontuação.
Padrões de textualidade ■ Pontuar corretamente passagens do texto em discurso direto.
■ Coerência e coesão (retomadas) ■ Segmentar o texto em parágrafos, períodos e orações em ra-
zão das restrições impostas pelos gêneros.
■ Formatar graficamente o texto.
■ Retomar o texto produzido, lendo o que está escrito e o que
deveria ser escrito em casos de situações de produção de
textos via memória.
■ Reescrever o próprio texto com o auxílio do professor.

106 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


CIÊNCIAS NATURAIS

Apresentação
O estudo de Ciências Naturais tem hoje como um de seus principais desafios a formação dos estudantes para
uma sociedade que cada vez mais acredita que o conhecimento científico possa representar um elemento básico para
que crianças e os jovens tanto compreendam os fenômenos observáveis em seu corpo, na natureza e no universo,
como se posicionem diante das mudanças contínuas do mundo em que vivem.
Para tanto, a escola deve proporcionar aos estudantes o desenvolvimento de habilidades que lhes permitam
elaborar critérios para orientá-los em suas decisões pessoais; para que saibam analisar fenômenos naturais e
processos tecnológicos de seu cotidiano; e a fim de que se utilizem, em novas situações, de informações, concei-
tos e procedimentos construídos na aprendizagem escolar.
Para que esses objetivos sejam alcançados, é preciso que os “temas científicos” sejam vivenciados de tal modo
a permitir também o desenvolvimento de valores éticos, articuladamente à alfabetização científica que se deseja.
Em outras palavras, espera-se que os alunos atribuam novos significados aos fenômenos ou pro-
cessos estudados, através de um processo de interação de novas idéias com conceitos que já existem
em sua estrutura cognitiva. Um tipo de aprendizagem qualitativamente diferente da aprendizagem mecâni-
ca , em que simplesmente os estudantes armazenam um novo conhecimento, aprendizagem na qual o
produto é a memorização.
Estudos revelam que, para boa parte das escolas e dos sistemas educacionais, este tem sido o resultado do
ensino de Ciências Naturais, contrariando a orientação dos PCNs e de boa parte das propostas curriculares que
neles se inspiram. Na raiz deste fato, a explicação que os educadores já conhecem: na prática, os conteúdos
científicos a serem ensinados são encarados como informações a serem “transferidas” ao aluno, pelo professor. A
palavra é do professor a maior parte do tempo da aula, e ele simplesmente “passa” os conteúdos para alunos , via
de regra, passivos. Sabe-se, no entanto, que não há aprendizagem pela via da internalização , isto é, os alunos não
aprendem simplesmente porque ouviram o professor dizer, porque copiaram o texto da lousa, do livro didático ou
mesmo de um site da internet.
A probabilidade de que ocorra aprendizagem começa a aumentar quando o professor se dá conta de algo que
parece óbvio: os alunos que participam das aulas de Ciências já têm idéias a respeito daqueles mesmos fenôme-
nos e conceitos científicos que queremos ensinar. Mais que isso, nem sempre essas idéias coincidem com as
queremos ensinar. Os estudos mostram que, nestes casos, os alunos não se rendem, de pronto, às novas idéias.
Ao contrário, eles podem até se mostrar resistentes às novas maneiras de explicar o que, para eles, já tem
explicação adequada.
Render-se às novas concepções é sempre uma situação negociada, que exige a participação ativa dos alunos.
Neste caso, falar de participação não é estar em sintonia com um discurso politicamente correto, em termos sociais,
mas adotar a única possibilidade de romper com o circulo vicioso do fracasso no ensino de Ciências.
Um processo que exige a mediação competente, atenta e comprometida do professor, quando se quer
assegurar que se estabeleça nas salas de aula um processo de construção e apropriação de saberes científicos –
e não de transmissão e memorização destes saberes.
Segundo esta perspectiva, num processo genuíno de ensino e aprendizagem de Ciências, espera-se que os
professores apoiem seus alunos a :

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 107


- investigar fenômenos e explorar ideias, o que é bastante diferente de lidar com conteúdos selecionados do
corpo de conhecimentos de Física, Química ou Biologia, sem a necessária articulação com a realidade à
qual se referem;
- formular perguntas sobre fenômenos e processos observados – e não responder questionários exaustivos
ou a perguntas de roteiros de pesquisa de campo, de protocolos de experimentação , etc.
- dar respostas para perguntas que eles mesmos se fazem, em relação ao mundo natural e ao mundo da
tecnologia. Enfim, um processo no qual se espera que ocorram mudanças conceituais por parte dos alu-
nos, mudanças estas que não dependem exclusivamente da escola . No âmbito escolar, espera-se que o
aluno acabe rejeitando as concepções equivocadas que têm sobre o fenômeno estudado, substituindo-as
pelo ponto de vista da Ciência, apenas depois que pode confrontar estas duas concepções.
Para que isto ocorra, devem ser criadas condições, em sala de aula, para que o aluno:
- sinta que a sua concepção não está mais dando conta de explicar o fenômeno estudado;
- entenda a nova ideia que lhe é apresentada, a ideia que é cientificamente correta;
- perceba como a nova ideia permite explicar, com vantagens sobre a sua concepção, o fenômeno estudado;
Um processo que, como se percebe, não é instantâneo e exige, portanto, que o aluno tenha oportunidade de
vivenciar várias situações-problema, já que o que se quer é promover a “migração” de suas ideias – do senso
comum para o conhecimento cientifico – e não simplesmente que os alunos descartem suas concepções prévias.
O que ensinar para os alunos nesta fase da escolarização? Em principio, a resposta é a mesma que se deu
em relação às crianças: conteúdos que lhes interessem, que façam parte do seu cotidiano.
Já quando se trata de como ensinar, também nesta faixa etária há evidências de que a aula expositiva (oral
ou escrita) não é um bom procedimento didático. Qualquer que seja a estratégia selecionada, é fundamental que
ela seja implementada de tal maneira a valorizar as concepções e interpretações dos alunos. Da mesma forma,
como o conhecimento se constrói pela interação, é necessário que se estabeleça em sala de aula um clima
amigável. Dos alunos se espera que sejam solicitados continuamente a dar explicações a respeito de fenômenos
ou fatos, planejar, realizar experimentos, analisar resultados, de maneira a poder tirar conclusões.
É claro que, segundo esta lógica, se espera que sejam selecionados fenômenos “científicos” de relevância
social para a vida dos alunos – e que possam contribuir para a sua formação como cidadão.
A seguir são apresentadas as expectativas de aprendizagem em cada um dos tópicos. A leitura das expec-
tativas de aprendizagem deve considerar os conteúdos de ensino a que referem.
As expectativas de aprendizagem não pretendem reduzir os conhecimentos a serem ensinados / aprendi-
dos, mas, sim, indicar os limites sem os quais o aluno teria dificuldades para prosseguir seus estudos, bem como
participar ativamente na vida social.

108 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


6° ANO / 5ª SÉRIE

CONTEÚDOS HABILIDADES

UNIVERSO E TERRA
→ Universo: ■ Reconhecer, em textos, imagens e esquemas, características
■ Teoria e formação do Universo e do Sistema Solar das teorias sobre a formação do universo e do Sistema solar.
■ Galáxias, estrelas e satélites. ■ Reconhecer descrições de galáxias, estrelas, planetas e saté-
■ Teorias sobre a origem da vida na Terra lites.
■ Condições para a existência de vida na Terra. ■ Relacionar informações sobre as características da Terra (tem-
peratura, atmosfera, pluviosidade, etc.) com o surgimento e
evolução da vida.
■ Comparar, a partir de dados fornecidos em tabelas, ilustrações
figurativas ou textos descritivos, as características da Terra
(tamanho, temperatura, períodos de rotação e translação, pre-
sença de atmosfera, de vida, etc.) com as dos demais planetas.
■ Associar os tipos de informação ou dados sobre o céu às
formas de observação e os principais instrumentos usados em
Astronomia (telescópios, lunetas, satélites ou sondas).
■ Reconhecer descrições ou aplicar linguagem científica, nomes,
gráficos, símbolos e outras representações relativas ao Siste-
ma Terra-Sol-Lua.
■ Relacionar diferentes fenômenos cíclicos como dia-noite, esta-
ções do ano e eclipses aos movimentos da Terra e da Lua.
■ Prever as fases da Lua, considerando suas formas no hemisfé-
rio sul e a duração de cada uma das quatro fases principais.

VIDA E AMBIENTE

→ Ar: ■ Reconhecer características dos gases que entram na composi-


■ Composição do ar ção do ar atmosférico, a partir de textos.
■ Ciclo do oxigênio ■ Associar a variação de pressão atmosférica às variações de altitude.
■ Atmosfera ■ Reconhecer as vias pelas quais o oxigênio é consumido e
■ Camadas atmosféricas produzido pelos seres vivos.
■ Pressão atmosférica ■ Conhecer e caracterizar os diferentes biomas brasileiros, enfa-
■ Importância do ar para o meio ambiente tizando a fauna e flora do Cerrado.
■ Reconhecer fluxo de energia e transferência de matéria em
→ Ecossistemas: cadeias e teias alimentares.
■ Fatores bióticos e abióticos e condições de sobrevivência ■ Reconhecer, em esquemas, relações que se estabelecem en-
■ Habitat tre seres vivos e fatores abióticos de um ecossistema.
■ Cadeia alimentar ■ Associar comportamentos ou estruturas adaptativas dos seres vi-
■ Importância da preservação dos ecossistemas vos aos ambientes que habitam, sejam aquáticos ou de terra firme.
■ Cerrado: características gerais, determinantes ecológicos, fau- ■ Reconhecer a importância da preservação do ambiente para a
na e flora conservação da biodiversidade, a partir de texto.
■ Adaptações dos seres vivos no Cerrado ■ Interpretar situações de desequilíbrio nas teias alimentares em
função das mudanças no ambiente: introdução ou extinção de
espécies, aumento ou diminuição excessiva de água, redução
do espaço disponível, presença de poluição.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 109


6º ANO / 5ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

VIDA E AMBIENTE

→ Água: ■ Reconhecer, em textos e representações figurativas, a nature-


■ Estados físicos da água za cíclica das transformações da água na natureza, inclusive
■ Mudanças de estado físico da água em sistemas experimentais.
■ Ciclo hidrológico ■ Reconhecer características de biomas e ecossistemas brasilei-
■ Flutuação dos corpos: densidade, empuxo e tensão superficial ros quanto à sua fisionomia, flora, fauna, clima e outras carac-
■ Água e os ecossistemas terrestres e aquáticos terísticas marcantes.
■ Explicar processos de formação, desgaste ou manutenção dos
→ Solo: solos, levando em conta intemperismo e outros agentes natu-
■ Rochas e minerais rais e a ação humana.
■ Tipos básicos de rochas
■ Formação do solo
■ Solo e ecossistemas

TECNOLOGIA E SOCIEDADE

→ Ar: ■ Reconhecer prejuízos causados pela poluição atmosférica, a


■ Efeitos globais da poluição atmosférica partir de leitura de textos e de imagens.
■ Aquecimento global e suas interferências no ciclo hidrológico global ■ Reconhecer estratégias e medidas que contribuem para a con-
servação dos ecossistemas, em especial, para a conservação
→ Ecossistemas: do cerrado.
■ Conservação e manejo de ecossistemas: o cerrado ■ Identificar fases e características do processo de tratamento de
água e do esgoto.
→ Água: ■ Reconhecer medidas que contribuem para a racionalização do
■ Tratamento da água uso da água, a partir de esquemas, propagandas, textos, etc.
■ Processos de purificação ■ Explicar características do solo, como permeabilidade ou fertili-
■ Uso racional da água dade, e suas alterações em situações experimentais ou do
■ Tratamento de águas residuárias (esgotos) cotidiano, em ambientes naturais ou transformados pelo ser
humano.
→ Solo: ■ Reconhecer vantagens ambientais dos processos de recicla-
■ Lixo: reaproveitamento, reciclagem e coleta seletiva gem, reaproveitamento e coleta seletiva do lixo, a partir de
■ Noções de manejo e conservação do solo texto.
■ Utilização dos minerais na agricultura e na indústria

SER HUMANO E SAÚDE

→ Ar ■ Reconhecer as consequências da poluição da água, do ar e


■ Poluição do ar do solo para a saúde humana e para o meio ambiente, valori-
■ Doenças transmissíveis pelo ar zando as medidas de saneamento e de controle de poluição.
■ Reconhecer as doenças transmitidas pela água, pelo solo e
→ Água pelo ar e as maneiras de evitá-las relacionando-as aos hábitos
■ Poluição da água de higiene.
■ Doenças relacionadas com a água

→ Solo
■ Poluição do solo
■ Doenças relacionadas com o solo
■ Saneamento básico

110 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7° ANO / 6ª SÉRIE

CONTEÚDOS HABILIDADES

VIDA E AMBIENTE

→ Origem da vida ■ Reconhecer hipóteses sobre a origem da vida, a partir de


→ Evolução dos seres vivos textos ou ilustrações.
→ A célula como unidade básica dos seres vivos. ■ Reconhecer a célula como unidade fundamental dos seres vivos.
→ Classificação dos seres vivos ■ Reconhecer diferenças entre bactérias, algas, protozoários e
→ Vírus : características gerais fungos, com base em figuras ou ilustrações.
→ Bactérias, Algas, Protozoários e Fungos ■ Aplicar o conceito de decomposição pela atividade de bactérias
■ Principais características e diferenças e fungos para explicar situações naturais ou experimentais de
apodrecimento de alimentos ou restos de seres vivos.
→ Vegetais:
■ Comparar tamanhos de seres vivos e de suas estruturas, esta-
■ Diversidade
belecendo relações em escala, sem necessidade de conhecer
■ Órgãos das plantas: raíz, caule, folha, flor, fruto e semente
valores de medidas.
■ Fotossíntese, transpiração e respiração
■ Identificar condições de vida e de reprodução de micro-orga-
■ Transporte de substâncias (seiva bruta e elaborada)
nismos, a partir de resultados de experimentos.
■ Características adaptativas dos vegetais no bioma cerrado
■ Reconhecer em textos ou ilustrações etapas do ciclo vital de
→ Animais: vegetais com sementes: germinação, crescimento, florescên-
■ Características e classificação dos invertebrados cia, polinização e frutificação.
■ Características e classificação dos vertebrados ■ Reconhecer características adaptativas de diferentes seres vi-
■ Relações entre os animais vos aos ambientes em que se desenvolvem.
■ Características adaptativas dos animais no bioma Cerrado ■ Comparar características de seres humanos e animais verte-
brados em diferentes fases do seu desenvolvimento.
■ Distinguir características morfológicas e fisiológicas de plantas e
animais, a partir de informações fornecidas em ilustrações e textos.
■ Identificar artrópodes (crustáceos, aracnídeos e insetos) em
ilustrações ou fotos.
■ Classificar animais em grupos, a partir de critérios dados.
■ Comparar diferentes aparelhos bucais de animais, associan-
do-os às diferentes formas de alimentação.

TECNOLOGIA E SOCIEDADE

→ Medicamentos: ■ Reconhecer propriedades curativas e tóxicas das plantas, suas


■ Antibióticos e vacinas aplicações no tratamento de doenças e os riscos de utilizá-las
→ Medicamentos: de forma inadequada, a partir de textos.
■ Fitoterapia, alopatia e homeopatia ■ Associar o conhecimento de técnicas e instrumentos microscó-
picos à possibilidade dos avanços na área da medicina .
→ Microscopia:
■ Microscópio: história e funcionamento
■ Importância dos estudos de microscopia

SER HUMANO E SAÚDE

■ Vírus: doenças humanas virais ■ Identificar as doenças humanas comuns causadas por micro-
→ Doenças parasitárias organismos, gripes, resfriados, micoses, diarréias e outras.
■ Endoparasitas e ectoparasitas humanos ■ Interpretar dados e informações sobre a disseminação de doen-
ças infecto-contagiosas e parasitárias, comuns em nosso cotidiano.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 111


8° ANO / 7ª SÉRIE

CONTEÚDOS HABILIDADES

VIDA E AMBIENTE

Níveis de organização do organismo ■ Reconhecer a célula como a unidade básica dos seres vivos.
→ Célula: estrutura básica ■ Identificar, em figuras, os componentes básicos da célula.
→ Tecidos: ■ Reconhecer as células como unidades básicas dos tecidos, em
■ Funções dos tecidos ilustrações ou fotos.
→ Nutrição: ■ Comparar células de diferentes tecidos do corpo humano, apon-
■ Tipos de alimentos e suas composições tando semelhanças (presença de membrana, citoplasma e nú-
cleo) e diferenças (formas e funções que desempenham no
organismo).
■ Classificar alimentos segundo seus componentes principais.

TECNOLOGIA E SOCIEDADE

→ Nutrição: ■ Reconhecer processos, artesanais ou industrializados, de con-


■ Estudo dos rótulos e avaliação nutricional dos alimentos servação dos alimentos.
■ Tecnologias de produção e preparo de alimentos ■ Identificar propriedades de alimentos, com base a consulta a
■ Conservação dos alimentos seus rótulos.
■ Nutrição e práticas desportivas ■ Reconhecer o impacto da tecnologia na produção de métodos
→ Drogas sintéticas contraceptivos, a partir da leitura de texto.
→ Métodos contraceptivos

SER HUMANO E SAÚDE

→ Nutrição: ■ Selecionar alimentos ou grupos de alimentos segundo a sua


■ Dieta, alimentação equilibrada e distúrbios alimentares composição básica: fibras, vitaminas, sais minerais, proteínas e
■ Composição nutricional dos alimentos alimentos energéticos no funcionamento dos organismos.
■ Higiene dos alimentos ■ Interpretar processos que ocorrem na nutrição: quebra dos
■ Doenças: intoxicações, verminoses, diarréias, desidratação e alimentos, absorção e transporte de nutrientes pelo sangue a
obesidade. todas as partes do corpo, devolução de resíduos, etc.
→ Sistemas digestório, respiratório, cardiovascular e urinário: ■ Selecionar entre diferentes alimentos, opções que represen-
■ Organização e funcionamento tem alimentação equilibrada para consumo em determinados
■ Doenças relacionadas ao sistema digestório, respiratório, car- períodos e circunstâncias.
diovascular e urinário ■ Identificar condições de alimentação, higiene pessoal e do meio ambi-
■ Mecanismos de defesa e vacinas ente , compatíveis com a manutenção da saúde individual e coletiva .
■ Integração entre os sistemas ■ Identificar causas e consequências de carências nutricionais
→ Sistema locomotor: proteicas ou energéticas em situações reais de fome endêmica.
■ Importância da estrutura de locomoção ■ Reconhecer relações entre os órgãos e processos que com-
■ Função dos músculos, tendões e ossos põem a nutrição do organismo humano.
→ Sistema nervoso e órgãos sensoriais: ■ Reconhecer atividades ou posturas físicas adequadas à pro-
■ Organização e funcionamento moção da saúde que podem causar prejuízos à saúde, em
■ Doenças relacionadas ao sistema nervoso geral , e, em particular, às articulações ou aos músculos.
■ Problemas causados pela poluição sonora e visual ■ Identificar em ilustrações ou textos os órgãos e o funcionamen-
■ Drogas lícitas e ilícitas to do sistema genital masculino e do feminino.

112 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

CONTEÚDOS HABILIDADES

SER HUMANO E SAÚDE

→ Sistema endócrino: ■ Reconhecer os principais métodos anticoncepcionais (camisi-


■ Funções e características das principais glândulas nha e pílula anticoncepcional) e os princípios corretos para sua
→ Sistema genital: prescrição, inclusive na prevenção das DST-Aids.
■ Organização e funcionamento ■ Identificar, em situações cotidianas, condutas adequadas à pro-
→ Adolescência e sexualidade: moção da saúde, bem como fatores que interferem nas condi-
■ Doenças sexualmente transmissíveis (DST)/Síndrome da Imu- ções de saúde de indivíduos e populações, destacando o funci-
nodeficiência Adquirida (SIDA/AIDS) e prevenção onamento dos sistemas imune, nervoso ou endócrino.
■ Gravidez na adolescência ■ Conhecer a ação dos mecanismos de defesa no organismo,
■ Cuidados e higiene com o corpo identificando a importância do uso de vacinas no combate às
doenças infecto-contagiosas.
■ Estabelecer relações entre os sistemas nervoso, locomotor e o
funcionamento dos órgãos sensoriais.
■ Identificar a atuação dos hormônios das principais glândulas do
sistema endócrino humano.
■ Reconhecer doenças mais comuns que podem acometer os
diferentes sistemas do homem e da mulher.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 113


9° ANO / 8ª SÉRIE

CONTEÚDOS HABILIDADES

VIDA E AMBIENTE

→ Fenômenos: identificação dos diferentes fenômenos na natureza ■ Identificar e caracterizar as diversas transformações químicas e
■ Transformações dos fenômenos físicas de um material relacionando-as aos conceitos de varia-
■ Conceitos de fenômenos químicos e físicos ção de energia, elemento químico, substâncias, misturas, solu-
→ Propriedades específicas da matéria e suas aplicações: ções e às suas aplicações.
■ Substâncias, misturas e soluções ■ Reconhecer modelos atômicos descritos em textos e ilustrações.
■ Elementos químicos ■ Conhecer os processos de separação e suas aplicações no
→ Átomos: dia a dia, destacando a importância da coleta seletiva, recicla-
■ Conceito gem e tratamento da água/esgoto.
■ Modelo atômico ■ Relacionar as ideias de espaço e tempo, considerando unidades
■ Íons de medida, compreendendo conceitos de velocidade e acelera-
→ Propriedades específicas da matéria e suas aplicações: ção e suas relações com o conceito de energia e sua variação.
■ Processos de separação no dia a dia ■ Relacionar as interações mecânicas ao equilíbrio e ao diferen-
■ Reações químicas tes tipos de movimento.
→ Funções químicas: ■ Reconhecer características e presença dos diferentes tipos de
■ Sais, bases, óxidos e ácidos onda em situações cotidianas.
→ Noções de repouso, movimento, referencial e trajetória ■ Reconhecer evidências de reações químicas (mudança de cor,
■ Velocidade e aceleração formação de gás, etc.) em processos do cotidiano ou experi-
■ Interações mecânicas mentais, como a digestão, a queima de combustíveis, a forma-
→ Gravidade ção de ferrugem, a oxidação de superfícies, etc.
→ Força e movimento ■ Identificar substâncias a partir de dados e informações científicas.
→ Energia ■ Reconhecer processos de separação de misturas mais ade-
■ Energia e movimento quados às propriedades das substâncias que as constituem.
■ Modalidades de energia ■ Selecionar linguagens e códigos apropriados para descrever
■ Trabalho e rendimento substâncias químicas e suas transformações.
■ Noções de eletricidade e magnetismo ■ Reconhecer possibilidades de reutilização ou reciclagem de mate-
■ Magnetismo relacionado à geração de energia elétrica riais considerados rotineiramente como lixo doméstico ou escolar.
■ Identificar algumas transformações de energia que ocorrem em
equipamentos ou máquinas, tais como nos veículos, na ilumina-
ção, em um rádio ou, ainda, em usinas hidroelétricas, termoe-
létricas, nucleares, etc.
■ Identificar, comparar e classificar (com base em critérios sim-
ples) movimentos de veículos, corpos celestes e outros objetos.
■ Resolver problemas simples utilizando o conceito de velocida-
de média, sem necessidade de mudanças de unidade.
■ Comparar diferentes tipos de motores e de combustíveis, con-
siderando sua eficiência, rendimento ou impactos ambientais.

TECNOLOGIA E SOCIEDADE

→ Ondas:
■ Características das ondas: comprimento de onda, amplitude,
frequência, período e energia
■ Problemas causados pelas radiações.
■ Ondas e som
■ Espectro eletromagnético
■ Luz, espelhos e lentes: o olho humano e correção dos defeitos
de visão

114 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9° ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

TECNOLOGIA E SOCIEDADE

→ Átomos: ■ Identificar diferentes ondas e radiações, relacionando-as a suas


■ Modelo atômico e avanço tecnológico fontes, usos ou forma de propagação.
■ Energia nuclear e suas reações ■ Relacionar as cores do arco-íris com a decomposição da luz
→ Energia: solar ocorrida nas gotículas de água em suspensão na atmos-
■ Máquinas simples fera ou por meio de um prisma, ou outro meio.
■ História da evolução das máquinas que proporcionam movi- ■ Relacionar a cor dos objetos ou uso de roupas claras (em dias
mento quentes) e escuras (em dias frios) com fenômeno resultante da
■ Combustíveis e sua eficiência absorção e da reflexão da luz.
■ Problemas ambientais provocados pela utilização de combustí- ■ Relacionar características do som à sua produção e recepção
veis fósseis e da luz à formação de imagens, inclusive com o uso de equi-
■ Diferentes tecnologias para a transformação da água em energia pamentos (máquina fotográficas, óculos, caixa-preta, espelhos),
■ Medidas para economizar energia ou nos casos de visão e audição humana.
→ Instrumentos ópticos ■ Conhecer diferentes equipamentos de uso cotidiano segundo
sua finalidade, energias envolvidas, princípios de funciona-
mento, estabelecendo a sequência de transformações de ener-
gia, valorizando o consumo criterioso de energia.
■ Conhecer os modelos atômicos, a evolução das teorias e suas
contribuições para o avanço tecnológico.
■ Reconhecer o uso de máquinas simples como facilitador de
realização de trabalho.
■ Compreender o comportamento da luz em diversos meios, em
especial nas lentes, identificando e relacionando os diferentes
tipos de lentes utilizados em diversos aparelhos e aplicados na
saúde e tecnologia.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 115


MATEMÁTICA

Apresentação
Este documento apresenta sugestões e orientações curriculares para a disciplina de Matemática, divididas
em dois tópicos:
I. Concepção da Matemática ao longo da escolaridade básica, Ensino Fundamental
II. Conteúdos e expectativas de aprendizagem para os anos iniciais do ensino fundamental, com
base no currículo elaborado pela Secretaria da Educação do GDF.

I. Concepção da Matemática ao longo da escolaridade básica, Ensino Fundamental - séries iniciais


A Matemática é uma ciência que trata de objetos e de relações abstratas. Neste sentido, não é uma ciência
da natureza ou das relações humanas e sociais como os outros componentes curriculares. No entanto a Matemá-
tica é a linguagem que nos permite representar o mundo e elaborar uma compreensão e uma representação da
natureza. Não fora o bastante, é ainda com a Matemática que construímos formas de agir sobre este mundo,
resolvendo problemas, prevendo e controlando os resultados de ações sugeridas pelas resoluções.
Ao que tudo indica, as primeiras atividades matemáticas de que se tem notícia, estão relacionadas com
contar e medir. Depois o seu domínio foi-se ampliando para, ao longo da história da humanidade, ser considerado
como a construção do conhecimento que trata das relações qualitativas e quantitativas do espaço e do tempo.
Trata dos padrões, da resolução de problemas, do raciocínio lógico, percorrendo desde o estudo dos números e
operações, as formas geométricas, as estruturas e as regularidades, a variação, o acaso e a incerteza, na tentativa
de compreender o mundo e fazer uso deste conhecimento.
A Matemática sempre permeou a atividade humana e contribuiu para o seu desenvolvimento: a construção e
o desenvolvimento da Matemática têm ocorrido quer como resposta às solicitações de outras áreas do conheci-
mento, quer como atendendo às questões próprias da Matemática, quase sempre como um esforço para resolver
os problemas que lhe são propostos. Essa dupla fonte de problemas e solicitações garante a sua vitalidade. Assim,
a Matemática não pode mais ser considerada como um conjunto estático e acabado de conhecimentos, produzi-
dos por alguns cérebros especiais.
Desde os meados do século XX se reconhece que tais conhecimentos surgiram, nas diferentes culturas,
principalmente como resposta às necessidades de contar, medir, desenhar, planejar, localizar, explicar, julgar, entre
outros e a sua interdependência com outras áreas do conhecimento.
Hoje a Matemática encontra-se presente em todas as culturas e os registros de sua história datam de quatro milênios a.C.
A natureza da competência matemática depende do tempo histórico em que ela é considerada: há cinquenta
anos, saber matemática era praticamente sinônimo de saber fazer contas.
Uma simples análise permite concluir que, de certa forma, temos hoje menos exigências de cálculo na vida
do dia a dia do que no passado: as máquinas não só efetuam as operações como calculam os trocos e as
percentagens e, em muitos casos, registram os próprios valores numéricos. Mas, ao mesmo tempo, o mundo em
que vivemos está cada vez mais “matematizado”.
Além dos modelos matemáticos usados nas ciências experimentais, na engenharia e na tecnologia, vemos
as aplicações matemáticas abrangendo igualmente a economia, o mundo dos negócios, a medicina, a arte, as
ciências sociais e humanas.

116 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


No nosso dia a dia, realizamos com frequência cálculos de despesas, pagamentos de impostos, examina-
mos diferentes alternativas para contrair um empréstimo, estimamos um valor aproximado e precisamos compreen-
der um anúncio ou uma notícia que se baseia em tabelas e gráficos, ou ainda questionar se uma amostra é
representativa de uma determinada população. Finalmente são rotineiras e relevantes as situações que pedem
competências ligadas à visualização e à orientação espacial, como quando se pretende interpretar uma imagem ou
uma construção ou explicar uma figura ou um trajeto.
Nestas e em outras situações, as pessoas usam o raciocínio quantitativo ou espacial e mostram sua com-
petência matemática para explicar, formular, resolver problemas e comunicar sua solução.
Em outras palavras, desenvolver competências matemáticas envolve, nos tempos atuais, pensar matemati-
camente, usar ideias matemáticas para dar um sentido eficiente do mundo, quando isso couber. Além de compre-
ender algumas ideias, notações e técnicas matemáticas, desenvolver competências e habilidades matemáticas
envolve também extrair dos contextos e das circunstâncias particulares quando e como usar a matemática e
criticamente avaliar a sua utilização.
A Matemática é uma das ciências mais antigas, ocupando um lugar de destaque no currículo. Na sua
história, como em todas as ciências, a Matemática sofreu uma grande evolução nos seus métodos, processos e
técnicas, na sua organização, na sua relação com outras áreas da atividade humana e no alcance e importância
das suas aplicações e, naturalmente, na quantidade e diversidade das áreas que a constituem.
A história das ciências mostra que à medida que surgem novos conceitos nas diversas áreas, outros são
abandonados. Isto ocorre da mesma forma na área da Educação e é fundamental que a escola também discuta o
modo como essas novas perspectivas e conceitos – na Matemática e na Didática – se refletem no currículo
desenvolvido com os alunos.
No que diz respeito à educação, a escola enfrenta hoje o desafio de ser eficiente para responder à pergunta:
“como é que o aluno aprende?” em substituição à antiga “como é que isto deve ser ensinado?”. Ao mesmo tempo
a mera transmissão de conteúdos cede lugar ao desenvolvimento de competências e habilidades: o conceito de
competência permeia todo o processo de ensino-aprendizagem dando ênfase ao que o aluno é capaz de fazer com
os conhecimentos que adquiriu muito mais do que o domínio formal dos conceitos.
No caso da Matemática, desenvolver competências matemáticas é parte fundamental na Educação, pois as
ideias e os conceitos matemáticos são ferramentas para atuar sobre a realidade e o mundo que as cerca. A escola
tem papel relevante e intransferível na preparação do aluno para um futuro, que se nos afigura já altamente tecnológico,
e que exige de cada um o desenvolvimento do seu potencial criativo que lhe permita lidar com situações da vida
cotidiana e do mundo do trabalho cada vez mais diversificadas e complexas.
Hoje mais que nunca, deve-se exigir da escola dar uma formação sólida em Matemática, finda a qual o aluno
tenha desenvolvido gosto pela Matemática e autoconfiança em sua capacidade, autonomia de pensamento e deci-
são, capacidade de abstração e generalização, o que certamente será consequência de ser capaz de:
• compreender conceitos, relações, métodos e procedimentos matemáticos
• utilizar os conhecimentos matemáticos na análise, interpretação e resolução de situações em diferentes
contextos, incluindo os não matemáticos
• resolver e formular problemas envolvendo também os processos de modelação matemática
• compreender e elaborar argumentações matemáticas e raciocínios lógicos
• analisar informações

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 117


• comunicar-se em Matemática, oralmente e por escrito
• compreender a Matemática como elemento da cultura humana, uma realização e construção da sociedade
• reconhecer e valorizar o papel da Matemática nos vários setores da vida social e em particular no desenvol-
vimento científico e tecnológico
• apreciar os aspectos estéticos da Matemática
Estas considerações são válidas para o significado da Matemática na Educação Básica. No entanto, mere-
cem destaque as seguintes observações, associadas principalmente ao processo de ensino e aprendizagem de
Matemática.
1. A importância que deve ser dada à aquisição da linguagem universal de palavras e símbolos, usada
para comunicar ideias de número, espaço, formas, padrões e problemas do cotidiano. A cada dia esta
linguagem se faz mais necessária: ela está presente no fazer cotidiano, nos meios de comunicação, nas
ciências e na tecnologia. Os estudos e as pesquisa enfatizam o papel fundamental da aquisição da
linguagem matemática no sucesso do aprendizado da Matemática.
2. A ênfase que deve ser dada ao aspecto formativo da própria Matemática propiciado pelo prazer da desco-
berta e do desenvolvimento da confiança intelectual.
3. Qualquer projeto de Educação precisa considerar os saberes que os alunos trazem consigo. Para
aprofundar e sistematizar esse conhecimento, as aulas devem propiciar atividades que os ajudem a
estabelecer as relações entre as suas próprias ideias e estratégias pessoais e o conhecimento formal. E
novamente aí, o papel da exploração adequada da linguagem oral versus a linguagem e a simbologia
Matemática.
4. Resolução de problemas: Quando é proposto ao aluno a resolução de um problema, dois mundos ou
domínios entram em relação – de um lado, o mundo real presente no problema tal como ele é proposto e a
solução real que será obtida; do outro, o domínio matemático que envolve o problema. O processo de
matematização comporta diferentes etapas que implicam mobilização de um vasto conjunto de competências:

Interpretação Etapa 3 Solução matemática


da solução
Etapa 2
Etapa 4

Ciclo da
Matematização

Problema do mundo real Etapa 1 Problema matemático

Mundo real Mundo Matemático

118 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


Esta abordagem metodológica da resolução de problemas está posta para enfatizar a importância de o
professor procurar saber em que etapa seu aluno apresenta dificuldades - cada uma delas requer um tratamento
diferenciado. Importante também que o aluno saiba onde precisa melhorar.
A primeira etapa consiste em transpor o problema real para um problema matemático.
Este processo implica as seguintes atividades:
• identificar os elementos matemáticos relevantes que se referem ao problema real.
• representar o problema de forma diferente, em função de conceitos matemáticos.
• compreender as relações entre a linguagem empregada para descrever o problema e linguagem simbólica
e formal indispensável à sua compreensão matemática;
• identificar os aspectos que são isomorfos em relação a problemas conhecidos;
• traduzir o problema em termos matemáticos, isto é, em um modelo matemático.
Na segunda etapa, o processo continua no campo da matemática: trata-se de efetuar operações sobre o
problema matemático para determinar uma solução matemática. Esta fase requer do aluno as seguintes habilidades:
• utilizar linguagem e operações de natureza simbólica, formal e técnica;
• definir, ajustar, combinar e integrar modelos matemáticos;
• argumentar;
• generalizar.
Nas últimas fases da resolução de um problema cabe refletir sobre o processo de matematização e os
resultados obtidos. Trata-se aqui, de fazer uso das seguintes habilidades:
• refletir sobre os argumentos matemáticos elaborados, explicar e justificar os resultados obtidos;
• comunicar o processo e a solução.
Para concluir este tópico, destaque-se que uma formação matemática realista e equilibrada privilegia igual-
mente o aspecto teórico, a resolução de problemas e o caráter « utilitário » desta ciência.
Para ensinar e aprender a Matemática que « faça sentido », lutando assim contra uma visão dogmática da
Matemática, é preciso insistir nas situações problema para delas « emergir » os conceitos e as idéias. Estes
problemas, por vezes aparentemente distantes do âmbito matemático cumprem um papel relevante na cultura
humanística do aluno e na sua formação científica.

II. Conteúdos e expectativas de aprendizagem ao longo das séries/anos


Iniciamos este tópico com uma síntese do que foi considerado no tópico anterior. Senão vejamos:
A capacidade humana de raciocinar encontra na Matemática talvez o melhor aliado para o seu desenvolvi-
mento. A finalidade fundamental do ensino-aprendizagem de matemática é o desenvolvimento do raciocínio e da
capacidade de abstração. A outra finalidade, não menos importante, é o seu caráter instrumental.
De outro lado, o conceito de competência dá ênfase ao que o aluno é capaz de fazer com seus conhecimen-
tos e habilidades matemáticas, mais do que o domínio formal de conceitos, ferramentas e algoritmos.
Sintetizando a proposta curricular, o ensino da Matemática na etapa da educação básica pretende que o aluno:
• desenvolva formas de pensamento lógico;
• aplique adequadamente os algoritmos e ferramentas matemáticos em situações do cotidiano;
• utilize corretamente a linguagem matemática para comunicar-se;
• resolva problemas utilizando diferentes estratégias, procedimentos e recursos desde a intuição até os algoritmos;
• aplique os conhecimentos geométricos para compreender e analisar o mundo físico ao seu redor;
• utilize os métodos e procedimentos estatísticos e probabilísticos para obter conclusões a partir de dados
e informações;
• Integre os conhecimentos matemáticos no conjunto dos conhecimentos que adquiriu nas outras áreas da
sua educação básica; e

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 119


• utilize com critério os recursos tecnológicos (calculadora, computador e programas) como auxiliares do
seu aprendizado.
Para tal, a proposta curricular de matemática estrutura-se, ao longo dos ensinos fundamental ao médio, em
quatro grandes temas:
Este programa estrutura-se, ao longo dos ciclos, em quatro grandes temas:

Números e operações

Espaço e Forma

Grandezas e Medidas

Tratamento da Informação

Números e operações
Refere-se à necessidade de quantificar para se entender e organizar o mundo. As ideias de quantidade estão
presentes na matemática, em todos os níveis, tendo como centro o conceito de número, operações e as suas
relações e representações. A ideia de algebrizar está relacionada com a capacidade de simbolizar, operar simboli-
camente e de interpretar as relações simbólicas. É o grande início da modelagem matemática.
As ideias algébricas aparecem logo nos primeiros anos no trabalho com sequências, ao se estabelecerem
relações entre números e entre números e operações, e ainda no estudo de propriedades geométricas como a
simetria.
Nos anos finais do ensino fundamental, a Álgebra já aparece como um tema matemático individualizado,
aprofundando-se o estudo de relações e regularidades e da proporcionalidade direta como igualdade entre duas
razões. Finalmente, no ensino médio, institucionaliza-se de fato o uso da linguagem algébrica: trabalha-se com
expressões, equações, inequações e funções, procurando desenvolver no aluno a capacidade de lidar com diversos
tipos de relações matemáticas e estudar situações de variação em contextos significativos. O estudo das funções
é um domínio privilegiado para aprender a modelagem matemática. As competências algébricas são desenvolvidas
a partir da capacidade de traduzir uma situação problema em linguagem matemática - resolver problema requer
habilidade com as rotinas de cálculos e algoritmos.
As grandes competências que se espera que o aluno desenvolva no aprendizado deste tema são:
• Construir significados e ampliar os já existentes para os números naturais, inteiros, racionais e reais.
• Aplicar expressões analíticas para modelar e resolver problemas, envolvendo variáveis socioeconômicas ou
técnico-científicas.

Espaço e Forma
Trata da observação de padrões e formas do mundo e da relação entre formas e imagens ou representações
visuais. Assim como nos problemas de contagem, a percepção do espaço e a exploração das propriedades dos
objetos, bem como suas relações, estão presentes no cotidiano da vida humana. Estas habilidades vão desde o
reconhecimento e exploração visual ou tátil, até o tratamento formal, lógico-dedutivo, dos fatos referentes às figuras
planas e espaciais.
Este domínio envolve a observação de semelhanças e diferenças, análise dos componentes das formas, o
reconhecimento das formas em diferentes representações e dimensões e a compreensão das propriedades dos
objetos e suas posições relativas.
O estudo das formas está estreitamente vinculado ao conceito de percepção espacial e isto implica aprender

120 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


a reconhecer, explorar e mover-se com maior conhecimento no espaço onde se vive. Também pressupõe entender
a representação em duas dimensões dos objetos tridimensionais, a formação das sombras e como interpretá-las.
No aprendizado deste tema, o aluno toma consciência de como vê as coisas e os objetos e porque os vê dessa
forma: deve aprender a orientar-se pelo espaço e através das construções e formas – para isso, precisa entender a
relação entre forma e imagem ou representações visuais, tal como o real e a fotografia.
O estudo da Geometria começa nos primeiros anos, mas somente nos anos finais do ensino fundamental o
aluno relaciona propriedades geométricas, e, no ensino médio, surge a maioria das situações de raciocínio hipoté-
tico-dedutivo proporcionando aos alunos um contacto maior com este modo de pensar.
Neste tema são vistos conceitos e ideias que constituem a base de competências geométricas e trigonométricas:
o teorema de Tales, a semelhança de figuras e o teorema de Pitágoras devem ser utilizados em diferentes contextos.
A competência de cálculos em geometria é ampliada com a geometria analítica, principalmente no ensino médio.
A grande competência que o aluno deve desenvolver neste tema é:
• Utilizar o conhecimento geométrico para realizar a leitura e a representação da realidade, e agir sobre ela.

Grandezas e Medidas
Refere-se à necessidade de, além de quantificar, medir para se entender e organizar o mundo. As ideias de
grandeza e medida estão presentes na matemática, em todos os níveis, tendo como centro as relações entre
grandezas, suas medidas e representações.
As ideias de Grandezas e Medidas têm um peso importante nos primeiros anos e decresce nos anos seguin-
tes. Como é um tema muito rico do ponto de vista das conexões entre a Matemática com situações não matemáticas,
acaba por ser trabalhado ao longo de toda a escolaridade básica, principalmente na resolução de problemas.
A competência a ser desenvolvida pelo aluno no aprendizado desse tema é:
• Construir e ampliar noções de grandezas, variação de grandezas e medidas para a compreensão da reali-
dade e a solução de problemas do cotidiano.

Tratamento da Informação
Está relacionada com a capacidade de ler, interpretar e analisar dados e fazer julgamento e opções a partir
desta análise. Provavelmente, essa é a idia em que se evidencia mais claramente a importância da formação
matemática do cidadão, pois trata da aquisição da habilidade de compreender o discurso jornalístico e científico,
que faz uso da estatística e da probabilidade.
O estudo da estatística e de probabilidade deve ser feito a partir de problemas em situações interdisciplinares.
Este tema perpassa todos os ciclos da escolaridade básica, sempre no contexto de resolução de problemas.
Pretende-se que o aluno desenvolva as competências de:
• Interpretar informações de natureza científica e social obtidas da leitura de gráficos e tabelas, realizando
previsão de tendência, extrapolação, interpolação e interpretação.
• Compreender o caráter aleatório e não determinístico dos fenômenos naturais e sociais, e utilizar instru-
mentos adequados para medidas e cálculos de probabilidade, para interpretar informações de variáveis apresenta-
das em uma distribuição estatística.
A seguir são apresentadas as expectativas de aprendizagem em cada um dos tópicos. A leitura das expec-
tativas de aprendizagem deve considerar os conteúdos de ensino a que referem.
As expectativas de aprendizagem não pretendem reduzir os conhecimentos a serem ensinados / aprendi-
dos, mas, sim, indicar os limites sem os quais o aluno teria dificuldades para o prosseguir seus estudos, bem como
participar ativamente na vida social.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 121


6º ANO / 5ª SÉRIE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


■ Sistemas de numeração: ■ Perceber a importância da criação, da evolução e da univer-
■ Origem e evolução dos números salização da simbologia numérica e estabelecer comparações
■ Bases: decimal (10) e binária (2) entre o sistema de numeração decimal e os outros sistemas de
■ Números naturais: numeração.
■ Estruturação e sequência ■ Reconhecer o significado dos números naturais, em diferentes
■ Representação geométrica contextos, do ponto de vista histórico e prático.
■ Operações com números naturais: ■ Compreender e realizar os processos de cálculos mentais e
■ Situações que validam as propriedades escritos, exatos e aproximados com as operações: adição,
■ Situações-problemas envolvendo adição, subtração, multipli- subtração, multiplicação e divisão de números naturais, incluin-
cação (potência como associação de produto de fatores iguais) do as propriedades e suas generalizações.
e divisão ■ Compreender e aplicar regularidades observadas em sequ-
■ Cálculo mental ências numéricas, tais como: pares, ímpares, múltiplos, múlti-
■ Sequências numéricas: plos comuns e divisores.
■ Pares e ímpares ■ Resolver desafios e problemas que envolvem raciocínio lógi-
■ Números primos e compostos: co.
■ Múltiplos e divisores ■ Conhecer números decimais e aplicá-los na resolução de pro-
■ Múltiplos comuns blemas simples do cotidiano.
■ Máximo divisor ■ Conceituar frações e aplicá-las na resolução de problemas
■ Divisibilidade de números naturais: 2, 3, 5 e 10 relacionando-as com números decimais e porcentagem.
■ Números fracionários: ■ Elaborar e resolver problemas que envolvem o sistema mone-
■ Identificação de valores fracionários tário brasileiro.
■ Operações / Situações-problema ■ Estabelecer relações entre números decimais, frações e por-
■ Cálculo mental centagem compreendendo a importância dos mesmos para a
■ Números decimais: vida diária.
■ Identificação de valores decimais ■ Conhecer os significados de porcentagens e aplicá-los em situ-
■ Operações / Situações-problema / Sistema monetário ações simples do cotidiano analisando criticamente o seu uso
■ Cálculo mental nas situações de compra à vista e a prazo.
■ Unidades de medidas, convencionais e não-convencionais, ■ Compreender os conceitos de medidas e de suas unidades, os
suas transformações e instrumentos de medidas: Comprimen- instrumentos de medidas e as suas formas de utilização, em
to, Massa, Capacidade,Tempo, Temperatura relação a comprimento, tempo, temperatura, massa e capaci-
■ Situações-problema dade.
■ Noções de porcentagem (5%, 10%, 25%, 50%, 75% e 100%) ■ Transformar unidades de medidas utilizando divisão e multipli-
■ Situações práticas com porcentagens cação por dez, cem e mil.
■ Situações-problema simples - associada à frações e a decimais ■ Aplicar a noção de superfície de figuras planas em objetos
■ Introdução à geometria: Ponto, reta e plano produzidos pela cultura afro-indígena.
■ Paralelas e perpendiculares ■ Identificar figuras planas e espaciais e os elementos básicos
■ Poligonais usados na geometria.
■ Figuras planas: ■ Compreender a idéia de perímetro e de área de figuras planas,
■ Quadrado, retângulo bem como medir e calcular essas grandezas.
■ Vértices e diagonais ■ Perceber a importância do desenvolvimento do trabalho de
■ Circunferência e círculo cooperação/compartilhamento de saberes e ideias práticas no
■ Raio e diâmetro contexto do serviço voluntário.
■ Figuras Espaciais – conceitos e representações, tais como, ■ Propor ações que visem a suprir necessidade de complemen-
prismas, cilindros, pirâmides, cones e esferas tação a atos imprevistos, com o objetivo de estender e contem-
■ Localização de figuras e seus deslocamentos no espaço plar realizações empreendedoras.

122 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


6º ANO / 5ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


■ Perímetro de figuras planas (uso do tangram) ■ Compreender e aplicar os conceitos do eixo norteador com
■ Áreas de figuras planas: (uso do tangram) tratamento da informação e sua importância para ler, interpre-
■ Medição de área por aproximação (figuras irregulares) tar, descrever, analisar e pesquisar informações a respeito de
■ Plano Cartesiano: diferentes culturas e etnias, no contexto nacional e regional.
■ Ponto em gráficos cartesianos ■ Conhecer e compreender conceitos básicos de estatística e
■ Mapas geográficos associados ao Plano Cartesiano. perceber a sua importância para a analise de um determinado
■ Noções de estatística: conjunto de informações.
■ Identificação e classificação de gráficos (uso de informativos da ■ Construir tabelas e gráficos por meio de dados obtidos de
mídia) situações do cotidiano.
■ Levantamentos estatísticos envolvendo os próprios alunos
■ Construção de tabelas e gráficos Para tanto,o aluno deve ser capaz de:
■ Média Aritmética ✓ reconhecer fatos da história da origem e evolução dos números;
■ Noções elementares de probabilidade ✓ nomear os numerais padrões para números inteiros, frações,
decimais (até as centenas de milhares) e percentagens;
✓ ler e escrever números inteiros e decimais na forma ampliada;
✓ comparar e ordenar frações, decimais e percentagens comuns
usando modelos gráficos, reta numérica e símbolos;
✓ descrever os significados de números racionais positivos usan-
do relações entre parte e inteiro e construir modelos para re-
presentar estes números;
✓ escrever quantidades dadas nas representações fracionárias,
decimais e em forma de porcentagens;
✓ comparar o sistema de números decimais com outros sistemas
que não usam valor de posição (por exemplo: numerais roma-
nos, numerais utilizados pelos egípcios na Antiguidade);
✓ reconhecer e escrever números na base binária;
✓ usar exemplos ou figuras para mostrar os resultados das
quatro operações com os números inteiros, as frações, e
os decimais;
✓ reconhecer e aplicar as propriedades comutativa, associativa
e distributiva na adição e multiplicação de números racionais;
✓ usar modelos concretos e exemplos do cotidiano para núme-
ros positivos e negativos;
✓ reconhecer a natureza de sequências numéricas e determinar
a regra subjacente a elas;
✓ resolver problemas do cotidiano envolvendo números inteiros,
frações, decimais e percentagens;
✓ resolver problemas do cotidiano envolvendo números inteiros
com cálculos mentais;
✓ aplicar uma ordem de operações ao resolver problemas (pa-
rênteses, colchetes, ...,
✓ multiplicação, divisão, adição e subtração);
✓ reconhecer potência como produto de fatores iguais;
✓ reconhecer as relações que são proporcionais e descrevê-las
com palavras, tabelas ou gráficos;

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 123


6º ANO / 5ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

Expectativas de aprendizagem
✓ reconhecer números (menores ou iguais a 100) primos ou compostos;
✓ determinar o MMC e o MDC entre dois ou mais números;
✓ fatorar um número menor ou igual a 100;
✓ usar as regras de divisibilidade;
✓ usar modelos gráficos e concretos para determinar perímetros e áreas;
✓ reconhecer aproximações do número π e usá-las na determinação do comprimento da
circunferência e da área do círculo;
✓ medir ângulos usando um transferidor e nomeá-los de acordo com suas medidas (agudo,
reto, obtuso, raso);
✓ classificar triângulos de acordo com a medida de seus ângulos e o comprimento de seus lados;
✓ determinar as medida de ângulos no triângulo;
✓ ampliar e reduzir figuras;
✓ reconhecer os efeitos de ampliar e reduzir figuras nas medidas dos seus perímetros e áreas;
✓ resolver problemas matemáticos ou do cotidiano envolvendo perímetro e área;
✓ identificar as relações de proporção em desenhos de escalas e usá–las para resolver proble-
mas do cotidiano incluindo distância (como em leitura de mapas);
✓ comparar objetos de acordo com seu comprimento, peso ou massa e capacidade;
✓ reconhecer instrumentos adequados para medir comprimento, peso ou massa e capacidade;
✓ transformar uma quantidade escrita numa unidade de medida em outra unidade do mesmo
sistema;
✓ usar peças manipuláveis ou construir modelos de unidades quadradas para medir unidades
de área e cúbicas e para medir o volume.
✓ estimar medidas (comprimento, peso ou massa e capacidade) de um objeto ou figura e
comparar a estimativa com a medida real deste objeto ou figura;
✓ selecionar a unidade de medida adequada para uma dada situação do cotidiano;
✓ identificar, desenhar e usar notação simbólica para indicar os atributos de figuras geométricas
bidimensionais (pontos, linhas paralelas e perpendiculares, planos, raios e partes de um
círculo);.
✓ reconhecer e desenhar ângulos (agudo, obtuso, reto e raso);
✓ reconhecer os atributos e as propriedades de figuras tridimensionais (sólidos retangulares e
cilindros);
✓ usar peças manipuláveis e desenhos para resolver problemas que requerem visualização
espacial;
✓ descrever e aplicar a propriedade da simetria em figuras;
✓ reconhecer e desenhar figuras congruentes e semelhantes;
✓ identificar e executar as várias transformações (reflexão, translação, rotação) de uma figura
apresentada em um sistema cartesiano;
✓ observar, explicar e fazer conjecturas sobre as propriedades e relações geométricas (entre
ângulos, triângulos, quadrados, retângulos, paralelogramos);
✓ aplicar propriedades geométricas conhecidas (por exemplo: simetria, congruência) para re-
solver problemas matemáticos e do cotidiano;
✓ identificar os eixos x das abcissas e y das ordenadas em um plano cartesiano e as coordena-
das de um ponto dado;
✓ descrever, ampliar e criar padrões numéricos e geométricos;
✓ identificar a regra que define um padrão;

124 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


6º ANO / 5ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

Expectativas de aprendizagem
✓ reconhecer padrões em situações do cotidiano;
✓ descrever relações e padrões usando palavras, tabelas, símbolos, variá-
veis, expressões ou equações;
✓ usar variáveis para representar números e relações e traduzir expressões
verbais em expressões algébricas (e vice-versa);
✓ ler e analisar dados representados em uma variedade de formas (gráficos,
pictogramas, tabelas);
✓ propor questões e coletar dados para análises;
✓ escolher títulos, escalas, classificações, pontos indicativos e intervalos para
representar dados em gráficos e tabelas;
✓ descrever dados do cotidiano aplicando e explicando os procedimentos
adequados para encontrar medidas de tendência central – média aritmética;
✓ examinar e descrever situações de natureza aleatória, identificando quais
são as chances a favor e contra de ocorrer um resultado específico; e
✓ calcular probabilidades em situações simples;

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 125


7º ANO / 6ª SÉRIE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


Números Naturais ■ Generalizar e aplicar as propriedades das operações com
■ Propriedades das operações com números naturais Números Naturais.
■ Situações-problema ■ Perceber e aplicar a sequência lógica das operações em ex-
Expressões numéricas simples pressões numéricas simples que retratam situações do cotidiano.
■ Ordem das operações ■ Ampliar conceitos e generalizar regras de divisibilidade de Nú-
■ Situações-problema meros Naturais.
Divisibilidade de números naturais ■ Conhecer Números Inteiros e seu significado, a importância e
■ Múltiplos e divisores sua utilização em diferentes contextos históricos e cotidianos,
■ Divisibilidade por 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 e 10 bem como a sua representação geométrica e propriedades.
■ Números Inteiros – (conceito a partir da noção do zero relativo ■ Analisar, interpretar, formular e resolver situações-problema
e representação) com Números Inteiros, compreendendo as diferentes opera-
■ Origem e estruturação dos números inteiros ções e seus significados.
■ Representação geométrica ■ Ampliar o conceito e compreender o significado das operações
■ Números opostos, módulo e comparações com frações e Números Decimais.
Operações com números inteiros ■ Compreender o significado de radiciação e extrair raízes qua-
■ Adição e subtração dradas e cúbicas exatas de Números Naturais.
■ Multiplicação e divisão ■ Reconhecer que representações algébricas permitem expressar
■ Situações-problema generalizações sobre as propriedades das operações aritméticas
■ Expressões numéricas simples e traduzir situações-problema, favorecendo possíveis soluções.
Números racionais ■ Construir expressões algébricas do 1º grau que representem
■ Conjunto Q situações-problema e resolvê-las por meio de métodos con-
■ Representação geométrica vencionais ou não convencionais.
■ Números decimais ■ Entender a definição de uma equação como um tipo especial
■ Operações/problema de sentença matemática que representa tanto sentença aberta
■ Cálculo mental quanto a noção de equilíbrio.
■ Raiz quadrada associada à geometria ■ Compreender as propriedades de uma equação e utilizá-las
■ Raiz cúbica na sua resolução.
Equações do 1º grau ■ Compreender os princípios aditivo e multiplicativo (na balança
■ Sentenças matemáticas de dois pratos) de uma equação e utilizá-las na sua resolução.
■ Conjunto universo e conjunto verdade ■ Resolver problemas em diversos contextos com a utilização
■ Resolução de situações-problema das equações.
■ Inequações ■ Compreender o significado de uma inequação e as suas pro-
■ Razão e proporção priedades.
■ Grandezas proporcionais ■ Identificar, compreender e aplicar a variação de grandezas
■ Regra de três simples e composta diretamente proporcionais, inversamente proporcionais e não
■ Percentagem e juros simples proporcionais na resolução de problemas.
Proporcionalidade ■ Reconhecer e aplicar as principais unidades (superfície, linea-
■ Ampliação e redução de figuras geométricas. res, massa e capacidade) envolvendo transformações e equi-
■ Comparando perímetro e área de figuras proporcionais valência entre múltiplos e submúltiplos.
Ângulos ■ Reconhecer e aplicar regularidades da proporcionalidade nas
■ Construção e classificação ampliações e reduções de figuras planas.
■ Elementos ■ Utilizar a reprodução de desenhos usando escala.
■ Bissetriz ■ Classificar e construir ângulos com transferidor.
Polígonos ■ Identificar e classificar diferentes polígonos em sólidos geomé-
■ Construção, identificação e classificação tricos diversos.
Polígonos regulares ■ Calcular volumes de sólidos retangulares.
■ Propriedades, construção e características ■ Compreender e aplicar os conceitos de estatística e sua impor-
■ Cálculo de volume de sólidos retangulares tância para ler, interpretar, descrever e analisar informações
■ Relação entre volume e capacidade expressas através de gráficos e tabelas.

126 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO / 6ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


Média aritmética: simples ■ Constatar as transformações ocorridas na população através
■ Cálculo de média aritmética da análise crítica de dados e pesquisas relacionadas ao con-
■ Interpretação das médias aritméticas nos meios de comunica- texto histórico, social e cultural.
ção ■ Compreender o significado da média aritmética como indicador
Noções de estatística da tendência de uma pesquisa.
■ Identificação e classificação de gráficos (uso de informativos da ■ Compreender e representar problemas simples de contagem
mídia) em situações combinatórias.
Estatística ■ Compreender e aplicar os conceitos estatísticos e probabilísti-
■ Interpretação de tabelas e gráficos cos para ler, interpretar, descrever, analisar e pesquisar infor-
■ Pesquisas envolvendo os alunos mações de diversos contextos sócioculturais, em especial a
■ Construção de tabelas e gráficos cultura afro-brasileira e indígena.
Plano Cartesiano
■ Ponto em gráficos Para tanto,o aluno deve ser capaz de:
■ Reta no gráfico ✓ reconhecer a importância do número “zero” e a origem e a
■ Mapas geográficos associados ao Plano Cartesiano estrutura dos números inteiros;
■ Noções de contagem e de probabilidade: resolução e interpre- ✓ representar os inteiros na reta numérica;.
tação de problemas simples (sem regras) ✓ reconhecer números opostos, módulo de um número e estabe-
lecer comparações entre números inteiros;
✓ fazer cálculos com números inteiros e resolver expressões
numéricas;
✓ reconhecer os nomes e os numerais padrões para números
inteiros relativos, frações, números decimais, razões, números
expressos em porcentagem, números com expoentes, núme-
ros expressos em notação científica e números expressos usan-
do raiz quadrada;
✓ ler e escrever números inteiros e números decimais na forma
ampliada, incluindo a forma exponencial;.
✓ comparar e colocar em ordem números inteiros relativos, fra-
ções, números decimais, números com expoentes e números
expressos em porcentagem ou em notação científica, incluindo
a ordem sobre a reta numerada;.
✓ dar exemplos de números racionais e irracionais em situações
do cotidiano, incluindo os números irracionais π e √2;
✓ descrever os significados de números racionais e irracionais;
✓ reconhecer as relações entre frações, números decimais e
porcentagens;
✓ expressar uma dada quantidade de várias maneiras (número
inteiro relativo, frações, números decimais, números expres-
sos como porcentagem, números expressos em notação cien-
tífica, razões);
✓ expressar números inteiros na forma exponencial (por exem-
plo, 36 = 62) e resolver expressões numéricas que contenham
potências;
✓ expressar números maiores em notação científica;
✓ aplicar o conhecimento do sistema numérico decimal e de siste-
mas em que o numeral não tem valor pela posição;

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 127


7º ANO / 6ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

Expectativas de aprendizagem
✓ determinar os resultados de cálculos envolvendo as quatro operações básicas sobre núme-
ros inteiros, frações, números mistos e números decimais;
✓ aplicar a ordem das operações para resolver problemas (colchetes, parênteses,..., expoen-
tes, multiplicação, divisão, adição e subtração) ou figuras para mostrar os resultados das
operações de adição, subtração, multiplicação e divisão com números inteiros, números
decimais, frações, números mistos e números inteiros relativos;
✓ aplicar as propriedades das operações com números racionais (comutativa, associativa,
distributiva, identidade, igualdade, inversa);
✓ resolver problemas do cotidiano envolvendo números decimais e frações.
✓ resolver problemas do cotidiano envolvendo porcentagem (descontos, juros simples, impos-
tos, gorjetas);
✓ reconhecer relações proporcionais e usar tabelas, gráficos ou relações de “razão constan-
te” para resolver e explicar problemas;
✓ usar técnicas apropriadas de estimativas;
✓ estimar resultados com antecedência e verificar se os mesmos são coerentes;
✓ reconhecer situações onde é necessária uma resposta exata ou onde uma estimativa é
suficiente;
✓ reconhecer números primos ou compostos e determinar a decomposição de um número
composto em fatores primos;
✓ determinar o MDC e o MMC de dois ou mais números;
✓ determinar os termos de uma sequência;
✓ determinar os múltiplos e divisores de um número;
✓ usar as regras de divisibilidade por 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 e 10.
✓ dar exemplos de um padrão, expressar a generalização do padrão, usando expressões
algébricas;
✓ antecipar uma ocorrência baseando-se na generalização de um padrão ou relação;
✓ traduzir expressões e sentenças verbais para expressões e equações algébricas (e vice-
versa);
✓ escrever expressões e equações para descrever relações (e vive –versa);
✓ construir gráficos de equações para explicar relações de causa e efeito;
✓ simplificar expressões algébricas com uma variável;
✓ dar exemplos de problemas que podem ser traduzidos por uma equações do 1º grau;
✓ resolver equações e inequações do 1º grau;
✓ resolver problemas que envolvem equações e inequações do 1º grau;
✓ reconhecer relações de proporcionalidade;
✓ resolver problemas que envolvem regras de três simples e composta;
✓ resolver e explicar problemas envolvendo o cálculo de volume de sólidos retangulares;
✓ reconhecer a relação entre volume e capacidade;
✓ determinar a medida de um ângulo, usando um transferidor ou aplicando relações entre ângulos
(por exemplo: correspondentes, complementares, suplementares, internos, externos);
✓ resolver problemas envolvendo distância e velocidade;
✓ dada uma figura bidimensional ou tridimensional, criar uma nova figura aumentando ou
diminuindo as dimensões originais;
✓ identificar e determinar a relação entre os perímetros, áreas e volumes da figura original e
aqueles da figura ampliada ou reduzida;

128 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


7º ANO / 6ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

Expectativas de aprendizagem
✓ usar escalas apropriadas para produzir um desenho ou modelo proporcional;
✓ medir o comprimento, o peso ou a massa e a capacidade ou volume;
✓ usar as relações entre unidades métricas de massa e volume (por exemplo: um centíme-
tro cúbico de água pesa uma grama);
✓ determinar medidas de comprimento, peso ou massa e capacidade ou volume, usando
relações proporcionais e propriedades de figuras geométricas semelhantes (por exem-
plo: usando medição e as propriedades de triângulos semelhantes para encontrar a
altura de um mastro de bandeira);
✓ reconhecer problemas onde a solução pode ser aproximada ou deve ser exata.
✓ identificar, desenhar e usar simbologia para indicar as propriedades básicas de termos
geométricos em retas (interseção, oblíquas, paralelas, perpendiculares), e figuras bidi-
mensionais;
✓ determinar a medida de vários tipos de ângulos usando um transferidor ou relações de
ângulos (incluindo complementares, suplementares e opostos pelo vértice) e identificar a
sua bissetriz;
✓ comparar e descrever os atributos de polígonos regulares e irregulares (por exemplo:
paralelogramo, trapézio, pentágono, hexágono);
✓ identificar e classificar triângulos e quadriláteros;
✓ identificar os atributos e desenhar figuras tridimensionais (pirâmide, cone, esfera);
✓ usar peças manipuláveis e desenhos para resolver problemas que requerem visualiza-
ção espacial;
✓ descrever e aplicar as propriedades de paralelismo, perpendicularidade e simetria em
contextos do cotidiano;
✓ reconhecer, desenhar e descrever figuras congruentes e semelhantes;
✓ resolver problemas de medição de ângulos para triângulos;
✓ identificar cada quadrante e as características de pontos em um sistema cartesiano;
✓ posicionar pares ordenados nos quatro quadrantes do sistema de coordenadas;
✓ ler mapas;
✓ propor questões e coletar dados para análise;
✓ construir, interpretar e analisar dados apresentados em tabelas, gráficos reconhecer
como diferentes arranjos de dados conduzem à interpretações diferentes;
✓ determinar o intervalo de variação, a média, a mediana e a moda dos dados de uma
tabela ou gráfico;
✓ tirar conclusões de uma análise do intervalo de variação e da tendência central de um
conjunto de dados;
✓ dar exemplos de situações ou experimentos de natureza determinística e aleatória;
✓ calcular probabilidades matemáticas simples para eventos independentes e dependen-
tes;
✓ estimar as chances a favor e contrárias a uma ocorrência específica em determinados
experimentos do cotidiano, de natureza aleatória; e
✓ resolver problemas simples envolvendo idéias de contagem e análise combinatória.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 129


8º ANO / 7ª SÉRIE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


Números primos ■ Identificar números primos como geradores multiplicativos de
■ Seqüência numérica e propriedades Números Naturais.
Frações associadas com porcentagem: ■ Aplicar os conceitos de operações com frações e de porcenta-
■ Operações/problemas gens em situações-problema.
Potenciação e radiciação ■ Compreender os significados da potenciação e da radiciação e
■ Problemas aplicá-los como recurso na resolução de problemas.
■ Raízes exatas e aproximadas ■ Compreender os números racionais infinitos na forma decimal.
Números irracionais ■ Identificar números irracionais em contextos variados.
■ História dos números ■ Construir a noção de expressão algébrica e compreender o
■ Identificação dos números irracionais cálculo de valor numérico.
Monômios, binômios e polinômios ■ Construir estratégias de cálculo algébrico por meio das opera-
■ Exploração geométrica ções numéricas e suas propriedades.
■ Valor numérico ■ Compreender o significado da fatoração e a sua utilidade na
■ Situações-problema simplificação de expressões algébricas.
Expressões algébricas ■ Compreender e aplicar o processo de operações com polinô-
■ Fatoração mios e suas propriedades.
■ Simplificação de expressões algébricas ■ Perceber a importância da utilização das incógnitas na repre-
Operações com polinômios sentação de situações cotidianas.
■ Produtos notáveis ■ Reconhecer que representações algébricas permitem expressar ge-
■ Equações do 1º grau: com uma e duas variáveis neralizações que favorecem agilidade na resolução de problemas.
■ Situações-problemas ■ Compreender e explicar processos pessoais ou convencio-
Sistemas de equações do 1º grau nais de resolução de situações-problema, por meio de sistemas
■ Situações-problema de equações do 1º grau, com duas variáveis.
■ Ângulos; ■ Visualizar graficamente a solução de sistema de equações de
■ Classificação e construção duas variáveis.
Soma dos ângulos de um triângulo ■ Construir e classificar ângulos, estabelecer relações entre eles
Estudo dos polígonos e algumas figuras, e relacioná-los entre si.
■ Propriedades e classificação ■ Identificar e classificar polígonos, bem como conhecer seus ele-
■ Vértices e diagonais mentos e aplicar as suas propriedades em situações concretas.
Figuras planas ■ Compreender a noção de medida de superfície e de equiva-
■ Composição e decomposição lência de figuras planas e calcular a área total de sólidos.
■ Áreas de figuras planas associadas à área do retângulo ■ Compreender o conceito de congruência nas estruturas geo-
Sólidos geométricos métricas.
■ Áreas e volumes ■ Desenvolver o conceito de semelhança de figuras e perceber
■ Planificação de prismas a sua relação com outras áreas do conhecimento.
Congruência entre figuras diversas ■ Reconhecer e distinguir círculos, circunferências e seus ele-
■ Reflexão, translação e rotação de figuras mentos e compreender as posições relativas entre duas circun-
■ Congruência ferências e entre circunferência e reta.
■ Semelhança entre figuras ■ Elaborar conclusões a partir da leitura, da análise e da inter-
■ Circunferência e Círculo pretação de informações contidas em tabelas e gráficos que
Construção representem fenômenos sociais ou não.
■ Propriedades ■ Compreender e aplicar os conceitos do eixo norteador com
■ Posições relativas entre circunferências tratamento da informação e sua importância para ler, interpretar,
■ Posições relativas entre circunferências e retas descrever, analisar e pesquisar informações de natureza soci-
al, científica e tecnológica.

130 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


8º ANO / 7ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


Noções de estatística Para tanto,o aluno deve ser capaz de:
■ Construção e análise de tabelas e gráficos ✓ ler e escrever números inteiros e números decimais na forma
■ Estatística: Compreensão e interpretação de freqüências e amostras ampliada, incluindo a forma exponencial;
■ Médias aritmética simples e ponderada ✓ comparar e colocar em ordem números inteiros relativos, fra-
■ Mediana e moda de uma população, aplicadas à pesquisa ções, números decimais, números com expoentes e números
■ Histogramas e polígono expressos em porcentagem ou em notação científica, incluindo
a ordem sobre uma reta numerada;
✓ identificar números racionais e irracionais em situações do co-
tidiano, incluindo os números irracionais “pi” e raiz quadrada
de 2;
✓ descrever os significados de números racionais e irracionais;
✓ estabelecer as relações entre frações, números decimais e
porcentagens;
✓ expressar uma dada quantidade de várias maneiras (por exem-
plo, número inteiro relativo, frações, números decimais, núme-
ros expressos como porcentagem, números expressos em
notação científica, razões);
✓ identificar um número primo ou composto;
✓ determinar a decomposição de um número composto em fato-
res primos;
✓ determinar o máximo divisor comum e o mínimo múltiplo comum
de dois ou mais números;
✓ aplicar produtos notáveis em simplificações de expressões al-
gébricas;
✓ aplicar regras de divisibilidade, para resolver problemas mate-
máticos ou problemas do cotidiano;
✓ simplificar expressões algébricas;
✓ determinar os termos de uma seqüência;
✓ dar exemplos de um padrão e expressar a generalização do
padrão usando expressões algébricas;
✓ predizer ocorrências baseando-se na generalização de um
padrão ou relação;
✓ escreve expressões e equações para descrever relações;
✓ traduzir expressões, equações ou fórmulas algébricas repre-
sentando relações do mundo real para expressões ou senten-
ças verbais e vice versa;
✓ constrói gráficos de equações lineares sobre o plano de coor-
denadas a partir de uma tabela de valores;
✓ resolver equações e inequações lineares de 1º grau;
✓ resolver e explicar problemas envolvendo perímetro, área,
circunferência, área superficial ou volume de prismas e cilin-
dros;
✓ identificar circunferências e círculos;
✓ reconhecer as posições relativas entre circunferências e entre
circunferências e retas;

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 131


8º ANO / 7ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

Expectativas de aprendizagem
✓ encontrar a medida de um ângulo usando um transferidor ou aplicando relações entre
ângulos (por exemplo: correspondentes, complementares, suplementares, internos, ex-
ternos);
✓ identificar as relações proporcionais usadas em desenhos em escala e produzir dese-
nho em escala;
✓ reconhecer as relações entre unidades métricas de massa e volume (por exemplo: um
centímetro cúbico de água pesa uma grama);
✓ determinar medidas de comprimento, peso ou massa e capacidade ou volume, usar
relações proporcionais e propriedades de figuras geométricas similares;
✓ comparar unidades de medida dentro de um mesmo sistema (métrico ou usual);
✓ julgar se é necessária uma resposta exata ou se uma estimativa é suficiente;
✓ estimar soluções para problemas do cotidiano que envolvem estimativas de medições;
✓ escolher as unidades de medida apropriadas num contexto do cotidiano;
✓ reconhecer que as medições são sempre aproximadas e que o grau de exatidão de
uma medição depende da precisão do instrumento;
✓ reconhecer, desenhar e descrever figuras congruentes e similares;
✓ criar e descrever os atributos de uma figura congruente ou similar a uma dada figura;
✓ identificar e realizar as várias transformações (reflexão, translação, rotação) de uma
dada figura num plano de coordenadas;
✓ observar, explicar e fazer conjecturas com relação às propriedades e relações geomé-
tricas (entre ângulos, retas, polígonos regulares e irregulares);
✓ criar e resolver problemas de medição de ângulos para triângulos;
✓ construir e interpretar dados representados em tabelas, gráficos (gráficos setoriais,
gráficos de barras simples ou múltiplas e gráficos de retas simples ou múltiplas, histogra-
mas e polígonos de freqüência);
✓ aplicar e analisar medidas de tendência central apropriadas (modo, média aritmética e
ponderada, mediana, intervalo de variação) para um conjunto de dados.

132 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO / 8ª SÉRIE

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


Números Reais ■ Reconhecer, em diversos contextos, números naturais, intei-
■ Relações e reconhecimento dos conjuntos N, Q, Z e I ros, racionais, e irracionais, percebendo a relação entre eles e
■ Conjunto R a formação do Conjunto dos Números Reais.
■ Situações-problema envolvendo números reais: ■ Analisar, interpretar, formular e resolver situações-problema,
■ Extração da raiz compreendendo diferentes significados das operações, envol-
■ Simplificação de radicais vendo números reais.
■ Operações com radicais ■ Compreender e ampliar estratégias variadas de cálculo algé-
Equações do 2º grau brico, em situações contextualizadas, na resolução de equa-
■ História da matemática ções do 2º grau, formalizando o conceito.
■ Resolução de Equação do 2º grau pela fatoração ■ Compreender sistemas de equações de 1º e 2º graus como um
■ Fórmula de Báskara importante recurso na resolução de situações-problema.
■ Situações-problema ■ Identificar, compreender e aplicar a relação entre duas gran-
Sistemas de equações de 1º e 2º graus dezas, diretamente proporcionais, inversamente proporcionais
■ Situações-problema ou não proporcionais, na resolução de problemas.
Relações entre grandezas ■ Compreender os conceitos de porcentagem, de regra de três
■ Situações-problemas envolvendo grandezas diretamente ou (simples e composta) e de noções de juros (simples e compos-
inversamente proporcionais, e não proporcionais tos)
■ Porcentagem e Regra de três ■ Compreender as relações existentes entre as diferentes unida-
■ Juros simples e composto des de medida, construindo novos conceitos relacionado-os
Unidades de medidas com outras áreas do conhecimento.
■ Capacidade, tempo, temperatura, velocidade, densidade, ân- ■ Identificar as diagonais de um polígono e determinar o número
gulo, volume, área. de diagonais de um polígono qualquer.
■ Instrumentos de medidas ■ Reconhecer e aplicar os conceitos e os cálculos de áreas e os
■ Conversão das medidas mais usadas volumes em situações-problema.
■ Polígonos: Propriedades, Diagonais ■ Analisar figuras geométricas planas por meio do conceito de
Figuras planas congruência.
Polígonos: Perímetro e área ■ Identificar e representar os elementos notáveis de um triângulo:
■ Circunferência e círculo: Comprimento e área mediana, bissetrizes, mediatrizes e altura.
Sólidos geométricos ■ Compreender e aplicar o Teorema de Pitágoras em situações
■ Prismas e cilindros: Área e volume concretas.
Figuras planas ■ Identificar e representar polígonos inscritíveis em uma circunfe-
■ Razão de semelhança e escala de figuras geométricas e dese- rência, observando e utilizando regularidades neles existentes.
nhos, por exemplo, da simbologia africana ■ Compreender e estabelecer relações entre ângulo central e
■ Proporções e teorema de Tales inscrito, observando regularidades.
■ Variação de perímetros e áreas em figuras ampliadas ■ Conhecer razões trigonométricas (seno, cosseno e tangente)
■ Semelhança de triângulos e aplicá-las em cálculos de distâncias e de ângulos.
Ângulos ■ Utilizar a reprodução de desenhos usando escala.
■ Construção ■ Compreender o conceito de função, construir e interpretar grá-
■ Bissetriz ficos cartesianos simples.
■ Uso do transferidor ■ Compreender a Estatística como um importante recurso para
Triângulos estudo, interpretação de fenômenos e tomada de decisões.
■ Traçado de bissetrizes, Medianas e mediatrizes com uso de ■ Compreender e aplicar os conceitos do eixo norteador com
régua e compasso tratamento da informação e sua importância para ler, interpre-
tar, descrever, analisar e pesquisar informações de natureza
cultural, social e técnico-científicas.

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 133


9º ANO / 8ª SÉRIE - CONTINUAÇÃO

Conteúdos Expectativas de aprendizagem


Triângulo retângulo Para tanto, o aluno deve ser capaz de:
■ Relações métricas / Teorema de Pitágoras ✓ conhecer os nomes e os numerais padrões para números
■ Polígonos inscritos e circunscritos em uma circunferência inteiros relativos, frações, números decimais, números expres-
■ Ângulos no círculo sos em porcentagem, números com expoentes, números ex-
■ Ângulo central
pressos em potências de 10, valor absoluto, radicais e razões;
✓ comparar e colocar frações, números decimais, números intei-
■ Ângulo inscrito
ros relativos e radicais em ordem usando modelos gráficos,
Razões trigonométricas no triângulo retângulo
retas numeradas e símbolos;
■ Situações-problema
✓ comparar e colocar em ordem números expressos em valor
Noções de probabilidade absoluto, potências de 10, números inteiros relativos, porcen-
■ Princípio multiplicativo tagem, números com expoentes, frações, números decimais,
■ Espaço amostral radicais e razões;
■ Probabilidade como instrumento de tomada de decisões. ✓ dar exemplos de números racionais e irracionais em situações
Noções de funções: construção de tabelas e gráficos do cotidiano;
Estatística ✓ descrever o significado de números racionais e irracionais usan-
■ Coleta de dados do representações gráficas;
■ Amostragem ✓ identificar as relações entre frações, números decimais e por-
■ Construção de tabelas e gráficos centagens dados num contexto do cotidiano;
✓ simplificar expressões usando números inteiros relativos, ex-
poentes e radicais;
✓ identificar a equivalência de números grandes e pequenos nas
formas científica e padrão;
✓ identificar e explicar o valor absoluto de um número;
✓ escrever números racionais na forma exponencial incluindo
expoentes negativos (por exemplo, 2-3 = 1/23 = 1/8);
✓ escrever números na forma científica ou padrão incluindo nú-
meros decimais entre 0 e 1;
✓ resolver expressões numéricas ou algébricas que contenham
a forma exponencial;
✓ expressar a equivalência de números na base dez com núme-
ros em diferentes bases, tais como base dois, base cinco e
base oito);
✓ discutir a aplicação do sistema de numeração binário (base
dois) na tecnologia de computadores;.
✓ expressar a equivalência de números cuja base não é dez
com números na base dez;
✓ calcular os resultados de operações envolvendo as quatro ope-
rações básicas com números inteiros, frações, números mistos,
números decimais e números inteiros relativos;
✓ representar os números reais na reta numérica;
✓ aplicar as propriedades dos números reais para resolver pro-
blemas (comutativa, associativa, distributiva, identidade, igual-
dade, operação inversa e fechamento);
✓ calcular os resultados de operações apropriadas para resol-
ver problemas do cotidiano envolvendo números inteiros rela-
tivos, razões, taxas, proporções, números expressos em por-
centagem, números decimais e frações;

134 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

Expectativas de aprendizagem
✓ resolver problemas do cotidiano envolvendo números inteiros relativos, razões, proporções,
números expressos em porcentagem, números decimais e frações;
✓ resolver problemas do cotidiano envolvendo porcentagem e juros;
✓ escrever e simplificar expressões algébricas usando a ordem de operações;
✓ estimar para antecipar resultados e verificar a coerência dos mesmos;
✓ reconhecer números primos entre si;
✓ determinar os termos de uma sequência de números reais;
✓ aplicar as regras de divisibilidade para resolver problemas matemáticos ou do cotidiano;
✓ ler, analisar e descrever gráficos de relações lineares;
✓ usar variáveis para representar quantidades desconhecidas em problemas do cotidiano;
✓ usar informações fornecidas por uma tabela, gráfico ou regra para determinar se as variá-
veis presentes estão relacionadas por uma função é linear e justificar o raciocínio;
✓ determinar a função que descreve dados em tabelas de variáveis de entrada e saída
relacionadas
✓ antecipar ocorrências baseando-se nas regras da função;
✓ interpretar e representar funções em tabelas e gráficos;
✓ escrever equações e inequações que expressam relações;
✓ construir gráficos de equações e inequações para explicar relações de causa e efeito;
✓ interpretar o significado da inclinação de uma reta a partir de um gráfico que representa uma
situação do mundo real;
✓ converter expressões verbais e sentenças em expressões algébricas, equações e inequa-
ções e vice-versa;
✓ converter expressões algébricas, equações ou inequações que representam relações do
cotidiano em expressões verbais ou sentenças;
✓ resolver equações e inequações de 1° e 2º graus;
✓ resolver problemas que envolvem a solução de equações e inequações de 1° e 2º graus;
✓ identificar e escrever a solução geométrica de uma equação, inequação de 1° e 2º graus e
de um sistemas de equações do 1° grau;
✓ resolver sistemas de equações do 1° grau;
✓ aplicar fórmulas para calcular área e volume de formas regulares tridimensionais, incluindo
pirâmides, prismas e cones;
✓ resolver problemas do cotidiano envolvendo área e volume;
✓ aplicar fórmulas para encontrar taxas, distância, tempo e medida de ângulos;
✓ descrever e usar taxas de variação (por exemplo, temperatura à medida que ela varia ao
longo do dia ou velocidade como a taxa de variação da distância com o tempo) e outras
medidas derivadas;
✓ reconhecer que alterações nas dimensões de uma figura afetam seu perímetro, área, circun-
ferência e volume;
✓ interpretar e aplicar várias escalas incluindo aquelas baseadas em retas numeradas, gráfi-
cos, modelos e mapas (a escala pode incluir números racionais);
✓ construir e usar desenhos em escala para recriar uma situação apresentada;
✓ determinar medidas de comprimento, peso ou massa e capacidade ou volume usando
relações proporcionais e propriedades de figuras geométricas semelhantes;
✓ resolver problemas usando várias unidades dentro de cada sistema, tais como, horas e
minutos, centímetro e metro, etc.;
✓ resolver problemas usando conversões de medidas;
✓ usar estratégias para estimar, descrever, fazer comparações e resolver problemas matemá-
ticos e do cotidiano envolvendo medições;

Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais • 135


9º ANO / 8ª SÉRIE – CONTINUAÇÃO

Expectativas de aprendizagem
✓ escolher uma unidade de medida apropriada para uma dada situação;
✓ identificar a precisão de diferentes instrumentos de medição e determinar a unidade de preci-
são para uma dada situação;
✓ identificar o número de dígitos significativos à medida que estes se relacionam com a unidade
de medida menos precisa.
✓ estimar resultados usando dígitos significativos no contexto do cotidiano.
✓ identificar instrumentos apropriados, tecnologia e técnicas para medir quantidades e dimen-
sões de acordo com o grau de precisão especificado.
✓ determinar as medidas de vários tipos de ângulos baseando-se nas relações geométricas em
formas bidimensionais ou tridimensionais.
✓ traçar e identificar bissetrizes, medianas e mediatrizes com uso de régua e compasso
✓ comparar polígonos regulares e irregulares e formas bidimensionais e tridimensionais.
✓ identificar paralelismo, perpendicularidade e simetria em situações matemáticas e do cotidiano
✓ identificar figuras congruentes e semelhantes em situações do mundo real.
✓ identificar as várias transformações (reflexão, translação, rotação e ampliação) de uma dada
figura sobre um plano de coordenadas cartesianas.
✓ usar modelos envolvendo mosaicos (a cobertura de um plano com reproduções congruentes
do mesmo modelo sem falhas nem superposições, como as cerâmicas de um piso).
✓ observar, explicar, fazer e testar hipóteses com respeito a propriedades geométricas e rela-
ções (entre formas regulares e irregulares de duas e três dimensões).
✓ resolver problemas envolvendo polígonos inscritos e circunscritos em uma circunferência
✓ aplicar o Teorema de Pitágoras em problemas do cotidiano (por exemplo: encontrar a relação
entre lados de triângulos retângulos 45o – 45o e 30o – 60o).
✓ dada uma equação ou seu gráfico, encontrar as soluções em pares ordenados (y = 2x).
✓ dado o gráfico de uma reta, identificar a inclinação da reta (incluindo a inclinação de retas
verticais e horizontais).
✓ dado o gráfico de uma relação linear, determinar as coordenadas x e y de interseção da reta
com os eixos.
✓ identificar e usar as relações trigonométricas (seno, cosseno e tangente) e aplicá-las em
cálculos de distâncias e de ângulos.
✓ ler e interpretar dados apresentados em gráficos e tabelas.
✓ reconhecer que apresentações diferentes de dados podem levar a interpretações diferentes.
✓ interpretar medidas de dispersão (variação) e de tendência central
✓ determinar medidas apropriadas de tendência central para um conjunto de dados.
✓ comparar e explicar os resultados de um experimento através de eventos previstos matema-
ticamente
✓ calcular probabilidades matemáticas simples em contextos ou situações de caráter aleatório.
✓ distinguir fenômenos ou experimentos de natureza determinística ou aleatória
✓ propor questões, planejar e realizar um experimento e coleta de dados, organizar e apresen-
tar os resultados.
✓ reconhecer a utilização de estatística e probabilidade em situações do cotidiano.
✓ identificar casos em que estatística e probabilidade são usadas de maneira a induzir a erros.
✓ resolver problemas que envolvem técnicas de contagem e análise combinatória.

136 • Orientações Curriculares - Ensino Fundamental - Séries e Anos Finais