Você está na página 1de 5

Regional - Goiás

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do


Paciente Internado em UTI

1. Tabela da Escala de Glasgow


Aplicação: avaliação do grau de consciência.

Atividade Pontuação

Resposta Verbal
Ausente 1
Sons incompreensíveis 2
Termos inapropriados 3
Paciente confuso 4
Paciente orientado 5

Abertura Ocular
Ausente 1
Somente à dor 2
Somente ao comando verbal 3
Espontaneamente 4

Resposta Motora
Nenhuma 1
Extensora 2
Flexora 3
Retirada 4
Localização 5
Obedece a ordens 6
Fonte: Korzume M. S.; Araujo G. L. Escala de Como de Glasgow – Subestimulação em pacientes com respostas
verbais impedidas. Acta Paulista de Enfermagem, v. 18, nº. 02, Abril/junho, São Paulo, 2005.
2. Tabela com formula para calculo ideal da pressão inspiratória
máxima (P. I. máx.) e pressão expiratória máxima (P. E. máx.)
Aplicação: avaliação da força muscular respiratória

Pressão Inspiratória Máxima – (P. I. máx)

HOMENS = 0,80 x (IDADE) + 155,3

MULHERES = 0,49 x (IDADE) + 110,4

Pressão Expiratória Máxima – (P. E. máx)

HOMENS = 0,81 x (IDADE) + 165,3

MULHERES = 0,61 x (IDADE) + 115,6

Fonte: Kunikoshita LN; Silva YP; Silva TLP; Costa D; Jamami M. Efeito de três programas de fisioterapia
respiratória (PFR) em portadores de DPOC. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 10, n. 4,
p. 449-455, out./dez. 2006.

3. Tabela com formula para calculo da complacência estática do


sistema pulmonar
Aplicação: avaliação da complacência pulmonar estática.

Complacência estática = volume corrente


P. platô – PEEP

Fonte: Faustino E. A. Mecânica pulmonar de pacientes em suporte ventilatório na UTI conceitos e monitorização. Rev.
Bras. de Terapia Intensiva. vol. 19, nº. 02, São Paulo, abril/junho, 2007.

4. Tabela com formula para calculo da complacência dinâmica do


sistema pulmonar
Aplicação: avaliação da complacência pulmonar dinâmica.

Complacência dinâmica = volume corrente


P. pico – PEEP

Fonte: Faustino E. A. Mecânica pulmonar de pacientes em suporte ventilatório na UTI conceitos e monitorização. Rev.
Bras. de Terapia Intensiva. vol. 19, nº. 02, São Paulo, abril/junho, 2007.
5. Tabela com formula para calculo da resistência do sistema
pulmonar
Aplicação: avaliação da resistência do sistema respiratório total.

Resistência = P. pico – P. platô


Fluxo

Fonte: Porto, Elias Ferrreira; Matos de Castro, Antônio Adolfo; Leite, José Renato de Oliveira; Miranda, Saul
Vitoriano; Lancauth, Auristela; Kumpel, Claúdia. Análise comparativa da complacência do sistema
respiratório em três diferentes posições no leito (lateral, sentada e dorsal) em pacientes submetidos à
ventilação mecânica invasiva prolongada. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 20(3):213-219, 2008.

6. Tabela com formula para calculo do índice de oxigenação (I.O)


Aplicação: avaliação do índice respiratório, oxigenação arterial.

Índice de Oxigenação = PaO2


FiO2

*Valores acima de 400 é considerado normal.


*Valores inferior a 300 apresenta comprometimento na oxigenação.
*Valores menor que 200 piora no índice de oxigenação.
Fonte: III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica. Jornal Brasileiro de Pneumologia, vol. 33, Supl. 2,
p. 54 – 70, 2007.

7. Tabela com formula para calculo da FiO2 desejada


Aplicação: indica a melhor fração inspirado de oxigênio para o
paciente.

PaO2 (conhecida) = PaO2 (desejada)


FiO2 (conhecida) FiO2 (desejada)

ou

FiO2 (desejada) = PaO2 (desejada) x FiO2 (conhecida)


PaO2 (conhecida)

Fonte: Jubran A, Tobin M. J. Reliability of pulse oximetry in titrating supplemental oxygen therapy in ventilator-
dependent patients. Chest, vol. 97, p. 1420-1425, 1990.
8. Tabela com formula para calculo da freqüência respiratória (FR)
desejada
Aplicação: indica a melhor freqüência respiratória para correção da
pressão parcial de gás carbônico (PaCO2).

PaCO2 (conhecida) x FR (conhecida) = PaCO2 (desejada) x FR


(desejada)

ou

FR (desejada) = PaCO2 (conhecida) x FR (conhecida)


PaCO2 (desejada)

Fonte: Jubran A, Tobin M. J. Advances in respiratory monitoring during mechanical ventilation. Chest, vol. 17, p.
1416-1425, 1999.

9. Tabela com formula para calculo do índice de respiração superficial


– Índice de Tobin
Aplicação: indica o grau de dependência do paciente da ventilação
mecânica. Valores próximos de 105 indica insucesso no processo
de desmame da ventilação mecânica. E valores menores que 50
otimiza o desmame.

Índice de Tobin = Frequencia respiratória


Volume corrente (L)

Fonte: Tobin M. J.; Perez W.; Guenter S. M. The pattern of breathing during successful and unsuccessful trials of
weaning from mechanical ventilation. Am. Rev. Respir Dis, v. 134, p. 1111 – 1118, 1986.

Referências

1. Tobin M. J.; Perez W.; Guenter S. M. The pattern of breathing during successful
and unsuccessful trials of weaning from mechanical ventilation. Am. Rev.
Respir Dis, v. 134, p. 1111 – 1118, 1986.

2. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica. Jornal Brasileiro de


Pneumologia, vol. 33, Supl. 2, p. 54 – 70, 2007.

3. Korzume M. S.; Araujo G. L. Escala de Como de Glasgow – Subestimulação


em pacientes com respostas verbais impedidas. Acta Paulista de Enfermagem,
v. 18, nº. 02, Abril/junho, São Paulo, 2005.
4. Faustino E. A. Mecânica pulmonar de pacientes em suporte ventilatório na UTI
conceitos e monitorização. Rev. Bras. de Terapia Intensiva. vol. 19, nº. 02, São
Paulo, abril/junho, 2007.

5. Kunikoshita LN; Silva YP; Silva TLP; Costa D; Jamami M. Efeito de três
programas de fisioterapia respiratória (PFR) em portadores de DPOC.
Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 10, n. 4, p. 449-455,
out./dez. 2006.

6. Porto, Elias Ferrreira; Matos de Castro, Antônio Adolfo; Leite, José


Renato de Oliveira; Miranda, Saul Vitoriano; Lancauth, Auristela;
Kumpel, Claúdia. Análise comparativa da complacência do sistema
respiratório em três diferentes posições no leito (lateral, sentada e dorsal)
em pacientes submetidos à ventilação mecânica invasiva prolongada.
Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 20(3):213-219, 2008.

7. Jubran A, Tobin M. J. Reliability of pulse oximetry in titrating supplemental


oxygen therapy in ventilator-dependent patients. Chest, vol. 97, p. 1420-
1425, 1990.

8. Jubran A, Tobin M. J. Advances in respiratory monitoring during


mechanical ventilation. Chest, vol. 17, p. 1416-1425, 1999.