Você está na página 1de 83

fÌsica

eletricidade e fÌsica moderna

QUEST’ES DE VESTIBULARES

2009.1 (1 o semestre)

2009.2 (2 o semestre)

ELETROST£TICA

sum·rio

VESTIBULARES 2009.1

2

VESTIBULARES 2009.2

16

ELETRODIN¬MICA

VESTIBULARES 2009.1

20

VESTIBULARES 2009.2

39

MAGNETISMO

VESTIBULARES 2009.1

45

VESTIBULARES 2009.2

66

FÕSICA MODERNA

VESTIBULARES 2009.1

72

VESTIBULARES 2009.2

81

japizzirani@gmail.com

ELETRICIDADE:

ELETROST£TICA

VESTIBULARES 2009.1

VESTIBULARES 2009.2 P£G. 16

(UFABC-2009.1) - ALTERNATIVA: E

Com relaÁ„o ‡ ocorrÍncia de uma descarga elÈtrica na atmosfe- ra, analise:

I. objetos pontiagudos como o p·ra-raios est„o mais propensos

a dissipar cargas elÈtricas, pois, devido a sua forma, as cargas elÈtricas livres tendem a se acumular nesse local, em um pro- cesso conhecido como ìpoder das pontasî;

II. o processo de ac˙mulo de cargas na atmosfera assemelha-se

ao processo de carga de duas placas condutoras paralelas que possuem um dielÈtrico entre elas. Quando o raio ocorre, diz-se

que o dielÈtrico, no caso o ar, foi rompido, passando a conduzir; III. o interior de corpos met·licos, como um carro, constitui um ambiente seguro contra raios que neles incidam, devido ao fato de o campo elÈtrico no interior desses corpos ser nulo.

… correto o contido em

a) I, apenas.

b) I e II, apenas.

c) I e III, apenas.

d) II e III, apenas.

*e) I, II e III.

(PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: D Dois objetos met·licos esfÈricos idÍnticos, contendo cargas elÈ- tricas de 1C e de 5C, s„o colocados em contato e depois afasta- dos a uma dist‚ncia de 3 m. Considerando a Constante de

Coulom b k = 9 x 10 9 N m 2 /C 2 , podemos dizer que a forÁa que atua entre as cargas apÛs o contato È:

a) atrativa e tem mÛdul o 3 x 10 9 N.

b) atrativa e tem mÛdul o 9 x 10 9 N.

c) repulsiva e tem mÛdulo 3 x 10 9 N.

*d) repulsiva e tem mÛdul o 9 x 10 9 N.

e) zero.

(PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: B Duas esferas idÍnticas, carregadas com carga s Q = 30 C, es- t„o suspensas a partir de um mesmo ponto por dois fios isolan- tes de mesmo comprimento como mostra a figura.

fios isolan- tes de mesmo comprimento como mostra a figura. Em equilÌbrio, o ‚ngulo , formado

Em equilÌbrio, o ‚ngulo , formado pelos dois fios isolantes com

vertical, È 45 O . Sabendo que a massa de cada esfera È de 1 kg, que a Constante de Coulom b È k = 9 x 10 9 N m 2 /C 2 e que a aceleraÁ„o da gravidad e È g = 10 m/s 2 , determine a dist‚ncia entre as duas esferas quando em equilÌbrio. Lembre-se de que = 10 ñ6 .

a) 1,0 m

*b) 0,9 m

c) 0,8 m

d) 0,7 m

e) 0,6 m

a

ñ 6 . a) 1,0 m *b) 0,9 m c) 0,8 m d) 0,7 m e)
ñ 6 . a) 1,0 m *b) 0,9 m c) 0,8 m d) 0,7 m e)

(VUNESP/UNISA-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma particula, de massa 1.10 ñ5 kg e eletrizada com carga 2 C,e abandonada no ponto A de um campo eletrico uniforme E, cujas linhas de forÁa e superficies equipotenciais estao representadas na figura.

e superficies equipotenciais estao representadas na figura. A velocidade com que atingir· o ponto B, em
e superficies equipotenciais estao representadas na figura. A velocidade com que atingir· o ponto B, em

A velocidade com que atingir· o ponto B, em m/s, ser· de

*a) 4.

b) 6.

c) 10.

d) 16.

e) 20.

(UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: A

A figura mostra uma carga Q fixa, e uma pequena carga de pro-

va, positiva, q que foi abandonada nas proximidades de Q. Na

situaÁ„o mostrada q se desloca para a direita sob a aÁ„o exclu- siva do campo elÈtrico criado por Q.

A figura tambÈm mostra as superfÌcies equipotenciais (linhas

pontilhadas) do campo elÈtrico criado por Q, bem como seus valores relativos ao infinito.

criado por Q, bem como seus valores relativos ao infinito. Pode-se afirmar que *a) Q È

Pode-se afirmar que

*a) Q È positiva , e o trabalho da forÁa de Q sobr e q È positivo.

b) Q È positiva , e o trabalho da forÁa de Q sobr e q È negativo.

c) Q È negativa , e o trabalho da forÁa de Q sobr e q È positivo.

d) Q È negativa , e o trabalho da forÁa de Q sobr e q È negativo.

e) com as informaÁıes dadas n„o È possÌvel determinar o sinal

de Q.

(VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: A Duas esferas ocas, de mesmos raio e material, eletrizadas inici- almente com carga s Q e ñ3Q, s„o mantidas a uma dist‚ncia d tal que n„o haja induÁ„o elÈtrica de uma sobre a outra. O meio onde as esferas se encontram tem constante dielÈtrica k. Procede-se a ligaÁ„o delas mediante um cabo condutor atÈ que seja estabelecido o equilÌbrio eletrost·tico. O campo elÈtrico no ponto mÈdio do segmento de reta que liga uma esfera a outra ter·, ent„o, a intensidade *a) zero.

b) 2kQ/d 2 .

c) kQ/d 2 .

d) kQ/2d 2 .

e)

kQ/4d 2 .

(PUCPR-2009.1) - ALTERNATIVA: E Atualmente È grande o interesse na reduÁ„o dos impactos ambientais provocados pela agricultura atravÈs de pesquisas, mÈtodos e equipamentos. Entretanto, a aplicaÁ„o de agrotÛxicos praticada continua extre- mamente desperdiÁadora de energia e de produto quÌmico. O crescente aumento dos custos dos insumos, m„o-de-obra, ener- gia e a preocupaÁ„o cada vez maior em relaÁ„o ‡ contaminaÁ„o ambiental tÍm realÁado a necessidade de uma tecnologia mais adequada na colocaÁ„o dos agrotÛxicos nos alvos, bem como de procedimentos e equipamentos que levem ‡ maior proteÁ„o do trabalhador. Nesse contexto, o uso de gotas com cargas elÈ-

tricas, eletrizadas com o uso de bicos eletrost·ticos, tem-se mos- trado promissor, uma vez que, quando uma nuvem dessas partÌ- culas se aproxima de uma planta, ocorre o fenÙmeno de induÁ„o,

e a superfÌcie do vegetal adquire cargas elÈtricas de sinal oposto ao das gotas. Como conseq¸Íncia, a planta atrai fortemente as gotas, promovendo uma melhoria na deposiÁ„o, inclusive na parte inferior das folhas.

na deposiÁ„o, inclusive na parte inferior das folhas. A partir da an·lise das informaÁıes, È CORRETO

A partir da an·lise das informaÁıes, È CORRETO afirmar:

a) As gotas podem estar neutras que o processo acontecer· da

mesma forma.

b) O fenÙmeno da induÁ„o descrito no texto se caracteriza pela

polarizaÁ„o das folhas das plantas, induzindo sinal igual ao da carga da gota.

c) Quanto mais prÛximas estiverem gotas e folha menor ser· a

forÁa de atraÁ„o.

d) Existe um campo elÈtrico no sentido da folha para as gotas.

*e) Outro fenÙmeno importante surge com a repuls„o m˙tua en- tre as gotas apÛs saÌrem do bico: por estarem com carga de mesmo sinal, elas se repelem, o que contribui para uma melhoria na distribuiÁ„o do defensivo nas folhas.

(VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: B

A dist‚ncia entre duas placas planas e paralelas È de 1,0 cm.

O potencial elÈtrico dos pontos da placa A È nulo e o da placa B

È 220 V. O ponto C est· localizado bem no centr o e a meia dis-

t‚ncia das placas. A intensidade, em V/m, do campo elÈtrico em

C est· corretamente representada na alternativa:

em C est· corretamente representada na alternativa: a) 2,2.10 5 . *b) 2,2.10 4 . c)

a) 2,2.10 5 .

*b) 2,2.10 4 .

c) 2,2.10 3 .

d) 2,2.10 2 .

e) 2,2.10.

(VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: E

Considere um hex·gono regular, de lados , em que quatro vÈr- tices s„o ocupados por cargas fixas Q, iguais em valor absoluto.

O meio que o envolve tem constante dielÈtrica k.

absoluto. O meio que o envolve tem constante dielÈtrica k. A diferenÁa de potencial elÈtrico entre
absoluto. O meio que o envolve tem constante dielÈtrica k. A diferenÁa de potencial elÈtrico entre

A diferenÁa de potencial elÈtrico entre os pontos A e B, n„o ocu-

pados por cargas, vale a) 4 kQ . b) ñ4 kQ . c) 2 kQ
pados por cargas, vale
a) 4 kQ
.
b) ñ4 kQ
.
c) 2 kQ
.
d) ñ2 kQ
.

*e) zero.

(VUNESP/UNICID-2009.1) - ALTERNATIVA: E

Cinco cargas pontuais, de mesmo mÛdulo, s„o dispostas de modo

a formar um quadrado de lado L; quatro cargas est„o fixas nos

vÈrtices do quadrado e uma quinta, em equilÌbrio, exatamente no centro do quadrado.

quinta, em equilÌbrio, exatamente no centro do quadrado. Pode-se afirmar que a) as carga s 1

Pode-se afirmar que

a) as carga s 1 e 2 tÍm sinal oposto.

b) as carga s 1 e 5 tÍm o mesmo sinal.

c) o potencial elÈtrico no centro do quadrado È nulo.

d) o potencial elÈtrico no vÈrtice em que se encontra a carga 3 È

nulo. *e) o potencial elÈtrico no vÈrtice em que se encontra a carga 4 depende de L.

(UFF/RJ-2009.1) - ALTERNATIVA: A TrÍs esferas met·licas, apoiadas em suportes isolantes, s„o co- locadas prÛximas, como no desenho abaixo, porÈm sem se toca- rem. Um bast„o carregado positivamente È aproximado da pri- meira esfera.

carregado positivamente È aproximado da pri- meira esfera. Assinale o diagrama que melhor representa a distribuiÁ„o

Assinale o diagrama que melhor representa a distribuiÁ„o de cargas nas esferas.

*a)

b)

c)

o diagrama que melhor representa a distribuiÁ„o de cargas nas esferas. *a) b) c) d) e)
o diagrama que melhor representa a distribuiÁ„o de cargas nas esferas. *a) b) c) d) e)

d)

e)

(UFERJ/UNIRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: B ìComo È que um corpo interage com outro, mesmo ‡ dist‚ncia?î Com o desenvolvimento da idÈia de Campo Gravitacional criado por uma massa, passou a se explicar a forÁa de atraÁ„o

gravitacional com mais clareza e melhor entendimento: uma por- Á„o de matÈria cria em torno de si um campo gravitacional, onde cada ponto È associado um vetor aceleraÁ„o da gravidade. Quan-

do

um outro corpo È colocado neste ponto, passa a sofrer a aÁ„o

de

uma forÁa de origem gravitacional.

PRIMEIRA FIGURA

de uma forÁa de origem gravitacional. PRIMEIRA FIGURA IdÈia semenhante se aplica para o campo elÈtrico

IdÈia semenhante se aplica para o campo elÈtrico gerado por uma carga Q, com uma carga de prova q colocada num ponto P. prÛxima a Q , que sofre a aÁ„o de uma forÁa elÈtrica F .

SEGUNDA FIGURA

sofre a aÁ„o de uma forÁa elÈtrica F . SEGUNDA FIGURA TERCEIRA FIGURA Com relaÁ„o ‡s

TERCEIRA FIGURA

de uma forÁa elÈtrica F . SEGUNDA FIGURA TERCEIRA FIGURA Com relaÁ„o ‡s trÍs figuras, na

Com relaÁ„o ‡s trÍs figuras, na ordem em que elas aparecem e, ainda com relaÁ„o ao texto enunciado, analise as afirmativas abaixo.

I - Para que o corpo de massa m seja atraido pela Terra, È neces- s·rio que ele esteja eletrizado.

II - Para que a carga elÈtrica q da segunda figura seja submentida

‡ forÁa indicada, È necess·rio que ela esteja carregada positiva- mente.

III - Se o corpo de massa m, da primeira figura, estiver negativa-

mente carregado, ele sofrer· uma forÁa de repuls„o.

IV - N„o importa a carga do corpo de massa m, da primeira figu-

ra, matÈria sempre atrai matÈria na raz„o inversa do produto de

suas massas.

V - A carga elÈtrica q , na terceira figura, com toda certeza È ne-

gativa.

Pode-se afirmar que

a) somente IV È verdadeira.

*b) somente I I e V s„o verdadeiras.

c) somente II, III e V s„o verdadeiras.

d) soment e I e IV s„o verdadeiras.

e) todas s„o verdadeiras.

(UTFPR-2009.1) - ALTERNATIVA: A

A forÁa de atraÁ„o entre duas cargas elÈtricas pontuais, quando

est„o separadas por 5,0 cm, È de 20 N. Encontre o valor da forÁa

quando elas estiverem separadas por 10 cm. *a) 5,0 N

b) 40 N

c) 10 N

d) 15 N

e) 1,0 N

(UFOP-2009.1) - ALTERNATIVA: B Experimento - ForÁa elÈtrica, F, em Newtons, entre duas cargas puntiformes iguais, mantidas no v·cuo, em funÁ„o da dist‚ncia,

d, entre elas.

no v·cuo, em funÁ„o da dist‚ncia, d, entre elas. O mÛdulo das cargas puntiformes utilizadas no

O mÛdulo das cargas puntiformes utilizadas no experimento È:

a) (200) 0,5 C

*b) (20) 0,5 C c) (2) 0,5 C d) (0,2) 0,5 C
*b) (20) 0,5
C
c) (2) 0,5 C
d) (0,2) 0,5 C

(FUVEST-2009.1) - ALTERNATIVA: B

Uma barra isolante possui quatro encaixes, nos quais s„o colo- cadas cargas elÈtricas de

encaixes, nos quais s„o colo- cadas cargas elÈtricas de Fig 5 2009 ETO mesmo mÛdulo, sendo

Fig 5 2009 ETO

mesmo mÛdulo, sendo as positivas nos encaixes claros e as negativas nos encaixes escuros. A cer- ta dist‚ncia da barra, a di- reÁ„o do campo elÈtrico

Fig 6 2009 ETO

da barra, a di- reÁ„o do campo elÈtrico Fig 6 2009 ETO est· indicada na figura

est· indicada na figura ‡ esquerda. Uma armaÁ„o foi construÌda com quatro dessas barras, formando um quadra- do, como representado ‡ direita. Se uma carga positiva for colo- cada no centro P da armaÁ„o, a forÁa elÈtrica que agir· sobre a carga ter· sua direÁ„o e sentido ndicados por

Desconsidere eventuais efeitos de cargas induzidas.

Desconsidere eventuais efeitos de cargas induzidas.

Desconsidere eventuais efeitos de cargas induzidas. Fig 7 2009 ETO
Desconsidere eventuais efeitos de cargas induzidas. Fig 7 2009 ETO
Fig 7 2009 ETO

Fig 7 2009 ETO

eventuais efeitos de cargas induzidas. Fig 7 2009 ETO a) ForÁa nula *b) c) d) e)

a) ForÁa nula

*b)

c)

d)

e)

(IMT/MAU£-2009.1) - RESPOSTA: a) zero

Q B = 4Q/3 Considere duas superfÌcies esfÈricas concÍntricas A e B, de rai- os R e 2R, respectivamente. Cada uma delas tem a carga elÈtri- ca positiva Q.

b) Q A = 2Q/3 e

tem a carga elÈtri- ca positiva Q. b) Q A = 2Q/3 e a) Determine o

a) Determine o campo elÈtrico no interior da superfÌcie A.

b) Num dado instante as superfÌcies s„o conectadas por um fio

condutor. Qual passar· a ser a carga de cada superfÌcie apÛs ter sido atingido o equilÌbrio eletrost·tico?

(UNEMAT/MT-2009.1) - ALTERNATIVA: B Na figura abaixo, as cargas elÈtricasQeq isoladas e alinhadas horizontalmente s„o respectivamente carga principal (fonte) e carga de prova.

respectivamente carga principal (fonte) e carga de prova. Nessa situaÁ„o pode-se afirmar que a) Q <

Nessa situaÁ„o pode-se afirmar que

a) Q < 0 e q < 0.

*b) Q > 0 e q < 0.

c) Q < 0 e q neutra.

d) Q > 0 e q > 0.

e) Q < 0 e q > 0.

(UEM/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 29 (01+04+08+16) Considere duas placas condutoras, paralelas e infinitas, dispos- tas horizontalmente a uma dist‚ncia d uma da outra. As placas possuem a mesma densidade de carga superficial e de sinais opostos e est„o imersas no v·cuo. Assinale a(s) alternativa(s) correta(s). 01) O mÛdulo do vetor campo elÈtrico na regi„o entre as placas È diretamente proporcional ‡ densidade superficial de carga nas mesmas. 02) Uma partÌcula carregada, lanÁada paralelamente ‡s placas e entre elas, descreve uma trajetÛria hiperbÛlica. 04) A funÁ„o x(t) da posiÁ„o horizontal em relaÁ„o ao tempo t do movimento de uma partÌcula carregada, lanÁada paralelamente ‡s placas e entre elas, È linear. 08) AtrajetÛria de uma partÌcula carregada, lanÁada paralelamente ‡s placas e entre elas, È representada pela funÁ„ o y = cx 2 , em que c È uma constante. 16) A funÁ„o y(t) da posiÁ„o vertical em relaÁ„o ao tempo t do movimento de uma partÌcula carregada, lanÁada paralelamente ‡s placas e entre elas, È quadr·tica.

(UEM/PR-2009) - RESPOSTA: SOMA = 13 (01+04+08) Considere um capacitor de placas paralelas com v·cuo entre as placas. Assinale a(s) alternativa(s) correta(s). Considere a permissividade elÈtrica no v·cuo

0 = 8,9 10 ñ12 C 2 N ñ1 m ñ2 . 01) No capacitor, os valores nominais (C e V) especificam a ca- pacidade e a m·xima diferenÁa de potencial que esse suporta sem romper sua rigidez dielÈtrica. 02) Quando o capacitor est· completamente carregado, o cam- po elÈtrico entre as placas do capacitor È nulo.

04) Para um capacitor com placas de ·re a S = 150,0 cm 2 e uma dist‚ncia entre elas de 0,5 mm, a capacidade do capacitor È 26,7

10 ñ11 F.

08) Se ligarmos o capacitor a uma bateria, a carga m·xima que pode ser armazenada no mesmo depende da diferenÁa de po- tencial fornecida pela bateria. 16) A carga m·xima que pode ser armazenada em um capacitor

com valores nominais de 10,0 10 ñ12 F e 5 V È 5,0 10 ñ11 Cea energia potencial acumulada no capacitor, nessa condiÁ„o, È 2,5

10 ñ9 J.

no capacitor, nessa condiÁ„o, È 2,5 10 ñ 9 J. (MACKENZIE-2009.1) - ALTERNATIVA: C Considere os

(MACKENZIE-2009.1) - ALTERNATIVA: C Considere os pontos A e B do campo elÈtrico gerado por uma

carga puntiforme positiva Q no v·cuo (k O = 9.10 9 N.m 2 /C 2 ). Uma outra carga puntiforme, de 2 C, em repouso, no ponto A, È leva- da com velocidade constante ao ponto B, realizando-se o traba- lho de 9 J.

O valor da carga Q, que cria o campo, È

a) 10 C

b) 20 C

*c) 30 C

d) 40 C

e) 50 C

cria o campo, È a) 10 C b) 20 C *c) 30 C d) 40 C
cria o campo, È a) 10 C b) 20 C *c) 30 C d) 40 C

(MACKENZIE-2009.1) - ALTERNATIVA: E As armaduras de um capacitor plano, distanciadas entre si de 1,00 mm, est„o submetidas a uma d.d.p. de 1,67 kV. Em um certo instante, um prÛton (m = 1,67 10 ñ27 kg; q = + e = 1,60 10 ñ19 C) chega ao ponto A com energia de 3,34 10 ñ1 MeV, segundo a direÁ„o orientada do eixo x. O ponto A È a origem do sistema de referÍncias. No ponto de absciss a x = 4,00 mm, a ordenada de sua posiÁ„o È, segundo o referencial indicado na figura, aproximadamente igual a

a) Desprezar os efeitos

b) gravitacionais e os efeitos
c)

+ 0,20

ñ 0,20

+ 2,00

m m m m
m
m
m
m

relativÌsticos

Dado: 1 MeV = 1,6.10 ñ13 J

d) ñ 2,00

*e) ñ 20,0 m

Dado: 1 MeV = 1,6.10 ñ 1 3 J d) ñ 2,00 *e) ñ 20,0 m

(UFPR-2009.1) - RESPOSTA: X = 0,5 m Duas esferas com cargas Q est„o fixas e separadas por uma dist‚ncia X. Acima delas È colocada uma terceira esfera de mas- sa m e carga q, de modo que, no equilÌbrio, elas ficam dispostas conforme mostrado na figura abaixo.

elas ficam dispostas conforme mostrado na figura abaixo. As duas esferas inferiores possuem cargas iguais a

As duas esferas inferiores possuem cargas iguais a 4,0 x 10 ñ8 C cada uma, enquanto que a esfera superior possui carga igual a 2,5 x 10 ñ6 C e massa igual a 1,08 g. Sabendo que o ‚ngulo È igual a 60 , calcule a dist‚ncia X entre as esferas inferiores para essa configuraÁ„o das trÍs cargas. (Adot e g = 10 m/s 2 ek=9 10 9 N.m 2 /C 2 - dados n„o fornecidos na prova)

9 N.m 2 /C 2 - dados n„o fornecidos na prova) (UFSC-2009.1) - RESPOSTA: SOMA =

(UFSC-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 26 (02+08+16) Duas esferas condutoras isoladas tÍm raio s R e 2R e est„o afas- tadas por uma dist‚ncia a. Inicialmente, a esfera maior tem um excesso de carga positiva + q e a menor est· neutra. Encosta-se uma esfera na outra e, em seguida, as duas s„o reconduzidas ‡ posiÁ„o inicial. Nesta ˙ltima situaÁ„o, È CORRETO afirmar que:

01.

a forÁa eletrost·tica entre as esferas È k 0 .q 2 (4a 2 ).

a forÁa eletrost·tica entre as esferas È k 0 .q 2 (4a 2 ). a esfera

a esfera menor tem carga +q 3 e a maior, +2q 3.

02.

04.

o potencial elÈtrico na esfera maio r È a metade do valor do

potencial na esfera menor.

08. todo o excesso de carga da esfera menor est· localizado na

sua superfÌcie.

16.

o campo elÈtrico no interior da esfera menor È nulo.

32.

a diferenÁa de potencial entre quaisquer dois pontos da esfe-

ra maior È diferente de zero.

(UERJ-2009.1) - RESPOSTA: E C = 1010 eV 1,0 10 3 eV Um elÈtron deixa a superfÌcie de um metal com energia cinÈtica igual a 10 eV e penetra em uma regi„o na qual È acelerado por um campo elÈtrico uniforme de intensidade igual a 1,0 10 4 V/m. Considere que o campo elÈtrico e a velocidade inicial do elÈtron tÍm a mesma direÁ„o e sentidos opostos. Calcule a energia cinÈtica do elÈtron, em eV, logo apÛs percorrer os primeiros 10 cm a partir da superfÌcie do metal. Considere 1eV = 1,6 10 ñ19 J e carga do elÈtron = 1,6 10 ñ19 C.

do metal. Considere 1eV = 1,6 10 ñ 1 9 J e carga do elÈtron =

(UFU-2009.1) - RESPOSTA: 1F; 2V; 3F; 4V Considere um sistema composto de uma esfera condutora de raio R, disposta concentricamente no interior de uma casca esfÈ- rica condutora de raios 3R e 4R, conforme figura abaixo. A esfera n„o possui contato com a casca esfÈrica.

abaixo. A esfera n„o possui contato com a casca esfÈrica. Sabendo-se que a esfera de raio

Sabendo-se que a esfera de raio R est· eletricamente carregada com uma carga +Q e que a casca esfÈrica est· eletricamente carregada com uma carga +15Q, marque para as alternativas abaixo (V) Verdadeira ou (F) Falsa. 1 ( ) As cargas elÈtricas, na superfÌcie da esfera (raio R), na superfÌcie interna da casca esfÈrica (raio 3R), e na superfÌcie externa da casca esfÈrica (raio 4R) valem, respectivamente, +Q, -Q e 0. 2()O esboÁo do gr·fico para o mÛdulo do campo elÈtrico (E) em funÁ„o da dist‚ncia (d) ao centro da esfera pode ser esquematicamente representado pela figura abaixo.

pode ser esquematicamente representado pela figura abaixo. 3()O mÛdulo do campo elÈtrico na superfÌcie da esfera

3()O mÛdulo do campo elÈtrico na superfÌcie da esfera condutora (raio R) vale E(R) = 2KQ / R 2 , onde K È a constante elestrost·ica. 4()O valor do potencial em qualquer ponto na casca esfÈrica (entre 3R e 4R) vale 4KQ / R, ond eKÈa constante elestrost·tica.

(ITA-2009.1) - ALTERNATIVA: B Uma carga q distribui-se uniformemente na superfÌcie de uma

esfera condutora, isolada, de raio R. Assinale a opÁ„o que apre- senta a magnitude do campo elÈtric o e o potencial elÈtrico num ponto situado a uma dist‚nci a r = R/3 do centro da esfera.

a) E = 0 V/m e U = 0 V

*b) E = 0 V/m e U = (1 4 0 ) (q R)

= 0 V/m e U = 0 V *b) E = 0 V/m e U =

c) E = 0 V/m e U = (1 4

E = (1 4

e U = (1 4 0 ) (q R) c) E = 0 V/m e U

0 ) (3q R)

d) E = 0 V/m e U = (1 4

e)

0 ) (qr R 2 )

0 ) (rq R 3 )eU=0V

(UNIFESP-2009.1) - ALTERNATIVA: D Considere a seguinte ìunidadeî de medida: a intensidade da for- Áa elÈtrica entre duas cargas q, quando separadas por uma dis- t‚ncia d, È F. Suponha em seguida que uma carga q 1 = q seja

colocada frente a duas outras cargas, q 2 = 3q e q 3 = 4q, segundo

a disposiÁ„o mostrada na figura.

A intensidade da forÁa elÈtrica resultante sobre a carga q 1 , devi-

do ‡s cargas q 2 e q 3 , ser·

a) 2F.

b) 3F.

c) 4F.

*d) 5F.

e) 9F.

2 e q 3 , ser· a) 2F. b) 3F. c) 4F. *d) 5F. e) 9F.

(ITA-2009.1) - ALTERNATIVA: E Uma partÌcula carregada negativamente est· se movendo na di- reÁ„o +x quando entra em um campo elÈtrico uniforme atuando nessa mesma direÁ„o e sentido. Considerando que sua posiÁ„o em t = 0 s È x = 0 m, qual gr·fico representa melhor a posiÁ„o da partÌcula como funÁ„o do tempo durante o primeiro segundo?

a)

b)

x
x

t

c)

x
x

t

x
x

d)

t

x
x

t

*e)

x
x

b)

t

(ITA-2009.1) - ALTERNATIVA: D (RESOLU« O NO FINAL)

Na figura, o circuito consiste de uma bateria de tens„o V conectada a um capacitor de placas paralelas, de ·re a S e dist‚ncia d entre si, dispondo de um dielÈtrico de permissividade elÈtrica que preenche completamente o espaÁo entre elas. Assinale a mag- nitude da carga q induzida sobre a superfÌcie do dielÈtrico.

da carga q induzida sobre a superfÌcie do dielÈtrico. a) q = Vd b) q =
a) q = Vd b) q = SV/d c) q = ( ñ 0 )Vd
a) q =
Vd
b) q =
SV/d
c) q = ( ñ 0 )Vd
*d) q = ( ñ 0 )SV/d
e)
q = (
+
0 )SV/d

RESOLU« O: ITA-2009.1:

Capacitor sem o dielÈtrico, ligado ao gerador de tens„o V:

C 0 = 0 S/d

ligado ao gerador de tens„o V: C 0 = 0 S/d Q 0 = C 0

Q 0 = C 0 V = 0 SV/d

V: C 0 = 0 S/d Q 0 = C 0 V = 0 SV/d Ao

Ao introduzirmos o dielÈtrico, haver· induÁ„o de cargas opostas nas suas superfÌcies. Sej a q o mÛdulo da carga induzida. Em princÌpio, essa carga gera um campo elÈtrico E, oposto ao cam- po inicial. Para n„o alterar o campo interno, a carga final Q f do capacitor vai aumentar. Q f =q+Q 0 q=Q f ñ Q 0

Com o dielÈtrico, temos: C = S/d Q f = CV = SV/d q=( - 0 )SV/d

temos: C = S/d Q f = CV = SV/d q=( - 0 )SV/d (FEI/SP-2009.1) -
temos: C = S/d Q f = CV = SV/d q=( - 0 )SV/d (FEI/SP-2009.1) -
temos: C = S/d Q f = CV = SV/d q=( - 0 )SV/d (FEI/SP-2009.1) -
temos: C = S/d Q f = CV = SV/d q=( - 0 )SV/d (FEI/SP-2009.1) -

(FEI/SP-2009.1) - ALTERNATIVA: E

Considerando os princÌpios da eletrost·tica, È correto afirmar que:

a) Cargas elÈtricas de mesmo sinal se atraem.

b) Cargas elÈtricas de sinais diferentes se repelem.

c) Cargas elÈtricas s„o compostas de nÍutrons.

d) Cargas elÈtricas positivas s„o compostas de elÈtrons.

*e) Em um sistema eletricamente isolado a soma algÈbrica das cargas positivas e negativas È constante.

(ITA-2009.1) - RESPOSTA: Q 1 = ñ2Qa /b, Q 2 = (Q a/b)(2 a/b ñ 1) e

Q 3 = (Q a 2 / b 2 )(3 ñ 2a/b) (RESOU« O NO FINAL)

TrÍs esferas condutoras, de raio a e carga Q, ocupam os vÈrtices de um tri‚ngulo equil·tero de lado b >> a, conforme mostra a figura (1). Considere as figuras (2), (3) e (4), em que, respectiva- mente, cada uma das esferas se liga e desliga da Terra, uma de cada vez. Determine, nas situaÁıes (2), (3) e (4), a carga das

esferas Q 1 , Q 2 e Q 3 , respectivamente, em funÁ„o de a, b e Q.

e Q 3 , respectivamente, em funÁ„o de a , b e Q. RESOLU« O: ITA-2009.1:
e Q 3 , respectivamente, em funÁ„o de a , b e Q. RESOLU« O: ITA-2009.1:

RESOLU« O: ITA-2009.1:

Estando uma das esferas ligada ‡ Terra, o potencial resultante nesta È nulo.

1) Na figura 2, temos:

V esf1 + V 3,1 + V 2,1 = 0

temos: V e s f 1 + V 3 , 1 + V 2 , 1

KQ 1 /a + KQ/ b + KQ/ b = 0

Q 1 = ñ2Qa/b

2) Na figura 3, temos:

V esf2 + V 1,2 + V 3,2 = 0

3) Na figura 4, temos:

V esf3 + V 1,3 + V 2,3 = 0

Q 2 = (Q a / b )(2 a / b ñ 1) 2 = (Q a/b)(2 a/ b ñ 1)

Q 3 = (Q a 2 / b 2 )(3 ñ 2 a / b ) 3 = (Q a 2 /b 2 )(3 ñ 2 a/ b)

(UNIFESP-2009.1) - ALTERNATIVA: E

A presenÁa de Ìons na atmosfera È respons·vel pela existÍncia

de um campo elÈtrico dirigido e apontado para a Terra. PrÛximo

ao solo, longe de concentraÁıes urbanas, num dia claro e limpo,

o campo elÈtrico È uniforme e perpendicular ao solo horizontal e

sua intensidade È de 120 V/m. A figura mostra as linhas de cam-

po e dois pontos dessa regi„o , M e N.

as linhas de cam- po e dois pontos dessa regi„o , M e N. O ponto

O ponto M est· a 1,20 m do solo, e N est· no solo. A diferenÁa de

potencial entre os ponto sMeNÈ

a) 100 V.

b) 120 V.

c) 125 V.

d) 134 V.

*e) 144 V.

(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B

A figura abaixo mostra uma carga puntual positiva +Q e outra

negativa ñQ, separadas por uma dist‚ncia 2L. O campo elÈtrico

resultante produzido por essas cargas est· ilustrado CORRETA- MENTE no ponto:

a) A

*b) B

c) C

d)

est· ilustrado CORRETA- MENTE no ponto: a) A *b) B c) C d) D (UFU/MG-2009.1) -

D

(UFU/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C Duas cargas elÈtricas, que se encontram separadas por uma dist‚ncia d em um determinado meio 1, interagem entre si com uma forÁa elÈtrica F. Quando essas cargas elÈtricas, ‡ mesma dist‚ncia d, s„o introduzidas em um meio 2, elas passam a se interagir com o dobro da forÁa anterior (2F). E, quando essas mesmas cargas, ‡ mesma dist‚ncia d, s„o introduzidas em um meio 3, elas interagem-se com a metade da forÁa inicial (F/2).

3, elas interagem-se com a metade da forÁa inicial (F/2). Utilizando a tabela acima que fornece

Utilizando a tabela acima que fornece a permissividade elÈtrica desses meios ( ), relativamente ao v·cuo, verifica-se que as subs- t‚ncias que compıem esses meios (meio1, mei o 2 e meio 3) podem ser, respectivamente,

a) vidro, parafina e Ûleo.

b) parafina, vidro e Ûleo.

*c) Ûleo, parafina e vidro.

d) Ûleo, vidro e parafina.

*c) Ûleo, parafina e vidro. d) Ûleo, vidro e parafina. (UDESC-2009.1) - RESPOSTA: a) 600V b)

(UDESC-2009.1) - RESPOSTA: a) 600V b) 0,0006 J c) gr·fico:

reta passando pela origem e pelo ponto (1,2cm; 0,0012J) d) gr·- fico: reta horizontal passando pelo ponto 0,0012J

O gr·fico abaixo representa a variaÁ„o da energia potencial de

uma carga elÈtrica de 10 ñ6 C, no v·cuo, submetida apenas ‡

aÁ„o de um campo elÈtrico uniforme e paralelo ao eixo x. Em x =

0,0 cm, a energia cinÈtica da carga È nula.

eixo x. Em x = 0,0 cm, a energia cinÈtica da carga È nula. a) Determine

a)

Determine o potencial elÈtrico e m x = 0,6 cm.

b)

Determine o trabalho realizado para levar a carga d e x = 0,2

cm

atÈ x = 0,8 cm.

c) Construa o gr·fico da energia cinÈtica em funÁ„o de x.

d) Construa o gr·fico da energia total em funÁ„o de x.

(UFV/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Sejam duas esferas met·lica s 1 e 2, de raios R 1 e R 2 , sendo R 1

< R 2 . Elas est„o carregadas positivamente, em contato entre si e

em equilÌbrio eletrost·tico. As esferas s„o, ent„o, separadas.

Sendo Q 1 e V 1 , respectivamente, a carg a e o potencial elÈtrico

da esfera 1, e Q 2 e V 2 as grandezas correspondentes para a

esfera 2, È CORRETO afirmar que:

*a) Q 1 < Q 2 e V 1 = V 2

b) Q 1 = Q 2 e V 1 = V 2

c) Q 1 = Q 2 e V 1 < V 2

d) Q 1 < Q 2 e V 1 < V 2

(UFMS-2009.1) - ALTERNATIVA:B

A figura mostra um dispositivo para experimentos de eletrost·tica,

cujo objetivo È determinar o sinal e a intensidade q das cargas elÈtricas de partÌculas desconhecidas. O dispositivo È utilizado da seguinte maneira: tendo duas cargas pontuais conhecidas +Q

e ñQ, ambas de mesmo mÛdulo, mas de sinais contr·rios, a +Q

È colocada na extremidade inferior de um pÍndulo que tem a

extremidade superior fixa em um suporte mÛvel. O suporte mÛ- vel do pÍndulo pode ser deslocado manualmente nos sentidos

hor·rio e anti-hor·rio sobre um semicÌrculo. A outra carga ñQ e a carga q desconhecida s„o fixas eq¸idistantes do centro O do semicÌrculo, de maneira que a reta que une essas duas cargas È

a hipotenusa horizontal de um tri‚ngulo isÛsceles e ret‚ngulo,

veja a figura. O experimento È feito de maneira que, para cada carga desconhecida q, movimenta-se o suporte sobre o circulo no sentido hor·rio ou anti-hor·rio, atÈ que a carga +Q do pÍndulo fique suspensa e em equilÌbrio no centro do semicÌrculo. Nessa

situaÁ„o de equilÌbrio, o pÍndulo formar· um ‚ngulo com a horizontal. Com fundamentos nas leis de Newton e de Coulomb,

e desprezando os efeitos gravitacionais, assinale a alternativa correta. Considere as cargas +Q e ñQ n„o nulas.

correta. Considere as cargas +Q e ñQ n„o nulas. c a r g a pÍndulo em
correta. Considere as cargas +Q e ñQ n„o nulas. c a r g a pÍndulo em

carga

pÍndulo em

equilÌbrio

tri‚ngulo isÛceles

e ret‚ngulo

suporte mÛvel

do pÍndulo

desconhecida

a) Se

*b) Se

c) Se

d) Se

Se

e)

/2 > = /2 >
/2 >
=
/2 >

> /4 , q ser· negativa e de mÛdulo maior que Q. /4 , q È nula.

/4 > > 0 o , q ser· negativa e de mÛdulo menor que Q.

= 0 o , q È negativa e de mÛdulo igual a Q.

> 0 o , q ser· sempre positiva.

(UNIOESTE/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: C

Considere duas cargas, de mesmo valor e sinal, colocadas a uma dist‚ncia d uma da outra. … INCORRETO afirmar que

a) a forÁa eletrost·tica resultante sobre uma terceira carga colo-

cada no ponto mÈdio da linha que une as cargas È nula, qualquer que seja o sina l e o valor da carga.

b) o campo elÈtrico È nulo no ponto mÈdio da linha que une as

cargas. *c) o potencial elÈtrico È nulo no ponto mÈdio da linha que une as cargas.

d) se a carga elÈtrica das duas cargas for reduzida ‡ metade e a

dist‚ncia entre elas duplicada, a nova forÁa entre as cargas ser· 16 vezes menor que a forÁa original.

e) se a dist‚ncia entre as cargas for duplicada a energia potenci-

al elÈtrica do sistema ser· reduzida ‡ metade do seu valor origi- nal.

(UFPE-2009.1) - RESPOSTA: R 1,0 cm Se tivermos um campo elÈtrico maior que 1 10 6 N/C num ambi- ente com certa umidade, Ìons ser„o rapidamente formados re- sultando pequenas centelhas (nessas condiÁıes o ar torna-se um condutor). Qual o raio mÌnimo (em cm) que pode ter uma esfera condutora para armazenar uma carga Q = 1,1 10 ñ8 C neste ambiente? Consider e k = 9 10 9 Vm/C.

8 C neste ambiente? Consider e k = 9 10 9 Vm/C. (UFPE-2009.1) - RESPOSTA: |

(UFPE-2009.1) - RESPOSTA: | E P / E C | = 2 (resoluÁ„o no final) Um elÈtron est· descrevendo uma Ûrbita circular ao redor de um prÛton. Qual o mÛdulo da raz„o |E P / E C | entre a energia potenci- al, E P , e a energia cinÈtica, E C , deste elÈtron?

RESOLU« O: UFPE-2009.1:

Para exprimir a energia cinÈtica em funÁ„o do raio da Ûrbita iden- tificamos a forÁa coulombiana como a forÁa centrÌpeta da trajetÛ- ria.

F = ke 2 /R 2 = mv 2 /R E C = mv 2
F = ke 2 /R 2 = mv 2 /R
E C = mv 2 /2 = ke 2 /(2R)

mv 2 = ke 2 /R

O potencial a uma dist‚ncia R do prÛton È : U = ke/R, portanto, a

energia potencial do elÈtron ser·:

E P = ke 2 /R

a energia potencial do elÈtron ser·: E P = ke 2 /R |E P / E

|E P / E C |=2

(UNIFAL/MG-2009.1) - RESPOSTA: a) E = +120 N/C (horizontal

de Q 1 para Q 2 )

b) V = ñ18V

c ) F = 18.10 ñ9 N (atraÁ„o)

A

figura a seguir representa duas cargas elÈtricas Q 1 = 9,0.10 ñ10

C,

positiva, e Q 2 = 18,0.10 ñ10 C, negativa, distantes uma da outra

de 0,9 m. Considere que as cargas est„o no v·cuo. Considere a constante eletrost·tica no v·cu o k = 9,0.10 9 N.m 2 /C 2 . A seta indi- ca o referencial adotado.

Q 1

/C 2 . A seta indi- ca o referencial adotado. Q 1 Q 2 Determine: a)
/C 2 . A seta indi- ca o referencial adotado. Q 1 Q 2 Determine: a)
/C 2 . A seta indi- ca o referencial adotado. Q 1 Q 2 Determine: a)

Q 2

Determine:

a) o mÛdulo e a direÁ„o do vetor campo elÈtrico resultante no

ponto intermedi·rio entre as cargas;

b) o potencial elÈtrico resultante no ponto intermedi·rio entre as

partÌculas;

c) o mÛdulo da forÁa de interaÁ„o elÈtrica entre as partÌculas.

(VUNESP/FMJ-2009.1) - ALTERNATIVA: E

A intensidade da forÁa de interaÁ„o eletrost·tica F entre duas

cargas elÈtricas puntiformes Q e q distantes d uma da outra È dada pela Lei de Coulomb, descrita pela express„o

F = K

Qq

d 2

em que K È uma constante caracterÌstica do meio no qual est„o as cargas. No Sistema Internacional de Unidades, uma possÌvel maneira de expressar a unidade de medida da constant eKÈa indicada na alternativa

a)

b)

c)

N.C 2

m

2

C 2

N.m 2

s 2 .C 2

kg 3 .m

d)

kg.m 3 .s 2

C

2

*e)

kg.m 3

s 2 .C 2

(UFC/CE-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma esfera de cobre com raio da ordem de micrÙmetros possui uma carga da ordem de dez mil cargas elementares, distribuÌdas uniformemente sobre sua superfÌcie. Considere que a densidade superficial È mantida constante. Assinale a alternativa que con- tÈm a ordem de grandeza do n˙mero de cargas elementares em uma esfera de cobre com raio da ordem de milÌmetros.

a)

b)

c)

*d) 10 10 .

e) 10 1 .

10

10

10

19

.

16

.

13

.

(VUNESP/FMJ-2009.1) - RESPOSTA : q = 5,0 C Uma esfera de massa 0,2 kg est· apoiada sobre um dinamÙmetro dentro de um elevador que sobe em movimento retilÌneo e acele- rado com aceleraÁ„o 3 m/s 2 , como mostra a Figura 1. Outra es- fera idÍntica ‡ primeira, eletrizada com carga positiva q, est· apoiada em repouso, sobre outro dinamÙmetro feito de material isolante, sob aÁ„o de um campo elÈtrico uniforme E , vertical para baixo, e da gravidade, como mostra a Figura 2.

vertical para baixo, e da gravidade, como mostra a Figura 2. Sendo E = 12 x
vertical para baixo, e da gravidade, como mostra a Figura 2. Sendo E = 12 x
vertical para baixo, e da gravidade, como mostra a Figura 2. Sendo E = 12 x

Sendo E = 12 x 10 4 N/C e g = 10 m/s 2 , determine o mÛdulo da carga q, para que a leitura seja a mesma nos dois dinamÙmetros.

(UFC/CE-2009.1) - RESPOSTA: E = (m/q)(g + v 2 /L) - (OBS.: A quest„o pede o m·ximo alcance horizontal quando a partÌcula deixa a regi„o onde existe campo elÈtrico - lanÁamento de projÈ- til, a velocidade vertical deve ser igual a horizontal = 45 ) Uma partÌcula de massa m e carga positiva q, com velocidade horizontal v (mÛdulo v), penetra numa regi„o de comprimento L (paralelo ‡ velocidade inicial da partÌcula), na qual existe um cam- po elÈtrico vertical E (constante), conforme a figura abaixo. A aceleraÁ„o da gravidade local È g (de mÛdulo g, direÁ„o vertical e sentido para baixo).

g (de mÛdulo g, direÁ„o vertical e sentido para baixo). Na regi„o onde o campo elÈtrico
g (de mÛdulo g, direÁ„o vertical e sentido para baixo). Na regi„o onde o campo elÈtrico

Na regi„o onde o campo elÈtrico È n„o-nulo (entre as linhas ver- ticais tracejadas na figura acima), a forÁa elÈtrica tem mÛdulo maior que a forÁa peso. Determine o mÛdulo do campo elÈtrico para o qual a partÌcula apresenta o m·ximo alcance ao longo da linha horizontal localizada na altura em que ela deixa a regi„o do campo elÈtrico. Despreze quaisquer efeitos de dissipaÁ„o de ener- gia (resistÍncia do ar, atrito, etc.).

(FUVEST-2009.1) - RESPOSTA NO FINAL Um campo elÈtrico uniforme, de mÛdulo E, criado entre duas grandes placas paralelas carregadas, P 1 e P 2 , È utilizado para estimar a carga presente em pequenas esferas. As esferas s„o fixadas na extremidade de uma haste isolante, rÌgida e muito leve, que pode girar em torno do ponto O. Quando uma pequena esfera A, de massa M = 0,015 kg e carga Q, È fixada na haste, e sendo E igual a 500 kV/m, a esfera assume uma posiÁ„o de equilÌbrio, tal que a haste forma com a vertical um ‚ngulo = 45 . Para essa situaÁ„o:

com a vertical um ‚ngulo = 45 . Para essa situaÁ„o: a) Represente, no esquema da
com a vertical um ‚ngulo = 45 . Para essa situaÁ„o: a) Represente, no esquema da

a) Represente, no esquema da folha de respostas, a forÁa

gravitacional P e a forÁa elÈtrica F E que atuam na esfera A, quan- do ela est· em equilÌbrio sob aÁ„o do campo elÈtrico. Determine os mÛdulos dessas forÁas, em newtons.

b) Estime a carga Q, em coulombs, presente na esfera.

c) Se a esfera se desprender da haste, represente, no esquema da folha de respostas, a trajetÛria que ela iria percorrer, indican- do-a pela letra T.

NOTE E ADOTE:

Desconsidere efeitos de induÁ„o eletrost·tica. AceleraÁ„o da gravidade na Terra, g = 10 m/s 2 .

Fig 17 2009 ETO

da gravidade na Terra, g = 10 m/s 2 . Fig 17 2009 ETO A figura

A figura ao lado È dada na folha de respostas

RESPOSTA: FUVEST-2009.1:

a)

c)

F E = P = 0,15 N (figura abaixo) b )|Q|= 3,0 10 ñ7 C

FUVEST-2009.1: a) c) F E = P = 0,15 N (figura abaixo) b )|Q|= 3,0 10

(UFC/CE-2009.1) - RESPOSTA: C 1 = C 2 = 2q/ Dois capacitores desconhecidos s„o ligados em sÈrie a uma ba- teria de forÁa eletromotriz , de modo que a carga final de cada capacitor È q. Quando os mesmos capacitores s„o ligados em paralelo ‡ mesma bateria, a carga total final da associaÁ„o È 4q. Determine as capacit‚ncias dos capacitores desconhecidos.

Determine as capacit‚ncias dos capacitores desconhecidos. (UFC/CE-2009) - RESPOSTA: v = Na figura abaixo, È mostrada
Determine as capacit‚ncias dos capacitores desconhecidos. (UFC/CE-2009) - RESPOSTA: v = Na figura abaixo, È mostrada
Determine as capacit‚ncias dos capacitores desconhecidos. (UFC/CE-2009) - RESPOSTA: v = Na figura abaixo, È mostrada

(UFC/CE-2009) - RESPOSTA: v = Na figura abaixo, È mostrada uma distribuiÁ„o de trÍs partÌculas carregadas (duas com carga positiva e uma com carga negativa) localizadas ao longo dos eixos perpendiculares de um dado sis- tema de referÍncia. Todas as dist‚ncias est„o em unidades arbi- tr·rias (u.a.). As cargas positivas, ambas iguais a q, est„o fixas nas coordenadas (x,y), iguais a (4,0) e (ñ 4,0). A carga negativa, igual a ñ q, est· localizada, inicialmente em repouso, no ponto A, cujas coordenadas s„o (0,3).

em repouso, no ponto A, cujas coordenadas s„o (0,3). A aceleraÁ„o da gravidade local È constante

A aceleraÁ„o da gravidade local È constante (mÛdulo g) e aponta

no sentido negativo do eixo y do sistema de referÍncia, que est·

na vertical. Todas as partÌculas possuem a mesma massa m. A constante eletrost·tica no meio em que as partÌculas carregadas est„o imersas È K. Determine o mÛdulo da velocidade com que a partÌcula com car-

ga negativa chega ao ponto P, localizado pelas coordenadas (x,y)

= (0,ñ3).

(CEFETPI-2009.1) - ALTERNATIVA: B

O fato de ser nulo o campo elÈtrico nos pontos internos de um

condutor met·lico eletrizado originou uma importante aplicaÁ„o pr·tica conhecida como:

a)

conduÁ„o elÈtrica

*b) blindagem eletrost·tica

c)

eletrizaÁ„o

d) induÁ„o eletrost·tica

e)

blindagem eletrost·tica ou induÁ„o eletrost·tica

(UNICAMP-2009.1) - RESPOSTA: a) 1,8 10 3 N b) 3,2 10 ñ13 N

O fato de os n˙cleos atÙmicos serem formados por prÛtons e

nÍutrons suscita a quest„o da coes„o nuclear, uma vez que os prÛtons, que tÍm carga positiva q = 1,6 10 ñ19 C , se repelem atravÈs da forÁa eletrost·tica. Em 1935, H. Yukawa propÙs uma

teoria para a forÁa nuclear forte, que age a curtas dist‚ncias e mantÈm os n˙cleos coesos.

a) Considere que o mÛdulo da forÁa nuclear forte entre dois

prÛtons F N È igual a vinte vezes o mÛdulo da forÁa eletrost·tica entre eles F E , ou seja, F N = 20 F E . O mÛdulo da forÁa eletrost·tica entre dois prÛtons separados por uma dist‚nci a d È dado por

F E =K

q 2

d 2

,

onde K = 9,0 10 9 Nm 2 /C 2 . Obtenha o mÛdulo da forÁa nuclear forte F N entre os dois prÛtons, quando separados por uma dis-

t‚ncia d = 1,6 10 ñ15 m , que È uma dist‚ncia tÌpica entre prÛtons no n˙cleo. b) As forÁas nucleares s„o muito maiores que as forÁas que ace- leram as partÌculas em grandes aceleradores como o LHC. Num primeiro est·gio de acelerador, partÌculas carregadas deslocam-

se sob a aÁ„o de um campo elÈtrico aplicado na direÁ„o do mo-

vimento. Sabendo que um campo elÈtrico de mÛdul o E = 2,0 10 6 N/C age sobre um prÛton num acelerador, calcule a forÁa eletrost·tica que atua no prÛton.

(VUNESP/UNICISAL-2009.1) - ALTERNATIVA: C Quatro cargas de mesmo valor absoluto Q est„o fixas nos vÈrti-

ces

È

mais curta do que a diagonal vertical, como mostra a figura.

de um losango de lados . A diagonal horizontal do losango

de um losango de lados . A diagonal horizontal do losango O est· melhor representado na
de um losango de lados . A diagonal horizontal do losango O est· melhor representado na

O

est· melhor representado na alternativa Obs.: Cada reta inclinada entre as diagonais È uma bissetriz.

campo elÈtrico resultante no ponto de encontro das diagonais

a)

b)

*c)

resultante no ponto de encontro das diagonais a) b) *c) d) e) (VUNESP/UNICISAL-2009.1) - ALTERNATIVA: D

d)

e)

no ponto de encontro das diagonais a) b) *c) d) e) (VUNESP/UNICISAL-2009.1) - ALTERNATIVA: D Entre

(VUNESP/UNICISAL-2009.1) - ALTERNATIVA: D

Entre duas placas planas e paralelas A e B, distanciadas de 1,0

cm

uma da outra, h· um campo elÈtrico uniforme de intensidade

5,0

10 4 N/C. Considerando nulo o potencial elÈtrico da placa A,

o potencial elÈtrico da placa B, em volts, È igual a

a) 5,0.

b) 50.

c) 2,5 10 2 .

*d) 5,0 10 2 .

e) 2,5 10 3 .

2,5 10 2 . *d) 5,0 10 2 . e) 2,5 10 3 . (CEFETPI-2009.1) -

(CEFETPI-2009.1) - ALTERNATIVA: C Uma regi„o prÛxima de uma carga elÈtrica Q , em repouso, tem a propriedade de atrair ou repelir uma carga elÈtrica q . … a mani- festaÁ„o do campo elÈtrico E capaz de trocar energia elÈtrica

com a carga q . Sabendo que em um ponto P 1 a uma dist‚ncia d da carga Q a intensidade do campo elÈtrico e o potencial elÈtrico s„o E e V, respectivamente. Para um ponto P 2 cuja dist‚ncia È 2d de uma carga elÈtrica 2Q as intensidades do campo elÈtrico e

do potencial elÈtrico s„o, nesta ordem:

a) E/2 e V/2 .

b) E/4 e V/2 .

*c) E/2 e V .

d) E e V .

e) E e V/2 .

(CEFETPI-2009.1) - ALTERNATIVA: D Considere um capacitor composto por duas placas condutoras que est· sujeito a uma diferenÁa de potencial de 100 V, repre- sentado na figura.

diferenÁa de potencial de 100 V, repre- sentado na figura. Baseado nesta informaÁ„o È CORRETO afirmar

Baseado nesta informaÁ„o È CORRETO afirmar que:

a) este capacitor n„o pode ser utilizado para armazenar energia.

b) entre as placas h· um campo elÈtrico cujo sentido vai da placa

B para a placa A.

c) se a capacit‚ncia desse capacitor for igual a 1,0 F, a carga

elÈtrica em cada placa ter· mÛdulo igual a 10,0 C. *d) um elÈtron que estiver localizado entre as placas ser· acele-

rado em direÁ„o ‡ placa A.

e) se a dist‚ncia entre as placas for reduzida ‡ metade, a

capacit‚ncia ir· triplicar.

(UFRGS-2009.1) - ALTERNATIVAS: 12 B e 13 D As questıes 12 e 13 referem-se ao enunciado abaixo. Duas pequenas esferas met·licas iguais, X e Y, fixadas sobre bases isolantes, est„o eletricamente carregadas com cargas elÈ- trica s 6 C e ñ2 C, respectivamente. Quando separadas por uma dist‚ncia d uma da outra, as esferas est„o sujeitas a forÁas de atraÁ„o coulombiana de mÛdulo F 1 . As duas esferas s„o deslocadas pelas bases atÈ serem coloca- das em contato. A seguir, elas s„o novamente movidas pelas bases atÈ retornarem ‡ mesma dist‚ncia d uma da outra.

12. ApÛs o contato e posterior separaÁ„o, as esferas X e Y fica- ram eletrizadas, respectivamente, com cargas elÈtricas

a) 2 C e ñ2 C.

*b) 2 C e 2 C.

c) 3 C

e

ñ1 C.

d) 4 C

e

ñ4 C.

e)

4 C

e

4 C.

13. Se, apÛs o contato e posterior separaÁ„o das esferas, F 2 È o mÛdulo da forÁa coulombiana entre X e Y, pode-se afirmar corre- tamente que o quociente F 1 F 2 vale

a)

b)

c) 4/3.

1/3.

3/4.

*d) 3.

e) 4.

(UFRGS-2009.1) - ALTERNATIVA: E Uma casca esfÈrica condutora de raio R, isolada, est· eletrica- mente carregada com uma carga elÈtrica de mÛdulo Q. Considere as afirmaÁıes abaixo, sobre o mÛdulo E do campo elÈtrico gerado por essa casca esfÈrica para pontos situados a diferentes dist‚ncias d do centro da casca.

(k = constante da lei de Coulomb)

I - E = 0 para pontos situados no interior da casca esfÈrica, isto È, para pontos tais que d < R.

- E = kQ R 2 para pontos situados sobre a superfÌcie, isto È, para pontos tais que d = R.

II

- E = kQ d 2 para pontos externos, isto È, para pontos tais que

III

d > R.

Quais est„o corretas?

a) Apenas I.

b) Apenas II.

c) Apena s I e II.

d) Apenas II e III.

*e) I, II e III

(UFRGS-2009.1) - ALTERNATIVA: C No modelo para o ·tomo de hidrogÍnio desenvolvido por Niels Bohr, o elÈtron se move em Ûrbitas circulares, em um potencial

elÈtrico gerado pela carga do prÛton, Q P . Esse potencial, medido

a

partir do infinito atÈ a posiÁ„o da Ûrbita de menor raio, È de 27V.

O

valor aproximado do raio dessa Ûrbita È

(Dados: Q P = 1,6 10 ñ19 C; k = 9 10 9 N.m 2 /C 2 )

a) 8,5 10 ñ30 m.

b) 2,9 10 ñ15 m.

*c) 5,3 10 ñ11 m.

d) 1,9 10 ñ10 m.

e) 7,3 10 ñ6 m.

(UFLA/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D Considere um corpo eletrizado com carga Q no v·cuo e um pon- to P distante de d nas proximidades de Q . Das afirmaÁıes abai- xo, a CORRETA È:

a) no ponto P , o campo elÈtrico gerado por Q pode ser positivo ou

negativo, dependendo de sua carga.

b) colocando-se em P uma carga de prova pontual q , a forÁa

elÈtrica que atua sobre ela pode ser positiva ou negativa, depen-

dendo dos sinais de Q e q.

c) o potencial elÈtrico gerado por Q em P È inversamente

proporciaonal ao quadrado da dist‚ncia d . *d) no ponto P , o potencial elÈtrico gerado por Q pode ser positivo ou negativo, dependendo de sua carga.

(UNIFEI/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: C

Na constituiÁ„o dos ·tomos, os prÛtons e os nÍutrons concen- tram-se no n˙cleo atÙmico. Se os prÛtons se repelem mutua- mente, pode-se dizer que os n˙cleos atÙmicos conseguem se manter coesos principalmente devido:

a) ‡ carga elÈtrica dos nÍutrons, tambÈm confinados no n˙cleo

atÙmico.

b) ‡ aÁ„o dos elÈtrons presentes na eletrosfera que, por terem

carga negativa, anulam o efeito de repuls„o dos prÛtons no n˙- cleo. *c) ao aparecimento de uma forÁa nuclear atrativa com intensi- dade superior ‡ da forÁa coulombiana repulsiva dos prÛtons.

d) ‡ formaÁ„o de uma c·psula nuclear muito resistente, que man-

tÈm aprisionados os prÛtons e os nÍutrons no interior do ·tomo.

(CESGRANRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um sistema tridimensional de coordenadas ortogonais gradua- das em metros encontra-se em um meio cuja constante eletrost·tica È k, em unidades do sistema internacional. Nesse meio, h· apenas trÍs cargas puntiformes:

Q

1 = ñ 2C, fixa em (1,0,0);

Q

2 = + 1C, fixa em (1,1,0);

Q

3 = ñ 1C, fixa em (0,1,1).

A

intensidade do vetor campo elÈtrico resultante no ponto (1,1,1),

em N / C,È

*a) b) d) e)
*a)
b)
d)
e)

c)

no ponto (1,1,1), em N / C,È *a) b) d) e) c) (UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D

(UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: D

Temos duas partÌculas carregadas positivamente com carga Q e separadas por uma dist‚ncia d. Podemos afirmar que, no ponto mÈdio (d/2) entre elas,

a) o campo elÈtric o e o potencial elÈtrico s„o nulos.

b) o campo elÈtrico e o potencial elÈtrico n„o s„o nulos, mas

iguais.

c) o campo elÈtric o e o potencial elÈtrico n„o s„o nulos, mas

diferentes.

*d) o campo elÈtrico È nulo e o potencial elÈtrico n„o È nulo.

e) o campo elÈtrico n„o È nulo e o potencial elÈtrico È nulo.

(UCS/RS-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma pessoa est· no aeroporto, levando uma grande mochila de

material sintÈtico em um carrinho constituÌdo de uma estrutura met·lica com duas rodas, pneus de borracha e duas empunhaduras tambÈm de borracha. A pessoa empurra o carri- nho, segurando-o pelas empunhaduras, sem perceber que os pneus est„o raspando numa parte da mochila. De repente, essa pessoa, ao colocar a m„o na superfÌcie met·lica do carrinho, leva um choque elÈtrico. Isso ocorre porque

a) a sola do sapato da pessoa È do mesmo material dos pneus.

b) o atrito das rodas com a mochila criou um campo magnÈtico

permanente, cujo pÛlo norte est· nas roda s e o pÛlo sul, na mo-

chila.

c)

o atrito das rodas com a mochila colocou a pessoa, o carrinho

e

o ch„o no mesmo potencial elÈtrico.

*d) o atrito das rodas com a mochila colocou a pessoa, o carrinho

e

o ch„o em diferentes potenciais elÈtricos.

e)

como a pessoa, a mochila, os pneus de borracha e a Terra s„o

condutores, naturalmente surge uma corrente elÈtrica quando s„o postos em contato.

(UFJF/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B TrÍs esferas de metal idÍnticas A , B e C est„o carregadas com cargas ñ3Q, 2Q e 8Q respectivamente. A esfera C È colocada em contato com a esfera B e depois afastada.

A seguir, a esfera C È colocada em contato com a esfera A e

depois afastada. Qual a carga final nas esferas A, B e C respec-

tivamente?

a) ñ3Q 2Q 8Q

*b) 1Q 5Q 1Q

c) 1Q 2Q 6Q

d) ñ1Q 5Q 5Q

e) ñ3Q 2Q 6Q

(UFPB-2009.1) - ALTERNATIVA: A Dois capacitores, com capacit‚ncias C 1 = 8 FeC 2 = 4 F , s„o carregados separadamente, quando submetidos a uma mesma diferenÁa de potencial V i fornecida por uma bateria. Os capacitores s„o desconectados da bateria e suas placas s„o, em seguida, reconectadas, porÈm com polaridades invertidas, conforme figura ao lado. Nesse contexto, a diferenÁa de potencial, V f , ‡ qual ficam sub- metidos esses capacitores quando as chaves s„o fechadas, est· corretamente expressa, em termos de V i , por:

est· corretamente expressa, em termos de V i , por: *a) V f = (1/3) V
est· corretamente expressa, em termos de V i , por: *a) V f = (1/3) V
est· corretamente expressa, em termos de V i , por: *a) V f = (1/3) V
est· corretamente expressa, em termos de V i , por: *a) V f = (1/3) V
est· corretamente expressa, em termos de V i , por: *a) V f = (1/3) V
*a) V f = (1/3) V i . b) V f = V i .
*a) V f = (1/3) V i .
b)
V f =
V i .
c)
V f =
3 V i
.
d)
=
(2/3) V i
.
V f
e)
V f = (1/2) V i
.
V i . d) = (2/3) V i . V f e) V f = (1/2)

(UFAL/AL-2009.1) - ALTERNATIVA: B Uma pequena esfera condutora E possui inicialmente carga Q. Tal esfera È posta em contato com outra esfera idÍntica a ela, porÈm inicialmente neutra.

Quando o equilÌbrio eletrost·tico È atingido, as esferas s„o sepa- radas. Esse processo ocorre N vezes em seq¸Íncia, sempre co- locando a esfera E em contato com uma outra esfera idÍntica a ela, porÈm neutra, e afastando-as apÛs o equilÌbrio eletrost·tico ser atingido. Todo o processo ocorre no v·cuo. No final, a esfera

E possui carga Q/128. O valor de N È:

a) 5

*b) 7

c) 32

d)

e)

64

128

(UFPB-2009.1) - RESPOSTA: I, II e IV Sobre energia potencial elÈtrica e potencial elÈtrico, identifique as afirmativas corretas :

I. Ao se deslocar um objeto carregado entre dois pontos, em uma regi„o do espaÁo onde existe um campo elÈtrico, a diferenÁa de potencial medida entre esses dois pontos independe da carga do objeto. II. A variaÁ„o da energia potencial elÈtrica associada a um objeto carregado, ao ser deslocado de um ponto para outro em uma regi„o onde exista um campo elÈtrico, independe da trajetÛria seguida entre esses dois pontos. III. A energia potencial elÈtrica È uma grandeza associada a um sistema constituÌdo de objetos carregado s e È medida em volts

( V ).

IV. Um elÈtron-volt, 1 eV , È a energia igual ao trabalho necess·rio para se deslocar uma ˙nica carga elementar, tal como elÈtron ou prÛton, atravÈs de uma diferenÁa de potencial exatamente igual

a 1 (um) volt . E a relaÁ„o dessa unidade com Joule ( J) È, aproxi-

madamente, 1 eV = 1,6 10 ñ19 J. V. A energia potencial elÈtrica, associada a uma carga teste, q 0 , positiva, aumenta quando esta se move no mesmo sentido do campo elÈtrico.

(UFAL/AL-2009.1) - ALTERNATIVA OFICIAL: D (RESOLU« O OFICIAL NO FINAL)

Em cada vÈrtice de um quadrado de lado L = m, no v·cuo, est· fixa uma carga puntiforme positiva , Q = 10 ñ6 C (ver figura). Considerando que o potencial eletrost·tico no infinito È nulo, e dado que o valor da constante eletrost·tica no v·cu o È 9 10 9 Nm 2 /C 2 , assinale a alternativa com os valores do potencial eletrost·tico no centro do quadrado e da energia potencial eletrost·tica do sistema.

a) zero e 9 10 ñ3 (1 ñ 2

b) 10 4 V e 9 10 ñ3 (1 ñ 2

ñ 3 (1 ñ 2 b) 10 4 V e 9 10 ñ 3 (1 ñ
ñ 3 (1 ñ 2 b) 10 4 V e 9 10 ñ 3 (1 ñ
) J ) J ) J
) J
) J
) J

) J

) J

c) 3,6 10 4 V e 9 10 ñ3 (1 ñ 2

*d) 3,6 10 4 V e 9 10 ñ3 (1 + 2

e) zero e 9 10 ñ3 (1 + 2

RESOLU« O OFICIAL UFAL/AL-2009.1:

O potencial no centro È 4kQ/(L /2) = 3,6 10 4 V.

A energia potencial eletrost·tica do sistema È 4kQ 2 /L +

2kQ 2 /(L

eletrost·tica do sistema È 4kQ 2 /L + 2kQ 2 /(L ) J. ) = 9

) J.

do sistema È 4kQ 2 /L + 2kQ 2 /(L ) J. ) = 9 10

) = 9 10 ñ3 (1 + 2

2 /L + 2kQ 2 /(L ) J. ) = 9 10 ñ 3 (1 +

(UECE-2009.1) - ALTERNATIVA: C Dois condutores elÈtricos esfÈricos, de raios R 1 e R 2 , com R 1 o dobro de R 2 , est„o eletrizados com densidade de carga 1 e 2 , de forma que s„o mantidos no mesmo potencial elÈtrico V, e se encontram bem distantes um do outro. Podemos afirmar correta- mente que

distantes um do outro. Podemos afirmar correta- mente que a) 2 . 4 1 = b)
distantes um do outro. Podemos afirmar correta- mente que a) 2 . 4 1 = b)
a) 2 . 4 1 = b) 2 . 1 = 2 *c) 2 1
a) 2 .
4
1 =
b) 2 .
1 = 2
*c) 2 1 =
2 .
d)
1 = 4
2 .

(UFCG/PB-2009.1) - ALTERNATIVA: D Lembrando a proposta de Kelvin, pode-se considerar a superfÌ- cie da Terra e a eletrosfera como um gigantesco capacitor com armaduras esfÈricas. A diferenÁa de potencial entre tais armadu- ras È de 3 10 5 V e a carga negativa, na superfÌcie da Terra,

igual a 10 6 C. Correntes elÈtricas atmosfÈricas da ordem de 10 3

A est„o continuamente anulando a carga positiva distribuÌda na

atmosfera. Assim, pode-se afirmar que a energia transferida, por hora, pelo campo elÈtrico ‡s correntes atmosfÈricas segundo o

modelo, È da ordem de

a) 10 3 J.

*d) 10 12 J.

b) 10 8 J. e) 10 19 J.

c) 10 9 J.

(UFCG/PB-2009.1) - ALTERNATIVA: A Durante o processo de produÁ„o de min˙sculas esferas de metal desenvolvido num laboratÛrio da NASA, uma esfera de alumÌnio de 20 mg, com carga positiva de 0,24 nC, È mantida em repouso, por levitaÁ„o, entre duas grandes placas paralelas carregadas (comparadas ‡s dimensıes da esfera) numa c‚mara de v·cuo, a 3,0 mm da placa inferior (na figura, a esfera de Al aparece bri-

lhante entre as placas).

Fig 29 2009 ETO

de Al aparece bri- lhante entre as placas). Fig 29 2009 ETO Nessas condiÁıes e considerand

Nessas condiÁıes e considerand o g = 10 m/s 2 , pode-se afirmar que *a) o campo elÈtrico entre as placas est· dirigido de baixo para cima e tem mÛdulo igual a 8,3 10 5 N/C.

b) se a esfera n„o estiver carregada, o fenÙmeno da induÁ„o

elÈtrica garante a observaÁ„o do mesmo fenÙmeno.

c) a diferenÁa de potencial elÈtrico entre a placa inferio r e a posi-

Á„o da esfera vale 5,0 10 3 V.

d) realizando-se o experimento num local muito afastado da Ter-

ra e de outros corpos celestes, o novo valor do campo elÈtrico

dever· ser de 1,2 10 5 V/m.

e) o campo elÈtrico entre as placas est· dirigido de cima para

baixo e tem mÛdulo igual a 8,3 10 5 N/C.

(UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: A Uma partÌcula de massa m = 2 10 ñ5 kg e carga elÈtrica positiva q = 4 10 ñ6 C est· em movimento retilÌneo e uniforme, entre as placas de um capacitor plano carregado de placas paralelas, onde existe um campo gravitacional uniforme e um campo elÈtrico cujas

linhas de forÁa s„o paralelas entre si e perpendiculares ‡s placas do capacitor. A intensidade desse campo elÈtrico È *a) 50 N / C.

b) 10 N / C.

desse campo elÈtrico È *a) 50 N / C. b) 10 N / C. c) Dado

c) Dado : g = 10 m/s 2
d)

0,50 N / C.

5,0 N / C.

N / C. c) Dado : g = 10 m/s 2 d) 0,50 N / C.

(UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA: B

TrÍs cargas, q 1 = q, q 2 = ñ4q e q 3 = 2q, est„o dispostas, forman- do um tri‚ngulo eq¸il·tero de lad o d = 12 cm (veja a figura). Sa- bendo-se que o valor de q = 150 nC, calcule aproximadamente o valor da energia potencial elÈtrica dessa estrutura, considerando que essas cargas foram trazidas de locais onde elas possuÌam energia potencial elÈtrica nula.

a)

150,2 mJ.

*b)

ñ 16,9 mJ.

c) ñ 25,7 mJ.

d) ñ 30,4 mJ.

Dado:

K o = 9,0 10 9 Nm 2 /C 2 .

mJ. Dado: K o = 9,0 10 9 Nm 2 /C 2 . (UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA

(UNIMONTES/MG-2009.1) - ALTERNATIVA OFICIAL: B TrÍs capacitores planos de placas paralelas, todos com o mes-

capacitores planos de placas paralelas, todos com o mes- mo valor 3,54 10 ñ 9 Farad

mo valor 3,54 10 ñ9 Farad para a raz„o , sendo A a ·rea de

cada placa, 0 a permissividade elÈtrica no v·cuo e d = 5mm a dist‚ncia entre as placas, s„o preenchidos, cada um, com mate- riais dielÈtricos diferentes. Na tabela abaixo, temos informaÁıes sobre a constante dielÈtrica e a rigidez dielÈtrica de cada um dos materiais. Os capacitores s„o carregados com a mesma carga elÈtrica Q = 70,8 10 ñ6 C.

com a mesma carga elÈtrica Q = 70,8 10 ñ 6 C. Capacitor Material Constante DielÈtrica

Capacitor Material Constante DielÈtrica k Rigidez DielÈtrica (V/m)

1 Ar

1,0

3 10 6

2 Porcelana

6,0

12 10 6

3 ”leo de silicone

2,5

15 10 6

Imediatamente apÛs o carregamento, È CORRETO afirmar que

a) apenas nos capacitore s 1 e 3, preenchidos com ar e Ûleo de

silicone, respectivamente, haver· fluxo de cargas atravÈs do dielÈtrico.

*b) apenas no capacitor 1, preenchido com ar, haver· fluxo de cargas atravÈs do dielÈtrico.

c) em todos os capacitores haver· fluxo de cargas atravÈs do

dielÈtrico.

d) apenas nos capacitore s 2 e 3, preenchidos com porcelana e

Ûleo de silicone, respectivamente, haver· fluxo de cargas atra- vÈs do dielÈtrico.

(UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: A

Duas pequenas esferas met·licas idÍnticas est„o carregadas ele- trostaticamente com cargas respectivamente iguais a 3Q e ñ2Q. Quando est„o separadas de uma dist‚ncia d, o mÛdulo da forÁa elÈtrica entre elas È igual a F. Essas esferas s„o, ent„o, colocadas em contato uma com a ou- tra e levadas de volta ‡s suas posiÁıes originais.

… CORRETO afirmar que, nessa nova situaÁ„o, a forÁa elÈtrica

entre as cargas È de natureza *a) repulsiva e possui mÛdulo igual a F 24.

È de natureza *a) repulsiva e possui mÛdulo igual a F 24. b) repulsiva e possui

b) repulsiva e possui mÛdulo igual a F 6.

c) atrativa e possui mÛdulo igual a 3F 2.

d) atrativa e possui mÛdulo igual a 6F.

e) atrativa e possui mÛdulo igual a 5F.

(UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: A

A figura ilustra um tri‚ngulo equil·tero de lado L, com duas car-

gas puntiformes +q e ñq fixas em dois de seus vÈrtices. Todo o sistema se encontra no v·cuo, onde a constante eletrost·tica È

/2.

Nestas circunst‚ncias, assinale a alternativa que indica correta- mente os valores do mÛdulo do campo elÈtrico resultante, E, e

do potencial elÈtrico total, V, no vÈrtice superior do tri‚ngulo (ponto

P da figura):

*a) E = kq/L 2 ;V=0

b) E = 0; V = 2kq/L

c) E = kq/(2L 2 ); V = 0

d) E = 2kq/L 2 ; V = kq/L

e) E = kq/L 2 ; V = kq/L

denotada por k. Sabe-se que cos(60 ) = 1/2 e sen(60 ) =

kq/L e) E = kq/L 2 ; V = kq/L denotada por k. Sabe-se que cos(60
kq/L e) E = kq/L 2 ; V = kq/L denotada por k. Sabe-se que cos(60

(UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: A Duas pequenas esferas met·licas idÍnticas, A e B, localizadas

no v·cuo, est„o carregadas com cargas Q A = ñ2Q e Q B = +2Q. As esferas s„o postas em contato atravÈs de pinÁas isolantes ideais e, apÛs atingirem o equilÌbrio eletrost·tico, s„o separadas. ApÛs a separaÁ„o, os valores de Q A e Q B s„o respectivamente iguais a:

*a) zero e zero.

b) ñ2Q e +2Q.

c) +2Q e -2Q

d) ñQ e +Q

e) +Q e -Q

(UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: A TrÍs pequenas esferas idÍnticas e de raios desprezÌveis, carre- gadas positivamente com carga Q, cada uma, encontram-se em equilÌbrio no v·cuo, de acordo com o arranjo da figura. As esfe- ras B e C est„o fixas a uma dist‚ncia de 10 cm da esfera A. Sobre a esfera A, atuam apenas a sua forÁa peso, de mÛdulo 0,9 N, e as forÁas eletrost·ticas. Sabendo que a constante elÈtrica no v·cuo val e 9 10 9 Nm 2 /C 2 , que sen(30 ) = 1/2 e que cos(30 )

/2, o valor de Q, em coulombs, È igual a *a) 10 ñ6 .

=

o valor de Q, em coulombs, È igual a *a) 10 ñ 6 . = b)
o valor de Q, em coulombs, È igual a *a) 10 ñ 6 . = b)

b) 10 ñ1 .

c) 1.

d) 10.

e) 10 3 .

(UFOP-2009.1) - RESPOSTA: b ) I e IV c) zero Na figura, s„o mostrados quatro arranjos de cargas puntiformes, I, II, III e IV. Todas as cargas possuem mÛdulo Q = 10 ñ6 C, est„o no v·cuo, k = 9 10 9 N.m 2 /C 2 , e s„o mantidas separadas por dist‚ncias fixas d = 0,01 m e a = 0,003 m, como mostrado.

dist‚ncias fixas d = 0,01 m e a = 0,003 m, como mostrado. a) Mostre, na
dist‚ncias fixas d = 0,01 m e a = 0,003 m, como mostrado. a) Mostre, na

a) Mostre, na figura, o vetor campo elÈtrico resultante nos pontos

centrais, A, B, C e D, de cada arranjo de cargas.

b) Em qual(is) arranjo(s) de cargas o potencial elÈtrico se anula

nos pontos centrais, isto È, A, B , C e D? Justifique sua resposta.

c) Calcule o trabalho que È necess·rio realizar, para trazer uma

carga de prova positiva q = 10 ñ8 C do infinito atÈ o ponto A, atra- vÈs de uma trajetÛria perpendicular ‡ reta mn.

(UFG/GO-2009.1) - RESOLU« O NO FINAL Considere a cÈlula como uma esfera cuja membrana que separa

o fluido extracelular do lÌquido no seu interior tem raio externo R e

raio interno R i e densidade superficial de cargas externa + e interna ñ . A diferenÁa de potencial entre o meio externo e inter- no È denominada de potencial de membrana, o qual, na ausÍn- cia de influÍncias externas, como ocorre na maioria das cÈlulas, permanece inalterado e por isso recebe a designaÁ„o de poten- cial de repouso.

e

por isso recebe a designaÁ„o de poten- cial de repouso. e a) Escreva as expressıes das
por isso recebe a designaÁ„o de poten- cial de repouso. e a) Escreva as expressıes das
por isso recebe a designaÁ„o de poten- cial de repouso. e a) Escreva as expressıes das

a) Escreva as expressıes das cargas das esferas em funÁ„o de

seus raios e da densidade superficial de cargas .

b) Escreva a express„o para a diferenÁa de potencia l V = |V e | -

|V i | em funÁ„o da densidade superficial de cargas e da espes- sura d = R e - R i , da membrana.

c)

70 mV, qual a densidade superficial de cargas da membrana, considerando que a constante dielÈtrica k da membrana È 10? A constante dielÈtrica È a constante relativa de permissividade elÈ- trica do meio em relaÁ„o ‡ do v·cuo dada por k = / o .

Para uma espessur a d = 90 e um potencial de repouso de

. Para uma espessur a d = 90 e um potencial de repouso de Dados: Permissividade
. Para uma espessur a d = 90 e um potencial de repouso de Dados: Permissividade
. Para uma espessur a d = 90 e um potencial de repouso de Dados: Permissividade
. Para uma espessur a d = 90 e um potencial de repouso de Dados: Permissividade
. Para uma espessur a d = 90 e um potencial de repouso de Dados: Permissividade
. Para uma espessur a d = 90 e um potencial de repouso de Dados: Permissividade

Dados:

Permissividade do v·cuo o 9,0 10 ñ12 F/m

Dados: Permissividade do v·cuo o 9,0 10 ñ 1 2 F/m 1 = 10 ñ 1
Dados: Permissividade do v·cuo o 9,0 10 ñ 1 2 F/m 1 = 10 ñ 1

1

Dados: Permissividade do v·cuo o 9,0 10 ñ 1 2 F/m 1 = 10 ñ 1

= 10 ñ10 m

RESOLU« O UFG/GO-2009.1:

a)

Carga na superfÌcie interna: Q i =ñ4

Carga na superfÌcie externa: Q e =+4

b) V = |V e | ñ |V i |

V

V

V = [1/(4

ñ

c)

= k o = 10 9,0 x 10 ñ12 F/m

= Q / Area= [ 1/(4 ñ c) = k o = 10 9,0 x 10 ñ 1 2

ñ c) = k o = 10 9,0 x 10 ñ 1 2 F/m = Q

Q =

A=4= k o = 10 9,0 x 10 ñ 1 2 F/m = Q / Area

k o = 10 9,0 x 10 ñ 1 2 F/m = Q / Area Q

R 2

.R i 2 . .R e 2
.R i 2
.
.R e 2
.
.
ñ 1 2 F/m = Q / Area Q = A=4 R 2 .R i 2

e = Q e / (4

/ Area Q = A=4 R 2 .R i 2 . .R e 2 . e

.R e )

.R i )

e = Q i / (4

(4

Q e / (4 . R e ) . R i ) e = Q i
.
.

)] [ (Qe / Re) ñ (Qi / Ri] ) = [1/(4

i / (4 (4 . ) ] [ (Qe / Re) ñ (Qi / Ri ]

/ ) (Re ñ Ri)

. ) ] [ (Qe / Re) ñ (Qi / Ri ] ) = [ 1/(4
. ) ] [ (Qe / Re) ñ (Qi / Ri ] ) = [ 1/(4

)) ] [(4

.
.
/ Re) ñ (Qi / Ri ] ) = [ 1/(4 / ) (Re ñ Ri)

. d/ )

(Qi / Ri ] ) = [ 1/(4 / ) (Re ñ Ri) )) ] [

.R i 2 )/R i ] V=(

ñ Ri) )) ] [ (4 . . d/ ) . R i 2 )/R i

V=(

Ri) )) ] [ (4 . . d/ ) . R i 2 )/R i ]

.V / d = (90 10 ñ12 70 10 ñ3 ) / (90 10 ñ10 )

=

= 7,0 10 ñ4 C/m 2

) / (90 10 ñ 1 0 ) = = 7,0 10 ñ 4 C/m 2

.R e 2 )/R e

(UFG/GO-2009.1) - RESPOSTA: a )V=V 0 ;C=C 0 /2; Q = Q 0 /2;

U=U 0 /2; E = E 0 /2 b) Q = Q 0 ;C=C 0 /2; V = 2V 0 ; U = 4U 0 ;E=E 0 Um capacitor de placas paralelas de capacit‚ncia C 0 , ao ser liga- do a uma fonte de tens„o V 0 , adquire carga Q 0 , campo elÈtrico

E 0 entre as placas, e armazena uma energia U 0 . Quais ser„o os

valores das grandezas fÌsicas citadas, em relaÁ„o a seus valores iniciais, se for duplicada a separaÁ„o entre as placas

a) com a chava ligada;

b) apÛs o desligamento da chave.

a separaÁ„o entre as placas a) com a chava ligada; b) apÛs o desligamento da chave.

(UESPI/PI-2009.1) - ALTERNATIVA: B Um capacitor, de capacit‚ncia 1 F = 10 ñ6 F, È mantido sob uma tens„o de 2 V. A energia potencial eletrost·tica armazenada no capacitor vale, em joules,

a) 10 ñ6 .

*b) 2 10 ñ6 .

c) 4 10 ñ6 .

d) 6 10 ñ6 .

e) 8 10 ñ6 .

10 ñ 6 . d) 6 10 ñ 6 . e) 8 10 ñ 6 .

(UEPG/PR-2009.1) - RESPOSTA: SOMA = 06 (02+04) Uma carga elÈtric a q È colocada num ponto P de uma regi„o de um campo elÈtrico. Sobre este evento, assinale o que for correto. 01) O campo elÈtrico gerado por uma carga elÈtrica depende da carga de prova. 02) Se o valor de q for maior do que 0 (zero) ,FeE apresentar„o o mesmo sentido. 04) A carga elÈtrica ficar· sujeita a uma forÁa que È igual ao produto do vetor campo elÈtrico pelo valor da carga. 08) Se a carga q se movimentar no interior do campo elÈtrico E , este ser· nulo.

VESTIBULARES 2009.2

(UFOP-2009.2) - ALTERNATIVA: B Baseando-se na lei de Coulomb, que rege a forÁa elÈtrica, assi- nale a alternativa incorreta .

a) A forÁa elÈtrica entre duas cargas pontuais positivas de mÛdulos

Q 1 e Q 2 , separadas por uma dist‚ncia d, no v·cuo, È de repuls„o. *b) A forÁa elÈtrica entre duas cargas pontuais negativas de mÛdulos Q 1 e Q 2 , separadas por uma dist‚ncia d, no v·cuo, È de

atraÁ„o.

c) O mÛdulo da forÁa elÈtrica entre duas cargas pontuais positi-

vas de mÛdulos Q 1 e Q 2 , separadas por uma distancia d, no v·- cuo, È diretamente proporcional ao produto das cargas.

d) O mÛdulo da forÁa elÈtrica entre duas cargas pontuais positi-

vas de mÛdulos Q 1 e Q 2 , separadas por uma dist‚ncia d, no v·- cuo, È inversamente proporcional ao quadrado da dist‚ncia entre as cargas.

(UNIFOR/CE-2009.2) - ALTERNATIVA: A Uma carga puntiforme Q, positiva, est· fixa num ponto O, no v·cuo. Uma partÌcula de massa m e carga negativa ñq descreve, em torno de O, um movimento circular uniforme de raio r. Sendo K 0 a constante eletrost·tica no v·cuo, o mÛdulo da velocidade V da partÌcula vale

*a)

b)

c)

d)

e)

K 0 .|Q|.|q| m.r K 0 .|Q|.|q| m.r 2.K 0 .|Q|.|q| m.r K 0 .|Q|.|q|
K 0 .|Q|.|q|
m.r
K 0 .|Q|.|q|
m.r
2.K 0 .|Q|.|q|
m.r
K 0 .|Q|.|q|
2.m.r 2
2.K 0 .|Q|.|q|
m.r 2

(UNEMAT/MT-2009.2) - ALTERNATIVA: D Considere o esquema abaixo, em que as cargas elÈtricas Q 1 e Q 2 tÍm mÛdulos iguai s e o ponto P est· equidistante das cargas.

mÛdulos iguai s e o ponto P est· equidistante das cargas. Analise os itens abaixo. I.

Analise os itens abaixo.

I. O campo elÈtrico resultante no ponto P È nulo.

II. Colocando-se no ponto P uma carga de prova ñq, com liberda-

de de movimento, essa carga de prova ficar· em repouso.

III. O potencial resultante no ponto P È nulo.

IV. Colocando-se no ponto P uma carga de prova +q, o campo

elÈtrico resultante ser· diferente de zero.

Assinale a alternativa correta.

a) Somente os itens I e IV est„o corretos.

b) Somente os itens I e III est„o corretos.

c) Somente o item II est· correto.

*d) Somente os itens III e IV est„o corretos.

e) Somente os itens II e III est„o corretos.

(IFCE/CEFETCE-2009.2) - RESPOSTA : E = 2Kd / (qL 2 ) Um elÈtron de massa m, carg a q e energia cinÈtica K penetra em uma regi„o entre duas placas condutoras planas e paralelas de comprimento L, separadas por uma dist‚ncia d, como mostra a figura. O elÈtron move-se no inÌcio paralelamente ‡s placas com velocidade v, entre as quais È estabelecido um campo elÈtrico E, apontando verticalmente para baixo.

um campo elÈtrico E, apontando verticalmente para baixo. Desprezando-se a forÁa gravitacional, qual o valor mÌnimo

Desprezando-se a forÁa gravitacional, qual o valor mÌnimo do mÛdulo do campo elÈtrico entre as placas para que o elÈtron colida com uma delas, em funÁ„o de d, K , L e q?

(UNIMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: A As linhas de campo elÈtrico em torno de um dipolo elÈtrico est„o representadas na figura a seguir.

dipolo elÈtrico est„o representadas na figura a seguir. A seta que melhor representa o campo elÈtrico

A seta que melhor representa o campo elÈtrico no ponto P È

*a)

b)

c)

d)

representa o campo elÈtrico no ponto P È *a) b) c) d) (UNIMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: A

(UNIMONTES/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: A Num experimento, um bast„o carregado È aproximado do eletroscÛpio I, cuja extremidade est· descoberta (‡ esquerda, na figura). Observa-se o afastamento das folhas met·licas do eletroscÛpio diante da aproximaÁ„o do bast„o carregado. Em seguida, o bast„o È aproximado, sucessivamente, dos eletroscÛpios II e III. O eletroscÛpio II (centro da figura) possui extremidade coberta por uma malha cilÌndrica met·lica, sem tam- pa. O eletroscÛpio III (‡ direita, na figura) possui extremidade coberta por uma malha semelhante, mas com tampa.

extremidade coberta por uma malha semelhante, mas com tampa. Como resultado da aproximaÁ„o do bast„o, È

Como resultado da aproximaÁ„o do bast„o, È CORRETO afirmar

que *a) as folhas se abrir„o no eletroscÛpio II, mas n„o se abrir„o no

III.

b)

as folhas se abrir„o nos eletroscÛpios II e III.

c)

as folhas se abrir„o no eletroscÛpio III, mas n„o se abrir„o no

II.

d)

as folhas n„o se abrir„o nos eletroscÛpios II e III.

(PUCPR-2009.2) - ALTERNATIVA: D Um capacitor de 4,00 10 ñ2 F È carregado atÈ que se estabeleÁa

uma diferenÁa de potencial de 100 V entre seus terminais. Um filamento met·lico È utilizado para fazer contato elÈtrico entre os terminais do capacitor.

O curto-circuito formado pelo filamento nos terminais provoca

uma pequena explos„o de 0,0100 s de duraÁ„o que vaporiza o filamento. ApÛs a explos„o, verifica-se que a diferenÁa de poten- cial entre os terminais do capacitor È de 50,0 V. Qual a potÍncia da explos„o provocada?

a) 1,34 10 3 W

b) 1,00 10 4 W

c) 3,20 10 2 W

*d) 1,50 10 4 W

e) 3,00 10 4 W

(PUCRS-2009.2) - ALTERNATIVA: B Duas esferas condutoras A e B idÍnticas, eletricamente neutras (N), est„o em contato uma com a outra e isoladas eletricamente de qualquer influÍncia, a n„o ser quando se aproxima de uma delas uma barra eletricamente negativa. Enquanto a barra È mantida nessa posiÁ„o, as esferas s„o separadas uma da outra.

nessa posiÁ„o, as esferas s„o separadas uma da outra. Se, na sequÍncia, a barra for afastada

Se, na sequÍncia, a barra for afastada das duas esferas, a carga elÈtrica dessas esferas resultar·

a) positiva, tanto para A quanto para B.

*b) positiva para A e negativa para B.

c) negativa para A e positiva para B.

d) nula para as duas esferas, que permanecem neutras.

e) negativa para as duas esferas.

(IFMG/CEFETMG-2009.2) - ALTERNATIVA: A Em uma esfera condutora carregada com uma distribuiÁ„o uni- forme de carga elÈtrica negativa, o potencial elÈtrico *a) È constante em todos os pontos de seu interior.

b) È igual a zero em todos os pontos de seu interior.

c) diminui em seu interior, ‡ medida que se afasta de seu centro.

d) aumenta em seu interior, ‡ medida que se afasta de seu cen-

tro.

e) varia com o inverso do quadrado da dist‚ncia em relaÁ„o ao

seu centro.

(PUCMINAS-2009.2) - ALTERNATIVA: A Os tubos de imagem dos televisores tradicionais s„o tubos de raios catÛdicos, cujo diagrama b·sico est· representado a se- guir. No diagrama, um feixe de elÈtrons È lanÁado atravÈs da regi„o entre um par de placas paralelas, carregadas com cargas

iguais e de sinais contr·rios, em um tubo de raios catÛdicos. ApÛs passar entre as placas, o feixe de elÈtrons segue a trajetÛ-

ria indicada por: *a) A b) B c) C d) D
ria
indicada por:
*a)
A
b)
B
c)
C
d)
D

(PUCMINAS-2009.2) - ALTERNATIVA: C

O eletroscÛpio de folhas ilustrado abaixo est· carregado positi-

vamente. Quando uma pessoa tocar a esfera, as l‚mina saeb

se fechar„o indicando que:

a esfera, as l‚mina saeb se fechar„o indicando que: Fig 35 2009 ETO a) os nÍutrons

Fig 35 2009 ETO

a) os nÍutrons da pessoa passar„o para o eletroscÛpio.

b) os prÛtons do eletroscÛpio passam para a pessoa.

*c) passam-se elÈtrons da pessoa para o eletroscÛpio.

d) o calor da pessoa aqueceu as l‚minas do eletroscÛpio fazen-

do com que elas se fechassem.

(PUCMINAS-2009.2) - ALTERNATIVA: D

O modelo atÙmico de Bohr para o ·tomo de hidrogÍnio considera

que um elÈtron de carga elÈtrica q se move em Ûrbitas circulares de raio r em torno do prÛton, sob a influÍncia da forÁa de atraÁ„o coulombiana. Considerando-se que o ·tomo de hidrogÍnio seja neutro, o mÛdulo do trabalho realizado por essa forÁa sobre o elÈtron ao completar uma Ûrbita È dado por:

a) W = 2 kq 2 / r b) W = ñ kq 2 /
a) W = 2
kq 2 / r
b) W = ñ kq 2 / r

c) W = kq 2 / (2r 2 )

*d) W = 0

(UFV/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: D

A figura abaixo ilustra a associaÁ„o de capacitores idÍnticos de

capacit‚ncia C. Das alternativas abaixo, a que CORRETAMEN-

TE representa a capacit‚ncia equivalente entre os pontos1e2

È:

a)

b)

c)

*d) 2C/3

equivalente entre os pontos1e2 È: a) b) c) *d) 2C/3 C/3 3C/2 3C (UFV/MG-2009.2) - ALTERNATIVA:

C/3

3C/2

3C

(UFV/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: B Quatro cargas pontuais est„o dispostas ao longo de uma linha nas configuraÁıes A,BeC conforme mostra a figura abaixo. Sabe-se que todas as cargas, exceto a carga q 0 , est„o fixadas rigidamente por nanoalfinetes neutros e invisÌveis e que a carga q 0 È negativa e est· em equilÌbrio.

e que a carga q 0 È negativa e est· em equilÌbrio. Em relaÁ„o ‡s cargas

Em relaÁ„o ‡s cargas Q 1 , Q 2 e Q 3 È CORRETO afirmar que:

a) Q 1 > 0, Q 2 >0eQ 3 > 0

*b) Q 1 < 0, Q 2 >0eQ 3 = 0

c) Q 1 > 0, Q 2 >0eQ 3 = 0

d) Q 1 < 0, Q 2 <0eQ 3 > 0

(UFU/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: A Devido ‡ diferenÁa de eletronegatividade entre o oxigÍnio e o hidrogÍnio, a molÈcula de ·gua (H 2 O) apresenta um dipolo elÈtri- co, que consiste no oxigÍnio com uma carga elÈtrica parcialmen- te negativa (ñq) e nos hidrogÍnios com cargas parcialmente po- sitivas (+q), separados espacialmente por uma dist‚ncia d, como representado esquematicamente na figura a seguir.

d, como representado esquematicamente na figura a seguir. Considere um ponto P distante y da origem,

Considere um ponto P distante y da origem, conforme mostrado na figura. Assinale a alternativa que apresenta o potencial eletrost·tico em P, devido ao dipolo da ·gua.

*a) K. b) K.q.d.
*a)
K.
b) K.q.d.
c) ñK.q.d. d) K.
c) ñK.q.d.
d) K.

(UTFPR-2009.2) - ALTERNATIVA: C

b) K.q.d. c) ñK.q.d. d) K. (UTFPR-2009.2) - ALTERNATIVA: C Um quadrado de lado m apresenta

Um quadrado de lado m apresenta 3 vÈrtices com cargas elÈtricas fixadas conforme mostra o esquema abaixo. Determine o valor da carga Q 4 para que o potencial elÈtrico tor- ne-se nulo na regi„o central do quadrado (Dado: k o = 9 10 9 Nm 2 /C 2 ).

Q 1 = ñ1

CQ 1 = ñ1

Q 2 = ñ4

CQ 2 = ñ4

Q 2 = ñ4 C

Q 3 = +2 Q 4 = ?

CQ 3 = +2 Q 4 = ?

a)

+8 10 ñ6 C

b)

ñ3 10 ñ6 C

*c) +3 10 ñ6 C

*c) +3 10 ñ 6 C

d) ñ8 10 ñ6 C

e) +8 10 ñ3 C

ñ 6 C d) ñ8 10 ñ 6 C e) +8 10 ñ 3 C (UDESC-2009.2)

(UDESC-2009.2) - RESPOSTA NO FINAL

A figura mostra uma esfera isolada de raio R no interior de uma

casca esfÈrica de raio 2R, tambÈm isolada. Ambas s„o met·li- cas e, inicialmente, n„o est„o em contato. A carga elÈtrica da esfera È +2Q , e a carga elÈtrica da casca esfÈrica È ñQ. Um fio condutor È, ent„o, ligado entre a esfer a e a casca esfÈrica.

È, ent„o, ligado entre a esfer a e a casca esfÈrica. a) Calcule a diferenÁa de

a)

Calcule a diferenÁa de potencial elÈtrico inicial entre a esfera e

a

casca esfÈrica.

b)

Esboce, para dist‚ncias variando desde o centro da esfera atÈ

4R, os gr·ficos do campo elÈtrico e do potencial elÈtrico, apÛs o

sistema atingir o equilÌbrio.

(RESPOSTA UDESC-2009.2:

a) 5kQ/(2R)

b)

o equilÌbrio. (RESPOSTA UDESC-2009.2: a) 5kQ/(2R) b) (UFMS-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 026 (002+008+016) As
o equilÌbrio. (RESPOSTA UDESC-2009.2: a) 5kQ/(2R) b) (UFMS-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 026 (002+008+016) As

(UFMS-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 026 (002+008+016) As figuras mostram as linhas de forÁas que representam o cam- po elÈtrico gerado por trÍs distribuiÁıes de cargas diferentes. Na primeira, uma distribuiÁ„o de cargas que n„o aparece na figura, gera um campo elÈtrico uniforme, veja a Figura A. Na segunda, o campo elÈtrico È gerado por uma carga elÈtrica pontual e positi- va, veja a Figura B. Na terceira, o campo elÈtrico È gerado por um dipolo elÈtrico, veja a Figura C. TrÍs pontos, A , B e C, est„o localizados respectivamente nesses campos elÈtricos. Considere as linhas de forÁas contidas no pla- no da p·gina, despreze outras interaÁıes que n„o sejam elÈtri- cas e, com fundamentos no eletromagnetismo, assinale a(s) afirmaÁ„o(s) correta(s).

eletromagnetismo, assinale a(s) afirmaÁ„o(s) correta(s). (001) Se colocarmos uma partÌcula de massa m, carregada

(001) Se colocarmos uma partÌcula de massa m, carregada posi- tivamente no ponto A, e solt·-la, ela ir· movimentar-se com velo- cidade vetorial constante. (002) Se colocarmos uma partÌcula de massa m, carregada posi- tivamente no ponto B, e solt·-la, ela ir· movimentar-se com o vetor aceleraÁ„o vari·vel.

(004) Se colocarmos uma partÌcula de massa m, carregada no ponto C, e solt·-la, ela ir· movimentarse sempre sobre a linha de forÁa em que a partÌcula foi solta. (008) Se colocarmos uma partÌcula de massa m, carregada no ponto A, e a lanÁarmos com uma velocidade inicial transversal ‡s linhas de forÁa, sua trajetÛria ser· parabÛlica.

(016) Se o dipolo elÈtrico da figura C for colocado numa regi„o de campo elÈtrico correspondente ao da figura B, desalinhado com a linha de forÁa, o dipolo ser· arrastado para as proximida- des da carga elÈtrica positiva.

(UNESP-2009.2) - ALTERNATIVA: C No v·cuo, duas partÌculas, 1 e 2, de cargas respectivamente iguais

a Q 1 e Q 2 , est„o fixas e separadas por uma dist‚ncia de 0,50 m,

como indica o esquema. Uma terceira partÌcula, de carga Q 3 , È colocada entre as partÌculas 1 e 2, na mesma reta. Considerando

= 1,4, sabendo que as trÍs cargas tÍm sinais iguais e que a carga Q 1 = 2Q 2 , a dist‚ncia de Q 1 em que dever· ser colocada 1 = 2Q 2 , a dist‚ncia de Q 1 em que dever· ser colocada a carga Q 3 para que ela permaneÁa em equilÌbrio eletrost·tico ser·

de

a) 0,10 m.

b) 0,20 m.

*c) 0,30 m.

d) 0,40 m.

e) 0,50 m.

de a) 0,10 m. b) 0,20 m. *c) 0,30 m. d) 0,40 m. e) 0,50 m.

(UEM/PR-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 25 (01+08+16) Considere um plano infinito e delgado imerso no v·cuo, carrega- do positivamente e com densidade superficial de carga . Assi- nale a(s) alternativa(s) correta(s). 01) Nas vizinhanÁas da superfÌcie do plano, o campo elÈtrico È uniforme. 02) O fluxo elÈtrico nas proximidades do plano È tanto menor quanto maior for a densidade superficial de cargas do plano. 04) O vetor campo elÈtrico emerge da superfÌcie do plano e as linhas de forÁa do campo elÈtrico s„o representadas por retas paralelas ao plano. 08) O mÛdulo do campo elÈtrico prÛximo ‡ superfÌcie do plano È

2 0 . 16) Qualquer plano paralelo ao plano carregado pode represen- tar uma superfÌcie equipotencial. 0 . 16) Qualquer plano paralelo ao plano carregado pode represen- tar uma superfÌcie equipotencial.

carregado pode represen- tar uma superfÌcie equipotencial. (UEM/PR-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 11 (01+02+08) Com

(UEM/PR-2009.2) - RESPOSTA: SOMA = 11 (01+02+08)

Com relaÁ„o ‡ capacit‚ncia e aos capacitores, È correto afirmar

que

01) a diferenÁa de potencial entre as placas de um capacitor de placas paralelas corresponde ao trabalho, por unidade de carga, necess·rio para deslocar uma pequena carga de uma placa a

outra do capacitor. 02) a capacit‚ncia de um capacitor de placas paralelas È a cons- tante de proporcionalidade entre a carga acumulada no mesmo e

a diferenÁa de potencial entre suas placas.

04) a capacit‚ncia equivalente de N capacitores associados em sÈri e È o somatÛrio das capacit‚ncias dos capacitores individu- ais. 08) capacitores com capacit‚ncias vari·veis podem ser empre- gados em circuitos elÈtricos para a sintonia de receptores de r·- dio. 16) a capacit‚ncia equivalente de N capacitores associados em paralelo È menor que a menor capacit‚ncia individual emprega- da na associaÁ„o.

(UFLA/MG-2009.2) - ALTERNATIVA: B Duas placas paralelas est„o eletrizadas e geram em seu interior um campo elÈtrico uniforme de intensidad e E = 10 3 V/m (figura abaixo). Um ponto A desse campo tem potencial V A = 100 V, ent„o, um ponto B distante 20 cm de A tem potencial V B de:

a) ñ 80 V

*b) ñ 100 V

c) 0

d) ñ 20000 V

V B de: a) ñ 80 V *b) ñ 100 V c) 0 d) ñ 20000

(UECE-2009.2) - ALTERNATIVA: B Qual a energia potencial, em elÈtron-Volt (eV), adquirida por um prÛton ao passar de um ponto A, cujo potencial vale 51 V, para o ponto B, com potencial de 52 V?

a) 1840

*b) 1

c) 52

d) 51

ELETRICIDADE:

ELETRODIN¬MICA

VESTIBULARES 2009.1

VESTIBULARES 2009.2 P£G. 39

(UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: B

Alguns animais, como o peixe elÈtrico, conseguem gerar corren-

te elÈtrica pela simples migraÁ„o de Ìons de metais alcalinos atra-

vÈs de uma membrana. O Ûrg„o elÈtrico desse peixe È formado por cÈlulas chamadas de eletroplacas, que s„o similares ‡s mus- culares, mas n„o se contraem. Essas cÈlulas s„o discos achata- dos, nos quais uma das superfÌcies È inervada por terminaÁıes

nervosas colinÈrgicas. Quando estimuladas, apenas a superfÌcie inervada È despolarizada. Milhares de eletroplacas empilham-se em sÈrie formando conjuntos que, por sua vez, se dispıem em paralelo.

O esquema abaixo, representando esses conjuntos, detalha tam-

bÈm a estrutura b·sica da eletroplaca e mostra os potenciais de repouso da membrana e a sua invers„o na face inervada, quan-

do o nervo È estimulado.

invers„o na face inervada, quan- do o nervo È estimulado. OBS.: A SEGUNDA FIGURA EST£ AMPLIADA
invers„o na face inervada, quan- do o nervo È estimulado. OBS.: A SEGUNDA FIGURA EST£ AMPLIADA

OBS.: A SEGUNDA FIGURA EST£ AMPLIADA ABAIXO.

È estimulado. OBS.: A SEGUNDA FIGURA EST£ AMPLIADA ABAIXO. Admita as seguintes condiÁıes: ñ cada conjunto
È estimulado. OBS.: A SEGUNDA FIGURA EST£ AMPLIADA ABAIXO. Admita as seguintes condiÁıes: ñ cada conjunto

Admita as seguintes condiÁıes:

ñ cada conjunto de eletroplacas em sÈrie È formado por 5000

cÈlulas e existem 5 desses conjuntos em paralelo;

ñ esses 5 conjuntos em paralelo podem gerar uma intensidade total de corrente elÈtrica igual a 0,5 A.

Nesse caso, a potÍncia m·xima, em watts, que cada conjunto pode fornecer È igual a:

a) 50

*b) 75

c) 150

d) 750

(FGVRJ-2009.1) - ALTERNATIVA: D Uma diferenÁa de potencial de 24 milhıes de volts existente en- tre dois pontos da atmosfera terrestre provocou um raio de 3 10 5 A com duraÁ„o de 1 ms. Uma residÍncia com consumo men- sal de energia de 400kWh gasta uma quantidade de energia igual

‡ liberada pelo raio em: (Dados: 1kW = 10 3 J/s e 1ms = 10 ñ3 s)

a) menos de 1 mÍs.

b) 6 meses.

c) 1,8 meses.

*d) 5 meses.

e) mais de 1 ano.

(UERJ-2009.1) - ALTERNATIVA: A Um circuito empregado em laboratÛrios para estudar a condutividade elÈtrica de soluÁıes aquosas È representado por este esquema:

de soluÁıes aquosas È representado por este esquema: Ao se acrescentar um determinado soluto ao lÌquido

Ao se acrescentar um determinado soluto ao lÌquido contido no copo, a l‚mpada acende, consumindo a potÍncia elÈtrica de 60 W. Nessas circunst‚ncias, a resistÍncia da soluÁ„o, em ohms, corresponde a cerca de:

*a) 14

b) 28

c) 42

d) 56

(UFABC-2009.1) - ALTERNATIVA: B Hoje È muito comum, em instalaÁıes elÈtricas residenciais, o uso de interruptores paralelos, aqueles que permitem ligar e des- ligar uma l‚mpada quando colocados em paredes diferentes. A figura mostra um esquema com duas chaves CH1 e CH2 repre- sentando esses interruptores, uma l‚mpada e uma fonte de ten- s„o constante, todos ideais. O fi o 1 e o fio 2 s„o feitos do mesmo material, porÈm o comprimento do fi o 2 e sua ·rea de secÁ„o transversal s„o duas vezes maiores que os do fio 1. A chave CH1 pode ser conectada aos pontos A e B , e a chave CH2 pode ser conectada aos pontos C e D.

A e B , e a chave CH2 pode ser conectada aos pontos C e D.

Para estudar o funcionamento desse circuito, foram feitos dois experimentos:

1. experimento: CH 1 ligada em A e CH 2 ligada em C. 2. experimento: CH 1 ligada e m B e CH 2 ligada em D. Pode-se afirmar, corretamente, que

a) no 1. experimento, a l‚mpada brilha mais que no 2. experi-

mento. *b) no 1. experimento, a l‚mpada brilha da mesma forma que no 2. experimento.

c) no 2. experimento, a intensidade de corrente elÈtrica que passa

pela l‚mpada È quatro vezes maior que no 1. experimento.

d) no 2. experimento, a intensidade de corrente elÈtrica que passa

pela l‚mpada È duas vezes maior que no 1. experimento.

e) no 1. experimento, a potÍncia dissipada pela l‚mpada È o

dobro que no 1. experimento.

(PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: B No circuito apresentado na figura, onde V = 12 V, R 1 = 5 , R 2 = 2 , R 3 = 2 , podemos dizer que a corrente medida pelo amperÌmetro A colocado no circuito È:

a) 1 A.

*b) 2 A.

c) 3 A.

d) 4 A.

e) 5 A.

medida pelo amperÌmetro A colocado no circuito È: a) 1 A. *b) 2 A. c) 3
medida pelo amperÌmetro A colocado no circuito È: a) 1 A. *b) 2 A. c) 3
medida pelo amperÌmetro A colocado no circuito È: a) 1 A. *b) 2 A. c) 3

V

medida pelo amperÌmetro A colocado no circuito È: a) 1 A. *b) 2 A. c) 3

(UNISA-2009.1) - ALTERNATIVA: E De acordo com a 2™ lei de Ohm, a resistÍncia elÈtrica È direta- mente proporcional ao comprimento ( ) do fio condutor e inver- samente proporcional ‡ ·rea de sua secÁ„o transversa l(S) mul- tiplicado por uma constante de proporcionalidade que È a resistividade elÈtrica do material ( ). Matematicamente, a resis- tÍncia elÈtrica pode ser expressa pela equaÁ„o:

resis- tÍncia elÈtrica pode ser expressa pela equaÁ„o: a) b) c) d) *e) (PUCRIO-2009.1) - RESPOSTA:
resis- tÍncia elÈtrica pode ser expressa pela equaÁ„o: a) b) c) d) *e) (PUCRIO-2009.1) - RESPOSTA:

a)

b)

c)

d)

*e)

elÈtrica pode ser expressa pela equaÁ„o: a) b) c) d) *e) (PUCRIO-2009.1) - RESPOSTA: a) 3,0

(PUCRIO-2009.1) - RESPOSTA: a) 3,0 mA b) 2,4 mA c) 2,0 mA Montaremos um circuito elÈtrico como na figura. Quatro resistores (R 1 = 8,0 k , R 2 = 8,0 k , R 3 = 4,0 k , R 4 = 4,0 k ) est„o ligados por condutores sem resistÍncia a uma bateria d e V = 24

V. Os interruptores I 1 e I 2 podem estar abertos (A) ou fechados

(F). Calcule a corrente que passa por R 4 (resistor 4) para os ca- sos em que (I 1 ,I 2 ) s„o:

a) (A,A)

b) (F,A)

c) (F,F)

em que (I 1 ,I 2 ) s„o: a) (A,A) b) (F,A) c) (F,F) (PUCRIO-2009.1) -
em que (I 1 ,I 2 ) s„o: a) (A,A) b) (F,A) c) (F,F) (PUCRIO-2009.1) -
em que (I 1 ,I 2 ) s„o: a) (A,A) b) (F,A) c) (F,F) (PUCRIO-2009.1) -
em que (I 1 ,I 2 ) s„o: a) (A,A) b) (F,A) c) (F,F) (PUCRIO-2009.1) -
em que (I 1 ,I 2 ) s„o: a) (A,A) b) (F,A) c) (F,F) (PUCRIO-2009.1) -

(PUCRIO-2009.1) - ALTERNATIVA: A No circuito apresentado na figura, onde V = 7 V, R 1 = 1 , R 2 = 2

, podemos dizer que a corrente medida pelo

amperÌmetro A colocado no circuito È:

corrente medida pelo amperÌmetro A colocado no circuito È: , R 3 = 4 *a) 1
corrente medida pelo amperÌmetro A colocado no circuito È: , R 3 = 4 *a) 1

, R 3 = 4

pelo amperÌmetro A colocado no circuito È: , R 3 = 4 *a) 1 A b)

*a) 1 A

b) 2 A

c) 3 A

d) 4 A

e) 5 A

V

È: , R 3 = 4 *a) 1 A b) 2 A c) 3 A d)

(VUNESP/UNICID-2009.1) - ALTERNATIVA: D Ao consertar um televisor, um tÈcnico percebeu que um resistor

de valor R havia queimado. Como tal resistor n„o È mais fabrica- do, pensou nas seguintes possibilidades, recorrendo aos resistores que possuÌa, a saber:

I. dois resistores de R/2 em sÈrie.

II. dois resistores de 2R em paralelo.

III. trÍs resistores de 3R em paralelo.

Para dissipar a menor potÍncia em cada resistor (considere resistores Ùhmicos), o tÈcnico optaria por

a) apenas I.

b) apena s I e II.

c) apenas II.

*d) apenas III.

e) I, II e III.

(UNICENTRO/PR-2009.1) - ALTERNATIVA: B

A figura mostra um circuito composto por fios condutores ideais,

4 l‚mpadas idÍnticas, e uma bateria ideal. O fio AB È um condu-

tor de cobre que pode ser retirado do circuito.

È um condu- tor de cobre que pode ser retirado do circuito. Pode-se afirmar que a)

Pode-se afirmar que

a) as l‚mpadas tÍm brilhos idÍnticos, mas, com a remoÁ„o do fio

AB haver· alteraÁ„o no brilho de duas delas. *b) as l‚mpadas tÍm brilhos idÍnticos, que permanecem

inalterados com a remoÁ„o do fio AB.

c) as l‚mpadas tÍm brilhos idÍnticos, mas, com a remoÁ„o do fio

AB haver· alteraÁ„o no brilho de todas.

d) duas das l‚mpadas tÍm brilhos idÍnticos e as outras duas

est„o apagadas; situaÁ„o que n„o se altera com a remoÁ„o do

fio AB.

e) duas das l‚mpadas tÍm brilhos idÍnticos e duas est„o apaga-

das; com a remoÁ„o do fio AB todas ficar„o acesas.

(PUCPR-2009.1) - ALTERNATIVA: C

O setor agropecu·rio, nos ˙ltimos anos, vem passando por gran-

des transformaÁıes. Atualmente as propriedades rurais s„o do- tadas de um bom nÌvel de conforto, o que anteriormente era pri- vilÈgio somente dos habitantes urbanos. Sem d˙vida, a energia elÈtric a È a principal respons·vel por essa modernizaÁ„o. Ela permite desde a implantaÁ„o de motores elÈtricos, que aumen- tam a capacidade produtiva da fazenda, atÈ uma iluminaÁ„o efi- ciente bem como a utilizaÁ„o de aparelhos de comunicaÁ„o, como r·dio, telefone, TV e v·rios outros, proporcionando melhor quali- dade de vida e reduzindo o Íxodo rural.

Dessa maneira, a construÁ„o de usinas de pequeno porte pode ser uma alternativa para o fornecimento de energia elÈtrica para pequenas propriedades rurais. Em granjas, por exemplo, È comum a utilizaÁ„o de chocadeiras de ovos. Uma chocadeira de ovos comum necessita de quatro l‚mpadas de 4 0 W - 120 V para aquecer o ambiente interno. Essas l‚mpadas devem ficar ligadas 24 horas.

Usina EÛlica HidroelÈtrica TÈrmica Fotovoltaica (Energia radiante em elÈtrica)

Capacidade de geraÁ„o por dia 60 kwh 24 kW 20 kW

1,5 kWh

De acordo com o texto, assinale a alternativa CORRETA.

a) Na tabela acima a capacidade de geraÁ„o est· relacionada ‡

potÍncia elÈtrica gerada em cada tipo de usina.

b) Na usina eÛlica, a energia È do tipo n„o renov·vel.

*c) Utilizando-se a usina hidroelÈtrica e supondo que as l‚mpa- das da chocadeira est„o associadas em paralelo, È possÌvel for- necer energia elÈtrica para 150 chocadeiras por dia.

d) Supondo que a tens„o permaneÁa constante na associaÁ„o

das l‚mpadas da chocadeira, a potÍncia total ser· a mesma in- dependente de a ligaÁ„o ser em sÈrie ou em paralelo.

e) Supondo que a tens„o elÈtrica obtida gerada a partir de pai-

nÈis fotovoltaicos seja contÌnua e igual a 220 V, se ligarmos as l‚mpadas da chocadeira em sÈrie, nesta tens„o elas funciona- r„o normalmente.

(UFRJ-2009.1) - RESPOSTA: NO FINAL Um aluno dispıe de trÍs l‚mpadas e uma fonte de tens„o para montar um circuito no qual as l‚mpadas funcionem de acordo com as especificaÁıes do fabricante. As caracterÌsticas dos ele- mentos do circuito e os sÌmbolos a eles atribuÌdos s„o:

- l‚mpada 1: 100V, 40W e sÌmbolo

- l‚mpada 2: 100V, 40W e sÌmbolo

- l‚mpada 3: 200V, 40W e sÌmbolo

2: 100V, 40W e sÌmbolo - l‚mpada 3: 200V, 40W e sÌmbolo - fonte de tens„o:
2: 100V, 40W e sÌmbolo - l‚mpada 3: 200V, 40W e sÌmbolo - fonte de tens„o:

- fonte de tens„o: 200V, considerada ideal, e sÌmbolo

- fonte de tens„o: 200V, considerada ideal, e sÌmbolo Indique, por meio de um desenho, como

Indique, por meio de um desenho, como o aluno deve montar o circuito e calcule, nesse caso, a potÍncia total que as trÍs l‚mpa- das consumir„o.

RESPOSTA UFRJ - 2009.1: potÍncia = 120 W e figura a seguir

RESPOSTA UFRJ - 2009.1: potÍncia = 120 W e figura a seguir (VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: E

(VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: E Os resistores Ùhmicos, de formato cilÌndrico, tÍm sua resistÍncia variando diretamente com seu comprimento e inversamente com sua ·rea transversal, alÈm de depender do material de que s„o feitos. O par de gr·ficos que representa corretamente a variaÁ„o da resistÍncia R de um resistor em funÁ„o de seu comprimento L e de sua ·rea transversal A È o da alternativa:

a)

b)

c)

d)

*e)

sua ·rea transversal A È o da alternativa: a) b) c) d) *e) (VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA:

(VUNESP/UNINOVE-2009.1) - ALTERNATIVA: B

S„o dadas as curvas caracterÌsticas de dois resistores Ùhmicos

A e B.

curvas caracterÌsticas de dois resistores Ùhmicos A e B. Tais resistores s„o associados em sÈrie e
curvas caracterÌsticas de dois resistores Ùhmicos A e B. Tais resistores s„o associados em sÈrie e

Tais resistores s„o associados em sÈrie e ligados a uma fonte de tens„o. Observa-se a passagem de uma corrente elÈtrica de 3,0A atravÈs do resistor A. Pode-se concluir que

a) a corrente elÈtrica atravÈs de B vale 9,0 A.

*b) a fonte fornece uma ddp de 3,0 V.

c) a resistÍncia equivalente da associaÁ„o È de 5,3 .

d) a ddp nos terminais de A È de 3,0 V.

e) a ddp nos terminais d e B È de 6,0 V.