Pesquisa exploratória Uma das características da pesquisa exploratória, tal como é geralmente concebida, refere-se à especificidade das perguntas

, o que é feito desde o começo da pesquisa, como única maneira de abordagem. Para ilustrar este aspecto, retoma-se Babbie 1 : Definição A pesquisa exploratória é utilizada para realizar um estudo preliminar do principal objetivo da pesquisa que será realizada, ou seja, familiarizar-se com o fenômeno que está sendo investigado, de modo que a pesquisa subsequente possa ser concebida com uma maior compreensão e precisão. A pesquisa exploratória, que pode ser realizada através de diversas técnicas, geralmente com uma pequena amostra, permite ao pesquisador definir o seu problema de pesquisa e formular a sua hipótese com mais precisão, ela também lhe permite escolher as técnicas mais adequadas para suas pesquisas e decidir sobre as questões que mais necessitam de atenção e investigação detalhada, e pode alertá-lo devido a potenciais dificuldades, as sensibilidades e as áreas de resistência.[1] Uma pesquisa pode ser considerada de natureza exploratória, quando esta envolver levantamento bibliográfico, entrevistas com pessoas que tiveram, ou têm, experiências práticas com o problema pesquisado e análise de exemplos que estimulem a compreensão. As pesquisas exploratórias visam proporcionar uma visão geral de um determinado fato, do tipo aproximativo.[2] A pesquisa exploratória é realizada sobre um problema ou questão de pesquisa que geralmente são assuntos com pouco ou nenhum estudo anterior a seu respeito. O objetivo desse tipo de estudo é procurar padrões, idéias ou hipóteses. A idéia não é testar ou confirmar uma determinada hipótese. As técnicas tipicamente utilizadas para a pesquisa exploratória são estudos de caso, observações ou análise históricas, e seus resultados fornecem geralmente dados qualitativos ou quantitativos. A pesquisa exploratória avaliará quais teorias ou conceitos existentes podem ser aplicados a um determinado problema ou se novas teorias e conceitos devem ser desenvolvidos Babbie resume as finalidades da pesquisa exploratória dizendo: Estudos exploratórios" são tipicamente terminados para três propósitos: (1) simplesmente satisfazer a curiosidade do investigador e desejar para melhor compreensão, (2) testar a viabilidade de empreender um estudo mais cuidadoso, e (3) desenvolver os métodos a ser empregados em um estudo mais cuidadoso." O estudo exploratório pode ajudar a resolver algumas dificuldades em pesquisa. Uma delas é a que se refere ao desenvolvimento de programas, na concepção de que a população constitui um

estes são os certos. "Além destes modelos do que pode aumentar educação de saúde. Nada mais que um engano. a pesquisa constituiria o passo inicial a subsidiar o planejamento de programas de saúde direcionados para a mudança de comportamento de individuos12. Neste caso. com o universo de explicações populares. as respostas seriam consideradas certas porque se conformam com o Repertório Profissional de Respostas. É costume. Não é outra a opinião de Ross e Rosser 10. por exemplo)"6. 2) deve-se buscar sempre ampliar o conhecimento e 3) esperar respostas racionais pressupõe formulação de perguntas também racionais. que varia de país para país. Fazer perguntas racionais para receber respostas racionais implica fazer perguntas congruentes com o Repertório Popular de Respostas: as respostas serão "lógicas". o que não se conforma com tais conhecimentos. considera-se errado 6 .recipiente vazio ("empty vessel") e que a tarefa educativa se resumiria em preenchê-lo. as respostas estariam de conformidade com a "realidade". a medicina popular conta com entidades mórbidas. da maneira proposta neste trabalho. pois a população é rica de conhecimentos e esses conhecimentos. há também várias ilusões que devem ser notadas. a fim de que o programa educativo alcance maior aceitação. que não encontram correspondente no campo da medicina científica (mau-olhado. Fundamentos da Pesquisa Exploratória A pesquisa exploratória. De outro lado. Essas barreiras podem ser conhecidas por meio do estudo exploratório e. segundo esse entendimento. ou seja. . a popular. na área das ciências da saúde." Nesse enfoque. pelo menos. "Pergunta racional" merece uma referência especial em termos do enfoque dado a este trabalho. se se coadunarem com este Repertório. considerar-se o termo racional como aquele baseado nos conhecimentos científicos. muitas vezes. o conhecimento será tido como certo se se coadunar com o Repertório Popular de Respostas. em cada comunidade e classe social. ou seja. além de vaga. "Enquanto a terminologia médica é essencialmente precisa e restrita. apresenta uma riqueza prodigiosa de palavras a respeito de uma doença. além disso. de região para região e. Al de et verde (1980) se refira o 'falácia de recipiente vazia' em qual os pedagogos se comportam como se tudo eles têm que fazer para assegurar o sucesso do deles/delas a favor de carneiros de g é verter informação nas mentes vazias da população designada. há uma forma alternativa de se considerar o conhecimento popular como certo. opiniões. apoia-se em determinados princípios bastante difundidos: 1) a aprendizagem melhor se realiza quando parte do conhecido. Neste caso. 5. parcialmente contornadas. em barreiras. Mas. valores e atitudes é que vão se constituir. também. Assim. com o universo de explicações científicas.

ou perguntas pertinentes e de interesse. Em resumo. sob o pretexto de que não apresenta qualquer significado de valor. ao contrário do que é considerado certo pela práxis. O emprego de questionários não-estruturados (contendo apenas perguntas. Há respostas mais válidas e menos válidas. pretende-se medir o conhecimento popular sobre a etiologia do câncer ginecológico. errática e distorcida. o que pode parecer racional à luz do Repertório Profissional de Respostas. Por exemplo. Além disso. que. mais capaz será o instrumento de relatar com precisão as melhores respostas. para se obter determinada resposta. então. pois. portanto. Nessas condições. Mas para fazer "boas perguntas". A realidade educativa com que os técnicos por vezes lidam sói ignorar simplesmente o Repertório Popular de Respostas. é preciso fazer a pergunta correspondente. Como perguntar para saber o que as pessoas sabem a esse respeito. menosprezá-la ou ignorá-la. a metodologia empregada é inadequada para abordar esse modelo de repertório. Quando se aplica um questionário pré-estabelecido (estabelecido antes de se conhecer a realidade. ou seja. pode ser irracional e inadequado quando se tem em vista que o modelo a seguir seria o do Repertório Popular de Respostas. Pode-se dizer. Assim. Cai-se. é aumentar a probabilidade de se colher resultados negativos na tarefa educativa. dentro do Repertório Popular de Respostas. como elas sentem e reagem. para receber respostas racionais. as respostas mais adequadas ou convenientes para a pesquisa. além das dificuldades conhecidas que apresentam.Desse modo. num círculo vicioso: Para obter "boas" respostas preciso fazer "boas" perguntas. de forma irregular. para se obter "boas" respostas é preciso fazer-se "boas" perguntas. em elaborar um instrumento de medida capaz de captar. fazer perguntas racionais. não conduzem ao âmago do Repertório Popular de Respostas. O problema está em identificá-las. permite. Para fazer "boas" perguntas precisa-se conhecer as respostas que as perguntas podem suscitar. Quanto mais ajustado à realidade. está em sair desta circularidade. que consistiriam no "Universo de Respostas". antes de se conhecer o Repertório Popular de Respostas). o problema de elaborar um bom instrumento de medida se transfere para busca de um melhor conhecimento do Universo de Respostas. é preciso conhecer com antecipação as possíveis respostas. suas opiniões? A solução do problema está. Negar essa realidade. do Universo de Respostas. então. costuma-se distorcer os resultados. sem previsão das respostas). que se o aflore superficialmente. Quanto melhor o conhecimento do Universo de . sob a alegação de que as pessoas são ignorantes. No Universo de Respostas há n respostas. O problema. A técnica de abordagem para se conhecer um dos repertórios costuma ser inapropriada para conhecer o outro. suas atitudes. umas melhores ou mais pertinentes que outras. implica saber fazer perguntas adequadamente "racionais" em termos do Repertório Popular de Respostas. apenas.

Assim. às vezes pronunciadas. seu próprio modo de pensar seja modificado 6. Do exposto. essenciais. a pesquisa exploratória. progressivamente. é suficientemente palpável para se afirmar que a expressão "pesquisa exploratória" pode ser aplicada a realidades distintas. entre as concepções científicas e as concepções populares. no instrumento de medida. 6.Respostas. à descoberta de enfoques. Em outras palavras. Nessa concepção. a pesquisa exploratória tem por finalidade o refinamento dos dados da pesquisa e o desenvolvimento e apuro das hipóteses. É inegável que existem diferenças. tornando-a mais consentânea com a realidade. redundando. que se deseja conhecer os fatores da prole numerosa ou do controle de natalidade. segundo as concepções tradicionais. quase que imperceptivelmente. ele vai conseguindo controlar. por exemplo. assim. como se uma subpesquisa fosse e se destina a obter informação do Universo de Respostas de modo a refletir verdadeiramente as características da realidade. aumentar o grau de objetividade da própria pesquisa. E ele será um bom instrumento. apresentados por outros autores retro-mencionados. mais capacitado está o pesquisador em elaborar um bom instrumento de pesquisa. permite que a realidade seja percebida tal como ela é. este tipo de tendência poderá conduzir o pesquisador a perceber a realidade segundo sua ótica pessoal. Pressupõe-se que o comportamento humano é melhor compreendido no contexto social onde ocorre9 . permitindo o controle dos efeitos desvirtuadores da percepção do pesquisador. de caráter técnicoprofissional. em distorções apreciáveis e significativas. na qualidade de parte integrante da pesquisa principal. o seu viés pessoal. Em outras palavras. Enquanto. Esse afastamento se refere não só a pormenores. tem por objetivo conhecer a variável de estudo tal como se apresenta. Não corrigido. seu significado e o contexto onde ela se insere. Pode-se constatar a subsistência desta proposição se se considerar. A Pesquisa Exploratória como Recurso Metodológico Define-se pesquisa exploratória. ou estudo exploratório. E que estas diferenças são desconhecidas e podem operar conseqüências importantes. ao final. Nesse sentido. nesta nova concepção é realizada com a finalidade precípua de corrigir o viés do pesquisador e. esse estudo tem um sentido geral diverso do aplicado à maioria dos estudos: é realizado durante a fase de planejamento da pesquisa. vai ajustando suas percepções à percepção dos entrevistados. A pesquisa exploratória. paulatinamente. percepções e terminologias novas para ele. contribuindo para que. na medida em que for capaz de fazer boas perguntas. e não como o pesquisador pensa que seja. Essa prática do pesquisador. depreende-se ser esta concepção consideravelmente distante dos entendimentos de praxe. tem por finalidade evitar que as predisposições não fundadas no repertório que se pretende conhecer influam nas percepções do pesquisador e. como o estudo preliminar realizado com a finalidade de melhor adequar o instrumento de medida à realidade que se pretende conhecer. Isto significa que ele. mas também a aspectos básicos. frequentemente. consequentemente. realizando a . a pesquisa exploratória leva o pesquisador.

. Constitui parte dela e não subsiste por si só. integra-se ao planejamento da pesquisa principal. A pesquisa exploratória. .Na forma proposta. embora passe a contar com mais informações e mais detalhes. de caráter profissional. aliar as vantagens de se obter os aspectos qualitativos das informações à possibilidade de quantificá-los posteriormente. Trata-se de procedimento que muito exige do pesquisador. há uma projeção da mente do pesquisador no que está sendo observado ou perguntado. Esse esforço é tão mais intensivo quanto mais no início se está na pesquisa. em que os pontos de vista e as motivações pessoais. E um meio simplesmente. Operacionalização da Pesquisa Exploratória Operacionalmente. O estudo exploratório permite. de um ponto de vista epistemológico e metodológico possam existir diferenças marcantes. Acredita-se. com base nas informações que emergiram da própria população. Resumindo. possibilitando ampliar a compreensão do fenômeno em estudo 4 . a pesquisa principal. partindo de uma situação de pouco ou nenhum conhecimento do Universo de Respostas. Embora. mas um meio muito importante para mostrar a realidade de forma verdadeira. . duas diferenças básicas distinguem as pesquisas exploratórias realizadas segundo o procedimento tradicional e da forma aqui proposta. Essas perguntas conferem direção à pesquisa. assim norteada. referenda-se a afirmação de Leitão 2. Nesse sentido. há um esforço grande do pesquisador para controlar os efeito distorcivos de sua subjetividade naquilo que está sendo perguntado. pode levar a falsas concepções. desde que se torna necessário apreender e transferir para o instrumento os significados e o vocabulário conferidos pelos indivíduos ao objeto de estudo. portanto.pesquisa definitiva com base em suas próprias concepções. pode-se descrever o estudo exploratório como constituindo um "continuum" que. no seu conjunto. não se considera haver oposição frontal entre as citadas abordagens. a respeito do "sentido ético possível de ser encontrado na associação de métodos quantitativos e qualitativos de pesquisa. A subjetividade não pode ser totalmente controlada. ela. alcance a condição de um conhecimento qualitativo autêntico desse mesmo universo." 7. o que é feito através de perguntas específicas. predominam. mas o que importa é o grau de controle possível de ser feito.No modelo tradicional. cujo fim último deveria ser a busca de melhorias de vida dos seres humanos. portanto. não é outra coisa que a mente do pesquisador projetada na pesquisa.9. que o emprego equilibrado de metodologias qualitativas e quantitativas permite ampliar a compreensão acerca de determinada realidade5. ou seja. Torna possível estruturar totalmente as questões do instrumento da pesquisa. Dessa forma. construir as perguntas e as respostas pertinentes. Esta associação realiza-se em nível de complementaridade.

em suas anotações. de preferência. procura-se dialogar com o entrevistado dentro de um campo descontraído. Deve. porém pertinentes ao objeto de estudo e interessantes para a pesquisa. As entrevistas devem. para isso. alguns itens que lembra vagamente mas que não pode localizar. Cada etapa se apoia nos resultados obtidos na etapa anterior. se no decorrer das entrevistas verificar-se que a conversa toma rumos diferentes. irregular. de forma que aqui não é possível apresentar regras específicas. também. Quanto ao objecto que se tinha primordialmente em mente para o assunto. nas quais. torna-se difícil ou impossível lembrar quais dos registros contêm ou não informações sobre determinado tópico. Algum sistema classificatório é essencial para que o investigador evite perder muitas horas a procurar. além da habilidade de fazer o respondente falar livremente e de dar informações. não se deve hesitar em modificar o roteiro planejado. evitando-se perguntas que possam dirigir respostas para o que se tem em mente. em que se propicia o máximo de liberdade de expressão15 . dispersa. Para solucionar o problema do grande acervo de dados. serão realizadas tantas quantas forem necessárias. "filtrar" o que vê ou ouve através das lentes subjetivas de sua própria personalidade. tendo em vista o tema da pesquisa. No conjunto. À medida que se acumulam os registros de relatos. As entrevistas individuais ou em grupo oferecem vantagens e desvantagens que se complementam reciprocamente. a vantagem de associá-las 3. Esse tipo de entrevista tem por finalidade obter o máximo de informações que o indivíduo entrevistado possa oferecer. disforme. O sistema de classificação deve ser adaptado ao objeto da pesquisa. o pesquisador pode criar um sistema mais complexo de classificação. podem ocorrer sucessivas modificações. seja pela incorporação de aspectos antes desconhecidos pelo pesquisador. cada uma delas apresenta finalidade e metodologia próprias. A entrevista em profundidade não dirigida é de difícil realização. requerendo experiência do pesquisador porque. O material colhido costuma ser abundante e bastante diversificado. Mas. costuma-se usar um roteiro para as entrevistas. ser gravadas. contendo apenas tópicos sobre os quais se pretende conversar. Contudo. As entrevistas em profundidade e não dirigidas podem ser realizadas com um só respondente ou em grupos de 3 a 6 respondentes. ficando difícil perceber-se uma linha condutora. procurar verificar o que é real no mundo do respondente evitando. recomenda-se classificar o material disponível . à medida que a pesquisa se torna mais claramente focalizada. as etapas constituem trabalho harmónico e coordenado. Daí. além disso. Não existe um número pré-determinado de etapas. o que torna esta fase de difícil equacionamento. até a elaboração de um instrumento totalmente estruturado13. seja pela reformulação dos previamente conhecidos. deve evitar induzi-lo a manifestar idéias que não são as suas.Esse estudo é realizado em várias etapas. Nesta fase. reavaliar continuamente o que é importante e o que não é importante. Deve. A primeira etapa consiste em realizar entrevistas em profundidade e não-dirigidas.

embora raramente isto aconteça. Quanto mais desconhecido o Universo de Respostas. Nestes se incluem. procura-se burilar os dados. colaboração maior ou menor da população. não só os dados passam a ser ordenados. o que se fará. assim. cada vez mais específicas . mas já com contornos inteligíveis. Deve-se procurar apurar melhor os aspectos formais das questões. ou. Esta condição demonstra que se chegou ao "fundo do poço".tomando como fio condutor o objeto de pesquisa. Especificamente. A seguir. . as novas respostas vão se tornando cada vez menos freqüentes e. conhecimentos do repertório profissional introduzidos em fase mais avançada . pode ser a etapa final de uma sucessão de etapas preliminares. geralmente. 5 ou 6. desconhecimento maior ou menor do Universo de Respostas. a fim de obter novas informações e. Daí para frente. O que sobra é um material ainda bruto. admite-se que se repita a primeira fase para resolver especificamente este problema.ou melhor. a primeira. Na última etapa aborda-se o aspecto quantitativo da pesquisa exploratória. As perguntas e respostas são progressivamente aperfeiçoadas através de sucessivas aplicações. A seguir. Assim. Esta fase da pesquisa. vão tendo cada vez menos interesse.para aperfeiçoar certos dados ou para obter conhecimentos novos. grau de habilidade do pesquisador. deve-se melhorar as respostas. É recomendável entrevistar pessoas diferentes em cada etapa. o objetivo é apurar sempre mais os resultados obtidos e rever a classificação dos dados. respostas que eqüivalem às categorias da variável. também. complexidade da pesquisa. mais provável ser maior o número de etapas.os quais vão se reunir aos do repertório popular formando um todo único. é aplicado a uma amostra de. Na etapa seguinte da pesquisa exploratória. é feita completa revisão do questionário. Pára-se no momento em que se começa a receber as mesmas respostas. o universo de respostas. como também escoimados dos assuntos irrelevantes. ampliar o Universo de Respostas. Se determinados aspectos não ficaram devidamente esclarecidos ou permaneceram omissos. amplitude do campo de pesquisa e qualidade dos dados a serem obtidos. praticamente estruturado. geralmente. por isso. os dados são colocados sob a forma de perguntas e respostas. como. Nas etapas subseqüentes. Isto é possível porque já se domina praticamente todo. termina com a saturação do assunto. A pesquisa exploratória pode ser realizada em uma só etapa. ou quase todo. o questionário. tamanho 30. Esse número varia em função de vários problemas. fazendo-se perguntas específicas . em número raramente maior que 10. em grande parte. Nessa etapa. visando ao seu aperfeiçoamento e à eliminação de questões que se mostraram de pouco interesse do ponto de vista quantitativo. aplicando os princípios da categorização de variáveis. então.

A identificação do nome da doença constitui-se em informação básica. Exemplificando. pois a pesquisa depende de comunicação clara e eficaz. Quando se faz pesquisa exploratória. Nestas condições. necessidade de alterações. doença da vida. em etapas que se superpõem. 1. pingadeira. doença do canal. gota matutina. O pré-teste se limita a um aperfeiçoamento do questionário quanto à sua forma. como à atitude. praticamente. aos valores e à conduta. não havendo. esquentamento. 2. as questões de forma já vão sendo resolvidas. o pré-teste passa a ser parte integrante dela. utilizados popularmente. crença e opinião. em compensação. Indicações da Pesquisa Exploratória Dentre as várias possíveis aplicações da pesquisa exploratória pode-se enumerar algumas indicações. Contudo. nas seguintes etapas principais. grosseiramente. Não se deve confundir pesquisa exploratória com pré-teste. purgação. o termo blenorragia deve ter pequena penetração popular. . fogagem e outros. Sem isso. doença da rua. a comunicação com a maioria dos respondentes ficaria impossível ou equívoca 6. uma grande variedade de sinônimos: gonorréia. Tem-se. pode-se dizer que a pesquisa exploratória pode ser agrupada.Esta é a finalidade primordial da pesquisa exploratória. doença do homem (e da mulher). Identificação do Nome da Doença .Não se pode esquematizar com precisão as etapas da pesquisa exploratória. E a comunicação deve ser feita em termos dos nomes que fazem parte do Repertório Popular e não do Repertório Profissional. Deve-se levar em consideração o conhecimento popular dos referentes científicos. O Repertório Popular de Respostas tanto pode se referir ao conhecimento. pois elas dependem de numerosos fatores aleatórios. 8. nela estando embutido. Conhecimento do Repertório Popular de Respostas .

planejar mais eficientemente o tamanho amostral. A pesquisa exploratória contribui para que se conheça melhor as características da população e. o alvo é atingido mais eficientemente. de preferência. 4. resultante do processo de aprimoramento desse instrumento de medida.Tem sua aplicação limitada aos "surveys". ponderados os prós e contras. transmissão. exercícios físicos. Assim. como se depreende. 3. Permite. Nos experimentos tem pouco uso. . Pode-se lembrar. nesse sentido. finalmente. tratamento. principalmente no que tange à aplicação do princípio da utilidade. Elaboração de Questionário Ajustado à Realidade . entre outros. a pesquisa exploratória permite um conhecimento mais completo e mais adequado da realidade. Considerações Finais Em suma. gravidade. contraceptivos. devido ao melhor conhecimento da população que se pode verificar qual a forma de aplicação mais adequada do instrumento. . Todos os assuntos cujo enfoque popular seja mal conhecido. assim. de tal modo que se adota o seguinte critério para sua indicação: . . seqüelas. inegável vantagem. É também. O questionário final será totalmente estruturado. diagnóstico. se por auto-aplicação ou por entrevista.Deve-se dispor de tempo para realização da pesquisa exploratória. é decorrente do progressivo melhoramento do questionário. devido à pesquisa exploratória ele incorpora também as vantagens dos questionários constituídos de questões abertas. prevenção. por exemplo. podem ser pesquisados. desconhecido. O seu emprego sofre muitas limitações.Deve ser necessária. causas. Cumpre ressaltar. Esta corresponde ao Universo de Respostas. 5. A pesquisa exploratória corresponderia a uma visualização da face oculta da realidade. Mas não são apenas as doenças que são suscetíveis de serem estudadas por pesquisa exploratória. ou seja. ou conhecido por outra forma. Esta face seria iluminada pela pesquisa exploratória. acidentes.Esta vantagem. O que nem sempre ocorre. Uma pesquisa realizada dentro de um contexto exclusivamente profissional. pesquisas sobre alimentação. drogas e fumo. suscetibilidade. alcoolismo. também identificar/categorizar de forma adequada certas variáveis independentes mais complexas. torna desnecessário o uso do contexto popular. referir-se ao conhecimento de. Convém lembrar que. entre outros. deve ter indicação precisa.Quando a pesquisa se refere a uma doença ela deverá. o que representa. 9. com mais consciência. que a pesquisa exploratória não é uma a resolução universal e nem apresenta utilização plenamente assegurada.

1987. 4th ed. I. Oftal. Res. QUEIRÓZ. M. 9. 10. 11. Rev. Paulo. Percepção cultural dos fatos sociais: suas implicações no campo da saúde pública. B. 13.. R. R. & ANDRÉ. São Paulo. PIOVESAN.. & IVERSON.. 4: 85-97. Brás. org. M. de S. . C. 54: 279-81.13 (3): 11-18.Faculdade de Saúde Pública da USP]. São Paulo. P. [ Medline ] [ Lilacs ] [ Adolec ] [ SciELO ] 12. 8. 13-29. [ SciELO ] 3. Belmont. E. B. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. A. The practice of social research. E. O pesquisador. Education and AIDS risk: a review.Deve haver compensação para o tempo investido e o maior custo da pesquisa. Debate sobre o artigo de Minayo & Sanches. Cad. 1993. TEMPORINI. 1991. 1986. Saúde Pública. 2.G. 9: 239-62. Wadsworth Publ. Da necessidade das escolas de saúde pública elaborarem métodos simplificados de investigação social. Arq. Pesquisa de oftalmologia em saúde pública: considerações metodológicas sobre fatores humanos.. & SANCHES. 6. 1986.. Saúde Pública. Saúde do escolar: conduta e opinião de professores do sistema de ensino do Estado de São Paulo. [ Lilacs ] 5. de P. A. O. EPU. Nursing research: principles and methods. D. Ação preventiva em problemas visuais de escolares. S. PIOVESAN. Saúde Pública. Esse tempo adicional deve ser compensado pela maior eficácia da pesquisa. 18: 259-62. M. TEMPORINI. D.S. E. 1970. & ROSSER.B. 4. E. 1986. Philadelphia. ROSS. 1993. Referências Bibliográficas 1. p. Qualitative methods for evaluative research in health education programs. Reflexões sobre a pesquisa sociológica. C. 7. M. [Tese de Doutorado . 1968.Faculdade de Saúde Pública USP]. (Coleção Textos. Rev. 1992. 10. R. D. Health Educ. & HUNGLER. LEITÃO. Saúde Pública. A. LÜDKE. A. POLIT. E. BABBIE. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Cad. Health Educ. MULLEN. TEMPORINI. Centro de Estudos Rurais e Urbanos. B. W. Lippincott. S. M. 9: 257-8. 3). o problema da pesquisa. [Tese de Doutorado . a escolha de técnicas: algumas reflexões. F. R. P. 1982. 1984. J. 1989. 2a série. 4: 273-84. MINAYO. D. São Paulo. 3rd ed.. In: Lang.

acabei sendo conduzindo pelo orientador e uma pesquisa exploratória. 2a série. disse anteriormente que meu projeto se enquadrava no que Gil classifica como pesquisa exploratória e agora digo que usei uma técnica da pesquisa descritiva. Ainda muito vago. Como exemplo. Edméa Rita Temporini . Trata-se de uma investigação com a finalidade de exaurir as características do objeto proposto. TRIGO. Cleveland. The World Publ.ertempor[arroba]usp. 1992. poderia citar o projeto que desenvolvi no primeiro ano de bolsista de Iniciação Científica (2007-2008) – IC – . p. 30-41. & BRIOSCHI. B. B. A modern dictionary of sociology. Melhoramentos. In: Lang. São Paulo. 15. Processo 95/2290-6 * Dicionário Melhoramentos da língua portuguesa. R. Nova Fronteira. G. pretendendo determinar a natureza dessa relação. São Paulo. Pesquisas descritivas As pesquisas descritivas exprimem em seu nome o objetivo em questão.Brasil Pesquisas exploratórias Gil entende pesquisas exploratórias como sendo aquelas cujos objetivos se concentram em conhecer melhor o objeto a ser investigado. A.br Departamento de Prática de Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública -Universidade de São Paulo .14. O próprio título indica o quão vago o problema proposto estava. Segundo o autor. Gil aponta que métodos comuns de coleta de dados nessa pesquisa seriam o questionário (no caso. A. Por se tratar de um primeiro exercício científico. Rio de Janeiro. do que conhecemos como “pesquisa de opinião”) e a observação sistemática – técnica que empreguei nos dois anos de IC. sob o título de “As relações econômicas na web sob a lógica P2P”. Centro de Estudos Rurais e Urbanos. por exemplo. Neste caso tem-se uma pesquisa . 1977 ** Novo dicionário da língua portuguesa. H. Unabridged.. M. 1970. Methuen. A. THEODORSON. Interação e comunicação no processo de pesquisa. Ora. 1965 Armando Piovesan. G. Edição subvencionada pela FAPESP. org. 2nd ed. S. “pode-se dizer que estas pesquisas têm como objetivo principal o aprimoramento de idéias ou a descoberta de intuições”. 1986 *** Webster's New Twentieth Century of the English Language. ainda que de forma muito tangencial. cujo objeto se revelou sendo os blogs. (Coleção Textos. L. Pode parecer uma incongruência a primeira vista. G. procedemos a uma exploração das características desse meio. London. 2a ed. 3). bem como a sua relação com o jornalismo. Reflexões sobre a pesquisa sociológica. mas conforme o autor nos explica: “Algumas pesquisas descritivas vão além da simples identificação da existência de relações entre variáveis. & THEODORSON.

. porque explica a razão. 1994. o autor nos apresenta a seguinte definição: “essas pesquisas têm como preocupação central identificar os fatores que determinam ou que contribuem para a ocorrência dos fenômenos. De forma bem simples e direta. Este é o tipo de pesquisa que mais aprofunda o conhecimento da realidade. Mas o mesmo autor nos apresenta outra forma de classificá-las – dessa vez. 46) Essa é uma classificação baseada nos objetivos da investigação científica.descritiva que se aproxima da explicativa. Antônio Carlos. Mas há pesquisas que. acabam servindo mais para proporcionar uma nova visão do problema. 46) Temo. Como Elaborar um Projeto de Pesquisa. Gil nos explica a natureza uma pesquisa explicativa. No próximo post veremos oito tipos existentes de pesquisa sob o viés metodológico.. o porquê das coisas” (GIL. embora definidas como descritivas a partir de seus objetivos. a partir dos métodos empregados para solucionar o problema proposto. 3ª ed. que o projeto citado anteriormente não tenha sido exploratório. p. São Paulo. Referências: GIL. Atlas. 1994. o que as aproxima das pesquisas exploratórias” (GIL. então. 1994. Pesquisas explicativas Por fim. p. mas sim descritivoexploratório.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful