P. 1
Rendas Uniformes e Variáveis

Rendas Uniformes e Variáveis

|Views: 6.918|Likes:
Publicado porroberto_filho18

More info:

Published by: roberto_filho18 on Aug 11, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/17/2013

pdf

text

original

Apresentação

É com bastante satisfação que tomo a liberdade de apresentar esta obra Matemática Financeira, de autoria do professor Milone, que também escreveu diversas obras relacionadas às muitas aplicações da Matemática. Entretanto, este não é apenas mais um livro de matemática financeira e tampouco apenas mais um livro do autor. Milone procurou, como lhe é peculiar, manter a qualidade técnico-teórica de sua obra, criando, desenvolvendo e apresentando resolvidos mais de 700 exercícios. Mas isso ainda não é o bastante para o diferenciar dos demais. Ele também decidiu usar todo seu conhecimento cultural. Essa decisão é muito bem-vinda na área acadêmica, especificamente nos livros relacionados aos “frios” assuntos matemáticos. O autor valeu-se de uma criatividade estupenda para apresentar aos leitores – alunos, professores, profissionais da área – o processo de comportamento de pessoas comuns em situações do cotidiano, durante atividades de compra e venda, fazendo alusão a personagens, trechos de músicas e literatura em geral. Por meio de seus “heróis”, Milone inventa textos que apresentam angústias, paixões e destinos, que criam situações de compra e venda ou justificam negociações de taxas de juros, métodos de pagamento, valores presentes e tantas outras circunstâncias nas quais a matemática financeira se aplica. Enfim, como o próprio autor esclarece, essas criações em nada prejudicam o processo básico de solução dos exercícios. No entanto, acredito que a possibilidade de os leitores, principalmente os mais jovens, se identificarem com as estórias referenciadas nos exemplos e exercícios acabe por facilitar o processo de assimilação do conteúdo mais técnico. Dalva Regina Ribeiro Barbosa Professora do Departamento de Informática e Métodos Quantitativos da EAESP/FGV

V

. . . .8 Fluxo de caixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . .15 Desconto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .12 Risco . . . . .11 1.4 Capitalização contínua . . . . .1. . . . . . . . . . . . .2 Capitalização composta . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .14 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10 Intermediação e tributação .14 Valor nominal e valor atual . . . . .14 1. .13 1. . . . . . . . . . . . . . . .4 Montante . . . .Sumário Prefácio . . . . . . .1 Capitalização simples . . . . .13 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .13 1. . . . . . . . . . . . . .1. . . . . .2 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .11 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . 16 1. . . . . . . . . . . .3 1. .7 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .14 1. . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Capitalização discreta . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. .1. . . . . . . . . . . . .2 Regimes financeiros . . . . . . . . . . . . .1. . . .5 Relações básicas em todo e qualquer regime . . . . . . . . . . . . . . . .2. . .3 1. . . . . . . . . . 16 1. . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9 Carência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . .11 Títulos de crédito .11 1. . . . . . .1.6 Taxa de juros . . . . . . . .13 Inflação e correção monetária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 1.3 1. . . . . . . . . . . . . . . .17 Precisão dos valores . . . . . . . . . . .1 Capital . . . . . . . . . . . .2 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Renda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . .16 1. . . .5 Juro . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 Tempo . . . . . .XIII 1 Conceitos Básicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . .16 Valor descontado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17 VII .6 Formas de estudo e relações entre os regimes . . . . . . . 15 1. . . . .1 Definições . . . . . .3 Amortização . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .44 3. . . . . . . . .1 Fórmulas derivadas .2 Juro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Desconto racional ou “por dentro” . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Prazo médio . . . . . . . . . . .20 2 Capitalização Simples . . . . . . . . . . . .58 4. . . . . . . . . .3.1. . . . . . . . .3 Capitalização contínua . . . .2. . . . .48 Exercícios . . . . . .49 4 Descontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .57 4. . . . . . . . . . .1 Fórmulas derivadas . . . . . . . . . . . . . . . .39 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Capitalização composta em períodos fracionários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28 2. .1. . . .1 Desconto comercial ou “por fora” . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Convenção exponencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .40 3. . . . . .1 Fórmulas derivadas . . . . . . . . . . .5 Dos problemas e análises de investimento . . . . . . . .26 2. . .MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITORA THOMSON 1. . .29 Exercícios . . . . . . . . . . . .1 Conceito . . . . . . .23 2. . . . . . . . .47 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Montante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18 1. . . . . . . . . . . . . .47 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Convenção linear . . . . . . . .1 Juro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .30 3 Capitalização Composta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . .24 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Capitalização composta com taxas variáveis . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .20 Exercícios . . . . . . . . .47 3. . . . . . . . . . . . . . . .59 VIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Moedas mundiais e respectivas representações . . . . . . . . . . . . .43 3. .2 Capital médio . . . . . . . .58 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .45 3. . . .39 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Simbologia . .25 2. . .25 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . .1 Fórmulas derivadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .46 3. . . .1 Montante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . .19 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Capitalização fracionária . . . . . . . . . .

. . . . . .84 5. . .5.65 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .75 5. . . . . . . . . . . .3. . . . . .GIUSEPPE MILONE SUMÁRIO 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Taxas de juros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .91 IX . . . . . . . . . . . .8 Over . . . . . . . . . . . . . . .80 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Bancário . . . . . . . . . . . . . . . . .65 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .75 5. . . . .81 5. . . . . . . . . . . . .87 5. . . . . . . . . .5. . . . . .1 Exato . . . . . . . . . .91 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Aparente . . . . . . . . . . . . .90 5.2 Valor descontado . . . . . . . . . . . . . . .84 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .78 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .76 5. . . . . . . . . . . . . . . .1. . .3. . . . . . .80 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .82 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Capitalização simples e desconto composto . . . .3. . . . . .2 Comercial . . . . . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . .5 Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Capitalização composta e desconto composto . . . .2 Efetiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. .3 Implícita . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . .83 5. . . .3. .60 4. . . . . . . . . . . . . . .3. . . . .75 5. . .5. . . . . . . . . . .1. . .6 Instantânea . . .90 5. . . . . . . . . . . . . . . .2 Entre os valores atuais simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Tipos de juro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Taxa de juros . . . . . . . .2 Equivalentes .4. . . .87 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Relações notáveis . . . . . . . . . . . . . . .1 Entre os descontos . . . . . .7 Pré e pós-fixada . . . . . . . . . . . . . . .77 5. . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . .90 5. . . . . . .1 Capitalização simples e desconto simples . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Relações entre taxas de juro e de desconto . .1 Nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . .66 Exercícios . . . . .1 Proporcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5.88 5. . . . . . . .4 Over . .67 5 Juro e Taxa de Juros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .75 5. . . . . . . . . . . .2 Método hamburguês . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .85 5. . . . . . . . . . . .82 5. . . . . . . . . . . . . . .3 Capitalização composta e desconto simples . . . .3. . .80 5. . . . . . . . . .9 Interna de retorno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . .146 X .1 Classificação . . . . . . . . . . . . .2 Mesmo prazo e distintos capitais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Montante com juros e correção monetária . . . . . . . . . . . .2 Equivalência nas capitalizações simples e composta . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .120 6. . . . .5 POFs e índices de preços . . . . . . . . . .119 6. . . . . . . . . . . .5. . . . . . . . . . . . . .125 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .133 7. . . . .8 Correção monetária do período . . . . .6 Relações entre juro e correção monetária . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Ibovespa . . . . . . . . . . . . . . . .128 6. .137 8 Rendas . . . .1 Mesmo capital e vários prazos . . . . . . . . . . . .121 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .95 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .129 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .124 6. . . . . . . . . . . . . . . . valor atual e montante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .129 7 Equivalência de Capitais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5. . . . . .135 Exercícios . . . . . . . . . . .5.7 Taxa média . . . . . . . . . . . .1 Fipe – POFs e IPC . . . . . . . . . . .1. .2 Dieese – POFs e ICV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Índice de preços . . . . .4 IGP/FGV . . . . . . .96 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Deflacionamento . . . . . . .7.145 8. . . .2 Uniforme ou variável . . . . . . . . . . . .145 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .117 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .94 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .95 5. . . . . . . . . . . . . . .145 8. . . .1 Certa ou aleatória . . .7. . . .3 INPC e IGP . . . . . . . . . .111 6. . . . . . . .116 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5.MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITORA THOMSON 5. . . . . . . . . .134 7. . . . . . . . . . . . . . . . .98 6 Correção Monetária . . . . . . . . . . . . . . . . . . .114 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .98 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Encadeamento de índices . . . .1 Capital. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . .179 Exercícios . . . . . . . . . . . . .205 10. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Quadro geral . . . . . . . . .182 10 Renda Variável . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . . . . . .7 Inteira ou fracionária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Renda com variação linear . . . . .3 Postecipada ou antecipada . . . . . . . . . . . . .151 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .GIUSEPPE MILONE SUMÁRIO 8. . . . . . . . . . . .2 Número de termos e taxa de juros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .175 9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Montante diferido . . .174 9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. .147 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .150 8. . . . . .3 Renda com variação geométrica . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . .1 Valor atual e montante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Valor atual e montante . . . .155 9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Renda certa uniforme antecipada imediata . . .1. . . . . . . . .155 9. . . . . . . . . . . . . .146 8. . . . . . . . . . . . . . . .147 8. . .1. . . .4 Imediata ou diferida . . . . . . . . . .2. . . . . . . . .147 8. . . . . . . . . . . . .1 Renda certa uniforme postecipada imediata . . . . . . . . . . . . . . .3 Variáveis de interesse no estudo de rendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . .202 10. .151 Exercícios . . . . .160 9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . .213 XI . . . . . . . . . . . . .1 Valor atual e montante . . . . . . . .167 9. . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . .147 8.209 10. . . . . . . . .201 10. .2 Fluxos de caixa . . . . . . . . . . . . . . . .146 8. . . . . . . . . . .4 Valor atual versus montante . . . . . . . .146 8. . .212 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . .153 9 Renda Uniforme . . . . . . . . . . . . . . .173 9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Renda diferida . . . . . . . . . . . . .4 Taxa de juros em operações com rendas variáveis .1. .2 Outras informações fornecidas pelo e pelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .166 9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. .1 Renda uniforme com adicional uniforme . . . .155 9. . . . .2 Resumo . . . . . . . . . . . . . . .5 Periódica ou aperiódica . . . . . . . . .6 Temporária ou perpétua . . . . .

. . .228 11. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .377 XII . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Outras análises . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .234 11. . . . .253 Exercícios .2 Sistema de amortização constante (SAC) . . . . . . . . . . . . . . .1 Compra à vista ou a prazo . . . . . . . . . . . .4 Sistema alemão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .301 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Sistema francês (Price) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .223 11. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .224 11. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Sistemas mistos . . . . . .1 Depreciação linear . . . . . . . . . . . . . .233 11. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Análise pela TIR e pelo VPL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .236 12 Análise de Investimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Amortização crescente (Sacre) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .263 Apêndice B – Respostas . . . . . . . . . . . . . .246 12. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .253 Apêndice A – Demonstrações .246 12. . . . . . .249 12. .3 Sistema americano . . . . . .225 11. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .231 11. . . .1 Sistemas lineares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .245 12. . . . . . . . . . . . . . . . . . .234 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITORA THOMSON 11 Sistemas de Amortização . . . . .226 11. . . . . . . . . .2 Análise pelo valor atual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

que é o tempo: nele se avaliam as equivalências ou não dos capitais em distintos instantes. a possibilidade de os capitais serem iguais ou distintos é tema dos Capítulos 9 e 10. 9 e 10 discutem as rendas. costumam enfatizar o manuseio correto de algumas funções pré-programadas de aplicativos e calculadoras eletrônicas.Prefácio Os cursos de matemática financeira. que é o desconto de títulos. Os conceitos estão no Capítulo 8. como também qualquer equipamento ou função pré-programada. caracterizado pela liquidação antecipada de uma operação. nem sempre é suficiente encarar tais funções como caixas pretas. Os Capítulos 2 e 3 discutem os princípios das capitalizações simples e composta. que nada mais são que distintos capitais dispostos em dada seqüência temporal. XIII . Apesar de útil. O Capítulo 7 aborda outro dos parâmetros fundamentais da financeira. com habilidades outras além do mero domínio de uma técnica. O conteúdo programático deste livro abrange o essencial de um curso de matemática financeira em um semestre. Isso porque pretendem – acertadamente – treinar os profissionais da área naquilo que realmente interessa a eles: a resolução rápida e correta de certos problemas do seu cotidiano. cujo conhecimento tende a aprimorar o homem que os usa. Afinal. é preciso que também se privilegiem os fundamentos matemáticos que sustentam a financeira. É claro que esse enfoque é insuficiente para atender às aspirações maiores de uma boa formação acadêmica. que são a inflação e a correção monetária. a prática demonstra que quem domina a matemática. quando voltados para o mercado. Os Capítulos 8. O Capítulo 4 trata de uma operação financeira bastante relevante. nada mais são que meras aplicações das funções lineares e exponenciais. domina não só a financeira. ferramenta ou prática mecânico-padronizada de abordagem de problemas. O Capítulo 6 debate um mal intrínseco ao capitalismo financeiro e o remédio que tenta administrá-lo. Como esses cursos costumam apresentar resultados bastante satisfatórios. que. apesar de esses aplicativos serem o melhor instrumento de que dispõem os profissionais para a solução de uma infinidade de problemas do seu dia-a-dia. O Capítulo 5 refere-se especificamente a um parâmetro básico da financeira e à variável a ele associada – o juro. para as quais vale o princípio da gratuidade. em que se espera produzir profissionais com qualidades superiores às de um simples artesão (a quem supostamente não interessam especulações teórico-científicas). têm sido levados para as universidades pelos seus criadores e adotados por professores de carreira. sem razão nem causa. de um ponto de vista estritamente matemático. O Capítulo 1 apresenta os conceitos gerais que serão desenvolvidos nos seguintes. para o qual algo é porque é.

Giuseppe Milone Agosto de 2005 XIV . os valores são em qualquer moeda. Também aproveita para dedicar a obra a seu pai. são. se assim se quiser (apesar de ter saltado de um extremo ao outro. destacadas em itálico. Em todo caso. da análise de investimentos. completamente dispensáveis. buscou-se ser o mais direto possível. da sua conveniência ou não (sempre sob a ótica financeira). o inspiraram ou toleraram seus devaneios. ele empregou diversas moedas (para que o aluno pensasse em termos de comércio mundial. o autor deliberadamente empregou a linguagem coloquial e ilustrou os enunciados lançando mão de autores e personagens de quadrinhos. nele não se anexa nenhuma tabela. Na sua elaboração tentou-se ser fortemente objetivo e minimamente criativo. que mostra como o autor é volúvel: em trabalho anterior sobre o mesmo tema. estas foram isoladas no Apêndice A – Demonstrações. e como todos os valores são determináveis pelas funções pré-programadas de tais dispositivos. valeu-se livremente de sua imaginação para criar nomes e situações por vezes muito estranhas. de desenho animado. ou em nenhuma. as quais. embora não referenciadas. Por fim. uma calculadora financeira como a HP12C. da literatura e da música. Evidentemente. Além das referências explícitas. de outro. a partir daí. o espírito foi preservado). Para evitar que a compreensão dos conceitos financeiros fosse massacrada pelo algebrismo das demonstrações. o autor agradece sinceramente a todos aqueles que de algum modo. como as réguas de cálculo da engenharia e as tábuas de logaritmos da matemática. Para tanto. leveza e até certo grau de humor. no mínimo. Como este livro pressupõe o emprego de. Outro detalhe. procurou-se dar aos enunciados credibilidade. que é a tendência de médio e longo prazo do planeta). o conteúdo matemático-financeiro das questões sempre pode ser abordado sem qualquer referência a essas extravagâncias. como homenagem póstuma e expressão de saudade. direto ou indireto. bem como trechos de suas obras (daqueles que mais de perto fazem parte da sua formação cultural. daqueles que ele considera seus ídolos e que entende nunca ser demais homenagear). neste. Nos 12 capítulos do livro estão inseridos 120 exemplos e mais de 740 exercícios. De um lado. tal estratégia vai agradar a uns e desagradar a outros.MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITORA THOMSON Os Capítulos 11 e 12 são de aplicação dos conceitos gerais da matemática financeira: um trata dos sistemas de amortização de empréstimos e financiamentos e o outro.

o ouro e a prata. a troca de mercadorias exige proximidade física e temporal entre os indivíduos e suas necessidades. São os meios de permuta e de troca de bens e serviços. majoram qualitativa e quantitativamente a produção de determinados bens. dificulta a realização de outros artigos. Até a adoção definitiva do papel-moeda. O excesso de alguns produtos e a falta de outros leva ao escambo. Ao longo da história. Mas o convívio grupal e o crescimento das populações progressivamente esgotam as áreas de mais fácil exploração. Estes. tornando os recursos naturais insuficientes para atender às necessidades de todos os indivíduos de certa região. vários produtos com tais propriedades prestam-se a tal fim. Estes. O aperfeiçoamento das técnicas de produção conduz à especialização das atividades individuais e locais. transmutando o escambo em comércio. o homem passa por diversos estágios. colhe diretamente da natureza os produtos de que necessita. Com elas. É evidente que. depois de criados e socialmente aceitos. 1 . para se dar. Claro que a inabilidade para algumas tarefas. a escassez induz o desenvolvimento de técnicas sofisticadas de dominação do meio ambiente. Com o decorrer do tempo.1 Conceitos Básicos Em termos de desenvolvimento econômico. Quando isso não é possível. transformam progressivamente os sistemas de troca. No princípio. são necessários bens intermediários perenes que interessem a diversos indivíduos em tempos diferentes. a indisponibilidade para realizálas ou o desconhecimento de sua possibilidade. os indivíduos forçam a natureza a produzir aquilo de que eles necessitam ou desejam. os mais comuns são o sal. apoiados em sua inventividade natural.

1. Por estarem atrelados ao tempo. as entradas e saídas de recursos. Um dos aspectos mais relevantes da disciplina é a análise de investimentos. tomador de recursos). Naturalmente é expresso em um padrão de troca e de comparação local de valores econômicos. Também designado principal. poupando nesse tempo parte de suas disponibilidades. para resolver essa situação ele tem de optar por uma das seguintes alternativas: I postergar a satisfação. 1. em que se busca a melhor entre várias alternativas possíveis tendo em conta os prováveis fluxos de caixa. a evolução do homem não pára por aí. mais específico e até muito distinto do que têm em outras. As operações financeiras decorrem do fato de nem todos os personagens adotarem a mesma alternativa. Nesse meio tempo.1 Capital Capital é a quantidade de moeda que uma pessoa (física ou jurídica) tem disponível e concorda em ceder temporariamente a outra sob dadas condições de retorno e de remuneração. é a quantia cedida por um investidor e a recebida por um tomador. I atender ao desejo de imediato. a tomada de empréstimos. de bens. Para evitar possíveis ambigüidades. dois ou mais capitais serão qualificados de equivalentes quando tiverem o mesmo valor relativamente a certa data de avaliação. quem adota a primeira alternativa é denominado poupador e quem opta pela segunda. com o compromisso da acumulação futura. do conflito humano relativo aos respectivos desejos e aos possíveis meios de atendê-los (do ponto de vista financeiro. a qual é designada data focal. 2 .1 Definições Nas várias áreas do conhecimento humano. a liquidação de dívidas e o financiamento de bens e serviços. define-se a seguir o entendimento de cada um dos termos financeiros fundamentais usados neste texto. 1. O fato de suas necessidades e desejos crescerem pari passu com sua capacidade de atendê-los simplesmente perpetua o problema: ele quase nunca tem recursos suficientes e disponíveis de imediato para satisfazer suas carências assim que se manifestem. Como a escassez é a tônica constante na sua busca de uma vida razoavelmente satisfatória e feliz. a matemática financeira estuda o valor do dinheiro no tempo sob as regras previamente pactuadas entre as partes e formalmente definidas nos contratos que regem a aplicação. serviços e mercadorias. investimento inicial e valor aplicado. isto é. é comum alguns termos terem significado mais restrito.MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITORA THOMSON No entanto.

1. Corresponde à soma do capital aplicado com o juro por ele produzido em determinada operação (empréstimo ou investimento). A renda pode ser certa ou aleatória. de investimento programado e de recomposição de dívidas.4 Montante Montante é o valor total da transação financeira.GIUSEPPE MILONE CAPÍTULO 1MMCONCEITOS BÁSICOS 1.1. é também denominado de valor futuro (a HP12C o designa future value e o indica pela sigla FV).2 Renda Renda é uma seqüência uniforme ou variável de pagamentos (recebimentos ou capitais) sucessivos vencíveis em intervalos regulares ou não. de poupança. periódica ou não-periódica. Por estar associado ao uso do dinheiro. Em outras palavras. é uma espécie de aluguel. os sistemas de amortização constante (SAC).1. planos de financiamento. uniforme ou variável. I há pessoas cujos recursos são insuficientes para custear seu consumo imediato ou liquidar seus débitos nos respectivos vencimentos.5 Juro Juro é a remuneração que um indivíduo paga a outro por lhe ceder temporariamente parte do capital de que dispõe. americano e alemão.1. aposentadorias. antecipada ou postecipada. entre os quais se incluem a amortização linear. As operações a juros justificam-se por dois motivos: há pessoas que conseguem poupar parte de seus ganhos.3 Amortização As rendas estão intimamente ligadas à amortização de dívidas. crescente (SACRE) e misto. destinados a amortizar uma dívida. I 3 . temporária ou perpétua. A HP12C a indica pela sigla PMT (payment). 1. formar um fundo de reserva ou constituir certo capital. os sistemas francês (ou Price). prestações do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e de consórcios. é a forma de o tomador recompensar o investidor pela renúncia a seu poder de compra imediato. ao seu abatimento mediante pagamentos periódicos sucessivos. 1. aluguéis. Por ser a quantia devida no futuro. inteira ou fracionária. São exemplos de rendas: salários. prêmios de seguros.1. isto é. imediata ou diferida. Os diversos modos possíveis de se proceder à liquidação progressiva de um débito geram os chamados sistemas de amortização. mensalidades escolares. por temporariamente se abster do uso imediato de certo valor e assim reduzir momentaneamente sua capacidade de consumo.

Fala-se em juro comercial quando o prazo é dado em termos comerciais (mês de 30 dias e ano de 360 dias) e em juro exato quando o número de dias dos meses corresponde aos do ano civil. diferentemente dele. o juro tem conotação distinta para o investidor e o tomador. o mês comercial tem 30 dias e o ano. a convenção comercial. O juro é adjetivado de comercial ou exato conforme o prazo da operação. Como um aluguel. o financiamento de operações interbancárias exigiu que se ampliasse o conceito. Por suas características. é o crédito ao consumidor). Outra é a possibilidade de o tomador estimular a produção de bens e gerar salários (um caso em que isso ocorre. 360 dias. para o tomador.MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITORA THOMSON Para equilibrar essa situação. Existe ainda a convenção dos banqueiros. ou parceladamente ao longo da operação (típica dos financiamentos a prestação). mediante parcela do lucro obtido mais uma compensação pelo risco incorrido e restauração do poder aquisitivo do valor cedido. que combina os prazos comerciais com os civis. E há também a questão de a cessão de um bem para uso. que se criasse o ano útil. o juro se assemelha a lucro. fato que o aproxima do capitalista. que. benefício ou vantagem temporária de outro que não seu proprietário normalmente exigir alguma paga ou indenização (nesse caso. bem como ao royalty devido pela exploração de uma patente). com o principal. é a remuneração (ou ganho financeiro) decorrente do uso que um terceiro faz de sua poupança. os comerciantes medievais criaram o mês e o ano comercial. por ser composto de 12 meses comerciais. Assim. muito embora se adote. o poupador cede ao tomador o capital que tem. financia atividade produtiva. o prazo de uma operação pode ser definido em termos exatos (mês e ano civis) e em termos comerciais (mês e ano comerciais). ao menos indiretamente. de forma temporária e mediante certa remuneração (juro). a referida remuneração costuma ser estabelecida por período de aplicação. Em virtude de necessitarem de regras simplificadoras dos cálculos. definido como um ano hipotético de 252 dias. Importa observar que isso maximiza o ganho nas operações por períodos correspondentes a frações da unidade de tempo expressa pela taxa de juros. No século XX. ao final da operação. Para o aplicador. Uma delas é a transferência de capital de um indivíduo para outro definir o poder aquisitivo de quem o detém (ter poder aquisitivo implica capacidade de consumo e de satisfação de desejos e necessidades). No juro bancário. aluguel e arrendamento de imóveis e máquinas. Segundo a convenção adotada. 4 . considera-se o prazo da operação em termos exatos. para a unidade de tempo. Há várias justificativas para o juro. pode ser paga ao final de cada período. é o custo do empréstimo (ou despesa financeira da operação).

05 a. E vice-versa. significa que cada cem unidades monetárias transacionadas custam cinco unidades monetárias por período. a mesma taxa.05 × 100 = 5%. 5% a. Em termos de notação. Ela pode se referir à unidade de tempo ou a todo o período da operação. Em síntese. em que o tempo é computado em termos do número de dias úteis entre o início e o fim da operação. Naturalmente. Nesses termos. da existência de projeto econômico potencialmente lucrativo. outros subjetivos (esses últimos. tem-se: porcentagem. das garantias que ele oferece quanto ao pagamento do juro pactuado e retorno do capital transacionado. isto é. A taxa de juros pode ser definida em termos porcentuais ou decimais. a diferença está na unidade de conta: no porcentual. as partes podem estabelecer as mais variadas formas de remuneração do capital transacionado. Em termos decimais. a retrair sua demanda por crédito. corresponde à relação entre o juro devido e o capital empregado. de decimal para . indica que cada unidade monetária transacionada custa cinco centavos por período.00. apontável por 0. E a referida lei da oferta e da procura torna alguns investimentos interessantes e outros não. o pagamento mínimo que torna determinada alternativa financeiramente atraente. A mais comum consiste em pactuar.p. Por ser um fato econômico negociável no mercado de bens e direitos.6 Taxa de juros Em princípio. no decimal.. de porcentagem para decimal. 1. uma nota de $ 1. é denominado taxa de atratividade. Por ser questão de mercado. uns objetivos. a taxa de juros conforma-se a todos os fatores 5 . ela depende do prazo. O ponto de corte. é uma nota de $ 100. Em termos monetários. converte-se a primeira na segunda dividindo a taxa por 100 e eliminando o sinal de porcentagem e a segunda na primeira multiplicando o valor por 100 e acrescentando o sinal de porcentagem. da expectativa de inflação no período. uma porção do capital emprestado. da (des)confiança que o tomador inspira. dá-se o nome de taxa de juros ao porcentual incidente sobre o capital cedido. difíceis de quantificar). do risco implícito na operação.00. a título de remuneração. o que distingue um modo do outro é o sinal gráfico que representa a porcentagem. A taxa de juros de uma operação é um parâmetro financeiro determinado pelo mercado e condicionado por múltiplos e distintos fatores.p. a posse de dinheiro sujeita-se à seguinte lei da oferta e da procura: a elevação da taxa de juros faz o detentor aumentar a oferta de moeda.1. Por exemplo. Do ponto de vista das partes diretamente envolvidas. faz-se:0.GIUSEPPE MILONE CAPÍTULO 1MMCONCEITOS BÁSICOS E há também o juro over. Em qualquer caso. e o tomador.

I Taxa prefixada é a que define o ganho global da operação. I As taxas de duas ou mais operações podem ser proporcionais ou equivalentes. entre os quais estão o humor governamental e sua propensão à definição do valor do dinheiro no tempo (os instrumentos de que dispõe para tanto são: fixação de normas creditícias e tributárias restritivas ou estimuladoras. emissão ou resgate de títulos públicos. impostos etc. programa habitacional etc. é dita taxa efetiva global. aplicada sobre o valor atual comercial. I Taxa real é a que desconsidera a correção monetária (computa exclusivamente o juro). deixando em aberto o adicional devido em razão da correção monetária que se vai constatar no período. I Taxa instantânea é a associada à capitalização contínua. pós-fixada. o ganho almejado e os diversos custos do agente financeiro. efetiva. é proporcional à taxa i2. Entre outras coisas. prefixada.). Por sua origem e característica.MATEMÁTICA FINANCEIRA EDITORA THOMSON que condicionam a atividade econômica. fiscalização de transações e de instituições financeiras de modo rígido ou brando etc. como taxa de abertura de crédito. costuma embutir a expectativa inflacionária. aparente. implícita. –. é freqüentemente encontrada nos financiamentos e aplicações interbancárias e também na negociação de títulos públicos e certificados de depósito interbancários (CDIs). Quando computa todos os custos do financiamento. I Taxa implícita é aquela que. investimento em atividade rural. I Taxa efetiva ou taxa bruta corresponde ao fator definidor da evolução do investimento e do juro devido. redução ou ampliação dos meios de pagamento disponíveis – mediante depósito compulsório. a poupança e a produção de bens e serviços em geral. Taxa nominal ou taxa líquida é a declarada nas operações correntes. I Taxa aparente é a que agrega juro com correção monetária. leva ao valor nominal. A taxa de juros de uma operação pode ser qualificada de nominal. I Taxa over é a referida a operações em que o tempo é contado em termos do número de dias úteis entre duas datas. nos folhetos publicitários etc. relativa ao prazo n2. considerando o prazo e o regime financeiro da operação. que independe da correção monetária que venha a ser observada no período. instantânea. over e interna de retorno. real. relativa ao prazo n1. 6 . A taxa i1. I Taxa pós-fixada é a que define o ganho real. I Taxa interna de retorno é a que equaliza determinado fluxo de capitais e mede o retorno efetivo de um investimento.. nos contratos de empréstimos e financiamentos.

em termos do número de dias. I taxa anual e prazo em dias (ou vice-versa): divide-se prazo ou taxa por 366. normalmente são diferentes).1 Condições de proporcionalidade entre taxas i1 × n2 = i2 × n1 A taxa i1. Se adotada a convenção da proporcionalidade das taxas.GIUSEPPE MILONE CAPÍTULO 1MMCONCEITOS BÁSICOS se verificadas as seguintes condições: Form. e vice-versa). pode vir expresso de forma direta ou indireta: a forma direta explicita objetivamente a duração da operação financeira.1. toda transação financeira deve necessariamente prever quando e por quanto tempo se dará a cessão do capital. esse ajuste se faz como segue: taxa mensal e prazo em dias (ou vice-versa): divide-se prazo ou taxa por 30. Assim. conforme o ano a que a taxa se refira seja bissexto. O “quanto”. para fins matemáticos. meses ou anos de sua vigência. I taxa anual e prazo em meses (ou vice-versa): divide-se prazo ou taxa por 12. isto é. taxa e prazo da operação devem estar expressos na mesma unidade de tempo. relativa ao prazo n1. I 1. Em qualquer caso. define-se o “quando” pelas datas de início e término do investimento (datas de transferência do capital do investidor para o tomador. Quando taxa e prazo não estão na mesma unidade. as taxas proporcionais e as equivalentes são iguais. isso significa que o capital C produz o mesmo juro (e o mesmo montante). Para fins legais. Conforme as condições do contrato e o regime financeiro adotado. do dado numérico aplicável nas fór7 . 365 ou 360. A indireta aponta apenas as datas de início e término. isto é. 1. o “quando”. se as operações produzirem o mesmo resultado financeiro. na composta. será equivalente à taxa i2.7 Tempo O juro total depende de dois fatores: da taxa pactuada e do prazo da operação. por sua vez. podem ser iguais ou diferentes (na capitalização simples. seja aplicado à taxa i1 pelo prazo n1 ou à taxa i2 pelo prazo n2. deve-se ajustá-los segundo alguma convenção. exato ou comercial. No dia-a-dia. se: J1 = J2 e M1 = M2 Em outras palavras. o “quando” é suficiente. as taxas nominais e as efetivas. a definição do “quanto”. bem como as proporcionais e as equivalentes. relativa ao prazo n2.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->